Você está na página 1de 15

1106 Diário da República, 2.ª série — N.

º 5 — 7 de Janeiro de 2011

8.º Diana Alexandra de Oliveira Branco — 11,87 valores Estrutura Nuclear e a Estrutura Flexível dos Serviços Municipalizados
9.º Ana Sofia da Cruz Abrantes Morgado — 11,55 valores da Câmara Municipal de Loures, publicadas em anexo.
Candidatos excluídos:
Orgânica dos Serviços da Câmara Municipal de Loures
Álvaro José Amaral Pereira — a)
Ana Lúcia Pereira Coutinho — a)
Ana Luísa Dias Buço — b)
Ana Margarida dos Santos Barata Martins — a) TÍTULO I
Ana Raquel Fernandes Castanheira — a)
Andrea Carina da Silva Nicolau Gonçalves — a) Disposições gerais
António Manuel Alves Ildefonso — a)
Bruno Miguel da Fonseca Marques — b) Artigo 1.º
Carina Couceiro do Carmo — a)
Eduardo Manuel de Sá Girão Fernandes Gomes — a) Objecto
Fabião António Sancha Silva de Melo — c) A presente Orgânica dos Serviços do Município de Loures procede
Fátima Cristina Pinto Coelho Rodrigues — a) à reestruturação dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de
Fernando Luís Gonçalves dos Reis — a) Loures (SM) e dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento da
Francisco José de Carvalho Fernandes — a) Câmara Municipal de Loures (SMAS), por aplicação do regime jurídico
Hélder Luís Morgado Monteiro Lemos — a) da organização dos serviços das autarquias locais, estabelecido pelo
Hugo Miguel Ferreira Salvador — a) Decreto-Lei n.º 305/2009, de 23 de Outubro.
Inês Monteiro da Silva Curado — a)
João Miguel da Silva Rei — b) Artigo 2.º
José Albano Monteiro Fernandes — a)
José Augusto das Graças — a) Aplicação aos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento
José Carlos Ascensão Oliveira — b) A organização interna dos Serviços Municipalizados de Água e Sa-
José Carlos Jorge Figueiredo — b) neamento da Câmara Municipal de Loures, por aplicação do regime
José Pedro Antunes da Rocha Vinagreiro — b) jurídico referido no artigo 1.º, não contende com a respectiva partilha
Leonor de Assunção Alho Vasconcelos — a) com o Município de Odivelas, procedendo-se, oportunamente, à reor-
Luís Moreira Verga — a) ganização dos serviços, a que haja lugar, na sua sequência.
Manuela Maria Gomes de Sousa — a)
Mariana Andrade Pinto — a)
Artigo 3.º
Marina Gaboleiro Carreiras — a)
Mário João Correia Duarte — a) Princípios e objectivos gerais
Miguel Alexandre Gomes Coelho — a) 1 — Os serviços municipais e os serviços municipalizados asseguram,
Miguel José Rebelo Corujo — b)
no âmbito da preparação e execução das decisões dos órgãos municipais,
Nuno Manuel Vieira Gomes de Andrade — a)
sob superintendência do Presidente da Câmara Municipal e do Presi-
Pedro Manuel Rodrigues Santos Manada — a)
dente dos Serviços Municipalizados, respectivamente, a prossecução
Ricardo José Azevedo Correia — a)
das atribuições do Município de Loures.
Sérgio Augusto Barbosa Pinto — b)
Sérgio Bruno Martins Afonso — a) 2 — Os serviços municipais e os serviços municipalizados asseguram,
Sérgio Carlos Almeida de Sousa — a) no âmbito da sua actuação, o respeito pelos princípios legais e consti-
Susana Guimarães de Carvalho — a) tucionais que regulam a actividade administrativa.
Tânia Albertina Martinho Cardoso — b) 3 — Os serviços municipais e os serviços municipalizados devem
Vera Lúcia Martins Geraldes — a) promover, activamente, a melhoria quantitativa e qualitativa dos serviços
Vítor Manuel Silva Simões — b) prestados, nomeadamente, a qualidade do atendimento, a participação
e a resposta oportuna ao cidadão, a desburocratização, a racionalização
a) Excluído por não ter comparecido à Prova de Conhecimentos; de meios e a eficiência na afectação de recursos públicos.
b) Excluído por ter obtido classificação inferior a 9,5 valores na 4 — Deve ser motivada a participação dos cidadãos, na definição
Prova de Conhecimentos; das medidas necessárias à prossecução das atribuições municipais e dos
c) Excluído por ter obtido classificação inferior a 9,5 valores na objectivos referidos nos números anteriores, nomeadamente, através da
Avaliação Psicológica. informação e de meios de auscultação eficazes.
Para os efeitos consignados no n.º 5 do artigo 36.º da Portaria
n.º 83-A/2009, de 22 de Janeiro, a lista unitária de ordenação final dos Artigo 4.º
candidatos aprovados, encontra-se disponível na página electrónica do Gestão de recursos humanos — mapas de pessoal
Município.
1 — Todos os postos de trabalho dos Serviços Municipais da Câmara
Lamego, 22 de Dezembro de 2010. — O Presidente da Câ- Municipal de Loures são previstos num mapa de pessoal único e os
mara, Eng.º Francisco Lopes. postos de trabalho dos Serviços Municipalizados da Câmara Municipal
304125502 de Loures são previstos em mapa de pessoal, autónomo do primeiro, não
sendo permitida a criação de outros mapas de pessoal.
2 — Sem prejuízo da adequada estabilidade laboral, no âmbito do res-
pectivo mapa de pessoal, e do respeito pelos direitos dos trabalhadores,
MUNICÍPIO DE LOURES salvaguardados na lei, a gestão dos recursos humanos deve privilegiar a
flexibilidade na afectação de postos de trabalho e de trabalhadores aos
Despacho n.º 465/2011 serviços, a formação e a qualificação de recursos humanos, de acordo
com o desenvolvimento e prioridades da actividade dos serviços e as
Orgânica dos Serviços do Município de Loures necessidades dos próprios trabalhadores.
Carlos Alberto Dias Teixeira, Presidente da Câmara Municipal de 3 — A afectação de meios humanos aos serviços deve ter em conside-
Loures, torna público, ao abrigo da alínea v) do n.º 1 do artigo 68.º, ração, nomeadamente, as necessidades resultantes das opções do plano
da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas de actividades, numa óptica de gestão previsional de recursos.
pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, e em conformidade com o
estatuído no n.º 6 do artigo 10.º do Decreto -Lei n.º 305/2009, de 23 Artigo 5.º
de Outubro, que, por deliberação da Câmara Municipal de Loures, Gestão Financeira
tomada na 22.ª reunião ordinária, de 17 de Novembro de 2010, e por
deliberação da Assembleia Municipal de Loures, tomada na 1.ª reunião A sustentabilidade financeira faz parte dos objectivos dos serviços
da 5.ª sessão ordinária, de 16 de Dezembro de 2010, que aprovaram a municipais e dos serviços municipalizados, considerando, na afectação
Proposta n.º 784/2010, da Câmara Municipal de Loures, foi aprovada de recursos, as disponibilidades efectivas, a evolução da execução, a
a Estrutura Nuclear, a Estrutura Flexível e a Estrutura Matricial dos cada momento, do orçamento, nas componentes da receita e despesa, e
Serviços Municipais, da Câmara Municipal de Loures, bem como a a permanente avaliação custo-benefício das decisões.
Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011 1107

Artigo 6.º e) Verificar, cumprir e informar da legalidade dos actos, nomeada-


Modelos de estrutura orgânica mente, em assuntos a submeter a outros serviços ou a decisão superior.

1 — A estrutura orgânica dos Serviços Municipais da Câmara Muni-


cipal de Loures adopta o modelo estrutural misto, nos termos do n.º 2, SECÇÃO II
do artigo 9.º, do Decreto-Lei n.º 305/2009, caracterizado por:
Competências específicas
a) Estrutura hierarquizada, constituída por unidades orgânicas nucle-
ares, flexíveis e subunidades orgânicas;
b) Estrutura matricial, constituída por equipas multidisciplinares. Artigo 9.º
Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística
2 — A estrutura orgânica dos Serviços Municipalizados da Câmara
Municipal de Loures adopta o modelo estrutural, exclusivamente, hie- 1 — Constitui missão do Departamento de Planeamento e Gestão
rarquizado, constituído por unidades orgânicas nucleares, flexíveis e Urbanística (DPGU) assegurar as funções técnicas, administrativas e
subunidades orgânicas. operacionais, em ordem à prossecução das atribuições do Município,
no domínio do ordenamento do território e urbanismo.
2 — Para a realização da respectiva missão compete ao Departamento
de Planeamento e Gestão Urbanística:
TÍTULO II 2.1 — No âmbito do planeamento municipal de ordenamento do
território:
Serviços Municipais a) Coordenar o Plano Director Municipal (PDM) com os planos de
nível superior e com os planos intermunicipais;
b) Coordenar o processo de monitorização do Plano Director Munici-
CAPÍTULO I pal e propor a abertura de processos de revisão, alteração ou suspensão
do mesmo, bem como informar da oportunidade de elaboração dos
Estrutura nuclear demais instrumentos de gestão territorial;
c) Elaborar os termos de referência dos planos municipais de orde-
namento do território;
SECÇÃO I d) Elaborar os planos municipais de ordenamento do território, de grau
inferior ao PDM, e as medidas preventivas ou normas provisórias, bem
Composição e competências comuns como proceder à sua revisão ou alteração, quando necessário;
e) Promover a intervenção de outras estruturas municipais, no âmbito
Artigo 7.º das acções de planeamento, da sua competência;
Composição f) Propor os instrumentos de execução dos planos municipais de
ordenamento do território e apoiar a sua concretização, nomeadamente,
1 — A estrutura nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Munici- através da elaboração de programas de execução, assegurando a cola-
pal de Loures é composta pelas seguintes unidades orgânicas: boração das entidades públicas e privadas;
a) Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística (DPGU); g) Assegurar o direito à informação e à participação dos cidadãos, no
b) Departamento de Obras, Mobilidade e Energia (DOME); âmbito do planeamento do ordenamento do território;
c) Departamento de Educação (DE); h) Gerir o sistema de informação georreferenciada, nomeadamente,
d) Departamento de Actividades Económicas e Turismo (DAET); no que se refere à articulação com os sistemas nacionais e internacio-
e) Departamento de Ambiente e Transportes Municipais (DATM); nais de informação geográfica, obtendo os levantamentos foto, vídeo
f) Departamento de Coesão Social e Habitação (DCSH); e cartográficos necessários e promovendo a recolha e processamento
g) Departamento de Cultura, Desporto e Juventude (DCDJ); da informação alfanumérica e cartográfica de base, para a elaboração
h) Departamento de Recursos Humanos (DRH); da cartografia digital;
i) Departamento de Gestão Administrativa e Informação Municipal i) Estudar e apresentar propostas no domínio da toponímia.
(DGAIM);
j) Departamento de Planeamento, Finanças e Logística (DPFL); 2.2 — No âmbito da gestão urbanística:
k) Departamento de Apoio Institucional (DAI). a) Assegurar o direito à informação, nomeadamente, através da pres-
tação das informações especialmente previstas em lei;
2 — Integram, ainda, a estrutura nuclear, com organização própria, o b) Receber e proceder à apreciação liminar dos pedidos de operações
Serviço Municipal de Protecção Civil, previsto na Lei n.º 65/2007, de urbanísticas;
12 de Novembro, e a Polícia Municipal de Loures, com Regulamento c) Assegurar a realização dos procedimentos de controlo prévio das
aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Loures, de 9 de operações urbanísticas, nomeadamente, de informação prévia, licencia-
Setembro de 2009, ratificado pela Resolução do Conselho de Ministros mento de operações de loteamento e obras de urbanização e de autoriza-
n.º 14/2010, de 11 de Fevereiro. ção ou licenciamento de obras de edificação, verificando e assegurando
o cumprimento da lei, dos regulamentos e dos instrumentos de gestão
Artigo 8.º territorial e propondo, superiormente, a decisão dos respectivos pro-
Competências comuns cedimentos;
d) Propor a rejeição de comunicações prévias que não cumpram as
1 — Sem prejuízo das competências, fixadas em lei, para os dirigentes normas legais e regulamentares;
municipais, constituem competências comuns dos serviços municipais: e) Promover as consultas, nomeadamente, públicas, previstas em lei
a) Apoiar o executivo na definição e implementação e executar as e ou regulamentos;
políticas e estratégias respeitantes à Governação Municipal; f) Promover a audiência dos interessados;
b) Promover os actos necessários à prossecução das atribuições do g) Propor o teor do parecer a emitir nas operações em que a lei o
Município e ao exercício das competências dos órgãos municipais e preveja;
dos seus titulares, relacionadas com as áreas de competências próprias h) Fiscalizar, tecnicamente, a conformidade da realização das opera-
e comuns, definidas na presente Orgânica, e colaborar, activamente, na ções urbanísticas com as disposições legais e regulamentares e prevenir
prossecução conjunta das demais atribuições do Município; os perigos que, da sua realização, possam resultar para a saúde e segu-
c) Promover a articulação com os demais serviços e, quando seja o rança das pessoas, nomeadamente, no que diz respeito à conformidade
caso, com as entidades que prestam serviços públicos no território do com o respectivo projecto e aos trabalhos preparatórios e complementares
Município de Loures, na prossecução de objectivos e na realização de à sua realização;
actividades ou tarefas comuns ou complementares, nomeadamente, na i) Propor, no âmbito das operações urbanísticas da competência do ser-
elaboração e execução de planos e programas intersectoriais, na resposta viço, as medidas de tutela da legalidade urbanística, nomeadamente, de
atempada ao cidadão e na harmonização das diversas intervenções; embargo, de correcção e de intimação para demolição de obras ilegais de-
d) Assegurar a gestão dos procedimentos, garantindo a respectiva tectadas, quer em propriedade particular, quer em propriedade municipal,
regularidade e celeridade, nomeadamente, através de um gestor do ocupadas com uso não habitacional, na sequência de vistoria efectuada;
procedimento e, quando necessário, assegurando a intervenção atempada j) Apreciar e dar parecer sobre processos de legalização decorrentes
de outros serviços; de situações detectadas no âmbito das vistorias efectuadas;
1108 Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011

k) Propor a posse administrativa para execução coerciva das medidas e) Participar no desenvolvimento das Redes de Nova Geração,
de tutela da legalidade e assegurar os procedimentos necessários à con- no quadro das competências e obrigações do Município, legalmente
cretização da posse, no que diz respeito à execução coerciva; definidas, assegurando o relacionamento com os operadores, com
l) Promover a elaboração, alteração ou revisão dos regulamentos excepção das ITED e ITUR, realizadas no âmbito de operações ur-
municipais de urbanização e ou de edificação, de compensações urba- banísticas;
nísticas e relativos ao lançamento e liquidação das taxas e prestação f) Gerir as ITUR construídas no âmbito de operações urbanísticas e ce-
de caução, monitorizando a sua aplicação, em ordem a garantir a sua didas para o domínio público, após o termo do procedimento urbanístico;
actualidade e adequação; g) Coordenar, com excepção do respectivo licenciamento, quando
m) Promover a elaboração de contratos de natureza urbanística, nome- este tenha natureza urbanística, as intervenções dos diversos operadores,
adamente, nos casos de pedido de reapreciação, previstos na lei, de con- públicos e privados, no solo e no subsolo do espaço público, promo-
tratos de urbanização e de contratos de cooperação ou concessão do do- vendo, nomeadamente, a elaboração do cadastro das redes, integrado e
mínio municipal a moradores, no âmbito de loteamentos e urbanizações; georreferenciado, em articulação com o Departamento de Planeamento
n) Verificar o cumprimento das obrigações dos promotores e dos e Gestão Urbanística e com os Serviços Municipalizados;
contraentes, previstas na lei ou nos contratos de natureza urbanística; h) Coordenar outras ocupações das ruas e praças do município.
o) Assegurar o licenciamento e fiscalização das instalações de abas-
tecimento de combustíveis; 2.2 — No âmbito da construção de equipamentos colectivos e espaços
p) Efectuar a participação dos actos que constituam ilícitos contra- públicos:
-ordenacionais, no âmbito das operações urbanísticas da competência a) Projectar e promover as obras de construção de parques urbanos
do serviço, remetendo-a à Polícia Municipal, para o respectivo proce- e outros espaços verdes do Município, nomeadamente, viveiros, sob
dimento; gestão directa da Câmara Municipal;
q) Propor a cassação dos alvarás, no âmbito das operações urbanísticas b) Projectar e promover as obras de construção de equipamentos
da competência do serviço, nos casos previstos na lei; colectivos;
r) Assegurar os demais procedimentos previstos na lei e nos regula- c) Projectar e promover as obras de construção de parques infantis, não
mentos, especialmente, no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação; incluídos em equipamentos escolares e desportivos, que se encontrem
s) Assegurar o exercício das competências da Câmara Municipal, sob gestão directa da Câmara Municipal;
previstas em lei, relativas a ascensores, monta-cargas, escadas mecâ- d) Projectar e promover as obras de construção dos cemitérios e dos
nicas e tapetes rolantes, bem como a outros equipamentos eléctricos e equipamentos cemiteriais;
electromecânicos; e) Assegurar a realização eficiente, técnica e economicamente, dos
t) Liquidar as taxas e outras receitas municipais, devidas no âmbito projectos;
das operações urbanísticas; f) Promover o lançamento de empreitadas para construção de equipa-
u) Elaborar os alvarás e assegurar a respectiva emissão. mentos e espaços urbanos, assegurar a existência e fiscalizar a execução
do plano de segurança, fiscalizar a execução das obras e assegurar os
2.3 — No âmbito da gestão urbanística de projectos estruturantes: procedimentos necessários ao exercício dos direitos e obrigações do
a) Assegurar as competências, referidas no número anterior, consi- Município, enquanto dono da obra;
derando o impacto urbanístico e económico dos projectos estruturantes g) Programar, executar e controlar as intervenções por administração
no Município de Loures, considerando-se para o efeito, como projec- directa.
tos estruturantes, as operações urbanísticas que, pela sua localização,
dimensão e relevante interesse público, sejam determinantes para o 2.3 — No âmbito da conservação de equipamentos colectivos:
desenvolvimento do Município de Loures, nomeadamente: a) Promover as obras de manutenção e conservação dos equipamen-
i) Loteamentos com área de intervenção superior a 4 ha; tos, abrangendo as obras de conservação e manutenção dos cemitérios
ii) Edifícios ou conjuntos de edifícios cuja área de construção seja e dos parques infantis, não incluídos em equipamentos escolares, des-
igual ou exceda 20.000m2 de habitação; portivos ou sob gestão do Departamento de Ambiente ou das Juntas
iii) Edifícios ou conjuntos de edifícios cuja área de construção seja de Freguesia;
igual ou exceda 10.000m2 de terciário; b) Assegurar a realização eficiente, técnica e economicamente, dos
iv) Edifícios ou conjuntos de edifícios cuja área de construção seja projectos;
igual ou exceda 2500 m2 de comércio; c) Promover o lançamento de empreitadas, assegurar a existência e
fiscalizar a execução do plano de segurança das obras e assegurar os
b) Emitir parecer, nos termos da lei, relativamente a obras promovidas procedimentos necessários ao exercício dos direitos e demais obrigações
pela Administração Pública. do Município, enquanto dono da obra;
d) Programar, executar e controlar as intervenções, por administração
2.4 — No âmbito do apoio topográfico: directa;
e) Assegurar as actividades de carpintaria, serralharia civil e demais
a) Realizar levantamentos e estudos topográficos; actividades de natureza oficinal de apoio geral, com excepção das ofi-
b) Realizar, nesta área, as demais actividades de apoio técnico de cinas de mecânica auto.
topografia, comuns às diversas unidades do Departamento.
2.4 — No âmbito da mobilidade e transportes públicos:
Artigo 10.º
a) Apoiar a definição e executar a política do Município, no que se
Departamento de Obras, Mobilidade e Energia refere à mobilidade sustentável;
1 — Constitui missão do Departamento de Obras, Mobilidade e Ener- b) Projectar e gerir o sistema de circulação viária e de estacionamento,
gia (DOME), assegurar o exercício das funções técnicas, administrativas nomeadamente, no que diz respeito ao seu ordenamento e sinalização;
e operacionais, em ordem à prossecução das atribuições do Município c) Identificar as necessidades de acessibilidade e circulação pedonal,
nos domínios do equipamento rural e urbano, energia, transportes e específicas dos aglomerados populacionais do Concelho, propondo e
comunicações. desenvolvendo as medidas adequadas;
2 — Para a realização da respectiva missão, o Departamento de Obras, d) Elaborar, desenvolver, controlar e avaliar a aplicação do plano
Mobilidade e Energia exerce as seguintes competências: municipal de segurança rodoviária;
2.1 — No âmbito das infra-estruturas viárias e de telecomunicações: e) Identificar as necessidades de deslocação de pessoas e mercado-
rias no Concelho e de expansão e adequação da rede de transportes
a) Projectar as obras de construção e manutenção das infra-estruturas públicos;
rodoviárias que pertençam a redes da responsabilidade da Câmara Mu- f) Centralizar os dados sobre o sistema de transportes públicos que
nicipal; serve o Município de Loures;
b) Assegurar a realização eficiente, técnica e economicamente, dos g) Fornecer o apoio técnico e administrativo necessário ao relacio-
projectos; namento do Município com o Governo, Autoridade Metropolitana de
c) Programar, executar e controlar as intervenções, por administração Transportes, operadores e outros intervenientes no sistema de transpor-
directa; tes, com o objectivo de definir e implementar uma adequada rede de
d) Promover o lançamento de empreitadas para construção, manuten- transportes públicos;
ção e conservação de infra-estruturas rodoviárias, assegurar a existência h) Planear a rede, complementar ou supletiva, de transportes de na-
e fiscalizar a execução do plano de segurança das obras e assegurar os tureza municipal;
procedimentos necessários ao exercício dos direitos e obrigações do i) Assegurar o exercício das competências da Câmara Municipal,
Município, enquanto dono da obra; previstas em lei, relativas à actividade de transportes em táxi.
Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011 1109

2.5 — No âmbito da energia: b) Assegurar e aplicar, nos domínios da gestão da rede escolar, as
a) Elaborar os estudos e projectos eléctricos e electrotécnicos de ilumi- orientações municipais para o sector da educação;
nação pública, monumental e ornamental e assegurar a respectiva gestão; c) Gerir a rede de recursos educativos, de competência municipal;
b) Assegurar o relacionamento técnico e acompanhar a execução do d) Acompanhar a gestão de creches associadas a equipamentos edu-
contrato de concessão em baixa tensão e verificar o respectivo cum- cativos;
primento; e) Emitir parecer sobre a rede educativa;
c) Assegurar uma adequada gestão da energia, no âmbito das activi- f) Avaliar, emitir parecer e elaborar propostas para protocolos de
dades, serviços e equipamentos municipais e promover a eficiência e a descentralização;
segurança energética das instalações e equipamentos municipais; g) Gerir a cedência de espaços educativos do Ensino Pré-Escolar e
d) Assegurar a realização dos projectos e das obras de electricidade do Ensino Básico;
e de telecomunicações do Município, que não se incluam no objecto h) Avaliar, com regularidade, a situação física dos equipamentos
da concessão e não sejam objecto de empreitadas no âmbito de outras escolares, com o objectivo de antecipar necessidades de intervenção e
obras municipais; proceder à triagem das necessidades de intervenção física solicitadas;
e) Assegurar o bom funcionamento dos equipamentos eléctricos e i) Apresentar propostas de ampliação, construção e manutenção de
electromecânicos do Município; equipamentos educativos, de competência municipal;
f) Assegurar a conservação e manutenção das instalações de teleco- j) Elaborar propostas de programas base dos equipamentos educativos,
municações municipais ou a cargo do município. de competência municipal, e creches, a construir, ampliar ou remodelar;
k) Remeter ao serviço municipal, responsável pelas obras em equipa-
Artigo 11.º mentos ou às Juntas de Freguesia, ao abrigo do protocolo de delegação
de competências do Município de Loures para as Juntas de Freguesia,
Departamento de Educação todas as situações que, pela sua dimensão ou natureza, careçam de
1 — Constitui missão do Departamento de Educação (DE) assegurar o intervenção, no âmbito das suas competências;
exercício das funções técnicas, administrativas e operacionais, em ordem l) Assegurar a resolução de situações que, pela sua dimensão, natu-
à prossecução das atribuições do Município no domínio da educação. reza ou urgência, não sejam compatíveis com a intervenção do serviço
2 — Para a realização da respectiva missão, o Departamento de Edu- municipal responsável pela conservação de equipamentos ou das Juntas
cação exerce as seguintes competências: de Freguesia;
2.1 — No âmbito do desenvolvimento curricular educativo: m) Acompanhar as intervenções físicas nos equipamentos educativos
de competência municipal;
a) Planear, assegurar ou apoiar a participação da Câmara Munici- n) Controlar financeiramente os consumos energéticos dos equipa-
pal nos Conselhos Gerais dos Agrupamentos Escolares e Escolas não mentos educativos do pré-escolar e do ensino básico;
Agrupadas; o) Avaliar e emitir parecer sobre seguros dos equipamentos educativos;
b) Aferir e emitir pareceres sobre orçamentos dos Agrupamentos p) Assegurar o apetrechamento pedagógico e didáctico dos equipa-
Escolares e Escolas não Agrupadas; mentos escolares do Ensino Pré-Escolar e do Ensino Básico;
c) Desenvolver e incentivar a criação de planos de intervenção pe- q) Propor a aquisição de mobiliário para a rede escolar, da compe-
dagógica; tência municipal;
d) Desenvolver, dinamizar e apoiar projectos educativos; r) Assegurar o funcionamento do parque informático nos equipamen-
e) Estabelecer e promover relações com IPSS, com entidades educati- tos educativos da rede escolar, sob gestão municipal;
vas privadas ou cooperativas e demais agentes educativos e estabelecer, s) Elaborar propostas de recrutamento de pessoal e emitir parecer
desenvolver e promover a gestão de parcerias; sobre a sua contratação;
f) Promover a ligação do Município às Associações de Pais e Encar-
t) Planear a formação de pessoal não docente do Ensino Pré-Escolar
regados de Educação;
e do Ensino Básico;
g) Promover, de acordo com os modelos instituídos, a gestão das
u) Assegurar, em conjunto com os agrupamentos escolares, a gestão
Actividades de Enriquecimento Curricular e respectiva avaliação;
das unidades estruturadas e da multideficiência;
h) Assegurar a gestão interna dos projectos do pré-escolar e do ensino
v) Propor o planeamento dos recursos humanos, não docentes;
básico;
i) Promover e assegurar, quando necessário, os planos de intervenção w) Assegurar a gestão da base de dados da educação.
especiais;
2.4 — No âmbito da descentralização de competências para o Mu-
j) Apoiar a criação e a dinamização de novas Associações de Pais e
nicípio:
Encarregados de Educação e assegurar a ligação às estruturas concelhias
ou outras, das Associações de Pais e Encarregados de Educação; a) Garantir o acompanhamento técnico e avaliar a execução das
k) Assegurar a relação com entidades organizadoras de Actividades competências contratualizadas com a Administração Central;
de Tempos Livres; b) Propor e desenvolver as medidas que a avaliação da sua aplicação
l) Assegurar a realização e gestão de acções e eventos de interesse revele mais adequadas.
educativo.
Artigo 12.º
2.2 — No âmbito da acção social escolar:
Departamento de Actividades Económicas e Turismo
Criar, assegurar e desenvolver prolongamentos de horário nos Jardins
de Infância, em parceria com os Agrupamentos Escolares; 1 — Constitui missão do Departamento de Actividades Económicas
Criar, assegurar, desenvolver e gerir o serviço de refeições no Ensino e Turismo (DAET), assegurar o exercício das funções técnicas, admi-
Pré-Escolar e Ensino Básico, incluindo o controlo da qualidade do nistrativas e operacionais, em ordem à prossecução das atribuições do
serviço de refeições; Município, nos domínios da promoção do desenvolvimento, defesa do
Assegurar, conjuntamente com os Agrupamentos Escolares, a gestão consumidor e cooperação externa, na vertente da cooperação para o
dos auxílios económicos e promover o controlo da sua atribuição; desenvolvimento.
Assegurar e desenvolver os transportes escolares no ensino básico e 2 — Para a realização da respectiva missão, o Departamento de Acti-
secundário, incluindo o transporte dos alunos com Necessidades Edu- vidades Económicas e Turismo exerce as seguintes competências:
cativas Especificas; 2.1 — No âmbito do desenvolvimento económico e promoção do
Assegurar, em parceria com os agrupamentos escolares, o controlo emprego:
financeiro e de gestão do SASE; a) Apoiar a gestão municipal na definição de uma estratégia de de-
Assegurar, em parceria com os Agrupamentos Escolares, a gestão senvolvimento económico e de promoção do emprego;
dos seguros escolares; b) Estudar e propor meios de captação de investimento e de atracção
Elaborar propostas de recrutamento de pessoal a afectar aos serviços de empresas e medidas de melhoria da competitividade do Concelho;
de acção social escolar; c) Assegurar o acompanhamento de projectos de investimento e de
Gerir o pessoal não docente afecto à acção social escolar; instalação de empresas;
Criar e aplicar instrumentos transversais de gestão da acção social d) Assegurar o relacionamento do Município com os agentes econó-
escolar. micos e com as respectivas associações;
e) Desenvolver projectos e actividades que visem a formação comple-
2.3 — No âmbito do planeamento da educação e gestão da rede escolar: mentar dos trabalhadores, através de novas competências, consideradas
a) Planear a rede educativa, no âmbito da Carta Educativa, e participar essenciais no acesso ao emprego e de apoio ao emprego, designadamente,
na sua monitorização; do primeiro emprego;
1110 Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011

f) Disponibilizar informação na área da formação e qualificação d) Assegurar a gestão dos cemitérios e do complexo crematório e
profissional, promover a requalificação profissional e incentivar o em- incinerador;
preendorismo; e) Planear, instalar e manter o mobiliário urbano, destinado à limpeza
g) g) Intervir junto das empresas, localizadas no Concelho, e das dos espaços públicos;
associações de natureza empresarial, no sentido de fomentar a respon- f) Assegurar o saneamento das lixeiras, identificadas no território
sabilidade social das empresas; do Município.
h) h) Participar em acções de cooperação para o desenvolvimento,
designadamente, no âmbito da União Europeia e da Comunidade de 2.3 — No âmbito dos serviços médico veterinários e da defesa da
Países de Língua Portuguesa, em articulação com as estratégias de saúde pública:
cooperação externa, institucionalmente definidas;
a) Assegurar a vigilância sanitária dos estabelecimentos de transforma-
i) i)Promover a sustentabilidade económica dos mercados e feiras e
ção, armazenamento, confecção e venda de produtos alimentares e de res-
das actividades neles desenvolvidas;
tauração e bebidas, participando no respectivo procedimento licenciador;
j) Assegurar o exercício das competências municipais, no que se refere
b) Realizar a inspecção higio-sanitária aos mercados municipais e aos
à actividade dos estabelecimentos comerciais e industriais, nomeada-
mente, as relativas aos horários de funcionamento, com excepção dos estabelecimentos e pavilhões do Mercado Abastecedor das Região de
procedimentos que tenham natureza urbanística. Lisboa que vendam ou armazenem produtos alimentares;
c) Assegurar a vigilância e controlo epidemiológico de zoonoses;
2.2 — No âmbito do turismo: d) Realizar as vistorias para licenciamento de veículos de transporte
de animais;
a) Promover o turismo ao serviço do crescimento económico e do e) Realizar as inspecções sanitárias a estabelecimentos de prestação
desenvolvimento do Concelho, nomeadamente, através da criação, de cuidados a animais;
participação ou apoio a projectos, susceptíveis de fomentar a atracção f) Emitir parecer para licenciamento de estabelecimentos de recolha
turística do Concelho; de animais;
b) Assegurar a divulgação das potencialidades do Concelho, nomea- g) Assegurar a gestão do canil municipal, a captura, alojamento e
damente, através de feiras, exposições, prémios empresariais e fóruns; abate de animais errantes ou a recolha de animais mortos;
c) Promover e apoiar o desenvolvimento das actividades económicas h) Preparar e executar as deliberações sobre a deambulação e extinção
tradicionais, nomeadamente, das actividades artesanais; dos animais nocivos;
d) Promover manifestações etnográficas e a realização de eventos i) Assegurar as demais competências, previstas na lei, relativas à
relacionados com actividades económicas de interesse municipal, oca- defesa da saúde pública, no âmbito higio-sanitário e da saúde animal.
sionais ou periódicos, de interesse turístico.
2.4 — No âmbito dos espaços verdes, da florestação e do desenvol-
2.3 — No âmbito da defesa do consumidor: vimento rural:
a) Promover acções socioeducativas, dirigidas ao público e à popu- a) Participar no planeamento da estrutura verde do Município e acom-
lação escolar, de informação e defesa do consumidor, em colaboração panhar a sua execução;
com outras entidades públicas e privadas; b) Gerir os parques urbanos, nomeadamente, quanto à sua manutenção
b) Apoiar associações de defesa do consumidor; e promover acções para melhorar a sua fruição pelas populações;
c) Promover a instituição de mecanismos de resolução extra-judicial c) Acompanhar e avaliar a execução do Protocolo de Descentralização
de conflitos de consumo. com as Juntas de Freguesias, no âmbito dos espaços verdes;
d) Assegurar a manutenção de espaços verdes integrados em equipa-
Artigo 13.º mentos colectivos sob gestão municipal;
Departamento de Ambiente e Transportes Municipais e) Assegurar a elaboração e monitorização do plano municipal de
defesa da floresta contra incêndios e do plano de ordenamento cinegético;
1 — Constitui missão do Departamento de Ambiente e Transportes f) Promover ou realizar a florestação de áreas sob risco de erosão
Municipais (DATM), assegurar o exercício das funções técnicas, admi- ou onde decorreu abandono agrícola, com aptidão e disponibilidade
nistrativas e operacionais, em ordem à prossecução das atribuições do para a floresta;
Município nos domínios do ambiente, saneamento básico e promoção g) Fornecer o apoio logístico aos investidores em floresta e para
do desenvolvimento rural. a obtenção de financiamentos de natureza pública ou no quadro de
2 — Para a realização da respectiva missão, o Departamento de Am- programas públicos;
biente e Transportes Municipais exerce as seguintes competências: h) Fomentar a preservação e desenvolvimento sustentado das ac-
2.1 — No âmbito da sustentabilidade ambiental e da qualidade de tividades agrícolas, com relevância económica e social no Concelho,
vida urbana: articulando-se com o serviço municipal responsável pelas actividades
a) Apoiar a definição e executar as políticas, planos e programas, em económicas e com as associações do sector.
matéria de ambiente e desenvolvimento sustentável;
b) Criar e manter, em articulação com outras entidades, um sistema de 2.5 — No âmbito da gestão dos transportes municipais:
monitorização e caracterização da qualidade ambiental do Concelho; a) Assegurar o planeamento e a programação de meios de transporte
c) Promover ou participar na promoção do controlo da poluição e equipamentos mecânicos necessários à actividade e às iniciativas dos
sonora, atmosférica, hídrica e dos solos, designadamente, identificando serviços municipais, garantindo a economia, racionalização e a susten-
situações de risco e principais agentes poluidores e prestando apoio tabilidade ambiental da sua utilização;
técnico na modificação ou adopção de novas práticas de melhoria de b) Planear, programar e organizar os processos de aquisição de viaturas
desempenho ambiental; e outros equipamentos mecânicos, considerando as necessidades dos
d) Promover a protecção, requalificação ou valorização de áreas de serviços e a prossecução dos objectivos de racionalidade económica,
interesse natural, incluindo a limpeza de linhas de água, inseridas em da melhoria da eficiência energética e do desempenho ambiental da
aglomerados urbanos; frota municipal;
e) Promover acções de fomento da defesa do ambiente e da educação c) Assegurar a qualidade do apoio em meios de transporte e equipa-
nos valores ambientais; mentos mecânicos;
f) Assegurar o cumprimento das obrigações do Município, no âmbito d) Propor e desenvolver medidas de melhoria da eficiência energética
da mobilidade eléctrica e da concretização do respectivo programa; e ambiental da frota municipal;
g) Intervir nas auditorias internas de ambiente aos órgãos e serviços e) Assegurar a manutenção e recuperação dos meios de transporte e
e ao sector empresarial do Município e elaborar recomendações à res- equipamentos mecânicos;
pectiva gestão; f) Assegurar a qualidade das intervenções externas em viaturas do
h) Exercer as demais competências que sejam atribuídas por lei ao Município ou ao seu serviço;
Município, no âmbito do ambiente. g) Realizar os demais trabalhos, de natureza oficinal, que se revelem
necessários à disponibilização da frota;
2.2 — No âmbito da prestação de serviços públicos de carácter am- h) Assegurar a gestão dos contratos de fornecimento de bens e ser-
biental: viços, no âmbito da gestão da frota, nomeadamente, de bens móveis,
a) Assegurar a limpeza das vias e outros espaços públicos, em gestão combustíveis e outros consumíveis;
directa pela Câmara Municipal, e acompanhar e avaliar a execução, neste i) Participar na inventariação dos bens móveis, sob gestão do De-
âmbito, do protocolo de descentralização com as juntas de freguesia; partamento;
b) Assegurar o controlo de pragas urbanas; j) Propor as medidas que se revelem adequadas à disponibilização
c) Proceder à desmatação de bermas e passeios em áreas urbanas; dos meios de transporte e equipamentos mecânicos.
Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011 1111

Artigo 14.º e operacionais, em ordem à prossecução das atribuições do Município


nos domínios da cultura, tempos livres e desporto.
Departamento de Coesão Social e Habitação
2 — Para a realização da respectiva missão, compete ao Departamento
1 — Constitui missão do Departamento de Coesão Social e Habitação de Cultura, Desporto e Juventude:
(DCSH) assegurar o exercício das funções técnicas, administrativas e 2.1 — No âmbito da cultura:
operacionais, em ordem à prossecução das atribuições do Município
a) Assegurar o planeamento e a programação de actividades de na-
nos domínios da acção social, saúde e habitação.
tureza cultural, de interesse municipal;
2 — Para a realização da respectiva missão compete ao Departamento
b) Coordenar a organização de eventos culturais, relevantes para o
de Coesão Social e Habitação:
Concelho;
2.1 — No âmbito da inovação social e promoção da saúde:
c) Assegurar o apoio ao relacionamento com os órgãos da Adminis-
a) Executar as medidas de política social, designadamente, as de tração Central e Regional e outras entidades, com intervenção na área
apoio a crianças e jovens em risco, a pessoas com deficiência, a grupos da cultura, e articular as intervenções de animação cultural, dinamizadas
desfavorecidos, a idosos e dependentes; por estes;
b) Diagnosticar os problemas sociais do Concelho, planear e execu- d) Incentivar e desenvolver, em parceria com o movimento associativo
tar os programas e projectos de acção social e avaliar os resultados da do concelho, projectos que contribuam para o desenvolvimento cultural
intervenção municipal; dos munícipes;
c) Diagnosticar os problemas específicos dos segmentos mais vulnerá- e) Promover o desenvolvimento da rede municipal de galerias e gerir
veis da população, nomeadamente, doentes e pessoas com necessidades a sua utilização;
especiais, adoptando medidas que visem a melhoria da sua qualidade f) Propor o estabelecimento de parecerias com outros organismos, cuja
de vida; acção incida nos diferentes sectores que concorrem para a promoção
d) Gerir os equipamentos municipais com função social; de projectos culturais;
e) Promover, elaborar ou participar em projectos de intervenção g) Promover a divulgação das iniciativas culturais, relevantes para
comunitária e assegurar o relacionamento com as entidades, públicas e o Município;
privadas, com intervenção de natureza social no Concelho de Loures; h) Assegurar a identificação, preservação, valorização e divulgação do
f) Promover e apoiar iniciativas na área da saúde pública, nomea- património antropológico, arquitectónico, histórico e demais património
damente, de informação e educação para a saúde e de prevenção das cultural de Loures;
dependências; i) Propor normas e medidas e emitir pareceres, visando a preserva-
g) Propor, desenvolver, apoiar e executar planos e programas de ção e valorização de monumentos, conjuntos e sítios arqueológicos e
intervenção que visem estimular as capacidades da população sénior arquitectónicos;
do Concelho para o envelhecimento activo, nomeadamente, através do j) Gerir os museus municipais, assegurando a conservação e restauro
incentivo à prática de actividades lúdicas, culturais e recreativas: das peças museológicas e promover a sua divulgação e acesso;
h) Exercer as competências municipais, no que se refere à rede de k) Gerir as bibliotecas municipais e assegurar o acesso à leitura e
farmácias do Concelho. à informação, bem como dinamizar actividades de fomento do gosto
pela leitura;
2.2 — No âmbito da igualdade e cidadania: l) Promover a publicação de documentos, boletins e anais que interes-
a) Diagnosticar os problemas de integração existentes e promover me- sem à história do Município e à preservação da sua identidade histórica;
didas que visem incentivar a integração social, designadamente, fomen- m) Apoiar os serviços de urbanismo, no âmbito do controlo de ope-
tando a tolerância, o respeito pela diversidade e o diálogo intercultural; rações urbanísticas, verificando o cumprimento das normas e a ade-
b) Promover a mediação e a educação interculturais, assegurando, em quação das intervenções, nomeadamente, de escavações arqueológicas
especial, a resposta às necessidades de apoio, informação e formação; contratadas pelos respectivos promotores, em área classificada como
c) Diagnosticar os problemas e promover os direitos das minorias de potencial valor arqueológico;
étnicas, refugiados e imigrantes, propondo actuações e elaborando e n) Prestar informação para a elaboração de programas preliminares,
desenvolvendo projectos de intervenção específicos; destinados à execução de projectos e empreitadas de obras públicas,
d) Promover acções visando a prevenção da violência de género e o relativos a equipamentos culturais no concelho de Loures.
apoio às vítimas;
e) Apoiar e dinamizar a cidadania activa, designadamente, fomentando 2.2 — No âmbito do desporto e juventude:
e apoiando o movimento associativo imigrante e de grupos minoritários a) Diagnosticar os problemas e necessidades da população juvenil
e projectos e iniciativas que fomentem a igualdade e a promoção dos de Loures;
direitos humanos; b) Propor e operacionalizar actividades de apoio, informação e encami-
f) Promover a participação cívica em acções de voluntariado social e nhamento profissional, escolar, comportamental e cultural dos jovens;
as demais iniciativas de reforço da solidariedade social; c) Participar na definição e promover e apoiar projectos e actividades
g) Assegurar o tratamento das questões religiosas, com relevância de formação profissional, complementar, dos jovens que visem a aquisi-
pública, e apoiar o relacionamento da Câmara Municipal com as orga- ção de novas competências consideradas essenciais no acesso e preser-
nizações religiosas. vação do emprego, nomeadamente, facultando informação na área da
formação e qualificação profissional e incentivando o empreendorismo;
2.3 — No âmbito da habitação: d) Promover projectos e actividades de tempos livres dos jovens,
a) Assegurar a gestão do parque habitacional municipal; sobretudo, durante os períodos de férias escolares, privilegiando acções
b) Programar, projectar e promover, por administração directa ou que potenciem o usufruto de uma ocupação útil e saudável;
empreitada, as obras a realizar na habitação municipal; e) Apoiar a definição e executar a política desportiva do Município;
c) Assegurar a atribuição de habitações de carácter social aos muníci- f) Gerir os equipamentos desportivos, sob administração directa da
pes, nomeadamente, ao abrigo de contratos e programas previstos na lei; Câmara Municipal de Loures;
d) Providenciar pelo cumprimento das obrigações dos arrendatários g) Promover acções de dinamização desportiva, nomeadamente, atra-
dos fogos municipais; vés do apoio a eventos desportivos;
e) Desenvolver programas de apoio à habitação, nomeadamente, no h) Elaborar e desenvolver projectos e programas de natureza sócio-
âmbito da habitação social a custos controlados, bem como no âmbito -desportiva, visando a adesão à prática desportiva;
da conservação e reabilitação habitacional, exceptuando o parque ha- i) Elaborar e monitorizar a carta desportiva do Município de Loures.
bitacional situado em áreas de reabilitação urbana;
f) Assegurar a representação forense do Município nas acções de 2.3 — No âmbito do apoio ao movimento associativo:
despejo, interpostas nas matérias da competência do Departamento; a) Acompanhar e apoiar o movimento associativo de natureza cultural,
g) Garantir a inventariação de habitações precárias no Concelho e desportivo, recreativo e juvenil;
prevenir, em articulação com a Polícia Municipal, o aparecimento de b) Avaliar a eficácia, no que diz respeito ao interesse público, da
novos focos, com acções de fiscalização preventiva. aplicação dos apoios concedidos.

Artigo 15.º Artigo 16.º


Departamento de Cultura, Desporto e Juventude Departamento de Recursos Humanos
1 — Constitui missão do Departamento de Cultura, Desporto e Juven- 1 — O Departamento de Recursos Humanos (DRH) tem por missão
tude (DCDJ), assegurar o exercício das funções técnicas, administrativas assegurar o apoio à gestão de recursos humanos da Câmara Municipal
1112 Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011

de Loures, articuladamente com o desenvolvimento das actividades dos munícipes, a gestão dos sistemas gerais de apoio ao funcionamento
serviços, através do planeamento, recrutamento e da selecção de pessoal, da organização municipal e a administração do património municipal.
da qualificação, avaliação e realização dos direitos dos trabalhadores, 2 — Para a realização da respectiva missão, o Departamento de
da comunicação interna, da higiene e segurança e saúde ocupacional, Gestão Administrativa e Informação Municipal exerce as seguintes
bem como do apoio social interno. competências:
2 — Para a realização da respectiva missão, o Departamento de Re- 2.1 — No âmbito do apoio técnico e administrativo:
cursos Humanos exerce as seguintes competências:
a) Assegurar o apoio administrativo às reuniões da Câmara Munici-
2.1 — No âmbito da administração dos recursos humanos:
pal, nomeadamente, procedendo à elaboração das actas respectivas e
a) Apoiar, técnica e administrativamente, a aplicação dos sistemas de assegurando a sua publicação e divulgação;
carreiras dos trabalhadores; b) Promover a articulação com os serviços instrutores das propostas,
b) Assegurar a satisfação dos direitos dos trabalhadores, nomeada- no sentido de salvaguardar que estas se encontrem em condições for-
mente, os relativos à remuneração e à protecção social; mais de serem submetidas a apreciação e deliberação municipal, nos
c) Instruir os procedimentos de recrutamento e selecção de pessoal; termos da lei;
d) Assegurar o controlo da assiduidade e da pontualidade dos tra- c) Elaborar o Boletim Municipal de deliberações e despachos e pro-
balhadores; ceder à sua divulgação;
e) Promover os procedimentos de aposentação; d) Assegurar o serviço de notariado privativo, abrangendo a celebra-
f) Assegurar os descontos e retenções, previstos na lei, e a sua entrega ção de escrituras e de contratos escritos, com excepção dos respeitantes
às entidades ou serviços a que se destinem; a Recursos Humanos, bem como garantir as formalidades relativas à
g) Acompanhar os procedimentos disciplinares e assegurar os proce- intervenção do Tribunal de Contas, no âmbito do visto ou em matéria
dimentos de execução das respectivas decisões; de fiscalização concomitante;
h) Assegurar os demais procedimentos no domínio da administração e) Assegurar a representação forense do Município, nos termos da
dos recursos humanos. lei, de acordo com as orientações definidas;
f) Definir as regras genéricas de elaboração normativa e de formali-
2.2 — No âmbito do planeamento, qualificação e avaliação dos Re- zação dos actos administrativos;
cursos Humanos: g) Assegurar o serviço de expediente da Câmara Municipal e a
a) Elaborar os mapas de pessoal, articulando o planeamento de recur- distribuição da documentação de carácter geral, bem como assegurar
sos humanos com o planeamento das actividades da Câmara Municipal o registo e divulgação dos despachos e outros documentos de carácter
e com a elaboração da proposta de orçamento; genérico;
b) Promover as medidas adequadas à permanente avaliação das neces- h) Assegurar o acesso aos documentos administrativos, nomeada-
sidades e dos meios humanos disponíveis, propondo as acções de afec- mente, às deliberações e outros actos administrativos, nos termos da lei,
tação interna, formação e recrutamento que se revelem adequadas; incluindo a emissão de cópias e certidões, bem como o encaminhamento
c) Efectuar o levantamento e diagnóstico das necessidades de forma- dos pedidos, no caso de procedimentos em curso;
ção e propor as medidas necessárias à qualificação dos recursos humanos; i) Assegurar a informação de natureza administrativa, de carácter geral,
d) Elaborar os planos de formação, controlar a sua execução e avaliar encaminhando os interessados ou os pedidos, no caso de informações
os seus resultados; de carácter específico;
e) Criar e gerir a bolsa de formadores; j) Remeter às entidades, legalmente ou organicamente competen-
f) Gerir programas de estágios, bem como outros programas de inte- tes, os pedidos, recebidos na Câmara Municipal, relativamente aos
gração sócio-profissional, articulando com outras entidades; quais esta não tenha competência e informar, em conformidade, os
g) Gerir os processos de formação de adultos; interessados;
h) Assegurar a aplicação do sistema integrado de gestão e avaliação k) Efectuar os procedimentos necessários ao registo de cidadãos
de desempenho; comunitários, nos termos da lei;
i) Promover os procedimentos de gestão da mobilidade geral, em l) Promover os licenciamentos, que não se encontrem atribuídos a
função do planeamento de recursos humanos, enquadrado no mapa serviços específicos, fazendo intervir os serviços com capacidade para
de pessoal; a sua emissão;
j) Assegurar a informação e a comunicação interna com os trabalha- m) Assegurar a gestão das instalações municipais, visando a raciona-
dores do Município; lização do seu uso e manutenção, bem como garantir o apoio logístico
k) Elaborar o balanço social. geral ao funcionamento dos serviços municipais;
n) Assegurar a gestão da generalidade dos contratos que suportam o
2.3 — No âmbito da higiene e segurança no trabalho, saúde ocupa- funcionamento logístico do Município, incluindo, nomeadamente, os
cional e apoio social aos trabalhadores: de energia eléctrica, comunicações, limpeza, vigilância das instalações
e fornecimento de água e equipamentos multifuncionais;
a) Realizar exames médicos de admissão, periódicos e ocasionais, no o) Adoptar medidas de gestão, acompanhamento, verificação, in-
âmbito da saúde ocupacional; cluindo verificação física periódica, validação e controlo das instala-
b) Proceder ao acompanhamento das situações de acidentes de tra- ções em que os bens e serviços, objecto dos contratos a seu cargo, são
balho; prestados;
c) Analisar as causas dos acidentes em trabalho e promover as me- p) Promover a cobrança coerciva das dívidas ao Município, nos
didas adequadas; termos da lei, organizando, gerindo e instruindo os processos de exe-
d) Proceder à inspecção e estudo dos locais de trabalho, para verificar
cução fiscal;
da sua adequação, no que diz respeito à higiene, segurança e prevenção
q) Assegurar as funções de apoio técnico e administrativo, de carácter
de doenças profissionais;
geral, que não se encontrem previstas nas funções de outras unidades
e) Promover acções de educação para a saúde, tendo em vista a adop-
orgânicas.
ção de comportamentos saudáveis;
2.2 — No âmbito da gestão do arquivo municipal:
f) Promover a criação de condições de trabalho adequadas à fisiologia
e psicologia humanas; a) Organizar os arquivos do Município e garantir o respectivo acesso;
g) Elaborar e assegurar a execução do plano de apoio social interno b) Propor e aplicar a regulamentação do arquivo municipal, nomeada-
dos trabalhadores do Município; mente, no que se refere ao acesso interno e do público aos documentos
h) Disponibilizar serviços de medicina e de enfermagem, adequados e, em particular, do fundo histórico, em condições adequadas de aces-
às necessidades dos trabalhadores municipais; sibilidade e segurança;
i) Gerir o refeitório municipal. c) Definir e promover a divulgação, junto dos serviços, das regras e
princípios a observar no tratamento da documentação;
Artigo 17.º d) Gerir o fundo histórico, o arquivo administrativo e o arquivo fo-
tográfico e audiovisual do Município, garantindo o acesso à respectiva
Departamento de Gestão Administrativa e Informação Municipal documentação;
1 — O Departamento de Gestão Administrativa e Informação Muni- e) Promover e apoiar acções de estudo, investigação e divulgação da
cipal (DGAIM) tem por missão assegurar o apoio administrativo geral documentação existente nos arquivos;
à Câmara Municipal, o notariado privativo e a representação forense, f) Realizar as demais tarefas de organização e funcionamento dos
o relacionamento da administração municipal com os cidadãos, nome- arquivos municipais, de acordo com as normas vigentes, as regras apli-
adamente, no âmbito da informação municipal e do atendimento aos cáveis e as boas práticas.
Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011 1113

2.3 — No âmbito da informação e relações públicas: c) Efectuar o acompanhamento e controlo dos protocolos, contratos
a) Elaborar, tendo em conta os objectivos estabelecidos, os planos programa e outros contratos com efeitos financeiros, directos ou indi-
de informação institucional e de relações públicas do Município, asse- rectos, plurianuais;
gurar a respectiva execução, definindo os meios e suportes adequados, d) Coordenar os processos de financiamento alheio do município e
e avaliar a sua eficácia; a sua gestão subsequente;
b) Assegurar a informação ao público das actividades e iniciativas e) Controlar o serviço de dívida e o endividamento do Município;
municipais, considerando as solicitações dos serviços e os objectivos f) Assegurar os deveres de informação no âmbito da Lei das Finanças
estabelecidos; Locais;
c) Apoiar as medidas de desburocratização e de desconcentração g) Proceder ao estudo e proposta da tabela de taxas e licenças do
de serviços ao cidadão da Administração Central, no âmbito do Con- Município;
celho, nomeadamente, o programa de lojas do cidadão de segunda h) Coordenar os processos de candidatura a programas e iniciativas
geração; comunitárias e da Administração Central, assegurando a sua formali-
d) Assegurar a cobertura informativa dos eventos municipais ou zação junto das entidades competentes, assim como o seu controlo e
com participação municipal, garantindo, designadamente, a reporta- verificação da despesa e receita associadas;
gem fotojornalística e audiovisual, tendo em vista a sua publicação i) Analisar a informação contabilística, produzindo relatórios pe-
e arquivo; riódicos;
e) Assegurar a redacção de conteúdos noticiosos dos eventos munici- j) Conceber e implementar um sistema de indicadores de gestão que
pais, visando a sua adequada divulgação, em articulação com os serviços permita conhecer e avaliar os resultados da actividade desenvolvida pelos
responsáveis pelo relacionamento com a comunicação social; serviços municipais e a aplicação dos recursos financeiros;
f) Assegurar a produção editorial e gráfica dos meios de comunicação k) Elaborar o Relatório de Gestão;
do Município; l) Emitir parecer sobre todas as propostas de endividamento dos
g) Assegurar o atendimento geral ao público nos postos municipais Serviços Municipalizados e das empresas municipais, nomeadamente,
de atendimento; o relativo à capacidade de endividamento do Município;
h) Assegurar o atendimento do público no âmbito de iniciativas mu- m) Emitir parecer sobre os documentos previsionais e de prestação
nicipais, como feiras, certames e outros eventos em que o Município de contas das empresas municipais;
participe; n) Verificar o cumprimento dos requisitos legais e internos para a
i) Assegurar o apoio técnico às actividades e iniciativas municipais realização das despesas e proceder à sua cabimentação.
ou apoiadas pelo município, nomeadamente, quanto à sonorização e
gravação audiovisual, bem como à realização de anúncios de promoção 2.2 — No âmbito da gestão financeira:
institucional. a) Fornecer elementos para elaboração do orçamento, nomeadamente,
encargos de funcionamento;
2.4 — No âmbito da administração do património imobiliário: b) Realizar os procedimentos necessários à constituição de proveitos
a) Efectuar o controlo físico dos bens móveis e imóveis municipais, e à arrecadação de receitas municipais, verificando o cumprimento dos
procedendo à sua etiquetagem e ao seu inventário, nos termos definidos requisitos legais e normas internas;
na lei, garantindo a inventariação anual do imobilizado; c) Verificar o cumprimento dos requisitos legais e internos para a
b) Gerir o património imóvel municipal, assegurando a sua conser- realização das despesas, a fim de proceder ao registo da facturação,
vação, manutenção e valorização; garantindo a regularidade das operações;
c) Efectuar os procedimentos necessários à aquisição, oneração e a d) Assegurar a guarda, registo e controlo das cauções — garantias
alienação de bens imóveis, promovendo a sua avaliação; bancárias, seguro, caução e outros;
d) Colaborar na preparação de contratos e protocolos com incidência e) Proceder ao registo e controlo dos fundos de maneio, em confor-
patrimonial; midade com o Regulamento aprovado;
e) Proceder à regularização registral dos bens imóveis, nos termos f) Proceder ao arquivo dos documentos de receita e despesa, em
da lei; conformidade com as normas estabelecidas;
f) Instruir os procedimentos relativos a arrendamentos de instalações, g) Proceder ao apuramento dos valores a entregar ao Estado e outras
bem como gerir os respectivos contratos; entidades, decorrentes das obrigações de natureza contributiva e fiscal
g) Instruir procedimentos expropriativos; do município;
h) Adoptar as medidas adequadas à gestão do Património, com ex- h) Emitir as ordens de pagamento, em conformidade com o plano de
cepção do património afecto a habitação social; pagamentos aprovado;
i) Participar nas vistorias de recepção de operações urbanísticas, i) Assegurar o controlo das contas correntes, com as diferentes ins-
nos casos em que, nas mesmas, haja cedências a integrar no domínio tituições bancárias, pelo movimento das disponibilidades financeiras
municipal; do município;
j) Efectuar os contratos de seguro, necessários ao funcionamento do j) Proceder à prestação de contas da contabilidade orçamental e fi-
Município, bem como instruir os procedimentos relativos a sinistros, nanceira, apresentando os respectivos mapas de suporte;
promovendo a intervenção dos demais serviços. k) Participar na elaboração da Tabela de Taxas e Licenças.

2.5 — No âmbito dos actos eleitorais: 2.3 — No âmbito da contabilidade:


Organizar os procedimentos técnicos e administrativos relativos aos a) Proceder à reconciliação de contas de terceiros, periodicamente;
actos eleitorais. b) Proceder às reconciliações bancárias, periodicamente;
c) Assegurar a contabilidade patrimonial e analítica e prestar infor-
Artigo 18.º mação periódica;
Departamento de Planeamento, Finanças e Logística d) Proceder à parametrização e validação do sistema POCAL e res-
pectivos subsistemas;
1 — O Departamento de Planeamento, Finanças e Logística (DPFL) e) Assegurar a elaboração do balanço, demonstração de resultados, e
tem por missão assegurar a preparação dos instrumentos de gestão dos anexos às demonstrações financeiras da Câmara Municipal;
previsional, suas alterações e revisões e o controlo da sua execução, a f) Coordenar as acções necessárias, com os diversos serviços muni-
preparação dos documentos de prestação de contas, o registo contabi- cipais, tendo como objectivo a elaboração da prestação de contas do
lístico e a legalidade dos factos patrimoniais e operações de natureza Município;
orçamental, o cumprimento das obrigações de natureza contributiva g) Proceder à prestação de contas da contabilidade patrimonial e
e fiscal, os pagamentos e recebimentos e a aquisição de bens móveis analítica, apresentando os respectivos mapas de suporte;
e serviços. h) Proceder à devida reconciliação entre os registos contabilísticos
2 — Para a realização da respectiva missão, o Departamento de efectuados e os subsistemas do POCAL, periodicamente, nomeadamente,
Planeamento, Finanças e Logística exerce as seguintes competências: aprovisionamento, património, contra-ordenações, execuções fiscais,
2.1 — No âmbito do planeamento e controlo de actividades: licenciamento de obras, entre outros;
a) Coordenar a elaboração dos instrumentos de gestão previsional e i) Proceder à consolidação das contas da Câmara Municipal, dos
as respectivas revisões e alterações; Serviços Municipalizados e do Sector Empresarial Local do Município,
b) Acompanhar e desenvolver as acções necessárias ao controlo da efectuando a consolidação do balanço, da demonstração de resultados
execução dos documentos previsionais, elaborando relatórios periódicos e dos respectivos anexos explicativos, incluindo, nomeadamente, os
sobre a respectiva execução; saldos e fluxos financeiros;
1114 Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011

j) Proceder à análise de questões de natureza fiscal e propor medidas c) Assegurar o serviço de protocolo;
de correcção e para a sua implementação; d) Apoiar o relacionamento com a Provedoria de Justiça, assegurando
a prestação atempada de informação pelos serviços e controlando, em
2.4 — No âmbito da Tesouraria: todos os aspectos, a adequada tramitação dos processos;
a) Efectuar o recebimento das diferentes receitas municipais e entrega e) Assegurar a recepção das questões colocadas pelos munícipes à
dos correspondentes documentos de quitação; Presidência da Câmara Municipal, a prestação atempada de informações,
b) Efectuar o pagamento das diferentes despesas municipais; pelos serviços e o acompanhamento dos correspondentes processos;
c) Efectuar depósitos, transferências e levantamentos, com segurança f) Prestar o demais apoio geral ao Presidente da Câmara no exercício
e critérios de rentabilização dos valores; das suas competências próprias;
d) Assegurar a verificação, em qualquer momento, dos fundos, dos g) Assegurar as relações institucionais do Município com os órgãos
montantes e dos documentos à ordem da tesouraria; de comunicação social.
e) Garantir, diariamente, que as Folhas de Caixa e o Mapa Resumo
de Tesouraria estão em conformidade com as contas correntes e os 2.3 — No âmbito da auditoria e controlo de gestão:
registos efectuados. a) Elaborar a proposta de programa anual de auditorias;
b) Realizar auditorias financeiras e de gestão, auditorias operacio-
2.5 — No âmbito da logística: nais e de conformidade legal e regulamentar, no âmbito da actividade
desenvolvida pelos serviços do Município;
a) Assegurar a aquisição dos bens e serviços para os serviços muni- c) Acompanhar acções inspectivas promovidas por entidade da tutela,
cipais, instruindo os correspondentes procedimentos; bem como de auditorias financeiras e de gestão externas, nomeadamente,
b) Desenvolver e gerir um sistema centralizado de compras, tendo em a auditoria às contas da Câmara Municipal, prevista na Lei das Finan-
vista o abastecimento de bens e serviços ao município; ças Locais, analisar os respectivos relatórios e propor a aplicação das
c) Propor os bens e serviços de utilização comum ou que, por razões eventuais medidas preconizadas;
de economia e ou eficácia, devam ser objecto de aquisição centralizada, d) Zelar e verificar o cumprimento da aplicação de leis, regulamentos e
nomeadamente, dos bens e serviços que asseguram o funcionamento outras normas vigentes, verificar a suficiência, a exactidão e regularidade
logístico dos serviços do Município, e assegurar a gestão provisional dos processos de arrecadação de receitas e de realização de despesas e
desses bens e serviços; respectivos registos contabilísticos, produzindo recomendações sobre
d) Assegurar a distribuição dos bens adquiridos e a gestão das exis-
medidas e acções correctivas que se justifiquem;
tências;
e) Monitorizar a aplicação da norma de controlo interno e informar
e) Colaborar na inventariação dos bens móveis adquiridos pelo mu-
sobre o funcionamento dos respectivos procedimentos e das deficiências
nicípio;
constatadas;
f) Assegurar a boa e atempada execução dos contratos, que não se
f) Acompanhar a aplicação do plano municipal de Prevenção de Riscos
encontrem sob gestão de outro serviço municipal.
de Gestão, Incluindo os Riscos de Corrupção e Infracções Conexas,
verificar o seu cumprimento e propor as medidas correctivas que se
Artigo 19.º afigurem adequadas;
Departamento de Apoio Institucional g) Elaborar o Manual de Auditoria Interna.

1 — O Departamento de Apoio Institucional (DAI) tem por missão 2.4 — No âmbito da modernização administrativa e inovação tec-
assegurar o apoio técnico e administrativo à Governação Municipal nológica:
e à Presidência, nomeadamente, no âmbito da gestão estratégica, da
a) Propor e executar a estratégia de modernização administrativa e
cooperação externa, das relações institucionais, da auditoria e controlo
de gestão, da modernização administrativa e do desenvolvimento tecnológica, designadamente, a relativa à implementação do governo
tecnológico, bem como o apoio técnico e administrativo à Assembleia electrónico;
Municipal. b) Avaliar a adequação e eficácia do sistema de suportes, circuitos e
2 — Para a realização da respectiva missão, o Departamento de Apoio procedimentos administrativos, de carácter geral ou centralizado, pro-
Institucional exerce as seguintes competências: pondo ou acompanhando as medidas de simplificação administrativa,
2.1 — No âmbito da gestão estratégica: nomeadamente, no âmbito da normalização e desmaterialização dos
documentos, da modernização de procedimentos e da racionalização
a) Apoiar a Presidência e a Governação Municipal, no que diz res- dos circuitos;
peito à gestão estratégica do Município e à avaliação dos resultados da c) Participar, no âmbito das tecnologias da informação, em acções
acção municipal; de reengenharia de processos, visando a modernização administrativa
b) Monitorizar a evolução da qualidade de vida no Concelho; do Município;
c) Promover a avaliação da adequação da organização dos serviços d) Planear, projectar, instalar e gerir os sistemas de informação, in-
municipais à evolução das necessidades, em termos da sua estruturação cluindo as redes internas de comunicação, o hardware e o software;
orgânica, da economia, eficácia, eficiência e qualidade dos sistemas de e) Promover a desmaterialização dos documentos e dos procedi-
gestão e monitorização do clima organizacional; mentos;
d) Propor, promover e coordenar a implementação e avaliar a execução f) Assegurar o apoio aos serviços, no que se refere à gestão dos meios
de um sistema de gestão da qualidade de serviço; informáticos, e definir e acompanhar tecnicamente os procedimentos de
e) Acompanhar o desempenho financeiro do Município, na perspectiva aquisição de bens e serviços informáticos.
do seu equilíbrio e sustentabilidade a prazo;
f) Apoiar a definição da estratégia de informação e comunicação do 2.5 — No âmbito do apoio à Assembleia Municipal:
Município; Assegurar a constituição e funcionamento do Núcleo de Apoio próprio
g) Avaliar a qualidade da relação institucional com o munícipe, da Assembleia Municipal, previsto na lei, de acordo com as necessidades
designadamente, quanto à adequação dos sistemas de comunicação, indicadas pelo Presidente da Assembleia Municipal e sob orientação
atendimento, informação, resposta às solicitações e participação cí-
deste.
vica;
h) Acompanhar o processo de descentralização de competências da
Administração Central, em articulação com os serviços operacionais SECÇÃO III
das correspondentes áreas.
Disposição transitória
2.2 — No âmbito do apoio directo à Presidência:
a) Apoiar, em articulação com os demais serviços municipais, o Artigo 20.º
relacionamento intermunicipal, nomeadamente, no âmbito da Área
Funções da Divisão Jurídica da Polícia Municipal
Metropolitana de Lisboa, Associação Nacional de Municípios ou de
outras associações de municípios a que o Município pertença e cujos Até à instalação da Polícia Municipal de Loures, as funções atribu-
fins específicos não integrem o âmbito de competências de outro ídas pela Resolução de Conselho de Ministros n.º 14/2010, de 11 de
serviço municipal; Fevereiro, à Divisão Jurídico-Administrativa, prevista no artigo 8.º
b) Apoiar, tecnicamente, as acções de cooperação externa, em arti- da referida Resolução, são asseguradas pelo Departamento de Gestão
culação com os restantes serviços municipais; Administrativa e Informação Municipal.
Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011 1115

CAPÍTULO II Artigo 26.º


Competências comuns
Estrutura flexível e subunidades orgânicas
Sem prejuízo das competências, fixadas em lei, para os dirigentes
Artigo 21.º municipais, constituem competências comuns dos Serviços Munici-
palizados:
Unidades flexíveis
a) Apoiar o Conselho de Administração na definição e implementação
1 — A Câmara Municipal de Loures pode criar o máximo de 37 uni- e executar as políticas e estratégias respeitantes à gestão dos SMAS;
dades flexíveis, dirigidas por chefes de divisão, sem prejuízo do disposto
b) Promover os actos necessários à prossecução das atribuições do
no número seguinte.
2 — Até à instalação da Polícia Municipal, e à posse do Chefe da Di- Município e à gestão dos SMAS, relacionadas com as áreas de compe-
visão Jurídico-Administrativa, é mantida a Divisão Jurídica, prevista no tências próprias e comuns, definidas na presente Orgânica;
artigo 31.º do Regulamento Interno dos Serviços da Câmara Municipal c) Promover a articulação com os demais serviços municipais e,
de Loures, integrada no Departamento de Gestão Administrativa e Infor- quando seja o caso, com as entidades que prestam serviços públicos
mação Municipal da actual orgânica, extinguindo-se, automaticamente, no território do Município de Loures, na prossecução de objectivos e
com a instalação da Polícia Municipal. na realização de actividades ou tarefas comuns ou complementares,
3 — A definição de grandes áreas de funções, nas competências dos di- nomeadamente, na elaboração e execução de planos e programas in-
versos departamentos, não limita as competências da Câmara Municipal, tersectoriais, na resposta atempada ao cidadão e na harmonização das
no que diz respeito à definição das competências das unidades flexíveis. diversas intervenções;
d) Assegurar a gestão dos procedimentos, garantindo a respectiva
Artigo 22.º regularidade e celeridade, nomeadamente, através de um gestor do pro-
cedimento, e, quando necessário, assegurando a intervenção atempada
Subunidades orgânicas de outros serviços;
O Presidente da Câmara Municipal de Loures pode criar o número e) Verificar, cumprir e informar da legalidade dos actos, nomeada-
máximo de 16 subunidades orgânicas. mente, em assuntos a submeter a outros serviços ou a decisão superior.

CAPÍTULO III SECÇÃO II

Estrutura Matricial Competências Específicas

Artigo 23.º Artigo 27.º


Estrutura Matricial Director Delegado
1 — A Câmara Municipal de Loures pode criar o número máximo O Director Delegado exerce as competências gerais, cometidas na
de 3 unidades matriciais. lei aos cargos de direcção superior do primeiro grau, bem como as
2 — O estatuto remuneratório do chefe da equipa multidisciplinar, na que lhe forem delegadas pelo Conselho de Administração e, ainda, as
área de reabilitação urbana, é equiparado ao de director de departamento competências específicas seguintes:
municipal e o dos restantes, ao de chefe de divisão municipal. a) Participar nas reuniões do Conselho de Administração;
b) Acompanhar a aplicação do plano municipal de riscos de gestão,
incluindo os riscos de corrupção e infracções conexas, verificar o seu
TÍTULO III cumprimento e propor medidas adequadas;
c) Acompanhar auditorias externas;
Estrutura Hierarquizada dos Serviços Municipalizados d) Coordenar os processos de candidatura a programas e iniciativas
comunitárias e da Administração Central;
de Água e Saneamento e) Desenvolver e acompanhar os processos de certificação de qua-
da Câmara Municipal de Loures lidade;
f) Propor, promover e acompanhar a execução da estratégia de
modernização administrativa e inovação tecnológica da actividade
CAPÍTULO I dos SMAS;
g) Prestar assessoria ao Conselho de Administração na gestão da
Estrutura Nuclear comunicação institucional e imagem, designadamente, na definição e
avaliação das políticas de comunicação interna e externa dos SMAS e
no relacionamento com a comunicação social;
SECÇÃO I h) Assegurar os meios necessários ao apoio jurídico à gestão e aos
serviços dos SMAS, incluindo os necessários à representação em juízo,
Missão, Composição e Competências Comuns bem como a instrução de processos de Inquérito e disciplinares;
i) Assegurar o restante apoio técnico ao Conselho de Administração
Artigo 24.º e à gestão estratégica dos SMAS.
Missão
Artigo 28.º
Constitui missão dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento
da Câmara Municipal de Loures, assegurar o exercício das competên- Departamento de Exploração de Águas
cias municipais, no domínio do ambiente e saneamento básico, através Compete ao Departamento de Exploração de Águas (DEA):
da realização de investimentos, de planeamento e gestão dos sistemas
de abastecimento de água, recolha e drenagem de águas residuais e 1 — No âmbito do abastecimento de água para consumo humano:
de recolha de resíduos sólidos, dos Municípios de Loures e Odivelas. a) Assegurar o abastecimento de água para consumo humano, de
acordo com os padrões de qualidade estabelecidos;
Artigo 25.º b) Pronunciar-se sobre os projectos da rede de distribuição de água;
Composição c) Pronunciar-se sobre os projectos de obras das redes de água exe-
cutadas por particulares e outros;
A estrutura nuclear dos Serviços Municipalizados de Água e Sane- d) Monitorizar os caudais e pressões, numa óptica de optimização da
amento da Câmara Municipal de Loures (SMAS) é composta pelas gestão da rede de distribuição de água, designadamente, tendo em vista
seguintes unidades orgânicas: a adequada gestão de perdas;
a) Director Delegado (DD); e) Assegurar a conservação, manutenção e ampliação das redes de
b) Departamento de Exploração de Águas (DEA); distribuição de água;
c) Departamento de Resíduos Sólidos Urbanos e Gestão de Equipa- f) Promover a modernização do sistema de gestão das redes de dis-
mentos (DRSGE); tribuição de água, tendo em vista o aumento da sua eficácia, técnica e
d) Departamento dos Serviços Centrais (DSC). económica, e a melhoria do desempenho ambiental;
1116 Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011

g) Assegurar a recolha e transmissão de dados necessários à actuali- Artigo 29.º


zação dos cadastros da rede de distribuição de água;
h) Assegurar a manutenção e gestão do sistema de telegestão das redes; Departamento de Resíduos Sólidos
i) Assegurar a resposta a situações de urgência. Urbanos e Gestão de Equipamentos
Compete ao Departamento de Resíduos Sólidos Urbanos e Gestão de
2 — No âmbito da exploração de águas residuais: Equipamentos (DRSGE):
a) Garantir a recolha e drenagem das águas residuais, assegurando a 1 — No âmbito da remoção dos resíduos sólidos urbanos:
optimização das redes, promovendo a separação das mesmas;
b) Elaborar e executar o programa de controlo da qualidade das a) Planear e implementar os circuitos de recolha de resíduos sólidos
águas residuais; urbanos;
b) Assegurar a recolha, o transporte e a entrega para tratamento e
c) Monitorizar a qualidade dos efluentes de águas residuais;
valorização, de resíduos sólidos urbanos;
d) Assegurar a conservação, manutenção e ampliação das redes de c) Pronunciar-se sobre os projectos de recolha de resíduos sólidos
águas residuais; urbanos;
e) Assegurar a resposta a situações de urgência; d) Desenvolver e apoiar acções de sensibilização ambiental, nomea-
f) Pronunciar-se sobre os projectos das redes de águas residuais (do- damente, junto da população escolar.
mésticas e pluviais);
g) Pronunciar-se sobre os projectos de obras das redes de águas 2 — No âmbito da gestão de equipamentos, transportes e oficinas:
residuais executadas por particulares e outros;
h) Apreciar os pedidos de licenciamento de descarga de águas resi- a) Assegurar o planeamento e a programação de meios de trans-
porte e equipamentos mecânicos e electromecânicos, necessários à
duais das actividades económicas e controlar a respectiva utilização,
actividade e às iniciativas dos serviços municipalizados, garantindo
nomeadamente, monitorizando a qualidade dos efluentes; a economia, racionalização e sustentabilidade ambiental da sua uti-
i) Verificar a ocorrência de situações irregulares e anómalas de recolha lização;
e drenagem de águas residuais, identificando as que representem risco b) Planear, programar e organizar os processos de aquisição de viaturas
para a saúde pública ou impacto ambiental negativo; e outros equipamentos mecânicos e electromecânicos, considerando as
j) Assegurar a recolha e transmissão de dados necessários à actuali- necessidades dos serviços e a prossecução dos objectivos de raciona-
zação dos cadastros das redes de águas residuais. lidade económica, de melhoria da eficiência energética e desempenho
ambiental da frota;
3 — No âmbito do tratamento e controlo da qualidade das águas: c) Propor e desenvolver medidas de melhoria da eficiência energética
a) Elaborar o Programa de Controlo de Qualidade da Água — PCQA, e ambiental da frota;
de abastecimento público, de acordo com a legislação vigente, d) Assegurar a manutenção e recuperação dos meios de transporte e
submetê-lo à aprovação da entidade competente e assegurar a sua equipamentos mecânicos, electromecânicos e de automação;
e) Controlar a qualidade das intervenções externas;
execução;
f) Realizar os demais trabalhos, de natureza oficinal, que se revelem
b) Elaborar e executar o Programa de Monitorização da Qualidade necessários à disponibilização da frota e equipamentos mecânicos,
da Água de Abastecimento — PMQA; electromecânicos e de automação;
c) Garantir a manutenção da qualidade da água de abastecimento, g) Assegurar a gestão dos contratos de fornecimento de bens e ser-
nomeadamente, assegurando o tratamento e desinfecção da água e dos viços, no âmbito da gestão da frota, nomeadamente, de bens móveis,
equipamentos da rede; combustíveis e outros consumíveis;
d) Elaborar e controlar a execução do Programa de Controlo da Qua- h) Assegurar as actividades de construção civil, carpintaria, serralharia
lidade das Águas Residuais; civil e demais actividades de apoio oficinal aos SMAS.
e) Prestar serviços de análises, no âmbito de contratos com entidades
externas. Artigo 30.º
4 — No âmbito do planeamento, projectos e cadastro: Departamento dos Serviços Centrais
a) Elaborar projectos de redes de abastecimento de água e de drenagem Compete ao Departamento dos Serviços Centrais (DSC):
de águas residuais; 1 — No âmbito da gestão de recursos humanos:
b) Proceder à apreciação técnica de projectos de redes de abasteci- a) Elaborar os mapas de pessoal, articulando o planeamento dos re-
mento de água e de drenagem de águas residuais; cursos humanos com o planeamento das actividades dos SMAS e com
c) Coordenar e praticar os actos necessários à implementação dos a elaboração da proposta de orçamento;
estudos, planos e projectos respeitantes às redes de abastecimento de b) Promover as medidas adequadas à permanente avaliação das
água e de drenagem de águas residuais; necessidades e dos meios humanos disponíveis, propondo as acções
d) Assegurar o cadastro actualizado das redes de abastecimento de de afectação interna, formação e recrutamento que se revelem ade-
água e de drenagem de águas residuais, bem como das infra-estruturas quadas;
dos restantes operadores no subsolo; c) Assegurar os procedimentos técnicos e administrativos da Gestão
e) Assegurar os trabalhos de topografia; de Pessoal;
f) Assegurar o cadastro dos locais de consumo; d) Elaborar o Balanço Social;
g) Instruir os procedimentos de aquisição de serviços e de empreitadas e) Assegurar a comunicação e informação interna aos trabalhadores
para construção, manutenção e conservação de infra-estruturas de água dos SMAS;
e de águas residuais. f) Desenvolver, implementar e acompanhar a aplicação das regras de
segurança e higiene no trabalho, de acordo com a legislação em vigor;
5 — No âmbito da fiscalização: g) Assegurar os demais procedimentos no domínio da gestão de
recursos humanos.
a) Fiscalizar as obras de redes internas de distribuição de água e de
drenagem de águas residuais; 2 — No âmbito da gestão financeira e patrimonial:
b) Fiscalizar obras de empreitadas públicas, no âmbito do abaste-
cimento de água e da drenagem das águas residuais e acompanhar a a) Estabelecer as metodologias e suportes e assegurar a elaboração
aplicação das regras de segurança e higiene no trabalho; dos documentos previsionais — Orçamento, Plano de Actividades e
Plano Plurianual de Investimentos (PPI);
c) Fiscalizar as redes de distribuição de água e de drenagem de águas
b) Estabelecer as metodologias e suportes e assegurar a elaboração
residuais; dos documentos de prestação de contas — balanço, demonstração de
d) Fiscalizar, identificar e reportar o lançamento, na rede de águas resultados, mapas de execução orçamental, anexos às demonstrações
residuais, de efluentes com perigosidade para a saúde pública ou com financeiras e relatório de gestão;
impacto ambiental negativo; c) Implementar e assegurar a integração consistente da contabilidade
e) Fiscalizar, identificar e reportar a existência de ligações irregula- orçamental, patrimonial e de custos, de acordo com os princípios orça-
res, no âmbito das redes de abastecimento de água e de drenagem de mentais e contabilísticos legalmente estabelecidos;
águas residuais; d) Verificar o cumprimento dos requisitos legais e internos para a
f) Realizar vistorias e outras acções fiscalizadoras, nos casos e para os realização das despesas, proceder à sua cabimentação, compromisso e
efeitos previstos na lei, em articulação com a Polícia Municipal e com ao registo contabilístico das facturas e demais documentos, garantindo
os demais serviços e entidades que intervêm na área do ambiente. a regularidade das operações;
Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011 1117

e) Assegurar a guarda, registo e controlo das cauções — garantias 6 — No âmbito do apoio geral:
bancárias, seguro caução e outros; 6.1 — Na área do apoio administrativo:
f) Proceder ao registo e controlo dos fundos de maneio, em confor-
a) Assegurar o apoio administrativo ao funcionamento do Conselho
midade com o regulamento aprovado;
g) Proceder ao apuramento dos valores a entregar ao Estado e ou- de Administração, aos seus membros e ao Director Delegado;
tras entidades, decorrentes das obrigações de natureza contributiva e b) Promover a entrada e saída dos documentos dos SMAS, numerando-
fiscal; -os, registando-os e classificando-os, de acordo com o plano de clas-
h) Proceder às reconciliações bancárias e de contas de terceiros; sificação;
i) Assegurar o registo contabilístico e conferência da facturação dos c) Assegurar a distribuição da documentação de carácter geral, bem
SMAS; como o registo e divulgação dos despachos e outros documentos de
j) Emitir as ordens de pagamento, em conformidade com o plano de carácter genérico;
pagamentos aprovado; d) Assegurar a organização funcional do Arquivo;
k) Assegurar o funcionamento da contabilidade analítica, nomeada- e) Avaliar a adequação e eficácia do sistema de suportes, circuitos
mente, no que diz respeito ao custeio de obras e imputação de custos e procedimentos administrativos, propondo ou acompanhando as me-
das explorações; didas de simplificação administrativa, nomeadamente, no âmbito da
l) Elaborar relatórios periódicos com a informação contabilística; normalização e desmaterialização de documentos, da modernização de
m) Assegurar os deveres de informação, no âmbito da Lei das Fi- procedimentos e racionalização dos circuitos;
nanças Locais; f) Garantir a gestão económica e material das existências de economato
n) Garantir a gestão eficaz do património e dos seguros; e a realização de inventários;
o) Efectuar o controlo físico dos bens móveis e imóveis, procedendo g) Garantir o apoio logístico geral ao funcionamento dos serviços,
à sua etiquetagem e inventário, nos termos definidos na lei, garantindo designadamente, organizando e controlando o trabalho da reprografia,
a inventariação anual do imobilizado; telefonistas, porteiros, limpeza e demais assistentes operacionais que
p) Proceder à reconciliação dos bens do imobilizado, quer em curso, lhe estejam afectos;
quer em definitivo. h) Assegurar a gestão das instalações dos SMAS, visando a raciona-
lização do seu uso e manutenção.
3 — No âmbito da Tesouraria:
a) Realizar os procedimentos necessários à arrecadação de receitas, 6.2 — Na área dos sistemas de comunicação e informação:
verificando o cumprimento dos requisitos legais e das normas internas; a) Planear, projectar, promover a instalação e garantir a gestão dos
b) Efectuar o pagamento das diferentes despesas; sistemas de informação, incluindo as redes de comunicações;
c) Efectuar depósitos, transferências e levantamentos, com segurança b) Zelar pela segurança dos sistemas de informação, nomeadamente,
e critérios de rentabilização dos valores; pela sua confidencialidade, integridade, autenticidade e disponibilidade
d) Assegurar a verificação, em qualquer momento, dos fundos, dos de informação organizacional;
montantes e dos documentos à ordem da tesouraria; c) Participar, no âmbito das tecnologias da informação, em acções
e) Garantir, diariamente, que as Folhas de Caixa, o Mapa Resumo de de reengenharia de processos, visando a modernização operacional e
Tesouraria e o Balancete da Tesouraria estão em conformidade com as administrativa dos SMAS;
contas correntes e os registos efectuados;
d) Assegurar o apoio aos serviços, no que se refere à gestão dos meios
f) Elaborar os inventários de tesouraria.
informáticos, e definir e acompanhar tecnicamente os procedimentos de
4 — No âmbito do aprovisionamento: aquisição de bens e serviços informáticos.
a) Assegurar a realização dos procedimentos pré-contratuais e a ce-
lebração dos contratos de bens e serviços e de empreitadas, no âmbito CAPÍTULO II
da actividade dos SMAS;
b) Elaborar estudos de previsibilidade das necessidades e estruturar um Estrutura flexível e subunidades orgânicas
plano anual de compras, de acordo com as necessidades e assegurando
a economia e eficiência das aquisições;
Artigo 31.º
c) Garantir as aquisições dos SMAS e gerir os diversos contratos de
fornecedores; Número máximo
d) Assegurar as condições contratuais, técnicas e legais, dos proce-
1 — A Câmara Municipal pode criar, no âmbito da estrutura dos
dimentos de aquisição de bens e serviços;
Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Loures, um número
e) Assegurar a recepção, conferência e controlo dos materiais, bem
máximo de 12 unidades flexíveis.
como a conferência das respectivas facturas;
2 — O Presidente da Câmara Municipal, sob proposta do Conselho de
f) Garantir a gestão económica e material das existências em armazém.
Administração dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento da
5 — No âmbito da gestão comercial e informação ao público: Câmara Municipal de Loures, pode criar, no âmbito da estrutura destes
serviços, um número máximo de 13 subunidades orgânicas.
a) Apoiar a definição e desenvolver as políticas de relacionamento
comercial com o utilizador;
b) Propor os sistemas tarifários, de acordo com as normas e directrizes
legais em vigor; TÍTULO IV
c) Assegurar a gestão de contratos de fornecimento dos serviços,
garantindo a sua constante actualização; Disposições finais
d) Assegurar o ciclo comercial, nomeadamente, o atendimento, leitura,
facturação, cobrança, controlo de cobrança e gestão da dívida; Artigo 32.º
e) Supervisionar a execução de cortes e reposição de abastecimento; Entrada em vigor
f) Assegurar a instalação e manutenção do parque de contadores;
g) Apoiar a definição e assegurar os índices de qualidade de serviço A Orgânica dos Serviços do Município de Loures entra em vigor no
e de avaliação da satisfação dos utilizadores; dia 1 de Janeiro de 2011 ou com a respectiva publicação no Diário da
h) Analisar e dar resposta, em articulação com os serviços operacio- República, se esta for posterior.
nais, às reclamações apresentadas pelos utilizadores;
i) Centralizar a informação sobre ocorrências relativas à prestação dos Artigo 33.º
serviços pelos SMAS, garantindo a adequada e atempada informação Revogação
ao público;
j) Propor, desenvolver e acompanhar campanhas de informação co- 1 — Com a entrada em vigor da Orgânica dos Serviços do Municí-
mercial e comunicação marketing e apoiar o relacionamento institucional pio de Loures são globalmente substituídas a Orgânica dos Serviços
com a comunicação social; Municipais e a Orgânica dos Serviços Municipalizados, da Câmara
k) Participar, no quadro da estratégia de comunicação institucional Municipal de Loures, anteriormente em vigor, com excepção daqueles
definida, nas acções de promoção externa dos SMAS; serviços cuja existência resulte da aplicação de normas legais espe-
l) Propor, desenvolver e apoiar campanhas de informação e educação ciais, nomeadamente, da Polícia Municipal e do Serviço Municipal de
ambiental, em articulação com os serviços operacionais. Protecção Civil.
1118 Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011

2 — Fica, ainda, excepcionada da presente substituição, a Divisão Estrutura Flexível dos Serviços do Município de Loures
Jurídica da anterior estrutura, sem prejuízo da sua extinção automática
com a instalação da Polícia Municipal. CAPÍTULO I
Estrutura Flexível dos Serviços
Estrutura Matricial dos Serviços Municipais Municipais da Câmara Municipal de Loures
da Câmara Municipal de Loures
Artigo 1.º
Artigo 1.º Composição
Equipa Multidisciplinar da Reabilitação Urbana A estrutura flexível dos Serviços Municipais da Câmara Municipal
de Loures é constituída por 37 unidades flexíveis, cuja afectação aos
1) Constituem objectivos da Equipa Multidisciplinar da Reabilitação
Departamentos, aprovados pela Assembleia Municipal de Loures, e
Urbana: competências constam dos artigos seguintes.
a) Elaborar a estratégia ou programa estratégico de reabilitação urbana,
no âmbito, respectivamente, de operações de reabilitação urbana simples Artigo 2.º
ou sistemática, respectivamente; Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística
b) Assegurar a elaboração dos instrumentos de planeamento aplicáveis
Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unidades,
às áreas sujeitas a acções de reabilitação urbanística ou de qualificação
com as competências definidas por referência ao artigo 9.º da Estrutura
urbana, designadamente, planos parciais, planos de pormenor e planos Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de Loures:
de salvaguarda;
c) Delimitar áreas de reabilitação urbana em instrumento próprio ou a) Divisão de Planeamento Municipal de Ordenamento do Território
através da aprovação de um plano de reabilitação urbana; (DPMOT) — exerce as competências previstas no n.º 2.1;
d) Definir a operação de reabilitação urbana para cada uma das áreas b) Divisão de Gestão Urbanística da Zona Norte (DGUZN) — exerce
as competências previstas no n.º 2.2, na respectiva zona territorial;
delimitadas como de reabilitação urbana; c) Divisão de Gestão Urbanística da Zona Oriental (DGUZO) — exerce
e) Definir o modelo de execução mais adequado às diferentes opera- as competências previstas no n.º 2.2, na respectiva zona territorial;
ções de reabilitação urbana; d) Divisão de Gestão Urbanística de Projectos Estruturantes
f) Acompanhar e avaliar as diferentes operações de reabilitação urbana, (DGUPE) — exerce as competências previstas no n.º 2.3.
elaborando, anualmente, relatórios de monitorização;
g) Elaborar o relatório de avaliação da execução da operação de Artigo 3.º
reabilitação urbana; Departamento de Obras, Mobilidade e Energia
h) Promover as intervenções tendentes à execução das operações de
reabilitação urbana sistemáticas; Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unidades,
i) Definir a delimitação de Unidades de Execução ou de Interven- com as competências definidas por referência ao artigo 10.º da Estrutura
ção, que correspondam a área de intervenção de plano de pormenor de Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de Loures:
reabilitação urbana; a) Divisão de Infra-estruturas Viárias e de Telecomunicações
j) Coordenar os instrumentos de execução das operações de reabi- (DIVT) — exerce as competências previstas no n.º 2.1;
litação urbana; b) Divisão de Construção de Equipamentos Colectivos e Espaços
k) Estudar e propor o regime especial de taxas municipais. Públicos (DCECEP) — exerce as competências previstas no n.º 2.2;
c) Divisão de Conservação de Equipamentos Colectivos (DCEC)-
2) O Chefe de Equipa é remunerado por equiparação ao estatuto exerce as competências previstas no n.º 2.3;
d) Divisão de Mobilidade e Transportes Públicos (DMTP)- exerce as
remuneratório de director de departamento.
competências previstas no n.º 2.4;
e) Divisão de Energia (DE) — exerce as competências previstas no
Artigo 2.º n.º 2.5.
Equipa multidisciplinar das Áreas Urbanas de Génese Ilegal Artigo 4.º
1 — É objectivo da Equipa Multidisciplinar para as Áreas Urbanas de Departamento de Educação
Génese Ilegal, promover a regularização urbanística das Áreas Urbanas
de Génese Ilegal subsistentes no Concelho. Integram a estrutura flexível do Departamento as seguintes unidades,
com as competências definidas por referência ao artigo 11.º da Estrutura
2 — O Chefe de Equipa é remunerado por equiparação ao estatuto
Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de Loures:
remuneratório de Chefe de Divisão.
a) Divisão de Desenvolvimento Curricular Educativo (DDCE) — exerce
Artigo 3.º as competências previstas no n.º 2.1;
b) Divisão de Acção Social Escolar (DASE) — exerce as competên-
Equipa multidisciplinar de Implementação cias previstas no n.º 2.2;
do Contrato Local de Segurança c) Divisão de Planeamento da Educação e Gestão da Rede Escolar
(DPEGRE) — exerce as competências previstas no n.º 2.3.
1 — A Equipa multidisciplinar de Implementação do Contrato Local
de Segurança constitui a Estrutura de Missão Municipal, definida no Artigo 5.º
Contrato Local de Segurança de Loures, cabendo-lhe promover a res-
pectiva execução, nomeadamente: Departamento de Actividades Económicas e Turismo
a) Assegurar a operacionalidade dos gabinetes técnicos, nas freguesias Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unidades,
definidas no Contrato, e seus desenvolvimentos, no sentido de dar uma com as competências definidas por referência ao artigo 12.º da Estrutura
Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de Loures:
natureza de proximidade ao Projecto;
b) Promover e preparar a celebração de Contratos e Acordos Finan- a) Divisão de Desenvolvimento Económico e Promoção do Emprego
ceiros com os parceiros que integrem o Contrato Local de Segurança; (DDEPE) — exerce as competências previstas no n.º 2.1;
c) Obter e prestar as informações necessárias à elaboração do diag- b) Divisão de Turismo (DT) — exerce as competências previstas
nóstico local de segurança; no n.º 2.2.
d) Promover iniciativas de divulgação e promoção do projecto; Artigo 6.º
e) Promover a celebração de contratos de responsabilidade social para Departamento de Ambiente e Transportes Municipais
co-financiamento do projecto;
f) Promover e ou realizar os projectos, programas e iniciativas neces- Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unidades,
sários à execução do Contrato Local de Segurança de Loures. com as competências definidas por referência ao artigo 13.º da Estrutura
Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de Loures:
2 — O Chefe de Equipa é remunerado por equiparação ao estatuto a) Divisão de Sustentabilidade Ambiental (DSA) — exerce as com-
remuneratório de Chefe de Divisão. petências previstas no n.º 2.1;
Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011 1119

b) Divisão de Serviços Públicos Ambientais (DSPA)- exerce as com- Artigo 12.º


petências previstas no n.º 2.2;
Departamento de Apoio Institucional
c) Divisão de Espaços Verdes, Florestação e Desenvolvimento Rural
(DEVFDR) — exerce as competências previstas no n.º 2.4; Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes uni-
d) Divisão de Transportes Municipais (DTM)- exerce as competências dades, com as competências definidas por referência ao artigo 19.º
previstas no n.º 2.5. da Estrutura Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal
de Loures:
Artigo 7.º a) Divisão de Apoio à Presidência (DAP) — exerce as competências
Departamento de Coesão Social e Habitação previstas no n.º 2.2;
b) Divisão de Auditoria e Controlo de Gestão (DACG) — exerce as
Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unidades, competências previstas no n.º 2.3;
com as competências definidas por referência ao artigo 14.º da Estrutura c) Divisão de Modernização Administrativa e Inovação Tecnológica
Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de Loures: (DMAIT) — exerce as competências previstas no n.º 2.4.
a) Divisão de Inovação Social e Promoção da Saúde (DISPS) — exerce
as competências previstas no n.º 2.1;
b) Divisão de Igualdade e Cidadania (DIC) — exerce as competências CAPÍTULO II
previstas no n.º 2.2;
c) Divisão de Habitação (DH) — exerce as competências previstas Estrutura Flexível dos Serviços Municipalizados
no n.º 2.3. da Câmara Municipal de Loures
Artigo 8.º Artigo 13.º
Departamento de Cultura, Desporto e Juventude Composição
Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unidades, A estrutura flexível dos Serviços Municipalizados da Câmara Muni-
com as competências definidas por referência ao artigo 15.º da Estrutura cipal de Loures é constituída por 12 unidades flexíveis.
Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de Loures:
Artigo 14.º
a) Divisão de Cultura (DC) — exerce as competências previstas no
n.º 2.1; Departamento de Exploração de Águas
b) Divisão de Desporto e Juventude (DDJ) — exerce as competências Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unida-
previstas no n.º 2.2. des, com as competências definidas por referência ao artigo 28.º da
Estrutura Nuclear dos Serviços Municipalizados da Câmara Municipal
Artigo 9.º de Loures:
Departamento de Recursos Humanos a) Divisão de Abastecimento de Água (DAA) — exerce as compe-
Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unidades, tências previstas no n.º 1;
com as competências definidas por referência ao artigo 16.º da Estrutura b) Divisão de Águas Residuais (DAR) — exerce as competências
Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de Loures: previstas no n.º 2;
c) Divisão de Tratamento e Controlo da Qualidade das Águas
a) Divisão de Administração dos Recursos Humanos (DARH) — exerce (DTCQA) — exerce as competências previstas no n.º 3;
as competências previstas no n.º 2.1; d) Divisão de Planeamento, Projectos e Cadastro (DPPC) — exerce
b) Divisão de Planeamento, Qualificação e Avaliação dos Recursos as competências previstas no n.º 4;
Humanos (DPQA) — exerce as competências previstas no n.º 2.2; e) Divisão de Fiscalização (DF) — exerce as competências previstas
c) Divisão de Higiene e Segurança, Saúde Ocupacional e Apoio Social no n.º 5.
(DHSSOAS) — exerce as competências previstas no n.º 2.3.
Artigo 15.º
Artigo 10.º
Departamento de Resíduos Sólidos
Departamento de Gestão Administrativa e Informação Municipal Urbanos e Gestão de Equipamentos
Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unidades, Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unidades,
com as competências definidas por referência ao artigo 17.º da Estrutura com as competências definidas por referência ao artigo 29.º da Estrutura
Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de Loures: Nuclear dos Serviços Municipalizados da Câmara Municipal de Loures:
a) Divisão de Apoio Técnico e Administrativo (DATA) — exerce as a) Divisão de Remoção de Resíduos Sólidos Urbanos (DRSU) — exerce
competências previstas no n.º 2.1; as competências previstas no n.º 1;
b) Divisão de Gestão do Arquivo Municipal (DGAM) — exerce as b) Divisão de Gestão de Equipamentos, Transportes e Oficinas
competências previstas no n.º 2.2; (DGETO) — exerce as competências previstas no n.º 2.
c) Divisão de Informação e Relações Públicas (DIRP) — exerce as
competências previstas no n.º 2.3; Artigo 16.º
d) Divisão de Administração do Património Imobiliário (DAPI) — Departamento dos Serviços Centrais
exerce as competências previstas no n.º 2.4.
Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unida-
Artigo 11.º des, com as competências definidas por referência ao artigo 30.º da
Estrutura Nuclear dos Serviços Municipalizados da Câmara Municipal
Departamento de Planeamento, Finanças e Logística de Loures:
Integram a estrutura flexível do Departamento, as seguintes unidades, a) Divisão de Gestão de Recursos Humanos (DGRH) — exerce as
com as competências definidas por referência ao artigo 18.º da Estrutura competências previstas no n.º 1;
Nuclear dos Serviços Municipais da Câmara Municipal de Loures: b) Divisão de Gestão Financeira e Patrimonial (DGFP) — exerce as
a) Divisão de Planeamento e Controlo de Actividades (DPCA) — exerce competências previstas no n.º 2;
as competências previstas no n.º 2.1; c) Divisão de Aprovisionamento (DA) — exerce as competências
b) Divisão de Gestão Financeira (DGF) — exerce as competências previstas no n.º 4;
previstas no n.º 2.2; d) Divisão de Gestão Comercial e Informação ao Público (DGCIP) —
c) Divisão de Contabilidade (DC) — exerce as competências previstas exerce as competências previstas no n.º 5;
no n.º 2.3; e) Divisão de Apoio Geral (DAG) — exerce as competências pre-
d) Divisão de Logística (DL) — exerce as competências previstas vistas no n.º 6.
no n.º 2.5. 21 de Dezembro de 2010. — O Presidente, Carlos Teixeira.
1120 Diário da República, 2.ª série — N.º 5 — 7 de Janeiro de 2011

Estrutura orgânica dos serviços do município de Loures

Estrutura orgânica dos Serviços Municipalizados de Água homologada pelo Senhor Presidente da Câmara, Eng.º José Maria Mi-
e Saneamento de Loures nistro dos Santos, a lista unitária de ordenação final dos candidatos ao
procedimento concursal de recrutamento para o preenchimento de um
posto de trabalho da carreira/categoria de Encarregado Operacional na
área da Educação, cujo aviso de abertura n.º 15774/2010 foi publicado
no Diário da República, 2.ª série, n.º 152, de 6 de Agosto de 2010.
Mais se informa que, em cumprimento do n.º 6 do artigo 36.º da
Portaria citada no ponto anterior, a referida lista, agora publicada, se
encontra afixada, no Edifício dos Paços do Município, bem como dis-
ponível em www-cm-mafra.pt.
Lista unitária de ordenação final

Valores

Maria Adelaide da Courela Nepomuceno Barata . . . . . . . . . . 16,60


Cristina Maria Gonçalves Couto de Magalhães Carvalho. . . . 15,20
Ana Maria do Rosário Caçador Santos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14,80
Maria Manuela da Costa Dias Correia . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14,50
Filipa Alexandra Lourenço Gonçalves Cardoso . . . . . . . . . . . 14,45
Vanda Isabel Santos Silva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13,85
Ana Patrícia Afonso Simões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13,45
Elisabete da Costa Vicente Ferreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13,10
Isabel Cristina Marques de Sousa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12,90
28 de Dezembro de 2010. — O Presidente da Câmara, Eng.º José
Maria Ministro dos Santos.
204146603 304137523

Aviso n.º 748/2011


MUNICÍPIO DE MACHICO Nos termos dos n.os 4 e 5 do Artigo 36.º da Portaria n.º 83-A/2009, de
22 de Janeiro, torna-se público que a 27 de Dezembro de 2010, foi ho-
Aviso n.º 746/2011 mologada pelo Senhor Presidente da Câmara, Eng.º José Maria Ministro
Para os devidos efeitos se torna público que, por meu despacho, da- dos Santos, a lista unitária de ordenação final dos candidatos ao proce-
tado de 16 de Novembro de 2010, foi autorizado o regresso à situação dimento concursal de recrutamento para o preenchimento de três postos
jurídico-funcional de que era titular, na carreira e categoria Bombeiro de trabalho da carreira/categoria de Encarregado Operacional- área de
de 3.ª Classe, a partir do dia 20 de Dezembro de 2010 do trabalhador Desporto, cujo aviso de abertura n.º 15775/2010 foi publicado no Diário
desta Autarquia Carlos Dinarte Vieira Maciel, que se encontrava de da República, n.º 152, 2.ª série, de 06 de Agosto de 2010.
licença sem remuneração, nos termos do n.º 1 do artigo 234.º da Lei Mais se informa que, em cumprimento do n.º 6 do artigo 36.º da
n.º 59/2008, de 11 de Setembro, desde 15 de Junho de 2010, uma vez Portaria citada no ponto anterior, a referida lista, agora publicada, se
que o seu posto de trabalho ainda se encontra vago. encontra afixada, no Edifício dos Paços do Município, bem como dis-
Paços do Município de Machico, 21 de Dezembro de 2010. — O ponível em www-cm-mafra.pt.
Presidente da Câmara, Emanuel Sabino Vieira Gomes.
304145753 Lista Unitária de Ordenação Final
Elisabete Maria Pereira Jacinto Silvério 17,40
Cristina Maria Gonçalves Couto de Magalhães Carvalho 16,70
MUNICÍPIO DE MAFRA Maria Manuela da Costa Dias Correia 16,21
Maria Adelaide da Courela Nepomuceno Barata 16,18
Aviso n.º 747/2011 Vanda Isabel Santos Silva 15,68
Nos termos dos n.os 4 e 5 do Artigo 36.º da Portaria n.º 83-A/2009, Ana Patrícia Afonso Simões 14,80
de 22 de Janeiro, torna-se público que a 27 de Dezembro de 2010, foi Maria Clara Marchante Pedroso 15,00