Você está na página 1de 2

^

Geraldo A. Luzes Ferreira


Gerson de Souza Mól
Roberto Ribeiro da Silva

Este artigo descreve a construção de um modelo simples de nos (evite que o pó de giz se misture
bafômetro, que pode ser utilizado para determinar qualitativamente aos fragmentos). Coloque os fragmen-
os teores relativos de álcool em algumas bebidas alcoólicas. tos de giz em um recipiente e a seguir
molhe-os com a solução de dicroma-
álcool, bebidas alcoólicas, trânsito, bafômetro to, de maneira que eles fiquem úmi-
dos, mas não encharcados. Com o
auxílio de um palito, misture os frag-
mentos de giz colorido pela solução
de forma que o material fique com uma

N
os últimos anos tem-se cons- de potássio. Agite o sistema até que a cor homogênea. Esse material (giz +
tatado em nosso país que solução fique homogênea. Atenção! solução de dicromato) não pode ser
32 grande porcentagem dos Como o ácido sulfúrico concentrado é armazenado; deve ser usado imedia-
acidentes de trânsito são causados por ao mesmo tempo um ácido forte e um tamente após preparado.
pessoas alcoolizadas. Para diminuir poderoso agente desidratante, ele Coloque um chumaço pequeno de
esses índices alarmantes de acidentes, deve ser manuseado com muito cui- algodão em cada um dos quatro tubos
tem-se importado um dispositivo pre- dado. A diluição do ácido sulfúrico con- (Fig. 1) e depois coloque as rolhas do
ventivo que detecta motoristas alcooli- centrado é um processo altamente lado em que se coloca o chumaço de
zados, medindo a quantidade de álcool exotérmico e libera calor suficiente para algodão. A seguir, coloque mais ou
no sangue mediante teste do ar exalado causar queimaduras. Ao preparar solu- menos a mesma quantidade de
em sua respiração. Esse aparato rece- ções diluídas a partir do ácido concen- fragmentos de giz nos quatro tubos.
beu o nome popular de ‘bafômetro’ (veja trado, sempre adicione o ácido à água Então, coloque 0,5 mL (cerca de 10
artigo na seção “Química e Sociedade”). lentamente e agitando continuamente gotas) de aguardente no balão nº 2,
Com o objetivo de demonstrar a uti- a solução. 0,5 mL de vinho no balão nº 3, 0,5 mL
lidade do aparelho, bem como os prin- de cerveja no balão nº 4; no balão nº
cípios químicos de seu funcionamen- Procedimento 1 não coloque nada, pois ele é o con-
to, elaborou-se este experimento que Quebre o giz em pedaços peque- trole do experimento. Encha os quatro
permite a determinação qualitativa dos
teores de álcool em algumas bebidas
de amplo consumo.
Balão de aniversário
Materiais e reagentes
• 4 balões de aniversário de cores
diferentes; Tubo de plástico
• 4 pedaços de tubo plástico Rolha
transparente (diâmetro externo de
aproximadamente 1 cm ou 3/8 de
polegada) de 10 cm de comprimento;
• 2 tabletes de giz escolar;
Chumaço de algodão
• 4 rolhas para tampar os tubos;
• algodão; Cacos de giz com solução
• solução ácida de dicromato de
potássio preparada da seguinte ma-
0,5 mL de bebida alcoólica
neira: a 40 mL de água adicione lenta-
mente 10 mL de ácido sulfúrico comer-
cial concentrado e 1 g de dicromato Figura 1: Esquema de montagem do modelo demonstartivo de bafômetro.

QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Bafômetro N° 5, MAIO 1997


balões com mais ou menos as mes- modelo demonstrativo do bafômetro. oficial, bem mais sofisticado, indica
mas quantidades de ar (quem encher Ao se retirar a rolha, o ar flui através com maior precisão a quantidade de
os balões não deve ter consumido be- do giz embebido com a solução de álcool no sangue, pois correlaciona
bidas alcoólicas recentemente) e, dicromato. O vapor de álcool contido a quantidade de álcool presente no
depois, coloque os balões nos tubos no ar reage com o dicromato de ar exalado dos pulmões com o ál-
previamente preparados, como mos- potássio, provocando uma mudança cool contido no sangue da pessoa
tra a Fig. 1. Começando pelo balão nº de cor no giz, conforme pode ser visto analisada. Observe que, neste expe-
1, solte o ar vagarosamente, desaper- na Fig. 3. A intensidade da mudança rimento, o balão faz o papel do pul-
tando a rolha. Proceda da mesma for- na cor é proporcional ao teor de álcool mão e o ar de dentro do balão, ao
ma com os balões restantes. Espere no ar exalado dos balões. se equilibrar com o álcool contido na
o ar escoar dos balões e compare a
Comentários amostra, faz o papel do ar expelido
alteração da cor nos quatro tubos. A
pelos pulmões.
seguir, ordene os tubos 2 a 4 em fun- Neste experimento, embora não
ção da intensidade de mudança de seja possível determinar a quan- Questões para discussão
cor (alaranjado para azulado). tidade absoluta de álcool presente
• Qual é a função do balão no 1,
nas amostras, é possível ao menos
Resultados contendo somente ar?
colocá-las em uma seqüência cres-
• O giz participa da reação?
A Fig. 2 mostra a montagem do cente de teor alcoólico. O bafômetro
• Em vez de giz, que outro ma-
terial poderia ser usado?
• O algodão se prestaria à
função do giz? Faça um teste colo-
cando uma gota da solução de
dicromato em um pequeno pedaço
de algodão e discuta com o(a) pro-
fessor(a) uma possível explicação 33
para o observado.
• Com base nos resultados obti-
dos, classifique a cerveja, a aguar-
dente e o vinho por ordem decres-
cente de teor alcoólico.
• Porque os cacos de giz, de-
pois de preparados, não devem ser
guardados para uso posterior?

Agradecimento
Figura 2: Montagem dos modelos demonstrativos do bafômetro antes do teste. Agradecemos ao sr. Fausto Gon-
çalves de Menezes, técnico em cinefo-
tografia do Instituto de Ciências Bioló-
gicas da Universidade de Brasília,
pelas fotos.

Geraldo A. Luzes Ferreira, doutor em química agrí-


cola e ambiental, é professor adjunto aposentado do
Departamento de Química da Universidade de Brasília.
Gerson de Souza Mól é mestre em química analítica
e professor assistente do Departamento de Química -
ICEx da Universidade Federal de Minas Gerais.
Roberto Ribeiro da Silva é doutor em química or-
gânica e professor adjunto do Departamento de Quí-
mica da Universidade de Brasília.

Para saber mais


Leia o artigo intitulado “O princípio
químico do bafômetro”, neste número
de Química Nova na Escola.
DOMBRINK, K. J. A commercial de-
vice involving the breathanalyzer test
reaction. J. Chemical Education, vol. 73,
Figura 3: Montagem dos modelos demonstrativos do bafômetro após o teste com amostras de n. 2, p. 135-136, 1996.
bebidas alcoólicas.

QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Bafômetro N° 5, MAIO 1997