Você está na página 1de 7

c   

 é a parcela do poder de polícia do Estado


destinado à defesa da saúde, que tem como principal finalidade
impedir que a saúde humana seja exposta a riscos ou, em última
instância, combater as causas dos efeitos nocivos que lhe forem
gerados, em razão de alguma distorção sanitária, na produção e na
circulação de bens, ou na prestação de serviços de interesse à
saúde.

No Brasil, a definição legal de    


 é consentida
pela lei federal nº 8.080 de 19 de setembro de 1.990:

O   
      
       
   
 
          
    
  
         
         
      
 
        
. A vigilância sanitária de portos,aeroportos e fronteiras
não é um dever exclusivo ao S.U.S podendo ser executada
juntamente com a participação cooperativa da União.(m)

Ñc   


c

VISA é uma área da Saúde Pública, uma prática de saúde coletiva.


Como atividade de saúde, a VISA integra o Sistema Único de
Saúde (SUS) e como tem poder de polícia só pode ser exercida
pelo Estado. A VISA é uma atividade de caráter intersetorial, pois a
qualidade do seu trabalho depende:

    
       
   
    ! "   #$ 
%     &&
    %    %    #  
'   ( 
&
    )*    
  )* %        
%     *   (  &&

Além disso, precisa da parceria da sociedade, tanto para


desenvolver suas tarefas cotidianas de fiscalização e controle
quanto para alcançar junto aos gestores municipais, estaduais e
nacionais a atenção correspondente a sua importância. Qual a
missão e o objetivo da VISA? A Lei no 8.080/90 (Lei Orgânica da
Saúde), que regulamentou o SUS, definiu a vigilância sanitária
como ³conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir
riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários decorrentes do
meio ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação
de serviços de interesse da saúde´. A missão da VISA, portanto, é
promover e proteger a saúde da população, garantindo os direitos
constitucionais do cidadão e defendendo a vida. Seu objetivo é
proteger e promover a saúde, evitando incapacidades e doenças.
No que se baseia a ação da VISA? As ações de VISA estão
baseadas na avaliação, gerenciamento e comunicação do risco.
Avaliação do risco: Estabelece a relação entre o risco e os
benefícios de produtos e serviços de saúde ou de interesse da
saúde. É uma atividade de caráter estatístico, realizada em diversas
etapas. Na maioria das vezes, é um processo, complexo, de alto
custo, e que envolve pessoal altamente qualificado, metodologias
específicas e equipamentos sofisticados. Por tudo isso, a avaliação
do risco é quase inviável nos países mais pobres. Nos países ricos,
é realizada sob a supervisão das agências regulatórias, como a
FDA, nos Estados Unidos, ou a ANVISA, no Brasil.

Gerência do risco: Depois de avaliado, o risco precisa ser


administrado e monitorado. É preciso tomar decisões sobre o
controle do risco, confrontando-se os dados técnicos da avaliação
com inúmeros fatores conjunturais de ordem cultural, econômica e
política. É nesse momento que a VISA deve decidir se precisa atuar
com maior ou menor rigidez.

Comunicação do risco: É obrigação dos órgãos de VISA divulgar


informações que melhorem a consciência sanitária do setor
regulado e da população. A comunicação do risco aumenta a
capacidade de os cidadãos escolherem, dentre as opções
existentes, aquela que oferece menores riscos; exigirem seus
direitos; e atuarem como parceiros do poder público no âmbito da
VISA. Que instrumentos a VISA utiliza para realizar seu papel?

O principal instrumento de ação da VISA é a norma sanitária, ou


seja, a legislação que especifica o que está certo e errado, o que
pode e o que não pode ser feito pelo setor regulado, se adequando
a realidade de cada estado e município, onde cada um pode criar
seu próprio código sanitário. Nesse sentido, a VISA desenvolve
uma função normativa e regulatória, e uma função educativa. Em
sua função normativa e regulatória, a VISA:
* Cria normas e padrões sanitários para:
o A produção, fabricação, transporte, armazenagem,
distribuição e comercialização de produtos de interesse sanitário.
o O funcionamento de serviços.
* Fiscaliza o cumprimento dessas normas e pune os infratores
quando necessário.

Em sua função educativa, a VISA:

* Informa e orienta: o setor regulado, para que eles cumpram os


padrões sanitários estabelecidos, e os cidadãos, para que eles
possam exigir o seu direito de consumir produtos e serviços
seguros e de qualidade e para tenham mais opção em suas
possíveis escolhas.

Qual o campo de atuação da VISA?

Em praticamente todas as esferas de nossas vidas estamos


constantemente expostos a diversos riscos à nossa saúde. Existe
risco no consumo, dentre outras coisas, de medicamentos, vacinas,
alimentos, material de limpeza, cosméticos, agrotóxicos e
hemoderivados. Na circulação internacional de pessoas e
mercadorias existe o risco de introdução de doenças graves para a
população humana e animal e para a agricultura. Há risco no uso
indevido de tecnologias e matérias primas, na manipulação e
deposição de resíduos industriais e radioativos e na degradação
ambiental. Enfim, nos arriscamos, inclusive, quando procuramos
profissionais e serviços de saúde. Por tudo isso, o campo de
atuação da VISA é muito amplo. A VISA está presente:

* Em quase todos os produtos que consumimos: alimentos,


medicamentos, cosméticos, material de limpeza (saneantes),
preservativos e muitos outros.
* Em vários ambientes e serviços que freqüentamos diariamente:
postos de saúde, creches, asilos para idosos, presídios, cemitérios,
hospitais, laboratórios, farmácias, cantinas e refeitórios escolares,
academia de ginástica, clubes, fábricas, indústrias, etc.
* Na fiscalização de portos aeroportos e fronteiras do país,
cuidando ainda de preservar a saúde dos viajantes.
* No controle de produtos derivados do tabaco ± cigarro, charuto,
fumo de cachimbo e outros ±, desenvolvendo, em conjunto com
outros órgãos e instituições, ações de prevenção e redução do
tabagismo.
* Na regulação e controle da qualidade do sangue e de produtos
hemoderivados, assim como de células, tecidos e órgãos usados
em transplantes. Nessa área, também participa de campanhas de
estímulo à doação.
* Na redução dos riscos ambientais à saúde, com ações relativas
à qualidade da água que bebemos, ao controle de vetores (insetos
e outros animais transmissores de doenças) e à coleta e destinação
de resíduos (lixo).
* Na fiscalização e controle dos riscos decorrentes do exercício
profissional ± saúde do trabalhador.

O que são riscos sanitários?

Riscos sanitários são os perigos que podem ameaçar nossa saúde


no dia-a-dia, quando consumimos um produto ou quando utilizamos
um determinado serviço. Os riscos à saúde são classificados em
cinco tipos ± ambientais, ocupacionais, iatrogênicos, institucionais e
sociais. Essa classificação, no entanto, não é rígida. Muitas um
risco ambiental, como a falta de saneamento básico (água e esgoto)
está relacionado à questões sociais.

Tipos de riscos à saúde

Riscos ambientais: relacionados à qualidade da água que


consumimos, ao lixo (doméstico, industrial ou hospitalar), à poluição
do ar, do solo e da água dos mananciais, à presença de insetos e
outros animais transmissores de doenças, etc. Riscos ocupacionais:
relacionados ao ambiente de trabalho. Riscos iatrogênicos:
relacionados a tratamento médico ou uso de serviços de saúde.
Riscos institucionais: relacionados às condições físicas, higiênicas e
sanitárias de estabelecimentos públicos (creches, clubes, hotéis,
salão de beleza, saunas, etc.) Riscos sociais: relacionados às
condições familiares, financeiras e afetivas das pessoas e à
inserção social dos indivíduos. Exemplos de riscos sanitários:

* Instrumentos infectados num salão de beleza ou num consultório


dentário.
* Produtos de limpeza ineficazes que não matam bactérias.
* Produtos de beleza que causam alergias.
* Aparelhos de Raio-x desregulados que emitam mais radiação do
que podemos suportar.
* Alimentos fora do prazo de validade ou que não tenham os
componentes indicados nos rótulos.
* Vazamentos de produtos tóxicos nos rios.
* Ambiente de trabalho com alto nível de fumaça.

Que profissionais trabalham na VISA?

A VISA tem um campo de atuação muito amplo e precisar lidar com


a presença cada vez maior de novos materiais, produtos e
tecnologias na vida contemporânea. Essas características dão à
VISA uma forte µdimensão tecnológica¶.

Para poder desempenhar seu papel, a VISA necessita do suporte


de várias áreas do conhecimento científico, métodos e técnicas.
Isso significa que ela é uma prática multidisciplinar, que precisa
contar com o trabalho e os com os conhecimentos técnicos de
profissionais de nível médio e superior de várias formações, dentre
as quais: química, farmácia, nutrição, medicina, engenharia, física,
enfermagem, biologia, radiologia, informática e comunicação. De
acordo com o Censo Nacional dos Trabalhadores da Vigilância
Sanitária, realizado pela Anvisa, em 2004, havia aproximadamente
32 mil trabalhadores em VISA no Brasil.

Que outros órgãos regulam atividades e produtos que possam


oferecer riscos à saúde? No Brasil, vários órgãos e instituições são
responsáveis pela regulação de produtos e serviços que ofereçam
riscos à saúde da população, por exemplo:

* Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA):


controla principalmente os alimentos in natura, as bebidas, os
agrotóxicos e os produtos veterinários.
* Ministério do Meio Ambiente (MMA)trata dos riscos ambientais
por meio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos
Naturais Renováveis (Ibama).
* Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio
Exterior(MDICE): controla o sistema de metrologia e de avaliação
da conformidade, por meio do Instituto Nacional de Metrologia,
Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro):
* Ministério do Trabalho e Emprego (MTE): lida com as questões
relacionadas à saúde do trabalhador.
* Ministério da Ciência e Tecnologia (MIT): monitora o uso das
diversas formas de radiação ionizante, por meio da Comissão
Nacional de Energia Nuclear (CNEN):

Por que a vigilância sanitária é tão criticada se ela só existe para


proteger a saúde da população?
Como prática de saúde coletiva, a VISA é um instrumento de defesa
do cidadão. Além disso, para prevenir ou eliminar riscos muitas
vezes a VISA interfere no modo de produção econômico e social.
Isso significa que a VISA tem um forte µdimensão política¶,
relacionada ao seu propósito de transformar os processos
produtivos em benefício da população. As dificuldades que a VISA
encontra para realizar seu trabalho dependem de vários fatores,
dentre eles:

* Do grau de desenvolvimento tecnológico do setor regulado e de


sua consciência sanitária ou mercantilista,
* Da concreta atuação e consciência dos consumidores e
cidadãos.

Como está estruturada a VISA no Brasil?

A VISA está organizada por meio do Sistema Nacional de Vigilância


Sanitária (SNVS), definido pela Lei nº 9.782, de 26 de janeiro de
1999, e que pode ser entendido como um instrumento privilegiado
que o SUS dispõe para realizar seu objetivo de prevenção e
promoção da saúde. O Sistema engloba unidades nos três níveis de
governo: federal, estadual e municipal.

* No nível federal, estão a Agência Nacional de Vigilância


Sanitária (Anvisa) e o Instituto Nacional de Controle de Qualidade
em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (INCQS/Fiocruz).
* No nível estadual, estão o órgão de VISA e o Laboratório Central
(Lacen) de cada uma das 27 Unidades da Federação (26 estados e
o Distrito Federal).
* No nível municipal, estão os serviços de vigilância sanitária de
cada um dos 5561 municípios brasileiros ou, pelo menos, daqueles
que já organizaram seus serviços de vigilância sanitária.

Cada uma dessas esferas tem responsabilidades próprias e, para


que estejamos realmente protegidos, é preciso que todas assumam
e cumpram da melhor forma possível suas responsabilidades. De
nada adianta o nível federal (Anvisa) estabelecer normas que os
níveis estadual e municipal não possam fazer valer. Também
participam do SNVS: o Conselho Nacional de Secretários Estaduais
de Saúde (Conass), o Conselho Nacional de Secretários Municipais
de Saúde (Conasems) e os Conselhos Estaduais, Distritais e
Municipais de Saúde, no que se refere às ações de vigilância
sanitária.
Fonte: http://www.ccs.saude.gov.br/visa/visa_mais.html

Você também pode gostar