Você está na página 1de 22

c c

 
c c     
p 
ñ  ññ
    


Nota-se no homem uma pergunta sobre Deus.
O perguntar fala do perguntante.

 
p  
 
O tema é a pergunta filosófica sobre Deus.
Problema: o tema Deus não é empírico e sim metafísico. Vivemos numa época de suspeita à
metafísica, suspeita esta iniciada por Kant quando afirma que d dd 
 
   
( B 806) Aqui podemos notar, porém, a insensatez da afirmação de insensatez. A idéia de que
somente afirmações demonstráveis possam valer como afirmações exatas certamente não é
demonstrável empiricamente, de tal forma que, permanecendo com o critério de sentido de que dispõe,
é ela mesma completamente insensata.
Desde o início nos damos conta de que se trata de uma pergunta  d  . A palavra  d 
indica desde o início uma d  d à verdade absoluta e à sabedoria que nos torna felizes,
não porém à sua dd
Agostinho fala de dois erros complementares que são empecilho para achar a verdade: a 

  na possibilidade de encontrá-la e a suposição de tê-la já encontrado2. Trata-se aqui de uma
d  
  que é justamente determinada pelo saber de não saber, na medida em que um espírito
finito que se interroga sobre o infinito reconhecerá ao final que aquilo sobre o qual se pergunta
transcende infinitamente a si mesmo e a sua inteligibilidade.
A tarefa é o falar sobre Deus. Antes disso, porém, pode-se olhá-lo sob vários aspectos:
´ ONDE falo num contexto. Existe um lugar, algo ao redor.
´ DE ONDE falo a partir do sujeito falante.
´ SOBRE O QUE no caso, Deus, mas:
- a quem?
- com que?
- por quem?
- contra quem?
´ COMO método

†   !"
O pensar Deus na filosofia é uma realidade  . À pergunta filosófica sobre Deus não
existe uma resposta definitiva e inquestionável. Ela é irrezolvível. Apesar disso, vê-se no homem uma
disposição natural à metafísica.
Quando olhamos empiricamente para a realidade vemos a aparência das coisas. No entanto, o homem
não se contenta com o fenômeno. Os sentidos nos dão o que as coisas são ³para nós´, não o que são
³em si´, o real, o sentido das coisas. Só a metafísica é capaz disso.
Deus entra na filosofia porque o homem tem essa disposição natural à metafísica.

1
Esta apostila foi elaborada a partir do livro de Norbert FISCHER,       
  d 
Milano, Jaca Book, 1997, 390p.
2
«Restant duo vitia, et impedimenta inveniendæ veritatis [...] ne te contemnas, atque inventurum esse desperes, aut certe ne
invenisse credas» (
  d, 2,3,8).
p   2
A pergunta filosófica é uma pura busca que permanece aberta à resposta. Esta busca pode
encontra a sua realização na fé religiosa; porém, tão logo começa a pensar em Deus confiando na fé,
cessa de ser filosofia.
Esta linha de fronteira, no entanto, vale apenas para o puro processo do pensamento, não para a
vida concreta na sua inteireza.
Fazemos a pergunta filosófica sobre Deus para demonstrar sua necessidade para os que já têm
certeza de tudo, seja positivamente, seja negativamente. Este perguntar é a tarefa insolúvel e ao mesmo
tempo necessária da filosofia. De tal forma que quem abandona esta pergunta já abandonou a filosofia.
ß !##$%# 
Em Heidegger, há uma valorização do silêncio como lugar da revelação do ser. Mas, para que
haja d 
 é necessário haver  e vive-versa. Uma coisa possibilita a existência da outra.
Podemos falar de uma espécie de ³silêncio eloqüente´.
A dialética do discurso e do silêncio é constitutiva da possibilidade do discurso filosófico sobre
Deus.
Deus é inefável ( = !. Não podemos falar Deus, mas existe uma dialética entre o falar
Deus e o silêncio. A tentativa contínua do falar Deus leva-nos a um silêncio, uma espécie de ³silêncio
eloqüente´. Será tentando falar de Deus que chegaremos a algum lugar
Deus pode se mostrar no mundo apenas ao homem silente, e somente no silêncio os homens
podem encontrar a manifestação de Deus e da magnificência divina. Deus pode se revelar ao homem
no mundo somente através da alienação simbólica da sua essência. Porém o homem só pode tornar
presente aos outros este evento pela fala.
Wittgenstein diz no p d " #$ d d: «As minhas proposições ilustram assim:
aquele que me compreende, no final, reconhece-as insensatas, subiu por elas ± sobre elas ± para além
delas. (Ele deve por assim dizer jogar fora a escada depois de ter subido por ela). Ele deve superar estas
proposições; então vê corretamente o mundo» (6.54).

V ñ 
÷ &p' &( )*
 &&+ ,* *
*) -  ( p 
( -
p&+  & 

Antes de falar de Deus é preciso falar do homem. Por que o homem faz a pergunta sobre Deus?
Que tipo de experiência o leva a isso? Que força assertiva, apofântica, tem o discurso sobre Deus?
O encontro do homem com Deus deveria ser considerado como realização do seu ser e de sua
busca finitos e como termo de toda pergunta e problema.

./$
& ( -
p  &( p  & *
p
-0
,&p1 
 ( p
 ( 1( & ,* *,* *

Trata-se da questão de se o homem que põe a pergunta sobre Deus seja um caso histórico
específico ou se este perguntar pertença ao ser homem do homem. Trata-se de decidir se o pensamento
sobre Deus deva ser compreendido somente como d
 " d  
 ou se a pergunta
sobre Deus deva valer como 
d 
  "

d   que não pode ser
realmente colocado em questão nem mesmo na negação de Deus3.

3
Henri De Lubac dedica seu livro  

 dd
  «a meu amigos que crêem aos que crêem de não crer».
$$% &' 3
23  # .  !# 45 
O homem é dado a si mesmo como uma tarefa, uma missão. Ele não nasce homem. Deve
realizar-se, construir-se, fazer-se. Mas, ele não consegue alcançar isso objetivamente.
O homem não é uma realidade dedutível teoreticamente. Para onde vai o homem? O que ele é
realmente? É um problema teorético sério.
Porém, apesar dessa dificuldade, o homem deve buscar sempre.
A vida do homem é uma ³vida viva´ (Agostinho, 
 dd(d, 1,7), dinâmica, não estática.O
homem é um espírito inquieto e que busca ± ³
) 
 ´ (Agostinho, 
 dd(d, 1,1).
Existe no homem um déficit de determinação. O espírito humano não é capaz de alcançar sua
própria identidade. Não se conhece suficientemente.
Então, não somente Deus, mas também o homem, como perguntante por Deus, é um mistério.
2|  .# /#".6#  ..3  7"
8$.##$/ 
O homem não consegue realizar-se completamente. Não consegue por em ato toda a sua
potencialidade. É uma tarefa inacabada. Isso tem conseqüências metafísicas?
O homem só será feliz se atualizando, realizando-se ± passagem para o ato.
Conhecer - quando conhece o que quer se realiza
md &#d Quererquando tem o que deseja se realiza
Agir - quando faz o que quer se realiza

” #3#
Kant, através de sua crítica, renunciou à posse absoluta da verdade, reduzindo o âmbito do
conhecimento para dar espaço à fé (B xxxs).
Segundo Kant, não existe conhecimento teórico sobre Deus. Se houvesse conhecimento sobre
Deus, este deveria ser empírico, e isso, é impossível. Abre espaço à fé. Mata a Metafísica.
Da mesma forma, empiricamente é impossível saber como o homem deve ser.
Sabe-se, porém, que o conhecimento metafísico, que ultrapassa o empírico, não tem a mesma
firmeza que este. Tem apenas um #6. 57 .9# Trata-se, na realidade, de um
socratismo, um ³saber de não saber´.
A conseqüência metafísica o homem será eternamente um ³filósofo´, somente ³amigo da
sabedoria´, com um ³saber de não saber´.
” 8$
O homem é liberdade finita.
Conseqüência: É muito difícil explicar metafisicamente o sentido de uma liberdade 
 sem
conceber uma liberdade

.
Assim, Sartre pode tirar todas as conseqüências de um pensamento ateu. Nega a liberdade
humana. O homem não é livre, ele é escravo da liberdade. Quando escolho de escolher, já escolhi.
Assim, sou escravo da liberdade. É o drama da liberdade finita. Enxerga a liberdade somente como
liberdade absoluta.
A conseqüência metafísica O homem, enquanto   

  &*, abre espaço
para o transcendente.
”:
O homem busca a realização da ordem perfeita. Surge assim a aspiração pelo sumo bem, que no
entanto, exige o postulado da imortalidade da alma e da existência de Deus.
Tanto no conhecer, quanto no querer e no agir, há uma limitação. Este limite define o homem
como um ser insatisfeito, que o põe diante da realidade de um 
)  . Assim, o homem é,
metafisicamente, necessitado de um absoluto. Essa é a conseqüência metafísica maior.
Metafisicamente, no ser do homem, há uma sede de absoluto.
p   4
SER DO HOMEM busca de um absoluto que não é ele.
#2 .$ # .$# . $  "5..
3  
Vimos a finitude do homem no seu conhecer, querer e agir. Com isso, o homem vê sua
incapacidade de responder a pergunta sobre si mesmo, de se compreender e, conseqüentemente, de se
realizar na vida.
Maurice Blondel ± recorda a insanável desproporção entre o impulso do querer e a finalidade do
agir humano (entre vontade e ação). Existe um abismo entre o élan (impulso) volitivo e a ação humana.
O homem quer muito mais do que consegue fazer.
A partir disso, vemos a realidade de que o homem tende a um objetivo que não vai alcançar
nunca. Ou seja, o sobrenatural (Absoluto) é absolutamente impossível para o homem e, ao mesmo
tempo, absolutamente necessário.
É por isso que o homem é essa tensão:
- Não alcança o Absoluto com sua ação;
- Não se satisfaz se não encontrar o Absoluto.

- Para a ação humana 5 impossível chegar lá.
- Para o querer 5 impossível não buscar.

./$
&; <( 0
& -
= &>( -
p&+  &
( *

p ( +) *p & 
p ?

Dois tipos de experiências que conduzem a Deus: a 8$e o $  


Ambas são qualitativamente superiores à ³redução científica´.
O que se vive é muito mais do que a explicação científica. A ciência pode explicar a inquietação
do homem pela falta de um Absoluto e o entusiasmo pela beleza, etc., mas o homem sabe que tais
experiências são muito mais que isso.
2: .:$$.%#$.# 
O estupor é o início da Filosofia4.
A mudez do estupor é eloqüente. Esse estupor não é objetivável, tematizável. Portanto, ele não
pode ter a função de demonstração da existência de Deus. Não é prova. É uma luz que ilumina a
direção para a qual o homem interroga. Quando a pessoa vive o estupor, vive também o desejo daquilo
pelo qual está maravilhado. Há uma desproporção entre a redução científica e o estupor vivenciado.
A Felicidade, cujo conteúdo não se pode agarrar e que não é presa no tempo, também é muito
mais do que se pode descrever.
Portanto, diante da experiência de estupor e felicidade, o homem se põe a pergunta sobre Deus.
2: .:$$.%#": 
O sucesso nas ocupações diárias pode levar a uma certa d d. Esta, porém, é prematura e
mesquinha se tentar esconder a falta insuperável de perfeita satisfação do verdadeiro desejo humano,
dissimulando a pergunta que transcende o mundo.
A desgraça pode se abater sobre uma pessoa quando  d 
    aparecem em sua
vida e quando a liberdade humana produz um "  d (cf. 
 dd(d, 4,7ss).
O sofrimento é uma forma de experimentar a presença de Deus.
Diante do sofrimento a pessoa se faz a pergunta: ³E Deus?´.
#2| . #@..%#: 
4
«Este na verdade é o sentimento do filósofo, o estupor: não há outro princípio da filosofia se não este ± ma/la ga\r filoso/fou
tou=to to\ pa/qoj, to\ qauma/zein: ou) ga\r a)/llh a)rxh\ filosofi/aj h)\ au(/th»» (Platão, p, 155d)’
$$% &' 5
Trata-se do problema da  
  da experiência religiosa.
Para os antigos, o problema fundamental consistia no ³) d´, na busca pela dd
 de Deus.
Nos tempos modernos esse problema não tem relevância. Para o homem moderno é o problema
hermenêutico: )d "
 d? Portanto, revelar o significado ou ausência de significado de Deus.
³Círculo Hermenêutico´ (Gadamer). O problema do fenômeno religioso é  
 , é de
significado. Não tanto factual. Não é da evocação científica e sim da interpretação ³hermenêutica´.
A experiência religiosa pode e deve ser interpretada. E isso cabe à Filosofia.
% + que estudou a Fenomenologia da Religião se dedicou à análise do numinoso
(sentimento criatural, o ,d   
 , o esplendor, o d

d, o d
 ).

./$
&& pA(
&*
pp 
&

p 
 ( -
p@)&1@&+  & 

O pensamento transcendente tem consciência da própria problematicidade. Porém é necessário


não julgar a metafísica a partir de uma falsa identidade. O iluminismo quis dar à filosofia o mesmo
estatuto epistemológico das ciências exatas. Com isso condenou a metafísica como ilusória, já que ela é
incapaz de produzir uma tal certeza matemática. A metafísica tradicional, porém, jamais teve uma tal
pretensão. A metafísica se reconhece como filo-sofia, como saber de não saber.
2. B#./:$ 5$. 
A Metafísica foi acusada como sendo um sonho (Voltaire), uma mentira (Nietzsche), um
pseudoproblema (Carnap). Até que ponto o pensamento filosófico sobre Deus é capaz de mostrar,
afirmar alguma coisa?
Vemos que o homem tem a necessidade de perguntar sobre o Absoluto, porém, não é capaz de
um pensar o Absoluto. Se pensar o Absoluto, não é o Absoluto.
Então, somos capazes de um pensamento transcendente que reconhece seus limites.
Assim, não se trata de um pensamento absoluto, mas de um pensamento 
d 

 ,
que, porém, tem a ousadia de perguntar sobre Deus, mesmo diante da morte, mesmo diante de sua
limitação.
O homem vive numa tensão existencial entre uma verdade pobre em conteúdo, mas
absolutamente certa e uma verdade plena em termos e conteúdo, porém, insegura.
2.$.:5 #$$$ 
O homem é livre. Mas, de uma liberdade limitada.
Por que é importante que o homem seja livre? Porque, se não há liberdade, ele não pode ser um
investigador, um perguntador e, assim, não há busca.
A liberdade aspira ao Sumo Bem.
Nada basta para o homem. Ele pode ter tudo, mas sempre quer mais. Os bens pequenos e
passageiros não são suficientes.
Tende para o SUMO BEM, mas escolhe bens limitados.
Quando existe uma d  , ela está marcada pela
 &. Essa não realização da finitude
do homem é que abre a janela para que enxergue que o que ele busca é o Sumo Bem.
#2 .3  # 3"$.:$ 
Ao perguntar sobre Deus, pergunta-se sobre um 
.
Quando recebemos as coisas, captamo-las dentro de dois transcendentais: espaço e tempo.
Enquanto estrutura do pensamento não se é possível subtrair-se do tempo. O pensamento só funciona
segundo um antes e um depois. Isso quer dizer que somos incapazes de pensar o eterno. Como é, então,
que querermos pensar o eterno?
O transcendental   ao mesmo tempo possibilita o pensamento (antes-depois) e o condiciona,
o limita, tornando-o incapaz de conceber o eterno.
p   6
Como, então, pensar o eterno?
Na simples percepção do tempo enquanto tal se pressupõe um momento que ultrapassa esta
fugacidade do temporal que parece aniquilar todas as coisas.
VV ñ 

 &&  @ ) &

&
÷  <( * *
p ? &&0
  & 
Existem várias visões a respeito de Deus: d  d   d *" d
Mas, entre as várias concepções, existe um conceito básico, um consenso mínimo a que todos
chamam de Deus. Tomás de Aquino, ao final das suas cinco demonstrações da existência de Deus diz:
³E  
d 
 -± e isto todos chamam de Deus.
Existe, então, algo em Deus que é óbvio? Ou ele é algo que muda conceitualmente: hoje é uma
coisa, amanhã outra?
«Que o homem contemporâneo tenha ou não um Deus é um fato secundário diante do conceito
com o qual ele pode ainda compreender o que signifique ter um Deus» (Hans Blumenberg).
É preciso compreender o que significa ter um Deus, tendo-o ou não.
Deus é importante para o homem 

 "  ± o homem é finalidade.
Se há um Deus, o homem é para Ele. Deus é a finalidade. É prioritário sobre o homem.
Antes de descobrir se Deus existe ou não é preciso sabre ³) d ´, o que Ele é.
De onde então devemos partir?
-| Antiguidade partiu do cosmos (abordagem cosmológica)
-| Modernidade parte do homem (abordagem antropológica)
A abordagem antropológica coloca Deus em função do homem. Porém, reduzir Deus a um
conceito funcional, utilitarista, pragmatista, é destruir o conceito de Deus.
 
    
      

Se Deus é para mim, ele é relativo. Então, já não é o absoluto, é o relativo que me ajuda. Um
Deus funcional é um Deus que não é Deus. Se existe um Deus ele precisa ser independente do homem,
a causa de si mesmo e a finalidade.
Mas, ao mesmo tempo, não se pode deixar de partir do homem, pois o homem moderno busca o
significado das coisas para si. A Filosofia moderna nasce do " cartesiano, do sujeito. O homem é o
ponto de partida. Isso está na nossa mentalidade. Proceder de forma diferente no tratado sobre Deus é
torná-lo irrelevante, nulo.
Como, então, partir do homem?
Primeiramente, tomar consciência de sua finitude. Depois, proceder por infinição, que é o
caminho da des-limitação de Deus. O caminho da definição, da delimitação de Deus seria sua
destruição.
Então, tomo consciência de minha 
 e entro, por assim dizer, na

 de Deus.

./$A
( +) *( -
p
c  cñ ñ Vcc  ccVc
Somente um   pode ser captado como   . Portanto, o pensamento
transcendente parece cair em uma aporia insustentável quando tenta compreender ##.$  a
verdade incondicionada e infinita. Uma realidade infinita que fosse representável pelo finito de maneira
determinada daria origem, justamente por causa de sua presumida clareza, a uma simples ficção
intelectual, uma quimera.
2$.:#3  ..%#$ 
$$% &' 7
. "
 
" /O homem que quer apreender a presença de Deus partindo do mundo está
submetido a um verdadeiro ³suplício de Tântalo´ (o objeto de desejo é inatingível), podendo apreender
a presença de Deus somente no não concebê-lo.
«Deus é aquele que se conhece melhor não conhecendo ± dd) d   d
d 
»
(Sto. Agostinho +
 2,44).
. "
  d  / Se o homem pudesse falar de forma determinada do infinito, ou a sua
finitude seria deformada pela infinitude de Deus, ou a infinitude de Deus cairia, por assim dizer, nas
mãos do homem.
Somente renunciando à afirmação usurpada de um conhecimento relacionado com a verdade
absoluta do todo, um homem finito pode viver a própria vida pensando e crendo no Deus infinito.
2#6 .:$ 
Quem capta o conceito de Deus de forma determinada torna Deus finito e, assim, não fala mais
do infinito; quem, porém, tenta falar dele de forma indeterminada, erra igualmente o alvo. O discurso
sobre Deus seria absolutamente insensato.
³De uma resposta que não se pode formular não se pode formular nem mesmo a pergunta. Não
existe enigma. Se uma pergunta pode ser colocada, pode existir também uma resposta.´ (® "
d
0
p123).
Contra essa afirmação, porém, devemos considerar que o homem se experimenta como uma
pergunta para a qual não há resposta.
#2#$ %#$.: ..  
Três caminhos possíveis:
a)| '     - ± acredita que se pode dizer algo positivo sobre Deus, mas de forma
analógica.
!| ' 
" - ± atribui-se a Deus conceitos negativos: infinito, ilimitado... 
!| ' 

 4-± mesmo caminho da affirmativa: pega uma qualidade positiva nas criaturas
e eleva-a ao nível superlativo: o homem é  . Deus é a 5
 
A pretensão de que Deus deva ser pensado, quanto ao conteúdo, de uma forma unívoca, para que
a sua existência possa ser demonstrada, parece viciada desde a origem, na medida em que a realização
dessa exigência destrói a própria possibilidade de alcançar a finalidade desejada.
Portanto, a hipótese assumida, aparentemente paradoxal, que seja melhor conhecer Deus no não
conhecer encontra a sua justificativa racional na peculiaridade daquilo que visa a pergunta.
Existem tradições conciliatórias que atribuem a Deus propriedades bem determinadas sem que
seja claro a sua fonte: 

 


 #d 

Não há como negar que se tratam de infinições de características positivas do homem.
./$A
 )  *÷ &p
( -
p&+  &*(
p 
( p( ;@) 
)1->  &
Tomás de Aquino (‚1274), seguindo a tradição de Dionísio Pseudo-Areopagita (V/VI séc.),
considerava evidente que os homens não pudessem conhecer a essência de Deus. «Quid est Deus
nescimus» ( $
  7,2 ad 11). No entanto, na .  p " , escreve uma questão intitulada
³Sobre a essência de Deus´. Ele não vê nenhuma contradição no seu modo de agir, porque o
reconhecimento da razão humana como limitada não impede a valorização desta mesma razão finita. É
uma espécie de d  d   d Não considerar a finitude da razão humana desembocaria
necessariamente em um otimismo desenfreado. Seria a razão que se impulsiona, positiva ou
negativamente, a elaborar um juízo, não sem uma certa u(brij, sobre Deus.
Tal pensamento, que quer pensar Deus mediante infinições do finito, está exposto à crítica de
quem vê nos seus resultados o fruto de meras projeções nascidas da negação do finito. Karl Barth (‚
1968), por exemplo, afirma: ³Não existe para nós nenhum caminho que conduza a Deus, nem mesmo a
p   8
 
" , ou uma    ou 6. O Deus que estivesse no final de um caminho humano
já não seria, por isto mesmo, Deus´5.
Barth abandona a razão à sua perplexidade e admite somente o caminho da revelação. A tradição
católica, no entanto, embora admita o limite da razão humana, se recusa a desprezar a razão, pois,
embora manchada pelo pecado original, Deus não criaria um instrumento de engano. Segundo Karl
Rahner (‚1984), se a razão humana não fosse autônoma e livre, o homem não poderia ser um autêntico
ouvinte da Palavra, ou seja, não seria capaz de receber uma revelação, que exige também um
assentimento racional6.
Para os protestantes, pessimistas em relação à natureza humana, depois da Queda, a natureza e a
razão tornaram-se enganosas. Tal afirmação não deixa de conter uma certa verdade, porém não se trata
de uma realidade que afeta a estrutura da própria razão. A ascese contribui grandemente para a
purificação da razão aprisionada pela filauti/a’
2..8$ 5 # 9:#$ 
Se a razão humana pode exprimir o Deus infinito somente a partir do finito, a diversidade do falar
irá depender da diversidade dos pontos de partida finitos.
O ponto de partida condiciona o discurso a respeito do infinito.
O finito que pode ser infinitizado positivamente em Deus deve ser necessariamente  e
 . Uma bondade e uma verdade que coloque o homem num estupor apaixonado, ao mesmo
tempo de temor e reverência, conduzindo-o à pergunta sobre Deus. Isso, porém, não significa a
divinização do ponto de partida. Divinizá-lo seria cair na ausência de Deus (quando tudo é Deus, nada
é Deus).
Um falar sobre Deus que nasce destas infinições pode ser interpretado, segundo a tradição neo-
tomista, como via do conhecimento 
 "  Tais infinições podem ser iniciadas a partir dos
conceitos de base da realidade específica do homem. A infinição do conhecimento humano conduz ao
pensamento da 
d 
; a do querer humano ao pensamento da 

; a da temporalidade ao
pensamento da 
 Trata-se de uma reformulação da doutrina da ³
"  
 d´. Cf. Erich
Przywara (‚ 1972) e Hans Urs von Balthasar (‚ 1988).
2  .##3# 9# 
O conhecimento humano supõe uma unificação da multiplicidade dada (seja progressiva, seja
regressiva) reconduzindo o todo à sua origem; estes dois caminhos nos levam ao infinito inconcebível
(cf. Kant,  B 438). Com relação ao limite espacio-temporal do mundo, a possibilidade do perguntar
atinge uma amplitude infindável, sem poder porém atingir o infinito (5 546). Este resultado pode
ser insatisfatório para a razão teorética que tem em vista resultados unívocos e um saber soberano; ele
porém é o sinal da  d  da razão humana, cujo pensamento determinante malogra tão
logo busca a verdade incondicionada e absoluta. A razão humana está essencialmente em busca da
unidade de tudo, embora esta permaneça enigmática e misteriosa.
#2  .##3# .6# 
A boa vontade só pode ser pensada como vontade que quer a realização do bem. Esta boa vontade
quer que tudo seja o mais perfeitamente ordenado. Esta boa vontade constitui o bem supremo que o
homem pode alcançar com suas forças. Ela, porém, não é boa porque quer ser uma boa vontade, mas
porque quer a realização do bem (por falta de força e conhecimento).
Porém, quem não tem conhecimento e é fraco, tem a possibilidade de buscar a verdade e de
reconhecer a própria fraqueza. Aspirando à suprema ordem perfeita ele faz algo de plenamente sensato.
Porém, na incapacidade de realizá-la, reside o conhecimento de uma falta que pode ser superada
somente graças a um Senhor do mundo, infinitamente justo e bom.
À aspiração da boa vontade pertence a tendência a uma infinição de sua eficácia.

5
d$ 7 8
9"
:. 153.
6
Cf. ;<d®d, 105-134.
$$% &' 9
./$A
p
ppA  *c V cVcV 
÷ & p
p+p 
( -
p&+  & 
2$#  $..%# $B#  
O ateu ou indiferente diante da pergunta sobre Deus poderiam justificar o seu ateísmo ou
indiferença afirmando que não há motivo algum para se interrogar sobre um além do mundo ou
dizendo que Deus seria inútil, se não até mesmo nocivo para o homem. Em ambos os casos, se esconde
a d " segundo a qual é necessário contentar-se com o mundo humano ou da natureza
materialmente fundada.
O homem, no entanto, se experimenta no mundo como um ser problemático a si mesmo, pois
desconhece a si mesmo e a sua origem. Ora, tal origem não pode ser conhecida como algo que se
encontra no mundo e a sua resposta não comporta uma certeza como um ³saber de domínio´, ou uma
d   
  
. A pergunta sobre a origem absoluta pode ter como sentido a
aproximação do homem consigo mesmo.
Uma visão mecanicista da origem do mundo (como a de Darwin) pede, por princípio, uma
interpretação filosófica. O homem experimenta o mundo como evento, acontecimento e não como um
processo mecânico causal. O resultado das ciências naturais não responde à pergunta filosófica
fundamental: quem sou eu, em virtude da minha origem? A compreensão evidente que o conhecimento
humano não tenha capacidade de responder a esta pergunta de maneira definitiva não anula o seu
sentido. Tal fenômeno pode ser interpretado positivamente pois, neste saber de não saber, o homem
chega a uma compreensão de si mesmo.
Também no campo da razão prática, a pergunta sobre a origem é determinada em seu núcleo por
uma  d. Quem decide por um agir sensato e se aceita como ser livre e responsável vai na direção
de uma origem diferente daquele encontrada apenas no mundo.
2$#  $8$$. $3  
A obviedade da existência do mundo é um fenômeno significativo, que chama a atenção,
sobretudo porque não possui qualquer fundamento suficiente nas coisas e nas forças mutáveis e
caducas que se encontram na realidade mundana. ³Nós nos comportamos com grande segurança, como
se o nosso ser nos pertencesse de forma estável´7. Este normal sentimento vital oculta
conseqüentemente o espetáculo da
  da vida. A experiência do pensamento faz desaparecer a
imediata segurança do ser, interpretada por Heidegger como 
   dd   


 
 
Tem-se, então, a experiência de ser sustentados no nada. ³Diante da inegável realidade de que o
meu ser é fugaz, prorrogado, por assim dizer, de momento a momento, e sempre exposto à
possibilidade do nada, coloca-se uma outra realidade, igualmente irrefutável, que, não obstante tal
fugacidade, eu d, e de instante em instante, d 
d
d e que eu posso colher neste meu
ser fugaz algo de duradouro´8.
#2$#  $.7 "65.:7.3$  
O homem sente na sua consciência a proximidade da morte. De certa maneira o vazio do nada
ameaça devorar a sua existência temporal. A pergunta sobre o futuro absoluto é orientada pela
consciência da morte. Tal pergunta é alimentada pela esperança do desaparecimento da fugacidade do
tempo na eternidade. Porém, não se pode deduzir a esperança. Mesmo assim, diante da morte como
realidade destruidora de sentido e, por assim dizer, incrível, a esperança se apresenta como crível. ³A fé
é realmente um milagre; é incrível e, no entanto, é sempre mais crível do que a morte´9.

7
Edith STEIN,7
 d
: "d.
, 56.
8
Edith STEIN,   
9
Dolf STERNBERGER, =
p, 34.
p   10
A partir da vida humana, enquanto busca de sentido, o pensamento se move na direção da  "
de tudo, da 
 que o mantém no presente e do  no qual o homem e o mundo encontram sua
última realização. Se e como deva ser pensada esta realização, não parece ser uma pergunta à qual o
homem possa responder.
Na impostação do nosso curso, a acusação de antropomorfismo cai no vazio pois ela se apóia na



.
Fica claro, então, sobre o que se deve interrogar quando se trata de Deus no campo filosófico:
Deus é buscado enquanto potência que não está absolutamente disponível e que, no entanto,
fundamenta todo sentido, ou seja, torna possível e leva a termo a intuição de sentido que o homem
realiza originariamente. Deus é, assim, pensado como o  e o > " do ser e do sentido da
liberdade, à qual aspira o homem enquanto ser finito.
Embora o pensamento da infinição determine a direção do interrogar, Deus (sobre o qual se
apóiam as esperanças do homem oprimido pelos enigmas) permanece essencialmente distante do
pensamento finito.
Se a esperança de um sentido absoluto encontrasse, no final, o seu objetivo último, a própria
esperança já seria, para aquele que a vive, o maior dom de todos os dons no mundo.
Iremos agora investigar se existem reflexões racionais a favor de uma tal esperança.

VVV ñ 


 +p @)&1@&+  <&p0
  & 

./$A
&+ &
p )+  & *
&p  ' & <&p0
 
 & &+ ; =p *)>&(&&CA & & )p& 
2 .$#:$ 5%#$ 
A tentativa de provar com d "  a existência de Deus cria uma ficção, pois não
podemos dissimular como se o coração do homem não dependesse deste problema [de Deus], em uma
avaliação, por assim dizer, imparcial, d
 d    O pensamento racional nos permite d  de
esperar na realidade de Deus, mas
 de demonstrá-la de maneira objetivamente vinculante.
Os caminhos para a demonstração podem ser gnosiológicos, ontológicos e cosmológicos. Mas
estes mesmos caminhos podem favorecer contra-argumentações. Pois, ao assumir a contingência do
finito, pode-se encontrar pretextos contra e a favor do ser absolutamente necessário de Deus.
O conhecimento de Deus é uma tarefa difícil, pois necessariamente contrapõe Deus e o homem.
' 
d  
 dddd[...]? ddd  


dd -@A. O homem, pela sua natureza [decaida!], não pode querer que Deus seja Deus, mas ao
contrário, o homem desejaria ele mesmo ser deus e que Deus não fosse Deus.
³Não se trata de ateísmo, mas de uma µtroca¶ de papéis do único Deus, de tal forma que não basta
a pretensão de gritar   ! A rivalidade só pode ser absoluta´11.
Devido a esta rivalidade, o ateísmo será necessariamente rumoroso. Assim, as demonstrações da
existência de Deus, demonstram-se necessárias como contraposição, mesmo se são simplesmente
indicações do pensamento finito que convidam à transcendência.
2$ . 6# .%#$.
5.6# 
A pergunta sobre Deus, a partir das motivações da filosofia prática, obtém uma urgência da qual
nenhum homem pode se subtrair. Trata-se de motivações de caráter moral, portanto, direcionadas à

10
Martinho LUTERO,  d  
. d  p "  , 17.
11
Hans BLUMENBERG, m Bddd 
16.
$$% &' 11
realização do próprio sujeito. No entanto, mesmo as motivações práticas necessitam de uma elaboração
teórica.
#28$ ##$%#$ 
A tomada de posição sobre a existência de Deus possui diferentes graduações modais, que estão
na base da distinção geral subsistente entre 
, , e d. O próprio Kant faz distinção ente o

, o d e o 
Se uma 
 não pode ser excluída por motivos racionais, ela pode ser considerada

dd.Se nada pode ser objetado contra esta possibilidade, a opinião em questão  ser
sustentada.
Tomás de Aquino explicita como se dá este assentimento:

       d d  "


 
      
 dd   (conhecido por si mesmo)
(a partir do objeto por necessidade)
   "
 
dd
dd      (conhecido por outro)
(assentimento)     
   
/

(com dúvida: opinião)
    
 
(por escolha)     
/ d
     (com certeza: fé)

Trata-se de saber se
a existência de Deus seja: - 1. Possível;
-| 2. Lícita;
-| 3. Necessária;
-| 4. Imperativa
. &!./5O encontro do homem com a existência de Deus passa por um primeiro nível
de dificuldade. Não se trata de saber primeiramente se ele existe, mas de saber se é possível que ele
exista e se é possível que o homem assuma sua existência. Ora, a negação da existência de uma
realidade incondicionada e infinita por parte de um ser determinado pela finitude e pela contingência é,
do ponto de vista teórico, um empreendimento ridículo. Ao mesmo tempo em que o homem reconhece
que não é capaz de um saber absoluto, deve permanecer aberto à verdade.
† &!/#$ %#$ A esperança de uma realização absoluta pertence à
essência de homem. Ela põe diante do homem a necessidade de uma confiança sem a qual a sua
aspiração seria no fundo insensata.
ß &3  5# $ %#$A necessidade de aceitar
a existência de Deus não ultrapassa o d 
ddo saber de não saber.
ó  $ %#$D
No campo moral é dever do homem aceitar a existência de Deus, pois o homem deve acreditar
que a aspiração à realização dos bens supremos (exigida pela razão prática) não se perde no nada.
Assim, deve-se compreender que uma demonstração da existência de Deus não será uma
inferência lógica necessária, coativa, que não permite réplica alguma. Pois, ao final da cadeia
argumentativa, não iremos encontrar a evidência incontestável da existência de Deus. Iremos perceber,
isto sim, que a existência de Deus é possível, lícita e imperativa.
A realização das disputas sobre a possibilidade da demonstração de Deus, que se tornaram mais
agudas, acirradas, no início da época moderna, mas que neste ínterim foram reduzidas a um significado
meramente relativo dentro do âmbito de uma reflexão filosófico crítica sobre o pensamento de Deus,
p   12
causou o fim necessário do sentimento de superioridade típico do início da era moderna, de tal forma
que hoje nos dirigimos à filosofia antiga com um interesse não somente historiográfico, mas dirigido á
sua efetiva pertinência.

./$A
)- *&
 ' &&*&*( p
p &A&p 
&
 *
&p  @)&1@ <&p0
  &
Se o homem pudesse conhecer a essência de Deus a questão de sua existência perderia sentido,
porquanto a essência de Deus representa a resposta que satisfaz a toda pergunta, o fim de toda dúvida.
2    
!   &   $ #   $.   #6 8$ 
$5 .   
O ente mundano não traz consigo a origem do próprio ser, ao contrário do ser perfeito e
persistente que se caracteriza pela autopossessão absoluta do ser. Esta tese ontológica constitui o
fundamento do pensamento de Anselmo de Cantuária (‚ 1109) que tenta expor uma demonstração de
Deus no seu $d" 
.
Anselmo inicia com uma oração, na qual aconselha ao leitor de fugir das ocupações e da
confusão que tornam a vida mundana inquieta, 
d   & d. « 
)4d
)4
 C) 
 )4dd 
d  d 
 

 
d 
d
d [...] D4   d 
  d   )4
 ?

   
    


 ±
Ensinai-me a buscar-vos e mostrai-vos ao que busca; porque nem eu posso buscar-vos, se não me
ensinais, nem encontrar, se não vos mostrais [...] Que eu vos busque desejando, deseje buscando. Que
eu vos encontre amando, ame encontrando» ($ 1).
Deus como «aliquid quo maius nihil cogitari potest».
Argumento do $d" 
0'
d d)
d
d   + d
)
d
d    
 dd  
 6 d
"  d)
 d

d   6 d-
1ª crítica: O argumento de Anselmo admite que pode ser pensado um ser cuja não existência
seja impensada. Mas isso não é prova da existência desse ser. Prova somente a existência de sua idéia.
2ª crítica: Deus é sempre maior do que tudo que possa ser pensado. Anselmo parece forçar os
limites do pensamento humano. Emanuel Lévinas chama a atenção para o fato que Deus ultrapassa os
limites do ser pensado e da possibilidade.
A questão decisiva é o que significa a pergunta sobre Deus. ³Um Deus demonstrado não é mais
Deus, por isso somente quem parte de Deus pode buscá-lo. Uma certeza do ser de Deus, porquanto
esteja enraizada e seja incompreensível, é uma premissa e não o resultado do filosofar´ (Jaspers).
O argumento ontológico é retomado por Descartes e criticado por Kant. Kant faz a distinção
entre o real e o possível. ³Assim, o real não contém nada mais do que o simplesmente possível. Cem
táleres reais não contêm nada mais que cem táleres possíveis« Com relação ao estado do meu
patrimônio, porém, em 100 táleres reais há algo mais do que simples conceito (ou seja, na sua
possibilidade)´. ( B, 627).
2 
! &:3$# 5$75$#
5 
Na antiguidade, as demonstrações da existência de Deus eram fruto de um diálogo entre os
crentes. Por isso, não tinham por finalidade persuadir um incréu. Queriam somente demonstrar como a
certeza da fé podia se tornar também uma evidência racional.
O fio condutor do argumento agostiniano é o aforismo: «? 

    

 
 0onde encontrei a verdade, aí encontrei o meu Deus» (
 dd(d 10,35).
No diálogo      os dois interlocutores, ambos crentes, se perguntam como a
existência de Deus possa se tornar racionalmente evidente.
1° passo: antes de tudo demonstra a existência do homem, como vivente e cognoscente;
$$% &' 13
2º passo: demonstrar a supremacia provisória da razão;
3º passo: demonstrar que esta razão necessita de algo superior a ela, pois ela sabe de não saber;
4º passo: algo superior ao espírito finito é necessariamente Deus.
#2    
!   p 6  8$ $ #  $   %# 
 $
 A      parte do movimento. É a via mais evidente, pois tem como início uma
constatação sensível, ou seja, algo no mundo se move. Tomás toma como pressuposto o seguinte
princípio: ³tudo que se move é movido por outro´.
1ª conclusão: algo não pode ser sob o mesmo aspecto movido e movente.
2ª conclusão: trata de excluir que se possa, na busca de um movente, regredir ao infinito na série
de motores movidos. A exclusão dos regressos


 se baseia no fato de que não existiria
um motor movido se não houvesse um primeiro motor. O fenômeno do movimento, tal como
ele é percebido pelos sentidos, exige um fundamento racional, ³por isso é necessário chegar a
um primeiro motor que não é movido por ninguém e a este, todos chamam Deus´.
A d"
   parte de um conceito. O conceito metafísico de Aristóteles chamado causa
eficiente. De forma análoga ao primeiro argumento, chega-se à conclusão de que a auto-causação é
impossível. As causas eficientes no mundo podem ser pensadas somente como causas eficientes
causadas. Assim, é necessária a existência de uma causa primeira transcendente.
A     é conclusão das duas primeiras. Há dois tipos de ser, o possível e o necessário. A
característica marcante do ser possível é ter origem e fim. Se tudo pertencesse ao ser possível em algum
momento dever-se-ia constatar o nada. Mas isso não acontece, logo existe um ser necessário.
³A necessidade incondicionada, que nós exigimos com tal urgência como sustento último das coisas, é
o verdadeiro abismo da ação humana´ (Kant,  B, 641). Ou seja, os homens são incapazes de um
"ddd


 assim como são incapazes de um "ddd
 
 ; fica somente a
possibilidade de buscar as causas de modo indeterminado ("ddd


 ). A contingência
dos fenômenos, que nos envia a uma transcendência, é um momento estrutural da filosofia de Kant. O
transcendente, porém, permanece incognoscível (a coisa em si).
2    

!   p 6  8$ $ #   #$   #  $7 8$
.# 7 $ 
A )  se apóia na reflexão gnosiológica e ontológica de Platão. A perfeição suprema é o
pano de fundo dos graus de perfeição mundana. Tal perfeição pode ser interpretada no sentido de
causalidade final. Aristóteles recorda que o primeiro motor imóvel move todo o resto da mesma forma
que o amante move o amado.
Segundo Kant, esta é a demonstração mais antiga, mais clara e que mais se adequa à razão
humana. Kant não aprova a sua pretensão de certeza apoditiva, mas reconhece que ela corrobora a fé
em um supremo criador até transformá-la em uma convicção irrefutável.
A )
  de Tomás de Aquino determina que as coisas necessitam de um princípio de que as
governe. Na ausência da razão as coisas não podem dar a si mesmas uma orientação efetiva. Por
exemplo, como explicar a espantosa finalidade dos órgãos corpóreos e dos complexos mecanismos que
os regem? Tal argumento conduz à necessidade não de um criador (conceito evidente somente à luz da
fé), mas de um arquiteto do cosmos.


2    
!  
 $ #  :       5 .65 
3  
Trata-se de um argumento que leva em consideração as certezas teóricas do argumento
teleológico. No entanto, encontra no âmbito da razão prática um conteúdo rico, porém é alheio à razão
teórica. Trata-se da busca da felicidade verdadeira que postula os problemas insolúveis da:
1.| Liberdade do querer;
p   14
2.| imortalidade da alma;
3.| existência de Deus.
Os maiores prazeres possíveis nos conduzem a uma experiência do limite. E uma vida
conduzida pelo simples prazer se transforma um instante depois, no seu contrário. A problemática se
torna mais aguda onde incide a morte com a perplexidade por ela causada tornando duvidosa a
possibilidade de gozo da felicidade mundana.
³O conceito de felicidade não é tal que o homem possa extraí-lo de seus instintos, derivando-o,
assim, de sua animalidade´. (Kant,  '&, p. 388)
Isto faz com que Kant desenvolva um postulado da razão pura prática (a necessidade de o
homem alcançar sua própria realização) transformando-o numa demonstração moral da existência de
Deus. A liberdade humana implica uma teleologia moral. Esta liberdade não necessita, para sua
atuação, de uma causa externa, porém, enquanto seres do mundo, estamos ligados às coisas do mundo.
Tal relacionalidade da liberdade nos põe diante daquilo que é moralmente necessário: um escopo final
que não exige um outro como condição de sua possibilidade.

./$<
&@
*
p&+E pA&& @ p ' & <&p0
  &
 &  *
&p +) 
Kant nega uma demonstração da existência de Deus de caráter científico como a matemática,
mas não rejeita uma argumentação que sustente a aceitabilidade da fé em Deus.
Nietzsche toma essa realidade como ponto de partida para não aceitação das provas de Deus.
³Uma demonstração de Deus, v. g., pode ser construída com todos os meios da lógica formal mais
rigorosa, e, no entanto, não demonstra nada, pois um Deus, cuja existência deve ser demonstrada, é no
fundo um Deus muito pouco divino e a demonstração de sua existência termina por ser, no máximo,
uma blasfêmia´ (M. Heidegger, &d ?, 366).
2$  $$ $$
Deus não é percebido de forma imediata no mundo. Se isto acontecesse acabaria para o homem
toda não-verdade e maldade. É, portanto, evidente que uma liberdade finita só pode habitar diante de
Deus tendo superado a sua fase decisória. A ausência de um encontro imediato com Deus é, portanto, a
condição da possibilidade da vida do homem no mundo. O mistério prepara o homem para receber o
dom inesperado e gratuito da felicidade pela qual aspira. Esta realidade levou pensadores, de Martinho
Lutero a Karl Barth, a sustentar que seja inoportuno um conhecimento certo da verdade absoluta.
Do ponto de vista católico, a mediação da natureza possibilita o caminho das infinições do
finito, mesmo sem poder apreender o infinito como tal. Tal posição levou Feuerbach a acusar a
indeterminabilidade e a incognoscibilidade de Deus como sendo fruto da incredulidade moderna. Trata-
se, na verdade, de uma existência do conceito de Deus. As demonstrações não excluem a liberdade. De
forma análoga, os ateus não podem afirmar que representam o ³ponto de vista científico´. O problema
de Deus exige, inevitavelmente, uma decisão.
25:$ 5.$# . #$ ##
A distância entre Deus e o homem não deve ser lamentada, pois é a condição da possibilidade
de um ser-próprio finito. Kant combate a pretensão arrogante da Escolástica de seu tempo, admitindo a
necessária tarefa racional de busca de Deus e reconhecendo-a como teoricamente insolúvel. Assim, ele
postula a realização desta tarefa no campo moral.
A demonstração da existência de Deus também pode ser vista como uma problemática
existencial. Quem compreende a si mesmo e a sua vida de forma correta, não irá arrogar para si um
saber absoluto a respeito do absoluto, e nem irá renunciar à pergunta sobre o absoluto (tensão
socrática).
Uma pessoa que não tenha esta sensibilidade da pergunta sobre Deus não poderá encontrar nada
de satisfatório numa demonstração da existência de Deus.
$$% &' 15
O Concílio Vaticano I, na constituição   1  d condena as seguintes posições: o 1 d 
(supremacia da fé e desprezo de todo dado racional), o % 
 d  (confiança irrestrita na razão e
desprezo da fé) e o "
d d  (crença na incapacidade de a razão humana alcançar qualquer
conhecimento sobre o Absoluto).
#2
#  5! $ #5 $ 
 Trata-se de responder à seguinte pergunta: de que forma Deus pode ser autor de um mundo no
qual existe o mal? Uma resposta exige a definição do mal. Para o homem, o mal é tudo o que contrasta
com uma tendência com a qual ele se identifica. Leibniz acrescentou à distinção clássica entre o  
 e   ,d  ao conceito    ,d  (cf. 7dd dp  , 1,21). Trata-se
da própria possibilidade do mal enquanto necessidade própria do ser finito enquanto tal. No dizer de
Agostinho, o mundo seria menos perfeito se não existisse a possibilidade do pecado (cf.   
  , 3,26).
28$5#!# "
 : 
 A angústia, a raiva e o
medo diante de uma possível tragédia impulsionam o homem a distanciar-se do mundo e do seu código
genético. Se assim não fosse, ele permaneceria na condição sonolenta do recém-nascido, saciado, que
sorri feliz e contente e, às vezes, grita sem se dar conta do próprio ser. A liberdade humana não é
pensável em um mundo cujo sentido já tenha sido determinado desde o início. Mesmo assim, o
pensamento clássico é unânime em afastar de Deus a possibilidade originária pelo mal. Um ser que
fosse a fonte originária do mal não pode e não deve ser tido como Deus. Coloca-se, então, o problema
da onipotência e da bondade absolutas. Tal questionamento, porém, está geralmente mal posicionado.
A acusação, contra Deus, do sofrimento presente no mundo não é o sintoma de um conflito entre o
homem e Deus, mas, um conflito interno do homem consigo mesmo, no qual está em jogo a autêntica
auto-compreensão do homem. Tal compreensão depende de uma decisão do próprio sujeito. O homem
deve reconhecer de não saber, diante do mal do mundo, se pode ou não acreditar em um Deus
onipotente e sumamente bom.
Sabendo que não é capaz de compreender o sentido do mal, o homem pode responder à
pergunta de como deve se comportar diante do sofrimento. Trata-se de crer ou não que a vida tenha
sentido. Se a teodicéia é uma defesa de Deus diante das acusações da razão por tudo o que de mal
acontece no mundo, então devemos confessar que ela é um empreendimento falido.

./$<
( &
p ' & Cp& )- *&@ *&
< *() & p C&*
2. /  9:# .6##$ 
Trata-se de postular que as ciências escatológicas devam apresentar os seus resultados
permanecendo neutras diante da questão de Deus. A validade de suas teses deve ser garantida
independentemente da questão sobre a existência de Deus (d d

). Contra esta exclusão
de Deus podemos obviamente nos perguntar como seria possível pensar a existência do mundo e do
homem se Deus não existisse. Como desvincular o conhecimento do mundo da questão do significado
do mundo?
Permanece, porém, o problema da instrumentalização da fé, por parte de alguns crentes, o que
leva a alguns ateus a excluírem a existência de um Deus tapa-buraco. Para tais cientistas, o recurso a
um autor divino deve ser considerado como um princípio da razão preguiçosa.
Mais precisamente do que a funcionalização de Deus nas ciências é a utilização de seu nome
para interesses pessoais como o exercício do poder. Afastada esta tentação, a religião não pode ser
denunciada como ópio do povo.
p   16
Contra a indiferença do ateísmo prático deve-se considerar a abertura do conhecimento do
homem que não se satisfaz com a finitude. A escapatória do   (homem dominado pela razão
poiética) termina em um beco sem saída com a sua morte.
2  5  $ $    . .9:#  :  )$F:
@$#3 
Feuerbach parte da pressuposição, para ele óbvia, que a fé seja a forma de representação da
religião enquanto o pensamento seja a da filosofia. Assim, não haveria diferença entre religião e
filosofia, mas uma distinção entre fé particular e razão universal. A sua meta iluminista é transformar a
religião em Filosofia e a fé em pensamento.
Seguindo este método ele descobre na Antropologia o segredo da Teologia. A Antropologia é
elevada à Teologia e os atributos de Deus, incluindo a onipotência, são transpostos para a essência do
homem. O homem e Deus se excluem no que diz à existência, mas não no que diz respeito à essência.
A essência do homem é representada pela consciência. Assim, o homem é, ao mesmo tempo,
um Eu e um Tu.
A partir dessa concepção de homem, Feuerbach usa uma argumentação para provar que o
homem possui uma consciência infinita. Tal argumento poderia ser considerado o antípoda do
argumento ontológico da existência de Deus: ³um ser verdadeiramente finito não tem a mínima idéia, e
muito menos a consciência de um ser infinito.´ Ora, o homem tem consciência do infinito. Logo, a
consciência do homem é infinita.

Crítica: é positiva a veneração do divino, mesmo se limitado à essência do homem. Porém, Feuerbach
faz pouco caso da autolimitação crítica do pensamento filosófico (saber de não saber). A concepção de
identidade entre Filosofia e Religião é insustentável, pois a Filosofia sabe de não ser capaz de conduzir
a um saber absoluto. Já a Religião vive da indedutível confiança na onipotência e na suma bondade do
infinito.
Feuerbach despreza a distinção entre Deus  #d e Deus # .
Quanto aos predicados divinos, é evidente que o homem é pobre e mortal. Se o ser do homem é
divinizado, o ser de Deus torna-se vão. Mesmo assim, o pensamento de Feuerbach pode ser avaliado
positivamente como uma chamada de atenção para as imagens antropomórficas de Deus. Também para
os crentes Deus habita em luz inacessível e a sua verdade pode ser encontrada somente enquanto e
porquanto ele mostra-se a si mesmo.
Quando Feuerbach assistiu às lições de estética dadas por Hegel, ele pode ouvir o contrário de
sua própria argumentação. ³Quando os deuses eram ainda mais humanos, os homens eram mais
divinos.´ (Schiller) Hegel comenta; ³os deuses gregos encontram lugar somente na representação e na
fantasia´. Dizendo isso, Hegel põe a tese da projeção a serviço da verdade do Deus cristão.
Marx critica Feuerbach por não ter dado atenção suficiente à miséria humana e reconhece que a
religião permanece necessária enquanto durar esta miséria. Marx cria, assim, a fé na utopia real. Mas
esta fé atéia claramente já naufragou e o pensamento não parece poder escapar do niilismo.
#2 @#3
"#37  :  $#  ## !  $ #G.H . 
$.  
Nietzsche é ateu, arauto da morte de Deus e anticristo. Ele propõe Dionísio como alternativa ao
crucificado e como tipo de homem que deve ser alimentado, querido digno de viver. O cristianismo
declarou uma guerra mortal contra este homem superior, exaltando os fracos e os fracassados. Segundo
Heidegger, ao dizer ³Deus está morto´, Nietzsche falou em nome do Ocidente. Trata-se do fracasso da
metafísica ocidental ao confundir o ser com o ente.
A filosofia platônica e a fé cristã são os adversários de Nietzsche. Ele valoriza o instintivo e o
irracional como categorias interpretativas do mundo. Ele não nos propõe um pensamento sistemático
sobre Deus, mas nega radicalmente a fé. ³Porque o ateísmo hoje? O Pai em Deus deve ser radicalmente
refutado; assim também o juiz, o remunerador. De forma semelhante o seu livre arbítrio: ele não escuta
$$% &' 17
e, se escutassem não seria capaz de ajudar. O pior é que ele parece incapaz de comunicar de maneira
clara: Será obscura?´ (Nietzsche, Para além do bem e do mal)
Para compreendermos porque é necessário para Nietzsche refutar a fé em Deus, devemos
perceber o seu desconforto com tudo aquilo que é mistério. Nietzsche insiste na possibilidade de
conhecer agora a verdade absoluta. Ele escreve: ³Que direito possuem os veneradores do desconhecido
e do mistério em si, de adotar uma interrogação como Deus? Um Deus que se mantém escondido
merece medo, mas não adoração´. Assim, como a verdade absoluta não se mostra no presente,
Nietzsche perde a esperança de que existe uma verdade. A quem se dedica, como os antigos filósofos, à
busca da verdade, Nietzsche responde como uma provocação: ³Aposto que não encontrará nada´.
($        ). Ele se dá conta de que não pode saber nada, mas que deve somente
apostar.
Nietzsche, porém, não abandona a esperança de uma verdade que deve ser esperada quando o
tempo do mundo chegar ao fim. A fidelidade de Nietzsche a terra faz com que ele postule a
incredulidade como uma ação consciente e responsável. A doutrina da morte de Deus é, na verdade, um
assassinato de Deus. Os antigos valores devem ser substituídos por um novo (pa/qoj).
Pa/qoj: a alegria de viver, a gratidão pela vida, a nobreza da vida. A falta de paz e a sede de
liberdade de Nietzsche atestam o seu coração inquieto. A morte de Deus conduz a uma morte do
homem: se não há verdade e nem obrigação, nenhum delito pode ser desaprovado, nenhuma ditadura
pode ser condenada.
A luta a respeito das teses de Nietzsche não terminou e nem pode terminar enquanto durar o
tempo do mundo. Trata-se de uma decisão que nenhum homem pode evitar.
2@  ./ 3$ /#. 
 ./$   c I#$c #$2 $ 
Para Sísifo, a existência é insensata e absurda. Camus propõe Sísifo como modelo de homem
que tem suas forças absorvidas pela faina diária. Sendo assim, os deuses e o divino são de  d
irrelevantes. Como espectador deste jogo desumano, do teatro metafísico do mundo, no qual o absurdo,
a esperança e a morte debatem entre si, Camus busca sua resposta à pergunta da existência de uma
lógica até a morte. Camus realiza um ³suicídio filosófico´, pois o absurdo aparece, já no inicio do seu
pensamento. A negatividade do absurdo, porém, não autoriza o suicídio nem a esperança. O verdadeiro
conhecimento revela a ausência de uma realização na vida e se impõe como questionamento da
esperança. O apetite pelo absoluto é a forca que põe em movimento o drama humano. ³O absurdo é a
razão lúcida que constata os seus limites´.
Camus deixa em aberto se o Getsemani humano terá uma resposta ou não. A sua vida não o
conduz a um ateísmo dramático, mas a uma situação de decisão.
† 3$  $    I 

  2
E($& 
O drama de Sartre tem como ambiente o início do século XVI, na região de Worms, centro da
crise religiosa e social, da guerra dos camponeses e da reforma. O personagem principal é Götz (filho
bastardo de um pai nobre). Götz tenta superar seu isolamento social fazendo o mal por amor do mal
(diabo). O arcebispo envia Götz como chefe do exército para assediar Worms, onde os pobres se
revoltaram contra a Igreja. Um padre chamado Heinrich trai a cidade, entregando a chave a Götz,
mesmo sabendo da carnificina que ele irá provocar. Götz diz a Heinrich: ³nós dois não temos nada e
não somos nada desde a infância eu olho o mundo pelo buraco da fechadura renega este mundo que
te renega! Faz o mal, verás como a gente se sente leve´. Götz mata seu próprio irmão Conrad dizendo
³eu fiz a mim mesmo: bastardo eu o era de nascença, mas o belo título de fratricida eu o devo a meus
próprios méritos´.
Götz vê no mal a sua razão de ser. Considera-se antagonista de Deus. Heinrich desmascara Götz
mostrando que os homens não podem evitar o mal. Se ele quer fazer a si mesmo, deverá fazer algo de
novo. Götz muda de atitude e aposta com Heinrich que ele poderá fazer o bem e tornar-se um santo.
p   18
Götz torna-se um grande benfeitor, mas é perseguido pelos nobres. Começou a viver na solidão
e na mortificação. Sua mulher, Hilda, tenta convencê-lo de que ele está agindo por desespero. Passado
um ano, Götz se reencontra com Heinrich e se dá conta de que fizera o mal como antes. No desenrolar
final, Götz acusa Deus e nota que ele não existe. Inicialmente ele fica prostrado, mas depois descobre
um comportamento que poderíamos chamar de ateísmo humanístico. A não existência de Deus é uma
libertação. Götz celebra a sua descoberta com palavras parecidas às do memorial de Pascal.
Götz, durante toda a peça, permanece fiel à sua vontade de se tornar um ente a partir de si
mesmo e, ao não consegui-lo, sendo mau, procura fazê-lo sendo bom. Em ambos os casos, o ser por si
deseja alcançar o ser em si. Sartre interpreta este ideal como o homem-deus.
Podemos concluir que também para Sartre a realização do homem estaria em Deus, mas tal
realidade não é alcançável pelo agir humano. Sartre não crê neste ideal por não ser realizável no
mundo. Assim, Deus não é digno de fé.
Ele se dispõe a viver uma vida numa esperança sem esperança, ou seja, não realizável e tal
opção o aproxima do marxismo.
ß ".:% 
#,  
 Nicolai Hartmann assume a primazia do dado fenomênico sobre a teoria. Ele vê o fenômeno da
ética como indicação da realidade da liberdade e da responsabilidade humanas. Tal fenômeno é
teoricamente incompatível com a presciência e a providencia divinas.
³A doutrina teológica da predestinação é uma invenção verdadeiramente diabólica da
especulação, escondida debaixo do manto protetor da devoção religiosa´.
³Um Deus não pode nem deve existir por causa da liberdade, da responsabilidade, da tarefa ±
por causa do sentido da existência do homem´. Assim, a potência de Deus nos conduziria à aniquilação
de um ser que possa querer e agir responsavelmente.
O homem só poderá ser pessoa se ele realizar, determinar e escolher a sua própria finalidade.
Sustenta-se aqui a tese da epigênese do sentido do mundo. Disto deriva o sentido da insensatez do
mundo. Se é o homem quem dá sentido ao mundo, um mundo que tivesse sentido desde o princípio
seria justamente a completa insensatez. O caráter ateleológico do mundo cria a liberdade, a
responsabilidade e a tarefa.

V ñ 
&+  ) 
p &&*,*J &&
@)1&@&K  &AA@ 
./$<
Vc%V
p (
&*
p, *
  &
&  ) 
@)&@ ()p 
2##/###$./#$#( 
A posição de Platão sobre Deus e o divino pode ser resumida assim:
1.| A voz de Deus é imediatamente perceptível pela consciência;
2.| Deus é sumamente justo;
3.| A divindade representa a finalidade ideal da vida e da aspiração humana;
4.| Deus torna possível uma esperança do homem para além da morte;
5.| Deus é o artífice inapreensível e livre de inveja do mundo;
6.| Deus concede ao homem a liberdade, age livremente e se preocupa com o caminho do homem;
7.| Deus é a finalidade escatológica e o tribunal de toda aspiração humana à sabedoria e à justiça;
$$% &' 19
A imagem platônica de Deus é paradoxal, pois Deus é experimentável e, no entanto,
inapreensível teoricamente. Tal inapreensibilidade convive com a necessidade cientifica de pensar
Deus como pode ser constatado nos principais mitos da %E : os homens nada podem saber de
Deus, mas a Filosofia deve falar de Deus. Assim, retomando o principio socrático de saber de não
saber, Platão expressa filosoficamente um conceito de Deus bastante próximo ao da religião.
2#6$ 7# 57:!# 
Aristóteles dá atenção à orientação empírica da filosofia pré-socrática. No livro da md ,
que combate desde o principio o politeísmo, Aristóteles propõe um modelo evidente do Deus dos
filósofos: Deus é puro pensamento e pode ser colhido e captado, na reflexão não objetiva, como
substância suprema e vida suprema.
A metafísica é o ponto mais elevado da filosofia de Aristóteles: doutrina do ente supremo.
Trata-se da afirmação da univocidade do ser. No livro XII da md , Aristóteles expõe o seu
famoso argumento sobre a existência de um motor imóvel.
É importante notar que tudo é derivado de uma concepção física do mundo. E, a partir daí,
pode-se falar de motor imóvel como objeto de desejo e pensamento.
Para Aristóteles a imutabilidade de Deus não deve ser compreendida como rigidez fixista, mas
como forma suprema de vida e de energia. Trata-se de um pensamento divino que se compraz em
pensar a si mesmo.
#2#6.:!#7:5 G.!#:9#( 
Platão possui uma filosofia que procura ser científica, não dogmática e metafísica. Ele faz
apologia contra os ateus, usa uma linguagem apofática contra os presunçosos e produz representações
míticas do mistério para aqueles que estão abertos ao infinito.
Heidegger critica Platão: ao fazer do ser uma idéia, Platão o teria transformado em objeto
disponível e manipulável, perdendo a noção da a)lh/qeia como revelação livre do ser.
Segundo Heidegger, não se pode orar a este Deus filosófico nem fazer sacrifícios em sua honra;
diante dele nenhum homem pode cair de joelhos, cheio de reverência ou mesmo produzir música e
dançar.
Na realidade, Platão não merece tais críticas, pois sabe distinguir a fundação transcendental da
filosofia da descrição fenomenológica. Platão erige um altar de pensamento ao desconhecido Deus-Pai,
onde ele não cala a respeito de Deus, mas cala diante de Deus. As semelhanças entre o Deus platônico
e o Deus bíblico são surpreendentes, embora se deva notar a importante ausência do conceito da graça.
É a fé na ação real de Deus, a linha de separação entre a filosofia e a teologia. Neste campo nascem os
conflitos da época moderna.

./$<
+)& (&) 
&0
c 
p  &(
&
 & <( *
p 
2(!G39$9$55 
Os primeiros autores cristãos, durante séculos procuraram a conciliação entre o dado da fé e o
lo/goj helênico. Agostinho propõe sinteticamente no    " 
 que não existe uma alteridade
entre o Deus dos filósofos neoplatônicos e o Deus cristão. Esta não alteridade não significa uma
identidade completa. O próprio Kant expressou esta diferença na identidade através do esquema de
círculos concêntricos.
No entanto, a perda de autonomia institucional sofrida pela filosofia na Idade Média fez com
que a época Moderna reagisse mudando a imagem que a filosofia tinha de si mesma. A progressiva
matematização da filosofia conduziu a uma visão mecânica dos processos de ordem natural. Deus
tornou-se uma idéia funcional dentro do sistema imanente da visão de mundo cartesiana. Tal
instrumentalização da idéia de Deus, corroborada pela ³metodológica vontade de ateísmo´, dilatou o
espaço entre a visão filosófica e a visão religiosa de Deus.
p   20
2...#   $5G.$55
! 
Para Pascal existem dois tipos de ciência: ciências ligadas à autoridade entre as quais a maior é
a teologia, e ciências ligadas à experiência e à razão. A filosofia se coloca como via intermediária entre
estes dois tipos de ciência. Ao considerar a existência de Deus, a filosofia pode escolher entre a certeza
orgulhosa e o ceticismo que conduz à tristeza. A verdadeira atitude do homem está no equilíbrio.
Assim, segundo Pascal, a verdade da filosofia deve se despedaçar, pois conduz à blasfêmia, e dar lugar
à verdade do Evangelho.
A verdadeira função da filosofia é preparar o homem para a aceitação da revelação dando a ele
a verdade sobre a sua miséria. ³Caçoar da filosofia é verdadeiramente filosofar´. ³A grandeza do
homem é grande quando ele se reconhece miserável´ (P. 146)
O verdadeiro objeto da filosofia é a desproporção que está no ser do homem. ³O homem é um
nada diante do infinito, um tudo diante do nada´.
Podemos concluir que a negação do Deus dos filósofos para Pascal, não é a negação de um
acesso filosófico a Deus enquanto ele é buscado no saber de não-saber. Trata-se, ao contrário, da
refutação de um Deus encontrado intelectualmente como presunção de um saber absoluto o saber.
Assim, Pascal chega a resultados semelhantes aos de Platão: o homem é uma realidade surpreendente e,
ao tomar consciência disto, se abre a uma relação com o Deus vivo.
#2  .%# #  $ . .  3   8$     #  ## 
 .5/5 
É a famosa aposta de Pascal. Ao contrário de Descartes, Pascal formula a tese de que Deus é
infinitamente incompreensível. Assim, os homens não são capazes de saber o que seja Deus ou se Deus
existe. É inevitável a aposta: ou aceitar a possível existência de Deus que parece lhe prometer uma vida
infinitamente feliz, ou tomar o caminho contrário que conduz necessariamente ao caos infinito. A
decisão a favor de Deus teria uma força persuasiva infinita.
A aposta de Pascal não quer demonstrar uma verdade de razão, mas quer apontar para o fato que
a fé é uma escolha racional, um comportamento racional. Trata-se, portanto, de uma abertura para a
possibilidade da revelação. O homem, incapaz de chegar a Deus com a razão, espera a sua intervenção
supra racional.
No Memorial de Pascal o encontro com Deus na história é decisivo. Não se trata de uma
simples experiência mística subjetiva. O texto insiste em acontecimentos históricos muito concretos.
Ao renunciar ao espírito da geometria, Pascal reconduz a filosofia ao espírito de fineza dos antigos.
Com isto, a refutação do Deus dos filósofos adquire uma natureza filosófica e se torna a refutação do
Deus de alguns filósofos, que vêem a filosofia "   (de forma geométrica).

./$<
 &V'&cV **
)L
p ñc cc 
* p
,  -- *
 &  *p @
 &&= 
2.: #:/#... M$ 
 Kant chega a conclusão de que as demonstrações de Deus não atingem a finalidade proposta e
postula, ao lado da filosofia crítica (o que posso saber?), duas tarefas necessárias, mas, teoricamente
insolúveis: - moral: o que devo fazer?
- religião: o que devo esperar?
Para Kant, o conhecimento nasce da unificação da experiência. Como conseqüência, só
podemos conhecer coisas finitas, embora a razão sinta a necessidade de recorrer a pressupostos que
estão além da experiência. Com isto, a coisa em si que não pode ser conhecida é uma indicação
necessária de que o conhecimento humano não é absoluto. A crítica de Kant leva a dois resultados a
respeito do pensamento sobre Deus:
1)| negativo: não é possível uma demonstração;
$$% &' 21
2)| positivo: a constatação de uma abertura infinita que pode ser assumida somente pela fé.

A filosofia crítica conduz à possibilidade de crer na existência de Deus, sem a pretensão de


poder saber. Segundo Kant, a crítica conduz a um caminho intermediário entre o dogmatismo e o
ceticismo. Deus torna-se um postulado da razão prática. Assim, a pergunta sobre Deus abandona o
mundo da física e, portanto, da metafísica para habitar o espaço da moral, compreendida como
realidade íntima e pessoal.
2$..,::$9 /#$
Para Heidegger, a filosofia no Ocidente está marcada pelo niilismo por ter identificado o ser
com um ente perfeitíssimo, ou seja, Deus. Este esquecimento do ser deve ser respondido com um
pensamento sem Deus, deixando de lado o Deus da Filosofia.
Heidegger, no entanto, postula um acesso à pergunta sobre Deus, através do pensamento
poético. A poesia de Hölderlin trata de uma fuga dos deuses, causada pelo homem, enquanto os
homens não se tornarem pensadores e capazes de habitar na sua vizinhança. O caminho para a
vizinhança dos deuses está no próprio homem, pois Deus e o homem se pertencem. Na poesia, aquilo
que é grande e não habitual é nomeado através daquilo que é cotidiano de pouca valia. Nesta visão, o
filósofo aparece como um homem a espera de uma proximidade santa entre Deus e o homem,
proximidade que ele não pode por em ato.
A sentença de Nietzsche: ³Deus está morto´, pode ser lida como a refutação do Deus dos
filósofos e, ao mesmo tempo, como esperança do Deus divino.
#2#$ 5: 6#$. $ 
A atual pesquisa metafísica está marcada pela recusa de toda ontologia dogmática. Não há mais
espaço para um pensamento que tome posse da verdade do todo. Por estranho que possa parecer,
também Heidegger, juntamente com Kant, trabalha para eliminar o saber e fazer. Filosofar significa o
tender a uma sabedoria que nenhum filósofo pode possuir com as próprias forças e que, no entanto,não
obstante a sua inalcançabilidade, constitui a verdade do todo que é buscada pelo homem.
Assim, como o poder questionar, o não saber é constitutivo de todo filosofar. A verdade pela
qual o homem anseia é, em última análise, um mistério no qual o pensamento se transforma em ação de
graças. A verdade não possibilita a existência de um saber dominante, pois ela permanece não
disponível como dom de um Outro desconhecido e misterioso.
O pensamento filosófico sobre Deus deve se defender da negação de Deus como se ela fosse
cientificamente fundada. Seria igualmente uma catástrofe o pensamento filosófico sobre Deus que se
encontrasse uma demonstração rigorosa da existência de Deus.
Baudelaire afirma ironicamente: ³Deus é o único ser que, para reinar, não tem necessidade de
existir´. Poderíamos inverter seu pensamento: Deus, embora exista, não precisa se impor ao homem
pensante.
Pensar Deus é simplesmente buscá-lo. Esta busca leva o homem a conhecer suas próprias
possibilidades e limites. Dá-se, assim, lugar à fé, ou seja, a abertura de uma aceitação onde quem crê
recebe o próprio ser como dom.
./$<A

&0


 (p+)   &
V c
c -&p
, 
)   &
2!#$/5$##$. 9#:3 
Agostinho vê o homem como um coração inquieto. Deus é buscado como aquele que estimula
esta busca e que se dá a conhecer quando a eternidade irrompe no tempo. O caminho da busca inicia
fora de si e conduz ao retorno a interioridade: ³no homem interior mora a verdade´.
Não obstante a distância fundamental, Deus deve ser pensado como o mais presente justamente
porque o mais distante. Nenhum homem é capaz de encontrar o caminho para Deus. Tal encontro é
realizado pelo próprio Deus. A confiança do crente põe sua esperança no fato que o desejo seja uma
p   22
pregustação da felicidade de Deus. Assim, Deus concede uma tranqüilidade que não suprime a
diferença entre Deus e o homem.
2$.65 $./$#$
#$$ 
Nicolau de Cusa aspirava com incansável fervor ao inconcebível. A consciência e o sentimento
de que o Absoluto fosse infinito não lhe deixava em paz, na busca de um conceito de Deus que fosse
noeticamente indubitável. Exemplo de tais conceitos, nos últimos anos de sua vida são:
- ddd: neologismo criado por ele, que vem de pode + é.
-

- : o conceito de
# se aplica a Deus na medida em que algo pode ser
conhecido em contraposição a outro semelhante. Esta possibilidade não existe em Deus.
Porém, o que é característico do pensamento de Nicolau de Cusa é a introdução da reflexão
filosófica no pensamento trinitário. Deus pode ser alvo do desejo humano somente se for concebido ao
mesmo tempo como amante e amado. Como não é possível que existam dois deuses vê-se que tal
autoridade deve ser pensável como identidade do infinito. O amor amável do Filho tem uma profunda
unidade com o amor amante do Pai, o espírito Santo.
O Filho é a mediação entre Deus e o homem. O cusano vê em Jesus a união entre Deus e o
homem. Que não elimina o seu ser humano.

) &
O nosso itinerário nos levou a uma abordagem fenomenológica do homem enquanto lugar da
pergunta pelo absoluto. Concluímos que tal pergunta faz parte do ser homem do homem.
Ao analisarmos, porém, a natureza do objeto pelo qual se pergunta, nos deparamos com um
paradoxo: qualquer resposta obtida ou destruiria o ser do próprio homem enquanto finito, ou eliminaria
a verdade do Absoluto enquanto tal.
Na esteira de Emanuel Levinás fomos levados a palmilhar o caminho do infinição.
Interpretamos, neste sentido, o esforço tradicional da linguagem analógico-simbólica da tradição de
Ocidente.
Tal opção foi confirmada ao investigarmos longamente a natureza das demonstrações e das
refutações da existência de um Absoluto Transcendente: a razão humana, para usar uma expressão de
Wittgenstein, não pode dizer o Absoluto, mas pode apontá-lo.
Todo este itinerário nos convida a reformular o conceito que temos de nós mesmos e o conceito
que temos da Filosofia.
O homem do Ocidente se reencontra no socratismo que fundou a sua civilização. O conhecer a
si mesmo e o saber de não-saber, arrancam o homem da ilusão da modernidade moderna, fundada sobre
uma razão que tudo pode e sobre uma Filosofia elaborada por geômetras.
A razão dialética, que caracteriza a Filosofia desde a sua fundação, faz com que não seja
possível uma posse absoluta da verdade, mas igualmente demonstra a impossibilidade do abandono da
busca. O perguntar sobre Deus revelou ao homem que ele deve compreender a si mesmo como dom,
como ser recebido. Tal compreensão nos posiciona numa alegre expectativa de que o Absoluto
pronuncie uma palavra. Aqui, a Filosofia nos deixa na soleira da porta da Teologia.
Cabe agora ao crente bater à porta e aguardar com paciente esperança a revelação definitiva do
mistério.
Pode parecer um sonho, mas ai de quem não sonha.