Você está na página 1de 39

Módulo III

SEGURANÇA DO TRABALHO
1
MODULO III – SEGURANÇA DO TRABALHO
ü  Trabalho em altura
ü  Trabalho em espaço confinado
ü  Trabalho a quente ou trabalho com o fogo
ü  Trabalho com electricidade
ü  Trabalho em escavações e valas
ü  Movimentação manual de cargas
ü  Movimentação mecânica de cargas
ü  Atmosferas explosivas
ü  Permissão de trabalhos
ü  Segurança em laboratórios
2
Trabalhos em Altura
OBJETIVOS

No final da aula o aluno deve ser capaz de:

ü  Definir o que são Trabalhos em Altura

ü  Identificar os principais perigos e riscos dos trabalhos em altura

ü  Saber implementar as principais medidas de proteção e


prevenção de acidentes

ü  Saber quais os equipamentos de proteção coletiva e individual a


utilizar
Antes de mais ,
torna-se
importante
definir-se o que
é um Trabalho
em Altura
TRABALHOS EM ALTURA
Trabalho em Altura– Definição:
Segundo a Legislação Moçambicana
“Considera-se trabalho em altura toda atividade executada acima de
2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda”

Segundo outras Empresas...


“Trabalhos onde houver potencial para quedas de pessoas por
diferença de nível igual ou superior a 1,80 m.”
TRABALHOS EM ALTURA
Em função das especificidades da atividade e dos equipamentos de
trabalho utilizados, destacam-se os seguintes tipos de trabalho em
altura:
•  Com escadas portáteis (simples ou extensíveis) e escadotes
•  Em andaimes fixos, móveis e plataformas suspensas
•  Em postes ou torres metálicas
•  No perímetro de coberturas
•  Em equipamentos de elevação de pessoas
PRINCIPAIS RISCOS
•  Queda em altura
•  Queda de objetos
•  Electrocussão ou electrização
•  Projecção de objectos
•  Choque com objectos no
trajecto de subida/descida
EQUIPAMENTO PARA TRABALHO
TEMPORÁRIO EM ALTURA
•  Andaimes fixos
•  Andaimes móveis
•  Escadas
•  Plataformas individuais móveis
•  Plataformas de trabalho em consola
•  Outros equipamentos
–  Plataformas móveis elevatórias
–  Plataformas móveis com torres de cremalheira
–  Plataformas suspensas (cestos)
–  Cestos suspensos
PRINCÍPIOS GERAIS
DE PREVENÇÃO
Princípios gerais de prevenção aplicados aos trabalhos temporários em
altura
•  Evitar os riscos
–  Quanto maior a altura, maior o risco de queda!
–  É possível evitar a realização do trabalho em altura?
–  É possível executar o trabalho ou parte dele, no solo?
–  É possível evitar o risco de queda em altura?
PRINCÍPIOS GERAIS
DE PREVENÇÃO
Princípios gerais de prevenção aplicados aos
trabalhos temporários em altura
•  Avaliação dos riscos
–  Como é o posto de trabalho (máquinas,
equipamento, materiais, ambiente, etc)?
–  Qual é a fonte de risco (altura do trabalho,
proximidade de um espaço vazio, trabalhos
na vizinhança, etc)?
–  Qual é a atividade (tarefa, duração,
frequência, postura, etc)?
–  Quem é o trabalhador (competência,
experiência, idade, aptidão física, ausência
de vertigens, etc)?
PRINCÍPIOS GERAIS
DE PREVENÇÃO
Princípios gerais de prevenção aplicados aos trabalhos temporários em
altura
•  Combate aos riscos na fonte
–  Se não for possível evitar o trabalho em altura, há que reduzir,
por todos os meios possíveis, a altura de uma potencial queda
PRINCÍPIOS GERAIS
DE PREVENÇÃO
Princípios gerais de prevenção aplicados aos trabalhos temporários em
altura
•  Adaptação do trabalho ao homem
–  Adaptar o trabalho ao homem, especialmente no que se refere à
concepção dos postos de trabalho, bem como à escolha dos
equipamentos de trabalho e dos métodos de trabalho e de
produção, tendo em vista, nomeadamente, atenuar o trabalho
monótono e o trabalho cadenciado e reduzir os efeitos destes
sobre a saúde.
(será possível instalar escadas interiores ou exteriores, ou mesmo
um elevador de pessoas, para evitar o esforço físico substancial
envolvido, bem como os efeitos negativos a ele associados?
PRINCÍPIOS GERAIS
DE PREVENÇÃO
Princípios gerais de prevenção
aplicados aos trabalhos temporários
em altura
•  Ter em conta o progresso
técnico
–  O trabalho em altura é alvo de
pesquisas permanentes que
permitem o desenvolvimento
regular de novos equipamentos
de trabalho e produtos.
Frequentemente, um
equipamento mais sofisticado
permite igualmente um
trabalho mais eficaz.
PRINCÍPIOS GERAIS
DE PREVENÇÃO
Princípios gerais de prevenção aplicados aos trabalhos temporários em
altura
•  Substituir o que é perigoso pelo que é menos perigoso ou isento
de perigo
PRINCÍPIOS GERAIS
DE PREVENÇÃO
Princípios gerais de prevenção aplicados aos trabalhos temporários em
altura
•  Dar prioridade às medidas de proteção coletiva, em relação às
medidas de proteção individual.
Se, por vezes, parece mais simples pedir a cada trabalhador que se
proteja individualmente (arnês, etc.), há, no entanto, que considerar
o facto de ser mais eficaz propor um sistema de proteção coletiva
(guarda corpos, plataforma, redes, etc.)
PRINCÍPIOS GERAIS
DE PREVENÇÃO
Princípios gerais de prevenção aplicados aos trabalhos temporários em
altura
•  Dar instruções adequadas aos trabalhadores
–  Quer se trate de instruções de trabalho, de precauções a tomar
ou de proibições, é importante dar a todos os participantes
informações corretas.
MEDIDAS TÉCNICAS
E ORGANIZACIONAIS
•  Planear todas as intervenções que
impliquem a realização de trabalhos
em altura;
•  Selecionar o equipamento de
trabalho mais adequado à natureza
dos trabalhos a realizar;
•  Suspender os trabalhos se as
condições climatéricas forem
adversas;
•  Implementar programas de
manutenção e conservação dos
equipamentos utilizados;
•  Garantir procedimentos de resgate,
em caso de emergência;
MEDIDAS TÉCNICAS
E ORGANIZACIONAIS
•  Na escolha de meios de acesso a postos de trabalho em altura
considerar:
–  A frequência da circulação;
–  A altura a atingir;
–  A duração da sua utilização;
–  A carga a suportar;
–  A carga a movimentar;
–  A evacuação em caso de perigo
grave e iminente;
–  A protecção contra riscos
adicionais de quedas.
MEDIDAS TÉCNICAS
E ORGANIZACIONAIS
•  Verificação dos equipamentos após
montagem e instalação – antes do
início dos trabalhos
•  Sinalizar e delimitar o perímetro de
intervenção dos locais onde se
executam trabalhos em altura
•  Disponibilizar meios de
comunicação entre trabalhadores
durante a execução dos trabalhos
•  Os trabalhos em altura deverão ser
realizados por uma equipa
constituída, no mínimo, por 2
trabalhadores
•  A realização de trabalhos em altura
deverá ser supervisionada e vigiada
ESCOLHA DO EQUIPAMENTO
•  Serão escolhidos os equipamentos mais
apropriados para garantir e manter condições de
trabalho seguras.
•  Deve dar-se prioridade às medidas de proteção
coletiva em relação às medidas de proteção
individual.
•  O dimensionamento do equipamento de trabalho
deve corresponder à natureza dos trabalhos a
executar e às dificuldades previsíveis, e permitir
a circulação sem perigo.
•  A escolha do tipo mais apropriado de meio de
acesso aos postos de trabalho temporários em
altura, é feita em função da frequência de
circulação, da altura a atingir e da duração da
utilização.
ESCOLHA DO EQUIPAMENTO

•  O meio de acesso escolhido deve permitir a evacuação em caso de


perigo iminente.
•  A passagem de um meio de acesso a plataformas, pranchadas,
passadiços e vice-versa não deve gerar riscos de queda adicionais.
•  A utilização de uma escada como posto de trabalho em altura deve
ser limitadas às circunstâncias em que a utilização de outros
equipamentos mais seguros não se justifique.
REQUISITOS DE SEGURANÇA UTILIZAÇÃO DE ESCADAS
O trabalho sobre uma escada, num posto de trabalho em altura, deve ser:
– Limitado, em frequência;
– De curta duração;
– Executado quando não existam alternativas técnicas possíveis.
As escadas deverão ser selecionadas tendo em atenção:
– A natureza dos trabalhos a desenvolver;
– A duração dos trabalhos a desenvolver;
– A cota a que se vai trabalhar;
– A proximidade, ou não, com linhas aéreas em tensão.
REQUISITOS DE SEGURANÇA UTILIZAÇÃO DE
ESCADAS
Verificar, periodicamente, o estado de conservação e integridade das
escadas antes do início dos trabalhos;
Na colocação de escadas:
– Garantir a sua estabilidade durante a utilização;
– Assentar apoios das escadas portáteis em suporte estável,
resistente, de dimensão adequada e imóvel;
– Fixar a escada, na base e no topo;
– Assegurar que os degraus se mantém na posição horizontal.
REQUISITOS DE SEGURANÇA UTILIZAÇÃO DE ESCADAS
Na utilização de escadas:
– Cumprir as regras de subida e descida;
– Garantir a imobilização dos vários segmentos ► Escadas de
Enganchar e Telescópicas;
– Garantir a imobilização ► Escadas Móveis;
– Garantir a fixação ► Escadas Suspensas;
– Transportar as ferramentas em bolsins ► Manter as mãos livres.
– Assegurar as necessárias condições de transporte e de armazenagem
de escadas;
ANDAIMES
Os andaimes devem:
- Ser metálicos. É proibido o uso de outros
materiais
-  Ter projeto de dimensionamento, estrutura de
sustentação e fixação, desenvolvido por
profissional habilitado
-  Ser preferencialmente do tipo tubular
convencional de tubos lisos com braçadeiras e
luvas ou do tipo tubular de travamentos por
encaixe tipo cunha
Nota: Outros tipos de andaimes podem ser
utilizados desde que aprovados, pela área de
segurança, para cada situação, antes da
contratação/montagem
Os andaimes móveis podem ser utilizados apenas
em superfícies planas, isentas de avarias,
ressaltos ou deformações
ANDAIMES
Os andaimes devem:
- Envolver profissional habilitado em eletricidade na definição do tipo
d análise de risco quando existir proximidade com sistemas
elétricos
- Ter placas de sinalização nos pontos de acesso indicado a sua
condição (Liberado para Uso/ Não Liberado para Uso)
REQUISITOS DE SEGURANÇA
ANDAIMES
Na utilização de andaimes:
•  Verificação do estado de conservação e
integridade dos elementos do andaime;
•  Cumprimento de procedimentos nas operações
de montagem e desmontagem;
•  Verificação das condições de segurança do
andaime ► Antes do início dos trabalhos;
•  Respeitar as condições de carga admissível;
•  Garantir a resistência e estabilidade do
andaime;
•  Garantir o travamento ► Estabilizadores ou
travões nas rodas;
•  Proteção do andaime;
•  Proteção com meios de balizagem ► Andaimes
suspensos;
REQUISITOS DE SEGURANÇA ANDAIMES
•  Fixação à construção;
•  Sinalização de segurança e delimitação do perímetro do andaime;
•  Instalação de plataformas de trabalho ► Dimensão e resistência
adequadas;
•  Garantir a fixação das plataformas de trabalho;
•  Instalação de redes e resguardos de segurança;
•  Garantir distância de segurança a linhas e elementos em tensão;
•  É proibido o deslocamento de andaimes apoiados com trabalhadores
sobre os mesmos.
REQUISITOS DE SEGURANÇA
PLATAFORMAS MÓVEIS ELEVATÓRIAS
•  Escorar a plataforma, e utilizar placas de
apoio intermédias para os estabilizadores
(posto fixo)
•  O trabalhador que opere numa plataforma
móvel elevatória telescópica deve estar
sempre fixado a uma linha de segurança, de
maneira a evitar a queda
•  O Trabalhador deve ser certificado na
operação segura destes equipamentos
•  Em caso de tráfego rodoviário, garantir a
segurança do espaço por baixo da plataforma
de trabalho
•  Respeitar a distância de segurança dos
cabos de eletricidade aéreos e outras
instalações elétricas
•  Organizar o trabalho de modo a que, em caso de acidente ou emergência, um
segundo trabalhador possa sempre utilizar os comandos de emergência
TRABALHOS EM ALTURA NAS
IMEDIAÇÕES DE INST. ELÉTRICAS
Medidas de segurança, por ordem de importância
decrescentes:
•  Eliminar o risco, suprimindo a tensão ou isolando as
instalações elétricas ou a linha de transporte de energia
elétrica
•  Mudar a linha de transporte de energia elétrica de lugar
antes do início dos trabalhos, especialmente se tiver de
ficar novamente operacional quando o trabalho de
construção terminar
•  Erigir barreiras para impedir o acesso às instalações
sob tensão
•  Adaptar o equipamento e os procedimentos de trabalho
à situação
•  Ligar à terra as ferramentas metálicas
EQUIPAMENTOS DE
PROTEÇÃO COLETIVA
•  Guarda-Corpos
- As áreas de trabalho elevadas devem ser providas de sistemas de
guarda corpos e rodapé, e da devida fixação dos pisos de forma a
revenir a queda de pessoas, objetos e materiais
-  As aberturas nos pisos devem estar protegidas por coberturas ou
guarda-corpos, permanente ou temporários
EQUIPAMENTOS DE
PROTEÇÃO COLETIVA
Quando, para a execução de um trabalho específico, for necessário
retirar temporariamente um dispositivo de proteção coletiva contra as
quedas, deverão ser tomadas medidas de segurança alternativas e
eficazes. O trabalho não poderá realizar-se sem a prévia adoção
destas medidas. Finalizado esse trabalho especial, definitiva ou
temporariamente, os dispositivos de proteção coletiva contra as
quedas deverão voltar a ser colocados.
EQUIPAMENTOS DE
PROTEÇÃO COLETIVA
•  Redes de segurança
–  São usadas para amparar os trabalhadores que caem durante o
trabalho
–  Devem ser usadas:
•  Por baixo de aberturas
•  Por baixo de locais com uma inclinação muito acentuada
•  Por baixo de locais com um suporte inseguro
–  Devem ser montadas o mais próximo possível da estrutura (por
baixo desta)

RT-09
EQUIPAMENTOS DE
PROTEÇÃO INDIVIDUAL
•  Capacete de proteção
•  Calçado de proteção mecânica
•  Luvas de borracha
•  Arnês de segurança

Os EPI contra quedas em altura são sistemas que permitem:


•  Proteger os trabalhadores contra o risco de queda (sistema de
retenção)
•  Minimizar a distância e as consequências para os trabalhadores que
tenham caído (antiqueda)
Em todos os casos, é necessário garantir a existência
de um sistema de ancoragem adequado,
que garanta uma boa fixação do EPI
contra as quedas em altura.
EQUIPAMENTOS DE
PROTEÇÃO INDIVIDUAL
•  O ponto de ancoragem só deve ser fixado a um elemento sólido da
construção e, se possível, por cima do utilizador
•  Os dispositivos de ancoragem devem ser instalados pelo chefe de
estaleiro.
•  Os mosquetões devem estar equipados com um dispositivo de
segurança que impeça a sua abertura imprevista
•  Os dispositivos de fixação (cordas/tiras) devem estar esticados, e
nunca sobre uma aresta viva
EQUIPAMENTOS DE
PROTEÇÃO INDIVIDUAL
•  Os cinturões de segurança devem estar fixados durante todo o tempo
•  Quando for necessário transferir-se de um ponto de ancoragem para
outro, os cinturões de segurança devem ter dois talabartes, com
mosquetão de trava dupla, de forma a permitir a fixação do
equipamento durante todo o tempo

RT-09
RESUMO
•  Evitar o risco de queda em altura
•  Avaliar os riscos – local, equipamentos, proteção coletiva, proximidades
•  Escolher o equipamento mais adequado e mais seguro
•  Verificar a segurança do equipamento a utilizar
•  Garantir a aptidão psicofísica dos trabalhadores envolvidos, realizando exames
médicos específicos
•  Sinalizar e delimitar o espaço
•  Garantir meios de acesso seguros
•  Evitar a utilização de escadas
•  Verificar a proteção coletiva existente
•  Ter em atenção o bom estado dos EPI
•  Disponibilizar informação e formação aos colaboradores sobre os riscos,
medidas de protecção e a forma como se aplicam, assim como as instruções a
adoptar em caso de perigo grave e iminente

http://www.youtube.com/watch?v=pb-eM19EkqI
NÃO ESQUEÇA!...

VOCÊ
É O MAIOR RESPONSÁVEL
PELA

SUA SEGURANÇA

Você também pode gostar