Você está na página 1de 164

Câmara dos

Deputados

ESTATUTO DA
CRIANÇA E DO
ADOLESCENTE
19ª EDIÇÃO

INCLUI
Estatuto da Juventude
Lei do Projovem
Convenção sobre os Direitos da Criança (Nova York, 1989)
Marco Legal da Primeira Infância
Lei Nacional de Adoção
Lei de Investigação de Paternidade
Lei de Alimentos
Lei da Alienação Parental
Lei Orgânica da Assistência Social (Loas)

edições
câmara
Câmara dos Deputados
56ª Legislatura | 2019-2023

Presidente
Arthur Lira

1º Vice-Presidente
Marcelo Ramos

2º Vice-Presidente
André de Paula

1º Secretário
Luciano Bivar

2ª Secretária
Marília Arraes

3ª Secretária
Rose Modesto

4ª Secretária
Rosangela Gomes

Suplentes de secretários

1º Suplente
Eduardo Bismarck

2º Suplente
Gilberto Nascimento

3º Suplente
Alexandre Leite

4º Suplente
Cássio Andrade

Secretário-Geral da Mesa
Ruthier de Sousa Silva

Diretor-Geral
Celso de Barros Correia Neto
Câmara dos
Deputados

ESTATUTO DA
CRIANÇA E DO
ADOLESCENTE
19ª EDIÇÃO

Fábio Vaisman (organizador)

Edição atualizada até 16/12/2021

edições
câmara
Câmara dos Deputados
Diretoria Legislativa: Luciana da Silva Teixeira
Consultoria Legislativa: Geraldo Magela Leite
Centro de Documentação e Informação: André Freire da Silva
Coordenação Edições Câmara: Ana Lígia Mendes
Coordenação de Organização da Informação Legislativa: Frederico Silveira dos Santos

Editora: Luisa Souto


Preparação: Seção de Revisão
Revisão: Letícia de Castro e Danielle Ribeiro
Projeto gráfico: Leandro Sacramento e Luiz Eduardo Maklouf
Diagramação: Leandro Sacramento

2000, 1ª edição; 2000, 2ª edição; 2001, 3ª edição; 2003, 4ª edição; 2006, 5ª edição; 2008, 6ª edição; 2010,
7ª edição; 2011, 8ª edição; 2012, 9ª edição; 2013, 10ª edição; 2014, 11ª e 12ª edições; 2015, 13ª edição;
2016, 14ª e 15ª edições; 2017, 16ª edição; 2019, 17ª edição; 2019, 18ª edição; 2021, 19ª edição.

Nota do editor: as normas legais constantes desta publicação foram consultadas no Sistema de Legislação
Informatizada (Legin) da Câmara dos Deputados.

Linha Legislativo; Série Legislação.

Série Legislação
n. 3 E-book
Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP)
Coordenação de Biblioteca. Seção de Catalogação.
Bibliotecária: Fabyola Lima Madeira – CRB1: 2109

Brasil. [Estatuto da criança e do adolescente (1990)].


Estatuto da criança e do adolescente [recurso eletrônico] / Fabio Vaisman (organizador). -- 19. ed.
-- Brasília : Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2021. -- (Série legislação ; n. 3)
Versão E-book.
“Edição atualizada até 16/12/2021”.
Modo de acesso: livraria.camara.leg.br
Disponível também em formato impresso.
ISBN 978-65-87317-58-8
1. Direitos do menor, Brasil. 2. Direitos da criança, Brasil. 3. Legislação de menores, Brasil. I. Vaisman,
Fabio. II. Título. III. Série..
CDU 342.726-053.2(81)(094)

ISBN 978-65-87317-57-1 (papel) ISBN 978-65-87317-58-8 (e-book)

Direitos reservados e protegidos pela Lei nº 9.610, de 19/2/1998.


Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida por qualquer meio, sem prévia autorização da Edições Câmara.
Venda exclusiva pela Edições Câmara.

Câmara dos Deputados


Centro de Documentação e Informação – Cedi
Coordenação Edições Câmara – Coedi
Palácio do Congresso Nacional – Anexo 2 – Térreo
Praça dos Três Poderes – Brasília (DF) – CEP 70160-900
Telefone: (61) 3216-5833
livraria.camara.leg.br
SUMÁRIO

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990����������������������������������������������������������������������������������������������������������9


(Estatuto da Criança e do Adolescente)
Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências.
Livro I – Parte Geral�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������9
Título I – Das Disposições Preliminares���������������������������������������������������������������������������������������������������������9
Título II – Dos Direitos Fundamentais������������������������������������������������������������������������������������������������������������9
Capítulo I – Do Direito à Vida e à Saúde���������������������������������������������������������������������������������������������������������9
Capítulo II – Do Direito à Liberdade, ao Respeito e à Dignidade����������������������������������������������������������������11
Capítulo III – Do Direito à Convivência Familiar e Comunitária������������������������������������������������������������������12
Capítulo IV – Do Direito à Educação, à Cultura, ao Esporte e ao Lazer������������������������������������������������������23
Capítulo V – Do Direito à Profissionalização e à Proteção no Trabalho�����������������������������������������������������24
Título III – Da Prevenção�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������24
Capítulo I – Disposições Gerais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������24
Capítulo II – Da Prevenção Especial�������������������������������������������������������������������������������������������������������������25
Livro II – Parte Especial���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������26
Título I – Da Política de Atendimento�����������������������������������������������������������������������������������������������������������26
Capítulo I – Disposições Gerais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������26
Capítulo II – Das Entidades de Atendimento�����������������������������������������������������������������������������������������������27
Título II – Das Medidas de Proteção������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 30
Capítulo I – Disposições Gerais�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 30
Capítulo II – Das Medidas Específicas de Proteção������������������������������������������������������������������������������������ 30
Título III – Da Prática de Ato Infracional�������������������������������������������������������������������������������������������������������33
Capítulo I – Disposições Gerais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������33
Capítulo II – Dos Direitos Individuais�����������������������������������������������������������������������������������������������������������34
Capítulo III – Das Garantias Processuais������������������������������������������������������������������������������������������������������34
Capítulo IV – Das Medidas Socioeducativas������������������������������������������������������������������������������������������������34
Capítulo V – Da Remissão�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������36
Título IV – Das Medidas Pertinentes aos Pais ou Responsável��������������������������������������������������������������������36
Título V – Do Conselho Tutelar���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������37
Capítulo I – Disposições Gerais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������37
Capítulo II – Das Atribuições do Conselho���������������������������������������������������������������������������������������������������37
Capítulo III – Da Competência��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 38
Capítulo IV – Da Escolha dos Conselheiros������������������������������������������������������������������������������������������������� 38
Capítulo V – Dos Impedimentos������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 38
Título VI – Do Acesso à Justiça��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 38
Capítulo I – Disposições Gerais�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 38
Capítulo II – Da Justiça da Infância e da Juventude���������������������������������������������������������������������������������� 38
Capítulo III – Dos Procedimentos���������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 40
Capítulo IV – Dos Recursos�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 48
Capítulo V – Do Ministério Público���������������������������������������������������������������������������������������������������������������49
Capítulo VI – Do Advogado�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 50
Capítulo VII – Da Proteção Judicial dos Interesses Individuais, Difusos e Coletivos�������������������������������� 50
Título VII – Dos Crimes e das Infrações Administrativas������������������������������������������������������������������������������52
Capítulo I – Dos Crimes���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������52
Capítulo II – Das Infrações Administrativas�������������������������������������������������������������������������������������������������55
Disposições Finais e Transitórias�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������56

LEI Nº 12.852, DE 5 DE AGOSTO DE 2013����������������������������������������������������������������������������������������������������� 60


(Estatuto da Juventude)
Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas
de juventude e o Sistema Nacional de Juventude (Sinajuve).
Título I – Dos Direitos e das Políticas Públicas de Juventude�������������������������������������������������������������������� 60
Capítulo I – Dos Princípios e Diretrizes das Políticas Públicas de Juventude������������������������������������������� 60
Capítulo II – Dos Direitos dos Jovens�����������������������������������������������������������������������������������������������������������61
Título II – Do Sistema Nacional de Juventude���������������������������������������������������������������������������������������������66
Capítulo I – Do Sistema Nacional de Juventude (Sinajuve)������������������������������������������������������������������������66
Capítulo II – Das Competências��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������66
Capítulo III – Dos Conselhos de Juventude�������������������������������������������������������������������������������������������������67

LEGISLAÇÃO CORRELATA

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL��������������������������������������������������������������������������� 68


[Dispositivos constitucionais referentes à criança, ao adolescente e ao jovem.]

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA (NOVA YORK, 1959)������������������������������������������������������������������69

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (NOVA YORK, 1989)����������������������������������������������������������71

PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA REFERENTE À VENDA DE


CRIANÇAS, À PROSTITUIÇÃO INFANTIL E À PORNOGRAFIA INFANTIL (ONU, 2000)�����������������������������������82

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940���������������������������������������������������������������������������������87


(Código Penal)
[Institui o] Código Penal.

LEI Nº 5.478, DE 25 DE JULHO DE 1968������������������������������������������������������������������������������������������������������� 90


(Lei de Alimentos)
Dispõe sobre ação de alimentos e dá outras providências.

LEI Nº 8.560, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1992�������������������������������������������������������������������������������������������������93


(Lei de Investigação de Paternidade)
Regula a investigação de paternidade dos filhos havidos fora do casamento e dá outras providências.

LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993���������������������������������������������������������������������������������������������������94


(Lei Orgânica da Assistência Social)
Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências.

LEI Nº 9.455, DE 7 DE ABRIL DE 1997����������������������������������������������������������������������������������������������������������106


(Lei dos Crimes de Tortura)
Define os crimes de tortura e dá outras providências.

LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002�������������������������������������������������������������������������������������������������106


(Código Civil)
Institui o Código Civil.
LEI Nº 11.129, DE 30 DE JUNHO DE 2005�������������������������������������������������������������������������������������������������� 110
(Lei do Projovem)
Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Projovem); cria o Conselho Nacional da Juventude (CNJ) e a
Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis nos 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002;
e dá outras providências.

LEI Nº 11.577, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007��������������������������������������������������������������������������������������������111


Torna obrigatória a divulgação pelos meios que especifica de mensagem relativa à exploração sexual e tráfico de
crianças e adolescentes apontando formas para efetuar denúncias.

LEI Nº 11.692, DE 10 DE JUNHO DE 2008���������������������������������������������������������������������������������������������������112


(Nova Lei do Projovem)
Dispõe sobre o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Projovem), instituído pela Lei nº 11.129, de 30 de junho
de 2005; altera a Lei nº 10.836, de 9 de janeiro de 2004; revoga dispositivos das Leis nos 9.608, de 18 de fevereiro de
1998, 10.748, de 22 de outubro de 2003, 10.940, de 27 de agosto de 2004, 11.129, de 30 de junho de 2005, e 11.180, de
23 de setembro de 2005; e dá outras providências.

LEI Nº 12.010, DE 3 DE AGOSTO DE 2009����������������������������������������������������������������������������������������������������115


(Lei Nacional de Adoção)
Dispõe sobre adoção; altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), 8.560, de
29 de dezembro de 1992; revoga dispositivos da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), e da Consoli-
dação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943; e dá outras providências.

LEI Nº 12.127, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009���������������������������������������������������������������������������������������������116


Cria o Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Desaparecidos.

LEI Nº 12.318, DE 26 DE AGOSTO DE 2010��������������������������������������������������������������������������������������������������116


(Lei da Alienação Parental)
Dispõe sobre a alienação parental e altera o art. 236 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990.

LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012������������������������������������������������������������������������������������������������ 118


Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), regulamenta a execução das medidas socioe-
ducativas destinadas a adolescente que pratique ato infracional; e altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990
(Estatuto da Criança e do Adolescente); 7.560, de 19 de dezembro de 1986, 7.998, de 11 de janeiro de 1990, 5.537, de 21
de novembro de 1968, 8.315, de 23 de dezembro de 1991, 8.706, de 14 de setembro de 1993, os Decretos-Leis nos 4.048,
de 22 de janeiro de 1942, 8.621, de 10 de janeiro de 1946, e a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo
Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943.

LEI Nº 13.257, DE 8 DE MARÇO DE 2016����������������������������������������������������������������������������������������������������� 130


(Marco Legal da Primeira Infância)
Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto
da Criança e do Adolescente), o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Conso-
lidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, a Lei nº 11.770, de 9
de setembro de 2008, e a Lei nº 12.662, de 5 de junho de 2012.

LEI Nº 13.431, DE 4 DE ABRIL DE 2017��������������������������������������������������������������������������������������������������������133


Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência e altera
a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).

LEI Nº 13.798, DE 3 DE JANEIRO DE 2019���������������������������������������������������������������������������������������������������137


Acrescenta art. 8º-A à Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), para instituir a
Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência.

LEI Nº 13.812, DE 16 DE MARÇO DE 2019��������������������������������������������������������������������������������������������������� 138


Institui a Política Nacional de Busca de Pessoas Desaparecidas, cria o Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas
e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).
LEI Nº 14.154, DE 26 DE MAIO DE 2021������������������������������������������������������������������������������������������������������ 140
Altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), para aperfeiçoar o Programa
Nacional de Triagem Neonatal (PNTN), por meio do estabelecimento de rol mínimo de doenças a serem rastreadas
pelo teste do pezinho; e dá outras providências.

DECRETO Nº 6.629, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008�������������������������������������������������������������������������������������141


Regulamenta o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Projovem), instituído pela Lei nº 11.129, de 30 de junho
de 2005, e regido pela Lei nº 11.692, de 10 de junho de 2008, e dá outras providências.

DECRETO Nº 9.306, DE 15 DE MARÇO DE 2018�������������������������������������������������������������������������������������������154


Dispõe sobre o Sistema Nacional de Juventude, instituído pela Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013.

DECRETO Nº 9.603, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2018������������������������������������������������������������������������������������157


Regulamenta a Lei nº 13.431, de 4 de abril de 2017, que estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do
adolescente vítima ou testemunha de violência.

LISTA DE OUTRAS NORMAS E INFORMAÇÕES DE INTERESSE�������������������������������������������������������������162


LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990 b) precedência de atendimento nos serviços pú-


(ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE) blicos ou de relevância pública;
(Publicada no DOU de 16/7/1990 e c) preferência na formulação e na execução das
retificada no DOU de 27/9/1990)
políticas sociais públicas;
Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá d) destinação privilegiada de recursos públicos
outras providências. nas áreas relacionadas com a proteção à infância
O presidente da República e à juventude.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será ob-
sanciono a seguinte lei: jeto de qualquer forma de negligência, discrimi-
LIVRO I – PARTE GERAL nação, exploração, violência, crueldade e opres-
são, punido na forma da lei qualquer atentado, por
TÍTULO I – DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais.
Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a proteção integral à
Art. 6º Na interpretação desta Lei levar-se-ão em
criança e ao adolescente.
conta os fins sociais a que ela se dirige, as exigên-
Art. 2º Considera-se criança, para os efeitos desta
cias do bem comum, os direitos e deveres indivi-
Lei, a pessoa até doze anos de idade incompletos,
duais e coletivos, e a condição peculiar da criança
e adolescente aquela entre doze e dezoito anos
e do adolescente como pessoas em desenvolvi-
de idade.
mento.
Parágrafo único. Nos casos expressos em lei,
aplica-se excepcionalmente este Estatuto às pes- TÍTULO II – DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS
soas entre dezoito e vinte e um anos de idade. CAPÍTULO I – DO DIREITO À VIDA E À SAÚDE
Art. 3º A criança e o adolescente gozam de todos Art. 7º A criança e o adolescente têm direito a pro-
os direitos fundamentais inerentes à pessoa hu- teção à vida e à saúde, mediante a efetivação de
mana, sem prejuízo da proteção integral de que políticas sociais públicas que permitam o nasci-
trata esta Lei, assegurando-se-lhes, por lei ou por mento e o desenvolvimento sadio e harmonioso,
outros meios, todas as oportunidades e facilida- em condições dignas de existência.
des, a fim de lhes facultar o desenvolvimento fí- Art. 8º É assegurado a todas as mulheres o acesso
sico, mental, moral, espiritual e social, em condi- aos programas e às políticas de saúde da mulher e
ções de liberdade e de dignidade. de planejamento reprodutivo e, às gestantes, nu-
Parágrafo único. Os direitos enunciados nesta trição adequada, atenção humanizada à gravidez,
Lei aplicam-se a todas as crianças e adolescen- ao parto e ao puerpério e atendimento pré-natal,
tes, sem discriminação de nascimento, situação perinatal e pós-natal integral no âmbito do Siste-
familiar, idade, sexo, raça, etnia ou cor, religião ou ma Único de Saúde. (Caput do artigo com redação dada
crença, deficiência, condição pessoal de desen- pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
volvimento e aprendizagem, condição econômi- § 1º O atendimento pré-natal será realizado por
ca, ambiente social, região e local de moradia ou profissionais da atenção primária. (Parágrafo com re-
outra condição que diferencie as pessoas, as famí- dação dada pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
lias ou a comunidade em que vivem. (Parágrafo úni- § 2º Os profissionais de saúde de referência da
co acrescido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016) gestante garantirão sua vinculação, no último tri-
Art. 4º É dever da família, da comunidade, da socie- mestre da gestação, ao estabelecimento em que
dade em geral e do Poder Público assegurar, com será realizado o parto, garantido o direito de op-
absoluta prioridade, a efetivação dos direitos refe- ção da mulher. (Parágrafo com redação dada pela Lei
rentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, nº 13.257, de 8/3/2016)
ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, § 3º Os serviços de saúde onde o parto for rea-
à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivên- lizado assegurarão às mulheres e aos seus filhos
cia familiar e comunitária. recém-nascidos alta hospitalar responsável e con-
Parágrafo único. A garantia de prioridade com- trarreferência na atenção primária, bem como o
preende: acesso a outros serviços e a grupos de apoio à
a) primazia de receber proteção e socorro em amamentação. (Parágrafo com redação dada pela Lei
quaisquer circunstâncias; nº 13.257, de 8/3/2016)

9
§ 4º Incumbe ao poder público proporcionar as- que contribuam para a redução da incidência da
sistência psicológica à gestante e à mãe, no pe- gravidez na adolescência.
ríodo pré e pós-natal, inclusive como forma de Parágrafo único. As ações destinadas a efetivar
prevenir ou minorar as consequências do estado o disposto no caput deste artigo ficarão a cargo do
puerperal. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de poder público, em conjunto com organizações da
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias sociedade civil, e serão dirigidas prioritariamen-
após a publicação) te ao público adolescente. (Artigo acrescido pela Lei
§ 5º A assistência referida no § 4º deste artigo nº 13.798, de 3/1/2019)
deverá ser prestada também a gestantes e mães Art. 9º O Poder Público, as instituições e os em-
que manifestem interesse em entregar seus filhos pregadores propiciarão condições adequadas ao
para adoção, bem como a gestantes e mães que se aleitamento materno, inclusive aos filhos de mães
encontrem em situação de privação de liberdade. submetidas a medida privativa de liberdade.
(Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com § 1º Os profissionais das unidades primárias de
redação dada pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016) saúde desenvolverão ações sistemáticas, indivi-
§ 6º A gestante e a parturiente têm direito a duais ou coletivas, visando ao planejamento, à im-
1 (um) acompanhante de sua preferência duran- plementação e à avaliação de ações de promoção,
te o período do pré-natal, do trabalho de parto e proteção e apoio ao aleitamento materno e à ali-
do pós-parto imediato. (Parágrafo acrescido pela Lei mentação complementar saudável, de forma con-
nº 13.257, de 8/3/2016) tínua. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
§ 7º A gestante deverá receber orientação sobre § 2º Os serviços de unidades de terapia intensiva
aleitamento materno, alimentação complementar neonatal deverão dispor de banco de leite huma-
saudável e crescimento e desenvolvimento infan- no ou unidade de coleta de leite humano. (Parágrafo
til, bem como sobre formas de favorecer a criação acrescido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)

de vínculos afetivos e de estimular o desenvolvi- Art. 10. Os hospitais e demais estabelecimentos


mento integral da criança. (Parágrafo acrescido pela de atenção à saúde de gestantes, públicos e parti-
Lei nº 13.257, de 8/3/2016) culares, são obrigados a:
§ 8º A gestante tem direito a acompanhamento I – manter registro das atividades desenvolvidas,
saudável durante toda a gestação e a parto natu- através de prontuários individuais, pelo prazo de
ral cuidadoso, estabelecendo-se a aplicação de ce- dezoito anos;
sariana e outras intervenções cirúrgicas por moti- II – identificar o recém-nascido mediante o re-
vos médicos. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.257, de gistro de sua impressão plantar e digital e da im-
8/3/2016) pressão digital da mãe, sem prejuízo de outras for-
§ 9º A atenção primária à saúde fará a busca ati- mas normatizadas pela autoridade administrativa
va da gestante que não iniciar ou que abandonar competente;
III – proceder a exames visando ao diagnóstico
as consultas de pré-natal, bem como da puérpera
e terapêutica de anormalidades no metabolismo
que não comparecer às consultas pós-parto. (Pará-
do recém-nascido, bem como prestar orientação
grafo acrescido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
aos pais;
§ 10. Incumbe ao poder público garantir, à ges-
IV – fornecer declaração de nascimento onde
tante e à mulher com filho na primeira infância
constem necessariamente as intercorrências do
que se encontrem sob custódia em unidade de
parto e do desenvolvimento do neonato;
privação de liberdade, ambiência que atenda às
V – manter alojamento conjunto, possibilitando
normas sanitárias e assistenciais do Sistema Único
ao neonato a permanência junto à mãe;
de Saúde para o acolhimento do filho, em articula-
VI – acompanhar a prática do processo de ama-
ção com o sistema de ensino competente, visando
mentação, prestando orientações quanto à técnica
ao desenvolvimento integral da criança. (Parágrafo adequada, enquanto a mãe permanecer na unida-
acrescido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
de hospitalar, utilizando o corpo técnico já existen-
Art. 8º-A. Fica instituída a Semana Nacional de te. (Inciso acrescido pela Lei nº 13.436, de 12/4/2017, pu-
Prevenção da Gravidez na Adolescência, a ser rea- blicada no DOU de 13/4/2017, em vigor 90 dias após a
lizada anualmente na semana que incluir o dia 1º publicação)
de fevereiro, com o objetivo de disseminar infor- § 1º (Vide Lei nº 14.154, de 26/5/2021)
mações sobre medidas preventivas e educativas § 2º (Vide Lei nº 14.154, de 26/5/2021)
10
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


§ 3º (Vide Lei nº 14.154, de 26/5/2021) § 2º Os serviços de saúde em suas diferentes
§ 4º (Vide Lei nº 14.154, de 26/5/2021) portas de entrada, os serviços de assistência so-
Art. 11. É assegurado acesso integral às linhas de cial em seu componente especializado, o Centro
cuidado voltadas à saúde da criança e do adolescen- de Referência Especializado de Assistência Social
te, por intermédio do Sistema Único de Saúde, ob- (Creas) e os demais órgãos do Sistema de Garantia
servado o princípio da equidade no acesso a ações de Direitos da Criança e do Adolescente deverão
e serviços para promoção, proteção e recuperação conferir máxima prioridade ao atendimento das
crianças na faixa etária da primeira infância com
da saúde. (Caput do artigo com redação dada pela Lei
suspeita ou confirmação de violência de qualquer
nº 13.257, de 8/3/2016)
natureza, formulando projeto terapêutico singular
§ 1º A criança e o adolescente com deficiência
que inclua intervenção em rede e, se necessário,
serão atendidos, sem discriminação ou segrega-
acompanhamento domiciliar. (Parágrafo acrescido
ção, em suas necessidades gerais de saúde e espe-
pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
cíficas de habilitação e reabilitação. (Parágrafo com
redação dada pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016) Art. 14. O Sistema Único de Saúde promoverá pro-
§ 2º Incumbe ao poder público fornecer gratuita- gramas de assistência médica e odontológica para
mente, àqueles que necessitarem, medicamentos, a prevenção das enfermidades que ordinariamen-
órteses, próteses e outras tecnologias assistivas te afetam a população infantil, e campanhas de
relativas ao tratamento, habilitação ou reabilita- educação sanitária para pais, educadores e alunos.
§ 1º É obrigatória a vacinação das crianças nos
ção para crianças e adolescentes, de acordo com
casos recomendados pelas autoridades sanitárias.
as linhas de cuidado voltadas às suas necessida-
(Parágrafo único transformado em § 1º pela Lei nº 13.257,
des específicas. (Parágrafo com redação dada pela Lei
de 8/3/2016)
nº 13.257, de 8/3/2016)
§ 2º O Sistema Único de Saúde promoverá a aten-
§ 3º Os profissionais que atuam no cuidado diá-
ção à saúde bucal das crianças e das gestantes, de
rio ou frequente de crianças na primeira infância
forma transversal, integral e intersetorial com as
receberão formação específica e permanente pa-
demais linhas de cuidado direcionadas à mulher
ra a detecção de sinais de risco para o desenvol-
e à criança. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.257, de
vimento psíquico, bem como para o acompanha-
8/3/2016)
mento que se fizer necessário. (Parágrafo acrescido
§ 3º A atenção odontológica à criança terá fun-
pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
ção educativa protetiva e será prestada, inicial-
Art. 12. Os estabelecimentos de atendimento à mente, antes de o bebê nascer, por meio de acon-
saúde, inclusive as unidades neonatais, de terapia selhamento pré-natal, e, posteriormente, no sexto
intensiva e de cuidados intermediários, deverão e no décimo segundo anos de vida, com orienta-
proporcionar condições para a permanência em ções sobre saúde bucal. (Parágrafo acrescido pela Lei
tempo integral de um dos pais ou responsável, nos nº 13.257, de 8/3/2016)
casos de internação de criança ou adolescente. (Ar- § 4º A criança com necessidade de cuidados
tigo com redação dada pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016) odontológicos especiais será atendida pelo Sis-
Art. 13. Os casos de suspeita ou confirmação de tema Único de Saúde. (Parágrafo acrescido pela Lei
castigo físico, de tratamento cruel ou degradante nº 13.257, de 8/3/2016)
e de maus-tratos contra criança ou adolescente se- § 5º É obrigatória a aplicação a todas as crian-
rão obrigatoriamente comunicados ao Conselho ças, nos seus primeiros dezoito meses de vida, de
Tutelar da respectiva localidade, sem prejuízo de protocolo ou outro instrumento construído com
outras providências legais. (Caput do artigo com reda- a finalidade de facilitar a detecção, em consulta
ção dada pela Lei nº 13.010, de 26/6/2014)
pediátrica de acompanhamento da criança, de
§ 1º As gestantes ou mães que manifestem inte- risco para o seu desenvolvimento psíquico. (Pará-
grafo acrescido pela Lei nº 13.438, de 26/4/2017, publicada
resse em entregar seus filhos para adoção serão
no DOU de 27/4/2017, em vigor 180 dias após a publicação)
obrigatoriamente encaminhadas, sem constrangi-
mento, à Justiça da Infância e da Juventude. (Pará- CAPÍTULO II – DO DIREITO À LIBERDADE,
grafo único acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, trans- AO RESPEITO E À DIGNIDADE
formado em § 1º e com redação dada pela Lei nº 13.257, Art. 15. A criança e o adolescente têm direito à li-
de 8/3/2016) berdade, ao respeito e à dignidade como pessoas
11
humanas em processo de desenvolvimento e co- pessoa encarregada de cuidar de crianças e de
mo sujeitos de direitos civis, humanos e sociais ga- adolescentes, tratá-los, educá-los ou protegê-los
rantidos na Constituição e nas leis. que utilizarem castigo físico ou tratamento cruel
Art. 16. O direito à liberdade compreende os se- ou degradante como formas de correção, disci-
guintes aspectos: plina, educação ou qualquer outro pretexto esta-
I – ir, vir e estar nos logradouros públicos e espa- rão sujeitos, sem prejuízo de outras sanções cabí-
ços comunitários, ressalvadas as restrições legais; veis, às seguintes medidas, que serão aplicadas de
II – opinião e expressão; acordo com a gravidade do caso:
III – crença e culto religioso; I – encaminhamento a programa oficial ou co-
IV – brincar, praticar esportes e divertir-se; munitário de proteção à família;
V – participar da vida familiar e comunitária, sem II – encaminhamento a tratamento psicológico
discriminação; ou psiquiátrico;
VI – participar da vida política, na forma da lei; III – encaminhamento a cursos ou programas
VII – buscar refúgio, auxílio e orientação. de orientação;
IV – obrigação de encaminhar a criança a trata-
Art. 17. O direito ao respeito consiste na inviola-
mento especializado;
bilidade da integridade física, psíquica e moral da
V – advertência.
criança e do adolescente, abrangendo a preserva-
ção da imagem, da identidade, da autonomia, dos Parágrafo único. As medidas previstas neste arti-
valores, ideias e crenças, dos espaços e objetos go serão aplicadas pelo Conselho Tutelar, sem pre-
pessoais. juízo de outras providências legais. (Artigo acrescido
pela Lei nº 13.010, de 26/6/2014)
Art. 18. É dever de todos velar pela dignidade da
criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qual- CAPÍTULO III – DO DIREITO À CONVIVÊNCIA
quer tratamento desumano, violento, aterrorizante, FAMILIAR E COMUNITÁRIA
vexatório ou constrangedor. Seção I – Disposições Gerais
Art. 18-A. A criança e o adolescente têm o direito Art. 19. É direito da criança e do adolescente ser
de ser educados e cuidados sem o uso de castigo criado e educado no seio de sua família e, excep-
físico ou de tratamento cruel ou degradante, como cionalmente, em família substituta, assegurada a
formas de correção, disciplina, educação ou qual- convivência familiar e comunitária, em ambiente
quer outro pretexto, pelos pais, pelos integrantes que garanta seu desenvolvimento integral. (Caput
da família ampliada, pelos responsáveis, pelos do artigo com redação dada pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
agentes públicos executores de medidas socioe- § 1º Toda criança ou adolescente que estiver in-
ducativas ou por qualquer pessoa encarregada de serido em programa de acolhimento familiar ou
cuidar deles, tratá-los, educá-los ou protegê-los. institucional terá sua situação reavaliada, no má-
Parágrafo único. Para os fins desta Lei, conside- ximo, a cada 3 (três) meses, devendo a autorida-
ra-se: de judiciária competente, com base em relatório
I – castigo físico: ação de natureza disciplinar ou elaborado por equipe interprofissional ou multi-
punitiva aplicada com o uso da força física sobre a disciplinar, decidir de forma fundamentada pela
criança ou o adolescente que resulte em: possibilidade de reintegração familiar ou pela co-
a) sofrimento físico; ou locação em família substituta, em quaisquer das
b) lesão; modalidades previstas no art. 28 desta Lei. (Parágra-
II – tratamento cruel ou degradante: conduta ou fo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, com redação
forma cruel de tratamento em relação à criança dada pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017, vetado pelo presi-
ou ao adolescente que: dente da República, mantido pelo Congresso Nacional e pu-
a) humilhe; ou blicado na edição extra do DOU de 23/2/2018)
b) ameace gravemente; ou § 2º A permanência da criança e do adolescente
c) ridicularize. (Artigo acrescido pela Lei nº 13.010, de em programa de acolhimento institucional não se
26/6/2014) prolongará por mais de 18 (dezoito meses), sal-
Art. 18-B. Os pais, os integrantes da família am- vo comprovada necessidade que atenda ao seu
pliada, os responsáveis, os agentes públicos exe- superior interesse, devidamente fundamentada
cutores de medidas socioeducativas ou qualquer pela autoridade judiciária. (Parágrafo acrescido pe-
12
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


la Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação dada pela Lei ridade judiciária competente deverá decretar a
nº 13.509, de 22/11/2017) extinção do poder familiar e determinar a coloca-
§ 3º A manutenção ou a reintegração de crian- ção da criança sob a guarda provisória de quem
ça ou adolescente à sua família terá preferência estiver habilitado a adotá-la ou de entidade que
em relação a qualquer outra providência, caso em desenvolva programa de acolhimento familiar ou
que será esta incluída em serviços e programas de institucional. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, de
proteção, apoio e promoção, nos termos do § 1º 22/11/2017)
do art. 23, dos incisos I e IV do caput do art. 101 § 5º Após o nascimento da criança, a vontade
e dos incisos I a IV do caput do art. 129 desta Lei. da mãe ou de ambos os genitores, se houver pai
(Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com registral ou pai indicado, deve ser manifestada na
redação dada pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016) audiência a que se refere o § 1º do art. 166 desta
§ 4º Será garantida a convivência da criança e do Lei, garantido o sigilo sobre a entrega. (Parágrafo
adolescente com a mãe ou o pai privado de liber- acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
dade, por meio de visitas periódicas promovidas § 6º Na hipótese de não comparecerem à au-
pelo responsável ou, nas hipóteses de acolhimen- diência nem o genitor nem representante da famí-
to institucional, pela entidade responsável, inde- lia extensa para confirmar a intenção de exercer o
pendentemente de autorização judicial. (Parágrafo poder familiar ou a guarda, a autoridade judiciária
acrescido pela Lei nº 12.962, de 8/4/2014) suspenderá o poder familiar da mãe, e a criança
§ 5º Será garantida a convivência integral da será colocada sob a guarda provisória de quem
criança com a mãe adolescente que estiver em esteja habilitado a adotá-la. (Parágrafo vetado pelo
acolhimento institucional. (Parágrafo acrescido pela presidente da República na Lei nº 13.509, de 22/11/2017,
Lei nº 13.509, de 22/11/2017) mantido pelo Congresso Nacional e publicado na edição
§ 6º A mãe adolescente será assistida por equi- extra do DOU de 23/2/2018)
pe especializada multidisciplinar. (Parágrafo acresci- § 7º Os detentores da guarda possuem o pra-
do pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) zo de 15 (quinze) dias para propor a ação de ado-
Art. 19-A. A gestante ou mãe que manifeste in- ção, contado do dia seguinte à data do término
teresse em entregar seu filho para adoção, antes do estágio de convivência. (Parágrafo acrescido pela
ou logo após o nascimento, será encaminhada à Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
Justiça da Infância e da Juventude. (Caput do artigo § 8º Na hipótese de desistência pelos genitores
acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) – manifestada em audiência ou perante a equipe
§ 1º A gestante ou mãe será ouvida pela equipe interprofissional – da entrega da criança após o
interprofissional da Justiça da Infância e da Ju- nascimento, a criança será mantida com os geni-
ventude, que apresentará relatório à autoridade tores, e será determinado pela Justiça da Infância
judiciária, considerando inclusive os eventuais e da Juventude o acompanhamento familiar pelo
efeitos do estado gestacional e puerperal. (Pará- prazo de 180 (cento e oitenta) dias. (Parágrafo acres-
grafo acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) cido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
§ 2º De posse do relatório, a autoridade judiciá- § 9º É garantido à mãe o direito ao sigilo sobre o
ria poderá determinar o encaminhamento da ges- nascimento, respeitado o disposto no art. 48 desta
tante ou mãe, mediante sua expressa concordân- Lei. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
cia, à rede pública de saúde e assistência social § 10. Serão cadastrados para adoção recém-
para atendimento especializado. (Parágrafo acrescido -nascidos e crianças acolhidas não procuradas por
pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) suas famílias no prazo de 30 (trinta) dias, contado
§ 3º A busca à família extensa, conforme defini- a partir do dia do acolhimento. (Parágrafo vetado pe-
da nos termos do parágrafo único do art. 25 des- lo presidente da República na Lei nº 13.509, de 22/11/2017,
ta Lei, respeitará o prazo máximo de 90 (noventa) mantido pelo Congresso Nacional e publicado na edição
dias, prorrogável por igual período. (Parágrafo acres- extra do DOU de 23/2/2018)
cido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) Art. 19-B. A criança e o adolescente em programa
§ 4º Na hipótese de não haver a indicação do de acolhimento institucional ou familiar poderão
genitor e de não existir outro representante da participar de programa de apadrinhamento. (Caput
família extensa apto a receber a guarda, a auto- do artigo acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)

13
§ 1º O apadrinhamento consiste em estabele- -lhes ainda, no interesse destes, a obrigação de
cer e proporcionar à criança e ao adolescente vín- cumprir e fazer cumprir as determinações judiciais.
culos externos à instituição para fins de convivên- Parágrafo único. A mãe e o pai, ou os responsá-
cia familiar e comunitária e colaboração com o seu veis, têm direitos iguais e deveres e responsabili-
desenvolvimento nos aspectos social, moral, físi- dades compartilhados no cuidado e na educação
co, cognitivo, educacional e financeiro. (Parágrafo da criança, devendo ser resguardado o direito de
acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) transmissão familiar de suas crenças e culturas,
§ 2º Podem ser padrinhos ou madrinhas pes- assegurados os direitos da criança estabelecidos
soas maiores de 18 (dezoito) anos não inscritas nesta Lei. (Parágrafo único acrescido pela Lei nº 13.257,
nos cadastros de adoção, desde que cumpram os de 8/3/2016)
requisitos exigidos pelo programa de apadrinha- Art. 23. A falta ou a carência de recursos mate-
mento de que fazem parte. (Parágrafo vetado pelo pre- riais não constitui motivo suficiente para a perda
sidente da República na Lei nº 13.509, de 22/11/2017, man- ou a suspensão do poder familiar. (Expressão “pátrio
tido pelo Congresso Nacional e publicado na edição extra poder” substituída por “poder familiar” pelo art. 3º da Lei
do DOU de 23/2/2018) nº 12.010, de 3/8/2009)
§ 3º Pessoas jurídicas podem apadrinhar criança § 1º Não existindo outro motivo que por si só au-
ou adolescente a fim de colaborar para o seu de- torize a decretação da medida, a criança ou o ado-
senvolvimento. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, lescente será mantido em sua família de origem,
de 22/11/2017) a qual deverá obrigatoriamente ser incluída em
§ 4º O perfil da criança ou do adolescente a ser serviços e programas oficiais de proteção, apoio
apadrinhado será definido no âmbito de cada pro- e promoção. (Parágrafo único transformado em §1º pe-
grama de apadrinhamento, com prioridade para la Lei nº 12.962, de 8/4/2014, e com redação dada pela Lei
crianças ou adolescentes com remota possibili- nº 13.257, de 8/3/2016)
dade de reinserção familiar ou colocação em fa- § 2º A condenação criminal do pai ou da mãe
mília adotiva. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, de não implicará a destituição do poder familiar, ex-
22/11/2017) ceto na hipótese de condenação por crime dolo-
§ 5º Os programas ou serviços de apadrinhamen- so, sujeito à pena de reclusão contra outrem igual-
to apoiados pela Justiça da Infância e da Juventu- mente titular do mesmo poder familiar ou contra
de poderão ser executados por órgãos públicos ou filho, filha ou outro descendente. (Parágrafo acresci-
por organizações da sociedade civil. (Parágrafo acres- do pela Lei nº 12.962, de 8/4/2014, e com redação dada pela
cido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) Lei nº 13.715, de 24/9/2018)
§ 6º Se ocorrer violação das regras de apadri- Art. 24. A perda e a suspensão do poder familiar
nhamento, os responsáveis pelo programa e pelos serão decretadas judicialmente, em procedimen-
serviços de acolhimento deverão imediatamente to contraditório, nos casos previstos na legislação
notificar a autoridade judiciária competente. (Pará- civil, bem como na hipótese de descumprimento
grafo acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) injustificado dos deveres e obrigações a que alude
Art. 20. Os filhos, havidos ou não da relação do ca- o art. 22. (Expressão “pátrio poder” substituída por “poder
samento, ou por adoção, terão os mesmos direitos familiar” pelo art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009)
e qualificações, proibidas quaisquer designações Seção II – Da Família Natural
discriminatórias relativas à filiação.
Art. 25. Entende-se por família natural a comuni-
Art. 21. O poder familiar será exercido, em igual- dade formada pelos pais ou qualquer deles e seus
dade de condições, pelo pai e pela mãe, na for- descendentes.
ma do que dispuser a legislação civil, assegurado Parágrafo único. Entende-se por família extensa
a qualquer deles o direito de, em caso de discor- ou ampliada aquela que se estende para além da
dância, recorrer à autoridade judiciária competen- unidade pais e filhos ou da unidade do casal, for-
te para a solução da divergência. (Expressão “pátrio mada por parentes próximos com os quais a crian-
poder” substituída por “poder familiar” pelo art. 3º da Lei ça ou adolescente convive e mantém vínculos de
nº 12.010, de 3/8/2009) afinidade e afetividade. (Parágrafo único acrescido pela
Art. 22. Aos pais incumbe o dever de sustento, Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009,
guarda e educação dos filhos menores, cabendo- em vigor 90 dias após a publicação)

14
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


Art. 26. Os filhos havidos fora do casamento po- ção gradativa e acompanhamento posterior, rea-
derão ser reconhecidos pelos pais, conjunta ou lizados pela equipe interprofissional a serviço da
separadamente, no próprio termo de nascimen- Justiça da Infância e da Juventude, preferencial-
to, por testamento, mediante escritura ou outro mente com o apoio dos técnicos responsáveis pela
documento público, qualquer que seja a origem execução da política municipal de garantia do di-
da filiação. reito à convivência familiar. (Parágrafo acrescido pela
Parágrafo único. O reconhecimento pode prece- Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009,
der o nascimento do filho ou suceder-lhe ao fale- em vigor 90 dias após a publicação)
cimento, se deixar descendentes. § 6º Em se tratando de criança ou adolescente
indígena ou proveniente de comunidade remanes-
Art. 27. O reconhecimento do estado de filiação é
cente de quilombo, é ainda obrigatório:
direito personalíssimo, indisponível e imprescrití-
I – que sejam consideradas e respeitadas sua
vel, podendo ser exercitado contra os pais ou seus
identidade social e cultural, os seus costumes e
herdeiros, sem qualquer restrição, observado o se-
tradições, bem como suas instituições, desde que
gredo de Justiça.
não sejam incompatíveis com os direitos funda-
Seção III – Da Família Substituta mentais reconhecidos por esta Lei e pela Consti-
Subseção I – Disposições Gerais tuição Federal;
II – que a colocação familiar ocorra priorita-
Art. 28. A colocação em família substituta far-se-á
riamente no seio de sua comunidade ou junto a
mediante guarda, tutela ou adoção, independen-
membros da mesma etnia;
temente da situação jurídica da criança ou adoles-
III – a intervenção e oitiva de representantes do
cente, nos termos desta Lei.
órgão federal responsável pela política indigenista,
§ 1º Sempre que possível, a criança ou o adoles-
no caso de crianças e adolescentes indígenas, e de
cente será previamente ouvido por equipe interpro- antropólogos, perante a equipe interprofissional
fissional, respeitado seu estágio de desenvolvimen- ou multidisciplinar que irá acompanhar o caso. (Pa-
to e grau de compreensão sobre as implicações da rágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
medida, e terá sua opinião devidamente conside- no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
rada. (Parágrafo com redação dada pela Lei nº 12.010, de
Art. 29. Não se deferirá colocação em família subs-
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
tituta a pessoa que revele, por qualquer modo, in-
após a publicação)
compatibilidade com a natureza da medida ou não
§ 2º Tratando-se de maior de 12 (doze) anos de
ofereça ambiente familiar adequado.
idade, será necessário seu consentimento, colhi-
Art. 30. A colocação em família substituta não ad-
do em audiência. (Parágrafo com redação dada pela Lei
mitirá transferência da criança ou adolescente a
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
terceiros ou a entidades governamentais ou não
vigor 90 dias após a publicação)
governamentais, sem autorização judicial.
§ 3º Na apreciação do pedido levar-se-á em con-
ta o grau de parentesco e a relação de afinidade Art. 31. A colocação em família substituta estran-
ou de afetividade, a fim de evitar ou minorar as geira constitui medida excepcional, somente ad-
missível na modalidade de adoção.
consequências decorrentes da medida. (Parágrafo
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU Art. 32. Ao assumir a guarda ou a tutela, o res-
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) ponsável prestará compromisso de bem e fielmen-
§ 4º Os grupos de irmãos serão colocados sob te desempenhar o encargo, mediante termo nos
adoção, tutela ou guarda da mesma família subs- autos.
tituta, ressalvada a comprovada existência de ris- Subseção II – Da Guarda
co de abuso ou outra situação que justifique ple- Art. 33. A guarda obriga à prestação de assistência
namente a excepcionalidade de solução diversa, material, moral e educacional à criança ou adoles-
procurando-se, em qualquer caso, evitar o rompi- cente, conferindo a seu detentor o direito de opor-
mento definitivo dos vínculos fraternais. (Parágrafo -se a terceiros, inclusive aos pais.
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU § 1º A guarda destina-se a regularizar a posse
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) de fato, podendo ser deferida, liminar ou inciden-
§ 5º A colocação da criança ou adolescente em talmente, nos procedimentos de tutela e adoção,
família substituta será precedida de sua prepara- exceto no de adoção por estrangeiros.
15
§ 2º Excepcionalmente, deferir-se-á a guarda, dos serviços de acolhimento em família acolhedo-
fora dos casos de tutela e adoção, para atender ra, facultando-se o repasse de recursos para a pró-
a situações peculiares ou suprir a falta eventual pria família acolhedora. (Parágrafo acrescido pela Lei
dos pais ou responsável, podendo ser deferido o nº 13.257, de 8/3/2016)
direito de representação para a prática de atos de- Art. 35. A guarda poderá ser revogada a qualquer
terminados. tempo, mediante ato judicial fundamentado, ou-
§ 3º A guarda confere à criança ou adolescente a vido o Ministério Público.
condição de dependente, para todos os fins e efei-
Subseção III – Da Tutela
tos de direito, inclusive previdenciários.
§ 4º Salvo expressa e fundamentada determina- Art. 36. A tutela será deferida, nos termos da lei ci-
ção em contrário, da autoridade judiciária compe- vil, a pessoa de até 18 (dezoito) anos incompletos.
tente, ou quando a medida for aplicada em prepa- (Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 12.010, de
ração para adoção, o deferimento da guarda de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
criança ou adolescente a terceiros não impede o após a publicação)
exercício do direito de visitas pelos pais, assim co- Parágrafo único. O deferimento da tutela pres-
mo o dever de prestar alimentos, que serão objeto supõe a prévia decretação da perda ou suspensão
de regulamentação específica, a pedido do inte- do poder familiar e implica necessariamente o de-
ressado ou do Ministério Público. (Parágrafo acres- ver de guarda. (Expressão “pátrio poder” substituída por
cido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de “poder familiar” pelo art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009)
4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) Art. 37. O tutor nomeado por testamento ou qual-
Art. 34. O poder público estimulará, por meio de quer documento autêntico, conforme previsto no
assistência jurídica, incentivos fiscais e subsídios, parágrafo único do art. 1.729 da Lei nº 10.406, de
o acolhimento, sob a forma de guarda, de crian- 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), deverá, no
ça ou adolescente afastado do convívio familiar. prazo de 30 (trinta) dias após a abertura da suces-
(Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 12.010, de são, ingressar com pedido destinado ao controle
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias judicial do ato, observando o procedimento pre-
após a publicação) visto nos arts. 165 a 170 desta Lei. (Caput do artigo
§ 1º A inclusão da criança ou adolescente em com redação dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publica-
programas de acolhimento familiar terá preferên- da no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
cia a seu acolhimento institucional, observado, Parágrafo único. Na apreciação do pedido, se-
em qualquer caso, o caráter temporário e excep- rão observados os requisitos previstos nos arts. 28
cional da medida, nos termos desta Lei. (Parágrafo e 29 desta Lei, somente sendo deferida a tutela à
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU pessoa indicada na disposição de última vontade,
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) se restar comprovado que a medida é vantajosa ao
§ 2º Na hipótese do § 1º deste artigo a pessoa tutelando e que não existe outra pessoa em me-
ou casal cadastrado no programa de acolhimento lhores condições de assumi-la. (Parágrafo único com
familiar poderá receber a criança ou adolescen- redação dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no
te mediante guarda, observado o disposto nos DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
arts. 28 a 33 desta Lei. (Parágrafo acrescido pela Lei
Art. 38. Aplica-se à destituição da tutela o dispos-
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
to no art. 24.
vigor 90 dias após a publicação)
§ 3º A União apoiará a implementação de servi- Subseção IV – Da Adoção
ços de acolhimento em família acolhedora como Art. 39. A adoção de criança e de adolescente reger-
política pública, os quais deverão dispor de equipe -se-á segundo o disposto nesta Lei.
que organize o acolhimento temporário de crian- § 1º A adoção é medida excepcional e irrevogá-
ças e de adolescentes em residências de famílias vel, à qual se deve recorrer apenas quando esgo-
selecionadas, capacitadas e acompanhadas que tados os recursos de manutenção da criança ou
não estejam no cadastro de adoção. (Parágrafo acres- adolescente na família natural ou extensa, na for-
cido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016) ma do parágrafo único do art. 25 desta Lei. (Pará-
§ 4º Poderão ser utilizados recursos federais, es- grafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
taduais, distritais e municipais para a manutenção no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)

16
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


§ 2º É vedada a adoção por procuração. (Pará- § 5º Nos casos do § 4º deste artigo, desde que
grafo único transformado em § 2º pela Lei nº 12.010, de demonstrado efetivo benefício ao adotando, se-
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias rá assegurada a guarda compartilhada, conforme
após a publicação) previsto no art. 1.584 da Lei nº 10.406, de 10 de ja-
§ 3º Em caso de conflito entre direitos e inte- neiro de 2002 (Código Civil). (Parágrafo com redação
resses do adotando e de outras pessoas, inclusive dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
seus pais biológicos, devem prevalecer os direitos 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
e os interesses do adotando. (Parágrafo acrescido pela § 6º A adoção poderá ser deferida ao adotante
Lei nº 13.509, de 22/11/2017) que, após inequívoca manifestação de vontade,
vier a falecer no curso do procedimento, antes de
Art. 40. O adotando deve contar com, no máximo,
prolatada a sentença. (Parágrafo acrescido pela Lei
dezoito anos à data do pedido, salvo se já estiver
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
sob a guarda ou tutela dos adotantes.
vigor 90 dias após a publicação)
Art. 41. A adoção atribui a condição de filho ao
Art. 43. A adoção será deferida quando apresen-
adotado, com os mesmos direitos e deveres, in-
tar reais vantagens para o adotando e fundar-se
clusive sucessórios, desligando-o de qualquer vín-
em motivos legítimos.
culo com pais e parentes, salvo os impedimentos
Art. 44. Enquanto não der conta de sua adminis-
matrimoniais.
tração e saldar o seu alcance, não pode o tutor ou
§ 1º Se um dos cônjuges ou concubinos adota o
o curador adotar o pupilo ou o curatelado.
filho do outro, mantêm-se os vínculos de filiação
entre o adotado e o cônjuge ou concubino do ado- Art. 45. A adoção depende do consentimento dos
tante e os respectivos parentes. pais ou do representante legal do adotando.
§ 2º É recíproco o direito sucessório entre o ado- § 1º O consentimento será dispensado em rela-
tado, seus descendentes, o adotante, seus ascen- ção à criança ou adolescente cujos pais sejam des-
dentes, descendentes e colaterais até o 4º grau, conhecidos ou tenham sido destituídos do poder
observada a ordem de vocação hereditária. familiar. (Expressão “pátrio poder” substituída por “poder
familiar” pelo art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009)
Art. 42. Podem adotar os maiores de 18 (dezoito)
§ 2º Em se tratando de adotando maior de do-
anos, independentemente do estado civil. (Caput ze anos de idade, será também necessário o seu
do artigo com redação dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009,
consentimento.
publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu-
Art. 46. A adoção será precedida de estágio de
blicação)
convivência com a criança ou adolescente, pelo
§ 1º Não podem adotar os ascendentes e os ir-
prazo máximo de 90 (noventa) dias, observadas a
mãos do adotando.
idade da criança ou adolescente e as peculiarida-
§ 2º Para adoção conjunta, é indispensável que
des do caso. (Caput do artigo com redação dada pela Lei
os adotantes sejam casados civilmente ou man-
nº 13.509, de 22/11/2017)
tenham união estável, comprovada a estabilida-
§ 1º O estágio de convivência poderá ser dis-
de da família. (Parágrafo com redação dada pela Lei pensado se o adotando já estiver sob a tutela ou
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
guarda legal do adotante durante tempo suficien-
vigor 90 dias após a publicação) te para que seja possível avaliar a conveniência da
§ 3º O adotante há de ser, pelo menos, dezesseis constituição do vínculo. (Parágrafo com redação da-
anos mais velho do que o adotando. da pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
§ 4º Os divorciados, os judicialmente separa- 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
dos e os ex-companheiros podem adotar conjun- § 2º A simples guarda de fato não autoriza, por
tamente, contanto que acordem sobre a guarda e si só, a dispensa da realização do estágio de convi-
o regime de visitas e desde que o estágio de convi- vência. (Parágrafo com redação dada pela Lei nº 12.010, de
vência tenha sido iniciado na constância do perío- 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
do de convivência e que seja comprovada a exis- após a publicação)
tência de vínculos de afinidade e afetividade com § 2º-A. O prazo máximo estabelecido no caput
aquele não detentor da guarda, que justifiquem a deste artigo pode ser prorrogado por até igual pe-
excepcionalidade da concessão. (Parágrafo com reda- ríodo, mediante decisão fundamentada da auto-
ção dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU ridade judiciária. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509,
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) de 22/11/2017)

17
§ 3º Em caso de adoção por pessoa ou casal re- com redação dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publica-
sidente ou domiciliado fora do País, o estágio de da no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
convivência será de, no mínimo, 30 (trinta) dias e, § 6º Caso a modificação de prenome seja reque-
no máximo, 45 (quarenta e cinco) dias, prorrogá- rida pelo adotante, é obrigatória a oitiva do ado-
vel por até igual período, uma única vez, median- tando, observado o disposto nos §§ 1º e 2º do
te decisão fundamentada da autoridade judiciária. art. 28 desta Lei. (Parágrafo com redação dada pela Lei
(Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
redação dada pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) vigor 90 dias após a publicação)
§ 3º-A. Ao final do prazo previsto no § 3º deste § 7º A adoção produz seus efeitos a partir do
artigo, deverá ser apresentado laudo fundamen- trânsito em julgado da sentença constitutiva, ex-
tado pela equipe mencionada no § 4º deste artigo, ceto na hipótese prevista no § 6º do art. 42 desta
que recomendará ou não o deferimento da ado- Lei, caso em que terá força retroativa à data do
ção à autoridade judiciária. (Parágrafo acrescido pela óbito. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009,
Lei nº 13.509, de 22/11/2017) publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu-
§ 4º O estágio de convivência será acompanhado blicação)
pela equipe interprofissional a serviço da Justiça § 8º O processo relativo à adoção assim como ou-
da Infância e da Juventude, preferencialmente com tros a ele relacionados serão mantidos em arquivo,
apoio dos técnicos responsáveis pela execução da admitindo-se seu armazenamento em microfilme
política de garantia do direito à convivência fami- ou por outros meios, garantida a sua conservação
liar, que apresentarão relatório minucioso acerca para consulta a qualquer tempo. (Parágrafo acresci-
da conveniência do deferimento da medida. (Pará- do pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
grafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) § 9º Terão prioridade de tramitação os proces-
§ 5º O estágio de convivência será cumprido no sos de adoção em que o adotando for criança ou
território nacional, preferencialmente na comarca adolescente com deficiência ou com doença crô-
de residência da criança ou adolescente, ou, a cri- nica. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.955, de 5/2/2014)
tério do juiz, em cidade limítrofe, respeitada, em § 10. O prazo máximo para conclusão da ação
qualquer hipótese, a competência do juízo da co- de adoção será de 120 (cento e vinte) dias, prorro-
marca de residência da criança. (Parágrafo acrescido gável uma única vez por igual período, mediante
pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) decisão fundamentada da autoridade judiciária.
(Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
Art. 47. O vínculo da adoção constitui-se por sen-
tença judicial, que será inscrita no registro civil Art. 48. O adotado tem direito de conhecer sua
mediante mandado do qual não se fornecerá cer- origem biológica, bem como de obter acesso irres-
tidão. trito ao processo no qual a medida foi aplicada e
§ 1º A inscrição consignará o nome dos adotan- seus eventuais incidentes, após completar 18 (de-
tes como pais, bem como o nome de seus ascen- zoito) anos. (Caput do artigo com redação dada pela Lei
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
dentes.
vigor 90 dias após a publicação)
§ 2º O mandado judicial, que será arquivado,
cancelará o registro original do adotado. Parágrafo único. O acesso ao processo de ado-
ção poderá ser também deferido ao adotado me-
§ 3º A pedido do adotante, o novo registro po-
nor de 18 (dezoito) anos, a seu pedido, assegura-
derá ser lavrado no Cartório do Registro Civil do
da orientação e assistência jurídica e psicológica.
Município de sua residência. (Parágrafo com redação
(Parágrafo único acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009,
dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu-
4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
blicação)
§ 4º Nenhuma observação sobre a origem do ato
poderá constar nas certidões do registro. (Parágrafo Art. 49. A morte dos adotantes não restabelece o
com redação dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publica- poder familiar dos pais naturais. (Expressão “pátrio
da no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) poder” substituída por “poder familiar” pelo art. 3º da Lei
§ 5º A sentença conferirá ao adotado o nome do nº 12.010, de 3/8/2009)
adotante e, a pedido de qualquer deles, poderá Art. 50. A autoridade judiciária manterá, em cada
determinar a modificação do prenome. (Parágrafo comarca ou foro regional, um registro de crianças
18
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


e adolescentes em condições de serem adotados e adotados que não tiveram colocação familiar na
outro de pessoas interessadas na adoção. comarca de origem, e das pessoas ou casais que
§ 1º O deferimento da inscrição dar-se-á após tiveram deferida sua habilitação à adoção nos ca-
prévia consulta aos órgãos técnicos do Juizado, dastros estadual e nacional referidos no § 5º des-
ouvido o Ministério Público. te artigo, sob pena de responsabilidade. (Parágrafo
§ 2º Não será deferida a inscrição se o interessa- acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU
do não satisfizer os requisitos legais, ou verificada de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
qualquer das hipóteses previstas no art. 29. § 9º Compete à Autoridade Central Estadual ze-
§ 3º A inscrição de postulantes à adoção será lar pela manutenção e correta alimentação dos ca-
precedida de um período de preparação psicos- dastros, com posterior comunicação à Autoridade
social e jurídica, orientado pela equipe técnica da Central Federal Brasileira. (Parágrafo acrescido pela Lei
Justiça da Infância e da Juventude, preferencial- nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
mente com apoio dos técnicos responsáveis pela vigor 90 dias após a publicação)
execução da política municipal de garantia do di- § 10. Consultados os cadastros e verificada a au-
reito à convivência familiar. (Parágrafo acrescido pela sência de pretendentes habilitados residentes no
Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, País com perfil compatível e interesse manifesto
em vigor 90 dias após a publicação) pela adoção de criança ou adolescente inscrito
§ 4º Sempre que possível e recomendável, a pre- nos cadastros existentes, será realizado o enca-
paração referida no § 3º deste artigo incluirá o con- minhamento da criança ou adolescente à adoção
internacional. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010,
tato com crianças e adolescentes em acolhimento
de 3/8/2009, e com redação dada pela Lei nº 13.509, de
familiar ou institucional em condições de serem
22/11/2017)
adotados, a ser realizado sob a orientação, super-
§ 11. Enquanto não localizada pessoa ou casal
visão e avaliação da equipe técnica da Justiça da
interessado em sua adoção, a criança ou o adoles-
Infância e da Juventude, com apoio dos técnicos
cente, sempre que possível e recomendável, se-
responsáveis pelo programa de acolhimento e pe-
rá colocado sob guarda de família cadastrada em
la execução da política municipal de garantia do
programa de acolhimento familiar. (Parágrafo acres-
direito à convivência familiar. (Parágrafo acrescido pe-
cido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
la Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009,
4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
em vigor 90 dias após a publicação)
§ 12. A alimentação do cadastro e a convocação
§ 5º Serão criados e implementados cadastros
criteriosa dos postulantes à adoção serão fiscali-
estaduais e nacional de crianças e adolescentes
zadas pelo Ministério Público. (Parágrafo acrescido pe-
em condições de serem adotados e de pessoas ou
la Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009,
casais habilitados à adoção. (Parágrafo acrescido pela em vigor 90 dias após a publicação)
Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009,
§ 13. Somente poderá ser deferida adoção em fa-
em vigor 90 dias após a publicação) vor de candidato domiciliado no Brasil não cadas-
§ 6º Haverá cadastros distintos para pessoas trado previamente nos termos desta Lei quando:
ou casais residentes fora do País, que somente I – se tratar de pedido de adoção unilateral;
serão consultados na inexistência de postulantes II – for formulada por parente com o qual a crian-
nacionais habilitados nos cadastros menciona- ça ou adolescente mantenha vínculos de afinida-
dos no § 5º deste artigo. (Parágrafo acrescido pela Lei de e afetividade;
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em III – oriundo o pedido de quem detém a tutela
vigor 90 dias após a publicação) ou guarda legal de criança maior de 3 (três) anos ou
§ 7º As autoridades estaduais e federais em ma- adolescente, desde que o lapso de tempo de con-
téria de adoção terão acesso integral aos cadas- vivência comprove a fixação de laços de afinidade
tros, incumbindo-lhes a troca de informações e a e afetividade, e não seja constatada a ocorrência
cooperação mútua, para melhoria do sistema. (Pa- de má-fé ou qualquer das situações previstas nos
rágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada arts. 237 ou 238 desta Lei. (Parágrafo acrescido pela Lei
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
§ 8º A autoridade judiciária providenciará, no vigor 90 dias após a publicação)
prazo de 48 (quarenta e oito) horas, a inscrição das § 14. Nas hipóteses previstas no § 13 deste ar-
crianças e adolescentes em condições de serem tigo, o candidato deverá comprovar, no curso do
19
procedimento, que preenche os requisitos neces- § 3º A adoção internacional pressupõe a inter-
sários à adoção, conforme previsto nesta Lei. (Pa- venção das Autoridades Centrais Estaduais e Fe-
rágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada deral em matéria de adoção internacional. (Pará-
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) grafo com redação dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009,
§ 15. Será assegurada prioridade no cadastro a publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a
pessoas interessadas em adotar criança ou ado- publicação)
lescente com deficiência, com doença crônica ou § 4º (Revogado pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publica-
com necessidades específicas de saúde, além de da no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
grupo de irmãos. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, Art. 52. A adoção internacional observará o proce-
de 22/11/2017) dimento previsto nos arts. 165 a 170 desta Lei, com
Art. 51. Considera-se adoção internacional aque- as seguintes adaptações: (Caput do artigo com redação
la na qual o pretendente possui residência habi- dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
tual em país-parte da Convenção de Haia, de 29 de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
maio de 1993, Relativa à Proteção das Crianças e à I – a pessoa ou casal estrangeiro, interessado
Cooperação em Matéria de Adoção Internacional, em adotar criança ou adolescente brasileiro, deve-
promulgada pelo Decreto nº 3.087, de 21 junho de rá formular pedido de habilitação à adoção peran-
1999, e deseja adotar criança em outro país-parte te a Autoridade Central em matéria de adoção in-
da Convenção. (Caput do artigo com redação dada pela ternacional no país de acolhida, assim entendido
Lei nº 13.509, de 22/11/2017) aquele onde está situada sua residência habitual;
§ 1º A adoção internacional de criança ou ado- (Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
lescente brasileiro ou domiciliado no Brasil somen- no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
te terá lugar quando restar comprovado: (Caput II – se a Autoridade Central do país de acolhida
do parágrafo com redação dada pela Lei nº 12.010, de considerar que os solicitantes estão habilitados e
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias aptos para adotar, emitirá um relatório que con-
após a publicação) tenha informações sobre a identidade, a capaci-
I – que a colocação em família adotiva é a so- dade jurídica e adequação dos solicitantes para
lução adequada ao caso concreto; (Inciso acrescido adotar, sua situação pessoal, familiar e médica,
pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação dada pela seu meio social, os motivos que os animam e sua
Lei nº 13.509, de 22/11/2017) aptidão para assumir uma adoção internacional;
II – que foram esgotadas todas as possibilidades (Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
de colocação da criança ou adolescente em famí- no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
lia adotiva brasileira, com a comprovação, certifi- III – a Autoridade Central do país de acolhida
cada nos autos, da inexistência de adotantes habi- enviará o relatório à Autoridade Central Estadual,
litados residentes no Brasil com perfil compatível com cópia para a Autoridade Central Federal Bra-
com a criança ou adolescente, após consulta aos sileira; (Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009,
cadastros mencionados nesta Lei; (Inciso acrescido publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a
pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação dada pela publicação)
Lei nº 13.509, de 22/11/2017) IV – o relatório será instruído com toda a do-
III – que, em se tratando de adoção de adoles- cumentação necessária, incluindo estudo psi-
cente, este foi consultado, por meios adequados cossocial elaborado por equipe interprofissional
ao seu estágio de desenvolvimento, e que se en- habilitada e cópia autenticada da legislação per-
contra preparado para a medida, mediante pare- tinente, acompanhada da respectiva prova de vi-
cer elaborado por equipe interprofissional, obser- gência; (Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009,
vado o disposto nos §§ 1º e 2º do art. 28 desta Lei. publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a
(Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada publicação)
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) V – os documentos em língua estrangeira serão
§ 2º Os brasileiros residentes no exterior terão devidamente autenticados pela autoridade consu-
preferência aos estrangeiros, nos casos de ado- lar, observados os tratados e convenções interna-
ção internacional de criança ou adolescente bra- cionais, e acompanhados da respectiva tradução,
sileiro. (Parágrafo com redação dada pela Lei nº 12.010, de por tradutor público juramentado; (Inciso acresci-
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias do pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
após a publicação) 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)

20
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


VI – a Autoridade Central Estadual poderá fazer III – forem qualificados por seus padrões éticos
exigências e solicitar complementação sobre o es- e sua formação e experiência para atuar na área
tudo psicossocial do postulante estrangeiro à ado- de adoção internacional;
ção, já realizado no país de acolhida; (Inciso acres- IV – cumprirem os requisitos exigidos pelo or-
cido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de denamento jurídico brasileiro e pelas normas es-
4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) tabelecidas pela Autoridade Central Federal Brasi-
VII – verificada, após estudo realizado pela Auto- leira. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009,
ridade Central Estadual, a compatibilidade da legis- publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu-
lação estrangeira com a nacional, além do preen- blicação)

chimento por parte dos postulantes à medida dos § 4º Os organismos credenciados deverão ainda:
I – perseguir unicamente fins não lucrativos, nas
requisitos objetivos e subjetivos necessários ao
condições e dentro dos limites fixados pelas au-
seu deferimento, tanto à luz do que dispõe esta
toridades competentes do país onde estiverem
Lei como da legislação do país de acolhida, será
sediados, do país de acolhida e pela Autoridade
expedido laudo de habilitação à adoção internacio-
Central Federal Brasileira;
nal, que terá validade por, no máximo, 1 (um) ano;
II – ser dirigidos e administrados por pessoas
(Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
qualificadas e de reconhecida idoneidade moral,
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
com comprovada formação ou experiência para
VIII – de posse do laudo de habilitação, o inte- atuar na área de adoção internacional, cadastra-
ressado será autorizado a formalizar pedido de das pelo Departamento de Polícia Federal e apro-
adoção perante o Juízo da Infância e da Juventu- vadas pela Autoridade Central Federal Brasileira,
de do local em que se encontra a criança ou ado- mediante publicação de portaria do órgão federal
lescente, conforme indicação efetuada pela Au- competente;
toridade Central Estadual. (Inciso acrescido pela Lei III – estar submetidos à supervisão das autori-
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em dades competentes do país onde estiverem sedia-
vigor 90 dias após a publicação) dos e no país de acolhida, inclusive quanto à sua
§ 1º Se a legislação do país de acolhida assim o composição, funcionamento e situação financeira;
autorizar, admite-se que os pedidos de habilitação IV – apresentar à Autoridade Central Federal
à adoção internacional sejam intermediados por Brasileira, a cada ano, relatório geral das ativida-
organismos credenciados. (Parágrafo acrescido pela des desenvolvidas, bem como relatório de acom-
Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, panhamento das adoções internacionais efetua-
em vigor 90 dias após a publicação) das no período, cuja cópia será encaminhada ao
§ 2º Incumbe à Autoridade Central Federal Brasi- Departamento de Polícia Federal;
leira o credenciamento de organismos nacionais e V – enviar relatório pós-adotivo semestral para a
estrangeiros encarregados de intermediar pedidos Autoridade Central Estadual, com cópia para a Au-
de habilitação à adoção internacional, com pos- toridade Central Federal Brasileira, pelo período
mínimo de 2 (dois) anos. O envio do relatório será
terior comunicação às Autoridades Centrais Esta-
mantido até a juntada de cópia autenticada do re-
duais e publicação nos órgãos oficiais de imprensa
gistro civil, estabelecendo a cidadania do país de
e em sítio próprio da internet. (Parágrafo acrescido pe-
acolhida para o adotado;
la Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009,
VI – tomar as medidas necessárias para garantir
em vigor 90 dias após a publicação)
que os adotantes encaminhem à Autoridade Cen-
§ 3º Somente será admissível o credenciamento
tral Federal Brasileira cópia da certidão de registro
de organismos que: de nascimento estrangeira e do certificado de na-
I – sejam oriundos de países que ratificaram a cionalidade tão logo lhes sejam concedidos. (Pará-
Convenção de Haia e estejam devidamente creden- grafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
ciados pela Autoridade Central do país onde esti- no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
verem sediados e no país de acolhida do adotan- § 5º A não apresentação dos relatórios referi-
do para atuar em adoção internacional no Brasil; dos no § 4º deste artigo pelo organismo creden-
II – satisfizerem as condições de integridade ciado poderá acarretar a suspensão de seu cre-
moral, competência profissional, experiência e denciamento. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de
responsabilidade exigidas pelos países respecti- 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
vos e pela Autoridade Central Federal Brasileira; após a publicação)

21
§ 6º O credenciamento de organismo nacional ou de 1 (um) ano, podendo ser renovada. (Parágrafo
estrangeiro encarregado de intermediar pedidos acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU
de adoção internacional terá validade de 2 (dois) de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
anos. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, § 14. É vedado o contato direto de representantes
publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu- de organismos de adoção, nacionais ou estrangei-
blicação) ros, com dirigentes de programas de acolhimento
§ 7º A renovação do credenciamento poderá institucional ou familiar, assim como com crianças
ser concedida mediante requerimento protoco- e adolescentes em condições de serem adotados,
lado na Autoridade Central Federal Brasileira nos sem a devida autorização judicial. (Parágrafo acresci-
60 (sessenta) dias anteriores ao término do res- do pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
pectivo prazo de validade. (Parágrafo acrescido pela 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, § 15. A Autoridade Central Federal Brasileira po-
em vigor 90 dias após a publicação) derá limitar ou suspender a concessão de novos
§ 8º Antes de transitada em julgado a decisão credenciamentos sempre que julgar necessário,
que concedeu a adoção internacional, não será mediante ato administrativo fundamentado. (Pa-
permitida a saída do adotando do território na- rágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
cional. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu-
Art. 52-A. É vedado, sob pena de responsabilida-
blicação)
de e descredenciamento, o repasse de recursos
§ 9º Transitada em julgado a decisão, a auto- provenientes de organismos estrangeiros encarre-
ridade judiciária determinará a expedição de al- gados de intermediar pedidos de adoção interna-
vará com autorização de viagem, bem como para cional a organismos nacionais ou a pessoas físicas.
obtenção de passaporte, constando, obrigatoria- Parágrafo único. Eventuais repasses somente
mente, as características da criança ou adolescen-
poderão ser efetuados via Fundo dos Direitos da
te adotado, como idade, cor, sexo, eventuais sinais
Criança e do Adolescente e estarão sujeitos às de-
ou traços peculiares, assim como foto recente e a
liberações do respectivo Conselho de Direitos da
aposição da impressão digital do seu polegar direi-
Criança e do Adolescente. (Artigo acrescido pela Lei
to, instruindo o documento com cópia autenticada
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
da decisão e certidão de trânsito em julgado. (Pará-
vigor 90 dias após a publicação)
grafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
Art. 52-B. A adoção por brasileiro residente no ex-
§ 10. A Autoridade Central Federal Brasileira po- terior em país ratificante da Convenção de Haia,
derá, a qualquer momento, solicitar informações cujo processo de adoção tenha sido processado
sobre a situação das crianças e adolescentes ado- em conformidade com a legislação vigente no país
tados. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, de residência e atendido o disposto na Alínea c do
publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu-
Artigo 17 da referida Convenção, será automatica-
blicação) mente recepcionada com o reingresso no Brasil.
§ 11. A cobrança de valores por parte dos orga- § 1º Caso não tenha sido atendido o disposto na
nismos credenciados, que sejam considerados Alínea c do Artigo 17 da Convenção de Haia, deve-
abusivos pela Autoridade Central Federal Brasi- rá a sentença ser homologada pelo Superior Tri-
leira e que não estejam devidamente comprova- bunal de Justiça.
dos, é causa de seu descredenciamento. (Parágrafo § 2º O pretendente brasileiro residente no exte-
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU rior em país não ratificante da Convenção de Haia,
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) uma vez reingressado no Brasil, deverá requerer
§ 12. Uma mesma pessoa ou seu cônjuge não a homologação da sentença estrangeira pelo Su-
podem ser representados por mais de uma enti- perior Tribunal de Justiça. (Artigo acrescido pela Lei
dade credenciada para atuar na cooperação em nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
adoção internacional. (Parágrafo acrescido pela Lei vigor 90 dias após a publicação)
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em Art. 52-C. Nas adoções internacionais, quando o
vigor 90 dias após a publicação) Brasil for o país de acolhida, a decisão da auto-
§ 13. A habilitação de postulante estrangeiro ou ridade competente do país de origem da criança
domiciliado fora do Brasil terá validade máxima ou do adolescente será conhecida pela Autoridade
22
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


Central Estadual que tiver processado o pedido de Parágrafo único. É direito dos pais ou respon-
habilitação dos pais adotivos, que comunicará o sáveis ter ciência do processo pedagógico, bem
fato à Autoridade Central Federal e determinará as como participar da definição das propostas edu-
providências necessárias à expedição do Certifica- cacionais.
do de Naturalização Provisório. Art. 53-A. É dever da instituição de ensino, clubes
§ 1º A Autoridade Central Estadual, ouvido o Mi- e agremiações recreativas e de estabelecimentos
nistério Público, somente deixará de reconhecer congêneres assegurar medidas de conscientização,
os efeitos daquela decisão se restar demonstra- prevenção e enfrentamento ao uso ou dependên-
do que a adoção é manifestamente contrária à or- cia de drogas ilícitas. (Artigo acrescido pela Lei nº 13.840,
dem pública ou não atende ao interesse superior de 5/6/2019)
da criança ou do adolescente. Art. 54. É dever do Estado assegurar à criança e
§ 2º Na hipótese de não reconhecimento da ado- ao adolescente:
ção, prevista no § 1º deste artigo, o Ministério Pú- I – ensino fundamental, obrigatório e gratuito,
blico deverá imediatamente requerer o que for de inclusive para os que a ele não tiveram acesso na
direito para resguardar os interesses da criança ou idade própria;
do adolescente, comunicando-se as providências II – progressiva extensão da obrigatoriedade e
à Autoridade Central Estadual, que fará a comuni- gratuidade ao ensino médio;
cação à Autoridade Central Federal Brasileira e à III – atendimento educacional especializado aos
Autoridade Central do país de origem. (Artigo acres- portadores de deficiência, preferencialmente na
cido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de rede regular de ensino;
4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) IV – atendimento em creche e pré-escola às crian-
Art. 52-D. Nas adoções internacionais, quando o ças de zero a cinco anos de idade; (Inciso com redação
Brasil for o país de acolhida e a adoção não tenha dada pela Lei nº 13.306, de 4/7/2016)

sido deferida no país de origem porque a sua le- V – acesso aos níveis mais elevados do ensino,
gislação a delega ao país de acolhida, ou, ainda, da pesquisa e da criação artística, segundo a ca-
pacidade de cada um;
na hipótese de, mesmo com decisão, a criança ou
VI – oferta de ensino noturno regular, adequado
o adolescente ser oriundo de país que não tenha
às condições do adolescente trabalhador;
aderido à Convenção referida, o processo de ado-
VII – atendimento no ensino fundamental, atra-
ção seguirá as regras da adoção nacional. (Artigo
vés de programas suplementares de material didá-
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU
tico-escolar, transporte, alimentação e assistência
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
à saúde.
CAPÍTULO IV – DO DIREITO À EDUCAÇÃO, À § 1º O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é
CULTURA, AO ESPORTE E AO LAZER direito público subjetivo.
Art. 53. A criança e o adolescente têm direito à § 2º O não oferecimento do ensino obrigatório
educação, visando ao pleno desenvolvimento de pelo Poder Público ou sua oferta irregular importa
sua pessoa, preparo para o exercício da cidada- responsabilidade da autoridade competente.
nia e qualificação para o trabalho, assegurando- § 3º Compete ao Poder Público recensear os edu-
-se-lhes: candos no ensino fundamental, fazer-lhes a cha-
I – igualdade de condições para o acesso e per- mada e zelar, junto aos pais ou responsável, pela
manência na escola; frequência à escola.
II – direito de ser respeitado por seus educadores; Art. 55. Os pais ou responsável têm a obrigação
III – direito de contestar critérios avaliativos, po- de matricular seus filhos ou pupilos na rede regu-
dendo recorrer às instâncias escolares superiores; lar de ensino.
IV – direito de organização e participação em en- Art. 56. Os dirigentes de estabelecimentos de en-
tidades estudantis; sino fundamental comunicarão ao Conselho Tu-
V – acesso à escola pública e gratuita, próxima telar os casos de:
de sua residência, garantindo-se vagas no mesmo I – maus-tratos envolvendo seus alunos;
estabelecimento a irmãos que frequentem a mes- II – reiteração de faltas injustificadas e de eva-
ma etapa ou ciclo de ensino da educação básica. são escolar, esgotados os recursos escolares;
(Inciso com redação dada pela Lei nº 13.845, de 18/6/2019) III – elevados níveis de repetência.
23
Art. 57. O Poder Público estimulará pesquisas, III – realizado em locais prejudiciais à sua for-
experiências e novas propostas relativas a calen- mação e ao seu desenvolvimento físico, psíquico,
dário, seriação, currículo, metodologia, didática moral e social;
e avaliação, com vistas à inserção de crianças e IV – realizado em horários e locais que não per-
adolescentes excluídos do ensino fundamental mitam a frequência à escola.
obrigatório. Art. 68. O programa social que tenha por base o
Art. 58. No processo educacional respeitar-se-ão trabalho educativo, sob responsabilidade de enti-
os valores culturais, artísticos e históricos próprios dade governamental ou não governamental sem
do contexto social da criança e do adolescente, ga- fins lucrativos, deverá assegurar ao adolescente
rantindo-se a estes a liberdade de criação e o aces- que dele participe condições de capacitação para
so às fontes de cultura. o exercício de atividade regular remunerada.
§ 1º Entende-se por trabalho educativo a ativi-
Art. 59. Os Municípios, com apoio dos Estados e
dade laboral em que as exigências pedagógicas
da União, estimularão e facilitarão a destinação
relativas ao desenvolvimento pessoal e social do
de recursos e espaços para programações cultu-
educando prevalecem sobre o aspecto produtivo.
rais, esportivas e de lazer voltadas para a infância
§ 2º A remuneração que o adolescente recebe
e a juventude.
pelo trabalho efetuado ou a participação na ven-
CAPÍTULO V – DO DIREITO À PROFISSIONALIZAÇÃO da dos produtos de seu trabalho não desfigura o
E À PROTEÇÃO NO TRABALHO caráter educativo.
Art. 60. É proibido qualquer trabalho a menores Art. 69. O adolescente tem direito à profissiona-
de quatorze anos de idade, salvo na condição de lização e à proteção no trabalho, observados os
aprendiz. seguintes aspectos, entre outros:
Art. 61. A proteção ao trabalho dos adolescentes I – respeito à condição peculiar de pessoa em
é regulada por legislação especial, sem prejuízo desenvolvimento;
do disposto nesta Lei. II – capacitação profissional adequada ao mer-
cado de trabalho.
Art. 62. Considera-se aprendizagem a formação
técnico-profissional ministrada segundo as dire- TÍTULO III – DA PREVENÇÃO
trizes e bases da legislação de educação em vigor. CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 63. A formação técnico-profissional obedece- Art. 70. É dever de todos prevenir a ocorrência
rá aos seguintes princípios: de ameaça ou violação dos direitos da criança e
I – garantia de acesso e frequência obrigatória do adolescente.
ao ensino regular; Art. 70-A. A União, os Estados, o Distrito Federal e
II – atividade compatível com o desenvolvimen- os Municípios deverão atuar de forma articulada
to do adolescente; na elaboração de políticas públicas e na execução
III – horário especial para o exercício das ativi- de ações destinadas a coibir o uso de castigo físico
dades. ou de tratamento cruel ou degradante e difundir
Art. 64. Ao adolescente até quatorze anos de ida- formas não violentas de educação de crianças e de
de é assegurada bolsa de aprendizagem. adolescentes, tendo como principais ações:
Art. 65. Ao adolescente aprendiz, maior de qua- I – a promoção de campanhas educativas per-
torze anos, são assegurados os direitos trabalhis- manentes para a divulgação do direito da criança
tas e previdenciários. e do adolescente de serem educados e cuidados
sem o uso de castigo físico ou de tratamento cruel
Art. 66. Ao adolescente portador de deficiência é
ou degradante e dos instrumentos de proteção
assegurado trabalho protegido.
aos direitos humanos;
Art. 67. Ao adolescente empregado, aprendiz, em II – a integração com os órgãos do Poder Judi-
regime familiar de trabalho, aluno de escola técni- ciário, do Ministério Público e da Defensoria Pú-
ca, assistido em entidade governamental ou não blica, com o Conselho Tutelar, com os Conselhos
governamental, é vedado trabalho: de Direitos da Criança e do Adolescente e com as
I – noturno, realizado entre as vinte e duas horas entidades não governamentais que atuam na pro-
de um dia e as cinco horas do dia seguinte; moção, proteção e defesa dos direitos da criança
II – perigoso, insalubre ou penoso; e do adolescente;
24
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


III – a formação continuada e a capacitação dos Art. 72. As obrigações previstas nesta Lei não ex-
profissionais de saúde, educação e assistência so- cluem da prevenção especial outras decorrentes
cial e dos demais agentes que atuam na promo- dos princípios por ela adotados.
ção, proteção e defesa dos direitos da criança e Art. 73. A inobservância das normas de prevenção
do adolescente para o desenvolvimento das com- importará em responsabilidade da pessoa física
petências necessárias à prevenção, à identificação ou jurídica, nos termos desta Lei.
de evidências, ao diagnóstico e ao enfrentamento
de todas as formas de violência contra a criança CAPÍTULO II – DA PREVENÇÃO ESPECIAL
e o adolescente; Seção I – Da Informação, Cultura, Lazer,
IV – o apoio e o incentivo às práticas de resolu- Esportes, Diversões e Espetáculos
ção pacífica de conflitos que envolvam violência Art. 74. O Poder Público, através do órgão compe-
contra a criança e o adolescente; tente, regulará as diversões e espetáculos públicos,
V – a inclusão, nas políticas públicas, de ações informando sobre a natureza deles, as faixas etá-
que visem a garantir os direitos da criança e do rias a que não se recomendem, locais e horários
adolescente, desde a atenção pré-natal, e de ativi- em que sua apresentação se mostre inadequada.
dades junto aos pais e responsáveis com o objeti- Parágrafo único. Os responsáveis pelas diver-
vo de promover a informação, a reflexão, o debate sões e espetáculos públicos deverão afixar, em lu-
e a orientação sobre alternativas ao uso de casti- gar visível e de fácil acesso, à entrada do local de
go físico ou de tratamento cruel ou degradante no exibição, informação destacada sobre a natureza
processo educativo; do espetáculo e a faixa etária especificada no cer-
VI – a promoção de espaços intersetoriais locais tificado de classificação.
para a articulação de ações e a elaboração de pla-
Art. 75. Toda criança ou adolescente terá acesso
nos de atuação conjunta focados nas famílias em
às diversões e espetáculos públicos classificados
situação de violência, com participação de profis-
como adequados à sua faixa etária.
sionais de saúde, de assistência social e de educa-
Parágrafo único. As crianças menores de dez
ção e de órgãos de promoção, proteção e defesa
anos somente poderão ingressar e permanecer
dos direitos da criança e do adolescente.
nos locais de apresentação ou exibição quando
Parágrafo único. As famílias com crianças e
acompanhadas dos pais ou responsável.
adolescentes com deficiência terão prioridade de
atendimento nas ações e políticas públicas de pre- Art. 76. As emissoras de rádio e televisão somente
venção e proteção. (Artigo acrescido pela Lei nº 13.010, exibirão, no horário recomendado para o público
de 26/6/2014) infantojuvenil, programas com finalidades educa-
tivas, artísticas, culturais e informativas.
Art. 70-B. As entidades, públicas e privadas, que
Parágrafo único. Nenhum espetáculo será apre-
atuem nas áreas a que se refere o art. 71, dentre ou-
sentado ou anunciado sem aviso de sua classifica-
tras, devem contar, em seus quadros, com pessoas
ção, antes de sua transmissão, apresentação ou
capacitadas a reconhecer e comunicar ao Conselho
exibição.
Tutelar suspeitas ou casos de maus-tratos pratica-
dos contra crianças e adolescentes. Art. 77. Os proprietários, diretores, gerentes e fun-
Parágrafo único. São igualmente responsáveis cionários de empresas que explorem a venda ou
pela comunicação de que trata este artigo, as pes- aluguel de fitas de programação em vídeo cuida-
soas encarregadas, por razão de cargo, função, ofí- rão para que não haja venda ou locação em de-
cio, ministério, profissão ou ocupação, do cuidado, sacordo com a classificação atribuída pelo órgão
assistência ou guarda de crianças e adolescentes, competente.
punível, na forma deste Estatuto, o injustificado Parágrafo único. As fitas a que alude este artigo
retardamento ou omissão, culposos ou dolosos. deverão exibir, no invólucro, informação sobre a
(Artigo acrescido pela Lei nº 13.046, de 1º/12/2014) natureza da obra e a faixa etária a que se destinam.
Art. 71. A criança e o adolescente têm direito a Art. 78. As revistas e publicações contendo ma-
informação, cultura, lazer, esportes, diversões, es- terial impróprio ou inadequado a crianças e ado-
petáculos e produtos e serviços que respeitem sua lescentes deverão ser comercializadas em embala-
condição peculiar de pessoa em desenvolvimento. gem lacrada, com a advertência de seu conteúdo.
25
Parágrafo único. As editoras cuidarão para que 1. de ascendente ou colateral maior, até o ter-
as capas que contenham mensagens pornográfi- ceiro grau, comprovado documentalmente o pa-
cas ou obscenas sejam protegidas com embala- rentesco;
gem opaca. 2. de pessoa maior, expressamente autorizada
Art. 79. As revistas e publicações destinadas ao pelo pai, mãe ou responsável.
público infantojuvenil não poderão conter ilustra- § 2º A autoridade judiciária poderá, a pedido
ções, fotografias, legendas, crônicas ou anúncios dos pais ou responsável, conceder autorização
de bebidas alcoólicas, tabaco, armas e munições, válida por dois anos.
e deverão respeitar os valores éticos e sociais da Art. 84. Quando se tratar de viagem ao exterior,
pessoa e da família. a autorização é dispensável, se a criança ou ado-
Art. 80. Os responsáveis por estabelecimentos que lescente:
explorem comercialmente bilhar, sinuca ou congê- I – estiver acompanhado de ambos os pais ou
nere ou por casas de jogos, assim entendidas as responsável;
que realizem apostas, ainda que eventualmente, II – viajar na companhia de um dos pais, autoriza-
cuidarão para que não seja permitida a entrada e do expressamente pelo outro através de documen-
a permanência de crianças e adolescentes no local, to com firma reconhecida.
afixando aviso para orientação do público.
Art. 85. Sem prévia e expressa autorização judi-
Seção II – Dos Produtos e Serviços
cial, nenhuma criança ou adolescente nascido em
Art. 81. É proibida a venda à criança ou ao ado- território nacional poderá sair do País em compa-
lescente de: nhia de estrangeiro residente ou domiciliado no
I – armas, munições e explosivos; exterior.
II – bebidas alcoólicas;
III – produtos cujos componentes possam cau- LIVRO II – PARTE ESPECIAL
sar dependência física ou psíquica ainda que por TÍTULO I – DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO
utilização indevida; CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS
IV – fogos de estampido e de artifício, exceto
Art. 86. A política de atendimento dos direitos da
aqueles que pelo seu reduzido potencial sejam
criança e do adolescente far-se-á através de um
incapazes de provocar qualquer dano físico em
caso de utilização indevida; conjunto articulado de ações governamentais e
V – revistas e publicações a que alude o art. 78; não governamentais, da União, dos Estados, do
VI – bilhetes lotéricos e equivalentes. Distrito Federal e dos Municípios.

Art. 82. É proibida a hospedagem de criança ou Art. 87. São linhas de ação da política de aten-
adolescente em hotel, motel, pensão ou estabele- dimento:
cimento congênere, salvo se autorizado ou acom- I – políticas sociais básicas;
panhado pelos pais ou responsável. II – serviços, programas, projetos e benefícios
Seção III – Da Autorização para Viajar de assistência social de garantia de proteção so-
cial e de prevenção e redução de violações de di-
Art. 83. Nenhuma criança ou adolescente me-
reitos, seus agravamentos ou reincidências; (Inciso
nor de 16 (dezesseis) anos poderá viajar para fo-
com redação dada pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
ra da comarca onde reside desacompanhado dos
III – serviços especiais de prevenção e atendi-
pais ou dos responsáveis sem expressa autoriza-
mento médico e psicossocial às vítimas de negli-
ção judicial. (Caput do artigo com redação dada pela Lei
nº 13.812, de 16/3/2019)
gência, maus-tratos, exploração, abuso, crueldade
§ 1º A autorização não será exigida quando: e opressão;
a) tratar-se de comarca contígua à da residên- IV – serviço de identificação e localização de
cia da criança ou do adolescente menor de 16 (de- pais, responsável, crianças e adolescentes desa-
zesseis) anos, se na mesma unidade da Federação, parecidos;
ou incluída na mesma região metropolitana; (Alínea V – proteção jurídico-social por entidades de
com redação dada pela Lei nº 13.812, de 16/3/2019) defesa dos direitos da criança e do adolescente;
b) a criança ou o adolescente menor de 16 (de- VI – políticas e programas destinados a prevenir
zesseis) anos estiver acompanhado: (Caput da alí- ou abreviar o período de afastamento do convívio
nea com redação dada pela Lei nº 13.812, de 16/3/2019) familiar e a garantir o efetivo exercício do direito
26
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


à convivência familiar de crianças e adolescentes; VIII – especialização e formação continuada dos


(Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada profissionais que trabalham nas diferentes áreas
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) da atenção à primeira infância, incluindo os co-
VII – campanhas de estímulo ao acolhimento sob nhecimentos sobre direitos da criança e sobre
forma de guarda de crianças e adolescentes afas- desenvolvimento infantil; (Inciso acrescido pela Lei
tados do convívio familiar e à adoção, especifica- nº 13.257, de 8/3/2016)
mente inter-racial, de crianças maiores ou de ado- IX – formação profissional com abrangência dos
lescentes, com necessidades específicas de saúde diversos direitos da criança e do adolescente que
ou com deficiências e de grupos de irmãos. (Inciso favoreça a intersetorialidade no atendimento da
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU criança e do adolescente e seu desenvolvimento
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) integral; (Inciso acrescido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
Art. 88. São diretrizes da política de atendimento: X – realização e divulgação de pesquisas sobre
I – municipalização do atendimento; desenvolvimento infantil e sobre prevenção da
II – criação de conselhos municipais, estaduais e violência. (Inciso acrescido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
nacional dos direitos da criança e do adolescente, Art. 89. A função de membro do Conselho Nacio-
órgãos deliberativos e controladores das ações em nal e dos conselhos estaduais e municipais dos di-
todos os níveis, assegurada a participação popular reitos da criança e do adolescente é considerada
paritária por meio de organizações representati- de interesse público relevante e não será remu-
vas, segundo leis federal, estaduais e municipais; nerada.
III – criação e manutenção de programas especí-
CAPÍTULO II – DAS ENTIDADES DE ATENDIMENTO
ficos, observada a descentralização político-admi-
nistrativa; Seção I – Disposições Gerais
IV – manutenção de fundos nacional, estaduais Art. 90. As entidades de atendimento são res-
e municipais vinculados aos respectivos conse- ponsáveis pela manutenção das próprias unida-
lhos dos direitos da criança e do adolescente; des, assim como pelo planejamento e execução
V – integração operacional de órgãos do Judi- de programas de proteção e socioeducativos des-
ciário, Ministério Público, Defensoria, Segurança tinados a crianças e adolescentes, em regime de:
Pública e Assistência Social, preferencialmente I – orientação e apoio sociofamiliar;
em um mesmo local, para efeito de agilização do II – apoio socioeducativo em meio aberto;
atendimento inicial a adolescente a quem se atri- III – colocação familiar;
bua autoria de ato infracional; IV – acolhimento institucional; (Inciso com redação
VI – integração operacional de órgãos do Judi- dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
ciário, Ministério Público, Defensoria, Conselho 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
Tutelar e encarregados da execução das políticas V – prestação de serviços à comunidade; (Inciso
sociais básicas e de assistência social, para efei- com redação dada pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publi-
to de agilização do atendimento de crianças e de cada no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias após a pu-
adolescentes inseridos em programas de acolhi- blicação)
mento familiar ou institucional, com vista na sua VI – liberdade assistida; (Inciso com redação da-
rápida reintegração à família de origem ou, se tal da pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de
solução se mostrar comprovadamente inviável, 19/1/2012, em vigor 90 dias após a publicação)
sua colocação em família substituta, em quais- VII – semiliberdade; e (Inciso com redação dada pela
quer das modalidades previstas no art. 28 des- Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012,
ta Lei; (Inciso com redação dada pela Lei nº 12.010, de em vigor 90 dias após a publicação)
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias VIII – internação. (Inciso com redação dada pela Lei
após a publicação) nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012,
VII – mobilização da opinião pública para a in- em vigor 90 dias após a publicação)
dispensável participação dos diversos segmentos § 1º As entidades governamentais e não governa-
da sociedade; (Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de mentais deverão proceder à inscrição de seus pro-
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias gramas, especificando os regimes de atendimen-
após a publicação) to, na forma definida neste artigo, no Conselho
27
Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, b) não apresente plano de trabalho compatível
o qual manterá registro das inscrições e de suas com os princípios desta Lei;
alterações, do que fará comunicação ao Conselho c) esteja irregularmente constituída;
Tutelar e à autoridade judiciária. (Parágrafo único d) tenha em seus quadros pessoas inidôneas;
transformado em § 1º pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e) não se adequar ou deixar de cumprir as re-
publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a soluções e deliberações relativas à modalidade
publicação) de atendimento prestado expedidas pelos Conse-
§ 2º Os recursos destinados à implementação lhos de Direitos da Criança e do Adolescente, em
e manutenção dos programas relacionados neste todos os níveis. (Alínea acrescida pela Lei nº 12.010, de
artigo serão previstos nas dotações orçamentárias 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
dos órgãos públicos encarregados das áreas de após a publicação)
Educação, Saúde e Assistência Social, dentre ou- § 2º O registro terá validade máxima de 4 (qua-
tros, observando-se o princípio da prioridade ab- tro) anos, cabendo ao Conselho Municipal dos
soluta à criança e ao adolescente preconizado pe- Direitos da Criança e do Adolescente, periodica-
lo caput do art. 227 da Constituição Federal e pelo mente, reavaliar o cabimento de sua renovação,
caput e parágrafo único do art. 4º desta Lei. (Pará- observado o disposto no § 1º deste artigo. (Pará-
grafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
grafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
§ 3º Os programas em execução serão reavalia- Art. 92. As entidades que desenvolvam progra-
dos pelo Conselho Municipal dos Direitos da Crian- mas de acolhimento familiar ou institucional deve-
ça e do Adolescente, no máximo, a cada 2 (dois) rão adotar os seguintes princípios: (Caput do artigo
anos, constituindo-se critérios para renovação da com redação dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publica-
autorização de funcionamento: da no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
I – o efetivo respeito às regras e princípios des- I – preservação dos vínculos familiares e pro-
ta Lei, bem como às resoluções relativas à moda- moção da reintegração familiar; (Inciso com redação
lidade de atendimento prestado expedidas pelos dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
Conselhos de Direitos da Criança e do Adolescente, 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)

em todos os níveis; II – integração em família substituta, quando


II – a qualidade e eficiência do trabalho desen- esgotados os recursos de manutenção na família
volvido, atestadas pelo Conselho Tutelar, pelo Mi- natural ou extensa; (Inciso com redação dada pela Lei
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
nistério Público e pela Justiça da Infância e da Ju-
vigor 90 dias após a publicação)
ventude;
III – atendimento personalizado e em pequenos
III – em se tratando de programas de acolhimen-
grupos;
to institucional ou familiar, serão considerados os
IV – desenvolvimento de atividades em regime
índices de sucesso na reintegração familiar ou de
de coeducação;
adaptação à família substituta, conforme o caso.
V – não desmembramento de grupos de irmãos;
(Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publica-
VI – evitar, sempre que possível, a transferência
da no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
para outras entidades de crianças e adolescentes
Art. 91. As entidades não governamentais so- abrigados;
mente poderão funcionar depois de registradas VII – participação na vida da comunidade local;
no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e VIII – preparação gradativa para o desligamento;
do Adolescente, o qual comunicará o registro ao IX – participação de pessoas da comunidade no
Conselho Tutelar e à autoridade judiciária da res- processo educativo.
pectiva localidade. § 1º O dirigente de entidade que desenvolve
§ 1º Será negado o registro à entidade que: (Pa- programa de acolhimento institucional é equipa-
rágrafo único transformado em § 1º pela Lei nº 12.010, de rado ao guardião, para todos os efeitos de direito.
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias (Parágrafo único transformado em § 1º e com nova redação
após a publicação) dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
a) não ofereça instalações físicas em condições 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
adequadas de habitabilidade, higiene, salubrida- § 2º Os dirigentes de entidades que desenvol-
de e segurança; vem programas de acolhimento familiar ou ins-
28
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


titucional remeterão à autoridade judiciária, no excepcional e de urgência, acolher crianças e ado-


máximo a cada 6 (seis) meses, relatório circuns- lescentes sem prévia determinação da autoridade
tanciado acerca da situação de cada criança ou competente, fazendo comunicação do fato em até
adolescente acolhido e sua família, para fins da 24 (vinte e quatro) horas ao Juiz da Infância e da
reavaliação prevista no § 1º do art. 19 desta Lei. (Pa- Juventude, sob pena de responsabilidade. (Caput
rágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada do artigo com redação dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009,
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu-
§  3º Os entes federados, por intermédio dos blicação)
Poderes Executivo e Judiciário, promoverão con- Parágrafo único. Recebida a comunicação, a au-
juntamente a permanente qualificação dos pro- toridade judiciária, ouvido o Ministério Público e
fissionais que atuam direta ou indiretamente em se necessário com o apoio do Conselho Tutelar lo-
programas de acolhimento institucional e desti- cal, tomará as medidas necessárias para promover
nados à colocação familiar de crianças e adoles- a imediata reintegração familiar da criança ou do
centes, incluindo membros do Poder Judiciário, adolescente ou, se por qualquer razão não for isso
Ministério Público e Conselho Tutelar. (Parágrafo possível ou recomendável, para seu encaminha-
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU mento a programa de acolhimento familiar, insti-
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
tucional ou a família substituta, observado o dis-
§ 4º Salvo determinação em contrário da autori- posto no § 2º do art. 101 desta Lei. (Parágrafo único
dade judiciária competente, as entidades que de-
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU
senvolvem programas de acolhimento familiar ou
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
institucional, se necessário com o auxílio do Con-
selho Tutelar e dos órgãos de assistência social, Art. 94. As entidades que desenvolvem progra-
estimularão o contato da criança ou adolescente mas de internação têm as seguintes obrigações,
com seus pais e parentes, em cumprimento ao dis- entre outras:
posto nos incisos I e VIII do caput deste artigo. (Pa- I – observar os direitos e garantias de que são
rágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada titulares os adolescentes;
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) II – não restringir nenhum direito que não tenha
§ 5º As entidades que desenvolvem programas sido objeto de restrição na decisão de internação;
de acolhimento familiar ou institucional somente III – oferecer atendimento personalizado, em
poderão receber recursos públicos se comprovado pequenas unidades e grupos reduzidos;
o atendimento dos princípios, exigências e finali- IV – preservar a identidade e oferecer ambiente
dades desta Lei. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de respeito e dignidade ao adolescente;
de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor V – diligenciar no sentido do restabelecimento e
90 dias após a publicação) da preservação dos vínculos familiares;
§ 6º O descumprimento das disposições desta VI – comunicar à autoridade judiciária, periodi-
Lei pelo dirigente de entidade que desenvolva pro- camente, os casos em que se mostre inviável ou
gramas de acolhimento familiar ou institucional impossível o reatamento dos vínculos familiares;
é causa de sua destituição, sem prejuízo da apu- VII – oferecer instalações físicas em condições
ração de sua responsabilidade administrativa, ci- adequadas de habitabilidade, higiene, salubrida-
vil e criminal. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de de e segurança e os objetos necessários à higiene
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias pessoal;
após a publicação) VIII – oferecer vestuário e alimentação suficien-
§ 7º Quando se tratar de criança de 0 (zero) a tes e adequados à faixa etária dos adolescentes
3 (três) anos em acolhimento institucional, dar-se-á atendidos;
especial atenção à atuação de educadores de refe- IX – oferecer cuidados médicos, psicológicos,
rência estáveis e qualitativamente significativos, às odontológicos e farmacêuticos;
rotinas específicas e ao atendimento das necessi- X – propiciar escolarização e profissionalização;
dades básicas, incluindo as de afeto como prioritá- XI – propiciar atividades culturais, esportivas e
rias. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016) de lazer;
Art. 93. As entidades que mantenham programa XII – propiciar assistência religiosa àqueles que
de acolhimento institucional poderão, em caráter desejarem, de acordo com suas crenças;
29
XIII – proceder a estudo social e pessoal de ca- tante do art. 94, sem prejuízo da responsabilida-
da caso; de civil e criminal de seus dirigentes ou prepostos:
XIV – reavaliar periodicamente cada caso, com I – às entidades governamentais:
intervalo máximo de seis meses, dando ciência a) advertência;
dos resultados à autoridade competente; b) afastamento provisório de seus dirigentes;
XV – informar, periodicamente, o adolescente c) afastamento definitivo de seus dirigentes;
internado sobre sua situação processual; d) fechamento de unidade ou interdição de pro-
XVI – comunicar às autoridades competentes to- grama;
dos os casos de adolescente portadores de molés- II – às entidades não governamentais:
tias infectocontagiosas; a) advertência;
XVII – fornecer comprovante de depósito dos
b) suspensão total ou parcial do repasse de ver-
pertences dos adolescentes;
bas públicas;
XVIII – manter programas destinados ao apoio
c) interdição de unidades ou suspensão de pro-
e acompanhamento de egressos;
grama;
XIX – providenciar os documentos necessários
d) cassação do registro.
ao exercício da cidadania àqueles que não os ti-
§ 1º Em caso de reiteradas infrações cometidas
verem;
XX – manter arquivo de anotações onde cons- por entidades de atendimento, que coloquem em
tem data e circunstâncias do atendimento, nome risco os direitos assegurados nesta Lei, deverá ser
do adolescente, seus pais ou responsável, paren- o fato comunicado ao Ministério Público ou re-
tes, endereços, sexo, idade, acompanhamento da presentado perante autoridade judiciária compe-
sua formação, relação de seus pertences e demais tente para as providências cabíveis, inclusive sus-
dados que possibilitem sua identificação e a indi- pensão das atividades ou dissolução da entidade.
vidualização do atendimento. (Parágrafo único transformado em § 1º pela Lei nº 12.010, de
§ 1º Aplicam-se, no que couber, as obrigações 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
constantes deste artigo às entidades que mantêm após a publicação)
programas de acolhimento institucional e fami- § 2º As pessoas jurídicas de direito público e as
liar. (Parágrafo com redação dada pela Lei nº 12.010, de organizações não governamentais responderão
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias pelos danos que seus agentes causarem às crian-
após a publicação) ças e aos adolescentes, caracterizado o descum-
§ 2º No cumprimento das obrigações a que alu- primento dos princípios norteadores das ativida-
de este artigo as entidades utilizarão preferencial- des de proteção específica. (Parágrafo acrescido pela
mente os recursos da comunidade. Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009,
Art. 94-A. As entidades, públicas ou privadas, que em vigor 90 dias após a publicação)
abriguem ou recepcionem crianças e adolescen-
TÍTULO II – DAS MEDIDAS DE PROTEÇÃO
tes, ainda que em caráter temporário, devem ter,
em seus quadros, profissionais capacitados a re- CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS
conhecer e reportar ao Conselho Tutelar suspeitas Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao
ou ocorrências de maus-tratos. (Artigo acrescido pela adolescente são aplicáveis sempre que os direi-
Lei nº 13.046, de 1º/12/2014) tos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou
Seção II – Da Fiscalização das Entidades violados:
Art. 95. As entidades governamentais e não go- I – por ação ou omissão da sociedade ou do Es-
vernamentais, referidas no art. 90, serão fiscaliza- tado;
das pelo Judiciário, pelo Ministério Público e pelos II – por falta, omissão ou abuso dos pais ou res-
Conselhos Tutelares. ponsável;
III – em razão de sua conduta.
Art. 96. Os planos de aplicação e as prestações
de contas serão apresentados ao Estado ou ao CAPÍTULO II – DAS MEDIDAS
Município, conforme a origem das dotações orça- ESPECÍFICAS DE PROTEÇÃO
mentárias. Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo po-
Art. 97. São medidas aplicáveis às entidades de derão ser aplicadas isolada ou cumulativamente,
atendimento que descumprirem obrigação cons- bem como substituídas a qualquer tempo.
30
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


Art. 100. Na aplicação das medidas levar-se-ão em VII – intervenção mínima: a intervenção deve
conta as necessidades pedagógicas, preferindo-se ser exercida exclusivamente pelas autoridades e
aquelas que visem ao fortalecimento dos vínculos instituições cuja ação seja indispensável à efetiva
familiares e comunitários. promoção dos direitos e à proteção da criança e
Parágrafo único. São também princípios que re- do adolescente; (Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de
gem a aplicação das medidas: (Caput do parágrafo 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
único acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada após a publicação)
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) VIII – proporcionalidade e atualidade: a inter-
I – condição da criança e do adolescente como venção deve ser a necessária e adequada à situa-
sujeitos de direitos: crianças e adolescentes são ção de perigo em que a criança ou o adolescente
os titulares dos direitos previstos nesta e em ou- se encontram no momento em que a decisão é
tras Leis, bem como na Constituição Federal; (Inciso tomada; (Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009,
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu-
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) blicação)
II – proteção integral e prioritária: a interpreta- IX – responsabilidade parental: a intervenção
ção e aplicação de toda e qualquer norma con- deve ser efetuada de modo que os pais assumam
tida nesta Lei deve ser voltada à proteção inte- os seus deveres para com a criança e o adolescen-
gral e prioritária dos direitos de que crianças e te; (Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publica-
adolescentes são titulares; (Inciso acrescido pela Lei da no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em X – prevalência da família: na promoção de di-
vigor 90 dias após a publicação) reitos e na proteção da criança e do adolescente
III – responsabilidade primária e solidária do po- deve ser dada prevalência às medidas que os man-
der público: a plena efetivação dos direitos asse- tenham ou reintegrem na sua família natural ou
gurados a crianças e a adolescentes por esta Lei extensa ou, se isso não for possível, que promo-
e pela Constituição Federal, salvo nos casos por vam a sua integração em família adotiva; (Inciso
esta expressamente ressalvados, é de responsa- acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação
bilidade primária e solidária das 3 (três) esferas dada pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
de governo, sem prejuízo da municipalização do XI – obrigatoriedade da informação: a criança e
atendimento e da possibilidade da execução de o adolescente, respeitado seu estágio de desen-
programas por entidades não governamentais; volvimento e capacidade de compreensão, seus
(Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada pais ou responsável devem ser informados dos
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) seus direitos, dos motivos que determinaram a in-
IV – interesse superior da criança e do adoles- tervenção e da forma como esta se processa; (Inciso
cente: a intervenção deve atender prioritariamen- acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU
te aos interesses e direitos da criança e do ado- de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
lescente, sem prejuízo da consideração que for XII – oitiva obrigatória e participação: a criança
devida a outros interesses legítimos no âmbito e o adolescente, em separado ou na companhia
da pluralidade dos interesses presentes no caso dos pais, de responsável ou de pessoa por si in-
concreto; (Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, dicada, bem como os seus pais ou responsável,
publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu- têm direito a ser ouvidos e a participar nos atos
blicação) e na definição da medida de promoção dos direi-
V – privacidade: a promoção dos direitos e pro- tos e de proteção, sendo sua opinião devidamen-
teção da criança e do adolescente deve ser efetua- te considerada pela autoridade judiciária com-
da no respeito pela intimidade, direito à imagem e petente, observado o disposto nos §§ 1º e 2º do
reserva da sua vida privada; (Inciso acrescido pela Lei art. 28 desta Lei. (Inciso acrescido pela Lei nº 12.010, de
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
vigor 90 dias após a publicação) após a publicação)
VI – intervenção precoce: a intervenção das au- Art. 101. Verificada qualquer das hipóteses pre-
toridades competentes deve ser efetuada logo que vistas no art. 98, a autoridade competente poderá
a situação de perigo seja conhecida; (Inciso acresci- determinar, dentre outras, as seguintes medidas:
do pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de I – encaminhamento aos pais ou responsável,
4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) mediante termo de responsabilidade;
31
II – orientação, apoio e acompanhamento tem- I – sua identificação e a qualificação completa
porários; de seus pais ou de seu responsável, se conhecidos;
III – matrícula e frequência obrigatórias em esta- II – o endereço de residência dos pais ou do res-
belecimento oficial de ensino fundamental; ponsável, com pontos de referência;
IV – inclusão em serviços e programas oficiais III – os nomes de parentes ou de terceiros inte-
ou comunitários de proteção, apoio e promoção ressados em tê-los sob sua guarda;
da família, da criança e do adolescente; (Inciso com IV – os motivos da retirada ou da não reintegra-
redação dada pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016) ção ao convívio familiar. (Parágrafo acrescido pela Lei
V – requisição de tratamento médico, psicoló- nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
gico ou psiquiátrico, em regime hospitalar ou am- vigor 90 dias após a publicação)
bulatorial; § 4º Imediatamente após o acolhimento da crian-
VI – inclusão em programa oficial ou comunitá- ça ou do adolescente, a entidade responsável pelo
rio de auxílio, orientação e tratamento a alcoóla- programa de acolhimento institucional ou fami-
tras e toxicômanos; liar elaborará um plano individual de atendimen-
VII – acolhimento institucional; (Inciso com reda- to, visando à reintegração familiar, ressalvada a
ção dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU existência de ordem escrita e fundamentada em
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) contrário de autoridade judiciária competente,
VIII – inclusão em programa de acolhimento fa- caso em que também deverá contemplar sua co-
miliar; (Inciso com redação dada pela Lei nº 12.010, de locação em família substituta, observadas as re-
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias gras e princípios desta Lei. (Parágrafo acrescido pela
após a publicação) Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009,
IX – colocação em família substituta. (Inciso acres- em vigor 90 dias após a publicação)
cido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de § 5º O plano individual será elaborado sob a
4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) responsabilidade da equipe técnica do respecti-
§ 1º O acolhimento institucional e o acolhimen- vo programa de atendimento e levará em consi-
to familiar são medidas provisórias e excepcionais, deração a opinião da criança ou do adolescente e
utilizáveis como forma de transição para reinte- a oitiva dos pais ou do responsável. (Parágrafo acres-
gração familiar ou, não sendo esta possível, para cido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
colocação em família substituta, não implicando 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
privação de liberdade. (Parágrafo único transformado § 6º Constarão do plano individual, dentre outros:
em § 1º e com nova redação dada pela Lei nº 12.010, de I – os resultados da avaliação interdisciplinar;
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias II – os compromissos assumidos pelos pais ou
após a publicação) responsável; e
§ 2º Sem prejuízo da tomada de medidas emer- III – a previsão das atividades a serem desenvol-
genciais para proteção de vítimas de violência vidas com a criança ou com o adolescente acolhi-
ou abuso sexual e das providências a que alude do e seus pais ou responsável, com vista na rein-
o art. 130 desta Lei, o afastamento da criança ou tegração familiar ou, caso seja esta vedada por
adolescente do convívio familiar é de competência expressa e fundamentada determinação judicial,
exclusiva da autoridade judiciária e importará na as providências a serem tomadas para sua colo-
deflagração, a pedido do Ministério Público ou de cação em família substituta, sob direta supervisão
quem tenha legítimo interesse, de procedimento da autoridade judiciária. (Parágrafo acrescido pela Lei
judicial contencioso, no qual se garanta aos pais nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
ou ao responsável legal o exercício do contradi- vigor 90 dias após a publicação)
tório e da ampla defesa. (Parágrafo acrescido pela Lei §  7º O acolhimento familiar ou institucional
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em ocorrerá no local mais próximo à residência dos
vigor 90 dias após a publicação) pais ou do responsável e, como parte do processo
§ 3º Crianças e adolescentes somente poderão de reintegração familiar, sempre que identificada
ser encaminhados às instituições que executam a necessidade, a família de origem será incluída
programas de acolhimento institucional, gover- em programas oficiais de orientação, de apoio e
namentais ou não, por meio de uma Guia de Aco- de promoção social, sendo facilitado e estimula-
lhimento, expedida pela autoridade judiciária, na do o contato com a criança ou com o adolescen-
qual obrigatoriamente constará, dentre outros: te acolhido. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de
32
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias dos do convívio familiar e abreviar o período de
após a publicação) permanência em programa de acolhimento. (Pará-
§ 8º Verificada a possibilidade de reintegração grafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
familiar, o responsável pelo programa de acolhi- no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
mento familiar ou institucional fará imediata co- Art. 102. As medidas de proteção de que trata es-
municação à autoridade judiciária, que dará vista te Capítulo serão acompanhadas da regularização
ao Ministério Público, pelo prazo de 5 (cinco) dias, do registro civil.
decidindo em igual prazo. (Parágrafo acrescido pela Lei § 1º Verificada a inexistência de registro anterior,
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em o assento de nascimento da criança ou adolescen-
vigor 90 dias após a publicação) te será feito à vista dos elementos disponíveis, me-
§ 9º Em sendo constatada a impossibilidade de diante requisição da autoridade judiciária.
reintegração da criança ou do adolescente à famí- § 2º Os registros e certidões necessárias à regu-
lia de origem, após seu encaminhamento a progra- larização de que trata este artigo são isentos de
mas oficiais ou comunitários de orientação, apoio e multas, custas e emolumentos, gozando de abso-
promoção social, será enviado relatório fundamen- luta prioridade.
tado ao Ministério Público, no qual conste a descri- § 3º Caso ainda não definida a paternidade, se-
ção pormenorizada das providências tomadas e a rá deflagrado procedimento específico destina-
expressa recomendação, subscrita pelos técnicos do à sua averiguação, conforme previsto pela Lei
da entidade ou responsáveis pela execução da po- nº 8.560, de 29 de dezembro de 1992. (Parágrafo
lítica municipal de garantia do direito à convivên- acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU
cia familiar, para a destituição do poder familiar, de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
ou destituição de tutela ou guarda. (Parágrafo acres- § 4º Nas hipóteses previstas no § 3º deste artigo,
cido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de é dispensável o ajuizamento de ação de investi-
4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) gação de paternidade pelo Ministério Público se,
§ 10. Recebido o relatório, o Ministério Público após o não comparecimento ou a recusa do su-
terá o prazo de 15 (quinze) dias para o ingresso posto pai em assumir a paternidade a ele atribuída,
com a ação de destituição do poder familiar, sal- a criança for encaminhada para adoção. (Parágrafo
vo se entender necessária a realização de estudos acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU
complementares ou de outras providências indis- de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
pensáveis ao ajuizamento da demanda. (Parágrafo § 5º Os registros e certidões necessários à inclu-
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação são, a qualquer tempo, do nome do pai no assen-
dada pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) to de nascimento são isentos de multas, custas e
§ 11. A autoridade judiciária manterá, em cada emolumentos, gozando de absoluta prioridade.
comarca ou foro regional, um cadastro contendo (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
informações atualizadas sobre as crianças e ado- § 6º São gratuitas, a qualquer tempo, a averba-
lescentes em regime de acolhimento familiar e ins- ção requerida do reconhecimento de paternidade
titucional sob sua responsabilidade, com informa- no assento de nascimento e a certidão correspon-
ções pormenorizadas sobre a situação jurídica de dente. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016)
cada um, bem como as providências tomadas pa- TÍTULO III – DA PRÁTICA DE ATO INFRACIONAL
ra sua reintegração familiar ou colocação em famí-
CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS
lia substituta, em qualquer das modalidades pre-
vistas no art. 28 desta Lei. (Parágrafo acrescido pela Lei Art. 103. Considera-se ato infracional a conduta
descrita como crime ou contravenção penal.
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
vigor 90 dias após a publicação) Art. 104. São penalmente inimputáveis os meno-
§ 12. Terão acesso ao cadastro o Ministério Pú- res de dezoito anos, sujeitos às medidas previstas
blico, o Conselho Tutelar, o órgão gestor da Assis- nesta Lei.
tência Social e os Conselhos Municipais dos Direi- Parágrafo único. Para os efeitos desta Lei, de-
tos da Criança e do Adolescente e da Assistência ve ser considerada a idade do adolescente à data
Social, aos quais incumbe deliberar sobre a imple- do fato.
mentação de políticas públicas que permitam re- Art. 105. Ao ato infracional praticado por criança
duzir o número de crianças e adolescentes afasta- corresponderão as medidas previstas no art. 101.
33
CAPÍTULO II – DOS DIREITOS INDIVIDUAIS I – advertência;
Art. 106. Nenhum adolescente será privado de II – obrigação de reparar o dano;
sua liberdade senão em flagrante de ato infracio- III – prestação de serviços à comunidade;
nal ou por ordem escrita e fundamentada da au- IV – liberdade assistida;
toridade judiciária competente. V – inserção em regime de semiliberdade;
Parágrafo único. O adolescente tem direito à VI – internação em estabelecimento educacional;
identificação dos responsáveis pela sua apreensão, VII – qualquer uma das previstas no art. 101, I a VI.
devendo ser informado acerca de seus direitos. § 1º A medida aplicada ao adolescente levará
Art. 107. A apreensão de qualquer adolescente e o em conta a sua capacidade de cumpri-la, as cir-
local onde se encontra recolhido serão incontinenti cunstâncias e a gravidade da infração.
comunicados à autoridade judiciária competente § 2º Em hipótese alguma e sob pretexto algum,
e à família do apreendido ou à pessoa por ele in- será admitida a prestação de trabalho forçado.
dicada. § 3º Os adolescentes portadores de doença ou
Parágrafo único. Examinar-se-á, desde logo e deficiência mental receberão tratamento indivi-
sob pena de responsabilidade, a possibilidade de dual e especializado, em local adequado às suas
liberação imediata. condições.
Art. 108. A internação, antes da sentença, pode Art. 113. Aplica-se a este Capítulo o disposto nos
ser determinada pelo prazo máximo de quarenta arts. 99 e 100.
e cinco dias.
Art. 114. A imposição das medidas previstas nos
Parágrafo único. A decisão deverá ser fundamen-
incisos II a VI do art. 112 pressupõe a existência
tada e basear-se em indícios suficientes de autoria
de provas suficientes da autoria e da materialida-
e materialidade, demonstrada a necessidade im-
de da infração, ressalvada a hipótese de remissão,
periosa da medida.
nos termos do art. 127.
Art. 109. O adolescente civilmente identificado não
Parágrafo único. A advertência poderá ser apli-
será submetido a identificação compulsória pelos
cada sempre que houver prova da materialidade
órgãos policiais, de proteção e judiciais, salvo para
e indícios suficientes da autoria.
efeito de confrontação, havendo dúvida fundada.
Seção II – Da Advertência
CAPÍTULO III – DAS GARANTIAS PROCESSUAIS
Art. 115. A advertência consistirá em admoesta-
Art. 110. Nenhum adolescente será privado de
ção verbal, que será reduzida a termo e assinada.
sua liberdade sem o devido processo legal.
Seção III – Da Obrigação de Reparar o Dano
Art. 111. São asseguradas ao adolescente, entre
outras, as seguintes garantias: Art. 116. Em se tratando de ato infracional com
I – pleno e formal conhecimento da atribuição reflexos patrimoniais, a autoridade poderá deter-
de ato infracional, mediante citação ou meio equi- minar, se for o caso, que o adolescente restitua a
valente; coisa, promova o ressarcimento do dano, ou, por
II – igualdade na relação processual, podendo outra forma, compense o prejuízo da vítima.
confrontar-se com vítimas e testemunhas e produ- Parágrafo único. Havendo manifesta impossibi-
zir todas as provas necessárias à sua defesa; lidade, a medida poderá ser substituída por outra
III – defesa técnica por advogado; adequada.
IV – assistência judiciária gratuita e integral aos
Seção IV – Da Prestação de
necessitados, na forma da lei; Serviços à Comunidade
V – direito de ser ouvido pessoalmente pela au-
Art. 117. A prestação de serviços comunitários
toridade competente;
VI – direito de solicitar a presença de seus pais consiste na realização de tarefas gratuitas de in-
ou responsável em qualquer fase do procedimento. teresse geral, por período não excedente a seis
meses, junto a entidades assistenciais, hospitais,
CAPÍTULO IV – DAS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS escolas e outros estabelecimentos congêneres,
Seção I – Disposições Gerais bem como em programas comunitários ou gover-
Art. 112. Verificada a prática de ato infracional, a namentais.
autoridade competente poderá aplicar ao adoles- Parágrafo único. As tarefas serão atribuídas con-
cente as seguintes medidas: forme as aptidões do adolescente, devendo ser
34
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


cumpridas durante jornada máxima de oito ho- § 1º Será permitida a realização de atividades
ras semanais, aos sábados, domingos e feriados externas, a critério da equipe técnica da entidade,
ou em dias úteis, de modo a não prejudicar a fre- salvo expressa determinação judicial em contrário.
quência à escola ou à jornada normal de trabalho. § 2º A medida não comporta prazo determina-
Seção V – Da Liberdade Assistida do, devendo sua manutenção ser reavaliada, me-
diante decisão fundamentada, no máximo a cada
Art. 118. A liberdade assistida será adotada sem-
seis meses.
pre que se afigurar a medida mais adequada para
§ 3º Em nenhuma hipótese o período máximo
o fim de acompanhar, auxiliar e orientar o adoles- de internação excederá a três anos.
cente. § 4º Atingido o limite estabelecido no parágrafo
§ 1º A autoridade designará pessoa capacitada anterior, o adolescente deverá ser liberado, colo-
para acompanhar o caso, a qual poderá ser reco- cado em regime de semiliberdade ou de liberda-
mendada por entidade ou programa de atendi- de assistida.
mento. § 5º A liberação será compulsória aos vinte e um
§ 2º A liberdade assistida será fixada pelo prazo anos de idade.
mínimo de seis meses, podendo a qualquer tempo § 6º Em qualquer hipótese a desinternação será
ser prorrogada, revogada ou substituída por outra precedida de autorização judicial, ouvido o Minis-
medida, ouvido o orientador, o Ministério Público tério Público.
e o defensor. § 7º A determinação judicial mencionada no § 1º
Art. 119. Incumbe ao orientador, com o apoio e a poderá ser revista a qualquer tempo pela autori-
supervisão da autoridade competente, a realiza- dade judiciária. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.594,
ção dos seguintes encargos, entre outros: de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012, em vigor
I – promover socialmente o adolescente e sua 90 dias após a publicação)
família, fornecendo-lhes orientação e inserindo- Art. 122. A medida de internação só poderá ser
-os, se necessário, em programa oficial ou comu- aplicada quando:
nitário de auxílio e assistência social; I – tratar-se de ato infracional cometido median-
II – supervisionar a frequência e o aproveita- te grave ameaça ou violência a pessoa;
mento escolar do adolescente, promovendo, in- II – por reiteração no cometimento de outras in-
clusive, sua matrícula; frações graves;
III – diligenciar no sentido da profissionalização III – por descumprimento reiterado e injustificá-
do adolescente e de sua inserção no mercado de vel da medida anteriormente imposta.
trabalho; § 1º O prazo de internação na hipótese do inci-
IV – apresentar relatório do caso. so III deste artigo não poderá ser superior a 3 (três)
meses, devendo ser decretada judicialmente após
Seção VI – Do Regime de Semiliberdade
o devido processo legal. (Parágrafo com redação da-
Art. 120. O regime de semiliberdade pode ser de- da pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de
terminado desde o início, ou como forma de tran- 19/1/2012, em vigor 90 dias após a publicação)
sição para o meio aberto, possibilitada a realiza- § 2º Em nenhuma hipótese será aplicada a inter-
ção de atividades externas, independentemente nação, havendo outra medida adequada.
de autorização judicial.
Art. 123. A internação deverá ser cumprida em en-
§ 1º É obrigatória a escolarização e a profissio-
tidade exclusiva para adolescentes, em local dis-
nalização, devendo, sempre que possível, ser utili-
tinto daquele destinado ao abrigo, obedecida rigo-
zados os recursos existentes na comunidade.
rosa separação por critérios de idade, compleição
§ 2º A medida não comporta prazo determinado,
física e gravidade da infração.
aplicando-se, no que couber, as disposições rela-
Parágrafo único. Durante o período de interna-
tivas à internação. ção, inclusive provisória, serão obrigatórias ativi-
Seção VII – Da Internação dades pedagógicas.
Art. 121. A internação constitui medida privativa Art. 124. São direitos do adolescente privado de
da liberdade, sujeita aos princípios de brevidade, liberdade, entre outros, os seguintes:
excepcionalidade e respeito à condição peculiar I – entrevistar-se pessoalmente com o represen-
de pessoa em desenvolvimento. tante do Ministério Público;
35
II – peticionar diretamente a qualquer autori- Art. 127. A remissão não implica necessariamente
dade; o reconhecimento ou comprovação da responsa-
III – avistar-se reservadamente com seu defensor; bilidade, nem prevalece para efeito de anteceden-
IV – ser informado de sua situação processual, tes, podendo incluir eventualmente a aplicação de
sempre que solicitada; qualquer das medidas previstas em lei, exceto a
V – ser tratado com respeito e dignidade; colocação em regime de semiliberdade e a inter-
VI – permanecer internado na mesma localida- nação.
de ou naquela mais próxima ao domicílio de seus Art. 128. A medida aplicada por força da remis-
pais ou responsável;
são poderá ser revista judicialmente, a qualquer
VII – receber visitas, ao menos semanalmente;
tempo, mediante pedido expresso do adolescen-
VIII – corresponder-se com seus familiares e
te ou de seu representante legal, ou do Ministério
amigos;
Público.
IX – ter acesso aos objetos necessários à higiene
e asseio pessoal; TÍTULO IV – DAS MEDIDAS PERTINENTES
X – habitar alojamento em condições adequa- AOS PAIS OU RESPONSÁVEL
das de higiene e salubridade; Art. 129. São medidas aplicáveis aos pais ou res-
XI – receber escolarização e profissionalização; ponsável:
XII – realizar atividades culturais, esportivas e I – encaminhamento a serviços e programas
de lazer; oficiais ou comunitários de proteção, apoio e pro-
XIII – ter acesso aos meios de comunicação so- moção da família; (Inciso com redação dada pela Lei
cial; nº 13.257, de 8/3/2016)
XIV – receber assistência religiosa, segundo a II – inclusão em programa oficial ou comunitário
sua crença, e desde que assim o deseje; de auxílio, orientação e tratamento a alcoólatras
XV – manter a posse de seus objetos pessoais e e toxicômanos;
dispor de local seguro para guardá-los, receben- III – encaminhamento a tratamento psicológico
do comprovante daqueles porventura deposita- ou psiquiátrico;
dos em poder da entidade; IV – encaminhamento a cursos ou programas
XVI – receber, quando de sua desinternação, os de orientação;
documentos pessoais indispensáveis à vida em V – obrigação de matricular o filho ou pupilo
sociedade. e acompanhar sua frequência e aproveitamento
§ 1º Em nenhum caso haverá incomunicabili- escolar;
dade. VI – obrigação de encaminhar a criança ou ado-
§ 2º A autoridade judiciária poderá suspender lescente a tratamento especializado;
temporariamente a visita, inclusive de pais ou res- VII – advertência;
ponsável, se existirem motivos sérios e fundados VIII – perda da guarda;
de sua prejudicialidade aos interesses do adoles- IX – destituição da tutela;
cente. X – suspensão ou destituição do poder familiar.
Art. 125. É dever do Estado zelar pela integridade (Expressão “pátrio poder” substituída por “poder familiar”
física e mental dos internos, cabendo-lhe adotar pelo art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009)
as medidas adequadas de contenção e segurança. Parágrafo único. Na aplicação das medidas pre-
CAPÍTULO V – DA REMISSÃO vistas nos incisos IX e X deste artigo, observar-se-á
o disposto nos arts. 23 e 24.
Art. 126. Antes de iniciado o procedimento ju-
dicial para apuração de ato infracional, o repre- Art. 130. Verificada a hipótese de maus-tratos,
sentante do Ministério Público poderá conceder opressão ou abuso sexual impostos pelos pais ou
a remissão, como forma de exclusão do processo, responsável, a autoridade judiciária poderá deter-
atendendo às circunstâncias e consequências do minar, como medida cautelar, o afastamento do
fato, ao contexto social, bem como à personalida- agressor da moradia comum.
de do adolescente e sua maior ou menor partici- Parágrafo único. Da medida cautelar constará,
pação no ato infracional. ainda, a fixação provisória dos alimentos de que
Parágrafo único. Iniciado o procedimento, a con- necessitem a criança ou o adolescente depen-
cessão da remissão pela autoridade judiciária im- dentes do agressor. (Parágrafo único acrescido pela Lei
portará na suspensão ou extinção do processo. nº 12.415, de 9/6/2011)

36
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


TÍTULO V – DO CONSELHO TUTELAR I – atender as crianças e adolescentes nas hi-


CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS póteses previstas nos arts. 98 e 105, aplicando as
medidas previstas no art. 101, I a VII;
Art. 131. O Conselho Tutelar é órgão permanente
II – atender e aconselhar os pais ou responsável,
e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela
aplicando as medidas previstas no art. 129, I a VII;
sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos III – promover a execução de suas decisões, po-
da criança e do adolescente, definidos nesta Lei. dendo para tanto:
Art. 132. Em cada Município e em cada Região Ad- a) requisitar serviços públicos nas áreas de saú-
ministrativa do Distrito Federal haverá, no mínimo, de, educação, serviço social, previdência, trabalho
1 (um) Conselho Tutelar como órgão integrante da e segurança;
administração pública local, composto de 5 (cin- b) representar junto à autoridade judiciária nos
co) membros, escolhidos pela população local pa- casos de descumprimento injustificado de suas
ra mandato de 4 (quatro) anos, permitida recon- deliberações;
dução por novos processos de escolha. (Artigo com IV – encaminhar ao Ministério Público notícia de
redação dada pela Lei nº 13.824, de 9/5/2019) fato que constitua infração administrativa ou pe-
nal contra os direitos da criança ou adolescente;
Art. 133. Para a candidatura a membro do Conse-
V – encaminhar à autoridade judiciária os casos
lho Tutelar, serão exigidos os seguintes requisitos:
de sua competência;
I – reconhecida idoneidade moral;
VI – providenciar a medida estabelecida pela au-
II – idade superior a vinte e um anos; toridade judiciária, dentre as previstas no art. 101,
III – residir no município. de I a VI, para o adolescente autor de ato infracional;
Art. 134. Lei municipal ou distrital disporá sobre o VII – expedir notificações;
local, dia e horário de funcionamento do Conselho VIII – requisitar certidões de nascimento e de óbi-
Tutelar, inclusive quanto à remuneração dos res- to de criança ou adolescente quando necessário;
pectivos membros, aos quais é assegurado o direi- IX – assessorar o Poder Executivo local na ela-
to a: (Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 12.696, boração da proposta orçamentária para planos e
de 25/7/2012) programas de atendimento dos direitos da criança
I – cobertura previdenciária; (Inciso acrescido pela e do adolescente;
Lei nº 12.696, de 25/7/2012) X – representar, em nome da pessoa e da família,
II – gozo de férias anuais remuneradas, acres- contra a violação dos direitos previstos no art. 220,
§ 3º, inciso II da Constituição Federal;
cidas de 1/3 (um terço) do valor da remuneração
XI – representar ao Ministério Público para efeito
mensal; (Inciso acrescido pela Lei nº 12.696, de 25/7/2012)
das ações de perda ou suspensão do poder fami-
III – licença-maternidade; (Inciso acrescido pela Lei
liar, após esgotadas as possibilidades de manuten-
nº 12.696, de 25/7/2012)
ção da criança ou do adolescente junto à família
IV – licença-paternidade; (Inciso acrescido pela Lei
natural; (Inciso com redação dada pela Lei nº 12.010, de
nº 12.696, de 25/7/2012)
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
V – gratificação natalina. (Inciso acrescido pela Lei após a publicação)
nº 12.696, de 25/7/2012) XII – promover e incentivar, na comunidade e nos
Parágrafo único. Constará da lei orçamentária grupos profissionais, ações de divulgação e treina-
municipal e da do Distrito Federal previsão dos mento para o reconhecimento de sintomas de maus-
recursos necessários ao funcionamento do Con- -tratos em crianças e adolescentes. (Inciso acrescido
selho Tutelar e à remuneração e formação conti- pela Lei nº 13.046, de 1º/12/2014)
nuada dos conselheiros tutelares. (Parágrafo único Parágrafo único. Se, no exercício de suas atri-
com redação dada pela Lei nº 12.696, de 25/7/2012) buições, o Conselho Tutelar entender necessário
Art. 135. O exercício efetivo da função de conse- o afastamento do convívio familiar, comunicará
lheiro constituirá serviço público relevante e es- incontinenti o fato ao Ministério Público, prestando-
tabelecerá presunção de idoneidade moral. (Artigo -lhe informações sobre os motivos de tal entendi-
com redação dada pela Lei nº 12.696, de 25/7/2012)
mento e as providências tomadas para a orientação,
o apoio e a promoção social da família. (Parágrafo
CAPÍTULO II – DAS ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO único acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
Art. 136. São atribuições do Conselho Tutelar: no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)

37
Art. 137. As decisões do Conselho Tutelar somen- § 1º A assistência judiciária gratuita será presta-
te poderão ser revistas pela autoridade judiciária a da aos que dela necessitarem, através de defensor
pedido de quem tenha legítimo interesse. público ou advogado nomeado.
§ 2º As ações judiciais da competência da Justiça
CAPÍTULO III – DA COMPETÊNCIA
da Infância e da Juventude são isentas de custas e
Art. 138. Aplica-se ao Conselho Tutelar a regra de emolumentos, ressalvada a hipótese de litigância de
competência constante do art. 147. má-fé.
CAPÍTULO IV – DA ESCOLHA DOS CONSELHEIROS Art. 142. Os menores de dezesseis anos serão re-
Art. 139. O processo para a escolha dos membros presentados e os maiores de dezesseis e menores
do Conselho Tutelar será estabelecido em lei mu- de vinte e um anos assistidos por seus pais, tuto-
nicipal e realizado sob a responsabilidade do Con- res ou curadores, na forma da legislação civil ou
selho Municipal dos Direitos da Criança e do Ado- processual.
lescente, e a fiscalização do Ministério Público. Parágrafo único. A autoridade judiciária dará
(Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 8.242, de curador especial à criança ou adolescente, sempre
12/10/1991) que os interesses destes colidirem com os de seus
§ 1º O processo de escolha dos membros do pais ou responsável, ou quando carecer de repre-
Conselho Tutelar ocorrerá em data unificada em sentação ou assistência legal ainda que eventual.
todo o território nacional a cada 4 (quatro) anos, Art. 143. É vedada a divulgação de atos judiciais,
no primeiro domingo do mês de outubro do ano policiais e administrativos que digam respeito a
subsequente ao da eleição presidencial. (Parágrafo crianças e adolescentes a que se atribua autoria
acrescido pela Lei nº 12.696, de 25/7/2012) de ato infracional.
§ 2º A posse dos conselheiros tutelares ocorrerá Parágrafo único. Qualquer notícia a respeito do
no dia 10 de janeiro do ano subsequente ao pro- fato não poderá identificar a criança ou adoles-
cesso de escolha. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.696, cente, vedando-se fotografia, referência a nome,
de 25/7/2012) apelido, filiação, parentesco, residência e, inclu-
§ 3º No processo de escolha dos membros do sive, iniciais do nome e sobrenome. (Parágrafo único
Conselho Tutelar, é vedado ao candidato doar, com redação dada pela Lei nº 10.764, de 12/11/2003)
oferecer, prometer ou entregar ao eleitor bem ou Art. 144. A expedição de cópia ou certidão de atos
vantagem pessoal de qualquer natureza, inclusive a que se refere o artigo anterior somente será de-
brindes de pequeno valor. (Parágrafo acrescido pela Lei ferida pela autoridade judiciária competente, se
nº 12.696, de 25/7/2012) demonstrado o interesse e justificada a finalidade.
CAPÍTULO V – DOS IMPEDIMENTOS CAPÍTULO II – DA JUSTIÇA DA
Art. 140. São impedidos de servir no mesmo Con- INFÂNCIA E DA JUVENTUDE
selho marido e mulher, ascendentes e descen- Seção I – Disposições Gerais
dentes, sogro e genro ou nora, irmãos, cunhados, Art. 145. Os Estados e o Distrito Federal poderão
durante o cunhadio, tio e sobrinho, padrasto ou criar varas especializadas e exclusivas da infância
madrasta e enteado. e da juventude, cabendo ao Poder Judiciário esta-
Parágrafo único. Estende-se o impedimento do belecer sua proporcionalidade por número de ha-
conselheiro, na forma deste artigo, em relação à bitantes, dotá-las de infraestrutura e dispor sobre
autoridade judiciária e ao representante do Minis- o atendimento, inclusive em plantões.
tério Público com atuação na Justiça da Infância
Seção II – Do Juiz
e da Juventude, em exercício na Comarca, Foro
Regional ou Distrital. Art. 146. A autoridade a que se refere esta Lei é
o Juiz da Infância e da Juventude, ou o Juiz que
TÍTULO VI – DO ACESSO À JUSTIÇA exerce essa função, na forma da Lei de Organiza-
CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS ção Judiciária local.
Art. 141. É garantido o acesso de toda criança ou Art. 147. A competência será determinada:
adolescente à Defensoria Pública, ao Ministério I – pelo domicílio dos pais ou responsável;
Público e ao Poder Judiciário, por qualquer de II – pelo lugar onde se encontre a criança ou
seus órgãos. adolescente, à falta dos pais ou responsável.
38
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


§ 1º Nos casos de ato infracional, será compe- e) conceder a emancipação, nos termos da lei
tente a autoridade do lugar da ação ou omissão, civil, quando faltarem os pais;
observadas as regras de conexão, continência e f) designar curador especial em casos de apre-
prevenção. sentação de queixa ou representação, ou de ou-
§ 2º A execução das medidas poderá ser dele- tros procedimentos judiciais ou extrajudiciais em
gada à autoridade competente da residência dos que haja interesses de criança ou adolescente;
pais ou responsável, ou do local onde sediar-se g) conhecer de ações de alimentos;
a entidade que abrigar a criança ou adolescente. h) determinar o cancelamento, a retificação e o
§ 3º Em caso de infração cometida através de suprimento dos registros de nascimento e óbito.
transmissão simultânea de rádio ou televisão, que
Art. 149. Compete à autoridade judiciária disci-
atinja mais de uma comarca, será competente, pa-
plinar, através de portaria, ou autorizar, mediante
ra aplicação da penalidade, a autoridade judiciá-
alvará:
ria do local da sede estadual da emissora ou rede,
I – a entrada e permanência de criança ou ado-
tendo a sentença eficácia para todas as transmis-
lescente, desacompanhado dos pais ou responsá-
soras ou retransmissoras do respectivo Estado.
vel, em:
Art. 148. A Justiça da Infância e da Juventude é
a) estádio, ginásio e campo desportivo;
competente para:
b) bailes ou promoções dançantes;
I – conhecer de representações promovidas pe-
c) boate ou congêneres;
lo Ministério Público, para apuração de ato infra-
d) casa que explore comercialmente diversões
cional atribuído a adolescente, aplicando as me-
eletrônicas;
didas cabíveis;
e) estúdios cinematográficos, de teatro, rádio e
II – conceder a remissão, como forma de sus-
televisão;
pensão ou extinção do processo;
II – a participação de criança e adolescente em:
III – conhecer de pedidos de adoção e seus in-
a) espetáculos públicos e seus ensaios;
cidentes;
b) certames de beleza.
IV – conhecer de ações civis fundadas em inte-
resses individuais, difusos ou coletivos afetos à § 1º Para os fins do disposto neste artigo, a au-
criança e ao adolescente, observado o disposto toridade judiciária levará em conta, dentre outros
no art. 209; fatores:
V – conhecer de ações decorrentes de irregula- a) os princípios desta Lei;
ridades em entidades de atendimento, aplicando b) as peculiaridades locais;
as medidas cabíveis; c) a existência de instalações adequadas;
VI – aplicar penalidades administrativas nos ca- d) o tipo de frequência habitual ao local;
sos de infrações contra norma de proteção a crian- e) a adequação do ambiente a eventual partici-
ça ou adolescentes; pação ou frequência de crianças e adolescentes;
VII – conhecer de casos encaminhados pelo f) a natureza do espetáculo.
Conselho Tutelar, aplicando as medidas cabíveis. § 2º As medidas adotadas na conformidade des-
Parágrafo único. Quando se tratar de criança ou te artigo deverão ser fundamentadas, caso a caso,
adolescente nas hipóteses do art. 98, é também vedadas as determinações de caráter geral.
competente a Justiça da Infância e da Juventude Seção III – Dos Serviços Auxiliares
para o fim de:
Art. 150. Cabe ao Poder Judiciário, na elabora-
a) conhecer de pedidos de guarda e tutela;
ção de sua proposta orçamentária, prever recur-
b) conhecer de ações de destituição do poder fa-
sos para manutenção de equipe interprofissional,
miliar, perda ou modificação da tutela ou guarda;
destinada a assessorar a Justiça da Infância e da
(Expressão “pátrio poder” substituída por “poder familiar”
Juventude.
pelo art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009)
c) suprir a capacidade ou o consentimento para Art. 151. Compete à equipe interprofissional, den-
o casamento; tre outras atribuições que lhe forem reservadas
d) conhecer de pedidos baseados em discordân- pela legislação local, fornecer subsídios por escri-
cia paterna ou materna, em relação ao exercício do to, mediante laudos, ou verbalmente, na audiência,
poder familiar; (Expressão “pátrio poder” substituída por e bem assim desenvolver trabalhos de aconselha-
“poder familiar” pelo art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009) mento, orientação, encaminhamento, prevenção e
39
outros, tudo sob a imediata subordinação à auto- ção do Ministério Público ou de quem tenha legí-
ridade judiciária, assegurada a livre manifestação timo interesse. (Expressão “pátrio poder” substituída por
do ponto de vista técnico. “poder familiar” pelo art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009)
Parágrafo único. Na ausência ou insuficiência de Art. 156. A petição inicial indicará:
servidores públicos integrantes do Poder Judiciário I – a autoridade judiciária a que for dirigida;
responsáveis pela realização dos estudos psicosso- II – o nome, o estado civil, a profissão e a resi-
ciais ou de quaisquer outras espécies de avaliações dência do requerente e do requerido, dispensada
técnicas exigidas por esta Lei ou por determinação a qualificação em se tratando de pedido formula-
judicial, a autoridade judiciária poderá proceder à do por representante do Ministério Público;
nomeação de perito, nos termos do art. 156 da Lei III – a exposição sumária do fato e o pedido;
nº 13.105, de 16 de março de 2015 (Código de Pro- IV – as provas que serão produzidas, oferecendo,
cesso Civil). (Parágrafo único acrescido pela Lei nº 13.509,
desde logo, o rol de testemunhas e documentos.
de 22/11/2017)
Art. 157. Havendo motivo grave, poderá a auto-
CAPÍTULO III – DOS PROCEDIMENTOS ridade judiciária, ouvido o Ministério Público, de-
Seção I – Disposições Gerais cretar a suspensão do poder familiar, liminar ou
Art. 152. Aos procedimentos regulados nesta Lei incidentalmente, até o julgamento definitivo da
aplicam-se subsidiariamente as normas gerais pre- causa, ficando a criança ou adolescente confiado
vistas na legislação processual pertinente. a pessoa idônea, mediante termo de responsabi-
§ 1º É assegurada, sob pena de responsabilidade, lidade. (Expressão “pátrio poder” substituída por “poder
prioridade absoluta na tramitação dos processos familiar” pelo art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009)
e procedimentos previstos nesta Lei, assim como § 1º Recebida a petição inicial, a autoridade judi-
na execução dos atos e diligências judiciais a eles ciária determinará, concomitantemente ao despa-
referentes. (Parágrafo único acrescido pela Lei nº 12.010, cho de citação e independentemente de requeri-
de 3/8/2009, e transformado em § 1º pela Lei nº 13.509, de mento do interessado, a realização de estudo social
22/11/2017) ou perícia por equipe interprofissional ou multidis-
§ 2º Os prazos estabelecidos nesta Lei e aplicá- ciplinar para comprovar a presença de uma das cau-
veis aos seus procedimentos são contados em dias sas de suspensão ou destituição do poder familiar,
corridos, excluído o dia do começo e incluído o dia ressalvado o disposto no § 10 do art. 101 desta Lei,
do vencimento, vedado o prazo em dobro para a e observada a Lei nº 13.431, de 4 de abril de 2017.
Fazenda Pública e o Ministério Público. (Parágrafo (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) § 2º Em sendo os pais oriundos de comunidades
Art. 153. Se a medida judicial a ser adotada não indígenas, é ainda obrigatória a intervenção, junto
corresponder a procedimento previsto nesta ou à equipe interprofissional ou multidisciplinar re-
em outra lei, a autoridade judiciária poderá inves- ferida no § 1º deste artigo, de representantes do
tigar os fatos e ordenar de ofício as providências órgão federal responsável pela política indigenis-
necessárias, ouvido o Ministério Público. ta, observado o disposto no § 6º do art. 28 desta
Parágrafo único. O disposto neste artigo não se Lei. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
aplica para o fim de afastamento da criança ou do Art. 158. O requerido será citado para, no prazo
adolescente de sua família de origem e em outros de dez dias, oferecer resposta escrita, indicando
procedimentos necessariamente contenciosos. as provas a serem produzidas e oferecendo desde
(Parágrafo único acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, logo o rol de testemunhas e documentos.
publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu- § 1º A citação será pessoal, salvo se esgotados
blicação) todos os meios para sua realização. (Parágrafo úni-
Art. 154. Aplica-se às multas o disposto no art. 214. co transformado em § 1º e com redação dada pela Lei
Seção II – Da Perda e da Suspensão nº 12.962, de 8/4/2014)
do Poder Familiar § 2º O requerido privado de liberdade deverá
(Expressão “pátrio poder” substituída por “poder ser citado pessoalmente. (Parágrafo acrescido pela
familiar” pelo art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009) Lei nº 12.962, de 8/4/2014)
Art. 155. O procedimento para a perda ou a sus- § 3º Quando, por 2 (duas) vezes, o oficial de jus-
pensão do poder familiar terá início por provoca- tiça houver procurado o citando em seu domicílio
40
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


ou residência sem o encontrar, deverá, havendo tado seu estágio de desenvolvimento e grau de
suspeita de ocultação, informar qualquer pessoa compreensão sobre as implicações da medida. (Pa-
da família ou, em sua falta, qualquer vizinho do rágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
dia útil em que voltará a fim de efetuar a citação, no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
na hora que designar, nos termos do art. 252 e se- § 4º É obrigatória a oitiva dos pais sempre que
guintes da Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015 eles forem identificados e estiverem em local co-
(Código de Processo Civil). (Parágrafo acrescido pela nhecido, ressalvados os casos de não compareci-
Lei nº 13.509, de 22/11/2017) mento perante a Justiça quando devidamente cita-
§ 4º Na hipótese de os genitores encontrarem- dos. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e
-se em local incerto ou não sabido, serão citados com redação dada pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
por edital no prazo de 10 (dez) dias, em publica- § 5º Se o pai ou a mãe estiverem privados de
ção única, dispensado o envio de ofícios para a liberdade, a autoridade judicial requisitará sua
localização. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, de apresentação para a oitiva. (Parágrafo acrescido pela
22/11/2017) Lei nº 12.962, de 8/4/2014)

Art. 159. Se o requerido não tiver possibilidade de Art. 162. Apresentada a resposta, a autoridade ju-
constituir advogado, sem prejuízo do próprio sus- diciária dará vista dos autos ao Ministério Público,
tento e de sua família, poderá requerer, em cartó- por cinco dias, salvo quando este for o requerente,
rio, que lhe seja nomeado dativo, ao qual incumbi- designando, desde logo, audiência de instrução e
rá a apresentação de resposta, contando-se o prazo julgamento.
a partir da intimação do despacho de nomeação. § 1º (Revogado pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
Parágrafo único. Na hipótese de requerido priva- § 2º Na audiência, presentes as partes e o Mi-
do de liberdade, o oficial de justiça deverá pergun- nistério Público, serão ouvidas as testemunhas,
tar, no momento da citação pessoal, se deseja que colhendo-se oralmente o parecer técnico, salvo
quando apresentado por escrito, manifestando-se
lhe seja nomeado defensor. (Parágrafo único acrescido
sucessivamente o requerente, o requerido e o Minis-
pela Lei nº 12.962, de 8/4/2014)
tério Público, pelo tempo de 20 (vinte) minutos cada
Art. 160. Sendo necessário, a autoridade judiciá-
um, prorrogável por mais 10 (dez) minutos. (Pará-
ria requisitará de qualquer repartição ou órgão pú- grafo com redação dada pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
blico a apresentação de documento que interesse § 3º A decisão será proferida na audiência, po-
à causa, de ofício ou a requerimento das partes ou dendo a autoridade judiciária, excepcionalmente,
do Ministério Público. designar data para sua leitura no prazo máximo de
Art. 161. Se não for contestado o pedido e tiver si- 5 (cinco) dias. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509,
do concluído o estudo social ou a perícia realizada de 22/11/2017)
por equipe interprofissional ou multidisciplinar, a § 4º Quando o procedimento de destituição de
autoridade judiciária dará vista dos autos ao Mi- poder familiar for iniciado pelo Ministério Público,
nistério Público, por 5 (cinco) dias, salvo quando não haverá necessidade de nomeação de curador
este for o requerente, e decidirá em igual prazo. especial em favor da criança ou adolescente. (Pará-
(Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 13.509, de grafo acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
22/11/2017) Art. 163. O prazo máximo para conclusão do pro-
§ 1º A autoridade judiciária, de ofício ou a reque- cedimento será de 120 (cento e vinte) dias, e cabe-
rimento das partes ou do Ministério Público, deter- rá ao juiz, no caso de notória inviabilidade de ma-
minará a oitiva de testemunhas que comprovem a nutenção do poder familiar, dirigir esforços para
presença de uma das causas de suspensão ou des- preparar a criança ou o adolescente com vistas à
tituição do poder familiar previstas nos arts. 1.637 colocação em família substituta. (Caput do parágrafo
e 1.638 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 com redação dada pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
(Código Civil), ou no art. 24 desta Lei. (Parágrafo com Parágrafo único. A sentença que decretar a perda
redação dada pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) ou a suspensão do poder familiar será averbada à
§ 2º (Revogado pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) margem do registro de nascimento da criança ou
§ 3º Se o pedido importar em modificação de do adolescente. (Parágrafo único acrescido pela Lei
guarda, será obrigatória, desde que possível e ra- nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
zoável, a oitiva da criança ou adolescente, respei- vigor 90 dias após a publicação)

41
Seção III – Da Destituição da Tutela mentos prestados pela equipe interprofissional
Art. 164. Na destituição da tutela, observar-se-á da Justiça da Infância e da Juventude, em espe-
o procedimento para a remoção de tutor previsto cial, no caso de adoção, sobre a irrevogabilidade
na lei processual civil e, no que couber, o dispos- da medida. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de
to na Seção anterior. 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
após a publicação)
Seção IV – Da Colocação em Família Substituta
§ 3º São garantidos a livre manifestação de von-
Art. 165. São requisitos para a concessão de pedi- tade dos detentores do poder familiar e o direito
dos de colocação em família substituta: ao sigilo das informações. (Parágrafo acrescido pela
I – qualificação completa do requerente e de seu Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação dada pela Lei
eventual cônjuge, ou companheiro, com expressa nº 13.509, de 22/11/2017)
anuência deste; § 4º O consentimento prestado por escrito não
II – indicação de eventual parentesco do reque- terá validade se não for ratificado na audiência a
rente e de seu cônjuge, ou companheiro, com a que se refere o § 1º deste artigo. (Parágrafo acrescido
criança ou adolescente, especificando se tem ou pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação dada pela
não parente vivo; Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
III – qualificação completa da criança ou adoles- § 5º O consentimento é retratável até a data da
cente e de seus pais, se conhecidos; realização da audiência especificada no § 1º deste
IV – indicação do cartório onde foi inscrito nas- artigo, e os pais podem exercer o arrependimento
cimento, anexando, se possível, uma cópia da res- no prazo de 10 (dez) dias, contado da data de pro-
pectiva certidão; lação da sentença de extinção do poder familiar.
V – declaração sobre a existência de bens, di- (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com
reitos ou rendimentos relativos à criança ou ao redação dada pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
adolescente. § 6º O consentimento somente terá valor se for
Parágrafo único. Em se tratando de adoção, ob- dado após o nascimento da criança. (Parágrafo acres-
servar-se-ão também os requisitos específicos. cido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
Art. 166. Se os pais forem falecidos, tiverem si- 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
do destituídos ou suspensos do poder familiar, ou § 7º A família natural e a família substituta rece-
houverem aderido expressamente ao pedido de berão a devida orientação por intermédio de equi-
colocação em família substituta, este poderá ser pe técnica interprofissional a serviço da Justiça da
formulado diretamente em cartório, em petição Infância e da Juventude, preferencialmente com
assinada pelos próprios requerentes, dispensada apoio dos técnicos responsáveis pela execução da
a assistência de advogado. (Caput do artigo com reda- política municipal de garantia do direito à convi-
ção dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU vência familiar. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.010,
de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) de 3/8/2009, e com redação dada pela Lei nº 13.509, de

§ 1º Na hipótese de concordância dos pais, o juiz: 22/11/2017)

(Parágrafo único transformado em § 1º pela Lei nº 12.010, Art. 167. A autoridade judiciária, de ofício ou a
de 3/8/2009, e caput do parágrafo com redação dada pela requerimento das partes ou do Ministério Público,
Lei nº 13.509, de 22/11/2017) determinará a realização de estudo social ou, se
I – na presença do Ministério Público, ouvirá as possível, perícia por equipe interprofissional, de-
partes, devidamente assistidas por advogado ou cidindo sobre a concessão de guarda provisória,
por defensor público, para verificar sua concordân- bem como, no caso de adoção, sobre o estágio de
cia com a adoção, no prazo máximo de 10 (dez) convivência.
dias, contado da data do protocolo da petição ou Parágrafo único. Deferida a concessão da guar-
da entrega da criança em juízo, tomando por ter- da provisória ou do estágio de convivência, a crian-
mo as declarações; e (Inciso acrescido pela Lei nº 13.509, ça ou o adolescente será entregue ao interessado,
de 22/11/2017) mediante termo de responsabilidade. (Parágrafo
II – declarará a extinção do poder familiar. (Inciso único acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
§ 2º O consentimento dos titulares do poder fa- Art. 168. Apresentado o relatório social ou o lau-
miliar será precedido de orientações e esclareci- do pericial, e ouvida, sempre que possível, a crian-
42
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


ça ou o adolescente, dar-se-á vista dos autos ao Parágrafo único. Nas demais hipóteses de fla-
Ministério Público, pelo prazo de cinco dias, deci- grante, a lavratura do auto poderá ser substituída
dindo a autoridade judiciária em igual prazo. por boletim de ocorrência circunstanciada.
Art. 169. Nas hipóteses em que a destituição da Art. 174. Comparecendo qualquer dos pais ou
tutela, a perda ou a suspensão do poder familiar responsável, o adolescente será prontamente li-
constituir pressuposto lógico da medida principal berado pela autoridade policial, sob termo de
de colocação em família substituta, será observa- compromisso e responsabilidade de sua apre-
do o procedimento contraditório previsto nas se- sentação ao representante do Ministério Público,
ções II e III deste Capítulo. (Expressão “pátrio poder” no mesmo dia ou, sendo impossível, no primeiro
substituída por “poder familiar” pelo art. 3º da Lei nº 12.010, dia útil imediato, exceto quando, pela gravidade
de 3/8/2009) do ato infracional e sua repercussão social, deva o
Parágrafo único. A perda ou a modificação da adolescente permanecer sob internação para ga-
guarda poderá ser decretada nos mesmos autos rantia de sua segurança pessoal ou manutenção
do procedimento, observado o disposto no art. 35. da ordem pública.
Art. 170. Concedida a guarda ou a tutela, observar- Art. 175. Em caso de não liberação, a autoridade
-se-á o disposto no art. 32, e, quanto à adoção, o policial encaminhará, desde logo, o adolescente
contido no art. 47. ao representante do Ministério Público, juntamen-
Parágrafo único. A colocação de criança ou ado- te com cópia do auto de apreensão ou boletim de
lescente sob a guarda de pessoa inscrita em progra- ocorrência.
ma de acolhimento familiar será comunicada pela
§ 1º Sendo impossível a apresentação imediata,
autoridade judiciária à entidade por este respon-
a autoridade policial encaminhará o adolescente a
sável no prazo máximo de 5 (cinco) dias. (Parágrafo
entidade de atendimento, que fará a apresentação
único acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
ao representante do Ministério Público no prazo
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
de vinte e quatro horas.
Seção V – Da Apuração de Ato Infracional § 2º Nas localidades onde não houver entidade
Atribuído a Adolescente de atendimento, a apresentação far-se-á pela au-
Art. 171. O adolescente apreendido por força de toridade policial. À falta de repartição policial es-
ordem judicial será, desde logo, encaminhado à pecializada, o adolescente aguardará a apresen-
autoridade judiciária. tação em dependência separada da destinada a
Art. 172. O adolescente apreendido em flagrante maiores, não podendo, em qualquer hipótese, ex-
de ato infracional será, desde logo, encaminhado ceder o prazo referido no parágrafo anterior.
à autoridade policial competente. Art. 176. Sendo o adolescente liberado, a autori-
Parágrafo único. Havendo repartição policial dade policial encaminhará imediatamente ao re-
especializada para atendimento de adolescente presentante do Ministério Público cópia do auto
e em se tratando de ato infracional praticado em de apreensão ou boletim de ocorrência.
coautoria com maior, prevalecerá a atribuição da
Art. 177. Se, afastada a hipótese de flagrante, hou-
repartição especializada, que, após as providên-
ver indícios de participação de adolescente na prá-
cias necessárias e conforme o caso, encaminhará
tica de ato infracional, a autoridade policial enca-
o adulto à repartição policial própria.
minhará ao representante do Ministério Público
Art. 173. Em caso de flagrante de ato infracional
relatório das investigações e demais documentos.
cometido mediante violência ou grave ameaça a
Art. 178. O adolescente a quem se atribua autoria
pessoa, a autoridade policial, sem prejuízo do dis-
de ato infracional não poderá ser conduzido ou
posto nos arts. 106, parágrafo único, e 107, deverá:
I – lavrar auto de apreensão, ouvidos as teste- transportado em compartimento fechado de veí-
munhas e o adolescente; culo policial, em condições atentatórias à sua dig-
II – apreender o produto e os instrumentos da nidade, ou que impliquem risco à sua integridade
infração; física ou mental, sob pena de responsabilidade.
III – requisitar os exames ou perícias necessá- Art. 179. Apresentado o adolescente, o represen-
rios à comprovação da materialidade e autoria da tante do Ministério Público, no mesmo dia e à vis-
infração. ta do auto de apreensão, boletim de ocorrência
43
ou relatório policial, devidamente autuados pelo Art. 184. Oferecida a representação, a autoridade
cartório judicial e com informação sobre os ante- judiciária designará audiência de apresentação do
cedentes do adolescente, procederá imediata e in- adolescente, decidindo, desde logo, sobre a decre-
formalmente à sua oitiva e, em sendo possível, de tação ou manutenção da internação, observado o
seus pais ou responsável, vítima e testemunhas. disposto no art. 108 e parágrafo.
Parágrafo único. Em caso de não apresentação, § 1º O adolescente e seus pais ou responsável
o representante do Ministério Público notificará os serão cientificados do teor da representação, e no-
pais ou responsável para apresentação do adoles- tificados a comparecer à audiência, acompanha-
cente, podendo requisitar o concurso das Polícias dos de advogado.
Civil e Militar. § 2º Se os pais ou responsável não forem locali-
Art. 180. Adotadas as providências a que alude o zados, a autoridade judiciária dará curador espe-
artigo anterior, o representante do Ministério Pú- cial ao adolescente.
blico poderá: § 3º Não sendo localizado o adolescente, a au-
I – promover o arquivamento dos autos; toridade judiciária expedirá mandado de busca e
II – conceder a remissão; apreensão, determinando o sobrestamento do fei-
III – representar à autoridade judiciária para apli- to, até a efetiva apresentação.
cação de medida socioeducativa. § 4º Estando o adolescente internado, será re-
Art. 181. Promovido o arquivamento dos autos quisitada a sua apresentação, sem prejuízo da no-
ou concedida a remissão pelo representante do tificação dos pais ou responsável.
Ministério Público, mediante termo fundamenta- Art. 185. A internação, decretada ou mantida pe-
do, que conterá o resumo dos fatos, os autos se- la autoridade judiciária, não poderá ser cumprida
rão conclusos à autoridade judiciária para homo-
em estabelecimento prisional.
logação.
§ 1º Inexistindo na comarca entidade com as ca-
§ 1º Homologado o arquivamento ou a remissão,
racterísticas definidas no art. 123, o adolescente
a autoridade judiciária determinará, conforme o
deverá ser imediatamente transferido para a lo-
caso, o cumprimento da medida.
calidade mais próxima.
§ 2º Discordando, a autoridade judiciária fará re-
§ 2º Sendo impossível a pronta transferência, o
messa dos autos ao Procurador-Geral de Justiça,
adolescente aguardará sua remoção em reparti-
mediante despacho fundamentado, e este ofere-
ção policial, desde que em Seção isolada dos adul-
cerá representação, designará outro membro do
Ministério Público para apresentá-la, ou ratificará tos e com instalações apropriadas, não podendo
o arquivamento ou a remissão, que só então esta- ultrapassar o prazo máximo de cinco dias, sob pe-
rá a autoridade judiciária obrigada a homologar. na de responsabilidade.

Art. 182. Se, por qualquer razão, o representante Art. 186. Comparecendo o adolescente, seus pais
do Ministério Público não promover o arquivamen- ou responsável, a autoridade judiciária procederá
to ou conceder a remissão, oferecerá representação à oitiva dos mesmos, podendo solicitar opinião de
à autoridade judiciária, propondo a instauração de profissional qualificado.
procedimento para aplicação da medida socioedu- § 1º Se a autoridade judiciária entender adequa-
cativa que se afigurar a mais adequada. da a remissão, ouvirá o representante do Ministé-
§ 1º A representação será oferecida por petição, rio Público, proferindo decisão.
que conterá o breve resumo dos fatos e a classifi- § 2º Sendo o fato grave, passível de aplicação de
cação do ato infracional e, quando necessário, o medida de internação ou colocação em regime
rol de testemunhas, podendo ser deduzida oral- de semiliberdade, a autoridade judiciária, verifi-
mente, em sessão diária instalada pela autorida- cando que o adolescente não possui advogado
de judiciária. constituído, nomeará defensor, designando, desde
§ 2º A representação independe de prova pré- logo, audiência em continuação, podendo deter-
-constituída da autoria e materialidade. minar a realização de diligências e estudo do caso.
Art. 183. O prazo máximo e improrrogável para a § 3º O advogado constituído ou o defensor no-
conclusão do procedimento, estando o adolescen- meado, no prazo de três dias contado da audiên-
te internado provisoriamente, será de quarenta e cia de apresentação, oferecerá defesa prévia e rol
cinco dias. de testemunhas.
44
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


§ 4º Na audiência em continuação, ouvidas as I – será precedida de autorização judicial devi-


testemunhas arroladas na representação e na de- damente circunstanciada e fundamentada, que
fesa prévia, cumpridas as diligências e juntado o estabelecerá os limites da infiltração para obten-
relatório da equipe interprofissional, será dada a ção de prova, ouvido o Ministério Público;
palavra ao representante do Ministério Público e II – dar-se-á mediante requerimento do Ministé-
ao defensor, sucessivamente, pelo tempo de vinte rio Público ou representação de delegado de polí-
minutos para cada um, prorrogável por mais dez, cia e conterá a demonstração de sua necessidade,
a critério da autoridade judiciária, que em seguida o alcance das tarefas dos policiais, os nomes ou
proferirá decisão. apelidos das pessoas investigadas e, quando pos-
Art. 187. Se o adolescente, devidamente notifi- sível, os dados de conexão ou cadastrais que per-
cado, não comparecer, injustificadamente, à au- mitam a identificação dessas pessoas;
diência de apresentação, a autoridade judiciária III – não poderá exceder o prazo de 90 (noventa)
designará nova data, determinando sua condução dias, sem prejuízo de eventuais renovações, desde
coercitiva. que o total não exceda a 720 (setecentos e vinte)
dias e seja demonstrada sua efetiva necessidade,
Art. 188. A remissão, como forma de extinção ou
a critério da autoridade judicial.
suspensão do processo, poderá ser aplicada em
§ 1º A autoridade judicial e o Ministério Público
qualquer fase do procedimento, antes da sentença.
poderão requisitar relatórios parciais da operação
Art. 189. A autoridade judiciária não aplicará qual- de infiltração antes do término do prazo de que
quer medida, desde que reconheça na sentença: trata o inciso II do § 1º deste artigo.
I – estar provada a inexistência do fato; § 2º Para efeitos do disposto no inciso I do § 1º
II – não haver prova da existência do fato; deste artigo, consideram-se:
III – não constituir o fato ato infracional; I – dados de conexão: informações referentes a
IV – não existir prova de ter o adolescente con- hora, data, início, término, duração, endereço de
corrido para o ato infracional. Protocolo de Internet (IP) utilizado e terminal de ori-
Parágrafo único. Na hipótese deste artigo, estan- gem da conexão;
do o adolescente internado, será imediatamente II – dados cadastrais: informações referentes a
colocado em liberdade. nome e endereço de assinante ou de usuário re-
Art. 190. A intimação da sentença que aplicar me- gistrado ou autenticado para a conexão a quem
dida de internação ou regime de semiliberdade se- endereço de IP, identificação de usuário ou códi-
rá feita: go de acesso tenha sido atribuído no momento da
I – ao adolescente e ao seu defensor; conexão.
II – quando não for encontrado o adolescente, § 3º A infiltração de agentes de polícia na inter-
a seus pais ou responsável, sem prejuízo do de- net não será admitida se a prova puder ser obtida
fensor. por outros meios. (Artigo acrescido pela Lei nº 13.441,
§ 1º Sendo outra a medida aplicada, a intimação de 8/5/2017)
far-se-á unicamente na pessoa do defensor. Art. 190-B. As informações da operação de infil-
§ 2º Recaindo a intimação na pessoa do adoles- tração serão encaminhadas diretamente ao juiz
cente, deverá este manifestar se deseja ou não re- responsável pela autorização da medida, que ze-
correr da sentença. lará por seu sigilo.
Seção V-A – Da Infiltração de Agentes de Parágrafo único. Antes da conclusão da opera-
Polícia para a Investigação de Crimes contra a ção, o acesso aos autos será reservado ao juiz, ao
Dignidade Sexual de Criança e de Adolescente Ministério Público e ao delegado de polícia res-
(Seção acrescida pela Lei nº 13.441, de 8/5/2017) ponsável pela operação, com o objetivo de garan-
Art. 190-A. A infiltração de agentes de polícia na tir o sigilo das investigações. (Artigo acrescido pela Lei
internet com o fim de investigar os crimes previstos nº 13.441, de 8/5/2017)
nos arts. 240, 241, 241-A, 241-B, 241-C e 241-D des- Art. 190-C. Não comete crime o policial que ocul-
ta Lei e nos arts. 154-A, 217-A, 218, 218-A e 218-B ta a sua identidade para, por meio da internet, co-
do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 lher indícios de autoria e materialidade dos crimes
(Código Penal), obedecerá às seguintes regras: previstos nos arts. 240, 241, 241-A, 241-B, 241-C e
45
241-D desta Lei e nos arts. 154-A, 217-A, 218, 218-A § 1º Salvo manifestação em audiência, as partes
e 218-B do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro e o Ministério Público terão cinco dias para ofere-
de 1940 (Código Penal). cer alegações finais, decidindo a autoridade judi-
Parágrafo único. O agente policial infiltrado que ciária em igual prazo.
deixar de observar a estrita finalidade da investi- § 2º Em se tratando de afastamento provisório
gação responderá pelos excessos praticados. (Arti- ou definitivo de dirigente de entidade governa-
go acrescido pela Lei nº 13.441, de 8/5/2017) mental, a autoridade judiciária oficiará à autori-
dade administrativa imediatamente superior ao
Art. 190-D. Os órgãos de registro e cadastro públi-
afastado, marcando prazo para a substituição.
co poderão incluir nos bancos de dados próprios,
§ 3º Antes de aplicar qualquer das medidas, a
mediante procedimento sigiloso e requisição da
autoridade judiciária poderá fixar prazo para a re-
autoridade judicial, as informações necessárias à
moção das irregularidades verificadas. Satisfeitas
efetividade da identidade fictícia criada.
as exigências, o processo será extinto, sem julga-
Parágrafo único. O procedimento sigiloso de
mento de mérito.
que trata esta Seção será numerado e tombado
§ 4º A multa e a advertência serão impostas ao di-
em livro específico. (Artigo acrescido pela Lei nº 13.441, rigente da entidade ou programa de atendimento.
de 8/5/2017)
Seção VII – Da Apuração de Infração
Art. 190-E. Concluída a investigação, todos os Administrativa às Normas de Proteção
atos eletrônicos praticados durante a operação à Criança e ao Adolescente
deverão ser registrados, gravados, armazenados Art. 194. O procedimento para imposição de pe-
e encaminhados ao juiz e ao Ministério Público, nalidade administrativa por infração às normas de
juntamente com relatório circunstanciado. proteção à criança e ao adolescente terá início por
Parágrafo único. Os atos eletrônicos registrados representação do Ministério Público, ou do Con-
citados no caput deste artigo serão reunidos em selho Tutelar, ou auto de infração elaborado por
autos apartados e apensados ao processo crimi- servidor efetivo ou voluntário credenciado, e as-
nal juntamente com o inquérito policial, assegu- sinado por duas testemunhas, se possível.
rando-se a preservação da identidade do agente § 1º No procedimento iniciado com o auto de
policial infiltrado e a intimidade das crianças e infração, poderão ser usadas fórmulas impressas,
dos adolescentes envolvidos. (Artigo acrescido pela especificando-se a natureza e as circunstâncias da
Lei nº 13.441, de 8/5/2017) infração.
Seção VI – Da Apuração de Irregularidades § 2º Sempre que possível, à verificação da infra-
em Entidade de Atendimento ção seguir-se-á a lavratura do auto, certificando-se,
em caso contrário, dos motivos do retardamento.
Art. 191. O procedimento de apuração de irregu-
laridades em entidade governamental e não go- Art. 195. O requerido terá prazo de dez dias para
vernamental terá início mediante portaria da au- apresentação de defesa, contado da data da inti-
toridade judiciária ou representação do Ministério mação, que será feita:
Público ou do Conselho Tutelar, onde conste, ne- I – pelo autuante, no próprio auto, quando este
for lavrado na presença do requerido;
cessariamente, resumo dos fatos.
II – por oficial de justiça ou funcionário legal-
Parágrafo único. Havendo motivo grave, pode-
mente habilitado, que entregará cópia do auto ou
rá a autoridade judiciária, ouvido o Ministério Pú-
da representação ao requerido, ou a seu represen-
blico, decretar liminarmente o afastamento provi-
tante legal, lavrando certidão;
sório do dirigente da entidade, mediante decisão
III – por via postal, com aviso de recebimento,
fundamentada.
se não for encontrado o requerido ou seu repre-
Art. 192. O dirigente da entidade será citado pa- sentante legal;
ra, no prazo de dez dias, oferecer resposta escrita, IV – por edital, com prazo de trinta dias, se incer-
podendo juntar documentos e indicar as provas to ou não sabido o paradeiro do requerido ou de
a produzir. seu representante legal.
Art. 193. Apresentada ou não a resposta, e sen- Art. 196. Não sendo apresentada a defesa no pra-
do necessário, a autoridade judiciária designará zo legal, a autoridade judiciária dará vista dos au-
audiência de instrução e julgamento, intimando tos ao Ministério Público, por cinco dias, decidindo
as partes. em igual prazo.
46
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


Art. 197. Apresentada a defesa, a autoridade ju- para o exercício de uma paternidade ou materni-
diciária procederá na conformidade do artigo an- dade responsável, à luz dos requisitos e princípios
terior, ou, sendo necessário, designará audiência desta Lei. (Caput do artigo acrescido pela Lei nº 12.010, de
de instrução e julgamento. 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
Parágrafo único. Colhida a prova oral, manifestar- após a publicação)
-se-ão sucessivamente o Ministério Público e o pro- § 1º É obrigatória a participação dos postulantes
curador do requerido, pelo tempo de vinte minutos em programa oferecido pela Justiça da Infância e
para cada um, prorrogável por mais dez, a critério da Juventude, preferencialmente com apoio dos
da autoridade judiciária, que em seguida proferirá técnicos responsáveis pela execução da política
sentença. municipal de garantia do direito à convivência
Seção VIII – Da Habilitação de familiar e dos grupos de apoio à adoção devida-
Pretendentes à Adoção mente habilitados perante a Justiça da Infância
(Seção acrescida pela Lei nº 12.010, de e da Juventude, que inclua preparação psicoló-
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, gica, orientação e estímulo à adoção inter-racial,
em vigor 90 dias após a publicação)
de crianças ou de adolescentes com deficiência,
Art. 197-A. Os postulantes à adoção, domicilia- com doenças crônicas ou com necessidades espe-
dos no Brasil, apresentarão petição inicial na qual cíficas de saúde, e de grupos de irmãos. (Parágrafo
conste: acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação
I – qualificação completa; dada pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
II – dados familiares; § 2º Sempre que possível e recomendável, a eta-
III – cópias autenticadas de certidão de nasci- pa obrigatória da preparação referida no § 1º deste
mento ou casamento, ou declaração relativa ao artigo incluirá o contato com crianças e adolescen-
período de união estável; tes em regime de acolhimento familiar ou institu-
IV – cópias da cédula de identidade e inscrição cional, a ser realizado sob orientação, supervisão
no Cadastro de Pessoas Físicas; e avaliação da equipe técnica da Justiça da Infân-
V – comprovante de renda e domicílio; cia e da Juventude e dos grupos de apoio à ado-
VI – atestados de sanidade física e mental; ção, com apoio dos técnicos responsáveis pelo
VII – certidão de antecedentes criminais; programa de acolhimento familiar e institucional
VIII – certidão negativa de distribuição cível. (Ar- e pela execução da política municipal de garantia
tigo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no do direito à convivência familiar. (Parágrafo acrescido
DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação dada pela Lei
Art. 197-B. A autoridade judiciária, no prazo de nº 13.509, de 22/11/2017)
48 (quarenta e oito) horas, dará vista dos autos ao § 3º É recomendável que as crianças e os adoles-
Ministério Público, que no prazo de 5 (cinco) dias centes acolhidos institucionalmente ou por famí-
poderá: lia acolhedora sejam preparados por equipe inter-
I – apresentar quesitos a serem respondidos pe- profissional antes da inclusão em família adotiva.
la equipe interprofissional encarregada de elabo- (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
rar o estudo técnico a que se refere o art. 197-C Art. 197-D. Certificada nos autos a conclusão da
desta Lei; participação no programa referido no art. 197-C
II – requerer a designação de audiência para oi- desta Lei, a autoridade judiciária, no prazo de
tiva dos postulantes em juízo e testemunhas; 48 (quarenta e oito) horas, decidirá acerca das di-
III – requerer a juntada de documentos comple- ligências requeridas pelo Ministério Público e de-
mentares e a realização de outras diligências que terminará a juntada do estudo psicossocial, desig-
entender necessárias. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.010, nando, conforme o caso, audiência de instrução e
de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias julgamento.
após a publicação) Parágrafo único. Caso não sejam requeridas
Art. 197-C. Intervirá no feito, obrigatoriamente, diligências, ou sendo essas indeferidas, a autori-
equipe interprofissional a serviço da Justiça da In- dade judiciária determinará a juntada do estudo
fância e da Juventude, que deverá elaborar estudo psicossocial, abrindo a seguir vista dos autos ao
psicossocial, que conterá subsídios que permitam Ministério Público, por 5 (cinco) dias, decidindo
aferir a capacidade e o preparo dos postulantes em igual prazo. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.010, de
47
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias -se-á o sistema recursal da Lei nº 5.869, de 11 de
após a publicação) janeiro de 1973 (Código de Processo Civil), com as
Art. 197-E. Deferida a habilitação, o postulante seguintes adaptações: (Caput com redação dada pela
será inscrito nos cadastros referidos no art. 50 des- Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012,
ta Lei, sendo a sua convocação para a adoção feita em vigor 90 dias após a publicação)
de acordo com ordem cronológica de habilitação I – os recursos serão interpostos independente-
e conforme a disponibilidade de crianças ou ado- mente de preparo;
lescentes adotáveis. (Caput do artigo acrescido pela Lei II – em todos os recursos, salvo nos embargos de
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em declaração, o prazo para o Ministério Público e para
vigor 90 dias após a publicação) a defesa será sempre de 10 (dez) dias; (Inciso com
redação dada pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada
§ 1º A ordem cronológica das habilitações so-
no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias após a publicação)
mente poderá deixar de ser observada pela auto-
ridade judiciária nas hipóteses previstas no § 13 III – os recursos terão preferência de julgamento
e dispensarão revisor;
do art. 50 desta Lei, quando comprovado ser essa
IV – (Revogado pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
a melhor solução no interesse do adotando. (Pará-
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
grafo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
V – (Revogado pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
§ 2º A habilitação à adoção deverá ser renova-
VI – (Revogado pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada
da no mínimo trienalmente mediante avaliação
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
por equipe interprofissional. (Parágrafo acrescido pe-
VII – antes de determinar a remessa dos autos à
la Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação dada pela Lei
superior instância, no caso de apelação, ou do ins-
nº 13.509, de 22/11/2017)
trumento, no caso de agravo, a autoridade judiciá-
§ 3º Quando o adotante candidatar-se a uma no-
ria proferirá despacho fundamentado, mantendo
va adoção, será dispensável a renovação da ha-
ou reformando a decisão, no prazo de cinco dias;
bilitação, bastando a avaliação por equipe inter-
VIII – mantida a decisão apelada ou agravada,
profissional. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.509, de
o escrivão remeterá os autos ou o instrumento à
22/11/2017)
superior instância dentro de vinte e quatro horas,
§ 4º Após 3 (três) recusas injustificadas, pelo ha- independentemente de novo pedido do recorren-
bilitado, à adoção de crianças ou adolescentes in- te; se a reformar, a remessa dos autos dependerá
dicados dentro do perfil escolhido, haverá reava- de pedido expresso da parte interessada ou do Mi-
liação da habilitação concedida. (Parágrafo acrescido nistério Público, no prazo de cinco dias, contados
pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017) da intimação.
§ 5º A desistência do pretendente em relação
Art. 199. Contra as decisões proferidas com base
à guarda para fins de adoção ou a devolução da
no art. 149 caberá recurso de apelação.
criança ou do adolescente depois do trânsito em
julgado da sentença de adoção importará na sua Art. 199-A. A sentença que deferir a adoção pro-
exclusão dos cadastros de adoção e na vedação duz efeito desde logo, embora sujeita a apelação,
que será recebida exclusivamente no efeito devo-
de renovação da habilitação, salvo decisão judicial
lutivo, salvo se se tratar de adoção internacional
fundamentada, sem prejuízo das demais sanções
ou se houver perigo de dano irreparável ou de di-
previstas na legislação vigente. (Parágrafo acrescido
fícil reparação ao adotando. (Artigo acrescido pela Lei
pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em
Art. 197-F. O prazo máximo para conclusão da ha- vigor 90 dias após a publicação)
bilitação à adoção será de 120 (cento e vinte) dias,
Art. 199-B. A sentença que destituir ambos ou
prorrogável por igual período, mediante decisão
qualquer dos genitores do poder familiar fica sujei-
fundamentada da autoridade judiciária. (Artigo acres-
ta a apelação, que deverá ser recebida apenas no
cido pela Lei nº 13.509, de 22/11/2017)
efeito devolutivo. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.010, de
CAPÍTULO IV – DOS RECURSOS 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
Art. 198. Nos procedimentos afetos à Justiça da após a publicação)
Infância e da Juventude, inclusive os relativos à Art. 199-C. Os recursos nos procedimentos de
execução das medidas socioeducativas, adotar- adoção e de destituição de poder familiar, em face
48
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


da relevância das questões, serão processados VI – instaurar procedimentos administrativos e,


com prioridade absoluta, devendo ser imediata- para instruí-los:
mente distribuídos, ficando vedado que aguardem, a) expedir notificações para colher depoimentos
em qualquer situação, oportuna distribuição, e se- ou esclarecimentos e, em caso de não compareci-
rão colocados em mesa para julgamento sem re- mento injustificado, requisitar condução coerciti-
visão e com parecer urgente do Ministério Público. va, inclusive pela polícia civil ou militar;
(Artigo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada b) requisitar informações, exames, perícias e do-
no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação) cumentos de autoridades municipais, estaduais e
Art. 199-D. O relator deverá colocar o processo federais, da administração direta ou indireta, bem
em mesa para julgamento no prazo máximo de como promover inspeções e diligências investiga-
60 (sessenta) dias, contado da sua conclusão. tórias;
Parágrafo único. O Ministério Público será inti- c) requisitar informações e documentos a parti-
mado da data do julgamento e poderá na sessão, culares e instituições privadas;
se entender necessário, apresentar oralmente seu VII – instaurar sindicâncias, requisitar diligên-
parecer. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, cias investigatórias e determinar a instauração de
publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a pu- inquérito policial, para apuração de ilícitos ou in-
blicação) frações às normas de proteção à infância e à ju-
Art. 199-E. O Ministério Público poderá requerer ventude;
a instauração de procedimento para apuração de VIII – zelar pelo efetivo respeito aos direitos e
responsabilidades se constatar o descumprimen- garantias legais assegurados às crianças e adoles-
to das providências e do prazo previstos nos arti- centes, promovendo as medidas judiciais e extra-
gos anteriores. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.010, de judiciais cabíveis;
3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias IX – impetrar mandado de segurança, de injun-
após a publicação) ção e habeas corpus, em qualquer juízo, instância
CAPÍTULO V – DO MINISTÉRIO PÚBLICO ou tribunal, na defesa dos interesses sociais e in-
dividuais indisponíveis afetos à criança e ao ado-
Art. 200. As funções do Ministério Público, previs-
lescente;
tas nesta Lei, serão exercidas nos termos da res-
pectiva Lei Orgânica. X – representar ao juízo visando à aplicação de pe-
nalidade por infrações cometidas contra as normas
Art. 201. Compete ao Ministério Público:
de proteção à infância e à juventude, sem prejuízo
I – conceder a remissão como forma de exclusão
da promoção da responsabilidade civil e penal do
do processo;
infrator, quando cabível;
II – promover e acompanhar os procedimentos
XI – inspecionar as entidades públicas e parti-
relativos às infrações atribuídas a adolescentes;
culares de atendimento e os programas de que
III – promover e acompanhar as ações de ali-
trata esta Lei, adotando de pronto as medidas ad-
mentos e os procedimentos de suspensão e des-
tituição do poder familiar, nomeação e remoção ministrativas ou judiciais necessárias à remoção
de tutores, curadores e guardiães, bem como ofi- de irregularidades porventura verificadas;
ciar em todos os demais procedimentos da com- XII – requisitar força policial, bem como a cola-
petência da Justiça da Infância e da Juventude; boração dos serviços médicos, hospitalares, edu-
(Expressão “pátrio poder” substituída por “poder familiar” cacionais e de assistência social, públicos ou priva-
pelo art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009) dos, para o desempenho de suas atribuições.
IV – promover, de ofício ou por solicitação dos § 1º A legitimação do Ministério Público para as
interessados, a especialização e a inscrição de hi- ações cíveis previstas neste artigo não impede a
poteca legal e a prestação de contas dos tutores, de terceiros, nas mesmas hipóteses, segundo dis-
curadores e quaisquer administradores de bens de puserem a Constituição e esta Lei.
crianças e adolescentes nas hipóteses do art. 98; § 2º As atribuições constantes deste artigo não
V – promover o inquérito civil e a ação civil pú- excluem outras, desde que compatíveis com a fi-
blica para a proteção dos interesses individuais, nalidade do Ministério Público.
difusos ou coletivos relativos à infância e à ado- § 3º O representante do Ministério Público, no
lescência, inclusive os definidos no art. 220, § 3º, exercício de suas funções, terá livre acesso a to-
inciso II, da Constituição Federal; do local onde se encontre criança ou adolescente.
49
§ 4º O representante do Ministério Público será § 2º A ausência do defensor não determinará o
responsável pelo uso indevido das informações e adiamento de nenhum ato do processo, devendo
documentos que requisitar, nas hipóteses legais o juiz nomear substituto, ainda que provisoria-
de sigilo. mente, ou para o só efeito do ato.
§ 5º Para o exercício da atribuição de que trata § 3º Será dispensada a outorga de mandato, quan-
o inciso VIII deste artigo, poderá o representante do se tratar de defensor nomeado ou, sido consti-
do Ministério Público: tuído, tiver sido indicado por ocasião de ato formal
a) reduzir a termo as declarações do reclaman- com a presença da autoridade judiciária.
te, instaurando o competente procedimento, sob CAPÍTULO VII – DA PROTEÇÃO JUDICIAL DOS
sua presidência; INTERESSES INDIVIDUAIS, DIFUSOS E COLETIVOS
b) entender-se diretamente com a pessoa ou au- Art. 208. Regem-se pelas disposições desta Lei as
toridade reclamada, em dia, local e horário previa- ações de responsabilidade por ofensa aos direitos
mente notificados ou acertados; assegurados à criança e ao adolescente, referen-
c) efetuar recomendações visando à melhoria tes ao não oferecimento ou oferta irregular:
dos serviços públicos e de relevância pública afe- I – do ensino obrigatório;
tos à criança e ao adolescente, fixando prazo ra- II – de atendimento educacional especializado
zoável para sua perfeita adequação. aos portadores de deficiência;
Art. 202. Nos processos e procedimentos em que III – de atendimento em creche e pré-escola às
não for parte, atuará obrigatoriamente o Ministério crianças de zero a cinco anos de idade; (Inciso com
Público na defesa dos direitos e interesses de que redação dada pela Lei nº 13.306, de 4/7/2016)
cuida esta Lei, hipótese em que terá vista dos autos IV – de ensino noturno regular, adequado às
depois das partes, podendo juntar documentos e condições do educando;
requerer diligências, usando os recursos cabíveis. V – de programas suplementares de oferta de
Art. 203. A intimação do Ministério Público, em material didático-escolar, transporte e assistên-
qualquer caso, será feita pessoalmente. cia à saúde do educando do ensino fundamental;
VI – de serviço de assistência social visando à
Art. 204. A falta de intervenção do Ministério Pú-
proteção à família, à maternidade, à infância e
blico acarreta a nulidade do feito, que será decla-
à adolescência, bem como ao amparo às crianças
rada de ofício pelo juiz ou a requerimento de qual-
e adolescentes que dele necessitem;
quer interessado.
VII – de acesso às ações e serviços de saúde;
Art. 205. As manifestações processuais do repre- VIII – de escolarização e profissionalização dos
sentante do Ministério Público deverão ser funda- adolescentes privados de liberdade;
mentadas. IX – de ações, serviços e programas de orienta-
CAPÍTULO VI – DO ADVOGADO ção, apoio e promoção social de famílias e desti-
nados ao pleno exercício do direito à convivência
Art. 206. A criança ou o adolescente, seus pais ou
familiar por crianças e adolescentes; (Inciso acres-
responsável, e qualquer pessoa que tenha legíti-
cido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
mo interesse na solução da lide poderão intervir
4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
nos procedimentos de que trata esta Lei, através
X – de programas de atendimento para a exe-
de advogado, o qual será intimado para todos os
cução das medidas socioeducativas e aplicação
atos, pessoalmente ou por publicação oficial, res-
de medidas de proteção; (Inciso acrescido pela Lei
peitado o segredo de justiça.
nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012,
Parágrafo único. Será prestada assistência judi- em vigor 90 dias após a publicação)
ciária integral e gratuita àqueles que dela neces- XI – de políticas e programas integrados de aten-
sitarem. dimento à criança e ao adolescente vítima ou teste-
Art. 207. Nenhum adolescente a quem se atribua munha de violência. (Inciso acrescido pela Lei nº 13.431,
a prática de ato infracional, ainda que ausente ou de 4/4/2017, publicada no DOU de 5/4/2017, em vigor
foragido, será processado sem defensor. 1 ano após a publicação)
§ 1º Se o adolescente não tiver defensor, ser-lhe-á § 1º As hipóteses previstas neste artigo não ex-
nomeado pelo juiz, ressalvado o direito de, a todo cluem da proteção judicial outros interesses indi-
tempo, constituir outro de sua preferência. viduais, difusos ou coletivos, próprios da infância
50
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


e da adolescência, protegidos pela Constituição e ação mandamental, que se regerá pelas normas
pela Lei. (Parágrafo único transformado em § 1º pela Lei da lei do mandado de segurança.
nº 11.259, de 30/12/2005) Art. 213. Na ação que tenha por objeto o cumpri-
§ 2º A investigação do desaparecimento de crian- mento de obrigação de fazer ou não fazer, o juiz
ças ou adolescentes será realizada imediatamen- concederá a tutela específica da obrigação ou de-
te após notificação aos órgãos competentes, que terminará providências que assegurem o resulta-
deverão comunicar o fato aos portos, aeroportos, do prático equivalente ao do adimplemento.
Polícia Rodoviária e companhias de transporte in- § 1º Sendo relevante o fundamento da deman-
terestaduais e internacionais, fornecendo-lhes to- da e havendo justificado receio de ineficácia do
dos os dados necessários à identificação do desa- provimento final, é lícito ao juiz conceder a tutela
parecido. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 11.259, de liminarmente ou após justificação prévia, citando
30/12/2005) o réu.
Art. 209. As ações previstas neste Capítulo serão § 2º O juiz poderá, na hipótese do parágrafo an-
propostas no foro do local onde ocorreu ou deva terior ou na sentença, impor multa diária ao réu,
independentemente de pedido do autor, se for su-
ocorrer a ação ou omissão, cujo juízo terá compe-
ficiente ou compatível com a obrigação, fixando
tência absoluta para processar a causa, ressalva-
prazo razoável para o cumprimento do preceito.
das a competência da Justiça Federal e a compe-
§ 3º A multa só será exigível do réu após o trânsi-
tência originária dos Tribunais Superiores.
to em julgado da sentença favorável ao autor, mas
Art. 210. Para as ações cíveis fundadas em inte- será devida desde o dia em que se houver configu-
resses coletivos ou difusos, consideram-se legiti- rado o descumprimento.
mados concorrentemente:
Art. 214. Os valores das multas reverterão ao fundo
I – o Ministério Público;
gerido pelo Conselho dos Direitos da Criança e do
II – a União, os Estados, os Municípios, o Distrito Adolescente do respectivo município.
Federal e os Territórios; § 1º As multas não recolhidas até trinta dias
III – as associações legalmente constituídas há após o trânsito em julgado da decisão serão exi-
pelo menos um ano e que incluam entre seus fins gidas através de execução promovida pelo Minis-
institucionais a defesa dos interesses e direitos tério Público, nos mesmos autos, facultada igual
protegidos por esta Lei, dispensada a autorização iniciativa aos demais legitimados.
da assembleia, se houver prévia autorização esta- § 2º Enquanto o fundo não for regulamentado, o
tutária. dinheiro ficará depositado em estabelecimento ofi-
§ 1º Admitir-se-á litisconsórcio facultativo entre cial de crédito, em conta com correção monetária.
os Ministérios Públicos da União e dos Estados na Art. 215. O juiz poderá conferir efeito suspensivo
defesa dos interesses e direitos de que cuida esta Lei. aos recursos, para evitar dano irreparável à parte.
§ 2º Em caso de desistência ou abandono da
Art. 216. Transitada em julgado a sentença que
ação por associação legitimada, o Ministério Pú-
impuser condenação ao Poder Público, o juiz de-
blico ou outro legitimado poderá assumir a titu-
terminará a remessa de peças à autoridade com-
laridade ativa.
petente, para apuração da responsabilidade civil
Art. 211. Os órgãos públicos legitimados poderão e administrativa do agente a que se atribua a ação
tomar dos interessados compromisso de ajusta- ou omissão.
mento de sua conduta às exigências legais, o qual Art. 217. Decorridos sessenta dias do trânsito em
terá eficácia de título executivo extrajudicial. julgado da sentença condenatória sem que a as-
Art. 212. Para defesa dos direitos e interesses pro- sociação autora lhe promova a execução, deverá
tegidos por esta Lei, são admissíveis todas as es- fazê-lo o Ministério Público, facultada igual inicia-
pécies de ações pertinentes. tiva aos demais legitimados.
§ 1º Aplicam-se às ações previstas neste Capítu- Art. 218. O juiz condenará a associação autora
lo as normas do Código de Processo Civil. a pagar ao réu os honorários advocatícios arbi-
§ 2º Contra atos ilegais ou abusivos de autorida- trados na conformidade do § 4º do art. 20 da Lei
de pública ou agente de pessoa jurídica no exer- nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973 (Código de Pro-
cício de atribuições do Poder Público, que lesem cesso Civil), quando reconhecer que a pretensão
direito líquido e certo previsto nesta Lei, caberá é manifestamente infundada.
51
Parágrafo único. Em caso de litigância de má-fé, § 5º Deixando o Conselho Superior de homolo-
a associação autora e os diretores responsáveis gar a promoção de arquivamento, designará, des-
pela propositura da ação serão solidariamente de logo, outro órgão do Ministério Público para o
condenados ao décuplo das custas, sem prejuízo ajuizamento da ação.
de responsabilidade por perdas e danos. Art. 224. Aplicam-se subsidiariamente, no que
Art. 219. Nas ações de que trata este Capítulo, não couber, as disposições da Lei nº 7.347, de 24 de
haverá adiantamento de custas, emolumentos, julho de 1985.
honorários periciais e quaisquer outras despesas.
TÍTULO VII – DOS CRIMES E DAS
Art. 220. Qualquer pessoa poderá e o servidor INFRAÇÕES ADMINISTRATIVAS
público deverá provocar a iniciativa do Ministério CAPÍTULO I – DOS CRIMES
Público, prestando-lhe informações sobre fatos
Seção I – Disposições Gerais
que constituam objeto de ação civil, e indicando-
-lhe os elementos de convicção. Art. 225. Este Capítulo dispõe sobre crimes prati-
cados contra a criança e o adolescente, por ação
Art. 221. Se, no exercício de suas funções, os juí-
ou omissão, sem prejuízo do disposto na legisla-
zes e tribunais tiverem conhecimento de fatos que
ção penal.
possam ensejar a propositura de ação civil, reme-
terão peças ao Ministério Público para as provi- Art. 226. Aplicam-se aos crimes definidos nesta
Lei as normas da Parte Geral do Código Penal e,
dências cabíveis.
quanto ao processo, as pertinentes ao Código de
Art. 222. Para instruir a petição inicial, o interes-
Processo Penal.
sado poderá requerer às autoridades competentes
Art. 227. Os crimes definidos nesta Lei são de ação
as certidões e informações que julgar necessárias,
pública incondicionada.
que serão fornecidas no prazo de quinze dias.
Art. 227-A. Os efeitos da condenação prevista no
Art. 223. O Ministério Público poderá instaurar,
inciso I do caput do art. 92 do Decreto-Lei nº 2.848,
sob sua presidência, inquérito civil, ou requisitar,
de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), para os
de qualquer pessoa, organismo público ou parti-
crimes previstos nesta Lei, praticados por servido-
cular, certidões, informações, exames ou perícias,
res públicos com abuso de autoridade, são condi-
no prazo que assinalar, o qual não poderá ser in-
cionados à ocorrência de reincidência.
ferior a dez dias úteis.
Parágrafo único. A perda do cargo, do manda-
§ 1º Se o órgão do Ministério Público, esgotadas
to ou da função, nesse caso, independerá da pe-
todas as diligências, se convencer da inexistência
na aplicada na reincidência. (Artigo acrescido pela Lei
de fundamento para a propositura da ação cível,
nº 13.869, de 5/9/2019, publicada na edição extra do DOU de
promoverá o arquivamento dos autos do inquérito
5/9/2019, em vigor 120 dias após a publicação)
civil ou das peças informativas, fazendo-o funda-
mentadamente. Seção II – Dos Crimes em Espécie
§ 2º Os autos do inquérito civil ou as peças de Art. 228. Deixar o encarregado de serviço ou o di-
informação arquivados serão remetidos, sob pe- rigente de estabelecimento de atenção à saúde de
na de se incorrer em falta grave, no prazo de três gestante de manter registro das atividades desen-
dias, ao Conselho Superior do Ministério Público. volvidas, na forma e prazo referidos no art. 10 des-
§ 3º Até que seja homologada ou rejeitada a pro- ta Lei, bem como de fornecer à parturiente ou a seu
moção de arquivamento, em sessão do Conselho responsável, por ocasião da alta médica, declara-
Superior do Ministério Público, poderão as asso- ção de nascimento, onde constem as intercorrên-
ciações legitimadas apresentar razões escritas ou cias do parto e do desenvolvimento do neonato:
documentos, que serão juntados aos autos do in- Pena – detenção de seis meses a dois anos.
quérito ou anexados às peças de informação. Parágrafo único. Se o crime é culposo:
§ 4º A promoção de arquivamento será subme- Pena – detenção de dois a seis meses, ou multa.
tida a exame e deliberação do Conselho Superior Art. 229. Deixar o médico, enfermeiro ou dirigente
do Ministério Público, conforme dispuser o seu de estabelecimento de atenção à saúde de gestan-
Regimento. te de identificar corretamente o neonato e a partu-
52
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


riente, por ocasião do parto, bem como deixar de ra o exterior com inobservância das formalidades
proceder aos exames referidos no art. 10 desta Lei: legais ou com o fito de obter lucro:
Pena – detenção de seis meses a dois anos. Pena – reclusão de quatro a seis anos, e multa.
Parágrafo único. Se o crime é culposo: Parágrafo único. Se há emprego de violência,
Pena – detenção de dois a seis meses, ou multa. grave ameaça ou fraude:
Art. 230. Privar a criança ou o adolescente de sua Pena – reclusão, de 6 (seis) a 8 (oito) anos, além
liberdade, procedendo à sua apreensão sem estar da pena correspondente à violência. (Parágrafo único
em flagrante de ato infracional ou inexistindo or- acrescido pela Lei nº 10.764, de 12/11/2003)
dem escrita da autoridade judiciária competente: Art. 240. Produzir, reproduzir, dirigir, fotografar,
Pena – detenção de seis meses a dois anos.
filmar ou registrar, por qualquer meio, cena de
Parágrafo único. Incide na mesma pena aque-
sexo explícito ou pornográfica, envolvendo crian-
le que procede à apreensão sem observância das
ça ou adolescente:
formalidades legais.
Pena – reclusão, de 4 (quatro) a 8 (oito) anos,
Art. 231. Deixar a autoridade policial responsável
e multa. (Caput do artigo com redação dada pela Lei
pela apreensão de criança ou adolescente de fa-
nº 11.829, de 25/11/2008)
zer imediata comunicação à autoridade judiciária
§ 1º Incorre nas mesmas penas quem agencia,
competente e à família do apreendido ou à pessoa
facilita, recruta, coage, ou de qualquer modo inter-
por ele indicada:
Pena – detenção de seis meses a dois anos. medeia a participação de criança ou adolescente
nas cenas referidas no caput deste artigo, ou ainda
Art. 232. Submeter criança ou adolescente sob
quem com esses contracena. (Parágrafo com redação
sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou
dada pela Lei nº 11.829, de 25/11/2008)
a constrangimento:
Pena – detenção de seis meses a dois anos. § 2º Aumenta-se a pena de 1/3 (um terço) se o
agente comete o crime: (Caput do parágrafo com reda-
Art. 233. (Revogado pela Lei nº 9.455, de 7/4/1997)
ção dada pela Lei nº 11.829, de 25/11/2008)
Art. 234. Deixar a autoridade competente, sem I – no exercício de cargo ou função pública ou a
justa causa, de ordenar a imediata liberação de
pretexto de exercê-la; (Inciso com redação dada pela
criança ou adolescente, tão logo tenha conheci-
Lei nº 11.829, de 25/11/2008)
mento da ilegalidade da apreensão:
II – prevalecendo-se de relações domésticas, de
Pena – detenção de seis meses a dois anos.
coabitação ou de hospitalidade; ou (Inciso com reda-
Art. 235. Descumprir, injustificadamente, prazo
ção dada pela Lei nº 11.829, de 25/11/2008)
fixado nesta Lei em benefício de adolescente pri-
III – prevalecendo-se de relações de parentesco
vado de liberdade:
consanguíneo ou afim até o terceiro grau, ou por
Pena – detenção de seis meses a dois anos.
adoção, de tutor, curador, preceptor, empregador
Art. 236. Impedir ou embaraçar a ação de autori-
da vítima ou de quem, a qualquer outro título, te-
dade judiciária, membro do Conselho Tutelar ou
nha autoridade sobre ela, ou com seu consenti-
representante do Ministério Público no exercício
mento. (Inciso acrescido pela Lei nº 11.829, de 25/11/2008)
de função prevista nesta Lei:
Pena – detenção de seis meses a dois anos. Art. 241. Vender ou expor à venda fotografia, ví-
deo ou outro registro que contenha cena de sexo
Art. 237. Subtrair criança ou adolescente ao po-
der de quem o tem sob sua guarda em virtude de explícito ou pornográfica envolvendo criança ou
lei ou ordem judicial, com o fim de colocação em adolescente:
lar substituto: Pena – reclusão, de 4 (quatro) a 8 (oito) anos,
Pena – reclusão de dois a seis anos, e multa. e multa. (Artigo com redação dada pela Lei nº 11.829, de
25/11/2008)
Art. 238. Prometer ou efetivar a entrega de filho ou
pupilo a terceiro, mediante paga ou recompensa: Art. 241-A. Oferecer, trocar, disponibilizar, trans-
Pena – reclusão de um a quatro anos, e multa. mitir, distribuir, publicar ou divulgar por qualquer
Parágrafo único. Incide nas mesmas penas quem meio, inclusive por meio de sistema de informáti-
oferece ou efetiva a paga ou recompensa. ca ou telemático, fotografia, vídeo ou outro registro
Art. 239. Promover ou auxiliar a efetivação de ato que contenha cena de sexo explícito ou pornográfi-
destinado ao envio de criança ou adolescente pa- ca envolvendo criança ou adolescente:
53
Pena – reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos, e multa. Parágrafo único. Incorre nas mesmas penas
§ 1º Nas mesmas penas incorre quem: quem vende, expõe à venda, disponibiliza, distri-
I – assegura os meios ou serviços para o arma- bui, publica ou divulga por qualquer meio, adqui-
zenamento das fotografias, cenas ou imagens de re, possui ou armazena o material produzido na
que trata o caput deste artigo; forma do caput deste artigo. (Artigo acrescido pela Lei
II – assegura, por qualquer meio, o acesso por nº 11.829, de 25/11/2008)
rede de computadores às fotografias, cenas ou Art. 241-D. Aliciar, assediar, instigar ou constran-
imagens de que trata o caput deste artigo. ger, por qualquer meio de comunicação, criança,
§ 2º As condutas tipificadas nos incisos I e II do § 1º com o fim de com ela praticar ato libidinoso:
deste artigo são puníveis quando o responsável le- Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.
gal pela prestação do serviço, oficialmente notifica- Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre
do, deixa de desabilitar o acesso ao conteúdo ilíci- quem:
to de que trata o caput deste artigo. (Artigo acrescido I – facilita ou induz o acesso à criança de mate-
pela Lei nº 11.829, de 25/11/2008) rial contendo cena de sexo explícito ou pornográ-
Art. 241-B. Adquirir, possuir ou armazenar, por fica com o fim de com ela praticar ato libidinoso;
qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma II – pratica as condutas descritas no caput deste
de registro que contenha cena de sexo explícito ou artigo com o fim de induzir criança a se exibir de
pornográfica envolvendo criança ou adolescente: forma pornográfica ou sexualmente explícita. (Ar-
Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e tigo acrescido pela Lei nº 11.829, de 25/11/2008)
multa. Art. 241-E. Para efeito dos crimes previstos nesta
§ 1º A pena é diminuída de 1 (um) a 2/3 (dois ter- Lei, a expressão “cena de sexo explícito ou por-
ços) se de pequena quantidade o material a que se nográfica” compreende qualquer situação que
refere o caput deste artigo.
envolva criança ou adolescente em atividades se-
§ 2º Não há crime se a posse ou o armazena-
xuais explícitas, reais ou simuladas, ou exibição
mento tem a finalidade de comunicar às autorida-
dos órgãos genitais de uma criança ou adolescen-
des competentes a ocorrência das condutas des-
te para fins primordialmente sexuais. (Artigo acres-
critas nos arts. 240, 241, 241-A e 241-C desta Lei,
cido pela Lei nº 11.829, de 25/11/2008)
quando a comunicação for feita por:
Art. 242. Vender, fornecer ainda que gratuitamen-
I – agente público no exercício de suas funções;
te ou entregar, de qualquer forma, a criança ou
II – membro de entidade, legalmente constituí-
adolescente arma, munição ou explosivo:
da, que inclua, entre suas finalidades institucio-
Pena – reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos. (Artigo
nais, o recebimento, o processamento e o enca-
com redação dada pela Lei nº 10.764, de 12/11/2003)
minhamento de notícia dos crimes referidos neste
parágrafo; Art. 243. Vender, fornecer, servir, ministrar ou en-
III – representante legal e funcionários respon- tregar, ainda que gratuitamente, de qualquer for-
sáveis de provedor de acesso ou serviço prestado ma, a criança ou a adolescente, bebida alcoólica ou,
por meio de rede de computadores, até o recebi- sem justa causa, outros produtos cujos componen-
mento do material relativo à notícia feita à auto- tes possam causar dependência física ou psíquica:
ridade policial, ao Ministério Público ou ao Poder Pena – detenção de 2 (dois) a 4 (quatro) anos,
Judiciário. e multa, se o fato não constitui crime mais grave.
§ 3º As pessoas referidas no § 2º deste artigo de- (Artigo com redação dada pela Lei nº 13.106, de 17/3/2015)
verão manter sob sigilo o material ilícito referido. Art. 244. Vender, fornecer ainda que gratuitamen-
(Artigo acrescido pela Lei nº 11.829, de 25/11/2008) te ou entregar, de qualquer forma, a criança ou
Art. 241-C. Simular a participação de criança ou adolescente fogos de estampido ou de artifício,
adolescente em cena de sexo explícito ou porno- exceto aqueles que, pelo seu reduzido potencial,
gráfica por meio de adulteração, montagem ou sejam incapazes de provocar qualquer dano físico
modificação de fotografia, vídeo ou qualquer ou- em caso de utilização indevida:
tra forma de representação visual: Pena – detenção de seis meses a dois anos, e
Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa. multa.
54
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


Art. 244-A. Submeter criança ou adolescente, co- Art. 247. Divulgar, total ou parcialmente, sem au-
mo tais definidos no caput do art. 2º desta Lei, à torização devida, por qualquer meio de comuni-
prostituição ou à exploração sexual: (Caput do artigo cação, nome, ato ou documento de procedimento
acrescido pela Lei nº 9.975, de 23/6/2000) policial, administrativo ou judicial relativo a crian-
Pena – reclusão de quatro a dez anos e multa, ça ou adolescente a que se atribua ato infracional:
além da perda de bens e valores utilizados na prá- Pena – multa de três a vinte salários de referên-
tica criminosa em favor do Fundo dos Direitos da cia, aplicando-se o dobro em caso de reincidência.
Criança e do Adolescente da unidade da Federa- § 1º Incorre na mesma pena quem exibe, total
ção (Estado ou Distrito Federal) em que foi come- ou parcialmente, fotografia de criança ou adoles-
tido o crime, ressalvado o direito de terceiro de cente envolvido em ato infracional, ou qualquer
boa-fé. (Pena acrescida pela Lei nº 9.975, de 23/6/2000, e ilustração que lhe diga respeito ou se refira a atos
com redação dada pela Lei nº 13.440, de 8/5/2017) que lhe sejam atribuídos, de forma a permitir sua
§ 1º Incorrem nas mesmas penas o proprietário, identificação, direta ou indiretamente.
o gerente ou o responsável pelo local em que se § 2º Se o fato for praticado por órgão de impren-
verifique a submissão de criança ou adolescente sa ou emissora de rádio ou televisão, além da pe-
às práticas referidas no caput deste artigo. (Parágra- na prevista neste artigo, a autoridade judiciária
fo acrescido pela Lei nº 9.975, de 23/6/2000) poderá determinar a apreensão da publicação
§ 2º Constitui efeito obrigatório da condenação ou a suspensão da programação da emissora até
a cassação da licença de localização e de funciona- por dois dias, bem como da publicação do perió-
mento do estabelecimento. (Parágrafo acrescido pela dico até por dois números. (Expressão “ou a suspen-
Lei nº 9.975, de 23/6/2000) são da programação da emissora até por dois dias, bem
como da publicação do periódico até por dois números”
Art. 244-B. Corromper ou facilitar a corrupção de
declarada inconstitucional, em controle concentrado, pelo
menor de 18 (dezoito) anos, com ele praticando
Supremo Tribunal Federal, pela ADI nº 869-2, publicada no
infração penal ou induzindo-o a praticá-la:
DOU de 3/9/2004)
Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos.
§ 1º Incorre nas penas previstas no caput deste Art. 248. (Revogado pela Lei nº 13.431, de 4/4/2017, publi-
cada no DOU de 5/4/2017, em vigor 1 ano após a publicação)
artigo quem pratica as condutas ali tipificadas uti-
lizando-se de quaisquer meios eletrônicos, inclu- Art. 249. Descumprir, dolosa ou culposamente, os
sive salas de bate-papo da internet. deveres inerentes ao poder familiar ou decorren-
§ 2º As penas previstas no caput deste artigo são te de tutela ou guarda, bem assim determinação
aumentadas de um terço no caso de a infração co- da autoridade judiciária ou Conselho Tutelar: (Ex-
metida ou induzida estar incluída no rol do art. 1º pressão “pátrio poder” substituída por “poder familiar” pelo
da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990. (Artigo acres- art. 3º da Lei nº 12.010, de 3/8/2009)
cido pela Lei nº 12.015, de 7/8/2009) Pena – multa de três a vinte salários de referên-
cia, aplicando-se o dobro em caso de reincidência.
CAPÍTULO II – DAS INFRAÇÕES ADMINISTRATIVAS
Art. 250. Hospedar criança ou adolescente desa-
Art. 245. Deixar o médico, professor ou responsável
companhado dos pais ou responsável, ou sem au-
por estabelecimento de atenção à saúde e de ensi-
torização escrita desses ou da autoridade judiciá-
no fundamental, pré-escola ou creche, de comuni- ria, em hotel, pensão, motel ou congênere:
car à autoridade competente os casos de que tenha Pena – multa. (Caput do artigo com redação dada pela
conhecimento, envolvendo suspeita ou confirma- Lei nº 12.038, de 1º/10/2009)
ção de maus-tratos contra criança ou adolescente: § 1º Em caso de reincidência, sem prejuízo da
Pena – multa de três a vinte salários de referên- pena de multa, a autoridade judiciária poderá
cia, aplicando-se o dobro em caso de reincidência. determinar o fechamento do estabelecimento
Art. 246. Impedir o responsável ou funcionário de por até 15 (quinze) dias. (Parágrafo acrescido pela Lei
entidade de atendimento o exercício dos direitos nº 12.038, de 1º/10/2009)
constantes nos incisos II, III, VII, VIII e XI do art. 124 § 2º Se comprovada a reincidência em período
desta Lei: inferior a 30 (trinta) dias, o estabelecimento será
Pena – multa de três a vinte salários de referên- definitivamente fechado e terá sua licença cassa-
cia, aplicando-se o dobro em caso de reincidência. da. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.038, de 1º/10/2009)
55
Art. 251. Transportar criança ou adolescente, por Art. 258. Deixar o responsável pelo estabeleci-
qualquer meio, com inobservância do disposto mento ou o empresário de observar o que dispõe
nos arts. 83, 84 e 85 desta Lei: esta Lei sobre o acesso de criança ou adolescente
Pena – multa de três a vinte salários de referên- aos locais de diversão, ou sobre sua participação
cia, aplicando-se o dobro em caso de reincidência. no espetáculo:
Art. 252. Deixar o responsável por diversão ou es- Pena – multa de três a vinte salários de referên-
petáculo público de afixar, em lugar visível e de cia; em caso de reincidência, a autoridade judiciá-
fácil acesso, à entrada do local de exibição, infor- ria poderá determinar o fechamento do estabele-
mação destacada sobre a natureza da diversão ou cimento por até quinze dias.
espetáculo e a faixa etária especificada no certifi- Art. 258-A. Deixar a autoridade competente de
cado de classificação: providenciar a instalação e operacionalização dos
Pena – multa de três a vinte salários de referên- cadastros previstos no art. 50 e no § 11 do art. 101
cia, aplicando-se o dobro em caso de reincidência. desta Lei:
Art. 253. Anunciar peças teatrais, filmes ou quais- Pena – multa de R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 3.000,00
quer representações ou espetáculos, sem indicar (três mil reais).
os limites de idade a que não se recomendem: Parágrafo único. Incorre nas mesmas penas a
Pena – multa de três a vinte salários de referên- autoridade que deixa de efetuar o cadastramento
cia, duplicada em caso de reincidência, aplicável, de crianças e de adolescentes em condições de se-
separadamente, à casa de espetáculo e aos órgãos rem adotadas, de pessoas ou casais habilitados à
de divulgação ou publicidade.
adoção e de crianças e adolescentes em regime de
Art. 254. Transmitir, através de rádio ou televisão, acolhimento institucional ou familiar. (Artigo acres-
espetáculo em horário diverso do autorizado ou cido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de
sem aviso de sua classificação: 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
Pena – multa de vinte a cem salários de refe-
Art. 258-B. Deixar o médico, enfermeiro ou diri-
rência; duplicada em caso de reincidência a au-
toridade judiciária poderá determinar a suspen- gente de estabelecimento de atenção à saúde de
são da programação da emissora por até dois dias. gestante de efetuar imediato encaminhamento à
(Expressão “em horário diverso do autorizado” declarada autoridade judiciária de caso de que tenha conhe-
inconstitucional, em controle concentrado, pelo Supremo cimento de mãe ou gestante interessada em entre-
Tribunal Federal, pela ADI nº 2.404, publicada no DOU de gar seu filho para adoção:
12/9/2016) Pena – multa de R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 3.000,00
Art. 255. Exibir filme, trailer, peça, amostra ou (três mil reais).
congênere classificado pelo órgão competente co- Parágrafo único. Incorre na mesma pena o fun-
mo inadequado às crianças ou adolescentes admi- cionário de programa oficial ou comunitário des-
tidos ao espetáculo: tinado à garantia do direito à convivência familiar
Pena – multa de vinte a cem salários de referên- que deixa de efetuar a comunicação referida no
cia; na reincidência, a autoridade poderá determi- caput deste artigo. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.010, de
nar a suspensão do espetáculo ou o fechamento 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
do estabelecimento por até quinze dias. após a publicação)
Art. 256. Vender ou locar a criança ou adolescente Art. 258-C. Descumprir a proibição estabelecida
fita de programação em vídeo, em desacordo com no inciso II do art. 81:
a classificação atribuído pelo órgão competente: Pena – multa de R$ 3.000,00 (três mil reais) a R$
Pena – multa de três a vinte salários de referên- 10.000,00 (dez mil reais);
cia; em caso de reincidência, a autoridade judiciá- Medida Administrativa – interdição do estabeleci-
ria poderá determinar o fechamento do estabele-
mento comercial até o recolhimento da multa apli-
cimento por até quinze dias.
cada. (Artigo acrescido pela Lei nº 13.106, de 17/3/2015)
Art. 257. Descumprir obrigação constante dos arts.
78 e 79 desta Lei: DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS
Pena – multa de três a vinte salários de referên- Art. 259. A União, no prazo de noventa dias con-
cia, duplicando-se a pena em caso de reincidência, tados da publicação deste Estatuto, elaborará pro-
sem prejuízo de apreensão da revista ou publicação. jeto de lei dispondo sobre a criação ou adaptação
56
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


de seus órgãos às diretrizes da política de aten- regulamentará a comprovação das doações fei-
dimento fixadas no art. 88 e ao que estabelece o tas aos fundos, nos termos deste artigo. (Parágrafo
Título V do Livro II. acrescido pela Lei nº 8.242, de 12/10/1991)
Parágrafo único. Compete aos Estados e Muni- § 4º O Ministério Público determinará em cada
cípios promoverem a adaptação de seus órgãos e comarca a forma de fiscalização da aplicação, pelo
programas às diretrizes e princípios estabelecidos Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Ado-
nesta Lei. lescente, dos incentivos fiscais referidos neste ar-
Art. 260. Os contribuintes poderão efetuar doa- tigo. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 8.242, de 12/10/1991)
ções aos Fundos dos Direitos da Criança e do § 5º Observado o disposto no § 4º do art. 3º da
Adolescente nacional, distrital, estaduais ou mu- Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, a dedu-
nicipais, devidamente comprovadas, sendo essas ção de que trata o inciso I do caput: (Parágrafo com
integralmente deduzidas do imposto de renda, redação dada pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada
obedecidos os seguintes limites: (Caput com redação no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias após a publicação)
dada pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de I – será considerada isoladamente, não se sub-
19/1/2012, em vigor 90 dias após a publicação) metendo a limite em conjunto com outras dedu-
I – 1% (um por cento) do imposto sobre a ren- ções do imposto; e (Inciso com redação dada pela Lei
da devido apurado pelas pessoas jurídicas tribu- nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012,
tadas com base no lucro real; e (Inciso com redação em vigor 90 dias após a publicação)
dada pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de II – não poderá ser computada como despesa
19/1/2012, em vigor 90 dias após a publicação) operacional na apuração do lucro real. (Inciso com
II – 6% (seis por cento) do imposto sobre a ren- redação dada pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada
da apurado pelas pessoas físicas na Declaração de no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias após a publicação)
Ajuste Anual, observado o disposto no art. 22 da
Art. 260-A. A partir do exercício de 2010, ano-
Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997. (Inciso com
-calendário de 2009, a pessoa física poderá optar
redação dada pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada
pela doação de que trata o inciso II do caput do
no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias após a publicação)
art. 260 diretamente em sua Declaração de Ajuste
§ 1º (Revogado pela Lei nº 9.532, de 10/12/1997)
Anual.
§ 1º-A. Na definição das prioridades a serem
§ 1º A doação de que trata o caput poderá ser
atendidas com os recursos captados pelos fundos
deduzida até os seguintes percentuais aplicados
nacional, estaduais e municipais dos direitos da
sobre o imposto apurado na declaração:
criança e do adolescente, serão consideradas as
I – (Vetado)
disposições do Plano Nacional de Promoção, Pro-
II – (Vetado)
teção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescen-
tes à Convivência Familiar e Comunitária e as do III – 3% (três por cento) a partir do exercício de
Plano Nacional pela Primeira Infância. (Parágrafo 2012.
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, e com redação § 2º A dedução de que trata o caput:
dada pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016) I – está sujeita ao limite de 6% (seis por cento)
§ 2º Os conselhos nacional, estaduais e muni- do imposto sobre a renda apurado na declaração
cipais dos direitos da criança e do adolescente fi- de que trata o inciso II do caput do art. 260;
xarão critérios de utilização, por meio de planos II – não se aplica à pessoa física que:
de aplicação, das dotações subsidiadas e demais a) utilizar o desconto simplificado;
receitas, aplicando necessariamente percentual b) apresentar declaração em formulário; ou
para incentivo ao acolhimento, sob a forma de c) entregar a declaração fora do prazo;
guarda, de crianças e adolescentes e para progra- III – só se aplica às doações em espécie; e
mas de atenção integral à primeira infância em IV – não exclui ou reduz outros benefícios ou de-
áreas de maior carência socioeconômica e em si- duções em vigor.
tuações de calamidade. (Parágrafo com redação dada § 3º O pagamento da doação deve ser efetua-
pela Lei nº 13.257, de 8/3/2016) do até a data de vencimento da primeira quota ou
§ 3º O Departamento da Receita Federal, do Mi- quota única do imposto, observadas instruções es-
nistério da Economia, Fazenda e Planejamento, pecíficas da Secretaria da Receita Federal do Brasil.
57
§ 4º O não pagamento da doação no prazo es- § 1º O comprovante de que trata o caput deste
tabelecido no § 3º implica a glosa definitiva desta artigo pode ser emitido anualmente, desde que
parcela de dedução, ficando a pessoa física obri- discrimine os valores doados mês a mês.
gada ao recolhimento da diferença de imposto de- § 2º No caso de doação em bens, o comprovan-
vido apurado na Declaração de Ajuste Anual com te deve conter a identificação dos bens, mediante
os acréscimos legais previstos na legislação. descrição em campo próprio ou em relação ane-
§ 5º A pessoa física poderá deduzir do imposto xa ao comprovante, informando também se hou-
apurado na Declaração de Ajuste Anual as doações ve avaliação, o nome, CPF ou CNPJ e endereço
feitas, no respectivo ano-calendário, aos fundos dos avaliadores. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.594, de
controlados pelos Conselhos dos Direitos da Crian- 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias
ça e do Adolescente municipais, distrital, estaduais após a publicação)
e nacional concomitantemente com a opção de que
Art. 260-E. Na hipótese da doação em bens, o
trata o caput, respeitado o limite previsto no inci-
doador deverá:
so II do art. 260. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.594, de
I – comprovar a propriedade dos bens, median-
18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias
te documentação hábil;
após a publicação)
II – baixar os bens doados na declaração de bens
Art. 260-B. A doação de que trata o inciso I do e direitos, quando se tratar de pessoa física, e na
art. 260 poderá ser deduzida: escrituração, no caso de pessoa jurídica; e
I – do imposto devido no trimestre, para as pes- III – considerar como valor dos bens doados:
soas jurídicas que apuram o imposto trimestral- a) para as pessoas físicas, o valor constante da
mente; e
última declaração do imposto de renda, desde
II – do imposto devido mensalmente e no ajus-
que não exceda o valor de mercado;
te anual, para as pessoas jurídicas que apuram o
b) para as pessoas jurídicas, o valor contábil
imposto anualmente.
dos bens.
Parágrafo único. A doação deverá ser efetuada
Parágrafo único. O preço obtido em caso de lei-
dentro do período a que se refere a apuração do
lão não será considerado na determinação do va-
imposto. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012,
lor dos bens doados, exceto se o leilão for determi-
publicada no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias após a
nado por autoridade judiciária. (Artigo acrescido pela
publicação)
Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012,
Art. 260-C. As doações de que trata o art. 260 des- em vigor 90 dias após a publicação)
ta Lei podem ser efetuadas em espécie ou em bens.
Art. 260-F. Os documentos a que se referem os
Parágrafo único. As doações efetuadas em es-
arts. 260-D e 260-E devem ser mantidos pelo con-
pécie devem ser depositadas em conta específi-
tribuinte por um prazo de 5 (cinco) anos para fins
ca, em instituição financeira pública, vinculadas
aos respectivos fundos de que trata o art. 260. (Ar- de comprovação da dedução perante a Receita Fe-
tigo acrescido pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada
deral do Brasil. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.594, de
no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias após a publicação) 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias
após a publicação)
Art. 260-D. Os órgãos responsáveis pela adminis-
tração das contas dos Fundos dos Direitos da Crian- Art. 260-G. Os órgãos responsáveis pela admi-
ça e do Adolescente nacional, estaduais, distrital e nistração das contas dos Fundos dos Direitos da
municipais devem emitir recibo em favor do doa- Criança e do Adolescente nacional, estaduais, dis-
dor, assinado por pessoa competente e pelo presi- trital e municipais devem:
dente do Conselho correspondente, especificando: I – manter conta bancária específica destinada
I – número de ordem; exclusivamente a gerir os recursos do Fundo;
II – nome, Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica II – manter controle das doações recebidas; e
(CNPJ) e endereço do emitente; III – informar anualmente à Secretaria da Recei-
III – nome, CNPJ ou Cadastro de Pessoas Físicas ta Federal do Brasil as doações recebidas mês a
(CPF) do doador; mês, identificando os seguintes dados por doador:
IV – data da doação e valor efetivamente rece- a) nome, CNPJ ou CPF;
bido; e b) valor doado, especificando se a doação foi em
V – ano-calendário a que se refere a doação. espécie ou em bens. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.594,
58
LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990


de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012, em vigor bancárias específicas mantidas em instituições fi-
90 dias após a publicação) nanceiras públicas, destinadas exclusivamente a
Art. 260-H. Em caso de descumprimento das obri- gerir os recursos dos Fundos. (Artigo acrescido pela
gações previstas no art. 260-G, a Secretaria da Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012,
Receita Federal do Brasil dará conhecimento do em vigor 90 dias após a publicação)
fato ao Ministério Público. (Artigo acrescido pela Lei Art. 260-L. A Secretaria da Receita Federal do Brasil
nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012, expedirá as instruções necessárias à aplicação do
em vigor 90 dias após a publicação) disposto nos arts. 260 a 260-K. (Artigo acrescido pela
Art. 260-I. Os Conselhos dos Direitos da Criança e Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012,
do Adolescente nacional, estaduais, distrital e mu- em vigor 90 dias após a publicação)
nicipais divulgarão amplamente à comunidade: Art. 261. À falta dos Conselhos Municipais dos Di-
I – o calendário de suas reuniões; reitos da Criança e do Adolescente, os registros,
II – as ações prioritárias para aplicação das po- inscrições e alterações a que se referem os arts.
líticas de atendimento à criança e ao adolescente; 90, parágrafo único, e 91 desta Lei serão efetuados
III – os requisitos para a apresentação de proje- perante a autoridade judiciária da comarca a que
tos a serem beneficiados com recursos dos Fundos pertencer a entidade.
dos Direitos da Criança e do Adolescente nacional, Parágrafo único. A União fica autorizada a re-
estaduais, distrital ou municipais; passar aos Estados e Municípios, e os Estados aos
IV – a relação dos projetos aprovados em cada Municípios, os recursos referentes aos programas
ano-calendário e o valor dos recursos previstos pa- e atividades previstos nesta Lei, tão logo estejam
ra implementação das ações, por projeto; criados os Conselhos dos Direitos da Criança e do
V – o total dos recursos recebidos e a respectiva Adolescente nos seus respectivos níveis.
destinação, por projeto atendido, inclusive com
Art. 262. Enquanto não instalados os Conselhos
cadastramento na base de dados do Sistema de
Tutelares, as atribuições a eles conferidas serão
Informações sobre a Infância e a Adolescência; e
exercidas pela autoridade judiciária.
VI – a avaliação dos resultados dos projetos be-
[...]
neficiados com recursos dos Fundos dos Direitos
da Criança e do Adolescente nacional, estaduais, Art. 265. A Imprensa Nacional e demais gráficas
distrital e municipais. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.594, da União, da administração direta ou indireta, in-
de 18/1/2012, publicada no DOU de 19/1/2012, em vigor clusive fundações instituídas e mantidas pelo Po-
90 dias após a publicação) der Público Federal, promoverão edição popular
do texto integral deste Estatuto, que será posto à
Art. 260-J. O Ministério Público determinará, em
cada Comarca, a forma de fiscalização da aplica- disposição das escolas e das entidades de aten-
ção dos incentivos fiscais referidos no art. 260 des- dimento e de defesa dos direitos da criança e do
ta Lei. adolescente.
Parágrafo único. O descumprimento do dispos- Art. 265-A. O poder público fará periodicamente
to nos arts. 260-G e 260-I sujeitará os infratores a ampla divulgação dos direitos da criança e do ado-
responder por ação judicial proposta pelo Minis- lescente nos meios de comunicação social.
tério Público, que poderá atuar de ofício, a reque- Parágrafo único. A divulgação a que se refere
rimento ou representação de qualquer cidadão. o caput será veiculada em linguagem clara, com-
(Artigo acrescido pela Lei nº 12.594, de 18/1/2012, publicada preensível e adequada a crianças e adolescen-
no DOU de 19/1/2012, em vigor 90 dias após a publicação) tes, especialmente às crianças com idade inferior
Art. 260-K. A Secretaria de Direitos Humanos da a 6 (seis) anos. (Artigo acrescido pela Lei nº 13.257, de
Presidência da República (SDH/PR) encaminhará 8/3/2016)
à Secretaria da Receita Federal do Brasil, até 31 de Art. 266. Esta Lei entra em vigor noventa dias após
outubro de cada ano, arquivo eletrônico contendo sua publicação.
a relação atualizada dos Fundos dos Direitos da Parágrafo único. Durante o período de vacância
Criança e do Adolescente nacional, distrital, esta- deverão ser promovidas atividades e campanhas
duais e municipais, com a indicação dos respec- de divulgação e esclarecimentos acerca do dispos-
tivos números de inscrição no CNPJ e das contas to nesta Lei.
59
Art. 267. Revogam-se as Leis nos 4.513, de 1964 e VI – respeito à identidade e à diversidade indivi-
6.697, de 10 de outubro de 1979 (Código de Meno- dual e coletiva da juventude;
res), e as demais disposições em contrário. VII – promoção da vida segura, da cultura da paz,
Brasília, 13 de julho de 1990; 169º da
da solidariedade e da não discriminação; e
Independência e 102º da República. VIII – valorização do diálogo e convívio do jovem
FERNANDO COLLOR
com as demais gerações.
Bernardo Cabral Parágrafo único. A emancipação dos jovens a
Carlos Chiarelli que se refere o inciso I do caput refere-se à traje-
Antonio Magri
tória de inclusão, liberdade e participação do jo-
Margarida Procópio
vem na vida em sociedade, e não ao instituto da
emancipação disciplinado pela Lei nº 10.406, de
LEI Nº 12.852, DE 5 DE AGOSTO DE 2013
10 de janeiro de 2002 (Código Civil).
(ESTATUTO DA JUVENTUDE)
(Publicada no DOU de 6/8/2013) Seção II – Diretrizes Gerais
Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos Art. 3º Os agentes públicos ou privados envolvi-
jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de ju- dos com políticas públicas de juventude devem
ventude e o Sistema Nacional de Juventude (Sinajuve). observar as seguintes diretrizes:
A presidenta da República I – desenvolver a intersetorialidade das políticas
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu estruturais, programas e ações;
sanciono a seguinte lei: II – incentivar a ampla participação juvenil em
sua formulação, implementação e avaliação;
TÍTULO I – DOS DIREITOS E DAS POLÍTICAS
III – ampliar as alternativas de inserção social do
PÚBLICAS DE JUVENTUDE
jovem, promovendo programas que priorizem o
CAPÍTULO I – DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES seu desenvolvimento integral e participação ativa
DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE
nos espaços decisórios;
Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Juventude e IV – proporcionar atendimento de acordo com
dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios suas especificidades perante os órgãos públicos
e diretrizes das políticas públicas de juventude e o e privados prestadores de serviços à população,
Sistema Nacional de Juventude (Sinajuve). visando ao gozo de direitos simultaneamente nos
§ 1º Para os efeitos desta Lei, são consideradas campos da saúde, educacional, político, econômi-
jovens as pessoas com idade entre 15 (quinze) e co, social, cultural e ambiental;
29 (vinte e nove) anos de idade. V – garantir meios e equipamentos públicos que
§ 2º Aos adolescentes com idade entre 15 (quin- promovam o acesso à produção cultural, à prática
ze) e 18 (dezoito) anos aplica-se a Lei nº 8.069, de 13 esportiva, à mobilidade territorial e à fruição do
de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adoles- tempo livre;
cente), e, excepcionalmente, este Estatuto, quando VI – promover o território como espaço de in-
não conflitar com as normas de proteção integral tegração;
do adolescente. VII – fortalecer as relações institucionais com os
Seção I – Dos Princípios entes federados e as redes de órgãos, gestores e
Art. 2º O disposto nesta Lei e as políticas públicas conselhos de juventude;
de juventude são regidos pelos seguintes princípios: VIII – estabelecer mecanismos que ampliem a
I – promoção da autonomia e emancipação dos gestão de informação e produção de conhecimen-
jovens; to sobre juventude;
II – valorização e promoção da participação so- IX – promover a integração internacional entre
cial e política, de forma direta e por meio de suas os jovens, preferencialmente no âmbito da Améri-
representações; ca Latina e da África, e a cooperação internacional;
III – promoção da criatividade e da participação X – garantir a integração das políticas de juven-
no desenvolvimento do País; tude com os Poderes Legislativo e Judiciário, com
IV – reconhecimento do jovem como sujeito de o Ministério Público e com a Defensoria Pública; e
direitos universais, geracionais e singulares; XI – zelar pelos direitos dos jovens com idade
V – promoção do bem-estar, da experimentação entre 18 (dezoito) e 29 (vinte e nove) anos priva-
e do desenvolvimento integral do jovem; dos de liberdade e egressos do sistema prisional,
60
LEI Nº 12.852, DE 5 DE AGOSTO DE 2013


formulando políticas de educação e trabalho, in- § 1º A educação básica será ministrada em lín-
cluindo estímulos à sua reinserção social e laboral, gua portuguesa, assegurada aos jovens indígenas
bem como criando e estimulando oportunidades e de povos e comunidades tradicionais a utiliza-
de estudo e trabalho que favoreçam o cumprimen- ção de suas línguas maternas e de processos pró-
to do regime semiaberto. prios de aprendizagem.
§ 2º É dever do Estado oferecer aos jovens que
CAPÍTULO II – DOS DIREITOS DOS JOVENS
não concluíram a educação básica programas
Seção I – Do Direito à Cidadania, à Participação na modalidade da educação de jovens e adultos,
Social e Política e à Representação Juvenil adaptados às necessidades e especificidades da
Art. 4º O jovem tem direito à participação social juventude, inclusive no período noturno, ressal-
e política e na formulação, execução e avaliação vada a legislação educacional específica.
das políticas públicas de juventude. § 3º São assegurados aos jovens com surdez o
Parágrafo único. Entende-se por participação uso e o ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras),
juvenil: em todas as etapas e modalidades educacionais.
I – a inclusão do jovem nos espaços públicos e § 4º É assegurada aos jovens com deficiência
comunitários a partir da sua concepção como pes- a inclusão no ensino regular em todos os níveis
soa ativa, livre, responsável e digna de ocupar uma e modalidades educacionais, incluindo o atendi-
posição central nos processos políticos e sociais; mento educacional especializado, observada a
acessibilidade a edificações, transportes, espaços,
II – o envolvimento ativo dos jovens em ações
de políticas públicas que tenham por objetivo o mobiliários, equipamentos, sistemas e meios de
próprio benefício, o de suas comunidades, cida- comunicação e assegurados os recursos de tec-
des e regiões e o do País; nologia assistiva e adaptações necessárias a cada
III – a participação individual e coletiva do jo- pessoa.
vem em ações que contemplem a defesa dos direi- § 5º A Política Nacional de Educação no Campo
tos da juventude ou de temas afetos aos jovens; e contemplará a ampliação da oferta de educação
IV – a efetiva inclusão dos jovens nos espaços para os jovens do campo, em todos os níveis e mo-
públicos de decisão com direito a voz e voto. dalidades educacionais.
Art. 5º A interlocução da juventude com o poder Art. 8º O jovem tem direito à educação superior,
público pode realizar-se por intermédio de asso- em instituições públicas ou privadas, com varia-
ciações, redes, movimentos e organizações juvenis. dos graus de abrangência do saber ou especiali-
Parágrafo único. É dever do poder público in- zação do conhecimento, observadas as regras de
centivar a livre associação dos jovens. acesso de cada instituição.
Art. 6º São diretrizes da interlocução institucio- § 1º É assegurado aos jovens negros, indígenas
nal juvenil: e alunos oriundos da escola pública o acesso ao
I – a definição de órgão governamental específico ensino superior nas instituições públicas por meio
para a gestão das políticas públicas de juventude; de políticas afirmativas, nos termos da lei.
II – o incentivo à criação de conselhos de juven- § 2º O poder público promoverá programas de
tude em todos os entes da Federação. expansão da oferta de educação superior nas ins-
Parágrafo único. Sem prejuízo das atribuições do tituições públicas, de financiamento estudantil e
órgão governamental específico para a gestão das de bolsas de estudos nas instituições privadas, em
políticas públicas de juventude e dos conselhos de especial para jovens com deficiência, negros, indí-
juventude com relação aos direitos previstos neste genas e alunos oriundos da escola pública.
Estatuto, cabe ao órgão governamental de gestão e Art. 9º O jovem tem direito à educação profissio-
aos conselhos dos direitos da criança e do adoles- nal e tecnológica, articulada com os diferentes ní-
cente a interlocução institucional com adolescen- veis e modalidades de educação, ao trabalho, à
tes de idade entre 15 (quinze) e 18 (dezoito) anos. ciência e à tecnologia, observada a legislação vi-
Seção II – Do Direito à Educação gente.
Art. 7º O jovem tem direito à educação de qualida- Art. 10. É dever do Estado assegurar ao jovem
de, com a garantia de educação básica, obrigatória com deficiência o atendimento educacional es-
e gratuita, inclusive para os que a ela não tiveram pecializado gratuito, preferencialmente, na rede
acesso na idade adequada. regular de ensino.
61
Art. 11. O direito ao programa suplementar de tegração entre lavoura, pecuária e floresta e no ex-
transporte escolar de que trata o art.  4º da Lei trativismo sustentável;
nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, será progres- c) investimento em pesquisa de tecnologias
sivamente estendido ao jovem estudante do ensi- apropriadas à agricultura familiar e aos empreen-
no fundamental, do ensino médio e da educação dimentos familiares rurais;
superior, no campo e na cidade. d) estímulo à comercialização direta da produ-
§ 1º (Vetado) ção da agricultura familiar, aos empreendimentos
§ 2º (Vetado) familiares rurais e à formação de cooperativas;
Art. 12. É garantida a participação efetiva do seg- e) garantia de projetos de infraestrutura básica
mento juvenil, respeitada sua liberdade de organi- de acesso e escoamento de produção, priorizando
zação, nos conselhos e instâncias deliberativas de a melhoria das estradas e do transporte;
gestão democrática das escolas e universidades. f) promoção de programas que favoreçam o aces-
so ao crédito, à terra e à assistência técnica rural;
Art. 13. As escolas e as universidades deverão for-
VII – apoio ao jovem trabalhador com deficiên-
mular e implantar medidas de democratização do
cia, por meio das seguintes ações:
acesso e permanência, inclusive programas de as-
a) estímulo à formação e à qualificação profis-
sistência estudantil, ação afirmativa e inclusão so-
sional em ambiente inclusivo;
cial para os jovens estudantes.
b) oferta de condições especiais de jornada de
Seção III – Do Direito à Profissionalização, trabalho;
ao Trabalho e à Renda
c) estímulo à inserção no mercado de trabalho
Art. 14. O jovem tem direito à profissionalização, por meio da condição de aprendiz.
ao trabalho e à renda, exercido em condições de
Art. 16. O direito à profissionalização e à prote-
liberdade, equidade e segurança, adequadamente
ção no trabalho dos adolescentes com idade entre
remunerado e com proteção social.
15 (quinze) e 18 (dezoito) anos de idade será regido
Art. 15. A ação do poder público na efetivação do pelo disposto na Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990
direito do jovem à profissionalização, ao trabalho e (Estatuto da Criança e do Adolescente), e em leis es-
à renda contempla a adoção das seguintes medidas: pecíficas, não se aplicando o previsto nesta Seção.
I – promoção de formas coletivas de organiza-
Seção IV – Do Direito à Diversidade e à Igualdade
ção para o trabalho, de redes de economia solidá-
ria e da livre associação; Art. 17. O jovem tem direito à diversidade e à igual-
II – oferta de condições especiais de jornada de dade de direitos e de oportunidades e não será dis-
trabalho por meio de: criminado por motivo de:
a) compatibilização entre os horários de traba- I – etnia, raça, cor da pele, cultura, origem, idade
lho e de estudo; e sexo;
b) oferta dos níveis, formas e modalidades de II – orientação sexual, idioma ou religião;
ensino em horários que permitam a compatibiliza- III – opinião, deficiência e condição social ou
ção da frequência escolar com o trabalho regular; econômica.
III – criação de linha de crédito especial destina- Art. 18. A ação do poder público na efetivação do
da aos jovens empreendedores; direito do jovem à diversidade e à igualdade con-
IV – atuação estatal preventiva e repressiva quan- templa a adoção das seguintes medidas:
to à exploração e precarização do trabalho juvenil; I – adoção, nos âmbitos federal, estadual, munici-
V – adoção de políticas públicas voltadas para pal e do Distrito Federal, de programas governamen-
a promoção do estágio, aprendizagem e trabalho tais destinados a assegurar a igualdade de direitos
para a juventude; aos jovens de todas as raças e etnias, independen-
VI – apoio ao jovem trabalhador rural na orga- temente de sua origem, relativamente à educação,
nização da produção da agricultura familiar e dos à profissionalização, ao trabalho e renda, à cultu-
empreendimentos familiares rurais, por meio das ra, à saúde, à segurança, à cidadania e ao acesso
seguintes ações: à justiça;
a) estímulo à produção e à diversificação de II – capacitação dos professores dos ensinos
produtos; fundamental e médio para a aplicação das diretri-
b) fomento à produção sustentável baseada na zes curriculares nacionais no que se refere ao en-
agroecologia, nas agroindústrias familiares, na in- frentamento de todas as formas de discriminação;
62
LEI Nº 12.852, DE 5 DE AGOSTO DE 2013


III – inclusão de temas sobre questões étnicas, o devido encaminhamento aos serviços assisten-
raciais, de deficiência, de orientação sexual, de gê- ciais e de saúde;
nero e de violência doméstica e sexual praticada VIII – valorização das parcerias com instituições
contra a mulher na formação dos profissionais de da sociedade civil na abordagem das questões de
educação, de saúde e de segurança pública e dos prevenção, tratamento e reinserção social dos
operadores do direito; usuários e dependentes de álcool, tabaco e ou-
IV – observância das diretrizes curriculares para tras drogas;
a educação indígena como forma de preservação IX – proibição de propagandas de bebidas con-
dessa cultura; tendo qualquer teor alcoólico com a participa-
V – inclusão, nos conteúdos curriculares, de in- ção de pessoa com menos de 18 (dezoito) anos
formações sobre a discriminação na sociedade bra- de idade;
sileira e sobre o direito de todos os grupos e indiví- X – veiculação de campanhas educativas rela-
duos a tratamento igualitário perante a lei; e tivas ao álcool, ao tabaco e a outras drogas como
VI – inclusão, nos conteúdos curriculares, de causadores de dependência; e
temas relacionados à sexualidade, respeitando a XI – articulação das instâncias de saúde e justiça
diversidade de valores e crenças. na prevenção do uso e abuso de álcool, tabaco e
outras drogas, inclusive esteroides anabolizantes
Seção V – Do Direito à Saúde
e, especialmente, crack.
Art. 19. O jovem tem direito à saúde e à qualidade
Seção VI – Do Direito à Cultura
de vida, considerando suas especificidades na di-
mensão da prevenção, promoção, proteção e re- Art. 21. O jovem tem direito à cultura, incluindo a
cuperação da saúde de forma integral. livre criação, o acesso aos bens e serviços culturais
Art. 20. A política pública de atenção à saúde do e a participação nas decisões de política cultural,
jovem será desenvolvida em consonância com as à identidade e diversidade cultural e à memória
seguintes diretrizes: social.
I – acesso universal e gratuito ao Sistema Único Art. 22. Na consecução dos direitos culturais da
de Saúde (SUS) e a serviços de saúde humaniza- juventude, compete ao poder público:
dos e de qualidade, que respeitem as especifici- I – garantir ao jovem a participação no proces-
dades do jovem; so de produção, reelaboração e fruição dos bens
II – atenção integral à saúde, com especial ênfa- culturais;
se ao atendimento e à prevenção dos agravos mais II – propiciar ao jovem o acesso aos locais e even-
prevalentes nos jovens; tos culturais, mediante preços reduzidos, em âm-
III – desenvolvimento de ações articuladas en- bito nacional;
tre os serviços de saúde e os estabelecimentos de III – incentivar os movimentos de jovens a desen-
ensino, a sociedade e a família, com vistas à pre- volver atividades artístico-culturais e ações volta-
venção de agravos; das à preservação do patrimônio histórico;
IV – garantia da inclusão de temas relativos ao IV – valorizar a capacidade criativa do jovem,
consumo de álcool, tabaco e outras drogas, à saú- mediante o desenvolvimento de programas e pro-
de sexual e reprodutiva, com enfoque de gênero jetos culturais;
e dos direitos sexuais e reprodutivos nos projetos V – propiciar ao jovem o conhecimento da diver-
pedagógicos dos diversos níveis de ensino; sidade cultural, regional e étnica do País;
V – reconhecimento do impacto da gravidez pla- VI – promover programas educativos e culturais
nejada ou não, sob os aspectos médico, psicológi- voltados para a problemática do jovem nas emis-
co, social e econômico; soras de rádio e televisão e nos demais meios de
VI – capacitação dos profissionais de saúde, em comunicação de massa;
uma perspectiva multiprofissional, para lidar com VII – promover a inclusão digital dos jovens, por
temas relativos à saúde sexual e reprodutiva dos meio do acesso às novas tecnologias da informa-
jovens, inclusive com deficiência, e ao abuso de ção e comunicação;
álcool, tabaco e outras drogas pelos jovens; VIII – assegurar ao jovem do campo o direito à
VII – habilitação dos professores e profissionais produção e à fruição cultural e aos equipamentos
de saúde e de assistência social para a identifica- públicos que valorizem a cultura camponesa; e
ção dos problemas relacionados ao uso abusivo e à IX – garantir ao jovem com deficiência acessibi-
dependência de álcool, tabaco e outras drogas e lidade e adaptações razoáveis.
63
Parágrafo único. A aplicação dos incisos I, III e § 8º Os benefícios previstos neste artigo não in-
VIII do caput deve observar a legislação específica cidirão sobre os eventos esportivos de que tratam
sobre o direito à profissionalização e à proteção as Leis nos 12.663, de 5 de junho de 2012, e 12.780,
no trabalho dos adolescentes. de 9 de janeiro de 2013.
Art. 23. É assegurado aos jovens de até 29 (vin- § 9º Considera-se de baixa renda, para os fins do
te e nove) anos pertencentes a famílias de baixa disposto no caput, a família inscrita no Cadastro
renda e aos estudantes, na forma do regulamen- Único para Programas Sociais do Governo Federal
to, o acesso a salas de cinema, cineclubes, teatros, (CadÚnico) cuja renda mensal seja de até 2 (dois)
espetáculos musicais e circenses, eventos educa- salários mínimos.
tivos, esportivos, de lazer e entretenimento, em § 10. A concessão do benefício da meia-entrada
todo o território nacional, promovidos por quais- de que trata o caput é limitada a 40% (quarenta
quer entidades e realizados em estabelecimentos por cento) do total de ingressos disponíveis para
públicos ou particulares, mediante pagamento da cada evento.
metade do preço do ingresso cobrado do público Art. 24. O poder público destinará, no âmbito dos
em geral. respectivos orçamentos, recursos financeiros para
§ 1º Terão direito ao benefício previsto no caput o fomento dos projetos culturais destinados aos
os estudantes regularmente matriculados nos ní- jovens e por eles produzidos.
veis e modalidades de educação e ensino previs- Art. 25. Na destinação dos recursos do Fundo Na-
tos no Título V da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro cional da Cultura (FNC), de que trata a Lei nº 8.313,
de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 23 de dezembro de 1991, serão consideradas
Nacional), que comprovem sua condição de dis- as necessidades específicas dos jovens em rela-
cente, mediante apresentação, no momento da ção à ampliação do acesso à cultura e à melhoria
aquisição do ingresso e na portaria do local de das condições para o exercício do protagonismo
realização do evento, da Carteira de Identificação no campo da produção cultural.
Estudantil (CIE). Parágrafo único. As pessoas físicas ou jurídicas
§ 2º A CIE será expedida preferencialmente pe- poderão optar pela aplicação de parcelas do im-
la Associação Nacional de Pós-Graduandos, pela posto sobre a renda a título de doações ou patrocí-
União Nacional dos Estudantes, pela União Brasi- nios, de que trata a Lei nº 8.313, de 23 de dezembro
leira dos Estudantes Secundaristas e por entidades de 1991, no apoio a projetos culturais apresenta-
estudantis estaduais e municipais a elas filiadas. dos por entidades juvenis legalmente constituídas
§ 3º É garantida a gratuidade na expedição da há, pelo menos, 1 (um) ano.
CIE para estudantes pertencentes a famílias de
Seção VII – Do Direito à Comunicação
baixa renda, nos termos do regulamento. e à Liberdade de Expressão
§ 4º As entidades mencionadas no § 2º deste
Art. 26. O jovem tem direito à comunicação e à
artigo deverão tornar disponível, para eventuais
livre expressão, à produção de conteúdo, indivi-
consultas pelo poder público e pelos estabeleci-
dual e colaborativo, e ao acesso às tecnologias de
mentos referidos no caput, banco de dados com o
informação e comunicação.
nome e o número de registro dos estudantes por-
tadores da Carteira de Identificação Estudantil, ex- Art. 27. A ação do poder público na efetivação
pedida nos termos do § 3º deste artigo. do direito do jovem à comunicação e à liberdade
§ 5º A CIE terá validade até o dia 31 de março do de expressão contempla a adoção das seguintes
ano subsequente à data de sua expedição. medidas:
§ 6º As entidades mencionadas no § 2º deste I – incentivar programas educativos e culturais
artigo são obrigadas a manter o documento com- voltados para os jovens nas emissoras de rádio e
probatório do vínculo do aluno com o estabele- televisão e nos demais meios de comunicação de
cimento escolar, pelo mesmo prazo de validade massa;
da respectiva Carteira de Identificação Estudantil. II – promover a inclusão digital dos jovens, por
§ 7º Caberá aos órgãos públicos competentes fe- meio do acesso às novas tecnologias de informa-
derais, estaduais, municipais e do Distrito Federal ção e comunicação;
a fiscalização do cumprimento do disposto neste III – promover as redes e plataformas de comu-
artigo e a aplicação das sanções cabíveis, nos ter- nicação dos jovens, considerando a acessibilidade
mos do regulamento. para os jovens com deficiência;
64
LEI Nº 12.852, DE 5 DE AGOSTO DE 2013


IV – incentivar a criação e manutenção de equi- para promover a oferta de transporte público sub-
pamentos públicos voltados para a promoção do sidiado para os jovens, com prioridade para os jo-
direito do jovem à comunicação; e vens em situação de pobreza e vulnerabilidade, na
V – garantir a acessibilidade à comunicação por forma do regulamento.
meio de tecnologias assistivas e adaptações razoá-
Seção X – Do Direito à Sustentabilidade
veis para os jovens com deficiência.
e ao Meio Ambiente
Seção VIII – Do Direito ao Desporto e ao Lazer
Art. 34. O jovem tem direito à sustentabilidade
Art. 28. O jovem tem direito à prática desportiva e ao meio ambiente ecologicamente equilibrado,
destinada a seu pleno desenvolvimento, com prio- bem de uso comum do povo, essencial à sadia qua-
ridade para o desporto de participação. lidade de vida, e o dever de defendê-lo e preservá-
Parágrafo único. O direito à prática desportiva -lo para a presente e as futuras gerações.
dos adolescentes deverá considerar sua condição
Art. 35. O Estado promoverá, em todos os níveis
peculiar de pessoa em desenvolvimento.
de ensino, a educação ambiental voltada para a
Art. 29. A política pública de desporto e lazer des-
preservação do meio ambiente e a sustentabili-
tinada ao jovem deverá considerar:
dade, de acordo com a Política Nacional do Meio
I – a realização de diagnóstico e estudos esta-
Ambiente.
tísticos oficiais acerca da educação física e dos
desportos e dos equipamentos de lazer no Brasil; Art. 36. Na elaboração, na execução e na avalia-
II – a adoção de lei de incentivo fiscal para o es- ção de políticas públicas que incorporem a dimen-
porte, com critérios que priorizem a juventude e são ambiental, o poder público deverá considerar:
promovam a equidade; I – o estímulo e o fortalecimento de organizações,
III – a valorização do desporto e do paradespor- movimentos, redes e outros coletivos de juventu-
to educacional; de que atuem no âmbito das questões ambientais
IV – a oferta de equipamentos comunitários que e em prol do desenvolvimento sustentável;
permitam a prática desportiva, cultural e de lazer. II – o incentivo à participação dos jovens na ela-
Art. 30. Todas as escolas deverão buscar pelo me- boração das políticas públicas de meio ambiente;
nos um local apropriado para a prática de ativida- III – a criação de programas de educação am-
des poliesportivas. biental destinados aos jovens; e
Seção IX – Do Direito ao Território e à Mobilidade IV – o incentivo à participação dos jovens em
Art. 31. O jovem tem direito ao território e à mobi- projetos de geração de trabalho e renda que vi-
lidade, incluindo a promoção de políticas públicas sem ao desenvolvimento sustentável nos âmbitos
de moradia, circulação e equipamentos públicos, rural e urbano.
no campo e na cidade. Parágrafo único. A aplicação do disposto no inci-
Parágrafo único. Ao jovem com deficiência de- so IV do caput deve observar a legislação específi-
vem ser garantidas a acessibilidade e as adapta- ca sobre o direito à profissionalização e à proteção
ções necessárias. no trabalho dos adolescentes.
Art. 32. No sistema de transporte coletivo interes- Seção XI – Do Direito à Segurança
tadual, observar-se-á, nos termos da legislação es- Pública e ao Acesso à Justiça
pecífica:
Art. 37. Todos os jovens têm direito de viver em
I – a reserva de 2 (duas) vagas gratuitas por veí-
um ambiente seguro, sem violência, com garantia
culo para jovens de baixa renda;
da sua incolumidade física e mental, sendo-lhes
II – a reserva de 2 (duas) vagas por veículo com
asseguradas a igualdade de oportunidades e fa-
desconto de 50% (cinquenta por cento), no mí-
nimo, no valor das passagens, para os jovens de cilidades para seu aperfeiçoamento intelectual,
baixa renda, a serem utilizadas após esgotadas as cultural e social.
vagas previstas no inciso I. Art. 38. As políticas de segurança pública voltadas
Parágrafo único. Os procedimentos e os critérios para os jovens deverão articular ações da União,
para o exercício dos direitos previstos nos incisos dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
I e II serão definidos em regulamento. e ações não governamentais, tendo por diretrizes:
Art. 33. A União envidará esforços, em articulação I – a integração com as demais políticas volta-
com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, das à juventude;
65
II – a prevenção e enfrentamento da violência; VIII – financiar, com os demais entes federados,
III – a promoção de estudos e pesquisas e a ob- a execução das políticas públicas de juventude;
tenção de estatísticas e informações relevantes IX – estabelecer formas de colaboração com os
para subsidiar as ações de segurança pública e Estados, o Distrito Federal e os Municípios para a
permitir a avaliação periódica dos impactos das execução das políticas públicas de juventude; e
políticas públicas quanto às causas, às consequên- X – garantir a publicidade de informações sobre
cias e à frequência da violência contra os jovens; repasses de recursos para financiamento das po-
IV – a priorização de ações voltadas para os jo- líticas públicas de juventude aos conselhos e ges-
vens em situação de risco, vulnerabilidade social e tores estaduais, do Distrito Federal e municipais.
egressos do sistema penitenciário nacional; Art. 42. Compete aos Estados:
V – a promoção do acesso efetivo dos jovens à I – coordenar, em âmbito estadual, o Sinajuve;
Defensoria Pública, considerando as especificida- II – elaborar os respectivos planos estaduais de
des da condição juvenil; e juventude, em conformidade com o Plano Nacio-
VI – a promoção do efetivo acesso dos jovens nal, com a participação da sociedade, em especial
com deficiência à justiça em igualdade de condi- da juventude;
ções com as demais pessoas, inclusive mediante III – criar, desenvolver e manter programas, ações
a provisão de adaptações processuais adequadas a e projetos para a execução das políticas públicas
sua idade. de juventude;
TÍTULO II – DO SISTEMA NACIONAL DE JUVENTUDE IV – convocar e realizar, em conjunto com o Con-
selho Estadual de Juventude, as Conferências Es-
CAPÍTULO I – DO SISTEMA NACIONAL
DE JUVENTUDE (SINAJUVE) taduais de Juventude, com intervalo máximo de
4 (quatro) anos;
Art. 39. É instituído o Sistema Nacional de Juven-
V – editar normas complementares para a orga-
tude (Sinajuve), cujos composição, organização,
nização e o funcionamento do Sinajuve, em âmbi-
competência e funcionamento serão definidos em
to estadual e municipal;
regulamento.
VI – estabelecer com a União e os Municípios for-
Art. 40. O financiamento das ações e atividades mas de colaboração para a execução das políticas
realizadas no âmbito do Sinajuve será definido em públicas de juventude; e
regulamento. VII – cofinanciar, com os demais entes federa-
CAPÍTULO II – DAS COMPETÊNCIAS dos, a execução de programas, ações e projetos
Art. 41. Compete à União: das políticas públicas de juventude.
I – formular e coordenar a execução da Política Parágrafo único. Serão incluídos nos censos de-
Nacional de Juventude; mográficos dados relativos à população jovem do
II – coordenar e manter o Sinajuve; País.
III – estabelecer diretrizes sobre a organização e Art. 43. Compete aos Municípios:
o funcionamento do Sinajuve; I – coordenar, em âmbito municipal, o Sinajuve;
IV – elaborar o Plano Nacional de Políticas de II – elaborar os respectivos planos municipais
Juventude, em parceria com os Estados, o Distrito de juventude, em conformidade com os respecti-
Federal, os Municípios e a sociedade, em especial vos Planos Nacional e Estadual, com a participa-
a juventude; ção da sociedade, em especial da juventude;
V – convocar e realizar, em conjunto com o Con- III – criar, desenvolver e manter programas, ações
selho Nacional de Juventude, as Conferências Na- e projetos para a execução das políticas públicas
cionais de Juventude, com intervalo máximo de de juventude;
4 (quatro) anos; IV – convocar e realizar, em conjunto com o Con-
VI – prestar assistência técnica e suplementação selho Municipal de Juventude, as Conferências
financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municipais de Juventude, com intervalo máximo
Municípios para o desenvolvimento de seus siste- de 4 (quatro) anos;
mas de juventude; V – editar normas complementares para a orga-
VII – contribuir para a qualificação e ação em nização e funcionamento do Sinajuve, em âmbito
rede do Sinajuve em todos os entes da Federação; municipal;
66
LEI Nº 12.852, DE 5 DE AGOSTO DE 2013


VI – cofinanciar, com os demais entes federados, § 1º A lei, em âmbito federal, estadual, do Dis-
a execução de programas, ações e projetos das po- trito Federal e municipal, disporá sobre a organi-
líticas públicas de juventude; e zação, o funcionamento e a composição dos con-
VII – estabelecer mecanismos de cooperação selhos de juventude, observada a participação da
com os Estados e a União para a execução das po- sociedade civil mediante critério, no mínimo, pa-
líticas públicas de juventude. ritário com os representantes do poder público.
Parágrafo único. Para garantir a articulação fe- § 2º (Vetado)
derativa com vistas ao efetivo cumprimento das Art. 46. São atribuições dos conselhos de juven-
políticas públicas de juventude, os Municípios tude:
podem instituir os consórcios de que trata a Lei I – encaminhar ao Ministério Público notícia de
nº 11.107, de 6 de abril de 2005, ou qualquer ou-
fato que constitua infração administrativa ou pe-
tro instrumento jurídico adequado, como forma
nal contra os direitos do jovem garantidos na le-
de compartilhar responsabilidades.
gislação;
Art. 44. As competências dos Estados e Municí- II – encaminhar à autoridade judiciária os casos
pios são atribuídas, cumulativamente, ao Distrito de sua competência;
Federal. III – expedir notificações;
CAPÍTULO III – DOS CONSELHOS DE JUVENTUDE IV – solicitar informações das autoridades pú-
Art. 45. Os conselhos de juventude são órgãos blicas;
permanentes e autônomos, não jurisdicionais, en- V – assessorar o Poder Executivo local na ela-
carregados de tratar das políticas públicas de ju- boração dos planos, programas, projetos, ações e
ventude e da garantia do exercício dos direitos do proposta orçamentária das políticas públicas de
jovem, com os seguintes objetivos: juventude.
I – auxiliar na elaboração de políticas públicas Art. 47. Sem prejuízo das atribuições dos conse-
de juventude que promovam o amplo exercício lhos de juventude com relação aos direitos previs-
dos direitos dos jovens estabelecidos nesta Lei;
tos neste Estatuto, cabe aos conselhos de direitos
II – utilizar instrumentos de forma a buscar que
da criança e do adolescente deliberar e controlar
o Estado garanta aos jovens o exercício dos seus
as ações em todos os níveis relativas aos adoles-
direitos;
centes com idade entre 15 (quinze) e 18 (dezoito)
III – colaborar com os órgãos da administração
anos.
no planejamento e na implementação das políti-
cas de juventude; Art. 48. Esta Lei entra em vigor após decorridos
IV – estudar, analisar, elaborar, discutir e pro- 180 (cento e oitenta) dias de sua publicação oficial.
por a celebração de instrumentos de cooperação, Brasília, 5 de agosto de 2013; 192º da
visando à elaboração de programas, projetos e Independência e 125º da República.
ações voltados para a juventude; DILMA ROUSSEFF
V – promover a realização de estudos relativos à José Eduardo Cardozo
juventude, objetivando subsidiar o planejamento Antonio de Aguiar Patriota
Guido Mantega
das políticas públicas de juventude;
César Borges
VI – estudar, analisar, elaborar, discutir e propor Aloizio Mercadante
políticas públicas que permitam e garantam a in- Manoel Dias
tegração e a participação do jovem nos processos Alexandre Rocha Santos Padilha
Miriam Belchior
social, econômico, político e cultural no respectivo Paulo Bernardo Silva
ente federado; Tereza Campello
VII – propor a criação de formas de participa- Marta Suplicy
ção da juventude nos órgãos da administração Izabella Mônica Vieira Teixeira
Aldo Rebelo
pública; Gilberto José Spier Vargas
VIII – promover e participar de seminários, cur- Aguinaldo Ribeiro
sos, congressos e eventos correlatos para o debate Gilberto Carvalho
Luís Inácio Lucena Adams
de temas relativos à juventude;
Luiza Helena de Bairros
IX – desenvolver outras atividades relacionadas Eleonora Menicucci de Oliveira
às políticas públicas de juventude. Maria do Rosário Nunes

67
LEGISLAÇÃO CORRELATA TÍTULO VIII – DA ORDEM SOCIAL
[...]
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA CAPÍTULO II – DA SEGURIDADE SOCIAL
FEDERATIVA DO BRASIL [...]
(Publicada no DOU de 5/10/1988) Seção IV – Da Assistência Social
[Dispositivos constitucionais referentes à criança, ao adoles- Art. 203. A assistência social será prestada a quem
cente e ao jovem.]
dela necessitar, independentemente de contribui-
TÍTULO I – DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS ção à seguridade social, e tem por objetivos:
I – a proteção à família, à maternidade, à infân-
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada
cia, à adolescência e à velhice;
pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e [...]
do Distrito Federal, constitui-se em Estado demo-
crático de direito e tem como fundamentos: CAPÍTULO III – DA EDUCAÇÃO, DA
CULTURA E DO DESPORTO
[...]
II – a cidadania; Seção I – Da Educação
III – a dignidade da pessoa humana; [...]
[...] Art. 208. O dever do Estado com a educação será
Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da Re- efetivado mediante a garantia de:
pública Federativa do Brasil: I – educação básica obrigatória e gratuita dos
[...] 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade, asse-
IV – promover o bem de todos, sem preconcei- gurada inclusive sua oferta gratuita para todos os
tos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer que a ela não tiveram acesso na idade própria; (In-
outras formas de discriminação. ciso com redação dada pela EC nº 59, de 2009)
[...] II – progressiva universalização do ensino médio
gratuito; (Inciso com redação dada pela EC nº 14, de 1996)
TÍTULO II – DOS DIREITOS E
GARANTIAS FUNDAMENTAIS
[...]
[...] IV – educação infantil, em creche e pré-escola,
às crianças até 5 (cinco) anos de idade; (Inciso com
CAPÍTULO II – DOS DIREITOS SOCIAIS redação dada pela EC nº 53, de 2006)
[...] [...]
Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e
CAPÍTULO V – DA COMUNICAÇÃO SOCIAL
rurais, além de outros que visem à melhoria de
sua condição social: Art. 220. A manifestação do pensamento, a cria-
[...] ção, a expressão e a informação, sob qualquer for-
XXXIII – proibição de trabalho noturno, perigoso ma, processo ou veículo não sofrerão qualquer res-
ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer trição, observado o disposto nesta Constituição.
trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na [...]
condição de aprendiz, a partir de quatorze anos; § 3º Compete à lei federal:
(Inciso com redação dada pela EC nº 20, de 1998) [...]
[...] II – estabelecer os meios legais que garantam
à pessoa e à família a possibilidade de se defen-
TÍTULO III – DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO derem de programas ou programações de rádio
[...] e televisão que contrariem o disposto no art. 221,
CAPÍTULO II – DA UNIÃO bem como da propaganda de produtos, práticas
[...] e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao
Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distri- meio ambiente.
to Federal legislar concorrentemente sobre: [...]
[...] Art. 221. A produção e a programação das emis-
XV – proteção à infância e à juventude; soras de rádio e televisão atenderão aos seguintes
[...] princípios:
68
DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA (NOVA YORK, 1959)


[...] VII – programas de prevenção e atendimento es-


IV – respeito aos valores éticos e sociais da pes- pecializado à criança, ao adolescente e ao jovem
soa e da família. dependente de entorpecentes e drogas afins. (In-
[...] ciso com redação dada pela EC nº 65, de 2010)
§ 4º A lei punirá severamente o abuso, a violên-
CAPÍTULO VII – DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO
ADOLESCENTE, DO JOVEM E DO IDOSO cia e a exploração sexual da criança e do adoles-
(Denominação do capítulo com redação dada cente.
pela Emenda Constitucional nº 65, de 2010) § 5º A adoção será assistida pelo poder público,
[...] na forma da lei, que estabelecerá casos e condi-
Art. 227. É dever da família, da sociedade e do ções de sua efetivação por parte de estrangeiros.
Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao § 6º Os filhos, havidos ou não da relação do ca-
jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à samento, ou por adoção, terão os mesmos direitos
saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à pro- e qualificações, proibidas quaisquer designações
fissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, discriminatórias relativas à filiação.
à liberdade e à convivência familiar e comunitá- § 7º No atendimento dos direitos da criança e
ria, além de colocá-los a salvo de toda forma de do adolescente levar-se-á em consideração o dis-
negligência, discriminação, exploração, violência, posto no art. 204.
crueldade e opressão. (Caput do artigo com redação § 8º A Lei estabelecerá:
dada pela EC nº 65, de 2010) I – o estatuto da juventude, destinado a regular
§ 1º O Estado promoverá programas de assistên- os direitos dos jovens;
cia integral à saúde da criança, do adolescente e II – o plano nacional de juventude, de duração
do jovem, admitida a participação de entidades decenal, visando à articulação das várias esferas
não governamentais, mediante políticas específi- do poder público para a execução de políticas pú-
cas e obedecendo aos seguintes preceitos: (Parágra- blicas. (Parágrafo acrescido pela EC nº 65, de 2010)
fo com redação dada pela EC nº 65, de 2010) [...]
[...]
DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA
II – criação de programas de prevenção e aten-
CRIANÇA (NOVA YORK, 1959)
dimento especializado para as pessoas portado-
(Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral das
ras de deficiência física, sensorial ou mental, bem Nações nº 14/1386, de 20/11/1959; esta resolução lançou
como de integração social do adolescente e do as bases para a proclamação da Convenção dos Direitos
jovem portador de deficiência, mediante o trei- da Criança adotada pela Assembleia Geral da Nações
Unidas em 20/11/1989 e entrou em vigor em 2/9/1990)
namento para o trabalho e a convivência, e a fa-
cilitação do acesso aos bens e serviços coletivos, Preâmbulo
com a eliminação de obstáculos arquitetônicos e VISTO que os povos das Nações Unidas, na Car-
de todas as formas de discriminação. (Inciso com ta, reafirmaram sua fé nos direitos humanos fun-
redação dada pela EC nº 65, de 2010) damentais, na dignidade e no valor do ser huma-
[...] no, e resolveram promover o progresso social e
§ 3º O direito a proteção especial abrangerá os melhores condições de vida dentro de uma liber-
seguintes aspectos: dade mais ampla,
[...] VISTO que as Nações Unidas, na Declaração Uni-
III – garantia de acesso do trabalhador adoles- versal dos Direitos Humanos, proclamaram que
cente e jovem à escola; (Inciso com redação dada pela todo homem tem capacidade para gozar os direi-
EC nº 65, de 2010) tos e as liberdades nela estabelecidos, sem distin-
[...] ção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo,
VI – estímulo do poder público, através de as- língua, religião, opinião política ou de outra na-
sistência jurídica, incentivos fiscais e subsídios, tureza, origem nacional ou social, riqueza, nasci-
nos termos da lei, ao acolhimento, sob a forma mento ou qualquer outra condição,
de guarda, de criança ou adolescente órfão ou VISTO que a criança, em decorrência de sua ima-
abandonado; turidade física e mental, precisa de proteção e
69
cuidados especiais, inclusive proteção legal apro- Terá direito a crescer e criar-se com saúde; para
priada, antes e depois do nascimento, isto, tanto à criança como à mãe, serão propor-
VISTO que a necessidade de tal proteção foi cionados cuidados e proteção especiais, inclusive
enunciada na Declaração dos Direitos da Criança adequados cuidados pré e pós-natais.
em Genebra, de 1924, e reconhecida na Declara- A criança terá direito a alimentação, habitação,
ção Universal dos Direitos Humanos e nos estatu- recreação e assistência médica adequadas.
tos das agências especializadas e organizações in-
ternacionais interessadas no bem-estar da criança, PRINCÍPIO 5º
VISTO que a humanidade deve à criança o me- À criança incapacitada física, mental ou social-
lhor de seus esforços, mente serão proporcionados o tratamento, a edu-
Assim, a Assembleia Geral cação e os cuidados especiais exigidos pela sua
PROCLAMA esta Declaração dos Direitos da Crian- condição peculiar.
ça, visando que a criança tenha uma infância fe-
PRINCÍPIO 6º
liz e possa gozar, em seu próprio benefício e no da
Para o desenvolvimento completo e harmonio-
sociedade, os direitos e as liberdades aqui enun-
so de sua personalidade, a criança precisa de amor
ciados e apela a que os pais, os homens e as mu-
e compreensão.
lheres em sua qualidade de indiví as organizações
Criar-se-á, sempre que possível, aos cuidados e
voluntárias, as autoridades locais e os Governos
sob a responsabilidade dos pais e, em qualquer hi-
nacionais reconheçam estes direitos e se empe-
nhem pela sua observância mediante medidas le- pótese, num ambiente de afeto e de segurança mo-
gislativas e de outra natureza, progressivamente ral e material; salvo circunstâncias excepcionais, a
instituídas, de conformidade com os seguintes criança de tenra idade não será apartada da mãe.
princípios: À sociedade e às autoridades públicas caberá a
obrigação de propiciar cuidados especiais às crian-
PRINCÍPIO 1º
ças sem família e aquelas que carecem de meios
A criança gozará todos os direitos enunciados
adequados de subsistência. É desejável a presta-
nesta Declaração.
ção de ajuda oficial e de outra natureza em prol
Todas as crianças, absolutamente sem qualquer
da manutenção dos filhos de famílias numerosas.
exceção, serão credoras destes direitos, sem dis-
tinção ou discriminação por motivo de raça, cor, PRINCÍPIO 7º
sexo, língua, religião, opinião política ou de outra A criança terá direito a receber educação, que
natureza, origem nacional ou social, riqueza, nas- será gratuita e compulsória pelo menos no grau
cimento ou qualquer outra condição, quer sua ou primário. Ser-lhe-á propiciada uma educação ca-
de sua família. paz de promover a sua cultura geral e capacitá-la
PRINCÍPIO 2º a, em condições de iguais oportunidades, desen-
A criança gozará proteção especial e ser-lhe-ão volver as suas aptidões, sua capacidade de emitir
proporcionadas oportunidades e facilidades, por juízo e seu senso de responsabilidade moral e so-
lei e por outros meios, a fim de lhe facultar o de- cial, e a tornar-se um membro útil da sociedade.
senvolvimento físico, mental, moral, espiritual e Os melhores interesses da criança serão a dire-
social, de forma sadia e normal e em condições triz a nortear os responsáveis pela sua educação
de liberdade e dignidade. e orientação; esta responsabilidade cabe, em pri-
Na instituição de leis visando este objetivo levar- meiro lugar, aos pais.
-se-ão em conta sobretudo, os melhores interes- A criança terá ampla oportunidade para brin-
ses da criança. car e divertir-se, visando os propósitos mesmos
PRINCÍPIO 3º da sua educação; a sociedade e as autoridades
Desde o nascimento, toda criança terá direito a públicas empenhar-se-ão em promover o gozo
um nome e a uma nacionalidade. deste direito.

PRINCÍPIO 4º PRINCÍPIO 8º
A criança gozará os benefícios da previdência A criança figurará, em quaisquer circunstâncias,
social. entre os primeiros a receber proteção e socorro.
70
CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (NOVA YORK, 1989)


PRINCÍPIO 9º Recordando que na Declaração Universal dos


A criança gozará proteção contra quaisquer for- Direitos Humanos as Nações Unidas proclamaram
mas de negligência, crueldade e exploração. Não que a infância tem direito a cuidados e assistên-
será jamais objeto de tráfico, sob qualquer forma. cia especiais;
Não será permitido à criança empregar-se antes Convencidos de que a família, como grupo fun-
da idade mínima conveniente; de nenhuma forma damental da sociedade e ambiente natural para o
será levada a ou ser-lhe-á permitido empenhar-se crescimento e bem-estar de todos os seus mem-
em qualquer ocupação ou emprego que lhe preju- bros, e em particular das crianças, deve receber a
dique a saúde ou a educação ou que interfira em proteção e assistência necessárias a fim de poder
seu desenvolvimento físico, mental ou moral. assumir plenamente suas responsabilidades den-
tro da comunidade;
PRINCÍPIO 10.
Reconhecendo que a criança, para o pleno e
A criança gozará proteção contra atos que pos-
harmonioso desenvolvimento de sua personali-
sam suscitar discriminação racial, religiosa ou de
dade, deve crescer no seio da família, em um am-
qualquer outra natureza.
biente de felicidade, amor e compreensão;
Criar-se-á num ambiente de compreensão, de
Considerando que a criança deve estar plena-
tolerância, de amizade entre os povos, de paz e
mente preparada para uma vida independente na
de fraternidade universal e em plena consciência sociedade e deve ser educada de acordo com os
que seu esforço e aptidão devem ser postos a ser- ideais proclamados na Cartas das Nações Unidas,
viço de seus semelhantes.
especialmente com espírito de paz, dignidade, to-
841ª reunião plenária de 20 de novembro de 1959 lerância, liberdade, igualdade e solidariedade;
Tendo em conta que a necessidade de propor-
CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS
cionar à criança uma proteção especial foi enun-
DA CRIANÇA (NOVA YORK, 1989)
(Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral ciada na Declaração de Genebra de 1924 sobre os
das Nações nº 44/25, de 20/11/1989; aprovada Direitos da Criança e na Declaração dos Direitos da
pelo Decreto Legislativo nº 28 de 14/9/1990 e Criança adotada pela Assembleia Geral em 20 de
promulgada pelo Decreto nº 99.710, de 21/11/1990)
novembro de 1959, e reconhecida na Declaração
Preâmbulo Universal dos Direitos Humanos, no Pacto Interna-
Os Estados-Partes da presente Convenção, con- cional de Direitos Civis e Políticos (em particular
siderando que, de acordo com os princípios pro- nos Artigos 23 e 24), no Pacto Internacional de Di-
clamados na Carta das Nações Unidas, a liberdade, reitos Econômicos, Sociais e Culturais (em parti-
a justiça e a paz no mundo se fundamentam no cular no Artigo 10) e nos estatutos e instrumentos
reconhecimento da dignidade inerente e dos di- pertinentes das Agências Especializadas e das or-
reitos iguais e inalienáveis de todos os membros ganizações internacionais que se interessam pelo
da família humana; bem-estar da criança;
Tendo em conta que os povos das Nações Uni-
Tendo em conta que, conforme assinalado na
das reafirmaram na carta sua fé nos direitos fun-
Declaração dos Direitos da Criança, “a criança, em
damentais do homem e na dignidade e no valor
virtude de sua falta de maturidade física e mental,
da pessoa humana e que decidiram promover o
necessita proteção e cuidados especiais, inclusive
progresso social e a elevação do nível de vida com
a devida proteção legal, tanto antes quanto após
mais liberdade;
seu nascimento”;
Reconhecendo que as Nações Unidas proclama-
ram e acordaram na Declaração Universal dos Di- Lembrando o estabelecido na Declaração so-
reitos Humanos e nos Pactos Internacionais de bre os Princípios Sociais e Jurídicos Relativos à
Direitos Humanos que toda pessoa possui todos Proteção e ao Bem-Estar das Crianças, especial-
os direitos e liberdades neles enunciados, sem mente com Referência à Adoção e à Colocação
distinção de qualquer natureza, seja de raça, cor, em Lares de Adoção, nos Planos Nacional e Inter-
sexo, idioma, crença, opinião política ou de outra nacional; as Regras Mínimas das Nações Unidas
índole, origem nacional ou social, posição econô- para a Administração da Justiça Juvenil (Regras
mica, nascimento ou qualquer outra condição; de Pequim); e a Declaração sobre a Proteção da
71
Mulher e da Criança em Situações de Emergência 3. Os Estados-Partes se certificarão de que as
ou de Conflito Armado; instituições, os serviços e os estabelecimentos en-
Reconhecendo que em todos os países do mun- carregados do cuidado ou da proteção das crian-
do existem crianças vivendo sob condições excep- ças cumpram com os padrões estabelecidos pelas
cionalmente difíceis e que essas crianças necessi- autoridades competentes, especialmente no que
tam consideração especial; diz respeito à segurança e à saúde das crianças, ao
número e à competência de seu pessoal e à exis-
Tomando em devida conta a importância das
tência de supervisão adequada.
tradições e dos valores culturais de cada povo pa-
ra a proteção e o desenvolvimento harmonioso da Artigo 4º
criança; Os Estados-Partes adotarão todas as medidas
Reconhecendo a importância da cooperação in- administrativas, legislativas e de outra índole com
ternacional para a melhoria das condições de vida vistas à implementação dos direitos reconhecidos
na presente Convenção. Com relação aos direitos
das crianças em todos os países, especialmente
econômicos, sociais e culturais, os Estados-Partes
nos países em desenvolvimento;
adotarão essas medidas utilizando ao máximo os
Acordam o seguinte:
recursos disponíveis e, quando necessário, dentro
PARTE I de um quadro de cooperação internacional.
Artigo 1º Artigo 5º
Para efeitos da presente Convenção considera- Os Estados-Partes respeitarão as responsabili-
-se como criança todo ser humano com menos de dades, os direitos e os deveres dos pais ou, onde
dezoito anos de idade, a não ser que, em confor- for o caso, dos membros da família ampliada ou
midade com a lei aplicável à criança, a maioridade da comunidade, conforme determinem os costu-
seja alcançada antes. mes locais, dos tutores ou de outras pessoas le-
galmente responsáveis, de proporcionar à criança
Artigo 2º
instrução e orientação adequadas e acordes com a
1. Os Estados-Partes respeitarão os direitos enun-
ciados na presente Convenção e assegurarão sua evolução de sua capacidade no exercício dos direi-
aplicação a cada criança sujeita à sua jurisdição, tos reconhecidos na presente convenção.
sem distinção alguma, independentemente de raça, Artigo 6º
cor, sexo, idioma, crença, opinião política ou de ou- 1. Os Estados-Partes reconhecem que toda crian-
tra índole, origem nacional, étnica ou social, posi- ça tem o direito inerente à vida.
ção econômica, deficiências físicas, nascimento ou 2. Os Estados-Partes assegurarão ao máximo
qualquer outra condição da criança, de seus pais a sobrevivência e o desenvolvimento da criança.
ou de seus representantes legais.
2. Os Estados-Partes tomarão todas as medidas Artigo 7º
apropriadas para assegurar a proteção da criança 1. A criança será registrada imediatamente após
contra toda forma de discriminação ou castigo por seu nascimento e terá direito, desde o momento
causa da condição, das atividades, das opiniões em que nasce, a um nome, a uma nacionalidade
manifestadas ou das crenças de seus pais, repre- e, na medida do possível, a conhecer seus pais e a
sentantes legais ou familiares. ser cuidada por eles.
2. Os Estados-Partes zelarão pela aplicação des-
Artigo 3º ses direitos de acordo com sua legislação nacional
1. Todas as ações relativas às crianças, levadas a e com as obrigações que tenham assumido em vir-
efeito por autoridades administrativas ou órgãos
tude dos instrumentos internacionais pertinentes,
legislativos, devem considerar, primordialmente,
sobretudo se, de outro modo, a criança se tornaria
o interesse maior da criança.
apátrida.
2. Os Estados-Partes se comprometem a assegu-
rar à criança a proteção e o cuidado que sejam ne- Artigo 8º
cessários para seu bem-estar, levando em conside- 1. Os Estados-Partes se comprometem a respei-
ração os direitos e deveres de seus pais, tutores ou tar o direito da criança de preservar sua identida-
outras pessoas responsáveis por ela perante a lei de, inclusive a nacionalidade, o nome e as relações
e, com essa finalidade, tomarão todas as medidas familiares, de acordo com a lei, sem interferências
legislativas e administrativas adequadas. ilícitas.
72
CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (NOVA YORK, 1989)


2. Quando uma criança se vir privada ilegalmen- pida. Os Estados-Partes assegurarão, ainda, que a
te de algum ou de todos os elementos que confi- apresentação de tal solicitação não acarretará con-
guram sua identidade, os Estados-Partes deverão sequências adversas para os solicitantes ou para
prestar assistência e proteção adequadas com seus familiares.
vistas a restabelecer rapidamente sua identidade. 2. A criança cujos pais residam em Estados di-
ferentes terá o direito de manter, periodicamente,
Artigo 9º
relações pessoais e contato direto com ambos, ex-
1. Os Estados-Partes deverão zelar para que a
ceto em circunstâncias especiais. Para tanto, e de
criança não seja separada dos pais contra a vonta-
acordo com a obrigação assumida pelos Estados-
de dos mesmos, exceto quando, sujeita à revisão ju-
-Partes em virtude do parágrafo 2 do Artigo 9, os
dicial, as autoridades competentes determinarem,
Estados-Partes respeitarão o direito da criança e
em conformidade com a lei e os procedimentos le-
de seus pais de sair de qualquer país, inclusive do
gais cabíveis, que tal separação é necessária ao in-
próprio, e de ingressar no seu próprio país. O di-
teresse maior da criança. Tal determinação pode
reito de sair de qualquer país estará sujeito, ape-
ser necessária em casos específicos, por exemplo,
nas, às restrições determinadas pela lei que sejam
nos casos em que a criança sofre maus tratos ou
necessárias para proteger a segurança nacional, a
descuido por parte de seus pais ou quando estes
ordem pública, a saúde ou a moral públicas ou os
vivem separados e uma decisão deve ser tomada
direitos e as liberdades de outras pessoas e que
a respeito do local da residência da criança.
estejam acordes com os demais direitos reconhe-
2. Caso seja adotado qualquer procedimento
cidos pela presente convenção.
em conformidade com o estipulado no parágrafo
1 do presente artigo, todas as partes interessadas Artigo 11.
terão a oportunidade de participar e de manifes- 1. Os Estados-Partes adotarão medidas a fim de
tar suas opiniões. lutar contra a transferência ilegal de crianças pa-
3. Os Estados-Partes respeitarão o direito da ra o exterior e a retenção ilícita das mesmas fora
criança que esteja separada de um ou de ambos do país.
os pais de manter regularmente relações pessoais 2. Para tanto, aos Estados-Partes promoverão a
e contato direto com ambos, a menos que isso seja conclusão de acordos bilaterais ou multilaterais
contrário ao interesse maior da criança. ou a adesão a acordos já existentes.
4. Quando essa separação ocorrer em virtude Artigo 12.
de uma medida adotada por um Estado-Parte, tal 1. Os Estados-Partes assegurarão à criança que
como detenção, prisão, exílio, deportação ou mor- estiver capacitada a formular seus próprios juízos
te (inclusive falecimento decorrente de qualquer o direito de expressar suas opiniões livremente so-
causa enquanto a pessoa estiver sob a custódia do bre todos os assuntos relacionados com a criança,
Estado) de um dos pais da criança, ou de ambos, ou levando-se devidamente em consideração essas
da própria criança, o Estado-Parte, quando solici- opiniões, em função da idade e maturidade da
tado, proporcionará aos pais, à criança ou, se for o criança.
caso, a outro familiar, informações básicas a respei- 2. Com tal propósito, se proporcionará à crian-
to do paradeiro do familiar ou familiares ausentes, ça, em particular, a oportunidade de ser ouvida
a não ser que tal procedimento seja prejudicial ao em todo processo judicial ou administrativo que
bem-estar da criança. Os Estados-Partes se certifi- afete a mesma, quer diretamente quer por inter-
carão, além disso, de que a apresentação de tal pe- médio de um representante ou órgão apropriado,
tição não acarrete, por si só, consequências adver- em conformidade com as regras processuais da
sas para a pessoa ou pessoas interessadas. legislação nacional.
Artigo 10. Artigo 13.
1. De acordo com a obrigação dos Estados-Partes 1. A criança terá direito à liberdade de expres-
estipulada no parágrafo 1 do Artigo 9, toda solicita- são. Esse direito incluirá a liberdade de procurar,
ção apresentada por uma criança, ou por seus pais, receber e divulgar informações e ideias de todo
para ingressar ou sair de um Estado-Parte com vis- tipo, independentemente de fronteiras, de forma
tas à reunião da família, deverá ser atendida pelos oral, escrita ou impressa, por meio das artes ou
Estados-Partes de forma positiva, humanitária e rá- por qualquer outro meio escolhido pela criança.
73
2. O exercício de tal direito poderá estar sujeito seu bem-estar social, espiritual e moral e sua saú-
a determinadas restrições, que serão unicamente de física e mental. Para tanto, os Estados-Partes:
as previstas pela lei e consideradas necessárias: a) incentivarão os meios de comunicação a di-
a) para o respeito dos direitos ou da reputação fundir informações e materiais de interesse social
dos demais, ou e cultural para a criança, de acordo com o espírito
b) para a proteção da segurança nacional ou da do artigo 29;
ordem pública, ou para proteger a saúde e a mo- b) promoverão a cooperação internacional na
ral públicas. produção, no intercâmbio e na divulgação dessas
informações e desses materiais procedentes de di-
Artigo 14.
versas fontes culturais, nacionais e internacionais;
1. Os Estados-Partes respeitarão o direito da c) incentivarão a produção e difusão de livros
criança à liberdade de pensamento, de consciên- para crianças;
cia e de crença. d) incentivarão os meios de comunicação no
2. Os Estados-Partes respeitarão os direitos e de- sentido de, particularmente, considerar as neces-
veres dos pais e, se for o caso, dos representantes sidades linguísticas da criança que pertença a um
legais, de orientar a criança com relação ao exercí- grupo minoritário ou que seja indígena;
cio de seus direitos de maneira acorde com a evo- e) promoverão a elaboração de diretrizes apro-
lução de sua capacidade. priadas a fim de proteger a criança contra toda in-
3. A liberdade de professar a própria religião ou formação e material prejudiciais ao seu bem-estar,
as próprias crenças estará sujeita, unicamente, às tendo em conta as disposições dos artigos 13 e 18.
limitações prescritas pela lei e necessárias para
Artigo 18.
proteger a segurança, a ordem, a moral, a saúde
1. Os Estados-Partes envidarão os seus melho-
pública ou os direitos e liberdades fundamentais
res esforços a fim de assegurar o reconhecimento
dos demais.
do princípio de que ambos os pais têm obrigações
Artigo 15. comuns com relação à educação e ao desenvolvi-
1. Os Estados-Partes reconhecem os direitos da mento da criança. Caberá aos pais ou, quando for
criança à liberdade de associação e à liberdade de o caso, aos representantes legais, a responsabili-
realizar reuniões pacíficas. dade primordial pela educação e pelo desenvolvi-
2. Não serão impostas restrições ao exercício mento da criança. Sua preocupação fundamental
desses direitos, a não ser as estabelecidas em con- visará ao interesse maior da criança.
formidade com a lei e que sejam necessárias numa 2. A fim de garantir e promover os direitos enun-
sociedade democrática, no interesse da segurança ciados na presente convenção, os Estados-Partes
nacional ou pública, da ordem pública, da prote- prestarão assistência adequada aos pais e aos re-
ção à saúde e à moral públicas ou da proteção aos presentantes legais para o desempenho de suas
direitos e liberdades dos demais. funções no que tange à educação da criança e as-
segurarão a criação de instituições, instalações e
Artigo 16. serviços para o cuidado das crianças.
1. Nenhuma criança será objeto de interferên- 3. Os Estados-Partes adotarão todas as medidas
cias arbitrárias ou ilegais em sua vida particular, apropriadas a fim de que as crianças cujos pais tra-
sua família, seu domicílio ou sua correspondên- balhem tenham direito a beneficiar-se dos servi-
cia, nem de atentados ilegais a sua honra e a sua ços de assistência social e creches a que fazem jus.
reputação.
2. A criança tem direito à proteção da lei contra Artigo 19.
1. Os Estados-Partes adotarão todas as medi-
essas interferências ou atentados.
das legislativas, administrativas, sociais e educa-
Artigo 17. cionais apropriadas para proteger a criança con-
Os Estados-Partes reconhecem a função impor- tra todas as formas de violência física ou mental,
tante desempenhada pelos meios de comunica- abuso ou tratamento negligente, maus tratos ou
ção e zelarão para que a criança tenha acesso a exploração, inclusive abuso sexual, enquanto a
informações e materiais procedentes de diversas criança estiver sob a custódia dos pais, do repre-
fontes nacionais e internacionais, especialmente sentante legal ou de qualquer outra pessoa res-
informações e materiais que visem a promover ponsável por ela.
74
CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (NOVA YORK, 1989)


2. Essas medidas de proteção deveriam incluir, c) a criança adotada em outro país goze de sal-
conforme apropriado, procedimentos eficazes pa- vaguardas e normas equivalentes às existentes em
ra a elaboração de programas sociais capazes de seu país de origem com relação à adoção;
proporcionar uma assistência adequada à criança d) todas as medidas apropriadas sejam adota-
e às pessoas encarregadas de seu cuidado, bem das, a fim de garantir que, em caso de adoção em
como para outras formas de prevenção, para a outro país, a colocação não permita benefícios fi-
identificação, notificação, transferência a uma nanceiros indevidos aos que dela participarem;
instituição, investigação, tratamento e acompa- e) quando necessário, promover os objetivos do
nhamento posterior dos casos acima menciona- presente artigo mediante ajustes ou acordos bila-
dos de maus tratos à criança e, conforme o caso, terais ou multilaterais, e envidarão esforços, nesse
para a intervenção judiciária. contexto, com vistas a assegurar que a colocação
da criança em outro país seja levada a cabo por
Artigo 20.
intermédio das autoridades ou organismos com-
1. As crianças privadas temporária ou perma-
petentes.
nentemente do seu meio familiar, ou cujo interes-
se maior exija que não permaneçam nesse meio, Artigo 22.
terão direito à proteção e assistência especiais do 1. Os Estados-Partes adotarão medidas perti-
Estado. nentes para assegurar que a criança que tente ob-
2. Os Estados-Partes garantirão, de acordo com ter a condição de refugiada, ou que seja conside-
suas leis nacionais, cuidados alternativos para es- rada como refugiada de acordo com o direito e os
sas crianças. procedimentos internacionais ou internos aplicá-
3. Esses cuidados poderiam incluir, inter alia, a veis, receba, tanto no caso de estar sozinha como
colocação em lares de adoção, a kafalah do direito acompanhada por seus pais ou por qualquer ou-
islâmico, a adoção ou, caso necessário, a coloca- tra pessoa, a proteção e a assistência humanitária
ção em instituições adequadas de proteção para adequadas a fim de que possa usufruir dos direi-
tos enunciados na presente convenção e em ou-
as crianças. Ao serem consideradas as soluções,
tros instrumentos internacionais de direitos hu-
deve-se dar especial atenção à origem étnica, re-
manos ou de caráter humanitário dos quais os
ligiosa, cultural e linguística da criança, bem como
citados Estados sejam parte.
à conveniência da continuidade de sua educação.
2. Para tanto, os Estados-Partes cooperarão, da
Artigo 21. maneira como julgarem apropriada, com todos
Os Estados-Partes que reconhecem ou permi- os esforços das Nações Unidas e demais organi-
tem o sistema de adoção atentarão para o fato zações intergovernamentais competentes, ou or-
de que a consideração primordial seja o interesse ganizações não governamentais que cooperem
maior da criança. Dessa forma, atentarão para que: com as Nações Unidas, no sentido de proteger e
a) a adoção da criança seja autorizada apenas ajudar a criança refugiada, e de localizar seus pais
pelas autoridades competentes, as quais determi- ou outros membros de sua família a fim de obter
narão, consoante as leis e os procedimentos cabí- informações necessárias que permitam sua reu-
veis e com base em todas as informações perti- nião com a família. Quando não for possível loca-
nentes e fidedignas, que a adoção é admissível em lizar nenhum dos pais ou membros da família, será
vista da situação jurídica da criança com relação a concedida à criança a mesma proteção outorgada
seus pais, parentes e representantes legais e que, a qualquer outra criança privada permanente ou
caso solicitado, as pessoas interessadas tenham temporariamente de seu ambiente familiar, seja
dado, com conhecimento de causa, seu consen- qual for o motivo, conforme o estabelecido na pre-
timento à adoção, com base no assessoramento sente convenção.
que possa ser necessário; Artigo 23.
b) a adoção efetuada em outro país possa ser 1. Os Estados-Partes reconhecem que a criança
considerada como outro meio de cuidar da crian- portadora de deficiências físicas ou mentais deve-
ça, no caso em que a mesma não possa ser coloca- rá desfrutar de uma vida plena e decente em con-
da em um lar de adoção ou entregue a uma família dições que garantam sua dignidade, favoreçam
adotiva ou não logre atendimento adequado em sua autonomia e facilitem sua participação ativa
seu país de origem; na comunidade.
75
2. Os Estados-Partes reconhecem o direito da c) combater as doenças e a desnutrição dentro
criança deficiente de receber cuidados especiais do contexto dos cuidados básicos de saúde me-
e, de acordo com os recursos disponíveis e sem- diante, inter alia, a aplicação de tecnologia dispo-
pre que a criança ou seus responsáveis reúnam nível e o fornecimento de alimentos nutritivos e de
as condições requeridas, estimularão e assegura- água potável, tendo em vista os perigos e riscos da
rão a prestação da assistência solicitada, que seja poluição ambiental;
adequada ao estado da criança e às circunstân- d) assegurar às mães adequada assistência pré-
cias de seus pais ou das pessoas encarregadas de -natal e pós-natal;
seus cuidados. e) assegurar que todos os setores da sociedade,
3. Atendendo às necessidades especiais da crian- e em especial os pais e as crianças, conheçam os
ça deficiente, a assistência prestada, conforme princípios básicos de saúde e nutrição das crian-
disposto no parágrafo 2 do presente artigo, será ças, as vantagens da amamentação, da higiene e
gratuita sempre que possível, levando-se em con- do saneamento ambiental e das medidas de pre-
sideração a situação econômica dos pais ou das venção de acidentes, e tenham acesso à educação
pessoas que cuidem da criança, e visará a assegu- pertinente e recebam apoio para a aplicação des-
rar à criança deficiente o acesso efetivo à educação, ses conhecimentos;
à capacitação, aos serviços de saúde, aos serviços f) desenvolver a assistência médica preventiva,
de reabilitação, à preparação para o emprego e às a orientação aos pais e a educação e serviços de
oportunidades de lazer, de maneira que a criança planejamento familiar.
atinja a mais completa integração social possível 3. Os Estados-Partes adotarão todas as medidas
e o maior desenvolvimento individual factível, in- eficazes e adequadas para abolir práticas tradicio-
clusive seu desenvolvimento cultural e espiritual. nais que sejam prejudicais à saúde da criança.
4. Os Estados-Partes promoverão, com espíri- 4. Os Estados-Partes se comprometem a promo-
to de cooperação internacional, um intercâmbio ver e incentivar a cooperação internacional com
adequado de informações nos campos da assis- vistas a lograr, progressivamente, a plena efeti-
tência médica preventiva e do tratamento médico, vação do direito reconhecido no presente artigo.
psicológico e funcional das crianças deficientes, Nesse sentido, será dada atenção especial às ne-
inclusive a divulgação de informações a respeito cessidades dos países em desenvolvimento.
dos métodos de reabilitação e dos serviços de en-
Artigo 25.
sino e formação profissional, bem como o acesso Os Estados-Partes reconhecem o direito de uma
a essa informação, a fim de que os Estados-Partes criança que tenha sido internada em um estabele-
possam aprimorar sua capacidade e seus conhe- cimento pelas autoridades competentes para fins
cimentos e ampliar sua experiência nesses cam- de atendimento, proteção ou tratamento de saú-
pos. Nesse sentido, serão levadas especialmente de física ou mental a um exame periódico de ava-
em conta as necessidades dos países em desen- liação do tratamento ao qual está sendo submeti-
volvimento. da e de todos os demais aspectos relativos à sua
Artigo 24. internação.
1. Os Estados-Partes reconhecem o direito da Artigo 26.
criança de gozar do melhor padrão possível de 1. Os Estados-Partes reconhecerão a todas as
saúde e dos serviços destinados ao tratamento crianças o direito de usufruir da previdência so-
das doenças e à recuperação da saúde. Os Estados- cial, inclusive do seguro social, e adotarão as me-
-Partes envidarão esforços no sentido de assegurar didas necessárias para lograr a plena consecução
que nenhuma criança se veja privada de seu direi- desse direito, em conformidade com sua legisla-
to de usufruir desses serviços sanitários. ção nacional.
2. Os Estados-Partes garantirão a plena aplica- 2. Os benefícios deverão ser concedidos, quan-
ção desse direito e, em especial, adotarão as me- do pertinentes, levando-se em consideração os
didas apropriadas com vistas a: recursos e a situação da criança e das pessoas
a) reduzir a mortalidade infantil; responsáveis pelo seu sustento, bem como qual-
b) assegurar a prestação de assistência médica quer outra consideração cabível no caso de uma
e cuidados sanitários necessários a todas as crian- solicitação de benefícios feita pela criança ou em
ças, dando ênfase aos cuidados básicos de saúde; seu nome.
76
CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (NOVA YORK, 1989)


Artigo 27. 2. Os Estados-Partes adotarão todas as medidas


1. Os Estados-Partes reconhecem o direito de necessárias para assegurar que a disciplina esco-
toda criança a um nível de vida adequado ao seu lar seja ministrada de maneira compatível com a
desenvolvimento físico, mental, espiritual, moral dignidade humana da criança e em conformidade
e social. com a presente convenção.
2. Cabe aos pais, ou a outras pessoas encarre- 3. Os Estados-Partes promoverão e estimularão
gadas, a responsabilidade primordial de propiciar, a cooperação internacional em questões relativas à
de acordo com suas possibilidades e meios finan- educação, especialmente visando a contribuir para
ceiros, as condições de vida necessárias ao desen- a eliminação da ignorância e do analfabetismo no
volvimento da criança. mundo e facilitar o acesso aos conhecimentos
3. Os Estados-Partes, de acordo com as condi- científicos e técnicos e aos métodos modernos de
ções nacionais e dentro de suas possibilidades, ensino. A esse respeito, será dada atenção especial
adotarão medidas apropriadas a fim de ajudar os às necessidades dos países em desenvolvimento.
pais e outras pessoas responsáveis pela criança a Artigo 29.
tornar efetivo esse direito e, caso necessário, pro- 1. Os Estados-Partes reconhecem que a educação
porcionarão assistência material e programas de da criança deverá estar orientada no sentido de:
apoio, especialmente no que diz respeito à nutri- a) desenvolver a personalidade, as aptidões e a
ção, ao vestuário e à habitação. capacidade mental e física da criança em todo o
4. Os Estados-Partes tomarão todas as medidas seu potencial;
adequadas para assegurar o pagamento da pen- b) imbuir na criança o respeito aos direitos hu-
são alimentícia por parte dos pais ou de outras manos e às liberdades fundamentais, bem como
pessoas financeiramente responsáveis pela crian- aos princípios consagrados na Carta das Nações
ça, quer residam no Estado-Parte quer no exterior. Unidas;
Nesse sentido, quando a pessoa que detém a res- c) imbuir na criança o respeito aos seus pais, à
ponsabilidade financeira pela criança residir em sua própria identidade cultural, ao seu idioma e
Estado diferente daquele onde mora a criança, os seus valores, aos valores nacionais do país em que
Estados-Partes promoverão a adesão a acordos in- reside, aos do eventual país de origem, e aos das
ternacionais ou a conclusão de tais acordos, bem civilizações diferentes da sua;
como a adoção de outras medidas apropriadas. d) preparar a criança para assumir uma vida res-
ponsável numa sociedade livre, com espírito de
Artigo 28.
compreensão, paz, tolerância, igualdade de sexos
1. Os Estados-Partes reconhecem o direito da
e amizade entre todos os povos, grupos étnicos,
criança à educação e, a fim de que ela possa exer-
nacionais e religiosos e pessoas de origem indí-
cer progressivamente e em igualdade de condi-
gena;
ções esse direito, deverão especialmente:
e) imbuir na criança o respeito ao meio ambiente.
a) tornar o ensino primário obrigatório e dispo-
2. Nada do disposto no presente artigo ou no
nível gratuitamente para todos;
Artigo 28 será interpretado de modo a restringir a
b) estimular o desenvolvimento do ensino se-
liberdade dos indivíduos ou das entidades de criar
cundário em suas diferentes formas, inclusive o
e dirigir instituições de ensino, desde que sejam
ensino geral e profissionalizante, tornando-o dis-
respeitados os princípios enunciados no parágrafo
ponível e acessível a todas as crianças, e adotar
1 do presente artigo e que a educação ministrada
medidas apropriadas tais como a implantação do
em tais instituições esteja acorde com os padrões
ensino gratuito e a concessão de assistência finan-
mínimos estabelecidos pelo Estado.
ceira em caso de necessidade;
c) tornar o ensino superior acessível a todos Artigo 30.
com base na capacidade e por todos os meios Nos Estados-Partes onde existam minorias ét-
adequados; nicas, religiosas ou linguísticas, ou pessoas de ori-
d) tornar a informação e a orientação educacio- gem indígena, não será negado a uma criança que
nais e profissionais disponíveis e accessíveis a to- pertença a tais minorias ou que seja indígena o
das as crianças; direito de, em comunidade com os demais mem-
e) adotar medidas para estimular a frequência bros de seu grupo, ter sua própria cultura, profes-
regular às escolas e a redução do índice de eva- sar e praticar sua própria religião ou utilizar seu
são escolar. próprio idioma.
77
Artigo 31. b) a exploração da criança na prostituição ou
1. Os Estados-Partes reconhecem o direito da outras práticas sexuais ilegais;
criança ao descanso e ao lazer, ao divertimento e c) a exploração da criança em espetáculos ou
às atividades recreativas próprias da idade, bem materiais pornográficos.
como à livre participação na vida cultural e artística.
Artigo 35.
2. Os Estados-Partes respeitarão e promoverão
Os Estados-Partes tomarão todas as medidas
o direito da criança de participar plenamente da
de caráter nacional, bilateral e multilateral que se-
vida cultural e artística e encorajarão a criação de
jam necessárias para impedir o sequestro, a ven-
oportunidades adequadas, em condições de igual- da ou o tráfico de crianças para qualquer fim ou
dade, para que participem da vida cultural, artísti- sob qualquer forma.
ca, recreativa e de lazer.
Artigo 36.
Artigo 32. Os Estados-Partes protegerão a criança contra to-
1. Os Estados-Partes reconhecem o direito da das as demais formas de exploração que sejam pre-
criança de estar protegida contra a exploração judiciais para qualquer aspecto de seu bem-estar.
econômica e contra o desempenho de qualquer
trabalho que possa ser perigoso ou interferir em Artigo 37.
sua educação, ou que seja nocivo para sua saúde Os Estados-Partes zelarão para que:
ou para seu desenvolvimento físico, mental, espi- a) nenhuma criança seja submetida a tortura nem
ritual, moral ou social. a outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos
2. Os Estados-Partes adotarão medidas legisla- ou degradantes. Não será imposta a pena de morte
tivas, administrativas, sociais e educacionais com nem a prisão perpétua sem possibilidade de livra-
vistas a assegurar a aplicação do presente artigo. mento por delitos cometidos por menores de dezoi-
Com tal propósito, e levando em consideração as to anos de idade;
disposições pertinentes de outros instrumentos b) nenhuma criança seja privada de sua liber-
internacionais, os Estados-Partes, deverão, em dade de forma ilegal ou arbitrária. A detenção, a
particular: reclusão ou a prisão de uma criança será efetuada
a) estabelecer uma idade ou idades mínimas pa- em conformidade com a lei e apenas como último
ra a admissão em empregos; recurso, e durante o mais breve período de tempo
b) estabelecer regulamentação apropriada rela- que for apropriado;
tiva a horários e condições de emprego; c) toda criança privada da liberdade seja tratada
c) estabelecer penalidades ou outras sanções com a humanidade e o respeito que merece a dig-
apropriadas a fim de assegurar o cumprimento nidade inerente à pessoa humana, e levando-se
efetivo do presente artigo. em consideração as necessidades de uma pessoa
de sua idade. Em especial, toda criança privada de
Artigo 33.
Os Estados-Partes adotarão todas as medidas sua liberdade ficará separada dos adultos, a não
apropriadas, inclusive medidas legislativas, admi- ser que tal fato seja considerado contrário aos me-
nistrativas, sociais e educacionais, para proteger lhores interesses da criança, e terá direito a man-
a criança contra o uso ilícito de drogas e substân- ter contato com sua família por meio de corres-
cias psicotrópicas descritas nos tratados interna- pondência ou de visitas, salvo em circunstâncias
cionais pertinentes e para impedir que crianças excepcionais;
sejam utilizadas na produção e no tráfico ilícito d) toda criança privada de sua liberdade tenha
dessas substâncias. direito a rápido acesso a assistência jurídica e a
qualquer outra assistência adequada, bem como
Artigo 34. direito a impugnar a legalidade da privação de sua
Os Estados-Partes se comprometem a proteger
liberdade perante um tribunal ou outra autorida-
a criança contra todas as formas de exploração e
de competente, independente e imparcial e a uma
abuso sexual. Nesse sentido, os Estados-Partes to-
rápida decisão a respeito de tal ação.
marão, em especial, todas as medidas de caráter
nacional, bilateral e multilateral que sejam neces- Artigo 38.
sárias para impedir: 1. Os Estados-Partes se comprometem a respei-
a) o incentivo ou a coação para que uma crian- tar e a fazer com que sejam respeitadas as nor-
ça se dedique a qualquer atividade sexual ilegal; mas do direito humanitário internacional aplicá-
78
CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (NOVA YORK, 1989)


veis em casos de conflito armado no que digam to internacional no momento em que foram co-
respeito às crianças. metidos;
2. Os Estados-Partes adotarão todas as medidas b) que toda criança de quem se alegue ter in-
possíveis a fim de assegurar que todas as pessoas fringido as leis penais ou a quem se acuse de ter
que ainda não tenham completado quinze anos infringido essas leis goze, pelo menos, das seguin-
de idade não participem diretamente de hostili- tes garantias:
dades. i. ser considerada inocente enquanto não for
3. Os Estados-Partes abster-se-ão de recrutar comprovada sua culpabilidade conforme a lei;
pessoas que não tenham completado quinze anos ii. ser informada sem demora e diretamente ou,
de idade para servir em suas forças armadas. Caso quando for o caso, por intermédio de seus pais
recrutem pessoas que tenham completado quinze ou de seus representantes legais, das acusações
anos mas que tenham menos de dezoito anos, de- que pesam contra ela, e dispor de assistência jurí-
verão procurar dar prioridade aos de mais idade. dica ou outro tipo de assistência apropriada para a
4. Em conformidade com suas obrigações de preparação e apresentação de sua defesa;
acordo com o direito humanitário internacional iii. ter a causa decidida sem demora por autori-
para proteção da população civil durante os con- dade ou órgão judicial competente, independen-
flitos armados, os Estados-Partes adotarão todas te e imparcial, em audiência justa conforme a lei,
as medidas necessárias a fim de assegurar a pro- com assistência jurídica ou outra assistência e, a
teção e o cuidado das crianças afetadas por um não ser que seja considerado contrário aos me-
conflito armado. lhores interesses da criança, levando em conside-
ração especialmente sua idade ou situação e a de
Artigo 39.
seus pais ou representantes legais;
Os Estados-Partes adotarão todas as medidas
iv. não ser obrigada a testemunhar ou a se decla-
apropriadas para estimular a recuperação física e
rar culpada, e poder interrogar ou fazer com que
psicológica e a reintegração social de toda crian-
sejam interrogadas as testemunhas de acusação
ça vítima de qualquer forma de abandono, explo- bem como poder obter a participação e o interro-
ração ou abuso; tortura ou outros tratamentos gatório de testemunhas em sua defesa, em igual-
ou penas cruéis, desumanos ou degradantes; ou dade de condições;
conflitos armados. Essa recuperação e reintegra- v. se for decidido que infringiu as leis penais,
ção serão efetuadas em ambiente que estimule a ter essa decisão e qualquer medida imposta em
saúde, o respeito próprio e a dignidade da criança. decorrência da mesma submetidas a revisão por
Artigo 40. autoridade ou órgão judicial superior competen-
1. Os Estados-Partes reconhecem o direito de to- te, independente e imparcial, de acordo com a lei;
vi. contar com a assistência gratuita de um in-
da criança a quem se alegue ter infringido as leis
térprete caso a criança não compreenda ou fale o
penais ou a quem se acuse ou declare culpada de
idioma utilizado;
ter infringido as leis penais de ser tratada de mo-
vii. ter plenamente respeitada sua vida privada
do a promover e estimular seu sentido de dignida-
durante todas as fases do processo.
de e de valor e a fortalecer o respeito da criança
3. Os Estados-Partes buscarão promover o esta-
pelos direitos humanos e pelas liberdades funda-
belecimento de leis, procedimentos, autoridades
mentais de terceiros, levando em consideração a
e instituições específicas para as crianças de quem
idade da criança e a importância de se estimular se alegue ter infringido as leis penais ou que sejam
sua reintegração e seu desempenho construtivo acusadas ou declaradas culpadas de tê-las infrin-
na sociedade. gido, e em particular:
2. Nesse sentido, e de acordo com as disposi- a) o estabelecimento de uma idade mínima an-
ções pertinentes dos instrumentos internacionais, tes da qual se presumirá que a criança não tem
os Estados-Partes assegurarão, em particular: capacidade para infringir as leis penais;
a) que não se alegue que nenhuma criança te- b) a adoção sempre que conveniente e desejá-
nha infringido as leis penais, nem se acuse ou de- vel, de medidas para tratar dessas crianças sem
clare culpada nenhuma criança de ter infringido recorrer a procedimentos judiciais, contando que
essas leis, por atos ou omissões que não eram sejam respeitados plenamente os direitos huma-
proibidos pela legislação nacional ou pelo direi- nos e as garantias legais.
79
4. Diversas medidas, tais como ordens de guar- turas num prazo de dois meses. O Secretário-Geral
da, orientação e supervisão, aconselhamento, li- elaborará posteriormente uma lista da qual farão
berdade vigiada, colocação em lares de adoção, parte, em ordem alfabética, todos os candidatos
programas de educação e formação profissional, indicados e os Estados-Partes que os designaram,
bem como outras alternativas à internação em ins- e submeterá a mesma aos Estados-Partes presen-
tituições, deverão estar disponíveis para garantir tes à Convenção.
que as crianças sejam tratadas de modo apropria- 5. As eleições serão realizadas em reuniões dos
do ao seu bem-estar e de forma proporcional às Estados-Partes convocadas pelo Secretário-Geral
circunstâncias e ao tipo do delito. na Sede das Nações Unidas. Nessas reuniões, para
Artigo 41. as quais o quórum será de dois terços dos Estados-
Nada do estipulado na presente Convenção afe- -Partes, os candidatos eleitos para o comitê serão
tará disposições que sejam mais convenientes pa- aqueles que obtiverem o maior número de votos
ra a realização dos direitos da criança e que po- e a maioria absoluta de votos dos representantes
dem constar: dos Estados-Partes presentes e votantes.
a) das leis de um Estado-Parte; 6. Os membros do comitê serão eleitos para um
b) das normas de direito internacional vigentes mandato de quatro anos. Poderão ser reeleitos ca-
para esse Estado. so sejam apresentadas novamente suas candida-
PARTE II turas. O mandato de cinco dos membros eleitos na
primeira eleição expirará ao término de dois anos;
Artigo 42.
imediatamente após ter sido realizada a primeira
Os Estados-Partes se comprometem a dar aos
eleição, o presidente da reunião na qual a mesma
adultos e às crianças amplo conhecimento dos
se efetuou escolherá por sorteio os nomes desses
princípios e disposições da convenção, mediante
cinco membros.
a utilização de meios apropriados e eficazes.
7. Caso um membro do comitê venha a falecer
Artigo 43. ou renuncie ou declare que por qualquer outro
1. A fim de examinar os progressos realizados motivo não poderá continuar desempenhando
no cumprimento das obrigações contraídas pelos suas funções, o Estado-Parte que indicou esse
Estados-Partes na presente convenção, deverá ser membro designará outro especialista, dentre seus
estabelecido um Comitê para os Direitos da Crian- cidadãos, para que exerça o mandato até seu tér-
ça que desempenhará as funções a seguir deter- mino, sujeito à aprovação do comitê.
minadas. 8. O comitê estabelecerá suas próprias regras de
2. O comitê estará integrado por dez especia- procedimento.
listas de reconhecida integridade moral e compe- 9. O comitê elegerá a mesa para um período de
tência nas áreas cobertas pela presente conven- dois anos.
ção. Os membros do comitê serão eleitos pelos 10. As reuniões do comitê serão celebradas nor-
Estados-Partes dentre seus nacionais e exercerão malmente na sede das Nações Unidas ou em qual-
suas funções a título pessoal, tomando-se em de- quer outro lugar que o comitê julgar conveniente.
vida conta a distribuição geográfica equitativa bem O comitê se reunirá normalmente todos os anos.
como os principais sistemas jurídicos. A duração das reuniões do comitê será determi-
3. Os membros do comitê serão escolhidos, em nada e revista, se for o caso, em uma reunião dos
votação secreta, de uma lista de pessoas indicadas Estados-Partes da presente convenção, sujeita à
pelos Estados-Partes. Cada Estado-Parte poderá aprovação da Assembleia Geral.
indicar uma pessoa dentre os cidadãos de seu país. 11. O Secretário-Geral das Nações Unidas forne-
4. A eleição inicial para o comitê será realizada, cerá o pessoal e os serviços necessários para o de-
no mais tardar, seis meses após a entrada em vi- sempenho eficaz das funções do comitê de acordo
gor da presente convenção e, posteriormente, a com a presente convenção.
cada dois anos. No mínimo quatro meses antes da 12. Com prévia aprovação da Assembleia Geral,
data marcada para cada eleição, o Secretário-Geral os membros do Comitê estabelecido de acordo
das Nações Unidas enviará uma carta aos Estados- com a presente convenção receberão emolumen-
-Partes convidando-os a apresentar suas candida- tos provenientes dos recursos das Nações Unidas,
80
CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (NOVA YORK, 1989)


segundo os termos e condições determinados pe- zadas, o Fundo das Nações Unidas para a Infância
la assembleia. e outros órgãos competentes que considere apro-
priados a fornecer assessoramento especializado
Artigo 44.
sobre a implementação da Convenção em maté-
1. Os Estados-Partes se comprometem a apre-
rias correspondentes a seus respectivos mandatos.
sentar ao comitê, por intermédio do Secretário-
O comitê poderá convidar as agências especiali-
-Geral das Nações Unidas, relatórios sobre as me-
zadas, o Fundo das Nações Unidas para Infância e
didas que tenham adotado com vistas a tornar
outros órgãos das Nações Unidas a apresentarem
efetivos os direitos reconhecidos na convenção e
relatórios sobre a implementação das disposições
sobre os progressos alcançados no desempenho
da presente convenção compreendidas no âmbito
desses direitos:
de suas atividades;
a) num prazo de dois anos a partir da data em
b) conforme julgar conveniente, o comitê trans-
que entrou em vigor para cada Estado-Parte a pre-
mitirá às agências especializadas, ao Fundo das
sente convenção;
Nações Unidas para a Infância e a outros órgãos
b) a partir de então, a cada cinco anos.
competentes quaisquer relatórios dos Estados-
2. Os relatórios preparados em função do pre-
-Partes que contenham um pedido de assesso-
sente artigo deverão indicar as circunstâncias e
ramento ou de assistência técnica, ou nos quais
as dificuldades, caso existam, que afetam o grau
se indique essa necessidade, juntamente com as
de cumprimento das obrigações derivadas da pre-
observações e sugestões do comitê, se as houver,
sente convenção. Deverão, também, conter infor-
sobre esses pedidos ou indicações;
mações suficientes para que o comitê compreen-
c) comitê poderá recomendar à Assembleia Ge-
da, com exatidão, a implementação da convenção ral que solicite ao Secretário-Geral que efetue, em
no país em questão. seu nome, estudos sobre questões concretas rela-
3. Um Estado-Parte que tenha apresentado um tivas aos direitos da criança;
relatório inicial ao comitê não precisará repetir, d) o comitê poderá formular sugestões e reco-
nos relatórios posteriores a serem apresentados mendações gerais com base nas informações rece-
conforme o estipulado no subitem b do parágrafo bidas nos termos dos Artigos 44 e 45 da presente
1 do presente artigo, a informação básica forneci- convenção. Essas sugestões e recomendações ge-
da anteriormente. rais deverão ser transmitidas aos Estados-Partes
4. O comitê poderá solicitar aos Estados-Partes e encaminhadas à Assembleia geral, juntamente
maiores informações sobre a implementação da com os comentários eventualmente apresentados
convenção. pelos Estados-Partes.
5. A cada dois anos, o comitê submeterá relató- PARTE III
rios sobre suas atividades à Assembleia Geral das
Nações Unidas, por intermédio do Conselho Eco- Artigo 46.
nômico e Social. A presente convenção está aberta à assinatura
de todos os Estados.
6. Os Estados-Partes tornarão seus relatórios
amplamente disponíveis ao público em seus res- Artigo 47.
pectivos países. A presente convenção está sujeita à ratificação.
Os instrumentos de ratificação serão depositados
Artigo 45.
junto ao Secretário-Geral das Nações Unidas.
A fim de incentivar a efetiva implementação da
Convenção e estimular a cooperação internacio- Artigo 48.
nal nas esferas regulamentadas pela convenção: A presente convenção permanecerá aberta à ade-
a) os organismos especializados, o Fundo das são de qualquer Estado. Os instrumentos de adesão
Nações Unidas para a Infância e outros órgãos serão depositados junto ao Secretário-Geral das
das Nações Unidas terão o direito de estar repre- Nações Unidas.
sentados quando for analisada a implementação Artigo 49.
das disposições da presente convenção que este- 1. A presente convenção entrará em vigor no tri-
jam compreendidas no âmbito de seus mandatos. gésimo dia após a data em que tenha sido depo-
O comitê poderá convidar as agências especiali- sitado o vigésimo instrumento de ratificação ou
81
de adesão junto ao Secretário-Geral das Nações Artigo 52.
Unidas. Um Estado-Parte poderá denunciar a presente
2. Para cada Estado que venha a ratificar a con- convenção mediante notificação feita por escrito
venção ou a aderir a ela após ter sido depositado ao Secretário-Geral das Nações Unidas. A denún-
o vigésimo instrumento de ratificação ou de ade- cia entrará em vigor um ano após a data em que
são, a convenção entrará em vigor no trigésimo a notificação tenha sido recebida pelo Secretário-
dia após o depósito, por parte do Estado, de seu -Geral.
instrumento de ratificação ou de adesão.
Artigo 53.
Artigo 50. Designa-se para depositário da presente con-
1. Qualquer Estado-Parte poderá propor uma venção o Secretário-Geral das Nações Unidas.
emenda e registrá-la com o Secretário-Geral das
Artigo 54.
Nações Unidas. O Secretário-Geral comunicará a
O original da presente convenção, cujos textos
emenda proposta aos Estados-Partes, com a so-
em árabe chinês, espanhol, francês, inglês e rus-
licitação de que estes o notifiquem caso apoiem
so são igualmente autênticos, será depositado em
a convocação de uma Conferência de Estados-
poder do Secretário-Geral das Nações Unidas.
-Partes com o propósito de analisar as propostas
Em fé do que, os plenipotenciários abaixo assi-
e submetê-las à votação. Se, num prazo de qua-
nados, devidamente autorizados por seus respec-
tro meses a partir da data dessa notificação, pelo
tivos Governos, assinaram a presente Convenção.
menos um terço dos Estados-Partes se declarar fa-
vorável a tal Conferência, o Secretário-Geral con-
PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO
vocará conferência, sob os auspícios das Nações
SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA
Unidas. Qualquer emenda adotada pela maioria
REFERENTE À VENDA DE CRIANÇAS,
de Estados-Partes presentes e votantes na confe-
À PROSTITUIÇÃO INFANTIL E À
rência será submetida pelo Secretário-Geral à As- PORNOGRAFIA INFANTIL (ONU, 2000)
sembleia Geral para sua aprovação. (Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 230 de 29/5/2003
2. Uma emenda adotada em conformidade com e promulgado pelo Decreto nº 5.007, de 8/3/2004)
o parágrafo 1 do presente artigo entrará em vigor
Os Estados-Partes do presente Protocolo, con-
quando aprovada pela Assembleia Geral das Na-
siderando que, a fim de alcançar os propósitos da
ções Unidas e aceita por uma maioria de dois ter-
Convenção sobre os Direitos da Criança e a imple-
ços de Estados-Partes.
mentação de suas disposições, especialmente dos
3. Quando uma emenda entrar em vigor, ela será
arts. 1, 11, 21, 32, 33, 34, 35 e 36, seria apropria-
obrigatória para os Estados-Partes que as tenham
do ampliar as medidas a serem adotadas pelos
aceito, enquanto os demais Estados-Partes perma-
Estados-Partes, a fim de garantir a proteção da
necerão obrigados pelas disposições da presente
criança contra a venda de crianças, a prostituição
convenção e pelas emendas anteriormente acei-
infantil e a pornografia infantil,
tas por eles.
Considerando também que a Convenção sobre
Artigo 51. os direitos da criança reconhece o direito da crian-
1. O Secretário-Geral das Nações Unidas recebe- ça de estar protegida contra a exploração econô-
rá e comunicará a todos os Estados-Partes o texto mica e contra o desempenho de qualquer trabalho
das reservas feitas pelos Estados no momento da que possa ser perigoso para a criança ou interferir
ratificação ou da adesão. em sua educação, ou ser prejudicial à saúde da
2. Não será permitida nenhuma reserva incom- criança ou ao seu desenvolvimento físico, mental,
patível com o objetivo e o propósito da presente espiritual, moral ou social,
convenção. Seriamente preocupados com o significativo e
3. Quaisquer reservas poderão ser retiradas a crescente tráfico internacional de crianças para
qualquer momento mediante uma notificação nes- fins de venda de crianças, prostituição infantil e
se sentido dirigida ao Secretário-Geral das Nações pornografia infantil,
Unidas, que informará a todos os Estados. Essa no- Profundamente preocupados com a prática dis-
tificação entrará em vigor a partir da data de rece- seminada e continuada do turismo sexual, ao qual
bimento da mesma pelo Secretário-Geral. as crianças são particularmente vulneráveis, uma
82
PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA REFERENTE
À VENDA DE CRIANÇAS, À PROSTITUIÇÃO INFANTIL E À PORNOGRAFIA INFANTIL (ONU, 2000)

vez que promove diretamente a venda de crian- compromisso existente com a promoção e prote-
ças, a prostituição infantil e a pornografia infantil, ção dos direitos da criança,
Reconhecendo que uma série de grupos parti- Reconhecendo a importância da implementação
cularmente vulneráveis, inclusive meninas, estão das disposições do Programa de Ação para a pre-
mais expostos ao risco de exploração sexual, e que venção da venda de crianças, da prostituição infan-
as meninas estão representadas de forma despro- til e da pornografia infantil³ e a declaração e agen-
porcional entre os sexualmente explorados, da de ação adotada no Congresso Mundial contra a
Preocupados com a crescente disponibilidade exploração comercial sexual de crianças, realizada
de pornografia infantil na Internet e em outras tec- em Estocolmo, de 27 a 31 de agosto de 1996, bem
nologias modernas, e relembrando a Conferência como outras decisões e recomendações relevan-
Internacional sobre o Combate à Pornografia In- tes emanadas de órgãos internacionais pertinentes,
fantil na Internet (Viena, 1999) e, em particular, sua Tendo na devida conta a importância das tra-
conclusão, que demanda a criminalização em to- dições e dos valores culturais de cada povo para
do o mundo da produção, distribuição, exporta- a proteção e o desenvolvimento harmonioso da
ção, transmissão, importação, posse intencional criança,
e propaganda de pornografia infantil, e enfatizan- Acordaram o que segue:
do a importância de cooperação e parceria mais Artigo 1º
estreita entre governos e a indústria da Internet, Os Estados-Partes proibirão a venda de crianças,
Acreditando que a eliminação da venda de crian- a prostituição infantil e a pornografia infantil, con-
ças, da prostituição infantil e da pornografia será forme disposto no presente Protocolo.
facilitada pela adoção de uma abordagem holís-
tica que leve em conta os fatores que contribuem Artigo 2º
para a sua ocorrência, inclusive o subdesenvolvi- Para os propósitos do presente Protocolo:
mento, a pobreza, as disparidades econômicas, a a) Venda de crianças significa qualquer ato ou
estrutura socioeconômica desigual, as famílias com transação pela qual uma criança é transferida por
disfunções, a ausência de educação, a migração qualquer pessoa ou grupo de pessoas a outra pes-
do campo para a cidade, a discriminação sexual, soa ou grupo de pessoas, em troca de remunera-
o comportamento sexual adulto irresponsável, as ção ou qualquer outra forma de compensação;
práticas tradicionais prejudiciais, os conflitos arma- b) Prostituição infantil significa o uso de uma
dos e o tráfico de crianças, criança em atividades sexuais em troca de remune-
Acreditando na necessidade de esforços de cons- ração ou qualquer outra forma de compensação;
cientização pública para reduzir a demanda de con- c) Pornografia infantil significa qualquer repre-
sumo relativa à venda de crianças, prostituição in- sentação, por qualquer meio, de uma criança en-
fantil e pornografia infantil, e acreditando, também, volvida em atividades sexuais explícitas reais ou
na importância do fortalecimento da parceria glo- simuladas, ou qualquer representação dos órgãos
bal entre todos os atores, bem como da melhoria sexuais de uma criança para fins primordialmen-
do cumprimento da lei no nível nacional, te sexuais.
Tomando nota das disposições de instrumentos
jurídicos internacionais relevantes para a proteção Artigo 3º
de crianças, inclusive a Convenção da Haia sobre 1. Os Estados-Partes assegurarão que, no mínimo,
a proteção de crianças e cooperação no que se re- os seguintes atos e atividades sejam integralmen-
fere à Adoção Internacional; a Convenção da Haia te cobertos por suas legislações criminal ou penal,
sobre os aspectos civis do sequestro internacional quer os delitos sejam cometidos dentro ou fora de
de crianças; a Convenção da Haia sobre jurisdição, suas fronteiras, de forma individual ou organizada:
direito aplicável, reconhecimento, execução e coo- a) no contexto da venda de crianças, conforme
peração referente à responsabilidade dos países; e definido no art. 2º:
a Convenção nº 182 da Organização Internacional i. A oferta, entrega ou aceitação, por qualquer
do Trabalho sobre a proibição das piores formas meio, de uma criança para fins de:
de trabalho infantil e a ação imediata para sua eli- a. Exploração sexual de criança;
minação, b. Transplante de órgãos da criança com fins
Encorajados pelo imenso apoio à convenção so- lucrativos;
bre os direitos da criança, que demonstra o amplo c. Envolvimento da criança em trabalho forçado;
83
ii. A indução indevida ao consentimento, na 3. Cada Estado-Parte adotará, também, as me-
qualidade de intermediário, para adoção de uma didas necessárias para estabelecer sua jurisdição
criança em violação dos instrumentos jurídicos in- sobre os delitos acima mencionados quando o cri-
ternacionais aplicáveis sobre adoção; minoso presumido estiver presente em seu territó-
b) a oferta, obtenção, aquisição, aliciamento ou rio e não for extraditado para outro Estado-Parte
o fornecimento de uma criança para fins de pros- pelo fato de o delito haver sido cometido por um
tituição infantil, conforme definido no artigo 2º; de seus cidadãos.
c) a produção, distribuição, disseminação, im- 4. O presente Protocolo não exclui qualquer ju-
portação, exportação, oferta, venda ou posse, pa- risdição criminal exercida em conformidade com
ra os fins acima mencionados, de pornografia in- a legislação interna.
fantil, conforme definido no artigo 2º.
2. Em conformidade com as disposições da le- Artigo 5º
gislação nacional de um Estado-Parte, o mesmo 1. Os delitos a que se refere o artigo 3º, pará-
aplicar-se-á a qualquer tentativa de perpetrar grafo 1, serão considerados delitos passíveis de
qualquer desses atos e à cumplicidade ou parti- extradição em qualquer tratado de extradição
cipação em qualquer desses atos. existente entre Estados-Partes, e incluídos como
3. Os Estados-Partes punirão esses delitos com delitos passíveis de extradição em todo tratado de
penas apropriadas que levem em consideração a extradição subsequentemente celebrado entre os
sua gravidade. mesmos, em conformidade com as condições es-
4. Em conformidade com as disposições de sua tabelecidas nos referidos tratados.
legislação nacional, os Estados-Partes adotarão 2. Se um Estado-Parte que condiciona a extradi-
medidas, quando apropriado, para determinar a ção à existência de um tratado receber solicitação
responsabilidade legal de pessoas jurídicas pelos de extradição de outro Estado-Parte com o qual
delitos definidos no parágrafo 1 do presente artigo. não mantém tratado de extradição, poderá ado-
Em conformidade com os princípios jurídicos do tar o presente Protocolo como base jurídica para
Estado-Parte, essa responsabilidade de pessoas a extradição no que se refere a tais delitos. A ex-
jurídicas poderá ser de natureza criminal, civil ou tradição estará sujeita às condições previstas na
administrativa. legislação do Estado demandado.
5. Os Estados-Partes adotarão todas as medidas 3. Os Estados-Partes que não condicionam a ex-
legais e administrativas apropriadas para assegu- tradição à existência de um tratado reconhecerão
rar que todas as pessoas envolvidas na adoção de os referidos delitos como delitos passíveis de ex-
uma criança ajam em conformidade com os ins- tradição entre si, em conformidade com as con-
trumentos jurídicos internacionais aplicáveis. dições estabelecidas na legislação do Estado de
Artigo 4º mandado.
1. Cada Estado-Parte adotará as medidas neces- 4. Para fins de extradição entre Estados-Partes,
sárias para estabelecer sua jurisdição sobre os de- os referidos delitos serão considerados como se
litos a que se refere o artigo 3º, parágrafo 1, quan- cometidos não apenas no local onde ocorreram,
do os delitos forem cometidos em seu território mas também nos territórios dos Estados obriga-
ou a bordo de embarcação ou aeronave registrada dos a estabelecer sua jurisdição em conformidade
naquele Estado. com o artigo 4º.
2. Cada Estado-Parte poderá adotar as medidas 5. Se um pedido de extradição for feito com re-
necessárias para estabelecer sua jurisdição sobre ferência a um dos delitos descritos no artigo 3º,
os delitos a que se refere o artigo 3º, parágrafo 1, parágrafo 1, e se o Estado-Parte demandado não
nos seguintes casos: conceder a extradição ou recusar-se a conceder a
a) quando o criminoso presumido for um cida- extradição com base na nacionalidade do autor
dão daquele Estado ou uma pessoa que mantém do delito, este Estado adotará as medidas apro-
residência habitual em seu território; priadas para submeter o caso às suas autoridades
b) quando a vítima for um cidadão daquele competentes, com vistas à instauração de proces-
Estado. so penal.
84
PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA REFERENTE
À VENDA DE CRIANÇAS, À PROSTITUIÇÃO INFANTIL E À PORNOGRAFIA INFANTIL (ONU, 2000)

Artigo 6º seus interesses pessoais forem afetados, de for-


1. Os Estados-Partes prestar-se-ão mutuamente ma coerente com as normas processuais da legis-
toda a assistência possível no que se refere a in- lação nacional;
vestigações ou processos criminais ou de extradi- d) prestando serviços adequados de apoio às
ção instaurados com relação aos delitos descritos crianças vitimadas no transcorrer do processo ju-
no artigo 3º, parágrafo 1, inclusive assistência na dicial;
obtenção de provas à sua disposição e necessárias e) protegendo, conforme apropriado, a priva-
para a condução dos processos. cidade e a identidade das crianças vitimadas e
2. Os Estados-Partes cumprirão as obrigações adotando medidas, em conformidade com a le-
assumidas em função do parágrafo 1 do presente gislação nacional, para evitar a disseminação ina-
artigo, em conformidade com quaisquer tratados dequada de informações que possam levar à iden-
ou outros acordos sobre assistência jurídica mú- tificação das crianças vitimadas;
tua que porventura existam entre os mesmos. Na
f) assegurando, nos casos apropriados, a segu-
ausência de tais tratados ou acordos, os Estados-
rança das crianças vitimadas, bem como de suas
-Partes prestar-se-ão assistência mútua em con-
famílias e testemunhas, contra intimidação e re-
formidade com sua legislação nacional.
taliação;
Artigo 7º g) evitando demora desnecessária na condução
Os Estados-Partes, em conformidade com as de causas e no cumprimento de ordens ou decre-
disposições de sua legislação nacional: tos concedendo reparação a crianças vitimadas.
a) adotarão medidas para permitir o sequestro 2. Os Estados-Partes assegurarão que quaisquer
e confisco, conforme o caso, de: dúvidas sobre a idade real da vítima não impedi-
i. bens tais como materiais, ativos e outros meios rão que se dê início a investigações criminais, in-
utilizados para cometer ou facilitar o cometimento clusive investigações para determinar a idade da
dos delitos definidos no presente Protocolo; vítima.
ii. rendas decorrentes do cometimento desses 3. Os Estados-Partes assegurarão que, no trata-
delitos; mento dispensado pelo sistema judicial penal às
b) atenderão às solicitações de outro Estado- crianças vítimas dos delitos descritos no presente
-Parte referentes ao sequestro ou confisco de bens Protocolo, a consideração primordial seja o inte-
ou rendas a que se referem os incisos i e ii do pa- resse superior da criança.
rágrafo a. 4. Os Estados-Partes adotarão medidas para as-
c) adotarão medidas para fechar, temporária ou segurar treinamento apropriado, em particular
definitivamente, os locais utilizados para cometer treinamento jurídico e psicológico, às pessoas que
esses delitos. trabalham com vítimas, dos delitos proibidos pelo
presente Protocolo.
Artigo 8º
5. Nos casos apropriados, os Estados-Partes
1. Os Estados-Partes adotarão as medidas apro-
adotarão medidas para proteger a segurança e
priadas para proteger os direitos e interesses de
integridade daquelas pessoas e/ou organizações
crianças vítimas das práticas proibidas pelo pre-
envolvidas na prevenção e/ou proteção e reabili-
sente Protocolo em todos os estágios do processo
tação de vítimas desses delitos.
judicial criminal, em particular:
6. Nenhuma disposição do presente artigo será in-
a) reconhecendo a vulnerabilidade de crianças
terpretada como prejudicial aos direitos do acusa-
vitimadas e adaptando procedimentos para reco-
do a um julgamento justo e imparcial, ou como in-
nhecer suas necessidades especiais, inclusive suas
compatível com esses direitos.
necessidades especiais como testemunhas;
b) informando as crianças vitimadas sobre seus Artigo 9º
direitos, seu papel, bem como o alcance, as da- 1. Os Estados-Partes adotarão ou reforçarão, im-
tas e o andamento dos processos e a condução plementarão e disseminarão leis, medidas admi-
de seus casos; nistrativas, políticas e programas sociais para evi-
c) permitindo que as opiniões, necessidades e tar os delitos a que se refere o presente Protocolo.
preocupações das crianças vitimadas sejam apre- Especial atenção será dada à proteção de crianças
sentadas e consideradas nos processos em que especialmente vulneráveis a essas práticas.
85
2. Os Estados-Partes promoverão a conscienti- 4. Os Estados-Partes que estejam em condições
zação do público em geral, inclusive das crianças, de fazê-lo, prestarão assistência financeira, técnica
por meio de informações disseminadas por todos ou de outra natureza por meio de programas multi-
os meios apropriados, educação e treinamento, laterais, regionais, bilaterais ou outros programas
sobre as medidas preventivas e os efeitos preju- existentes.
diciais dos delitos a que se refere o presente Pro-
Artigo 11.
tocolo. No cumprimento das obrigações assumi-
Nenhuma disposição do presente Protocolo afe-
das em conformidade com o presente artigo, os
tará quaisquer outras disposições mais propícias
Estados-Partes incentivarão a participação da co- à fruição dos direitos da criança e que possam es-
munidade e, em particular, de crianças vitimadas, tar contidas:
nas referidas informações e em programas edu- a) na legislação de um Estado-Parte;
cativos e de treinamento, inclusive no nível inter- b) na legislação internacional em vigor para
nacional. aquele Estado.
3. Os Estados-Partes adotarão todas as medidas
possíveis com o objetivo de assegurar assistência Artigo 12.
apropriada às vítimas desses delitos, inclusive sua 1. Cada Estado-Parte submeterá ao Comitê so-
completa reintegração social e sua total recupera- bre os Direitos da Criança, no prazo de dois anos
ção física e psicológica. a contar da data da entrada em vigor do Protocolo
4. Os Estados-Partes assegurarão que todas as para aquele Estado-Parte, um relatório contendo
crianças vítimas dos delitos descritos no presen- informações abrangentes sobre as medidas adota-
te Protocolo tenham acesso a procedimentos ade- das para implementar as disposições do Protocolo.
quados que lhe permitam obter, sem discriminação, 2. Após a apresentação do relatório abrangen-
das pessoas legalmente responsáveis, reparação te, cada Estado-Parte incluirá nos relatórios que
pelos danos sofridos. submeter ao Comitê sobre os Direitos da Criança
5. Os Estados-Partes adotarão as medidas apro- quaisquer informações adicionais sobre a imple-
priadas para proibir efetivamente a produção e mentação do Protocolo, em conformidade com o
artigo 44 da Convenção. Os demais Estados-Partes
disseminação de material em que se faça propa-
do Protocolo submeterão um relatório a cada cin-
ganda dos delitos descritos no presente Protocolo.
co anos.
Artigo 10. 3. O Comitê sobre os Direitos da Criança pode-
1. Os Estados-Partes adotarão todas as medidas rá solicitar aos Estados-Partes informações adicio-
necessárias para intensificar a cooperação inter- nais relevantes para a implementação do presente
nacional por meio de acordos multilaterais, regio- Protocolo.
nais e bilaterais para prevenir, detectar, investigar,
Artigo 13.
julgar e punir os responsáveis por atos envolvendo
1. O presente Protocolo está aberto para assina-
a venda de crianças, a prostituição infantil, a por-
tura de qualquer Estado que seja parte ou signatá-
nografia infantil e o turismo sexual infantil. Os Es-
rio da Convenção.
tados-Partes promoverão, também, a cooperação
2. O presente Protocolo está sujeito a ratifica-
e coordenação internacionais entre suas autorida-
ção e aberto a adesão de qualquer Estado que seja
des, organizações não governamentais nacionais e
parte ou signatário da Convenção. Os instrumen-
internacionais e organizações internacionais.
tos de ratificação ou adesão serão depositados
2. Os Estados-Partes promoverão a cooperação
com o Secretário-Geral das Nações Unidas.
internacional com vistas a prestar assistência às
crianças vitimadas em sua recuperação física e Artigo 14.
psicológica, sua reintegração social e repatriação. 1. O presente Protocolo entrará em vigor três
3. Os Estados-Partes promoverão o fortaleci- meses após o depósito do décimo instrumento
mento da cooperação internacional, a fim de lu- de ratificação ou adesão.
tar contra as causas básicas, tais como pobreza e 2. Para cada Estado que ratificar o presente Pro-
subdesenvolvimento, que contribuem para a vul- tocolo ou a ele aderir após sua entrada em vigor, o
nerabilidade das crianças à venda de crianças, à presente Protocolo passará a viger um mês após
prostituição infantil, à pornografia infantil e ao tu- a data do depósito de seu próprio instrumento de
rismo sexual infantil. ratificação ou adesão.
86
DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940


Artigo 15. 2. O Secretário-Geral das Nações Unidas enviará


1. Qualquer Estado-Parte poderá denunciar o pre- cópias autenticadas do presente Protocolo a to-
sente Protocolo a qualquer tempo por meio de noti- dos os Estados-Partes da Convenção e a todos os
ficação escrita ao Secretário-Geral das Nações Uni- Estados signatários da Convenção.
das, o qual subsequentemente informará os demais
Estados-Partes da Convenção e todos os Estados DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 7
signatários da Convenção. A denúncia produzirá DE DEZEMBRO DE 1940
efeitos um ano após a data de recebimento da no- (CÓDIGO PENAL)
(Publicado no DOU de 31/12/1940 e
tificação pelo Secretário-Geral das Nações Unidas.
retificado no DOU de 3/1/1941)
2. A referida denúncia não isentará o Estado-
[Institui o] Código Penal.
-Parte das obrigações assumidas por força do pre-
sente Protocolo no que se refere a qualquer delito O presidente da República, usando da atribuição
ocorrido anteriormente à data na qual a denúncia que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta
passar a produzir efeitos. A denúncia tampouco a seguinte lei:
impedirá, de qualquer forma, que se dê continui- CÓDIGO PENAL
dade ao exame de qualquer matéria que já esteja
PARTE GERAL
sendo examinada pelo Comitê antes da data na
[...]
qual a denúncia se tornar efetiva.
TÍTULO V – DAS PENAS
Artigo 16.
[...]
1. Qualquer Estado-Parte poderá propor uma
emenda e depositá-la junto ao Secretário-Geral CAPÍTULO III – DA APLICAÇÃO DA PENA
das Nações Unidas. O Secretário-Geral comunica- [...]
rá a emenda proposta aos Estados-Partes, solici- Circunstâncias agravantes
tando-lhes que indiquem se são favoráveis à reali- Art. 61. São circunstâncias que sempre agravam
zação de uma conferência de Estados-Partes para a pena, quando não constituem ou qualificam o
análise e votação das propostas. Caso, no prazo de crime: (Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 7.209,
quatro meses a contar da data da referida comuni- de 11/7/1984)
cação, pelo menos um terço dos Estados-Partes se [...]
houver manifestado a favor da referida conferên- II – ter o agente cometido o crime: (Inciso com re-
cia, o Secretário-Geral convocará a conferência sob dação dada pela Lei nº 7.209, de 11/7/1984)
os auspícios das Nações Unidas. Qualquer emenda [...]
adotada por uma maioria de Estados-Partes pre- h) contra criança, maior de 60 (sessenta) anos,
sentes e votantes na conferência será submetida enfermo ou mulher grávida; (Alínea com redação da-
à Assembleia Geral para aprovação. da pela Lei nº 10.741, de 1º/10/2003, publicada no DOU de
2. Uma emenda adotada em conformidade com 3/10/2003, em vigor 90 dias após a publicação)
o parágrafo 1 do presente artigo entrará em vigor [...]
quando aprovada pela Assembleia Geral das Na- TÍTULO VIII – DA EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE
ções Unidas e aceita por maioria de dois terços dos [...]
Estados-Partes.
Termo inicial da prescrição antes de transitar em
3. Quando uma emenda entrar em vigor, tornar-
julgado a sentença final
-se-á obrigatória para aqueles Estados-Partes que
Art. 111. A prescrição, antes de transitar em jul-
a aceitaram; os demais Estados-Partes continua-
gado a sentença final, começa a correr: (Caput do
rão obrigados pelas disposições do presente Pro-
artigo com redação dada pela Lei nº 7.209, de 11/7/1984)
tocolo e por quaisquer emendas anteriores que
[...]
tenham aceitado.
V – nos crimes contra a dignidade sexual de
Artigo 17. crianças e adolescentes, previstos neste Código
1. O presente Protocolo, com textos em árabe, ou em legislação especial, da data em que a ví-
chinês, espanhol, francês, inglês e russo igualmen- tima completar 18 (dezoito) anos, salvo se a esse
te autênticos, será depositado nos arquivos das tempo já houver sido proposta a ação penal. (Inciso
Nações Unidas. acrescido pela Lei nº 12.650, de 17/5/2012)

87
Termo inicial da prescrição após a sentença con- Causas interruptivas da prescrição
denatória irrecorrível Art. 117. O curso da prescrição interrompe-se:
Art. 112. No caso do art. 110 deste Código, a pres- (Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 7.209, de
crição começa a correr: 11/7/1984)
I – do dia em que transita em julgado a sentença I – pelo recebimento da denúncia ou da queixa;
condenatória, para a acusação, ou a que revoga a (Inciso com redação dada pela Lei nº 7.209, de 11/7/1984)
suspensão condicional da pena ou o livramento II – pela pronúncia; (Inciso com redação dada pela
condicional; Lei nº 7.209, de 11/7/1984)
II – do dia em que se interrompe a execução, sal- III – pela decisão confirmatória da pronúncia;
vo quando o tempo da interrupção deva computar- (Inciso com redação dada pela Lei nº 7.209, de 11/7/1984)
-se na pena. (Artigo com redação dada pela Lei nº 7.209, IV – pela publicação da sentença ou acórdão
de 11/7/1984) condenatórios recorríveis; (Inciso com redação dada
Prescrição no caso de evasão do condenado ou pela Lei nº 11.596, de 29/11/2007)
de revogação do livramento condicional V – pelo início ou continuação do cumprimento
Art. 113. No caso de evadir-se o condenado ou de da pena; (Inciso com redação dada pela Lei nº 9.268, de
revogar-se o livramento condicional, a prescrição 1º/4/1996)
é regulada pelo tempo que resta da pena. (Artigo VI – pela reincidência. (Inciso com redação dada pela
com redação dada pela Lei nº 7.209, de 11/7/1984) Lei nº 9.268, de 1º/4/1996)
Prescrição da multa § 1º Excetuados os casos dos incisos V e VI deste
Art. 114. A prescrição da pena de multa ocorre- artigo, a interrupção da prescrição produz efeitos
rá: (Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 9.268, relativamente a todos os autores do crime. Nos cri-
de 1º/4/1996) mes conexos, que sejam objeto do mesmo proces-
I – em 2 (dois) anos, quando a multa for a úni- so, estende-se aos demais a interrupção relativa a
ca cominada ou aplicada; (Inciso acrescido pela Lei qualquer deles. (Parágrafo com redação dada pela Lei
nº 9.268, de 1º/4/1996) nº 7.209, de 11/7/1984)
II – no mesmo prazo estabelecido para prescri- § 2º Interrompida a prescrição, salvo a hipóte-
ção da pena privativa de liberdade, quando a mul- se do inciso V deste artigo, todo o prazo começa
ta for alternativa ou cumulativamente cominada a correr, novamente, do dia da interrupção. (Pará-
ou cumulativamente aplicada. (Inciso acrescido pela grafo com redação dada pela Lei nº 7.209, de 11/7/1984)
Lei nº 9.268, de 1º/4/1996)
Art. 118. As penas mais leves prescrevem com as
Redução dos prazos de prescrição mais graves. (Artigo com redação dada pela Lei nº 7.209,
Art. 115. São reduzidos de metade os prazos de de 11/7/1984)
prescrição quando o criminoso era, ao tempo do
Art. 119. No caso de concurso de crimes, a extin-
crime, menor de 21 (vinte e um) anos, ou, na data
ção da punibilidade incidirá sobre a pena de cada
da sentença, maior de 70 (setenta) anos. (Artigo com
um, isoladamente. (Artigo com redação dada pela Lei
redação dada pela Lei nº 7.209, de 11/7/1984)
nº 7.209, de 11/7/1984)
Causas impeditivas da prescrição
Perdão judicial
Art. 116. Antes de passar em julgado a sentença
Art. 120. A sentença que conceder perdão judicial
final, a prescrição não corre:
não será considerada para efeitos de reincidência.
I – enquanto não resolvida, em outro processo,
(Artigo com redação dada pela Lei nº 7.209, de 11/7/1984)
questão de que dependa o reconhecimento da
existência do crime; PARTE ESPECIAL
II – enquanto o agente cumpre pena no exterior. TÍTULO I – DOS CRIMES CONTRA A PESSOA
(Inciso com redação dada pela Lei nº 13.964, de 24/12/2019,
[...]
publicada na edição extra do DOU de 24/12/2019, em vigor
30 dias após a publicação) CAPÍTULO III – DA PERICLITAÇÃO
Parágrafo único. Depois de passada em julgado DA VIDA E DA SAÚDE
a sentença condenatória, a prescrição não corre [...]
durante o tempo em que o condenado está pre- Omissão de socorro
so por outro motivo. (Artigo com redação dada pela Lei Art. 135. Deixar de prestar assistência, quando
nº 7.209, de 11/7/1984) possível fazê-lo sem risco pessoal, a criança aban-
88
DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940


donada ou extraviada, ou a pessoa inválida ou feri- [...] (Artigo acrescido pela Lei nº 13.344, de 6/10/2016,
da, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; publicada no DOU de 7/10/2016, em vigor 45 dias após a
ou não pedir, nesses casos, o socorro da autori- publicação)
dade pública: [...]
Pena – detenção, de um a seis meses, ou multa. TÍTULO VI – DOS CRIMES CONTRA
Parágrafo único. A pena é aumentada de meta- A DIGNIDADE SEXUAL
de, se da omissão resulta lesão corporal de natu- (Denominação do título com redação dada
reza grave, e triplicada, se resulta a morte. pela Lei nº 12.015, de 7/8/2009)
[...] [...]

CAPÍTULO VI – DOS CRIMES CONTRA CAPÍTULO II – DOS CRIMES SEXUAIS


A LIBERDADE INDIVIDUAL CONTRA VULNERÁVEL
(Denominação do capítulo com redação
Seção I – Dos Crimes contra a Liberdade Pessoal dada pela Lei nº 12.015, de 7/8/2009)
[...] [...]
Redução a condição análoga à de escravo Estupro de vulnerável (Nome jurídico acrescido pela
Art. 149. Reduzir alguém a condição análoga à de Lei nº 12.015, de 7/8/2009)
escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar ou-
ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condi- tro ato libidinoso com menor de 14 (catorze) anos:
ções degradantes de trabalho, quer restringindo, Pena – reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze) anos.
por qualquer meio, sua locomoção em razão de (Caput do artigo acrescido pela Lei nº 12.015, de 7/8/2009)
dívida contraída com o empregador ou preposto: § 1º Incorre na mesma pena quem pratica as
Pena – reclusão, de dois a oito anos, e multa, ações descritas no caput com alguém que, por en-
além da pena correspondente à violência. (Caput do fermidade ou deficiência mental, não tem o ne-
artigo com redação dada pela Lei nº 10.803, de 11/12/2003)
cessário discernimento para a prática do ato, ou
[...]
que, por qualquer outra causa, não pode ofere-
§ 2º A pena é aumentada de metade, se o crime
cer resistência. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.015,
é cometido:
de 7/8/2009)
I – contra criança ou adolescente;
§ 2º (Vetado na Lei nº 12.015, de 7/8/2009)
II – por motivo de preconceito de raça, cor, et-
§ 3º Se da conduta resulta lesão corporal de na-
nia, religião ou origem. (Parágrafo acrescido pela Lei
tureza grave:
nº 10.803, de 11/12/2003)
Pena – reclusão, de 10 (dez) a 20 (vinte) anos.
Tráfico de pessoas (Nome jurídico acrescido pela Lei (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.015, de 7/8/2009)
nº 13.344, de 6/10/2016, publicada no DOU de 7/10/2016, § 4º Se da conduta resulta morte:
em vigor 45 dias após a publicação) Pena – reclusão, de 12 (doze) a 30 (trinta) anos.
Art. 149-A. Agenciar, aliciar, recrutar, transportar, (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.015, de 7/8/2009)
transferir, comprar, alojar ou acolher pessoa, me- § 5º As penas previstas no caput e nos §§ 1º, 3º
diante grave ameaça, violência, coação, fraude ou e 4º deste artigo aplicam-se independentemente
abuso, com a finalidade de: do consentimento da vítima ou do fato de ela ter
I – remover-lhe órgãos, tecidos ou partes do mantido relações sexuais anteriormente ao crime.
corpo;
(Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.718, de 24/9/2018)
II – submetê-la a trabalho em condições análo-
Corrupção de menores
gas à de escravo;
III – submetê-la a qualquer tipo de servidão; Art. 218. Induzir alguém menor de 14 (catorze)
IV – adoção ilegal; ou anos a satisfazer a lascívia de outrem:
V – exploração sexual: Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos. (Caput
Pena – reclusão, de 4 (quatro) a 8 (oito) anos, do artigo com redação dada pela Lei nº 12.015, de 7/8/2009)

e multa. Parágrafo único. (Vetado na Lei nº 12.015, de 7/8/2009)


§ 1º A pena é aumentada de um terço até a me- Satisfação de lascívia mediante presença de crian-
tade se: ça ou adolescente (Nome jurídico acrescido pela Lei
[...] nº 12.015, de 7/8/2009)
II – o crime for cometido contra criança, adoles- Art. 218-A. Praticar, na presença de alguém me-
cente ou pessoa idosa ou com deficiência; nor de 14 (catorze) anos, ou induzi-lo a presenciar,
89
conjunção carnal ou outro ato libidinoso, a fim de te que mantém ou tenha mantido relação íntima
satisfazer lascívia própria ou de outrem: de afeto com a vítima ou com o fim de vingança
Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos. ou humilhação.
(Artigo acrescido pela Lei nº 12.015, de 7/8/2009)
Exclusão de ilicitude
Favorecimento da prostituição ou de outra for- § 2º Não há crime quando o agente pratica as
ma de exploração sexual de criança ou adoles- condutas descritas no caput deste artigo em publi-
cente ou de vulnerável (Nome jurídico acrescido pela cação de natureza jornalística, científica, cultural
Lei nº 12.015, de 7/8/2009, e com redação dada pela Lei ou acadêmica com a adoção de recurso que impos-
nº 12.978, de 21/5/2014) sibilite a identificação da vítima, ressalvada sua
Art. 218-B. Submeter, induzir ou atrair à prostitui- prévia autorização, caso seja maior de 18 (dezoito)
ção ou outra forma de exploração sexual alguém anos. (Artigo acrescido pela Lei nº 13.718, de 24/9/2018)
menor de 18 (dezoito) anos ou que, por enfermi- [...]
dade ou deficiência mental, não tem o necessário
DISPOSIÇÕES FINAIS
discernimento para a prática do ato, facilitá-la, im-
pedir ou dificultar que a abandone: Art. 360. Ressalvada a legislação especial sobre
Pena – reclusão, de 4 (quatro) a 10 (dez) anos. os crimes contra a existência, a segurança e a inte-
§ 1º Se o crime é praticado com o fim de obter gridade do Estado e contra a guarda e o emprego
vantagem econômica, aplica-se também multa. da economia popular, os crimes de imprensa e os
§ 2º Incorre nas mesmas penas: de falência, os de responsabilidade do Presidente
I – quem pratica conjunção carnal ou outro ato da República e dos Governadores ou Intervento-
libidinoso com alguém menor de 18 (dezoito) e res, e os crimes militares, revogam-se as disposi-
maior de 14 (catorze) anos na situação descrita ções em contrário.
no caput deste artigo; Art. 361. Este Código entrará em vigor no dia 1º
II – o proprietário, o gerente ou o responsável de janeiro de 1942.
pelo local em que se verifiquem as práticas referi- Rio de Janeiro, 7 de dezembro de 1940; 119º da
das no caput deste artigo. Independência e 52º da República.
§ 3º Na hipótese do inciso II do § 2º, constitui GETÚLIO VARGAS
Francisco Campos
efeito obrigatório da condenação a cassação da
licença de localização e de funcionamento do es-
LEI Nº 5.478, DE 25 DE JULHO DE 1968
tabelecimento. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.015, de
(LEI DE ALIMENTOS)
7/8/2009) (Publicada no DOU de 26/7/1968, retificada no DOU
Divulgação de cena de estupro ou de cena de es- de 14/8/1968 e republicada no DOU de 8/4/1974)
tupro de vulnerável, de cena de sexo ou de por- Dispõe sobre ação de alimentos e dá outras providências.
nografia (Nome jurídico acrescido pela Lei nº 13.718, de O presidente da República
24/9/2018) Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
Art. 218-C. Oferecer, trocar, disponibilizar, trans- sanciono a seguinte lei:
mitir, vender ou expor à venda, distribuir, publi-
Art. 1º A ação de alimentos é de rito especial, in-
car ou divulgar, por qualquer meio – inclusive por
depende de prévia distribuição e de anterior con-
meio de comunicação de massa ou sistema de
cessão do benefício de gratuidade.
informática ou telemática –, fotografia, vídeo ou
§ 1º A distribuição será determinada posterior-
outro registro audiovisual que contenha cena de
mente por ofício do juízo, inclusive para o fim de
estupro ou de estupro de vulnerável ou que faça
registro do feito.
apologia ou induza a sua prática, ou, sem o con-
§ 2º A parte que não estiver em condições de
sentimento da vítima, cena de sexo, nudez ou por-
pagar as custas do processo, sem prejuízo do sus-
nografia:
tento próprio ou de sua família, gozará do benefí-
Pena – reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, se o
cio da gratuidade, por simples afirmativa dessas
fato não constitui crime mais grave.
condições perante o juiz, sob pena de pagamento
Aumento de pena até o décuplo das custas judiciais.
§ 1º A pena é aumentada de 1/3 (um terço) a § 3º Presume-se pobre, até prova em contrário,
2/3 (dois terços) se o crime é praticado por agen- quem afirmar essa condição, nos termos desta Lei.
90
LEI Nº 5.478, DE 25 DE JULHO DE 1968


§ 4º A impugnação do direito à gratuidade não petição ou do termo, juntamente com a cópia do
suspende o curso do processo de alimentos e será despacho do juiz, e a comunicação do dia e hora
feita em autos apartados. da realização da audiência de conciliação e julga-
Art. 2º O credor, pessoalmente ou por intermé- mento.
dio de advogado, dirigir-se-á ao juiz competen- § 1º Na designação da audiência, o juiz fixará o
te, qualificando-se, e exporá suas necessidades, prazo razoável que possibilite ao réu a contesta-
provando, apenas, o parentesco ou a obrigação ção da ação proposta e a eventualidade de citação
de alimentar do devedor, indicando seu nome e por edital.
sobrenome, residência ou local de trabalho, pro- § 2º A comunicação, que será feita mediante re-
fissão e naturalidade, quanto ganha aproximada- gistro postal isento de taxas e com aviso de rece-
mente ou os recursos de que dispõe. bimento, importa em citação, para todos os efei-
§ 1º Dispensar-se-á a produção inicial de do- tos legais.
cumentos probatórios: § 3º Se o réu criar embaraços ao recebimento
I – quando existente em notas, registros, reparti- da citação, ou não for encontrado, repetir-se-á a
ções ou estabelecimentos públicos e ocorrer impe- diligência por intermédio do oficial de justiça, ser-
dimento ou demora em extrair certidões; vindo de mandado a terceira via da petição ou do
II – quando estiverem em poder do obrigado, as termo.
prestações alimentícias ou de terceiro residente § 4º Impossibilitada a citação do réu por qualquer
em lugar incerto ou não sabido. dos modos acima previstos, será ele citado por edi-
§ 2º Os documentos públicos ficam isentos de tal afixado na sede do juízo e publicado 3 (três) ve-
reconhecimento de firma. zes consecutivas no órgão oficial do Estado, corren-
§ 3º Se o credor comparecer pessoalmente e do a despesa por conta do vencido, a final, sendo
não indicar profissional que haja concordado em previamente a conta juntada aos autos.
assisti-lo, o juiz designará desde logo quem o de- § 5º O edital deverá conter um resumo do pedi-
va fazer. do inicial, a íntegra do despacho nele exarado, a
Art. 3º O pedido será apresentado por escrito, em data e a hora da audiência.
3 (três) vias, e deverá conter a indicação do juiz a § 6º O autor será notificado da data e hora da
quem for dirigido, os elementos referidos no arti- audiência no ato de recebimento da petição, ou
go anterior e um histórico sumário dos fatos. da lavratura do termo.
§ 1º Se houver sido designado pelo juiz defen- § 7º O Juiz, ao marcar a audiência, oficiará ao
sor para assistir o solicitante, na forma prevista no empregador do réu, ou, se o mesmo for funcioná-
art. 2º, formulará o designado, dentro de 24 (vinte rio público, ao responsável por sua repartição, so-
e quatro) horas da nomeação, o pedido, por escri- licitando o envio, no máximo até a data marcada
to, podendo, se achar conveniente, indicar seja a para a audiência, de informações sobre o salário
solicitação verbal reduzida a termo. ou os vencimentos do devedor, sob as penas pre-
§ 2º O termo previsto no parágrafo anterior será vistas no art. 22 desta lei.
em 3 (três) vias, datadas e assinadas pelo escrivão, § 8º A citação do réu, mesmo no caso dos arts.
observado, no que couber, o disposto no caput do 200 e 201 do Código de Processo Civil, far-se-á na
presente artigo. forma do § 2º do art. 5º desta Lei. (Parágrafo com re-
dação dada pela Lei nº 6.014, de 27/12/1973)
Art. 4º Ao despachar o pedido, o juiz fixará desde
logo alimentos provisórios a serem pagos pelo de- Art. 6º Na audiência de conciliação e julgamento,
vedor, salvo se o credor expressamente declarar deverão estar presentes autor e réu, independen-
que deles não necessita. temente de intimação e de comparecimento de
Parágrafo único. Se se tratar de alimentos provi- seus representantes.
sórios pedidos pelo cônjuge, casado pelo regime Art. 7º O não comparecimento do autor determi-
da comunhão universal de bens, o juiz determina- na o arquivamento do pedido, e a ausência do réu
rá igualmente que seja entregue ao credor, men- importa em revelia, além de confissão quanto à
salmente, parte da renda líquida dos bens comuns, matéria de fato.
administrados pelo devedor. Art. 8º Autor e réu comparecerão à audiência acom-
Art. 5º O escrivão, dentro em 48 (quarenta e oi- panhados de suas testemunhas, 3 (três) no máxi-
to) horas, remeterá ao devedor a segunda via da mo, apresentando, nessa ocasião, as demais provas.
91
Art. 9º Aberta a audiência, lida a petição, ou o ter- revista, em face da modificação da situação finan-
mo, e a resposta, se houver, ou dispensada a leitu- ceira dos interessados.
ra, o juiz ouvirá as partes litigantes e o represen- Arts. 16 a 18. (Revogados pela Lei nº 13.105, de 16/3/2015,
tante do Ministério Público, propondo conciliação. publicada no DOU de 17/3/2015, em vigor após 1 ano da
(Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 6.014, de publicação)
27/12/1973)
Art. 19. O juiz, para instrução da causa, ou na exe-
§ 1º Se houver acordo, lavrar-se-á o respectivo
cução da sentença ou do acordo, poderá tomar to-
termo, que será assinado pelo juiz, escrivão, par-
das as providências necessárias para seu esclare-
tes e representantes do Ministério Público.
cimento ou para o cumprimento do julgado ou do
§ 2º Não havendo acordo, o juiz tomará o de-
acordo, inclusive a decretação de prisão do deve-
poimento pessoal das partes e das testemunhas,
dor até 60 (sessenta) dias.
ouvidos os peritos se houver, podendo julgar o fei-
§ 1º O cumprimento integral da pena de prisão
to sem a mencionada produção de provas, se as
não eximirá o devedor do pagamento das presta-
partes concordarem.
ções alimentícias, vincendas ou vencidas e não
Art. 10. A audiência de julgamento será contí- pagas. (Parágrafo com redação dada pela Lei nº 6.014, de
nua; mas, se não for possível, por motivo de força
27/12/1973)
maior, concluí-la no mesmo dia, o juiz marcará a
§ 2º Da decisão que decretar a prisão do deve-
sua continuação para o primeiro dia desimpedido,
dor, caberá agravo de instrumento. (Parágrafo com
independentemente de novas intimações.
redação dada pela Lei nº 6.014, de 27/12/1973)
Art. 11. Terminada a instrução, poderão as par- § 3º A interposição do agravo não suspende a
tes e o Ministério Público aduzir alegações finais, execução da ordem de prisão. (Parágrafo com redação
em prazo não excedente de 10 (dez) minutos para dada pela Lei nº 6.014, de 27/12/1973)
cada um.
Art. 20. As repartições públicas, civis ou militares,
Parágrafo único. Em seguida, o Juiz renovará a
inclusive do Imposto de Renda, darão todas as in-
proposta de conciliação e, não sendo aceita, dita-
formações necessárias à instrução dos processos
rá sua sentença, que conterá sucinto relatório do
previstos nesta Lei e à execução do que for decidi-
ocorrido na audiência.
do ou acordado em juízo.
Art. 12. Da sentença serão as partes intimadas, [...]
pessoalmente ou através de seus representantes, Art. 22. Constitui crime contra a administração da
na própria audiência, ainda quando ausentes, des- Justiça deixar o empregador ou funcionário públi-
de que intimadas de sua realização. co de prestar ao juízo competente as informações
Art. 13. O disposto nesta Lei aplica-se igualmen- necessárias à instrução de processo ou execução
te, no que couber, às ações ordinárias de desquite, de sentença ou acordo que fixe pensão alimentícia:
nulidade e anulação de casamento, à revisão de Pena – detenção de 6 (seis) meses a 1 (um) ano,
sentenças proferidas em pedidos de alimentos e sem prejuízo da pena acessória de suspensão do
respectivas execuções. emprego de 30 (trinta) a 90 (noventa) dias.
§ 1º Os alimentos provisórios fixados na inicial Parágrafo único. Nas mesmas penas incide
poderão ser revistos a qualquer tempo, se houver quem, de qualquer modo, ajuda o devedor a
modificação na situação financeira das partes, mas eximir-se ao pagamento de pensão alimentícia
o pedido será sempre processado em apartado. judicialmente acordada, fixada ou majorada, ou
§ 2º Em qualquer caso, os alimentos fixados re- se recusa, ou procrastina a executar ordem de
troagem à data da citação. descontos em folhas de pagamento, expedida
§ 3º Os alimentos provisórios serão devidos até pelo Juiz competente.
a decisão final, inclusive o julgamento do recurso Art. 23. A prescrição quinquenal referida no art. 178,
extraordinário. § 10, inciso I, do Código Civil só alcança as presta-
Art. 14. Da sentença caberá apelação no efeito ções mensais e não o direito a alimentos, que, em-
devolutivo. (Caput do artigo com redação dada pela Lei bora irrenunciável, pode ser provisoriamente dis-
nº 6.014, de 27/12/1973) pensado.
Art. 15. A decisão judicial sobre alimentos não Art. 24. A parte responsável pelo sustento da fa-
transita em julgado e pode a qualquer tempo ser mília, e que deixar a residência comum por mo-
92
LEI Nº 8.560, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1992


tivo, que não necessitará declarar, poderá tomar IV – por manifestação expressa e direta perante
a iniciativa de comunicar ao juiz os rendimentos o juiz, ainda que o reconhecimento não haja sido o
de que dispõe e de pedir a citação do credor, pa- objeto único e principal do ato que o contém.
ra comparecer à audiência de conciliação e julga- Art. 2º Em registro de nascimento de menor ape-
mento destinada à fixação dos alimentos a que nas com a maternidade estabelecida, o oficial re-
está obrigado. meterá ao juiz certidão integral do registro e o no-
Art. 25. A prestação não pecuniária estabelecida me e prenome, profissão, identidade e residência
no art. 403 do Código Civil, só pode ser autorizada do suposto pai, a fim de ser averiguada oficiosa-
pelo juiz se a ela anuir o alimentando capaz. mente a procedência da alegação.
Art. 26. É competente para as ações de alimen- § 1º O juiz, sempre que possível, ouvirá a mãe
tos decorrentes da aplicação do Decreto Legisla- sobre a paternidade alegada e mandará, em qual-
tivo nº 10, de 13 de novembro de 1958, e Decreto quer caso, notificar o suposto pai, independente
nº 56.826, de 2 de setembro de 1965, o Juízo Fe- de seu estado civil, para que se manifeste sobre a
deral da Capital da unidade federativa brasileira paternidade que lhe é atribuída.
em que reside o devedor, sendo considerada ins- § 2º O juiz, quando entender necessário, deter-
tituição intermediária, para os fins dos referidos minará que a diligência seja realizada em segredo
decretos, a Procuradoria-Geral da República. de justiça.
Parágrafo único. Nos termos do inciso III, art. 2º, § 3º No caso do suposto pai confirmar expres-
da Convenção Internacional sobre ações de ali- samente a paternidade, será lavrado termo de re-
mentos, o Governo brasileiro comunicará, sem conhecimento e remetida certidão ao oficial do
demora, ao Secretário Geral das Nações Unidas, registro, para a devida averbação.
o disposto neste artigo. § 4º Se o suposto pai não atender no prazo de
Art. 27. Aplicam-se supletivamente nos processos trinta dias, a notificação judicial, ou negar a alega-
regulados por esta Lei as disposições do Código da paternidade, o juiz remeterá os autos ao repre-
de Processo Civil. sentante do Ministério Público para que intente,
havendo elementos suficientes, a ação de inves-
Art. 28. Esta Lei entrará em vigor 30 (trinta) dias
tigação de paternidade.
depois de sua publicação.
§ 5º Nas hipóteses previstas no § 4º deste artigo,
Art. 29. Revogam-se as disposições em contrário. é dispensável o ajuizamento de ação de investi-
Brasília, 25 de julho de 1968; 147º da gação de paternidade pelo Ministério Público se,
Independência e 80º da República. após o não comparecimento ou a recusa do su-
A. COSTA E SILVA posto pai em assumir a paternidade a ele atribuída,
Luís Antônio da Gama e Silva a criança for encaminhada para adoção. (Parágrafo
acrescido pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU
LEI Nº 8.560, DE 29 DE de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
DEZEMBRO DE 1992 § 6º A iniciativa conferida ao Ministério Público
(LEI DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE)
não impede a quem tenha legítimo interesse de in-
(Publicada no DOU de 30/12/1992)
tentar investigação, visando a obter o pretendido
Regula a investigação de paternidade dos filhos havidos fora reconhecimento da paternidade. (Primitivo § 5º renu-
do casamento e dá outras providências.
merado pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU
O presidente da República de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
Art. 2º-A. Na ação de investigação de paternidade,
sanciono a seguinte lei: todos os meios legais, bem como os moralmen-
Art. 1º O reconhecimento dos filhos havidos fora te legítimos, serão hábeis para provar a verdade
do casamento é irrevogável e será feito: dos fatos. (Caput do artigo acrescido pela Lei nº 12.004,
I – no registro de nascimento; de 29/7/2009)
II – por escritura pública ou escrito particular, a § 1º A recusa do réu em se submeter ao exame
ser arquivado em cartório; de código genético (DNA) gerará a presunção da
III – por testamento, ainda que incidentalmente paternidade, a ser apreciada em conjunto com o
manifestado; contexto probatório. (Parágrafo único acrescido pela
93
Lei nº 12.004, de 29/7/2009, transformado em § 1º pela Lei LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993
nº 14.138, de 16/4/2021) (LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL)
§ 2º Se o suposto pai houver falecido ou não (Publicada no DOU de 8/12/1993)
existir notícia de seu paradeiro, o juiz determina- Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras
rá, a expensas do autor da ação, a realização do providências.
exame de pareamento do código genético (DNA)
O presidente da República
em parentes consanguíneos, preferindo-se os de
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
grau mais próximo aos mais distantes, importan-
sanciono a seguinte lei:
do a recusa em presunção da paternidade, a ser
apreciada em conjunto com o contexto probató- LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL
rio. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 14.138, de 16/4/2021) CAPÍTULO I – DAS DEFINIÇÕES E DOS OBJETIVOS
Art. 3º É vedado legitimar e reconhecer filho na
Art. 1º A assistência social, direito do cidadão e
ata do casamento.
dever do Estado, é Política de Seguridade Social
Parágrafo único. É ressalvado o direito de aver-
não contributiva, que provê os mínimos sociais,
bar alteração do patronímico materno, em decor-
realizada através de um conjunto integrado de
rência do casamento, no termo de nascimento do
filho. ações de iniciativa pública e da sociedade, para
garantir o atendimento às necessidades básicas.
Art. 4º O filho maior não pode ser reconhecido
sem o seu consentimento. Art. 2º A assistência social tem por objetivos: (Caput
do artigo com redação dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
Art. 5º No registro de nascimento não se fará qual-
I – a proteção social, que visa à garantia da vida,
quer referência à natureza da filiação, à sua ordem
em relação a outros irmãos do mesmo prenome, à redução de danos e à prevenção da incidência
exceto gêmeos, ao lugar e cartório do casamento de riscos, especialmente:
dos pais e ao estado civil destes. a) a proteção à família, à maternidade, à infân-
cia, à adolescência e à velhice;
Art. 6º Das certidões de nascimento não consta-
b) o amparo às crianças e aos adolescentes ca-
rão indícios de a concepção haver sido decorrente
rentes;
de relação extraconjugal.
c) a promoção da integração ao mercado de tra-
§ 1º Não deverá constar, em qualquer caso, o
balho;
estado civil dos pais e a natureza da filiação, bem
d) a habilitação e reabilitação das pessoas com
como o lugar e cartório do casamento, proibida
deficiência e a promoção de sua integração à vida
referência à presente Lei.
comunitária; e
§ 2º São ressalvadas autorizações ou requisições
e) a garantia de 1 (um) salário mínimo de benefí-
judiciais de certidões de inteiro teor, mediante de-
cio mensal à pessoa com deficiência e ao idoso que
cisão fundamentada, assegurados os direitos, as
comprovem não possuir meios de prover a própria
garantias e interesses relevantes do registrado.
manutenção ou de tê-la provida por sua família;
Art. 7º Sempre que na sentença de primeiro grau
(Inciso com redação dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
se reconhecer a paternidade, nela se fixarão os ali-
II – a vigilância socioassistencial, que visa a ana-
mentos provisionais ou definitivos do reconhecido
lisar territorialmente a capacidade protetiva das
que deles necessite.
famílias e nela a ocorrência de vulnerabilidades,
Art. 8º Os registros de nascimento, anteriores à de ameaças, de vitimizações e danos; (Inciso com
data da presente Lei, poderão ser retificados por redação dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
decisão judicial, ouvido o Ministério Público. III – a defesa de direitos, que visa a garantir o
Art. 9º Esta Lei entra em vigor na data de sua pu- pleno acesso aos direitos no conjunto das provi-
blicação. sões socioassistenciais; (Inciso com redação dada pela
Art. 10. São revogados os arts. 332, 337 e 347 do Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
Código Civil e demais disposições em contrário. IV – (Revogado pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
Brasília, 29 de dezembro de 1992; 171º da
V – (Revogado pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
Independência e 104º da República. Parágrafo único. Para o enfrentamento da po-
ITAMAR FRANCO breza, a assistência social realiza-se de forma in-
Maurício Corrêa tegrada às políticas setoriais, garantindo mínimos
94
LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993


sociais e provimento de condições para atender I – supremacia do atendimento às necessida-


contingências sociais e promovendo a universali- des sociais sobre as exigências de rentabilidade
zação dos direitos sociais. (Parágrafo único com reda- econômica;
ção dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) II – universalização dos direitos sociais, a fim de
Art. 3º Consideram-se entidades e organizações tornar o destinatário da ação assistencial alcançá-
de assistência social aquelas sem fins lucrativos vel pelas demais políticas públicas;
que, isolada ou cumulativamente, prestam atendi- III – respeito à dignidade do cidadão, à sua au-
mento e assessoramento aos beneficiários abran- tonomia e ao seu direito a benefícios e serviços
gidos por esta Lei, bem como as que atuam na de qualidade, bem como à convivência familiar e
defesa e garantia de direitos. (Caput do artigo com comunitária, vedando-se qualquer comprovação
redação dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) vexatória de necessidade;
§  1º São de atendimento aquelas entidades IV – igualdade de direitos no acesso ao atendi-
que, de forma continuada, permanente e plane- mento, sem discriminação de qualquer natureza,
jada, prestam serviços, executam programas ou garantindo-se equivalência às populações urba-
projetos e concedem benefícios de prestação so- nas e rurais;
cial básica ou especial, dirigidos às famílias e indi- V – divulgação ampla dos benefícios, serviços,
víduos em situações de vulnerabilidade ou risco programas e projetos assistenciais, bem como dos
social e pessoal, nos termos desta Lei, e respeita- recursos oferecidos pelo Poder Público e dos cri-
das as deliberações do Conselho Nacional de As- térios para sua concessão.
sistência Social (CNAS), de que tratam os incisos Seção II – Das Diretrizes
I e II do art. 18. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.435, Art. 5º A organização da assistência social tem co-
de 6/7/2011)
mo base as seguintes diretrizes:
§ 2º São de assessoramento aquelas que, de I – descentralização político-administrativa pa-
forma continuada, permanente e planejada, pres- ra os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, e
tam serviços e executam programas ou projetos comando único das ações em cada esfera de go-
voltados prioritariamente para o fortalecimento verno;
dos movimentos sociais e das organizações de II – participação da população, por meio de or-
usuários, formação e capacitação de lideranças, ganizações representativas, na formulação das po-
dirigidos ao público da política de assistência so- líticas e no controle das ações em todos os níveis;
cial, nos termos desta Lei, e respeitadas as deli- III – primazia da responsabilidade do Estado na
berações do CNAS, de que tratam os incisos I e condução da política de assistência social em ca-
II do art. 18. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.435, de da esfera de governo.
6/7/2011)
§ 3º São de defesa e garantia de direitos aque- CAPÍTULO III – DA ORGANIZAÇÃO E DA GESTÃO
las que, de forma continuada, permanente e pla- 
Art. 6º A gestão das ações na área de assistência
nejada, prestam serviços e executam programas e social fica organizada sob a forma de sistema des-
projetos voltados prioritariamente para a defesa centralizado e participativo, denominado Sistema
e efetivação dos direitos socioassistenciais, cons- Único de Assistência Social (Suas), com os seguin-
trução de novos direitos, promoção da cidadania, tes objetivos: (Caput do artigo com redação dada pela Lei
enfrentamento das desigualdades sociais, arti- nº 12.435, de 6/7/2011)
culação com órgãos públicos de defesa de direi- I – consolidar a gestão compartilhada, o cofi-
tos, dirigidos ao público da política de assistên- nanciamento e a cooperação técnica entre os en-
cia social, nos termos desta Lei, e respeitadas as tes federativos que, de modo articulado, operam
deliberações do CNAS, de que tratam os incisos a proteção social não contributiva; (Inciso acrescido
I e II do art. 18. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.435, pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
de 6/7/2011) II – integrar a rede pública e privada de servi-
ços, programas, projetos e benefícios de assistên-
CAPÍTULO II – DOS PRINCÍPIOS E DAS DIRETRIZES
cia social, na forma do art. 6º-C; (Inciso acrescido pela
Seção I – Dos Princípios Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
Art. 4º A assistência social rege-se pelos seguin- III – estabelecer as responsabilidades dos entes
tes princípios: federativos na organização, regulação, manutenção
95
e expansão das ações de assistência social; (Inciso contribuir para a reconstrução de vínculos familia-
acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) res e comunitários, a defesa de direito, o fortaleci-
IV – definir os níveis de gestão, respeitadas as mento das potencialidades e aquisições e a prote-
diversidades regionais e municipais; (Inciso acresci- ção de famílias e indivíduos para o enfrentamento
do pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) das situações de violação de direitos.
V – implementar a gestão do trabalho e a educa- Parágrafo único. A vigilância socioassistencial é
ção permanente na assistência social; (Inciso acres- um dos instrumentos das proteções da assistência
cido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) social que identifica e previne as situações de ris-
VI – estabelecer a gestão integrada de serviços co e vulnerabilidade social e seus agravos no ter-
e benefícios; e (Inciso acrescido pela Lei nº 12.435, de ritório. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
6/7/2011) Art. 6º-B. As proteções sociais básica e especial se-
VII – afiançar a vigilância socioassistencial e a rão ofertadas pela rede socioassistencial, de forma
garantia de direitos. (Inciso acrescido pela Lei nº 12.435, integrada, diretamente pelos entes públicos e/ou
de 6/7/2011) pelas entidades e organizações de assistência so-
§ 1º As ações ofertadas no âmbito do Suas têm cial vinculadas ao Suas, respeitadas as especifici-
por objetivo a proteção à família, à maternidade, dades de cada ação.
à infância, à adolescência e à velhice e, como base § 1º A vinculação ao Suas é o reconhecimento
de organização, o território. (Parágrafo acrescido pela pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Com-
Lei nº 12.435, de 6/7/2011) bate à Fome de que a entidade de assistência so-
§ 2º O Suas é integrado pelos entes federativos, cial integra a rede socioassistencial.
pelos respectivos conselhos de assistência social e § 2º Para o reconhecimento referido no § 1º, a
entidade deverá cumprir os seguintes requisitos:
pelas entidades e organizações de assistência so-
I – constituir-se em conformidade com o dispos-
cial abrangidas por esta Lei. (Parágrafo acrescido pela
to no art. 3º;
Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
II – inscrever-se em Conselho Municipal ou do
§ 3º A instância coordenadora da Política Na-
Distrito Federal, na forma do art. 9º;
cional de Assistência Social é o Ministério do De-
III – integrar o sistema de cadastro de entidades
senvolvimento Social e Combate à Fome. (Parágrafo
de que trata o inciso XI do art. 19.
único transformado em § 3º e com redação dada pela Lei
§ 3º As entidades e organizações de assistência
nº 12.435, de 6/7/2011)
social vinculadas ao Suas celebrarão convênios,
§ 4º Cabe à instância coordenadora da Política
contratos, acordos ou ajustes com o poder públi-
Nacional de Assistência Social normatizar e pa-
co para a execução, garantido financiamento inte-
dronizar o emprego e a divulgação da identidade
gral, pelo Estado, de serviços, programas, projetos
visual do Suas. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.714,
e ações de assistência social, nos limites da capa-
de 24/8/2018)
cidade instalada, aos beneficiários abrangidos por
§ 5º A identidade visual do Suas deverá preva- esta Lei, observando-se as disponibilidades orça-
lecer na identificação de unidades públicas esta- mentárias.
tais, entidades e organizações de assistência social, § 4º O cumprimento do disposto no § 3º será
serviços, programas, projetos e benefícios vincula- informado ao Ministério do Desenvolvimento So-
dos ao Suas. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.714, de cial e Combate à Fome pelo órgão gestor local da
24/8/2018) assistência social. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.435,
Art. 6º-A. A assistência social organiza-se pelos de 6/7/2011)
seguintes tipos de proteção: Art. 6º-C. As proteções sociais, básica e especial,
I – proteção social básica: conjunto de serviços, serão ofertadas precipuamente no Centro de Re-
programas, projetos e benefícios da assistência ferência de Assistência Social (Cras) e no Centro
social que visa a prevenir situações de vulnerabi- de Referência Especializado de Assistência Social
lidade e risco social por meio do desenvolvimento (Creas), respectivamente, e pelas entidades sem
de potencialidades e aquisições e do fortalecimen- fins lucrativos de assistência social de que trata o
to de vínculos familiares e comunitários; art. 3º desta Lei.
II – proteção social especial: conjunto de servi- § 1º O Cras é a unidade pública municipal, de
ços, programas e projetos que tem por objetivo base territorial, localizada em áreas com maiores
96
LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993


índices de vulnerabilidade e risco social, destina- crição no respectivo Conselho Municipal de Assis-
da à articulação dos serviços socioassistenciais no tência Social, ou no Conselho de Assistência Social
seu território de abrangência e à prestação de ser- do Distrito Federal, conforme o caso.
viços, programas e projetos socioassistenciais de § 1º A regulamentação desta lei definirá os crité-
proteção social básica às famílias. rios de inscrição e funcionamento das entidades
§ 2º O Creas é a unidade pública de abrangência com atuação em mais de um município no mes-
e gestão municipal, estadual ou regional, destina- mo Estado, ou em mais de um Estado ou Distrito
da à prestação de serviços a indivíduos e famílias Federal.
que se encontram em situação de risco pessoal § 2º Cabe ao Conselho Municipal de Assistência
ou social, por violação de direitos ou contingên- Social e ao Conselho de Assistência Social do Dis-
cia, que demandam intervenções especializadas trito Federal a fiscalização das entidades referidas
da proteção social especial. no caput na forma prevista em lei ou regulamento.
§ 3º Os Cras e os Creas são unidades públicas § 3º (Revogado pela Lei nº 12.101, de 27/11/2009)
estatais instituídas no âmbito do Suas, que pos- § 4º As entidades e organizações de assistência
suem interface com as demais políticas públicas e social podem, para defesa de seus direitos refe-
articulam, coordenam e ofertam os serviços, pro- rentes à inscrição e ao funcionamento, recorrer
gramas, projetos e benefícios da assistência social. aos Conselhos Nacional, Estaduais, Municipais e
(Artigo acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) do Distrito Federal.

Art. 6º-D. As instalações dos Cras e dos Creas de- Art. 10. A União, os Estados, os Municípios e o Dis-
vem ser compatíveis com os serviços neles oferta- trito Federal podem celebrar convênios com en-
dos, com espaços para trabalhos em grupo e am- tidades e organizações de assistência social, em
bientes específicos para recepção e atendimento conformidade com os Planos aprovados pelos res-
reservado das famílias e indivíduos, assegurada a pectivos Conselhos.
acessibilidade às pessoas idosas e com deficiência. Art. 11. As ações das três esferas de governo na
(Artigo acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) área de assistência social realizam-se de forma ar-
ticulada, cabendo a coordenação e as normas ge-
Art. 6º-E. Os recursos do cofinanciamento do Suas,
rais à esfera federal e a coordenação e execução
destinados à execução das ações continuadas de
dos programas, em suas respectivas esferas, aos
assistência social, poderão ser aplicados no paga-
Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios.
mento dos profissionais que integrarem as equi-
pes de referência, responsáveis pela organização e Art. 12. Compete à União:
oferta daquelas ações, conforme percentual apre- I – responder pela concessão e manutenção dos
sentado pelo Ministério do Desenvolvimento Social benefícios de prestação continuada definidos no
e Combate à Fome e aprovado pelo CNAS. art. 203 da Constituição Federal;
Parágrafo único. A formação das equipes de re- II – cofinanciar, por meio de transferência auto-
ferência deverá considerar o número de famílias e mática, o aprimoramento da gestão, os serviços,
indivíduos referenciados, os tipos e modalidades os programas e os projetos de assistência social
de atendimento e as aquisições que devem ser ga- em âmbito nacional; (Inciso com redação dada pela Lei
nº 12.435, de 6/7/2011)
rantidas aos usuários, conforme deliberações do
III – atender, em conjunto com os Estados, o Dis-
CNAS. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
trito Federal e os Municípios, às ações assistenciais
Art. 7º As ações de assistência social, no âmbito
de caráter de emergência;
das entidades e organizações de assistência social, IV – realizar o monitoramento e a avaliação da
observarão as normas expedidas pelo Conselho política de assistência social e assessorar Estados,
Nacional de Assistência Social (CNAS), de que tra- Distrito Federal e Municípios para seu desenvolvi-
ta o art. 17 desta Lei. mento. (Inciso acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
Art. 8º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Art. 12-A. A União apoiará financeiramente o apri-
Municípios, observados os princípios e diretrizes moramento à gestão descentralizada dos serviços,
estabelecidos nesta Lei, fixarão suas respectivas programas, projetos e benefícios de assistência
Políticas de Assistência Social. social, por meio do Índice de Gestão Descentrali-
Art. 9º O funcionamento das entidades e organi- zada (IGD) do Sistema Único de Assistência Social
zações de assistência social depende de prévia ins- (Suas), para a utilização no âmbito dos Estados,
97
dos Municípios e do Distrito Federal, destinado, IV – estimular e apoiar técnica e financeiramen-
sem prejuízo de outras ações a serem definidas te as associações e consórcios municipais na pres-
em regulamento, a: tação de serviços de assistência social;
I – medir os resultados da gestão descentraliza- V – prestar os serviços assistenciais cujos custos
da do Suas, com base na atuação do gestor esta- ou ausência de demanda municipal justifiquem
dual, municipal e do Distrito Federal na implemen- uma rede regional de serviços, desconcentrada,
tação, execução e monitoramento dos serviços, no âmbito do respectivo Estado;
programas, projetos e benefícios de assistência VI – realizar o monitoramento e a avaliação da
social, bem como na articulação intersetorial; política de assistência social e assessorar os Mu-
II – incentivar a obtenção de resultados qualita- nicípios para seu desenvolvimento. (Inciso acrescido
tivos na gestão estadual, municipal e do Distrito pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
Federal do Suas; e
Art. 14. Compete ao Distrito Federal:
III – calcular o montante de recursos a serem
repassados aos entes federados a título de apoio I – destinar recursos financeiros para custeio do
financeiro à gestão do Suas. pagamento dos benefícios eventuais de que trata
§ 1º Os resultados alcançados pelo ente federa- o art. 22, mediante critérios estabelecidos pelos
do na gestão do Suas, aferidos na forma de regu- Conselhos de Assistência Social do Distrito Federal;
lamento, serão considerados como prestação de (Inciso com redação dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
contas dos recursos a serem transferidos a título II – efetuar o pagamento dos auxílios natalida-
de apoio financeiro. de e funeral;
§ 2º As transferências para apoio à gestão des- III – executar os projetos de enfrentamento da po-
centralizada do Suas adotarão a sistemática do Ín- breza, incluindo a parceria com organizações da so-
dice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa ciedade civil;
Família, previsto no art. 8º da Lei nº 10.836, de 9 IV – atender às ações assistenciais de caráter de
de janeiro de 2004, e serão efetivadas por meio de emergência;
procedimento integrado àquele índice. V – prestar os serviços assistenciais de que trata
§ 3º (Vetado) o art. 23 desta Lei;
§ 4º Para fins de fortalecimento dos Conselhos VI – cofinanciar o aprimoramento da gestão, os
de Assistência Social dos Estados, Municípios e serviços, os programas e os projetos de assistên-
Distrito Federal, percentual dos recursos trans- cia social em âmbito local; (Inciso acrescido pela Lei
feridos deverá ser gasto com atividades de apoio nº 12.435, de 6/7/2011)
técnico e operacional àqueles colegiados, na for- VII – realizar o monitoramento e a avaliação da
ma fixada pelo Ministério do Desenvolvimento So- política de assistência social em seu âmbito. (Inciso
cial e Combate à Fome, sendo vedada a utilização
acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
dos recursos para pagamento de pessoal efetivo
e de gratificações de qualquer natureza a servidor Art. 15. Compete aos Municípios:
público estadual, municipal ou do Distrito Federal. I – destinar recursos financeiros para custeio do
(Artigo acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) pagamento dos benefícios eventuais de que trata
o art. 22, mediante critérios estabelecidos pelos
Art. 13. Compete aos Estados:
Conselhos Municipais de Assistência Social; (Inciso
I – destinar recursos financeiros aos Municípios,
com redação dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
a título de participação no custeio do pagamen-
to dos benefícios eventuais de que trata o art. 22, II – efetuar o pagamento dos auxílios natalida-
mediante critérios estabelecidos pelos Conselhos de e funeral;
Estaduais de Assistência Social; (Inciso com redação III – executar os projetos de enfrentamento da po-
dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) breza, incluindo a parceria com organizações da so-
II – cofinanciar, por meio de transferência auto- ciedade civil;
mática, o aprimoramento da gestão, os serviços, IV – atender às ações assistenciais de caráter de
os programas e os projetos de assistência social emergência;
em âmbito regional ou local; (Inciso com redação da- V – prestar os serviços assistenciais de que trata
da pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) o art. 23 desta Lei;
III – atender, em conjunto com os Municípios, às VI – cofinanciar o aprimoramento da gestão, os
ações assistenciais de caráter de emergência; serviços, os programas e os projetos de assistên-
98
LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993


cia social em âmbito local; (Inciso acrescido pela Lei 1 (um) ano, permitida uma única recondução por
nº 12.435, de 6/7/2011) igual período.
VII – realizar o monitoramento e a avaliação da § 3º O Conselho Nacional de Assistência Social
política de assistência social em seu âmbito. (Inciso (CNAS) contará com uma Secretaria Executiva, a
acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) qual terá sua estrutura disciplinada em ato do Po-
der Executivo.
Art. 16. As instâncias deliberativas do Suas, de
§ 4º Os Conselhos de que tratam os incisos II,
caráter permanente e composição paritária entre
III e IV do art. 16, com competência para acom-
governo e sociedade civil, são: (Caput do artigo com
panhar a execução da política de assistência so-
redação dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
cial, apreciar e aprovar a proposta orçamentária,
I – o Conselho Nacional de Assistência Social;
em consonância com as diretrizes das conferên-
II – os Conselhos Estaduais de Assistência Social;
cias nacionais, estaduais, distrital e municipais,
III – o Conselho de Assistência Social do Distrito
de acordo com seu âmbito de atuação, deverão
Federal; ser instituídos, respectivamente, pelos Estados,
IV – os Conselhos Municipais de Assistência Social. pelo Distrito Federal e pelos Municípios, median-
Parágrafo único. Os Conselhos de Assistência te lei específica. (Parágrafo com redação dada pela Lei
Social estão vinculados ao órgão gestor de assis- nº 12.435, de 6/7/2011)
tência social, que deve prover a infraestrutura ne-
Art. 18. Compete ao Conselho Nacional de Assis-
cessária ao seu funcionamento, garantindo recur-
tência Social:
sos materiais, humanos e financeiros, inclusive
I – aprovar a Política Nacional de Assistência
com despesas referentes a passagens e diárias de Social;
conselheiros representantes do governo ou da so- II – normatizar as ações e regular a prestação de
ciedade civil, quando estiverem no exercício de serviços de natureza pública e privada no campo
suas atribuições. (Parágrafo único acrescido pela Lei da assistência social;
nº 12.435, de 6/7/2011) III – acompanhar e fiscalizar o processo de certi-
Art. 17. Fica instituído o Conselho Nacional de As- ficação das entidades e organizações de assistên-
sistência Social (CNAS), órgão superior de delibe- cia social no Ministério do Desenvolvimento Social
ração colegiada, vinculado à estrutura do órgão e Combate à Fome; (Inciso com redação dada pela Lei
da Administração Pública Federal responsável pe- nº 12.101, de 27/11/2009)
la coordenação da Política Nacional de Assistência IV – apreciar relatório anual que conterá a rela-
Social, cujos membros, nomeados pelo Presidente ção de entidades e organizações de assistência so-
da República, têm mandato de 2 (dois) anos, per- cial certificadas como beneficentes e encaminhá-lo
mitida uma única recondução por igual período. para conhecimento dos Conselhos de Assistência
Social dos Estados, Municípios e do Distrito Federal;
§ 1º O Conselho Nacional de Assistência Social
(Inciso com redação dada pela Lei nº 12.101, de 27/11/2009)
(CNAS) é composto por 18 (dezoito) membros e res-
V – zelar pela efetivação do sistema descentrali-
pectivos suplentes, cujos nomes são indicados ao
zado e participativo de assistência social;
órgão da Administração Pública Federal responsá-
VI – a partir da realização da II Conferência Nacio-
vel pela coordenação da Política Nacional de Assis-
nal de Assistência Social em 1997, convocar ordi-
tência Social, de acordo com os critérios seguintes:
nariamente a cada quatro anos a Conferência Na-
I – 9 (nove) representantes governamentais, in-
cional de Assistência Social, que terá a atribuição
cluindo 1 (um) representante dos Estados e 1 (um) de avaliar a situação da assistência social e pro-
dos Municípios; por diretrizes para o aperfeiçoamento do sistema;
II – 9 (nove) representantes da sociedade civil, (Inciso com redação dada pela Lei nº 9.720, de 30/11/1998)
dentre representantes dos usuários ou de organi- VII – (Vetado)
zações de usuários, das entidades e organizações VIII – apreciar e aprovar a proposta orçamentá-
de assistência social e dos trabalhadores do setor, ria da Assistência Social a ser encaminhada pelo
escolhidos em foro próprio sob fiscalização do Mi- órgão da Administração Pública Federal respon-
nistério Público Federal. sável pela coordenação da Política Nacional de
§ 2º O Conselho Nacional de Assistência So- Assistência Social;
cial (CNAS) é presidido por um de seus integran- IX – aprovar critérios de transferência de recur-
tes, eleito dentre seus membros, para mandato de sos para os Estados, Municípios e Distrito Federal,
99
considerando, para tanto, indicadores que infor- IX – formular política para a qualificação siste-
mem sua regionalização mais equitativa, tais co- mática e continuada de recursos humanos no cam-
mo: população, renda per capita, mortalidade in- po da assistência social;
fantil e concentração de renda, além de disciplinar X – desenvolver estudos e pesquisas para funda-
os procedimentos de repasse de recursos para as mentar as análises de necessidades e formulação
entidades e organizações de assistência social, de proposições para a área;
sem prejuízo das disposições da Lei de Diretrizes XI – coordenar e manter atualizado o sistema
Orçamentárias; de cadastro de entidades e organizações de assis-
X – acompanhar e avaliar a gestão dos recursos, tência social, em articulação com os Estados, os
bem como os ganhos sociais e o desempenho dos Municípios e o Distrito Federal;
programas e projetos aprovados; XII – articular-se com os órgãos responsáveis pe-
XI – estabelecer diretrizes, apreciar e aprovar os las políticas de saúde e previdência social, bem
programas anuais e plurianuais do Fundo Nacio- como com os demais responsáveis pelas políticas
nal de Assistência Social (FNAS); socioeconômicas setoriais, visando à elevação do
XII – indicar o representante do Conselho Nacio- patamar mínimo de atendimento às necessidades
nal de Assistência Social (CNAS) junto ao Conselho básicas;
Nacional da Seguridade Social; XIII – expedir os atos normativos necessários à ges-
XIII – elaborar e aprovar seu regimento interno; tão do Fundo Nacional de Assistência Social FNAS,
XIV – divulgar, no Diário Oficial da União, todas de acordo com as diretrizes estabelecidas pelo Con-
as suas decisões, bem como as contas do Fundo selho Nacional de Assistência Social (CNAS);
Nacional de Assistência Social (FNAS) e os respec- XIV – elaborar e submeter ao Conselho Nacional
tivos pareceres emitidos. de Assistência Social (CNAS) os programas anuais
Parágrafo único. (Parágrafo único acrescido pela Lei e plurianuais de aplicação dos recursos do Fundo
nº 10.684, de 30/5/2003, e revogado pela Lei nº 12.101, de Nacional de Assistência Social (FNAS).
27/11/2009) Parágrafo único. A atenção integral à saúde, in-
Art. 19. Compete ao órgão da Administração Pú- clusive a dispensação de medicamentos e produtos
blica Federal responsável pela coordenação da Po- de interesse para a saúde, às famílias e indivíduos
lítica Nacional de Assistência Social: em situações de vulnerabilidade ou risco social e
I – coordenar e articular as ações no campo da pessoal, nos termos desta Lei, dar-se-á indepen-
assistência social; dentemente da apresentação de documentos que
II – propor ao Conselho Nacional de Assistência comprovem domicílio ou inscrição no cadastro
Social (CNAS) a Política Nacional de Assistência So- no Sistema Único de Saúde (SUS), em consonân-
cial, suas normas gerais, bem como os critérios de cia com a diretriz de articulação das ações de as-
prioridade e de elegibilidade, além de padrões sistência social e de saúde a que se refere o inci-
de qualidade na prestação de benefícios, serviços, so XII deste artigo. (Parágrafo único acrescido pela Lei
programas e projetos; nº 13.714, de 24/8/2018)
III – prover recursos para o pagamento dos bene-
CAPÍTULO IV – DOS BENEFÍCIOS, DOS
fícios de prestação continuada definidos nesta Lei;
SERVIÇOS, DOS PROGRAMAS E DOS
IV – elaborar e encaminhar a proposta orçamen- PROJETOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
tária da assistência social, em conjunto com as de-
Seção I – Do Benefício de Prestação Continuada
mais áreas da Seguridade Social;
V – propor os critérios de transferência dos re- Art. 20. O benefício de prestação continuada é a ga-
cursos de que trata esta lei; rantia de um salário mínimo mensal à pessoa com
VI – proceder à transferência dos recursos destina- deficiência e ao idoso com 65 (sessenta e cinco)
dos à assistência social, na forma prevista nesta Lei; anos ou mais que comprovem não possuir meios
VII – encaminhar à apreciação do Conselho Na- de prover a própria manutenção nem de tê-la pro-
cional de Assistência Social (CNAS) relatórios tri- vida por sua família. (Caput do artigo com redação dada
mestrais e anuais de atividades e de realização fi- pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
nanceira dos recursos; § 1º Para os efeitos do disposto no caput, a fa-
VIII – prestar assessoramento técnico aos Esta- mília é composta pelo requerente, o cônjuge ou
dos, ao Distrito Federal, aos Municípios e às enti- companheiro, os pais e, na ausência de um deles,
dades e organizações de assistência social; a madrasta ou o padrasto, os irmãos solteiros, os
100
LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993


filhos e enteados solteiros e os menores tutelados, dimentos previstos no regulamento para o deferi-
desde que vivam sob o mesmo teto. (Parágrafo com mento do pedido. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 9.720,
redação dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) de 30/11/1998)
§ 2º Para efeito de concessão do benefício de § 9º Os rendimentos decorrentes de estágio su-
prestação continuada, considera-se pessoa com pervisionado e de aprendizagem não serão compu-
deficiência aquela que tem impedimento de lon- tados para os fins de cálculo da renda familiar per
go prazo de natureza física, mental, intelectual ou capita a que se refere o § 3º deste artigo. (Parágrafo
sensorial, o qual, em interação com uma ou mais acrescido pela Lei nº 12.470, de 31/8/2011, e com redação
barreiras, pode obstruir sua participação plena e dada pela Lei nº 13.146, de 6/7/2015, publicada no DOU de
efetiva na sociedade em igualdade de condições 7/7/2015, em vigor 180 dias após sua publicação)
com as demais pessoas. (Parágrafo com redação da- § 10. Considera-se impedimento de longo prazo,
da pela Lei nº 13.146, de 6/7/2015, publicada no DOU de para os fins do § 2º deste artigo, aquele que pro-
7/7/2015, em vigor 180 dias após sua publicação) duza efeitos pelo prazo mínimo de 2 (dois) anos.
I – (Revogado pela Lei nº 12.470, de 31/8/2011) (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.470, de 31/8/2011)
II – (Revogado pela Lei nº 12.470, de 31/8/2011) § 11. Para concessão do benefício de que trata o
§ 3º Observados os demais critérios de elegibi- caput deste artigo, poderão ser utilizados outros
lidade definidos nesta Lei, terão direito ao bene- elementos probatórios da condição de miserabi-
fício financeiro de que trata o caput deste artigo lidade do grupo familiar e da situação de vulne-
a pessoa com deficiência ou a pessoa idosa com rabilidade, conforme regulamento. (Parágrafo acres-
renda familiar mensal per capita igual ou inferior cido pela Lei nº 13.146, de 6/7/2015, publicada no DOU de
a 1/4 (um quarto) do salário mínimo. (Parágrafo com 7/7/2015, em vigor 180 dias após sua publicação)
redação dada pela Lei nº 14.176, de 22/6/2021) § 11-A. (Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
I – (Inciso acrescido pela Lei nº 13.982, de 2/4/2020, e § 12. São requisitos para a concessão, a manu-
revogado pela Lei nº 14.176, de 22/6/2021) tenção e a revisão do benefício as inscrições no
II – (Vetado na Lei nº 13.982, de 2/4/2020) Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e no Cadastro
§ 4º O benefício de que trata este artigo não po- Único para Programas Sociais do Governo Federal
de ser acumulado pelo beneficiário com qualquer (Cadastro Único), conforme previsto em regula-
outro no âmbito da seguridade social ou de outro mento. (Parágrafo acrescido pela Medida Provisória nº 871,
regime, salvo os da assistência médica e da pen- de 18/1/2019, convertida na Lei nº 13.846, de 18/6/2019)
são especial de natureza indenizatória. (Parágrafo § 13. (Parágrafo acrescido pela Medida Provisória nº 871,
com redação dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) de 18/1/2019, e não mantido pela Lei nº 13.846, de 18/6/2019,
§ 5º A condição de acolhimento em instituições na qual foi convertida a referida medida provisória)
de longa permanência não prejudica o direito do § 14. O benefício de prestação continuada ou o
idoso ou da pessoa com deficiência ao benefício benefício previdenciário no valor de até 1 (um) salá-
de prestação continuada. (Parágrafo com redação da- rio mínimo concedido a idoso acima de 65 (sessenta
da pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) e cinco) anos de idade ou pessoa com deficiência
§ 6º A concessão do benefício ficará sujeita à não será computado, para fins de concessão do
avaliação da deficiência e do grau de impedimen- benefício de prestação continuada a outro idoso
to de que trata o § 2º, composta por avaliação mé- ou pessoa com deficiência da mesma família, no
dica e avaliação social realizadas por médicos pe- cálculo da renda a que se refere o § 3º deste artigo.
ritos e por assistentes sociais do Instituto Nacional (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.982, de 2/4/2020)
de Seguro Social (INSS). (Parágrafo com redação dada § 15. O benefício de prestação continuada será
pela Lei nº 12.470, de 31/8/2011) devido a mais de um membro da mesma família
§ 7º Na hipótese de não existirem serviços no enquanto atendidos os requisitos exigidos nesta
município de residência do beneficiário, fica asse- Lei. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.982, de 2/4/2020)
gurado, na forma prevista em regulamento, o seu
Art. 20-A. (Artigo acrescido pela Lei nº 13.982, de 2/4/2020,
encaminhamento ao município mais próximo que
e revogado pela Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
contar com tal estrutura. (Parágrafo com redação dada
pela Lei nº 9.720, de 30/11/1998) Art. 20-B. (Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
§ 8º A renda familiar mensal a que se refere o § 3º Art. 21. O benefício de prestação continuada deve
deverá ser declarada pelo requerente ou seu re- ser revisto a cada 2 (dois) anos para avaliação da
presentante legal, sujeitando-se aos demais proce- continuidade das condições que lhe deram origem.
101
§ 1º O pagamento do benefício cessa no momen- prestadas aos cidadãos e às famílias em virtude de
to em que forem superadas as condições referidas nascimento, morte, situações de vulnerabilidade
no caput, ou em caso de morte do beneficiário. temporária e de calamidade pública.
§ 2º O benefício será cancelado quando se cons- § 1º A concessão e o valor dos benefícios de que
tatar irregularidade na sua concessão ou utilização. trata este artigo serão definidos pelos Estados,
§ 3º O desenvolvimento das capacidades cog- Distrito Federal e Municípios e previstos nas res-
nitivas, motoras ou educacionais e a realização pectivas leis orçamentárias anuais, com base em
de atividades não remuneradas de habilitação e critérios e prazos definidos pelos respectivos Con-
reabilitação, entre outras, não constituem motivo selhos de Assistência Social.
de suspensão ou cessação do benefício da pessoa § 2º O CNAS, ouvidas as respectivas representa-
ções de Estados e Municípios dele participantes,
com deficiência. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.435,
poderá propor, na medida das disponibilidades
de 6/7/2011)
orçamentárias das 3 (três) esferas de governo, a
§ 4º A cessação do benefício de prestação con-
instituição de benefícios subsidiários no valor de
tinuada concedido à pessoa com deficiência não
até 25% (vinte e cinco por cento) do salário míni-
impede nova concessão do benefício, desde que
mo para cada criança de até 6 (seis) anos de idade.
atendidos os requisitos definidos em regulamento.
§ 3º Os benefícios eventuais subsidiários não
(Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011, e com
poderão ser cumulados com aqueles instituídos
redação dada pela Lei nº 12.470, de 31/8/2011)
pelas Leis nº 10.954, de 29 de setembro de 2004, e
§ 5º O beneficiário em gozo de benefício de pres-
nº 10.458, de 14 de maio de 2002. (Artigo com redação
tação continuada concedido judicial ou adminis-
dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
trativamente poderá ser convocado para avaliação
Seção III – Dos Serviços
das condições que ensejaram sua concessão ou
manutenção, sendo-lhe exigida a presença dos re- Art. 23. Entendem-se por serviços socioassisten-
quisitos previstos nesta Lei e no regulamento. (Pa- ciais as atividades continuadas que visem à me-
rágrafo acrescido pela Lei nº 14.176, de 22/6/2021) lhoria de vida da população e cujas ações, volta-
das para as necessidades básicas, observem os
Art. 21-A. O benefício de prestação continuada
objetivos, princípios e diretrizes estabelecidos
será suspenso pelo órgão concedente quando a
nesta Lei. (Caput do artigo com redação dada pela Lei
pessoa com deficiência exercer atividade remune-
nº 12.435, de 6/7/2011)
rada, inclusive na condição de microempreende-
§ 1º O regulamento instituirá os serviços socioas-
dor individual.
sistenciais. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 12.435, de
§ 1º Extinta a relação trabalhista ou a atividade
6/7/2011)
empreendedora de que trata o caput deste artigo § 2º Na organização dos serviços da assistência
e, quando for o caso, encerrado o prazo de paga- social serão criados programas de amparo, entre
mento do seguro-desemprego e não tendo o be- outros:
neficiário adquirido direito a qualquer benefício I – às crianças e adolescentes em situação de ris-
previdenciário, poderá ser requerida a continui- co pessoal e social, em cumprimento ao disposto
dade do pagamento do benefício suspenso, sem no art. 227 da Constituição Federal e na Lei nº 8.069,
necessidade de realização de perícia médica ou de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do
reavaliação da deficiência e do grau de incapaci- Adolescente);
dade para esse fim, respeitado o período de revi- II – às pessoas que vivem em situação de rua.
são previsto no caput do art. 21. (Parágrafo único transformado em § 2º e com redação dada
§ 2º A contratação de pessoa com deficiência co- pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
mo aprendiz não acarreta a suspensão do benefí-
Seção IV – Dos Programas de Assistência Social
cio de prestação continuada, limitado a 2 (dois)
Art. 24. Os programas de assistência social com-
anos o recebimento concomitante da remunera-
preendem ações integradas e complementares
ção e do benefício. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.470,
com objetivos, tempo e área de abrangência defi-
de 31/8/2011)
nidos para qualificar, incentivar e melhorar os be-
Seção II – Dos Benefícios Eventuais nefícios e os serviços assistenciais.
Art. 22. Entendem-se por benefícios eventuais as § 1º Os programas de que trata este artigo se-
provisões suplementares e provisórias que inte- rão definidos pelos respectivos Conselhos de Assis-
gram organicamente as garantias do Suas e são tência Social, obedecidos os objetivos e princípios
102
LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993


que regem esta Lei, com prioridade para a inserção Seção V – Dos Projetos de
profissional e social. Enfrentamento da Pobreza
§ 2º Os programas voltados para o idoso e a in- Art. 25. Os projetos de enfrentamento da pobreza
tegração da pessoa com deficiência serão devida- compreendem a instituição de investimento econô-
mente articulados com o benefício de prestação mico-social nos grupos populares, buscando subsi-
continuada estabelecido no art. 20 desta Lei. (Pará- diar, financeira e tecnicamente, iniciativas que lhes
grafo com redação dada pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) garantam meios, capacidade produtiva e de gestão
Art. 24-A. Fica instituído o Serviço de Proteção e para melhoria das condições gerais de subsistência,
Atendimento Integral à Família (Paif), que integra elevação do padrão da qualidade de vida, a preser-
a proteção social básica e consiste na oferta de vação do meio ambiente e sua organização social.
ações e serviços socioassistenciais de prestação Art. 26. O incentivo a projetos de enfrentamento
continuada, nos Cras, por meio do trabalho so- da pobreza assentar-se-á em mecanismos de arti-
cial com famílias em situação de vulnerabilidade culação e de participação de diferentes áreas go-
social, com o objetivo de prevenir o rompimento vernamentais e em sistema de cooperação entre
dos vínculos familiares e a violência no âmbito de organismos governamentais, não governamentais
suas relações, garantindo o direito à convivência e da sociedade civil.
familiar e comunitária.
Seção VI
Parágrafo único. Regulamento definirá as dire-
(Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
trizes e os procedimentos do Paif. (Artigo acrescido
pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) Art. 26-A. (Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
Art. 24-B. Fica instituído o Serviço de Proteção Art. 26-B. (Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
e Atendimento Especializado a Famílias e Indiví- Art. 26-C. (Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
duos (Paefi), que integra a proteção social especial Art. 26-D. (Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
e consiste no apoio, orientação e acompanhamen-
Art. 26-E. (Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
to a famílias e indivíduos em situação de ameaça
ou violação de direitos, articulando os serviços so- Art. 26-F. (Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
cioassistenciais com as diversas políticas públicas Art. 26-G. (Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
e com órgãos do sistema de garantia de direitos. Art. 26-H. (Vide Lei nº 14.176, de 22/6/2021)
Parágrafo único. Regulamento definirá as dire-
trizes e os procedimentos do Paefi. (Artigo acrescido CAPÍTULO V – DO FINANCIAMENTO
DA ASSISTÊNCIA SOCIAL
pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
Art. 27. Fica o Fundo Nacional de Ação Comunitária
Art. 24-C. Fica instituído o Programa de Erradica-
(Funac), instituído pelo Decreto nº 91.970, de 22 de
ção do Trabalho Infantil (Peti), de caráter interse-
novembro de 1985, ratificado pelo Decreto Legisla-
torial, integrante da Política Nacional de Assistên-
tivo nº 66, de 18 de dezembro de 1990, transforma-
cia Social, que, no âmbito do Suas, compreende
do no Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS).
transferências de renda, trabalho social com fa-
mílias e oferta de serviços socioeducativos para Art. 28. O financiamento dos benefícios, serviços,
crianças e adolescentes que se encontrem em si- programas e projetos estabelecidos nesta Lei far-
tuação de trabalho. -se-á com os recursos da União, dos Estados, do
§ 1º O Peti tem abrangência nacional e será de- Distrito Federal e dos Municípios, das demais con-
senvolvido de forma articulada pelos entes federa- tribuições sociais previstas no art. 195 da Consti-
dos, com a participação da sociedade civil, e tem tuição Federal, além daqueles que compõem o
como objetivo contribuir para a retirada de crianças Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS).
e adolescentes com idade inferior a 16 (dezesseis) § 1º Cabe ao órgão da Administração Pública
anos em situação de trabalho, ressalvada a condi- responsável pela coordenação da Política de As-
ção de aprendiz, a partir de 14 (quatorze) anos. sistência Social nas 3 (três) esferas de governo
§ 2º As crianças e os adolescentes em situação gerir o Fundo de Assistência Social, sob orienta-
de trabalho deverão ser identificados e ter os seus ção e controle dos respectivos Conselhos de As-
dados inseridos no Cadastro Único para Progra- sistência Social. (Parágrafo com redação dada pela Lei
mas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com nº 12.435, de 6/7/2011)
a devida identificação das situações de trabalho § 2º O Poder Executivo disporá, no prazo de 180
infantil. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011) (cento e oitenta) dias a contar da data de publicação
103
desta lei, sobre o regulamento e funcionamento do efetuadas à conta do orçamento da seguridade
Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS). social, conforme o art. 204 da Constituição Federal,
§ 3º O financiamento da assistência social no caracterizam-se como despesa pública com a se-
Suas deve ser efetuado mediante cofinanciamento guridade social, na forma do art. 24 da Lei Comple-
dos 3 (três) entes federados, devendo os recursos mentar nº 101, de 4 de maio de 2000. (Artigo acresci-
alocados nos fundos de assistência social ser vol- do pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
tados à operacionalização, prestação, aprimora-
Art. 30-B. Caberá ao ente federado responsável
mento e viabilização dos serviços, programas, pro-
pela utilização dos recursos do respectivo Fundo de
jetos e benefícios desta política. (Parágrafo acrescido
Assistência Social o controle e o acompanhamento
pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
dos serviços, programas, projetos e benefícios, por
Art. 28-A. (Artigo acrescido pela Medida Provisória meio dos respectivos órgãos de controle, indepen-
nº 2.187-13, de 24/8/2001, e revogado pela Medida Pro-
dentemente de ações do órgão repassador dos re-
visória nº 852, de 21/9/2018, convertida na Lei nº 13.813,
cursos. (Artigo acrescido pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
de 9/4/2019)
Art. 30-C. A utilização dos recursos federais descen-
Art. 29. Os recursos de responsabilidade da União
tralizados para os fundos de assistência social dos
destinados à assistência social serão automatica-
Estados, dos Municípios e do Distrito Federal será
mente repassados ao Fundo Nacional de Assistên-
declarada pelos entes recebedores ao ente trans-
cia Social (FNAS), à medida que se forem realizan-
feridor, anualmente, mediante relatório de gestão
do as receitas.
submetido à apreciação do respectivo Conselho de
Parágrafo único. Os recursos de responsabilidade
da União destinados ao financiamento dos benefí- Assistência Social, que comprove a execução das
cios de prestação continuada, previstos no art. 20, ações na forma de regulamento.
poderão ser repassados pelo Ministério da Previ- Parágrafo único. Os entes transferidores pode-
dência e Assistência Social diretamente ao INSS, ór- rão requisitar informações referentes à aplicação
gão responsável pela sua execução e manutenção. dos recursos oriundos do seu fundo de assistência
(Parágrafo único acrescido pela Lei nº 9.720, de 30/11/1998) social, para fins de análise e acompanhamento de
sua boa e regular utilização. (Artigo acrescido pela Lei
Art. 30. É condição para os repasses, aos Muni-
nº 12.435, de 6/7/2011)
cípios, aos Estados e ao Distrito Federal, dos re-
cursos de que trata esta lei, a efetiva instituição e CAPÍTULO VI – DAS DISPOSIÇÕES
funcionamento de: GERAIS E TRANSITÓRIAS
I – Conselho de Assistência Social, de composi- Art. 31. Cabe ao Ministério Público zelar pelo efe-
ção paritária entre governo e sociedade civil; tivo respeito aos direitos estabelecidos nesta lei.
II – Fundo de Assistência Social, com orientação
Art. 32. O Poder Executivo terá o prazo de 60 (ses-
e controle dos respectivos Conselhos de Assistên-
senta) dias, a partir da publicação desta Lei, obe-
cia Social;
decidas as normas por ela instituídas, para elabo-
III – Plano de Assistência Social.
rar e encaminhar projeto de lei dispondo sobre a
Parágrafo único. É, ainda, condição para transfe-
rência de recursos do FNAS aos Estados, ao Distrito extinção e reordenamento dos órgãos de assistên-
Federal e aos Municípios a comprovação orçamen- cia social do Ministério do Bem-Estar Social.
tária dos recursos próprios destinados à Assistên- § 1º O projeto de que trata este artigo definirá
cia Social, alocados em seus respectivos Fundos formas de transferências de benefícios, serviços,
de Assistência Social, a partir do exercício de 1999. programas, projetos, pessoal, bens móveis e imó-
(Parágrafo único acrescido pela Lei nº 9.720, de 30/11/1998) veis para a esfera municipal.
§ 2º O Ministro de Estado do Bem-Estar Social in-
Art. 30-A. O cofinanciamento dos serviços, progra-
mas, projetos e benefícios eventuais, no que couber, dicará Comissão encarregada de elaborar o proje-
e o aprimoramento da gestão da política de assis- to de lei de que trata este artigo, que contará com
tência social no Suas se efetuam por meio de trans- a participação das organizações dos usuários, de
ferências automáticas entre os fundos de assistên- trabalhadores do setor e de entidades e organiza-
cia social e mediante alocação de recursos próprios ções de assistência social.
nesses fundos nas 3 (três) esferas de governo. Art. 33. Decorrido o prazo de 120 (cento e vinte)
Parágrafo único. As transferências automáticas dias da promulgação desta Lei, fica extinto o Conse-
de recursos entre os fundos de assistência social lho Nacional de Serviço Social (CNSS), revogando-
104
LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993


-se, em consequência, os Decretos-Lei nos 525, de Parágrafo único. No caso de o primeiro paga-
1º de julho de 1938, e 657, de 22 de julho de 1943. mento ser feito após o prazo previsto no caput,
§ 1º O Poder Executivo tomará as providências aplicar-se-á na sua atualização o mesmo critério
necessárias para a instalação do Conselho Nacio- adotado pelo INSS na atualização do primeiro pa-
nal de Assistência Social (CNAS) e a transferência gamento de benefício previdenciário em atraso.
das atividades que passarão à sua competência (Parágrafo único acrescido pela Lei nº 9.720, de 30/11/1998)
dentro do prazo estabelecido no caput, de forma a Art. 38. (Revogado pela Lei nº 12.435, de 6/7/2011)
assegurar não haja solução de continuidade.
Art. 39. O Conselho Nacional de Assistência So-
§ 2º O acervo do órgão de que trata o caput será
cial (CNAS), por decisão da maioria absoluta de
transferido, no prazo de 60 (sessenta) dias, para
seus membros, respeitados o orçamento da segu-
o Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS),
ridade social e a disponibilidade do Fundo Nacio-
que promoverá, mediante critérios e prazos a se-
nal de Assistência Social (FNAS), poderá propor ao
rem fixados, a revisão dos processos de registro e
Poder Executivo a alteração dos limites de renda
certificado de entidade de fins filantrópicos das
mensal per capita definidos no § 3º do art. 20 e
entidades e organização de assistência social, ob-
servado o disposto no art. 3º desta lei. caput do art. 22.

Art. 34. A União continuará exercendo papel su- Art. 40. Com a implantação dos benefícios pre-
pletivo nas ações de assistência social, por ela vistos nos arts. 20 e 22 desta Lei, extinguem-se a
atualmente executadas diretamente no âmbito renda mensal vitalícia, o auxílio-natalidade e o au-
dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, xílio-funeral existentes no âmbito da Previdência
visando à implementação do disposto nesta Lei, Social, conforme o disposto na Lei nº 8.213, de 24
por prazo máximo de 12 (doze) meses, contados de julho de 1991.
a partir da data da publicação desta Lei. § 1º A transferência dos beneficiários do sistema
previdenciário para a assistência social deve ser
Art. 35. Cabe ao órgão da Administração Pública
estabelecida de forma que o atendimento à po-
Federal responsável pela coordenação da Política
pulação não sofra solução de continuidade. (Pa-
Nacional de Assistência Social operar os benefí-
rágrafo único transformado em § 1º pela Lei nº 9.711, de
cios de prestação continuada de que trata esta lei,
20/11/1998)
podendo, para tanto, contar com o concurso de
§ 2º É assegurado ao maior de setenta anos e
outros órgãos do Governo Federal, na forma a ser
estabelecida em regulamento. ao inválido o direito de requerer a renda mensal
Parágrafo único. O regulamento de que trata o vitalícia junto ao INSS até 31 de dezembro de 1995,
caput definirá as formas de comprovação do direi- desde que atenda, alternativamente, aos requisi-
to ao benefício, as condições de sua suspensão, os tos estabelecidos nos incisos I, II ou III do § 1º do
procedimentos em casos de curatela e tutela e o art. 139 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991. (Pa-
órgão de credenciamento, de pagamento e de fis- rágrafo acrescido pela Lei nº 9.711, de 20/11/1998)
calização, dentre outros aspectos. Art. 40-A. Os benefícios monetários decorrentes do
Art. 36. As entidades e organizações de assistên- disposto nos arts. 22, 24-C e 25 desta Lei serão pagos
cia social que incorrerem em irregularidades na preferencialmente à mulher responsável pela uni-
aplicação dos recursos que lhes foram repassados dade familiar, quando cabível. (Artigo acrescido pela
pelos poderes públicos terão a sua vinculação ao Lei nº 13.014, de 21/7/2014, publicada no DOU de 22/7/2014,
Suas cancelada, sem prejuízo de responsabilidade em vigor 90 dias após a data de sua publicação)
civil e penal. (Artigo com redação dada pela Lei nº 12.435, Art. 40-B. Enquanto não estiver regulamentado o
de 6/7/2011) instrumento de avaliação de que tratam os §§ 1º e
Art. 37. O benefício de prestação continuada será 2º do art. 2º da Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015
devido após o cumprimento, pelo requerente, de (Estatuto da Pessoa com Deficiência), a concessão
todos os requisitos legais e regulamentares exi- do benefício de prestação continuada à pessoa
gidos para a sua concessão, inclusive apresenta- com deficiência ficará sujeita à avaliação do grau
ção da documentação necessária, devendo o seu da deficiência e do impedimento de que trata o
pagamento ser efetuado em até quarenta e cinco § 2º do art. 20 desta Lei, composta por avaliação
dias após cumpridas as exigências de que trata médica e avaliação social realizadas, respectiva-
este artigo. (Caput do artigo com redação dada pela Lei mente, pela Perícia Médica Federal e pelo serviço
nº 9.720, de 30/11/1998) social do INSS, com a utilização de instrumentos
105
desenvolvidos especificamente para esse fim. (Ar- I – se o crime é cometido por agente público;
tigo acrescido pela Lei nº 14.176, de 22/6/2021) II – se o crime é cometido contra criança, ges-
Art. 40-C. Os eventuais débitos do beneficiário tante, portador de deficiência, adolescente ou
decorrentes de recebimento irregular do benefício maior de 60 (sessenta) anos; (Inciso com redação da-
de prestação continuada ou do auxílio-inclusão da pela Lei nº 10.741, de 1º/10/2003, publicada no DOU de
poderão ser consignados no valor mensal desses 3/10/2003, em vigor 90 dias após a publicação)
benefícios, nos termos do regulamento. (Artigo III – se o crime é cometido mediante sequestro.
acrescido pela Lei nº 14.176, de 22/6/2021) § 5º A condenação acarretará a perda do cargo,
função ou emprego público e a interdição para seu
Art. 41. Esta lei entra em vigor na data da sua pu-
exercício pelo dobro do prazo da pena aplicada.
blicação.
§ 6º O crime de tortura é inafiançável e insusce-
Art. 42. Revogam-se as disposições em contrário. tível de graça ou anistia.
Brasília, 7 de dezembro de 1993, 172º da § 7º O condenado por crime previsto nesta Lei,
Independência e 105º da República. salvo a hipótese do § 2º, iniciará o cumprimento
ITAMAR FRANCO da pena em regime fechado.
Jutahy Magalhães Júnior
Art. 2º O disposto nesta Lei aplica-se ainda quando
LEI Nº 9.455, DE 7 DE ABRIL DE 1997 o crime não tenha sido cometido em território na-
(LEI DOS CRIMES DE TORTURA) cional, sendo a vítima brasileira ou encontrando-
(Publicada no DOU de 8/4/1997) -se o agente em local sob jurisdição brasileira.
Define os crimes de tortura e dá outras providências. Art. 3º Esta Lei entra em vigor na data de sua pu-
O presidente da República blicação.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu Art. 4º Revoga-se o art. 233 da Lei nº 8.069, de 13
sanciono a seguinte lei: de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Ado-
Art. 1º Constitui crime de tortura: lescente).
I – constranger alguém com emprego de violên- Brasília, 7 de abril de 1997; 176º da
Independência e 109º da República.
cia ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento fí-
sico ou mental: FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Nelson A. Jobim
a) com o fim de obter informação, declaração ou
confissão da vítima ou de terceira pessoa;
LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002
b) para provocar ação ou omissão de natureza (CÓDIGO CIVIL)
criminosa; (Publicada no DOU de 11/1/2002)
c) em razão de discriminação racial ou religiosa;
Institui o Código Civil.
II – submeter alguém, sob sua guarda, poder ou
autoridade, com emprego de violência ou grave O presidente da República
ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental, co- Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
mo forma de aplicar castigo pessoal ou medida de sanciono a seguinte lei:
caráter preventivo: PARTE GERAL
Pena – reclusão, de dois a oito anos.
LIVRO I – DAS PESSOAS
§ 1º Na mesma pena incorre quem submete pes-
TÍTULO I – DAS PESSOAS NATURAIS
soa presa ou sujeita a medida de segurança a sofri-
mento físico ou mental, por intermédio da prática CAPÍTULO I – DA PERSONALIDADE
de ato não previsto em lei ou não resultante de E DA CAPACIDADE
medida legal. [...]
§ 2º Aquele que se omite em face dessas condu- Art. 5º A menoridade cessa aos dezoito anos com-
tas, quando tinha o dever de evitá-las ou apurá-las, pletos, quando a pessoa fica habilitada à prática
incorre na pena de detenção de um a quatro anos. de todos os atos da vida civil.
§ 3º Se resulta lesão corporal de natureza gra- Parágrafo único. Cessará, para os menores, a in-
ve ou gravíssima, a pena é de reclusão de quatro capacidade:
a dez anos; se resulta morte, a reclusão é de oi- I – pela concessão dos pais, ou de um deles na
to a dezesseis anos. falta do outro, mediante instrumento público, in-
§ 4º Aumenta-se a pena de um sexto até um terço: dependentemente de homologação judicial, ou
106
LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002


por sentença do juiz, ouvido o tutor, se o menor dos filhos, e, para possibilitar tal supervisão, qual-
tiver dezesseis anos completos; quer dos genitores sempre será parte legítima pa-
II – pelo casamento; ra solicitar informações e/ou prestação de contas,
III – pelo exercício de emprego público efetivo; objetivas ou subjetivas, em assuntos ou situações
IV – pela colação de grau em curso de ensino que direta ou indiretamente afetem a saúde física
superior; e psicológica e a educação de seus filhos. (Parágrafo
V – pelo estabelecimento civil ou comercial, ou acrescido pela Lei nº 13.058, de 22/12/2014)
pela existência de relação de emprego, desde que,
Art. 1.584. A guarda, unilateral ou compartilhada,
em função deles, o menor com dezesseis anos com-
poderá ser: (Caput do artigo com redação dada pela Lei
pletos tenha economia própria.
nº 11.698, de 13/6/2008, publicada no DOU de 16/6/2008,
[...]
em vigor 60 dias após sua publicação)
LIVRO IV – DO DIREITO DE FAMÍLIA I – requerida, por consenso, pelo pai e pela mãe,
TÍTULO I – DO DIREITO PESSOAL ou por qualquer deles, em ação autônoma de se-
paração, de divórcio, de dissolução de união está-
SUBTÍTULO I – DO CASAMENTO
[...] vel ou em medida cautelar; (Inciso acrescido pela Lei
nº 11.698, de 13/6/2008, publicada no DOU de 16/6/2008,
CAPÍTULO XI – DA PROTEÇÃO em vigor 60 dias após sua publicação)
DA PESSOA DOS FILHOS
II – decretada pelo juiz, em atenção a necessida-
Art. 1.583. A guarda será unilateral ou compartilha- des específicas do filho, ou em razão da distribui-
da. (Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 11.698, ção de tempo necessário ao convívio deste com o
de 13/6/2008, publicada no DOU de 16/6/2008, em vigor pai e com a mãe. (Inciso acrescido pela Lei nº 11.698, de
60 dias após sua publicação)
13/6/2008, publicada no DOU de 16/6/2008, em vigor 60 dias
§ 1º Compreende-se por guarda unilateral a atri- após sua publicação)
buída a um só dos genitores ou a alguém que o
§ 1º Na audiência de conciliação, o juiz informa-
substitua (art. 1.584, § 5º) e, por guarda compar-
rá ao pai e à mãe o significado da guarda comparti-
tilhada a responsabilização conjunta e o exercício
lhada, a sua importância, a similitude de deveres e
de direitos e deveres do pai e da mãe que não vi-
direitos atribuídos aos genitores e as sanções pelo
vam sob o mesmo teto, concernentes ao poder fa-
descumprimento de suas cláusulas. (Parágrafo acres-
miliar dos filhos comuns. (Parágrafo acrescido pela Lei
cido pela Lei nº 11.698, de 13/6/2008, publicada no DOU de
nº 11.698, de 13/6/2008, publicada no DOU de 16/6/2008,
16/6/2008, em vigor 60 dias após sua publicação)
em vigor 60 dias após sua publicação)
§ 2º Quando não houver acordo entre a mãe e
§ 2º Na guarda compartilhada, o tempo de con-
o pai quanto à guarda do filho, encontrando-se
vívio com os filhos deve ser dividido de forma equi-
librada com a mãe e com o pai, sempre tendo em ambos os genitores aptos a exercer o poder fami-
vista as condições fáticas e os interesses dos filhos. liar, será aplicada a guarda compartilhada, salvo
(Parágrafo acrescido pela Lei nº 11.698, de 13/6/2008, e se um dos genitores declarar ao magistrado que
com redação dada pela Lei nº 13.058, de 22/12/2014) não deseja a guarda do menor. (Parágrafo acrescido
I – (Inciso acrescido pela Lei nº 11.698, de 13/6/2008, e pela Lei nº 11.698, de 13/6/2008, e com redação dada pela
revogado pela Lei nº 13.058, de 22/12/2014) Lei nº 13.058, de 22/12/2014)
II – (Inciso acrescido pela Lei nº 11.698, de 13/6/2008, e § 3º Para estabelecer as atribuições do pai e da
revogado pela Lei nº 13.058, de 22/12/2014) mãe e os períodos de convivência sob guarda com-
III – (Inciso acrescido pela Lei nº 11.698, de 13/6/2008, e partilhada, o juiz, de ofício ou a requerimento do
revogado pela Lei nº 13.058, de 22/12/2014) Ministério Público, poderá basear-se em orienta-
§ 3º Na guarda compartilhada, a cidade conside- ção técnico-profissional ou de equipe interdisci-
rada base de moradia dos filhos será aquela que plinar, que deverá visar à divisão equilibrada do
melhor atender aos interesses dos filhos. (Parágrafo tempo com o pai e com a mãe. (Parágrafo acrescido
acrescido pela Lei nº 11.698, de 13/6/2008, e com redação pela Lei nº 11.698, de 13/6/2008, e com redação dada pela
dada pela Lei nº 13.058, de 22/12/2014) Lei nº 13.058, de 22/12/2014)
§ 4º (Vetado na Lei nº 11.698, de 13/6/2008, publicada no § 4º A alteração não autorizada ou o descumpri-
DOU de 16/6/2008, em vigor 60 dias após sua publicação) mento imotivado de cláusula de guarda unilateral
§ 5º A guarda unilateral obriga o pai ou a mãe ou compartilhada poderá implicar a redução de
que não a detenha a supervisionar os interesses prerrogativas atribuídas ao seu detentor. (Parágrafo
107
acrescido pela Lei nº 11.698, de 13/6/2008, e com redação SUBTÍTULO II – DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO
dada pela Lei nº 13.058, de 22/12/2014) [...]
§ 5º Se o juiz verificar que o filho não deve per-
CAPÍTULO IV – DA ADOÇÃO
manecer sob a guarda do pai ou da mãe, deferirá a
Art. 1.618. A adoção de crianças e adolescentes
guarda a pessoa que revele compatibilidade com
será deferida na forma prevista pela Lei nº 8.069,
a natureza da medida, considerados, de preferên-
de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do
cia, o grau de parentesco e as relações de afinidade
Adolescente). (Caput do artigo com redação dada pela
e afetividade. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 11.698,
Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009,
de 13/6/2008, e com redação dada pela Lei nº 13.058, de
em vigor 90 dias após a publicação)
22/12/2014)
Parágrafo único. (Revogado pela Lei nº 12.010, de
§ 6º Qualquer estabelecimento público ou pri- 3/8/2009, publicada no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias
vado é obrigado a prestar informações a qualquer após a publicação)
dos genitores sobre os filhos destes, sob pena de [...]
multa de R$ 200,00 (duzentos reais) a R$ 500,00
CAPÍTULO V – DO PODER FAMILIAR
(quinhentos reais) por dia pelo não atendimento
da solicitação. (Parágrafo acrescido pela Lei nº 13.058, de Seção I – Disposições Gerais
22/12/2014) Art. 1.630. Os filhos estão sujeitos ao poder fami-
Art. 1.585. Em sede de medida cautelar de separa- liar, enquanto menores.
ção de corpos, em sede de medida cautelar de guar- Art. 1.631. Durante o casamento e a união está-
da ou em outra sede de fixação liminar de guarda, a vel, compete o poder familiar aos pais; na falta ou
decisão sobre guarda de filhos, mesmo que provi- impedimento de um deles, o outro o exercerá com
sória, será proferida preferencialmente após a oiti- exclusividade.
va de ambas as partes perante o juiz, salvo se a pro- Parágrafo único. Divergindo os pais quanto ao
teção aos interesses dos filhos exigir a concessão exercício do poder familiar, é assegurado a qualquer
deles recorrer ao juiz para solução do desacordo.
de liminar sem a oitiva da outra parte, aplicando-
-se as disposições do art. 1.584. (Artigo com redação Art. 1.632. A separação judicial, o divórcio e a dis-
dada pela Lei nº 13.058, de 22/12/2014) solução da união estável não alteram as relações
entre pais e filhos senão quanto ao direito, que
Art. 1.586. Havendo motivos graves, poderá o juiz,
aos primeiros cabe, de terem em sua companhia
em qualquer caso, a bem dos filhos, regular de ma-
os segundos.
neira diferente da estabelecida nos artigos antece-
Art. 1.633. O filho, não reconhecido pelo pai, fi-
dentes a situação deles para com os pais.
ca sob poder familiar exclusivo da mãe; se a mãe
Art. 1.587. No caso de invalidade do casamento, não for conhecida ou capaz de exercê-lo, dar-se-á
havendo filhos comuns, observar-se-á o disposto tutor ao menor.
nos arts. 1.584 e 1.586.
Seção II – Do Exercício do Poder Familiar
Art. 1.588. O pai ou a mãe que contrair novas núp-
Art. 1.634. Compete a ambos os pais, qualquer
cias não perde o direito de ter consigo os filhos, que
que seja a sua situação conjugal, o pleno exercício
só lhe poderão ser retirados por mandado judicial,
do poder familiar, que consiste em, quanto aos fi-
provado que não são tratados convenientemente.
lhos: (Caput do artigo com redação dada pela Lei nº 13.058,
Art. 1.589. O pai ou a mãe, em cuja guarda não de 22/12/2014)
estejam os filhos, poderá visitá-los e tê-los em sua I – dirigir-lhes a criação e a educação; (Inciso com
companhia, segundo o que acordar com o outro redação dada pela Lei nº 13.058, de 22/12/2014)
cônjuge, ou for fixado pelo juiz, bem como fiscali- II – exercer a guarda unilateral ou compartilha-
zar sua manutenção e educação. da nos termos do art. 1.584; (Inciso com redação dada
Parágrafo único. O direito de visita estende-se a pela Lei nº 13.058, de 22/12/2014)
qualquer dos avós, a critério do juiz, observados III – conceder-lhes ou negar-lhes consentimento
os interesses da criança ou do adolescente. (Pará- para casarem; (Inciso com redação dada pela Lei nº 13.058,
grafo único acrescido pela Lei nº 12.398, de 28/3/2011) de 22/12/2014)
Art. 1.590. As disposições relativas à guarda e pres- IV – conceder-lhes ou negar-lhes consentimen-
tação de alimentos aos filhos menores estendem- to para viajarem ao exterior; (Inciso acrescido pela Lei
-se aos maiores incapazes. nº 13.058, de 22/12/2014)

108
LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002


V – conceder-lhes ou negar-lhes consentimen- Art. 1.638. Perderá por ato judicial o poder fami-
to para mudarem sua residência permanente pa- liar o pai ou a mãe que:
ra outro Município; (Inciso acrescido pela Lei nº 13.058, I – castigar imoderadamente o filho;
de 22/12/2014) II – deixar o filho em abandono;
VI – nomear-lhes tutor por testamento ou do- III – praticar atos contrários à moral e aos bons
cumento autêntico, se o outro dos pais não lhe costumes;
sobreviver, ou o sobrevivo não puder exercer o IV – incidir, reiteradamente, nas faltas previstas
poder familiar; (Primitivo inciso IV renumerado pela Lei no artigo antecedente;
nº 13.058, de 22/12/2014) V – entregar de forma irregular o filho a terceiros
VII – representá-los judicial e extrajudicialmente para fins de adoção. (Inciso acrescido pela Lei nº 13.509,
até os 16 (dezesseis) anos, nos atos da vida civil, e de 22/11/2017)
assisti-los, após essa idade, nos atos em que forem [...]
partes, suprindo-lhes o consentimento; (Primitivo TÍTULO IV – DA TUTELA, DA CURATELA E
inciso V renumerado e com redação dada pela Lei nº 13.058, DA TOMADA DE DECISÃO APOIADA
de 22/12/2014) (Denominação do título com redação dada pela
Lei nº 13.146, de 6/7/2015, publicada no DOU de
VIII – reclamá-los de quem ilegalmente os de-
7/7/2015, em vigor 180 dias após a publicação)
tenha; (Primitivo inciso VI renumerado pela Lei nº 13.058,
de 22/12/2014) CAPÍTULO I – DA TUTELA
IX – exigir que lhes prestem obediência, respei- Seção I – Dos Tutores
to e os serviços próprios de sua idade e condição. Art. 1.728. Os filhos menores são postos em tu-
(Primitivo inciso VII renumerado pela Lei nº 13.058, de tela:
22/12/2014) I – com o falecimento dos pais, ou sendo estes
Seção III – Da Suspensão e julgados ausentes;
Extinção do Poder Familiar II – em caso de os pais decaírem do poder familiar.
Art. 1.635. Extingue-se o poder familiar: Art. 1.729. O direito de nomear tutor compete aos
I – pela morte dos pais ou do filho; pais, em conjunto.
II – pela emancipação, nos termos do art. 5º, pa- Parágrafo único. A nomeação deve constar de
rágrafo único; testamento ou de qualquer outro documento au-
III – pela maioridade; têntico.
IV – pela adoção; Art. 1.730. É nula a nomeação de tutor pelo pai ou
V – por decisão judicial, na forma do artigo 1.638. pela mãe que, ao tempo de sua morte, não tinha
Art. 1.636. O pai ou a mãe que contrai novas núp- o poder familiar.
cias, ou estabelece união estável, não perde, quan- Art. 1.731. Em falta de tutor nomeado pelos pais
to aos filhos do relacionamento anterior, os direi- incumbe a tutela aos parentes consanguíneos do
tos ao poder familiar, exercendo-os sem qualquer menor, por esta ordem:
interferência do novo cônjuge ou companheiro. I – aos ascendentes, preferindo o de grau mais
Parágrafo único. Igual preceito ao estabelecido próximo ao mais remoto;
neste artigo aplica-se ao pai ou à mãe solteiros II – aos colaterais até o terceiro grau, preferindo
que casarem ou estabelecerem união estável. os mais próximos aos mais remotos, e, no mesmo
Art. 1.637. Se o pai, ou a mãe, abusar de sua au- grau, os mais velhos aos mais moços; em qualquer
toridade, faltando aos deveres a eles inerentes ou dos casos, o juiz escolherá entre eles o mais apto a
arruinando os bens dos filhos, cabe ao juiz, reque- exercer a tutela em benefício do menor.
rendo algum parente, ou o Ministério Público, ado- Art. 1.732. O juiz nomeará tutor idôneo e residen-
tar a medida que lhe pareça reclamada pela segu- te no domicílio do menor:
rança do menor e seus haveres, até suspendendo I – na falta de tutor testamentário ou legítimo;
o poder familiar, quando convenha. II – quando estes forem excluídos ou escusados
Parágrafo único. Suspende-se igualmente o exer- da tutela;
cício do poder familiar ao pai ou à mãe condena- III – quando removidos por não idôneos o tutor
dos por sentença irrecorrível, em virtude de crime legítimo e o testamentário.
cuja pena exceda a dois anos de prisão. Art. 1.733. Aos irmãos órfãos dar-se-á um só tutor.
109
§ 1º No caso de ser nomeado mais de um tutor pública, o Conselho Nacional de Juventude (CNJ),
por disposição testamentária sem indicação de com a finalidade de formular e propor diretrizes
precedência, entende-se que a tutela foi come- da ação governamental voltadas à promoção de
tida ao primeiro, e que os outros lhe sucederão políticas públicas de juventude, fomentar estudos
pela ordem de nomeação, se ocorrer morte, inca- e pesquisas acerca da realidade socioeconômica
pacidade, escusa ou qualquer outro impedimento. juvenil e o intercâmbio entre as organizações ju-
§ 2º Quem institui um menor herdeiro, ou lega- venis nacionais e internacionais.
tário seu, poderá nomear-lhe curador especial pa- § 1º O CNJ terá a seguinte composição:
ra os bens deixados, ainda que o beneficiário se I – 1/3 (um terço) de representantes do Poder
encontre sob o poder familiar, ou tutela. Público;
II – 2/3 (dois terços) de representantes da so-
Art. 1.734. As crianças e os adolescentes cujos
ciedade civil.
pais forem desconhecidos, falecidos ou que tive-
§ 2º (Vetado)
rem sido suspensos ou destituídos do poder fa-
§ 3º Ato do Poder Executivo disporá sobre a com-
miliar terão tutores nomeados pelo Juiz ou serão
posição a que se refere o § 1º deste artigo e sobre
incluídos em programa de colocação familiar, na
o funcionamento do CNJ.
forma prevista pela Lei nº 8.069, de 13 de julho de
[...]
1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). (Artigo
Art. 11. À Secretaria Nacional de Juventude, cria-
com redação dada pela Lei nº 12.010, de 3/8/2009, publica-
da na forma da lei, compete, dentre outras atri-
da no DOU de 4/8/2009, em vigor 90 dias após a publicação)
buições, articular todos os programas e projetos
[...]
destinados, em âmbito federal, aos jovens na faixa
LIVRO COMPLEMENTAR – DAS etária entre 15 (quinze) e 29 (vinte e nove) anos,
DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS ressalvado o disposto na Lei nº 8.069, de 13 de ju-
[...] lho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).
Art. 2.044. Este Código entrará em vigor 1 (um) Parágrafo único. Fica assegurada a participação
ano após a sua publicação. da Secretaria de que trata o caput deste artigo no
[...] controle e no acompanhamento das ações previs-
Art. 2.046. Todas as remissões, em diplomas le- tas nos arts. 13 a 18 desta Lei.
gislativos, aos Códigos referidos no artigo antece- Art. 12. Ficam criados, no âmbito do Poder Executi-
dente, consideram-se feitas às disposições corres- vo Federal, para atender às necessidades da Secre-
pondentes deste Código. taria-Geral da Presidência da República, 25 (vinte
Brasília, 10 de janeiro de 2002; 181º da
e cinco) cargos em comissão do Grupo-Direção e
Independência e 114º da República. Assessoramento Superiores (DAS), sendo 1 (um)
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
DAS-6, 1 (um) DAS-5, 11 (onze) DAS-4, 4 (quatro)
Aloysio Nunes Ferreira Filho DAS-3, 4 (quatro) DAS-2 e 4 (quatro) DAS-1.
Art. 13. Fica instituída a Residência em Área Pro-
LEI Nº 11.129, DE 30 DE JUNHO DE 2005 fissional da Saúde, definida como modalidade de
(LEI DO PROJOVEM) ensino de pós-graduação lato sensu, voltada para
(Publicada no DOU de 1º/7/2005) (Vide
a educação em serviço e destinada às categorias
Lei nº 11.692, de 10/6/2008)
profissionais que integram a área de saúde, exce-
Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Projo- tuada a médica.
vem); cria o Conselho Nacional da Juventude (CNJ) e a Secre-
§ 1º A Residência a que se refere o caput deste ar-
taria Nacional de Juventude; altera as Leis nos 10.683, de 28
de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras
tigo constitui-se em um programa de cooperação
providências. intersetorial para favorecer a inserção qualificada
dos jovens profissionais da saúde no mercado de
O presidente da República
trabalho, particularmente em áreas prioritárias do
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
Sistema Único de Saúde.
sanciono a seguinte lei:
§ 2º A Residência a que se refere o caput deste
Arts. 1º a 8º (Revogados pela Lei nº 11.692, de 10/6/2008, artigo será desenvolvida em regime de dedicação
a partir de 1º/1/2008) exclusiva e realizada sob supervisão docente-assis-
Art. 9º Fica criado, no âmbito da estrutura organi- tencial, de responsabilidade conjunta dos setores
zacional da Secretaria-Geral da Presidência da Re- da educação e da saúde.
110
LEI Nº 11.577, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007


Art. 14. Fica criada, no âmbito do Ministério da Edu- da a isonomia com as modalidades congêneres
cação, a Comissão Nacional de Residência Multipro- dos programas de residência médica, permitida a
fissional em Saúde (CNRMS), cuja organização e majoração desses valores em virtude da aplicação
funcionamento serão disciplinados em ato conjun- dos mesmos critérios definidos no § 1º deste artigo.
to dos Ministros de Estado da Educação e da Saúde. § 3º Os atos de fixação dos valores e quantita-
Art. 15. É instituído o Programa de Bolsas para a tivos das bolsas de que trata o caput deste artigo
Educação pelo Trabalho, destinado aos estudan- serão instruídos com demonstrativo de compatibi-
tes de educação superior, prioritariamente com lidade ao disposto no art. 16 da Lei Complementar
idade inferior a 29 (vinte e nove) anos, e aos tra- nº 101, de 4 de maio de 2000.
balhadores da área da saúde, visando à vivência, § 4º As bolsas relativas à modalidade referida
ao estágio da área da saúde, à educação profis- no inciso VI terão seus valores fixados pelo Minis-
tério da Saúde, respeitados os níveis de escolari-
sional técnica de nível médio, ao aperfeiçoamen-
dade mínima requerida. (Parágrafo acrescido pela Lei
to e à especialização em área profissional, como
nº 12.513, de 26/10/2011)
estratégias para o provimento e a fixação de pro-
fissionais em programas, projetos, ações e ativida- Art. 17. As despesas com a execução do Programa
des e em regiões prioritárias para o Sistema Úni- de Bolsas para a Educação pelo Trabalho correrão
co de Saúde. (Caput do artigo com redação dada pela Lei à conta das dotações orçamentárias consignadas
nº 12.513, de 26/10/2011) anualmente, a título de ações ou serviços públicos
§ 1º O Programa de Bolsas de que trata o caput de saúde, no orçamento do Ministério da Saúde,
deste artigo poderá ser estendido aos militares observados os limites de movimentação, empe-
convocados à prestação do Serviço Militar, de acor- nho e de pagamento da programação orçamentá-
do com a Lei nº 5.292, de 8 de junho de 1967. ria e financeira anual.
§ 2º As bolsas a que se refere o caput deste ar- Art. 18. O Ministério da Saúde expedirá normas
tigo ficarão sob a responsabilidade técnico-admi- complementares pertinentes ao Programa de Bol-
nistrativa do Ministério da Saúde, sendo concedi- sas para a Educação pelo Trabalho.
das mediante seleção pública promovida pelas [...]
instituições responsáveis pelos processos forma- Art. 20. Os auxílios financeiros previstos nesta
tivos, com ampla divulgação. Lei, independentemente do nome jurídico adota-
Art. 16. As bolsas objeto do Programa instituído do, não implicam caracterização de qualquer vín-
pelo art. 15 desta Lei serão concedidas nas seguin- culo trabalhista.
tes modalidades: Art. 21. Esta Lei entra em vigor na data de sua pu-
I – Iniciação ao Trabalho; blicação.
II – Residente; Brasília, 30 de junho de 2005; 184º da
III – Preceptor; Independência e 117º da República.
IV – Tutor; LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
V – Orientador de Serviço; e (Inciso com redação Márcio Thomaz Bastos
dada pela Lei nº 12.513, de 26/10/2011) Paulo Bernardo Silva
Tarso Genro
VI – Trabalhador-Estudante. (Inciso acrescido pela Humberto Sérgio Costa Lima
Lei nº 12.513, de 26/10/2011) Luiz Soares Dulci
§ 1º As bolsas relativas às modalidades referi-
das nos incisos I e II do caput deste artigo terão, LEI Nº 11.577, DE 22 DE
respectivamente, valores isonômicos aos pratica- NOVEMBRO DE 2007
dos para a iniciação científica no Conselho Nacio- (Publicada no DOU de 23/11/2007)

nal de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Torna obrigatória a divulgação pelos meios que especifica de
(CNPq) e para a residência médica, permitida a mensagem relativa à exploração sexual e tráfico de crianças
e adolescentes apontando formas para efetuar denúncias.
majoração desses valores de acordo com critérios
técnicos relativos à dificuldade de acesso e loco- O presidente da República
moção ou provimento e fixação dos profissionais. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
§ 2º As bolsas relativas às modalidades referidas sanciono a seguinte lei:
nos incisos III a V do caput deste artigo terão seus Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a obrigatoriedade de
valores fixados pelo Ministério da Saúde, guarda- divulgação de mensagem relativa à exploração
111
sexual e tráfico de crianças e adolescentes indi- Art. 4º (Vetado)
cando como proceder à denúncia. Art. 5º Esta Lei entra em vigor no prazo de 30 (trin-
Art. 2º É obrigatória a afixação de letreiro, nos ter- ta) dias contados de sua publicação.
mos dispostos nesta Lei, nos seguintes estabele- Brasília, 22 de novembro de 2007; 186º da
cimentos: Independência e 119º da República.
I – hotéis, motéis, pousadas e outros que pres- LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
tem serviços de hospedagem; Tarso Genro
II – bares, restaurantes, lanchonetes e similares; José Antonio Dias Toffoli

III – casas noturnas de qualquer natureza;


IV – clubes sociais e associações recreativas ou LEI Nº 11.692, DE 10 DE JUNHO DE 2008
(NOVA LEI DO PROJOVEM)
desportivas cujo quadro de associados seja de li-
(Publicada no DOU de 11/6/2008)
vre acesso ou que promovam eventos com entra-
da paga; Dispõe sobre o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Pro-
jovem), instituído pela Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005;
V – salões de beleza, agências de modelos, ca-
altera a Lei nº 10.836, de 9 de janeiro de 2004; revoga disposi-
sas de massagem, saunas, academias de fisicul-
tivos das Leis nos 9.608, de 18 de fevereiro de 1998, 10.748, de
turismo, dança, ginástica e atividades físicas cor- 22 de outubro de 2003, 10.940, de 27 de agosto de 2004, 11.129,
relatas; de 30 de junho de 2005, e 11.180, de 23 de setembro de 2005; e
VI – outros estabelecimentos comerciais que, dá outras providências.
mesmo sem fins lucrativos, ofereçam serviços, me-
O presidente da República
diante pagamento, voltados ao mercado ou ao cul-
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
to da estética pessoal;
sanciono a seguinte lei:
VII – postos de gasolina e demais locais de aces-
so público que se localizem junto às rodovias. Art. 1º O Programa Nacional de Inclusão de Jo-
§ 1º O letreiro de que trata o caput deste artigo vens (Projovem), instituído pela Lei nº 11.129, de
deverá: 30 de junho de 2005, passa a reger-se, a partir de 1º
I – ser afixado em local que permita sua obser- de janeiro de 2008, pelo disposto nesta Lei.
vação desimpedida pelos usuários do respectivo Art. 2º O Projovem, destinado a jovens de 15 (quin-
estabelecimento; ze) a 29 (vinte e nove) anos, com o objetivo de pro-
II – conter versões idênticas aos dizeres nas lín- mover sua reintegração ao processo educacional,
guas portuguesa, inglesa e espanhola; sua qualificação profissional e seu desenvolvi-
III – informar os números telefônicos por meio dos mento humano, será desenvolvido por meio das
quais qualquer pessoa, sem necessidade de iden- seguintes modalidades:
tificação, poderá fazer denúncias acerca das práti- I – Projovem Adolescente – Serviço Socioedu-
cas consideradas crimes pela legislação brasileira; cativo;
IV – estar apresentado com caracteres de tama- II – Projovem Urbano;
nho que permita a leitura à distância. III – Projovem Campo – Saberes da Terra; e
§ 2º O texto contido no letreiro será “EXPLORA- IV – Projovem Trabalhador.
ÇÃO SEXUAL E TRÁFICO DE CRIANÇAS E ADOLES- Art. 3º A execução e a gestão do Projovem dar-
CENTES SÃO CRIMES: DENUNCIE JÁ!”. -se-ão por meio da conjugação de esforços da Se-
§ 3º O poder público, por meio do serviço pú- cretaria-Geral da Presidência da República e dos
blico competente, poderá fornecer aos estabele- Ministérios da Educação, do Trabalho e Emprego
cimentos o material de que trata este artigo. e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome,
Art. 3º Os materiais de propaganda e informação tu- observada a intersetorialidade, sem prejuízo da
rística publicados ou exibidos por qualquer via ele- participação de outros órgãos e entidades da ad-
trônica, inclusive internet, deverão conter menção, ministração pública federal.
nos termos que explicitará o Ministério da Justiça, § 1º Fica instituído o Conselho Gestor do Pro-
aos crimes tipificados no Título VI da Parte Especial jovem, coordenado pela Secretaria Nacional de
do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 Juventude da Secretaria-Geral da Presidência da
(Código Penal), sobretudo àqueles cometidos con- República e composto pelos Secretários-Executivos
tra crianças e adolescentes. dos Ministérios referidos no caput deste artigo e por
112
LEI Nº 11.692, DE 10 DE JUNHO DE 2008


1 (um) Secretário Nacional representante de cada § 5º A modalidade de que trata o inciso I do caput
um desses Ministérios, a ser indicado pelo respec- do art. 2º desta Lei será ofertada pelo Município
tivo Ministro de Estado. que a ela aderir, nos termos do regulamento, e co-
§ 2º O Projovem Adolescente – Serviço Socioe- financiada pela União, Estados, Distrito Federal e
ducativo será coordenado pelo Ministério do De- Municípios por intermédio dos respectivos Fundos
senvolvimento Social e Combate à Fome; o Projo- de Assistência Social, respeitado o limite orçamen-
vem Urbano, pela Secretaria-Geral da Presidência tário da União e os critérios de partilha estabeleci-
da República; o Projovem Campo – Saberes da Ter- dos pelo Conselho Nacional de Assistência Social,
ra, pelo Ministério da Educação; e o Projovem Tra- de acordo com o inciso IX do caput do art. 18 da Lei
balhador, pelo Ministério do Trabalho e Emprego. nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993.
§ 3º Cada modalidade do Projovem contará com § 6º Os saldos dos recursos financeiros recebi-
1 (um) comitê gestor, a ser instituído pelo órgão dos pelos órgãos e entidades da administração
responsável por sua coordenação, assegurada ne- pública federal, estadual, municipal e do Distrito
le a participação de representantes dos 3 (três) ou- Federal à conta do Projovem, existentes na conta-
tros órgãos a que se refere o caput deste artigo. -corrente específica a que se refere o caput deste
artigo em 31 de dezembro de cada ano deverão ser
Art. 4º Para a execução das modalidades trata-
aplicados no exercício subsequente, com estrita
das no art. 2º desta Lei, a União fica autorizada a
observância ao objeto de sua transferência, nos
transferir recursos aos Estados, ao Distrito Federal
termos da legislação vigente.
e aos Municípios, sem a necessidade de convênio,
acordo, contrato, ajuste ou instrumento congêne- Art. 5º Os Estados, o Distrito Federal, os Municí-
re, mediante depósito em conta-corrente especí- pios e as entidades de direito público e privado
fica, sem prejuízo da devida prestação de contas sem fins lucrativos prestarão conta dos recursos
da aplicação dos recursos. recebidos do Projovem, na forma e prazo defini-
§ 1º O montante dos recursos financeiros a que dos em regulamento e nas demais disposições
aplicáveis.
se refere esta Lei será repassado em parcelas e cal-
culado com base no número de jovens atendidos, Art. 6º Fica a União autorizada a conceder auxílio fi-
conforme disposto em regulamentação, e destina- nanceiro, no valor de R$ 100,00 (cem reais) mensais,
-se à promoção de ações de elevação da escolari- aos beneficiários do Projovem, nas modalidades
dade e qualificação profissional dos jovens, bem previstas nos incisos II, III e IV do caput do art. 2º
como à contratação, remuneração e formação de desta Lei, a partir do exercício de 2008.
profissionais. § 1º Na modalidade Projovem Urbano, poderão
§ 2º Os profissionais de que trata o § 1º deste ser pagos até 20 (vinte) auxílios financeiros.
artigo deverão ser contratados em âmbito local. § 2º Na modalidade Projovem Campo – Saberes
§ 3º Os órgãos responsáveis pela coordenação da Terra, poderão ser pagos até 12 (doze) auxílios
das modalidades do Projovem definirão, a cada financeiros.
exercício financeiro, a forma de cálculo, o núme- § 3º Na modalidade Projovem Trabalhador, po-
ro e o valor das parcelas a serem repassadas aos derão ser pagos até 6 (seis) auxílios financeiros.
Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, bem § 4º É vedada a cumulatividade da percepção
como as orientações e instruções necessárias à do auxílio financeiro a que se refere o caput deste
sua execução, observado o montante de recursos artigo com benefícios de natureza semelhante re-
disponíveis para este fim, constante da Lei Orça- cebidos em decorrência de outros programas fe-
mentária Anual. derais, permitida a opção por um deles.
§ 4º Nas modalidades previstas nos incisos II e III
Art. 7º O órgão responsável pelas modalidades
do caput do art. 2º desta Lei, a transferência de re-
do Projovem definirá o agente pagador entre uma
cursos financeiros será executada pelo Fundo Na-
instituição financeira oficial.
cional de Desenvolvimento da Educação (FNDE),
vinculado ao Ministério da Educação, observada Art. 8º As despesas com a execução do Projovem
a necessária descentralização dos recursos orça- observarão os limites de movimentação, de empe-
mentários pelos órgãos de que trata o caput do nho e de pagamento da programação orçamentá-
art. 3º desta Lei. ria e financeira anual.
113
Parágrafo único. O Poder Executivo deverá com- Art. 13. Poderão ser realizadas parcerias com o
patibilizar a quantidade de beneficiários de cada Ministério da Justiça e com a Secretaria Especial
modalidade do Projovem com as dotações orça- dos Direitos Humanos da Presidência da Repúbli-
mentárias existentes. ca para implantação do Projovem Urbano nas uni-
Art. 9º O Projovem Adolescente – Serviço Socioe- dades prisionais e nas unidades socioeducativas
ducativo, compreendido entre os serviços de que de privação de liberdade, respectivamente.
trata o art. 23 da Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de § 1º O disposto no art. 4º desta Lei não será apli-
cado no caso das parcerias citadas no caput des-
1993, tem como objetivos:
te artigo, podendo ser realizado convênio, acordo,
I – complementar a proteção social básica à fa-
contrato, ajuste ou instrumento congênere.
mília, criando mecanismos para garantir a convi-
§ 2º No caso das unidades socioeducativas de
vência familiar e comunitária; e
privação de liberdade, poderão participar do Pro-
II – criar condições para a inserção, reinserção
jovem Urbano adolescentes em cumprimento de
e permanência do jovem no sistema educacional.
medidas socioeducativas de privação de liberda-
Art. 10. O Projovem Adolescente – Serviço Socioe- de que tenham idade mínima de 15 (quinze) anos.
ducativo destina-se aos jovens de 15 (quinze) a § 3º É assegurada aos jovens que iniciaram o
17 (dezessete) anos: Projovem Urbano nas unidades do sistema prisio-
I – pertencentes a família beneficiária do Progra- nal ou nas unidades socioeducativas de privação
ma Bolsa Família (PBF); de liberdade a continuidade do curso nas locali-
II – egressos de medida socioeducativa de inter- dades onde existir o Programa.
nação ou em cumprimento de outras medidas so- Art. 14. O Projovem Campo – Saberes da Terra
cioeducativas em meio aberto, conforme disposto tem como objetivo elevar a escolaridade dos jo-
na Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da vens da agricultura familiar, integrando a qualifi-
Criança e do Adolescente); cação social e formação profissional, na forma do
III – em cumprimento ou egressos de medida de art. 81 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996,
proteção, conforme disposto na Lei nº 8.069, de 13 estimulando a conclusão do ensino fundamental e
de julho de 1990; proporcionando a formação integral do jovem, na
IV – egressos do Programa de Erradicação do modalidade educação de jovens e adultos, em re-
Trabalho Infantil (Peti); ou gime de alternância, nos termos do regulamento.
V – egressos ou vinculados a programas de com-
Art. 15. O Projovem Campo – Saberes da Terra
bate ao abuso e à exploração sexual.
atenderá a jovens com idade entre 18 (dezoito) e
Parágrafo único. Os jovens a que se referem os 29 (vinte e nove) anos, residentes no campo, que
incisos II a V do caput deste artigo devem ser en- saibam ler e escrever, que não tenham concluído
caminhados ao Projovem Adolescente – Serviço o ensino fundamental e que cumpram os requisi-
Socioeducativo pelos programas e serviços espe- tos previstos no art. 3º da Lei nº 11.326, de 24 de
cializados de assistência social do Município ou do julho de 2006.
Distrito Federal ou pelo gestor de assistência so-
Art. 16. O Projovem Trabalhador tem como obje-
cial, quando demandado oficialmente pelo Con-
tivo preparar o jovem para o mercado de trabalho
selho Tutelar, pela Defensoria Pública, pelo Minis-
e ocupações alternativas geradoras de renda, por
tério Público ou pelo Poder Judiciário. meio da qualificação social e profissional e do es-
Art. 11. O Projovem Urbano tem como objetivo tímulo à sua inserção.
elevar a escolaridade visando à conclusão do en- Art. 17. O Projovem Trabalhador atenderá a jo-
sino fundamental, à qualificação profissional e ao vens com idade entre 18 (dezoito) e 29 (vinte e
desenvolvimento de ações comunitárias com exer- nove) anos, em situação de desemprego e que se-
cício da cidadania, na forma de curso, conforme jam membros de famílias com renda mensal per
previsto no art. 81 da Lei nº 9.394, de 20 de dezem- capita de até 1 (um) salário mínimo, nos termos
bro de 1996. do regulamento.
Art. 12. O Projovem Urbano atenderá a jovens Art. 18. Nas unidades da Federação e nos Municí-
com idade entre 18 (dezoito) e 29 (vinte e nove) pios onde existirem programas similares e congê-
anos, que saibam ler e escrever e não tenham con- neres ao previsto no Projovem Trabalhador, o Mi-
cluído o ensino fundamental. nistério do Trabalho e Emprego buscará promover
114
LEI Nº 12.010, DE 3 DE AGOSTO DE 2009


a articulação e a integração das ações dos respec- bem como o cumprimento dos seus deveres, nos
tivos Programas. termos dos convênios, acordos ou instrumentos
Art. 19. Na execução do Projovem Trabalhador, o congêneres firmados até 31 de dezembro de 2007.
Ministério do Trabalho e Emprego fica autorizado, Art. 24. Ficam revogados, a partir de 1º de janei-
mediante convênio, a efetuar transferências de ro de 2008:
contribuições corrente e de capital aos órgãos e I – o art. 3º-A da Lei nº 9.608, de 18 de fevereiro
entidades da administração pública federal, esta- de 1998;
dual e municipal, bem como a entidades de direito II – a Lei nº 10.748, de 22 de outubro de 2003;
público e privado sem fins lucrativos, observada a III – os arts. 1º, 2º e 3º da Lei nº 10.940, de 27 de
legislação pertinente. agosto de 2004;
§ 1º O regulamento disporá sobre critérios ob- IV – os arts. 1º a 8º da Lei nº 11.129, de 30 de ju-
jetivos de habilitação e seleção de entidades pri- nho de 2005; e
vadas sem fins lucrativos para serem executoras V – os arts. 1º a 10 da Lei nº 11.180, de 23 de se-
do Projovem. tembro de 2005.
§ 2º A habilitação e seleção das entidades refe- Brasília, 10 de junho de 2008; 187º da
ridas no § 1º deste artigo serão processadas em Independência e 120º da República.
estrita conformidade com os princípios básicos LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
da legalidade, da impessoalidade, da moralida- Tarso Genro
Guido Mantega
de, da igualdade, da publicidade e do julgamento Fernando Haddad
objetivo. André Peixoto Figueiredo Lima
[...] Paulo Bernardo Silva
Patrus Ananias
Art. 21. Ato do Poder Executivo disporá sobre as Dilma Rousseff
demais regras de funcionamento de cada moda- Luiz Soares Dulci
lidade do Projovem, inclusive no que se refere ao
estabelecimento de metas, à avaliação, ao moni- LEI Nº 12.010, DE 3 DE AGOSTO DE 2009
toramento e ao controle social, e sobre os critérios (LEI NACIONAL DE ADOÇÃO)
(Publicada no DOU de 4/8/2009 e
adicionais a serem observados para o ingresso no
retificada no DOU de 2/9/2009)
Programa, bem como para a concessão, a manu-
Dispõe sobre adoção; altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho
tenção e a suspensão do auxílio a que se refere o
de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), 8.560, de
art. 6º desta Lei.
29 de dezembro de 1992; revoga dispositivos da Lei nº 10.406,
§ 1º Cumpridos os requisitos estabelecidos nes- de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), e da Consolidação das
ta Lei e na sua regulamentação, ficam asseguradas Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de
aos jovens com deficiência as condições que lhes 1º de maio de 1943; e dá outras providências.
possibilitem a efetiva participação no Projovem. O presidente da República
§ 2º Nos currículos dos cursos oferecidos nas Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
modalidades de que trata o art. 2º desta Lei deve- sanciono a seguinte lei:
rão ser incluídas noções básicas de comunicação
Art. 1º Esta Lei dispõe sobre o aperfeiçoamento da
oral e escrita em língua portuguesa, de matemá-
sistemática prevista para garantia do direito à con-
tica, de informática, de cidadania e de língua es-
vivência familiar a todas as crianças e adolescen-
trangeira.
tes, na forma prevista pela Lei nº 8.069, de 13 de ju-
Art. 22. O Poder Executivo deverá veicular dados lho de 1990, Estatuto da Criança e do Adolescente.
e informações detalhados sobre a execução orça- § 1º A intervenção estatal, em observância ao
mentária e financeira dos Programas Projovem e disposto no caput do art. 226 da Constituição Fe-
Bolsa Família, tratados nesta Lei. deral, será prioritariamente voltada à orientação,
Art. 23. Esta Lei entra em vigor na data de sua pu- apoio e promoção social da família natural, junto à
blicação. qual a criança e o adolescente devem permanecer,
Parágrafo único. Aos beneficiários e executores ressalvada absoluta impossibilidade, demonstra-
dos Programas disciplinados nas Leis nos 10.748, da por decisão judicial fundamentada.
de 22 de outubro de 2003, 11.129, de 30 de junho de § 2º Na impossibilidade de permanência na fa-
2005, e 11.180, de 23 de setembro de 2005, ficam as- mília natural, a criança e o adolescente serão co-
segurados, no âmbito do Projovem, os seus direitos, locados sob adoção, tutela ou guarda, observadas
115
as regras e princípios contidos na Lei nº 8.069, de Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes De-
13 de julho de 1990, e na Constituição Federal. saparecidos, a qual conterá as características físi-
[...] cas e dados pessoais de crianças e adolescentes
Art. 3º A expressão “pátrio poder” contida nos cujo desaparecimento tenha sido registrado em
arts. 21, 23, 24, no parágrafo único do art. 36, no órgão de segurança pública federal ou estadual.
§ 1º do art. 45, no art. 49, no inciso X do caput Art. 3º Nos termos de convênio a ser firmado en-
do art. 129, nas alíneas b e d do parágrafo único do tre a União e os Estados e o Distrito Federal, serão
art. 148, nos arts. 155, 157, 163, 166, 169, no inci- definidos:
so III do caput do art. 201 e no art. 249, todos da I – a forma de acesso às informações constantes
Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, bem como na da base de dados;
Seção II do Capítulo III do Título VI da Parte Espe- II – o processo de atualização e de validação dos
cial do mesmo Diploma Legal, fica substituída pela dados inseridos na base de dados.
expressão “poder familiar”. Art. 4º Os custos relativos ao desenvolvimento,
[...] instalação e manutenção da base de dados serão
Art. 6º As pessoas e casais já inscritos nos cadas- suportados por recursos do Fundo Nacional de Se-
tros de adoção ficam obrigados a frequentar, no gurança Pública.
prazo máximo de 1 (um) ano, contado da entra- Art. 5º Esta Lei entra em vigor na data de sua pu-
da em vigor desta Lei, a preparação psicossocial
blicação.
e jurídica a que se referem os §§ 3º e 4º do art. 50
Brasília, 17 de dezembro de 2009; 188º da
da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, acrescidos
Independência e 121º da República.
pelo art. 2º desta Lei, sob pena de cassação de sua
JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA
inscrição no cadastro. Tarso Genro
Art. 7º Esta Lei entra em vigor 90 (noventa) dias
após a sua publicação. LEI Nº 12.318, DE 26 DE AGOSTO DE 2010
Art. 8º Revogam-se o § 4º do art. 51 e os incisos IV, (LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL)
(Publicada no DOU de 27/8/2010 e
V e VI do caput do art. 198 da Lei nº 8.069, de 13
retificada no DOU de 31/8/2010)
de julho de 1990, bem como o parágrafo único do
art. 1.618, o inciso III do caput do art. 10 e os arts. Dispõe sobre a alienação parental e altera o art. 236 da Lei
nº 8.069, de 13 de julho de 1990.
1.620 a 1.629 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de
2002 (Código Civil), e os §§ 1º a 3º do art. 392-A da O presidente da República
Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. sanciono a seguinte lei:
Brasília, 3 de agosto de 2009; 188º da Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a alienação parental.
Independência e 121º da República.
Art. 2º Considera-se ato de alienação parental a
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA interferência na formação psicológica da criança
Tarso Genro
Celso Luiz Nunes Amorim
ou do adolescente promovida ou induzida por um
dos genitores, pelos avós ou pelos que tenham a
LEI Nº 12.127, DE 17 DE criança ou adolescente sob a sua autoridade, guar-
DEZEMBRO DE 2009 da ou vigilância para que repudie genitor ou que
(Publicada no DOU de 18/12/2009) cause prejuízo ao estabelecimento ou à manuten-
Cria o Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Desa-
ção de vínculos com este.
parecidos. Parágrafo único. São formas exemplificativas de
alienação parental, além dos atos assim declarados
O vice-presidente da República, no exercício do
pelo juiz ou constatados por perícia, praticados di-
cargo de presidente da República
retamente ou com auxílio de terceiros:
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
I – realizar campanha de desqualificação da con-
sanciono a seguinte lei:
duta do genitor no exercício da paternidade ou ma-
Art. 1º Fica criado o Cadastro Nacional de Crian- ternidade;
ças e Adolescentes Desaparecidos. II – dificultar o exercício da autoridade parental;
Art. 2º A União manterá, no âmbito do órgão com- III – dificultar contato de criança ou adolescente
petente do Poder Executivo, a base de dados do com genitor;
116
LEI Nº 12.318, DE 26 DE AGOSTO DE 2010


IV – dificultar o exercício do direito regulamen- § 2º A perícia será realizada por profissional ou
tado de convivência familiar; equipe multidisciplinar habilitados, exigido, em
V – omitir deliberadamente a genitor informa- qualquer caso, aptidão comprovada por histórico
ções pessoais relevantes sobre a criança ou ado- profissional ou acadêmico para diagnosticar atos
lescente, inclusive escolares, médicas e alterações de alienação parental.
de endereço; § 3º O perito ou equipe multidisciplinar desig-
VI – apresentar falsa denúncia contra genitor, nada para verificar a ocorrência de alienação pa-
contra familiares deste ou contra avós, para obs- rental terá prazo de 90 (noventa) dias para apre-
tar ou dificultar a convivência deles com a criança sentação do laudo, prorrogável exclusivamente
ou adolescente;
por autorização judicial baseada em justificativa
VII – mudar o domicílio para local distante, sem
circunstanciada.
justificativa, visando a dificultar a convivência da
criança ou adolescente com o outro genitor, com Art. 6º Caracterizados atos típicos de alienação
familiares deste ou com avós. parental ou qualquer conduta que dificulte a con-
vivência de criança ou adolescente com genitor,
Art. 3º A prática de ato de alienação parental fere
direito fundamental da criança ou do adolescente em ação autônoma ou incidental, o juiz poderá,
de convivência familiar saudável, prejudica a rea- cumulativamente ou não, sem prejuízo da decor-
lização de afeto nas relações com genitor e com rente responsabilidade civil ou criminal e da am-
o grupo familiar, constitui abuso moral contra a pla utilização de instrumentos processuais aptos
criança ou o adolescente e descumprimento dos a inibir ou atenuar seus efeitos, segundo a gravi-
deveres inerentes à autoridade parental ou decor- dade do caso:
rentes de tutela ou guarda. I – declarar a ocorrência de alienação parental
Art. 4º Declarado indício de ato de alienação pa- e advertir o alienador;
rental, a requerimento ou de ofício, em qualquer II – ampliar o regime de convivência familiar em
momento processual, em ação autônoma ou inci- favor do genitor alienado;
dentalmente, o processo terá tramitação prioritá- III – estipular multa ao alienador;
ria, e o juiz determinará, com urgência, ouvido o IV – determinar acompanhamento psicológico
Ministério Público, as medidas provisórias neces- e/ou biopsicossocial;
sárias para preservação da integridade psicológica V – determinar a alteração da guarda para guar-
da criança ou do adolescente, inclusive para asse- da compartilhada ou sua inversão;
gurar sua convivência com genitor ou viabilizar a VI – determinar a fixação cautelar do domicílio
efetiva reaproximação entre ambos, se for o caso. da criança ou adolescente;
Parágrafo único. Assegurar-se-á à criança ou VII – declarar a suspensão da autoridade parental.
adolescente e ao genitor garantia mínima de vi- Parágrafo único. Caracterizado mudança abusi-
sitação assistida, ressalvados os casos em que há va de endereço, inviabilização ou obstrução à con-
iminente risco de prejuízo à integridade física ou vivência familiar, o juiz também poderá inverter a
psicológica da criança ou do adolescente, atesta- obrigação de levar para ou retirar a criança ou ado-
do por profissional eventualmente designado pelo lescente da residência do genitor, por ocasião das
juiz para acompanhamento das visitas. alternâncias dos períodos de convivência familiar.
Art. 5º Havendo indício da prática de ato de alie- Art. 7º A atribuição ou alteração da guarda dar-se-
nação parental, em ação autônoma ou incidental, -á por preferência ao genitor que viabiliza a efetiva
o juiz, se necessário, determinará perícia psicoló- convivência da criança ou adolescente com o outro
gica ou biopsicossocial. genitor nas hipóteses em que seja inviável a guar-
§ 1º O laudo pericial terá base em ampla avalia- da compartilhada.
ção psicológica ou biopsicossocial, conforme o ca- Art. 8º A alteração de domicílio da criança ou ado-
so, compreendendo, inclusive, entrevista pessoal lescente é irrelevante para a determinação da com-
com as partes, exame de documentos dos autos,
petência relacionada às ações fundadas em direi-
histórico do relacionamento do casal e da separa-
to de convivência familiar, salvo se decorrente de
ção, cronologia de incidentes, avaliação da perso-
consenso entre os genitores ou de decisão judicial.
nalidade dos envolvidos e exame da forma como
a criança ou adolescente se manifesta acerca de Art. 9º (Vetado)
eventual acusação contra genitor. Art. 10. (Vetado)
117
Art. 11. Esta Lei entra em vigor na data de sua pu- tro máximo de privação de liberdade ou restrição
blicação. de direitos, observados os limites previstos em lei.
Brasília, 26 de agosto de 2010; 189º da § 3º Entendem-se por programa de atendimen-
Independência e 122º da República. to a organização e o funcionamento, por unida-
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA de, das condições necessárias para o cumprimen-
Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto to das medidas socioeducativas.
Paulo de Tarso Vannuchi § 4º Entende-se por unidade a base física ne-
José Gomes Temporão
cessária para a organização e o funcionamento
de programa de atendimento.
LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012
(Publicada no DOU de 19/1/2012 e § 5º Entendem-se por entidade de atendimento
retificada no DOU de 20/1/2012) a pessoa jurídica de direito público ou privado que
Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo
instala e mantém a unidade e os recursos huma-
(Sinase), regulamenta a execução das medidas socioeduca- nos e materiais necessários ao desenvolvimento
tivas destinadas a adolescente que pratique ato infracional; de programas de atendimento.
e altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da
Art. 2º O Sinase será coordenado pela União e in-
Criança e do Adolescente); 7.560, de 19 de dezembro de 1986,
tegrado pelos sistemas estaduais, distrital e muni-
7.998, de 11 de janeiro de 1990, 5.537, de 21 de novembro de
1968, 8.315, de 23 de dezembro de 1991, 8.706, de 14 de se- cipais responsáveis pela implementação dos seus
tembro de 1993, os Decretos-Leis nos 4.048, de 22 de janeiro respectivos programas de atendimento a adoles-
de 1942, 8.621, de 10 de janeiro de 1946, e a Consolidação das cente ao qual seja aplicada medida socioeducati-
Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de va, com liberdade de organização e funcionamen-
1º de maio de 1943. to, respeitados os termos desta Lei.
A presidenta da República
CAPÍTULO II – DAS COMPETÊNCIAS
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
Art. 3º Compete à União:
sanciono a seguinte lei:
I – formular e coordenar a execução da política
TÍTULO I – DO SISTEMA NACIONAL DE nacional de atendimento socioeducativo;
ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO (SINASE) II – elaborar o Plano Nacional de Atendimento
CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS Socioeducativo, em parceria com os Estados, o
Art. 1º Esta Lei institui o Sistema Nacional de Aten- Distrito Federal e os Municípios;
III – prestar assistência técnica e suplementa-
dimento Socioeducativo (Sinase) e regulamenta a
ção financeira aos Estados, ao Distrito Federal e
execução das medidas destinadas a adolescente
aos Municípios para o desenvolvimento de seus
que pratique ato infracional.
sistemas;
§ 1º Entende-se por Sinase o conjunto ordena-
IV – instituir e manter o Sistema Nacional de
do de princípios, regras e critérios que envolvem a
Informações sobre o Atendimento Socioeduca-
execução de medidas socioeducativas, incluindo-
tivo, seu funcionamento, entidades, programas,
-se nele, por adesão, os sistemas estaduais, dis-
incluindo dados relativos a financiamento e po-
trital e municipais, bem como todos os planos,
políticas e programas específicos de atendimen- pulação atendida;
to a adolescente em conflito com a lei. V – contribuir para a qualificação e ação em re-
§ 2º Entendem-se por medidas socioeducativas de dos Sistemas de Atendimento Socioeducativo;
as previstas no art. 112 da Lei nº 8.069, de 13 de ju- VI – estabelecer diretrizes sobre a organização
lho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), e funcionamento das unidades e programas de
as quais têm por objetivos: atendimento e as normas de referência destina-
I – a responsabilização do adolescente quanto das ao cumprimento das medidas socioeducativas
às consequências lesivas do ato infracional, sem- de internação e semiliberdade;
pre que possível incentivando a sua reparação; VII – instituir e manter processo de avaliação dos
II – a integração social do adolescente e a garan- Sistemas de Atendimento Socioeducativo, seus
tia de seus direitos individuais e sociais, por meio planos, entidades e programas;
do cumprimento de seu plano individual de aten- VIII – financiar, com os demais entes federados,
dimento; e a execução de programas e serviços do Sinase; e
III – a desaprovação da conduta infracional, efe- IX – garantir a publicidade de informações sobre
tivando as disposições da sentença como parâme- repasses de recursos aos gestores estaduais, dis-
118
LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012


trital e municipais, para financiamento de progra- vas e de controle do Sistema Estadual de Atendi-
mas de atendimento socioeducativo. mento Socioeducativo, nos termos previstos no in-
§ 1º São vedados à União o desenvolvimento e ciso II do art. 88 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de
a oferta de programas próprios de atendimento. 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), bem
§ 2º Ao Conselho Nacional dos Direitos da Crian- como outras definidas na legislação estadual ou
ça e do Adolescente (Conanda) competem as fun- distrital.
ções normativa, deliberativa, de avaliação e de § 2º O Plano de que trata o inciso II do caput des-
fiscalização do Sinase, nos termos previstos na te artigo será submetido à deliberação do Conselho
Lei nº 8.242, de 12 de outubro de 1991, que cria o Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente.
referido Conselho. § 3º Competem ao órgão a ser designado no Pla-
§ 3º O Plano de que trata o inciso II do caput des- no de que trata o inciso II do caput deste artigo as
te artigo será submetido à deliberação do Conanda. funções executiva e de gestão do Sistema Estadual
§ 4º À Secretaria de Direitos Humanos da Presi- de Atendimento Socioeducativo.
dência da República (SDH/PR) competem as fun- Art. 5º Compete aos Municípios:
ções executiva e de gestão do Sinase. I – formular, instituir, coordenar e manter o Sis-
Art. 4º Compete aos Estados: tema Municipal de Atendimento Socioeducativo,
I – formular, instituir, coordenar e manter Siste- respeitadas as diretrizes fixadas pela União e pelo
ma Estadual de Atendimento Socioeducativo, res- respectivo Estado;
peitadas as diretrizes fixadas pela União; II – elaborar o Plano Municipal de Atendimento
II – elaborar o Plano Estadual de Atendimento Socioeducativo, em conformidade com o Plano
Socioeducativo em conformidade com o Plano Nacional e o respectivo Plano Estadual;
Nacional; III – criar e manter programas de atendimento
III – criar, desenvolver e manter programas para para a execução das medidas socioeducativas em
a execução das medidas socioeducativas de semi- meio aberto;
liberdade e internação; IV – editar normas complementares para a orga-
IV – editar normas complementares para a orga- nização e funcionamento dos programas do seu
nização e funcionamento do seu sistema de aten- Sistema de Atendimento Socioeducativo;
dimento e dos sistemas municipais; V – cadastrar-se no Sistema Nacional de Infor-
V – estabelecer com os Municípios formas de co- mações sobre o Atendimento Socioeducativo e
laboração para o atendimento socioeducativo em fornecer regularmente os dados necessários ao
meio aberto; povoamento e à atualização do Sistema; e
VI – prestar assessoria técnica e suplementação VI – cofinanciar, conjuntamente com os demais
financeira aos Municípios para a oferta regular de entes federados, a execução de programas e ações
programas de meio aberto; destinados ao atendimento inicial de adolescente
VII – garantir o pleno funcionamento do plantão apreendido para apuração de ato infracional, bem
interinstitucional, nos termos previstos no inciso V como aqueles destinados a adolescente a quem foi
do art. 88 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 aplicada medida socioeducativa em meio aberto.
(Estatuto da Criança e do Adolescente); § 1º Para garantir a oferta de programa de aten-
VIII – garantir defesa técnica do adolescente a dimento socioeducativo de meio aberto, os Muni-
quem se atribua prática de ato infracional; cípios podem instituir os consórcios dos quais tra-
IX – cadastrar-se no Sistema Nacional de Infor- ta a Lei nº 11.107, de 6 de abril de 2005, que dispõe
mações sobre o Atendimento Socioeducativo e sobre normas gerais de contratação de consórcios
fornecer regularmente os dados necessários ao públicos e dá outras providências, ou qualquer ou-
povoamento e à atualização do Sistema; e tro instrumento jurídico adequado, como forma
X – cofinanciar, com os demais entes federados, de compartilhar responsabilidades.
a execução de programas e ações destinados ao § 2º Ao Conselho Municipal dos Direitos da Crian-
atendimento inicial de adolescente apreendido ça e do Adolescente competem as funções delibe-
para apuração de ato infracional, bem como aque- rativas e de controle do Sistema Municipal de Aten-
les destinados a adolescente a quem foi aplicada dimento Socioeducativo, nos termos previstos no
medida socioeducativa privativa de liberdade. inciso II do art. 88 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de
§ 1º Ao Conselho Estadual dos Direitos da Criança 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), bem
e do Adolescente competem as funções deliberati- como outras definidas na legislação municipal.
119
§ 3º O Plano de que trata o inciso II do caput des- Art. 11. Além da especificação do regime, são re-
te artigo será submetido à deliberação do Conselho quisitos obrigatórios para a inscrição de programa
Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. de atendimento:
§ 4º Competem ao órgão a ser designado no Pla- I – a exposição das linhas gerais dos métodos
no de que trata o inciso II do caput deste artigo as e técnicas pedagógicas, com a especificação das
funções executiva e de gestão do Sistema Municipal atividades de natureza coletiva;
de Atendimento Socioeducativo. II – a indicação da estrutura material, dos recur-
Art. 6º Ao Distrito Federal cabem, cumulativamen- sos humanos e das estratégias de segurança compa-
tíveis com as necessidades da respectiva unidade;
te, as competências dos Estados e dos Municípios.
III – regimento interno que regule o funcionamen-
CAPÍTULO III – DOS PLANOS DE to da entidade, no qual deverá constar, no mínimo:
ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO a) o detalhamento das atribuições e responsabi-
Art. 7º O Plano de que trata o inciso II do art. 3º lidades do dirigente, de seus prepostos, dos mem-
desta Lei deverá incluir um diagnóstico da situação bros da equipe técnica e dos demais educadores;
do Sinase, as diretrizes, os objetivos, as metas, as b) a previsão das condições do exercício da dis-
prioridades e as formas de financiamento e gestão ciplina e concessão de benefícios e o respectivo
das ações de atendimento para os 10 (dez) anos se- procedimento de aplicação; e
guintes, em sintonia com os princípios elencados c) a previsão da concessão de benefícios extraor-
na Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da dinários e enaltecimento, tendo em vista tornar pú-
Criança e do Adolescente). blico o reconhecimento ao adolescente pelo esfor-
§ 1º As normas nacionais de referência para o ço realizado na consecução dos objetivos do plano
atendimento socioeducativo devem constituir ane- individual;
xo ao Plano de que trata o inciso II do art. 3º desta Lei. IV – a política de formação dos recursos humanos;
§ 2º Os Estados, o Distrito Federal e os Muni- V – a previsão das ações de acompanhamento
cípios deverão, com base no Plano Nacional de do adolescente após o cumprimento de medida
Atendimento Socioeducativo, elaborar seus pla- socioeducativa;
nos decenais correspondentes, em até 360 (tre- VI – a indicação da equipe técnica, cuja quan-
zentos e sessenta) dias a partir da aprovação do tidade e formação devem estar em conformida-
Plano Nacional. de com as normas de referência do sistema e dos
Art. 8º Os Planos de Atendimento Socioeducativo conselhos profissionais e com o atendimento so-
deverão, obrigatoriamente, prever ações articula- cioeducativo a ser realizado; e
das nas áreas de educação, saúde, assistência so- VII – a adesão ao Sistema de Informações so-
cial, cultura, capacitação para o trabalho e esporte, bre o Atendimento Socioeducativo, bem como sua
para os adolescentes atendidos, em conformidade operação efetiva.
com os princípios elencados na Lei nº 8.069, de 13 de Parágrafo único. O não cumprimento do previsto
julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). neste artigo sujeita as entidades de atendimento,
Parágrafo único. Os Poderes Legislativos federal, os órgãos gestores, seus dirigentes ou prepostos à
estaduais, distrital e municipais, por meio de suas aplicação das medidas previstas no art. 97 da Lei
comissões temáticas pertinentes, acompanharão nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança
a execução dos Planos de Atendimento Socioedu- e do Adolescente).
cativo dos respectivos entes federados. Art. 12. A composição da equipe técnica do pro-
grama de atendimento deverá ser interdisciplinar,
CAPÍTULO IV – DOS PROGRAMAS DE ATENDIMENTO
compreendendo, no mínimo, profissionais das
Seção I – Disposições Gerais áreas de saúde, educação e assistência social, de
Art. 9º Os Estados e o Distrito Federal inscreve- acordo com as normas de referência.
rão seus programas de atendimento e alterações § 1º Outros profissionais podem ser acrescenta-
no Conselho Estadual ou Distrital dos Direitos da dos às equipes para atender necessidades especí-
Criança e do Adolescente, conforme o caso. ficas do programa.
Art. 10. Os Municípios inscreverão seus progra- § 2º Regimento interno deve discriminar as atri-
mas e alterações, bem como as entidades de aten- buições de cada profissional, sendo proibida a
dimento executoras, no Conselho Municipal dos sobreposição dessas atribuições na entidade de
Direitos da Criança e do Adolescente. atendimento.
120
LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012


§ 3º O não cumprimento do previsto neste arti- I – a comprovação da existência de estabeleci-


go sujeita as entidades de atendimento, seus diri- mento educacional com instalações adequadas e
gentes ou prepostos à aplicação das medidas pre- em conformidade com as normas de referência;
vistas no art. 97 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de II – a previsão do processo e dos requisitos para
1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). a escolha do dirigente;
Seção II – Dos Programas de Meio Aberto III – a apresentação das atividades de natureza
coletiva;
Art. 13. Compete à direção do programa de pres-
IV – a definição das estratégias para a gestão de
tação de serviços à comunidade ou de liberdade
conflitos, vedada a previsão de isolamento cau-
assistida:
telar, exceto nos casos previstos no § 2º do art. 49
I – selecionar e credenciar orientadores, desig-
desta Lei; e
nando-os, caso a caso, para acompanhar e avaliar V – a previsão de regime disciplinar nos termos
o cumprimento da medida; do art. 72 desta Lei.
II – receber o adolescente e seus pais ou respon-
Art. 16. A estrutura física da unidade deverá ser
sável e orientá-los sobre a finalidade da medida e
compatível com as normas de referência do Sinase.
a organização e funcionamento do programa;
§ 1º É vedada a edificação de unidades socioe-
III – encaminhar o adolescente para o orienta-
ducacionais em espaços contíguos, anexos, ou de
dor credenciado;
qualquer outra forma integrados a estabelecimen-
IV – supervisionar o desenvolvimento da medi-
tos penais.
da; e
§ 2º A direção da unidade adotará, em caráter
V – avaliar, com o orientador, a evolução do cum-
excepcional, medidas para proteção do interno
primento da medida e, se necessário, propor à au-
em casos de risco à sua integridade física, à sua
toridade judiciária sua substituição, suspensão ou
vida, ou à de outrem, comunicando, de imediato,
extinção.
seu defensor e o Ministério Público.
Parágrafo único. O rol de orientadores creden-
Art. 17. Para o exercício da função de dirigente
ciados deverá ser comunicado, semestralmente, à
de programa de atendimento em regime de semi-
autoridade judiciária e ao Ministério Público.
liberdade ou de internação, além dos requisitos
Art. 14. Incumbe ainda à direção do programa de específicos previstos no respectivo programa de
medida de prestação de serviços à comunidade se- atendimento, é necessário:
lecionar e credenciar entidades assistenciais, hos- I – formação de nível superior compatível com
pitais, escolas ou outros estabelecimentos con- a natureza da função;
gêneres, bem como os programas comunitários II – comprovada experiência no trabalho com
ou governamentais, de acordo com o perfil do so- adolescentes de, no mínimo, 2 (dois) anos; e
cioeducando e o ambiente no qual a medida será III – reputação ilibada.
cumprida.
CAPÍTULO V – DA AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO
Parágrafo único. Se o Ministério Público impug-
DA GESTÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO
nar o credenciamento, ou a autoridade judiciá-
Art. 18. A União, em articulação com os Estados,
ria considerá-lo inadequado, instaurará inciden-
o Distrito Federal e os Municípios, realizará ava-
te de impugnação, com a aplicação subsidiária
liações periódicas da implementação dos Planos
do procedimento de apuração de irregularidade
de Atendimento Socioeducativo em intervalos não
em entidade de atendimento regulamentado na
superiores a 3 (três) anos.
Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da
§ 1º O objetivo da avaliação é verificar o cum-
Criança e do Adolescente), devendo citar o dirigen-
primento das metas estabelecidas e elaborar re-
te do programa e a direção da entidade ou órgão
comendações aos gestores e operadores dos Sis-
credenciado.
temas.
Seção III – Dos Programas de § 2º O processo de avaliação deverá contar com
Privação da Liberdade a participação de representantes do Poder Judi-
Art. 15. São requisitos específicos para a inscri- ciário, do Ministério Público, da Defensoria Pública
ção de programas de regime de semiliberdade ou e dos Conselhos Tutelares, na forma a ser definida
internação: em regulamento.
121
§ 3º A primeira avaliação do Plano Nacional de V – o caráter público de todos os procedimen-
Atendimento Socioeducativo realizar-se-á no ter- tos, dados e resultados dos processos avaliativos.
ceiro ano de vigência desta Lei, cabendo ao Po- Art. 21. A avaliação será coordenada por uma co-
der Legislativo federal acompanhar o trabalho por missão permanente e realizada por comissões tem-
meio de suas comissões temáticas pertinentes. porárias, essas compostas, no mínimo, por 3 (três)
Art. 19. É instituído o Sistema Nacional de Avalia- especialistas com reconhecida atuação na área te-
ção e Acompanhamento do Atendimento Socioe- mática e definidas na forma do regulamento.
ducativo, com os seguintes objetivos: Parágrafo único. É vedado à comissão perma-
I – contribuir para a organização da rede de aten- nente designar avaliadores:
dimento socioeducativo; I – que sejam titulares ou servidores dos órgãos
II – assegurar conhecimento rigoroso sobre as gestores avaliados ou funcionários das entidades
ações do atendimento socioeducativo e seus re- avaliadas;
sultados; II – que tenham relação de parentesco até o 3º
III – promover a melhora da qualidade da gestão grau com titulares ou servidores dos órgãos ges-
e do atendimento socioeducativo; e tores avaliados e/ou funcionários das entidades
IV – disponibilizar informações sobre o atendi- avaliadas; e
III – que estejam respondendo a processos cri-
mento socioeducativo.
minais.
§ 1º A avaliação abrangerá, no mínimo, a gestão,
as entidades de atendimento, os programas e os re- Art. 22. A avaliação da gestão terá por objetivo:
sultados da execução das medidas socioeducativas. I – verificar se o planejamento orçamentário e
§ 2º Ao final da avaliação, será elaborado rela- sua execução se processam de forma compatível
tório contendo histórico e diagnóstico da situação, com as necessidades do respectivo Sistema de
as recomendações e os prazos para que essas se- Atendimento Socioeducativo;
jam cumpridas, além de outros elementos a serem II – verificar a manutenção do fluxo financeiro,
definidos em regulamento. considerando as necessidades operacionais do
atendimento socioeducativo, as normas de refe-
§ 3º O relatório da avaliação deverá ser encami-
rência e as condições previstas nos instrumentos
nhado aos respectivos Conselhos de Direitos, Con-
jurídicos celebrados entre os órgãos gestores e as
selhos Tutelares e ao Ministério Público.
entidades de atendimento;
§ 4º Os gestores e entidades têm o dever de co-
III – verificar a implementação de todos os de-
laborar com o processo de avaliação, facilitando
mais compromissos assumidos por ocasião da ce-
o acesso às suas instalações, à documentação e
lebração dos instrumentos jurídicos relativos ao
a todos os elementos necessários ao seu efetivo
atendimento socioeducativo; e
cumprimento.
IV – a articulação interinstitucional e interseto-
§ 5º O acompanhamento tem por objetivo verifi-
rial das políticas.
car o cumprimento das metas dos Planos de Aten-
Art. 23. A avaliação das entidades terá por objeti-
dimento Socioeducativo.
vo identificar o perfil e o impacto de sua atuação,
Art. 20. O Sistema Nacional de Avaliação e Acom- por meio de suas atividades, programas e projetos,
panhamento da Gestão do Atendimento Socioedu- considerando as diferentes dimensões institucio-
cativo assegurará, na metodologia a ser empregada: nais e, entre elas, obrigatoriamente, as seguintes:
I – a realização da autoavaliação dos gestores e I – o plano de desenvolvimento institucional;
das instituições de atendimento; II – a responsabilidade social, considerada espe-
II – a avaliação institucional externa, contem- cialmente sua contribuição para a inclusão social
plando a análise global e integrada das instala- e o desenvolvimento socioeconômico do adoles-
ções físicas, relações institucionais, compromisso cente e de sua família;
social, atividades e finalidades das instituições de III – a comunicação e o intercâmbio com a so-
atendimento e seus programas; ciedade;
III – o respeito à identidade e à diversidade de IV – as políticas de pessoal quanto à qualifica-
entidades e programas; ção, aperfeiçoamento, desenvolvimento profissio-
IV – a participação do corpo de funcionários das nal e condições de trabalho;
entidades de atendimento e dos Conselhos Tute- V – a adequação da infraestrutura física às nor-
lares da área de atuação da entidade avaliada; e mas de referência;
122
LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012


VI – o planejamento e a autoavaliação quanto mento Socioeducativo serão utilizadas para sub-


aos processos, resultados, eficiência e eficácia do sidiar a avaliação, o acompanhamento, a gestão e
projeto pedagógico e da proposta socioeducativa; o financiamento dos Sistemas Nacional, Distrital,
VII – as políticas de atendimento para os adoles- Estaduais e Municipais de Atendimento Socioedu-
centes e suas famílias; cativo.
VIII – a atenção integral à saúde dos adolescen-
tes em conformidade com as diretrizes do art. 60 CAPÍTULO VI – DA RESPONSABILIZAÇÃO
DOS GESTORES, OPERADORES E
desta Lei; e
ENTIDADES DE ATENDIMENTO
IX – a sustentabilidade financeira.
Art. 28. No caso do desrespeito, mesmo que par-
Art. 24. A avaliação dos programas terá por objeti-
vo verificar, no mínimo, o atendimento ao que de- cial, ou do não cumprimento integral às diretrizes
terminam os arts. 94, 100, 117, 119, 120, 123 e 124 e determinações desta Lei, em todas as esferas,
da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da são sujeitos:
Criança e do Adolescente). I – gestores, operadores e seus prepostos e en-
Art. 25. A avaliação dos resultados da execução tidades governamentais às medidas previstas no
de medida socioeducativa terá por objetivo, no inciso I e no § 1º do art. 97 da Lei nº 8.069, de 13
mínimo: de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Ado-
I – verificar a situação do adolescente após cum- lescente); e
primento da medida socioeducativa, tomando por II – entidades não governamentais, seus gestores,
base suas perspectivas educacionais, sociais, pro- operadores e prepostos às medidas previstas no in-
fissionais e familiares; e ciso II e no § 1º do art. 97 da Lei nº 8.069, de 13 de ju-
II – verificar reincidência de prática de ato infra- lho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).
cional. Parágrafo único. A aplicação das medidas pre-
Art. 26. Os resultados da avaliação serão utiliza- vistas neste artigo dar-se-á a partir da análise de
dos para: relatório circunstanciado elaborado após as ava-
I – planejamento de metas e eleição de priorida- liações, sem prejuízo do que determinam os arts.
des do Sistema de Atendimento Socioeducativo e 191 a 197, 225 a 227, 230 a 236, 243 e 245 a 247
seu financiamento; da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da
II – reestruturação e/ou ampliação da rede de Criança e do Adolescente).
atendimento socioeducativo, de acordo com as
Art. 29. Àqueles que, mesmo não sendo agentes
necessidades diagnosticadas;
públicos, induzam ou concorram, sob qualquer
III – adequação dos objetivos e da natureza do
forma, direta ou indireta, para o não cumprimen-
atendimento socioeducativo prestado pelas enti-
dades avaliadas; to desta Lei, aplicam-se, no que couber, as penali-
IV – celebração de instrumentos de cooperação dades dispostas na Lei nº 8.429, de 2 de junho de
com vistas à correção de problemas diagnostica- 1992, que dispõe sobre as sanções aplicáveis aos
dos na avaliação; agentes públicos nos casos de enriquecimento ilí-
V – reforço de financiamento para fortalecer a cito no exercício de mandato, cargo, emprego ou
rede de atendimento socioeducativo; função na administração pública direta, indireta
VI – melhorar e ampliar a capacitação dos ope- ou fundacional e dá outras providências (Lei de
radores do Sistema de Atendimento Socioeduca- Improbidade Administrativa).
tivo; e
CAPÍTULO VII – DO FINANCIAMENTO
VII – os efeitos do art. 95 da Lei nº 8.069, de 13
E DAS PRIORIDADES
de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Ado-
lescente). Art. 30. O Sinase será cofinanciado com recursos
Parágrafo único. As recomendações originadas dos orçamentos fiscal e da seguridade social, além
da avaliação deverão indicar prazo para seu cum- de outras fontes.
primento por parte das entidades de atendimento § 1º (Vetado)
e dos gestores avaliados, ao fim do qual estarão § 2º Os entes federados que tenham instituído
sujeitos às medidas previstas no art. 28 desta Lei. seus sistemas de atendimento socioeducativo te-
Art. 27. As informações produzidas a partir do rão acesso aos recursos na forma de transferência
Sistema Nacional de Informações sobre Atendi- adotada pelos órgãos integrantes do Sinase.
123
§ 3º Os entes federados beneficiados com recur- de, classe social, orientação religiosa, política ou
sos dos orçamentos dos órgãos responsáveis pe- sexual, ou associação ou pertencimento a qual-
las políticas integrantes do Sinase, ou de outras quer minoria ou status; e
fontes, estão sujeitos às normas e procedimentos IX – fortalecimento dos vínculos familiares e co-
de monitoramento estabelecidos pelas instâncias munitários no processo socioeducativo.
dos órgãos das políticas setoriais envolvidas, sem CAPÍTULO II – DOS PROCEDIMENTOS
prejuízo do disposto nos incisos IX e X do art. 4º,
Art. 36. A competência para jurisdicionar a exe-
nos incisos V e VI do art. 5º e no art. 6º desta Lei.
cução das medidas socioeducativas segue o deter-
Art. 31. Os Conselhos de Direitos, nas 3 (três) es- minado pelo art. 146 da Lei nº 8.069, de 13 de julho
feras de governo, definirão, anualmente, o per- de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).
centual de recursos dos Fundos dos Direitos da
Art. 37. A defesa e o Ministério Público intervirão,
Criança e do Adolescente a serem aplicados no
sob pena de nulidade, no procedimento judicial
financiamento das ações previstas nesta Lei, em
de execução de medida socioeducativa, assegura-
especial para capacitação, sistemas de informa-
das aos seus membros as prerrogativas previstas
ção e de avaliação.
na Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da
Parágrafo único. Os entes federados benefi-
Criança e do Adolescente), podendo requerer as
ciados com recursos do Fundo dos Direitos da
providências necessárias para adequar a execução
Criança e do Adolescente para ações de atendi-
aos ditames legais e regulamentares.
mento socioeducativo prestarão informações
Art. 38. As medidas de proteção, de advertência e
sobre o desempenho dessas ações por meio do
de reparação do dano, quando aplicadas de forma
Sistema de Informações sobre Atendimento So-
isolada, serão executadas nos próprios autos do
cioeducativo.
processo de conhecimento, respeitado o disposto
[...]
nos arts. 143 e 144 da Lei nº 8.069, de 13 de julho
TÍTULO II – DA EXECUÇÃO DAS de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).
MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS Art. 39. Para aplicação das medidas socioeduca-
CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS tivas de prestação de serviços à comunidade, li-
Art. 35. A execução das medidas socioeducativas berdade assistida, semiliberdade ou internação,
reger-se-á pelos seguintes princípios: será constituído processo de execução para cada
I – legalidade, não podendo o adolescente rece- adolescente, respeitado o disposto nos arts. 143 e
144 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatu-
ber tratamento mais gravoso do que o conferido
to da Criança e do Adolescente), e com autuação
ao adulto;
das seguintes peças:
II – excepcionalidade da intervenção judicial e
I – documentos de caráter pessoal do adoles-
da imposição de medidas, favorecendo-se meios
cente existentes no processo de conhecimento, es-
de autocomposição de conflitos;
pecialmente os que comprovem sua idade; e
III – prioridade a práticas ou medidas que sejam
II – as indicadas pela autoridade judiciária, sem-
restaurativas e, sempre que possível, atendam às pre que houver necessidade e, obrigatoriamente:
necessidades das vítimas; a) cópia da representação;
IV – proporcionalidade em relação à ofensa co- b) cópia da certidão de antecedentes;
metida; c) cópia da sentença ou acórdão; e
V – brevidade da medida em resposta ao ato d) cópia de estudos técnicos realizados durante
cometido, em especial o respeito ao que dispõe a fase de conhecimento.
o art. 122 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 Parágrafo único. Procedimento idêntico será
(Estatuto da Criança e do Adolescente); observado na hipótese de medida aplicada em
VI – individualização, considerando-se a idade, sede de remissão, como forma de suspensão do
capacidades e circunstâncias pessoais do adoles- processo.
cente; Art. 40. Autuadas as peças, a autoridade judiciá-
VII – mínima intervenção, restrita ao necessário ria encaminhará, imediatamente, cópia integral
para a realização dos objetivos da medida; do expediente ao órgão gestor do atendimento
VIII – não discriminação do adolescente, nota- socioeducativo, solicitando designação do pro-
damente em razão de etnia, gênero, nacionalida- grama ou da unidade de cumprimento da medida.
124
LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012


Art. 41. A autoridade judiciária dará vistas da pro- aberto ou de privação da liberdade e do respec-
posta de plano individual de que trata o art. 53 tivo plano individual pode ser solicitada a qual-
desta Lei ao defensor e ao Ministério Público pelo quer tempo, a pedido da direção do programa de
prazo sucessivo de 3 (três) dias, contados do rece- atendimento, do defensor, do Ministério Público,
bimento da proposta encaminhada pela direção do adolescente, de seus pais ou responsável.
do programa de atendimento. § 1º Justifica o pedido de reavaliação, entre ou-
§ 1º O defensor e o Ministério Público poderão tros motivos:
requerer, e o Juiz da Execução poderá determinar, I – o desempenho adequado do adolescente
de ofício, a realização de qualquer avaliação ou com base no seu plano de atendimento individual,
perícia que entenderem necessárias para comple- antes do prazo da reavaliação obrigatória;
mentação do plano individual. II – a inadaptação do adolescente ao programa
§ 2º A impugnação ou complementação do pla- e o reiterado descumprimento das atividades do
no individual, requerida pelo defensor ou pelo Mi- plano individual; e
nistério Público, deverá ser fundamentada, poden- III – a necessidade de modificação das ativida-
do a autoridade judiciária indeferi-la, se entender des do plano individual que importem em maior
insuficiente a motivação. restrição da liberdade do adolescente.
§ 3º Admitida a impugnação, ou se entender que § 2º A autoridade judiciária poderá indeferir o
o plano é inadequado, a autoridade judiciária de- pedido, de pronto, se entender insuficiente a mo-
signará, se necessário, audiência da qual cientifi- tivação.
cará o defensor, o Ministério Público, a direção do § 3º Admitido o processamento do pedido, a
programa de atendimento, o adolescente e seus autoridade judiciária, se necessário, designará au-
pais ou responsável. diência, observando o princípio do § 1º do art. 42
§ 4º A impugnação não suspenderá a execução desta Lei.
do plano individual, salvo determinação judicial § 4º A substituição por medida mais gravosa so-
em contrário. mente ocorrerá em situações excepcionais, após
o devido processo legal, inclusive na hipótese do
§ 5º Findo o prazo sem impugnação, considerar-
inciso III do art. 122 da Lei nº 8.069, de 13 de julho
-se-á o plano individual homologado.
de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), e
Art. 42. As medidas socioeducativas de liberdade deve ser:
assistida, de semiliberdade e de internação deve- I – fundamentada em parecer técnico;
rão ser reavaliadas no máximo a cada 6 (seis) me- II – precedida de prévia audiência, e nos termos
ses, podendo a autoridade judiciária, se necessário, do § 1º do art. 42 desta Lei.
designar audiência, no prazo máximo de 10 (dez) Art. 44. Na hipótese de substituição da medida
dias, cientificando o defensor, o Ministério Público, ou modificação das atividades do plano individual,
a direção do programa de atendimento, o adoles- a autoridade judiciária remeterá o inteiro teor da
cente e seus pais ou responsável. decisão à direção do programa de atendimento,
§ 1º A audiência será instruída com o relatório assim como as peças que entender relevantes à
da equipe técnica do programa de atendimento nova situação jurídica do adolescente.
sobre a evolução do plano de que trata o art. 52 Parágrafo único. No caso de a substituição da
desta Lei e com qualquer outro parecer técnico medida importar em vinculação do adolescente
requerido pelas partes e deferido pela autorida- a outro programa de atendimento, o plano indi-
vidual e o histórico do cumprimento da medida
de judiciária.
deverão acompanhar a transferência.
§ 2º A gravidade do ato infracional, os antece-
dentes e o tempo de duração da medida não são Art. 45. Se, no transcurso da execução, sobrevier
sentença de aplicação de nova medida, a autori-
fatores que, por si, justifiquem a não substituição
dade judiciária procederá à unificação, ouvidos,
da medida por outra menos grave.
previamente, o Ministério Público e o defensor,
§ 3º Considera-se mais grave a internação, em re-
no prazo de 3 (três) dias sucessivos, decidindo-se
lação a todas as demais medidas, e mais grave a se-
em igual prazo.
miliberdade, em relação às medidas de meio aberto. § 1º É vedado à autoridade judiciária determinar
Art. 43. A reavaliação da manutenção, da subs- reinício de cumprimento de medida socioeducativa,
tituição ou da suspensão das medidas de meio ou deixar de considerar os prazos máximos, e de
125
liberação compulsória previstos na Lei nº 8.069, de ainda comunicação ao defensor, ao Ministério Pú-
13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Ado- blico e à autoridade judiciária em até 24 (vinte e
lescente), excetuada a hipótese de medida aplica- quatro) horas.
da por ato infracional praticado durante a execução.
CAPÍTULO III – DOS DIREITOS INDIVIDUAIS
§ 2º É vedado à autoridade judiciária aplicar no-
Art. 49. São direitos do adolescente submetido
va medida de internação, por atos infracionais pra-
ao cumprimento de medida socioeducativa, sem
ticados anteriormente, a adolescente que já tenha
prejuízo de outros previstos em lei:
concluído cumprimento de medida socioeducati-
I – ser acompanhado por seus pais ou responsá-
va dessa natureza, ou que tenha sido transferido
vel e por seu defensor, em qualquer fase do proce-
para cumprimento de medida menos rigorosa,
dimento administrativo ou judicial;
sendo tais atos absorvidos por aqueles aos quais
II – ser incluído em programa de meio aberto
se impôs a medida socioeducativa extrema.
quando inexistir vaga para o cumprimento de me-
Art. 46. A medida socioeducativa será declarada dida de privação da liberdade, exceto nos casos de
extinta: ato infracional cometido mediante grave ameaça
I – pela morte do adolescente; ou violência à pessoa, quando o adolescente deve-
II – pela realização de sua finalidade; rá ser internado em Unidade mais próxima de seu
III – pela aplicação de pena privativa de liberda- local de residência;
de, a ser cumprida em regime fechado ou semia- III – ser respeitado em sua personalidade, inti-
berto, em execução provisória ou definitiva; midade, liberdade de pensamento e religião e em
IV – pela condição de doença grave, que torne todos os direitos não expressamente limitados na
o adolescente incapaz de submeter-se ao cumpri- sentença;
mento da medida; e IV – peticionar, por escrito ou verbalmente, dire-
V – nas demais hipóteses previstas em lei. tamente a qualquer autoridade ou órgão público,
§ 1º No caso de o maior de 18 (dezoito) anos, em devendo, obrigatoriamente, ser respondido em
cumprimento de medida socioeducativa, respon- até 15 (quinze) dias;
der a processo-crime, caberá à autoridade judiciária V – ser informado, inclusive por escrito, das nor-
decidir sobre eventual extinção da execução, cien- mas de organização e funcionamento do progra-
tificando da decisão o juízo criminal competente. ma de atendimento e também das previsões de
§ 2º Em qualquer caso, o tempo de prisão caute- natureza disciplinar;
lar não convertida em pena privativa de liberdade VI – receber, sempre que solicitar, informações
deve ser descontado do prazo de cumprimento da sobre a evolução de seu plano individual, partici-
medida socioeducativa. pando, obrigatoriamente, de sua elaboração e, se
Art. 47. O mandado de busca e apreensão do ado- for o caso, reavaliação;
lescente terá vigência máxima de 6 (seis) meses, a VII – receber assistência integral à sua saúde,
contar da data da expedição, podendo, se neces- conforme o disposto no art. 60 desta Lei; e
sário, ser renovado, fundamentadamente. VIII – ter atendimento garantido em creche e
Art. 48. O defensor, o Ministério Público, o adoles- pré-escola aos filhos de 0 (zero) a 5 (cinco) anos.
cente e seus pais ou responsável poderão postular § 1º As garantias processuais destinadas a ado-
revisão judicial de qualquer sanção disciplinar apli- lescente autor de ato infracional previstas na Lei
cada, podendo a autoridade judiciária suspender a nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Crian-
execução da sanção até decisão final do incidente. ça e do Adolescente), aplicam-se integralmente na
§ 1º Postulada a revisão após ouvida a autori- execução das medidas socioeducativas, inclusive
dade colegiada que aplicou a sanção e havendo no âmbito administrativo.
provas a produzir em audiência, procederá o ma- § 2º A oferta irregular de programas de atendi-
gistrado na forma do § 1º do art. 42 desta Lei. mento socioeducativo em meio aberto não pode-
§ 2º É vedada a aplicação de sanção disciplinar rá ser invocada como motivo para aplicação ou
de isolamento a adolescente interno, exceto se- manutenção de medida de privação da liberdade.
ja essa imprescindível para garantia da seguran- Art. 50. Sem prejuízo do disposto no § 1º do art. 121
ça de outros internos ou do próprio adolescente da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da
a quem seja imposta a sanção, sendo necessária Criança e do Adolescente), a direção do programa
126
LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012


de execução de medida de privação da liberdade Parágrafo único. O PIA será elaborado no prazo
poderá autorizar a saída, monitorada, do adoles- de até 45 (quarenta e cinco) dias da data do ingres-
cente nos casos de tratamento médico, doença so do adolescente no programa de atendimento.
grave ou falecimento, devidamente comprovados, Art. 56. Para o cumprimento das medidas de presta-
de pai, mãe, filho, cônjuge, companheiro ou irmão, ção de serviços à comunidade e de liberdade assis-
com imediata comunicação ao juízo competente. tida, o PIA será elaborado no prazo de até 15 (quin-
Art. 51. A decisão judicial relativa à execução de ze) dias do ingresso do adolescente no programa de
medida socioeducativa será proferida após mani- atendimento.
festação do defensor e do Ministério Público. Art. 57. Para a elaboração do PIA, a direção do res-
pectivo programa de atendimento, pessoalmente
CAPÍTULO IV – DO PLANO INDIVIDUAL
DE ATENDIMENTO (PIA) ou por meio de membro da equipe técnica, terá
acesso aos autos do procedimento de apuração
Art. 52. O cumprimento das medidas socioedu-
do ato infracional e aos dos procedimentos de
cativas, em regime de prestação de serviços à co-
apuração de outros atos infracionais atribuídos
munidade, liberdade assistida, semiliberdade ou
ao mesmo adolescente.
internação, dependerá de Plano Individual de Aten-
§ 1º O acesso aos documentos de que trata o
dimento (PIA), instrumento de previsão, registro e
caput deverá ser realizado por funcionário da en-
gestão das atividades a serem desenvolvidas com
tidade de atendimento, devidamente credenciado
o adolescente.
para tal atividade, ou por membro da direção, em
Parágrafo único. O PIA deverá contemplar a par-
conformidade com as normas a serem definidas
ticipação dos pais ou responsáveis, os quais têm o
pelo Poder Judiciário, de forma a preservar o que
dever de contribuir com o processo ressocializador
determinam os arts. 143 e 144 da Lei nº 8.069, de
do adolescente, sendo esses passíveis de respon-
13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Ado-
sabilização administrativa, nos termos do art. 249
lescente).
da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da
§ 2º A direção poderá requisitar, ainda:
Criança e do Adolescente), civil e criminal.
I – ao estabelecimento de ensino, o histórico es-
Art. 53. O PIA será elaborado sob a responsabili- colar do adolescente e as anotações sobre o seu
dade da equipe técnica do respectivo programa de aproveitamento;
atendimento, com a participação efetiva do ado- II – os dados sobre o resultado de medida ante-
lescente e de sua família, representada por seus riormente aplicada e cumprida em outro progra-
pais ou responsável. ma de atendimento; e
Art. 54. Constarão do plano individual, no mínimo: III – os resultados de acompanhamento espe-
I – os resultados da avaliação interdisciplinar; cializado anterior.
II – os objetivos declarados pelo adolescente; Art. 58. Por ocasião da reavaliação da medida, é
III – a previsão de suas atividades de integração obrigatória a apresentação pela direção do pro-
social e/ou capacitação profissional;
grama de atendimento de relatório da equipe téc-
IV – atividades de integração e apoio à família;
nica sobre a evolução do adolescente no cumpri-
V – formas de participação da família para efeti-
mento do plano individual.
vo cumprimento do plano individual; e
Art. 59. O acesso ao plano individual será restrito
VI – as medidas específicas de atenção à sua
aos servidores do respectivo programa de aten-
saúde.
dimento, ao adolescente e a seus pais ou respon-
Art. 55. Para o cumprimento das medidas de se-
sável, ao Ministério Público e ao defensor, exceto
miliberdade ou de internação, o plano individual
expressa autorização judicial.
conterá, ainda:
I – a designação do programa de atendimento CAPÍTULO V – DA ATENÇÃO INTEGRAL À
SAÚDE DE ADOLESCENTE EM CUMPRIMENTO
mais adequado para o cumprimento da medida;
DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA
II – a definição das atividades internas e exter-
nas, individuais ou coletivas, das quais o adoles- Seção I – Disposições Gerais
cente poderá participar; e Art. 60. A atenção integral à saúde do adolescente
III – a fixação das metas para o alcance de desen- no Sistema de Atendimento Socioeducativo segui-
volvimento de atividades externas. rá as seguintes diretrizes:
127
I – previsão, nos planos de atendimento socioe- § 2º Serão asseguradas as condições necessárias
ducativo, em todas as esferas, da implantação de para que a adolescente submetida à execução de
ações de promoção da saúde, com o objetivo de medida socioeducativa de privação de liberdade
integrar as ações socioeducativas, estimulando a permaneça com o seu filho durante o período de
autonomia, a melhoria das relações interpessoais amamentação.
e o fortalecimento de redes de apoio aos adoles- Seção II – Do Atendimento a Adolescente
centes e suas famílias; com Transtorno Mental e com Dependência
II – inclusão de ações e serviços para a promo- de Álcool e de Substância Psicoativa
ção, proteção, prevenção de agravos e doenças e Art. 64. O adolescente em cumprimento de me-
recuperação da saúde; dida socioeducativa que apresente indícios de
III – cuidados especiais em saúde mental, in- transtorno mental, de deficiência mental, ou as-
cluindo os relacionados ao uso de álcool e outras sociadas, deverá ser avaliado por equipe técnica
substâncias psicoativas, e atenção aos adolescen- multidisciplinar e multissetorial.
tes com deficiências; § 1º As competências, a composição e a atuação
IV – disponibilização de ações de atenção à saú- da equipe técnica de que trata o caput deverão se-
de sexual e reprodutiva e à prevenção de doenças guir, conjuntamente, as normas de referência do
sexualmente transmissíveis; SUS e do Sinase, na forma do regulamento.
V – garantia de acesso a todos os níveis de aten- § 2º A avaliação de que trata o caput subsidiará a
ção à saúde, por meio de referência e contrarrefe- elaboração e execução da terapêutica a ser adota-
rência, de acordo com as normas do Sistema Úni- da, a qual será incluída no PIA do adolescente, pre-
co de Saúde (SUS); vendo, se necessário, ações voltadas para a família.
VI – capacitação das equipes de saúde e dos pro- § 3º As informações produzidas na avaliação de
fissionais das entidades de atendimento, bem co- que trata o caput são consideradas sigilosas.
mo daqueles que atuam nas unidades de saúde de § 4º Excepcionalmente, o juiz poderá suspen-
referência voltadas às especificidades de saúde der a execução da medida socioeducativa, ouvi-
dessa população e de suas famílias; dos o defensor e o Ministério Público, com vistas
VII – inclusão, nos Sistemas de Informação de a incluir o adolescente em programa de atenção
Saúde do SUS, bem como no Sistema de Informa- integral à saúde mental que melhor atenda aos
ções sobre Atendimento Socioeducativo, de dados objetivos terapêuticos estabelecidos para o seu
e indicadores de saúde da população de adoles- caso específico.
centes em atendimento socioeducativo; e § 5º Suspensa a execução da medida socioedu-
VIII – estruturação das unidades de internação cativa, o juiz designará o responsável por acompa-
nhar e informar sobre a evolução do atendimento
conforme as normas de referência do SUS e do
ao adolescente.
Sinase, visando ao atendimento das necessida-
§ 6º A suspensão da execução da medida socioe-
des de Atenção Básica.
ducativa será avaliada, no mínimo, a cada 6 (seis)
Art. 61. As entidades que ofereçam programas meses.
de atendimento socioeducativo em meio aberto § 7º O tratamento a que se submeterá o adoles-
e de semiliberdade deverão prestar orientações cente deverá observar o previsto na Lei nº 10.216,
aos socioeducandos sobre o acesso aos serviços de 6 de abril de 2001, que dispõe sobre a proteção
e às unidades do SUS. e os direitos das pessoas portadoras de transtor-
Art. 62. As entidades que ofereçam programas de nos mentais e redireciona o modelo assistencial
privação de liberdade deverão contar com uma em saúde mental.
equipe mínima de profissionais de saúde cuja § 8º (Vetado)
composição esteja em conformidade com as nor- Art. 65. Enquanto não cessada a jurisdição da In-
mas de referência do SUS. fância e Juventude, a autoridade judiciária, nas
Art. 63. (Vetado) hipóteses tratadas no art. 64, poderá remeter có-
§ 1º O filho de adolescente nascido nos estabe- pia dos autos ao Ministério Público para eventual
lecimentos referidos no caput deste artigo não te- propositura de interdição e outras providências
rá tal informação lançada em seu registro de nas- pertinentes.
cimento. Art. 66. (Vetado)
128
LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012


CAPÍTULO VI – DAS VISITAS A ADOLESCENTE EM Art. 72. O regime disciplinar é independente da


CUMPRIMENTO DE MEDIDA DE INTERNAÇÃO responsabilidade civil ou penal que advenha do
Art. 67. A visita do cônjuge, companheiro, pais ou ato cometido.
responsáveis, parentes e amigos a adolescente a Art. 73. Nenhum socioeducando poderá desem-
quem foi aplicada medida socioeducativa de inter- penhar função ou tarefa de apuração disciplinar
nação observará dias e horários próprios definidos ou aplicação de sanção nas entidades de atendi-
pela direção do programa de atendimento. mento socioeducativo.
Art. 68. É assegurado ao adolescente casado ou Art. 74. Não será aplicada sanção disciplinar sem
que viva, comprovadamente, em união estável o expressa e anterior previsão legal ou regulamentar
direito à visita íntima. e o devido processo administrativo.
Parágrafo único. O visitante será identificado e Art. 75. Não será aplicada sanção disciplinar ao
registrado pela direção do programa de atendi- socioeducando que tenha praticado a falta:
mento, que emitirá documento de identificação, I – por coação irresistível ou por motivo de for-
pessoal e intransferível, específico para a realiza- ça maior;
ção da visita íntima. II – em legítima defesa, própria ou de outrem.
[...]
Art. 69. É garantido aos adolescentes em cumpri-
mento de medida socioeducativa de internação o TÍTULO III – DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS
direito de receber visita dos filhos, independente- Art. 81. As entidades que mantenham programas
mente da idade desses. de atendimento têm o prazo de até 6 (seis) meses
Art. 70. O regulamento interno estabelecerá as após a publicação desta Lei para encaminhar ao
hipóteses de proibição da entrada de objetos na respectivo Conselho Estadual ou Municipal dos Di-
unidade de internação, vedando o acesso aos seus reitos da Criança e do Adolescente proposta de ade-
portadores. quação da sua inscrição, sob pena de interdição.
Art. 82. Os Conselhos dos Direitos da Criança e do
CAPÍTULO VII – DOS REGIMES DISCIPLINARES
Adolescente, em todos os níveis federados, com os
Art. 71. Todas as entidades de atendimento so- órgãos responsáveis pelo sistema de educação pú-
cioeducativo deverão, em seus respectivos regi- blica e as entidades de atendimento, deverão, no
mentos, realizar a previsão de regime disciplinar prazo de 1 (um) ano a partir da publicação desta
que obedeça aos seguintes princípios: Lei, garantir a inserção de adolescentes em cum-
I – tipificação explícita das infrações como leves, primento de medida socioeducativa na rede pú-
médias e graves e determinação das correspon- blica de educação, em qualquer fase do período
dentes sanções; letivo, contemplando as diversas faixas etárias e
II – exigência da instauração formal de processo níveis de instrução.
disciplinar para a aplicação de qualquer sanção, Art. 83. Os programas de atendimento socioedu-
garantidos a ampla defesa e o contraditório; cativo sob a responsabilidade do Poder Judiciá-
III – obrigatoriedade de audiência do socioedu- rio serão, obrigatoriamente, transferidos ao Poder
cando nos casos em que seja necessária a instau- Executivo no prazo máximo de 1 (um) ano a partir
ração de processo disciplinar; da publicação desta Lei e de acordo com a política
IV – sanção de duração determinada; de oferta dos programas aqui definidos.
V – enumeração das causas ou circunstâncias Art. 84. Os programas de internação e semiliber-
que eximam, atenuem ou agravem a sanção a ser dade sob a responsabilidade dos Municípios se-
imposta ao socioeducando, bem como os requisi- rão, obrigatoriamente, transferidos para o Poder
tos para a extinção dessa; Executivo do respectivo Estado no prazo máximo
VI – enumeração explícita das garantias de defesa; de 1 (um) ano a partir da publicação desta Lei e
VII – garantia de solicitação e rito de apreciação de acordo com a política de oferta dos programas
dos recursos cabíveis; e aqui definidos.
VIII – apuração da falta disciplinar por comis- Art. 85. A não transferência de programas de aten-
são composta por, no mínimo, 3 (três) integran- dimento para os devidos entes responsáveis, no pra-
tes, sendo 1 (um), obrigatoriamente, oriundo da zo determinado nesta Lei, importará na interdição
equipe técnica. do programa e caracterizará ato de improbidade
129
administrativa do agente responsável, vedada, ade- termos do art. 227 da Constituição Federal e do
mais, ao Poder Judiciário e ao Poder Executivo mu- art. 4º da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, im-
nicipal, ao final do referido prazo, a realização de plica o dever do Estado de estabelecer políticas,
despesas para a sua manutenção. planos, programas e serviços para a primeira in-
[...] fância que atendam às especificidades dessa fai-
Art. 90. Esta Lei entra em vigor após decorridos xa etária, visando a garantir seu desenvolvimento
90 (noventa) dias de sua publicação oficial. integral.

Brasília, 18 de janeiro de 2012; 191º da Art. 4º As políticas públicas voltadas ao atendi-


Independência e 124º da República. mento dos direitos da criança na primeira infância
DILMA ROUSSEFF serão elaboradas e executadas de forma a:
José Eduardo Cardozo I – atender ao interesse superior da criança e à
Guido Mantega sua condição de sujeito de direitos e de cidadã;
Alexandre Rocha Santos Padilha
II – incluir a participação da criança na definição
Miriam Belchior
Maria do Rosário Nunes das ações que lhe digam respeito, em conformi-
dade com suas características etárias e de desen-
LEI Nº 13.257, DE 8 DE MARÇO DE 2016 volvimento;
(MARCO LEGAL DA PRIMEIRA INFÂNCIA) III – respeitar a individualidade e os ritmos de
(Publicada no DOU de 9/3/2016) desenvolvimento das crianças e valorizar a diver-
Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e sidade da infância brasileira, assim como as dife-
altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Crian- renças entre as crianças em seus contextos sociais
ça e do Adolescente), o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro e culturais;
de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis IV – reduzir as desigualdades no acesso aos bens
do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º
e serviços que atendam aos direitos da criança na
de maio de 1943, a Lei nº 11.770, de 9 de setembro de 2008, e
a Lei nº 12.662, de 5 de junho de 2012.
primeira infância, priorizando o investimento pú-
blico na promoção da justiça social, da equidade e
A presidenta da República
da inclusão sem discriminação da criança;
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
V – articular as dimensões ética, humanista e
sanciono a seguinte lei:
política da criança cidadã com as evidências cien-
Art. 1º Esta Lei estabelece princípios e diretrizes tíficas e a prática profissional no atendimento da
para a formulação e a implementação de políticas primeira infância;
públicas para a primeira infância em atenção à es- VI – adotar abordagem participativa, envolven-
pecificidade e à relevância dos primeiros anos de do a sociedade, por meio de suas organizações re-
vida no desenvolvimento infantil e no desenvol- presentativas, os profissionais, os pais e as crian-
vimento do ser humano, em consonância com os ças, no aprimoramento da qualidade das ações e
princípios e diretrizes da Lei nº 8.069, de 13 de ju- na garantia da oferta dos serviços;
lho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente); VII – articular as ações setoriais com vistas ao
altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Esta- atendimento integral e integrado;
tuto da Criança e do Adolescente); altera os arts. 6º, VIII – descentralizar as ações entre os entes da
185, 304 e 318 do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outu- Federação;
bro de 1941 (Código de Processo Penal); acrescen- IX – promover a formação da cultura de prote-
ta incisos ao art. 473 da Consolidação das Leis do ção e promoção da criança, com apoio dos meios
Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de comunicação social.
de 1º de maio de 1943; altera os arts. 1º, 3º, 4º e 5º Parágrafo único. A participação da criança na
da Lei nº 11.770, de 9 de setembro de 2008; e acres- formulação das políticas e das ações que lhe di-
centa parágrafos ao art. 5º da Lei nº 12.662, de 5 de zem respeito tem o objetivo de promover sua in-
junho de 2012. clusão social como cidadã e dar-se-á de acordo
Art. 2º Para os efeitos desta Lei, considera-se pri- com a especificidade de sua idade, devendo ser
meira infância o período que abrange os primeiros realizada por profissionais qualificados em pro-
6 (seis) anos completos ou 72 (setenta e dois) me- cessos de escuta adequados às diferentes formas
ses de vida da criança. de expressão infantil.
Art. 3º A prioridade absoluta em assegurar os di- Art. 5º Constituem áreas prioritárias para as po-
reitos da criança, do adolescente e do jovem, nos líticas públicas para a primeira infância a saúde,
130
LEI Nº 13.257, DE 8 DE MARÇO DE 2016


a alimentação e a nutrição, a educação infantil, a ção de profissionais qualificados, para possibilitar


convivência familiar e comunitária, a assistência a expansão com qualidade dos diversos serviços.
social à família da criança, a cultura, o brincar e Art. 10. Os profissionais que atuam nos diferen-
o lazer, o espaço e o meio ambiente, bem como a tes ambientes de execução das políticas e progra-
proteção contra toda forma de violência e de pres- mas destinados à criança na primeira infância terão
são consumista, a prevenção de acidentes e a ado- acesso garantido e prioritário à qualificação, sob a
ção de medidas que evitem a exposição precoce à forma de especialização e atualização, em progra-
comunicação mercadológica. mas que contemplem, entre outros temas, a espe-
Art. 6º A Política Nacional Integrada para a pri- cificidade da primeira infância, a estratégia da in-
meira infância será formulada e implementada tersetorialidade na promoção do desenvolvimento
mediante abordagem e coordenação intersetorial integral e a prevenção e a proteção contra toda for-
que articule as diversas políticas setoriais a partir ma de violência contra a criança.
de uma visão abrangente de todos os direitos da Art. 11. As políticas públicas terão, necessaria-
criança na primeira infância. mente, componentes de monitoramento e cole-
Art. 7º A União, os Estados, o Distrito Federal e os ta sistemática de dados, avaliação periódica dos
Municípios poderão instituir, nos respectivos âm- elementos que constituem a oferta dos serviços à
bitos, comitê intersetorial de políticas públicas criança e divulgação dos seus resultados.
para a primeira infância com a finalidade de asse- § 1º A União manterá instrumento individual de
gurar a articulação das ações voltadas à proteção registro unificado de dados do crescimento e desen-
e à promoção dos direitos da criança, garantida volvimento da criança, assim como sistema infor-
a participação social por meio dos conselhos de matizado, que inclua as redes pública e privada de
direitos. saúde, para atendimento ao disposto neste artigo.
§ 1º Caberá ao Poder Executivo no âmbito da § 2º A União informará à sociedade a soma dos re-
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mu- cursos aplicados anualmente no conjunto dos pro-
gramas e serviços para a primeira infância e o per-
nicípios indicar o órgão responsável pela coorde-
centual que os valores representam em relação ao
nação do comitê intersetorial previsto no caput
respectivo orçamento realizado, bem como colhe-
deste artigo.
rá informações sobre os valores aplicados pelos de-
§ 2º O órgão indicado pela União nos termos
mais entes da Federação.
do § 1º deste artigo manterá permanente articula-
ção com as instâncias de coordenação das ações Art. 12. A sociedade participa solidariamente com
estaduais, distrital e municipais de atenção à crian- a família e o Estado da proteção e da promoção da
ça na primeira infância, visando à complementa- criança na primeira infância, nos termos do caput
ridade das ações e ao cumprimento do dever do e do § 7º do art. 227, combinado com o inciso II
Estado na garantia dos direitos da criança. do art. 204 da Constituição Federal, entre outras
formas:
Art. 8º O pleno atendimento dos direitos da criança
I – formulando políticas e controlando ações,
na primeira infância constitui objetivo comum de por meio de organizações representativas;
todos os entes da Federação, segundo as respecti- II – integrando conselhos, de forma paritária
vas competências constitucionais e legais, a ser al- com representantes governamentais, com funções
cançado em regime de colaboração entre a União, de planejamento, acompanhamento, controle so-
os Estados, o Distrito Federal e os Municípios. cial e avaliação;
Parágrafo único. A União buscará a adesão dos III – executando ações diretamente ou em par-
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios à ceria com o poder público;
abordagem multi e intersetorial no atendimento IV – desenvolvendo programas, projetos e ações
dos direitos da criança na primeira infância e ofe- compreendidos no conceito de responsabilidade
recerá assistência técnica na elaboração de planos social e de investimento social privado;
estaduais, distrital e municipais para a primeira in- V – criando, apoiando e participando de redes
fância que articulem os diferentes setores. de proteção e cuidado à criança nas comunidades;
Art. 9º As políticas para a primeira infância serão VI – promovendo ou participando de campanhas
articuladas com as instituições de formação profis- e ações que visem a aprofundar a consciência so-
sional, visando à adequação dos cursos às carac- cial sobre o significado da primeira infância no de-
terísticas e necessidades das crianças e à forma- senvolvimento do ser humano.
131
Art. 13. A União, os Estados, o Distrito Federal e Art. 15. As políticas públicas criarão condições e
os Municípios apoiarão a participação das famí- meios para que, desde a primeira infância, a crian-
lias em redes de proteção e cuidado da criança em ça tenha acesso à produção cultural e seja reco-
seus contextos sociofamiliar e comunitário visan- nhecida como produtora de cultura.
do, entre outros objetivos, à formação e ao forta- Art. 16. A expansão da educação infantil deverá
lecimento dos vínculos familiares e comunitários, ser feita de maneira a assegurar a qualidade da
com prioridade aos contextos que apresentem ris- oferta, com instalações e equipamentos que obe-
cos ao desenvolvimento da criança. deçam a padrões de infraestrutura estabelecidos
Art. 14. As políticas e programas governamentais pelo Ministério da Educação, com profissionais
de apoio às famílias, incluindo as visitas domicilia- qualificados conforme dispõe a Lei nº 9.394, de 20
res e os programas de promoção da paternidade e de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da
maternidade responsáveis, buscarão a articulação Educação Nacional), e com currículo e materiais
das áreas de saúde, nutrição, educação, assistên- pedagógicos adequados à proposta pedagógica.
cia social, cultura, trabalho, habitação, meio am- Parágrafo único. A expansão da educação infan-
biente e direitos humanos, entre outras, com vis- til das crianças de 0 (zero) a 3 (três) anos de idade,
tas ao desenvolvimento integral da criança. no cumprimento da meta do Plano Nacional de
§ 1º Os programas que se destinam ao fortale- Educação, atenderá aos critérios definidos no ter-
cimento da família no exercício de sua função de ritório nacional pelo competente sistema de ensi-
cuidado e educação de seus filhos na primeira in- no, em articulação com as demais políticas sociais.
fância promoverão atividades centradas na crian- Art. 17. A União, os Estados, o Distrito Federal e os
ça, focadas na família e baseadas na comunidade. Municípios deverão organizar e estimular a criação
§ 2º As famílias identificadas nas redes de saúde, de espaços lúdicos que propiciem o bem-estar, o
educação e assistência social e nos órgãos do Sis- brincar e o exercício da criatividade em locais pú-
tema de Garantia dos Direitos da Criança e do Ado- blicos e privados onde haja circulação de crianças,
lescente que se encontrem em situação de vulne- bem como a fruição de ambientes livres e seguros
rabilidade e de risco ou com direitos violados para em suas comunidades.
exercer seu papel protetivo de cuidado e educação [...]
da criança na primeira infância, bem como as que
Art. 39. O Poder Executivo, com vistas ao cumpri-
têm crianças com indicadores de risco ou deficiên-
mento do disposto no inciso II do caput do art. 5º e
cia, terão prioridade nas políticas sociais públicas.
nos arts. 12 e 14 da Lei Complementar nº 101, de 4
§ 3º As gestantes e as famílias com crianças na
de maio de 2000, estimará o montante da renúncia
primeira infância deverão receber orientação e for-
fiscal decorrente do disposto no art. 38 desta Lei
mação sobre maternidade e paternidade respon-
e o incluirá no demonstrativo a que se refere o § 6º
sáveis, aleitamento materno, alimentação comple-
do art. 165 da Constituição Federal, que acompa-
mentar saudável, crescimento e desenvolvimento
nhará o projeto de lei orçamentária cuja apresen-
infantil integral, prevenção de acidentes e educa-
tação se der após decorridos 60 (sessenta) dias da
ção sem uso de castigos físicos, nos termos da Lei
publicação desta Lei.
nº 13.010, de 26 de junho de 2014, com o intuito
de favorecer a formação e a consolidação de vín- Art. 40. Os arts. 38 e 39 desta Lei produzem efeitos
culos afetivos e estimular o desenvolvimento inte- a partir do primeiro dia do exercício subsequente
gral na primeira infância. àquele em que for implementado o disposto no
§ 4º A oferta de programas e de ações de visita art. 39.
domiciliar e de outras modalidades que estimu- [...]
lem o desenvolvimento integral na primeira infân- Art. 43. Esta Lei entra em vigor na data de sua pu-
cia será considerada estratégia de atuação sempre blicação.
que respaldada pelas políticas públicas sociais e Brasília, 8 de março de 2016; 195º da
avaliada pela equipe profissional responsável. Independência e 128º da República.
§ 5º Os programas de visita domiciliar voltados DILMA ROUSSEFF
ao cuidado e educação na primeira infância deve- Nelson Barbosa
Aloizio Mercadante
rão contar com profissionais qualificados, apoia-
Marcelo Costa e Castro
dos por medidas que assegurem sua permanência Tereza Campello
e formação continuada. Nilma Lino Gomes

132
LEI Nº 13.431, DE 4 DE ABRIL DE 2017


LEI Nº 13.431, DE 4 DE ABRIL DE 2017 Art. 4º Para os efeitos desta Lei, sem prejuízo da
(Publicada no DOU de 5/4/2017) tipificação das condutas criminosas, são formas
Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do de violência:
adolescente vítima ou testemunha de violência e altera a Lei I – violência física, entendida como a ação infli-
nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do gida à criança ou ao adolescente que ofenda sua
Adolescente). integridade ou saúde corporal ou que lhe cause
O presidente da República sofrimento físico;
II – violência psicológica:
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
a) qualquer conduta de discriminação, depre-
sanciono a seguinte lei:
ciação ou desrespeito em relação à criança ou ao
TÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS adolescente mediante ameaça, constrangimento,
Art. 1º Esta Lei normatiza e organiza o sistema de humilhação, manipulação, isolamento, agressão
garantia de direitos da criança e do adolescente verbal e xingamento, ridicularização, indiferença,
exploração ou intimidação sistemática (bullying)
vítima ou testemunha de violência, cria mecanis-
que possa comprometer seu desenvolvimento psí-
mos para prevenir e coibir a violência, nos termos
quico ou emocional;
do art. 227 da Constituição Federal, da Conven-
b) o ato de alienação parental, assim entendido
ção sobre os Direitos da Criança e seus protocolos
como a interferência na formação psicológica da
adicionais, da Resolução nº 20/2005 do Conselho criança ou do adolescente, promovida ou induzi-
Econômico e Social das Nações Unidas e de outros da por um dos genitores, pelos avós ou por quem
diplomas internacionais, e estabelece medidas de os tenha sob sua autoridade, guarda ou vigilân-
assistência e proteção à criança e ao adolescente cia, que leve ao repúdio de genitor ou que cause
em situação de violência. prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de
Art. 2º A criança e o adolescente gozam dos direitos vínculo com este;
fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo- c) qualquer conduta que exponha a criança ou
-lhes asseguradas a proteção integral e as oportuni- o adolescente, direta ou indiretamente, a crime
violento contra membro de sua família ou de sua
dades e facilidades para viver sem violência e preser-
rede de apoio, independentemente do ambiente
var sua saúde física e mental e seu desenvolvimento
em que cometido, particularmente quando isto a
moral, intelectual e social, e gozam de direitos es-
torna testemunha;
pecíficos à sua condição de vítima ou testemunha.
III – violência sexual, entendida como qualquer
Parágrafo único. A União, os Estados, o Distrito conduta que constranja a criança ou o adolescen-
Federal e os Municípios desenvolverão políticas te a praticar ou presenciar conjunção carnal ou
integradas e coordenadas que visem a garantir os qualquer outro ato libidinoso, inclusive exposição
direitos humanos da criança e do adolescente no do corpo em foto ou vídeo por meio eletrônico ou
âmbito das relações domésticas, familiares e so- não, que compreenda:
ciais, para resguardá-los de toda forma de negli- a) abuso sexual, entendido como toda ação que
gência, discriminação, exploração, violência, abu- se utiliza da criança ou do adolescente para fins
so, crueldade e opressão. sexuais, seja conjunção carnal ou outro ato libidi-
Art. 3º Na aplicação e interpretação desta Lei, se- noso, realizado de modo presencial ou por meio
eletrônico, para estimulação sexual do agente ou
rão considerados os fins sociais a que ela se des-
de terceiro;
tina e, especialmente, as condições peculiares da
b) exploração sexual comercial, entendida como
criança e do adolescente como pessoas em desen-
o uso da criança ou do adolescente em atividade
volvimento, às quais o Estado, a família e a socie-
sexual em troca de remuneração ou qualquer ou-
dade devem assegurar a fruição dos direitos fun- tra forma de compensação, de forma independen-
damentais com absoluta prioridade. te ou sob patrocínio, apoio ou incentivo de terceiro,
Parágrafo único. A aplicação desta Lei é facul- seja de modo presencial ou por meio eletrônico;
tativa para as vítimas e testemunhas de violência c) tráfico de pessoas, entendido como o recruta-
entre 18 (dezoito) e 21 (vinte e um) anos, confor- mento, o transporte, a transferência, o alojamento
me disposto no parágrafo único do art. 2º da Lei ou o acolhimento da criança ou do adolescente,
nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Crian- dentro do território nacional ou para o estrangeiro,
ça e do Adolescente). com o fim de exploração sexual, mediante ameaça,
133
uso de força ou outra forma de coação, rapto, frau- VII – receber assistência qualificada jurídica e
de, engano, abuso de autoridade, aproveitamen- psicossocial especializada, que facilite a sua parti-
to de situação de vulnerabilidade ou entrega ou cipação e o resguarde contra comportamento ina-
aceitação de pagamento, entre os casos previstos dequado adotado pelos demais órgãos atuantes
na legislação; no processo;
IV – violência institucional, entendida como a VIII – ser resguardado e protegido de sofrimento,
praticada por instituição pública ou conveniada, com direito a apoio, planejamento de sua partici-
inclusive quando gerar revitimização. pação, prioridade na tramitação do processo, ce-
§ 1º Para os efeitos desta Lei, a criança e o ado- leridade processual, idoneidade do atendimento
lescente serão ouvidos sobre a situação de violên- e limitação das intervenções;
cia por meio de escuta especializada e depoimen- IX – ser ouvido em horário que lhe for mais ade-
to especial. quado e conveniente, sempre que possível;
§ 2º Os órgãos de saúde, assistência social, edu- X – ter segurança, com avaliação contínua so-
cação, segurança pública e justiça adotarão os pro- bre possibilidades de intimidação, ameaça e ou-
cedimentos necessários por ocasião da revelação tras formas de violência;
espontânea da violência. XI – ser assistido por profissional capacitado e
§ 3º Na hipótese de revelação espontânea da conhecer os profissionais que participam dos pro-
violência, a criança e o adolescente serão chama- cedimentos de escuta especializada e depoimento
dos a confirmar os fatos na forma especificada no especial;
§ 1º deste artigo, salvo em caso de intervenções XII – ser reparado quando seus direitos forem
de saúde. violados;
§ 4º O não cumprimento do disposto nesta Lei XIII – conviver em família e em comunidade;
implicará a aplicação das sanções previstas na XIV – ter as informações prestadas tratadas con-
fidencialmente, sendo vedada a utilização ou o re-
Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da
passe a terceiro das declarações feitas pela criança
Criança e do Adolescente).
e pelo adolescente vítima, salvo para os fins de as-
TÍTULO II – DOS DIREITOS E GARANTIAS sistência à saúde e de persecução penal;
Art. 5º A aplicação desta Lei, sem prejuízo dos XV – prestar declarações em formato adaptado
princípios estabelecidos nas demais normas na- à criança e ao adolescente com deficiência ou em
cionais e internacionais de proteção dos direitos idioma diverso do português.
da criança e do adolescente, terá como base, en- Parágrafo único. O planejamento referido no inci-
tre outros, os direitos e garantias fundamentais da so VIII, no caso de depoimento especial, será reali-
criança e do adolescente a: zado entre os profissionais especializados e o juízo.
I – receber prioridade absoluta e ter considerada Art. 6º A criança e o adolescente vítima ou tes-
a condição peculiar de pessoa em desenvolvimento; temunha de violência têm direito a pleitear, por
II – receber tratamento digno e abrangente; meio de seu representante legal, medidas prote-
III – ter a intimidade e as condições pessoais pro- tivas contra o autor da violência.
tegidas quando vítima ou testemunha de violência; Parágrafo único. Os casos omissos nesta Lei se-
IV – ser protegido contra qualquer tipo de dis- rão interpretados à luz do disposto na Lei nº 8.069,
criminação, independentemente de classe, sexo, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do
raça, etnia, renda, cultura, nível educacional, ida- Adolescente), na Lei nº 11.340, de 7 de agosto de
de, religião, nacionalidade, procedência regional, 2006 (Lei Maria da Penha), e em normas conexas.
regularidade migratória, deficiência ou qualquer
TÍTULO III – DA ESCUTA ESPECIALIZADA
outra condição sua, de seus pais ou de seus repre- E DO DEPOIMENTO ESPECIAL
sentantes legais;
Art. 7º Escuta especializada é o procedimento de
V – receber informação adequada à sua etapa de
entrevista sobre situação de violência com criança
desenvolvimento sobre direitos, inclusive sociais,
serviços disponíveis, representação jurídica, me- ou adolescente perante órgão da rede de proteção,
didas de proteção, reparação de danos e qualquer limitado o relato estritamente ao necessário para
procedimento a que seja submetido; o cumprimento de sua finalidade.
VI – ser ouvido e expressar seus desejos e opi- Art. 8º Depoimento especial é o procedimento de
niões, assim como permanecer em silêncio; oitiva de criança ou adolescente vítima ou teste-
134
LEI Nº 13.431, DE 4 DE ABRIL DE 2017


munha de violência perante autoridade policial ou § 1º À vítima ou testemunha de violência é garan-
judiciária. tido o direito de prestar depoimento diretamente
Art. 9º A criança ou o adolescente será resguarda- ao juiz, se assim o entender.
do de qualquer contato, ainda que visual, com o su- § 2º O juiz tomará todas as medidas apropriadas
posto autor ou acusado, ou com outra pessoa que para a preservação da intimidade e da privacidade
represente ameaça, coação ou constrangimento. da vítima ou testemunha.
§ 3º O profissional especializado comunicará ao
Art. 10. A escuta especializada e o depoimento
juiz se verificar que a presença, na sala de audiên-
especial serão realizados em local apropriado e
cia, do autor da violência pode prejudicar o depoi-
acolhedor, com infraestrutura e espaço físico que
mento especial ou colocar o depoente em situação
garantam a privacidade da criança ou do adoles-
cente vítima ou testemunha de violência. de risco, caso em que, fazendo constar em termo,
será autorizado o afastamento do imputado.
Art. 11. O depoimento especial reger-se-á por proto-
§ 4º Nas hipóteses em que houver risco à vida
colos e, sempre que possível, será realizado uma
ou à integridade física da vítima ou testemunha,
única vez, em sede de produção antecipada de pro-
o juiz tomará as medidas de proteção cabíveis, in-
va judicial, garantida a ampla defesa do investigado.
clusive a restrição do disposto nos incisos III e VI
§ 1º O depoimento especial seguirá o rito caute-
deste artigo.
lar de antecipação de prova:
§ 5º As condições de preservação e de segurança
I – quando a criança ou o adolescente tiver me-
da mídia relativa ao depoimento da criança ou do
nos de 7 (sete) anos;
adolescente serão objeto de regulamentação, de
II – em caso de violência sexual.
forma a garantir o direito à intimidade e à privaci-
§ 2º Não será admitida a tomada de novo de-
dade da vítima ou testemunha.
poimento especial, salvo quando justificada a sua
§ 6º O depoimento especial tramitará em segre-
imprescindibilidade pela autoridade competente
do de justiça.
e houver a concordância da vítima ou da testemu-
nha, ou de seu representante legal. TÍTULO IV – DA INTEGRAÇÃO DAS
POLÍTICAS DE ATENDIMENTO
Art. 12. O depoimento especial será colhido con-
forme o seguinte procedimento: CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES GERAIS
I – os profissionais especializados esclarecerão Art. 13. Qualquer pessoa que tenha conhecimento
a criança ou o adolescente sobre a tomada do de- ou presencie ação ou omissão, praticada em local
poimento especial, informando-lhe os seus direi- público ou privado, que constitua violência contra
tos e os procedimentos a serem adotados e plane- criança ou adolescente tem o dever de comunicar
jando sua participação, sendo vedada a leitura da o fato imediatamente ao serviço de recebimento
denúncia ou de outras peças processuais; e monitoramento de denúncias, ao conselho tute-
II – é assegurada à criança ou ao adolescente a lar ou à autoridade policial, os quais, por sua vez,
livre narrativa sobre a situação de violência, po- cientificarão imediatamente o Ministério Público.
dendo o profissional especializado intervir quan- Parágrafo único. A União, os Estados, o Distrito
do necessário, utilizando técnicas que permitam Federal e os Municípios poderão promover, perio-
a elucidação dos fatos; dicamente, campanhas de conscientização da so-
III – no curso do processo judicial, o depoimen-
ciedade, promovendo a identificação das violações
to especial será transmitido em tempo real para a
de direitos e garantias de crianças e adolescentes
sala de audiência, preservado o sigilo;
e a divulgação dos serviços de proteção e dos flu-
IV – findo o procedimento previsto no inciso II
xos de atendimento, como forma de evitar a vio-
deste artigo, o juiz, após consultar o Ministério Pú-
lência institucional.
blico, o defensor e os assistentes técnicos, avaliará
a pertinência de perguntas complementares, orga- Art. 14. As políticas implementadas nos sistemas
nizadas em bloco; de justiça, segurança pública, assistência social,
V – o profissional especializado poderá adaptar educação e saúde deverão adotar ações articula-
as perguntas à linguagem de melhor compreensão das, coordenadas e efetivas voltadas ao acolhimen-
da criança ou do adolescente; to e ao atendimento integral às vítimas de violência.
VI – o depoimento especial será gravado em áu- § 1º As ações de que trata o caput observarão as
dio e vídeo. seguintes diretrizes:
135
I – abrangência e integralidade, devendo com- cer parcerias em caso de indisponibilidade de ser-
portar avaliação e atenção de todas as necessida- viços de atendimento.
des da vítima decorrentes da ofensa sofrida;
CAPÍTULO II – DA SAÚDE
II – capacitação interdisciplinar continuada, pre-
ferencialmente conjunta, dos profissionais; Art. 17. A União, os Estados, o Distrito Federal e os
III – estabelecimento de mecanismos de infor- Municípios poderão criar, no âmbito do Sistema
mação, referência, contrarreferência e monitora- Único de Saúde (SUS), serviços para atenção inte-
mento; gral à criança e ao adolescente em situação de vio-
IV – planejamento coordenado do atendimento lência, de forma a garantir o atendimento acolhedor.
e do acompanhamento, respeitadas as especifici- Art. 18. A coleta, guarda provisória e preservação
dades da vítima ou testemunha e de suas famílias; de material com vestígios de violência serão rea-
V – celeridade do atendimento, que deve ser rea- lizadas pelo Instituto Médico Legal (IML) ou por
lizado imediatamente – ou tão logo quanto possí- serviço credenciado do sistema de saúde mais
vel – após a revelação da violência; próximo, que entregará o material para perícia
VI – priorização do atendimento em razão da imediata, observado o disposto no art. 5º desta Lei.
idade ou de eventual prejuízo ao desenvolvimento
CAPÍTULO III – DA ASSISTÊNCIA SOCIAL
psicossocial, garantida a intervenção preventiva;
VII – mínima intervenção dos profissionais en- Art. 19. A União, os Estados, o Distrito Federal e
volvidos; e os Municípios poderão estabelecer, no âmbito do
VIII – monitoramento e avaliação periódica das Sistema Único de Assistência Social (Suas), os se-
políticas de atendimento. guintes procedimentos:
§ 2º Nos casos de violência sexual, cabe ao res- I – elaboração de plano individual e familiar de
ponsável da rede de proteção garantir a urgência e atendimento, valorizando a participação da crian-
a celeridade necessárias ao atendimento de saúde ça e do adolescente e, sempre que possível, a pre-
e à produção probatória, preservada a confiden- servação dos vínculos familiares;
cialidade. II – atenção à vulnerabilidade indireta dos de-
Art. 15. A União, os Estados, o Distrito Federal e os mais membros da família decorrente da situação
Municípios poderão criar serviços de atendimento, de violência, e solicitação, quando necessário, aos
de ouvidoria ou de resposta, pelos meios de comu- órgãos competentes, de inclusão da vítima ou tes-
nicação disponíveis, integrados às redes de prote- temunha e de suas famílias nas políticas, progra-
ção, para receber denúncias de violações de direi- mas e serviços existentes;
tos de crianças e adolescentes. III – avaliação e atenção às situações de intimi-
Parágrafo único. As denúncias recebidas serão dação, ameaça, constrangimento ou discrimina-
encaminhadas: ção decorrentes da vitimização, inclusive durante
I – à autoridade policial do local dos fatos, para o trâmite do processo judicial, as quais deverão
apuração; ser comunicadas imediatamente à autoridade ju-
II – ao conselho tutelar, para aplicação de medi- dicial para tomada de providências; e
das de proteção; e IV – representação ao Ministério Público, nos ca-
III – ao Ministério Público, nos casos que forem sos de falta de responsável legal com capacidade
de sua atribuição específica. protetiva em razão da situação de violência, pa-
Art. 16. O poder público poderá criar programas, ra colocação da criança ou do adolescente sob os
serviços ou equipamentos que proporcionem aten- cuidados da família extensa, de família substituta
ção e atendimento integral e interinstitucional às ou de serviço de acolhimento familiar ou, em sua
crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de falta, institucional.
violência, compostos por equipes multidisciplina-
CAPÍTULO IV – DA SEGURANÇA PÚBLICA
res especializadas.
Parágrafo único. Os programas, serviços ou equi- Art. 20. O poder público poderá criar delegacias
pamentos públicos poderão contar com delegacias especializadas no atendimento de crianças e ado-
especializadas, serviços de saúde, perícia médico- lescentes vítimas de violência.
-legal, serviços socioassistenciais, varas especializa- § 1º Na elaboração de suas propostas orçamen-
das, Ministério Público e Defensoria Pública, entre tárias, as unidades da Federação alocarão recursos
outros possíveis de integração, e deverão estabele- para manutenção de equipes multidisciplinares
136
LEI Nº 13.798, DE 3 DE JANEIRO DE 2019


destinadas a assessorar as delegacias especiali- TÍTULO V – DOS CRIMES


zadas. Art. 24. Violar sigilo processual, permitindo que
§ 2º Até a criação do órgão previsto no caput depoimento de criança ou adolescente seja assis-
deste artigo, a vítima será encaminhada priorita- tido por pessoa estranha ao processo, sem autori-
riamente a delegacia especializada em temas de zação judicial e sem o consentimento do depoente
direitos humanos. ou de seu representante legal:
§ 3º A tomada de depoimento especial da crian- Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e
ça ou do adolescente vítima ou testemunha de vio- multa.
lência observará o disposto no art. 14 desta Lei.
TÍTULO VI – DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS
Art. 21. Constatado que a criança ou o adolescen- [...] (A alteração expressa no art. 25 foi compilada na Lei
te está em risco, a autoridade policial requisitará nº 8.069, de 13/7/1990 – Estatuto da Criança e do Adoles-
à autoridade judicial responsável, em qualquer cente)
momento dos procedimentos de investigação e
Art. 26. Cabe ao poder público, no prazo máximo
responsabilização dos suspeitos, as medidas de
de 60 (sessenta) dias contado da entrada em vigor
proteção pertinentes, entre as quais:
desta Lei, emanar atos normativos necessários à
I – evitar o contato direto da criança ou do ado-
sua efetividade.
lescente vítima ou testemunha de violência com o
suposto autor da violência; Art. 27. Cabe aos Estados, ao Distrito Federal e
II – solicitar o afastamento cautelar do investi- aos Municípios, no prazo máximo de 180 (cento
gado da residência ou local de convivência, em se e oitenta) dias contado da entrada em vigor des-
tratando de pessoa que tenha contato com a crian- ta Lei, estabelecer normas sobre o sistema de ga-
ça ou o adolescente; rantia de direitos da criança e do adolescente ví-
III – requerer a prisão preventiva do investigado, tima ou testemunha de violência, no âmbito das
quando houver suficientes indícios de ameaça à respectivas competências.
criança ou adolescente vítima ou testemunha de Art. 28. Revoga-se o art. 248 da Lei nº 8.069, de
violência; 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Ado-
IV – solicitar aos órgãos socioassistenciais a in- lescente).
clusão da vítima e de sua família nos atendimen- Art. 29. Esta Lei entra em vigor após decorrido
tos a que têm direito; 1 (um) ano de sua publicação oficial.
V – requerer a inclusão da criança ou do ado-
Brasília, 4 de abril de 2017; 196º da
lescente em programa de proteção a vítimas ou Independência e 129º da República.
testemunhas ameaçadas; e
MICHEL TEMER
VI – representar ao Ministério Público para que Osmar Serraglio
proponha ação cautelar de antecipação de prova,
resguardados os pressupostos legais e as garan- LEI Nº 13.798, DE 3 DE JANEIRO DE 2019
tias previstas no art. 5º desta Lei, sempre que a (Publicada no DOU de 4/1/2019)
demora possa causar prejuízo ao desenvolvimen- Acrescenta art. 8º-A à Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Es-
to da criança ou do adolescente. tatuto da Criança e do Adolescente), para instituir a Semana
Art. 22. Os órgãos policiais envolvidos envidarão Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência.
esforços investigativos para que o depoimento es- O presidente da República
pecial não seja o único meio de prova para o jul- Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
gamento do réu. sanciono a seguinte lei:
CAPÍTULO V – DA JUSTIÇA Art. 1º A Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Esta-
Art. 23. Os órgãos responsáveis pela organização tuto da Criança e do Adolescente), passa a vigorar
judiciária poderão criar juizados ou varas especia- acrescida do seguinte art. 8º-A:
lizadas em crimes contra a criança e o adolescente. Art. 8º-A. Fica instituída a Semana Nacional de
Parágrafo único. Até a implementação do dispos- Prevenção da Gravidez na Adolescência, a ser rea-
to no caput deste artigo, o julgamento e a execução lizada anualmente na semana que incluir o dia 1º
das causas decorrentes das práticas de violência fi- de fevereiro, com o objetivo de disseminar informa-
carão, preferencialmente, a cargo dos juizados ou ções sobre medidas preventivas e educativas que
varas especializadas em violência doméstica e te- contribuam para a redução da incidência da gravi-
mas afins. dez na adolescência.

137
Parágrafo único. As ações destinadas a efetivar cional de localização de pessoas desaparecidas,
o disposto no caput deste artigo ficarão a cargo do coordenado pelos órgãos de segurança pública,
poder público, em conjunto com organizações da com a intervenção de outras entidades, quando
sociedade civil, e serão dirigidas prioritariamente
necessário.
ao público adolescente.
Art. 3º A busca e a localização de pessoas desapa-
Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua pu-
recidas são consideradas prioridade com caráter
blicação.
de urgência pelo poder público e devem ser rea-
Brasília, 3 de janeiro de 2019; 198º da
lizadas preferencialmente por órgãos investigati-
Independência e 131º da República.
vos especializados, sendo obrigatória a coopera-
JAIR MESSIAS BOLSONARO
Luiz Henrique Mandetta
ção operacional por meio de cadastro nacional,
Damares Regina Alves incluídos órgãos de segurança pública e outras
entidades que venham a intervir nesses casos.
LEI Nº 13.812, DE 16 DE MARÇO DE 2019 Art. 4º No cumprimento do disposto no art. 3º des-
(Publicada no DOU de 18/3/2019)
ta Lei, o poder público observará as seguintes di-
Institui a Política Nacional de Busca de Pessoas Desapareci- retrizes:
das, cria o Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas e al- I – desenvolvimento de programas de inteligên-
tera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança
cia e articulação entre órgãos de segurança públi-
e do Adolescente).
ca e demais órgãos públicos na investigação das
O presidente da República circunstâncias do desaparecimento, até a localiza-
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu ção da pessoa desaparecida;
sanciono a seguinte lei: II – apoio e empenho do poder público à pesqui-
Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bus- sa e ao desenvolvimento científico e tecnológico
ca de Pessoas Desaparecidas e cria o Cadastro Na- voltados às análises que auxiliem e contribuam
cional de Pessoas Desaparecidas. para a elucidação dos casos de desaparecimento,
Parágrafo único. Os deveres atribuídos por esta até a localização da pessoa desaparecida;
Lei aos Estados e a órgãos estaduais aplicam-se ao III – participação dos órgãos públicos e da socie-
Distrito Federal e aos Territórios. dade civil na formulação, na definição e no con-
Art. 2º Para efeitos desta Lei, considera-se: trole das ações da política de que trata esta Lei;
I – pessoa desaparecida: todo ser humano cujo IV – desenvolvimento de sistema de informações,
paradeiro é desconhecido, não importando a cau- transferência de dados e comunicação em rede en-
sa de seu desaparecimento, até que sua recupera- tre os diversos órgãos envolvidos, principalmente
ção e identificação tenham sido confirmadas por os de segurança pública, de modo a agilizar a divul-
vias físicas ou científicas; gação dos desaparecimentos e a contribuir com as
II – criança ou adolescente desaparecido: toda investigações, a busca e a localização de pessoas
pessoa desaparecida menor de 18 (dezoito) anos; desaparecidas;
III – autoridade central federal: órgão responsá- V – disponibilização e divulgação, na internet,
vel pela consolidação das informações em nível nos diversos meios de comunicação e em outros
nacional, pela definição das diretrizes da investi- meios, de informações que contenham dados bá-
gação de pessoas desaparecidas e pela coordena- sicos das pessoas desaparecidas;
ção das ações de cooperação operacional entre os VI – capacitação permanente dos agentes públi-
órgãos de segurança pública; cos responsáveis pela investigação dos casos de
IV – autoridade central estadual: órgão respon- desaparecimento e pela identificação das pessoas
sável pela consolidação das informações em nível desaparecidas.
estadual, pela definição das diretrizes da investi- Parágrafo único. Para fins do disposto no inci-
gação de pessoas desaparecidas em âmbito esta- so III do caput deste artigo, participarão, entre ou-
dual e pela coordenação das ações de cooperação tros, representantes:
operacional entre os órgãos de segurança pública; I – de órgãos de segurança pública;
V – cooperação operacional: compartilhamen- II – de órgãos de direitos humanos e de defesa
to de informações e integração de sistemas de in- da cidadania;
formação entre órgãos estaduais e federais com a III – dos institutos de identificação, de medicina
finalidade de unificar e aperfeiçoar o sistema na- legal e de criminalística;
138
LEI Nº 13.812, DE 16 DE MARÇO DE 2019


IV – do Ministério Público; sicas e genéticas, que serão inseridas no cadastro


V – da Defensoria Pública; de que trata o art. 5º desta Lei.
VI – da Assistência Social; Art. 7º A autoridade central federal e as autorida-
VII – dos conselhos de direitos com foco em seg- des centrais estaduais elaborarão relatório anual,
mentos populacionais vulneráveis; com as estatísticas acerca dos desaparecimentos,
VIII – dos Conselhos Tutelares. do qual deverão constar:
Art. 5º O Cadastro Nacional de Pessoas Desapa- I – número total de pessoas desaparecidas;
recidas, que tem por objetivo implementar e dar II – número de crianças e adolescentes desapa-
suporte à política de que trata esta Lei, será com- recidos;
posto de: III – quantidade de casos solucionados;
I – banco de informações públicas, de livre aces- IV – causas dos desaparecimentos solucionados.
so por meio da internet, com informações acerca Art. 8º Ao ser comunicada sobre o desaparecimen-
das características físicas das pessoas desapare- to de uma pessoa, a autoridade do órgão de se-
cidas, fotos e outras informações úteis para sua gurança pública, em observância às diretrizes ela-
identificação sempre que não houver risco para a boradas pela autoridade central, adotará todas as
vida da pessoa desaparecida; providências visando à sua localização, comuni-
II – banco de informações sigilosas, destinado cará o fato às demais autoridades competentes e
aos órgãos de segurança pública, com registros incluirá as informações no cadastro de que trata o
padronizados de cada ocorrência e com o núme- art. 5º desta Lei.
ro do boletim de ocorrência, que deverá ser o mes- §  1º A notificação do desaparecimento será
mo do inquérito policial, bem como informações imediatamente registrada no Cadastro Nacional
acerca das características físicas das pessoas de- de Pessoas Desaparecidas e na Rede de Integra-
saparecidas, fotos, contatos dos familiares ou res- ção Nacional de Informações de Segurança Públi-
ponsáveis pela inclusão dos dados da pessoa desa- ca, Justiça e Fiscalização (Rede Sinesp Infoseg) ou
parecida no cadastro e qualquer outra informação sistema similar de notificação adotado pelo Poder
relevante para sua pronta localização; Executivo.
III – banco de informações sigilosas, destinado § 2º Aplicar-se-á o disposto no § 2º do art. 208
aos órgãos de segurança pública, que conterá in- da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da
formações genéticas e não genéticas das pessoas Criança e do Adolescente), nos casos em que a au-
desaparecidas e de seus familiares, destinado ex- toridade policial verificar a existência de qualquer
clusivamente a encontrar e a identificar a pessoa indício de vulnerabilidade da pessoa desaparecida.
desaparecida. § 3º O desaparecimento de criança ou adoles