Você está na página 1de 26

STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

DIREITO PROCESSUAL CIVIL.

(CESPE_EXAME DE ORDEM_2007_II) No âmbito do processo civil, os princípios informativos são regras


predominantemente técnicas, desligados de maior conotação ideológica, sendo, por esta razão, quase sempre
universais. Já os denominados princípios fundamentais do processo são diretrizes nitidamente inspiradas por
características políticas, trazendo carga ideológica significativa, portanto, válidos para os sistemas ideologicamente
afeiçoados aos princípios fundamentais que lhes correspondam. Alvim Arruda. Manual de direito processual civil.
v. 1, 9.ª ed. São Paulo: RT, p. 23 (com adaptações). A respeito do assunto abordado no texto acima, assinale a
opção correta.
1. Os princípios fundamentais não podem ser antagônicos entre si.
GABARITO: E
2. Os princípios da oralidade e da publicidade dos atos processuais constituem espécies do gênero princípios
informativos.
GABARITO: E
3. Segundo o princípio jurídico, o processo tem de submeter-se a um ordenamento jurídico preexistente, entretanto, se
este se alterar quando estiver em curso o processo, os atos processuais até então realizados devem ser respeitados.
GABARITO: C
4. Os princípios fundamentais prescindem de demonstração maior, sendo assim considerados axiomas universais.
GABARITO: E

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DA PARAÍBA_2008) No que se refere aos princípios que regem o


processo civil e aos relativos à jurisdição civil, julgue os itens.
5. O princípio da publicidade não impede que existam processos em segredo de justiça, no interesse das próprias partes.
Esse sigilo é restrito a estranhos, enquanto não prejudicar o interesse público à informação, assim, por autorização do juiz,
os atos processuais podem ser investigados e conhecidos por outros, além das partes e seus advogados.
GABARITO: C
6. Pelo princípio da inafastabilidade do controle jurisdicional, nenhum juiz será afastado de suas funções sem que lhe
sejam garantidos, em processo adequado, os direitos inerentes ao contraditório e à ampla defesa.
GABARITO: E
7. Pelo princípio do contraditório, o autor pode deduzir a ação em juízo, alegar e provar os fatos constitutivos de seu
direito, e ao réu é assegurado o direito de contestar todos os fatos alegados pelo autor, como também o de fazer a prova
contrária, salvo em caso de revelia.
GABARITO: E
8. Por representar garantia constitucional que visa à proteção do interesse público representado pelo patrimônio das
pessoas de direito público, o duplo grau de jurisdição é exigido em todo e qualquer processo em que tais pessoas sejam
partes ou intervenientes.
GABARITO: E
9. É vedado às pessoas maiores e capazes, mesmo no caso de direito patrimonial disponível, entregar a responsabilidade
de solucionar eventual conflito de interesses a pessoa não integrante da estrutura do Poder Judiciário, bem como
solucionar a lide por outros caminhos que não a prestação jurisdicional.
GABARITO: E

(CESPE_ANALISTA JUDICIARIO_TSE_2007) A respeito da ação e dos sujeitos do processo, julgue os itens:


10. (CESPE_ANALISTA JUDICIARIO_TSE_2007) Ocorre a sucessão processual quando um terceiro assume o lugar
do litigante, ocupando a mesma posição e passando a integrar a relação processual na condição de sucessora da parte
originária. Nesse caso, o sucessor atua em nome próprio por um direito que lhe é próprio.
GABARITO: C
11. (CESPE_ANALISTA JUDICIARIO_TSE_2007) Ocorre a substituição processual quando a titularidade da relação
processual é atribuída a pessoa distinta da que figura na relação jurídica de direito material, como, por exemplo, ocorre
quando a parte é representada em juízo por seus pais ou por seus representantes legais.
GABARITO: E

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

12. (CESPE_ANALISTA JUDICIARIO_TSE_2007) Tem legitimidade ativa para agir o titular da pretensão formulada
em face de quem é o sujeito passivo dessa mesma pretensão. Essa legitimidade, seja ativa ou passiva, corresponde à
capacidade processual de ser parte.
GABARITO: E
13. (CESPE_ANALISTA JUDICIARIO_TSE_2007) Ocorre cumulação de ações quando se verifica a coexistência de
várias ações à disposição e à escolha do autor para fazer valer a sua pretensão contra um ou vários réus, mediante o
ajuizamento de duas ou mais ações, por via do mesmo processo.
GABARITO: E

(CESPE_Analista Judiciário_Área Administrativa_TRT_2005) Acerca das partes no processo, julgue os itens


seguintes.
14. (CESPE_Analista Judiciário_Área Administrativa_TRT_2005) Parte no processo é tanto aquele que demanda em
seu próprio nome, seja no pólo ativo, seja no passivo, como também qualquer terceiro que, por ser detentor de interesse
de fato ou de direito na solução de conflito, requer ao juiz o seu ingresso no processo.
GABARITO: E
15. (CESPE_Analista Judiciário_Área Administrativa_TRT_2005) Se marido e mulher propõem ação de reintegração
de posse contra o casal — marido e mulher — que praticou esbulho possessório, configura-se hipótese de litisconsórcio
ativo e passivo.
GABARITO: C
16. (CESPE_Analista Judiciário_Área Administrativa_TRT_2005) O credor sempre tem legitimidade para ingressar
no feito como assistente de seu devedor, seja qual for o processo, com a finalidade de evitar que, perdendo a demanda, o
devedor tenha seu patrimônio diminuído e não possa mais responder pela dívida que tem com seu credor.
GABARITO: E

(CESPE_TJ/PI_JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO_2007) A respeito dos sujeitos do processo, assinale a opção


correta.
17. Em todos os procedimentos administrativos e judiciais, a parte sucumbente será condenada ao pagamento das
despesas e custas processuais e aos honorários advocatícios da parte vencedora, independentemente da influência do dolo
ou culpa do vencedor, ainda que se trate de pessoa jurídica integrante da administração pública, ressalvando-se dessa
obrigatoriedade o sucumbente beneficiário da assistência judiciária.
GABARITO: E
18. O réu que se considera parte ilegítima poderá nomear o terceiro, para substituí-lo no pólo passivo da relação
processual. Se o terceiro aceitar a nomeação, provoca a formação de um litisconsórcio necessário e unitário entre o réu e o
nomeado. Todavia, a eficácia da sentença a ser proferida no processo se sujeita somente à citação válida desses
litisconsortes.
GABARITO: E
19. A assistência litisconsorcial permite que o interveniente requeira o prosseguimento da ação, ainda que a parte
originária tenha desistido; prossiga na defesa de seu direito, quando aquela haja reconhecido a procedência do pedido ou
transacionado com a outra parte. Esse assistente pode agir com total independência e autonomia relativamente à parte
assistida.
GABARITO: C
20. A oposição pode ocorrer sob a forma de intervenção de terceiro no processo, ou de ação autônoma quando já tiver
ocorrido o trânsito em julgado da sentença da causa principal. Nessa modalidade de intervenção de terceiro, o opoente
poderá exercer todos os direitos atribuídos às partes, podendo interpor exceção de incompetência, argüir a suspeição, o
impedimento ou a incompetência absoluta do juízo, bem como a coisa julgada e a litispendência.
GABARITO: E
21. A denunciação da lide é obrigatória, sob pena de perda do direito de regresso, e tem cabimento em todas as causas do
processo de cognição, sem distinção da natureza material controvertida, do procedimento da ação ou grau de jurisdição. O
autor e o réu têm legitimidade para a denunciação, e a aceitação desta não é condição para o denunciado se sujeitar aos
efeitos da sentença da causa.
GABARITO: E

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

(CESPE_TJ/AC_JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO_2007) A respeito de competência, segundo as disposições do


Código de Processo Civil, julgue os itens.
22. Verificando a continência entre ações propostas em separado, qualquer das partes poderá suscitar o conflito positivo
de competência, pois é inadmissível que, simultaneamente, mais de um órgão judiciário seja igualmente competente para
julgar duas causas que devem receber a mesma solução jurídica.
GABARITO: E
23. O réu tem legitimidade para argüir a incompetência relativa por meio de exceção, que pode ser deduzida por petição
protocolizada no juízo de domicílio do réu, devendo requerer a remessa da exceção ao juízo onde foi proposta a ação,
desde que seu domicílio se encontre no mesmo estado onde a ação foi ajuizada, providência válida para as exceções de
incompetência, de suspeição e de impedimento.
GABARITO: E
24. Havendo, no contrato de adesão, cláusula de eleição de foro, ela é considerada abusiva, por afastar prévia e
convencionalmente a aplicação de norma criada para proteger os interesses das partes contratantes. Em virtude dessa
nulidade, o juízo do foro eleito deve declarar de ofício a sua incompetência, em qualquer fase processual, e remeter os
autos ao juízo do domicílio do réu.
GABARITO: E
25. Perpetuada a competência de determinado juízo sobre uma ação por ele processada, mas conexa com outra já em
curso perante juízo prevento, a exigência do julgamento simultâneo acarreta o deslocamento da causa para este último
órgão jurisdicional.
GABARITO: C

(CESPE_ANALISTA JUDICIARIO_TSE_2007) A respeito da competência,


26. O foro de eleição, ou foro do contrato, desloca a competência originalmente prevista para a ação, quando se tratar de
competência territorial e versar sobre direitos patrimoniais disponíveis. Nesse caso, o foro pode ser eleito, mas o juízo no
qual será ajuizada a ação, não.
GABARITO: C
27. Compete ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) dirimir o conflito de competência suscitado pelo TRE em face do juiz
federal em que se discuta a competência para julgamento de ação de anulação de débito decorrente de multa arbitrada pela
justiça eleitoral.
GABARITO: C
28. A prorrogação da competência por ausência de exceção declinatória abrange todas as situações de incompetência
relativa, pouco importando o objeto ou a natureza da ação ajuizada.
GABARITO: C
29. A incompetência absoluta pode ser alegada a qualquer tempo, mas o réu que não o fizer no momento processual
adequado responderá integralmente pelas custas e honorários advocatícios, ainda que a pretensão do autor seja julgada
improcedente.
GABARITO: E

(CESPE_JUIZ FEDERAL SUBSTITUTO_TRF_5ª REGIÃO_2007) Julgue os itens que se seguem, acerca da


competência, do litisconsórcio e da assistência.
30. O STJ é competente para dirimir conflito de competência estabelecido entre o juizado especial federal e o juízo de
vara federal na mesma seção judiciária.
GABARITO: C
31. Na assistência litisconsorcial, o assistente tem interesse jurídico em que uma das partes vença a ação, visto que pode
ser reflexamente atingido pela sentença que vier a ser proferida no processo instaurado entre o assistido e a parte
contrária. Por isso, pode o assistente produzir provas e praticar todos os atos processuais, embora esse tipo de intervenção
só tenha cabimento nos procedimentos de jurisdição contenciosa.
GABARITO: E
32. Caracterizada a afinidade das questões propostas em juízo, impõe-se o deferimento da formação do litisconsórcio
ativo facultativo, mas a parte contrária pode recusar o litisconsórcio multitudinário, demonstrando fundamentadamente a
dificuldade do exercício de defesa. Esse pedido de limitação deve ser feito antes de decorrido o prazo para a defesa, sob
pena de preclusão.
GABARITO: C
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

(CESPE_AGENTE NOTARIAL_TJ_SE_2007) A respeito da competência do juízo cível, julgue os itens que se


seguem.
33. A competência estabelecida segundo o critério funcional tem natureza absoluta. Esse critério é estabelecido sempre
que o legislador impõe alteração de competência no mesmo processo, em razão das funções exercidas pelo juiz em fases
distintas, ou vincula um processo a outro pelo mesmo motivo.
GABARITO: C
34. A competência do juízo é pressuposto de desenvolvimento válido e regular do processo. Assim, constitui dever legal
do juiz o reconhecimento, de ofício, em qualquer fase processual, da incompetência relativa ou da absoluta e a
determinação de se remeterem os autos ao juízo competente.
GABARITO: E

(JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO_TRT_MT_2007) No atinente à intervenção de terceiros, julgue os itens:


35. Quem pretender, no todo ou em parte, a coisa ou o direito sobre que controvertem autor e réu, poderá, até ser
proferida a sentença, oferecer oposição contra ambos;
GABARITO: C
36. Aquele que detiver a coisa em nome alheio, sendo-lhe demandada em nome próprio, deverá nomear à autoria o
proprietário ou o possuidor;
GABARITO: C
37. Denunciação da lide é ação secundária, de natureza condenatória, ajuizada no curso de outra ação condenatória
principal, em que há duas relações processuais, mas um processo, cujas lides serão julgadas na mesma sentença,
inclusive, a demanda secundária será apreciada, mesmo que o denunciante for vencedor, pelo mérito, na ação principal;
GABARITO: E
38. É admissível o chamamento ao processo do devedor, na ação em que o fiador for réu e de todos os devedores
solidários, quando o credor exigir de um ou de alguns deles, parcial ou totalmente, a dívida comum;
GABARITO: C
39. A assistência constitui-se em modalidade de intervenção de terceiros, a qual consiste na faculdade de terceiro,
detentor de interesse jurídico, intervir no processo para assistir uma das partes, visando que a sentença seja favorável ao
assistido;
GABARITO: C

(CESPE_JUIZ SUBSTITUTO_TJ_TO_2007) Acerca do litisconsórcio, da assistência e da intervenção de terceiros,


julgue os itens:
40. O chamamento ao processo é um meio processual de assegurar o exercício do direito de regresso, que se caracteriza
pela dedução de pretensão contra quem assumiu solidariamente uma obrigação de garantia ou de direitos derivados de um
mesmo fato. Se a pretensão deduzida na ação for julgada procedente, aquele que promoveu o chamamento e o chamado,
em litisconsórcio passivo, serão condenados ao cumprimento da obrigação em favor do autor, que poderá executar
qualquer um deles.
GABARITO: E
41. Havendo litisconsórcio unitário, o juiz deve julgar, necessariamente, de maneira uniforme em relação a todos os
litisconsortes situados no mesmo pólo da demanda. Nesse tipo de litisconsórcio, ocorre a extensão dos efeitos dos
benefícios da prática de um ato processual aos demais litisconsortes. Assim, eventual recurso interposto por um dos
litisconsortes aproveita a todos os demais.
GABARITO: C
42. A denunciação da lide tem justificativa no princípio da economia processual, porquanto encerra, em um mesmo
processo, duas ações. Por isso, aceita a denunciação da lide feita pelo réu, o juiz deverá julgar as duas ações cumuladas
em um só ato judicial, condenando solidariamente o denunciado e o denunciante a compor os prejuízos reclamados pelo
autor.
GABARITO: E
43. O assistente simples atua em nome próprio, mas na defesa de interesse alheio, exerce os mesmos poderes dos
litigantes, podendo opor-se aos atos de disposição do assistido. Esse tem interesse e legitimidade para recorrer da
sentença que foi desfavorável ao assistido, ainda que este não o faça.
GABARITO: E
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

(CESPE_JUIZ SUBSTITUTO_TJ_PI_2007) A respeito dos sujeitos do processo, julgue os itens:


44. Em todos os procedimentos administrativos e judiciais, a parte sucumbente será condenada ao pagamento das
despesas e custas processuais e aos honorários advocatícios da parte vencedora, independentemente da influência do dolo
ou culpa do vencedor, ainda que se trate de pessoa jurídica integrante da administração pública, ressalvando-se dessa
obrigatoriedade o sucumbente beneficiário da assistência judiciária.
GABARITO: E
45. O réu que se considera parte ilegítima poderá nomear o terceiro, para substituí-lo no pólo passivo da relação
processual. Se o terceiro aceitar a nomeação, provoca a formação de um litisconsórcio necessário e unitário entre o réu e o
nomeado. Todavia, a eficácia da sentença a ser proferida no processo se sujeita somente à citação válida desses
litisconsortes.
GABARITO: E
46. A assistência litisconsorcial permite que o interveniente requeira o prosseguimento da ação, ainda que a parte
originária tenha desistido; prossiga na defesa de seu direito, quando aquela haja reconhecido a procedência do pedido ou
transacionado com a outra parte. Esse assistente pode agir com total independência e autonomia relativamente à parte
assistida.
GABARITO: C
47. A oposição pode ocorrer sob a forma de intervenção de terceiro no processo, ou de ação autônoma quando já tiver
ocorrido o trânsito em julgado da sentença da causa principal. Nessa modalidade de intervenção de terceiro, o opoente
poderá exercer todos os direitos atribuídos às partes, podendo interpor exceção de incompetência, argüir a suspeição, o
impedimento ou a incompetência absoluta do juízo, bem como a coisa julgada e a litispendência.
GABARITO: E
48. A denunciação da lide é obrigatória, sob pena de perda do direito de regresso, e tem cabimento em todas as causas do
processo de cognição, sem distinção da natureza material controvertida, do procedimento da ação ou grau de jurisdição. O
autor e o réu têm legitimidade para a denunciação, e a aceitação desta não é condição para o denunciado se sujeitar aos
efeitos da sentença da causa.
GABARITO: E

(CESPE_ANALISTA MINISTERIAL ESPECIALIZADO_MPE_TO_2006) Em relação a partes, litisconsórcio e


intervenção de terceiros no processo civil, julgue os itens seguintes.
49. Os civilmente incapazes podem ser partes em processo judicial. No entanto, se absolutamente incapazes, só podem
participar da relação processual, como autores ou réus, mediante seu representante legal, que pratica os atos da vida civil
em nome deles, substituindo-os. Já os relativamente incapazes manifestam pessoalmente a vontade e são simplesmente
acompanhados pelo representante legal.
GABARITO: C
50. Em caso de desistência da ação popular ou na hipótese de inexistência de interesse por parte de outros legitimados no
prosseguimento da ação, o Ministério Público poderá requerer a sua integração à lide, como litisconsorte facultativo do
autor. E, nessa condição, poderá promover e regular andamento do processo, que, por exigência legal, só será extinto com
julgamento do mérito.
GABARITO: E
51. O chamamento ao processo permite ao réu a inclusão, no pólo passivo, de todos os que, juntamente com ele, têm uma
obrigação perante o autor da demanda principal — seja como fiador, seja como coobrigado solidário da dívida objeto da
demanda —, para obter título executivo contra o devedor principal ou contra outros devedores solidários.
GABARITO: C
52. Se o juiz, ao receber a petição inicial, verificar que se trata de litisconsórcio necessário passivo, determinará ao autor
que promova a citação de todos os litisconsortes, no prazo estabelecido, formando-se o litisconsórcio ulterior. A sanção
para a parte que não providenciar a citação determinada é a extinção do processo, sem julgamento do mérito, por falta de
capacidade processual.
GABARITO: C

(CESPE_OFICIAL DE JUSTIÇA_TJ_RR_2006) Quanto ao litisconsórcio — fenômeno processual que consiste na


pluralidade de partes em um litígio —, julgue os itens:

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

53. No litisconsórcio necessário, é indispensável a participação de todos os consortes, porque a decisão do litígio, apesar
de não ser uniforme para todos, como regra, vincula aqueles que estão integrados naquela relação processual.
GABARITO: E
54. O litisconsórcio unitário e facultativo é aquele que se estabelece por vontade das partes e o litígio pode ser decidido de
maneira diferente para cada um deles.
GABARITO: E
55. No litisconsórcio simples e necessário, a prova produzida por um dos litisconsortes não poderá aproveitar ou
prejudicar os demais.
GABARITO: E
56. Existindo o pressuposto legal para a formação do litisconsórcio facultativo, e formado este, os litisconsórcios serão
considerados, em suas relações com a parte contrária, como litigantes distintos, e os atos e omissões de um não
prejudicarão nem beneficiarão os outros.
GABARITO: C

(CESPE_OFICIAL DE JUSTIÇA_TJ_RR_2006) Em relação à intervenção de terceiro, julgue os itens:


57. O chamamento ao processo consiste na admissibilidade de o réu fazer com que co-devedores solidários passem a
integrar o pólo passivo da demanda junto com ele, em litisconsórcio.
GABARITO: C
58. A denunciação da lide visa possibilitar o exercício do direito de regresso pelo denunciante, com quem o denunciado
mantém relação jurídica de direito material, ou seja, a condenação deste à reparação do prejuízo decorrente de sua
eventual derrota na causa.
GABARITO: C
59. Na assistência simples, o terceiro interessado ingressa no processo como parte passiva, alegando ser o titular da
relação jurídica disputada e requerendo a improcedência da ação.
GABARITO: E
60. Pela nomeação à autoria ocorre a mutação das partes, em face da identificação, na via judicial, do verdadeiro
integrante da relação jurídica material.
GABARITO: C

(CESPE_AGENTE NOTARIAL_TJ_SE_2007) Quanto aos sujeitos do processo, julgue os itens a seguir.


61. Em regra, a titularidade da ação vincula-se à titularidade do pretendido direito material subjetivo envolvido na lide.
Por exceção e nos casos expressamente autorizados em lei, admite-se a substituição processual, que consiste em
demandar a parte, em nome próprio e seu interesse, em defesa de pretensão alheia.
GABARITO: C
62. É obrigatória a intervenção do Ministério Público, como fiscal da lei, em todo e qualquer procedimento de jurisdição
cautelar, porque nesse procedimento não é assegurado o princípio do contraditório, notadamente em virtude da concessão
da medida cautelar liminarmente, isto é, sem ouvir o réu.
GABARITO: E
63. São deveres das partes e de todos aqueles que de qualquer forma participam do processo submeter-se às ordens
contidas nos provimentos judiciais de natureza mandamental e assegurar exeqüibilidade dos provimentos judiciais.
Ressalvados os advogados, e nos atos restritos à sua atividade profissional, o desatendimento desse dever constitui ato
atentatório ao exercício de jurisdição.
GABARITO: C

(CESPE_ANALISTA JUDICIÁRIO_ÁREA JUDICIÁRIA_TRT_9ª REGIÃO_2007) A respeito da intervenção de


terceiros, julgue os seguintes itens.
64. A denunciação da lide é meio pelo qual uma das partes pode deduzir, em relação a terceiro, no mesmo processo,
direito regressivo de que se considera titular. Pela denunciação, verifica-se a ampliação do objeto do processo, pois nova
demanda entre denunciante e denunciado, de natureza condenatória, é admitida na relação processual em curso.
GABARITO: C
65. A nomeação à autoria visa corrigir a legitimação passiva, formando-se litisconsórcio sucessivo facultativo entre o
nomeado e o réu da ação originária, com a finalidade de integrá-lo na relação jurídica processual, para que seja abrangido
pela eficácia da coisa julgada material resultante da sentença, assegurando-se, assim, o direito de regresso do nomeante.
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

GABARITO: E
66. O terceiro proprietário ou possuidor de bem atingindo pela sentença condenatória transitada em julgado, que não
tenha participado da relação processual, pode validamente oferecer oposição aos litigantes para assegurar o seu direito
sobre o imóvel submetido à constrição judicial ou, ainda, para a desconstituição dos efeitos da sentença.
GABARITO: E

(CESPE_OFICIAL DE JUSTIÇA_TJ_RR_2006) Em relação a jurisdição, sob enfoque do processo civil, julgue os


itens:
67. A jurisdição contenciosa tem por objeto assegurar a ordem jurídica e a paz social e, independentemente da existência
de discussão judicial e de pendência ou litígio, promover a composição dos conflitos de interesses por meio da
homologação formal do acordo de vontades.
GABARITO: E
68. Cabe ao proponente a escolha do procedimento a ser adotado no julgamento do litígio por ele ajuizado. No entanto, se
a escolha for pelo procedimento de jurisdição voluntária, o qual exige acordo de vontade entre as partes, esse
procedimento deve seguir até a sentença final.
GABARITO: E
69. A jurisdição civil é a função estatal, exercida no processo, por órgão do poder judiciário, mediante propositura de
ação, visando compor um litígio não-penal e tem como finalidade a resolução justa do litígio.
GABARITO: C
70. Ao Poder Judiciário, com exclusividade, é atribuída a função jurisdicional. No exercício dessa função, ao compor os
conflitos, seja de jurisdição voluntária ou contenciosa, substitui a vontade das partes litigantes por uma sentença e as
decisões proferidas revestem-se de caráter jurisdicional e fazem coisa julgada material.
GABARITO: E

(CESPE_AGU_ADVOGADO DA UNIÃO_2004) Em relação à competência, julgue os seguintes itens.


71. Em um conflito de competência entre juízos estaduais de uma mesma comarca ou de comarcas diversas em um
mesmo estado da Federação, será competente para julgar o feito o tribunal de justiça do estado. Já no caso de o conflito
surgir entre juízos submetidos a tribunais diversos, um estadual e um federal, por exemplo, o julgamento do conflito
caberá ao tribunal regional federal da circunscrição judiciária a que pertencer o juiz federal.
GABARITO: E
72. Sendo conexas duas ou mais demandas ajuizadas perante juízos diversos que tenham a mesma competência territorial,
prevento é o juízo onde se proferiu o primeiro despacho liminar positivo. Porém, se for diferente a competência territorial
de um e outro juízos, prevento será aquele onde se realizou a primeira citação válida.
GABARITO: C
73. A fazenda estadual somente litigará em vara privativa se esta existir no foro competente para a causa.
GABARITO: C

(CESPE_AGU_ADVOGADO DA UNIÃO_2004) Tendo como parâmetro a regra da perpetuatio jurisdicionis e suas


exceções, julgue os itens seguintes.
74. De acordo com dispositivo constitucional, caso algum ente público federal demonstre interesse jurídico e intervenha
em processo que corre perante a justiça estadual, os autos devem ser remetidos à justiça federal, absolutamente
competente para o julgamento. Nessa hipótese, não prevalece a perpetuação da competência.
GABARITO: C
75. A criação de um juízo de família em determinada comarca não influencia na competência das varas cíveis para o
julgamento de ações de divórcio em que o réu já tenha sido citado, porque não ocorre a modificação da competência já
perpetuada.
GABARITO: E
76. Havendo conexão ou continência, e já perpetuada a competência de determinado órgão jurisdicional, este poderá
perdê-la para outro, considerado prevento, a quem competirá decidir sobre as pretensões reunidas por conexão.
GABARITO: C

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

(CESPE_AGU_ADVOGADO DA UNIÃO_2004) Supondo que um terceiro, que se considera titular de direito


sobre o qual controvertem as partes de um processo, deseja ver reconhecido para si este direito, julgue os itens a
seguir.
77. Esse terceiro poderá oferecer oposição a qualquer tempo, antes da prolação da sentença.
GABARITO: C
78. Somente o autor da ação originária será necessariamente réu na oposição, pois é o autor que pleiteia o direito sobre o
qual se funda a ação.
GABARITO: E
79. Se o terceiro não oferecer oposição, não mais poderá demandar o reconhecimento daquele direito controvertido em
demanda independente, pois terá ocorrido a preclusão.
GABARITO: E

(CESPE_PROCURADOR MUNICIPAL DE VITÓRIA/ES_2007) A respeito da competência, julgue os próximos


itens.
80. A conexão de ação implica a reunião de processos, quando se tratar de competência funcional, a fim de que as ações
conexas sejam decididas simultaneamente em uma só sentença. Assim, se essas ações forem ajuizadas perante juízos
diversos que tenham a mesma competência, é prevento o juízo em que a citação do réu ocorreu em primeiro lugar.
GABARITO: E
81. Reconhecida a incompetência absoluta do juízo, todos os atos decisórios anteriormente proferidos são considerados
nulos, devendo o juiz a quem os autos forem remetidos reexaminar as questões. Os atos processuais sem conteúdo
decisório, especialmente os instrutórios, não necessitam ser refeitos, salvo se o outro julgador entender imprescindível
repetir a prova.
GABARITO: C

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DA PARAÍBA_2008) A respeito do litisconsórcio, da intervenção de


terceiros e da assistência, julgue os itens.
82. Na ação de cobrança de dívida líquida e certa em que haja dois credores solidários, bem como na ação de nulidade de
casamento, as partes só poderão agir em conjunto, com a formação do litisconsórcio ativo unitário e necessário.
GABARITO: E
83. A denunciação à lide, forma de intervenção de terceiro, consiste no ajuizamento, pelo denunciante, de lide paralela,
processada simultaneamente com a principal, envolvendo direito de garantia, de regresso ou de indenização que o
denunciante pretende exercer contra o denunciado.
GABARITO: C
84. Na assistência litisconsorcial, caso a intervenção ocorra antes da sentença, o assistente tem direito de deduzir o que
lhe interessa e promover a renovação de provas de que não tenha participado.
GABARITO: E
85. Em ação em que as partes disputam a posse de bem imóvel, o terceiro amparado em propriedade do imóvel poderá
oferecer oposição contra autor e réu, e requerer a imissão de posse.
GABARITO: E
86. Chamamento ao processo consiste no incidente pelo qual o demandado, sob a alegação de não ter legitimidade para
responder à ação, chama ao processo o verdadeiro legitimado passivo, objetivando transferir-lhe a posição de réu.
GABARITO: E

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DA PARAÍBA_2008) Acerca da competência no processo civil, julgue os


itens.
87. O Ministério Público somente será ouvido no conflito de competência quando atuar, na causa correspondente, como
parte ou fiscal da lei.
GABARITO: E
88. Caso o juiz da causa principal tenha competência em razão da matéria ou funcional para conhecer a ação acessória,
ele é competente para julgar, também, a ação declaratória incidente e a reconvenção.
GABARITO: C
89. É competente o foro do domicílio ou residência do alimentante para a ação em que se pedem alimentos. Esse juízo
será competente para julgar ação de revisão dos alimentos, em decorrência de conexão entre os feitos.
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

GABARITO: E
90. Cabe ao STF processar e julgar, originariamente, ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal,
estadual ou municipal.
GABARITO: E
91. As pessoas jurídicas de direito público têm foro privilegiado, por isso, nas ações propostas por essas pessoas, a
competência é determinada pelo foro do local onde funcionem as respectivas administração e vara privativa.
GABARITO: E

(CESPE_32º EXAME DE ORDEM DO RIO DE JANEIRO_2007) Acerca de um critério de competência tido


como absoluto, julgue os itens.
92. Somente pode ser prorrogado por vontade de ambas as partes e do juiz.
GABARITO: E
93. É estabelecido em favor do interesse público, não sendo passível de modificação ou prorrogação pela vontade das
partes e do órgão jurisdicional.
GABARITO: C
94. Somente pode ser alterado antes da propositura da ação, por meio do foro de eleição.
GABARITO: E
95. Somente pode ser prorrogado por vontade de ambas as partes.
GABARITO: E

(CESPE_EXAME DE ORDEM_2006_III) Acerca do litisconsórcio e da intervenção de terceiros no processo civil,


julgue os itens.
96. Na oposição, o terceiro ingressa em juízo pretendendo defender sua posse ou propriedade sobre os bens apreendidos
judicialmente, sem discussão dos direitos que lhe cabem sobre o bem disputado na ação principal, formando-se
litisconsórcio passivo necessário entre os opostos.
GABARITO: E
97. Ocorre a denunciação da lide quando um terceiro interessado requer sua intervenção no processo pendente entre as
partes, visando excluir a pretensão do autor e auxiliar o réu em sua defesa.
GABARITO: E
98. Tratando-se de litisconsórcio unitário e necessário, seja ativo ou passivo, o requisito da legitimidade somente se
aperfeiçoa se todos os litisconsortes integrarem o respectivo pólo da relação processual. Nesse litisconsórcio, a
legitimidade é conjunta, mas a lide pode ser decidida de maneira diversa para eles.
GABARITO: E
99. O chamamento ao processo permite ao réu incluir, coercitivamente, no pólo passivo todos os que devem responder
solidariamente com ele pela satisfação do direito pretendido pelo autor. No chamamento, o réu e os chamados mantêm
vínculo de direito material com o autor.
GABARITO: C

(CESPE_PROMOTOR DE JUSTIÇA DO AMAZONAS_2007) A respeito da competência, julgue os itens.


100. Ao MP, como órgão interveniente em razão da natureza da lide ou da qualidade de parte, facultam-se todos os
recursos e instrumentos processuais oferecidos às partes, o que inclui a legitimidade para argüir exceção de
incompetência, ainda que relativa.
GABARITO: E
101. O juízo do domicílio do menor é competente para apreciar ação de guarda proposta por um dos pais contra o outro.
No entanto, por ser relativa, essa competência pode ser prorrogada e não autoriza declinação da competência de ofício.
GABARITO: E
102. A competência para o inventário é definida em razão do lugar onde ocorreu a morte do autor da herança. Quando o
autor da herança for servidor público, o juízo competente para processar seu inventário, por força de lei, é o do local onde
ele presta serviços ou do lugar de sua última lotação.
GABARITO: E
103. A interposição de embargos de terceiros por uma empresa pública federal ou mesmo quando manifesta seu interesse
em ingressar em ação que tramita perante a justiça estadual, na qualidade de litisconsorte, assistente ou opositor, acarreta

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

o vício de incompetência absoluta superveniente na ação principal, determinando o deslocamento de ambos os feitos para
a justiça federal.
GABARITO: C
104. Propostas ações em separado, ocorrendo a continência entre as ações, qualquer das partes poderá suscitar o conflito
de competência, perante qualquer um desses juízos, em virtude da proibição da existência de mais de um órgão judiciário
competente para julgar duas causas que devam receber a mesma solução jurídica.
GABARITO: E

(CESPE_DEFENSOR PÚBLICO DO AMAZONAS_2003) Em relação à competência, julgue os itens a seguir.


105. Sendo a incompetência absoluta argüível a qualquer momento ou grau de jurisdição, nada impede que o juiz, uma
vez prolatada e publicada a sentença, verificando a sua incompetência absoluta, profira decisão de ofício, ou a
requerimento da parte, anulando a sentença e remetendo os autos ao juízo competente, onde o feito prosseguirá.
GABARITO: E
106. As ações que visam à desconstituição de sentença já transitada, seja a rescisória, seja a anulatória de sentença que
homologue acordo das partes, serão sempre da competência originária dos tribunais.
GABARITO: E
107. O foro de eleição prevalece sobre o da situação do imóvel, pois a competência territorial é sempre relativa e
prorrogável a critério das partes.
GABARITO: E
108. De acordo com a regra processual que determina o forum rei sitae, a ação reivindicatória proposta contra empresa
pública federal deve correr no foro da situação do imóvel, ainda que o local não seja sede de justiça federal.
GABARITO: E

(CESPE_DEFENSOR PÚBLICO DO AMAZONAS_2003) Quanto às partes e aos terceiros, julgue os itens que se
seguem.
109. Configurada a ilegitimidade ativa, deve o juiz indeferir a inicial, extinguindo o processo sem julgamento de mérito,
por carência de ação.
GABARITO: C
110. Ocorre o fenômeno da substituição processual quando o Ministério Público intervém no processo em defesa do
interesse de incapazes que não possuem representante legal ou cujos interesses colidem com os daqueles.
GABARITO: E
111. Ocorre substituição processual nos casos em que o curador atua em defesa do réu revel.
GABARITO: C
112. Decretada a falência, qualquer ação contra a massa deverá ser proposta contra o falido em litisconsórcio necessário
com o síndico.
GABARITO: E

(CESPE_DEFENSOR PÚBLICO DO CEARÁ_2008) No que concerne à competência, julgue os itens a seguir.


113. Nas ações de reparação de dano sofrido em razão de delito ou acidente de veículos, será competente o foro do
domicílio do autor ou do local do fato. Trata-se, porém, de competência relativa, podendo o autor optar pelo foro do
domicílio do réu.
GABARITO: C
114. Na exceção de incompetência absoluta, a falta de indicação do juízo competente não é causa de indeferimento
liminar do pedido do excipiente, porque essa exigência é desprovida de fundamentação legal. Declarada essa
incompetência, todos os atos praticados no processo serão declarados nulos.
GABARITO: E

(CESPE_MPE/AM_AGENTE TÉCNICO JURÍDICO_2008) Em relação à competência, julgue os itens a seguir.


115. Quando a competência é determinada em virtude do interesse público, não se admite a sua modificação e, por isso,
ela é improrrogável. Assim, firmada, a competência absoluta deve prevalecer durante todo o curso do processo, ou seja,
os feitos pendentes não poderão ser alcançados pelas modificações supervenientes, de fato ou de direito, que possam
alterar a competência já estabilizada.
GABARITO: E
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

116. Considere que os credores solidários de uma mesma obrigação, com fundamento nessa, proponham duas ações
distintas em juízos diversos, e que, em uma delas, postulem a cobrança dos juros moratórios e, na outra, a cobrança pelo
inadimplemento total da obrigação. Nessa hipótese, em virtude da continência, haverá modificação da competência e os
processos serão reunidos para decisão conjunta.
GABARITO: C

(CESPE_PROMOTOR DE JUSTIÇA DO AMAZONAS_2007) Em relação aos sujeitos do processo, à intervenção


de terceiros e aos atos processuais, julgue os itens.
117. Consideram-se válidas as comunicações e intimações dirigidas aos endereços indicados pelas partes nos autos. Caso
haja mudança de endereço, sem a comunicação de tal fato ao juiz, presumem-se válidas a intimação e a comunicação
encaminhadas pela via postal ao endereço constante dos autos.
GABARITO: C
118. A legitimidade extraordinária consiste em permitir-se que o legitimado atue no processo na defesa de interesse de
outrem, em nome deste, razão por que não pode o legitimado dispor do direito material discutido em juízo.
GABARITO: E
119. A parte que sofrer dano processual em virtude da conduta culposa do outro litigante poderá requerer,
incidentalmente, o ressarcimento dos prejuízos sofridos, nos próprios autos do processo em que o ilícito processual foi
cometido. Caso a ação seja julgada contrariamente aos interesses do litigante de má-fé, o juiz o condenará ao pagamento
de quantia certa, que também pode ser executada na própria ação.
GABARITO: E
120. No chamamento ao processo, forma-se um litisconsórcio necessário passivo entre as partes do processo primitivo,
visando à condenação do terceiro à reparação do prejuízo decorrente de sua eventual derrota na causa. Nesse instituto, não
se trata de ingresso de terceiro no processo, havendo tão só a integração de mais uma parte.
GABARITO: E
121. Em observância ao princípio da celeridade, no cumprimento de uma carta precatória, o juiz não pode recusar o seu
cumprimento, no entanto, em se tratando de caso que requeira urgência, sob pena de perecimento do direito, poderá
apreciar questão de mérito da demanda ou, fazendo-se necessário, conceder efeito suspensivo de decisão do juízo
deprecante.
GABARITO: E

(CESPE_TRT/5ª REGIÃO_JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO_2006) A respeito da assistência e da


intervenção de terceiros, julgue os itens.
122. A nomeação à autoria é medida obrigatória que visa chamar o terceiro, que mantém vínculo de direito com a parte
ré, visando modificar a relação processual, corrigindo-a no pólo passivo.
GABARITO: E
123. A oposição ocorrerá sob a forma de intervenção de terceiro em processo alheio, objetivando defender pretensão
própria sobre o mesmo objeto litigioso disputado pelas partes do processo, de que resulta a formação de litisconsórcio
passivo necessário entre os sujeitos da ação principal.
GABARITO: E
124. Na assistência litisconsorcial, não se discute a relação jurídica ou o direito de que o assistente se julga titular, ou seja,
o seu direito não pode ser objeto da lide pendente. Esse assistente não é parte, atua sempre complementando a atividade
processual do assistido, subordinando-se à orientação tomada pelo assistido.
GABARITO: E
125. O chamamento ao processo, no qual forma-se um litisconsórcio necessário passivo entre as partes do processo
primitivo, por determinação legal, é cabível nos processos de conhecimento, cautelar e de execução e pode ser requerido
por qualquer das partes. No entanto, se a parte se omite em chamar ao processo o coobrigado, perde a possibilidade de,
posteriormente, em outro processo, exercer eventual direito regressivo contra o devedor principal ou contra co-devedores.
GABARITO: E
126. A denunciação da lide consiste em uma ação regressiva, no mesmo processo, promovida tanto pelo autor como pelo
réu, visando à condenação do denunciado à reparação do prejuízo decorrente de sua eventual derrota na causa, seja pela
perda da coisa, seja pela perda de sua posse direta, seja por lhe assistir direito regressivo previsto em lei ou em contrato.
Assim, pressupõe-se necessariamente que o denunciante tenha uma pretensão própria contra o denunciado, pretensão que
fará valer, caso venha, ele denunciante, a sucumbir na ação principal.
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

GABARITO: C

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DA PARAÍBA_2008) Com relação à formação, suspensão e extinção do


processo, julgue os itens.
127. Estabilizada a relação processual, não pode o autor modificar unilateralmente os elementos objetivos da demanda;
entretanto, com a aquiescência do réu, é possível modificar o pedido e a causa de pedir, mesmo depois da fase de
saneamento do processo.
GABARITO: E
128. Caso seja reconhecida a perempção, o autor fica privado de propor ação contra o réu com o mesmo pedido e a
mesma causa de pedir da ação perempta; entretanto, o direito material pode ser suscitado em defesa, pois a perempção
atinge o direito de ação e, não, o direito material, que poderia ser alegado por meio da ação.
GABARITO: C
129. As partes podem convencionar a suspensão do processo pelo prazo máximo de seis meses, mas esta ficará
condicionada à aquiescência do juiz, que poderá deferir ou não o acordo, visto que o impulso do procedimento é oficial,
isto é, o andamento do processo não fica na dependência da vontade ou colaboração das partes.
GABARITO: E
130. O fato de o autor deixar, por mais de 30 dias, de atender despacho judicial que determine manifestação sobre as
preliminares argüidas pelo réu em contestação, caracteriza a contumácia processual, o que autoriza a extinção do processo
sem resolução do mérito.
GABARITO: E
131. O autor poderá, com a anuência do réu, desistir da ação, renunciando, com isso, ao direito material sobre o que se
funda a sua pretensão; no entanto, poderá o autor, futuramente, propor nova ação contra o mesmo réu, com o mesmo
pedido e causa de pedir, posto que, no caso, inexiste a eficácia da coisa julgada.
GABARITO: E

(CESPE_TRT/5ª REGIÃO_JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO_2006) A respeito da petição inicial e da


resposta do réu, julgue os itens.
132. O autor pode, em uma única ação, formular diversos pedidos cumulados contra vários réus, em decorrência de vários
fatos distintos e constitutivos do direito do autor, ainda que entre eles não haja conexão, desde que faça a opção pelo rito
ordinário.
GABARITO: E
133. Se a ação principal tiver sido promovida pelo substituto processual, a reconvenção somente será possível se o pedido
do réu fundar-se em pretensão que tenha em face do substituto processual.
GABARITO: E
134. Se a ação é proposta contra vários réus — litisconsórcio passivo —, o prazo para a resposta lhes é comum,
indicando-se como termo a quo desse prazo a data da juntada aos autos do último aviso de recebimento ou mandado
citatório cumprido. Quando os réus tiverem procuradores diferentes, têm prerrogativa de prazo que é contado em dobro.
GABARITO: C
135. Se o réu revel ingressar no feito após a fase de especificação de provas, ainda assim poderá indicar as suas provas,
pois não há que se falar em preclusão quando ocorre a revelia porque a lei autoriza ao réu ingressar no feito a qualquer
momento.
GABARITO: E
136. O momento para a produção da prova documental pelo autor é o do ajuizamento da petição inicial. Se não produzido
o documento nessa oportunidade, precluso estará o seu direito de trazê-lo aos autos com fins probatórios. O juiz, ao
constatar essa irregularidade, deverá indeferir liminarmente a petição inicial.
GABARITO: E

(CESPE_ANALISTA JUDICIÁRIO_ÁREA JUDICIÁRIA_TRT_9ª REGIÃO_2007) Em relação às condições da


ação, julgue os próximos itens.
137. As condições da ação tornam possível o surgimento de uma relação jurídica e válido e regular seu desenvolvimento.
A ausência de qualquer uma dessas condições acarreta a nulidade do processo no todo, ou em parte, ou, ainda, o
indeferimento liminar da petição inicial.
GABARITO: E
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

138. O interesse de agir surge da necessidade de obter, por meio do processo, a proteção ou reparação de um interesse
substancial, o que impõe a quem o alega a demonstração de uma lesão a esse interesse e a utilidade do provimento
jurisdicional pretendido. O interesse que autoriza a propositura ou a contestação de uma ação é o interesse legítimo de
natureza econômica ou moral.
GABARITO: C

(CESPE_PROCURADOR DO MUNICÍPIO DE ARACAJU_2007) Quanto a formação, suspensão e extinção do


processo, julgue os itens a seguir.
139. No caso de suspensão do processo, nenhum prejuízo sofrem os atos processuais já praticados, e os prazos iniciados
antes da suspensão têm a fluência restabelecida apenas pelo restante necessário a completar o prazo legal.
GABARITO: C
140. O juiz pode, de ofício, sustar o curso de ação de indenização por danos materiais e morais por ato ilícito e determinar
o apensamento de ação ao processo criminal para julgamento simultâneo, em razão da conexão por prejudicialidade, caso
a defesa do réu seja fundamentada na alegação de legítima defesa. Nessa hipótese, ocorrerá a suspensão da ação cível.
GABARITO: E

(CESPE_EXAME DE ORDEM_2006_III) Acerca das condições da ação e dos pressupostos processuais, julgue os
itens.
141. Se restar comprovada a existência de outra causa igual, ainda que já decidida, mas sem o trânsito em julgado, o
processo será extinto, em virtude da ocorrência da litispendência. Sendo essa uma das condições da ação, a pretensão do
autor não será resolvida.
GABARITO: E
142. O reconhecimento da ausência de pressupostos processuais conduz à declaração incidental de improcedência da ação
e à condenação do autor ao pagamento dos ônus sucumbenciais.
GABARITO: E
143. Os pressupostos processuais são os requisitos necessários à regularidade e à existência da relação processual e a falta
de qualquer desses requisitos acarreta a extinção do processo sem resolução do mérito, por carência de ação.
GABARITO: E
144. Se o réu não alegar a falta de uma das condições da ação na primeira oportunidade que tiver para falar nos autos,
muito embora ela possa ser conhecida de ofício, ele responderá pelas custas de retardamento.
GABARITO: C_________

(CESPE_PROMOTOR DE JUSTIÇA DO AMAZONAS_2007) Acerca da formação, suspensão e extinção do


processo, julgue os itens.
145. falecimento de uma das partes e a sucessão entre vivos de bem litigioso são causas obrigatórias de substituição da
parte por seu sucessor. Nesses casos, não pode ser recusada a substituição, sob pena de extinção do processo sem
resolução do mérito, por perda da capacidade superveniente de uma das partes.
GABARITO: E
146. A perempção atinge o direito de ação, mas não o direito material que dela poderia ter sido objeto. Assim, a extinção
do processo não impede que o autor volte a propor a mesma ação, em uma nova relação processual.
GABARITO: E
147. Extingue-se o processo sem resolução de mérito pela renúncia ao direito em que se funda a ação, com a expressa
concordância do réu. Nesse caso, a desistência da ação não impede a reabertura de processo com a mesma lide, em razão
da inexistência da eficácia da coisa julgada material.
GABARITO: E
148. A ilegitimidade passiva da parte para a causa implica a extinção do processo por carência da ação. A comprovação
da inexistência das condições da ação conduz à extinção do processo sem resolução do mérito, que pode ocorrer por
provocação da parte ou por iniciativa do juiz a qualquer tempo, enquanto não houver sentença de mérito, ainda mesmo
que o saneador reste irrecorrido.
GABARITO: C
149. Ocorre a transação entre as partes quando o réu reconhece como procedente em parte o pedido, desde que o autor
renuncie de parte desse pedido. Nessa situação, o juiz decide a lide com resolução do mérito, declarando procedente o
pedido e, se essa decisão transitar em julgado, inicia-se a fase do cumprimento da sentença.
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

GABARITO: E

(CESPE_DEFENSOR PÚBLICO DO AMAZONAS_2003) Com relação ao processo e aos procedimentos na área


cível, julgue os itens a seguir.
150. Constituindo as exceções modos de defesa indireta, previstas no capítulo da resposta do réu, somente podem ser
opostas pelo réu.
GABARITO: E
151. Proposta exceção, o processo ficará suspenso até que seja proferida a primeira decisão a respeito do tema, e não até o
julgamento final da lide.
GABARITO: C
152. Se, proposta ação de conhecimento que objetive o cumprimento de determinado contrato, o réu alegar, em
contestação, a falta do interesse de agir, sob o argumento de que o contrato é um título executivo, o juiz, acolhida a
alegação, deverá extinguir o feito sem julgamento de mérito.
GABARITO: C
153. A morte de uma das partes suspende o processo no momento de sua ocorrência. É irrelevante, sob este aspecto, o
instante em que foi comunicado o óbito ao juízo. Assim, o ato que declara a suspensão do processo por morte da parte
tem efeito ex tunc.
GABARITO: C
154. O devedor que, diante da recusa do credor em receber, desejar efetuar o pagamento pode efetuar o depósito em favor
do credor em conta com correção monetária em agência bancária, sem que para tanto necessite obter alvará judicial
autorizando o depósito. Nessa hipótese, não havendo recusa do credor, libera-se o devedor da obrigação.
GABARITO: C
155. Em execução de sentença proferida por juízo incompetente, não pode o executado, em embargos do devedor, alegar
a nulidade da sentença por incompetência do juízo que a prolatou.
GABARITO: C

(CESPE_MPE/AM_AGENTE TÉCNICO JURÍDICO_2008) A respeito do processo e dos princípios e


pressupostos processuais, julgue os seguintes itens.
156. O objeto material do processo é a pretensão do autor. Dessa forma, a perda superveniente desse objeto ocasionará a
extinção do processo por carência de ação, ou seja, por não se encontrar regular a relação jurídica.
GABARITO: E
157. Como litispendência, perempção, coisa julgada e convenção de arbitragem são pressupostos processuais negativos,
verificada a ocorrência de qualquer um deles, exceto quando se tratar do compromisso arbitral, o juiz poderá,
independentemente da alegação do réu, extinguir o processo sem resolução do mérito.
GABARITO: C
158. No sistema processual civil brasileiro, na definição do objeto sobre o qual recairá a prestação jurisdicional, bem
como na instituição da relação processual, prevalece o princípio do dispositivo.
GABARITO: C

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DA PARAÍBA_2008) Julgue os itens acerca do processo de


conhecimento.
159. A exceção de impedimento ou de suspeição pode ser exercida em qualquer tempo ou grau de jurisdição, respeitado o
prazo preclusivo de quinze dias, contado do fato que ocasionou o impedimento ou a suspeição.
GABARITO: E
160. Por meio da transação, as partes decidem extinguir o litígio deduzido em juízo, dispensando-se, assim, o
pronunciamento do juiz sobre o mérito da lide, negócio que só produz efeitos depois de homologado por sentença, que
extinguirá o processo sem resolução do mérito.
GABARITO: E
161. A relação processual não terá existência válida quando ausente a capacidade processual das partes, ou quando esta
não for devidamente integrada; constatado o defeito da capacidade, o juiz deverá ensejar sua regularização, marcando
prazo razoável, com a suspensão do processo.
GABARITO: C

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

162. Admite-se a reconvenção apenas no caso de haver conexão entre ela e a ação principal, e a desistência da ação
impede o prosseguimento da reconvenção, ou seja, a ação acessória tem o mesmo destino da ação principal.
GABARITO: E
163. Citado o réu, a lide se estabiliza e ao autor não é mais permitido alterar os elementos da causa, sem o consentimento
do réu, salvo quando ocorrer a revelia, pois, nesse caso, dispensa-se a intimação do réu para a prática de qualquer ato
processual subseqüente à decretação da revelia.
GABARITO: E

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DA PARAÍBA_2008) Com relação à formação, suspensão e extinção do


processo, julgue os itens.
164. Estabilizada a relação processual, não pode o autor modificar unilateralmente os elementos objetivos da demanda;
entretanto, com a aquiescência do réu, é possível modificar o pedido e a causa de pedir, mesmo depois da fase de
saneamento do processo.
GABARITO: E
165. Caso seja reconhecida a perempção, o autor fica privado de propor ação contra o réu com o mesmo pedido e a
mesma causa de pedir da ação perempta; entretanto, o direito material pode ser suscitado em defesa, pois a perempção
atinge o direito de ação e, não, o direito material, que poderia ser alegado por meio da ação.
GABARITO: C
166. As partes podem convencionar a suspensão do processo pelo prazo máximo de seis meses, mas esta ficará
condicionada à aquiescência do juiz, que poderá deferir ou não o acordo, visto que o impulso do procedimento é oficial,
isto é, o andamento do processo não fica na dependência da vontade ou colaboração das partes.
GABARITO: E
167. O fato de o autor deixar, por mais de 30 dias, de atender despacho judicial que determine manifestação sobre as
preliminares argüidas pelo réu em contestação, caracteriza a contumácia processual, o que autoriza a extinção do processo
sem resolução do mérito.
GABARITO: E
168. O autor poderá, com a anuência do réu, desistir da ação, renunciando, com isso, ao direito material sobre o que se
funda a sua pretensão; no entanto, poderá o autor, futuramente, propor nova ação contra o mesmo réu, com o mesmo
pedido e causa de pedir, posto que, no caso, inexiste a eficácia da coisa julgada.
GABARITO: E

(CESPE_EXAME DE ORDEM_2007_I) Julgue os itens subseqüentes, relativos à teoria geral do processo civil.
169. No direito brasileiro, os tribunais e juízos são previstos na Constituição e nas leis infraconstitucionais, com índole de
generalidade, o que torna impossível a criação de órgãos jurisdicionais de exceção para julgamento de causas específicas.
GABARITO: C
170. No processo civil, é dado ao Ministério Público o prazo em quádruplo para contestar e em dobro para recorrer.
GABARITO: C
171. A capacidade de ser parte constitui pressuposto subjetivo de constituição válida da relação de direito processual.
GABARITO: C
172. Os procedimentos especiais e o procedimento sumário regem-se pelas disposições que lhes são próprias, aplicando-
se-lhes, subsidiariamente, as disposições gerais do procedimento comum ordinário.
GABARITO: C

CESPE_EXAME DE ORDEM_2007_I) Tendo em vista as normas atinentes aos princípios gerais do processo, à
capacidade, às condições da ação e aos pressupostos processuais, julgue os itens.
173. Tipifica o princípio da eventualidade o fato de a lei processual deduzir que compete ao réu alegar, na contestação,
toda a matéria de defesa e nela expor todas as razões de fato e direito com que impugna o pedido do autor.
GABARITO: C
174. A denominada jurisdição voluntária é o conjunto de atribuições administrativas integrativas, confiadas pela lei ao
Poder Judiciário.
GABARITO: C
175. O indivíduo menor de dezoito anos e maior de dezesseis anos de idade não detém capacidade processual plena para
pleitear a sua própria emancipação sem assistência de seus pais ou tutor.
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

GABARITO: E
176. O exame das matérias atinentes à ação e ao processo, pelo juiz, qualifica o juízo sobre a admissibilidade ou
inadmissibilidade do julgamento da demanda.
GABARITO: C

(CESPE_EXAME DE ORDEM_2007_I) Ante o que dispõem as normas sobre as condições da ação e da


competência jurisdicional e quanto aos atos processuais, julgue os seguintes itens.
177. A autocomposição destaca-se como um meio alternativo válido de solução de conflitos de interesses. Desse modo,
pode essa forma alternativa ser utilizada dentro ou fora da relação jurídica de direito processual (endo ou
extraprocessual).
GABARITO: C
178. A competência determinada pelo critério do valor da causa pode ser classificada como relativa, porque é instituída
levando-se em conta o interesse privado das partes.
GABARITO: C
179. As objeções processuais podem e devem ser verificadas de ofício pelo juiz, em qualquer tempo e grau de jurisdição,
e não se sujeitam à preclusão.
GABARITO: C
180. Tipifica a teoria da asserção a possibilidade jurídica de se perquirir quanto à existência das condições da ação em
momento posterior à propositura desta, a depender da incidência de circunstâncias supervenientes, de modo que o juiz, na
sentença, poderá ter por satisfeitos tais requisitos, ou, caso contrário, reconhecer a carência do direito de ação do autor.
GABARITO: C

(CESPE_Defensor Público Substituto_DPG_CE_2008) A respeito dos recursos, julgue os itens a seguir.


181. Se, em uma mesma decisão, houver julgamento por maioria de votos e julgamento unânime e se não forem
interpostos embargos infringentes, o prazo para a apresentação dos recursos especial e extraordinário relativos à parte
unânime da decisão conta-se a partir do trânsito em julgado do acórdão que poderia ser impugnado por embargos
infringentes.
GABARITO: C
182. Havendo sucumbência recíproca e interposto recurso independente, poderá o Ministério Público, terceiro
prejudicado ou interveniente no processo, interpor recurso adesivo. Esse recurso é subordinado ao recurso principal, salvo
quanto à admissibilidade. Não sendo conhecido o principal, o tribunal deverá dar provimento ao adesivo, para reformar
em parte a decisão impugnada.
GABARITO: E
183. Indeferida a petição inicial, por não ter sido emendada pelo autor, o recurso apropriado contra a decisão será a
apelação, cujo processamento se dará independentemente de citação do réu, e com possibilidade de juízo de retratação.
GABARITO: C

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DO CEARÁ_2008) Quanto aos recursos no processo civil, julgue os itens.
184. É possível a convalidação das nulidades sanáveis, por decisão do colegiado, no âmbito recursal, admitindo-se a
determinação da correção de tais nulidades, além da apelação, no julgamento de outros recursos, inclusive nos recursos
especial e extraordinário.
GABARITO: E
185. Para a admissibilidade dos recursos extraordinários, exige-se, além dos demais requisitos legais, a demonstração da
repercussão geral das questões constitucionais discutidas. A existência da repercussão geral deve ser demonstrada, em
preliminar do recurso extraordinário, para apreciação exclusiva do STF.
GABARITO: C
186. Cabe juízo de retratação, bem como o denominado agravinho ou agravo regimental, contra decisão monocrática do
relator que determine a conversão do agravo de instrumento em retido ou a concessão de efeito suspensivo ao recurso.
GABARITO: E
187. São cabíveis embargos de declaração com caráter infringente quando o recurso for utilizado com a finalidade de pré-
questionamento ou para rever decisão anterior, reexaminando ponto sobre o qual já houve pronunciamento, com inversão,
em conseqüência, do resultado final.
GABARITO: E
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

188. No exame de recurso especial, não poderá ser apreciada questão de inconstitucionalidade de lei federal ou local a ser
aplicada na solução do caso concreto, devendo-se, caso ocorra dúvida quanto à constitucionalidade de lei, suspender o
julgamento, remetendo-se os autos ao STF.
GABARITO: E

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DA PARAÍBA_2008) A respeito do recurso no processo civil, julgue os


itens.
189. O prazo recursal para o revel que não tenha advogado constituído começa a correr a partir de sua intimação, isto é,
da publicação da sentença no órgão oficial, sendo assegurado àquele, intimado por edital, o prazo em dobro para recorrer.
GABARITO: E
190. Segundo o princípio da unitariedade, não é possível a interposição de mais de um recurso contra a mesma decisão;
por isso, não será admitida a interposição simultânea de agravo e de pedido de suspensão da segurança contra decisões
liminares em mandado de segurança.
GABARITO: E
191. Com a interposição dos embargos de declaração, todos os demais prazos recursais são suspensos, e essa suspensão
valerá para o embargante, para a parte contrária e para terceiros prejudicados.
GABARITO: E
192. Cabe agravo contra decisão que defira pedido de relevação de pena de deserção e fixe novo prazo para o recorrente
efetuar o preparo, acolhendo-se a justificativa de justo impedimento.
GABARITO: E
193. A retenção de recurso especial interposto contra acórdão proferido no agravo de instrumento, deduzido em face de
decisão interlocutória de primeiro grau, impõe ao recorrente reiterá-lo no prazo para a interposição do recurso contra a
decisão final, ou para as contra-razões.
GABARITO: C
QUESTÃO 89

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DA PARAÍBA_2008) Ainda acerca dos recursos, julgue os itens.


194. O relator pode converter em retido o agravo de instrumento, salvo quando se tratar de medida de urgência ou houver
perigo
de lesão e de difícil ou incerta reparação; contra essa decisão cabe agravo regimental interposto no órgão colegiado
competente ou pedido de reconsideração.
GABARITO: E
195. Na hipótese de o juiz verificar que os embargos de declaração possam acarretar a modificação do julgado em sua
substância, ele deverá indeferir liminarmente o recurso, pois tais embargos não admitem efeitos infringentes, em virtude
da violação do princípio do contraditório e da caracterização do cerceamento de defesa.
GABARITO: E
196. A parte que já tenha interposto recurso pela via principal pode recorrer adesivamente ao recurso da outra parte, desde
que a impugnação recaia sobre a parte da decisão que não tenha sido objeto do recurso autônomo.
GABARITO: E
197. O recurso de apelação contra sentença denegatória de mandado de segurança possui apenas efeito devolutivo,
ficando revogada a liminar, ainda que o juiz não declare expressamente essa revogação na sentença.
GABARITO: C
198. No julgamento do recurso de apelação, não pode o órgão ad quem manter a sentença de extinção do processo sem
resolução do mérito, modificando, entretanto, a fundamentação adotada pelo juiz a quo.
GABARITO: E

(CESPE_Advogado Junior_Petrobrás_2007) A respeito dos recursos no processo civil, julgue os próximos itens.
199. O recurso ordinário é cabível quando a decisão coletiva dos tribunais denega mandado de segurança, mandado de
injunção e habeas data. A necessidade de o recurso ser de única instância não autoriza a imediata interposição de recurso
extraordinário se a decisão denegatória violar a Constituição Federal de 1988 (CF).
GABARITO: C

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

200. Quando o recurso tem como objetivo a reforma da sentença, por vício de conteúdo, isto é, erro de julgamento por
violação de norma de direito material ou erro na concretização do direito, eventual provimento desse recurso acarretará o
reconhecimento da nulidade e, como conseqüência, a decisão impugnada será cassada.
GABARITO: E
201. Para que os recursos extraordinários interpostos a partir do dia 18/2/2007 sejam conhecidos, incumbe ao recorrente
demonstrar, em preliminar, a existência da repercussão geral das questões constitucionais discutidas no recurso. A
apreciação dessa matéria é exclusiva do Supremo Tribunal Federal, isto é, não pode ser objeto de análise para a
admissibilidade do recurso no tribunal de origem.
GABARITO: E

(CESPE_Técnico em Procuradoria_Direito_PGE_PA_2007) Quanto aos recursos interpostos contra as decisões


proferidas no processo civil, julgue os itens.
202. No caso de interposição de agravo de instrumento, o recorrente deverá comunicar ao juízo prolator a decisão
impugnada e requerer a juntada de cópia da petição do agravo aos autos do processo de origem, sob pena de o relator, de
ofício, não conhecer do recurso em razão de irregularidade formal.
GABARITO: E
203. O efeito devolutivo da apelação possibilita novo julgamento pela instância superior — órgão ad quem — nos limites
da matéria impugnada, isto é, sem ultrapassar os limites do pedido de nova decisão. Por isso, para que o recurso seja
conhecido, o apelante, na petição do recurso, deve apresentar as razões de fato e de direito pelas quais entende deva ser
anulada ou reformada a sentença.
GABARITO: C
204. Compete ao Superior Tribunal de Justiça processar e julgar ação cautelar para dar efeito suspensivo a recurso
especial, ainda que pendente o juízo de admissibilidade no tribunal de origem.
GABARITO: E
205. Na sessão de julgamento de qualquer um dos recursos interpostos e das ações originárias dos tribunais, poderá haver
sustentação oral, no prazo improrrogável de quinze minutos para cada um dos advogados das partes ou dos intervenientes.
GABARITO: E

(CESPE_Promotor de Justiça_AM_2007) A respeito dos recursos, julgue os itens.


206. Se for provido o recurso de apelação e reconhecida a nulidade da citação, os autos retornarão ao juízo de primeiro
grau, que determinará a repetição do ato citatório e, como conseqüência, determinará a anulação de todos os atos
subseqüentes, inclusive se já tiver sido proferida sentença definitiva.
GABARITO: E
207. O recurso que não é conhecido por lhe faltar alguma das condições de admissibilidade faz que se tenha a decisão
impugnada como transitada em julgado no momento em que o tribunal ad quem profere o juízo negativo de
admissibilidade.
GABARITO: E
208. Se for interposto um recurso inadequado à providência visada pelo recorrente, ao exercer o juízo de admissibilidade,
o magistrado poderá, com fundamento no princípio da fungibilidade, determinar a correção ou a emenda da peça recursal,
sob pena de não conhecimento do recurso.
GABARITO: E
209. Sendo a decisão favorável em parte para um dos litigantes e em parte ao outro, podem ambos recorrer, no prazo
comum, constituindo a hipótese espécie de recurso adesivo, tendo em vista a sucumbência recíproca. Nesse caso, poderá
o tribunal reformar a sentença para pior — agravando, assim, a situação de qualquer um dos recorrentes, quando do
julgamento dos recursos interpostos — porquanto encontrará respaldo nos argumentos do recurso manejado pela parte
contrária.
GABARITO: E
210. O objeto do juízo de mérito do recurso é o próprio conteúdo da impugnação à decisão recorrida. Quando nele se
sustenta a existência de vício de juízo, error in iudicando, requer-se a reforma da decisão.
GABARITO: C

(CESPE_DEFENSOR PUBLICO DO CEARÁ_2007) A respeito dos recursos, julgue os itens a seguir.

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

211. Se, em uma mesma decisão, houver julgamento por maioria de votos e julgamento unânime e se não forem
interpostos embargos infringentes, o prazo para a apresentação dos recursos especial e extraordinário relativos à parte
unânime da decisão conta-se a partir do trânsito em julgado do acórdão que poderia ser impugnado por embargos
infringentes.
GABARITO: C
212. Havendo sucumbência recíproca e interposto recurso independente, poderá o Ministério Público, terceiro
prejudicado ou interveniente no processo, interpor recurso adesivo. Esse recurso é subordinado ao recurso principal, salvo
quanto à admissibilidade. Não sendo conhecido o principal, o tribunal deverá dar provimento ao adesivo, para reformar
em parte a decisão impugnada.
GABARITO: E
213. Indeferida a petição inicial, por não ter sido emendada pelo autor, o recurso apropriado contra a decisão será a
apelação, cujo processamento se dará independentemente de citação do réu, e com possibilidade de juízo de retratação.
GABARITO: C

(CESPE_Juiz Substituto_TRF_5ª Região_2007) A respeito da súmula vinculante e dos recursos contra as decisões
proferidas em processo civil, julgue os itens que se seguem.
214. (CESPE_Juiz Substituto_TRF_5ª Região_2007) Ao julgar apelação, o órgão ad quem pode reexaminar de ofício
questões já decididas no curso do processo, relativas às condições da ação, à litispendência, à coisa julgada ou aos
pressupostos processuais, ainda que a parte prejudicada pela decisão não tenha contra elas interposto recurso.
GABARITO: C
215. (CESPE_Juiz Substituto_TRF_5ª Região_2007) Para a admissibilidade dos recursos extraordinário e especial
exige-se, além dos demais requisitos legais, a demonstração e que o tema discutido no recurso, seja norma constitucional
ou lei federal, respectivamente, tenha repercussão geral, isto é, que os efeitos da decisão sejam capazes de atingir os
interesses jurídico e social da coletividade.
GABARITO: E
216. (CESPE_Juiz Substituto_TRF_5ª Região_2007) A súmula com efeito vinculante produz, como regra, efeitos
imediatos, portanto, ex nunc. Os órgãos do Poder Judiciário e a administração pública, direta e indireta, municipal,
estadual e federal, têm de adotar o entendimento previsto na súmula nos exatos limites, em vista dos quais a súmula foi
editada.
GABARITO: C
217. (CESPE_Juiz Substituto_TRF_5ª Região_2007) No julgamento de apelação interposta contra sentença que tenha
julgado antecipadamente a lide, em razão de ter havido cerceamento de defesa, se o recurso for provido, serão anulados
não só a sentença, mas todos os atos processuais decorrentes do ato viciado. Nesse caso, o julgamento da apelação deve
prosseguir perante o juízo de segundo grau, podendo o relator determinar a realização de diligências para sanar as
irregularidades existentes no processo.
GABARITO: E
218. (CESPE_Juiz Substituto_TRF_5ª Região_2007) É irrecorrível a decisão monocrática do relator que determine a
conversão do agravo de instrumento em agravo retido e que decida sobre a antecipação dos efeitos da tutela recursal ou a
concessão de efeito suspensivo ao recurso.
GABARITO: C

(CESPE_ADVOGADO_BOMBEIROS_DF_2007) A respeito dos recursos no processo civil, julgue os itens a


seguir.
219. (CESPE_ADVOGADO_BOMBEIROS_DF_2007) O efeito regressivo do recurso dá-se quando o órgão ad quem
determina que os autos retornem à origem para novo pronunciamento acerca de determinada matéria.
GABARITO: E
220. (CESPE_ADVOGADO_BOMBEIROS_DF_2007) O efeito translativo dos recursos compreende-se pela expressão
latina tantum devolutum quantum appelatum.
GABARITO: E

(CESPE_AGU_PROCURADOR FEDERAL_2007) Acerca da penhora no processo de execução, julgue os


seguintes itens.
221. A jurisprudência é peremptória em negar o caráter de bem de família a bens imóveis de pessoas solteiras.
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

GABARITO: E
222. Consoante dispõe o CPC, é impenhorável a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde que trabalhada
pela família.
GABARITO: C

(CESPE_DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO_2007) Quanto ao processo de execução, julgue os itens seguintes.


223. Na impugnação ao cumprimento da sentença, o réu poderá alegar que a sentença fundamentou-se em texto legal
declarado inconstitucional pelo STF ou que se baseou em texto legal interpretado ou aplicado de forma considerada
inconstitucional por esse tribunal.
GABARITO: C
224. Na ação ajuizada contra a fazenda pública que tenha por objeto a restauração de benefícios previdenciários
anteriormente concedidos, se o pedido for julgado procedente, é possível a execução provisória da sentença.
GABARITO: C

(Cespe_ 135 Exame de Ordem_SP_2008) Quanto à ação e ao processo de execução cível, assinale a opção correta.
225. No âmbito da execução por quantia contra o devedor solvente, o executado, nos três dias subseqüentes à citação,
além da opção de efetuar o pagamento do crédito reclamado, terá o ônus ou o direito de nomear bens à penhora.
GABARITO: E
226. Excesso de execução ocorre quando o valor dos bens penhorados é superior ao crédito reclamado.
GABARITO: E
227. Emprega-se a hasta pública na modalidade leilão para a alienação judicial de bem imóvel.
GABARITO: E
228. A arrematação válida transfere o domínio ou a propriedade do bem arrematado ao arrematante, mediante a tradição
deste, tratando-se de bem móvel, e do registro em cartório da carta de arrematação, no caso de bem imóvel.
GABARITO: C

(CESPE_TJ/AC_JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO_2007) Acerca dos juizados especiais cíveis (JECs), assinale a
opção incorreta de acordo com a Lei n.º 9.099/1995.
229. Nos procedimentos submetidos a julgamento pelo JEC, o autor poderá formular pedido genérico e o juiz poderá, se
não for possível definir o valor da condenação, proferir sentença ilíquida e determinar a liquidação por arbitramento ou
por artigos.
GABARITO: E
230. A execução da sentença condenatória transitada em julgado será feita nos próprios autos e na mesma relação jurídica
processual, desde que haja solicitação do credor, dispensando-se nova citação do requerido.
GABARITO: C
231. Se o autor deixar de comparecer a qualquer das audiências, o juiz extinguirá o processo e, se não for provado que a
ausência decorreu de força maior, o condenará ao pagamento das custas processuais.
GABARITO: C
232. Caso o devedor seja condenado ao pagamento de quantia certa e não o efetue no prazo legal, o montante da
condenação será acrescido de multa no percentual de 10%. A multa moratória incide na execução, ainda que o total
ultrapasse o valor de 40 salários mínimos.
GABARITO: C

(CESPE_PROCURADOR FEDERAL_2004) Com relação aos juizados especiais cíveis estaduais e federais, julgue
os itens a seguir.
233. No foro onde houver vara do juizado especial, caberá ao autor optar entre esta e o juiz federal daquela seção
judiciária para propor a demanda.
GABARITO: E
234. Nos juizados especiais cíveis estaduais, poderão figurar no pólo passivo pessoas jurídicas de direito público,
empresas públicas federais e massas falidas, desde que o valor da causa em questão não exceda quarenta vezes o salário
mínimo.
GABARITO: E

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

(CESPE_AGU_PROCURADOR FEDERAL_2007) Com respeito aos juizados especiais federais, julgue os itens a
seguir.
235. No foro onde estiver instalada vara do juizado especial federal, a competência deste é absoluta.
GABARITO: C
236. Pessoa jurídica que seja empresa de pequeno porte não poderá ser autora nos juizados especiais federais.
GABARITO: E
237. Nas causas de competência dos juizados especiais federais, quando a fazenda pública for condenada, não haverá
reexame necessário.
GABARITO: C
238. Compete ao advogado-geral da União expedir instruções referentes à atuação da AGU dos órgãos jurídicos das
autarquias e fundações nas causas de competência dos juizados especiais federais, bem como fixar as diretrizes básicas
para conciliação, transação e desistência do pedido e de recurso interposto.
GABARITO: C

(CESPE_TCU_ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO_2004) Em relação a ação civil pública, ação popular e


mandado de segurança, julgue os itens seguintes.
239 Os efeitos da ação civil pública são limitados à competência territorial do órgão prolator, sendo inviável a extensão
dos efeitos das sentenças em ação civil pública a todo o território nacional.
GABARITO: C
240. Não é irrecorrível a decisão que concede liminar em ação civil pública proposta pelo Ministério Público com o
objetivo de resguardar direito individual homogêneo e em defesa de relevante interesse social.
GABARITO: C
241. Segundo o Supremo Tribunal Federal (STF), é vedado ao magistrado proceder à declaração de inconstitucionalidade
incidenter tantum de lei federal, estadual ou local nas ações civis públicas, tendo em vista a eficácia erga omnes das
sentenças nelas proferidas.
GABARITO: E
242. O Ministério Público possui legitimidade ativa para propor ação civil pública para defesa de direitos de
contribuintes, sendo pacífico o entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de que é cabível ação civil pública
para obstar a cobrança de tributos quando flagrante a sua ilegalidade.
GABARITO: E
243. No mandado de segurança, a competência não é definida em razão da matéria veiculada no mandado mas sim em
razão da pessoa e da função que exerce a autoridade coatora.
GABARITO: C
244. Assim como a ação popular, a ação civil pública julgada improcedente por falta de provas não faz coisa julgada
material, podendo a demanda, fundada em novas provas, ser renovada.
GABARITO: C
245. O Ministério Público tem legitimidade p ara propor ação popular em defesa do patrimônio público, sendo permitido,
nessa hipótese, o ingresso no feito de qualquer cidadão como assistente do parquet.
GABARITO: E
246. O indivíduo que sofreu dano juntamente com outras vítimas do mesmo fato é parte legítima para propor, em nome
próprio, ação civil pública cuja decisão beneficiará todos aqueles que s e encontrem na mesma situação que a sua.
GABARITO: E

(CESPE_PROCURADOR DO MUNICÍPIO DE ARACAJU_2007) Acerca do mandado de segurança e da ação


civil, julgue os itens a seguir.
247. O prazo para interposição de apelação da sentença proferida nos autos de mandado de segurança começa a fluir a
partir da notificação da autoridade coatora, e não do momento em que o procurador da pessoa jurídica de direito público
tem ciência pessoal da decisão.
GABARITO: E
248. Tem legitimidade para deduzir o pedido de suspensão de segurança qualquer pessoa que experimentar prejuízo em
sua órbita jurídica, desde que presentes o risco de dano e a aparência do direito. Admite-se, também, a assistência
litisconsorcial do terceiro interessado, quando em favor da pessoa jurídica de direito público requerente da suspensão.
GABARITO: E
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

249. A autoridade coatora tem legitimidade para recorrer de sentença que concede a segurança quando tal recurso objetiva
defender o ato atacado. Nesse caso, o prazo recursal é contado em dobro e inicia-se com a intimação pessoal da
recorrente.
GABARITO: E

(CESPE_PROCURADOR MUNICIPAL DE VITÓRIA/ES_2007) Julgue os seguintes itens, que versam acerca do


mandado de segurança.
250. Se for impetrado mandado de segurança contra ato de autoridade eivado de ilegalidade ou praticado com abuso de
poder, o impetrante não poderá desistir dele se não houver a aquiescência expressa do Ministério Público, tendo em vista
a especificidade de seu objeto e a função desse órgão, que é velar pela legalidade e pela moralidade da administração
pública.
GABARITO: E
251. O rito do mandado de segurança não comporta discussão de matéria fática e, muito menos, dilação probatória. A
falta de prova pré-constituída do alegado direito líquido e certo importa a extinção do processo sem julgamento de mérito.
Nesse caso, o impetrante pode ir buscar, novamente, a satisfação do seu direito em ação própria.
GABARITO: C

(CESPE_AGU_PROCURADOR FEDERAL_2007) Considerando-se a ação civil pública, julgue os itens seguintes.


252. É facultado ao poder público habilitar-se como litisconsorte de qualquer das partes na ação civil pública.
GABARITO: C
253. Em certos casos previstos na legislação específica, sem prejuízo da ação de indenização do prejudicado, o Ministério
Público, de ofício ou por solicitação da Comissão de Valores Mobiliários, poderá ajuizar ação civil pública para evitar
prejuízos ou obter ressarcimento de danos causados aos titulares de valores mobiliários e aos investidores do mercado.
GABARITO: C

(CESPE_DEFENSOR PÚBLICO DA UNIÃO_2007) Com relação à ação civil pública, julgue os itens
subseqüentes.
254. Os efeitos da sentença que julga procedente a pretensão aviada em ação civil pública são limitados à competência
territorial do órgão prolator, sendo inviável, sob pena de ofensa ao princípio da coisa julgada, a extensão dos efeitos dessa
sentença a todo o território nacional. Assim, a execução dessa sentença só poderá ser promovida pelas pessoas atingidas
pela ilegalidade reconhecida por ela e desde que domiciliadas na área de abrangência da decisão.
GABARITO: C
255. Poderá ocorrer litispendência entre duas ou mais ações coletivas e entre duas ou mais ações individuais, mas não
entre uma ação individual e uma coletiva, ainda que essas tenham objeto idêntico. Para que haja litispendência, é
necessário identidade de partes, de pedido e de causa de pedir. Não havendo a tríplice identidade, inexiste litispendência.
GABARITO: C
256. Como a OAB não tem personalidade jurídica de direito público e não possui qualquer vínculo funcional ou
hierárquico com a administração pública, as ações civis públicas por ela ajuizadas, por intermédio de uma de suas
seccionais, independentemente da matéria nelas discutida, serão processadas e julgadas pelo juízo cível estadual do local
onde se situar a sua sede.
GABARITO: E

(CESPE_PROMOTOR DE JUSTIÇA DO AMAZONAS_2007) Julgue os itens acerca do mandado de segurança e


da ação civil pública.
257. Compete à justiça estadual do local onde ocorreu o dano, em primeiro grau, processar e julgar ação civil pública que
vise à proteção do patrimônio público e do meio ambiente, mesmo no caso de comprovado interesse da União no deslinde
da causa.
GABARITO: E
258. No mandado de segurança, com concessão de liminar, impõe-se, além da notificação da autoridade coatora, a citação
da pessoa jurídica a quem essa se vincula, para providências relativas à suspensão ou impugnação de medida liminar. O
termo a quo do prazo recursal é a juntada, aos autos, do mandado de citação, devidamente recebido ou justificada sua
recusa em aceitá-lo ou assiná-lo.
GABARITO: E
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

259. É cabível, na ação de mandado de segurança, o impetrante pleitear o pagamento de verbas pecuniárias relativas a
glosa de vencimentos, bem como a incorporação de parcelas remuneratórias que não tenham sido reconhecidas
administrativamente. A sentença concessiva, havendo danos patrimoniais a compor, determinará o pagamento de todos os
valores devidos, isto é, as parcelas vencidas e vincendas.
GABARITO: E

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DA PARAÍBA_2008) Não constitui pressuposto do mandado de


segurança o(a)
260. lesão ou ameaça de lesão.
GABARITO: E
261. ilegalidade ou abuso de poder.
GABARITO: E
262. ato de autoridade.
GABARITO: E
263. direito líquido e certo não amparado por habeas corpus ou habeas data.
GABARITO: E
264. dano ao patrimônio público.
GABARITO: C

(CESPE_ Juiz Substituto _TJ/SE_2008) Assinale a opção correta no que concerne ao mandado de segurança.
265. Em mandado de segurança, a intimação da sentença deve ser feita à autoridade coatora e não ao representante
jurídico da entidade pública atingida. O prazo para a interposição do recurso começa a fluir a partir da notificação da
autoridade coatora.
GABARITO: E
266. É cabível mandado de segurança para conferir efeito suspensivo a recurso, sob alegação de dano irreparável ou de
difícil reparação, ainda que para esse recurso não haja previsão legal de tal efeito.
GABARITO: E
267. Prestadas as informações pela autoridade apontada como coatora, ou seja, verificada a estabilização do processo, não
se pode, depois disso, alterar o pedido, os seus fundamentos ou desistir da impetração sem o consentimento do impetrado.
GABARITO: E
268. Para figurar no pólo passivo da ação de segurança, autoridade coatora é aquela que ordena, que determina ou pratica
o ato inquinado de coator ou ainda que, efetivamente, pode modificar o ato impugnado, ou que detém os meios para tal. A
autoridade apontada coatora é notificada para prestar informações. A legitimidade para recorrer da decisão que concede o
mandamus é do representante da pessoa jurídica interessada.
GABARITO: C
269. No mandado de segurança, as informações devem ser prestadas pela autoridade coatora, mas, por constituírem
defesa judicial, admite-se que sejam prestadas pelo representante legal ou judicial da pessoa jurídica.
GABARITO: E

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DA PARAÍBA_2008) A respeito da ação civil pública, julgue os itens.


270. Caso ocorra, na ação civil pública, a extinção do processo sem resolução do mérito, ou seja, julgado improcedente o
pedido, mesmo que não conste da sentença revogação expressa da liminar, esta se encontra revogada, ainda que se tenha
interposto recurso recebido no efeito suspensivo.
GABARITO: C
271. O Ministério Público não possui legitimidade para propor ação civil pública visando à proteção do patrimônio de
sociedade de economia mista, pois a defesa judicial do patrimônio público é atribuição dos órgãos da advocacia dos entes
públicos.
GABARITO: E
272. O sindicato e a associação civil têm legitimidade ativa para propor ação civil pública que tenha por objeto a cobrança
indevida de tributo, taxa ou multa, desde que seja de interesse de seus associados e esteja incluída, entre suas finalidades
institucionais, a proteção ao consumidor e à ordem econômica.
GABARITO: E

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

273. Caso sejam propostas separadamente duas ações civis públicas em defesa do interesse dos consumidores, com o
mesmo pedido, perante juiz federal e juiz estadual, respectivamente, em desfavor de pessoas jurídicas diferentes, estas
deverão ser reunidas, perante o juízo prevento, para julgamento conjunto.
GABARITO: E
274. Se o inquérito civil ou a ação civil pública não forem instaurados pelo Ministério Público, mas por um dos demais
legitimados, o compromisso de ajustamento de conduta firmado entre as partes, necessariamente, deverá ser homologado
pelo promotor de justiça, e, caso não haja aquiescência do parquet, o acordo deverá ser homologado pelo juiz.
GABARITO: E

(CESPE_PROCURADOR DO ESTADO DO CEARÁ_2008) A respeito da ação popular e da ação civil pública,


julgue os itens.
275. Na ação popular, o Ministério Público pode assumir a defesa do ato impugnado ou de seus autores, bem como
promover a ação de sentença condenatória, pois essa ação não visa defender os interesses da coletividade, mas da
moralidade administrativa e do patrimônio público.
GABARITO: E
276. Sentença que julga improcedente ação popular não faz coisa julgada erga omnes, podendo, assim, qualquer
legitimado intentar outra ação popular, com idêntico fundamento, ou seja, ilicitude ou lesividade de ato administrativo,
valendo-se de novas provas.
GABARITO: E
277. Qualquer pessoa é parte legítima para propor ação popular que vise anular ato lesivo ao patrimônio público, à
moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural.
GABARITO: E
278. Ação civil pública por danos causados ao meio ambiente pode ter como objeto a condenação em dinheiro ou o
cumprimento da obrigação de fazer ou não fazer. Declarada a procedência dos pedidos deduzidos nessa ação, a regra é a
reparação do dano aos bens lesados, e a condenação à indenização em dinheiro somente acontecerá quando o dano for
irreversível.
GABARITO: C
279. Na ação civil pública em defesa de direitos coletivos ou difusos, poderá ser declarada a inconstitucionalidade de lei
federal, estadual ou local, pois nessa ação pode ser feito o controle concentrado de constitucionalidade. No entanto,
apesar da eficácia erga omnes da decisão, o STF poderá discutir a mesma matéria em ação direta de inconstitucionalidade.
GABARITO: E

(CESPE_ Juiz Substituto _TJ/SE_2008) Assinale a opção correta a respeito da ação civil pública.
280. O Ministério Público é o único legitimado a firmar extrajudicialmente o compromisso de ajustamento de conduta
lesiva às exigências legais do causador do dano a um dos bens protegidos, visando prevenir o ajuizamento da ação civil
pública.
GABARITO: E
281. Na ação civil pública, com exceção do Ministério Público, todos os outros legitimados, em caso de improcedência do
pedido, serão condenados nos ônus da sucumbência, consistentes nas despesas e custas processuais e honorários
advocatícios.
GABARITO: E
282. Se for julgado improcedente o pedido na ação civil pública e não constar da sentença revogação expressa da liminar,
esta subsistirá até o julgamento do recurso de apelação.
GABARITO: E
283. Em caso de desistência ou abandono da ação civil pública proposta por algum co-legitimado, o Ministério Público
assumirá a legitimidade ativa, devendo prosseguir na ação até a prolação da sentença de mérito, por ser indisponível o seu
objeto.
GABARITO: E
284. Se determinado dano ecológico atingir uma vasta região, envolvendo várias comarcas de um mesmo estado,
qualquer um dos foros do local do dano será competente para processar e julgar a ação civil pública para responsabilizar
os causadores do dano, fixando-se a competência pela prevenção.
GABARITO: C

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

(CESPE_AGU_ADVOGADO DA UNIÃO_2006) A respeito da ação monitória, julgue os itens seguintes.


285. O documento apresentado para instruir a monitória não precisa revelar dívida líquida, certa e exigível, pois o que se
exige na monitória é documento que autorize o juiz a visualizar a existência de um direito à cobrança. A liquidez da
dívida vai ser aferida nos embargos. Assim, se existe prova escrita capaz de revelar a existência da obrigação, cabível é o
ajuizamento da ação monitória.
GABARITO: C
286. A ação monitória, por ser processo de cognição sumária que tem por objetivo abreviar a formação do título
exeqüendo, não pode ser utilizada contra um ente público, por ser incompatível com o rito prescrito para a execução
contra a fazenda pública.
GABARITO: E

(Cespe_ 135 Exame de Ordem_SP_2008) Constitui requisito exigido para a propositura da ação monitória
287. prova documental que seja título executivo extrajudicial.
GABARITO: E
288. prova testemunhal que ateste a veracidade do fato.
GABARITO: E
289. prova escrita pré-constituída sem eficácia de título executivo.
GABARITO: C
290. prova documental que demonstre a existência de crédito de natureza infungível.
GABARITO: E

(CESPE_Defensor Público Substituto_DPG_CE_2008) Julgue os itens que se seguem, acerca dos juizados especiais
cíveis (JECs), à luz da Lei n.º 9.099/1995.
291. Nos JECs, o valor da causa, para verificação da competência, corresponderá ao valor do objeto do pedido.
GABARITO: C
292. Se o autor atribuir à causa valor superior ao de alçada, o juiz deverá, liminarmente, indeferir a petição inicial,
reconhecendo a incompetência absoluta do JEC, e declarar extinto o processo sem resolução de mérito.
GABARITO: E
293. Se, no curso do processo, qualquer das partes modificar seu endereço sem comunicar ao juízo, as intimações
enviadas ao local anteriormente indicado serão consideradas eficazes.
GABARITO: C

(CESPE_TJ/AC_JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO_2007) Acerca dos juizados especiais cíveis (JECs), assinale a
opção incorreta de acordo com a Lei n.º 9.099/1995.
294. Nos procedimentos submetidos a julgamento pelo JEC, o autor poderá formular pedido genérico e o juiz poderá, se
não for possível definir o valor da condenação, proferir sentença ilíquida e determinar a liquidação por arbitramento ou
por artigos.
GABARITO: E
295. A execução da sentença condenatória transitada em julgado será feita nos próprios autos e na mesma relação jurídica
processual, desde que haja solicitação do credor, dispensando-se nova citação do requerido.
GABARITO: C
296. Se o autor deixar de comparecer a qualquer das audiências, o juiz extinguirá o processo e, se não for provado que a
ausência decorreu de força maior, o condenará ao pagamento das custas processuais.
GABARITO: C
297. Caso o devedor seja condenado ao pagamento de quantia certa e não o efetue no prazo legal, o montante da
condenação será acrescido de multa no percentual de 10%. A multa moratória incide na execução, ainda que o total
ultrapasse o valor de 40 salários mínimos.
GABARITO: C

(CESPE_PROCURADOR FEDERAL_2004) Com relação aos juizados especiais cíveis estaduais e federais, julgue
os itens a seguir.
298. No foro onde houver vara do juizado especial, caberá ao autor optar entre esta e o juiz federal daquela seção
judiciária para propor a demanda.
GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM
www.fortium.com.br
STJ - ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – DIREITO CIVIL

GABARITO: E
299. Nos juizados especiais cíveis estaduais, poderão figurar no pólo passivo pessoas jurídicas de direito público,
empresas públicas federais e massas falidas, desde que o valor da causa em questão não exceda quarenta vezes o salário
mínimo.
GABARITO: C

(CESPE_AGU_PROCURADOR FEDERAL_2007) Com respeito aos juizados especiais federais, julgue os itens a
seguir.
300. No foro onde estiver instalada vara do juizado especial federal, a competência deste é absoluta.
GABARITO: C
301. Pessoa jurídica que seja empresa de pequeno porte não poderá ser autora nos juizados especiais federais.
GABARITO: E
302. Nas causas de competência dos juizados especiais federais, quando a fazenda pública for condenada, não haverá
reexame necessário.
GABARITO: C
303. Compete ao advogado-geral da União expedir instruções referentes à atuação da AGU dos órgãos jurídicos das
autarquias e fundações nas causas de competência dos juizados especiais federais, bem como fixar as diretrizes básicas
para conciliação, transação e desistência do pedido e de recurso interposto.
GABARITO: C

(CESPE_ Juiz Substituto _TJ/SE 2008) Com referência ao juizado especial cível (JEC), instituído pela Lei n.º
9.099/1995, assinale a opção correta.
304. Contra a decisão proferida em última instância pelo JEC que afronta a lei infraconstitucional, é cabível o recurso
especial para o STJ.
GABARITO: E
305. O recurso contra a sentença será recebido somente no efeito devolutivo e, como conseqüência, a decisão só será
efetivada ao final, após o trânsito em julgado da decisão, mesmo quando se tratar de causa de natureza alimentar.
GABARITO: E
306. Os embargos de declaração, no âmbito do JEC, interrompem o prazo para apresentação de eventual recurso contra
sentença. Ocorrendo causa de interrupção de prazo, e uma vez cessada a causa, o mesmo recomeça do início, como se
nunca tivesse começado a fluir.
GABARITO: E
307. Compete ao JEC homologar acordo extrajudicial, de qualquer natureza ou valor, independentemente de termo,
valendo a sentença como título executivo judicial. Sendo de valor superior a quarenta salários mínimos, optando a parte
pela execução no JEC, terá que renunciar ao excedente do crédito.
GABARITO: C
308. Segundo os princípios da simplicidade e da informalidade que regem o julgamento nos JECs, qualquer que seja o
valor da causa, a parte vencida, ainda que não possua capacidade postulatória, poderá recorrer da decisão monocrática e
requerer a sua revisão pela turma recursal.
GABARITO: E

GRUPO EDUCACIONAL FORTIUM


www.fortium.com.br