Você está na página 1de 5

RELATOS DE CASOS

RELATO 01 -

Luiz Augusto, 74 anos, casado, aposentado, está sob tratamento para carcinoma
de células escamosas de cabeça e pescoço avançado para cavidade oral. A
terapia antineoplásica compreende a associação de docetaxel, cisplatina e
fluoruracila. O paciente relata diversos efeitos colaterais causados por estes
fármacos, dentre eles intensa náusea e vômito. Na tentativa de minimizá-los
foram administrados ondasentrona, aprepitanto e dexametasona cerca de 30 min
antes da quimioterapia.

Objetivos

1. Justificar a terapia antiemética relatada e propor as posologias para os


fármacos.

Docetaxel: Agente antineoplásico

Cisplatina: Agente antineopásico citotóxico (liga-se ao DNA, inibe transcrição e


replicação)

Fluoruracila: Inibe o crescimento de células cancerígenas

A terapia instituída é muito boa, pois o aprepitano (Antagonistas do Receptor da


Substância P) tem forte indicação no tratamento para náuseas e vômitos
decorrentes da terapia quimioterapica, tanto para náuseas e vômitos agudos, ou
seja, nas primeiras 24h, e tardio, ou seja, em 2-5 dias. Tipo de náuseas que
frequentemente a cisplatina provoca.

Além disso, a ondasentana(Antagonistas de Receptores Serotoninérgicos)


também previnirá as náuseas e vômitos causados pela quimioterapia, as formas
agudas. E por possui uma posologia fácil é ainda mais favorável, apesar que
precisara de uma correção de dose pelo efeito do aprepitano.

Por fim, os corticoides são uma boa indicação, pois atuam nas náuseas por
substâncias quimioterápicas, ao levar a inibição da síntese de prostaglandinas e
redução de edema peritumoral.

2. Detalhar as diferenças entre mecanismos de ação e reações adversas dos


fármacos antieméticos.

Fármacos antiseméticos Mecanismo de ação Efeitos adversos

Domperidona Antagonista seletivo de Cefaleia, diarreia, aumento das


receptores D2 (dopaminérgicos)
mamas / ginecomastia,
galactorreia.
Atua no SNC que não tem
barreira, área postrema, efeito Não causa efeitos
de aumento da prolactina e extrapiramidais
controle do centro do vômito
Metoclapramida Antagonista não seletivo de Sonolência, depressão, diarreia,
receptores D2 (dopaminérgicos)
fraqueza, reação extrapiramidal
(mais comum nas crianças),
Antagonismo vagal e central de
5-HT3
sintomas parkinsonianos,
acatisia, hipotensão (via EV);
Antagonista de receptores de 5- distonia, distonia aguda,
HT4
bradicardia, choque, desmaio
(EV); alucinação, amenorreia,
Contração coordenada com hiperprolactinemia
aceleração do trânsito intestinal,
aumento da contração do antro e
do intestino delgado, aumento do
tônus do esfíncter pilórico, sem
ação sobre o intestino grosso.


Fármacos antiseméticos Mecanismo de ação Efeitos adversos

Bromoprida Antagonista não seletivo de Inquietação, sonolência, fadiga,


receptores D2 (dopaminérgicos).
lassidão; insônia, cefaleia,
Ação anticolinesterásica: tontura, náuseas, sintomas
atividade colinérgica indireta, extrapiramidais, galactorreia,
com subsequente aumento da ginecomastia, erupções
motilidade intestinal cutâneas (urticária), distúrbios
intestinais; reações
extrapiramidais (inquietude,
movimentos involuntários, fala
enrolada; mais frequentes em
crianças e jovens); discinesia
tardia (movimentos anormais
ou perturbados; mais comuns
em idosos sob tratamento
prolongado).
Ondansetrona Antagonismo de receptores 5- Diarreia, constipação, cefaleia,
HT3 (ionotrópicos). tontura, alteração de ECG sem
signi cado clínico
A serotonina é liberada pelas
células enterocroma ns do
intestino delgado por estímulo
dos quimioterápicos.Esse
neurotransmissor provoca
estímulos de náuseas nas
aferências vagais.

Interação persistente com o


receptor: antagonismo
pseudorreversível, ou seja,
mesmo que o fármaco seja
desligado do receptor, este
continua inibido. Assim, o efeito
é prolongado principalmente
após 1 dose diária.

fi
fi
Fármacos antiseméticos Mecanismo de ação Efeitos adversos

Aprepitano Antagonismo de receptores redução do apetite,


NK1 da substância P
soluço, dispepsia, fadiga,
elevação de ALT;
neutropenia febril,
anemia, ansiedade,
tontura, sonolência,
palpitações, rubor,
alterações do TGI,
disúria, mal-estar,
alteração da função
hepática.
Hidroxina antagonismo de sedação, toxicidade do
Promotazina
Meclizina receptore H1 SNC e cardíaca, efeitos
anticolinérgico (dilatação
da pupila, ressecamento
dos olhos, boca seca,
retenção urinária).
Escopolamina antagonismo dos
Buclizina
receptores muscarínicos

3. Verificar a possibilidade de substituição de alguns dos antieméticos por


prometazina, dimenidrinato ou escopolamina com base no mecanismo de
ação destes.

Não há possibilidade de troca, pois esses fármacos não atuam no tratamento de


náuseas e vômitos induzidas por quimioterapia.

RELATO 02 -

Gilberto, 42 anos, casado, funcionário público, está em tratamento para DRGE


há cerca de 3 anos acumulando sucessos e insucessos medicamentosos. Dentre
os fármacos já utilizados estão omeprazol, esometrazol, metoclopramida/

bromoprida e domperidona. Atualmente, com a presença de esofagite de refluxo


recebeu a prescrição de Inzelm® 20 mg, 1x ao dia após o café da manhã.

Objetivos

4. Julgar e justificar a prescrição recebida.

Inzelm: A prescrição está correta, pois se trata de um bloqueador acido


competitivo de K. Tratamento eficaz e potente contra esofagite de refluxo erosiva
de recidiva e recaídas repetidas

5. Avaliar as indicações clínicas para os fármacos citados no relato.

Ulcera gastrica, 20 mg dia por 8 semenza

Ulcera duodenal, 20 mg por dia por 6 semanas

Uso de AINES, 10 mg na prevenção de ulcera gástrica ou duodenal\

Tratamento de esofagite de refluxo de manutenção em caso de recidiva e


recaídas repetidas

6. Descrever as diferenças entre mecanismos de ação e reações adversas


dos fármacos citados no relato.

Inzelm

bloqueador acido competitivo de K.

Diarreia, constipação —— comum

Naúsea, distensão abdominal, aumento de AST, ALT ——— incomum

Não usar durante gravidez ou lactação

Aumento de fraturas ósseas

Mascaramento de sintomas associados a malignidade gástrica

Elevação do ph estomagal

Você também pode gostar