Você está na página 1de 39

ASSOCIAÇÃO DE LIGAS E GRUPOS DE ESTUDO EM

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE:

MANUAL DE
INSTRUMENTOS
DE PESQUISA

COORDENAÇÃO CIENTÍFICA
GESTÃO 2020/21
Este manual tem como objetivo oferecer ao leitor um contato
breve, porém amplo, com a gama de investigações em curso
que têm alimentado o debate científico relacionando a
espiritualidade à saúde dentro do contexto brasileiro. Com a
proposta de fomentar a discussão e produção de pesquisas na
área, foram reunidos diversos instrumentos de pesquisa
abordando diferentes dimensões da espiritualidade, dentre os
principais questionários validados e publicados na literatura
brasileira.
A partir do reconhecimento da necessidade de uma maior
divulgação e alcance das pesquisas em saúde e
espiritualidade, junto à compreensão do papel central que
ligas e grupos de estudo que tratam da temática têm na
construção do debate dentro e fora do meio acadêmico em
todo o território nacional, foi compilado este manual com
questionários de pesquisa de ampla usabilidade, tanto na
prática clínica como na investigação empírica, estimando
assim, proveitosas descobertas ao estudante interessado na
dimensão espiritual do ser humano, e em sua relação com as
formas de entender a saúde e o cuidado.
Boa leitura, façamos ciência!

Camilla Rodrigues Paiva


Valéria Carolina Armas Villegas
Victor Pacheco Zanela Monte
Membros da cordenação (2020-2021)

1
SUMÁRIO
Introdução
Espiritualidade e Ciência .................................................. 4
Pesquisa Científica ........................................................... 5
Pesquisas em saúde .......................................................... 6
Por que pesquisar? ............................................................ 7
Pesquisa em espiritualidade ............................................. 8
No Brasil ............................................................................ 9
Os instrumentos de pesquisa disponíveis no Brasil
O que são os instrumentos de medidas? .......................... 11
Como usar a escala? ......................................................... 12
Religiosidade e espiritualidade
1. Índice de Religiosidade de Duke (P-DUREL) ............................... 14
2. Medida multidimensional breve de religiosidade/espiritualidade
(BMMRS-P) .................................................................................. 15
3. Intrinsic Religiousness Inventory (IRI) ........................................ 16
4. Treatment Spirituality/Religiosity Scale (TSRS-br) .................... 17
5. Spirituality Self Rating Scale (SSRS) .......................................... 18
Experiências espirituais
6. Versão brasileira da Underwood's Daily Spiritual Experience Scale
(DSES) ................................................................................................ 20
Bem-estar
7. Portuguese version of the Functional Assessment of Chronic Illness
Therapy-Spiritual Well-Being scale (FACIT-Sp 12) ............................ 22
8. Escala de Bem-estar Espiritual (EBE) ........................................ 23
SUMÁRIO
Necessidades espirituais
9. Avaliação de necessidades espirituais para pacientes ............... 25
Qualidade de vida
10. WHOQOL- BREF .........................................................................27
11. Instrumento de Qualidade de Vida/espiritualidade, religião e crenças
pessoais ............................................................................................ 28
12. The Brazilian Portuguese 9-item Spirituality, Religiousness, and
Personal Beliefs assessment ............................................................ 29
Saúde espiritual
13. Spiritual Health and Life-Orientation Measure ...................... 31
Empatia
14. Empathy, Spirituality, and Wellness in Medicine Scale ......... 33
Florescimento
15. Flourishing Scale .................................................................... 35
Artigos de referência
INTRODUÇÃO
ESPIRITUALIDADE E CIÊNCIA

O campo científico de investigação e discussão dos


conceitos relacionados à expressão da espiritualidade
humana e suas relações com desfechos em saúde têm
crescido de forma exponencial nas duas últimas décadas (1).
Esse foco de publicações torna-se então, epicentro de uma
mudança a respeito do entendimento dos processos naturais
da relação do binômio saúde-doença e da concepção do ser
humano frente à consequente integração desses saberes.

Essa ampliação do debate que concerne à espiritualidade


humana dentro da área da saúde resultou na formulação de
um robusto embasamento teórico-empírico, que direciona
futuras perguntas a serem formuladas, junto ao
apontamento da necessidade de preenchimento das lacunas
de conhecimento expostas pela literatura mais atualizada.

4
INTRODUÇÃO
PESQUISA CIENTÍFICA
A pesquisa científica objetiva fundamentalmente contribuir
para a evolução do conhecimento humano em todos os
setores, sendo sistematicamente planejada e executada
segundo rigorosos critérios de processamento das
informações (2). A realização da pesquisa e a posterior
publicação dos seus resultados em uma revista científica,
tem como ponto de partida a ideia que surge por meio de
uma pergunta que formulamos com base nas observações e
conhecimentos acumulados. Culminando, então, no
desenho do projeto que idealiza as respostas das questões
postas em análise.

5
INTRODUÇÃO
PESQUISAS EM SAÚDE
A importância da pesquisa em saúde não tem como princípio
único o objetivo curativo de doenças, mas também visa
prevenção e promoção à saúde, provendo ao indivíduo e à
sociedade meios para a melhoria da qualidade de vida da
população.
O incentivo à pesquisa em saúde e a promoção de condições
favoráveis à realização de estudos científicos geram uma
prática profissional ampla, eficiente e especializada,
pautada em um conhecimento seguro, flexível e
sedimentado que enobrece o profissional e propicia uma
assistência plena e garantida à população (3).

6
INTRODUÇÃO
POR QUE PESQUISAR?
A pesquisa em saúde é um componente indispensável ao
crescimento e desenvolvimento de povos e nações. Sejam
públicas ou privadas, com ou sem fins lucrativos, as
pesquisas em saúde contribuem para a saúde diretamente (a
partir de terapias, intervenções, diagnósticos, tecnologias e
melhoria da qualidade no fornecimento da atenção à saúde
que resultam da pesquisa) e indiretamente, por meio do
impacto potencial da melhoria da saúde dentro da esfera
social (4).

7
INTRODUÇÃO
PESQUISA EM ESPIRITUALIDADE
Em relação às evidências científicas, as pesquisas sobre
religião/espiritualidade (R/E) evidenciam grande influência
dessa dimensão na saúde física e mental dos indivíduos. A
grande maioria dos estudos mostra que a espiritualidade
possui efeitos favoráveis nos desfechos em saúde, como
melhor qualidade de vida, maior sobrevida, melhor saúde
mental, maior preocupação com a própria saúde e menor
prevalência de doenças em geral. Entretanto, é necessário
lembrar que a R/E pode também ser negativa e estar
associada a piores desfechos (como pior saúde mental e
maior mortalidade), principalmente se estiver associada a
pensamentos punitivos ("Deus está me castigando", "Deus
não me ama", dentre outros). A identificação da forma com
que o paciente utiliza sua R/E (positiva ou negativa) é
essencial para a prática clínica do profissional de saúde (1).

8
INTRODUÇÃO
NO BRASIL

O Brasil tem se destacado no cenário internacional da


pesquisa em R/E. Enquanto o país está em 13º lugar no
ranking internacional de publicações na base Scopus, se
destaca em 5º lugar nos artigos em medicina, psicologia e
enfermagem com a temática R/E nos últimos cinco anos,
atrás apenas dos EUA, Reino Unido, Canadá e Austrália (1).
É notável o crescimento de cursos de graduação com
disciplinas em espiritualidade, somando-se a um grande
número de ligas acadêmicas, grupos de estudo e de
pesquisadores que investigam, discutem e introduzem a
temática no meio universitário, visando a formação de
profissionais que já tenham contato e prática com o manejo
da espiritualidade nos serviços de saúde.

9
OS
INSTRUMENTOS
DE PESQUISA
DISPONÍVEIS NO
BRASIL
O QUE SÃO OS
INSTRUMENTOS DE
MEDIDAS?
Instrumentos de medida são partes integrantes da prática
clínica, da avaliação em saúde e de pesquisas. Esses
instrumentos só são úteis e capazes de apresentar
resultados cientificamente robustos quando são
desenvolvidos de maneira apropriada e quando apresentam
boas qualidades psicométricas. Os questionários exercem
grande influência nas decisões sobre o cuidado, tratamento
e/ou intervenções e na formulação de programas de saúde e
de políticas institucionais (5).

11
COMO USAR A ESCALA?
As escalas podem ser usadas para coleta de dados clínicos
com caráter de uso não oficial, como guia para investigação
empírica no campo e maior envolvimento pessoal com o
assunto, assim como realização de dinâmicas e abordagens
gerais feitas com base na temática. Na lógica das pesquisas
científicas, dentre aquelas que envolvem coleta de dados
com seres humanos, seja qual for a metodologia escolhida,
deve haver submissão ao CEP referente à instituição. Da
mesma forma, o uso do questionário escolhido precisa ser
justificado e os processos de seleção da população, coleta e
análise de dados devem ser todos descritos detalhadamente
almejando a aprovação do comitê de ética para que se dê o
devido prosseguimento da pesquisa.

12
RELIGIOSIDADE E
ESPIRITUALIDADE
1
TÍTULO A ESCALA:
Índice de Religiosidade de Duke (P-DUREL)

ANO E AUTOR:
2012, Tauily Claussen D'Escragnolle Taunay

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Validação da versão brasileira da escala de religiosidade de
Duke (DUREL)

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


O Índice de Religiosidade de Duke (DUREL) é uma escala de
cinco itens, desenvolvida por Koenig et al., que mensura três
das principais dimensões do envolvimento religioso
relacionadas a desfechos em saúde: Religiosidade
Organizacional; Religiosidade Não Organizacional;
Religiosidade Intrínseca.
O DUREL é um instrumento sucinto e de fácil aplicação. As
dimensões da religiosidade mensuradas por esse instrumento
têm se mostrado relacionadas a diversos indicadores de saúde
física e mental, além de suporte social.

14
2
TÍTULO A ESCALA:
Medida multidimensional breve de
religiosidade/espiritualidade (BMMRS-P)

ANO E AUTOR:
2015, Cristiane Schumann Silva Curcio, Giancarlo Lucchetti
& Alexander Moreira-Almeida

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Validation of the Portuguese version of the Brief
Multidimensional Measure of Religiousness/Spirituality
(BMMRS-P) in clinical and non-clinical samples

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


As dimensões de espiritualidade e de religiosidade incluídas neste
instrumento são destinadas para o uso em estudos que avaliam a
relação entre religiosidade, espiritualidade e saúde, sendo elas:
1) Experiências espirituais diárias; 2) Valores/Crenças; 3) Perdão;
4) Práticas religiosas particulares; 5) Superação religiosa; 6)
Apoio Religioso; 7) Histórico religioso espiritual; 8)
Comprometimento; 9) Religiosidade organizacional; 10)
Preferências religiosas e 11) Autoavaliação global de R/E. Conta
com 38 itens no total.

15
3
TÍTULO A ESCALA:
Intrinsic Religiousness Inventory (IRI)

ANO E AUTOR:
2012, Tauily C. Taunay et.al.

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Development and validation of the Intrinsic Religiousness
Inventory (IRI)

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


A orientação religiosa pode ser; extrínseca, quando os indivíduos
usam a religião para seus próprios fins, pois consideram a religião
útil em uma variedade de maneiras; ou intrínseca, quando as
pessoas encontram seu motivo principal na religião. A religiosidade
intrínseca emergiu consistentemente como uma das dimensões
mais importantes da religiosidade em termos de influência positiva
nos resultados de saúde física e mental.
O inventário consiste em um questionário estruturado, composto
por 14 itens em sua versão inicial, os quais estão organizados em
escala Likert, com escores variando de 1 a 5 que refletem gradações
de intensidade/frequência.

16
4
TÍTULO A ESCALA:
Treatment Spirituality/Religiosity Scale: Brazilian version
(TSRS-br)

ANO E AUTOR:
2016, Angélica Martins de Souza Gonçalves; Manoel
Antônio dos Santos; Erika de Cássia Lopes Chaves; Sandra
Cristina Pillon.

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Adaptação transcultural e validação da versão brasileira da
Treatment Spirituality / Religiosity Scale

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


Trata-se de um instrumento autoaplicável, composto por 10 itens que avaliam a
ênfase dada aos aspectos da espiritualidade/religiosidade (E/R) em programas
de reabilitação para dependência de substâncias psicoativas. Pode ser aplicado a
usuários dos serviços ou indivíduos que atuam na assistência a essa população.
Como exemplos dos aspectos avaliados, citam-se rezar, fazer leituras sobre
religião e espiritualidade, estabelecer momentos terapêuticos em que as pessoas
possam falar sobre suas crenças e encorajamento para busca de um Ser Superior.
A construção dos itens da TSRS tomou como referência diferentes programas de
instituições que incluem a E/R como parte do tratamento. Além disso,
considerou-se a literatura sobre E/R em programas de reabilitação para álcool
e/ou outras drogas, tais como os baseados nos Doze Passos.

17
5
TÍTULO A ESCALA:
Spirituality Self Rating Scale (SSRS)

ANO E AUTOR:
2009, Angélica Martins de Souza Gonçalves.

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Adaptação transcultural e avaliação da consistência interna da
versão em português da Spirituality Self Rating Scale (SSRS)

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


Os itens da escala refletem a orientação espiritual do indivíduo, ou
seja, se ele considera ou julga importante questões pertinentes à sua
dimensão espiritual e as aplica em sua vida. 1º item: trata sobre a
importância de passar tempo com pensamentos espirituais
particulares e meditações; 2º item: sobre o esforço para viver de
acordo com crenças religiosas; 3º item: sobre a relevância que o
indivíduo confere aos pensamentos espirituais que tem sozinho, ou
então em reuniões religiosas ou espirituais; 4º item: sobre o interesse
na leitura de assuntos relacionados à espiritualidade ou religião; 5º
item: investiga se a espiritualidade ajuda a manter a estabilidade e o
equilíbrio da vida; 6º item: sobre a consideração que se dá à
espiritualidade como base para a vida.

18
EXPERIÊNCIAS
ESPIRITUAIS
6
TÍTULO A ESCALA:
Versão brasileira da Underwood's Daily Spiritual
Experience Scale (DSES)

ANO E AUTOR:
2012, Miako Kimura; Acácia Lima de Oliveira; Lina Sayuri
Mishima; Lynn G. Underwood

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Adaptação cultural e validação da Underwood's Daily
Spiritual Experience Scale - versão brasileira

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


Inclui uma ampla variedade de experiências que podem ser encontradas em
diversas tradições religiosas e espirituais e busca avaliar a natureza e a
profundidade dessas experiências.
Avalia a frequência com que as pessoas vivenciam, no seu cotidiano,
experiências como a sensação da presença de Deus, fortaleza e conforto na
religião ou na espiritualidade, conexão com a vida, amor aos outros, admiração
pela natureza, paz interior, gratidão por bênçãos e desejo de proximidade com
Deus. Há itens teístas, que incluem a palavra Deus, enquanto outros usam
linguagem não teísta. Os respondentes que não se sentirem confortáveis com a
palavra Deus são instruídos a substituí-la por outra que signifique o sagrado
para eles. O instrumento é aplicável a não religiosos, inclusive ateus e
agnósticos.

20
BEM-ESTAR
7
TÍTULO A ESCALA:
Portuguese version of the Functional Assessment of
Chronic Illness Therapy-Spiritual Well-Being scale
(FACIT-Sp 12)

ANO E AUTOR:
2015, Giancarlo Lucchetti, Alessandra Lamas Granero
Lucchetti, Juliane Piasseschi de Bernardin Gonçalves &
Homero P. Vallada

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Validation of the Portuguese version of the Functional
Assessment of Chronic Illness Therapy-Spiritual Well-Being
scale (FACIT-Sp 12) among Brazilian psychiatric inpatients

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


O questionário FACIT-Sp 12 é um dos instrumentos mais
utilizados e adaptado para diferentes culturas avaliando o bem-
estar espiritual no mundo. As dimensões rastreadas por ele
abrangem; paz, propósito/significado e fé. Dentre os
instrumentos de espiritualidade, o FACIT-Sp 12 e o Índice de Bem-
estar de Espiritualidade foram consideradas as melhores
ferramentas para avaliar o estado espiritual atual dos pacientes.

22
8
TÍTULO A ESCALA:
Escala de Bem-estar Espiritual (EBE)

ANO E AUTOR:
2009, Luciana Fernandes Marques , Jorge Castellá Sarriera,
Débora Dalbosco Dell'Aglio.

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Adaptação e validação da Escala de Bem-estar Espiritual
(EBE)

FUNÇÃO DESTA ESCALA:

A EBE é uma escala sucinta, de fácil compreensão e aplicável


em diversos países, na sua maioria católicos (ou cristãos) como
é o Brasil. A escala se correlaciona positivamente com vários
indicadores padrões de bem-estar, incluindo autoconceito
positivo, sentido e propósito de vida, alta assertividade, baixa
agressividade, boa saúde física e bom ajustamento emocional;
e é negativamente correlacionada com indicadores de má
saúde, desajuste emocional, descontentamento com a vida e
suicídio.

23
NECESSIDADES
ESPIRITUAIS
9
TÍTULO A ESCALA:
Avaliação de necessidades espirituais para pacientes

ANO E AUTOR:
2016, Diego de Araujo Toloi et.al.

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Validation of questionnaire on the Spiritual Needs
Assessment for Patients (SNAP) questionnaire in Brazilian
Portuguese

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


A avaliação das necessidades espirituais dos pacientes é
importante para o cuidado integral. O questionário de Avaliação de
Necessidades Espirituais para Pacientes avalia a necessidade
espiritual dos pacientes com base em três subescalas: psicossocial
(cinco itens), espiritual (13 itens) e religiosa (cinco itens) -
contendo questões fechadas que avaliam a necessidade dos
pacientes nesses itens. As alternativas para as respostas são
classificadas de 1 a 4, a pontuação total pode variar de 23 a 92 e os
valores mais altos refletem mais necessidades espirituais.

25
QUALIDADE DE
VIDA
10
TÍTULO A ESCALA:
WHOQOL- BREF

ANO E AUTOR:
2009, Neusa Sica da RochaI; Marcelo Pio de Almeida Fleck

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Validity of the Brazilian version of WHOQOL-BREF in
depressed patients using Rasch modelling

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


O Instrumento de Qualidade de Vida da Organização
Mundial de Saúde, versão abreviada (WHOQOL-BREF) é uma
medida genérica de qualidade de vida(QV), que foi
desenvolvida simultaneamente em várias culturas e idiomas
pela Organização Mundial de Saúde.

27
11
TÍTULO A ESCALA:
Instrumento de Qualidade de Vida/espiritualidade,
religião e crenças pessoais

ANO E AUTOR:
2011, Raquel Gehrke Panzini; Camila MaganhaI; Neusa Sica
da RochaI; Denise Ruschel Bandeira; Marcelo P Fleck

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Validação brasileira do Instrumento de Qualidade de
Vida/espiritualidade, religião e crenças pessoais

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


O Instrumento de Qualidade de Vida da Organização Mundial da Saúde
(WHOQOL-100)5 é um dos instrumentos que inclui a dimensão Espiritualidade,
Religião e Crenças Pessoais (SRPB, em inglês) como um domínio de QV.
Embora a importância dessa dimensão tenha sido constatada por grupos focais
em diferentes centros e culturas, sua representação é dada por uma única
faceta, relacionada ao sentido na vida e crenças pessoais. Testes de campo do
WHOQOL-100 e estudos posteriores mostraram que quatro itens eram
insuficientes para mensurar essa variável/dimensão. Assim, a Organização
Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu o Módulo SRPB para o WHOQOL, numa
perspectiva transcultural.

28
12
TÍTULO A ESCALA:
The Brazilian Portuguese 9-item Spirituality,
Religiousness, and Personal Beliefs assessment

ANO E AUTOR:
2019, Rogério R. Zimpel, Raquel G. Panzini, Denise R.
Bandeira, Marcelo P. Fleck, and Neusa S. da Rocha

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Psychometric properties of the WHOQOL-SRPB BREF,
Brazilian Portuguese version

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


Esse instrumento inclui os oito itens com melhor desempenho
psicométrico do WHOQOL-SRPB de 32 itens, conforme
validação de Skevington et al. O nono item foi retirado do
WHOQOL-BREF (que, por sua vez, tem origem no WHOQOL
-100 / domínio SRPB). Os dados sobre o SRPB de 9 itens foram
extraídos do banco de dados de validação do WHOQOL-SRPB
em português do Brasil.

29
SAÚDE ESPIRITUAL
13
TÍTULO A ESCALA:
Spiritual Health and Life-Orientation Measure
(Brazilian Portuguese Version)

ANO E AUTOR:
2020, Lucianne J Valdivia, Lucas Pc Alves, Neusa S Rocha

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Spiritual Health and Life-Orientation Measure:
Psychometric properties of the Brazilian Portuguese version

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


As vantagens do SHALOM incluem seu breve tamanho, a
facilidade de aplicação e um estudo amplo e direcionado sobre
as dimensões da espiritualidade.
SHALOM foi usado em vários estudos em todo o mundo, com
alunos do ensino médio, incluindo uma amostra de crianças de
8 a 12 anos no Canadá, em que relatou sua eficácia para
estudar o bem-estar espiritual e felicidade (Holder et al.,
2010), sendo também traduzido para 29 idiomas (Fisher,
2016), incluindo português de Portugal.

31
EMPATIA
14
TÍTULO A ESCALA:
Empathy, Spirituality, and Wellness in Medicine Scale
(Brazilian Portuguese Version)

ANO E AUTOR:
2018, Alexander Cangussu Silva et.al.

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Translation, Transcultural Adaptation, and Validation of the
Empathy, Spirituality, and Wellness in Medicine Scale to
the Brazilian Portuguese Language

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


Este é um instrumento multidimensional, relativamente curto
e gratuito; avalia importante constructos; e foi explicitamente
projetado para uso no contexto médico.
Trata-se de uma escala composta por 43 itens, que consiste em
quatro subescalas: Empatia (13 itens); Abertura à
Espiritualidade (7 itens); Bem-estar (7 itens); e tolerância de
outras pessoas no campo da saúde (7 itens).

33
FLORESCIMENTO
15
TÍTULO A ESCALA:
Flourishing Scale

ANO E AUTOR:
2015, Patrícia Nunes da Fonseca et.al.

ARTIGO DE REFERÊNCIA:
Flourishing Scale: Evidence of Its Suitability to
the Brazilian Context

FUNÇÃO DESTA ESCALA:


A fim de fornecer uma avaliação integrativa, Diener et al.
(2010) desenvolveram um novo instrumento combinando
teorias recentes sobre bem-estar. Especificamente, os autores
usaram teorias psicológicas do florescimento humano
derivadas de abordagens humanísticas em associação com o
conceito de "capital social", que foi associado com bem-estar
(Helliwell et al., 2009; Putnam, 2000), bem como conceitos
como otimismo, propósito e sentido da vida (Ryff & Singer,
1998; Seligman, 2002). Esses conceitos são avaliados por oito
itens dentro da escala de florescimento humano.

35
ARTIGOS DE
REFERÊNCIA
1. MOREIRA-ALMEIDA, ALEXANDER AND LUCCHETTI, GIANCARLO.
PANORAMA DAS PESQUISAS EM CIÊNCIA, SAÚDE E ESPIRITUALIDADE. CIENC.
CULT. [ONLINE]. 2016, VOL.68, N.1 DOI.ORG/10.21800/2317-
66602016000100016.

2. DA FONTE, NILCE NAZARENO. APOSTILA-PESQUISA CIENTÍFICA: O QUE É E COMO


SE FAZ. DISPONIVEL EM:
<HTTPS://WEBCACHE.GOOGLEUSERCONTENT.COM/SEARCH?
Q=CACHE:FZ6WVVMGDDSJ:HTTPS://DOCS.UFPR.BR/~NILCE/METODOLOG.%2520P
ESQUISA%2520CIENTIFICA.DOC+&CD=1&HL=PT-BR&CT=CLNK&GL=BR>

3-REIS, PAULA. (2012). A PESQUISA EM SAÚDE: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA


PROFISSIONAL - DOI:10.5020/18061230.2005.P112. REVISTA BRASILEIRA EM
PROMOÇÃO DA SAÚDE. 18. 10.5020/905.

4. COLUCI, MARINA ZAMBON ORPINELLI; ALEXANDRE, NEUSA MARIA COSTA


AND MILANI, DANIELA. CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS DE MEDIDA NA
ÁREA DA SAÚDE. CIÊNC. SAÚDE COLETIVA DOI.ORG/10.1590/1413-
81232015203.04332013.

5. COLUCI, M. Z. O., ALEXANDRE, N. M. C., & MILANI, D. (2015). CONSTRUÇÃO DE


INSTRUMENTOS DE MEDIDA NA ÁREA DA SAÚDE. CIÊNCIA & SAÚDE COLETIVA,
20(3), 925–936. DOI:10.1590/1413-81232015203.04332013

6. LUCCHETTI, G., LUCCHETTI, A. L. G., & VALLADA, H. (2013). MEASURING


SPIRITUALITY AND RELIGIOSITY IN CLINICAL RESEARCH: A SYSTEMATIC REVIEW
OF INSTRUMENTS AVAILABLE IN THE PORTUGUESE LANGUAGE. SAO PAULO
MEDICAL JOURNAL, 131(2), 112–122. DOI:10.1590/S1516-31802013000100022

37

Você também pode gostar