Você está na página 1de 9

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS DO
PONTAL – ICENP
Curso de Química

Físico-Química de Soluções e Eletroquímica - Experimental


Rosana Maria Nascimento de Assunção e
Gilberto Brito

PRÁTICA 1 – CALORIMETRIA – CALOR DE NEUTRALIZAÇÃO

Ana Laura Rodrigues Lemos 21811QMI010


Roberta Marcelino 21811QMI017

Ituiutaba-MG
Dezembro/2021
Sumário
INTRODUÇÃO ............................................................................................................. 3

OBJETIVO .................................................................................................................... 4

MATERIAIS E REAGENTES..................................................................................... 5

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL ....................................................................... 5

RESULTADOS E DISCUSSÕES .............................................................................. 5

CONCLUSÃO............................................................................................................... 8

REFERÊNCIAS ............................................................................................................ 8
INTRODUÇÃO

A calorimetria estuda as trocas de energia entre corpos ou sistemas, na forma


de calor, ou seja, na forma de energia térmica. Essa energia térmica flui de um corpo
para outro em virtude da diferença de temperatura entre eles.
Uma reação na qual o calor é perdido pelos reagentes para o meio externo, é
dita exotérmica, onde ΔH é negativo; aquela onde o calor é absorvido, é chamada de
endotérmica e o ΔH é positivo. Mudanças da energia podem também se manifestar
como energia elétrica medidas em termos de voltagem requerida ou produzida e a
quantidade de mudança química (energia elétrica = volts x coulombs). O trabalho
executado contra uma força externa, como pressão atmosférica, também deve ser
considerado. Quando essa pressão é constante a entalpia é igual ao calor.
A máxima quantidade de energia avaliável que um sistema químico pode
produzir é medida pelas mudanças de energia livre, ΔF (ou energia livre de Gibbs,
ΔG).
A diferença de temperatura de uma substancia pura, ao decorrer do tempo, pode estar
relacionada com a interferência das vizinhanças no sistema, porque mesmo que o
sistema seja isolado, como em um calorímetro, ainda sim pode haver uma troca
mínima de calor com o meio externo. Ou ainda essa variação de temperatura, quando
se refere a uma mistura, está relacionada com as interações químicas entre as
substancias.
O calor relaciona a Capacidade térmica (C) da substância e a variação de
temperatura. Mas a capacidade térmica se define como o calor específico de uma
substancias por quantidade de matéria.
Q= C. ΔT = m.cespecifico . ΔT (Eq.1)
onde c é o calor especifico que é dado em caloria (cal). Portanto uma caloria (1 cal) é
a quantidade de calor necessária para aquecer, sob pressão normal, 1,0 g de água
de 14,5°C a 15,5°C.
A quantidade de calor deve ser considerada em módulo e sua unidade é Joule,
porém para saber se a substância está recebendo ou perdendo calor o sinal positivo
ou negativo pode auxiliar.
Q > 0 (o corpo recebe calor) → ΔT > 0 (o corpo se aquece).
Q < 0 (o corpo cede calor) → ΔT < 0 (o corpo se esfria).
Todas as reações que envolvem troca de calor tendem ao equilíbrio térmico,
no qual a temperatura se estabiliza e não há mais variação de calor. Isso porque as
interações moleculares que liberam ou absorvem calor são cessadas.
Na calorimetria o Princípio da Igualdade das Trocas de Calor é extremamente
importante, porque trata da soma dos calores de um sistema. Não há somente troca
de calor entre as substancias, mas também entre as substancias e o sistema. Por
exemplo, um calorímetro é um recipiente que possui uma capacidade térmica e realiza
troca de calor com a substancia. A capacidade térmica dele é padrão e baseia-se na
troca de calor com porções de água fria e quente. A soma do calor das substancias e
do sistema resultam em zero, porque a quantidade de calor cedida é igual, à soma
das quantidades de calor recebida.
𝑄₁ + 𝑄₂ + ⋯ + 𝑄ₙ = 0 (Eq2)
Dentre as reações que envolvem troca de calor, existe as reações de
neutralização, que se trata da interação de um ácido e uma base formando um sal e
água.
XOH + HY → XY + H2O (Reação 1)
O calor desenvolvido nessa reação ocorre quando um volume de ácido de
concentração conhecida é completamente neutralizado por outro, ou seja, quando a
quantidade de matéria de base se equivale a quantidade de ácido ou vice e versa.
Como as soluções acidas ou alcalinas são diluídas, ocorre na neutralização o
calor de diluição também. Quanto mais solvente adiciona-se para reduzir a
concentração de soluto o calor é liberado ou absorvido.
Sendo assim, as interações específicas entre o solvente e o soluto produzem,
frequentemente, um aumento de calor, fator que se manifesta por um calor de
dissolução negativo. O efeito calorífico líquido em uma neutralização pode ser maior
ou menor que -13,71 kcal mol-1. As neutralizações de ácido e bases fracas levam a
calores menores, exceto em certos casos em que o calor de dissolução é grande.

OBJETIVO
Esse experimento tem como objetivo avaliar o comportamento térmico de uma
reação de neutralização entre uma solução de HCl e NaOH com concentração e
volume conhecidos, dentro de um calorímetro, durante 4:30 minutos, para
posteriormente calcular o calor de neutralização.

MATERIAIS E REAGENTES

A realização desse experimento requer termômetro, agitador, um calorímetro e


uma solução de base forte (NaOH) e outra solução de ácido forte (HCl), ambas com
a mesma concentração de 1 mol.L-1.

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

Como o experimento foi realizado em uma plataforma virtual os procedimentos


necessários baseiam-se na manipulação do simulador online para obter os resultados.
Ao acionar o simulador, foi adicionado 0,05L de 1mol.L-1 de HCl a no
calorímetro e construída uma curva referente ao comportamento térmico do ácido
durante 270 segundos. Posteriormente, somente 0,05L da solução de 1mol.L-1 de
NaOH, foi adicionado ao calorímetro, para também ser traçada a sua curva de
temperatura em relação ao tempo.
A última simulação trata-se da construção de uma curva do comportamento
térmico durante os mesmos 270 segundos de reação, porém para avaliar o calor
envolvido na neutralização do NaOH a partir da adição de uma solução de HCl.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

A variação de temperatura a cada 30 segundos em cada simulação, foi disposta


na Tabela 1. Já o calor de neutralização será calculado através da aplicação dos
valores nas equações adequadas.

Tabela 1 – Temperatura em relação ao tempo


Tempo Temperatura (°C)
(s) HCl NaOH Mistura
0 29 30,1
30 29 29,8
60 29 29,4
90 29 29,1
120 29 28,8
150 29 28,4
180 29 28,1
210 29 28,1
240 29 28,1
270 29 28,1
300 36,1
330 35,7
360 35,3
390 34,9
420 34,4
450 34
480 33,6
510 33,6
540 33,6
570 33,6

As curvas geradas automaticamente pela plataforma durante a simulação do


experimento para cada solução, é demonstrada no Gráfico 1.
Gráfico 1 – Comportamento térmico da solução ácida, básica e da mistura

O valor de T1 corresponde a temperatura inicial do calorímetro contendo NaOH,


que é igual a 30,1 °C. Enquanto o T2 corresponde a temperatura inicial do ácido no
calorímetro, sendo igual a 29°C. Já o T3 é a temperatura final da mistura que se refere
também a temperatura de equilíbrio, que é igual a 33,6 °C.
Para determinar o calor envolvido na reação de neutralização, primeiramente
foi necessário utilizar o simulador para achar a capacidade calorifica do calorímetro.
Esse processo foi realizado em aula e foi obtida três curvas: uma da porção de água
fria, outra de água quente e a última da mistura das duas porções de água, com isso
foi obtida as temperaturas finais
Tágua fria = 27,1°C Tágua quente = 47,8°C e Tmistura = 38,7°C
Sabe-se que a soma do calor da porção de água quente e fria e do calorímetro
resultam em zero, portanto usa-se a seguinte equação para achar o calor do
calorímetro:
m. cH2O (Tmistura – Tquente) + m. cH2O (Tmistura– Tfria) + c calorímetro (Tmistura – Tfria) = 0
50 g.4,18 J g-1 C-1.(38,7-47,8) °C + 50.4,18 J g-1 C-1 (38,7–27,1) °C + Csistema
(38,7 – 27,1) °C = 0
-1901,9 J +2424,4 J + C.11,6 =0
C= - 45,04 J. °C-1
Sabe-se que o calor deve ser considerado em módulo, o sinal apenas indica
que o calorímetro absorve calor.
Considerando que em um sistema onde a pressão é constante o calor é igual
ao valor da entalpia de reação:
Qp = ∆H = m.Cp . ∆T
Qneutralização = -(qsolução + q calorímetro)
QSolução = m. cNaCl . ∆T
Como na reação de neutralização há a formação do sal NaCl, o calor específico
utilizado para calcular o calor da solução é referente a esse sal.
Qsolução = 50g .3,89 J.g-1.°C-1.(33,6 – 28,1)
Qsolução= 1069,7 J
QCcalorimetro = 45,04 (33,6-28,1)
Qcalorimetro= 248 J
Q= -(1069,7 J + 248 J) = -1317,7 = ∆H
Considerando a concentração igual a 1 mol.L-1 usamos a relação a seguir para
obter a quantidade em mols:
𝑛 𝑛
C= => 1 mol.L-1 = = 0,05mols
𝑣 0,05𝐿

Já que o calor de neutralização se refere a quantidade de matéria equivalente


de NaOH para neutralizar completamente um ácido usa-se a seguinte relação:
∆H
Qneutralização=
𝑛
1317,7 𝐽
Qneutralização= = 26354 J.mol-1
0,05 𝑚𝑜𝑙𝑠

CONCLUSÃO

A partir do conhecimento adquirido em sala, entende-se que o calor a pressão


constante é igual a variação de entalpia, sendo assim, pôde-se calcular o calor de
reações que ocorrem a pressão constante. Para definir o uso da entalpia, utilizamos
um simulador, para encontrar a capacidade calorífica de uma reação de ácido forte
com base forte a fim de determinarmos o calor dessa reação. Os resultados indicam
que, a concentração usada de ácidos e bases, interferem de forma significativa no
valor de neutralização da mistura, indicando que a reação de neutralização é, em
realidade, o processo de neutralização do íon hidrônio produzido da dissociação do
ácido com o íon hidroxila proveniente da dissociação da base.

REFERÊNCIAS

PILLA, L. Físico-Química I. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. Editora S.A.,


1979.
ATKINS, P. W. Físico-Química e Fundamentos. 3 ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos
e Científicos. Rio de Janeiro: Editora 2003.

ATKINS, P.W.; Físico-Química, Vol. 1, 6a. Ed., LTC, Rio de Janeiro, 1999. p. 45.

PILLING, S. Físico-Química Experimental I. São José dos Campos: Introdução à


calorimetria. Determinação de calor de neutralização (reação ácido-base) e calor de
dissolução de sólidos. Disponível em:
https://www1.univap.br/spilling/FQE1/FQE1_EXP1_Termoquimica.pdf

Você também pode gostar