Você está na página 1de 19

Berta Pinto Ferreira

Médica
Interna Pedopsiquiatria
Alteração da
perceção do Falta de Controlo
mundo e da de si mesmo
capacidade de relativamente a
identificar a pensamentos,
realidade emoções e
impulsos
(Braconnier, 2000) Psicose (Braconnier, 2000)

Não reconhecimento da realidade como pertencente ao próprio


indivíduo;
Realidade como ocorrência externa (Braconnier, 2000).
O espectro da esquizofrenia e outros transtornos psicóticos inclui:

• esquizofrenia,
• outros transtornos psicóticos
• perturbação (da personalidade) esquizotípica.

Estas perturbações são definidos por anormalidades em um ou mais dos


cinco domínios a seguir:
• delírios,
• alucinações,
• pensamento (discurso) desorganizado,
• comportamento motor grosseiramente desorganizado ou anormal
(incluindo catatonia)
• sintomas negativos
• Crenças fixas, não passíveis de mudança à luz de evidências

• Seu conteúdo pode incluir uma variedade de temas (p. ex., persecutório, de referência,
somático, religioso, de grandeza).
• Delírios persecutórios, i.e., crença de que o indivíduo irá ser prejudicado,
assediado, e assim por diante, por outra pessoa, organização ou grupo
• Delírios de referência, i.e., crença de que alguns gestos, comentários, estímulos
ambientais, e assim por diante, são direcionados à própria pessoa
• Delírios de grandeza, i.e., quando uma pessoa crê que tem habilidades
excepcionais, riqueza ou fama
• Delírios erotomaníacos, i.e., quando o indivíduo crê falsamente que outra pessoa
está apaixonada por ele
• Delírios niilistas envolvem a convicção de que ocorrerá uma grande catástrofe, e
delírios somáticos concentram-se em preocupações referentes à saúde e à função
dos órgãos.

• Delírios são considerados bizarros se claramente implausíveis e incompreensíveis por


outros indivíduos da mesma cultura, não se originando de experiências comuns da vida.
• Alucinações são experiências semelhantes à percepção que ocorrem sem
um estímulo externo.
• São vividas e claras, com toda a força e o impacto das percepções
normais, não estando sob controle voluntário.
• Podem ocorrer em qualquer modalidade sensorial, embora as alucinações
auditivas sejam as mais comuns na esquizofrenia e em transtornos
relacionados.
• Alucinações auditivas costumam ser vividas como vozes, familiares ou
não, percebidas como diferentes dos próprios pensamentos do indivíduo.
• As que ocorrem ao adormecer (hipnagógicas)
• As que ocorrem ao acordar (hipnopômpicas)
• Em alguns contextos culturais, alucinações podem ser elemento normal de
experiências religiosas.
• A desorganização do pensamento inferida a partir do discurso do indivíduo.
• Este pode mudar de um tópico a outro (descarrilamento ou afrouxamento
das associações).
• As respostas a perguntas podem ter uma relação oblíqua ou não ter relação
alguma (tangencialidade).
• Raras vezes, o discurso pode estar tão gravemente desorganizado que é
quase incompreensível, lembrando a afasia receptiva em sua desorganização
linguística (incoerência ou "salada de palavras").
• Pode ocorrer desorganização menos grave do pensamento ou do discurso
durante os períodos prodrômicos ou residuais da esquizofrenia..
• Pode se manifestar de várias formas, desde o comportamento "tolo e pueril" até
a agitação imprevisível.
• Os problemas podem ser observados em qualquer forma de comportamento
dirigido a um objetivo, levando a dificuldades na realização das atividades
quotidianas.
• Comportamento catatónico
• é uma redução acentuada na reatividade ao ambiente.
• Resistência a instruções (negativismo),
• Manutenção de postura rígida, inapropriada ou bizarra, até a falta total de
respostas verbais e motoras (mutismo e estupor).
• Atividade motora sem propósito e excessiva sem causa óbvia (excitação
catatônica).
• Movimentos estereotipados repetidos, olhar fixo, caretas, mutismo e eco
da fala.
• Expressão emocional diminuída inclui reduções na expressão de emoções
pelo rosto, no contato visual, na entonação da fala (prosódia) e nos
movimentos das mãos, da cabeça e da face, os quais normalmente conferem
ênfase emocional ao discurso.
• Avolia é uma redução em atividades motivadas, autoiniciadas e com uma
finalidade. A pessoa pode ficar sentada por períodos longos e mostrar pouco
interesse em participar de atividades profissionais ou sociais
• Alogia é manifestada por produção diminuída do discurso.
• Anedonia é a capacidade reduzida de ter prazer resultante de estímulos
positivos, ou degradação na lembrança do prazer anteriormente vivido.
• Falta de sociabilidade refere-se à aparente ausência de interesse em
interações sociais, podendo estar associada à avolia, embora possa ser uma
manifestação de oportunidades limitadas de interações sociais
Prevalência :

9% dos casos de primeiro surto psicótico.


duas vezes mais comum no sexo feminino do que no masculino.

Desenvolvimento e Curso:

Pode aparecer na adolescência e no início da fase adulta, podendo ocorrer durante a


vida toda, com idade média de início situando-se aos 30 anos.
Por definição, um diagnóstico de transtorno psicótico breve exige remissão completa de
todos os sintomas e eventual retomo completo ao nível de funcionamento pré-mórbido
em um mês do aparecimento da perturbação.
Em algumas pessoas, a duração dos sintomas psicóticos pode ser muito breve (p. ex.,
alguns dias).
Fatores de Risco e Prognóstico :

•Temperamentais.
•Transtornos e traços de personalidade preexistentes
Á observação :

•Afeto inadequado e incongruentes;


•Olhar fixo
•Humor disfórico, ansiedade ou raiva;
•Padrão de sono perturbado
•Despersonalização, desrealização e preocupações somáticas .
•Ansiedade e fobias são comuns.
•Déficits cognitivos e nas funções executivas: diminuições na memória declarativa, na memória
de trabalho, na função da linguagem e em outras funções executivas, bem como velocidade de
processamento mais lenta. Anormalidades no processamento sensorial e na capacidade
inibitória,
•Redução na atenção.
•Falta de insight (i.e., anosognosia).
•Hostilidade.
•Alterações sensoriomotoras
Prevalência

• 0,3 a 0,7%,
• ênfase em sintomas negativos e duração maior do transtorno (associada a pior prognóstico) demonstram
taxas mais elevadas de incidência nos indivíduos do sexo masculino,
• a inclusão de mais sintomas de humor e apresentações breves (associadas a melhor prognóstico)
demonstram riscos equivalentes para ambos os sexos.

Desenvolvimento e Curso

• Fim da adolescência e meados dos 30 anos;


• Início pode ser abrupto ou insidioso,
• Idade mais precoce de início é tradicionalmente vista como preditor de pior prognóstico.
• Prejuízo cognitivo é comum.
• Casos com início tardio (i.e., após os 40 anos de idade) são mais comuns nas mulheres

Fatores de Risco e Prognóstico

•Genéticos e fisiológicos.
• APA, DSM-V Manual de diagnóstico e estatistica das
perturbações mentais
• Cordeiro, J.C.; Manual de Psiquiatria Clinica
• Gelder, M., et all; Psychiatry, Oxford Core texts

Você também pode gostar