Você está na página 1de 14

Universidade Estadual de Maringá

Jociane Karise Benedett

Estudo de Modelos de Abrigos Emergenciais para

Uso e Aplicação no Brasil

Maringá

Junho de 2010
Universidade Estadual de Maringá
Centro de Tecnologia
Departamento de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo

Jociane Karise Benedett

Estudo de Modelos de Abrigos Emergências para


Uso e Aplicação no Brasil

Projeto de pesquisa apresentado à disciplina de


Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo da
Universidade Estadual de Maringá como requisito
para a avaliação do segundo bimestre, sob orientação
de Aline Montagna da Silveira e Karin
Schwabe Meneguetti

Maringá

Junho de 2010
Sumário
1. Título ............................................................................................................................................... 5
2. Resumo............................................................................................................................................ 5
3. Introdução ....................................................................................................................................... 6
4. Objetivos ......................................................................................................................................... 8
4.1. Objetivos Específicos ............................................................................................................... 8
6. Problemática ................................................................................................................................... 9
7. Metodologia .................................................................................................................................. 10
8. Cronograma................................................................................................................................... 11
9. Orçamento .................................................................................................................................... 12
10. Referências Bibliográficas ......................................................................................................... 13
1. Título
Estudo de Modelos de Abrigos Emergências para Uso e Aplicação no Brasil

2. Resumo
O Brasil, antes considerado privilegiado por não sofrer grandes alterações ambientais,
hoje, devido às mudanças climáticas, vem sofrendo com o impacto causado pelos “desastres
naturais”, na maioria das vezes deslizamentos e inundações, que expõe os habitantes a
situações de risco e vulnerabilidade. Este trabalho propõe uma reflexão sobre as
conseqüências dos desastres naturais e o atendimento a população atingida por eles em
relação às condições de re-locação dos desabrigados aos abrigos temporários de caráter
emergencial. Esses locais são, geralmente, provisórios e precários e não se adéquam as
necessidades dos desabrigados. Em função disto se faz necessário o estudo de modelos que
melhor se enquadram nas características sociais, culturais e econômicas atendendo a
quesitos como qualidade, baixo custo, rapidez e facilidade de execução, transporte e
montagem (quando a estrutura for desmontável e portátil), conforto ambiental, flexibilidade
e aceitabilidade cultural da população a que se destinam.
3. Introdução
A ocorrência de desastres naturais, considerados resultado dos fenômenos
referentes a eventos hidrológicos, atmosféricos ou topológicos como tempestades,
enchentes, deslizamentos, secas, terremotos, tsunamis, erupções vulcânicas e etc.
tem efeito destrutivo superior a capacidade da sociedade de reagir a eles. Nas
ultimas décadas houve um incremento na freqüência e intensidade desses desastres,
porém os resultados trágicos evidenciados pós os eventos são resultados de
inúmeros fatores como a precariedade da estrutura socioeconômica, do crescimento
urbano desordenado e da vulnerabilidade geoespacial das comunidades afetadas.

Fig. 1 Moradores caminham pelos destroços da


enchente em Barreiros (PE)
O desalojamento de grande parte da

população devido a esses desastres torna-se


um grave problema sendo necessária a
busca de soluções para este cenário. Neste
contexto busca-se enquadrar alternativas
que melhor atendam a população não
somente visando o aspecto econômico e logístico, mas
Fonte:
http://www.abril.com.br/noticias/brasil/sobe-15-
também aspectos sociais e culturais
numero-mortos-enchentes-pernambuco-
572517.shtml
(Anders, 2007).

Os abrigos temporários são fundamentais


Fig. 2 Deslizamentos atingem o RJ

em situações de emergência e devem ser


pensados como elemento de proteção aos
agentes externos que põe em risco o usuário. As
diferentes tipologias de abrigos se deve a
eficiência delas em relação a necessidade dos
desabrigados, porém em resumo o abrigo deve
obedecer critérios como baixo custo, rápido

fornecimento, facilidade de construção, Fonte:


http://pcbjuizdefora.blogspot.com/2010/04/e
aceitabilidade cultural e adequação ao clima nchentes-no-rio-de-janeiro-que-nao-se.html
além de fácil acesso, boas condições de higiene,
boa ventilação, água potável, luz, gás e meios de comunicação. Os abrigos se
caracterizam em dois tipos principais os Abrigos adaptados, edificações já existentes,
como escolas, igrejas, e ginásios e os Abrigos transportáveis, que são previamente
construídos e armazenados.

Sendo os dois segmentos válidos a analise e estudo dos modelos já existentes


em relação a todos os aspectos acima citados fornecerá informações que aponte a
melhor solução para a realidade brasileira. Levando-se em consideração ainda que
estamos falando de uma região extensa com uma amplitude térmica notável além de
fenômenos variados em diferentes regiões deve-se ter em mente que o modelo
“ideal” deve ser flexível para atender a essa demanda.

Segundo a Defesa Civil (2009) os fenômenos naturais no Brasil apresentam-se


de acordo com as características climáticas formando assim um panorama dos
desastres no país:

Região Norte: Incêndios florestais e inundações


Região Nordeste: secas e inundações
Região Centro-Oeste: Incêndios florestais
Região Sudeste: Deslizamentos e Inundações
Região Sul: inundações, vendavais e granizo

Embora, no Brasil, não estejamos sujeitos à ocorrência de desastres de grande


repercussão, somos afetados cotidianamente por numerosos desastres, cujas
conseqüências, danos e perdas econômicas
Fig.3 Fortes chuvas e vendavais causam grandes
estragos em SP
causam muitas dificuldades a nossa
população. Visando auxiliar as autoridades a
dinamizar e melhorar o atendimento às
pessoas nessas situações de emergência se
dá essa pesquisa.

Fonte:
http://www.amparo.sp.gov.br/noticias/agencia/20
07/12_dezembro/211207_defesa_civil.htm
4. Objetivos
O estudo dos modelos dos abrigos temporários de caráter emergencial já
existentes objetiva a análise de qual seria mais adequado para uso e aplicação no
Brasil, tendo como base as características a que deve atender.

4.1. Objetivos Específicos


Estudar a solução mais adequada para um abrigo emergencial referente à realidade
social, cultural e econômica da população atingida pelos desastres no Brasil em
relação à re-locação a ambientes já construídos (estádios, escolas, edifícios públicos)
e a construção de estruturas em módulo portáteis dentre os já existentes.
Verificar o modelo que soma as características favoráveis para o desenvolvimento de
um abrigo modelo para aplicação no Brasil, de acordo com a análise evidenciando
aspectos técnicos como materiais, custo, qualidade, benefícios e conforto tendo em
vista a diferente amplitude térmica do país de uma região à outra

5. Justificativa

Em 2010 houve uma sucessão de catástrofes naturais e a impressão de que esse


volume foi atípico não é falsa segundo o geólogo Lima (CREA PR 2010), os efeitos
destrutivos desses desastres tem sido cada vez mais intensos provocando conseqüências
ainda mais graves, gerando um déficit maior de atendimentos básicos.

O abrigo emergencial se enquadra nesse ponto, uma necessidade básica em


situações em que os desastres desalojam a população de suas casas. Sua importância é
relevante na prevenção de prejuízos humanos, promovendo a segurança e proteção ao
desabrigados além de orientação e identidade às pessoas (SHULTZ, 2009) diante das
vulnerabilidades ambientais, econômicas e sociais.

Em função desses aspectos este projeto visa promover um estudo dos modelos
de abrigo s já existentes tanto de caráter adaptativo (edificações já existentes) quanto de
módulos portáteis (estruturas transportáveis) para uso e aplicação no Brasil, sempre
tendo em vista a grande região abrangida e a amplitude térmica envolvida.
A proposição de um “modelo ideal” ou apontamentos uteis no desenvolvimento
de soluções é objetivo da pesquisa. Com ela esperamos atender a demanda crescente de
informação sobre o tema, tanto para a esfera científica, pois se trata de um tema
geralmente relacionado ao estudo da arquitetura, quanto para a esfera pública, que com
base nesse tipo de informação poderá melhor atender a população que necessita do
abrigo não apenas tendo em mente a questão econômica, mas também o adequando as
características sociais e culturais de quem fará uso desses

6. Problemática
Segundo a proposta dessa pesquisa o objetivo maior é delimitar quais os
elementos seriam necessários para adequar os abrigos temporários de caráter
emergencial às características sociais, culturais, físicas e espaciais do Brasil, porém, a
diversidade dessas características devido ao recorte da pesquisa abranger todo país
destaca-se como a problemática a ser resolvida. A necessidade de definir um projeto que
obedeça aos critérios básicos de um abrigo como baixo custo, rápido fornecimento,
facilidade de construção e etc. e, além disso, flexibilidade para atender ao país inteiro
entre os já existentes nos trás a questão: existe o “modelo ideal “de abrigo emergencial
para o Brasil ou ele ainda terá de ser pensado e planejado de acordo com as premissas
dispostas na pesquisa?
7. Metodologia
O método de trabalho em que será desenvolvida essa pesquisa consiste:

Revisão Bibliográfica referente ao tema


Catalogação dos modelos de abrigos já existentes através de bibliografia
física e on-line
Separação dos modelos em internacionais e nacionais
Estudo de orçamento, materiais e especificidades dos modelos que mais
se adéqüem as características a serem atendidas
Análise comparativa entre o estudo técnico e os modelos
Definição a partir dessa análise do modelo mais adequado ao uso e
aplicação no país
Elaboração do texto base da pesquisa
Revisão e redação de artigos para divulgação pública da pesquisa
8. Cronograma
Ano de Inicio: 2010
Ano de Conclusão: 2011

Especificação/ Ano 2010 – 2011


Meses Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun
Revisão Bibliográfica
Catalogação de Modelos
Nacionais
Catalogação de Modelos
Internacionais
Estudo de Materiais e
Orçamento dos modelos
Existentes
Analise Comparativa
Definição e estudo do
Modelo mais adequado
entre os já existentes
Revisão e Redação do texto
Final
9. Orçamento
O custo despedido na pesquisa resume-se a aquisição de material bibliográfico físico
e on-line: livros, fotocópias, e impressões. Qualquer outro tipo de custo gerado pelo
trabalho será bancado pelo pesquisador.

Material Bibliográfico Custo


COMERIO, M.C. Disaster Hits Home: New Policy for Urban Housing Recovery US$ 50,00
R$90,00
FEDERAL EMERGENCY MANAGEMENT AGENCY, Home Builders Guide to Seismic US$ 29,50
Resistant Construction R$ 53,10
Comute (1 bônus= 5 p.) 1 bônus=R$2,20
Até 200 páginas R$ 88,00
Impressões
2 Cartuchos HP Deskjet F300 Series 60,00
5 Resmas de folhas (500) 52,50
Fotocópias
Até 1000 p. 120,00

CUSTO GERAL 463,60


10.Referências Bibliográficas
ANDERS, G. C. Abrigos Temporários de Caráter Emergencial. Dissertação de Mestrado.
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Universidade de São Paulo, 2007. 119p.

MOURA, J. D. DE M, BARNABÉ, M. F., SILVA, R. D. E ZWIEJKI, J. B. Seminário Internacional


sobre Habitação Econômica e Inovação Tecnológica; I Workshop Internacional sobre
Habitação Econômica – Habitação de Emergência Seminário Internacional de Habitação de
Emergência. Universidade Estadual de Londrina, 2005. 57-65p.

FERREIRA, T. G. Propostas Flexíveis de Habitação Social Contemporânea. Trabalho de


Graduação do Departamento de Arquitetura e Urbanismo – Universidade Estadual de
Maringá. Maringá, 2007.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2002

SCHULTZ, T. C. Habitação Emergencial para os Desabrigados de Blumenau- SC. Trabalho de


Graduação do Departamento de Arquitetura e Urbanismo – Universidade Estadual de
Maringá. Maringá, 2009

RIBEIRO, D. Engenharia Emergencial. Cidades Preparadas. Revista CREA PR, Paraná, nº 62,
março/abril 2010

SZABO, L.; GUERRA, A.; RUSSO, F. Iniciativa Solvin 2005: Arquitetura Sustentável. São Paulo:
Romano Guerra Editora, 2005. 40-45p.

CABRITA, A. R. A dimensão técnica da habitação popular urbana como fator de


desenvolvimento. In: ______. Mejor Hábitat y Ciudad para Todos. São Paulo: Editora
Mandarim, 2001

VIEIRA, A. L.; TOBIAS, C. S.; LUIZ, M. M.; GROSSI, M. S.; FREITAS, R. P. Abrigos Emergenciais.
Departamento de Arquitetura e Urbanismo - Universidade Federal de Santa Catarina.
Florianópolis, 2009.

BERNARDES, J. Gestão de Abrigo Emergencial deve ter Participação de Desabrigados.


Agência USP de Notícias. São Paulo: 4de junho de 2008. Disponível em:
<http://www.usp.br/agen/?p=6786>. Acesso em: 16 jun. 2010.
OLIVEIRA, C. R.; SILVA, Dr. Metodologia e Organização do Projeto de Pesquisa. Centro
Federal de Educação Tecnológica. Fortaleza, 2004.

ROCHA, E. M. Custos Humanos e Econômicos Gerados por Desastres Naturais Ocorridos no


Brasil nos Últimos 25 anos Associação dos Ex-alunos da Escola de Engenharia da
Universidade Federal de Minas Gerais – AEAEEUFMG. Instituto de Geohidrotecnologia.
Universidade Federal de Minas Gerais

CALHEIROS, L. B. Conferência Geral sobre Desastres. Ministério da Integração Nacional.


Secretaria Nacional de Defesa Civil. Brasília: MI., 2007