Você está na página 1de 19

Volume 23, N. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019.

PERSPECTIVAS SOBRE A INFÂNCIA EM DEBATE:


CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET, VIGOTSKI E WALLON

Eveline Tonelotto Barbosa Pott


(Pontifica Universidade Católica de Campinas – PUCCAMP – Campinas – SP)

Resumo

Este artigo, de natureza teórica, tem como objetivo apresentar e discutir a infância sobre
diferentes perspectivas da Psicologia do Desenvolvimento, a partir das contribuições de
Piaget, Vigotski e Wallon. Para tanto, num primeiro momento, apresenta-se as principais
contribuições teóricas de cada autor; em seguida há reflexões sobre as diferenças e
semelhanças apresentadas entre os sistemas teóricos com relação ao modo de conceber a
infância. Conclui-se que cada teórico enfatiza aspectos diferentes e ao mesmo tempo
complementares com relação ao desenvolvimento infantil, colocando-se como desafio a
necessidade de conceber a criança a partir de seus recursos e possibilidades.

Palavras-chave: psicologia do desenvolvimento; infância; desenvolvimento humano.

Abstract

Perspectives on childhood in debate: contributions of Piaget, Vigotski and Wallon

This article, theoretical in nature, aims to present and discuss childhood under different
perspectives of Developmental Psychology, from the contributions of Piaget, Vigotski
and Wallon. For this, at first, we present the main theoretical contributions of each author;
then there are reflections on the differences and similarities presented between theoretical
systems in the way of conceiving childhood. It is concluded that each theorist emphasizes
different and at the same time complementary aspects in relation to child development,
posing as a challenge the need to conceive the child from its resources and possibilities.

Keywords: developmental psychology; childhood; human development

colocados à sociedade no que concerne ao


Introdução seu processo de desenvolvimento. Como
devemos lidar com as crianças? Quais são
Compreender a infância vem se suas necessidades e interesses? Como lidar
tornando algo cada vez mais necessário em com suas atitudes e posicionamentos? Estes
nossos dias, uma vez que uma serie de são alguns questionamentos que perpassam
dilemas, impasses e desafios vem sendo

75
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
EVELINE TONELOTTO BARBOSA POTT

o cotidiano de profissionais e pais que No estudo desenvolvido por Coelho


convivem e atuam com crianças. (2018), buscou-se discutir a contribuição de
Frente aos inúmeros Vigotski para o estudo do desenvolvimento
questionamentos e dilemas que circulam em de crianças com deficiência. Nesta
relação ao processo de desenvolvimento da perspectiva teórica, é possível observar uma
criança, ao longo da história alguns teóricos superação do determinismo biológico, em
voltaram seus estudos para o processo que o desenvolvimento infantil não é e não
desenvolvimento infantil, como por pode ser determinado pela presença de uma
exemplo Piaget, Vigotski1 e Wallon. Apesar deficiência, seja ela de qualquer natureza.
destes teóricos terem desenvolvido suas Neste sentido, segundo o estudo, na obra de
ideias no início do século XX, seus Vigotski encontra-se a ideia de superação e
postulados encontram-se presentes e atuais desenvolvimento da potencialidade
em estudos sobre o desenvolvimento humana, permitindo a construção de devires
infantil. na criança que não podem ser engessados
Em um levantamento bibliográfico é por sua condições social, física ou
possível encontrar diversos estudos (Santos, cognitiva.
Oliveira & Malusá, 2017; Coelho, 2018; No estudo desenvolvido por Cintra
Cintra & Almeida, 2017) sobre a infância & Almeida (2017) buscou-se compreender
que apoiam-se nos postulados desses a motricidade de crianças de seis anos que
teóricos. No estudo realizado por Santos, frequentavam o ensino fundamental. O
Oliveira & Malusá (2017), investigou-se de estudo apontou que a escola, campo da
que modo as estruturas cognitivas descritas pesquisa, não reconhecida a importância do
por Jean Piaget podem ser trabalhadas com ato motor para o desenvolvimento do
crianças na educação infantil, em especial processo de aprendizagem e afetivo, sendo
no que refere-se ao ensino de conceitos que as crianças investigadas possuiam
matemáticos. O que o estudo ressaltou é que pouco espaço e oportunidade na escola para
com as estratégias adequadas é possível o realizar atividades que favorecessem o
ensino de conceitos básicos da matemática movimento e a atividade corporal,
na educação infantil, favorecendo o resultando em um desequilíbrio entre os
desenvolvimento das habilidades cognitivas conjuntos funcionais propostos por Wallon.
na criança.

76
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
PERSPECTIVAS SOBRE A INFÂNCIA EM DEBATE: CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET, VIGOTSKI E
WALLON

Portanto, é possível observar nas seja, a origem do conhecimento na criança


pesquisas apresentadas que a depender do (Piaget, 1980).
autor utilizado o estudo focaliza em um Ao propor estudar a origem do
determinado aspecto da constituição da pensamento infantil, Piaget desenvolveu
criança. Isto ocorre porque, cada teórico seu próprio método de investigação
concebe a infância ancorado em uma científica do desenvolvimento da
concepção de desenvolvimento própria, inteligência. Este método era pautado na
resultado do contexto histórico e de visão de observação e realização de
homem que cada teoria foi construída. questionamentos às crianças, visando
Sendo assim, este artigo tem como investigar a origem e o desenvolvimento da
objetivo sintetizar as contribuições teóricas cognição (Palangana, 1998).
de Piaget, Vigotski e Wallon com relação ao Neste contexto, Piaget observou em
desenvolvimento infantil, enfatizando suas seus experimentos que crianças de mesma
principais contribuições e diferenças. Para faixa etária apresentavam erros e
alcançar este objetivo, em um primeiro características similares de raciocínio. Esta
momento apresenta-se as teorias de cada constatação tornou-se marco fundamental
autor, ressaltando os principais conceitos em sua teoria, uma vez que ofereceu
acerca do desenvolvimento infantil, para subsídios para a organização das fases do
em seguida traçar algumas semelhanças e desenvolvimento cognitivo (Palangana,
diferenças entre teóricos. 1998).
Ainda, ao buscar compreender como
Contribuições de Jean Piaget ocorre o processo de conhecimento, Piaget
ressaltou que este não é uma cópia da
A teoria desenvolvida por Jean Piaget realidade. Para o teórico, conhecer um
é conhecida como uma epistemologia objeto ou um acontecimento não restringe-
genética, termo este que apresenta o se simplesmente a olhar e realizar uma
seguinte significado: "epistemologia" cópia mental. Para conhecer um objeto é
refere-se ao estudo do conhecimento e necessário agir sobre ele, transformando-o
"genética" a origem, a hereditariedade. de forma a que se possa compreender o
Portanto, a teoria de Piaget é considerada modo como ele é construído e qual é sua
uma epistemologia genética ao propor funcionalidade (Piaget, 2003).
estudar a raiz genética do conhecimento, ou Desta forma, para Piaget a
inteligência não se desenvolve de modo

77
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
EVELINE TONELOTTO BARBOSA POTT

linear, por acúmulos de conhecimentos, Sobre estes estágios, Piaget postula


mas sim por meio de saltos e rupturas. Os que o desenvolvimento infantil inicia-se a
saltos se justificam pelas revoluções no partir do Estágio Sensório-Motor,
modo como a criança acessa e conhece o estendendo-se até aproximadamente 24
mundo, caracterizando-se como mudanças meses de idade. Em seus estudos, Piaget
bastante significativas que ampliam as demonstrou que esta fase contém a gênese
possibilidades da criança significar o (ou seja, a origem) do desenvolvimento da
mundo e agir sobre ele. Quanto às rupturas, inteligência na criança. Portanto, apesar da
caracterizam-se pela superação das linguagem ainda não estar desenvolvida, a
dificuldades e limitações em relação ao criança já demonstra de forma bastante rica
desenvolvimento cognitivo das idades sua lógica de raciocínio e conhecimento da
anteriores, passando a desenvolver novas realidade. Neste sentido, o teórico postula
habilidades e recursos de adaptação ao que o desenvolvimento da inteligência na
mundo (Piaget, 2003). criança antecede o desenvolvimento da fala
A partir destas evidências, Piaget (La Taille, 2003).
(2003) estruturou sua concepção de infância Ademais, é nesta fase que uma série
a partir de quatro estágios evolutivos de de conquistas e de conhecimentos da
desenvolvimento. Neste aspecto, cada realidade são desenvolvidos na criança,
estágio é caracterizado por uma lógica de oferecendo subsídios para a construção da
pensamento que é superada radicalmente fala (característica do próximo estágio). Isto
por um estágio superior que apresenta uma porque, quando a criança começa a falar, ela
lógica de pensamento diferente, mais já se apropriou de alguns objetos da
elaborada. Portanto, se por um lado o realidade, caso contrário, não teria conteúdo
desenvolvimento da inteligência acontece para se manifestar pela comunicação verbal
por meio de saltos significativos e rupturas (La Taille, 2003).
com as fases anteriores, por outro lado os Ainda, este estágio também é
estágios do desenvolvimento são caracterizado pela inteligência prática, uma
percorridos de modo sequencial pelas vez que a criança conhece o mundo por sua
crianças nessa perspectiva. O que distingue percepção e ação. A percepção significa
um estágio do outro é a característica da apreender o mundo pelos órgãos sensoriais,
inteligência, a qual passa a assumir funções por isso este estágio é chamado de
mais complexas no desenvolvimento “sensório”. A ação significa conhecer o
cognitivo da criança. mundo por meio de movimentos no espaço

78
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
PERSPECTIVAS SOBRE A INFÂNCIA EM DEBATE: CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET, VIGOTSKI E
WALLON

e tempo, por isso este estágio também é relacionada à capacidade de representar.


denominado de “motor”. Portanto, o estágio Portanto, se no estágio anterior, a
sensório-motor significa que a criança se inteligência era prática, agora ela é
utiliza de seus órgãos sensoriais e de seu representacional. As principais conquistas
recurso motor para compreender e acessar a características desta fase são: introdução à
realidade. Outras conquistas características linguagem e o desenvolvimento da
desta fase são: permanência do objeto, moralidade.
noções de causalidade, diferenciação entre Sobre os estágios seguintes, Piaget
meios e fins, noção de configuração vai dizer que a criança já consegue pensar
espacial, entre outros. por meio de operações e, portanto, os
Próximo aos dois anos de vida, a estágios são denominados de Operatório-
criança evolui ao Estágio Pré-operatório, Concreto e Operatório-Formal. O conceito
que se estende até os 7 anos de idade. No de operatório deriva da palavra operação,
início desse estágio, há o desenvolvimento que significa uma ação interiorizada que
da linguagem, que permite à criança não modifica o objeto do conhecimento. Em
mais conhecer o mundo somente por suas outras palavras, é um grupo de ações que
percepções e ações mas também por meio modifica o objeto, possibilitando, ao
das representações. O conceito de sujeito, novos avanços no conhecimento.
representação em Piaget, refere-se à Para Piaget, as estruturas operacionais
capacidade da criança pensar um objeto constituem a base do conhecimento (La
através de outro objeto. Por exemplo: ao Taille, 2003).
utilizar a palavra “casa” (que se refere a um Aos 7 anos, espera-se que a criança
som, à uma palavra) para remeter à sua inicie o Estágio Operatório-Concreto, que
própria casa. Portanto, nessa fase, a criança se estende até os 12 anos de idade. Nesse
é capaz de representar um objeto por um estágio, surgem as primeiras operações
substituto, que pode ser uma palavra, um denominadas como concretas por Piaget,
desenho, um gesto, etc (La Taille, 2003). por existirem em função de alguma relação
Sendo assim, esta é a fase em que a prática que a criança estabelece. A criança
criança começa a brincar de “faz-de-conta”, faz uso das representações por meio de
utiliza-se da imitação, elabora desenhos, objetos concretos que lhe façam pensar
entre outras formas de brincadeiras que sobre determinado problema ou situação
expressam sua nova conquista com relação abstrata (La Taille, 2003).
ao desenvolvimento da inteligência,

79
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
EVELINE TONELOTTO BARBOSA POTT

O último estágio evolutivo da teoria psicológicas elementares, como por


do desenvolvimento infantil de Piaget é o exemplo, a atenção, memória, pensamento,
Estágio Operatório-Formal. Este estágio é emoção, percepção, imaginação, etc.
caracterizado pelas operações formais ou Portanto, as funções elementares são inatas
hipotético-dedutivas, em que o adolescente ao sujeito. Ao longo do desenvolvimento
já é capaz de raciocinar com hipóteses, sem humano, o sujeito interage e participa de
precisar de objetos concretos para disparar contextos sociais, apropriando-se de
a reflexão acerca de uma determinada conhecimentos, crenças e valores que
situação ou problema. Portanto, o grau de permitem que as funções psicológicas
abstração do seu pensamento é maior nesse elementares desenvolvam características
estágio (La Taille, 2003). superiores. Ou seja, em outras palavras, se
Desta forma, a concepção do o sujeito ao nascer é dotado das funções
desenvolvimento infantil sob a forma de psicológicas elementares, na medida em
estágios evolutivos oferece subsídios para a que se apropria da cultura, elas adquirem
organização e condução das práticas qualidades de funções psicológicas
pedagógicas a fim de potencializar o superiores.
desenvolvimento da criança em cada Neste processo, é importante
estágio. No entanto, nem todo teórico compreender que a função superior não
concorda ou descreve o desenvolvimento anula a inferior, mas a supera,
infantil em estágios evolutivos, com a transformando-a em uma nova função.
justificativa de que não seria possível Assim, as funções elementares não
generalizar um padrão de características do desaparecem, mas permanecem e, em várias
desenvolvimento cognitivo da criança. Um situações, são acessadas pelo sujeito como
exemplo disto é a teoria de Vigotski. forma de lidar com a realidade. Isto porque
o desenvolvimento nesta perspectiva não
Contribuições de Lev S. Vigotski ocorre em um contínuo crescente, mas em
momentos de avanço e recuo. É o chamado
Um dos principais temas de desenvolvimento em espiral (Souza &
investigação de Lev Semionovich Vigotski Andrada, 2013).
(2006) que é utilizado para compreender o Entretanto, para Vigotski, as
desenvolvimento infantil é o de funções funções psicológicas superiores serão
psicológicas superiores. Para ele, quando o desenvolvidas a partir de um contexto rico
sujeito nasce, é dotado de funções em estímulos e conhecimentos. Nesta

80
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
PERSPECTIVAS SOBRE A INFÂNCIA EM DEBATE: CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET, VIGOTSKI E
WALLON

perspectiva, quanto mais elementos a Para estudar a relação entre o


criança conhece, maior será sua capacidade pensamento e a fala, Vigotski (1991)
de perceber a realidade, pensar sobre buscou as bases genéticas destes conceitos -
fenômenos abstratos, ampliando assim sua único modo de compreendê-los em uma
consciência. concepção histórica de desenvolvimento,
É importante também destacar que tal como entendia que deveria ser os estudos
esta teoria, ao afirmar que o sujeito é em Psicologia. Para o autor, o pensamento
constituído por meio das relações sociais, e a fala possuem raízes genéticas diferentes,
não associa o desenvolvimento a partir de não são constituídos ao mesmo tempo,
parâmetros deterministas – como se o social tampouco procedem de uma mesma fonte.
determinasse o desenvolvimento humano. A fala nasce da necessidade de externalizar
Para Vigotski (2010) o social é fonte de o pensamento, o que se dá por meio da
desenvolvimento, no que se refere ao fato palavra. Já o pensamento, nasce das
do contexto histórico e cultural oferecer ao necessidades, motivos e afetos do sujeito,
sujeito recursos e subsídios para se constituídos nas relações sociais.
desenvolver de modo singular e único. Isto Apesar da função e origem distintas,
porque, cada sujeito, a partir de seu modo por diversas vezes, durante o
de ser e agir sobre o mundo, apropria-se dos desenvolvimento humano, o pensamento e
elementos de seu contexto também de uma a fala se encontram e se complementam.
forma singular. Vigotski (1991) destacou que a primeira
Portanto, é na relação com as ligação entre o pensamento e a fala ocorre
práticas sociais que o sujeito se contitui, o por volta dos dois anos de idade, quando a
que só acontece por meio da fala humana. criança começa a expressar seus
Para Vigotski (1991), a apropriação e o pensamentos por meio da fala. Ao encontro
desenvolvimento da fala é o que caracteriza entre o pensamento e a fala deu-se o nome
o ser humano em sua genese social, e de pensamento verbal, que representa a
também o que promove o desenvolvimento unidade entre essas duas funções
do pensamento e da consciência humana. psicológicas.
Neste sentido, a relação entre pensamento e Vigotski (1991), em busca de
fala foi bastante investigado na teoria de estudar o pensamento verbal, descobriu que
Vigotski e que oferece subsídios para isso seria possível por meio do significado
pensar o desenvolvimento da fala infantil. da palavra, o qual refere-se a uma produção
histórica e social que possibilita a

81
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
EVELINE TONELOTTO BARBOSA POTT

comunicação entre as pessoas. Ainda, espontâneos ou cotidianos em que a criança


evidenciou que o significado da palavra aprende pela necessidade da aplicação
evolui conforme o social se modifica, o que prática. Na concepção de Vigotski (1991), o
resulta também no desenvolvimento do êxito na aprendizagem acontece quando se
pensamento e da fala. Assim, o pensamento aproximam os conceitos científicos dos
e a fala estão sempre em movimento, espontâneos, o que significa dizer que, a
transformando-se na medida em que o partir do aprendizado de um determinado
sujeito interage com o social. conceito científico, ele impacta nas relações
Outra característica atribuída à fala cotidianas das crianças.
refere-se a sua estrutura constituída por Outra característica da fala descrita
generalizações ou conceitos. Para Vigotski por Vigotski (1991) é sua função externa e
(1991), o conceito é apropriado na interação interna. A primeira refere-se à fala voltada
do sujeito com o social por meio da fala, o para o social, com a função de
que resulta no desenvolvimento do comunicação. Já a fala interna tem a função
pensamento em seu aspecto superior. O de orientação mental, que organiza o
estudo da formação de conceito é pensamento. Assim, podemos notar que a
fundamental para pensar como a educação fala, construída socialmente, tem um papel
contribui na constituição psicológica do fundamental no desenvolvimento do
sujeito. sujeito, além da função de comunicação ela
Para Vigotski (1991), há dois tipos também organiza o pensamento e constitui
de conceitos: os espontâneos e os a consciência humana. Entretanto, a fala
científicos. O primeiro é desenvolvido no externa e interna seguem caminhos distintos
cotidiano da criança, por meio de suas no desenvolvimento humano.
experiências práticas com o social. Já os Quando a criança começa a dominar
conceitos científicos são desenvolvidos a fala externa, inicia por uma palavra,
principalmente na escola, geralmente são passando depois a ligar dois ou três termos
abstratos, não passíveis de serem entre si, um pouco depois progride das
observados. Os motivos que impulsionam o frases simples para outras mais complexas,
sujeito a formar os dois tipos de conceitos avançado sucessivamente da palavra para a
são diferentes. Por sua característica frase. Já a fala interna segue caminho
abstrata, muitas vezes a criança não vê a oposto, na medida em que, semanticamente,
necessidade de aprender os conceitos a criança parte do todo, ou seja, a criança já
científicos, diferente dos conceitos apresenta o pensamento que gostaria de

82
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
PERSPECTIVAS SOBRE A INFÂNCIA EM DEBATE: CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET, VIGOTSKI E
WALLON

expressar, mas que é necessário buscar um é, a criança sai da realidade unicamente


conjunto de palavras para expressá-lo. concreta para atuar em uma realidade
Uma das peculiaridades da fala abstrata. Além disso, sendo a escrita uma
interior é que, nela, há o predomínio do fala sem interlocutor presente, necessita-se
sentido sobre o significado. O sentido de maior quantidade de palavras para poder
envolve a internalização das experiências expressar as ideias.
sociais, que é único, singular. Segundo Sendo assim, para Vigotski (1991),
Aguiar & Ozella (2013), na compreensão a escrita é a forma de fala mais elevada e
do sujeito, partimos sempre do significado, complexa, e destaca a importância de se
que é compartilhado socialmente, para fazer um rascunho antes da escrita
depois alcançar zonas mais subjetivas, que definitiva. Para ele, o rascunho é uma
são os sentidos. O sentido se aproxima da espécie de planejamento que pode ser feito
singularidade, é o que melhor representa o tanto objetivamente, em um papel, por
sujeito, seus afetos e emoções. exemplo, quanto no plano das ideias.
Portanto, muitas são as dimensões Quando fazemos um rascunho no plano das
que constituem a fala humana e sua relação ideias, utilizamos a fala interior para
com o pensamento. Entretanto, Vigotski organizar nosso pensamento e assim deixar
(1991) não descreveu somente sobre o a escrita mais clara e compreensiva.
papel da fala oral, destacando também o Sendo assim, é possível notar o
papel da escrita no desenvolvimento do quanto a teoria de Vigotski oferece ao
psiquismo. Para ele, a fala oral e a escrita se processo educativo um aspecto central no
desenvolvem de maneiras diferentes. Na desenvolvimento infantil. Isto porque, para
fala oral, o interlocutor está presente e ele o processo de aprendizagem antecede o
envolve o uso de conceitos espontâneos, os desenvolvimento humano, em outras
quais já fazem parte da vida da criança palavras, a aprendizagem é condição
desde seu nascimento. Por outro lado, na indispensável para o desenvolvimento.
fala escrita, torna-se necessária a utilização A partir de uma mesma lógica
dos conceitos científicos, visto envolver o materialista-dialética, outro teórico que
conhecimento gramatical. trouxe inúmeras contribuições para a
Quando a criança inicia o Psicologia do desenvolvimento infantil é
aprendizado da escrita, é necessário o Henri Wallon.
desligamento da percepção e substituição
das palavras por imagens de palavras, isto Contribuições de Henri Wallon

83
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
EVELINE TONELOTTO BARBOSA POTT

pelos seguintes conceitos: afetividade,


A teoria de Henri Wallon é conhecida conhecimento ou cognição, ato motor e
pelo termo "Psicogênese da Pessoa pessoa. Tais conjuntos, via de regra, são
Completa", isto porque seus estudos abordados de modo separado apenas por
voltam-se para a análise do necessidade de descrição, pois eles estão
desenvolvimento infantil, buscando entrelaçados, imbricados uns nos outros na
compreender quais são os elementos que constituição do sujeito.
contribuem para o desenvolvimento da O conceito de afetividade refere-se à
criança, partindo da compreensão genética capacidade do ser humano de ser afetado
dos processos psíquicos. Além disto, seus pelo mundo interno e externo, por
postulados visam investigar e explicar todas sensações ligadas a tonalidades agradáveis
as dimensões que constituem a pessoa, e/ou desagradáveis. Além disto, a
contemplando a questão do corpo, cognição afetividade é expressa por meio de três
e afeto. Ao estudar o que chamou de aspectos: emoção, sentimento e paixão.
"pessoa completa", Wallon questiona as (Tassoni & Leite, 2013)
concepções dicotômicas com relação ao A emoção é caracterizada pela
desenvolvimento humano, as quais visavam expressão corporal, motora, visível, ativada
separar corpo e mente (Almeida & pelo fisiológico, ou seja, é a exteriorização
Mahoney, 2016). da afetividade (Tassoni & Leite, 2013). A
No processo de desenvolvimento emoção aparece no recém-nascido sobre a
infantil apesar de considerar a importância forma de espasmos, que são tanto
das bases biológicas, Wallon atribui um contrações musculares e viscerais como
peso maior às determinações sociais. Para expressões de bem-estar ou mal-estar. Das
ele, a influência do meio social torna-se oscilações musculares e viscerais vão se
muito mais decisiva na aquisição de diferenciando as emoções: medo, alegria,
condutas psicológicas. É a cultura e a raiva, ciúme, tristeza. Pela característica da
linguagem que fornecem ao pensamento os emoção de contagiar, são estabelecidos os
instrumentos para sua evolução (Almeida & primeiros vínculos do bebê com o mundo,
Mahoney, 2016). isto é visivelmente comum no momento em
A teoria de Wallon (2007) postula que o bebê começa a chorar e os cuidadores
que o psiquismo é uma unidade que resulta geralmente pegam no colo, balançam,
da integração do que chamou de conjuntos oferecendo aconchego.
ou domínios funcionais, contemplados

84
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
PERSPECTIVAS SOBRE A INFÂNCIA EM DEBATE: CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET, VIGOTSKI E
WALLON

O sentimento corresponde à recém-nascido. Trata-se de um recurso


expressão representacional da emoção, não importante para o desenvolvimento do
envolvendo reações diretas e instantâneas pensamento, uma vez que sensações,
como na emoção. No sentimento há um imagens e ideias são apropriadas pela
certo controle para regular sua potência, criança quando esta é capaz de reproduzi-
permitindo ao sujeito refletir sobre suas las por meio de gestos corporais.
causas, motivos e consequências. Além O conjunto cognitivo oferece as
disto, a via pela expressão dos sentimentos possibilidades para a aquisição,
não é tão visceral ou corporal como manutenção e transformação do
acontece na emoção, sendo comumente conhecimento, por meio de imagens,
expressos pela linguagem verbal e não noções, ideais e representações. É o
verbal (Almeida & Mahoney, 2016). conjunto que permite rever e reelaborar o
O aparecimento da paixão é mais passado, fixar e analisar o presente e
tardio na criança, sendo uma característica projetar o futuro (Wallon, 2007).
da afetividade presente predominantemente O último conjunto funcional de
no adulto. A paixão, ao contrário do que Wallon (2007), a pessoa, expressa a
comumente se compreende (como algo sem integração do afetivo-cognitivo-motor em
controle, que domina o sujeito), é suas inúmeras possibilidades. A integração
apresentada na teoria de Wallon (2007) entre os conjuntos funcionais para explicar
como a capacidade de tornar a emoção o que não pode ser separado (ou seja, a
silenciosa, o que significa controla-la. pessoa) significa que a alteração de um dos
O conjunto motor ou movimento conjuntos afeta os demais. Portanto, para
corporal permite ao sujeito deslocar-se no Wallon uma pessoa saudável é aquela que
tempo e no espaço em relação às leis da consegue desenvolver e manter um
gravidade, realizar movimentos voluntários equilíbrio entre seus conjuntos funcionais.
ou intencionais do corpo ou partes dele, e Ainda, em sua teoria psicogenética,
favorece a possibilidade de comunicação Wallon (2007) descreve o desenvolvimento
por meio de mímicas e expressões corporais infantil em cinco estágios pelos quais a
diante de diferentes situações (Almeida & criança passa ao longo de sua vida. Para ele,
Mahoney, 2016). cada estágio é considerado um sistema
Além disto, o ato motor possibilita a completo em si, uma vez que contém todos
expressão da emoção, sendo um dos os componentes que constituem a pessoa,
principais recursos de comunicação do

85
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
EVELINE TONELOTTO BARBOSA POTT

envolvendo a dimensão afetiva, cognitiva e No estágio seguinte, Sensório-motor


motora. e Projetivo (1 a 3 anos), a criança
Em seu primeiro estágio - Impulsivo desenvolve habilidades importantes para
Emocional (0 a 1 ano) – o bebê expressa sua seu processo de socialização, dispondo da
afetividade através de movimentos fala e da marcha como recursos para
descoordenados como forma de resposta à conhecer e acessar o mundo e a si mesma.
sua sensibilidade e desconforto corporal. É Nesta fase, a criança se volta para o mundo
bastante comum nesta idade que frente a externo, a fim de conhecer os objetos
algum desconforto (como por exemplo, dor, realizando indagações sobre os mesmos.
sono, fome, etc.), o bebê reage por meio do Com relação ao processo de ensino-
choro e movimentos corporais expressando aprendizagem, este acontece pela oferta de
irritabilidade, dor ou qualquer outro sinal. diversas experiências que possibilitam à
Neste estágio, o principal recurso de criança explorar espaços, texturas e
aprendizagem é a fusão com seu cuidador, situações. Além disso, é necessário a
em especial com a figura materna e/ou disposição do adulto para responder aos
paterna. Neste aspecto, o processo ensino- constantes questionamentos, movimento
aprendizagem é pautado por contatos este que revela a busca da criança em
corporais, uma vez que o bebê passa a maior compreender o mundo (Mahoney &
parte do seu tempo conectado com seu Almeida, 2005).
principal cuidador seja para dormir, brincar Mais adiante, no estágio
ou se alimentar (Mahoney & Almeida, Personalismo (3 a 6 anos), a descoberta de
2005). si como alguém diferente das outras
É através dessa relação próxima crianças e adultos destaca-se como marco
com o cuidador que o bebê começa a característico desta fase. Adicionalmente, a
perceber o ambiente, desenvolvendo sua criança também já é capaz de identificar
percepção e, aos poucos, conquistando seu características singulares entre as pessoas
processo de diferenciação. Isto porque, com quem tem contato. Neste estágio, o
neste estágio, o bebê não apresenta a processo de aprendizagem ocorre pela
compreensão de que é um ser separado do oferta de diferentes atividades e a
seu cuidador, percebendo-se a partir de uma possibilidade de escolha pela criança
relação bastante sincrética e fundida com o daquelas de maior atração. O adulto será
outro. confrontado com muitas respostas
envolvendo a recusa, como por exemplo:

86
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
PERSPECTIVAS SOBRE A INFÂNCIA EM DEBATE: CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET, VIGOTSKI E
WALLON

“não, não vou, não gosto, etc.”. Isso porque, “quem sou eu? O que serei no futuro?”. Para
a criança está constituindo sua identidade e tanto, neste estágio há a presença de
já é capaz de recusar aquilo que não se comportamentos de confronto,
identifica ou não deseja. Nesse sentido, o autoafirmação e questionamentos com
processo de aprendizagem se dá relação aos valores e normas impostas pelos
principalmente pela oposição, pela adultos. Além disto, há uma maior
descoberta do que a diferencia dos outros identificação e fortalecimento com grupos
(Mahoney & Almeida, 2005). da mesma faixa etária. Nesta fase, o recurso
No estágio Categorial (6 a 11 anos) principal de aprendizagem é a oposição uma
o processo de diferenciação já está mais vez que oferece a possibilidade de
consolidado, dando condições para a identificação e diferenciação entre ideias,
criança explorar com maior tranquilidade o valores e concepções. Neste sentido, o
mundo externo e interno. Nesta fase, a processo de ensino-aprendizagem deve
criança já apresenta um pensamento mais oferecer espaço para que haja discussões e
desenvolvido, o que permite realizar expressões de diferentes opiniões e ideias
atividades envolvendo agrupamento, (Mahoney & Almeida, 2005).
classificação e categorização, habilidades Portanto, note que Wallon ao
estas que exigem a presença de um descrever os estágios do desenvolvimento
pensamento mais abstrato. Nesta etapa, a infantil também discorre sobre os modos de
criança é capaz de entender conceitos do construção do conhecimento, oferecendo
processo de escolarização, como por subsídios para a condução das práticas
exemplo seres vivos, reino animal, entre pedagógicas com crianças de diferentes
outros. O processo de aprendizagem se dá idades. Assim como Vigotski, Wallon
pela descoberta de diferenças e (2007) apresenta uma concepção
semelhanças entre objetos, imagens e interligada entre desenvolvimento e
ideias, havendo o predomínio do aprendizagem, sendo que seus postulados
pensamento lógico (Mahoney & Almeida, foram desenvolvidos pensando no processo
2005). educativo da criança em diferentes idades.
Já no último estágio, Puberdade e Considerações finais: algumas relações
Adolescência (11 anos em diante), a (im) possíveis
característica principal é a exploração de si Após sintetizar as contribuições
mesmo, na busca da construção de uma para o estudo do desenvolvimento infantil
identidade, expressa em questões como: oferecidas pelas teorias de Piaget, Vigotski

87
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
EVELINE TONELOTTO BARBOSA POTT

e Wallon, é importante realizar os seguintes características do desenvolvimento infantil


questionamentos: haveria alguma relação encontram-se interligadas e
entre as diversas teorias apresentadas? interdependentes às condições materiais de
Quais são suas diferenças? Quais são suas existência. Em sua concepção, para a
semelhanças? criança adquirir determinada habilidade ou
Primeiramente, é importante conhecimento é necessário que a mesma
destacar que cada sistema teórico seja exposta de alguma forma às condições
apresentado possui contribuições esperadas ou ideias, caso contrário não
importantes e diferentes para a podem ser adquiridas. Neste sentido, a
compreensão do desenvolvimento infantil. teoria de Vigotski não descreve ou prevê
Isto porque, seria impossível a um teórico características específicas à criança em cada
(mesmo com toda sua genialidade) faixa etária, mas traz a importante
discorrer e analisar todos os aspectos que contribuição de que o meio é fonte de
constituem o processo de desenvolvimento promoção do desenvolvimento da criança.
humano, o qual trata-se de algo A teoria de Wallon ancora-se em
extremamente complexo e que vem sendo uma mesma base epistemológica de
fonte de investigação há décadas. Vigotski, sendo que ambos os autores
Piaget (2003), apresenta uma teoria partem de uma visão de homem bastante
voltada para a compreensão do similar, o qual é constituído de modo
desenvolvimento cognitivo da criança, a dialético e interdependente com seu
partir de uma concepção de que o sujeito se contexto histórico e cultural. Porém,
desenvolve por meio de estágios que são diferentemente de Vigotski, Wallon (2007)
percorridos de modo consecutivos e que divide o desenvolvimento infantil em
toda criança saudável tende a alcançar. estágios.
Piaget, ao apoiar-se em seus conhecimentos A importante contribuição de
e interesses pela biologia, confere uma Wallon (2007) em relação aos demais
característica ao desenvolvimento infantil teóricos é a descrição do papel do afetivo,
associada a uma tendência natural de das emoções e do corpo no
crescimento cognitivo. desenvolvimento humano, ampliando os
Em Vigotski (2010), aspectos que constituem o sujeito e que,
diferentemente de Piaget, o muitas vezes, são desconsiderados nas
desenvolvimento humano não pode ser teorias da Psicologia do Desenvolvimento.
estagiado. Isto porque, para Vigotski as Do mesmo modo, Vigotski (2006) a partir

88
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
PERSPECTIVAS SOBRE A INFÂNCIA EM DEBATE: CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET, VIGOTSKI E
WALLON

de uma visão monista do desenvolvimento, diferentes de compreender e agir nas


em que corpo e mente não se separam, relações.
também aponta em sua obra sobre a Portanto, o que estes autores
importância das emoções na constituição do possuem em comum (mesmo como toda sua
psiquismo. No entanto, na obra de Wallon diferença epistemológica e de visão de
encontra-se com maior sistematização o homem) é o convite de conceber a criança a
papel do afetivo para o desenvolvimento partir de seus recursos e possibilidades, o
humano. que parece ser uma demanda bastante
Apesar das inúmeras diferenças que urgente e necessária para os dias atuais.
cada teórico apresenta sobre o Com bastante frequencia, profissionais ou
desenvolvimento infantil, o que este autores familiares interpretam determinadas ações
trazem em comum em suas teorias é que a da criança associando-as à conceitos
lógica do funcionamento da criança é muito desenvolvidos no senso comum como por
diferente do adulto (Palangana, 1998). Com exemplo: “Pedro esta chorando, isto é
isto, estes autores rompem com a ideia de manha”; “Maria está gritando, esta
que a criança é “uma miniatura do adulto”, querendo chamar a atenção”, entre outras
comumente circulada em nossa realidade. falas que demonstram a falta de
Para Piaget (2003), a criança pequena está compreensão sobre as afetações que a
construindo sua lógica de pensamento, criança sofre, seus desejos e necessidades.
possuindo estruturas e funções cognitivas Neste sentido, o que as teorias
bastante diferentes dos adultos. Em apresentadas possuem de semelhante (em
Vigotski (2006), ao conferir um importante meio a tantas diferenças) é o convite para
papel ao social e as experiências adquiridas olhar e estudar a criança, a qual possui
ao longo da vida, descreve que a criança modos singulares e complexos de interagir
apresenta possibilidades de pensar a com o mundo e consigo mesma. É
realidade e a si mesma de modo muito necessário olhar a infância por dentro da
diferente do adulto. E Wallon (2007), ao infância, deixando suspenso (ainda que
descrever sobre a influência dos aspectos momentaneamente) as concepções de
afetivos e motor, ressalta que a criança mundo características do adulto,
apresenta repertórios e modos de afetações construídas pelos adultos.
que são muito diferentes do adulto, Ainda vale destacar que, apesar de
conferindo, portanto, em modos muitos todas as contribuições apresentadas pelas
principais teorias da Psicologia do

89
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
EVELINE TONELOTTO BARBOSA POTT

Desenvolvimento, é necessário a reflexão necessário pesquisas que contribuem para o


sobre o universo infantil, tendo em vista as avanço do estudo acerca da infância,
constantes incertezas e complexidades que resultando em praticas educativas e em
a criança disperta e provoca sobre o olhar modos de lidar com a criança que favoreça
do adulto. Assim, torna-se cada vez mais seu desenvolvimento saudável.

Referências

Aguirar, W. M. J. & Ozella, S. (2013). Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta


dos núcleos de significação. Rev. Bras. Estud. Pedagog. Brasília, 94, 299-322.
Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbeped/v94n236/15.pdf. Acessado: 8/11/
2018. https://doi.org/10.1590/S2176-66812013000100015.

Almeida, L. R. & Mahoney, A. A. (2016). A constituição da pessoa na proposta de Henri


Wallon. 3° ed. São Paulo: editora Loyola.

Cintra, F. B. M. & Almeida, L. R. (2017). Uma leitura walloniana do movimento: crianças


de seis anos no ensino fundamental. Psicologia Escolar e Educacional, 21, 205-
2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v21n2/2175-3539-pee-21-02-
00205.pdf Acesso em: 24/03/2018. https://doi.org/10.1590/2175-3539201702121107.

Coelho, C. M. M. (2018). Sobre desenvolvimento da infância e defectologia: indícios do


papel ativo do sujeito. Educação em Foco, 23, 835-850. Disponível em:
http://ojs2.ufjf.emnuvens.com.br/edufoco/article/viewFile/20105/10690 Acesso em
24/03/2018. https://doi.org/10.22195/2447-5246v23n320183453.

Galvão, I. (1995). Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil.


4° ed. Rio de Janeiro: Ed. Vozes.

La Taille, Y. (1992) O lugar da interação social na concepção de Piaget. In: H. Yves &
M, K, Oliveira (Ed.), Vygotsky e Wallon. Teorias Genéticas em Discussão (pp. 11-
22). São Paulo: Summus.

90
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
PERSPECTIVAS SOBRE A INFÂNCIA EM DEBATE: CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET, VIGOTSKI
E WALLON

La Taille, Y. (2003). Prefácio. In J. Piaget. A construção do real na criança (pp.5-9). 3ª.


ed. São Paulo: Editora Ática.

Mohoney, A. A. & Almeida, L. R. (2005). Afetividade e processo ensino-aprendizagem:


contribuições de Henri Wallon. Revista Psicologia da Educação, 20,11-30.
Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psie/n20/v20a02.pdf. Acessado em
15/12/2018.

Palangana, I. C. (1998). Desenvolvimento e Aprendizagem em Piaget e Vygotsky: a


relevância do social. São Paulo: Summus Edutorial.

Padua, G. L. D. (2009). A epistemologia genética de Jean Piaget. Revista FACEVV, 2,


p. 22-35. Disponível em:
https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/39349855/A_EPISTEMOLOG
IA_GENETICA.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires
=1540999725&Signature=6gL99r8aF9U7y7X0va4bGMzcdCo%3D&response-
content-
disposition=inline%3B%20filename%3DA_EPISTEMOLOGIA_GENETICA.pdf.
Acessado em: 30/10/2018.

Piaget, J. (1980). Autobiografia. In:R, Evans. Jean Piaget: o homem e suas ideias. Rio
de Janeiro: Forense.

Piaget, J. (2003). A construção do real na criança. 3ª.ed. São Paulo: Editora Ática.

Santos, L. A.; Oliveira, G. S. & Malusá, S. (2017) Conceitos matemáticos na educação


infantil: contribuições dos estudos de Jean Piaget. Cadernos da Fucamp, 16,1-11.
Disponível em:
http://www.fucamp.edu.br/editora/index.php/cadernos/article/view/1123/796
Acesso em: 24/03/2018.

Souza, V. L. T. & Andrada, P. C. (2013). Contribuições de Vigotski para a compreensão


do psiquismo. Estudos de Psicologia, 30 (3), 355-365. Disponível em:

91
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
EVELINE TONELOTTO BARBOSA POTT

http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v30n3/v30n3a05.pdf. Acessado em: 29/11/2018.


https://doi.org/10.1590/S0103-166X2013000300005.

Tossani, E. C. M. & Leite, S. A. S. (2013). Afetividade no processo de ensino-


aprendizagem: as contribuições da teoria walloniana. Educação (PUCRS. Impresso),
36, 262-271. Disponível em:
http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/download/9584/9457.
Acessado em:1/12/2018.

Van Der Ver, R. & Valsiner, J. (1999). Vygotsky: uma síntese. São Paulo: Loyola.

Vygotsky, L. S. (1991). Pensamento e Linguagem. 3°ed. São Paulo: Martins Fontes.


https://doi.org/10.1590/S0103-65642010000400003.

Vigotski, L. S. (1997). Obras Escogidas - Tomo V. Madrid: Visor Aprendizaje y


Ministerio de Cultura y Ciencia.

Vigotski, L. S. (2006). Desarollo de las funciones psíquicas superiores en la edad de


transición. In: L. S., Vigotski. Obras escogidas IV: psicologia infantil. (117-203).
Madrid:Visor y A. Machado Libros.

Vigotski, L. S. (2010). Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Psicologia USP, 21


(4), 681-701. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusp/v21n4/v21n4a03.pdf.
Acessado em: 1/11/2018.

Wallon, H. (2007). A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes

Nota de Rodapé

1- Com relação a grafia do nome do estudioso russo Vigotski, há diversas formas de


tradução de seu nome, o qual as vezes é utilizado no lugar da letra "i", "y". Neste
artigo, optou-se pela grafia Vigotski, exceto nas referências onde o nome será
escrito conforme a referência do livro original.

92
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917
PERSPECTIVAS SOBRE A INFÂNCIA EM DEBATE: CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET, VIGOTSKI
E WALLON

A autora:

Eveline Tonelotto Barbosa Pott é doutora (2017) e mestre (2012) em Psicologia pela Pontifícia
Universidade Católica de Campinas, com financiamento do CNPq. Graduada (2010) em Psicologia
pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. E-mail: evelinebarbosaa@gmail.com

Recebido em: 25/03/2019.


Aprovado em: 20/06/2019.

93
Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, vol. 23, n. 1, pp. 75 - 93, Jan/Jun, 2019 – ISSN 2237-6917

Você também pode gostar