Você está na página 1de 5

Tipo de Procedimento Operacional Padrão POP DE 011 – Páginas 1/5

documento Versão: 4
Título do Troca de curativos Emissão: Próxima
documento 30/10/2021 revisão:
30/10/2022

1. Definição

O curativo consiste no cuidado dispensado a uma região do corpo em que há


ruptura da integridade de um tecido corpóreo. O procedimento compreende o
processo de limpeza e/ou desbridamento, seleção e aplicação de cobertura
e/ou tratamento tópico em uma determinada lesão a fim de proporcionar um
meio adequado ao processo de cicatrização.

2. Objetivo

Manter a ferida limpa, prevenir infecções e traumas físicos, aliviar a dor,


promover isolamento térmico, conforto físico e psicológico, permitir trocas sem
traumas, manter a umidade no leito da ferida em proporções adequadas
(absorver/controlar o excesso de exsudato) viabilizando o processo de
cicatrização e cura.

3. Contra-indicação

É importante verificar se há contraindicações específicas da cobertura indicada


ao tipo de tecido e/ou etiologia da lesão, e se o paciente apresenta alergia a
algum componente do material a ser utilizado (Consultar Manual de Curativos
2016).

4. Executante

Enfermeiro, Técnico/Auxiliar de enfermagem.

5. Material

 Mesa auxiliar ou bandeja


 Pacote de curativo contendo uma pinça anatômica, uma pinça dente-de-rato
e uma pinça Kelly
 Cabo e lâmina de bisturi (se necessário)
 Tesoura
 Pacote de gazes esterilizadas
 Atadura de rayon estéril
 Solução fisiológica 0,9% preferencialmente morno ou temperatura ambiente
 Agulha 25x12 ou 40x12
 Seringa de 20 ml
 Álcool 70%
 Luvas de procedimento e/ou estéril
 Micropore/ Esparadrapo
 Atadura de crepe de largura adequada a extensão da lesão
 Espátula
 Soluções, medicamentos e/ou coberturas conforme as características da
lesão
 EPI (óculos, avental e máscara), se necessário
 Papel Toalha

6. Descrição do procedimento

1. Chamar o paciente, confirmar o nome e o número do prontuário,


apresentar-se ao paciente e explicar o procedimento que será realizado,
sanando todas suas dúvidas, antes de iniciar a execução;
2. Conferir a prescrição médica ou de enfermagem, se não houver, solicitar
avaliação;
3. Higienizar as mãos;
4. Reunir todo o material, conforme o ambiente (UBS/ domicílio);
5. Aquecer o soro;
6. Colocar o paciente em posição adequada, expondo apenas a área a ser
tratada;
7. Higienizar novamente as mãos;
8. Calçar as luvas de procedimento e outros EPIs necessários;
9. Observar o curativo anterior antes da remoção;
10. Remover o curativo anterior com cuidado, umedecendo com SF 0,9%, se
houver aderência, removendo a cobertura sem traumatizar a lesão;
11. Caracterizar a ferida quanto ao tamanho (extensão e profundidade),
evolução, tipo de tecido, exsudato, odor, bordas e pele ao redor, atentando-
se a presença de sinais de infecção (edema, hiperemia, calor e dor).
Solicitando reavaliação do caso pelo enfermeiro/médico se necessário;
12. Na presença de sujidades em áreas próximas da ferida ou ao redor,
proceder a limpeza com sabonete neutro, água corrente tratada, e secar
com gaze ou papel toalha;
13. Descartar curativo anterior e luvas no lixo apropriado;
14. Abrir o pacote de curativo utilizando a técnica asséptica, arrumar as pinças
no campo, abrir os pacotes de gazes e colocar junto às pinças;
15. Calçar as luvas de procedimento e outros EPIs necessários;
16. Perfurar o frasco de SF 0,9% com agulha 25X12 ou 40X12 realizando
desinfecção prévia do local com álcool 70%. Utilizar preferencialmente o
frasco de SF0,9% de 250 ml ou seringa de 20 ml para realizar a irrigação;
17. Com o auxílio das pinças limpar a pele circundante da ferida com gaze
umedecida em SF 0,9%;
18. Limpar o leito da ferida irrigando com jatos de SF 0,9%, removendo detritos,
bactérias, exsudatos, corpos estranhos, resíduos de agentes tópicos da
superfície da ferida. Evitar limpeza mecânica e/ou fricção onde houver
tecido de granulação;
19. Na presença de tecido desvitalizado (leito/bordas, aderido/solto), solicitar a
avaliação do enfermeiro para remoção/desbridamento;
20. Secar apenas a região perilesional e bordas com gaze, a fim de evitar a
maceração dos mesmos;
21. Realizar a mensuração da ferida com régua de papel e/ou registro
fotográfico (mediante autorização prévia do paciente), semanal ou
quinzenalmente;
22. Utilizar o produto e/ou cobertura primária prescrita pelo enfermeiro/médico*,
e ocluir o curativo conforme a necessidade (gazes, rayon, cobertura
secundária, atadura de crepe);
23. Desprezar os materiais utilizados nos lixos apropriados;
24. Retirar as luvas de procedimento e higienizar as mãos;
25. Orientar o paciente quanto a periodicidade de troca de curativos
primários/secundários conforme a prescrição do enfermeiro/médico, bem
como os cuidados na manutenção do curativo e retornos programados a
Unidade;
26. Retirar os EPIs e higienizar as mãos;
27. Realizar anotação de enfermagem e registrar a produção;
28. Manter ambiente de trabalho limpo e organizado.

7. Observações

 Os curativos crônicos devem ser avaliados pelo Enfermeiro desde o


primeiro atendimento, contemplando a Sistematização da Assistência de
Enfermagem, com a prescrição do cuidado a ser prestado, e se
responsabilizando pelas subseqüentes evoluções e avaliações periódicas
necessárias, sendo delegada aos profissionais de nível médio a execução
do procedimento.
 Para a realização de curativos, há a possibilidade de escolher a técnica
estéril ou limpa considerando características da ferida, riscos de
contaminação da lesão, características do paciente e local da realização do
curativo. No domicílio recomenda-se a técnica limpa.
 Na Unidade a técnica limpa pode ser utilizada sempre criteriosamente e
recomenda-se o uso de instrumentais estéreis (pinças) ou utilizar luvas
estéreis na ausência dos mesmos.
 A cobertura colocada diretamente sobre a lesão é denominada como
primária e se houver outra cobertura, sobre o curativo primário, é chamado
de secundário.
 A realização de curativo de imobilização ortopédica pode ser realizada por
profissional de enfermagem capacitado (antes ou após a imobilização), sob
indicação do médico (prescrição escrita do médico de referência para o
procedimento ortopédico) e supervisão, direção e orientação do Enfermeiro,
conforme parecer Coren 07/2015.
 O desbridamento só pode ser realizado por enfermeiros e médicos.
 A indicação dos produtos/coberturas deve ser feita considerando o
momento evolutivo da lesão, tipo de tecido, patologia, adesão ao
tratamento, recursos disponíveis, materiais padronizados e protocolo de uso
da Secretaria Municipal de Saúde. Consultar o Manual de Curativos
Nov/2016 e o Guia de Tratamento de Feridas Nov/2016 no site da SMS.

8. Referências bibliográficas:
CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM. Parecer n° 07/2015. Realização
de curativo pelo técnico de imobilização ortopédica. 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Secretaria Municipal de Saúde.


Guia de Tratamento de Feridas. Campinas/SP, 2016.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Secretaria Municipal de Saúde.


Manual de Normas e Rotinas de Procedimentos para Enfermagem: Assistência
de Enfermagem. Campinas/SP, 2009.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Secretaria Municipal de Saúde.


Manual de Curativos. Campinas/SP, 2016.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Secretaria Municipal de Saúde.


Sistematização da Assistência de Enfermagem no Tratamento de Feridas.
Campinas/SP 2006

POTTER P. A.; PERRY A. G. Fundamentos de enfermagem. 7ª edição, Rio de


Janeiro: Elsevier, 2009.

HESS, C. T. Tratamento de Feridas e Úlceras. Rio de Janeiro: Editora


Reichmann & Affonso, 2002.

RIBEIRÃO PRETO. SMS. Manual de Assistência Integral às Pessoas com


Manual de Procedimentos Operacionais Padrão (POP) de Enfermagem 232
Feridas, 2011.

SANTOS,J. B. D.; PORTO,S. G; Suzuki,L. M.; Sostizzo, L. Z.; Antoniazzi, J. L.


Hospital das Clínicas de Porto Alegre, RS. Avaliação e Tratamento de Feridas:
Orientações aos profissionais de saúde. 2011

Você também pode gostar