Você está na página 1de 25

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA


INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS - 2011


Edital nº 86/2010, de 20/09/2010 Retificado pelo Edital nº 87/2010, de 28/09/2010
Resolução nº 77/2010, de 17/09/2010 – Conselho Superior

1 ABERTURA
O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, através do Reitor e de acordo com as disposições da legislação em vigor, FAZ
SABER, através deste Edital, que no período de 27 de setembro a 05 de novembro de 2010 estarão abertas as inscrições para o Processo
Seletivo para os Cursos Técnicos 2011 para ingresso no primeiro e segundo semestres do ano letivo de 2011 nas Modalidades Técnico
Subseqüente, Técnico Integrado e Técnico Concomitante do IFPB, para os Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa,
Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa, e, conforme distribuição de cursos, turnos e vagas no item 1.3.

1.1 DA VALIDADE
O resultado do Processo Seletivo para os Cursos Técnicos, previsto neste Edital, será válido apenas para o preenchimento das vagas ofertadas para o
primeiro e segundo semestres do ano letivo de 2011.

1.2 DOS REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO


1.2.1 Técnico Subseqüente
1.2.1.1 Ter concluído a 3a (terceira) série do Ensino Médio ou estar concluindo o Ensino Médio ou equivalente.
1.2.1.2 Apresentar a documentação exigida no item 2.4.

1.2.2 Técnico Integrado ou Técnico Concomitante ao Ensino Médio


1.2.2.1 Ter concluído ou estar concluindo o 9º ano (antiga 8ª série) do Ensino Fundamental.
1.2.2.2 Apresentar a documentação exigida no item 2.4

1.3 DAS HABILITAÇÕES E VAGAS


1.3.1. Técnico Subseqüente - Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa.
TOTAL GERAL: 1148 vagas

Campus Cabedelo
EIXOS 2011.1 2011.2
CURSOS TOTAL
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
RECURSOS Técnico Subseqüente em
NATURAIS Pesca
(Autorização/Resolução 40 40 80
CD/CEFET-PB nº 28 de
2008)
AMBIENTE, SAÚDE E Técnico Subseqüente em
SEGURANÇA Meio Ambiente
(Autorização/Resolução 40 40 40 40 160
CD/CEFET-PB nº 29 de
2008)
TOTAL 240

Campus Cajazeiras
EIXOS 2011.1 2011.2 TOTAL
CURSOS
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
INFRA-ESTRUTURA Técnico Subseqüente em
Edificações
(Autorização/Resolução 40 40 80
CD/CEFET-PB nº 12 de
2000)
CONTROLE E Técnico Subseqüente em
PROCESSOS Eletromecânica
INDUSTRIAIS (Autorização/Resolução 40 40 80
CD/CEFET-PB nº 21 de
2000)
TOTAL 160

1
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

Campus Campina Grande


EIXOS 2011.1 2011.2
CURSOS TOTAL
TECNOLÓGICOS
MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
Técnico Subseqüente em
Manutenção e Suporte de
INFORMAÇÃO E Informática
25 25
COMUNICAÇÃO (Autorização/Resolução
CD/CEFET-PB nº 34 de
2006)
RECURSOS Técnico Subseqüente em
NATURAIS Mineração
(Autorização/Resolução 25 25
CD/CEFET-PB nº 35 de
2006)
TOTAL 50

Campus João Pessoa


EIXOS 2011.1 2011.2
CURSOS TOTAL
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
INFRA-ESTRUTURA Técnico Subseqüente em
Edificações
(Autorização/Resolução 32 32 64
CD/CEFET-PB nº 12 de
2000)
PRODUÇÃO Técnico Subsequente em
CULTURAL E DESIGN Instrumento Musical 1
(Autorização/Resolução 20 20 40
CD/CEFET-PB nº 24 de
2005)
Técnico Subseqüente em
CONTROLE E Eletrotécnica
PROCESSOS (Autorização/Resolução 32 32 64
INDUSTRIAIS CD/CEFET-PB nº 18 de
2000)
Técnico Subseqüente em
Mecânica
(Autorização/Resolução 20 20 40
CD/CEFET-PB nº 17 de
2000)
Técnico Subseqüente em
Eletrônica
(Autorização/Resolução 20 20 40
CD/CEFET-PB nº 33 de
2000)
AMBIENTE, SAÚDE E Técnico Subseqüente em
SEGURANÇA Equipamentos
Biomédicos
20 20 40
(Autorização/Resolução
CD/CEFET-PB nº 04 de
2003)
TOTAL 288
(1). Haverá uma prova de habilidade específica teórica e prática. Instrumentos para 2011.1: 05 (cinco) vagas para percussão ou bateria, 05 (cinco) vagas
para teclado, piano ou acordeon, 05 (cinco) vagas para sax ou clarinete , 05 (cinco) vagas para contrabaixo acústico, elétrico ou cello. Instrumentos para
2011.2: 05 (cinco) vagas para trombone, tubo ou bombardino, 05 (cinco) vagas para trompete ou trompa, 05 (cinco) vagas para violino ou viola, 05
(cinco) vagas para violão ou guitarra.

Campus Monteiro
EIXOS 2011.1 2011.2
CURSOS TOTAL
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE

2
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

INFORMAÇÃO E Técnico Subseqüente em


COMUNICAÇÃO Manutenção e Suporte
em Informática
40 40 80
(Autorização/Resolução
CD/CEFET-PB nº 23 de
2008)
TOTAL 80

Campus Patos
EIXOS 2011.1 2011.2
CURSOS TOTAL
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
PRODUÇÃO Técnico Subseqüente em
INDUSTRIAL Manutenção e Suporte
em Informática 40 40
(Autorização/Resolução
CS/IFPB nº 39 de 2009)
INFRA-ESTRUTURA Técnico Subseqüente em
Edificações
(Autorização/Resolução 40 40
CD/CEFET-PB nº 25 de
2008)
TOTAL 80

Campus Picuí
EIXOS 2011.1 2011.2
CURSOS TOTAL
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
RECURSOS Técnico Subseqüente em
NATURAIS Mineração
(Autorização/Resolução 40 40
CD/CEFET-PB nº 24 de
2008.)
INFORMAÇÃO E Técnico Subseqüente em
COMUNICAÇÃO Manutenção e Suporte
em Informática
40 40
(Autorização/Resolução
CD/CEFET-PB nº 23 de
2008)
TOTAL 80

Campus Princesa Isabel


EIXOS 2011.1 2011.2
CURSOS TOTAL
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
INFORMAÇÃO E Técnico Subseqüente em
COMUNICAÇÃO Manutenção e Suporte
em Informática
40 40
(Autorização/Resolução
CD/CEFET-PB nº 23 de
2008)
INFRA-ESTRUTURA Técnico Subseqüente em
Edificações
(Autorização/Resolução 40 40
CD/CEFET-PB nº 25 de
2008)
TOTAL 80

3
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

Campus Sousa- Unidade Sede


EIXOS 2011.1 2011.2
CURSOS TOTAL
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
Técnico Subsequente em
Informática
(Autorização/Resolução 30 30
CD/EAF-PB nº 08 de
INFORMAÇÃO E 2008)
COMUNICAÇÃO Técnico Subsequente em
Informática
(Autorização/Resolução 30 30
CD/EAF-PB nº 08 de
2008)
TOTAL 60

Campus Sousa - Unidade de São Gonçalo


EIXOS 2011.1 2011.2 TOTAL
CURSOS
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
RECURSOS Técnico em Agropecuária
NATURAIS (vagas modalidade
subseqüente2)
15 15
(Autorização/Resolução
CD/EAF-PB nº 03 de
2005)
TOTAL 15
(2) Caso não haja candidatos classificados para o total de vagas destinadas à modalidade subseqüente do Curso Técnico em Agropecuária, as vagas
remanescentes serão destinadas aos candidatos classificados para a modalidade concomitante ao ensino médio do mesmo curso.

Campus Sousa - Unidade Avançada de Aparecida-PB


EIXOS 2011.1 2011.2 TOTAL
CURSOS
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
RECURSOS Técnico em Agropecuária
NATURAIS (vagas modalidade
subseqüente2)
15 15
(Autorização/Resolução
CD/EAF-PB nº 03 de
2005)
Total 15
(2) Caso não haja candidatos classificados para o total de vagas destinadas à modalidade subseqüente do Curso Técnico em Agropecuária, as vagas
remanescentes serão destinadas aos candidatos classificados para a modalidade concomitante ao ensino médio do mesmo curso.

Obs: As provas para acesso aos cursos técnicos (vagas para modalidade subseqüente) serão compatíveis com o ensino médio completo.

1.3.2 Técnico Integrado ao Ensino Médio - Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí,
Princesa Isabel e Sousa.
TOTAL GERAL: 1076 vagas

Campus - Cabedelo
2011.1
EIXOS TECNOLÓGICOS CURSOS TOTAL
MANHÃ TARDE NOITE
RECURSOS NATURAIS Técnico em Pesca
(Autorização/Resolução CS/IFPB nº 40 40
42 de 2009)
TOTAL 40

Campus - Cajazeiras
2011.1
EIXOS TECNOLÓGICOS CURSOS TOTAL
Integral
INFRA-ESTRUTURA Técnico em Edificações
(Autorização/Resolução CD/CEFET- 40 40
PB nº 28 de 2006)
CONTROLE E PROCESSOS Técnico em Eletromecânica
INDUSTRIAIS (Autorização/Resolução CD/CEFET- 40 40
PB nº 27 de 2007)

4
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

INFORMAÇÃO E Técnico em Manutenção e Suporte


COMUNICAÇÃO de Informática
40 40
(Autorização/Resolução CD/CEFET-
PB nº 45 de 2007)
TOTAL 120

Campus - Campina Grande


2011.1
EIXOS TECNOLÓGICOS CURSOS TOTAL
MANHÃ TARDE NOITE
RECURSOS NATURAIS Técnico em Mineração
(Autorização/Resolução CD/CEFET- 40 40 80
PB nº 33 de 2006)
INFORMAÇÃO E Técnico em Manutenção e Suporte
COMUNICAÇÃO em Informática
40 40
(Autorização/Resolução CD/CEFET-
PB nº 32 de 2006)
PRODUÇÃO INDUSTRIAL Petróleo e Gás
(Autorização/Resolução CS/IFPB nº 40 40 80
32 de 2009)
TOTAL 200

Campus - Campina Grande


2011.1
EIXOS TECNOLÓGICOS CURSOS TOTAL
Integral
INFORMAÇÃO E Técnico em Informática
COMUNICAÇÃO (Autorização/Resolução CS/IFPB nº 40 40
74 de 2010)
TOTAL 40

Campus - João Pessoa


2011.1
EIXOS TECNOLÓGICOS CURSOS TOTAL
MANHÃ TARDE NOITE
INFRA-ESTRUTURA Técnico em Edificações
(Autorização/Resolução CD/CEFET- 38 38
PB nº 007 de 2006)
CONTROLE E PROCESSOS Técnico em Eletrotécnica
INDUSTRIAIS (Autorização/Resolução CD/CEFET- 34 34 68
PB nº 007 de 2006)
Técnico em Mecânica
(Autorização/Resolução CD/CEFET- 38 38
PB nº 007 de 2006)
Técnico em Eletrônica
(Autorização/Resolução CD/CEFET- 38 38
PB nº 044 de 2007)
AMBIENTE, SAÚDE E Técnico em Controle Ambiental
SEGURANÇA (Autorização/Resolução CD/CEFET- 34 34
PB nº 007 de 2006)
PRODUÇÃO Técnico em Instrumento Musical
CULTURAL E DESIGN (Autorização/Resolução CD/CEFET- 30 30
PB nº 022 de 2008)
TOTAL 246

Campus - Monteiro
2011.1
EIXOS TECNOLÓGICOS CURSOS TOTAL
MANHÃ TARDE NOITE
INFORMAÇÃO E Técnico em Manutenção e Suporte
COMUNICAÇÃO em Informática
40 40
(Autorização/Resolução CS/IFPB nº
38 de 2009)
TOTAL 40

Campus - Monteiro

5
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

2011.1
EIXOS TECNOLÓGICOS CURSOS TOTAL
Integral
PRODUÇÃO Técnico em Instrumento Musical
CULTURAL E DESIGN (Autorização/Resolução CS/IFPB nº 30 30
75 de 2010)
TOTAL 30

Campus - Patos
2011.1
EIXOS TECNOLÓGICOS CURSOS TOTAL
MANHÃ TARDE NOITE
INFORMAÇÃO E Técnico em Manutenção e Suporte
COMUNICAÇÃO em Informática
40 40
(Autorização/Resolução CS/IFPB nº
40 de 2009)
INFRA-ESTRUTURA Técnico em Edificações
(Autorização/Resolução CS/IFPB nº 40 40
41 de 2009)
TOTAL 80

Campus - Picuí
2011.1
EIXOS TECNOLÓGICOS CURSOS TOTAL
MANHÃ TARDE NOITE
INFRA-ESTRUTURA Técnico em Edificações
(Autorização/Resolução CS/IFPB nº 40 40
34 de 2009)
INFORMAÇÃO E Técnico em Manutenção e Suporte
COMUNICAÇÃO em Informática
40 40
(Autorização/Resolução CS/IFPB nº
35 de 2009)
TOTAL 80

Campus - Princesa Isabel


2011.1
EIXOS TECNOLÓGICOS CURSOS TOTAL
MANHÃ TARDE NOITE
AMBIENTE, SAÚDE E Técnico em Controle Ambiental
SEGURANÇA (Autorização/Resolução CS/IFPB nº 40 40
36 de 2009)
INFRA-ESTRUTURA Técnico em Edificações
(Autorização/Resolução CS/IFPB nº 40 40
37 de 2009)
TOTAL 80

Campus Sousa - Unidade São Gonçalo


EIXOS TECNOLÓGICOS 2011.1
CURSOS Integral Total

Técnico em Agropecuária 55
(Autorização/Resolução CD/EAF- 55
PB nº 04 de 2007)
Técnico em Agropecuária 5
(candidatos oriundos de
Recursos Naturais
assentamento3) 5
(Autorização/Resolução CD/EAF-
PB nº 04 de 2007)
Técnico em Agroindústria 30
Produção Alimentícia (Autorização/Resolução CD/EAF- 30
PB nº 04 de 2005)
Técnico em Meio Ambiente 25
(Autorização/Resolução CS/IFPB 25
nº 76 de 2010)
Ambiente, Saúde e
Técnico em Meio Ambiente 5
Segurança
(candidatos oriundos de
5
assentamento3)
(Autorização/Resolução CS/IFPB

6
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

nº 76 de 2010)
TOTAL 120
(3) Os candidatos aprovados para as vagas destinadas aos oriundos de assentamentos (assentados ou filhos de assentados) deverão apresentar no ato da
matrícula uma declaração da associação do assentamento confirmando tal situação. A não apresentação dessa declaração implicará na perda do direito à
vaga e será convocado o próximo candidato, respeitando-se a ordem de classificação.

Obs: As provas para acesso aos cursos técnicos (vagas para modalidade integrada ao ensino médio) serão compatíveis com o ensino
fundamental completo.

1.3.3 Técnico Concomitante ao Ensino Médio - Campus Sousa.


TOTAL GERAL: 30 vagas

Campus Sousa - Unidade de São Gonçalo


EIXOS 2011.1 2011.2 TOTAL
CURSOS
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
RECURSOS Técnico em Agropecuária
NATURAIS (vagas modalidade
concomitante4)
15 15
(Autorização/Resolução
CD/EAF-PB nº 03 de
2005)
TOTAL 15
(4) Caso não haja candidatos classificados para o total de vagas destinadas à modalidade concomitante ao ensino médio do Curso Técnico em Agropecuária,
as vagas remanescentes serão destinadas aos candidatos classificados para a modalidade subsequente do mesmo curso.

Campus Sousa - Unidade Avançada de Aparecida-PB


EIXOS 2011.1 2011.2 TOTAL
CURSOS
TECNOLÓGICOS MANHÃ TARDE NOITE MANHÃ TARDE NOITE
RECURSOS Técnico em Agropecuária
NATURAIS (vagas modalidade
concomitante4)
15 15
(Autorização/Resolução
CD/EAF-PB nº 03 de
2005)
Total 15
(4) Caso não haja candidatos classificados para o total de vagas destinadas à modalidade concomitante ao ensino médio do Curso Técnico em Agropecuária,
as vagas remanescentes serão destinadas aos candidatos classificados para a modalidade subsequente do mesmo curso.

Obs: As provas para acesso aos cursos técnicos (vagas para modalidade concomitante com o ensino médio) serão compatíveis com o
ensino fundamental completo.

1.3.4 – OBMEP
Da Olimpíada Brasileira de Matemática do Ensino Público - OBMEP: As vagas constituídas destinadas a medalhistas (ouro e/ou prata)
da 6a. OBMEP, não farão parte do quantitativo oferecido, regularmente, pelo IFPB, na modalidade de Ensino Técnico Integrado de Nível
Médio.

1.4 DOS CÓDIGOS DOS CURSOS


1.4.1. Técnico Subseqüente

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – CABEDELO TURNO


711 Técnico Subseqüente em Pesca Tarde
712 Técnico Subseqüente em Meio Ambiente Manhã/Noite

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – CAJAZEIRAS TURNO


09 Técnico Subseqüente em Edificações Noite
10 Técnico Subseqüente em Eletromecânica Noite

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – CAMPINA GRANDE TURNO


12 Técnico Subseqüente em Mineração Manhã (2011.2)

7
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

11 Técnico Subseqüente em Manutenção e Suporte em Informática Tarde (2011.2)

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – JOÃO PESSOA TURNO


70 Técnico Subseqüente em Instrumento Musical Tarde
90 Técnico Subsequente em Eletrônica Noite
91 Técnico Subsequente em Manutenção de Equipamentos Biomédicos Noite
92 Técnico Subsequente em Edificações Noite
93 Técnico Subsequente em Eletrotécnica Noite
94 Técnico Subsequente em Mecânica Noite

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – MONTEIRO TURNO


512 Técnico Subseqüente em Manutenção e Suporte em Informática Noite

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – PATOS TURNO


612 Técnico Subseqüente em Edificações Noite
613 Técnico Subseqüente em Manutenção e Suporte em informática Noite

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – PICUÍ TURNO


311 Técnico Subseqüente em Mineração Tarde
312 Técnico Subseqüente em Manutenção e Suporte em Informática Noite

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – PRINCESA ISABEL TURNO


411 Técnico Subseqüente em Manutenção e Suporte em Informática Noite
412 Técnico Subseqüente em Edificações Noite

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – SOUSA (Unidade sede) TURNO


831 Técnico Subseqüente em Informática Tarde (2011.1)
831 Técnico Subseqüente em Informática Noite (2011.2)

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – SOUSA (Unidade de São Gonçalo) TURNO


812 Técnico Subsequente em Agropecuária Manhã (2011.1)

CÓDIGO CURSOS SUBSEQÜENTES – SOUSA (Unidade de Aparecida - PB) TURNO


821 Técnico Subseqüente em Agropecuária Tarde (2011.1)

1.4.2. Técnico Integrado ao Ensino Médio

CÓDIGO CURSOS INTEGRADOS – CABEDELO TURNO


750 Técnico em Pesca Manhã

CÓDIGO CURSOS INTEGRADOS – CAJAZEIRAS TURNO


20 Técnico em Eletromecânica Integral
21 Técnico em Edificações Integral
22 Técnico em Manutenção e Suporte em Informática Integral

CÓDIGO CURSOS INTEGRADOS – CAMPINA GRANDE TURNO


01 Técnico em Mineração Manhã/Tarde
02 Técnico em Manutenção e Suporte em Informática Tarde
03 Técnico em Petróleo e Gás Manhã/Tarde
17 Técnico em Informática Integral

CÓDIGO CURSOS INTEGRADOS – JOÃO PESSOA TURNO


71 Técnico em Edificações Tarde
72 Técnico em Eletrotécnica Manhã/Tarde
73 Técnico em Mecânica Tarde
74 Técnico em Tecnologia Ambiental Tarde
75 Técnico em Eletrônica Manhã
76 Técnico em Instrumento Musical Manhã

8
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

CÓDIGO CURSOS INTEGRADOS – MONTEIRO TURNO


550 Técnico em Informática Tarde
551 Técnico em Instrumento Musical Integral

CÓDIGO CURSOS INTEGRADOS – PATOS TURNO


650 Técnico em Edificações Manhã
651 Técnico em Manutenção e Suporte em informática Manhã

CÓDIGO CURSOS INTEGRADOS – PICUÍ TURNO


350 Técnico em Edificações Manhã
351 Técnico em Manutenção e Suporte em Informática Manhã

CÓDIGO CURSOS INTEGRADOS – PRINCESA ISABEL TURNO


450 Técnico em Edificações Manhã
451 Técnico em Controle Ambiental Manhã

CÓDIGO CURSOS INTEGRADOS – SOUSA TURNO


850 Técnico em Agropecuária Integral (2011.1)
851 Técnico em Agropecuária (Candidatos oriundos de assentamento) Integral (2011.1)
860 Técnico em Agroindústria Integral (2011.1)
862 Técnico em Meio ambiente Integral (2011.1)
863 Técnico em Meio ambiente (Candidatos oriundos de assentamento) Integral (2011.1)

1.4.3. Técnico Concomitante ao Ensino Médio

CÓDIGO CURSOS CONCOMITANTES – SOUSA (Unidade de São Gonçalo) TURNO


864 Técnico em Agropecuária Manhã (2011.1)

CÓDIGO CURSOS CONCOMITANTES – SOUSA (Unidade de Aparecida-PB) TURNO


865 Técnico em Agropecuária Tarde (2011.1)

Todos os Cursos poderão ter aulas aos sábados de acordo com o delineamento do Calendário Escolar/Acadêmico, nos períodos da manhã e/ou tarde.
Nos Cursos Técnicos Integrados e nos Cursos Técnicos Concomitantes poderão ocorrer aulas em turno oposto ao informado no Edital, de acordo com a
necessidade de cada Coordenação.

2 DA INSCRIÇÃO

2.1 DO EDITAL
O presente Edital, o Conteúdo Programático do Processo Seletivo 2011 e demais informações estarão disponíveis no endereço eletrônico do IFPB
(http://www.ifpb.edu.br/compec). No dia 05 de novembro de 2010, às 23h59min, impreterivelmente, estarão encerradas as inscrições.
A inscrição do candidato implicará o conhecimento e a tácita aceitação das condições estabelecidas neste Edital, dos quais não se
poderá alegar desconhecimento.

2.2 PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÃO


• Preencher, eletronicamente, todos os itens do Formulário de Inscrição, no endereço http://www.ifpb.edu.br/compec, inclusive o Questionário
Socioeconômico, sem erros;
• Os endereços dos Campi do IFPB estarão disponibilizados no site do IFPB (www.ifpb.edu.br/compec), ambiente da Coordenação Permanente
de Concursos Públicos (COMPEC). O telefone para contato/informação é: (83) 3208 3084.
• Após preencher o questionário eletrônico, imprimir o boleto bancário e, a seguir, recolher no Banco do Brasil o valor de:
o Para o Técnico Integrado – R$ 50,00 (cinquenta reais)
o Para o Técnico Subseqüente – R$ 40,00 (quarenta reais)
o Para o Técnico Concomitante – R$ 40,00 (quarenta reais)

2.2.1 Pagamento da Taxa:

9
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

Após o preenchimento do Formulário de Inscrição e Questionário Socioeconômico, disponível no endereço eletrônico http://www.ifpb.edu.br/compec, o
candidato deverá efetuar o pagamento da taxa, através de boleto bancário impresso, preferencialmente, no Banco do Brasil. O pagamento da taxa será
feito somente em dinheiro e/ou débito em conta corrente.
2.2.2 Período de Inscrição: de 27 de setembro a 05 de novembro de 2010.
2.2.3 O IFPB não se responsabiliza por solicitação de inscrição via Internet não recebida por motivo de ordem técnica dos computadores, falhas de
comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados ou
a impressão do comprovante do requerimento de inscrição ou do boleto bancário.
2.2.4 O candidato deverá observar atentamente o Edital, visto que o IFPB não tem autonomia para estornar/ressarcir valores
depositados na conta única da União Federal.

2.2.5. Locais de Atendimento

IFPB – Campus JOÃO PESSOA


Horário: 08h00 às 11h00 – 13h30 às 17h00
Av. Primeiro de Maio, 720 – Jaguaribe - João Pessoa – PB
Contato: (83) 3208 3084

IFPB – Campus CAJAZEIRAS


Horário: 07h30 às 11h00 – 13h00 às 17h30
Rua José Antonio da Silva, nº 300 – Jardim Oásis - Cajazeiras - PB
Contato: (83) 3531 4560 - 3531 4565

IFPB – Campus SOUSA


Horário: 07h15 às 10h45 – 13h15 às 16h45
Rua Presidente Tancredo Neves, s/n, Bairro Jardim Sorrilândia
Unidade Sede(Sousa)
Contato: (83) 3522 2727
Unidade São Gonçalo
Contato: (83) 3556 1029/ 3556 1225

IFPB – Campus CAMPINA GRANDE


Horário: 07h30 às 11h30 – 13h30 às 17h30
Rua Tranqüilino Coelho Lemos, 671 – Jardim Dinamérica I - Campina Grande - PB
Contato: (83) 2102-6200

IFPB – Campus PRINCESA ISABEL


Horário: 09h00 às 11h30 – 14h00 às 17h00
Rua: São Roque, nº 108 – Centro - Princesa Isabel – PB
Contato: (83) 9996-4779

IFPB – Campus MONTEIRO


Horário: 09h00 às 11h30 – 14h00 às 17h00
Campus Provisório do IFPB
Referência – Centro Diocesano de Monteiro
Bairro Alto de São Vicente

IFPB – Campus PICUÍ


Horário: 07h30 às 11h30 – 14h00 às 17h00
Rua: Eliziário Candido da Costa s/n Bairro JK – Picuí - PB
Contato: (83) 3371-2951

IFPB – Campus PATOS


Horário: 08h00 às 11h00 – 18h00 às 21h00
Escola Agrícola
Rua: Rodovia 110 PB, s/n – Bairro Jatobá – Auto da Tubiba - Patos – PB
Contato: (83) 3423-9534

IFPB – Campus CABEDELO


Horário: 08h00 às 11h00 – 14h00 às 17h00
Rua Pastor José Alves de Oliveira, s/n, Centro
Contato: (83) 3228-6859 / 3228-3968

2.3 PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO


2.3.1 Todas as informações prestadas são de total responsabilidade do candidato.

10
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

2.3.2 A constatação de informação incorreta de dados implicará em cancelamento automático da inscrição.


2.3.3 O simples preenchimento do Formulário de Inscrição não assegura que o candidato esteja inscrito e apto para realizar a prova. Faz-se necessário
confirmar a inscrição através do pagamento do valor da Taxa de Inscrição até a data do vencimento do boleto bancário e verificar a relação publicada a
partir do dia 10 de novembro de 2010, contendo nome, número da inscrição, nome do curso pretendido, turno.
2.3.4 Caso o candidato erre ao preencher o cadastro, esse poderá solicitar a correção de dados até 48 horas após a relação publicada ao qual se
refere o item 2.3.3, através de documento a ser entregue no Protocolo Geral do IFPB – Campi João Pessoa, Cajazeiras, Campina Grande Picuí,
Princesa Isabel, Monteiro, Patos, Cabedelo e Sousa, devidamente datado e assinado pelo candidato.
2.3.5. O Curso Técnico Subseqüente em MÚSICA oferece habilitação nos seguintes instrumentos para 2011.1: 05 (cinco) vagas para vagas para
percussão ou bateria, 05 (cinco) vagas para teclado, piano ou acordeon, 05 (cinco) vagas para sax ou clarinete , 05 (cinco) vagas para contrabaixo
acústico, elétrico ou cello. Nos seguintes instrumentos para 2011.2: 05 (cinco) vagas para trombone, tubo ou bombardino, 05 (cinco) vagas para
trompete ou trompa, 05 (cinco) vagas para violino ou viola, 05 (cinco) vagas para violão ou guitarra. Os candidatos devem estar cientes de que serão
submetidos previamente a uma prova de habilidade específica, na qual deverão demonstrar que possuem conhecimentos sobre os fundamentos da
teoria musical, treinamento auditivo mínimo para reconhecer e grafar escalas, intervalos, acordes e ritmos em compassos simples ou compostos e
dominar tecnicamente o repertório básico no instrumento escolhido.
Os candidatos inscritos no Curso Técnico Subseqüente em Música serão submetidos a três etapas.
2.3.5.1 Primeira etapa – A prova de habilitação específica teórica será realizada no dia 22 de novembro de 2010 das 14h às 17h30 no Auditório
II no IFPB Campus João Pessoa, localizada na Av. 1 º de Maio, 720 - Jaguaribe.
2.3.5.2 Segunda etapa - A prova de habilitação específica prática será realizada no período de 29 de novembro a 02 de dezembro de 2010.
O(s) dia(s) e horário(s) de prova referente a cada instrumento serão disponibilizados no site institucional. O resultado será divulgado a partir de 06
de dezembro de 2010. Serão classificados para a terceira etapa os candidatos que obtiverem média igual ou superior a 5,0 (cinco).
2.3.5.3 Terceira etapa - Prova de conhecimentos de Língua Portuguesa e Matemática, em nível de Ensino Médio (2º grau), junto com os demais
candidatos, no dia 12 de dezembro de 2010.

Conteúdo Programático da Prova Teórica: Notação Musical; Os Maiores e Menores Intervalos; Modos Maior e Menor; Armaduras; Compassos
Simples e Compostos; Ponto, Ligadura, Síncope e Contra Tempo; Quiálteras; Outros Propriedades do Som; Acordes; Convenções-Abreviaturas;
Ornamentos; As Vozes.

Conteúdo Programático da Prova Prática: Escalas Maiores e Menores; Leitura de uma Música à escolha do Candidato e Leitura de uma Peça à
escolha da Banca Examinadora.

Observações:
1. Somente os candidatos aprovados na prova de habilitação específica (teórica e prática) farão a prova no dia 12 de dezembro de 2010, ou
seja, a terceira etapa.
2. Para a prova prática, recomenda-se ao candidato trazer o seu instrumento musical.

2.4 DA DOCUMENTAÇÃO
2.4.1 No ato do preenchimento do Formulário de Inscrição, o candidato precisará do número do CPF e da Cédula de Identidade ou documento
equivalente, com foto, expedido por Órgão Oficial, com validade nacional;
2.4.2 O número do CPF e da Identidade solicitados no item 2.4.1 são necessariamente do candidato e não dos pais ou responsáveis;
2.4.3 Não será efetivada a matrícula de candidato estrangeiro sem o visto de permanência como estudante, salvo os que são beneficiados por
acordos de cooperação internacional.
2.4.4 O Candidato com deficiência/Portador de Necessidades Especiais – PNE deverá protocolar, no período de inscrição, além dos
documentos exigidos no item 2.4.1:
• Atestado Médico indicando o tipo, grau ou nível de necessidade, com referência ao código correspondente à Classificação Internacional de Doença
– CID;
• Requerimento solicitando o tipo de atendimento necessário a ser adotado para o caso específico, no(s) dia(s) da(s) prova(s);
• Sobre o atendimento solicitado, o IFPB reserva-se o direito de avaliação e decisão, conforme suas possibilidades.
2.4.5 Em cumprimento ao Decreto Federal nº 3.298/99 foram disponibilizadas 5% (cinco por cento) das vagas para Pessoas com Deficiência/ Portadores de
Necessidades Especiais. Para tanto, o candidato deverá seguir os procedimentos determinados no item 2.4.4.
2.4.6 As vagas destinadas às Pessoas com Deficiência/ Portadores de Necessidades Especiais que não forem preenchidas retornarão ao quadro das vagas
regulares.
2.4.7 Os candidatos com deficiência/Portadores de Necessidades Especiais – PNE poderão assistir à palestra sobre o perfil de cada curso que será
ministrada no dia 04 de outubro de 2010 às 10:00h no IFPB Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí,
Princesa Isabel e Sousa.
2.4.8 Os candidatos com deficiência/Portadores de Necessidades Especiais – PNE, que necessitarem mudar de opção de curso poderão solicitar essa
alteração conforme item 2.5.2 deste Edital.
2.4.9 O candidato enfermo poderá realizar a prova em seu domicílio ou em ambiente hospitalar em município da Paraíba. Para isso
deverá:
Protocolar requerimento no IFPB Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa com
antecedência de 72h (setenta e duas horas) antes da realização da prova.
• Anexar ao Requerimento o Atestado Médico com o Código Internacional de Doença – CID;
• No Atestado, o médico responsável deverá informar se o paciente está em condições físicas e psicológicas para deslocar-se e realizar a prova, sem
causar prejuízo ao tratamento a que está se submetendo.

2.5 DA CONFIRMAÇÃO DE INSCRIÇÃO

11
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

2.5.1 A partir do dia 10 de novembro de 2010, a Coordenação Permanente de Concursos Públicos do IFPB disponibilizará para os candidatos a
confirmação de Inscrição, contendo nome, número da inscrição, nome do curso pretendido e turno no endereço eletrônico
http://www.ifpb.edu.br/compec, nos murais do IFPB Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel
e Sousa.
2.5.2 Caso haja divergência com relação aos dados, o candidato deverá solicitar a alteração de dados através do documento entregue no Protocolo
do Campus para onde se inscreveu devidamente datado, assinado pelo candidato até 48 horas após a relação publicada ao qual se refere o
item 2.5.1.
2.5.3 Serão anuladas as inscrições que não obedecerem às determinações contidas neste Edital.

3 DA ISENÇÃO

Fica estabelecido o período de 04 a 15 de outubro de 2010 para o candidato protocolar solicitação de isenção da taxa de inscrição para o processo
seletivo 2011 para o IFPB Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa.
Dos critérios para isenção.
3.1. O IFPB oferecerá o benefício de Isenção das Despesas de Inscrição aos candidatos que atenderem, através de documento
comprobatório, a um dos seguintes requisitos:
a) ter cursado todo o Ensino Médio ou estar cursando o Ensino Médio, em regime regular, em escolas da Rede Pública de Ensino Federal,
Estadual Municipal, Escolas Filantrópicas ou Comunitárias e Escolas Particulares como Bolsista integral
b) ter cursado toda a 2ª Fase do Ensino Fundamental ou estar cursando a 2ª Fase do Ensino Fundamental, isto é do 6º ao 9º ano ou da antiga 5ª a 8ª
série, em regime regular, em escolas da Rede Pública de Ensino Federal, Estadual Municipal, Escolas Filantrópicas ou Comunitárias e
Escolas Particulares como Bolsista integral
c) ser participante do Programa de Bolsa Família e estar inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico),
de que trata o Decreto nº 6.135, de 26 de junho de 2007; ou
d) ser participante de renda familiar mensal (bruta) igual ou inferior a R$ 1.395,00 (um mil trezentos e noventa e cinco reais).
3.2. Os candidatos terão que:
3.2.1. Preencher corretamente todos os itens do Formulário de Inscrição e Questionário Socioeconômico no endereço www.ifpb.edu.br/compec.
3.2.2. Preencher o Formulário de Solicitação de Isenção disponível no site do IFPB www.ifpb.edu.br/compec, sem rasuras, assinado e datado pelo
candidato e/ou responsável, quando menor de idade, e anexar a este:
a) o boleto bancário que comprove o preenchimento do formulário de inscrição;
b) declaração comprovando os requisitos estabelecidos no item 3.1 que deverá estar devidamente assinada, sem rasuras, legível e com identificação do
responsável pela emissão, disponível no endereço eletrônico www.ifpb.edu.br/compec.
3.3. O item 3.1 letra “c)” deverá ser comprovado através da cópia do cartão do Bolsa Família e da CÓPIA REPROGRÁFICA da certidão de nascimento,
RG ou comprovante de vínculo do candidato com o (a) solicitante.
3.4. No item 3.1 letra “d)” será exigida uma declaração de renda familiar quando o candidato não possuir contracheque (holerite) atualizado e/ou
carteira de trabalho, além de comprovante de residência atualizado com o mesmo endereço informado no Formulário de Solicitação de Isenção,
disponível no endereço eletrônico www.ifpb.edu.br/compec.
3.5. A declaração de renda familiar, os comprovantes de rendimento e de endereço deverão estar em nome do (a) solicitante ou de seu responsável.
Caso seja de seu responsável, anexar, CÓPIA REPROGRÁFICA DA CERTIDÃO DE NASCIMENTO OU CASAMENTO, ou ainda, qualquer outro
documento comprobatório do vínculo deste com o (a) solicitante.
3.6. Todos os modelos de Declaração estão disponível no site do IFPB www.ifpb.edu.br/compec.
3.7. O não preenchimento do formulário de inscrição ou a não apresentação de quaisquer dos documentos solicitados resultarão no
indeferimento automático da Solicitação de Isenção.
3.8. O candidato ou seu(s) representante(s) legal(is) responderá (ão) civil e criminalmente por informações improcedentes.
3.9. A partir do dia 29 de outubro de 2010, o IFPB divulgará o resultado da Solicitação de Isenção no endereço eletrônico
www.ifpb.edu.br/compec, nos murais do IFPB Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e
Sousa.
3.10. O candidato cujo pedido de isenção for indeferido deverá pagar o boleto bancário no período previsto para a inscrição e verificar a
confirmação de inscrição no site www.ifpb.edu.br/compec.
3.11. O candidato poderá interpor recurso até 48h após a divulgação do resultado de Solicitação de Isenção, através de documento entregue no
Protocolo Geral do IFPB Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa, devidamente
datado e assinado pelo candidato.
3.12. O candidato cujo pedido de isenção for deferido, deverá verificar a confirmação de sua inscrição, no endereço eletrônico
www.ifpb.edu.br/compec.

4. DAS COTAS PARA REDE PÚBLICA

4.1. Para cada curso oferecido pelo IFPB no processo seletivo nos Cursos da Educação Profissional Técnica de Nível Médio – Modalidades Integrada ou
Concomitante (Ensino técnico + médio), será destinada uma cota de cinqüenta por cento (50%) por curso/turno para preenchimento por candidato
aprovado que tiver cursado o Ensino Fundamental – 2ª fase, isto é do 6º ao 9º ano ou da antiga 5ª a 8ª série, em regime regular ou na
modalidade EJA, em escolas da Rede Pública de Ensino Federal, Estadual ou Municipal.
4.1.1 Protocolar requerimento no IFPB Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa, no
período de 04 a 15 de outubro de 2010, anexando os documentos mencionados abaixo:
a) Formulário de Solicitação de Cota disponível no site do IFPB www.ifpb.edu.br/compec totalmente preenchido, sem rasuras, assinado e datado pelo
candidato e/ou responsável, caso menor de idade, no ato da solicitação;
b) Anexar o boleto bancário que comprove o preenchimento do formulário de inscrição.

12
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

c) Documento comprobatório - modelo de Declaração disponível no site do IFPB www.ifpb.edu.br/compec ou Histórico Escolar (original e cópia
reprográfica) devidamente assinado, sem rasuras, legível e com identificação do responsável pela emissão, comprovando ter cursado o Ensino
Fundamental – 2ª fase, isto é do 6º ao 9º ano ou da antiga 5a a 8a séries, em regime regular, em escolas da Rede Pública de Ensino Federal,
Estadual ou Municipal da República Federativa do Brasil.
4.1.2 A partir do dia 25 de outubro de 2010, o IFPB divulgará o resultado da Solicitação de Cota no endereço eletrônico www.ifpb.edu.br/compec,
nos murais do IFPB Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa.
4.1.3 O candidato poderá interpor recurso até 48h após a divulgação do resultado de Solicitação de Cota, através de documento entregue no Protocolo
dos Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa, devidamente datado e assinado pelo
candidato.

5. DAS PROVAS

5.1 DOS CRITÉRIOS PARA A PROVA

5.1.1 Técnico Subseqüente

CURSOS DISCIPLINAS QUANTIDADE DE QUESTÕES


Língua Portuguesa 20
PARA TODOS OS CURSOS
Matemática 20

5.1.1.1 A prova para o Técnico Subseqüente constará de um único teste que avaliará conhecimentos de Língua Portuguesa e Matemática em nível de
Ensino Médio, abrangendo os conteúdos programáticos que constam deste Edital.
5.1.1.2 Será eliminado do processo seletivo o candidato que obtiver 0 (zero) em qualquer uma das provas.
5.1.1.3 A classificação para cada habilitação obedecerá, rigorosamente, à ordem decrescente dos resultados obtidos pelos candidatos, observando o
limite total de vagas.
5.1.1.4 As provas objetivas constarão de 40 (quarenta) questões objetivas, sendo atribuído 2,5 (dois pontos e meio) a cada questão correta.
5.1.1.5 As provas terão questões objetivas, cada uma delas com 05 (cinco) alternativas, com uma única opção correta.
5.1.1.6 A avaliação da prova contendo questões de múltipla escolha será feita por processo de leitura ótica do Cartão-Resposta personalizado.
5.1.1.7 Caso seja anulada alguma questão, esta será computada como acerto para todos os candidatos.
5.1.1.8 As respostas das questões das provas deverão, obrigatoriamente, ser transcritas para o Cartão-Resposta, que será o único documento válido
utilizado na correção eletrônica.

5.1.2 Técnico Integrado e Técnico Concomitante ao Ensino Médio

CURSOS DISCIPLINAS QUANTIDADE DE QUESTÕES


Língua Portuguesa 15
Matemática 15
PARA TODOS OS CURSOS
Geografia 10
História 10

5.1.2.1 A prova para o Técnico Integrado e para o Técnico Concomitante constará de um único teste que avaliará conhecimentos de Língua
Portuguesa, Matemática, Geografia e História em nível de Ensino Fundamental, abrangendo os conteúdos programáticos que constam deste Edital.
5.1.2.2 Será eliminado do processo seletivo o candidato que obtiver 0 (zero) em qualquer uma das provas
5.1.2.3 A classificação para cada habilitação obedecerá, rigorosamente, à ordem decrescente dos resultados obtidos pelos candidatos, observando o
limite total de vagas.
5.1.2.4 As provas objetivas constarão de 50 (cinqüenta) questões objetivas, sendo atribuído 2,0 (dois pontos) a cada questão correta.
5.1.2.5 As provas terão questões objetivas, cada uma delas com 05 (cinco) alternativas, com uma única opção correta.
5.1.2.6 A avaliação da prova contendo questões de múltipla escolha será feita por processo de leitura ótica do Cartão-Resposta personalizado.
5.1.2.7 Caso seja anulada alguma questão, esta será computada como acerto para todos os candidatos.
5.1.2.8 As respostas das questões das provas deverão, obrigatoriamente, ser transcritas para o Cartão-Resposta, que será o único documento válido
utilizado na correção eletrônica.

5.2 DAS DATAS E HORÁRIO DAS PROVAS

5.2.1. As provas para o Técnico Subseqüente serão realizadas no dia 12 de dezembro de 2010 (Domingo) das 8h às 11h.
5.2.1.1 Primeira etapa – A prova de habilitação específica teórica para o curso Técnico Subseqüente em Instrumento Musical será realizada no dia
22 de novembro de 2010 das 14h às 17h30 no Auditório II no IFPB Campus João Pessoa, localizada na Av. 1 º de Maio, 720 - Jaguaribe.
5.2.1.1.2 Segunda etapa - A prova de habilitação específica prática para o curso Técnico Subseqüente em Instrumento Musical será realizada no
período de 29 de novembro a 02 de dezembro de 2010. O(s) dia(s) e horário(s) de prova referente a cada instrumento serão disponibilizados no
site institucional.
5.2.2. As provas para o Técnico Integrado e para Técnico Concomitante serão realizadas no dia 12 de dezembro de 2010 (Domingo) das 8h às 12h.

5.3 LOCAL

13
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

5.3.1.O local das provas será divulgado na listagem a ser publicada a partir do dia 03 de dezembro no endereço eletrônico
www.ifpb.edu.br/compec, nos murais do IFPB – Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e
Sousa.
5.3.2. O candidato somente poderá realizar a prova na cidade em cujo Campus funciona o curso para o qual se inscreveu.
5.3.3. Caso o candidato compareça ao local da prova errado, será desclassificado.

5.4 DA APLICAÇÃO DA PROVA

5.4.1. Para o Técnico Subseqüente


Duração da Prova: 03 (três horas).

5.4.2 Para o Técnico Integrado e para o Técnico Concomitante


Duração da Prova: 04 (quatro horas).

5.4.4 Tempo mínimo de permanência na sala de Prova: 01 (uma hora).


5.4.5 O candidato deverá estar no local de realização das provas com antecedência mínima de 30 (trinta) minutos, munido de documento oficial com
foto.
5.4.6 O portão do prédio, onde serão realizadas as provas será aberto às 07h20 (sete horas e vinte minutos) e fechado às 8h (oito horas),
impreterivelmente. Após ter fechado o portão, não será permitida a entrada de nenhum candidato no prédio. Impedido de realizar a prova, o candidato
estará automaticamente desclassificado do Processo Seletivo.
5.4.7 Não será permitido, ao candidato realizar as provas fora do local estabelecido na Lista de Confirmação, salvo os casos previstos no item 2.4.5.
5.4.8 Os cadernos de prova só poderão ser levados pelos candidatos depois de decorridas 01 (uma hora) do início das provas, para o Técnico
Subseqüente e o Técnico Integrado.
5.4.9 No dia 12 de dezembro de 2010, o IFPB divulgará o gabarito no endereço eletrônico http://www.ifpb.edu.br/compec, nos murais do IFPB -
Campi: Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa.
5.4.10 - O candidato poderá interpor recurso até 24h após a divulgação do gabarito, através de documento entregue no Protocolo dos Campi do IFPB-
Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa, devidamente datado e assinado pelo candidato.
5.4.11 - O resultado do gabarito final será divulgado até o dia 16 de dezembro de 2010, no endereço eletrônico http://www.ifpb.edu.br/compec e
nos murais do IFPB – Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa.

7 DA CLASSIFICAÇÃO
7.1 Os candidatos serão classificados por curso, em ordem decrescente, de acordo com a somatória dos pontos obtidos, considerando-se o
desempenho dos concorrentes nas provas.
7.2 Critério de Desempate
No caso de empate na mesma opção de curso e turno, será classificado o candidato que obtiver o maior número de pontos nas disciplinas de Língua
Portuguesa e Literatura e Matemática respectivamente. Permanecendo o empate, será classificado o candidato de maior idade.

8 DA DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS


A relação dos candidatos aprovados na 1ª Chamada, obedecendo ao limite de vagas de cada curso, será divulgada até o dia 10 de janeiro de 2011,
no endereço eletrônico http://wwwifpb.edu.br/compec e nos murais dos Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos,
Picuí, Princesa Isabel e Sousa.

9 DAS MATRÍCULAS
9.1 As matrículas serão efetuadas na Coordenação de Controle Acadêmico do Campus para o qual foi inscrito e classificado, em conformidade com o
Edital publicado pela Pró-Reitoria de Ensino, através da internet: http:// www.ifpb.edu.br/compec.
9.2 A matrícula deverá ser efetivada pelo candidato, se maior de idade, ou seu representante legal, se menor de idade. Caso o candidato seja maior de
idade e não puder se fazer presente no ato da matrícula, nomear procurador legal através de procuração particular ou pública.
9.3 No ato da matrícula deverão ser apresentados os documentos solicitados para tal finalidade: 02 fotos 3x4; original e cópia da certidão de
nascimento ou casamento, carteira de identidade, CPF, título de eleitor e prova de quitação com a Justiça Eleitoral (maior de 18 anos), reservista
(sexo masculino e maior de 18 anos), certificado de conclusão do ensino fundamental e do ensino médio, acompanhado do histórico escolar,
declaração da associação do assentamento comprovando que o candidato é assentado ou filho de assentado (somente para os candidatos para as
vagas destinadas a oriundos de assentamento, conforme item 1.3.2 deste Edital).
9.4 A ordem de matrícula para preenchimento das vagas para cada semestre será feita em ordem decrescente de acordo com o número oferecido para
cada tempo.
9.5 O candidato que não efetivar sua matrícula na data estabelecida perderá o direito à vaga e será convocado o próximo candidato, respeitando-se a
ordem de classificação.
9.6 Se existir vagas não preenchidas após o término da matrícula de 1ª Chamada, o IFPB divulgará, editais pela Pró-reitoria de Ensino (Edital de 2ª
Chamada, 3a Chamada, etc.), através do site da Instituição (http://www.ifpb.edu.br/compec), até que o grupo previsto se complete.

10. DA REVISÃO
As provas, em virtude de suas características, não estarão sujeitas à revisão.

11. DO INÍCIO DAS AULAS


Conforme Calendário Escolar a ser divulgado na internet pelo site da Instituição (http://www.ifpb.edu.br).

14
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

12. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS


12.1 As disposições e instruções divulgadas no endereço eletrônico do IFPB constituem normas e passam a integrar o presente Edital.
12.2 O candidato que ingressar na sala de realização das provas PORTANDO telefone celular, boné, máquina de calcular, walkman, pager, dicionário
ou qualquer outro tipo de aparelho eletrônico, deverá entregar ao fiscal de sala os aparelhos eletrônicos devidamente desligados, bem como entregar
os outros itens acima citados, sob pena de sua eliminação no Processo Seletivo do IFPB, nos Campi Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João
Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa. (caso o celular do candidato “toque” durante a realização das provas o mesmo será eliminado).
12.3 Será eliminado do Processo Seletivo o candidato que, durante a realização das provas, comunicar-se com outros candidatos, efetuar empréstimos,
for apanhado em flagrante utilizando-se de qualquer meio na tentativa de burlar a prova, usar outros meios ilícitos, for responsável por falsa
identificação pessoal, ou ainda praticar atos contra as demais normas contidas neste Edital e nas instruções fornecidas ao candidato.
12.4 Também será eliminado, em qualquer época, o candidato que houver realizado prova usando documentos ou informações falsas ou de outros
meios ilícitos.
12.5 Para garantir a lisura e a segurança do Processo Seletivo, o IFPB poderá utilizar equipamentos eletrônicos ou solicitará à autoridade competente a
identificação datiloscópica do candidato, podendo, ainda fazer vistoria rigorosa. É de inteira responsabilidade do candidato qualquer transtorno por ele
ocasionado.
12.6 Serão divulgados, sempre que necessário, Editais, Normas Complementares e Avisos Oficiais sobre o Processo Seletivo.
12.7 A não observância das disposições e instruções contidas neste Edital, no Caderno de Provas, nas Normas Complementares e nos Avisos Oficiais
que o IFPB venha a divulgar poderá acarretar a eliminação do candidato do presente Processo.
12.8 O aluno deverá matricular-se no curso e turno do Campus no qual funciona o curso para o qual se inscreveu.
12.9 Os casos omissos serão solucionados pelo IFPB.
12.10 Será publicado, no Diário Oficial da União (D.O.U), o extrato do presente Edital, contendo obrigatoriamente:
• Cursos, vagas e turnos;
• Local de inscrição;
• Data e horário de realização das provas;
• Período de Isenção e Cota;
• Documentação para Inscrição.

João Pessoa, 20 de setembro de 2010.

João Batista de Oliveira Silva


Reitor do IFPB

15
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

PERFIL DOS CURSOS TÉCNICOS SUBSEQÜENTES

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM INSTRUMENTO MUSICAL


A produção artístico-musical caracteriza-se pela aquisição e interpretação como também pela preservação e utilização da linguagem musical.
Esta se destina a informar e promover a cultura e o lazer.
O Técnico em Instrumento Musical deverá apresentar um perfil de formação que compreenda atividades de criação, desenvolvimento,
produção e difusão da cultura musical. Para definir o perfil profissional de um egresso do curso técnico, necessita-se das seguintes
exigências:
O concluinte terá reunido em sua formação os subsídios essenciais para assegurar a boa qualidade de sua prática musical como
instrumentista, cantor, performance individual (como solistas), ou em atividades coletivas, orquestras, bandas, coros, grupos camerísticos e
grupos populares e demais espaços de atuação nas quais a música esteja inserida.
Nesse sentido, a busca pelo perfil ideal do concluinte do Curso Técnico em Instrumento Musical inclui também preocupações sobre postura
ética e profissional, aspectos psicológicos que envolvem a performance, vestuário, voz e atuação em palco, ou seja, o componente
comportamental do profissional. As competências profissionais desejadas devem não só referir-se à prática instrumental e vocal, mas também
as que possibilitem a contextualização do fato musical. No entanto, tendo em vista que as atividades profissionais exercidas pelo músico
estão voltadas para a performance, o estudante egresso deverá desenvolver competências que levem a obter, por exemplo, uma melhor
postura cênica no palco.

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM EDIFICAÇÕES


O Técnico em Edificações é um profissional com formação fundamentada em bases instrumentais, científico-tecnológicas e humanísticas,
devendo atuar com postura profissional e crítica no planejamento, projeto, execução e manutenção de obras de edificações.
Esse profissional poderá desempenhar suas atividades como: elaborar e executar projetos de edificações conforme normas técnicas de
segurança e de acordo com legislação específica, planejar a execução e elaborar orçamento de obras, prestar assistência técnica no estudo e
desenvolvimento de projetos e pesquisas tecnológicas na área de edificações, orientar e coordenar a execução de serviços de manutenção de
equipamentos e de instalações em edificações, orientar na assistência técnica para compra, venda e utilização de produtos e equipamentos
especializados.
A possibilidade de atuação é em Empresas públicas e privadas de construção civil. Escritórios de projetos e de construção civil. Canteiros
de obras, bem como autônomo (prestador de serviços).
Módulo I: Introdutório 1 – 400 horas
Módulo II: Introdutório 2 – 400 horas
Módulo III: Planejamento e Projeto em Edificações – 400 horas
Módulo IV: Execução e Manutenção de Obras em Edificações – 400 horas

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS


O Técnico em Manutenção de Equipamentos Biomédicos é um profissional capaz de participar da instalação de sistemas de alimentação de
energia elétrica em instituições de saúde, e realizar manutenção em equipamentos eletromédicos, além de realizar a calibração e aferição dos
mesmos.
Módulo I: Técnicas Básicas em Eletrônica – 400 horas
Módulo II: Auxiliar em Instalação de Equipamentos Médico-Hospitalares – 400 horas
Módulo III: Auxiliar em Manutenção de Equipamentos Médico-Hospitalares de Baixa Complexidade – 400 horas
Módulo IV: Auxiliar em Manutenção de Equipamentos Médico-Hospitalares de Média Complexidade – 400 horas

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM MANUTENÇÃO E SUPORTE EM INFORMÁTICA


Realiza manutenção preventiva e corretiva de equipamentos de informática, identificando os principais componentes de um computador e
suas funcionalidades. Identifica as arquiteturas de rede e analisa meios físicos, dispositivos e padrões de comunicação. Avalia a necessidade
de substituição ou mesmo atualização tecnológica dos componentes de redes. Instala, configura e desinstala programas básicos, utilitários e
aplicativos. Realiza procedimentos de becape e recuperação de dados.
O curso é composto de blocos de conhecimento que envolve Formação geral, Arquitetura de computadores, Sistemas operacionais e
aplicativos comerciais e Redes de computadores e infra-estrutura de informática.
A possibilidade atuação é em instituições públicas, privadas e do terceiro setor que demandem suporte e manutenção de informática ou
na prestação autônoma de serviços

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM ELETROTÉCNICA


O Técnico em Eletrotécnica é um profissional habilitado para o planejamento, execução e manutenção de sistemas elétricos prediais,
industriais e de redes de distribuição, com visão crítica e global do sistema produtivo em sua contextualização sócio-econômica,
organizacional e metodológica do trabalho.
Módulo I: Inicial – 336 horas
Módulo II: Instalações Elétricas Prediais e de Redes de Distribuição - 333 horas
Módulo III: Instalações Elétricas Industriais – 317 horas
Módulo IV: Complementar – 265 horas

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM MECÂNICA


O Técnico Industrial em Manutenção de Equipamentos Mecânicos é um profissional capaz de executar tarefas de caráter técnico relativas ao
planejamento, controle e execução de atividades de manutenção de máquinas e equipamentos, e utilizar máquinas, ferramentas manuais e
automatizadas para fabricação de peças, controlando sua qualidade e custos.

16
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

Módulo I: Inicial – 400 horas


Módulo II: Programação de Manutenção Industrial – 400 horas
Módulo III: Mecânico Operacional – 400 horas
Módulo IV – Mecânico de Manutenção – 400 horas

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM ELETRÔNICA


O currículo do Curso Técnico subsequente em Eletrônica capacita o profissional para a manutenção de redes de computadores,
microcomputadores e manutenção de equipamentos e controle de sistemas industriais.
A possibilidade atuação do técnico em Eletrônica abrange:
- Instituições que utilizem materiais, dispositivos, instrumentos e equipamentos elétricos e/ou eletrônicos e de informática;
- Indústrias de uma forma geral;
- Comercialização de componentes, instrumentos e equipamentos.

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM MINERAÇÃO


O Técnico em Mineração é um profissional capaz de atuar nas áreas de desenvolvimento de projetos técnicos e de planejamento de
atividades de prospecção e avaliação técnica e econômica de depósitos minerais e minerais betuminosos, o planejamento das etapas de
preparação de jazidas, a extração, o tratamento do minério, as operações auxiliares, o controle e mitigação dos pactos ambientais e a
recuperação de áreas lavradas e degradadas, além da formação cidadã ética e de elevado grau de responsabilidade social.
Opera equipamentos de extração mineral, sondagem, perfuração, amostragem e transporte. Auxilia na caracterização de minérios sob os
aspectos físico-químico, mineralógico e granulométrico. Executa projetos de desmonte, transporte e carregamento de minérios. Monitora a
estabilidade de rochas em minas subterrânea e a céu aberto. Auxilia na elaboração de mapeamento geológico e amostragem em superfície e
subsolo. Opera equipamentos de fragmentação, de separação mineral, separação sólido-líquido, hidrometalúrgicos e secagem.
A possibilidade atuação é em empresas de mineração e de petróleo. Empresas de equipamentos de mineração e de consultoria. Centros
de pesquisa em mineração.

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM ELETROMECÂNICA


O Técnico de Eletromecânica é um profissional habilitado para atuar nas áreas de projeto, produção, operação e manutenção de
equipamentos e instalações industriais, além de prestar assistência técnica na compra, venda e utilização de equipamentos eletromecânicos,
além da formação cidadã éticos e de elevado grau de responsabilidade social.
Módulo I: Fundamentos Básicos de Eletromecânica
Módulo II: Planejamento e Projeto de Sistemas Eletromecânicos
Módulo III: Execução e Instalação de Sistemas Eletromecânicos
Módulo IV: Operação e Manutenção e Sistemas Eletromecânicos

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM PESCA


Executa atividades relacionadas à pesca extrativa, operações de embarque e desembarque. Auxilia na condução da embarcação à área de
pesca, utilizando procedimentos de armação. Constrói e mantém apetrechos de pesca (como redes de pesca, iscas, armadilhas, anzóis).
Realiza procedimentos de beneficiamento do pescado nas embarcações. Opera equipamentos como radares, bússolas, GPS, barômetros.
Possibilidades de atuação em Instituições públicas e privadas ligadas à pesca. Empresas de pesca e de beneficiamento de pescado e de
forma autônoma.

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM MEIO AMBIENTE


Coleta e interpreta informações, dados e documentações ambientais. Colabora na elaboração de laudos, relatórios e estudos ambientais.
Planeja, organiza e atua em programas de educação ambiental, de conservação e preservação dos recursos naturais, de redução, reuso e
reciclagem. Identifica os efeitos da poluição sobre a saúde. Aplica técnicas de preservação e recuperação dos ecossistemas.
Possibilidades de atuação em Instituições públicas e privadas, além do terceiro setor. Estações de tratamento de resíduos. Unidades de
conservação ambiental.

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM AGROPECUÁRIA


O Técnico em Agropecuária é capaz de identificar, analisar problemas e potencialidades para a condução do desenvolvimento rural
sustentável; conceber metodologia adequada para a realização de diagnóstico regional e municipal; atuar na identificação das oportunidades
de negócios, planejamento, implantação, manutenção e gerenciamento de projetos agrícolas e pecuários, visando uma exploração
sustentável tanto na criação de animais domésticos, auxiliando nos serviços de inspeção de produtos de origem animal, quanto na orientação
para a preparação da infra-estrutura necessária aos cultivos.
Ele terá também competência que permita superar os limites de sua ocupação no seu campo de atualização para transitar por outros campos
da mesma área profissional ou de áreas afins.
O profissional dessa área possui também competências que procuram ampliar, renovar seus conhecimentos para atuar no mundo do
trabalho em constante mutação e permanente desenvolvimento.

CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM INFORMÁTICA


O profissional egresso do Curso Técnico de Nível Médio em Informática, na modalidade Subseqüente do IFPB- Campus Sousa, deve ser
capaz de: conhecer lógica e linguagem de programação; criar programa; configurar e instalar Sistemas Operacionais; preparar técnicos para
realizar manutenção em Hardwares; desenvolver bancos de dados; interpretação de sistemas computacionais; montar e configurar redes de
computadores; utilizar Aplicativos; conhecer e manipular arquiteturas e Interfaces; aplicar os conhecimentos científicos e tecnológicos
construídos; reconstruídos e acumulados historicamente; ter senso crítico; impulsionar o desenvolvimento econômico da região, integrando a
formação técnica ao pleno exercício da cidadania.

17
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

PERFIL DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO

HABILITAÇÃO ELETRÔNICA
O currículo do Curso Técnico Integrado de Nível Médio em Eletrônica apresenta uma formação humanista e tecnológica, crítica e reflexiva,
sendo capacitado a planejar, organizar, coordenar, controlar e avaliar:
• Planos e programas de manutenção e instalação em sistemas, equipamentos e instrumentos eletrônicos, com aplicação em diversas
áreas, como telecomunicações, tecnologia em saúde e microinformática;
• Instalação e manutenção de sistemas automatizados;
• Atividades de pesquisa e desenvolvimento;
• Atividades relacionadas à documentação técnica;
• Planos orçamentários de projetos;
• Emissão de pareceres técnicos;
• Treinamento de pessoal.

HABILITAÇÃO EDIFICAÇÕES
O currículo do Curso Técnico Integrado de Nível Médio em Edificações, além da formação geral do Ensino Médio, concentra estudos em áreas
ligadas a projeto, construção e manutenção de obras de edificações, além da formação cidadã ética e de elevado grau de responsabilidade
social.
O curso terá duração de 4 anos, com certificação única referente à conclusão do Ensino Médio e diplomação técnica de nível médio em
Edificações.

HABILITAÇÃO ELETROTÉCNICA
O currículo do Curso Técnico Integrado de Nível Médio em Eletrotécnica proporciona, ao longo da formação de Ensino Médio, a formação
técnica com vistas ao planejamento, à execução e manutenção de sistemas elétricos específicos e de redes de distribuição, além da formação
cidadã e ética e de elevado grau de responsabilidade social.
O curso terá duração de 4 anos, com certificação única referente à conclusão do Ensino Médio e diplomação de nível médio em Eletrotécnica.

HABILITAÇÃO MECÂNICA
O currículo do Curso Técnico Integrado de Nível Médio em Mecânica proporciona, ao longo da formação de Ensino Médio, a formação técnica
relativa ao planejamento, controle e execução de atividades de manutenção de máquinas e equipamentos, além da formação cidadã ética e
de elevado grau de responsabilidade social.
O curso terá duração de 4 anos, com certificação única referente à conclusão do Ensino Médio e diplomação técnica de nível médio em
Mecânica.

HABILITAÇÃO EM CONTROLE AMBIENTAL


O currículo do Curso Técnico Integrado de Nível Médio em Controle Ambiental visa qualificar profissionais, integrantes de equipes
multidisciplinares, com competências para a solução de problemas de natureza tecnológico- ambiental, atuando em empresas públicas e
privadas, junto ao planejamento ambiental, visando aprimorar os ambientes urbanos e suas interfaces, tendo como foco o tratamento e
monitoramento dos poluentes ambientais, além da formação cidadã éticos e de elevado grau de responsabilidade social.
O curso terá duração de 4 anos, com certificação única referente à conclusão do Ensino Médio e diplomação técnica de nível médio em
Tecnologia Ambiental.

HABILITAÇÃO EM MINERAÇÃO
O currículo do Curso Técnico Integrado de Nível Médio em Mineração tem o perfil de um profissional com atuação nas áreas de
desenvolvimento de projetos técnicos e de planejamento de atividades de prospecção e avaliação técnica e econômica de depósitos minerais
e minerais betuminosos, o planejamento das etapas de preparação de jazidas, a extração, o tratamento de minério, as operações auxiliares, o
controle e mitigação dos impactos ambientais e a recuperação de áreas lavradas e degradadas, além da formação cidadã ética e de elevado
grau de responsabilidade social.
O curso terá duração de 4 anos, com certificação única referente à conclusão do Ensino Médio e diplomação técnica de nível médio em
Mineração.

HABILITAÇÃO EM MANUTENÇÃO E SUPORTE EM INFORMÁTICA


O currículo do Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática habilita o egresso realizar instalação e manutenção
preventiva e corretiva de equipamentos na área de Informática/Indústria oferecendo-lhe condições de conhecer o funcionamento do
computador e suas possibilidades de configuração, além de preparar para as duas situações já citadas, oferece formação cidadã éticos e de
elevado grau de responsabilidade social.
O curso terá duração de 4 anos, com certificação única referente à conclusão do Ensino Médio e diplomação técnica de nível médio em
Instalação e Manutenção de Equipamentos de Informática e Redes.

HABILITAÇÃO EM ELETROMECÂNICA
O currículo do Curso Técnico Integrado em Eletromecânica atuará nas áreas de projeto, produção, operação e manutenção de equipamentos
e instalações industriais, além de prestar assistência técnica na compra, venda e utilização de equipamentos eletromecânicos, além da
formação cidadã éticos e de elevado grau de responsabilidade social.

18
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

O curso terá duração de 4 anos, com certificação única referente à conclusão do Ensino Médio e diplomação técnica de nível médio em
Eletromecânica.

HABILITAÇÃO EM INSTRUMENTO MUSICAL


Desenvolve atividades em desempenho instrumental (concertos, recitais, shows, eventos, programas de rádio e televisão, gravações).
Colabora em atividades de ensino de música e artes cênicas. Este curso assume linha de formação distinta de acordo com o(s) instrumenta(s)
eleito para a formação. Tem como possibilidade de temas a serem abordados na formação: percepção, linguagem, estruturação e estética da
música (ritmo, melodia, harmonia, textura, forma); gêneros e estilos musicais; técnicas específicas e repertório do respectivo instrumento.
Poderá atuar em bandas; orquestras; conjuntos de música, popular e folclórica; grupos de câmara; estúdios de gravação; rádio, televisão,
multimídia e espaços alternativos de interação social, lazer e cultura.
O curso terá duração de 4 anos, com certificação única referente à conclusão do Ensino Médio e diplomação técnica de nível médio em
Instrumento Musical.

HABILITAÇÃO EM PETRÓLEO E GÁS


O profissional de Petróleo e Gás terá um perfil associado às necessidades de empresas públicas e privadas, nacionais ou estrangeiras,
atuando em campo em constante expansão em todo o mundo, estando cônscio da importância econômica dessa atividade, sem perder o foco
das responsabilidades social e ambiental.
Terá habilidades para:
− Operar e controlar plantas industriais de petróleo e gás;
− Pesquisar e desenvolver produtos e processos;
− Programar e executar manutenção corretiva, preditiva e preventiva em máquinas;
− Inspecionar serviços da manutenção corretiva, preditiva e preventiva em equipamentos e instalações industriais de petróleo e gás;
− Orientar o tratamento prévio e complementar de produtos e resíduos industriais;
− Auxiliar na operação de instalações de equipamentos de petróleo e gás;
− Auxiliar no controle dos efeitos ambientais gerados por operações de petróleo e gás;
− Auxiliar o Engenheiro de Petróleo na pesquisa de jazidas de petróleo e gás, bem como na formulação de projetos de transporte e
armazenamento de petróleo e seus derivados;
− Acompanhar a instalação de equipamentos separadores óleo-água-gás.
Possibilidades de atuação: O técnico em Petróleo e Gás pode atuar em refinarias de petróleo, petroleiros, termoelétricas, sistemas de
bombeamento de gás natural, gasodutos e oleodutos e postos de gás natural.

HABILITAÇÃO EM PESCA
Executam atividades relacionadas à pesca extrativa, operações de embarque e desembarque. Auxilia na condução da embarcação à área de
pesca, utilizando procedimentos de armação. Constrói e mantém apetrechos de pesca (como redes de pesca, iscas, armadilhas, anzóis).
Realiza procedimentos de beneficiamento do pescado nas embarcações. Opera equipamentos como radares, bússolas, GPS, barômetros.
Possibilidades de atuação em Instituições públicas e privadas ligadas à pesca. Empresas de pesca e de beneficiamento de pescado e de
forma autônoma.

HABILITAÇÃO EM AGROPECUÁRIA
O Técnico em Agropecuária é capaz de identificar, analisar problemas e potencialidades para a condução do desenvolvimento rural
sustentável; conceber metodologia adequada para a realização de diagnóstico regional e municipal; atuar na identificação das oportunidades
de negócios, planejamento, implantação, manutenção e gerenciamento de projetos agrícolas e pecuários, visando uma exploração
sustentável tanto na criação de animais domésticos, auxiliando nos serviços de inspeção de produtos de origem animal, quanto na orientação
para a preparação da infra-estrutura necessária aos cultivos.
Ele terá também competência que permita superar os limites de sua ocupação no seu campo de atualização para transitar por outros campos
da mesma área profissional ou de áreas afins.
O profissional dessa área possui também competências que procuram ampliar, renovar seus conhecimentos para atuar no mundo do
trabalho em constante mutação e permanente desenvolvimento.

HABILITAÇÃO EM AGROINDÚSTRIA
O Técnico em Agroindústria, ao final do curso, é capaz de atuar nas áreas de processamento de produtos de origem vegetal e animal, com
competências para implantar e implementar programas de qualidade para a obtenção de alimentos seguros.
O profissional deve ainda atuar nas áreas de armazenamento, gerenciamento, e consultoria para empresas que trabalhem com alimentos,
apresentando, ainda, uma formação empreendedora, de forma a gerar a sua própria oportunidade de trabalho.
Ele terá também competências que permitem superar os limites de sua ocupação no seu campo de atuação para transitar por outros campos
da mesma área profissional ou de áreas afins.
O profissional dessa área terá também competências que procuram ampliar, renovar seus conhecimentos para atuar num mundo do trabalho
em constante mutação e permanente desenvolvimento.

HABILITAÇÃO EM MEIO AMBIENTE


O Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio, ao final do curso, é capaz de atuar nas áreas de desenvolvimento de políticas
ambientais. O profissional deve ainda, atuar nas áreas de gerenciamento e consultoria para empresas, órgãos públicos, ONGs apresentando
ainda, uma formação empreendedora, de forma a gerar a sua própria oportunidade de trabalho.
Este profissional deverá ter sólida base de conhecimentos tecnológicos, capacidade gerencial e de adaptação a novas situações, postura
pessoal e profissional, deverá ser capaz de trabalhar em equipe, ter boa capacidade de raciocínio, de pesquisa, de busca de informações,

19
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

capacidade de aprender a aprender, aprender a conhecer, aprender a ser e aprender a conviver, sendo consciente do seu papel como pessoa
humana, com uma boa formação ética e um senso crítico apurado.
Além dessas competências básicas, o egresso do curso Técnico em Meio Ambiente integrado ao Ensino Médio terá também competências que
permitem superar os limites no seu campo de atuação para transitar por outros campos da mesma área profissional ou de áreas afins. Além
desse perfil, exige-se que o aluno egresso do curso tenha desenvolvido as seguintes competências:
• Incentivar e participar de todas as ações e projetos locais referentes a ações de preservação do meio ambiente.
• Sensibilizar a sociedade empregando argumentação e dados concretos para a preservação e boa utilização dos recursos naturais,
tendo sempre em vista o desenvolvimento sustentável.
• Orientar empresas, instituições, escolas, etc., com relação à legislação ambiental.
• Identificar situações de risco ambiental.
• Intervir no sentido de minimizar toda situação de risco ambiental observada, acionando, se for o caso, o poder público e a
sociedade de modo geral.
• Auxiliar a aplicação e fiscalização da legislação ambiental.
• Avaliar modelos de gestão ambiental, utilizados na exploração de recursos naturais e nos processos produtivos.
• Elaborar e acompanhar e implementar projetos de ambiência e de educação ambiental.

HABILITAÇÃO EM INFORMÁTICA
O Técnico em Informática, ao final do curso, terá condições de desenvolver programas de computador, seguindo as especificações e
paradigmas da lógica de programação e das linguagens de programação. Utilizar ambientes de desenvolvimentos de sistemas, sistemas
operacionais e banco de dados. Realizar testes de software, mantendo registro que possibilitem análises e refinamento dos resultados.
Executar manutenção de programas de computadores implantados

HABILITAÇÃO EM INSTRUMENTO MUSICAL


O Técnico em Instrumento Musical, ao final do curso, terá as seguintes competências
COMPETÊNCIAS BÁSICAS DA FORMAÇÃO GERAL
1. Dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemáticas, artístico-culturais e científico-tecnológicas;
2. Conhecer e utilizar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais;
3. Construir e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-
geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artístico-culturais;
4. Compreender os fundamentos científico-tecnológicos relacionando teoria e prática nas diversas áreas do conhecimento;
5. Compreender a sociedade, sua gênese e transformação, e os múltiplos fatores que nela intervém, como produtos da ação humana;
6. Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões, enfrentar
situações-problema e construir argumentação consistente;
7. Recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenções solidárias na realidade, respeitando os
valores humanos, preservando o meio ambiente considerando a diversidade sócio-cultural;
8. Ter iniciativa, responsabilidade e espírito empreendedor, exercer liderança, saber trabalhar em equipe, respeitando a diversidade de idéias e
ter atitudes éticas, visando o exercício da cidadania e a preparação para o trabalho.
COMPETÊNCIAS BÁSICAS DA HABILITAÇÃO EM INSTRUMENTO MUSICAL
O curso em instrumento musical visa qualificar profissionais para práticas de grupos existentes no mercado como: orquestras, bandas civis/
militares e outras formações instrumentais. O profissional deverá ser detentor de um conjunto de competências inerentes a área artística. Bem como as
habilitações em música, desenvolvendo atividades de interpretação performance e leitura musical. O perfil profissional de conclusão estará caracterizado,
portanto, pela aquisição do seguinte conjunto de competências básicas:
PRODUZIR
1. Produções artísticas individuais e coletivas na linguagem da música;
2. Analisar, refletir e compreender os diferentes processos produtivos;
3. Fazer e criar improvisações, composições, arranjos, jingles, trilhas sonoras, utilizando instrumentos acústicos ou eletrônicos;
4. Empregar formas de registros gráficos convencionais ou não, na escrita e na leitura de partituras;
5. Construir registros sonoros em áudio, rádio, vídeo e telas informáticas integrantes de mídias e artes audiovisuais;
6. Fazer interpretações de músicas presentes na heterogeneidade das manifestações musicais que fazem parte do universo
cultural dos jovens, incluindo músicas de outras culturas, bem como as decorrentes de processos de erudição e as que
resultam de novas estruturas comunicativas, ligadas ao desenvolvimento tecnológico;
7. Identificar e aplicar, articuladamente, os componentes básicos dos códigos artísticos e musicais;
8. Utilizar criticamente novas tecnologias na concepção, produção e interpretação artística;
9. Utilizar adequadamente métodos, técnicas, recursos e equipamentos específicos à produção, interpretação, conservação e
difusão artística;
10. Conceber, organizar e interpretar roteiros e instruções para a realização de projetos artísticos;
11. Analisar e aplicar práticas das diversas culturas artísticas, suas interconexões e seus contextos socioculturais;
12. Analisar e aplicar combinações e reelaborações imaginativas, a partir da experiência sensível da vida cotidiana e do
conhecimento sobre a natureza, a cultura, a história e seus contextos;
APRECIAR
1. Analisar crítica e esteticamente músicas de gêneros, estilos e culturas diferenciadas;
2. Fazer interconexões e diálogos com valores, conceitos e realidade, tanto dos criadores como dos receptores, apreciadores das
comunicações/expressões musicais;
3. Reinventar processos, formas, técnicas, materiais e valores estéticos na concepção, produção e interpretação artística, a partir
de visão crítica da realidade;

20
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

4. Pesquisar e avaliar as características e tendências da oferta e do consumo dos diferentes produtos artísticos;

CONTEXTUALIZAR
1. Analisar, refletir, respeitar e preservar as diversas manifestações da música;
2. Valorizar a produção musical através dos profissionais, técnicos, crítica, da divulgação e circulação dos produtos de arte;
3. Conhecer, identificar e estabelecer relações entre as funções dos criadores musicais (compositores de jingles, de música
popular, de música de concerto), intérpretes (cantores, instrumentistas), arranjadores, regentes, técnicos diferenciados e
outros profissionais envolvidos na produção musical;
4. Compreender as modificações da área que ocorreram através da história;
5. Diferenciar as características e a atuação do mercado de trabalho na área de música;
6. Lidar criticamente com o repertório musical através dos séculos em suas várias vertentes, contextualizando-as e focando-as
enquanto objeto de diálogo, pesquisar e analisar as transformações pelas quais têm passado.
7. Correlacionar linguagens artísticas a outros campos do conhecimento nos processos de criação e gestão de atividades
artísticas;
8. Desenvolver formas de preservação e difusão das diversas manifestações artísticas, em suas múltiplas linguagens e
contextualizações;
9. Incorporar à prática profissional o conhecimento das transformações e rupturas conceituais que historicamente se
processaram na área;
10. Aplicar normas e leis pertinentes ou que regulamentem atividades da área, como as referentes a direitos autorais, patentes,
saúde e segurança do trabalho, utilizando, de forma ética e adequada, as possibilidades oferecidas por leis de incentivo fiscal à
produção na área;
11. Compreender a produção do conhecimento no campo da arte na perspectiva histórica, estética e filosófica;
12. Conhecer a produção artística do homem ocidental, desde a Grécia antiga até a contemporaneidade.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO- MODALIDADE INTEGRADA:


DOS PROGRAMAS

Língua Portuguesa
1. Compreensão e interpretação de textos.
2. Gêneros textuais e literários.
3. Variedades linguísticas: registros de diferentes usos de língua.
4. Semântica: sinonímia, antonímia, polissemia, conotação e denotação.
5. Relações de sentido entre enunciados textuais.
6. Pontuação.
7. Aspectos morfossintáticos das classes de palavras.
8. Coordenação e subordinação.
9. Concordância: Verbal e Nominal
10. Regência: Verbal e Nominal
11. Leitura integral da Obra: Infância, de Graciliano Ramos. Rio de Janeiro: Record.

Bibliografia sugerida
CEREJA, William Roberto ; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Gramática: texto ,reflexão e uso.3.ed. reform. São Paulo: Atual, 2008.
______. Gramática reflexiva: texto, semântica e interação. 2. ed.São Paulo: Atual, 2005.
______. Português: linguagens. Volume único. 3. ed. reform. São Paulo: Atual, 2009.
FIORIN, José Luiz & SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação. 7ed. São Paulo: Ática, 2000.
NICOLA, José de & INFANTE, Ulisses. Gramática Essencial. 11. Ed.: São Paulo: Scipione, 1999.
PASQUALE, Cipro Neto; INFANTE, Ulisses. Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo: Scipione, 2003.
TEIXEIRA, Patrícia Moreli. Ateliê da palavra: atividade de redação. São Paulo: Quinteto editorial, 1998. v. 3 e 4.
TERRA, Ernani; NICOLA, José de. Gramática de hoje. São Paulo: Scipione, 2008.
Obra literária:
RAMOS, Graciliano. Infância. Rio de Janeiro: Record.

MATEMÁTICA
1. Conjuntos e operações com conjuntos.
2. Conjunto dos números naturais e dos números inteiros.
3. Divisibilidade (múltiplos, divisores, números primos, m.d.c. e m.m.c).
4. Números Racionais (forma fracionária e forma decimal).
5. Conjunto dos números irracionais e dos números reais.
6. Potenciação e radiciação de números reais.
7. Razão e proporção.
21
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

8. Regra de Três (simples e composta).


9. Porcentagem e Juros simples.
10. Sistemas de Medidas (comprimento, superfície, volume, massa e capacidade) e transformações de unidades.
11. Expressões algébricas ou literais.
12. Polinômios e operações com polinômios.
13. Produtos notáveis.
14. Fatoração.
15. Frações algébricas e equações fracionárias.
16. Equações e inequações do 1º e do 2º graus.
17. Equações biquadradas e equações irracionais.
18. Sistema de equações de 1º e de 2º graus.
19. Funções: Definição, funções do 1º e do 2º graus – domínio, imagem, gráfico.
20. Ângulos: medida, classificação (raso, agudo, obtuso, complementar, suplementar), bissetriz, ângulos formado por duas retas paralelas e uma
transversal e por retas concorrentes.
21. Triângulos: classificação, elementos, mediana, bissetriz e altura, propriedades envolvendo medianas, bissetrizes e alturas, soma dos ângulos
internos, congruência e semelhança, relações métricas e razões trigonométricas no triângulo retângulo, perímetro e área de uma região triangular;
22. Segmentos proporcionais e Teorema de Tales.
23. Polígonos: elementos, classificação, perímetro e área
24. Circunferência: definição, comprimento, ângulos, relações métricas entre cordas, entre secantes e entre secantes e tangentes, potência de um
ponto em relação a uma circunferência;
25. Área de regiões circulares: círculo, coroa circular e setor circular.
26. Sólidos geométricos: prisma e cilindro, (volume e área total), pirâmide, cone e esfera (volume).

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BIANCHINI. Edwaldo. Matemática, 6º ao 9º ano. São Paulo: Moderna.
BONJORNO. José Roberto. Regina F. S. Azenha. Matemática – Fazendo a Diferença. 6º ao 9º ano. São Paulo:FTD
DANTE. Luiz Roberto. Tudo é Matemática, 6º ao 9º ano. Àtica: São Paulo.
GIOVANNI. José Ruy, José Ruy Giovanni Jr.. Matemática: Pensar e Descobrir, 6º ao 9º ano. São Paulo: FTD.
IEZZI. Gelson. Osvaldo Dolce, Antonio Machado. Matemática e realidade. 6º ao 9º ano. São Paulo: Atual.
JAKUBOVIC, José. Matemática na Medida Certa. 6º ao 9º ano. São Paulo: Scipione.
ONAGA, Dulce Satiko, Iracema Mori. Matemática: Idéias e Desafios. 6º ao 9º ano. São Paulo: Saraiva.

GEOGRAFIA

1. Planeta Terra: Dinâmica e Impactos Ambientais


1.1. Estrutura da Terra
1.2. Vulcões, Terremotos e Tsunamis
1.3. Impactos Ambientais Globais

2. Paisagem Natural Brasileira e a Ação Humana


2.1. Extensão e localização do Brasil
2.2. Uma paisagem natural em exploração e em transformação
2.2.1. A vegetação
2.2.2. O relevo
2.2.3. A hidrografia
2.2.4. O clima

3. Desenvolvimento e Subdesenvolvimento
3.1. Economias Emergentes

4. O Brasil e os Problemas Socioambientais


4.1. Problemas Socioambientais Urbanos

5. O Espaço Socioeconômico do Nordeste Brasileiro


5.1. As Características naturais
5.2. Os Recursos Minerais e a Atividade Industrial
5.3. Os Transportes
5.4. A Atividade Turística
5.5. As Metrópoles e os Principais Centros Urbanos

6. Geopolítica e Economia Mundial


6.1. A Globalização
6.1.1. As Novas Tecnologias

22
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

Bibliografia Sugerida

ADAS, Melhem. Geografia. São Paulo: Moderna, 2001. V. 1, 2, 3 e 4.


ARAÚJO, Regina. Construindo a Geografia. São Paulo: Moderna. V. 1, 2, 3 e 4.
GARCIA, Hélio Carlos & GARAVELLO, Tito Márcio. Geografia. São Paulo: Scipione. V. 1, 2, 3 e 4.
GEIA: Fundamentos da Geografia. São Paulo: Moderna. Séries: 5ª, 6ª, 7ª e 8ª.
LUCCI, Eliam Alabi & BRANCO, Anselmo Lázaro. Geografia – Homem & Espaço. FNDE – Ministério da Educação. Saraiva. São Paulo.
MOREIRA, Igor. Construindo o espaço do homem. São Paulo: Ática. V. 1, 2, 3 e 4.
SENE, Eustáquio de. Trilhas da Geografia. São Paulo: Scipione. Séries: 5ª, 6ª, 7ª e 8ª .
VESENTINI, José William & VLACH, Vânia. Geografia Crítica. São Paulo: Ática. V. 1, 2, 3 e 4.
MOREIRA, Igor. Construindo o espaço do homem. São Paulo: Ática. V. 1, 2, 3 e 4.
SENE, Eustáquio de. Trilhas da Geografia. São Paulo: Scipione. Séries: 5ª, 6ª, 7ª e 8ª .
VESENTINI, José William & VLACH, Vânia. Geografia Crítica. São Paulo: Ática. V. 1, 2, 3 e 4

HISTÓRIA

1. A evolução da espécie humana.


2. Linguagem e Cultura como base da formação social humana.
3. A pólis grega e as democracias modernas ocidentais.
4. A hierarquização social romana.
5. A Feudalização e o Controle Social medieval.
6. Grupos indígenas da Paraíba.
7. A marca holandesa no Nordeste.
8. A Modernidade e a evolução nas Ciências.
9. A Revolução francesa e os direitos humanos.
10. A Revolução Industrial e luta de Classes.
11. Neocolonialismo.
12. O Brasil no início do século XX.
13. A contracultura como reação ao golpe militar de 1964.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História, Sociedade e Cidadania. São Paulo: FTD, 2006 (4 volumes – 6ª a 9ª séries).
COTRIM, Gilberto. História e Consciência do Mundo: da idade moderna ao mundo atual. 10ª ed. São Paulo: Saraiva, 1997.
MOTA, Carlos Guilherme & LOPES, Adriana. História e Civilização. São Paulo: Ática, 1995. (4 volumes)
PILETTI, Nelson & PILETTI, Claudino. História e Vida. São Paulo: Ática, 1991. (4 volumes).
VICENTINO, Cláudio. História: memória viva. São Paulo: Scipione, 1994. (4 volumes).
Os Reflexos Da Contracultura No Brasil: Debates Sobre Produção Musical (1967-1972), acessado em http://www.artigonal.com/musica-artigos/os-
reflexos-da-contracultura-no-brasil-debates-sobre-producao-musical-1967-1972-896244.html; data 30 de agosto de 2010

23
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO- MODALIDADE SUBSEQÜENTE:


DOS PROGRAMAS

Língua Portuguesa

1. Texto
1.1 Compreensão e interpretação de textos
1.2 Relações intertextuais
2. Conhecimentos Lingüísticos
2.1 Coerência e coesão textuais.
2.2 Variedades linguísticas: registros de diferentes usos da língua.
2.3 Denotação e conotação.
2.4 Sinonímia, antonímia e polissemia.
2.5 O texto literário e o não-literário
2.6 Recursos estilísticos: figuras de linguagem.
2.7 Pontuação.
2.8 Aspectos morfossintáticos das classes de palavras.
2.9 Relações sintático-semânticas entre orações.
2.10 Sintaxe de concordância e de regência.
3. Leitura integral da Obra
3.1. LISPECTOR, Clarice. O primeiro beijo e outros contos: antologia. 12 ed. São Paulo: Ática, 1996.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ABAURRE, Maria Luiza; FADEL, Tatiana; PONTARA, Marcela Nogueira. Português: língua e literatura. São Paulo: Moderna, 2000
CAMPEDELLI, Samira Yousseff, SOUZA, Jésus Barbosa. Produção de textos & usos da linguagem. São Paulo: Saraiva, 1998.
______. Literatura: história e texto. 8 ed. reformulada. São Paulo: Saraiva, 1999.
CEREJA, William Roberto, MAGALHÃES, Thereza Cochar. Gramática reflexiva: texto, semântica e interação. São Paulo: Atual, 1999.
_____. Português: Linguagens. Volume único. São Paulo: Atual, 2003.
CIPRO NETO, Pasquale; INFANTE, Ulisses. Gramática da língua portuguesa. São Paulo: Scipione, 1998
FIORIN, José Luiz, SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1990
PELLEGRINI, Tânia; FERREIRA, Marina. Redação: palavra e arte. São Paulo: Atual, 1999.

Obra Literária:
LISPECTOR, Clarice. O primeiro beijo e outros contos: antologia. 12 ed. São Paulo: Ática, 1996

MATEMÁTICA

1. Conjuntos numéricos: naturais, inteiros, racionais, irracionais, reais e complexos, definições, operações e propriedades básicas em cada conjunto.
2.Razão, proporção e porcentagem.
3. Regra de três simples e composta.
4. Função: Definição, domínio, imagem, gráfico, função constante, função afim, função quadrática, função modular, funções exponenciais e
logarítmicas, função composição de funções, função inversa, funções definida por várias sentenças.
5. Equações e inequações do lº grau.
6. Equações e inequações do 2º grau.
7. Equações exponenciais, logarítmicas e modulares.
8. Matrizes: Definição, operações e matriz inversa.
9. Determinantes: Cálculo de determinante de ordem menor ou igual a3 e propriedades.
10. Sistemas lineares: Definição e solução de sistemas lineares
11. Polígonos: elementos, classificação, perímetro e área
12. Área de regiões circulares: círculo, coroa circular e setor circular.
13. Sólidos geométricos: prisma e cilindro, pirâmide, cone e esfera (volume e área da superfície).
14. Funções trigonométricas: Domínio, imagem, periodicidade e gráfico das funções seno, cosseno, tangente, cotangente, secante e cossecante,
relações fundamentais e derivadas, identidades trigonométricas, valores das funções trigonométricas de 0º, 30º, 45º, 60º e 90º, redução ao 1º
quadrante.
15. Leis do seno e do cosseno.
16. Geometria analítica: Ponto, reta e circunferência.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
BIANCHINI, Edwaldo, Curso de Matemática Vol. Ùnico. São Paulo: Moderna
DANTE. Luiz Roberto. Contextos e Aplicações. v. único. São Paulo: Àtica.
DANTE. Luiz Roberto. Contextos e Aplicações. v. 1, 2, 3. São Paulo: Àtica.
FACCHINI, Walter. Matemática para a escola de hoje. São Paulo: FTD.
GUELLI, Oscar. Matemática – Série Brasil Ensino Médio Vol. Único. São Paulo: Ática.
24
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA
COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

IEZZI. Gelson. Osvaldo Dolce, David Degenszain. Matemática, Ciências e Aplicações, v. 1, 2,3. São Paulo: Atual.
PAIVA, Manoel Rodrigues. Matemática, v. 1, 2, 3. São Paulo: Moderna.

25