Você está na página 1de 24

Nº. 366 "aa expressão da nossa terra" 2011.01.

24

24 DE JANEIRO
2011
Ano XXXV
2ª. SÉRIE
Bimensal PORTE
PAGO
0,60 Euros DAS COMUNIDADES DO PINHAL INTERIOR NORTE
(IVA INCLUIDO)

Fundador: Marçal Pires-Teixeira SEDE E ADMINISTRAÇÃO:


PUBLICAÇÕES
PERIÓDICAS Director: Henrique Pires-Teixeira Rua Dr. António José de Almeida, 41
AUTORIZADO A CIRCULAR
EM INVÓLUCRO FECHADO Director-Adjunto: Valdemar Alves 3260 - 420 Figueiró dos Vinhos
DE PLÁSTICO OU PAPEL
TAXA PAGA
PODE ABRIR-SE PARA
VERIFICAÇÃO POSTAL PORTUGAL E-MAIL: acomarca.jornal@gmail.com | Telef.: 236 553 669 | Fax : 236 553 692
CCE TAVEIRO

FIGUEIRÓ
DOS VINHOS ANTÓNIO TOMÁS CORREIA:
CAVACO SILVA
Taxa de
Publicidade
benemérito pedroguense (RE) ELEITO À
1ª VOLTA
gera polémica
Pág. 7 Na comarca venceu
nos 3 concelhos:
PAMPILHOSA Cast. de Pera.......57,1
DA SERRA Fig. dos Vinhos...73,3
Pampilhosense Ped. Grande........ 76,3
quer “educar” e Pág. 9

“formar”
Pág. 10 PEDRÓGÃO GRANDE
CASTANHEIRA Fim de Semana do
DE PERA Medronho em grande
“Os Alegres”
Pág. 8

promovem
concertina
Pág. 8 Pág. 3

GOVERNO CIVIL DE LEIRIA PROMOVE DEBATE SOBRE O FILARMÓNICA FIGUEIROENSE DE REGRESSO AO SEU
NEMÁTODO DO PINHEIRO: GLORIOSO PASSADO: Pág. 5

- “Mais vale prevenir que remediar” Pág. 3 - Casa da Cultura lutou para assistir a concerto
2 2011.01.24
PÁGINA DOIS

DEVESA
R ÍZES MARIA ELVIRA PIRES-TEIXEIRA
VALDEMAR ALVES
Professor Vamona
A DEVESA TEVE E TEM
POTENCIAL COMERCIAL
Toda a área envolvente do Largo da Devesa foi outrora um espaço
comercial de referência, onde há bem poucos anos se concentravam os
melhores estabelecimentos comerciais e de serviços da sede do concelho
de Pedrógão Grande.
Talvez essa concentração se devesse ao facto de ali ter tido lugar,
durante alguns anos, os mercados mensais e anuais (este último durava
dois a três dias), de grande valor económico não só para o concelho
como para a região.
Recordo a área comercial de Epifânio Martins, composta pelos
espaços de Café e Bilhares e ainda de armazém de mercearias e mobílias
com venda directa ao público e de revenda.
Mais uma vez fui agraciada com os seus votos tenha recebido. Ao lado desta área, existia a de Arnaldo Pedroso, explorando o mesmo
de boas festas, que se fizeram acompanhar por Encontrámos em Mira um seu aluno que agora sector com a vertente de fazendas.
mais estes esboços magníficos que, dada a é pintor em Lisboa e que chegou a desenhar O Correspondente Bancário António Nogueira não fugia à regra e
sua beleza, não posso deixar de partilhar neste esboços dos meus filhos que ocupavam também explorava o mesmo sector.
jornal. paredes da minha casa. Ainda dentro desta área de exploração comercial, existiram os
O Dr. Vamona vive actualmente em Goa mas Recordamos também com saudade, os nossos estabelecimentos Faneca, explorados por Maria do Carmo David.
já deu aulas aos meus filhos rapazes na Escola amigos comuns: o Prof. Campos, a "avôzinho" No sector hoteleiro a Casa Hipólito de Armando Ferrador e ainda a
Comercial e Industrial Neutel de Abreu em como era conhecido entre nós que era de Alge, Pensão Bela Vista de António Serra.
Nampula, com cerca de 2000 alunos na altura. uma localidade perto de Figueiró dos Vinhos, o Só de bebidas existiu a Taverna de Henrique Pereira.
Com formação adquirida em Inglaterra e em Dr. Jorge Brandão de Basto e sua queridíssima O único talho da vila era ali que existia e era municipal.
Portugal, prestigiou Moçambique com os seu mãe, D. Helena,minha vizinha e amiga. E como o A única farmácia do concelho, também é ali que permanece há dezenas
talento e competência técnica e humana. Já foi mundo é mesmo pequeno, o Dr. Jorge foi colega e dezenas de anos.
recordado neste jornal pelo seu aluno Henrique, de escola do Dr. Manuel Piedade, médico em A alfaiataria de Albino David, para a época, estabelecimento de
referência.
meu filho e por mim, que somos dois grandes Figueiró dos Vinhos.
Recordo a Padaria Roldão, também estabelecimento de referência,
admiradores deste ar- Mais uma vez, muito
edifício de bela arquitectura, de grandes espaços.
tista. Também é reco- obrigada e até sem-
Consultórios médicos e de advogados, ali tiveram o seu lugar.
rdado com carinho e pre.
Na área de serviços, o sector público instalou durante alguns anos,
saudade pelos seus
no edifico dos Paços do Concelho, para além do Tribunal e Cadeia
alunos nos almoços Comarcã, a Fazenda Pública e a sua Tesouraria, o Grémio da Lavoura e
anuais dos estu- do Comércio, Notário e Conservatórias e até os Bombeiros. E na mesma
dantes de Nam- época, a Guarda Nacional Republicana também esteve instalada na
pula. Há dois Devesa.
anos alguém te- A empresa de transportes públicos Adelino Pereira Marques, também
ve a ideia de jun- por lá passou.
tar os seus alu- A Devesa foi efectivamente a grande superfície comercial de Pedrógão
nos numa foto Grande, parece que vai voltar a ser, pelo que sei, é essa a vontade de
conjunta, em alguns comerciantes actualmente estabelecidos naquele espaço e
Mira, para lhe curiosamente descendentes dos que foram ali estabelecidos e já
enviar como desaparecidos.
recordação. Será que a história comercial deste local se vai repetir?
Espero que Será que a Devesa volta a ser cantada por nós, como foi cantada pelo
poeta pedroguense Alcino Pinheiro?
REGIÃO 2011.01.24
3
ANIVERSÁRIO DE ANTÓNIO TOMÁS CORREIA “A COMARCA”

UM DIA PARA RECORDAR Mudança de instalações


- Pedroguense “encaminha” prendas para Filarmónica e Santa Casa

Foto de cima, da direita


para a esquerda: António
Tomás Correia, senhora de Os serviços administrativos e a redacção do jornal
Valdemar Alves, Joaquim mudaram as instalações para o rés-do-chão do mesmo
Palheira, Presidente João prédio onde nos encontrávamos desde Novembro de
Marques, senhora Tomás 1996.
Correia, Presidente Carlos O acesso às nossas instalações é agora mais
Beato e senhora, Valdemar cómodo, e não obriga à canseira que antes
Alves. representava para muitos assinantes a subida ao
primeiro andar.
Foto de baixo, da Esta mudança, com o que implicou de transferência
esquerda para a direita: de documentos, mobiliário e equipamentos, privou-
Joaquim Palheira, Presidente nos durante uns dias de telefone, faxe e de acesso à
João Marques, AntónioTomás Internet, e obrigou à ocupação dos próprios
Correia e senhora, José M.
colaboradores do jornal com essas tarefas, tudo isso
Barão
contribuindo para o atraso desta edição.
Apresentamos por isso o nosso pedido de desculpas
Será um dia que recorda- pela entrega de donativos tituição bancária referida. hamento da Canção de
aos nossos leitores e colaboradores, mas estamos
rei sempre, 7 de Dezembro prescindindo das tradicio- A festa decorreu em am- Coimbra.
de 2010. Tive o privilégio nais prendas ao aniversa- biente de grande fraterni- A Orquestra de Harmó- certos de que compreenderão que a melhoria das
de ser um dos convidados riante. Os dirigentes destas dade e alegria, marcada nicas de Ponte de Sôr, condições de trabalho de quem aqui opera e as de
para a festa de aniversário instituições regressaram a pelas magníficas actuações interpretou as populares recepção de quem nos visita era uma exigência
de um grande amigo de Pedrógão, com a certeza de musicais de amigos do Dr. músicas da nossa terra, inadiável.
infância. Pude partilhar que com boa vontade e so- António Tomás Correia e recordando a todos os
todos os afectos sentidos bretudo muita dedicação, o por ele próprio, que cantou presentes as melodias que
na sala que serviu de palco nosso amigo conseguiu dois lindos fados, acom- em crianças muitas vezes
à comemoração do 65º mais uma vez ajudar a sua panhado por Carlos Garcia fomos embalados pelas
aniversário de um bom pe- terra natal. à viola e na guitarra Custó- vozes das nossas mães e
droguense, António Tomás Foi assim possível obter, dio Castelo, o maior guitar- avós. Tomás Correia, não
Correia. com o carinho e boa vonta- rista português da actuali- resistiu e ainda conseguiu
Todas as festas de ani- de de todos os presentes, dade. interpretar com uma das
versário são manifestações uma razoável quantia con- Durante o jantar os Pro- flautas uma bonita melodia.
de grande alegria, mas esta, forme era seu desejo. fessores Miguel Carvalhin- Para despedida e ao som
especialmente, além do Esta ideia foi expressa ho e Pedro Ladeiro, delici- dos instrumentos de Car-
cunho muito pessoal dado durante a sua presença em aram todos os presentes los Garcia e de Custódio
pelo aniversariante e sua Santarém, na qualidade de com as suas interpretações Castelo, os convidados
mulher que organizou tudo Presidente do Conselho de em guitarra de dez cordas e cantaram os parabéns ao
na perfeição, pautou pelo Administração do Monte- em clarinete, respectiva- aniversariante.
objectivo principal: anga- pio, por ocasião da oferta mente. São momentos como
riar verbas para a Santa ao Convento de S. Francis- Coimbra ouviu-se com estes que nos engrande-
Casa da Misericórdia e para co, da Rosácea em tela. encanto na viola de João cem.
a Filarmónica Pedroguense, Mais tarde, será substitu- Gomes e na guitarra de Ale- Valdemar Alves
juntando os amigos e pe- ída por outra em pedra, xandre Bateira, dois gran- Também a porta mudou:
dindo-lhes que optassem também oferecida pela ins- des mestres no acompan- agora é a da esquerda
4 2011.01.24
REGIÃO

EXEMPLO DE DINAMISMO FIGUEIRÓ DOS VINHOS

CENTRO CONVÍVIO DA ALDEIA ANA DE MUNICÍPIO LANÇA CARTÃO JOVEM MUNICIPAL


AVIS REALIZOU JANTAR DE NATAL
O município do Figueiró como por exemplo nas O cartão destina-se a
dos Vinhos em parceria com piscinas municipais, campo pessoas entre os 12 e os 30
a empresa Movi jovem, de ténis, parque de campis- anos e custa 8 euros o que
responsável pelo cartão mo, no consumo da água em alguns casos “é pago
jovem nacional, lançou o ou saneamento básico, rapidamente através dos
cartão jovem municipal entre outros. descontos que propor-
que, para além das vanta- “Há aqui descontos ciona”, disse Rui Silva,
gens que confere a nível muito interessantes e raros presidente da Câmara Mu-
nacional (8 mil) e interna- são os municípios que vão nicipal apelando a que “os
cional (40 mil), alia agora tão longe neste tipo de figueiroenses adiram viva-
descontos significativos descontos”, referiu João mente a este novo serviço
em produtos e serviços do Paulo Rebelo presidente da da autarquia”.
concelho figueiroense, Movi jovem.

CURSO EFA DE JARDINAGEM E ESPAÇOS VERDES


“DESAFIOS AMBIENTAIS” É TEMA DE PALESTRA
No passado dia 18 de Os Formandos do Curso
Dezembro de 2010, realizou- EFA de Jardinagem e
se o Jantar de Natal do Espaços Verdes, promovido
Centro de Convívio de Aldeia pelo Centro de Formação
de Ana de Avis, pelas 20h00, Profissional de Leiria, a
funcionar no Polo de Fi-
no Restaurante Tricana em
gueiró dos Vinhos, realizam
Figueiró dos Vinhos.
no próximo dia 2 de Feve-
A noite decorreu calma e
reiro pelas 14H30, na Casa
animadamente com o espírito
da Cultura/Clube Figueiro-
de confraternização e amizade ense, uma Palestra subor-
que é já habitual neste tipo dinada ao tema “Desafios
de evento. Entre discursos, Ambientais”.
aplausos e brindes, cerca de Nesta Palestra estarão
uma centena de participantes, presentes engenheiros da
sócios e respectivos área do ambiente da Autar-
familiares, partilhou uma quia figueiroense e Autar-
refeição imbuída de harmonia quias vizinhas, e ainda um
e prazer deixando já expressa representante da QUER- nos desta região na área da está a ser inistrada esta
a vontade de, no próximo QUS, entre outros. floricultura e jardinagem, formação, a paisagem
ano, renovar a sua presença Esta Palestra marca tam- numa actividade formativa humanizada necessita de
no jantar natalício organizado bém o encerramento deste com progressão escolar uma intervenção ao nível
por esta colectividade que é curso que teve o seu início dirigida particularmente a da ordenação dos espaços
já um exemplo de dinamismo em 15 de Junho de 2009, pessoas desempregadas. verdes, trabalho que vem
com mais de 2200 horas de A nível local e regional sido desenvolvido pelas
e empreendedorismo na
formação que também darão existem necessidades de autarquias. Este projecto
nossa região.
a equivalência ao 9º ano. qualificação nesta área, vem assim dar resposta á
Para mais informações e/ou
O curso EFA “Jardina- nomeadamente na melhoria necessidade de
outras fotos, poderá
gem e Espaços Verdes” te- dos espaços verdes, qualificação profissional de
consultar:
ve como principal objectivo habitacionais e de lazer. recursos humanos na área
www.cc-aldeia-ana-de- Na zona centro, onde da jardinagem.
avis.com qualificar recursos huma-

António Bahia RETIRO "O FIGUEIRAS"


Tlm: 96 647 02 99 Esplanada e
Amândio Antunes Parque de
Tlm: 96 647 02 97 Estacionamento
Mariscos e Petiscos

ADVOGADOS
Praça José António Pimenta, nº 9 - 1º. A.
Telf./Fax: 236 551 533 * 3260 - 409 FIGUEIRÓ DOS VINHOS Tlm: 917 198 927 * Telf.: 236 553 470
Rua Dr. António José de Almeida, nº 12 - 1º. Esq. - Tel. 236 553 258 -
Avenida Emídio Navarro, nº 93 - 2º C
3000-151 COIMBRA
3260 - 420 FIGUEIRÓ DOS VINHOS 3260 FIGUEIRÓ DOS VINHOS
REGIÃO 2011.01.24
5
FILARMÓNICA SERÁ SEMPRE “A ALEGRIA DA NOSSA TERRA”

FILARMÓNICA FIGUEIROENSE DE REGRESSO AO SEU GLORIOSO PASSADO


A Filarmónica Figueiroense manutenção daquela filarmóni-
realizou no pretérito dia 8 de ca e ao sócio Vítor Camoezas
Dezembro de 2010 o seu tra- e Aquiles Morgado pelos seus
dicional Almoço de Aniversá- generosos contributos.
rio que se celebra “simbolica- Seguiu-se a intervenção do
mente” nesta data, como refere Presidente da Assembleia-
o Presidente da Direcção, geral, Dr. Fernando Martelo,
Carlos Medeiros. para em breves palavras deixar
Uma celebração de que se o seu apreço vitalidade da
“perde no tempo a sua antigui- Filarmónica Figueiroense e a
dade” e “pelos muitos contac- sua convicção de que “temos
tos efectuados ao longo de Filarmónica para durar”, ape-
anos, terá começado há mais lando à participação e colabo-
de 100 anos, podendo mesmo ração dos figueiroenses.
coincidir com o dia da funda- A terminar, usou da palavra
ção da filarmónica” – afirma o Presidente da Autarquia Fi-
ainda aquele dirigente durante gueiroense, Eng.º. Rui Silva,
a sua intervenção que porme- para numa intervenção sentida
norizaremos mais à frente. reafirmar que “a Filarmónica
Depois da “tempestade é a alegria da nossa terra!”,
vem a bonança” parece ser a “uma referência de Figueiró e
frase certa para definir o que do Norte do distrito”, “a nossa
se passa actualmente na Filarmónica está no bom ca-
Filarmónica de Figueiró dos e musicais e também pelo tanto ainda no meio do presente ano, Elias Santos, dizendo que o actual Corpo Activo da Ban- minho”, lembrando que há 3
Vinhos que depois de alguns que ela tem contribuído para a a nossa filarmónica passava “cabe aqui dizer que todo o da, se deve também aos exce- anos “éramos pouco mais de
tempos conturbados, aparece- dignificação cultural e promo- por mais uma das muitas cri- trabalho musical que já vimos lentes executantes, que com uma dúzia neste almoço”, pelo
nos agora unida e cada vez ção do concelho de Figueiró ses que a têm atormentado ao e que ainda iremos ver no amor e dedicação, que põem que considerou a grande aflu-
melhor e mais forte. dos Vinhos, projectando o seu longo da sua existência. Mas concerto, se deve ao nosso na promoção da colectividade, ência neste almoço como o
Foi, por isso, este um almo- nome por muitas terras deste este é o custo a suportar por actual maestro Elias Santos, a elevaram à qualidade que “espelho da actual dinâmica”.
ço muito concorrido, com per- país, ao ponto de hoje cons- aqueles que de alma e coração que com todos os seus conhe- agora possui”. O Autarca figueiroense ter-
to de uma centena de partici- tituir e, sem falsa modéstia o e prejudicando a sua própria cimentos musicais, com toda Carlos Medeiros terminou minou reconhecendo o sacri-
pantes, entre músicos, directo- devemos reconhecer, um dos vida, gastando muitas vezes a sua competência e dinamis- agradecendo o apoio de todas fício e dedicação dos executan-
res, familiares, convidados e seus principais embaixadores” dos seus proventos, se em- mo, com o seu trabalho diário as Juntas de Freguesia do con- tes, “em troca de nada” e
sócios que mais uma vez se - afirmou. penham na luta pela vida e e exaustivo, conseguiu colocar celho e, em particular, a Junta reiterou a disponibilidade do
quiseram associar ao evento e Depois de enfatizar sobre o progresso das colectividades novamente a nossa Filarmóni- de Freguesia de Figueiró dos seu Executivo no apoio à
com a sua presença transmitir protagonismo da Filarmónica a que se dedicaram” - afirmou ca, no lugar a que ela tem direi- Vinhos; à Câmara Municipal, Filarmónica Figueiroense.
uma palavra de confiança à na promoção cultural e turís- Carlos Medeiros que, mais á to. Mas todo o trabalho e qua- por todo o apoio dispensado De realçar o visível clima de
Direcção, aos Executantes e ao tica das respectivas terras, frente se dirigiu ao Maestro, lidade musical com que dotou que se tem revelado vital na camaradagem e boa disposição
novo Maestro, Elias Santos. Carlos Medeiros afirmou que reina no seio da
Estiveram ainda presentes, “que todos os presentes partil- Filarmónica Figueiroense que
o Presidente, Rui Silva, o ham um grande, grande amor muito contribui para o
Vereador Amândio Ideias, o por esta filarmónica, que tanto “renascer” desta banda.
Presidente da Assembleia Mu- tem contribuído para estreitar À noite, a Filarmónica Fi-
nicipal, José Pires; Presidente laços de fraternidade entre os gueiroense actuou na Casa da
da Junta de Figueiró dos figueiroenses e sempre, sem- Cultura que, completamente
Vinhos e das Bairradas, Filipe pre condignamente, promover lotada, assistiu a mais um
Silva e Carlos Silva, além de o nosso concelho. São pois momento de impar qualidade
representantes de várias asso- muitas as razões para que esta musical, interpretada pelos
ciações locais. Direcção se orgulhe de estar à pupilos de Elias Santos.
Atentemos, então, à inter- frente dos destinos da colecti- De realçar que este concerto
venção de Carlos Medeiros, vidade que representa com a foi inserido nas comemora-
durante este almoço de aniver- permanente preocupação de ções de mais um aniversário
sário da Filarmónica de Figuei- que esta volte sempre ao seu da - agora - Fundação INATEL
ró dos Vinhos “desta filarmó- glorioso passado recente, que que também fizeram questão
nica de quem sempre com a todos muito honra. de expressar a sua admiração
tanto prazer falamos, por E é bom lembrá-lo para que pelo momento musical que
tantas e boas razões artísticas agora possamos recordar, que acabavam de usufruir

Deseja a todos os Clientes, Fornecedores e Amigos Deseja a todos os Clientes, Fornecedores e Amigos Deseja a todos os Clientes, Fornecedores e Amigos
Próspero 2011 Próspero 2011 Próspero 2011
6 2011.01.24
REGIÃO

NA CASA DA JUVENTUDE EM FIGUEIRÓ DOS VINHOS


GOVERNO CIVIL PROMOVE DEBATE SOBRE NEMÁTODO DO PINHEIRO
- O Nemátodo da madeira do pinheiro foi detectado em Portugal na Península de Setúbal em 1999 e em Abril de 2008 foram detectados os primeiros casos
na zona Centro na Lousã e em Arganil. A melhor maneira de combater o Nemátodo é, para além da remoção dos pinheiros afectados. A remoção das árvores
afectadas, compete aos seus proprietários e constitui uma obrigação legal.
Com o objectivo de sensibi- perda de muitas centenas de
lizar e informar produtores, milhar de euros e imensos
associações e empresas flores- postos de trabalho, pois tra-
tais para o nemátodo da ma- tando-se de um verme micros-
deira do pinheiro o Governo cópico, consegue transmitir a
Civil de Leiria promoveu na doença a outras árvores através
quarta-feira, 29 de Dezembro, de um insecto-vector, o longi-
na Casa Municipal da Juven- córnio do pinheiro e a disper-
tude de Figueiró dos Vinhos, são do Nemátodo está limitada
o “Seminário acerca do Nemá- ao período de voo do insecto,
todo do Pinheiro”. de Abril a Outubro.
Integrada na campanha Os sintomas no pinheiro,
distrital sobre o Nemátodo da são o amarelecimento e murc-
madeira do pinheiro teve início hidão das agulhas (primeiro as
ás 14 horas com as interven- mais antigas, estendendo-se
ções do governador civil de gradualmente a toda a copa);
Leiria, Paiva de Carvalho e do diminuição da produção de
presidente da Câmara Muni- resina; manutenção das agulhas
cipal de Figueiró dos Vinhos, mortas por período prolonga-
Rui Silva. do e existência de ramos secos
Rui Silva, presidente da mais quebradiços que o
câmara,destacou a importância habitual, levando à secura total
desta acção muito porque” o da copa.
concelho se situa na zona do O Nemátodo está a atacar
pinhal” e “a floresta pode, à em força a fileira florestal do
semelhança da água, ser um pinheiro, sendo fácil observar,
factor aglutinador e promotor por toda a nossa região, mil-
da região”. O Autarca realçou ridade Florestal Nacio- passa por dar continuidade à hares de pinheiros secos e que
o facto de não ter sido detec- nal. Clara Serra, da Direcção- prospecção até aqui realizada terão de ser abatidos o mais
tado nenhum caso no con- Geral de Agricultura e Desen- no sentido de reduzir o declí- rapidamente possível, para
celho. volvimento Rural, abordou o nio e incidência da doença, que a doença não se alastre
“Mais vale prevenir do que tema «Exigências ao trata- controla-la a própria doença, ainda mais, em cada um dos
remediar”, no entanto, “insta- mento térmico. Nuno Mar- continuar com a fiscalização pinhais dos nossos agriculto-
lada uma doença é necessário ques, do Parque Natural de por parte da GNR e com ac- res, a contas com mais este
encará-la com frontalidade, Serra de Aires e Candeeiros - ção a realização de acções de problema da Natureza.
com meios para ter um dia- PNSAC, prestou informação sensibilização e investigação. A melhor maneira de comba-
gnóstico preciso, tentar contê- pertinente sobre a temática Esta acção esteve integrada ter o Nemátodo é, para além da
la na propagação e investigar e Rui Melo, da Direcção-Re- na Campanha Distrital de Sen- remoção dos pinheiros afecta-
cientificamente o que pode gional de Agricultura e Pescas sibilização sobre o Nemátodo dos, entre Novembro e Março,
estar ligado à doença”, afirmou do Centro, procedeu a esclare- da Madeira do Pinheiro pro- a eliminação de todos os so-
o Governador Civil do Distrito cimentos sobre o «Enquadra- movida pelo Governo Civil de brantes da exploração florestal,
de Leiria, Paiva de Carvalho mento do PRODER na erradi- Leiria. Em destaque a luta controlar a população do in-
que destacou o empenho do cação do nemátodo da madeira contra a praga e doenças que secto-vector durante o seu pe-
seu Chefe de Gabinete, Carlos do pinheiro». das árvores com sintomas em região de Lisboa e Vale do Te- atacam as florestas mas no ríodo de voo (Abril a Outu-
Lopes na realização deste se- O Nemátodo da madeira do contínuo durante todo o ano”, jo. Outros números mostram caso vertente mais intensifi- bro), por meio de armadilhas.
minário em Figueiró dos Vin- pinheiro foi detectado em como referiu o engenheiro José que até 2010 a doença foi cada no mal que destrói o pin- A remoção das árvores
hos, e a presença de Leiria José Portugal na Península de Manuel Rodrigues da Auto- detectada em 239 freguesias heiro bravo, como foi devida- afectadas, compete aos seus
Manuel Moura CODIS de Setúbal em 1999 e em Abril de ridade Florestal Nacional, de do país integradas em 65 con- mente explicado, provocando proprietários e constitui uma
Leiria. 2008 foram detectados os forma a eliminar totalmente o celhos e 12 Distritos. Concre- a redução de resina, cloroses obrigação legal.
O que é o nemátodo da primeiros casos na zona Cen- insecto vector. tamente na região centro foram de agulhas, copa averme. Após um participado
madeira do pinheiro e quais os tro na Lousã e em Arganil. Em 2009/2010 de 4 mil intervencionados 6 distritos, O Nemátodo, uma doença período de debate o governador
seus impactos foi o tema do Nesta altura foi elaborado um amostras, foram detectados ou seja 600 mil hectares de que ataca o pinheiro bravo, é civil de Leiria procedeu ao
primeiro painel a cargo de José Programa de Acção Nacional 322 casos positivos, sendo território florestal. responsável em Portugal pela encerramento dos trabalhos.
Manuel Rodrigues, da Auto- que consistia “na eliminação 240 na região centro e 60 na Para o futuro a estratégia

FERNANDO EDUARDO
MARTELO FERNANDES
ADVOGADO ADVOGADO

Rua Dr. Manuel Simões Barreiros, 15 - 1º. Rua Luis Quaresma, 8 - 1º.
Tel. 236 552 329 / Tlm: 918 233 205 Tel. 236 552 286
- 3260 FIGUEIRÓ DOS VINHOS FIGUEIRÓ DOS VINHOS
Deseja a todos os Clientes, Fornecedores e Amigos Próspero 2011
REGIÃO 2011.01.24
7
AUMENTOS NA ORDEM DOS 2.000 POR CENTO FALTA DE DINHEIRO SUSPENDE PARQUE
Curso
EMPRESARIAL INTERMUNICIPAL
TAXA DE PUBLICIDADE GERA POLÉMICA Nadadores
Salvadores AUTARCAS LAMENTAM INEXISTÊNCIA
O
s comerciantes
de Figueiró
dos Vinhos
tiveram uma
desagradável
em Figueiró DE VERBAS DO QREN

A
dos Vinhos
surpresa logo no princípio
do ano, quando receberam falta de verbas levou a que os municípios
os tradicionais ofícios para de Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos
a “Renovação Anual de O Município de e Pedrógão Grande, no norte do Distrito de
Licença Publicitária” que Figueiró dos Vinhos, Leiria, suspendessem a criação de um
deveria ter lugar durante o em colaboração com o parque empresarial comum.
mês de Janeiro. ISN, vai promover um
Com efeito, os primeiros Curso de Nadadores Os municípios de Castanheira de Pera, Figueiró dos
comerciantes a dirigirem-se Salvadores. O curso Vinhos e Pedrógão Grande, no Norte do distrito de Leiria,
aos serviços administra- anunciaram a suspensão do projecto de criação de um
decorrerá de 3 de
tivos da Autarquia viram- parque empresarial comum por falta de verbas.
Março de 2011 a 4 de
se confrontados com um “O projecto encontra-se suspenso por falta de
Abril de 2011, estando
aumento absolutamente dinheiro”, disse o presidente da Câmara Municipal de
inesperado de cerca de 2000 as inscrições abertas
até 24 de Fevereiro.Os Pedrógão Grande, João Marques (PSD), apontando a
por cento. Sim, dois mil, por
extenso para não haver contactos e as inexistência de apoio do Quadro de Referência Estratégico
dúvidas. Por exemplo, um inscrições poderão ser Nacional (QREN).
comércio que pagava 5,99 feitos através do João Marques sublinhou a incapacidade financeira dos
Euros passaria a pagar 126 O Presidente Rui Silva aconselha os Gabinete de Desporto três municípios para avançarem com fundos próprios para
Euros... comerciantes a aguardarem com serenidade pelos telefones o investimento, estimado em cinco milhões de euros. “A
O alarme foi geral e al- 236551132, 913085735 actual conjuntura é-nos absolutamente desfavorável”,
guns comerciantes cheg- Contactado pel’ “A Co- pelo Executivo. Na próxima ou pelo e-mail assegurou o autarca, adiantando que o seu município
aram ao ponto de retirar os marca”, o Presidente Rui reunião, a realizar dia 26 de gabdesporto@cm- sofreu um corte de verbas de cinco por cento do Programa
seus toldos e afins. O Silva lembrou que se tra- Janeiro, deverá haver um figueirodosvinhos.pt. de Estabilidade e Crescimento (PEC) II, a que acresce o
descontentamento foi bem tava de um Regulamento entendimento. “Entre os mesmo valor no Orçamento do Estado.
visível e teve imediata- elaborado por uma empresa números apresentados p- “Somos afectados de duas formas: sofremos um corte
mente eco. da especialidade, aprovado elo PS e os que vamos apre-
de verbas e, depois, não temos como assegurar a
Entretanto, a AEPIN (As- em reunião de Câmara e As- sentar há-de estar a razoa-
sociação Empresarial do sembleia Municipal, após contrapartida nacional em projectos candidatados ao
bilidade. A proposta é váli-
Pinhal), liderada por João mais de um mês em Consulta da, vamos cruzá-las” - afir- QREN”, salientou. Criticando o “corte cego” que atinge
Cardoso, alertada pelos Pública. Ainda assim, mos- mou Rui Silva que aconsel- todos os municípios de igual forma, o presidente da câmara
seus sócios, imediatamente trou abertura para reana- ha os comerciantes a aguar- de Pedrógão Grande classificou a situação como “injusta”
fez chegar um ofício à lisar os valores em questão. darem com tranquilidade para os municípios do Interior, que “não têm receitas
Autarquia onde dava conta Ainda segundo Rui Silva, pois da próxima reunião próprias”. As verbas do QREN “vão para os municípios
da preocupação dos seus os Vereadores da oposição, deverá, para já, sair uma ricos”, acusou.
associados e comerciantes Carlos Lopes e Jorge prorrogação do prazo de João Marques manifestou ainda a esperança de que o
em geral e apelava a uma Abreu, apresentaram uma pagamento, enquanto os projecto de criação do parque empresarial “possa ser
solução que não fosse tão proposta na primeira Reu- novos valores não vão a apoiado num futuro próximo”, se houver “alguma
penalizadora para os nião do ano para alteração nova Assembleia Munici- reprogramação” dos fundos comunitários. “Só há uma
comerciantes figueiroen- desses mesmos valores pal para aprovação.
ses. que agora está em análise
forma de combater a desertificação: é a criação de emprego,
CS
para os que cá estão fiquem e os que foram embora
regressem”, declarou.
O presidente da autarquia de Castanheira de Pera,

PINHAL INTERIOR NORTE Fernando Lopes (PS), também lamentou que a


concretização do parque empresarial dos três concelhos,
anunciada para este ano, não esteja em curso. “Este

AIDA GRILO AFASTA CENÁRIO DE FECHO DE CENTROS SAÚDE


deveria ser um projecto não só apoiado, como incentivado
e potenciado”, afirmou Fernando Lopes, destacando a
parceria dos municípios para criar uma infraestrutura que
“poderia constituir uma mais valia para o Pinhal Interior
Norte”.
- Garantia dada pela directora do Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Interior Norte II que Já Rui Silva, presidente da Câmara Municipal
admite grande falta de médicos. Autarcas preocupados com a situação figueiroense afirmou que “todos os actuais
constrangimentos obrigam-nos a que algumas das obras
A directora do Agrupa- situação verificada a nível Porém, aquela responsá- entre as 14 e as 22 horas, e fiquem para segundo plano” referiu referindo que os
mento de Centros de Saúde nacional, que também vel adianta que os utentes aos sábados, domingos e municípios irão “fazer um compasso de espera e numa
do Pinhal Interior Norte II, abrange o ACES Pinhal não ficam sem consultas. feriados, das 9 às 21 horas.
próxima fase esperamos poder concretizá-lo”, pois “é um
afasta a hipótese de fecho Interior Norte II, que integra Na Extensão de Saúde de Daí que Aida Grilo não
projecto estruturante para esta região do Pinhal Interior”,
de qualquer Extensão de os concelhos de Ansião, Avelar estão a ser considere que a situação
Centro de Saúde. Contudo, Alvaiázere, Castanheira de asseguradas consultas sentida no ACE que dirige
acrescentou o autarca.
Aida Grilo reconhece que Pera, Figueiró dos Vinhos, “duas a três dias por seja “das piores”, não Figueiró dos Vinhos assume agora como prioritário o
existe uma “carência Pedrógão Grande e Penela. semana”, enquanto no conhecendo casos de Parque Empresarial do Carameleiro.O parque empresarial
grande” de médicos. “Recebemos alguns Centro de Saúde de Ansião utentes que tivessem intermunicipal está projectado para uma zona que delimita
Aida Grilo refere que a médicos mas foram para funcionam consultas para ficado sem cuidados os três concelhos, junto ao Itinerário Complementar 8
falta de médicos é uma locais mais carentes”, diz. casos agudos diariamente primários de saúde. (IC8).
8 2011.01.24
REGIÃO

CASTANHEIRA DE PERA NA SIC PEDRÓGÃO GRANDE


“OS ALEGRES” DIVULGAM A CONCERTINA FIM DE SEMANA DO MEDRONHO
Os castanheirenses Realiza-se no próximo dia
Fernando e José dos Anjos, 5 de Fevereiro o Fim de
nas lides artisticas conh- Semana do Medronho em
ecidos por “Os Alegres” e Pedrógão Grande.
as suas concertinas, parti- O programa é vasto, com
ciparam numa jornada de uma oferta muito variada.
dois dias de audições para Passeio Pedestre, Passeio
o programa televisivo da de Tractores, Passeio BTT
SIC ‘Portugal tem talento’, e Passeio TT são tudo
que estreia a 30 de Janeiro. “ingredientes” desta inicia-
Para ‘Os Alegres’, de tiva com um final em co-
Castanheira de Pera, o mum: as 16H30 no Outão -
“objectivo ao participar no Graça, onde haverá uma
programa é mesmo divulgar Prova de Enchidos e de-
a concertina. E só vamos monstração artesanal do
tocar, não cantamos”, refe- fabrico de medronho. É
riram os amigos que eram caso para dizer que todos
conhecidos entre os candi- datos que se apresentaram final do concurso no valor os passeios vão dar ao fim
datos pelos seus grandes na sala principal do Theatro de 100 mil euros. de semana do Medronho
bigodes. Circo e que, no final das “Todos os números que em Pedrógão Grande.
O Theatro Circo foi o actuações, ouviram da boca são apresentados nestas À excepção do Passeio
palco escolhido pela SIC e do júri a apreciação sobre audições já foram pré- Pedestre que terá concen-
pela FremantleMedia Portu- o número que apresen- seleccionados nos castings tração às 14 horas na Praia
gal. taram. de produção que decorre- Fluvial do Mosteiro, todos
O público bracarense Conceição Lino, José ram em Lisboa e no Porto”, os outros têm a concen-
compareceu e esgotou a Diogo Quintela e Ricardo adiantou a mesma fonte, o tração marcada para as 9
principal sala de espectá- Pais são os três elementos que explica o facto de, on- horas, no Centro de Inter-
culos da região. que integram o júri que vai tem à tarde, não haver pretação Turística, em Pe-
O salão nobre serviu de decidir quem terá oportu- nenhum candidato braca- drógão Grande.
‘sala de espera’ aos candi- nidade de ganhar o prémio rense.
DESTAQ UE - PRESIDENCIAIS
DESTA 2011.01.24
9
CAVACO SILVA É O PRESIDENTE ELEITO COM MENOS VOTOS
MAIOR ABSTENÇÃO EM ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS DEMOCRÁTICAS
- Cavaco Silva obteve 52,94% dos votos (ultrapassou a percentagem de há cinco anos, 50,54%, mas com menos votos de há cinco anos: 2.773.431/2.230.104).
Manuel Alegre atingiu 19,75%(há cinco anos 20,74%). Fernando Nobre, 14,10%. Francisco Lopes 7,14%, José Manuel Coelho 4,5% e Defensor Moura 1,57%.
Votos em branco 4,26% e nulos de 1,93%. A abstenção. Atingiu 53,37%, a maior abstenção em eleições presidenciais democráticas.
A primeira conclusão é
que Cavaco Silva foi
Castanheira de Pera / 2006
reeleito à primeira volta,
C. SILVA /1000/ 48,54 %
como as sondagens pre- M. ALEGRE / 489 / 23,74%
viam, mas é o Presidente
com menos votos de sem- Figueiró dos Vinhos / 2006
pre na história da demo- C. SILVA / 3274 / 74,66%
cracia. A grande surpresa M. ALEGRE / 565 / 12,88%
da noite foi a vitória de
Nobre
A abstenção de ontem Pedrógão Grande / 2006
bateu o recorde em eleições C. SILVA / 3274 / 74,66%
presidenciais: 53,37% dos M. ALEGRE / 565 / 12,88%
9,6 milhões de portugueses
inscritos não depositaram
o voto nas urnas. Este nú-
mero ultrapassa os 50,29% Moura 1,57%. antigo bastião do PCP, on- eleitoral de ontem. Pelo me- blica reeleito baixou dos Enquanto Defensor Mou-
verificados na reeleição de Os votos em branco fo- de ainda resistem algumas nos, na Madeira. O candi- quase 152 mil votos para ra teve uma votação pouco
Jorge Sampaio, em 2001, e ram na ordem dos 4,26% e autarquias de maioria co- dato conseguiu a maior vo- perto de 119 mil, traduzin- significativa 1,2%), José
fica muito distante dos os nulos de 1,93%. munista, Cavaco já havia tação de uma candidatura do-se em menos 33.208 vo- Manuel Coelho foi a sur-
38,24% de abstencionistas Uma das novidades des- ganho globalmente em da oposição na ilha (mesmo tos que os recebidos em presa nalguns concelhos
nas eleições que elegeram ta eleição são os números 2006, mas em alguns con- tendo em conta eleições 2006, enquanto Manuel (3,44%) - como Alvaiázere,
pela primeira vez Cavaco da abstenção. Atingiu celhos Jerónimo de Sousa legislativas e regionais) ao Alegre perdeu mais de 14 Batalha, Figueiró dos Vin-
Silva obteve 52,94% dos 53,37%, a maior abstenção tinha sido o mais votado. obter cerca de 39 por cento mil votos e Fernando No- hos, Ansião ou Pedrógão
votos, ultrapassado a per- em eleições presidenciais dos votos. Ficou apenas a bre alcançou mais de 2.800 Grande -, onde obteve mais
centagem com que foi elei- democráticas. O valor mais Esmagado na terra natal cerca de cinco pontos per- que os obtidos por Mário votos que o candidato do
to há cinco anos, 50,54%. elevado tinha sido atingido Mesmo Águeda, o con- centuais de Cavaco Silva, Soares há cinco anos. PCP.
Mas não terá atingido os precisamente numa reelei- celho de origem de Manuel consagrando-se assim co- Cavaco Silva alcançou
2.773.431 votos de há cinco ção, a de Sampaio em 2001, Alegre, o resultado não mo um verdadeiro “Tiriri- 61,6%, Manuel Alegre Mais de 80 por cento dos
anos, ficou-se pelos em que a abstenção chegou foge da média nacional, ca” da Madeira. A perfor- 14,6% (com 28.095 votos) e votos em Alvaiázere
2.230.104, quando estavam aos 50,29%. Valores de abs- conseguindo aqui 21,01 % mance de José Manuel Fernando Nobre 14,4%, É o concelho de Alvaiá-
apuradas todas as fregue- tenção elevados apenas no concelho (Cavaco teve Coelho tem também aspec- muito próximo do candida- zere, no distrito de Leiria,
sias, perdendo assim mais ultrapassados pelos das 61,25%) e na cidade Alegre tos curiosos no continente: to apoiado pelo PS e BE que dá percentualmente no
de meio milhão de votos. O eleições para o Parlamento esteve um pouco melhor consegue bater Francisco (27.855 votos). Em 2006, território continental a vo-
resultado em votos de Ca- Europeu, em que os 64,46% com 24,67%. Lopes em três distritos (Vi- Alegre tinha alcançado no tação mais expressiva a Ca-
vaco Silva é, por outro lado, foram o recorde atingido em seu, Vila Real e Viana do distrito 17,4%. vaco Silva – 80,76 por
o mais baixo de uma eleição 1994. Vitória em apenas dois Castelo), ficando, assim, Fernando Nobre alcan- cento. O actual presidente
presidencial em democra- concelhos em quarto lugar. E obtém a çou o terceiro lugar nestas consegue também neste
cia. Até hoje o mais baixo Cavaco Silva consegue Manuel Alegre só conse- sua maior percentagem em eleições no distrito, com distrito outros resultados
fora o de Jorge Sampaio, resultado histórico em guiu ficar em primeiro em dois Castelo Branco, com 4,49 27.855 votos, mais 2.833 próximos dos 80 por cento,
com 2.401.015, na sua ree- Setúbal concelhos do continente: Alan- por cento. que os alcançados por Má- como aconteceu no muni-
leição. Cavaco Silva consegue droal, no distrito de Évora, rio Soares em 2006. cípio de Pedrógão Grande.
Já Manuel Alegre atingiu um resultado histórico no com 30,35% dos votos, e Cavaco Silva domina no Francisco Lopes (4,7%) A percentagem global nes-
19,75%, quando há cinco distrito de Setúbal, gan- Castro Verde, no distrito de distrito de Leiria não segurou o eleitorado te distrito (61,64 por cento)
anos teve 20,74%. Fernan- hando nos 13 concelhos. A Beja, com 34,66%. Os resultados das elei- de Jerónimo de Sousa, per- não é maior sobretudo por
do Nobre, um dos vence- disputa mais renhida foi em ções de anteontem em Leiria dendo mais de 3.000 votos causa dos antigos bastiões
dores da noite, atingiu Alcácer do Sal onde teve Coelho consegue mais de confirmam a hegemonia comparativamente com o comunista (Marinha Gran-
14,10%. Francisco Lopes apenas um voto de vanta- 38 por cento na Madeira alcançada por Cavaco Silva resultado do secretário- de) e socialista (Nazaré).
teve 7,14%, José Manuel gem sobre Francisco Lo- José Manuel Coelho é um em 2006 no distrito, contu- geral do PCP no anterior es-
Coelho 4,5% e Defensor pes (1528-1527). Neste dos vencedores da noite do, o Presidente da Repú- crutínio.

JOSÉ CARLOS LEITÃO FERNANDO MANATA


ADVOGADO - Telm.: 917277096
ADVOGADO
ANA LÚCIA MANATA
ADVOGADA - Telm.: 912724959
Rua António José Almeida, 71
3260 Figueiró dos Vinhos
Rua Dr. Manuel Simões Barreiros, Nº 60 - R/C. 3260 - 424 FIGUEIRÓ DOS VINHOS
- Telm.: 968 918 283
Telf./Fax: 236 551 095
10 2011.01.24
REGIÃO - PAMPILHOSA D
PAMPILHOSA A SERRA
DA

DIRECÇÃO PRETENDE “EDUCAR” E “FORMAR” NATAL... UM MUNDO POR DESCOBRIR

PAMPILHOSENSE ARRANCA NOVO ANO COM ARREGAÇAR LUDOTECA EM DORNELAS DO ZÊZERE


DE MANGAS! - Autarquia inova e descentraliza: Ludoteca no Centro
Educativo sito na freguesia de Dornelas do Zêzere
Com a entrada do novo
ano marcado pelas
festividades e desejos
fervorosos para 2011
em que, entre eles,
estará certamente o
sucesso das equipas do
Grupo Desportivo
Pampilhosense retoma-
se a competição Infantis
Mas mais do que pontos e
equipas bem posicionadas, a Séniores
direcção do Grupo Desportivo
Pampilhosense pretende levar a
cabo os objectivos propostos no
seu projecto para o biénio 2010 –
2011 no que diz respeito à promo- A Ludoteca “Pampilho” promovi- expressão, actividades de culiná-
ção do desporto junto das cama- da pelo Município de Pampilhosa ria e desportivas, de expressão
das mais jovens motivando os da Serra, preparou mais um pro- plástica e teatral tendo as crianças
atletas para o sucesso escolar ao grama de actividades lúdico-pe- preparado uma peça de teatro de
avançar com a dinamização de um dagógicas de ocupação dos tem- fantoches dirigida às crianças do
espaço dedicado à elaboração pos livres para as férias do Natal, jardim de infância da Santa Casa
dos trabalhos de casa antes dos com o objectivo de responder às da Misericórdia de Pampilhosa da
treinos o que permitirá incutir necessidades das famílias do Serra.
que desporto não passa apenas concelho da Pampilhosa da Serra. Tratou-se de um programa que
pelos treinos mas também pelo Este ano, o programa contou pretendeu sensibilizar as crian-
cumprimento das actividades es- com a inovação de ser realizado ças para a importância do despor-
colares. Este espaço será dinami- de forma descentralizada no novo to e da animação como factor de
zado com apoio de profissionais momento para desejar aos atletas, saudáveis junto de crianças e Centro Educativo sito na fregue- socialização, criando e fortale-
e voluntários no âmbito das par- adeptos, sócios, amigos e patro- jovens Pampilhosenses educan- sia de Dornelas do Zêzere. cendo hábitos de ocupação de
cerias locais que esta instituição cinadores um óptimo ano 2011 do e formando cidadãos através Estas actividades, consistem tempos livres de forma positiva,
mantém com outras instituições desejando poder contar com o da transmissão de valores cívicos em jogos de comunicação e de divertida e saudável.
e projectos comunitários locais. apoio de todos na prossecução como o respeito, a disciplina, a
A direcção do Grupo Despor- dos seus objectivos na promo- assiduidade, a responsabilidade,
tivo Pampilhosense aproveita o ção de hábitos e estilos de vida a entre-ajuda, entre outros.

Alunos do 9º Ano 1º Torneio de Ciclo Mise en IEFP de Arganil


Visitam Posto da GNR Paintball Inter- Scène « Só o Faraó continuará aberto
de Pampilhosa da Serra Aldeias tem Alma» em 2011
O Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família AComissão de Melhoramentos de Realiza-se no próximo dia 28 de Janeiro, o O Município de Arganil prescinde
(GAAF) e os alunos do 9º Ano, com a Aradas, da qual Jorge Gaspar é ciclo “Mise en Scène” com a peça “Só o do pagamento do aluguer do
respectiva Directora de Turma, realizaram, Presidente da Direcção, demonstra a sua Faraó tem Alma”, no Auditório do Edifício espaço da Quinta do Mosteiro em
no dia 4 de Janeiro de 2011, uma visita ao força e garra. Numa terra onde as Monsenhor Nunes Pereira, pelas 21.30 horas. troca do não encerramento do
Posto da Guarda Nacional Republicana dificuldades são inúmeras, é louvável Esta comédia é apresentada pelo Teatro Centro de Formação de Arganil.
(GNR) de Pampilhosa da Serra. Esta visita este seu trabalho diário e efectivo. Amador de Pombal. Esta solução surgiu após a
teve como principal objectivo dar a Dia 5 de Março Aradas recebe o Iº “No império do Faraó, o povo decidiu tomada de posição da Assembleia
conhecer o percurso profissional dos Torneio de Paintball Inter-Aldeias, com o reivindicar almas para todos. Para resolver Municipal e da Câmara Municipal
Agentes da GNR. intuito, de promover o que esta terra e este problema a corte tenta encontrar uma de Arganil, bem como dos
Os alunos puderam obter informações este concelho tem de melhor, as solução”. Partindo do conceito de jogo - Presidentes das Câmaras de
sobre a profissão, assim como esclarecer paisagens naturais que deliciam qualquer base da acção teatral, do faz-de-conta - o Arganil, Góis, Oliveira do
as suas dúvidas em contacto directo com um, “Pampilhosa da Serra Inspira TAP apresenta esta peça de Silveira Sampaio, Hospital, Pampilhosa da Serra e
estes profissionais. Para além disso, nesta Natureza”. Este torneio será realizado em dramaturgo brasileiro, mestre no humor, Tábua, houve um conjunto de
visita guiada ao Posto puderam conhecer cenário natural o que sem dúvida simultaneamente directo e inteligente… Para diligências desenvolvidas que
as suas várias divisões: a sala de proporcionará um encanto redobrado jogar, mesmo como espectador, apenas é permitiram encontrar uma solução
atendimento, o refeitório, as celas, a sala tanto aos participantes como aqueles que preciso ter os sentidos bem alertas e assim para o problema, que iria afectar
de armas e a sala de formação. quiserem visitar Pampilhosa. descobrir o porquê de só o Faraó ter alma.” estes Municípios da Beira Serra.
COLABORAÇÃO 2011.01.24
11
Nº 20
24 JANEIRO 2011
ANO IV 3ª SÉRIE

JORNAL MENSAL DISTRIBUÍDO COM O JORNAL “A COMARCA” (o presente suplemento constitui parte integrante da edição nº 366 do jornal “A Comarca, não podendo ser vendido separadamente)
Propriedade: Agrupamento de Escolas de Figueiró dos Vinhos Coordenação: Professora Graça Lucas

AGRUPAMENTO HASTEOU BANDEIRA


VERDE DA ECO-ESCOLAS 2010

Foi de forma entusiástica que no dia 17 de também presentes algumas turmas do 1º e 2º


Dezembro, último dia de aulas do primeiro ciclos com os respectivos professores.
período, o nosso Agrupamento de Escolas Sendo a Escola um local privilegiado de
hasteou a “Bandeira Verde 2010 da Eco – aprendizagens e sensibilização para boas
Escolas” na escola sede. Esta cerimónia, contou práticas ambientais, vamos continuar a
com as presenças do Sr. Presidente da Câmara desenvolver um conjunto de projectos no
Municipal, Eng. Rui Silva, do Presidente da âmbito da sustentabilidade, com o objectivo de
Assembleia Municipal Sr. José Pires Caetano, melhorar a gestão ambiental das Escolas do
do Presidente dos Bombeiros Voluntários, Agrupamento, envolvendo alunos, famílias e
Eng. Luís Filipe Silva, da representante da comunidade. Deste modo, e com o empenho
Associação de Pais, Dra. Helena Teixeira, da de todos, ambicionamos novamente hastear a
representante do Jornal “A Comarca”, Dra Bandeira - Verde em 2011.
Sandra Simões. Para dar brilho à cerimónia, e
A Coordenadora do projecto Eco-Escolas
como não podia deixar de ser, estiveram
12 2011.01.24
COLABORAÇÃO

“Como e porquê namorar a Ciência?”TROCA DE LÂMPADAS


Palestra visou promover a cultura Se queres mudar o mundo,
científica e o ensino da Ciência começa por mudar as lâmpadas

“Como e porquê namorar a - “Achei a palestra muito lado no nosso dia-a-dia. Foi algo
Ciência?” interessante, devido à leve e divertido. Um dia gostava
Palestrante convidado: Joel interactividade que o palestrante que ele voltasse.” M. Nunes;
Pereira de Almeida, Engenheiro, demonstrava com os alunos e o - “A sessão foi interessante, Na última semana de aulas do primeiro período, realizou-se uma
realizador Multimédia e ex-Di- tema desta palestra demonstrava permitiu-nos perceber desde actividade no âmbito do projecto Eco - Escolas com o objectivo de
rector do Museu das Comuni- curiosidade e interesse.” S. coisas mais simples, como por trocar lâmpadas incandescentes por lâmpadas economizadoras. Esta
cações. Coelho; exemplo o significado de certas acção de distribuição de lâmpadas economizadoras financiada pela
Artigo de opinião - “(…) Conseguiu passar a palavras, a coisas mais comple- ERSE e promovida pela EDP Distribuição é realizada em parceria com
O que é isso de Ciência e fazer mensagem pretendida, foi muito xas. Acho também, que conseguiu o Ministério da Educação/DGIDC e enquadra-se no PPEC(Plano de
Ciência? Há uma receita? Como didáctica e a barreira que transmitir-nos curiosidade e Promoção da Eficiência no Consumo) da Entidade Reguladora dos
se comunica Ciência? Comu- naturalmente existe quando uma tornou a sessão divertida.” R. Serviços Energéticos, e tem por objectivo a promoção de medidas
nicar Ciência com consequência pessoa estranha se apresenta a Coelho; que visam melhorar a eficiência no consumo da energia eléctrica.
poderá contribuir para o nós foi ultrapassada (…).” V. - “Gostei muito da palestra, pois O nosso agrupamento de escolas achou mais uma vez o desafio
desenvolvimento sustentado?! Castela; não é normal serem tão diver- interessante e aceitou pelo segundo ano consecutivo a proposta.
Estes foram os motes para a - “Gostei muitíssimo da palestra. tidas, o que me cativou batante. Nos intervalos efectuava-se a troca, sendo que por cada lâmpada
palestra “Como e porquê namorar Interagiu muito com a plateia, Os temas abordados também incandescente trazidas, davam-se 3 lâmpadas economizadoras.
a Ciência” destinada a alunos do expressava-se muito bem, foram muito interessantes, adorei Esta actividade teve como intuito, não só poupar na factura
12º ano de escolaridade. O evento provocáva-nos o interesse sobre a maneira como foram comuni- da energia, mas também de mudar o mundo e ajudar a melhorar o
ocorreu no pasado dia 25 de os temas. Foi pena o tempo ter cadas.” M. Bernardo; ambiente, este agradece!
Novembro na Escola Secundária “voado” e não ter dado para - “(…) Achei que a apresentação A coordenadora do projecto Eco-Escolas
do Agrupamento de Escolas de acabar (…)” C. Antunes; de Power Point estava muito bem
Figueiró do Vinhos, inserido na - “Adorei a sessão e conhecer o organizada e apelativa.” R.
Semana da Ciência e da Tecnolo- palestrante porque ele transmite Oliveira.
gia 2010, que é coordenada pela as ideias com um à vontade e de
Prof. João Pires e alunos do
Agência Nacional para a Cultura uma forma tão interessante,
12ºAno
Científica e Tecnológica, visando fazendo-nos pensar em coisas
promover a cultura científica e o que nos passavam um pouco ao
ensino da Ciência.
Consideramos relevante
apresentar algumas das opiniões
dos alunos:
- “Adorei a palestra e a excêntrica
maneira utilizada pelo palestrante
para nos cativar a querer saber
mais sobre o assunto. Foi
fantástico!” J. Sério;

ONDE
ONDE PPAAAGAR
PPA GAR AA ASSIN
ASSINA
ASSINA
ASSIN AATURA
TURA Em Figueiró dos Vinhos
- Na sede do jornal; e/ou - Na Papelaria Jardim
A assinatura pode ser paga através de
Em Pedrógão Grande
cheque cruzado a remeter para o
- Na Delegação do jornal, na Risco Ponderado - (junto à CGD)
Jornal A Comarca, Apartado 25, 3260-420
Agora também em: Figueiró dos Vinhos, ou ainda nos Em Castanheira de Pera
www.bmfigueirodosvinhos.com.pt seguintes locais: - No Café do Henrique (Café Central) ; e/ou- No Restaurante Europa
COLABORAÇÃO 2011.01.24
13

Dia de Reis no 1º Ciclo Reis e rainhas por


Alunos saíram à rua
No dia 6 de Janeiro,
festejámos "Os Reis", na
nossa escola. Vieram os
um dia
meninos de todas as
escolas do Concelho pois a
partilha com outros colegas
e professores é sempre
agradável.
Ao longo da semana, foram
vários os preparativos:
leram-se textos alusivos ao
tema, fez-se um arranjo na
canção das Janeiras,
ensaiou-se e fizeram-se
umas belas coroas com
cartolina e papéis
brilhantes e coloridos.

Chegado o dia da festa e No âmbito do Plano Anual de Actividades do


apesar da chuva que Agrupamento, o Departamento de Educação Pré-Escolar, vai
teimou em permanecer, dando continuidade à sua programação. Também o Dia de
ultimaram-se os Reis teve a sua comemoração e foi vivenciado pelas crianças,
preparativos e à hora educadoras e assistentes operacionais de todos os Jardins
combinada, acompanhados – de - Infância que, com muita alegria e grande azáfama,
de alguns instrumentos arregaçaram as mangas para porem as mãos na massa e
simples, fomos pelas ruas confeccionarem bons e bonitos bolos-reis.
cantar as Janeiras para Cantando pelas ruas da vila as nossas ofertas fomos
cumprir com a tradição. entregar, à Câmara Municipal, aos Bombeiros, à Segurança
Fomos ao Salão Nobre da Social, ao Lar, ao Centro de Saúde e à Direcção do nosso
Câmara Municipal e o Agrupamento de Escolas.
Senhor Presidente da Na época natalícia tudo tem mais encanto e magia. As ruas
Câmara ofereceu-nos umas enchem-se de luzes de música e nos rostos das pessoas há
guloseimas bem saborosas. um enorme sorriso de alegria e de amor. Amor e carinho entre
Apesar de muita chuva, as pessoas e das pessoas para com o ambiente, tantas vezes,
que nos obrigou a esquecido e maltratado.
regressar mais cedo para a As Rotundas de Natal, construídas apenas com material
escola, foi uma manhã reciclado, decoraram a nossa Vila tornando-a Diferente.
animada, graças ao Também os Jardins de Infância quiseram participar, e com a
envolvimento de todos e às ajuda de todos fizemos esta pequena maravilha para delícia
pessoas da nossa de pequenos e graúdos.
comunidade que nos Nós gostámos e vós?
recebem sempre tão bem!
Coord. Pré-escolar, Lurdes Marques
Em nome do Departamento
do 1º CEB e de todos os
alunos, fica a mensagem:
Feliz Ano 2011 e obrigada
por estarem sempre
connosco!

A Coordª doDepartamento
Isabel Ribeiro
14 2011.01.24 COLABORAÇAO

Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância FEIRA DO LIVRO


“Nabo Gigante” visita Avelar Hora do Conto na Biblioteca Municipal...
No passado dia 3 de
Dezembro, pelas 10 horas,
as alunas do Curso
Profissional de Técnico de
Apoio à Infância do12º E
partiram rumo ao Avelar,
ao Centro de Bem Estar
Infantil - Fundação Nossa
Senhora da Guia.
A actividade a realizar –
representação da peça “O
Nabo Gigante”, de Alexis
Tolstoi e Niamh Sharkey –
estava inserida no âmbito
das disciplinas de Técnica
Pedagógica e Intervenção
Educativa e Expressão
Plástica.
Finda a representação,
as crianças participaram
No passado dia 3 de Dezembro, de ouvir uma história muito interes-
em tarefas preparadas
os alunos do 4º ano da EB José sante que se chamava: “ O rapaz que
pelas alunas: pintura e
Malhoa estiveram presentes na comia livros”. A contadora de
colagem de animais
Feira do Livro, promovida pela histórias chamava-se Tânia, era uma
referentes à peça em
Biblioteca Municipal de Figueiró pessoa muito bem - disposta,
cenário previamente
dos Vinhos. simpática e tinha muito jeito para
elaborado pelas
Esta visita à Biblioteca foi muito representar.
formandas.
agradável, pois, além de adquirirmos Adorámos!!!
Os objectivos
alguns livros a um preço mais acessí- Alunos do 4ºJ e
propostos pelas docentes
vel, tivemos também a oportunidade professora Rosa Cristóvão
foram atingidos.

HALLOWE’EN
Grupo de Inglês celebrou Dia das Bruxas
No dia 28 de Outubro de 2010,
o grupo de Inglês da Escola
Secundária de Figueiró dos
Vinhos celebrou, como vem
sendo hábito, o Dia das Bruxas
(Hallowe’en).
Os alunos participaram
activamente nas actividades
realizadas, através da participa-
ção no concurso de abóboras,
“Pumpkin Carving”, com a exe-
cução de abóboras (Jack-o-Lan-
tern), e da participação no con-
curso de desenhos/cartazes alu-
sivos a esta época comemo-
rativa. O concurso de abóboras
contou com a participação da
docente de Expressão Artística, nados com a temática do “Dia das se de bruxas, fantasmas, abóbo- de outras turmas sobre os costu- alunos se divertiram imenso com
que, com as turmas 10º E e 11º E Bruxas”. ras e monstros e realizaram o mes desta festividade e distribu- esta actividade.
dos Cursos Profissionais, de- As alunas do 11º E seguiram a “Trick or Treat”, andando de sala indo doces sempre que as respos- O Grupo de Inglês
senvolveu trabalhos relacio- tradição americana e disfarçaram- em sala, questionando os colegas tas eram as correctas. Todos os
COLABORAÇÃO 2011.01.24
15

Em nome da memória colectiva figueiroense


A Biblioteca Municipal de ró dos Vinhos (desde os finais do monográficos muito interes- Todas estas publicações vêm Biblioteca Municipal para a sua
Figueiró dos Vinhos, para além século XIX até ao momento santes relativos ao concelho enriquecer o «Fundo Local» digi- digitalização, a fim de aumentar-
da digitalização que levou a efei- presente), tem colocado igual- figueiroense; tal da Biblioteca Municipal de mos a colecção de imagens, que
to, relacionada com toda a im- mente on-line outros documentos 5- Outra revista com carácter Figueiró dos Vinhos, preservan- permitam complementar, ilustrar e
prensa local publicada em Figuei- importantes, que permitirão con- monográfico, editada também do e contribuindo, desta forma enriquecer a retrospectiva histó-
hecer melhor a história do con- pelo município de Figueiró dos exemplar, para a memória e rica do concelho, nos seus usos,
celho figueiroense, contribuindo Vinhos em 1993 e intitulada identidade colectiva do concelho. costumes, tradições, evolução
desta forma para a preservação «Figueiró dos Vinhos Hoje»: Com este trabalho a Biblioteca urbanística, momentos marcantes
da sua memória colectiva. 6- Uma edição especial da Municipal pretende, simultane- da vida figueiroense, etc.
Assim, estão já disponíveis no Câmara Municipal de Figueiró amente, fornecer material docu- TóZé Silva
seu site os seguintes docu- dos Vinhos, datada de 24 de Ou- mental/bibliográfico para todos
mentos: tubro de 1964 e que apresenta aqueles que desejem pesquisar
1- As «Actas da Assembleia- uma retrospectiva da inaugura- ou elaborar estudos académicos
Geral» do Clube Figueiroense, ção das obras de reconstrução locais e regionais (ou outros), ou
entre 1887 e 1895 e de 1916 a das aldeias de Vale do Rio e Casa- simplesmente para recordar
1945. Lembramos que na funda- linho, destruídas pelo grande alguns aspectos do passado
ção deste Clube estiveram envol- incêndio de Agosto de 1961; recente, ligados ao concelho de
vidas personalidades tão dis- 7- Uma pequena Monografia Figueiró dos Vinhos e à região
tintas como o pintor José Malhoa muito interessante e referente à onde se insere.
e o escultor Simões de Almeida freguesia de Aguda, da autoria de Estes documentos podem ser
(tio); Manuel Leal Júnior, intitulada «A consultados, lidos, “desfolha-
2- A revista de «Turismo: re- Nossa Terra – A Nossa Família», dos”, “bisbilhotados”, imprimi-
vista de arte, paisagem e cos- editada em 1976 e que mescla dos, etc, no site da Biblioteca
1 - «Actas do Clube Figueiro- tumes portugueses», refere a algumas memórias familiares do Municipal em http://www.bm
ense» - 1887/1895 e 1916/1945 Abril-Junho de 1958 e que dedica autor; figueirodosvinhos.com.pt.
uma dúzia de páginas ao concel- 8- A fechar, aluda-se também à Chama-se também a atenção 7 - «A Nossa Terra - A Nossa
ho de Figueiró dos Vinhos, numa sempre emblemática edição da para o fundo local em imagens Família» - 1976
edição a nível nacional, dedicada autoria de Manuel Simões Barrei- (ver «Figueiró em Imagens», no
a praias e a termas. O concelho ros, Presidente da Câmara Muni- site da Biblioteca) e que a Bibli-
era visto também como estância cipal de Figueiró dos Vinhos entre oteca Municipal continua a reu-
termal, a par de estância turística. 1930 e 1947, intitulada «Doze nir, graças à colaboração de mui-
3- O livro «Antiguidades, famí- Anos de Administração Munici- tos figueiroenses e amigos de
lias e varões ilustres de Ser- pal (1930-1942)», datada de Ja- Figueiró e cujo espólio fotográ-
nache do Bonjardim e seus neiro de 1943, obra de referência fico aumenta de dia para dia.
contornos», de 1926. Digitalizou- para a história do concelho na 1ª Neste sentido, aproveito este
se deste livro a parte respeitante metade do século XX. artigo para apelar, junto de todos
a Figueiró dos Vinhos, que cobre 9- A Biblioteca Municipal aqueles que estejam na dispo-
as páginas 247 a 271, a que se disponibiliza também em on-line sição de disponibilizar eventuais
adiciona um apêndice de 10 pági- (e também na integra), a «Mono- espólios fotográficos interessan-
nas com dados adicionais relati- grafia de Figueiró dos Vinhos», tes que possuam, referentes ao
2 - «Turismo: revista de arte, paisagem
vos à região e que o livro cobre; obra coordenada por Jorge Gas- concelho (inclusivamente herda-
e costumes portugueses» - 1958
4- Revista editada pela Câmara par e editada pela Câmara Muni- dos por familiares, etc), que
Municipal intitulada «Figueiró cipal em 2004. generosamente os emprestem à
dos Vinhos e o seu concelho», de 8 - «Doze Anos de Administração
Março de 1968, com dados Municipal (1930-1942» - 1943

3 - «Antiguidades, famílias e varóes 6 - «Inauguração das obras de


ilustres de Sernache do Bonjar- 4 - «Figueiró dos Vinhos e o seu 5 - «Figueiró dos Vinhos Hoje» - reconstrução das aldeias de Vale 9 - «Monografia de Figueirómdos
16 2011.01.24
PUB
PUB.. OBRIGATÓRIA
OBRIGATÓRIA
CARTÓRIO NOTARIAL DA SERTÃ NOTARIADO PORTUGUÊS CARTÓRIO NOTARIAL DE ANSIÃO DA NOTÁRIA MARIA DA GRAÇA
DE TERESA VALENTINA SANTOS CARTÓRIO NOTARIAL DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS DAMASCENO PASSOS COELHO TAVARES
JUSTIFICAÇÃO CERTIFICO, para fins de publicação, que no dia 30 de Dezembro de 2010, no livro de Certifico para efeitos de publicação, que por escritura desta data, lavrada de folhas 45
CERTIFICO que por escritura de dez de Janeiro de dois mil e onze, no Cartório Notarial notas para escrituras diversas número quinze, deste Cartório, a folhas trinta e quatro foi a folhas 48, do livro de escrituras diversas 101-A, JOAQUIM DA CONCEIÇÃO
da Sertã de Teresa Valentina Cristóvão Santos, lavrada de folhas cinquenta e cinco a lavrada uma escritura de justificação na qual, JOSÉ ANTUNES DA FONSECA e FERNANDES e conjugue ZULMIRA CONCEIÇÃO BRÁS, casados sob o regime da
mulher MARIA ALICE CELESTE MARQUES, casados no regime da comunhão
folhas cinquenta e sete verso, do livro de notas para escrituras diversas número cento e comunhão geral, naturais ele da freguesia de Arega, concelho de Figueiró dos Vinhos e
geral, naturais, ele, da freguesia de Vila Facaia, concelho de Pedrógão Grande, onde
vinte e dois – F, compareceram: residem no lugar de Barraca da Boavista, e ela, da freguesia da Graça, mencionado ela da freguesia de Pussos, concelho de Alvaiázere onde residem no ligar de Bispos,
AIRES FRANCISCO e mulher MARIA DE LURDES LUDOVINA ALVES, casados concelho de Pedrógão Grande, NIF 152.200.797 e 120.962.016, respectivamente, declararam:
sob o regime da comunhão geral de bens, naturais da freguesia e concelho de Pedrógão declaram ser, com exclusão de outrem, donos e legítimos possuidores dos seguintes Que são donos e legítimos possuidores, há mais de vinte anos, com exclusão de outrem,
Grande, onde residem habitualmente no lugar de Derreada Cimeira, E DECLARARAM: prédios situados na freguesia de Vila Facaia, concelho de Pedrógão Grande: dos imóveis seguintes.
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, dos seguintes prédios: UM - RÚSTICO, sito em “Bioco”, composto por mato e pinhal, com a área de SITUADOS NA FREGUESIA DE AREGA, CONCELHO DE FIGUEIRÓ DOS
UM – Rústico, sito em Moinhos, freguesia e concelho de Pedrógão Grande, composto novecentos e noventa metros quadrados, VINHOS
de terreno de cultura com oliveiras e mato com sobreiros, com área de oitocentos metros a confrontar do norte com estrada, do sul com Manuel António Morgado, do nascente NÚMERO CINCO
quadrados, a confrontar do norte com Manuel António, sul com Ramiro Simões, nascente com Manuel Antunes Morgado e do poente com Raul Mendes, Prédio rústico composto por terra de cultura com oliveiras, videiras em cordão e
com Casimiro Tomás e poente com o caminho público, inscrito na matriz sob o artigo inscrito na matriz sob o artigo 3.868, com o valor patrimonial tributário de Euros 231,71, castanheiros com a área de dois mil seiscentos e cinquenta metros quadrados sito no Vale
5335, não descrito na Conservatória do Registo Predial. igual ao atribuído: do Marques, a confrontar do Norte e do Nascente com barroca, do Sul com Conceição
DOIS – Rústico, sito em Pai Barbas, freguesia e concelho de Pedrógão Grande, composto Dois - Rústico, sito em “Bioco”, composto por mato, pinhal e eucaliptos, com a área de Carvalho e do Poente com Manuel Joaquim Dias, inscrito na matriz respectiva sob o
sete mil quatrocentos e cinco metros quadrados,
de cultura e pinhal, com a área de mil e trinta e dois metros quadrados, a confrontar do artigo 1538, com o valor patrimonial e atribuído de quatrocentos e cinquenta e nove
a confrontar do norte com Juvelina Dias Lopes, do sul com Alfredo Coelho da Fonseca,
norte com Casimiro Alves, sul com Domingos Alves Ferreira, nascente com José Antunes do nascente com António Dias da Piedade, e do poente com Manuel António Morgado, euros e dez cêntimos, omisso na Conservatória do Registo Predial de Figueiró dos Vinhos.
e poente com o barroco, inscrito na matriz sob o artigo 10851, não descrito na Conservatória inscrito na matriz sob o artigo 3.855, com o valor patrimonial tributário de Euros 168,77, NÚMERO SEIS
do Registo Predial. igual ao atribuído, Prédio rústico composto por terra de sequeiro, terra de vinha e pinhal, com a área de
TRÊS – Rústico, sito em Fontinha, freguesia e concelho de Pedrógão Grande, composto Três - Rústico, sito em “Bioco”, composto por mato e terra de cultura com oliveiras e dois mil trezentos e cinquenta metros quadrados sito no Vale do Marques, a confrontar
de terreno de cultura com oliveiras, pinhal e mato, com a área de mil quatrocentos e videiras, com a área de mil quatrocentos e quarenta metros quadrados, do norte com Francisco Carvalho, Solteiro, do Sul e do Nascente com barroca e do
quarenta metros quadrados, a confrontar do norte com o viso, sul com a estrada nacional a confrontar do norte com estrada, do sul com Valentim Coelho da Fonseca, do nascente Poente com Manuel Joaquim Dias, inscrito na matriz respectiva sob o artigo 1543, com
e viso, nascente com Casimiro Alves Ferreira e poente com João Lopes Cortez, inscrito com Manuel Antunes Morgado e do poente com Manuel Augusto, o valor patrimonial e atribuído de quinhentos e dez euros e vinte e quatro cêntimos,
na matriz sob o artigo 4414, não descrito na Conservatória do Registo Predial. inscrito na matriz sob o artigo 3.867, com o valor patrimonial tributário de Euros 247,06 omisso na referida Conservatória do Registo Predial de Figueiró dos Vinhos.
QUATRO – Rústico, sito em Panasco, freguesia e concelho de Pedrógão Grande, igual ao atribuído; NÚMERO SETE
composto de terreno de cultura com oliveiras, com a área de setecentos e cinquenta e QUATRO – RÚSTICO, sito em “Vale do Pereiro”, composto por pinhal e mato, com Prédio rústico composto por terra de cultura de sequeiro com oliveiras, com área de
a área de novecentos e vinte metros quadrados,
cinco metros quadrados, confrontar do norte com herdeiros de António Nunes Sequeira, duzentos e noventa metros quadrados sito na Carreira a confrontar do Norte com
a confrontar do norte com Eduardo Francisco, do sul com Alípio Neves Lopes, do
sul com Maria Isaura das Neves, nascente e poente com o viso, inscrito na matriz sob o nascente com Manuel Augusto e do poente com Juvelina Dias Lopes,
Bernardino Santos Oliveira, do Sul com Ernesto de Conceição Matos, do Nascente com
artigo 5339, não descrito na Conservatória do Registo Predial. inscrito na matriz sob o artigo 2.692, com o valor patrimonial tributário de Euros 215,98, Américo Simões e do Poente com Arminda Maria Borges, inscrito na matriz respectiva
CINCO – Rústico, sito em Rodeio, freguesia e concelho de Pedrógão Grande, composto igual ao atribuído; sob o artigo 2050, com o valor patrimonial e atribuído de quarenta e três euros e vinte
de terra de cultura e oliveiras, com a área de duzentos e dez metros quadrados, confrontar omissos na Conservatória do Registo Predial de Pedrógão Grande. sete cêntimos, omisso na referida Conservatória do Registo Predial de Figueiró dos
do norte com Maria dos Prazeres Alves dos Reis, sul com Idalina Rosa David, nascente Que os citados prédios vieram à sua posse, por compra verbal, feita por volta do ano de Vinhos.
com Maria Preciosa David e poente com Casimiro Alves Ferreira, inscrito na matriz sob mil novecentos e oitenta e quatro, os identificados nas verbas um e quatro a Valentim NÚMERO OITO
o artigo11408, não descrito na Conservatória do Registo Predial. Coelho da Fonseca e mulher, Maria dos Prazeres, residentes que foram o dito lugar de Prédio rústico composto por eucaliptal com a área de duzentos e quarenta metros
SEIS – Rústico, sito em Vale Gestoso, freguesia e concelho de Pedrógão Grande, Barraca da Boavista, o identificado na verba dois a José Dias Ferreira e mulher, Alda quadrados sito na Casa Nova a confrontar do Norte com herdeiros de António Borges,
composto de terra de cultura com oliveiras e pinhal, com a área de novecentos e cinquenta Dias Lopes, residentes que foram na Rua D. Dinis 72, 1ºEsquerdo, Odivelas, e o do Sul com António Fernandes Simões e outros, do Nascente com António Fernandes
metros quadrados, a confrontar do norte com Casimiro Pedro Alves, sul com a estrada, identificado na verba três a Jorge Dias da Silva, solteiro, residente que foi no referido Baião e do Poente com Manuel Rodrigues, inscrito na matriz respectiva sob o artigo 2231,
nascente com o viso e poente com Albano dos Anjos, inscrito na matriz sob o artigo lugar de Barraca da Boavista, sem que, todavia, desse facto, tenham ficado a dispor de com o valor patrimonial e atribuído de cinquenta e cinco euros e oito cêntimos, omisso
título válido para o seu registo, tendo de imediato entrado na posse dos mesmos.
11433, não descrito na Conservatória do Registo Predial. na referida Conservatória do Registo Predial de Figueiró dos Vinhos.
A verdade, porém, é que a partir daquela data possuem, assim, aqueles prédios, em
SETE – Rústico, sito em Pai Barbas, freguesia e concelho de Pedrógão Grande, composto nome próprio, há mais de vinte anos, passando a usufrui-los sem a menor oposição de NÚMERO NOVE
de pinhal, com a área de treze mil oitocentos e dez metros quadrados, a confrontar do quem quer que seja desde o seu início, cultivando – os, colhendo os seus frutos, roçando Prédio rústico composto por eucaliptal com a área de três mil e quinhentos metros
norte com Joaquim António Alves Caetano, sul com o viso, nascente com Domingos o mato, plantando e cortando árvores e avivando estremas, retirando deles todas as quadrados sito no Casal de Iria, a confrontar do Norte e do Poente com Emília Pires, do
Alves Ferreira e Joaquim Alves e poente com Joaquim Caetano Júnior, inscrito na matriz utilidades possíveis – posse que sempre exerceram sem interrupção e ostensivamente, Sul com Francisco Carvalho e do Nascente com viso, inscrito na matriz respectiva sob
sob o artigo 10866, não descrito na Conservatória do Registo Predial. com o conhecimento da generalidade das pessoas das indicadas freguesias, lugares e o artigo 3000 com o valor patrimonial e atribuído de setecentos e oito euros e setenta
Que eles justificantes possuem em nome próprio o prédio identificado na verba um, freguesias vizinhas – traduzida pois, em actos materiais de fruição, sendo, por isso, uma e sete cêntimos, omisso na referida Conservatória do Registo Predial de Figueiró dos
desde mil novecentos e oitenta e um, por doação verbal dos pais do justificante marido, posse pacífica, porque adquirida sem violência, contínua, porque sem interrupção desde Vinhos.
Joaquim Francisco e mulher Olinda Maria, residentes que foram no lugar de Derreada o seu início, pública, porque do conhecimento da generalidade das pessoas e de boa-fé, Que os imóveis atrás mencionados, cujo valor se eleva à quantia de MIL OITOCENTOS
Fundeira, freguesia e concelho de Pedrógão Grande, cujo título não dispõem. porque ignorando no momento do apossamento lesar direito de outrem – pelo que E CINQUENTA E SEIS EUROS E QUARENTA E SEIS CÊNTIMOS, vieram à sua
Que eles justificantes possuem em nome próprio os restantes prédios desde mil verificados os elementos integradores – o decurso do tempo e uma especial situação posse por lhes terem sido doados no ano de mil novecentos e setenta e oito por seus pais
novecentos e sessenta e três, por doação meramente verbal dos pais da justificante jurídica – posse – adquiriram os referidos prédios por usucapião, não tendo, todavia,
e sogros José Fernandes e mulher Ricardina da Conceição, residentes que foram no
dado o modo de aquisição, documento que lhes permita fazer prova do seu direito de
mulher, António Alves e mulher Maria Ludovina Alves, residentes que foram no lugar lugar de Pegudas, dita freguesia de Arega,
propriedade perfeita pelos meios extrajudiciais normais.
de Derreada Cimeira, freguesia e concelho de Pedrógão Grande, cujo título não dispõem. Está conforme. acto esse que nunca chegou a ser formalizado.
Está conforme. Cartório Notarial de Figueiró dos Vinhos, 30 de Dezembro de 2010. que desde então, porém, têm possuído os mencionados imóveis em nome próprio e sobre
Cartório Notarial da Sertã, 10 de Janeiro de 2011. A Notária eles têm exercido todos os actos materiais que caracterizam a posse, nomeadamente a
Nº 366 de 2011.01.24
A COLABORADORA DEVIDAMENTE AUTORIZADA, (Patrícia Isabel Marques Fernandes Figueiredo) defesa e a conservação da propriedade, amanhando-os, cultivando-os, plantado e cortando
(Isabel Maria da Conceição Fernandes) as videiras, as oliveiras, os pinheiros, os castanheiros, os eucaliptos e as fruteiras, colhendo
Nº 366 de 2011.01.24 a uva, a azeitona e a fruta, extraindo a resina, roçando o mato, avivando as estremas,
CARTÓRIO NOTARIAL DA SERTÃ delas retirando todos os rendimentos inerentes à sua natureza, conservando-os e pagando
DE TERESA VALENTINA SANTOS
pontualmente as contribuições e impostos por eles devidos, sempre à vista e com o
JUSTIFICAÇÃO
conhecimento de toda a gente, de uma forma contínua, pacífica, pública e de boa fé, sem
CERTIFICO que por escritura de vinte e três de Dezembro de dois mil e dez, no Cartório oposição de quem quer que seja.
NOTARIADO PORTUGUÊS
Notarial da Sertã de Teresa Valentina Cristóvão Santos, lavrada de folhas quarenta e Tais factos integram a figura jurídica da USUCAPIÃO que invocam na impossibilidade
CARTÓRIO NOTARIAL DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS quatro a folhas quarenta e cinco verso, do livro de notas para escrituras diversas número de comprovar o referido domínio e posse pelos meios extrajudiciais normais.
CERTIFICO, para fins de publicação, que no dia 30 de Dezembro de 2010, no cento e vinte e um – F, compareceram:
CONFERIDA. Está conforme.
livro de notas para escrituras diversas número quinze, deste Cartório, a folhas MARIA DA PIEDADE COELHO DE ALMEIDA CARVALHO e marido ORLANDO
ROSA DINIZ DE CARVALHO, casados sob o regime da comunhão geral de bens,
Ansião 27 de Dezembro de 2010
quarenta e um foi lavrada uma escritura de justificação na qual, LILIETE A Notária
naturais da freguesia de Vila Facaia, concelho de Pedrógão Grande, residentes
HENRIQUES DAVID OLIVEIRA MENEZES casada com ARMANDO
habitualmente na Rua Principal, número 81, Bairro da Fraternidade, freguesia de São Maria da Graça Damasceno Passos Coelho Tavares Nº 366 de 2011.01.24
MANUEL DE OLIVEIRA MENEZES, no regime da comunhão de João da Talha, concelho de Loures, E DECLARARAM:
adquiridos, naturais, ela da freguesia de Vila Facaia, concelho de Pedrógão Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, do prédio urbano, sito
Grande, e ele da freguesia de Reguengo do Fetal, concelho da Batalha, em Alagoa, freguesia de Vila Facaia, concelho de Pedrógão Grande, composto por NOTARIADO PORTUGUÊS
residentes na Rua D. José Alves Correia da Silva, 20, freguesia e concelho de casa de dois pisos, com logradouro anexo, com a superfície coberta de cento e vinte e CARTÓRIO NOTARIAL DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS
Leiria, NIF 119.902.699 e 130.625.930, respectivamente, declarou ser, com nove metros quadrados e descoberta de seiscentos e trinta e oito metros quadrados, a
exclusão de outrem, dona e legítima possuidora dos seguintes prédios situados confrontar do norte com Aires da Silva, sul, nascente e poente com a rua, inscrito na CERTIFICO, para fins de publicação, que no dia 10 de Janeiro de 2011, no
na freguesia e concelho de Pedrógão Grande: matriz sob o artigo 1382, omisso na Conservatória do Registo Predial de Pedrógão livro de notas para escrituras diversas número quinze, deste Cartório, a folhas
UM - RÚSTICO, sito em “Vale da Abelheira”, composto por pinhal e mato, Grande. sessenta e dois foi lavrada uma escritura de justificação na qual, JOSÉ
Que eles justificantes possuem em nome próprio o referido prédio desde mil novecentos MANUEL DOS SANTOS e mulher, MARIA HELENA DA CONCEIÇÃO
com a área de mil seiscentos e setenta metros quadrados, e oitenta, por partilha meramente verbal dos pais da justificante mulher Rosa Coelha
a confrontar do norte com Manuel Coelho David, do sul e do nascente com DIAS DA SILVA SANTOS, casados no regime da comunhão de adquiridos,
e António Henriques de Almeida, residentes que foram no lugar de Alagoa, freguesia naturais da freguesia de Rego da Murta, concelho de Alvaiázere, onde residem
José Rosa Henriques e do poente com António Rodrigues, de Vila Facaia, concelho de Pedrógão Grande, cujo título não dispõem.
inscrito na matriz sob o artigo 1.267, com o valor patrimonial tributário de no lugar de Portela do Braz, NIF 169.772.888 e 105.320.102,
Está conforme.
Euros 396,55, igual ao atribuído; Cartório Notarial da Sertã, 23 de Dezembro de 2010. respectivamente, declararam ser, com exclusão de outrem, donos e legítimos
Dois - Rústico, sito em “Ribeiro do Marroquil”, composto por terreno de A COLABORADORA DEVIDAMENTE AUTORIZADA, possuidores do seguinte prédio situado na freguesia de Arega, concelho
cultura e mato, com a área de duzentos e noventa metros quadrados, (Isabel Maria da Conceição Fernandes) Nº 366 de 2011.01.24 de Figueiró dos vinhos:
a confrontar do norte com barroca, do sul com ribeira (limite de freguesia), do RÚSTICO, sito em “Outeiro do Padrão”, composto por pinhal e mato, com
a área de mil trezentos e cinquenta metros quadrados,
nascente com Manuel Antunes Miguel Carvalho e outros e do poente com
CARTÓRIO NOTARIAL DA SERTÃ a confrontar do norte e do nascente com António Mendes, do sul com José
Manuel Antunes Miguel Carvalho,
DE TERESA VALENTINA SANTOS da Silva Gomes e do poente com Gracinda Mendes Portugal,
inscrito na matriz sob o artigo 1.101, com o valor patrimonial tributário de
JUSTIFICAÇÃO inscrito na matriz sob o artigo 19, com o valor patrimonial tributário de
Euros 94,02, igual ao atribuído:
Certifico que por escritura de vinte e quatro de Janeiro de dois mil e onze, no Cartório Euros 329,67, igual ao atribuído;
omissos na Conservatória do Registo Predial de Pedrógão Grande.
Notarial da Sertã de Teresa Valentina Cristóvão Santos, lavrada de folhas cento e vinte omisso na Conservatória do Registo Predial de Figueiró dos Vinhos.
Que os citados prédios vieram à sua posse, por compra verbal, feita por volta
e oito a folhas cento e vinte e nove verso, do livro de notas para escrituras diversas Que o citado prédio veio á sua posse, por compra verbal, já no estado de
do ano de mil novecentos e oitenta e sete, ainda no estado de divorciada, número cento e vinte e dois - F, compareceram: casados, feita por volta do ano de mil novecentos e oitenta e quatro, na
tendo casado posteriormente com Armando Manuel de Oliveira Menezes no ALBERTO ASSUNÇÃO LOPES e mulher MARIA ADELAIDE DAS NEVES proporção de três dezanove avos a Rui Inácio dos Santos e mulher, Lucinda
regime da comunhão de adquiridos, o identificado na verba um a Álvaro CONCEIÇÃO LOPES, casados sob o regime da comunhão geral de bens, naturais da Maria Dias de Oliveira Santos, residentes na Rua da Portela, nº 28, Mourelos,
Correia, viúvo, residente que foi no lugar de Carreira, mencionada freguesia freguesia de Aguda, concelho de Figueiró dos Vinhos, habitualmente residentes no Vil de Matos e na proporção de dezasseis dezanove avos a António Inácio
de Pedrógão Grande, e, o identificado na verba dois, a António José, solteiro, lugar de Ponte do Celeiro, freguesia de Almoster, concelho de Santarém, E
Santos e mulher, Maria Alice da Silva Santos, residentes na Rua Tomás
maior, residente que foi no lugar de Sobreiro, referida freguesia de Pedrógão DECLARARAM:
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, dos seguintes prédios: Anunciação 22, 4 B, Odivelas, sem que todavia, desse facto, tenham ficado a
Grande, sem que, todavia, desse facto, tenha ficado a dispor de um título válido dispor de título válido para o seu registo, tendo de imediato entrado na
para o seu registo, tendo de imediato entrado na posse dos mesmos. UM - Rústico, sito em Graciota ou Graciola, freguesia de Aguda, concelho de Figueiró
dos Vinhos, composto de semeadura, pastagem com oliveiras e cepas, com a área de posse do mesmo.
A verdade, porém, é que a partir daquela data possui, assim, aqueles prédios, A verdade, porém, é que a partir daquela data possuem, assim, aquele prédio,
trezentos e quarenta metros quadrados, a confrontar do norte com Aurora da Conceição,
em nome próprio, há mais de vinte anos, passando a usufrui-los sem a menor sul com Belmira Q. da Silva, nascente com Manuel Lopes da Vinha e poente com o em nome próprio, há mais de vinte anos, passando a usufruí-lo sem a menor
oposição de quem quer que seja desde o seu início, cultivando-os, roçando caminho, inscrito na matriz sob o artigo 22644, não descrito no Registo Predial. oposição de quem quer que seja desde o seu início, roçando o mato, plantando
o mato, plantando e cortando árvores e avivando estremas, retirando delas DOIS - Rústico, sito em Graciota ou Graciola, freguesia de Aguda, concelho de Figueiró e cortando árvores e avivando estremas, retirando dele todas as utilidades
todas as utilidades possíveis – posse que sempre exerceu sem interrupção e dos Vinhos, composto de semeadura com oliveira, com a área de duzentos e oitenta e possíveis – posse que sempre exerceram sem interrupção e ostensivamente,
ostensivamente, com o conhecimento da generalidade das pessoas das quatro metros quadrados, a confrontar do norte com José Martins, sul com Maria
com o conhecimento da generalidade das pessoas das indicadas freguesias,
indicadas freguesias, lugares e freguesias vizinhas – traduzida pois, em actos Quaresma e outro, nascente com Jaime Rosa da Silva e poente com o caminho, inscrito
lugares e freguesias vizinhas – traduzida pois, em actos materiais de fruição,
materiais de fruição, sendo, por isso, uma posse pacífica, porque adquirida na matriz sob o artigo 22645, não descrito no Registo Predial.
TRÊS - Rústico, sito em Graciota ou Graciola, freguesia de Aguda, concelho de Figueiró sendo, por isso, uma posse pacífica, porque adquirida sem violência,
sem violência, contínua, porque sem interrupção desde o seu início, pública, contínua, porque sem interrupção desde o seu início, pública, porque do
dos Vinhos, composto de pastagem com oliveiras e sobreiro, com a área de cento e doze
porque do conhecimento da generalidade das pessoas e de boa-fé, porque conhecimento da generalidade das pessoas e de boa-fé, porque ignorando
metros quadrados, a confrontar do norte com José Martins, sul com Rosa Lopes, nascente
ignorando no momento do apossamento lesar direito de outrem – pelo que com José da Silva Mendes e poente com Belmira Q. da Silva, inscrito na matriz sob o no momento do apossamento lesar direito de outrem – pelo que verificados
verificados os elementos integradores – o decurso do tempo e uma especial artigo 22646, não descrito no Registo Predial. os elementos integradores – o decurso do tempo e uma especial situação
situação jurídica – posse – adquiriu os referidos prédios por usucapião, não Que eles justificantes possuem em nome próprio os referidos prédios, desde mil jurídica – posse – adquiriram o referido prédio por usucapião, não tendo,
tendo, todavia, dado o modo de aquisição, documento que lhe permita fazer novecentos e oitenta, por compra meramente verbal a Júlia da Conceição, viúva, residente todavia, dado o modo de aquisição, documento que lhes permita fazer prova
prova do seu direito de propriedade perfeita pelos meios extrajudiciais normais. que foi no lugar de Pardieiros, freguesia de Aguda, concelho de Figueiró dos Vinhos, do seu direito de propriedade perfeita pelos meios extrajudiciais normais.
Está conforme. cujo título não dispõem.
Está conforme.
Cartório Notarial de Figueiró dos Vinhos, 30 de Dezembro de 2010. Está conforme.
Cartório Notarial de Figueiró dos Vinhos, 10 de Janeiro de 2011.
A Notária Cartório Notarial da Sertã, 24 de Janeiro de 2011.
A COLABORADORA DEVIDAMENTE AUTORIZADA, A Notária
(Patrícia Isabel Marques Fernandes Figueiredo) Nº 366 de 2011.01.24 (Isabel Maria da Conceição Fernandes) Nº 366 de 2011.01.24 (Patrícia Isabel Marques Fernandes Figueiredo) Nº 366 de 2011.01.24
COLABORAÇÕES 2011.01.24
17

SEDE: FILIAL 2:

QUEM NADA TIVER A VER COM ISTO QUE ATIRE A PRIMEIRA PEDRA...
R. CONDE REDONDO, Nº 62 A/B PRAÇA DO AREEIRO, 6 D/E
Tel.: 213 561 147 (4 linhas) Tel.: 218 483 311
1100 - 108 LISBOA 1000 - 159 LISBOA
Fax: 213 150 963
“A vida passa-nos a terreno para a geração P que
correr sempre que não os seguirá na segunda década
PARQUE PRIVATIVO - CLIENTES
aprendemos a parar o deste século. R. BERNARDIM RIBEIRO, 93-A
tempo...” A Geração P, que agora 1150 - 070 LISBOA
(Paulo Antunes) começa, traz-nos uma juven-
tude mais instável e perdida.
Na verdade, apesar de Filhos de pais separados, esta
baptizadas de “catastró- geração vai buscar o seu nome
ficas” na sua época, todas às características paranóides
as gerações jovens nos que desenvolveu. Cresceram
parecem “inofensivas” em relações virtuais, não têm
com o passar do tempo... um grupo de referência, mas
Nos anos 50 e 60, a sim muitos grupos... No
juventude mudou o mun- Facebook. Sentem-se sozin-
do. Ao som dos The Bea- hos, desconfiam dos outros,
tles ou de Elvis Presley, são críticos com os demais,
sonharam viver como mas muito sensíveis a ser
“Rock Stars” e liberaram o abuso da Foram denominados de Geração X e, por criticados, por isso passam com facili-
bebida como uma coisa “cool”. Foram a cá, viram os seus estudos deixarem de dade do amor ao ódio. Estão desprovidos
primeira geração lifestyle, ganharam ser garantia de carreira e depararam-se de ídolos, porque eles é que se acham
direito a ter carro e chave de casa. com a dura realidade do desemprego de ídolos. Os pais começaram por lhes
Divertiram-se imenso, mas, hoje, são licenciados. Fobicamente, acabaram os ensinar a ser mais do que são e a dar-lhes
vistos como os avós “retrógrados” com cursos com a consciência de que não os melhores telemóveis e computadores.
os seus 70 e 80 anos... estavam preparados para o mercado de Depois, o sistema de ensino fez o resto.
Já nos finais dos anos 60, os jovens trabalho. Deixaram de acreditar em polí- Não querem saber da escola, mas já nem
viveram o movimento hippie, ao álcool ticos, dedicaram-se às novelas e aderiram por faltas reprovam. O Estado subsidia-
juntaram a massificação do abuso de a um estilo de vida acima das suas posses os para estudarem, mas eles não preci-
drogas e a liberalização do sexo. Dez anos (com recurso ao crédito bancário). Hoje, sam de aprender, pois já são... “Special
depois, o movimento punk continuou são eles os pais das novas gerações... One’s”. Se têm negativas é porque os 74 anos ao
este “sex, drugs and rock n’ roll”, mas No início do século XXI, a geração professores não gostam deles e os Serviço da
deitou por terra a ideia de não violência. jovem massificou a internet e desenvol- prejudicam, se não têm amigos (reais) e
Hotelaria
Ao som dos Sex Pistols ou dos The Clash, veu-se a Geração Y. Conhecida por multi- não têm namorado(a) é porque os outros
a juventude, no final de 70, passou a ser tarefa, esta actual geração digital tem o são estúpidos... Acham-se auto-sufici-
dona dos seus quartos, como se de uma computador e o telemóvel como os seus entes e não perdoam porque... São os 213 920 560
BUSCA AUTOMÁTICA
ala privada da casa se tratasse. Eram “melhores amigos”. Escrevem dezenas de maiores. E como todos nós somos
radicais e adoraram estar à margem de sms’s por dia, desenvolvem as suas resultado da educação que recebemos, FAX 213 951 052 Rua da Estrela 61/65 * 1200-668 LISBOA
todas as convenções sociais e, hoje, não amiza-des e conquistas por im, substi- somos todos tão responsáveis como eles, E-MAIL: geral@jotelar.com SITE: www.jotelar.com
são os “cotas” de 50 e 60 anos... tuíram a televisão pelo Youtube e tudo pois, no fundo, eles são apenas o
As décadas de 80 e 90 deram-nos isto é feito ao mesmo tempo que estão resultado da Educação que todos nós
juventudes bem menos interessantes. no Google em busca de um “copy” para lhes demos...
Viveram o boom do rock alternativo pós um trabalho que terão que entregar na
punk em personagens como Ian Curtis escola. Têm mais poder de compra do Paulo Antunes
(Joy Division) ou Kurt Cobain (Nirvana) que todas as gerações jovens anteriores, Associação Nacional de Jovens
e passaram a ver com naturalidade as não sabem o que é poupar, já não perten- Formadores e Docentes (FORDOC)
depressões suicidas das suas “Stars”. cem a “tribo” nenhuma e prepararam o Sugestão.fordoc@gmail.com

Certificação Acústica e
Energética de Edifícios
> Em toda a zona centro <

Telefone: 915 859 151


www.acuidade.com | acuidade.acústica@gmail.com
Rua Joaquim A. D’ Aguiar, 5 - 3º 3000-231 COIMBRA
18 2011.01.24 OPINIÃO - COLABORAÇÕES

Opinião
Alucinações Fraudulentas
por Álvaro Lopes

O Cemitério de Figueiró dos Vinhos vai ter


cadáveres “encaixotados” e cinzas por Bernardo
Ramos Gonçalves

guardadas na Capela
E
spicaçado por alguns rança e a limpeza. monte de ferros velhos, equipa-
e invocando o esta- Em abono do que disse, recor- mentos e materiais de constru-

Próspero Ano Novo


tuto de mais de duas do-me que fomos um dia a Ceira ção, que transformaram a capela
décadas de autarca, (Coimbra) adquirir tileras medici- num estaleiro? Responda quem
decidi gastar alguns nais, por causa do seu odor, para saiba.

A
momentos na elaboração desta plantar no corredor junto aos par- Embora discutível, polémico e
crónica, cujo tema é O CEMI- ques de estacionamento, desde difícil de aceitar num meio como brisa da mudança começa a ecoar liberdade na mente
TÉRIO DE FIGUEIRÓ, e o desti- os Bombeiros ao fim do muro do o nosso, seria menos pesaroso do pensador com a finalidade de originar um novo
natário-alvo é o POVO DA cemitério. Lá estão, grandes e terem erigido “AQUILO” ao
papel nas mentes desfasadas e omnipotentes dos
FREGUESIA. frondosas, excepto as que agora fundo do cemitério, encostado
injuriados da Terra. Levando, deste modo, a um
E é precisamente esse seg- derrubaram no “canto dos caixo- ao muro, entre o cipreste e o
processo agressivo na alteração das componentes
mento da população concelhia, tes”, parcelada de terreno exterior muro longitudinal. Já viram o
em boa parte bem amadurecida ao cemitério, onde construímos impacto dos “caixotes” visto base da existência.
pela idade, que me atrevo a con- um pequeno jardim, agora também desta área, sobressaindo à porta Com o afecto à delineação de novos traços futuristas, as furnas
vidar para uma visita ao cemitério destruído… do cemitério, lá no alto? Parece são encerradas pela esperança, o hálito do supremo adquire um
municipal para observar, ao vivo, Para melhor pisarem o dito impossível… Quantos arquitec- novo discurso infantil, as perspectivas esperam-se luminosas,
o que nele se está a passar. canto, onde empilharão 60 cai- tos tem a Câmara Municipal? E as mãos curam-se do cansaço não reconhecido, os olhos fazem
Faço-o sem outro propósito xões guardados em caixotes de engenheiros? saltar para o releixo as últimas lágrimas amargas, o coração alivia
que não seja um desabafo e um cimento, furados no fundo, derru- Toda a gente sabe que Figueiró a pressão neurótica que o condiciona no mundo dos sentimentos,
protesto veemente, que comigo baram o muro do cemitério, entre se debate com escassez de área os braços fortalecem com a construção perfeccionista de uma
compartilharão, ou não. o portão novo e o fundo do jar- no cemitério, há muitos anos, nova realidade, as unhas quebram com a frustração de uma fuga
O cemitério de Figueiró dos dim, sem colocação de qualquer mas não é com obras destas que não programada, o nariz carece de um odor suave e puro, os pés
Vinhos é hoje tutelado pela Câ- tapume ou vedação, achando-se se resolve o problema; estas rasgam-se nas irregularidades das pedras da calçada, que
mara Municipal a quem a Junta as sepulturas à mercê de vândalos serão parte do problema, e nunca representam o pesadelo do passado, os cabelos soltos pelas
de Freguesia o entregou, salvo e animais, sem qualquer respeito a solução! Medite-se nisto… aragens do Norte ambicionam ser levados até Sul, o peito
erro, nos anos quarenta do sécu- pelos mortos e suas famílias. Por que se espera para fazer o narcisista pretende enfrentar vitoriosamente qualquer obstáculo,
lo passado, alegando não ter Posteriormente, e ao que tudo alargamento inevitável no cemi- a manjedoura espera ver alimento a extravasar pelas suas paredes
meios que garantissem a sua indica, reconstruirão o muro de tério; e que até hoje não ouve elásticas, mas vigorosas e o sonho de um sorriso de quem chora
sustentabilidade com a dignida- betão, em ângulo recto, para defi- coragem para fazer? Já se pensou
espera erguer uma homenagem esculpida pelas suas próprias
de requerida como poderão ler nir o “canto dos caixotes” e numa hipotética pandemia, e na
mãos de sofredor, que irá simbolizar a felicidade como uma
nas Actas da época. encobrir a bateria e a fossa que idade avançada da grande
constante diária e singular.
De então para cá, tem passado dizem ter construído para receber maioria da população? Quando
por diversas vicissitudes, tais os escorrimentos que, nem por os “caixotes” de cimento estive- Mas, já que nem todos os processos de delineação atingem o
como as obras de ampliação exe- isso, deixarão de constituir perigo rem, cheios para onde vão os patamar ambicionado pelo seu desenhador, espera-se que haja a
cutadas na gestão do ex-presi- de contaminação para poços, caixões? Para o Jardim Munici- infindável solidariedade verdadeira de que tanto se fala e que
dente Simões de Abreu, e outras futuros e lençóis de água na baixa pal? Para o Largo do Município? acolherá muitos seres profanos deste solo mundano, que irão
de valorização e embelezamento adjacente. Alargue-se o cemitério, ou faça- amplificar terrivelmente o pesadelo das suas vidas. Se irá ser
urbanístico nos mandatos do Dr. Não sabemos se a obra em se outro, em terrenos públicos fruto dos céus ou das trevas, isso será sempre uma grande
Manata, de alguns dos quais fiz apreço tem projecto, e se este foi ou municipais. ambiguidade, mas espera-se que as forças maiores se unam para
parte. Pois é essa circunstância, aprovado, quando e por quem; Não será uma de fachada. Será conceber um Próspero Ano Novo a todos nós.
e o contributo que então dei, que nem se as autoridades sanitárias um investimento prioritário e
mais ainda me motivam para aqui aprovaram “aquilo”, assumindo necessário, que toda a comu-
denunciar o que vi, e me feriu a a inocuidade da construção, á nidade aplaudirá. Aqui se aplica
sensibilidade no cemitério de Fi- beira de casas e terras cultivadas, a máxima: “Vão-se os anéis, mas
gueiró. com gases emanados dos respi- que fiquem os dedos”…
Um cemitério é um espaço me- radouros dos cadáveres em de- É tempo de Figueiró deixar de
recedor de todo o carinho, respei- composição, etc. ser gente de brandos costumes,
to e atenção, quer da população, Mas não fica por aqui esta cru- e de arregaçar as mangas, rumo
quer das entidades civis que o zada modernista, e ao arrepio das ao progresso. Ide ao cemitério e
gerem. Assim o exige a sua natu- tradições e cultura dos figueiro- fazei o Vosso juízo.
reza e finalidade, havendo quem enses. Imaginem. A capela do Mas não vale a pena chorar,
lhe chame “campo sagrado”, cemitério, um edifício indepen- antes de meditar. É o nosso fado,
sendo pouco tudo o que se fizer dente e exterior aos muros de o fado triste do Figueiró contem- Consertos rápidos
para suavizar o impacto dos seus vedação, foi transferida em porâneo.
muros e a logística da sua im- OSSÁRIO, construindo-se ao Como diria a Mariquinhas,
plantação. longo das paredes “gaiolas”de cantada pela grande Amália, que, AGORA COM ACORDO COM TELECOM,
Por isso, os arranjos interiores cimento para guardar os ossos respeitosamente, glosamos: “ CTT, CGD, SAMS - QUADROS
e exteriores, a arborização e jar- exumados das sepulturas! “P´ra terem feito do jardim e da
dinagem, os acessos, a ilumina- A quem pertence o imóvel? À capela o que fizeram, melhor fora Tlf.: 236 551 020
ção e o recato são factores direc- Câmara, À Diocese? Quem auto- que a mandassem … p´rás
Tlm.: 93 420 430 1
cionados para o confronto das rizou “Aquilo”? O altar ainda lá alminhas…”.
pessoas com uma realidade física está. Os Santos, não. Para onde
Rua Major Neutel de Abreu, nº 35 *
Álvaro Lopes
e incontornável, tal como a segu- foram? Quem os levou daquele 3260 Figueiró dos Vinhos
OPINIÃO - COLABORAÇÕES 2011.01.24
19

Da CRISE ( de A a Z) Uma fase difícil, grave na evolução das coisas, dos factos.
A
crise, la crise, the crisis, der krise, la PSD, o ovo kinder, como disse Morais Sarmento…não ministro, mesmo que o PS seja o partido do governo; a
crisis, n kpíon e na ghéarchéim. sabemos, nunca comprámos ovos kinderes. Por isso não crise vai terminar, quando o Sporting Clube de Portugal
Nas várias línguas, a fase difícil, grave é sabemos o que está lá dentro Só o senhor Morais for campeão nacional de futebol; a crise vai terminar
igual. Sarmento poderá responder. quando o euro deixar de existir; a crise vai acabar quando
Mas, os países são diferentes e os factos Disse recentemente; até com o FMI em Portugal será 1º acabar a União Europeia; a crise vai acabar quando?
também o são, assim como as personagens. ministro...Acreditamos nisso…porque porventura até com Mas pode acabar, quando os políticos forem
Portugal sempre teve crises mais ou menos graves. outros…será um dia 1º ministro, porque pelo menos as verdadeiros e quando as verdades forem ditas…
Ao longo da sua história foram muitas, mas para nós a sondagens assim o dizem. Mas o que é mais importante é
pior foi a que aconteceu, entre 1926 e 1974.Esta sim a não sabermos o que pensa o senhor…sabemos aquilo I; INGLATERRA. Está em crise? Não .O governo actual,
grande crise do século 20 em Portugal, que enviou as que quer fazer na Constituição, o SNS, para os privados, conservadores, estão prontos para tudo. Para já vão
ramificações para o século actual. No entanto hoje não as escolas públicas idem, a flexibilização nos contratos mandar para casa 25/250 mil funcionários
se fala nela. Tudo é situado no momento actual, como se de trabalho, fim à justa causa nos despedimentos, isto públicos…depois o príncipe vai casar…o Manchester
não tivesse existido nada para trás. As personagens de está escrito, o resto, só dentro do ovo… United vai ser campeão nacional de futebol…mas como
então eram naturalmente outras, os factos eram outros, Já nos esquecíamos, o senhor, disse e com toda a força; a libra é forte, não existe crise…o problema da Inglaterra
mas a crise esteve bem presente. Foi o período das se ganhar as eleições com maioria não quer governar ,não é a crise, o problema da Inglaterra também não é a
trevas, das perseguições, da falta de liberdade, da guerra sozinho, leva consigo o CDS/PP. Finalmente, ai está a Rainha, que gasta uns milhões de libras, não se sabe
colonial, das prisões e dos julgamentos políticos, da direita no seu máximo resplendor; uma maioria, um para quê…ou será que a crise não existe, porque os
fome, da miséria, de tudo aquilo que nunca poderia ter governo, um presidente…volta-se aos tempos da AD. carros circulam pela esquerda…será?
existido na Europa do pós guerra. Enquanto os ou-tros
países da Europa se levantavam dos escombros, se D; DIAS LOUREIRO. Antigo ministro de Cavaco Silva: J; JOSÉ SÓCRATES. O inimigo público, o mais falso,
tornavam países do futuro, Portugal vivia ORGUL- conselheiro do Estado, nomeado pelo Presidente Cavaco o mais mentiroso, o mais incompetente, o mais arrogante,
HOSAMENTE SÓZINHO. Era a regra da ditadura, no Silva. o mais corrupto, o pior 1º ministro da história
fundo da CRISE SOCIAL; ECONÓMICA; FINANCEI- Deixou a política, juntou os trapos, mas que trapos e andou portuguesa. Nunca a internet foi tão utilizada para atacar
RA; POLÌTICA e principalmente, HUMANA. para Cabo Verde. No entanto vive do sua pensão ou será este 1º ministro. Foram milhões de mensagens, milhões
que não tem?.Tudo o que disseram do senhor é pura de emails, milhões de tudo…ganhou duas eleições, a 1ª
A; ALEMANHA. Continua com o estigma de Hitler. Quer especulação…a crise é para os outros. A questão do BPN, em 2005 (obteve 2.573.869 de votos),o adversário era
mandar nos outros, quer que os outros sejam seus não foi com ele… fraco, e então obteve uma maioria parlamentar que
servidores, mesmo que integrados na União Europeia apoiou o seu governo…a 2ª em 2009 ( obteve 2.077.695
(UE).Os países mais pequenos, não valem nada. Por- E; EMPREGO. Quem o tem agarra-se a ele com unhas e de votos), o adversário era fraco(a),voltou a ganhar,
tugal para a Alemanha, não passa de um pequeno País, dentes…um dos grandes problemas da crise. mas sem maioria…muitos e muitos foram contra aquela
inculto, pobre e sem razões aparentes para estar na UE. A crise, também se pode anular com mais empregos…mas maioria, mas hoje, estão desejosos de uma nova…José
Tem neste momento um governo de direita. Chefia, a abrir hoje uma empresa, para a fechar, passado o tempo Sócrates, perdeu 496.174 votos, ou seja por cada ano da
senhora Ângela Dorothea Merkel, que viveu e estudou de benesse, não nos parece a melhor forma de apoio. Só legislatura 124.174 votos.
na ex RDA( Alemanha do Leste).Só regressou à beneficia os que receberam a benesse. Quando hoje, os Para nós, tudo começa no seu discurso de tomada de
Alemanha Ocidental, depois da queda do muro de mais novos, procuram emprego, no nosso entender, posse em 12 de Março de 2005.Quem leu o discurso ou
Berlim, em 1989. quando o arranjam, deveriam beneficiar dele, durante o o ouviu, talvez compreenda melhor o que se está a
Ângela Merkel é partidária de reformas na economia, maior tempo possível. O direito ao trabalho está na passar…mas como em tudo, é melhor ver para crer.
que incluem a flexibilização dos contratos de trabalho… Constituição… Não consideramos este 1º ministro o grande responsável
Foi partidária da invasão anglo-americana no IRAQUE, pela crise…existem muitos factores, existem outros
em 2003.Uma das senhoras da guerra. Actualmente F; FRANÇA. Está em crise? Não. O senhor Nicolas personagens, que se afastam daquilo que fizeram…o
existem milhares de soldados alemães, naquela região. Sarkozy, homem da burguesia, político de direita conhecido passado é para enterrar. Para nós não. O futuro dirá,
Anunciou recentemente que a sociedade multicultural, por querer revitalizar a economia francesa, prometeu alguma coisa…
falhou na Alemanha. E isto torna-se grave em plena reavivar a ética trabalhista, promover novas iniciativas e Não basta ouvir os noticiários, não basta ouvir os
crise, porque institucionalizar a xenofobia é como lançar combater a intolerância; comentadores do reino, não basta ler os jornais das
gasolina para a fogueira. Por outro lado, tornou-se entretanto, expulsou uns milhares de ciganos de França. intrigas, temos de ver para crer…vamos ver.
verdadeiramente detestável a política europeia da A UE, diz que não é nada com ela…emprestou dinheiro à Uma coisa é clara para já. Este 1º ministro, foi, desde o 1º
Alemanha; oportunista, míope, egoísta; a UE é válida Grécia, mas logo fez um acordo, para fornecimento de dia o mais falado em todo o lado e todas as horas, todos
mas somente quando vai ao encontro dos interesses da armamento no valor de milhões e milhões de euros…quem os dias, todos os anos…mas é bom não esquecer, foi os
Alemanha… é que vai atacar a Grécia? povo que votou…

B; DURÃO BARROSO. Foi 1º ministro de Portugal. G; GRÉCIA. Está em crise? Não. Um governo de direita L; LUCROS. Lucros e mais lucros, para poucos e o
Foi um dos senhores da guerra do IRAQUE (importante ,fez umas coisas mal feitas ,mas de pouca monta…ou seja resto que…é a crise, no seu pleno. Para uns tudo é
ver o filme recente, Green Zone). Foi o homem da “tan- deixou a Grécia de pantanas…mas os gregos, pela sua lucro, para outros tudo é o contrário…a crise não passa
ga”.Foi o cherne, como disse a sua mulher,”..temos de história, nunca aceitaram a crise. Vivem do passado e pelos grandes deste País que pressionam, para mais
seguir o caminho do cherne..”,viu-se; andou de imediato contra isso nada feito. Alguns países emprestaram uns despedimentos, para alterações aos contratos de
para Bruxelas, e deixou o país, realmente de “tanga”. milhares de milhões de euros e tudo se vai resolver .Crise trabalho, a justa causa não interessa para nada, o que
No seu governo, com Manuela Leite, nas Finanças, o ,qual crise…os empréstimos arranjados a 1,5%,vão para a interessa sim, são os lucros, mais lucros e cada vez
grande salto para a crise? Grécia a 5.5%.São os tempos de hoje…tudo contra os maiores…que gente, que é recebida pelo Presidente,
Não, tudo foi pacifico, apesar de; congelamento das mais fracos. que fala como se fossem donos de Portugal…enfim.
carreiras, dos vencimentos, da venda do património, do Depois são as palavras moralistas, as lágrimas de
aumento da idade da reforma, das absurdas admissões H; HIPÓTESES. A crise vai terminar; quando o PSD for crocodilo, mas sempre a olharem para os lucros…e os
na administração pública, do deficit orçamental em 6,8%, para o governo; a crise vai terminar, com a reeleição do impostos…não, não se deve falar nisso. Nos lucros não
tudo foi pacifico…pequenas coisas, sem importância… actual Presidente da República; a crise vai terminar, existe crise.
quando Obama sair de Presidente dos Estados Unido; a
C; COELHO, PEDRO PASSOS. Actual presidente do crise vai acabar quando José Sócrates, deixar de ser 1º (Continua na próxima edição)
CL
20 2011.01.24
PUBLICID ADE
PUBLICIDADE

SSIFICADOS
anuncie já! através do tel.: 236553669, fax 236 553 692 , mail’s:
acomarca@mail.telepac.pt ou acomarca.jornal@gmail.com
AGRADECIMENTO
JOSÉ FRANCISCO PENEQUE
Nasceu: 17.01.1924 * Faleceu: 01.01.2011
JOSÉ MANUEL SILVA ALUGA-SE LOJA
SOLICITADOR
(em Pedrógão Grande
Rua Dr. José Martinho Simões, 40 - 1º Sala G
FIGUEIRÓ DOS VINHOS ao lado da Farmácia)
Contactos: 965 426 617 - 914 115 298 - 236 551 955
CONTACTO: 965 064 964 e/ou
Email: 4479@solicitador.net
963 465 526

PASSA-SE ***Leia

Aldeia da Freiras
Papelaria, ***Assine
Enchecamas- Fig. dos Vinhos ***Divulgue
Sua ESPOSA, agradece reconhecidamente a todas as pessoas em Figueiró dos Vinhos
que acompanharam o seu ente querido à sua última morada, bem
como aos que, não podendo, por qualquer meio, lhes manifestaram bem localizada Agora também em:
o seu pesar. CONTACTO: 236 553 206 www.bmfigueirodosvinhos.com.pt
A todos o nosso Bem-Haja.

AGRADECIMENTO
ADILIA MARIA HENRIQUES
LUCINA
Nasceu: 25.11.1922 * Faleceu: 16.01.2011

Manuel de Almeida Albino dos Santos Carminda Martins Arlindo Neves


Dias Godinho Nasc. 23/11/1922 Moreira
Nasc. 18/11/1932 Falec. 18/12/2010 Nasc. 12/04/1953
Nasc. 05/05/1940
Falec. 13/12/2010 Falec. 07/01/2011 Falec. 16/12/2010
Natural: Bairradas - FVN
Natural: Corroios - Lx Natural: Campelo Residente: Avelar, Ansião. Natural: Pedrógão Grande
Residente: Braçais - Residente:Portela D’ Aldeia Residente: Ladeira da
Arega - Fig. dis Vinhos Fundeira (Estaleiro). Sua família agradece por Calça - FVN
Sua família agradece por este meio a todos quantos Sua família agradece por
Sua família agradece por
este meio a todos quantos os acompanharam neste este meio a todos quantos
este meio a todos quantos
os acompanharam neste momento de dor os acompanharam neste Figueiró dos Vinhos
os acompanharam neste
momento de dor momento de dor momento de dor Os familiares de Adilia Mª Henriques Lucina, agradecem
Tratou: Agência Funerária Tratou: Agência Funerária Tratou: Agência Funerária Tratou: Agência Funerária reconhecidamente a todas as pessoas que acompanharam o seu ente
José Carlos Coelho Unip. Lda José Carlos Coelho Unip. Lda José Carlos Coelho Unip. Lda José Carlos Coelho Unip. Lda querido à sua última morada, bem como aos que, não podendo, por
Fig. Vinhos | Tlf.: 236552555 Fig. Vinhos | Tlf.: 236552555 Fig. Vinhos | Tlf.: 236552555 Fig. Vinhos | Tlf.: 236552555 qualquer meio, lhes manifestaram o seu pesar. Bem-Hajam.
Tlm.: 960022663 | 917217112 Tlm.: 960022663 | 917217112 Tlm.: 960022663 | 917217112 Tlm.: 960022663 | 917217112

FUNDADOR AGENTES: SEDE E ADMINISTRAÇÃO SÓCIOS FUNDADORES DE:


Concelho de Castanheira de Pera: Rua Dr. António José de Almeida, 41 Fundação Vasco da Gama (Lisboa), Clube
Marçal Manuel Pires-Teixeira
3260 - 420 Figueiró dos Vinhos CentroAventura (Figueiró dos Vinhos); Centro
Vila: Café Central; Moredos: Café-Restaurante Telef. 236553669 - Fax 236553692
PROPRIEDADE Hípico de Figueiró dos Vinhos e Comité
Europa; Coentral Grande: Joaquim Barata; E-MAIL:acomarca.jornal@gmail.com Internacional de Solidariedade para com Timor
Maria Elvira Silva Castela Pires-Teixeira
Concelho de Figueiró dos Vinhos:
FICHA TÉCNICA Papelaria Jardim;
DELEGAÇÃO EM LISBOA
Avenida Duque de Loulé, 1 - 2º.-E - Assinatura:
DIRECTOR: Henrique Pires-Teixeira (TE 675)
1050-085 Lisboa CONTINENTE: Anual: - 15,0 Euros
DIRECT OR ADJUNTO: Valdemar Alves Concelho de Pedrógão Grande: Risco
Telf. 213547801 - Fax:213579817
BIMENSÁRIO REGIONALISTA CHEFE DE REDACÇÃO: Carlos A. Santos (CP 2887)
Ponderado. - Reformados e Cartão Jovem: 12,0 Euros
DELEGAÇÃO/REDACÇÃO EM PEDRÓGÃO GRANDE EUROPA: Anual: - 22,0 Euros
PARA OS CONCELHOS DE Risco Ponderado
RESTO DO MUNDO: Anual: - 24,0 Euros
CASTANHEIRA DE PERA, FIGUEIRÓ CONVIDADOS ESPECIAIS: (Junto à CGD) - Pedrógão Grande
Preço Unitário:
DOS VINHOS, PEDRÓGÃO GRANDE, REDACTORES:
Kalidás Barreto, Eng. José M. Simões, Eng. José
Pais, Dr. Tózé Silva, Luis F. Lopes, Antonino COORDENAÇÃO E SECRETARIADO - 0,60 Euros (120$00)
SERTÃ E PAMPILHOSA DA SERRA Inácio de Passos, Carlos A. Santos Elvira Pires Teixeira, Sandra Simões e Sandra Henriques.
Membros da
IVA (5%) incluído
Salgueiro, Zilda Candeias, Engº. José A. Pais,
(redactores principais) Dr. Jorge Costa Reis, Dr. Luis Silveirinha, Dr. MAQUETAGEM, PAGINAÇÃO
Contribuinte nº. 153 488 255 Elvira Pires-Teixeira, Margarida Pires-Teixeira, Pedro Maia, Cecília Tojal, Isaura Baeta, Isolina “A Comarca” - Carlos Santos. e
Depósito Legal nº. 45.272/91 - Nº. de Registo 123.189 no ICS Valdemar Ricardo, Tânia Pires-Teixeira, Alves Santos, Delmar Carvalho, Dr. Batalha TWO COMMUNICATIONS
TIRAGEM MÉDIA: 5.000 exemplares Rui Silva e Telmo Alves (Desporto) PLASTIFICAÇÃO, EXPEDIÇÃO E IMPRESSÃO
Gouveia, Eduardo Gageiro (Fotografia). Mirandela Artes Gráficas, S.A. Londres - Inglaterra
2011.01.24
21

Tradições
JOÃO ROLDÃO SOARES | Psicólogo

Há alguns dias, respondi a um


questionário realizado por um grupo
portamento problemático.
- Ridicularizar – Este MD é bastante
que têm menos.
- Jogos de Poder – Em tratamento,
- por Clarinda Henriques
de alunos de Psicologia de uma esco- utilizado em dinâmicas de Grupo. organizar subgrupos de forma a po-

Matança do Porco
la do Algarve. A última questão era Alguns pacientes colocam os outros der controlar o apoio para diferentes
relacionada com as dificuldades mai- “em baixo”, através de observações situações (quando confrontados
ores que, enquanto profissional de menos próprias e correctas. Fazem- com quebra de regras, receberem o
um Centro de Tratamento para Alco- no, principalmente, quando estão a apoio desse mesmo subgrupo).
ólicos e Dependentes Químicos, ser o foco da atenção e com o objec- - Segredos e mente aberta – Não
sentia trabalhando, directamente, tivo de, precisamente, o desviarem. permitir dar-se a conhecer. Não falar
com os Pacientes. Lembro-me que a - Optimismo exagerado – Quando das suas dificuldades, sentimentos
resposta foi longa, já que essas difi- os pacientes ultrapassam o fenóme- e pensamentos. Ter segredos e
culdades são variadíssimas. Hoje, irei no das ressacas físicas, muitas vezes, ocultá-los. Não pedir ajuda para as
escrever sobre, provavelmente, a apresentam uma motivação alta para suas reais dificuldades.
maior dificuldade: Mecanismos de abandonarem o tratamento: “Bem, - Grandiosidade - Falsa sensação
Defesa (MD) dos Pacientes. agora já estou melhor e consigo de poder, de forma a manter os ou-
A tendência é universal: todos os permanecer sóbrio, sozinho e sem a tros afastados, através da arrogân-
seres humanos tentam evitar falar, ajuda de ninguém”. cia, situações de desafio, agressivi-
sentir e pensar sobre situações desa- - Ser especial e diferente – Uma for- dade, impulsividade. É também
gradáveis das suas vidas. Os MD ma negativa de arranjar desculpas frequente a valorização dos consu-
são comportamentos que os pacien- para não continuar em tratamento e, mos: “ninguém consome mais do
tes utilizam para reagir às próprias por sua vez, continuar em adicção que eu”; “Eu aguento muito mais
realidades negativas, realidades de- activa: “Ninguém se importa comi- do que tu”; “Ninguém manda em
sagradáveis. Pessoalmente, entendo go”; “Nunca irei conseguir entrar em mim e me diz o que fazer”; “Mas
que a Negação é o principal MD e, Recuperação”; “Ninguém me conse- quem és tu para me dizeres isso?”. Na minha infância a criação de porcos estava muito
enquanto não for trabalhado, elimi- gue compreender”; “Como é que po- Racionalizar – encontrar justifica- enraizada, sendo determinante para o sustento das
nado, potencializa um conjunto de dem compreender a minha situa- ções para os seus comportamentos famílias que nesse tempo eram muito numerosas,
comportamentos que irei, de seguida, ção!?”. e consumos; desculpas atrás de praticamente não havia quem não o fizesse.
indicar e descrever. - Minimizar – Os pacientes tendem desculpas. Geralmente eram comprados nas feiras mais próximas,
- Culpar os outros – Os pacientes a minimizar certos comportamentos Passividade – Permanecer numa ou aos porqueiros que andavam de terra em terra com
tendem, por vezes, e mais numa fase e suas consequências: “Só bebi 5 atitude confortável, para não “se uma camioneta carregada de suínos.
inicial do tratamento, em culpar os cervejas”; “Nunca bati na minha na- chatear” com algo que o está a A alimentação destes animais era constituída
outros pelos seus consumos ou pe- morada, fui só agressivo verbalmen- incomodar. praticamente com restos de comida (chamada a
los seus comportamentos, isto é, ten- te”; “Apenas bati uma vez à minha Inventários – O uso deste MD lavagem) e produtos agrícolas tais como as batatas,
tam colocar o centro dos problemas Mãe, e foi só uma chapada, não foi apenas é negativo quando influência couves, abóboras frutas e também bolotas que eram
nos outros, em vez neles próprios: nada”. o paciente na sua relação com o pró- apanhadas debaixo dos sobreiros.
“Comecei a consumir porque a minha - Generalizar – Não ser específico ximo, seja membro do Grupo ou da Conseguida a engorda combinava-se a matança
mulher era uma chata”; “Fui fazer é uma forma de evitar de falar da sua Equipa Terapêutica, já que é quase (geralmente em Dezembro ou em Janeiro) um dia
noitadas porque os meus pais tentam realidade, assim como das consequê- uma tendência universal: “Ainda marcante para miúdos e graúdos).
controlar-me em demasia”; “ Se o meu ncias negativas do seu comporta- não conheço aquele Terapeuta, mas Tudo se iniciava alguns dias antes quando íamos
filho não fosse tão agressivo eu não mento. O uso exagerado de “talvez”, tem cara de mau e não quero falar buscar molhos de carquejas que eram postas a secar
lhe batia”. “de vez em quando”, “acho que sim, com ele”; “Aquele ali, não interessa para depois chamuscar o animal. Tinha que se convidar
- Desculpas – Arranjar desculpas mas”, “não sei”. a ninguém, é muito velho para me o matador mais alguns homens para ajudar a amarrar o
para os seus comportamentos: “Eu - Hostilidade/agressividade – poder ajudar”. porco ao banco onde ia ser sacrificado. Morto o bicho
só bebo quando me sinto deprimido, quando confrontados, tendem a inti- Todos estes comportamentos acon- o sangue era aproveitado para a confecção de morcelas,
triste, sem vontade para fazer nada”; midar e assustar os outros (pacientes tecem quer durante o tratamento, quer ou deixava-se coalhar para mais tarde guisar o porco.
“Eu bebo porque estou a passar uma ou elementos da Equipa Terapêu- durante a adicção activa de um depen- De seguida era chamuscado com as respectivas
fase complicada lá no trabalho”; “Ho- tica). dente químico ou alcoólico. São alta- carquejas que já se encontravam secas, e todo raspado
je vou fazer noitada porque tenho - Vitimização - Fazer-se, sistemati- mente destrutivos para ele e para os com uma telha. Só depois é que era levado para uma
uma festa de anos”. camente, de vítima: “Eu tive pais outros, impedindo que se possa alte- loja e pendurado no chambaril (uma peça de madeira
- Mentiras – Muitas vezes, os paci- alcoólicos e é por isso que bebo”; rar comportamentos que originam manualmente curvada) pelas patas traseiras.
entes confundem, distorcem e omi- “Não tenho ninguém”; “Não sou tão consequências bastante graves. O Só então era aberto, sendo retiradas as tripas para
tem situações da sua vida, para não feliz como tu”; “Os meus pais batiam- factor positivo é que, realmente, são um alguidar, posteriormente eram lavadas com água
“olharem” para a sua realidade. Ten- me”. A tendência de se compararem todos trabalhados e modificados. corrente para serem utilizadas na confecção das
tam desviar a atenção do real com- com os que têm mais e nunca com os jroldaosoares@gmail.com chouriças. No dia seguinte o porco era desmanchado
separando-se as diversas partes da carne. A gordura
era transformada em banha numa panela de ferro, os
restaurante lombos, o entrecosto e os presuntos eram postos na
Restaurante “VARANDA DO

salgadeira, e assim serviam de alimento para a família

PANORAMA
CASAL”, em CASAL S. SIMÃO

durante o Ano. Os presuntos depois de salgados eram


untados com colorau e azeite, e eram comidos só em
datas especiais.
Na semana seguinte à matança a minha mãe com a
PANORAMATUR - RESTAURAÇÃO E TURISMO, LDA. ajuda da minha avó faziam o fumeiro; morcelas, moras,
Tel. 236 552 115/552260 - Fax 236 552887 * 3260-427 FIG.dos VINHOS
farinheiras e chouriços que eram secos no caniço e
depois conservados em azeite, A matança do porco era
- “Varanda do Casal” - Casal S. Simão sempre um acontecimento social e festivo que, para
além de ajudar a manter viva a tradição, dava de comer
e ainda a toda a família até ao ano seguinte.
- ESPL ANADA
ESPLANADA /BAR
ANADA/BAR JARDIM Era assim no meu tempo de criança há cerca de 40
anos! E nós, pobres, éramos felizes. E ricos sem o
- PRAIA FLUVIAL DAS FRAGAS DE S. SIMÃO - BAR DO CINEMA sabermos!...
22 2011.01.24 SOCIED ADE
SOCIEDADE

BODAS DE OURO EM DIA DE REIS...

FERNANDA E HIGINO SILVA (1960-2010) CAFÉ CARDOSO


COMPLETOU 75 ANOS O Café Cardoso
(também conhecido por
Café Furtado) abriu as
suas portas há 75 anos,
feitos no passado dia 6
de Janeiro, já à luz da
electricidade que há
pouco mais de meia dú-
zia de anos havia chega-
da a Figueiró dos Vinhos.
Aberto por Manuel
Furtado - entretanto já
falecido -, homem sabe-
dor, dinâmico e empre-
endedor, o Café Cardoso
manteve-se sempre pro-
priedade da família, sen-
do hoje gerido pelo filho
do fundador, Jorge

N
Furtado (foto ao lado).
o dia 18 de De- Hoje é o café mais antigo de Figueiró dos Vinhos e,
zembro último, seguramente, o estabelecimento comercial do concelho.
num sábado Pelas suas mesas, pelo seu balcão, pela mesa de bilhar
que antece- que durante décadas fez as delícias dos seus frequenta-
deu a festa de dores, um inúmero número de pessoas anónimas estiveram
natal, a Maria Fernanda da presentes ao longo do anos, muitas figuras nacionais
Conceição Silva e o Higino passaram pelas suas cadeiras.
de Jesus Silva comemora- Trata-se de um café cheio de história e de “estórias”,
ram as suas bodas de ouro obrigatoriamente ligado á história de Figueiró dos Vinhos.
esponsais, reunindo a famí- É dessa mesma história e dessas “estórias” que vos
lia num restaurante da Vila falaremos na próxima edição com um apontamento
(foto de cima), onde todos alargado. Por hoje, aqui fica o registo do 75º aniversário
partilharam recordações em com o Presidente do Município Figueiroense, Eng.º. Rui
inúmeras histórias que foram Silva, acompanhado do Vereador Amândio Ideias,
contadas à mesa, entre brin- brindando com o actual proprietário e gerente, Jorge
des a evocar a felicidade, em Furtado (foto de baixo).
ambiente de alegre e diver-
tido convívio e que se pro-
longou pela tarde dentro.
De facto, foi há 50 anos
que este casal se perfilou
nas escadas da Igreja Ma-
triz de Figueiró dos Vinhos bro de 1960, há 5 décadas sagrado. Uma promessa que honra a essência acol-
(foto ao lado), rodeados dos atrás. O autor destas bre- que foi feita para toda a hedora e benfazeja da “tri-
amigos e da família, que ves linhas, bem como o ir- Vida e que este encontro fa- bo” familiar, sobretudo
com eles comungaram a mão (os filhos saídos desta miliar ao fim de 50 anos perante uma sociedade ac-
sua união matrimonial e união) confirmam e assu- comprova, exaltado por tualmente em crise profun-
que teve como celebrante mem, que tiveram uma vida aqueles que mais de perto da de valores.
o saudoso Padre Saraiva. familiar plena de carinho e têm testemunhado a cele- Honra seja feita ao teste-
Desta união, saiu um ra- afecto, que recordam sere- bração desta união, que munho e ao exemplo que os
mo familiar que se estende namente e cujos valores firmemente atravessou o meus pais souberam dar.
hoje a 4 netos e reforçada quiseram passar, natural- tempo, como um exemplo TóZé Silva
pela ligação a um tronco mente, aos seus filhos,
familiar mais vasto. enquanto bases formado-
Nos dias que correm, mo- ras da essência da família. Solicitador
mentos de celebração como Valores esses que estão
este são raríssimos, sobre- simbolizados nas alianças
tudo, quando são exempli- e que neste dia os netos
ficados e fincados num ca- quiseram oferecer aos avós,
sal que compartilhou os que adoram acima de tudo.
bons e os maus momentos A Fernanda e o Higino Sil-
da vida, sem nunca ousar va, respeitaram a promessa
desrespeitar o código de que fizeram um ao outro Tel./Fax. 236 552 240 Tm 968 063 036
honra mutuo, que assumi- diante de Deus, honrando E-mail: 3971@solicitador.net
ram no altar mor da Igreja o compromisso de esposo Rua Luis Quaresma Vale do Rio, 8 - 1º | 3260 - 422 Figueiró dos Vinhos
Matriz, no dia 18 de Dezem- e esposa junto do seu altar
COLABORAÇÕES 2011.01.24
23
Este ano ao subir do pano, eu peço, Minha sobrinha Edite Pais, Erra o risco o engenheiro, Saí de Pedrógão Grande

UM PASSEIO PELAS ALFEIAS


MINHA SOBRINHA EDITE PAIS

QUEM É MESTRE TAMBÉM ERRA!


ANO NOVO (ao subir do pano)

Paz, Amor e Carinho para alguém, Foi para mim uma alegria. O merceeiro na tenda, Com destino ao Val do Barco
Para todos desejo o mesmo bem, Tua visita não esqueço jamais, Quem é mestre também erra Fui andando para os Pesos
O vigor de uma alegria que não meço. Agradável para mim esse dia. Quem erra também se emenda. Pedi a Santo António
Para ter boa viagem
Não sei se eu assim também mereço, Vou informar a Manuela, Erra o rumo o navegante, E não me perder no caminho.
Ver o brilho da estrela do além, Quando me vier visitar, Erra o trolha no telhado,
Cintilando mais alto que ninguém, Erra a manobra o soldado, Da Tojeira à Ouzenda
Aproveitando vires com ela
No alto de um céu que eu mal conheço! Também erra o comandante, Passei a Venda da Gaita
É alegria de confraternizar.
No liceu erra o estudante, E na Picha descansei
O menino Jesus nos vá mostrar, Erra as contas o caixeiro, E à Sra. do Carmo
Se quiseres dar o prazer
Porque é que o ano que vai começar, Ao leme erra o timoneiro, Com bastante devoção
Visitar o Tio Francisco,
É mais um em que a luta é necessária. Se sai fora da rota. Uma Avé Maria rezei.
Tenho vontade de oferecer
Feito por mim um bom petisco. Erra o músico uma nota, Um passeio agradável
Luta contra uma crise a bailar, Erra o risco o engenheiro. Para mim foi uma virtude
Que essa crise venha a dar lugar Edite fica à vontade, Acenei com um lencinho
À maior abundância e mais vária!... Na minha casa não é favor. Erra a obra o escultor, À Sra. de Saúde.
Mas sim uma felicidade, Erra o sábio mais profundo,
DE POESIA

À Família eu tenho Amor! E como tudo erra no mundo. Parei no Alto para almoçar
Erra o tiro o caçador, A fome já apertava
Recordo com saudade, Erra a receita o doutor, E não era brincadeira
Os cunhados Olinda e Daniel. Erra quem crê numa lenda. E com bastante coragem
por Erra o vendedor na venda. Segui a minha viagem
Deram-me um pato de qualidade,
Alcides Martins Até á Derreada Cimeira.
Ainda lembro da marca Borel. Erra o homem e o petiz.
Erra a sentença o juiz, Nessa bonita aldeia
Desejo-te um bom natal, O merceeiro na tenda. Nasceu a minha Mãezinha
Acompanhada por Deus na vida. Orei á Sra. do Rosário
Na te aconteça de mal, Erra o toque o sacristão, Na sua capelinha.
Gosto muito de ti querida. De matinas ou trindades,
Erram freiras e frades, Regadas, Escalos do Meio
E S P E TO

Pede-me o meu coração, A viver na solidão. Mas sempre com devoção


Um Bom Ano Novo aos meus. Até mesmo um capitão, Rezei e pedi ajuda
Tenham a divina protecção, Erra seus planos de guerra. À Sra. da Consolação.
E acompanhados por Deus. Erra um pastor na serra.
Parei na Ameixoeira
OUVE QUEM SABE… E tudo o que é vivente,
Nessa pequena aldeia
Erra um autor consciente.
Tive lá os meus amores
Quem é mestre também erra.
Ouve quem sabe… Chorei, e pensei assim
Escuta quem viu… Neste pequeno jardim
- António C.Francisco Já que tudo é dado a errar,
Já não existem flores
AA Aviz Quem é que errar não há-de,
Não há lugar mais bonito… Caminhando serra abaixo
Quem há-de ter vaidade,
Não há calor. Não há frio. Para a aldeia do Mosteiro
De um erro não praticar
Em pouco tempo cheguei
Feliz de quem se emendar,
Apenas branca neve. Com uma grande canseira
E se desviar dessa lenda,
Como a cal de uma varanda Junto a uma sobreira
Porque o erro é coisa horrenda
Florida como quem manda A sua sombra gozei
Ao que devemos fugir
Plantar verdes pinhais. Porque o dia ia longo
Mas quem não se corrigir
Resolvi parar aqui
Quem erra também se emenda
Não canta como pardais. Mas havia muito mais
Encanta como as cigarras. Pedi a S. Pedrinho
Não há tempo para conversas. Para me iluminar o caminho
Ou ele foge, ou o agarras… Do Mosteiro aos Troviscais.
- Miguel Portela
- In livro do autor: “Diz sempre que sim” Carolina Neves
Clarinda
Henriques

SUDOKU
Médio

Difícil
Fácil
24 JANEIRO
2011 última página
Castanheira de
Pera recebe
Exposição Viva
a República!...
Castanheira de Pera vai
receber a Exposição Viva a
República!... de 14 a 16 de
TEMPO DAS VACAS quando ministro dum governo
PS, eis que assume as pastas da
ções de Cavaco Silva (PSD) que
não perde a oportunidade para
Heróis da massa alheia e,
malcriadamente, nem respeitam
Fevereiro na Praça da
Notabilidade
ENGORDADAS Economia e das Finanças, não lembrar que na época das vacas os que trabalharam. Nesta exposição o visitante é
tendo conseguido que se engordadas (segundo os clássi- E depois de toda esta confusão convidado a acompanhar o
Para “quebrar” o chorrilho seguissem os seus conselhos cos, quer dizer, a altura em que quem está a pagar são os que percurso de evolução do ideário
deprimente de más notícias sapientes; depois, adorei o entrámos para a União Europeia), menos têm e que vão tirar do republicano, o processo de
sobre a situação financeira do depoimento de Teixeira dos em que encheram muitos milhares bolso (ou mais uma vez é-lhes implantação da República, os
País, o canal 1 da RTP, no dia 2 Santos, que declarou preferia ter nos cofres portugueses e se tirado) para salvação da Pátria. principais contextos e
do novo ano, brindou os portu- tranquilidade para dormir, o que gastou à grande e à europeia rica, Para governar vão ver de novo transformações a que esteve
gueses com um exaustivo relato não sucederia se o seu programa a economia cresceu, as estradas as promessas de alguns meninos associada.
feito por ex-ministros das financeiro de salvação da Pátria foram rasgadas e alcatroadas, as que nunca souberam o que era A exposição Viva a República!...
Finanças e de Economia. fosse vetado pela Assembleia; a empresas subsidiadas e não trabalho e, consequentemente, em digressão percorre cerca de
Uma lição de sapiência dada mais profunda declaração, fiscalizadas: um paraíso que até nunca trabalharam, muito menos 100 concelhos de todo o país,
por sábios de todos os partidos sobretudo pela novidade e deu para edificar um Centro com salários atrasados. tendo iniciado o seu trajecto
que estiveram nos diversos go- espírito do senhor de La Palisse, Cultural de Belém que ia tapando Pior ainda é os que espreitam a em Setembro de 2010 e
vernos, uns mais distraídos que foi a de Durão Barroso( PSD e 1º o Mosteiro dos Jerónimos. oportunidade para alterarem a permanecendo durante
outros, enquanto estiveram nas Ministro antes de ir para Bruxelas Enfim, um regabofe que encheu Constituição e, pior, mudarem de aproximadamente um ano em
poltronas do poder, outros ain- com o fraterno empurrão de Bush a barriga e os cofres de muitos regime para enterrarem o que itinerância.
É constituída por uma viatura
da com falta de memória porque e de Blair, manifesto de gratidão patrões (não confundir com em- ainda resta de Democracia.
adaptada complementada com
o tempo não perdoa e os cabelos pela cedência dos Açores para presários), alguns destes regres- É preciso não dormir e deixar
duas tendas de apoio.
brancos são a marca das exaus- reflexão sobre a guerra do saram às terras dos antepassados de lamúrias; é preciso acreditar e
Viva a República!... em
tivas tarefas a bem da Pátria. Iraque), ao declarar, com a devida sem a capacidade destes e que agir! O “25 de Abril” não acabou!
digressão é acompanhada por
Gostei, sobretudo, dos teste- solenidade, que quem gasta o que receberam milhões dos cofres de
uma equipa de mediação, sendo
munhos de Pina Moura, que não tem a pedir vem! Estado e têm salários em atraso Nota do Autor: Este texto, também disponibilizados
vindo do PCP, abraçou o seu Foi um programa excelente, que nem pelo Natal pagaram tudo escrito em 3 de Janeiro de 2011. materiais e suportes
gosto hegemónico Leninista e abrilhantado ainda pelas declara- o que devem! pedagógicos e de divulgação.