Você está na página 1de 2

RESUMO DO TEXTO “O QUE É FATO SOCIAL?

” – ÉMILE
DURKHEIN.

Segundo o texto de Émile Durkhein que analisa os fatos sociais, podemos entender que
tal termo serve para classificar quase todos os fenômenos decorrentes no interior de uma
sociedade, que apresentam além de certa generalidade, algum interesse social.
Partindo desse ponto, o objeto de estudo da Sociologia não existiria, pois se confundiria
com outras áreas tais como Biologia ou Psicologia. Sendo assim o fato social é
delimitado pelos fenômenos com caracteres nítidos: definidos exteriores ao indivíduo,
dotados de um poder imperativo e coercitivo, e que possuem certa coletividade.
São maneiras de agir, de pensar e de sentir que apresentam a propriedade marcante de
existir fora das consciências individuais, definidos no direito e nos costumes. Mesmo
estando de acordo com sentimentos que lhe são próprios, sentidos interiormente a
realidade, esta não deixa de ser objetiva.
É notável que tal coerção não se faz sentir pelo fato de que nos conformamos com ela,
então pode-se entender que ela se torna inútil. Mas não deixa de constituir um caráter
intrínseco de tais fatos; a prova disso vem quando tentamos violar as leis do direito,
reagindo estas contra com o objetivo de impedir o ato ou anulá-lo. Ou ainda se tratando
de máximas puramente morais, a consciência pública sobre tal fato leva-os a reprimir
uma conduta que não esteja de acordo com a sociedade. Em outros casos mesmo a
coerção sendo indireta, ela não é menos eficaz. Seja se tratando do modo de nos
vestirmos, a língua que falamos e até mesmo referente ao modo como construímos
nossas casas, todos estes possuem o caráter impositivo mesmo que camuflado pela
sociedade, visando a generalidade do agir de cada um, seguindo normas e costumes
impostos pela sociedade sendo um tão obrigatório quanto o outro.
Como professam que o individuo é inteiramente autônomo, parece que o diminuímos
todas as vezes que fazemos sentir que não depende apenas de si próprio. Hoje é
incontestável que a maioria de nossas idéias e tendências não são elaboradas por nós,
vindo de fora, concluindo-se que não se penetram em nós senão pela imposição. Um
exemplo puro disso é a maneira pela qual são educadas as crianças, se definindo como
um esforço continuo para impor às crianças maneiras de ver, de sentir e de agir às quais
elas não chegariam espontaneamente.
E o que é analisado por final pelo autor, é que existe toda uma gama de nuanças que liga
os fatos de estrutura mais característicos a estas livres correntes da vida social que não
estão ainda presas a nenhum molde definido, podendo se enquadrar aos fenômenos de
ordem morfológica, ou as regras jurídicas e ainda a simples máxima moral. Sendo a
única diferença entre eles o grau de consolidação que apresentam não perdendo de vista
que são da mesma natureza que os outros.
Então chegasse a conclusão que fato social é toda maneira de agir, podendo ser fixa ou
não, que exerce uma coerção exterior, e que ainda é geral ao conjunto de uma sociedade
possuindo ao mesmo tempo uma existência própria e independente das manifestações
individuais que possa ter.

Jascylin Gonçales Cardoso