Você está na página 1de 9

– DADOS DA ESCOLA –

•Dados de Identificação
Nome da Escola: Escola Estadual Prof.ª Julieta Caldas Ferraz

Endereço: Rua Avelina Nogueira do Prado, 257 – Jd. Monte Alegre

Cidade: Taboão da Serra – SP

Telefone: (11) 4701 – 4673

N° de Alunos/Prof.º: 315/15

Diretor: João Carlos da Silva

• Dados de infraestrutura
A escola é constituída por dois prédios, a altura do nível da rua, sendo o
mais antigo térreo, no centro da escola, e comportando a secretaria (01),
diretoria (01) e o administrativo (01), a biblioteca (01), coordenadoria (01), sala
de vídeo (01), salas de aula (03), banheiros internos (02) para o uso exclusivo
dos funcionários e professores, e os externos (02) localizados próximos ao
pátio.

O segundo prédio possui 2 andares. O térreo é aberto com a


cozinha/refeitório (01), um palco para apresentações, o pátio, casa do zelador e
o primeiro andar com as salas de aula (04).

Ao fundo do terreno, se encontra a quadra poliesportiva (01) e o


estacionamento da escola.

O PPP se encontra defasado, bem como o provimento de um novo esta


em processo de elaboração, visto que o antigo não possuía capítulos com foco
ao EJA (Ensino de Jovens e Adultos).

A Escola funciona em 3 períodos, 1ª a 4ª de manhã, 5ª a 9ª de tarde, e


Ensino Médio para o EJA a noite possui duas salas de 1° ano do ensino médio
– EJA, três salas de 2° ano do ensino médio – EJA, e duas salas de 3° ano do

3
ensino médio – EJA. Em média de 40 alunos na lista de chamada, presentes,
por volta de 17, com exceção dos 3° anos que a média de presença é de 22.
Os horários de aula do período noturno se encontram no quadro abaixo:

1ª aula Das 19:00hs às 19:45hs

2ª aula Das 19:45hs às 20:30hs

Intervalo Das 20:30hs às 20:45hs

3ª aula Das 20:45hs às 21:30hs

4ª aula Das 21:30hs às 22:15hs

5ª aula Das 22:15hs às 23:00hs

• Dados Socioeconômicos
O bairro do Jd. Monte Alegre apresenta uma configuração curiosa,
constitui-se em média de casas de classe média, com pequenos bolsões de
classe média alta, contudo, possui na Av. Intercontinental uma linha fronteiriça
bem delimitada, pois do outro lado, se encontra a área de classe média baixa,
e baixa, constituídas no lado de São Paulo, tendo em vista que o bairro do Jd.
Monte Alegre é fronteiriço a S. Paulo. Neste mesmo lado se encontram as
favelas do Gelo, Princesinha e Jaqueline.

No tocante a equipamentos públicos, a região é atendida por um


zoológico municipal (Parque das Hortênsias) e uma EMEI (Escola Municipal de
Ensino Infantil) chamada “Heitor Villa Lobos”.

Todas as atividades econômicas são em grande parte comércio e o


restante é de serviços. A Industrial se mantém ao redor devido a proximidade
para com a Rodovia Raposo Tavares (SP-270).

• Dados do Professor

O corpo de magistrados é constituídos em grande parte por professores


na média de 10 anos de casa, todos de formação em licenciatura plena, com
exceção a de Biologia e o de Sociologia. A primeira por ser bacharel em
nutrição e o segundo por ser graduando em Ciências Sociais – licenciatura, no
caso, o autor deste presente relatório.

4
De modo que já fora tomada ciência do profissional que ministra as aulas
de Sociologia. O relacionamento para com os alunos se faz de forma, e se tem
da mesma, de maneira cordial, sem conflitos permanentes.

O material que é usado é fornecido previamente pelo professor como


descrito no plano de aula, bem como a didática executada.

– PLANO DE AULA –

– Tema –

Iniciação à Sociologia, a história da sociologia, o que é a sociologia, como


realiza seu trabalho e sua importância para a sociedade ou indivíduo. (São
Paulo (Estado) Secretaria de Educação 2006).

– Objetivo –

• Geral

- Compreender o que é Sociologia.

- Conhecer sua origem e história.

- Entender o trabalho e função do sociólogo.

• Específico

Que o aluno compreenda a Sociologia enquanto ciência que tem


como objeto de estudo os fenômenos sociais ocorridos em um coletivo,
seja ele macro, como toda a sociedade, como micro, como um grupo
social (mulheres, imigrantes, jovens, negros e etc.).

5
Assimilar como o processo histórico humano vai influenciar no
surgimento dessa nova ciência.

Além destas, fazendo com que o aluno possua clareza e consciência


de qual é o trabalho da Sociologia, na figura do sociólogo, enquanto
pesquisa para o processo de entendimento da dinâmica, estrutura,
funcionamento, e outros processos sociais.

– Planejamento –

O tema em questão será trabalhado em 5 aulas, sendo que:

- a 1ª e 2ª serão designadas para a apresentação do tema a ser


trabalhado, sua importância, objetivos e conteúdos. Bem como iniciação da
leitura conjunta do aluno e professor, em sala de aula, do texto fornecido pelo
professor aos alunos (O QUE É? COMO? E POR QUE SOCIOLOGIA? e Texto
Explicativo: “O QUE É? COMO? E POR QUE SOCIOLOGIA?”). Textos estes
que apresentam ao aluno o processo histórico que levou para se dar o
surgimento da Sociologia, suas distinções de outras ciências e os pensadores
que corroboraram com a mesma. Além da apresentação dos seus 3
pensadores principais e qual o objeto de estudo da Sociologia, como trabalha
seus profissionais e sua importância como visão de mundo.

- a 3ª e 4ª serão designadas para esclarecimentos de dúvidas dos alunos.


Com o debate com os alunos sobre como a Sociologia participa do nosso
cotidiano e nos entendimentos dos acontecimentos sociais vividos, gerando um
espaço de dialogo, na qual possam eles apresentar de forma oral o
entendimento e reflexões que o texto desperte. De modo a fomentar o exercício
e uso dos pontos expostos.

- a 5ª será ministrada a avaliação por meio de prova (ver em anexo).

6
– Metodologia –

A metodologia a ser utilizada para aplicação dos conteúdos e tema será


através de aulas expositivas, na qual o tema será exposto, seus objetivos
apresentados, e como se dará esse processo. A leitura e interpretação de
texto, estes, realizados juntamente com os alunos, grifando as partes
importantes, esclarecendo possíveis dúvidas que possam surgir ao longo do
mesmo, de ordem etimológica, de entendimento e histórica dentre outras.

Debates entre alunos, bem como professor-aluno, com base nos textos
(O QUE É? COMO? E POR QUE SOCIOLOGIA? e Texto Explicativo: “O QUE
É? COMO? E POR QUE SOCIOLOGIA?”) e na exposição dos alunos, de modo
a observar como estes refletem sobre os pontos abordados e como relacionam
estes mesmo com sua realidade, ou na capacidade de analogias,
demonstrando entendimento do texto e seus pontos colocados.

Os materiais de apoia presente são a lousa para melhor expressar as


explicações, como também o uso do texto (O QUE É? COMO? E POR QUE
SOCIOLOGIA?) e do texto explicativo (Texto Explicativo: “O QUE É? COMO?
E POR QUE SOCIOLOGIA?”), que serão fornecidos aos alunos por parte do
professor, de forma impressa, para serem usados como base das aulas e dos
conteúdos a serem passados. Estes de mesma autoria do presente autor deste
relatório, tendo como referência bibliográfica os livros citados ao final deste
relatório, no tópico “Bibliografia”.

– Avaliação –

A avaliação do presente tema e o ministrar de seus correspondentes


conteúdos será avaliada por meio:

• Oral/Participativa, pela exposição, diálogos e debate.

7
• Prova objetiva, realizado avaliação de múltiplas escolhas, com 5
perguntas, cada qual com 5 alternativas. E uma questão dissertativa, que
engloba a visão geral.

– Conclusão –

Mediante ao relatado acima, mais a observação do ambiente escolar, o


cotidiano com alunos, funcionários, direção e professores, podemos constatar
que, como toda escola pública da rede de ensino do Estado de S. Paulo, não
se ausenta ao quadro deficitário e problemático da educação paulista.

No que se trata do EJA, que funciona em regime semestral, em vez de


anual como as séries do regular, de modo que não houve por parte do governo
estadual o provimento na criação de um material específico para essa
modalidade de tempo, sendo lançado ao professor a tarefa hercúlea de
transformar o currículo do Estado de S. Paulo de um ano para 6 meses.

Somado a essa, a esterilidade e miséria quanto a estruturas, suportes e


matérias para o pleno ensino dos alunos do EJA por parte do governo estadual,
juntamente com questão da dupla carga horária, trabalho-escola, quando não
tripla, no caso das mulheres em especial.

Porém, o público-alvo do EJA sofre uma mudança. A antes se tinha a


visão de uma sala cheia de homens e mulheres dos 40 anos para mais. Hoje
estes são menos da metade, e quanto mais avançada à idade, menor é esse
público. De modo que se deu lugar a um novo personagem nesse cenário, os
alunos na faixa-etária de 19 a 35 anos.

Estes que voltam à escola, pois largaram os estudos, ficaram retidos


diversas vezes no ensino médio regular, ou arranjaram emprego, que exige
conclusão do ensino médio. E nessa exigência do mercado em possuir o
diploma de conclusão do ensino médio, muitos voltam à escola, na condição de
EJA.

8
Entretanto, essa busca se dá por simplesmente ter o diploma, uma
espécie de formalidade de aparências, pois muitos saem do EJA sem a
aprendizagem que se exige. Isto ocorre quando estes não largam também a
escola, seja pela impossibilidade de conciliar vida profissional e escolar, ou
pelo próprio cansaço da dupla carga horária, ou até mesmo a desmotivação
diante da grande dificuldade que possui para entender as matérias. Mostra mor
do déficit de aprendizagem destes alunos. Estas são as realidades do público
EJA nesta unidade escolar, que creio não possuir tantas dissonâncias para
com outras do sistema.

E se já não bastasse tal condição onerosa, se aglutina a essas as


realidades sociais do entorno da escola, que são as comunidades e favelas ao
longo e margem da Rodovia Raposo Tavares (SP-270), sendo as mais
próximas da “Favela do Gelo” e a Comunidade do Jaqueline. Onde a realidade
se materializa nos dilemas sociais complexos e conturbados de desigualdade
social, baixa qualidade de vida, moradia precária, ausência de equipamentos
públicos básicos, violência e criminalidade vizinha ou a frente de casa.

9
– Bibliografia –

BOMENRY, Helena, EMERIQUE, Raquel Balmant, FREIRE-MEDEIROS,


Bianca e O’DONNELL, Julia. O que é sociologia? In: _______. TEMPOS
MODERNOS, Tempos de Sociologia. 1.ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2010.
p.8 e 9.

BOMENRY, Helena, EMERIQUE, Raquel Balmant, FREIRE-MEDEIROS,


Bianca e O’DONNELL, Julia. O nascimento da sociologia. In: _______,
TEMPOS MODERNOS, Tempos de Sociologia. 1.ed. São Paulo: Editora do
Brasil, 2010. p.10-18.

NORONHA, Adolfo Vasconcelos. Noções Preliminares. In: _______.


Sociologia. 1.ed. São Paulo: SOGE, 1987. p.11-13

LORENSETTI, Everaldo. O surgimento da sociologia e teorias sociológicas. In:


FERREIRA, Salvina Maria, IWAYA, Marilda, LORENSETTI, Everaldo,
PICANÇO, Katya Cristina de Lima, PILÃO, Valéria. SOCIOLOGIA – ENSINO
MÉDIO. 2.ed. Paraná: Sec. de Estado da Educação do Paraná, 2007. p.17-28

São Paulo (Estado) Secretaria de Educação. Currículo do Estado de São


Paulo: Ciências Humanas e suas tecnologias / Secretaria de Educação;
coordenação geral, Maria Inês Fini; coordenação da área, Paulo Miceli. – 1. ed.
Atual. – São Paulo: SE, 2012, 152 p.

10
ANEXOS E
DOCUMENTOS

11

Você também pode gostar