Você está na página 1de 90

A NEWSMAGAZINE MAIS LIDA DO PAÍS WWW.VISAO.

PT

LEGISLATIVAS
OS GRANDES
DUELOS
DA CAMPANHA DOSSIER VERDE
A NATUREZA
VIOLÊNCIA PRESERVADA
Nº 1506 . 13/1 A 19/1/2022

DOMÉSTICA DAS ILHAS


HISTÓRIAS DESERTAS
DE VIDAS
MARCADAS
PELO TERROR

. .
METAVERSO NFT CRIPTOMOEDAS

COMO VAI MUDAR


A NOSSA VIDA DIGITAL
O MUNDO REAL E O VIRTUAL VÃO INTERLIGAR-SE EM BREVE, REVOLUCIONANDO O TRABALHO,
AS RELAÇÕES SOCIAIS, O CONSUMO E A CULTURA. ESTÁ PREPARADO PARA A MAIOR
TRANSFORMAÇÃO DESDE A INVENÇÃO DA INTERNET?
VISÃO
13 JANEIRO 2022 / Nº 1506

10 Entrevista: Ben Wilson

RADAR
15 Raio X
MARCOS BORGA

16 A semana em 7 pontos
18 Holofote
19 Inbox
20 Almanaque
22 Transições 60 “Sinto-me uma moderada, quase assintomática”
23 Próximos capítulos Entrevista com a humorista Joana Marques, a autora do podcast
Extremamente Desagradável que, na próxima semana, vai estrear-se
24 Imagens do mundo na última página da VISÃO

FOCAR
78 Putin, o todo-poderoso
28 Como as nossas vidas vão ficar (ainda) mais virtuais
Não são apenas as economias que vão ser digitais, as nossas vidas
82 Covid: a Ómicron também vão, elas próprias, tornar-se mais virtuais, com a proliferação
é mesmo mais leve? de NFT e bitcoins e a extensão do universo do metaverso. O que dizem
os especialistas sobre o admirável futuro-presente que aí vem

VAGAR
84 Entrevista a Zeferino Coelho
40 Os pontos quentes da campanha eleitoral
A três dias do início da campanha, conheça as principais mensagens,
90 Pessoas os trunfos, as fragilidades e os objetivos dos vários partidos e veja quais
são os duelos, em círculos decisivos, entre PS e PSD. Dossier legislativas,
ao qual não falta a secção Campanha Alegre
VISÃO SETE

54 Marcadas para sempre


Nas vítimas, a violência doméstica deixa marcas para a vida: das cicatrizes
resultantes do disparo de uma arma à depressão e ataques de pânico,
histórias reais de quem viveu o inferno

66 À descoberta das ilhas desertas


91 Livros para conhecer Navegámos no Atlântico para assistir à rendição dos vigilantes da
Natureza, pernoitámos na maior das três ilhas e patrulhámos a costa
melhor Lisboa e Porto desta reserva natural

OPINIÃO
6 Dulce Maria Cardoso Online W W W.V I S A O . P T
Últimos artigos no site da VISÃO
8 Rui Tavares Guedes
14 Pedro Marques Lopes
77 Carlos Alberto Cupeto
81 Pedro Norton
Henrique Costa Santos Manuel Delgado Luís Delgado
CAFÉ CENTRAL SAÚDE LINHAS DIREITAS
Debates marciais Tempo de eleições: Os líderes em debate
Interdita a reprodução, mesmo parcial, as propostas
de textos, fotografias ou ilustrações sob para o setor
quaisquer meios, e para quaisquer fins,
inclusive comerciais.
Todos os dias, um novo texto assinado por um dos 28 especialistas convidados

13 JANEIRO 2022 VISÃO 3


LINHA DIRETA Correio do leitor

Um excelente artigo, cheio de


informação e de referências
importantes, sobre um
tema muito sério que pode
minar as nossas relações
de amizade, familiares
Admirável futuro novo ou profissionais
Maria do Céu Santos, Setúbal

Num futuro muito próximo, poderemos trocar bitcoins, colecionar NFT


e viver no metaverso, um universo que cruzará a nossa realidade com NOVA CRÓNICA JOANA
novos mundos virtuais – e isso vai revolucionar a forma de socializarmos, MARQUES
trabalharmos e aprendermos. No trabalho que faz o tema de capa desta Excelente VISÃO, a da substituição
de Ricardo Araújo Pereira (RAP)
semana, o jornalista Rui Barroso fala com especialistas como Arlindo por Joana Marques, o equivalente
Oliveira (professor do Instituto Superior Técnico), Luís Gonzaga Magalhães a substituir CR7 por Messi. Da
(da Universidade do Minho) e Paulo Dias (da Universidade de Aveiro) para subtileza e visão mordaz de RAP, para
tentar perceber de que maneira é que os diferentes equipamentos vão ser a acutilância destrutiva de Joana
Marques, isto é, uma substituição
desenvolvidos para nos permitirem usar os sentidos nesses universos e, perfeita, ou seja, alterar do melhor,
assim, criar uma experiência imersiva, esbatendo as fronteiras entre o real para a melhor humorista portuguesa.
e o virtual. Por outro lado, também aumentará o risco da ciberdependência, Visão perfeita do momento
como alerta Ivone Real, psicóloga clínica especializada nesta área. Uma humorístico português.
Raul Gomes, Guifões
realidade em breve muito concreta que o leitor pode descobrir na
reportagem que publicamos a partir da página 28. Nesta edição, publicamos PALAVRA DO ANO
igualmente uma entrevista com Joana Marques, a humorista que, a partir A palavra do ano 2021 devia ser sem-
da próxima semana, se estreará na VISÃO com a sua nova coluna de abrigo. Se os portugueses reclamam
vacinas, os indigentes reclamam
comentário político Elefante na Sala. Numa conversa bem-humorada casas. Os deserdados não constituem
(o que mais poderia ser?) com a jornalista Luísa Oliveira, Joana Marques preocupação para a generalidade dos
– que acaba de completar 36 anos – dá-se a conhecer e confessa: portugueses. Se por um lado os órgãos
“A observação meio obsessiva que faço aos outros também se vira contra de comunicação pouco se lembram
deles, por outro a atenção dos lusos
mim, porque estou sempre a analisar-me.” vai mais para o futebol e a politiquice
barata. Se há justiça divina seja em
que mundo for, a fatura será pesada
para quem faz dos sem-abrigo uma
Já nas bancas carta fora do baralho.
Ademar Costa, Póvoa de Varzim

Contactos
visao@visao.pt
As cartas devem ter um máximo
de 60 palavras e conter nome, morada
e telefone. A revista reserva-se
o direito de selecionar os trechos
que considerar mais importantes.

NOVA MORADA
GUIMARÃES BD JAPONESA PEARL CORREIO: Rua da Fonte da Caspolima
Dez anos após a Loucos por manga HARBOUR – Quinta da Fonte,
Capital Europeia A guerra Edifício Fernão Magalhães, 8,
do Pacífico 2770-190 Paço de Arcos

4 VISÃO 13 JANEIRO 2022


AUTOBIOGRAFIA NÃO AUTORIZADA

Meia-noite, no jardim
do Bem e do Mal
POR DULCE MARIA CARDOSO
ILUSTRAÇÃO: SUSA MONTEIRO

N
o virar do milénio, candidatei-me a uma atribuída uma das doze bolsas disponíveis nesse ano,
Bolsa de Criação Literária do Ministério convidaram-me a estar presente dali a dias no jardim
da Cultura. Propunha-me escrever um da Biblioteca Nacional, para uma foto de grupo com
romance intitulado Campo de sangue. os outros bolseiros. Eu não conhecia pessoalmente
Incluí na candidatura, para além do nenhum deles e era a única que não tinha trabalhos
requerimento e dos circunspectos publicados. Também não conhecia nenhum dos
documentos exigidos, o primeiro funcionários do então IPLB nem nenhum jornalista
capítulo, reescrito dezenas de vezes, e um ou fotógrafo cultural. Tinha trinta e seis anos e
pequeno texto onde expliquei as razões comecei assim, quase burocraticamente, esta minha
por que me considerava merecedora outra vida.
da bolsa. Imprimi tudo em papel acetinado, usei Compareci à hora marcada, com a minha melhor
separadores de seda amarelos para dividir os vários roupa e a esperança de nem sei bem o quê. Era um
assuntos e escolhi uma capa com atilhos de veludo. sábado indeciso de sol. Depois das apresentações,
Quando me ligaram a comunicar que me tinha sido não soube o que dizer nem o que fazer, os braços de

6 VISÃO 13 JANEIRO 2022


repente tão desajeitados, os cigarros incapazes de que importância, respondi sem qualquer acrimónia. Ponderei
me ocuparem os gestos. No relvado do acesso principal se devia contar-lhe do meu professor de Português do
da Biblioteca, enquanto o fotógrafo nos enquadrava Secundário que me deu a ler a Sibila, das adaptações dos
para a posteridade, alguns bolseiros fizeram conversa seus romances ao cinema pelo Manoel de Oliveira, dos
de circunstância. Mantive-me calada a maior parte do assuntos recorrentes das suas entrevistas. Preferi ficar
tempo e subitamente, Queres que te ofereça o meu calada. Talvez por isso ela tenha passado a requisitar
colar?, perguntou-me a Adília Lopes, levando a mão a minha companhia nos serões. Eramos as únicas
quase infantil às contas do colar de madeira que trazia. mulheres na comitiva, o que também terá tido alguma
Apesar de não ser grande conhecedora de poesia, importância.
lera alguns poemas da Adília e até sabia quase de cor Não posso dizer que a Agustina e eu tenhamos
um deles, conversado nos longos serões dessa semana, já que uma
Deus é a nossa conversa exige que se esteja de igual para igual. Ouvi,
mulher-a-dias encantada, as admiráveis histórias com que ela brincava,
que nos dá prendas expondo-me a sua vida, testemunhei a sua forma de
que deitamos fora pensar segura, destemida, provocadora, a especial
como a vida perversidade a falar deste e daquele, o riso travesso.
porque achamos No entanto, o que mais me marcou no nosso breve
que não presta encontro aconteceu numa das visitas às universidades.
Professores e alunos que estudavam a obra da Agustina,
Deus é a nossa questionaram-na sobre os desafios que a Arte enfrentava
mulher-a-dias no início do milénio, O Mal, todo o Mal, já foi tratado,
que nos dá prendas falta agora tratar o Bem, respondeu, lapidar. Tive a
que deitamos fora sensação de que a Agustina desprezava a pergunta
como a fé que lhe fora feita e pretendia acabar a conversa. Como
porque achamos é que o Bem deve ser tratado?, ousou ainda insistir
que é pirosa uma das professoras, Isso não me diz respeito, este já
não é o meu tempo, rematou. Convidou-me depois
O majestático colar tinha animais para a acompanhar à joalharia H.
esculpidos que a esta distância já não Stern. Atravessámos o jardim da
sei reconhecer se eram girafas ou Mantive-me calada universidade e entrámos no táxi que
tigres. Envergonhada, recusei a oferta
e não consegui arranjar nada para lhe
a maior parte do nos esperava lá fora.
*
dizer. Tirada a fotografia, despedimo- tempo e subitamente, Nesta passagem de ano ficámos em
nos rápidos e formais, rumo aos Queres que te casa. Subimos ao terraço, chamados
nossos futuros inquietos, divergentes, pelo fogo de artifício que foi lançado
Tantos artistas juntos, pensei que com ofereça o meu colar?, um pouco por todo o concelho. De
tantos artistas juntos pudéssemos perguntou-me a um lado e do outro, o céu explodiu
falar de, falar de muitas coisas, disse a
Adília, desiludida.
Adília Lopes, levando em cores, como se fosse impossível
recomeçar sem alarido. Comi as doze
Nunca mais me encontrei com a a mão quase infantil passas sem conseguir concentrar-me
Adília, mas espero um dia contar-lhe às contas do colar de nos meus desejos.
que não deitei fora o colar que ela me O primeiro dia de 2022
ofereceu e que eu não soube receber. madeira que trazia amanheceu fulgurantemente
* ensolarado e límpido. Com o mundo
Quando o Campo de sangue foi publicado pela fechado para balanço, saímos também nós em direção
Companhia das Letras no Brasil, fui convidada para ir ao mar, às cercanias da serra. Regressados a casa,
numa comitiva de escritores à Bienal do Rio de Janeiro. acendemos a lareira. Comi rabanadas enquanto andei
Contavam-se pelos dedos de uma mão os encontros pela internet. Deparei-me com um poema da Adília,
literários em que participara nos quatro anos que haviam
decorrido desde a publicação do romance em Portugal. O mal
A Agustina Bessa Luís recebera o Prémio Camões no é banal
ano anterior e também estaria presente. Não a conhecia
pessoalmente. Descobri-a no último banco do autocarro O mistério
que nos levou ao avião, uma larga echarpe sobre os maior
ombros como se estivesse em casa. Olhava para tudo é o mistério
o que a rodeava com curiosidade, podia ser facilmente do bem
confundida com uma pessoa pouco viajada, tal o seu
entusiasmo no embarque. No dia seguinte, já sentadas Encontrados, desperdiçamos a vida em desencontros.
na sala de convívio do hotel Rio Othon Palace, disse- Como se o Bem pudesse esperar por nós.
me que nunca tinha ouvido falar de mim, Não tem Bom ano, queridos leitores. visao@visao.pt

13 JANEIRO 2022 VISÃO 7


OPINIÃO
HISTÓRIAS
DA CAPA
Libertar as utopias

P O R R U I T A V A R E S G U E D E S / Diretor-executivo
1

E
ntre os assuntos não urgentes mas pena de morte (abolida, desde 1976,
que se tornaram relevantes por em mais de 70 países) – outra matéria
força do modelo de debates de em que Portugal também foi pioneiro:
25 minutos – transformados em em 1852, para os crimes políticos, e
batalha de soundbites para animar em 1876, para os crimes comuns. Além
as audiências das televisões –, dois disso, muitos estudos demonstram que
temas ganharam uma notoriedade o endurecimento das penas não tem
que, à partida, pareceria impossível contribuído para a diminuição dos crimes
numa eleição em que se procura graves.
encontrar uma solução estável de governo Já a discussão em redor do rendimento Mostrar o futuro,
para os próximos anos: a prisão perpétua básico universal revelou, pela estranheza numa imagem, é
sempre complica-
e o rendimento básico universal. e reações que provocou, o quanto
do – e ainda mais
Os dois temas, apresentados e o debate político em Portugal tem
quando se trata do
defendidos, cada um, por partidos com estado afastado de um assunto que, um futuro da internet.
apenas um deputado na última legislatura pouco por todo o mundo, começa a ser
e de campos políticos absolutamente encarado com seriedade e, no mínimo,
opostos, foram depressa catalogados com a curiosidade suficiente para o
como “perigosos” ou “surrealistas” e
colocados, até, na mesma gaveta dos
testar. Nas primárias democratas para
as presidenciais norte-americanas,
2
assuntos “folclóricos” que apenas servem o tema já foi a principal bandeira do
para animar uma campanha eleitoral. É candidato Andrew Yang – que prometia
errado, no entanto, pôr os dois no mesmo dar mil dólares por mês a todos os
saco, em especial porque representam norte-americanos –, embora com fraco
visões totalmente diferentes sobre o que resultado nas urnas. Agora, na Coreia do
deve ser a vida em sociedade e sobre a Sul, o assunto está no topo da campanha
busca de melhores caminhos para se eleitoral para as presidenciais convocadas
garantir um futuro melhor a quem nela para 9 de março: se o vencedor for Lee
vive. Jae-myung, o candidato do Partido
As diferenças entre as duas propostas Democrata atualmente no poder, o país
são abissais: a prisão perpétua representa pode até tornar-se a primeira grande É preciso juntar
um retrocesso civilizacional; o economia do mundo a adotar uma versão os símbolos de
algumas das
rendimento básico universal é uma utopia do rendimento básico universal.
componentes
em busca de poder ser concretizada. Uma Na 12ª maior economia do mundo (e
desse futuro, de
propõe o regresso ao passado; a outra é quarta maior da Ásia), a proposta de Lee forma harmoniosa.
um sinal de esperança para o futuro. Uma Jae-myung – que pretende instituir a
quer resolver problemas pontuais, através medida já em 2024 – fez relançar o debate
de um castigo exemplar; a outra propõe sobre a grande desigualdade existente
uma solução coletiva para um problema num país em que uma franja cada vez
global.
O regresso da prisão perpétua seria
maior dos seus 51 milhões de habitantes
vive à margem e sem possibilidade de
3
sempre um retrocesso civilizacional ascensão social, conforme o cinema e a
para um País que a aboliu no já distante televisão do país, com significativo êxito,
ano de 1884 e onde, para sermos têm mostrado ao mundo, em Squid Game
claros, não existe um problema sério e Parasitas. Pode ser o rendimento básico
de criminalidade violenta, quando universal a solução para a desigualdade?
comparado com o resto da Europa. Ninguém sabe, com exatidão, a resposta,
Mesmo assim, esgrime-se, com mas parece ser evidente a necessidade de
frequência, o argumento de que a prisão se procurar formas novas de se combater
perpétua continua a existir na maior um dos flagelos mais preocupantes do
parte dos países e, por isso, é uma nosso tempo, além das soluções do
solução aceitável. A verdade é que, como costume. É para isso que também servem Esta solução acaba
vários estudos o indicam, o número de as utopias: promover a discussão aberta, por ser a melhor,
até porque permite
pessoas em prisão perpétua aumentou sem prisões perpétuas do pensamento
dar mais espaço
devido à diminuição da aplicação da único. rguedes@visao.pt
ao título.

8 VISÃO 13 JANEIRO 2022


2021

A EXAME e a Ageas Seguros, em parceria com a Informa D&B


e a Deloitte, revelam, na cerimónia de entrega de prémios,
as “1000 Maiores PME” a operar em Portugal, no dia 26 de janeiro
de 2022, a partir das 14h30, na Casa da Música, no Porto.
O evento será transmitido no site e no Facebook da revista EXAME.
Para assistir ao vivo à entrega de prémios inscreva-se através
do e-mail: eventos@trustinnews.pt
O ranking será publicado na edição de fevereiro da revista EXAME.

ORGANIZAÇÃO SPONSOR KNOWLEDGE PARTNERS


Ben Wilson Historiador

As redes sociais fomentam


o instinto tribal entre o ‘nós’
e o ‘eles’. Tendem a dividir-nos.
Não é a mesma ideia inclusiva
dos banhos públicos da Roma
Antiga, da praça pública
ateniense, do teatro
ou do café europeu
SARA BELO LUÍS LUÍS BARRA

10 VISÃO 13 JANEIRO 2022


O
Olha para a História para falar de
cidades. Em Metrópoles, Ben Wilson
traça um fio condutor que vai de
Uruque, na Suméria, 4000-1900 anos
a.C., que considera ser a primeira
cidade do mundo, à megacidade de
Lagos, na Nigéria, nos nossos dias.
O que pretende através dessa obra,
que foi publicada em português pelas
pessoas, por razões familiares, mudei-
me há cerca de dez anos. Agora, estou
a cerca de uma hora de Londres.
A verdade é que Londres mudou
bastante nas últimas décadas, tornou-
se sobretudo um centro financeiro.
Como tantos outros escritores, vivo
meio exilado.
Porquê exilado?
Falo essencialmente do facto de as
pessoas com empregos mais criativos
não conseguirem suportar o preço
das casas. Em Londres, só há lugar
para os super-ricos. Ao dizê-lo, estou
a pensar nos meus amigos que têm
empregos em áreas criativas, como a
escrita, a música ou o teatro. Londres
tornou-se um sítio impossível de se
estar. Além disso, também penso que
a cidade é um excelente lugar para
uma altura muito particular do nosso
ciclo de vida. Quando se é novo, é na
Esse movimento também ajuda, por
exemplo, na educação das crianças. No
livro, o que tentei fazer foi justamente
isso: demonstrar como, ao longo da
História, a inventividade e a inovação
aconteceram nesses lugares. Julgo
que isso ocorre a um nível macro mas
também a um nível micro. Claro que
agora, com a pandemia, estamos a
passar por um período em que temos
menos certezas disto...
No seu entender, a pandemia
poderá tornar mais próspero outro
tipo de cidades. Quer explicar?
Até à pandemia, havia um conjunto de
cidades superstar – como Londres,
Nova Iorque, Los Angeles, Houston,
Dallas... – que atraía todo o poder,
dinheiro e ideias. Agora, com a
possibilidade de se trabalhar a partir
de qualquer lugar, as pessoas estão a
escolher a cidade onde querem viver
Edições Desassossego, no final do ano cidade que os contactos se fazem, que com base em critérios de prazer e
passado, é demonstrar que a cidade se estabelecem redes de associações, de habitabilidade. Parece-me que
é o maior feito do Homem. No livro, como se fôssemos parte integrante este movimento provém dos EUA e
fala também de Harappa e Babilónia, daquele buzz. As cidades estão, por que, de facto, no pós-pandemia, as
Atenas e Alexandria, Roma, Bagdade, isso, muito ligadas ao ciclo de vida, são cidades que virão a prosperar são as
Lübeck, Lisboa, Malaca, Tenochtitlan, uma espécie de corpo vivo. de tamanho médio, que oferecem
Amesterdão, Londres, Manchester e Também defende que são lugares mais acesso ao campo, onde é possível
Chicago, Paris, Nova Iorque. Ao longo de criatividade. É por essa razão construir comunidades. Talvez venha
de mais de seis mil anos, defende o que as cidades são tão atraentes em a existir uma mudança da energia
historiador inglês, “a Humanidade determinados momentos da nossa dos centros tradicionais para centros
tem feito contínuas experiências vida? que oferecem mais qualidade de
com formas de viver no turbilhão Claro que sim. É muito difícil replicar vida. As cidades devem ser vividas
humano”: “Somos bons a viver em o que se vive na cidade. Acho, claro, ao ritmo do pedestre e do ciclista,
cidades, e as cidades são criações que as pessoas se sentem atraídas pelo e, quando isso acontece, tornam-se
resilientes capazes de aguentar guerras trabalho e pelos empregos que ela lugares mais agradáveis. Barcelona
e desastres. Ao mesmo tempo, somos proporciona, mas também, durante é um bom exemplo desta tendência.
muito maus construtores de cidades; uma parte fundamental das nossas Por isso é que, em todo o lado,
planeámos e construímos, em nome vidas, por aquilo que eu chamo estão a tentar livrar-se dos carros,
do progresso, lugares que aprisionam “encontros casuais”. Muita da nossa fechando ruas, criando áreas de baixo
em vez de libertarem, que nos fazem criatividade está relacionada com a tráfego. Tudo aquilo de que eu falo
miseráveis em vez de nos elevarem espontaneidade e com o inesperado no livro, na mistura das pessoas, na
o espírito.” Nascido em 1980, Ben que conseguimos obter em espaços, experiência de estar nas ruas, pode
Wilson formou-se em História, no instituições e entretenimentos. Comer, ser destruído devido à presença dos
Pembroke College, em Cambridge, beber e socializar... Tudo isso é vital carros na cidade. E não se trata apenas
foi consultor de vários programas numa determinada altura da vida, e da questão da circulação, quando
de televisão e ainda colaborador não há tecnologia que o substitua. As os veículos estão a fazer alguma
de alguns jornais britânicos. Como cidades sempre tiveram esse efeito de coisa vagamente útil, mas também
explica nesta entrevista à VISÃO, reunir as pessoas. da questão do próprio espaço que
é sobretudo como um lugar de E isso também é válido nas ocupam quando estão estacionados.
criação que vê a cidade, com todos cidades do mundo em vias de Os carros dividem e arruínam as
os seus sucessos e insucessos. desenvolvimento? próprias comunidades.
Durante a pandemia, acentuou-se Claro. Todos os dias, nos países Mas as pessoas precisarão sempre
a ideia da cidade como um sítio de subdesenvolvidos, centenas de movimentar-se. Qual seria, para
contaminação, mas, no mundo pós- de milhares de pessoas, muito si, a cidade ideal?
coronavírus, vê Lisboa como um pobres, procuram nas cidades esse A ideia ideal é uma cidade legível, isto
símbolo do futuro. mesmo efeito de aglomeração. São é, que faça sentido, uma cidade que
Escreveu um livro sobre as origens pessoas que, muitas vezes, foram conseguimos conceptualizar na nossa
históricas das cidades. Vive numa expulsas das suas terras ou que não cabeça. Não é uma cidade gigante,
cidade? tinham emprego na terra. Juntas, como Los Angeles, que é muito difícil
Nasci em Londres e vivi lá durante na cidade, conseguem tornar-se de ler. Quando uma cidade possui um
muito tempo. Mas, como tantas outras extraordinariamente empreendedoras. bom sistema de transportes públicos,

13 JANEIRO 2022 VISÃO 11


como acontece em Londres, por da praça pública ateniense, do teatro
exemplo, isso significa que é possível
No século XV, ou do café europeu.
compreendê-la no nosso mapa Lisboa conseguiu A palavra que agora usamos é
mental. polarização.
Se tivesse de escolher uma só
arrastar-se para Sim, as redes sociais podem ser
palavra para definir a cidade, que o centro das bastante polarizadoras. Além disso,
palavra escolheria? quando estamos frente a frente, cara
Existem muitas palavras que
rotas comerciais, a cara, tendemos a atuar de maneira
definem bem a cidade. Poderia dizer convertendo uma completamente diferente.
cultura, poderia dizer civilização... Conhece bem Lisboa. Como olha
Mas acho que prefiro dizer energia.
cidade europeia para a cidade dos nossos dias?
Sabe, quando olho para as cidades periférica Colocaria Lisboa na categoria de
historicamente, apercebo-me de que cidades altamente habitáveis. É muito
aquilo que, na verdade, as distingue
numa espécie bom passear em Lisboa, tomar um
é o facto de elas serem uma espécie de coração café, comer qualquer coisa... Lisboa
de motor de mudança. As mudanças tem essa sensação de energia de que
acontecem de forma muito rápida
da Europa falávamos há pouco. Também tem
nas cidades, como se estas tivessem muitos carros, é verdade, e isso é
as condições certas para a mudança. algo que deveria ser mudado. São
Se olharmos para o caso de Lisboa, essa ideia até aos nossos dias. As lugares assim, simpáticos, divertidos,
no século XV, estão lá todos estes cidades gregas foram construídas em habitáveis, que atraem pessoas
ingredientes: Lisboa era uma cidade volta desse tipo de espaços públicos, criativas capazes de trazer novas
aberta, cosmopolita, com muitas como a ágora ou os teatros, que conexões e ideias. Digo isto enquanto
possibilidades de troca de ideias e de combinam comércio, atividades e penso na minha adorável cidade de
pessoas. todo o tipo de saudações. As cidades Londres, que se tornou, sobretudo,
Lisboa é, de resto, uma das cidades que as precederam eram controladas, um parque infantil para ricos, um
de que fala no seu livro. Podemos, de cima para baixo, por sacerdotes, lugar para investir...
então, dizer que foi a primeira reis ou imperadores, e dominadas por Há quem diga quase o mesmo sobre
cidade global? exibições e rituais de adoração. O que Lisboa. Não é apenas uma questão
É exatamente isso que eu quero me parece interessante é que os gregos de escala e, principalmente, de
demonstrar. Nesse período histórico, misturavam tudo: a ágora era o lugar ponto de vista?
Lisboa é muito importante para onde se tratava dos casos jurídicos Eu sei, mas em Lisboa é diferente.
Portugal, para a Europa e também para mais sérios e, simultaneamente, era Lisboa pode bem simbolizar o futuro
o resto do mundo, porque consegue o lugar da coscuvilhice e de toda das cidades. Das urbes que não serão
conectar os principais continentes aquela confusão. A ágora não era um apenas lugares para investir, de
com condições de habitabilidade à espaço público oficial; era também arranha-céus e de centros financeiros.
época. E fá-lo pela primeira vez na o lugar que era capaz de acolher um Serão lugares onde as pessoas vão
História, tornando-se uma cidade de estrangeiro do mundo grego que ali querer estar, desenvolvendo um
ligação numa rede de cidades que se chegava com ideias novas. certo estilo de vida, inclusive mais
estende do Japão até à América do Há quem defenda que, atualmente, sustentável.
Sul, de África até ao Médio Oriente. as redes sociais desempenham o É um otimista do pós-pandemia?
No século XV, Lisboa conseguiu papel de socialização que, depois, Sim, sou. Julgo que, definitivamente,
como que arrastar-se para o centro foi cumprido pelos cafés europeus. há uma tendência para o espaço dos
das rotas comerciais, para o centro O que acha desta ideia? escritórios sair do centro das cidades.
das pessoas que se movimentam, Não sei. Ao mesmo tempo que acho Talvez devêssemos pensar que as ci-
convertendo uma cidade europeia que as redes sociais podem cumprir dades são sobretudo lugares de prazer.
periférica numa espécie de coração da esse papel, também acho que nada Nesse sentido, acho que o centro das
Europa, no centro das Descobertas, têm que ver com esse ambiente... As cidades deve ser reconquistado – e
do dinheiro, da troca de produtos e de redes sociais fomentam o instinto não apenas por turistas. Outra das
ideias. Como de certa maneira Veneza tribal entre o “nós” e o “eles”. É capaz questões que eu quis demonstrar, no
também o fez. Portugal aproveitou de ser um bocadinho exagerado, livro, está relacionada com a resiliên-
todo o seu poder militar, de mas nos cafés de Londres havia uma cia das cidades. De uma guerra a uma
construção naval e de navegação para verdadeira troca de ideias entre praga, é preciso muito para destruir
entrar no oceano Índico, nos mares da indivíduos, com diferentes tipos de uma cidade. Na II Guerra Mundial,
China e, a partir daí, dar a conhecer ao rendimento e com opiniões políticas Varsóvia foi arrasada provavelmente
mundo novas cidades. distintas. As pessoas conheciam-se e como nenhuma outra cidade europeia
Na Grécia Antiga, a pólis foi misturavam-se, e queriam realmente o foi, e, no final, as pessoas quiseram
o embrião do espaço público trocar notícias – aliás, foi aí que as reconstruí-la, não como uma cidade
moderno, ainda que, na altura, notícias começaram... Julgo que, ao modernista, com um plano predefi-
nem todos fossem considerados invés, as redes sociais têm um modo nido, de cima para baixo, mas tal qual
cidadãos. As cidades ainda são de funcionamento que tende a dividir- como a cidade de que se lembravam
lugares políticos? nos. Não é a mesma a ideia inclusiva nas suas memórias e emoções.
Sim, completamente. Transportamos dos banhos públicos da Roma Antiga, sbluis@visao.pt

12 VISÃO 13 JANEIRO 2022


A MELHOR
INFORMAÇÃO SOBRE
CIÊNCIA E TECNOLOGIA
+
AÇORES À CONQUISTA DO ESPAÇO
+
ROBÔ CIENTISTA
+
CARROS AUTÓNOMOS
+
URBANGLIDE ECROSS PRO BOOST
Como o arquipélago português O sistema de IA da IBM capaz A Universidade do Uma trotineta poderosa e rápida
poderá ser central no plano europeu de realizar experiências Porto e a Bosch graças a dois motores
químicas à distância entraram na corrida

À VEND
Á
J

A
NOVA
EDIÇÃO
J
Á A
À VEND

ASSINE A EXAME INFORMÁTICA

PAPEL DIGITAL
€36,00 €25,00
25% DE DESCONTO 48% DE DESCONTO

loja.trustinnews.pt ou ligue 21 870 50 50


Dias úteis, das 9h às 19h. Indique o código promocional: COC93

Campanha válida até 31 de janeiro de 2022, na versão impressa ou digital, salvo erro de digitação. Os preços da versão impressa são válidos apenas para Portugal.
Assinatura paga na totalidade ou em prestações mensais sem juros, TAEG 0%. Consulte todas as opções em loja.trustinnews.pt
POLITICAMENTE CORRETO

Nenhum candidato
preocupado
com a Justiça?

T
P O R P E D R O M A R Q U E S L O P E S / Colunista

irando a presença de um indivíduo que daqui de cadeia. No processo Face Oculta, Manuel Godinho
a poucos anos estará numa versão de um foi condenado por associação criminosa e corrupção
qualquer Big Brother para famosos e que em 17 anos e meio de prisão e Armando Vara por ter
mente com quantos dentes tem na boca e recebido indevidamente meia dúzia de milhares de eu-
tenta explorar a ignorância e os piores sen- ros esteve cinco anos no cárcere. Rendeiro arrisca-se a
timentos que existem na nossa comunidade, passar 19 anos.
os debates entre os vários candidatos às pró- Não é preciso trazer à colação o facto de, neste mo-
ximas eleições têm corrido de uma maneira mento, os crimes de sangue e contra a integridade físi-
bastante satisfatória. Uns com mais jeito ou ca estarem a ter penas mais reduzidas do que os contra
mais bem preparados para essa espécie de o património. Não, estamos somente perante um caso
Twitter televisivo, outros com mais dificuldades em em que atos terroristas são tratados com bem mais
se adaptarem a esse modelo, não há grandes dúvidas tolerância do que os de corrupção.
sobre o que cada um pretende para o País e quais são as Entretanto, continuam as mui dignas acusações,
suas principais propostas. trocas de piropos e até processos entre os dois juízes
O processo democrático de escolha dos nossos re- que têm nas suas mãos os mais importantes casos ju-
presentantes corre assim de forma normal, próprio de diciais: BES, Operação Marquês etc., etc., etc. e faltam
uma democracia aparentemente consolidada. etcéteras para os que, por exemplo, Carlos Alexandre
Ao mesmo tempo que decorre a pré-campanha que tinha – e tem.
será a verdadeira campanha, vão aparecendo notícias Claques, debates públicos através de outras pessoas,
que ou inquietam, ou deviam inquietar os cidadãos e, notícias claramente plantadas por cada um. Em abono
pela enésima vez, põem em causa o bom funcionamen- da verdade, as armas são diferentes, Ivo Rosa não tem
to do mais básico pilar da comunidade: a Justiça. um inteiro grupo de média a apoiá-lo.
Não aquelas patetices sobre prisões perpétuas, cas- Esse mesmo grupo, Cofina, que pela milionésima
trações químicas ou duplicações de penas, mas de rea- vez e através de um imenso trabalho de pesquisa, leia-
lidades que quanto mais graves surgem, menos atenção -se compra ou simples entrega de escutas feitas pelas
lhes é dada. Seja pelos nossos representantes autoridades, publica conversas entre pessoas que nem
(e esse é o principal problema), seja pelos órgãos de sequer têm acusações já feitas (que em rigorosamente
comunicação social sérios, seja pelas pessoas que ocu- nada alivia o crime de quem as divulga) ou pura e sim-
pam o espaço público fazendo análise ou comentário. plesmente meras trocas de impressões privadas sem
Na semana passada, tivemos as sentenças sobre o qualquer caráter criminal.
caso Tancos. Azeredo Lopes foi absolvido de todas as Tudo isto sem uma palavra de quem quer que seja e
acusações. Dir-me-ão que é sempre uma possibilidade sem que a Justiça mexa uma palha. Só falta ser passado
quando se é acusado e que, em si mesmo, isto é apenas um certificado de impunidade a esta gente.
o funcionamento normal da Justiça. Convenhamos, há alguma novidade em tudo isto?
Há três problemas nesta assunção. A primeira é que Claro que não. Talvez seja por isso que ninguém liga
revendo a acusação e observando a produção de prova muito, é apenas mais do mesmo. Mesmo que tenha
custa mesmo muito a perceber porque diabo o ex-mi- uma enorme gravidade, mesmo que seja um violento
nistro foi acusado. A segunda é que, de facto, Azeredo atentado a direitos básicos e ao funcionamento normal
Lopes foi condenado: viu o seu nome arrastado pela da Justiça.
lama, perdeu as hipóteses de exercer um cargo po- Lamento, mas estou infinitamente mais preocupado
lítico e, claro, já passaram quatro anos. O terceiro, e com este estado de coisas na Justiça do que com quem
talvez a mais perturbante questão, é a repetição de um vai ser o primeiro-ministro ou quais vão ser as maio-
padrão em que políticos em funções são indiciados, os rias que suportarão o Governo. E ainda mais incomo-
pseudofactos são postos a correr, eles são afastados e dado ao ver que ninguém na campanha eleitoral fala do
depois ou há uma absolvição ou nem sequer se chega a maior problema estrutural do nosso Estado de Direito.
ser acusado. Fareed Zakaria, no livro O Futuro da Liberdade, es-
Nesse mesmo processo, um arguido foi conde- crevia (cito de memória) que uma democracia sobrevive
nado a oito anos de prisão por terrorismo. Alguém melhor sem eleições do que com um sistema de Justiça
que cometeu, segundo os juízes, um dos mais graves que não funcione. Talvez fosse boa ideia, de uma vez por
crimes contra a comunidade, é condenado a oito anos todas, pensarmos nisso como comunidade. visao@visao.pt

14 VISÃO 13 JANEIRO 2022


RAIO X

Autoritarismo pandémico A generalidade dos países da Europa de Leste,


à boleia das medidas de combate à Covid-19,
registou abusos à liberdade e à democracia

M A N U E L B A R R O S M O U R A mbmoura@visao.pt

NÍVEL DE ABUSO DOS VALORES DEMOCRÁTICOS NA EUROPA DURANTE A PANDEMIA


Cinco de 18 países da Europa de Leste registaram violações graves das liberdades democráticas internacionais,
desde março de 2020, de acordo com uma pesquisa conduzida pelo Instituto Variedades de Democracia
(V-Dem Institute), algo que não foi detetado pela mesma entidade em qualquer um dos 12 países da Europa
Ocidental. A mesma instituição concluiu que os países do Leste Europeu têm sido mais propensos à aplicação
abusiva das medidas restritivas implementadas em nome do combate à pandemia, bem como à utilização da
desinformação, ao controlo da atuação dos órgãos de comunicação social e à aplicação de medidas discriminatórias

BÉLGICA ABUSOS POLÓNIA


Insignificantes
Foi o único Estado da Europa Enfrentou a maior agitação
Menores
Ocidental onde a liberdade das política em três décadas
pessoas foi moderadamente Moderados e apresenta o maior risco de
violada. O país procedeu ao Graves deterioração da democracia
registo de perfis étnicos
durante a pandemia, ROMÉNIA
recorrendo a práticas policiais
abusivas que afetaram FINLÂNDIA Foi, entre os países de Leste,
desproporcionalmente aquele que registou um aumento
as comunidades étnicas NORUEGA das liberdades humanas com
minoritárias SUÉCIA RÚSSIA menor pressão política sobre
a sociedade civil

DINAMARCA
SÉRVIA
IRLANDA LITUÂNIA As piores violações foram
REINO PAÍSES
BAIXOS observadas na Sérvia, com um
UNIDO registo de violações três vezes
BIELORRÚSSIA
superior ao da média europeia.
ALEMANHA Sob um regime especial
implementado com o estado
REP. CHECA UCRÂNIA de emergência, refugiados,
ESLOVÁQUIA migrantes e requerentes de asilo
foram seletivamente alvo
FRANÇA SUÍÇA ÁUSTRIA HUNGRIA de abusos e colocados sob estrita
quarentena, durante todo
o dia e sob controlo de militares.
PORTUGAL CROÁCIA Se estes, por um lado, estavam
ITÁLIA proibidos de deixar os centros,
ESPANHA BÓSNIA E
por outro, as equipas de apoio
HERZEGOVINA foram impedidas de entrar

GRÉCIA
Várias medidas de controlo da
atividade da Imprensa e o
ESLOVÉNIA
MALTA tratamento discriminatório dos
Viveu uma proibição quase total de migrantes, nomeadamente
movimentos, pela primeira vez, na sua daqueles que se encontram
História. Além disso, o governo impôs fechados na ilha de Lesbos,
restrições financeiras e legais às ONG representaram abusos graves
e alterou a legislação ambiental num
dos seus pacotes de estímulo ao
coronavírus. Em 23 de junho de 2021,
o país foi adicionado à lista de países
que regista um rápido declínio das
liberdades civis

FONTE V-Dem Institute e The Guardian INFOGRAFIA MT/VISÃO

13 JANEIRO 2022 VISÃO 15


7
PONTOS DA SEMANA

POR
MAFALDA ANJOS*
MARCOS BORGA

ECOGERINGONÇA, LIBERGERINGONÇA
OU CENTROGERINGONÇA?
Se havia dúvidas sobre a utilidade desta
maratona de debates para as legislativas,
creio que elas estão desfeitas. Debater
política é sempre bom, mesmo quando
as conversas são demasiado curtas para
aprofundar certos assuntos e, nalguns casos,
João Cotrim Figueiredo – “se não quiserem
votar no PSD, votem no CDS” (ou na IL, não
disse mas poderia ter dito). Na interseção
destas três circunferências encontram-se,
pragmaticamente, uma série de pontos em
comum que, afinal, são mais à direita do
a avaliação dos candidatos se fique mais pela que Rui Rio gosta de admitir. Se PSD, CDS
performance do que pela essência. e IL conseguissem formar uma maioria,
Alguns pontos ficaram já bem claros após não seria difícil fazer uma libergeringonça
mais de metade da ronda de conversas. em matéria económica com pontos como
António Costa está a jogar tudo na maioria redução de impostos, privatizações, saúde,
de que não pode dizer o nome, usando trabalho, deixando de fora os costumes,
a estratégia de responsabilizar os velhos onde liberais e democratas-cristãos não se
parceiros de Geringonça com a crise política entendem. As conversas já começaram e
e assim captar votos dos descontentes à duraram 25 minutos. O elefante na sala da
esquerda. Para tentar lá chegar, apela ao voto direita chama-se Chega, o tal primo que não
útil e apresenta-se em modo implacável com sabe comer à mesa. E se precisarem dele
PCP e BE. Mas como sabe bem que pode não para, pelo menos, um acordo de incidência
a atingir, vem simultaneamente em modo parlamentar? Uma extremolibergeringonça
acolhedor com o Livre e o PAN, de braços não é compaginável.
abertos para conversar e fazer pontes. Costa O problema, ou dilema, para os eleitores de
sabe que se o PS conseguisse ²¬œ¹Æ centro-direita é que votar em Rui Rio, hoje,
resultado ‰¹̘Å×e̘² 201ɞ, o PAN não caísse abre espaço a tudo isto e também ao inverso.
muito e o Livre reelegesse um deputado (o É que ao abrir o jogo e assegurar que está
que com as boas prestações de Rui Tavares disponível para fazer um acordo com o PS,
nos debates não parece impossível), esta desbarata o voto útil no PSD. Como pode
podia ser uma solução para alcançar a garantir que um voto em si não vai parar
ansiada estabilidade. Estão assim lançadas as ao António Costa?, perguntou, e bem, João
bases de uma ecogeringonça (o termo é de Cotrim de Figueiredo, mesmo no fim do
Rui Tavares), a solução preferida de Costa se debate. Não pode, e isso pode afastar boa
a maioria absoluta lhe escapar, o que a esta parte do eleitorado mais à direita.
distância parece o mais provável. A hipótese já colocada em cima da mesa de
Rui Rio mantém-se coerente na sua velha um apoio do PSD ao PS se este for o mais
estratégia de comunicar que coloca a manta votado deixa António Costa com as costas
do PSD ao centro da cama. O problema quentes, sabendo que se não se orientar para
é que destapa a ala direita para quem a esquerda com uma ecogeringonça ou uma
a quiser ocupar. Foge aliás da palavra reedição da velha Geringonça eventualmente
Direita como o diabo foge da cruz, para com os antigos parceiros menos exigentes,
se demarcar dos tempos da Troika de má conseguirá orientar-se, melhor ou pior, para
memória, e apresenta-se nos debates com a direita com uma centrogeringonça.
os adversários, que vê mais como futuros Geringonçar será o verbo de 2022. Resta
parceiros, como quem vai para uma conversa saber com que peças da engrenagem vão
de amigos. Isso ficou claro nos debates conseguir juntar-se, encaixar e formar
com Francisco Rodrigues dos Santos e qualquer coisa que se mova adiante.
*Diretora
manjos@visao.pt

16 VISÃO 13 JANEIRO 2022


2,6
NÚMERO FRASE

“Os eventos no Cazaquistão não foram m


a primeira tentativa, nem serão
a última, de interferência nos nossos
assuntos internos”
Vladimir Putin sobre os eventos no Cazaquistão, defendendo a
mil milhões tese de que os protestos populares fortemente reprimidos pelo
de euros governo cazaque se trataram de ações promovidas por “terroristas”
as”
Descarbonizar
completamente os
transportes públicos
rodoviários urbanos JUSTIÇA
em Portugal demoraria
14 anos e custaria Liberdade de
2,6 mil milhões
de euros, segundo
expressão, pediu
o estudo CleanBusPT, Emídio Rangel
da Fundação Mestre
O caso é simbólico. Sete
Casais. Existem
anos depois da sua morte,
5 633 autocarros
o jornalista Emídio Rangel
no País, com 16 anos

GONÇALO ROSA DA SILVA


ganhou uma ação no
em média, dos quais
Tribunal Europeu dos
apenas 55 são
Direitos Humanos, que
elétricos.
não se suspendeu com o
seu falecimento. O Estado
português foi condenado
AMEAÇA por violação da liberdade
ELEIÇÕES
de expressão, depois
Clima, Abstenção ditada pela inércia de o Supremo Tribunal
a ameaça do Estado não é admissível
nacional ter condenado
Rangel ao pagamento de
da década São dois interesses em conflito: o direito ao voto e o
uma indemnização por
ter acusado, em 2010, a
O Fórum Económico direito à saúde. Mas desde janeiro que sabíamos que
Associação Sindical dos
Mundial publicou o problema poderia voltar a colocar-se e pouco se fez
Juízes Portugueses e o
esta semana o seu para agilizar o direito ao voto a quem está impedido de
Sindicato dos Magistrados
relatório de risco ir às urnas numa pandemia. Agora, o Governo prevê que
do Ministério Público de
anual e as conclusões cerca de 400 mil pessoas estejam em isolamento no dia
serem “duas centrais de
são preocupantes: o das eleições, e está a estudar definir uma faixa horária
gestão de informação
fracasso de executar específica para que esses eleitores possam ir votar e
processual, concretizada
medidas eficientes reforçar o voto antecipado a 23 janeiro. Alguma solução
através da promiscuidade
contra as alterações terá de ser encontrada.
com os jornalistas”.
climáticas é a ameaça
mais perigosa dos
próximos dez anos, COVID-19
agravada pelo impacto
da Covid-19. Só 16% Omnipresente Ómicron
dos participantes no
Inquérito Global de A Organização Mundial regiões do continente. Se
Perceção de Risco da Saúde estima que, nas por um lado é mais benigna
veem o futuro com próximas oito semanas, e menos virulenta do que
otimismo. Para quem, mais de 50% da população a Delta, teme-se apenas
como João Cotrim de na Europa e na Ásia Central que esta velocidade de
Figueiredo, tem dúvidas seja infetada com a variante propagação cause pressão
sobre o conceito de Ómicron da Covid-19, se nos hospitais. Entretanto,
“emergência climática”, se mantiver este ritmo de a Pfizer já anunciou que
é mais um relatório a propagação. A variante está terá a vacina atualizada
somar às centenas que de forma veloz a tornar-se e eficaz contra a Ómicron
JOSE CARIA

já existem. o vírus dominante em várias pronta a partir de março.

13 JANEIRO 2022 VISÃO 17


HOLOFOTE

Novak Djokovic Uma lenda no limbo


O NÚMERO UM DO TÉNIS
Retido e detido Inocente, Querida A ambição
no aeroporto declara juiz Austrália do topo
Após uma noite
retido no aeroporto
Nesta segunda-
feira, 10, o tribunal MUNDIAL ENTROU Djokovic é a maior
lenda do Grand
Federer e Nadal,
os dois grandes
de Melbourne,
Novak Djokovic
pronunciou-se,
anulando a
EM LITÍGIO COM A Slam australiano.
Desde que ali
rivais, seguem
com os mesmos
acabou detido, revogação do
visto e ordenando
AUSTRÁLIA POR NÃO alcançou o seu séti- 20 torneios do

ESTAR VACINADO
na manhã de mo troféu, em 2019, Grand Slam no
quinta-feira, 6, por a libertação do tornou-se o maior currículo, para
não apresentar
um visto válido
tenista, com custas
a cargo do governo CONTRA A COVID-19. vencedor da prova,
superando Roy
muitos o principal
barómetro na
à chegada à
Austrália. Uma
australiano.
“Que mais O TRIBUNAL DEU-LHE Emerson e Roger
Federer. Entretanto,
hora de medir o
melhor tenista de
vez que não
cumpre o requisito
poderia ter feito
este homem?”,
RAZÃO, MAS A ÚLTIMA colecionou os dois
títulos seguintes
sempre. No início
do século, era
obrigatório no país questionou o PALAVRA É DO MINISTRO e está, por isso, à algo inimaginável

DA IMIGRAÇÃO
de estar vacinado juiz durante beira da dezena. O – Pete Sampras
contra a Covid-19, a audiência, primeiro de todos liderava, em 2002,
o líder do ranking inocentando os 20 grandes com um total de
mundial de ténis o sérvio de 34 RUI ANTUNES torneios conquis- 14. Agora, há um
assegurou, junto anos de qualquer tados também foi trio empatado
do governo do responsabilidade. em Melbourne, em com 20. E, a partir
estado de Vitória, Nas ruas, centenas 2008. desta segunda-
onde se realiza o de adeptos feira, 17, Nadal e,
Open da Austrália, celebraram a possivelmente,
a dispensa da decisão. Djokovic podem
inoculação, ao desempatar a seu
abrigo de uma favor (Federer
exceção na lei, está lesionado).
que desobriga as Escrevemos
pessoas infetadas possivelmente
nos seis meses porque, à hora de
anteriores. fecho desta página
Acontece que (terça ao início da
o governo tarde), o ministro
federal tem um australiano da
entendimento Imigração, Alex
diferente, não Hawke, ainda pode
deixando ninguém decidir deportar
passar a fronteira Djokovic. Em nome
sem a vacinação da segurança, da
completa. “Regras saúde ou da ordem
são regras”, pública, será dele
declarou o a palavra final. Não
primeiro-ministro, abona a favor do
Scott Morrison. sérvio o facto de
ter participado em
eventos públicos,
sem máscara,
nas datas em que
alega ter estado
infetado.

18
INBOX

M O D É S T I A À PA R T E
Treinar
A cultura do
cancelamento é
e presidir
estúpida e risível
WOODY ALLEN
[o Benfica]
Aos 86 anos, o realizador
norte-americano fala sobre
a acusação de assédio que
não faz
arrasou a sua carreira, lamenta
o boicote de Hollywood e revela
desencanto com o cinema atual
sentido.
Mas jogar?
Sem dúvida,
se me
quiserem lá...
BERNARDO SILVA
O internacional português e atual
jogador do Manchester City falou,
numa entrevista conduzida pelo
humorista – e também benfiquista
Existe uma caça – Ricardo Araújo Pereira, sobre o
amor que sente pelo clube no qual fez
às bruxas, o toda a sua formação, mas onde quase
neofeminismo é não chegou a vestir a camisola da
equipa de futebol principal
o feminismo da
vingança, cortando
cabeças uma após FRASE DA SEMANA

a outra
PASCAL BRUCKNER
O pensador francês é autor
A escola parece
de um livro polémico, intitulado
Um Culpado Quase Perfeito:
muito mais
A Construção do Bode
Expiatório Branco
C H O Q U E F R O N TA L adequada às
raparigas do que
Ter um sensor aos rapazes neste
na cabeça será momento
obrigatório em dez EMÍLIA BREDERODE SANTOS
anos, como agora A presidente do Conselho Nacional de
Educação expressa preocupação com o facto
acontece com o de os “rapazes parecerem desinteressar-se
smartphone mais rapidamente pela escola”
RAFAEL YUSTE
Neurocientista espanhol O seu ego ferido é-lhe [Biden] usou o meu
que leciona na Universidade mais importante do nome para tentar
de Columbia, nos Estados Unidos que a democracia dividir ainda mais
da América
e a Constituição. os Estados Unidos
[Trump] DONALD TRUMP
Não consegue Reação
Gostava de ver toda aceitar que perdeu do ex-Presidente,
a internet encerrada depois de ser acusado
JOE BIDEN por Biden de ter
PETER DINKLAGE Presidente dos EUA criado uma “teia de
O ator de A Guerra dos Tronos no dia do aniversário mentiras” que levou aos
gostava de voltar “ao tempo do ataque acontecimentos de 6
em que se escreviam cartas” ao Capitólio de janeiro de 2021

Fontes: Expresso, Diário de Notícias, TSF, Veja, El País, The Independent


13 JANEIRO 2022 VISÃO 19
ALMANAQUE

NÚMEROS DA SEMANA

€500 mil
milhões
As centrais nucleares
europeias de nova geração
precisarão de um investimento
de “500 mil milhões até 2050”,
estima o comissário europeu
para o mercado interno, que
considera “crucial” abrir a
rotulagem verde ao nuclear, no
quadro da transição energética.

James Webb está pronto! 42 873


O hospital de Braga bateu,
O mais poderoso telescópio espacial de sempre, que vai permitir
em 2021, o seu recorde de
explorar as origens do Universo, já acabou de ser montado cirurgias, atingindo as 42
873. Este é um aumento de
O telescópio espacial James Webb estar operacional, o telescópio terá de 27% em relação a 2019, que
atingiu, no sábado, 8, a sua configu- atingir a sua posição orbital definitiva, até aqui tinha sido o melhor
ração final e está quase pronto para a 1,5 milhões de quilómetros da Terra, ano. Cerca de 11 mil destas
começar a funcionar, o que deverá e todos os seus instrumentos científi- cirurgias foram conseguidas
acontecer dentro de cerca de cinco cos terão de arrefecer antes de serem graças à contratualização com
meses. O espelho principal do teles- calibrados. O mais poderoso telescópio uma dezena de entidades,
cópio da NASA, com um diâmetro de espacial de sempre deverá observar as entre Misericórdias e unidades
6,5 metros, era demasiado grande para primeiras galáxias, formadas “apenas” privadas de saúde, mas
caber inteiro no foguetão que lançou 200 milhões de anos após o princípio realizadas por cirurgiões
o James Webb, pelo que teve de ir do- do universo. O James Webb é pilotado do hospital de Braga.
brado em duas partes. O escudo térmi- e controlado de forma remota a partir
co também foi instalado no princípio de Baltimore, na Costa Leste dos Esta-
da primeira semana do ano. Antes de dos Unidos da América.
173 853
O Portal da Queixa anunciou
G A L Á PA G O S ter recebido um total de
173 853 reclamações em
Vulcão Wolf ameaça iguanas-cor-de-rosa 2021, tendo registado um
crescimento de 7% em relação
O vulcão Wolf, localizado na ilha Isabela do arquipélago de Galápagos, no Equador, ao ano anterior, com uma
entrou em erupção, na semana que passou, pela segunda vez em sete anos, naquele média superior a 500 queixas
que é um santuário para espécie rara de iguanas-rosa, que se encontra ameaçada. por dia.
A última atividade eruptiva do vulcão mais alto daquela reserva mundial da biosfera
ocorreu em 2015, após 33 anos de inatividade. Nessa altura, a erupção não afetou a
fauna da ilha Isabela onde, em 2009, foi registada uma espécie endémica de iguanas
cor-de-rosa (Conolophus marthae). Uma expedição realizada no ano passado identificou
cerca de 211 exemplares dessa espécie,
que é considerada muito ameaçada pela
5 000
A liga italiana de futebol,
União Internacional para a Conservação sob pressão do governo,
da Natureza. As encostas do vulcão Wolf decidiu limitar a capacidade
também abrigam iguanas-amarelas dos estádios para cinco mil
(Conolophus subcristatus) nativas e espectadores a partir de 15
tartarugas-gigantes (Chelonoidis becki). de janeiro, para as 22ª e 23ª
A ilha Isabela, a maior do arquipélago jornadas da Série A. O apelo
formado por 19 ilhas e cerca de 40 partiu do primeiro-ministro,
ilhotas, também é o lar dos vulcões Mario Draghi, e prende-se com
ativos Darwin, Alcedo, Cerro Azul e a necessidade de conter as
Sierra Negra. contaminações por Covid-19.

20 VISÃO 13 JANEIRO 2022


Campanha válida até 31/01/2022 e exclusiva para novos assinantes na versão impressa ou digital, salvo erro de digitação. Campanha válida apenas para
Portugal, na versão impressa. Assinatura paga na totalidade ou em prestações mensais sem juros, TAEG 0%. Consulte todas as opções em loja.trustinnews.pt.

Dias úteis
út i das
d 9h
PAPEL

€64,00

h às 19h
à 19h. I d
h Indique ód
códi
ódi
o código
25% de desconto
1 ano (26 edições)

COC9
ódigo promocionall COC93
€21,60
DIGITAL

45% de desconto
6 meses (12 edições)

Ligue 21 870 50 50 ou aceda a loja.trustinnews.pt


EM APENAS DUAS LETRAS
A CULTURA


C

AD
D E S DE

A EDIÇÃ
O
1,80
TRANSIÇÕES

MORTES
Foi o primeiro negro a
receber um Oscar de Melhor
Ator, pela participação no fil-
me Os Lírios do Campo, em
1963. Protagonista de filmes
como Adivinha Quem Vem
Jantar ou No Calor da Noite,
na década de 1960, Sidney
Poitier também se tornou
o primeiro artista negro a
receber um Oscar honorário,
em 2002. Arrebatou ainda
Globos de Ouro e prémios
Bafta. Foi realizador e, mais
tarde, embaixador do seu
país, as Bahamas, no Japão,
primeiro, e na Unesco,
depois. Casou-se duas vezes
e teve seis filhas. Morreu
na quinta-feira, 6, com 94
anos, em Los Angeles, onde
residia.

O realizador norte- LOURDES CASTRO 1930 - 2022


-americano Peter
Bogdanovich, responsável
por filmes como A Última
Sessão e Lua de Papel,
morreu na quarta-feira,
6, aos 82 anos, em Los
O caminho das sombras
O universo pessoal e o artístico não se separavam na vida de Lourdes
Angeles. De acordo com a de Castro, nome maior da arte contemporânea portuguesa
filha, Antonia, o realizador
morreu em casa, de causas Nasceu no Funchal em dezembro (em plexiglas colorido, em telas ou
naturais. de 1930 e em 1983 regressou à ilha bordados em lençóis) ou plantas. Mas
da Madeira, onde viveria até à sua é, talvez, nos seus Álbuns de Família
morte, no passado sábado, 8. Aí, que a sua identidade pessoal e artística
Juntamente com John e pelo mundo, a vida de Lourdes (universos que, na verdade, eram
Roberts, Joel Rosenman e
Castro foi sempre marcada por uma um só) está mais bem registada: são
Artie Kornfeld, conseguiu
grande liberdade. Por isso mesmo, dezenas de cadernos que, desde 1963,
erguer um dos maiores
eventos musicais dos anos
não terminaria o curso de pintura nas a artista preencheu com imagens,
60 em Bethel, Nova Iorque: Belas-Artes, em Lisboa, demasiado recortes, palavras (e que estiveram
o festival de Woodstock. conservador e dogmático, e partiu expostos na Culturgest em 2016).
Michael Lang tinha 77 para a Europa – primeiro Munique, A procura de reconhecimento e
anos e morreu no sábado, 8, onde viveu um ano, e depois Paris, de grande projeção nunca foram
vítima de cancro. onde se instalou, em 1958, com prioridades para si, mas em 2021
René Bertholo. O pequeníssimo Lourdes Castro recebeu a Medalha
apartamento em que viveram na Rue de Mérito Cultural (do Ministério
O ator, apresentador e des Saints-Pères tornou-se ponto da Cultura) e as insígnias da Ordem
comediante Bob Saget de passagem obrigatória de artistas Militar de Sant’iago da Espada.
foi encontrado morto, no portugueses e estrangeiros (como Jan No fim do documentário Pelas
domingo, 9, num quarto Voss ou Christo) e nasceria aí a revista, Sombras (realizado por Catarina
de hotel em Orlando, na e grupo artístico informal KWY (as Mourão em 2010), Lourdes Castro
Florida. Saget, de 65 anos, três letras que faltavam ao alfabeto contava que muitas vezes lhe
estava em digressão com o português). Ainda em Paris, e também perguntavam se ainda pintava.
seu espetáculo de comédia em Berlim, viveria depois com o E, no jardim de sua casa, respondia:
stand-up. Em Portugal, artista Manuel Zimbro, cúmplice “A minha pintura é esta. Doze mil
fez sucesso nas décadas artístico até à morte deste, em 2003. metros quadrados de terreno.
de 1980 e 90 no papel de
A obra de Lourdes Castro, feita ao Continuo a pintar um quadro, um só
Danny Tanner, o pai viúvo na
seu ritmo, livre de compromissos, que nunca, mas nunca, estará pronto,
série Que Família!
é muito marcada pelos jogos de e mesmo depois de mim ele se irá
sombras e os contornos de corpos fazendo...” Pedro Dias de Almeida

22 VISÃO 13 JANEIRO 2022


A rede social
de Donald
PRÓXIMOS CAPÍTULOS
Trump
promete “a
verdade”

D AV I D S A S S O L I 19 5 6 – 2 0 2 2

Calou-se uma voz livre


Foi, durante mais de duas décadas, um
distinto jornalista em Itália, antes de
entrar na política para acabar a presidir o
Parlamento Europeu

Era, nas palavras de Elisa Ferreira, atual comissá-


ria europeia e sua antiga colega como eurodeputa-
da, “um homem de princípios e integridade, uma
voz livre no jornalismo e na política, um constru-
tor de pontes, um grande europeu”. David Sassoli,
de 65 anos, casado e pai de dois filhos, morreu na
madrugada de terça-feira, 11, em Itália, na sequên-
cia de complicações graves devido a uma disfun-
ção do sistema imunitário.
TRUTH SOCIAL
David-Maria Sassoli nasceu em Itália, a
30 de maio de 1956, e durante a década de
1970 licenciou-se em Ciência Política pela
Universidade de Florença, cidade de onde era
natural. Enveredou pelo jornalismo, começando
pela imprensa no jornal Il Giorno, de Roma, e
Trump lança a rede
acabando como diretor-adjunto do principal O ex-Presidente cumpre, já em fevereiro, a promessa
telejornal da televisão estatal italiana, a RAI. de lançar uma plataforma social alternativa.
Enquanto jornalista, foi sempre um profundo E tem mais de mil milhões para gastar
defensor da liberdade de expressão.
Em 2009, filiou-se no Partido Democrático italia- A futura rede social do ex-Presidente dos Estados Unidos da
no, de centro-esquerda, e foi eleito eurodeputado, América já tem data para entrar online. Dia 21 de fevereiro será o
assumindo também funções de líder da bancada dia de lançamento da Truth Social, uma plataforma apresentada
parlamentar do Partido Democrático entre 2009 por Donald Trump como alternativa ao Facebook, ao Twitter ou
e 2014. Foi reeleito nesse ano e chegou a vice- ao YouTube, redes sociais das quais foi afastado após o ataque
-presidente da assembleia europeia. Nas eleições ao Capitólio, ocorrido a 6 de janeiro de 2021. Recorde-se que o
de 2019 manteve o lugar no Parlamento Europeu Facebook baniu indefinidamente – a sanção foi, depois, reduzida
e acabou por ser eleito presidente, sucedendo para dois anos – Trump, acusando-o de usar a sua plataforma
no lugar ao compatriota Antonio Tajani. Foi o para incitar os seus partidários à violência. O Twitter também
sétimo italiano a presidir o Parlamento Europeu, suspendeu permanentemente a conta presidencial, que contava
num mandato que deveria terminar em janeiro com quase 89 milhões de seguidores.
próximo. Até à eleição do seu sucessor, será o O Trump Media & Technology Group, cujo CEO é o
português Pedro Silva Pereira a desempenhar as lusodescendente Devin Nunes, antigo congressista republicado
funções de forma interina. M.B.M. pela Califórnia, revelou, no início de dezembro, ter angariado 1
000 milhões de dólares (cerca de 890 milhões de euros) através
de um grupo de investidores anónimos,
depois de já ter captado 293 milhões de
dólares (cerca de 260 milhões de euros)
MILHÕES DE em setembro. Ao todo, o antigo Presidente
conta com cerca de 1,1 mil milhões de
AMERICANOS euros para marcar uma forte presença
E PESSOAS no mercado de redes sociais dirigidas ao
público ultraconservador, que já conta
EM TODO O com a Gettr, lançada no início de julho
MUNDO CONTAM pelo seu ex-assessor, Jason Miller, a Parler
e a Gab. Estas plataformas prometem
CONNOSCO PARA a “liberdade de expressão” e escapam
FAZER ISTO E DA da censura das redes sociais do grande
público. Apesar da concorrência, as
MANEIRA CERTA expectativas são altas: o grupo tecnológico
DEVIN NUNES de Trump acredita que a Truth Social
CEO do Trump
Media & Technology possa chegar rapidamente aos 75 milhões
Group de utilizadores. M.B.M.

13 JANEIRO 2022 VISÃO 23


IMAGENS

CELEBRAR
EM CONJUNTO
Mesmo em tempos difíceis, nos quais se tenta travar o
avanço de uma pandemia, há tradições que se mantêm
e rituais que continuam a ser praticados – em muitos
casos, por devotos religiosos mas também por altos
dignitários, cujas responsabilidades assim o exigem

GETTYIMAGENS

HAIA, PAÍSES BAIXOS


O novo governo holandês, presidido por Mark Rutte, tomou, finalmente,
posse, na segunda-feira, 10, após meses de negociações. A cerimónia juntou
os ministros do executivo com o rei Willem-Alexander, como manda
a tradição e apesar de o país estar sob fortes medidas de confinamento.

LALIBELA, ETIÓPIA
Peregrinos participam
na celebração do Genna,
o Natal ortodoxo etíope,
na Igreja do Salvador,
em Lalibela, a norte de
Adis Abeba, na região de
Amara, na fronteira com
o Tigré, na sexta-feira,
7. Há poucas semanas,
este património listado
pela UNESCO estava sob
controlo rebelde, mas o
local sagrado e os seus
ícones do século XII foram
recuperados pelas forças
do governo, no final de
dezembro.

24 VISÃO 13 JANEIRO 2022


AMRITSAR, ÍNDIA
Um religioso sique mergulha na lagoa sagrada do Templo Dourado
em Amritsar, a segunda maior cidade do Punjabe e centro dos
seguidores daquela religião, para assinalar, no domingo, 9,
o aniversário do nascimento do 10º guru sique, Gobind Singh.

TÓQUIO, JAPÃO
Algumas dezenas de
homens participaram,
no domingo, 9, na
cerimónia tradicional
do banho nas águas
geladas junto ao
santuário Inari de
Teppozu, Tóquio,
durante o ritual
xintoísta anual de
purificação do corpo e
da alma, por ocasião da
chegada do Ano Novo.
Por causa da Covid-19,
a cerimónia deste ano
foi reduzida e fechada
ao público.

13 JANEIRO 2022 VISÃO 25


IMAGENS

DESAFIAR
OS ELEMENTOS
Nada como a Natureza e toda a sua exuberância para
proporcionar imagens de uma beleza única. O mesmo
acontece quando o Homem decide pôr-se à prova perante
esta força tamanha que tem tanto de fascinante como
de potencialmente letal

GETTYIMAGENS

WADI AD-DAWASIR, ARÁBIA SAUDITA


O motociclista norte-americano Ricky Brabec conduz a sua Honda através do deserto,
durante a etapa 8 do Rally Dakar 2022, entre Al-Dawadimi e Wadi ad-Dawasir, na Arábia
Saudita, na segunda-feira, 10. A 44ª edição da maior prova de todo-o-terreno do mundo
decorre até dia 14, nas paisagens desertas da Arábia Saudita.

WINTERBERG,
ALEMANHA
O nome diz tudo.
Traduzido para português,
Winterberg quer dizer
“Montanha do inverno”.
Algo que fica claro nesta
magnífica vista aérea que
mostra uma paisagem
coberta de neve numa
ensolarada manhã de
janeiro. Não se vislumbra
praticamente vivalma, a
não ser a dos ocupantes
do carro que serpenteia
estrada a cima.

26 VISÃO 13 JANEIRO 2022


NAZARÉ, PORTUGAL
Com as previsões a apontarem para a maior ondulação do inverno,
vários foram os surfistas de todo o mundo que se aventuraram,
no último fim de semana, nas ondas gigantes do canhão da Nazaré,
que chegam a atingir cerca de 25 metros de altura.

VLADIVOSTOK, RÚSSIA
Baleias-brancas são
fotografadas a caçar
cardumes sob a
superfície congelada
da baía de Amur, perto
do farol Tokarevsky, em
Vladivostok, na costa
russa do Pacífico. Muitas
das baleias-brancas ou
belugas, libertadas da
tristemente conhecida
prisão de baleias de
Nakhodka, em novembro
de 2019, vivem agora nas
águas desta baía.

13 JANEIRO 2022 VISÃO 27


BEM-VINDO
À ADMIRÁVEL
VIDA HÍBRIDA
Estamos cada vez mais perto de um futuro em que viveremos
simultaneamente em dois mundos: o real e o virtual, que
se interligam permanentemente. Nos próximos anos, serão
investidos milhares de milhões na web 3.0 e na construção
de universos virtuais que se confundem com a realidade.
Este novo mundo tem o potencial de revolucionar o trabalho,
as relações sociais, o consumo e a cultura. Está preparado?
RUI BARROSO
FOTOS: GETTYIMAGES
T
Talvez, até agora, poucos o tenham
feito de forma tão explícita como
Mark Zuckerberg. O líder do Face-
book mostrou, no passado mês de
outubro, num vídeo de mais uma
hora, qual era a sua visão para o futu-
“O CONCEITO APRESENTADO NO LIVRO
DE FICÇÃO CIENTÍFICA SNOW CRASH
TEM MUITAS SEMELHANÇAS COM
O SIGNIFICADO QUE ATUALMENTE
SE ASSOCIA AO TERMO METAVERSO”
LU Í S G O N Z AG A M AG A L H Ã ES
PROFESSOR NO DEPARTAMENTO DE SISTEMAS
DE INFORMAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO

ro: “A próxima plataforma será ainda


mais imersiva, uma internet incorpo-
rada em que tu és a experiência, não
olhando apenas para ela, e chamá-
mos a isso o metaverso. Irás conse-
guir fazer quase tudo o que puderes
imaginar, estar com amigos e família,
trabalhar, aprender, jogar, comprar e
criar.” Para mostrar que esta é mesmo
uma aposta séria, o criador da maior
rede social do mundo anunciou tam-
bém a mudança do nome da empresa
que fundou, passando de Facebook
para Meta. O termo escolhido por
Zuckerberg para este novo mundo foi
usado pela primeira vez há 30 anos no
livro de ficção científica Snow Crash,
de Neal Stephenson. Nessa narrativa
– passada numa América distópica,
destruída por uma crise económica
causada pela hiperinflação e em que
a sociedade e a economia eram con-
troladas por gigantes empresariais
em vez do Estado –, as pessoas re-
fugiavam-se no metaverso, bastando
para isso colocar óculos de realidade
virtual para entrarem num universo
paralelo e digital em que tinham os
seus avatares em forma 3D. “O con-
ceito que aí é apresentado tem muitas
semelhanças com o significado que
atualmente se associa a este termo”,
observa Luís Gonzaga Magalhães,
professor no Departamento de Siste-
mas de Informação da Universidade
do Minho, à VISÃO.
Nos últimos anos, o virtual já tem
entrado nas nossas vidas, seja através
de videojogos, redes sociais, formas
de fazer negócios, criação de dinheiro
alternativo com criptomoedas ou arte
digital, numa progressiva desmateria-
lização em que trocamos coisas pal-

30 VISÃO 13 JANEIRO 2022


UM UNIVERSO DE POSSIBILIDADES
Praticamente todas as grandes áreas da nossa vida
poderão ser vividas, pelo menos parcialmente,
neste novo mundo digital páveis por outras puramente digitais.
Mas esta corrida ao metaverso pode
ser o momento em que se começam
a esbater a uma grande velocidade as
VIDEOJOGOS ECONOMIA CULTURA
distâncias entre o real e o virtual. A
A indústria de videojogos Na sua visão para Já foram feitas várias ideia de termos uma existência num
tem sido precursora o metaverso, Mark experiências de universo paralelo não é nova. “Já
no desenvolvimento Zuckerberg espera concertos ou outros houve várias tentativas de criação de
de metaversos e está que se transacionem espetáculos em universos digitais paralelos, come-
no pelotão da frente centenas de milhares universos virtuais. çando pelo Second Life da Linden
na construção de de milhões de euros Com o metaverso Lab lançado em 2003”, recorda Paulo
mundos virtuais e/ou de nesse espaço. O essa tendência poderá Dias, professor do Departamento de
realidade aumentada comércio de bens e intensificar-se, com Eletrónica, Telecomunicações e Infor-
que permitam uma serviços digitais deverá concertos ou festivais mática da Universidade de Aveiro. A
experiência mais ter um crescimento virtuais. Também diferença, aponta à VISÃO, é que “en-
imersiva e real aos significativo nos a nível da indústria quanto as tentativas anteriores eram
jogadores. próximos tempos, sejam cinematográfica, pouco imersivas (já que o utilizador
roupas para os avatares, abrem-se novas interagia com o mundo através do
mobiliário digital para portas para rato e do teclado à semelhança do que
as casas do metaverso, experiências mais se faz em jogos na primeira pessoa),
espaços virtuais para imersivas e novas estas tentativas mais recentes são
TRABALHO deter nesse universo ou formas de contar mais imersivas através da utilização
A pandemia forçou obras de arte digitais. histórias. Estas de tecnologia de realidade virtual e
uma parte significativa Algumas empresas já tecnologias podem
aumentada”. Além disso, o Second
da população a ficar estão a fazer alguns ainda ser usadas na
em teletrabalho. As
Life era outra vida, uma segunda vida.
projetos-piloto para arte, com museus
limitações sentidas conseguirem ter a terem exposições
O que nos propõem agora é uma úni-
com o trabalho remoto presença e faturação digitais ou a criarem ca vida, em que as dimensões físicas
poderão ser compensa- no metaverso. Esta os seus próprios e virtuais existem ao mesmo tempo.
das com a evolução do economia virtual metaversos para Mark Zuckerberg acredita que a
metaverso, permitindo poderá levar a uma permitir um contacto atual internet móvel – que nos per-
criar escritórios virtuais maior massificação mais próximo e mite estar ligados em todo o lado –
onde se pode interagir da utilização de interativo com obras será substituída pelo metaverso, que
com os colegas, ter criptomoedas nesses de arte. Este novo possibilitará termos a sensação de
reuniões e desempenhar espaços e também mundo cria também presença quando e onde quisermos.
as funções profissio- de NFT (tokens não a oportunidade para “Seremos capazes de nos sentir pre-
nais dentro desse novo fungíveis) que atestam aparecerem artistas sentes como se estivéssemos mesmo
mundo. a originalidade e a puramente digitais. com as pessoas, não importa o quão
propriedade dos bens distante realmente estejamos. Se-
digitais. remos capazes de nos expressar de
maneiras novas, alegres e completa-
mente envolventes, para desbloquear
SOCIAL EDUCAÇÃO muitas experiências novas e incríveis.
O metaverso pode levar O metaverso Quando envio para os meus pais um
as experiências sociais SAÚDE e a realidade
vídeo dos meus filhos, eles vão sentir
a um novo patamar, A combinação entre virtual prometem
como se estivessem naquele momen-
permitindo reunir com a realidade virtual, revolucionar as
amigos e conhecidos realidade aumentada aprendizagens,
to connosco e não a espreitar através
num universo virtual. e internet das coisas permitindo fazer de uma pequena janela.” Caso a visão
Além de reduzir os pode trazer uma experiências imersivas de Zuckerberg e de outras grandes
constrangimentos de revolução aos cuidados que seriam difíceis tecnológicas se concretize, podere-
tempo e espaço com de saúde, desde a de fazer fisicamente, mos chegar a um ponto em que os
pessoas que já se formação médica até ao seja a exploração monitores de computadores, teclados
conhecem, o metaverso tratamento de pacientes virtual do Sistema e ratos se tornarão obsoletos, dando
poderá permitir a criação e mesmo a cirurgias Solar ou o lugar a wearables como óculos, luvas
de círculos sociais feitas de forma remota. “teletransporte” dos ou pulseiras com sensores que repli-
paralelos. A perspetiva A evolução tecnológica alunos para ver in carão os nossos movimentos reais
é que poderemos pode ajudar a mitigar loco a construção das num mundo virtual.
estar no metaverso algumas das limitações pirâmides do Egito.
com quem quisermos que a telemedicina Poderão também INVESTIMENTO BEM REAL
e quando quisermos, atual enfrenta, como permitir aulas em O objetivo do Facebook – rebatiza-
independentemente da a falta de interação espaços virtuais com do de Meta Platforms – é que o seu
distância e com novas física entre profissionais professores e colegas metaverso vá ganhando forma para
formas de interação. e pacientes. de outras partes que, no prazo de uma década, seja
o habitat de mil milhões de utili-

13 JANEIRO 2022 VISÃO 31


zadores. Algumas das tecnologias
que serão necessárias para concreti-
zar esta visão quase utópica podem
ainda não existir. Outras, como os
básicos óculos de realidade virtual, “A PRIVACIDADE É UM TÓPICO MUITO
têm sofrido reveses. No entanto, SENSÍVEL – JÁ É MAU O SUFICIENTE
têm existido avanços significativos
nos equipamentos que se têm de- QUE OS COOKIES RASTREIEM TODOS
senvolvido e que poderão ajudar a OS NOSSOS MOVIMENTOS ONLINE. NO
criar novos mundos cada vez mais
sofisticados e imersivos. “O desen-
FUTURO, ATÉ OS NOSSOS DADOS PESSOAIS
volvimento das tecnologias digitais, DE SAÚDE PODERÃO SER GRAVADOS
que incluem novos processadores, QUANDO UTILIZAMOS APARELHOS
redes de comunicação, Inteligência
Artificial e aprendizagem automática DE REALIDADE VIRTUAL”
continuam a evoluir rapidamente e S O U M O D I P SA RK A R
poderão vir a permitir criar ambientes PROFESSOR CATEDRÁTICO DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA
virtuais utilizáveis em grande escala
num período de poucas dezenas de
anos”, considera Arlindo Oliveira à
VISÃO. O professor do Instituto Su-
perior Técnico (IST) ressalva que “os
investimentos necessários, porém,
são de grande dimensão, e estão ape-
nas ao alcance de algumas grandes
empresas”.
Para seduzir mil milhões de utili-
zadores a entrar no metaverso, será
necessário fazer com que wearables
como óculos virtuais, smartwatches,
pulseiras com sensores, luvas para
realidade virtual e auriculares se
desenvolvam para um nível em que
a sensação de imersão seja quase
total. Paulo Dias salienta que, “se já é
relativamente fácil fazer simulações
visuais e auditivas realistas em tempo
real nos sistemas existentes, a possi-
bilidade de tocar, levantar, sentir os
objetos ao pegar neles é um desafio
para o qual ainda não existe uma
solução bem definida”. Atualmente,
ao utilizarmos a internet já usamos
a visão e a audição. Falta aprimorar
equipamentos que nos permitam
usar o tato e sentir texturas. Existem
também algumas experiências, ain-
da em fase muito mais embrionária,
para desenvolver soluções que nos
permitam usar o paladar e o olfato
em mundos virtuais, mimetizando
sabores e cheiros.

INFRAESTRUTURAS E TALENTO
Desenvolvida a tecnologia, terá depois
de se conseguir com que fique aces-
sível a um grande número de consu-
midores em termos de preço. Num
artigo no seu blogue, e referindo-se a
óculos de realidade virtual, Bill Gates
realçava que “a maioria das pessoas
ainda não tem estas ferramentas,
o que irá abrandar um pouco a sua
adoção”. Ainda assim, o fundador

32 VISÃO 13 JANEIRO 2022


DINHEIRO VIRTUAL
O mercado de criptomoedas multiplicou-se.
Poderão ser as divisas dos futuros mundos virtuais? da Microsoft espera que, “dentro de
dois a três anos, a maior parte das
A corrida ao virtual também está a acontecer no dinheiro. As criptomoedas fora reuniões virtuais passarão de grelhas
do controlo de governos e bancos centrais têm crescido de forma significativa de imagens em 2D para o metaverso,
nos últimos tempos e poderão ser a base de economias de futuros universos um espaço 3D com avatares digitais”,
digitais descentralizados construídos com recurso à tecnologia blockchain. uma solução que já foi lançada pelo
O mercado destas moedas virtuais vale cerca de 1,9 biliões de dólares, 15 Teams da Microsoft.
vezes mais do que os 130 mil milhões verificados há apenas três anos, segundo Além dos equipamentos neces-
dados da CoinMarketCap. A dimensão atual deste universo é já superior ao sários, construir metaversos seme-
PIB de Itália, a oitava maior economia do mundo. Apesar destas valorizações lhantes aos que apenas existiam no
expressivas, as criptomoedas não são um meio de pagamento que esteja imaginário da ficção científica exigirá
sequer perto de rivalizar com o dinheiro fiat – como o euro, o dólar ou outras também investimentos avultados em
moedas controladas por bancos centrais – em operações de pagamentos e infraestruturas físicas como centros
na utilização diária do dinheiro. Ainda assim, as criptomoedas têm sido um de dados, na contratação de talento,
destino de cada vez mais investimento, com algumas instituições financeiras no financiamento de criadores de
tradicionais a começarem a criar unidades especializadas nesta nova forma conteúdos e em formas de resolver os
de dinheiro. A popularidade destas moedas virtuais descentralizadas e também problemas de regulação, privacidade
os planos de grandes tecnológicas como o Facebook de promoverem novas e segurança. E isso custará bastante
moedas virtuais com valor estável – como o projeto libra/diem – começa já a dinheiro. Num relatório divulgado
ter uma resposta das autoridades monetárias, que pretendem defender os seus no final do ano passado, os analistas
monopólios do dinheiro com o lançamento das CBDC (moeda digital de bancos do Goldman Sachs tentaram fazer as
centrais). O Banco da China já tem projetos em curso com o e-renminbi, o BCE contas e, tendo em conta o tamanho
caminha a passos largos para lançar um euro digital e a Reserva Federal dos das empresas que estão na corrida
EUA tem estado a analisar os riscos e benefícios de um dólar digital. pelo metaverso, estimaram que, nos
próximos três anos, poderão ser in-
vestidos entre 135 mil milhões e 700
mil milhões de dólares por estes gi-
gantes, para ajudar a erguer metaver-
sos. O limite máximo desta estimativa
equivale quase a três vezes a riqueza
produzida anualmente em Portugal.

CORRIDA À WEB 3.0


A despesa é alta, mas o custo dos gi-
gantes tecnológicos (e não só) ficarem
fora da corrida aos universos virtuais
e de realidade aumentada pode ser
ainda mais elevado. No passado, as
empresas que falharam as novas
grandes revoluções tecnológicas fi-
caram para trás. Basta recordar os
casos da Kodak, que caiu arrasada
pelas fotos digitais, da Blockbuster,
que foi dinamitada pelo streaming,
VALOR DAS CRIPTOMOEDAS MULTIPLICOU-SE POR 15 EM TRÊS ANOS ou da própria unidade de telemóveis
Valores, em biliões de dólares, da capitalização da Nokia e a BlackBerry, que acaba-
de todas as criptomoedas 10 JAN 2022 ram quase esmagadas pelas inovações
$1,94 B trazidas pelo iPhone. Os analistas do
3 % MERCADO 10/01/22 Goldman Sachs consideram que a
transição da atual web 2.0 (internet
40,31% BITCOIN móvel) para a web 3.0 (descentrali-
2 19,10% ETHEREUMM zada, personalizada, marcada pela
3,98% TETHER realidade virtual e aumentada) irá tra-
3,72% BNB zer mudanças dramáticas no setor e
1 01 JAN 2019 2,24% SOLANA poderá levar os investidores a muda-
$0,13 B 30,65% OUTRAS rem a perceção sobre quem serão os
vencedores e vencidos desta corrida.
“O metaverso é realmente impor-
0 tante e tem bastante potencial como
JAN 2019 JUL 2019 JAN 2020 JUL 2020 JANN 2021 JULL 2021
20021
21 JAN
JAN 2022
JA 2202
20
02222 área de investimento”, refere Stephan
FONTE coinmarketcap.com AR/VISÃO Morais, à VISÃO. O partner da Indi-
co Capital Partners, uma sociedade
de capital de risco, acrescenta que

13 JANEIRO 2022 VISÃO 33


ENTREVISTA / ARLINDO OLIVEIRA A tecnologia necessária para criar

‘‘O METAVERSO PODERÁ MUDAR


ambientes de grande realismo e inte-
rações naturais com esses ambientes
tem-se vindo a revelar notavelmente

PROFUNDAMENTE A SOCIEDADE,
difícil de desenvolver. A mais básica
dessas tecnologias, óculos de realida-
de virtual, ainda está num estágio de

TANTO OU MAIS DO QUE A INTERNET’’


desenvolvimento muito preliminar, e
várias empresas de grande dimensão
têm falhado no lançamento deste tipo

O
de produtos. Porém, o desenvolvimento
das tecnologias digitais, que incluem
professor do Instituto Superior seu tempo a jogos de vídeo, mesmo novos processadores, redes de comuni-
Técnico e presidente do Insti- usando interfaces que são muito primi- cação, Inteligência Artificial e aprendi-
tuto de Engenharia de Siste- tivas, pouco realistas e nada envolven- zagem automática continuam a evoluir
mas e Computadores (INESC) tes. Até que ponto o metaverso poderá rapidamente e poderão vir a permitir
considera que o metaverso, substituir a realidade durante parte do criar ambientes virtuais utilizáveis em
caso venha a ser adotado em tempo, para muitas pessoas, depende, grande escala num período de poucas
larga escala, poderá ser a essencialmente, de quão sofisticadas e dezenas de anos. Os investimentos
próxima revolução tecnológi- realistas forem as interações possíveis necessários, porém, são de grande
ca. Em respostas por escrito à VISÃO, nesses ambientes de realidade virtual, dimensão, e apenas ao alcance de algu-
Arlindo Oliveira enumera várias oportu- que serão as próximas gerações das mas grandes empresas.
nidades deste novo mundo, mas alerta redes sociais, já hoje tão usadas.
também para “a possibilidade de uma Será possível construir o
alienação da realidade”. O objetivo de Mark Zuckerberg é metaverso com a tecnologia 5G
que o metaverso comece a massifi- ou necessitaremos do 6G? Com a
Num artigo recente, citou Arthur C. car-se a partir de 2030. Atualmente informação que existe atualmente
Clarke para afirmar que qualquer já existe a tecnologia necessária qual o calendário mais provável
tecnologia suficientemente para erguer este universo que mis- para que o metaverso, no sentido
avançada é indistinguível de magia. tura realidade virtual com realida- mais abrangente do termo, possa
A internet móvel que usamos de aumentada ou serão necessários ser uma realidade?
atualmente pareceria magia há ainda vários anos e milhares de As redes de comunicação existentes
algumas décadas. O metaverso que milhões de investimento? (5G e fibra) não serão, provavelmente,
algumas das maiores tecnológicas
– como o Facebook, Apple ou
Microsoft – se propõem construir
poderá ser a próxima
grande magia?
O metaverso, caso se venha a concre-
tizar e ser adotado em grande escala,
uma vez resolvidos os problemas tec-
nológicos, económicos e estruturais,
poderá de facto mudar profundamente
a sociedade, tanto ou mais do que a
internet. Desse ponto de vista, poderá
ser a próxima revolução, a próxima
“magia” criada pela tecnologia. A
possibilidade de interagir de forma
profunda, natural e envolvente com
JOSÉ CARLOS CARVALHO

ambientes virtuais, reais ou sintéticos,


assim como com avatares de amigos
e familiares pode vir a transformar
profundamente toda a interação social,
já hoje bastante diferente do que era
há umas décadas. Da mesma forma,
a interpenetração entre as realidades
virtuais e o mundo real, com tecnolo-
gias de realidade aumentada, criará
“O METAVERSO CRIA TAMBÉM A
também novas formas de interação POSSIBILIDADE DE UMA ALIENAÇÃO
que poderão ser muito envolventes.
Parte desta transformação já é visível
DA REALIDADE QUE É DIFÍCIL
nas camadas da população mais DE ACEITAR PARA A NOSSA
jovens que dedicam grande parte do MENTALIDADE ATUAL”

34 VISÃO 13 JANEIRO 2022


o fator limitador. Outras tecnologias
de interação (óculos de realidade
virtual, métodos para geração realista
de ambientes virtuais, etc.) serão,
provavelmente, mais limitativas, uma
vez que a largura de banda e a latência
das redes existentes será, em muitos
casos, aceitável. Porém, à medida que
a qualidade das interfaces e o realismo
das mesmas se desenvolva, virão a
existir solicitações por redes com ainda
menos latência, criando a necessidade
de novas gerações de tecnologias de
comunicação. É notoriamente difícil
prever o calendário, mas parece-me
razoável apontar para um período de
poucas dezenas de anos.

Noutro dos seus artigos sobre


mundos imaginados e experiências
reais escreveu que “daqui a
algumas décadas, uma fração da
população poderá viver uma parte
significativa da sua vida nestes
mundos virtuais, uma possibilidade
simultaneamente prometedora e
inquietante”. Quais as principais
promessas e inquietações que
destacaria quando e se tecnologias
como o metaverso tiverem um papel
preponderante nas nossas vidas?
A possibilidade de uma fração
significativa da população poder ter “não sendo claro ainda se uma parte nificativamente no metaverso, tanto
acesso fácil ao metaverso, permitindo significativa de consumidores um dia na componente de imobiliário como
viagens virtuais a locais distantes, frequentarão o metaverso, ou se não na de organização de eventos”, refe-
incluindo outros planetas, assistir a passará de um nicho, o certo é que o re Stephan Morais. A empresa, que
concertos e espetáculos de forma crescimento das aplicações deriva- poderá funcionar como uma espécie
mais acessível, encontrar-se virtual das da blockchain são a grande força de Farfetch no metaverso, recebeu
e realisticamente com parentes e por detrás de aplicações web 3.0”. investimentos recentes para criar uma
amigos distantes e beneficiar de tantas As estimativas apontam para que o plataforma que permita a marcas de
novas possibilidades é, seguramente, grosso do investimento na próxima luxo e colecionadores transitarem
excitante. O metaverso criará a
evolução da internet advirá dos gi- para bens digitais.
possibilidade de milhares de milhões de
gantes tecnológicos mundiais. Mas
pessoas beneficiarem de experiências
há muitas startups a desenvolverem ECONOMIA DO METAVERSO
que agora são acessíveis apenas a
uma pequena fração da população do tecnologia que poderá ser essencial O metaverso ficcionado por Neal Ste-
planeta, e criará também uma multitude para se concretizar essa visão. Em phenson ou ambicionado por Mark
de novos modelos de negócio, acessíveis Portugal, por exemplo, “existem cerca Zuckerberg ainda poderá estar longe
a todos independentemente da sua de uma centena de empresas que tra- de se tornar realidade. Mas quan-
localização geográfica. Mas o metaverso balham na área da realidade virtual e/ do seis das 12 empresas com maior
cria também a possibilidade de uma ou aumentada”, indica Luís Gonzaga valor de mercado do mundo tentam
alienação da realidade que é difícil de Magalhães, citando um relatório da ser pioneiras nesse novo universo, o
aceitar para a nossa mentalidade atual. Associação Internacional de Reali- mais provável é que a questão não
Se já nos custa a aceitar que os nossos dade Virtual e Aumentada. Também seja se essa visão se vai concretizar
jovens (e os menos jovens) estejam nas universidades portuguesas exis- mas sim quando. Os especialistas
completamente dependentes dos seus tem vários laboratórios e centros de consideram que ainda poderá demo-
telemóveis, que diremos quando eles investigação focados nessas áreas. rar décadas até haver metaversos no
(e nós) passarmos os dias com óculos Algumas empresas nacionais ten- sentido mais abrangente do termo.
de realidade virtual, completamente tam também já posicionar-se para Mas, após a primeira experiência do
alheios da realidade à sua volta, o metaverso. “A mais conhecida e velhinho Second Life, há atualmente
embrenhados em novos ambientes e em avançada é a Exclusible, do porte- alguns projetos que podem ser vistos
novas aplicações que ainda não existem fólio da Indico, plataforma de NFT como os primórdios desses univer-
nem conseguimos imaginar? [tokens não fungíveis] ligada a mar- sos digitais que nos permitem tirar
cas de luxo, que tem investido sig- já algumas pistas de como poderá

13 JANEIRO 2022 VISÃO 35


funcionar esta nova economia. É o
caso da Roblox – uma plataforma
que permite aos utilizadores criarem
os seus próprios universos virtuais
e videojogos – e de Decentraland,
por exemplo. Este último universo,
gerido de forma descentralizada e
construído de forma colaborativa
com recurso à tecnologia blockchain,
é visto por muitos como um exemplo
do que o futuro poderá trazer. Tem
uma criptomoeda própria, a MANA,
que permite comprar terrenos, bens
digitais e serviços nesse mundo vir- “A PRÓXIMA PLATAFORMA SERÁ AINDA
tual. Existem áreas em Decentraland
para assistir a espetáculos virtuais,
MAIS IMERSIVA, UMA INTERNET
galerias de arte digitais em que se INCORPORADA EM QUE TU ÉS A
pode tentar vender as nossas criações EXPERIÊNCIA, NÃO OLHANDO APENAS PARA
ou comprar as obras de artistas, áreas
reservadas a casinos ou mesmo um ELA, E CHAMAMOS A ISSO O METAVERSO”
distrito financeiro. MARK ZUCKERBERG,
Estes projetos podem ser ainda F U N DA D O R D O FAC EBO O K E C EO DA META
uma pequena amostra do que sig-
nificará a economia web 3.0. Mas
Soumodip Sarkar diz à VISÃO que
“à medida que o conceito dá os seus
primeiros passos da ficção científi-
ca para o mundo empresarial, com
empresas não tecnológicas como a
Anheuser-Busch InBev, Ferrari, Gucci
e Nike, a construírem a sua presença
no metaverso, o forte burburinho
obrigou as empresas a tentarem des-
cobrir o que este pode significar para
elas e como delinear estratégias para
a sua exploração”. O professor de
Economia e Gestão na Universidade
de Évora explica que “o metaverso
vai dar às empresas a oportunidade
de oferecer os seus produtos e ser-
viços em dois meios: o mundo físico
e o mundo virtual, onde os avatares
podem ser equipados com os mais
recentes ténis, moletons e bolsas di-
gitais”. A Gucci, por exemplo, vende
malas como adereços para avatares
no Roblox por cerca de 800 robux (a
moeda do jogo), o que equivale a cerca
de 8,80 euros e criou também uma
app para vender NFT – tokens não
fungíveis que, com base na tecnologia
blockchain, atestam a propriedade e
unicidade de bens digitais – de ténis
virtuais. Já a leiloeira Sotheby’s abriu
uma galeria virtual em Decentraland.
Segundo estimativas da Grays-
cale, uma firma norte-americana
de investimento especializada em
criptoativos, ainda há apenas 50 mil
utilizadores ativos nos primeiros uni-
versos virtuais da web 3.0 e as vendas
de terrenos, bens e serviços digitais
foram pouco além dos 200 milhões

36 VISÃO 13 JANEIRO 2022


NFT MAIS CAROS
As vendas de tokens não
fungíveis de arte digital
de dólares, apesar do crescimento já começam de dar vida ao metaverso possa valer
significativo nos últimos meses. Es- a rivalizar com obras mais de um bilião (um milhão de mi-
tes volumes são bem modestos se de arte reais lhões) de dólares em receitas anuais.
comparados com a ambição de Mark Já o Goldman Sachs, num cenário
Zuckerberg em ter, no prazo de uma para várias décadas e que depende
década, centenas de milhares de mi- da proporção da economia digital
lhões em comércio de bens e serviços que seja absorvida pelo metaverso,
digitais no metaverso da sua empre- prevê que estes universos venham a
sa. O desenvolvimento da tecnologia representar um mercado de entre 2,6
levará esta nova economia virtual biliões e 12,5 biliões de dólares.
a um outro nível. A mistura entre Estas estimativas são pouco mais
realidade virtual e aumentada, por do que meramente indicativas, já que
exemplo, poderá em teoria permitir a incerteza sobre a velocidade a que a
que a nossa casa física seja também THE MERGE tecnologia se desenvolverá e a adesão
a nossa casa no metaverso. Aí, não é É o NFT mais caro de sempre, segundo da sociedade a estes novos mundos é
de excluir a possibilidade de receber um ranking da Business Insider. Esta obra grande. E subsistem muitas questões.
na nossa sala amigos e familiares do artista digital Pak foi vendida por 91,8 “De que forma as transações financei-
que se teletransportam em forma de milhões de dólares e teve a particularidade ras vão ser geridas? Qual será a rela-
avatares 3D vindos de localizações de ser fracionada por 28 983 compradores. ção entre as moedas online e offline?
físicas distantes. Além de decoração Há riscos dos gigantes tecnológicos
física, talvez se comece a comprar (empresas) dominarem e criarem
também bens digitais para enfeitar o ‘walled gardens’?”, questiona Sou-
nosso lar no metaverso, como NFT modip Sarkar. Uma das grandes in-
de mobiliário ou peças de decora- cógnitas é se nestes universos virtuais
ção digitais. Em vez de irmos a um teremos a continuação de “jardins
ginásio físico, poderemos ter aulas murados” como acontece na web 2.0
de fitness no metaverso juntamente dominada pelo monopólio de grandes
com outras pessoas e o instrutor sob tecnológicas. Teremos uma grande
a forma de avatar, num serviço pago EVERYDAYS: empresa como a Meta, por exemplo,
dentro desse universo. “O metaverso THE FIRST 5000 DAYS como senhoria que dita as regras
(se e quando se realizar) implicará que O NFT de uma colagem de cinco mil fotos sociais, económicas e monetárias
o mundo físico e o digital se tornarão do artista digital Beeple em formato JPEG desse metaverso? Ou a construção e
indistinguivelmente integrados”, re- foi arrebatado por 69 milhões de dólares organização desses mundos digitais
fere Soumodip Sarkar. Detalha que, num leilão da Christie’s. O comprador foi será descentralizada e colaborativa,
“neste mundo, uma empresa vai ter de um misterioso critpomilionário indiano permitindo aos utilizadores movi-
decidir se quer que os seus produtos Vignesh Sundaresan. mentarem os seus avatares e ativos
estejam disponíveis no metaverso de forma livre de universo para uni-
para que os consumidores os pos- HUMAN ONE verso? Seja uma ou outra alternativa,
Outra obra
sam conhecer a partir de qualquer como será regulado esse espaço e que
de Beeple, o
parte do mundo, ou se o seu negócio leis se lhe aplicarão? Qual o papel que
nome de código
primário vai mesmo ser no próprio do britânico Mike
os Estados podem ter se a economia
mundo virtual, com produtos e ser- Winkelmann, que e a sociedade migrarem para mundos
viços virtuais”. foi leiloada pela virtuais que lhes fogem do controlo?
A economia desses novos mundos Christie’s por um
terá, muito possivelmente, as suas valor avultado: QUESTÕES DE PRIVACIDADE
próprias criptomoedas ou moedas 28,9 milhões As grandes tecnológicas têm o en-
virtuais. E poderão desenvolver-se de dólares. genho e o dinheiro para investir ou
sistemas financeiros complexos, com comprar empresas que lhes permitam
base em empréstimos ou investimen- concretizar a visão deste novo mundo.
tos feitos dentro desses universos e Não será pela questão da motivação
nas criptomoedas que sustentam as financeira que estes universos não
suas economias. Em simultâneo, e ganharão forma. Mas há outros obs-
usando o exemplo de Decentraland, táculos que podem ser mais difíceis
é plausível que se criem bolsas para de superar. “O maior entrave à con-
compra e venda de propriedades digi- cretização do metaverso, no sentido
tais e NFT. “Os mundos criptovirtuais mais abrangente do termo, não estará
já criaram um mercado primário e se- CRYPTOPUNK 7523 nos desafios tecnológicos mas sim
cundário para criadores e detentores Este NFT de uma representação nas questões sociais, éticas e legais”,
de ativos, eliminando os controlos e pixelizada de um alien, o único a usar sublinha Luís Gonzaga Magalhães. A
máscara da coleção CriptoPunks da Larva
abrindo as suas fronteiras digitais ao Google, por exemplo, lançou os seus
Studios, foi leiloado por 11,7 milhões
capitalismo de livre mercado”, afir- óculos de realidade virtual em 2013.
de dólares na Sotheby’s.
mam os analistas da Grayscale. E esti- Mas esse produto foi alvo de muita
mam que a oportunidade de mercado polémica devido a questões de pri-

13 JANEIRO 2022 VISÃO 37


EMPRESAS NA CORRIDA AO METAVERSO
Os planos das grandes tecnológicas (e não só)
vacidade, já que permitiam aos seus para desenvolver o metaverso.
utilizadores captar imagens em todo
o lado de forma discreta, o que ditou
o insucesso desse projeto.
Num universo em que a fronteira
entre o real e o virtual se irá esbater
devido ao uso de tecnologia, a intrusão
poderá ser bem maior. “A privacidade
é um tópico muito sensível – já é mau
o suficiente que os cookies rastreiem
todos os nossos movimentos online.
No futuro, até os nossos dados pes-
soais de saúde poderão ser gravados
quando utilizamos aparelhos de reali-
dade virtual”, refere Soumodip Sarkar.
Se atualmente por vezes ainda somos
surpreendidos por o nosso telemóvel
se lembrar de onde fomos almoçar há
dois anos ou de o Facebook parecer FACEBOOK ALPHABET da empresa sinalizou
conseguir ler-nos os pensamentos, o A dona da maior rede A dona da Google até que a Disney iria criar o
metaverso e a imersão poderão levar social alterou o seu foi uma das primeiras seu próprio metaverso.
isso a um patamar ainda mais sinis- nome para mostrar que empresas a lançarem
tro. “Conseguirão conhecer-nos ainda está empenhada em uns óculos de realidade NVIDIA
mais profundamente do que já conhe- fazer do metaverso uma aumentada, em 2013. A fabricante de chips e
cem, colonizar os nossos espaços in- realidade. O Facebook Mas as preocupações de unidades de proces-
teriores, onde ainda conseguimos um chama-se agora Meta, e sobre privacidade samento gráfico lançou
pouco de refúgio”, advertiu Shoshana Mark Zuckerberg prome- levaram a tecnológica em 2021 o omniverso,
Zuboff, autora de A Era do Capita- te milhares de milhões a refrear este projeto. uma plataforma que per-
lismo de Vigilância, numa entrevista de investimento no curto Os analistas estimam mite criar novos mundos
recente ao Público. prazo para tornar a sua que a Alphabet terá virtuais e é usada por
visão uma realidade. também de entrar na empresas como a BMW
O OÁSIS E O DESERTO corrida ao metaverso, para otimizarem os seus
A preocupação não se fica pelas ques- APPLE para não ficar atrás da processos de produção.
tões relacionadas com a privacidade. A empresa mais valiosa concorrência.
“Existem os mais diversos tipos de do mundo tem sido mais TENCENT
risco que possamos imaginar, em que discreta sobre as opor- AMAZON O gigante chinês afirmou,
o metaverso se pode tornar um local de tunidades do metaverso. Desde 2018 que o na última conferência de
assédio, exploração sexual e bullying, Mas não está fora da gigante do comércio resultados, que tem a
por exemplo. As pessoas não deixam as corrida e poderá estar a online tem estado a capacidade de aprovei-
suas identidades de lado, quando criam preparar óculos inteli- desenvolver projetos tar a “oportunidade do
avatares online; no limite, estes espaços gentes e outro hardware de realidade virtual que metaverso”, apesar da
virtuais podem até estimular compor- para competir com a ajudem na experiência rédea curta que Pequim
tamentos psicologicamente agressivos Meta na realidade virtual de compras online. tem colocado às grandes
para com os outros”, afirma Soumodip e aumentada. A empresa tem feito tecnológicas. A empresa
Sarkar. Contrariamente às atuais redes algumas experiências de mais valiosa da China
sociais, no metaverso pode não existir MICROSOFT usar o metaverso como tem já uma parceria
a possibilidade de se bloquear ou fazer A segunda maior cotada uma espécie de centro estratégica com a Roblox,
mute a outros utilizadores e impedir global tem estado ativa comercial virtual. uma plataforma de jogos
que invadam os nossos espaços virtuais. na criação de mundos que permite aos seus
Um estudo de uma equipa de investiga- virtuais, anunciando já DISNEY utilizadores construírem
ção, encabeçada por Huansheng Ning, a possibilidade de se ter A empresa de os seus próprios mundos
da Universidade de Pequim, refletiu portas de entrada para entretenimento tem virtuais e usar ferramen-
sobre algumas formas de mitigar esse metaversos empresariais planos para intensificar tas de realidade virtual
risco, como a clonagem de avatares para no Microsoft Teams. a utilização de realidade ou aumentada para uma
confundir atacantes, criar locais priva- A tecnológica já virtual e aumentada maior imersão. Detém
dos e dar a possibilidade de invisibili- desenvolveu também nos seus parques também 40% da Epic
dade aos utilizadores que estejam a ser óculos de realidade temáticos físicos com Games, a criadora do
vítimas de comportamentos agressivos virtual e outro hardware universos virtuais. Fortnite que captou mil
ou intrusivos, entre outras possíveis para permitir o Além disso, durante a milhões de dólares de in-
estratégias. Também o risco de alie- “teletransporte” para última apresentação de vestimento para construir
nação neste novo mundo que esbate universos virtuais. resultados, o presidente o seu metaverso.
as fronteiras do real e do virtual causa
apreensão. “O conceito em si, de uma

38 VISÃO 13 JANEIRO 2022


Patrão. Mesmo com todos os receios
que uma realidade cada vez mais vir-
tual possa causar, a tecnologia pode
“NÃO ME ASSUSTA O METAVERSO ser encarada como um aliado em
termos sociais. “As pessoas podem
E AS INOVAÇÕES. O RISCO E A MINHA estar mais próximas, podem socializar
PREOCUPAÇÃO É SE A PESSOA SÓ TEM ISSO e quebrar algumas barreiras à sua es-
trutura de personalidade”, considera a
E USA APENAS A TECNOLOGIA” investigadora do ISPA, que nota que
I VON E PATR ÃO PSICÓLOGA CLÍNICA E ESPECIALISTA os jovens e as crianças já fazem essa
EM CIBERDEPENDÊNCIAS “socialização mista”. O que temos de
garantir, defende, é que não se viva
apenas numa dessas dimensões.
O admirável mundo novo que mis-
tura virtual com real está aí à porta. E,
realidade alternativa, e da dependência reconhece que uma tecnologia mais mais tarde ou mais cedo, poderemos
que poderá criar assusta-me”, confessa imersiva “poderá aumentar o risco de ser confrontados com a opção entre
Luís Gonzaga Magalhães. dependências em quem tem determi- o comprimido azul – da alienação,
O segredo para aproveitar os aspe- nadas características”, como pessoas simulação e escape – ou o verme-
tos positivos que estes novos univer- mais introvertidas ou que sofram de lho, que nos mantém conscientes da
sos poderão trazer estará na modera- psicopatologias prévias como de- realidade. Serão essas escolhas dos
ção e em não perder o contacto com pressão, fobia social, ansiedade ou criadores e dos utilizadores de tec-
o real. Ivone Patrão, psicóloga clínica hiperatividade. Mas garante: “Não me nologia mais imersiva que poderão
e investigadora do ISPA, refere à VI- assusta o metaverso e as inovações, ditar se viveremos numa realidade
SÃO que não é pela abstinência que já que a tecnologia veio para ficar e enriquecida por oásis virtuais ou se
se deve lidar com as dependências pode ser-nos útil. O risco e a minha a continuação da abolição de limites
online, mas sim pela “autorregulação”. preocupação é se a pessoa só tem isso entre os dois universos nos conduzi-
A especialista em ciberdependências e usa apenas a tecnologia”, diz Ivone rá a um deserto do real. visao@visao.pt
LEGISLATIVAS 2022
O JOGO DO TUDO
(OU NADA)
No arranque da campanha, mesmo em pandemia,
os partidos vão para a rua porque essa é a fórmula
que ainda mostra eficácia. Ainda com pouco domínio
da comunicação digital, aparecer na televisão continua
a ser o mais importante. As estratégias, as apostas,
os trunfos, as fragilidades – e o dilema de um primeiro-
-ministro com a “obrigação” de arrancar uma vitória
que impeça a sucessão no PS
N U N O M I G U E L R O P I O E R I TA R AT O N U N E S

40 VISÃO 13 JANEIRO 2022


E
LEGISLATIVAS 2022

Embora sem as tradicionais arruadas


ou os almoços e jantares da praxe,
cancelados por todos os partidos, à
exceção do Chega, a campanha, em
tempos de Covid-19, continua a sair
à rua. Depois dos debates televisi-
vos, e ainda com pouco domínio da
comunicação digital, a presença no
pequeno ecrã, em telejornais, continua
a ser fundamental. Também por isso
os líderes ligam o conta-quilómetros e
percorrerão o País – e só no PCP se faz assim deverá continuar, porque o PS
sentir a ausência do líder, Jerónimo de está concentrado na maioria absoluta
Sousa. O secretário-geral comunista e, para isso, tem de diminuir a votação
foi operado de urgência, por causa de nos partidos à sua esquerda”. Manuel
uma estenose carotídea (excesso de Carlos Silva, apoiante bloquista, du-
colesterol nas artérias, que pode cau- vida de que os socialistas alcancem a
sar um enfarte do miocárdio), e subs- maioria absoluta, mas acredita que
tituído pelos candidatos João Oliveira “o PS consegue uma maioria rela-
e João Ferreira, na fase da campanha tiva”. Costa vai ter de dar tudo por
que os comunistas mais valorizam: o tudo – até porque já admitiu deixar
contacto com a população. a liderança do partido, se perder as
É a altura do tudo ou nada, numa
eleição que se espera renhida, se se CAMPANHA eleições –, o que implica aparecer jun-
to do eleitorado, rodeado por todo o
confirmarem as projeções das son-
dagens, algumas das quais já che- SOCIALISTA COMEÇA apoio que a distância física, que tanto
pede nas conferências de Imprensa do
garam a apresentar os dois maiores
partidos em empate técnico. Manuel NOS AÇORES E ACABA Conselho de Ministros, lhe permitir.
Os socialistas vão apostar em ações
Carlos Silva, doutorado em Ciência
Política, sociólogo e antigo docente
NO PORTO. SOCIAIS- de proximidade com a população, em
que Costa andará “de braço dado”
da Universidade do Minho, realça que
será uma eleição muito “bipolarizada
-DEMOCRATAS com as figuras que se destacaram no
combate à pandemia. Pelo contrário, o
e que colocará dificuldades aos par- PARTEM DE BRAGA PSD fará uma campanha sintomática

PARA CHEGAREM
tidos com menos peso parlamentar, das caraterísticas do seu líder, mais
principalmente ao BE e ao PCP. O resguardado, e, por isso, procurará

A LISBOA
último já começou a ser arrasado por ambientes controlados, como visitas
António Costa no debate televisivo, e combinadas a instituições. Rui Rio

42 VISÃO 13 JANEIRO 2022


Última campanha A derrota
de Fernando Medina, em Lisboa,
e a perda de outros bastiões
levantam novos desafios a António
Costa, quatro meses depois

goritmo, e, por isso, em Portugal ainda


não existe um massacre do exército do
nojo, como existe noutras geografias,
onde as fake news têm verdadeira
Pesos-pesados
Estes são os principais duelos,
influência nas campanhas eleitorais, entre PS e PSD, nalguns
como aconteceu na Índia, com o atual dos círculos eleitorais mais
primeiro-ministro Narendra Modi, importantes
nos Estados Unidos da América, com
Trump, e no Brasil, com Bolsonaro.” BRAGA
O que funciona para o público
português, segundo Calafete, também
ex-assessor de Pedro Santana Lopes,
na Câmara Municipal de Lisboa, “é
JOSÉ LUÍS ANDRÉ
ainda a imagem televisiva”. “Todos os
CARNEIRO COELHO LIMA
políticos se queixam se não tiverem PS PSD
30 segundos no telejornal, nem que O antigo Um dos homens
seja para serem vistos a falar com a apoiante de da maior
peixeira do [Mercado] do Bolhão ou António José confiança de Rui
o padeiro de Benfica. O que conta é Seguro, nas Rio, tanto que
ter um bom soundbite e uma imagem primárias se tornou o seu
engraçada.” Daí a importância dos de- do partido, vice-presidente
bates televisivos que, ainda por cima, aproximou-se em substituição
sublinha o consultor de comunicação, de António de José Manuel
“têm tido muito boas audiências”. Costa, tendo Bolieiro, volta
Para o comentador político, “o vindo a suceder a correr como
grande derrotado até 15 de janeiro é a Ana Catarina cabeça de lista.
Jerónimo de Sousa, a quem correu Mendes como Em 2019, ficou
bastante mal o debate com Costa” e secretário- em segundo
a que se soma a ausência do PCP nos geral-adjunto lugar, atrás
seis confrontos diretos que seriam do PS. Em 2019, do PS, com
transmitidos no cabo, por o parti- ia apenas em 34,08%, mas
do ter considerado que estes “não quinto lugar na com o mesmo
lista pelo círculo número de
LUÍS BARRA

garantem princípios básicos de im-


do Porto. deputados: oito.
parcialidade”. Rui Rio “também não
lidou bem com o modelo dos debates
de 25 minutos. Faz passar a ideia de
que é pouco ligado à política, mas é COIMBRA
arrancará, no dia 16, em Braga, e de- político há 40 anos e não vinha de-
dicará a primeira semana ao Norte, vidamente treinado. Faltou-lhe um
com passagens pela Guarda, Viseu e plano de jogo”. Já António Costa sai
Bragança. Encontrar-se-á pelo Al- bem na fotografia tirada por Calafate.
garve a 25 e vai terminar a campanha O primeiro-ministro “foi o líder que MARTA MÓNICA
em Lisboa. O PS começa a volta nos melhor se preparou. O PS tem uma TEMIDO QUINTELA
PS PSD
Açores e encerra no Porto. Já o BE máquina muito profissional, um pla-
Repete o Saltou para
e o PAN, que disputam o eleitorado no, e eles vão bater-se por ele. Fizeram
primeiro lugar a ribalta ao
urbano, arrancam em Bragança e em estudos de opinião e até na semântica por Coimbra preparar a
Lisboa, respetivamente. criteriosa se nota o trabalho de Costa”. em 2019, agora rendição do
Paralelamente, os partidos inves- com o prestígio homicida Pedro
tirão numa presença forte na inter- TRUNFOS NA MANGA interno no Dias. Em 2018,
net, para conquistar os votos que a Houve algumas premissas que ti- PS após se tornou-se porta-
redução da mobilidade, causada pela veram de ser acrescentadas, nestas ter tornado a voz do PSD
pandemia, pode pôr em causa, mas – legislativas, a uma fórmula que tende mais recente para a Justiça,
alerta o especialista em comunicação a repetir-se a cada ato eleitoral: além militante, pela provocando
e comentador político Rui Calafate – da pandemia, que é a maior e a mais mão de Costa, algum
“o digital ainda é muito dirigido aos importante de todas – porque mexe no congresso do desconforto
convencidos”. Ou seja: os partidos com a logística e o contacto com a Algarve. Mas, na então
portugueses, à exceção da Iniciativa população –, é a crise política, causada acima de tudo, vice-presidente
Liberal, ainda não estão suficiente- pelo fim de uma solução governativa avança com e ex-bastonária
mente familiarizados com as técnicas inaudita de esquerda, e à incógnita os louros de dos advogados,
do online para conseguirem furar para sobre o impacto eleitoral de novas ter conduzido Elina Fraga.
lá do eleitorado que já os segue. “Isto formações, nos resultados dos parti- o SNS no Já foi cabeça
serve para o bem e para o mal: os dos do regime, que vão obrigar (e já combate à de lista em
partidos continuam à procura do al- estão) a mudar os argumentos usados. pandemia. 2019.

13 JANEIRO 2022 VISÃO 43


Direita unida? Nas
autárquicas, Rui Rio teve,a
seu lado, Francisco Rodrigues
LEGISLATIVAS 2022 dos Santos. Se vencer sem
maioria, o PSD conta com
os centristas e com a IL

LISBOA Para António Costa, a meta passa


por chegar a uma maioria absoluta,
por forma a dispensar o apoio das
bancadas do BE e do PCP. Ou, então,
ANTÓNIO RICARDO ficar quase lá perto, ao ponto de lhe
COSTA BAPTISTA bastar jogar mão aos assentos do PAN
PS LEITE e eventualmente, aos do Livre. O tom
Em 2019, o PSD circunspecto do líder socialista tem
líder do PS Ganhou sido notório, assim como a gravida-
conquistou notoriedade de que tem imprimido nas palavras
20 dos 48 pela mão de Rui quando fala sobre o passado e do
deputados que Rio, que decidiu que aí pode vir. E é assim que parece
este círculo colocá-lo que se irá manter, até para conseguir
elege, face a como rosto do esvaziar as opções à sua esquerda e
uma enorme partido para a piscar o olho ao centro.
erosão do PSD área da Saúde, Já Rui Rio está mais solto e con-
e ao surgimento desde o início fiante do que nunca. Apesar do afas-
de várias forças da pandemia. tamento de críticos internos das listas
políticas, que Entrou no de deputados, não será de estranhar
entraram no Parlamento,
vir a contar com barões e essas mes-
Parlamento. em 2011, com
mas vozes do contra, tendo em conta
Tendo em Passos Coelho.
conta o objetivo Há dois anos,
o cheiro a poder – acentuado pelas
da maioria este médico recentes sondagens que dão o PS e
absoluta, Costa figurou no o PSD numa disputa taco a taco. Se-
pode puxar em oitavo lugar da gundo o histórico social-democrata e
Lisboa pelos lista por Lisboa, comentador político Ângelo Correia,
galões de ter na altura “é verdade que há uma aproximação
dirigido a cidade liderada por pontual nas sondagens do PSD ao PS
durante oito Filipa Roseta. em crescendo, mas isto não tipifi-
anos. ca suficientemente a argumentação
que está a ser usada; antes se nota na
ANA BRÍGIDA

imagem pública e no comportamento


político que estão a fazer-se sentir
PORTO em duas realidades distintas”. E quais
são? “Enquanto Rui Rio tem aposta-
do numa postura flexível, moderada, pouco usual, um certo distanciamen-
serena, prudente, afirmativa, Antó- to, alguma sobranceria e rigidez. Os
ALEXANDRE SOFIA nio Costa mostra uma agressividade comportamentos dos dois potenciais
QUINTANILHA MATOS primeiros-ministros estão também
PS PSD em mudança. Mas há um [Costa] que
O catedrático A jovem agrava o tom, porque começa a sentir
jubilado do advogada é uma o perigo”, apontou à VISÃO.
Instituto de das maiores Para Cristina Azevedo, a conheci-
Ciências subidas nas
COSTA ADOTOU UM
da analista financeira e comentadora
Biomédicas listas face a política da CNN Portugal, a atuação
Abel Salazar, 2019: neste
TOM GRAVE PARA
de ambos deve-se aos episódios que
no Porto, é mesmo círculo trouxeram o País para eleições: um
cabeça de lista foi então em 9º
pela terceira lugar. Rio vai no TENTAR ESVAZIAR António Costa traído pela esquerda,
após perda de importantes bastiões
AS OPÇÕES À SUA
vez, após 2º lugar pelo
nas autárquicas, e um líder do PSD
uma primeira Porto. É uma
vindo de uma vitória interna, que se
ESQUERDA. JÁ RIO
candidatura em das apostas do
2015. Entrou presidente do seguiu aos bons resultados no poder
local. “Rui Rio tem dificuldade de
NUNCA ESTEVE TÃO
para a política PSD, ainda que
a convite de tenha perdido assumir papéis. Só sabe fazer dele
próprio. Por isso, a sua confiança e
CONFIANTE, COM
Costa. Aos a corrida à
76 anos, é liderança da o seu à-vontade emergem na relação
direta com os seus recentes sucessos
AS SONDAGENS
presidente JSD para
da Comissão Alexandre eleitorais. Está solto, porque está

A REDUZIR A
Parlamentar Poço, na altura confiante, com vontade de gover-
da Cultura e apoiado pela ala nar”, diz, realçando ser “improvável

DISTÂNCIA DO PS
Comunicação. montenegrista. que o recurso a figuras ‘históricas’ do
PSD o possa ajudar” na estrada. “Não

44 VISÃO 13 JANEIRO 2022


FORA DA
EUROPA

AUGUSTO MALÓ DE
SANTOS SILVA ABREU
PS PSD
Encabeça a Passou de um
lista tal como terceiro lugar
em 2019, sendo na lista de
que, nessa Coimbra, em
altura, na 2019, para este
disputa pelos círculo que
deputados é muito caro
da diáspora, ao PSD e que,
perdeu para o durante anos,
PSD por mais teve como rosto
de seis mil o histórico José
votos. Apesar Cesário – que
de ser um dos na contenda
pesos políticos interna apoiou
do executivo, Rangel. Trata-se
o ministro de um homem
dos Negócios de confiança de
Estrangeiros Rio que, além
já admitiu que de estratego,
quer deixar a faz mexer a
vida política máquina do
ativa e voltar ao partido a partir
Ensino Superior. dos bastidores.

LEIRIA

transmitem o sentimento de mudança como a principal prioridade do futu-


‘contra tudo e contra todos’ a que Rio ro governo, segundo uma sondagem
LACERDA PAULO MOTA
se habilitou [nas diretas]”, acrescenta recente elaborada pela Universidade
SALES PINTO
Cristina Azevedo, indo ao encontro Católica para a RTP e para o jornal
PS PSD
da tese de Ângelo Correia, segundo a Público. Se 24% dos 1 238 inquiridos Ascendeu do O ex-juiz
qual “a existência dos barões do PSD apontam que a redução dos impostos terceiro lugar do Tribunal
é indiferente, quando a política neste é fundamental e se 16% atribuem a por Leiria, 2019, Constitucional,
momento está tão concentrada em mesma importância ao aumento dos à mercê do e filho do antigo
duas pessoas e em que uma delas irá salários, já 97% defendem que a prio- protagonismo primeiro-
ser primeiro-ministro”. Aliás, refere ridade é o SNS. Mas até que ponto as que ganhou ministro Carlos
que, mais do que à direita, o maior diferenças programáticas na área da como secretário Mota Pinto,
esforço nesta campanha terá de ser saúde e de posições perante a resposta de Estado concorre de
feito à esquerda, que poderá vir a à pandemia podem alterar o voto dos adjunto e da novo a deputado,
ter de optar pelo discurso mais de portugueses no dia 30 de janeiro? Saúde, na depois de quase
protesto: “Até agora, o que o BE e o “Desde o início da pandemia, as pandemia. uma década
PCP estão a querer construir é mui- diferenças [entre os partidos] são Este médico ausente do
to diferente daquilo que o PS está a pequenas, e há um consenso político, estreou-se no Parlamento –
querer, já que prefere estar sozinho e mesmo que não anunciado, quan- Parlamento altura em que
eventualmente ligar-se ao Livre, um to às principais questões ligadas à em 2015. Em foi uma aposta
partido a que está muito conectado.” pandemia, desde os confinamentos outubro de de Manuela
à vacinação em massa da população. 2019, entrou no Ferreira Leite.
AS NARRATIVAS DA COVID-19 Nos confinamentos, houve algumas Governo e, em É um nome
setembro de que tem sido
A saúde é um dos temas centrais desta diferenças de opinião, mas não foram
2020, subiu a ventilado como
campanha e foi presença assídua nos suficientemente fortes para criar ma-
número dois na ministeriável em
debates televisivos. A maioria dos por- nifestações sérias ou de desobediência pasta da Saúde. caso de vitória
tugueses elege mesmo o investimento civil; do mesmo modo, críticas à pre- do PSD.
no Serviço Nacional de Saúde (SNS) paração atempada dos serviços ou à

13 JANEIRO 2022 VISÃO 45


Protagonismo Marta Temido passou
de simpatizante a destacada militante,
LEGISLATIVAS 2022 no 23º Congresso do PS, em que, das mãos
de António Costa, recebeu o seu cartão. A Saúde
pode ser o principal tema da campanha

SANTARÉM

ALEXANDRA ISAURA
LEITÃO MORAIS
PS PSD
Após liderar Do núcleo duro
uma lista em de Rio, para o
2019, que, além qual entrou em
de vencer, tirou substituição
um deputado ao de Elina Fraga,
PSD – elegendo no congresso
assim quatro de fevereiro de
parlamentares 2020, a antiga
–, a atual presidente
ministra da da Câmara
Administração Municipal de Rio
Pública goza de Maior é de novo
uma imagem cabeça de lista
de governante por Santarém
que leva a – distrito onde
bom porto os granjeou
dossiês que prestígio pelos
gere; um capital dez anos como
adquirido autarca, mas
quando ainda também onde
era secretária a máquina do
de Estado da partido esteve
Educação. com Rangel nas
diretas.

SETÚBAL

comunicação pública são em grande


ANA NUNO medida sobre pormenores”, consi-
CATARINA CARVALHO dera Pedro Pita Barros, especialista
MENDES PSD em economia da saúde e professor
PS Repete o lugar catedrático na Faculdade de Economia
Dos maiores de 2019, quando da Universidade Nova de Lisboa, que
ativos do PS,
a atual líder
foi muito
contestado
SÓ “UMA VOTAÇÃO admite não encontrar “divergências

EXPRESSIVA PODERÁ
claras” entre a atitude dos partidos
parlamentar pelos dirigentes perante a pandemia.
teve, em 2019, locais de então,
GARANTIR AO LÍDER
Já sobre as posições em relação ao
dos melhores entre eles o
destino do investimento na saúde – e
resultados dos presidente
socialistas no
País – numa
da distrital,
Bruno Vitorino
DO PS A MARGEM não no SNS –, estas são evidentes: o
binómio público/privado dominou a
distrital
dirigida pelo
– crítico de Rio,
que destacou
DE INFLUÊNCIA maior parte do tempo dos debates,
com a esquerda a insistir na neces-
irmão, António aquele que foi INTERNA DE QUE sidade de se reforçar o SNS e com
a direita a pedir para ser valorizada
PRECISA PARA
Mendonça o pior resultado
Mendes, do PSD em a ajuda dos privados. Em termos de
propostas concretas, o acesso uni-
IMPEDIR A ENTREGA
secretário de Setúbal, desde
Estado das 1983. É esta a versal a um médico de família volta
a estar em cima da mesa, embora,
DO PARTIDO A PEDRO
Finanças. Se o oportunidade
dia 30 correr de provar o desta vez, António Costa tenha ad-

NUNO SANTOS”
mal a Costa, que vale como mitido, durante o debate com o cen-
pode ser esta a aposta do líder. trista Francisco Rodrigues dos Santos,
futura líder. que não vai “assumir um calendário”
Cristina Azevedo, analista política para esta medida, uma vez que não

46 VISÃO 13 JANEIRO 2022


dos principais líderes partidários na
FARO
noite eleitoral. A começar pela chave
que abriu a solução governativa à
esquerda. Se, perante uma derrota
do PS em 2015, o desafio para uma
Geringonça partiu do líder comu- JAMILA LUÍS GOMES
nista [“O PS só não forma governo se MADEIRA PSD
não quiser”], nem Cristina Azevedo PS O ex-presidente
nem Ângelo Correia acreditam num Filha do ex- da Câmara
remake; bem pelo contrário. Para deputado Luís Municipal de
a comentadora da CNN Portugal, o Filipe Madeira, Vila Real de
PCP vai “voltar ao casulo da orto- encabeça de Santo António,
doxia e do ‘orgulhosamente sós’ que novo a lista. de 2005 a 2017,
Jerónimo de Sousa assume com se- Tal como já passou pelo
renidade, simpatia e eficácia”. “Tudo o Ana Catarina Parlamento, há
que aconteceu nos últimos anos, com Mendes, sobre 20 anos. Depois
desaires eleitorais pelo meio e o sur- a qual levou da autarquia,
gimento do Chega, faz o PCP pensar, a melhor em tornou-se
independentemente do que acontecer disputas na cantor de
nas eleições, se não tem mais força JS, alcançou reggaeton.
dos maiores Não conseguiu
estando na oposição, em vez de dar
resultados do manter aquela
a mão a um partido que ideológica
PS, em 2019. câmara para o
e doutrinariamente vai voltar ao seu Esteve sob os PSD, há quatro
estado normal [o PS]”, salienta o ex- holofotes pela meses, quando
-ministro do PSD. forma ruidosa foi o candidato
Mas é sobre o recandidato a pri- como deixou de escolhido
meiro-ministro que recaem as maio- ser secretária para substituir
res dúvidas, depois de ter garantido de Estado da Conceição
que sai se não obtiver a vitória que Saúde em plena Cabrita,
almeja. Sabendo que Marcelo Rebe- pandemia. entretanto
lo de Sousa não simpatizará com a detida.
MARCOS BORGA

possibilidade de Pedro Nuno Santos


assumir a liderança do PS, a quem
Costa, então, entregará o testemunho AÇORES
se essa derrota se verificar? “Nesse
day after, é provável que António
Costa se prepare para abraçar novos
conseguiu cumprir a promessa na desafios, deixando alguém como Ana
FRANCISCO PAULO
legislatura anterior. Por sua vez, os so- Catarina Mendes no seu lugar. E esta,
CÉSAR MONIZ
ciais-democratas garantem que todos sim, poderá entender-se com Rui Rio
PS PSD
os portugueses terão um médico de numa versão mais ou menos aprofun- Filho de Carlos Volta a ser
família até 2025. Entretanto, deverão dada”, argumenta Cristina Azevedo, César, passa cabeça de lista,
ter, pelo menos, um médico assistente, que admite que só “uma votação ex- da Assembleia mas agora
caso Rui Rio consiga formar governo pressiva poderá garantir ao líder do Regional à frente do
depois de dia 30. PS a margem de influência interna de açoriana para projeto que
O PSD e o CDS voltam também a que precisa para impedir a entrega do o Parlamento Rio não quis
insistir, nos seus programas, numa partido a Pedro Nuno Santos”. nacional, depois replicar no
antiga proposta dos centristas, chum- Nesse caso, com uma vitória por de, em 2015 continente:
bada no Parlamento: a via verde da “poucochinho”, uma nova Geringon- e 2019, ter a Aliança
saúde, que pressupõe uma ligação ça também não estará nos planos de sido um dos Democrática,
mais ágil entre os cuidados de saúde Costa, tal como o próprio já assegu- importantes do PSD,
públicos e os privados. O objetivo de rou. Onde residirá, então, uma solução estrategos das CDS e PPM.
ambos os partidos é que, sempre que perante um Parlamento espartilhado, campanhas Engenheiro,
o SNS não consiga cumprir os tempos em que nem um PS nem um PSD têm eleitorais do estreou-
máximos de espera para consultas e maioria? “A IL terá seguramente um PS. Desde que se como
exames, seja dada opção aos utentes papel importante a desempenhar. É o a direita chegou deputado em
de serem atendidos no privado, como recetáculo natural dos votos dos des- ao poder nos 2019, quando
já acontece com as cirurgias. contentes do CDS (todo), do PS mais Açores, é visto saltou da
como sucessor administração
à direita e do PSD mais à esquerda”,
de Vasco da empresa
O QUE AÍ VEM acredita Cristina Azevedo – sendo
Cordeiro à estatal
Mais do que quem ganha a 30 de ja- que o líder liberal, João Cotrim de frente do PS da Globaleda para
neiro, a incógnita reside nas reações Figueiredo, já escolheu Rio para par na região. a política.
e nas decisões sobre o futuro político futura dança das cadeiras. visao@visao.pt

13 JANEIRO 2022 VISÃO 47


LEGISLATIVAS 2022

OS LÍDERES E OS PARTIDOS QUE NÃO


VÃO AOS DEBATES DOS GRANDES
RIR – Reagir, Incluir Ergue-te Partido
e Reciclar José Pinto-Coelho Trabalhista
Vitorino Silva Português
José Manuel Coelho
Foi em 1999 que Vitorino Silva se Nas legislativas de 2019, o Ergue-te A atividade política de José Manuel
tornou o improvável protagonista (ex-PNR) perdeu mais de dez mil Coelho andou sempre numa roda-
de um Congresso do PS, com um votos (ficando-se em pouco mais de -viva, recheada de episódios cari-
discurso que arrancou gargalhadas 17 mil), resultado que se explica facil- catos para os quais o País sempre
e terminou num efusivo abraço ao mente com a ascensão do Chega. O olhou (e aguardou) com especial
então líder António Guterres, perante partido que, desde 2005, é presidi- interesse. Em 2010, tornar-se-ia o
uma sala em êxtase. Hoje, o político do por José Pinto-Coelho – cabeça primeiro candidato madeirense à
que os portugueses conhecem como de lista por Lisboa – apresenta-se a Presidência da República e, apenas
“Tino de Rans” usa, como palanque, estas eleições em três linhas: “Com- um ano depois, juntar-se-ia ao PTP,
o RIR – partido que concorre a todos bater a perda de identidade nacional, assumindo-se o principal rosto do
os círculos eleitorais (e que, há dois atribuindo nacionalidade portuguesa partido que, nestas eleições, con-
anos, somou mais de 35 mil votos). apenas a filhos de pais portugueses, corre a 16 círculos eleitorais. Nestas
Para estas eleições, o RIR aposta “na combater a corrupção do sistema e, legislativas, José Manuel Coelho
defesa da democracia”, que Vitorino neste contexto, devolver a liberdade volta a ser a principal figura do PTP,
Silva diz estar “a ser desrespeita- às pessoas, para que possam lutar encabeçando a lista pela Madeira.
da por um sistema que prejudica os contra uma pandemia que, na verda- O candidato escolhe como lema
pequenos partidos”. Garante, ainda de, não passa de uma fraude”. Seguro “dar mais dinheiro às pessoas” e ex-
assim, que o RIR “vai chegar à As- no que chama “coerência ideológica”, plica-se: “Neste País não se conse-
sembleia da República”, com a eleição José Pinto-Coelho não teme maus guem baixar os impostos, portanto,
de Márcia Henriques (candidata por resultados, devido ao aumento da temos de aumentar os salários e as
Lisboa) ou do próprio (pelo Porto). concorrência no campo da direita ra- pensões” – avançando com a subida
“O povo está cansado dos mesmos dical, preferindo marcar diferenças. imediata do salário mínimo nacio-
rostos de sempre. Eu sou o único “Somos o único partido nacionalista nal para os 900 euros. Os objetivos
candidato fora do sistema. O RIR é português e vamos continuar o nosso do PTP passam por “eleger deputa-
povo autêntico.” percurso, independentemente de dos pela Madeira”, afirma.
surgirem por aí uns vendedores da
banha da cobra.” Quanto a objetivos,
Pinto-Coelho aponta para a “entrada
no Parlamento, para mudar a Consti-
tuição e derrubar o regime”.
O “CAMPEONATO”
DOS PARTIDOS
SEM AASSENTO
PARLAMENTAR É
PARL
DOMINADO POR
DOMI
VETERANOS, EXCETO
VETE CETO
Vitorino Silva
RENA
RENATA CAMBRAA
(MAS
(MAS)
48
8 VISÃO 13 JANEIRO 2022
José Manuel Coelho
José Pinto-Coelho
A política (e os políticos) não se esgota nos rostos que,
na última dezena de dias, os portugueses têm repetidamente
visto na televisão. Longe do frenesim mediático dos debates,
12 partidos correm pelo sonho de uma vaga no Parlamento
JOÃO AMARAL SANTOS

Nós, Volt Movimento


Cidadãos! Portugal Alternativa
Joaquim Afonso Tiago Matos Gomes Socialista
Renata Cambra
Nasceu da dinâmica (e motivação) Uma francesa, um italiano e um ale- Nas legislativas de 2019, o MAS
dos movimentos civis, mas como mão entram num bar... Este poderia arrastou-se pelo fundo da tabela,
partido político (criado em 2015) ser o ponto de partida de uma ane- com a participação em apenas nove
tarda em afirmar-se. Joaquim dota, mas é a história real de como círculos e pouco mais de três mil
Afonso – o único militar que lidera nasceu o primeiro partido transfron- votos. Dois anos depois, o parti-
um partido político em Portugal – teiriço europeu, que agora se estreia do apresenta-se em processo de
diz que estas eleições chegaram em nas legislativas portuguesas (em 19 renovação e de rejuvenescimen-
momento “inoportuno, provocadas círculos eleitorais) – já depois de ter to e, surpreendentemente, marca
por pessoas que não têm respei- participado nas últimas autárquicas. presença, pela primeira vez, em
to pelo interesse nacional e pelas Tiago Matos Gomes lidera o proje- todos os círculos eleitorais. Renata
pessoas”. Sem tempo, o partido to (e a lista pelo círculo de Lisboa), Cambra, cabeça de lista por Lisboa,
resistiu com listas em nove círcu- frontalmente europeísta, humanista é o rosto principal desta mudan-
los eleitorais e utiliza “o combate à e progressista. No topo das priorida- ça – e a mais jovem líder partidária
corrupção” como principal bandei- des, o partido assume querer “uma destas eleições. O MAS propõe-se
ra na caça aos votos. “Existe um transformação da sociedade ao nível a “acordar a esquerda” que está no
círculo vicioso que gira em torno político, social e económico”, defen- Parlamento, pois considera que esta
das grandes sociedades de poder, dendo “que a economia seja subju- “precisa de recuperar o caráter irre-
incluindo a Assembleia da Repú- gada às necessidades do ambiente” verente e combativo, aproximar-se
blica. Queremos colocar cidadãos e que, no século XXI, nasça “uma Eu- das pessoas e romper laços com o
no Parlamento para quebrar esse ropa federada que permita resolver PS, que aplica políticas de direita”,
ciclo”, afirma o líder. Para um par- problemas ao nível local”. Para Tiago explica. Das propostas, destacam-
tido que teve pouco mais de 12 mil Matos Gomes, a meta do Volt passa -se o “tabelamento das rendas em
votos, em 2019 (e perdeu nove mil por “entrar na Assembleia da Repú- 30% do salário dentro das cidades”
face às eleições anteriores), Joa- blica, com um ou dois deputados”. “É e “a semana de trabalho de quatro
quim Afonso alimenta como meta complicado”, confessa, embora prefi- dias”. Renata Cambra admite que
“utópica” chegar “aos 50 mil votos”. ra ver o copo meio cheio: “Estamos a ser eleita “é difícil, mas “não im-
dar-nos a conhecer e vamos à luta.” possível”.

Tiago Matos Gomes

Joaquim Afonso
Renata 1Cambra
3 JANEIRO 2022 VISÃO 49
LEGISLATIVAS 2022

Aliança PCTP/MRPP Juntos


Jorge Nuno de Sá Maria Cidália Guerreiro pelo Povo
Élvio Sousa

As eleições vieram “fora de tempo” Para o PCTP/MRPP, as legislati- Desde 2015 que o JPP tem vindo a
para o Aliança, que ainda se encon- vas chegam em má hora. Sem líder inverter a tradição político-parti-
tra “numa fase de reestruturação”, à conhecido, numa fase de reorgani- dária nacional. De raiz regional, o
procura do seu espaço à direita, de- zação, o partido continua a tentar partido com origem no concelho
pois de o partido ter ficado órfão da recuperar dos abalos sofridos nos de Santa Cruz, na Madeira, tem
liderança carismática de Pedro San- últimos anos: primeiro, com as pouca (ou nenhuma) expressão na-
tana Lopes que, há um ano, decidiu contendas internas de 2015, que le- cional, mas volta a ir “à luta” no dia
abandonar o projeto. Em 2019, a varam ao afastamento do líder Gar- 30 de janeiro, naquelas que são as
estreia ficou aquém do esperado cia Pereira, e, depois, com a morte suas terceiras legislativas, depois de
(com apenas 40 mil votos). Nestas do histórico Arnaldo Matos, há 2015 e 2019 (em que obteve apenas
eleições, o partido concorre só em dois anos. Em 2022, o PCTP/MRPP 10 550 votos). Desta vez, o partido
sete círculos eleitorais. Curto para concorre a nove círculos eleito- concorre a seis círculos eleitorais,
as ambições, mas, ainda assim, uma rais – com Maria Cidália Guerreiro com a principal aposta a recair em
oportunidade para o novo presi- de novo como cabeça de lista por Élvio Sousa, secretário-geral do
dente, Jorge Nuno de Sá, ex-líder Lisboa –, para “estancar” a queda partido, candidato na Madeira. En-
da JSD e antigo deputado, “mos- de 2019, quando apenas 36 118 elei- tre as ideias-chave, o JPP aposta na
trar aos portugueses que estamos tores votaram no partido (menos denúncia dos “atropelos democráti-
perante um partido com futuro”. 24 mil do que quatro anos antes), cos e omissões deliberadas de mais
Localizado no “coração da direita, o pior resultado em três décadas. de três décadas do povo da Madei-
longe dos extremos e do centro”, Ainda sarando “feridas”, o PCTP/ ra”, uma situação que, considera, é
como descreve o próprio líder – MRPP vai a eleições sem metas (ou “transversal em todo o País”. “Não
e cabeça de lista por Lisboa –, o esperanças). O principal objetivo existe, em Portugal, uma verdadeira
Aliança promove três eixos funda- é “divulgar o programa político, alternativa aos poderes instalados.
mentais: prosperidade, tradição e reforçar a sua estrutura e denunciar Somos dos países da Europa onde
integração. Jorge Nuno de Sá prefe- a falência do capitalismo”. “Esta- o risco de pobreza mais aumentou,
re ler os (bons) resultados não com mos perante uma luta entre capital mesmo entre a classe trabalhadora.
os olhos na árvore, mas na floresta: e trabalho!”, diz o partido que se Portugal continua sem uma verda-
“O ideal seria Portugal acordar, no assume como o único “que recusa deira estratégia de combate à cor-
dia 31 de janeiro, com um governo jogos de poder”. “Nenhum [outro rupção, e mantemo-nos abaixo da
de direita. Se for com apoio parla- partido] garante um programa que média da UE no Índice de Perceção
mentar do Aliança, melhor.” resolva os gravíssimos problemas de Corrupção, em 2020”, destaca.
do País e do povo”, diz. O “sonho” Na ida às urnas, a meta é eleger “re-
de eleger um deputado não deverá presentantes para a Assembleia da
passar ddisso mesmo. República”. A possibilidade, porém,
é remota.

Tribunal Constitucional “chumba” PURP (e PPM)


No próximo
p dia 30 de janeiro, o
os eleitores portugueses bem podem procurar,
no bboletim
oletim de voto, o símbolo e o quadradinho do Partido Unido dos
Reformados
Refoormados e Pensionistas (PURP)
(PU que, desta vez, não os encontrarão.
Tribunal
O Tr “chumbou” a coligação entre PURP e Partido
ibunal Constitucional “chu
Jorge Nuno de Sá Popular
Popu ular Monárquico (PPM), designada
de “Estamos Juntos”, que iria concorrer
aos 18
1 círculos eleitorais de Portugal
Po Continental. Em causa está o
preenchimento
preeenchimento incorreto do re requerimento para formalizar a coligação e a
a de informação sobre ela nos
falta n anúncios, obrigatórios por lei, publicados
em d caso do PURP (que teve 11 491 votos, em 2019),
dois jornais diários. No cas
como
com o as regiões autónomas já ficavam fora dos planos, o partido não terá
oportunidade
opor rtunidade de figurar na história
hist das legislativas de 2022 – pelo contrário,
PPM
o PP convento” graças às candidaturas na Madeira
PM salva a “honra do conve
(autónoma)
(autóónoma) e nos Açores (em coligação
c com PSD e CDS).
Maria Cidália Guerreiro

50
0 VISÃO 13 JANEIRO 2022
Alternativa Movimento Partido Partido Popular
Democrática da Terra (MPT) Monárquico (PPM)
Nacional (ADN) José Inácio Faria Paulo Estêvão
Bruno Fialho

“O ADN – Alternativa Democrática Na viragem da década, o MPT A candidatura do PPM nestas le-
Nacional é um partido novo e não – Partido da Terra também não gislativas é distinta de tudo o resto.
se confunde com outras figuras do escapou a convulsões internas que O “chumbo” do Tribunal Constitu-
passado”, diz o presidente, Bruno chegaram mesmo a pôr um ponto cional no que toca à coligação com
Fialho, que não quer confusões e de interrogação quanto ao futuro. o Partido Unido dos Reformados
rejeita qualquer ponto de contacto Com Pedro Soares Pimenta na e Pensionistas (PURP), que previa
com o PDR de Marinho e Pinto. Sob liderança – candidato pelo círculo uma candidatura conjunta nos 18
nova identidade, a agenda tem sido de Lisboa –, o partido fundado círculos de Portugal Continental
dominada pela pandemia e pela con- por Gonçalo Ribeiro Telles resistiu (ver caixa), coloca o partido lidera-
testação das medidas, para a conten- à tormenta e, nestas legislativas, do por Gonçalo da Câmara Pereira
ção do vírus, definidas pelo governo volta a apresentar-se em todos a concorrer apenas nos círculos da
e DGS. “Apenas tiveram o condão os círculos eleitorais. José Iná- Madeira e dos Açores, neste último
de dividir a sociedade portuguesa”, cio Faria, ex-deputado europeu caso integrado na coligação Aliança
lamenta Bruno Fialho, que considera e atualmente deputado munici- Democrática (com PSD e CDS), a
o seu partido “o único capaz de criar pal de Lisboa, figura novamente mesma que governa aquele ar-
um debate sério e responsável sobre nas listas pelo círculo da Europa. quipélago. O cenário pouco usual
esta pandemia”. É exatamente essa Depois de ter obtido cerca de 13 deitou por terra as previsões mais
a prioridade de Bruno Fialho – que mil votos em 2019 (quase me- otimistas. “O partido tem concor-
tem captado a atenção e a simpatia nos dez mil do que nas eleições rido em todos os círculos eleitorais,
de grupos antivacinas –, ao prometer anteriores), o MPT enfrenta a mas, desta vez, as coisas não cor-
“devolver a liberdade aos portugue- próxima campanha com “orça- reram bem”, confessa Gonçalo da
ses que têm opções diferentes e têm mento zero”, apostando nas redes Câmara Pereira. O cabeça de lista
sido discriminados”. A “luta”, essa, sociais e ações locais. A carteira pelos Açores, Paulo Estêvão, refere
será sempre feita de forma pacífica: vazia não altera, porém, os pilares que, dadas as circunstâncias, “o
“Somos um partido moderado que da organização: a ecologia e o programa do partido passou a estar
quer criar pontes. O objetivo é que humanismo. Para estas eleições, o centrado nas questões relacionadas
todos os portugueses sejam infor- programa aposta “no combate às com os arquipélagos”. “Conside-
mados e esclarecidos sobre o que se alterações climáticas e na defesa ramos que as regiões autónomas,
tem vindo a passar.” Na corrida por do desenvolvimento sustentável; que representam grande parte do
13 círculos eleitorais, Bruno Fialho na saúde e sustentabilidade do espaço de soberania nacional, se
– cabeça de lista por Lisboa – acre- SNS; na transparência e comba- considerarmos o mar, são funda-
dita que vai ser eleito. “Queremos te à corrupção; e na igualdade e mentais para o futuro do País”, afir-
entrar na Assembleia da República dignidade da pessoa humana e das ma. “Combater o desinvestimento
para travar medidas discriminató- minorias”, enumera José Iná- nas regiões autónomas e alargar
rias, que têm atacado a classe média, cio Faria. “Eleger deputados” é a as autonomias” faz, por isso, parte
as pequenas e médias empresas e grande meta. do programa do PPM. Contribuir
a propriedade privada. Temos de para a AD eleger três deputados nos
estar vigilantes para que se cumpraa a Açores
ç (e assim superar o PS) é o
Constituição”, afirma. grande sonho.

Paulo Estêvão
Bruno Fialho

José Inácio Faria


Élvio Sousa

13 JANEIRO 2022 VISÃO 51


51
VOCAÇÃO

O porta-voz
A 23 de novembro,
quando os partidos
foram a São Bento para
serem ouvidos sobre as
medidas restritivas de
combate à pandemia,
André Ventura saiu do
encontro com António
Costa para explicar as
medidas que estariam
a ser ponderadas pelo
primeiro-ministro. Nesta
semana, após a reunião
com a ministra da
Administração Interna,
Ventura veio, de novo,
revelar algumas das
medidas ponderadas

MONTAGEM VISÃO
pelo executivo para
facilitar o voto a quem
estiver confinado.
O governo ganhou um
BELEZA porta-voz?...

A Miss Simpatia e os tambores da guerra


No debate entre António Costa e Francisco Rodrigues dos Santos, quando LUÍS
MONTENEGRO
se discutia a disciplina de Cidadania e a alegada “ideologia de género”,
o secretário-geral do PS fez uma exposição genérica sobre a evolução do conceito
de família, a igualdade de género como conquista civilizacional, a tolerância e o “direito Lapso
às pessoas de serem felizes”. Mas o líder do CDS procurou dinamitar esta palestra numa
única frase irónica: “Isso é o discurso da Miss Simpatia”… Na verdade, se António Costa,
freudiano
por vezes, aparece a desejar “a paz no mundo”, candidatando-se a envergar No programa da CNN,
a ambicionada faixa dos concursos de beleza, nos debates com Jerónimo de Sousa Menor Denominador
e com Catarina Martins mais parecia estar a tocar... os tambores da guerra. Comum, Luís
Montenegro regozijou-
se pelo facto de o
REVELAÇÕES eleitorado, segundo
as sondagens, voltar,
O fantasma do resgate da Troika nestas eleições, a
reforçar o voto nos
Teixeira dos Santos emergiu, em plena pré-campanha eleitoral, para lançar dois únicos partidos
um livro em que promete contar tudo sobre o pedido de resgate à Troika, em 2011, dos quais poderá
o qual, na qualidade de ministro das Finanças, forçou, contra as instruções expressas sair um primeiro-
de José Sócrates – e que lhe valeu o corte de relações com o então primeiro-ministro. ministro. Oiçamos
Além do livro, Teixeira dos Santos reapareceu numa grande entrevista, na RTP, nesta as suas palavras
quarta-feira, e veio assombrar o PS com um dos momentos mais infelizes das governações textuais: “Como líder
text
socialistas, isto dias antes do
o início da campanha
p oficial. António Costa dispensava... do PSD, vejo com
muito interesse, para
muit
o futuro do País,
que os dois grandes
partidos sirvam de
par
polos agregadores
pol
do iimpulso principal
do e eleitorado.” Como
líder do PSD? Ainda
líde
não, caro Luís... Mas
não
om mais revelador é
que nenhum dos seus
parceiros de debate
par
notou qualquer lapso
noto
D.R.

nestas palavras...
ne

13 JANEIRO 2022 VISÃO 53


MARCADAS
PELO TERROR
Desde cicatrizes resultantes do disparo de uma arma
ou de agressões com chicote, passando pela depressão
e ataques de pânico até tentativas de suicídio. São
muitas as sequelas da violência doméstica nas vítimas.
Histórias de quem viveu no inferno
SUSANA PINHEIRO

H
Há vários dias que o companheiro de quando o pai, alcoolizado, a obrigava a
Bianca, então com 30 anos, tinha por despir a roupa para a agredir nas cos-
hábito sentar-se à mesa a limpar, com tas com o chicote usado nos cavalos e
toda a calma do mundo, a caçadeira com fios de eletricidade. Agora, aos 43
que dispararia, dias depois, atingindo-a anos, mostra as cicatrizes, com pesar, e
a tiro no rosto. a queimadura na mão feita com o cabo
Ela congelava de medo e sentia os de um garfo acabado de sair do lume.
batimentos do coração a acelerar sem- “O meu pai dizia: ‘Bandido tem de
pre que ele mexia em mais uma peça ser marcado para o distinguirmos das
e a pousava abruptamente na mesa. boas pessoas’”, começa por contar Nú-
Ameaçava-a: “Um dia destes mato-te!” ria, que tem mais cicatrizes tatuadas no
Bianca carregou o coração nas mãos corpo pelo marido que jurou nunca a
até ao dia em que ele tentou cumprir agredir. Mas o que ela lembra são as
a promessa. valentes coças, os vários abortos e o
Enquanto ele a julgava morta, Bian- dia em que foi brutalmente magoada
ca era submetida a duas cirurgias de durante um ato sexual. “Fui prisionei-
reconstrução facial. Precisou depois ra na minha própria casa, porque ele
de fazer terapia da fala e demorou al- fechava o quarto à chave, punha um
guns meses até conseguir mastigar os balde para urinar, e ameaçava-me de
alimentos. Agora, sai à rua com várias morte com uma faca.”
camadas de maquilhagem para dis- No dia em que o marido tentou
farçar a cicatriz que a vai acompanhar estrangular a filha mais velha ao pon-
toda a vida. to “de ela começar a sufocar”, Núria
Já Núria era apenas uma criança disse “basta”.

54 VISÃO 13 JANEIRO 2022


13 JANEIRO 2022 VISÃO 55
Antónia, por sua vez, nunca es-
queceu a arma pousada em cima da ENQUANTO ELE A JULGAVA MORTA,
mesinha de cabeceira, sempre que o
marido queria ter relações sexuais, e
BIANCA ERA SUBMETIDA A DUAS
a nota deixada, no final, como uma CIRURGIAS DE RECONSTRUÇÃO FACIAL.
DEMOROU ALGUNS MESES ATÉ CONSEGUIR
espécie de pagamento. Mas o dia em
que, depois de uma violenta agressão,

MASTIGAR OS ALIMENTOS
ele a arrastou pelo chão e a deixou
inanimada a sangrar, com a cabeça
dentro de uma caixa de saneamento,
foi quando realmente começou a vi-
ver. Ele pensava que a mulher estava
morta, mas ela conseguiu fugir. no soalho velho a ranger, no corredor. A psicóloga forense Maria Cunha
Já Lia ficou tão traumatizada com A caminhar em direção ao quarto, a Louro explica que “é normal a vítima
as agressões do marido e as ameaças entrar de rompante em direção à me- não esquecer o que passou, mesmo que
de morte, que desenvolveu, durante sinha de cabeceira. Ele pegava na arma acabe por superar. Até pode sentir um
anos, um distúrbio de sono e estado que guardava na gaveta e colocava-a grande alívio emocional porque saiu
depressivo. Mesmo depois de ele se ter em cima do móvel para a coagir a ter de uma relação que a fazia infeliz. Teve
enforcado em casa, Lia continuava a relações sexuais. Depois adormecia, coragem de o fazer, mas a sua vida fica
ouvir o ensurdecedor ruído da gaveta despreocupado. destruída psicologicamente e emocio-
das facas a deslizar, que ele, em vida, Ela demorava a sossegar os pensa- nalmente”. Existe todo um “impacto na
fazia propositadamente para a ater- mentos. Encolhida na cama, inquieta, a vítima, desde a instabilidade emocio-
rorizar e privar do sono. chorar, a imaginar o dia em que fugiria nal, a ansiedade, a depressão, a baixa
dele. Diziam-lhe que o tempo tudo autoestima que pode não durar toda a
SUPERAR NÃO É ESQUECER cura. Mas Antónia nunca esqueceu o vida, mas não passa logo”, alerta Maria
Estas quatro histórias são exemplos terror que viveu. Cunha Louro, que acredita mesmo que
do impacto físico, psicológico e sexual
que os maus-tratos têm nas vítimas
de violência doméstica. Bianca, Núria,
Antónia e Lia sobreviveram, ainda que
por um fio. Mas existem muitas outras
que não tiveram o mesmo desfecho.
Só nos primeiros nove meses deste
ano foram assassinados 14 mulheres
e cinco homens, de acordo com a se-
cretária de Estado para a Cidadania e
a Igualdade. Em 2020, foram mortas
32 pessoas, menos três do que em
2019. “Estudos realizados em vários
países mostram que 40% a 70% das
mulheres foram assassinadas pelos
seus maridos ou namorados”, começa
por alertar João Redondo, coordenador
da Unidade de Violência Familiar do
Centro de Prevenção e Tratamento do
Trauma Psicológico CRI de Psiquiatria,
do Centro Hospitalar Universitário de
Coimbra (CHUC).
“A Organização Mundial da Saúde
afirma que, pelo menos, uma em cada
três mulheres foi espancada, forçada a
ter relações sexuais ou abusada de uma
forma ou de outra, na sua vida”, nota
o psiquiatra. Como aconteceu com
Núria, quando o marido a violou
sob ameaça de faca.
Antónia ficava aterra-
da só de ouvir os passos
do marido afundarem

56 VISÃO 13 JANEIRO 2022


SEQUELAS GRAVES
Impactos físicos, psicológicos
a agressão psicológica é pior do que a e sexuais na vítima, segundo tima, medi, fotografei e tipifiquei as
física. “É como se a vítima se estivesse o psiquiatra João Redondo, lesões no rosto”, recorda a médica
a afogar, quisesse vir à superfície e não coordenador da Unidade de legista que, entretanto, criou uma
Violência Familiar Centro de
conseguisse”, descreve. empresa de perícias forenses e outros
Prevenção e Tratamento do
serviços. Admite, contudo, que lhe
Trauma Psicológico CRI de
CICATRIZES QUE FALAM custou bastante. “Sempre consegui
Psiquiatria, do Centro Hospitalar
Entre as sequelas físicas estão, segun- Universitário de Coimbra (CHUC) separar o profissional do pessoal. Mas
do o psiquiatra João Redondo, lesões há casos que nos marcam, como este
abdominais e torácicas, contusões FÍSICAS que nunca esqueci.”
e edemas, síndrome de dor crónica, Lesões abdominais e torácicas Ana Rita Pereira chegou a fazer
invalidez, fibromialgia, fraturas, dis- Contusões e edemas mestrado com investigação cientí-
túrbios gastrointestinais, síndrome Síndrome de dor crónica fica, numa perspetiva médico-legal,
do cólon irritável, lacerações e lesões Invalidez em 2012. “Realizei o primeiro estudo
oculares. Carla Branco, presidente da Fibromialgia nacional e retrospetivo de autópsias
Associação Democrática de Defesa dos Fraturas médico-legais com uma amostra de
Interesses e da Igualdade das Mulheres Distúrbios gastrointestinais 62 mulheres vítimas de homicídio,
(ADDIM), no Porto, acrescenta, por Síndrome do cólon irritável no contexto de uma relação de inti-
sua vez, “as peladas na cabeça na se- Lacerações e abrasões midade.” Mergulhou em três anos de
quência de o agressor puxar com tanta Lesões oculares casos comprovados judicialmente e
força ao ponto de arrancar os cabelos”. Limitações físicas com base na casuística do INML. “Já
E ainda as muitas mulheres que na altura, a maioria das mulheres era
sofrem de dores lombares e cervicais, PSICOLÓGICAS E COMPORTAMENTAIS morta com arma de fogo”, recorda.
além de palpitações. Procuram ajuda Alcoolismo
Consumo de drogas ilícitas
médica e fazem vários exames, como UM DIA DE CADA VEZ
Depressão e ansiedade
eletrocardiograma ou TAC, que de- No caso de Núria, os maus-tratos já
Distúrbios alimentares e do sono
pois não acusam qualquer problema Sentimentos de vergonha
começaram durante a infância, ainda
de saúde. Na realidade, elucida Carla e de culpa vivia numa favela, no Brasil. O pai
Branco, esta sintomatologia está rela- Fobias espancava-a de forma tão violenta
cionada com as crises de ansiedade e Perturbação de pânico ao ponto de hoje ter várias cicatrizes
a depressão, por exemplo. Inatividade física nas costas. Quando a entrevistámos,
Muitas das vítimas tam- Baixa autoestima ao telefone, estava com os três filhos,
bém ficam com marcas físi- Perturbação pós-stresse de 16, 19 e 22 anos, num dos centros
cas para toda a vida, como traumático (ppst) temporários de emergência para ví-
cicatrizes depois de terem Perturbações psicossomáticas timas de violência doméstica, que fo-
sido atingidas a tiro, como Tabagismo ram criados pelo Governo português
aconteceu com Bianca. Comportamento suicida para funcionar durante a pandemia
A médica legista Ana Rita e de autoagressão da Covid-19. O quarto filho, o mais
Pereira que, na altura, tra- Comportamento sexual de risco velho, não estava com eles.
balhava no Instituto Na- “Sofri todos os tipos de violência,
cional de Medicina Legal SEXUAIS E REPRODUTIVAS desde física, sexual, verbal e financei-
(INML), foi chamada de Perturbações do foro ginecológico ra, durante os 26 anos de casamen-
urgência para fazer o Esterilidade to”, lamenta, contando: “O inferno
exame forense e reco- Doença inflamatória pélvica começou no Brasil, quando casei aos
lher provas para depois Complicações na gravidez, aborto 16. Mas já vivia nele antes, na casa do
espontâneo
meu pai que só parou de me bater
Disfunção sexual
pelada aos 12 anos com chicote e fios
Doenças sexualmente
elétricos.” Cresceu rodeada de droga,
Manipulação transmissíveis, incluindo VIH/SIDA
Aborto realizado em condições álcool e assassinatos. O progenitor
“Os agressores
fazem questão de de risco era temido na favela. “Já tinha matado
dizer às vítimas Gravidez indesejada três pessoas.”
que ninguém vai Núria viu no casamento a sua tá-
acreditar nelas ou bua de salvação, pois já “não teria de
ajudar. E ameaçam vender o corpo para ter sustento”.
que vão perder condenar o agressor em tribunal pelos “Prometeu-me uma vida de rainha.”
os filhos”, explica crimes de tentativa de homicídio e de Nem pensou duas vezes de “tão ilu-
Leandra violência doméstica. dida que estava”. Mal ela sabia que “o
Rodrigues Bianca esperava-a num quarto do amor e uma cabana” tinham os dias
hospital, deitada na cama, postura contados. Não podia ter amigas, nem
fechada, corpo encolhido. O ros- falar sozinha com os irmãos ou sair
to desfigurado, coberto de pensos de casa sem a sogra, ver televisão ou
pós-operatórios, duas cirurgias de usar o telemóvel. “Controlava as mi-
reconstrução facial depois. “Apontei nhas redes sociais ao ponto de ser ele
detalhadamente todo o relato da ví- a escrever e a publicar os meus posts.”

13 JANEIRO 2022 VISÃO 57


Leandra Rodrigues
pague pelo que fez, que seja julgado
“O terror acaba por permanecer e condenado.” Está a aprender a viver
um dia de cada vez, a respirar liberda-
durante muito tempo” de. “Quero ser feliz, porque nunca fui.”

SEMPRE EM PERIGO
Coordenadora geral do Gabinete de Apoio à Família (GAF) de Viana do Castelo A psicóloga forense Maria Cunha Lou-
ro diz que “a vítima precisa de fazer
um trabalho de reconstrução. Pode
O que mais considera percebemos situações esta resposta. Já fazê-lo sozinha ou recorrer à ajuda
marcante quando acolhe de uma violência física e passaram por lá centenas de um profissional que a vai munir de
as vítimas? psicológica atroz, desde de pessoas desde 2000.
ferramentas para aprender a lidar com
São as consequências a privações de alimento, Temos imensos casos de
as frustrações, a ansiedade e o medo.
nível psicológico, ou seja, a de luz, de contacto com pessoas que vêm para a
incapacidade de confiarem, terceiros. Recordo uma casa de abrigo e depois
Para depois viver em pleno”. Adverte,
de estabelecerem senhora que acompanhei, se autonomizam e têm contudo, que “não há receitas, pois
relações. A condição em em consulta, que era percursos de vida bem- cada caso é um caso e cada pessoa
que estas vítimas chegam privada de acesso ao sucedidos. Umas ficaram a demora o seu tempo”.
é de um isolamento próprio salário e comida. trabalhar connosco; outras Todas as mulheres desta repor-
tal e desinformação Não tinha o que comer à organizaram a sua vida tagem tiveram de trilhar um longo
que algumas nem têm hora do almoço. Ficava de outra forma e os filhos caminho para recuperar a identida-
consciência de vitimização. escondida e limpava as estudam. de, a dignidade e a autoestima. Para
Vemos os miúdos a lágrimas, maquilhava-se aprenderem a gostar delas próprias. O
chegarem sem expressão e ia trabalhar. Só comia Como funciona a casa psiquiatra João Redondo explica que
emocional. Só querem ao final do dia. Ele tentou de abrigo? “perante a exposição a uma situação
ficar fechados no quarto, matá-la com uma arma de As vítimas são de violência familiar por parceiro ín-
a viver no mundo deles, fogo, mas ela sobreviveu e acompanhadas pela timo, vivenciada como traumática, a
porque desde pequenos saiu de casa. psicóloga. Depois temos vítima fica por vezes incapaz de reto-
tudo à volta é terrível. As o trabalho de gestão da mar o curso da sua vida, pois a vivên-
experiências são muito A casa de abrigo do GAF própria casa em que há cia traumática está constantemente
marcantes e o terror acaba Viana do Castelo foi a uma escala de tarefas a interrompê-la. É como se o tempo
por permanecer durante primeira do País. rotativa entre as vítimas e parasse no momento do trauma”.
muito tempo. Sim, foi a primeira uma equipa de monitoras O medo do agressor tolda o pen-
específica para vítimas de que as acompanha de
samento e muitas destas mulheres
Que tipo de situações violência doméstica, numa forma rotativa. Não ficam
altura em que não havia
demoraram muito tempo a pedir
recebem? mais de seis meses até se
Ao acompanhar vítimas, legislação que enquadrasse autonomizarem.
ajuda. O psiquiatra João Redondo
explica que “o medo poderá ser uma
arma muito poderosa nas mãos do
agressor”.
A primeira agressão ocorreu quan- dificuldade em respirar e o rosto a A presidente da ADDIM acrescenta,
do Núria deu a boa-nova ao marido mudar de cor. por sua vez, que “a violência doméstica
de que iria ser pai. Ele respondeu-lhe Dias depois, conseguiram fugir se manifesta pelo controlo, pelo poder,
com socos em todo o corpo. “Fez para Inglaterra, para casa da irmã que pela posse, muitas vezes por causa de
sexo violento para eu perder o bebé lhes comprou as passagens de avião. ciúmes. Estas mulheres vivem sub-
e ameaçou que me matava se não Foi naquele país que denunciou o ma- mersas no medo, assustadas, ansiosas”.
abortasse.” Mas Núria não o fez. Foi, rido. “Tinha muito medo. Ainda hoje João Redondo concorda, sustentan-
por isso, espancada durante toda a ele continua a procurar-nos.” do que “o perigo e o medo, associados
gravidez, tentando proteger a barri- Só que a vida em Inglaterra não às situações de violência que a vítima
ga, sempre que podia, para que nada correu como pensavam, não conse- vivenciou, poderão condicioná-la a
acontecesse ao bebé. “Graças a Deus, guiram encontrar emprego e regres- perceber o mundo como um lugar in-
o meu menino nasceu perfeito.” Ainda saram a Portugal diretamente para seguro e imprevisível”. E alerta: “Passa
teve mais três filhos e um deles nasceu uma casa de abrigo de uma associação a estar em constante hipervigilância,
com problemas de saúde no coração. de apoio à vítima. “Não sei como será mesmo depois de estar fora da situa-
Depois obrigou-a a fazer vários abor- o dia de amanhã, mas quero que ele ção de violência.”
tos ao longo dos anos.
O marido acabou por emigrar para
Portugal e, anos mais tarde, Núria e
os quatro filhos juntaram-se a ele. As
agressões continuaram, incluindo às
ANTÓNIA NUNCA ESQUECEU A ARMA
crianças. “Chegou a apertar o pesco- POUSADA EM CIMA DA MESINHA
DE CABECEIRA, SEMPRE QUE O MARIDO
ço dos meus três filhos mais velhos e
dava socos ao mais novo de 6 anos”,

QUERIA TER RELAÇÕES ÍNTIMAS


conta a chorar. Numa das vezes, Bian-
ca ficou apavorada ao ver a filha com

58 VISÃO 13 JANEIRO 2022


AS CRIANÇAS TAMBÉM TÉCNICAS DE TORTURA nha e culpabilização, automutilação,

SÃO AS GRANDES VÍTIMAS


Tal como sucedeu a Lia, que, durante perturbação da memória e humor
anos, continuou em hipervigilância e deprimido, ideação suicida, pertur-
a não conseguir pregar olho a noite bação do sono, abuso de álcool e/ou
“No caso das crianças expostas toda, mesmo depois de o marido se consumo de drogas ilícitas, distúr-
a situações de conflito parental ter enforcado na casa onde viviam. bios alimentares, autodepreciação e
existe uma somatização que Achava que o ouvia, a meio da noite, desespero.
tem depois repercussões ao a abrir e fechar a gaveta das facas, Entre a sintomatologia que as víti-
nível do seu comportamento”, vezes sem conta. Acabaria depois por mas expostas a situações de violência
começa por alertar Carla Branco, desenvolver um distúrbio de sono. poderão apresentar estão ainda múl-
da Associação Democrática Em vida, uma das “armas” do seu tiplas queixas somáticas e o aumento
de Defesa dos Interesses e da agressor era a privação do sono, algo de comportamentos de risco. “Além
Igualdade das Mulheres (ADDIM). que é frequente encontrar noutras da incapacidade para imaginar o fu-
“Já tive situações de crianças com vítimas. “Muitas não conseguiam turo ou qualquer coisa positiva a ele
problemas de enurese, alimentares,
dormir, porque o agressor batia portas associada, sensação reduzida ou au-
depressões, crises de ansiedade
ou aumentava o volume da televisão sente de autonomia e de capacidade
ou comportamento agressivo na
escola.” Carla Branco recorda-se
propositadamente. Era uma forma de para fazer escolhas ou agir”, enumera
do caso de uma criança que, às 19h, tortura”, afirma Carla Branco. João Redondo.
continuava a esconder-se mesmo João Redondo sublinha que “60% “Embora a violência por parceiro
estando já na casa de abrigo, porque das mulheres que sofrem violência íntimo possa ter consequências di-
era a hora a que o pai chegava a poderão vir a apresentar problemas retas ao nível da saúde das vítimas,
casa e discutia com a mãe. Segundo psicológicos moderados a graves, como é o caso das lesões traumáticas,
a presidente da ADDIM, existem como dissociação, sintomas intrusivos ser vítima de violência pode ser consi-
evidências científicas de que há (pensamentos, memórias), flashbacks, derado também um fator de risco para
bebés que nascem com menos revitimização, estado de hipervigilân- uma variedade de patologias a curto e
peso ou prematuros em contexto cia e sobressalto”. a longo prazo”, alerta o psiquiatra. “No
de violência doméstica. Acrescenta ainda os ataques de extremo, deparamo-nos com a morte
pânico, baixa autoestima, vergo- associada ao suicídio ou ao homicídio
da vítima”, justifica.
Leandra Rodrigues, coordenadora
Controlo O medo geral do Gabinete de Apoio à Família
do agressor tolda (GAF) de Viana do Castelo, que gere
o pensamento uma casa de abrigo, lembra-se bem
e muitas destas de uma mulher que ficou com mo-
mulheres bilidade reduzida e dependente do
demoraram muito auxílio de canadianas, depois de se
tempo a pedir ter atirado de um quarto andar do
ajuda prédio onde vivia. “O desespero era
tanto que não viu outra saída. Estava
num ponto limite a nível emocional e,
na altura, achou que morrer fazia mais
sentido do que viver naquele contexto
de violência doméstica”, conta Lean-
dra Rodrigues.
“Não teria força para sair da re-
lação ou conhecimento dos tipos de
ajuda que existem no País”, afirma a
coordenadora, lamentando: “As mu-
lheres acabam por acreditar que não
há alternativa e os agressores fazem
questão de lhes dizer que ninguém vai
acreditar nelas ou ajudar. E ameaçam
que vão perder os filhos.”
São manipuladores como todos
os psicopatas e consideram o outro,
a mulher ou a criança, como um ser
inferior, que lhe pertence. Para as suas
vítimas, mesmo depois de escaparem,
há um longo caminho até se reergue-
rem. Algumas nunca conseguem lá
chegar. visao@visao.pt
Nota: Os nomes das vítimas foram alterados
para sua proteção.

13 JANEIRO 2022 VISÃO 59


60 VISÃO 13 JANEIRO 2022
JOANA MARQUES

Estou
sempre com
noção do
meu ridículo
É a nova colunista da VISÃO, que vem
assinar a rubrica de humor da última
página. Estreia-se para a semana
com Elefante na Sala. Aos animais, a
humorista pede-lhes sempre distância.
Ainda assim, e só desta vez, vai arriscar
a sorte ao aproximar-se do paquiderme
no meio das nossas vidas. Tudo indica
que será extremamente desagradável.
Como é seu apanágio
LUÍSA OLIVEIRA MARCOS BORGA

13 JANEIRO 2022 VISÃO 61


V
Também. Tem tudo a ver com a proximidade e com o
facto de não saber como reagir na presença deles. Não é
nada contra os animais, que fique bem claro. Gosto muito
deles, mas longe de mim. Já fui assim com os bebés.
Depois fui mãe e passou-me.
Já avisou que nenhum animal foi magoado para os
textos que vai escrever. Quem vai magoar, afinal?
Pela experiência que tenho, as crónicas acabam sempre
por magoar alguém, mesmo as que parecem inofensivas.
Neste caso, como vou escrever sobre aquele elefante na
sala, que todos estão a ver mas que nem todos querem
falar sobre ele, vai haver, de certeza, quem se sinta
atingido. Normalmente, são as pessoas mais inesperadas
e que até nem são visadas diretamente. As que têm mais
exposição, como os políticos, já não ligam a provocações
humorísticas e não se sentirão magoados por uma
crónica minha.
Vive absorta nas suas fobias, dos animais à morte, mas Vamos reconhecer o estilo Extremamente
também é a elas que se agarra para alguns apontamentos Desagradável na sua escrita?
de humor que a transformam na persona que os seus É o meu estilo, não tenho heterónimos, por isso vai ser
milhares de seguidores adoram (113 mil no Instagram). difícil fugir dele. Mas o registo escrito será diferente do
A humorista vai todos os dias, bem cedo, para a Rádio que digo na rádio ou do que faço para a televisão (embora
Renascença, sentar-se ao lado de Inês Lopes Gonçalves também escreva nessas ocasiões).
e Ana Galvão (As Três da Manhã). É nesse espaço que Vai ocupar a página que durante 17 anos foi de
nos faz rir com o seu tom mordaz em Extremamente Ricardo Araújo Pereira, para quem também escreve
Desagradável (o podcast mais ouvido de 2021). Nas no programa Isto é Gozar Com Quem Trabalha, além
horas vagas, ainda se junta à equipa de oito guionistas de serem amigos. Ele deu-lhe dicas?
que escreve as piadas de Isto é Gozar com Quem Recomendou-me muito a VISÃO e disse-me que ia ser
Trabalha, programa de domingo à noite, apresentado na muito bem recebida. Até agora não tenho razão de queixa,
SIC por Ricardo Araújo Pereira. Assim é Joana Marques ou seja, ele não me enganou. Para mim, foi uma sorte
aos 36 anos acabadinhos de fazer, no ponto perfeito para e uma responsabilidade ao mesmo tempo – quando o
se tornar na mais recente cronista da VISÃO, com o seu Cristiano Ronaldo sai de uma equipa, é sempre uma
Elefante na Sala, a partir da próxima edição. Tenham enorme pressão para o jogador que vem a seguir. Mas vou
algum medo. tentar esquecer-me de que ainda há pouco era ele quem
Sendo uma pessoa que teme animais de uma forma escrevia na página onde vão sair as minhas crónicas.
geral, a escolha do nome desta crónica é uma Queixa-se de falta de tempo. O que deixou cair
catarse? para poder ser cronista da nossa revista? A sua
Eu temo animais, mas são mais aqueles com que lidamos participação no programa Irritações, da SIC Radical?
no dia a dia, como um cão, um gato... Teve de ser, até porque já lá estava há muito tempo e às
Ou um passarinho, como este que acaba de passar vezes até tinha dificuldade em lembrar-me se já me teria
por aqui? irritado com determinada situação. Ainda ponderei deixar
cair um dos meus filhos, mas não dá – esse é um trabalho
a tempo inteiro.
Diz que tem um horário pouco saudável e anda
sempre com sono. Uma hipocondríaca assumida não
deveria ter mais cuidado com a saúde?
É um contra-senso, não é? Não faz sentido uma pessoa
importar-se tanto com a saúde e estar a pôr-se ali
A observação no caminho de arranjar uma doença qualquer. Nas
minhas resoluções de ano novo está a de me deitar
meio obsessiva mais cedo, porque quando vou para a rádio levanto-me
inevitavelmente às seis da manhã. Para já, e como estou de
que faço aos férias, continuo a ir para a cama à uma – a Joana de 2022
já está igual à de 2021.
outros também Como é a vida de uma hipocondríaca em pandemia,
quando os temas de saúde abrem telejornais há dois
se vira contra anos?
Há um lado bom nisto tudo, pois sinto-me mais
mim, porque acompanhada: “Agora percebem como é andar sempre
preocupados com a saúde?” Mas, ao princípio, foi um
estou sempre bocado avassalador, ainda por cima estava no início da
minha segunda gravidez. Como boa hipocondríaca, achava
a analisar-me que se apanhasse o vírus morreria e por isso fechei-me

62 VISÃO 13 JANEIRO 2022


MARCOS BORGA
em casa durante meses. Nem as estatísticas a mostrarem- Sim, tenho uma mini Torre do Tombo de situações
-me que havia pouca gente a morrer com a minha idade desinteressantes, porque há temas que se aguentam
me descansavam, pois pensava imediatamente que seria mais tempo e assim acabo com o drama de pensar
a exceção. Agora, até eu já estou um bocado farta, e no que vou falar amanhã. Com outros assuntos,
retomei alguma normalidade, especialmente desde que fui não funciona tão bem. Por exemplo, tenho recebido
vacinada. Deixei de pensar que vou morrer disto e passei a centenas de ideias por causa deste novo reality show, o
concentrar-me noutras causas de morte. Big Brother Famosos, mas isso teria de ser logo tratado
Diz que o trabalho é o momento em que consegue no dia seguinte. Quando voltar à rádio, em fevereiro, já
relaxar. Mas em qual dos trabalhos atuais – revista, não vai fazer sentido.
rádio ou tv – se sente realmente relaxada? O seu podcast foi o mais ouvido de 2021, o seu livro,
O momento em que estou a escrever é mesmo relaxante. Vai Correr Tudo Mal, também chegou aos tops. Que
Há o lado stressante de ter um prazo, mas quando estou podemos esperar mais da Joana Marques?
focada no processo divirto-me muito. É quase como se Agora, com as crónicas na VISÃO, juntei mais uma
tratasse de um jogo, estar à procura das ideias e a ligá-las dificuldade na equação de encontrar um tema semanal
como se fosse um Lego. Isso concentra-me e desvia-me – além dos cinco diários para a rádio – que faça sentido
de pensar de que é que vou morrer, por exemplo – às no contexto da revista. É nisso que estou focada, neste
tantas é tão relaxante e divertido que trabalho de mais. momento. Ah, e também em não aceitar mais nenhuma
Volta e meia, tenho mesmo de me obrigar a pausas e a não proposta.
fazer nada. Mas ainda faz publicidade. Qual é a motivação?
De onde lhe vêm as ideias para as suas crónicas? Dinheiro?
Recebo muitos inputs. Normalmente, parto de algo O dinheiro ajuda muito, claro. Mas, por acaso, a
atual. Por exemplo, há um vídeo de alguém de que toda única experiência que tive foi uma marca que tem a
a gente fala. Então, vou procurar mais sobre essa pessoa, ver comigo, porque é de seguros. Também me deram
pois penso sempre que haverá mais material igualmente liberdade para escrever o que ia dizer, o que tornou a
risível e menos conhecido. Na maioria das vezes, costumo experiência mais interessante do ponto de vista criativo.
encontrar. Esse vício de reparar nos momentos ridículos das
Tem uma lista de vários temas ou de pessoas para pessoas não se vira contra si, de vez em quando?
(des)tratar? A toda a hora. Estou sempre com noção do meu

13 JANEIRO 2022 VISÃO 63


ridículo. O Gregório Duvivier, humorista brasileiro da – agora posso ir e não vou. Essa postura esbateu-
Porta dos Fundos, diz que passa muito tempo da sua -se quando deixou de haver autoridade, quando a
vida em modo grua. Identifiquei-me muito com essa autoridade passei a ser eu. O máximo que desafio hoje é
imagem, porque estou aqui neste momento e estou a quando escrevo as minhas crónicas. Tornei-me bastante
ver-me de fora: “O que estará a pensar aquela pessoa ali aborrecida e sem interesse.
ao fundo do facto de estarmos a fazer esta entrevista no É uma pessoa discreta?
meio de um jardim?” A observação meio obsessiva que Sim, sou.
faço aos outros também se vira contra mim, porque Paradoxalmente, todos sabemos da sua vida,
estou sempre a analisar-me. ou o que quer contar sobre ela...
Isso limita-a? Hoje, a fronteira entre o que é a vida privada e pública
Não é bem limitar-me, cansa-me um bocado. É como está muito esbatida. Mas tento não pisá-la muito, por
se estivesse num computador com várias janelas exemplo não mostrando a cara dos meus filhos ou a
abertas e nunca estivesse no momento atual. Agora escola em que eles andam. No entanto, o meu trabalho
fala-se muito na meditação e no mindfulness, do estar na rádio é estar com a Inês Lopes Gonçalves e a Ana
aqui e agora, mas para mim isso é complicado – nunca Galvão, durante três horas, a contar episódios que nos
estou aqui e agora, estou mais ali e daqui a bocado, a aconteceram e, por isso, torna-se difícil não expor
pensar no que vou fazer a seguir. alguns aspetos das nossas vidas privadas. Na verdade,
Já disse que, para si, “estar viva já é emoção que acho mais graça aos humoristas que não são asséticos,
chegue”. É zero aventureira? que têm os seus gostos bem definidos, que podem até
Zero, mesmo. O pouco que existia tem vindo a diminuir ser diferentes dos meus.
com a idade. Ainda corri alguns riscos, naquela idade E as abordagens que os fãs lhe fazem na rua, fica-
em que não temos bem noção do que fazemos. -lhe mal dizer aqui que não lida bem com elas?
Como por exemplo? As pessoas na rua são sempre muito simpáticas, ao
Desafiava a autoridade. Tive uma fase em que fugia contrário do que se passa na internet. Por acaso, nem
muito de casa para ir a discotecas, coisa que hoje odeio acho que esses comentários nas redes sociais sejam

64 VISÃO 13 JANEIRO 2022


Estreia Para a nova rubrica na
VISÃO, a humorista, de 36 anos,
vai trazer a sua conhecida delicadeza
de elefante numa loja de porcelanas

assim tão sentidos, são apenas momentâneos. Depois escrever para alguém que depois fizesse as macacadas,
de me insultarem, vão comentar a Carolina Deslandes. e fui por aí. No entanto, por mero acaso, passei a
Não se trata de um ódio visceral, nem há tempo para aparecer também.
isso porque as pessoas têm de ir às suas vidas. Como aconteceu isso?
Mas os negacionistas têm-se esforçado por Trabalhava como guionista nas Produções Fictícias, na
maltratá-las nas redes sociais. É coisa para pôr altura da criação do Canal Q. Como era um produto
no currículo? de reduzidíssimo orçamento, muito laboratorial, todos
Os negacionistas puseram a sua vida em suspenso tínhamos de fazer tudo. Quando nasceu o programa
para se dedicarem à sua causa. Reconheço-lhes essa Altos e Baixos, fui apresentá-lo com o Daniel [Leitão],
dedicação, embora não concorde com ela. Na realidade, que era meu namorado na altura. Por causa da nossa
está tudo certo: eles pensam de forma radicalmente intimidade, esticávamos bastante a corda, as pessoas
oposta à minha, seria estranho se não me atacassem. gostaram e deram longa vida a um programa que era
Devem dizer-lhe, entre outros mimos, que suposto durar meses. Dessa visibilidade é que surgiram
é patrocinada pelas farmacêuticas. os convites seguintes, para a Antena 3 e depois para a
Eu é que as patrocino, com o arsenal de medicamentos Renascença, onde estou desde 2019.
que tenho em casa. É portista, adora sushi e tem um estilo mordaz.
Cresceu no Restelo e escolheu esse bairro lisboeta Gostava que escrevessem isso na sua campa?
para viver. Não sendo, aparentemente, uma betinha, Acho que o “adora sushi” é uma informação
o que a atrai nessa zona? completamente desnecessária na campa, porque já
Quero que fique aqui registado que vivi uns anos não se vai comer. Quanto ao mordaz é de facto uma
em Linda-a-Velha. Mas sim, o meu marido, que é de característica que me acompanha há muitos anos e me
Chelas, está sempre a acusar-me de ‘betice’. Sinto-me dá muito jeito – agora tornou-se o meu ganha-pão. E
uma moderada, quase assintomática, pois lidei com ser portista acaba por ser um traço de personalidade.
betos a sério e não me insiro nesse grupo. Gosto muito Torceu pelo Porto desde sempre?
desta zona de Belém, porque é a cidade sem o ser, sem O Porto ganhava tudo! Porque haveria de ser do
o caos. Também não podia ser muito campo, porque aí Sporting só por ser desta cidade? Há uma certa
já há animais. irreverência neste clube a que acho alguma graça. E
Antes da Renascença, esteve na Antena 3 e ainda também à imagem humoristíca do presidente. Por
antes no Canal Q. Como chegou até aqui? outro lado, é um ótimo desbloqueador de conversa,
Sempre gostei muito de escrever. Lembro-me bem o facto de ser de Lisboa e torcer pelo Porto. O tema
da emoção de aprender a escrever na Primária e de futebol dá azo a muitas piadas e picardias que se
fazer as minhas composições e logo a seguir as dos transformam numa espécie de novela. Estou a ver
meus colegas porque me despachava rápido e queria um jogo e a pensar mas é no pós e na mensagem que
continuar naquilo. Mas não sabia bem como aproveitar vou mandar a um amigo acerca de um jogador, por
esse gosto para viver. Ainda pensei em ser jornalista, exemplo.
mas desisti quando percebi que não dava para inventar. Está de férias da rádio. O que aproveita para fazer
No entanto, tirou Ciências da Comunicação. nestes momentos? Sair à noite não é de certeza.
Sim, mas não enveredei pelo jornalismo. Em 2007, Não, é o contrário. No dia 1 de janeiro acordei às duas
descobri que existia a profissão de guionista, que era e meia da tarde e porque foram chamar-me. Soube-
me muito bem. Mas também aproveito para ver a vida
entre as sete e as dez da manhã, porque normalmente
estou metida no estúdio. Esta semana já comecei a ir
levar os meus filhos à escola, o que para mim é uma
atividade exótica – quem trabalha na rádio de manhã,
nunca pode fazê-lo. Ou ir tomar o pequeno-almoço a
um café.
O máximo que Mas pode ir buscá-los.
Sim, fico com a parte pior, pois o turno da tarde é
desafio hoje é levá-los para casa. Nestes dias, já que não viajei, tenho
aproveitado para fazer arrumações, coisa que adoro
quando escrevo e nunca consigo fazer. Não sendo uma Marie Kondo,
adoro ter tudo organizado, sob controlo, para depois
as minhas dar seguimento à vida. Sei que vai correr tudo mal, mas
isso é depois. Gosto do momento zero, desta ideia de
crónicas. ano ano novo, vida nova (não da Passagem de Ano, que
é festa, lá está).
Tornei-me Se tivesse ido viajar nestas férias, qual teria sido o
destino?
bastante [Pausa para pensar.] Acho que tinha ido aos Estados
Unidos da América. Da última vez que lá estive,
aborrecida percorri a costa de São Francisco a Los Angeles, e ainda
tenho mais uns percursos que gostaria fazer.
e sem interesse loliveira@visao.pt

13 JANEIRO 2022 VISÃO 65


A SUSTENTÁVEL
TRAVESSIA
DAS ILHAS
DESERTAS
Um ícone visto de perto
Durante a reportagem da
VISÃO, um lobo-marinho
aproximou-se do barco
– caso raro, o que espantou os
vigilantes da Natureza a bordo

São mais de 12 mil hectares de uma reserva natural marinha


e terrestre do ilhéu Chão, Deserta Grande e Bugio. Navegámos
no Atlântico para assistir à rendição dos vigilantes da Natureza,
pernoitámos na maior das três ilhas e patrulhámos a costa
deste território selvagem, “habitat” de tarântulas, aves marinhas,
lagartixas, aranhas, caracóis e, claro, da sua mascote,
o lobo-marinho, um dos mamíferos mais ameaçados do mundo
– mas que aqui encontrou um santuário
SÓNIA CALHEIROS MARCOS BORGA
D
seguição num casal fiel entre si e ao estatuto integral, deixando-se uma
seu ninho. parte parcial para que os pescadores
Observar sem ser observado é o pudessem continuar a sua atividade”,
conselho mais repetido durante a ma- explica a bióloga. Da Fajã da Doca para
nhã passada no “posto de observação” sul, é reserva integral; em direção a
na zona do Tabaqueiro, “maternidade” norte, é parcial, permitindo a navega-
na ponta sul da Deserta Grande, para ção e a pesca controlada. “A reserva é
onde só se leva máquina fotográfica dirigida à conservação da Natureza e da
com bateria, binóculos, bolachas, água, pesca. Sem reserva, os pescadores não
fruta e roupa quente. Nada é mais pescariam em nenhum lado, porque já
importante do que o bem-estar dos não haveria peixe.”
animais, e quanto menos intervenção Foi na Madeira, em Câmara de Lo-
humana, melhor, apesar de ser uma es- bos, que os colonizadores registaram o
pécie que desaparecerá se não for cui- primeiro lobo-marinho, no tempo de
dada... pelo Homem. Por agora, a União Gonçalves Zarco, Tristão Vaz Teixeira e
Internacional para a Conservação da Bartolomeu Perestrelo, há mais de 600
Natureza considera o lobo-marinho anos. No início do século XX, já eram
uma espécie ameaçada, mas já esteve poucos os animais e, desde a década
como espécie criticamente ameaçada, de 1980, só se encontram mesmo nas
o grau imediatamente anterior à ex- ilhas Desertas. A ocupação humana fez
tinção. Segundo esta entidade, restam com que os lobos-marinhos não nas-
cerca de 700 destes animais no mundo. cessem nas enseadas nem nas praias
da Madeira, tendo-se deslocado para
DE MEIA DÚZIA A 25 as grutas da praia aberta de calhau do
Desliga-se o motor do bote de borra- Desde agosto passado que Rosa Pires, Tabaqueiro, a “maternidade”.
cha e ali ficamos ao sabor do vento. É 51 anos, não desembarcava na Deserta O escasso grupo de focas – em nada
em silêncio quase absoluto que Rosa Grande, ilha vulcânica que a par com o comparável aos cerca de 380 fixados
Pires se deslumbra com o lobo-mari- ilhéu Chão e o Bugio formam as ilhas em Cabo Branco, na fronteira africana
nho a cirandar a embarcação, ora com Desertas, a sudeste da Madeira. Nes- entre a Mauritânia e o Sara Ocidental,
o focinho à superfície ora a rodopiar sa altura, foi instalar, nas grutas das ou aos 300 em grupos separados no
junto ao motor do barco, num sereno enseadas, as câmaras fotográficas que mar Egeu, entre a Europa e a Ásia –
bailado natural. De forma empírica, a disparam de hora a hora, com uma muito se deve às águas oligotróficas
bióloga marinha reconhece ser um ma- autonomia de nove meses, permitindo desta parte do Atlântico, pobres em
cho juvenil que pode ter parasitas ou identificar os indivíduos da pequena nutrientes, logo com baixa taxa de
estar em fase de muda de pelagem. Esta colónia de 25 lobos-marinhos. Em produção de matéria orgânica, o que
é uma situação invulgar, até para Rosa 1988, quando a Área de Proteção Es- não ajuda à reprodução. E, em altura
Pires, com quase 30 anos de trabalho pecial foi criada, eram entre seis e oito de levadias, quando o mar está batido
no mar das ilhas Desertas, a zelar pela focas. Às Desertas, a classificação de junto à costa, as crias também ficam
conservação da foca-monge-do-me- Reserva Natural chegaria em 1995, e a mais frágeis. Ao tentarem ir para o
diterrâneo (Monachus monachus), a integração na Rede Natura em 2000. mar, são muitas vezes projetadas para
foca mais rara e ameaçada do mundo. Antes, o Conselho da Europa classifi- a rocha ou arrastadas pelas correntes.
“Não costumam ter este comporta- cou-as, em 1992, como Reserva Bioge- “As crias nascem em épocas de gran-
mento, aproximar-se muito do bote e nética. “O lobo-marinho foi a espécie des intempéries, o que faz com que o
durante tanto tempo. Mergulhar como que motivou a criação da reserva com crescimento nesta colónia seja muito
um golfinho também não é frequen- lento. São 25 animais, mas poderiam
te, mas aconteceu”, sussurra Rosa, de ser o dobro”, constata Rosa Pires.
sorriso aberto.
Assim que o bote foi cercado por RESTAM 700 Foi graças ao Projeto Life, iniciado
em 2014, do Instituto da Conservação
três lobos-marinhos (o nome pelo
qual é conhecida a espécie na Madeira), LOBOS-MARINHOS da Natureza e das Florestas (ICNF) com
a Fundação CBD-Hábitat, entidade
Lourenço Alves, vigilante da Nature-
za, atira a câmara GoPro para dentro NO MUNDO, UMA privada espanhola especializada na
conservação de espécies ameaçadas,
de água. É graças a este vídeo que se
conseguirá identificar o subadulto “13”
ESPÉCIE AMEAÇADA, como o lince-ibérico, a foca-monge-
-do-mediterrâneo, a águia-imperial
pelas manchas laterais, “um lingrinhas
que terá nascido em 2019”. O “13” é dos
SEGUNDO A UNIÃO ou o abutre-preto, que a investigação
ganhou bom ritmo nas Desertas. Há
animais que mais interagem com as INTERNACIONAL PARA sete anos, Rosa Pires e a sua equipa

A CONSERVAÇÃO DA
pessoas, um comportamento comum entraram em todas as grutas emersas e
dos machos, caracterizados por dois submersas do arquipélago da Madeira,

NATUREZA
orifícios no ventre, enquanto a fêmea ao longo de 190 quilómetros de costa,
tem mais cicatrizes nas costas, devido e nas 141 cavidades encontradas; 26
à técnica de acasalamento. Um ritual tinham interesse para o lobo-mari-
subaquático em que há jogos de per- nho. A informação recolhida nas câ-

68 VISÃO 13 JANEIRO 2022


Preservar
Observar sem
ser observado
é o conselho
mais repetido
pela bióloga
Rosa Pires
(à esquerda).
Nada é mais
importante do
que o bem-
estar dos lobos-
marinhos, e
quanto menos
intervenção
humana,
melhor.
Isamberto,
Ricardo, Nélio
e Lourenço,
vigilantes
da Natureza,
ajudam na
missão de
proteger a
reserva natural
das Desertas

13 JANEIRO 2022 VISÃO 69


Quem é a maras fotográficas permitiu saber que
“nascem mais do que se imagina, mas
já não vamos. Há certas veredas em que
existem cabos, e usamos mosquetões”,

“Monachus
também morrem mais”. A longevidade explica, ao embarcar no bote que o foi
destes animais já foi de 35 anos, mas recolher ao Bugio, depois de uma ma-

monachus”?
“a experiência diz-nos que são poucos nhã à procura de caracóis.
os que superam os 24 anos”. O facto
de as praias no interior das grutas INVERTER A MARCHA DA EXTINÇÃO
estarem sempre molhadas e húmidas Até agora, Dinarte Teixeira, biólogo
• Foca-monge-do-
-mediterrâneo, conhecida também faz com que as crias entrem e malacólogo, há mais de 20 anos
por lobo-marinho em hipotermia. focado na Ciência que estuda os ca-
racóis, conhece a distribuição destes
• Vive em águas temperadas ISAMBERTO, NOME DE ESPÉCIE moluscos rastejantes: onde existem,
• Restam menos de
700 entre o Mediterrâneo
Depois de terminar a licenciatura em
Biologia Marinha e Pescas, na Universi-
em que quantidade, com que espécies
interagem. Apesar de não interagir
oriental e o oceano dade do Algarve, e de ter feito o estágio com os outros animais das Desertas
Atlântico na Madeira, Rosa Pires, nascida em An- (tarântula, freira-do-bugio, o lobo-
gola e desde os cinco anos em Portugal, -marinho), o caracol contribui, e muito,
• Só existe uma espécie
deste género, e é o
concorreu para vigilante da Natureza para o ecossistema. Além de participar
e fez parte da primeira leva, ao lado no ciclo do azoto, por se alimentar de
pinípede mais primitivo
de Isamberto Silva, ficando três anos, matéria morta, a sua concha feita de
de todos, ordem de
mamíferos marinhos
entre 1994 e 1997, a tomar conta das cálcio também enriquece os solos com
carnívoros, adaptados à ilhas. Na sua primeira observação, fez esse nutriente.
movimentação da água 36 avistamentos de lobos-marinhos. Considerado o hotspot mundial da
(membros transformados “No início, estas horas de observação malacologia, o arquipélago da Madei-
em barbatanas), como eram um tormento”, lembra a bióloga. ra (incluindo as ilhas Desertas e Porto
as focas, as morsas e as Desde a infância que Isamberto Santo) é uma das regiões com maior
otárias Silva, de 58 anos, coleciona animais, diversidade de moluscos terrestres,
de insetos a aranhas, e, ainda hoje, cujo endemismo ronda os 70% a 75%,
• Nascem quatro crias por
ano; 62% morrem durante
conserva as borboletas com mais de com 320 espécies de caracóis. Para já,
40 anos da coleção do pai. Vigilante quatro espécies endémicas da Deserta
o primeiro ano de vida; 96%
da Natureza há três décadas, conti- Grande estão classificadas como “cri-
sobrevivem após um ano
de idade
nua a guardar um exemplar de cada ticamente ameaçadas” – há menos de
espécie que encontra nas suas estadas 200 indivíduos.
• Aanimais
longevidade destes
pode chegar aos
pelas ilhas do arquipélago da Madeira,
onde nasceu. Entretanto, desde 1988, já
Com o financiamento da União
Internacional para a Conservação da
35 anos, mas não costuma descobriu tantas endémicas das ilhas Natureza, através da Rewild, já foi
ultrapassar os 24 Desertas e da Madeira que as espécies possível resgatar parte dessas popu-
• Animais sociáveis ganharam o seu nome nos compêndios
científicos: nas plantas, a Musschia
lações para reprodução em cativeiro,
enviando para dois jardins zoológicos
• Machos aventureiros
e robustos podem chegar
isambertoi e a Monizia edulis isam- ingleses, em Bristol e em Chester. Até
bertoi; a aranha Dysdera isambertoi; agora, uma das espécies já tem mais
aos 300 quilos o caracol Leptaxis isambertoi (já em de 1 400 indivíduos e a outra, mais de
• Fêmeas
contidas
gregárias e mais fóssil) e mais quatro escaravelhos todos
apelidados “isambertoi”.
trezentos. “Três destas quatro espécies
ameaçadas já existiram no Bugio e, em
Interessado pela Natureza, Isam- caso de necessidade, se não conseguir-
• Alimentam-se
costeira
na zona
berto é exímio a procurar plantas e mos controlar as ameaças, poderão ser
animais, desde o topo das escarpas
• Macho e fêmea adultos são
fiéis entre si e ao seu ninho
da Deserta Grande ou do Bugio (onde
nidifica a freira-do-bugio) até junto
ao mar revolto. É dos profissionais
• Nas
NO ARQUIPÉLAGO DA
ilhas Desertas, existe
uma colónia de 25 lobos-
mais requisitados para acompanhar
biólogos e outros investigadores, por
MADEIRA, INCLUINDO
-marinhos
conhecer melhor do que ninguém a
• Em 2021, a população fauna e a flora de lugares de tão difícil
é composta por três
machos, 11 fêmeas, um
acesso. Para o Vale da Castanheira, a
principal casa das tarântulas endémicas
AS ILHAS DESERTAS
adulto, cujo sexo não foi
ainda determinado, seis
das Desertas, as suas preferidas, Isam- E O PORTO SANTO,
HÁ 320 ESPÉCIES
berto não costuma levar luvas, mesmo
imaturos, dois juvenis e sabendo que elas são perigosas, pois
uma cria
DE CARACÓIS
já foi picado, ganhando um inchaço,
• Em 1988, quando a Área
de Proteção Especial foi
mas sem gravidade. “No princípio era
uma aventura, agora já tenho um certo
criada, eram entre seis receio. Quando o mar está muito mau,

70 VISÃO 13 JANEIRO 2022


Intocável Natureza no
seu estado mais puro, com
paisagens deslumbrantes
de cores únicas, seja
nas enseadas no meio
do Atlântico seja nas
escarpas com 479 metros
de altitude. Já existiram
tentativas de povoar a
Deserta Grande, mas todas
falharam

13 JANEIRO 2022 VISÃO 71


Reserva Natural Ilhéu Chão,
Deserta Grande e Bugio, as ilhas
Desertas são o habitat endémico
de tarântulas, caracóis e de uma
colónia de 25 lobos-marinhos

reintroduzidas na ilha”, explica Dinarte


Teixeira. “Há dez anos, tínhamos de es-
cavar imenso para encontrar caracóis,
hoje levantamos uma pedra e há mais
de mil bichos de cinco ou seis espécies.”
Sempre que volta a casa, no Fun- sua história de vida fazem parte uma
ISOLADOS, MAS “EM CASA” chal, todo o movimento e barulho o viagem de circum-navegação e uma
O mar já entrou, várias vezes, pela incomodam, conta, enquanto prepara travessia do Atlântico, em 44 dias, 19
Deserta Grande adentro, mas nada carne picada com legumes. Neste ano, dos quais sem ver terra.
que intimide as equipas de três vigi- depois de um Natal celebrado em casa, As Desertas são as preferidas de
lantes da Natureza, rendidas a cada 15 a 27 de dezembro regressou para en- Nélio Caires, de 46 anos, principal-
dias. Na véspera de se exilarem – e a trar em 2022 com os pés assentes na mente porque não gosta das 15 horas
rendição só acontece com o mar fa- Deserta Grande – e o céu limpo ainda de travessia para as Selvagens. Além
vorável –, fazem o plano de refeições lhe permitiu ver o tradicional fogo de disso, diz, “aqui é mais dinâmico”.
e são comprados os mantimentos ne- artifício da Madeira. “Ir ao mar faz com que todos os dias
cessários para as três pessoas que vão Nas suas casas, todos se sentem sejam diferentes.” Em terra, Nélio gos-
passar duas semanas isoladas de tudo visitantes. É nas Desertas que têm a ta de explorar o topo da montanha,
e de todos, numa habitação inaugurada sensação de “estar em casa”, com o avaliar pedras e plantas que mudam
há 16 anos. canto noturno da ave marinha roque- a paisagem. Para se conseguir subir
Imagine-se uma grande casa de -de-castro, horários certos e liber- a vereda, é preciso fazer manutenção
madeira, com vários quartos, uma sala dades garantidas, o que nem sempre dos caminhos, dos degraus, e por lá vão
comum e uma kitchenette com todas as facilita os relacionamentos amorosos deixando as ferramentas. Lá em cima,
comodidades (frigorífico, congelador, e familiares. “Os confinamentos ge- a 479 metros de altitude, as ruínas dei-
fogão, forno, exaustor). Para ali, têm rados pela pandemia foram muito xam perceber que ali já existiram uma
de levar papel higiénico, paracetamol, piores, foi terrível”, confessa Ricardo cisterna e uma capela e quatro lugares
carne, peixe, leite, água, vinho, bola- Gouveia. Ali, conseguem “arrumar de vigia de baleias. “Houve tentativas
chas, ovos, atum, pão, farinha, açúcar, ideias”, quase entrar em meditação, de povoar a Deserta Grande.”
azeite, fruta e legumes, mas também chegando a ter alguns vazios de ca- A maior parte das funções dos vi-
bidões de gasolina, para abastecer beça. Aos 51 anos, Ricardo prefere a gilantes prende-se também com a
botes e geradores, no caso de falhar Selvagem Pequena, onde pouco ou fiscalização de embarcações de pesca
a eletricidade produzida através dos nada acontece, mas a beleza da ilha e de atividades lúdicas em redor da
painéis solares. Nas casas de banho, a e a sua mística enchem-lhe a alma. ilha. A prioridade é detetar infrações,
água salgada é usada nos autoclismos, Músico da banda de rock progres- como a pesca ilegal na reserva. E an-
enquanto a água pluvial, recolhida no sivo Holograma, leva na bagagem o dam sempre à cata de lixo marinho,
telhado, vai para a cozinha e os banhos. seu baixo para ensaiar e estudar. Da arrastado pelo vento e pelas correntes
O duche diário é ao ar livre, com água de leste. Enquanto dois vigilantes vão
quente. A água que sai da fossa sética ao mar, quem fica em terra faz a rece-

PARA OS VIGILANTES
recebe um tratamento por osmose, ção dos visitantes, que podem chegar
antes de seguir para o mar. Uma ilha nos veleiros estrangeiros ou nas via-
autossustentável.
Sabe bem a quem chega ter uma DA NATUREZA gens marítimo-turísticas locais e têm
a possibilidade de dar uma curta volta
macarronada no panelão, alinhavada
para o almoço por quem regressa a QUE TRABALHAM à ilha pelo trilho em redor da casa.
Chegam a estar 70 pessoas na ilha,
casa. Entre os vigilantes, há sempre
alguém com mais mão para a cozi- NAS DESERTAS, OS mas para Rosa Pires o ideal seriam 25
em terra de cada vez, e 75 no total do
nha, apesar da muita paridade nas
tarefas. A Lourenço Alves, de 41 anos,
CONFINAMENTOS DA dia. “O que interessa estar a preservar
e a proteger, quando ao lado está um
muito lhe tem valido a experiência
ganhada em longas estadas nas ilhas.
PANDEMIA CUSTARAM grupo a poluir e a pressionar?” Desde
o uso de combustível pelas embar-
Há 20 anos, fez a primeira escala nas MAIS DO QUE AS cações à utilização de casa de banho

LONGAS ESTADAS
Selvagens (mais de 200 quilómetros a e ao ruído, tudo interfere na vida do
sul), e foram logo 45 dias. Os mesmos lobo-marinho, adiando o sonho de

NAS ILHAS
que haveria de permanecer na Deser- Rosa – que o animal que é símbolo
ta Grande, quando, em dezembro de das ilhas se torne autónomo e deixe de
2009, o mau tempo não o deixava sair, precisar da proteção do Homem para
já sem stock de comida nem lenha. sobreviver. scalheiros@visao.pt

72 VISÃO 13 JANEIRO 2022


o mundo
trocado por miúdos
Neste mês,

da
na visão júnior

da
en
Re m
v ist a re co

Curiosidade sobre a manga,


a banda desenhada que conquista o mundo
Como desenhar uma cara em estilo manga
Animais com megavisão
As eleições trocadas por miúdos

Já são conhecidos
os livros concorrentes
a ‘Miúdos a Votos’ este ano!
ASSINE A VISÃO JÚNIOR POR 6 MESES (6 REVISTAS)

DIGITAL PAPEL
6 edições | €12,40 6 edições | €15,40
35% de desconto 20% de desconto

loja.trustinnews.pt ou ligue 21 870 50 50


Dias úteis das 9h às 19h. Indique o código promocional COCAS

OU COMPRE ESTA EDIÇÃO EM:


loja.trustinnews.pt/produto/visao-junior-edicao-212

Campanha válida até 31/12/2022, na versão impressa ou digital, salvo erro de digitação. Os preços da versão impressa são válidos apenas
para Portugal. Assinatura paga na totalidade ou em prestações mensais sem juros, TAEG 0%. Consulte todas as opções em loja.trustinnews.pt
Paula Policarpo
Este não pode ser um País
em que uns se alimentam
com as sobras dos outros
O desperdício alimentar deve ser combatido em toda a cadeia, da produção
ao consumo, diz a fundadora do Movimento Zero Desperdício
– e não pode ser encarado como uma forma de resolver a fome
LUÍS RIBEIRO

A
s campanhas con- mos nós a desperdiçar, resolvia-se Isso gera muito desperdício. As cau-
tra o desperdício têm o problema da fome”... Isto não é sas são muito profundas, complexas
sido apontadas à boa assim, ainda que quase um terço e transversais. Por exemplo, a maior
vontade dos cidadãos, dos alimentos produzidos vá para parte das decisões relativamente à
e têm falhado. A cada o lixo, o que daria para alimentar duração dos produtos não tem nada
ano, produzimos mais o crescente número de pessoas em que ver com segurança e higiene
lixo do que no anterior, escassez
scassez alimentar. Além de ser dos produtos, mas com questões
enquanto desrespei- eticamente
ticamente grave deitar comida fora, de posicionamento de mercado e
tamos todas as metas é também uma questão de res- de se poder vender mais e mais
de reciclagem. Grande peito
eito por toda a cadeia de depressa. No que respeita
parte do problema está no consu- valor.
alor. Uma alface preci- aos consumidores, vamos
mo exacerbado, diz Paula Policarpo, saa de terra, água, solo, lançar, agora, junto com
cofundadora do Movimento Zero alguém
guém que a colha... uma cadeia de retalho,
Desperdício. “Aumentámos ex- São
ão recursos investi- um projeto com uma
ponencialmente a produção. Não dos,
os, e do planeta. calculadora que aju-
vamos alcançar a sustentabilidade Ass campanhas da os consumidores
do planeta com o mesmo modelo de contra
ontra o desperdí- a perceber os im-
economia linear e de consumismo. cio
io alimentar têm pactos ambientais
O modelo tem de mudar.” sido
ido muito apontadas e sociais do seu
Há mais de uma década ligada à aos
os consumidores. Mas desperdício, seja
luta contra o desperdício (sobretu- a escala de mudança de
do, mas não só, alimentar), a jurista que
ue precisamos é possí-
aposta, agora, na certificação de vel
el apelando-se à mudança
sustentabilidade das empresas como voluntária?
oluntária?
maneira de ajudar o consumidor a Aíí está: o ónus não pode
separar o trigo do joio – consciên- estar
star só no consumidor.
cia ambiental e social de simples O desperdício alimen-
greenwashing, através do Com- tar
ar é um problema
promisso Zero Desperdício. “Uma dee eficiência, eficácia
forma de criar um reconhecimento e gestão de recursos.
para as organizações que distinga as E é muito potencia-
suas boas práticas de sustentabili- doo pelo paradigma do
dade”, explica. consumo
onsumo e da produção
A questão do desperdício alimen- desajustada
esajustada das neces-
tar é tão moral como económica? sidades.
dades. Temos de ter
O desperdício, seja ele qual for, tem uma
ma oferta de tudo, todo
quatro dimensões: social, econó- o ano, de todas as coisas;
mica, ambiental e ética. Então, no quero
uero ir ao fim do dia ao
setor alimentar isto é premente. Mas supermercado
upermercado e encon-
aquela ideia do “Ah! Se não fôsse- trar
ar todo o tipo de pão.

74 VISÃO 13 JANEIRO 2022


um bocado de arroz, um restinho de muito longe em rendimentos. melhorar é nos casos de produtos
carne, uma banana... Não tem que ver só com pobres ou “consumir até” [e não “de preferência
Apesar de todos os apelos ao con- ricos. Claro que, se tiver mais comi- até”], que hoje não podem ser doa-
sumo consciente, a produção de da à sua disposição, pode desperdi- dos, se o prazo terminar no próprio
resíduos sobe ininterruptamente, çar mais. O preço baixo de determi- dia. Espanha alterou a legislação,
entre 1% e 4% ao ano. Não devía- nados alimentos também faz com justamente porque é um alimento
mos estar já a fazer o caminho que as pessoas não os respeitem. Se que não comporta risco para a saúde,
inverso? fossem mais caros, valorizávamos permitindo-lhe mantê-lo por mais
Sim, os resíduos urbanos estão a mais. Por outro lado, as pessoas tempo na cadeia de valor. De certe-
crescer. Mas o problema não está com menos rendimentos, seja pela za que já comeu, como eu já comi,
tanto aí, mas na valorização do re- mesma razão, dos baixos preços, iogurtes três ou quatro dias depois
síduo como um recurso, indicador seja por iliteracia, e outras até por- do prazo, e não lhe aconteceu nada.
em que temos diminuído. O resíduo que compram um tipo de alimentos Claro que isto tem de ser tudo com
não pode ser posto em aterro. Um mais perecível, também desperdi- base em evidência científica.
dia, cavamos e temos lá as mesmas çam, efetivamente. A mentalida- Há ainda as dificuldades logísti-
coisas: plástico, têxteis... Aterrar coi- de é a mesma: não respeitamos os cas. O transporte, por exemplo,
sas é terrível, tal como incinerá-las. alimentos que deixaram de ser uma pode ter de ser refrigerado.
Mas temos, supostamente, uma necessidade básica para passarem a Exatamente. Uma lei só por si não
maior consciência ambiental do ser um produto. serve de nada se não for exequível. E
que há 20 ou 30 anos. Porque, en- A legislação prejudica a luta outra coisa: o desperdício alimentar
tão, estamos a piorar? contra o desperdício alimentar? não pode ser visto como “Ah! Sobra
Porque, desde os anos 70, aumen- Empresas queixam-se de que há comida, vamos alimentar pessoas.”
támos exponencialmente a produ- muitas barreiras impostas por Não! Não pode ser uma solução para
ção. Esse é o grande problema. Nós questões de segurança alimentar. a carência alimentar. Essa tem de
não alcançamos a sustentabilidade A lei não é um obstáculo. Estamos ser resolvida com políticas públicas,
do planeta com o mesmo modelo desde 2011 a recuperar comida, já criação de emprego, medidas sociais.
de economia linear e de consumis- temos cerca de 23 milhões de refei- Este não pode ser um País em que
mo. O modelo tem de mudar. Não ções recuperadas, e isto com uma uns se alimentam com as sobras dos
podemos solucionar as coisas com a rede de 900 doadores, o que é uma outros.
mesma receita. Segundo um estudo amostra pequena do País. Alimentos A Zero Desperdício quer também
da Fundação Ellen MacArthur, só de todo o tipo, incluindo os perecí- ajudar as empresas a reduzir o
reutilizamos 8,6% do que retiramos veis e a comida confecionada. E não desperdício. Como?
do planeta, ou seja: 91% dos mate- temos problema nenhum. A ASAE e Lançámos o Compromisso Zero
riais que usamos na produção e nos a DGAV [Direção-Geral de Alimen- Desperdício como uma forma de
serviços são perdas. E estamos aqui tação e Veterinária] são nossos par- criar um reconhecimento para as
todos nós a falar de sustentabilidade ceiros desde o início e ajudaram-nos organizações que distinga as suas
e de transição climática... a criar um código de boas práticas, boas práticas de sustentabilidade. O
Como é que Portugal se compara que responde às questões dos nossos selo que atribuímos é um sinal para
com outros países? doadores: como doar, condicionar, os consumidores de que aquelas
Está abaixo da média na valoriza- transportar os alimentos. Este código entidades estão a fazer o caminho
ção dos resíduos, embora esteja a foi trabalhado a partir de diretivas certo.
fazer um esforço. Não é eficaz, mas europeias de higiene e segurança Os consumidores já recompen-
é empenhado neste desígnio, com alimentar. Onde a legislação podia sam essas atitudes?
boas práticas no terreno. O que falta Os mais jovens e mesmo a faixa
a Portugal é uma estratégia clara. dos 30 aos 50 anos já têm alguma
Continuamos muitíssimo longe preocupação. Mas há também muito
das metas com que nos compro- greenwashing, muito marketing. Por
metemos com a Comissão Euro-
peia... NÃO RESPEITAMOS isso é que criámos este Compro-
misso. Por exemplo, uma empresa
O confinamento também não ajudou.
As empresas de gestão de resíduos OS ALIMENTOS, QUE têxtil que queira obter este reconhe-
cimento tem de nos explicar o seu
também tiveram muitas pessoas fora.
Por outro lado, com a Covid-19, au-
DEIXARAM DE SER processo de produção e um conjunto
de indicadores, avaliados por uma
mentou a quantidade de embalagens
que vão imediatamente parar ao lixo.
UMA NECESSIDADE comissão ética independente: a ges-
tão eficiente da água e da energia, o
É insano! Nem nos damos conta dos BÁSICA PARA tipo e o uso racionais dos materiais,

PASSAREM A SER
recursos que usamos. se vem da Índia ou mais de perto,
Quem desperdiça mais comida, qual o ordenado dos funcionários,

UM PRODUTO
países ricos ou pobres? É possível se paga o mesmo salário às mulheres
traçar um padrão? Por exemplo, e aos homens... É uma forma de dar
na Europa, a Islândia e a Moldá- ao consumidor informação válida e
via estão empatadas no desperdí- verdadeira sobre a sustentabilidade
cio per capita, apesar de estarem ambiental e social. lribeiro@visao.pt

13 JANEIRO 2022 VISÃO 75


126
NÚMERO CLIMA

Recordes por
todo o lado
Foram ultrapassados
os máximos de
temperatura em mais
de 400 estações
Os tigres mortos espalhadas pelo mundo,
em 2021, na Índia em 2021, anunciou
Maximiliano Herrera,
O ano passado foi um um climatologista
dos piores dos últimos que se dedica a
tempos para os tigres estudar os recordes
indianos. Segundo a meteorológicos há três
Autoridade Nacional para décadas. O cientista
a Conservação do Tigre, acrescentou que
morreram 126 animais, os recordes foram
um recorde desde pelo igualados ou batidos em
menos 2012, quando dez países. Nos EUA,
a entidade oficial que repetiu-se o máximo
protege o animal no país histórico mundial (54,4
começou a registar os ºC, na Califórnia); Itália
dados. Muitas destas registou o recorde
mortes foram de causas europeu (48,8 ºC,
naturais, mas o conflito na Sicília).
entre o maior felino do
mundo e as populações
humanas é muitas vezes ENERGIA
fatal, e para os dois lados:
entre 2014 e 2019, mais
de 220 pessoas foram
mortas por estes animais. Aperta-se o cerco

GETTY IMAGES
A Índia alberga 75% dos
tigres que vivem em
às criptomoedas
estado selvagem. O governo do Kosovo proibiu a
“mineração” de criptomoedas,
devido aos altos consumos
INSÓLITO
desta atividade, numa
altura em que o país (muito Há anos, cientistas previram os
procurado por “mineiros”,
Calor inédito... que aproveitam os baixos efeitos perigosos das alterações
duas vezes preços da eletricidade) se
debate com a sua pior crise climáticas por que estamos
No último dia do ano, energética dos últimos dez
registou-se a mais alta
temperatura para dezembro
anos. O processo de produção
de criptomoedas, com recurso
agora a passar. Temos de ouvir
em Portugal Continental
desde que há registos
a computadores muitíssimo
potentes a trabalhar em
os cientistas e tomar as medidas
generalizados (1941): a
Zambujeira do Mar chegou
rede, são sorvedouros de
eletricidade, o que provoca
necessárias para mitigar a crise”
aos 26,4 ºC. O mais invulgar também grandes emissões de Leonardo DiCaprio, no Twitter, a propósito do filme
é que o recorde foi batido gases com efeito de estufa, Não Olhem para Cima, que já se tornou, em três semanas,
pela segunda vez no mês, quando a fonte é fóssil – um o terceiro mais visto de sempre na Netflix. O enredo desta
depois dos 25,5 ºC no estudo recente estimou que tragicomédia centra-se num enorme meteorito que se
dia 12, no mesmo local. só o bitcoin causa quase dirige para a Terra, no que é, muito claramente, uma
O máximo anterior para tantas emissões anuais como alegoria às alterações climáticas, com críticas à atuação
dezembro, estabelecido Portugal inteiro. O governo dos media e da classe política, que evocam as reações
em 1985, era de 24,9 ºC sueco pediu recentemente tépidas aos impactos do aquecimento global. Apesar de
– uma diferença de 1,5 ºC que a “mineração” seja banida ser um sucesso comercial, o filme não reúne consenso
para o novo recorde, um da UE, justificando-se com as entre os críticos profissionais: no Rotten Tomatoes,
salto gigante em termos emissões. A China ilegalizou-a só 55% lhe deram nota positiva, o que o deixa na categoria
climáticos. no ano passado. de “podre”, de acordo com os parâmetros do agregador
de críticas.

76 VISÃO 13 JANEIRO 2022


OPINIÃO

Aeroporto circular
P O R C A R L O S A L B E R T O C U P E T O / Professor da Universidade de Évora e membro
do Conselho Coordenador da SEDES de Évora

O
País anda há mais de 50 anos para é boa, melhor, pelo menos. Depois, no essencial,
decidir sobre o aeroporto. Poucos as- Alcochete e Montijo são a mesma coisa. Somos
suntos serão tão circulares; em vez de um País que ignora e despreza o seu enorme pa-
uma decisão, de uma escolha, a opção trimónio e capital natural. O estuário do Tejo, um
é pelo pior, o não decidir. Os estudos e santuário ambiental único, um enorme baú com
as estratégias sucedem-se e, ao longo um tesouro incalculável, é um palco vazio, esque-
de décadas, ficamos no mesmo lugar, cido e abandonado; só se fala dele pelo aeroporto,
voltamos ao “início” e cumpre-se um ou por qualquer outra razão que nada tem que ver
novo ciclo de “não decisão”. Os estudos com o valor do Tejo; Lisboa, e tudo à volta, existe
têm servido para isso, para não deci- porque antes existiu o estuário do Tejo.
dir; o “aeroporto circular” tem enormes impac- Também todos sabemos que o aeroporto do
tos negativos, porque os estudos e a não decisão principal destino turístico do País se situa no
custam muito. A enorme ironia é que, muito Parque Natural de Ria Formosa; isto, enquan-
provavelmente, a decisão vai ser tomada no pior to, sob a bandeira do ambiente, os estrangeiros
contexto de que há memória, que vivem e gozam sumptuo-
pois vivemos numa conjuntu- samente as suas reformas no
ra global de grande “incerteza Lisboa é arredor de Algarve se insurgem contra
insidiosa”. Neste tempo, com
seriedade, qualquer cenário
Madrid; no caminho qualquer iniciativa que procure
criar riqueza nesta terra, como
prospetivo, em que possa assen- em que estamos, se de um santuário ecológi-
tar a decisão, é essencialmente queiramos ou não, co se tratasse. Até parece que
inimaginável. o Algarve é um bom exemplo
Convém lembrar que, quando
cada vez mais o ambiental em alguma parte do
se trata de aviões e aeroportos, a será. Nesta escala e mundo...
escala é global. Ou seja, Lisboa é
arredor de Madrid; no caminho
contexto, Beja não é A toda esta complexa equa-
ção acresce mais uma parce-
em que estamos, queiramos ou Interior, não é arredor la de capital importância: o
não, cada vez mais o será. Nes- nem tão-pouco vírus que nos bateu à porta.
ta escala e contexto, Beja não Esta ocorrência põe em causa
é Interior, não é arredor nem
subúrbio de Lisboa; o modelo de desenvolvimento
tão-pouco subúrbio de Lisboa; Beja é Lisboa vigente, designadamente o tu-
Beja é Lisboa. Acontece que o rismo do nosso contentamen-
aeroporto de Beja existe porque, to – não muito mais que vagas
em determinada altura, a Força Aérea escolheu de turistas a quem fazemos a cama, aparamos a
esta localização pelas suas condições aeronáuti- relva dos hotéis e passeamos de tuk-tuk. Todos
cas excecionais e instalou ali uma base aérea que, (?) teremos percebido que o mentiroso, patético
em termos de área ocupada, é a maior da Europa e hipócrita “vai ficar tudo bem” não acontece-
e uma das maiores do mundo. Foi essencialmente rá graças aos aviões e paquetes carregados de
por esta razão, a qualidade aeronáutica excecio- turistas. E alguém lúcido e sério acredita que é
nal, que a Força Aérea alemã ali se instalou desde possível viajar de Lisboa para Londres por 30
muito cedo. A escolha alemã, pelo que sabemos euros? Talvez por tudo isto, um secretário de Es-
do povo alemão, devia bastar-nos para conside- tado de qualquer coisa disse que, se calhar, com
rar Beja uma hipótese muito séria. Mas não, an- esta nova realidade, talvez seja melhor repensar o
damos há 50 anos a ouvir tudo e todos por forma aeroporto. Longe do interesse de cada parte, pelo
a justificar a inércia para a tomada de decisão. País, é boa ideia considerar seriamente a opção
Sabemos que o País tem o principal aeroporto de Beja.
no centro da capital, rodeado por urbanizações, Fica a pergunta: será que esperámos 50 anos
hospitais, escolas e universidades, instalações para, num dos piores contextos, decidir sobre o
militares, etc. A partir daqui, qualquer localização aeroporto? visao@visao.pt

13 JANEIRO 2022 VISÃO 77


FOCAR

RÚSSIA

“O tempo
O novo jogo de Putin
Três décadas depois do fim da União Soviética
– que considera ter sido uma “catástrofe”
e a paciência –, o líder de Moscovo aproveita todas as
são dois eternos oportunidades para tentar alargar a influência
do maior país do planeta
beligerantes”
R U I TAVA R E S G U E D E S
Leon Tolstói
Escritor
(1828-1910)

78 VISÃO 13 JANEIRO 2022


Cerebral A estratégia
de Putin passa por
lançar ameaças e criar

S
tensões

empre que tem uma oportu-


nidade, Putin gosta de con-
tar uma história dos seus
tempos de infância, quan-
do perseguia, com a ajuda
de amigos, os ratos que se
escondiam nas escadas do
prédio comunitário onde
morava em São Petersburgo,
então ainda chamada Leni-
negrado. Numa ocasião, o
pequeno Vladimir, depois de
perseguir um rato enorme, com a ajuda
de um pau, conseguiu encurralá-lo, num
canto. “Ele não tinha para onde fugir”, re-
cordou numa das mais citadas entrevistas
de um livro publicado em 2000, pouco
depois de subir ao poder em Moscovo.
“Mas, de repente, o rato virou-se contra
mim e apanhou-me surpreendido, assus-
tado. Fugi e ele perseguiu-me. Por sorte,
fui mais rápido e consegui fechar a porta
com força.”
Essa foi uma lição de vida para Putin.
E que se tornou agora ainda mais atual e
pertinente, quando o líder russo decidiu
enfrentar a NATO e a Europa ao sentir-
-se encurralado, com a possibilidade de
a Ucrânia passar a integrar o sistema de
defesa ocidental. Em vez de recuar, ele fez
como o rato que o desafiou em criança:
passou ao ataque, de uma forma meti-
culosa e em várias frentes, endurecendo
sempre o tom do seu discurso, deixando
cair um par de ameaças e aproveitando
todos os momentos para mostrar a sua
força e, ao mesmo tempo, tentar pôr a
nu a desorientação e as divisões de quem
o enfrenta.
Foi assim que para a ronda de nego-
ciações que decorreu esta semana entre
a Rússia e o bloco da NATO, Putin con-
seguiu aparecer numa posição de força
e, ainda por cima, quase limitar a agenda
das negociações à lista das suas reivindi-
cações. Nesse menu, destinado a marcar
a sua zona de influência na vasta região
que foi a da União Soviética, estão obje-
tivos que nunca poderão ser aceites pelo
bloco ocidental. Mas que, no entanto, ele
obriga a discutir, como o direito de veto
da Rússia a qualquer expansão da NATO,
bem como a retirada de todas as tropas
da Aliança dos países que fizeram parte
do Pacto de Varsóvia, durante a Guerra
Fria, mas que entretanto aderiam à NATO,
como Polónia, Roménia, Bulgária, Hun-
gria e República Checa.
Para fazer subir a pressão, Putin foi
dispondo, ao longo dos últimos meses,
uma força de mais de 100 mil militares ao

13 JANEIRO 2022 VISÃO 79


OPINIÃO

Com bolos se
como grande protetor dos Estados da
Ásia Central. Algo que, naturalmente,
enganam os tolos
não é superficial para quem, em 2005,
POR PEDRO NORTON
considerou que o desmembramento da

F
União Soviética tinha sido “a maior catás-
trofe geopolítica do século” e que, ainda
em dezembro, qualificou também esse echada a primeira semana tal. Costa esteve sobretudo empenha-
acontecimento como “a desintegração da de debates de umas bizarras do em sublinhar a (ir)responsabili-
Rússia histórica”. legislativas ainda muito mar- dade dos seus parceiros à esquerda
A oportunidade surgiu de forma apa- cadas pela pandemia, fico com no chumbo do orçamento. Jerónimo
rentemente inesperada, mas com Putin a a inquietante sensação de que (mais cabisbaixo) e Catarina (em pose
saber aproveitar o momento. Perante os estes foram mais reveladores gélida) preocupam-se em devolver a
protestos que eclodiram no vizinho Ca- pelo que não se disse do que acusação. Rio defende-se de Costa e
zaquistão – com quem a Rússia partilha por aquilo que efetivamente da insinuação de que é o cavalo de
uma das fronteiras terrestres maiores do se tem debatido. Troia de um Ventura que, por sua vez,
mundo, com cerca de sete mil quilóme- É evidente, e isso é normal, que o acusa de ser o chevalier servant do
tros –, Moscovo fez acionar pela primeira esta campanha tinha de ser marcada primeiro-ministro. Rodrigues dos
vez a deslocação de um contingente de pelo tema da governabilidade. Depois Santos faz desesperadas provas de
tropas sob a égide da Organização do de 2015, o nosso regime assistiu a vida, Tavares quer ser a cola de uma
Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), a uma inflexão no sentido da sua parla- escaqueirada Geringonça e Cotrim,
aliança de seis ex-repúblicas soviéticas, mentarização e os portugueses estão apesar de tudo o mais programático,
para repor a ordem. hoje muito mais conscientes de que é não resiste, também ele, à moda das
O sinal foi claro, tanto para o Oci- da correlação de forças que se estabe- fotocópias. Será tudo fascinante para
dente como para os países vizinhos que lecer na Assembleia da República que quem encara a política como o impé-
pertenceram à URSS: o Presidente russo vão sair as concretas soluções de go- rio da forma, mas sabe a muito pouco
não tolerará qualquer ameaça ao que ele verno. Assim como estão conscientes para quem gostaria de ver debatidas
considera ser a esfera de influência invio- de que deixou de haver, à esquerda e as grandes opções de governação. Não
lável da Rússia. à direita, coligações impossíveis. Ora, basta saber quem vai governar e com
Esta intervenção no Cazaquistão, a com as sondagens a apontar para a quem o vai fazer. Conviria também
pedido do novo líder do país, Kassym-Jo- impossibilidade de maiorias abso- explicar o que se pretende fazer com
mart Tokayev – que aproveitou para afas- lutas, é, pois, muitíssimo relevante o poder.
tar definitivamente o histórico Nursultan perceber que cenários de coligações Repare-se, aliás, num dado ex-
Nazarbayev e todos os seus apoiantes – estão os líderes políticos disponíveis traordinário: estes debates come-
constitui uma demonstração de força para para viabilizar a seguir às eleições. çaram sem que todos os partidos
o mundo e é o mais recente capítulo de Mas feita esta exceção, a verda- tivessem sequer apresentado os seus
uma história de 15 anos de intervenções de é que os debates têm sido muito programas. É verdade que o Bloco, o
russas na Geórgia, na Bielorrússia, na pouco substantivos. Julgo que vários Chega, o Livre e a CDU já o fizeram
Ucrânia e noutros lugares. Sempre com o fatores concorrem para explicar este há umas semanas. Mas, até à semana
mesmo objetivo: reaproximar esses países resultado. Não estou seguro de que passada, não tinha sido o caso do
da Rússia, apoiar os líderes mais alinha- a duração dos debates seja um deles. PS, do PSD, do CDS ou da IL. Sobre
dos com o Kremlin e, em simultâneo, Já as análises e os comentários em a prioridade que os partidos querem
enfraquecer todos os que se aproximam que nos fomos viciando, tantas vezes dar ao debate acerca de questões
do Ocidente. centradas numa lógica dicotómica de substantivas, estamos, pois, con-
Ao impor o seu papel de protetor re- vencedores e vencidos, contribuem versados.
gional, sempre disponível para acorrer em certamente para dar incentivos erra- De fora ficou a estagnação eco-
auxílio dos seus aliados, a Rússia aproveita dos que promovem a teatralização e nómica do País neste século XXI e as
para alargar a sua esfera de influência e, os truques retóricos em detrimento soluções para inverter esse rumo; o
com isso, impedir o crescimento, na Ásia das análises mais aprofundadas das perigo da inflação e da possibilidade –
Central, de movimentos islâmicos ou de propostas políticas. real do meu ponto de vista – de serem
um papel semelhante por parte da Turquia Mas são os protagonistas políticos alteradas as políticas monetárias não
– também baseado em questões históricas. os principais responsáveis por esta convencionais; o problema, gravís-
Internamente, com tudo isto, Putin subalternização da substância e pela simo, da demografia; o falhanço da
ganha ainda mais poder na Rússia. Ao con- glorificação da forma, da teatraliza- escola pública enquanto instrumen-
denar e ajudar a reprimir toda e qualquer ção, da tática e da lógica dicotómica to de nivelação social; e a lista podia
revolta popular contra os governantes no mais superficial. Mesmo quando, aqui continuar a alongar-se.
poder, nos países da sua zona de influên- e ali, se debatem temas como a cor- Não sei se isto diz alguma coisa
cia, ele dá um sinal claro à oposição interna rupção, o estado calamitoso do SNS sobre nós. Mas sei que isto diz segu-
de que não tolerará nada de semelhante. ou a ineficácia da justiça, a verdade é ramente muito sobre o que os nossos
Até porque, nesse jogo, ele está habituado que as discussões tendem a fazer-se políticos pensam de nós: com bolos se
a ser o gato que come o rato – antes de de forma eminentemente instrumen- enganam os tolos. visao@visao.pt
este ter tempo para reagir. rguedes@visao.pt

13 JANEIRO 2022 VISÃO 81


SAÚDE

A disputável leveza de uma variante


A Ómicron provoca mesmo uma forma mais leve de Covid-19?
Os especialistas dividem-se: uns precipitam-se, outros pedem
cautela… O que nos dizem os estudos

N
ALEXANDRA CORREIA

os Estados Unidos da Amé- hipótese avançada será o facto de os continua a estar bem mais protegida de
rica, os hospitais pediátricos mais pequenos serem mais vulneráveis doença grave do que os adultos. Também
estão cheios de crianças in- às infeções nas vias respiratórias supe- pode dar-se o caso de os mais pequenos
fetadas com Covid-19. Ha- riores – onde a Ómicron se concentra estarem internados por outra razão e,
bitualmente muito mode- com mais força por comparação com ao serem testados, acusarem positivo.
rado com os mais novos, o as variantes anteriores. “Parece uma O facto é que os investigadores do
SARS-CoV-2 está a trocar as explicação razoável. As crianças até aos CDC (a agência de saúde americana)
voltas às certezas que antes 4 anos estarão em mais risco de doen- estão em alerta para a questão dos altos
tínhamos. A variante Ómi- ça mais prolongada ou hospitalização”, números de hospitalizações entre os
cron, noticia o The New York afirma, naquele jornal, a pediatra Kris- mais novos. O mesmo CDC que aconse-
Times, parece estar a afetar as crianças tin Oliver, do hospital Mount Sinai, em lhou a redução do isolamento dos casos
não vacinadas, com idade inferior a 4 Nova Iorque. positivos assintomáticos para cinco dias
anos, de formas nunca antes vistas. Quando se fala em “maior risco”, con- e que já tinha afirmado que a Ómicron
A questão pode não estar apenas no tudo, é sempre por comparação com as era uma variante “mais leve”. Será?
fator “vacinas”, sobretudo porque as outras crianças, de idades entre os 5 e No final de 2021, em pleno período
crianças vacinadas, naquele país, re- os 11 anos, uma vez que, mesmo com a de contenção devido ao Natal, vários
presentam apenas 16% do total. Uma Ómicron, a generalidade dos mais novos especialistas vieram anunciar uma nova

82 VISÃO 13 JANEIRO 2022


E agora a “Deltacron”?
era no combate ao vírus. Na CNN Por- Começou por ser um nome de menor gravidade da Ómicron. “Estamos
tugal, Pedro Simas, virologista, disse que trabalho, uma aglutinação óbvia a ver cada vez mais estudos apontando
“neste momento o risco é nulo em Por- a que Leondios Kostrikis chegou que a Ómicron infeta a parte superior do
tugal” e que, portanto, deve “deixar-se o depois de identificar uma nova corpo. Diferente das outras, que podem
vírus disseminar-se”. “Esta é a entrada variante do coronavírus que causar pneumonia grave”, disse o epi-
inequívoca em endemia”, acrescentou. combina marcadores genéticos demiologista Abdi Mahamud, da OMS.
Já Manuel Carmo Gomes, epidemio- da Delta e da Ómicron. Mas O Centro Europeu de Prevenção e
logista, no mesmo canal, afirmou que “a é provável que a mutação Controlo das Doenças (ECDC), por sua
Ómicron vai infetar um enorme número descoberta pelo diretor do vez, considera “ainda prematuro fazer
de pessoas imunizando-as naturalmen- Laboratório de Biotecnologia uma avaliação completa da gravidade da
e Virologia Molecular da
te, quer queiramos quer não, é inevi- Ómicron, sendo necessários mais dados/
Universidade do Chipre, em
tável”. Justificava assim as anteriores estudos de investigação”, uma vez que “o
Nicósia, fique para a história
declarações à Lusa: “Se isso se confirmar desta pandemia como Deltacron.
verdadeiro risco de infeção grave pode
[que a Ómicron provoca doença mais Ainda não se sabe se esta ser subestimado pelo grande número
leve], talvez faça mais sentido deixar que mutação é mais patogénica ou de pessoas vacinadas ou anteriormente
imunize as pessoas naturalmente do que contagiosa do que as anteriores, infetadas, o que não era o caso no início
empenhar toda a nossa saúde pública e “mas, tendo em conta que a das vagas precedentes”.
os cuidados de saúde primários.” Ómicron é bem mais contagiosa, Além disso, adverte o ECDC, “não
é expectável que esta última existem provas nem razões para supor
UMA PALAVRA LIGEIRA? se sobreponha”, sublinhou que esta será a última variante de suces-
Na base da questão da maior leveza, o investigador cipriota à so do SARS-CoV-2”.
além das pesquisas feitas pelos cien- agência de notícias Bloomberg, “É imprevisível”, diz Miguel Casta-
tistas sul-africanos (cuja população é, refutando a hipótese de a sua nho à VISÃO. “Com enormes regiões do
no entanto, muito mais jovem do que a descoberta não passar do mundo não vacinadas, o vírus multipli-
europeia, logo mais propícia a ter uma resultado de contaminação ca-se a elevado ritmo e torna mais pro-
forma menos grave da doença), está um laboratorial. vável o aparecimento de novas varian-
estudo britânico do Imperial College A nova variante já foi tes”, continua o investigador do Instituto
London, ainda não revisto pelos pares. apresentada ao GISAID, a base de Medicina Molecular da Faculdade de
De acordo com o mesmo, as infeções de dados internacional do Medicina da Universidade de Lisboa.
por Ómicron, comparadas com as da Instituto Pasteur que acompanha Para Miguel Castanho, “é muito preci-
mutações do vírus, na sexta-
Delta, representam um risco reduzido pitado acabarmos com as restrições nes-
feira, 7. Até agora, foram
(entre 20% e 25%) de ida ao hospital e ta fase porque se adoecer muita gente ao
notificados 25 casos de infeção
uma redução de 40% a 45% de interna- por “Deltacron”, quase todos em
mesmo tempo, a capacidade de resposta
mento por mais de uma noite numa cama pacientes hospitalizados e não do Serviço Nacional de Saúde diminui”.
de hospital. E mais: estes resultados nem vacinados. Também “ainda não conhecemos assim
sequer têm em conta que as vacinas são tão bem a Ómicron e não estamos livres
menos eficazes contra a Ómicron, ou de surpresas”. “Por exemplo, em relação
seja, deveria haver ainda mais hospita- à Covid longa. Não sabemos se esta con-
lizados por esse facto, mas não há. dição não vai crescer mesmo entre as
Apesar disso, o Imperial College avisa pessoas que tiveram doença moderada”,
que, dado que a Ómicron é muito mais esclarece, pondo de lado qualquer tese
transmissível, um aumento das infeções de “imunização natural”.
faz com que, só por si, possa verificar-se A esta equação junta-se a saturação
um crescimento das hospitalizações. É das populações com a pandemia. Afi-
matemático. E essa é outra das explica- nal, em Portugal, estamos quase todos
ções avançadas pelos especialistas para o vacinados (a Pfizer e a Moderna já estão
grande número de crianças americanas a preparar uma nova vacina que faça
PARA O CENTRO EUROPEU internadas com Covid-19.
“Apesar de a Ómicron aparentar ser
frente à Ómicron. E novos medicamen-
tos interrompem a evolução da doença).
DE PREVENÇÃO E menos grave em comparação com a Del-
ta, especialmente nos vacinados, isso não
“Admitindo que não aparece nenhu-
ma nova variante que se sobreponha à
CONTROLO DAS DOENÇAS, significa que deva ser classificada como Ómicron, no decurso de 2022, temos

“NÃO EXISTEM PROVAS


ligeira”, disse Tedros Adhanom Ghe- condições para acabar com esta fase.
breyesus, diretor-geral da Organização Se conseguirmos manter alguns com-
NEM RAZÕES PARA SUPOR Mundial da Saúde. Até porque “assim
como as variantes anteriores, a Ómicron
portamentos defensivos e chegarmos
ao final do verão com uma incidência
QUE ESTA SERÁ A ÚLTIMA está a matar pessoas”. E na terça-feira,
dia de fecho desta edição, foram mais
muito baixa, eventualmente o próximo
inverno será mais tranquilo”, avança
VARIANTE DE SUCESSO 28 as mortes por Covid-19 em Portugal.
Deixando de lado, portanto, a palavra
Miguel Castanho.
Haja paciência. Mas sobretudo haja
DO SARS-COV-2” “leve”, são crescentes as evidências da vacinas. acorreia@visao.pt

13 JANEIRO 2022 VISÃO 83


VAGA R

“Um país se faz L I T E R AT U R A

com homens
e livros”
Monteiro Lobato
Escritor
(1882-1948)
Os caminhos
de Zeferino Coelho
É O DECANO DA EDIÇÃO EM PORTUGAL, SEMPRE
LIGADO À CAMINHO. COM MAIS DE 50 ANOS DE
CARREIRA, OS IDEAIS DE ESQUERDA INTACTOS,
E UMA VISÃO DESASSOMBRADA SOBRE
O PANORAMA EDITORIAL, ZEFERINO COELHO
CONTINUA LEVANTADO DO CHÃO
S Í LV I A S O U TO C U N H A J O S É C A R L O S C A R VA L H O

84 VISÃO 13 JANEIRO 2022


13 JANEIRO 2022 VISÃO 85
N
L I T E R AT U R A

Nascido em Paredes há 76 anos, forma- bem desperto, de noite, a hesitar sobre


do em Filosofia, militante do Partido um original que me enviaram: “O que
Comunista até hoje, aristocrata da cul- faço?” Há muitos livros maus porque
tura, a “sua” editora Caminho marcou há muitas pessoas a escrever, e a terem
gerações. Operário dedicado aos livros a ambição de ser escritores. A maio-
há 53 anos, recebeu agora o Prémio ria desses livros não presta, são mal
Vasco Graça Moura – Cidadania Cultu- escritos. Mas há também livros bons
ral 2022, atribuído ao editor e ao “ativo que nascem dessa maneira. Outro pe-
promotor da literatura e da cultura da rigo enfrentado pelo editor é quando
língua portuguesa no mundo”. Zeferi- se trata de autores que venderam... três
no dirá simplesmente à VISÃO: “Estou exemplares e em que ninguém está in-
convencido de que as pessoas me de- teressado. É preciso um editor despir-
ram esse prémio porque viram em mim -se de toda a espécie de preconceitos
os autores que eu publiquei.” A lista é, para ver com objetividade e distância.
de facto, grande. Como equilibra o ter um escritor
Receber esta distinção fez sorrir o extraordinário com vendas nulas e
filósofo dos tempos de estudante? o peso de estar num grande grupo
Sim. Nunca fui grande aluno, mas o editorial [a chancela Caminho
relativismo das coisas foi uma das mi- pertence ao grupo Leya]?
nhas poucas aprendizagens em Filoso- O critério comercial está sempre na
fia. Na minha faculdade [Faculdade de cabeça do editor. Porque este tem
Letras da Universidade do Porto], havia de dizer à tipografia: “Faça cinco mil
os fãs de Jorge Amado e os fãs de Gra- exemplares de tiragem, ou 500, ou faça
ciliano Ramos. Eu integrava este último só 300.” É uma decisão que decorre da
grupo, porque achávamos, injusta- própria natureza da distribuição dos
mente, que o Jorge Amado era de um livros. Mas acontece muitas vezes, a
romantismo exacerbado, e nós cultivá- mim e a todos os editores, saber que
vamos uma forma crítica e distante de se vai vender pouco e assumir o risco:
ver o mundo, achávamos que nos ficava “Isto é um grande livro e vou editá-lo!”
bem [Risos]... O que vai ficando para Há muitas ideias falsas, e até injuriosas,
trás é para ficar no passado, não é para sobre editores: “Só pensa em dinhei-
nos andarmos a gabar. Agora, apareceu ro, é um idiota, não percebe nada de
muita gente a felicitar-me pelo prémio, livros…” Isto acontece, normalmente,
nunca pensei que tivesse assim tanta quando um autor está incompatibiliza-
popularidade... do com um determinado editor. É mui-
Isso é uma falsa modéstia. to difícil para um escritor que põe toda
Eu sei que alguns nomes de a sua esperança numa obra e acredita
autores que publiquei abriram-me que “nunca se escreveu nada assim” ver
portas. Aconteceu-me várias vezes o livro chegar ao mercado e não vender
apresentarem-me a alguém como nada...
“este é o editor de Saramago”. Tem saudades da Caminho como
Este prémio também despertou os pequena editora em que assumiria
eventuais detratores? riscos sem pensar no grande
Um editor cria, frequentemente, fortes edifício empresarial?
inimizades e raivas. Tem nas suas mãos
dizer “publico” ou “não publico.” Sei
que houve pessoas de quem não pu-
bliquei a obra que não terão uma ideia
simpática a meu respeito. ‘‘TIVE MUITA SORTE:
Publicar um escritor é um poder.
Convive bem com isso?
O SARAMAGO FOI PARAR
É certo chamar-lhe poder. Ao dizer À CAMINHO PORQUE FOI
REJEITADO EM DUAS
não, pode-se estar a deitar fora uma
obra-prima. Na história da edição, há
vários casos de livros rejeitados por
editores que se arrependeram dessa OU TRÊS EDITORAS. ÀS
decisão. É um risco que o editor corre.
Tem algum arrependimento desses?
SENHORAS DA COLEÇÃO
Que eu conheça, não rejeitei nada
importante. Não quer dizer que não
UMA AVENTURA,
tenha acontecido... Mas por vezes fico SUCEDEU-LHES O MESMO’’

86 VISÃO 13 JANEIRO 2022


Memórias Com Ana Maria Magalhães
(sua mulher desde 1985) e Isabel Alçada,
em 1983, num concurso escolar a propósito
da coleção Uma Aventura; num comício
da Comissão Democrática do Porto (CDP)
na campanha eleitoral para as eleições As condições em que estou a traba-
legislativas de 1969, no Coliseu do Porto; lhar não são muito diferentes daquelas
entre autores que foi editando na Caminho: em que funcionava quando éramos
José Saramago, Mia Couto e o fotógrafo uma pequena editora independen-
Sebastião Salgado e com a editora te. Chegados a setembro, falávamos
americana (da Harcourt) sobre o programa, quanto papel íamos
comprar, os livros a publicar… Éramos
muito militantes: eu falava de 30 livros,
e o José Oliveira, que tratava mais das
coisas juvenis, de outros 30... A meio da
reunião, os outros colegas pergunta-
vam: “Diz-me lá, tens aí um novo livro
do Saramago?” “Tenho.” “Tens aí um
novo volume da coleção Uma Aven-
tura?” “Tenho.” “Tens o livro novo do
Mia Couto, e o do Daniel Sampaio?”
“Tenho.” “Bem, façam os livros que
quiserem, mas não mais do que 60...
Vamos mas é almoçar.” [Risos.] Porque
tirando estes nomes sonantes, o resto
correspondia a 7% ou 8% das vendas da
editora. Por muitos disparates que nós
fizéssemos do ponto de vista comercial,
eram esses os valores. Na Leya, pode
ser tudo muito mais científico, mas é
exatamente a mesma coisa.
O que o faz endireitar-se na cadeira
ao ler primeiros parágrafos?
Não sei dizer-lhe com rigor. A gente
começa a ler e, de repente, sente: “Isto é
uma coisa a sério.” Dou-lhe dois exem-
plos. A Ana Maria Magalhães e a Isabel
Alçada eram duas senhoras que eu não
conhecia de lado nenhum, e que, um
dia, me levaram o original do primei-
ro livro da coleção Uma Aventura.
“Ah, que maçada, lá vou ter de ler isto”,
pensei. Num domingo, lá me sentei em
casa a ler o original, a pensar que deci-
dia em dez minutos. Passada uma hora,
cheguei ao fim do livro. E li-o outra
vez. O que é que acontece num livro de
aventuras? O autor põe-nos uma cereja
à frente dos olhos, nós avançamos e
ela vai recuando: nem nós comemos
a cereja antes de chegar ao fim, nem
o autor afasta tanto a cereja que deixa
de estar ao nosso alcance. E aquela era
uma história extremamente bem con-
tada, com todos os condimentos. Outro
exemplo: o primeiro livro de Daniel
Sampaio que publiquei foi Ninguém
Morre Sozinho, sobre suicídio juvenil.
O meu filho tinha, então, 13 ou 14 anos,
e eu decidi ver o que era aquilo. Fiquei
preso ao livro do princípio ao fim.
Aconteceu-lhe o mesmo com José
Saramago?
Sim. Sobre Saramago, havia até a ideia
de que era um autor que não vendia
nada... E, ainda por cima, havia toda
aquela história do Diário de Notícias

13 JANEIRO 2022 VISÃO 87


L I T E R AT U R A

[o escritor dirigiu o jornal em 1975, e através das suas herdeiras, Mário


ficaria associado ao saneamento de 24 de Carvalho…] que estiveram
jornalistas na sequência de um abai- desde sempre na Caminho terem
xo-assinado da redação a pedir uma abandonado a editora?
revisão da linha editorial]. Mas, a dada Desgostoso. Com alguns desses au-
altura, Saramago entregou-me na edi- tores trabalhei durante anos, e depois
tora um manuscrito chamado Levanta- decidiram mudar para outra editora –
do do Chão [1980]. Há um segredo para evidentemente que é uma coisa que me
se entrar naquela prosa compacta, e eu desagrada. Penso que os que o fize-
descobri logo a música interna daquela ram, fizeram um disparate. Porque eu
linguagem. É um daqueles casos em que continuo a trabalhar como trabalhava
nos sentimos presos. É como ir a uma antes na Caminho, com toda a latitude.
loja e ficarmos agarrados por um tecido Há sempre muitas queixas do escri-
muito bonito, é o mesmo tipo de sen- tor: ou porque o livro desapareceu [das
timento. Li o livro rapidamente, e falei livrarias], ou porque afinal não houve
com o meu colega Vítor Branco, que recensões nos jornais, ou por este e
tratava das questões comerciais, dizen- aquele outro motivo... Se, por exemplo,
do-lhe: “Temos aqui um livro extraor- a VISÃO não faz a recensão daquele
dinário.” Decidimos fazer uma tiragem livro, que culpa tenho eu? E se a livraria
de quatro mil exemplares; na altura, não tem os livros do autor com grande
Saramago vendia praí 200 ou 300… destaque, que culpa tenho? Para ter
Estava nervoso no dia em que uma grande exposição nas livrarias te-
lançaram o livro? nho de lhes pagar uma grande pipa de
Levantado do Chão foi um grande dinheiro, e não vou fazê-lo. Essas pes-
êxito: fizemos um lançamento na Casa soas que saíram, disseram que iam para
do Alentejo, que se encheu de gente. A melhor – e eventualmente não foram,
mãe do Saramago estava lá. Surgiram até foram para pior. livros na Caminho. Eu era o único que
logo os maiores elogios àquela prosa Entrou para a Caminho em 1977, tinha experiência nessa área, pois tinha
nova nos jornais. O romance seguin- dois anos depois de esta ser trabalhado na editora Inova. Quando
te, O Memorial do Convento, teve um fundada... saí da tropa, no final de 1976, comecei a
êxito ainda maior, e depois foi só ir A Caminho foi fundada em dezem- trabalhar lá.
acompanhado a coisa até 1998, quando bro de 1975 para publicar um jornal, O Escolheram os livros a publicar
chegou o Prémio Nobel. Posso dizer- Diário, e tinha uma distribuidora. Aí, também como reação aos que
-lhe que me aconteceu o mesmo com trabalhavam camaradas e amigos meus tinham sido proibidos pela censura
o Mia Couto: ele fez-me chegar o seu que conhecera nos meus tempos de na ditadura?
primeiro livro de prosa [Vozes Anoi- estudante no Porto. Vim fazer a tropa Depois do 25 de Abril, houve um movi-
tecidas, 1987], contos impressos num na Avenida de Berna, em Lisboa, nos mento extraordinário contra a censura
papel péssimo, com uma capa horro- Serviços Psicotécnicos do Exército, e por parte das editoras e dos jornais.
rosa, eu pegava naquilo só com a ponta a distribuidora funcionava na Avenida Publicou-se fundamentalmente ensaios
dos dedos... Mas aquele primeiro conto António Serpa, ali perto. Acabei por políticos. A dada altura, os livros polí-
sobre um casal de velhos numa aldeia reencontrar esses camaradas pelos ticos já estavam todos publicados e co-
perdida de Moçambique, em que ele cafés e restaurantes da zona e eles meçou-se a prestar atenção… aos escri-
abria uma sepultura para que ela não tinham a ideia de começar a publicar tores. Era um período entusiasmante.
ficasse exposta aos abutres quando Eu, como todos os outros, era militante
morresse, era uma história extraordi- comunista desde 1964, ou 1965. Quem
nária e original.
O selo Zeferino Coelho é uma ‘‘NÃO SOU PESSIMISTA me recrutou para o PCP foi o Eduardo
Guerra Carneiro [1942-2004] no Por-
garantia de qualidade...
O selo é linguagem sua, não é minha EM RELAÇÃO A ESTA to. Eu não andava à procura de nada,
andava ali no meio na Faculdade de
[Risos]. Eu tive muita sorte: o Saramago
foi parar à Caminho porque foi rejeita-
CONCENTRAÇÃO Letras, onde havia uma grande concen-
tração de pessoas com consciência po-
do em duas ou três editoras. Às senho- EDITORIAL. ANTIGAMENTE, lítica. Por exemplo, o José Bento, o João

COM AS EDITORAS
ras de Uma Aventura, sucedeu-lhes o Teixeira Lopes [pai do atual dirigente
mesmo. E isto não acontece todos os do Bloco de Esquerda], o César Oliveira
dias... Nós éramos muito militantes, fa-
zendo trinta por uma linha pela litera- INDEPENDENTES, ERA que tinha sido expulso da Universida-
de de Coimbra… E aquilo eram os anos
tura, e isso dá uma certa capacidade de
atrair autores que procuram editores
MELHOR? NÃO SEI, NÃO 1960, da grande agitação estudantil.
Certa vez, o Eduardo disse-me que
que lutem por eles.
Sentiu-se magoado com o facto
ESTOU CONVENCIDO queria falar comigo, fomos para o jar-
dim da Cordoaria, e entrei para o PCP.
de grandes autores [Saramago, DISSO…’’ Não foi difícil, o PCP era o sítio onde se

88 VISÃO 13 JANEIRO 2022


Um homem do Norte
em Lisboa “Por vezes fico bem
desperto, de noite, a hesitar sobre
um original que me enviaram”,
diz o editor Zeferino Coelho,
na sua casa cheia de livros

Mas vê os efeitos dessa


concentração como bons ou maus
para os livros e para os escritores?
Eu não sou defensor do grande capital
por todas as razões e mais alguma, mas
não sei se defendo o pequeno capital...
Convivi muito com pequenas editoras,
sei como estas funcionam, e não sei
se estaria disponível para fazer uma
campanha em seu favor. Porque não
estou convencido de que aquilo seja
magnífico, tem imensos problemas,
defeitos, vícios...
Mas não crê que existe aí maior
liberdade para procurar, por
exemplo, nichos menos explorados,
autores menos reféns do sucesso?
Passa-se outra coisa: para construir
um automóvel, e contratar os melhores
técnicos, eu preciso de muito dinheiro.
Se não o tiver, aquilo vai sair uma
porcaria. Se eu quiser escrever um
livro, uma obra-prima literária,
basta-me papel e uma esferográfica.
Portanto, estão sempre a surgir
pequenas editoras que vão descobrindo
ia lutar contra o fascismo. Em 2022, entrou em funções um umas obras, uns autores – muitas
Na sua casa familiar havia tradição novo grande grupo editorial, o vezes rejeitados pelos grandes grupos
política? da Penguin Random House que editoriais, que não estão abertos a
Nem pensar. O meu pai era um pe- adquiriu a editora 20/20. Como vê, coisas novas e querem fazer sempre o
queno camponês do norte, e havia passados estes anos, os efeitos da mesmo que é o que lhes dá dinheiro.
um medo profundo e real da polícia concentração do mercado editorial Ou seja, a vitalidade desta coisa
política. Os meus pais só se apercebe- iniciada pela Leya? chamada livro e literatura é muito
ram da minha militância quando eu já A indústria editorial é uma coisa forte, e os grandes grupos editoriais
era independente. Certo dia, ele falou fraquinha, não tem, por cá, grande não a conseguem matar. Está sempre a
comigo, a dizer que eu não me devia força financeira e comercial – tem a haver renovação. Eu não sou pessimista
meter na política, e eu respondi-lhe: força que os leitores lhe dão e, como em relação a esta concentração
“Se o pai continuar com essa conversa, em Portugal estes não são muitos, editorial. O que é que posso dizer?
eu não volto cá.” esta força é relativamente reduzida. Que antigamente, com as editoras
Começou a trabalhar na Caminho Durante muitos anos, a concentração independentes, era melhor? Não sei,
acreditando que literatura e editorial não existiu, a concentração não estou convencido disso…
política eram uma e a mesma coisa? dava-se nas livrarias. Para se ter uma Estamos em ano de eleições. Faz
É excessivo dizer isso assim. Para se ideia: a FNAC, a Bertrand e a Sonae parte dos que acreditam que
fazer muito boa literatura, é preciso correspondem a 80% do mercado a esquerda, com o chumbo do
ser um bom escritor e não um bom de venda de livros. Lembro-me de, Orçamento, abriu as portas a um
militante. Um bom militante não faz um dia, ir com o Vítor Branco a uma regresso da direita?
necessariamente boa literatura e um conversa com os supermercados, Mantive e mantenho a minha ligação
bom escritor não é necessariamente e o meu colega reagiu fortemente. ao Partido Comunista. Estou bem aqui,
militante do PCP... Agora, éramos Quando regressou, só dizia: “Tu estás acredito que o resultado final ain-
todos comunistas na Caminho e a ideia a ver estes patifes? Querem as coisas da não está estabelecido. Espero que
era criar uma editora independente, de uma maneira que em cada livro não aconteça o regresso da direita... O
com autores de língua portuguesa e da coleção Uma Aventura, que é o chumbo do Orçamento e a respetiva
de esquerda no sentido lato. Nós não que vendemos mais, nós perdemos queda do Governo foram um erro. O
seríamos capazes de trabalhar livros dinheiro…” Houve uma reação face a melhor que nos pode acontecer é que
que propagandeassem valores de essa situação, que foi a concentração o PS de António Costa seja o partido
direita – havia outros lugares onde editorial: ficaram a existir dois grupos mais votado mas não tenha a maioria e
poderiam fazê-lo bem – mas não editoriais fortes, Leya e Porto Editora, se veja obrigado a negociar à esquerda
íamos pôr uma tabuleta à porta a dizer, que têm uma posição dominante no para viabilizar o governo. Mas acho que,
como dizia o outro: “Não se aproxime mercado, e agora surge a Penguin se pudermos travar essa batalha, vamos
ninguém que não seja geógrafo ou Random House, o maior grupo travá-la em piores termos do que os
assim.” editorial do mundo. que tínhamos antes... scunha@visao.pt

13 JANEIRO 2022 VISÃO 89


PESSOAS

Globos de Ouro
O PODER DE JANE CAMPION

A
realizadora Jane Campion tornou-se a
segunda mulher a ganhar um Globo de Ouro o
de Melhor Realização. O seu filme O Poder do
Cão, distribuído pela Netflix, é um western
“antimachista” que revela as fragilidades
psicológicas de um (aparentemente) típico e bruto
cowboy, interpretado por Benedict Cumberbatch.
batch.
A longa-metragem foi filmada na Nova Zelândia, país de origem m
da realizadora, e conseguiu arrecadar mais dois Globos – o de
Melhor Filme Dramático e o de Melhor Ator Secundário em Filme lme
Dramático, entregue ao jovem australiano Kodi Smit-McPhee.
A realizadora que normalmente filma histórias com personagens ens
femininas fortes e complexas já tinha sido a primeira mulher a
ganhar uma Palma de Ouro em Cannes pelo seu filme O Piano o e,
com o mesmo filme, foi a segunda mulher a ser nomeada para um
Oscar de Melhor Realização. Tudo indica, depois deste prémio,, e
de também ter sido, em 2021, considerada a melhor realizadora ra no
Festival de Veneza, que é uma das favoritas para ganhar o Oscar ar de
Melhor Realização na cerimónia que vai acontecer em Los Angeles geles
a 27 de março (depois da vitória de Chloé Zhao no ano passado, o,
Campion seria a terceira mulher a receber essa estatueta).
Estes reluzentes prémios do mundo do cinema e da televisão o fo-
ram entregues sem o brilho do costume – a passadeira vermelha ha e as
celebridades ficaram de fora numa entrega sem transmissão televisi-
levisi-
va (os vencedores foram anunciados online no passado dia 9). Todos
estes constrangimentos deveram-se, mais do que à pandemia, ao
facto de a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA),
HFPA),
responsável pelos Globos de Ouro, ter sido, em 2021, alvo de um m pro-
cesso jurídico e de uma investigação do jornal Los Angeles Times es que
levantaram suspeitas sobre comportamentos inapropriados doss seus
membros, em questões de corrupção e discriminação relativa à diver-
sidade e à inclusão. Os boicotes (incluindo da estação televisiva NBC)
foram muitos e a HFPA assumiu uma “reformulação da organização.” zação.”
Um dos grandes destaques desta 79ª edição dos prémios foi, i, pro-
positadamente ou não, para uma vitória da diversidade no mundo ndo
das artes: Michaela Jaé Rodriguez, atriz da série Pose (do canal FX),
tornou-se a primeira pessoa transgénero a ser nomeada e a vencer ncer
um Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz em Série Dramática.
mática.
MJ Rodriguez, como gosta de ser chamada devido à sua afeição o pela
personagem da namorada do Spider-Man, descobriu a sua paixão xão
pelo mundo da representação ainda na escola, quando antes daa tera-
pia da reposição hormonal ainda se definia como bissexual ou gay. Já
tinha feito história em 2016 no filme Luke Cage enquanto primeirameira
atriz transgénero a entrar num filme do universo da Marvel, mas foi
com o seu papel de Blanca em Pose, que retrata as vidas das comuni-
omuni-
dades queer afro e latino-americanas nos anos 80 em Nova Iorque, rque,
que Rodriguez alcançou um prémio histórico.
Os bem conhecidos Will Smith, Nicole Kidman e Andrew Garfield arfield
também levaram para casa Globos pelos filmes King Richard
– Para Além do Jogo, Being the Ricardos e Tick,Tick… Boom!,
respetivamente, mas a versão de Steven Spielberg do musical West
Side Story (que venceu três Globos) garantiu à desconhecida e
estreante no meio Rachel Zegler o prémio de Melhor Atriz em Filme
Musical ou Comédia. RODRIGO CRUZ SILVA visao@visao.pt

90 VISÃO 13 JANEIRO 2022

Você também pode gostar