Você está na página 1de 2

O alcance do idealismo 

Mercantilismo e utopia na época do renascimento

O desenvolvimento do capitalismo.
A crise social nos séculos XV e XVI

O Mercantilismo e Cameralismo

Em 1763, Victor de Riqueti, o Marques de Mirabeau (1715-1789),


cunhou a expressao mercantilismo para caracterizar o conjunto de doutrinas
económicas dominadas pelo nacionalismo e pelo intervencionismo que, ja
presentes no final da Idade Media, ganharam impulse nos seculos XVI e XVII.
O mercantilismo e a contrapartida, no plano das ideias econornicas, do
ambiente intelectual e politico que acompanha o aparecimento de Estados
nacionais centralizados e fortes. Da perspectiva historica, ele e considerado um
periodo de transicao entre as praticas regulamentatorias da econornia no feudalismo,
marcadas pelo fervor etico e religioso, e o nascimento das con- cepcoes liberais no
seculo XVIII. Tambern e o rnornento de germinacao da Econornia como ciencia que
se consolida neste ultimo seculo. 0 mercanti- lismo abriga urn grupo bastante
heterogeneo de autores, espalhados em varias nacoes europeias, principalmente
Inglaterra, Franca, Holanda, Alerna- nha e Espanha. Entre esses escritores, suas ideias
nao sao as mesmas; pelo contrario, apresentarn tendencias individuais especfficas.
Ha, no entanto, pontos cornuns que procurarernos identificar,
Outro aspecto a levar-se em conta e que, se situarmos a origem das

concepc;oes mercantilistas no seculo XVI, constata-se a partir de entao uma

mudanc;a de ideias, De inicio, as opinioes sabre Econornia ainda apelarn para

didas por elas nao e sistematicamente analisado pela teoria. Aos


poucos, a
ordem econ6mica veio a ser percebida como um cosmo
dotado de
\
ordenamento natural e guiado por uma racionalidade propria que
independe da moralidade. Na iiltima metade do seculo XVII e no
inicio do seculo seguinte, as interpretacoes econ6micas de William
Petty (1623-1687) e Richard Cantillon (1680-1734) expressam
claramente a busca de uma analo- gia com as ciencias naturais, o que
iria marcar o surgimento da Economia cientifica nos fisiocratas e em
Adam Smith.
O mercantilismo representa um momento de grande fertilidade
do pen- samento econ6mico e nao e a toa que, no seculo XX, o celebre
economista
John Maynard Keynes o tenha defendido no capitulo 19 de sua mais
impor- tante obra, A teoria geral do emprego, dos juros e da moeda, de
1936. Seus representantes eram pensadores pragmaticos voltados ao
dia-a-dia da ativi- dade comercial e financeira. Nao havia muita
comunicacao entre eles e tal fato explica, em parte, a ausencia de
ferramentas analiticas comuns ou de grandes ideias unificadoras.
Embora nao tenham sido muito importantes no desenvolvimento da
analise econ6mica, eles contribuiram significativamente na identificacao
e coleta de dados e no tratamento estatistico.

A doutrina mercantilista teve origem na pratica dos reis


medievais e gradualmente foi firmando-se como racionalizacao das
politicas interven-
cionistas que ja vinham sendo adotadas. A medida que a classe de
cornercian- tes e financistas enriquecia, ela ganhava importancia na
sociedade medieval e os nobres feudais, sentindo a ameaca ao status
quo, compeliam o rei a tomar medidas para controlar a atividade
mercantil de modo a limitar o enrique- cimento com o cornercio. Na
Inglaterra, ja no fim do seculo XIII, os reis
Eduardo I e III estabelecem uma serie de regulamentacoes econ6micas,
entre elas o controle de precos e salaries e a garantia de monopolies
com o fito de limitar a concorrencia. Os comerciantes submetiarn-se
ao controle do rei com medo de maiores hostilidades. No seculo
seguinte, os reis Ricardo II e Henrique II, enquanto mantinham leis
que inibiam o comercio interno na Inglaterra, procuravam estimular a
concorrencia internacional dos produtos ingleses, negociando
externamente, para tanto, tratados que garantissem a supremacia
dos comerciantes ingleses. Em 1391, o "Ato de Navegacao" estabeleceu o
monopolio <las frotas nacionais no cornercio com a Inglaterra.
E clam que isso favorecia as classes mercantis a despeito do controle
a que
eram submetidas. Em nome do nacionalismo, o rei foi entao
acumulando
poderes ao mesmo tempo em que a nova classe ligada ao
comercio ia conquistando seu espaco. Isso levou no fim do seculo XIV a
associacao entre
monarcas e burgueses, o que garantiu a centralizacao do poder em
detri- mento da antiga classe de senhores feudais. Surge o
nacionalismo exacerba- do nos recem-criados Estados-nacoes que
conferiam poderes absolutos e divinos ao rei.

Você também pode gostar