Você está na página 1de 28

CADEIA EPIDEMIOLÓGICA

Via de penetração Reservatório

Contato
Via aérea → gotículas
→ aerossóis
Veículo Comum Via de Eliminação
Vetor
Ingestão
CADEIA EPIDEMIOLÓGICA
Cirurgia,
Diabetes, Bactérias,
Imunodepressão, fungos, vírus,
Queimadura, protozoários
Idoso

Mucosas,
T. Gastrointestinal Pessoas,
T. Respiratório Reservatório animais
Lesão de pele Via de penetração

Contato
direto,
Ingestão, Excreções,
Fômites, Secreções,
Ar Via de Eliminação pele,
gotículas
CADEIA EPIDEMIOLÓGICA Imunização, cuidados com a saúde,
reconhecimento de pessoas de alto risco
COMBATER
Identificação exata e rápida
Higienização das mãos, do micro-organismo
técnica asséptica, máscara,
descarte adequado de
pérfuro-cortantes, cuidado Higienização das Mãos,
com cateter e feridas esterilização

Via de penetração Reservatório


Precauções baseadas na
Higienização das mãos, uso transmissão, esterilização ou
de pesticidas, refrigeração uso de materiais descartáveis,
adequada, esterilização, saúde do empregado,
precauções, isolamento, saneamento ambiental
padrões Via de Eliminação

Higienização das mãos, uso de luvas ao


manuseio de líquidos, evitar tossir e
espirrar, lixo e descarte de resíduos
MICRO-ORGANISMO TEMPO DE SOBREVIVÊNCIA
Salmonella typhi 29 - 70 dias
Clostridium tetani 10 – 12 anos
Mycobacterium tuberculosis 150 -180 dias
HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) 3 - 4 dias
Vírus da Hepatite B > 1 semana
Pseudomonas aeruginosa 6 h – 16 meses
Candida albicans 1 – 120 dias
Vírus da Gripe 10 segundos – 48 h
Staphylococcus aureus (MRSA) 7 dias – 7 meses
Superfícies contribuem para transmissão cruzada de micro-organismos através das mãos
dos profissionais de saúde.

Microbiota Residente X Microbiota Transitória

vive e se multiplica sobrevivem na


no organismo superfície da pele,
capacidade de gerar
patologias

Eliminação apenas Eliminada com a


com o uso de lavagem de mãos
antissépticos realizada da forma
cirúrgicos/ correta
específicos.
CRESCIMENTO DE COLÔNIAS DAS DIGITAIS DAS MÃOS
SEQUÊNCIA CORRETA DE LAVAGEM

MÃOS SEM LAVAR


MÃOS LAVADAS COM ÁGUA
MÃOS LAVADAS COM ÁGUA E SABÃO
MÃOS LAVADAS COM ÁGUA, SABÃO E SANITIZANTE

Álcool 70°
Clorexidina
Iodopovidona
CRESCIMENTO DE COLÔNIAS DE BACTÉRIAS APÓS
SEQUÊNCIA DE LAVAGEM DE MÃOS
Como
Lavar as
Mãos
Micro-organismos encontrados na pele.
PERGUNTAS
1) A higienização das mãos reduz a taxa de
infecção?

2) Quando fazer e qual a frequência de


Higienização das mãos?

3) Quais os determinantes na higienização


das mãos?
CONTROLE DA LIMPEZA
- Definições -

HIGIENIZAÇÃO SANEANTES

DETERGENTES

DESINFECÇÃO ESTERILIZANTES

LIMPEZA DESINFETANTES
CONTROLE DA LIMPEZA
- Definições -

LIMPEZA: remoção de terra, resíduos alimentares, sujidades, gordura ou


outro material indesejável.
DESINFECÇÃO: redução do número de micro-organismos no meio
ambiente, por agentes químicos e/ou métodos físicos, em um nível
que não comprometa a segurança, paciente ou trabalhador. Não
elimina todas as formas vidas.
HIGIENIZAÇÃO: todas as condições e medidas necessárias para garantir a
segurança e a adequação dos equipamentos, superfícies em todas as etapas
da cadeia...
HIGIENIZAÇÃO: LIMPEZA + DESINFECÇÃO
CONTROLE DA LIMPEZA
- Definições -
DESINFETANTES - são formulações que têm na sua composição substâncias
microbicidas e apresentam efeito letal para micro-organismos não esporulados,
aplicadas em superfícies não vivas. São eles: uso geral, Indústrias Alimentícias,
Piscinas, Lactários, Hospitalares (superfícies fixas e para artigos semi-críticos).

SANEANTES: é o termo empregado para denominar todos os produtos


usados na limpeza, desinfecção, desinfestação e conservação de
ambientes, utilizados diariamente em nossas residências, escritórios,
estabelecimentos, hospitais. Substâncias ou preparações destinadas à
higienização, desinfecção ou desinfestação domiciliar, ambientes
coletivos, públicos, lugares de uso comum e no tratamento de água. Ex:
Produtos de limpeza, limpadores, produtos com ação antimicrobiana,
desinfestantes.
CONTROLE DA LIMPEZA
- Definições -
CLASSIFICAÇÃO DOS SANEANTES
→ Produtos para limpeza geral e afins:
- alvejantes/branqueadores, desincrustantes, detergentes, finalizadores
(amaciantes, cera).
→ Limpadores:
- Neutralizadores de odores, removedores, sabão, saponáceos.
→ Produtos fortemente ácido e fortemente alcalino
→ Produtos com ação antimicrobiana
- Desinfetantes, desodorizante de superfícies e ambientes, esterilizantes,
fungicida, algicida, potabilizador de água, água sanitária.
→ Produtos desinfestantes:
- Inseticidas, jardinagem amadora, moluscicidas, raticidas, repelentes.
→ Produtos biológicos
CONTROLE DA LIMPEZA
- Definições -

ESTERILIZAÇÃO – é a eliminação/destruição completa de todas as formas


de vida microbiana, efeito letal para micro-organismos esporulados e não
esporulados.
Esterilizantes Químicos: Ex. Aldeídos (glutaraldeído e formaldeído), óxido de
etileno (ETO).
Esterilizantes Físicos: Calor Úmido (ex autoclave), Calor Seco (Ex.
Flambagem, Incineração, Forno e Estufa).

Controle Microbiano: ex. Filtração, Radiação (Ionizante e Não Ionizante),


Baixa temperatura (Congelador, Nitrogênio Líquido), Dessecação
CONTROLE MICROBIANO POR AGENTES QUÍMICOS
Tipo do Agente X Tempo de Concentração
•População alvo
•Condições ambientais
•Ação do agente

Outros Fatores:
- matéria orgânica é uma barreira física, inibindo a ação direta.
- compostos químicos: álcool, compostos liberados de cloro, formaldeído, iodóforos,
fenóis sintéticos e compostos quaternários de amônio, peróxido de hidrogênio, oxido de
etileno (ETO), entre outros.

O álcool atua na inibição por desnaturação de proteínas, razão pela qual o álcool absoluto
é menos efetivo, utilizando então de álcool 70.
CONTROLE MICROBIANO POR AGENTES QUÍMICOS

ETANOL

• mais empregado no Brasil


• desinfetante de superfície de bancada e para antissepsia das
mãos
• aplicação frequente produz irritação e dessecação da pele
• eficaz na concentração 70%
• ação desnaturação de proteínas celulares; solvente de
lipídios, portanto danificam membranas, agentes
desidratantes
• age apenas nas células vegetativas
CONTROLE MICROBIANO POR AGENTES QUÍMICOS
Vantagens
• Rapidamente bactericida.
• Tuberculocida e viruscida para vírus lipofílico.
• Econômico.
• Ligeiramente irritante.
Desvantagens
• Não é esporicida.
• Atividade diminuída em presença de biocarga.
• Atividade diminuída quando em concentração inferior a 60%.
• Atacam plásticos e borrachas.
• Evapora rapidamente das superfícies.
• É altamente inflamável.
CONTROLE MICROBIANO POR AGENTES FÍSICOS
AGENTES FÍSICOS: calor úmido, calor seco e incineração
•Células vegetativas: são mais sensíveis.
•Bactérias: 60 a 70°C em 5 a 10 minutos.
•Para esporos: temperaturas maiores que 100ºC por 15 a 20 minutos.
•Bacillus anthracis 140ºC/180 minutos.
•Clostridium botulinum 120ºC/ 120 minutos.

CALOR ÚMIDO
•Mata por coagulação das proteínas (é a mais eficiente).
•Vapor saturado sobre pressão.
•Autoclave: funcionamento combina a ação do calor, pressão e umidade na destruição de
micro-organismos, age na estrutura genética da célula.
•Para materiais resistentes ao calor úmido, como tecidos, materiais de borracha e de metal.
•É contra-indicado para materiais termo sensíveis.
CONTROLE MICROBIANO POR AGENTES FÍSICOS

CALOR SECO

• Incineração: Oxidação de todo material até formar cinzas.


Papeis, carcaça de animais, restos de curativos, algodão e gazes utilizados em
hospitais. Incineração: lixo hospitalar, alça de inoculação, etc.

• Fornos: Método eficaz de esterilização. Ficar atento ao binômio tempo x temperatura.


Vidraria e outros materiais resistentes a altas temperaturas

• Estufa: para vidraria, pós e óleos


150ºC-170ºC por 2 horas;
180ºC-200ºC por 1 hora e meia.
CRITÉRIOS PARA ESTERILIZAÇÃO
• Ser compatível com diferentes materiais;
• Ser um método rápido;
• Ser não tóxico para quem o manuseia;
• Ser seguro aos materiais a serem esterilizados;
• Ser seguro ao meio ambiente;
• Não deixar resíduos no artigo;
• Manter atividade frente a resíduos orgânicos;
• Diminuir a margem de erro humano. Deve ser de fácil manuseio;
• Uso único de esterilizante, evitando ser esta uma fonte de contaminação
cruzada;
• Ser de baixo custo operacional.
ASSEPSIA X ANTISSEPSIA
Assepsia: é o conjunto de medidas que utilizamos para impedir a penetração de
micro-organismos num ambiente que logicamente não os tem, logo um ambiente
asséptico é aquele que está livre de infecção.
Um conjunto de métodos e processos de higienização de determinado ambiente, com
a finalidade de evitar a contaminação do mesmo por agentes infecciosos e
patológicos.

Antissepsia: é o conjunto de medidas propostas para inibir o crescimento de micro-


organismos ou removê-los de um determinado ambiente, podendo ou não destruí-los
e para tal fim utilizamos antissépticos ou desinfetantes.
Utilizada em locais onde há a presença de micro-organismos indesejados (bactérias,
vírus e outros agentes patológicos). Antissepsia é feita através do uso de substâncias
químicas para eliminar ou diminuir a proliferação de micro-organismos.
BACTERICIDA X BACTERIOSTÁTICO
Bactericida: quando causa a morte de bactérias.

Bacteriostáticos: são aqueles que inibem o crescimento das bactérias


no meio.

“A diferença entre o remédio e o veneno está na dose”


INFECÇÃO X INTOXICAÇÃO X TOXI-INFECÇÃO

• Infecção é a invasão de tecidos corporais por agentes externos. O


organismo reage a entrada de micro-organismos como vírus,
bactérias, parasitas ou fungos.
• Intoxicação é a introdução de uma substância tóxica no organismo,
pela exposição à substâncias nocivas ao organismo.
• Toxi-infecção: entrada de micro-organismos patogênicos e produzem
toxinas no organismo.

Você também pode gostar