Você está na página 1de 4

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EFN
Nº 71001139328
2006/CÍVEL

CONTRATO DE COMPRA E VENDA. CASA PRÉ-


FABRICADA. DESISTÊNCIA. PRETENSÃO À
RESTITUIÇÃO DO VALOR PAGO A TÍTULO DE
SINAL. DESCABIMENTO. PACTUAÇÃO DE
ARRAS CONFIRMATÓRIAS. ARREPENDIMENTO
POR PARTE DO COMPRADOR. DIREITO À
RETENÇÃO DO SINAL PELO OUTRO
CONTRATANTE. ART. 418 DO CC.
MANUTENÇÃO DA SENTENÇA QUE JULGOU
IMPROCEDENTE O PEDIDO. RECURSO
DESPROVIDO.

RECURSO INOMINADO TERCEIRA TURMA RECURSAL


CÍVEL
Nº 71001139328 COMARCA DE SAPIRANGA

LUIS CARLOS HAAG RECORRENTE

MADEIREIRA VACARIENSE LTDA RECORRIDO

ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos os autos.
Acordam os Juízes de Direito integrantes da Terceira Turma
Recursal Cível dos Juizados Especiais Cíveis do Estado do Rio Grande do
Sul, à unanimidade, em NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO.
Participaram do julgamento, além do signatário, os eminentes
Senhores DRA. MARIA JOSÉ SCHMITT SANT ANNA (PRESIDENTE) E
DR. CARLOS EDUARDO RICHINITTI.
Porto Alegre, 27 de fevereiro de 2007.

DR. EUGÊNIO FACCHINI NETO,


Relator.

RELATÓRIO

1
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EFN
Nº 71001139328
2006/CÍVEL

Trata-se de ação de cobrança, na qual o autor pretende a


restituição do valor de R$ 1.160,00. Narra que contratou a compra e venda
de uma casa pré-fabricada com a ré. Contudo, em razão de problemas com
a liberação do terreno, desistiu do contrato. A requerida, contudo, devolveu-
lhe apenas R$ 4.400,00 dos R$ 5.560,00 pagos como entrada. Pede a
condenação da demandada ao pagamento de tal diferença.
A requerida contesta, argumentando que as partes pactuaram
arras. Tendo o autor desistido do negócio, não há falar em devolução do
sinal. Pugna pelo desacolhimento da pretensão deduzida pelo autor.
Instruído o feito, sobreveio sentença que julgou improcedente o
pedido. Recorre o autor.

VOTOS
DR. EUGÊNIO FACCHINI NETO (RELATOR)

É caso de manutenção da sentença pelos seus próprios


fundamentos.
Resta incontroversa a existência de contrato de compra e
venda firmado entre os litigantes, bem assim a entrega da importância de R$
5.560,00 pelo comprador que, desistindo do negócio, recebeu R$ 4.400,00
de volta.
Não há dúvidas, também, de que ter o autor desistido do
negócio – fato admitido pelo próprio –, em razão de fato não imputável à ré.
Nesse ponto, nada comprovou o requerido quanto as suas alegações,
limitando-se apenas a sustentar que teria desistido do negócio em razão da
dificuldade na liberação do terreno sobre o qual seria edificada a moradia.

2
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EFN
Nº 71001139328
2006/CÍVEL

Ainda que o inadimplemento não tenha sido culposo, a sua motivação não
pode ser oposta à ré.
Assim, tendo as partes pactuado, expressamente, arras
confirmatórias na proporção de 10% sobre o valor total do contrato (cláusula
3º do instrumento contratual, fl. 04-vº), a solução é aquela prevista no art.
418 do CC – o perdimento do sinal pago.
Como se vê, houve rescisão unilateral do contrato por parte do
comprador, por fato não imputável à vendedora, tendo-se por correto o
procedimento da vendedora em reter o valor recebido a título de arras, já
que expressamente pactuadas.

Do exposto, voto por NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO.

Arcará o recorrente com os ônus sucumbenciais, fixando-se


honorários de advogado em 20% sobre o valor atribuído à causa. A
exigibilidade, contudo, fica condicionada ao implemento das condições
previstas no art. 12 da Lei 1.060/50.

DR. CARLOS EDUARDO RICHINITTI - De acordo.


DRA. MARIA JOSÉ SCHMITT SANT ANNA (PRESIDENTE) - De acordo.

DRA. MARIA JOSÉ SCHMITT SANT ANNA - Presidente - Recurso


Inominado nº 71001139328, Comarca de Sapiranga: "NEGARAM
PROVIMENTO AO RECURSO. UNÂNIME."

3
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

EFN
Nº 71001139328
2006/CÍVEL

Juízo de Origem: 1. VARA SAPIRANGA SAPIRANGA - Comarca de


Sapiranga