Você está na página 1de 666

Direitos de tradução e publicação

em língua portuguesa reservados à


CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
Rodovia SP 127 – km 106
Caixa Postal 34 – 18270-970 – Tatuí, SP
Tel.: (15) 3205-8800 – Fax: (15) 3205-8900
Atendimento ao cliente: (15) 3205-8888
www.cpb.com.br

1ª edição neste formato


Versão 1.0
2019

Coordenação Editorial: Diogo Cavalcanti


Editoração: Vinícius Mebdes, Diogo Cavalcanti e Guilherme Silva
Revisão: Adriana Seratto e Luciana Gruber
Editor de Arte: Thiago Lobo
Projeto Gráfico: Sandra Ferreira Barbosa
Programação Visual: André Rodrigues
Capa: Fernando Lima
Imagem Capa: Meranda | Adobe Stock

Adaptação Digital: Taffarel Toso


Revisão Digital: Elza Ribeiro
Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou
parcial, por qualquer meio, sem prévia autorização escrita do
autor e da Editora.
40747 / 18746
Apresentação
Se você perguntar a um professor qual é a medida do valor de um
jovem, ele responderá que é a cultura, a capacidade de assimilar
novas ideias e o aprendizado. Se a pergunta for para um
empresário, ele dirá que é a iniciativa, a habilidade de cumprir
tarefas com excelência e a disposição para o trabalho. Para um
atleta, o valor será a garra ou a vontade de vencer. Um pastor dirá
que o valor de uma pessoa está em orar, ler a Bíblia, testemunhar,
etc.
Mas como se mede o valor de um jovem? Não existe somente
uma forma de responder. Como vimos acima, cada pessoa é regida
por um padrão que determina seus objetivos, escolhas e
prioridades. Contudo, para quem está em Cristo, os valores são
medidos a partir da Palavra de Deus.
Precisamos hoje de uma geração acima da média. Por isso, peço
a você: cultive valores eternos e ajude a promovê-los na sociedade.
Os valores cristãos são um farol seguro, pois trazem a marca do
próprio Cristo.
Neste livro, em cada semana, você terá acesso a um tema, que
será visto de uma perspectiva diferente a cada dia. Escrevi estes
textos para serem fios condutores que ajudem você na caminhada
para o Céu. Não irei contar muitas histórias. Usarei basicamente a
Bíblia para fundamentar os valores que precisamos cultivar em
nosso caráter.
Um dos meus sonhos é ajudar a despertar uma geração viva, de
jovens apaixonados por Jesus Cristo e Sua Palavra. Há uma paixão
que me move: amo o Senhor que me salvou; amo Sua igreja, que
me acolheu; amo a juventude, que me desafia cada dia a fazer
mais e melhor. Oro para que, quando chegar ao Céu, eu veja uma
fila de jovens, tão longa quanto os olhos possam ver, que chegaram
lá, por causa da influência de minha vida na vida deles.
Posso garantir uma coisa: amo Jesus com todas as forças do meu
coração. Eu tinha 20 anos quando Ele me fez compreender Seu
amor por mim. Jesus tem estado ao meu lado todos esses anos. Ele
é meu amigo! Cada dia que passa, eu O amo mais. Tudo o que
sou, devo a Ele! Eu morreria por Jesus hoje porque Ele é fiel a mim!
Os valores que norteiam minha vida são baseados no
relacionamento que tenho com Ele. E é sobre esses valores que
você lerá cada dia.
Espero chegar ao fim de minha vida com a certeza de que meus
filhos dirão que eu sou a pessoa mais parecida com Jesus que eles
conhecem. Estimulo você a perseguir também esse ideal. Meu
desejo é que este livro contribua para isso.
Jovem, os valores são eternos e inegociáveis. Divulgue-os.
Janeiro
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2 3 4

5 6 7 8 9 10 11

12 13 14 15 16 17 18

19 20 21 22 23 24 25

26 27 28 29 30 31
Quarta 1º de janeiro
Escolhas
Quer você se volte para a direita quer para a esquerda, uma voz
atrás de você lhe dirá: “Este é o caminho; siga-o.” Isaías 30:21

Se tivesse que resumir a vida numa frase, penso que seria: ―Viver
é escolher.‖ Estamos sempre fazendo escolhas. Não passará um
único dia em nossa vida sem que tenhamos que tomar uma
decisão. Algumas são simples e cotidianas; outras são complexas,
demandam reflexão e têm implicações eternas. Certas
consequências de nossas escolhas são imediatas; outras só
podem ser percebidas a longo prazo. Uma coisa é certa: as
escolhas têm o potencial de marcar nossa vida.
Tenho percebido que, na vida, o mais difícil não é escolher entre o
certo e o errado. Em geral, essas coisas estão em polos opostos, e
fica fácil saber para onde ir. Porém, quando estamos entre duas
coisas certas, e uma delas precisa ser escolhida, fica difícil tomar
uma decisão. Parece que, de repente, chegamos a uma
encruzilhada e perguntamos: ―Senhor, o que devo fazer?‖
Isso ocorre porque a vida não é tão simples como alguns pensam.
Duas possibilidades boas não são iguais nem resultam nas
mesmas coisas. Quando dois caminhos têm finais positivos e são
eticamente corretos, devemos pedir a sabedoria divina, usar o livre-
arbítrio, nos satisfazermos com a decisão tomada e estar
preparados para as consequências.
Contudo, entre o certo e o errado, sempre haverá um claro ―assim
diz o Senhor‖. A promessa Dele para nós é: ―Eu o instruirei e o
ensinarei no caminho que você deve seguir; Eu o aconselharei e
cuidarei de você. Não sejam como o cavalo ou o burro que não têm
entendimento mas precisam ser controlados com freios e rédeas,
caso contrário não obedecem‖ (Sl 32:8, 9).
Deus deseja nos orientar para que sejamos capazes de fazer as
melhores escolhas, mas nem sempre buscamos Sua orientação.
Preferimos agir como irracionais que, para obedecer, precisam de
um cabresto. Então, não seja cabeça-dura!
Cada manhã, ao começar um novo dia, consulte o Senhor sobre o
melhor caminho. Não tome atalhos ou o trajeto de sempre. Lembre-
se de que Deus não promete respostas específicas. Ele garante a
orientação, aponta o caminho certo e diz: ―Há duas estradas a
percorrer, dois senhores e dois destinos a seguir. Agora escolha.‖
Se você deseja tomar as melhores decisões hoje, ouça a doce e
insistente voz do Espírito dizendo: ―Filho, este é o caminho!‖
2 de janeiro Quinta
O melhor caminho
O seu Deus o instrui e lhe ensina o caminho. Isaías 28:26

O clássico filme O Mágico de Oz conta a história de uma garota


chamada Dorothy, que é levada por um redemoinho para uma terra
encantada. Lá ela encontra três personagens, que, de certa forma,
representam suas indecisões: o Homem de Lata, que precisa de
um coração, o Leão Medroso, que precisa de coragem, e o
Espantalho, que precisa de um cérebro. Para mim, esse último
personagem é o mais interessante, pois, por meio dele, muitas
lições importantes são transmitidas.
Cada vez que o Espantalho fala no filme, não fala de si mesmo.
Dorothy o estimula a dar sua opinião. Em determinado momento,
ela tira o chapéu da cabeça dele e se espanta: ―Mas só tem lixo aí!‖
O Espantalho responde: ―Existe muita gente assim!‖
De fato, há muita gente por aí que guarda ―lixo‖ na mente. A
maioria das pessoas desconhece que fazer da cabeça um
reservatório do que não presta determina as escolhas da vida.
O lixo cerebral é acumulado por meio do que se ouve, lê e vê.
Essas pequenas escolhas cotidianas interferem nas grandes
decisões da vida. Uma pequena concessão aqui, outra ali… Tudo
parece tão insignificante, mas por trás está o inimigo sussurrando:
―Vá em frente, não perca essa piada suja.‖ ―Vamos, entre neste site.
Você pode acertar tudo depois. Não é uma coisa tão séria!‖
Entenda: tudo o que você ouve, lê ou vê aproxima ou afasta de
Deus. O cérebro humano, com um pouco mais de um quilo de
células neurais, controla o sistema nervoso central, regula as
funções básicas do organismo e rege as reações do corpo. Ele é
programado para reagir. Por isso, cada escolha afeta a seguinte.
Em todo o tempo, somos chamados a tomar decisões que
envolvem nossa família, nosso emprego, nossas responsabilidades,
o uso do tempo e a vida espiritual.
A decisão pela obediência não é repentina, mas resultado de um
processo constante de escolha ao lado do que é certo. Acredite: a
repetição de um ato cria conexões para a obediência.
Se você permitir, o Senhor imprimirá em sua mente um incessante
fluxo de Sua vontade. Assim, você responderá com obediência e
seguirá feliz no caminho certo.
Sexta 3 de janeiro
Escolhas difíceis
Bendirei o SENHOR, que me aconselha; na escura noite o meu
coração me ensina! Salmo 16:7

Uma coisa é saber o que é certo; outra é colocar isso em prática.


A maioria de nós sabe o que é certo. Nossa dificuldade é agir de
acordo com o nosso conhecimento. Por que o certo parece tão
difícil, e o errado, tão fácil?
A verdade nua e crua é que nosso coração é teimoso e obstinado.
Embora a maioria das pessoas confie no coração, a Bíblia diz que
ele é enganoso. Ele emite sinais falsos. Alguns chegam a dizer:
―Estou seguindo meu coração.‖ Com isso, conferem às emoções a
perigosa condição de autoridade suprema nas decisões. Porém, a
grande verdade é que todo coração ―saudável‖ é totalmente
enfermo.
O termo ―enganoso‖, que aparece em Jeremias 17:9, é o radical
do nome ―Jacó‖, que significa ―agarrar pelo calcanhar‖. Todos
temos um Jacó dentro do peito! São verdadeiras as palavras de um
cartum: ―Já encontramos o inimigo: somos nós!‖
Quando o coração é o maquinista das decisões, ele manipula
nossas emoções. As emoções são importantes, mas, se estiverem
no comando, elas se tornam perigosas. Deus nos deu emoções
para que as usássemos sempre sob controle e não para que nos
controlassem. Conheço muitos jovens que fizeram algumas
escolhas no fogo das emoções e se arrependeram amargamente.
As melhores coisas que o coração nos ensina são aprendidas em
secreto, pois é ali que o Eterno nos conta Seus segredos.
Com o coração conectado a Deus, aprendemos o tempo todo,
mas isso ocorre quando as luzes se apagam e tudo se silencia à
nossa volta. Em geral, quando deitamos a cabeça no travesseiro,
podemos fazer uma autorreflexão e orar para termos força no
enfrentamento das turbulências da vida.
Como a existência é feita de pequenas curvas, ao revermos o que
nos aconteceu em cada dia, pouco antes de o sono chegar,
aprendemos lições que nos preparam para os novos desafios na
manhã seguinte. É vida que segue!
Por isso, diante das difíceis decisões da jornada, seja um bom
aluno na escola do coração e peça sempre a ajuda Daquele que é
um ―Maravilhoso Conselheiro‖ (Is 9:6).
4 de janeiro Sábado
A grande escolha
Se, porém, não lhes agrada servir ao SENHOR, escolham hoje a
quem irão servir […]. Mas eu e a minha família serviremos ao
SENHOR. Josué 24:1S

É possível que você já tenha precisado tomar alguma decisão


importante e, de repente, descobriu que não estava preparado
para ela. Todos nós já passamos por isso. A palavra decisão vem
do radical latino que significa ―separar-se de‖. Dizer ―sim‖ para algo
significa dizer ―não‖ para outra coisa. Por isso, às vezes, as
decisões podem ser tão difíceis.
Você é livre para escolher o que fazer da vida. Chamamos isso de
livre-arbítrio. Você tem liberdade para escolher o próprio caminho;
mas, mesmo assim, você não pode escolher as consequências de
suas escolhas. Presídios do mundo inteiro estão cheios de gente
que fez escolhas insensatas e destrutivas, que girou a roleta e
apontou o dedo para a direção errada e se viu presa ao destino
escolhido. Mas há aspectos da vida nos quais não há escolha.
Não podemos escolher a estrutura de nosso DNA, a cor dos olhos
e da pele, o tamanho do nariz, o sexo e a família em que vamos
nascer. Diante desse determinismo biológico, alguns podem até se
sentir desfavorecidos. Porém, qualquer ―injustiça‖ genética será
compensada pela escolha que realmente importa: onde iremos
passar a eternidade. É com esse presente que Deus nos dá a
chance de corrigir todas as imperfeições da vida.
As palavras finais de um homem podem revelar a história de sua
jornada. Essa foi a experiência de Josué. No fim de sua vida, Deus
certamente disse a ele: ―Muito bem, servo bom e fiel‖ (Mt 25:21).
Josué liderou o povo rumo a Canaã e orientou a conquista da terra
e a distribuição da herança. O último pronunciamento dele foi um
dos mais poderosos e corajosos testemunhos em toda a Bíblia. Em
sua idade avançada, e talvez com voz trêmula, Josué apelou ao
povo para fazer uma escolha inteligente diante do maior desafio da
vida de qualquer pessoa: a quem iremos servir.
As palavras de uma antiga canção nos chamam à realidade: ―Meu
amigo, hoje tu tens a escolha: vida ou morte, qual vais aceitar?‖ É
uma escolha entre vida ou morte; Céu ou inferno; Cristo ou o
inimigo. Por favor, decida agora por Jesus! Sua eternidade está em
jogo.
Domingo 5 de janeiro
Atitude
Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus. Filipenses 2:S

A única coisa que ninguém pode tirar de nós é a atitude. O que é


atitude? É um sentimento interno que se expressa no
comportamento. A pessoa não diz uma palavra, mas sua atitude é
notada. Mostramos atitude inclusive pela linguagem do corpo.
Todas as nossas expressões corporais têm que ver com o que
temos dentro de nós.
Atitude é uma escolha que pode nos erguer ou nos destruir. Minha
atitude determina a minha altitude. Creio nisso de todo coração.
Não é a inteligência ou a falta dela que faz alguém crescer ou
desabar, mas a forma como reagimos às circunstâncias. O que me
faz vencer ou perder não é o que acontece para mim, mas o que
acontece em mim. Vivemos nos protegendo para que nada nos
aconteça, mas, se acontece dentro de nós, o impacto é muito
maior.
Às vezes encontro jovens sofrendo porque foram rejeitados pela
família, perderam o namorado ou a namorada, fracassaram no
trabalho ou tiveram algum revés na vida. Algumas dessas pessoas
se tornam amargas e azedas por causa do que foge ao controle
delas. O mais importante não é o que acontece conosco, mas o
que acontece dentro de nós. Não podemos controlar as coisas que
nos acontecem; só podemos controlar a nossa forma de pensar e
agir a respeito delas.
A Bíblia está cheia de conselhos sobre atitude. Ela nos informa
que Deus está interessado em mudar nossa maneira de pensar. E a
lição mais importante que temos de aprender hoje é que a mesma
atitude de Cristo deve ser a nossa!
Alguém me encontrou e disse: ―Um amigo meu está assistindo à
sua semana de oração e me disse que você mudou a vida dele.‖
Eu sorri e disse: ―Não, eu não mudei a vida dele. Primeiro, porque
não tenho como fazer isso. Segundo, porque não há nada que eu
diga que possa mudar a vida das pessoas. Pode acreditar em
mim.‖
Ele perguntou: ―Por que você diz isso?‖
Respondi: “Há muitos outros jovens lá, e eles não mudaram. Seu amigo
mudou porque escolheu ser mudado. Ele teve a atitude correta.”
O que acontece com você não é tão importante quanto o que o
Senhor está realizando em você.
6 de janeiro Segunda
O impacto da atitude
Como imagina em sua alma, assim ele é. Provérbios 23:7, ARA

A nossa felicidade não depende da forma como as pessoas


reagem conosco. Não temos como controlar a reação das pessoas,
apenas podemos controlar como vamos reagir diante da reação
delas. Jovens de valor permitem que Deus controle seu interior.
Somos sempre responsáveis pelo que acontece dentro de nós.
Um rapaz que acabara de perder o emprego veio falar comigo.
Tinha sido demitido porque não podia se relacionar com os colegas
de trabalho. Começou a se justificar dizendo que foi maltratado,
rejeitado pelo pai, tratado assim e assado pelo padrasto. Quando
parou de falar, eu só conseguia pensar em sua atitude negativa e
em como ele próprio criara aquela situação desconfortável. Disse
para ele: ―Pare de culpar o passado, as pessoas, as circunstâncias.
Chega uma etapa na vida em que você tem que ser responsável
pelo que acontece em sua vida.‖
Coisas ruins também acontecem com pessoas otimistas, mas
algumas delas são tão positivas que até o que é negativo se torna
positivo em seu ponto de vista. Pessoas pessimistas, por sua vez,
veem tudo de modo sombrio e ruim; até as coisas positivas se
tornam negativas para elas.
Se você quer ser um jovem de valor, tem que aprender a moldar
sua vida com os pensamentos de Deus. Esteja onde estiver, pense
como quiser, a responsabilidade é sua. Ninguém é responsável
senão você!
Uma atitude cristã inclui pensamentos fundamentados na Bíblia e
centralizados em Deus. As Escrituras estão cheias de histórias de
jovens que encararam as circunstâncias ruins como desafios para
crescer.
Todos nós temos limitações. Muitas vezes faltam-nos dinheiro,
força física e preparo. Não permita que essas carências o
neutralizem. Se você não pode pegar uma estrada, pegue outra.
Não seja refém de si mesmo nem prisioneiro de seu passado. Uma
atitude negativa nunca irá construir nada positivo. Como jovem
cristão, você deve procurar desenvolver uma visão de si mesmo,
dos outros e das circunstâncias a partir da perspectiva de Deus,
alinhando seus pensamentos com a Sua Palavra.
Terça 7 de janeiro
Encarando os problemas
Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e
conhece as minhas inquietações. Salmo 139:23

A pessoa que aprende a encarar os problemas sem se deixar


levar pelas emoções negativas enfrenta os desafios da vida de
cabeça erguida. Mas muita gente distorce os fatos, amplifica suas
experiências, exagera as coisas e então se concentra em
pensamentos doentios.
Em uma conversa entre duas amigas, destacava-se a reclamação
de uma delas. Murmurava sobre tudo, e não havia espaço para
otimismo em sua mente. A outra, porém, mesmo tendo que realizar
uma cirurgia no coração na semana seguinte, não reclamava de
nada. Nem sempre as pessoas que têm os maiores problemas são
necessariamente as que mais reclamam.
Todo problema traz em si uma possibilidade escondida. Já
reparou que tudo o que gostamos na vida nasceu de um problema?
Gostamos de ar-condicionado, por causa do calor; sentamos em
cadeiras confortáveis, para não ficar em pé por muito tempo. A
maior parte das coisas boas surgiu de um problema.
O que você pode fazer? Quase tudo o que acontece a você
começa com um único pensamento. Todo pensamento leva sua
vida para alguma direção, para cima ou para baixo, para frente ou
para trás. O segredo para encarar os problemas é simplesmente
encarar o problema. Veja uma alternativa no acróstico abaixo:
P – Previsão. Tentar prever o que poderá ser se…
R – Recordar. Lembrar que o Eterno conhece o amanhã.
O – Oportunidade. Diz um amigo: ―A oportunidade serve quem
está no salão.‖
B – Bênção. Melhor se concentrar nas bênçãos da vida.
L – Lição. Existe um bônus especial para quem aprende com os
problemas.
E – Endireitar. Uma chance para corrigir a rota.
M – Mensagem. Aprender com as situações cotidianas.
A – Afinar. Quando a corda do instrumento é apertada, um som
melhor pode ser produzido.
S – Solução. Quase sempre está à distância de uma boa noite de
sono.
Se você é do tipo que não sabe lidar com os problemas, lembre-
se disso: ninguém pode forçá-lo a sentir o que você está sentindo.
Muita gente vê problema onde não existe. No verso de hoje, Deus é
convidado a ver o interior de Davi. Essa é uma boa oração para se
fazer hoje!
8 de janeiro Quarta
Vítima ou vencedor?
O SENHOR estava com José e lhe concedia bom êxito em tudo o que
realizava. Gênesis 39:23

Gosto de contar a história imaginada do baixinho que era sempre


importunado por um grandalhão. Todas as vezes que se
encontravam, o grandalhão enchia a mão e batia no peito do
baixinho, dizendo: ―E aí, baixinho!‖ O baixinho sentia-se humilhado,
mas não tinha jeito. Cada vez que o grandalhão aparecia, a cena
se repetia. Até que um dia o baixinho teve uma ideia: pegou um
punhado de dinamite e amarrou no peito. Pensou consigo: ―Agora
quero ver! Quando ele bater aqui, vai explodir.‖ Só se esqueceu de
que, no processo, ele explodiria junto.
Quando você não cuida de sua atitude, é como se estivesse
carregando dinamite no peito. Tenho visto pessoas ficarem doentes
e desenvolverem úlceras por causa de algo que lhes aconteceu 20
anos antes. Quem acumula lixo emocional no peito carrega um
explosivo de efeito retardado. Qualquer hora pode detonar.
Não podemos nos desenvolver sem nos machucar; isso faz parte
da vida. Mas quem insiste em massagear a ferida, vai se destruir
física, emocional e espiritualmente. José do Egito é um exemplo de
como podemos lidar com as dificuldades que a vida impõe. Em vez
de ficar concentrado no sofrimento, ele olhou para frente e
conquistou vitória em áreas em que a maioria fracassa. Ele era
inocente, foi vítima do ciúme e da hostilidade de seus irmãos. Preso
injustamente, experimentou a ingratidão e o esquecimento. José
tinha motivos suficientes para se amargurar e jogar a culpa nos
outros.
Qual era o segredo de José para lidar tão bem com o fracasso
aparente? Ele nunca olhou para trás com se fosse vítima das
circunstâncias. Sua atitude era a de um vencedor. Agindo de modo
semelhante a Jesus, José foi vítima, mas jamais se fez de vítima.
A história de José deixa claro: o que acontece dentro de nós é
mais importante do que o que acontece conosco. Nossas atitudes
são escolhidas por nós mesmos. Devemos reconhecer que as
dificuldades são como uma plataforma para que nossa confiança
seja colocada em Deus.
Quando você se olha no espelho cada manhã, vê uma vítima ou
um vencedor? A escolha é sua!
Quinta 9 de janeiro
Aprenda a se contentar
Aprendi a adaptar-me a toda e qualquer circunstância. Filipenses
4:11

A forma como você administra as emoções é escolha sua.


Ninguém lhe força a ser triste ou feliz. Seu estado emocional de
hoje ajuda a compor seu amanhã. Se você não é feliz onde está,
dificilmente será feliz em outro lugar, porque você vai se levar para
onde for.
Em geral, o problema está conosco mesmo. Por exemplo: nesta
semana estamos refletindo sobre atitude. Algumas pessoas podem
estar amando o tema e a abordagem; é possível que outras, por
sua vez, não estejam gostando. A mensagem é a mesma, mas as
reações são diferentes. Você compreende? Esteja onde estiver,
pense como quiser, a responsabilidade é sempre sua.
Encontro pessoas que querem, o tempo todo, mudar de igreja, de
trabalho, de família, etc. Algumas dizem que, quando fizerem essa
mudança, tudo ficará melhor. Engano. Se você não for capaz de
florescer onde está plantado, não fará isso em lugar nenhum.
Muitos sonham em fazer apenas o que gostam. O que seria de nós
se essa fosse uma lei da vida? Se você não aprender a gostar do
que faz, dificilmente fará com amor, e cada vez gostará menos do
que faz e fará mal feito.
Nossa atitude para com o mundo ao redor depende
essencialmente de quem somos. Se somos egoístas, achamos que
todo mundo é egoísta. A culpa não é do pai, da mãe, do namorado,
dos amigos. O problema é você!
Qual era a atitude de Paulo diante das situações desfavoráveis?
Provavelmente dissesse: “Aprendi a ficar contente quando tenho tudo de
que preciso; aprendi a ficar contente quando me tiram tudo o que tenho.”
Mas você talvez diga: “Queria ter esse dom!” Bem, contentamento
não é um dom; é uma característica a ser aprendida. Paulo diz:
―aprendi a viver contente‖. E esse é um aprendizado essencial para
lidar na implacável gangorra da vida.
Você consegue perceber a atitude por trás dessas palavras de
Paulo? Não posso controlar se está chovendo, mas posso escolher
como vou reagir diante da chuva. Uma atitude de contentamento
reconhece a suficiência de Deus em toda situação. Assim brota um
otimismo nascido da experiência de que Ele é fiel. Pode chover
hoje, mas isso não vai me impedir de sair de casa.
10 de janeiro Sexta
A melhor versão
Nessa nova vida […] Cristo é tudo e está em todos. Colossenses
3:11

Seu nome era João. Todos os dias sua mãe o acordava às cinco
da manhã. As primeiras palavras da mãe eram:
– João, filho, acorde, teremos um dia maravilhoso!
Essa era a saudação da mãe todos os dias.
Certo dia, a porta se abriu, e a mãe disse:
– João, o dia hoje será maravilhoso! – Ele nem se mexeu. Então
ela lhe perguntou:
– Filho, o que está errado com você?
– O dia hoje não vai ser nada bom! Vai ser terrível!
– Mas o que aconteceu, meu filho? Por que você está dizendo
isso?
– Estou com sono e com frio. O dia hoje não vai ser nada bom.
– Desculpe-me. Eu não sabia que você estava se sentindo assim.
Continue deitado, sem problemas. – Então ela cobriu o filho, fechou
a janela e saiu.
Quando a mãe saiu do quarto, João disse com ironia: ―Uau! Por
que não pensei nisso antes? Isso é fantástico!‖ E continuou deitado.
Lá pelas nove horas, João começou a acordar. Sentiu o cheirinho
bom de panquecas frescas. Levantou-se, desceu as escadas e foi
em direção à cozinha. Ao vê-lo, a mãe perguntou:
– O que você está fazendo aqui?
– Vim tomar meu café da manhã!
– Não! Você falou que seu dia hoje seria terrível. Já para o quarto!
E ele teve que passar o dia inteiro lá. As horas se arrastavam. A
fome apertava. Queria levantar, mas não podia. A noite chegou, e o
sono não vinha; meia-noite, e as horas não passavam. Já estava
dando calo nas costas. Três da manhã, e ele não conseguia mais
dormir. Quatro horas, João se levantou, vestiu-se, sentou na beira
da cama e esperou. Cinco da manhã, ele ouviu os passos da mãe
na direção de seu quarto. Quando a porta se abriu, João ficou em
pé, e disse:
– Mãe, o dia hoje vai ser maravilhoso!
Diariamente, cada um de nós escolhe como vai se sentir! Embora
o princípio seja claro, a Bíblia não diz como um jovem de atitude
deve viver. Mas, quando vê um rapaz ou uma moça de atitude,
você sabe que está diante de uma pessoa que encontrou a melhor
versão de si mesma. O dia hoje será maravilhoso! Assuma essa
atitude.
Sábado 11 de janeiro
Jovens de atitude
Quem sabe se não foi para um momento como este que você
chegou à posição de rainha? Ester 4:14

É praticamente um consenso que, em relação ao registro bíblico


sobre certos jovens, José, Daniel e Ester foram aqueles cujas
atitudes estavam sempre em harmonia com os ensinamentos do
Senhor. Consequentemente, a bênção do Senhor estava presente.
A casa de Potifar, a prisão e o palácio são testemunhas dessa
realidade.
Daniel foi levado para o cativeiro quando ainda era bem jovem.
Diante da mesa farta e inapropriada do rei, ele e seus amigos
assumiram um posicionamento arriscado. Pediram vegetais e água
por dez dias. No fim desse período, eles passaram no teste de
inteligência com louvor. Daniel participou da liderança de três
impérios diferentes, atuando como uma espécie de ministro e
conselheiro.
Ester não poderia fazer nada a respeito da situação de seu povo
condenado à morte. Porém, quando recebeu o recado do primo, a
corajosa rainha mudou a história de seu povo.
O que essas histórias têm em comum? Os três se elevaram
sublimemente acima da situação difícil em que estavam. Não
podiam mudar seu passado, mas foram donos de seu futuro.
Rapazes e moças que não bebem, não fumam, não usam drogas
e não têm medo de declarar sua postura, muitas vezes são
ridicularizados. Na verdade, são livres para fazer essas coisas, mas
não as fazem, por terem encontrado o real sentido da vida. Não se
trata apenas de uma questão de saúde, personalidade ou
temperamento. É uma questão de atitude. Quando você assume
uma posição firme diante de qualquer coisa, sua atitude será
questionada. Mas, em geral, as pessoas respeitam quem se
posiciona.
Charles Swindoll, no livro Firme Seus Valores, afirma: ―a decisão
mais importante que se pode tomar, com relação ao nosso viver
diário, é a da atitude pessoal. Ela tem maior peso que o nosso
passado, nossa formação acadêmica, nossa conta no banco,
nosso sucesso ou fracasso, fama ou insucesso; é mais importante
do que o que os outros vão pensar de nós, do que nossas
circunstâncias ou posição. Quando temos uma atitude certa, não
existe [sic.] barreiras elevadas demais, nem vale por demais
profundo, nem sonho exagerado, nem desafio insuperável.‖
Resumindo: nosso único instrumento de mudança é a atitude
pessoal.
Era assim que José, Daniel e Ester pensavam. Faça o mesmo hoje
e sempre.
12 de janeiro Domingo
Compromisso
Quando um homem fizer um voto ao SENHOR ou um juramento que o
obrigar a algum compromisso, não poderá quebrar a sua palavra,
mas terá que cumprir tudo o que disse. Números 30:2

Compromisso é dedicação, total consagração a uma causa.


Quem é comprometido devota toda a vida a um ideal. Em nosso dia
a dia, as pessoas geralmente não querem se comprometer com
nada. Penso que esse seja o motivo de o mundo ser tão mau.
Em uma antiga campanha publicitária, chamada ―teste de São
Tomé‖, alguém saía pelas ruas com uma caixa de sabão em pó e
oferecia a novidade às senhoras:
– Quer experimentar? Sem nenhum compromisso!
O sabão em pó ainda era pouco conhecido, e ninguém achava
que ele pudesse ser mais eficaz do que o sabão em barra. Hoje,
pouca gente lava roupa da forma como fizeram nossas avós. Os
hábitos mudaram. O novo produto trouxe benefícios para as donas
de casa. Mas a proposta de experimentar sem compromisso se
tornou uma prática comum.
O rapaz termina um namoro depois de seis anos e diz: ―Não tinha
nenhum compromisso.‖ Contratos não são respeitados. A palavra
não tem valor. Crianças não querem se submeter. Estudantes não
querem pagar o preço. Pessoas no trabalho não respeitam a carga
horária. Alguns se casam e se separam em algumas semanas. É
gente que nunca aprendeu o valor do compromisso. Esses jamais
crescerão.
Vemos o mesmo na igreja. Votos batismais não são respeitados
por alguns. Muitas pessoas não levam a sério a vida cristã, mas só
existe crescimento quando há compromisso. No momento em que
você se compromete, começa a mudar. O compromisso absorve
seu tempo, seus recursos, talentos e sua energia.
Deus considera o compromisso algo sagrado. A Bíblia deixa claro
que somos responsáveis pela santidade de nossas decisões. Para
o Senhor, é melhor ter um coração que obedece do que uma boca
que promete e não cumpre. Não é pecado fazer um voto ou deixar
de fazê-lo, mas, uma vez feito, torna-se obrigatório (Dt 23:21-23).
Se você fez um voto ao Eterno, cumpra-o. Aprenda isto: só
crescemos quando nos comprometemos.
Segunda 13 de janeiro
O preço do compromisso
Quando você fizer um voto, cumpra-o sem demora, pois os tolos
desagradam a Deus; cumpra o seu voto. É melhor não fazer voto
do que fazer e não cumprir. Eclesiastes S:4, S

Todo compromisso exige responsabilidade. Existe gente na igreja


que diz: ―Este ano não vou aceitar nenhum cargo. Vou dar
oportunidade para outros!‖ Pessoas que pensam dessa forma não
percebem o truque de Satanás. Ele sabe que quem faz isso para
de crescer. Só é possível crescer quando se aceita
responsabilidades. Se você quer crescer mais, aceite mais
responsabilidades. E se quer crescer mais ainda, aceite ainda mais
responsabilidades.
Já percebeu que as pessoas que mais criticam são geralmente as
menos comprometidas? É muito fácil criticar quando não se tem
comprometimento! Você só se compromete com o que quer; isso
tem a ver com a vontade. Você só se compromete com o que ama;
isso tem a ver com as emoções. Você só se compromete com o
que acredita; isso tem a ver com as convicções. Observe que o
compromisso envolve todo o ser. Muitos assumem um
compromisso, sem pensar no preço. Quase sempre as pessoas
comprometidas ficam isoladas em seu compromisso. Poucos
compreendem essa atitude, porque, em nossos dias, muita gente
vive descomprometida.
Muitos dos homens que Deus escolheu foram pessoas solitárias.
Pense em Abraão, que estava construindo altares e adorando
sozinho; pense em Elias, que estava sacrificando e testificando
sozinho; pense em Jeremias, que estava profetizando e chorando
sozinho; pense em Daniel, que estava servindo e orando sozinho.
Todas as pessoas que Deus usou, em algum momento de sua vida,
tornaram-se solitárias. Todos os vultos que mereceram monumentos
foram homenageados em honra de seu compromisso.
Deus quer que cada cristão cumpra seus compromissos. Nossa
maior responsabilidade é seguir Jesus todos os dias de nossa vida,
sem O abandonar. O jovem fiel honra seus compromissos!
14 de janeiro Terça
Jovens comprometidos
Mas há alguns judeus que nomeaste para administrar a província
da Babilônia, Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, que não te dão
ouvidos, ó rei. Não prestam culto aos teus deuses nem adoram a
imagem de ouro que mandaste erguer. Daniel 3:12

Deus sempre honra Seus compromissos. Prometeu estar sempre


com quem O ama; Ele cumpre Sua parte no trato. Devemos ser
assim também. Os três jovens hebreus eram comprometidos com
os valores do reino de Deus. Eles são um modelo para nós.
Compromisso significa pagar o preço, ter convicção, projetar as
consequências e assumir os riscos.
Nabucodonosor escolheu rapazes para serem treinados em
Babilônia. Entre eles, destacam-se os três amigos de Daniel. Eles
foram treinados, capacitados, provados e aprovados pelo rei. O
que encontramos na vida deles que os torna especiais? Você logo
sabe a reação do mundo quando resolve se comprometer. O
compromisso é uma fonte de poder pessoal que libera sua
coragem para enfrentar qualquer situação de risco.
Em Daniel 3, um problema muito sério é apresentado. O rei
mandou erguer uma estátua de ouro, e toda a multidão se ajoelhou
diante da estátua, exceto os três jovens judeus. Para tomar uma
posição assim, é preciso que a pessoa seja comprometida.
Sabe o que acontece quando nos comprometemos? As pessoas
percebem o que está acontecendo. Enquanto você não tem
nenhum compromisso, não é ninguém; é como o resto,
imperceptível. Mas, no momento em que se torna comprometido,
você aparece, as pessoas percebem seus atos. Quando a música
começou em Babilônia, todos se ajoelharam, exceto os três
rapazes. E todo mundo notou.
Falando sobre a necessidade de homens assim hoje, Ellen White
escreveu: ―A maior necessidade do mundo é a de homens —
homens que não se comprem nem se vendam; homens que, no
íntimo de seu coração sejam verdadeiros e honestos; homens que
não temam chamar o pecado pelo nome exato; homens cuja
consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao polo;
homens que permaneçam firmes pelo que é certo, ainda que caiam
os céus‖ (Educação, p. 57).
Em nome de Jesus, não negocie sua consciência. Permaneça
firme. Deixe os resultados nas mãos de Deus. Cuide de seu
compromisso, e Deus cuidará de você.
Quarta 15 de janeiro
O compromisso incomoda
Furioso, Nabucodonosor mandou chamar Sadraque, Mesaque e
Abede-Nego. Daniel 3:13

Quando disseram ao rei que havia três judeus que permaneceram


em pé, a Bíblia diz que Nabucodonosor ficou muito irado e mandou
chamá-los. Outra reação das pessoas quando assumimos um
compromisso pode ser vista aqui. Há muita gente que não gosta de
quem age de modo diferente e está comprometido de verdade com
Deus.
Não consigo me lembrar de um inimigo sequer, mas sei que existe
gente que não gosta de mim, por causa do compromisso que
assumi. Essas pessoas gostariam que eu fosse medíocre, ou seja,
que eu gostasse de coisas que a média da população gosta. Mas
eu não sou assim. Decidi viver um ideal mais alto, e isso incomoda.
Esteja certo disto: no momento em que você se compromete, será
visto, alguém ficará perturbado e não gostará de sua atitude. Como
resultado, alguém rangerá os dentes em sua direção e fará pressão
para mudar sua atitude.
Você consegue resistir? Muita gente abre mão de seus valores
para ter favorecimentos e alcançar um lucro maior, mas os três
amigos de Daniel não se deixaram intimidar. Mesmo em face da
morte, não negociaram seus princípios e valores. Misael, Hananias
e Azarias se mantiveram firmes e não se dobraram.
Esses jovens não eram insubordinados nem rebeldes. Ao
contrário, eles foram acusados de serem íntegros e honestos. O
que mais aflige o inimigo não são os seus erros, mas seu
compromisso com a verdade.
Não existe nada como a adversidade para nos mostrar quem
realmente somos. Deus requer de nós que façamos o que é certo,
não importam as consequências. Esses rapazes estavam prontos
para morrer, mas não para pecar. Se você deseja ser como eles,
mantenha seu compromisso com Deus. Ele vai honrar você, porque
jamais desampara quem espera Nele.
Como disse Jesus: ―Que adianta ao homem ganhar o mundo
inteiro e perder a sua alma?‖ Sua vida eterna é preciosa; por isso,
decida hoje se manter íntegro em sua caminhada com Deus.
16 de janeiro Quinta
O teste do compromisso
E que Deus poderá livrá-los das minhas mãos? Daniel 3:1S

A terceira reação ao compromisso são os desafios que o mundo


lança diante de nós. O desafio é uma antecipação da prova, que
virá em seguida. Nabucodonosor disse aos três amigos de Daniel:
―É verdade que vocês não querem adorar meus deuses?‖ Algumas
pessoas não acreditam que exista alguém de valor, que esteja
disposto a pagar o preço dos compromissos assumidos.
O teste é inevitável quando nos comprometemos. Você está
comprometido? Está pronto para atravessar a prova à sua frente?
Você será testado! Até mesmo Deus está disposto a colocar você
na fornalha da provação, para evidenciar sua fidelidade a Ele. Você
está pronto para passar pelo fogo? Ninguém está, mas não há
como escapar.
Nabucodonosor ofereceu aos rapazes uma segunda
oportunidade. Os três estavam em uma situação muito difícil.
Quando o momento da prova chega, o compromisso realmente se
revela. Nessa hora, você fica sozinho.
Os três estavam em pé, mas havia pelo menos um soldado ao
lado de cada um deles. Quando a música começou a tocar, será
que eles começaram a se perguntar: ―E agora, o que faço? E se eu
simplesmente me abaixar e amarrar o cadarço do sapato? Eles
pensarão que estou ajoelhado, mas estarei só amarrando o
sapato.‖
Cada um deles teve que tomar uma decisão muito pessoal. Não
dava para consultar um ao outro: ―E aí, Sadraque, o que você está
pensando em fazer?‖ Não. Na hora da prova, você está sozinho.
Quando o momento da prova chegar, Deus vai Se revelar de
forma poderosa. Sem passar pela prova, é impossível saber o que
Deus pode fazer pelos que confiam Nele. Mas, quando você passa
pela prova, seja ela qual for, então poderá ver Deus Se revelando
fiel em seu favor.
Qual é o seu limite? Talvez você esteja enfrentando a dificuldade
de ser uma voz isolada em sua sala de aula. Quem sabe você
esteja se sentindo encurralado com as ofertas constantes da
tentação. Sei que não é fácil. Mas, quando a prova chegar, resista.
Seja fiel!
Sexta 17 de janeiro
O compromisso é inegociável
O Deus a quem prestamos culto pode livrar-nos […]. Mas, se Ele
não nos livrar, saiba, ó rei, que não prestaremos culto aos teus
deuses nem adoraremos a imagem de ouro que mandaste erguer.
Daniel 3:17, 18

Ao longo dos anos, tenho visto jovens enfrentando as provações


com perspectivas diferentes. Fico maravilhado quando encontro
gente resistindo à pressão, ao desafio, às tentações e ao pecado.
O que dá força para um jovem na hora da prova?
Na história dos três amigos de Daniel, encontramos a resposta.
Na verdade, podemos ver duas motivações para vencer a
provação. A primeira é: o conceito que você tem de Deus vai
determinar o nível de seu compromisso com Ele. Esses jovens
disseram: ―O nosso Deus é capaz de nos libertar. Mas se Ele não
quiser nos libertar, tudo bem. Nós não vamos duvidar do caráter
Dele, não vamos ter dúvidas de Sua fidelidade.‖
Quem conhece a Deus de verdade não é imediatista. Sabe que
ficar do lado Dele sempre é o melhor, mesmo que, no presente, a
prova seja dura. Gente assim não serve a Deus por aquilo que Ele
dá, mas por quem Ele é.
Em outras palavras: Quem é o Deus a quem você serve e adora?
O que Ele pensa de seu compromisso? O tipo de Deus a quem
você conhece e serve fará uma tremenda diferença. Esses jovens
testemunharam: ―Conhecemos nosso Deus, e Ele é capaz! Nosso
Deus tem poder para livrar, mas nós não somos donos da agenda
Dele.‖ Esse era o conceito que eles tinham de Deus.
Quem é Deus para você? Isso fará toda a diferença na hora da
prova!
Além disso, eles estavam prontos para fazer o que era certo,
independente das consequências. Um compromisso é inegociável.
A integridade é mais importante que a vida. Deus requer de nós
que façamos o que é certo.
Diz o apóstolo Paulo: ―Se vivemos, vivemos para o Senhor; e, se
morremos, morremos para o Senhor. Assim, quer vivamos, quer
morramos, pertencemos ao Senhor‖ (Rm 14:8). Deus está
chamando uma geração para se levantar, que tenha ousadia de
não se curvar, mesmo que tenha que pagar um alto preço.
Comprometa-se com esse chamado!
18 de janeiro Sábado
Sem compromisso, sem milagres
Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, servos do Deus altíssimo,
saiam! Daniel 3:26

O rei tomou uma decisão insana: mandou aquecer a fornalha sete


vezes mais. Fico impressionado com a firmeza dos jovens hebreus.
Eles não arredaram o pé de seus princípios, mesmo diante da
morte.
Sabendo que Deus é poderoso, sempre me perguntei por que Ele
não livrou aqueles jovens da fornalha. Além disso, havia outras
coisas que Deus podia fazer, mas não fez. Ele não impediu que a
fornalha fosse fabricada, por exemplo. Não impediu que a fornalha
fosse acesa. Não impediu que os três jovens fossem acusados.
Não impediu que os três fossem atados e jogados na fornalha.
Porém, os livrou na fornalha. O Eterno pode livrar da fornalha, mas
às vezes Ele escolhe estar com você na fornalha.
Temos somente duas escolhas: ficamos fora da fornalha com
Nabucodonosor ou ficamos dentro da fornalha com Jesus. É na
fornalha que a figura gloriosa do quarto Homem se manifesta!
Você sabe qual é o resultado final de um compromisso? O nome
de Deus é glorificado. ―Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, servos
do Deus altíssimo, saiam!‖ E, quando eles saíram, ficou claro que
nada havia acontecido com eles.
Deus não vai agir dessa forma em todas as situações. Mas,
mesmo quando as fornalhas acesas nos matarem, elas não
poderão nos tirar a vida eterna se estamos comprometidos com
Deus.
Essa linda história de fidelidade nunca seria escrita se aqueles
jovens não estivessem dispostos a pagar o preço do compromisso.
Se não há compromisso, não há milagres. Se não há compromisso,
não há demonstração do poder de Deus.
No verso 30, vemos o resultado final do comprometimento deles.
Quando saíram da fornalha, os jovens hebreus foram promovidos.
Esse verso testemunha que Deus abençoa nossa vida. Pessoas
comuns se tornam extraordinárias por causa do compromisso.
Deus está à espera de jovens comprometidos. Você se habilita?
Domingo 19 de janeiro
Caráter
Também nos gloriamos nas tribulações, porque sabemos que a
tribulação produz perseverança; a perseverança, um caráter
aprovado; e o caráter aprovado, esperança. Romanos S:3, 4

Não é fácil ser diferente, especialmente quando a maioria está


satisfeita em ser como todo mundo. O caráter nobre distingue uma
pessoa das demais. E um jovem de caráter não tem preço. Ele ―não
se compra nem se vende‖.
Caráter é uma identidade moral. Ou você tem ou você não tem. O
Eterno Construtor coloca os alicerces de nosso caráter, mas nós
construímos o edifício. Ellen White diz: ―A mente é o terreno; o
caráter é o fruto. […] Nosso próprio procedimento determina nosso
caráter‖ (Mente Caráter e Personalidade, v. 2, p. 545).
O caráter não é herdado. Ele é construído mediante a formação
que recebemos. Caráter é algo que vai sendo formado e impresso
com o tempo em nosso interior, uma verdadeira marca forjada por
pais e familiares. O caráter não é forjado do dia para a noite; é uma
obra da vida inteira. Isso significa que, para se ter ideia do caráter
de uma pessoa, não podemos tomar como base algumas ações
isoladas. Temos de olhar para toda a vida.
Também não é uma obra instantânea. Estamos acostumados com
a rapidez. Com o caráter não funciona assim. Toda influência que
recebemos, todos os hábitos que adquirimos, todas as escolhas
que fazemos, todas as atitudes que assumimos entram em nosso
DNA moral, para o bem ou para o mal.
Caráter é como uma marca d‘água que distingue e diferencia uma
pessoa de outra. Alguns dizem que ―a primeira impressão é a que
fica‖. Mas, para conhecer o caráter de alguém, precisamos de
tempo e convivência.
O apóstolo Paulo diz que o crente usa as experiências da vida
para o aperfeiçoamento do caráter. Ele até apresenta uma
sequência natural de desenvolvimento: tribulações, perseverança,
caráter e esperança. Tudo o que acontece em nossa vida nos torna
melhores se permitirmos que o Espírito Santo imprima em nós o
―caráter aprovado‖ do Senhor Jesus Cristo. Ore por essa bênção
em sua vida hoje.
20 de janeiro Segunda
Habilidade x caráter
O homem sem caráter maquina o mal; suas palavras são um fogo
devorador. Provérbios 16:27

Facilmente confundimos caráter com habilidades. Pessoas


habilidosas impressionam à primeira vista. Seu jeito de fazer as
coisas, seu talento e carisma conquistam os que estão à sua volta.
Sempre tem alguma coisa na pessoa talentosa que nos atrai, e
somos levados a dizer: ―Gosto desse sujeito.‖
Contudo, a confusão é instalada quando as pessoas confiam em
suas habilidades sem prestar atenção ao caráter. Isso pode
acontecer com qualquer um. Pessoas com grande talento muitas
vezes se inclinam para a autoconfiança, sem cultivar traços de
caráter sólidos. Não demora muito para que os pontos cegos
comecem a aparecer. Então, aos poucos, todos ao redor começam
a perceber que a pessoa é indigna de confiança.
Pense em sua habilidade mais aparente, que pode ser vista em
público, e pergunte-se: Em que rumo essa habilidade está me
levando? Em direção à vida, à melhor versão de mim mesmo ou em
direção à vaidade e ao orgulho próprio? Todos temos talentos. O
perigo está em confiar em nós mesmos, sem procurar cultivar
aqueles traços de caráter que nos tornam cada dia mais
semelhantes a Jesus. Portanto, reflita em seu jeito de ser e em sua
motivação para fazer o que faz.
Cresci na igreja, participando em todas as oportunidades. As
pessoas olhavam para minhas habilidades e diziam que eu deveria
ser pastor. Mas, antes de alguém pegar um microfone na igreja,
mais do que habilidades, é preciso ter caráter. Se a pessoa tem
caráter e não tem habilidades, apesar de suas limitações, é uma
pessoa sincera e confiável. Porém, se a pessoa tem habilidade,
mas não tem caráter, é uma bomba-relógio. E, na hora em que
explodir, eu não quero estar por perto.
Quando aparece um problema na igreja, no trabalho, na escola ou
em qualquer outro lugar, no centro da questão está alguém que tem
muita habilidade, mas não tem caráter. Uma pessoa sem caráter
não deveria ter credibilidade. Porém, sua influência é como ―fogo
devorador‖, diz o sábio. E faz um grande estrago à sua volta. Todos
já vimos isso acontecer.
Então, se Deus pode contar com suas habilidades, não descuide
de seu caráter. Ele deseja usar você, mas ficará difícil fazê-lo se
você não tiver credibilidade e caráter. Somente o Espírito de Deus
pode realizar essa transformação em sua vida.
Terça 21 de janeiro
O caráter inteiro
As artimanhas do homem sem caráter são perversas; ele inventa
planos maldosos para destruir com mentiras o pobre, mesmo
quando a súplica deste é justa. Isaías 32:7

O caráter é mais importante do que capacidades e habilidades.


Creio que cada um de nós poderia ter afixado em si mesmo
aquelas placas encontradas nos locais em reforma: ―Desculpe o
transtorno, estamos em obras.‖ Deus está trabalhando em nossa
vida para reproduzir em nós o caráter de Seu Filho amado.
Consistência é a habilidade de ficar inteiro e de ser o mesmo sob
qualquer circunstância. Quer um exemplo? ―Jesus Cristo é o
mesmo, ontem, hoje e para sempre‖ (Hb 13:8). Quem alcança esse
estágio de maturidade adquire o dom de ser o mesmo em qualquer
lugar e sob quaisquer circunstâncias.
Não se trata apenas de ser religioso. Cada um de nós pode dar
exemplos de pessoas que se dizem cristãs, mas que não são bons
exemplos de conduta. E também conhecemos pessoas não cristãs
que são gente de bem.
Há bastante tempo, ouvi uma história que ocorreu em um
internato. Era noite, e, de repente, faltou luz. Em um curto intervalo
de tempo sem energia, voaram para todos os lados pratos,
talheres, comida, etc. E o preceptor, num momento de agilidade
especial, disse aos alunos em alta voz: ―Caráter, minha gente, é
como a película de um filme, só se revela no escuro!‖
Reflita nisto: ―Acima do que é visível e temporal, Ele aprecia o
invisível e eterno. O primeiro só tem valor na medida em que
exprime o segundo. As mais belas produções de arte não possuem
beleza que se possa comparar à beleza de caráter, que é o fruto da
operação do Espírito Santo no ser‖ (A Ciência do Bom Viver, p. 37).
O homem sem caráter ―inventa planos maldosos‖. Caráter, minha
gente, é constituído em Deus e por meio de Sua Palavra. Só assim
podemos assumir posturas consistentes em diferentes situações na
vida. Permita que o Espírito Santo realize essa obra em sua vida
hoje.
22 de janeiro Quarta
Desenvolvimento do caráter
Não falamos para agradar pessoas, mas a Deus, que prova o
nosso coração. 1 Tessalonicenses 2:4, ARA

Várias pessoas na Bíblia são descritas com caráter elevado: Rute,


Jó, Neemias, Jônatas, José, apenas para mencionar alguns.
Admiramos esses personagens e suas histórias porque eles
possuíam uma virtude moral diferente dos que estavam à sua volta.
Precisamos levar isso a sério. As pessoas estão sempre querendo
ver se nossa vida se ajusta às nossas palavras. O filósofo Ralph
Waldo Emerson disse: ―Suas atitudes falam tão alto que eu não
consigo ouvir o que você diz.‖ É dessa forma que somos vistos
quando nossa fé é da boca para fora. Praticar as coisas básicas
nos prepara e qualifica para maiores responsabilidades.
Deus está interessado em nosso desenvolvimento. Há um
processo deliberado e sistemático pelo qual Deus quer que
passemos. Se o entendermos e o aplicarmos à nossa vida,
poderemos colaborar com o Senhor. Assim, Ele poderá nos usar no
máximo de nossa capacidade. Não é algo muito complicado. Na
verdade, é extremamente simples. Sabe qual é o plano de Deus
para o desenvolvimento de seu caráter? ―Jesus ia crescendo em
sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens‖ (Lc
2:52). Será que você está crescendo dessa maneira?
Muita gente por aí está bastante preocupada em crescer apenas
fisicamente (leia-se músculos), mas jamais podemos esquecer da
necessidade de crescermos em sabedoria e graça. Precisamos ser
capazes de discernir entre o bem e o mal. Necessitamos de graça
para termos acesso a Deus e às pessoas. Em relação ao próximo,
crescer em graça significa desenvolver boas maneiras nos
relacionamentos. Jesus era cortês e tinha maneiras apropriadas
para lidar com as pessoas. Mesmo que a formação educativa de
alguém não tenha contemplado esse lado, o evangelho tem poder
de compensar o tempo perdido.
Na formação do caráter cristão, o modelo é Cristo. Andar com Ele
cada dia nos leva a amá-Lo, admirá-Lo, imitá-Lo e segui-Lo. Essa é
a obra de uma vida inteira!
Quinta 23 de janeiro
Caráter maduro
E a perseverança deve ter ação completa, a fim de que vocês
sejam maduros e íntegros, sem lhes faltar coisa alguma. Tiago 1:4

Quando você está cada dia mais parecido com Jesus, as pessoas
começam a reconhecer e saber como você agiria em cada
situação, porque você já tem uma marca. Seu caráter foi colocado
à prova, e você foi aprovado. O nome disso é maturidade, que não
se adquire do dia para a noite. A maturidade faz parte de um
processo. Para conquistá-la, não podemos queimar etapas.
O escritor bíblico que mais falou de maturidade foi Tiago. Ele
apresenta pelo menos cinco sinais para identificarmos alguém que
está amadurecendo. Em primeiro lugar, diz que a pessoa madura
demonstra ter uma atitude positiva diante das provações (Tg 1:12).
Muita gente vive reclamando por qualquer coisa. O Senhor não usa
pessoas que assumem essa postura. É preciso aprender a lidar
com as dificuldades da vida! O segundo sinal de que estamos
crescendo é a sensibilidade diante das necessidades dos outros
(ver Tg 2).
O terceiro sinal (o mais enfático) da maturidade é o domínio da
própria língua. Tiago diz que, quando uma pessoa chega a esse
estágio, ela se aproxima bastante do ideal (Tg 1:4). A língua é um
órgão difícil de controlar, mas ela só fala do que está cheio o
coração (Mt 12:34).
O quarto sinal da maturidade é um espírito pacificador. Ao
promover a paz, ficamos parecidos com Jesus. Quem é assim não
fica procurando saber de quem é a culpa nem joga uma pessoa
contra a outra.
Finalmente, uma pessoa madura é paciente (Tg 5:7) e está
sempre pronta a louvar. Tiago nos incentiva a sentir alegria quando
passamos por provações. Às vezes, oramos pedindo paciência, e o
Senhor nos coloca ao lado de pessoas difíceis, para que
aprendamos a louvar.
Paulo disse que devemos crescer até ―a estatura da plenitude de
Cristo‖ (Ef 4:13, ARA). A métrica da maturidade de um cristão é
Jesus. Mas não se esqueça: você não vai dormir imaturo e, na
manhã seguinte, acordar maduro. É um processo administrado pelo
Espírito Santo.
Quem chega a esse estágio não finge ser o que não é, pois não
precisa esconder nada. Ao contrário, as pessoas o observam e
percebem uma experiência viva e real com Deus. A pessoa assim
passa a se parecer com Jesus! Você conhece alguém com essa
característica? Deseja ser assim?
24 de janeiro Sexta
Um caráter autêntico
Assim são vocês: por fora parecem justos ao povo, mas por dentro
estão cheios de hipocrisia e maldade. Mateus 23:28

Precisamos ter intimidade com Jesus para que Seu caráter seja
reproduzido em nossa vida. O cristão não é fingido. Uma de suas
marcas é a autenticidade.
É comum encontrarmos imitações no comércio. Elas são mais
baratas e, por isso, são mais atrativas para alguns. Nem sempre é
fácil identificar se um produto é autêntico ou não. Mas qualquer um
sabe o valor de algo original. Em relação a um falsificado, sua
qualidade é muito superior.
Entre outras coisas, no Sermão do Monte, Jesus ensinou que
devemos ser autênticos. Fingir ser uma coisa que você não é tem
nome: hipocrisia. A hipocrisia é uma espécie de doença espiritual
universal. Jesus introduziu esse termo no vocabulário moral da
igreja. E essa palavra passou a ser usada para identificar a pessoa
que finge ser o que não é, ou aquele que representa um papel.
Em Mateus 23:13 a 36, ao falar sobre a hipocrisia, Jesus deixa
claro que Deus conhece nosso interior, esquadrinha nosso coração,
sabe das nossas intenções, conhece e prova nossos pensamentos.
Podemos enganar as pessoas, mas não Deus! Além disso, fingir
ser quem não somos dá muito trabalho.
Existe um eu público que todo mundo conhece. Passamos muito
tempo cuidando dessa imagem, sempre procurando fazer com que
ela pareça ser bem melhor do que realmente somos. Mas existe um
eu particular, que ninguém conhece. E, muitas vezes, quando as
luzes se apagam, cada um de nós tem que lidar sozinho com esse
eu privado. Isso dói.
É aí que Deus entra. Ele nos conhece por inteiro. Ainda assim, nos
aceita, nos ama e nos usa para Sua glória. Deus está mais
interessado em trabalhar em nós do que por nosso intermédio.
Algumas vezes, Deus não consegue trabalhar por meio de nós
simplesmente porque não permitimos que Ele realize Sua obra em
nossa vida.
Não seja uma falsificação. Permita que Deus trabalhe em você,
construindo um caráter autêntico e semelhante ao Dele. O mundo
conhecerá quem é Deus por meio de sua vida transformada.
Sábado 25 de janeiro
Caráter restaurado
Vocês foram ensinados […] a serem renovados no modo de pensar
e a revestir-se do novo homem, criado para ser semelhante a Deus
em justiça e em santidade provenientes da verdade. Efésios 4:22-
24

O pecado deixou marcas profundas em nosso caráter. Segundo a


Bíblia, todos os seres humanos são pecadores, incluindo eu e você
(Rm 3:23). Um cristão verdadeiro é alguém que reconhece que
estava debaixo do poder da morte eterna e que Cristo o
salvou. Essa é uma obra que Deus realiza num instante. Mas existe
um trabalho divino em nossa vida que ocorre no longo prazo: a
santificação. Nossa restauração ―à imagem de Seu Filho‖ (Rm 8:29)
leva toda uma vida.
A caminhada cristã começa com o novo nascimento. A partir
desse ponto, Deus vai transformando nosso caráter dia a dia com
bondade, verdade e amor. A bondade de Deus nos ―leva ao
arrependimento‖ (Rm 2:4). A verdade nos liberta (Jo 8:32). E o amor
de Cristo é o que nos motiva a continuar crescendo (2Co 5:14).
O novo nascimento indica que a pessoa morreu para o pecado,
que uma nova vida começa a se desenvolver. Deus é especialista
em transformar corações em um segundo, mas escolheu
desenvolver nosso caráter progressivamente. Mesmo não querendo
retornar à velha vida, quem foi transformado por Jesus vai lutar
contra suas tendências pecaminosas até a glorificação. Além disso,
existem características arraigadas e hábitos cultivados que são
praticados de forma mecânica. Por isso, muitas vezes tropeçamos
na caminhada cristã. Crescer leva tempo e exige perseverança.
Deus deseja que cresçamos ―à imagem de seu Filho‖. E a mais
linda verdade para esse dia é que a graça divina restaura nosso
caráter (Ef 4:20-24). Ellen White aconselha: ―Ninguém diga: não
posso remediar meus defeitos de caráter‖ (Mente Caráter e
Personalidade, v. 2, p. 549).
Quando aceitamos Cristo, somos revestidos ―do novo homem‖ (Ef
4:24). O que isso significa? Paulo usa essa metáfora para descrever
uma mudança de atitude que ocorre em nossa mente. Esse
processo acontece quando passamos tempo com Jesus,
meditando em Sua Palavra. Ao contemplá-Lo diariamente, somos
transformados (2Co 3:18). Não se esqueça: ―A transformação do
caráter é o testemunho para o mundo de que Cristo habita no ser‖
(Mente Caráter e Personalidade, v. 2, p. 549).
26 de janeiro Domingo
Sabedoria
Deus deu a Salomão sabedoria, discernimento extraordinário e uma
abrangência de conhecimento tão imensurável quanto a areia do
mar. […] Ele era mais sábio do que qualquer outro homem. 1 Reis
4:29, 31

Se o Deus do Universo lhe dissesse para pedir qualquer coisa,


qual seria seu desejo? Diante de uma proposta dessa, é essencial
ter a certeza de que você solicitou o que há de mais importante na
vida.
Salomão pediu sabedoria. Deus Se agradou disso e deu ao rei
muito mais do que isso. A sabedoria é uma virtude que sempre vem
acompanhada de outras bênçãos.
Todos nós precisamos de sabedoria. Nossa oração deve ser: ―Pai,
eu não sei o que fazer, mas Tu sabes. Dá-me da Tua sabedoria para
eu agir como Tu queres!‖ A sabedoria divina é necessária para
sermos bons filhos, amigos leais, estudantes aplicados e para
sermos usados por Deus.
Por ter pedido a coisa certa, Salomão se tornou o rei mais sábio,
mais rico e mais poderoso de sua época. Sua estreia no universo
da sabedoria se deu na resolução de um conflito entre duas mães
(1Rs 3:16-28).
Um dos maiores legados de Salomão foi o livro de Provérbios.
Nessa obra, o rei exalta a sabedoria e apresenta o caminho para a
felicidade verdadeira. Em Provérbios, Deus instrui Seus filhos no
caminho da sabedoria e nos presenteia com conselhos preciosos
para nossa vida diária. Ellen White o chama de ―um tesouro de
sabedoria prática‖ (Educação, p. 135). E é isso que ele é: um
tesouro valioso que atrai outros tesouros.
Quero convidar você para se matricular hoje na escola da
sabedoria. Faça de Provérbios seu livro de cabeceira. Estude-o
sempre. Destaque em sua Bíblia todo conselho precioso que
encontrar. Memorize seus versos. Esse é um livro fascinante, no
qual podemos encontrar a sabedoria de Deus resumida em frases
poderosas. Leia-o!
Como fez com Salomão, hoje Deus também lhe pergunta qual é o
seu desejo. Se a resposta for sabedoria, saiba que Ele já atendeu
seu pedido. É só estudar e praticar os ensinos do livro de
Provérbios.
Segunda 27 de janeiro
Buscar a sabedoria
Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a
todos dá livremente, […] e lhe será concedida. Peça-a, porém, com
fé […], pois aquele que duvida é semelhante à onda do mar, levada
e agitada pelo vento. Tiago 1:S, 6

Vivemos na era da informação. Por meio de estações de rádio,


canais de TV via satélite e a cabo, internet, somos bombardeados
com mais dados do que temos condições de processar. Um
número infinito de dados está disponível ao alcance de um clique.
Contudo, isso não pode ser confundido com sabedoria. Ela não
pode ser encontrada assim, tão facilmente.
Para muita gente, sabedoria é sinônimo de conhecimento, que
pode ser adquirido por meio de livros, mídia e sites de busca. Mas
conhecimento é apenas informação analisada e processada.
Sabedoria é mais do que isso: é a aplicação prática do
conhecimento em harmonia com a vontade de Deus.
De acordo com Provérbios 2:5, sabedoria é achar ―o
conhecimento de Deus‖. A maior descoberta da vida é a certeza de
que Deus é a pessoa mais importante para nós.
Os primeiros nove capítulos de Provérbios apresentam a
mensagem central do livro, que pode ser resumida na frase: a
sabedoria é mais preciosa do que prata e ouro. Imagine que
alguém lhe diga: ―Vou dar tudo o que você quiser. Quer que eu
pague suas contas? Passe-me seus dados bancários. Quer um
carro novo? Escolha a marca. Quer uma nova casa? Escolha o
lugar. A outra opção é a sabedoria. O que você escolhe?‖
Um jovem que teme ao Senhor escolheria a sabedoria. Mesmo
aqueles que acreditam que seu conhecimento seja fruto da própria
capacidade só são o que são por causa de Deus (Is 28:29). O
Espírito de Deus ―dá sabedoria e entendimento, [é] o Espírito que
traz conselho e poder, o Espírito que dá conhecimento e temor do
SENHOR‖ (Is 11:2). Não se engane: a verdadeira sabedoria é dom de
Deus. É preciso buscá-la. É necessário investir tempo nisso.
Quanto mais profundamente sentimos nossa necessidade e
buscamos ao Senhor com coração sincero, mais amplamente Ele
nos concederá Sua bênção. Ore para ter sabedoria. Ela é o bem
mais precioso que você pode ter. Quando a encontrar, você terá um
tesouro para toda a vida.
28 de janeiro Terça
Sábio x tolo
O coração do sábio o inclina para o bem, mas o coração do tolo,
para o mal. Mesmo quando anda pelo caminho, o tolo age sem o
mínimo bom senso, e mostra a todos que não passa de tolo.
Eclesiastes 10:2, 3

O livro de Provérbios ensina que o oposto de sabedoria é tolice.


Em quase todos os capítulos, percebe-se um cabo de guerra
travado entre o sábio e o tolo. Façam suas apostas: Quem vence
esse duelo?
Em geral, usamos a palavra ―tolo‖ para um indivíduo de pouca
inteligência. Na Bíblia, porém, o tolo não é um idiota.
Independentemente da capacidade cognitiva, trata-se de alguém
que ignora a sabedoria divina.
Sabedoria é conhecer a Deus e fazer o que Ele pede. Tolice é
fugir de Deus e fazer apenas a própria vontade. A pessoa sábia
anda na direção de Deus. O tolo segue o próprio caminho. O
―inteligente‖ que deixa Deus fora de seus planos acaba guiado por
uma tolice disfarçada de entendimento.
O tolo não se acha tolo, e o sábio nunca se acha sábio. Mas,
quando alguém é tolo, todo mundo sabe, menos ele. O tolo não
pensa nas consequências; age por impulso. Em Eclesiastes 10:1,
Salomão diz que o tolo é como uma mosca no perfume, uma laranja
podre no cesto, ou seja, sempre contamina o ambiente. O tolo não
aprende com os próprios erros. Ele faz parte do time de
fracassados, que inclui o briguento e o preguiçoso. Salomão tinha
tolerância zero com essa gente.
A Bíblia chama as atitudes do tolo de insensatez. Essa
característica se relaciona com falta de bom senso, de visão. O
insensato falha em perceber o impacto das consequências de seus
atos. Isso também é chamado de estupidez ou tolice. E a Bíblia
adverte que o caminho do tolo é uma espiral descendente. A
insensatez sempre gera mais insensatez.
Hoje a sabedoria e a tolice fazem o mesmo convite: ―Venha para o
meu lado!‖ A sabedoria oferece vida; a tolice, morte. A escolha é
sua!
Quarta 29 de janeiro
O caminho da sabedoria
Meu filho, se você aceitar as Minhas palavras e guardar no coração
os Meus mandamentos… Provérbios 2:1

Como podemos obter a sabedoria? Em Provérbios 2, Salomão


torna a sabedoria uma figura paterna que recomenda obediência
ao filho. Se você ler Provérbios 2, notará a estrutura ―se… então‖
em todo o capítulo. ―Se fizer isto, então será sábio.‖ Além da
sabedoria, muitas outras bênçãos são prometidas. Todas
penduradas nas duas letrinhas da palavra ―se‖.
O texto aponta três maneiras para obtermos a sabedoria. A
primeira delas consiste em guardar os mandamentos (v. 1). A
segunda se resume em dar ouvidos à sabedoria (v. 2), e a terceira,
em clamar por entendimento (v. 3). Por uma questão didática,
vamos analisá-las uma a uma.
Na frase ―se você guardar os mandamentos‖, a palavra
―mandamentos‖ não se refere especificamente ao Decálogo, mas a
toda revelação de Deus em Sua Palavra. A Bíblia fechada é um livro
como outro qualquer. Mas, quando lida, é a Palavra de Deus. Ela é
viva! Quando você a lê, pode ouvir Deus falar.
Em 2 Timóteo 3:15, está escrito que ela pode nos tornar ―sábio[s]
para a salvação‖. Isso é muito mais do que um manual de
comportamento. A Bíblia não diz quem você deve namorar, que
profissão seguir, que curso de graduação fazer, etc. Deus não fica
determinando cada passo que você deve tomar na vida. O Senhor
quer que O conheçamos intimamente, por meio de Sua Palavra.
Quando passa tempo com a Bíblia, você se aproxima da mente
divina, e isso lhe permite enxergar a vida da perspectiva de Deus.
Como resultado, você passa a amar o que Ele ama e a odiar o que
Ele odeia.
Com nossa mentalidade pragmática, às vezes pensamos que
seria mais fácil se Deus emitisse opinião explícita sobre todos os
assuntos da vida. Mas Ele não faz isso. Sua vontade é que
exercitemos o livre-arbítrio em contato com os princípios
norteadores de Seu Palavra.
Deus concede os tesouros de Sua sabedoria para aquele que
―nessa Lei medita dia e noite‖ (Sl 1:2). O jovem sábio guarda os
ensinamentos divinos na mente. Ama ouvir a vontade de Deus e
guarda no coração o que a Bíblia diz. A sabedoria está disponível
hoje. Adquira-a de graça nas páginas sagradas das Escrituras.
30 de janeiro Quinta
Dar ouvidos à sabedoria
Se der ouvidos à sabedoria e inclinar o coração para o
discernimento… Provérbios 2:2

O velho ditado diz que ―se conselho fosse bom, não se dava, se
vendia‖. Mas, em geral, essa é a desculpa de quem não quer ouvir.
A pessoa que não aceita um bom conselho pode ser classificada
como tola. Nem todo conselho é bom. Depende de onde está
partindo. Se queremos tomar decisões sábias, precisamos buscar
conselho de pessoas sábias. Quando estamos diante de uma
situação sobre a qual a Bíblia não fala, devemos buscar o conselho
de pessoas que amam a Deus.
Salomão diz que deveríamos ―inclinar o coração para o
discernimento‖. Isso significa que precisamos desenvolver a
capacidade de aprender. Tomo decisões melhores quando ouço
outras pessoas mais sábias do que eu. Aprendi que, ao tomar uma
decisão importante, a melhor coisa a fazer é ouvir minha esposa
antes. Sofri muito algumas vezes porque não perguntei a opinião
dela.
Tenho alguns amigos que causaram um grande impacto em
minha vida e se tornaram referência em minha caminhada. Sem
poder consultá-los para alguma decisão, pensava: ―O que fulano
faria agora?‖ A sabedoria nos leva a bons amigos, que podem ser a
voz de Deus em nossa jornada.
Penso que uma das formas de Deus responder a nosso pedido
por sabedoria é: ―Faça um amigo. Converse com alguém. Foi por
isso também que Eu salvei tanta gente, para que você ande com os
outros, aprendendo uns com os outros. Peça um conselho e você
ouvirá Minha voz.‖ Espero que você se beneficie da opinião de
seus amigos tanto quanto eu.
Mais uma coisa extremamente importante: conselho dos pais é
aviso de Deus! Na maior parte das vezes, nossos pais já
percorreram o mesmo caminho e, por isso, podem nos dizer qual é
a melhor escolha. Não deixe de ouvi-los.
Sintonize sua frequência com o Céu e permita que a voz da
sabedoria fale alto em seu coração. Agindo assim, tenha certeza de
que tomará as melhores decisões.
Sexta 31 de janeiro
Clame por sabedoria
Se clamar por entendimento e por discernimento gritar bem alto…
Provérbios 2:3

Não se esqueça de que há três coisas que nos tornam sábios:


aplicar os ensinos da Bíblia, buscar conselhos sábios e, finalmente,
clamar ao Senhor. Hoje vamos falar sobre o terceiro ponto. Quem
deseja um coração sábio precisa orar. Mas lembre-se: em Sua
resposta, Deus não vai dizer exatamente o que devemos fazer. Por
que precisamos orar então? É simples: Ele pode mostrar muitas
coisas que não estamos vendo antes de orar.
Quantas vezes nos encontramos num impasse, sem saber se
vamos seguir por este ou aquele caminho, e, quando oramos, de
repente, uma luz se acende! Você deve orar para que Deus o
ilumine. Se precisa de sabedoria, peça, porque Deus disse que
você pode pedir (Tg 1:5, 6). Ore quando você não souber o que
fazer e creia que receberá sabedoria da parte Dele.
Se desenvolvermos o hábito de pedir sempre por sabedoria,
quando a necessidade chegar, estaremos mais preparados. Afinal,
a sabedoria nos capacita no uso de nossas habilidades e direciona
nossos pensamentos na aplicação do que sabemos. Quem ora por
sabedoria sempre se surpreende com a iluminação do Céu que fica
disponível na hora da tomada de decisões.
Além disso, quando oramos por sabedoria, nos tornamos um
ponto de distribuição dela para os outros. A orientação de Deus nos
ajuda a saber o momento certo de falar e de calar. Assim nos
tornamos canais de bênção para quem está à nossa volta.
Vou dizer algo radical sobre a oração por sabedoria: não
espiritualize demais suas decisões. Se você já orou com
sinceridade e tem buscado sabedoria na Bíblia, escolha o que lhe
parecer mais certo. E se você errar? Isso pode acontecer. Como
agir? Se for necessário, desculpe-se, tome uma nova decisão e
siga em frente.
Quem anda com Deus todos os dias conhece o coração Dele.
Isso ajuda a fazer a escolha certa. Compare sua agenda com a
divina. Se não houver conflito entre elas, a decisão é sua. Quando
você aprende a viver no centro da vontade de Deus, qualquer
decisão na vida tem a bênção do Céu.
Fevereiro
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

2 3 4 5 6 7 8

9 10 11 12 13 14 15

16 17 18 19 20 21 22

23 24 25 26 27 28 29
1º de fevereiro Sábado
A sabedoria de Deus
Mas a sabedoria que vem do alto é antes de tudo pura; depois,
pacífica, amável, compreensiva, cheia de misericórdia e de bons
frutos, imparcial e sincera. Tiago 3:17

Qual é o segredo de uma vida cheia de sabedoria? De acordo


com as Escrituras, a vida do sábio apresenta ―bons frutos‖. O sabor
da sabedoria só pode ser provado nas atitudes do dia a dia. Nesse
sentido, pode ser feita a distinção entre a verdadeira sabedoria e
aquela que se pauta não em boas escolhas, mas apenas em
conhecimento (Mt 11:25; 1Co 1:20).
Em Sua infinita sabedoria, Deus às vezes escolhe os candidatos
menos prováveis. A sabedoria dos ―sábios e entendidos‖ produziu
avanços científicos extraordinários, mas, infelizmente, deixou Deus
de fora. Por um lado, seus feitos são notáveis; por outro, as
escolhas de muitos nesse campo demonstram insensatez. Alguns
―sábios e entendidos‖ excluem Deus de seus projetos e conquistas.
Eles não têm consciência de que sua inteligência é patrocinada e
sustentada pelo Eterno.
―Quem pensa conhecer alguma coisa, ainda não conhece como
deveria‖ (1Co 8:2). É evidente que existe um abismo entre a
sabedoria humana e o aprendizado das coisas de Deus. Os
evangelhos estão cheios de exemplos de pessoas incultas que
reconheceram Jesus como o Messias, enquanto a maior parte dos
doutores da lei não conseguiam perceber isso.
A simplicidade de Deus em Se revelar aos humildes ofusca a
visão dos sábios do mundo. ―Onde está o sábio? Onde está o
erudito? Onde está o questionador desta era? Acaso não tornou
Deus louca a sabedoria deste mundo?‖ (1Co 1:20).
Não deixe de buscar ―a sabedoria que vem do alto‖. Faça da
Bíblia, dos escritos inspirados de Ellen White e dos materiais que a
igreja publica sua fonte primária de conhecimento prático para a
vida.
Domingo 2 de fevereiro
Identidade
Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para
fazermos boas obras, as quais Deus preparou antes para nós as
praticarmos. Efésios 2:10

Vivemos esquecendo quem somos e tentando preencher esse


vazio com qualquer coisa que prometa alívio imediato. Se não
sabemos quem somos, também não conhecemos nosso real
significado. Isso resulta na falta de prazer no que fazemos. Assim
passamos a fixar nossa identidade no que os outros dizem a nosso
respeito.
―O que tem de errado comigo?‖ Essa é a dúvida que atormenta
diariamente quem não conhece sua verdadeira identidade. ―Quem
sou eu?‖ ―Qual é o meu valor?‖ ―O que devo fazer na vida?‖ Essas
são perguntas cruciais para a definição de nossa identidade. Sem
respostas claras para essas questões, tomamos um punhado de
decisões erradas. Somos levados a procurar por amor e afirmação
nos lugares errados.
A revista Time classificou o tempo em que vivemos como cultura
envergonhada. Somos pressionados a compartilhar na esfera
pública o que, em essência, pertence ao íntimo e privado. É quase
como se não tivéssemos liberdade para agir diferentemente disso.
Em qualquer portal popular de notícias e entretenimento, estamos
sempre sendo lembrados de nossa inadequação física em relação
aos padrões fabricados e cada vez mais artificiais. Nas redes
sociais, o império das celebridades e o excesso de exposição
pessoal nos estimula a atingir ideais desnecessários de fama,
beleza e coisas do tipo. Essa pressão altamente desconfortável de
nosso tempo fragmenta a identidade pessoal, distorcendo nossa
percepção da realidade e das verdadeiras necessidades da vida.
Para início de conversa, não somos o que os outros querem, mas
o que Jesus quer. Você não é o que faz, mas o que Jesus já fez. O
que você faz não determina quem você é; quem você é determina
o que você faz. É importante saber disso antes de qualquer coisa
na vida.
Não permita que um momento defina sua vida inteira; Jesus é
quem define sua existência. Em alinhamento com a Palavra de
Deus, você tem que substituir a mentira pela verdade. Você pode
escolher em quem vai acreditar. Creia nas Escrituras, que dizem
sobre nós: ―somos criação de Deus.‖ Essa é sua verdadeira
identidade.
3 de fevereiro Segunda
Sua identidade
O homem e sua mulher viviam nus, e não sentiam vergonha.
Gênesis 2:2S

A Bíblia diz que Adão e Eva estavam nus antes da queda e não
conheciam a vergonha. Não fomos criados para ter esse
sentimento. Ao contrário, Deus nos fez puros e sem culpa.
A questão da identidade depende de como nos vemos e lidamos
com o corpo e a sexualidade. A consciência da sexualidade é um
aspecto muito importante na formação da identidade. A nossa luta
é aceitar nossas características físicas, como altura, peso e massa
muscular.
Alguns vivem presos a um estereótipo imposto pela mídia: sentem
vergonha do formato do nariz, da cor do cabelo ou tamanho do pé,
o que gera necessidades compensatórias (ansiedade com a
aparência, por exemplo). Alguns não conseguem colocar em
palavras as suas emoções e acabam fazendo do corpo o campo
de suas experiências.
A Bíblia diz que nós fomos criados à imagem divina. A palavra
grega para imagem é eikon, da qual também vem a palavra ―ícone‖.
Você é um reflexo, uma espécie de ícone do Criador, moldado à
imagem Dele.
Se você fosse o inimigo e quisesse atingir a imagem de Deus, o
que faria? O diabo não quer que você se lembre de sua origem. Ele
deseja separar você de Deus, levando-o a construir uma identidade
diferente daquela que o Pai lhe concedeu. O desejo do inimigo é
nos tirar do centro da vontade de Deus com o objetivo de gerar em
nós vergonha, culpa e condenação.
O inimigo só tem um plano: matar, roubar e destruir. Ele está
fazendo isso agora. Ele tenta destruir a imagem de Deus na
humanidade ao fragmentar nossa identidade gradualmente. Ele
procura fazer com que adolescentes e adultos mutilem os próprios
corpos, tentem o suicídio ou se entreguem à prostituição.
Para que essa situação seja revertida, a coisa mais importante a
fazer é reconhecer nossa importância no processo criativo de
Deus. Agostinho de Hipona disse certa vez: ―Não podemos ter
vergonha de falar daquilo que Deus não teve vergonha de criar!‖
Você foi criado por Deus. Lembre-se sempre disso e não permita
que nada nem ninguém deprecie sua identidade.
Terça 4 de fevereiro
Um grande preço
Quando contemplo os Teus céus, obra dos Teus dedos, a lua e as
estrelas que ali firmaste, pergunto: Que é o homem, para que com
ele Te importes? E o filho do homem, para que com ele Te
preocupes? Salmo 8:3, 4

O inimigo se disfarça de muitas maneiras. Com frequência, a


tentação vem escondida atrás de uma necessidade de comprovar
nosso valor. Nosso maior oponente é o coração enganoso que
carregamos. Por isso, só conseguimos ver a nós mesmos como
somos quando nos vemos através dos olhos do Eterno. Apenas em
Deus podemos encontrar nossa verdadeira identidade e nosso
valor como pessoas. O inimigo quer nos levar a duvidar do que
Deus diz, mas a revelação divina é que nos define.
O falecido escritor Ron Mehl dizia que a soma dos elementos que
existem no corpo humano não vale muito. Segundo ele, nosso
organismo tem uma quantidade de cal suficiente para pintar uma
gaiola, potássio para acender um isqueiro, enxofre para tirar pulgas
de um cachorro, gordura para produzir uma barra de sabão, fósforo
para fazer três palitos, ferro para compor um prego e gás para
encher uma bexiga. Além desses elementos, temos água no corpo
em maior quantidade. Se somássemos o valor de tudo isso,
descobriríamos que não valeríamos mais do que uma lata de
refrigerante. É esse mesmo o nosso valor?
Não são as substâncias de nosso corpo, aparência física,
inteligência e desempenho profissional que determinam o quanto
valemos. Nossa vida vale a pena por causa de Deus! O fato de
pertencermos a Ele, por criação e redenção, produz um sentimento
de valor e significância incomparáveis. Você foi criado pelo Autor
da vida! Sabe o que isso significa? Se não fosse suficiente, você foi
redimido pelo próprio Filho de Deus, que pagou um preço
inigualável por sua redenção. Isso não lhe parece incrível?
No grande coro do Universo, Deus reconhece sua voz. O salmista
nos estimula a contemplar o céu para colocarmos nossa vida na
perspectiva correta. Quando temos uma completa visão da
grandeza de Deus, compreendemos o que Ele quer que sejamos.
Lembre-se hoje de que o Criador de bilhões e bilhões de mundos e
estrelas conhece você, sabe seu nome e, mais do que isso: Ele
ama você muito além do que possa imaginar.
5 de fevereiro Quarta
Crise de identidade
Deus sabe que, no dia em que dele comerem, seus olhos se
abrirão, e vocês, como Deus, serão conhecedores do bem e do
mal. Gênesis 3:S

O inimigo chegou ao jardim e usou a serpente para falar com Eva.


Ele pensou: ―Para destruir o primeiro casal humano, preciso criar
uma situação que produza vergonha para eles.‖ Então, ele levou
nossos primeiros pais a questionar a autoridade das palavras de
Deus. Isso gerou uma crise de identidade em Adão e Eva. A
mentira da serpente para eles foi mais ou menos assim: ―Deus está
escondendo o jogo. Vocês podem ser melhores do que são.‖
A serpente tentou diminuir o caráter de Deus. Essa estratégia
continua ecoando em nossa geração. O inimigo não mudou. Ao
levar as pessoas a duvidar da bondade e do caráter divino,
Satanás tem a intenção de apresentar caminhos alternativos de
felicidade, que, em realidade, conduzem à perdição.
Atalhos como sexualidade deturpada e vícios em geral são cantos
da serpente e servem para levar as pessoas à dúvida sobre o plano
amoroso de Deus.
Se você entende que é um filho de Deus, não procurará o sentido
da vida em lugares errados. Seu comportamento refletirá sua
identidade. Filhos de Deus agem como tais. São felizes em
obedecer às ordens do Pai e não vivem ansiosos e desesperados,
buscando o significado da existência nos caminhos tortuosos do
pecado. Eles já encontraram isso no fato de serem filhos de Deus.
O senso de identidade muda o modo como enxergamos a nós
mesmos e os outros. Isso acontece porque nosso relacionamento
com Jesus completa todas as lacunas de nossa existência. Ao
resolver sua crise de identidade, o ser humano acaba
desenvolvendo a virtude da fidelidade. Quem entende que é filho
de Deus está sempre disposto a ser fiel!
O mundo está para ver aquilo que Deus quer fazer por seu
intermédio. Se você crer!
Quinta 6 de fevereiro
Sua identidade em Cristo
E ele respondeu: “Ouvi Teus passos no jardim e fiquei com medo,
porque estava nu; por isso me escondi.” Gênesis 3:10

O Senhor entrou no jardim, e a primeira pergunta que fez a Adão


foi: ―Onde está você?‖ Deus está repetindo essa pergunta para
nossa geração: ―Onde você está? Por que está escondido? Por que
está correndo de Mim?‖
A resposta de Adão foi: ―Nós estávamos nus e com medo e nos
escondemos.‖ Até hoje existe isso. Não queremos que ninguém
veja nossa nudez espiritual. Então procuramos nos esconder no
trabalho excessivo, nas conquistas, nos vícios e até nas atividades
da igreja. Sei lá. Acho que existem figueiras para cada frustração
do ser humano. Temos medo de que nos vejam com realmente
somos.
―Adão, onde você está? Por que você está se escondendo?‖ A
pergunta de Deus não era um pedido de informação. Deus estava
oferecendo para Seu filho a oportunidade de sair do esconderijo.
―Fiquei com medo […] por isso me escondi.‖ Essa é a primeira
vez que a palavra medo é usada na Bíblia. Não existia medo antes
do pecado.
―Quem disse que você estava nu? Você comeu do fruto que
proibi?‖ Era a hora de Adão assumir sua responsabilidade. Mas ele
culpa a mulher, que por sua vez culpa a serpente. Eles se
escondem.
Com o passar do tempo, nos tornamos especialistas nessa
brincadeira de esconde-esconde. Como não dá para se esconder
de Deus, a humanidade tem buscado medidas imorais, infelizes e
perigosas. Nesses esconderijos sujos e escuros, muitos tentam
encontrar o sentido da existência. E se frustram.
Acredito num Deus que dá sentido à nossa vida. Nome, profissão
e local de origem ajudam na construção da identidade, porém é a
experiência da pessoa com seu Deus que determina a plenitude da
vida. Jesus é o real sentido de tudo. Na cruz, todas as máscaras
são removidas. A cruz é o único lugar seguro para
compreendermos quem realmente somos e porque fazemos as
coisas da forma que fazemos.
Quando descobrimos a alegria de ter nossa identidade em Cristo,
essa passa a ser a chave para a nossa razão de viver. E a vida se
torna uma feliz aventura a cada dia. Espero que isso tenha
provocado em você hoje o desejo de ser como Cristo.
7 de fevereiro Sexta
A fonte de nossa identidade
Melhor é ter um punhado com tranquilidade do que dois punhados
à custa de muito esforço e de correr atrás do vento. Eclesiastes 4:6

Existe uma fome de significado em nosso coração. Cada dia nos


deparamos com serpentes penduradas em árvores em nosso
caminho. Por motivos diversos, como Adão e Eva fizeram, tentamos
nos esconder usando míseras folhas de figueira.
Muitos de nós associam a identidade à ocupação profissional.
Esperam que a profissão faça mais do que ela realmente pode.
Querem que ela confira senso de valor, dignidade, significado e
propósito. Seja sincero: Que trabalho produziria esses efeitos?
Em geral, para começar uma conversa com alguém que
acabamos de conhecer, dizemos nosso nome, de onde somos e o
que fazemos para viver. A primeira pergunta feita pelos que
realmente desejam se conhecer é: ―O que você faz?‖ Ninguém
responde: ―Eu durmo bastante!‖ Mesmo que isso seja verdade,
afinal passamos cerca de um terço da vida dormindo. Obviamente,
com uma pergunta assim, o que se quer saber é a vocação da
pessoa. Isso porque, inconscientemente, confundimos identidade e
função.
É verdade que nossa atividade profissional evidencia nossas
habilidades, nossos talentos, dons, paixões e experiências de vida.
Mas isso não define quem somos. Pense: Se você é o que faz,
quem você será quando se aposentar?
Quando encontramos Jesus, tudo muda. Nossa busca por
significado termina. As modernas serpentes, com toda ciência e
tecnologia, podem tentar dizer que você é um tolo, mas por meio
da obra completa de Jesus Cristo, somos transformados em novas
criaturas, com valor e dignidade eternos.
Se em algum momento você for levado a duvidar do amor do Pai,
lembre-se: o que Deus pensa e diz sobre você é o que vai
determinar sua identidade e vocação. Quer saber quem é você de
fato? Pergunte a Deus. A resposta vai mudar sua vida.
Sábado 8 de fevereiro
Uma longa busca
Contudo, a graça de nosso Senhor transbordou sobre mim, com a
fé e o amor que estão em Cristo Jesus. 1 Timóteo 1:14

O que torna a juventude o período mais difícil de nossa vida é a


busca de significado. Cada pessoa precisa se reconhecer com
alguém único e especial. Precisamos uns dos outros para sermos
nós mesmos. Essa é uma necessidade elementar de todo ser
humano.
Com a queda de nossos primeiros pais, foi ativada uma reação
em cadeia que gerou dúvida de personalidade e criou em cada um
de nós uma cobrança permanente por aceitação. O pecado de
Adão e Eva foi tão crítico que atingiu o coração de nossa condição
humana. Eles duvidaram do amor de Deus, e nós também
duvidamos. Apenas Deus pode realmente curar as dúvidas
pessoais que nos assolam. ―Vejam como é grande o amor que o Pai
nos concedeu: sermos chamados filhos de Deus, o que de fato
somos!‖ (1Jo 3:1). Temos valor porque Deus nos valoriza.
Contudo, ninguém se sentirá completo a menos que se sinta
amado e aceito pelos pais. Você não é ninguém até que alguém o
ame. Não são todas as crianças que recebem essa confirmação.
Por que muitas vezes um filho não é aceito ou querido? Isso pode
acontecer por uma série de diferentes razões. Em geral, os
resultados são semelhantes: famílias problemáticas geram pessoas
infelizes, na maior parte das vezes. Então entra em ação a graça de
Deus! Chega uma hora em que é preciso acreditar no amor
restaurador de Jesus Cristo. Por que acredito nisso? Porque foi o
que Jesus fez em minha vida. Eu realmente encontrei Nele todo o
significado para viver.
O diabo vai tentar encher sua mente com medo e dúvidas. Mas
olhe à sua volta e poderá ver Jesus trabalhando hoje e libertando
pessoas. Pense da seguinte maneira: O que Ele fez por mim é
maior do que as pessoas fizeram comigo.
Quando chega ao jardim de nossa vida, Ele pergunta: ―Quem
disse que você não merece nada?‖ Uma pessoa que não acredita
no que Deus fala vai acreditar em alguma mentira do diabo. Quem
não está escutando Deus provavelmente esteja ouvindo a mentira
de alguém. Em Cristo, você pode encontrar pleno sentido para a
vida. Ouça a voz Dele, acredite em Suas palavras de amor e
desconsidere as sugestões mentirosas do inimigo e de seus
agentes.
9 de fevereiro Domingo
Propósito
Mas os planos do SENHOR permanecem para sempre, os propósitos
do Seu coração, por todas as gerações. Salmo 33:11

Em todo o tempo e lugar, as pessoas têm se inquietado com as


perguntas: ―Qual é o propósito da vida?‖ ―Por que estou aqui?‖
―Isso é tudo?‖ Esses questionamentos nos ajudam e conferem
senso de direção na existência. Entretanto, algumas respostas nem
sempre tocam as questões mais profundas da vida.
O que acontece quando você acha que alcançou o topo aos
olhos do mundo? Em primeiro lugar, você descobre que o topo é
inatingível; e que se não fosse, não poderia ser mantido; e se
pudesse, na maioria das vezes, não valeria a pena mantê-lo.
O famoso conselheiro cristão James Dobson conta que, ao
chegar ao campus universitário no qual faria seu curso superior,
deparou-se com o troféu de tênis dos campeões acadêmicos. Ele
decidiu que gravaria seu nome naquele grande troféu. E, de fato,
teve seu nome gravado duas vezes nele. Quinze anos depois que
iniciou sua vida profissional, um amigo encontrou atrás do prédio
administrativo, num monte de entulho, o troféu onde seu nome
aparecia. Esse amigo pegou o troféu, levou para casa, limpou-o, e
o enviou para ele. Sobre aquela conquista, o Dr. Dobson disse: ―Se
a vida for generosa com você, lembre-se de que todos os seus
troféus serão jogados na lata de lixo um dia.‖
Os maiores triunfos perdem o brilho com o tempo. É assim que a
vida funciona. Seu sucesso será apagado das memórias. Isso não
significa que você não deva tentar alcançar o sucesso, mas tem
que aprender a se perguntar por que isso é importante para você:
―Meus troféus são para mim ou para Deus?‖
De certo modo, existem duas formas de você descobrir seu
propósito de vida: a especulação e a revelação. A especulação é
quando você passa sua vida seguindo um palpite. É uma tentativa
de subir os degraus da escada e descobrir, ao final, que a escada
estava na parede errada. A outra forma de saber seu propósito é
a revelação. Ninguém melhor do que Deus, nosso Criador, para nos
dizer o que Ele planejou para nossa vida. Ouça o que Ele tem a lhe
dizer, e sua vida se encherá de felicidade e propósito.
Segunda 10 de fevereiro
O propósito da vida
E você, meu filho Salomão, reconheça o Deus de seu pai, e sirva-O
de todo o coração e espontaneamente, pois o SENHOR sonda todos
os corações e conhece a motivação dos pensamentos. Se você O
buscar, O encontrará. 1 Crônicas 28:9

O rei Davi sabia que estava morrendo. Por isso, mandou chamar
seus oficiais, líderes militares e conselheiros para ouvirem suas
últimas palavras. Ali estava também Salomão, que Deus havia
designado como seu sucessor. Naquela ocasião, ocorreu uma
conversa comovente entre o rei e seu filho. O conselho de Davi a
Salomão foi de grande importância para o jovem, mas também para
nós hoje. Essas palavras colocam a questão do propósito da vida
numa perspectiva correta.
O verso de hoje concentra a sabedoria acumulada do grande rei.
O primeiro conselho de Davi ao filho foi: conheça a Deus. Ele não
disse que Salomão deveria conhecer algo sobre Deus. Saber fatos
sobre uma pessoa não significa necessariamente conhecê-la de
verdade. Davi queria que Salomão tivesse um relacionamento
pessoal com Deus.
É assim que se descobre o sentido da vida. Você deve começar
com Deus, Seu Criador. Ele criou você para conhecê-Lo, amá-Lo e
servi-Lo. É somente em Deus que descobrimos nossa origem,
identidade e nosso propósito. Se agir desse modo, você O achará.
Ele o guiará. Ele o abençoará.
Essa promessa é maravilhosa, mas é condicional. Se você virar as
costas para o Senhor, o prejuízo será seu. O jovem príncipe ouviu
os conselhos de seu pai naquele dia e se tornou o mais fascinante
rei da história do mundo.
Os conselhos dados por Davi a seu filho não foram importantes
somente para uma determinada época. Eles são absolutamente
atuais e devem ser compreendidos como uma bússola para nossa
vida. O primeiro sentido da existência é conhecer a Deus. Não
apenas saber informações sobre Ele, mas conhecê-Lo. A questão
agora é: Você conhece a Deus?
Assim como Salomão tinha uma missão especial, nós também
temos a nossa. Pergunte a Deus o que Ele espera de você; depois,
dedique o coração a cumprir os planos Dele para sua vida. Tenha
certeza de que um futuro brilhante o aguardará!
11 de fevereiro Terça
Propósito e significado
Todas as coisas foram criadas por Ele e para Ele. Colossenses 1:16

Alguém disse que gostaria que fossem gravadas em sua lápide


as palavras: ―Ele fez a diferença.‖ Temos em nós uma necessidade
de ser relevantes. Quer falemos a respeito quer não, por trás de
cada sonho, desejo ou plano, encontraremos a busca de
significado.
―Quero fazer a diferença.‖
―Quero que a minha vida tenha significado.‖
―Quero ser alguém.‖
―Quero fazer algo importante com a minha vida.‖
Na corrida desenfreada da existência, as pessoas se dividem em
dois grupos: as que buscam significado de maneiras apropriadas e
as que fazem isso de modo impróprio. E para definir em qual grupo
estaremos é fundamental entender o porquê da vida.
A sociedade em que vivemos rejeita o fato de o propósito da vida
estar diretamente associado à origem divina do ser humano. O
homem é a máxima expressão do gênio criador de Deus. O Eterno
pensava em você, antes mesmo de você nascer. Ele sabia a
direção que sua vida tomaria. Ele é sua origem e seu destino; sua
identidade e seu propósito na vida. Tudo encontra significado Nele!
Deus não somente criou o mundo e os homens. Ele também dirige
de modo soberano a vida humana tanto nos bons momentos como
nos maus. Jesus disse: ―Ele faz raiar o Seu sol sobre maus e bons e
derrama chuva sobre justos e injustos‖ (Mt 5:45). Mesmo o homem
que blasfema contra Deus só respira por causa da bondade Dele.
O ser humano precisa saber qual é a sua origem para encontrar o
propósito da vida. Não há nada mais poderoso do que saber que
temos uma origem e um destino. Não há nada tão forte e tão
arraigado na personalidade humana quanto a convicção de que
fazemos parte de um projeto idealizado na eternidade. Você é parte
do plano de Deus!
Por isso, em oração, pergunte a Deus: ―Senhor, quando pensaste
em mim, qual propósito tinhas para minha vida?‖ Você é a obra-
prima da criação. A resposta definirá sua existência na Terra.
Quarta 12 de fevereiro
Meu propósito é…
Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a Sua justiça,
e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. Mateus 6:33

Nada é mais importante do que conhecer os propósitos de Deus


para sua vida. A riqueza, o poder, o conhecimento, os prazeres,
prometem uma satisfação que não podem dar. Há algo mais sobre
o qual podemos construir nossos valores. Jesus disse o que é; está
registrado em Mateus 6:33.
Buscar o reino de Deus é valorizar o que Ele valoriza. Significa
querer que Ele governe todas as áreas de nossa vida. Todos os
interesses giram em torno desse eixo central. Tudo o que fazemos
revela que somos cidadãos do Céu.
Entendi que o propósito de minha vida está relacionado com a
salvação de jovens. Por isso faço o que faço. Compreendi que esse
seria o legado da minha existência! Tenho certeza de que, no Céu,
verei muitos jovens preparados para a eternidade também pela
influência do meu ministério. Deus me chamou para amar a
juventude e pensar de forma criativa para levá-la a ter um encontro
com Jesus. Isso me move. Quando Deus nos chama, não há força
no mundo capaz de nos impedir de fazer o que Ele quer que
façamos. Tenho experimentado isso. Esse sentimento também está
disponível para você.
Quando você descobrir o propósito de sua vida, saberá o que
fazer. Você tem tudo de que precisa para fazer tudo que Deus quer
que você faça. Com exceção de nossa vontade, nada na Terra será
capaz de impedir que a obra de Deus se realize em nossa vida.
Você pode ser engenheiro, advogado, médico, professor,
empresário ou ter qualquer outra profissão. Não importa. A
profissão é apenas o instrumento para ganhar o próprio sustento.
Não se esqueça de que vida sem propósito é vida sem sentido.
Quando não conhece o propósito de sua vida, tudo o que você
faz é experimentar. Tenta uma coisa atrás da outra, sempre na
esperança de que o próximo trabalho fará toda a diferença.
Quando Deus está no centro da vida e as promessas Dele ardem
em seu coração, tudo passa a fazer sentido. A vida encontra o
significado pleno, e a felicidade se torna realidade. Deseja que isso
ocorra com você? É só colocar Deus em primeiro lugar na vida.
13 de fevereiro Quinta
Chamado e propósito
Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles
que O amam, dos que foram chamados de acordo com o Seu
propósito. Romanos 8:28

A tarefa mais importante da vida não é o que eu faço, mas o que


sou. Deus me chamou para ser, não para fazer. Alguém disse que
somos seres humanos e não fazeres humanos.
Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que O amam
e que são chamados de acordo com Seu propósito. Criado por Ele,
você tem tudo de que precisa para fazer tudo que Deus quer que
você faça. Nada será desperdiçado. Deus usará tudo na sua vida
para cumprir a visão que tem para você. Mas antes de usar você,
Deus quer trabalhar em você.
O Eterno conhece o pleno potencial de cada um de Seus filhos.
Ele não quer um José sentado no trono de Faraó. Ele quer um José
resistente para salvar uma geração (Gn 45:5). Ele não quer um
Daniel na corte de Babilônia. Quer um Daniel com ouvidos sensíveis
para que Ele possa sussurrar os Seus segredos (Dn 2:23). Ele não
quer uma Ester no harém de um rei ímpio. Quer uma Ester
revelando a força e coragem de uma mulher que teme ao Senhor
(Et 4:16). É assim que reconhecemos o propósito de nossa
existência! Compreender nossa missão dá sentido à vida e até à
morte.
Leva tempo para Deus nos tornar o que sonhou para nós.
Contudo, tempo não é problema para Ele. É um grande privilégio
ser chamado por Deus para a execução de um trabalho em prol de
Seu reino. Porém, Deus só poderá trabalhar por seu intermédio se
você permitir que Ele trabalhe primeiro em você.
Você pode ter vocação para ser arquiteto, professor, enfermeiro e
até pregador. Porém, isso não significa que foi chamado por Deus.
O que importa não é sua habilidade, mas o uso que você faz dela.
Se você permitir ser moldado, poderá ser usado. Você é a escolha
certa de Deus!
Sexta 14 de fevereiro
Descubra o seu propósito
Pois Nele vivemos, nos movemos e existimos. Atos 17:28

Todas as pessoas, em todos os lugares, buscam respostas sobre


sua vocação. Toda criança terá que responder à pergunta: ―O que
você quer ser quando crescer?‖
O salmista Davi afirmou: ―Os Teus olhos viram o meu embrião;
todos os dias determinados para mim foram escritos no Teu livro
antes de qualquer deles existir‖ (Sl 139:16). Nesse livro mencionado
por Davi, está escrito o propósito de Deus para nossa vida. Como
saber o que Deus escreveu nesse livro? Não temos como acessá-
lo. A informação sobre os nossos dias está registrada no coração
de Deus. Quando você passa tempo em comunhão com Ele por
meio de Sua Palavra, o propósito divino para sua vida lhe é
revelado. A Palavra nos ensina, repreende, corrige e instrui (2Tm
3:16), e o Espírito Santo nos mostra qual é a vontade de Deus.
Nem todo mundo será pregador ou um cantor no púlpito. Alguns
serão bons motoristas, outros, funcionários públicos, médicos, etc.
Não importa se nosso trabalho será reconhecido ou não. O que
vale mesmo é estar no centro da vontade de Deus.
Aprenda a seguir a direção diária do Espírito Santo. Assim,
gradativamente, o propósito para o qual você nasceu vai se
revelando. Podemos dividir o propósito da vida em dois pontos:
1. O que Deus quer que sejamos;
2. O que Deus quer que façamos.
O item 1 tem que ver com o caráter; e o 2, com a conduta. Isso
vale para todos os homens. Deus tem um propósito pessoal,
singular e específico para sua vida. Você apenas precisa descobrir.
Quer entender o propósito de Deus? Minha sugestão é que você se
prostre diante do Eterno e peça a Ele que lhe revele Sua vontade.
Ore assim: ―Deus, que tipo de pessoa o Senhor quer que eu seja?
Mostre-me por que eu existo. O que o Senhor quer para a minha
vida?‖ Esteja certo de que Ele lhe mostrará o que você deve ser e
fazer.
15 de fevereiro Sábado
Propósito santificado
Muitos são os planos no coração do homem, mas o que prevalece
é o propósito do SENHOR. Provérbios 19:21

Antes de começar a fazer seus planos, consulte o Eterno. Ele tem


propósitos sob medida para você. Espero que você já tenha
entendido isto: Deus está mais interessado em quem você é do que
no que você faz. Como é maravilhoso saber que Deus não precisa
de mim, mas que, ainda assim, Ele me ama! Deus quer que você
viva para a glória Dele.
Os pontos principais dos planos do Eterno para a vida de Seus
filhos são:
1. Fomos criados e redimidos para a glória de Deus. Em Efésios
1:12, é dito que a minha vida é para ―louvor de Sua glória‖. Isso não
tem que ver com você, mas com Ele!
2. Fomos criados para ser amados por Deus! E Ele nos fez para
amá-Lo! Fomos criados à imagem de Deus. Por isso cada um de
nós recebeu a capacidade de se relacionar com Ele.
3. Fomos criados para refletir a imagem do Filho de Deus. Esse é
o plano Dele desde o começo. ―Pois aqueles que de antemão
conheceu, também os predestinou para serem conformes a
imagem de Seu Filho, a fim de que Ele seja o primogênito entre
muitos irmãos‖ (Rm 8:29). O plano de Deus sempre foi fazer de
você alguém parecido com Jesus. O pecado acabou com nosso
desejo de sermos como Deus. Então Ele mandou Jesus vir à Terra
para restaurar o que se havia perdido de tal forma que
pudéssemos ser salvos e ser como Seu Filho. Deus está muito mais
interessado em quem você é do que no que você faz.
A única coisa que eu quero na parte final de minha vida é que o
Deus do Universo diga: ―Você fez o que Eu queria!‖ Por isso,
concluo este texto com a seguinte oração em forma de verso:
―Santifica os propósitos do meu coração.‖
Domingo 16 de fevereiro

Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas
que não vemos. Hebreus 11:1

Como pastor de jovens, sou frequentemente procurado para ajudá-


los em suas inquietações. Eles me trazem suas perguntas e
dúvidas, pedem conselhos e orientações. De todas as questões
que me são apresentadas, uma das mais frequentes é esta: ―Pastor,
a minha fé está acabando. O que eu faço?‖
Em geral, pergunto a eles quanto da fé lhes resta. Alguns juntam
os dedos polegar e indicador para tornar claro que lhes resta muito
pouco, quase nada. Então lembro a eles que Jesus disse que, se
tivéssemos fé do tamanho de um grão de mostarda, seríamos
capazes de transportar montanhas. Em seguida, pergunto: ―Você
sabe qual é o tamanho de um grão de mostarda?‖ Agora é a minha
vez de juntar os dedos e mostrar quão minúscula é essa semente.
Nossa pequena e insignificante fé é tudo o que Deus precisa para
fazer uma grande obra em nossa vida.
Lembre-se de que nosso primeiro problema é ter fé. O próprio
Cristo questionou se encontraria fé quando retornasse à Terra.
Quando penso no potencial da fé, começo a achar que a minha fé
anda meio microscópica.
Onde está o problema? Primeiramente, muitos pensam na fé
como uma coisa puramente emocional, como se fosse apenas uma
sensação. Quem entende assim ora, vai à igreja, lê a Bíblia,
frequenta grupos de estudos, participa das atividades da igreja e
espera que cada uma dessas ações produza uma experiência
cada vez mais estimulante. Alguns dizem: ―Não sinto nada!‖ Quem
disse que a Bíblia deve ser lida para produzir sensações? A forma
da religião jamais substitui sua essência. Não basta praticar ritos
religiosos para ter fé.
Em Hebreus 11:1, a grande condição para se ter fé é a
capacidade de ver o invisível. Na galeria dos heróis da fé, cada
pessoa citada possui uma fé que espera e vê. A fé tanto espera
quanto vê. E esses homens e mulheres que andavam pela fé, e não
pelo que viam, devotavam-se a Deus de todo coração. Como é
possível o relacionamento com Alguém invisível? Como pode
alguém esperar por uma recompensa que está além da vida
presente?
A fé consiste em crer no que não podemos ver, seguir uma voz
que não pode ser ouvida e viver por princípios verdadeiros, ainda
que não façam sentido no mundo. Existe um mistério na fé que não
pode ser explicado pelos sentidos. Mesmo assim, eu decidi confiar.
E você?
17 de fevereiro Segunda
Tipos de fé
Os apóstolos disseram ao Senhor: “Aumenta a nossa fé!” Ele
respondeu: Se vocês tiverem fé do tamanho de uma semente de
mostarda, poderão dizer a esta amoreira: “Arranque-se e plante-se
no mar”, e ela lhes obedecerá. Lucas 17:S, 6

A fé é um elemento tão central no cristianismo que quem crê é


chamado de crente. Porém, há uma grande diferença entre crer em
Deus e ter fé Nele. Em Tiago 2:19, lemos o seguinte: ―Você crê que
existe um só Deus? Muito bem! Até mesmo os demônios creem – e
tremem!‖
As pessoas iam a Jesus em busca de ajuda porque tinham
certeza de que Ele podia lhes ajudar. Os evangelhos relatam nove
vezes em que Jesus disse para alguém: ―A sua fé o curou.‖ As
pessoas tinham confiança na bondade e compaixão de Jesus. Por
isso, O procuravam, tentavam tocar em Suas vestes, ou clamavam
por um milagre.
Há pelo menos três tipos de pessoas em relação à fé. Podemos
chamar o primeiro de ―crentes por acaso‖. São indivíduos que
acreditam em Deus, mas não se rendem totalmente a Ele. Podem
até frequentar uma igreja, mas não têm uma experiência real com o
Senhor. Embora creiam em Deus, vivem como se Ele não existisse
de fato.
O segundo tipo de fé é composto pelos ―crentes por
conveniência‖. Trata-se de pessoas que levantam a bandeira da fé
por puro interesse. O crente por conveniência está sempre falando
sobre assuntos espirituais, mas tudo não passa de fachada.
Dizemos que gente assim fala da ―boca para fora‖. Até fala de
Deus, mas não O conhece.
O terceiro tipo são os ―crentes comprometidos‖. Essa fé nasce na
conversão e parece tão pequena quanto um grão de mostarda. A
ênfase do ensino de Jesus nessa expressão é o caráter processual
do crescimento da fé. Não se trata de um elogio à fé pequena, que
não cresce. Ao contrário, Ele estava repreendendo Seus discípulos
por terem uma fé estagnada.
Jesus estava chamando a atenção para a qualidade do grão que,
depois de germinar, cresce e se torna a maior das hortaliças. O
Senhor não despreza a fé pequena, mas Ele quer vê-la crescendo.
Quer que isso se torne realidade em sua caminhada? Creia em
Deus e exponha-se à Sua Palavra. Agindo assim, prepare-se para
os grandes milagres divinos em sua vida.
Terça 18 de fevereiro
Fé e dúvida
Venham, vamos refletir juntos, diz o SENHOR. Isaías 1:18

A fé se desenvolve quando buscamos respostas para as


perguntas certas. A dúvida é o fundamento da fé. A boa notícia é
que essas dúvidas não assustam o Senhor. ―Venham, vamos refletir
juntos, diz o SENHOR‖ (Is 1:18). Deus nos convida ao diálogo; Ele nos
estimula a questionar. Apesar das pregações confusas de alguns
pregadores, a fé não é manipulação das emoções humanas.
Existe conteúdo intelectual na fé. O homem não pode
esquadrinhar o mundo espiritual com os instrumentos e a
linguagem da ciência. A ciência é incapaz de responder às mais
inquietantes e profundas questões do ser humano: ―Por que existe
o Universo?‖ ―Qual é o sentido da existência humana?‖, ―O que
acontece após a morte?‖ A fé não apresenta respostas fáceis para
essas questões, mas também não podemos descobrir essas
respostas por meio da ciência. Portanto, a fé e a ciência precisam
andar juntas, apoiando-se nas fibras das evidências.
A verdadeira fé é alicerçada na verdade bíblica. Por isso, os
pregadores verdadeiros dão tanta ênfase no que a Bíblia diz.
Concorde você ou não com a Bíblia, não existe outra maneira de
encontrar as respostas para as perguntas centrais da vida. O
apóstolo Paulo afirma que ―a fé vem […] mediante a palavra de
Cristo‖ (Rm 10:17). Qualquer outra alternativa será insuficiente.
Questionar a fé é duvidar de Deus? Não. Fé é a resposta humana
à revelação divina. Você deve ser capaz de encontrar as próprias
respostas nas Escrituras. A fé não é contrária ao conhecimento.
Não tenha medo de não ter todas as respostas, mas descanse na
certeza de que Deus não o deixará nas trevas. ―Pois Deus, que
disse: ‗Das trevas resplandeça a luz‘, Ele mesmo brilhou em nossos
corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na
face de Cristo‖ (2Co 4:6). Em geral, quando um jovem questiona,
está procurando razões para crer. Outros, por sua vez, usam o
questionamento para ―alicerçar‖ sua incredulidade.
Sua fé é do tamanho da sua percepção sobre Deus. Não tenha
medo de fazer as perguntas difíceis a Deus. Ele é grande, pode
tudo e sabe de todas as coisas! Se Ele ficar em silêncio, confie em
Sua sabedoria. Estude as Escrituras. Procure as respostas. Sua
busca fortalecerá a sua fé.
19 de fevereiro Quarta
Fé e ação
Assim também a fé, por si só, se não for acompanhada de obras,
está morta. Tiago 2:17

Nossos atos revelam em que acreditamos. A fé só é verdadeira


quando leva à ação. A fé, por exemplo, leva à devolução dos
dízimos, na confiança de que Deus suprirá todas as necessidades.
Um jovem exerce fé ao recusar o sexo antes do casamento por
acreditar que o plano de Deus é melhor. Com fé, uma pessoa paga
suas contas em dia, restitui o que deve e abandona o egoísmo para
ajudar a quem precisa. A fé sempre apresenta os frutos
correspondentes.
A verdade é que a fé transborda para o comportamento. O que
Tiago combate é o tipo de fé que não pode ser comprovada. É
como se ele estivesse dizendo que temos que apresentar frutos
correspondentes à fé que professamos. O cristão deve entender
que a fé se manifesta nas obras.
O religioso que mais causa danos ao reino de Deus é aquele que
aparenta uma espiritualidade profunda, mas não carrega consigo
os frutos da vida cristã. Ele atrai, mas decepciona.
Uma das grandes figuras da humanidade foi Mahatma Gandhi.
Quando estudou na África do Sul, Gandhi frequentou uma igreja
cristã. Ele ficou impressionado com Jesus e dizia que o Sermão do
Monte era a mais fantástica porção de literatura já produzida. Mas
ele não tinha uma boa impressão dos cristãos. Dizia que a fé cristã
não fazia muito efeito porque só existia nas pregações e discursos.
A vida e as ações do crente dão testemunho de sua fé. Em outras
palavras, demonstramos nossa fé pelas obras. Tiago condena a ―fé
sem obras‖. Ele diz que quem vê as necessidades do próximo, sem
ajudar, tem uma fé ineficiente. Ele vai além e diz que uma fé que se
mostra indiferente e insensível não salva ninguém.
Isso não é tudo. Depois de ser salvo pela graça de Deus, o crente
não pode pensar que tudo acabou. Ao falar da justificação pela fé
em sua carta aos Romanos, Paulo diz que Deus recompensará
cada um segundo suas obras (Rm 2:6, 7). A falta do correto
entendimento acerca da justificação tem levado muitos crentes a
uma vida cristã inútil.
Você foi justificado diante de Deus, por intermédio de Cristo?
Então, pratique boas obras! Não seja mesquinho, insensível às
necessidades e carências de seus irmãos e de seu próximo.
Entenda o seguinte: a fé salvadora é também fé servidora! E a
única evidência da fé são as nossas obras de amor.
Quinta 20 de fevereiro
Fé é confiar
Tudo é possível àquele que crê. Marcos 9:23

Em Marcos 9, um pai desesperado se dirige a Jesus com um


pedido de ajuda. No diálogo, o Senhor afirma que tudo é possível
para quem crê. A Bíblia diz que ―sem fé é impossível agradar a
Deus‖ (Hb 11:6). As Escrituras falam de fé como ―crer‖, ―confiar‖ ou
―esperar‖. A fé não significa aceitar certos fatos bíblicos, mas
consiste em confiar numa Pessoa.
A fé nasce de uma relação de confiança. Não é fruto da crença
em algo, mas significa confiar em Alguém. Quanto mais você O
conhece, mais confia Nele.
Por isso, a fé é uma escolha. Creio porque quero. Ou melhor: creio
porque experimentei a bondade e o amor transformador de Jesus.
Ele mudou minha vida. Sou livre para não crer, mas o que eu sei
sobre Ele é suficiente para despertar em mim um senso de
confiança. Como diz uma canção dos Arautos do Rei: ―o primeiro
milagre é confiar‖.
Como podemos saber que Deus é absolutamente digno de nossa
confiança? A vida cristã é feita de conhecimento e prática. O ponto
fundamental está em conhecer a Deus.
Isso precisa estar claro em nossa mente. A fé não é algo que
podemos criar por conta própria nem é resultado de busca
espiritual. Em Efésios 2:8 e 9, fica claro que a fé é um dom de Deus.
Não merecemos nem somos dignos desse presente. Mas Deus, em
Sua graça, faz com que confiemos Nele.
Quando confiamos em alguém, pegamos um pequeno pedaço de
nós e colocamos nas mãos do outro. Confiar em Deus é abrir mão
do controle. É submeter-se à vontade Dele.
Posso afirmar que, quando essa relação de confiança estiver
estabelecida, você verá Deus realizando o impossível em sua vida.
E, a cada oração respondida, a cada bênção recebida, sua fé
aumentará ainda mais.
21 de fevereiro Sexta
O posto da fé
Consequentemente, a fé vem por ouvir a mensagem, e a
mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo. Romanos 10:17

Lembra-se do encontro de Jesus com o cego de nascença, no


templo, depois de curado? ―Crês tu no Filho do Homem?‖ ―Quem é
Ele, Senhor, para que eu creia Nele?‖ Fé é crer no Senhor Jesus
Cristo.
A mulher siro-fenícia tinha sérios obstáculos para se relacionar
com Jesus. Mas nada podia intimidá-la. Nem mesmo a aparente
indiferença do Senhor. A mulher tinha ouvido falar que Ele era cheio
de ternura, cortesia e bondade no trato com o sofredor. Portanto,
nada a demoveria de sua convicção. Jesus lhe disse que o pão era
para os filhos e não para os cachorrinhos debaixo da mesa de seu
dono. Penso que a mulher entendeu que não precisaria comer
migalhas, porque era filha do Dono. Tudo o que ela queria era se
alimentar do Pão do Céu.
Graça é como receber uma Ferrari de presente. Dificilmente alguém
lhe daria algo tão valioso. Mas, se isso acontecesse, talvez você
tivesse uma pequena dimensão do que é a infinita graça de Deus.
Fé, por sua vez, é entrar na Ferrari e sair pilotando. Mais do que
isso, a fé é o combustível que faz o ―carro‖ andar. Talvez você
esteja pensando: ―Aí está o problema. Meu tanque está na
reserva!‖
Não existe fórmula mágica; a solução para a falta de combustível
está no posto. Vá em frente, o Posto da Fé fica aberto 24 horas por
dia! E a boa notícia é que você é filho do Dono do Posto! E onde
fica o Posto? ―A fé vem […] mediante a palavra de Cristo.‖ Passe
tempo com Ele, meditando em Sua Palavra. Leia e estude a Bíblia.
Baseie-se no que está escrito, não em seus sentimentos.
A iniciativa corajosa da mulher siro-fenícia nos mostra a única
maneira de conseguirmos isso: é preciso confiar! Nunca saberemos
o que Deus é capaz de fazer em nossa vida até desenvolvermos
uma amizade íntima e envolvente com Ele. Conheça-O
suficientemente para confiar Nele de coração.
Sábado 22 de fevereiro
Uma fé viva
Tendo os olhos fitos em Jesus, Autor e Consumador da nossa fé.
Hebreus 12:2

A fé é uma coisa poderosa. Ela é capaz de mover montanhas de


dificuldades. Mas de quem recebemos a fé? Não existe ninguém
mais confiável que Jesus. Não há alguém tão sábio, poderoso e
capaz como Ele. Devemos manter nossos olhos fixos somente
Nele. Ele é o Autor de nossa fé. Em Efésios 2:8, aprendemos: ―Pois
vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de
vocês, é dom de Deus.‖
Quem eu era antes de conhecer a Cristo? Não era nada! A graça
de Deus redimiu meu passado, encheu de alegria meu presente e
me prepara para um futuro glorioso. É preciso ter fé que a Palavra
de Deus tem poder para fazer o morto levantar. De uma coisa sei:
eu estava morto, mas Jesus me trouxe à vida! A vida que agora
vivo, ―vivo-a pela fé no Filho de Deus, que me amou e Se entregou
por mim‖ (Gl 2:20).
Jesus é também o Consumador da minha fé. Em Colossenses
2:10, o apóstolo Paulo diz: ―e, por estarem Nele, que é o Cabeça
[…], vocês receberam a plenitude.‖ Em outras palavras, se você
estiver, de fato, ligado à ―Cabeça‖, o crescimento será automático.
Cristo Se empenha em nosso crescimento. Paulo nos lembra de
que Deus não deixará pela metade a obra graciosa que começou:
―Estou convencido de que Aquele que começou boa obra em
vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus‖ (Fp 1:6).
A fé, portanto, não é um sentimento ou uma mera emoção, que
muda de acordo com seu senso de humor. A fé é uma certeza
sobrenatural dentro de cada um de nós de que o Deus Todo-
Poderoso está conosco e é impossível perdermos essa batalha. Se
a sua fé começar a vacilar, volte rapidamente seus olhos para Ele. É
por isso que Jesus é ―Autor e Consumador da nossa fé‖ (Hb 12:2).
Ele é o que cria a fé em nós e é também o que nos aperfeiçoa e
protege.
―Porque sei em quem tenho crido e estou bem certo de que Ele é
poderoso para guardar o que Lhe confiei até aquele dia‖ (2Tm
1:12). A fé é um título de propriedade que coloca o crente no reino
celestial. Definitivamente, uma fé viva nos leva a viver um
Pentecostes permanente. Assim, uma geração viva se levantará!
Que o Senhor Jesus Cristo nos ajude a termos uma fé viva hoje!
23 de fevereiro Domingo
O reino de Deus
Daí em diante Jesus começou a pregar: “Arrependam-se, pois o
Reino dos Céus está próximo.” Mateus 4:17

O tema central do ministério de Jesus é o reino de Deus. Essa


expressão ocorre 55 vezes em Mateus, 14 vezes em Marcos, cerca
de 40 em Lucas e cinco no evangelho de João. O que exatamente
é o reino de Deus?
A maioria dos estudiosos da Bíblia acredita que o reino se refere
ao governo de Deus em nosso coração e em nossos
relacionamentos. Não é exatamente um lugar, mas um estilo de
vida.
Jesus veio à Terra para revelar Deus e destruir o pecado. Ele era
―Deus ao vivo‖ andando no meio do povo, convidando-o a
obedecer. Deus Se tornou um cidadão do mundo, andou com os
homens, comeu sua comida, dormiu em suas casas, entrou em
suas vidas e amou as pessoas, uma de cada vez. Jesus veio para
demonstrar como Deus é.
O reino de Deus se entrelaça aos atos de Jesus. Na verdade, os
atos de Jesus são a expressão visível do reino de Deus. Você quer
saber como é o reino de Deus? Olhe para Jesus e o que Ele fez.
Com quem Ele andou, onde Ele andou, o que Ele fez e como Ele
viveu entre os homens nos mostra a natureza de Seu reino.
Para que não restem dúvidas, quem é o Rei do reino de Deus?
Jesus Cristo. Mas o reino que Jesus anunciou não era o reino
popular da força, do poder e da autoridade que era esperado pelo
povo escolhido. A esperança de Israel era de que o Messias viria,
Se assentaria eternamente no trono da nação e Seu reino seria
restaurado para sempre. Contudo, Jesus anunciou um reino interior
no qual Seus súditos agiriam com humildade e amor. Ele veio para
estabelecer um novo reino baseado na completa confiança e
dependência de Deus.
Jesus não veio para estabelecer uma nova religião, mas para
restaurar um relacionamento rompido. O campo de batalha é o
coração de cada ser humano. Existe em nós um conflito constante
entre o bem e o mal. Quando entregamos nossa vida a Jesus, isso
significa literalmente que um novo Rei governa no trono de nosso
coração. Jesus afirmou que o reino de Deus chegou. De fato, onde
está o Rei, ali também está Seu reino. Espero que você desfrute
hoje a alegria de ter Jesus reinando em seu coração.
Segunda 24 de fevereiro
A vida no reino
Vocês são o sal da terra. Mateus S:13

Estava em uma exposição em que um artista fazia caricaturas, e


dois amigos que me acompanhavam pediram que o rapaz fizesse o
desenho deles. Em seguida, os dois passaram a me incentivar a
fazer o mesmo. Não foi difícil me convencer. Mas, quando estava
sentado para o meu desenho, comecei a questionar minha decisão.
Os olhos do artista me encaravam, enquanto suas mãos
desenhavam. Ele erguia os olhos, mirava meu rosto por alguns
segundos e se inclinava para o papel. Pessoas que passavam por
ali paravam e olhavam para mim e depois para o papel. E eu
nervosamente me perguntava: ―Como ele me vê? Que traços ele vai
realçar?‖
Quando sua ―obra‖ estava pronta, ele a virou para mim. Confesso
que fiquei desapontado. Sei que uma caricatura é um desenho
diferente, mas aquele ficou estranho. O artista suavizara alguns de
meus traços, e eu fiquei uns dez anos mais jovem. Ficou estranho.
O reino de Deus altera a nossa forma de pensar e viver. Um novo
conjunto de valores muda nosso passado, presente e futuro. O
reino é o governo de Deus em nossa vida, e isso nos motiva a um
viver diferente. É para ser diferente, não estranho!
Jesus disse: ―Você é sal para dar sabor ao mundo que o cerca!‖ É
para isso que serve o sal. O sal na medida certa na comida a deixa
saborosa e faz a diferença.
O mundo em que vivemos não tem sabor. Pelo menos, não o
sabor de uma vida plena. Jesus disse que Ele veio para dar vida e
vida em abundância (Jo 10:10). A maioria não sabe o que é isso.
Temos à nossa volta gente que não conhece a verdadeira alegria.
Alguns vivem no meio do desespero de uma vida vazia.
O Sermão do Monte é o manifesto do reino de Jesus, as intenções
de Seu governo. Nesse trecho das Escrituras, aprendemos que em
Cristo temos tudo o que precisamos para uma vida plena.
Entendemos que a vida consiste em ser feliz Nele. E que existimos
para dar gosto ao desgosto do mundo.
Para mim, o melhor título para esse sermão sem igual seria: ―Viva
a diferença em Cristo.‖ Naquele monte, Jesus oferece um estilo de
vida totalmente oposto ao sistema do mundo. Ele espera que você
hoje se espalhe como ―sal‖ para mostrar em qualquer lugar a
diferença que o evangelho fez em sua vida.
25 de fevereiro Terça
Cidadãos do reino
Certa vez, tendo sido interrogado pelos fariseus sobre quando viria
o Reino de Deus, Jesus respondeu: “O Reino de Deus não vem de
modo visível, nem se dirá: „Aqui está ele‟, ou „Lá está‟; porque o
Reino de Deus está entre vocês.” Lucas 17:20, 21

Jesus Cristo é o Rei do reino da graça, e Seus seguidores são


súditos leais. Eles possuem valores e uma visão de mundo
diferentes de tudo o que você já ouviu falar. Os cidadãos do reino
têm uma relação pessoal com o Rei.
Nós nos apegamos àquilo que podemos ver e tocar. Muitos
pensam que o reino é a igreja visível e que seu crescimento é
medido pelo número de novos convertidos. É claro que batismos
também indicam a ação do reino de Deus no mundo. Mas Jesus
nos lembra que a essência do reino não é visível. Onde é que o
reino cresce? Dentro de nós e entre nós. À medida que deixamos
Cristo reinar em nosso coração, o reino cresce.
É o fato de estarmos ligados a Jesus que determina o reino em
nós e entre nós. Deixe-me exemplificar. Sou casado e carrego no
dedo um símbolo de minha união com a mulher que conquistou
meu coração. Ao lado dela sou casado, e isso não muda quando
estamos distantes um do outro. A ausência dela não altera minha
condição de casado. O casamento mudou meu status para
sempre. Aonde vou e o que quer que eu faça é determinado pelo
relacionamento que mantenho com a mulher que mudou minha
vida. Não tomo uma decisão sem consultá-la. Não vou a lugar
algum, sem deixar claro o que vou fazer.
A aceitação de Cristo como Senhor e Salvador é como o
casamento. Mesmo que não estejamos ainda fisicamente em Sua
presença, pertencemos a Ele, e nossa vida é regida por Seu amor e
vontade.
Como cidadãos do reino de Deus, temos apenas uma exigência a
cumprir: trocar nossa velha vida por uma nova vida moldada e
dirigida pelo Senhor.
Será que estamos levando Jesus ao trabalho, à escola e ao
namoro? Será que Ele é bem-vindo em nosso lazer e diversão?
Onde Jesus está presente e atua com poder, o reino está presente.
Permita que essa seja sua realidade hoje e sempre.
Quarta 26 de fevereiro
Reino de irmãos
Pois onde se reunirem dois ou três em Meu nome, ali Eu estou no
meio deles. Mateus 18:20

A igreja é composta de cidadãos do reino. Ela é o corpo de


Cristo, que é formado de seguidores obedientes ao Rei. Quando
recebemos Jesus no coração, também O acolhemos em nossos
relacionamentos. A igreja é, portanto, uma comunidade que vive os
valores do Céu. No culto, o Rei é louvado. Fora das quatro paredes
do templo, os cristãos vão viver o reino na família, no trabalho, na
escola, enfim, em todo lugar. Se dois deles estiverem numa mesma
sala de aula, ali a igreja está.
O reino de Deus forma comunidades que se amam. Pessoas que
jamais se entenderiam fora da igreja se tornam amigas nela. A
igreja é mais do que um grupo de apoio; é uma sociedade
alternativa. O rico e o pobre sentam-se lado a lado. O professor e o
aluno partilham as mesmas ideias. Existem mais de 2 bilhões de
cristãos em todo o mundo. Imagine se Jesus estivesse estampado
na vida de Seus seguidores em cada esquina, em cada negócio,
em cada ato de bondade praticado no mundo.
Lamentavelmente, confundimos o que é a igreja. Achamos que
ela é apenas um grupo de pessoas reunidas num mesmo ambiente,
voltadas para a frente, olhando na mesma direção. Muitos nem
sabem o nome da pessoa com quem compartilham o mesmo
banco. Isso não é igreja.
A igreja não é um edifício, um santuário ou um programa. A igreja
é um grupo de pessoas que se aproximaram porque compartilham
a mesma fé e que se tornam cada dia mais parecidas com o divino
modelo: Jesus Cristo. A igreja tem que oferecer mais do que
comunhão. Precisa mostrar ao mundo uma comunidade que está
aprendendo viver unida em amor. Um reino sempre opera de
acordo com as normas do Rei. Jesus disse: ―Com isso todos
saberão que vocês são Meus discípulos, se vocês se amarem uns
aos outros‖ (Jo 13:35). Quando se aprende a viver nessa atmosfera,
o culto termina, mas a igreja se espalha pela comunidade.
Dizem que alguém perguntou a Martinho Lutero: ―Como posso ser
um sapateiro cristão?‖, e Lutero respondeu: ―Fazendo sapatos
excelentes por um excelente preço.‖ Em outras palavras, o Rei
espera que seus súditos sejam os melhores trabalhadores, os
melhores alunos, os melhores amigos, em qualquer situação.
Enquanto você realiza seu trabalho ou estudos, sua fé é vivida e
evidenciada.
27 de fevereiro Quinta
A CULTURA DO REINO
Assim como Me enviaste ao mundo, Eu os enviei ao mundo. João
17:18

As ideias e os valores do reino de Deus deveriam moldar nossas


práticas culturais. Somos súditos de um reino que não é deste
mundo, mas devemos, tanto quanto possível, ter um
relacionamento correto com o mundo espalhando a graça do reino
de Deus. A posse do reino deve fazer de nós pessoas melhores,
mas também precisa fazer do mundo um lugar melhor.
No evangelho de João, o capítulo 17 é o mais simples, porém
igualmente profundo. Jesus faz três pedidos na oração relatada
nesse capítulo: Ele orou por Si mesmo (v. 1-5), por Seus discípulos
(v. 6-19) e por Sua igreja (v. 20-26). Nessa oração, o Rei deixou
claro que Seus seguidores têm pelo menos cinco características:
1) Não são do mundo (v. 14, 16). Nossa origem é do alto e devemos
buscar as coisas do alto. Quando nascemos de novo, nos
revestimos de novos hábitos. O discipulado é contracultural.
2) São odiados pelo mundo (v. 14). Não nos parecemos com o
mundo; por isso, muitas pessoas assumem uma atitude negativa
com relação a nós. A Bíblia diz que ―quem quer ser amigo do
mundo faz-se inimigo de Deus‖ (Tg 4:4). Diz ainda que amar o
mundo e amar a Deus são sentimentos incompatíveis (1Jo 2:15). E
o apóstolo Paulo diz que não podemos nos conformar com este
mundo (Rm 12:2). Se você foi transformado, nunca será um
conformado.
3) São separados do mundo (v. 19). A nova vida muda radicalmente
a ética social e cultural de uma pessoa. Jesus nos chamou para
uma nova vida, e agora devemos nos santificar para Ele. A palavra
santificar significa separar. Essa separação não é geográfica, mas
moral e espiritual.
4) Estão no mundo, mas protegidos dele (v. 11, 15). A santidade não é
isolamento. A santidade não é viver escondido entre quatro
paredes. Não significa perder o contato com as pessoas.
Precisamos estar presentes no mundo como sal e luz. Mas
precisamos estar protegidos das influências destrutivas do mundo.
5) São enviados ao mundo (v. 18). Jesus nos deu uma missão.
Devemos ir ao mundo como Cristo veio ao mundo. Ele Se fez carne
e foi amigo dos pecadores. Recebeu e abraçou pecadores. Assim
como Ele viveu, somos chamados a viver. Sempre haverá alguém
precisando ser amado por Jesus por meio de nós!
Sexta 28 de fevereiro
A estrutura do reino
Pois Eu lhes digo que se a justiça de vocês não for muito superior à
dos fariseus e mestres da lei, de modo nenhum entrarão no Reino
dos Céus. Mateus S:20

Quando Jesus disse que Seus seguidores deveriam ser melhores


do que os escribas e fariseus, aquilo foi muito duro. Naquela época,
as pessoas pensavam assim: “A primeira pessoa a entrar no Céu vai
ser um fariseu!” Então, o pedido de Jesus parecia algo impossível
para Seus discípulos.
Entretanto, Jesus só estava aquecendo. No Sermão do Monte, Ele
define o que é ser justo e perfeito num nível prático e cotidiano. Ele
passa por uma lista de assuntos e, em cada um deles, não diminui
as exigências: ―Vocês ouviram o que foi dito […]. Mas Eu lhes digo
[…].‖ Ele acrescenta detalhes da vontade de Deus muito além do
que os próprios fariseus faziam.
Os fariseus tinham se iludido com a ideia de que podiam cumprir
a lei pelo próprio esforço. E criaram estruturas para seu legalismo
funcionar.
À medida que Jesus pregava o Sermão do Monte, as pessoas iam
se dando conta de que precisavam de uma justiça melhor. Jesus
queria que elas chegassem ao limite de si mesmas até descobrirem
a graça de Deus.
Em nossos dias, o farisaísmo ainda está vivo. Como sei disso? Eu
mesmo muitas vezes me flagro agindo como esse grupo fazia.
Carrego um fariseu no peito, aguardando apenas uma
oportunidade para brotar.
As estruturas que a igreja cria para cumprir a missão são
necessárias, mas elas não são o reino. Instituições e programas são
servos da missão. Elas existem para que a igreja possa fazer seu
trabalho, mas não podem ocupar o lugar do reino nem da igreja. No
momento em que essas estruturas se tornam iguais ao reino, elas
se colocam à altura do sagrado. Às vezes, até colocamos a marca
de ―bíblico‖ nelas. Por vezes, nós mesmos erramos o alvo e, como
os fariseus, substituímos o reino pela estrutura. Devemos manter as
coisas na perspectiva correta.
Olhe para sua igreja. Existe alguma estrutura ou programa que
tem tomado o lugar do reino? Esse programa expressa o espírito e
a missão do reino? Desconfie de qualquer estrutura que esteja
tomando o lugar do reino de Deus.
29 de fevereiro Sábado
Venha o teu reino
O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do Seu Cristo, e Ele
reinará para todo o sempre. Apocalipse 11:1S

Se o Eterno não Se importasse com os pecadores, o Rei não teria


deixado Seu trono no Céu para vir à Terra. Se o Eterno não Se
interessasse por esse insignificante planeta, o Rei não teria trocado
Seu trono de glória por uma cruz. Nenhum outro rei terrestre que
tivesse poder teria feito o que Jesus fez.
Quando Jesus disse: ―Está consumado!‖, o reino de Satanás foi
derrotado para sempre. O preço pela nossa redenção foi pago.
Quando Jesus ressuscitou, Ele rompeu as cadeias da morte e da
sepultura e saiu da tumba como Rei do Universo. Quando Jesus
retornou ao Céu, Ele fez a promessa de que viria outra vez. Sou
prisioneiro dessa esperança! Como cidadão do reino, não vejo a
hora de essa promessa se cumprir!
Como é que isso se aplica na prática hoje? Deus já está operando
o processo pelo qual todo joelho um dia se dobrará diante Dele. Ele
não vai realizar isso apenas na batalha final. Ele está ganhando
essa causa, uma vida de cada vez. E não vai parar enquanto não
tiver recuperado a Terra.
Existem apenas dois reinos, e eles estão em guerra. Todas as
pessoas se acham em um ou em outro, na luz ou nas trevas.
Quando você ora: ―Venha o Teu reino!‖, está convidando Jesus
para entrar em Seu mundo. É um pedido de senhorio. Está
convidando Jesus para entrar em cada área de sua vida: emoções,
vontades, desejos, valores, escolhas, pensamentos e
compromissos. Não é uma oração simples!
Quando oramos assim, estamos convidando Deus para estender
Seu poder real sobre nossa vida. Estamos pedindo para que Ele
governe completamente sobre nós e sobre tudo que somos e
fazemos. Estamos dizendo que vamos obedecer a tudo o que Ele
mandar. É um audacioso apelo para que Deus ocupe cada ângulo
de nossa existência.
O cidadão do reino não é alguém que passa a vida inteira
desejando ir para o Céu. É alguém que deseja tanto ir para lá, que
antecipa a eternidade e passa a viver o Céu na Terra. Você precisa
descobrir que papel específico deve desempenhar para que o
reino de Deus venha logo.
Março
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2 3 4 5 6 7

8 9 10 11 12 13 14

15 16 17 18 19 20 21

22 23 24 25 26 27 28

29 30 31
Domingo 1º de março
Jesus
Ela dará à luz um filho, e você deverá dar-Lhe o nome de Jesus,
porque Ele salvará o Seu povo de seus pecados. Mateus 1:21

O nome é pequeno, mas preenche o mundo inteiro: Jesus. Amo


esse nome e tudo o que ele representa.
A maioria dos cristãos se refere a seu encontro com Jesus assim:
―Encontrei Cristo, e minha vida mudou.‖ Eu gostaria de dizer o
mesmo, mas minha conversão foi diferente. Eu me tornei adventista
com dez anos de idade. Na época, não sentia a necessidade de
mudança em minha vida. Era um garoto normal e me interessei em
estar na igreja, em me envolver, em participar. Eu queria fazer
parte.
Cresci na igreja, envolvido com tudo isso. Gostava mesmo da
igreja. Fui um jovem adventista ativo, crente de verdade. Mas eu
não era perfeito. E ninguém esperava isso de mim. O que todos
esperavam era que eu fosse bom. E eu me achava bom. Eu não
falava palavrões, não usava drogas. De vez em quando, tinha
quedas. Confesso que ainda tenho. E devo admitir que a luta para
ser cada dia melhor ainda me persegue.
Até que fiz uma grande descoberta: encontrar Cristo não tem
nada que ver com isso. Não mesmo. Não duvido daqueles que
dizem que encontraram Jesus Cristo e sua vida mudou. Conheço
muitas vidas verdadeiramente transformadas, mas a minha
mudança não aconteceu assim de repente.
Um texto que sempre me desafiou nesta jornada foi João 17:3:
―Esta é a vida eterna: que Te conheçam, o único Deus verdadeiro, e
a Jesus Cristo, a quem enviaste.‖ E como eu queria conhecer
Jesus!
Você pode saber muito sobre uma pessoa sem conhecê-la. Na
verdade, você pode gostar da pessoa e querer saber tudo sobre
ela: seu nome, peso, o que ela come, aonde vai, o passatempo
favorito, as músicas que gosta de ouvir, etc. Mas você nunca esteve
com a pessoa, nunca ouviu o tom de sua voz nem olhou em seus
olhos.
Não queria apenas ouvir falar de Jesus, queria conhecê-Lo, ter
uma experiência real, viva, transformadora, única e poder dizer: ―Eu
conheço Jesus pessoalmente.‖
Como conhecer a Deus se não podemos vê-Lo? O melhor modo é
passando tempo com Ele, em Sua Palavra. Foi assim que aprendi a
amar Jesus. Nem todas as conversões envolvem grandes
mudanças, mas todas elas dependem de desenvolver amor a
Cristo. Passe por essa experiência e veja sua vida ser transformada
pelo poder de Deus.
2 de março Segunda
Encontro com Jesus
Saulo perguntou: “Quem és Tu, Senhor?” Ele respondeu: “Eu sou
Jesus, a quem você persegue.” Atos 9:S

Saulo teve um encontro atordoante com Jesus no caminho de


Damasco. Foi o encontro que eu gostaria de ter. Uma luz brilhou no
céu a ponto de ele cair do cavalo. E da luz veio uma voz,
perguntando: ―Saulo, Saulo, por que Me persegues?‖ (v. 4). Saulo
quis saber quem estava falando com ele: ―Quem és Tu, Senhor?‖ A
pergunta sugere identificação e dúvida. “Eu sou Jesus, a quem tu
persegues.”
Saulo entrou em Damasco cego. E ficou tateando no escuro,
tentando entender quem tinha falado com ele. E ficou ali. Sem
comer, sem beber, sem vontade de fazer mais nada. Só queria
saber quem era Jesus. Ele sabia que Jesus fora um carpinteiro que
havia começado uma obra na Galileia e provocado uma grande
confusão.
As autoridades queriam silenciá-Lo, por isso O condenaram à
morte. Saulo sabia que Ele havia sido morto numa cruz. Sabia que
Seus seguidores diziam que Ele teria voltado à vida. Sabia que
havia um boato em Jerusalém de que Deus descera à Terra para
endireitar o mundo. Mas sabia também que odiava aquele nome. E
odiava todos que amassem aquele nome. Por causa disso, Saulo
foi a Damasco para passar uma borracha naquela história e ficar
livre daquele nome para sempre.
Saulo não estava procurando Jesus. Foi Jesus quem o encontrou.
Foi Jesus quem o derrubou. Foi Jesus que o humilhou e quem
perguntou: ―Saulo, Saulo, por que Me persegues‖?
Quando Ananias orou e caíram as escamas de seus olhos, ele viu
quem era Jesus. E ele entendeu quem era Jesus, não só pelo que
Ele falou mas pelo que fez em sua vida. Saulo saiu de Damasco
transformado. Seu maior desejo passou a ser ajudar pessoas a
enxergar a beleza de quem Cristo é e do que Ele fez.
A história do encontro de Saulo com Jesus me mostrou quem
Jesus é. E posso dizer que assim começou minha jornada com
Jesus. Não foi uma experiência tão arrebatadora como a de Saulo,
mas tem sido uma jornada de descobertas que prossegue até hoje.
De vez em quando, ao ler Sua Palavra, ainda sinto algumas
escamas caindo de meus olhos. O amor que Jesus sente é
inexplicável, mas é real.
Espero que você também seja impactado pela pessoa
maravilhosa de Jesus Cristo e entenda tudo o que Ele fez para sua
salvação.
Terça 3 de março
Quem é Jesus?
“E vocês?”, perguntou Ele. “Quem vocês dizem que Eu sou?” Simão
Pedro respondeu: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” Mateus
16:1S, 16

Todas as partes da Bíblia são importantes. Mas essa é


fundamental! Jesus perguntou aos discípulos como as pessoas O
definiam. Cada um deu uma resposta: ―Elias‖, ―o profeta‖, ―João
Batista‖, disseram eles. Então Jesus fez a pergunta para a qual
cada um de nós tem que dar a própria resposta: ―Quem vocês
dizem que Eu sou?‖
Esta é a pergunta: Quem é Jesus para você? A resposta de Pedro
foi incrível: ―Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo‖! Em grego, o termo
Christos significa ―figura real ungida‖. Era uma forma de dizer que
Ele era o Messias, o Rei que era esperado para libertar Israel. Mas
Pedro não chama Jesus apenas de ―Cristo‖; ele vai mais longe. O
apóstolo O chamou de ―Filho do Deus vivo‖. Essa era uma forma de
dizer que Ele era mais do que um homem gentil que Se destacou
em Seu tempo. Era o Rei divino que viera salvar Seu povo.
Essa é uma afirmação da total divindade e humanidade de Jesus.
Jesus é Deus e, ao mesmo tempo, homem. Houve um período na
eternidade em que só havia o Pai, o Filho e o Espírito. Eles não
eram três deuses que agiam em harmonia. Deus é um só e existe
eternamente em três pessoas, que Se conhecem e Se amam.
Essa magnífica interação na Trindade resultou em um concerto na
eternidade para a criação de nosso planeta. Ao criar o homem,
Deus estava nos convidando para interagir com Ele. E se o homem
não acertasse o passo? Então ficou definido que uma das Pessoas
da Divindade viria ao mundo para reestabelecer o relacionamento.
Quando Jesus atravessou os limites da eternidade e encarnou, o
Céu desceu até nós. Ele é Deus vindo à Terra na forma humana.
Leia isto devagar: Ele é Deus que veio à Terra na forma humana!
Saboreie essa verdade vagarosamente durante todo o dia de hoje.
4 de março Quarta
Precioso Jesus
Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não
há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser
salvos. Atos 4:12

Jesus não é um homem comum. Em cada Natal, celebramos Seu


nascimento incomum. Sua mãe era uma virgem. O Espírito
fecundou a semente da vida no ventre de Maria. Os incrédulos
querem que você acredite que Jesus foi apenas um homem bom,
mas não divino. Mas a Bíblia mostra que Jesus faz coisas que só
Deus pode fazer. Ele lê os pensamentos dos homens, cura,
ressuscita mortos, perdoa pecados, faz milagres. Jesus é quem Ele
disse que era: Deus em forma humana. Ele é o Cristo, o Filho do
Deus vivo. Ele nunca recuou no uso desse título. E nunca Se
considerou um Filho de Deus, mas sempre o Filho de Deus.
Pedro viveu e morreu testemunhando que Jesus era o
sobrenatural filho de Deus. Suas convicções permaneceram firmes
como nunca sobre a identidade de Jesus. E o próprio Jesus Se
considerava mais do que um simples ser humano. Ele sabia que
era o Filho de Deus e que todo o poder e autoridade residiam Nele.
Esse título, usado 40 vezes nos evangelhos, é exclusivo de Jesus.
Se você tivesse de comparecer hoje diante de um tribunal e fosse
questionado sobre quem é Jesus para você, qual seria sua
resposta?
A minha seria: ―Ele é Jesus, meu precioso Salvador. Eu O busquei
mais que tudo. Quando O encontrei, minha vida mudou. Não abro
mão da experiência de viver Nele. Quando fui a Ele, era apenas um
menino inseguro. Hoje desfruto de Sua amizade. Não sabia tudo o
que poderia desfrutar Nele. Mas encontrei Nele tudo de que
necessito.‖
Que tipo de evidência você precisaria para crer que Jesus Cristo
é o Filho de Deus? Fique com o irrefutável testemunho do próprio
Cristo: ―Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao
Pai, a não ser por Mim‖ (Jo 14:6); ―O Filho do Homem tem na Terra
autoridade para perdoar pecados‖ (Mt 9:6); ―Eu sou a ressurreição
e a vida. Aquele que crê em Mim, ainda que morra, viverá‖ (Jo
11:25). ―Quem […] beber da água que Eu lhe der, nunca mais terá
sede‖ (Jo 4:13, 14); ―Antes de Abraão nascer, Eu sou!‖ (Jo 8:58).
Um dia, Ele fará a você a mesma pergunta: ―Quem você diz que
Eu sou?‖ Espero que sua resposta seja como a de Pedro: ―Tu és o
Cristo, o Filho do Deus vivo.‖
Quinta 5 de março
Para crer em Jesus
Jesus realizou na presença dos Seus discípulos muitos outros sinais
miraculosos, que não estão registrados neste livro. Mas estes foram
escritos para que vocês creiam que Jesus é o Cristo, o Filho de
Deus, e, crendo, tenham vida em Seu nome. João 20:30, 31

João escreveu dois livros e três epístolas na Bíblia. O primeiro livro


foi o evangelho, redigido para nos ajudar a crer em Jesus. O
apóstolo viu todas as coisas incríveis que Jesus fizera e escreveu
Sua obra para ―que vocês creiam que Jesus é o Cristo, o Filho de
Deus‖ (Jo 20:31). Ler o evangelho de João nos ajuda a crer em
Jesus Cristo.
Ao escrever o Apocalipse, o segundo livro, João tem outro
propósito. No Apocalipse, ele desvenda a glória de Jesus.
Podemos imaginar João declarando: ―Deus permitiu que eu visse
tudo do ponto de vista do Céu. É de tirar o fôlego! O Cordeiro está
abrindo Seu caminho ao longo da história com estrondo para
completar o plano original de Deus. Vi a cidade santa, a Nova
Jerusalém, descendo do céu. Está descendo para nós, para você e
para mim. E ouvi uma voz que dizia: ‗Eis o tabernáculo de Deus
com os homens. Deus mesmo estará com eles. Eles serão povos
de Deus, e Deus mesmo estará com eles e será o Seu Deus.‘‖
E Jesus estará no centro de tudo, do princípio ao fim. E João
escreveu o Apocalipse para que os fiéis de todas as eras não
perdessem a confiança em Jesus.
Entre o evangelho e o Apocalipse, João escreveu três cartas para
mostrar como podemos desfrutar a comunhão com Jesus hoje. O
evangelho foi escrito para que possamos crer; o Apocalipse para
que possamos confiar; e as três epístolas, para nos ensinar a
caminhar com Jesus cada dia de nossa jornada na Terra.
Na época de João, os cristãos eram perseguidos. A pessoa
aceitava Jesus como Salvador, e a vida virava um turbilhão. Muitos
eram abandonados pela família, rejeitados pelos amigos e
perseguidos pelas autoridades. Alguns perdiam o emprego, eram
presos e açoitados, lançados às feras, queimados na fogueira.
Seguir Jesus custava tudo. Mas, se você perguntasse a um
daqueles cristãos como era seguir Jesus, ele lhe diria: ―É
maravilhoso! Sou tão feliz!‖
As ―desvantagens‖ de seguir a Jesus eram compensadas pela
comunhão com Ele, que é Emanuel: Deus conosco. Crer significa
mais do que aceitar fatos sobre Jesus. É conhecê-Lo para a vida ou
para a morte.
6 de março Sexta
O plano Emanuel
Por isso o Senhor mesmo lhes dará um sinal: a virgem ficará
grávida e dará à luz um filho, e o chamará Emanuel. Isaías 7:14

Vamos recordar. No evangelho, é como se João dissesse:


―Confiem em Jesus. Ele é quem diz ser. A vida é conhecê-Lo.‖ No
Apocalipse, o resumo de sua mensagem poderia ser: ―Vocês não
viram nada ainda. Vocês serão lançados no olho do furacão. Mas
tudo está sob controle, porque o Cordeiro da cruz é o Leão do Céu.
Não desistam!‖ E em suas epístolas, João faz um convite:
―Filhinhos, aprendam andar como Jesus andou. Aproximem-se Dele
e desfrutem Sua maior alegria.‖
O plano de Deus está em ordem. Você pode chamá-lo de Plano
Emanuel. Deus está conosco. Ele sempre planejou estar. Deus está
conosco agora. Estará conosco no final. Só desfruta essa bênção
aquele que crê em Jesus, confia Nele e aprende a caminhar com
Ele a cada passo da jornada.
O cristianismo é um estilo de vida marcado pela comunhão com
Deus, que distribui graça para todos os que creem. E confiar Nele é
uma jornada de fé. Conhecê-Lo é como conhecer um amigo. Posso
falar para você sobre meu melhor amigo. Posso dar detalhes sobre
ele: onde mora, o que gosta de fazer e as qualidades que me
fazem gostar dele. Mas você nunca conseguirá amar meu amigo
como eu, porque não o conhece. Você só aprenderá a amar Jesus
quando conhecê-Lo pessoalmente.
Jesus não está a seu lado apenas quando as coisas vão bem e
você está vivendo em santidade. Ele está com você não por quem
você é, mas por quem Ele é. O amor Dele é incondicional. Sua
promessa aos discípulos ainda está valendo: ―Eu estarei sempre
com vocês.‖ Por que Jesus está conosco? Porque Ele é Emanuel,
Deus conosco. Todo o tempo.
Não importa pelo que passei, Ele está comigo. Mesmo que não
faça sentido, Ele está comigo. Mesmo que não consiga entender
cada detalhe, Ele está comigo. Não importa o que alguém diga, Ele
está comigo. Não importa o que minhas emoções digam, Ele está
comigo. Não importa o que minhas dores digam, não importa o que
minha conta bancária diga, Ele está a meu lado. Na parte mais
sombria da jornada, o que nos mantém cheios de vida é a certeza
de que Deus está conosco.
O que aconteceria se todos aqueles que se dizem seguidores de
Jesus decidissem viver como se Jesus estivesse de fato com eles?
Você pode ser justamente aquela pessoa que Ele está procurando
hoje para ser Amigo.
Sábado 7 de março
Amigo dos pecadores
Já não os chamo servos, porque o servo não sabe o que o seu
senhor faz. Em vez disso, Eu os tenho chamado amigos, porque
tudo o que ouvi de Meu Pai Eu lhes tornei conhecido. João 1S:1S

Todos sabemos que amizades se constroem lentamente. Com


certeza os discípulos passaram por esse processo com Jesus.
Quem era esse Mestre que fazia milagres? Não sei quanto tempo
precisou para eles colherem os frutos da amizade. Jesus disse:
―Vocês não Me escolheram, mas Eu os escolhi‖ (Jo 15:16).
Os discípulos estavam diante da manifestação de Deus e não
tinham a menor ideia de que Jesus era Deus encarnado na Terra. É
claro que eles sabiam que Jesus era um homem de Deus.
Achavam que Ele fosse o Messias, que, para os judeus, não
passava de um homem a quem Deus daria poderes, como
aconteceu com Moisés, Davi e Elias. Mas a ideia de Deus assumir a
forma humana e assim habitar na Terra era inconcebível. Como
poderia o Deus Todo-Poderoso viver entre os pecadores e
conversar diretamente com eles?
Pessoas com a vida fracassada se aproximavam Dele e não eram
repelidas. Seus seguidores se sentiam seguros o bastante em Sua
presença para serem honestos, mesmo quando revelavam ambição
pelo poder. A amizade de Jesus com Seus discípulos serve de
modelo para a amizade que Ele nos oferece. Jesus quer ser a voz
que nos guia em todas as situações, a paz que consola nosso
coração atormentado e a força que nos mantém em pé no meio da
tempestade. Ele quer estar mais próximo de você do que seu
amigo mais querido.
Como os seres humanos podem desfrutar uma amizade assim
com o Deus TodoPoderoso? Não seria ousado demais imaginar que
esse Deus Se alegra comigo e em mim? Seria, se Jesus não fosse
quem é.
É Ele quem Se oferece para cuidar de nós (Mt 11:28-30). ―Eu os
tenho chamado amigos‖ (Jo 15:15). Jesus está falando claramente
sobre uma amizade construída no amor e na confiança. A
verdadeira amizade com o Deus vivo nunca diminui quem Ele é.
Essa amizade não O reduz a nosso nível, mas eleva-nos até Ele.
Jesus é real para você, como é real seu melhor amigo? Você sente
que essa amizade está crescendo ou ainda é uma relação
superficial? Você sente que Ele Se interessa pelas questões de sua
vida?
Se sua amizade com Jesus não é o que você gostaria que fosse,
peça que Ele o ajude a conhecê-Lo melhor e a perceber Sua
presença todos os dias. Lembre-se de que você não precisa ser
bom para ser amigo de Jesus. Você só precisa ser honesto.
8 de março Domingo
A lei da colheita
Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o
homem semear, isso também colherá. Quem semeia para a sua
carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o
Espírito, do Espírito colherá a vida eterna. Gálatas 6:7, 8

Precisamos levar Deus a sério! ―De Deus não se zomba.‖ Isso não
tem a ver apenas com fazer piadas tomando o nome de Deus em
vão. Isso tem a ver com levar a vida sem considerar as leis e a
vontade de Deus. É levar a vida sem pensar nas consequências de
nossas escolhas. É não responder com responsabilidade às
oportunidades oferecidas pelo Eterno. É viver sem lembrar que
colhemos o que plantamos.
Preste atenção nisto: o apóstolo Paulo usa a palavra grega
mukterizo (―zombar‖), que significa literalmente ―erguer o nariz em
desprezo‖. Essa é a única vez em que essa palavra é usada no
Novo Testamento. Na tradução grega do Antigo Testamento, o
profeta usa esse termo para dizer: ―todos zombam de mim‖ (Jr
20:7), referindo-se ao desprezo dos homens pelos mensageiros de
Deus.
A dura verdade é que as pessoas podem ignorar Deus e Seus
mandamentos. Infelizmente, muita gente tem feito pouco caso da
vontade Dele. Mesmo assim, não é possível fugir das
consequências dessas escolhas. É uma lei da vida!
O fato de colher o que se planta é chamado de Lei da Semeadura
ou Lei da Colheita. É uma lei da vida, tão importante como a lei da
gravidade. Na agricultura ou jardinagem, esse é um princípio
absoluto, pois garante que vamos colher o que plantamos. A Lei da
Colheita tem três partes que precisamos considerar: Em primeiro
lugar, você colhe o que planta. Se você lançar sementes de
tomates na terra, não colherá milho. O que semear você vai colher.
Em segundo lugar, você colhe mais tarde o que planta. A semente
ficará no solo sem produzir nenhum efeito durante um longo tempo,
mas ela vai brotar. Mais dia, menos dia, as sementes brotam e
começam a crescer e dar frutos. Em terceiro lugar, colhe-se mais
do que planta. Você semeia uma pequena semente, e ela germina,
cresce e produz muito mais do que foi semeado.
Muita gente acha que pode driblar essa lei. Ilusão. Ninguém pode
brincar com as leis de Deus. O que uma pessoa colhe nesta vida é
o resultado inevitável do que semeia. Hoje, semeará para o bem ou
para o mal. Espero que semeie somente coisas boas à sua volta!
Segunda 9 de março
A semeadura
Quem semeia para a sua carne, da carne colherá
destruição. Gálatas 6:8

Vamos imaginar que você tenha um terreno e deseje cultivar


legumes nele. Terá que preparar a terra, revolvê-la e adubá-la. Você
compra um pacote de sementes, planta e espera. Planta milho e
colhe milho. Planta feijão e colhe feijão. É tolice achar que podemos
plantar uma coisa e colher outra. Se você plantar acidentalmente
uma semente errada, ainda assim colherá o que plantou. A relação
entre semear e colher é natural e justa. Aquilo que você semeia é o
que colhe. Deus fornece as sementes, ordena as estações e envia
o sol e a chuva. Deus garante a colheita, mas cada um de nós
escolhe as sementes que pretende semear.
Essa lei da colheita é tão eficaz no campo da agricultura quanto
no campo moral e espiritual. A imagem da semeadura está
relacionada com nossas escolhas e também com nossos
pensamentos. As consequências morais de nossas escolhas têm
que ver com o que pensamos. O que tem acesso à nossa mente
tem impacto sobre nosso coração e vida.
Plante um pensamento, colha uma ação.
Plante uma ação, colha um hábito.
Plante um hábito, colha um estilo de vida.
Isso funciona sempre. Então, tome cuidado com o que você está
colocando diante dos olhos. Se você planta um pensamento,
alimenta sua imaginação. Se você planta pensamentos impuros,
inevitavelmente colhe um desejo de satisfazer esses pensamentos.
Tudo começa com um pensamento.
Algumas pessoas cultivaram o hábito de plantar pensamentos
impuros, mas, porque nada acontece de imediato, elas se sentem à
vontade para continuar a ter os mesmos pensamentos. Acreditam
que não haverá nenhuma colheita. Como resultado, plantam,
plantam e plantam. Mais tarde, os brotos começam a crescer. Os
frutos de seus pensamentos secretos tomam conta de toda a vida.
Acredite, toda semente que foi plantada na mente um dia germina e
cresce.
Seja o que for que você semear, colherá. ―Semear para a carne‖ é
uma ilustração de como muita gente leva a vida. Elas estão
lançando no solo do coração sementes de uma colheita maldita. O
pecado sempre gera destruição. Quando você prioriza a satisfação
da carne, sempre colhe ruína, no final. De Deus não se zomba. Isso
não quer dizer que Deus fica na varanda do Céu procurando
alguém para Se vingar. É apenas um alerta para que nos
lembremos de que é impossível controlar as consequências de
nossas escolhas.
10 de março Terça
Semear para o Espírito
Mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida
eterna. Gálatas 6:8

Uma coisa que aprendemos por experiência própria é que toda


causa tem efeito, e cada ação, uma consequência. Se é verdade
que o pecado sempre cobra um preço, é um fato ainda mais
significativo que, se vivermos no Espírito, colheremos alegria e
bênçãos agora e na vida eterna.
―Semear para o Espírito‖ significa investir no reino de Deus.
Alguém que semeia para o Espírito vive dedicado às coisas de
Deus, obedecendo livremente ao Senhor, porque conhece a alegria
de ser guiado pelo Seu Espírito.
O que é ser guiado pelo Espírito? Em Romanos 8:14, está escrito
que ―todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de
Deus‖. Os verdadeiros filhos de Deus vivem para agradá-Lo, servi-
Lo e honrá-Lo. Os filhos de Deus discernem Sua voz e sabem
quando Ele está falando. Filhos de Deus têm como prioridade de
vida viver os sonhos e os planos de Seu Pai. Filhos de Deus
trabalham para realizar os projetos de Deus em sua vida e na de
outros. Não perdem a oportunidade de semear seus bens, talentos
e vida para o avanço do reino de Cristo.
Quem semeia para o Espírito também colherá o fruto do Espírito,
que é ―amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade,
fidelidade, mansidão e domínio próprio‖ (Gl 5:22, 23). Então, se
você quiser colher amor, semeie amor. Se quiser colher paciência,
semeie paciência. Se quiser colher bondade, semeie bondade. Em
seguida, antecipe a colheita, porque as promessas e os princípios
de Deus são verdadeiros. Para saber se você está semeando para
o Espírito, basta observar o fruto que está produzindo. Se suas
ações se parecem cada dia mais com a de Seu Mestre, sem
dúvida, isso é uma indicação do estado real de seu coração
transformado. Você será uma pessoa mais amorosa, paciente,
bondosa, fiel. Se você quiser colher o fruto do Espírito, continue
semeando as virtudes do Espírito.
Nossos colegas de trabalho precisam perceber que estamos
amadurecendo. Nossos amigos da faculdade precisam notar que
estamos caminhando com o Senhor. Devemos aproveitar todas as
oportunidades para servir a Deus. Semeie bênçãos por onde
passar e se prepare para uma colheita maravilhosa.
Quarta 11 de março
Semear o bem
E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio
colheremos, se não desanimarmos. Gálatas 6:9

Para colher uma safra, primeiro devemos plantar a semente. O


que você planta no presente determinará o que colherá no futuro. É
muito fácil nos cansarmos de fazer o bem, especialmente quando a
colheita parece demorada. A aparente demora em ver o resultado
do que fazemos em favor dos outros pode nos desanimar sim.
Porém, a promessa de Deus é que quem pratica o bem um dia verá
os frutos. No tempo certo, Deus nos dará boa colheita.
O que Paulo quis dizer com ―fazer o bem‖? Ele acrescenta no
verso 10 que devemos fazer ―o bem a todos, especialmente aos da
família da fé‖. Creio que Paulo esteja falando aqui das boas ações
que devem ser praticadas por todos os cristãos. Isso deve se tornar
um princípio da vida do filho de Deus. Nosso coração precisa ser
sensível às necessidades dos que estão à volta. Não fazemos isso
para vê-los convertidos. Agimos assim porque o amor transborda
em nós.
O pedido de Paulo é que não nos cansemos de fazer o bem. O
bem tem que continuar sendo praticado em nosso mundo, mesmo
quando se percebe que é o mal que está sendo promovido em
grande escala. Fazer o bem inclui a ideia de ajudar os outros, mas
não apenas isso. Devemos também amar todas as pessoas e fazer
o possível para minimizar o sofrimento do próximo. Esse amor deve
ser direcionado a todos, mas nossa primeira responsabilidade é
com os ―da família da fé‖.
Em muitos textos do Novo Testamento, a Bíblia se refere aos
cristãos como irmãos e irmãs. De fato, somos parte de uma grande
família. Esse conceito de igreja como família nos dá uma nova visão
do que devemos fazer pelos nossos irmãos. Como família, devemos
servir, ajudar, aconselhar e apoiar uns aos outros. Se assim
fizermos, logo seremos recompensados!
12 de março Quinta
Semear com lágrimas
Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria
colherão. Aquele que sai chorando enquanto lança a semente,
voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes. Salmo
126:S, 6

Deus sempre nos surpreende com bênçãos maiores do que


esperamos. Semear não é fácil. Pergunte a qualquer agricultor, e
ele lhe contará sobre os sacrifícios e privações da semeadura. É
um trabalho árduo, cansativo, doloroso.
Passamos pela vida semeando e chorando. Na verdade,
choramos enquanto semeamos. As lágrimas têm um papel
importante na vida. Elas são capazes de expressar nossos
sentimentos de uma maneira única. Elas têm diferentes significados
para cada pessoa. Cada lágrima tem um motivo e uma dor própria.
Quando estava à beira da morte, o rei Ezequias clamou ao
Senhor, e Ele respondeu: ―Ouvi sua oração e vi suas lágrimas‖ (2Rs
20:5). O Senhor sempre oferece cuidado, carinho e atenção para
quem chora.
Davi tinha certeza de que suas lágrimas não passariam
despercebidas. No Salmo 56:8, ele diz que o Eterno recolhe suas
lágrimas num odre e faz um registro em Seus livros. Ele não apenas
guarda o sabor de nossas lágrimas, mas também toma nota dos
sentimentos que existem por trás delas.
Vivemos em um mundo injusto. Às vezes, a vida requer um preço
alto a ser pago. Laços emocionais nos prendem a pessoas que não
merecem nosso amor ou preocupação. Nessas circunstâncias,
precisamos aprender a derramar lágrimas de compaixão. Quando
semeamos com o coração quebrantado, temos a garantia de uma
colheita abençoada.
Alguns têm chamado esse período de semeadura de ―ministério
das lágrimas‖. Nem todos estão preparados para carregar esse
fardo. No entanto, algumas vezes Deus escolhe alguns filhos
especiais e coloca em seus ombros o fardo de alguém; em geral,
um filho. Pode ser também um amigo, um colega ou um vizinho.
Cada lágrima envolve doação e se torna uma peça na restauração
de uma nova vida para o Senhor. Spurgeon chamou as lágrimas de
―orações líquidas‖.
Qual foi a última vez que você chorou por um amigo que está
longe dos caminhos do Senhor? Quando foi que você sentiu seu
coração partir porque um colega rejeitou a graça de Jesus? Essas
lágrimas são especiais para Deus, e Sua promessa é que ―o choro
pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã‖ (Sl 30:5,
NAA).
Sexta 13 de março
Semeando vento
Eles semeiam vento e colhem tempestade. Oseias 8:7

A semente do mal é extremamente fértil. Quem planta colhe. E


sempre mais do que o esperado. Se semearmos ódio, inveja,
ciúmes, murmurações ou qualquer outro sentimento ruim,
colheremos isso, mas em escala maior. Se odiarmos os outros,
receberemos ódio em nossa vida. Se falarmos mal dos outros,
outros falarão mal de nós. Não podemos esperar que os demais
nos tratem bem, se nós os tratamos mal. Tudo o que semearmos é
o que colheremos.
Semear ventos descreve a futilidade e fragilidade das alianças de
Israel com as nações pagãs da época do profeta Oseias. Os
israelitas haviam semeado ―vento‖, símbolo da decadência moral e
espiritual do povo naqueles dias. Como consequência dos seus
pecados, haveriam de colher ―tempestade‖. A punição divina seria
inevitável.
Muitos levam uma vida vazia e esperam colher ao final bênçãos e
vitórias. Salomão afirma, em Eclesiastes, que essa atitude vazia é
―correr atrás do vento‖. Muita gente por aí leva a vida assim. Isso é
péssimo. Um estilo de vida vazio não é obra do acaso. Você não
acorda de manhã e decide: ―Hoje eu vou estragar minha vida.‖
Pessoas vazias são a soma de hábitos vazios, e hábitos vazios
resultam somente de atitudes vazias. Atitudes vazias decorrem de
pensamentos vazios.
Pensamentos contrários à vontade de Deus bombardeiam sua
mente diariamente. As principais fontes desses pensamentos são a
televisão, a internet, a música, etc.
Existem milhares de jovens que não se preocupam com as
consequências de seus atos. Acreditam que não lhes sobrevirão
consequências ruins, ou que é dever de Deus livrá-los de tais
consequências, quando são eles os únicos responsáveis pelo que
lhes sucede. Se você vive correndo atrás do vento, vai colher
tempestade.
Algo maravilhoso sobre a Bíblia é que suas advertências são
confiáveis e atemporais. Com elas, Deus nos diz: ―Acredite em
Mim! Ouça Meus conselhos e livre-se de consequências
indesejadas.‖ Não semeie o que é ruim. Lance sempre a semente
do amor e tenha uma colheita abençoada na vida.
14 de março Sábado
A grande colheita
Lembrem-se: aquele que semeia pouco também colherá pouco, e
aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente. 2
Coríntios 9:6

Ellen White fez o seguinte comentário sobre o verso de hoje:


―Graças a Deus que temos o privilégio de semear na Terra a
semente que será ceifada na eternidade!‖ (Comentário Bíblico
Adventista, v. 6, p. 1.232).
Na economia divina, quem contribui para o reino de Deus recebe
a garantia de uma grande colheita. Há necessidades na igreja e no
mundo, e o Senhor espera que você veja o desafio da perspectiva
do Céu: se você viu o problema, você é a solução.
Quando Jesus enviou o grupo dos 70 de dois em dois, Ele
identificou o problema: ―A colheita é grande, mas os trabalhadores
são poucos.‖ Mas Jesus também apresentou uma solução para
essa demanda: ―Portanto, peçam ao Senhor da colheita que mande
trabalhadores para a Sua colheita‖ (Lc 10:2). Jesus apresenta um
grande problema: a seara é grande, e os trabalhadores são
poucos. Mas Ele revela também uma grande solução: a oração.
Vamos considerar o que Jesus disse: Primeiro, a colheita é de fato
grande. Como a seara é do Senhor e não nossa, não podemos nos
esquecer de que Deus trabalha no ramo de milagres. O Senhor da
seara sabe o que está fazendo.
Segundo, os trabalhadores são poucos. Apesar de nos
esforçarmos para motivar e incentivar as pessoas para que sejam
trabalhadoras fiéis do reino de Deus, ainda são poucos os que
trabalham para o avanço da missão. Temos visto igrejas lotadas
aos sábados, mas são poucos os que fazem evangelismo durante a
semana. Pouquíssimos são os que distribuem pelo menos um
folheto ao longo do ano. De fato, sentimos falta de mão de obra.
Terceiro, Jesus nos manda orar pela solução do problema da falta
de trabalhadores. Só o Senhor da seara tem poder para enviar
trabalhadores. Não podemos produzir trabalhadores para o reino
de Deus. Então só nos resta orar. A oração é a chave para que haja
gente suficiente no cumprimento da missão. Se o desafio não é
grande o bastante para colocar você de joelhos, não é grande o
suficiente para a intervenção divina. Só Deus pode mudar essa
situação! Mas fique ligado: quem ora por mais trabalhadores é
sempre o primeiro a ser convocado.
Jesus viu a multidão e teve compaixão. E você? Como vê as
multidões, as pessoas do bairro e os colegas da faculdade?
Alguém disse que ou somos missionários ou somos campo
missionário. Você tem apenas uma vida. Então viva-a para Jesus!
Domingo 15 de março
Graça libertadora
Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de
vocês, é dom de Deus. Efésios 2:8

Sou um pecador. Não há nada que eu possa fazer para mudar


isso. Fui gerado em pecado. Passei pelas várias etapas da vida
como um pecador, por natureza e por opção. Um dia a graça me
alcançou. Minha vida jamais foi a mesma, mas continuo sendo um
pecador. Todos os dias precisarei mergulhar nos rios da graça de
Deus.
Quem eu era antes de conhecer a Cristo? Ninguém! A graça de
Deus me trouxe uma nova identidade: filho amado do Pai!
Uma senhora voltava do trabalho sentada no ônibus, lendo um
livro desinteressadamente. Outra mulher sentada a seu lado lhe
perguntou com curiosidade:
– O que você está lendo?
– Um livro sobre a graça — ela respondeu.
– O que é graça?
– Não sei, ainda não cheguei lá!
Na verdade, a maioria de nós ainda não chegou lá. Vivemos à
procura de um método para fazer a vida cristã funcionar. Sou uma
prova disso. Tentei tudo o que podia para melhorar minha vida. Pedi
a Deus que me dissesse o que eu precisava fazer. Estava mesmo
disposto a perseguir isso. Eu queria abandonar tudo o que estava
fazendo de errado e procurar com força de vontade e disciplina
fazer o que era certo.
Cresci numa pequena igreja de interior, com um conceito
deformado da vida cristã. Duas coisas me impressionavam naquela
congregação. A primeira é que ela não crescia. A segunda coisa é
como a religião da maioria dos membros parecia se limitar apenas
ao comportamento. Quase todos os sermões que eu ouvi na minha
adolescência tinham que ver com usos e costumes. Minha
impressão era de que os membros vigiavam uns aos outros.
Ninguém podia sair da linha. Sinceramente, tudo aquilo ficou
gravado em mim, e eu ainda me vejo lutando contra esse tipo
cristianismo. Fui treinado para pensar que Jesus está sempre de
olho no que estou fazendo. Jesus me parecia durão, distante e
zangado.
A graça de Deus é libertadora. Fui salvo por ela, mediante a fé e
entrei num relacionamento verdadeiro com um Pai amoroso, que
pendurou um letreiro em cada página da Bíblia: ―Você é Meu filho
amado, em quem Me agrado‖ (Mt 3:17). Entender isso mudou
minha vida e pode mudar a sua também.
16 de março Segunda
Graça sem limite
Portanto, você, meu filho, fortifique-se na graça que há em Cristo
Jesus. 2 Timóteo 2:1

A história de sua vida está registrada no Céu. Você foi colocado


numa guerra de dimensão cósmica. Esse conflito acontece no
coração de todo ser humano, desde que o mundo é mundo. Jesus
começou a lutar para tentar conquistar seu coração, mas Satanás
está muito interessado em impedir isso. Nosso coração vive em
uma guerra permanente. Temos duas naturezas em nós que estão
em constante embate.
A graça é o único poder capaz de quebrar o domínio do pecado e
do diabo no coração do ser humano. A graça é um presente tão
extravagante que surpreende quem o recebe. Quando somos
alcançados por ela, Deus declara ao Universo que nosso coração
Lhe pertence. Isso deixa o diabo furioso. Ele vai fazer tudo para nos
separar de Jesus. E essa guerra vai ficando cada dia mais difícil. É
por isso que o pecador precisa entregar o coração a Jesus todos
os dias.
A graça declara que você foi aceito. Jesus afirma que você é
Dele. E Ele lhe dá um novo coração. E ainda coloca Seu Espírito
para viver em você. O Espírito passa a fazer morada em sua vida.
Ele passa a guiar você. Ele vai lhe ensinar a fazer o que Jesus ama.
E, quando o inimigo lhe tentar a fazer o que é errado, o Espírito vai
incomodá-lo. E vai lembrá-lo de que isso é errado. Se você faz o
que é certo, Ele coloca em você a paz com Deus. Só quem foi
alcançado pela graça sabe o que é isso!
Ellen White nos orienta: ―Quando Satanás diz que você é um
grande pecador, olhe para o Redentor e fale de Seus méritos.
Reconheça seu pecado, mas diga ao inimigo que ‗Jesus veio ao
mundo para salvar os pecadores‘ e que você pode ser salvo por
Seu incomparável amor (1Tm 1:15)‖ (Caminho a Cristo, p. 32).
Você não merece essa dádiva. Ninguém merece. Temos
dificuldades para aceitar isso, porque estamos acostumados a
pagar por tudo que recebemos. Mas a graça é de graça. Ela cai do
Céu como a água de uma represa rompida. Mergulhe de cabeça!
Terça 17 de março
A graça é boa-nova
E Deus é poderoso para fazer que lhes seja acrescentada toda a
graça, para que em todas as coisas, em todo o tempo, tendo tudo o
que é necessário, vocês transbordem em toda boa obra. 2 Coríntios
9:8

No início da década de 1990, a Igreja Adventista realizou uma


pesquisa mundial sobre fé, valores e compromisso dos jovens
adventistas. Com o nome de Valuegenesis, essa pesquisa foi
repetida nos anos 2000 e 2010 nos Estados Unidos e Europa. Há
informações valiosas nela sobre o que os jovens pensam a respeito
da igreja e da fé. O dado que achei mais preocupante é o de que o
jovem adventista não tem certeza de sua salvação. ―Se eu
morresse hoje, o que aconteceria comigo?‖ Essa é a pergunta mais
angustiante que o jovem de nossa igreja enfrenta.
Eu mesmo levei anos na igreja para compreender o evangelho. E
vejo muitos jovens lutando para sobreviver a uma cobrança
envenenada em relação à fé. Conheço um bom número de igrejas
que colocam uma ênfase excessiva no comportamento. Existem
líderes que usam a culpa como motivação para que os jovens
façam o que é certo.
De modo semelhante, os fariseus eram rígidos, ásperos e
suspeitavam de qualquer atitude livre de amarras. Jesus disse que
eles não entravam nem deixavam as pessoas entrar no reino de
Deus (ver Mt 23:13). Eles não eram maus. Eram ―bons‖ demais.
Achavam-se bons. De algum modo, Jesus queria que
entendêssemos que a vida se torna miserável quando se tenta
fazer as coisas de Deus pelo próprio esforço. Jesus não era
contrário às regras. Elas são importantes, mas o poder para a
obediência precisa vir de dentro.
Em vez de apresentar uma longa lista de exigências, Jesus falou
do coração. Enfatizou a fé e a graça. Os evangelhos não registram
Jesus usando a palavra graça, mas não há problema. Ele ensinou
esse conceito e, mais importante que isso, viveu a graça
plenamente. Não existe uma definição de graça na Bíblia, mas
graça é boa-nova, notícia maravilhosa, salvação imerecida.
Jesus veio para satisfazer as exigências da Lei e morreu em
nosso lugar. Tudo o que você precisa fazer é aceitar esse dom
gratuito. Ponto final. Jesus morreu e ressuscitou. Ele pagou o preço
de nosso pecado. Você crê nisso? Você aceita que o preço foi pago
em seu lugar? Isso é graça! Essa é a boa-nova. Tudo foi pago. Não
existe mais conta a pagar para Deus. A dívida foi quitada.
18 de março Quarta
A porta da graça
O Espírito e a noiva dizem: “Vem!” E todo aquele que ouvir diga:
“Vem!” Quem tiver sede, venha; e quem quiser, beba de graça da
água da vida! Apocalipse 22:17

A porta da salvação está aberta, e todos são convidados a entrar


(Is 55:1). Qualquer um que esteja sedento de salvação será
saciado.
Os que encontraram a porta aberta e entraram por ela eram uns
tipos que você não iria querer como vizinhos. Maria Madalena não
tinha boa reputação, mas encontrou a porta escancarada e entrou
por ela. Ao lermos os evangelhos, sempre a encontramos aos pés
de Jesus, seja para aprender, seja para servi-Lo.
Pedro fazia promessas que não podia cumprir. As pessoas diziam
que ele era um seguidor de Jesus; ele gritava dizendo que não.
Não precisava muita pressão para ele voltar atrás, mas a graça lhe
sorriu naquela manhã à beira da praia. Ele foi promovido a guardião
das ovelhas do rebanho do Senhor.
O ladrão arrependido entrou pela porta nos instantes finais de sua
vida. Ele viu a porta entreaberta e entendeu que o Homem
ensanguentado na cruz do meio estava de braços abertos por sua
causa e em seu lugar. Jesus o amou de tal maneira que atendeu ao
pedido dele, garantindo-lhe a entrada em Seu reino.
Paulo, o perseguidor dos fiéis, entrou com honras e ainda recebeu
uma missão especial: evangelizar as nações. Ele próprio passou a
vida inteira tentando entender o que Deus tinha visto nele. Por fim,
chegou à conclusão de que a maravilhosa graça de Deus o havia
alcançado. E isso lhe bastava.
Manassés (dá para acreditar?) entrou pela porta escancarada,
depois de uma vida inteira de crimes e idolatria. Ao lermos a história
desse depravado na Bíblia (2Cr 33), descobrimos que a maldade
tem nome. Manassés queimou os próprios filhos em sacrifício,
praticou feitiçaria, adivinhação e magia. Foi o pior rei de Judá.
Pensa num sujeito ruim! Pensou?! Agora dobra! Sobre a salvação
de Manassés, Mathew Henry exclamou, surpreso: ―Quem pode
reclamar que o caminho ao Céu está bloqueado, quando vê que
entra um pecador como esse?‖ Se o Eterno pode perdoar um tipo
como Manassés, então pode perdoar qualquer pecador!
A graça escancarou a porta do Céu. Só não entra quem não quer!
Ninguém foi tão longe que não possa ser alcançado. Deus nos livre
da crença de que existem casos perdidos! A porta ainda está
aberta. Aproveite!
Quinta 19 de março
Graça sobre graça
Todos recebemos da Sua plenitude, graça sobre graça. João 1:16

Cada dia aprendo um pouco mais sobre minhas limitações. Sou


um pecador que precisa de reparos. Às vezes, eu me surpreendo
com a fragilidade de minhas decisões. Em cada queda, aprendo
mais sobre mim mesmo. E é assim que descubro como sou frágil
diante das tentações. Então vejo o quanto preciso da graça de
Deus em minha vida.
O pecado coloca um fardo enorme sobre nossos ombros.
Tentamos lidar com o peso dele usando as próprias forças. Já me
perguntei muitas vezes onde estaria a vida abundante que Jesus
prometeu (Jo 10:10). Avançamos um passo num dia e recuamos
dois no dia seguinte. Na verdade, o que acontece é que estamos
tentando levar a vida cristã pelo esforço próprio.
A vitória não vem pelo que eu faço, mas pelo que Ele fez. Jesus
veio nos salvar de nossos pecados. Levou sobre Si ―a iniquidade
de todos nós‖ (Is 53:6). Cristo morreu por mim e, por causa de Sua
morte, eu tenho vida e perdão. Não há pecado grande demais para
Deus. O perdão Dele é diário.
João afirma que Jesus nos deu porções generosas da Sua
plenitude. O que Ele fez foi um ato de graça, sem ajuda de
ninguém. Você não pode adicionar nada. Nenhum ato de bondade
de sua parte pode entrar na equação. A salvação não é Jesus mais
alguma coisa. A salvação é Jesus! Ele Se entregou por inteiro para
salvá-lo. Quando você O aceita, recebe de Sua plenitude, de Sua
vida divina. Em 2 Pedro 1:3, está escrito que ―Seu divino poder nos
deu tudo de que necessitamos para a vida e para a piedade‖.
Como a graça é um favor imerecido, Jesus supre tudo o que você
precisa para uma vida cristã vitoriosa. A graça está disponível para
a justificação, mas também para a santificação. Primeiro na
justificação, depois na santificação. Isso é graça sobre graça!
Você está se sentindo sujo? Está ferido pela vida e imundo pela
lama do pecado? Há graça sobre graça para você. Graça sobre
graça é semelhante às ondas do mar. Uma onda quebra na praia, e
outra vem quebrando logo atrás e depois outra e outra. Assim é a
graça imerecida de Deus em nossa vida!
―Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os
homens‖ (Tt 2:11). Os filhos de Deus sempre estarão aprendendo e
crescendo. A graça jamais nos deixará como nos encontrou. Fui
salvo pela graça, mesmo sem merecer.
20 de março Sexta
A graça é gratuita
Sendo justificados gratuitamente por Sua graça, por meio da
redenção que há em Cristo Jesus. Romanos 3:24

Só conseguiremos entender a graça quando entendermos quem


somos. A descrição que Paulo faz do homem sem Deus é
assustadora, mas verdadeira. Somos pecadores. Estamos mortos
em nossos delitos. Rebeldes. Perdidos. Filhos da desobediência.
Mas Deus foi capaz de nos amar tanto que sentiu a dor que o
pecado causa em Seus filhos. E, num ato de misericórdia, assumiu
nossa culpa.
Jesus morreu na cruz. Eu fui redimido por Seu sangue. Simples
assim. Minha dívida era impagável. Ele a pagou por mim. Paulo usa
a palavra ―creditado‖ três vezes em Romanos 4 (v. 3, 11 e 22). A
justiça de Jesus foi creditada em minha conta.
Justificação é um ato de Deus que muda nossa condição de
perdidos para salvos. Por causa de Jesus, as portas do paraíso
estão abertas para nos receber. Nenhum de nós estaria qualificado
para entrar, mas, quando pisamos no tapete de entrada do Céu,
Deus nos trata como trata Seu Filho.
O crédito foi tão grandioso que a graça cobriu com sobra os
prejuízos do pecado. ―Cristo morreu em nosso favor quando ainda
éramos pecadores‖ (Rm 5:8). A graça depositou justiça na conta de
todo pecador. Eu sei que parece chocante ficar parado na porta do
Céu e ver entrando gente como Davi, Manassés, Raabe, o ladrão, o
assassino, a prostituta, o terrorista, o traficante… Mas foi o que
Jesus fez. Ele veio à Terra e nos presenteou com um passado
perdoado e a certeza de um lar eterno no Céu. Quanto mais frágil é
a embalagem, mais surpreendente é o tesouro!
Creia em Jesus Cristo e em Seu amor redentor. Ele decidiu que
lhe daria uma nova chance. Se você merecesse a salvação não
seria um dom, seria uma dívida, mas a salvação é de graça do
princípio ao fim.
Ellen White ensina: ―Devemos ir a Ele com todas as nossas
fraquezas, imprudência e pecaminosidade, e, arrependidos, lançar-
nos a Seus pés. Ele Se alegra ao nos envolver em Seus braços de
amor, curar nossas feridas e nos purificar de toda impureza. É
nesse ponto que milhares fracassam; não creem que Jesus lhes
perdoa pessoalmente e de forma individual. Não põem à prova o
que Deus diz. É privilégio de todos os que aceitam as condições,
verificar, por si mesmos, que o perdão é oferecido amplamente
para cada pecado‖ (Caminho a Cristo, p. 52).
Sábado 21 de março
A graça seja com vocês
A graça de nosso Senhor Jesus seja com vocês. Romanos 16:20

A mensagem do verso de hoje ocorre na parte final de todas as cartas


de Paulo. No começo, no meio ou no fim, a graça é tudo.
A graça é pessoal. Eu experimentei o poder transformador dela. Não
importa o que eu fui; importa quem eu sou. Não importa o que eu fiz;
importa o que Ele está fazendo em minha vida. Pela graça, posso dizer:
―Eu era, mas não sou mais.‖ Existe um ―a.C.‖ e um ―d.C.‖ em minha vida!
Tenho acesso ao trono de Deus pela fé. Recebi uma autorização
assinada com sangue, dizendo que posso entrar. Jesus rasgou o véu da
separação. E, por causa disso, posso ter livremente o perdão e a graça
de Deus.
Satanás é derrotado toda vez que uma oração de arrependimento
chega aos ouvidos do Pai. Quando o diabo e sua gangue de fracassados
estendem o dedo acusador na direção de um filho redimido de Deus para
apontar seu pecado, o Senhor o interrompe: ―Espere um pouco. Vou
verificar Meus registros.‖
Quando os livros são abertos, e o pecador é convidado a comparecer
diante do Ancião de Dias, ele não está sozinho. O Advogado levanta-Se
e coloca a mão no ombro do pecador. E Ele nunca perde um caso. ―Se
confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para perdoar os
nossos pecados e nos purificar de toda injustiça‖ (1Jo 1:9).
Quando o diabo grita em acusação: ―Eu vi o que ele fez!‖ Jesus ergue a
mão ferida, e diz: ―Eu paguei o preço por esse pecado também! Há um
crédito aí, porque esse Meu filho estava perdido, mas foi achado.‖ E
assim o pecador volta para casa justificado.
O ―amor perdoa muitíssimos pecados‖ (1Pe 4:8). Cada vez que alguém
confessa Jesus Cristo como Senhor e suplica Seu perdão é como se um
anjo pegasse uma pena antiga e a molhasse no sangue do Calvário para
registrar o crédito. Isso é a graça.
É por essa razão que Paulo em sua saudação final em cada epístola
recomenda que o povo de Deus viva na graça de Jesus.
22 de março Domingo
Obediência
E agora, ó Israel, que é que o SENHOR, o seu Deus, lhe pede, senão
que tema o SENHOR, o seu Deus, que ande em todos os Seus
caminhos, que O ame e que sirva ao SENHOR, o seu Deus, de todo o
seu coração e de toda a sua alma, e que obedeça aos
mandamentos e aos decretos do SENHOR, que hoje lhe dou para o
seu próprio bem? Deuteronômio 10:12, 13

O primeiro ato de desobediência aconteceu no Éden quando


Adão e Eva comeram do fruto proibido. Desde então, os seres
humanos têm sido levados a pensar que as ordens de Deus são
arbitrárias. Para quem acredita na sugestão da serpente, os
mandamentos não passam de uma lista de proibições de um Deus
estraga-prazer, tirano e mandão.
É verdade que os Dez Mandamentos não são dez sugestões. Se
fossem, haveria a opção de obedecer ou não. Quando Moisés
subiu o Sinai, recebeu duas placas escritas pelo dedo de Deus,
com dez ordens. Nunca houve um documento mais importante do
que esse. O próprio Deus gravou num pedaço de rocha a
revelação de Sua vontade. Você consegue entender isso? Deus
não estava sugerindo que deveríamos Lhe obedecer. Ele estava
ordenando.
O Eterno deu ao povo a Sua Palavra para que eles pudessem
saber qual era a Sua vontade e obedecer-lhe. Basta ler o relato de
quando Moisés desceu o Sinai com as tábuas da lei e viu a rebelião
do povo. Furioso, ele lançou as tábuas no chão, quebrando-as,
para perceber que, sem as leis divinas, existe um desequilíbrio na
vida. Por isso, Deus mandou que Moisés subisse outra vez o Sinai e
levasse duas tábuas de pedra para que Sua lei fosse refeita.
Alguém disse que, se Moisés levasse para Deus mil novas tábuas,
elas viriam com os mesmos Dez Mandamentos. O maior perigo que
corremos hoje é o de achar que os mandamentos de Deus são
opcionais.
O Decálogo consiste nas ordens de Deus para organizar a vida
na Terra. Quando obedecemos a Seus mandamentos, recebemos o
presente de uma vida equilibrada e feliz. Na obediência,
aprendemos como nos relacionarmos com o Eterno e uns com os
outros.
Fique ligado nisto: nos Dez Mandamentos, Deus não está
sugerindo que você Lhe obedeça. Ele não Se achega a nós e diz:
―Quer fazer o favor de Me obedecer?‖ Não. Ele ordena. Ordena
para o seu bem.
Segunda 23 de março
O caminho da obediência
Quem dera fossem firmados os meus caminhos na obediência aos
Teus decretos. Salmo 119:S

O Salmo 119 é uma declaração de amor à lei de Deus. Possui uma


estrutura literária no formato de acróstico: são 22 estrofes usando o
alfabeto hebraico, cada uma com oito linhas. Os pais hebreus ensinavam
o alfabeto hebraico para os filhos usando esse salmo. Era uma forma
didática para alfabetizar com a Palavra de Deus. Ao mesmo tempo, os
filhos aprendiam que o segredo da felicidade é viver no centro da
vontade de Deus. O autor do salmo emprega vários sinônimos da
vontade de Deus: lei, preceitos, mandamentos, caminhos, testemunhos,
estatutos e ordenanças são algumas delas.
O que fica claro quando lemos esse salmo é a mensagem de que quem
obedece constrói um muro de proteção em torno de si. A lei provê essa
defesa. Às vezes se parece com uma cerca, mas é uma grade de
proteção. Com certeza, uma das melhores coisas do mundo são as
regras. Quando não há limites, ficamos com a sensação de que tudo
pode acontecer. Imagine se todo mundo fizer o que quer!
Existe uma fase da vida em que não entendemos as regras. Fazemos
tudo e de tudo para tentar burlá-las. No início, são apenas regras. Com o
tempo, percebemos que formam um muro de proteção.
Como pastor, ouço jovens dizerem coisas do tipo: ―Não imaginei que
isso fosse acontecer.‖ ―Meu pai vivia falando, e eu não dava ouvidos.‖
―Era tão chato ficar ouvindo aquela ladainha.‖ E assim por diante.
Gostaria que você soubesse que Deus faz de tudo para nos ver no
caminho da obediência. Ele trabalha para firmar nossos pés nesse
caminho. Ele só não faz isso contra nossa vontade. Então, se em algum
momento Deus mostrar o que você deve fazer, faça-o na mesma hora.
Esses mandamentos nos ensinam a viver de maneira honrosa com
Deus, com a família e com os outros. Ouça o Senhor lhe dizendo hoje:
―Filho, firme seus pés no caminho da obediência!‖
24 de março Terça
Obediência forçada
O filho mais velho encheu-se de ira, e não quis entrar. Lucas 1S:28

A obediência pode ter motivação correta ou errada. Por exemplo,


podemos ser obedientes por medo de Deus, de uma pessoa ou de uma
punição. Esse tipo de obediência não agrada a Deus.
Em Lucas 15, está registrada a história de dois filhos. O mais novo
representa os que saem de casa em busca de prazeres mundanos. O
mais velho representa os que trabalham duro para impressionar a Deus.
Os dois filhos vivem longe do pai.
Vamos observar de perto o filho mais velho. Ele fez tudo o que um bom
filho deve fazer. Ficou em casa, foi obediente, era trabalhador, dedicado,
cumpridor de suas obrigações e respeitador das leis. Vivia para
satisfazer as expectativas do pai. No entanto, ao voltar para casa e ver a
alegria de seu velho pai pelo retorno do irmão, sua máscara caiu. De
repente, ficou visível quem ele era: dissimulado, egoísta, ressentido,
disfarçado de bom moço.
A principal preocupação de Jesus ao contar essa parábola era com os
filhos mais velhos. Veja como esse filho usa sua obediência como arma
para ferir o pai: ―Olha! todos esses anos tenho trabalhado como um
escravo ao teu serviço e nunca desobedeci às tuas ordens‖ (Lc 15:29).
Obediência formal.
No filme Adeus às Ilusões, o personagem de Richard Burton diz: ―Mais
vale a desobediência íntegra, do que a obediência hipócrita.‖ É isso
mesmo. Mais vale o sujeito que diz: ―eu não creio‖ do que alguns que
aparentam ter uma vida piedosa mas não têm. É gente que vive uma
fantasia religiosa. Alguns pensam que podem enganar Deus com sua
obediência dissimulada. Pensam que seu serviço é a garantia de
bênçãos.
O filho mais velho nunca entendeu a graça. Jamais a celebrou. Nunca
desfrutou a companhia de seu bondoso pai. Esse filho não era feliz.
Deus quer sua obediência, porém o que Ele mais deseja é ter seu
coração por completo. Junte-se ao Pai hoje e venha celebrar com alegria
o retorno dos muitos pródigos. A festa é para você também!
Quarta 25 de março
Obediência por amor
Se vocês Me amam, obedecerão aos Meus mandamentos. João
14:1S

Obediência é a marca registrada do cristão. Quem ama Jesus,


procura Lhe obedecer. Há uma importante relação entre a lei, a
obediência e o amor. Você não ama Jesus só de palavras, porque
Ele exige obediência a Seus mandamentos. Então o que é amar
Jesus? Ele mesmo responde: ―Quem tem os Meus mandamentos e
lhes obedece, esse é o que Me ama‖ (Jo 14:21).
Se você acredita mais no dever, nas regras e na culpa como
motivação para a obediência, não entendeu ainda o poder do amor.
―Nós amamos porque Ele nos amou primeiro‖ (1Jo 4:19). Quando
descobrimos a profundidade do amor de Jesus, quando
entendemos que o amor Dele é incondicional, quando esse amor
nos invade completamente, somos transformados e desejamos
viver para Ele pelo resto da vida.
Eu li em algum lugar a história de uma mulher casada com um
homem tirano e mandão. Todos os dias, quando ele saía para o
trabalho, deixava um bilhete com as obrigações da esposa. Ao
retornar para casa no fim do dia, ele conferia se as tarefas haviam
sido cumpridas à risca. Essa mulher sofria, mas obedecia por
temor. Quando parecia que seu sofrimento não teria fim, esse
homem sofreu um mal súbito e morreu. Passado o luto, tempos
depois, ela casou de novo. O novo marido a amava e a valorizava.
Seus dias eram cheios de paz e alegria. Um dia, enquanto fazia a
faxina da casa, encontrou um bilhete do falecido marido. Ali
estavam as obrigações a realizar. As lágrimas rolaram generosas
em sua face. Ela se deu conta de que essas eram ainda as suas
tarefas diárias, mas que agora eram feitas por amor.
Quem faz listas de obrigações religiosas espera que obedeçamos
por obrigação. Por Sua vez, Jesus deseja que nossas atitudes
estejam baseadas em amor. Ele validou e ratificou os Dez
Mandamentos (Mt 5:17-19). Isso mostra que o Decálogo não é uma
exclusividade dos hebreus do tempo de Moisés. Jesus renovou a
força da lei e colocou-a como um padrão de comportamento e fé
para Seus seguidores (Lc 6:46).
Eu amo Jesus. Por isso, Seus mandamentos não são pesados
para mim. Desenvolva um relacionamento real com Deus. Assim,
sua obediência será alegre e amorosa.
26 de março Quinta
O valor da obediência
Assim, meus amados, como sempre vocês obedeceram, não
apenas na minha presença, porém muito mais agora na minha
ausência, ponham em ação a salvação de vocês com temor e
tremor. Filipenses 2:12

Muitas pessoas só obedecem quando estão sendo vigiadas. É


gente que não aprendeu o valor da obediência. Para reforçar a
importância da fidelidade a Deus, Paulo diz: ―Ponham em ação a
salvação de vocês.‖ É como se ele estivesse dizendo que as
pessoas convertidas obedecem espontaneamente. A ―salvação‖
não é apenas algo que recebemos; é também o que
desenvolvemos.
Entender isso é muito importante. Um cristão não bebe porque a
igreja diz para não beber. Não age movido pelo medo. Não
obedece porque está sendo vigiado. Pratica valores elevados
porque tem uma relação pessoal com o Senhor. O que Jesus gosta
ele gosta. O que Jesus pensa ele pensa. O que Jesus faz ele faz. O
assunto é obediência, pura e simplesmente.
Quando um amigo na faculdade oferece uma bebida, o jovem que
ama Jesus não diz: ―minha igreja não permite.‖ Ele tem uma
postura ética e uma resposta afetuosa para apresentar.
Paulo diz que devemos desenvolver a salvação com ―temor e
tremor‖. Isso não significa ter medo de Deus. O ponto é ter um
respeito solene e reverente por Ele. O verdadeiro teste para um
cristão não é o que se faz quando os outros estão olhando, mas
quando se tem certeza de que ninguém vai saber.
O valor da obediência é medido pelas motivações do coração.
Deus não aceita comportamentos corretos baseados em hipocrisia.
Por isso, ore para que o Espírito Santo encha sua mente de amor a
Deus e à Sua Palavra. Assim sua fidelidade expressará a entrega
de sua vida a Cristo. E isso será uma bênção para você e para
quem estiver à sua volta.
Sexta 27 de março
Obedeça a seus pais
Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, pois isso é justo. Efésios
6:1

A palavra obedecer significa ―dar ouvidos a‖. Estou convencido


de que aprendemos ouvir a voz de Deus primeiramente por meio
da voz de nossos pais. Em geral, o jovem que entra na idade adulta
com confiança foi educado pelos pais sobre como lidar com as
questões da vida. Se você foi abençoado com a presença de pai e
mãe por perto, com certeza pode ouvir seus conselhos, receber
seu apoio e ter sua orientação. Filhos felizes e abençoados são
aqueles que ouvem e obedecem a seus pais.
Os filhos têm a obrigação de honrar os pais de maneira que Deus
seja glorificado. O quinto mandamento é um freio contra a
tendência de negligenciar os pais. E isso nos acompanha ao longo
da vida. Na infância, somos egoístas; na adolescência, achamos
que os pais são ignorantes incorrigíveis; na juventude, somos
quase consumidos por nossos sonhos e projetos de vida; na fase
adulta, pensamos na carreira e no estabelecimento da família; na
meia-idade, os pais idosos em geral precisam de cuidados
especiais.
Contudo, quem não aprendeu a respeitar a autoridade dos pais
não terá respeito por Deus. O filho que tem um ouvido sensível
seguramente terá um coração obediente. ―A obediência […] é o
verdadeiro sinal de discipulado‖ (Caminho a Cristo, p. 60). Somos
discípulos de nossos pais. ―Discípulo‖ e ―disciplina‖ são derivados
da mesma raiz. Todo discípulo é bem disciplinado. As impressões
digitais dos pais estão espalhadas na vida dos filhos e podem ser
vistas em seu caráter.
Sou o pai abençoado de dois filhos jovens. Posso garantir que é
maravilhoso saber que meus filhos me ouvem. Todo filho precisa
estar aberto ao conselho e à repreensão dos pais. O filho que dá
maior atenção aos conselhos dos pais terá mais chances de ouvir a
voz de Deus. Se uma mãe piedosa diz: ―Filho, não estou gostando
dessas amizades!‖, abra os ouvidos e o entendimento. Você pode
estar ouvindo a voz de Deus.
Enquanto não cortar o cordão umbilical e começar a viver por
conta própria, você deve obediência a seus pais. Se tem algo
errado entre vocês, converse com eles. A iniciativa do diálogo
deveria partir dos pais, mas alguns não conseguem fazer isso.
Então, busque aproximação, intimidade e amor com eles. Pais e
filhos devem ser aliados na vida.
Diga a Deus que você vai procurar ser um filho obediente e
temente ao Senhor. Você será muito abençoado! Quem foi criado
sob o guarda-chuva de pais amorosos e sábios foi abençoado para
a eternidade (Pv 13:22).
28 de março Sábado
Obedecer é viver
Meu filho, não se esqueça da Minha lei, mas guarde no coração os
Meus mandamentos, pois eles prolongarão a sua vida por muitos
anos e lhe darão prosperidade e paz. Provérbios 3:1, 2

O segredo de uma vida feliz reside em guardar os mandamentos


de Deus. O Senhor sempre valorizou a obediência. Embora lei e
mandamentos pareçam negativos, a obediência sempre trará
alegria e bênçãos para aquele que segue suas orientações.
No Sinai, Deus estabeleceu uma aliança com Seu povo. Quando
Sua lei foi entregue em duas tábuas de pedra a Moisés, Ele estava
propondo um relacionamento. Ele disse que Israel era Seu ―tesouro
pessoal‖ (Êx 16:20), ―reino de sacerdotes‖ (v. 6), ―nação santa‖ (v.
6). Ele impôs apenas uma condição: obediência. ―Se vocês
estiverem dispostos a obedecer, comerão os melhores frutos desta
terra‖ (Is 1:19).
O livro de Provérbios nos convida a não nos esquecermos da lei e
guardarmos os mandamentos no coração. O autor inspirado não
está falando de um sistema legalista. Pelo contrário, está ensinando
um modo de vida fundamentado na confiança e no amor.
Contudo, durante séculos, homens e mulheres se mantiveram a
uma grande distância de Deus, intimidados por Sua santidade e
com medo de não conseguir cumprir Suas exigências. Mais de mil
anos depois, os fariseus se vangloriavam por saber tudo da Torá.
No entanto, para eles, a lei era um sistema frio, e o cumprimento
dos mandamentos, uma obrigação. Com medo de não conseguir
cumprir a vontade de Deus, acrescentaram regras sobre regras.
Além dos 613 mandamentos bíblicos, segundo uma contagem
tradicional, eles tinham centenas e centenas de outras regras que
foram criadas para serem como uma cerca de proteção em torno
dos mandamentos. O problema é que essas regras se tornaram um
pesado fardo, que vinha acompanhado da seguinte dúvida: Que
diferença faz ser um escravo ou viver debaixo de uma lei tão
severa?
Deus nunca pensou assim. Ele levava adiante Seu plano de
restaurar a amizade com os Seus. Então Deus assumiu a forma
humana. Jesus demonstrou que a finalidade da lei era o benefício
do homem em todos os aspectos da vida. Ele exaltou a lei, cumpriu-
a. Mostrou o caminho para nossa obediência: um transplante de
coração, um novo nascimento. A obediência é a única evidência de
que o coração é novo.
Domingo 29 de março
Confiança
Assim conhecemos o amor que Deus tem por nós e confiamos
nesse amor. 1 João 4:16

Confiar em Deus é uma das maiores e mais urgentes


necessidades da vida. São tantas as evidências do amor de Deus
por nós que duvidar me parece tolice. No entanto, preciso
reconhecer que muitas vezes questionei o amor de Deus e a
capacidade Dele de cuidar de mim. O maior inimigo da confiança é
a dúvida. Quantas vezes fiquei atribulado por causa de erros reais
ou imaginários, achando que Deus jamais me aceitaria de novo. Se
há uma coisa que precisamos aprender urgentemente é confiar no
amor inabalável de Deus por nós. Esse amor não depende do que
fazemos ou deixamos de fazer. A mensagem das Escrituras é clara:
Deus é amor.
João acreditava que era o discípulo mais amado. Ele confiava
nesse amor. Aprendeu algo observando Jesus. Cinco vezes em seu
livro, ele chama a si mesmo de ―o discípulo a quem Jesus amava‖.
Ele nem mesmo usa seu nome. Este é o segredo da confiança: não
se trata de quanto confiamos em Deus, mas do quanto Ele nos
ama.
Eu sinto que meus filhos confiam em mim. Eles costumam
partilhar comigo seus problemas, sonhos e preocupações. Claro
que eles têm seus segredos e histórias particulares, mas, no geral,
eles me contam tudo. Confiam em mim porque experimentaram do
meu amor sincero por eles. Filhos que têm convicção de que são
amados e aceitos pelos pais são mais receptivos ao amor de Deus
e têm maior predisposição para confiar. Da mesma forma, posso
afirmar que os filhos que não receberam doses diárias de afeto,
cuidado, proteção e amor terão mais dificuldades para confiar no
amor de Deus.
O velho ditado diz: ―Quem ama confia.‖ Ao que parece, as
pessoas mais próximas de Jesus tinham uma consciência
avassaladora do amor Dele. O amor não exige provas para confiar.
Da próxima vez em que você vir uma criança dormindo tranquila
nos braços da mãe, observe a serenidade de seu semblante. Sem
palavras, ela parece dizer: ―Não tenho medo de nada, pois os
braços que me seguram são de alguém que me ama.‖ Precisamos
aprender a descansar no amor de Deus e permitir que Ele nos ame
exatamente como somos. Ele escolheu nos amar. O ato de confiar
começa quando entendemos esse amor.
30 de março Segunda
Confiança em Deus
Confie no SENHOR de todo o seu coração e não se apoie em seu
próprio entendimento; reconheça o SENHOR em todos os seus
caminhos, e Ele endireitará as suas veredas. Provérbios 3:S, 6

Há razões de sobra para confiar em Deus, pois Seu amor por nós
é total. Deus é digno de confiança e cumpre Suas promessas.
Apesar de tudo que sabemos sobre Deus, sobre Sua fidelidade,
Seu cuidado e amor por nós, ainda assim, às vezes, temos
dificuldades para confiar. Se realmente confiássemos em Deus,
correríamos menos, viveríamos menos cansados, sentiríamos
menos dor de cabeça e menos pressão sobre os ombros. Há dias
em que eu confio em Deus. Então acordo com a doce sensação de
que Ele está sorrindo para mim. Mas, em outros, não consigo
confiar. Prefiro lutar sozinho. Em geral, volto para casa ao final do
dia arrastando os pés, cansado, estressado, deprimido,
sobrecarregado.
É tão fácil nos esquecermos de que Deus é grande e poderoso,
de que Ele Se preocupa conosco, supre e resolve nossos
problemas. Qualquer dificuldade nos rouba a paz e nos tira o sono.
Eu sei que você já passou por isso. Às vezes, seus dias
amanhecem ensolarados por semanas. De repente, uma nuvem
esconde o sol e um manto cinzento cai sobre seus dias. Você fica
com a estranha sensação de que tem coisa demais para fazer e
não vai dar conta de tudo. E, quando a noite chega, ao deitar-se em
sua cama, apaga a luz e parece que uma tonelada pesa no peito.
Se, neste exato momento, você está se sentindo sobrecarregado
por excesso de trabalho, culpa, problemas de família ou algo pior,
lembre-se de que você é o objeto mais precioso do amor de Deus.
Confiar em Deus não significa que Ele fará sua vontade, significa
que você confia que a vontade de Deus é a melhor para você.
Confie em Deus de todo o coração, disse o sábio. A melhor forma
de fazer isso é por meio da oração.
Um de meus hinos favoritos diz assim no coro: “Confia em Deus que
Ele sempre Te ouvirá. / Confia em Deus que Ele nunca falhará. / Confia em
Deus que a negra nuvem passará. / Oh! Não duvides, mas confia em Deus”
(Hinário Adventista do Sétimo Dia, no 273).
Corra o ―risco‖ de confiar em Deus hoje. Se a ―negra nuvem‖ não
passar, o que você terá perdido? Quando você escolhe confiar em
Deus, faz a grande descoberta de que Ele é o suficiente.
Terça 31 de março
Confiar na palavra de Jesus
O homem confiou na palavra de Jesus e partiu. João 4:S0

No evangelho de João, um oficial do rei vai até Jesus, pedindo um


milagre. Seu filho estava morrendo. Ele pediu com ansiedade:
―Senhor, vem, antes que meu filho morra!‖ (v. 49). Em geral,
aprendemos a confiar em Deus ao ver o que Ele fez na vida de
outros e na nossa. Contudo, aquele pai escolheu confiar na palavra
de Jesus, antes mesmo de ter certeza do milagre.
Alguns teólogos acreditam que o homem fosse Cuza, cuja esposa
era Joana. Pelo fato de Jesus ter curado seu filho, ambos passaram
a servi-Lo com seus bens, dando todo apoio a Seu ministério.
Quando aquele homem encontrou Jesus, suplicou pela cura do
filho. Ele recebeu uma resposta dura do Senhor, mas parecia ter
entendido o porquê de Cristo falar daquela maneira. O Senhor não
se dirigia somente a ele, mas também à multidão. As pessoas
queriam sinais, milagres e espetáculo. Ainda hoje, muitos querem
razões para crer. Quando confiamos em Deus apenas por causa
daquilo que Ele realiza, desenvolvemos uma fé dependente de
sinais. Muita gente precisa receber bênçãos para confiar, mas
aquele homem creu no poder da palavra divina.
Imagina o nível de confiança dele ao voltar para casa acreditando
apenas na palavra de Jesus. Cristo não foi com ele. O homem teve
que voltar para casa sozinho, mas confiou no que Jesus tinha dito a
ele. A confiança tem que estar alicerçada na Palavra de Deus.
O homem não sentiu nada, não viu nada, mas, apesar
disso, creu e voltou para casa afim de ver o filho curado.
Comentando a fé daquele homem, Ellen White afirmou: ―Nós
também devemos aprender essa lição. […] Temos de confiar em
Suas promessas. Quando nos aproximamos Dele com fé, toda
súplica penetra o coração de Deus. Tendo pedido Suas bênçãos,
devemos crer que as receberemos e agradecer-Lhe porque já as
recebemos‖ (O Desejado de Todas as Nações, p. 200).
Que confiança grandiosa crer que Jesus, o grande Médico, era
capaz de curar sem ver o paciente! Acreditar não porque Jesus
mostrou as provas, mas porque Ele falou. O incrédulo diria: ―Santa
ingenuidade!‖ Mas aquele homem de fé passou pela experiência
de crer sem ver. A questão é: Você vai confiar no que Deus diz ou
vai ficar esperando uma manifestação de poder para crer?
Abril
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2 3 4

5 6 7 8 9 10 11

12 13 14 15 16 17 18

19 20 21 22 23 24 25

26 27 28 29 30
1º de abril Quarta
Confiança Inabalável
Os que confiam no SENHOR são como o monte Sião, que não se
pode abalar, mas permanece para sempre. Salmo 12S:1

O verso de hoje nos lembra que é necessário confiar a vida aos


cuidados de Deus. Somente o Eterno merece nossa confiança
plena. Os que confiam Nele não se abalam. Nos dias do salmista,
as pessoas confiavam nas próprias forças, na grandeza de seus
exércitos, na quantidade de suas armas, em seus cavalos, etc.
Hoje não é diferente. As pessoas buscam segurança em blindagem
de carros, câmeras de segurança, seguros de vida e coisas do
tipo. Nada disso é errado, mas o salmista mostra que o povo de
Deus vive em total segurança, como uma montanha inabalável.
O autor do salmo compara essa confiança com o monte Sião.
Esse lugar era um forte que ficava na cidade de Jerusalém.
Quando o rei Davi conquistou a fortaleza dos jebuseus, Sião ficou
conhecida como a Cidade de Davi (2Sm 5:7, 9). Na Bíblia, Sião
ganhou um significado simbólico cada vez maior. O templo de
Salomão foi construído em suas imediações e passou a ser
identificado por meio do nome da fortaleza. Às vezes, Sião é usado
como sinônimo de Jerusalém. Sião era aonde os judeus iam para
estar na presença de Deus. Na eternidade, todos os salvos
morarão no monte Sião (Hb 12:22, 23).
A Bíblia diz claramente que a condição para não sermos abalados
é confiar no Senhor. Contudo, todos passamos por momentos na
vida em que somos tentados a desconfiar de Deus. De um
momento para outro, as coisas parecem sair do controle. De
repente, tudo o que nos traz segurança se torna movediço. Nesses
momentos, temos que decidir: Vamos confiar em Deus ou no
mundo?
O salmista deseja que compreendamos que, quando confiamos
em Deus, temos um alicerce forte que não se abala. Uma das
tarefas mais difíceis de nossa caminhada com Deus é abrir mão do
controle. Como podemos ter certeza de que Ele vai cumprir o que
prometeu? Será que realmente podemos colocar nossa confiança
em Deus? A resposta está no monte de Sião. Esse é um monte que
não se abala.
O que aconteceu no monte Sião? Nele, um Carpinteiro judeu foi
morto e sepultado. Mas hoje a tumba está vazia. A Bíblia garante
que podemos colocar nossa confiança no Senhor Jesus. Jamais
seremos abalados!
Quinta 2 de abril
Confiança prática
Mas eu, quando estiver com medo, confiarei em Ti. Em Deus, cuja
palavra eu louvo, em Deus eu confio, e não temerei. Que poderá
fazer-me o simples mortal? Salmo S6:3, 4

Um dos temores básicos do ser humano é o desconhecido. O que não


conseguimos explicar, entender e, acima de tudo prever, vai nos deixar
temerosos. Em geral, ambientes desconhecidos parecem ameaçadores.
O medo é uma dessas coisas programadas para nos fazer sentir que
precisamos de Deus. A confiança vence o medo. Quem conhece a Deus
sente-se seguro na vida.
Espero que você tenha um programa pessoal para aprender a confiar.
Mesmo assim, apresento a seguir um ótimo exercício que um dos meus
autores favoritos me ensinou. Escreva em uma caixa as palavras
―Confiança em Deus‖. Você pode utilizar um envelope também ou coisa
parecida. Mesmo que pareça maluquice, ela será sua caixa da
―Confiança em Deus‖. Toda vez que alguma coisa começar a tirar seu
sono ou roubar sua paz e você não tem capacidade de mudar, coloque
essa preocupação num papel e guarde-a na caixa. Pode ser qualquer
coisa que o ameace e o assuste. Uma vez dentro da caixa, essa
preocupação se tornará propriedade de Deus. Isso passará a ser
responsabilidade do Senhor, não mais sua (na verdade, nunca foi).
Nunca tive uma caixa dessa, mas sempre escrevi minhas preocupações.
A partir do momento em que você entrega seu problema aos cuidados
de Deus, não tem mais permissão de se preocupar. E, se quiser, terá de ir
até a caixa e tirar o papel e a preocupação das mãos de Deus. Ao fazer
isso, você estará tornando visível e palpável o que, de fato, acontece em
seu interior: carregando tudo sozinho, você vai deixar de confiar no
Senhor. Vá em frente e tente carregar esse fardo. Tente enfrentar seus
medos por conta própria. Eu garanto: não vai funcionar. Mas, se você
quiser enfrentar seus temores, o segredo é confiar em Jesus, só em
Jesus. Ele é totalmente confiável.
3 de abril Sexta
Seja confiável
Assim diz o SENHOR: Maldito é o homem que confia nos homens,
que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se
afasta do SENHOR. […] Mas bendito é o homem cuja confiança está
no SENHOR. Jeremias 17:S, 7

Se a vida fosse resumida apenas à primeira parte do texto de


Jeremias 17:5 (―maldito o homem que confia nos homens‖),
sinceramente, o mundo seria um lugar impossível de se viver. Como
seria o casamento se a pessoa não confiasse no cônjuge? Se não
houver certa confiança entre patrão e empregado não há como
essa parceria dar certo. Se tirarmos o texto do contexto, as
relações sociais se tornam impraticáveis.
É verdade que vivemos em um ambiente de insegurança e
incertezas. Houve um tempo em que a palavra do homem bastava.
Pergunte a seus avós, e eles poderão lhe falar a respeito de um
tempo em que os negócios eram feitos anotando suas dívidas numa
caderneta. Não é mais assim no mundo moderno, tecnológico e
secularizado em que vivemos. Há quem desconfie até da própria
sombra.
Entretanto, a confiança é a única maneira de as pessoas se
relacionarem de modo positivo. O que você faz quando confia em
alguém? Coloca nas mãos da outra pessoa um pedaço de si
mesmo: seu coração, seu dinheiro, seu tempo, etc. Você fica
vulnerável. Mas, quando o outro age com lealdade, você descobre
um amigo verdadeiro.
E quando sua confiança é traída? Se a taça da confiança rachar,
tudo se perde. Coisa dura é ouvir alguém dizer: ―Mas eu não confio
mais nele!‖ A traição nos machuca. Quando escolhemos confiar,
corremos riscos.
O evangelho coloca diante de nós um grande desafio quando
somos traídos. Chamase perdão. Por essa razão, eu o convido a
ver o verso de hoje por outra ótica. Se o outro está sujeito ao erro,
eu também estou. O outro pode errar, e eu também posso. Nesse
aspecto, podemos dizer que estamos todos no mesmo nível.
Seja uma pessoa de confiança. Decida cumprir suas promessas.
Se mais gente estiver disposta a agir assim, haverá espaço para a
confiança florescer.
No verso de hoje, Jeremias ensina que Deus é o único que jamais
trairá a sua confiança! Pode confiar Nele sem medo. Ele nunca
decepcionará você.
Sábado 4 de abril
Confiança total
Tu, SENHOR, guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está
firme, porque em Ti confia. Confiem para sempre no SENHOR, pois o
SENHOR, somente o SENHOR, é a Rocha eterna. Isaías 26:3, 4

Você precisa organizar sua vida em torno de Deus. Ele é quem


nos provê o que importa e é duradouro. Por que devemos confiar
em Deus? Confiar é o ato supremo do amor. Pense em Abraão
subindo o monte com Isaque, certo de que voltaria com o filho
depois de adorar. Imagine a luta que estava sendo travada em seu
coração: ―Deus é justo, mas também é misericordioso. Não sei
como Ele vai manifestar as duas coisas hoje, mas confio que Ele
fará isso.‖
Olhando do camarote da história, sabemos o que aconteceu, mas
Abraão não sabia. Deus o pôs à prova, e ele passou no teste com
louvor. O pedido de Deus para Abraão foi um ato de misericórdia.
Isaque foi um presente maravilhoso para o pai, mas não podia
tomar o primeiro lugar em seu coração. Enquanto Abraão não tinha
que escolher entre seu filho e a obediência ao Senhor, tudo estava
bem entre ele e Deus. A pergunta era: Até onde iria o amor de
Abraão pelo Eterno?
Essa é a questão à qual devemos responder. O jovem deseja
iniciar um curso universitário, e isso é muito bom. Estuda, ora,
clama para passar no vestibular e é aprovado. Quando chega à
faculdade, vira as costas para Deus. A moça quer um namorado.
Ora, pede, e Deus atende, mas ela sai da igreja por causa do
namoro. Se a carreira, o sucesso, o dinheiro, os relacionamentos, os
filhos, qualquer coisa estiverem impedindo você de confiar
inteiramente no Senhor, um falso deus foi criado em sua vida.
Deus ama você demais para deixá-lo sozinho com suas escolhas.
Você precisa aprender a confiar Nele. O problema não é o tamanho
de seu sonho, mas para onde seu coração se inclina. Quem é
realmente seu Senhor? Ele é seu melhor amigo? Leve tudo a Ele e
deposite a Seus pés. Se você for mesmo sincero, vai entender que
não é seu ―Isaque‖ o que Deus quer. Ele quer você.
Tome seu ―Isaque‖ ou o nome que ele tiver e leve-o para Deus
hoje. Confie que Ele vai fazer o que prometeu. ―Confiar para
sempre no SENHOR‖ é entregar tudo a Ele. Colocar Deus em primeiro
lugar produz uma estranha satisfação. Aquele que está firme Nele é
premiado com paz interior. Experimente!
5 de abril Domingo
vontade
Fazendo de coração a vontade de Deus. Efésios 6:6

Muitos jovens se sentem inseguros na hora de tomar uma


decisão. Se você tem entre 16 e 26 anos, está na fase mais difícil
da vida. É chamada de década crítica. Nesse período, as grandes
questões da existência precisam ser decididas. As escolhas que
você fizer durante essa etapa determinarão os rumos de sua vida
nos 50 anos seguintes.
A maioria das decisões dos jovens nesse período é tomada com
base na vontade, incluindo a escolha da profissão, do cônjuge e
também dos valores que marcarão a vida para sempre. Sem
dúvida, você receberá a influência e a orientação de pessoas que o
amam, como pais, professores e amigos, mas a decisão final será
sempre sua.
Você vai se deparar com centenas de questões importantes e terá
de decidir que rumo tomar. Você será forçado a lidar com pressões
e tentações que as gerações anteriores não tiveram que enfrentar.
A maioria das tarefas que precisamos realizar para o cumprimento
do dever exige o uso da vontade. Aqui estão algumas delas: resistir
à tentação, perseverar numa tarefa difícil, romper um hábito e até
mesmo se render.
Observe que todas essas questões estão relacionadas com o
poder da vontade. Há apenas um diferencial: você toma uma
decisão hoje e fica mais fácil dar o próximo passo no dia seguinte.
Mas você não consegue acumular energia de uma decisão para a
outra. Cada decisão é única. Você persevera no cumprimento de
uma tarefa e pode comemorar o senso do dever cumprido. Porém,
a próxima tarefa desafiadora será tão assustadora quanto a
anterior.
Por incrível que pareça, o único ato da vontade que é capaz de
produzir energia para a luta seguinte é a rendição. É quando você
submete sua vontade à vontade de Deus. É abrir mão do controle.
É entregar suas ambições, sonhos, recursos, relacionamentos,
tempo e desejos a Deus. Muitas vezes, nossas escolhas falham
porque não incluímos Deus em nossos planos.
Ellen White escreveu: ―A vontade é o poder que governa a
natureza do homem, pondo todas as outras faculdades sob sua
direção. A vontade não é o gosto nem a inclinação, mas o poder
que decide, o qual opera nos filhos dos homens para obediência a
Deus, ou para a desobediência‖ (Mensagens aos Jovens, p. 151).
Com tantas perguntas a serem respondidas, como é importante
entender o papel da vontade em nossa vida. Não é gosto nem
inclinação. O poder que decide nos governa. Alinhe seus sonhos
com os de Deus. Faça isso e tome as melhores decisões.
Segunda 6 de abril
A VONTADE DE DEUS
O nosso Deus está nos Céus, e pode fazer tudo o que Lhe agrada.
Salmo 11S:3

Um dos assuntos mais difíceis de entender na Bíblia é a vontade


de Deus. Costumamos dizer: ―Deus quis assim. Foi da vontade de
Deus.‖ Mas nem sempre sabemos o que isso realmente significa.
Também não sabemos tudo sobre Deus. Por meio da revelação em
Sua Palavra, sabemos apenas o suficiente, porém, há infinitamente
mais a descobrir! Aliás, como seres finitos poderiam entender o
Infinito?
Segundo a Bíblia, um dos aspectos fundamentais da vontade de
Deus é que ela é absoluta. Deus é soberano. Ele governa o
Universo. Tudo pertence a Ele. ―Do Senhor é a terra e tudo o que
nela existe, o mundo e os que nele vivem‖ (Sl 24:1). Por ser dono
de tudo, Deus tem condição de fazer o que desejar e quando
desejar.
A vontade soberana de Deus pode intervir no Universo, em nosso
mundo e em nossa vida a qualquer momento. Com exceção da
revelação profética, a vontade de Deus não pode ser antecipada:
só a compreendemos depois de consumada. É lógico que, em se
tratando de seres humanos livres, nem tudo o que acontece
decorre da vontade de Deus. Muito do que passamos e sofremos
vem das próprias escolhas, boas e ruins, ou mesmo das escolhas
de outras pessoas. Contudo, ainda assim, Deus atua, realiza
livramentos, milagres, permite ou não que certas coisas ocorram
em nossa vida. Com uma sabedoria inatingível a nós, mortais, Ele
atua para conduzir as coisas.
Deus nunca é pego de surpresa. Essa dimensão absoluta da
vontade de Deus revela Seu controle da situação. Ele é Onipotente:
não há nada que não possa fazer. É Onisciente: não há nada que
Ele não saiba. É Onipresente: não há lugar em que Ele não esteja. E
o mais importante – Ele é amor: não há ninguém que Ele não possa
amar e salvar! Portanto, se algo ruim acontecer em sua vida, e você
se questionar sobre a vontade de Deus, escolha confiar! Se houver
alguma coisa fora de seu alcance, deixe Deus ser Deus. Abra
espaço para que o Senhor o conduza, pois Ele sabe o que é melhor
para você.
Nada pode impedir Deus; mas, incrivelmente, podemos rejeitar
Seu amor. Podemos negar Sua salvação. Contudo, isso não diminui
o Eterno. Diante disso, abra agora seu coração a Ele. Permita que
Ele o guie e que a vontade Dele seja feita em sua vida.
7 de abril Terça
A vontade permissiva de Deus
Eu formo a luz e crio as trevas, promovo a paz e causo a desgraça;
Eu, o SENHOR, faço todas essas coisas. Isaías 4S:7

Deus tem um plano piloto para nossa vida. Podemos ter a certeza
de que tudo o que Ele faz é para o nosso bem. Quando olhamos
para trás, vemos Sua mão conduzindo nossa vida. Quando
olhamos para a frente, podemos confiar na guia divina.
Como não existem acidentes para Deus, nós ficamos com um
dilema: Como conciliar a vontade divina e a responsabilidade
humana? É aí que entra a vontade permissiva de Deus. Isso
significa que Ele permite que determinadas coisas aconteçam. Por
exemplo, Deus não causou o sofrimento de Jó, mas permitiu que
ele passasse por tudo o que passou. Não posso entender por que
Ele fez isso, mas Ele é Deus. Ele faz o que quer. Ele pode fazer o
que quiser com qualquer um de nós. Deus nunca leva a mão à
cabeça e diz: ―Ops, o que houve aqui?‖ Não. Nada Lhe escapa;
nem o menor detalhe de nossa vida.
Então quer dizer que devemos sentar, relaxar e deixar que Ele
faça o que quiser de nossa vida, porque as nossas escolhas não
têm nenhuma importância? Alto lá! A ação de Deus não nos exime
da responsabilidade pessoal por nossas ações.
A vontade de Deus não é a única a gerar situações no Universo.
Para que o homem pudesse ser um agente moral com poder de
escolha, ou seja, um ser livre, a possibilidade do mal teve que
existir. Vocês se lembram que Deus colocou no centro do Éden a
árvore do bem e do mal. Adão e Eva receberam informações
suficientes para fazer a escolha. Quando permitiu a possibilidade
da existência do mal, Deus dotou o ser humano de vontade moral,
para escolher fazer Sua vontade ou não. Deus não causa, autoriza
nem aprova o mal, mas o exercício da vontade acarreta
consequências. José entendeu isso quando analisou o mal que
seus irmãos lhe causaram. Ele disse: ―Vocês planejaram o mal
contra mim, mas Deus o tornou em bem, para que hoje fosse
preservada a vida de muitos‖ (Gn 50:20).
Achar que Deus predetermina todos os acontecimentos é abrir
mão de nossa liberdade de escolha. Ele é bom e nos deu um
cérebro. Além disso, nos mostrou em Sua Palavra o caminho pelo
qual devemos seguir. Precisamos aprender a assumir os riscos de
nossas decisões.
Quarta 8 de abril
Vontade moral
Vivam como pessoas livres, mas não usem a liberdade como
desculpa para fazer o mal; vivam como servos de Deus. 1 Pedro
2:16

Fomos criados livres. O Eterno nos dotou com uma vontade moral.
Quando nos criou, Ele nos deu o maior presente que poderia
conceder ao ser humano: a capacidade de escolher. Isso foi
definido uma vez por todas quando Ele plantou no meio do Éden a
árvore do conhecimento do bem e do mal. O homem poderia se
rebelar contra Sua autoridade, caso quisesse. O nome disso é livre-
arbítrio.
O Eterno não quis impor obediência. Não desejava lidar com
robôs, mas com filhos amados. Permitindo que o mal fosse uma
possibilidade, Ele estava mostrando quão grande realmente é.
Deus tratou o ser humano com respeito e dignidade ao nos dar a
capacidade de tomar decisões por conta própria. Antes da queda,
o homem era um agente livre. Adão podia escolher entre o bem e o
mal. Depois da queda, com sua natureza corrompida, o homem
natural ainda faz escolhas, mesmo que inclinadas para o mal (ver
Rm 7:19).
A partir do momento em que desobedeceu a Deus, o homem não
só pecou mas também se tornou escravo do pecado. Essa
realidade passou a fazer parte de nossa natureza. O apóstolo Paulo
explica: ―o mal que não quero, esse eu continuo fazendo‖ (Rm
7:19). Mesmo sendo restaurados por Deus, nossa vontade moral
continua corrompida e enfraquecida. Ellen White diz que a nossa
geração ―tem menos poder de domínio próprio do que os que
viviam então [ou seja, a de algumas gerações passadas]‖
(Testemunhos Seletos, v. 1, p. 417).
Sua vida não é controlada pelo destino. A maior parte das
escolhas que você faz cada dia não tem que ver diretamente com a
natureza humana pecaminosa. Você é livre para tomar as próprias
decisões e ser responsável por elas. A questão não é qual sapato
vou comprar ou a que horas vou me levantar ou se vou vestir jeans
ou social. Podemos fazer esse tipo de escolha livremente. No
entanto, nossas decisões morais precisam ser tomadas à luz da
Palavra de Deus. Satanás sabe da importância disso. Ele se vale de
nossa fraqueza para nos manter como ―escravos do pecado‖ (Rm
6:6).
Diante dos dilemas morais da vida, às vezes você pode ser
tentado a relativizar: ―Mas eu sou tão fraco!‖ No entanto, Deus lhe
diz: ―Minha graça é suficiente para você, pois o Meu poder se
aperfeiçoa na fraqueza‖ (2Co 12:9).
9 de abril Quinta
Exerça vontade
Quem faz a vontade de Deus, este é meu irmão, minha irmã e
minha mãe. Marcos 3:3S

Não é fácil exercer plenamente o bem. Ainda que não resistamos


ao plano geral de Deus para nossa vida, nosso coração obstinado
procura se opor ao plano divino.
Separei alguns trechos inspirados de Ellen White para você
perceber como é importante submeter sua vontade ao plano
soberano de Deus: a nossa ―vontade precisa morrer; ela deve
transformar-se na vontade de Deus‖ (Testemunhos Seletos, v. 3, p.
380). ―Nesta luta só poderemos vencer com o auxílio de Cristo‖
(ibid., p. 98); ―Cristo pode nos conceder a capacidade para vencer‖
(ibid., p. 99).
Segundo Ellen White, crianças controladas com mão de ferro têm
a vontade esmagada. Isso acarreta dificuldade para tomar
decisões na vida. Quando deixadas à própria sorte, elas ―parecem
incapazes de pensar, agir ou decidir por si mesmas‖ (Testemunhos
Seletos v. 1, p. 316). Essa é a condição de alguns de nós. Fomos
mal preparados para enfrentar os desafios da vida. Às vezes, a
vontade escapa do controle simplesmente porque nossos pais não
permitiram que as rédeas estivessem em nossas mãos. Alguns
conseguem fazer as escolhas corretas somente se forem vigiados
ou controlados.
Então como assumir o controle da própria vontade? A força de
caráter consiste em duas coisas importantíssimas para nosso
crescimento: força de vontade e domínio próprio. Você já deve ter
assistido a uma partida de tênis em que o jogador se mostra
arrasador num set e, no seguinte, fica irreconhecível. Enquanto a
partida acontece, há dois jogos em curso. O primeiro é o que você
assiste. O outro está na mente do jogador. Ele está travando uma
luta interna com o medo de perder, o nervosismo e a autocensura
que surgem ao longo da partida. Se ele não reassumir o controle da
vontade, sairá da quadra fracassado.
A mensagem inspirada diz assim: ―A mente precisa ser exercitada
pelas provas diárias, a fim de adquirir vigor para resistir em
qualquer situação difícil. Nos dias de prova e de perigo,
necessitaremos estar fortalecidos para ficar firmes ao lado do
direito, a despeito de toda a influência contrária‖ (ibid., p. 581).
Uma mudança profunda na vida requer mais do que força de
vontade. Exige que Deus renove nossa mente. Como Ele faz isso?
Inclua em sua agenda mais tempo com a Palavra, momentos a sós
na natureza, boa leitura, exercício e boa recreação.
Sexta 10 de abril
A vontade de Deus para a minha vida
Eu o instruirei e o ensinarei no caminho que você deve seguir.
Salmo 32:8

Sem dúvidas, você já se perguntou: ―Qual é a vontade de Deus


para a minha vida?‖ Em determinados momentos de nossa
existência, nos apaixonamos com grande facilidade. Chega a ser
um amor por semana. Se você já passou por esse período, talvez
tenha aberto a Bíblia aleatoriamente e apontado o dedo para um
verso, procurando saber se era da vontade de Deus. Outra decisão
importante que você deverá tomar nos próximos anos tem que ver
com sua vocação. Você já pediu um sinal a Deus? Você quer a
aprovação divina?
Deus quer que você escolha servi-Lo, mas Ele não vai interferir
nas decisões mais importantes de sua vida. Do amanhã, você só
tem como saber sua posição espiritual e seu destino eterno. Nada
mais. Sendo assim, como Deus nos revela Sua vontade?
Há alguns filtros para saber discernir a vontade de Deus. O
primeiro deles é identificar a voz de Deus. É isso mesmo que Deus
quer? Você precisará ter intimidade com o Senhor para não
confundir a vontade Dele com a sua.
Segundo, você precisará usar o filtro das Escrituras. É bíblico? O
Eterno não vai lhe dizer nada que seja contrário à Sua Palavra.
Mensagens que contradizem a Bíblia não vêm de Deus. Certo dia,
terminei de pregar, e uma garota me pediu: ―Pastor, ore por mim!‖
Perguntei: ―Pelo que você quer que eu ore?‖ Resposta: ―Meu
namoro. Estou com medo de que minha igreja fique sabendo…‖
Claro que eu sabia que havia algo mais. Seu namorado não era da
igreja, e ela queria a aprovação de Deus para algo que Ele já havia
dito não.
Terceiro, faça o teste da sabedoria. É sábio? Deus nunca lhe
pedirá que faça algo incoerente e errado. Quarto, faça o teste da
configuração. ―Essa atitude tem que ver com meu jeito de ser?‖
Dificilmente Deus pedirá algo que seja diferente de sua
personalidade. Deus o criou e lhe deu dons. Ele não pedirá que
faça algo que você não tem talento para fazer.
Quinto, faça o teste do conselho. O que dizem as pessoas que
conhecem e amam você? O que seu pai e sua mãe dizem? E seus
amigos? O que falam as pessoas que lhe conhecem bem? Elas
podem ser a resposta de Deus para suas inquietações.
Por fim, preciso lhe pedir que encha sua mente com a Bíblia.
Deus usa Sua Palavra para falar conosco. Quanto mais tempo você
passa com a Bíblia, mais sensível seu ouvido ficará à voz de Deus.
11 de abril Sábado
Seja feita a Tua vontade
Seja feita a Tua vontade, assim na Terra como nos Céus. Mateus
6:10

Espero que você tenha entendido que a vontade de Deus é


absoluta. Ele é Deus no Céu e na Terra, e a vontade Dele acontece
no tempo Dele. Contudo, também precisamos entender que Deus
permite que determinadas coisas aconteçam. É a vontade
permissiva de Deus. Você também precisará exercer vontade para
que a vontade de Deus se faça em sua vida. Também espero que
você tenha entendido que não deve procurar um verso da Bíblia
que apoie o que você quer. Finalmente, vamos entender agora que
somos participantes ativos do processo e responsáveis por aquilo
que acontece.
Estamos debaixo da poderosa mão de Deus, mas isso não elimina
a responsabilidade que temos por nossas decisões. Por isso, Deus
nos oferece três lanternas para nos auxiliar a fim de que Sua
vontade soberana, que acontece nos Céu, se efetive na Terra. São
elas: o Espírito Santo, as Escrituras e o povo de Deus.
O Espírito Santo foi dado para nos corrigir (Jo 16:8). Nosso
coração é enganoso e inclinado para o mal. Ele costuma empurrar
a sujeira para debaixo do tapete, mas o Espírito nos coloca em
sintonia com o Céu e nos faz ver tudo o que precisa ser corrigido
em nossa vida.
―Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra‖ (Sl 119:105, ARA).
Às vezes, a vida proporciona muitos confortos, alguns dos quais
nos afastam do plano de Deus. Mas, quando nos demoramos em
Sua Palavra, nosso caminho é clareado e é colocado em nosso
coração o desejo de que nossa vida esteja em harmonia com a
vontade de Deus.
Por último, todos precisamos de um relacionamento adequado no
corpo de Cristo. Suplicamos uma bênção para Deus e pedimos que
Ele faça Sua vontade. Então Ele nos coloca para conviver com
pessoas difíceis para desenvolver em nós os atributos de Seu
caráter. Comunhão sincera com os outros antecipa um pedacinho
do Céu na Terra.
O Espírito Santo, a Palavra e o povo de Deus são três fontes por
meio das quais Deus começa a manifestar Sua vontade neste lado
de cá da eternidade.
Domingo 12 de abril
Oração
Eu os tenho chamado amigos, porque tudo o que ouvi de Meu Pai
Eu lhes tornei conhecido. João 1S:1S

O livro Caminho a Cristo tem um lindo capítulo chamado ―O


Privilégio de Falar com Deus‖. Você já deve conhecer sua frase
mais famosa: ―A oração é o abrir do coração a Deus como a um
amigo‖ (p. 93). Essa frase define bem o que é a oração. Amigos
gostam de conversar. Quanto tempo devemos permanecer ao lado
de Jesus para podermos chamá-Lo de amigo? Como ter
profundidade e intimidade com Deus?
Eu sei que você deve ter um melhor amigo. Todo mundo tem. Mas
o privilégio do cristão é que Jesus o escolheu para ser Seu amigo.
―Já não os chamo servos, porque o servo não sabe o que o seu
senhor faz. Em vez disso, Eu os tenho chamado amigos, porque
tudo o que ouvi de Meu Pai Eu lhes tornei conhecido‖ (Jo 15:15).
Consegue imaginar algo melhor do que isso? Fomos promovidos
de servos a amigos de Jesus! Ele nos conta ―tudo‖. Os verdadeiros
amigos não têm segredos entre si.
Tenho bons amigos, mas meu melhor amigo chama-se Walter.
Confiamos sinceramente um no outro. Nossas famílias se conhecem
e sabem que um pode contar com o outro. Vivemos em cidades
diferentes e distantes, mas, quando estamos juntos, a conversa flui
com facilidade. Nós nos entendemos, e um chega a completar o
pensamento do outro. Não nos preocupamos com fórmulas nem
com aparências. Queremos apenas conversar.
Oração é isso, diálogo. Quando lemos a Bíblia em busca de
histórias sobre a oração, o que vemos são os santos de Deus
conversando com Ele. Algumas vezes, eles abriam negociação
com Deus. Pense em Abraão, recebendo o Senhor naquela manhã
junto a um carvalho. Lembre-se de Moisés na sarça ardente; em
Gideão provando o Senhor com um chumaço de algodão. Na
Bíblia, a oração é uma simples conversa com Deus. Clemente de
Alexandria, um dos pais da igreja, disse que ―orar é manter-se na
companhia de Deus‖.
Portanto, passe algum tempo hoje refletindo sobre sua amizade
com Jesus. Você sente que essa amizade está crescendo ou ainda
é uma relação superficial? Faça da oração sua conversa diária com
Jesus. Seja amigo Dele, e sua vida ganhará um novo significado.
13 de abril Segunda
Oração simples
O que vocês pedirem em Meu nome, Eu farei. João 14:14

Eu tenho um Amigo que tem todo o poder no Céu e na Terra. Ele


me garantiu que sempre está pronto para me ouvir e me atender.
Pelo que Ele disse, posso pedir qualquer coisa. Contudo, é bom
não abusar, porque não se faz isso com um amigo. A coisa mais
importante que um bom amigo tem para oferecer é uma parte de si
mesmo. Então, não use Deus para realizar seus objetivos ou
conseguir coisas, mas aprenda a passar tempo com Ele, pela
alegria de estar com Ele, como se fossem bons colegas da escola.
Deixe que a conversa entre vocês flua de forma natural.
Torne a oração simples. Suas palavras devem ser naturais e
sinceras. O Deus do Universo fica feliz em ouvir você. Não se
preocupe com o passo a passo ou com listas bem elaboradas. Não
use fórmulas, porque isso pode transformar a oração em algo
mecânico ou no mero cumprimento de uma obrigação.
Orar tem que ser um privilégio que você não trocará por nada.
Imagine a bênção de desfrutar um relacionamento pessoal e
profundo com o Deus do Universo! Não importa a hora nem o lugar.
Em qualquer momento, você poderá entrar em contato com Ele. À
medida que aumenta o tempo de comunhão com Deus, você
intensifica seu companheirismo com esse precioso Amigo.
Esse tipo de oração é uma conversa misteriosa com Deus. Ele
não quer meia hora de seu tempo. Ele quer seu dia inteiro. Paulo
disse que era para orar ―sem cessar‖ (1Ts 5:17, ARA). É assim que
você se torna um dos melhores amigos do Senhor.
Compreender o que isso significa mudará sua atitude para com a
oração. Se você não priorizar a oração, deixará de orar. Pelas
coisas do dia a dia que a correria nos impõe, a oração pode passar
a ocupar um espaço secundário em nossa vida. Mas ela deve ser
nossa prioridade máxima. A oração não é uma necessidade da
vida. A oração é a própria vida.
O cristão não deve tentar imitar a vida e a experiência dos outros.
Ao contrário, o cristão é amigo de Deus. Bons amigos gostam de
passar tempo juntos para uma longa conversa. Por isso, não tente
encaixar Deus em sua agenda. Sua agenda é que deve ser
submetida a Ele cada dia.
Terça 14 de abril
Pedir, buscar e bater
Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a
porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca,
encontra; e àquele que bate, a porta será aberta. Mateus 7:7, 8

A oração é algo sobrenatural. É uma conversa com o Eterno. Será


que Ele ouve mesmo o que Lhe falamos? Se ouve, será que
responde? Que diferença faz a oração em sua vida?
Muita gente quer ir para o Céu, mas não ora. Fico me
perguntando o que essa pessoa vai fazer na eternidade. Como
disse Jader Santos, o Céu é Jesus. E o que vamos fazer no Céu?
Em certo sentido, nossa experiência lá será algo semelhante à
oração. Se a pessoa não gosta de orar, o que vai fazer no Céu?
Nossa grande atividade lá será falar com Jesus.
Então, se a oração é tão importante, é melhor começar a treinar
agora, você não acha? Talvez sejamos o único obstáculo que
impeça a bênção da oração. Deus disse que podemos pedir,
buscar e bater.
Nosso Deus é poderoso, mas também é acessível. Não há
intermediários entre nós e Ele, antessala nem necessidade de
preencher formulários. A Bíblia ensina que não precisamos
depender de ninguém para chegar a Deus. Muitos só não têm mais
acesso a Deus porque não querem. Ele mesmo falou que era só
bater, e a porta seria aberta.
Segundo Ellen White: ―Podemos ter comunhão com Deus em
nosso coração; andar na companhia de Cristo. Quando
empenhados em nossos trabalhos diários, podemos exalar o
desejo de nosso coração, de maneira inaudível aos ouvidos
humanos; mas essas palavras não amortecerão em silêncio, nem
serão perdidas. Coisa alguma pode sufocar o desejo da alma. Ele
se ergue acima do burburinho das ruas, acima do barulho das
máquinas. É a Deus que estamos falando, e nossa oração é ouvida.
Pedi, portanto; pedi, e recebereis. […] A toda oração sincera há de
vir a resposta. Talvez não venha exatamente como você deseja, ou
ao tempo em que a espera; mas virá pela maneira e na ocasião em
que melhor há de satisfazer à sua necessidade‖ (Obreiros
Evangélicos, p. 258).
Pare tudo o que você está fazendo agora e peça, busque e bata!
15 de abril Quarta
Uma vida de oração
Encontraram Daniel orando, pedindo ajuda a Deus. Daniel 6:11

O fundamento para uma vida cristã vitoriosa é a oração. Em


grande medida, Daniel se destacou porque tinha uma vida de
oração. O poder da oração tem uma relação direta com o tempo
gasto com os joelhos no chão.
Daniel foi acusado por sua vida de oração. Homens maus e
invejosos desejavam seu fim, mas não encontraram nada para
acusá-lo. Ele era um homem público de ficha limpa. Então
elaboraram um plano para que ele fosse condenado. Pediram ao
rei Dario que assinasse um decreto com validade de 30 dias,
proibindo qualquer pessoa no reino de fazer qualquer pedido a
qualquer deus ou a qualquer ser humano, a não ser ao próprio rei.
A violação desse decreto seria punida com a morte na cova dos
leões.
O que Daniel fez? ―Fez o que costumava fazer: três vezes ao dia
ele se ajoelhava e orava, agradecendo ao seu Deus‖ (Dn 6:10).
O que podemos aprender da vida de oração de Daniel? Ele tinha
um lugar para orar. Era em sua casa, em ―seu quarto, no andar de
cima onde as janelas davam para Jerusalém‖. Tenha um lugar
especial para orar. Torne esse lugar um espaço sagrado para seu
encontro diário com o Eterno.
Era sua rotina orar; fazia parte do seu planejamento diário. ―Três
vezes por dia ele se ajoelhava e orava.‖ A oração não se prende às
formas ou fórmulas. O que mais importa não é se você ora em pé
ou ajoelhado. O importante é que você tenha uma rotina que
funcione em sua comunhão com Deus.
Daniel orava de forma perseverante, todos os dias e três vezes ao
dia. Quanto maior o problema, mais tempo em oração. Ele orava
ajoelhado. Embora não seja a única, essa posição indica uma
atitude de submissão, entrega, reverência e adoração. A Bíblia
mostra que muitas pessoas fizeram suas orações em pé, deitadas e
até andando. Ao nos ajoelharmos diante de Deus, porém,
declaramos que reconhecemos Sua majestade e poder. No
entanto, na oração sincera, seja qual for a posição do corpo, o
coração estará sempre prostrado diante de Deus.
Ele orava ―pedindo a ajuda de Deus.‖ Tão importante quanto orar
é saber para quem estamos orando. Sabemos que Deus responde
às orações. A Bíblia ensina que servimos a um Deus que está
buscando oportunidades para derramar bênçãos sobre Seu povo.
Vamos orar, pessoal!
Quinta 16 de abril
Segredo da oração
O SENHOR falava com Moisés face a face, como quem fala com seu
amigo. Êxodo 33:11

Poucos homens tiveram uma vida tão incrível quanto Moisés. A


Bíblia diz que ele ―via Aquele que é invisível‖ (Hb 11:27). Esse foi o
segredo de toda a sua vida. Moisés aprendeu que, antes de ter
uma audiência com o povo, ele precisava estar com Deus. A
oração torna você uma pessoa especial.
Moisés é o grande exemplo de oração do Antigo Testamento. Em
Êxodo 33:7 a 11, encontramos o segredo de sua vida de oração.
Podemos encontrar quatro segredos somente no verso 7. O texto
diz que ―Moisés costumava‖. Anote isso aí: a oração é um costume.
É um hábito que você desenvolve. Os estudiosos do
comportamento humano dizem que 21 dias é o tempo necessário
para incorporar uma nova rotina na vida. Comece a orar por
disciplina até que ela se torne um prazer. Caso você não esteja
satisfeito com a sua comunhão com Deus, não arrume desculpas
para sua negligência. Desenvolva o hábito de ter um encontro
diário com Deus.
―Moisés costumava montar uma tenda.‖ A oração é um sacrifício
pessoal. Exige dedicação. Você pode ser preguiçoso como um
gato, mas, se quiser ter comunhão com Deus, terá que aprender
como Moisés a montar a própria tenda de oração. Você não pode
viver da oração de seu pai, de sua mãe ou de seu pastor. Essa é
uma experiência pessoal. Moisés tomava os paus e a lona e saía do
acampamento. Orar é difícil, exige sacrifício e requer disciplina.
Ninguém começa a orar porque quer. Esse desejo só vem depois
que o hábito já está estabelecido.
A tenda que Moisés montava ficou conhecida como Tenda do
Encontro (v. 7). Era ali que ele desenvolvia sua vida de oração.
Havia outra tenda no meio do acampamento, conhecida como
tabernáculo. A Tenda do Encontro ficava fora do arraial. O povo via
Moisés se dirigir para seus momentos a sós com Deus (v. 10).
Quem convive com você precisa conhecer e respeitar seus
períodos de oração.
Moisés orava distante do povo, longe de todos, só ele e Deus.
Aquele era seu momento secreto com o Eterno. Ninguém podia
interromper. Ele falava com Deus como a um amigo (v. 11). Eu
quero essa intimidade com Deus em minha vida! E você? Vai
montar a sua Tenda do Encontro ou vai ficar dependendo da
oração dos outros?
17 de abril Sexta
Um jovem de oração
Elias era humano como nós. Ele orou fervorosamente para que não
chovesse, e não choveu sobre a terra durante três anos e meio.
Orou outra vez, e os céus enviaram chuva, e a terra produziu seus
frutos. Tiago S:17, 18

Você jamais será um cristão maior do que sua vida de oração. Deus
quer levantar uma geração de oração em nossos dias. Então, que Deus
faça de todo jovem um Elias! Está achando que peguei pesado em
colocar Elias como modelo para você? Mas é o que a Bíblia faz. Tiago
fala de Elias como nosso exemplo. Elias era igualzinho a nós. Era um ser
humano normal, com as mesmas lutas que temos. Mesmo assim, Deus
respondeu à sua oração.
O nome de Elias não aparece na galeria da fé de Hebreus 11. Não
havia nada de especial nele. Não tinha antepassados famosos, educação
formal nem treinamento. Nem mesmo sabemos quem era sua família.
Contudo, se tinha algo que Elias podia fazer era orar. E ele ―orou com
fervor‖, mas nada parecia mudar. No entanto, no processo de orar e
esperar, ele começou a desenvolver uma relação profunda com Deus.
Em Tiago 5:13 a 16, está escrito que a oração do crente tem muito
poder. Quem acredita que Deus pode fazer qualquer coisa está cheio de
fé. Para pessoas assim não há impossíveis.
De acordo com Ellen White: ―A oração e a fé farão o que nenhum poder
na Terra conseguirá realizar‖ (A Ciência do Bom Viver, p. 509). Por isso, eu
creio que, no momento em que uma geração renovar seu relacionamento
com Deus por meio da oração e da leitura da Bíblia, aparecerão grandes
e benditos resultados. O clamor de Spurgeon foi este: ―Oh, que
pudéssemos ter 500 Elias, cada um em seu Carmelo, clamando a Deus,
e logo veríamos as nuvens irrompendo em chuva. Oh, que haja mais
oração, mais oração constante e incessante.‖
Elias pediu o impossível ao Céu, e o impossível aconteceu. Elias era
como nós. Eu oro para que você seja o jovem de oração que Deus vai
usar hoje!
Sábado 18 de abril
Orando como Jesus
Certo dia Jesus estava orando em determinado lugar. Tendo
terminado, um dos Seus discípulos lhe disse: “Senhor, ensina-nos a
orar.” Lucas 11:1

Os discípulos viram Jesus realizar muitos milagres. Ouviram Seus


ensinamentos e pregações, mas não pediram a Jesus que lhes
ensinasse a curar ou pregar. Eles queriam saber qual era o segredo
de Sua vida de oração. Pediram a Jesus para que os ensinasse a
orar.
Há certos princípios da Palavra de Deus aos quais precisamos
prestar atenção. Mesmo os discípulos não prestaram atenção ao
que Jesus lhes ensinou. Ele lhes disse que a oração tem dois
objetivos: (1) Glorificar a Deus. Ele afirmou: ―Tudo quanto pedirdes
em Meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no
Filho‖ (Jo 14:13, ARA). Quando oramos, somos os beneficiados,
mas Deus é o Doador. E a glória é sempre Dele. (2)
Experimentamos uma alegria completa. É o que Ele diz em João
16:24: ―Até agora vocês não pediram nada em Meu nome. Peçam e
receberão, para que a alegria de vocês seja completa.‖ A maioria
não sabe o que é isso.
A oração respondida produz alegria. Não uma alegria qualquer,
mas ―alegria completa‖. Ninguém pode oferecer a você nada
melhor. Em Surpreendido pela Alegria, C. S. Lewis escreveu que nós
―somos como crianças fazendo bolinhos de areia na favela, porque
não conseguimos imaginar o que significa passar as férias na beira
do mar‖.
Não adianta cantar ―o melhor lugar do mundo é aos pés do
Salvador‖ se você não tem um tempo especial de oração a cada
dia. Orar é uma das duas coisas mais difíceis que eu encontrei para
fazer na vida. Por que é tão difícil orar? Simplesmente porque não
gostamos de orar. A oração não é uma coisa lógica. Às vezes, você
tem que ajoelhar, e isso incomoda. Depois, tem que falar com
alguém que você não vê. Deixa eu falar uma coisa para você
francamente: mesmo sem vontade, mesmo sem saber como, vá até
o seu quarto e feche a porta. Dirija-se a Deus, lembrando-se de
algo recente, mais ou menos assim: ―Senhor, eu não sei o que estou
fazendo aqui. Não sei como orar. Hoje, eu vi um comentário no
Facebook que me deixou chateado…‖ Pronto, você já está orando.
Não precisa de palavras bonitas. No início, suas orações talvez não
façam sentido, mas com o tempo a oração transformará você em
amigo íntimo de Jesus. Você vai trocar isso pelo quê?
19 de abril Domingo
A Bíblia
Como crianças recém-nascidas, desejem de coração o leite
espiritual puro, para que por meio dele cresçam para a salvação. 1
Pedro 2:2

Sempre me perguntei por que tenho que ler a Bíblia. Moisés não
lia a Bíblia. Enoque nunca a leu. Abraão, o amigo de Deus, jamais
folheou as páginas do texto sagrado. Acontece que, na época
deles, Deus conversava presencialmente com Seus amigos. Essas
pessoas estavam recebendo as Escrituras de primeira mão. Hoje, a
principal maneira de Deus Se comunicar conosco é a Bíblia.
As Escrituras Sagradas revelam a verdade de Deus aos homens.
O Deus verdadeiro Se manifesta nas páginas desse livro milenar. A
Bíblia é o ponto de partida da vida com Deus. Jesus disse: ―Quem
ouve a Minha palavra e crê Naquele que Me enviou tem a vida
eterna‖ (Jo 5:24).
A Bíblia é o alimento diário do crente. É extremamente importante
que nos alimentemos diariamente à mesa de Deus. A leitura diária
da Bíblia é importante para o crescimento espiritual. Sua mãe
insistia para você comer corretamente, porque sabia da
importância do alimento para seu crescimento físico. Da mesma
forma, se você não ler a Bíblia, nunca sairá da infância espiritual.
Em Discipulado Espiritual Dinâmico, Tony Evans diz que a Bíblia é a
―mamadeira‖ do discípulo. Achei essa analogia maravilhosa.
Imediatamente me lembrei quando meus filhos eram bebês. Eles
acordavam duas ou três vezes no meio da noite. Eu e minha esposa
dificilmente nos levantávamos no primeiro choro. Em geral,
virávamos para o outro lado da cama e cobríamos a cabeça, mas
nossa criança insistia. Nossa demora provocava um choro
desesperado. Eles sabiam como nos dizer que estava na hora de
mamar!
Pedro diz que deveríamos sentir o mesmo desejo. Precisamos
―desejar ardentemente‖, ou seja, precisamos sentir um desejo
desesperado pela Palavra de Deus se quisermos crescer. Nela
encontramos alimento e nutrição (ver Jo 6:63). Quando ―comemos‖
a Palavra de Deus, nos enchemos de força e vigor espirituais. A
ingestão regular da mensagem de Deus é uma característica do
verdadeiro discípulo de Jesus (ver Jo 8:31).
Você tem experimentado o valor nutricional da Bíblia a cada dia?
Oro para que Deus o ajude a desenvolver esse hábito que glorifica
o nome do Senhor.
Segunda 20 de abril
Leia a Bíblia diariamente
Vocês estudam cuidadosamente as Escrituras, porque pensam que
nelas vocês têm a vida eterna. E são as Escrituras que
testemunham a Meu respeito. João S:39

A razão pela qual leio minha Bíblia diariamente é para me manter


ao alcance da voz de Deus. Cometo muitos erros, mesmo
sintonizado com a mensagem divina. Imagine sem ela. Uma leitura
diária da Palavra de Deus me dá acesso à sabedoria e ao
conhecimento de Deus. Ela é o padrão para minha tomada de
decisões em todas as áreas da vida.
Como saber o que Jesus deseja de nós? Lendo Sua Palavra. Nas
páginas da Bíblia, você encontrará a vontade de Deus para sua
vida. Ao ler a Bíblia, apontamos a antena espiritual na direção do
sinal do Espírito de Deus. Sintonizado com a Palavra, você
compreende mais coisas e percebe mais sentido na vida do que
jamais pensou ser possível. Isso significa que toda vez que você
precisar tomar uma decisão, a primeira coisa que fará será se
perguntar: ―Qual é a vontade de Deus sobre isso?‖ O profeta
Jeremias disse: ―Assim dirá cada um de vocês ao seu amigo ou
parente: O que o SENHOR respondeu? O que o SENHOR falou?‖ (Jr
23:35).
Às vezes encontro jovens que dizem que estão seguindo a
própria consciência ao tomar decisões sérias e comprometedoras.
O problema de fazer de nossa consciência a fonte de autoridade é
que ela apenas reflete o que a alimentou. Em Tito 1:15, é dito que a
consciência pode ser corrompida. A consciência nem sempre tem
razão. Na sociedade atual, o que é certo hoje será errado amanhã
ou vice-versa. A Palavra de Deus é a única fonte segura para nos
orientar sobre as decisões da vida.
Numa carta endereçada a um de seus filhos, Ellen White
aconselhou: ―Educa tua mente em amar a Bíblia‖ (Testemunhos
Seletos, v. 1, p. 245). Quando preciso escrever uma dedicatória para
um jovem em sua Bíblia, geralmente escrevo essa frase. Em
Apocalipse 1:3, está escrito: ―Bem-aventurados aqueles que leem.‖
Lembra quando você recebeu a primeira carta de amor? Talvez
você tenha recebido uma mensagem no WhatsApp. Você devorou a
mensagem. Leu e releu. Tornou a ler a mensagem. Procurou nas
entrelinhas um significado oculto. Perguntou-se: ―O que meu amor
quis dizer com esta palavra? E com aquela?‖ Faça o mesmo com a
Bíblia. Leve-a a sério. Estude-a diariamente.
21 de abril Terça
Use a Bíblia corretamente
Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a
repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que
o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda
boa obra. 2 Timóteo 3:16, 17

Você já leu a Bíblia de capa a capa? Consegue encontrar versos


sobre temas de seu interesse e que testifiquem de sua fé? Eu
desafio você a assumir o compromisso de estudar a Palavra de
Deus como um exercício de disciplina espiritual. Por exemplo, você
poderia ler um capítulo do Novo Testamento por dia. Você pode
marcar um plano anual de leitura da Bíblia. Pessoalmente, todo ano
eu leio a Bíblia numa versão diferente. Essa prática me toma em
média apenas 20 minutos por dia. Em alguns anos, também defino
um tema de leitura: as ações de Deus, relacionamentos, oração,
liderança, etc.
Qualquer que seja o plano de leitura e estudo que usar, o
importante é ter um plano. O melhor plano de estudo da Bíblia é
aquele que você usa. Qual é a importância de estudar a Bíblia?
Você pode pensar em outra maneira de se tornar um discípulo sem
estudar a Bíblia? Posso dizer honestamente que nunca conheci um
jovem cuja vida tenha sido mudada de maneira significativa sem o
estudo regular da Palavra de Deus. Você quer mudar sua vida?
Estude a Bíblia.
Reavalie seu compromisso com a Palavra de Deus. Você tem lido
a Bíblia regularmente? Tem obtido forças por meio dela? Você já
desfrutou a alegria de ler a Bíblia inteira? Está disposto a vencer
esse desafio?
Quando Paulo falou que ―toda Escritura‖ é inspirada, estava
falando dela de capa a capa. Não tente selecionar e classificar o
que Deus já selecionou e classificou. Aqui estão algumas ideias do
que Paulo quis dizer quando falou que a Bíblia ―é divinamente
inspirada‖ e também útil em várias áreas da vida:
É útil para ensinar: mostra-nos o que fazer; é útil para repreensão:
mostra-nos o que não fazer; é útil para corrigir: mostra-nos o que
fazer quando não fizemos o que deveríamos ter feito; é útil para
instruir em justiça: mostra-nos como andar retamente, levando-nos
a abençoar e frutificar.
Guarde este conselho: você nunca se arrependerá do tempo
investido no cuidadoso estudo da Palavra de Deus. Ela será útil de
muitas formas: hoje, amanhã e enquanto você viver. Não espere
ninguém lhe contar o que a Bíblia diz. Leia-a por si mesmo!
Quarta 22 de abril
Prazer na Bíblia
Ao contrário, sua satisfação está na lei do SENHOR, e nessa lei
medita dia e noite. Salmo 1:2

Em 1 Tessalonicenses 4:3, está escrito: ―A vontade de Deus é que


vocês sejam santificados.‖ Deus quer que desenvolvamos o gosto
pela santidade. Quem me conhece sabe que eu não gosto de
abacaxi. Para mim, o gosto é ruim! Já tentaram me pegar diversas
vezes, mas eu consigo identificar o sabor até numa bala. O meu
paladar não aceita; não bate com o meu apetite. Minha mulher não
entende, meus amigos dizem que é uma fruta saborosa, mas eu
não consigo gostar dela.
Já ouvi falar de pessoas que não apreciavam determinada
comida, mas por amor, capricho ou mesmo por esforço passaram a
gostar daquilo. Deve ser assim nossa relação com a Bíblia. O
homem natural não tem prazer na leitura das Escrituras. Devemos
comê-la, digeri-la, saboreá-la, até pegar o gosto pela santidade.
Quanto mais tempo passarmos com a Palavra de Deus mais
conheceremos o coração Dele. Você pode ler sua Bíblia, pode
mencionar qualquer verso, pode memorizar, mas, se você não tem
prazer no que a Bíblia diz, você não vai praticar o que a Palavra de
Deus ensina. Conhecê-la não é o suficiente; você precisa colocar
em ação e viver os ensinamentos que ela oferece. Isso significa que
você deve ir além de mencionar alguns versos bonitos da Bíblia!
No Salmo 1, o autor diz que quem Deus abençoa é: (1) separado
do mundo; (2) vive satisfeito com a Palavra; e (3) prospera onde
Deus o plantou. O segredo é encontrar prazer na Palavra. A Palavra
de Deus deve ser a fonte de nossa alegria.
Sabe quando a Bíblia vai começar a ter gosto bom para você?
Quando você obedecer a seus ensinos e ver que ela funciona.
Quando você for para a faculdade cheio da Palavra, saboreando
Suas verdades, cheio do poder de Deus, seus colegas vão notar
que você mora na Terra, mas vive como cidadão do Céu. ―A
apreciação da Bíblia aumenta com o estudo‖ (Ellen White, Parábolas
de Jesus, p. 132).
Muitos jovens estão deixando de ler a Bíblia porque não têm
vontade. De fato não é natural gostarmos de ler a Bíblia, mas Deus
pode restaurar essa vontade. Se você precisa de motivação e quer
que as Escrituras transformem sua vida, faça essa oração cada
manhã: ―Abre os meus olhos para que eu veja as maravilhas da Tua
lei‖ (Sl 119:18).
23 de abril Quinta
Medite na Palavra
Como eu amo a Tua lei! Medito nela o dia inteiro. Salmo 119:97

Precisamos alimentar a nossa mente com a Palavra de Deus e


tirar o melhor proveito dela. Martinho Lutero disse: ―Estudo minha
Bíblia do mesmo modo que colho maçãs. Primeiramente, chacoalho
a árvore toda, de forma que os frutos mais maduros caiam. Depois,
chacoalho cada galho e, quando já chacoalhei todos os galhos,
chacoalho cada ramo e cada ramificação. Então olho embaixo de
cada folha.‖
É importante conhecer a Bíblia toda, mas também precisamos
permitir que Deus escolha um verso, um pensamento, uma ideia
que vai nos impressionar. Anote essa ideia e pense nisso o dia
todo. Isso se chama meditação.
O Senhor nos deu 24 horas por dia. A seguir, um modelo comum
de distribuição do tempo diário: oito horas para dormir; duas para
necessidades básicas, como tomar banho, escovar os dentes e se
alimentar; oito para trabalho ou estudo; duas para o trânsito; duas
para conversar e ler; duas para recreação e esporte.
Conforme se vê no exemplo acima, muitas pessoas gastam suas
24 horas com atividades absolutamente terrenas. No geral, os
jovens dedicam um tempo maior aos esportes e à internet. O
problema não está em nossos planos de atividades, mas no que
está ocupando o coração e a mente.
Quando passamos uma semana inteira de atividades sem investir
sequer dez minutos pensando no que é eterno, concluímos que
temos uma dificuldade enorme de concentração em assuntos
espirituais. Alguns chegam a ficar semanas, meses, sem dispor de
cinco minutos para pensar em Deus.
O significado literal de meditação é ―trazer à tona novamente‖. O
termo hebraico empregado no Salmo 1, traduzido como ―meditar‖,
evoca a imagem de um boi ruminando. No sentido bíblico,
meditação significa viver pensando na Palavra e permitir que ela
blinde nosso ser das influências pecaminosas. Você pode ouvir, ler,
memorizar e estudar as Escrituras, mas isso não significa que você
tenha meditado nelas. Alguns cristãos conhecem a Bíblia de capa a
capa, mas não centralizam seus pensamentos no que é certo.
Muita gente lê a Bíblia como se tivesse a obrigação de tirar nota 10
para ser admitido no Céu. Não faça isso.
Medite na Palavra de Deus e permita que a verdade revelada seja
implantada no coração. Procure aplicá-la em sua vida até que ela
penetre no mais íntimo de seu ser.
Sexta 24 de abril
A Palavra purifica
Como pode o jovem manter pura a sua conduta? Vivendo de
acordo com a Tua Palavra. Salmo 119:9

Tudo o que Deus mais quer é uma geração viva em Sua igreja.
Paulo fez a seguinte analogia: ―Assim como Cristo amou a igreja e
entregou-Se por ela para santificá-la, tendo-a purificado pelo lavar
da água mediante a Palavra, e para apresentá-la a Si mesmo como
igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas
santa e inculpável‖ (Ef 5:25-27).
Paulo está dizendo que precisamos ser lavados pela ―Palavra‖.
Quando ela entra no coração, a verdade espiritual age como
detergente. Espalha-se por nós, limpa a sujeira e deixa um aroma
fresco no lugar. Essa obra sobrenatural tem poder para renovar a
mente, produzindo transformação em nossa vida. Os pensamentos
sujos não mais controlam nossa vida, por conta da renovação do
Espírito.
Se você deseja essa experiência, dê os seguintes passos:
Fique em silêncio. Antes de começar a leitura da Bíblia, peça a
Deus que o ajude eliminar qualquer coisa que tire sua
concentração. Você não pode ter distrações interiores. Anote num
pedaço de papel o que se passa em sua mente. Diga a si mesmo
que voltará a pensar naquilo em alguns minutos. Dê total atenção à
Palavra de Deus.
Leia a Bíblia com coração disposto. Somente Deus pode iluminar seu
coração com Sua verdade. Peça a Ele que fale a seu coração
sobre a passagem que você acabou de ouvir, ler, memorizar ou
estudar. Procure ler a Bíblia disposto a abrir mão de tudo. Decida
que será obediente às Escrituras. Para mim, ler a Bíblia sem desejar
praticá-la é pior do que não lê-la.
Personalize a passagem. Enquanto você medita na passagem, use
os pronomes ―eu‖, ―mim‖, ―meu‖, ―eu mesmo‖. Coloque seu nome
na passagem. Imagine Deus conversando com você pessoalmente
sobre ela. Lembre-se de que a Palavra de Deus existe para mudar
sua vida. A questão que sempre deve estar por trás da leitura da
Bíblia é: ―Deus, o que o Senhor quer me dizer neste momento?‖ O
objetivo da leitura da Bíblia não é chegar ao fim do livro, mas
compreender a vontade de Deus para sua vida.
A Palavra de Deus não apenas muda a vida, mas também a
mantém pura. Se você quer se tornar mais e mais como Cristo,
então renove sua mente com a Palavra. Medite nas Escrituras
Sagradas. Assimilamos o que repetimos.
25 de abril Sábado
#Leiaolivro
Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer
espada de dois gumes; ela penetra até o ponto de dividir alma e
espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do
coração. Hebreus 4:12

A Bíblia é um livro atemporal. Ela possui princípios de vida que


nos orientam sobre o melhor caminho a seguir. A Bíblia não é um
livro comum. Certa vez, alguém disse que ela é o único livro que
você lê acompanhado do Autor. Quando você a lê, está olhando
para Deus, e Ele, para você. A Bíblia fechada é apenas um livro,
mas, aberta, é a boca de Deus. Ela é viva.
Encontro muita gente que gostaria de ouvir a voz de Deus, mas
não lê as Escrituras. A Bíblia é a Palavra de Deus. Ele nos deu 66
livros, escritos originalmente em três línguas (hebraico, grego e um
pouco em aramaico). Mais de 40 escritores, em um período de mais
de mil anos, redigiram o que Deus lhes inspirou. Entre os escritores
estão reis, pastores, sacerdotes, pescadores, alguns homens
simples e outros estudados. Essa diversidade mostra que Deus
pode inspirar quem Ele quiser.
A Bíblia tem histórias incríveis, sermões poderosos, cartas
apaixonadas, orações sinceras, milagres impressionantes e hinos
maravilhosos. Acima de tudo, ela é ―O Livro‖. Seu conteúdo tem
apenas um objetivo: contar a história grandiosa do amor de Deus
pela humanidade e do preço que Ele Se dispôs a pagar para nos
restaurar à plena comunhão Consigo.
Por anos tenho usado #leiaolivro com os jovens. Com isso, tenho
procurado despertar o interesse da juventude pela leitura diária da
Bíblia. O que um homem prega pode ser esquecido, mas a Palavra
não.
Precisamos de um referencial seguro. Já imaginou se todos na
igreja fizessem da leitura da Bíblia uma prioridade? Quando alguém
questionasse nossa fé, responderíamos com verdades da Bíblia.
Quando precisássemos de respostas, não procuraríamos nos
filósofos, mas na Bíblia. A mensagem das Escrituras permanece
para sempre. Ela determina aquilo em que cremos e pauta nossa
vida.
Então #leiaolivro. Faça disso uma prioridade. Antes de fazer
qualquer coisa pela manhã, leia o Livro. Antes do café da manhã, o
Livro. Antes da faculdade, o Livro. Antes de namorar, o Livro. Antes
das redes sociais, o Livro…
Domingo 26 de abril
Glória
Mas a Terra se encherá do conhecimento da glória do SENHOR,
como as águas enchem o mar. Habacuque 2:14

Cresci ouvindo que devia fazer tudo para a glória de Deus, mas
eu também queria ser feliz. Vivia numa luta sem medida. Viver para
a glória de Deus ou viver para ser feliz? Viver para ser feliz me
parecia egoísta. E viver para a glória de Deus me parecia restritivo.
Entretanto, Deus quer que eu seja feliz. E Ele pede que eu viva
para Sua glória. Assim, não tenho que escolher entre viver para a
glória de Deus e viver para ser feliz. A glória de Deus e a felicidade
não se opõem. Pelo contrário. Eu não podia ousar escolher viver
para ser feliz sem aprender a viver para a glória de Deus.
Minha descoberta foi feita lentamente. Na verdade, entendi quatro
coisas nessa jornada:
1) Deus faz tudo para mostrar Sua glória.
2) Devemos nos unir a Deus para demonstrar Sua glória.
3) Quando buscamos a glória de Deus, somos felizes.
4) A verdadeira felicidade consiste em aprender a sermos felizes
Nele e em Sua Palavra.
Eu achava que era muita ousadia tentar entender a glória de
Deus, mas lendo o livro de Habacuque descobri que eu poderia
questionar. Afinal, o profeta faz isso diretamente a Deus em seu
livro. Parece que Deus lida bem com nossas perguntas sinceras e
rejeita nossas respostas vazias. Habacuque faz as perguntas que
gostaríamos de fazer. Aprendi com ele que não é necessário
compreender tudo o que Deus faz, mas precisamos saber que é
Deus quem faz. Esse é o segredo para glorificá-Lo e, ao mesmo
tempo, ser feliz.
Esse profeta sincero me ensinou que, mesmo que eu não receba
a bênção, mesmo que meus desejos e sonhos não se realizem, a
glória de Deus permanece intacta e eu posso me alegrar nisso.
Nosso Deus é glorioso por natureza. Sou feliz apenas quando Ele
me faz feliz. Hoje, eu sei que Deus está mais feliz em mim, quando
estou feliz em viver Nele.
Se você quer viver para a glória de Deus, permita que ela encha
seu mundo interior, ―como as águas enchem o mar‖.
27 de abril Segunda
Deus revela Sua glória
Os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra
das Suas mãos. Salmo 19:1

Deus faz tudo para mostrar Sua glória. Por que Ele fez o Universo? O
salmista diz que, se você olhar para cima numa noite estrelada, verá que
Deus existe. O céu proclama que Ele existe, declara quem Ele é, o que
Ele fez e quão glorioso Ele é. Dizem que, em uma noite de céu limpo, se
pudéssemos olhar para toda a abóboda celeste, conseguiríamos
enxergar cerca de 3 mil estrelas a olho nu. Como os cientistas têm
aparelhos incríveis, como telescópios poderosos, eles conseguem
observar até os limites da Via Láctea. Calcula-se que nossa galáxia
tenha cerca de 200 bilhões de estrelas. De acordo com as estimativas
mais recentes, existem pelo menos 170 bilhões de galáxias, mas outras
estimativas vão muito além: dois trilhões de galáxias (Ethan Siegel, ―This
Is How We Know There Are Two Trillion Galaxies In The Universe‖,
Forbes.com). Consegue imaginar isso?
Deus está ficando maior, não está? As estrelas têm uma mensagem
para nós. Essa é a mensagem das estrelas e das galáxias. Isso é glória!
Estamos falando de um Deus glorioso!
O coração humilde reconhece que apenas um Ser sobrenatural,
Soberano do tempo e do espaço, poderia ter criado o Universo. O
espetáculo noturno que desfrutamos mostra o poder criador de Deus. A
semana inaugural da criação foi uma grande manifestação da glória de
Deus. Imagine tudo à sua volta sendo criado apenas pela palavra.
Deus quer que saibamos que Ele existe. A Bíblia diz que Ele ―não ficou
sem testemunho: mostrou Sua bondade, dando-lhes chuva do céu e
colheita no tempo certo‖ (At 14:17). Sabemos que Deus existe porque
Ele deixou pistas para que nós O descobríssemos. O Universo não pode
ser explicado sem Ele.
O cosmo revela Deus de forma transparente. Olhe para o céu qualquer
noite dessas, tendo os olhos e o coração abertos. Você ficará
impressionado com a grandeza do nosso Deus!
Terça 28 de abril
Demonstrar Sua glória
A ele quis Deus dar a conhecer entre os gentios a gloriosa riqueza
deste mistério, que é Cristo em vocês, a esperança da
glória. Colossenses 1:27

Existimos para demonstrar a glória de Deus. Sua vida é para


magnificar a glória divina. O que é magnificar? É tornar maior,
ampliar; como os telescópios, que fazem que coisas que parecem
pequenas por conta da distância sejam vistas em tamanho
aumentado.
A razão de sua existência é colocar um telescópio nos olhos das
pessoas, para que vejam quão grande Deus é. Somos vitrines Dele.
Da cabeça aos pés, sou uma ideia e uma ação divina.
A humanidade longe de Deus não reflete Sua glória. Em 2
Coríntios 4:3 e 4, é dito que o ser humano sem Deus não consegue
entender as coisas do Céu. Em Romanos 3:23, lemos que ―todos
pecaram e estão destituídos da glória de Deus‖. Em 2 Coríntios 4:6
e 7, está escrito que o crente recebe, por pura graça, uma espécie
de infusão da Divindade. Paulo diz que acolhemos em nós a glória
de Deus como um ―vaso de barro‖ (v. 7). Quanto mais frágil a
embalagem, mais surpreendente é o tesouro! O Eterno
misericordiosamente toma um vaso defeituoso, o remodela e coloca
dentro o tesouro ―do conhecimento da glória de Deus‖ (v. 6).
A partir daí, aonde você for, levará num ―vaso de barro‖ um pouco
da glória de Deus. Você a transporta para a escola, para o trabalho,
para casa ou qualquer outro lugar.
Acha que estou exagerando? Veja o que Paulo diz em 1 Coríntios
10:31: ―Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra
coisa, façam tudo para a glória de Deus.‖ Tudo é para a glória de
Deus. Das coisas maiores às menores, das simples às complexas,
das públicas às privadas, tudo é para exaltar o nome do Senhor.
Sintetize o sentido de sua existência em uma frase: ―Vivo para
demonstrar a glória de Deus.‖
29 de abril Quarta
Ser feliz para Sua glória
Provem, e vejam como o SENHOR é bom. Como é feliz o homem que
Nele se refugia! Salmo 34:8

O caminho para você encontrar a felicidade é viver para a glória


de Deus. Eu não tenho que escolher entre glorificar a Deus e ser
feliz. Quando buscamos a glória do Pai, somos felizes.
No entanto, muita gente busca a felicidade em coisas e lugares
nos quais Deus não é glorificado. O ser humano procura felicidade
nos prazeres e sempre vai querer mais. Nenhum prazer pode dar a
satisfação plena. Nem mesmo os prazeres legítimos da vida em si
mesmos podem conferir felicidade.
No Salmo 16:11, encontramos um princípio muito importante para
a felicidade. O salmista diz assim: ―Tu me mostrarás os caminhos
da vida. Junto a Ti há sempre a mais profunda alegria; ao Teu lado,
os prazeres mais deliciosos da Tua eterna presença‖ (Bíblia Viva).
Qual é o prazer que pode nos dar ―profunda alegria‖ ou ―alegria
plena‖ (NVI)? Quem vive para a glória de Deus não precisa se
preocupar em ser feliz. A glória da presença divina conduz à
felicidade. Se qualquer pessoa pudesse me oferecer algo maior e
melhor do que plenitude de alegria, eu o seguiria por onde fosse.
Mas ninguém pode me oferecer nada melhor. Se alguém me
oferece 99,9% de alegria, Deus me oferece 100%, os mais
deliciosos prazeres perpetuamente. Se alguém me oferece 800
anos de alegrias, entendo que isso não é nada diante da
eternidade.
Se você buscar viver para a glória de Deus, isso o impulsionará a
ter uma existência plena. Jesus prometeu: ―Eu vim para que tenham
vida, e a tenham plenamente‖ (Jo 10:10). Por que buscar essa
alegria? Porque é o que a Bíblia ordena. Em Filipenses 4:4, Paulo
expressa um mandamento divino: ―Alegrem-se sempre no Senhor.‖
Sirvo a um Deus que me ordena ser feliz.
Encontramos a felicidade quando buscamos a glória do Eterno.
Nada é mais importante na vida do que viver para a glória de Deus!
Quinta 30 de abril
O valor da glória de Deus
O ladrão vem apenas para roubar, matar e destruir; Eu vim para
que tenham vida, e a tenham plenamente. João 10:10

Como é lindo esse texto! Ele é antiestressante. Jesus propõe um


estilo de vida compatível com o que o nosso organismo precisa.
Nosso corpo precisa de saúde. E só Deus garante vida plena,
concedendo saúde para cada uma de nossas células. Quando
compreendemos que Ele nos ama, substituímos o desespero pela
esperança, a tristeza pela alegria, a insegurança pela paz de
espírito. Depois que essa verdade cria raízes profundas,
encontramos a felicidade. E é comum essa felicidade vir
acompanhada de cura. Somos felizes de fato só em Deus e em Sua
Palavra.
Em Mateus 13:44 está registrada uma pequena parábola contada
por Jesus: ―O Reino dos Céus é como um tesouro escondido num
campo. Certo homem, tendo-o encontrado, escondeu-o de novo e,
então, cheio de alegria, foi, vendeu tudo o que tinha e comprou
aquele campo.‖
Essa parábola é uma figura de linguagem para representar o
encontro de um ser humano com Jesus. Houve um tempo em que
você não dava atenção a Deus. Não sabia quem Ele era; mas, ao
olhar para a cruz, entendeu que Cristo estava morrendo em seu
lugar. O Homem sangrando sobre a cruz é o Seu Deus. Você viu o
tesouro que Ele é. Como resultado, decidiu abrir mão de tudo para
tê-Lo no centro da vida.
Nada mais tem valor. Um convertido está disposto a abrir mão de
sua casa, de seu carro, família, emprego. O mundo considera isso
um grande sacrifício, mas o cristão faz coisas assim com alegria.
Simplesmente porque encontrou o Tesouro da vida.
Há um velho hino que diz: ―Cristo é tudo para mim‖ (Hinário
Adventista do Sétimo Dia, no 95). Outro hino diz: ―Jesus é melhor, sim,
que ouro e bens. / Jesus é melhor do que tudo o que tens‖ (Hinário
Adventista do Sétimo Dia, no 91). Não é preciso gastar o resto de sua
vida correndo atrás da felicidade. Você já O encontrou. Deus está
nos chamando para nos satisfazer Nele. A verdadeira felicidade
acontece quando aprendemos a ser felizes Nele e em Sua Palavra.
Ele garante vida plena, quando você aprende a viver para Sua
glória. A prova do quanto damos valor à glória de Deus é como
reagimos a ela. Quanto você está disposto a abrir mão para tê-Lo
em sua vida? ―Alegria plena‖ e ―delícias perpetuamente‖. Você vai
trocar isso pelo quê?
Maio
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2

3 4 5 6 7 8 9

10 11 12 13 14 15 16

17 18 19 20 21 22 23

24 25 26 27 28 29 30

31
1º de maio Sexta
O louvor de Sua glória
Tendo sido predestinados conforme o plano Daquele que faz todas
as coisas segundo o propósito da Sua vontade, a fim de que nós,
os que primeiro esperamos em Cristo, sejamos para o louvor de
Sua glória. Efésios 1:11, 12

Os atos diários são a única forma de você viver uma vida plena.
Estudar, namorar, se divertir, comer, cozinhar, construir, ler, dormir,
trabalhar, descansar, etc. Cada uma dessas coisas pode se adequar ao
plano de Deus ou ser resultado de projetos humanos. Sintonizadas com
a vontade de Deus, essas ações resultam na glória Dele. Há uma feliz
sensação de prazer. Você se sente abençoado. É capaz de trazer no
olhar uma alegria, um brilho especial em tudo o que faz. Essa felicidade
que o crente experimenta é o brilho da glória de Deus.
O filho que é educado e atencioso com os pais está vivendo para a
glória de Deus. O pai que sabe compreender e impor, dependendo das
circunstâncias, transborda alegria e felicidade quando fala de seu filho
para os outros. O namorado que procura amar como Deus quer está
debaixo da shekinah. O empregado que procura ser pontual e honesto
está tornando visível a glória de Deus. O chefe que procura ser justo e
bom no trato com seus subalternos está cumprindo o plano de Deus,
espalhando a bem- aventurança de uma vida transformada.
Qualquer coisa, mesmo aquelas que parecem exclusivamente
interiores e íntimas devem ser realizadas para a glória de Deus.
Precisamos nos lembrar de que o Eterno não divide Sua glória com
ninguém. Se minha vida não está revelando a glória de Deus, algo está
errado. O que proclamo com meus lábios deve ser confirmado com meus
atos. O Eterno merece glória, não apenas por meio de nosso louvor, mas
por tudo o que fazemos todos os dias.
Se você compreendeu o que Paulo está falando em Efésios 1:11 e 12,
entendeu o princípio sobre a glória do Senhor. Quer ser transformado?
Agarre-se à glória de Deus. Submeta seus planos à glória de Deus.
Assim, você será feliz Nele, e sua vida louvará o nome do Senhor.
Sábado 2 de maio
Transformados por Sua glória
E todos nós, que com a face descoberta contemplamos a glória do
Senhor, segundo a Sua imagem estamos sendo transformados com
glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito. 2
Coríntios 3:18

Permita que a luz da glória de Deus o transforme. Essa é uma


experiência progressiva. Paulo diz que somos ―transformados de
glória em glória‖ (ARA). A palavra ―glória‖ em hebraico traz as
ideias de ―dignidade‖ e ―peso‖. No Antigo Testamento, muitas vezes
essa era a expressão usada para falar da riqueza ou do poder de
uma pessoa. Destacava algo importante, notável ou extraordinário.
Mas os judeus têm uma palavra exclusiva para descrever a glória
de Deus: shekinah. Esse termo hebraico significa
―habitação‖ ou ―presença divina‖. Transmite a ideia de ―viver ou
morar com‖. Para os teólogos, a tradução que mais se aproxima
dessa palavra é ―a glória de Deus se manifesta‖. Quando os
hebreus usavam essa palavra queriam dizer que a glória de Deus
vivia com Seu povo.
Deus manifestou Sua glória inúmeras vezes: na sarça ardente (Êx
3:2); na peregrinação pelo deserto, na coluna de nuvem (Êx 13:21);
no monte Sinai quando desceu para falar com Moisés e para dar
Suas leis (Êx 19:20); na inauguração do tabernáculo, que é o ponto
alto do livro de Êxodo (40:34-38); na shekinah, sobre o propiciatório
da arca, que era a presença visível de Deus (Êx 25:22).
Entretanto, a maior revelação da glória de Deus, sem dúvida, foi a
encarnação de Seu Filho (Jo 1:14). Ele foi a manifestação visível de
Deus. Ellen White disse que ―Cristo [é] o grande centro de onde
toda a glória irradia‖ (O Maior Discurso de Cristo, p. 89). O apóstolo
João testemunhou sobre Jesus: ―Vimos a Sua glória‖ (Jo 1:14). Mas
a glória do Messias ficou velada em forma humana, porque
ninguém pode ver a Deus e continuar a viver.
A glória que se manifestou em Jesus também se manifesta na
igreja. Em Efésios 3:21, está escrito que ―a Ele seja a glória na
igreja e em Cristo Jesus‖. A igreja existe para refletir a glória de
Deus. O grande desafio que temos hoje é aprender a viver
refletindo a glória de Deus. Nenhuma outra coisa produz uma vida
tão rica e abençoada. Não quero mais nada em minha vida!
Glorifico a Deus porque, como diz a canção: ―‗stá nascendo um
novo tempo, / uma nova geração / pra espalhar Tua glória em toda
Terra‖ (Ministério Jovem, ―Somos Teus‖).
3 de maio Domingo
Autoestima
Ame o seu próximo como a si mesmo. Mateus 22:39

Muita gente não consegue lidar bem consigo mesma. O que cada
um pensa sobre si determinará sua visão de mundo e o
acompanhará pelo resto da vida. A autopercepção influencia o tipo
de amigos, a escolha do cônjuge e muitas outras situações
importantes da vida.
Eu fui um adolescente com muitos complexos. Atravessei aqueles
tumultuados anos da vida questionando meu valor. Se eu tentasse
fazer qualquer coisa – jogar bola, por exemplo – e algo desse
errado, começava a pensar que eu valia menos por causa do erro
cometido. Cresci fazendo associação entre desempenho e
aceitação. Fique sabendo: mais gente do que você imagina
enfrenta a mesma luta. O mundo está repleto de pessoas que não
se amam nem se valorizam.
Autoestima é autojulgamento. Estou plenamente convencido de
que, para se desenvolver esse sentimento de modo saudável, é
essencial uma relação familiar equilibrada. Se isso não for
aprendido em casa, dificilmente será em outro lugar; se não for na
infância, não será fácil cultivá-lo depois; se não for formado nos
braços amorosos dos pais, não será na vizinhança ou no ambiente
de trabalho.
Os estudiosos do comportamento humano dizem que a criança,
antes dos sete anos não tem noção de sua realidade. Mas, a partir
dessa idade, ela começa a tomar consciência de si mesma. É a
idade em que somos pequenos demais para certos privilégios e
grandes o bastante para determinadas responsabilidades. A
criança se mete a fazer algo novo e logo ouve: ―Isso não é coisa de
criança!‖; quando faz algo próprio da idade: ―Você não é mais uma
criança!‖ O que se diz a uma criança nessa fase ficará gravado
para sempre no subconsciente dela. Se for negativo e doloroso,
ficará incrustado em sua personalidade.
Em outras palavras, filhos que crescem sufocados pela crítica,
não aprendem a lidar bem consigo mesmos, com as outras
pessoas nem com os problemas do dia a dia.
Quem não ama a si mesmo tem muita dificuldade em amar a Deus
e as demais pessoas. Você foi criado e redimido por Deus.
Reconheça essa verdade e permita que ela determine seu
relacionamento consigo mesmo e com os outros.
Segunda 4 de maio
Como Deus me vê
O SENHOR não vê como vê o homem: o homem vê a aparência, mas
o SENHOR vê o coração. 1 Samuel 16:7

Quem cresce com a autoestima oscilante depende muito da


opinião dos outros. Qualquer coisa que os colegas digam é
importante o bastante para consolidar um sentimento de rejeição.
Para muitos jovens, a opinião dos amigos tem muito valor.
Independentemente da idade, existem três áreas de conflito
interno que convocam o tribunal de nossa mente para nos julgar:
aparência, performance e status.
Aparência. A maioria de nós não consegue passar diante do
espelho sem se olhar. Observe quanto tempo um adolescente fica
vendo o reflexo da própria imagem, e você terá uma noção do
tamanho de seus traumas.
Performance. Somos muito exigentes quanto à inteligência,
habilidades ou aptidões. Às vezes, isso se manifesta com um ar de
superioridade: ―Todo mundo é pior do que eu!‖ Mas, em geral,
prevalece o tom de inferioridade: ―Todo mundo é melhor do que
eu!‖
Status. A pessoa avalia a vida pela roupa que veste, a faculdade
que cursa, o bairro onde mora, etc.
O Pai celestial não está procurando gente de boa aparência, os
mais espertos nem os mais populares. Ele procura o que colocou
dentro de você: fé, coragem e dons. Quando Davi era apenas um
rapaz, Deus viu algo que ninguém mais conseguia ver. Por isso, Ele
escolheu o mais jovem, o rapazinho que cuidava das ovelhas. O
Senhor é especialista em ver o que ninguém vê. Ele procura
corações semelhantes ao Dele.
Se você hoje se sente avaliado pelos outros, ou até mesmo
julgado pelo tribunal de sua mente, aqui está uma sentença à qual
vale a pena se agarrar: ―Eu sou aceito! Eu sou alguém! Eu sou
capaz!‖ O Senhor ama usar aqueles que são considerados menos
prováveis.
5 de maio Terça
Poderoso guerreiro
Então o Anjo do SENHOR apareceu a Gideão e lhe disse: “O SENHOR
está com você, poderoso guerreiro.” Juízes 6:12

No livro de Juízes, encontramos um líder tímido chamado Gideão.


Na primeira vez em que ele é mencionado no relato bíblico, está se
escondendo em um lagar, com medo dos midianitas. Porém,
quando o Anjo do Senhor lhe aparece, chama-o de ―poderoso
guerreiro‖. Quando ouviu isso, Gideão revelou o baixo conceito que
tinha de si mesmo: ―Meu clã é o menos importante de Manassés, e
eu sou o menor da minha família‖ (Jz 6:15). Gideão enxergava
apenas suas limitações. Seu senso de incapacidade vinha
acompanhado de insegurança, medo e desconfiança.
Gideão não se via como poderoso nem como guerreiro, mas o
Senhor enxergava isso. A maneira como lidamos com nossas
limitações faz com que muitos de nós desperdicemos
oportunidades. Vivemos nos escondendo e aceitando de forma
passiva a opinião dos outros, sendo humilhados no trabalho, nos
relacionamentos, nas atividades da igreja e em tantas outras áreas
da vida. Muitos desistem de lutar porque não se acham capazes.
O melhor tratamento para enfrentar as dificuldades causadas por
uma baixa autoestima é saber que o Senhor nos conhece e nos
ama. Precisamos lembrar que Ele está desenvolvendo um plano
exclusivo para nossa vida. Deus executa Seus planos na Terra
usando gente como eu e você. Ele conhece nossas limitações, mas
trabalha mais facilmente com a insegurança do que com o orgulho.
Gideão é um exemplo de como Deus escolhe e usa o menor dos
homens para desempenhar a maior das tarefas. Deus usa as
pessoas, por mais inseguras que sejam. A grandeza de Gideão não
estava em sua força física nem em sua autoconfiança. Ele se
destacou na história não por ser um grande homem mas por ter um
grande Deus.
A única maneira de ter uma perspectiva correta de nossas
limitações é conhecer o Deus que nos comissiona. Deus é capaz
de transformar os fracos, os tímidos e os inseguros para dar
grandes vitórias a Seu povo. Ele fará por você o mesmo que fez
com Gideão. Se Ele o chamar de ―poderoso guerreiro‖, acredite!
Ele é poderoso para tornar real o que diz.
Quarta 6 de maio
Você é especial
Eu Te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável.
Salmo 139:14

Não é fácil lidar com os sentimentos negativos. Eles podem ser


destrutivos, pessimistas, humilhantes e, em geral, são distorcidos. A
garota leva o fora do namorado e, por um momento, pensa que chegou a
hora de desistir da vida. Na escola, os colegas vão dividir o time, e você
é sempre o último a ser escolhido. É um sentimento horrível quando você
percebe que só é aceito porque ajuda nas tarefas da classe. Muita gente
vive gravitando em torno de determinando grupo, tentando ser aceito por
ele. A rodinha vai se fechando, a pessoa fica tão ansiosa para fazer parte
que acaba sendo excluída.Não existem argumentos fáceis quando a dor
é muito forte. E cada pessoa a sente do próprio jeito.
Antes de compor o Salmo 139, Davi havia passado bastante tempo
com Deus. Por isso, sabia que Ele conhece tudo e está em toda parte.
Ele diz que o Senhor o formou no ventre de sua mãe e já ali tinha todos
os seus dias determinados. Deus tece cada pessoa com suas
características específicas. A baixa autoestima não é Seu propósito para
a vida humana.
Muito antes de o mundo ser criado, já havia no coração de Deus o
sonho de nos criar. Cada um de nós é uma obra maravilhosa e única das
mãos do Pai. Cada célula e órgão de nosso corpo foram planejados,
formados e tecidos pelas próprias mãos Dele.
Você já parou para aplicar essa verdade bíblica em sua vida?
Consegue se maravilhar com o fato de que o Senhor pensou em sua vida
durante sua gestação? Não somos intrusos no mundo. Somos criação do
próprio Deus, obra-prima de Suas hábeis e poderosas mãos. Fomos
feitos por Ele. Nossa vida é uma declaração de que Deus é bom. Ele nos
ama.
Viva o dia de hoje com essa verdade em sua mente. Não permita que
os critérios errados do mundo tirem o brilho e a beleza de sua
autoestima. Louve a Deus por ter-lhe feito do jeitinho que você é. Ore
para que suas características sejam uma bênção na vida de alguém hoje.
7 de maio Quinta
Deus vê tudo
Dos Céus olha o SENHOR e vê toda humanidade; do Seu trono Ele
observa todos os habitantes da Terra; Ele, que forma o coração de
todos, que conhece tudo o que fazem. Salmo 33:13-1S

Fique à parte observando qualquer grupo adolescente e você


rapidamente perceberá aqueles que estão se sentindo deslocados.
Se alguém não é notado, admirado, entendido ou aceito no grupo,
será um desajustado no futuro. Há grupos saudáveis de jovens,
mas existem alguns que são doentios.
Em grupos positivos, todos os componentes participam das
decisões, usa-se linguagem inteligível, os adolescentes se vestem
de modo discreto, as diferenças são respeitadas, praticam-se
atividades saudáveis e as influências são positivas. Em grupos
negativos, por sua vez, percebe-se, em geral, a presença de um
mandachuva, a linguagem empregada nos diálogos é vulgar, o
vestuário é espalhafatoso, é proibido ser diferente, as atividades
são desordeiras, e as influências, negativas. O Deus que criou
todas as coisas também observa todos os grupos. Mas Ele não vê
um punhado de adolescentes que se veste, se penteia e fala de
forma parecida. Não. Ele vê cada um deles. Como seres humanos,
sabemos o que acontece em parte, mas Ele vê o íntimo da alma.
Valdecir Lima e Flávio Santos compuseram ―Deus sabe, Deus ouve,
Deus vê‖, uma das mais lindas músicas do Hinário Adventista. Uma
frase do hino que pode servir de consolo e certeza para qualquer
um que precisa de afirmação é esta: ―Deus sabe o que vai dentro
d‘alma‖ (Hinário Adventista do Sétimo Dia, no 500). Os olhos Dele
estão em todo o lugar, inclusive em você. Ele vê tudo e todos. Você
não está sozinho. Ele não é indiferente a você. Então, conte a Jesus
o que ninguém sabe, ninguém ouve, ninguém vê. Ele sabe. Ele
ouve. Ele vê.
Todos os jovens precisam participar de um grupo para
desenvolver relacionamentos e autoafirmação. Contudo, se sua
autoestima estiver na ponta do dedão do pé, você correrá o risco
de ser um mero joguete, tentando ser aceito.
Portanto, é importante compreender que fomos criados por Deus,
redimidos pelo sangue precioso de Jesus Cristo e que nosso corpo
é a morada permanente do divino Espírito Santo. Você tem um valor
incalculável! Lembre-se disso hoje ao se relacionar com as outras
pessoas.
Sexta 8 de maio
Valor incalculável
Não se vendem dois pardais por uma moedinha? Contudo, nenhum
deles cai no chão sem o consentimento do Pai de vocês. Até os
cabelos da cabeça de vocês estão todos contados. Portanto, não
tenham medo; vocês valem mais do que muitos pardais! Mateus
10:29-31

A mensagem do verso de hoje também está registrada em Lucas


12:6 e 7. Está escrito: ―Não se vendem cinco pardais por duas
moedinhas?‖ Matemática nunca foi a minha matéria favorita na
escola, mas eu aprendi a fazer as contas básicas. Aqui está o
problema: Mateus anuncia dois pardais por uma moeda. Lucas fala
de cinco pardais por duas. Afinal, se uma moeda compra dois
pardais; com duas moedas, certamente você compraria quatro.
Lucas, porém, diz que dá para fazer mais.
Em realidade, não importa muito o preço exato dos pardais no
tempo de Jesus. O que Cristo estava ensinando é o fato de que,
embora esses bichinhos valham pouco para as pessoas, Deus não
Se esquece de nenhum deles. A partir dessa verdade, Jesus
arremata Seu ensino: ―vocês valem mais do que muitos pardais!‖
(Mt 10:31). Se Deus não Se esquece dos pardais, isso significa que
Ele tem você sempre em mente.
Jesus é o único que pode colocar uma etiqueta de preço no ser
humano. Ele nos criou e, com Seu sangue, nos redimiu. Por isso
garante que valemos mais do que muitos passarinhos. Muito mais.
Encontro tantos jovens que medem seu valor pelos símbolos
exteriores de identificação coletiva. Às vezes são tipos de bermuda
ou boné, corte de cabelo ou a marca da maquiagem. Nada disso
representa bem quem você é nem determina seu valor.
Jesus usou essa ilustração para mostrar quanto valemos para
Deus. Se ninguém valorizar você, saiba que Deus valoriza. Se
ninguém se importar com você, Ele Se importa. No fim das contas,
o valor real das coisas é determinado pelo comprador. É assim que
descobrimos o quanto valemos.
Jesus determina o preço de nossa existência. Ele nos comprou
com Seu sangue ao dar a própria vida para nos resgatar da
condenação do pecado (1Pe 1:18, 19). Ele não morreu por pardais,
mas por pessoas feridas e rejeitadas, como eu e você. Não
despreze, desvalorize ou desperdice sua vida. Você vale muito
mais do que muitos passarinhos!
9 de maio Sábado
Goste de si mesmo
Não que possamos reivindicar qualquer coisa com base em nossos
próprios méritos, mas a nossa capacidade vem de Deus. 2
Coríntios 3:S

Fiquei interessado por uma garota ao mesmo tempo que o galã


da igreja se interessou. Então, o perdedor em mim assumiu o
controle: ―Já perdi! Ele é mais bonito que eu.‖ Convidei a garota
para sair comigo, e ela aceitou. No meio da conversa, o rapaz foi
mencionado. E ela fez o seguinte comentário: ―É muito bonito, mas
só de boca fechada!‖
Levou um tempinho para eu compreender que as pessoas não
são obrigadas a gostar de mim pelo que sou. Existem formas
diferentes de encarar a vida. Se alguém não gostar de mim, o
prejuízo será delas. Se eu não gostar de mim, quem vai gostar? Se
eu não me amar, não serei amável nem amado.
A história ensina que Deus ama usar aqueles que não são muito
seguros de si. Ele tem um esquema de fazer Seus planos se
cumprirem com as pessoas menos cotadas. Pode fazer por nosso
intermédio coisas que os outros dizem ser impossíveis.
Como não existem pílulas para fortalecer a autoestima, resolvi
adotar uma filosofia de vida que me ajudou muito a reforçar minhas
qualidades e tomar consciência de minhas limitações. Essa filosofia
tem três passos:
l. Não acredite em tudo o que seus admiradores dizem a seu respeito. As
pessoas que gostam de mim tendem a ser mais tolerantes e
complacentes comigo. Quando alguém ―enche a minha bola‖,
lembro que não sou tudo isso que está sendo dito sobre mim.
Acredite: saber quais são suas limitações é fundamental para lidar
com os outros de forma equilibrada.
2. Não acredite em tudo o que seus críticos dizem a seu respeito. As
pessoas que não gostam de mim tendem a ser cruéis em sua
avaliação. Quem não nos conhece bem pode fazer prejulgamentos
sobre nós, só de ouvir falar. Nem sempre temos a chance de mudar
isso. Não se paute pela maldade dos críticos. Eles não sabem
quem é você de fato; muito menos o amam.
3. Acredite em tudo o que Deus diz a seu respeito. Ouça o que o Senhor
diz sobre você. Sabe o que Deus pensa de sua vida? Para Ele,
você é especial!
Por isso, Ele o escolheu e o capacitou para uma missão nobre.
Você é o alvo mais precioso de Seu amor. Ele acredita em você.
Domingo 10 de maio
Amizade
O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade.
Provérbios 17:17

Não preciso definir a amizade. Todo mundo sabe o que é. Um


bom amigo não tem preço! Vem em diferentes formas, tamanhos,
idades e ameniza até mesmo a falta da família. É uma pena que
nem todo mundo tenha um bom amigo.
Existem aqueles que dizem que têm ―milhões‖ de amigos. É
mentira. Na vida, não dá para ter mais de dois ou três amigos
verdadeiros. Na verdade, nós temos um círculo de amizade, que
pode ser visto de fora para dentro. Na área externa do círculo,
ficam os contatos, que giram em torno de 500 pessoas. Pessoas da
escola, da igreja ou do ambiente de trabalho. É gente com quem se
tem relacionamento casual; cumprimentamos, mas nem sabemos o
nome direito. Logo adiante, no meio, vem o grupo de colegas, em
torno de 50 a 100 pessoas. Você é capaz de mencionar o primeiro
nome dessas pessoas, mas não muito além disso. No centro do
círculo, fica uma meia dúzia de amigos íntimos, se forem tantos. Eles
fazem parte de nossa vida. Participamos das mesmas atividades,
nos divertimos, gostamos das mesmas músicas e ficamos
totalmente à vontade quando estamos juntos. De certa forma,
nossas vidas estão interligadas.
A diferença entre amigos íntimos, colegas e contatos é que os
últimos podem entrar e sair de nossa vida com facilidade. Porém,
os amigos íntimos estão gravados em nosso coração.
Em Provérbios 17:17, o sábio diz que o verdadeiro amigo se
revela nas horas difíceis. As crises não formam novos amigos,
apenas evidenciam a qualidade daqueles com quem nos
relacionamos. Em geral, é no meio das dificuldades que nossos
laços de amizade se fortalecem. A amizade verdadeira se
consolida em momentos difíceis. Salomão diz que a maior evidência
de uma amizade genuína é que o amigo é capaz de amar ―em
todos os momentos‖. Amigo é aquele que ajudou você nos deveres
de casa, que o ouviu quando você levou um fora, que ajudou você
a enfrentar o valentão da escola. Enfim, a amizade se fortalece na
adversidade.
Ouvi meu amigo Cláudio Meireles falar uma vez sobre os ―amigos
de geladeira‖. Gostei tanto que tomei nota na hora. Amigo de
geladeira é aquele que entra em sua casa, abre sua geladeira,
come sua comida e ainda reclama da marca. Quantos amigos
assim você tem? São poucos, não é mesmo? Mas, na hora da
verdade, são esses amigos que estarão do seu lado.
11 de maio Segunda
Amigos de verdade
E Jônatas fez um acordo de amizade com Davi, pois se tornara o
seu melhor amigo. 1 Samuel 18:3

A amizade entre Jônatas e Davi é uma das mais belas de todos os


tempos. Eles eram amigos de verdade. Jônatas amava Davi como a
sua própria alma. Davi descreveu o amor de Jônatas como sendo
maior do que o de uma mulher (2Sm 1:26). Não havia nenhuma
disputa ou inveja entre eles. Eles fortaleciam um ao outro no Senhor
(1Sm 23:16). Jônatas colocou sua amizade com Davi acima de
seus interesses pessoais.
Davi era um herói nacional, preferido pelo povo e foi ungido para
ocupar o trono de Israel. Jônatas era o filho do rei, o preferido do
exército e o herdeiro do trono. Tudo conspirava contra a amizade
dos dois, mas Jônatas propôs uma aliança a Davi: ―Serei seu amigo
para sempre.‖
A amizade de Davi e Jônatas é algo bonito de se ver. E raro! A
amizade entre eles era tão pura, leal e sincera que só quem tem um
verdadeiro amigo consegue entender. Você não gostaria de ter uma
amizade assim?
Quando Saul perseguiu Davi para matá-lo, Jônatas o protegeu, o
encorajou e o ajudou a se esconder. Quando Davi estava
escondido, Jônatas levou conforto, uma palavra, um gesto de
apoio. Ao priorizar a amizade de Davi, Jônatas estava abrindo mão
de seu direito ao trono. São poucos os Jônatas no mundo. Mas
como é bom quando eles aparecem!
Na história de Davi e Jônatas, aprendemos que amigo de verdade
age assim: encoraja o outro; participa em seus problemas; arrisca-
se em seu favor; dispõe-se a cuidar do outro; demonstra lealdade;
alegra-se com o seu sucesso; e, o mais importante: faz de Deus o
elo da amizade.
Em 1 Samuel 18:1, é descrito o resultado dessa amizade: ―surgiu
tão grande amizade entre Jônatas e Davi que Jônatas tornou-se o
seu melhor amigo.‖ Uma versão da Bíblia (ARA) diz que a alma de
Jônatas estava ligada à de Davi. Eram tão unidos que entre eles
havia um amor divino. Esse é o tipo de amigo que você deve ser
capaz de procurar. Quem quer um amigo assim precisa ser assim.
Eu sei que você já ouviu isso! Mas guarde este bom conselho: abra
seu coração, seja amigo e faça amigos. Só não se esqueça de ser
mais amigo daqueles que são amigos de Deus.
Terça 12 de maio
O tipo certo de amigo
Não se deixem enganar: “As más companhias corrompem os bons
costumes.” 1 Coríntios 1S:33

Não é porque a pessoa frequenta a mesma igreja que você, ou o


mesmo Clube de Desbravadores, que ela é a pessoa ideal para ser
seu melhor amigo. Alguns, infelizmente, são imaturos, carentes, ou
do tipo ―sabe-tudo‖. Nenhum desses é uma companhia agradável.
O velho ditado coloca a questão assim: ―Dize-me com quem
andas, e eu te direi quem és.‖ Isso significa que você precisa
escolher bem suas amizades, pois a influência delas pode mudar
sua vida. Se a maioria dos seus relacionamentos próximos é com
pessoas que levam uma vida que desagrada a Deus, é mais
provável que elas o puxem para baixo, em vez de você levá-las
para cima.
Eu sei que a escolha das amizades não é um ato premeditado,
mas podemos aumentar nossa chance de crescimento para um
lado positivo, escolhendo as pessoas certas para se tornarem
nossos amigos. A caminhada com boas pessoas nos torna
melhores, ajuda em nosso crescimento, mas o contrário também é
verdade. Gente difícil e complicada pode nos destruir. Existem
pessoas com desvios morais, éticos ou emocionais. Queira você ou
não, essa influência acabará pesando negativamente em sua vida.
E não adianta imaginar que você é uma exceção à regra. Paulo diz
aos coríntios: ―Não se deixem enganar‖ (1Co 6:9; 15:33). O melhor
é escolher o ―tipo certo‖ de amigos.
Qual é o ―tipo certo‖ de amigos? Li sobre cinco jovens amigos que
resolveram fazer um pacto de amizade. Eles viram outros amigos
da mesma idade que eles sucumbindo nas drogas e na bebida,
sem chance de dias melhores. Os cinco rapazes assumiram um
compromisso de romper com esse círculo vicioso e vencer na vida.
Decidiram que dariam o máximo de si para entrar numa
universidade, não usariam drogas nem beberiam. Os cinco
entraram para a faculdade, quase ao mesmo tempo. Quando um
deles tinha alguma dificuldade, os outros quatro percebiam que
algo errado estava acontecendo e eles se uniam para lembrar o
amigo sobre o pacto que haviam feito. Os cinco completaram um
curso superior e foram bem-sucedidos em cada aspecto da vida.
Nem todo mundo serve para ser seu amigo. Portanto, escolha
bem suas amizades!
13 de maio Quarta
Nasce uma bela amizade
Do conselho sincero do homem nasce uma bela amizade.
Provérbios 27:9

Em seu livro Relacionamentos, Les e Leslie Parrott dividem a


amizade em dois tipos: os amigos da estrada e os amigos do peito.
Os amigos da estrada são transitórios; são aqueles que
encontramos na caminhada. Eles participam de uma etapa de
nossa vida, e, de repente, desaparecem. Quem nunca teve um
amigo assim? Um amigo da escola, um vizinho, um colega de
trabalho? Você acha que serão amigos para sempre, mas aí vem a
formatura, uma mudança de trabalho e de cidade, e tudo muda.
Ficam apenas as boas lembranças de um tempo que não volta
mais.
Já os amigos do peito são guardados no coração. Não importa a
distância, a amizade perdura. É muito bom ter alguém com quem
podemos contar para o que der e vier. O relacionamento com
pessoas assim é baseado em valores.
Uma bela amizade nasce quando se descobre que o amigo tem
sempre um conselho que nos ajuda a crescer. Seria sábio de sua
parte gastar tempo com quem faz de você uma pessoa melhor. Um
bom amigo sempre o levará a percorrer o melhor caminho.
Todos concordam que a primeira e mais importante qualidade de
um amigo é saber ouvir. Amiga é a pessoa que está sinceramente
interessada no que você diz. Ela ouve com empatia. Parece que ela
está querendo entrar em seu mundo e tentar entender seus
sentimentos. Vocês ficariam conversando a noite inteira.
A outra qualidade fundamental para formar uma bela amizade é
abertura. Você se abre com quem se abre com você. Simples
assim. Expor os sentimentos é algo arriscado e precisa ser
recíproco. Quando a pessoa ouve meus segredos, mas não conta
os dele, eu fico com um pé atrás. Se a pessoa ouve e guarda com
respeito o que digo e, ainda se identifica comigo, entendo que
encontrei um bom amigo a quem desejo ter sempre por perto.
Uma das frases mais famosas do poeta francês Jacques Delille
define a descoberta da amizade assim: ―O destino escolhe seus
parentes, mas você escolhe seus amigos.‖
Quinta 14 de maio
Amigos para sempre
Duas pessoas andarão juntas se não estiverem de acordo? Amós
3:3

Se pudéssemos reavivar as memórias da infância, daríamos um


colorido especial para as amizades. Reveja fotografias antigas e
perceberá que você aparece sempre ao lado dos amiguinhos da
escola, da igreja e da rua. É possível que você não tenha mais
contato com esses colegas hoje em dia, não é mesmo? Muitas
dessas lindas amizades da infância costumam ficar no passado.
Você sabia que os melhores amigos são aqueles que
conquistamos na juventude? Pergunte a seus pais qual é a idade
dos melhores amigos deles. Provavelmente, a amizade deles dure
há pelo menos uns 20 anos. Se você é jovem, posso afirmar que
seus amigos de hoje serão aqueles que estarão com você ao fim
da caminhada.
Além da amizade de Davi e Jônatas, a Bíblia relata outras histórias
de um grande número de amigos que correram para ajudar Davi na
hora que ele mais precisava. Quando estava fugindo de seu filho
Absalão, os poucos que apareceram na hora da crise foram Itai,
Sobi, Maquir e Barzilai (2Sm 15-17). Davi só conseguiu atravessar o
período mais difícil de sua vida pelo poder de Deus e com a ajuda
de alguns amigos leais que permaneceram com ele até o fim.
Quer saber como formar uma amizade que vai durar para
sempre?
1. Fazer coisas juntos aproxima as pessoas. Quando estamos
envolvidos nos trabalhos da faculdade, cantamos no conjunto da
igreja ou corremos com os preparativos de um Campori, nos
unimos a quem está na mesma missão. Passar tempo juntos afeta
nossas emoções e impressões sobre os outros. A amizade
geralmente se desenvolve quando nossas mãos trabalham juntas
num mesmo projeto.
2. Orar juntos aproxima as pessoas. Não é fácil encontrar muitos
amigos de oração. Mas posso garantir que, quando você encontra
alguém que ora por você e com você, isso cria laços fortes de
confiança. A fé une as pessoas.
3. Sofrer juntos aproxima as pessoas. Amigos aparecem nas
horas difíceis. A dor faz com que naturalmente nos voltemos para
os relacionamentos. Amigos com dores iguais choram um no ombro
do outro.
Tenha certeza de que você tem pelo menos um amigo que, na
hora do aperto, vai ligar e dizer: ―Estou com você! Conte comigo!‖
15 de maio Sexta
Revolução de amigos
Eu os tenho chamado amigos. João 1S:1S

Paulo é um exemplo de amizade e lealdade cristãs. No início de


sua caminhada cristã, ele contou com a amizade de Barnabé, que
tinha o dom espiritual do encorajamento. Barnabé acreditou no
potencial dele e investiu tempo para capacitá-lo, acompanhá-lo e
introduzi-lo no ambiente da igreja. Infelizmente, essa amizade forte
e sincera teve alguns arranhões no meio do caminho. As amizades
são mais frágeis do que pensamos.
Paulo também investia em jovens promissores, como Silas, Lucas,
Timóteo, só para citar alguns. Ele confiava nesses jovens amigos a
ponto de lhes delegar responsabilidades intransferíveis. Eles o
ajudaram a escrever suas cartas, por exemplo. Paulo os
encarregava dos assuntos administrativos de importantes igrejas.
Eles o representavam em situações delicadas.
Apesar de ser um pregador itinerante, Paulo sempre deixava um
grupo de amigos por onde passava. Veja a parte final de suas
cartas, especialmente a de Romanos. Ele envia saudações aos
amigos, citando-os nominalmente. Talvez não ocupassem o centro
de seu círculo de amigos, mas ele valorizava essas pessoas.
Além de saudar, Paulo elogia cada pessoa a quem envia
saudações, destacando suas qualidades: amado, santo, eleito,
aprovado. Ele valoriza a dedicação de cada um nos trabalhos da
igreja. Paulo revela um coração terno e amoroso.
Para mim, um dos maiores problemas da igreja hoje é a falta de
relacionamento real entre os membros. Muitas vezes esquecemos
que somos responsáveis uns pelos outros. A amizade é uma atitude
cristã importantíssima. Mais do que salvação de pessoas, o
evangelho produz uma revolução social. Paulo disse a Timóteo que
ele deveria tratar os idosos como pais e mães, e os jovens como
irmãos e irmãs (1Tm 5:1, 2). Acho que ele queria mais do que
melhorar as relações sociais. Ele desejava nos orientar a tratar as
pessoas com o verdadeiro espírito cristão.
Quer um conselho de amigo: faça amizades! Escolha para ser
seu amigo alguém que o torne uma pessoa melhor. Crie um
ambiente saudável de relacionamentos a seu redor. Transforme sua
igreja em um lugar diferente e especial. Que ela seja conhecida
como a igreja da amizade! Comece uma revolução de amigos. Isso
vai mudar sua vida e das pessoas com quem convive.
Sábado 16 de maio
O melhor amigo
Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos
seus amigos. João 1S:13

Quero falar com você sobre o meu melhor amigo. Ele é muito
especial. Ele não mora perto de mim no momento, mas nos falamos
diariamente. Tivemos anos de conversas incansáveis, suficientes
para preencher os longos espaços de tempo sem nos vermos. Ele
conhece detalhes de minha vida e sabe o que acontece de
importante comigo. Eu realmente gosto Dele!
Todos sabemos que amizades se constroem lentamente. E a
amizade que eu tenho com Ele começou em minha infância. Não
que eu compreendesse o valor de nossa amizade quando ela
começou, mas eu gostava Dele. O que eu mais gostava era ir à
casa Dele. Era pequena, mas aconchegante! Eu sentia que fazia
parte dali.
Um dia, compreendi o privilégio de Sua amizade. Eu tinha 20
anos. Fiquei encantado com a bênção imerecida de Sua
companhia. E, pela primeira vez, entendi quão abençoado eu era.
Fiquei surpreso ao perceber que a iniciativa de nossa amizade foi
sempre Dele. Ele me escolheu para ser Seu amigo. O que Ele
ganha com isso? Comparado a Ele, não sou nada, mas perto Dele
me sinto especial. Eu sempre fui aquele que ninguém queria no
time, mas Ele me escolheu!
Obrigado, Amigo! Você prometeu que sempre estaria comigo; e
tem cumprido. Você disse que me daria tudo o que eu pedisse; e
tem dado. Você garantiu que faria o impossível por mim; e tem feito.
Você falou que não me deixaria órfão; e me adotou. Você disse que
me amaria até a morte; e morreu por mim. Nunca vou entender
isso! Ninguém jamais me tratou assim!
Eu gostaria que você conhecesse meu melhor amigo. O nome
Dele é Jesus. Posso tentar descrevê-Lo. Posso dizer o que Ele fez
por mim e promete fazer por você. Posso dizer muita coisa que sei
sobre meu Amigo, mas você nunca aprenderá a amá-Lo sem
passar tempo com Ele em Sua Palavra. Você pode duvidar de Seu
amor, pode resistir à Sua graça, mas, se aceitar Sua oferta de
amizade, nunca mais estará sozinho. Experimente a riqueza dessa
amizade e sinta sua vida mudar por completo.
17 de maio Domingo
Amor
Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. 1 João
4:8

Não podemos amar se não soubermos o que é o amor. Vamos começar


daqui então. Lemos em 1 João 4:8 que ―Deus é amor‖. O verso começa
dizendo que ―quem não ama não conhece a Deus‖. Podemos ser
tentados a pensar que basta amar para conhecer a Deus, mas não é isso
que está sendo dito aqui. O que João está dizendo é que o amor é a
prova de que você conhece a Deus. Então, tudo começa em conhecer
quem Deus é. Nenhum ser humano será capaz de entender o significado
do amor, se antes não conhecer a Deus, pela fé.
O que sabemos sobre Deus? ―Deus é amor‖ está escrito em cada botão
que desabrocha. Foi o que disse Ellen White. A rosa tem a mesma
maciez em suas pétalas e o mesmo recorte. Ela tem o mesmo número
de sépalas: sempre cinco. As sépalas compõem o cálice que sustenta as
pétalas. Abra o miolo de uma rosa e você verá o mesmo tom amarelo
nos pistilos. Aspire o cheiro de uma rosa e sentirá sempre o mesmo
aroma. O que levou Deus a criar essas maravilhas que encantam nossos
sentidos? Só há uma resposta: amor. Deus não precisava de nada.
Quando observamos com coração puro as maravilhas da criação, vemos
Deus esbanjando amor.
O amor não é algo que Deus sente; é algo que Ele é. É muito
importante compreender que Deus é amor. Porém, é bom lembrar que o
amor não é Deus. Há muitos humanistas, esotéricos, espiritualistas que
ensinam que o amor é uma força divina que nos guia, uma espécie de
vibração positiva que enche o ambiente.
Isso não é verdade. Deus não é uma força, um sentimento, uma boa
vibração. Deus é o criador do céu e da terra. E Deus é um ser amoroso,
pois sua essência é amor. Conhecer a Deus é conhecer o amor. Como
seres humanos, não damos origem ao amor; ele se origina no coração
de Deus. Você não fabrica o amor; não pode imitar ou falsificá-lo. O
único amor que possuímos é o que vem de Deus. Só conhece o
verdadeiro amor quem conhece a Deus.
Segunda 18 de maio
Marca registrada
Com isso todos saberão que vocês são Meus discípulos, se vocês
se amarem uns aos outros. João 13:3S

O amor é a marca registrada de todo aquele que segue o Homem


que mais amou. Quem não ama não é cristão (1Jo 3:10, 14).
Devemos ser modelos de amor. O amor é o ingrediente essencial
de nosso discipulado.
Jesus disse: ―Um novo mandamento lhes dou: Amem-se uns aos
outros. Como Eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros‖ (Jo
13:34).
O que há de incomum nesse novo mandamento de Jesus é ―amar
uns aos outros como Eu os amei‖. Coisa impossível! O amor faz
parte da natureza Dele, mas não da nossa natureza. Seu amor é
infinito, o nosso, finito; o amor Dele é perfeito, o nosso, imperfeito. É
em Jesus que encontramos a medida do amor sem medida,
exagerado, extravagante, incompreensível. E Ele espera que O
amemos e nos ordena que amemos uns aos outros. Isso significa
que, quanto mais puro e perfeito for seu amor pelos outros, tanto
mais semelhante a Cristo você mostra ser.
Algumas vezes pode ser frustrante tentar falar para os outros
sobre a pessoa maravilhosa de Jesus. Contudo, se eles
perceberem que os cristãos se amam de verdade, tudo ficará mais
fácil. Quando entrarem na igreja, por exemplo, se virem os jovens
se abraçarem com uma plenitude de amor divino e sobrenatural, se
perceberem como nos damos bem uns com os outros, como nos
admiramos e honramos uns aos outros, como nos preocupamos
sinceramente uns com os outros, eles terão mais facilidade para
acreditar que amamos mesmo a Jesus.
Portanto, vamos nos esforçar para amar uns aos outros com um
amor como o de Cristo, na mesma medida como fomos amados por
Ele. Nosso amor uns pelos outros deve ser um grande amor como o
Dele. Deve ser pessoal, prático, santo, abnegado e sacrificial.
Tertuliano, um escritor do segundo século da era cristã,
testemunhou que os cristãos levavam tão a sério essas palavras de
Jesus que os pagãos ficavam admirados: ―Veja como eles se
amam!‖ Que o amor verdadeiro, que vem de Deus, esteja na base
de sua vida! Faça dele o princípio central de seus relacionamentos.
19 de maio Terça
Amor ágape
O maior deles, porém, é o amor. 1 Coríntios 13:13

O texto de 1 Coríntios 13 é a medida-padrão para o amor cristão.


É a marca registrada, a carteira de identidade do discípulo. Paulo
diz que só o amor dá significado ao que fazemos. Falar outros
idiomas, servir no campo missionário, ajudar a quem necessita,
estudar tudo o que Deus diz sobre determinado assunto, acreditar
no potencial das pessoas ou mesmo se sacrificar em favor de
alguém são coisas louváveis, mas insuficientes para cumprirmos o
mandamento de Jesus. O maior problema é achar que basta
distribuir algumas migalhas de atenção e boa vontade para cumprir
o mandamento do amor.
Como disse Joêzer Mendonça: ―Se eu tiver mais arte que amor,
em vão terei escutado, em vão terei cantado, em vão terei vivido.‖
Sabemos que o ideal de 1 Coríntios 13 é muito elevado para nós,
mas não existe meio-termo. É pegar ou largar.
O amor de Deus é o amor apresentado como ágape, termo grego
usado no Novo Testamento para se referir à forma mais elevada de
amor. Significa amor pelos indignos, pelos pecadores, pelos que
não merecem ser amados. A Bíblia ensina que quem ama conhece
a Deus. E isso é melhor que poder, riqueza, inteligência e
espiritualidade.
Se você quiser saber em que nível está seu coração, use a
medida de 1 Coríntios 13:4 a 8. Se você não se assustar com o
desafio desse texto é porque precisa de um novo coração. Toda
vez que leio ou penso nesse texto percebo quão longe do ideal
ainda estou, mas é por isso que o evangelho faz diferença. A graça
não nos permite cruzar os braços. Diz que devemos amar todos,
em qualquer hora, em qualquer lugar, quem quer que seja, do jeito
de Deus. Quem não ama assim difama o Deus de amor que afirma
representar.
Não amamos porque somos ordenados a amar. Amamos porque
somos amados. A maioria de nós pensa que o amor é um dever,
mas não é. Eu amo porque fui e sou amado. Se o amor não
escorrer espontânea e constantemente de você, é porque você
ainda não foi preenchido pelo amor ágape de Jesus. Como diz
Ellen White: ―O mais forte argumento em favor do evangelho é um
cristão que sabe amar e é amável‖ (A Ciência do Bom Viver, p. 470).
Quarta 20 de maio
O grande mandamento
Mestre, qual é o maior mandamento da Lei? Mateus 22:36

Quando os fariseus quiseram saber de onde vinha a autoridade


de Jesus, Ele disse que uma das testemunhas de Sua divindade
eram as Escrituras: ―Vocês estudam cuidadosamente as Escrituras,
porque pensam que nelas vocês têm a vida eterna. E são as
Escrituras que testemunham a Meu respeito‖ (Jo 5:39). Jesus não
estava Se referindo à Bíblia que temos hoje, mas à Bíblia hebraica.
Sua principal seção, a Torá, significa ―instrução, ensino, caminho‖.
São ensinamentos completos de Deus para nós.
Com o passar dos anos, os rabinos interpretaram a Torá e
criaram uma infinidade de regras com os elementos da fé
judaica. Em Mateus 22:3, está registrado que um ―perito na lei O
pôs à prova com esta pergunta: Mestre, qual é o maior
mandamento da Lei?‖ Ele estava pensando nos 613 preceitos.
Jesus resumiu assim:
Ame o Senhor, o Seu Deus, de todo o seu coração.
Ame o seu próximo como a si mesmo.
Os dois mandamentos apresentados pelo Senhor são resumidos
em uma só palavra: amor. Amar é o fundamento de tudo o que
Deus espera que façamos em nossa caminhada até o Céu. O amor
é a fragrância da vida. O amor é o resumo e o cumprimento da lei
(Gl 5:14). Fomos criados à imagem do Deus de amor. Por isso,
temos a capacidade de retribuir o amor de Deus com amor.
Deus Se alegra em receber nosso amor e em nos ver compartilhar
esse amor com aqueles a quem Ele também ama tanto e
infinitamente. Um modo importante de amar a Deus é amar os
outros. Quanto mais você transmitir e expressar Seu amor pelos
outros, Ele o inundará de amor e poderá compartilhar o amor que
expressa por você. ―Nós amamos porque Ele nos amou primeiro‖
(1Jo 4:19).
Qual é o princípio básico para os relacionamentos? O amor. Amar
a Deus e amar o próximo como a si mesmo. Devemos amar a Deus
com todo o nosso ser e amar o próximo como a nós mesmos. Deus,
os outros e nós mesmos. Simples assim. Vamos ter que repetir isso
até aprender.
21 de maio Quinta
Amor radical
Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus,
mas em que Ele nos amou e enviou o Seu Filho como propiciação
pelos nossos pecados. 1 João 4:10

O amor tomou forma em Jesus: visível, extravagante e abnegado


até a morte. Você ama por ter visto esse amor ágape de Deus em
Cristo. Esse amor é tão grandioso que nos transformou. Ele se torna
real quando se expressa por meio de nossos atos. Isso é chamado
de amor radical.
Amar a quem nos ama é fácil. Demonstrar amor pela família e
pelos amigos, é moleza. Complicado é amar pessoas difíceis.
Quero ver alguém ser capaz de amar por si mesmo os incômodos,
os aborrecedores, os pobres, os desequilibrados, os diferentes.
Não é fácil amar algumas pessoas! Mas o Espírito Santo nos
capacita, compartilhando conosco o amor ágape.
Paulo diz que ―Deus derramou Seu amor em nossos corações,
por meio do Espírito Santo, que Ele nos concedeu‖ (Rm 5:5).
Amamos porque o Espírito Santo derrama em nós Sua natureza.
Quanto mais você derrama o amor de Deus sobre outros, mais o
Espírito tem condições de derramar em você Seu amor santo.
O amor é o fruto básico do Espírito. É o poder transformador do
Pentecostes. Não existe nada mais sublime, mais profundo, mais
santo, mais abençoado, mais maravilhoso em toda a experiência
humana. É radical!
Deus depende de você e de mim para transmitir Seu amor. Não
podemos dar aquilo que nunca recebemos. Mas, se recebemos,
não podemos retê-lo.
Como você pode partilhar esse amor com outras pessoas? Acha
que é suficiente vestir uma camiseta com uma frase de impacto e
colocar um adesivo no carro? Como é que Jesus nos manda agir?
Ele ensinou que devemos oferecer a outra face, andar a segunda
milha, e dar mais de nós mesmos aos outros. Deus sabe que é
necessário um amor radical para fazer Seu Reino avançar.
Nada deixa uma marca mais profunda na vida dos outros que um
ato de amor desinteressado. Esse tipo de amor tem um poder tão
impactante que comove até a pessoa mais insensível. O chamado
de Deus é para amarmos aqueles que menos merecem ser
amados. Lembre-se: você não merecia o amor de Deus. Mesmo
assim, Ele o amou. Faça o mesmo com os outros.
Sexta 22 de maio
DOCE MISTÉRIO
Pois o amor é tão forte quanto a morte. Cântico dos Cânticos 8:6

Nós, cristãos, deveríamos ser os maiores especialistas sobre o


amor. Afinal, dizemos que conhecemos o Amor em pessoa. Esse
Deus de amor nos fez com a capacidade de amar. Você já parou
para pensar sobre o amor de Deus e o amor que você sente por
alguém? Qual é a relação entre esses dois tipos de amor? O único
amor que você possui é o que recebe Dele. Você ama porque foi
criado para isso. Todo seu ser foi planejado para dar e receber
amor: o de Deus e o dos outros.
O amor vai muito além das emoções. O amor não é um sentimento
que fabricamos e passamos a distribuir a quem nos interessa.
Algum amigo já lhe contou que conheceu uma garota maravilhosa?
Ele descreve a beleza dela, fala de seu sorriso arrebatador e de
seu jeito contagiante de ser. Algum tempo depois, você conhece a
garota dos sonhos de seu amigo, e ela não impressiona você como
o impressionou. Então você se pergunta: ―Mas o que ele viu nela?‖
O coração tem mistérios que só Deus conhece. Deus nos fez
únicos e diferentes. Ele deu a cada um de nós uma sensibilidade
única. E cada um tem a própria história.
Em Provérbios 30, o sábio se maravilha com ―o caminho do
homem com uma moça‖ (v. 19). O caminho a dois nasce diferente
para cada casal. Cada história de amor é única. O sábio refletia em
como duas pessoas que se conhecem, se apaixonam e se unem
com ideias e sonhos tão diferentes, conseguem realizar uma
caminhada de vida. Para ele, esse caminho era misterioso. Todo
romance entre um homem e uma mulher é um doce mistério.
O amor também tem uma força impressionante, pois ―é tão forte
como a morte‖ (Ct 8:6). O amor e a morte têm a mesma força, com
a capacidade de ferir e doer. Por isso, no casamento, os noivos
prometem ficar unidos até que a morte os separe. Essa frase do
voto matrimonial está baseada na afirmação bíblica: ―Portanto, o
que Deus uniu, ninguém separe‖ (Mt 19:6). De acordo com esse
princípio, o casamento é uma aliança perpétua e indissolúvel.
Como o amor une duas pessoas? É um mistério que só Deus
conhece! Peça a Deus para ajudar você a viver o amor que vem
Dele.
23 de maio Sábado
Paixão por Cristo
Se alguém vem a Mim e ama o seu pai, sua mãe, sua mulher, seus
filhos, seus irmãos e irmãs, e até sua própria vida mais do que a
Mim, não pode ser Meu discípulo. Lucas 14:26

Nunca precisei provar minha paixão por Jesus; não da forma


como os primeiros cristãos faziam. No passado, bastava apenas
que a pessoa declarasse sua fé em Cristo e estaria condenada.
Muitos foram presos, torturados, lançados na fogueira e serrados
ao meio.
No verso de hoje, Jesus não está atacando as relações familiares.
Em realidade, Seu objetivo é indicar que nenhum laço terreno, por
mais íntimo que seja, pode ocupar o espaço que pertence a Ele.
Jesus não está pedindo nada demais. Se Ele não merece todo o
nosso coração, quem o merecerá? Ele veio à Terra e nos deu todo o
Seu coração.
Em uma das maiores declarações de fé da Bíblia, Paulo disse:
―Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas
Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé
no Filho de Deus, que me amou e Se entregou por mim‖ (Gl 2:20).
Jesus deve ser nossa maior paixão, o Amado de nossa alma.
Quanto mais tempo passamos com Ele, mais O conhecemos. E
quanto mais O conhecemos, mais O amamos. Só em Sua
companhia aprendemos a responder ao grande amor que Ele
dedica a nós.
Na carta à igreja de Éfeso, Paulo afirma que Cristo está no Céu, e
o crente está em Cristo. Nosso coração precisa estar onde está
nosso Amado. Mas, quando João escreveu à igreja de Éfeso anos
depois, fez esta acusação: ―Você abandonou o seu primeiro amor‖
(Ap 2:4).
Por mais incrível que pareça, é possível amar o trabalho na igreja
e não amar Jesus. Porém, não devemos aceitar essa condição.
Nossa paixão por Cristo deve estar acima de uma causa e até da
família, que é o bem mais precioso que possuímos. Posso garantir
uma coisa: amar a Jesus fará de você um cristão radiante. O amor
é custoso e prazeroso. Dá trabalho amar, mas não há nada mais
gratificante e significativo na vida. Jesus é a prova disso. Façamos
igual a Ele.
Domingo 24 de maio
Namoro
Então Jacó trabalhou sete anos por Raquel, mas lhe pareceram
poucos dias, pelo tanto que a amava. Gênesis 29:20

O que a Palavra de Deus fala sobre namoro? Nada. Na época em


que a Bíblia foi escrita, não havia esse tipo de relacionamento. Os
casamentos eram arranjados. A história bíblica que mais se
aproxima de um namoro moderno é a paixão de Jacó por Raquel.
O encontro dos dois parece ter resultado em amor à primeira vista.
Apaixonado, Jacó trabalhou sete anos por Raquel, quase quatro
vezes o preço do dote de uma noiva na época. O amor é lindo!
Apesar de a Bíblia não falar sobre namoro, ela precisa ser
examinada para se saber a opinião de Deus sobre o tema. ―Se há
tempo em que a Bíblia é necessária como conselheira, é antes de
dar um passo que une pessoas por toda a vida‖ (Ellen White, Só
para Jovens, p. 112). Os valores, alvos e comportamento de duas
pessoas cristãs que namoram precisam ser baseados nos
conceitos e propósitos divinos.
A visão bíblica do namoro é diferente da mídia. A Bíblia não é um
manual sobre o namoro, mas apresenta alguns princípios. E um dos
primeiros que ela apresenta é que ―romance‖ não é igual a amor.
Romance é quando uma pessoa diz que não consegue viver sem
você, que sem você não é nada, e que a vida dela parece vazia e
sem cor quando você não está por perto. Isso é emocionante no
momento, mas não segura um relacionamento no decorrer dos
anos.
O namoro deve ser baseado em comprometimento. O jovem
cristão não entra em um relacionamento apenas para receber.
Todos os dias Jacó se levantava e ia trabalhar pensando no valor
inestimável de Raquel. Passaram-se sete anos. Devido a seu
imenso amor por ela, Jacó nem percebeu o tempo passar. Espero
que você encontre um amor assim! Quem ama está disposto a tudo
para ver a felicidade do outro. O amor é um sentimento sacrificial.
Se você deseja ser feliz nessa área da vida, deve estar disposto a
renunciar a muitas coisas por alguém. Acima de tudo, precisa estar
com seu pensamento alinhado ao de Deus. Ele é a fonte do amor e
certamente o depositou no coração de uma pessoa especial. Peça
a Ele para ajudá-lo a encontrar esse alguém.
25 de maio Segunda
Começa com amizade
É melhor ter companhia do que estar sozinho. Eclesiastes 4:9

A amizade é pré-requisito para o namoro. Quando pensar em


namorar uma pessoa, primeiro faça amizade com ela. O ideal é que
já sejam amigos antes. Não namore alguém a quem você não
conheça bem. O namoro que começa de uma amizade tem mais
chance de dar certo do que o que começa sem relacionamento
prévio. Antes do início do namoro, recomendo um período de
amizade profunda e duradoura. Bons amigos se encontram, batem
papo, falam sobre tudo (ou quase tudo), trocam ideias. Use e
abuse do bate-papo.
Planejem atividades que envolvam participação em grupo. Muita
gente começa a namorar e esquece os amigos. Os namorados
também precisam de amigos. Desenvolva boas amizades, passeie,
converse com pessoas interessantes.
Faça amizade, troque mensagens, procure conhecer pessoas. As
igrejas, os acampamentos, os congressos, os encontros de jovens
proporcionam novas amizades. Você não pode perder nenhum
deles. Curta esses eventos e faça muitos amigos. Ao se aproximar
de alguém que considerar interessante, deixe bem claro que busca
somente amizade. A outra pessoa vai se sentir mais segura e livre
para compartilhar com você seus planos de vida. Sem precipitação
nessa área, você minimiza o risco não apenas de se machucar,
mas também de ferir alguém.
Não basta ser amigo para começar um namoro e lançar âncoras
afetivas. É preciso ser qualificado. Amigos de verdade exigem
honestidade, franqueza e até mesmo vulnerabilidade. Também
exigem atenção e atos simples de gentileza.
Boas amizades são bases promissoras para namoros bem-
sucedidos. Por isso, antes de namorar, é fundamental saber ser
amigo. Se quiser encontrar uma pessoa especial, nutra amizade
com mais gente. Estenda sua teia de relacionamentos. Não limite
suas opções a apenas uma pessoa. Além disso, avalie o tipo de
amizade que tem desenvolvido. Os amigos existem para contribuir
em nosso desenvolvimento humano e espiritual. Cerque-se de
pessoas que o ajudem a crescer. Se entre seus amigos há pessoas
do sexo oposto assim, você terá maiores chances de desenvolver
um relacionamento de namoro abençoado.
Coloque os critérios de Deus como base para seus
relacionamentos. Agindo dessa maneira, você será feliz em suas
escolhas, e a amizade será colorida com a beleza do amor.
Terça 26 de maio
Por que namorar?
Pois Dele, por Ele e para Ele são todas as coisas. A Ele seja a glória
para sempre. Amém. Romanos 11:36

Para o jovem cristão não há namoro recreativo. É preciso haver


propósito. Não dá para perder tempo. Namorar por namorar não
vale a pena nem tem a aprovação divina.
Vivemos em uma cultura perigosa, cada dia mais sexualizada e
saturada pela mídia. Deus fica triste quando Seus filhos são
tratados como objetos sexuais. Ele não quer vê-los vendendo a
alma em troca de alguns momentos de prazer.
O namoro, do modo como o conhecemos, é algo recente. A maior
parte de nossos bisavós não namorou. Os pais deles escolheram
com quem eles deveriam se casar. Por incrível que pareça, ainda
hoje no mundo, mais da metade dos casamentos são arranjados.
Existem estatísticas que mostram que 50% das garotas e 40% dos
rapazes terminam o ensino médio sem nunca ter namorado. Isso
não é o fim do mundo.
É importante dedicar-se ao desenvolvimento de um
relacionamento honesto com uma pessoa de sua idade, alguém
com quem você possa compartilhar seus ideais e interesses.
Desenvolver um alto grau de amizade e companheirismo com uma
pessoa do sexo oposto, cedo ou tarde, exigirá uma decisão:
Estamos namorando ou vamos ser apenas bons amigos? Que tipo
de namoro teremos? Esse namoro me levará para mais perto de
Jesus e do propósito Dele para nossa vida?
Jesus é a razão de tudo! Aqueles que andam com Ele fazem suas
escolhas baseadas em Sua vontade. Simples assim. Muitos cristãos
solteiros pensam que Deus não tem que interferir em seu
relacionamento. Entretanto, Paulo diz em 1 Coríntios 10:31 que tudo
tem que ser feito para a glória de Deus. Tudo é do Senhor, inclusive
você. Ele o fez. Ele o criou. Ele o salvou. E, se o propósito de Sua
vida é honrar e glorificar a Deus em tudo, isso deve incluir seu
namoro.
De forma prática, um casal de namorados deve ter conversas
abertas, ler a Palavra de Deus, orar, passear, etc. Quando dois
jovens buscam agradar a Deus e servi-Lo em seu relacionamento
afetivo, o nome Dele é glorificado. Portanto, inclua Jesus em seu
namoro.
27 de maio Quarta
Ficar ou namorar?
Pode alguém colocar fogo no peito sem queimar a roupa?
Provérbios 6:27

Ficar é um fenômeno que surgiu nos anos 1980. Trata-se de um


relacionamento superficial, sem compromisso nem aliança. Posso
afirmar que esse tipo de relacionamento não satisfaz quem procura
integridade e decência. Muitos jovens se tornam vítimas de
propaganda enganosa e acham que ficar é a norma.
Dentre as nossas necessidades básicas estão a de sermos
amados e aceitos. Buscamos pertencer a um grupo e ansiamos por
intimidade. No entanto, no ficar, a única coisa que conta é o prazer
do momento. E, basicamente, o único estímulo é a aparência física.
Como vivemos numa sociedade hedonista, ou seja, voltada ao
prazer, muitos jovens entregam o corpo a outra pessoa apenas pelo
prazer do momento.
Jovens que queimam as etapas se veem numa situação artificial e
se entregam à manipulação erótica. O ficar é oposto à ideia de
compromisso e produz um padrão mental de troca de parceiros.
Com isso, prepara-se a estrada para o adultério no casamento. Os
que vivem ―ficando‖ não acham graça em um compromisso
duradouro.
Na experiência de ―ficar‖ sempre alguém se machuca. Ficar pode
ser uma conquista. Ganha-se a batalha da popularidade, mas
perde-se a guerra pelo respeito. A pessoa que aceita ―ficar‖ rebaixa
seu valor e acaba se desqualificando para relacionamentos sérios e
edificantes.
Em Provérbios 6:27, a sabedoria pergunta: ―Pode alguém colocar
fogo no peito sem queimar a roupa?‖ A resposta é óbvia.
Relacionamentos superficiais, temporários e descomprometidos
aumentam as chances de ferimentos emocionais mútuos. Além
disso, há sempre uma pessoa mais envolvida do que outra. No
rompimento, ela sofrerá mais.
Jovem, seu valor é alto demais para vender-se a um preço tão
baixo. Jesus é o maior argumento contra o ficar. Nunca aceite ser
degradado à condição de objeto de prazer irresponsável. Você foi
comprado por um preço infinito.
Quinta 28 de maio
Idade certa para namorar
Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino
e raciocinava como menino. Quando me tornei homem, deixei para
trás as coisas de menino. 1 Coríntios 13:11

A paixão tem pressa de se envolver romanticamente. O perigo da


pressa é que a pessoa faz e diz coisas para as quais não está
preparada no momento. Em geral, quem faz isso não tem idade
suficiente para o namoro. Vou ser bem direto: namoro não é
brincadeira de criança!
―Todo mundo está namorando‖, pensam alguns. Sentem-se
incomodados se não fizerem o que a turma anda fazendo. Assim,
muitos meninos e meninas pulam etapas importantes na vida e
deixam de se dedicar aos estudos e outras coisas de sua idade.
Em 1 Coríntios 13, o apóstolo Paulo diz que o amor é a prova de
nossa maturidade. Quando eu tinha 15 anos, comecei a gostar de
uma garota, mas a família não permitiu o namoro. Conheci várias
outras meninas depois disso, mas a realidade é que eu não tinha
maturidade para me envolver num relacionamento afetivo naquela
época. Quando me tornei homem, deixei para trás essas coisas de
menino.
As estatísticas dizem que garotas que começam a namorar aos
12 anos perderão sua virgindade até os 19. O namoro prematuro
está condenado a manipulações incontroláveis.
É melhor que se demore na fase da amizade. Namorar só porque
todos namoram é deixar de pensar nas consequências do
relacionamento afetivo. Mas, afinal, qual é a hora certa para
começar a namorar? Se você tem pais sábios, eles lhe dirão o
momento certo para isso e lhe darão aprovação. Se esse não é seu
caso, busque orientação de Deus e de pessoas confiáveis e
cristãs. Esses conselhos o ajudarão a não dar passos precipitados
na vida e vão prepará-lo para o momento em que a idade de
namorar finalmente chegar.
29 de maio Sexta
Limites no namoro
Fuja dos desejos malignos da juventude. 2 Timóteo 2:22

Quando estamos apaixonados, desejamos passar a maior parte


do tempo ao lado da pessoa amada. Mais que isso, com o aumento
da intimidade, desperta-se o desejo de tocar o corpo do outro.
Isso é perigoso. Se der vazão, o casal será fortemente
manipulado por seus hormônios. E a vontade de Deus é que
tenhamos domínio próprio. Em 1 Tessalonicenses 4:3 a 8, Paulo diz
que o crente tem que aprender a viver no centro da vontade de
Deus. Ele ensina que devemos ter controle sobre o próprio corpo,
não podemos ser dominados por paixões desenfreadas nem viver
na impureza. Jovens namorados que têm relacionamento sexual
antes do casamento perdem o que há de mais bonito no amor.
Paulo diz que o instrumento mais forte para resistir às tentações
sexuais são as pernas. Corra! Fuja! O jovem que aprende a fugir do
sexo livre, da pornografia, das más companhias e coisas do tipo
terá uma vida abençoada e feliz.
E por que Deus pede para esperarmos até o casamento? Não
quer que desfrutemos o prazer que Ele mesmo criou? Nada disso.
Deus nos ama e deseja o melhor para nós. Ele estabeleceu
princípios e valores cristãos para desfrutarmos plenamente a
sexualidade no contexto do matrimônio.
Como em geral os rapazes são mais tentados para avançar o
sinal, aconselho às moças a terem uma posição clara e firme sobre
isso. Elas devem defender a própria honra e a de sua família. O
corpo delas pertence a Deus e, por isso, é Ele, e não o namorado,
quem dita as regras. Aos rapazes, meu conselho é que sejam
homens de verdade e respeitem a honra alheia. Não façam com a
filha e irmã dos outros o que não gostariam que fizessem com sua
filha ou irmã. Além disso, consagrem a vida a Deus e não permitam
que os hormônios tenham uma voz mais forte em sua vida do que a
influência do Espírito Santo.
Um alerta final para hoje: namorar mais pessoas significa que
você enfrentará mais tentações e mais oportunidades de abrir mão
de seus princípios. Se até as pessoas mais bem-intencionadas
cedem (e as estatísticas provam que a maioria cede), então
namorar um número maior de pessoas significa que elas acabarão
tendo mais parceiros sexuais. E ter mais parceiros sexuais significa
que você levará mais bagagem sexual para o casamento, e isso é
péssimo! Seja sábio. Fuja disso. O plano de Deus é melhor!
Sábado 30 de maio
Um namoro abençoado
Duas pessoas estarão juntas se não estiverem de acordo? Amós
3:3

O principal propósito do namoro é providenciar meios para as


pessoas se conhecerem melhor, desenvolvendo companheirismo e
amizade. Convivência é uma palavra que define melhor esse
período. Você já se perguntou que tipo de coisas gostaria que seu
namoro tivesse? Que qualidades você procura na outra pessoa?
Um namoro abençoado é aquele que prepara e conduz o
relacionamento para um bom propósito. E, no caso de um namoro
cristão, a finalidade é o casamento.
Há três elementos importantes para a construção de um
relacionamento saudável: conhecer a si mesmo, conhecer o outro e
deixar-se conhecer.
Conhecer a si mesmo. A pessoa com baixa autoestima normalmente
tem dificuldade para cultivar bons relacionamentos. O sentimento
de inferioridade é um vilão impiedoso. O inseguro lança-se no
namoro de cabeça sem pensar nas consequências. Com isso, o
namoro corre o risco de ser exageradamente erotizado.
Conhecer o outro. Quanto maior o conhecimento do outro, menores
as surpresas posteriores. É bom prestar atenção ao modo como a
pessoa trata a si própria. Ela se vê como vítima? Peça a opinião de
uma pessoa neutra emocionalmente. O ideal é perguntar a seus
pais o que eles pensam sobre seu pretendente. Nunca se esqueça
de comparar os ideais de vida e as expectativas futuras para ver se
vocês têm um alvo em comum.
Deixar-se conhecer. É bom desfrutar o tempo juntos, expressando
sentimentos, questionando, dialogando sobre suas decisões,
sonhos e sobre si mesmos. Mas cuidado: deixem as confidências
para mais tarde. Não tentem conhecer o coração um do outro.
Observe as afinidades: se combinam culturalmente, no nível
econômico, familiar, religioso, na idade, etc. Tudo isso é muito
importante antes de dar o passo decisivo que os levará para o altar.
Não leve adiante um namoro antes de estar seguro de que a
pessoa tenha qualidades para compartilhar dentro desse
relacionamento a dois.
Não namore gente descomprometida com Deus e com a igreja.
Você vai encontrar pessoas boas na frente de batalha. A moça que
se dedica à classe das crianças pode ser uma boa opção; o rapaz
que canta no coral talvez seja a bênção que você está esperando.
Enfim, peça sabedoria a Deus nessa escolha e alinhe-se à
orientação que Ele tem dado a Seus filhos fiéis.
31 de maio Domingo
Noivado
Mas aqueles que se casarem enfrentarão muitas dificuldades na
vida, e eu gostaria de poupá-los disso. 1 Coríntios 7:28

Não sou especialista em relacionamentos, porém entendo que, no


meio cristão, a amizade sincera antecipa o namoro; o namoro
conduz ao noivado; e o noivado desemboca no casamento.
Em geral, quem namora sonha em ficar noivo e casar. O noivado é
um passo que requer amadurecimento. É o tempo para o casal
avaliar se de fato deseja passar a vida junto ou não.
Eu me casei aos 25 anos de idade e não estava preparado para
todos os desafios da vida conjugal. Eu gostaria que alguém tivesse
me alertado sobre os potenciais problemas que me aguardavam.
Nem sei dizer quanta dor de cabeça tivemos no início do
casamento.
A maturidade para o casamento envolve os aspectos físico,
emocional, financeiro e espiritual. Quem se casa enfrentará
problemas adicionais na vida. O ―senhor imaturo‖ e a ―senhora
imatura‖ são duas crianças e não sabem tocar a vida sozinhos. A
última coisa que eles precisam é de um casamento.
O casal deve ter uma estrutura financeira, por exemplo, para
suportar o impacto das primeiras crises que surgirem. Devem
também ter estrutura emocional para apoiar e entender as
variações de humor, momentos de irritação e outras adversidades
inevitáveis. O apóstolo Paulo diz assim: ―eu gostaria de poupá-los
disso‖.
Hoje, a igreja recomenda e promove excelentes cursos para
noivos. Se você está nessa etapa da vida, não perca essa
oportunidade. Um curso para noivos é indispensável para entender
os deveres e responsabilidades da vida a dois.
Viver debaixo do mesmo teto com outro ser humano é um desafio
tão grande que eu me pergunto como o casamento ainda
sobrevive. Não quero desanimar ninguém. Mas, por favor, se deseja
dar esse passo, não faça de qualquer maneira. Prepare-se em
todos os aspectos envolvidos. Acima de tudo, lembre-se: antes de
assumir o compromisso do noivado, comprometa-se com Deus. Só
quem ama Jesus está preparado para amar de verdade alguém a
vida inteira.
Junho
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2 3 4 5 6

7 8 9 10 11 12 13

14 15 16 17 18 19 20

21 22 23 24 25 26 27

28 29 30
Segunda 1º de junho
Tempo de noivado
Encontrei aquele a quem o meu coração ama. Cântico dos
Cânticos 3:4

No texto de hoje, vou apresentar algumas questões práticas sobre


o noivado.
Evitem um noivado muito longo. O ideal é que o noivado seja
equivalente a um terço do tempo de namoro. E o namoro não pode
se estender pela eternidade.
Por que existe o noivado? Para passar um recado para a
comunidade de que em pouco tempo um novo lar será formado.
Esse período é importante também para os pais. Eles precisam se
preparar para o processo de perda e ganho que terão pela frente.
No casamento, eles perdem a companhia do filho, mas ganham um
novo membro na família.
Além disso, o noivado é tempo para os preparativos para a
cerimônia, os convites, a nova morada, participação no curso de
noivos, etc. Com isso, quero dizer que não se fica noivo caso não
se esteja pensando em se casar. Noivado pressupõe uma data
para o casamento. Você coloca um anel dourado na mão, e as
pessoas vão perguntar quando será o casamento. Esse é o objetivo
do noivado.
Casar exige uma quantidade assombrosa de trabalho. As
conversas devem fugir das meras trivialidades. É hora de tratar da
rotina da vida diária: orçamentos, contas a pagar, moradia e coisas
do tipo. Muito mais do que glamour, casamento é pé no chão e
contato direto com a realidade.
Outro objetivo importante do noivado é conhecer mais
profundamente o futuro cônjuge. É tempo de olhar um para o outro
de verdade e avaliar. Afinal, é essa pessoa que vai acordar a seu
lado todas as manhãs. Então, é preciso conhecer os traços da
personalidade de cada um, seu mundo interior, como reage diante
dos problemas, como encara os desafios, e por aí vai.
Há coisas que você não pode negligenciar. Antes de ficar noivo,
tenha certeza de que seu namorado ama a Deus mais do que ama
você. Tenha certeza de que se trata de uma pessoa de caráter.
Essa não é uma decisão qualquer. Antes de seguir nessa direção,
certifique-se de que o terreno no qual está pisando é seguro.
2 de junho Terça
Brincando com fogo
É melhor casar-se do que ficar ardendo de desejo. 1 Coríntios 7:9

Deus criou o sexo com três propósitos: inauguração do


matrimônio, procriação e prazer. A primeira relação sexual é o início
do casamento. Deus é testemunha desse momento. Há uma
bênção especial para aqueles que esperam a aprovação divina
para sua união.
O período do noivado é bastante tentador para o casal no
aspecto sexual. Nessa época, planos para o altar são feitos, existe
intimidade, e os princípios são testados em todo o tempo.
É fundamental que os noivos definam antecipadamente os limites
de seu relacionamento. E cada um se tornará responsável para
manter a ―fervura‖ sobre controle. Um jovem me perguntou certo
dia que conselho sobre sexo eu daria a um casal de noivos?
Respondi com um ditado chinês: ―Não esquente a água se você
não vai tomar banho.‖ Em outras palavras, o noivado não é tempo
de vivenciar o relacionamento sexual. Por isso, não permita que as
carícias preparem o corpo para algo que não poderá ser feito.
No namoro e noivado, as carícias sexuais são pecaminosas. Em
Provérbios 6:27, lemos: ―Pode alguém colocar fogo no peito sem
queimar a roupa?‖ Quando uma garota permite que um rapaz tenha
liberdades físicas, a primeira coisa que fica comprometida no
relacionamento é o respeito. E o respeito é um dos elementos mais
importantes no relacionamento. Uma vez iniciado o processo, é
muito mais difícil parar.
Se você resistir hoje, é mais fácil ter força amanhã. Conduzindo a
vida do jeito certo, chegará o dia em que você poderá desfrutar
plenamente esse prazer que Deus criou para o casamento.
Quarta 3 de junho
Compatibilidade espiritual
Não se ponham em jugo desigual com descrentes. 2 Coríntios 6:14

Essa ordem divina não é arbitrária nem discriminatória. Deus está


apresentando Sua sabedoria soberana. É o amor protetor Dele
expresso de maneira prática.
O inimigo nos tenta com diferentes tipos de pecados para nos
afastar de Deus e destruir nossa vida. Em 2 Coríntios 6:14 a 16,
Paulo faz cinco perguntas sobre jugo desigual. Ele quer saber que
comunhão pode haver entre justiça e maldade; luz e trevas; Cristo e
Belial; crente e descrente; templo de Deus e ídolos. Existe acordo
entre eles? Para as cinco perguntas do apóstolo, existe apenas
uma resposta aceitável: Não!
―Quer dizer, pastor, que os filhos de Deus são bons demais para
se casarem com descrentes? E o que dizer do jugo desigual de
cultura, de status social, financeiro, de altura, de idade? Por que a
igreja só fala do jugo desigual religioso?‖
Há vários tipos de jugo desigual. Cada um desses jugos pode
causar algum tipo de problema. Estou cansado de ouvir as pessoas
dizerem que estão se separando por falta de compatibilidade. A
diferença financeira, por exemplo, pode ser um grave problema.
Antes de casar, os apaixonados estão dispostos a morar até
debaixo da ponte. Mas, um mês depois do casamento, esperam
que debaixo da ponte tenha ar-condicionado, lava-louças,
geladeira, etc. É um problema! Isso precisa ser levado em conta
antes da decisão do casamento.
Essa é uma questão que pode ser resolvida com esforço e
diálogo, boa vontade e trabalho, amor e dedicação. Para evitar as
muitas surpresas do casamento, o tempo do noivado é para avaliar
essas diferenças.
Contudo, ―o casamento de cristãos com ímpios é proibido na
Bíblia‖ (Mensagens aos Jovens, p. 464). É a Palavra de Deus dizendo
que você só deve fazer aliança com quem tem aliança com Deus.
Não faça evangelismo conjugal. Não caia nessa cilada! É mais fácil
o descrente puxá-lo para baixo do que você tentar erguê-lo.
Verifique se seu noivo é espiritualmente compatível com você.
Avalie o que vocês têm em comum. Vocês partilham da mesma fé?
Estão dispostos a construir um casamento de acordo com o projeto
de Deus? Recorrem à mesma força e poder diante das
adversidades da vida? Possuem valores comuns?
Quer casar? Escolha alguém que sirva o mesmo Senhor que
você!
4 de junho Quinta
Uma só carne
Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. Portanto, o que
Deus uniu, ninguém o separe. Marcos 10:8, 9

O casamento não é para todos. Muita gente simplesmente não


está pronta para se casar. Você não entra no casamento com 50%
e o companheiro com outros 50%. Não. Cada um tem que entrar
com 100%. Somente pessoas inteiras estão prontas para casar.
Viver debaixo do mesmo teto por toda a vida é o maior desafio do
mundo. Esteja seguro de que a pessoa que está a seu lado é a
única que poderia suportá-lo para sempre. Não pense que você é
uma pessoa fácil de lidar. É um pecador que vai casar com uma
pecadora, e vice-versa. Nenhum é melhor do que o outro.
No casamento, o Senhor ordena a dois pecadores obstinados que
se tornem uma só carne. Na antropologia bíblica, um casal forma a
natureza humana integral, e um é complemento do outro. O
propósito de Deus é que no casamento o homem e a mulher se
tornem uma só carne, numa intimidade tal que não pode ser
separada. O problema é que entramos nesse relacionamento
quebrados pelo pecado, imperfeitos. Mal-entendidos surgem por
causa desse detalhe teológico.
Não é fácil viver como ―uma só carne‖. Há dias em que o amor
parece fluir com facilidade. As contas estão em dia; a saúde, ótima;
o dia, lindo; e a mão do companheiro está macia. Mas, em outros,
até o gesto do cônjuge irrita.
São muitos os pequenos problemas que tornam o desafio de viver
como ―uma só carne‖ quase impossível. Mas o mundo não seria o
que é sem problemas de relacionamentos. É uma realidade, e
devemos enfrentá-la do jeito certo. Um casal completo, em que
cada um entra com 100% no casamento, está em permanente
construção. Essa é uma obra para a vida toda. Não perca tempo
pensando: ―Ah, se eu tivesse me casado com o fulano ou fulana,
talvez fosse mais feliz.‖
Se você está planejando casar, aproveite o momento do noivado
para orar mais intensamente e avalie todas a variáveis envolvidas.
Se estiver seguro, entre de cabeça. A bênção de Deus estará com
vocês. Mas, se tiver dúvidas sérias, é melhor adiar o casamento.
Não se pode errar nessa área da vida.
Sexta 5 de junho
Perguntas difíceis
Você é toda linda, minha querida; em você não há defeito algum.
Cântico dos Cânticos 4:7

Deus não tem uma única pessoa para você no mundo. A Bíblia
apresenta princípios gerais para que sua escolha seja a melhor
possível. Você pode ouvir a opinião de amigos, o conselho dos
pais, buscar a orientação divina, mas a decisão será sempre sua.
Se você errar na escolha de um companheiro para a vida, não há
como ―devolver o pacote‖. Portanto, essa é a hora de fazer as
perguntas difíceis. Ele ou ela tem planos para o futuro? Você
entende as verdadeiras prioridades na vida dele? É alguém
responsável profissionalmente? É confiável, econômico, honesto,
previdente, puro e respeitador? Como trata os pais e irmãos? Como
se veste? É respeitado pelos outros? É violento? Cuida da saúde?
Mantém o corpo em forma?
Não adianta fugir dessas perguntas e de muitas outras que vocês
terão que se fazer, porque aquilo que incomoda você no noivado
será potencializado no casamento. Você pode até tolerar certas
atitudes nos encontros semanais, mas isso ficará insuportável no
dia a dia conjugal.
Você sofrerá pressão de todos os lados para tomar logo uma
decisão, mas não tenha pressa. A pessoa pode ser maravilhosa,
mas talvez não seja a ideal para você. Além de todas as questões
levantadas acima, é preciso levar em conta o fator atração. A
―química‖ é muito importante.
Você precisa se concentrar no que sente quando está perto
dessa pessoa. É necessário gostar da maneira como Deus
desenhou o corpo dela. O sorriso, o cabelo e o jeito de olhar devem
despertar seu interesse.
Isso é ―química‖. Não case com ninguém que não satisfaça seu
senso estético. Embora esse não deva ser o único critério, ele é
muito importante para a felicidade e manutenção do casamento.
Casar não é coisa simples. As variáveis são múltiplas. Realmente
não é coisa para pessoas imaturas. Para falar a verdade, nenhum
de nós está preparado. É por isso que não podemos abrir mão da
orientação divina. Como criador do casamento, Deus sabe a
fórmula certa. Se a aplicarmos em nossa vida, seremos felizes.
6 de junho Sábado
Por que esperar?
Cada um saiba controlar o seu próprio corpo de maneira santa e
honrosa. 1 Tessalonicenses 4:4

Existem vários argumentos para a proibição do sexo antes do


casamento. A seguir, vou apresentar um resumo do que penso. Em
primeiro lugar, Deus pede para esperar. Isso já deveria ser
suficiente para nós. Em 1 Tessalonicenses 4:3 a 8, está escrito que
Deus deseja nossa santificação. É parte desse processo evitar a
imoralidade sexual. A espera é coroada com a bênção divina.
Em segundo lugar, evita-se uma gravidez indesejada. Eu sou pai
e posso garantir que educar filhos não é uma tarefa fácil. Na
verdade, essa é a missão mais difícil do mundo. Não existe nada
mais complexo do que isso. Se é extremamente desafiadora para
quem se preparou para ela, imagine para quem foi pego de
surpresa! O plano de Deus é melhor.
O terceiro argumento é evitar doenças sexualmente
transmissíveis. É verdade que a maioria delas pode ser evitada com
preservativos, mas não todas, e algumas são incuráveis.
O quarto argumento é que se evita comparações posteriores.
Josh Mcdowell disse que, antes de casar, ele havia sido noivo de
outra garota. O noivado não deu certo. Tempos depois, ele
conheceu sua esposa. E, 20 anos depois, ao voltar para casa
depois de uma viagem, a esposa foi recebê-lo à porta com um
abraço apertado. Não era um abraço de saudade, era de orgulho.
Ele perguntou o que havia acontecido. A esposa disse que, em sua
ausência, conhecera a ex-noiva, e ela lhe dissera que ele havia sido
respeitador no namoro. Josh concluiu: ―Nunca imaginei que um
relacionamento que eu tive 20 anos antes, um dia fosse interferir em
meu casamento!‖
Meu último argumento aqui é que o sexo pré-marital tira o brilho.
Na filmagem da cerimônia de meu casamento, há duas imagens
significativas. O cinegrafista filmou os olhos de minha noiva
entrando e depois filmou os meus lá na frente. Posso garantir que
há um brilho em nossos olhos! Isso faz a diferença, pois é um
reflexo da bênção de Deus.
A verdade é que, quanto mais inexperiente você for ao se casar,
maior será o prazer da descoberta sexual. Vale a pena esperar!
Domingo 7 de junho
Casamento
É porque o SENHOR é testemunha entre você e a mulher da sua
mocidade, pois você não cumpriu a sua promessa de fidelidade,
embora ela fosse a sua companheira, a mulher do seu acordo
matrimonial. Malaquias 2:14

Casamento é coisa séria. A palavra ―acordo‖ ocorre no verso de


hoje para dizer que o matrimônio não é um mero contrato, mas uma
aliança. E o que é isso? Na Bíblia, esse termo se refere a um
relacionamento permanente. Precisamos compreender que o
casamento é uma relação de aliança entre Deus e o casal.
A palavra hebraica que traduzimos por acordo é berith. A raiz
dessa expressão significa literalmente ―cortar ao meio‖ ou ―cortar
em dois‖. Nos tempos do Antigo Testamento, quando duas pessoas
queriam fazer um pacto, tinham que fazer um sacrifício de sangue.
Os envolvidos pegavam um animal e o dividiam ao meio. Depois,
andavam sete vezes de um lado para o outro entre as partes do
animal. Nesse ritual, elas estavam dizendo: ―Se eu não cumprir a
minha parte neste pacto, que aconteça comigo o mesmo que
aconteceu com este animal.‖ Fazer uma aliança era um assunto
muito sério.
Naquela época, havia uma parte da cerimônia de casamento na
qual os noivos se apresentavam diante de um sacerdote. O
sacerdote pegava uma lâmina e fazia uma pequena incisão na mão
do noivo e da noiva. Depois, unia as duas mãos para que o sangue
de ambos se misturasse. De acordo com Levítico 17:14, o sangue
representa a vida. Quando o sangue do casal se misturava, era
como se a vida deles também se misturasse. Em seguida, o
sacerdote amarrava as mãos deles com um cordão decorativo.
Com isso, demonstrava-se para as testemunhas e para Deus que,
dali em diante, eles não eram dois, mas apenas um. ―O que Deus
uniu, ninguém separe.‖
O casamento deve ser legalizado no Céu antes de ser
consumado na Terra. A partir do momento em que Deus torna duas
pessoas em uma, ninguém está autorizado a desfazer esse laço.
O casamento é uma metáfora para representar a relação de Deus
com a igreja. Deus é fiel e nunca nos abandona. Do mesmo modo,
marido e mulher devem permanecer unidos em amor até que a
morte os separe.
8 de junho Segunda
É para sempre!
Se não for o SENHOR o construtor da casa, será inútil trabalhar na
construção. Salmo 127:1

Os Salmos 127 e 128 foram chamados por Martinho Lutero de


―salmos da família feliz‖. Na Bíblia, eles estão separados, mas é
possível que formem um único texto. Seja como for, esses 11
versos revelam o segredo de um casamento feliz, do ponto de vista
do Céu.
O salmista compara o lar a uma cidade cercada por muros. As
muralhas deveriam ser largas de modo que as sentinelas
pudessem circular sobre elas. Do alto, os guardas podiam ver
qualquer ameaça externa.
O casamento é uma construção gigantesca e não pode ser
edificado sem a ajuda de Deus. A única combinação que funciona
no matrimônio é Deus em primeiro lugar e o cônjuge em segundo.
O Senhor deve ser o centro e o coração do casamento.
A felicidade matrimonial começa quando alguém ora a Deus para
encontrar uma pessoa especial. O Senhor edifica o casamento
quando nós O consultamos antes, durante e depois. Buscamos a
face Daquele que está em primeiro lugar enquanto nos preparamos
para encontrar quem ocupará o segundo lugar na vida.
Quem age assim está disposto a saber qual é a vontade de Deus
para o casamento funcionar. Buscamos Sua Palavra para saber
como edificar um casamento que resista ao tempo.
O único casamento que a Bíblia aceita é o que permanece ―até
que a morte os separe‖. Muita gente vai a cerimônia matrimonial
hoje em dia com a mentalidade do descartável: ―A gente casa e se
não der certo…‖ O segredo para um casamento feliz e duradouro
começa quando entendemos o plano de Deus para essa instituição
sagrada. No projeto divino, há provisão de bênçãos para aqueles
que desejam viver de acordo com o ideal. No altar, o pacto do
casal pode ser resumido assim: ―Vamos ficar juntos para o que der
e vier! Para sempre!‖
Quer um casamento feliz e abençoado? Então, comece certo:
faça do Eterno o Senhor de sua vida! Dê o primeiro lugar ao Senhor.
Ele é quem faz a vida e o casamento funcionarem.
Terça 9 de junho
Jesus, o amigo dos noivos
Jesus e Seus discípulos também haviam sido convidados para o
casamento. João 2:2

A festa de casamento em Caná da Galileia foi o palco do primeiro


milagre ou ―sinal‖ realizado por Jesus. O objetivo desse relato era
revelar a glória de Deus e despertar a fé em Seus discípulos (Jo
2:11). A presença do Senhor na cerimônia fez toda a diferença.
Em uma festa de casamento, os convidados são importantes, mas
não mais que os noivos. Porém, em Caná um Convidado foi o
destaque principal da celebração. Quando faltou vinho, Jesus
entrou em cena e fez o que só Ele tem poder para realizar.
Essa história nos ensina que podem faltar coisas no casamento
mesmo com a presença de Jesus. Antes de a festa terminar, já
havia acabado o vinho, que pode representar a alegria (Sl 104:15).
A falta de vinho na festa era uma tragédia. Diante desse quadro
triste, a presença de Cristo mudou o cenário.
Quando convidamos Jesus para participar do momento mais
importante de nossa vida, podemos ter a certeza de que Ele suprirá
o que falta. E se os noivos não O tivessem convidado?
Antes de fazer o milagre no casamento, Jesus realiza algo
extraordinário em nós. Ele quer transformar nosso caráter. Age para
que sejamos a pessoa com quem gostaríamos de casar. Se quiser
alguém a seu lado que seja inteiramente de Jesus, seja dessa
forma. Se quiser um cônjuge que faça a vontade de Deus em todas
as áreas da vida, aprenda a viver no centro da vontade Dele.
A orientação de Maria para os servos foi: ―Façam o que Ele
mandar!‖ De igual modo, faça tudo o que Jesus mandar em seu
relacionamento matrimonial. Ele sabe o milagre que vai realizar em
sua vida. Não deixe a talha ficar vazia. Nunca duvide da
capacidade de Deus de fazer o impossível. Como os noivos em
Caná, convide Jesus para seu casamento. O que já é bom vai ficar
muito melhor!
10 de junho Quarta
A Matemática divina do casamento
Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade.
Eclesiastes 4:12

A única coisa que destoava na criação era a solidão do homem. O


casamento foi a solução divina para esse problema. Em Gênesis
2:24, é dito que o homem deve se unir à sua mulher, e os dois ―se
tornarão uma só carne‖. Isso significa viver ―uma só carne‖ em
casa e fora dela, na mesa, nas diversões, na administração do lar,
na educação dos filhos, na cruz, nos problemas. No casamento
cristão, nada se resolve bem se for resolvido sozinho.
Em Eclesiastes 4:9 a 12, lemos que ―é melhor serem dois do que
um‖. Marido e mulher ajudam, protegem, levantam, aquecem e
defendem um ao outro. Nessa equação, cada um mantém ao
mesmo tempo a individualidade. Uma pessoa procura a companhia
da outra por causa do impulso inconsciente da
complementaridade. É na diferença do outro que encontramos
traços que complementam e equilibram nossa personalidade.
O verso de hoje diz que ―um cordão de três dobras não se rompe
com facilidade‖. Ellen White afirma que um relacionamento assim é
tecido no ―tear do Céu‖ (A Ciência do Bom Viver, p. 362). Quando o
casal coloca Deus no centro do coração, a presença de Jesus
torna a vida conjugal uma aventura maravilhosa. ―Onde se reunirem
dois ou três […], ali Eu estou no meio deles‖ (Mt 18:20). Em geral,
não aplicamos esse texto ao contexto familiar, mas faz todo o
sentido entendê-lo também com esse significado. Jesus quer ser
um membro invisível da família, passando a viver em cada um, se
permitirmos Sua entrada.
Não se engane: Ele tem que ser o primeiro. Esse amor está acima
de todos os relacionamentos (Lc 14:26); ―Sem Mim vocês não
podem fazer coisa alguma‖ (Jo 15:5). Não basta amar Jesus. É
preciso colocá-Lo em primeiro lugar. Ele não Se contenta com um
grande amor; exige o amor maior. Parece contraditório. Ele pede
para deixar pai e mãe, mas diz: ―Se vocês não Me amarem mais do
que um ao outro, não contem Comigo!‖
Jesus não quer ser concorrente. Ele quer ser a garantia do amor
que sentimos pelos outros. Ninguém ama menos seu cônjuge por
amar mais a Cristo. Quanto mais ligados a Ele, mais unidos estarão
um ao outro. Junto à fonte do amor, os dois serão capazes de amar
para sempre.
Quinta 11 de junho
O melhor vem no fim
Da mesma maneira, encoraje os jovens a serem prudentes. Tito 2:6

Uma das maiores bênçãos do matrimônio é poder descobrir as


alegrias e prazeres do ato conjugal com a pessoa amada. A
experiência da primeira relação sexual não é apenas física. Como é
bom saber que, na noite de núpcias, o casal não tem segredos a
esconder! Não existem sentimentos de culpa, medo ou amargura.
Sei de alguns rapazes que se acham o máximo, porque são
―pegadores‖. Várias garotas passaram por suas mãos. Tocaram
muitos corpos e experimentaram muitas emoções; por isso,
pensam que estão em vantagem. Não estão. Em vantagem estão
aqueles que levaram seus hormônios sob rédeas curtas. Ficam
livres da tentação da comparação. Mais importante do que isso:
recebem a bênção de Deus e não levam o gosto amargo da culpa
para o casamento.
Servimos a um Deus que tem motivos amorosos para pedir a Seus
filhos que esperem até o casamento para provarem dos prazeres
sexuais. Digo sempre aos jovens: ―Deus guarda o melhor para
aqueles que esperam com paciência.‖
Se você não quer perder a batalha contra os desejos sexuais, não
deixe os hormônios fazerem hora extra. Se você permitir, por mais
que ore, nada funcionará.
O melhor momento para estabelecer os limites de intimidade é
antes da hora crítica. Você deve definir antecipadamente os limites
de tempo, lugar e intimidade. Evitem situações perigosas. Em vez
de parar em algum lugar escuro, leve sua namorada para casa. Em
vez de lutar contra a tentação no banco de trás do carro, onde suas
convicções não são páreo para seus hormônios, fique na
companhia dos amigos. Você estará menos sujeito a problemas.
Como diz o ditado: ―Aquele que escolhe bem o campo de batalha,
geralmente vence a guerra.‖
12 de junho Sexta
Um casamento maravilhoso
Portanto, cada um de vocês também ame a sua mulher como a si
mesmo, e a mulher trate o marido com todo o respeito. Efésios S:33

Em Efésios 5:22 a 33, o apóstolo Paulo dá duas ordens


importantes, completamente fora dos padrões atuais.
Paulo ordena que as mulheres sejam submissas ao marido e que
os homens amem a esposa como Cristo amou a igreja. O texto
bíblico deixa claro que a responsabilidade de amar é maior do que
a de se submeter.
Paulo usa três versos para falar da responsabilidade da esposa. E
usa nove para falar do marido. A Bíblia coloca a responsabilidade
de amar sobre os homens. O amor ágape é sempre uma palavra de
ação. Algo precisa ser feito.
O homem que ama sua mulher deve servi-la. O amor exige ação.
É preciso abraçar a mulher, dar flores, ouvi-la, exaltá-la
publicamente, levar o lixo para fora, abrir a porta do carro, escrever
bilhetes de amor, levá-la a lugares especiais.
A submissão feminina também precisa de amor. Só nos
submetemos a quem amamos. O modelo para essa relação é
―como a igreja está sujeita a Cristo‖.
Os maridos devem amar sua mulher. As mulheres precisam se
submeter ao marido. Quem estiver disposto a cumprir esse
mandamento será muito feliz.
Como se faz para ter o casamento mais maravilhoso do mundo?
Em primeiro lugar, é preciso esquecer o que a mídia diz. Em grande
medida, ela está impregnada de valores deturpados.
Devemos seguir as orientações divinas. O que Deus ensina
sempre está certo. Ele nos criou e conhece em detalhes o que é
melhor para nós. Só Ele sabe como construir um casamento
maravilhoso.
Sábado 13 de junho
A sinfonia do amor
Alegre-se com a esposa da sua juventude. Provérbios S:18

Deus colocou o muro do casamento ao redor do sexo para torná-


lo seguro e prazeroso. A sexualidade foi criada por Ele para ser
desfrutada no contexto do relacionamento matrimonial
heterossexual.
Em Provérbios 5:15 a 19, ao comparar o relacionamento conjugal
com um poço, ele aconselha os cônjuges a não buscar ―água‖ em
outro lugar. Na mesma linha, em Cântico dos Cânticos 4:12, ele diz
assim à esposa: ―Você é um jardim fechado, minha irmã, minha
noiva; você é uma nascente fechada, uma fonte selada.‖
No verso 15, Salomão fala que essa fonte fechada é ―um poço de
águas vivas‖. Na Palestina dos tempos bíblicos, a água era
sinônimo de vida. E o poço era a maior riqueza que alguém podia
ter. O que o sábio está tentando nos dizer com isso é que Deus
criou o sexo para ser uma fonte refrescante no deserto da vida. É
para ser desfrutado apenas e exclusivamente entre duas pessoas.
A virgindade é um presente que se entrega na hora certa e para a
pessoa certa.
No casamento, acontece o encontro mais belo, mais íntimo e mais
duradouro entre dois seres humanos. E o Senhor está levantando
uma geração que valoriza a santidade do casamento.
Em Provérbios 5:19, é dito que os cônjuges devem se embriagar
de amor. Isso é intimidade! A palavra hebraica traduzida por
―embriagar‖ descreve um animal com ânsia pela sobrevivência. É
assim que Salomão diz que deve ser a busca pelo amor e o prazer
no casamento. Você pode chamar isso de paixão avassaladora!
Esse é o plano de Deus para a intimidade conjugal.
Não deixe que nada nem ninguém abuse de sua intimidade.
Nossa sociedade está treinando as pessoas para serem infiéis no
casamento. Porém, o plano de Deus é outro: Ele deseja que
sejamos fiéis e felizes. A fidelidade sempre traz felicidade.
A melhor coisa da vida é voltar para casa todos os dias ou depois
de uma longa viagem e encontrar a pessoa amada. Não há prazer
semelhante no mundo. Orquestrada pelo amor, a intimidade
conjugal é uma linda sinfonia que agrada os ouvidos de Deus e
enche de alegria a vida de quem dela participa.
14 de junho Domingo
Pureza
Como pode o jovem manter pura a sua conduta? Vivendo de
acordo com a Tua Palavra. Eu Te busco de todo coração; não
permitas que eu me desvie dos Teus mandamentos. Guardei no
coração a Tua Palavra para não pecar contra Ti. Salmo 119:9-11

Como posso manter pura a minha conduta? Como ser puro em


um mundo onde o sexo livre, a mentira, o adultério, a pornografia, o
homossexualismo e tantas outras coisas repudiadas por Deus são
tratadas de forma tão natural e aceitas inclusive por alguns do povo
de Deus? Felizmente, o salmista responde à pergunta que ele
mesmo fez. Esses versos apresentam três estratégias que
podemos usar.
A primeira é simplesmente viver de acordo com a Palavra de
Deus. A Bíblia pode ser facilmente memorizada e lembrada. Aquele
que guarda sua mensagem no coração e procura viver Seus
ensinamentos ergue um muro de proteção ao redor de si.
A segunda estratégia é suplicar ao Senhor poder para viver de
acordo com os padrões Dele. Veja a insistência do salmista: ―Não
permitas que eu me desvie dos Teus mandamentos!‖ Quanto mais
praticamos a Palavra de Deus, mais bem-sucedidos somos. Ao se
tornar universitário, via de regra, o jovem cristão se depara com um
ambiente hostil, se comparado ao meio ao qual está acostumado. A
fé de muitos é abalada após entrarem em contato com quem pensa
e vive de forma tão diferente. Nesse contexto, é preciso clamar:
―Senhor, não me deixe sozinho! Não quero me desviar dos ensinos
da Tua Palavra.‖ Se a Bíblia estiver escondida no coração, o jovem
estará protegido da tentação.
Finalmente, o salmista diz: ―Eu Te busco de todo o coração.‖ O
que isso quer dizer? Significa que ele está orando. O pecado não
começa do lado de fora, mas no coração. O salmista sabe disso, e
seu compromisso é ter um coração parecido com o de Deus. Isso
só é possível por meio do estudo da Bíblia.
A pureza é muito importante para Deus. Ele é santo. Somos filhos
Dele; por isso, devemos ter Suas características. Jamais
negligencie seu momento com Deus e com a Bíblia. Guarde-a no
coração. Isso fará de você uma pessoa pura e semelhante a Jesus.
Segunda 15 de junho
Um coração puro
Cria em mim um coração puro, ó Deus. Salmo S1:10

O coração é responsável por receber o sangue que vem de todo


o corpo e depois bombeá-lo de volta purificado. Normalmente, tem
o tamanho da mão fechada de seu dono. Por sua importância para
a vida, nas Escrituras, ele é apresentado simbolicamente como a
sede dos pensamentos e das emoções.
Porém, o coração humano está doente. Somos todos
―cardiopatas‖. O profeta Jeremias afirma: ―O coração é mais
enganoso que qualquer outra coisa‖ (17:9). O coração é a
incubadora do mal. Onde quer que haja um coração humano, ali
haverá pecado.
O rei Davi, que é apresentado na Bíblia como um homem segundo
o coração de Deus (1Sm 13:14), cometeu adultério com Bate-Seba,
a mulher de Urias, e, em seguida, mandou matar o marido dela. A
história de Davi está na Bíblia para dizer que homens segundo o
coração de Deus não são perfeitos. Ao longo da vida, podem
cometer erros terríveis, mas o arrependimento sincero devolve a
paz e a integridade espiritual.
Quando foi confrontado por seu pecado, Davi não negou nem
transferiu responsabilidades. Apenas disse: ―Pequei diante de
Deus!‖ E caiu num pranto profundo. Ele se humilhou. Vestiu-se de
saco e se cobriu de cinzas. Colocou a cara no pó e pediu para
Deus ter misericórdia dele. Davi era um grande pecador, mas seu
arrependimento foi maior que seu pecado.
Ele clamou: ―Purifica-me como hissopo, e ficarei puro; lava-me, e
mais branco do que a neve serei‖ (Sl 51:7). Segundo Ellen White:
―Um arrependimento como esse está além do nosso alcance;
somente podemos obtê-lo em Cristo‖ (Caminho a Cristo, p. 25).
Quanto mais profunda é sua relação com Deus, mais ciente do
próprio pecado você fica.
O pecado nos afasta de Deus e contamina o coração com
iniquidade. Podemos até tentar esconder o pecado por algum
tempo, mas jamais conseguiremos impedir que seus frutos
apareçam. Embora as consequências de seus erros não pudessem
ser canceladas, Davi alcançou a misericórdia divina por meio do
arrependimento sincero.
O Salmo 51 revela o coração de Davi. Ele reconheceu seu
pecado, voltou-se para Deus e aceitou a repreensão de Deus com
humildade. Suplicou um coração puro e obteve mais. Deus prefere
nos dar um coração novo a limpar o velho.
16 de junho Terça
Pureza de dentro para fora
Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus. Mateus
S:8

Basicamente há dois tipos de pureza: a interior e a exterior. A


pureza interior tem que ver com o coração, ou seja, refere-se a
pensamentos e sentimentos que escolhemos ter. A exterior tem que
ver com nosso comportamento: coisas que fazemos ou deixamos
de fazer por escolha pessoal.
Paulo escreve: ―Entre vocês não deve haver nem sequer menção
de imoralidade sexual como também de nenhuma espécie de
impureza e de cobiça; pois essas coisas não são próprias para os
santos‖ (Ef 5:3).
A impureza é como veneno. Basta uma pequena dose para matar
seu relacionamento com Deus e com os outros. Se a pureza exterior
é o que as pessoas veem, a interior é uma questão entre você e
Deus. Pureza interior é o que você pensa e sente, o que se passa
no coração. A exterior é resultado do que se passa no interior.
Jesus alertou que ―do coração saem os maus pensamentos, os
homicídios, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, os
falsos testemunhos e as calúnias‖ (Mt 15:19). O comportamento é
impuro porque o coração é impuro. Antes de nos preocuparmos
com o exterior, devemos nos preocupar com o estado de nosso
coração.
O menino retornou da escola, deixou seu material no quarto e foi
lavar as mãos. A mãe anunciou que o almoço estava servido e, sem
que ela pedisse, ele foi lavar as mãos outra vez. A família se
assentou ao redor da mesa, e o pai orou, agradecendo pela
refeição. Após a oração, o garoto correu ao banheiro e tornou a
lavar as mãos. A mãe já estava intrigada com o comportamento do
filho, mas não falou nada.
No meio da refeição, o garoto levantou-se mais uma vez e foi lavar
as mãos. A mãe perguntou: ―O que está acontecendo? Por que
você está lavando as mãos tantas vezes?‖ O menino contou que
havia brigado com um colega na escola. A professora os separou,
os repreendeu e mostrou para eles um texto bíblico: ―e os homens
de mãos puras se tornarão cada vez mais fortes‖ (Jó 17:9).
Podemos até rir da ingenuidade infantil, mas não devemos nos
esquecer de que mãos limpas procedem de um coração puro. O
jovem que tem o coração puro tem pensamentos puros, suas
atitudes são puras, suas palavras são puras, seu namoro é puro,
suas intenções são puras. Permita que Deus transforme seu
coração, e assim você será puro por dentro e por fora.
Quarta 17 de junho
Cuidado, olhinhos
Os olhos são a candeia do corpo. Se os seus olhos forem bons,
todo o seu corpo será cheio de luz. Mas se os seus olhos forem
maus, todo o seu corpo será cheio de trevas. Portanto, se a luz que
está dentro de você são trevas, que tremendas trevas são! Mateus
6:22, 23

Há quem acredite que aquilo que vemos na TV, nos filmes,


ouvimos nos aplicativos de música, jogamos nos videogames e
lemos antes de dormir não nos afeta. Engano. Cada imagem e
mensagem que permitimos entrar em nossa mente por meio dos
sentidos nos influencia de uma maneira ou de outra.
As imagens sensoriais, as referências auditivas e os recursos
visuais causam algum tipo de impacto em nossa vida. Se de fato
queremos manter limpa nossa casa espiritual, precisamos levar
muito a sério o que deixamos acessar nossa mente e nosso
coração.
Os meios de comunicação secular não têm como objetivo agradar
a Deus. Os que escrevem as novelas, os roteiristas, os articulistas,
os compositores, com raras exceções, não acreditam nos valores
bíblicos. A maioria dos produtores cinematográficos e compositores
musicais não está preocupada em edificar sua vida espiritualmente.
É nossa responsabilidade discernir o que deixamos entrar em
nossa vida e o que mantemos do lado de fora.
Essa é uma peça importante no quebra-cabeça de nossa vida
espiritual. Qualquer coisa que contamine nossa mente prejudica
nossa relação com Deus e até mesmo com os outros. Somos o que
consumimos. Se o que entra em nossa mente ―são trevas, que
tremendas trevas são!‖ (v. 23).
Você gostaria de viver na luz? A pureza de que precisamos é um
ato de Deus. Portanto, que sua oração hoje seja: ―Ó Deus, dá-me
um coração tão puro quanto um pecador perdoado pode ter!‖
18 de junho Quinta
Imoralidade sexual
Fujam da imoralidade sexual. Todos os outros pecados que alguém
comete, fora do corpo os comete; mas quem peca
sexualmente, peca contra o seu próprio corpo. 1 Coríntios 6:18

A palavra grega porneia é traduzida no verso de hoje como


imoralidade sexual. Esse termo tem um sentido bem amplo. Porneia
é prostituição. Refere-se à utilização de nossa sexualidade além
dos laços matrimoniais legítimos. Refere-se também à relação
sexual entre solteiros, em geral apresentada como ―fornicação‖.
O desafio da pureza sexual é aprendermos a honrar a Deus com
o corpo. Paulo apresenta nesse capítulo a posição do cristão frente
a uma sociedade pervertida, degenerada e corrupta. Por vezes,
perdemos de vista quão precioso nosso corpo é para Deus. O
cristão é templo do Espírito Santo. Isso significa que devemos viver
como Cristo, amar como Cristo e fazer o que Cristo fez. Em outras
palavras, o Deus que nos criou e redimiu não nos dá passe livre
para fazermos o que quisermos com o corpo um do outro.
É hora de abrir os olhos, o coração e a mente para a vontade
divina. Quando um casal de namorados se entrega a carícias
pesadas, perde de vista o outro e se concentra no próprio prazer.
Os estímulos acabam se tornando cada vez mais ousados. As
carícias tendem a evoluir para a relação sexual.
Não confunda carinho com carícias. São diferentes no conteúdo,
na expressão e na intenção. O carinho vem do coração, do
sentimento; a carícia é sensual e se relaciona com as zonas
erógenas. Até onde é permitido chegar? A mídia e a sociedade
encorajam a exploração ao máximo. Se o casal de namorados não
tiver relação física será considerado antiquado. Na contramão,
Paulo diz: ―Fuja.‖ Mantenha-se longe dos lugares onde é fácil ser
tentado. Evite situações propícias para os excessos. Você sabe que
tem lugar e hora para o erro.
Sair com o namorado sem planejar o que fazer é colocar-se em
terreno perigoso. Saber a hora de chegar e de sair da casa da
namorada é sabedoria e disciplina. Você só tem um inimigo, e ele é
um ladrão que está tentando roubar sua alegria e destruir seu
futuro. Não dê espaço a ele.
Sexta 19 de junho
Vício vitalício
Não porei coisa má diante dos meus olhos. Salmo l0l:3, ARC

Vício vitalício é querer sem controle. É um hábito aparentemente


inquebrantável que leva a pessoa a repetir a dose ―só uma vez
mais‖. Está comprovado que os vícios comportamentais (comidas
condimentadas, bebidas, pornografia, jogos de azar ou
videogames) afetam o cérebro da mesma forma que as
substâncias entorpecentes. Se você não consegue se afastar de
alguma dessas coisas por uma semana, é porque está escravizado
por ela.
A pornografia na internet é um estimulador especial desse vício,
pois os convites estão a apenas um clique. Um estudo recente
revelou que nove entre dez crianças na faixa de 8 a 16 anos de
idade afirmam já ter visto pornografia na rede. E a maioria delas
disse ter encontrado esse material por acaso, enquanto fazia
pesquisa para a escola.
Ver material pornográfico pode causar um apetite insaciável por
mais pornografia. A força de vontade é corroída. Os desejos do
corpo subjugam a lógica do cérebro e corroem o poder da vontade.
É bem comum a pessoa procurar por pornografia cada vez mais
pesada para encontrar a mesma satisfação.
Caso você esteja preso à armadilha desse pecado habitual,
perceba que ele tem um grande poder sobre você. Porém, se o
desejo de seu coração é ser puro, creia que o diabo não pode reter
nas tramas da pornografia um filho do Deus vivo. Se o desejo do
seu coração é ficar limpo, você precisará confessar o que tem
manchado seu ser. Comece com a confissão a Deus. Diga a Ele
por que necessita de Seu perdão. Não há pecado grosseiro demais
para Sua graça. Não há pecado que Deus não perdoará quando
você o confessar e deixar.
Faça o que for possível para afastar o lixo de sua mente. Se você
deseja levar uma vida limpa em um mundo poluído, deve utilizar o
antídoto sobrenatural para a purificação da mente: ―Não se
amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela
renovação da sua mente‖ (Rm 12:2). Se a sua mente for renovada,
você será transformado.
Faça sua oração hoje com espírito de arrependimento: ―Tem
misericórdia de mim, ó Deus! Não mereço Teu perdão e sei que
nada posso fazer para merecê-lo, mas humildemente Te peço que
perdoes meu pecado. Lava-me de toda sujeira e culpa. Por favor,
Deus, dá-me um novo coração.‖
20 de junho Sábado
Batalha espiritual
Levamos cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo.
2 Coríntios 10:S

Esse é o maior desafio de nossa batalha espiritual. Se quisermos


vencer a batalha física, teremos de controlar o campo de batalha
espiritual. E as Escrituras deixam claro como controlá-lo: ―Acima de
tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida‖
(Pv 4:23). A fim de experimentar uma vida de pureza com um
coração limpo, temos que identificar o que nos mantém longe do
coração de Deus e abandonar. Se você é cristão, tem plena
consciência da luta entre sua carne (os desejos mundanos) e seu
espírito (os desejos sagrados). Essa batalha contínua é travada na
nossa mente. A mente é o terreno onde a batalha acontece.
―As armas com as quais lutamos não são humanas; ao contrário,
são poderosas em Deus para destruir fortalezas‖, é o que o
apóstolo Paulo diz em 2 Coríntios 10:4. Nosso problema são as
fortalezas do diabo. A raiz grega da palavra aqui traduzida por
―fortalezas‖ relaciona-se com o substantivo ―castelo‖ ou com o
verbo ―fortificar‖. Em outras palavras, Paulo diz que as armas de
Deus podem libertar quem está ―trancafiado pelo engano‖.
Não queremos cair em tentação, porém o inimigo nos mantém
trancados nessa fortaleza que ele construiu em nossa mente. Os
elos dessa corrente diabólica são mensagens de texto
inadequadas, conversas com segundas intenções, sites impróprios,
fantasias sexuais, etc.
Como cristãos, dispomos de armas poderosas. Temos a fé, a
oração e a Bíblia. Quando você medita em Deus, Ele protege sua
mente. Quando você tem os pensamentos de Deus, Ele guarda sua
mente. Preocupe-se menos com quem você está lutando e ocupe-
se mais em aprender a manejar melhor as armas que o Eterno
oferece.
Gradualmente, construa suas defesas para aqueles momentos de
fraqueza. Bloqueie todos os caminhos para a impureza. Feche
cada vão. Cuidado com os pontos cegos. Todos temos pontos
cegos. Como não nos é possível mudar o que não conseguimos
identificar, peça a Deus para mostrar quaisquer áreas de sua vida
que estejam lhe prejudicando, ofendendo as pessoas ao redor e
desagradando a Deus. Nessa luta, lembre-se do que disse Moody:
―Deus não busca vasos de ouro e não pede vasos de prata, mas
precisa de vasos limpos.‖
Domingo 21 de junho
Discipulado
Nós deixamos tudo para seguir-Te. Marcos 10:28

Uma pesquisa feita nos Estados Unidos revelou que apenas três a
cinco por cento dos convertidos se tornam verdadeiros seguidores de
Jesus Cristo.
Imagine Jesus lhe perguntando: ―Você deseja entregar-se inteiramente
a Mim?‖ Qual seria sua resposta? Talvez você diga que já deu a resposta
em seu batismo.
Você já considerou o que significa ser um discípulo de Cristo? Pedro
disse: ―Nós deixamos tudo para seguir-Te.‖ Aqueles homens que Jesus
escolheu e chamou para serem Seus discípulos deixaram suas redes,
famílias, seu trabalho e passaram a seguir o Mestre.
O que significa o chamado que Cristo lhe faz hoje para ser Seu
discípulo? Você está disposto a deixar tudo para segui-Lo?
Em seu livro A Grande Omissão, Dallas Willard diz que a palavra
discípulo ocorre cerca de 250 vezes no Novo Testamento, indicando que
se trata de um aluno, aprendiz e praticante. A relação entre o mestre e o
discípulo é de proximidade. O discípulo segue o mestre de perto.
Observa suas ações, imita seu estilo de vida e copia seus hábitos.
Você quer ser igual a Jesus? Isso é discipulado. Ser cristão é ser como
Cristo. Quem entende essa verdade tem a vida mudada. Nosso chamado
não é para ser igual a um pastor, mas para imitar Jesus.
O que mudaria em sua vida se você decidisse verdadeiramente ser
como Jesus? Como agiria na escola, sabendo que Ele assiste a toda aula
com você? Onde colocaria seus olhos, sabendo que Ele está a seu lado
no quarto, enquanto navega pela internet? A que lugares iria, sabendo
que Ele é o copiloto em todo carro que você entra?
Deus o está chamando para ser igual a Cristo. Esforce-se para ser
mais semelhante a Jesus. Deus quer alterar a face do mundo; uma
pessoa de cada vez. Você permitirá que essa mudança aconteça em sua
vida?
22 de junho Segunda
Viver como Jesus
Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações. Mateus 28:19

Quando meus filhos eram pequenos, adoravam usar as roupas do


papai e da mamãe. Inúmeras vezes cheguei em casa e os
encontrei trancados no quarto brincando, usando nossas roupas.
Mal eu tirava os sapatos, meu filho os calçava e saía pela casa,
desengonçado, andando orgulhosamente pelo corredor. Ele queria
se parecer comigo. Mas ele cresceu. Minhas roupas já não lhe
caem bem. E os pés dele não cabem mais em meus sapatos!
Quando Jesus Se despediu dos discípulos, deixou com eles a
Grande Comissão. Somos herdeiros desse chamado, mas temos
tido dificuldade em fazer discípulos. Na comissão divina, a ênfase
não recai no ―vão‖, mas na razão para ir, identificada no segundo
verbo ―façam discípulos‖. A Grande Comissão não é para
conquistar novos membros, mas para fazer discípulos.
Falhamos em duas frentes: Primeira, em não fazer com que os
novos membros sejam aprendizes de Jesus. Essa é a prioridade.
Segunda, temos dificuldade em treinar os novos membros,
ensinando-lhes como um discípulo de Cristo deve viver.
Nos dias de Jesus, ser um discípulo era algo extremamente
simples. Significava acompanhá-Lo por onde fosse e observar o
que Ele fazia. Hoje não deveria ser diferente.
Devemos andar com Jesus (1Jo 2:6). O que Ele fazia enquanto
andava pelas ruas empoeiradas da Palestina? A Bíblia resume o
motivo de Suas longas caminhadas: ―andou por toda parte fazendo
o bem‖ (At 10:38).
Você sabe que todo grande mestre ensina mais pelo que faz do
que pelo que diz. Jesus exemplificou em Sua vida o que ensinou. O
que aconteceria hoje se cada membro da igreja resolvesse ser
como Jesus? E se hoje você decidisse andar como Jesus andou?
Como se sentiria? O que faria de diferente do que tem feito? Como
seria seu dia? Como se relacionaria com as pessoas?
Deus espera que você e eu sejamos simplesmente como Jesus.
Irineu, um dos pais da Igreja, disse: ―Ele (Jesus) Se tornou o que
somos […] para que pudéssemos ser o que Ele é.‖ Que esse seja
seu objetivo hoje e sempre!
Terça 23 de junho
Ser seguidor de Jesus
Tornem-se meus imitadores, como eu sou de Cristo. 1 Coríntios 11:1

A melhor decisão que eu tomei na vida foi seguir Jesus. Decidi ser o
mais fiel seguidor Dele. Eu quero ir aonde Jesus iria, fazer o que faria.
Quero ser Jesus para a juventude de minha igreja.
A vida cristã pode ser resumida em quatro pontos. O primeiro é ser
discípulo. Jesus não nos chamou para ser devotos, mas discípulos.
Quando Jesus nos chama, diz o que devemos fazer.
O segundo ponto é discipular pessoas para Cristo. Um faminto deve
dizer a outro onde tem pão. O discípulo de Jesus faz outros discípulos
para Jesus. Ele quer que outros O conheçam e descubram a bênção de
ser discípulo Dele.
O terceiro é que o discípulo procura viver numa comunidade de
seguidores de Jesus Cristo. Os discípulos aprendem e crescem juntos. O
discipulado deve ser compartilhado. Se você faz algo melhor que as
pessoas, viva na comunidade para influenciá-la. Se você não faz tão
bem, viva na comunidade para que ela o ajude a fazer mais e melhor.
E, finalmente, o discípulo é uma testemunha do reino de Deus. Não se
esconda. Dá para ser um seguidor de Jesus em sua faculdade ou em
qualquer outro lugar. Muitas vezes, ouço as pessoas dizerem que o
desafio do discipulado é viver com Jesus, andar com Jesus, falar com
Ele, etc. No entanto, o desafio do discipulado não é esse, mas sim saber
como fazer isso.
Aonde Ele iria hoje? Jesus iria à faixa de Gaza. Onde Jesus andaria
hoje? Em qualquer lugar no qual houvesse alguém precisando Dele.
Diante dos fariseus, o que Ele diria? Diante de uma juventude no
barzinho da esquina da faculdade, o que Ele faria? Deixaria Seu filho lá
ou iria buscá-lo? Não tenho dúvida de que Jesus sempre atua com o
propósito de salvar.
Quero ser como Ele. Meu desejo é ser um agente de salvação. Minha
oração é que este texto encontre alguém que necessite de Deus. E que
ele ajude a formar no coração de alguém a vontade de seguir o Mestre
em Sua missão de levar pessoas para o Céu.
24 de junho Quarta
Ser Jesus para alguém
Mas ele respondeu: O homem que me curou me disse: “Pegue a
sua maca e ande.” João S:11

Você é uma espécie irrepetível. Sua vida, suas obras, palavras e jeito
de ser são uma prova inquestionável da criatividade divina. E, quando
Deus o salvou, também o capacitou a ser um instrumento de bênção
para os que estão à sua volta. Sua sala de aula é seu campo missionário.
Jesus só tem você para alcançar essa gente.
Não dá para evangelizar o mundo se não mudarmos primeiro o que
somos. Uma mudança de mentalidade precisa acontecer. Devemos
entender que o evangelho propõe algo radical. Fomos comprados pelo
sangue de Jesus Cristo. Essa realidade restaura nossa dignidade, muda
nossa forma de pensar e viver, nos desafia a agir como Ele o fez quando
esteve entre nós.
Entretanto, em muitas situações, preferimos uma religião fria e
calculista. Nesse modelo, o ser humano perde o valor, as pessoas não
são notadas e só são percebidas quando quebram as regras. O
paralítico ficou deitado, esperando um milagre por 38 anos. Não tinha
ninguém para empurrá-lo. Mas, quando tomou o leito no sábado, a
―religião‖ notou e se incomodou. Esse tipo de postura nunca vai mudar o
mundo, muito menos fazer a diferença na vida de alguém.
O que Deus espera de nós então? Em termos práticos: não deixe
passar quatro anos de sua faculdade para convidar seu colega para ir à
igreja. Não espere o semestre que vem para abraçar aquele que ninguém
quer tocar. Não espere ter coragem para atravessar o pátio e sentar-se
ao lado do sujeito estranho que ninguém puxa para a roda de bate-papo.
Os exemplos são muitos e alcançam todas as áreas da vida.
Encontre um jeito criativo de ser Jesus para alguém hoje. Se você diz
que é cristão, mas ninguém a seu redor enxerga isso, significa que
alguma coisa está errada. O cristão é alguém que vive de maneira
diferente, e as pessoas percebem.
Que sua oração hoje seja: ―Ó Deus, abre meus olhos para que eu veja
o Teu jeito de agir e comece a imitar!‖
Quinta 25 de junho
Parecidos com Jesus
Porque o que o Pai faz o Filho também faz. João S:19

A maioria de nós quer se parecer com Cristo. Mas será que isso
tem se tornado realidade? Precisamos perguntar: ―Em que tipo de
pessoa estou me transformando?‖ Jesus disse que o resumo da lei
é: ―Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração‖ e ―ame o
seu próximo‖ (Lc 10:26-28). Essas são as duas características
principais da vida de quem imita a Cristo.
Em Sua passagem pela Terra, Jesus demonstrou ter uma grande
proximidade com o Pai (Jo 5:19). O amor é o fundamento desse
relacionamento. Se queremos também amar a Deus, precisamos
desenvolver um conhecimento pessoal de Seu caráter e natureza.
A coisa mais importante para um crente é conhecer e amar a Deus.
Quando isso se torna realidade, passamos a ter uma vida mais
abundante, mais forte e nos tornamos cheios de amor.
A outra face da moeda é amar o próximo como Jesus amou. Se
você deseja amar como Ele, então deve começar recebendo Seu
amor no coração. Só consegue amar quem é amado. O verdadeiro
amor nasce de Deus, que é a fonte e a garantia de que também
podemos ser amorosos.
Sem Deus, não somos capazes de amar os difíceis. Só é possível
se recebermos o amor de Jesus. ―O que vocês fizeram a algum dos
meus menores irmãos, a Mim o fizeram‖ (Mt 25:40).
Somente o amor de Jesus comunica flexibilidade às
mesquinharias de nosso coração. E, quando enterramos nossos
sentimentos afetivos no coração do Eterno, recebemos a
capacidade de amar como Jesus amou.
Decida hoje ser como Cristo e esteja certo de que a graça
sustentará sua decisão de ser como Jesus. Ao entender e receber
o amor Dele, você será uma fonte de amor para quem está à sua
volta.
26 de junho Sexta
O preço do discipulado
Se alguém quiser acompanhar-Me, negue-se a si mesmo, tome a
sua cruz e siga-Me. Mateus 16:24

É perigoso ser um discípulo de Jesus. Tudo o que aconteceu com


o Mestre se repete na vida do discípulo. O caminho até Jesus
passa sempre pelo Calvário. Não há discipulado sem cruz.
Hoje é legal ser crente. Os cristãos são respeitados. Ocupam
posições de destaque na sociedade. Interferem na elaboração de
leis e participam nas discussões políticas. E, se você estuda numa
escola cristã, a maioria de seus colegas partilha de suas crenças.
E, se estuda numa escola em que é minoria, as pessoas ―nem
precisam‖ saber de seu compromisso.
No início da igreja cristã não era assim. Quando as pessoas se
dispunham a seguir a Cristo, eram tratadas como o esgoto do
mundo. Algumas eram maltratadas, arrastadas diante das
autoridades, presas e condenadas pelo ―crime‖ de amar Jesus.
Há uma cruz no caminho do discipulado. Ela representa o
senhorio de Cristo. O apóstolo Paulo disse: ―Pois decidi nada saber
entre vocês, a não ser Jesus Cristo, e este, crucificado‖ (1Co 2:2).
Antes de usar alguém, Deus o leva primeiro para a cruz. Nosso ego
deve ser crucificado.
Ellen White afirmou: ―Todo aquele que entrar pelas portas de
pérola da Cidade de Deus o fará como vencedor, e sua maior
conquista terá sido a do próprio eu‖ (Testemunhos Seletos, v. 3, p.
381).
Levar o eu para a cruz não é fácil. Alguns pensam que
discipulado é simplesmente deixar de ouvir certas músicas,
abandonar determinados alimentos ou deixar de frequentar certos
ambientes. Essa é a parte fácil.
É muito mais fácil desistir de coisas do que de atitudes. Não é
fácil tirar o eu do trono. Dietrich Bonhoeffer escreveu: ―Quando
chama um homem, Jesus o convida: ‗Venha e morra.‘‖ E você? Está
disposto a atender a esse chamado?
Sábado 27 de junho
Discípulos fazem discípulos
Com isso todos saberão que vocês são Meus discípulos, se vocês
se amarem uns aos outros. João 13:3S

Na prática, as pessoas querem ver o que vivemos e pregamos.


Não adianta falarmos sobre o amor de Jesus se as pessoas não
virem a diferença que isso faz em nossa vida.
O cristianismo começou com um grupo de 12 homens que
respondeu a um convite que mudaria suas vidas: ―Sigam-me, e Eu
os farei pescadores de homens‖ (Mt 4:19). Eles passaram a seguir
Jesus e aprenderam como amar, ensinar e servir os outros como
Ele fazia. E o evangelho prosperou. Nos dias que se seguiram, a
igreja se expandiu de Jerusalém para a Judeia, Samaria e até os
confins da Terra. Em apenas uma geração, os cristãos alcançaram
o mundo inteiro.
Como isso aconteceu? Eles não tinham camisetas promocionais.
Não tinham folhetos. Não tinham programas divertidos. Mas eram
facilmente identificados como homens que estavam dispostos a
abandonar tudo por Cristo e por Sua causa.
Foi assim que o evangelho foi se espalhando: os discípulos cheios
do Espírito faziam outros discípulos. Simples! E isso tudo no meio
de incontáveis provações e sofrimentos impensáveis. A
perseguição nunca impediu a igreja de crescer. Se eram
espancados, eles louvavam. Se eram expulsos de um lugar,
corriam para outro, sempre espalhando as boas-novas. Eles
amavam Jesus e falavam Dele com alegria contagiante.
Acredito que cada jovem deve ser um seguidor de Cristo tal como
foram os primeiros discípulos. Deus espera isso de nós. Precisamos
de menos programas de entretenimento ―cristão‖ e mais gente
envolvida na missão.
Quem é capaz de imaginar o que pode acontecer quando todo o
povo de Deus começar a fazer discípulos de maneira simples,
humilde e intencional? E se realmente cada um de nós começasse
a ―pescar homens‖? E se amássemos uns aos outros como Jesus
pediu? Foi isso que Deus planejou para o avanço do Seu reino. Ele
não tem um plano B. Faça parte desse movimento. Isso vai salvar o
mundo. Vai salvar você.
28 de junho Domingo
Promessas
Quando Deus fez a Sua promessa a Abraão, por não haver
ninguém superior por quem jurar, jurou por Si mesmo, dizendo:
“Esteja certo de que o abençoarei e farei numerosos os seus
descendentes.” E foi assim que, depois de esperar pacientemente,
Abraão alcançou a promessa. Hebreus 6:13-1S

A Bíblia tem milhares de promessas. Algumas delas devem se


ajustar à sua necessidade. Por tudo o que já passei, posso afirmar
que as promessas de Deus são infalíveis.
Quando Abraão chamou seu mais antigo servo para lhe dar a
missão de encontrar uma esposa para seu filho Isaque, pediu que
ele jurasse que procuraria uma mulher que fosse de seu povo.
Eliézer compreendeu de imediato que essa era uma missão
gigantesca e perguntou se poderia levar Isaque consigo. Abraão
disse que não.
Podemos imaginar Abraão dizendo: ―Escute, eu não estou
enviando você porque acho que devo mandar. Estou enviando
você, porque isso é parte do plano de Deus para minha vida. O
Senhor enviará Seu anjo para ir adiante de você.‖ Abraão agarrou-
se às promessas de Deus. O Eterno havia lhe prometido que faria
dele pai de uma grande nação. O Senhor jurou pelo Seu nome.
Abraão confiou na promessa.
Não realizamos grandes conquistas porque somos capazes. Pode
ser que tenhamos algumas habilidades, mas elas nos foram dadas
por Deus com um propósito. Todas as nossas conquistas e
realizações são a concretização dos planos de Deus para nossa
vida. Suas promessas são fiéis e verdadeiras.
Precisamos aprender a nos agarrar a elas. ―A Bíblia contém
milhares de promessas. Ela é o talão de cheques assinado por
Deus‖, escreveu Frederick B. Meyer. Embora não tivesse filhos,
Abraão estava destinado a ser ―pai de uma grande nação‖. Ele
confiou que o Senhor multiplicaria seus descendentes quando seu
filho nascesse. Sabia que era questão de tempo para que a
promessa se cumprisse.
Por que é importante aprender a depender das promessas de
Deus? A resposta é a seguinte: o caminho é tortuoso, e a vida pode
ser complicada, mas sempre haverá momentos em que você só
terá as promessas do Eterno para se agarrar. Deus honra Seus
compromissos. Então, descanse em Suas promessas.
Segunda 29 de junho
Promessa de Deus
Estarei com você; nunca o deixarei, nunca o abandonarei. Josué
1:S

O Eterno entendia o dilema de Josué. Substituir Moisés não era


tarefa fácil. Ele estava sendo provado ao extremo como líder. Então,
Deus lhe disse que não o abandonaria. O Senhor não pediu a ele
para que lesse um livro de liderança. Simplesmente prometeu Sua
presença. Quase podemos ouvir Seu sussurro: ―Os inimigos têm
carros de ferro, mas você tem a Mim.‖ Essa é uma grande
promessa!
Em um momento de silêncio, Josué reflete com atenção: ―Vi tudo
o que Deus faz. Vi os muros de Jericó caírem. Vi o povo atravessar
o Jordão. Deus pelejou por nós.‖ As palavras finais dele ao povo
revelam a história de sua jornada: ―Um só de vocês faz fugir mil,
pois o SENHOR, o seu Deus, luta por vocês, conforme prometeu‖ (Js
23:10). Em todo o livro de Josué, Deus é quem luta. Deus combate
pelos Seus. Ele enfrenta os inimigos. Toda a história de Josué é
sobre como Deus cumpre Suas promessas.
Precisamos aprender a confiar nas promessas de Deus. Sua
presença ao nosso lado é real. Ele luta por nós e defende os Seus.
Se alguém disser que Deus está contra você, não acredite. Isso é
uma mentira. A grande notícia não é que você luta por Deus, mas
que Ele luta ao seu lado.
Somos filhos amados. Com a promessa de que Deus está
conosco, não existe limite ao que podemos fazer. Podemos usar os
recursos do Céu. É algo maravilhoso quando Alguém tão poderoso
Se levanta em nosso favor.
Deus é Seu protetor. Ele enfrenta o diabo por você. Jesus morreu
e ressuscitou por você também. Mais isso não é tudo. O Espírito
está trabalhando em sua vida. Não é maravilhoso? Essas são
promessas grandiosas de Deus que estão se cumprindo para
quem crê!
Olha o que essa promessa faz para duas pessoas diferentes num
dia difícil:
Pessoa 1: ―Hoje será um dia difícil. Meu chefe está contra mim,
minha família não acredita em mim, até Deus está contra mim.‖
Pessoa 2: ―Hoje será um dia difícil, mas Deus está do meu lado.‖
Qual das duas pessoas você deseja ser?
30 de junho Terça
Providência divina
Aonde fores irei, onde ficares ficarei! O teu povo será o meu povo e
o teu Deus será o meu Deus! Rute 1:16

As providências de Deus são incomparáveis. Não existem


coincidências, tudo é providência. Para o filho de Deus, nada é
obra do acaso. O Eterno trabalha nos bastidores e não vai parar até
cumprir Sua vontade. Alguém disse que as providências de Deus
são como as letras hebraicas. Você só consegue entendê-las se ler
de trás para frente.
A história se passa em Belém. Não havia rei em Israel. Cada um
fazia o que bem entendia. E começou uma fome que levou a família
de Elimeleque para o país vizinho. Em terra estranha, o significado
de seu nome era um permanente sermão: ―Meu Deus é Rei‖. Mas
ele sai de cena no terceiro verso, pois a morte não levou seus
planos em conta.
O livro continua com duas mulheres tendo que fazer uma escolha.
Orfa decide retornar para casa, e seu nome desaparece da Bíblia.
Rute escolhe Deus e se coloca na linhagem do Rei. Dela virá o
Messias. Ela jamais poderia imaginar o que o futuro lhe
reservava. ―Olhe mais adiante, você será tataravó de Jesus, que
nascerá em Belém. Por seu intermédio, Israel receberá o
Senhor.‖ Não havia essa esperança em sua mente. Se alguém lhe
dissesse que esse era seu destino, ela duvidaria.
Do ponto de vista humano, uma história que começa com fome,
morte, dor e lágrimas não pode terminar bem. É o que pensamos.
Aparentemente, parece que Deus falhou, mas Ele pode usar as
circunstâncias ruins para abençoar nossa vida.
Já me peguei olhando para situações difíceis e questionando o
cuidado de Deus por mim. Porém, já amadureci o suficiente para
ver que o Senhor tem sido fiel comigo. Tenho recebido muito de
Suas mãos; não mereço tanta bondade. Cada dia compreendo um
pouco mais que a história não está toda contada. Ainda não
apareceram os créditos no final.
Hoje nós sabemos como a história do livro de Rute termina. O
desfecho revela que Deus está fazendo mil coisas que
desconhecemos. Ele está à frente de tudo o que fazemos; é o
Senhor de nossa história.
Que nenhuma dificuldade, grande ou pequena, determine seu
amanhã! As lutas de hoje podem se transformar em suas maiores
bênçãos.
Julho
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2 3 4

5 6 7 8 9 10 11

12 13 14 15 16 17 18

19 20 21 22 23 24 25

26 27 28 29 30 31
Quarta 1º de julho
Promessa cumprida
De todas as boas promessas do SENHOR à nação de Israel,
nenhuma delas falhou; todas se cumpriram. Josué 21:4S

O livro de Josué começa com um relato de ação, mas termina como um


inventário de terra. A partir do capítulo 13, o Eterno ordena a Josué que
distribua a terra, mesmo as partes não conquistadas; no período, pelo
menos 31 reis haviam sido derrotados. Segundo os estudiosos,
aproximadamente 25 mil quilômetros quadrados de território foram
ocupados. Pela fé, o povo deveria conquistar o que faltava.
Josué já estava bem velhinho quando convocou todos os líderes de
Israel para sua última mensagem: ―Vocês mesmos viram tudo o que o
SENHOR, o seu Deus, fez com todas essas nações por amor a vocês; foi o
SENHOR, o seu Deus, que lutou por vocês‖ (Js 23:3). Em seguida, ele fez
um resumo de tudo o que haviam passado juntos.
No verso 45, Josué expressa a ideia predominante no livro todo, ou
seja, a fidelidade de Deus às Suas promessas. O Senhor havia
prometido ao povo três coisas muito importantes: primeiro, a terra – uma
dádiva de Deus a Israel; segundo, a paz, ou o repouso. Quem pode dar
paz senão o Senhor? Em terceiro lugar, a vitória sobre os inimigos. Deus
havia cumprido Suas promessas, pois não havia nenhum inimigo que
representasse um perigo para suas famílias.
Séculos depois, Salomão, em sua linda oração de dedicação do
templo, reconheceu a fidelidade do Senhor. Ele disse diante do povo:
―Bendito seja o SENHOR, que deu descanso a Israel, o Seu povo, como
havia prometido. Não ficou sem cumprimento nem uma de todas as boas
promessas que Ele fez por meio do Seu servo Moisés‖ (1Rs 8:56).
Em minha vida pessoal e em meu ministério, tenho experimentado o
cumprimento das promessas de Deus. Desfruto a certeza de que
o Senhor tem me usado, apesar de minhas limitações, e tem cumprido
Suas ―boas promessas‖. A confiança de que um dia também receberei
minha herança está na certeza de que Ele não falha! Confie nas
promessas de Deus você também!
2 de julho Quinta
Confiança em Suas promessas
Deus não é homem para que minta, nem filho de homem para que
Se arrependa. Acaso Ele fala e deixa de agir? Acaso promete e
deixa de cumprir? Números 23:19

Os desbravadores trabalham em sistema de unidade, e cada uma


tem seu bandeirim. Durante o campori daquele ano, meu filho
reuniu os filhos dos membros da equipe de apoio, que, assim como
ele, ainda não eram desbravadores na época, e formou a própria
―unidade‖. Ele até mesmo tinha um ―bandeirim‖: um pedaço de
madeira que havia encontrado no chão.
Como eu precisava permanecer no local para o trabalho pós-
evento, pedi a um amigo que levasse minha família para casa. Mas
tive que convencer meu filho de que eu levaria seu ―bandeirim‖
depois, pois o carro do ―tio‖ era novo e poderia sujá-lo. Não foi fácil,
mas ele confiou em minha promessa.
Por volta da meia-noite, minha esposa me viu entrar em casa com
aquele pedaço de madeira velha na mão e suspirou aliviada.
Prevendo a possibilidade de eu me esquecer, ela havia lembrado
nosso filho sobre o fato de o pai estar muito ocupado e cansado,
mas ele não estava disposto a abrir mão de seu ―bandeirim‖: ―Ele
me prometeu que vai trazer, e eu acredito nele!‖
Fico feliz porque naquele dia cumpri a promessa que havia feito a
meu filho. Não me lembro se alguma vez faltei com a minha palavra
para ele ou para a minha filha, mas é possível que sim.
Estudiosos do comportamento humano dizem que é na primeira
infância que a confiança é gravada em ferro e fogo no coração. A
criança que cresce num ambiente protegido e seguro desenvolve o
sentimento básico de confiança na vida. A criança que cresce num
ambiente desprotegido torna-se insegura, tem medo de tudo e
aprende a desconfiar do mundo.
O verso de hoje é uma afirmação da fidelidade de Deus em
cumprir Suas promessas. Cada vez que Balaão tentou amaldiçoar o
povo de Israel, Deus transformou suas palavras em bênçãos. A
certeza de que Deus não quebra uma promessa nos dá a
segurança de que podemos confiar Nele. Por isso, podemos
avançar seguros em Suas promessas.
Sexta 3 de julho
Grandiosas promessas
Ele nos deu as Suas grandiosas e preciosas promessas, para que
por elas se tornassem participantes da Sua natureza divina e
fugissem da corrupção que há no mundo. 2 Pedro 1:4

Acredito que essa é a promessa mais importante da Bíblia para quem


deseja ter um relacionamento profundo com Jesus. Pedro diz que
podemos viver de modo santo por causa das ―grandiosas e preciosas
promessas‖ que recebemos quando o Senhor nos salvou.
A maior delas é que podemos participar da natureza divina. ―Eu?
Participar da natureza divina?! Moisés, Daniel, Enoque e Elias até podem
ter experimentado isso, mas eu não!‖, você pode estar pensando.
Muitas vezes ouvimos essas histórias da Bíblia e pensamos que jamais
teremos uma experiência como esses homens. Porém, se o que a Bíblia
diz é verdade, é possível receber todo o poder do Céu para uma vida
santa e participar da natureza divina. Essa é uma grandiosa promessa de
Deus!
No entanto, alguns ficam inertes e pedem passivamente: ―Deus, me
faça um santo!‖ Deus responderia assim: ―Filho, sem esforço, nada
muda.‖ Agarre-se às promessas de Deus, e a natureza divina vai
começar a ser vista em sua vida. Essa é uma obra Dele, com a qual
devemos cooperar.
Todo o poder divino para a santidade na vida já está disponível.
Ele foi concedido a nós por conta do sacrifício de Jesus.
A cada dia, é nosso privilégio conhecer um pouco mais sobre Jesus.
Ele é nosso amigo e faz morada na vida de quem O ama. Podemos falar
com Ele todos os dias, usufruir de Sua companhia e aprender a amá-Lo
de todo o coração.
Ao nos relacionarmos com Jesus, podemos ter o privilégio de receber
Suas características em nossa vida. Andando com Cristo, nos tornamos
mais parecidos com Ele. Isso não ocorre de um dia para o outro. É a
experiência de uma vida.
Você pode experimentar essa realidade também. Comece hoje mesmo
e permita que sua vida seja transformada à semelhança de Jesus.
4 de julho Sábado
Deus diz “sim”
Pois quantas forem as promessas feitas por Deus, tantas têm em
Cristo o “sim”. Por isso, por meio Dele, o “Amém” é pronunciado por
nós para a glória de Deus. 2 Coríntios 1:20

Quantas são as promessas? Acredita-se que haja mais de 7 mil


promessas na Bíblia. E todas elas se cumprem em Jesus. Ao
comentar o verso de hoje, o teólogo William Barclay disse que
―Jesus é o sim para toda promessa de Deus‖.
Se eu lhe fizer alguma promessa, você pode escolher confiar em
minha palavra ou não. No entanto, quanto maior for nossa amizade
e intimidade, maior será sua disposição de confiar. Se temos essa
atitude a partir da palavra de um ser humano falho e pecador,
quanto maior deveria ser nossa confiança na Palavra de Deus!
O que podemos aprender sobre as promessas de Deus em 2
Coríntios 1:20? Todas as promessas que Deus fez, grandes e
pequenas, se cumprem em Jesus Cristo. Você está confiante em
alguma promessa da Bíblia e não vê a hora de ela se cumprir em
sua vida? Em Jesus, seja qual for a promessa, Deus diz ―sim‖.
Em Apocalipse 3:14, Jesus é chamado de ―Amém‖. Essa é uma
palavra de amplo significado litúrgico. É uma aclamação por meio
da qual concordamos com o que está sendo dito. Por isso, quando
oramos, dizemos ao fim de nossas orações: ―Em nome de Jesus.
Amém.‖ Com isso, estamos afirmando que nossa oração está de
acordo com a vontade de Jesus, ou seja, que essa é a oração que
Jesus faria se estivesse em nosso lugar. Além disso, confiamos que
todas as promessas de Deus serão cumpridas. Jesus é a nossa
garantia. O ―amém‖ é uma resposta de fé e quer dizer ―assim seja‖.
Indica algo verdadeiro, fiel, certo.
―Amém‖ é uma palavra hebraica e não tem tradução no
português, assim como na maioria das outras línguas. É uma
expressão para se dirigir unicamente a Deus. Ao usá-la, estamos
dizendo a Deus que estamos de acordo com a vontade Dele. Na
Bíblia, ―amém‖ e ―sim‖ significam a mesma coisa. Jesus é o sim de
Deus para todas as Suas promessas. O nosso ―amém‖ é a
declaração de que cremos e confiamos. Quando compreender
isso, você dirá ―amém‖ para todas as promessas de Deus.
Domingo 5 de julho
Generosidade
Quem é generoso será abençoado, pois reparte o seu pão com o
pobre. Provérbios 22:9

Fui criado em um ambiente de grandes necessidades financeiras.


Mesmo assim, nunca precisamos mendigar o pão. Minha mãe era
uma mulher muito doente e passou os últimos 25 anos de sua vida
em cima de uma cama. Mesmo nessa condição, ela criou e educou
três filhos sozinha. Sei o que é desejar uma roupa e não poder
comprar; ficar de fora das comemorações da escola por não ter
dinheiro para participar. Contudo, nunca nos faltou o necessário
para viver.
Minha vida é uma história de milagres e superação. Entretanto,
por conta de tudo o que passei para chegar até aqui, às vezes sou
tentado a ter um coração insensível às necessidades de gente que
passa por dificuldades menores às que enfrentei. Quando isso me
vem à mente, tento lembrar que as pessoas e as oportunidades são
diferentes. Tenho pedido a Deus que me dê um coração mais
sensível, solidário e generoso.
A generosidade é um tema fundamental no cristianismo. Na
parábola do rico e Lázaro (Lc 16:19-31), Jesus conta a história de
um rico que se perde e de um pobre que se salva. O rico amava o
dinheiro, vivia no luxo e pensava que, por ser descendente de
Abraão, a eternidade estava garantida. Lázaro vivia em pobreza
total. Tinha o corpo coberto de feridas. A fome era sua
companheira constante, e ansiava pelas sobras de comida que
caíam da mesa do rico. Enquanto o homem rico parecia ter tudo,
Lázaro não tinha nada. Contudo, seu nome tem um significado
sugestivo: ―Deus ajuda‖.
Duas histórias de vida completamente diferentes, que a morte
nivelou. Jesus contou a parábola para ensinar que homem algum
será julgado com base em suas posses, mas pelo caráter. Ele
enfatizou que devemos usar o que o Senhor nos deu para
abençoar os que precisam de nossa ajuda. Ensinou também que,
após a morte, não haverá mais oportunidade de salvação.
Nessa história, Jesus usou a tradição para mostrar a incoerência
dos fariseus que, com seu orgulho, desprezavam os pobres.
Orgulho e falta de amor sempre andam de mãos dadas. Estou
tentando aprender a lição.
6 de julho Segunda
O ministério da generosidade
No meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema
pobreza deles transbordaram em rica generosidade. 2 Coríntios 8:2

De que as pessoas precisam? Alegria, amor e bondade são parte


significativa da resposta. Se você não buscar em Deus, não
conseguirá amar quem está à sua volta. Você não pode dar o que
não tem. Simples assim.
Tudo começa com a graça de Deus sendo recebida no coração.
Em 2 Coríntios 8, Paulo apresenta o exemplo dos macedônios. Os
cristãos na Macedônia haviam experimentado o evangelho, e essa
realidade os havia transformado. A alegria da salvação estava
transbordando em generosidade naquela igreja amorosa. Amor é o
transbordar da alegria em Deus para as necessidades dos outros.
Que tipo de alegria é essa? É a graça de Deus sendo
compartilhada.
Os macedônios eram pobres, mas tinham um coração generoso.
Ser pobre não é desculpa para não ajudar os outros. As pessoas
apreciam os atos de bondade de quem tem pouco.
Paulo diz que os macedônios tinham uma riqueza incomparável.
Isso era tão bom que eles queriam ajudar todo mundo. Os
macedônios estavam no meio da tribulação, mas cheios de alegria.
Se você falar de Jesus Cristo para alguém e disser que Ele vai
tirá-lo da pobreza, da tribulação, isso não é o evangelho. O
evangelho prega que, mesmo em meio a dificuldades, o cristão
começará a servir aos outros pelo simples prazer de fazer isso. As
dificuldades e a pobreza não podem impedir que você seja
generoso. O que precisamos é de um coração disposto a atender
às necessidades dos outros.
Hoje, o mundo é a nossa Macedônia! O argumento de Paulo é
que a graça tem olhos, mãos e pés: os meus e os seus. Ajudamos
as pessoas não porque temos de sobra e elas não têm nada, mas
porque a graça abundante de Cristo foi derramada sobre nós, e
isso nos basta. Dedicamos a Ele e a Seu serviço tudo o que temos
e somos. Por isso, o egoísmo não controla nossa vida. Nosso amor
não fica no campo do sentimento, mas encarna em nossas mãos,
que ajudam a todos que precisam. É isso que Deus espera de mim
e de você.
Terça 7 de julho
A motivação do amor
Lembrando das palavras do próprio Senhor Jesus, que disse: “Há
maior felicidade em dar do que em receber.” Atos 20:3S

Qual é a maior motivação do amor? Alguns pensam que receberão


uma bênção especial como resultado das doações que fazem. Mas então
Paulo menciona um ensino de Jesus não registrado nos evangelhos:
―Mais bem-aventurado é dar do que receber.‖
Em Lucas 14:12 a 14, Jesus disse que devemos amar sem esperar
nenhuma recompensa. Ele nos ensina, por exemplo, a incluir na lista de
convidados de nossas festas, além dos amigos, aqueles que nunca são
convidados para celebração alguma. O Senhor afirma que, agindo assim,
seremos mais felizes (v. 14). E acrescentou: ―A sua recompensa virá na
ressurreição dos justos‖.
Jesus é essa grande recompensa. Ele é nossa alegria. Se você não
encontrar sua recompensa Nele, a generosidade, que não pede nada
em troca, jamais será real em sua vida. Nossa satisfação Nele é a única
recompensa que nos motiva a dar um pouco do que temos às pessoas
que necessitam. Nossa alegria Nele expande quando colocamos outras
pessoas nesse relacionamento. Para Jesus, o amor horizontal é muito
importante. Ele disse: ―Assim vocês mostrarão amor por Mim, se amarem
uns aos outros.‖
Em 1 Coríntios 13, lemos uma poderosa descrição do amor. Você pode
falar em várias línguas, mas, sem amor, isso não significa nada. Você
pode dar suas posses e seu corpo para ser queimado, mas, sem amor,
não haverá efeito real algum. O amor cumpre toda a lei. O amor é muito
abrangente. Amar alguém é dar o seu melhor para essa pessoa.
A experiência prova que, se não buscarmos a alegria em Jesus, não
podemos amar os outros. Lembre-se do que Jesus falou: na
contabilidade do Céu, dar é melhor do que receber (At 20:35). Se seu
coração não dói pelo sofrimento do próximo, comece a andar mais com
Jesus. Assim você vai amar como Jesus amou.
8 de julho Quarta
Boas-novas aos pobres
O Espírito do Senhor está sobre Mim, porque Ele Me ungiu para
pregar boas-novas aos pobres. Lucas 4:18

A palavra evangelho significa, literalmente, ―boas-novas‖. Jesus disse


que veio ―pregar boas-novas aos pobres‖. João Batista mandou
perguntar a Jesus se Ele era mesmo o Messias ou devia esperar outro, e
o Mestre respondeu por meio de boas obras. Depois mandou o seguinte
recado para João: ―o evangelho é anunciado aos pobres‖. O reino de
Deus é para o pobre, porque o título de sócio do reino de Deus não pode
ser comprado.
Anthony Campolo, um pastor americano, resolveu viver na prática o
desafio do evangelho. Ele fundou uma organização para ajudar crianças
carentes no Haiti, o país mais pobre do Ocidente. Construiu um orfanato
para 50 crianças abandonadas. Quando o prédio estava pronto, ele foi
buscar as crianças na favela em que viviam. Ao chegar lá, havia quatro
vezes mais crianças do que a capacidade de seu orfanato. Ele teve que
passar pelo processo doloroso de selecionar as mais necessitadas, mas
todas eram muito carentes. Cinquenta crianças foram colocadas no
ônibus. As que não foram escolhidas se amontoaram num canto. O padre
católico que cuidava delas convidou-as a cantar em despedida aos
coleguinhas que iriam embora e em gratidão aos benfeitores. Campolo
não podia suportar ouvir a música que cantaram: ―Deus é tão bom, Deus
é tão bom, Deus é tão bom, é tão bom para mim.‖
―Como essas crianças podem cantar: ‗Deus é tão bom…‘ se elas estão
aqui morrendo de fome?‖ Enquanto protestava consigo mesmo e com
Deus, Campolo foi percebendo que, de fato, Deus é muito bom e amava
cada uma daquelas crianças. Porém, as únicas mãos que Deus tem para
levar amor e ajudar aquelas crianças são as mãos de pessoas como o
próprio pastor Campolo. Pessoas como eu e você.
Deus quer fazer coisas extraordinárias no mundo por seu intermédio.
Quando o evangelho alcança uma pessoa, Jesus lhe dá uma missão. Ele
quer mudar o mundo usando cada um de nós.
Quinta 9 de julho
O que você pode fazer?
E se alguém der mesmo que seja apenas um copo de água fria a
um destes pequeninos, porque ele é Meu discípulo, Eu lhes
asseguro que não perderá a sua recompensa. Mateus 10:42

Você já deve ter escutado a história do homem recolhendo


estrelas-do-mar na praia, e lançando-as de volta na água. Alguém
se aproximou dele e disse: ―É louvável o que você está fazendo.
Mas olhe à sua volta, existem milhares delas. Não faz diferença!‖ O
homem pegou mais uma, lançou-a ao mar e disse: ―Para esta aqui
vai fazer diferença!‖
Jesus ensinou que um copo de água fria bem servido pode ser a
minha missão. Não posso resolver os problemas do mundo, mas
posso fazer alguma coisa. Não tenho a menor ideia do que fazer,
mas, se eu não fizer algo, ninguém mais fará. Existe um papel
específico que cada um de nós deve desempenhar na vida. Não
podemos simplesmente cruzar os braços e dizer que não é
problema nosso.
Ellen White disse: ―Se nos humilhássemos perante Deus e
fôssemos bondosos, corteses, compassivos e piedosos, haveria
uma centena de conversões à verdade onde agora há apenas
uma‖ (Beneficência Social, p. 86).
A igreja pode ser a maior rede de apoio humanitário do planeta.
Ela está presente no mundo todo. Se devidamente mobilizados,
seus membros podem compor um poderoso exército para amenizar
o sofrimento de muita gente.
Fico apenas imaginando o que aconteceria se cada cristão
começasse a viver na prática o desafio do evangelho. Um terço dos
habitantes do planeta se reconhece como seguidor de Jesus.
Sozinhos, você e eu não podemos resolver os problemas do
mundo, mas 30% da população mundial pode fazer muita coisa.
Em termos práticos, significa que devemos nos responsabilizar
para abençoar a vida de pelo menos três pessoas perto de nós. Se
cada cristão fizer o mesmo, iremos cobrir o mundo com a bondade
de Deus. Imagine se um grupo de jovens em cada igreja adotasse
uma quadra do bairro e se responsabilizasse por aqueles
moradores, ajudando cada família ou mesmo cada pessoa até ter
certeza de que todas elas se sintam amadas e protegidas por
Deus. Que revolução ocorreria, não acha?!
Coloque-se à disposição de Deus para a obra de ajudar as
pessoas. Não tenha dúvida de que você será o principal
beneficiado.
10 de julho Sexta
Uma igreja generosa
Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum.
Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um
conforme a sua necessidade. Atos 2:44, 4S

Atos 2 é um desafio para a igreja de hoje. O cristianismo retratado


ali é cheio de vida e pulsa com um coração generoso. A
generosidade é caraterística de uma igreja viva, unida e
abençoada. Quando a igreja cristã começou, os membros mais
ricos vendiam suas propriedades para ajudar os membros mais
pobres. Ninguém passava necessidade porque todos cuidavam
uns dos outros (At 4:34, 35). O mundo do primeiro século ficou
espantado com as boas obras da igreja. Aqueles cristãos não
tinham posição, prestígio nem riquezas, mas viviam intensamente
como uma comunidade viva.
Quando o evangelho faz a diferença na vida das pessoas, há um
pulsar de vida na igreja. Os membros passam a ser generosos
especialmente com outros crentes. Cada um dá o que tem. Uma
igreja generosa compartilha o amor de Jesus entre si. Todos que
amam Jesus pertencem à mesma família e estão ligados pelo amor.
É a conversão que nos torna generosos.
A igreja não faz o bem por responsabilidade social; o motivo é
Jesus. Para muitos, porém, é mais fácil doar uma cesta básica do
que se envolver com a vida das pessoas. Há quem prefira cuidar
dos de fora, porque ―não conseguimos‖ cuidar dos de dentro.
Igrejas preocupadas apenas com planejamento, projetos ou
estratégias, e não com pessoas, estão mortas. Planejamento não
sangra, não sofre, não sente. Pessoas sim. Quando o evangelho
não é entendido nem experimentado, falta paixão e vida. Ausência
de generosidade na igreja é sintoma de frieza espiritual.
Somos chamados a ajudar as pessoas com suas necessidades
espirituais e materiais. ―Se alguém tiver recursos materiais e, vendo
seu irmão em necessidade, não se compadecer dele, como pode
permanecer nele o amor de Deus? Filhinhos, não amemos de
palavra nem de boca, mas em ação e em verdade‖ (1Jo 3:17, 18).
Pessoas transformadas transformam o mundo à sua volta. Uma
pessoa de cada vez.
Sábado 11 de julho
Coração generoso
Deus ama quem dá com alegria. 2 Coríntios 9:7

Precisamos de um coração generoso, que seja uma fonte de


esperança para os outros. O mesmo Deus que nos deu um coração
perdoado também nos concede um coração transformado. É uma
bênção poder doar tempo, energia e até dinheiro na obra cristã de
restaurar vidas danificadas. Essa deve ser nossa alegria.
Mas como ter prazer em ajudar os outros? Na história do jovem
rico, encontramos lições importantes sobre isso. Jesus pediu ao
jovem para que doasse aos pobres tudo o que ele tinha. O rapaz se
afastou triste. Jesus refletiu posteriormente: ―Como é difícil aos ricos
entrar no Reino de Deus!‖ Os discípulos perguntaram: ―Então quem
pode ser salvo?‖ E Jesus respondeu: ―É mais fácil passar um
camelo pelo fundo de uma agulha. […] O que é impossível para os
homens é possível para Deus!‖ (Lc 18:18-27).
O jovem não conseguia se desligar de seu amor pelo dinheiro,
mas Jesus desejou ajudá-lo nesse sentido. Quando alguém
experimenta o amor de Deus, isso transborda em atos de bondade.
O coração generoso está tão cheio de alegria pelo que Deus fez
que estará pronto e disposto a atender às necessidades dos
outros. Tenho pedido um coração assim!
Muitas vezes damos a impressão de que o amor é um sentimento.
Contudo, a Bíblia mostra que o amor é uma ação. Paulo diz que
―Deus ama quem dá com alegria‖ (2Co 9:7). Deus ama a doação
movida pela alegria. A alegria é o efeito que a doação causa em
Deus e em quem doa. A alegria é o sentimento que resulta da ação
sincera de doar.
Um grupo de cientistas realizou um experimento em um
laboratório em Zurique, Suíça, com 50 pessoas, para medir os
níveis de felicidade após atos de generosidade. Os participantes
foram informados de que cada um teria à disposição um valor de
25 francos suíços (mais ou menos cem reais) por semana durante
quatro semanas. Metade dos participantes tinha que se
comprometer a gastar o dinheiro com outras pessoas. A outra
metade poderia gastar o dinheiro com eles mesmos. Passaram pela
ressonância magnética respondendo a perguntas enquanto seus
cérebros eram examinados. O grupo que se comprometeu a doar o
dinheiro relatou estar mais feliz do que os que gastaram com as
próprias coisas.
Doar produz alegria. Que tal sair por aí feliz da vida, espalhando
bondade e refletindo a felicidade estampada na face de Deus?
12 de julho Domingo
Adoração
Os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em
verdade. São estes os adoradores que o Pai procura. João 4:23

Deus não precisa de nossa adoração. Nós é que precisamos


adorá-Lo. No diálogo de Jesus com a mulher samaritana, a palavra
adoração ocorre cerca de dez vezes. O Senhor enfatiza que Deus
procura pessoas que O adorem ―em espírito e em verdade‖. Se
Deus está procurando adoradores, então isso deve ser algo
importante. Você não acha?
A cada manhã, todos os seres humanos, grandes e pequenos,
jovens e idosos precisam decidir se darão a Deus a adoração que
Ele merece. Para o restante da criação, a adoração é automática.
Somente para a humanidade a adoração é uma escolha
consciente.
Adoração é prestar uma homenagem ao Senhor. É reconhecer
que Ele é Deus. Nesse ato sublime, chegamos maravilhados diante
Dele para oferecer nosso reconhecimento e gratidão por tudo o que
Ele é e faz.
A adoração é sempre uma iniciativa de Deus. Não é o pastor
quem convoca a igreja para adorar. É Deus quem convida o
adorador. Ele busca adoradores e os convida à Sua presença. Os
salmos estão repletos de convites à adoração, chamados para um
encontro com Deus. O povo de Deus deveria viver em expectativa
para ir à presença do Senhor.
Infelizmente, muitos têm dispensado o privilégio de adorar a Deus
na igreja. Preferem o conforto da própria casa à bênção de estar na
presença do Senhor na companhia dos irmãos. Alguns até vão ao
templo, mas passam a maior parte do tempo desligados do que
está ocorrendo e desinteressados no culto. Concentram-se nos
amigos e se esquecem do Amigo que nos recebe a cada reunião
de adoração.
Muitos assumem a postura de consumidores. Sua expectativa é
ouvir uma boa música, um grande sermão. Assim, o ―culto‖ pautado
pelo viés do entretenimento passa a ser uma espécie de produto
que se adquire no mercado da fé.
No culto, porém, nada é para nós. Tudo é para Deus. Muita gente
tem a audácia de dizer: ―Não gostei do culto hoje!‖ Quem disse que
a adoração é ofertada para algum ser humano? Quem tem que
gostar é Deus!
Segunda 13 de julho
Beleza, verdade e bondade
Uma coisa pedi ao SENHOR; é o que procuro: que eu possa viver na
casa do SENHOR todos os dias da minha vida. Salmo 27:4

Os filósofos dizem que há três coisas sobre as quais cada


indivíduo deve ter conhecimento básico: beleza, verdade e
bondade. Ellen White concorda com isso. Ela diz que aqueles que
lidam com mentes jovens devem despertar neles ―o amor pela
bondade, verdade e beleza‖ (Mente, Caráter e Personalidade, v. 1,
p. 70). Na adoração a Deus, essas três coisas estão presentes.
Davi registrou seu profundo anseio em estar na presença de
Deus. Ele elencou três razões: (1) para contemplar a beleza de
Deus; (2) para aprender no Seu templo; e (3) para espalhar a
bondade de Deus na Terra.
Beleza é uma palavra para se referir ao que nos encanta, como a
garota pela qual um rapaz se apaixona. Ele olha para a foto dela na
tela do celular e suspira profundamente.
É mais ou menos isso que sentimos na presença de Deus.
Encantados com a beleza e o esplendor de Sua glória, devemos
prestar a Ele todo nosso louvor e adoração. Porém, infelizmente,
como ocorre com alguns cônjuges que deixam de suspirar pela
beleza do companheiro, muitos perdem a habilidade de se
encantar diante da beleza do Senhor. Falta encantamento reverente
na adoração. Ellen White diz que ―há demasiada formalidade em
nossos cultos‖ (Testemunhos Para a Igreja, v. 5, p. 318). A
adoração acontece quando o coração se enche de irresistível
admiração na presença do Senhor.
Além disso, Davi deixa claro que na adoração há um processo
cognitivo. Ele diz que deseja ―aprender no Seu templo‖. ―Aprender‖
significa cavar fundo até encontrar a verdade. Adoração é o
momento de receber as revelações de Deus, através da Palavra.
Adoração é também um momento de aprendizado. Precisamos
preparar nossa mente para a adoração.
No verso 13, o salmista diz: ―Creio que verei a bondade do SENHOR
na Terra‖ (ARA). A verdadeira adoração não termina quando o culto
acaba. Quando você volta para casa, sua família precisa ver a
bondade do Senhor estampada em sua face. Na adoração, beleza,
verdade e bondade estão presentes. Não perca a oportunidade de
experimentar tudo isso!
14 de julho Terça
Fome de Deus
“Estão chegando os dias”, declara o SENHOR, o Soberano, “em que
enviarei fome a toda esta terra; não fome de comida nem sede de
água, mas fome e sede de ouvir as palavras do SENHOR. Amós 8:11

Falta fome em nossa adoração hoje. Fome de Deus. Muitos


comparecem ao culto sem apetite. Deus tenha misericórdia de nossas
―barrigas fartas‖! Pior do que a fome é a falta de apetite, pois ela mata
mais rápido do que a fome. O povo de Deus tem andado sem apetite
espiritual ultimamente. Alguns olham para as coisas de Deus e dizem:
―Que canseira!‖ (Ml 1:13). Não têm alegria na Palavra. Não tremem
diante dela. Não têm pressa para orar. Falta fome de Deus!
Muitos vão à igreja, mas não têm expectativa de encontrar Deus. As
pessoas se acostumaram com o sagrado. Alguns lidam com os assuntos
espirituais com indiferença. Outros creem num Jesus tão meigo, tão
terno e compassivo — como Ele é — que às vezes perdem de vista que
Ele é o Todo-Poderoso.
Ter fome de Deus é ir à igreja para aproveitar qualquer migalha que
caia da mesa do Pai. Ter fome de Deus é ter o coração cheio de
devoção. No santuário, havia os pães da proposição (Nm 4:7; Lv 24:8).
Eram um símbolo da presença de Deus, um testemunho constante de
que Israel dependia do Senhor para seu sustento.
Nada pode nos satisfazer plenamente. Só Deus. As pessoas estão
procurando desesperadamente algum lugar onde encontrar pão, saciar
sua fome, satisfazer suas profundas necessidades. Porém, longe de
Deus, isso é impossível. Você tem fome de Deus? Tem clamado como
Moisés: ―Peço-Te que me mostres a Tua glória‖ (Êx 33:18)?
A figura do pão é um lembrete de que a mesa de Deus está posta.
Tudo já foi preparado. Você é o convidado. Aproxime-se, coma e beba de
graça. Na mesa de Deus, há pão com fartura. Mas de que adianta ter
mesa farta, se não temos fome? Não importa o tamanho de sua igreja;
não importa quem é o pregador. Se você for adorar com fome do
Altíssimo, será alimentado. Os famintos de Deus não serão
decepcionados.
Quarta 15 de julho
Culto de adoração
Onde está a honra que Me é devida? Malaquias 1:6

Quer ter ideia do que é a verdadeira adoração? Considere um


jogo de futebol num estádio. Esse esporte é considerado uma
paixão nacional. Os atletas que se destacam são chamados de
ídolos. E as arenas em que ele é praticado são chamadas de
templos.
As pessoas chegam cedo para não perder o início do ―culto‖.
Todos colocam a mão no bolso e contribuem com uma ―oferta‖
generosa. Quando o ―culto‖ começa, todos participam. Alguns, se
pudessem, invadiriam a ―plataforma‖. Você não vê ninguém
cochilar. As pessoas cantam o ―culto‖ inteiro.
Aqueles que não podem estar pessoalmente no campo de jogo
sentam-se diante do ―santíssimo‖ em casa e preparam-se para
adorar. Colocam a bebida ao lado, acomodam-se confortavelmente
numa poltrona diante da TV e também participam do ―culto‖.
Vestem uma roupa especial para a ocasião. Ninguém conversa
durante a ―adoração‖. Se houver prorrogação, ninguém reclama
porque o ―culto‖ terminou mais tarde. E, quando o jogo termina,
ninguém fala em outra coisa a semana inteira, a não ser sobre o
―culto‖ que tiveram. Isso é ou não adoração?
Será que Deus está recebendo menos do que os times pelos
quais torcemos? No livro de Malaquias, o Eterno acusa Seu povo de
levar as sobras de seu tempo, de suas energias e de seus recursos
para a adoração. O povo ia ao templo adorar, mas tinha nojo dos
sacrifícios. Ofereciam animais enfermos e deformados para o
Senhor e não viam nenhum mal nisso.
Hoje não temos as cerimônias do santuário, mas a indiferença de
muitos adoradores é semelhante. Muitos não têm nenhum
constrangimento em chegar na metade do culto. Ficam olhando
para o celular o tempo inteiro. Se levam uma oferta, é a sobra da
sobra. Durante o louvor, cantam se estão com vontade. Se ficam
cansados, podem se levantar e ir lá fora tomar um gole de água. A
verdade é que a maioria não se prepara para adorar.
Deus ordena que nos apresentemos diante Dele. Como resposta
a essa convocação, deveríamos fazer fila em frente à igreja,
ansiosos para o início do culto. Deveríamos comparecer diante do
Senhor com todo nosso ser, oferecendo o que temos de melhor, de
acordo com a vontade Dele. Precisamos aprender a fazer da
adoração um estilo de vida.
16 de julho Quinta
Adoração na prática
Venham! Adoremos prostrados e ajoelhemos diante do SENHOR, o
nosso Criador. Salmo 9S:6

O que proclamo com minha boca devo confirmar com meus atos.
O verdadeiro adorador participa da adoração com tempo, dinheiro,
talentos e louvor. A adoração tem que ser prática. Não pretendo ser
modelo para ninguém, mas vou dizer o que faço. Talvez sirva de
estímulo, de alguma forma.
Chego cedo. Eu não costumo me atrasar em nenhum
compromisso com qualquer pessoa. Porém, se tenho uma reunião
marcada com alguma autoridade, planejo a hora que saio de casa,
calculo os riscos de engarrafamento e me organizo para chegar
alguns minutos antes. Eu quero sempre chegar no horário. Não
posso agir diferente em relação a Deus.
Sento-me na frente. Minha família sabe que eu vou ocupar sempre
os primeiros lugares. Tenho o maior carinho pela turma do fundão,
mas quem senta na frente se concentra mais, aproveita melhor o
que está acontecendo e adora melhor.
Eu participo. Se é para louvar, eu canto. Não tenho uma boa voz,
mas meu louvor é para Ele. Não me lembro qual foi a última vez que
fiquei sem cantar na igreja. Quando não conheço a música,
acompanho a melodia e, na segunda estrofe, já estou cantando
junto. Você não precisa saber cantar, mas tem que cantar com
alegria.
Levo minha oferta. Ele disse: ―Ninguém compareça perante Mim
de mãos vazias‖ (Êx 34:20). Foi libertador quando compreendi que
minha oferta deve ser planejada. Separo o valor e, quando chega a
hora de ofertar, não fico lutando para dar. Aprendi a ofertar com
alegria.
Tomo nota do sermão. Na maioria dos cultos que participo, sou o
pregador. Mas, quando estou na igreja como adorador, faço
anotações. Isso me ajuda na concentração. Assim, retenho mais
informação e por mais tempo.
Infelizmente, muita gente vai à igreja com desânimo e falta de
interesse. Não deixe isso ocorrer com você. Ore para que Deus lhe
mostre o que está interferindo em sua adoração. Peça ajuda Dele
para mudar isso. E não se esqueça: toda vez em que o Senhor
encontra dois ou três adoradores, Ele Se faz presente.
Sexta 17 de julho
A batalha da adoração
Pois a batalha não é de vocês, mas de Deus. 2 Crônicas 20:1S

Você conhece a história da batalha vencida pelos cantores? Ela é


narrada na Bíblia em 2 Crônicas 20. Foram informar ao rei de Judá
que um exército enorme atacaria seu povo. A reação de Josafá
ensina que notícia ruim se combate com oração, jejum e confiança
em Deus.
Quando o povo se reuniu, o rei se levantou diante da
congregação e fez uma oração fervorosa: ―Não sabemos o que
fazer, mas os nossos olhos se voltam para Ti‖ (v. 12). Todos,
grandes e pequenos, até mesmo os bebês de colo participaram
daquele culto. Rasgaram o coração diante do Senhor, e a resposta
de Deus veio por intermédio de um homem chamado Jaaziel, que
garantiu que o Senhor lhes daria a vitória sem que eles
precisassem disparar uma única flecha. Então, os cantores
começaram a louvar o Senhor. Em resposta, o Senhor entrou
pessoalmente no combate em favor de Seu povo. Os inimigos
lutaram entre si, e o povo de Deus venceu sem guerrear.
Quer saber como enfrentar uma batalha impossível? Inicie com
adoração. Quando a adoração começa, a batalha termina. Quando
você louva no meio das dificuldades, o inimigo fica confuso.
Eu sei de uma coisa: todas as vezes em que o povo de Deus ora
e jejua, o Eterno libera Seu poder sobrenatural em favor dele. E,
quando o povo de Deus se reúne coletivamente com o mesmo
propósito de adoração, Deus converte o ataque do inimigo em
bênçãos para Seu povo. Tudo o que Josafá encontrou no campo de
batalha foram cadáveres. As bênçãos foram tantas que eles
levaram três dias para recolher os despojos.
Depois dessa grande vitória, Josafá e o povo retornaram para
Jerusalém e se dirigiram diretamente ao templo adorar o Senhor.
Eles louvaram antes, durante e depois da batalha. Foi uma vitória
extraordinária! Se Deus pode fazer isso por uma nação, imagine o
que pode fazer por você! Ele pode mudar a situação se você ―se
humilhar e orar‖. Ele pode ajudá-lo em Sua batalha pessoal.
A adoração é uma arma poderosa nesse conflito final. Não
devemos querer nada que não venha das mãos de Deus, mas
devemos querer tudo o que Deus tem para nós.
18 de julho Sábado
Adoração no Céu
Dia e noite repetem sem cessar: “Santo, santo, santo.” Apocalipse
4:8

Em Apocalipse 4, descreve-se a sala do trono celestial. O capítulo


também apresenta a adoração no Céu, na qual os anjos repetem
sem cessar seu louvor a Deus. John Wesley chama isso de ―feliz
desassossego‖. O que os anjos dizem no Céu os 24 anciãos
repetem: ―Santo, santo, santo.‖ Um dia vamos nos juntar a eles e
fazer um grande coral.
Será que podemos imaginar o louvor e a adoração no Céu? O
Cordeiro está ali. Ele não é apenas uma ―pessoa legal‖, mas Aquele
que pagou o preço por nós. Aquele que nos amou ―de tal maneira‖
(Jo 3:16, ARA).
Como você entende isso? Qualquer criança de oito anos pode
dizer: ―O Criador do Universo Se importa tanto comigo que veio à
Terra para pagar minha dívida com Seu sangue.‖ Se aceitamos
essa mensagem, nossa vida é mudada. A forma como se entende
o amor é importante, porque define como vamos responder ao
amor.
Pense nestas três questões: (1) Quem é a pessoa mais importante
de sua vida? (2) Quem é a pessoa que mais o machucou na vida?
Para a maioria de nós, não é muito difícil lembrar uma. (3) Você
seria capaz de se desfazer da pessoa que você mais ama em favor
daquele que mais feriu você?
Isso é o que o amor faz. O amor entrega o melhor para quem não
merece. O apóstolo Paulo diz: ―Cristo morreu pelos ímpios‖ (Rm
5:6). João afirma: ―Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo
deu a Sua vida por nós, e devemos dar a vida por nossos irmãos‖
(1Jo 3:16). O amor é o princípio pelo qual Deus dirige o Universo.
No Apocalipse, vemos os anjos e os 24 anciãos adorando a Deus
não apenas por Seu grande amor por eles, mas porque Ele ama
Seus filhos independentemente de quem sejam. Por isso O adoram,
pois é impossível experimentar o amor de Deus e não se prostrar
diante Dele.
É o que faremos por toda a eternidade, na companhia de seres
celestiais. Nós não sabemos exatamente o que isso significa. Tente
imaginar estar diante do Senhor, longe do pecado, das doenças e
da tentação. Imagine contemplá-Lo face a face, olhar para o
Cordeiro que nos amou e nos lavou de nossos pecados. Agora fica
mais fácil entender por que os 24 anciãos lançaram ―suas coroas
diante do trono‖ (Ap 4:10). O Céu é um lugar para adoradores!
Domingo 19 de julho
Louvor
Aleluia! Como é bom cantar louvores ao nosso Deus! Como é
agradável e próprio louvá-Lo! Salmo 147:1

Louvor é o coração alegre expressando gratidão a Deus. É uma


resposta do redimido à graça recebida. Vou contar um segredo a você.
Sempre tive vontade de cantar, mas esse não é o meu talento. Em
minha infância, eu cantava na igreja a plenos pulmões. Meu entusiasmo
era tão grande que minha voz se sobressaía às dos demais. Um dia, um
ancião da igreja veio falar comigo. Reconheço que ele foi bastante
cuidadoso quando me disse que a igreja estava impressionada por ver
como eu gostava de cantar. Com muito tato, para não ferir minha
sensibilidade juvenil, sugeriu que eu regulasse o volume de minha voz. A
partir daí, compreendi que cantar não era uma de minhas maiores
habilidades.
Um dia, descobri o segredo do louvor. Compreendi que, mesmo não
podendo ser um cantor, poderia louvar. Cantar tem que ver com talento;
louvar relaciona-se com a vida. Para cantar bem, é preciso habilidade,
treinamento, dom. Para louvar de coração, é necessário apenas
desfrutar a presença de Deus na vida.
Compreendi que o louvor é a mais pura expressão da adoração a Deus.
Percebi isso observando pessoas sinceras louvando a Deus. Em
especial, lembro-me de um santo homem, cujo louvor era tão sincero
que eu ficava emudecido ao observá-lo cantando. Era um homem de
oração.
Quando ele cantava, o que saía de seus lábios era adoração pura,
louvor sincero. Não tentava impressionar ao cantar. Percebi que seu
louvor era tão belo porque ele se relacionava com Cristo. Sua música
era parte de seus diálogos com Jesus. Aprendi que esse era o segredo
para a beleza do louvor a despeito de não se ter uma voz bonita.
A pessoa que aprendeu a louvar o Senhor fará isso em qualquer
circunstância, independentemente de qualquer coisa. Não há ninguém
como o nosso Deus! Se você está interessado em aprender a louvá-
Lo, abra o coração a Ele com fé. Acima de tudo, lembre-se: se Deus não
ouvir você cantando, não importa quem mais o ouvirá.
20 de julho Segunda
Louvar com alegria
Prestem culto ao SENHOR com alegria; entrem na Sua presença com
cânticos alegres. Salmo 100:2

O Salmo 100 é um dos salmos que eu gostaria de conhecer a


melodia. É um convite ao louvor. O salmista fala de uma adoração
cheia de alegria. Ele usa a palavra alegria três vezes para enfatizar
que Deus é feliz e deseja adoradores alegres. Esse é um salmo que
revigora a alma.
Shakespeare disse: ―O coração alegre está disposto o dia inteiro,
mas o coração triste se cansa no primeiro quilômetro.‖ A jornada
cristã é longa e cansativa, mas podemos cantar enquanto
caminhamos. Se estamos seguros de que a vida que Jesus oferece
é a mais feliz que existe, então deveríamos ter sempre um hino em
nossos lábios.
Você pode não saber cantar bem, mas, se foi salvo por Jesus
Cristo, o louvor alegre será uma realidade em sua vida. Encontre
uma pessoa que foi transformada e você achará um adorador feliz.
O louvor é a resposta adequada de quem reconhece o que Deus
fez em seu favor.
A palavra louvor significa elogio, exaltação e reconhecimento
sincero. Louvar é uma forma de expressar a Deus o quanto Ele é
maravilhoso. Você conhece alguém que possa fazer o que Deus
faz? No Salmo 100, Davi diz que ―Ele nos fez‖ (v. 3). Ele nos criou e
redimiu. Quem mais poderia fazer isso por nós?
Deus é maravilhoso, não é? Não existe ninguém como Ele. Nem
nos Céus nem na Terra. ―Ele é bom, e o Seu amor leal é sincero‖,
diz o salmista (v. 5). Cada vez que expressamos nosso amor e
admiração por Ele, estamos em atividade de louvor. Há muitas
maneiras de fazer isso. A oração é um meio de dizer a Ele que O
amamos, e o estudo da Bíblia é uma forma preciosa de
demonstrarmos o que sentimos por Ele. Cantar é uma forma
artística de louvar o nome de Deus.
Em geral, quando a igreja se une em adoração, o elemento do
louvor musical está presente. Nessas reuniões, a alegria é a marca
distintiva. Afinal, o próprio Deus pergunta: ―Com quem vocês Me
compararão? Quem se assemelha a Mim?‖ (Is 40:25). Abra seu
coração em louvor. Permita que a alegria do Céu invada sua vida e
adore o Senhor com coração feliz e satisfeito.
Terça 21 de julho
Louvar com paixão
Cantem salmos, hinos e cânticos espirituais com gratidão a Deus
em seu coração. Colossenses 3:16

Às vezes, penso que muitos membros da igreja perderam o


entusiasmo da fé. Alguns cultos se tornaram monótonos, formais e
frios. E o louvor, de certo modo, reflete essa apatia. Todas as
atividades que a igreja recomenda são realizadas, mas não há um
espírito de alegria e louvor. Como reacender a chama do louvor?
Por onde começar?
Em primeiro lugar, devemos reconhecer que temos falhado em
nossa paixão por Jesus. Por uma razão inexplicável, falta coração
em nosso louvor. A ausência de paixão é um desafio porque a
rotina da vida suga nossas energias. O abandono do primeiro amor
(Ap 2:4) serve também para muitas de nossas igrejas hoje.
E essa é uma realidade individual em primeiro lugar. Você se
lembra de quando foi batizado? Não queria perder nenhum culto,
chegava cedo para participar do louvor. Vivia cantando pelos
corredores. É preciso reacender a chama do primeiro amor.
Se você quer ter paixão por Jesus, fique perto do alimento de Sua
Palavra. Foi o que Ele disse: ―Aquele que se alimenta de Mim viverá
por Minha causa […]. As palavras que Eu lhes disse são espírito e
vida‖ (Jo 6:57, 63).
Isso não é tudo. Se quiser experimentar a alegria do louvor, louve
de maneira pessoal. Comece separando algum tempo de seu dia
só para louvar ao Senhor.
Louve a Deus pelo trabalho que Ele tem feito em sua vida, pelos
talentos e dons que lhe tem dado e por usá-lo como uma bênção.
Louve-O pela maneira como o tem protegido, guardado, dirigido e
sustentado. Você ficará admirado como esse tempo passará
depressa.
Em seguida, fique perto de alguém que gosta da presença de
Deus. Considerando que são poucos os que sabem louvar, sente-
se pertinho de alguém que inspira você a isso. Não posso explicar
exatamente o que acontece, mas posso garantir que o louvor é
contagioso.
Com as emoções corretas envolvidas na adoração, seu louvor
será verdadeiro e belo. Deixe que a alegria do Céu arda em seu
peito ao expressar sua gratidão a Deus.
22 de julho Quarta
Onde está o júbilo?
Toda a multidão dos discípulos começou a louvar a Deus
alegremente e em alta voz, por todos os milagres que tinham visto.
Lucas 19:37

Todos os quatro evangelhos registram a entrada triunfal de Jesus


em Jerusalém. Não houve ninguém que não ficasse sabendo de
Sua chegada. A multidão abalou Jerusalém.
Lucas relata que ―toda a multidão dos discípulos começou a
louvar a Deus alegremente e em alta voz‖ (19:37). Eles estavam
levando seu Rei para ser entronizado. Havia um mar de gente em
torno de Jesus. O louvor e o entusiasmo pouco a pouco foram
contagiando a multidão.
A palavra que deu o tom daquela manifestação foi ―Hosana‖. Essa
expressão era usada nas festas de Israel em especial quando o
povo cantava os Salmos 115 a 118. Durante o cântico ou recitação
desses salmos, as pessoas exclamavam: ―Aleluia!‖ e ―Hosana!‖.
Era uma exclamação de júbilo e uma invocação de bênção para o
Messias. Ele aceitou o louvor e a adoração da multidão. Jesus
estava montado num jumento com a postura de Rei, e o povo
extravasava suas emoções. O texto descreve uma explosão de
louvor.
Tudo estava em ordem. O objeto do louvor era Jesus. O espírito
era de gratidão. Estavam ali os troféus dos milagres de Jesus. Os
cegos, a quem Jesus tinha devolvido a visão, abriam a marcha da
vitória. Os mudos, cuja língua Ele havia soltado, eram os que
clamavam mais alto. Os que um dia foram paraplégicos saltavam
de alegria e foram os que subiram nas árvores para arrancar folhas
e jogá-las ao chão. Os leprosos purificados estendiam as vestes
limpas para a passagem do Rei. E Lázaro conduzia o animal no
qual Jesus estava montado. Todos clamavam: ―Hosana!‖
Os fariseus pediram a Jesus que mandasse Seus discípulos se
calarem. Ele respondeu: ―Se eles se calarem, as pedras clamarão‖
(Lc 19:40). Deus fez coisas tão grandiosas por nós que deveríamos
ter dificuldade de ficar calados. Fomos comprados com o precioso
sangue de Jesus. Podemos nos calar? Nunca! Fomos salvos da
destruição. Ficaremos em silêncio? Impossível! Quem compreende
o que Jesus fez não pode se calar.
Faça a descoberta mais linda da vida, ou seja, o que Deus fez,
faz e fará por você. Como resultado, o verdadeiro louvor estará
constantemente em seus lábios.
Quinta 23 de julho
Louvor na provação
Por volta da meia-noite, Paulo e Silas estavam orando e cantando
hinos a Deus. Atos 16:2S

A Bíblia conta que Paulo e Silas estavam indo orar e encontraram


uma escrava que tinha um espírito maligno que adivinhava o futuro
das pessoas. Ela passou a perturbar os dois homens de Deus por
vários dias. Então Paulo ordenou que o demônio saísse dela em
nome de Jesus. Por causa disso, os homens que exploravam
aquela mulher conseguiram que Paulo e Silas fossem brutalmente
chicoteados e presos.
Na prisão, Paulo e Silas resolveram cantar louvores a Deus.
Apesar do corpo machucado, cantaram hinos porque o coração
deles estava em Deus. Os dois missionários poderiam se lamentar
e murmurar, mas, em vez disso, escolheram orar e louvar. Eles
estavam seguros de que Aquele que os chamara não os tinha
abandonado.
Ninguém espera louvor na provação. Quando louvamos em
situações assim, o inimigo é surpreendido. E as pessoas à nossa
volta também ficam surpresas e perguntam de onde vem a força
para cantar.
E o mais incrível é que, como consequência, algo sobrenatural
sempre acontece. Enquanto Paulo e Silas louvavam, de repente,
houve um terremoto tão forte que as portas da prisão se abriram.
Acredito que, enquanto Paulo e Silas louvavam, os demais
prisioneiros ficaram sem entender como eles conseguiam ter tanta
fé naquele momento difícil. É provável que os prisioneiros tenham
chegado àquele lugar esperneando e xingando, mas encontraram
os servos de Jesus cantando ao Deus que está no controle de
tudo. O ambiente da prisão mudou. Houve luz naquele lugar
escuro, porque aqueles dois presos eram cidadãos livres de uma
terra que não tem noite.
Em muitos momentos da vida, somos tentados a reclamar e até
mesmo blasfemar contra Deus. A Bíblia, porém, apresenta uma
saída melhor: o louvor! Muitas pessoas não vão entender como
você consegue cantar, mesmo nos piores momentos. E você terá a
oportunidade de falar do amor de Deus e das maravilhas que Ele
fez em sua vida. Cante com alegria e louvor sobre a liberdade de
Cristo em sua vida.
24 de julho Sexta
Sacrifícios de louvor
Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um
sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o Seu
nome. Hebreus 13:1S

Para um judeu, adorar significava sacrificar. Se você vivesse nos


tempos bíblicos e quisesse adorar o Senhor, teria que ir a Jerusalém
para oferecer seu sacrifício. A vítima era aceita no lugar do pecador. Tudo
isso apontava para o que Cristo faria.
Na cruz, fomos substituídos. O Filho de Deus assumiu nossa
condenação. Desde então, a morte eterna não precisa mais ser nossa
realidade. Um sacrifício foi oferecido e aceito em nosso favor. Como
deveria ser nossa vida então?
No verso de hoje, Paulo diz que, em resposta, devemos oferecer um
sacrifício de louvor. Essa oferta é a expressão da gratidão que sai do
coração sincero que recebeu a salvação. O sacrifício de Jesus em nosso
favor foi tão grande que isso nunca deveria deixar de impactar nosso
coração.
O sacrifício de louvor ―é fruto de lábios que confessam‖ o nome de
Jesus (Hb 13:15). Confessar o nome de Jesus significa reconhecer os
méritos Dele. Seu sacrifício substitutivo foi suficiente para nos dar a vida
eterna. O louvor genuíno é a única resposta aceitável a tão grande amor.
Temos que responder a esta pergunta: O que vai mudar em minha vida
por Jesus ter me salvado? Se você não está falando sobre Jesus para as
outras pessoas, não compreendeu ainda o que Ele fez por você. O louvor
tem um apelo missionário. Você precisa confessar o nome de Jesus. É
verdade que a melhor maneira de confessar Jesus para o mundo é agir
como um cristão transformado. Mas isso não basta. Billy Graham dizia
que ―a melhor forma de louvor é o som de pés consagrados buscando
os perdidos e os fracos‖.
A Bíblia diz que, um dia, ―todo joelho‖ vai se dobrar e ―toda língua‖ vai
confessar ―que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai‖ (Fp
2:10, 11). Ofereça seu sacrifício de louvor a Ele hoje, com sua vida e
com seus lábios!
Sábado 25 de julho
Júbilo no Céu
Felizes os convidados para o banquete do casamento do Cordeiro!
Apocalipse 19:9

O Novo Testamento começa com o júbilo dos anjos no nascimento


de Cristo e termina com o louvor ao Cordeiro. Quase no final do
Apocalipse, encontramos o seguinte convite à adoração: ―Então
veio do trono uma voz, conclamando: ‗Louvem o nosso Deus, todos
vocês, Seus servos, vocês que O temem, tanto pequenos como
grandes!‘‖ (Ap 19:5).
Em resposta a essa conclamação, lemos: ―Então ouvi algo
semelhante ao som de uma grande multidão, como o estrondo de
muitas águas e fortes trovões, que bradava: Aleluia!, pois reina o
Senhor, o nosso Deus, o Todo-Poderoso. Regozijemo-nos! Vamos
alegrar-nos e dar-Lhe glória! Pois chegou a hora do casamento do
Cordeiro, e a Sua noiva já se aprontou‖ (Ap 19:6, 7).
Uma enorme multidão vai se unir aos anjos de Deus para render
um louvor cheio de júbilo, cantando com alegria, soltando brados e
acenando ramos de palmeiras. Estaremos ao lado dos anjos, dos
anciãos, nos prostraremos e, a uma só voz, bradaremos: ―Amém!
Louvor e glória, sabedoria e ação de graças, honra, poder e força
sejam ao nosso Deus para todo o sempre. Amém!‖ (Ap 7:12).
Nas bodas do Cordeiro, haverá uma grande celebração. Todos
cantarão com alegria. A visão de João fala do poder de Jesus
Cristo no fim de todas as coisas. O apóstolo viu Jesus como Ele é:
o Rei majestoso, exaltado, entronizado. Não há razão para duvidar
de que esse será um dia extraordinário. A maravilha desse dia é
que uma sensação vibrante de vitória encherá de alegria todos os
que estiverem ali. Vamos aclamar o nosso Rei.
O que resta saber é se você estará lá para celebrá-Lo também.
Todos os que estiverem na grande multidão cantarão. Já confirmei
minha presença. Mesmo que meu dom não seja cantar bem,
naquele dia vou soltar minha voz. Quero ver então alguém ter a
coragem de me mandar cantar mais baixo!
Será que teremos que esperar ir para o Céu para apresentar ao
nosso Deus adoração autêntica e louvor cheio de emoção? Claro
que não! Por que não extravasar nosso júbilo para o Senhor hoje?
Cristo já é o que sempre será.
26 de julho Domingo
Gratidão
Deem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de
Deus para vocês em Cristo Jesus. 1 Tessalonicenses S:18

Há alguns anos, uma rádio da cidade de São Paulo distribuiu adesivos


para carros que diziam: ―Já fui assaltado!‖ No tempo em que vivi em São
Paulo, vi o carro de vários irmãos com aquele adesivo. Em resposta a
isso, um pastor perguntou a uma grande igreja por que os membros não
adesivavam seus carros com a frase: ―Já fui abençoado!‖
Muita gente gosta de enfatizar o negativo. Alguns se aproximam dos
outros dizendo: ―Tem um problemão aí!‖ E nem sempre a coisa é tão
grave assim. Às vezes nos preocupamos com alguma coisa que está nos
faltando, como dinheiro para pagar contas, roupa para ir a uma festa, o
último lançamento em tecnologia, etc., mas não percebemos que temos
muitas coisas pelas quais agradecer.
Comece a enumerar as bênçãos de sua vida e perceberá que tem
motivos de sobra para louvar. Cultivemos o hábito de olhar para o que
temos em vez de só ver para aquilo que não temos. Como cristãos,
somos mais abençoados do que a média das pessoas. Mesmo
enfrentando dificuldades, contamos com a maravilhosa presença de Deus
que nos acalma com paz e esperança.
Precisamos aprender a agradecer pelas coisas simples da vida e
reconhecer tudo o que o Senhor tem feito por nós. Repita para si mesmo
cada manhã: ―Sou muito abençoado!‖
Conta-se que, em sua infância, Blaise Pascal entrou em casa ofegante
e disse:
– Papai, Deus fez um milagre em minha vida hoje!
– O que Deus fez, filho? – perguntou o pai.
– Estava andando a cavalo, caí e não me machuquei.
– Deus fez um milagre ainda maior por mim hoje, filho. Andei a cavalo
e não caí!
Precisamos ser gratos não apenas pelos atos extraordinários de Deus
em nosso favor, mas também pelas coisas lindas que Ele faz em nosso
dia a dia. As bênçãos são tantas que não dá para contá- las. Devemos
ser gratos por tudo.
Segunda 27 de julho
SEJA AGRADECIDO
Não deixo de dar graças por vocês, mencionando-os em minhas
orações. Efésios 1:16

Qualquer pessoa educada sabe que deve agradecer quando


recebe um presente. Com certeza, todos temos o sentimento de
gratidão por alguém. A gratidão se expressa de várias maneiras:
podemos falar para a pessoa, cuidar bem do que ela nos deu, fazer
um agrado a quem se mostrou generoso, retribuir o presente
recebido, orar ou mesmo dar um forte abraço.
Precisamos criar o hábito de agradecer, sendo capazes de dizer
às pessoas como elas impressionaram nossa vida para o bem.
Valorize quem merece essa atenção. O apóstolo Paulo nos deixou
um belo exemplo em suas cartas. Ele cita o nome de seus
colaboradores e lhes atribui boas qualidades cristãs: ―amado‖,
―notáveis‖, ―aprovado em Cristo‖, ―eleito no Senhor‖, ―santos‖ (veja
Rm 16). A igreja é feita de gente que se ama, se respeita e se
protege. Por isso, sejamos agradecidos.
Teríamos mais alegria na vida se fôssemos mais agradecidos. Os
relacionamentos entre pais e filhos seriam mais saudáveis; os
casamentos, mais duradouros; e o trabalho, mais produtivo.
Teríamos mais saúde. A gratidão faz bem à saúde física e
emocional. Vários estudos demonstram que a gratidão aumenta a
satisfação daquele que a expressa, além de ajudar a diminuir os
níveis de depressão, ansiedade e estresse no trabalho. Ela nos faz
dormir melhor e nos enche de otimismo e entusiasmo pela vida. Há
um poder extraordinário na gratidão.
Se eu fosse agradecer cada pessoa que o Senhor colocou em
meu caminho para me abençoar, teria que viver outra vida para
chegar a cada uma delas com uma lembrança que representasse
meu carinho. Essas pessoas estão guardadas em meu coração e
em minha memória. Se eu pudesse fazer um tributo a elas, o faria.
Alegro-me em poder dizer que já expressei minha gratidão a
algumas dessas pessoas, mas não a todas ainda.
Pense nas pessoas que têm feito algo para abençoar sua vida;
agradeça-lhes com um cartão, um pequeno presente, uma ligação
telefônica, uma palavra de reconhecimento. Transforme esta
semana em uma semana de gratidão. Invente surpresas para
aqueles que abençoaram você. Não guarde as flores para o
funeral. Será tarde demais!
28 de julho Terça
Salmos de gratidão
Foi naquele dia que, pela primeira vez, Davi encarregou Asafe e
seus parentes de louvarem o SENHOR com salmos de gratidão. 1
Crônicas 16:7

Davi era um homem agradecido. Como sei disso? Ele reconhecia


a mão de Deus agindo em seu favor em cada etapa de sua
caminhada. Ele foi coroado rei e colocou como meta número um de
seu governo trazer a arca de volta para Jerusalém. E ele se alegrou
muito quando conseguiu realizar esse sonho.
Em um fim de tarde, Davi estava em seu palácio e viu o
tabernáculo do outro lado, no monte à sua frente e pensou: ―Eu
moro num palácio, e o meu Deus mora em uma tenda. Vou construir
uma casa para Deus‖ (ver 1Cr 17:1). O Senhor não lhe permitiu,
porém deixou Davi fazer todos os preparativos para a construção
do templo. Mais do que isso, o rei preparou a liturgia do culto. Ele
compôs a maior parte do hinário do templo. Criou alguns
instrumentos, preparou o coral e nomeou o ministro de louvor.
A maioria dos salmos de Davi começa com atitudes de louvor,
exaltação e gratidão a Deus. Davi tinha um coração agradecido a
Deus por tudo o que o Senhor havia feito por ele pessoalmente e
também por seu povo. O que podemos aprender com Davi a
respeito da gratidão?
Um coração agradecido nunca se esquece dos feitos de Deus.
Louva e exalta o nome do Senhor e fala sobre o que o Senhor já
fez. Seja qual for a situação, sempre haverá motivos para
agradecer a Deus! Davi não somente louvava e agradecia com os
lábios, mas tinha um espírito agradecido.
Se você é um jovem que ama o Senhor, cante com alegria e
gratidão. Mas faça mais do que cantar, porque, na igreja, a música
é mais do que arte. É adoração. Viva para render graças ao Senhor
por Suas maravilhas! Em vários salmos de agradecimento,
aprendemos que o amor de Deus dura para sempre. Isso já é
motivo mais que suficiente para termos um coração grato.
Ellen White aconselha: ―Precisamos louvar mais a Deus […].
Estamos continuamente recebendo as misericórdias divinas e, no
entanto, como expressamos pouca gratidão, como O louvamos
pouco pelo que fez por nós‖ (Caminho a Cristo, p. 101, 64). Faça
de sua vida um salmo de exaltação a Deus. Permita que a gratidão
pelos grandes feitos do Senhor norteie sua existência.
Quarta 29 de julho
Sobra gratidão
Um deles, quando viu que estava curado, voltou, louvando a Deus
em alta voz. Prostrou-se aos pés de Jesus e Lhe agradeceu. Este
era samaritano. Lucas 17:1S, 16

Eram dez leprosos mutilados e unidos pela mesma dor. Segundo


uma antiga descrição, a doença se espalhava gradualmente nas
diferentes partes do corpo, o cabelo caía, as sobrancelhas
desapareciam, as unhas amoleciam e caíam e, mais tarde, os
dedos das mãos e dos pés apodreciam e caíam. As gengivas
contraíam-se, e a boca ficava sem os dentes. Os olhos, o nariz, a
língua, pouco a pouco sumiam também. Era uma cena difícil de se
ver. No entanto, uma pessoa que estava passando por isso foi
protagonista de uma das cenas mais lindas de gratidão registradas
na Bíblia.
Os famosos dez leprosos descobriram que Jesus tinha poder
para curar. Como ficaram sabendo? Em geral, doentes estão
sempre em busca de cura. Alguns fazem promessas,
experimentam remédios milagrosos; outros tomam qualquer coisa
que um amigo diga que é bom. Talvez algum parente tenha falado
a eles sobre os milagres de Jesus.
A lei dizia que eles não podiam se aproximar de alguém saudável
a uma distância menor do que 100 metros. Mesmo assim, deveriam
gritar ao longe: ―Imundo, imundo!‖, para abrir passagem. Um
homem que sofresse de lepra tinha que morar longe da família,
separado da companhia de todos. As consequências sociais da
lepra eram tão severas quanto as físicas. A lei dizia: ―Viverá
separado, fora do acampamento‖ (Lv 13:46). Que quadro poderia
ser mais triste do que esse?
Os dez leprosos constituíram o maior grupo que Jesus curou ao
mesmo tempo. Eles pediram um ato de misericórdia e receberam
mais do que esperavam. Porém, depois da cura, nove deles
seguiram direto para casa, para aqueles que amavam. Esses foram
cuidar da própria vida.
No entanto, um deles voltou para agradecer. Era um samaritano;
portanto, o menos provável para expressar fé e gratidão. Ele se
prostrou aos pés de Jesus em adoração e louvou a Deus ―em alta
voz‖. Sobrou gratidão naquele homem.
Em termos espirituais, o que Deus fez pelo leproso, fez por todos
nós. Ele nos curou. Qual deve ser nossa resposta? Um coração
transbordante de gratidão é tudo o que Ele espera. Volte-se para
Jesus hoje e agradeça por tudo o que Ele é, fez, faz e fará por nós.
30 de julho Quinta
A fragrância da gratidão
Estando Jesus em Betânia, reclinado à mesa na casa de um
homem conhecido como Simão, o leproso, aproximou-se Dele certa
mulher com um vaso de alabastro contendo um perfume muito
caro, feito de nardo puro. Ela quebrou o frasco e derramou o
perfume sobre a cabeça de Jesus. Marcos 14:3

O encontro aconteceu na casa de Simão. Ele havia sido leproso, mas


fora curado por Jesus. Lázaro também estava presente na festa. Ele
havia sido ressuscitado por Jesus. Na mesma festa, estava um homem
que tinha sido purificado da lepra e outro que fora liberto da morte.
Qual dos dois parece mais feliz e agradecido? Se era Simão ou Lázaro
nunca saberemos, porque uma mulher roubou a cena na festa. Ela não
teve medo de expressar sua gratidão. Maria estava com um frasco de
perfume que custava mais do que um ano inteiro do salário de um
trabalhador comum (Mc 14:5). Era ―nardo puro‖, ou seja, um produto
original, da melhor qualidade. Silenciosa e humildemente, ela se
inclinou aos pés de Jesus, quebrou o vaso e derramou seu conteúdo na
cabeça do Mestre. ―E a casa encheu-se com a fragrância do perfume‖
(Jo 12:3).
Subitamente, o perfume maravilhoso se sobrepôs ao cheiro dos
alimentos preparados por Marta. Enquanto o perfume escorria pela barba
do Mestre, Maria entornou o restante em Seus pés. Em João 12:3, é dito
que ela enxugou os pés de Jesus com os cabelos. Decididamente, ela
não estava preocupada com a opinião das pessoas, pois uma mulher
jamais soltava os cabelos em público.
A atitude de Maria chamou a atenção. Todos se voltaram para onde ela
estava. Seu ato de ungir a cabeça e os pés de Jesus era uma resposta
de gratidão pelo que Ele tinha feito por ela. O que ela fez só se fazia em
homenagem à realeza. Mas ali estava o Rei. Aos pés Dele, estava um
coração agradecido.
Jesus não apenas defendeu Maria, mas também aceitou seu presente.
Ela estava dando o melhor a Ele.
Que tal fazermos nosso melhor hoje, honrando nosso Rei e Senhor?
Quebre o vaso de seu coração e espalhe a fragrância de sua gratidão!
Sexta 31 de julho
A casa do mal-agradecido
Mas aquele a quem pouco foi perdoado, pouco ama. Lucas 7:47

Dizem que em Londres há a ―Rua dos mal-agradecidos‖. Acho


que essa não é uma exclusividade da capital da Inglaterra. Creio
que em cada cidade exista pelo menos uma rua dessa. Talvez
exista mais de uma. Nessas ruas, provavelmente haja também a
casa do mal-agradecido. A pergunta é: Você mora em uma casa
dessas?
Em Lucas 7, é narrado o relato em que Jesus é ungido por uma
mulher pecadora, na casa de Simão, o fariseu. Ellen White liga esse
relato à história de Maria (Mt 26:6-13; Mc 14:3-9; Jo 12:1-8; O
Desejado de Todas as Nações, p. 558, 559). Isso indica que Simão,
o leproso, era o mesmo Simão, o fariseu. E a mulher pecadora era
Maria de Betânia.
Simão havia sido curado por Jesus. Ele resolveu dar uma festa em
reconhecimento a Cristo. Mesmo curado, ele estava condenado a
viver numa casa sombria, a casa do mal-agradecido. Quando
Judas criticou a dádiva de Maria, Simão foi influenciado e ficou com
vergonha, pois Maria estava em sua casa. Ele achou que Jesus não
sabia quem ela era. Simão achava-se melhor do que ela.
Contudo, Jesus conhecia Maria e Simão. Com base nisso, contou
uma parábola de dois homens que deviam a um certo credor e não
podiam pagar. A dívida de um era imensa, a do outro, bem menor.
Os dois foram perdoados. Qual deles amará mais o homem
generoso?
A casa do mal-agradecido é habitada por gente que acha que a
bênção não é um presente, mas um direito. Para alguns, quanto
maior a bênção, maior o mérito por obtê-la. Pessoas assim
esquecem que as dádivas de Deus são fruto de Sua graça, que é
um dom que não merecemos.
A atitude correta diante de Deus é reconhecer a grandiosidade de
Seu amor e de Sua infinita misericórdia. Somente por isso fomos
alcançados e perdoados. O que somos ou fizemos não foi o que
induziu Deus a nos perdoar e abençoar. É tudo uma questão de
graça.
Ao pensar nas inúmeras bênçãos que recebemos, nosso coração
deve se encher de gratidão. Em resposta aos presentes de Deus,
devemos oferecer nosso melhor em reconhecimento à Sua
bondade sem fim.
Agosto
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

2 3 4 5 6 7 8

9 10 11 12 13 14 15

16 17 18 19 20 21 22

23 24 25 26 27 28 29

30 31
1º de agosto Sábado
AÇÃO DE GRAÇAS
Que darei ao Senhor por todos os Seus benefícios para comigo?
Salmo 116:12, ARA

Acredito que tudo o que acontece em nossa vida pode ser um


motivo para agradecer. ―Que darei ao Senhor?‖ Essa é a pergunta
do coração agradecido. Cada um precisa respondê-la,
individualmente. As bênçãos do Senhor não têm preço. A única
coisa que podemos oferecer a Ele é devoção e gratidão.
No Salmo 116, o salmista enumera algumas coisas que podemos
apresentar como oferta de gratidão a Deus por tantas bênçãos
recebidas. A primeira é reconhecer Sua grande salvação (v. 13)
entregando a vida a Ele. Nas três parábolas de Lucas 15, a
celebração é o ponto alto de cada história. O pastor reuniu os
amigos e vizinhos para celebrar (v. 6); a mulher chamou as amigas
e vizinhas para comemorar (v. 9); e o pai festejou o retorno do filho
(v. 23). Veja quantas oportunidades de agradecer pela salvação!
Outra coisa a ser feita é invocar o nome do Senhor (Sl 116:13). O
Eterno fez tanto por mim, que eu teria que dar tudo e ainda ficaria
em débito. Quando a gente reconhece os feitos de Deus, uma
gratidão verdadeira explode dentro do coração. ―Louvado seja
Deus!‖ Essas são as primeiras palavras que saem de nossos
lábios.
A outra coisa que o salmista diz é que ele pagaria seus votos ao
Senhor na presença de todo o Seu povo (v. 14). Outra forma de
prestar gratidão a Deus é ser um cristão comprometido e fiel.
O salmista diz ainda que cumpriria seus votos a Deus ―na
presença de todo o Seu povo‖ (v. 18). Entendo que essa é uma
forma de dizer que ele iria celebrar a bondade do Senhor com sua
comunidade.
Recebemos a cura de uma doença? Vamos comemorar. Fomos
aprovados em um concurso? É hora de reunir os amigos para
agradecer ao Senhor. Compramos ou construímos a casa própria?
Isso merece um culto de ação de graças. Quero desafiar você a
reunir os queridos para celebrar, na presença do Senhor, todas as
Suas bênçãos.
Você é agradecido? O que dará ao Senhor por tudo o que Ele tem
feito em sua vida?
Domingo 2 de agosto
Bondade
Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros. Efésios
4:32

Em nossa sociedade, a bondade muitas vezes é associada à fraqueza.


Muitos acham que uma pessoa boa não se expõe, não tem opinião e
cede sempre em favor do outro. Mais preocupante, no entanto, é que
muita gente valoriza a esperteza, aplaudindo comportamentos que não
são éticos e que passam longe da bondade.
A Bíblia diz que o crente deve ser bondoso. Essa é uma das
características centrais dos filhos da luz. Ellen White ensinou que o
argumento mais poderoso que podemos mostrar ao mundo é um cristão
que ―sabe amar e é amável‖ (A Ciência do Bom Viver, p. 480).
Em outras palavras, a bondade é uma característica essencial dos
filhos de Deus. É a virtude da pessoa que sempre faz o bem. Deus
deseja que Seus filhos sejam bondosos. Bondade é o amor em ação!
Quantas pessoas você conhece que podem ser consideradas
bondosas? Não estou falando de simpatia e gentileza. Essas são
práticas importantes de qualquer um que seja educado. Porém, a
bondade tem algo mais a oferecer. O verdadeiro indicador de que uma
pessoa é realmente bondosa é o que ela faz em favor dos outros. É o
caráter expressando-se em atos práticos de bondade.
O apóstolo João disse: ―Filhinhos, não amemos de palavra nem de
boca, mas em ação e em verdade‖ (1Jo 3:18). As nossas ações são mais
importantes do que as nossas palavras. O mundo que ainda não
conhece a Deus será impactado por meio dos atos de bondade que verá
em nossa vida. Temos a grande responsabilidade de representar a
Cristo em um mundo carente de amor.
O que você pode fazer hoje para se tornar mais parecido com Jesus e
ser uma representação viva de Seu amor pelos seus colegas de
trabalho, amigos da escola, vizinhos ou desconhecidos?
3 de agosto Segunda
Como podemos ser bons?
Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus
filhos, quanto mais o Pai de vocês. Mateus 7:11

Na Bíblia, existe uma distinção óbvia entre bondade e maldade. Jesus


afirmou que só Deus é bom (Mc 10:18). E Ele deixou claro que existem
indivíduos bons e maus (Mt 5:45). Podemos ter um currículo cheio de
atos louváveis, mas a bondade não faz parte de nossa natureza.
Via de regra, a Bíblia diz que a humanidade é inerentemente má.
Podemos ver a maldade imperando em nosso mundo. Desde pequenos,
demonstramos uma inclinação para o mal. Nem a boa educação pode
resolver isso.
A bondade é uma virtude exclusiva de Deus. O que fazemos de bom
pelos outros não é fruto de nossa natureza. Quando comparados ao
padrão absoluto do amor divino, todos os nossos atos de bondade têm
uma motivação egoísta.
Dostoiévski escreveu um livro sobre o tempo que passou em um campo
de concentração na Sibéria. Alguns dos piores criminosos da Rússia
estavam encarcerados lá. Aqueles homens haviam cometido crimes
terríveis e odiosos. Mesmo assim, Dostoiévski percebeu como, às vezes,
aqueles homens eram capazes de demonstrar algumas atitudes gentis e
bondosas. A lição é que até mesmo os piores homens podem praticar
atos amáveis, mas jamais conseguem manter uma atitude constante de
amor. Ninguém consegue sem Deus.
A bondade é um dom de Deus, um fruto do Espírito (Gl 5:22). Em Sua
graça, Deus nos regenera e nos dá uma nova natureza. Assim,
recebemos poder e desejo de fazer o bem. Ele faz mais do que nos
transformar de dentro para fora; Deus nos faz crescer. Em parceria com o
Espírito Santo, pedindo a Ele, a cada dia, que nos encha com Sua
bondade, podemos nos tornar semelhantes a Cristo.
Podemos ser eventualmente bons, mas nossa tendência não é essa.
Somente recebendo a Cristo no coração e permitindo que Ele nos
transforme dia a dia, a bondade de Deus será uma realidade constante
em nós.
Terça 4 de agosto
DEUS É BOM
Provem, e vejam como o Senhor é bom. Como é feliz o homem que
Nele se refugia! Salmo 34:8

Sem Deus não existiria bondade. Esse é um atributo do Deus


Criador do Céu e da Terra. O Senhor é bom por natureza e em tudo
o que faz. Sua bondade é o padrão para medir todo e qualquer tipo
de bondade.
Qualquer pessoa que tenha experimentado a bondade de Deus
poderá testemunhar que Ele é bom! Eu já provei Sua bondade e
Seu amor. Ele é tão bom que pode transformar nosso caos em
bênção. Eu sei que não é fácil acreditar nisso quando estamos
diante de um problema aparentemente insolúvel e até mesmo
diante das tragédias de cada dia. Ainda assim, no meio do caos,
Ele permanece bom! Acredite em mim: nossas circunstâncias ruins
não interferem na bondade de Deus.
Vivemos em um mundo contaminado pelo pecado. À nossa volta
vemos doenças, violência doméstica, corrupção, maldade com os
animais, racismo e tantas outras tragédias que nos apavoram.
Muitas coisas ruins acontecem, mas elas não alteram o caráter
bondoso de Deus. Ele criou um mundo bom. O sábio diz que ―Deus
fez ao homem reto, mas ele buscou muitas invenções‖ (Ec 7:29,
ARC). A criação era completamente boa quando saiu das mãos do
Criador, mas o pecado estragou tudo.
Ainda assim, o Eterno intervém nos dias ruins para nos lembrar de
que não somos nada sem Ele. Desafio você a provar o Senhor.
Pense em sua vida. O que você seria se tivesse que tocar sua vida
sozinho? Teria chegado até onde chegou? Talvez você tenha
nascido em uma família problemática, mas tem sobrevivido, não
tem? Talvez você tenha nascido pobre, mas você pôde estudar, não
é? Talvez você viva em luta com alguma tentação, mas a graça o
alcançou, não foi?
Prove o Senhor. Prove Sua bondade. Faça um teste com Deus!
Tudo que temos é pela bondade do Criador. Ele nos dá a vida, o
sopro de Seu Espírito, o ar que respiramos, a saúde para
trabalharmos, a inteligência e o conhecimento para avançarmos e
adquirirmos coisas nesse mundo. Ele faz tudo isso para nos
abençoar. Quem mais faria isso por você e por mim?
A essência da bondade divina, contudo, foi corporificada na
pessoa de Jesus Cristo. Sua vida era uma expressão autêntica da
bondade. O Senhor Jesus Cristo é meu bom Pastor. Nele tenho
tudo de que preciso!
Grave esta verdade em sua mente: Deus é bom. Em todo o tempo
Ele é bom!
5 de agosto Quarta
Quem é o meu próximo?
Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: “E quem é o
meu próximo?” Lucas 10:29

O verso de hoje foi o ponto de partida para a parábola de Jesus


sobre um samaritano que socorre um judeu. Você não faz ideia do
quanto essa história foi radical! Judeus e samaritanos não se
falavam nem trocavam favores. Os samaritanos eram pessoas
social e religiosamente proscritas.
Jesus contou a parábola porque um doutor da lei Lhe perguntou
quem era seu próximo. Ele mostrou que o próximo é qualquer um
caído na beira da estrada, sem distinção entre amigos e inimigos,
gente boa ou ruim. Jesus usou o exemplo do bom samaritano que
mostrou bondade para com um homem que fora quase morto por
ladrões ao descer de Jerusalém a Jericó. Ele cuidou daquele
homem sem ao menos questionar quem ele era ou porque estava
lá.
Assim devemos agir, movidos de compaixão para com os que
precisam. Jesus disse que temos que ser como aquele
samaritano. Um ato de bondade ensinará mais sobre o amor de
Deus do que mil sermões pregados de um púlpito. Você entende o
que Jesus quis dizer quando contou essa parábola?
Quem é meu próximo? É todo aquele caído na beira da estrada
da vida. Não é preciso um nome nem um rosto. Aliás, em geral, o
caído na beira da estrada não tem nome nem rosto. Se o sacerdote
e o levita tivessem reconhecido o homem ferido, provavelmente
tivessem feito alguma coisa. Mas, como não o reconheceram,
passaram para o outro lado da calçada. Não era problema deles.
Por toda a Bíblia, o Senhor condena os pecados de omissão tanto
quanto os pecados de comissão. Você sabe a diferença? Os
pecados de comissão são aqueles cometidos por transgressão:
matar, roubar, adulterar, mentir, etc. Deus odeia o pecado de
qualquer espécie. Mas, em geral, tratamos esses pecados como
capitais. Os de omissão são os nossos não atos; o que deixamos
de fazer. Acreditamos que o primeiro grupo de pecados é mais
ofensivo e que o segundo não é importante para Deus. Engano!
Temos a responsabilidade de socorrer aqueles que estão caídos
na beira da estrada. Em Tiago 4:17, está escrito: ―Quem sabe que
deve fazer o bem e não o faz comete pecado.‖ Não podemos
cruzar os braços, fechar os olhos ou atravessar a rua. Não
podemos ofender a Deus cometendo o pecado da omissão.
Quando ajudamos a levantar os que estão caídos, estamos
contribuindo para que muitas pessoas encontrem o caminho do
Céu.
Quinta 6 de agosto
Fruto do espírito
Aquele que faz o bem é de Deus. 3 João 11

A bondade não é apenas um conceito imaginário, mas um fruto


do Espírito que deve ser desenvolvido a partir do instante em que
Jesus passa a fazer parte de nossa vida. O fruto do Espírito não é
algo que conseguimos gerar por nós mesmos. É algo que Deus
produz em nós quando Lhe entregamos a vida.
Em Gálatas 5:22 e 23, Paulo apresenta nove qualidades que
descrevem o caráter de um cristão guiado pelo Espírito de Deus.
Cada qualidade descrita ali representa um atributo divino
comunicado pelo Céu ao pecador redimido. É óbvio que esse fruto
não se materializa em nossa vida da noite para o dia. É obra de
uma vida inteira. Para produzir o fruto do Espírito em nós, Deus
planta a semente e a faz germinar e crescer.
Como Deus produz amor em nossa vida, por exemplo? Primeiro,
Ele derrama Seu amor em nosso coração e depois nos cerca de
gente difícil de amar. Aprendemos a amar de fato quando amamos
aquele indivíduo chato do trabalho ou da escola. Deus nos ensina a
amar, levando-nos a praticar o amor com pessoas que não
―merecem‖ ser amadas.
O mesmo acontece com a bondade. Todos podem ser bondosos
ao lado de gente boa. Isso não nos faz crescer. Deus nos ensina a
sermos bondosos no meio da maldade, normalmente colocando
em nosso caminho pessoas e situações difíceis. Em Miqueias 6:8
(ARA), está escrito que Deus exige que Seu povo ame a
misericórdia. Amar a misericórdia é ser bondoso, amoroso e
generoso, principalmente com quem não merece. Não são as obras
que fazem o homem bom, mas o homem bom faz as boas obras. A
bondade é um fruto do Espírito e um argumento poderoso de que
estamos crescendo no Senhor.
A pessoa bondosa é de uma generosidade sem tamanho e não
mede esforços para ajudar outras pessoas. Podemos dar
testemunho aos que vivem a nosso redor de que temos algo
―diferente‖ em nossa vida, praticando os princípios da bondade.
O fruto do Espírito nos torna pessoas mais parecidas com Cristo.
Convide o Espírito Santo a reinar livremente em sua vida. Como
resultado, um fruto amoroso brotará em você.
7 de agosto Sexta
Bondade na prática
O jejum que desejo não é […] partilhar sua comida com o faminto,
abrigar o pobre desamparado, vestir o nu que você encontrou, e
não recusar ajuda ao próximo? Isaías S8:6, 7

Há quanto tempo você não faz uma avaliação sobre o que Deus
tem lhe dado e diz: ―Pai, obrigado‖? Deus é bom. As tragédias e as
injustiças do mundo não mudam esse fato. Reconheça a bondade
de Deus por você e compartilhe-a com os outros.
Não sabe como? ―Uma palavra bondosa pode aquecer três
meses de inverno‖, diz um ditado oriental. Você pode fazer coisas
simples, como estender a mão para ajudar alguém em
necessidade, ser atencioso e disposto em relação aos problemas
dos outros, etc.
Como cristãos, não podemos fechar os olhos para a realidade
cruel do mundo. Pessoas ainda morrem de fome, a prostituição
infantil é um fato em muitos lugares. Carências essenciais, como
água limpa e saneamento básico, fazem parte da vida de muita
gente.
Não basta chorar e sentir pena. Precisamos fazer algo. O Senhor
diz, em Isaías 58, que não adianta jejuar sem um coração
compassivo nem cultivar uma vida piedosa sem demonstrar
bondade pelos que sofrem. Essa máscara religiosa não vale nada
para Deus.
Somos a resposta que o mundo precisa. Ignoramos o sofrimento
alheio porque achamos que não há nada que possamos fazer. Mas
a verdade é que podemos sim. E talvez seja mais simples do que
pensamos.
Em Jope, havia uma mulher incrível chamada Dorcas. Ela
praticava atos de bondade como costureira (ver At 9:36-41). Fazia
o que estava a seu alcance: roupas para suprir as necessidades de
pessoas carentes.
Gostaria de desafiar você hoje a fazer alguma coisa prática para
diminuir o sofrimento de alguém. Jesus disse: ―Pois Eu tive fome, e
vocês Me deram de comer; tive sede, e vocês Me deram de beber;
fui estrangeiro, e vocês Me acolheram; necessitei de roupas, e
vocês Me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de Mim;
estive preso, e vocês Me visitaram‖ (Mt 25:35, 36). Quem ajuda um
necessitado faz algo para o próprio Deus. No dia do juízo, o critério
final será o amor na prática.
Sábado 8 de agosto
Bondade para sempre
Sei que a bondade e a fidelidade me acompanharão todos os dias
da minha vida, e voltarei à casa do SENHOR enquanto eu viver. Salmo
23:6

Quando relembro minha história, vejo Deus agindo em cada


etapa. Minha família é humilde e sempre tive uma saúde frágil. Por
conta disso, houve momentos em que duvidei de que pudesse me
tornar alguém. Tudo parecia conspirar contra. Mas, quando olho
para trás, vejo a mão soberana de Deus guiando minha vida. Não
tenho como duvidar da bondade de Deus.
Davi argumenta que podemos ter essa certeza. Ele diz:
―Certamente a bondade e a misericórdia me seguirão todos os
dias‖ (ARA). Enquanto passamos por essa vida, somos seguidos
de perto, ou melhor, perseguidos ou caçados pela bondade e pelo
amor de Deus. Para Spurgeon, a bondade e a misericórdia no fim
do Salmo 23 são ―anjos guardiões gêmeos‖. Frederick B. Meyer as
chama de ―escolta celestial‖. Outro comentarista bíblico se refere a
elas como ―cães pastores de Deus‖.
Quem estaria acompanhando Davi com bondade e amor todos os
dias de sua vida? Ninguém menos que o próprio Deus, o bom
Pastor, grande protagonista do poema. Antes de subir ao Céu,
Jesus prometeu a Seus discípulos: ―Estarei sempre com vocês, até
o fim dos tempos‖ (Mt 28:20).
O ser humano nasce, cresce, se reproduz e morre. Mas existe
muito mais em jogo do que isso. Em Cristo, é possível desfrutar a
certeza revelada por Davi. Não somos prisioneiros do destino nem
fantoches da cadeia evolutiva. Há um projeto de Deus para nós.
Estamos numa jornada que começa na Terra, passa
temporariamente pelo túmulo, mas termina no Céu, ao lado do
Senhor. Estamos a caminho de casa, e o Senhor está conosco.
A bondade e a misericórdia estão sempre nos seguindo. Nem
todo dia é dia de festa, mas como é bom viver tendo a presença de
Jesus!
9 de agosto Domingo
Verdade
Santifica-os na verdade; a Tua Palavra é a verdade. João 17:17

Anualmente a equipe do dicionário Oxford elege a palavra mais


importante para a língua inglesa. Em 2016, a escolhida foi ―pós-
verdade‖. De acordo com o dicionário, o prefixo ―pós‖ transmite a
ideia de que a verdade ficou para trás. Esse é um neologismo
usado para indicar que as pessoas preferem os boatos aos fatos.
O profeta diz que ―o coração é mais enganoso que qualquer outra
coisa‖ (Jr 17:9). Isso explica por que a mentira tem ganhado cada
vez mais espaço na sociedade. Quase todo mundo conhece
alguém culpado por não dizer a verdade. As relações humanas
estão contaminadas pelo vírus da mentira. E, em tempos de redes
sociais, essa doença tem ficado ainda mais perigosa.
Mesmo assim, não gostamos de pessoas mentirosas. Gente que
tem esse mau costume não é bem aceita no ambiente de trabalho,
por exemplo. Os empregadores não querem um funcionário em
quem não possam confiar.
Na vida, sonhamos em encontrar uma pessoa que olhe em
nossos olhos e diga que nos ama com paixão e que seus atos
confirmem suas palavras. Queremos amigos que não mintam para
nós. Afinal, ninguém gosta de ser enganado. No entanto, todos nós
já fomos passados para trás de alguma maneira.
Por isso, para definir a verdade, precisamos de um padrão
absoluto. Em Provérbios 12:22, é dito que ―o SENHOR odeia os lábios
mentirosos‖. Deus abomina tanto a mentira que escreveu nos Dez
Mandamentos assim: ―Não darás falso testemunho contra o teu
próximo‖ (Êx 20:16). Deus sabia que sem um padrão absoluto os
casamentos acabariam ruindo, os negócios se tornariam inviáveis,
as amizades não durariam muito tempo, a igreja perderia seu poder
e a sociedade desmoronaria.
As Escrituras nos ensinam a falar a verdade como norma de vida.
Tentar descobrir a verdade sem o auxílio da Bíblia é o mesmo que
querer pilotar um avião sem conhecer o manual de pilotagem. Não
é apenas arriscado, é impossível. A Bíblia é o guia absoluto da
verdade. A Palavra de Deus é a fonte principal de toda a verdade.
Nossa verdade particular ou mesmo nossa consciência não podem
ser contrárias à verdade absoluta da Escritura Sagrada. Portanto,
torne a Palavra de Deus o leme de sua vida, pagando o preço que
for necessário!
Segunda 10 de agosto
O testemunho da consciência
Mostram que as exigências da Lei estão gravadas em seu coração.
Disso dão testemunho também a sua consciência e os
pensamentos deles,ora acusando-os, ora defendendo-os. Romanos
2:1S

A consciência é a nossa base de dados interna para a tomada de


decisões. A questão é: Qual é a fonte que está alimentando nossa
consciência? Frequentemente encontro jovens que dizem confiar na
própria consciência. Quase sempre quem diz isso nem mesmo
sabe o que é consciência. Ela é um impulso interno que nos dá a
percepção do que está acontecendo à nossa volta.
O teólogo norueguês Ole Hallesby disse que ―a consciência é a
percepção de uma lei sagrada, sobre-humana‖. O apóstolo Paulo
chama a consciência de lei interior que reflete a lei de Deus escrita
em nosso coração.
A consciência testemunha nossas ações e as expõe, avaliando-as
com base em seus critérios éticos. O que faz uma testemunha? Ela
conta o que viu e ouviu. Paulo diz que a consciência ora acusa, ora
defende. Ela nos acusa quando fazemos algo errado. Paulo usa o
gerúndio na palavra ―testemunhando‖, no original, com a intenção
de mostrar que ela está ativa o tempo todo.
E quando minha consciência entra em conflito com as Escrituras?
Esse é o problema. Nossa consciência não é infalível. Ela pode
estar errada. Pode ser pervertida. Pode se endurecer.
Para cada indivíduo, a função da consciência depende, em certo
grau, de sua experiência, maturidade e, principalmente, da
quantidade de verdade que está guardada em sua mente.
Portanto, nosso maior desafio é fornecer à nossa mente
informações verdadeiras nas quais ela possa se basear. Por isso a
Palavra de Deus deve ser nossa regra de fé e prática. Sem ela
como padrão, a consciência pode se perder nos descaminhos do
mundo.
A Bíblia é a bússola moral que nos ajuda a controlar a
consciência. Faça dela sua companheira hoje e sempre. Alimente-
se da revelação divina e permita que seus atos sejam modelados
pela vontade de Deus e brotem de uma consciência pura e limpa.
11 de agosto Terça
A verdadeira ciência
Pois nada podemos contra a verdade, mas somente em favor da
verdade. 2 Coríntios 13:8

Não confunda verdade científica com teorias. A explicação da


origem da vida por meio de processos evolutivos, por exemplo, é
apenas uma teoria sem comprovação. Por outro lado, a ciência
moderna descobriu leis que regulam a existência e cada
movimento no Universo. Há as leis físicas de Newton e muitas
outras. Isso é considerado verdade científica.
Essas ―constantes fundamentais‖ nas forças da natureza foram
decisivas para explicar algumas das realidades existentes no
tempo e no espaço. Essas descobertas nos auxiliam a dar sentido
ao mundo à nossa volta. No entanto, uma coisa é olhar para o
grande panorama do Universo e fazer as conexões dos padrões
existentes; outra bem diferente é achar que tudo isso surgiu por
acaso.
Lamentavelmente, o atual paradigma científico tem tratado os
pressupostos da teoria evolucionista como verdade absoluta. Por
conta disso, muita gente vê a ciência e a fé como incompatíveis.
Porém, a verdadeira ciência sempre estará em harmonia com a
Palavra de Deus.
Quando supostos empreendimentos científicos discordam da
revelação divina, é bom lembrar o que disse Richard H. Bube,
pesquisador da Universidade Stanford: ―Uma das mais perniciosas
mentiras e que tem sido quase universalmente aceita é a de que o
método científico é o único meio de avaliarmos a verdade.‖
Devemos reconhecer a contribuição da ciência para a sociedade,
mas em nome dela não se pode negar a fonte mais real e profunda
da verdade: a Palavra de Deus.
Uma verdade científica confiável tem que estar alicerçada naquilo
que testamos experimentalmente, conhecemos historicamente e
raciocinamos intelectualmente.
Embora a ciência seja uma importante fonte de verdade, existem
fatos no Universo para os quais a ciência não tem explicação. Todo
o conhecimento existente no mundo é insuficiente. Isso nos obriga
a ter sempre Deus como fonte suprema de verdade. Faça a
experiência ―científica‖ de se relacionar com Ele. Você fará
descobertas maravilhosas.
Quarta 12 de agosto
A verdade doutrinária
A verdade é a essência da Tua palavra. Salmos 119:160

A Igreja Adventista tem um profundo compromisso com a verdade


doutrinária. Cremos que a Bíblia é a suprema autoridade de nossa
fé e prática. Nossa geração tem o privilégio de examinar a Bíblia,
confiando que ela é um documento rigorosamente histórico. Os
fatos apresentados nela foram testados e atestados como
absolutamente verídicos.
Observe este fato: em meados do século 20, foram descobertos
os manuscritos do Mar Morto numa região conhecida como
Qumran. Um grupo de beduínos descobriu numa caverna os
primeiros rolos. Depois, os arqueólogos encontraram mais dez
cavernas com inúmeros manuscritos.
Esse achado revelou também a mais completa coleção de livros
da Bíblia. Na verdade, entre os rolos estavam todos os livros do AT,
com exceção do livro de Ester. O livro de Isaías, por exemplo,
estava em 17 folhas de pergaminho, que mediam 7,15 metros de
comprimento. A Bíblia é inteiramente confiável. Deus tem
compromisso com Sua Palavra.
Há inúmeras descobertas fascinantes que comprovam a
veracidade da Bíblia. Toda doutrina deve estar alicerçada nela, e
nada além dela. Ao longo da história, houve muitos desvios da
verdade.
Na contramão, a Igreja Adventista surgiu como um movimento de
estudo sistemático da Palavra de Deus. Os pioneiros (maioria
jovem) passavam noites inteiras em estudo das verdades bíblicas.
O desejo de Deus é que isso aconteça hoje também. Se não
estivermos alicerçados na verdade, seremos levados por qualquer
novidade doutrinária. O ―assim diz o Senhor‖ é o alicerce sobre o
qual depositamos nossa fé.
Existem seguimentos no cristianismo em que a experiência
religiosa é colocada acima das verdades reveladas do texto bíblico.
Isso é um erro. A adoração não substitui a revelação. É preciso um
reavivamento do estudo da Bíblia entre nós. Assim, nossa
experiência religiosa trilhará caminhos seguros. O Eterno tem zelo
por Sua Palavra. Em resposta a essa realidade, os jovens fiéis
devem amá-la e estudá-la com afinco.
13 de agosto Quinta
A verdade encarnada
Eu sou […] a verdade. João 14:6

Vivemos em um tempo de relativização da verdade. Por não


acreditar em valores absolutos, o ser humano pós-moderno rejeita o
conceito de verdade. Esse é um tremendo desafio para a fé,
porque o cristianismo é fundamentado em conceitos absolutos e é
sustentado pela fé na revelação.
No relativismo, cada um tem a própria verdade. Muitos pensam na
verdade como se fosse apenas um conceito. Mas a verdade é
muito mais que uma ideia que possa ser interpretada de modos
diversos. A verdade é uma pessoa: Jesus. Ele disse: ―Eu sou […] a
verdade.‖ E isso muda completamente a história. Jesus afirmou
que, para chegar ao conhecimento da verdade, é necessário um
relacionamento pessoal com Ele (Jo 8:32, 36). Observe que Ele não
disse ―Eu sou uma verdade‖, mas ―a verdade‖. Só Ele pode
encaminhar a humanidade a Deus.
A verdade é viva; não um código morto. Os ensinamentos cristãos
existem para revelar Jesus, que é a verdade. Jamais as doutrinas
podem estar em oposição a Cristo ou pretender substituí-Lo.
Em Jesus, existe uma combinação sem paralelo entre graça e
verdade. A verdade mais fundamental do Universo é que, em
Cristo, Deus salvou a humanidade sem comprometer Sua justiça.
Em Jesus, Deus é gracioso para conosco e verdadeiro Consigo
mesmo. Essa é a diferença essencial entre Jesus e outras
pretensas divindades.
Ele é Deus conosco (Is 7:14). Deus entre nós. Deus que não Se
contentou em ficar a distância. Ele veio nos visitar em Jesus. Esse
Deus vive em Seus filhos fiéis.
Passarão o céu e a terra, mas não passará nenhuma verdade
pronunciada pelos lábios de Jesus. Tudo o que Ele ensinou e
ordenou durará até a eternidade. Precisamente por isso devemos
pregar, ensinar e, principalmente, viver a verdade.
Sexta 14 de agosto
A verdade presente
Se bem que vocês já as sabem e estão solidamente firmados na
verdade que receberam. 2 Pedro 1:12

A Igreja Adventista do Sétimo Dia é um movimento profético para


o tempo do fim. Ela tem a responsabilidade de pregar a ―verdade
presente‖. Cremos que nossa igreja é um movimento profético de
pregação e restauração da verdade para o período do tempo do
fim.
Na Bíblia, há apenas uma mensagem: o evangelho eterno (Ap
14:6). No entanto, em cada época, o Senhor sempre teve um povo
proclamando Sua verdade. Para todas as gerações, há uma
mensagem apropriada para aquele momento e situação. No relato
sobre Noé, a ênfase divina é colocada na mensagem de
advertência a respeito do dilúvio. Em grande parte do Novo
Testamento, a mensagem central concentra-se no fato de Jesus
morrer e ressuscitar para salvar a humanidade. Enfim, para cada
período da história, Deus tem uma mensagem específica. Essa
mensagem é denominada ―verdade presente‖.
A mensagem para o último período da história do mundo está
esboçada em Apocalipse 14:6 a 12 e 18:1 a 4. Os pioneiros
adventistas acreditavam que Deus os tinha chamado para pregar
uma mensagem distinta das outras denominações. Eles
desenvolveram um conceito mais amplo de verdade presente que
incluía o sábado, a lei de Deus, o ministério de Cristo no santuário
celestial, a reforma de saúde, o estado dos mortos e a justiça de
Cristo.
A Igreja Adventista foi estabelecida com a missão mundial de
avisar o mundo de que Cristo voltará em breve. Nossas crenças
devem estar na ponta da língua de cada membro da igreja.
Precisamos ser capazes de explicar para qualquer pessoa, e com
simplicidade, essas verdades para o tempo do fim. Afinal, essa é a
nossa missão.
15 de agosto Sábado
Fake news
Portanto, cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar a
verdade ao seu próximo, pois todos somos membros de um mesmo
corpo. Efésios 4:2S

Jesus ensinou que o diabo é o ―pai da mentira‖ (Jo 8:44). Em


Provérbios 6:17, a língua mentirosa é indicada como uma das seis
coisas que Deus odeia. A compreensão disso é muito importante
porque vivemos num tempo em que a repercussão de uma mentira
pode atingir inúmeras pessoas em poucos minutos e acarretar
prejuízos morais e até mesmo financeiros.
Fake news é o nome que se dá às notícias falsas veiculadas
principalmente na internet. Com as novas tecnologias, a circulação
de notícias cresceu assustadoramente. No entanto, essas
informações são muitas vezes modificadas e veiculadas na internet
com o propósito de manipular pessoas e eventos.
Se sobram informações em nossos dias, infelizmente faltam
critérios para escolher o que passar adiante nas redes sociais. O
apóstolo Paulo apresenta dicas importantes em Filipenses 4:8. Elas
nos orientam em relação a compartilhar uma mensagem:
―Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for
nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for
amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente
ou digno de louvor, pensem nessas coisas.‖
O apóstolo destaca seis coisas específicas: verdade, nobreza,
correção, pureza, amabilidade e boa fama. Antes de compartilhar
qualquer conteúdo na rede, precisamos submetê-lo aos critérios
santos da passagem acima. Além disso, é preciso saber quem é o
responsável legal pelas publicações e se quem fez a postagem tem
credibilidade.
Mais do que isso, é necessário sair da bolha da rede social. Existe
vida fora da internet. Isso não significa ficar desinformado ou
desconectado das pessoas. Inegavelmente a web pode ter espaço
em nossa vida, mas não deve sufocar nossa existência. Quem vive
submerso nessa condição é tentado a perder os critérios da
realidade. Por isso, as fakes news se tornaram um fenômeno tão
forte em nossos dias.
Fuja das difamações, mexericos e críticas negativas no mundo
real e virtual. Tudo o que dizemos deve ser verdade, nada mais que
a verdade. Ponto final.
Domingo 16 de agosto
Princípios e normas
Portanto, amados, sabendo disso, guardem-se para que não sejam
levados pelo erro dos que não têm princípios morais, nem percam a
sua firmeza e caiam. 2 Pedro 3:17

Todos precisamos de princípios confiáveis para pautarmos nossa


vida. Responda rápido: Onde estão firmados seus valores? Se a
resposta é na Palavra de Deus, você está na direção correta. A
Bíblia deve ser nossa regra de fé e prática. O segredo para
sobreviver às influências da vida é cultivar uma mentalidade bíblica.
Para tomar decisões corretas, é preciso saber a diferença entre
princípios e normas. Na Bíblia encontramos os dois tipos. Princípios
são eternos e universais; normas são temporárias e aplicáveis a
determinados contextos.
Por exemplo, o princípio da modéstia cristã é facilmente
identificável nas Escrituras. Com base nesse valor, entendemos que
os cristãos devem se trajar com simplicidade, decência e bom
senso.
Nos tempos bíblicos, havia uma forma concreta e cultural de
aplicação desse princípio. As mulheres, por exemplo, deviam usar
um véu. Obviamente essa regra não está em vigor hoje. Existem
meios mais apropriados na atualidade para expressar o princípio da
modéstia.
Não devemos desmerecer as regras. Elas são a aplicação
concreta dos princípios. Sem elas, os valores ficam vagos e
subjetivos. Porém, precisamos entender que elas podem passar e
são adaptáveis aos diferentes contextos culturais. Outra coisa
importante: as regras jamais podem contradizer os princípios
bíblicos. Elas emprestam significado objetivo para eles.
Quem se apega apenas às regras e não entende os princípios por
trás delas tende a ter uma religião legalista e hipócrita. Por sua vez,
aqueles que aprenderam a viver por princípios têm uma bússola
interna para ajudá-los nas decisões da vida.
É preciso seguir os princípios da Bíblia. Assim, com a orientação
do Espírito Santo, você se submeterá às normas que lhe permitirão
viver de maneira correta. Peça a Deus para compreender Seus
princípios e ore para que Ele lhe dê forças para cumprir as normas
correspondentes.
17 de agosto Segunda
Princípios são eternos
Temos vivido em tendas e obedecido fielmente a tudo o que nosso
antepassado Jonadabe nos ordenou. Jeremias 3S:10

Estou convencido de que os filhos farão o que os pais ensinam se


aprenderem a viver por princípios e não por regras. Meus filhos hoje
são jovens, e eu louvo a Deus porque eles estão fazendo escolhas
que honram ao Senhor e me enchem de orgulho.
A história dos recabitas é desconhecida da maioria. Eles são
mencionados apenas em Jeremias 35. Os recabitas eram um povo
nômade. O patriarca da família se chamava Jonadabe. Ele ordenou
que seus filhos jamais bebessem nada que contivesse álcool. Eles
deveriam morar em tendas e seguir hábitos de temperança.
O Senhor ordenou ao profeta Jeremias que chamasse os
recabitas e os colocasse diante do povo de Israel como modelo de
obediência. Quando você lê a história na Bíblia, descobre que essa
era uma família de princípios.
Por ordem de Deus, eles foram autorizados pelo profeta a beber
vinho. Mas eles se recusaram e disseram que nunca haviam
quebrado uma regra de família. Eles haviam aprendido a viver por
princípio. Os recabitas temiam a Deus e obedeciam aos princípios
herdados de seu tataravô. Eles são um exemplo de fidelidade a
compromissos assumidos.
As ordens de um pai bom e sábio protegeram gerações dos
males da intemperança. Duzentos e cinquenta anos depois, os
recabitas ainda levavam a sério uma regra importante da família.
Essa regra era firmada em princípios eternos. Talvez eles fossem
chamados de tolos, fanáticos ou coisas do gênero, mas não
cederam. Deus prometeu abençoar a descendência dos recabitas
para sempre. Ainda hoje existem recabitas no Oriente Médio. Na
Arábia, perto de Meca, foi descoberta uma tribo que se diz
descendente de Jonadabe, além de outra, de beduínos, perto do
Mar Morto. Deus mantém Sua promessa há quase 3 mil anos!
Onde estão os filhos que têm a ousadia de viver o que pais, mães
e avós fiéis ensinam? Quando Deus dá uma ordem, ela se torna um
princípio eterno. Ele espera que Lhe obedeçamos. Portanto, custe o
que custar, não tenha medo de ser diferente!
Terça 18 de agosto
Desde a juventude
Tenho adorado o Senhor desde a minha juventude. 1 Reis 18:12

Elias e Obadias eram muito diferentes um do outro. Um era


profeta; o outro, mordomo. Um era de ação; o outro, reservado e
tímido. Elias era corajoso, mas temeu Jezabel. Obadias, mesmo
temendo, protegeu os servos de Deus, em desafio à rainha.
Elias e Obadias se encontraram no deserto. O grande profeta
pediu uma audiência com o rei Acabe. Obadias teve receio em ser
intermediário dessa reunião, pois Elias podia ser arrebatado por
Deus a qualquer momento. E Acabe ficaria bem revoltado com
quem marcou o encontro. Obadias pediu então garantias para
Elias, argumentado que aprendera a ser fiel ―desde a juventude‖.
Esse é o ponto. A fidelidade de Obadias não era recente.
Como ele aprendeu isso? Provavelmente com os pais. Filhos
aprendem os princípios de vida na família. É nesse ambiente que
os princípios são formados. Pais sábios ensinam os filhos a cultivar
o caráter. À medida que crescem, encorajam os filhos a
permanecerem firmes no que aprenderam, mesmo que isso tenha
um preço.
Ainda pequeno, Obadias foi ensinado a obedecer a Deus.
Recebeu um nome que significa ―servo do Senhor‖. Isso é
interessante porque, naquela época, Baal era o deus do momento.
É provável que Obadias estivesse entre os 7 mil que não haviam se
ajoelhado a Baal. Isso não é fruto do acaso. Na base dessa
personalidade corajosa e leal, estava uma educação para a
eternidade.
A Bíblia diz que todos fomos gerados em iniquidade. Em
Provérbios 20:11, está escrito que a criança revela as tendências
de seu coração desde cedo. Por isso, os pais precisam prestar
atenção a seu ―anjinho‖ e ensinar na prática princípios que serão
seguidos pela vida toda. Ainda pequenos aprendemos a formar
hábitos santos.
Achamos que Deus faz um grande milagre quando transforma a
vida de uma pessoa adulta ou idosa. No entanto, para mim, esse
não é o maior milagre. Creio que fantástico mesmo é o testemunho
de um jovem que permanece fiel a vida toda! Como Obadias, fiel
―desde a juventude‖!
19 de agosto Quarta
Uma mulher de princípios
De acordo com a lei, o que se deve fazer à rainha Vasti? Ela não
obedeceu à ordem do rei Xerxes transmitida pelos oficiais. Ester
1:1S

Descobrimos no livro de Ester uma mulher cheia de atitude. Não


estou pensando na encantadora Ester, mas em Vasti, uma pessoa
de personalidade e convicções fortes. Ela era a esposa do rei
Assuero, também conhecido como Xerxes. A história se passa por
volta do ano 470 a.C., em Susã, uma das capitais do império. Não
havia homem com maior poder na Terra do que Assuero. Ele
resolveu dar uma festa que durou 180 dias.
É claro que toda aquela bebedeira não terminaria bem. Assuero
ordenou que trouxessem a rainha para ser exibida diante de seus
convidados. A Bíblia diz que o rei ordenou ―que trouxessem à sua
presença a rainha Vasti, usando a coroa real‖ (v. 11). Alguns
estudiosos da Bíblia acreditam que ela deveria apresentar-se sem o
véu, o que já seria um escândalo. Outros propõem que ela deveria
comparecer só usando a coroa, completamente nua, o que seria
uma indignidade. Seja como for, a rainha simplesmente recusou-se
a atender à ordem do rei.
Vasti era uma mulher pagã, mas tinha princípios. Defendeu sua
honra ainda que isso lhe custasse um alto preço. Por causa dessa
desobediência, Vasti perdeu o cargo de rainha.
Tenho uma admiração muito grande por essa mulher, porque ela
foi fiel à sua consciência. Mulheres como Vasti são cada dia mais
raras, e homens como Assuero são cada dia mais comuns!
Alguns pais têm duas éticas: uma para os filhos homens, e outra
para as mulheres. As regras para os rapazes tendem a ser mais
permissivas em relação à pureza sexual. Em geral, as moças
recebem uma educação mais enfática quanto a esse ponto.
Atualmente, porém, o quadro está mudando. O que já era errado
em relação aos meninos está se estendendo também para as
meninas. E isso tem representado um sério prejuízo moral para a
sociedade.
Nossas jovens não podem se render ao padrão libertino da
sociedade. Os princípios bíblicos devem ser a base das escolhas
que elas fazem. Diante de tanta pressão contra os valores da
Palavra de Deus, precisamos de mulheres como Vasti, que tenham
a coragem de dizer ―não‖.
Quinta 20 de agosto
Princípios são inegociáveis
O rei conversou com eles, e não encontrou ninguém comparável a
Daniel, Hananias, Misael e Azarias. Daniel 1:19

A história se passa em Babilônia. No primeiro capítulo do livro de


Daniel, encontramos a chegada dos jovens hebreus ao palácio de
Nabucodonosor. Eles foram selecionados para estudar na melhor
universidade da época. Entre os jovens, estavam Daniel, Hananias,
Misael e Azarias. Os rapazes hebreus são uma prova de que gente
de princípio pode se manter íntegra durante o período da
faculdade.
Mesmo longe da terra natal, da família, e em meio a adversidades,
aqueles jovens não perderam sua verdadeira identidade. Jovens
que recebem base espiritual no lar são preparados para se
manterem fiéis mesmo longe de casa.
Diante da mesa atraente, aqueles jovens decidiram não se
contaminar com a comida e a bebida do rei. Eles tinham
convicções fortes e não se deixavam levar pelas circunstâncias. É
sempre mais fácil tomar decisões ao lado do que é certo quando
você conhece seus valores.
Em um meio impregnado de paganismo, longe dos olhos
amorosos dos pais, aqueles jovens permaneceram fiéis a Deus.
Muitos querem justificar a infidelidade por conta da pressão do
grupo. A história dos jovens hebreus em Babilônia acaba com
esses argumentos.
Nem a ameaça à vida foi suficiente para enfraquecer a confiança
deles em Deus. Quando Nabucodonosor os condenou à morte com
os demais sábios, eles se uniram em oração. Suplicaram a
misericórdia de Deus. O Senhor os atendeu.
Em pé, diante da grande imagem erguida na planície de Dura,
eles nos ensinam que jovens de princípios não se curvam. A ordem
era que, ouvida a música, todos deveriam se ajoelhar. Eles não
obedeceram à ordem. De modo firme, disseram ao rei
Nabucodonosor que sua decisão de adorar somente ao Senhor
era inegociável: ―Se o Deus a quem servimos quiser, Ele nos livrará,
se não quiser, continuaremos fiéis a Ele‖ (ver Dn 3:16-18). Eles
declararam sua confiança em Deus. O Eterno é o Deus presente.
Sempre ao lado dos Seus.
A fidelidade daqueles jovens foi um grande testemunho. Eles
foram para a fornalha, mas Jesus seguiu com eles para lá. O
imperador do mundo da época viu Cristo por causa da atitude
deles. Princípios são inegociáveis. Pense nisso.
21 de agosto Sexta
Uma questão de honra
Honra teu pai e tua mãe — este é o primeiro mandamento com
promessa — para que tudo te corra bem e tenhas longa vida sobre
a terra. Efésios 6:2, 3

Certa vez perguntei a alguns colegas de trabalho que princípios


eles receberam de seus pais e que gostariam de passar adiante.
Percebi que dois pontos se destacavam: agir com honestidade e
falar sempre a verdade.
Em geral, os filhos sentem vontade de dar seu grito de
independência. Alguns fazem isso com sabedoria; outros com
rebeldia. É natural que os filhos reclamem do controle dos pais
porque, quando a idade chega, todo mundo quer ser dono do
próprio nariz. Contudo, a disciplina dos pais é um fator
importantíssimo para nosso amadurecimento. Sem ela, fica uma
sensação de abandono. Se os filhos ouvissem mais os pais,
errariam menos na vida.
A ordem divina é que os filhos devem honrar seus pais. Honrar
quer dizer respeitar, tratar com dignidade, valorizar e obedecer.
Esse é o dever dos filhos. É um grande privilégio para os pais
lançar alicerces firmes no caráter de seus descendentes.
Honrar pai e mãe é se associar com pessoas de boa reputação.
Quanto mais próximos são os amigos, mais eles nos influenciam
nos valores, princípios morais, hábitos e objetivos de vida. Por isso,
escolha bem suas amizades.
Honrar pai e mãe é esforçar-se para ser um aluno aplicado. Já
viram como os pais falam com orgulho das notas escolares dos
filhos? Uma das maiores honrarias para os pais é poder dizer que
seus filhos são estudiosos. Quer encher seus pais de orgulho?
Termine seus estudos e dê o seu melhor. Seus pais têm sonhos.
Não os frustrem.
Honrar pai e mãe é tirar tempo para conversar com eles. Tratá-los
como amigos vai fazer bem para você e para eles. Não tenha
segredos em casa.
Como pai, posso garantir que o sucesso de meus filhos é
importante para mim. Mas não estou preocupado se eles vão morar
numa casa maravilhosa, se receberão um alto salário ou terão
prestígio na sociedade. O que realmente importa é se honrarão a
Deus em tudo o que fizerem e em todas as escolhas da vida.
O filho que honra pai e mãe enche de alegria o coração deles (ver
Pv 10:1). Além disso, você não deve se esquecer da promessa do
quinto mandamento: vida longa. Isso se refere à qualidade de vida
na Terra e à eternidade no Céu. Faça disso o objetivo de sua vida.
Sábado 22 de agosto
Hoje são regras, amanhã serão
princípios
O filho sábio acolhe a instrução do pai, mas o zombador não ouve a
repreensão. Provérbios 13:1

O livro de Provérbios é estruturado como uma conversa entre pais


e filhos. O autor optou pelo estilo poético e usou a estrutura do
paralelismo, em que uma afirmação é feita em uma linha e depois é
repetida de uma forma similar na outra. Os provérbios não são
ditados populares; são lições sobre como levar uma vida pautada
por princípios divinos.
Escrevi o seguinte em minha Bíblia: ―Principal lição de Provérbios
para mim: controle sua mente, seu coração e sua boca e você será
mais feliz. Valeu, Salomão!‖ Não apliquei todas as lições do livro em
minha vida, mas posso afirmar que dei alguns passos mais
coerentes por causa de suas orientações.
Você quer ser um jovem de princípios? Dê atenção às regras de
seus pais. Os mais importantes princípios da vida são elaborados,
estabelecidos e firmados dentro de casa. Quem foi criado debaixo
do guarda-chuva de pais sábios foi abençoado com um legado
para a eternidade.
Os pais têm direito a estabelecer regras. Se você não concorda
com elas, sente-se com eles e peça para dar sua opinião. Eles não
ouvem? Experimente colocá-los sentados à sua frente e propor as
condições da conversa: um fala de cada vez sem interrupção.
Lembre-se, porém, de que você não pode resmungar nem
esquecer quem manda na relação: seus pais. Dialogue, exponha
seus argumentos com respeito e jamais se revolte contra eles. Seus
pais amam você e sempre querem seu melhor.
É preciso compreender que os pais têm o direto de estabelecer
as regras. Eis algumas delas: critérios para o namoro, horário para
voltar para casa e muitos outros direitos e deveres que podem
variar de uma casa para outra.
Sei que não é a quantidade de regras que incomoda você, mas a
forma como isso é feito. Posso garantir, porém, que hoje são regras,
amanhã serão princípios.
23 de agosto Domingo
Honestidade
Feliz é o homem que empresta com generosidade e que com
honestidade conduz os seus negócios. Salmo 112:S

A honestidade é um princípio moral fundamental. É muito mais do


que simplesmente não roubar nem dizer uma mentira deslavada. É
viver de maneira íntegra. Ao longo da história, os honestos sempre
receberam algum tipo de honra.
Houve uma época em que práticas como a mentira, roubo e
imoralidade eram veementemente rejeitadas pela sociedade.
Assim, havia uma certa equivalência entre o discurso da igreja e da
moralidade social.
Hoje, porém, nossa geração não sabe definir com clareza a
diferença entre uma coisa e outra. Há pouco tempo, a sociedade
ocidental defendia uma ética judaico-cristã. Colocava-se grande
ênfase no trabalho como forma de sustento. Ensinava-se aos filhos
que a economia deveria ser cultivada desde cedo, poupando-se
uma porcentagem do que se recebia.
Hoje, os tempos são outros. Claramente, a sociedade moderna
forçou uma mudança drástica de comportamento. A publicidade
procura inflamar constantemente nosso desejo de comprar coisas.
Está sempre diante de nossos olhos alguma ―necessidade‖.
Existe o estímulo para que essa ―necessidade‖ seja satisfeita a
qualquer preço. Contudo, é aqui que a armadilha aparece. A
tentação de buscar ganho fácil é, sem dúvida, uma estratégia do
diabo para nos escravizar e nos tornar incapazes de exercer
influência em favor do reino de Deus no mundo em que vivemos.
Por tudo isso, para viver com honestidade, é necessário
estabelecer um conjunto de regras capazes de nos ajudar a seguir
adiante e de cabeça erguida. Eis aqui algumas dicas já testadas
para uma vida melhor: não pegue nada que não lhe pertence; não
gaste mais do que ganha; fique longe de dívidas; faça um
orçamento e registre tudo; cultive o contentamento.
Em todos os aspectos da vida, o cristão deve procurar viver de
modo coerente com a fé que professa. O cristianismo é um estilo de
vida diferente dos que são adotados na sociedade atual.
Se queremos ser felizes neste mundo e no porvir comecemos
aqui. A pessoa honesta é feliz!
Segunda 24 de agosto
O oitavo mandamento
O que furtava não furte mais; antes trabalhe, fazendo algo útil com
as mãos, para que tenha o que repartir com quem estiver em
necessidade. Efésios 4:28

A honestidade faz parte do estilo de vida do povo de Deus.


Significa ser verdadeiro, correto em tudo o que se faz. Implica não
roubar, não enganar nem cometer qualquer fraude. É ausência de
mentiras, trapaça e engano. O indivíduo honesto é confiável. Ele
repudia a esperteza e o desejo de querer levar vantagem em tudo e
sobre todos.
O oitavo mandamento da lei de Deus traz uma ordem para uma
vida de honestidade: ―Não furtarás‖ (Êx 20:15). O mandamento se
refere a qualquer negócio com vantagem ilícita que deixe o outro no
prejuízo. Envolve muito mais do que apenas o furto e o roubo de
objetos pessoais. O mandamento trata da apropriação indevida
daquilo que não lhe pertence, motivada pela ambição ou por
desejos fora do controle.
A Bíblia está cheia de conselhos a respeito dos bens materiais.
Essas bênçãos nos são concedidas em proporções diferentes, que
variam de uma pessoa para outra. São privilégios, não direitos.
Dependendo das aptidões inatas, dadas por Deus, alguns terão
mais do que outros. É verdade que alguns recebem uma herança
em vida que não exige nenhum esforço de sua parte. Contudo, a
Bíblia é clara ao dizer que precisamos merecer, mediante o
trabalho, aquilo que gostaríamos de ter (Ef 4:28).
Quando os bens materiais são a medida do coração, a pessoa se
sente pressionada a ter qualquer coisa, de qualquer modo. Para
lidar com essa luta interior, o oitavo mandamento deixa claro que
devemos respeitar o que pertence aos outros. Deus Se preocupou
com a propriedade privada. Ele proíbe não apenas o furto no
sentido mais comum em nossa linguagem, mas também a mentira,
a falsidade, o engano e a desonestidade de qualquer tipo.
Colocando o oitavo mandamento de forma positiva, eu diria:
respeite o que pertence ao outro. O que é seu é seu. O que é do
outro é do outro. Devolva o que você pegou emprestado e pague
suas contas em dia!
Dessa forma, você será uma pessoa confiável e respeitável na
sociedade terrena. E o mais importante: desenvolverá uma
característica fundamental dos cidadãos do Céu.
25 de agosto Terça
Vantagem em tudo
Não furtem. Não mintam. Não enganem uns aos outros. Levítico
19:11

Existe por aí uma filosofia não declarada de que ―o mundo é dos


espertos‖. Essa frase sugere que passar os outros para trás é um grande
negócio. Em nosso país, as leis são desrespeitadas o tempo todo. A
desonestidade está no DNA de muitos. Em geral, quem consegue levar
alguma vantagem se sente o máximo. Lamentável!
O ―jeitinho‖ brasileiro tornou-se um expediente criativo para forjar regras
particulares, flexibilizando ou quebrando normas que deveriam se aplicar
a todos. Essa coisa negativa geralmente coloca as relações pessoais
acima do dever.
Em Levítico 19:11, Deus ordena a Seu povo que não furte nem engane
os outros. Se você ler Levítico 19 atentamente, verá que esse capítulo
repete a frase ―Eu sou o SENHOR‖ 15 vezes. Esse capítulo tem 58
mandamentos. São várias regras cerimoniais, culturais, morais, sociais,
civis e espirituais. Para cada conjunto de regras, o Eterno afirma: ―Eu sou
o SENHOR.‖ Quando aceitamos o senhorio de Deus, rejeitamos as normas
sociais impostas por nossa cultura ou herança nacional. Passamos a
enxergar o pecado como Deus vê: sujo, profano e imundo.
Os servos de Deus são corretos em tudo. Precisamos parar de furar
fila, pedir um atestado médico indevido, baixar músicas piratas, etc.
Essa lista é quase infindável. Os velhos padrões de comportamento
devem ficar no passado. Basicamente, concordamos com Deus: o que
Ele julga como errado a Seus olhos é errado para nós também. A melhor
coisa a fazer é viver pela fé, com lucros ou perdas.
O Senhor conhece nosso coração. Não adianta tentar colocar uma
pedra em cima do pecado. Se o que nos move é tirar proveito das
situações e das pessoas, isso não passará despercebido pelo Senhor.
Na prática, a honestidade nos deixará cada dia mais fortes.
A maior vantagem da vida é aquela que obtemos pela bênção de Deus.
Seja honesto e, sem precisar de esperteza, você será muito bem-
sucedido.
Quarta 26 de agosto
O sistema Mamom
Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito, e quem é desonesto
no pouco, também é desonesto no muito. Lucas 16:10

Um dos mitos que existem sobre o dinheiro é que ele é neutro e que
tudo depende do uso que fazemos dele. No entanto, Jesus falou que as
riquezas pertencem ao mundo (ver Lc 16:9). Na parábola do semeador, o
Mestre ensinou que as riquezas enganam e sufocam. O dinheiro causa
ilusão e a falsa sensação de que pode ocupar o lugar de Deus em nossa
vida. Por isso, Cristo foi tão enfático em Seus ensinos sobre o assunto.
O apóstolo Paulo disse que ―o amor ao dinheiro é a raiz de todos os
males‖ (1Tm 6:10). O problema, na realidade, é que o acúmulo de
riqueza faz parte de um sistema cruel chamado Mamom.
Mamom é a palavra aramaica para dinheiro ou riquezas. Significa
―aquilo em que alguém confia‖ ou ―algo que é entregue aos cuidados de
alguém‖. Jesus queria dizer que o dinheiro expõe o que domina o
coração do ser humano. Em Mateus 6:24, Ele diz que ―ninguém pode
servir a dois senhores; pois odiará a um e amará a outro, ou se dedicará
a um e desprezará o outro‖.
Tudo vem das mãos de Deus: a vida, o ar que respiramos, o que
possuímos, toda e qualquer coisa. Porém, quando falamos do dinheiro,
em geral, usamos a expressão: ―meu dinheiro‖. Esse é o problema:
pensamos que ele é ―nosso‖. Quando o homem pensa que possui
alguma coisa, em realidade essa coisa o possui. O dinheiro não deve
controlar nosso coração e nossas afeições.
Richard Foster disse que ―o dinheiro tem muitas das características da
divindade. Ele nos dá segurança, pode induzir a culpa, dá-nos liberdade,
dá-nos poder e parece ser onipresente. Mais sinistra do que tudo,
contudo, é reivindicação que faz à onipotência‖ (Dinheiro, Sexo e Poder,
p. 25).
Mamom reivindica a lealdade e o amor que pertencem somente a Deus.
Cuidado para não ser prisioneiro das garras do dinheiro. Ele causa um
tipo de cobiça que corrompe o coração e o afasta de Deus.
27 de agosto Quinta
Reparação do erro
Portanto, se você estiver apresentando sua oferta diante do altar e
ali se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe sua
oferta ali, diante do altar, e vá primeiro reconciliar-se com seu irmão;
depois volte e apresente a sua oferta. Mateus S:23, 24

A honestidade exige a reparação do erro, mas não é fácil encarar o


passado. Uma vez que os laços de confiança tenham sido quebrados, o
caminho de volta é cheio de pedras.
Isso sempre me lembra da experiência de Zaqueu. Ele levantou- se
diante do Senhor e prometeu devolver quatro vezes mais o que tomara
inadequadamente dos outros. ―Nenhum arrependimento é genuíno, a
menos que realize uma obra de reforma. […] Toda pessoa convertida,
como Zaqueu, indica a entrada de Cristo no coração ao abandonar as
práticas injustas que marcaram sua vida. Como o líder dos publicanos,
dará provas de sua sinceridade devolvendo o que não lhe pertence‖ (O
Desejado de Todas as Nações, p. 555, 556).
Imagine a atitude de Zaqueu após Jesus ter saído de Jericó.
Lembrando-se da promessa que fizera ao Mestre, ele chama um
empregado da casa e diz:
— Vá à casa de Simeão e peça a ele para vir aqui.
Simeão chega, e Zaqueu o leva para o escritório. Trancada a porta, ele
o faz sentar:
— Simeão, lembra-se daquele negócio que fizemos no ano passado.
Eu enganei você. Deveria ter cobrado tanto e cobrei a mais. Faça de
conta que seu dinheiro estava aplicado a juros no banco. Estou
devolvendo quatro vezes mais. Perdoe-me. Aqui está o que é seu.
— Por que isso, Zaqueu?
— Por causa de Jesus. Ele mudou meu viver. Prometi a Ele que faria
isso.
Jesus nunca entra na vida de alguém para deixá-la igual. Ele não traz
um simples adesivo curativo. Ele traz a cura. Deixe-O restaurar
completamente sua vida. Você só tem a ganhar com isso.
Sexta 28 de agosto
Roubando a Deus
Pode um homem roubar a Deus? Contudo vocês estão Me
roubando. E ainda perguntam: Como é que Te roubamos? Nos
dízimos e nas ofertas. Malaquias 3:8

Uma das mais sérias questões da honestidade tem a ver com a


fidelidade a Deus na devolução dos dízimos. Cada um de nós deve
devolver ao Senhor dez por cento de nossos rendimentos. Essa parte é o
dízimo, que já pertence ao Senhor.
Esse dinheiro deve ser separado à medida que é ganho. Funciona
assim: tudo pertence ao Senhor. A vida, a família, os bens, o emprego, o
salário, o mundo todo. Tudo é de Deus. Então, Ele nos coloca como
mordomos do que pertence a Ele.
Para saber se eu mereço a confiança depositada em mim, Ele
determinou o dízimo como norma de fidelidade. É como se dissesse:
– Tome isso aqui, cuide para Mim. Pode usar à vontade. Mas, para que
você não se esqueça de que tudo isso Me pertence, devolva para Mim a
décima parte.
Quando agimos assim, estamos reconhecendo que tudo pertence a
Deus e que Ele é a fonte de todas as bênçãos. Por isso, o plano Dele é
que a décima parte de nossos rendimentos seja separada antes de
qualquer outra coisa. Pagamentos do financiamento do automóvel,
serviços como água e luz, mensalidade da escola e cartão de crédito
devem ser pagos depois de separarmos o dízimo. Os outros noventa por
cento podem ser gastos de acordo com o que planejarmos para a glória
de Deus. Ele pedirá conta de tudo no
final. Não podemos nos esquecer disso.
Quem não devolve o dízimo rouba a Deus. Não existem meias palavras
para essa questão. Não importa o quanto ganhamos. O dízimo é
percentualmente a mesma quantidade tanto para o rico quanto para o
pobre: dez por cento.
Seja fiel nos dízimos e nas ofertas. Depois receba as mais ricas
bênçãos em sua vida. Não é teologia da prosperidade, mas teologia
da fidelidade.
29 de agosto Sábado
Cidadão do Céu
SENHOR, quem habitará no Teu santuário? Quem poderá morar no
Teu santo monte? Salmo 1S:1

A maioria de nós jamais roubaria qualquer coisa de outra pessoa. Não


somos ladrões. Porém, muita gente tem práticas desonestas, como a
pirataria, o plágio e a sonegação de impostos sem perceber a gravidade
disso. O cidadão do Céu é honesto em tudo o que faz nessa vida e,
assim, se prepara para a vida futura.
Convido você a fazer um pacto com Deus para acertar o que precisa
ser acertado. O cidadão do reino do Céu é íntegro, verdadeiro e
confiável. A vida de Davi exemplifica bem esse cidadão. Mesmo tendo
errado muito na vida, quando foi confrontado com seu pecado, ele foi
honesto em sua confissão. Acredito que, depois dessa experiência, ele
escreveu o Salmo 15, considerado o manual de conduta para o Céu.
Davi pergunta a Deus: ―SENHOR, quem habitará no Teu santuário? Quem
poderá morar no Teu santo monte?‖ Em seguida, ele mesmo responde,
como se estivesse fazendo um check-up espiritual.
O salmista apresenta as características do hóspede de Deus: ―Aquele
que é íntegro em sua conduta e pratica o que é justo [honestidade no
agir], que de coração fala a verdade e não usa a língua para difamar
[honestidade no falar], que nenhum mal faz a seu semelhante e não
lança calúnia contra o seu próximo, que rejeita quem merece desprezo,
mas honra os que temem o SENHOR [honestidade nas relações sociais],
que mantém a sua palavra, mesmo quando sai prejudicado, que não
empresta dinheiro visando ao lucro nem aceita suborno contra o inocente
[honestidade na prática]. Quem assim procede nunca será abalado!‖ (v.
2-5).
Deus está preparando um lugar maravilhoso para nós. Seu desejo é
que os habitantes desse novo mundo tenham caráter e conduta
compatíveis com o que Ele tem preparado. A honestidade é um dos
principais fatores que diferenciam os cidadãos do Céu. Seja honesto
aqui, pois isso preparará você para ser um dos habitantes do reino que
Deus está preparando para Seus filhos.
Domingo 30 de agosto
Liberdade
Andarei em verdadeira liberdade, pois tenho buscado os Teus
preceitos. Salmo 119:4S

Em geral, os mais jovens reivindicam o direito de ser livres. Alguns


dizem: ―Sou livre para fazer o que quiser de minha vida!‖ Para
muitos, liberdade é ter o direito de fazer o que quiser, sem dar
satisfação a ninguém. Mas isso é liberdade mesmo? Até onde vai a
nossa liberdade? Qual é a relação da liberdade com o fazer sempre
o que queremos? Qual é o conceito correto de liberdade?
A liberdade bíblica não é uma licença para fazer tudo que
queremos, sem consequências. Todos concordam que a liberdade
exige limites definidos para poder existir de forma saudável.
No verso de hoje, o salmista associa a verdadeira liberdade à
obediência. Obedecer é o segredo da liberdade. Aquele que faz o
que deve ser feito, de acordo com as normas previamente
estabelecidas, é o único que pode se portar e se conduzir
livremente na vida.
Ao contrário do que muita gente pensa, a obediência não nos
aprisiona. É por isso que as normas divinas nos libertam para
fazermos o que Deus planejou para nós. Quem obedece de fato
exerce a liberdade de escolha, pautando-se na reflexão sobre as
consequências de seus atos.
A liberdade é a capacidade de pensar, decidir e agir por si
mesmo, sem coerção ou constrangimento, dentro do limite das leis
estabelecidas. Ela tem três aspectos: físico (não somos escravos
de ninguém); moral (obedecemos por amor) e espiritual (a obra de
Cristo em nosso favor nos libertou do poder de Satanás, do
pecado, da morte, da condenação e do medo). O salmista diria que
a principal bênção da vida é ―andar em liberdade‖.
Deus nos criou como seres livres e, na cruz, em sofrimento, lutou
pelo nosso direito de escolher. O grande tirano da história é o
diabo. Ao vencê-lo na cruz, Cristo nos libertou da escravidão
imposta pelo inimigo. Por isso, diante de nós, sempre temos pelo
menos dois caminhos. Escolher o certo é nosso privilégio. Ao
exercer sua liberdade hoje, lembre-se de que ela vem de Deus e
custou o sangue precioso de Seu Filho para ser mantida. Por isso,
use-a com responsabilidade, lembrando sempre que as escolhas
que fazemos sempre terão consequências.
31 de agosto Segunda
A liberdade do evangelho
Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam
firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de
escravidão. Gálatas S:1

É livre de fato somente quem aceitou a libertação conquistada por


Jesus. Ele veio nos trazer a mais profunda liberdade. Livrou-nos da
condenação do pecado, da culpa e dos fardos do legalismo.
Paulo ordenou aos gálatas que não abrissem mão de sua
liberdade em Cristo. O tom do apóstolo é muito forte ao ensinar
isso! É como se dissesse: ―Ei, pessoal, estamos livres! Não aceitem
mais viver como escravos!‖ Paulo queria que esse verso fosse o
resumo de sua carta aos gálatas. No verso de hoje, o verbo
traduzido por ―nos libertou‖ está num tempo verbal que indica uma
ação única no passado, que foi consumada, como uma carta de
alforria assinada e carimbada do modo mais definitivo possível.
A metáfora que Paulo tem em mente equivale a um documento,
escrito e assinado por Deus, declarando que, em Cristo, deixamos
de ser escravos. Somos livres. Agora precisamos aprender a viver
com todos os direitos e privilégios dessa nova posição.
Não é fácil para um servo viver como livre e herdeiro. Durante
toda a vida, a pessoa foi escrava, sem nenhum direito legal. Ela não
sabe como lidar com a liberdade. Além disso, na época, havia uma
crença de que uma divindade poderia comprar sua liberdade.
Então, o escravo levava o dinheiro à tesouraria do templo para se
tornar livre. Na prática, o processo era fictício, pois o escravo
passava a pertencer legalmente ao deus. Foram encontradas
quase mil inscrições no templo da sacerdotisa de Apolo, em Delfos,
que datam de 201 a.C. a 100 d.C.: ―Para a liberdade, Apolo, o deus
do templo de Delfos, comprou de Sosibus de Amfissa uma escrava
cujo nome é Niceia […]. No entanto, em troca da liberdade, Niceia,
a escrava adquirida, se dedicou a Apolo‖ (Ben Witherington, Grace
in Galatia, p. 340, em Lição da Escola Sabatina Adultos/Professor,
3O trimestre, p. 136).
Há uma diferença fundamental entre a liberdade em Cristo e
aquela que os escravos experimentavam na antiguidade: nós não
pagamos o preço da compra. O apóstolo Pedro explica: ―Pois
vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata
ou ouro que vocês foram redimidos […], mas pelo precioso sangue
de Cristo‖ (1Pe 1:18, 19).
Jesus fez o que jamais poderíamos fazer e pagou a penalidade
de nossos pecados. Foi assim que Ele nos libertou da condenação.
Louve a Deus por isso. Você está livre!
Setembro
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2 3 4 5

6 7 8 9 10 11 12

13 14 15 16 17 18 19

20 21 22 23 24 25 26

27 28 29 30
Terça 1º de setembro
Em Cristo
Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas
antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas! 2 Coríntios
S:17

Nasci pecador; escravo do pecado. Não tenho culpa disso, mas


cada desejo, vontade, sonho ou pensamento me mantinham
acorrentado ao pecado. Morreria assim se não fosse Jesus, porém
experimentei a verdadeira liberdade pelo derramamento de Seu
sangue. Seu sacrifício perfeito liberta todo aquele que escolhe
acreditar. Nenhuma corrente é capaz de resistir ao poder libertador
do Salvador.
Quando Jesus falou para os judeus do poder libertador da
verdade, eles retrucaram dizendo que nunca foram escravos de
ninguém (Jo 8:33). Esse era um lapso de memória ou de orgulho.
Estavam tentando apagar de sua história o Egito, Babilônia, etc.
Jesus, em seguida, afirmou: ―Todo aquele que vive pecando é
escravo do pecado‖ (v. 34).
Foi nesse ponto que Jesus afirmou que, se o Filho nos libertar,
seremos verdadeiramente livres (v. 36). O que acontece quando
você aceita a Jesus pela fé? Como é que você expressa sua fé
Nele?
Em 2 Coríntios 5:17 a 21, temos um poderoso retrato da graça. A
melhor definição que Paulo achou para falar do novo nascimento foi
―em Cristo‖. Paulo usou essa expressão 75 vezes em seus escritos.
Talvez você ainda não conheça a emoção do nascimento de um
filho, mas posso garantir que é fantástica. Eu vi meu filho nascer.
Essa foi a maior emoção de minha vida. Quando ele nasceu, o
médico o enrolou em panos e o colocou em meus braços. Eu fui a
segunda pessoa a tocar nele. As pernas ficaram bambas. De uma
hora para outra, tudo mudou. Minha velha vida ficou no passado.
Passei a ser pai. Nada mais seria como antes.
Penso que Paulo estava falando sobre isso. Quando alguém está
em Cristo, todo o resto fica para trás. Quem decide seguir Jesus
experimenta um novo sentido na vida. O reino de Deus é
completamente diferente da cultura desse planeta. O cidadão
dessa pátria assume uma nova posição. E isso determina a
conduta. O velho fica no passado. Em Cristo, temos novidade de
vida.
O sangue real de Jesus Cristo corre nas veias do cidadão
celestial. O evangelho nos liberta para uma nova forma de viver. Se
você está em Cristo, o velho homem que nasceu com você morreu!
Você está livre! Viva essa liberdade com Jesus.
2 de setembro Quarta
Espírito de liberdade
O Espírito do Soberano, o SENHOR, está sobre Mim, porque o SENHOR
ungiu-Me para […] anunciar liberdade aos cativos e libertação das
trevas aos prisioneiros. Isaías 61:1

O que acontece quando alguém se converte? Como posso saber


se isso ocorreu com você? Seus olhos se abrirão ao olhar para a
cruz e você reconhecerá seu pecado e a justiça da condenação.
Você se maravilhará com a graça misericordiosa de Deus.
Uma visão errada criou uma geração de vítimas. Achamos que a
cruz era de Cristo, e não nossa. Precisamos parar para pensar
sobre o que fizemos com Ele. A culpa é nossa. Ele nos substituiu
por amor, mas não precisava fazer isso se não quisesse.
Em Isaías 53, lemos que todos andávamos desgarrados como
ovelhas. Meu pecado levou Jesus para a cruz. Na teologia, isso é
chamado de substituição. Significa que a cruz não era de Jesus,
mas minha. Jesus carregou o peso dela. No Getsêmani, o fardo foi
tão intenso que o sangue Dele saiu pelos poros. O peso da ira de
Deus caiu sobre Ele. Ao olhar para a cruz, podemos compreender
que Jesus pagou o preço de nosso pecado.
Imagine que um peso de toneladas caísse sobre um copo de
vidro. Ele seria moído. O peso do pecado caiu sobre Jesus, e Ele foi
dilacerado. Nenhuma condenação há para aquele que está em
Cristo Jesus.
A cruz foi o preço de nossa redenção. Essa é a diferença entre
ser um escravo ou uma pessoa livre. Se Cristo não tivesse feito isso,
não teríamos a mínima esperança.
Em Isaías 61, lemos a descrição profética do ministério de Jesus.
Ele usou esse texto para falar de Sua missão. Mas essa passagem
fala também da missão de Seus discípulos em todas as eras:
anunciar o evangelho, dizer que a salvação é gratuita, a graça é
abundante e que a liberdade é absoluta.
Depois de experimentar a salvação, é natural ajudar as pessoas a
conhecer Jesus. Nossa vida se torna um sacrifício de louvor e
serviço a Deus.
Olhe para a cruz de Cristo e seus olhos vão se abrir. Você
encontrará a salvação e viverá para que outros conheçam a mesma
realidade.
Quinta 3 de setembro
Liberdade, não libertinagem
Irmãos, vocês foram chamados para a liberdade. Mas não usem a
liberdade para dar ocasião à vontade da carne; ao contrário, sirvam
uns aos outros mediante o amor. Gálatas S:13

A ênfase de Gálatas 5:1 a 12 é ―não perca a liberdade do


evangelho‖. Porém, a partir do verso 13, Paulo se concentra
em outro aspecto: ―não abuse da liberdade do evangelho‖. O
apóstolo primeiro se refere ao conteúdo teológico para depois se
voltar para a questão do comportamento. Ele adverte os gálatas
sobre o possível abuso da liberdade.
Ele fala de forma preventiva sobre o risco que todo cristão corre
de abusar da liberdade do evangelho. A libertinagem é a perversão
da liberdade. A graça não é licença para viver em pecado.
Paulo sabia que falar de liberdade pode ser muito arriscado
porque a tendência humana é achar que a pessoa livre pode
determinar os próprios padrões de comportamento. Mas a
liberdade em Cristo não é pretexto para ceder às próprias
inclinações. Ela não é ausência de limites; mas corresponde ao
desejo de não mais ultrapassá-los. Foi por isso que Paulo apelou
aos seguidores de Jesus para que evitassem satisfazer a vontade
da carne.
Na verdade, ele queria que eles fizessem o contrário: ―Sirvam uns
aos outros mediante o amor.‖ No verso 14, ele afirma que o resumo
da lei é amar uns aos outros. Em outras palavras, Deus nos liberta
em Cristo da escravidão das regras para que nos tornemos servos
uns dos outros. Toda pessoa que serve aos outros por amor está
cumprindo a Lei. Nossa liberdade em Cristo não é uma libertação
das normas, mas um chamado para um novo tipo de serviço: a
responsabilidade de servir aos outros por amor.
O que Paulo está dizendo é que somos livres para servir. A
palavra traduzida como ―servir‖ significa, na língua original, ―ser
escravizado‖. Sem meias palavras, ele diz que isso só é possível
―mediante o amor‖. O apóstolo estava se referindo ao amor divino.
Espero que você compreenda que nossa liberdade em Cristo não é
para a independência egoísta, mas para a escravidão mútua de
uns para com os outros, com base no amor de Deus. Cumprimos
toda a Lei quando amamos.
Decida hoje ser um escravo do amor. Assim, você experimentará
a verdadeira liberdade.
4 de setembro Sexta
A verdade liberta
E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará. João 8:32

Muitas pessoas querem ser livres, mas não aceitam se submeter a


Deus. Não existe liberdade sem estar ligado a Cristo. Só existem
dois senhores, e temos que decidir a qual deles serviremos. As
escolhas do dia a dia determinam se de fato somos livres ou não. O
pecado cria amarras que só podem ser quebradas pelo poder de
Deus. Por meio Dele, recebemos três tipos de liberdade:
Liberdade de consciência. Não existe liberdade que não nasça na
consciência. E somente Jesus pode oferecer esse tipo de coisa.
Nascemos pecadores, inclinados a fazer o que é errado, dignos de
condenação e morte eterna. Mas, quando aceitamos que nossa
culpa foi paga por Jesus, a sentença condenatória é tirada de
nossos ombros. Uma pessoa revestida da graça de Deus é como
se nunca tivesse pecado. E, se eventualmente quebramos a lei de
Deus e nos arrependemos, Jesus devolve nosso acesso à
presença de Deus. Paulo declarou: ―Portanto, agora já não há
condenação para os que estão em Cristo Jesus‖ (Rm 8:1).
Liberdade para obedecer. Quem deseja fazer a vontade de Deus
com as próprias forças pode ser considerado uma boa pessoa,
mas não é livre. Em Romanos 8, encontramos a descrição da luta
entre os desejos da natureza humana pecaminosa e os da nova
natureza em Cristo. Paulo diz que Jesus veio nos libertar da
escravidão do pecado. A graça é o único poder capaz de quebrar
o domínio do pecado no coração humano.
Mesmo tendo ainda a natureza pecaminosa, depois da
conversão, temos liberdade para obedecer. Por isso, rejeitamos
determinadas coisas, embora a Bíblia não seja explícita em proibi-
las. Por exemplo: fumar ou não fumar; ir a determinados lugares ou
não; assistir a certos filmes ou não; tomar certas bebidas ou não.
Fazemos o certo porque somos livres para obedecer.
Liberdade de conhecimento. Quanto mais conhecemos Jesus,
maior é nossa liberdade (Jo 8:32). O conhecimento da verdade
liberta. O conhecimento divino proporciona acesso a uma fonte
inesgotável de sabedoria. Quem tem comunhão com Jesus
conhece a verdade e o próprio Deus. Quem não conhece a
verdade será enganado e escravizado por superstições e
preconceitos. Somente aqueles que buscam o conhecimento do
Senhor crescem em liberdade. Seja livre hoje conhecendo a
verdade!
Sábado 5 de setembro
Você é livre?
Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres. João 8:36

O Brasil é um país livre. A Constituição garante as liberdades


individuais, o que inclui o direito de ir e vir, a liberdade de expressão, de
imprensa e religiosa. A liberdade é importante, mas será que sabemos o
valor dela?
Uma pessoa só pode ser livre a partir de três elementos básicos:
desejo, capacidade e oportunidade. Sem um desses elementos não é
possível desfrutá-la. Você pode ter o desejo e não poder exercê-lo. A
capacidade, por sua vez, envolve ter conhecimento necessário para fazer
o que quer. E a oportunidade implica poder realizar o que se deseja. Sem
oportunidade não existe liberdade.
As pessoas olham para nós e pensam: ―Crente não pode fazer nada.‖
Até mesmo alguns jovens cristãos pensam assim. Não se esqueça dos
três elementos acima: desejo, capacidade e oportunidade. Como
cristãos, temos desejos como qualquer pessoa, mas não somos
controlados por eles. Paulo diz: ―Tudo é permitido, mas nem tudo
convém‖ (1Co 10:23). ―Tudo é permitido‖ está no campo da legalidade;
―mas nem tudo convém‖ está no campo do bom senso.
Vivendo em um país livre, um cristão tem desejo, capacidade e muitas
vezes oportunidade de fazer o que todo mundo faz. Porém, apesar disso,
ele não é escravo do pecado nem prisioneiro do diabo.
A verdadeira liberdade significa poder e não fazer por escolha. Deus
concede esse direito a todos os cristãos. Aqueles a quem o Filho libertar
verdadeiramente serão livres: ―Onde está o Espírito do Senhor, ali há
liberdade‖ (2Co 3:17). Essa é a liberdade que, acima de todas as outras,
vale a pena possuir. Se você acredita nisso, é livre.
O cidadão do Céu (Fp 3:20) tem Deus como Pai, Cristo como Irmão
mais velho e o próprio paraíso como lar. Isso torna o cristão
verdadeiramente livre.
Nenhuma lei, nenhuma prisão ou pressão conseguem escravizar uma
pessoa assim.
6 de setembro Domingo
Comunhão
Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao
partir do pão e às orações. Atos 2:42

Comunhão é um conceito poderoso e muito importante para o


desenvolvimento espiritual. Do grego koinonia, essa palavra
significa literalmente ―o que é comum‖ e é partilhado por todos. O
Novo Testamento usa essa palavra para designar a comunidade e
significa compartilhar e participar do corpo de Cristo. A comunhão
é a prova definitiva de que a igreja está viva.
Uma igreja pode ter boa programação, música e pregação, mas
se não vive em comunidade, deixou de ser um organismo vivo e
passou a ser uma organização doente.
No Apocalipse, Jesus mandou que João escrevesse uma carta às
sete igrejas da Ásia Menor. Cada carta é uma espécie de receita do
Grande Médico para igrejas com todo tipo de problemas. Essas
igrejas representavam o povo de Deus em cada época. A primeira
igreja é Éfeso, que representa a igreja do 1º século. A igreja de
Éfeso é a igreja de Atos 2. Como era essa igreja? Vibrante,
dinâmica, cheia de vida. Ela pulsava e respirava comunhão.
No entanto, em Apocalipse 2:4, o Anjo da igreja de Éfeso faz a
seguinte acusação: ―Contra você, porém, tenho isto: você
abandonou o seu primeiro amor.‖ No Apocalipse, você verá que
essa igreja continuava perseverante na doutrina dos apóstolos. Era
uma igreja forte doutrinariamente, capaz de defender a fé cristã,
mas havia perdido seu senso de comunidade. Quando a comunhão
é perdida, tudo o mais fica sem sentido na fé.
O apóstolo João era o pastor daquela igreja. Ele foi o discípulo de
Jesus que mais viveu. Em 1 João, ele fala de comunhão. O apóstolo
diz que, se falta comunhão na igreja, perde-se a alegria na vida
cristã (1:3, 4).
No tempo dele, mesmo defendendo a sã doutrina, a igreja havia
perdido o fervor espiritual, e o amor estava se extinguindo. A igreja
tinha a doutrina certa, mas lhe faltava fervor. Tinha a mensagem
certa, mas lhe faltava amor.
A igreja de Éfeso foi convidada a se lembrar de onde caiu,
arrepender-se e voltar à prática das primeiras obras. Era preciso
resgatar o que se perdera. Essa é nossa maior necessidade hoje.
Se você é um jovem que ama a Bíblia e se encanta com a força e
a pureza da mensagem adventista, mas sente-se como um crente
meia-boca, talvez o que falte em sua vida seja comunhão.
Segunda 7 de setembro
Do jeito certo
Nós lhes proclamamos o que vimos e ouvimos para que vocês
também tenham comunhão conosco. Nossa comunhão é com o Pai
e com Seu Filho Jesus Cristo. 1 João 1:3

No verso de hoje, o apóstolo João está dizendo que há um jeito


certo para que a comunhão aconteça. Em outras palavras, ele
afirma: ―Se você quer ter comunhão comigo, precisa primeiro ter
comunhão com Deus.‖
A comunhão entre os cristãos só acontece quando eles têm um
relacionamento correto com Deus. Sem comunhão com o Céu, não
existe a menor possibilidade de ter relacionamentos saudáveis com
os irmãos. A comunhão sempre começa com o relacionamento do
crente com Jesus.
Você quer desfrutar a bênção da comunhão? Então, precisa
começar um relacionamento pessoal com Jesus. Se você não O
conhecer profundamente, não poderá desfrutar a alegria e as
bênçãos da comunhão com os irmãos.
As pessoas podem conversar, fazer um lanche juntos, trocar
figurinhas, fazer networking; mas, se não se conhecem, isso não
passa de um encontro. É diferente quando você está com seus
amigos, onde a conversa corre solta.
Para haver verdadeira comunhão não basta reunir amigos. É
preciso reunir uma rede de amigos que têm amizade com Jesus.
Quem se reúne com outros amigos de Jesus está vivendo a
koinonia cristã.
Qual é o assunto da conversa de um encontro assim? Simples:
Jesus. O que aproxima e une vocês? Jesus. A verdadeira
comunhão cristã nunca deixa Jesus de fora. É dessa comunhão
que João está falando nos versos 3, 6 e 7 no primeiro capítulo de
sua carta.
A comunhão cristã é entre pessoas ligadas pela comunhão com
Deus e Seu Filho. Se Jesus não é a razão e a motivação do
encontro, há apenas uma reunião social.
A comunhão começa com o que temos em comum em Cristo.
Primeiro você precisa ter comunhão com Ele. Ninguém pode ter
comunhão com o povo de Deus se não tiver primeiro comunhão
com Deus.
8 de setembro Terça
Isso é ser igreja!
Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. Atos
2:44

Os primeiros cristãos não tiveram prédios para reuniões públicas por


quase 300 anos no início da igreja. Eles se reuniam de casa em casa. O
lugar em que havia um grupo de cristãos passava a ser uma igreja.
Formava-se uma comunidade ativa e afetuosa de pessoas
comprometidas com Jesus e umas com as outras.
O Novo Testamento mostra claramente que o seguidor de Jesus
deve se envolver numa comunidade para cuidar e zelar dos
demais. Isso significa que o relacionamento com Jesus se
manifesta na forma de preocupação e interesse pelo povo de Deus. A
igreja de Atos 2 não tinha simplesmente um programa de assistência
social. Eles viviam em koinonia, pois se amavam e tinham tudo em
comum. Quando alguém tinha alguma
necessidade, a família de Deus se unia para ajudar a resolver o
problema.
Quem é membro da igreja e a frequenta com regularidade é parte da
família. Assim, o que acontece com a igreja também é responsabilidade
de todos. Quem é parte do corpo de Cristo deve desenvolver
relacionamentos saudáveis com os irmãos para o próprio bem e para o
bem da igreja. Se amarmos a Cristo, amaremos aqueles por quem Ele
deu Sua vida.
Em geral, as igrejas adventistas estão cheias aos sábados pela manhã.
As pessoas chegam a tempo para participar da Escola Sabatina e para o
culto de adoração. Cada um cumprimenta meia dúzia de pessoas
conhecidas e se senta ao lado dos amigos. Quando o culto termina, todo
mundo se despede e vai feliz para casa. Isso não é ser igreja! Sem tocar
ou sentir o calor da comunidade, não há como desfrutar o amor e o
cuidado do povo de Deus.
Ao se tornar parte da família de Deus, você passa a ter muitos irmãos e
muitas irmãs. Então, precisamos aprender a viver juntos em amor!
Valorize a família da fé.
Quarta 9 de setembro
O corpo de Cristo
Ora, vocês são o corpo de Cristo, e cada um de vocês,
individualmente, é membro desse corpo. 1 Coríntios 12:27

Na igreja apostólica, os cristãos levavam a sério a vida em


comunidade. Eles compreendiam que a igreja é um conjunto de
pessoas unidas em adoração, que ―tinham tudo em comum‖ e eram
governadas pelo amor. Elas carregavam os fardos umas das outras
e procuravam edificar-se mutuamente em amor. Isso é igreja.
Para pertencer a uma comunidade assim é preciso crer em Jesus.
Como povo de Deus, os membros têm relacionamentos marcados
pela unidade e companheirismo. Por essa razão, Paulo utilizou a
metáfora do corpo para falar da igreja (Rm 12:5; 1Co 12:27; Ef
5:30). Ao comparar a igreja a um organismo vivo, Paulo está
dizendo que a união dos crentes com Cristo é mais do que moral.
Se a igreja é o corpo de Cristo, como membros, somos parte do
mesmo. O que acontece com um atinge todos.
Essa é uma linda visão da igreja. Estamos ligados a Cristo e, em
razão disso, a cada pessoa da igreja, independente de etnia,
gênero, idade, classe social ou cultura.
Por isso, se desejamos ver o corpo de Cristo crescendo de forma
dinâmica, temos que começar a cultivar a vida em comunidade.
Para que o corpo tenha crescimento saudável, todas as partes
devem estar ligadas entre si. Se alguma estiver desligada do corpo,
não haverá desenvolvimento espiritual. Não há crescimento fora do
corpo.
A igreja funciona como corpo apenas quando cada membro
realiza sua parte. Ela é um organismo vivo em que pessoas de
diferentes habilidades e talentos se reúnem para trabalhar com o
propósito comum de ver o reino de Deus avançar.
A igreja forte nos relacionamentos cria um importante senso de
pertencimento. Integre-se cada vez mais ao corpo de Cristo,
desenvolva sua vida espiritual e seja um agente de bênção para
quem estiver ligado a você e à Cabeça, que é Jesus.
10 de setembro Quinta
A mesma família
Por esta razão, ajoelho-me diante do Pai, do qual recebe o nome
toda a família nos céus e na terra. Efésios 3:14, 1S

Quem vai à igreja e não gosta do que vê lá, em vez de abandoná- la


deve ser instrumento da transformação que quer ver implementada.
Embora a igreja esteja longe de ser perfeita, pense no quanto ela poderia
melhorar se cada um fizesse sua parte. Deus não nos chama para irmos
à igreja; mas para sermos Sua igreja, a esperança do mundo.
Quando eram perseguidos pelo Império Romano, os cristãos do
primeiro século usavam o símbolo de um peixe (conhecido como ichtus)
para se identificarem ou marcarem o lugar das reuniões secretas.
Quando um cristão fugitivo encontrava um completo estranho e
identificava que ele também seguia a Cristo, havia um laço instantâneo:
―Pertencemos à mesma família.‖
O que faz de nós uma família? Temos o mesmo Pai, somos irmãos e
irmãs uns dos outros. Passamos pelo mesmo processo do novo
nascimento e, com isso, temos o mesmo sangue espiritual correndo em
nossas veias. Fazer parte da família da fé é ter uma relação que
transcende os relacionamentos familiares que temos na Terra.
Isso só acontece quando a vida em comunidade se desenvolve. Igreja
não é o que acontece no templo cada sábado. É o que acontece na vida
de cada membro por causa dos relacionamentos formados nos bancos
da igreja e depois cultivados de domingo a sexta. Por isso, a igreja deve
ser uma família. Cada um tem determinados papéis a desempenhar. Sem
um de seus membros, a igreja fica incompleta. Deus nos chama para
fazer parte da igreja Dele; mais do que isso, Ele nos chama para ser Sua
igreja. A comunhão entre os irmãos não pode ser negligenciada.
A igreja não é perfeita. Não dá para esperar que tudo o que acontece
nela seja sempre maravilhoso. Porém, é dever de cada um de seus
membros trabalhar para que ela seja melhor, tornando o ambiente mais
amigável, confiável e feliz.
Seja parte desse movimento e faça de sua igreja uma
comunidade viva, com gente cuidando de gente.
Sexta 11 de setembro
VIDA EM COMUNIDADE
Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições,
com alegria e sinceridade de coração. Atos 2:46

Creio que a mais linda expressão da vida em comunidade está


em Atos 4:32: ―Da multidão dos que creram, uma era a mente e um
era o coração.‖ Você consegue imaginar isso? ―Uma era a mente e
um era o coração.‖ Essa gente se amava de verdade!
Na pequena congregação em que fui batizado e cresci, tive
algumas das experiências mais incríveis da vida cristã. Foram
acontecimentos que me deram muita confiança nessa instituição
sagrada chamada igreja. Havia ali uma santa mulher, que todos
respeitavam e amavam. Sábado à noite, os jovens se reuniam em
sua casa. Porém, havia algo surpreendente naquela irmã. Antes de
vir para a igreja, ela andou pelos caminhos da prostituição. Mas sua
vida mudou radicalmente. Não me lembro de ter ouvido alguma
suspeita de meus pais, em nenhum momento, porque nós
usávamos sua casa como ponto de encontro da juventude. Era lá
que os jovens estavam seguros. E como era bom nos reunirmos
naquele lugar!
Ao tratar da questão da comunhão como um elemento essencial
para o desenvolvimento espiritual, precisamos lembrar que todos
temos um impulso gregário, sociável. Para os jovens, a questão do
grupo é muito importante, porque detestam o isolamento. Se o
jovem não encontra um grupo de comunhão dentro da igreja, vai
participar de outro grupo lá fora.
A questão é que a vida em comunidade não acontece
automaticamente. A comunhão ocorre aos poucos. Não se engane.
A igreja apostólica não era livre de problemas. Às vezes achamos
que eles viviam em comunhão como se morassem no Céu, com os
anjos, adorando a Deus o tempo todo. O que vemos, na realidade,
é que eles tinham pequenas centrais de apoio – grupos pequenos –
que conviviam nas mesmas atividades. Eles se conheciam, se
amavam e se apoiavam mutuamente.
Todos precisamos pertencer a um grupo de comunhão. Pode ser
um pequeno grupo jovem, uma atividade social permanente ou
mesmo um bate-papo semanal na casa uns dos outros. Quando
interagimos com as outras pessoas, surgem relacionamentos que
edificam. Quando nos reunimos ao redor da Palavra de Deus, num
pequeno grupo de estudos, ali também encontramos as respostas
que dão significado à nossa fé. Assim, a igreja dos sonhos de Deus
vai sendo construída aos poucos.
12 de setembro Sábado
Uns aos outros
Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a Lei
de Cristo. Gálatas 6:2

A igreja é um bom lugar para aprendermos a carregar os fardos


uns dos outros. Nela somos ensinados a praticar o pronome ―nós‖.
Jesus era conhecido pelo que fazia em favor dos outros. Em muitos
lugares, a igreja tem sido conhecida pelo que não faz. Precisamos
mudar isso.
O Novo Testamento usa a expressão ―uns aos outros‖ inúmeras
vezes para falar do aspecto relacional da vida cristã. Ao folhear sua
Bíblia, você perceberá muitas ocorrências da expressão ―uns aos
outros‖. Essa expressão resume o que é koinonia.
Não estamos sozinhos na caminhada cristã. Nenhum de nós
chegará ao Céu sozinho. Ninguém tem o direito de negligenciar
aqueles que fazem parte da comunidade.
Muitos acham que as pessoas só são úteis se dedicarem tempo
exclusivo nas atividades internas da igreja. Tudo acaba girando em
torno do que ocorre no templo. Para evitar isso, precisamos fazer
um serviço redentivo da comunidade da fé.
Isso significa que precisamos aprender novamente a dividir a vida
uns com os outros. Deus faz o trabalho pesado. No culto, Ele
concretiza decisões ao lado da verdade. Mas, muitas vezes, isso é
resultado de relacionamentos desenvolvidos pelos membros de
Seu corpo com outras pessoas.
Precisamos voltar a frequentar a casa uns dos outros. E também
dividir o pão. Eu me lembro de uma época em que fazíamos um
culto extra a cada semana, na casa de alguém. Esse culto sempre
tinha alguma coisa para comer no final. Enquanto comíamos,
conversávamos. Nessas reuniões, tomávamos conhecimento das
necessidades de nossos irmãos e ajudávamos uns aos outros.
Isto é ser igreja: eu ajudo você com seu fardo, e você me ajuda
com o meu. Assim, seguimos os passos do Mestre e cumprimos a
lei.
Domingo 13 de setembro
Missão
Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações. Mateus 28:19

Existem cinco textos na Bíblia que falam da Grande Comissão. Em


Marcos 16:15, vemos o alcance dessa ordem. Diz que temos de
levar o evangelho a todas as pessoas. Em Lucas 24:47 e 48, temos
o conteúdo da Grande Comissão. Nossa mensagem deve ser de
arrependimento e perdão de pecados. Em João 20:21,
encontramos quem nos envia: Jesus. Em Atos 1:8, percebemos a
maneira como a missão pode ser realizada: pelo poder do Espírito
Santo. Por último, temos Mateus 28:16 a 20, que revela a extensão
da Grande Comissão: todo o mundo. Essas foram as últimas
palavras de Jesus antes de Sua ascensão. Elas contêm as
instruções finais de Cristo para Sua igreja: ―Façam discípulos de
todas as nações‖ (v. 19). Fazer discípulos define nossa missão.
Ser um discípulo de Jesus significa que Ele tem mais de você hoje
do que teve ontem e mais de você amanhã do que tem hoje.
Portanto, o discipulado é um processo de crescimento que nos leva
da infância à maturidade espiritual, com a condição de reproduzir
esse processo na vida de outros.
A igreja é o lugar em que Deus produz pessoas que pensam,
falam e agem de forma muito parecida com Jesus. E o discipulado
é o instrumento para isso. Jesus mesmo disse: ―Basta ao discípulo
ser como Seu Mestre‖ (Mt 10:25).
Nossa principal missão é ir e fazer mais discípulos. Essa foi a
ordem de Jesus. Discípulos geram discípulos. A pergunta é:
Estamos fazendo convertidos ou discípulos? As pessoas que estão
sendo agregadas à igreja trabalham seriamente para levar outros a
Cristo?
Conhece a história do cãozinho que estava com a perna
quebrada e foi encontrado por um veterinário? Ele o levou para sua
clínica, cuidou dele, e quando estava recuperado, ao abrir a porta,
o cão saiu correndo em disparada. No dia seguinte, o veterinário
ouviu o barulho de algo arranhando sua porta. Era o cachorro, que
tinha voltado com outro animal ferido. Essa história ilustra uma
verdade: gente curada recomenda seu médico; gente salva leva
outros ao Salvador.
14 de setembro Segunda
Tornando-se um missionário
Haverá mais alegria no Céu por um pecador que se arrepende.
Lucas 1S:7

Não existe maior alegria do que levar alguém a uma experiência


transformadora com Cristo. Quanto mais você tiver essa
experiência, maior será seu desejo de que Deus faça de você um
missionário. Como desfrutar cada vez mais essa alegria?
Dedique-se a Jesus. Esse é o segredo de quem leva muitas
pessoas a Cristo. Quanto mais pessoal for sua comunhão diária
com Jesus, mais natural e entusiasticamente você falará Dele para
os outros. Quanto maior seu amor por Jesus, mais vibrante será seu
testemunho.
Peça a Deus que faça de você um missionário. Em sua oração
diária, você precisa pedir a Deus que o ajude a levar pessoas a
Cristo. O sangue de Jesus foi derramado pelo mundo inteiro. Deus
não quer que ninguém pereça, ―mas que todos cheguem ao
arrependimento‖ (2Pe 3:9). Nossa prioridade é ganhar o máximo de
pessoas para Cristo. Por isso, tenha sempre em sua agenda de
oração o nome de pelo menos três pessoas por quem você
intercederá e trabalhará a cada dia.
Peça a Deus que o torne espiritualmente radiante. Deus quer
mudar a face do mundo, mas Ele faz isso uma vida de cada vez.
Peça a Ele que torne você como Cristo; que coloque algo da
presença Dele em sua face e que suas ações atraiam outros para
Ele. A mulher samaritana arrastou todo o povo de sua cidade para
ver Jesus (Jo 4:30). Isso pode acontecer com você também.
Peça a Deus coragem para testemunhar. Ele livrará você do
medo. Abrirá portas e o colocará em oportunidades estratégicas
para falar de Seu amor. Ele não vai retirar o ―friozinho‖ da barriga,
mas, quando você abrir a boca, receberá poder para falar (Jo
14:26).
Ellen White disse: ―Todo verdadeiro cristão possuirá espírito
missionário, pois ser cristão é ser semelhante a Cristo. […] O
primeiro impulso do coração regenerado é levar outros também ao
Salvador. Os que não possuem esse desejo dão provas de haver
perdido o primeiro amor. Devem examinar rigorosamente o coração
à luz da Palavra de Deus e procurar um novo batismo do Espírito de
Cristo; devem orar por uma compreensão mais profunda daquele
magnífico amor que Jesus manifestou por nós em deixar o reino da
glória e vir a um mundo caído para salvar os perdidos‖
(Testemunhos Para a Igreja, v. 5, p. 386).
Ore hoje para que essa seja sua realidade.
Terça 15 de setembro
Cumpra a missão
Cuide em cumprir o ministério que você recebeu no Senhor.
Colossenses 4:17

No reino de Deus, qualquer atividade rotineira pode se


transformar em um ministério. Um dentista, por exemplo, poderá
dedicar duas horas semanais para atender gratuitamente pessoas
necessitadas. O serviço, então, torna-se o ministério. Uma dona de
casa pode montar um grupo de artesanato e, a partir disso,
começar uma classe bíblica em casa. Um universitário pode montar
um grupo de pesquisa em casa. Os colegas poderão ver como é
feliz e harmônico um lar cristão. Isso abrirá portas para a
transmissão da fé. A chave é fazer alguma coisa, não apenas falar
ou pensar a respeito.
Seu trabalho profissional é parte de seu ministério. Você não
precisa incluir o nome de Jesus em toda conversa, mas a presença
Dele deve ser notada em tudo o que você faz. Deus não quer
apenas que O sirvamos em nosso trabalho, mas deseja que O
sirvamos intencionalmente, investindo nossa vida em benefício de
outras pessoas. Todas as tarefas bem realizadas revelam Jesus
Cristo para as pessoas.
Deus põe em nosso coração a vontade de realizar Sua obra.
Preste atenção a esse desejo. Ore por ele e veja se suas intenções
são puras. O projeto que Deus coloca em seu coração para realizar
é exatamente aquilo que Ele quer que você faça. Se há um
ministério organizado em sua igreja que se ajusta ao chamado de
Deus para sua vida, dê-lhe todo apoio. Se não houver, comece um
a partir de uma necessidade real identificada.
Quem frequenta os cultos da igreja e não tem nenhuma atividade
ou compromisso é conhecido popularmente como ―esquenta
banco‖. Você não foi chamado para isso. Não se permita viver
egoisticamente, buscando os próprios interesses. Você não
pertence a si mesmo. Pertence ao Rei. É chamado a negar-se a si
mesmo, tomar sua cruz e seguir Jesus. E isso vai resultar em gente
seguindo seus passos em direção ao Céu.
Deus tem um ministério e não simplesmente uma carreira para
você. Sua vida inteira está incluída: vocação profissional, família,
igreja e comunidade. Aceite hoje o chamado divino. Arregace as
mangas, ponha mãos à obra e deixe Deus fazer milagres por meio
de você.
16 de setembro Quarta
Ministério
Se o seu dom é servir, sirva; se é ensinar, ensine. Romanos 12:7

Toda pessoa salva por Jesus deve ter um ministério pessoal.


Ministério? Mas isso não é só para pastores? Não. Ministério é algo
que todo cristão deve exercer por amor a Jesus. A palavra ministro
provém de um termo latino que significa ―servo‖. Ministério significa
que você vai servir aos outros com os dons e habilidades que Deus
lhe concedeu.
Você não precisa de um ministério em tempo integral. Em
realidade, isso é a exceção, não a regra. Os pastores são
chamados para ajudar e orientar os membros da igreja no exercício
de seu ministério.
Então, o que é ministério? É a tarefa específica para a qual você é
chamado por Deus tanto na edificação do corpo de Cristo como na
evangelização. Pode ser ensinar crianças, dar estudos bíblicos,
atuar em Clubes de Aventureiros e Desbravadores ou qualquer
outra função no corpo de Cristo.
Você somente pode exercer um ministério quando seu
relacionamento com Cristo, família e trabalho estiverem
equilibrados. Primeiro, sua vida deve estar centrada em Cristo,
deve crescer espiritualmente e sujeitar-se a Seu senhorio. Qualquer
ministério é apenas uma resposta ao relacionamento que a pessoa
mantém com Deus. Sem uma vivência com Ele, o ministério se
tornará formal e não passará de atividades e planos vazios.
Segundo, sua base familiar deve dar sustentação a seu ministério.
Se você é o único adventista da família, seus parentes devem ser
levados por suas atitudes a sentirem honra por sua dedicação ao
serviço de Deus.
Terceiro, você precisa pregar inclusive pela forma como
desempenha sua atividade profissional. O compromisso no
cumprimento dos horários, a responsabilidade na execução de
suas tarefas e a qualidade de seus serviços são poderosas
ferramentas de testemunho. A igreja jamais deve ser usada como
desculpa para o descumprimento de algum dever no trabalho.
Obviamente isso não inclui quebra de mandamentos.
Nem todos podem pregar no púlpito ou liderar departamentos na
igreja. Mas há muitas oportunidades vitais e serviços essenciais
que a maioria das pessoas pode realizar nos bastidores.
Parafraseando John Kennedy, ―você não deve perguntar o que a
igreja está fazendo por você; deve perguntar o que você pode
fazer pela igreja‖. Identifique seu ministério e realize-o para a glória
de Deus.
Quinta 17 de setembro
Negócio de família
Por que vocês estavam Me procurando? Não sabiam que Eu devia
estar na casa de Meu Pai? Lucas 2:49

Na primeira vez em que Jesus visitou o templo de Jerusalém,


Seus pais acabaram se perdendo Dele. Quando eles O
encontraram três dias depois, Ele disse algo que é o princípio
fundamental da missão: ―Não sabeis que Eu estou cuidando dos
negócios do Meu Pai?‖ (Lc 2:49, ACRF).
Jesus tinha apenas 12 anos, mas sabia qual era Sua missão:
cumprir os negócios do Pai. Todos nós temos a missão de cumprir
os negócios do Pai para que Jesus venha em breve.
A juventude é o período da vida em que nós desejamos mudar o
mundo. Talvez seja por isso que Deus quase sempre comissione
alguém nessa fase da existência. Na Bíblia, encontramos vários
exemplos de jovens que ouviram o chamado de Deus e cumpriram
Seus propósitos. Gente como Davi, Daniel, Jeremias, Ester e João
estavam comprometidos com os negócios do Pai desde a infância.
Nos primórdios do adventismo, essa também foi uma realidade. A
maioria dos pioneiros era jovem. Mesmo sendo pessoas comuns,
eles tinham uma paixão imensa pela volta de Jesus. Sem dúvida,
estavam comprometidos com os negócios do Pai. Ellen White era
uma adolescente de 17 anos quando Deus a chamou para ser Sua
mensageira. Era uma garota dedicada que acreditava na
proximidade da volta de Jesus. Ela viveu, pregou e escreveu sobre
essa esperança até o fim de sua vida.
Na igreja de hoje ainda é impressionante ver o envolvimento da
juventude nos desafios missionários. Eles estão entendendo suas
responsabilidades nos ―negócios da família‖.
Nossa missão é exatamente isto: negócio de família. Jesus é
nosso Irmão mais velho. Ele virá e nos levará de volta para casa. Os
sinais indicam que Ele está voltando. A natureza está gemendo. A
violência está gritando nas esquinas. Jesus precisa voltar logo!
Para que isso aconteça, devemos assumir que o cumprimento da
missão é nosso negócio. Precisamos de uma geração mais
comprometida com a volta de Jesus!
18 de setembro Sexta
A jovem Ellen e a missão
Não tratem com desprezo as profecias, mas ponham à prova todas
as coisas e fiquem com o que é bom. 1 Tessalonicenses S:20, 21

Desejo compartilhar hoje a história de Ellen White e sua paixão


missionária. Estamos acostumados a ouvir citações de seus
escritos, mas muitos não conhecem sua história. Ela nasceu num
lar cristão e, desde seus primeiros anos, testemunhava de sua fé
em Jesus. Na adolescência, atravessou um período de intenso
sofrimento espiritual, cheia de dúvidas sobre a própria salvação. Ela
conta que frequentemente orava muitas horas durante a noite
buscando segurança.
Aconselhada pela mãe, Ellen resolveu procurar o pastor
Stockman, um jovem pregador milerita. Ellen confiava nele porque
era ―um dedicado servo de Cristo‖, segundo ela (Testemunhos Para
a Igreja, v. 1, p. 29). Ele a tratou com carinho e respeito. Colocou a
mão sobre sua cabeça e lhe disse que Jesus a estava preparando
para uma obra especial. Ele a confortou afirmando que a própria
agonia de espírito que sentia ―era uma prova evidente de que o
Espírito do Senhor estava‖ com ela (Vida e Ensinos, p. 28).
Tempos depois, ela resumiu sua conversa com o pastor Stockman
assim: ―Durante os poucos minutos em que recebi instrução do
irmão Stockman, obtive mais conhecimento sobre o assunto do
amor e terna piedade de Deus do que em todos os sermões e
exortações que já tinha ouvido‖ (Life Sketches, p. 37).
Antes mesmo de receber o chamado profético, Ellen estava tão
tocada pelo amor de Jesus que começou a testemunhar para seus
amigos e parentes. Ela realizou reuniões com amigas, algumas
mais velhas do que ela e até casadas. Algumas eram, em suas
palavras, ―frívolas e desatenciosas‖, e elas ―não davam créditos‖ às
suas orientações. Dizia ainda: ―Algumas delas se haviam reunido
conosco pela curiosidade […]; outras me julgavam fora de mim,
[…] não manifestavam interesse algum‖ (Vida e Ensinos, p. 33).
Entretanto, preste atenção ao resultado: ―Em cada uma de nossas
pequenas reuniões, continuei a exortar e a orar em prol de cada
uma separadamente, até que todas se entregaram a Jesus,
reconhecendo os méritos de Seu amor perdoador. Todas se
converteram a Deus‖ (ibid.).
Essas reuniões que Ellen White realizou com as amigas
aconteceram quando ela estava com 14, 15 e 16 anos de idade.
Isso evidencia o óbvio: jovens podem cumprir a missão. E você? O
que está esperando?
Sábado 19 de setembro
Ardor missionário
Os que haviam sido dispersos pregavam a palavra por onde quer
que fossem. Atos 8:4

Jesus falou que há alegria no Céu por um pecador que se


arrepende (Lc 15:10). O resgate de um perdido produz felicidade,
inclusive na Terra. Se amamos Jesus, devemos procurar os
perdidos. As pessoas estão entre a vida e a morte, a luz e as
trevas, Cristo ou a perdição. Conhecemos o caminho. Por isso
precisamos dizer a todos que só há uma escolha a fazer: seguir
Jesus. Essa é nossa missão!
A igreja apostólica tinha essa paixão. Uma das mais fortes
características dessa igreja era sua natureza missionária. A
distribuição de línguas em Atos 2 foi um milagre missionário. As
línguas faladas eram as dos estrangeiros que estavam em
Jerusalém (At 2:5-12).
Jesus disse que a finalidade de o poder do Espírito descer sobre
nós é nos transformar em testemunhas. Foi o que aconteceu no
livro de Atos. Vemos os crentes orando e sendo cheios do Espírito
e, assim, sendo capacitados a pregar (At 4:31). Por todo o livro, o
Espírito move a igreja no cumprimento da missão.
O coração do Espírito Santo é missionário, e a igreja dos primeiros
tempos era marcada por esse mesmo ardor. Se Ele for derramado
sobre nós, então nos tornaremos missionários. Uma igreja viva tem
compaixão pelos que estão perdidos.
Quando Jesus comissionou a igreja a fazer discípulos, deu a ela a
permissão de usar Seu nome e Sua autoridade. E isso é tudo o que
precisamos para cumprir nossa missão. A única coisa que
podemos fazer que terá um impacto na eternidade é levar homens
e mulheres a Jesus.
Por isso, quero desafiar você a pensar em três pessoas e
concentrar interesse e esforço em favor delas. Tome alguns minutos
para estar com elas ou realizar algum ato que as beneficie.
Pense sobre seus amigos que não conhecem Jesus. Você se
sente responsável por eles? O que você pode fazer hoje para
alcançá-los para Cristo? Comece orando por eles. Depois,
pergunte se eles não gostariam de estudar a Bíblia com você. Deus
fez tanta coisa por nós em Cristo que é um pecado guardar isso só
para nós!
20 de setembro Domingo
Serviço
Eu lhes dei o exemplo, para que vocês façam como lhes fiz. João
13:1S

Jesus deu a Seus discípulos uma linda demonstração do que


significa servir ao lavar os pés deles (Jo 13:3-5). Quando terminou
Sua parte, Jesus perguntou: ―Vocês entendem o que lhes fiz?‖ (v.
12). Com isso, Ele ordenou que lavassem os pés uns dos outros.
Cristo veio para servir e não para ser servido. E Ele deseja o
mesmo de Seus seguidores. A mesma atitude que tornou Jesus
diferente de todos os homens de Seus dias deve caracterizar Seus
seguidores. Ele procura em nós a mesma disposição de servir.
A atitude de serviço não pretende impressionar. Jesus não
chamou a atenção de Seus discípulos, dizendo: ―Observem o que
vou fazer agora.‖ Não. Ele tomou a bacia e a toalha
silenciosamente.
A atitude de serviço implica responsabilidade. Alguém tem que
fazer o trabalho. Ali estava um grupo de homens orgulhosos e com
os pés sujos. Se fosse um dia chuvoso, os pés estariam
enlameados; se fosse seco, estariam empoeirados. Alguém teria
que tomar a bacia e a toalha e fazer o serviço sujo. Ali havia água,
bacia e toalhas. Só faltavam servos.
A atitude de serviço não escolhe a tarefa. Pode ser a mais
humilde, como lavar os pés uns dos outros, mas, se for feita para a
glória de Deus, será reconhecida e recompensada pelo Senhor.
A atitude de serviço deve ser bem feita. Todas as tarefas, se bem
realizadas, revelam Jesus para os homens. As pessoas ficarão
impressionadas e dirão que o humilde servo esteve pessoalmente
com o Senhor.
A atitude de serviço é amor. João escreveu: ―Tendo amado os
Seus que estavam no mundo, amou-os até o fim‖ (Jo 13:1). Foi o
amor a Seus discípulos que motivou Jesus a prestar um serviço que
normalmente seria feito por um escravo.
―Agora que vocês sabem estas coisas, felizes serão se as
praticarem‖ (v. 17). Perceba a promessa dessa afirmação. Jesus
disse que, se você seguir o exemplo Dele, será feliz. Se queremos
desfrutar a alegria do serviço, não adianta apenas estudar o
assunto. Uma vida de serviço produz felicidade. Ela começa
quando arregaçamos as mangas, amarramos a toalha na cintura e
lavamos alguns pés, em silêncio, com humildade e alegria. Como
Jesus, podemos ser mansos e humildes de coração e demonstrar
isso em serviço amoroso e despretensioso.
Segunda 21 de setembro
O maior é o que serve
O maior entre vocês deverá ser servo. Mateus 23:11

Ellen White ensina que os ―seguidores de Cristo foram redimidos


para ser úteis ao próximo. Nosso Senhor ensina que o verdadeiro
objetivo da vida é servir. Cristo mesmo foi obreiro, e dá a todos os
Seus seguidores a lei do serviço — o serviço a Deus e ao próximo‖
(Parábolas de Jesus, p. 326).
A mãe de Tiago e João pediu a Jesus que seus dois filhos
tivessem um assento preferencial no reino do Messias. Suas
intenções eram boas, mas ela não havia entendido a natureza do
governo de Deus. Jesus mesmo afirmou: ―Vocês não sabem o que
estão pedindo‖ (Mt 20:22).
Então, Jesus esclareceu a todos os discípulos o contraste
marcante entre o reino dos homens e o de Deus. Para a natureza
humana, o maior é aquele que fica no topo. Para Deus, a pirâmide
é invertida. A grande lição que o Mestre nos passa aqui é o
exemplo: Ele não veio para ser servido, mas para servir. ―Quem
quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo; e quem
quiser ser o primeiro deverá ser escravo; como o Filho do homem,
que não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em
resgate por muitos‖ (Mt 20:26-28). A verdadeira grandeza consiste
em servir aos outros. E a atitude de servo é a atitude apropriada
para todos os discípulos de Jesus.
A vida de Dwight Moody é cheia de inspiração. Ele foi um dos
maiores pregadores da igreja cristã de todos os tempos. Usado por
Deus de maneira extraordinária, ele era também um homem
inteiramente submisso. Foi convidado para realizar uma série de
conferências para pastores na Inglaterra numa época em que não
havia calçamento adequado nas ruas de Londres. Em grandes
concentrações como aquela, era costume encarregar alguém para
limpar as botinas dos participantes no período da noite.
As pessoas deixaram seus calçados do lado de fora da porta,
mas os organizadores do encontro se esqueceram de contratar
alguém para essa função. Na manhã seguinte, as botas estavam
limpas e lustradas, e todos se perguntavam quem havia feito o
humilde serviço. Descobriram mais tarde que Moody passara a
noite em claro, fazendo o trabalho de um servo.
Aquele que possui a atitude de servo não escolhe hora ou lugar
para fazer o que precisa ser feito. Todos os grandes homens e
mulheres de Deus deixaram suas marcas na história por causa de
uma vida de serviço.
22 de setembro Terça
As mãos de Cristo
É a Cristo, o Senhor, que vocês estão servindo. Colossenses 3:24

O verdadeiro cristianismo nos leva invariavelmente a uma vida de


serviço. O propósito supremo do serviço é expandir o reino de Deus
na Terra. Estou certo de que quem está servindo na igreja, na
família ou na comunidade entendeu perfeitamente a grandeza do
serviço. Começamos a servir no mesmo instante em que fomos
alcançados pela graça. O desejo do coração de um convertido é
ver outros desfrutando as mesmas bênçãos que ele experimentou.
Sua única motivação é Jesus. Nada mais.
Conta-se que, certa vez, um sapateiro cristão perguntou a Lutero
o que deveria fazer para servir melhor a Deus. Talvez esperasse o
conselho de fechar seu negócio e se tornar pregador do
evangelho. Lutero respondeu: ―Faça um bom sapato e venda por
um preço justo.‖
Lutero ensinou àquele homem que ele deveria servir a Deus por
meio de sua profissão. Servimos a Deus quando realizamos nosso
trabalho com excelência. Não diga que você está trabalhando para
Deus se faz seu trabalho de qualquer forma. Nem Deus aprecia um
santo relaxado.
Uma garota de 13 para 14 anos perdeu os pais. Sozinha, tinha
que cuidar dos irmãos menores. Trabalhava fora, limpava a casa,
lavava, cozinhava. De tanto trabalhar, ficou doente. Algumas irmãs
diaconisas foram visitá-la. Ela estava prostrada. Com lágrimas nos
olhos e com dificuldade na voz, ela disse: ―Não temos comida, não
temos dinheiro, não temos nada; tudo o que consegui foram esses
grandes calos nas mãos. Se eu me encontrar com Jesus, o que
direi a Ele?‖ Uma das diaconisas, enquanto alisava seu cabelo,
disse: ―Filha, quando se encontrar com Jesus, não diga nada.
Apenas mostre suas mãos.‖
Mãos marcadas pelo serviço. As mãos dos discípulos de Jesus
são as mãos de Cristo para o mundo. Como Seu seguidor, você
precisa servir às pessoas por Ele. Descubra quais são as
oportunidades em sua vizinhança e aproveite para servir em uma
delas. Seja as mãos de Cristo onde você estiver.
Há muito que podemos fazer pelos outros. Precisamos ajudar as
pessoas a carregar a cruz pesada que levam. Ofereça a alguém
um simples copo de água em nome de Jesus. Sirva ao próximo
com amor sincero. Assim, muitos poderão dizer que Jesus passou
por onde você andou.
Quarta 23 de setembro
Serviço voluntário
Quando convocares as Tuas tropas, o Teu povo se apresentará
voluntariamente. Trajando vestes santas, desde o romper da
alvorada os Teus jovens virão como o orvalho. Salmo 110:3

Gosto muito do verso bíblico de hoje, pois ele apresenta os jovens


como voluntários. O voluntariado valoriza o currículo de qualquer
pessoa. Normalmente as empresas apreciam essa característica,
pois evidencia responsabilidade, iniciativa, disciplina e trabalho em
equipe. Em geral, quem é voluntário é dedicado e não vive em
busca de aplauso.
Estima-se que apenas 7% dos jovens brasileiros sejam
voluntários. Para efeito de comparação, nos Estados Unidos 62%
dos jovens atuam como voluntários.
Grande parte das pessoas que se dedicam ao voluntariado está
na igreja. Os súditos do reino de Deus têm o coração voluntário.
Alguns nasceram com o dom de servir. Acordam todas as manhãs
esperando a oportunidade de ajudar alguém.
Em nossas igrejas encontramos muitas pessoas assim. Tendo
Jesus como modelo, trabalham com dedicação, prontas para
arregaçar as mangas e servir em nome de Deus.
Essas pessoas não precisam de chantagem emocional ou
pressão para fazer o que é necessário. O envolvimento é natural.
Em sua maioria, os voluntários são amorosos, colaboradores,
prestativos e gentis. A força da igreja está no voluntariado.
Mesmo que não seja algo natural para você, quero desafiá-lo hoje
a fazer algo por alguém. Você tem dons e habilidades. Use-os em
favor das pessoas que estão à sua volta. Peça a Deus para abrir
seus olhos para as necessidades dos outros. Existe muita coisa a
ser feita, e seus talentos podem ser bem úteis.
Não espere ser nomeado para servir. O espírito de serviço é
voluntário. Aliste-se nesse exército, torne o mundo um lugar melhor
para se viver e ajude pessoas a sonharem com a pátria que Deus
está preparando para nós.
24 de setembro Quinta
O servo bom e fiel
E o senhor respondeu: Muito bem, servo bom e fiel! Você foi fiel no
pouco, eu o porei sobre o muito. Venha e participe da alegria do
seu senhor! Mateus 2S:21

Nas parábolas dos dois servos, das dez virgens e dos talentos,
Jesus fala da necessidade de sermos servos fiéis, vigilantes e
produtivos. Na parábola dos dois servos, Ele faz um elogio porque
o servo fiel e sensato aguardava a volta de seu senhor. Na parábola
das dez virgens, as que estavam preparadas receberam a
recompensa por sua espera paciente. E, na parábola dos talentos,
os dois servos são recompensados por serem produtivos. Nessas
três histórias, o tempo de espera define os fiéis.
Na parábola dos talentos, um homem rico viaja e deixa três servos
cuidando de seus negócios. Ele distribui suas riquezas em
proporções diferentes. Cada um deveria cuidar de uma parte de
seus bens. Provavelmente, cada um tenha recebido os talentos de
forma proporcional às suas habilidades. Um recebeu cinco; outro,
dois; e o terceiro, apenas um.
O talento não era uma moeda, mas uma medida de peso. O
candelabro do tabernáculo, por exemplo, pesava um talento,
equivalente a 35 quilos (Êx 25:39). Alguns estudiosos da Bíblia
afirmam que um talento era equivalente a 6 mil dias de trabalho de
um trabalhador comum. Portanto, aquele era um valor enorme!
Os dois primeiros servos, reconhecendo o privilégio da confiança
recebida, imediatamente começaram a trabalhar com dedicação e
conseguiram dobrar o valor confiado a eles. No entanto, o terceiro
servo pegou o talento recebido e o escondeu até o retorno de seu
senhor. Quando chegou o momento do acerto de contas, os dois
servos foram elogiados e promovidos. Mas o terceiro só tinha
desculpas para apresentar.
Já ouvi algumas vezes pessoas dizendo que terão a eternidade
para descansar. Acho que entenderam esse assunto erroneamente.
O Senhor dirá para os servos fiéis: ―Você foi fiel no pouco, e Eu lhe
darei muito mais!‖ Chamo isso de promoção divina. Quando
cumprimos nosso dever com fidelidade, além da alegria da tarefa
cumprida, receberemos do Senhor a incumbência de fazer mais na
eternidade. Os servos fiéis serão honrados com mais trabalho.
Se você é o servo dos cinco talentos, faça bem seu trabalho. Use
os talentos que você recebeu e multiplique-os para a glória do
Senhor. Mas, se você é o servo que recebeu um talento apenas,
não o enterre. Seja um servo bom e fiel, antes de qualquer coisa.
Faça disso sua recompensa.
Sexta 25 de setembro
Dons para servir
Cada um exerça o dom que recebeu para servir os outros,
administrando fielmente a graça de Deus em suas múltiplas
formas. 1 Pedro 4:10

Todas as pessoas nascidas de novo recebem dons espirituais. A saúde


da igreja depende do uso que fazemos dos dons que o Espírito nos
concede. Você sabe qual é seu dom? Se eu lhe perguntasse quais são
seus três dons mais importantes, você seria capaz de falar rapidamente?
Em 1 Coríntios 12:1, está escrito que Deus não quer que você seja
ignorante sobre os dons. Quando Ele os concede, quem recebe está
pronto para servir. Os dons são distribuídos como capacitação especial
para o serviço. Deus deseja que Seus filhos façam o que são capazes.
Ele jamais pedirá para alguém algo fora da habilidade que Ele mesmo
conferiu.
A melhor maneira de descobrir quais são seus dons é se envolvendo
em diferentes atividades da igreja. O dom é exatamente o que lhe
proporciona alegria em realizar para o Senhor e recebe aprovação dos
irmãos. Os dons são tão variados quanto as pessoas. Os recursos são
inesgotáveis, pois vêm de uma Fonte inesgotável.
Quando criou você, Deus idealizou uma obra que só pode ser realizada
por sua vida. Nenhuma outra pessoa tem a capacidade e os talentos
para fazer o que Deus planejou para você realizar.
Pedro afirma que os dons foram dados para servir. O desafio é repartir
―com os outros‖ o que recebemos de maneira tão generosa. O
compromisso de fazer o seu melhor determinará a diferença entre o
―servo bom e fiel‖ e o ―servo mau e negligente‖. Quem tem dom tem
trabalho.
Se Deus colocou em seu coração a vontade de trabalhar em Sua obra,
preste atenção a esse desejo. Ore por ele. Aquilo que Deus quer que
você faça é exatamente o que Ele coloca em seu coração. O que você
vai fazer agora? Faça alguma coisa! Faça já!
Faça para a glória de Deus!
26 de setembro Sábado
Jesus é nosso padrão
Quem Me serve precisa seguir-Me; e, onde Eu estou, o Meu servo
também estará. Aquele que Me serve, Meu Pai o honrará. João
12:26

No Novo Testamento, o ministério da igreja está relacionado com a


atividade de servir. Jesus deixou claro que, em Seu reino, o estilo
de vida dos que ministram em Sua causa é semelhante ao de um
servo. Essa é a palavra que Ele usa para descrever Seus
seguidores.
Na cultura grega, os escravos ou servos eram menosprezados.
Era degradante tratar uma pessoa dessa forma. Platão dizia: ―Como
alguém pode ser feliz quando tem de servir a outra pessoa?‖
Imagine o impacto deste ensino de Jesus para Sua audiência
original: ―Pois quem é maior: o que está à mesa, ou o que serve?
Não é o que está à mesa? Mas Eu estou entre vocês como quem
serve‖ (Lc 22:27). Como Jesus, nós também devemos assumir o
papel de servos.
No reino de Deus, um servo é alguém que se dispõe a fazer o
trabalho mais humilde para a glória de Cristo. Paulo usou essa
mesma palavra para descrever até mesmo os pregadores (1Co
3:5).
Você deve ter notado que Jesus usou essa palavra para Si
mesmo. Ele disse: ―Mas Eu estou entre vocês como quem serve.‖
Ele é o nosso modelo. Servimos para satisfazer a Cristo apenas, e a
ninguém mais. Se houver necessidade de limpar algumas mesas, o
servo estará disposto a fazê-lo. Se precisar lavar alguns pés sujos
em nome de Jesus, será uma honra servi-Lo dessa maneira.
Quando Cristo voltar, como Rei dos reis, receberemos nossa
recompensa. Enquanto esse dia não chega, sejamos servos fiéis no
serviço de Deus. Jesus e nossos irmãos contam conosco.
Domingo 27 de setembro
Santidade
Mas, assim como é santo Aquele que os chamou, sejam santos
vocês também em tudo o que fizerem, pois está escrito: Sejam
santos, porque Eu sou santo. 1 Pedro 1:1S, 16

Santidade é um assunto sério. Não há obra mais importante na vida do


que a santificação. Mas, afinal, o que isso significa? O termo teológico
parece complicado, mas o conceito é muito simples: santidade é ser
semelhante a Jesus. É parecer com Ele.
A maior dificuldade para entender a santidade são os ―santos‖ que
passam uma eternidade na igreja, mas não se parecem nada com
Jesus. Eles se vestem como santos, falam como santos, comem como
santos, vivem com os santos, porém nunca conheceram Jesus de fato. A
palavra-chave para a santificação é relacionamento.
Como santidade é um conceito associado à Divindade, achamos que o
padrão é inatingível. De fato, é mesmo. Mas, pela contemplação ocorre o
milagre da transformação. O tempo que passamos em relacionamento
com Jesus produz a mudança que precisa ser efetuada em nossa vida.
Quando isso ocorre, as pessoas passam a ver Jesus em nós.
Quando conhecemos alguém, ficamos familiarizados com essa pessoa.
Com Jesus ocorre a mesma coisa. Ao nos relacionarmos com Ele,
assumimos Suas características e imitamos Seu comportamento.
Precisamos compreender que santidade não é ir à igreja ou participar
de atividades religiosas nem cumprir regras de forma mecânica, sem as
motivações corretas.
Santidade é fazer de Jesus o melhor amigo da vida. É andar com Ele
todos os dias com o auxílio das Escrituras. É ter prazer na presença
Dele, desejando-O como a melhor companhia, certo de que é delicioso
estar em Sua presença. É ter um relacionamento tão profundo com
Jesus a ponto de Ele realmente ocupar o primeiro lugar na vida. É dar
mais importância a Ele do que a qualquer outra coisa.
28 de setembro Segunda
Santos
Porque Deus nos escolheu Nele antes da criação do mundo, para
sermos santos e irrepreensíveis em Sua presença. Efésios 1:4

Eu e você somos santos. Deus nos separou para Ele. Não por
causa do que fazemos, mas pelo que Jesus fez por nós. Essa é
uma importante verdade nas cartas de Paulo, nas quais ele se
refere a todos os membros da igreja como ―santos […] em Cristo
Jesus‖ (Ef 1:1). Sem dúvida, na igreja de Éfeso, e também nas
demais, as pessoas não eram perfeitas, porém Paulo diz que quem
está ―em Cristo Jesus‖ é santo.
Na Bíblia, a palavra grega traduzida por ―santo‖ é hagios, que
quer dizer ―separado‖ ou ―diferente‖. O termo pode ser traduzido
por ―igual ao Senhor e diferente do mundo‖.
A maioria de nós pensa em santos como aqueles seres
semiangélicos que enfeitam as igrejas católicas. Mas não era assim
que Paulo entendia o que é ser santo. Para ele, os santos eram
pessoas comuns e imperfeitas como eu e você.
Para o apóstolo, uma coisa era fundamental para alguém ser
santo: estar em Cristo. Qualquer um que ame o Filho de Deus é
santo. Se estamos em Cristo, somos pecadores redimidos;
portanto, santos.
Embora seja verdade que o pecado afete a totalidade de nosso
ser, incluindo mente, vontades e emoções, isso não é tudo o que a
Bíblia diz a nosso respeito. Ela chama os não cristãos de
pecadores mais de 300 vezes, mas em somente três ocorrências
um cristão é mencionado como pecador. Em vez de pecadores, a
Bíblia chama os crentes de ―santos‖ ou ―justos‖ mais de 240 vezes.
Biblicamente, então, a identidade primária de quem crê em Cristo
não é a de pecador, mas a de santo. Jesus derramou Seu sangue
em nosso lugar. Isso significa que Ele pagou o preço de nossa
santidade. Escondidos Nele, somos santos, embora ainda lutemos
com nossa natureza que, às vezes, nos leva a fazer o que não
queremos. Para todas essas ocorrências, podemos contar com a
graça perdoadora de Cristo que restaura nossa condição de
santidade, por meio de arrependimento sincero.
Lembre-se sempre de que você é santo. Os dias do pecado estão
contados. O mal está de saída. Conhecer sua identidade em Cristo
é a chave para a vitória.
Terça 29 de setembro
Santo, Santo, Santo
Santo, Santo, Santo é o SENHOR dos Exércitos. Isaías 6:3

A santidade é o principal atributo de Deus. Em nenhum lugar da


Bíblia Deus é repetidamente chamado de ―amor, amor, amor‖ nem
de ―eterno, eterno, eterno‖. Todos sabemos que Ele é amor e
eterno, mas a santidade é tão central no caráter de Deus que
encontramos essa característica sendo enfaticamente repetida,
como no verso de hoje.
Em Isaías 6, os anjos estão louvando na presença de Deus sem
interrupção. O profeta contemplou a santidade de Deus e tomou
consciência plena de sua condição pecaminosa. É sempre assim.
Quando entendemos quão santo é Deus, percebemos o quanto
somos pecadores. Como Isaías, exclamamos: ―Ai de mim, vou
perecer.‖ Quem não leva a vida cristã a sério não sabe quem é
Deus.
Em geral, achamos que grande pecador é quem faz coisas
terríveis e vergonhosas como o roubo, o assassinato e o adultério.
Porém, na presença de Deus, descobrimos que Ele não tem
classificação para o pecado. É o que a Bíblia diz: ―Não há nenhum
justo, nem um sequer‖ (Rm 3:10). Sua presença gloriosa escancara
nossa pecaminosidade. Resta-nos somente a misericórdia graciosa
do Pai.
Quando vemos Deus como Ele é, descobrimos que não somos
quem pensávamos que fôssemos. Mas o arrependimento permite
que a restauração divina se realize em nossa vida.
Deus nos restaura, nos ergue e nos coloca em uma nova posição.
No mesmo instante, o anjo desce com a brasa, e a culpa é retirada,
o perdão é oferecido e a paz invade a vida. Tudo ao redor muda.
No momento seguinte, transformado pela graça, você ouve a voz
do Eterno: ―A quem enviarei?‖
―Aqui estou. Envia-me a mim.‖ Essa é a resposta da conversão.
Cinco minutos antes, não havia esperança. Com o toque da graça,
o perdoado se torna um voluntário do reino de Deus. ―Conta
comigo, Senhor! Agora sei quem Tu és. Meu pecado foi retirado,
minha culpa foi perdoada. Não tenho medo de mais nada. Estou
disposto a ir.‖ Que essa seja sua realidade hoje!
30 de setembro Quarta
Caminhar com Deus
Enoque andou com Deus; e já não foi encontrado, pois Deus o
havia arrebatado. Gênesis S:24

Sabemos pouco sobre Enoque, mas o resumo de sua vida é


maravilhoso: ―Andou com Deus.‖ Ele teve filhos e filhas e viveu 300
anos. Depois de caminhar com Deus todos os dias de sua vida na
Terra, foi levado para o Céu. No livro de Judas, é dito que Enoque
advertiu o povo de Deus sobre o juízo final. Mas, sem dúvida, a
informação mais importante de sua história é que ele andou com
Deus. Como foi essa caminhada?
Enoque tinha um caráter piedoso. Segundo Ellen White, ele ―vivia
na própria atmosfera do Céu‖ (Patriarcas e Profetas, p. 85). Sem
dúvida, andou com Deus em todos os deveres de sua vida diária.
Ele foi pai, teve família, cuidou de seus negócios e fez amigos.
A fidelidade de Enoque por 300 anos é um desafio para aqueles
que acham difícil andar com Deus mesmo por um dia. Mas, se
Enoque teve essa história linda com Deus, quero o mesmo para
mim. Se ele conseguiu tão profunda amizade com o Todo-
Poderoso, então, talvez eu também consiga. Encontramos em sua
história alguns passos para nos ajudar em nossa caminhada com
Deus.
Primeiro, tenha amizade com o Senhor. Uma pessoa só andará
com outra se tiverem afinidade entre si. Em Amós 3:3, lemos: ―Duas
pessoas andarão juntas se não estiverem de acordo?‖ Se você tem
um pé na igreja e outro no mundo, é impossível ter afinidade com
Deus. Se Deus lhe pede para fazer uma coisa e você faz outra, não
há como ser amigo de Deus.
Em segundo lugar, tenha ódio pelo pecado. A Bíblia diz que o
pecado desagrada a Deus. Assim, o segredo da caminhada é
aprender a amar tudo o que Deus ama e odiar tudo o que Ele
odeia.
Terceiro, tenha uma vida de oração. Para Enoque, a oração era
como a respiração da alma. Você não consegue ficar um minuto
sem respirar. Dessa maneira, não há como andar com Deus sem
orar em todo o tempo. Isso significa estar em relacionamento
ininterrupto com Ele: em casa, na faculdade, no trabalho e na
igreja. Isso é orar sem cessar! Orar é viver.
Caminhe com Deus todos os dias, e a oração será a respiração
de sua vida.
Outubro
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2 3

4 5 6 7 8 9 10

11 12 13 14 15 16 17

18 19 20 21 22 23 24

25 26 27 28 29 30 31
Quinta 1º de outubro
Um povo santo
Consagrem-se, porém, e sejam santos, porque Eu sou o SENHOR, o
Deus de vocês. […] Eu sou o SENHOR que os santifica. Levítico 20:7,
8

Deus encontrou Moisés no deserto e pediu a Seu servo que tirasse as


sandálias dos pés porque a terra era santa. A presença divina tornava
aquele lugar sagrado. Entre os povos da Terra, o povo de Israel foi
escolhido para pertencer a Deus. Por isso, eles deveriam ser santos. Era
a presença divina entre eles que os santificava.
No contexto do santuário, somente os sacerdotes tinham acesso ao
compartimento santo. E apenas o sumo sacerdote entrava no lugar
santíssimo. Aqueles lugares eram sagrados. O tabernáculo foi ideia de
Deus, e Sua presença tornava aquele local santo. As vestes sacerdotais
eram sagradas, o sacerdote era consagrado ao Senhor, as ofertas eram
santas, os móveis eram santos, e tudo servia para fixar na mente do
povo a santidade de Deus. O sumo sacerdote usava um diadema escrito
―Santidade ao Senhor‖. Tudo os fazia lembrar que Deus estava no meio
deles.
Com isso em mente, estamos prontos para entender o que é viver ―pelo
Espírito‖ (Gl 5:16). Paulo diz que nosso corpo é o templo do Espírito
Santo. O que é habitado pelo Espírito de Deus é santo. A santidade não
é o que fazemos. É o que somos em Deus.
A Bíblia deixa bem claro que a santificação é obra divina. Uma vez que
estamos em Cristo, e Ele está em nós pela presença do Espírito Santo,
somos o novo Israel, o novo povo do concerto. E, como representantes
do Rei celestial, devemos ser os melhores cidadãos da Terra, custe o que
custar. ―Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa,
povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas Daquele que os
chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz‖ (1Pe 2:9).
Santidade, portanto, deveria ser natural, algo que refletisse que ―já
não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora
vivo no corpo, vivo-a pela fé no Filho de Deus, que me amou e Se
entregou por mim‖ (Gl 2:20). Afinal, é Ele quem nos santifica.
2 de outubro Sexta
Santidade e reavivamento
Então Pedro, cheio do Espírito Santo […]. Atos 4:8

Sabemos que precisamos de um reavivamento. Falta-nos algo.


Você não acha que falta fogo? Porém, não se esqueça de que
Deus é capaz de mudar qualquer circunstância. Ele pode trazer o
fogo do Espírito para nossa vida.
Em Atos 1:8, Jesus fez a promessa de que derramaria de Seu
Espírito sobre Seus seguidores, mas os discípulos deveriam
esperar. Eles foram obedientes e oraram por dez dias.
A falta de santidade não é uma opção para o cristão. A Bíblia diz:
―Sejam santos, porque Eu sou santo‖ (1Pe 1:16). Muitos querem o
Pentecostes, mas se esquecem do preço. Pentecostes não é falar
em línguas, não é uma experiência milagrosa, é santidade diária.
Não há transformação sem aflição. Diz o salmista: ―Foi bom para
mim ter sido castigado, para que aprendesse os Teus decretos‖ (Sl
119:71). Estamos tirando da pregação o desconforto do evangelho.
Há quem ouça repreensões na igreja e pense: ―Eu não devia ter
vindo aqui hoje!‖
Quando o fogo do Espírito vem, lembramos que somos a lenha.
Ele não queima apenas parte de nós, mas nos consome por
completo. A primeira coisa que o reavivamento promove é o desejo
de saber o que fazer. Quando a multidão ouviu a mensagem de
Pedro, ficou cheia de aflição e perguntou qual passo deveria dar.
Pedro respondeu: ―Arrependa-se!‖
Ser santo pode ser doloroso. Quanto mais Cristo passa a viver em
você, mais você terá que morrer para si mesmo. Se fizer isso,
crescerá em santidade.
O arrependimento não é uma coisa que podemos fazer sozinhos.
É uma reação nossa à graça divina. Arrependimento é rendição. É
cairmos aos pés de Cristo em tristeza pelo pecado e certos de Sua
misericórdia.
A santidade não transforma quem se esforça sozinho. Não é para
quem corre mais. Ela transforma quem se entrega. Produz o
reavivamento que tanto sonhamos. O reavivamento revela que
Cristo já está produzindo os santos que Ele pretende usar.
Quando o Espírito queima, a lenha que prega queimará a lenha
que ouve. Permita que Deus incendeie sua vida com poder. Os
resultados são inimagináveis.
Sábado 3 de outubro
Às portas do Céu
Vi a Deus face a face […]. Gênesis 32:30

A história se passa em Jaboque, que significa ―rio azul‖. Mas Jacó não
conseguia ver a beleza daquele vale. Estava desesperado, porque seu
irmão estava indo a seu encontro. Indefeso, buscou segurança em Deus.
Jacó orou como nunca. Durante toda a noite, travou a batalha mais
importante de sua vida. Ao amanhecer, o Homem com quem lutava tocou
sua coxa. Então Jacó compreendeu que seu oponente era o Cristo pré-
encarnado. O patriarca levaria em seu corpo as marcas do encontro com
Deus.
Depois desse dramático acontecimento, Deus o convidou a voltar a
Betel. Havia sido nessa cidade que Jacó tinha recebido a visão da
escada. Para ele, aquele lugar era a porta do Céu. No momento em que
se sentia mais abandonado, Jacó descobriu que Deus estava mais
próximo dele e era mais real do que nunca. Deus queria que ele voltasse
para Betel.
A perspectiva do encontro com Deus naquele lugar santo levou Jacó a
promover uma reforma completa em sua casa. Ídolos e joias foram
enterrados ao pé de uma grande árvore. A purificação exterior
simbolizava a purificação do coração.
Essa atitude de Jacó deve ser manifestada em nossa vida hoje.
Estamos às portas do Céu. Como ele, precisamos experimentar o toque
de Jesus. Devemos nos agarrar ao Senhor em busca de nossa bênção.
Não O largue por nada. Principalmente agora que estamos tão perto de
casa.
Seja santo em tudo na vida. Não tenha a mínima tolerância com tudo o
que afasta você de Deus. O que não faz parte de nossa caminhada para
o Céu deve ficar em segundo plano. A santidade cria as condições para
que possamos viver no Céu. ―Sem santidade ninguém verá o Senhor‖
(Hb 12:14). Ellen White afirma: ―A santificação não é obra de um
momento, de uma hora, de um dia, mas da vida toda‖ (Atos dos
Apóstolos, p. 560).
Você sabe de qual purificação precisa hoje. Compareça diante de
Deus e peça-Lhe que o limpe de toda a sujeira acumulada em sua vida.
4 de outubro Domingo
Alegria
Alegrem-se sempre no Senhor. Novamente direi: Alegrem-se!
Filipenses 4:4

Conheço algumas pessoas que têm sorriso fácil. Parecem estar


sempre de bem com a vida. Para elas, a alegria é o estado natural
do coração. Nem todos são assim.
Todos nascemos com um potencial para a alegria. Observe as
crianças. No geral, elas vivem a celebração da vida. Suas
brincadeiras são barulhentas e engraçadas. Observe-as brincar e
você se pegará sorrindo da criatividade delas. Elas não precisam
de muito para serem felizes.
Em Surpreendido Pela Alegria, C. S. Lewis relata sua jornada do
ateísmo para o cristianismo autêntico. Ele percorreu esse caminho
tentando descobrir qual era a fonte da alegria que havia
experimentado na infância. A experiência da conversão, como
disse Jesus, nos faz semelhantes às crianças. Voltamos a sorrir
com o coração.
Mas quando foi que tudo ficou tão sério? Em que momento
perdemos a habilidade de dar umas boas gargalhadas? Por que o
riso desapareceu de nossa face?
Paulo estava preso em Roma. Por isso, a igreja de Filipos enviou
um de seus líderes, Epafrodito, para encorajar o apóstolo e ajudá-lo
em suas necessidades. Quando voltou a Filipos, Epafrodito levou
uma carta de Paulo para encorajar e instruir a igreja. Nela, o
apóstolo afirma sua completa satisfação e alegria em Cristo,
mesmo em face dos sérios problemas que enfrentava.
Em cada capítulo, ele mostra o supremo lugar de Jesus em sua
vida. Ao lermos essa epístola, entendemos que alegrar-se em Cristo
é a primeira prioridade da vida cristã. Não existe nada como a
alegria para curar as amarguras da existência. A felicidade é
terapêutica.
Quem era esse prisioneiro que ensinava a igreja a se alegrar? Ele
repete esse mandamento três vezes (3:1; 4:1; 4:4) como se
estivesse estabelecendo um novo princípio.
Em Cristo, podemos experimentar felicidade real. Aprenda a
depender Dele, e a verdadeira alegria será uma realidade em sua
vida.
Segunda 5 de outubro
Grande alegria
Deus os enchera de grande alegria. As mulheres e as crianças
também se alegraram, e os sons da alegria de Jerusalém podiam
ser ouvidos de longe. Neemias 12:43

Uma pessoa que experimenta os milagres de Deus diariamente é


cheia de alegria! Deus é feliz e espera que Seus filhos também
sejam felizes. Se dermos uma olhada nas atitudes divinas
registradas na Bíblia, perceberemos que elas revelam alegria diante
do que é certo, justo e belo.
Em Números 10:10, Deus manda Moisés fazer trombetas que
seriam tocadas para convocar o povo ―em seus dias festivos‖. Na
Festa dos Tabernáculos, o povo se reunia durante sete dias para
descansar, comer e beber. Havia um mandamento da alegria. Ela
deveria ser partilhada com a família, os empregados, o estrangeiro
e os necessitados (Dt 16:13-16). Nessa festa, as pessoas se
apresentavam diante de Deus com alegria e louvor.
A alegria do Senhor é contagiante. Em Neemias 8:9 e 10, vemos
que ela se manifesta no povo após lágrimas de arrependimento.
Quando a Festa dos Tabernáculos foi comemorada pelos judeus
depois do cativeiro babilônico, o autor bíblico fez questão de
registrar que ―grande foi a alegria deles‖ (Ne 8:17).
E não para por aí. Após a reconstrução dos muros, os levitas
foram convocados para ―celebrarem a dedicação alegremente,
com cânticos e ações de graças, ao som de címbalos, harpas e
liras‖ (Ne 12:27). No verso 43, lemos o seguinte: ―E naquele dia,
contentes como estavam, ofereceram grandes sacrifícios, pois
Deus os enchera de grande alegria. As mulheres e as crianças
também se alegraram, e os sons da alegria de Jerusalém podiam
ser ouvidos de longe.‖ Gosto desta expressão: ―Deus os enchera
de grande alegria.‖ Essa frase revela que Deus é o autor da alegria.
Para pequenos e grandes, Ele é o Deus da alegria.
Uma das maneiras mais apropriadas de revelar nossa alegria é
por meio do louvor em forma de música! Devemos cantar louvores
ao Senhor, porque Ele é o Deus da alegria. Ore hoje para que seus
olhos sejam abertos para perceber a bondade de Deus. Erga sua
voz em louvor e experimente a verdadeira alegria.
6 de outubro Terça
UMA IGREJA DE CORAÇÃO ALEGRE
Alegrei-me com os que me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”
Salmo 122:1

O livro dos Salmos está repleto de versos em que há uma


explosão de alegria. O Salmo 1 começa se referindo aos que são
―bem-aventurados‖ (ARA) ou ―felizes‖ (v. 1). O cristão feliz é aquele
que aprendeu a viver contente em toda e qualquer situação (Fp
4:10-12). Na presença do Senhor ―há plenitude de alegria‖ (Sl
16:11, ARA). O salmista se lembrava com saudade de quando
guiava o povo, ―conduzindo a procissão à casa de Deus, com
cantos de alegria e de ação de graças entre a multidão que
festejava‖ (Sl 42:4). Por tudo isso, é muito bom ver uma igreja cheia
e festejando as bênçãos de Deus!
Os que foram justificados por Cristo precisam se alegrar, diz o
Salmo 97:11 e 12. Por favor, nunca diga que você foi salvo por
Cristo se não está cantando louvores a Seu santo nome. Não é
possível ter a vida mudada e o semblante continuar o mesmo.
A alegria deve encher a casa do Senhor, diz o Salmo 122:1. Igreja
é um lugar para ir com alegria. Nossa alegria testemunha o que
Deus fez por nós: ―Então a nossa boca encheu-se de riso, e a
nossa língua de cantos de alegria. Até nas outras nações se dizia:
―O Senhor fez coisas grandiosas por este povo‖ (Sl 126:2, 3). O
Deus que é autor da alegria e tem prazer num povo alegre diz que
a igreja é um lugar de alegria: ―E lhes darei alegria em Minha casa
de oração‖ (Is 56:7). Os guardadores do sábado têm que ser um
povo feliz. Afinal, o sábado é para ser um dia feliz! É Deus quem
diz: ―Alegrem-se, porém, e regozijem-se para sempre no que vou
criar‖ (Is 65:18, 19). O Eterno vai restaurar todas as coisas, e
viveremos uma eternidade feliz e abençoada.
Qualquer pessoa pode ser feliz num momento específico e
maravilhoso. Porém, só o cristão consegue experimentar a alegria
que é fruto do Espírito. Essa alegria é contagiante. O mundo
comemora as vitórias no futebol com bandeiras e desfiles.
Deveríamos comemorar nossa salvação cantando com felicidade,
glorificando o nome de Deus, deixando a alegria extravasar em
nossas atitudes. Sonho com o dia em que a igreja vai reunir uma
multidão em festa, celebrando em louvor. O que aconteceria se
todos entrassem pelas portas da igreja com um sorriso de júbilo
estampado na face? Essa igreja ficaria conhecida como a igreja de
coração alegre!
Quarta 7 de outubro
Cheios de alegria
Que o Deus da esperança os encha de toda alegria […]. Romanos
1S:13

Encontramos no Novo Testamento muitas preciosidades bíblicas


sobre a alegria. O evangelho é boa-nova. E boa-nova sempre traz
alegria! Quando Maria foi ao encontro de Isabel, Jesus trouxe
alegria a João Batista ainda no ventre de sua mãe (Lc 1:44). Aos
pastores no campo, o anjo anunciou: ―Estou lhes trazendo boas-
novas de grande alegria, que são para todo o povo‖ (Lc 2:10).
Os pastores não deveriam temer, porque a mensagem do anjo era
boa-nova: literalmente o evangelho de Deus. Essas boas-novas
trariam ―grande alegria‖ a todas as pessoas e em todos os lugares.
Os mesmos anjos que cantaram e se regozijaram na criação do
mundo (Jó 38:7), no nascimento de Cristo cantavam diante da
alegria da redenção. Jesus passava nas cidades e isso provocava
alegria no povo (Lc 8:40). Pense bem nisto: Cristo veio ao mundo
para trazer alegria para as pessoas!
A igreja apostólica era alegre (At 8:8). Por que tanta alegria? A
mensagem de Jesus, com Seu evangelho libertador, tinha chegado
às cidades de Samaria. Como não haveria alegria depois de
demônios serem expulsos, paralíticos e coxos andarem? Gente
salva é gente feliz! Uma igreja que experimenta diariamente os
milagres de Deus é cheia de alegria. Em nossos cultos, deveríamos
ter sempre o sorriso de Deus estampado em nossa face.
Mas devemos cuidar para não forçar e colocar uma máscara de
alegria quando subimos os degraus da igreja. Temos que sorrir por
causa da permanente alegria do Espírito. A alegria é um fruto do
Espírito (Gl 5:22). O Eterno promete me encher de Sua alegria.
Então, vou procurar, por Sua graça, viver no lado mais ensolarado
da vida.
Igreja é feita de gente. Quando nos encontramos com outros
crentes que veem a vida pelos olhos de Cristo, rimos juntos,
geralmente em torno da mesa. Passamos a ser membros da
mesma família, desfrutando as alegrias da vida com regozijo.
Estou animado para ver a alegria se espalhando por aí. Minha
oração é que o Deus da esperança nos encha de Sua alegria.
8 de outubro Quinta
Então, sorria!
O coração bem-disposto é remédio eficiente, mas o espírito
oprimido resseca os ossos. Provérbios 17:22

A alegria renova o corpo e a mente. A pior doença é um coração


doente. Os estudiosos do comportamento humano dizem que o riso torna
a vida mais leve e ajuda a controlar a dor. Quatro motivos por que isso
acontece: 1) distrai a nossa atenção do problema; 2) reduz a tensão na
qual nos encontramos; 3) muda nossas expectativas; e 4) aumenta a
produção de endorfinas, que são os matadores naturais da dor.
Ao mesmo tempo em que faz bem para a alma, o ato de sorrir ativa a
circulação sanguínea e melhora o senso de humor. Se você estiver
chateado, mas mesmo assim sorrir, logo estará com um humor melhor. O
sorriso libera serotonina e endorfina, duas substâncias que produzem
uma sensação de bem-estar. Os estudiosos dizem que, ao dar boas
risadas, 12 músculos faciais são movimentados. Esse número dobra
quando damos deliciosas gargalhadas. É justamente esse estímulo
muscular que tonifica o coração e dá um aspecto saudável ao rosto.
A alegria deveria ser a marca dos homens e das mulheres de fé.
Deveríamos levantar cada manhã com um sorriso iluminando nossa face.
É um novo dia, e estamos vivos. Se temos saúde, aí está um motivo a
mais; e, ao lado de pessoas amadas, somos abençoados com razões de
sobra para sorrir e cantar.
O cristão pode passar por dificuldades, mas nada pode tirar dele o
contentamento. A pessoa convertida irradia felicidade. O sábio diz que
―a alegria do coração transparece no rosto‖ (Pv 15:13). Ellen White
afirma que ―alegria e consciência limpa são melhores que remédio‖
(Minha Consagração Hoje, p. 177).
Jesus gostava de festas. Em geral, pessoas assim gostam de gente. A
alegria flui naturalmente em ambientes festivos. Jesus atraía as crianças
para junto de Si. Isso é uma evidência de que Ele sorria. Crianças não
gostam de gente carrancuda.
Peça a Deus hoje para que você enxergue motivos para ser feliz.
Isso vai mudar seu dia e sua vida.
Sexta 9 de outubro
Histórias de alegria
Tenho lhes dito estas palavras para que a minha alegria esteja em
vocês e a alegria de vocês seja completa. João 1S:11

Jesus amava contar histórias. Suas parábolas ajudavam as


pessoas simples a entenderem as verdades mais profundas. Elas
parecem ter infinitas interpretações. Mas, se houver boa vontade,
interesse e estudo diligente, todos podem entender o que Ele
queria ensinar. Existem aproximadamente 40 parábolas nos
evangelhos. A definição mais simples de parábola é figura de
linguagem, um modo ilustrativo para ensinar uma profunda lição
espiritual.
Uma das coisas que mais me chama a atenção nas histórias
contadas por Jesus é que Ele sempre incluiu a alegria no roteiro.
Ele disse que todo o Céu se alegra quando uma pessoa se
converte.
Em Suas parábolas, Jesus agiu como um missionário da alegria.
Ele usava figuras que Seus ouvintes entendiam: comida,
casamento, flores do campo, a relação entre um pai e um filho, etc.
Essas histórias simples explicam realidades profundas, como a
salvação e o reino de Deus. Assim, até uma criança pode entender
o evangelho. E a maioria de Suas histórias vem temperada com
alegria.
Na seção dos perdidos e achados da Bíblia (Lc 15), a alegria é a
nota tônica. A reação da mulher quando encontrou a moeda
perdida foi incrível. Ela convidou as amigas e vizinhas para
celebrar. Ao achar sua ovelha perdida, o pastor partilhou sua
alegria com os amigos e vizinhos. E não podemos nos esquecer de
que o pai ofereceu um banquete por causa do retorno de seu filho
perdido. E que imensa alegria deve ter havido em sua casa,
quando ele falou para os empregados: ―Vamos fazer uma festa e
alegrar-nos!‖ (Lc 15:23).
O reino de Deus é um lugar de alegria. Não desfrutar dela é
desobediência. Regozijar-se é uma ordem. Em Romanos 12:12,
Paulo ordena: ―Alegrem-se na esperança.‖ É como se ele estivesse
dizendo que, se não houver motivos para sorrir, ainda assim
podemos nos agarrar à esperança.
Então, como um filho perdoado e aceito, você deve rir com mais
frequência. Entre na casa do Pai como se o banquete tivesse
acabado de ser servido. Comemore de coração leve. E, quando vir
um filho perdido retornando para os braços do Pai, não fique
emburrado do lado de fora. Alegre-se! Você ficará radiante ao ver o
sorriso do Pai.
10 de outubro Sábado
Alegria de viver
Que aconteceu com a alegria de vocês? Gálatas 4:1S

Joie de vivre [alegria de viver] é uma expressão francesa que


descreve algumas pessoas que têm a capacidade de amar a vida
em sua plenitude. Você percebe algo diferente nelas, seja em sua
personalidade seja em suas ações. Qual é o segredo de uma vida
cheia de alegria? O que essas pessoas descobriram?
Ria de tudo que desperte alegria. Ria de si mesmo. Apesar de
tantas coisas tristes que nos acontecem, temos muito para
agradecer. E a gratidão aumenta nosso nível de felicidade de modo
surpreendente.
Faça algo por alguém. Há alegria no serviço. Gente generosa e
prestativa tem um coração feliz. Pessoas assim vivem sorrindo.
Envolva-se mais com as pessoas. Há alegria na amizade. Cerque-
se de gente otimista, que o puxe para cima. Ao se deparar com
alguém triste, leve amor e alegria ao coração dessa pessoa. Sorria
para as pessoas, e elas vão sorrir para você.
Para cultivar a alegria, procure ser equilibrado em suas atividades
e tire tempo diário e semanal para um descanso de qualidade.
Mente cansada e corpo tenso roubam o sorriso de nossa face. Se
seu desejo é maximizar sua alegria, então durma melhor. O sono é
uma das coisas mais importantes que podemos fazer para
aumentar nossa capacidade de sermos felizes.
Sinta o Céu invadindo seu mundo todas as manhãs. A alegria é
uma dádiva. Peça a Deus que lhe dê alegria. A alegria é um fruto
do Espírito. Deus ama você. Diga-Lhe então: ―Senhor, dá-me alegria
de viver!‖ Entregue-Lhe cada preocupação. Não guarde nenhuma
ansiedade para o dia seguinte.
Cante mais. Ame mais. Sorria mais. Seja feliz!
Domingo 11 de outubro
Disciplina
Quem despreza a disciplina cai na pobreza e na vergonha.
Provérbios 13:18

A disciplina é a ferramenta mais importante na arte de viver. Quem


aprende a manejá-la sabiamente terá uma vida produtiva e
abençoada. O contrário também é verdadeiro. Quem não
desenvolve a disciplina ―cai na pobreza e na vergonha‖. Pessoas
bem-sucedidas são, em sua maioria, disciplinadas. Elas costumam
pagar o preço por suas realizações.
Em geral, temos uma ideia equivocada da disciplina. Pensamos
nela negativamente, quase sempre fazendo uma associação com
seus aspectos punitivos: crianças maltratadas por pais severos,
rigidez autoritária ou ordens arbitrárias dadas aos gritos. Se o
conceito que temos foi forjado em um padrão opressivo, olharemos
a disciplina como inimiga.
A pessoa bem-sucedida vê a disciplina com outros olhos:
1) Como ferramenta indispensável para moldar o estado de
espírito. A disciplina torna uma pessoa responsável diante dos
compromissos. Ela faz o que precisa ser feito, mesmo quando não
tem vontade.
2) Como ferramenta que ajuda no controle das emoções. A
pessoa disciplinada não se deixa dominar por sentimentos. Não
reage de acordo com a pressão do momento.
3) Como ferramenta que ajuda a administrar o tempo. Quem age
assim parece levar a vida em um ritmo mais lento. Na verdade,
pessoas assim têm controle de sua agenda e decidem
antecipadamente o que vão fazer de seu tempo, antes que alguém
lhe peça alguma coisa, enquanto a maioria vive correndo
desesperadamente sem tempo para refletir, contemplar e viver.
4) Como ferramenta para administrar bem o dinheiro. A pessoa
disciplinada não vive desesperada para obter mais recursos
financeiros. Aprendeu a fazer mais com menos e a produzir com
menos esforço. Desde cedo, ela aprendeu a economizar. ―Na casa
do sábio há comida e azeite armazenados, mas o tolo devora tudo
o que pode‖ (Pv 21:20).
5) Como ferramenta para cuidar bem da saúde. Se você permitir,
a vida vai exigir de você mais energia do que tem. Mas quem cuida
de si mesmo fisicamente consegue fazer mais e desfrutar suas
realizações.
A disciplina ajuda a organizar a vida na direção do sucesso. O
Senhor pode ajudar você a ter uma vida mais disciplinada. Peça
ajuda de Deus para viver da melhor maneira possível. Submeta-se
à Sua vontade, e Ele o ajudará a ter a disciplina de que você
precisa.
12 de outubro Segunda
Disciplina a longo prazo
Quem se nega a castigar seu filho não o ama; quem o ama não
hesita em discipliná-lo. Provérbios 13:24

Tudo o que aprendemos sobre disciplina começa em casa. Quem foi


criado sob o guarda-chuva de pais sábios, amorosos e firmes foi
abençoado com um legado para a eternidade. A disciplina é um princípio
fundamental de uma educação sólida e saudável. É dever dos pais
disciplinar os filhos. O que se aprende na infância jamais é esquecido.
As palavras ―discípulo‖ e ―disciplina‖ têm a mesma raiz. Referem- se a
princípios que precisam ser ensinados desde a infância para que se
construa uma vida interior em plena ordem. Filhos que recebem essa
bênção são impelidos desde cedo a seguir pelo caminho do dever. O que
traumatiza uma criança não é a disciplina, mas a negligência. A ―vara da
disciplina‖ (Pv 22:15) está fazendo muita falta hoje em dia!
Ellen White diz que ―o maior mal que se pode fazer a uma criança ou
jovem é consentir que se renda à escravidão dos maus hábitos‖
(Educação, p. 291). Os pais ensinam aos filhos quer queiram quer não.
As ações ensinam mais que as palavras.
No livro de Provérbios, a disciplina dos filhos é um assunto
recorrente. As lições de boas maneiras ensinadas em casa ajudam a
fixar os limites da vida. O sábio disse: ―Não evite disciplinar a
criança; se você a castigar com a vara, ela não morrerá‖ (Pv 23:13).
Essa é uma forma de dizer que deve haver equilíbrio na aplicação da
disciplina. No entanto, a correção física tem base bíblica. Cada pai terá
que prestar contas a Deus por seu uso, mau uso ou desuso. ―A vara da
correção dá sabedoria, mas a criança entregue a si mesma
envergonha a sua mãe‖ (Pv 29:15). O filho
indisciplinado envergonha todo mundo, não somente seus pais.
Quem foi disciplinado na medida certa entra na corrida com uma
grande vantagem. Se sonhamos atingir nosso mais alto potencial,
precisamos de disciplina em nossa vida. Deus é nosso discipulador e
disciplinador. Aceitando Sua orientação e direção, estaremos no caminho
do verdadeiro sucesso na vida.
Terça 13 de outubro
Gratificação adiada
Todo o que ama a disciplina ama o conhecimento, mas aquele que
odeia a repreensão é tolo. Provérbios 12:1

Um grupo de pesquisadores resolveu fazer um teste com crianças


de quatro anos de idade. Elas eram levadas para uma sala onde
havia um marshmallow sobre uma mesinha. O pesquisador dizia
que poderiam comer o doce na hora que quisessem. Porém, ele as
informava que, se esperassem seu retorno sem comer o doce,
ganhariam dois marshmallows.
O pesquisador então saía e deixava a criança sozinha com a
tentação. Os cientistas ficavam observando o que as crianças
faziam para resistir. Algumas cantavam, contavam histórias,
brincavam com os dedos. Houve uma que até chegou a lamber a
mesa.
Os pesquisadores acompanharam essas crianças por anos. Eles
descobriram que as que haviam conseguido esperar se tornaram
mais bem-sucedidas na vida. No teste de admissão para a
faculdade, em média, elas fizeram 210 pontos a mais que aquelas
que foram apressadas. Saber esperar é a ―aptidão suprema‖.
Só gente madura consegue esperar. Muitos não resistem aos
impulsos e não os controlam. Alguns não conseguem ver que, se
pagarem o preço da disciplina e andarem a segunda milha, vão
desfrutar mais tarde as recompensas prometidas.
Por isso, precisamos aprender desde cedo a praticar alguns bons
hábitos. Tão logo começamos a pô-los em prática, criamos um
impulso que desencadeia uma série de outros hábitos bons.
Infelizmente, se isso não ocorre, surgem impulsos que
desencadeiam hábitos negativos.
A gratificação adiada é a melhor maneira de tocar a vida com
responsabilidade e é um componente poderoso para desenvolver a
disciplina. Peça a Deus que lhe dê domínio próprio e não troque a
felicidade eterna por prazeres momentâneos.
14 de outubro Quarta
Um exemplo de disciplina
Depois lhe trouxeram comida, mas ele disse: Não comerei
enquanto não disser o que tenho para dizer. Gênesis 24:33

Para alcançar qualquer alvo na vida, você precisa fazer mais do


que orar. Em geral, o sucesso exige determinação férrea. O nome
disso é disciplina, que é a disposição de fazer mais e melhor. É
uma determinação que pode ser confundida com teimosia.
Quando Eliézer recebeu a incumbência de conseguir uma esposa
para Isaque, ficou preocupado com o tamanho da missão. Mas
seguiu no projeto confiando na direção divina. Ele ia fazer algo não
apenas porque alguém havia lhe pedido, mas para cumprir a visão
de Deus.
Eliézer sabia que haveria alguns obstáculos pela frente, mas ele
estava determinado a executar o projeto. Ele teria que desenvolver
um plano pessoal para tentar encontrar a moça certa. Precisava de
uma estratégia. Então, orou mais de uma vez (Gn 24:12, 15, 52).
Sua estratégia incluía a oração e também a ação. Ele disse a
Deus que a esposa de Isaque não poderia ser uma mulher
qualquer. Tinha que ser uma garota acima da média. E ela revelaria
isso pela atitude.
Quando Eliézer terminou de orar, Rebeca estava bem a seu lado.
Ela lhe deu água e se ofereceu para dar de beber a seus camelos.
Eliézer se segurou, pois esse era apenas o primeiro sinal. Ao
chegar na casa da garota, a família lhe ofereceu comida. Porém,
ele disse: ―Não comerei enquanto não disser o que tenho para
dizer.‖
Isso é disciplina. Primeiro o dever, depois o prazer. Eliézer
disciplinou o apetite. De igual modo, devemos refrear nossas
vontades naturais e subordiná-las a propósitos nobres. Não
podemos ser escravos dos desejos. Se formos assim, jamais
experimentaremos o sucesso.
Eliézer demonstrou um grande senso de disciplina pessoal.
Temos muito que aprender com ele. Vivemos num tempo em que as
pessoas estão interessadas no resultado, mas o que Deus valoriza
é o caráter.
Com as prioridades certas, podemos alcançar melhores
resultados na vida. Não permita que o prazer dite as ordens para
você. Quem tem o dever em primeiro plano colhe como resultado
oportunidades legítimas de desfrutar boas coisas. Não inverta a
ordem natural do sucesso: antes do prazer, o dever.
Quinta 15 de outubro
Viva pelo princípio da segunda milha
Assim ela esvaziou depressa seu cântaro no bebedouro e correu
de volta ao poço para tirar mais água para todosos camelos.
Gênesis 24:20

No tempo de Jesus, os judeus estavam debaixo da opressão


romana. Os soldados do imperador podiam fazer com que
qualquer pessoa carregasse o equivalente a seu peso por uma
milha. Isso era uma humilhação para um judeu. No entanto, Jesus
ensinou a Seus discípulos: ―Quando qualquer pessoa obrigar você
a fazer algo ultrajante, faça dobrado. Mostre que Meus seguidores
pensam de modo diferente dos demais.‖
Pessoas medíocres não querem andar nem a primeira milha.
Porém, os campeões vão além. Fazem sempre mais do que é
esperado deles. Jesus disse que devemos fazer além do que o
outro precisa. A primeira milha está no campo do dever, a segunda
traduz a grandeza de caráter.
A esposa de Isaque não poderia ser uma mulher qualquer. Tinha
que ser nobre. Eliézer pediu a Deus que lhe apresentasse uma
garota acima da média, pois o filho de seu senhor não era um rapaz
qualquer. Ele pediu uma que andasse a segunda milha. Ele disse:
―Senhor, mostra-me uma mulher para casar com o filho de meu
senhor. Mas não pode ser uma mulher comum. Ela precisa ser
disposta a fazer mais do que o básico.‖
Rebeca não sabia o que estava acontecendo. Sua vida estava no
fluxo normal. Mas quem vive o princípio da segunda milha será, em
algum momento, surpreendido pela bênção de Deus. E isso
ocorreu com ela diante do servo de Abraão.
Rebeca deu de beber a Eliézer e se ofereceu para dar água a
seus camelos. Você faz ideia de quanto bebe um camelo? Entre 90
a 120 litros de água. E Eliézer não estava com apenas um camelo.
Estava com dez!
Rebeca vivia pelo princípio da segunda milha. Por isso, casou-se
com o filho de um dos homens mais ricos do Oriente e entrou para
a linhagem do Messias.
Quem vive o princípio da segunda milha sempre recebe a
recompensa do sucesso. Qualquer pessoa bem-sucedida vive com
base nessa lei. É alguém que sempre faz mais do que se espera
dele. Não se acomode. Surpreenda quem está à sua volta com
disposição de sobra e se prepare para vencer na vida.
16 de outubro Sexta
Disciplinas espirituais
Exercite-se na piedade. 1 Timóteo 4:7

A vontade precisa de exercício para se fortalecer. Todos nós


necessitamos crescer espiritualmente. Se você foi batizado na
semana passada ou há cinco ou dez anos e continua igual ao que
era antes de seguir Jesus, então algo está errado. Deus nos ama
como somos, mas nos ama tanto que não quer nos deixar da
mesma forma. Ele quer que sejamos cada dia mais parecidos com
Seu Filho amado.
Na vida cristã, a única coisa que é de graça é a salvação. Tudo o
mais tem um preço. E o preço se chama disciplina! Vamos imaginar
que você foi escolhido para representar seu país em uma
olimpíada. Terá que se submeter a um programa de treinamento
regular, mas isso não se conclui da noite para o dia. O atleta dedica
muito tempo à prática dos exercícios elementares de seu esporte.
No treino, os pontos não são contados, porém esse esforço fará
toda a diferença na hora do jogo.
O mesmo aconteceria se você fosse participar de um concerto ao
piano. Leva anos para a formação de um bom pianista, e isso exige
bastante dedicação. Todo desafio significativo da vida requer
treinamento. Na vida espiritual não é diferente.
Paulo incentivou Timóteo a se exercitar na piedade. O apóstolo
estava tomando emprestada uma palavra do mundo dos esportes.
Essa expressão pode ser traduzida como ―exercitar‖, ―disciplinar‖
ou ―treinar‖. Em outras palavras, ele estava aconselhando o jovem
Timóteo a praticar a piedade.
O cristão é um aprendiz que pratica o que aprende de seu
Mestre. Precisamos desenvolver as disciplinas espirituais. Elas são
ferramentas que nos ajudam a viver o que Jesus nos ensinou.
É muito bom saber que Jesus vai voltar. Entender que estou salvo
e conviver com um grupo que compartilha da mesma fé é
estimulante. Porém, viver sem colocar em prática o que Jesus
ensinou é ter uma religião sem significado. Precisamos colocar em
prática o que aprendemos. Não fazemos isso para impressionar a
Deus. Paulo diz por que fazemos isso: ―O exercício físico é de
pouco proveito; a piedade, porém, para tudo é proveitosa, porque
tem promessa da vida presente e da futura‖ (1Tm 4:8). As
disciplinas espirituais conferem enormes benefícios para nossa vida
na Terra e nos preparam para o Céu.
Sábado 17 de outubro
A vida espiritual
Ponham em ação a salvação de vocês com temor e tremor, pois é
Deus quem efetua em vocês tanto o querer quanto o realizar, de
acordo com a boa vontade Dele. Filipenses 2:12, 13

Cada pessoa é responsável por seu crescimento na fé. Quem


quer progredir e atingir maturidade espiritual precisa pagar o preço.
Não podemos nos entregar ao Senhor e depois relaxar, achando
que Deus vai fazer o restante de modo automático.
Paulo levava isso tão a sério que apresentou sua luta pessoal
como exemplo para a igreja de Corinto: ―Vocês não sabem que de
todos os que correm no estádio, apenas um ganha o prêmio?
Corram de tal modo que alcancem o prêmio. […] Sendo assim, não
corro como quem corre sem alvo, e não luto, como quem esmurra o
ar. Mas esmurro o meu corpo e faço dele o meu escravo, para que,
depois de ter pregado aos outros, eu mesmo não venha a ser
reprovado‖ (1Co 9:24, 26, 27). O ser humano deve cooperar com
Deus em todo o processo. A vida cristã tem um preço elevado: o
rigoroso preço do treinamento diário.
Isso não significa entrar no reino de Deus por meio de boas obras.
A salvação não pode ser alcançada por mérito. Porém, graça faz
oposição a mérito; não a esforço. Ninguém se torna parecido com o
Senhor sem pagar o preço do compromisso diário. Não pratico as
disciplinas espirituais para mostrar o quanto meu relacionamento
com Deus é profundo. Pratico para ter um profundo relacionamento
com Ele. Procuro, dessa maneira, desfrutar a permanente alegria
da presença de Deus por meio da leitura diária da Bíblia, dos
momentos de oração e da frequência regular aos cultos da igreja.
Isso não é uma competição pessoal para ver quantos versos da
Bíblia consigo ler ou quanto tempo posso ficar em oração. O
propósito é abrir espaço diariamente em nossa vida para que Jesus
nos ensine a viver como Ele viveu.
Desenvolva sua vida espiritual, coopere com Deus na obra da
santificação e desfrute a beleza da salvação pela graça!
18 de outubro Domingo
Perseverança
E a perseverança deve ter ação completa, a fim de que vocês
sejam maduros e íntegros, sem lhes faltar coisa alguma. Tiago 1:4

O que nos ajuda a ter perseverança? Como podemos fazer que


essa seja uma característica de nossa vida? A perseverança se
revela na maneira como encaramos as dificuldades. Significa seguir
adiante, não importa o que aconteça. É continuar firme na jornada.
A pessoa que persevera demonstra coragem e determinação
incomuns. Perseverança significa continuar avançando, apesar das
dificuldades.
Muita gente começa projetos, mas não termina. Alguns levam a
vida a estilo micro-ondas: tudo muito rápido e imediato. Em nossa
sociedade descartável, usamos algo e, em seguida, jogamos fora
(seja um copo plástico, uma amizade, um cônjuge ou uma crença).
Nossas escolhas determinam nossa jornada. E alguns
simplesmente não conseguem ir muito longe.
Leia va-ga-ro-sa-men-te o que o apóstolo Paulo escreveu: ―De
todos os lados somos pressionados, mas não desanimados;
ficamos perplexos, mas não desesperados; somos perseguidos,
mas não abandonados; abatidos, mas não destruídos‖ (2Co 4:8, 9).
Perseverar é continuar na jornada, não importa o que aconteça. Ou
melhor, o que acontecer será usado como energia suplementar
para continuar a jornada. É enfrentar os golpes da vida sem se
desesperar nem desistir.
Para isso, a perseverança deve completar seu ciclo. Como diz
Tiago, ―a perseverança deve ter ação completa‖ (Tg 1:4). Aquele
que persevera revela maturidade. Uma coisa é terminar a corrida.
Outra coisa é terminar bem. Quem corre com perseverança, dando
o melhor de si, não importa a posição em que chegar, será sempre
um vitorioso.
Dizem que, para escalar o Everest, um alpinista precisa consumir
cerca de 6 mil calorias por dia. Em geral, consumimos, no dia a dia,
cerca de 2 mil. Mas para aguentar a subida e chegar ao destino, o
alpinista precisa de uma reserva extra; por isso, precisa do máximo
possível de calorias. Da mesma forma, se queremos seguir firmes
para chegar a nosso destino, precisamos de uma reserva extra de
alimento espiritual para perseverarmos, apesar da pressão.
Alimente-se da Palavra de Deus. Somente ela pode lhe dar força
suficiente para vencer os desafios da vida. Abastecido e nutrido por
seus ensinos, você terá perseverança e não desistirá dos desafios
de Deus para sua vida.
Segunda 19 de outubro
Correndo com perseverança
Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão
grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos
atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com
perseverança a corrida que nos é proposta, tendo os olhos fitos em
Jesus, autor e consumador da nossa fé. Hebreus 12:1, 2

Muita gente quer passar a eternidade com Jesus, mas não


consegue manter os olhos fixos Nele agora. Quem deseja ir para o
Céu precisa saber como viver na Terra ao lado de Jesus. O modo
como você vive aqui e agora define seu futuro.
A vida cristã é como uma corrida. Porém, alguns estão
desanimados, pensando em desistir. A Bíblia diz que há um jeito de
você não ficar desanimado. E o jeito é correr com perseverança.
Em Hebreus, Paulo está escrevendo para um grupo de judeus
cristãos que estava sofrendo tremenda perseguição. Muitos eram
presos, mortos, perdiam a família e os amigos. E muitos estavam
desanimados. Alguns queriam voltar às suas antigas tradições.
O texto começa com ―portanto‖. Essa expressão nos obriga a
olhar para o que foi dito anteriormente. O argumento de Paulo
começa no capítulo 10. Em Hebreus 10:35, Paulo diz: ―Não abra
mão da confiança que vocês têm.‖ O contexto é o grande
sofrimento que os cristãos hebreus estavam atravessando (Hb
10:32-37). Quase podemos ouvir Paulo dizer: ―Vocês foram
insultados, presos, seus bens foram confiscados, passaram por
tribulações. Perderam tudo, mas vocês não perderam a fé.‖ Ele
continua argumentando: ―Não abram mão de sua confiança. Não
joguem fora as promessas. Vocês precisam perseverar.‖
Certa vez, uma garota veio me pedir para orar por ela. Perguntei
pelo que deveria orar. Ela me disse: ―Pastor, estou pensando em
sair da igreja. Estou desanimada demais.‖
Esse é o drama de muitos jovens. Respondi a ela o que poderia
dizer a qualquer jovem em situação semelhante: ―Na corrida cristã,
você não vai precisar de talento, de dinheiro, de amigos nem
mesmo de família. Mesmo que essas coisas sejam muito
importantes, há uma que é indispensável: perseverança.‖ Por isso,
não desanime durante as lutas. Persevere ao lado de Deus e você
será um vencedor.
20 de outubro Terça
Sua vez de lutar
Portanto, também nós […] corramos. Hebreus 12:1

Você quer saber como perseverar? Vamos para Hebreus 11, o


capítulo da fé. Analise os gigantes da fé e veja tudo o que
suportaram. Eles tinham fé. Foram pacientes. Perseveraram. É
disso que precisamos. Não se desespere com o que está
acontecendo à sua volta: seus amigos zombam de você, sua
família não o entende, você não consegue um trabalho com o
sábado livre… Não abra mão de sua confiança e fé. Não jogue fora
as promessas. Você precisa continuar correndo. Fique firme! Você
tem que correr com perseverança a corrida que está proposta. A
vitória é nossa.
Em Hebreus 11, encontramos gigantes da fé como Abel, Enoque,
Noé, Sara, Abraão e Moisés. Nenhum deles teve uma vida fácil.
Nos versos 36 e 37, lemos que alguns foram torturados e perderam
a vida. Muitos foram lançados na prisão, outros foram queimados
vivos, apedrejados, serrados ao meio. Os heróis da fé depuseram a
vida por amor a Cristo. A fé não significa que você estará imune à
dor, ao sofrimento ou à luta.
Tudo o que você precisa fazer é correr com perseverança. Olhe a
história dos gigantes da galeria da fé. Eles ficaram firmes. Não
desistiram da corrida. O verso 38 diz que ―o mundo não era digno
deles‖. E eles entregaram a tocha da fé para a geração seguinte.
Em Hebreus 12:1, Paulo diz assim: ―Portanto, também nós […]
corramos.‖ Você percebe que fazemos parte de um movimento?
Um movimento que começou no início de tudo. Esse movimento é
contínuo. Chega até nós hoje, ou seja, é para a nossa geração.
Não precisamos ficar falando apenas do que Deus fez no
passado. Vamos falar também do que Deus quer fazer em nosso
tempo, em nossa geração. Os heróis da fé correram com coragem
e ousadia. Agora, chegou nossa vez de fazer o mesmo. A vitória já
está garantida, porque Jesus Cristo já venceu a batalha.
A situação está difícil? Você está desanimado? Está cansado da
corrida? Tem muitos problemas à sua volta? As dificuldades são
imensas? Olhe para as promessas de Deus. A vitória já está
garantida! Jesus Cristo morreu e ressuscitou. Essa é a vitória da
cruz. Isso nos dá esperança e vida, apesar dos problemas e das
dificuldades. Você tem apenas que continuar correndo com
perseverança.
Quarta 21 de outubro
Não desista da corrida!
Vocês não sabem que de todos os que correm no estádio, apenas
um ganha o prêmio? Corram de tal modo que alcancem o prêmio. 1
Coríntios 9:24

Estava preparando um sermão sobre perseverança para falar aos


jovens. E, quando eu pensava que tinha que falar para eles sobre
ter músculos fortes, ficava envergonhado. Eu nunca havia feito
flexões de braço, por exemplo. ―Quantas flexões de braço será que
eu consigo fazer?‖, perguntei a mim mesmo. Então, me deitei,
coloquei as mãos no chão e levantei o corpo gemendo. Desci e
levantei o corpo, de novo. Desci de novo e… arriei. Não consegui
fazer nem três flexões. Mas, naquela semana, eu disse: ―Vou
conseguir!‖ Em menos de uma semana, consegui fazer dez flexões.
E continuei tentando. Com o tempo, os resultados começaram a
aparecer.
Vivemos numa sociedade que não comemora a espera. Odiamos
todo tipo de inconveniência. Se não houver um aplicativo para isso,
criamos um. É muito triste que sejamos imediatistas. Precisamos
desenvolver músculos espirituais fortes para perseverar. Alguns
pensam que a vida cristã é apenas uma corridinha. Não é. Estamos
em uma maratona!
Cliff Young é considerado o lerdo mais rápido do mundo. Em
1983, ele resolveu participar da Ultramaratona Australiana de 875
quilômetros. Somente atletas de elite participam dessa competição,
considerada a corrida mais longa do mundo.
Cliff tinha 61 anos. Os jornalistas riram dele e disseram: ―Você tem
o dobro de idade dos atletas.‖ Ele respondeu: ―Acho que consigo.
Venho de uma fazenda com 2 mil hectares com 2 mil ovelhas. Não
temos tratores. E para percorrer a fazenda, eu levo três dias sem
dormir e sem comer. Acho que consigo.‖
Ele não sabia que os maratonistas corriam por 18 horas e
dormiam 6. Quando começou a corrida, Cliff ficou para trás. Porém,
não parou no ponto de descanso. Não dormiu por cinco dias. Ele
ganhou a corrida com nove horas de vantagem. Os jornalistas
perguntaram: ―O que você fez?‖ Ele respondeu: ―Eu corri.
Simplesmente não parei.‖
Você faz parte de uma geração de cristãos que não pode desistir
da corrida! Por isso, levante-se e prossiga. O ponto de chegada
não está longe.
22 de outubro Quinta
Livre-se do fardo
Livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos
envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é
proposta. Hebreus 12:1

É muito difícil correr com um fardo nas costas. Para continuar na


corrida da vida cristã, é preciso deixar de lado todo peso do
pecado. Alguns tentam viver carregando um fardo de culpa, de
condenação e pensamentos suicidas. Outros arrastam
relacionamentos quebrados, conflito com os pais, abuso sexual,
amargura. Carregam o peso da culpa.
São tantos fardos: fornicação, vícios, luxúria, orgulho. Esses pesos
deixam qualquer um para trás. Tiram o que Deus tem de melhor
para nós. Em Hebreus, Paulo diz que temos de deixar tudo o que
nos atrapalha na corrida.
Alguns acham que não conseguem, que foram longe demais. Mas
Deus pode pegar a bagunça de seu passado e usar para a glória
Dele. É isso que Jesus faz! Deixe todo o pecado ao pé da cruz.
Não existe nada que Deus peça a você para deixar de lado que
não seja para seu bem.
Sonho em ver se levantando uma geração que ama obedecer a
Deus. Essa geração vai virar o mundo de cabeça para baixo. Pode
começar aqui e agora. Não lá na frente. O maior medo que tenho é
ver que alguns jovens estão tão ocupados em ganhar a vida, que
vão acabar perdendo a corrida mais importante da existência, que
está à sua frente.
Eu sei que muitos jovens sonham em fazer grandes coisas para
Deus. Mas o que é que você está fazendo hoje? Não há como
realizar alguma coisa para Deus amanhã se você não está fazendo
nada agora. Comece aqui e agora.
Não despreze os pequenos começos. O objetivo da vida cristã
não é a fama nem a fortuna, não é ter milhares de seguidores, não
é ser celebridade. O objetivo do cristão é a fidelidade. É perseverar.
É se empenhar na corrida que Ele deixou para nós. Do contrário,
vamos continuar falando: ―Um dia… quando… se…‖
A fidelidade de hoje é degrau para a de amanhã. Alguns são tão
obcecados com o futuro que não fazem nada no presente. Isso é
uma afronta a Deus! Você tem que deixar tudo de lado e continuar
correndo, olhando para Jesus!
Não me preocupo onde estarei amanhã, desde que eu esteja
olhando para Jesus. Tudo começa no coração. A motivação é muito
importante para Deus.
Sexta 23 de outubro
Ele perseverou
Tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé.
Hebreus 12:2

Pertencemos a Jesus. Somos chamados a carregar o bastão da


fé em nossa geração. Também devemos entregá-lo para a próxima
geração. Por isso, temos que correr com perseverança, olhando
para Jesus. Não temos que ficar lidando com o peso do pecado.
Temos que continuar correndo, olhando para Ele. Jesus é amor e
nos enche de amor. Ele é cheio de graça e nos enche de graça. Ele
é cheio de fé e de esperança e nos enche completamente.
É preciso estar disposto a carregar a cruz. Devemos ser um
sacrifício vivo. E viver apenas para a glória de Deus. Olhar somente
para Jesus é o segredo do sucesso na corrida cristã.
Acredito que Deus vai levantar uma geração viva em nossos dias.
O inimigo não quer isso. Mas, quando amamos Jesus, nada mais
importa. Não é a posição social, a profissão nem título ou
conquistas que contam. Jesus é tudo! Precisamos correr com
perseverança e olhando para Ele.
Por que você tem que correr olhando para Jesus? Simples. Ele é
o prêmio supremo. Não há motivação mais significativa do que um
dia vê-Lo face a face. Essa esperança faz o fôlego voltar e
desperta nova energia. Além disso, precisamos olhar para Jesus
porque Ele é o modelo perfeito. Jesus já correu nesse circuito e
conhece todas as curvas e obstáculos do caminho. E o mais
importante: Ele nunca desistiu.
Temos que exaltá-Lo. Parar de olhar para outras coisas. Olhar
somente para Jesus. Ele perseverou. Foi tentado durante quarenta
dias no deserto, mas perseverou. A família não O entendeu, mas
Ele perseverou. Os discípulos O abandonaram, mas Ele
perseverou. Foi traído, condenado, tremeu no Getsêmani, foi
humilhado, torturado, agonizou na cruz, a multidão zombou Dele,
mas Ele perseverou. Só teve força para gritar: ―Está consumado!‖
porque perseverou. Só ressuscitou no terceiro dia porque
perseverou.
Ao sair daquela tumba, Ele venceu o inferno e a morte. E porque
Jesus perseverou, nós também podemos. Não ouse me falar que
esta geração não pode perseverar, que não pode carregar a tocha
da causa de nosso Senhor. Nós vamos fazer isso para a glória de
Deus! Em nome Dele, por causa Dele e para Ele!
24 de outubro Sábado
Modelo de perseverança
Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. 2 Timóteo
4:7

Para mim, o apóstolo Paulo é o maior modelo bíblico de


perseverança, depois de Jesus. A vida dele é um hino de louvor a
Cristo. Sofreu muita perseguição, como poucos são chamados a
enfrentar. Sua caminhada com Jesus foi longa e impressionante. Foi
um campeão da cruz.
No início de sua história, ele era simplesmente o homem mais
temido pela igreja. Mas o Eterno viu aquele coração ardendo de
zelo e resolveu atear nele o fogo do amor por Jesus e pela igreja. E
o perseguidor se tornou um perseguido. Mal chegava a um lugar, e
Paulo tinha que sair às pressas porque os adversários queriam sua
cabeça. Sua vida era repleta de privações, sofrimentos,
dificuldades e dor. Como esse homem sofreu!
Acredita-se que o ministério de Paulo tenha durado
aproximadamente 25 anos. Durante esse tempo, ele percorreu o
mundo pregando o evangelho e fundando igrejas, usando as
próprias pernas como carruagem. Como Paulo andou!
Ao final de sua vida, ele disse que combateu ―o bom combate‖. O
termo que foi traduzido como ―bom‖ é a palavra grega kalos, que
significa ―excelente‖, ―gracioso‖, ―insuperável‖, ―bonito‖, ―precioso‖,
―recomendável‖, ―magnífico‖ ou ―admirável‖. Você percebe o valor
que o apóstolo dava para seu ministério em favor do evangelho de
Cristo? Do ponto de vista humano, sua vida tinha sido miserável. No
entanto, do ponto de vista da fé, todo o combate de sua vida foi
bom e inigualável. Era como se ele estivesse dizendo que valeu a
pena cada desafio ou adversidade.
Quando afirmou ―terminei a corrida‖, ele estava admitindo que seu
ministério estava chegando ao fim. Ao dizer ―guardei a fé‖, o
apóstolo estava dizendo que sua confiança em Deus havia
permanecido inabalável. Ele combateu o bom combate e
completou a carreira porque a fé o sustentou.
Ele foi levado prisioneiro para Roma, porque valia por mil cristãos.
Estava terminando bem a corrida, e sua vida era uma prova de que
a verdade funciona. A tradição cristã conta que a morte do apóstolo
ocorreu fora da cidade de Roma, no vale chamado de ―Águas
Saudáveis‖. Ele teria sido decapitado. Quando sua cabeça foi
colocada no tronco, antes que a espada a decepasse, dizem que
ele ouviu uma voz suave como um violino em surdina: ―Saulo, Saulo,
por que Me persegues?‖ Dizem que, tranquilo, ele respondeu: ―Foi
por Ti, Senhor! Por Ti cheguei até aqui!‖ Como ele mesmo diz em 1
Coríntios 1:8, Deus é quem nos mantém firmes até o fim!
Domingo 25 de outubro
Juventude
Jovens, eu lhes escrevi, porque vocês são fortes. 1 João 2:14

Creio que Deus vai levantar uma geração viva em nosso tempo. O que
Ele vai fazer na igreja daqui para frente será por meio dos jovens. A
juventude é o tempo mais estratégico da vida. Nessa fase, as maiores e
mais importantes decisões são tomadas. Ninguém terá sonhos tão
grandes quanto os da juventude. Nesse período, em geral, temos mais
ousadia para correr riscos.
Alguns pensam que os jovens são imaturos e irresponsáveis. Vivi em
uma época em que se dizia que ―os jovens são o futuro da igreja‖. Essa é
uma afirmação enganosa. Mesmo que não a usemos mais, na prática, os
jovens são tratados, em algumas de nossas igrejas, como membros de
segunda categoria. Esse não é o conceito bíblico sobre a juventude.
A Bíblia faz mais de 300 referências a jovens para designar a idade ou
um agrupamento na sociedade. Quando a Bíblia usa ―jovem e velho‖
refere-se à transição da vida. O jovem é considerado responsável por
seus atos. Maduro para as decisões, deve assumir os desafios da vida.
Jovem, você é forte! Tem mais força do que imagina. Quando meu filho
era pequeno, adorava brincar de luta comigo. Eu facilmente o dominava
entre minhas pernas. Nossas lutas se estenderam até o início de sua
adolescência, quando foi ficando cada dia mais difícil vencê-lo.
Finalmente, ele perdeu o interesse por essa brincadeira. Hoje não
lutamos mais. Ainda bem, porque eu tenho consciência de que não
ganharia mais dele.
De modo semelhante, alguns líderes têm medo do que os jovens
poderão fazer com a igreja. Não é essa a opinião de Deus. Ele acredita
em você! Sabe que você tem um tremendo potencial para as mudanças
que Ele deseja ver acontecendo no mundo. O segredo dessa força é o
compromisso com Sua Palavra.
Deus quer agir na igreja por seu intermédio. Por isso, deixe o Senhor
agir. Hoje poderá ser o dia mais incrível de sua vida. Deus sabe que você
está no ponto certo para enfrentar as batalhas da vida cristã como
vencedor.
26 de outubro Segunda
Os jovens são vencedores
Jovens, eu lhes escrevo porque venceram o Maligno. 1 João 2:13

Não perca isto de vista: o apóstolo João está falando sobre três
etapas do desenvolvimento espiritual (1Jo 2:12-14). Todos precisam
passar por essas etapas. Elas funcionam como três degraus. No
primeiro, João diz: ―Filhinhos, eu lhes escrevo porque os seus
pecados foram perdoados.‖
Por que é importante saber que os meus pecados foram
perdoados? Simples, porque, no segundo degrau, há uma batalha
a ser travada. A vida cristã não é uma festa; é uma guerra. Quando
aceitamos Jesus como salvador pessoal, Ele nos assegura que
estamos perdoados, e isso nos fortalece para entrar no campo de
batalha. Mas essa não é uma batalha para temermos, porque
estamos do lado vencedor.
Precisamos nos lembrar de que o inimigo está derrotado. Em
geral, pensamos no diabo como um ser poderoso e invencível.
Pensamos mais em nossos fracassos e tentações do que nas
vitórias que já são nossas em Cristo.
O diabo é um fracassado. Você já parou para pensar nas
limitações dele? Embora ele saiba alguns truques de mágica que
usa contra nós, não é todo-poderoso. Outra limitação do diabo é
que ele não pode criar nada. Até hoje, continua com o mesmo
número de anjos com os quais foi expulso do Céu.
Satanás não lê sua mente nem seus pensamentos. Ele não é
onisciente. Mas lê seus atos. Vê suas mensagens virtuais, vigia
seus passos e o observa em lugares aonde vai. É assim que acaba
sabendo tanto sobre você. Ele registra suas fraquezas no arquivo
de tentações que possui. Porém, quando vê um filho do Deus vivo
prostrado em contrição e entrega, ele treme.
É por isso que João diz que os jovens são vencedores contra o
maligno. Precisamos travar a batalha contra o mal como
vencedores e não como derrotados. Não importa o que você esteja
enfrentando hoje, viva como um vitorioso!
Terça 27 de outubro
Deus chama os jovens
Não são só os mais velhos, os sábios, não são só os de idade que
entendem o que é certo. Jó 32:9

Essas palavras foram ditas por um jovem chamado Eliú. Ele era
um daqueles amigos de Jó, que foram oferecer conforto durante a
tragédia que o atingiu. Ele foi o último a falar, exatamente por ser o
mais jovem. Entre os personagens do livro de Jó, só ele é hebreu. É
apresentado como descendente de Buz, portanto era sobrinho de
Abraão (Gn 22:21).
Eliú tinha ouvido o confronto entre Jó e seus três amigos. Por
respeito, havia aguardado que os mais velhos falassem. Porém, não
aguentou ficar calado. Já que os três amigos mais velhos não
conseguiram convencer Jó, Eliú sentiu-se impelido a falar.
Os três anciãos falaram por 29 capítulos. Eliú falou por cinco,
argumentando que eles estavam concentrados nos aspectos
punitivos da dor, mas haviam se esquecido do seu aspecto
educativo. Ele trouxe uma importante contribuição, apesar de não
apresentar uma solução para o problema.
Quando Eliú terminou de falar, os anciãos não falaram mais. Deus
falou depois dele. O Senhor pediu aos três amigos para que
oferecessem sacrifícios de arrependimento pelo mal que haviam
cometido ao falar com Jó, mas não pediu isso a Eliú.
Os argumentos de Eliú foram: 1) A sabedoria vem de Deus; idade
e velhice não são necessariamente sinônimos de sabedoria. 2) O
Espírito do Senhor usa tanto idosos quanto jovens.
Você sabia que a maioria dos pioneiros adventistas era composta
de jovens? No ano do Grande Desapontamento, Tiago White tinha
apenas 23 anos, John Andrews, 17, John Loughborough, 16 (era
conhecido como pregador teen), e Urias Smith, 21. E Deus não
cometeu erro algum quando chamou uma adolescente para ser
Sua mensageira. Ellen White tinha apenas 17 anos.
O Espírito do Senhor que trabalhou entre os jovens no passado é
o mesmo hoje. Creio sinceramente que a história da igreja será
mais brilhante no futuro do que foi no passado. O melhor da história
de nossa igreja não está no passado. Está no amanhã. É o que diz
a profecia de Joel 2. Jovens cheios de poder e de sonhos farão
muito mais do que as gerações passadas. Espero ver isso
acontecendo!
28 de outubro Quarta
Meus filhos profetizarão
E, depois disso, derramarei do Meu Espírito sobre todos os povos.
Os seus filhos e as suas filhas profetizarão, os velhos terão sonhos,
os jovens terão visões. Joel 2:28

Conheço casais que não querem ter filhos por causa da


sociedade depravada na qual vivemos. Eles pensam no pior. Dizem
que não conseguiriam ver seus filhos se tornarem rebeldes, usando
drogas e praticando sexo irresponsavelmente.
Nunca pensei dessa maneira. Sempre achei que este é o período
mais interessante da história para se ter filhos. Estamos no tempo
do fim. A verdade é que meus filhos fazem parte da última geração.
O próprio Jesus falou sobre esses dias, dizendo que, quando
víssemos essas coisas acontecendo no mundo (fome, guerras,
epidemias, prostituição, etc.), deveríamos olhar para o alto com
alegria, pois a nossa redenção estaria próxima.
O que causa medo em alguns é motivo de alegria para os pais e
mães do reino de Deus. Para mim, o nome mais lindo de Jesus é
―Maravilhoso Conselheiro‖. Sei que tenho um Conselheiro pessoal
para me orientar na desafiadora tarefa de educar meus filhos nos
caminhos do Senhor.
Joel 2 é um dos mais fascinantes capítulos da Bíblia. Nele, é
apresentada uma das maiores promessas de Deus para os jovens.
O texto diz que eles receberão o Espírito, profetizarão e terão
visões. O Espírito de Deus não tem preconceito de idade. Estou
convencido de que, se os jovens procurarem viver numa atmosfera
de fé, não temos porque temer o amanhã.
Você quer ser um instrumento usado por Deus para terminar Sua
obra e apressar a volta de Jesus? Deseja um dia profetizar e ter
visões? Por que se contentar com algumas gotas se o Eterno quer
lhe dar chuva de bênçãos?
Eu sei que os jovens enfrentam as maiores lutas da vida cristã.
Não é fácil ser jovem hoje! Contudo, a maior parte das grandes
realizações da igreja é resultado do envolvimento da juventude.
Quando vejo jovens envolvidos em projetos missionários como
―Missão Calebe‖ e ―Um Ano em Missão‖, encarando as coisas de
Deus com grande seriedade, pregando, batizando, construindo
igrejas, penso: ―Esses jovens estão cumprindo a profecia!‖
Enxergam igrejas em cidades sem a presença adventista. E, com
fé, se dirigem a elas e deixam lá a realização do sonho de Deus. É
a profecia se cumprindo!
Fico animado quando penso que meus filhos pertencem a uma
igreja em que há jovens que amam Jesus. Espero que O amem
como nenhuma geração anterior o fez.
Quinta 29 de outubro
Um jovem exemplar
Ninguém o despreze pelo fato de você ser jovem, mas seja um
exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé e
na pureza. 1 Timóteo 4:12

Timóteo era um cristão de terceira geração. Ele recebeu a maior


influência espiritual de sua mãe e de sua avó. Há um discipulado
que é feito em casa, um legado de família. Timóteo era um exemplo
vivo de Provérbios 22:6 (ARA), que diz: ―Ensina a criança no
caminho em que deve andar.‖ A coisa que mais me impressiona é
ver um jovem caminhando com Deus e se mantendo fiel durante
toda a vida.
O primeiro contato entre Timóteo e Paulo aconteceu logo após o
espancamento do apóstolo em Listra, durante sua primeira viagem
missionária. Timóteo viu Paulo cantando sem blasfemar nem se
queixar. Isso deve ter impressionado o rapaz. Ellen White diz que
Timóteo estava entre os que ajudaram Paulo. O apóstolo o escolheu
como companheiro na segunda viagem missionária. Os estudiosos
da Bíblia acreditam que eles conviveram por aproximadamente 17
anos.
Em geral, temos mais confiança em pessoas de cabelos grisalhos
e julgamos a experiência de vida como um elemento
importantíssimo para as grandes tarefas. Na cultura oriental dos
tempos bíblicos, isso era ainda mais importante. A maioridade só
era alcançada por volta dos 30 anos.
A idade não pode ser um motivo para impedir a atuação de
qualquer pessoa na obra de Deus. Por isso, Paulo deu a seu jovem
discípulo recomendações importantes, que podem ser aplicadas à
juventude de hoje.
Timóteo deveria ser exemplo para os demais. Os jovens têm um
tremendo potencial. Naturalmente, eles são mais aptos para
alcançar outros jovens. E, com certeza, os jovens estão mais bem
preparados para fazer a diferença no tempo em que vivemos.
Deus ama a juventude e conta com ela. De acordo com a
tradição, Timóteo morreu apedrejado e a pauladas na cidade de
Éfeso, por volta do ano 80 d.C. Segundo o relato, ele morreu
porque condenou publicamente uma grande procissão pagã
dedicada à deusa Diana. Isso é coragem para cumprir a missão.
Deus espera o mesmo dos jovens de hoje. Que Ele levante hoje
jovens que amam servir ao Senhor e estejam dispostos a alcançar
sua geração com o evangelho!
30 de outubro Sexta
Novas gerações
Depois que toda aquela geração foi reunida a seus antepassados,
surgiu uma nova geração que não conhecia o SENHOR e o que Ele
havia feito por Israel. Juízes 2:10

A igreja não deve ser separada por categorias. Somos parte de


um só corpo. Precisamos aprender a andar juntos. A unidade da
igreja é um sermão poderoso. O mundo nunca vai acreditar na
mensagem de um povo desunido.
Nos últimos tempos, a Igreja Adventista tem demonstrado grande
preocupação com as novas gerações. Em razão do grande número
de jovens que abandonam a fé, estamos tentando fazer grandes
esforços e empregando muitos recursos para alcançar, manter e
discipular a juventude.
O que é uma nova geração do ponto de vista bíblico? Deus quer
que cada pessoa seja salva. Mas também que as gerações
seguintes sejam alcançadas. A necessidade de redenção das
novas gerações é a mesma das antigas. Por isso, o plano divino é
repetido diversas vezes, passando de pai para filho. Se Deus está
repetindo é porque a nova geração não sabe, esqueceu ou ainda
não praticou o que Ele planejou.
A palavra hebraica toledot significa ―gerações‖. Toledot na Bíblia é
um sinal da continuidade do plano divino. Não basta alguns
iluminados conhecerem os princípios divinos. É preciso ensinar
essas coisas às novas gerações.
O evangelho começa em casa. O discipulado acontece em
família. Apenas quando Deus destaca uma missão de liderança,
esse papel é transferido para a figura de um mentor. Ao lado de
todo grande líder do povo de Deus, você verá a figura de um jovem
aprendiz. Assim, você sempre verá, ao lado de Moisés, um Josué.
Ao lado de Eli, Samuel. Ao lado de Elias, Eliseu.
Há uma relação importante na transferência da liderança na
Palavra de Deus. No Novo Testamento, isso também é
demonstrado. Paulo, por exemplo, está sempre acompanhado de
Timóteo, Silas, Lucas ou algum outro jovem.
Encontramos na Bíblia um padrão preocupante que se repete: a
primeira geração conhece a Deus; a segunda conhece fatos sobre
Deus; e a terceira geração não conhece a Deus nem o que Ele fez.
Temos o desafio hoje de conduzir as novas gerações a uma
experiência pessoal com Deus, como se elas fossem a primeira
geração. Precisamos investir no que é eterno! Só teremos uma
igreja forte amanhã se conseguirmos depositar as sementes de
nossa fé no coração de nossos filhos.
Sábado 31 de outubro
Bem depois da juventude
Lembre-se do seu Criador nos dias da sua juventude, antes que
venham os dias difíceis e se aproximem os anos em que você dirá:
“Não tenho satisfação neles.” Eclesiastes 12:1

Os homens quase não se interessam por esse assunto. As


mulheres chegam a mudar a data se tiverem que falar nele. As
crianças estão longe de se preocupar com ele. Os jovens quase
nunca se preocupam com esse assunto. Os mais idosos é que
geralmente falam sobre isso, mas quase sempre para se queixar.
No geral, o jovem pensa que é eterno. Mas a verdade é que todos
caminham para um fim. Logo chegarão os dias das longas orações,
das noites mal dormidas, da voz e das mãos trêmulas, dos joelhos
fracos e cansados. Logo chegará o tempo da velhice. Ela vem para
todos.
O salmista Davi falou de nossa vida como flores do campo que
pela manhã florescem e logo murcham (Sl 103:15, 16). A Bíblia
ensina que somos inquilinos temporários neste planeta. A
brevidade da vida é um dos conceitos bíblicos mais importantes.
Em Eclesiastes 12, vemos uma descrição muito realista sobre a
velhice. Esse texto é considerado o Estatuto do Idoso na Bíblia. O
sábio fala da velhice fazendo poesia. E começa com um recado
para os jovens: ―Lembre-se do seu Criador nos dias da sua
juventude.‖
É interessante que temos cursos para quase tudo na vida: para
noivos, pais, liderança, etc. No entanto, não ouvi falar ainda de um
curso que ensine a envelhecer. Não pensamos na velhice quando
somos jovens. Os preparativos para essa fase têm início com as
atitudes, estilo de vida, atividades e amadurecimento espiritual
enquanto ainda somos jovens. As sementes que plantamos no
decorrer da vida indicarão o fruto que colheremos ao final.
Conta-se que, quando Camões, o maior poeta português, estava
morrendo, alguém quis cumprir um costume romano de acender
velas aos moribundos e, na falta de castiçal, pôs na mão do poeta
um punhado de areia e colocou ali a vela acesa. Diante do fato,
Camões teria dito: ―Morrendo e aprendendo.‖ Verdade ou lenda,
pouco importa. Dizem que daí nasceu a frase: ―Vivendo e
aprendendo.‖ Jovem, quanto mais cedo você se entregar a Jesus,
melhor! Se deixar para o fim da existência, verá que não terá mais
muito tempo para aprender o que há de melhor na vida.
Novembro
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2 3 4 5 6 7

8 9 10 11 12 13 14

15 16 17 18 19 20 21

22 23 24 25 26 27 28

29 30
1º de novembro Domingo
Humildade
Conduz os humildes na justiça e lhes ensina o seu caminho. Salmo
2S:9

Estudiosos do comportamento animal dizem que o ganso, quando


nasce, seguirá o primeiro objeto em movimento que encontrar no
ambiente. Ocorre uma ligação social entre o filhote e o que estiver se
mexendo à sua frente. Os primeiros estudos científicos desse fenômeno
foram realizados pelo austríaco naturalista Konrad Lorenz.
Com os seres humanos, o processo de educação tem alguma
semelhança. Aprendemos muitas coisas inconscientemente, vendo como
agem nossos pais. Em termos espirituais, nascemos em pecado;
portanto, somos naturalmente egoístas, orgulhosos e pedantes.
O orgulho é um problema do coração humano desde a infância. Uma
criança de dois anos de idade sente-se a senhora absoluta do pedaço.
Se ela cresce ao lado de alguém que vive como se não dependesse de
ninguém, acabará se convencendo de que é a última bolacha do pacote.
No coração do orgulhoso, não há lugar para ninguém a não ser ele
mesmo.
Quando os pais cuidam de perto da formação da autoestima de seus
filhos, precisam falar do valor próprio da criança, mas também é
essencial ensiná-la a depender dos outros para vaciná-la contra a
arrogância. Toda criança necessita aprender desde cedo que
dependemos uns dos outros para viver.
Humildade é uma escolha. Somos seres dependentes, feitos para
partilhar e compartilhar. O salmista diz que Deus é capaz de ensinar o
caminho da humildade a todo filho que O ama. O remédio para o coração
egoísta é a humildade. Deus sabe que precisamos experimentar a vida,
alegria e provisão que encontramos Nele e também aquela parcela de
vida que experimentamos no convívio uns com os outros.
O desafio de hoje é aprender a trilhar o caminho da humildade.
Um passo de cada vez!
Segunda 2 de novembro
Humilhe-se para não ser humilhado
Portanto, humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus, para
que Ele os exalte no tempo devido. 1 Pedro S:6

Ouvi a história de um jovem pastor escocês que era muito


orgulhoso. Ele foi convidado para falar a uma grande multidão.
Subiu os degraus até o púlpito com os ombros jogados para trás e
o peito estufado. Estava se sentindo extremamente confiante,
aparentando muito bem seu orgulho.
Ao começar a pregar, entretanto, o jovem pregador
inexplicavelmente perdeu a concentração. Seus pensamentos não
fluíam. Ele gaguejava e não conseguia se recuperar. Depois de uns
dez minutos de completo constrangimento, decidiu parar.
Fechou sua Bíblia e desceu os degraus desanimado, de ombros
baixos e cabeça curvada pela humilhação. Enquanto andava pelo
corredor lateral da igreja, uma senhora escocesa segurou em seu
casaco: ―Rapazinho‖, ela disse, ―se você tivesse subido ao púlpito
do jeito que desceu dele, teria descido do jeito que subiu.‖
Talvez nenhum escritor bíblico entendesse tanto de humilhação
como Pedro. A Bíblia relata algumas lições que ele teve que
aprender a duras penas. Ele era sempre o primeiro a falar em toda
e qualquer situação. As listas dos discípulos nas Escrituras trazem
seu nome em primeiro lugar. É citado 200 vezes nos evangelhos,
enquanto João é mencionado em apenas 31 ocasiões. Era o líder
natural dos doze, provavelmente também por ser o mais velho.
Jesus realizou oito milagres em favor dele: as duas pescas
milagrosas, a cura de sua sogra, a caminhada sobre as águas, a
cura da orelha de Malco, as duas libertações da prisão e a moeda
na boca do peixe.
Pedro não podia esperar de si próprio nada menos que lealdade
e bravura a Cristo. Por isso, não teve hesitação em dizer que iria
pelo Senhor até o fim. Jesus o advertiu sobre a falta de base dessa
promessa, mas ele não levou o aviso muito a sério.
Na sequência, Pedro negou o Mestre vergonhosamente. Porém,
na mesma noite, ele reconheceu que tinha fracassado no teste. Não
era tão bom quanto pensava. Humilhado, deixou a casa do sumo
sacerdote e chorou amargamente. Seu choro é a prova de que ele
gostaria de ser melhor.
Algumas vezes o Eterno faz o galo cantar em nossos ouvidos para
reduzir nossas ilusões ao pó. No entanto, quando nos humilha, Ele
deseja nos reerguer.
3 de novembro Terça
Humilde de coração
Aprendam de Mim, pois sou manso e humilde de coração. Mateus
11:29

A ideia que as pessoas têm da humildade hoje é muito distorcida. Em


geral, essa virtude é apresentada como algo que nos leva a reconhecer
nossas limitações. A pessoa talvez tenha habilidades especiais, porém é
ensinada a se colocar em lugar inferior em relação aos outros. Mas isso
não é a autêntica humildade cristã.
O que é então? Qual é a visão de Deus sobre humildade? Jesus
humilhou-Se (Fp 2:8), mas, em várias oportunidades, Ele Se colocou
como modelo diante dos discípulos. Em João 13:13, Ele diz: ―Vocês Me
chamam de ‗Mestre‘ e ‗Senhor‘, e com razão, pois Eu o sou.‖ Ele não
negou o que é. Não desconversou quando foi chamado de Rabi, Senhor
ou Rei. Ele aceitou o tratamento.
Em outra oportunidade, Ele disse: ―Venham […] e aprendam de Mim,
pois sou manso e humilde de coração.‖ Não duvidaríamos que Jesus
era manso. Mas humilde? Alguém que se apresenta como modelo não
seria, no mínimo, um vaidoso? Onde está a humildade? Como conciliar a
humildade com o senso de valor próprio? É possível? Jesus mostrou que
é. Talvez seja isso o que precisamos aprender hoje.
Humildade é reconhecer o que me pertence e o que pertence ao outro.
É admitir que todas as pessoas são superiores e inferiores entre si. E
isso depende da qualidade que colocamos na balança.
Humildade é ver a si mesmo como você é, com seus defeitos e
qualidades. Sentado aos pés de Jesus, você pode finalmente aprender a
ver a si mesmo como de fato é. Humildade é ver seu verdadeiro eu e
aceitar isso. Não é ver a si mesmo como alguém sem valor, mas como
alguém que depende completamente de Deus. A pessoa humilde não é
aquela que se considera pior do que os outros. Esse é um complexado.
Humilde é quem tem uma vida com Cristo e, em vez de confiar em si
mesmo, confia Nele. E por isso tem mais confiança em si mesmo. Eu
quero ser o primeiro a me assentar aos pés de Jesus hoje. Quem será o
próximo?
Quarta 4 de novembro
Os outros são superiores
Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas
humildemente considerem os outros superiores a si mesmos.
Filipenses 2:3

Humildade é ver os outros como eles são. É reconhecer que todas


as pessoas são superiores a você de alguma forma. Isso não
significa que você deva pensar: ―Pobre de mim. Não sou nada. Não
sou ninguém. Acho que vou comer alguns vermes.‖ É apenas um
fato simples: se você estiver muito impressionado consigo mesmo,
não reconhecerá o valor dos outros. Nenhuma habilidade ou talento
lhe dá o direito de se considerar melhor do que ninguém.
As outras pessoas têm qualidades que você não tem, diferentes
de você. Alguns mais que você. Uns são mais prestativos, outros
são mais econômicos, alguns são mais sensatos, outros são mais
ágeis, outros ainda são mais equilibrados. Humildade é perceber o
valor daqueles que estão à sua volta e admitir o valor deles.
O segredo da humildade que Paulo apresenta em Filipenses não
está em parecer inferior ou indigno, mas em demonstrar genuíno
interesse pelos feitos dos outros, reconhecendo suas habilidades e
contribuições.
Na parábola dos talentos, Jesus fala de um homem que ia fazer
uma viagem e distribuiu suas riquezas para três de seus servos.
Para um, ele deu cinco talentos; para outro, dois; e, para o terceiro,
um. Na volta da viagem, o senhor chamou os três servos para o
acerto de contas. Os dois primeiros servos devolveram o que
pertencia a seu senhor, com rendimento extra. Eles reconheceram
que tudo pertencia a seu senhor.
O terceiro servo, porém, devolveu o talento recebido sem nenhum
rendimento. Jesus disse que aquele servo era um inútil. Essa
história me diz que o cristão humilde é eficiente no que faz. Ele
assume suas chances e se prepara para a vida com
responsabilidade. Ele pega o talento que recebeu, esforça-se, luta
e vence.
Para mim, a posição do servo dos dois talentos é a mais delicada.
Ele corria o risco de olhar para o servo dos cinco talentos com
inveja, pois o colega tinha recebido mais do que ele. Ou olhar para
o servo que recebera um talento com desdém. Afinal, ele
multiplicou os talentos recebidos, enquanto o outro enterrou o
talento na areia do medo.
Nossos talentos não nos dão o direito de nos considerarmos
melhores do que os outros. O cristão não vive se comparando a
ninguém. Nosso olhar deve estar em Jesus, que ―embora sendo
Deus […] esvaziou-Se a Si mesmo‖ (Fp 2:6, 7).
5 de novembro Quinta
Lições do deserto
Lembrem-se de como o SENHOR, o seu Deus, os conduziu por todo o
caminho no deserto, durante esses quarenta anos, para humilhá-los
e pô-los à prova, a fim de conhecer suas intenções, se iriam
obedecer aos Seus mandamentos ou não. Deuteronômio 8:2

O deserto é o lugar da ação de Deus na vida de Seus filhos. O


Eterno nos leva ao deserto para nos humilhar, nos provar e nos dar
entendimento. Moisés sabia bem do que estava falando, porque ele
passou muito tempo no deserto. Você já deve ter escutado falar
que a vida de Moisés foi dividida em três períodos de 40 anos. Ele
passou 40 anos aprendendo com os homens no Egito; 40
desaprendendo no deserto e aprendendo com Deus; 40
conduzindo um povo difícil e obstinado pelo deserto. Ele passou,
portanto, 80 anos no deserto. Moisés deve ter algo para nos
ensinar, você não acha?
É na escola do deserto que aprendemos as mais profundas lições
da vida. A palavra hebraica para deserto é midbar e tem a mesma
raiz da palavra dabar, que é ―falar‖. Isso é muito interessante,
porque o deserto é um lugar em que Deus fala. No deserto, o
silêncio é tão profundo que somos capazes de ouvir a própria
respiração. Ali, Deus consegue cativar nossa atenção. Lá você
aprende a se calar, a ficar a sós e a esperar para ouvir o que Deus
quer falar.
Por que Deus nos leva para os lugares desertos? Para Moisés, o
propósito é nos deixar humildes. Algumas vezes, Deus tem que
passar a rasteira em uma pessoa a fim de que ela seja capaz de
olhar para cima. Deus nos põe no deserto para nos refinar e não
para nos destruir.
No deserto, Moisés teve que aprender que não era ninguém. No
Egito, ele achava que era alguém importante, respeitado, admirado.
Ele passava, e todos se inclinavam diante dele. Ovelhas não fazem
isso. Dizem que elas são animais pouco inteligentes. No deserto,
ele teve que aprender a viver com pouco. Suas roupas luxuosas
não combinavam com a simplicidade de seu novo trabalho.
O que Deus faz por Seus filhos no deserto? De acordo com
Deuteronômio, Ele cuida, protege, guarda e guia. Se você está
passando pelo deserto hoje, provavelmente esteja pensando: ―Não
aguento mais isso!‖ Entretanto, não perca de vista a principal lição
do deserto: Deus ama você!
Sexta 6 de novembro
Aparência versus atitude
Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será
exaltado. Lucas 18:14

A parábola do fariseu e do publicano é um drama de aparência


versus atitude. Aconteceu no templo, em um dos dois momentos
diários (sacrifício da manhã ou da tarde). Dois homens são
colocados no centro do drama: o fariseu estava na primeira fila para
que todos vissem sua contrição; o publicano estava lá atrás,
porque não tinha coragem de se aproximar. O primeiro estava em
pé, inflado de orgulho pelas próprias realizações. O segundo
estava sangrando por dentro e humilhado por fora. Jesus falou
primeiro do comportamento deles e, depois, falou de sua oração.
O fariseu era um homem religioso que sempre fazia mais do que
se esperava dele. O publicano era um judeu coletor de impostos
para os romanos, considerado traidor da pátria. A opinião pública
dizia que o primeiro era um homem de Deus. O segundo, por sua
vez, era um ladrão que tinha se vendido aos romanos para fazer
fortuna à custa do próprio povo.
A história apresenta dois homens orando no templo. Um erguia a
mão esperando a recompensa, e o outro batia no peito suplicando
misericórdia. O fariseu tinha uma ideia pequena de Deus. O
publicano tinha uma ideia exata de si mesmo. O fariseu não
buscava perdão; esperava elogios. O publicano buscava o perdão
humildemente. O fariseu se comparava com os outros e se achava
melhor. O publicano não se comparava com ninguém, porque se
considerava o pior.
O fariseu orava se achando um raro modelo de perfeição. O
publicano batia no peito, reconhecendo sua culpa. Em sua
indignidade, o infeliz publicano estava mais perto de Deus do que o
arrogante fariseu cheio de virtude. Jesus acusou o fariseu fiel por
ser um homem perdido e destacou o publicano traidor como um
homem redimido.
O culto acabou, e os dois desceram para casa. Um voltou para
casa sem a bênção e não sabia disso. O outro voltou para casa
justificado e também não sabia disso. Mas Deus sabe quem é
quem. No momento certo, Ele exalta quem quer e humilha quem
precisa.
O mundo diz assim: ―Pense grande, tenha grandes sonhos, seja
você mesmo, faça o que quiser.‖ Isso não é bíblico. Nem Jesus fez
o que queria. Ele fez a vontade do Pai (ver Jo 4:34). Como Jesus
devemos dizer: ―Seja feita a Tua vontade‖.
7 de novembro Sábado
Se o meu povo se humilhar…
Se o Meu povo, que se chama pelo Meu nome, se humilhar e orar,
buscar a Minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos
Céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra. 2
Crônicas 7:14

Aquele foi o dia mais feliz para Salomão. Provavelmente tenha


sido o mais importante da história do povo judeu. Era a
inauguração do templo. O rei fez uma oração que é considerada
uma das mais belas e completas orações da Bíblia. Ao final, o rei de
Israel convidou o Rei do Universo para morar no meio do povo.
Uma linda oração humana, que recebeu uma tremenda resposta
divina. Essa poderosa prece não termina com ―Amém‖, mas com
fogo.
No meio da resposta de Deus à oração de Salomão, aparece o
verso de hoje que apresenta o segredo para o reavivamento do
povo de Deus em qualquer época. O que Deus pede? Humilhe-se.
Ore. Busque. Arrependa-se. Quatro verbos humanos, seguidos por
três bênçãos divinas: Ouvir. Perdoar. Curar. Deus ouve quando nos
humilhamos diante Dele. Perdoa quando nos humilhamos diante
Dele. Cura quando nos humilhamos diante Dele.
Humilhar-se diante de Deus é reconhecer nossa pobreza
espiritual. Jesus disse que há certas condições para recebermos
as bênçãos do reino de Deus. A primeira é ser pobre de espírito (Mt
5:3). Do ponto de vista espiritual, não temos nada. Precisamos ter
consciência de nossas fraquezas e reconhecer que somos fracos.
É assim que o poder de Deus se aperfeiçoa em nossa fraqueza.
A palavra humilhar vem do hebraico kana e significa ―ajoelhar‖.
Talvez esse gesto seja o mais representativo para a humildade. O
pecador não arrependido é orgulhoso demais para orar. Oração é
submissão, dependência, rendição. O orgulho não tolera essas
coisas. Na oração, abrimos mão de achar que somos alguma coisa.
Somente os humildes oram de verdade.
Você não acha que estamos vivendo hoje numa situação em que
precisamos nos humilhar diante do Todo-Poderoso? Se formos
humildes, deixaremos Deus ser Deus em nossa vida. Se
permitirmos, um relacionamento real com Ele vai começar. Que o
Senhor tenha misericórdia de nós!
Domingo 8 de novembro
Perdão
Está escrito que o Cristo haveria de sofrer e ressuscitar dos mortos
no terceiro dia, e que em Seu nome seria pregado o
arrependimento para perdão de pecados a todas as nações. Lucas
24:46, 47

No Novo Testamento, a palavra perdoar significa ―esquecer‖. É o


que Deus faz com nossos pecados quando confiamos em Jesus.
Isso não quer dizer que Deus tenha problemas de memória.
Significa que nossos pecados foram apagados. Deus é único na
capacidade de perdoar. Na cruz, Ele colocou nosso pecado sobre
o próprio Filho, Aquele que ―tornou-Se pecado por nós‖ (2Co 5:21).
Antes da cruz, para que o pecador pudesse obter o perdão de
Deus era preciso levar um animal ao santuário, que ficava no meio
do arraial. Ao levar o sacrifício para oferecê-lo pelo pecado, todos
sabiam que a pessoa tinha feito alguma coisa errada.
O perdão dos pecados era alcançado no sacrifício diário. Os
sacrifícios causavam forte impacto, assim como o pecado. Somente
o sangue de um inocente teria valor para pagamento da dívida do
pecado. O próprio pecador deveria cortar a garganta do animal
que estava sendo morto em seu lugar. A vítima era aceita no lugar
do pecador. Quando saía do santuário, ele trazia na face um brilho
especial, porque estava em paz com Deus.
Hoje compreendemos que o perdão verdadeiro é encontrado
somente em Cristo. Ele pagou o preço e enfrentou a vergonha.
Submeteu-Se ao escárnio e à humilhação. Derramou o próprio
sangue. Somente Ele pode dizer: ―Seus pecados estão perdoados‖
(Mc 2:5). Pelo sacrifício de Jesus, Deus transforma culpados em
perdoados. Não há pecado que Deus não perdoe mediante
confissão e abandono.
Há uma diferença entre o perdão do antigo santuário e o perdão
que Jesus comprou com Seu sangue. No santuário, todos os
sacrifícios eram apenas uma ilustração do verdadeiro sacrifício que
ainda iria ocorrer. Somente com o sangue derramado na cruz há
verdadeira remissão dos pecados. Hoje, no santuário celestial,
Jesus intercede por nós e aplica os méritos de Seu sangue para o
caso de cada pessoa arrependida. O sacrifício de Jesus na cruz foi
tão eficaz que não precisa de repetição. Mas para que ele tenha
valor para sua vida você precisa orar em espírito de
arrependimento e confissão. Então, o sangue de Cristo, no
santuário que está nos Céus, cobrirá todos os seus pecados!
9 de novembro Segunda
Perdoado para perdoar
Perdoem como o Senhor lhes perdoou. Colossenses 3:13

Você não pode perdoar horizontalmente se não obteve o perdão


vertical. Posso tentar perdoar alguém do fundo do meu coração,
mas o perdão verdadeiro vem somente quando olho para Deus e
me conscientizo de que o poder para perdoar vem Dele. Já ouvi
pessoas dizerem: ―Eu não consigo perdoar essa pessoa.‖ E eu
respondi: ―Eu sei. Ninguém consegue. O poder de perdoar vem do
Senhor.‖
Lembre-se de que não importa o quanto você já tenha recebido
de amor e perdão do Senhor, sempre há mais. Perdão é o grande
ato de Deus. Ele criou o Universo com o poder de Sua palavra.
Falou e tudo se fez. Mas Ele não poderia perdoar apenas falando
do mesmo jeito. Havia um preço a ser pago. Ele teve que sacrificar
Seu único Filho para nossa salvação. A Bíblia diz que Jesus é ―o
Cordeiro que foi morto desde a criação do mundo‖ (Ap 13:8). No
perdão, a parte inocente sempre paga. Eu pequei, Jesus morreu.
A maior necessidade de todos os seres humanos é o perdão de
pecados. Nossa única esperança de vida eterna é receber o
perdão de Deus. Essa é a experiência da qual todos nós
precisamos mais do que qualquer outra.
Mas toda pessoa que for perdoada também tem que perdoar.
Nunca alguém se parecerá tanto com Deus do que quando perdoa
outros. O Senhor quer nos tornar mais parecidos com Ele. Jesus
insistiu que perdoássemos as pessoas.
Lembre-se: perdoar significa ―esquecer‖. Eu sei que ninguém
consegue. É por isso que se chama perdão. Você tem que escolher
perdoar. Aquele que foi agraciado com o perdão de Deus perdoará,
mesmo que não consiga esquecer. E com o tempo, pela graça de
Deus, diminuirá a dor, a humilhação e a vergonha. Não fique
remoendo mágoas e ressentimentos. Não arraste a dor para
sempre.
Perdoar aqueles que ofenderam você é extremamente importante
para Deus, porque Ele sabe que a falta de perdão roubará sua
alegria e o tornará miserável. Mesmo a nível horizontal, o perdão
não vem de nós: vem Dele. Perdoamos os outros porque Ele nos
perdoou.
Terça 10 de novembro
O PERDÃO É RESTAURADOR
Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros,
perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em
Cristo. Efésios 4:32

Se Deus nos pede que perdoemos, e se amamos a Deus de fato,


vamos fazer todo esforço para cumprir Sua vontade. O Senhor
disse para orarmos em favor de quem nos ofendeu o quanto antes,
por exemplo agora! Temos de confessar toda mágoa e
ressentimento a Deus e perdoar nosso ofensor incondicionalmente.
Ellen White afirma que ―o evangelho é um grande simplificador
dos problemas da vida‖ (A Ciência do Bom Viver, p. 363). Eu creio
nisso. Talvez o maior exemplo disso seja o perdão. Gente que não
perdoa é gente complicada. As pessoas muitas vezes complicam a
vida por causa de acontecimentos que as ferem, permitindo que
ressentimentos sejam arrastados por anos. No início de meu
ministério, tive que lidar com dois irmãos que estavam em pé de
guerra por causa de um papagaio. E a briga atingiu toda a igreja.
Eles viviam em uma zona rural; um deles viu perto de casa um
filhote de papagaio e pensou em pegá-lo quando estivesse maior.
Porém, o outro armou a arapuca antes e capturou o animal. Pronto,
a encrenca estava armada! Nenhum deles queria ceder. As
acusações mútuas acabaram envolvendo as famílias, os vizinhos e,
finalmente, a igreja.
A pergunta a ser feita é: Se a pessoa não consegue perdoar seu
inimigo, será que Deus o perdoou realmente? Será que ela está
realmente bem com Deus? Quando concentramos nossa atenção
em Jesus e no que Ele fez em nosso favor, todas as ofensas ficam
menores. O cristão que não perdoa precisa encarar o fato de que
ele se tornou um escravo da pessoa que ele odeia. A vida se torna
amarga, o caldeirão do ódio ferve internamente e injeta veneno na
corrente sanguínea, perturbando seriamente a saúde emocional e
física. E o que é pior: acaba por contaminar todo o ambiente em
que ele está.
Paulo disse: ―Sejam bondosos e compassivos uns para com os
outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou
em Cristo.‖ Precisamos tomar a decisão de perdoar e
esquecer. Diga a si mesmo: ―Não irei conversar com ninguém sobre
isso; nem mesmo comentar, nunca. Será um segredo meu e de
Deus, pelo resto da vida.‖ Essa decisão é restauradora!
11 de novembro Quarta
Cuidado com a amargura
Cuidem que ninguém se exclua da graça de Deus; que nenhuma
raiz de amargura brote e cause perturbação, contaminando muitos.
Hebreus 12:1S

A raiz da amargura cresce silenciosamente no solo do coração


ferido. Em geral, a primeira reação característica da natureza
humana diante da injustiça é o desejo de vingança. Nesses casos,
a dor é remoída por dias e dias. A amargura obriga quem a sente a
manter um registro detalhado de tudo o que lhe aconteceu de ruim.
Esse tipo de sentimento pode nos excluir da graça de Deus.
Nenhum de nós vai querer ficar longe da misericórdia de nosso
amoroso Pai, não é mesmo? Jesus disse que somos perdoados na
proporção em que perdoamos.
A outra coisa que Paulo diz é que a amargura não é um assunto
particular. Ela contamina o ambiente. A pessoa amargurada não
tem outro assunto, a não ser o objeto de sua mágoa. Tudo o que
falamos nessa situação afeta as outras pessoas.
O apóstolo diz também que a amargura tem raízes. Se você não
cortar o mal pela raiz, ela vai brotar qualquer dia desses. Se as
raízes da amargura não forem arrancadas, elas brotarão mais fortes
do que nunca. E vão se espalhar com rapidez. Em Efésios 4:31,
Paulo diz que o ciclo da amargura se espalha assim: indignação,
ira, gritaria, calúnia e maldade.
A indignação é o ponto de partida. Se o problema não se resolve
logo, a temperatura sobe e a ira ―justa‖ surge como reação pela
ofensa recebida. Quando se parte para a gritaria, é porque já se
perdeu o controle da situação.
A calúnia, no entanto, é uma tentativa de devolver o que o outro
fez, procurando atingir sua reputação. E, quando se chega a essa
etapa de maldade, o coração está bem contaminado. Quem quer
viver num ambiente desses?
Paulo diz que o único jeito de eliminar a raiz da amargura é o
perdão. A cura pode acontecer se tivermos a coragem de perdoar.
Jesus ensina: ―Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se
arrepender, perdoe-lhe‖ (Lc 17:3). Faça isso. Você não vai querer
ficar longe da graça de Deus, não é mesmo?
Quinta 12 de novembro
Quantas vezes devemos perdoar?
Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas
vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim?
Até sete vezes?” Jesus respondeu: “Eu lhe digo: Não até sete, mas
até setenta vezes sete.” Mateus 18:21, 22

Perdoar não é opcional. Já que não existe pecado grande demais


para a graça de Deus, o perdão é uma obrigação de quem foi
perdoado.
Certa vez, Pedro perguntou a Jesus quantas vezes deveria
perdoar. Até sete vezes? Os rabinos ensinavam que o limite era três
vezes. Pedro esperava receber um tapinha nas costas pelo fato de
ter sido mais complacente do que a justiça rabínica. Porém, o
Mestre disse que a medida do coração perdoador vai muito além
disso. Devemos perdoar sempre e não podemos limitar o número
de vezes que estamos dispostos a fazê-lo.
Em outra ocasião, Jesus falou o seguinte: ―Se [seu irmão] pecar
contra você sete vezes no dia, e sete vezes voltar a você e disser:
‗Estou arrependido‘, perdoe-lhe‖ (Lc 17:4).
Jesus falou para Pedro que devemos perdoar 70 x 7. Para deixar
claro o que estava dizendo, Ele contou uma parábola sobre um
servo que devia muito dinheiro a seu senhor. A dívida era impossível
de ser paga, mas o servo implorou, e o senhor perdoou o débito.
Essa história foi contada para deixar claro que não há limites para o
perdão de Deus.
Jesus continuou, dizendo que, logo depois, esse servo encontrou
outro que lhe devia algum dinheiro e exigiu pagamento. Era uma
mixaria. O outro servo implorou por um pouco mais de tempo, mas
o primeiro não perdoou. Quando o senhor ouviu isso, ficou muito
indignado porque o servo recebeu perdão, mas não quis
compartilhá-lo.
Jesus estava contando a parábola para responder à pergunta de
Pedro. A preocupação dele era a quantidade de vezes que deveria
perdoar. Jesus disse simplesmente: 70 x 7. Faça as contas. Você
sabe quanto é 70 x 7? Sete é o número da perfeição, e 490 é o
produto de uma conta infinita na mentalidade judaica. Representa
graça ilimitada. É isso que Deus nos ofereceu em Cristo. É isso que
Ele espera que façamos com nosso próximo. Portanto, nossa
necessidade hoje é termos um coração perdoador como tem o Pai.
13 de novembro Sexta
Motivado pelo amor
Portanto, Eu lhe digo, os muitos pecados dela lhe foram perdoados,
pois ela amou muito. Mas aquele a quem pouco foi perdoado,
pouco ama. Lucas 7:47, 48

O perdão é a atitude mais importante para o bom funcionamento das


relações humanas. Quem é casado sabe disso, porque praticamente não
passa um dia ou semana em que não tenhamos que pedir ou oferecer
perdão. Todo relacionamento saudável é coroado por um espírito
perdoador. Quando o milagre do perdão floresce, até mesmo os
relacionamentos rompidos são restaurados.
Há duas formas básicas de perdão: ativo e passivo. A primeira ocorre
quando perdoamos alguém que nos fez mal. Em minha experiência, por
exemplo, resolvi perdoar meu pai por ter abandonado minha família
quando eu e meus irmãos éramos crianças. Entendi que essa era a
melhor coisa a fazer para ter paz com Deus e comigo mesmo. A decisão
de perdoar quem nos feriu é um ato de coragem, motivado pela dádiva
do perdão recebido. Não deixe que a falta de perdão tire sua paz por
nem mais um segundo. Escolha ser feliz!
O perdão passivo, por sua vez, é receber o perdão de alguém a quem
magoamos ou ferimos, quando já pedimos o perdão e fizemos a
reparação de nossas ofensas. Muitas pessoas não conseguem se
perdoar e, consequentemente, não conseguem experimentar a graça e o
amor perdoadores de Deus. Vivem em permanente penitência diante de
Deus e dos outros. Associam cada problema ou dificuldade que
enfrentam à culpa passada.
A história da mulher pecadora que ungiu os pés de Jesus com lágrimas
e perfume é linda. Com ela, podemos aprender uma lição muito
importante sobre o perdão. Jesus foi convidado para comer na casa de
Simão, que era um fariseu arrogante. Quando a mulher entrou em cena,
Simão sentenciou: ―É uma pecadora!‖ Ela não falou nada, não pediu
nada, mas recebeu tudo. Seu coração estava derretendo de amor e
gratidão a Jesus. Todo perdão gera amor próprio, por Deus e pelos
outros. Experimente isso em sua vida. Posso dizer para você com
propriedade que viver isso plenamente é libertador e gera felicidade real.
Sábado 14 de novembro
Espírito de perdão
Vocês planejaram o mal contra mim, mas Deus o tornou em bem,
para que hoje fosse preservada a vida de muitos. Gênesis S0:20

José do Egito é um modelo para quem precisa perdoar. Você


conhece a história. Ele foi vendido pelos irmãos como mercadoria
barata. Perdeu a capa, a liberdade, a família, a casa, os amigos. Só
não tiraram dele a bênção de Deus. No Egito, o Senhor era com ele
em tudo o que fazia.
O pai desistiu de procurar por ele, pois achava que estivesse
morto. A patroa queria seduzi-lo. Como ele se negou a deitar-se
com ela, foi mandado para a prisão. Atrás das grades, ajudou dois
outros prisioneiros interpretando seus sonhos. Porém, o copeiro se
esqueceu dele por dois anos. Se há um sujeito que tinha tudo para
ser rancoroso, esse era José. Porém, ele resolveu não seguir por
esse caminho.
Nesse mundo injusto, imperfeito e decaído, o sofrimento é muitas
vezes o material com o qual Deus trabalha. E o Senhor estava
trabalhando em José. A obra mais importante de Deus no mundo é
a que Ele faz em nós.
Apesar de tudo o que passou, José não assumiu o papel de
vítima. Não se sentiu rejeitado, humilhado ou injustiçado. Encarou a
dor que seus irmãos lhe causaram com graça e com espírito
perdoador. Quando sua sorte foi restaurada, e ele foi liberto e
nomeado o governador do Egito, não alimentou o espírito de
vingança.
Ao final de sua longa vida, Jacó reuniu os filhos ao redor da cama
para abençoá-los um a um. Quando chegou a vez de José, o pai o
comparou a uma ―árvore frutífera à beira de uma fonte, cujos galhos
passam por cima do muro‖ (Gn 49:22).
José teve que passar por cima de vários muros: o muro de uma
família complicada, das falsas acusações, das injustiças. Quando
chegou no alto, ele teve uma visão completa da subida. Os irmãos
de José não acreditaram na sinceridade de seu perdão. Quando
foram falar com ele em nome do pai falecido, José provou que a
árvore de sua vida não havia produzido nem um fruto amargo. Essa
é uma das mais belas expressões de perdão de toda a Bíblia. Não
tenho dúvidas de que José tinha esse espírito de perdão porque
estava plantado junto à Fonte.
15 de novembro Domingo
Sábado
No dia sétimo Deus já havia concluído a obra que realizara, e nesse
dia descansou. Abençoou Deus o sétimo dia e o santificou, porque
nele descansou de toda a obra que realizara na criação. Gênesis
2:2, 3

O sábado é uma bênção em minha vida. É o dia mais feliz da


semana! Lembro-me de uma ocasião em que eu passava por uma
grande avenida de São Paulo e vi um grupo de jovens com
bandeiras distribuindo panfletos nas esquinas. Era uma campanha
promovida por uma rede de lanchonetes com o mote: ―Dia Feliz.‖
Eles demonstravam uma alegria tão grande que fui impactado.
Dali até a igreja, não pensei em outra coisa. Nem me lembro sobre
o que preguei naquele dia. Voltei para casa ainda impactado. No
caminho de volta, me veio a ideia do sábado como Dia Mundial da
Alegria. É isso que o sábado é. O sábado é o ponto alto dos atos
criativos de Deus; o dia mais feliz da semana.
Deus completou a obra da criação no sexto dia e exultou: ―Isso
ficou muito bom!‖ Tudo estava feito, os animais, as plantas, o
homem e tudo mais. A Palavra diz então que Ele descansou no
sétimo dia de toda a obra que havia feito.
Será que Deus precisava de um dia inteiro para recuperar Suas
energias? Precisava de uma folga? É lógico que não. Deus somente
quis nos dar um exemplo de como deve funcionar nossa semana.
Como deveríamos agir para descansarmos dos seis dias de
trabalho. Quis mostrar ao homem que, depois de seis dias
trabalhando, correndo de um lado para o outro, devemos tirar um
tempo para descansar. É uma bênção separar um dia para o
repouso e a recuperação das energias. Mas não pode ser um dia
pesado, triste, maçante. É para ser um dia feliz!
Precisamos mostrar ao mundo que o sábado é o dia da família, do
antiestresse, para curtir a natureza, fazer o bem e descansar. O
sábado é o dia da semana em que deixamos de lado todos os
nossos problemas, dívidas, preocupações e aproveitamos para o
repouso da mente e do corpo.
Em geral, as pessoas identificam nossa igreja como ―o povo que
não trabalha no sábado‖. Mas isso não define nossa relação com
esse dia. A Bíblia diz que Deus abençoou o sábado. E as pessoas
precisam saber que o sábado é uma bênção em nossa vida. Jesus
mesmo disse: ―O sábado foi feito por causa do homem‖ (Mc 2:27).
Segunda 16 de novembro
Lembra-te
Lembra-te do dia de sábado, para santificá-lo. Êxodo 20:8

Deus manda que nos lembremos do sábado e o santifiquemos.


Ele ordenou que ninguém deve trabalhar nesse dia. Todos precisam
experimentar as bênçãos desse tempo sagrado.
O Senhor quer que nos lembremos sempre de quem somos, de
onde viemos e a quem pertencemos. O sábado foi guardado desde
a primeira semana e colocado na lei como o memorial da criação. É
o dia para nos lembrarmos de que somos portadores da imagem
divina. Somos Suas criaturas, e é o poder do Pai que nos mantém
vivos. Após o pecado, o sábado se tornou ainda mais necessário,
diante das preocupações da vida.
Em nossa realidade extressante, corremos o risco de nos
esquecer de que Ele nos criou para refletir Sua bondade e Sua
glória ao mundo. Por isso, Ele estabeleceu o sábado. A verdade é
esta: Deus nos criou à Sua imagem. O dia em que eu me esquecer
disso, me tornarei um escravo do tempo, do trabalho, dos desejos e
das circunstâncias.
No sábado, devemos nos lembrar de que fomos criados para
adorar. O primeiro dia do ser humano na Terra não foi de trabalho;
foi de culto. Devemos nos lembrar do sábado a semana inteira,
planejando antecipadamente esse tempo especial com o Senhor.
O quarto mandamento nos ordena a reservar o sétimo dia da
semana para simplesmente descansar e adorar.
E por que Deus disse ―lembra-te‖? Ele sabia que as pessoas
esqueceriam. Por isso, resolveu estabelecer uma marca no tempo
que demonstrasse Seu direito de governar como o único Deus
verdadeiro. Ele escreveu no coração da lei moral a obrigação de
todo ser humano santificar o sábado e, assim, reconhecer Sua
autoridade divina.
Uma vez por semana, quando a Terra gira sobre seu eixo, o
sábado faz com que nos lembremos de que tudo foi criado pelo
Senhor. Esquecer o sábado é esquecer o Criador. Quando nos
lembramos de santificar o sábado, escolhemos parar tudo para
estar com o Eterno. Afinal, Deus fez uma aliança conosco.
Devemos nos lembrar de cumprir nossa parte no acordo.
17 de novembro Terça
Como guardar o sábado?
Se você vigiar seus pés para não profanar o sábado e para não
fazer o que bem quiser no Meu santo dia; se você chamar delícia o
sábado e honroso o santo dia do SENHOR, e se honrá-lo, deixando
de seguir seu próprio caminho, de fazer o que bem quiser, e de
falar futilidades, então você terá no SENHOR a sua alegria, e Eu farei
com que você cavalgue nos altos da terra e se banqueteie com a
herança de Jacó, seu pai. É o SENHOR quem fala. Isaías S8:13, 14

O sábado deve ser guardado com alegria. Se você está bem com
Deus, esse dia será de celebração. O que fazemos nas horas
sagradas do sábado é um ensaio da eternidade.
Sem descanso verdadeiro, o sábado é profanado. Às vezes,
descuidamos nas conversas nesse dia. Nossos pensamentos e
palavras devem ser direcionados para os assuntos espirituais
durante essas horas sagradas. Devemos falar sobre Deus, o Céu, a
vida eterna, o amor de Jesus. Temos que cuidar com o uso das
redes sociais, porque nesse dia não buscamos o interesse
particular. Em vez disso, devemos nos dedicar às atividades que
beneficiem os outros, como levar a Palavra de Deus e ajudar o
próximo.
Devemos guardar o sábado lembrando que esse dia não nos
pertence. É um tempo reservado e santificado por Deus. Durante
essas 24 horas, devemos nos abster de fazer qualquer coisa que
poderíamos fazer em outros dias. É nosso privilégio viver essas
horas para o Senhor em forma de agradecimento pela semana e
oferecer a Deus e ao próximo nossa atenção.
Não precisamos ficar presos às regras não bíblicas para guardar
o sábado. Se fizermos isso, corremos o risco de agir como os
fariseus no tempo de Jesus, que tornaram o sábado um fardo.
Como seguidores da Bíblia, procuramos guardar o sábado da
mesma forma como ele era guardado na Antiguidade,
especialmente como Jesus o guardou.
Para Cristo, o sábado é um dia de alegria. Nesse tempo sagrado,
Ele fez muitas obras maravilhosas de cura, demonstrando amor às
pessoas e ao Pai. Ao mesmo tempo, imperava um profundo
respeito em Sua relação com o sábado. É assim que devemos nos
comportar nesse dia: com alegria plena e respeitosa adoração.
Quarta 18 de novembro
Dia especial
Desde o entardecer […] até o entardecer do dia seguinte vocês
guardarão esse sábado. Levítico 23:32

A Bíblia ensina que o dia começa ao entardecer. Assim, o sábado


inicia ao pôr do sol da sexta-feira. É costume adventista fazer um
culto com a família para receber o sábado. Nesses momentos,
cantamos hinos, citamos promessas bíblicas e oramos pedindo que
Deus abençoe o dia especial.
A Bíblia chama a sexta-feira de dia da preparação, pois nela
todos os preparativos para o sábado são realizados. Isso significa
que é na sexta-feira que se organiza a roupa a ser usada na igreja,
as refeições são preparadas e as ofertas da Escola Sabatina e do
culto, separadas. Tudo deve ser feito antecipadamente para termos
um sábado abençoado ao lado do Criador.
Ninguém vai querer ficar horas na cozinha, limpando a casa,
cuidando da louça e correr o risco de perder a companhia do
Convidado, não é? Sou de um tempo em que a casa de um
adventista na sexta à tarde cheirava a sábado. Casa limpa e
comida gostosa sendo preparada davam o tom da recepção do dia
sagrado. Havia um ar de expectativa, como os preparativos para a
chegada de um parente distante. É assim que tem que ser. O culto
de pôr do sol é o momento de receber Jesus de forma especial no
dia separado para o encontro semanal.
Temos comunhão com Deus durante toda a semana, mas no
sábado é diferente. Nesse dia, não fazemos coisas que roubam
nosso tempo de estudar a Palavra e meditar sobre a criação. Por
isso, não assistimos à televisão (programas não religiosos) nem nos
conectamos com nada que nos distraia de Deus e de nossa família.
Pessoalmente, gosto de passar a sexta à noite em casa com minha
esposa e filhos, lendo, escutando música sacra ou vendo algum
filme sobre Jesus.
Na manhã de sábado, faço como o salmista: ―Alegrei-me com os
que me disseram: Vamos à casa do SENHOR!‖ (Sl 122:1). Esse é o
tempo de nos reunirmos com nossos irmãos. Igreja é lugar para ir
com alegria! E sábado combina com isso.
Sempre que possível, é bom aproveitar o período da tarde para
passear pela natureza e contemplar tudo o que foi feito por Deus.
Assim, lembramos que Ele é o Criador e, por isso, cumprimos o
propósito desse dia especial. O sábado é para descanso, convívio
familiar e louvor a Deus. Não perca essa bênção.
19 de novembro Quinta
Descanso
Todo aquele que entra no descanso de Deus também descansa
das suas obras, como Deus descansou das Suas. Hebreus 4:10

Precisamos descansar. Nossa mente está cansada. Nosso corpo


está cansado. Deus nos convida a dizer ―não‖ à tirania do trabalho
e ―sim‖ ao descanso e à adoração no sétimo dia da semana. Você
vai precisar diminuir o ritmo, sentar-se e descansar. Quando
dormimos, nosso corpo entra num estado mais lento para os órgãos
descansarem (especialmente o coração).
Se vivêssemos 24 horas de estresse, o corpo não aguentaria a
sobrecarga. Precisamos do descanso para que nossa força —
física e mental — se regenere. A graça do quarto mandamento é
que Deus promete nos dar verdadeiro descanso ao encontrarmos
nosso descanso Nele.
Após os seis dias da criação, o Senhor fez uma pausa em Seu
trabalho. Ele descansou, não porque estivesse cansado ou sem
nada mais para fazer. Ao criar o sábado, Ele simplesmente
estabeleceu um ritmo para a criação, que consiste de descanso e
trabalho, descanso e trabalho… O descanso vem primeiro. O
Senhor convidou Adão e Eva a descansarem logo após terem sido
criados. Eles também não estavam cansados. O sábado era o
sétimo dia da criação, mas era o primeiro dia do ser humano. O
ritmo do sábado determina a jornada da vida.
O sábado é o repouso da tranquilidade da obra concluída. Como
tentativa de justificar a quebra do mandamento, há quem diga que
não pode parar. Engano! Às vezes, temos a sensação de que
nosso trabalho não termina nunca. É exatamente por isso que
precisamos do repouso sabático. Esse descanso restaura a alma e
nos prepara para nossas obrigações, renovando nossa força, tanto
física quanto emocional. E o mais importante: nos conecta com
Deus, o que orienta a vida e dá sentido à existência.
O sábado é muito mais do que descanso físico. É símbolo do
descanso da graça. O sábado existe para mostrar que o descanso
da redenção estava disponível desde a fundação do mundo.
Descansa melhor no sábado quem já desfruta o descanso da
graça. O sábado é um símbolo de nosso descanso em Jesus.
Todos os que creem na Palavra de Deus encontram descanso em
Nele.
Sexta 20 de novembro
Virtualidade x realidade
Também lhes dei os Meus sábados como um sinal entre nós, para
que soubessem que Eu, o SENHOR, fiz deles um povo
santo. Ezequiel 20:12

O mandamento do sábado requer que, no sétimo dia da semana,


você diga ―não‖ às atividades comuns da vida e ―sim‖ à adoração.
É preciso reduzir o ritmo para descansar e adorar. Há quatro
maneiras de avaliar o quanto as redes sociais têm interferido em
sua vida como adorador.
Primeiro: o sábado nos convida a interromper as atividades
comuns do dia a dia. Esse é o passo inicial se quisermos ser
verdadeiros adoradores. Deveríamos ser capazes de dizer no início
do sábado: ―Não permitirei que preocupações secundárias roubem
as bênçãos desse dia. Terminou a correria, cessaram as distrações.
Vou parar tudo e assumir uma atitude despreocupada.‖ Permitir que
as atividades da semana invadam o tempo sagrado é sufocar a
vida e a paz que o sábado promete trazer.
Segundo: o sábado nos convida a não perder nem um minuto da
presença divina. Esse é o segredo definitivo para uma vida de
adoração. Esse é um tempo para um encontro com o Criador.
Pense se faz sentido: seu melhor Amigo veio Se encontrar com
você e, em vez de desfrutar a companhia Dele, você prefere ficar
até altas horas da noite batendo papo com ―amigos‖ virtuais.
Terceiro: o sábado nos convida a saborear as bênçãos divinas.
Deus revestiu o sétimo dia com uma bênção que nenhum outro dia
da semana possui. O sábado confere vida, felicidade e paz a quem
o recebe. A bênção do sábado é uma força dinâmica capaz de
influir nos demais dias da semana. Então, não perca tempo com o
que pode desviar você dessa maravilha.
Por fim, o sábado nos convida a conhecer a Deus como Ele
realmente é. O sábado traz semanalmente a certeza de que nossa
origem e nosso destino estão enraizados em Deus. No tempo
santo, Deus tira o ser humano de seus valores comuns e o convida
à comunhão pessoal. Nada deveria nos separar de Deus em Seu
dia.
O que fazemos do sábado identifica se pertencemos ao povo de
Deus. Aproveite as 24 horas sagradas para comunhão com Jesus e
sua família. Desconecte-se da virtualidade do mundo e conecte-se
com a realidade do Céu. Assim, a bênção do sábado estará sobre
você.
21 de novembro Sábado
De um sábado a outro
“De uma lua nova a outra e de um sábado a outro, toda a
humanidade virá e se inclinará diante de Mim”, diz o SENHOR. Isaías
66:23

A principal atividade dos remidos na nova Terra será a adoração a


Deus. Mês a mês (de uma lua nova a outra), semana após semana (a
cada sábado) todos adorarão o Criador e Redentor da humanidade. O
sentido do verso de hoje é mostrar que haverá periodicidade e
constância na adoração.
O livro de Isaías começa tenso: traz advertências e acusações. O
profeta disse que Deus não aguentava mais as festas de lua nova e
sábados de Israel por causa da hipocrisia do povo. Eles faziam as coisas
certas pelos motivos errados. Uma delas era adorar sem ser de coração
ou em pecado. Estavam corretos no que faziam exteriormente, mas
ofendiam ao Eterno com a incoerência de seu coração rebelde.
Quando chegamos ao final do livro, Isaías fala que no novo céu e na
nova Terra haverá ocasiões especiais em que os remidos adorarão a
Deus. O profeta disse que os remidos se reunirão semanal e
mensalmente com esse propósito.
Como Isaías 66 é um texto que fala dos acontecimentos futuros,
podemos usá-lo para provar que o sétimo dia será guardado na nova
Terra. Nosso planeta será restaurado um dia, disso eu tenho certeza! O
―novo céu e a nova Terra‖ são uma promessa absoluta. Viveremos a
eternidade feliz e abençoada ao lado de Jesus. Lá a adoração será
perfeita!
E qual dia você acha que será restaurado definitivamente como um
memorial do Deus Criador? O sábado será o dia do Senhor na Terra
restaurada. Acredito que iremos adorar a Deus na nova Terra cada
sábado, e a cada mês teremos ainda uma celebração especial. É bem
possível que nessa celebração mensal tenhamos a oportunidade de
comer o fruto da árvore da vida (Ap 22:2, 14).
Aqueles que hoje adoram ao Senhor em espírito e em verdade
terão o privilégio de continuar adorando-O por toda a eternidade. Faça
de cada sábado uma oportunidade de antecipar essa bênção eterna.
Domingo 22 de novembro
Dons
Irmãos, quanto aos dons espirituais, não quero que vocês sejam
ignorantes. 1 Coríntios 12:1

A Bíblia ensina que cada membro do corpo de Cristo tem pelo


menos um dom do Espírito. Você já sabe qual é seu dom? Bem,
vamos definir seu significado. Dom espiritual é uma habilidade
especial dada pelo Espírito Santo a cada membro para ser usada
para a edificação da igreja. Paulo diz que não podemos ignorar
esse assunto e lavar as mãos como se isso não fosse importante.
A igreja é composta por dons variados. Se todos recebessem os
mesmos dons, os serviços da igreja ficariam incompletos. Mas
Deus ama a diversidade. Em toda Sua criação podemos perceber
Sua incrível criatividade. Os dons são tão variados quanto as
pessoas. A igreja, portanto, é constituída de muitos cristãos que
têm diferentes capacidades espirituais.
Os dons são manifestações de habilidades ou talentos
concedidos pelo Espírito Santo. Nem todo talento é um dom
espiritual. Existem pessoas que possuem talentos naturais que se
parecem com dons espirituais. Mesmo pessoas não convertidas
têm algumas dessas habilidades naturais. Claro que elas foram
concedidas por Deus, ainda que isso não seja reconhecido.
Quando a pessoa se converte, o Espírito Santo transforma essas
habilidades naturais em dons espirituais. Já vi isso acontecer
muitas vezes. Outra coisa que pode ocorrer é a pessoa ter o talento
natural, mas o Espírito preferir não utilizar essa habilidade. Ele pode
optar por dar novos dons ao indivíduo. Também já vi isso
acontecendo.
Se você não conhece nem usa seus dons, não é porque Deus não
os tenha dado. Você é que ainda não os descobriu. Nesse caso, eu
o desafio a fazer uma prova com o Senhor. Peça a Ele que lhe
mostre qual é seu dom. E fique preparado para se surpreender. Os
dons são distribuídos por Deus de acordo com a vontade Dele.
Qualquer habilidade que você tenha e que esteja disposto a usar
na obra de Jesus, o Eterno pode transformar em um dom espiritual.
Deus acredita tanto em sua capacidade que Ele deseja mudar o
mundo usando pessoas como você!
23 de novembro Segunda
Deus capacita
De modo que não lhes falta nenhum dom espiritual, enquanto vocês
esperam que o nosso Senhor Jesus Cristo seja revelado. 1 Coríntios
1:7

Já vi muita gente entrar em desespero diante do desafio de fazer


alguma coisa na igreja. Às vezes, o pedido precisa ser repetido
diversas vezes e de muitas maneiras para que a pessoa aceite a
incumbência. No entanto, por mais resistente e temerosa que a
pessoa esteja, quando vai realizar a atividade pedida, se sai muito
bem. Isso ocorre porque Deus nos capacita e abençoa nossos
melhores esforços. Nenhum de nós tem qualificações suficientes
para realizar a obra de Deus se não receber uma capacitação
especial.
Qualquer atividade na igreja pode ser extremamente desafiadora.
Muitos preferem agir como Moisés e apresentar mil desculpas para
fugir da responsabilidade. Porém, se o Senhor o chama para
realizar determinada tarefa, pode estar certo de que Ele vai
capacitá-lo.
Quando você sabe quais são seus dons, fica mais fácil cumprir o
chamado de Deus. Simples assim: se lhe pedirem para fazer algo
para o qual não tem o dom, você deve simplesmente dizer que não
pode fazer aquilo, porque não tem capacitação. Mas, se tem o
dom, você é a solução do problema.
Por exemplo, eu não canto nem toco nenhum instrumento. Se me
pedirem para cantar na igreja, é muito fácil dizer ―não‖. Cantar não
tem a ver com minhas habilidades naturais, meus interesses
pessoais nem minha experiência de vida. Eu sei que esse não é um
chamado de Deus para mim. Mas, se me pedirem para pregar ou
ensinar, isso está de acordo com as minhas habilidades, talentos e
dons. Só vou dizer ―não‖ se a minha agenda não permitir.
Referindo-se aos dons espirituais, o apóstolo Paulo escreveu: ―Há
diferentes tipos de dons, mas o Espírito é o mesmo‖ (1Co 12:4). E
depois de mencionar vários dons, Paulo arrematou dizendo que o
Espírito Santo é soberanamente responsável pela distribuição. O
poder não está no dom nem na pessoa que o exerce, mas no
Espírito Santo que o concede. A ênfase está no Doador e não no
dom ou no receptor.
É Deus quem chama; é Deus quem capacita. Os dons são uma
indicação de que Deus pode estar chamando você. Em geral, o
chamado divino coincide com os dons recebidos. E, quando não
coincide, Ele soberanamente capacita quem foi chamado. Existe
alguma situação em sua vida que indica claramente um chamado
de Deus para você? Só há uma resposta que Ele aceita!
Terça 24 de novembro
Cada um tem seu dom
Mas cada um tem o seu próprio dom da parte de Deus; um de um
modo, outro de outro. 1 Coríntios 7:7

Pergunte a uma criança o que ela pretende ser quando crescer. Uma
dirá: ―Quero ser bombeiro.‖ A outra: ―Quero ser médico.‖ A terceira:
―Quero ser cientista.‖ A verdade é que, quando Deus criou o ser
humano, Ele idealizou uma obra para cada pessoa.
Em meu caso, creio que Deus tenha me capacitado com o dom do
ensino. Isso não significa que essa seja minha única habilidade nem que
eu seja o melhor instrutor do mundo. Conheço outras pessoas que
também têm esse dom e o desempenham melhor do que eu. Também
tenho visto que alguns exercem esse dom melhor com crianças; outros,
com adultos; e eu, com os jovens.
O Espírito Santo distribui os dons como quer e na proporção que Ele
deseja. É Ele quem decide quais dons vai dar a cada pessoa. Não existe
um dom que seja melhor do que outro. Existem os que são mais visíveis
que outros, mas nem por isso são mais importantes. Todos são
necessários para Deus e a igreja.
A coisa mais libertadora que existe é descobrir o dom de Deus,
identificar a vocação e se concentrar na execução dela. Entender que
não tem determinado dom libera você para exercer seu dom com
tranquilidade. Muitas vezes, olhamos alguém cumprindo determinada
tarefa na igreja e nos sentimos culpados por não estarmos fazendo a
mesma coisa.
Existem áreas para as quais você não tem a devida capacitação.
Portanto, não será responsabilizado nem cobrado por Deus por não
trabalhar especificamente nelas. Mas, se Deus lhe deu o dom, você será
cobrado. Se não o exercer, poderá perdê-lo. E o que é pior, a igreja não
será abençoada com sua participação, pois todos dependemos uns dos
outros.
Deus lhe concedeu dons especiais. A igreja e a sociedade precisam
que você os use para a glória de Jesus. Decida usá-los e se prepare
para ver os milagres que Deus vai fazer por meio de sua vida.
25 de novembro Quarta
Descubra seu dom
Busquem com dedicação os melhores dons. 1 Coríntios 12:31

A melhor maneira de descobrir quais são nossos dons é começar


a participar das atividades da igreja. Com o tempo e a experiência,
percebemos que existem áreas nas quais nos sentimos mais
qualificados e, por isso, trabalhamos com mais alegria nelas. O
melhor lugar para descobrir seu dom é a igreja local.
Em geral, as pessoas pensam assim: ―Preciso descobrir meu dom
para começar a servir à igreja.‖ Mas é exatamente o contrário:
comece a servir à igreja em diferentes serviços e ministérios e logo
você identificará seus dons. Seu dom será exatamente o que você
gosta de fazer para o Senhor.
Existem três passagens principais que apresentam uma lista de
dons nas Escrituras: Romanos 12:6 a 8; 1 Coríntios 12:8 a 10 e 28;
e Efésios 4:11. Com base nessas passagens, podemos determinar
uma lista básica de 20 dons espirituais:

Peça a Deus que lhe mostre como Ele quer usar você como
instrumento de bênção para a igreja e para o mundo. Depois,
estude sua Bíblia, procurando compreender o que cada dom exige.
Em seguida, converse com alguém que tenha maturidade espiritual
e possa ajudar você nessa definição.
Identificar seus dons é o primeiro passo para servir a Deus com
alegria. O passo seguinte é perguntar em que Ele quer que você
sirva. Outra coisa: você recebeu esses dons para usar a vida toda.
Planeje sua existência com base nos dons recebidos e exerça-os
com alegria para a edificação da igreja.
Quinta 26 de novembro
Dom é diferente de fruto
Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai
das luzes, que não muda como sombras inconstantes. Tiago 1:17

Os dons espirituais não são a mesma coisa que o fruto do Espírito


de Gálatas 5:22 e 23. O fruto do Espírito revela que o Senhor está
agindo para o crescimento espiritual na vida do cristão. Os dons
revelam que o Espírito está operando por intermédio do crente,
usando-o para abençoar a vida de outros. O fruto indica um
desenvolvimento do caráter. Os dons revelam envolvimento com o
avanço do reino de Deus.
O fruto que o Espírito produz na vida do crente indica que há uma
ligação inegável entre o cristão e seu Senhor. É sinal de que a
pessoa está amadurecendo espiritualmente. Os dons que o Espírito
concede, por sua vez, são variados. É Ele quem decide quais dons
conceder. São sinais de que o Senhor deseja contar conosco em
Sua obra.
Precisamos entender que existem tarefas que são obrigação de
todos os cristãos, mesmo que a pessoa não tenha o dom. Por
exemplo, todos têm a obrigação de testemunhar de sua fé aos
perdidos. Cada cristão precisa dizer aos outros o que Jesus fez em
sua vida. Seu dom serve para isso. Quem tem o dom do ensino e
da pregação usa essas habilidades com o mesmo objetivo de
alguém com o dom da oração e da amizade, por exemplo.
O fruto do Espírito é a base do poder do dom do Espírito. Sem
fruto não há eficácia no testemunho. A pessoa pode ser eloquente,
inteligente e entusiasmada, mas, sem o caráter de Deus impresso
no coração, isso não tem valor algum.
Deus dá o fruto do Espírito para o crescimento pessoal. E dá os
dons para o crescimento de Seu Reino. Tanto o fruto quanto os
dons podem ser aumentados gradativamente. Se isso é verdade,
precisamos nos perguntar: Por que muitos cristãos não se
desenvolvem? Resposta: falta de maturidade espiritual. Quanto
mais maduro um crente se torna, mais ele se parece com Jesus e
mais é capacitado para usar seus dons.
Sejam quais forem seus dons, saiba que eles podem ser
ampliados e desenvolvidos pela prática. Não espere receber mais
se você não tem usado o que já recebeu. Deus não desperdiça
dons.
27 de novembro Sexta
Dom de profecia
Sigam o caminho do amor e busquem com dedicação os dons
espirituais, principalmente o dom de profecia. 1 Coríntios 14:1

A Igreja Adventista do Sétimo Dia foi estabelecida por Deus com a


missão de advertir o mundo de que Jesus voltará em breve. Somos
um movimento profético com uma mensagem profética. O livro de
Daniel e Apocalipse mostram que estamos numa guerra espiritual
invisível.
Em Apocalipse 12:17, é dito que o diabo se irou e concentrou
seus ataques contra o remanescente da mulher, nesse caso, a
igreja. Da igreja perseguida por 12 séculos durante a Idade Média,
Deus cuidaria de preservar um povo remanescente, ―o restante da
sua descendência‖. O diabo os odeia. Eles têm duas
características principais: guardam os mandamentos de Deus e
têm o testemunho de Jesus.
Em Apocalipse 19:10, lemos que o testemunho de Jesus é o
espírito de profecia. O que a Bíblia está dizendo é que surgiria no
cenário mundial a igreja remanescente, após o tempo de 1.260
anos, com essas duas características. Qual foi a igreja que surgiu
depois de 1798 (início do tempo do fim), que guarda toda a lei e
valoriza o espírito de profecia?
O dom profético é extremamente importante porque identifica a
igreja verdadeira. Ele é uma característica distintiva da Igreja
Adventista. Entendemos que o dom de profecia se manifestou de
modo especial na vida e obra de Ellen White.
Sem o dom de profecia, a igreja poderia facilmente perder seu
senso de missão e a razão de sua existência. A voz profética de
Ellen White contribuiu para manter a igreja no rumo certo. Durante
os anos formativos da igreja, Deus escolheu Se comunicar conosco
por intermédio dessa mulher! Por intermédio de Ellen, recebemos
mensagens de instrução, inspiração e advertência. Essas
revelações incluíam orientações valiosas na área de educação,
saúde, família e muitas outras. Esse dom foi extremamente
importante para o desenvolvimento de um programa de
publicações, para a formação de nossas instituições educacionais
e médicas, a organização e o desenvolvimento das missões
mundiais, entre outras contribuições valiosas.
Portanto, dê atenção aos escritos de Ellen White. Compre seus
livros e leia o que ela escreveu. Louvo a Deus por ter enviado esse
dom de modo tão poderoso a nós. Temos sido abençoados porque
uma jovem chamada Ellen recebeu essa vocação e a aceitou.
Assim como Ellen White, acolha os dons de Deus e seja uma
bênção para o mundo.
Sábado 28 de novembro
Transformando seu dom em
ministério
Visto que estão ansiosos por terem dons espirituais, procurem
crescer naqueles que trazem a edificação da igreja. 1 Coríntios
14:12

A questão mais importante no assunto dos dons espirituais é esta:


Como desenvolver e usar os dons para a edificação do corpo de
Cristo? Todo membro da igreja precisa fazer uma escolha: Vai
entrar na igreja, sentar-se comodamente e participar do culto como
espectador, ou vai procurar uma maneira de ajudar, utilizando seus
dons para abençoar a vida dos outros? Ofendemos a Deus quando
entramos para Seu povo com a mentalidade de consumidor.
Se você é um seguidor de Jesus, deve usar seus dons para o
cumprimento do plano redentor de Deus. Como a Bíblia não limita a
quantidade de dons que uma pessoa pode ter, uns recebem mais
do que outros. Isso fica claro na parábola dos talentos.
Parece que na igreja de Corinto havia uma disputa por cargos,
pois Paulo diz que eles estavam ―ansiosos‖ para saber quem tinha
mais dons. Hoje, a situação mudou, pois muitos fogem de
responsabilidades, mesmo que haja alguns que ainda queiram ser
o centro das atenções no ―palco‖ da igreja. Ambas as situações
são prejudiciais ao pleno desenvolvimento da igreja. O povo de
Deus precisa de pessoas que tenham dons e desenvolvam
ministérios pessoais.
O que aconteceria se os jovens começassem um movimento na
igreja, utilizando seus dons, sem precisarem ser nomeados? Cada
um procuraria descobrir seu dom e decidiria não mais ficar
esquentando os bancos da igreja.
Você não precisa ficar esperando a comissão da igreja nomeá-lo
para determinada função. Suponhamos que você tenha o dom da
hospitalidade e consiga fazer com que as visitas sintam-se à
vontade na igreja. Para fazer isso, é preciso ser convidado para
compor a equipe de recepção? Claro que não. Apresente-se.
Ofereça sua casa para grupos de jovens se reunirem. Ou procure
outros jovens que também possuam o dom e se organizem para
tornar a igreja mais calorosa.
O importante é determinar-se a usar suas habilidades e dons para
o avanço do reino de Deus. Os dons espirituais são uma ferramenta
poderosa para o crescimento da evangelização. Lembre-se: os
dons são instrumentos para a edificação da igreja e não para
proveito pessoal.
29 de novembro Domingo
Honra
A honra é herança dos sábios, mas o Senhor expõe os tolos ao
ridículo. Provérbios 3:3S

Nossa cultura rasa não sabe o que é honra, mas vive suspirando
por ela. Honra é um princípio importantíssimo baseado em valores
como honestidade, dignidade, coragem e muitas outras virtudes do
caráter. A Palavra de Deus nos fornece um padrão de caráter que
os cristãos devem ter.
Por essa razão, ela exige que os seguidores de Jesus tenham um
conceito elevado de si mesmos e de respeito aos outros. A Palavra
de Deus nos ordena honrar a cada membro no corpo de Cristo
(1Co 12:23, 24); as autoridades (1Pe 2:17); os líderes da igreja
(1Tm 5:17); nossos empregadores (1Tm 6:1); as viúvas (1Tm 5:3); o
cônjuge (1Pe 3:7; Ef 5:33) e diz também que devemos obviamente
honrar os idosos (Lv 19:32).
O conceito de honra tem dois significados principais: (1) é um
sentimento de dignidade própria, relacionado a algo que fazemos
bem; (2) é respeito e admiração demonstrados para quem realizou
algo notável. É por isso que, mesmo esquecida, a honra nos
impulsiona a buscar aquelas qualidades pelas quais vale a pena
viver.
Na Bíblia, honrar é dar valor equivalente ao mérito da pessoa. No
grego, a palavra honra significa ―fixar valor, estimar e reverenciar‖.
Por isso, quando honramos uma pessoa, dizemos que ela é valiosa
para nós.
Quando passamos a entender o valor da honra, não há limites
para o que podemos realizar na vida. E o maravilhoso incentivo
para isso é que qualquer um pode fazê-lo.
Então, gaste algum tempo hoje para se tornar uma pessoa acima
da média. Não é preciso ter certa idade para ser honrado. Jovens
sábios e determinados podem escrever seu nome na história.
Transforme isso em seu objetivo de vida hoje. Para a glória de
Deus!
Segunda 30 de novembro
Vítimas ou agentes?
O orgulho do homem o humilha, mas o de espírito humilde obtém
honra. Provérbios 29:23

Alguns dos mais raros objetos da biblioteca do Congresso norte-


americano ficam guardados numa pequena caixa azul. Do lado de
fora da pequena caixa, há uma etiqueta colada na qual está escrito
assim: ―Conteúdo dos bolsos do presidente na noite de 14 de abril
de 1865.‖ Dentro da caixa, há cinco objetos que estavam nos
bolsos de Abraham Lincoln na noite em que foi assassinado: um
lenço bordado com seu nome, um canivete, um estojo de óculos
consertado com barbante, uma carteira contendo uma nota de
cinco dólares e alguns artigos velhos e gastos recortados de
jornais.
Esses artigos falam de algumas das grandes realizações de
Lincoln. Um deles é um artigo de John Bright, afirmando que o
presidente era ―um dos maiores homens de todos os tempos‖.
Hoje é fácil aceitar isso porque sabemos que de fato Lincoln foi
um dos maiores estadistas que o mundo conheceu. Porém, em
seus dias, ele não era visto assim. Milhares de pessoas o odiavam
e o criticavam cruelmente. A ponto de ele precisar da
autoafirmação de alguns velhos recortes de jornais.
Há dois lugares que podemos ocupar nesta vida: ter o papel de
vítima ou ser um agente de mudanças. As vítimas são passivas. Os
agentes fazem acontecer. A posição que você assume determina o
tipo de vida que leva e, consequentemente, o resultado que
alcançará.
Muita gente vive sentada nas esquinas da vida sofrendo e se
lamentando. Alguns estão convencidos de que não poderão fazer
nada para mudar sua situação. Os agentes, contudo, são inquietos.
Eles não se deixam levar pelas circunstâncias, mas fazem de tudo
para moldá-las: correm riscos, assumem responsabilidades, tomam
decisões e tocam a vida.
A honra é uma das mais valiosas virtudes da existência. Ela não
se adquire da noite para o dia. Se a pessoa mantém sua palavra, é
fiel às suas convicções e é confiável, mais cedo ou mais tarde
todos saberão que essa pessoa é uma espécie rara. Só o tempo
dirá que tipo de pessoa ela é, se vítima ou agente. Contudo, seus
atos revelam seu caráter.
Abraham Lincoln foi uma dessas pessoas. Ele não recebeu os
aplausos que merecia em vida, porém o tempo o colocou em seu
devido lugar, gravando seu nome na história. Faça o que é correto,
e Deus, no momento certo, tratará de honrar seu nome.
Dezembro
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2 3 4 5

6 7 8 9 10 11 12

13 14 15 16 17 18 19

20 21 22 23 24 25 26

27 28 29 30 31
1º de dezembro Terça
Homens de honra
“Que honra e reconhecimento Mardoqueu recebeu por isso?”,
perguntou o rei. Seus oficiais responderam: “Nada lhe foi feito.”
Ester 6:3

Carl Brashear entrou para a marinha americana numa época em


que o racismo prevalecia no país. Ele enfrentou o preconceito de
seu instrutor e de seus colegas brancos. Com coragem e
determinação, tornou-se o primeiro mergulhador negro de elite da
Divisão de Resgates dos Estados Unidos, e sua história inspirou o
filme Homens de Honra. Brashear foi um homem de honra, pois era
digno de confiança e pagou um alto preço por suas convicções.
Na antiga Pérsia, Mardoqueu foi um homem desses. Judeu
exilado, criou uma garota órfã, Ester, que veio a ser a rainha do
império. Certa vez, Mardoqueu descobriu uma conspiração para
assassinar o rei Assuero. Ele contou a Ester que, por sua vez,
informou o rei, e os dois conspiradores foram investigados e
enforcados. A atitude de Mardoqueu ficou registrada nos arquivos
reais, mas ele não recebeu nenhuma recompensa. A história ficou
esquecida até que a Providência despertou a lembrança do rei.
Numa noite crucial, o rei Assuero não conseguiu dormir e pediu que
lhe trouxessem o livro no qual eram registrados os atos heroicos de
seu reinado. Quando foi lido sobre o feito de Mardoqueu, o rei
perguntou aos servos qual recompensa ele havia recebido na
ocasião. Então lhe disseram que nada havia sido feito.
Justamente naquele momento, Hamã estava no pátio do palácio
com a intenção de pedir ao rei autorização para enforcar
Mardoqueu. O rei então mandou chamar Hamã e lhe perguntou o
que deveria ser feito ao homem que ele desejaria honrar. Hamã
presumiu que seria ele o homenageado. Então, aconselhou o rei a
vestir o homem com suas vestes reais e colocá-lo montado sobre
seu cavalo, com a coroa real sobre a cabeça. Enquanto isso, os
príncipes do reino iriam adiante proclamando que aquele homem
estava sendo honrado pelo próprio rei.
O rei aprovou a sugestão e disse a Hamã que ele seria o
responsável por proclamar que Mardoqueu era o homem honrado
pelo rei. Final da história: Hamã foi enforcado na forca preparada
para Mardoqueu. E Mardoqueu foi promovido a ocupar a posição
de Hamã.
Você fez algo louvável e ninguém reconheceu? Fique tranquilo,
pois o Eterno anotou em Seu livro. Na hora certa você será
honrado!
Quarta 2 de dezembro
Honra ao mérito
Nem é honroso buscar a própria honra. Provérbios 2S:27

Em geral, quando uma pessoa faz algo realmente grandioso, a


sociedade presta-lhe uma homenagem, gravando seu nome numa
placa como forma de demonstrar reconhecimento por seu feito.
Quem é agraciado com uma homenagem recebe um símbolo,
como um diploma ou uma medalha de honra. Contudo, a
verdadeira honra não precisa desses símbolos exteriores para
resistir à passagem dos anos.
O sábio diz que a humildade é uma característica dos homens e
das mulheres que gravam seu nome na história: ―O orgulho do
homem o humilha, mas o de espírito humilde obtém honra‖ (Pv
29:23). Sendo assim, é melhor descer do salto do orgulho se
queremos ser lembrados na posteridade.
Seja humilde. Deixe o tempo se encarregar de homenagear seus
feitos. Tenha paciência. Faça seu trabalho de maneira humilde,
honesta e perseverante. Deus honra aqueles que esperam Nele.
Além da humildade, outra característica marcante da honra é a
honestidade. A pessoa honrada não precisa de um comprovante
para cumprir sua palavra. Ela passa no teste da honestidade com
louvor. Uma definição melhor talvez seja integridade.
A maioria das pessoas que realizam um grande feito não tem a
pretensão de impressionar ninguém. Apenas fazem o que estavam
acostumadas. Agem despretensiosamente e, no devido tempo, são
reconhecidas por sua grandeza de caráter.
A verdade é que precisamos ser pessoas melhores se queremos
resultados melhores.
3 de dezembro Quinta
Um filho honrado
Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra
que o SENHOR, o Teu Deus, te dá. Êxodo 20:12

Honrar os pais é um princípio básico para qualquer filho e é um


importante mandamento da lei de Deus. É o primeiro dos seis
mandamentos horizontais e nos desafia a valorizar o
relacionamento familiar antes de qualquer coisa. O lar é a estufa
onde o caráter é cultivado, se desenvolve e cresce.
Quem não aprende a honrar pai e mãe não respeitará nenhuma
autoridade, nem mesmo a de Deus. Honrar pai e mãe é o berço do
respeito à autoridade. Aprendemos nos braços de nossos pais
acerca dos limites mentais, físicos, emocionais e espirituais. O que
assimilamos nos primeiros anos terá um enorme impacto sobre a
formação de nossa personalidade e o desenvolvimento de nossos
valores. Interfere em tudo o que vamos fazer na vida.
Honrar significa dar valor e reconhecer a importância de alguém.
Todo bom filho procura honrar os pais. Bons filhos fazem com que
os pais sintam orgulho não só por meio de palavras, mas também
de atitudes. Não precisa imaginar muito para fazer isso. Comece
simplesmente dizendo ―obrigado‖ pela comida saborosa, pela
roupa limpa e cheirosa, pela carona até a escola, por exemplo. É
agradecer por coisas simples e banais. E, depois, transformar isso
em ação.
Uma coisa é certa: filhos que não respeitam os pais serão alunos
que não respeitam seus professores. Mais tarde, não respeitarão
seus superiores. E, finalmente, terão muita dificuldade para se
relacionar com Deus.
Preciso acrescentar que honrar os pais significa prestar
assistência em sua velhice. Há filhos que abandonam os pais à
própria sorte na velhice. Alguns se justificam dizendo que estão
devolvendo o que receberam, mas o mandamento não está
atrelado ao tipo de pais que você teve. A obrigação de honrar está
sobre os filhos, indicando que eles podem escrever uma nova
história. Com certeza, essa atitude submissa fará de você um pai
ou uma mãe melhor, quando tiver os próprios filhos.
Por isso, honre seus pais sempre, até o fim da vida! Como filho,
você é convocado por Deus para viver esse ideal.
Sexta 4 de dezembro
Código de honra divino
Honrarei aqueles que me honram, mas aqueles que me desprezam
serão tratados com desprezo. 1 Samuel 2:30

O sumo sacerdote Eli falhou em sua missão mais importante:


educar os filhos para Deus. Ele era um grande homem em Israel,
atuando como sacerdote e juiz. Foi um líder experiente e
respeitado, mas fracassou em disciplinar os filhos. Eles eram
levianos e ímpios. Nasceram e cresceram perto das coisas
sagradas, mas não aprenderam a respeitar as orientações da
Palavra de Deus.
Eli foi advertido pelo menos três vezes. Em 1 Samuel 2:22, está
escrito que Eli ―ficou sabendo de tudo o que seus filhos faziam‖,
mas não fez nada. A segunda advertência foi feita por um profeta
anônimo. E a terceira, por Samuel. Deus resolveu dar um basta,
porque Eli honrava mais os filhos do que o Senhor.
Há muitas lições na história de Eli e sua família, mas quero
destacar apenas um ponto. Eli aceitou o estilo de vida depravado
que seus filhos levavam. Existem famílias que transmitem duas
éticas aos filhos: uma para os rapazes, outra para as moças. A dos
meninos é abertamente permissiva. Muitos pais se tornam parceiros
dos pecados dos filhos.
O pior é que, em vez de cuidar da formação moral dos filhos
homens, em alguns lares passou-se a abandonar moralmente
também as filhas. Antigamente, a honra era associada com a
virgindade e a pureza das moças. As filhas eram ensinadas a
―manter a honra‖. Tenho ouvido que tudo isso é coisa do passado,
mas não é. Deus não muda. O Eterno tem Seu próprio código de
honra. Ele diz o seguinte: ―Eu honrarei a todo aquele que Me
honrar!‖
Os filhos de Eli faziam a obra de Deus de qualquer jeito, mas não
do jeito de Deus. Não tinha como dar certo. A família de Eli acabou
em tragédia. Não se deixe enganar: de Deus não Se zomba. Quem
O honra será honrado. Quem O desonra será desprezado. Não
podemos nos conformar com esse mundo. Estar próximo das
coisas de Deus pode produzir dois efeitos em nós: ou nos torna
tementes ou irreverentes. A escolha é nossa!
5 de dezembro Sábado
Honra restaurada
Aos eunucos que guardarem os Meus sábados […] a eles darei,
dentro de Meu templo e dos seus muros, um memorial e um nome
melhor do que filhos e filhas, um nome eterno, que não será
eliminado. Isaías S6:4, S

O verso de hoje apresenta uma das mais lindas promessas da


Bíblia. O capítulo 56 de Isaías contém uma mensagem especial de
Deus para todos aqueles que se sentem um caso perdido. Nessa
passagem, pecadores em busca de redenção encontram uma
maravilhosa promessa de perdão e restauração.
O estrangeiro, o eunuco ou os aleijados de todos os tipos eram
excluídos da adoração no templo. Um estrangeiro e um eunuco
jamais podiam entrar ali. Era vetada a participação deles nos
sacrifícios diários. Os estrangeiros representavam o politeísmo
praticado pelos povos pagãos; e os eunucos tinham o problema
irreversível da castração. Eles olhavam as famílias indo adorar aos
sábados, com uma penca de filhos pendurados nas mãos, e
pensavam: ―Não passo de uma árvore seca‖ (v. 3). Não
conseguiam ver nenhuma esperança.
Contudo, o texto acima reforça uma verdade encontrada em todo
o livro de Isaías: os propósitos divinos iam além de Israel e incluíam
todos os povos. Chegaria o dia em que todos poderiam se
aproximar do Senhor. Ninguém seria lançado fora nem excluído.
Enquanto o equivocado zelo religioso dos fariseus excluía as
pessoas, o maravilhoso plano de Deus convidava os excluídos para
se aproximarem do Eterno com confiança. Deus estava chamando
os eunucos para Sua casa.
Talvez você esteja se sentindo um caso perdido. Talvez tenha
fracassado como filho, no casamento, nos negócios. Pode ser que
sua igreja o faça sentir-se ainda pior. Porém, Deus não negligencia
os perdoados. Se você foi alcançado pelo perdão divino, ninguém
pode fazer você se sentir uma mercadoria com defeito. Isaías
previu que um dia Jesus abriria o caminho para que todos se
aproximassem de Deus, por meio do sacrifício do Messias.
Minha oração hoje é que o Senhor nos ajude a receber
os ―estrangeiros e eunucos‖de braços abertos, pois temos o
compromisso de fazer de Sua igreja uma casa de oração para
todos os povos.
Domingo 6 de dezembro
Fidelidade
Não violarei a Minha aliança nem modificarei as promessas dos
Meus lábios. Salmo 89:34

A fidelidade é uma extensão da confiança. É lealdade constante. Tem


que ver com integridade de caráter. O jovem fiel é leal a Deus, é
perseverante e íntegro de caráter. Isso não é fácil no mundo em que
vivemos, onde as promessas não são cumpridas, e a palavra não tem
muito valor.
Alianças militares e acordos de paz são feitos e quebrados com
facilidade. Vivemos em um mundo imperfeito, em que as alianças são
frágeis e passageiras. A história está cheia de relatos de alianças
rompidas e pactos quebrados. Quantas promessas são feitas da boca
para fora!
Observe o que fizeram com o casamento, por exemplo! Por isso muitos
não veem dificuldades para quebrar os votos batismais. Não é fácil ser
um jovem cristão e fiel. Porém, louvo a Deus porque conheço muitos
jovens fiéis ao Senhor. Passam pelas mesmas tentações e lutas de todo
jovem, mas permanecem firmes em seus princípios e valores. A
motivação para sermos fiéis vem da fidelidade de Deus.
O Salmo 89 foi escrito por um homem chamado Etã. Era um levita,
tocador de címbalos, que servia no templo do Senhor com Asafe (ver 1Cr
15:17-19). Seu salmo é o terceiro mais longo da Bíblia (depois dos Sl 78
e 119). Nesse salmo, Etã reconhece a fidelidade de Deus. A palavra
―fidelidade‖ é usada sete vezes (v. 1, 2, 5, 8, 24,
33, 49).
Ele relembra a fidelidade do Senhor a Davi e à sua linhagem. Procura
demonstrar que o pacto de fidelidade exige compromisso de ambas as
partes: se Deus é fiel, temos que ser fiéis. E esse pacto de fidelidade
deve ser passado para as novas gerações.
A diferença entre um jovem fiel e um infiel está em quem cada um
confia. Quando aprendemos a andar com Deus em Sua Palavra,
assimilamos Sua fidelidade. Quem decide ser fiel a Deus faz a vontade
Dele. Custe o que custar!
7 de dezembro Segunda
A batalha dos fiéis
Talvez o SENHOR aja em nosso favor, pois nada pode impedir o
SENHOR de salvar, seja com muitos ou com poucos. 1 Samuel 14:6

A situação era desesperadora. Israel estava em batalha contra o


poderoso exército filisteu. Pela lógica dos números, o conflito
estava decidido. Os homens de Israel se esconderam em todos os
buracos que encontraram. O rei Saul estava em sua tenda,
andando de um lado para o outro, tentando encontrar uma saída.
Enquanto Saul coçava a cabeça dentro da tenda, lá fora um
jovem resolveu se mexer. Jônatas chamou seu escudeiro e disse
mais ou menos assim: ―Vamos lá conferir de perto! Não estou
vendo essa ameaça do mesmo jeito que os demais. Deus pode
livrar com muitos ou com poucos!‖ A atitude de Jônatas foi tão
impressionante que acabou transformando aquela batalha perdida
em uma das maiores vitórias do povo de Deus.
Jônatas havia compreendido que o Senhor não necessita de um
grande exército para vencer uma guerra. Deus precisa apenas de
alguém que esteja disposto a pagar o preço que a fidelidade exige.
Algumas lições desta incrível batalha vencida por Deus:
Primeiro, jovens fiéis tomam a iniciativa da batalha. Jônatas
chamou a responsabilidade para si. Para aqueles que não têm
compromisso com Deus, isso parece uma loucura.
Segundo, jovens fiéis estão mais predispostos a confiar. Aqueles
que mantêm fidelidade à aliança com Deus aprendem desde cedo
a ver Deus agindo pessoalmente em sua vida.
Terceiro, jovens fiéis não têm medo de ser minoria. Na história do
povo de Deus, os fiéis nunca estiveram em maior número que os
demais. Na matemática divina, a minoria não é impedimento.
Costuma ser a estratégia para a vitória.
Quarto, jovens fiéis não lutam sozinhos. Jônatas chamou um servo
para lutar a seu lado. Espero que você tenha pelo menos um amigo
que lute com você. Mas, se você não tiver ninguém, ainda assim
você não está só. Deus promete entrar pessoalmente no combate.
E, quando Ele entra na batalha, o adversário bate em retirada.
Na batalha contra o mal, nenhum jovem é deixado lutando
sozinho!
Terça 8 de dezembro
Deus procura os fiéis da terra
Meus olhos aprovam os fiéis da Terra, e eles habitarão Comigo.
Somente quem tem vida íntegra Me servirá. Salmo 101:6

Em Seu diálogo com a mulher samaritana, Jesus mencionou a


busca divina por verdadeiros adoradores. Séculos antes, o salmista
disse que Deus também está procurando os fiéis da Terra (Sl
101:6). Somos chamados a uma vida de fidelidade. Deus sabe que
não vai encontrar ninguém capacitado para isso, mas Ele capacita
a quem chama.
Quando olha dos Céus, Deus não vê como vê o ser humano (1Sm
16:7). Ele olha para as intenções do coração. Sabe que somos pó,
mas consegue identificar as inclinações positivas de corações
sinceros. E isso é tudo de que Ele precisa.
A busca de Deus é por gente que O ame. Nosso amor por Ele
deve estar acima de qualquer causa. Jesus disse que nenhum
relacionamento familiar ou religioso, por mais próximo que seja,
poderá tomar o lugar Dele no coração humano.
Ele procura quem não tenha medo de ser impopular. Um dos
grandes inimigos da fidelidade é o desejo de agradar. O jovem que
dá muita atenção à opinião dos outros e tem medo de ser criticado
por sua fé se torna facilmente influenciado em sua maneira de
pensar e agir. Por outro lado, quem se posiciona ao lado de Jesus,
correndo o risco de ser incompreendido, jamais será esquecido na
eternidade. Você escolhe: Viver para receber a aprovação dos
outros ou para receber a aprovação divina? Espero que você
deseje em seu coração ouvir Jesus lhe dizer: ―Muito bem, servo
bom e fiel!‖
Deus busca aqueles que resistem às tentações. As propostas do
inimigo hoje não são piores do que as que foram enfrentadas por
Davi, Salomão, Paulo ou Jesus. A diferença é que o acesso aos
becos escuros está muito mais fácil. Na maioria das vezes, está ao
alcance de um clique. Podemos até chamar todo fracasso espiritual
de distração, se quisermos. Deus, porém, chama de negação da
fé.
Somos todos pecadores e não temos condições inerentes de
reverter esse quadro. Mesmo querendo acertar, erramos muitas
vezes e pecamos contra Deus e o próximo. Só nos resta o
arrependimento sincero e o clamor para que a fidelidade divina seja
espelhada em nós.
Deus não rejeita um pedido assim e nos coloca no rol dos fiéis
que ―habitarão na Terra‖ (Pv 2:21; Jr 35:7; Ez 36:28). Ele prometeu
que a fidelidade seria uma possibilidade real para nós. Pode crer
nisso. Deus é fiel.
9 de dezembro Quarta
Infidelidade contra Deus
Como poderia eu, então, cometer algo tão perverso e pecar contra
Deus? Gênesis 39:9

Qualquer lista de jovens fiéis terá o nome de José nos primeiros


lugares. No sonho da vida dele, estava incluído um ideal de pureza. Mas
o Egito era um lugar perigoso para um jovem sonhador. A casa de Potifar
era perigosa para um jovem ―atraente e de boa aparência‖. Ele teve que
enfrentar a pressão sexual feita por uma mulher sedutora. Cada dia, ela
o pressionava. O que pode fazer um jovem escravo assediado dessa
forma?
Ser fiel envolve escolhas diárias, e elas indicam para onde se inclina
nosso coração. A imoralidade sexual é talvez a maior tentação para o
jovem cristão. Os filmes, a música, a televisão, a internet e outros meios
de comunicação tentam introduzir ideias pecaminosas em nossa mente o
tempo todo.
Por que as pessoas são infiéis em seu casamento, por exemplo? A
resposta passa pelo fato de que muitos ―treinam‖ a infidelidade durante o
período do namoro. Quem vive flertando com muita gente na juventude,
em geral tem dificuldade de se manter fiel a uma pessoa só. E isso
inviabiliza a fidelidade matrimonial.
E não é só isso. Muita gente faz do namoro um meio de diversão ou de
busca de prazer e outras aventuras. Carícias sexuais e o avanço do sinal
nesse campo, durante o período de namoro, têm resultado em
casamentos permeados pela culpa. A falta de domínio próprio na
juventude é espelhada no matrimônio, e o resultado, em muitos casos, é
a traição.
Ouvi alguém dizer: ―O pecado vai levar você mais longe do que gostaria
de ir. Vai cobrar um preço mais alto do que você gostaria de pagar. Vai
segurar você mais tempo do que gostaria de ficar.‖ Isso é uma realidade.
Uma antiga história diz que, quando José disse à tentadora mulher que
não poderia ―pecar contra Deus‖, a senhora Potifar jogou um pano
sobre a estátua do deus que estava no quarto e disse: ―Agora deus
não verá.‖ Mas José respondeu: ―O meu Deus vê!‖ E saiu correndo em
disparada. Diante da tentação, o melhor argumento é este: ―Pernas para
que te quero!‖
Quinta 10 de dezembro
Ele é fiel
Graças ao grande amor do SENHOR é que não somos consumidos,
pois as Suas misericórdias são inesgotáveis. Renovam-se cada
manhã; grande é a Sua fidelidade! Lamentações 3:22, 23

Sinto-me um troféu da graça de Deus. Em minha história, não há


registro de sinais maravilhosos, mas o Eterno foi fiel a mim inúmeras
vezes. Quando criança, eu tinha uma saúde delicada, mas o Senhor me
restaurou. Não sei o que Ele viu em mim, mas me escolheu para ser
Dele e fazer parte da grande família do Céu aqui na Terra.
Ainda adolescente, Ele me chamou para uma obra especial,
separando-me para o ministério pastoral. Se você me perguntar como foi
que eu concluí os estudos, terei muitas histórias para contar sobre a
generosidade de amigos e, acima de tudo, sobre a providência divina.
Quando colocou em minha vida a mulher que conquistou meu coração,
Ele foi fiel comigo. As misericórdias do Senhor são, de fato, inesgotáveis.
Tenho certeza de que você também experimentou em sua vida muitos
sinais da fidelidade do Senhor. Deus não nega o que Ele é: ―Se somos
infiéis, Ele permanece fiel, pois não pode negar-Se a Si mesmo‖ (2Tm
2:13). O estoque da misericórdia de nosso Deus não tem fim.
Quer saber quais são as misericórdias do Senhor? Leia Efésios com
atenção. Em todo o livro, Paulo deixa claro que não merecemos o amor
incondicional de Deus. Ele diz que estávamos mortos em nossas
transgressões. Não estávamos apenas mortos, mas condenados
eternamente em nossos pecados. Estávamos perdidos, sem Deus e sem
esperança. ―Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor
com que nos amou, deu-nos vida com Cristo‖ (Ef 2:4, 5). É mesmo
grande a fidelidade de nosso Deus!
Apesar de nós, o Senhor permanece fiel, porque Ele não consegue
negar a Si mesmo. Deus continuará sendo misericordioso, e Jesus
permanecerá sendo amor. Isso tem como base Seu caráter divino: Ele
não pode negar a Si mesmo. Nossa segurança em Cristo está alicerçada
no caráter santo e fiel de nosso Deus.
11 de dezembro Sexta
Fidelidade sem amor
Nunca desobedeci às tuas ordens. Mas tu nunca me deste nem um
cabrito para eu festejar com os meus amigos. Lucas 1S:29

Todos nós somos retratados na parábola do filho pródigo de alguma


forma. Infelizmente, existem muitos filhos mais novos que ainda vivem
longe dos braços amorosos do Pai. No entanto, o que dizer dos filhos
mais velhos que procuram impressionar a Deus, fazendo tudo certinho,
como manda a regra, porém sem experimentar a alegria da salvação?
Alguns pensam assim: ―Ainda bem que não sou aquele filho que saiu
de casa, que desperdiçou seus bens, que estragou a saúde! Ainda bem
que estou na igreja, permaneço firme, nunca me desviei, nunca saí da
igreja.‖ No entanto, alguns filhos mais velhos continuam amuados por aí,
recusando-se a entrar em casa para celebrar a alegria do Pai.
O filho mais velho foi ―fiel‖ ao Pai o tempo todo. As pessoas o
elogiavam e o consideravam um filho exemplar. Construiu uma imagem
de bom moço, nunca desobedeceu; mas, quando o irmão mais novo
voltou, e o mais velho chegou em casa e viu a festa, sua máscara caiu.
De repente, ficou visível quem ele era: uma pessoa egoísta e ressentida,
que permaneceu em casa, mas com o coração dividido.
O filho mais velho se recusou a entrar em casa para não participar da
alegria de seu pai. Ele não se alegrou com a volta do irmão. A expressão
―esse teu filho‖ revela seu desprezo pelo irmão e falta de amor pelo pai.
Sua fidelidade era só de aparência.
Era um legalista, preso às regras, mas sem amor ao irmão e ao Pai.
Fidelidade é servir a Deus em amor. Sem amor não dá. Não adianta
tentar servir a Deus por obrigação.
O pai tentou convencer o filho a entrar: ―Meu filho‖, ele disse apelando
ao coração (v. 32). A língua portuguesa não é suficiente para captar a
força dessa palavra. No original, o termo usado é teknon, que significa
―minha criança‖. Essa palavra descreve a paixão do Pai convidando o
filho para participar de Sua alegria. Mas a história termina aí. Não
sabemos se ele entrou na festa. O convite, porém, ainda está estendido!
E você? Vai entrar?
Sábado 12 de dezembro
Fiel para sempre
Seja fiel até a morte, e Eu lhe darei a coroa da vida. Apocalipse
2:10

O mundo só pode ver Jesus na igreja e por meio da igreja. Jesus


estava na cidade de Esmirna, sofrendo com Seu povo. Ele está presente
onde Seu povo está. Para a igreja de Esmirna, Ele disse: ―Conheço as
suas aflições‖ (v. 9). Ele conhece os gemidos da alma de Seu povo.
―Conheço a sua pobreza‖, Ele diz, ―mas você é rica‖. A igreja mais pobre
da Terra era a mais rica no Céu. Já a mais rica da Ásia era a mais pobre.
Qual era a diferença? O que é uma igreja rica do ponto de vista do Céu?
Em Esmirna, havia um templo dedicado a Tibério. Uma vez por ano
queimavam incenso diante do altar e adoravam o imperador como um
deus. Os cristãos se recusaram a adorá-lo. Do ponto de vista humano,
não se podia esperar uma igreja fiel em Esmirna. Eles corriam perigo de
morte o tempo todo. Sua fé estava ameaçada, mas Jesus não censura
essa igreja por nenhum pecado.
A fidelidade não é fácil. O cristão sofre discriminação, provações e
tentações. Em Esmirna, o povo de Deus era insultado, preso e tinha
seus bens confiscados, além de passarem por tribulações e
perseguições de todo o tipo. Mesmo assim, eles não perderam a fé. A
igreja de Esmirna era pobre, mas era fiel. E Jesus a encoraja,
prometendo-lhe a coroa da vida. Isso é sinônimo de vida eterna.
Significa que devemos ser fiéis mesmo se for preciso morrer pela fé.
A morte era uma possibilidade ameaçadora para aqueles crentes.
Policarpo, pastor da igreja de Esmirna, foi martirizado na fogueira.
Quando lhe perguntaram se renunciava sua fé e reconhecia o imperador
como deus, ele respondeu: ―Tenho 86 anos servindo a Cristo, e Ele
nunca falhou. Não irei negá-Lo agora.‖ Sua fidelidade foi paga com a
morte. Contudo, ele é herdeiro da vida eterna.
Nosso desafio hoje é viver por Jesus. Quem for fiel receberá a
coroa da vida. Essa é a garantia de que vale a pena ser fiel.
13 de dezembro Domingo
Trabalho
O SENHOR Deus colocou o homem no jardim do Éden para cuidar
dele e cultivá-lo. Gênesis 2:1S

Em Gênesis 2, Deus estabeleceu as mais antigas instituições


humanas: o sábado, o trabalho e o casamento. O trabalho está
entre as grandes bênçãos da vida. Para que ninguém viesse com a
ideia de que o trabalho é um mal necessário, o próprio Deus o
idealizou no jardim do Éden antes que houvesse pecado. Ele foi
planejado por Deus no início da criação. O homem recebeu a
responsabilidade de nomear os animais, cultivar o jardim e cuidar
dele. Portanto, nós cristãos temos motivos para olhar o trabalho
com mais otimismo do que as pessoas em geral.
Após o pecado, o trabalho se tornou mais difícil e penoso. O
homem se viu obrigado a conseguir alimento ―com o suor do seu
rosto‖ (Gn 3:19). Porém, o trabalho continua a ser uma bênção para
o ser humano.
É provável que você já tenha escutado a história dos três
pedreiros. Eles estavam trabalhando em uma construção quando
passou alguém e perguntou a um deles: ―O que você está
fazendo?‖ ―Estou ganhando a vida‖, respondeu o primeiro. Logo em
seguida, perguntou ao outro: ―O que você está fazendo?‖ A
resposta foi: ―Estou levantando uma parede.‖ ―E você?‖, perguntou
ao terceiro homem. Ele disse: ―Estou construindo uma catedral.‖
Três indivíduos fazendo o mesmo trabalho, talvez com as mesmas
habilidades, mas com pontos de vista diferentes. Talvez só um
deles tenha percebido a importância da obra que estava fazendo.
O que você faz na vida? Qual é seu trabalho? Como isso vai
contribuir para o plano de Deus? Talvez poucos saberão dar uma
razão satisfatória a essas perguntas. O trabalho é uma bênção,
mas somente quando ocupa o lugar certo em nossa vida e é
equilibrado com qualificação técnica, entusiasmo e a motivação
correta. O que você está fazendo? Que satisfação poder dizer:
―Estou me unindo a Deus para mudar o mundo!‖, ―Estou salvando
vidas!‖, ―Estou cumprindo o propósito de Deus para minha vida!‖
Quando realizamos nosso trabalho com o máximo de dedicação,
estamos honrando a Deus que nos criou e nos concedeu diferentes
habilidades. Faça de seu trabalho uma bênção. Permita-se ser
usado por Deus em sua atividade profissional. Lembre-se de que
seu negócio principal é ir para o Céu e levar gente para lá.
Segunda 14 de dezembro
Valorize seu trabalho
Você comerá do fruto do seu trabalho, e será feliz e próspero.
Salmo 128:2

Nem todo mundo valoriza trabalho que tem. É verdade que o


Senhor disse que iríamos comer o pão com o suor de nosso rosto
(Gn 3:19), mas o trabalho não precisa ser uma tortura para nós. A
Palavra de Deus é muito clara quando o assunto é trabalho: por
meio dele temos o pão em nossa mesa. Além de alimentar nossa
família, o trabalho nos oferece dignidade.
Alguns têm profissões valorizadas e são reconhecidos pelo que
fazem. Porém, existem outros que são mal remunerados e pouco
valorizados. No entanto, Deus sempre terá uma recompensa para
aquele que trabalha sério e é dedicado ao que faz.
Vários homens e mulheres da Bíblia foram diligentes e receberam
muitas bênçãos por fazerem bem seu trabalho. Muitos deles
encontraram o parceiro da vida no ambiente de trabalho. Jacó, por
exemplo, era muito trabalhador. Sara era uma boa cozinheira.
Rebeca deu água para camelos.
Aprenda a valorizar seu trabalho, porque você terá que realizá-lo
até à sua aposentadoria. Se você não aprender a gostar do que
faz, será um frustrado na vida. Mas, além disso, escolha como
companheiro de vida alguém que reconheça o valor do esforço em
seu trabalho.
Gente preguiçosa não serve para casar. Se você escolher como
companheiro(a) alguém que não sabe o valor do trabalho, estará
enrolado(a). Muitos meninos e meninas são criados sem saber
pegar no pesado. Passam o dia inteiro nas redes sociais.
O trabalho é um presente de Deus para a vida. Pode ser que você
não seja valorizado em seu trabalho no início. Pode ser também
que algumas pessoas menosprezem o que você faz. Mas saiba
que o Senhor sabe de todas as coisas e valoriza seu esforço. No
momento certo, Ele vai abençoá-lo e fazê-lo prosperar!
15 de dezembro Terça
Parceria com o Senhor
Tudo o que fizerem, seja em palavra ou em ação, façam-no em
nome do Senhor Jesus, dando por meio Dele graças a Deus Pai.
Colossenses 3:17

Quando abrimos a Palavra de Deus em Colossenses 3:23, vemos que


Paulo completa seu pensamento: ―Tudo o que fizerem, façam de todo
coração, como para o Senhor, e não para os homens.‖ Acho que essa foi
uma forma de ele dizer que quem está em Cristo precisa mostrar isso
em seu trabalho diário. Qualquer atividade profissional deve ser
desenvolvida em conjunto com Deus.
A maneira como trabalhamos revela se de fato honramos nosso
relacionamento com o Senhor. O trabalho humano foi projetado por Deus
e é uma oportunidade de testemunhar de Sua soberania em nossa vida.
O trabalhador dedicado honra ao Senhor e, com a qualidade do serviço
prestado, prega sem palavras sobre Ele.
Quando encontramos cristãos eficientes em seu serviço, percebemos
que o trabalho é parte da mensagem pregada por eles. Revelam
honestidade, pontualidade, qualidade profissional, atitude agradável e
entusiasmo. E isso cumpre o desejo de Jesus: ―Assim brilhe a luz de
vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e
glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos Céus‖ (Mt 5:16).
Na vida cristã, não há compartimentos separados para o sagrado e o
secular. Tudo o que fazemos deve ser santo, e isso inclui o trabalho. O
apóstolo Paulo explica essa integralidade da vida: ―Para os puros, todas
as coisas são puras‖ (Tt 1:15). Em outras palavras, o que fazemos de
segunda a sexta também está na dimensão do sagrado, de modo
semelhante ao que ocorre nas horas sabáticas. Para o cristão, todas as
coisas são santas.
É muito importante saber que, ao recebermos uma proposta de
emprego, estamos sendo chamado por Deus para Sua obra. Quando
alguém pergunta a um cristão: ―Você trabalha com o quê?‖ A resposta
poderia ser: ―Fui ‗ordenado‘ enfermeiro, médico, advogado, professor…‖.
Seu trabalho é seu púlpito. Como anda seu ministério?
Quarta 16 de dezembro
Trabalho x vocação
Para o homem não existe nada melhor do que comer, beber e
encontrar prazer em seu trabalho. E vi que isso também vem da
mão de Deus. Eclesiastes 2:24

O trabalho é fundamental para o funcionamento da sociedade e


para a conquista de nossos objetivos de vida. Minha experiência
com o trabalho é gratificante. Fui abençoado com um chamado
espiritual e vocacional que se ajusta perfeitamente às minhas
habilidades. Gosto do que faço, mas sei que não é todo mundo que
vê em seu trabalho uma aventura.
Também existem coisas de que não gosto em meu trabalho, mas
elas fazem parte de minhas obrigações. Então procuro realizar
primeiramente as coisas difíceis. Isso exige boa dose de
persistência. Mas conheço o resultado final, por isso prossigo com
determinação. Sei que aquilo é essencial para o cumprimento da
tarefa. Também consigo antever o prazer da tarefa concluída. Veja
que uma coisa depende da outra. Gostar de trabalhar me mantém
não apenas concentrado em minha missão, mas também
entusiasmado.
Eu sei que quase todas as pessoas precisam trabalhar para
garantir seu ganha-pão. Não é fácil levantar todas as manhãs para
realizar um trabalho que às vezes parece não ter significado. Por
isso, é importante correr atrás de seus sonhos. Deus tem um sonho
sob medida para cada pessoa. Chamamos isso de vocação.
Vocação é quando sentimos que Deus está nos chamando para
fazermos juntos algo verdadeiramente grande. Seu trabalho precisa
ser a sua vocação, não apenas uma tarefa profissional. Qualquer
trabalho garante um salário no fim do mês; a vocação garante
satisfação no fim da tarefa. Você executa o trabalho porque tem
que dar satisfação para seu empregador; a vocação faz parte do
plano de Deus para sua vida.
Se você foi abençoado com um trabalho apenas para cobrir seus
custos, procure encaixar sua vocação naquilo que está fazendo.
Ou seja, procure se esforçar para gostar daquilo que está fazendo.
Outra dica: procure pontos de interesse entre as exigências e o
prazer. Caso contrário, os dias vão se arrastar diante de você, ou
você vai se arrastar todos os dias que tem pela frente.
A recompensa do trabalho é temporária; a recompensa da
vocação é eterna.
17 de dezembro Quinta
Coração dividido
Jesus respondeu: Ninguém que põe a mão no arado e olha para
trás é apto para o Reino de Deus. Lucas 9:62

No capítulo 9 de Lucas, há três histórias de pessoas que queriam


seguir Jesus, mas tinham o coração dividido. Esses relatos revelam
a importância de ter prioridades na vida. O texto fala de três
homens, cada um com um nível de disposição para seguir Jesus,
mas nenhum com o nível necessário de compromisso para
satisfazer a vontade de Deus.
O primeiro homem se aproximou de Jesus se oferecendo para
segui-Lo. O Mestre deixou claro para o pretendente que isso não
seria nada fácil. ―As raposas têm suas tocas e as aves do céu têm
seus ninhos, mas o Filho do homem não tem onde repousar a
cabeça‖ (v. 58). Com isso, Cristo estava dizendo que, para segui-
Lo, é preciso abrir mão de certos luxos e vantagens. Em uma
aplicação desse princípio para o mercado de trabalho, podemos
dizer que o sucesso é resultado de renúncia e humildade. Quem
não entende isso está fadado ao fracasso.
O segundo foi convidado por Jesus para segui-Lo. Porém, o
homem pediu para primeiro fazer o enterro do pai. Jesus recusou
essa desculpa. O dever de enterrar um morto tinha precedência
sobre o estudo da Lei, o serviço no templo, a matança do sacrifício
da Páscoa e a observância da circuncisão. No entanto, Jesus
estava dizendo que até a necessidade mais rigorosa da cultura não
isenta ninguém do cumprimento do dever. Encontramos aqui o
princípio da dedicação no exercício da vocação profissional.
O terceiro homem fez uma oferta semelhante ao primeiro, mas
com uma condição: primeiro ele queria se despedir da família. A
resposta de Jesus apresenta a declaração mais forte sobre
dedicação e prioridade. Esse indivíduo é o retrato da pessoa
dividida. Jesus disse que quem fica olhando para trás não fará um
bom trabalho. No campo profissional, também não se pode ter o
coração dividido. É preciso concentração e determinação.
Os três homens não estavam qualificados para seguir Jesus por
falta de compromisso e dedicação. Não preenchiam os requisitos
básicos para serem seguidores do Mestre. As características que
apresentaram também os desqualificariam para qualquer emprego.
Não seja assim. Se quiser sucesso de verdade, seja humilde, esteja
sempre disponível e se concentre em sua missão.
Sexta 18 de dezembro
Aprendendo com as formigas
Observe a formiga, preguiçoso, reflita nos caminhos dela e seja
sábio! Provérbios 6:6

O verso de hoje apresenta um dos conselhos mais lembrados da


sabedoria de Salomão. Os preguiçosos precisam se matricular na
escola das formigas ainda hoje. Esses pequenos insetos podem
nos ensinar lições incríveis de planejamento, organização, trabalho
em equipe, determinação e criatividade.
As formigas são encontradas em praticamente todas as partes do
mundo. Apesar de causarem alguns estragos, em geral elas são
muito úteis para a fertilização do solo e para o controle de outras
pragas. Existem cerca de 12 mil espécies catalogadas no mundo.
As formigas não precisam de ninguém para monitorá-las em seu
trabalho. Essa é uma importante lição para nós. Pessoas
responsáveis não precisam ser vigiadas para cumprir seu trabalho.
A procura por comida é uma prova da capacidade de
perseverança das formigas. Se encontram, regressam ao
formigueiro; se não, continuam a procurar. Podem andar até 300
metros em busca de alimento. Convertendo para uma contagem
humana, seria o mesmo que percorrer a pé cerca de 60
quilômetros.
Nada as faz desistir do trabalho. Conta-se que Gengis Khan,
durante uma batalha, escondeu-se em um celeiro. Sentou-se num
canto e ficou observando uma formiga tentando carregar seu
alimento parede acima. Ela tentou 62 vezes até conseguir. Dizem
que ele saiu do celeiro energizado e determinado a continuar na
batalha.
As formigas também são muito organizadas. Cada uma tem sua
função dentro do formigueiro. Elas têm uma rainha e são
organizadas em colônias. Se as formigas falassem, diriam: ―Vamos
trabalhar unidas!‖ Elas trabalham em equipe e em benefício umas
das outras. Distribuem as tarefas pelo tamanho ou pela idade de
cada uma: há as guardas do formigueiro; as operárias, que
protegem os ovos e cuidam da limpeza do formigueiro; e as
obreiras, que procuram alimentos e os trazem para casa. Cada uma
faz sua parte e, juntas, realizam seu trabalho.
São muitas as lições que podemos aprender com as formigas.
Quem observá-las adquirirá sabedoria para viver melhor.
19 de dezembro Sábado
“Aqui é trabalho, meu filho!”
Ele tinha êxito em tudo o que fazia, pois o SENHOR estava com ele. 1
Samuel 18:14

Muricy Ramalho é um dos treinadores mais vitoriosos do futebol


brasileiro. Ele conquistou muitos títulos importantes na carreira. Seu
lema está retratado no título do texto de hoje. Sua frase ficou
famosa, inclusive fora do contexto do futebol. Nesse bordão, Muricy
resume a filosofia de vida que acompanha muitos vencedores: não
se obtém sucesso sem suar a camisa.
Alguns acham, porém, que só contar com a sorte é o suficiente.
Muitos não estão dispostos a calçar os sapatos do ―sortudo‖, ou
seja, pagar o preço para ter a mesma ―sorte‖.
Davi foi o homem da Bíblia que recebeu a maior aprovação divina.
Sua história revela que Deus fazia por ele apenas o que o rei não
podia fazer por si mesmo. Ainda sem nenhum reconhecimento,
Davi era o melhor pastor dos rebanhos de seu pai. Deus viu que
aquele rapaz poderia ―pastorear‖ Seu povo com a mesma
dedicação e o consagrou como rei de Israel.
Ninguém queria lutar com Golias, até aparecer Davi disposto a
arriscar a vida para defender a honra de Deus. Quando escolhe um
homem para uma missão, o Eterno passa a fita métrica ao redor de
seu coração. Em geral, Ele escolhe quem tem o coração parecido
com o Seu.
Muitas pessoas perdem uma grande bênção por não se disporem
a dar duro na vida, por não se dedicarem aos estudos nem saírem
para procurar um emprego. Alguns vivem esperando a
oportunidade chegar. Enquanto esse dia não chega, não fazem
nada para criar chances de vencer.
Eu sei que o sucesso não depende só do esforço, mas raramente
acontece sem trabalho árduo. Quem não trabalha duro pode
esperar o fracasso. Creio que podemos dizer que o sucesso é o
resultado do esforço humano somado à bênção de Deus.
Não espere grandes coisas de Deus se você mesmo não faz sua
parte. Para que haja crescimento, faça uma avaliação de todo seu
potencial e de onde pretende chegar. ―Não reclame da colheita,
escolha bem as sementes.‖ E mãos à obra!
Domingo 20 de dezembro
Geração viva
Para que tenhas a certeza das coisas que te foram ensinadas.
Lucas 1:4

Ao longo de meu ministério, tenho procurado desafiar os jovens a


serem uma geração viva: amada no Céu, temida no inferno,
conhecida na Terra. Adotei essa frase como meu slogan. Ela foi
pronunciada por um conhecido pastor evangélico e a considerei
muito apropriada para traduzir minha missão como pastor de
jovens.
Em meus esforços ministeriais, geração viva é um movimento que
convida os jovens a se levantarem. Para que isso aconteça, é
necessário que cada um tenha a própria experiência com Deus.
Não se pode testemunhar de Jesus sem conhecê-Lo pessoalmente
pela fé.
Isso ocorreu com o evangelista Lucas. Os outros autores dos
evangelhos tinham convivido com Cristo, mas Lucas não. Porém,
isso não o impediu de conhecer o Senhor nem de testemunhar
sobre Ele.
Lucas foi a campo e colheu todas as informações que encontrou
sobre Jesus. Foi guiado pelo Espírito Santo nesse processo e
produziu um dos mais belos retratos da vida de Jesus a que temos
acesso. Sob inspiração divina, Lucas revelou aspectos belíssimos e
essenciais do ministério de Jesus. Ele é autor de dois livros da
Bíblia: o evangelho que leva seu nome e o livro de Atos.
Lucas escreveu o primeiro volume para contar a história de como
Deus enviou Seu Filho à Terra. O autor retratou Jesus em Suas
longas caminhadas, em Seus memoráveis discursos, diálogos e
expressões inequívocas de amor, com ênfase na cruz.
O evangelho de Lucas termina falando da ascensão do Senhor. É
exatamente a partir desse ponto que ele inicia o livro de Atos. O
evangelho fala da origem da igreja; Atos apresenta o crescimento
dela. O fio que une os dois volumes é a divindade de Jesus Cristo e
do Espírito Santo. Na ascensão, Jesus Se senta à direita de Deus, e
o Espírito Santo desce à Terra para continuar a obra da salvação.
O livro de Atos é o começo da história da igreja, mas ele está
incompleto. A história ainda está acontecendo. É uma história
inacabada! O último capítulo de Atos precisa ser escrito. Quando
isso ocorrer, Jesus virá. Eu creio que isso ocorrerá em nossa época.
Para isso, é preciso que uma geração viva se levante.
21 de dezembro Segunda
Uma revolução
Pois não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos. Atos
4:20

No evangelho de Lucas, Jesus recebe o Espírito. No livro de Atos, é a


igreja que O recebe. No evangelho, as pessoas observam a ação do
Espírito na vida de Jesus. Em Atos, as pessoas são cheias do Espírito e
se tornam agentes de uma revolução.
Essa revolução começou no Pentecostes. Os homens que
participaram dela não tinham medo de nada: enfrentaram feras, foram
jogados em fogueiras e martirizados. Não se curvavam a não ser diante
de Deus. Não amavam uma causa; amavam o Cristo ressuscitado.
Tocaram em Jesus, andaram com Ele. Experimentaram Seu amor e
foram transformados. Abalaram o mundo com o poder de Deus e o
alcançaram com a mensagem da salvação. Promoveram uma revolução
que mudou a história da humanidade.
Lucas não conviveu com Jesus, não viu Seus milagres nem ouviu Seus
sermões. Mas ele escreveu sua versão da história porque O conheceu
experimentalmente. Muitos já escreveram a história de Jesus e falaram
do poder do Espírito. Mas a questão decisiva é esta: Qual é a sua versão
da história?
Deus não está no passado. A história de Jesus não é um conto de
fadas para a igreja dormir. Jesus está vivo. Ele está sentado à direita de
Deus. O Espírito quer causar a mesma revolução que houve no
Pentecostes. Muita gente vive das experiências, emoções, hinos e
sermões do passado. Deus não está chamando uma geração para viver
as experiências do passado. Ele está levantando uma geração para
escrever o último capítulo de Atos!
É importante que você compreenda que toda grande revolução começa
com mudanças individuais. Então, quem você acha que precisa mudar?
Em geral, nos concentramos no que precisa mudar. Porém, a pergunta
deve ser ―quem precisa mudar?‖ Não se deixe enganar, a revolução
começa comigo e com você. Se você não mudar, nada vai mudar.
Comece essa revolução aos pés do Senhor. Mude dentro de você e
busque viver a verdade.
Terça 22 de dezembro
O que precisa mudar?
Agora que vocês sabem estas coisas, felizes serão se as
praticarem. João 13:17

Deus está procurando por aqueles que se dedicam a Ele de todo


coração. Se queremos ver uma revolução acontecendo hoje em
nossa igreja, que mudanças precisamos fazer em nossa vida?
Preste atenção às cinco propostas abaixo.
Revolução 1: Vida devocional. Nenhuma revolução vai ocorrer se
você não melhorar sua vida devocional. É preciso levantar cedo
para ler o Livro. Não vai acontecer nenhuma revolução enquanto
você não aprender a amar a Bíblia. Nela você conhece Jesus. Nela
você se encontra com Ele. O personagem principal de Suas
páginas é Jesus. E quanto mais você a lê, mais a ama! E vai se
tornando mais amigo de Cristo.
Revolução 2: Adoração vibrante. Não importa o tamanho de sua
igreja. Não importa quem é o pregador. Se você vai adorar faminto,
sairá alimentado. A adoração ocorre quando você sai de casa
ansioso para ter um encontro com Deus. É preciso um preparo
prévio para uma adoração autêntica na igreja.
Revolução 3: Estudo da Bíblia. Isso é diferente da vida devocional.
No estudo da Bíblia, a ênfase está na pesquisa. Nessa prática,
procura-se conhecer mais as doutrinas bíblicas para, assim,
entender as razões da fé. Estude a Bíblia cada manhã. A Lição da
Escola Sabatina é uma boa ferramenta para isso. Tome nota de
sermões. Faça marcações em sua Bíblia. Cresça em conhecimento.
Os pioneiros adventistas (maioria jovem) passavam a noite
estudando a Bíblia. Isso precisa se repetir entre nós.
Revolução 4: Estilo de vida. O mundo quer ver a diferença que
Jesus realiza em nossa vida. O que seu estilo de vida tem de
diferente do mundo? Que revolução é essa que você busca? Se
você se veste igual, come igual, assiste igual, namora igual, não há
revolução alguma ocorrendo. Os frutos da transformação sempre
aparecem na vida da pessoa convertida.
Revolução 5: Missão desafiadora. Você é o sermão que o mundo
precisa ouvir. Testemunhe sobre Cristo, e isso não é difícil. Apenas
conte o que você viu pela fé. A igreja de Atos dizia: ―Eu vi Jesus. Fui
curado por Ele. Jesus me salvou…‖ Onde está essa igreja hoje?
Quer uma revolução em sua vida? Comece hoje a praticar o que
você acredita!
23 de dezembro Quarta
Qual é a sua versão da história?
A sua boca fala do que está cheio o coração. Lucas 6:4S

Na brincadeira do telefone sem fio, várias pessoas sentam-se em


um círculo ou em fila, uma ao lado da outra, e um dos jogadores
pronuncia uma frase no ouvido do participante a seu lado, que
passa a mensagem adiante. Um fala no ouvido do outro, e a
brincadeira segue. O último revela a mensagem. Em geral, a
mensagem sai distorcida.
Como nessa brincadeira, vivemos em um tempo em que a
mensagem da graça tem sido distorcida. As pessoas zombam da
fé. Mas o evangelho tem uma mensagem única e exclusiva. Jesus
veio à Terra como um bebê e habitou entre nós. Ele veio para
oferecer e ser o sacrifício perfeito. Se Ele fosse apenas um homem
comum, não poderia nos salvar. Se fosse apenas Deus, o sacrifício
não poderia se realizar. Por isso, Ele encarnou. O Céu desceu à
Terra para nos salvar. Se você não entendeu isso, não entendeu
nada ainda.
Não fique com uma mensagem de segunda mão. Tenha uma
história real com Jesus. Embora seja fundamental saber que Ele
veio salvar a humanidade inteira, é imprescindível entender que
também foi por você. Conte aos outros sua história com Jesus.
Lucas não viu Jesus. Não viu Seus milagres nem ouviu Seus
ensinos. Mas Ele O conheceu. Os quatro evangelhos contam a
história de Jesus sobre perspectivas diferentes. Cada autor ressalta
um aspecto distinto da obra que Cristo veio realizar. Lucas
apresenta Jesus como Filho do homem, destacando Seu lado
humano e Seu ministério em favor dos perdidos: ―Pois o Filho do
homem veio buscar e salvar o que estava perdido‖ (Lc 19:10). A
ênfase de Lucas não está na necessidade da humanidade, mas no
inigualável amor de Deus por nós.
No livro de Atos, Lucas revela que os apóstolos amaram mais a
Deus do que a própria vida. Nesse livro, Lucas faz parte da história.
Quem está disposto afazer parte dessa história também? Uma
grande revolução sempre começa com mudanças individuais. Você
quer fazer parte dessa revolução? Gaste tempo com Jesus e com
Sua Palavra. Desafio você a contar sua versão da história. Faça
parte da geração viva, que foi transformada pela graça de Deus.
Quinta 24 de dezembro
Vale dos ossos secos
Assim diz o Soberano, o SENHOR, a estes ossos: Farei um espírito
entrar em vocês, e vocês terão vida. Ezequiel 37:S

O que podemos aprender no vale dos ossos secos? O Eterno é o


Deus que vivifica. O prazer de Deus é restaurar. E a restauração da
vida começa com a Palavra de Deus.
O profeta Ezequiel estava no lugar santíssimo do santuário
quando Deus lhe disse que faria um santo transplante, tirando de
Seu povo o coração de pedra e dando-lhe um coração novo. Ele
prometeu que poria Seu Espírito para viver dentro de nós, e assim
seríamos capazes de fazer Sua vontade (Ez 36:26, 27). Sabe o que
Ele fez em seguida? Depois de revelar isso, levou o profeta para um
vale de ossos secos e lá ordenou que Ezequiel profetizasse a
ressurreição daquelas carcaças.
O profeta obedeceu, e o Senhor foi colando osso com osso. De
repente, os esqueletos foram montados. E não só isso. Por meio de
Sua palavra na boca do profeta, Deus colocou carne, tendões,
músculos e pele naqueles corpos mortos. Ainda faltava o ato final.
Então, Deus perguntou: ―Esses cadáveres poderão viver de novo?‖
Ezequiel respondeu: ―Senhor, eu não duvido de mais nada! O
Senhor sabe.‖ ―Então profetize aos ventos, e Meu Espírito entrará
neles‖, foi a resposta de Deus.
O Espírito entrou neles, e um grande exército foi formado. Em
nossos dias, Deus também quer ressuscitar Seu povo, em especial
a juventude. Ellen White diz: ―Com tal exército de obreiros como o
que poderia fornecer a nossa juventude devidamente preparada,
quão depressa a mensagem de um Salvador crucificado,
ressuscitado e prestes a vir poderia ser levada ao mundo todo!‖
(Educação, p. 271).
Esses ossos secos representam a igreja de Deus hoje. Você olha
para o povo e pensa que muitos estão vivos, mas não estão. Falta-
lhes poder. Será que Deus pode levantar uma geração viva hoje?
Você acredita que pode acontecer um Pentecostes na igreja em
nossos dias? Aconteceu uma vez, pode acontecer de novo.
Se alguém lhe perguntar o que Jesus fez em sua vida, minha
oração é que você esteja pronto para responder com sinceridade:
―Eu estava morto, mas agora estou vivo!‖
25 de dezembro Sexta
Morno ou quente?
Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a Minha voz e abrir a
porta, entrarei e cearei com ele, e ele Comigo. Apocalipse 3:20

Namorei e fiquei noivo no internato. Minha noiva terminou a


faculdade dela, e eu tinha mais um ano de estudos pela frente.
Ficaríamos longe um do outro, numa distância de mais de mil
quilômetros. Combinamos que ambos escreveríamos uma carta
para o outro todos os dias. E de fato fizemos isso. Cada um de nós
tem pelo menos 500 cartas guardadas até hoje. Elas contam parte
de nossa história de amor.
Em nome de Jesus, João escreveu uma carta para cada uma das
sete igrejas da Ásia Menor. Cada igreja representa um período da
história do cristianismo. Todas as cartas têm mais ou menos a
mesma estrutura. Elas têm apresentação, elogio, repreensão,
conselho e promessa. Contém declarações de amor de Deus para
Seu povo.
Em minha opinião, a mais apaixonada é a de Laodiceia. Esse
nome vem da junção de duas palavras gregas: laos, que quer dizer
―povo‖, e dikaios, que significa ―juízo‖. Então, Laodiceia significa
―juízo do povo‖ ou ―povo do juízo‖. Profeticamente, o período dessa
igreja começou em 1844 e vai até a volta de Jesus. Em 1844, teve
início o juízo investigativo.
Jesus disse que Laodiceia estava a um passo da eternidade, mas
dormia em sua mornidão e indiferença. Portanto, trata-se de uma
igreja acomodada e satisfeita consigo mesma. E o Eterno não
suporta essa situação.
A igreja de Laodiceia é a minha igreja hoje. A juventude dessa
igreja é a minha juventude. É a nós que o Senhor está
repreendendo com lágrimas nos olhos. Não me lembro de nenhum
momento em minha vida cristã em que eu tenha me sentido frio.
Houve vários momentos em que me senti quente, com uma
experiência viva com meu Jesus. Mas, na maior parte do tempo,
confesso que me senti morno, fazendo mais do mesmo sem que a
chama da verdade estivesse brilhando no coração. Essa condição
é confortável, porém terrivelmente perigosa.
Em Seu forte apelo, Jesus está batendo à porta de nosso
coração. Ele está do lado de fora. Algo muito errado está ocorrendo
dentro; por isso, Ele quer entrar. Atenda às batidas Dele. Deixe-O
entrar e desfrute Sua companhia. Eu garanto a você: depois da
entrada Dele, nada ficará igual!
Sábado 26 de dezembro
Bom combate
Combata o bom combate da fé. Tome posse da vida eterna, para a
qual você foi chamado e fez a boa confissão na presença de
muitas testemunhas. 1 Timóteo 6:12

No ―devido tempo‖, o Eterno levantará uma geração de fiéis na


Terra. Quem fez a promessa é fiel. Enquanto esse dia não chega,
Paulo diz que devemos continuar lutando. Mas temos que escolher
bem qual é nossa luta. Há um bom combate e um mau combate.
Não dá para lutar os dois ao mesmo tempo. Temos que parar de
lutar uns contra os outros e começar a lutar contra o príncipe das
trevas. Não há mais lugar de combate na igreja.
Todas as gerações creram que Jesus viria em seu tempo. Eu creio
que somos a geração que verá a volta de Jesus. Sei que você
também acredita nisso. Mesmo assim, lamentavelmente, estamos
perdendo o senso de urgência.
Eu creio que faço parte da geração que vai ver Jesus voltar. Você
também crê nisso? Então, faça a ―boa confissão‖ hoje. Confesse
sua fé em Cristo:
Eu creio que Jesus é o Filho de Deus.
Eu creio que Jesus é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do
mundo.
Eu creio que Jesus morreu por meus pecados.
Eu creio que estou salvo em Jesus Cristo.
Eu creio que tudo posso Naquele que me fortalece.
Eu creio que o poder de Deus está ao alcance da fé.
Eu creio que Jesus vai voltar em breve.
Eu creio que o Espírito Santo me encherá de poder.
Eu creio que o Senhor me enviou como Seu mensageiro.
Eu creio que fui chamado para combater ―o bom combate da fé‖.
É por isso que devemos perseverar! Um dia de cada vez. Até à
eternidade!
27 de dezembro Domingo
Esperança
Que o Deus da esperança os encha de toda alegria e paz, por sua
confiança Nele, para que vocês transbordem de esperança, pelo
poder do Espírito Santo. Romanos 1S:13

Ter esperança é uma necessidade psicológica do ser humano. A


humanidade não pode viver sem ela. É possível ver pessoas
fazendo fila nas casas lotéricas todos os dias. Da perspectiva
delas, estão ali investindo na esperança. Ninguém está ali para
jogar dinheiro fora. Estão depositando sua esperança na sorte.
Mas o que é esperança? Segundo um dicionário ―é desejar
alguma coisa com expectativa‖. É fé no futuro. É antever alguma
coisa com expectativa otimista. É a expectativa de que aquilo que
desejamos se realizará.
Dizem que na mesa de cabeceira de Marilyn Monroe havia uma
foto de seu casamento com Arthur Miller, um dos maiores escritores
norte-americanos. No verso da foto, Marilyn escreveu: ―Esperança,
esperança, esperança.‖ Amargo engano. O festejado casamento
terminou em um precipitado divórcio. Foi o relacionamento mais
longo dela: durou cerca de quatro anos. Marilyn colocou fim à sua
vida menos de dois anos depois da separação.
Em Provérbios 13:12, está escrito que a perda da esperança faz o
coração adoecer. Se a situação está complicada, é a esperança
que nos ajuda a enfrentar o dia seguinte com coragem e confiança.
A esperança é otimista. Ela está sempre se erguendo nas pontas
dos pés, procurando ver o melhor. Se tiramos o dinheiro de um
homem, o frustramos; se tiramos o objetivo, tiramos o ímpeto; se
tiramos a esperança, o imobilizamos.
A esperança bíblica é inseparável da confiança em Deus. Em
Hebreus 6:19, é dito que ―temos esta esperança como âncora da
alma, firme e segura‖. A esperança do cristão não é como uma
pipa de papel, açoitada pelo vento. Por mais agitada que esteja a
vida do crente, a esperança é a âncora que une firmemente o
redimido a Deus. Ela não depende do que a pessoa tem nem do
que ele pode fazer por si mesmo. A esperança sustenta o indivíduo
que aprendeu a depositar ―sua confiança Nele‖. É incrível, mas é
real: quem aprende a confiar em Deus, acaba ―transbordando de
esperança‖. A esperança nos sustenta nas horas difíceis. Se o
Deus da esperança promete nos encher de alegria e paz, não
precisamos de mais nada na vida!
Segunda 28 de dezembro
Esperança viva
Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo! Conforme
a Sua grande misericórdia, Ele nos regenerou para uma esperança
viva, por meio da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos. 1
Pedro 1:3

O tema da primeira epístola de Pedro é esperança. Mas é uma


esperança diferente da convencional. Ele diz que é uma
―esperança viva‖. Não haveria esperança viva se Jesus estivesse
morto. Como Ele vive para sempre, colocamos nossa esperança na
promessa feita por Aquele que é a ressurreição e a vida.
Algumas vezes, fico me perguntando como alguém consegue
viver sem Jesus. Quem tem Jesus tem tudo. Sua graça lhe basta.
Se você está internado num hospital, com a companhia e a força
Dele, resiste corajosamente àqueles momentos de incerteza e dor.
Fico pensando nas pessoas que têm que enfrentar o abandono e o
desapontamento sem Cristo. Não consigo imaginar o que significa
passar noites em claro sem a companhia de Jesus.
Embora todos os seres humanos experimentem dor e sofrimento
em algum momento da vida, quem tem Jesus nunca está só. Uma
―esperança viva‖ é uma poderosa arma contra o desespero.
Jesus fez uma promessa maravilhosa: ―Não se perturbe o coração
de vocês. […] Na casa de Meu Pai há muitos aposentos; se não
fosse assim, Eu lhes teria dito. Vou preparar-lhes lugar. E se Eu for e
lhes preparar lugar, voltarei e os levarei para Mim, para que vocês
estejam onde Eu estiver‖ (Jo 14:1-3).
Na parte final da Bíblia, o apóstolo João tentou mostrar como
serão as maravilhas que Jesus está preparando para nós. Ele falou
sobre ruas de ouro, portões de pérola e paredes de jaspe com
brilhantes, refletindo todas as cores do arco-íris. O lugar que Jesus
está preparando para nós é mais deslumbrante do que qualquer
outro que você já tenha visto na Terra.
Contudo, eu não quero ir para o Céu porque simplesmente lá
receberei todas as promessas da Bíblia. Quero ir para lá porque
verei Jesus. Sem Ele, todos os esplendores do Céu seriam
paisagens vazias. Quero ir para lá porque Ele estará lá!
O Céu será um lugar cheio de gente que ama Jesus; pessoas que
anseiam passar a eternidade ao lado Dele. É esse seu desejo
também?
29 de dezembro Terça
Renovados pela esperança
Embora alguns já tenham adormecido. 1 Coríntios 1S:6

No célebre capítulo 15 de sua primeira carta aos Coríntios, Paulo


alimenta a esperança da igreja. Seu tema é a ressurreição de
Jesus. E, para que não restem dúvidas de que esse argumento é
verdadeiro, o apóstolo convida algumas testemunhas para falar. O
primeiro que se apresenta é Pedro. ―Jesus apareceu vivo para
você, é ou não é verdade, Pedro?‖ (v. 4). Pedro balança a cabeça
dizendo que sim. Em seguida, Paulo chama ao palco os outros
apóstolos, e todos confirmam que viram o Senhor, quando estavam
reunidos no cenáculo. Eles O viram, comeram com Ele, tocaram em
Seu corpo e O adoraram (v. 5).
De fato, a ressurreição é um acontecimento muito improvável. É
uma loucura dizer que alguém voltou à vida. Mas, se 12 pessoas
afirmam ter visto o morto vivo, começamos a pensar que talvez isso
de fato tenha acontecido. Mas e quando 500 falam a mesma coisa?