Você está na página 1de 15

UNIVERSIDADE POLITECNICA-APOLITECNICA

Instituto Superior de Humanidade Ciência e Tecnologia

Correntes Psicologicas

Curso de Psicologia Clínica e de Aconselhamento

Cadeira de Psicologia Transcultural

Quelimane
2022
Paulo Lourenço minezes Quembo
Telma Mário sindique
Vaneusa Lucas jose Pedro

Correntes Psicologicas

Trabalho escrito para apresentação e defesa


como parte de avaliação do segundo teste da
disciplina de Psicologia Transcultural no
Instituto Superior de Humanidades Ciência e
Tecnologia.

Docente: Bastos de Morais Elías

Quelimane
2022
Índice
Capítulo I...............................................................................................................................................4
1. Introdução........................................................................................................................................4
1.1. Objectivos.................................................................................................................................5
1.1.1. Objectivo Geral :..................................................................................................................5

1.1.2. Objectivo Especifico:...........................................................................................................5

1.2. Metodologia..............................................................................................................................5
Capítulo II.............................................................................................................................................6
2. Revisão de Literatura........................................................................................................................6
2.1. Psicologia (Conceito)................................................................................................................6
3. Correntes Psicologicas......................................................................................................................6
3.1. Principais correntes psicológicas..............................................................................................7
3.1.1. Estruturalismo......................................................................................................................7

3.1.2. Funcionalismo.....................................................................................................................8

3.1.3. Comportamentismo ou Behaviorismo..................................................................................9

3.1.4. Watson Behaviorismo........................................................................................................10

3.1.5. Comportamento skinner.....................................................................................................10

3.1.6. A diferença entre comportamentalismo e cognitivismo....................................................11

3.1.7. Características do comportamentalismo.............................................................................11

3.1.8. Comportamentalismo na educação.....................................................................................12

Capítulo III..........................................................................................................................................13
4. Conclusão.......................................................................................................................................13
5. Referências Bibliográficas..............................................................................................................14
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

Capítulo I
1. Introdução
O presente trabalho aborda sobre a questao das correntes psicologicas, vale lembrar que
a psicologia é a ciência que estuda os processos mentais (sentimentos, pensamentos, razão) e
o comportamento humano. Deriva-se das palavras gregas: psiquê que significa “alma” e logia
que significa “estudo de”. O comportamento e a experiência do homem observado e descrito
pelos filósofos gregos eram vistos como resultado das manifestações da alma. A psicologia
ganhou espaço na ciência no final do séc. XIX.

As  correntes psicológicas  estudam o comportamento do ser humano sob diferentes


perspectivas, com diferentes teorias e idéias. Por exemplo, o behaviorismo dá mais
importância ao comportamento, enquanto o cognitivismo enfatiza os pensamentos. No
entanto, não existem apenas esses dois.

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
4
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

1.1. Objectivos
1.1.1. Objectivo Geral :
Conhecer as conrrestes psicologicas
1.1.2. Objectivo Especifico:
Contextualizar o construtivismo;
Conceituar o funcionalismo;
Explicar o comportamentismo ou behaviorismo.

1.2. Metodologia

Para a realização do presente trabalho, usou-se a pesquisa bibliográfica que consistiu na


leitura de diversos manuais sobre o tema em alusão.

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
5
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

Capítulo II
2. Revisão de Literatura
2.1. Psicologia (Conceito)

A psicologia é a ciência que estuda os processos mentais (sentimentos, pensamentos, razão) e


o comportamento humano. Deriva-se das palavras gregas: psiquê que significa “alma” e logia
que significa “estudo de”. O comportamento e a experiência do homem observado e descrito
pelos filósofos gregos eram vistos como resultado das manifestações da alma. A psicologia
ganhou espaço na ciência no final do séc. XIX.

A psicologia não é hoje apenas a ciência da alma, mas também do comportamento e da


experiência, pois corpo e mente não são separados e um exerce influência sobre o outro.
Dentro da psicopatologia existem as personalidades desviantes, com comportamentos
inadaptáveis, outro objeto de estudo da psicologia. Considerada como áreas sociais ou
humanas a psicologia é uma ciência também da área médica, e é estudada em métodos
quantitativos e qualitativos. Estuda os processos psíquicos que originam os comportamentos.

As questões estudadas pela psicologia estão relacionadas à personalidade, aprendizagem,


motivação, memória, inteligência, funcionamento do sistema nervoso, comunicação
interpessoal, desenvolvimento, comportamento sexual, agressividade e comportamento em
grupo.

3. Correntes Psicologicas

As correntes psicológicas  estudam o comportamento do ser humano sob diferentes


perspectivas, com diferentes teorias e idéias. Por exemplo, o behaviorismo dá mais
importância ao comportamento, enquanto o cognitivismo enfatiza os pensamentos. No
entanto, não existem apenas esses dois.

As correntes da psicologia foram desenvolvidas ao longo da história. Como disse Hermann


Ebbinghaus, um dos pensadores mais importantes no campo do estudo do comportamento
humano, “a psicologia tem um passado longo, mas uma história curta”. Com estas palavras,
Ebbinghaus captura a essência do desenvolvimento neste campo.

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
6
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

Todas as escolas de psicologia têm influenciado à sua maneira; no entanto, a maioria dos
psicólogos mantém visões ecléticas que combinam aspectos de cada uma das correntes. A
seguir, descreveremos as principais escolas que foram as mais influentes na história da
psicologia.

3.1. Principais correntes psicológicas


3.1.1. Estruturalismo

As idéias de Wilhelm Wundt, psicólogo alemão que abriu o primeiro laboratório de


psicologia experimental em 1879, lançaram as bases para a primeira escola de pensamento
em psicologia, conhecida como estruturalismo .

Na verdade, foi um dos alunos de Wundt, Titchener, que estabeleceu formalmente esta
escola. O Wundt acreditava que a psicologia deveria se concentrar em dividir a consciência
em seus elementos básicos, da mesma maneira que uma criança quebra um brinquedo para
revelar suas partes componentes.

A idéia de determinar a estrutura específica de algo tão abstrato e dinâmico quanto a mente
pode parecer absurda para muitos hoje. No entanto, os estruturalistas estavam confiantes de
que não apenas poderiam alcançar esse objetivo, mas também poderiam fazê-lo
cientificamente.

Wundt avançou com a técnica de introspecção como uma ferramenta “científica” que
permitiria aos pesquisadores revelar a estrutura da mente. A introspecção envolve olhar para
dentro: analisando e tentando entender nossas próprias experiências internas à medida que
elas ocorrem. Estruturalismo, como o nome sugere, focou-se em investigar a estrutura da
mente.

Usando essa técnica, os sujeitos treinados foram apresentados com várias formas de
estímulos e solicitados a descrever da maneira mais clara e “objetiva” possível o que estavam
experimentando na época.

Os relatórios foram examinados posteriormente para determinar os elementos básicos da


consciência. Por exemplo, se você receber um pedaço de bolo, não seria suficiente
simplesmente identificar o tipo de alimento à sua frente. Também seria necessário explicar os
elementos básicos do bolo que são identificáveis através dos sentidos.

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
7
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

Por exemplo, o sabor, cheiro, textura, cor e forma do bolo podem ser descritos com o máximo
de detalhes possível.

O estruturalismo teve um papel muito importante na formação do campo da psicologia


durante os anos em que foi desenvolvido. Wundt e seus seguidores ajudaram a estabelecer a
psicologia como uma ciência experimental independente, e sua ênfase no método científico
de pesquisa continua sendo um aspecto essencial da disciplina atualmente.

No entanto, os estruturalistas não puderam escapar das críticas a suas teorias. Apesar de suas
nobres tentativas de pesquisa científica, a introspecção não era ideal para esse propósito, pois
duas pessoas não percebiam a mesma coisa exatamente da mesma maneira. Os relatos dos
sujeitos, dessa maneira, tendiam a ser subjetivos e conflitantes.

Algumas das críticas mais agressivas ao estruturalismo vieram de William James, um dos
psicólogos que propôs a perspectiva funcionalista da psicologia.

3.1.2. Funcionalismo

Do ponto de vista do acadêmico americano William James, os estruturalistas estavam


profundamente enganados. A mente é flexível, não estável; a consciência é contínua, não
estática. As tentativas de estudar a estrutura da mente dessa maneira são inúteis e frustrantes.

Segundo William James, estudar a função era mais útil do que estudar a estrutura da mente.
Função, nesse sentido, pode significar duas coisas: como a mente funciona ou como os
processos mentais promovem a adaptação.

Claramente influenciado por Charles Darwin e pelo princípio da seleção natural, James
acreditava que os processos mentais tinham funções vitais que nos permitiam adaptar e
sobreviver em um mundo em mudança. Portanto, enquanto os estruturalistas perguntavam “o
que acontece” quando desenvolvemos atividades mentais, os funcionalistas questionavam
mais a maneira pela qual esses processos ocorrem e por quê.

O funcionalismo contribuiu muito para o desenvolvimento da psicologia. Ele estendeu o


assunto da psicologia e a variedade de métodos usados para obter dados. Por exemplo, a
ênfase colocada pelos funcionalistas na adaptação os levou a promover o estudo da
aprendizagem, pois acredita-se que ela melhora nossa adaptabilidade e chances de
sobrevivência.

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
8
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

O interesse deles pela razão da ocorrência de alguns processos mentais também os levou a
realizar uma extensa pesquisa sobre motivação. Os funcionalistas também são responsáveis
por trazer estudos sobre animais, crianças e comportamentos anormais na psicologia, além de
enfatizar as diferenças individuais.

Além disso, enquanto os estruturalistas estabeleceram a psicologia como uma ciência pura, os
funcionalistas expandiram esse foco limitado, concentrando-se também nas aplicações
práticas da psicologia em problemas do mundo real. Quanto aos métodos de pesquisa, os
funcionalistas ampliaram o repertório existente, utilizando testes, questionários e medidas
fisiológicas, além da introspecção.

No entanto, os funcionalistas também tiveram suas deficiências. Como os estruturalistas, eles


se apoiaram demais na técnica de introspecção, com todas as desvantagens mencionadas
anteriormente, e foram criticados por fornecer uma definição vaga do termo “função”. Nem o
estruturalismo nem o funcionalismo permaneceram na vanguarda da psicologia por um longo
tempo. Ambos fizeram contribuições significativas à psicologia, mas negligenciaram uma
influência muito importante no pensamento e no comportamento humano: o inconsciente. Foi
aqui que Sigmund Freud fez sua grande estréia.

3.1.3. Comportamentismo ou Behaviorismo

O comportamentalismo é uma corrente da psicologia que estuda o comportamento observável


de pessoas e animais por meio de procedimentos objetivos e experimentais. O
comportamentalismo também chamado de comportamentalismo ou psicologia
comportamental é uma abordagem da psicologia, desenvolvida pelo psicólogo John Watson.
Atualmente, a psicologia inclui uma grande variedade de orientações teóricas. Comparáveis
de certa forma a ideologias políticas ou crenças religiosas, paradigmas psicológicos supõem
diretrizes de conduta que levam à prática da prática profissional de psicólogos de diferentes
formas.

O comportamentalismo é uma das orientações mais comuns entre psicólogos profissionais,


embora hoje seja mais comum praticá-lo em seu aspecto cognitivo-comportamental. Em
seguida, revisamos a história do comportamentalismo e suas principais características.

O que é o comportamentalismo?

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
9
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

O comportamentalismo estuda comportamentos, não estados mentais, então os


comportamentais argumentam que a aprendizagem vem de uma mudança de comportamento.

O comportamentalismo enfatiza o papel dos fatores ambientais na influência do


comportamento, com a quase exclusão de fatores inatos ou hereditários. Isso é essencialmente
equivalente a focar no aprendizado. Aprendemos novos comportamentos através do
condicionamento clássico e condicionamento operístico (de acordo com a conhecida "teoria
da aprendizagem"). Portanto, quando nascemos, nossa mente é "tabula rasa" (uma tabula
rasa).

3.1.4. Watson Behaviorismo

Foi o psicólogo americano John Broadus Watson no início do século XX que propôs a teoria
do comportamentalismo. Tomou forma a partir da rejeição da psicologia e métodos de
introspecção com base na ideia de que a aprendizagem era um processo interno.

Watson se baseou no estudo do comportamento humano observável. Ele observou que a


modificação de um comportamento dos indivíduos após um processo de estimulação,
resposta e reforço termina com o aprendizado. Watson afirmou que, para ser verdadeiramente
científica, a psicologia deve se concentrar no comportamento manifesto e não em estados
mentais e conceitos como "consciência" ou "mente", que não poderiam ser analisados
objetivamente.

A polêmica experiência de Watson e sua assistente Rosalie Rayner é famosa.


Eles conseguiram provocar uma fobia de ratos em um bebê de nove meses ("pequeno
Albert"). Para fazer isso, eles acoplou a presença do rato com sons altos. O caso do pequeno
Albert mostrou que o comportamento humano não é apenas previsível, mas também
modificável.

Assim, o comportamentalismo enfatiza que o objeto de estudo não é a consciência, mas


as relações que se formam entre estímulos e respostas que dão origem a novos
comportamentos observáveis.

3.1.5. Comportamento skinner

Da mesma forma, o psicólogo americano Burrhus Frederic Skinner foi um dos principais
especialistas que desenvolveram o comportamentalismo e descreveu os processos que

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
10
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

acompanham comportamentos voluntários após vários experimentos, sendo o mais famoso o


"Skinner Box".

Skinner determinou que os comportamentos são resultado do condicionamento


operando através da atenção, codificação de informações, reprodução motora e motivação.

Para os comportamentais, os comportamentos fazem parte das adaptações que os seres


humanos devem fazer em várias circunstâncias para copiar a realidade, portanto, eles também
devem estar relacionados com as ciências naturais.

Skinner introduziu os conceitos de reforço positivo e negativo. O reforço positivo é chamado


de ato de recompensar um comportamento dando algo, enquanto o reforço negativo consiste
em retirar ou evitar um evento desagradável. Em ambos os casos, a intenção é aumentar a
frequência e intensidade do aparecimento de um determinado comportamento.

Skinner defendeu o comportamentalismo radical, que argumenta que todos os


comportamentos são resultado de associações aprendidas entre estímulos e respostas. A
abordagem introduzida por Skinner é conhecida como análise de comportamento
experimental. Esse tipo de análise é eficaz na melhoria do aprendizado de crianças com
deficiência intelectual e de desenvolvimento.

3.1.6. A diferença entre comportamentalismo e cognitivismo

A grande diferença entre as perspectivas de aprendizagem comportamental e cognitiva é


que o comportamentalismo é mais sobre explicar as coisas através do próprio comportamento
externo ou algo que possa ser observado. O cognitivismo é mais baseado em processos
cognitivos, como tomada de decisão e memória.

A corrente do comportamentalismo tem sido oposta pela corrente cognitiva, que se baseia na
pesquisa e na construção de habilidades para a re elaboração pessoal do conhecimento pelo
aluno. Esse tipo de abordagem construtivista é bem descrita no artigo sobre aprendizado
significativo.

3.1.7. Características do comportamentalismo

Abaixo estão as principais características do comportamentalismo.

Determina que as pessoas podem ser afetadas pela estimulação.

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
11
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

Estabelece que os estímulos produzem respostas, portanto, formam uma relação


causal.

Implementar o método experimental.

Determina que os comportamentos são compostos por respostas que podem ser
analisadas objetivamente.

Use experimentos e observação direta.

Afirma que os comportamentos aprendidos são cumulativos e são organizados por


ordem de prioridade.

Condicionamento faz parte do processo de estimulação e resposta.

3.1.8. Comportamentalismo na educação

O comportamentalismo na educação foi uma teoria da aprendizagem que se concentrou em


estímulos que geram respostas nos alunos durante o processo de aprendizagem. Nesse
sentido, os professores devem prestar atenção às respostas de seus alunos para estabelecer um
método de estudo coerente com seus alunos.

Os comportamentais tendem a conceber os seres vivos como "lençóis limpos"


cujo comportamento é determinado pelos reforços e punições que recebem e não por
predisposições internas. O comportamento, portanto, não depende principalmente de
fenômenos internos, como instintos ou pensamentos (que são, por outro lado,
comportamentos ocultos), mas sim do meio ambiente, e não podemos separar o
comportamento ou o aprendizado do ambiente. Contexto em que eles ocorrem.

De fato, esses processos que ocorrem no sistema nervoso e que para muitos outros psicólogos
são a causa de como agimos, pois os comportamentais nada mais são do que outros tipos de
reações geradas pela nossa interação com o meio ambiente.

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
12
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

Capítulo III
4. Conclusão

A pôs concluído o trabalho já a cima apresentado, pudemos perceber que o funcionalismo


contribuiu muito para o desenvolvimento da psicologia. Ele estendeu o assunto da psicologia
e a variedade de métodos usados para obter dados. Por exemplo, a ênfase colocada pelos
funcionalistas na adaptação os levou a promover o estudo da aprendizagem, pois acredita-se
que ela melhora nossa adaptabilidade e chances de sobrevivência.

De salientar que o comportamentalismo estuda comportamentos, não estados mentais, então


os comportamentais argumentam que a aprendizagem vem de uma mudança de
comportamento.

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
13
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

5. Referências Bibliográficas

AEBLI, H., Didática Psicológica: aplicação à didática da Psicologia de Jean Piaget, são
Paulo, Editora Nacional, 1973.

AJURIAGUERRA, J. ed et aI. A escrita infantil: evolução e dificuldades. Porto Alegre, Artes


Médicas, 1988.

ALVITE, M.M.C., Didática e Psicologia: crítica ao psicologismo na Educação, são Paulo,


Loyola, 1981.

ANDRADE, R.C. de. Escola, Tradição e Mudança, Amae Educando, v. 217, p. 23-25, março
1991.

ANTUNES, M.A.M., A Psicologia na educação; algumas considerações, Cadernos USP., II


Encontro Latino-Americano de Psicologia Marxista e Psicanálise, Fev. 1988.

ARROYO, M., Da Escola carente a Escola possível, são Paulo, Loyola, 1986., Operários e
Educadores se Identificam. Que rumos tomará a educação brasileira? Educação e Sociedade

n. 5, J an . 1990.

AUSUBEL, D.P., NOVAK, J.D., HANESIAN; H., Psicologia Educa cional, Rio de Janeiro,
Interamericana, 1980.

BACKMAN, C.W., SECORD, P.F., Aspectos psicossociais da edu cação, Rio de Janeiro,
Zahar, 1971.

BAIRRO, A.M., Dicionário de Epistemologia Genética, Buenos Aires, Editorial Proteo,


1971. 198

BANDURA, A., Modificação do comportamento, Rio de Janeiro, Interamericana, 1979.

BARBIERI, E. de O., Integração Psicologia e Educação: um desafio vivido, Porto Alegre,


Psico, 1984.

BARBOSA, E.C., A abordagem rogeriana, Tecnologia Educacional, Ano IX, n. 35, p. 37-41,
1980.

BARROS, C.S.G., Pontos de Psicologia do Desenvolvimento são Paulo, Ática, 1987.

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
14
Instituto Superior de Humanidades Ciências e Tecnologica/ Psicologia
Clínica 3º Semestre

BIGARELLA, M.M.-BARBOSA, L.M.S., Disfunções de aprendizagem: aspectos


psicológicos e pedagógicos, Curitiba Psicologia Argumento, 1983.

BIGGE, M.L., Teorias da Aprendizagem para professores, são Paulo, EPU, 1977.

BODEN, M.A., As Idéias de Piaget, são Paulo, Cultrix Editora, 1983.

BRANDÃO, C.R., Pesquisa Participante, são Paulo, Brasiliense, 1983.

BRANDÃO, Z., Evasão e repetência no Brasil: a escola em questão, Rio de Janeiro,


Achiamé, 1983.

BRASIL, L.A. dos S., Experiências pedagógicas baseadas na teoria de Piaget, Rio de Janeiro,
Forense, 1979.199

BRUNER, J.S., "Uma nova teoria da aprendizagem", Rio de Janeiro, Bloch, 1969.

CADERNOS CEDES. Pensamento e Linguagem. Estudos na perspectiva da Psicologia


soviética. são Paulo, Papirus, n.24, 1991 2 .

CAMINO, L., Psicologia e Educação Popular. Revista de Psicologia. Fortaleza, v.S, n.2, p.2l-
28, 1987.

Paulo Lourenço minezes Quembo; Telma Mário sindique; Vaneusa Lucas jose Pedro
15

Você também pode gostar