Você está na página 1de 20

continuação da aula anterior

(Acesse, no Classroom, as 03 etapas desta


sequência didática.)
1. Fora da ordem: "Caso Monark expõe limites da
nova comunicação"

§3-§5-§2-§1-§6-§7-§4
2. Fora da ordem: identificando problemas e suas
causas
a. identifique o gênero discursivo, seu autor, objetivo e público-alvo;
gêneros do discurso
gênero textual (gênero do discurso, gênero discursivo): corresponde a todo tipo de
texto em linguagem verbal contendo uma forma ou estrutura, em geral, similar; e com
um conteúdo e um estilo, em geral, comum a esse determinado tipo.

São exemplos de gêneros discursivos: carta, poema, tweet, whatsapp áudio, mensagem
via whatsapp, direct no Instagram, notícia, reportagem, programa de rádio, roteiro, peça
de teatro, letra de canção, artigo científico, artigo de divulgação científica, romance,
história em quadrinhos, haikai, cordel, narrativa de enigma, conto de fadas, ensaio,
charge, tira, comentário do youtube, bula de remédio, receita.

Nas palavras da prof.ª da UNICAMP Roxane Rojo, os gêneros “não são classes
gramaticais para classificar textos: são entidades da vida. Dão nome a uma família de
textos”.
2. Fora da ordem: identificando problemas e suas
causas
b. a linha de argumentação desse texto parte do caso Monark e chega
até... ?
2. Fora da ordem: identificando problemas e suas
causas
b. a linha de argumentação desse texto parte do caso Monark e chega
até... ?

Que tanta gente séria do universo político ou do mundo de


negócios aceite tomar parte nisso dá uma boa medida da
profundidade do buraco em que estamos metidos.
sequências textuais
sequências textuais: são trechos de textos com funções predominantes,
dentre as quais distinguem-se as funções de narrar, argumentar ou
descrever.

Observe que um mesmo gênero discursivo pode abrigar diferentes


sequências textuais em diferentes trechos, a depender do que se quer
comunicar.
sequências textuais argumentativas
sequências textuais argumentativas: apresentam argumentos em uma
sequência de raciocínio lógica e consistente para convencer o leitor de uma
ideia (ou tese). “O esquema de base das sequências argumentativas compõe-se
de três elementos: dados ou fatos, sustentação ou princípios de base e
conclusão.”

(Fonte: Planos de texto, sequências textuais e orientação argumentativa.)

Segundo o professor Othon Moacyr Garcia, “Argumentar é, em última análise,


convencer ou tentar convencer mediante a apresentação de razões, em face da
evidência das provas e à luz de um raciocínio coerente e consistente.”
2. Fora da ordem: identificando problemas e suas
causas

c. o comportamento do ex-podcaster é um problema gravíssimo: qual?


2. Fora da ordem: identificando problemas e suas
causas

c. o comportamento do ex-podcaster é um problema gravíssimo: qual?

Aiub defendeu a legalização de um partido nazista no Brasil e o

direito de quem for “antijudeu” a manifestar suas opiniões.


2. Fora da ordem: identificando problemas e suas
causas

d. o texto aponta um outro problema, do qual deriva o comportamento


do ex-podcaster: qual?
2. Fora da ordem: identificando problemas e suas
causas
d. o texto aponta um outro problema, do qual deriva o comportamento do
ex-podcaster: qual?

Rogan e Aiub são espécimes típicos da nova fauna de youtubers, influencers, podcasters e
outros seres que habitam os pântanos digitais. Não espanta que atraiam audiências
volumosas com um estilo que mistura ignorância e apelação. [...] Aiub questionou se “as
pessoas não têm o direito de ser idiotas”. [...] a frase define bem quem acredita nesse
estilo de comunicação produzida por amadores sem nenhum conhecimento a respeito do
que falam, princípios editoriais frágeis e compromissos éticos volúveis.
O que é uma causa em uma argumentação?
Do ponto de vista teórico, uma causa é um acontecimento anterior e
desencadeador.

É anterior porque, temporalmente, a causa vem obrigatoriamente antes


da consequência.

E é desencadeador por ser capaz de produzir determinada consequência.


O que é a causa da causa?
Em muitos casos, uma causa geradora de determinada consequência é,
por sua vez, gerada por outra causa. Esta última é denominada causa da
causa.
2. Fora da ordem: identificando problemas e suas
causas

e. aponte as causas dos problemas identificados em 'c' e 'd'.


3. Dilema, problema ou reflexão?
Estas foram as propostas de redação dos três últimos vestibulares da
FGV EAESP:
O emprego tanto da "linguagem inclusiva" quanto da " linguagem neutra"
se justifica? (2022 - 1)

O fim da carreira tradicional: liberdade profissional ou precarização do


trabalho? (2021 - 2)

A desigualdade social constitui uma ameaça à democracia? (2021 - 1)


3. Dilema, problema ou reflexão?
1. Em comum, elas propõem (escolha UMA alternativa):

a) um posicionamento claro diante de um DILEMA ('sim' ou 'não')

b) uma proposta de intervenção para a resolução de um PROBLEMA (quem


deve fazer o quê, como, quando, onde e por quê)

c) uma REFLEXÃO (a construção de uma linha de argumentação sofisticada,


amparada em um repertório erudito)
3. Dilema, problema ou reflexão?
2. Tendo em mente o que você assinalou no exercício 1, elabore uma
pergunta-tema sobre qualquer parte do editorial do O Globo lido durante
a aula de hoje.

Reproduza o modelo de pergunta-tema utilizado pelo vestibular da FGV


EAESP.
4. Hierarquização
Diante da pergunta feita por você, observe que, evidentemente,
problemas complexos não são ocasionados por uma causa apenas.

Eles são, na verdade, multifatoriais.

Nesse momento, entra o poder da argumentação: em determinada


situação, qual causa é a mais imediata? Qual é a menos imediata? Quais
são as causas das causas?
4. Hierarquização

Hierarquizar as causas como mais ou menos fortes é o primeiro passo


para, ao final da linha de raciocínio, defender que determinada
intervenção é mais eficaz do que outra.

Você também pode gostar