Você está na página 1de 3

HISTORINHA INGLÊS – LIVRO: TOWN IS BY THE SEA

- Da minha casa eu posso ver o mar

é assim - estrada de casa, mar de penhasco gramado

e a cidade se espalha, de um lado para o outro

meu pai é um mineiro, ele trabalha no fundo do mar, nas profundezas das minas de carvão

quando eu acordo é assim

primeiro eu ouço as gaivotas depois eu ouço um cachorro latindo, um carro passa por um na
estrada da costa alguém bate na porta e grita bom dia

e ao longo da estrada, tremoços e rendas da rainha Anne farfalham ao vento

a primeira coisa que vejo quando olho pela janela é o mar

e eu sei que meu pai já está nas profundezas do mar, cavando por carvão

quando eu saio de manhã é assim

Eu corro para fora da minha casa e bato na porta do meu amigo e nós vamos até o velho
parquinho frágil

restam apenas dois para bebês. Costumavam haver quatro. Um quebrou e o outro está
enrolado tão alto ao redor do poste superior que nunca vai cair

eu não me importo. eu fico no bebê e meu amigo balança no grande. ficamos tão altos que as
borboletas correm pelo meu estômago

nós vamos tão alto que eu posso ver o mar longe

bem longe no mar, as ondas têm pontas brancas

e no fundo do mar meu pai está cavando para carvão

quando chego em casa às quatro, é assim. Minha mãe tem um sanduíche de salsicha na mesa
e um copo grande de leite. Eu engulo e como uma grande pilha de cenouras

Minha mãe diz, eu preciso de sua ajuda agora

Ela me mandou para a loja com uma lista do dono da mercearia. A loja fica a apenas alguns
quarteirões de distância, na rua principal. A porta da cozinha bate na saída

Mesmo caminhando devagar, chego à loja em um piscar de olhos.

Está tão ensolarado hoje

o mar está brilhando

E nas profundezas desse mar, meu pai está cavando para o carvão

À tarde é assim

Vou ao cemitério para visitar o meu avô, o pai do meu pai. Ele também era mineiro. O ar cheira
a sal. Eu posso sentir o gosto na minha língua.
. Meu avô costumava dizer: Enterre-me de frente para o mar, porque trabalhei muito e muito
no subsolo

Quando há grandes tempestades aqui, as ondas quebram contra a costa, batendo em sua
lápide com spray encharcado de sal.

Tudo bem. Meu avô está acostumado a tempestades

Hoje o mar esta todo calmo, e quieto.

E no fundo do mar, meu pai está cavando para o carvão

Na hora do jantar, é assim -

Meu pai chega em casa do trabalho. Ele tem manchas pretas no rosto por trabalhar o carvão.
Ele parece cansado, mas me dá um grande sorriso e um abraço. Seu longo dia de trabalho
acabou e ele está em casa são e salvo

Ele toma banho, veste roupas limpas e desce para comer. Minha mãe tem cozinhado, e a
cozinha cheira a ensopado de frango e batatas

Eu escuto o jogo de bola no rádio enquanto eu arrumo a mesa

Depois do jantar, minha mãe e meu pai sentam na varanda bebendo xícaras de chá e
conversando

o sol se põe lentamente

afundando no mar

Nas profundezas desse mar é onde meu pai cava em busca de carvão

A noite é assim

Quando adormeço, posso ouvir o barulho das ondas de um lado para outro.

Penso no mar e penso no meu pai

Eu penso sobre os dias brilhantes de verão

E os túneis escuros no subsolo

Um dia será a minha vez

Sou filho de mineiro

Na minha cidade é assim que funciona

“No centro da vida do menino nas cidades e vilas carboníferas estava a mina. Ele foi criado à
vista disso; o cheiro de pó de carvão era tão familiar para ele quanto o som de bombas a vapor
e guinchos. O menino pode ter visto por anos seu pai e irmãos mais velhos partindo para a
cova. Para a maioria dos meninos criados nessas comunidades, chegou o dia em que eles
também entregaram sua infância a ela ”

Se você fosse um menino nas cidades mineiras de Cabo Breton - ou, na verdade, uma criança
em uma nova cidade mineira do mundo - durante o final dos anos 1800 e início dos anos 1900,
você poderia muito bem ter enfrentado a perspectiva de trabalhar nas minas na tenra idade de
bom ou dez anos, suportando doze horas por dia na dura, perigosa e escura realidade
subterrânea. Décadas depois, a vida dessas cidades ainda girava em torno das minas. Mesmo
na década de 1950, por volta da época em que essa história se passa, meninos em idade
escolar, carregando as tradições de seus pais e avós, continuaram a ver seu futuro trabalhando
nas minas.

Este foi o legado de uma cidade mineira.

Concluída <3

Você também pode gostar