Você está na página 1de 4

jornal cana 171:_ 3/17/2008 2:49 AM Page 44

44 TECNOLOGIA INDUSTRIAL Março/2008

Fornecedores oferecem croalcooleiras? Seria a antiga, “expe-


um tipo de riente” e renovada moenda? Ou o
moderno e eficiente difusor? O dire-
equipamento extrator tor superintendente de açúcar e eta-
para cada necessidade nol da Dedini S/A Indústrias de Base
– com sede em Piracicaba, SP -, Sér-
gio Barreira, observa que a empresa
RENATO ANSELMI, DE CAMPINAS “sempre pautou por oferecer aos seus
FREE LANCE PARA O JORNALCANA clientes opções de processo e equipa-
mentos, em equivalentes condições
de qualidade, eficiência e custos, pos-

E
ntre a produção de moenda e sibilitando uma aplicação mais espe-
difusor para a extração do cífica e atendendo a demanda do
caldo de cana-de-açúcar, fabri- mercado.”
cantes e fornecedores de equipamen- Para buscar soluções que satisfa-
tos para plantas industriais de usinas çam seus clientes na área de tecnolo-
e destilarias estão adotando uma po- gia industrial, os fabricantes estão
sição que tem a finalidade de atender atentos também à questão da eficiên-
ao exigente e cada vez mais competi- cia energética – que é uma das maio-
tivo mercado sucroalcooleiro. Apesar res exigências do setor sucroalcoo-
de ser uma decisão difícil, algumas leiro que tem investido na cogeração.
empresas do ramo já encontraram, Neste caso, o engenheiro de apli-
porém, uma saída. cação da Sermatec (Grupo Zanini), de
Entre os dois equipamentos, resol- Sertãozinho, SP, Eber Tostes, destaca
veram sem vacilar: vão disponibilizar que o consumo total de energia do
aos seus clientes somente a tecnologia difusor é igual ao de um terno de
que é mais indicada – e desperta maior moenda.
interesse – para cada caso. Por isso, Na avaliação de Sérgio Barreira,
“gigantes” do mercado, como a Dedini da Dedini, observando-se somente o
e o Grupo Zanini, devido às demandas
do setor, decidiram – sem combinar – a
processo de extração, o difusor apre-
senta-se mesmo mais eficiente que as
MOENDA, EXPERIENTE E
mesma coisa. Não fizeram isto, sem
avaliar quais são as vantagens e des-
vantagens de cada equipamento.
moendas. “Numa análise mais am-
pliada, ou seja, olhando o processo
como um todo, a extração por meio
RENOVADA versus DIFUSOR,
Mas, afinal: qual é a tecnologia
para extração de caldo que detém a
da difusão é menos eficiente energe-
ticamente falando, em especial pela MODERNO E EFICIENTE
preferência de grandes fabricantes de menor concentração do caldo misto”,
equipamentos para as unidades su- opina.
jornal cana 171:_ 3/17/2008 2:49 AM Page 45

Março/2008 TECNOLOGIA INDUSTRIAL 45

Análise de variáveis ajuda fabricante a não ficar em cima do muro


Empresas encontram a flexibilidade, manutenção, entre outros. nece os dois tipos de equipamentos por- de energia, maior tempo de aproveita-
melhor alternativa e Por isso, a partir da avaliação de todas
essas variáveis, fabricantes de equipa-
que é reconhecido por atender diferen-
tes necessidades do mercado. Ele tem,
mento na safra. Ele cita, como outras
vantagens desse equipamento, a maior
resolvem o que vão mentos optaram pelo mesmo caminho. no entanto, uma posição clara e direta confiabilidade mecânica, a melhor uni-
disponibilizar para os Entre um e outro, decidiram fabricar e
disponibilizar, para os seus clientes, os
sobre o assunto: “A opção por uma
moenda ou por um difusor depende da
formidade da produção e a maior inde-
pendência em relação ao fornecedor,
seus clientes dois equipamentos. necessidade e da perspectiva de produ- pois o difusor não necessita de pós-
A posição intermediária nada tem a ção da usina.” venda. Eber Tostes afirma: “Se a uni-
Um comparativo entre o desempe- ver com a postura de quem ficou “em Segundo ele, a escolha sempre será dade estiver buscando tradição, manu-
nho de moenda e difusor, além da ques- cima do muro”, apesar de ser esta a im- o difusor se a usina estiver buscando tenção da cultura existente e dependên-
tão energética, deve levar em conta pressão inicial. Pelo contrário. O enge- extração mais eficiente, menor manu- cia vitalícia dos serviços oferecidos pelo
itens como eficiência de extração, in- nheiro de aplicação da Sermatec, Eber tenção – pois dispensa sucessivas des- fornecedor do equipamento, ele deve
vestimento inicial, custo operacional, Tostes, explica que o Grupo Zanini for- montagens -, além de maior exportação manter-se fiel à moenda”. (RA)

Grupo Zanini tem opções para


adeptos dos dois equipamentos
O Grupo Zanini tem opções para os primeira moenda de dois rolos fabricada
adeptos dos dois tipos de equipamentos no Brasil. “Diferente das demais, esta
de extração de caldo. Dos últimos lan- novidade é mais leve e competitiva,
çamentos, a Sermatec apresentou ao consumindo até 30% menos energia.
mercado, no final do ano passado, o di- Além disso, envolve menos equipamen-
fusor Zanini modelo NFZ/2007, que in- tos e peças, não tem flutuação e cabe-
clui avanços no poder de extração da çote hidráulico, não possui o rolo de
sacarose, proporcionando maior apro- saída e não necessita de bagaceira, di-
veitamento do caldo de cana, de acordo minuindo a probabilidade de falhas e
com Eber Tostes. É fabricado em sete ca- permitindo uma menor potência insta-
pacidades diferentes, desenvolvidos lada no acionamento”, explica. Devido a
para volumes de produção específicos. um sistema de controle e de não reab-
A outra empresa do Grupo, a Renk sorção de caldo, produz um bagaço me-
Zanini, lançou na última Fenasucro, a nos úmido. (RA)
jornal cana 171:_ 3/17/2008 2:49 AM Page 46

46 TECNOLOGIA INDUSTRIAL Março/2008

Flexibilidade e eficiência da extração são parâmetros importantes


Eficiência da extração e flexibili- indicadores servem inclusive para “es-
dade operacional. Estes são dois aspec- quentar” a discussão sobre a flexibili-
tos considerados fundamentais para a dade operacional, principalmente le-
análise da performance de moendas e vando-se em conta o início de funcio-
difusores. No quesito eficiência, existe namento de uma unidade.
praticamente um consenso entre profis- “A usina até pode começar a operar
sionais da área. “O difusor apresenta com uma moenda de 4 ternos. É mais
vantagem econômica na extração, pois barato se for considerado o aspecto de
enquanto a sua eficiência é de 98%, a investimento inicial. Mas, este equipa-
da moenda é de 96%”, compara Eber mento vai obter uma eficiência de ape-
Tostes, da Sermatec. nas 93%, uma diferença de 5% em rela-
Segundo Sérgio Barreira, da De- ção ao difusor (que mantém sempre o
dini, o difusor modular Dedini Bosch – mesmo desempenho), o que equivale a
fornecido pela empresa – tem demons- uma perda de 4,5 milhões de dólares em
trado uma eficiência maior do que as açúcar, para uma usina com capacidade
moendas. “Isto se dá em função da de moagem de 2 milhões de toneladas
maior taxa de embebição – 300% con- de cana. Se no segundo ano, passar a
tra 250% nas moendas -, bem como, operar com 5 ternos, vai conseguir
pelo processo contínuo de lixiviação a 95%. Somente, no terceiro ano, com
temperaturas mais elevadas. A moenda seis ternos poderá alcançar 96,5%, que
desaguadora e a moenda secadora ga- é menor do que os 98% do difusor”,
rantem a adequada secagem do bagaço exemplifica.
e a remoção das últimas porcentagens Para o diretor superintendente de
de açúcar no megaço”, afirma. açúcar e etanol da Dedini, Sérgio Bar-
O gerente de engenharia da Uni- reira, dependendo da capacidade ini-
Systems – também localizada em Ser- cial, intermediária e final de extração, o
tãozinho -, Arnaldo Bastos Neto – um sistema adotado de acionamento das
dos maiores defensores do uso de difu- moendas e o nível de automação, as op-
sor, no País, em usinas e destilarias – ções difusor e moenda se alternam em
lembra que a moenda pode até chegar relação à qual delas se mostra mais
96,5% de eficiência, mas deve estar, econômica como investimento inicial.
para isto, funcionando com seis ternos. “É preciso considerar também a opção
“O difusor sempre terá a mesma eficiên- de expansibilidade trazida pelo difusor
cia, operando com 40% a 140% da sua modular Dedini Bosch e por sua auto-
capacidade da extração”, afirma. Esses mação dedicada”, ressalta. (RA) Arnaldo Bastos Neto, defensor do difusor
jornal cana 171:_ 3/17/2008 2:49 AM Page 47

Março/2008 TECNOLOGIA INDUSTRIAL 47

Quanto pesam moenda e difusor no orçamento de usinas?


E o bolso, o que é que diz? De ma-
neira geral, considerando os custos de im-
plantação e operacional, o que é mais
vantajoso: investir em moenda ou difu-
sor? Com as evoluções ocorridas no difu-
sor, Arnaldo Bastos, da Uni-Systems, cal-
cula que o preço deste equipamento já
está se aproximando, em média, de um
valor 15% menor do que o da moenda.
“Houve uma redução em quase a metade
do número de correntes. O eixo do equi-
pamento, que era uma peça só, de mate-
rial fundido, pesando entre 70 a 100 tone-
ladas, é fabricado agora com chapas. Pode
ser subdividido. É mais leve, mais fácil de
transportar e apresenta um custo mais
baixo”, afirma.
Segundo Arnaldo Bastos, o custo de
manutenção de um difusor equivale a
20% do valor total de uma moenda com
seis ternos, que possui várias peças e com-
ponentes intermediários. Na opinião de
Sérgio Barreira, da Dedini, é muito rela-
tivo definir que o custo de manutenção do gastos com insumos, bactericidas, lavagem,
difusor é menor que as moendas. “Temos entre outros itens, além do menor consumo Bagaço e qualidade difusor apresenta melhor qualidade
que considerar os seguintes pontos: o di- de energia. “O difusor utiliza vapor de baixa quando comparado com o das moen-
fusor tem 2 ternos de moendas; o número pressão, deixando o de alta pressão para a do caldo também das, decorrente de sua contínua fil-
de ternos – 4, 5 ou até 7 – utilizado no cogeração de energia”, diz o gerente de en- tração por meio do leito de megaço.
processo de extração por moendas; o sis- genharia da Uni-Systems, que desenvolve são avaliados Entretanto, o bagaço proveniente do
tema adotado para o acionamento das projetos de difusor e tem a Brumazi, como difusor, possui um maior teor de im-
moendas; a idade média do tandem de parceira na fabricação. A Brumazi, de Ser- A qualidade do caldo é outro pa- purezas, sem apresentar, contudo,
moendas e a capacidade de processa- tãozinho, também produz moendas, que râmetro, que entra na análise de de- problemas durante sua queima nas
mento do tandem de moendas”, pondera. são caracterizadas por operações de manu- sempenho entre os dois equipamentos caldeiras”, avalia Sérgio Barreira, da
Em relação ao custo operacional, Ar- tenção ágeis e simples, o que evita longas de extração. “O caldo proveniente do Dedini. (RA)
naldo Bastos observa que o difusor não tem paradas não programadas. (RA)