Você está na página 1de 3

Os Primórdios da Radiologia médica do Brasil

O ensino da Radiologia brasileira começou com o curso ministrado pelo professor Roberto
Duque Estrada, em 15 de julho de 1916, em 30 lições teórico- práticas, ilustradas com
material selecionado do arquivo do Gabinete de Radiologia da Santa Casa. Anos depois,
novas instalações enriqueciam o Gabinete de Radiologia da Faculdade de Medicina,
transformando-o em um dos grandes patrimônios da história da Radiologia carioca. A partir
dos anos 30 a Radiologia se estabiliza no Rio. Na área de ensino, o curso do professor
Duque Estrada já contava com a assistência de um jovem radiologista na época: Nicola
Caminha. Outras duas escolas de Radiologia já estavam aparecendo, com dois notáveis
mestres. Manoel de Abreu, na Faculdade de Ciências Médicas e José Guilherme Dias
Fernandes na Faculdade de Medicina do Instituto Hahnemaniano (atual Hospital Gaffrée
Guinle) e depois na Escola de Medicina e Cirurgia. A Escola de Medicina e Cirurgia foi
inaugurada em 1921, e em 1932 criou a primeira cátedra do país em Radiologia.

Antes do aparecimento das primeiras cátedras nas faculdades, o aprendizado da prática


radiológica só existia nos serviços de Radiologia das cadeiras de clinicas médicas
,principalmente as da Faculdade Nacional, espalhadas na Santa Casa da Misericórdia,
Hospital Moncôrvo Filho e Hospital São Francisco de Assis.

Na década de 40, Nicola Caminha já era conhecido pelo curso de especialização que
ministrava semanalmente em seu consultório. Paralelamente, Emilio Amorim montava o
seu primeiro consultório e já recebia diversos colegas para troca de idéias sobre laudos . Em
1948, inicia a residência médica em seu novo consultório, ensinando a jovens médicos de
diversos estados. O primeiro aluno foi o radiologista Dirceu Rodrigues, do Paraná. Nessa
época, os médicos clínicos criaram o hábito de freqüentar os consultórios de Emilio
Amorim e Nicola Caminha, para pedir opinião, esclarecer dúvidas e discutir casos.

No começo da década de 50 aparecem os institutos de pensões e aposentadorias, que teriam


um papel fundamental no treinamento dos jovens radiologistas. Os chefes dos serviços dos
hospitais desses institutos permaneceram em seus cargos por mais de 20 anos. No IAPI ,
indústria, o professor José Guilherme Dias Fernandes; no IAPC, comerciários, Amarino
Carvalho de Oliveira ;IAPETEC, transportes, Júlio Pires Magalháes ; IPASE, funcionários
públicos Nicola Caminha, e IAPB, bancários, Emilio Amorim.

No Hospital dos Servidores do Estado, Nicola Caminha inaugurou o primeiro programa de


residência médica do país em Radiologia. Outros hospitais também instalaram programas
pioneiros ,como o Hospital de Ipanema), Hospital do IAPETEC, (atual Hospital geral de
Bonsucesso)e o Hospital dos Bancários, hoje Hospital da Lagoa.

Armando Amoêdo lembrou que a partir dos anos 50, o ensino da Radiologia se dividia
entre os grupos do Dr. Amorim e Caminha. Eles participavam também de diversas
atividades cientificas na cidade e em todo o Brasil.

O curioso é que cada um dos colegas tinha uma determinada vocação para um assunto
específico, o que constituía na época um fato singular e incomum. Assim, o Dr. Rodolfo
Roca era especialista em pulmão, do mesmo modo que o Dr. Amarino. Ubirajara Martins
fazia a parte do tubo digestivo, o mesmo ocorrendo com Hermilo Guerreiro, Valdir de
Lucae Felício Jahara, que dedicavam-se a exames do crânio, enquanto Alberto Álvares e
José Raimundo Pimentel cuidavam do esqueleto.

O curso de especialização do professor Caminha se tornou o primeiro em pós-graduação


em Radiologia do país, com o reconhecimento oficial do Ministério da Educação. Em 60
passa a ser realizado pela PUC e entra em nova fase.

Nos anos 60 aparece no cenário da Radiologia brasileira a figura de Abércio Arantes


Pereira. Desde 1968, se consagrou como um dos principais radiologistas da área de ensino,
dirigindo o Instituto Estadual de Radiologia Manoel de Abreu. e depois o Serviço de
Radiologia do Hospital do Fundão.
Em 72 é criado o Departamento de Radiologia e logo depois o professor Lopes Pontes,
diretor da Faculdade de Medicina, nomeia Nicola Caminha como chefe. Abércio Arantes
Pereira ficou como responsável pelas disciplinas do Departamento de Radiodiagnóstico,
José Clemente Magalhães Pinto, pela Medicina Nuclear e Walter Azevedo, coordenador
das atividades didáticas. Após prestar concurso público, Nicola Caminha tornou-se o
primeiro professor titular do Departamento, em 1974. No ano seguinte, foram aprovados no
concurso para livre docência os professores Abércio Arantes Pereira, Fernando de Souza
Penna, Otacílio do Carmo Resende, Waldemar Kischinhevsky, Walte Azevedo, José
Clemente Magalhães Pinto e Lenine Fenelon Costa. A primeira tese de Mestrado em
Radiologia foi defendida por Hilton Augusto Koch, em 77, que assumiu a direção do
Departamento, em 1994. O departamento só iria se transferir para o Hospital do Fundão em
1978.

Em 1980, Camillo Abud substitui Nicola Caminha, devido a aposentadoria do mestre. No


ano seguinte Abércio Arantes Pereira foi eleito chefe do Departamento e logo depois se
tornou o segundo professor titular de Radiodiagnóstico. Em 87,José Clemente Magalhães
Pinto assume como o primeiro professor titular em Medicina Nuclear.

Primeira aula de Radiologia no Brasil

O Dr. José Gonçalves cedeu, por empréstimo, uma rara e preciosa obra, datada de 1904,
intitulada RADIOLOGIA CLÍNICA, de autoria do Professor João Américo Garcez Fróes,
Médico e Farmacêutico, Professor da Faculdade de Medicina e da Faculdade Livre de
Direito da Bahia. Esse pequeno livro retrata as lições proferidas pelo Professor, no ano de
1903, aos alunos da terceira série do curso da Faculdade de Medicina, lições, aliás, já
publicadas na Gazeta Médica da Bahia.

Como não se tem registro de outras aulas de Radiologia, proferidas naquela ou em outras
Faculdades, conclui-se que, se esta não for a primeira, certamente será uma delas.

Para que o leitor possa vivenciar melhor a época do Curso em pauta, decidimos publicar as
lições com a grafia portuguesa de então, o que ajudará os mais antigos a recordar seus
tempos de bancos escolares e, aos mais novos, entrar em contato com a língua pátria de
antanho e, lógico, com os limitados conhecimentos da especialidade, vez que o fato se deu
apenas sete anos depois da comunicação de Roentgen sobre sua descoberta. Certamente a
leitura será enfadonha, mas se trata de um fato histórico que não pode deixar de ser
registrado.

A origem da profissão de técnico de radiologia no Brasil.

O sonho dos Técnicos em Radiologia do Brasil tornou-se realidade, esta gloriosa iniciou-se
em 1975 quando o Deputado Federal Dr. Gomes do Amaral deu entrada na Câmara dos
Deputados Federais, após muitas lutas com ida e volta do Processo, foi aprovado pela
Câmara dos Deputados Federais, encaminhando para o Congresso Federal, onde iniciamos
o trabalho, pontificando-se a figura do Sr. Jair Pereira da Silva, presidente da Associação
dos Técnicos do Estado de Goiás, que politicamente conseguiu amizades com as mais
iminentes figuras da Política local e de Brasília, principalmente o Sr. Senador da República
Henrique Santílo e seus assessores diretos, custou a Jaír 5 anos de trabalho sem
esmorecimento com viagens à Brasília com prejuízos particulares,problemas com família
além de gastos acima de 22 milhões de cruzeiros sem ajuda da Associação do seu Estado
em algumas vezes, no mais os gastos foram sempre pessoais, os gastos foram com viagens,
estadias, alimentação, telefonemas, papéis, honorários Advocatícios, combustível, etc. No
ano de 1980 até a presente data foi à Brasília mais de 70 vezes num total de mais de 40 mil
kilômetros, além das viagens à São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Salvador e outras
cidades onde efetuou palestras sobre a Profissão e a luta contínua, já tendo indicado os
trabalhos das minutas do Projeto que regulamente à Lei 7.394, que foi sancionada pelo
Excelentíssimo Senhor Presidente da República Dr. José Sarney e pelo Excelentíssimo
Senhor Ministro do Trabalho Dr. Almir Pazzianoto dia 29 de outubro de 1985.
O Projeto foi entregue e protocolado no Ministério do Trabalho dia 28 de Novembro de
1985 pelos srs. Jaír Pereira da Silva e Aristides Negretti - Presidente da FATREB. O
trabalho de execução da minuta Jair com algumas ajudas do Departamento Jurídico
Trabalhista do PMDB Goiano e pelo colega Donato Durão de Brasília, o referido ante-
Projeto após estudado pelo M. do Trabalho vai para sanção do Presidente da República (vai
implantar o Conselho Federal e Regionais dos Técnicos em Radiologia do Brasil) formação
de Escolas de acordo com a Lei aprovada.
Após tanto trabalho e sacrifício e até vexames cruêntes, - só nos resta que a Família dos
Técnicos em Radiologia do Brasil lhe extenda as mãos na maior gratidão possível.
MUITO OBRIGADO Sr. JAIR PEREIRA DA SILVA .

Você também pode gostar