Você está na página 1de 8

CENA
 SEQUENCIA
 DESCRIÇÃO
DE
CENA


INT
–
CASA
DE
CONSTÂNCIA
–
DIA

TRAVELING
–
A
câmera
em
PG
entrando
na
sala.
A

câmera
fecha
em
PD
nos
objetos
da
casa.
Ainda
em
PD,

a
câmera
sobe
as
escadas
mostrando
os
quadros
na

parede.
Em
PM
a
câmera
entra
no
quarto
de

Constancia
e
pára
em
PG
de
Constancia
acordando
na

1
 cama
a
o
lado
do
retrato.
Constancia
olha
o
retrato
e
se

levanta.
(DURATE
O
TRAV.
OFF
DA
MÉDICA)


MÉDICA
–
Dona
Constancia,
não
existe
remédio
que

solucione
o
seu
problema
se
continuar
vivendo
dessa

forma.
A
senhora
precisa
sair
um
pouco
de
casa...


1
 2
 Fusão
para
PG
de
Constancia
passando
café.


PG
de
Constancia
deixando
o
café
com
biscoitos
na

mesinha
onde
está
o
retrato
do
Onofre.
PAN
(de
PD
à

PM)
de
Constancia
sentando
na
poltrona
ao
lado
do

retrato.


3


MÉDICA
‐
, se
distrair,
conversar,
conhecer
pessoas,

trocar
experiências...


PM
de
Constancia
sentada
no
sofá
fazendo
tricô,

enquanto
o
gato
sobe
na
mesinha
aonde
está
o
retrato

4

e
come
o
biscoito.
PD
do
retrato.


INT
–
CONSULTÓRIO
MÉDICO
–
DIA

TRAVELING
em
PG
para
PC
–
Câmera
entra
no

consultório..
A
medica
está
sentada
de
frente
e

Constancia
e
Ana
Lúcia
de
costas
para
a
câmera.

2
 5
 

MÉDICA
–
Existe
um
grupo
de
convivência
pra

idosos
perto
da
sua
casa,
Dona

Constância.


PC
–
Câmera
atrás
da
medica
com
Constancia
e
Ana

Lúcia
de
frente.


6
 MÉDICA
‐
Vários
dos
meus
pacientes

participam,
fazem
uma
horta
comunitária,

convivem
com
outros
idosos
e
participam

de
festividades


 PD das mãos de Ana Lúcia segurando as mãos de
Constancia.
7

MÉDICA – Que tal, ah?

PM de Constancia com cara de desgosto.

8
 MÉDICA - Não paga nada


e vai ser ótimo pra senhora, eu tenho
certeza.

PC da medica de frente e as pacientes de costas.


A medica sorri solidária e entrega o papel com o
endereço do lugar.
9
 MÉDICA - E nada de remédios por hoje,
Dona Constância, fisicamente a senhora
está ótima, só precisa seguir estes
conselhos e tudo vai ficar bem.

INT
–
CASA
DE
CONSTANCIA/
SALA
–
DIA


PG
–
câmera
dentro
da
casa,
enquanto
Ana
Lúcia
abre

a
porta
e
dá
a
passagem
para
Constancia
entrar
em

casa.


CONSTANCIA
‐
(Ranzinza)
Mas o que custava dar só mais um
remédio? O padre deve estar pagando
10

para ela Ana Lúcia, só pode!

ANA
LÚCIA
‐
(Insistente)
Não fale assim vó, eu já falei que ela
3
 tem razão, vai te fazer bem participar
desse grupo. O que custa tentar? A
senhora vai sim, amanhã eu passo pra
te pegar. Esteja pronta.

PM
–
de
Ana
Lúcia
beijando
a
testa
de
Constancia.



11

ANA
LÚCIA
–
Se
cuida,
qualquer
coisa
me
ligue.


PAN
de
PG
para
PM
–
de
Constancia
caminhando
até
a

poltrona
onde
está
o
retrato
de
Onofre,
e
acaricia
o

12

retrato.

CONTANCIA
‐
 Tem cabimento Onofre? Os médicos

 12
 PAN
de
PG
para
PM
–
de
Constancia
caminhando
até
a

poltrona
onde
está
o
retrato
de
Onofre,
e
acaricia
o

retrato.


CONTANCIA
‐
 Tem cabimento Onofre? Os médicos


de hoje se metem demais na vida da
gente. Antigamente eles davam um
remédio e nos deixavam em paz.

INT
–
GRUPO
DE
CONVIVÊNCIA
–
DIA


TRAVELING

em
PM
das
senhoras
tricotando
e

fazendo
crochê.
A
câmera
passa
pela
mesa
dos

jogadores
de
dominó
e
outros
de
dama,
e
pára
em

13
 Constancia
segurando
um
novelo
de
lã
nas
mãos

enquanto
sorri
timidamente
observando
a
todos.


Voz
de
Sansão
em
off
–
Dona
Constancia?



4
 PC
de
Constancia
se
virando
para
Sansão.

SANSÃO
–
Esse
ramo
de
temperos
é
um
presente
de

14
 boas
vindas
que
eu
mesmo
colhi
da
nossa
horta.

CONTANCIA
–
Que
belo
buquê
cavalheiro,
eu
...
eu

agradeço.


PG
dos
idosos
rindo
entre
si,
enquanto
Constancia
ao

fundo
permanece
na
mesma
posição
olhando

15

fixamente
e
apaixonada
para
Sansão.
Ele
retira
e

recoloca
o
chapéu
e
sai
de
cena.


INT
–
CASA
DE
CONSTANCIA
/
SALA
–
DIA


PAN
de
Constancia
entrando
em
casa,
com
o
ramalhete

de
tempero
nas
mãos.
Ela
vai
até
a
TV
e
desliga.
A
PAN

segue
de
Constancia
indo
da
TV
para
sentar‐se
na

poltrona,
ao
lado
do
retrato
de
Onofre.
A
PAN
termina

em
PM
de
Constancia

sentada
ao
lado
do
retrato.

5
 16
 

CONSTANCIA
‐
 Está vendo esse buquê Onofre?
Ganhei de um admirador, um distinto cavalheiro
chamado Sansão. Ele está apaixonado
Onofre. E nada mais comum do que um
homem quando está A P A I X O N A D O
presentear sua dama, não é?

PP
–
de
Constancia
cheirando
o
ramalhete
de

17
 temperos.
PD
do
retrato.



 PC
de
Constancia
sentada
ao
lado
do
retrato.

CONSTANCIA
‐
 Sabe qual foi a última vez que eu
ganhei um buquê Onofre? Você quem
me deu, no meu baile de debutantes
em 39. Depois veio o casório, os filhos,
os netos... Foram 60 aniversários de
18

casamento, 60 dias dos namorados, 60
anos se passaram e nunca mais eu
ganhei um maldito de um buquê
Onofre!

Constancia
levanta‐se.


PG
de
Constancia
indo
até
a
radiola
e
lingando‐a
.
Ela

vai
até
o
baú
e
retira
uma
lã
púrpura
de
dentro.
Volta

para
o
sofá.


CONSTANCIA
‐
 Vou fazer um cachecol... Com uma


19
 cor que combine com os olhos do meu
amado Sansão, um belo cachecol
como os tantos que eu te fiz e você
nunca usou Onofre!


PA
–
Constancia
sentada
no
sofá
iniciando
a
confecção

do
cachecol.
Em
segundo
plano
está
o
retrato.


CONSTANCIA
‐
 Um cachecol
20
 púrpura! E amanhã ao receber meu
presente selaremos o nosso amor, um
cachecol púrpura Onofre... Púrpura!

INT
–
BAILE
DA
TERCEIRA
IDADE
–
DIA


PG

do
ambiente.
Constancia
entra,
com
um
pacote
de

6
 21
 presente
nas
mãos.
Procura
por
Sansão.
Ela
dirige‐se

até
ele,
que
está
de
costas.




 PM
de
Constancia
atrás
de
Sansão.

CONTANCIA
–
Sansão?


22
 Sansão
vira‐se
e
diz

SANSÃO
–
Olá
Constancia,
como
vai?

CONSTANCIA
–
Eu...
Eu
trouxe...


PG
–
Sansão
vira‐se
enquanto
vira
a
cadeira
de
rodas

da
esposa.

23
 SANSÃO
‐
 Deixe que eu lhe apresente a minha
esposa Clotilde. Clotilde, essa é
Constância. Ela é nova no grupo.


PP
de
Constancia
com
cara
de
espanto,
olhos

marejados
e
sem
graça.

24

CONSTANCIA
–
Olá...
Muito
prazer.


7
 25
 Passagem
de
tempo.
A
lua
desaparece
e
o
sol
nasce.

EXT
–
RUA
–
DIA

26
 PAN
–
do
carro
de
Ana
Lúcia
passando
em
frente
a
um

lugar
com
uma
faixa
informando
o
bingo.

8

PA
–
de
Ana
Lúcia
dentro
do
carro
olhando
para
Fora.

27
 


INT
–
CASA
DE
CONTANCIA
/
SALA
–
DIA
(fim
de

tarde)


PG
de
Ana
Lúcia
entrando
na
casa
de
Constancia.


ANA
LÚCIA
‐
 Oi mãe, demorei? Tava com muito
9
 28
 trabalho e o trânsito está horrível.Como você está?
A tia Olga disse que vem comigo sábado...

Ana
Lúcia
pára
com
cara
de
espanto
e
chocada.



 

PM
–
de
Constancia
sentada
no
sofá
ao
lado
do
retrato,

que
está
envolto
pelo
cachecol
púrpura,
e
no
braço
da

poltrona
tem
um
prato
com
bolinhos
de
chuva

Açucarados.
PD
do
retrato.

29
 

CONSTANCIA
‐
 Não tem problema Ana Lúcia, sente-
se aqui perto do seu pai, vamos! Eu fiz
bolinhos de chuva.

PC
(câmera
levemente
inclinada
para
cima)–

Constancia
está
sentado
no
sofá
e
Ana
Lúcia
em
pé

próxima
da
mãe.
Ana
Lúcia
mexe
nos
cabelos

pensativa.


30
 ANA
LÚCIA
‐
 Sabe o que é mãe? Na verdade hoje


eu só vim te buscar para ir comigo no
bingo da paróquia. O que acha? Todas
as pessoas na sua idade adoram bingo
e eu estou louca pra ir também. Já tá
pronta?


PP – de Constancia olha para Ana Lúcia com cara


31
 de desânimo e enruga a testa.

INT
–
BINGO
–
NOITE


PG
–
de
Constancia
entrando
no
bingo
com
Ana
Lúcia.

10
 32
 A
câmera
está
de
frente
para
a
mesa
onde
elas
vão
se

sentar.
As
duas
vêm
se
aproximando
da
mesa
e

sentam‐se.



PC
de
Constancia
e
Ana
Lúcia
sentadas
à
mesa.
Ana

Lúcia
espalha
um
punhado
de
feijão
pela
mesa
e

entrega
uma
das
cartelas
para
a
sua
mãe.


33
 ANA
LÚCIA
‐
(Tentando mostrar-se animada)
Tá se divertindo heim mãe? Tivemos
sorte, ainda conseguimos chegar a
tempo de pegar o prêmio surpresa da
noite, viu!? Não é ótimo?


 PG
das
duas
sentadas
na
mesa,
ao
fundo
está
o

cantador
do
bingo.
Ana
Lúcia
coloca
a
mão
no
queixo
e

sorri
de
canto
para
Constancia.


CANTADOR
‐
 Agora sim vai correr o incrível prêmio


surpresa, fornecido pelos idosos do
grupo de convivência aqui da paróquia.
Obrigada! E Vamos lá!? Número 26,
34
 dois e seis, 26. Número 6, meia duzia.
Número 11, um mais um, igual a onze.
Alguém pela boa? Alguém? Número
39, três e nove. Agora o número 60,
seis e zero, a minha idade, deve ser
meu número da sorte.

Constancia
cutuca
a
filha
mostrando
sua
cartela.


PD
–
da
cartela
com
os
feijões
dispostos
na
horizontal,

35
 formando
uma
linha.


PC
–
de
Ana
Lúcia
e
Constancia.


36
 ANA
LÚCIA
‐
 Que foi mãe? Você tem todos? Tem?


Você fez Bingo mãe! Bingo!

PG
–
de
Ana
Lúcia
se
levantando
rapidamente.
Balança

os
braços
e
aponta
para
a
mãe.

37

ANA
LÚCIA
‐
(Aos gritos)
Bingo! Bingo! Aqui!


PG
do
Cantador

CANTADOR
‐
 Mas já saiu o prêmio surpresa... Que
38
 maravilha! Parabéns! Venha até aqui
buscar seu prêmio minha senhora.
Vamos!


PG
(câmera
subjetiva
do
ponto
de
vista
do

Cantador).
A
câmera
acompanha
Constancia
até
o

palco,
e
pára
em
PM
de
Constancia
e
Eulindo,
que
lhe

entrega
uma
cesta
de
legumes.
Ela
recebe
o
cesto

39

suspirando
e
olhando
fixamente
nos
olhos
de
Eulindo,

que
corresponde.
Ele
retira
e
coloca
a
boina.

Constancia
retribui
sorrindo
timidamente.


EXT
–
CASA
DE
CONSTANCIA/JARDIM
–
DIA

11
 40


11
 40
 EXT
–
CASA
DE
CONSTANCIA/JARDIM
–
DIA


PC
–
de
Constancia
e
Eulindo
(usando
o
cachecol

púrpura)
deitado
em
seu
colo.
Ela
coloca
uma
uva
na

boca
dele.
Eles
sorriem
um
para
o
outro
e
trocam

carinhos.


EXT
–
FRENTE
DA
CASA
DE
CONSTANCIA
–
DIA

PG
–
dos
dois
andando
de
mãos
dadas
chagando
na

41

frente
da
cada
de
Constancia.


12
 

PM
–
dos
dois
encostados
no
portão
de
casa

42
 conversando.
Ele
coloca
uma
flor
nos
cabelos
dela
e
lhe

dá
um
beijo
no
rosto.
Ela
sorri.


INT
–
QUARTO
DE
CONSTANCIA
–
NOITE


PC
–
de
dois
copos,
cada
um
com
uma
dentadura,

estremecem
na
mesinha
de
cabeceira.
Ao
fundo
está
o

13
 43

retrato
de
Onofre
balançando
na
parede.
O
retrato
cai

da
parede.