Você está na página 1de 2

LAUDO NEUROPSICOLÓGICO

1. DADOS PESSOAIS
Data da avaliação: 06/12/2010
2. ENCAMINHAMENTO
Profissional: Drº Luiz Ataíde Jr. – Neurologista
Motivo: Dificuldade de memorização.
3. HISTÓRIA CLÍNICA
Paciente foi encaminhada ao Núcleo de Neuropsicologia da Faculdade de Ciências
Humanas – ESUDA, apresentando queixa de dificuldade de memória. Desde 2010 vem
percebendo dificuldade de memorizar fatos recentes, esquecendo nomes de pessoas
conhecidas e de objetos guardados por ela, apresentando assim, sinais de déficit de
memória. Atualmente trabalha como voluntária do NACC, fazendo serviços manuais
com bijuterias, tem uma vida social bastante ativa, onde sempre sai para se divertir com
as amigas, mora com sua filha e está viúva desde o ano de 2000. No momento faz uso
dos medicamentos: Rivotril 0,5mg; Citalopram 20mg; Pantoprazol 40mg; Somalgin;
Puran 25gr e Crestom 10mg. Tinha distúrbio do sono e relata que melhorou após o uso
do medicamento Rivotril.
Características comportamentais observadas:
O comportamento da avaliada durante a execução das tarefas foi de colaboração e
cooperação, porém foi observado em alguns momentos atitude de desânimo e choro,
indicando um humor depressivo, principalmente ao relatar fatos ocorridos em sua
família. Também foi percebido, certo grau de ansiedade na execução das tarefas, pois a
avaliada se preocupava em não errar e estava sempre perguntando se tinha acertado as
questões.

4. PROCEDIMENTO
A avaliação foi realizada na Clínica de Psicologia e Neuropsicologia ESUDA, em 05
sessões, com duração de uma hora cada. No que tange aos testes, foi utilizada a Bateria
WAIS – III (nomeadamente os subtestes: Vocabulário; Semelhanças; Informação;
Compreensão; Aritmética; Dígitos; Sequência Números e Letras; Completar Figuras;
Código; Arranjo de Figuras; Cubos; Raciocínio Matricial; Procurar Símbolos; Armar
Objetos), a qual investiga o nível intelectual, contribui para a identificação de quadros
de alteração de linguagem e memória, bem como diferencia transtornos neurológicos e
psiquiátricos.
5. ANÁLISE DOS RESULTADOS
A partir dos escores obtidos pela examinanda na citada bateria, no que tange as escalas
do Quociente de Inteligência, classificou-se na média quanto ao QI Verbal (subtestes
Vocabulário e Semelhanças); médio superior quanto ao QI Execução (subtestes Cubos e
Raciocínio Matricial) e QI Global (subtestes Vocabulários, Cubos, Semelhanças e
Raciocínio Matricial). Dados que revelam boa capacidade para lidar com símbolos
abstratos, integrando-os e organizando-os sequencialmente, como também boa fluência
verbal. Evidencia, ainda, muito bom potencial para lidar com situações concretas,
integrando estímulos perceptuais e respostas motoras pertinentes.
Em termos sociais, percebe-se ótima adaptação ao ambiente, ajustando-se
favoravelmente a realidade, o que se confirma através de seu engajamento, voluntário,
em projetos comunitários e pelo estabelecimento de vínculos afetivos.

6. HIPÓTESE DIAGNÓSTICA
A examinanda, em termos gerais, teve um desempenho acima da média nos testes
aplicados. Não obstante, observar-se um processo de deterioração mental próprio em
pessoas da sua faixa etária, com queixas relativas a déficit memória, seu estado é mais
compatível com um quadro depressivo, haja vista sua condição de viuvez, somadas a
sua atitude de desânimo e choro ao relatar fatos ocorridos em sua família.

7. RECOMENDAÇÕES
Reavaliar a manutenção/mudança do antidepressivo (Citalopram), bem como
encaminhar para psicoterapia. Buscar apoio de familiares e parentes neste processo, a
fim de propiciar maior envolvimento e melhora na sua qualidade de vida.

Recife, 25 de julho de 2016

Claudilene Bezerra Cabral

Você também pode gostar