Você está na página 1de 7

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA
DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E FARMACOEPIDEMIOLOGIA

Atividade de Exercícios de Epidemiologia


1) A seguir são apresentadas quatro palavras-chave retirados da definição de epidemiologia,
seguidos por uma lista de atividades que um epidemiologista pode realizar. Combine o
termo com a atividade que melhor o descreve. Você deve corresponder a apenas um termo
por atividade.
A. Distribuição
B. Determinantes
C. Aplicação
1. Comparar o histórico de consumo de alimentos entre pessoas com intoxicação
alimentar por Staphylococcus e aquelas pessoas que não apresentam intoxicação
2. Comparar a frequência de câncer entre técnicos de radiagrafia com a frequência de
ocorrência de câncer na população em geral
3. Identificar em um mapa as residências de todas as crianças nascidas com defeitos
de nascença em um raio de 3 Km de um local com armazenamento de lixo perigoso
4. Fazer um gráfico do número de casos de sífilis congênita por ano para o país
5. Recomendar que contatos próximos de uma criança relatada recentemente com
meningite meningocócica recebam rifampicina
6. Tabular a frequência de sinais clínicos, sintomas e achados laboratoriais entre
crianças com sarampo no municipio de Aracaju, entre a 5 e a 25 semamas epidemiológicas
do ano de 2019
2) Leia os dois textos abaixo e responda o que os dois textos têm em comum sob o ponto de
vista do objeto de estudo da epidemiologia e seu pressuposto básico?
“— O meu nome é Severino,
senhor desta sesmaria.
como não tenho outro de pia.
Como então dizer quem falo
Como há muitos Severinos,
ora a Vossas Senhorias?
que é santo de romaria,
Vejamos: é o Severino
deram então de me chamar
da Maria do Zacarias,
Severino de Maria;
lá da serra da Costela,
como há muitos Severinos
limites da Paraíba.
com mães chamadas Maria,
Mas isso ainda diz pouco:
fiquei sendo o da Maria
se ao menos mais cinco havia
do finado Zacarias.
com nome de Severino
Mais isso ainda diz pouco:
filhos de tantas Marias
há muitos na freguesia,
mulheres de outros tantos,
por causa de um coronel
já finados, Zacarias,
que se chamou Zacarias
vivendo na mesma serra
e que foi o mais antigo
magra e ossuda em que eu vivia.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA
DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E FARMACOEPIDEMIOLOGIA

Somos muitos Severinos ataca em qualquer idade,


iguais em tudo na vida: e até gente não nascida).
na mesma cabeça grande Somos muitos Severinos
que a custo é que se equilibra, iguais em tudo e na sina:
no mesmo ventre crescido a de abrandar estas pedras
sobre as mesmas pernas finas suando-se muito em cima,
e iguais também porque o sangue, a de tentar despertar
que usamos tem pouca tinta. terra sempre mais extinta,
E se somos Severinos a de querer arrancar
iguais em tudo na vida, alguns roçado da cinza.
morremos de morte igual, Mas, para que me conheçam
mesma morte Severina: melhor Vossas Senhorias
que é a morte de que se morre e melhor possam seguir
de velhice antes dos trinta, a história de minha vida,
de emboscada antes dos vinte passo a ser o Severino
de fome um pouco por dia que em vossa presença emigra. (…)”
(de fraqueza e de doença Morte e Vida Severina (João Cabral de Mello Neto)
é que a morte Severina

“No campo, um charco estagnado junto à casa pode não ocasionar um dano prejudicial, uma vez que o ar
circula livremente; o mesmo charco é inteiramente diverso numa grande cidade, entre ruelas e pátios que
impedem qualquer corrente de ar. Toda matéria de origem animal e vegetal que se decompõe produz gases
indiscutivelmente prejudiciais à saúde, gases que, à falta de livre circulação, necessariamente envenenam a
atmosfera. O lixo e os charcos permanentes nos bairros operários das grandes cidades, justamente porque
produzem esses gases patogênicos, representam um gravíssimo perigo para a saúde pública – e o mesmo deve
dizer-se das emanações dos cursos de água poluídos.

Mas isso não é tudo. É verdadeiramente revoltante o modo como a sociedade moderna trata a imensa massa
dos pobres. Ela os atrai para as grandes cidades, onde respiram uma atmosfera muito pior que em sua terra
natal. Põe-nos em bairros cuja construção torna a circulação do ar muito mais difícil que em qualquer outro
local. Impede-os de usar os meios adequados para se manterem limpos: a água corrente só é instalada contra
pagamento e os cursos de água poluídos não podem ser utilizados para a higiene; compele-os a jogar na rua
todos os detritos e as imundícies, toda a água servida e até mesmo os excrementos mais nauseabundos, para os
quais não há outra forma de escoamento – enfim, obriga-os a empestear seus próprios locais de moradia. E
nem isso lhe basta: acumula sobre eles todos os males possíveis. Se, em geral, a população das cidades já é
demasiado densa, sãoos pobres os mais amontoados em espaços exíguos. Não contente com a atmosfera
envenenada das ruas, encerra-os às dezenas em habitações de um único cômodo, de tal modo que o ar que
respiram à noite é ainda mais sufocante. Oferece-lhes alojamentos úmidos, porões onde a água mina do chão
ou mansardas de cujo teto ela goteja. Constrói-lhes casas que não permitem que o ar viciado circule. Fornece-
lhes roupas de má qualidade ou farrapose alimentos adulterados ou indigestos. Submete-os às mais violentas
emoções, às mais bruscas oscilações entre medo e esperança e persegue-os como a uma caça, não lhes
concedendo nunca um pouco de paz e de tranquilidade. Priva-os de todos os prazeres, exceto do sexo e da
bebida – mas porque diariamente os faz trabalhar até o esgotamento de suas forças físicas e morais, esses dois
únicos prazeres permitidos são degradados pelos piores excessos. (…)” A situação da classe trabalhadora na
Inglaterra (Friedrich Engels)
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA
DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E FARMACOEPIDEMIOLOGIA

3) No texto acima você consegue identificar alguma concepção histórica de saúde-doença


(concepção em relação à “causalidade”) ? Qual? E Explique porque
4) Na definição de epidemiologia, "distribuição" se refere a:
A. Quem
B. Quando
C. Onde
D. Por quê
5) Na definição de epidemiologia, "determinantes" geralmente incluem:
A. Agentes
B. Causas
C. Medidas de controle
D. Fatores de risco
E. Fontes
6) A investigação de cólera de John Snow é considerada um modelo para investigações
epidemiológicas de campo porque incluiu:
A. Hipótese biologicamente plausível
B. Comparação de um resultado de saúde entre grupos expostos e não expostos
C. Modelo estatístico multivariado
D. Mapa de pontos
E. Recomendação para ação de saúde pública
Um estudo transversal foi realizado na cidade de Santa Cruz, Rio Grande do Norte, no
período de julho a novembro de 2002, como o propósito de analisar a influência de fatores
sociodemográficos, de saúde física, capacidade funcional e função cognitiva sobre a
sintomatologia depressiva de idosos residentes naquele município. Uma parte dos
resultados são apresentados na tabela abaixo:
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA
DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E FARMACOEPIDEMIOLOGIA

7) Qual medida de frequência é possivel calcular a partir desses dados? Jusifique sua
resposta
8) Demonstre o cálculo dessa medida de frequência
9) Vinte e seis casos de tuberculose foram diagnosticados na Cidade Alta entre 1º de janeiro
e 30 de junho de 2000. O total de casos de tuberculose ativos em 30 de junho era de 264. A
população de Cidade Alta era de 183.000 habitantes.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA
DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E FARMACOEPIDEMIOLOGIA

a) Qual foi a incidência de tuberculose na Cidade Alta no período entre 1º de janeiro e


30 de junho?
b) Qual foi a prevalência de tuberculose na Cidade Alta em 30 de junho de 2000?
10) No terceiro domingo de fevereiro de 2001, comemorou-se, em uma comunidade de 462
habitantes, um baile de carnaval ao qual assistiram 287 pessoas. Nas duas últimas semanas
de março, o centro de saúde local atendeu a 79 pessoas que foram atendidas por prurido
intenso e erupção cutânea papulovesicular. Setenta e seis delas tinham assistido ao baile.
Dos 161 homens participantes desse evento social, 53 adoeceram. A maioria (68,3%) dos
participantes do baile tinham entre 20 e 39 anos de idade; nesse grupo encontrava-se o
82,9% dos doentes. Calcule a taxa de ataque dos participantes da festa.
11) Qual a diferença entre incidência e prevalência? Para que servem essas duas medidas?
12) Comente sobre três fatores que influenciam a prevalência.
13) O advento dos hipoglicemiantes orais, no tratamento do diabetes, propicia maior
sobrevida ao doente. O que se pode esperar da taxa de prevalência de diabetes, na
comunidade?
14) Em uma determinada área geográfica, em 31/12/2000, existiam 60 casos de hanseníase.
Em 31/12/2005 um estudo mostrou a existência de 68 casos de hanseníase. Houve aumento
de prevalência de hanseníase nessa área geográfica?
15) Em uma população estável, a prevalência e a incidência anual (por 100.000) da doença
de Parkinson são, respectivamente, 157 e 20. Calcule a duração média (em anos) da doença
de Parkinson nesta população.
16) Dentre os coeficientes comumente utilizados em estudos epidemiológicos, o que melhor
traduz a gravidade de uma doença é:
(A) Letalidade.
(B) Incidência.
(C) Prevalência pontual.
(D) Mortalidade específica.
(E) Coeficiente de ataque secundário
17) A epidemiologia visa ao estudo da frequência e distribuição dos eventos relacionados à
saúde e a seus determinantes. A respeito desse assunto, analise as afirmações abaixo:
I. A epidemiologia permite realizar o diagnóstico de saúde de uma população.
II. O objetivo principal dessa ciência é o estudo das epidemias e sua propagação.
III. Estudos epidemiológicos não permitem conhecer a história natural de uma doença.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA
DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E FARMACOEPIDEMIOLOGIA

Após análise das afirmações acima podemos concluir que:


(A) Todas estão corretas
(B) Apenas I está correta
(C) Apenas I e II estão corretas
(D) Apenas II e III estão corretas
18) Observe o mapa abaixo:

Um único caso de hanseniase que aparecesse na Argélia em 2017 (país da África com
nenhum caso relatado em 2016) poderia ser considerado uma epidemia ou surto
epidêmico? Justifique
19) Vários passageiros de um navio de cruzeiro desenvolveram de forma súbita uma doença
gastrointestinal compatível com o norovírus (anteriormente chamado de vírus semelhante
ao Norwalk). O teste de norovírus não está disponível no navio, e o teste levaria vários dias,
mesmo quando disponível. Supondo que você seja o epidemiologista chamado para
embarcar no navio e investigar este possível surto, sua definição de caso deve incluir, no
mínimo: (Escolha a melhor resposta)
A. Critérios clínicos, além de especificações de tempo, local e pessoa
B. Características clínicas, além da (s) exposição (ões) de que você mais suspeita
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA
DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E FARMACOEPIDEMIOLOGIA

C. Casos suspeitos
D. A definição de caso padrão acordada nacionalmente para notificação de doenças
20) Para o cenário de navio de cruzeiro descrito na questão acima (questão 19), como você
representaria o curso do tempo (ou evolução) do surto? Porquê?
A. Curva endêmica
B. Curva epidêmica
C. Tendência sazonal
D. Tendência secular

Você também pode gostar