Você está na página 1de 78

+ + +

Autores:

Bianca Oliveira de Macedo


Eduarda Rocha Sobrinho
Poliana Reis Costa
Sarah Caroline de Souza Guadagnin
Fabiana Maris Versuti
Marina Greghi Sticca
Douglas Silva da Hora Oliveira
+ + +

+ + +

Realização:

+ + +
+ + +

+ + +

+ + +

Apoio:

+ + +
SOBRE O PROJETO

Olá, educador (a),


seja bem vindo (a)!

Esse e-book é parte de uma coleção intitulada “Trilhas


do séc XXI”, e é fruto de um longo trabalho que
começou em 2019, a partir da realização de oficinas no
contraturno escolar para alunos de escolas públicas.

Depois de um ano deste projeto com aproximadamente


100 jovens, percebemos o impacto que o mesmo
teve nos alunos e tivemos muita vontade de expandi-
lo para várias escolas, porém, éramos apenas uma
equipe, e tínhamos um Brasil inteiro para oferecer as
oficinas! Foi assim que nos perguntamos: ”por que
não compartilhar os aprendizados dessa experiência
com outros educadores?”

Fruto dessa vontade, surge simultaneamente a EDtech


“Que Chance” e essa primeira coleção de livros, que
objetiva contribuir por meio de um conjunto de planos
de aulas para uma educação brasileira mais significa-
tiva e inovadora, bem como para a formação de agen-
tes transformadores para nossa sociedade. A seguir
você vai conhecer como esse e os demais e-books da
coleção se organizam.
1
1
PARA QUEM É? 1

Esse livro é destinado para educadores de escolas públicas e priva-


das, recém formados em licenciaturas e ou também educadores so-
ciais que trabalham em organizações públicas ou sociais.

QUANDO USAR?

A proposta principal é que essa coleção seja desenvolvida por


educadores com seus alunos do Ensino Médio, em matérias eletivas
e/ou itinerários formativos. Entretanto, também pode ser utilizada
como um guia na construção de aulas para os anos finais do Ensino
Fundamental II (8° e 9° ano) e para a realização de oficinas no contraturno
escolar na educação formal ou não formal.

PARA QUE SERVE?

Importante ressaltar que todos os livros são materiais vivos e não


objetivam ser “uma receita de bolo” com passo-a-passos específicos
para aplicação em sala de aula, pelo contrário, essa coleção busca ser
instrumento de inspiração e apoio à educadores, propondo conteúdos,
aulas e atividades de forma prática e acessível, mas que podem e
devem ser potencializados, transformados e adaptados a partir da
realidade dos alunos, da escola e da criatividade dos educadores que
irão utilizá-los.
APRESENTAÇÃO

É com imenso prazer que oferecemos a educadores e alunos três


materiais didáticos relacionados a Educação Financeira, Projeto de
Vida e Empreendedorismo. Esperamos que eles venham ajudar no
planejamento, organização, implementação e avaliação de matérias
eletivas do Novo Ensino Médio.

Este material foi elaborado a partir de um projeto de extensão ini-


ciado em 2019 intitulado “Ações de treinamento, desenvolvimento
e educação em jovens de escolas públicas brasileiras: competên-
cias empreendedoras e socioemocionais”, o mesmo é resultado de
uma parceria entre a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de
Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, sob coordenação da
docente Profa. Fabiana Maris Versuti e eu, Profa. Marina Greghi Stic-
ca juntamente com Supera Educa, programa educacional da Incu-
badora de base tecnológica Supera Parque e a Edtech Que Chance.

Nosso objetivo sempre foi trabalhar juntos para melhorar a educa-


ção no Brasil por meio da utilização de evidências cientificas para
elaborar projetos e conteúdos educacionais. Neste percurso conta-
mos com a participação de uma equipe de alunos de graduação e
pós-graduação comprometidos em promover mudanças no cenário
da educação brasileira, a quem agradecemos pela dedicação e em-
penho, e por acreditarem em nosso projetos. Agradecemos a todos
alunos do Ensino Médio que nos deram oportunidades de conhecer
seus sonhos, seus medos e suas angústias diante de tanta incerteza
em relação ao futuro.
Também agradecemos a todos os educadores que participa-
ram nas diferentes etapas do projeto, e com os quais aprende-
mos que ensinar é um processo de troca constante e de criação
de vínculos que exige muito comprometimento e dedicação.

Esperamos que este material didático possa auxiliar a adiverti-


da, mas principalmente, utilizando materiais que foram elabora-
dos a partir de bases teóricas, cientificas e princípios ético-morais.

Dois objetivos orientaram a elaboração destes materiais. O pri-


meiro foi elaborar um material que pudesse atender as reais ne-
cessidades e subsidiar o trabalho de educadores que irão mi-
nistrar matérias eletivas no formato do Novo Ensino Médio. O
segundo foi colocar à disposição um material de apoio ao plane-
jamento e elaboração de atividades especificas para as matérias
de Projeto de Vida, Educação Financeira e Empreendedorismo.

Cada um destes materiais é organizado por: (i) módulos, com


um objetivo geral a ser alcançado, (ii) aulas organizados den-
tro de cada módulo com objetivos, competências a serem
mobilizadas e atividades especificas a serem desenvolvidas.

Esperamos atender às expectativas dos educadores e alunos e que,


de fato, sirva de apoio na condução das matérias eletivas do Novo
Ensino Médio. Comentários serão muito bem-vindos para aperfeiço-
ar o que foi produzido! Que todos tenham uma ótima leitura.
COMO FUNCIONA?

Toda a coleção está organizada e se respalda em uma metodologia construída pela


“Que Chance”, denominada de 5QC, no qual se propõe 5 passos para serem desen-
volvidos e trabalhados com os alunos, passos esses que não necessariamente são
lineares, mas que vão sendo desenvolvidos ao longo dos e-books de forma circular,
sobreposta e dialética. Os passos são os seguintes:

CONHECER
Que possamos conhecer, no qual o educador propõe aos alunos que se apro-
fundem na sua própria vivência, explorando e conhecendo quem são e onde
estão, conhecendo conteúdos, vivências e realidades novas, diferentes das que
estão habituados.

CONECTAR
Que possamos conectar, no qual o educador e aluno integram os conhecimentos
adquiridos e despertados ao longo das aulas com a realidade e contexto que
vivenciam, promovendo uma aprendizagem significativa. É o momento também
de professores e alunos conectarem seus conhecimentos, aprendendo e
ensinando simultaneamente em um movimento de cooperação.

CONSTRUIR
Que possamos construir, no qual a partir do conhecimento adquirido, bem
como de uma análise crítica da realidade que estão inseridos, professor e aluno
constroem juntos um projeto prático alinhado com a proposta do livro.
COMPARTILHAR
Que possamos compartilhar, no qual tudo que foi desenvolvido ao longo
das aulas, deve ser compartilhado, é o momento do professor e alunos se
organizarem para juntos compartilharem com a escola, pais e a comunidade
o que aprenderam e produziram, gerando engajamento de outros atores da
sociedade e inspirando uma mudança positiva para as demais pessoas.

COMPETÊNCIAS
Que possamos fazer tudo isso desenvolvendo competências socioemocio-
nais, no qual ao longo de todas as aulas, os alunos não apenas conheçam,
conectem, construam e compartilhem, mas que façam isso, desenvolven-
do um conjunto de competências socioemocionais, alinhadas com a Base
Nacional Comum Curricular. As competências específicas propostas para
serem desenvolvidas nessa coleção são: Trabalho em Equipe, Comunica-
ção, Assertividade, Empatia, Pensamento científico, crítico e criativo, Plane-
jamento a longo e curto prazo e Visão Empreendedora.
SOBRE O LIVRO

Como o livro está organizado?

» Objetivo da aula
» Duração
» Materiais
» Disposição da sala
» Competências bases mobilizadas
» Retomando a aula anterior
» Saudações
» Conceituando
» Na prática
» Encerrando a aula
» Dica

Objetivo da aula: No qual é descrito o que é esperado que os alunos al-


cancem ao final da aula.

Duração: Que descreve o tempo necessário para o desenvolvimento da-


quela aula. Geralmente as aulas são organizadas no tempo de 45 minutos
ou 90 minutos.

Materiais: No qual é descrito quais são os materiais e preparação neces-


sários para o desenvolvimento da aula.

Disposição da sala: Em que se descreve como a sala deve ser organizada


para o melhor desenvolvimento das atividades propostas nas aulas.

Competências bases mobilizadas: Em que é indicada quais serão as


competências mobilizadas pelos alunos durante o desenvolvimento da-
quela aula.

Retomando a aula anterior: É retomada a última aula e também proposto


também perguntas para verificar qual a assimilação dos alunos em relação
aos conteúdos trabalhados na aula anterior.
Saudações: É exposto a apresentação do que será trabalhado naquela
aula e também são descritas perguntas e reflexões norteadoras para se-
rem trabalhadas no início da aula juntamente com os jovens.

Conceituando: É apresentado conceitos teóricos para o desenvolvimento


da aula. Nessa seção também existem textos de apoio para aprofunda-
mento na temática trabalhada.

Na prática: É dado as instruções para aplicação de uma atividade prática


relacionada com a temática da aula para o desenvolvimento dos alunos e
de algumas competências socioemocionais.

Encerrando a aula: São dadas as instruções para o encerramento da aula


e também é proposto um direcionamento para a aula seguinte.

Dica: Ao longo dos e-books existe também uma seção de dicas para auxi-
liar o educador no desenvolvimento e aplicação das aulas.
+ + +

+ + +

+ + +
MÓDULO 1
MAS E AÍ
QUEM SOU EU?
Objetivo do módulo: Identificar interesses, prio-
ridades, competências e valores individuais que
contribuem para decisão de escolha de carreira.
+ + +
NESSE MÓDULO
SERÃO DESENVOLVIDAS
AS SEGUINTES AULAS:

AULA 1

AFINAL QUEM SÃO OS ATORES DESSA MATÉRIA?

AULA 2

COMO VAI FUNCIONAR ESSE TAL DE “PROJETO DE VIDA?”

AULA 3

QUEM SOMOS NÓS?

AULA 4

O QUE É SER? LEVANTAMENTO DE VALORES E HABILIDADES! PARTE I

AULA 5

O QUE É SER? LEVANTAMENTO DE VALORES E HABILIDADES! PARTE II

AULA 6

MINHA HISTÓRIA NÃO SE FEZ SOZINHA

AULA 7

MINHA FAMÍLIA FAZ PARTE DESSA HISTÓRIA

14
+ + +

AULA 1
AFINAL QUEM
SÃO OS ATORES
+ DESSA+MATÉRIA? +

+ + +

+ + +
OBJETIVO:
Apresentar-se para
outras pessoas.

DURAÇÃO:
90 minutos

MATERIAIS:
Folha sulfite (uma para cada aluno), material gráfico (lápis de cor,
canetinha, lápis, caneta, borracha, régua).

DISPOSIÇÃO DA SALA:
carteiras em semicírculo para proporcionar um diálogo. Essa aula tam-
bém pode ser feita fora da sala, no pátio por exemplo. Se for o caso,
convidar os alunos a se sentarem em círculo e levar um caderno de
apoio para apoiar a folha sulfite da atividade a ser desenvolvida.

Assertividade
Empatia

16
SAUDAÇÕES
Professor(a), é recomendado que se apresente e dê boas
vindas aos alunos. Como primeira aula, é importante criar
um clima de recepção e acolhida para os jovens! Neste
momento pode-se enfatizar o quanto tem expectativas
que o semestre seja positivo e cheio de aprendizados e
que se sente feliz em recebê-los.

Comece dizendo que imagina que todos estejam


curiosos para saber sobre a matéria, o que vai acontecer
e o que afinal é esse tal de “Projeto de Vida”. Peça em
seguida que segurem a ansiedade, porque logo todas
essas questões serão respondidas, no entanto mais
importante do que saber o que vai acontecer ao longo
do semestre, é que primeiro todos se conheçam, já que
terão uma trajetória longa juntos.

Pergunte se todos se conhecem, caso digam que sim,


diga que há sempre mais a saber sobre os colegas
e também pode ressaltar que mesmo que eles se
conheçam, você precisa conhecê-los melhor, e que
para essa matéria, conhecer uns aos outros é algo
necessariamente importante.

CONCEITUANDO
Partindo dessa saudação, fale que ao invés de dizerem
seus nomes, tem uma proposta diferente que consiste
em uma atividade no qual cada um criará sua “Bandeira
Pessoal”.

Pergunte aos alunos se alguém imagina o que seria


isso e a partir das respostas, pergunte “O que é uma
bandeira?”, “Para que serve uma bandeira?”. Após os
jovens expressarem suas opiniões, explique que uma
bandeira geralmente representa um país e significa algo
da história dessa nação, algumas inclusive tem uma
frase com o lema do país, por exemplo a do Brasil com a
frase “Ordem e Progresso”.

17
NA PRÁTICA: BANDEIRA PESSOAL

OBJETIVO MATERIAIS
Possibilitar e compartilhar entre Papel e materias gráficos (lápis de
participantes. A apresentação cor, canetinha, giz de cera)
de si para um grupo a partir dos
seus gostos, competências e DURAÇÃO
história de vida pessoais. 75 minutos

DESENVOLVIMENTO:
Comece explicando que a atividade consiste em criar uma “Bandeira Pessoal”, para isso
os jovens deverão construir em uma folha de papel, um desenho, ou um símbolo que os
definem, essa bandeira pode conter também uma frase que expresse quem são eles ou
quais são seus lemas de vida.

Para ajudá-los a construir as próprias bandeiras, proponha algumas perguntas na lousa,


para que os ajudem a refletir e definir o que colocar na folha de papel: Quem é você?
O que te define? O que você mais valoriza na vida? O que mais te representa? O que
mais gosta? O que faz parte de você?

Após essa explicação, entregue uma folha sulfite para cada aluno construir sua bandeira
e deixe os materiais gráficos à disposição dos mesmos (no meio da roda ou da sala).
Controle o tempo e deixe claro para os alunos o período, em minutos, que eles terão
para a execução da atividade (30 minutos). Construa sua própria bandeira (se possível,
construa antes da aula e leve-a pronta para a atividade).

REFLEXÃO DA PRÁTICA:
Depois das bandeiras serem confeccionadas,
diga que chegou o momento de todos
compartilharem suas bandeiras e que para
isso, os jovens serão divididos em duplas
para mostrarem suas produções. Entre as
duplas, cada aluno deve contar o que fez e o
porquê (utilize a lista de chamada para fazer
a subdivisão, para que os alunos não fiquem
necessariamente com seus amigos). Os alunos
terão tempo de 10 minutos para apresentarem
suas bandeiras entre si.
ENCERRANDO
A AULA
Após essa atividade instrua os alunos para que as
duplas voltem aos seus lugares, então depois que todos
estiverem sentados no círculo inicial, peça que cada um
diga seu nome e mostre sua bandeira.

Depois de todos se apresentarem, o professor propõe


uma discussão, pergunte se alguém quer apresentar
sua bandeira de forma mais aprofundada e peça que
contem o que mais chamou atenção na própria
bandeira e na dos colegas, bem como o que sentiram
ao compartilhar e ouvir os outros. Além disso, pode
se discutir sobre o que os jovens descobriram sobre
si e sobre os colegas. No final, apresente sua própria
bandeira ao grupo e finalize o dia falando que se sente
contente ao saber sobre cada um e que com o passar
das semanas todos vão se conhecer melhor.

No ato de fechamento, deixe claro que na próxima aula


informará sobre o que vai ocorrer ao longo do semestre
e que essa primeira atividade foi apenas uma prévia do
restante dos próximos encontros.

19
+ + +

AULA 2
COMO VAI
FUNCIONAR ESSE
+ TAL DE+“PROJETO +
DE VIDA?”

+ + +

+ + +
OBJETIVO:
Identificar os objetivos da matéria “Projeto de Vida” e os conteúdos que
serão trabalhados na mesma. Definir os comportamentos e atitudes
que devem demonstrar durante as aulas da matéria.

DURAÇÃO:
90 minutos

MATERIAIS:
Para essa atividade serão necessários: lousa e giz, cartaz e pincel
atômico (opcional).

DISPOSIÇÃO DA SALA:
Cadeiras em semicírculo para proporcionar o diálogo.

Assertividade
Planejamento a Curto Prazo
Planejamento a Longo Prazo
Trabalho em Equipe

21
RETOMANDO A AULA ANTERIOR:
Inicie a aula retomando o encontro anterior, pergunte se todos se lembram do que foi feito,
ressalte a importância de terem se conhecido e saber o nome uns dos outros. Proponha
que alguns alunos falem sobre a atividade “Minha Bandeira Pessoal” e pergunte qual a
suas opiniões sobre relação da mesma com a matéria “Projeto de Vida”.

SAUDAÇÕES
Enquanto os alunos vão respondendo, escreva no
meio da lousa: “Matéria Projeto de Vida.” E convide os
jovens a falarem o que acham que vai acontecer nas
próximas aulas. Podem ser feitas as seguintes perguntas
disparadoras:

O que vocês acham que é a matéria Projeto de Vida?


Por que vocês acham que essa matéria foi criada?
O que acham que vão aprender nela?
Quais são os conteúdos que vocês pensam que vão ser
abordados no semestre?

Essas não precisam ser ditas nesta ordem e são algumas


sugestões que podem ser adaptadas conforme as
respostas dos alunos, a ideia é que sejam feitas de forma
fluida e descontraída para gerar um bate papo com os
jovens.

Conforme os alunos expressem suas opiniões e


expectativas, no centro da lousa, escreva “Projeto de
vida”, e ao redor dela, com flechas ou como achar melhor,
vá escrevendo as palavras-chaves que registrem as falas
ditas pelos alunos, para assim criar um mapa mental
coletivo com a turma.

22
CONCEITUANDO
Após esse primeiro momento, releia juntamente com os
alunos tudo que foi escrito (pode convidá-los para ler as
palavras-chaves escritas) e posteriormente, a partir das
palavras apresentadas, fale sobre o que vai acontecer na
matéria, esse é o momento de alinhar as expectativas,
deixando claro o que vai ocorrer e o que não vai ocorrer,
também pode ser negociadas algumas atividades
que são importantes para os jovens e dariam para ser
incorporadas no programa.

Durante esse bate-papo com a turma, deve ser exposto


os objetivos da matéria bem como seus módulos e
conteúdo, aproveite esse momento para também
perguntar aos alunos o que acham sobre o que foi
exposto, se já refletiram antes sobre o que será abordado
ou se já participaram de algum projeto, vivência ou aula
que abordavam o que será trabalhado nas aulas.

23
NA PRÁTICA: ACORDO DE PARTICIPAÇÃO COLETIVA

OBJETIVO MATERIAIS
Estabelecer regras de Caderno e lápis ou caneta para os alunos. 1
convivência coletivas Cartolina e pincel atômico para o professor.
para desenvolver as
atividades do semestre DURAÇÃO
40 minutos

DESENVOLVIMENTO:
Antes de começar a atividade, ressalte que a matéria de Projeto de Vida é desafiadora
e que para alcançar os objetivos propostos, exigirá que todos participem e se
comprometam, uma vez que vão ocorrer atividades práticas, discussões, reflexões e
trabalhos em grupo que dependem de uma postura ativa para o bom andamento das
aulas.

Diante dessa fala, convide a turma a pensar "o que será necessário para que a matéria
funcione com tranquilidade, que ações e atitudes todos devem ter?". Proponha assim a
elaboração de “Acordo de Participação Coletivo”, ressalte que esse acordo será criado
em conjunto e serão regras e combinados necessários para manter o andamento das
atividades. Dê 10 minutos para os alunos refletirem e anotarem as respostas sobre as
seguintes perguntas:

Quais serão meus deveres individuais durante a disciplina? Que atitudes eu preciso ter
para conseguir desenvolver meu projeto de vida?
Quais atitudes coletivas devemos ter durante a disciplina? O que podemos fazer para
que a aula seja um espaço acolhedor para que todos possam desenvolver seus projetos
de vida? Para que todos possam construir juntos e aprender?

Após o tempo de reflexão, convide os alunos a compartilharem suas respostas para


criarem o Acordo de Participação Coletiva (pode nesse momento também discutir sobre
o que seria um acordo, para que serve, quais as vantagens e desvantagens de criar
um). É indicado que as respostas sejam organizadas em cláusulas e escritas em um
cartaz para colar na parede da classe, escrita na lousa ou no caderno dos alunos, essa
estratégia é importante para manter a vista os combinados durante o semestre letivo.
REFLEXÃO DA PRÁTICA:
Concluído o acordo, proponha que a turma sele o
compromisso de todos zelarem pelo cumprimento
do mesmo, expondo também a importância de
cumprir os deveres para ter acesso ao direito de ter
uma aula prazerosa.

É importante reforçar que sempre que uma cláusula


for descumprida ou que alguém não estiver se
sentindo confortável, os combinados estabelecidos
podem e deverão ser retomados e que todos
podem propor a retomada dele.

ENCERRANDO
A AULA
Para finalizar a aula, pergunte o que todos acharam de
realizar o “Acordo de Participação Coletiva”, se eles já
passaram por situações que envolviam acordos, se já
tiveram acordos não cumpridos, se já descumpriram
acordos e como se sentiram nessas ocasiões. Encerre
perguntando também se as expectativas dos jovens
para a disciplina estavam alinhadas com o apresentado
nessa aula.

25
+ + +

AULA 3
QUEM
SOMOS
+ NÓS? + +

+ + +

+ + +
OBJETIVO:
Identificar características pessoais e apresentá-las para outras pessoas.

DURAÇÃO:
45 minutos

MATERIAIS:
Para essa atividade serão necessários papel e caneta para os
alunos.

DISPOSIÇÃO DA SALA:
Essa aula preferencialmente seria melhor realizada se fosse fora da
sala. Entretanto, se essa opção não for possível, o ideal é que as cartei-
ras estejam organizadas em círculo.

Trabalho em Equipe
Empatia
Assertividade

27
RETOMANDO A AULA ANTERIOR:
Inicie a aula retomando a anterior, pergunte para os alunos se eles se recordam do objetivo
da matéria e dos conteúdos que seriam trabalhados ao longo do semestre. Retome a
partir das respostas que será iniciado o primeiro módulo chamado “Quem sou eu” que
consiste em fazer com que todos identifiquem seus interesses, prioridades, competências
e valores.

SAUDAÇÕES
Ressalte que para ter um projeto de vida bem sucedido,
antes de tudo, é preciso saber primeiro quem nós somos,
assim pode ser disparadas as seguintes perguntas para
os alunos:

→- Será mesmo que sabemos quem somos?


→- Ou mais que isso, será que já paramos para refletir o
que gostamos?

Saliente para que não se desesperem caso eles achem


que não se conhecem, afinal a definição de quem somos
está sempre em constantes transformações. Ressalte
ainda que todas as próximas atividades da matéria
estarão relacionadas com a promoção dessa busca de
quem somos e de quem gostariamos de ser! Por isso
as aulas seguintes exigirão engajamento e reflexões
pessoais.

28
CONCEITUANDO
Partindo dessa ideia, diga que nada melhor do que começar com o básico, para isso, convide
os alunos a pensarem na seguinte questão: “Quando vamos em algum lugar e nos pedem
para nos apresentar, geralmente perguntam o que para nós?”. Conforme os alunos forem
respondendo, anote as principais perguntas na lousa, em seguida continue indagando também:
“E quando vocês querem conhecer melhor uma pessoa, o que perguntam?” “E em relação
aos adultos, quando eles vão se apresentar, o que eles costumam dizer?”

Nessas indagações podem surgir várias falas, ouça tudo e sistematize na lousa as
principais respostas, algumas sugestões de perguntas que podem ser anotadas são:

Qual seu nome?


Você tem apelido? Se sim, qual?
Qual sua idade?
Qual sua comida preferida?
Qual seu filme/ série/ livro preferido?
O que você gosta de fazer no seu tempo livre?
Qual seu maior sonho?
Que profissão gostaria de ter?

Após organizar essa seleção, diga que questionamentos podem ser um primeiro passo para
o autoconhecimento, dessa forma, convide todos a pensarem sobre si, eles sabem a resposta
para todas as interrogações discutidas anteriormente? E partindo disso, dê um tempo para que
reflitam e escrevam as respostas das perguntas escritas na lousa (pode inclusive pedir para
responderem no verso da folha da Bandeira Pessoal ou no próprio caderno).
Terminada a tarefa, indague se imaginam o que os colegas responderam e dessa forma, os
convide para a atividade “Na Prática”: Quem sou na Roda.

29
NA PRÁTICA: QUEM SOU NA RODA

OBJETIVO MATERIAIS
Promover integração e conhecimen- não são necessários
to sobre quem são as pessoas de um
mesmo grupo. DURAÇÃO
30 minutos

DESENVOLVIMENTO:
Serão descritos a seguir duas maneiras distintas de fazer a mesma atividade, a depender
dos espaços disponíveis para sua execução.

Modelo de execução fora da sala, caso exista a possibilidade:

Peça que os alunos levem com eles, para o local no qual a atividade será realizada, a
folha com as respostas das perguntas da atividade anterior.

Convide os jovens a organizarem duas rodas, uma dentro da outra, sendo que ambas
têm que ter o mesmo número de pessoas e os jovens da roda menor têm que estar
olhando para os da roda maior e vice-versa. O professor pode colocar uma música para
tocar, ou bater palmas. Quando começar a tocar a música, cada roda deve girar para um
lado, (por exemplo roda de fora para direita e a de dentro para esquerda). Na hora que a
música pausar, os alunos devem se apresentar para a pessoa que estará na sua frente,
para isso deve ser utilizada a lista de perguntas definidas anteriormente.

Os dois jovens devem interrogar e responder, um de cada vez. O professor calcula


o tempo e ao perceber que os alunos já terminaram de perguntar e responder (uma
média de 3 minutos), continua a música e os jovens devem continuar girando, repete-
se a mesma coisa por pelo menos 4 vezes, para que os alunos possam ouvir 4 histórias
diferentes e se apresentar 4 vezes também.

Finalizada essa parte, convide os alunos a fazerem uma grande roda e todos se sentarem
para uma discussão sobre a atividade.

Modelo de execução dentro da sala:

Nesse modelo, use as perguntas que já vão estar na lousa e convide os alunos a se
organizarem em duas rodas com suas cadeiras, sendo uma de frente para outra.
Lembrando que o número de cadeiras tem que ser par e que tem ter a mesma quantidade
de cadeiras tanto na roda de dentro quanto na de fora. Após a organização das cadeiras
e das rodas, peça para que todos os jovens se sentem sem deixar lugar vazio.
Dê o sinal para que os alunos de frente um para o outro iniciem uma conversa
respondendo as perguntas anotadas na lousa. Depois de alguns minutos, os alunos
que estão na roda de dentro são convidados a levantarem e se sentarem na cadeira
seguinte, recomeçando o bate papo com a nova pessoa à sua frente. E assim segue a
dinâmica, recomendamos que a mesma também seja feita no mínimo 4 vezes. Após a
sua conclusão, convide os alunos da roda menor a integrar a roda maior, para abrirem
uma discussão sobre a atividade.

REFLEXÃO DA PRÁTICA
Para encerrar, abra uma discussão no qual poderá começar perguntando como os alunos
se sentiram durante a atividade, se eles gostaram de participar da mesma.

Após esse compartilhamento, quetione os jovens sobre o que acharam da experiência


de responderem as perguntas:

"Vocês tiveram que pensar?"


"Já tinham a resposta na ponta da língua ou mesmo tendo escrito anteriormente ficaram
em dúvidas na hora de verbalizar?"
"Foi mais fácil ser entrevistador ou entrevistado na dinâmica da roda? E por quê?"
"Conforme foram ouvindo as respostas dos amigos, se identificaram com elas?"
"Descobriram pessoas com gostos parecidos?"
"Alguém teve vontade de mudar ou até mudou as respostas nas diferentes entrevistas que
teve durante as rodas?"
"Alguém ficou com vontade de mudar suas respostas depois de ouvirem a dos colegas? "
ENCERRANDO
A AULA
A partir da discussão, finalize a aula falando da
importância de refletir quem somos, do que gostamos,
ressaltando a importância de conviver com pessoas
diferentes para ampliar visões e conhecer outras
oportunidades e hobbies, ao mesmo tempo, evidencie
a importância de se unir com pessoas que querem
coisas parecidas para se ajudarem.

Por fim, é importante propor que os jovens olhem


para suas histórias, reconhecendo suas próprias
singularidades que os tornam únicos e os ajudam a
afirmar suas próprias identidades.

32
+ + +

AULA 4
O QUE É SER?
LEVANTAMENTO
+ DE VALORES
+ E +
HABILIDADES!
PARTE I

+ + +

+ + +
OBJETIVO:
Identificar seus valores e habilidades discriminando quais deles foram
mais importantes no decorrer de suas trajetórias, além de distinguirem
quais deles podem influenciar no seu projeto de vida e na escolha de
uma possível profissão.

DURAÇÃO:
90 minutos

MATERIAIS:
Para essa atividade serão necessários: Lista de valores e habilida-
des (presente no caderno de atividades) impressa, sendo uma para
cada aluno, folha sulfite, caneta ou lápis e régua para os alunos.

DISPOSIÇÃO DA SALA:
Preferencialmente com as carteiras formando um semicírculo, mas
para essa atividade não é extremamente necessário.

Assertividade
Planejamento a Curto Prazo
Planejamento a Longo Prazo

34
RETOMANDO A AULA ANTERIOR:
Comece a aula cumprimentando os alunos. Para dar início à esta, pode ser benéfico
retomar alguns pontos da aula anterior, pois a atividade que irão realizar é a continuação
do processo de autoconhecimento que iniciaram na aula passada. Para isso, pode ser
utilizada a seguinte pergunta disparadora:

Vocês acreditam que a atividade da aula anterior ajudou vocês a se conhecerem melhor?
Falar sobre nós para os outros, nos ajuda a entender melhor sobre quem somos?

SAUDAÇÕES
Após ouvir as respostas, é pertinente introduzir a ideia
de que o autoconhecimento é algo importante para
entender como tomamos nossas decisões e como
elas impactam nossas vidas! E por isso é necessário ter
conhecimento de si mesmo.
Nesse sentido, pergunte aos alunos se eles lembram
o objetivo do módulo 1 e caso esses não lembrem,
retome que é “Identificar interesses, prioridades,
competências e valores individuais que contribuem
para decisão de carreira”.

Comece a explicar que para alcançarem esse objetivo,


será proposto, nesta aula, uma atividade que consiste
em fazer uma linha do tempo com os eventos mais
marcantes de suas vidas, se atentando a elementos
importantes que os auxiliam em sua identificação como
indivíduos e refletindo sobre quais valores e habilidades
foram influentes em cada momento que colocaram na
linha do tempo e ao longo de suas vidas até hoje. Dessa
forma, convide-os para a atividade “Na Prática”.

35
NA PRÁTICA: LINHA DO TEMPO

OBJETIVO MATERIAIS
Fazer com que os alunos consigam or- Folha sulfite, lápis, caneta e
ganizar os eventos marcantes de suas régua para cada estudante
vidas, ao passo que discriminem o que
os ajudou nessas determinadas situa- DURAÇÃO
ções. 30 minutos

DESENVOLVIMENTO:
Para dar início a atividade, distribua uma folha sulfite, lápis ou caneta e régua para cada
estudante e os instrua a colocar a folha sob a mesa na posição horizontal. Após entregar
os materiais, peça para que eles tracem uma linha de uma ponta a outra no meio da
folha (também na horizontal) e escrevam na parte de baixo da linha os momentos
marcantes e na parte de cima da linha as datas em que ocorreram, podendo ser uma
data aproximada ou apenas o mês, caso não se lembrem. Para facilitar o preenchimento
e o trabalho de reflexão dos alunos os convide a pensar nas seguintes questões:

- Que fatos ou episódios mais marcaram minha vida? Acontecimentos que você se
lembra até hoje, que foram importantes para você?
- Que pessoas estavam presentes nesses “marcos”?

Quando terminarem de construir a linha do tempo, entregue a lista de valores e


habilidades, para auxiliá-los no término da confecção da linha do tempo. Construa uma
reflexão juntamente com os alunos sobre o quanto eles avaliam que os valores e as
habilidades que possuem influenciaram nas suas tomadas de decisões. Dessa maneira,
para dar inicio a reflexão, questione os alunos sobre o que eles entendem pela palavra
"valor" e pela palavra "habilidade".

- Como vocês definiriam a palavra valor?


- O que vocês entendem quando perguntam “quais são os valores de vocês?”
- O que vocês entendem por habilidades?

Depois que os alunos responderem, para enriquecer a discussão, compartilhe seu


entendimento sobre valores e o que entende por habilidade.

Após o momento de compartilhamento, entregue uma lista para cada aluno, (se não
puder imprimir uma para cada, pode escrever na lousa) com alguns valores e habilidades
descritos.
Peça para que os estudantes traçem uma seta acima das datas colocadas na linha do
tempo e escrevam quais valores e habilidades influenciaram ou faltaram nos momentos
importantes que colocaram em suas linhas do tempo. É importante ressaltar para os
alunos que os valores e habilidades podem ser os que estiverem na lista, ou outros
que julgarem ser importantes e que não estejam nela. Caso eles optem por colocarem
aspectos que não estão descritos na lista entregue, peça para que escrevam uma breve
definição na folha.

REFLEXÃO DA PRÁTICA
Finalize a atividade pedindo para que um aluno compartilhe suas percepções sobre a
atividade a partir das seguintes perguntas:

- Como se sentiu ao fazer a linha do tempo? Foi fácil ou difícil pensar nos eventos
marcantes?
- Como foi pensar nos valores? Foi fácil ou difícil pensar nos valores que influenciaram
cada evento marcante?
- Tiveram valores que faltaram em determinado momento?
- Os valores que te influenciaram, se repetiram em mais de um momento da sua linha da
vida? Você sabe porque isso ocorreu?
- E como foi pensar nas habilidades? Será que se você tivesse outras habilidades teria
agido de outra forma?
- Você acha que cada valor influenciou nos momentos marcantes de suas vidas? Quais
habilidades vocês perceberam que desenvolveram ao longo da vida?

Termine pedindo para que os jovens olhem atentamente a linha feita. E faça as seguintes
perguntas:

- Que pessoas estavam relacionadas com os eventos que eles levantaram na linha?
- Essas pessoas são ou foram importantes para sua história? Por quê?
- Como você se relaciona com essas pessoas atualmente?
- Que pessoas você gostaria que estivessem mais próximas e que por algum motivo
não estão?
ENCERRANDO
A AULA
Após finalizar as perguntas, acolha os alunos, discuta
também o fato da nossa identidade estar muitas vezes
atrelada a um conjunto de aspectos como os valores,
as habilidades mas também as experiências, situações
que se vivencia ao longo da vida, bem como as pessoas
que passam por ela. Afinal, nossa história é marcada
pelo encontro com muitas outras histórias que já
estavam onde vivemos muito antes de nascermos, ou
até mesmo pessoas que encontramos no decorrer da
nossa própria jornada.

Encerre a aulas pedindo que os jovens reflitam sobre


quem são as pessoas que fizeram parte das suas
histórias e peça para que os alunos tragam, na próxima
aula, a linha do tempo e a lista de valores e habilidades,
pois ela será importante na continuação da atividade.
Logo em seguida, se despeça de todos.

38
+ + +

AULA 5
O QUE É SER?
LEVANTAMENTO
+ DE VALORES
+ E +
HABILIDADES!
PARTE II

+ + +

+ + +
OBJETIVO:
Identificarem seus valores e habilidades discriminando quais deles
foram mais importantes no decorrer de suas trajetórias, além de dis-
tinguirem quais deles podem influenciar no seu projeto de vida e na
escolha de uma possível profissão.

DURAÇÃO:
30 minutos

MATERIAIS:
Para essa atividade serão necessários: Lista de valores impressa,
sendo uma para cada aluno, folha sulfite, caneta ou lápis e régua
para os alunos.

DISPOSIÇÃO DA SALA:
Preferencialmente com as carteiras formando um semicírculo, mas
para essa atividade não é extremamente necessário.

Assertividade
Planejamento a Curto Prazo
Planejamento a Longo Prazo

40
RETOMANDO A AULA ANTERIOR:
Lembre os alunos que esta é a continuação da aula anterior e pergunte a eles se cada
um trouxe a sua linha do tempo e a lista de valores e habilidades. Retome o que foi feito
na aula passada. O que sentiram ao construir suas linhas do tempo? Quais as reflexões
suscitadas? Pensaram sobre as pessoas que fizeram e fazem parte de suas vidas? Quem
são elas? O que sentiram ao identificá-las?

SAUDAÇÕES
Questione os alunos se eles conseguiram pensar sobre
suas trajetórias até o presente momento, durante
a semana, e se a linha do tempo os auxiliou nesse
processo. Para introduzir a atividade desta aula pergunte
“Ao olharem para o passado, vocês conseguem se auto
entender no momento presente?”

Depois de ouvi-los, diga que continuarão a atividade


anterior, peça assim que todos peguem suas linhas do
tempo e juntamente com elas, distribua uma nova folha
sulfite, lápis ou caneta e régua.

41
NA PRÁTICA: LINHA DO TEMPO: E O FUTURO?

OBJETIVO MATERIAIS
Trazer a reflexão de como os estudan- Folha sulfite, lápis, caneta e
tes se encontram no momento atual de régua para cada estudante
suas vidas, bem como quais as proje-
ções futuras com base em suas traje- DURAÇÃO
tórias de vida. 20 minutos

DESENVOLVIMENTO:
Assim, para começar a atividade, diga para que escrevam na folha como eles se
encontram no presente em relação a:

Formação (se estão fazendo outros cursos além do Ensino Médio)?


Quais valores acreditam ter?
Quais habilidades possuem?
Houveram pessoas que contribuíram para o desenvolvimento desses valores e
habilidades? Quem? Como? Por quê?

Após compartilharem seus pensamentos atuais, suscite nos alunos o seguinte: "Agora
que vocês puderam colocar em perspectiva o que trouxe vocês até aqui e como estão
na fase atual, vamos pensar como será o futuro?" Sendo assim, peça para os alunos
virarem para o outro lado a mesma folha em que responderam às perguntas anteriores.
Em seguida, instrua para que tracem uma linha na vertical ao meio da folha e escrevam
no lado esquerdo da folha as projeções que têm para o futuro, podendo ser a profissão
que almejam, o curso que querem fazer, os sonhos que têm para eles e para a família. Do
lado direito, peça para que coloquem os seus valores atuais e habilidades que acreditam
possuir e que podem auxiliá-los a conquistar os objetivos futuros elencados na parte
esquerda.

Após terminarem de elencar as projeções para o futuro e quais valores e habilidades que
podem auxiliá-los a alcançarem seus objetivos, peça para que, em duplas, compartilhem
suas projeções, um com o outro.

Depois, solicite que ainda em duplas, um aluno aponte ao outro, quais valores e
habilidades enxerga no outro colega e que ele mesmo não elencou para ajudá-lo
a alcançar o objetivo projetado. Peça para que registrem no lado direito da folha os
apontamentos feitos aos colegas.
*Dica: Pode ser benéfico dizer que quando compartilhamos nossos sonhos e
entendemos eles em perspectiva temporal, discriminando quais as nossas qualidades
para alcançá-los, bem como as pessoas que podem nos ajudar. Enfatizar que o outro e
suas visões diferentes, a diferença de crenças e limitações, pode nos ajudar a entender
quais nossos pontos fortes e quais nossos pontos a melhorar. Nesse sentido, isso pode
ajudá-los tanto no processo de autoconhecimento quanto no seu projeto de vida.
ENCERRANDO
A AULA
Peça para que algumas duplas, as que se sentirem à
vontade, compartilhem com a turma suas percepções
sobre eles mesmos e que coloquem em evidência o
que o outro colega apontou a mais sobre si, que eles
próprios não percebiam.

Finalize a aula dizendo que o processo de


autoconhecimento não é fácil; Quando colocamos
nossa trajetória em perspectiva de passado, presente,
futuro e compreendemos o motivo de nossas atitudes,
isso pode facilitar esse processo. Peça para que eles
guardem a atividade das aulas, pois elas serão de
muita ajuda na construção do Projeto de Vida.

43
+ + +

AULA 6
MINHA
HISTÓRIA
+ NÃO SE+ FEZ +
SOZINHA

+ + +

+ + +
OBJETIVO:
Verificar quais são as pessoas que estão presentes na sua vida e que
contribuem para sua trajetória pessoal.

DURAÇÃO:
45 minutos

MATERIAIS:
Papel, caneta e impressão de mapa das relações (em anexo no final
da aula) por aluno.

DISPOSIÇÃO DA SALA:
Carteiras em semicírculo para proporcionar um diálogo.

Assertividade

45
SAUDAÇÕES
Comece a aula ressaltando que na última aula, ao
desenhar a linha do tempo, os jovens conseguiram
perceber a importância de olhar para sua história de
vida e reconhecer o quanto existem várias pessoas que
fizeram e fazem parte dela. Questione:

- Já haviam refletido o quanto somos frutos das nossas


vivências?
- Do quanto cotidianamente estamos em contato com
outras pessoas que nos deixam marcas positivas e/ou
negativas? Do quanto o contato e as experiências com o
outro, nos deixa tristes ou felizes?
- Será que dá para escolher as pessoas que estão
conosco?

46
CONCEITUANDO
Depois das respostas, ressalte que é no coletivo que muitas vezes crescemos
como pessoas. Pode ser utilizado o seguinte texto de apoio:

A partir do contato e das relações interpessoais que nos revelamos para


o mundo, ou seja, é na relação com a sociedade que construímos nossa
história, mas ao mesmo tempo, não somos seres passivos a ponto de sermos
totalmente influenciados pelos outros, pelo contrário, os seres humanos,
são pessoas ativas e protagonistas que constroem suas histórias a partir da
relações com os outros, decidindo os sentidos e pesos que cada relação tem
em suas vidas. Dizemos que ao mesmo tempo que a formação de “quem
somos”, é uma construção que parte também das nossas relações, estamos
sempre contribuindo para a história de outras pessoas e para também criar e
manter nossa sociedade. Em suma, nossa história constrói a sociedade e a
sociedade constrói nossa história, simultaneamente.
Assim é importante reconhecer que fazemos parte de um coletivo que é
organizado e que de alguma forma, cada um de nós é importante para a
sociedade funcionar, e por esta razão é preciso reconhecer o valor de todos,
inclusive o nosso, para conseguirmos nos transformar e transformar onde
vivemos.

Depois dessa reflexão, continue questionando os jovens, com as seguintes


perguntas:

Sugestão: Já parou para pensar em quantas pessoas passam pela sua vida
todos os dias? Como você as recebe? Como você lida com cada uma delas?

E continue a reflexão:
Na nossa vida, convivemos diariamente com vários grupos de pessoas. Desde
pessoas que não temos quase nenhum contato, mas que precisamos delas.
Desde o motorista de ônibus até pessoas que temos bastante contato como
integrantes da nossa família, amigos, colegas da escola, professores, o time
de futebol. Ou seja, estamos constantemente rodeados de pessoas, elas são
fundamentais na nossa vida. É em grupo que crescemos, nos desenvolvemos,
que aprendemos a nos conhecer melhor e que também podemos mudar o
que consideramos como “errado”. Diante disso, quais grupos escolhemos
fazer parte? Por que? De quais outros grupos podemos fazer?

Terminada a discussão com os jovens, convide-os para a atividade “Na prática”


em sequência.

47
NA PRÁTICA: MAPA DAS RELAÇÕES

OBJETIVO MATERIAIS
confeccionar um mapa, iden- Papel, caneta e impressão de mapa
tificando as relações existen- das relações (em anexo em caderno
tes em suas vidas, bem como de atividades) por aluno.
a posição que essas pessoas DURAÇÃO
ocupam em sua trajetória 30 minutos

DESENVOLVIMENTO:
Distribua para cada aluno uma cópia do mapa das relações, caso não haja como fazer a
impressão, peça que os alunos desenhem como no modelo indicado na figura. Depois
de todos terem recebido a impressão, peça para que cada um escreva seu nome no
círculo central e em seguida preencha os outros círculos com os nomes de todas as
pessoas com quem convivem, a partir da relação de proximidade e afeto que tem com
elas.

Nos círculos menores, ficam as pessoas mais próximas e importantes; nos círculos
maiores, pessoas que não têm tanta importância afetiva ou estão mais distantes.
Depois de preencher, convide os jovens a olharem quais são os laços que os prendem
às pessoas descritas. Escrever perto dos nomes: “F” para quando a pessoa for família;
“A” para amigos; “C” para colegas; “O” para outras relações. Terminada a classificação
instrua-os a contar e ver qual letra apareceu mais.

REFLEXÃO DA PRÁTICA:
Convide os alunos para formarem
uma roda e discutirem sobre a
atividade:

Como se sentiram ao fazer a


atividade?
Sentiram que tem muitas pessoas
próximas ou menos do que
imaginavam?
Gostariam de ampliar mais suas
redes de relações?
Existem pessoas que estão distantes,
mas que gostaria de ter mais perto?
Se sim, como fazer isso?
Existem pessoas que estão próximas,
mas que gostaria que fossem mais
distantes? Por quê?
ENCERRANDO
A AULA
Depois da atividade, questione os jovens com as
seguintes perguntas:

- O que, para vocês, significa “criar laços”?


- Que tipo de laços criamos com as pessoas que estão
ao nosso entorno?

A partir das respostas, encerre a aula ressaltando o


quanto as relações são importantes para definirmos
quem nós somos. É a partir dos laços com os outros que
vamos nos diferenciando ou até nos espelhando. Em
alguns momentos da vida, algumas relações têm mais
peso, em outros, têm menos. Questione os jovens se já
pensaram nisso antes e qual o peso que cada relação
tem em suas vidas, seja para lidarem com escolhas,
tomarem decisões e serem quem são.

Dessa forma, finalize dizendo que na próxima aula será


discutido sobre um dos laços trabalhados na atividade
anterior: Família, amigos ou colegas, aproveite para
questionar se alguém tem algum palpite de qual será. E
encerre a aula pedindo para que os alunos olhem suas
relações com cuidado e carinho.

49
+ + +

AULA 7
MINHA FAMÍLIA
FAZ PARTE DESSA
+ HISTÓRIA
+ +

+ + +

+ + +
OBJETIVO:
Analisar criticamente suas relações familiares, bem como o lugar e o
papel que desempenham dentro da família.

DURAÇÃO:
90 minutos

MATERIAIS:
papel e materiais gráficos (caneta, lápis, lápis de cor, canetinha) por
aluno. Papéis coloridos em tiras ou post-its coloridos e cola.

DISPOSIÇÃO DA SALA:
A sala pode estar organizada em semicírculo formado pelas carteiras.

Empatia
Comunicação

51
RETOMANDO A AULA ANTERIOR:
Na última aula foi trabalhado com os alunos a importância dos laços para nossa história.
Com isso, já no início, questione os jovens sobre como se sentiram desde o último
encontro e se refletiram sobre suas relações, bem como tomaram alguma atitude para se
aproximar ou distanciar de alguém.

SAUDAÇÕES
Comece dizendo que, como haviam conversado na
última aula, hoje a discussão será sobre um dos laços
do mapa de relações e que o laço é a família. Ressalte
que falar de família é sempre delicado, afinal existem
vários tipos de família, cada uma com sua história e
peculiaridades. Mas independentemente de se ter uma
boa ou má relação com a mesma, a família costuma
aparecer na maioria dos mapas de relações, seja nos
círculos mais próximos ou nos círculos mais distantes,
todos vêm de uma família. Diante disso, questione os
jovens:

O que significa família para vocês?


O que sua família representa para você?
Qual o papel da família em sua história?
Como ela te influenciou a ser quem você é hoje?

Após esses questionamentos, inicie uma conversa com


os jovens sobre o papel da família, ancorada no texto de
apoio do conceituando.

52
CONCEITUANDO
Por mais que nós seres humanos, sejamos indivíduos sociais e precisamos das outras pessoas
para sobreviver, conviver com os outros é sempre uma tarefa árdua. Quando passamos bastante
tempo com alguém, estabelecemos uma relação de confiança, além de todas coisas boas que
podem surgir dessa relação, também aparecem dificuldades de relacionamento, defeitos e limites.
Seja com amigos, colegas, no trabalho, na escola e inclusive com nossa própria família. Assim, se
relacionar com os sujeitos que convivemos constantemente, sempre será desafiador e demandará
que sejamos pacientes e solidários, afinal todos somos diferentes e nossos modos de agir podem
facilitar ou dificultar a manutenção dos laços estabelecidos com os outros.

É na nossa família que temos o primeiro encontro com outras pessoas e é a partir dela que
vivenciamos o primeiro contato com a sociedade. Geralmente é no núcleo familiar que descobrimos
nossa afetividade, intimidade e definimos aspectos da nossa identidade. É para ela que voltamos
todos os dias e estabelecemos relações privadas no qual os membros se desfazem de rótulos e
agem sem descrições. Entretanto, enquanto algumas famílias podem ser porto seguro, outras
podem ser campos minados. É comum vivenciar relações de afeto e relações conturbadas ou até
as duas ao mesmo tempo. No período da adolescência/juventude é que geralmente os conflitos
se intensificam. Passamos a buscar influências de fora da família para encontrar direção para
nossa própria vida, questionamos os valores que recebemos em casa, procuramos novos valores
ou até reconhecemos quais valores da nossa família fazem sentido e quais não fazem mais. Nesse
momento, deixamos de seguir todas as diretrizes familiares e passamos a escolhê-las, buscando
sentido para nossas vidas considerando novas influências (amigos, artistas, professores etc). É
também o momento de fazer escolhas, afetivas, sexuais, profissionais e confrontar os valores
recebidos.

É importante reconhecer que esse processo ocorre na maior parte das famílias, assim ao
olhar para os colegas iremos encontrar jovens que enfrentam as mesmas dificuldades ou até
dificuldades maiores. Por isso, reconhecer que não existem famílias perfeitas e que cada uma tem
seus problemas e dificuldades, nos da seguraça para nos sentirmos livres a fim de compreender
que os processos vivenciados dentro das nossas famílias nos ajuda a construir nossas histórias e
a partir delas, nos tornarmos autônomos e protagonistas das nossas próprias vidas.

Ao trabalhar o tema “família” com os alunos, não abordar família


como um estereótipo padrão, de família “tradicional” no qual
se considera família apenas se na sua configuração houver:
pai, mãe e filhos. Não existe família certa ou errada. Família
são arranjos de afeto, que podem assumir diversos padrões.
Duas mães, dois pais, avós, dois irmãos, mãe e padrasto, pai
e madrasta, mãe e madrasta, pai e padrasto, primos, tio, tia
etc. A família, independentemente de sua configuração, deve
ser considerada como aquela que oferece vínculo e alicerce para
construção da identidade de um ser, possibilitando que sejam
estabelecidas relações de afeto e carinho que possibilita os
53
NA PRÁTICA: MINHA FAMÍLIA

OBJETIVO MATERIAIS
Desenhar sua família e analisar como se dá Papel e materiais gráficos
sua relação com os membros da mesma. (lápis de cor, canetinha,
caneta) por aluno. Papéis
DURAÇÃO coloridos em tiras ou post-
60 minutos -its coloridos e cola.

DESENVOLVIMENTO:
Distribua papel e materiais gráficos aos alunos, peça para que todos desenhem suas
famílias. Depois de terminarem de desenhar, convide os jovens para apresentarem
suas famílias, falando quem são, qual a personalidade de cada um, quais as profissões
e como agem, mas tome o cuidado de pedir que diferentes constituições de famílias
sejam apresentadas e reforce o quanto essa diversidade é importante e que não existe
famílias melhores ou piores.

Depois da apresentação, convide-os para darem sequência a atividade. Peça para que
escolham um papel colorido ou post it para cada membro da família, sendo que as cores
dos papéis escolhidos devem estar de acordo com a relação e o sentimento que eles
experimentam em relação àquele membro. Por exemplo, a cor branca pode significar
tranquilidade, vermelho conflito, laranja alegria, preto tristeza, fica a critério de cada
jovem decidir. Assim que escolherem a cor, peça que escrevam o que a cor representa
e que colem o papel em cima do membro da família desenhado anteriormente. Peça
inclusive que o jovem defina uma cor para si próprio, a partir da percepção que tem da
sua própria inserção dentro da família.

REFLEXÃO DA PRÁTICA:
Depois disso, convide todos a escreverem no verso
da folha do desenho:

Como se sentem dentro das suas famílias?


Como eles contribuem, dificultam ou facilitam a
relação em suas famílias?
Como se relacionam com cada membro?
Existe uma cor predominante em suas famílias?
Qual?
Essas cores representam um padrão permanente
ou uma fase passageira das relações da sua família?
Que situações contribuem e contribuíram para
o predomínio dessa cor? Qual sua contribuição?
Como você pode mudar esse cenário?
ENCERRANDO
A AULA
Após terminar a atividade, abra um momento de
partilha entre os alunos e pergunte como se sentiram,
como foi desenhar suas famílias e o que aprenderam
com a aula. Pode ser necessário também fazer um
acolhimento neste momento, já que a atividade explora
questões delicadas. Encerre retomando as questões
levantadas em conceituando, peça aos jovens que se
comprometam a olhar com carinho para suas famílias
e enxergarem o quanto elas fazem ou fizeram parte
das suas histórias e da constituição de quem são. Para
descontrair, finalize a aula com a música “Família” do
Titãs .

55
+ + +

+ + +

+ MÓDULO 2 + +

QUEM EU POSSO
SER? TRAJETÓRIAS
POSSÍVEIS
Objetivo do módulo: Comparar trajetórias de carrei-
ra, identificando os percursos de diferentes profis-
sionais (pessoas) e distinguindo as competências e
recursos necessários para traçar cada trajetória.
+ + +
NESSE MÓDULO
SERÃO DESENVOLVIDAS
AS SEGUINTES AULAS:

AULA 1

TODO MUNDO SE INSPIRA EM ALGUÉM

AULA 2

CONHECENDO NOVAS INSPIRAÇÕES

AULA 3

PROFISSÕES FAZEM PARTE DESSA HISTÓRIA?

57
+ + +

AULA 1
TODO MUNDO
SE INSPIRA EM
+ ALGUÉM+ +

+ + +

+ + +
OBJETIVO:
Identificar em suas relações familiares, pessoas no qual se espelham,
verificando quais os valores, habilidades e conhecimentos que essas
pessoas têm que lhe causam admiração.

DURAÇÃO:
90 minutos

MATERIAIS:
Não é necessário.

DISPOSIÇÃO DA SALA:
Sala em uma disposição no qual os alunos possam se organizar em
pequenos grupos. Os alunos podem se sentar em pequenas rodas no
chão, ou juntar as carteiras em grupinhos.

Comunicação
Empatia

59
RETOMANDO A AULA ANTERIOR:
Na última aula, os alunos refletiram sobre a vivência com suas famílias e discutiram sobre
o papel dessas na constituição deles como indivíduos. Pergunte a todos se pensaram
desde a última aula sobre seu papel dentro da família e se consideraram tomar alguma
atitude para tornar suas relações mais harmônicas.

SAUDAÇÕES
Comece a aula falando que conversar sobre família é
algo relevante, uma vez que muitos dos nossos valores,
sonhos e ambições estão relacionados com as nossas
famílias. Geralmente ela é o primeiro lugar que oferece
referências positivas e negativas, auxiliando na escolha
do jovem querer, ou não, ser algo. Pode ainda dizer a
seguinte motivação:

Sempre há atitudes e valores dos outros, nos quais


buscamos nos espelhar, se tornar igual ou até melhor.
Reconhecer o que admiramos e repudiamos nos
outros, diz muito sobre o que somos e queremos ser,
ao identificar nossas admirações, estamos identificando
nossos próprios valores, atitudes e identidade.

Depois da motivação, convide os jovens para a atividade


“Na prática”.

60
NA PRÁTICA: MINHA FAMÍLIA

OBJETIVO MATERIAIS
Discutir sobre pessoas que admira, identi- Papel e caneta
ficando elementos que expliquem o por-
quê dessa admiração. DURAÇÃO
40 minutos

DESENVOLVIMENTO:
Proponha que os alunos pensem individualmente durante 5 minutos em alguém da
família que goste, que tenha carinho ou que se identifique e os instrua de que se algum
aluno não conseguir pensar em alguém, peça que reflita e pense em uma pessoa que
ele considere parte da família, mesmo não sendo. Posteriormente, divida os alunos em
trios e peça para que conversem entre si sobre a pessoa escolhida:

Quem é? O que ela faz? Por que a escolheu? E o que admira nessa pessoa? Qual
a história dessa pessoa? Esses podem anotar os elementos que mais chamaram
atenção de cada história.

REFLEXÃO DA PRÁTICA:
Em discussão posterior, cada trio deve expor
a história daquele parente que mais chamou
a atenção no grupo. Pode-se abrir uma
discussão sobre o quanto cada família é única
e diferente e o quanto pode ser exemplo e
trazer ensinamentos para nossas próprias
histórias. Ao mesmo tempo, pode-se discutir
se foi mais fácil ouvir ou contar as histórias dos
membros da famílias e o porquê.
ENCERRANDO
A AULA
Terminada a atividade, pergunte aos jovens quais
elementos contados fazem sentido para suas próprias
histórias, no que se espelham e porque se espelham.
Faça uma reflexão do quanto pode ter aparecido
histórias diferentes nos trios e do quanto isso é normal,
afinal cada um é diferente e é admirável conviver
com pessoas diferentes. Para encerrar, convide-os a
reconhecerem quais das atitudes e valores ouvidos nas
histórias dos colegas que gostariam de se espelhar e
incorporar em suas próprias vidas e o motivo. Questione
se as pessoas que eles admiram na família sabem
dessa admiração e se não sabem, incentive os jovens a
conversarem com as mesmas.
Como tarefa de casa, os instrua a pensarem e
pesquisarem outra pessoa que admirem, só que dessa
vez, fora da família. Para explicar a tarefa, pode ser
passada a seguinte instrução:

É muito difícil encontrarmos um ser humano que não


admire alguém, afinal, costumamos nos inspirar em outras
pessoas. Pode ser um herói, um cientista, um músico, um
esportista, um artista, um vizinho, um professor ou até
pessoas comuns, pessoas que de alguma forma nos
causa impacto e que nos inspira. Escolha uma pessoa
que você admire e escreva um texto contando quem é ela,
o que ela faz e o porquê você a admira. Se quiser, pode
também trazer imagens dessa pessoa para a turma na
aula seguinte.

62
+ + +

AULA 2
CONHECENDO
NOVAS
+ +
INSPIRAÇÕES +

+ + +

+ + +
OBJETIVO:
Conhecer jornadas e carreiras de outras pessoas a fim de criar novas
referências para se inspirar.

DURAÇÃO:
90 minutos

MATERIAIS:
Impressões em folha A4 de 8 fotografias (retratos) (em anexo no cader-
no de atividades), roteiro com biografia das pessoas selecionadas (em
anexo no caderno de atividades), 1 conjunto de fichas por grupo (em
anexo caderno de atividades), 1 conjunto de fichas com nomes das
profissões (em anexo caderno de atividades) e fita crepre.

DISPOSIÇÃO DA SALA:
Sala em uma disposição no qual os alunos possam se organizar em
pequenos grupos. Os alunos podem se sentar em pequenas rodas no
chão, ou juntar as carteiras em grupinhos.

Comunicação
Empatia

64
RETOMANDO A AULA ANTERIOR:
Na última aula, os alunos identificaram pessoas da família que se inspiram, essa aula
foi importante para que estes percebessem quais são suas influências e quais valores,
atitudes e habilidades querem desenvolver. Além disso, ao final, foi solicitado que fizessem
uma tarefa de casa. Pergunte como foi fazer essa tarefa e explique que o resultado será
compartilhado em sequência.

SAUDAÇÕES
Para a retomada da tarefa de casa, diga aos alunos
que, nessa aula, conversarão juntos sobre trajetórias de
vida inspiradoras, ressalte que é importante olhar para
o outro para se inspirar e também para reconhecer o
que se quer ou não para si, além disso, converse sobre
a diferença entre “inspiração” e “cópia” e que todos são
únicos e devem construir suas próprias histórias. Em
seguida, convide os jovens para as duas atividades
“Na Prática”, comece com uma “História de Herói” que
servirá para os alunos compartilharem suas tarefas de
casa e depois deem sequência na aula com a atividade
“Jornada para se inspirar”.

1
65
NA PRÁTICA: UMA HISTÓRIA DE HERÓI

OBJETIVO MATERIAIS
Discutir sobre pessoas que Pesquisa prévia solicitada para os alunos
admira, identificando e re- na aula anterior como tarefa de casa
conhecendo elementos que
expliquem o porquê dessa DURAÇÃO
admiração. 30 minutos

DESENVOLVIMENTO:
Pode começar a conduzir a dinâmica com a seguinte fala:

Como falamos na aula anteriormente, é muito difícil encontrarmos um ser humano que
não admire alguém, costumamos nos inspirar em outras pessoas, pode ser um herói, um
cientista, um músico, um esportista, um artista, um vizinho, um professor ou até pessoas
comuns, pessoas que de alguma forma nos causa impacto e que nos inspira. Diante
disso, a proposta é vocês apresentarem em pequenos grupos alguns comentários sobre
essa pessoa que admiram e que escolheram contar para a turma.

Dessa forma, proponha aos alunos que se reúnam em grupos de no máximo 5 alunos e
cada jovem indique seu personagem escolhido e os motivos de tê-lo escolhido e para
nortear a discussão, o professor pode propor as seguintes perguntas:

Quem foi a pessoa escolhida? Como ela chama?


O que ela faz? Qual a história dessa pessoa?
Qual a profissão dessa pessoa? Isso é relevante para a história?
O que ele tem que o faz admirá-lo?
Por quê você a escolheu?
Tem algo dele que você gostaria de ter?
REFLEXÃO DA PRÁTICA:
Posteriormente a discussão dos pequenos grupos, abra
uma discussão maior, perguntando o que acharam da
experiência e dispare as seguintes discussões:
- Como foi ouvir as outras histórias dos colegas? Teve
alguma outra história que você se identificou?
- Por que nos identificamos com histórias de outras
pessoas?
- Podemos nos inspirar e nos espelhar nas histórias de
outras pessoas? Por quê?
- O que é mais fácil: ser espelho ou espelhar-se?
- Vocês conseguem enxergar características dessa
pessoa escolhida em vocês também?
- Querem desenvolver alguma competência que essas
pessoas têm? Qual?

Posteriormente a discussão proposta na


primeira atividade, diga aos alunos que irá
também compartilhar algumas histórias de
pessoas que considera inspiradoras, para isso
os convide para participar do jogo “Jornadas
para inspirar”.

1 1
1

67
NA PRÁTICA: JORNADAS PARA INSPIRAR

MATERIAIS
Impressões em folha A4 de 8 fotografias (retratos) de pessoas que têm
jornadas de vida que podem inspirar os jovens (em anexo no caderno de
atividades, tenha sugestões de alguns nomes, mas as histórias e pes-
soas devem ser selecionados por você professor(a) de acordo com o
diagnóstico dos sonhos dos seus alunos e a realidade dos mesmos). O
roteiro elaborado com a biografia das pessoas selecionadas (em anexo
tem um exemplo baseada nas pessoas escolhidas para os retratos), 1
conjunto de fichas por grupo com os nomes das pessoas selecionadas
(em anexo sugestão) e 1 conjunto de fichas com nomes das profissões
dessas mesmas pessoas (sugestão em anexo).

OBJETIVO DURAÇÃO
Conhecer histórias de vida de outras pessoas e identificar 30 minutos
aspectos que se assemelham com sua própria história.

DESENVOLVIMENTO:
A atividade consiste em dividir os alunos em grupos de 5 ou 6 e distribuir para cada
grupo um conjunto de 8 fichas com nomes de pessoas e de 8 fichas com nomes de
profissões. Enquanto os alunos se organizam em pequenos grupos, cole, na lousa ou na
parede, os retratos das 8 pessoas que foram selecionados e impressos anteriormente.

Após os grupos estarem organizados, explique aos jovens que contará 8 histórias
diferentes e os grupos deverão vincular as histórias com os nomes, profissões e os
retratos que estão coladas na lousa/parede. A cada história contada (poderá ser baseada
no texto de biografia das pessoas selecionadas ou falar com suas próprias palavras) as
equipes terão 2 minutos para discutir sobre a história e decidir com o próprio grupo qual
é o retrato da pessoa, dona daquela história que está colada ou sendo mostrada na
lousa/parede, sua profissão e seu nome. Acabado o tempo, o professor convidará um
representante de cada grupo para ir até a lousa e colar as fichas da profissão e do nome
da pessoa que o grupo escolheu, abaixo do retrato, também escolhido por ele. Caso haja
divergências entre os grupos, não corrija imediatamente para a resposta certa, já que
deverá ser feito isso apenas após a apresentação das 8 histórias. Esse processo de ler a
biografia, dar os 2 minutos para cada equipe associar a história lida com o retrato, nome
da pessoa e profissão deve-se repetir 8 vezes, até que sejam lidas todas as histórias.
REFLEXÃO DA PRÁTICA:
Terminado a apresentação de todas as biografias,
convide os alunos a se reunirem em uma roda e junto
com a turma, corrija as respostas dos grupos, falando
o nome de cada pessoa do retrato e suas profissões.
Assim pode-se discutir se houve um grupo que acertou
mais, se teve algum retrato específico que todos
acertaram ou erraram. E por fim, dispare uma discussão:

Vocês já conheciam as histórias dessas pessoas?


Como conheceram?
O que acharam das histórias? Teve alguma que os
surpreenderam? Por quê?
O que acharam de associar as histórias aos retratos e
às profissões? Por que às vezes associamos algumas
histórias com uma determinada cor de pele ou gênero?
(pode-se discutir a questão de preconceitos)
Será que a profissão de alguém faz com que a pessoa
tenha que seguir um mesmo caminho pelo resto da
vida?
O que aprenderam com as diferentes histórias?
Conseguiram se inspirar em alguma? Qual? Por quê?
O que vocês mais gostaram nas histórias e menos
gostaram?
Teve uma que vocês mais se identificaram? Por que?

1
ENCERRANDO
A AULA
Termine a aula perguntando aos alunos como se
sentiram ouvindo histórias tão inspiradoras. Diga que
durante as próximas aulas, vão ter a possibilidade de
pensar em suas próprias histórias e criar os planos
de vida que poderão ser tão inspiradores no futuro
quanto os que foram discutidos nesta aula. Enfatize que
começarão a olhar também não só para as histórias mas
para as profissões possíveis e, para finalizar, questione
os jovens se já sabem que profissão querem seguir,
dizendo que irão falar mais sobre isso no encontro
seguinte.

70
+ + +

AULA 3
PROFISSÕES
FAZEM PARTE
+ DESSA+HISTÓRIA? +

+ + +

+ + +
OBJETIVO:
Conhecer um conjunto de profissões e analisar os estereótipos e repre-
sentações sociais que permeiam algumas delas.

DURAÇÃO:
90 minutos

MATERIAIS:
Papel,caneta, caixa ou sacola para guardar papéis para mímica, fita
crepe e baralho de profissões (em anexo no caderno de atividades).

DISPOSIÇÃO DA SALA:
Carteiras encostadas na parede, para deixar um grande espaço da sala
livre, ou essa atividade pode ser realizada fora da sala em um local
aberto (pátio ou quadra).

Comunicação
Assertividade
Empatia
Trabalho em Equipe

72
RETOMANDO A AULA ANTERIOR:
Na última aula, os alunos entraram em contato com várias histórias de vida, para ampliarem
seus repertórios e reconhecerem aspectos na vida dos outros que gostariam de seguir e
reproduzir em suas próprias vidas. Pergunte aos jovens quais histórias mais gostaram e
mais se identificaram.

SAUDAÇÕES
Comece falando que no primeiro módulo, os jovens foram incentivados
a olharem para suas relações com as outras pessoas, passaram
pela família e conheceram histórias inspiradoras. Enfatize que uma
parte importante da vida da maioria das pessoas é o trabalho, afinal a
sociedade é composta por milhares de trabalhadoras e trabalhadores,
que mesmo não sendo só trabalhadores, tendo em vista que todos têm
uma vida fora do trabalho, eles dedicam bastante tempo dos seus dias
a uma atividade econômica específica no qual exercem. Pergunte se os
jovens se recordam sobre as profissões das pessoas inspiradoras que
discutiram na última aula e, por fim, também peça para que os jovens
pensem nas profissões que os membros das suas famílias têm.

Posteriormente a isso, pergunte se já passou na cabeça dos estudantes


a profissão que gostariam de ter e em sequência, diga que essa pergunta
é bastante difícil de responder, pois envolve um conjunto de variáveis,
como se autoconhecer para reconhecer quais são suas qualidades,
habilidades, atitudes e valores. Precisa-se também compreender as
influências que os rodeia (família, amigos, professores), para fazer uma
escolha profissional, identificar as oportunidades e ameaças existentes
onde mora e ter maturidade para fazer escolhas e tomar decisões,
conseguindo elaborar um planejamento para seguir na carreira que
deseja.

Diante de todas essas variáveis, o processo de escolher “o que quer ser


quando crescer”, não é algo fácil, geralmente é um período turbulento
no qual aparecem muitas dúvidas. Diante disso, proponha aos alunos
para que juntos passem por um caminho que não garantirá que eles se
decidam sobre o que querem fazer, mas que poderá contribuir para que
se sintam cada vez mais seguros em tomar uma decisão mais consciente
e assertiva.

Dessa maneira, essa rota envolverá um conjunto de aulas que estarão


organizadas em:

73
Buscando Referências e Informação
Conhecerão possibilidades de atuação e informações sobre trajetórias
de carreira (explique aos alunos que nas aulas anteriores já começaram a
fazer essa investigação e que agora irão se aprofundar no conhecimento
de profissões, para se inspirarem e poderem pesquisar aquelas que mais
se identificam). Além de conhecerem as profissões, irão descobrir o que
têm que fazer para se tornar um profissional naquela área específica. Vão
ter que fazer curso técnico, faculdade? E como fazer faculdade?

Olhando para quem sou - Mapeando minhas forças e fraquezas


Depois de buscarem as referências, é importante compreenderem quem
são, quais são suas forças e fraquezas, suas habilidades, atitudes, o que
gostam e não gostam. Enfatize que já começaram a olhar para quem são
no primeiro módulo da matéria, mas que darão seguimento novamente a
essas reflexões nas aulas do módulo 4.

Olhando para onde vivo - Mapeando oportunidades e ameaças


Sabendo melhor quem são, estarão prontos para saber pelo que buscar,
quais as profissões fazem mais sentido para mim? Com essa pergunta
definida é mais fácil olhar quais são as oportunidades que já existem ou
que serão criadas no contexto que vivem para então passarem a criar um
plano de ação para alcançar seus objetivos de carreira e pessoais.

Organizando meu Projeto de Vida


Depois de analisarem suas forças, fraquezas, e de identificarem as
oportunidades e ameaças, é hora de reunir tudo isso e começar a
traçar objetivos e um projeto de vida no qual unirá toda essa jornada
de autoconhecimento em planos de ação para um futuro promissor,
seja escolhendo o que seguir como carreira e até mesmo o futuro que
gostariam de ter como indivíduos em sociedade.

Diante disso, nessa aula darão o primeiro passo, no qual consiste em


conversar e discutir sobre algumas profissões, afinal, conhecer diferentes
profissões os ajudará a descobrir possibilidades de atuação que nunca
haviam pensado antes. Para isso, proponha que participem de uma
atividade descrita em “Na Prática”.

74
NA PRÁTICA: ROLE-PLAYING DAS PROFISSÕES

OBJETIVO MATERIAIS
Descobrir novas profissões. Imitar e Cronômetro, papéis com no-
imaginar profissionais de diferentes mes de profissões, saquinho
áreas por meio de mímica, se colocan- ou caixinha para colocar os
do na profissão imitada e posterior- papéis e fita crepe
mente discutir sobre os estereótipos
relacionados às profissões.
DURAÇÃO
45 minutos

DESENVOLVIMENTO:
Divida a turma em dois grupos e diga que farão uma competição de mímica. Coloque
em uma caixa ou saquinho, pedaços de papel com diferentes profissões (selecione
profissões que os alunos indicaram ter interesse nas aulas anteriores e também
profissões diferentes que fogem das carreiras ditas como “tradicionais”. Para isso,
pode ser utilizado o baralho de profissões em anexo no caderno de atividades) alguns
exemplos são: professor, artista, pedreiro, psicólogo, cozinheira, babá, secretária, cantor,
advogado, atleta, barbeiro, vendedor, engenheiro, empresário, designer, programador,
etc. Um participante de cada grupo deve ir a frente da sala, pegar um dos papéis e
encenar a profissão escrita em forma de mímica, os alunos do seu grupo devem acertar
no tempo de 1 minuto, caso acabe o tempo e o grupo não acertar o outro tem direito de
tentar adivinhar.

Depois dessa primeira atividade, utilize os papéis que sobraram, para colar na testa ou
nas costas dos alunos. Para fazer isso, convide-os a se reunirem em uma roda, distribua
um papel para cada e peça que colem na testa ou nas costas do colega ao lado, sem
contar para ele o que está escrito em seu papel. Assim cada um deve receber uma
profissão, mas não podem saber que profissão é. Dessa forma, deixe claro aos alunos que
eles NÃO podem dizer ao outro o que está em seu papel, afinal o objetivo da atividade
é que cada um descubra o que está escrito na sua testa/costas. Depois de todos terem
colado, peça para que caminhem pela sala e tentem descobrir que profissão exercem,
para isso, podem fazer perguntas aos seus colegas que devem se limitar a dizer apenas
“sim” ou “não”. Algumas perguntas são: Tenho emprego fixo? Uso capacete? Trabalho
em um lugar aberto? Trabalho em equipe? Etc.

Conforme forem descobrindo o que são, devem falar em voz alta a profissão para
confirmar com o grupo se está correta. A atividade termina quando todos descobrirem o
que está escrito no papel que carregam.
REFLEXÃO DA PRÁTICA
Depois do exercício, proponha a discussão sobre qual profissão foi mais difícil de
adivinhar, pela mímica e perguntas de adivinhação, e qual foi mais fácil. Questione
os jovens sobre quais as mímicas que gostaram de fazer e quais não gostaram, se
identificaram mais com alguma profissão? Qual? O que sentiram? Alguma delas
gostariam de exercer? Qual? Encerre a atividade transmitindo aos alunos as informações
corretas sobre cada profissão, esclarecendo as dúvidas e desmistificando alguns
estereótipos e interpretações que envolvem as atividades profissionais.

ENCERRANDO
A AULA
Pergunte aos alunos se já conheciam todas as profissões, como
se sentiram nas atividades. Depois de ouvi-los, distribua para cada
jovem 3 profissões do baralho de profissões (em anexo no caderno de
atividades), dê preferência para que os jovens fiquem com profissões
que se identifiquem, caso tenham alunos que se identifiquem com a
mesma profissão, pode-se repeti-las, então peça que como tarefa de
casa, escrevam apenas o que sabem sobre a profissão e contem se
conhecem alguém que trabalha naquela área. Diga que na próxima
aula irão, juntos, pesquisar sobre as profissões que cada um ficou
responsável.

76
+ + +

Recado para o professor(a) e para todos os


+ alunos:
+ +
“O caminho muda e muda o caminhante
É um caminho incerto, não o caminho errado.
Eu, caminhante, quero o trajeto terminado
Mas no caminho, mais importa o durante”

Estevão Queiroga - A Partida e o Norte

+ + +

+ + +
+ + +

+ + +

+ + +

+ + +

Você também pode gostar