Você está na página 1de 7

Grécia Antiga (em grego: Ἑλλάς; Hellás) foi uma civilização pertencente a um período da

história grega que abrange desde o Período Homérico dos séculos XIV a IX a.C. até o fim
da antiguidade (c.476d.C.). Imediatamente após este período foi o início da Idade Média e
da era bizantina.

Período Pré-Socrático: fase naturalista.


Período Clássico ou Socrático: fase antropológica-metafísica.
Período Helenístico: fase ética e cética.

Os filósofos gregos pré-socráticos

Nesta fase da filosofia grega, os pensadores buscavam explicar a origem do universo, o


princípio de todas as coisas. Eles queriam entender a razão, a origem das mudanças da
natureza e a evolução do ser humano. Alguns abandonaram os mitos e religiões que
explicavam tudo na época, buscando teorias mais racionais.

Tales de Mileto (624 a.C.- 558 a.C.)

"Tudo é água"

Considerado o primeiro filósofo ocidental, Tales de Mileto nasceu onde hoje é a Turquia, e
na época era uma colônia grega. Em uma visita ao Egito, Tales teria aprendido regras de
geometria, e através da observação e da dedução, chegou a conclusões importantes para
época, como, por exemplo, a influência das condições de tempo nas colheitas de alimentos.

Atribui-se a ele a primeira previsão ocidental do eclipse total do sol, pois o filósofo também
se interessava por astronomia. Ele acreditava no monismo, teoria que tudo no universo
poderia ser reduzido, e era originado de uma matéria principal, no caso, a água.

Fundou a Escola de Tales, que se fixou como a primeira e mais importante escola de
conhecimento Grega.

Anaximandro (610 a.C. - 546 a.C.)

"De onde as coisas têm seu nascimento, ali também devem ir ao fundo, segundo a
necessidade; pois têm de pagar penitência e de ser julgadas por suas injustiças, conforme
a ordem do tempo."

Discípulo e assessor de Tales de Mileto, Anaximandro também nasceu em Mileto, colônia


grega na atual Turquia, e frequentou a Escola de Mileto, fundada pelo primeiro filósofo
ocidental para procurar uma razão natural para o mundo.

Estudando nos campos de conhecimento de astronomia, matemática, geografia e política,


Anaximandro acreditava que o nosso mundo era apenas um entre vários outros, que se
desenvolviam, evoluíam e destruíam, em um processo infinito e inevitável.

Para Anaximandro, tudo tinha início no que ele chamava de Apeiron, algo que não tem fim,
nem começo, e é a origem de todas as coisas. Nele continha toda a natureza. Ele também
acreditava que o sol agia sobre a água, criando seres que evoluíam para várias coisas que
conhecemos hoje, pensamento que se assemelha ao que hoje conhecemos como Teoria da
Evolução.

Pitágoras (582 a.C. - 497 a.C.)

"O universo é uma harmonia de contrários."

Nascido na ilha de Samos, no mar Egeu, Grécia, Pitágoras chegou a estudar na Escola de
Mileto também, mas seus conhecimentos matemáticos eram tão avançados, que o filósofo
ultrapassou o mestre e seguiu em viagens para adquirir novos saberes.

Conhecido por ser um matemático brilhante e também místico, Pitágoras afinou o seu
conhecimento matemático quando se fixou por mais de vinte anos no Egito, examinando os
cálculos africanos. A partir de então criou o famoso Teorema de Pitágoras.

O pensador via nas proporções geométricas explicações para tudo que acontecia na
natureza. Para ele, os números explicavam desde porque uma música é agradável aos
ouvidos (escalas tonais de música) a, por exemplo, o funcionamento dos seres vivos,
plantas, etc. Inclusive, ele e seus discípulos eram místicos e acreditavam que o ser humano
tinha ciclos, reencarnando esporadicamente para viver tudo de novo.

Heráclito (540 a.C. - 470 a.C.)

"Nada é permanente, exceto a mudança."

Nascido em uma família nobre em Éfeso, Heráclito é conhecido por afirmar que tudo estava
em constante estado de transformação. Suas ideias eram a gênese do que conhecemos
hoje por metafísica.

Ao contrário dos seus antecessores, o filósofo supostamente foi autodidata, aprendendo


sozinho sobre as questões de ciência, teologia e relações humanas. O movimento era para
ele o principal fundamento da natureza, a verdade então seria dialética, sempre com dois
opostos se relacionando.

O fogo é o elemento fundador da natureza para o filósofo, considerando que o tempo todo
se agita, se transforma e origina toda a natureza.

Parmênides (510 a.C. - 445 a.C.)

"O ser é e o não ser não é."

Parmênides nasceu na colônia grega de Eleia, no litoral sudoeste da atual Itália, na Magna
Grécia. Frequentou a escola que Pitágoras fundou na Itália e era de família rica e influente.

Ele concluiu que o mundo era uma ilusão, baseado em suas ideias do que era o ser. Não há
nada além do ser, pois tudo o que existe é, e tudo que o existe não é. A natureza para
Parmênides era imóvel, não se dividia, não se transformava e estava presente em tudo, ela
simplesmente "era". Se "tudo" era composto pelo ser, que não se alterava, mas claramente
o mundo que via com os seus olhos mudava, então esse "tudo" se tratava de uma mentira.

Suas ideias influenciaram o pensador Platão, que veio a ser um dos mais importantes da
filosofia grega.

Demócrito (460 a.C. - 370 a.C.)

"Nada existe além de átomos e do vazio."

Nascido em Abdera, Demócrito foi quem desenvolveu a teoria do pensador Leucipo sobre o
atomismo, que ainda fazia parte da missão dos pré-socráticos em definir a origem do
mundo. São conhecidos como os pais da física por descobrirem o átomo.

Sendo muito rico, Demócrito usava o seu dinheiro em expedições, principalmente para
países africanos como o Egito e a Etiópia, na época detentores dos conhecimentos mais
avançados do mundo. Ao voltar para a Grécia, em Atenas, não foi muito notado, sendo
apenas citado posteriormente por Aristóteles.

Era interessado por várias áreas de conhecimento e tinha uma visão materialista, onde tudo
era formado pelo átomo. Assim, para ele, quando o corpo humano perecia, a alma
permanecia, formada por átomos

Anaxímenes de Mileto
"Como nossa alma, que é ar, nos mantém unidos, assim um espírito e o ar mantêm unido
também o mundo inteiro; espírito e ar significam a mesma coisa."

Discípulo de Anaximandro nascido em Mileto, para Anaxímenes (588 a.C. - 524 a.C.), o
princípio de todas as coisas estava no elemento ar.

Xenófanes de Cólofon

"Enquanto eterno, o ente também é ilimitado, pois não possui começo a partir do qual
pudesse ser, nem fim, onde desapareça."

Nascido em Cólofon, Xenófanes (570 a.C. - 475 a.C.) foi um dos fundadores da Escola
Eleática, se opondo contra o misticismo na filosofia e o antropomorfismo.

Zenão de Eléia

"O que se move sempre está no mesmo lugar agora."

Discípulo de Parmênides, Zenão (490 a.C. - 430 a.C.) nasceu em Eléia. Foi grande
defensor das ideias de seu mestre filosofando, sobretudo, acerca dos conceitos de
“Dialética” e “Paradoxo”.

Correntes ou Escolas Pré-Socráticas


Segundo o foco e o local de desenvolvimento da filosofia, o período pré-socrático está
dividido em Escolas ou Correntes de pensamento, a saber:

Escola Jônica: desenvolvida na colônia grega Jônia, na Ásia Menor (atual Turquia), seus
principais representantes são: Tales de Mileto, Anaxímenes de Mileto, Anaximandro de
Mileto e Heráclito de Éfeso.

Escola Pitagórica: também chamada de "Escola Itálica", foi desenvolvida no sul da Itália, e
recebe esse nome visto que seu principal representante foi Pitágoras de Samos.

Escola Eleática: desenvolvida no sul da Itália, sendo seus principais representantes:


Xenófanes de Colofão, Parmênides de Eléia e Zenão de Eléia.
Escola Atomista: também chamada de “Atomismo”, foi desenvolvida na região da Trácia,
sendo seus principais representantes: Demócrito de Abdera e Leucipo de Abdera.

Os filósofos gregos socráticos

A filosofia pré-socrática tem seu fim com a mudança do pensamento que tinha como foco a
natureza. Com a intensificação da vida pública, as atenções dos filósofos passaram a se
relacionar com a vida pública e a atividade humana.

Esse novo período tem o filósofo Sócrates como marco da mudança e é chamado também
de período antropológico da filosofia.

Com a chegada de Sócrates no mundo da filosofia, os pensadores abandonaram a vertente


mais física, que buscava a entender os fenômenos naturais, e passou a trabalhar em
aspectos mais humanos. Ou seja: a compreensão do humano no mundo, questões
existenciais. "Quem somos, de onde viemos, para onde vamos, o que é a verdade?"

Sócrates (470 a.C.- 399 a.C.)

"Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses".

O homem que inaugurou uma nova fase da filosofia grega nasceu em Atenas, e nada se
sabe sobe sua infância. Chegou a tentar carreira política quando jovem, mas não teve
ideias bem aceitas. Serviu ao exército por um tempo, e depois de aposentado se dedicou à
carreira de educador.

A famosa frase "Só sei que nada sei" explica a essência do pensador, que ao ser apontado
como o homem mais sábio do mundo, dizia que o que o diferenciava de outros sábios, é
que tinha noção da sua ignorância. Um de seus métodos mais conhecidos de filosofar era
através de perguntas incansáveis que fazia ao seus discípulos, forçando uma aprendizagem
democrática e mais eficiente.

A filosofia de Sócrates, baseada no diálogo, era chamada de filosofia socrática. Era


marcada pela expressão “conhece-te a ti mesmo”, em virtude da busca da verdade através
do autoconhecimento.
Ademais, da filosofia do “diálogo” de Sócrates, destaca-se a “maiêutica”, que significa
literalmente “trazer a luz”. Esta faz relação com a iluminação da verdade que, para ele, está
contida no próprio ser.

Por sua forma de contestar a política da época, Sócrates acabou por ser condenado à
morte acusado de ser ateu e incitar ideias erradas aos jovens da época. O que conhecemos
da sua filosofia ficou conhecido apenas porque Platão, seu maior discípulo, escreveu sobre
seus pensamentos.

Platão (427 a.C. - 347 a.C.)

"De todos os animais selvagens, o homem jovem é o mais difícil de domar."

Platão nasceu em Atenas em uma família nobre e, por isso, estudou uma variedade de
matérias como leitura e escrita, música, pintura, e poesia. Sua família era de políticos
importantes e esperava-se que o menino seguisse a mesma carreira.

Depois da condenação e morte de Sócrates por corromper a juventude ateniense, incluindo


o próprio Platão, ele teve que sair da cidade e passou doze anos viajando, com passagens
pela Itália para aprender com os matemáticos discípulos de Pitágoras, e pelo Egito, para
aprender astronomia e geometria.

Ao voltar para Atenas, fundou a Academia Platônica, considerada a primeira universidade


ocidental. Seu pensamento mais famoso diz respeito ao mito da caverna, que explica a
ideia de que os nossos sentidos nos apresentam um mundo ilusório, irreal, e apenas
através da razão (do estudo, do pensamento filosófico, e da ciência), é que teríamos acesso
ao mundo real, fora da caverna.

Aristóteles (384 a.C. - 322 a.C.)

"O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete."

Nascido da Macedônia, filho de um médico, e com sólida formação em Ciências Naturais,


foi com dezessete anos que Aristóteles mudou-se para Atenas, para estudar na Academia
de Platão, logo tornando-se o principal discípulo do mestre.

Aristóteles acreditava que a experimentação era o caminho para o verdadeiro


conhecimento, o que divergia da ideia de razão de seu mestre. Quando Platão morreu,
Aristóteles voltou à Macedônia, e tornou-se mentor de Alexandre, O Grande.

Enquanto Alexandre invadia terras nos quatro cantos do mundo, incluindo a Grécia,
Aristóteles fundou sua própria escola, o liceu. Lá formulou diversas ideias sobre o universo,
os animais, a ética, a lógica e outros temas que por mais de mil anos serviram de base para
o pensamento científico ocidental.

Os filósofos da época helenista


Com a ascensão de "Alexandre, O Grande" na conquista de terras em várias partes do
mundo, deu-se o início a um novo grupo de filósofos, chamados helenistas. Helenistas é
como os gregos se autointitulavam, e a ideia do pensamento desse período era espalhar a
cultura grega pelo mundo.

O novo contexto social de globalização da cultura grega deu início a uma necessidade de
novas explicações e pensamentos para a nova ordem, novo mundo, formado de sociedades
que se misturavam e deveriam assimilar a cultura grega.

Epicuro (341 a.C - 271 a.C.)

"Tu, que não és senhor do teu amanhã, não adies o momento de gozar o prazer possível!
Consumimos nossa vida a esperar e morremos empenhados nessa espera do prazer."

Nascido na ilha de Samos, Epicuro teve Sócrates e Aristóteles como professores, mas
inaugurou uma nova forma de pensamento que condizia com o contexto social da época,
chamada Epicurismo.

Ele acreditava que o sentido da vida era satisfazer prazeres, mas só os que não eram
impostos pela sociedade, e sim os prazeres simples, como beber água quando se está com
sede. Isso seria a chave para uma vida feliz.

Como um bom materialista, ele acreditava também que, como tudo era feito de átomos, não
era preciso temer a morte, que era apenas uma fase de transição, de transformação natural
da vida.

Zenão de Cítio (333 a.C - 263 a.C.)


Outro nome importante da era helenista foi Zenão de Cítio, que nasceu na ilha de Chipre.
Era um comerciante que, atraído pelos ensinamentos de Sócrates, foi parar em Atenas.

Fundador da escola filosófica estoica, Zenão discordava de Epicuro e achava que o homem
tinha que desprezar qualquer tipo de prazer e problema. O importante do homem era
adquirir a sabedoria necessária para entender o cosmos. Tal pensamento se relaciona ao
contexto social em que vivia, onde o homem já não estava preso à pólis, à cidade grega, e
era apenas mais uma pessoa sem raízes, um corpo no mundo.

Pirro de Élida (360 a.C - 270 a.C.)

"a verdade absoluta não pode nunca ser a propriedade de uma só pessoa"

Pirro nasceu na cidade de Élis, ou Élida, e pouco se sabe sobre a sua infância. Na
juventude, acompanhou o explorador Alexandre em sua jornada pelo oriente, onde se
deparou com culturas e costumes muito diferentes, e percebeu que não conseguiria
determinar o que era certo e errado, justo ou injusto, bem ou mal.

A sua filosofia era: se você quer ser um sábio, não dá para ter certeza de nada. Viver feliz
era viver na suspensão do juízo, porque são inúmeras as possibilidades de verdade,
variando conforme o local, as pessoas, etc. A isso deu-se o nome de ceticismo. Pirro, então,
foi o primeiro filósofo cético da história.

Bibliografia
https://www.google.com/amp/s/www.todamateria.com.br/filosofos-pre-socraticos/amp/
https://www.ebiografia.com/grecia_antiga_principais_filosofos_gregos_teorias/
https://www.pensador.com/autor/platao/
https://textosparareflexao.blogspot.com/2015/11/pirro-e-o-ceticismo.html?m=1

Você também pode gostar