Você está na página 1de 12

Coordenação de Política Fiscal e Monetária: Extensão e seu Impacto sobre os Indicadores

de Estabilidade Macroeconómica em Moçambique de 2000 á 2020.

Lennon Lima B. Vuco

Universidade Eduardo Mondlane

Faculdade de Economia

Licenciatura em Economia

Maputo, Janeiro de 2022


Coordenação de Política Fiscal e Monetária: Extensão e seu Impacto sobre os Indicadores
de Estabilidade Macroeconómica de 2000 á 2020.

Lennon Lima B. Vuco

Projecto de pesquisa apresentado ao curso de


Economia da Faculdade de Economia para o
cumprimento parcial dos requisitos para a obtenção
do título de Licenciado em Economia.

Orientador: Dr. Moisés Siúta


índice
1 Contextualização....................................................................................................................3

2 Problema de Pesquisa............................................................................................................4

3 Objectivos...............................................................................................................................5

3.1 Objectivo geral................................................................................................................5

3.2 Objectivos específicos.....................................................................................................5

4 Hipóteses.................................................................................................................................5

5 Justificativa............................................................................................................................6

6 Metodologia............................................................................................................................6

7 Revisão da Literatura............................................................................................................7

7.1 Política Monetária...........................................................................................................7

7.1.1 Objectivos da Política Monetária...........................................................................7

7.1.2 Instrumentos da Política Monetária......................................................................7

7.2 Política Fiscal...................................................................................................................8

7.2.1 Objectivos da Política Fiscal...................................................................................8

7.2.2 Instrumentos da Política Fiscal..............................................................................8

7.3 Coordenação de Política Fiscal e Monetária e Estabilidade Macroeconómica.........9

7.3.1 Racionalidade da coordenação de Política Fiscal e Monetária...........................9

8 Cronograma...........................................................................................................................9

9 Orçamento............................................................................................................................10

10 Referências Bibliográficas...................................................................................................11
1 Contextualização
As Políticas Monetária e Fiscal são as duas principais estratégias de gestão de recursos e
pressões da demanda na economia. A política Monetária diz respeito a utilização de instrumentos
monetários como crédito, oferta de moeda e taxas de juro, entre outros, para influenciar Procura
Agregada, e é implementada pela autoridade monetária, o Banco Central. Mordi (2009)
argumenta que esta persegue objectivos de estabilidade de preços e crescimento económico
sustentável bem como o pleno emprego. A Política Fiscal, implementada pela autoridade fiscal,
consiste no uso de impostos e despesas do governo, bem como a dívida pública, e é igualmente
usada para influenciar a demanda agregada, e ainda, esta persegue objectivos de rápido
crescimento e desenvolvimento económico, alocação eficiente dos recursos, redistribuição da
renda e riqueza, geração de emprego. Segundo o mesmo autor, um grande número de estudos,
revelam que grande parte dos desequilíbrios que as economias sofrem, são resultantes da
inconsistência ou descoordenação entre a política fiscal e monetária.

É dentro deste contexto que o trabalho a ser apresentado se propõe a discutir o seguinte tema:
“Coordenação de Política Fiscal e Monetária: Extensão e Seu Impacto sobre os Indicadores de
Estabilidade Macroeconómica em Moçambique (2000 – 2020) ”.

2 Problema de Pesquisa
Em Moçambique, a política monetária é conduzida de modo a alcançar as metas
macroeconómicas determinadas nos planos governamentais (Carsane, 2005). Embora, ao longo
dos anos, seja possível identificar períodos marcados por desvios significativos entre as metas
projectadas e realizadas para as variáveis operacionais da política monetária, comprometendo a
prossecução dos objectivos finais da implementação desta política. Uma das causas para este
problema pode estar associada á falta de uma adequada coordenação das duas políticas. Isto
porque a economia moçambicana é caracterizada pela ocorrência de défices orçamentais
contínuos e, tal conjuntura, conforme indica (Anjos de Almeida, 2014), pode eventualmente
refletir-se no lado monetário da economia, ao estimular a autoridade monetária a assumir um
carácter expansionista através da política monetária.

De acordo com os dados do BM e do PES ao longo do período em análise (2000-2020), a taxa de


inflação desviou-se da sua meta, sempre que houvesse um crescimento do deficit orçamental,
que por sua vez, resultava no aumento da oferta monetária programada. Em 2000, 2003 e 2015, o
déficit orçamental como percentagem do PIB cresceu acima do programado em 13.10pp,
15.30pp e 12.40 pp, respectivamente e por sua vez a oferta monetária superiores ao programado
em 19.30pp, 6.22pp e 9.80pp respectivamente, fazendo com a taxa de inflação se mantivesse
acima dos níveis previstos em: 14.90pp, 3.00pp e 3pp.

Entretanto, em 25 de junho de 2011, o Banco de Moçambique e o MEF assinaram um


memorando de entendimento1, cujo principal objectivo é garantir com que estas duas instituições
troquem regularmente informações sobre seus objectivos e instrumentos de política. Este facto
revela um esforço entre as duas instituições na coordenação das suas políticas para assegurar
com eficiência a cumprimento dos seus objectivos de política, bem como a estabilidade
macroeconómica. No entanto, por um lado, em grande parte do período entre 2000 a 2020, a
política económica não teve completamente o desempenho desejado. E por outro lado, a teoria
económica postula que a coordenação de política fiscal e monetária permite que as autoridades
alcancem os seus objectivos de política permitindo a estabilidade macroeconómica, por tanto
esta situação problemática e controvérsia conduz a pergunta abaixo colocada:

Qual é o impacto da coordenação de política fiscal e monetária na estabilidade Macroeconómica


de Moçambique?

3 Objectivos
3.1 Objectivo geral
 Avaliar a coordenação de política fiscal e monetária em Moçambique, analisando sua
extensão e seu impacto sobre os principais indicadores de estabilidade macroeconómica
entre o período de 2000 á 2020.

3.2 Objectivos específicos


 Identificar a relação de causalidade existente entre a política fiscal e monetária em
Moçambique;
 Investigar efeito da política fiscal e monetária aos choques no produto e na inflação em
Moçambique;
 Mensurar o grau da coordenação da política fiscal e monetária em Moçambique;

1
Relatório anual de 2011, Banco de Moçambique.
4 Hipóteses
H0: A coordenação de política fiscal e monetária tem um impacto significativo na estabilidade
macroeconómica de Moçambique
H1: A coordenação de política fiscal e monetária não tem um impacto significativo na
estabilidade macroeconómica de Moçambique

5 Justificativa
A escolha do tema é justificada pelo facto de, embora este seja muito estudado e abordado na
literatura económica, grande parte dos estudos feitos limitem-se em avaliar a extensão da
coordenação e não sobre as suas implicações, ainda encontra pouco aprofundamento no que diz
respeito por exemplo a medição do grau de coordenação das políticas bem como o seu impacto
na estabilidade da macroeconómica. Não existem tantas evidências de estudos publicados a nível
do país relacionados com o tema, adicionalmente, há necessidade de uma análise mais recente
sobre a coordenação de política fiscal e monetários dados os contornos alarmantes que a
economia moçambicana está a tomar (Crise económica causada pela insustentabilidade da dívida,
depreciação do metical, COVID-19, inflação, etc.). A pesquisa será ainda importante por alargar
o conhecimento sobre a coordenação de política fiscal e monetária em Moçambique. O actual
cenário macroeconómico do país preme cada vez mais a imprescindível necessidade de
coordenação da política fiscal e monetária, e esta pesquisa se propõe a avaliar o impacto da
coordenação sobre os principais indicadores de estabilidade macroeconómica.

6 Metodologia
Dentre os vários objectivos anteriormente elencados, o trabalho visa avaliar o impacto da
coordenação de política fiscal e monetária na estabilidade da macroeconómica de Moçambique
no período de 2000 á 2020. Este estudo classifica-se com teórico-empírico.

Quanto ao tipo de pesquisa, pode ser classificada por teórica, no sentido de que busca-se
estabelecer relação entre as variáveis do estudo. Para o suporte teórico ou seja análise qualitativa,
constituirá banco de dados, os artigos nacionais e internacionais, livros e documentos ligados ao
tema, podendo os encontrar em Revistas Cientificas, Biblioteca Brazão Mazula, Biblioteca do
Banco de Moçambique e páginas web.
O estudo irá usar dados de séries temporais, para o período de 2000 a 2020. E para
operacionalização dos dados, irá se recorrer aos pacotes estatísticos como E-Views 7, STATA 13
e Excel 2013.

No que diz respeito a colecta de dados, a pesquisa é documental, fazendo uso de dados extraídos
do Banco de Moçambique e do PES, do FMI, MEF, Banco Mundial, etc.

O estudo será realizado também com base numa abordagem empírica envolvendo técnicas da
teoria de conjuntos bem como de análises de regressão.

7 Revisão da Literatura
Neste capítulo, far-se-á uma breve descrição dos principais conceitos do estudo bem como uma
avaliação dos principais estudos teóricos com a finalidade de facilitar a explicação da
coordenação de política fiscal e monetária.

7.1 Política Monetária


(Mordi, 2009) descreve a política monetária como um conjunto de instrumentos concebidos pelo
banco central para regular o valor, fornecimento e custo do dinheiro, garantindo a consistência
com a capacidade de absorção da economia ou o nível esperado da actividade económica, e ainda
sem gerar necessariamente pressões indevidas sobre os preços domésticos e as taxas de câmbio.

7.1.1 Objectivos da Política Monetária


 Estabilidade dos preços
 Estabilidade cambial
 Pleno emprego
 Crescimento económico e sustentável
 Distribuição equitativa da renda
 Equilíbrio da Balança de Pagamentos (BOP)

7.1.2 Instrumentos da Política Monetária


Segundo Mishkin (2007) Instrumentos de política monetária são ferramentas em poder do
Banco Central que permitem com que este conduza a sua política. Estes instrumentos podem
ser: directos ou indirectos.
Os instrumentos directos São directivas dadas pelo banco central com objectivo de controlar a
quantidade e os valores dos activos e passivos financeiros dos bancos comerciais, traduzem-se
pela fixação de uma taxa de juro ou de câmbio ou ainda de um volume de crédito a conceder
globalmente pelo sistema bancário e operam por via regulamentar.

Os instrumentos indirectos Não sendo por via de uma fixação administrativa, ainda que o seu
uso esteja enquadrado por regulamentação das autoridades monetárias, actuam sobre as
variáveis que se pretende influenciar. Os instrumentos indirectos de política monetária mais
frequente são: Reservas legais, Operações de mercado aberto e a política de redesconto.

Reservas Legais De acordo com Cruz. et al (1996) as reservas legais ou também reservas
obrigatórias (RO), é um coeficiente ou percentagem fixada unilateralmente pelo banco central,
que incide sobre uma ou várias categorias de passivos2 dos bancos Comerciais.
Redesconto De acordo com (DAS NEVES, 2003) operação de concessão de um empréstimo
por parte de um banco central a um banco comercial, para resolver situações de dificuldades de
tesouraria. Esse empréstimo é remunerado à designada taxa de redesconto.
Operações de Mercado Aberto Segundo Hillbrecht (1999) o mercado aberto assenta na
intervenção directa do banco central nos mercados financeiros, tendo por contrapartes negociais
as demais instituições bancárias e a outras instituições financeiras. Abrange as operações de
aquisição e venda de títulos pelo banco central, em regra tendo por contraparte instituições
financeiras.
7.2 Política Fiscal
De acordo com (Dornbush, Fischer, & Begg, 2004) e Mendes (2009), entende-se por política
fiscal, as decisões do governo sobre gastos e impostos. Samuelson e Nordhaus (2012),
acrescentam à esta definição, a finalidade das decisões do governo, de tal forma que, na óptica
destes autores, a política fiscal corresponde a fixação dos impostos e da despesa pública, para
ajudar a amortecer as oscilações do ciclo económico e contribuir para a manutenção de uma
economia em crescimento, com elevado emprego e isenta de inflação elevada ou instável.

7.2.1 Objectivos da Política Fiscal


A política Fiscal, à que é dirigida ou levada a cabo pelo Governo (MEF), visa atingir os
seguintes objectivos:

 Rápido crescimento e desenvolvimento económico


 Alocação eficiente dos recursos financeiros

2
Os passivos dos Bancos Comerciais são compostos maioritariamente por Depósitos de clientes.
 Redução desigualdade na distribuição da riqueza e do rendimento
 Geração de emprego
7.2.2 Instrumentos da Política Fiscal
Despesa pública Refere-se à quantidade total de dinheiro gasto pelo governo de um país em um
período. Ela inclui todas as aquisições de bens e serviços e transferências. Jund (2012).

Impostos São encargos financeiros e outras taxas impostas a uma pessoa física ou jurídica por
parte do governo de tal forma que a falta de pagamento é punível por lei. Receita obtida com os
impostos são, posteriormente, implantado pelo governo para produzir bens públicos. (Mendes,
2009;).

Dívida Pública Compreende as obrigações financeiras assumidas com entidades públicas e


privadas, dentro ou fora do território nacional, em virtude de leis, contractos, acordos e
realização de operações de crédito, pelo Estado. (CGE 2012:12)

7.3 Coordenação de Política Fiscal e Monetária e Estabilidade Macroeconómica


Kamal (2010) definem coordenação de políticas como sendo um conjunto de medidas
necessárias para assegurar que as acções tomadas pelas autoridades fiscais e monetárias sejam
consistentes.

7.3.1 Racionalidade da coordenação de Política Fiscal e Monetária


Altos níveis de coordenação implica uma redução no potencial de conflitos políticos que podem
resultar na economia operando a uma menor do que o nível ideal, uma maior capacidade para
responder a choques externos adversos, um caminho de crescimento sustentável a par inflação
baixa, e uma melhoria global o bem-estar económico dos cidadãos do país.

De acordo com (Hanif & Farooq, 2008), as razões fundamentais para a coordenação de política
fiscal e monetária são:

 Estabelecimento mútuo de metas alinhadas de política fiscal e monetária para a assegurar


o alcance dos objectivos de crescimento sustentável e não inflacionário;
 Facilitar a implementação efectiva de decisões tomadas anteriormente, através de
consultas e troca de informação;
 Influenciar a adoção de políticas fiscais e monetárias sustentáveis.
8 Cronograma
Tarefas Meses de 2022
Janeir Fevereir Març Junh
  o o o Abril Maio o
Revisão de Literatura          
Recolha e tratamento dos dados          
Análise e Interpretação dos dados          
Redação do draft da monografia          
Revisão e Correcção do draft          
Apresentação do draft ao
supervisor          
Relatório final do trabalho          
Submissão da monografia          
Publicação ou apresentação ao
corpo de jurados

9 Orçamento
Orçamento do material necessário para dar seguimento à elaboração da monografia (elaborado
baseado nos preços correntes no mercado).

Consumíveis/ Quantidade Preço unitário Preço Total


Logística
(em MT)
Impressões 100 páginas 4,00 400,00
Cópias 100 páginas 2,00 200,00
Encadernação 100 páginas -- 120,00
Caderno 1 100,00 100,00
Amortização do 6 meses 250,00 1.500,00
computador
Energia 70 Kwh 6,00 420,00
Flash USB (4Gb) 1 500,00 500,00
Esferográficas 4 10,00 40,00
Custo total de consumíveis 3.280,00
Lanche 10 70,00 700,00
Transporte ------------------- ------------- 400,00
Comunicação 6 100,00 600,00
(recargas)
Custo total de Logística 1.700,00
Sub total 4980,00
Contingência 10% 498,00
Custo geral 5. 478,00

10 Referências Bibliográficas
Anjos de Almeida, B. M. (2014). «Política fiscal e a coordenação de políticas macroeconômicas:
a dinâmica da dívida pública e o modelo brasileiro de gestão fiscal». Florianópolis:
Universidade Federal de Santa Catarina.
Carsane, F. R. (2005). Os Determinantes da Inflação em Moçambique: Um Estudo Econométrico
(1994-2004). Porto Alegre: Faculdade de Ciências Económicas da UFGRS.
Cruz, R., Nascimento, Á., & Alves, C. (1996). Instituições e Mercados Financeiros, Porto.
DAS NEVES, J. L. C. (2003). Introdução à economia (6 a Edição). Lisboa - Sao Paulo: Editorial
Verbo.
Dornbush, F., Fischer, S., & Begg, D. (2004). Introdução à Macroeconomia. 2a Edição.
Lisboa: Elsevier Editora.
Governo de Moçambique/ Ministério do Plano e Finanças. (2012). Conta Geral do Estado.
Maputo.
Hanif, M. N., & Farooq, A. (2008). Monetary and Fiscal Policy coordenation, MPRA Paper
No.10307.
HILLBRECHT, R. (1999). Economia Monetária. São Paulo: Editora Atlas, SA.
Johansen, L. (1965). Economics. Chicago: Rand McNally.
Jund, S. (2012). Administração, Orçamento e Contabilidade Pública. 3 a edição. Rio de
Janeiro: Elsevier.
Kamal, M. (2010). The Theoretical Framework for the Coordination of Fiscal and Monetary
Policies.
Mendes, T. G. (2009). Economia. Fundamentos e Aplicações. 2a Edição. São Paulo.
Mishkin, F. (2007). The economics of money, banking, and financial markets. New York.
Mordi, C. N. . (2009). Overview of Monetary Policy Framework in Nigeria. Central Bank of
Nigeria (CBN), Bullion, Volume 33, No 1.
Mosse, E. (1978). “Comprendre la politique economique”. volumes 1 e 2. Paris: Éditions du
Seuil.
Pereira, P. T., Afonso, A., Arcanjo, M., & Santos, J. C. G. (2009). Economia e Finanças
Públicas. 3a Edição. Lisboa: Escolar Editora.
Samuelson, P., & Nordhaus, W. . (2012). Economia: Uma Análise Introdutória. 10 a Edição.
Lisboa: AMGH Editora Lda.
Tibergen, J. (1956). Economic Policy: Principles and Design. Amisterdao: North Holland
Publishing Company.

Você também pode gostar