Você está na página 1de 3

AULA 01- REUMATOLOGIA: CONCEITOS BÁSICOS

DRA. Gabriella Stefenoni Krüger

-CONCEITO: Doenças reumáticas ‘‘conjunto de doenças que acometem o aparelho locomotor (ossos, articulações,
cartilagem, músculos, tecidos e ligamentos) ou outras partes do corpo, podendo ocorrer com pessoas de todas as
idades.’’ A reumatologia faz interface com todas as outras especialidades (Clínica Médica Plus).

1° século- “Rheuma’’: fazia parte da teoria dos humores que eram relacionados as doenças humanas na
medicina antiga quando estavam em desequilíbrios. Esse humor estava relacionado a alterações no
sistema nervoso central causando sintomas por todo corpo.

*Traduzindo esses sintomas para atualidade os pacientes apresentariam dor difusa em todo corpo, sono
ruim, labilidade emocional, não consegue escrever, dificuldades de concentração e ai o ortopedista fala
que é da reumatismo ou fibromialgia. Ai pode ter uma dç sistêmica com acometimento de cutâneo, SNC e
órgãos internos, onde é encontrado no exame laboratorial o Fator Antinúcleo (FAN), indica-se a presença
do Lúpus Eritematoso Sistêmico. Tem também paciente idoso que cai e quebra o fêmur, deve ser tratado a
osteoporose e prevenir essa situação, devido a síndrome de fragilidade do idoso.

1642- ‘Reumatismo’- Dr.Bailon- artrite, manifestações sistêmicas

1938- Comitê de controle reumático-EUA

-Num paciente com ombro doloroso esse sintoma pode ter sido desencadeado por fratura de úmero
proximal (quadro agudo), ruptura de fibras musculares do deltoide(exames ligamentares normais,
palpação de musculo deltoide dolorosa com edema e calor), bursite, degeneração das capsulas articulares
acrômio-clavicular, e outras alterações. É importante avaliar todas as estruturas que compõe a região onde
referente a lesão.

-Pode haver também a ocorrência de dor referida sendo importante avaliar a queixa do paciente, mostrar
local da lesão para identificar se está coerente com o que foi dito.

-Importante caracterizar a dor que o paciente está sentindo como: quando começou? qual é a
característica? local que se iniciou a dor? até onde a dor ocorre? fatores de melhora? fatores de piora?
usou analgésicos e se tomou houve melhora? Qual é o impacto desse sintoma nas atividades cotidianas do
paciente? (realizar bastante perguntas para caracterizar bem o quadro de dor).

-importante também analisar os sintomas juntos e separados, por exemplo, o paciente pode ter LES e uma
osteoartrite, sendo a dor devido a osteoartrose e não pelo LES.

-Perfil dos Pacientes:+ comum na reumato é o paciente idoso, com hipersifose, em uso de órtese, com
artrose no joelho e vivem em ambiente com grande risco de queda.

-Durante anamnese é importante questionar a real atividade ocupacional do paciente e


quais atividade eram atribuídas a esse cargo, por exemplo, se a paciente é doméstica é
importante questionar se ela faz faxina pesada ou não, para identificar qual é o impacto
causado pelo trabalho.

->Dç clássica é a mãos com nódulos reumatoides característico de artrite reumatóide-


possível de se caracterizar durante ectóscopia: mão em petrania, polegar em Z, atrofia
de mm interóssea, punho alargado similar a uma corcova de camelo.
-as doenças reumatológicas são normalmente crônicas
e evolutivas- imagem com paciente durante o seu
envelhecimento, portador de espondilite anquilosante
também chamado de espondiloartropatia axial.
Somente pela ectoscopia simples já é identificado
alteração na curvatura da coluna, e comumente a
queixa se inicia com lombalgia que leva a procurar um
pronto socorro. (lombalgia acomete 50% da população
e a maioria é de origem mecânica)

-LES normalmente da o rash cutâneo malar que ocorre devido a


reação de fotossensibilidade nas áreas mais fotoexpostas. Os fatores
ambientais podem influenciar no mecanismo das doenças.

-Entesite de calcâneo- identificada visualmente na ectoscopia e na palpação, diferenciada de uma


tendinite. Há presença de calor, rubor e edema local.

-Daetilite: também chamada de dedo em salsicha, diferenciando de artrite que é bem localizada.

-outras dç: uveíte, artrites e psoríase.

-Imunopatogenese do Lupus Eritematoso sistêmico:É importante entender pois se entende como acontece
o tratamento.

Assintomático: Predisposição genética (paciente tem parentes com LES ou/e artrite reumatoide?),
susceptibilidade (fatores externos podem influenciar na ocorrência ou não da doença-epigenética- como o
uso de hidralazina em alguns pacientes que desenvolvem rash malar e FAN+, que é revertido quando
cessado a medicação), hormônios, luz ultravioleta(excesso de fotoexposição), dieta, toxinas,
microorganimos(febre reumática) e vírus(Epstein-Barr), microbiota intestinal.

*importante sempre realizar o inventário patológico pois as dç reumatológicas estão bem próximas das dçs
infecciosas.

Auto anticorpos: gatilho(genético, ambiental, etc) + perda de tolerância -> perda do reconhecimento de
algo próprio daquilo que não é próprio do corpo. Nesse momento o sistema imunológico começa a
identificar as células do nosso próprio corpo como estranhas.

Sintomas: Momento em que ocorre a avaliação dos pacientes.

-Importante lembrar que é a Imunidade Inata, mais rápida do que a Imunidade Adaptativa.
-Através de um simples hemograma podemos identificar alterações de eosinófilos, mastócitos, VCM,
HCM,RDW, plaquetas ou leucócitos totais.

-Os padrões de respostas da Imunidade Adaptativa estão relacionados as doenças a serem desenvolvidas
como por exemplo, um padrão de resposta Th1, que interferem nos interferons,IL-12 e TNF- alfa, está
associado a artrite reumatoide e LES, sendo que as medicações usadas atuam nesses sítios específicos de
alteração. Já em um padrão de resposta Th17 possui muitos macrófagos e neutrófilos, mais presente na
espondilopatias, dç fungicas e bacterianas. Os padrões de respostas apresentados pelo corpo vão
manifestar determinadas as doenças manifestadas pelo corpo.

-A dor pode ser neuropática ou nociceptiva. A dor


neuropática pode ter origem no SNC ,como no
caso de um AVC, ou periférica, como num caso de
neuropatia diabética. Já a nociceptiva pode ter
origem visceral ou ósteo-musculo-
ligamentar(+comum).

- Importante pq cada tido de dor tem um tipo de tratamento e por isso é importante que a anamnese seja
bem feita com a caracterização correta da dor, diferenciando a presença ou não de cronicidade do quadro.

-BASE DO DX SINDRÔMICO-> Exame Físico Simples - inspeção, palpação, exames especiais (mão cobrado
na prática), movimentação ativa e passiva + Anamnese completa -> DX ETIOLÓGICO!

-Importante é que a genética não podemos modificar mas os fatores ambientais podem ser modificados
como prática de atividade física, alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis.

Você também pode gostar