Você está na página 1de 25

Cap.

VIII - Flambagem
• 1. Introdução

Sabemos que a seleção dos elementos


estruturais se baseia em três características
básicas:
Resistência,
Rigidez e
Estabilidade.

1
Cap. VIII - Flambagem
• 1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem

Considerando as barras retas, axialmente


comprimidas, verifica-se experimentalmente que
sob a ação de carregamentos crescentes pode ser
atingido um estado limite, a partir do qual a
forma reta de equilíbrio é instável. A carga
correspondente a esse estado limite é dita carga
crítica (Pcrit ), ou carga de Flambagem.

2
Cap. VIII - Flambagem

3
Cap. VIII - Flambagem
• 1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem No regime elástico
(define-se o regime
elástico como sendo
aquele em que existe o
comportamento elástico
linear dos materiais),
para cargas P > Pcrit, a
forma estável de
equilíbrio passa a ser a
configuração fletida.

4
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem

Neste caso, diz-se que a


mudança da forma de
equilíbrio corresponde a um
comportamento simétrico e
estável.
O comportamento é
simétrico porque não importa
para que lados ocorrem os
deslocamentos da barra, e é
dito estável porque a
configuração secundária de
equilíbrio é estável.

5
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
O fenômeno de
instabilidade
das barras retas
axialmente
comprimidas
pode ser
caracterizado
pela presença
do ponto de
bifurcação do
equilíbrio

. No diagrama da figura, se relaciona a carga “P” aplicada com o máximo


deslocamento transversal “a”.
6
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
Mantendo-se o regime elástico, no entorno
desse ponto de bifurcação, são possíveis duas
diferentes configurações estáveis de equilíbrio.
Somente a título de ilustração, para
materiais como o concreto e o aço, o estado limite
de flambagem é um estado limite último.
Observa-se na figura anterior. que para cargas
pouco superiores à carga crítica, a flecha máxima,
já é uma fração apreciável do comprimento da
barra, a qual se rompe por flexão composta.
7
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
Materiais como celulóide e o acrílico
(matérias plásticas), a barra pode resistir a
cargas sensivelmente superiores à carga de
flambagem, pois o estado limite de
flambagem deixa de ser um estado limite
último.

8
Fórmula de Euller para colunas com
extremidades articuladas

9
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
Em princípio, a determinação das flechas das
barras para cargas superiores à carga crítica exige
que se empregue a expressão exata da equação
diferencial da linha elástica, ou seja:

10
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem

Se, em lugar da equação exata, nós


empregarmos a equação aproximada, podemos,
com a mesma precisão obtermos os valores da
carga crítica, e baseado na figura,
desenvolvemos o seguinte:
M= P.y; 1/r = M/(E*I)
adotando, P/E.I = k2, podemos escrever:
d2y/dx2 = k2y ) d2y/dx2 - k2y = 0
11
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
Esta equação d2y/dx2 - k2y = 0 é a mesma equação diferencial
que descreve o movimento harmônico. Simples.
y = C1 sen kx + C2 cos kx

Pelas condições de contorno, temos:


p/ x= 0; y = 0, logo C2 = 0, e, conseqüentemente,

p/ x=l ; y = 0 ∴ C1senkl = 0

Resultando: C1 = 0 ou, para a configuração fletida, com C1


≠ 0 , o valor senkl = 0, logo kl = nπ ∴ P/EI = (nπ/l)2

P≤ Pcrit = n2*π2EI/l2 12
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem

Carga crítica de Euller: Pcrit = n2*p2EI/l2 ; modo de


flambagem: y(x) – C1sen(πx/l)

13
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem

Para diferentes condições de contorno, obtém-se a


expressão geral da fórmula de Euller

14
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem

As expressões anteriormente consideradas admitem


implicitamente a existência de um comportamento
elástico linear do material da barra. Isso será verdade
enquanto a tensão crítica de compressão σcrit for
inferior ao limite de proporcionalidade do material, ou
seja, enquanto for

15
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem

σ= P/A; logo σcrit. = Pcrit./A = π2EI/le2A


i = raio de giração = √I/A; i2 = I/A

λ = le /i = índice de esbeltez, logo σcrit. = π2EI/λ2


Quando σcrit = σo, tem-se

16
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
O raio de giração de uma área “A” em relação ao eixo
“Z” é definido pela grandeza iz2 = Iz/A

17
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem

Conforme se mostra na
figura, a fórmula de
Euller é válida para λ>=
λlim, pois nesse caso a
flambagem se dá dentro
do regime elástico.

Quando λ < λlim, a barra é menos esbelta, e σcrit > σo (Tensão de


escoamento do material - limite elástico). Estes caso não tem interesse
para nós, uma vez que a tensão de escoamento foi atingida e o material
deixa de ser elástico antes de iniciar a Flambagem.
18
19
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem

Exercício 1.- Uma barra de aço de seção transversal


retangular, de 2,5 por 5,0 cm, bi-articulada, é comprimida
axialmente. Determinar o comprimento mínimo em que a
equação da carga crítica possa ser aplicada, sendo E=210
GPa e o limite de proporcionalidade σ0 = 210 MPa.
Determinar a grandeza da tensão crítica sendo o
comprimento igual a 1,50 m.

20
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
Exercício 2 -

21
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
Exercício 3 -
Determinar a dimensão “d” de
modo que as longarinas de aço e
de alumínio tenham o mesmo
peso, e calcular a carga crítica
para cada longarina.

22
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
Exercício 4 -
Determinar; a) a carga crítica da
longarina de aço; b) a dimensão
“d” para a qual a longarina de
alumínio apresente s mesma carga
crítica; c) expressar o peso da
longarina com porcentagem do
peso da longarina de aço.

23
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
Exercício 5 -
Uma coluna de madeira tem comprimento de flambagem
de 3,5 m e é formada de quatro tábuas de 30 X 120 mm
de seção transversal. Determinar, adotando E = 12,5 GPa,
a carga crítica para cada uma das formas indicadas na
figura.

24
1.1 Instabilidade na Compressão Axial.
Flambagem
Exercício 6 -
Determinar a máxima carga “P” que pode ser aplicada à
estrutura indicada, para um coeficiente de segurança igual
a 3,0. Adotar E = 200 GPa e considerar flambagem
apenas no plano da estrutura. (Icirc. = πd4/64)
a) b)

25