Você está na página 1de 3

Os 170 anos da imprensa em Cabo Verde

2010-05-27 09:56:29
A história da imprensa em Cabo Verde começou em 1842, com a publicação do primeiro
Boletim Oficial do Governo Geral de Cabo Verde. O seu primeiro número saiu na ilha da Boa
Vista, onde funcionava a sede do Governo.

A chamada “parte não oficial”, que funcionava como um autêntico jornal - incluía noticiários
resumidos de diversas publicações nacionais e estrangeiras, e produções literárias de autores
cabo-verdianos ou residentes em Cabo Verde.

A história diz-nos que, 30 anos depois do suposto início, surgiu o primeiro jornal não oficial –
O Independente – na cidade da Praia (ilha de Santiago). Este jornal marca a entrada na 1ª
fase da actividade jornalística em Cabo Verde, que se estende até 1890, data em que foi
promulgado um Decreto que estabeleceu restrições à imprensa periódica.

Os jornais publicados na 1ª fase foram: O Independente, Correio de Cabo Verde, Echo de Cabo
Verde, A Imprensa, A Justiça, O Protesto, O Povo Praiense, O Praiense e Praia (quase todos de
carácter político e noticioso).

Durante a 2ª fase, iniciada em 1889, foram publicados 4 jornais na cidade do Mindelo (ilha de
S. Vicente): Revista de Cabo Verde (acolhida com muita simpatia pelos leitores), Liberdade
(que não chegou a gozar de grande simpatia), A Opinião (jornal recebido com grande
entusiasmo) e O Espectro (que pretendeu ser a sombra das vítimas da fome de 1903).

Ainda nesta 2ª fase, foi publicado na Praia um número único, especial, do Jornal Cabo Verde,
destinado a assinalar a passagem do príncipe real D. Luiz Filipe por Cabo Verde, em 1907.

Século XX

A 3ª fase tem início com a Proclamação da República em Portugal, em 1910, e termina com a
abolição da ditadura do Estado Novo, no dia 25 de Abril de 1974. Foi um período conturbado,
mas fecundo, durante o qual foram publicados cerca de vinte jornais, assim como folhas
manuscritas, da iniciativa de jovens estudantes do Seminário-Liceu de São Nicolau e do
Colégio Municipal de São Vicente.

Na ilha de São Nicolau, os alunos internos do Seminário publicaram O Recreio, um jornal


conservador. Já os alunos externos publicaram a Fénix Renascida, de cariz político, entre
1811 e 1913. Na Ilha de São Vicente, os finalistas do Colégio Municipal publicaram O
Mindelense.

A euforia provocada pela mudança de regime político era tal que, no ano de 1913, circulavam
simultaneamente A Voz de Cabo Verde (jornal anticlerical e defensor da liberdade de
imprensa), O Independente, O Futuro de Cabo Verde, O Progresso, A Tribuna e O Mindelense.
Outros jornais que se distinguiram nesta época foram: O Popular e Cabo Verde, (publicados
no Mindelo nos anos de 1914 e 1920, respectivamente); O Caboverdiano, A Acção, A Seiva, e
A Verdade (publicados na Praia, de 1918 a 1922); A Despesa, (publicado em 1913), O Manduco
(publicado no Fogo a partir de 1923), O Notícias de Cabo Verde (fundado em 1931), O Eco de
Cabo Verde e O Ressurgimento.

Em 1936, os consagrados escritores Baltazar Lopes da Silva e Jorge Barbosa iniciaram a


publicação da revista neo-realista Claridade, que marcou o movimento neo-realista em todo o
território português (à excepção do Brasil). No entanto, só a partir de 1950 é que a imprensa
cabo-verdiana começou a ganhar expressão, sempre ligada à literatura.

De 1940 a 1961, surgiram várias publicações em Cabo Verde, no seguimento dos movimentos
liberais africanos. Muitos jornais foram extintos devido, principalmente, a problemas
financeiros.

A 4ª fase corresponde ao período que se segue à queda da ditadura portuguesa e a


subsequente independência de Cabo Verde, conquistada a 5 de Julho de 1975. Com a
Independência, surge o jornal público Voz di Povo (extinto na década de 90, para ser
substituído pelo Novo Jornal de Cabo Verde e, mais tarde, Horizonte) e o Terra Nova, ligado à
Igreja Católica.

Nesta fase, distinguiram-se também as revistas Raízes e Ponto & Vírgula. Mais tarde,
apareceram outros jornais privados que ainda hoje se podem encontrar nas bancas, como por
exemplo A Semana e Expresso da Ilhas. O Estado assegura a agência de notícias Inforpress.

Televisão pública

A televisão pública surgiu em 1984. No início, funcionou como TVEC (Televisão Experimental
de Cabo Verde), depois passou a chamar-se TNCV (Televisão Nacional de Cabo Verde). Mais
tarde, com a fusão com a rádio, passou a haver uma única empresa de radio-televisão: a RTC
(Rádio e Televisão de Cabo Verde).

Actualmente continuam a funcionar como uma única empresa, mas distinguem-se como TCV
(Televisão de Cabo Verde) e RCV (Rádio de Cabo Verde).

Na área da televisão, o cenário foi alterado em 1997, com o aparecimento da RTP-África, que
veio juntar-se à CFI (actualmente, TV5Afrique), e nos últimos anos as estações privadas TIVER
e TV RECORD Cabo Verde receberam licenças para emissões em sinal aberto.

Assim, os cabo-verdianos, que só tinham acesso a 8 horas de emissão por dia, passaram a
dispor de 24 horas diárias de Televisão em Língua Portuguesa. Já em 2006, o Governo
disponibilizou um serviço de TV Cabo, que permite ter acesso a televisão, telefone e Internet.

Rádio

A rádio nacional teve uma evolução semelhante à da televisão. No início chamou-se RNCV
(Rádio Nacional de Cabo Verde). Com a fusão, passou a RTC, distinguindo-se actualmente
como RCV. Actualmente, há 8 emissoras de rádio: a RCV (estatal), uma Rádio Comercial
(projecto privado), a Rádio Comunitária Voz de Ponta d’Água (ligada a uma organização não-
governamental: a Citi-Habitat), a Praia-FM (feita, basicamente, em crioulo), a Crioula-FM
(ligada à Igreja Universal do Reino de Deus), a Rádio Nova (ligada à Igreja Católica),
Mosteiros-FM (projecto privado) e a Rádio Educativa (dedica-se ao ensino à distância, e é
propriedade do Ministério da Educação).

Internet
O panorama dos media em Cabo Verde conheceu uma nova dinâmica com o aparecimento de
rádios privadas. A maior diversidade de estações radiofónicas, a interactividade, a dinâmica e
o espírito jovem são factores que caracterizam essas rádios, que já conquistaram a maior
parte da audiência.

Ao mesmo tempo, a informação jornalística passou a ser maior e mais acessível, com as
versões on-line de jornais impressos (semanaonline, O Liberal, Expresso das Ilhas, a Nação, a
rádio Praia-FM e o portal SAPO Cabo Verde – este último com conteúdos produzidos
localmente e na diáspora).

Neste ambiente da Internet, e no sentido de informação a um nível mais abrangente


(institucional), Cabo Verde é um dos países dos PALOP que mais evoluiu. Actualmente, a
maior parte das instituições públicas e privadas dispõe de uma página on-line.

Fonte: Universidade Coimbra (Ana Elisa Varelas, Cláudio Vaz, Kaura Rodriguez, Suzana Marto

Você também pode gostar