Você está na página 1de 7

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE CANDEIAS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS

Nomes do Aluno: Jefferson Barrêto Araújo

Orientadora: Cristiane Jamile

CANDEIAS - BAHIA
Abril/2004
1
FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE CANDEIAS
Jefferson Barrêto Araújo

SUPPLY CHAIN

Estudo de Caso apresentado à disciplina de Administração de


Recursos Materiais, do Curso de Administração Geral de
Empresas, Instituto de Ensino Superior de Candeias ,com a
orientação da docente Cristiane Jamile, objetivando orientar
na gestão da cadeia de fornecimento, sua abordagem é de
relevante interesse profissional para administradores, consul-
tores, empresas e estudiosos em cujas mãos encontram-se os
destinos e o futuro de organizações, de empresas e de negó-
cios em geral.

CANDEIAS - BAHIA
Abril/2004
2
“Ligando ao telefone falo a qualquer dos continentes... Paradoxalmente vive-se num
edifício anos e anos e não se conhecem os vizinhos. E este é o século da comunicação...”

A Razão, assim, se aproxima da natureza não como o aluno que houve tudo aquilo que o
professor se decide a dizer, mas como um juiz que obriga a testemunha a responder a
questões que ele mesmo formulou.

KANT.

“Muitos filósofos contemporâneos criticam a ciência pelo seu poder de destruição e


dominação da natureza e dos homens”.

HENRY MOORE.

3
INTRODUÇÃO

Supply chain ou SCM, é o sistema que gerencia a cadeia de fornecedores e de


logística – Revista INFO.Setembro 2303. Quando abordam competitividade e
melhoria de processos e sistemas, todas as empresas têm objetivos bem claros:
querem resultados mensuráveis, que se traduzam em maiores ganhos e em redução
de custos. A metodologia da gestão da cadeia de fornecimento (conhecida pela
sigla SCM, de Supply Chain Management) tem sido uma das ferramentas
crescentemente utilizadas para alcançar tais metas (Celso Lenaga.2003). Diante da
carência de dados palpáveis sobre a prática do SCM, a Dextron Management
Consulting e sua parceira, a MMC International Consulting Group, desenvolveram
um estudo inédito da evolução da implantação dos SCM e sua situação no Brasil
com 150 empresas. Um número maior de empresas no Brasil está adotando
programas de Supply Chain Managemente para gerir sua cadeia de fornecimento.
Para que ele traga aumento de valor, é fundamental acionar seus fatores de
sucesso. Supply chain ou SCM, é o sistema que gerencia a cadeia de fornecedores
e de logística.

VISÃO GLOBAL – McDonald’s

A rede de lojas do McDonald’s é um exemplo disto, pois com sua rede de lojas que
atinge a marca de 580 em todo país e que precisa garantir o recebimento de mais de
300 produtos provindos de mais de 80 fornecedores, resta saber que, na maioria de
seus produtos são perecíveis e que muitos deles estão a apenas quilômetros para
se receber, quanto outros estão a dias de viagens para serem recebidos, como é o
caso da Região Norte do Brasil, como por exemplo à cidade de Manaus que levam
até 10 dias, incluindo viagens de caminhão e transposição de rios através de balsas
para se chegarem os produtos. Quando abordam competitividade e melhoria de
processos e sistemas, todas as empresas têm objetivos bem claros: querem
resultados mensuráveis, que traduzam em maiores ganhos e em redução de custos.
A metodologia da gestão da cadeia de fornecimento tem sido uma das ferramentas
crescentemente utilizadas para alcançar tais metas.

4
BENEFÍCIOS

O mais interessante de tudo isso, é que todo o processo foi desenvolvido aqui
mesmo no Brasil, e as lojas brasileiras colocaram o supply chain em ação mesmo
antes da rede de lanchonetes dos Estados Unidos, o investimento foi na realidade
bem significante, um investimento que atingiu a marca dos seus 800 mil reais, mas o
retorno é bem compensador com relação aos benefícios que se tem de retorno, de
acordo com as declarações de Paulo Rubens Francez, diretor de TI do McDonald’s,
atualmente estão trabalhando num sistema de reposição automática, onde o gerente
não precisa administrar os estoques. Os pedidos que antes demoravam cerca de
treze minutos via telefonia, hoje, levam apenas seis minutos para a sua
concretização, reduzindo o seu tempo em 50%, confirmando a eficiência e eficácia
do Supply chain, com tudo, as inovações não ficam por ai , se no ano de 2002
faturou 220 milhões de dólares, imaginem o registrado em 2003, e a mudança
radicalmente prevista no software de Supply chain prevista para breve, que
revolucionará o mercado? O que não ofertará em 2004? Pois a intenção é que o
sistema deixe de ser implantado localmente em cada loja, partindo para uma
solução via web. A cada dia vemos que mais empresas buscam estabelecer uma
vantagem competitiva sustentável. De acordo com o especialista em estratégia
Michael Porter, somente se estabelece vantagem competitiva quando uma empresa
possui um diferencial competitivo que lhe permita gerar valor. Quanto a
sustentabilidade, esta depende do tempo e da capacidade da organização de
manter sua vantagem, como aponta Geoffrey Moore, autor do livro Living on the
Fault Line (ed. Harper Business).

O SCM pode contribuir decisivamente não apenas para a geração de valor, como
também para sua sustentabilidade, desde que seja bem planejado, organizado e
implementado.

5
CONCLUSÃO

O grande potencial do supply chain management de gerar vantagem competitiva,


estreitar o relacionamento entre cliente e fornecedor e reduzir custos na cadeia de
distribuição fez com que ele ganhasse grande importância nas empresas, criando-se
divisões ou diretorias de suplly chain. Os resultados do estudo mostram um quadro
promissor no que diz respeito á adoção da prática e á implantação de soluções de
SCM no Brasil. A principal evidência disso é a crescente importância do SCM dentro
das empresas brasileiras, graças, principalmente, a sua real contribuição para a
geração de valor para o negócio. A percepção da importância estratégica do SCM
vem se refletindo na agenda da diretoria e nas posições hierárquicas superiores de
diversas companhias ganhando grande dimensão e valia. Sendo assim, a
maximização da geração de valor é obtida somente quando a empresa consegue
obter o máximo valor na compra e na venda, agregando esse máximo valor ao longo
do processo de transformação do insumo no produto acabado. Em outras palavras,
a geração de valor é criada pela maximização da margem de contribuição e pela
eliminação de todas as ineficiências existentes nos processos agregadores de valor,
metodologicamente falando o papel do SCM é justamente isso, reduzindo os custos,
minimizando ciclos e maximizando valores percebidos pelo cliente final, só assim
terá efetivamente o seu diferencial no mercado.

Adm. Jefferson Barrêto Araújo


CRA/BA-16.405 / CRC/BA-025664/O-9
Assessoria, Consultoria e Administração Empresarial.
Consultor em Cooperativismo - Especialista em Licitações
MBA - Especialista em Gestão de Cooperativas
MDES – Metodologia e Didática para Ensino Superior
www.portalcoop.org * www.clinicaangels.com.br * www.cotraba.coop.br
(071) 9971-5585 - qualquersituacao@yahoo.com.br - ferabarreto@terra.com.br -
ferabarretho@bol.com.br - ferabarreto@bol.com.br - ferabarreto@limão.com.br

6
REFERÊNCIAS:
CONSULTING, Management Consulting. HSM Management: Os sete fatores de sucesso
do SCM. HSM Management 39 julho-agosto 2003. São Paulo: HSM do Brasil, 2003.
FORTES, Débora. TI Supply Chain: Hambuger para viagem. INFO setembro 2003. São
Paulo: 2003.
MARTINS, Petrônio Garcia/Paulo Renato Campos Atl. Administração de materiais e
Recursos Patrimoniais. 5. ed. ver. e ampl. São Paulo: Atlas, 2000.

Adm. Jefferson Barrêto Araújo


CRA/BA-16.405 / CRC/BA-025664/O-9
Assessoria, Consultoria e Administração Empresarial.
Consultor em Cooperativismo - Especialista em Licitações
MBA - Especialista em Gestão de Cooperativas
MDES – Metodologia e Didática para Ensino Superior
www.portalcoop.org * www.clinicaangels.com.br * www.cotraba.coop.br
(071) 9971-5585 - qualquersituacao@yahoo.com.br - ferabarreto@terra.com.br -
ferabarretho@bol.com.br - ferabarreto@bol.com.br - ferabarreto@limão.com.br