Você está na página 1de 4

Polaridade das Ligações

As eletronegatividades de dois átomos é que determinam


o quanto o par de elétrons da ligação será compartilhado.

ELETRONEGATIVIDADE – é a força de atração exercida sobre


os elétrons de uma ligação, ou tendência do átomo em atrair
elétrons.
Polaridade de Ligações e
Geometria molecular

1 2

Polaridade das Ligações Polaridade das Ligações

Observamos que numa ligação covalente, o par de elétrons é


Uma ligação química formada entre dois
compartilhado entre dois átomos. Isto significa que o par de
átomos com eletronegatividades iguais é
elétrons é simultaneamente atraído por ambos os átomos,
chamada não polar (apolar)
resultando numa competição pelos elétrons. O par eletrônico
não é igualmente compartilhado, a menos que os dois átomos o
atraim com a mesma intensidade.
O flúor, mais eletronegativo, atrai o par de
Átomos iguais, mesma elétrons da ligação mais fortemente, e a
eletronegatividade, o par de núvem eletrônica se localiza mais próxima do
elétrons é compartilhado cloro.
igualmente e a nuvem Uma ligação covalente onde o par de elétrons
eletrônica está igualmente não é compartilhado igualmente é dita polar.
distribuída.
3 4

1
Polaridade das Ligações Ligação Covalente Coordenada
(Dativa)
A Polaridade das moléculas determina as propriedades físicas dos
Ocorre quando o par de elétrons compartilhado na ligação é
compostos, como o ponto de fusão e de ebulição. proveniente de um único átomo.
Este par de elétrons passa a ocupar um orbital vazio dos
Momento dipolar (µ): é definido como o produto das cargas (δ) pela
segundo átomo.
distância entre as cargas. É uma medida quantitativa da polaridade de uma Este tipo de ligação ocorrerá somente depois que o átomo
ligação química. central estiver estável.

Na molécula HF existe uma separação de cargas que se pode representar A + B A B (Ligação Covalente “Normal”)

por: A + B A B (Ligação Covalente “Coordendada”)


δ+ δ−
H F Ex.: NH4 +

SO2
Exprime-se em D (Debye) = 3,33 x 10-30 C/m 5 SO3 6

GEOMETRIA MOLECULAR GEOMETRIA MOLECULAR

Moléculas com átomo central sem pares isolados


Forma como os átomos numa molécula se orientam no espaço.
A geometria de uma molécula pode afetar as propriedades
físicas e químicas, como o ponto de fusão, ebulição,
densidade, etc.

Modelo de Repulsão dos Pares Electrônicos da Camada


de Valência

A geometria de uma molécula é determinada pela


minimização das repulsões entre os pares de elétrons da
camada de valência.

7 8

2
GEOMETRIA MOLECULAR POLARIDADE DAS MOLÉCULAS

Moléculas em que o átomo central possui pares isolados


„ Moléculas diatômicas:

1- Com átomos do mesmo elemento são apolares


2- Com átomos de diferentes elementos são polares

„ Moléculas poliatômicas; a sua polaridade depende:

1- Polaridade das ligações


2- Geometria molecular
Repulsão par isolado/ par isolado/ par ligante/
9 10
par isolado par ligante par ligante

MOLÉCULAS APOLARES MOLÉCULAS POLARES

Exemplos de moléculas poliatómicas com ligações polares,


mas dada a sua geometria o momento dipolar resultante é
zero, são o BeCl2; BCl3 CCl4.

11 12

3
Hibridação de orbitais atômicas: Hibridação de orbitais atômicas:
são uma mistura de orbitais são uma mistura de orbitais

(1) Hibridação sp no átomo de Be, Ex: BeCl2 (3) Hibridação sp3 no átomo de carbono; Ex: CH4, NH3
2s 2p
2s 2p
2s 2p
2s 2p
sp
2sp3
(2) Hibridação sp2 no átomo de B; Ex: BF3

2s 2p Formam-se orbitais híbridas sp3 (no caso acima no átomo de

2s 2p carbono) a partir de orbitais s e p para descrever a formação


de ligações químicas, quando o modelo RPECV prever o arranjo
sp2 2p orbital vazio
13
tetraédrico dos pares de elétrons. 14