Você está na página 1de 3

c 


        

A base processual e operacionalização da perícia contábil compreendem dois momentos distintos, que
podemos classificar como R  
 e R    

.

1. Atos Preparatórios: como atos preparatórios, podemos apontar, com fundamento básico no
CPC (Código Processual Civil), art. 45, combinado com os art.33, 138, 146, 421, 422 e 435:
a) u  : realizado pelo Juiz de Direito, quando sente a necessidade de ser
orientado quanto ao conteúdo técnico ou cientifico do processo; toma então a iniciativa de nomear um perito.
b) u   : ocorre quando uma das partes ou ambas (autor e/ou réu, exeqüente
e/ou executado, requerente e/ou requerido, inventariante e/ou herdeiros etc.), desejando orientação técnica
ou cientifica que possa contribuir para elucidar a decisão, solicita ao juiz a nomeação do perito;
c) D   : ocorre quando uma das partes ou ambas, desejando a opinião independente do
profissional em pericia e mais esclarecimentos pós-laudo, indica técnico ͞perito da parte͟.
d) D   : feita a nomeação, o juiz manda intimar (isto é, cientificá-lo de que foi nomeado) o
perito, por meio de comunicação formal, chamada ͞mandato de intimação͟ ou de ͞carta de intimação͟, em
que lhe são informados o numero e o título dos autos, os prazos para aceitação ou escusa e outras
informações inerentes ao processo;
e) × : quando existem motivos de ordem legal, técnica ou cientifica, o perito pode declinar
da nomeaçao. Isto é, escusar-se, não aceitando a incumbência resultante do exercício da função de periciar o
caso.
Durante os atos preparatórios, especialmente depois da intimação, o perito pode, como é habitual,
retirar os autos do Cartório ou da Secretaria(este ato é conhecido como      ) pelo período de cinco
dias para inteirar-se de seu conteúdo, ou pedir vistas nos autos no próprio juízo. Conhecidas as peculiaridades
do processo, o perito tem que decidir se aceita ou se escusa (declina) da função para a qual foi nomeado. A
regra básica estabelecida no CPC é: ͞Art. 146. O perito tem o dever de cumprir o ofício, no prazo que Ihe
assina a lei, empregando toda a sua diligência; pode, todavia, escusar-se do encargo alegando motivo
legítimo.͟ Outra condição é que esteja legalmente habilitado, e técnica e cientificamente preparado. O fato de
haver sido nomeado não obriga o perito ao exercício pericial, pois cabe-lhe o direito de aceitar o escusar-se. O
prazo para escusa é de cinco dias contados da intimação. As condições básica da escusa do perito são:
ü Impedimento legal;
ü Suspeição;
ü uão ser especializado na matéria objeto da pericia;
ü orça maior.

2. Atos de execução do trabalho pericial: é nesse ponto que praticamente se inicia o trabalho
pericial, de natureza técnica/cientifica, objeto do processo, para esclarecer ao juiz sobre a complexidade do
problema em questão. O primeiro ato de execução é a formulação de quesitos pelo juiz, no caso das
nomeações de sua própria iniciativa, ou pelos advogados das partes, quando lhes interessa. uo caso de
quesitos formulados pelas partes, estes ficam sujeitos à homologação pelo juiz, ou recusa, se julgá-los
impertinentes (CPC, art. 426, incisos I e II). Quesitos bem formulados são fundamentais para a boa qualidade
do trabalho pericial, pois são os quesitos que indicam o teor da pericia. As diligências para obtenção de provas
dos fatos constituir-se-ão em atos de execução subseqüentes e destes atos resulta o Laudo Pericial.
£        
Conhecendo os quesitos, o perito e/ou assistente técnico (se houver) podem iniciar esta segunda
etapa de execução, que são as diligências para obtenção das provas periciais.
£   s: consistem em todos os meios lícitos necessários para obtenção de provas dos fatos
que possam estar fora dos autos (CPC art. 429), como, por exemplo, livros obrigatórios, facultativos e
auxiliares, documentos de arquivos das partes ou de terceiros, documentos de órgãos públicos, oitiva de
testemunhas (ressalvadas as jurisprudências) etc. Ressalte-se que a u C (u C T 13) sobre este assunto orienta
que o assistente técnico deve proceder aos exames e diligência tal qual faz o perito, analisar o laudo emitido
pelo perito e emitir parecer sobre este laudo.
O primeiro momento deste trabalho de campo situa-se na formalização da própria diligência que
está sendo realizada, que se materializa e documenta por meio da elaboração do termo de diligência, para
aceitação e assinatura do representante legal da parte diligenciada. É por este documento que o perito prova
que realizou determinada visita e que requereu os livros e documentos que indicou no próprio documento.
O termo de diligência deve conter os dados que identificam o processo, o local e a hora da
diligência, os livros e documentos que o perito deseja ver exibidos, a identificação do perito e do
representante legal, a assinatura dos dois, o local e a data. ormalizada a diligência, inicia-se os exames e
verificações contábeis e documentos. O primeiro exame a ser desenvolvido é o que se refere à certificação de
que os livros e documentos estão formalizados extrínseca e intrinsecamente, e se os documentos exibidos são
hábeis.
Podemos classificar os livros contábeis obrigatórios em quatro categorias:    (Livro
Diário ou ichas, Livro de Inventário, e embora não seja obrigatório, o livro Razão),   (Livro de
Registro de Entradas, Livro Registro de Saídas, Livro de Apuração de ICMS e IPI, Livro de atura de Serviços,
Livro de Apuração do Lucro Real ʹ LALUR),   ( exigidos pela Lei das Sociedades por Ações) e os
     (Livro de Registro de Empregados e Livro de Inspeção do Trabalho).
    : está conceituada no CPC, art. 420, como: ͞a prova pericial consiste em exame,
vistoria ou avaliação͟. Para fazer o exame, a vistoria ou avaliação o perito baseia-se em fatos expressos e
materialmente documentados. As uormas Contábeis Periciais rasileiras referem-se aos procedimentos de
perícia contábil, que visam fundamentar as conclusões que são levadas ao laudo ou parecer pericial contábil e
abrangem:
' Exame: é a analise de livros, registros das transações e documentos;
' >istoria: é a diligência que objetiva a verificação e a constatação de situação, coisa ou fato, de forma
circunstancial;
' Indagação: é a busca de informações mediante entrevista com conhecedores do objeto da perícia;
' Investigação: é a pesquisa que busca trazer o laudo pericial contábil ou parecer pericial contábil o que
está oculto por quaisquer circunstâncias;
' Arbitramento: é a determinação de valores ou a solução de controvérsia por critérios técnicos;
' Avaliação: é o ato de estabelecer o valor de coisa, bens, direitos, obrigações, despesas e receitas;
' Certificação: é o ato de atestar a informação trazida ao laudo pericial contábil pelo perito-contador,
conferindo-lhe caráter de autenticidade pela fé pública atribuída a este profissional.
Para obtenção ou elucidação de situações especiais, o trabalho pericial pode ser feito com a
participação de uma equipe de profissionais especialistas e auxiliares; porém, sempre que se recorrer a este
recurso, é imprescindível o acompanhamento direto do perito, pois a perícia é indelegável.
Exercícios:

1) Quando será nomeado o perito?


2) Quando serão nomeados os assistentes técnicos?
3) Quando o juiz nomeará contador para apurar haveres?
4) A quem incube a indicação dos assistentes técnicos?
5) Qual o dever do perito ao ser intimado da nomeação?
6) Quando pode o perito escusar-se?
7) Em que consiste a prova pericial?
8) Poderá o perito ouvir testemunhas ou requisitar documentos?
9) Quem apresentará laudo e quem apresentará parecer?
10) O perito deve trabalhar sozinho? Justifique.

Você também pode gostar