Você está na página 1de 304

UNIVERSIDADE DO ALGARVE

FACULDADE DE ECONOMIA

O FINANCIAMENTO DAS AUTARQUIAS LOCAIS E A ESTRU-

TURA DA DESPESA: O CASO DOS MUNICÍPIOS ALGARVIOS

EUSÉBIO RODRIGUES JOAQUIM

Mestrado em Administração e Desenvolvimento Regional

Faro, junho de 2012


UNIVERSIDADE DO ALGARVE

FACULDADE DE ECONOMIA

O FINANCIAMENTO DAS AUTARQUIAS LOCAIS E A ESTRU-

TURA DA DESPESA: O CASO DOS MUNICÍPIOS ALGARVIOS

EUSÉBIO RODRIGUES JOAQUIM

Mestrado em Administração e Desenvolvimento Regional

Dissertação orientada por Professor Doutor Adriano Pimpão –

Universidade do Algarve

Faro, junho de 2012


ÍNDICE GERAL
Página

!" # $ % #
& !" # ' ()% ' *
* ' #+ # ,+ #' - "# ' . % -+/0 % #-1+!' " !' $% #!$ ' 2
2 %1 0 $ -1# % . ( % % "# #" % 3#/0 4
4 !" # ' - #/5%' %!" ! #$#' % 1#! 3#/0 $ #(#-6 7
8 9
& :+!/5%' $ '% ;(-" 9
&& %-#/5%' %! % $% "%! #-% $% - "#- &
&* %< / $# #+ ! # $ ' +! "= ' 4
&2 +#-' ' % # " ! #( -=' " > ?
&4 % % %'+ $ "# = +- @
A : .
B 8 &
* -+/0 $#' " % C!" #' +! " # ' &
*& !" # ' #- % #/5%' D % $#' : !#!/#' "# ' &?
** <!#!" # %! $ ' +! "= ' *4
*2 % % %'+ $ "# = +- *@
8 2
2 1#! 3#/0 $ ' $#$ ' 2*
8 E 49
4 # #" % 3#/0 1% #-$# %"% # % $# $%' %'# # - !1 $ ' #! ' 49
4 ! $% &999 49
4 & ! $% &99 4F
4 * ! $% &99& F&
4 2 ! $% &99* F7
4 4 ! $% &992 ?2
4 F ! $% &994 79
4 ? ! $% &99F 7F
4 7 ! $% &99? @&
4 @ ! $% &997 @@
4 9 ! $% &99@ 94
4& -+/0 1% #-$# %"% # &
4& -+/0 $#' %"% #' G #' *
4&& -+/0 % !" # $ ' ' '' ( % # G! 4
4&* -+/0 $#' #!'<% C!" #' $ ?
4&2 -+/0 $ ' <+!$ ' " +! H ' &9
4&4 -+/0 $ ' #'' ' <!#!"% ' &
4* -+/0 1% #-$# $%' %'# &&
4* -+/0 $#' $%' %'#' " %'' #- &*
4*& -+/0 $ '% / $# $= $# &4
4** -+/0 $ ! %' %! &F
42 % % %'+ $ "# = +- &7
8 B *9
I *7
I %"% #' <'"# 'J#! &999 *@
I & %"% #' " %! %'J#! &999 29
I * %"% #' $% "# #-J#! &999 2
I 2 %' %'#' " %! %'J#! &999 2&
I 4 %' %'#' $% "# #-J#! &999 2*
I F %' %'#' $% ! %' %! J#! &999 22
I ? %' %'#' $% ! %' %! J#! &999 K" ! L 24
I 7 %"% #' <'"# 'J#! &99 2F
I @ %"% #' " %! %'J#! &99 2?
I 9 %"% #' $% "# #-J#! &99 27
I %' %'#' " %! %'J#! &99 2@
I & %' %'#' $% "# #-J#! &99 49
I * %' %'#' $% ! %' %! J#! &99 4
I 2 %' %'#' $% ! %' %! J#! &99 K" ! L 4&
I 4 %"% #' <'"# 'J#! &99& 4*
I F %"% #' " %! %'J#! &99& 42
I ? %"% #' " %! %'J#! &99& K" ! L 44
I 7 %"% #' $% "# #-J#! $% &99& 4F
I @ %"% #' $% "# #-J#! $% &99& K" ! L 4?
I &9 %' %'#' " %! %'J#! &99& 47
I & %' %'#' $% "# #-J#! &99& 4@
I && %' %'#' $% ! %' %! J#! &99& F9
I &* %' %'#' $% ! %' %! J#! &99& K" ! L F
: A E: F&
: A M F&
F2
A F4
A 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &999 K #- %' % %+ 'L F?
A & %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &999 K% % "%! #1% L F7
A * %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # ! #-$#' %"% #'
G #'J#! $% &999 K% % "%! #1% L F7
A 2 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &999 K #- %' % %+ 'L F@
A 4 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &999 K% % "%! #1% L ?9
A F %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #-! #-$#' %"% #'
$% "# #-J#! $% &999 K% % "%! #1% L ?9
A ? 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' ! #-$#'
%"% #'J#! $% &999 ?
A 7 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &999 K% %+ 'L ?
A 9 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &999 K% %+ 'L ?*
A %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! ! #-$#'
$%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &999 K% % "%! #1% L ?2
A & %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' $%
"# #-J#! $% &999 K% % "%! #1% L ?2
A * 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 # #-
#-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &999 ?4
A 2 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &99 K% %+ 'L ?F
A 4 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &99 K% % "%! #1% L ??
A F %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # ! #-$#' %"% #'
G #'J#! $% &99 K% % "%! #1% L ??
A ? 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99 K% %+ 'L ?7
A @ %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #- ! #- $#'
%"% #' $% "# #-J#! $% &99 K% % "%! #1% L ?@
A &9 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' ! #-
$#' %"% #'J#! $% &99 79
A & 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &99 K% %+ 'L 79
A && %' #- $% "#$# $% $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &99 K% % "%! #1% L 7
A &* 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &99 K% %+ 'L 7&
A &2 %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! ! #-$#'
$%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &99 K% % "%! #1% L 7*
A &4 %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' $%
"# #-J#! $% &99 K% % "%! #1% L 7*
A &? 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &99& K% %+ 'L 74
A &@ %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # ! #-$#' %"% #'
G #'J#! $% &99& K% % "%! #1% L 7F
A *9 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99& K% %+ 'L 7?
A * %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &99& K% % "%! #1% L 77
A ** 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' ! #-
$#' %"% #'J#! $% &99& 7@
A *2 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &99& K% %+ 'L 7@
A *4 %' #- $% "#$# $% $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &99& K% % "%! #1% L @9
A *F 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &99& K% %+ 'L @
A *? %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! ! #-$#'
$%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &99& K% % "%! #1% L @&
A *7 %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' $%
"# #-J#! $% &99& K% % "%! #1% L @&
A *@ 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $ #-
#-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &99& @*
A 29 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &99* K% %+ 'L @2
A 2 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &99* K% % "%! #1% L @4
A 2& %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # ! #-$#' %"% #'
G #'J#! $% &99* K% % "%! #1% L @4
A 2* 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99* K% %+ 'L @F
A 22 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &99* K% % "%! #1% L @?
A 24 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #- ! #- $#'
%"% #' $% "# #-J#! $% &99* K% % "%! #1% L @?
A 2F 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' ! #-
$#' %"% #'J#! $% &99* @7
A 2? 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &99* K% %+ 'L @7
A 27 %' #- $% "#$# $% $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &99* K% % "%! #1% L @@
A 2@ 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &99* K #- %' % %+ 'L
&99
A 4 %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' $%
"# #-J#! $% &99* K% % "%! #1% L &9
A 4& 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $ #-
#-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &99* &9&
A 4* 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &992 K% %+ 'L &9*
A 42 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &992 K% % "%! #1% L &92
A 44 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # ! #-$#' %"% #'
G #'J#! $% &992 K% % "%! #1% L &92
A 4F 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &992 K% %+ 'L &94
A 4? %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &992 K% % "%! #1% L &9F
A 47 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #- ! #- $#'
%"% #' $% "# #-J#! $% &992 K% % "%! #1% L &9F
A 4@ 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' ! #-
$#' %"% #'J#! $% &992 &9?
A F9 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &992 K% %+ 'L &9?
A F %' #- $% "#$# $% $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &992 K% % "%! #1% L &97
A F& 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &992 K% %+ 'L &9@
A F* %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! ! #-$#'
$%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &992 K% % "%! #1% L & 9
A F2 %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' $%
"# #-J#! $% &992 K% % "%! #1% L & 9
A F4 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $ #-
#-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &992 &
A FF 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &994 K% %+ 'L & &
A F? %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &994 K% % "%! #1% L & *
A F7 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # ! #-$#' %"% #'
G #'J#! $% &994 K% % "%! #1% L & *
A F@ 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J #! $% &994 K #- %' % %+ 'L
& 2
A ?9 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &994 K% % "%! #1% L & 4
A ? %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #- ! #- $#'
%"% #' $% "# #-J#! $% &994 K% % "%! #1% L & 4
A ?& 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' ! #-
$#' %"% #'J#! $% &994 & F
A ?* 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &994 K% %+ 'L & F
A ?2 %' #- $% "#$# $% $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &994 K% % "%! #1% L & ?
A ?4 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &994 K% %+ 'L & 7
A ?F %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! ! #-$#'
$%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &994 K% % "%! #1% L & @
A ?? %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' $%
"# #-J#! $% &994 K% % "%! #1% L & @
A ?7 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 # #-
#-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &994 &&9
A ?@ 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &99F K% %+ 'L &&
A 79 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' K" %! %'L ! #- $#'
#!'<% C!" #' $ J#! $% &99F K% % "%! #1% L &&&
A 7 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # K" %! %L ! #-
$#' %"% #' G #'J#! $% &99F K% % "%! #1% L &&&
A 7& 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99F K% %+ 'L &&*
A 7* %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' K"# #-L ! #- $#'
#!'<% C!" #' $ J#! $% &99F K% % "%! #1% L &&2
A 72 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #- ! #- $#'
%"% #' $% "# #-J#! $% &99F K% % "%! #1% L &&2
A 74 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' ! #-
$#' %"% #'J#! $% &99F &&4
A 7F 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &99F K% %+ 'L &&4
A 7? %' #- $% "#$# $% $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &99F K% % "%! #1% L &&F
A 77 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &99F K% %+ 'L &&?
A 7@ %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! ! #-$#'
$%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &99F K% % "%! #1% L &&7
A @9 %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' $%
"# #-J#! $% &99F K% % "%! #1% L &&7
A @ 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $ #-
#-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &99F &&@
A @& 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &99? K% %+ 'L &*9
A @* %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' K" %! %'L ! #- $#'
#!'<% C!" #' $ J#! $% &99? K% % "%! #1% L &*
A @2 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # K" %! %L ! #-
$#' %"% #' G #'J#! $% &99? K% % "%! #1% L &*
A @4 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99? K% %+ 'L &*&
A @F %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #- ! #- $#'
%"% #' $% "# #-J#! $% &99? K% % "%! #1% L &**
A @? 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' ! #-
$#' %"% #'J#! $% &99? &**
A @7 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &99? K% %+ 'L &*2
A 99 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &99? K% %+ 'L &*4
A 9 %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! ! #-
$#' $%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &99? K% % "%! #1% L &*F
A 9& %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' $%
"# #-J#! $% &99? K% % "%! #1% L &*F
A 9* 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $ #-
#-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &99? &*?
A 92 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &997 K% %+ 'L &*7
A 94 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #- $#' #!'<% C!" #'
$ J#! $% &997 K% % "%! #1% L &*@
A 9F %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # K" %! %L ! #-
$#' %"% #' G #'J#! $% &997 K% % "%! #1% L &*@
A 9? 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &997 K% %+ 'L &29
A 97 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #- ! #- $#'
%"% #' $% "# #-J#! $% &997 K% % "%! #1% L &2
A 9@ 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' ! #-
$#' %"% #'J#! $% &997 &2
A 9 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &997 K% %+ 'L &2&
A %' #- $% "#$# $% $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &997 K% % "%! #1% L &2&
A & 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &997 K% %+ 'L &2*
A * %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! ! #-
$#' $%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &997 K% % "%! #1% L &22
A 2 %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' $%
"# #-J#! $% &997 K% % "%! #1% L &22
A 4 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $ #-
#-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &997 &24
A F 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &99@ K% %+ 'L &2F
A ? %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' K" %! %'L ! #- $#'
#!'<% C!" #' $ J#! $% &99@ K% % "%! #1% L &2?
A 7 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # ! #-$#' %"% #'
G #'J#! $% &99@ K% % "%! #1% L &2?
A @ 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99@ K% %+ 'L &27
A &9 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #- ! #- $#'
%"% #' $% "# #-J#! $% &99@ K% % "%! #1% L &2@
A & 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' ! #-
$#' %"% #'J#! $% &99@ &2@
A && 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &99@ K% %+ 'L &49
A &* %' #- $% "#$# $% $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &99@ K% % "%! #1% L &49
A &2 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &99@ K% %+ 'L &4
A &4 %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! ! #-
$#' $%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &99@ K% % "%! #1% L &4&
A &F %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #- $#' $%' %'#' $%
"# #-J#! $% &99@ K% % "%! #1% L &4&
A &? 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $ #-
#-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &99@ &4*
A &7 8#- #-$# %"% #J$% &999 # &99@J! ' +! "= ' $ -1# % K% %+ 'L
&42
A &@ 8# #/0 $# %"% #J $% &999 # &99@J! ' +! "= ' $ -1# % K% %+ 'L
&44
A *9 8# #/0 $# %"% #J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# % K%
% "%! #1% L &4F
A * 8#- #-$#' %"% #' G #'J$% &999 # &99@J! ' +! "= ' $ -1# %
K #- %' % %+ 'L &4?
A *& 8# #/0 $#' %"% #' G #'J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# %
K% %+ 'L &47
A ** 8# #/0 $#' %"% #' G #'J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# %
K% % "%! #1% L &4@
A *2 %' $#' %"% #' G #' ! #- $#' %"% #'J +! "= J $% &999 #
&99@ K% % "%! #1% L &F9
A *4 8#- $ ' ' '' ( % # G! +! "= J $% &999 # &99@ K%
%+ 'L &F
A *F 8# #/0 $ ' ' '' ( % # G! +! "= J $% &999 # &99@
K% %+ 'L &F&
A *? 8# #/0 $ ' ' '' ( % # G! +! "= J $% &999 # &99@
K% % "%! #1% L &F*
A *7 %' $ ' ' '' ( % # G! !#' %"% #' G #'J +! "= J
$% &999 # &99@ K% % "%! #1% L &F2
A *@ %' $ ' ' '' ( % # G! ! #-$#' %"% #' ! ' +! "= '
$ -1# %J$% &999 # &99@ K% % "%! #1% L &F4
A 29 8#- $ ' <+!$ ' $ J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# % K%
%+ 'L &FF
A 2& 8# #/0 $ ' <+!$ ' $ J$% &999 # &99@J! ' +! "= ' $ -1# % K%
% "%! #1% L &F7
A 2* %' $ ' <+!$ ' $ ! #- $#' %"% #' " %! %'J +! "= J $%
&999 # &99@ K% % "%! #1% L &F@
A 22 %' $ ' <+!$ ' $ ! #- $#' %"% #' $% "# #-J +! "= J $%
&999 # &99@ K% % "%! #1% L &?9
A 24 8#- $#' " # " #/5%' $ : J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $
-1# % K% %+ 'L &?
A 2F 8# #/0 $#' " # " #/5%' $ : J$% &999 # &99@J! ' +! "= ' $
-1# % K% %+ 'L &?&
A 2? 8# #/0 $#' " # " #/5%' $ : J$% &999 # &99@J! ' +! "= ' $
-1# % K% % "%! #1% L &?*
A 27 8#- $ ' #'' ' <!#!"% 'J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# %
K% %+ 'L &?2
A 2@ 8# #/0 $ ' #'' ' <!#!"% 'J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $
-1# % K% %+ ' % % "%! #1% L &?4
A 49 8#- $# $%' %'#J$% &999 # &99@J! ' +! "= ' $ -1# % K% %+ 'L &?F
A 4 8# #/0 $# $%' %'#J$% &999 # &99@J! ' +! "= ' $ -1# % K% %+ 'L
&??
A 4& 8# #/0 $# $%' %'#J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# % K%
% "%! #1% L &?7
A 4* 8#- $#' $%' %'#' " %'' #-J$% &999 # &99@J! ' +! "= ' $ -1# %
K% %+ 'L &?@
A 42 8# #/0 $#' $%' %'#' " %'' #-J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $
-1# % K% %+ 'L &79
A 44 -+/0 $#' $%' %'#' " %'' #-J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $
-1# % K% % "%! #1% L &7
A 4F %-#/0 %! % $%' %'#' " %'' #- % $%' %'# #-J $% &999 # &99@J ! '
+! "= ' $ -1# % K% % "%! #1% L &7&
A 4? 8#- $ '% / $# $= $#J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# %
K #- %' % %+ 'L &7*
A 47 -+/0 $ '% / $# $= $#J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# %
K% %+ 'L &72
A 4@ -+/0 $ '% / $# $= $#J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# %
K% % "%! #1% L &74
A F9 8#- $ ! %' %! J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# % K%
%+ 'L &7F
A F 8# #/0 $ ! %' %! J $% &999 # &99@J ! ' +! "= '$ -1# % K%
%+ 'L &7?
A F& 8# #/0 $ ! %' %! J $% &999 # &99@J ! ' +! "= ' $ -1# % K%
% "%! #1% L &77

LISTA DE TABELAS

Página
#(%-# #$ ' %-# 'D $ %!'0 $ ' +! "= ' $ -1# % F
#(%-# * -+/0 $#' " % C!" #' $ ' +! "= ' +1+%'%' &*
#(%-# * & !" # ' #- % #/5%' D : &7
#(%-# * * !" # ' %"% #' ,+% $% '% # %"#$#$#' %- ' +! "= ' *4
#(%-# 4 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' " %! %' % $% "# #-!
#-$#' %"% #'J +! "= J#! $% &999 4*
#(%-# 4 & 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J#! $% &999 4F
#(%-# 4 * 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' " %! %' % $% "# #-!
#-$#' %"% #'J +! "= J#! $% &99 4@
#(%-# 4 2 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J#! $% &99 F&
#(%-# 4 4 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' " %! %' % $% "# #-!
#-$#' %"% #'J +! "= J#! $% &99& F4
#(%-# 4 F 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J#! $% &99& F7
#(%-# 4 ? 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' " %! %' % $% "# #-!
#-$#' %"% #'J +! "= J#! $% &99* ?
#(%-# 4 7 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J#! $% &99* ?*
#(%-# 4 @ 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' " %! %' % $% "# #-!
#-$#' %"% #'J +! "= J#! $% &992 ??
#(%-# 4 9 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J#! $% &992 79
#(%-# 4 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' %"% #'J +! "= J#! $% &994 7*
#(%-# 4 & 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J#! $% &994 7F
#(%-# 4 * 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' %"% #'J +! "= J#! $% &99F 7@
#(%-# 4 2 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J#! $% &99F @&
#(%-# 4 4 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' %"% #'J +! "= J#! $% &99? @4
#(%-# 4 F 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J#! $% &99? @7
#(%-# 4 ? 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' %"% #'J +! "= J#! $% &997 9&
#(%-# 4 7 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J#! $% &997 94
#(%-# 4 @ 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' %"% #'J +! "= J#! $% &99@ 97
#(%-# 4 &9 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J#! $% &99@ &
#(%-# 4 & H-"+- $ " %<" %! % $% %! % # %"% # % ! %' %! &?
LISTA DE SIGLAS

AL - Administração Local
AP – Administração Pública
ANAFRE - Associação Nacional de Freguesias
ANMP - Associação Nacional de Municípios Portugueses
BCE - Banco Central Europeu
CE - Comissão Europeia
CRP - Constituição da República Portuguesa
DGAL - Direcção-Geral das Autarquias Locais
DL - Decreto-Lei
FBM - Fundo de Base Municipal
FCM - Fundo de Coesão Municipal
FEDER - Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional
FEF - Fundo de Equilíbrio Financeiro
FFF - Fundo de Financiamento das Freguesias
FGM - Fundo Geral Municipal
FMI - Fundo Monetário Internacional
IMI - Imposto Municipal sobre Imóveis
IMT - Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis
IMV - Imposto Municipal sobre Veículos
INE - Instituto Nacional de Estatística
IRC – Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas
IRS – Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares
IUC – Imposto Único de Circulação
IVA - Imposto sobre o Valor Acrescentado
LFL - Lei das Finanças Locais
LOE - Lei do Orçamento do Estado
OE - Orçamento do Estado
PAEF - Programa de Assistência Económica e Financeira
POCAL – Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais
POCP - Plano Oficial de Contabilidade Pública
AGRADECIMENTOS

Uma palavra especial de agradecimento é dirigida ao Professor Doutor Adriano Pimpão,

orientador desta dissertação, pela disponibilidade demonstrada no esclarecimento das

dúvidas que foram surgindo ao longo da elaboração deste trabalho. A sua experiência

em matéria de desenvolvimento regional tornou-se numa excelente mais-valia quanto ao

rumo a traçar, para que este projeto pudesse chegar a bom porto.

Não posso deixar também de agradecer essencialmente à Ana e ao meu filhote Henri-

que, pelas muitas horas de conforto familiar e dedicação que lhes subtraí, não só ao lon-

go da elaboração deste trabalho, mas também no decorrer destes últimos dois anos e

meio.

Infinitamente grato…
RESUMO

A presente dissertação discute a evolução das receitas e das despesas ocorridas nos

municípios do Algarve no período compreendido entre 2000 e 2009. Com base nos

dados disponíveis, analisou-se o principal tipo de receitas obtidas e a estrutura da despe-

sa realizada. As autarquias locais portuguesas tiveram, ao longo dos últimos anos, um

aumento considerável das suas competências, com o consequente aumento da despesa

efetuada. Tanto nas receitas como nas despesas, cerca de metade do seu volume total

está concentrado em apenas quatro municípios.

Foi no ano de 2007 que os municípios conseguiram arrecadar mais receitas; contudo, foi

também o ano em que menos receberam das transferências do Orçamento do Estado

(OE). Os impostos sobre o património ocuparam cerca de 60% no total das receitas pró-

prias, tornando os municípios altamente dependentes deste tipo de receitas. O recurso ao

crédito consistiu também numa importante fonte de receita, tendo aumentado mais de

20%.

Em termos de despesa, os gastos com pessoal tiveram um peso considerável no total das

despesas correntes dos municípios. Quanto ao investimento, foi nos anos de 2001 e

2005 que existiu o maior aumento destas despesas; em contrapartida, a maior diminui-

ção verificou-se nos anos seguintes às eleições autárquicas, com quebras na ordem dos

20%.

Uma vez que os recursos financeiros são cada vez mais escassos, a existência de um

planeamento a médio/longo prazo, mais independente dos ciclos políticos, parece

essencial no equilíbrio entre os recursos obtidos e a despesa realizada.

Palavras-chave: municípios, receita, despesa, competências, Lei das Finanças Locais.


ABSTRACT

This dissertation discusses the evolution of revenues and expenses incurred in the mu-

nicipalities of the Algarve during the period between 2000 and 2009. Based on available

data, we analyzed the main type of receipts and expenditure structure held. The Portu-

guese local authorities have, over recent years, a considerable increase of its powers,

with a consequent increase in expenditure made. Both the revenue and the costs, about

half of its total volume is concentrated in only four municipalities.

It was in 2007 that the municipalities were able to raise more revenue, however, was

also the year that less transfers received from the State Budget. Taxes on property occu-

pied about 60% of total revenues, making the cities heavily dependent on such revenue.

The use of credit consisted also an important source of revenue, having increased more

than 20%.

In terms of expenditure, personnel costs are a considerable weight in the total current

expenditure of the municipalities. The investment was in 2001 and 2005 that there was a

greater increase in these expenses, however, the greatest decrease occurred in the years

following the local elections, with losses of around 20%.

Since financial resources are increasingly scarce, the existence of planning in the medi-

um / long term, more independent of political cycles, it seems essential in balancing the

proceeds and expenditure incurred.

Keywords: municipalities, revenue, expense, skills, Local Finance Law


%' #$ %

CAPÍTULO I: INTRODUÇÃO

Num contexto de mudanças profundas na Administração Pública (AP) em Portugal, e,

em particular, na Administração Local (AL), a questão do financiamento e da despesa

efetuada pelas autarquias locais merece, pois, especial atenção. Neste sentido, o desafio

que se coloca aos governos é o de estudar soluções de partilha de responsabilidades

quer na produção quer na distribuição de bens e de serviços públicos.

1.1. Importância do tema

O poder local é aquele que, por definição, está mais próximo das populações que serve,

provocando, por isso, grande impacto na vida das respetivas populações. Neste sentido,

as autarquias locais têm vindo, cada vez mais, a ser reconhecidas enquanto espaço privi-

legiado de resolução de problemas, bem como de afirmação de direitos e de defesa dos

interesses e das aspirações populares.

A temática das autarquias locais, nomeadamente no que concerne às suas atribuições e

competências, bem como ao seu financiamento, tem tido um crescendo de importância e

de notoriedade ao longo dos últimos anos. Parece, pois, consensual o trabalho que se

tem efectuado, nos últimos anos, no âmbito das autarquias locais, e, mais concretamen-

te, dos municípios. Esse trabalho tem contribuído, em larga escala, para o desenvolvi-

mento das respetivas áreas geográficas, com o consequente aumento da qualidade de

vida das populações. É neste sentido que uma administração simultaneamente eficaz e

próxima do cidadão dificilmente se consegue sem a existência de autarquias locais

investidas de responsabilidades efetivas.

Na sequência do acréscimo de competências que têm sido atribuídas aos municípios, a

despesa efetuada tem vindo também a aumentar nos últimos anos. Apesar do trabalho
%' #$ %

meritório que tem sido realizado, muito se tem falado acerca do volume da despesa rea-

lizada nos municípios, e se essa despesa justificaria, de facto, o investimento que tem

sido feito, tendo em conta o constante agravamento da dívida pública.

Esta questão do endividamento tem ganho forte impacto nos últimos tempos, sendo um

tema recorrente, e que culminou com o pedido de ajuda de Portugal às instâncias finan-

ceiras internacionais, através do Programa de Assistência Económica e Financeira

(PAEF) a Portuga1l. No seio desta conjuntura particularmente difícil surgiram também

notícias quanto à reformulação das autarquias locais, com reduções significativas não só

quanto ao seu número, mas também no âmbito da própria estrutura dirigente.

Tais notícias tiveram natural desenvolvimento no âmbito da reforma da AL que o atual

Governo se propõe realizar, estando previstas diversas medidas que trarão consigo

novas alterações na gestão dos municípios, sendo que o grande objetivo será o de

melhorar a eficiência da AL e racionalizar a utilização dos recursos existentes. Desta

forma, prevê-se a redução em 15% dos seus cargos dirigentes e serviços, bem como a

limitação nas admissões de pessoal na administração pública. No caso das administra-

ções local e regional esperam-se decréscimos anuais de 2%.

Apesar da polémica que se tem gerado em torno desta matéria, foi já elaborado um pla-

no de consolidação para reorganizar e reduzir significativamente o número de municí-

pios e de freguesias. Neste sentido, está ainda em fase de negociação com as associa-

ções representativas destas entidades, a Associação Nacional de Municípios Portugue-

ses (ANMP) e a Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), sendo este mais um

'% 1 # # #$+3>'%J1%!% "# %! %J!+ " !)+! $% %$ $#' % ! " # #' -%1 '-# #'J !"-+ !$
$% !# + %3# %' + + #-J %-#" !#$#' " #' <!#!/#' ;(-"#'J# %' #( -$#$% <!#!"% # % # " % >
$#$%J# ! $+3 $+ #! % + % = $ $% * #! ' %' % 1 # # %' 0 %! - $#' C' %! $#$%' ! % >
!#" !# ' # ''0 + % # K LJ :+!$ !% H ! % !#" !#-K: L % #!" %! #- + %+
K L

&
%' #$ %

dos compromissos no âmbito do PAEF a Portugal. Prevê-se que estas alterações entrem

já em vigor no próximo ciclo eleitoral local, contribuindo, espera-se, para melhorar a

prestação do serviço público, aumentar a eficiência e reduzir custos.

É neste contexto de alterações muito significativas na vida das autarquias locais, e, mais

concretamente, dos municípios, aliado à crescente importância do poder local, que surge

a motivação para o estudo da evolução da receita e da despesa nas autarquias locais

algarvias, tendo em conta as especificidades da região do Algarve no contexto das res-

tantes regiões do país.

1.2. Principais objetivos

Refira-se antes de mais, que, com este estudo pretendeu-se, com a informação disponí-

vel, consolidar o conhecimento existente sobre uma série de questões relativas à receita

e à despesa nos municípios algarvios; simultaneamente, pretendeu-se desenvolver a

capacidade de investigação no tema em estudo, deixando em aberto outras perspetivas

para eventuais desenvolvimentos futuros acerca desta temática.

Uma vez que a informação existente se encontra algo dispersa, pretendeu-se também

aglutiná-la e organizá-la, de forma a ser mais fácil a sua compreensão, enquadrada na

globalidade dos municípios algarvios e tendo em conta as especificidades de cada um

deles. Tendo ainda em consideração a análise de dados relativamente recentes, poderá

este trabalho tornar-se também num possível ponto de partida para estudos futuros.

Refira-se também que este trabalho apenas contempla a AL em sentido restrito, mais

concretamente os municípios, ficando de fora do âmbito deste estudo as empresas

municipais e as freguesias, apenas se efetuando algumas referências pontuais a estas

últimas.

*
%' #$ %

Deste modo, ao proceder à elaboração deste trabalho, pretende-se essencialmente:

- Estudar a evolução do tipo de receitas obtido pelos municípios algarvios e respetivos

valores arrecadados;

- Analisar a tipologia de despesa efetuada, os seus valores e a evolução verificada nos

últimos anos;

- Verificar a evolução da legislação ocorrida nos últimos anos no que diz respeito ao

tipo de receita que os municípios podem obter e que despesas podem realizar;

- Comparar os principais dados obtidos relativamente à receita arrecadada e à despesa

efetuada pelos municípios algarvios, tendo em conta a tipologia de receita e de despesa;

- Detetar eventuais relacionamentos entre a receita e a despesa, nomeadamente quanto à

dimensão dos municípios em estudo.

1.3. As autarquias locais – evolução e alguns considerandos

Enquanto pessoas coletivas territoriais de âmbito municipal, os municípios, através dos

seus órgãos, visam a prossecução dos interesses próprios das populações que represen-

tam. As autarquias locais, sobretudo os municípios, têm tido um papel crescente na

promoção do desenvolvimento económico, da coesão territorial e da qualificação e

competitividade regional e local.

A nível europeu, a Carta Europeia da Autonomia Local, aprovada em 1985 pelo Conse-

lho da Europa, considerou no seu Preâmbulo que "as autarquias locais são um dos prin-

cipais fundamentos de todo o regime democrático". Considerou, ainda, no Artigo 1.º,

que "o princípio da autonomia local deve ser reconhecido pela legislação interna e, tanto

quanto possível, pela Constituição". Em Portugal, este documento foi aprovado pela

Resolução da Assembleia da República n.º 28/90, de 23 de outubro, tendo entrado em

vigor no ano seguinte, em 1991, vigorando ainda na ordem jurídica nacional.

2
%' #$ %

Em termos nacionais, a constituição portuguesa de 1976 considerava também já a exis-

tência de autarquias locais como fazendo parte da organização do Estado, definindo-as

como “pessoas coletivas de população e território dotadas de órgãos representativos que

visam a prossecução dos interesses próprios, comuns e específicos das respetivas popu-

lações”, conforme o Artigo 235.º da Constituição da República Portuguesa (CRP).

No que se refere às categorias existentes, no continente as autarquias locais são compos-

tas pelas freguesias, pelos municípios e pelas regiões administrativas, apesar de estas

últimas estarem ainda por instituir. O número de municípios existente atualmente em

Portugal é de 308, ao passo que o número de freguesias ascende às 4 259 (DGAL,

2011a). Dada a inexistência prática das regiões administrativas, cabe, efetivamente, aos

municípios, na esfera do poder local, a assunção de crescente protagonismo na sua rela-

ção com os cidadãos, como se verá no capítulo número três.

1.4. Região do Algarve – breve caracterização

Para que melhor se possam compreender os números associados à receita e à despesa

efetuada pelos municípios objeto do presente estudo, importa também proceder a uma

breve análise relativamente à sua dimensão, respetiva população, natalida-

de/mortalidade e atividade económica. Assim, a região do Algarve é composta por 16

municípios e 84 freguesias, abrangendo uma área total de 4.996 K2. Em termos de

dimensão, são os municípios de Loulé, Silves e Tavira que ocupam maior área geográfi-

ca, ao passo que Vila Real de Santo António e Lagoa são os municípios de menor

dimensão (ANMP, 2011b). A tabela seguinte sintetiza alguns dados relativos à dimen-

são dos municípios do Algarve, com base nos resultados preliminares dos Censos 2011:

4
%' #$ %

#$ ' %-# 'D$ %!'0 $ ' +! "= ' $ -1# %

! $ %& +
# $ %) *
" #'' (#'
-(+<% # 2 * 42*P 29 F4? @ 2 &&J2&Q 4 &77J*4
-" + 4?4 * ??9P & 7@4 >7?4 >*9J&&Q 4 4J9*
-)%3+ *&2 4 &77 P 4 772 4@F 9J *Q 2 7J F
#' # *9 F 4@* P F ? @ &F J77Q 2 &&J*&
:# &9& 47 94 P F* @F? 4@ F @J&4Q F * FJF?
#1 # 77 &9 F4 P &* 9*9 & *?@ 9J**Q F &F J?9
#1 ' & * &4 *@7 P *9 ?44 4 *4? ?J2&Q F 22J*@
+-R ?F2 4@ F9 P ?9 &29 979 4J??Q @ J@2
!"6 ,+% *@4 F @?2 P F 9*? >@*? > 4J4&Q * 4J&7
-60 * 29 797 P 24 *7* 2 4?4 9J97Q 4 *2FJ22
0 7& 22 7 7 P 44 7 7 999 @J? Q * *9FJF@
H' $% - %- 4* 9 9*& P 9 F@* FF FJ 7Q F@J7@
- %' F79 ** 7*9 P *? 97? * &4? 7J?7Q 7 42J42
# # F9? &2 @@? P &F 4? 4?2 4J@&Q @ 2*J??
8 -# $ ' ?@ 4 *2@ P 4 &?4 >?2 > J29Q 4 &@J2?
8 -# %#- ! G! F ? @4F P @ 2?* 4 ? ?J?@Q * * @J&*
, -. / 001 203 # 4 ( /3' /4/ 33 #11 #5#6 4/ 0'5 6

J &9 (N J &9 # % "H-"+- ' G '

! O 6#( #! %' &9 > ! O 6#( #! %' &99 N


%'" %! $# +-#/0 P ! O 6#( #! %' &9 N ! O 6#( #! %'P
E %#

Em relação à densidade populacional, Olhão e Vila Real de Santo António são os con-

celhos mais densamente povoados, logo seguidos pela capital de distrito. No sentido

inverso encontram-se os municípios do interior, com Alcoutim, Monchique e Aljezur

cada vez mais desertificados, onde habitam menos de vinte habitantes por quilómetro

quadrado. Alcoutim é o caso mais grave de desertificação no Algarve, com pouco mais

de cinco habitantes por quilómetro quadrado.

Os resultados preliminares dos Censos 2011 indicam que a população residente em Por-

tugal no dia 21 de março (momento de referência dos censos) era de 10.555.853 indiví-

duos. O Algarve é uma das regiões do país que apresenta um crescimento mais signifi-

cativo da população residente, atualmente com 450.484 residentes. Nos últimos 30 anos

F
%' #$ %

a região tem vindo sempre a ganhar população de forma consistente, tendo sofrido um

acréscimo face a 2001, com mais 55.266 indivíduos, o que equivale a um aumento de

mais de 12% na população residente (INE, 2011a).

Ainda de acordo com estes resultados, a maioria dos municípios algarvios registou um

crescimento da população, tendo sido Loulé e Portimão os municípios que mais viram a

sua população crescer, em termos absolutos, com um número superior a 11.000 residen-

tes. Em termos de percentagem de crescimento, foi Albufeira e Portimão quem mais

cresceu, tendo Albufeira registado um crescimento de população residente superior a

22%, ao passo que Portimão quase atingiu os 20%.

A exceção a este crescimento ocorreu com alguns municípios do interior, nomeadamen-

te Alcoutim, Monchique e Vila do Bispo, tendo sido Monchique que, em termos absolu-

tos, mais população perdeu (-937 indivíduos). Alcoutim foi o concelho que, em termos

percentuais, perdeu mais população residente, com menos de 30% de residentes face a

2001. Em termos do número de habitantes atuais, Loulé, Faro e Portimão são os muni-

cípios onde residem mais pessoas; pelo contrário, Alcoutim, Vila do Bispo e Aljezur

registam o menor número de habitantes (INE, 2011a).

No que se refere à população ativa, o Algarve registava, no 4.º trimestre de 2010 (perío-

do de dados mais recente), mais de 220.000 indivíduos. A taxa de atividade ultrapassava

os 60%, ligeiramente abaixo da média registada no resto do país, sendo a taxa média de

desemprego de 14,8%, mais de três pontos percentuais acima da média do resto do país.

Reportando-nos ainda ao ano de 2010, quer a taxa de natalidade, quer a de mortalidade

registaram valores ligeiramente acima da média nacional, com valores de 11,1‰ e

10,8‰, respetivamente.

?
%' #$ %

Relativamente ao acesso aos cuidados de saúde, a região do Algarve apresentava, no

ano de 2010, uma média de 3,2 médicos por 1000 habitantes, um número um pouco

inferior à média nacional. Quanto ao número de farmácias por 1000 habitantes, o

Algarve registou a mesma média da verificada a nível nacional, que se cifrou em 0,3.

Em relação à atividade económica, e ainda segundo dados do INE (2011b), a região do

Algarve tinha, em 2009 (período de dados mais recente), mais de 58.200 sociedades

registadas, sendo que a sua grande maioria pertencia ao setor dos serviços. Tendo em

conta que a principal fonte de receita é o turismo, esta região apresentava, no mesmo

ano, mais de um terço do total do número de dormidas em estabelecimentos hoteleiros

face ao resto do país2. Um valor semelhante foi também registado em relação à capaci-

dade de alojamento nos estabelecimentos hoteleiros, detendo o Algarve mais de 35%

dessa capacidade3.

1.5. Principais limitações encontradas e organização do trabalho

No decorrer da elaboração deste trabalho foram surgindo algumas limitações, que tive-

ram também algum reflexo no resultado final deste estudo. Essas limitações estiveram

relacionadas essencialmente com a dificuldade na obtenção de alguns dados, relativos à

caracterização sociodemográfica e económica quer da região do Algarve, quer dos

diversos municípios que a compõem.

Também em relação à bibliografia necessária ao enquadramento teórico deste trabalho

surgiram algumas limitações, uma vez que a bibliografia relativa à temática das autar-

quias locais, e, mais concretamente, ao objeto deste estudo, era, em muitos casos, desa-

tualizada, fruto também das constantes alterações legislativas que se têm vindo a verifi-

&
& @&? F9*P*F 24? 9F@S*4J2FQ
*
@4 @ 9P&?* 792S*4J9*Q

7
%' #$ %

car ao longo dos anos. A inclusão de bibliografia estrangeira com estudos comparativos

com os municípios do Algarve pareceu não ser adequado ao objetivo deste trabalho,

pelo que não foi incluída bibliografia estrangeira.

No que se refere à organização deste trabalho, começa-se por abordar alguns conceitos

considerados fundamentais para uma melhor perceção da temática em estudo, bem

como se fará referência às teorias mais relevantes acerca do tema em análise. Far-se-á,

depois, uma breve análise relativamente à legislação mais relevante, quer quanto à cons-

tante evolução do quadro de competências dos municípios, quer em relação às princi-

pais alterações ocorridas à Lei das Finanças Locais, fazendo também referência às prin-

cipais fontes de receita dos municípios.

No capítulo IV abordar-se-á a metodologia utilizada na elaboração deste trabalho. Nos

capítulos seguintes terá lugar a apresentação dos principais resultados, nos quais se fará

a análise e a interpretação dos dados, bem como se procederá à sua discussão. Poste-

riormente, apresentar-se-ão as principais conclusões, bem como algumas sugestões para

desenvolvimentos futuros de outros trabalhos acerca desta temática.

@
%' #$ %
CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA

Apesar de o principal objetivo deste trabalho ser o estudo da receita e da despesa nos

municípios algarvios, nomeadamente em termos da sua evolução, torna-se indispensável

a abordagem aos conceitos considerados fundamentais para uma melhor perceção da

temática em estudo. É disso que se trata neste capítulo, bem como se fará referência às

teorias mais relevantes acerca do tema em análise.

Refira-se também que, tendo em conta a especificidade do tema, considerou-se não ser

relevante a inclusão de bibliografia estrangeira, tal como referido anteriormente, uma

vez que as principais teorias e conceitos acerca desta matéria já foram diversas vezes

abordados por vários autores portugueses. Uma vez que alguns deles mencionam tam-

bém, nalguns estudos, a temática das autarquias locais, na vertente das receitas e das

despesas efetuadas, optou-se por referenciar apenas autores nacionais.

2.1. Funções do setor público

Como refere Bravo e Sá (2000), a distribuição das responsabilidades da política orça-

mental pelos diversos tipos de governo (central, regional e local) é um dos pressupostos

para a teoria do federalismo orçamental. Deste modo, é possível a provisão de bens

públicos locais maximizando a eficiência na afetação dos recursos públicos.

Ainda que não sejam aceites pela totalidade dos estudiosos da matéria, o principal tipo

de funções (ou objetivos da política orçamental) que o setor público deve desempenhar

foram enumeradas por Musgrave, podendo resumir-se em três categorias, a saber: fun-

ções de afetação, de distribuição e de estabilização4. No que diz respeito à função afeta-

2
'# - 1 # %<% %>'% # + # $#' # ' %' +$#$#' "-#'' < "#/5%' $#' <+!/5%' < !#!"% #' $ ' %' #$ '
" !% !% 'J < +-#$# %- < !#!" ' # ! %># % "#! K @ 9>&99?L !# '+#
$% @4@
9
%' #$ %

ção, Costa (2009) refere que o setor público deverá contribuir para uma afetação efi-

ciente dos recursos existentes no setor económico. Neste sentido, a provisão de bens

públicos é uma das suas áreas de intervenção, pois o normal funcionamento dos merca-

dos não os coloca no circuito comercial, tendo em conta as características dos bens

públicos: indivisibilidade, impossibilidade de exclusão e não-rejeitabilidade.5

Ainda acerca desta afetação eficiente dos recursos, Bravo e Sá (2000) consideram que o

papel desempenhado pelas jurisdições locais é determinante, dado que os bens públicos

que colocam à disposição das suas populações têm, em geral, uma incidência local,6

sendo a sua provisão mais eficaz ao nível da freguesia e do município. Desta forma,

existiria maior equivalência entre os utentes dos serviços e os que contribuem para o seu

financiamento, sendo este princípio designado por equivalência fiscal.

Costa (2009) salienta que os efeitos externos causados na produção ou no consumo de

bens merecem também intervenção do setor público7. O outro motivo da intervenção

pública no âmbito da função afetação prende-se com a regulação, que é necessária

quando os mercados funcionam de forma não competitiva, de modo a corrigir restrições

à concorrência.

Quanto à função distribuição, o setor público deve atuar na repartição de rendimento e

de riqueza, com vista a adequá-los a uma norma distributiva considerada desejável, de

forma a contribuir para uma maior igualdade de oportunidades. Bravo e Sá (2000) afir-

4
!$ ' ( -$#$% ' 1! < "# ,+% #+ %! $ !; % $% !$ =$+ ' ,+% " !' % (% !0 -"#
+ # %$+/0 !# + -$#$% $ ' ,+% )H " !' % J + # %3 ,+% (% R # -6H %-N '' ( -$#$% $%
% "-+'0 + # %3 ,+% (% R $+3 $ J !0 R ''= %-J # + "+' #3 H %-J % "-+ #-1+R $ '%+
" !'+ N 0 > %)% #( -$#$% + # %3 ,+% (% R $+3 $ J ' " !'+ $ %' )H !0 $% %)% >
# . % 0 !%"%''# # %! % ,+% " !'+ J # !$# ,+% !0 $%'%)%
F
0 ' "#' ' $#' '" !#' +! " # ' % $% + #' !< #>%' + + #' $%' #' +! " # 'J # ' "
# -65%'J "# ' $% ) 1 ' % + '
?
' %<% ' % % ! ' + % % !#-$#$%' #" ! %"% ,+#!$ ' #1%! %' %" !G " ' + ' G ' " !>
'+ $ %' !0 !" # # #-$#$% $ ' "+' ' ' " # ' #'' " #$ ' D $+/0 $ ' (%!' + # '%+
" !'+ ''#' % % !#-$#$%' $% 0 '% ' #' + !%1# #'
%' #$ %

mam que, a nível central, a segurança social asseguraria essa finalidade, operando um

determinado nível de distribuição entre indivíduos. Essa distribuição, refere Costa

(2009), está relacionada com certos bens primários (ou bens de mérito, como os classi-

ficou Musgrave), tais como os níveis de instrução básica ou os cuidados básicos de saú-

de.

Em relação à função estabilização, outra das justificações para a intervenção do setor

público na economia, esta prende-se com a estabilização económica, de forma a contri-

buir para um crescimento sustentado da economia. Este crescimento traduz-se, generi-

camente, na obtenção de níveis de emprego elevados, na estabilidade dos preços e em

contas externas o mais equilibradas possível. Daqui resultaria, segundo Barbosa (1997),

o crescimento económico segundo um caminho ótimo, a que corresponde uma interven-

ção macroeconómica.

Ainda em relação às funções do Estado, Carapeto e Fonseca (2006) referem que algu-

mas das funções tradicionalmente atribuídas ao Estado têm vindo a ser transferidas para

os agentes privados. Ainda assim, consideram que existe um conjunto de funções que

devem continuar a manter-se no domínio do Estado, sobretudo as que estão diretamente

relacionadas com a manutenção da coesão social.

2.2. Relações entre o poder central e o poder local

O Governo exerce tutela administrativa sobre as autarquias locais, associações de muni-

cípios e áreas metropolitanas8, tendo sempre presente a autonomia pela qual se deve

reger o poder local. O exercício desta tutela é feito através de inspeções, inquéritos e

7
!< % 1 &2& O $#

&
%' #$ %

sindicâncias9. De acordo com Tavares (2004), a tutela corresponde a um poder de con-

trolo que é atribuído a um ou vários órgãos de uma determinada pessoa coletiva pública

relativamente à atividade exercida por outra pessoa coletiva (neste caso, Estado e muni-

cípios).

Tal significa, como refere Nabais (2006), que é apenas de legalidade a tutela exercida

sobre as autarquias locais pelo poder central. Por conseguinte, a administração central,

através dos seus serviços próprios que exercem tutela sobre as autarquias locais, não

poderão apreciar a eficácia, a eficiência, a oportunidade e a adequação dos meios finan-

ceiros utilizados pelas autarquias locais na prossecução das suas atividades.

No que respeita à gestão patrimonial e financeira, Bilhim (2004) afirma que esta tutela

tem como propósito o cumprimento da lei, nomeadamente no que se refere ao respetivo

plano de atividades, orçamento e sua execução, contabilidade, endividamento, gestão

patrimonial e obrigações perante o fisco, entre outros aspetos.

Em relação à tutela jurisdicional sobre as entidades da AL, a mesma é exercida pelos

tribunais, cabendo ao Tribunal de Contas a fiscalização da legalidade e da cobertura

orçamental dos documentos geradores de despesa ou relativos às suas responsabilidades

financeiras. Pelo que atrás se disse, a tutela administrativa, como defende Tavares

(2004), é mais uma forma de controlo ao nível da AP e que se junta a outros meios de

controlo consagrados na legislação.

No que se refere à AL, esta situa-se a um nível de decisão política independente da

Administração Central (AC). Tal significa que se trata, efetivamente, de um nível de

governo distinto, sendo composto pelo órgão executivo e deliberativo: no caso dos

@
!< % 1 * OJ ! O J $# % $# + %-# $ !' # # $#' + # ,+ #' "# ' % ! $#$%' ,+ # #>
$#' K % ! O &?P@FJ $% $% #1 ' L

*
%' #$ %

municípios, as câmaras municipais e as respetivas assembleias municipais, e ao nível

das freguesias as juntas de freguesia e as assembleias de freguesia (Costa, 2009). Em

relação às funções que desempenham, Tavares (2004) considera que as autarquias locais

têm a seu cargo o exercício da função administrativa no que respeita à satisfação das

necessidades públicas ou coletivas locais. Deste modo, a descentralização tem sido,

gradualmente, um princípio orientador da organização administrativa, podendo ser con-

siderada como uma peça fundamental da democracia.

A descentralização administrativa, como defende Montalvo (2003), pode ser encarada

sob duas perspetivas: a dos munícipes que escolhem os seus representantes nas respeti-

vas autarquias locais (os eleitos locais) e a dos eleitos que dispõem de capacidade admi-

nistrativa e financeira para o desempenho das suas funções no seio das autarquias que

representam. Deste modo, a autonomia de uma autarquia local é o aspeto mais relevante

da descentralização administrativa.

As autarquias locais detêm, assim, a capacidade de prossecução das suas atribuições, de

forma livre e autónoma, pelo que, tal como considera Neves (2004), esta autonomia é

composta pela autonomia administrativa, financeira e regulamentar. Acresce ainda a

este nível de administração um outro tipo de autonomia, a autonomia política, relacio-

nada com o facto de as autarquias locais gozarem de independência orçamental, na

medida em que os respetivos orçamentos são elaborados, aprovados, executados e fisca-

lizados de forma autónoma.

Ao disporem de autonomia financeira, tal como refere Nabais (2006), significa que as

autarquias locais deverão de poder dispor de receitas suficientes para a concretização

das tarefas respeitantes à prossecução da suas atribuições e competências. Apesar deste

tipo de independência de que usufruem, as autarquias, e, mais concretamente, os muni-

2
%' #$ %

cípios, não detêm poderes tributários próprios, ou seja, não podem criar impostos, mas

apenas determinado tipo de taxas, tema que se abordará mais adiante. Neves (2004: 26)

define o município como sendo “[…] uma pessoa coletiva territorial de âmbito munici-

pal dotada de órgãos representativos, que visa a prossecução dos interesses próprios das

populações concelhias.” Acerca da sua importância, considera que o município corres-

ponde à categoria autárquica com mais relevo e atividade e aquela que terá raízes mais

profundas na sociedade portuguesa.

2.3. Reforço da autonomia dos municípios

Antes da Constituição de 1976 era quase inexistente a autonomia dos municípios portu-

gueses, sendo as fontes de financiamento dos municípios reguladas pelo Código Admi-

nistrativo de 194010. As autarquias estavam sujeitas a apertada tutela administrativa e

não dispunham de receitas próprias.

Como refere Camões (2005), a repartição de recursos do governo central para o local

baseava-se, essencialmente, na concessão de subsídios, em comparticipações no finan-

ciamento de projetos ou na correção de défices, inexistindo critérios justificados e

transparentes de distribuição de fundos. Neste sentido, os executivos municipais esta-

vam limitados a exercer somente a função de controlo, sendo que as suas competências

iam pouco mais além do que a fiscalização do cumprimento das normas definidas cen-

tralmente.

As alterações no domínio financeiro introduzidas a partir de 25 de abril de 1974, como

salienta Bilhim (2004), surgiram logo no ano seguinte. Deste modo, a primeira tentativa

9
- # -%1#-,+% %+! # #' ! #' %<% %! %' D 1#! 3#/0 #$ ! ' # # $ % G % D' " %>
C!" #'J <+!" !# %! % 1 ! "# $ ' G 10 ' $ ' # ' % #+ H ,+ " ' : # #$ %- %" % > % ! O
* 9@4J $% * $% $%3% ( $% @29J # !$# % 1 J% ( #" ;- -#' #- % #/5%'J % 1#/5%' %
$% 1#/5%' %! % #! ' < $#'

4
%' #$ %

de pôr cobro à distribuição arbitrária de verbas do poder central para as autarquias teve

lugar com o Decreto-Lei n.º 768//75, de 31 de dezembro e, logo no ano seguinte, com o

Decreto-Lei n.º 416/76, de 27 de maio.

De acordo com Camões (2005), esta questão da dependência face ao poder central

demorou ainda alguns anos a fazer-se sentir, ainda que a primeira legislação sobre o

novo poder local reforçado seja de 1977. Deste modo, a Assembleia da República, atra-

vés da Lei n.º 79/77, de 25 de outubro, legisla acerca das atribuições das autarquias

locais e sobre as competências dos respetivos órgãos, conforme se abordará no capítulo

seguinte aquando da análise às principais alterações legislativas que ocorreram no âmbi-

to das finanças locais portuguesas.

A proximidade com os munícipes é um dos pressupostos e uma das principais caracte-

rísticas do poder local, contribuindo para a promoção da coesão e da competitividade

territoriais. Neste sentido, Montalvo (2003) defende que uma das aceções do princípio

da subsidiariedade está relacionada precisamente com esse caráter de proximidade.

Daqui advém que todas as decisões políticas devem ser tomadas o mais próximo possí-

vel do cidadão, havendo apenas lugar à intervenção de um nível hierárquico superior

nos casos em que tal não seja possível de outra forma11. Bravo e Sá (2000) consideram,

a este propósito, que este tem sido um dos fundamentos dos autarcas para justificarem

ao poder central o reforço de competências do poder local, daí advindo, segundo eles,

uma distribuição de poderes mais democrática.

No que se refere à evolução das competências municipais, ao efetuar-se a comparação

entre aquelas inicialmente definidas no Decreto-Lei nº 77/84, de 8 de março (artigo 8.º)

' % !"= < !' +=$ %-# # # + % # $# + ! # "#-J $ "+ %! %' % # ,+% )H '% #-+>
$ + #! % %! % 1 *O $ # #$ $% %' #(%-%"% # (R %' % !"=

F
%' #$ %

com os domínios de atuação previstos na Lei n.º 159/99, de 14 de setembro (artigo 13.º),

Bravo e Sá (2000) afirmam que, com a transferência de atribuições que até então com-

petiam à Administração Central (AC), as áreas de intervenção municipal praticamente

duplicaram12.

Ainda a este propósito, Montalvo (2003) considera que foi o setor da habitação social

um dos primeiros a ser alvo da cooperação financeira entre o Estado e os municípios, ao

abrigo das novas competências das autarquias locais. Outras competências se foram

seguindo, noutros setores, as quais serão abordadas com mais pormenor no próximo

capítulo deste trabalho.

2.4. Atual sistema contabilístico - POCAL

Também no âmbito do regime contabilístico aplicado às autarquias locais têm ocorrido

diversas alterações. O atual regime contabilístico das autarquias locais é o Plano Oficial

de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), consistindo numa importante medi-

da no plano da gestão autárquica, que pretende dar resposta às insuficiências do anterior

regime contabilístico, o Plano Oficial de Contabilidade Pública (POCP).

No âmbito do estudo da receita e da despesa nos municípios algarvios, a abordagem ao

POCAL torna-se incontornável, na medida em que está implicitamente relacionado com

a contabilização das receitas e das despesas das autarquias locais, fazendo a “ponte”

entre os recursos financeiros disponíveis (receita) e a sua aplicabilidade (despesa). O

POCAL permite a obtenção de informação mais completa e de mais fácil leitura, quer

&
0 ! #' " % C!" #' !#' H %#' $# 6#( #/0 J #/0 ' " #-J %"/0 " -J # ( %! %J $%<%'# $
" !'+ $ J # # $%'%! - %! %1 !#-% - "#-J $%!# %! $ % G % + (#! ' J -=" #
+! " #-J )+' /# % # " #/0 % )%" ' % #"/5%' $% " % #/0 % % !#

?
%' #$ %

no âmbito da receita, quer no da despesa, de modo a que seja possível a maximização

dos recursos disponíveis, afetando-os o mais eficientemente possível.

Face ao sistema anterior, o POCAL permite uma melhor determinação das receitas e

dos custos dos municípios, ou seja, permite obter um melhor relacionamento entre a

receita arrecadada e a despesa realizada, constituindo uma das principais reformas da

administração financeira e das contas públicas, nos últimos anos, na AL. Bravo e Sá

(2000) consideram também a introdução da contabilidade de custos e da contabilidade

patrimonial como outras das alterações importantes, possibilitando ainda a uniformiza-

ção e a normalização com as contas de outros setores da AP.

A aplicação do POCAL vem permitir ainda um acompanhamento contínuo e integrado

da gestão orçamental e financeira das entidades autárquicas, possibilitando também a

existência de condições mais objetivas para a integração consistente da contabilidade

orçamental, patrimonial e de custos numa contabilidade mais moderna, por forma a

constituir um importante instrumento de apoio à gestão das autarquias locais, tal como

refere o preâmbulo do próprio Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de fevereiro.

Este sistema contabilístico, tal como refere Fernandes (2007), pretende melhorar a pres-

tação de contas das autarquias, servindo posteriormente de suporte para a tomada de

decisões. Com o POCAL é também possível complementar dois tipos de informação: a

informação acerca da execução do orçamento e a informação relacionada com a situa-

ção financeira, patrimonial e ao nível dos resultados da entidade.

No que se refere à sua entrada em vigor, esta ocorreu a 1 de janeiro de 2002, através do

Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de fevereiro, com as diversas alterações introduzidas

7
%' #$ %

posteriormente,13 tendo sido este o primeiro ano de aplicação obrigatória do novo plano

contabilístico. A partir desta data ficaram revogados os seguintes diplomas: Decreto-Lei

n.º 341/83, de 21 de julho; Decreto-Lei n.º 226/93, de 22 de junho, e Decreto-

Regulamentar n.º 92-C/84, de 28 de dezembro (DGAL, 2011c).

2.5. Breve resumo do capítulo

Musgrave considerou três as categorias de funções que o setor público deve desempe-

nhar, correspondendo às funções de afetação, de distribuição e de estabilização. Preten-

de-se, assim, uma afetação eficiente dos recursos existentes no setor económico, uma

correção aos efeitos externos, e, em determinados casos, a regulação dos mercados. O

setor público deverá também operar na repartição do rendimento e da riqueza, promo-

vendo o mais possível uma estabilização económica, de forma a contribuir para um

crescimento sustentado da economia.

Tendo em conta as relações que se estabelecem entre o poder local e o poder central, o

Governo exerce sobre o primeiro tutela administrativa, tendo sempre presente a auto-

nomia pela qual se deve reger o poder local. Neste sentido, a AL situa-se a um nível de

decisão política independente da Administração Central (AC), gozando este nível de

administração de autonomia política, detendo independência orçamental. Esta autono-

mia dos municípios portugueses tem aumentado substancialmente, ao passo que a

dependência face ao poder central tem vindo a decrescer.

Em relação ao regime contabilístico aplicado às autarquias locais, diversas alterações

têm também ocorrido a este respeito. O atual regime contabilístico das autarquias locais

*
#' #- % #/5%' ! $+3 $#' %-# % ! O F&P@@J $% 2 $% '% % ( K T #- % #/0 J # %" #/0
# -# %! # LN %- %" % > % !O * 4P&999J $% & $% $%3% ( K#- % # #' <#'%' $% -% %! #/0 $
LN %- %" % > % ! O 72> P&99&J $% 4 $% #( -K#- % #/0 ,+#! D' %1 #' % ' !# 'L% %-# %
! O F9> P&994J $% *9 $% $%3% ( K # # &99FL

@
%' #$ %

é o POCAL, consistindo numa importante medida no plano da gestão autárquica.

Algumas das alterações importantes deste sistema estão relacionadas com a introdução

da contabilidade de custos e da contabilidade patrimonial, possibilitando ainda a uni-

formização e a normalização com as contas de outros setores da AP.

&9
! " ! ! # $ %
%' #$ %
CAPÍTULO III: COMPETÊNCIAS E REGIME FINANCEIRO DOS MUNI-
CÍPIOS – PRINCIPAIS ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS

Apesar de este capítulo ser um pouco descritivo e de fazer referência às principais alte-

rações legislativas ocorridas no que se refere quer às competências dos municípios, quer

ao seu regime financeiro, considerou-se fundamental a sua inclusão. Ainda assim, hou-

ve o cuidado de não tornar demasiado exaustiva tal análise legislativa, focando apenas

os aspetos tidos como mais relevantes face ao tema em estudo.

A evolução das competências dos municípios está claramente relacionada com a despe-

sa efetuada (regra geral, a um maior número de competências atribuídas corresponde

mais despesa), do mesmo modo que é importante que se perceba quais as fontes de

financiamento dos municípios, para que se possa estudar e compreender a forma como

ocorreu a sua evolução. É neste contexto que se inserem as transferências do (OE) para

os municípios, sendo que o próprio cálculo e o respetivo modelo estão relacionados com

esta transferência de competências.

Deste modo, neste capítulo far-se-á uma breve análise à legislação mais relevante, quer

quanto à constante evolução do quadro de competências dos municípios, quer em rela-

ção às principais alterações ocorridas à Lei das Finanças Locais, bem como às princi-

pais fontes de receita dos municípios.

3.1. Evolução das competências municipais

Importa, antes de mais, clarificar um pouco a distinção entre atribuições e competên-

cias, uma vez que são termos facilmente confundíveis. Aos fins das pessoas coletivas

públicas chamam-se atribuições. Estas são, por conseguinte, os fins e interesses que a

lei incumbe as pessoas coletivas públicas de prosseguir. Competência é o conjunto de

&
! " ! ! # $ %
%' #$ %

poderes funcionais que a lei confere para a prossecução das atribuições das pessoas

coletivas públicas.

Os municípios são cada vez mais chamados a desempenhar as mais diversas funções,

proporcionando um leque cada vez mais alargado de serviços. Deste modo, o princípio

da descentralização administrativa da administração central para a administração autár-

quica e o princípio da subsidiariedade do poder local são vetores fundamentais de apro-

fundamento do poder democrático.

Neste sentido, os municípios concorrem, em larga medida, para o desenvolvimento eco-

nómico local e para a melhoria da qualidade de vida das respetivas populações, tendo

em vista o carácter de proximidade presente nas relações entre a AL e os seus adminis-

trados. Dispõe o n.º 1 do artigo 237.º da CRP que “As atribuições e a organização das

autarquias locais, bem como a competência dos seus órgãos, serão reguladas por lei, de

harmonia com o princípio da descentralização administrativa”.

As atribuições das autarquias locais foram evoluindo ao longo dos últimos anos, tendo

sido reguladas por diversa legislação. A primeira lei sobre atribuições e competências,

tal como refere Alves (2010), foi apenas aprovada em 1977 – trata-se da Lei n.º 79/77,

de 25 de outubro –, a que se seguiu entretanto o DecretoLei n.º 100/84, de 29 de março,

substituído posteriormente pela Lei nº 169/99, de 18 de setembro, com as alterações

introduzidas pela Lei nº 5A/2002, de 11 de janeiro.

Para que seja mais facilmente percetível a evolução ocorrida, as principais alterações

legislativas que tiveram lugar relativamente à evolução das competências dos municí-

pios portugueses são as que se mencionam na tabela seguinte:

&&
! " ! ! # $ %
%' #$ %

2 -+/0 $#' " % C!" #' $ ' +! "= ' +1+%'%'

8 9 :
% ! O ?@P??J $% &4 $% + +( +$ ,+% $ 3 # %' % # ' ! % %''%' $ ' +! "= '
%#-3#/0 $% ! %' %! ' ;(-" ' ! ' '%1+ ! %' $ =! ' %,+ # %!>
%" % > % !O ??P72J $% 7 $% #/ + #-% + (#! J '#!%# %! (H' " J %!% 1 #J #!' %' % " +! "#>
/5%'J %$+"#/0 % %!' ! J "+- + #J % ' - %' % $%' % '#;$%
%" % > % ! O 99P72J $% &@ $% %'%! - %! J #(#' %" %! ;(-" J $%<%'# % %/0 $ %
#/ # ( %! % % $# ,+#-$#$% $% $# J %! % + #'
$+"#/0 " #/0 $% %' #(%-%" %! ' $% %!' ! J %$+"#/0 %' %" #-%
% ! O 2FP7FJ $% 2 $% + +(
< #/0 <'' !#-
$+"#/0 %$% ;(-"# $ ' )# $ !'>$%> !< !" # #''# # <+!" !# !#
% ! O 4P@?J $% 9 $% <% % %
$% %!$C!" # $ % # $#' #+ # ,+ #'
( %! % % '#!%# %! (H' " J $%<%'# $ " !'+ $ J $%!# %! $
% !O 4@P@@J $% 2 $% '% % ( % G % + (#! ' J -=" # +! " #-% " % #/0 % % !#J %! %
+ #'
%" % > % ! O &F2P&99&J $% &4 $% # R #' " !'+- #'J !< # #' % $% -"%!" # %! $% # $#$%' $ % >
! % ( '#'
$+"#/0 R>%'" -# % %!' ! (H' " K %'' #-!0 $ "%! % $ %!' !
%" % > % ! O 22P&997J $% &7 $%
(H' " J < !%" %! $% %<% /5%' % # # - !1# %! $% 6 H
)+-6
!# %$+"#/0 R>%'" -# J %! % + #'L

7 +

Assim, constituíam, inicialmente, atribuições das autarquias locais tudo o que dizia res-

peito aos respetivos interesses, designadamente de administração de bens próprios e sob

a sua jurisdição, de fomento, de cultura e assistência e de salubridade pública14. O

Decreto-Lei nº 77/84, de 8 de março, confere aos municípios competências para a reali-

zação de investimentos públicos em diversos domínios, nomeadamente quanto a equi-

pamento rural e urbano, saneamento básico, energia, transportes e comunicações, edu-

cação e ensino, cultura, tempos livres, desporto e saúde. De acordo com este diploma, é

ainda da competência do município aprovar projetos de obras de equipamento social

relativas a entidades particulares de interesse municipal e assegurar apoio técnico na

respetiva execução, de acordo com as disposições legais aplicáveis.

Com a publicação do DecretoLei n.º 100/84, de 29 de março, passaram a ser também

competências próprias das autarquias o desenvolvimento, o abastecimento público, a

defesa e proteção do meio ambiente e da qualidade de vida do respetivo agregado popu-

2
!< % 1 & O $# % !O ?@P??J $% &4 $% + +(

&*
! " ! ! # $ %
%' #$ %

lacional. Foram também clarificadas as competências nas áreas da saúde, educação e

ensino, saneamento básico, tempos livres e desporto (Alves, 2010).

A Lei da Bases do Sistema Educativo de 1986 (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro) iniciou

uma fase importante no reconhecimento do papel dos municípios na educação. Deste

modo, conferiu-lhes competências para a criação de estabelecimentos de ensino ou para

o desenvolvimento de ações educativas na educação pré-escolar, na educação especial e

na formação profissional15.

No âmbito da Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar de 1997 (Lei n.º 5/97, de 10 de

fevereiro), a rede pública dos jardins-de-infância passa a funcionar na dependência dire-

ta das autarquias. O diploma que estabelece o novo regime de direção e gestão das esco-

las básicas e secundárias e centros de educação pré-escolar (Decreto-Lei n.º 115-A/98)

veio também consolidar a competência dos municípios nesta matéria.

A concretização de um efetivo processo de transferência de atribuições e competências

do governo central para as autarquias locais deuse em 1999, com a publicação da Lei

n.º 159/99, de 14 de setembro, que veio estabelecer o quadro de transferência de atribui-

ções e competências para as autarquias locais.

Apesar da transferência de competências na área da educação tenha acontecido, como se

viu, em 1984, só a partir de 1999 é que se clarificou o âmbito dessa competência (Alves,

2010). Com esta lei, os municípios passam a dispor de atribuições nos seguintes domí-

nios: equipamento rural e urbano, energia, transportes e comunicações, educação,

4
!< % 1 ' 4 OJ 7 O % @O %" $%>'% # (R ,+% < # # $%' # #- + # ,+% +! "=
#'' + # %' # % %'%! #$ ! !'%-6 #" !#- $% $+"#/0 J $%!$ %! # % # "% #' # # #
" #/0 $% %'" -#' < '' !# ' # # $% @7@ % ,+% #'' + # # " # ! " !'%-6 $% $ %"/0 $#'
%'" -#' (H' "#' % '%"+!$H #' % "%! ' $% %$+"#/0 R>%'" -# J " #$ ' % @@ # #>'% $% + # #!>
/ ' 1! < "# % %-#/0 D ' +#/0 #! % J ' # (+% >'% " % C!" #' %$+"# #' # ' +! "=>
'

&2
! " ! ! # $ %
%' #$ %

património, cultura e ciência, tempos livres e desporto, saúde, ação social, habitação,

proteção civil, ambiente e saneamento básico, defesa do consumidor, proteção do

desenvolvimento, ordenamento do território e urbanismo, polícia municipal e coopera-

ção externa.

Com o Decreto-Lei n.º 264/2002, de 25 de novembro, o Governo transfere mais uma

série de competências para as câmaras municipais que até aqui eram detidas pelos

governos civis. Trata-se de competências em matérias consultivas, informativas e de

licenciamento de atividades diversas. Neste âmbito, passa a ser competência das câma-

ras municipais o licenciamento do exercício e da fiscalização de diversas atividades,

nomeadamente guarda-nocturno; venda ambulante de lotarias; arrumador de automó-

veis; realização de fogueiras e queimadas, entre outras16.

Através do Decreto-Lei n.º 144/2008, de 28 de julho, o Governo efetuou nova transfe-

rência de competências para os municípios na área da educação, nomeadamente no que

diz respeito à educação pré-escolar e ao Ensino Básico. Deste modo, no OE para 200817

ficou o Governo autorizado a transferir para os municípios as dotações inscritas no

orçamento dos ministérios relativas a competências a descentralizar nos domínios da

educação, designadamente as relativas ao pessoal não docente do Ensino Básico, ao

fornecimento de refeições e apoio ao prolongamento de horário na educação pré -

F
%#-3#/0 $% #"# # %! ' "#' !# 'N % - #/0 $% H,+ !#' #+ H "#'J %" ! "#'J %-R" "#'
% %-%" G! "#' $% $ % '0 N %#-3#/0 $% %' %" H"+- ' $%' ' % $% $ % %! ' ;(-" ' !#' #'J
)# $ !' % $% # ' -+1# %' ;(-" ' # # - %N %!$# $% ( -6% %' # # %' %" H"+- ' + $ % %! '
;(-" ' % #1C!" #' + ' ' $% %!$#N %#-3#/0 $% -% -5%' K" !< % # 1 2 OL
?
% !O F?> P&99?J $% * $%3% ( J $ ' != %-!# H1 !# < " #-$# %"/0 > % #-$ /# %! J %
6 PPU U U $1 P %P&997P# #$ P % P % V # #' % $<

&4
! " ! ! # $ %
%' #$ %

escolar, às atividades de enriquecimento curricular no 1.º ciclo do Ensino Básico, à ges-

tão do parque escolar e à ação social nos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico18.

Ficou, deste modo, consagrada a transferência efetiva de competências para os órgãos

dos municípios em matéria de educação, no que diz respeito à educação pré -escolar e

ao ensino básico. O presente decreto-lei contempla, ainda, a possibilidade de nas escolas

básicas nas quais também é ministrado o ensino secundário (com a designação de esco-

las básicas e secundárias), serem exercidas pelos municípios as atribuições a que se

refere o presente decreto-lei, mediante a celebração de um contrato específico com o

Ministério da Educação. Esta transferência efetiva de competências para os órgãos dos

municípios em matéria de educação concretiza-se, agora, estabelecendo-se mecanismos

que visam a salvaguarda da situação jurídico-funcional do pessoal abrangido.

O Programa do XIX Governo Constitucional19, atualmente em exercício, preconiza uma

série de novas transferências de competências, nomeadamente:

- Na Educação, através da transferência para os Municípios de competências em matéria

de construção, manutenção e gestão das escolas, particularmente no ensino básico;

- Na Saúde, pelo reforço da participação dos Municípios no planeamento da rede nacio-

nal de equipamentos de saúde;

- Na Ação Social onde, em articulação com as Instituições Particulares de Solidarieda-

de Social (IPSS) e as Misericórdias, serão reforçadas as competências dos Municípios,

apontando para que os serviços desconcentrados do Estado nesta área sejam integrados

nas autarquias locais (Governo de Portugal, 2011).

7
!< % % (+- $ G %" % > % ! O 22P&997J $% &7 $% )+-6
@
' != %- !# H1 !# < " #- $ %! J %
6 PPU U U +1#-1 P P @P "+ %! 'P 1 # #V @ $<

&F
! " ! ! # $ %
%' #$ %

Saliente-se ainda que, com a anunciada extinção dos Governos Civis, é natural que esta

seja acompanhada com novo reforço das competências dos municípios. A versão preli-

minar do OE para 2012 previa já a alteração de uma dessas competências, na qual o

Governo previa a passagem para os municípios da responsabilidade da cobrança dos

impostos municipais, como o IMI e a derrama, tendo, entretanto, sido adiada a entrada

em vigor desta medida.

3.2. Principais alterações à Lei das Finanças Locais

Ao abordar o tema das finanças locais, importa, antes de mais, salientar que se está a

fazer referência à atividade financeira das autarquias locais no que concerne à realização

de despesa, de modo a conseguir a satisfação de necessidades coletivas, mediante a afe-

tação de bens e serviços adequados, através da obtenção das receitas necessárias para

fazer face a essas despesas.

De acordo com o n.º 2 do artigo 238.º da CRP, o regime das finanças locais, estabeleci-

do por lei, visa a justa repartição dos recursos públicos pelo Estado e pelas autarquias

locais e a necessária correção de desigualdades entre autarquias do mesmo grau. A evo-

lução das Finanças Locais portuguesas verificada ao longo do tempo levou a que se

fizesse sentir a necessidade de efetuar alterações na legislação aplicável às autarquias

locais no âmbito desta temática, de modo a colmatar as lacunas existentes, que se vie-

ram a verificar no período de vigência das diversas LFL entretanto publicadas.

As principais alterações legislativas que ocorreram relativamente às finanças locais por-

tuguesas trouxeram consigo mudanças consideráveis nas autarquias locais, com reflexo

directo na vida das respetivas populações, correspondendo genericamente às que se

mencionam na tabela seguinte:

&?
! " ! ! # $ %
%' #$ %

## !" # ' #- % #/5%' D :

8 9
%< ! /0 $% + " !)+! $% %"% #' # <# $ ' +! "= ' K" !>
(+ /0 %$ #- #+ H ,+ "#J ' ' ( % ' %="+- 'J '
% ! O P?@J $% & $% )#!%
# # '% / $% !"C!$ ' % ' $% + ' LN
' #(%-%" $ + #- =! # #!'<% # # ' +! "= '
+ %! $ !; % $% ' ' % $% # #' - "# 'N
%" % > % ! O @7P72J $% &@ $% ' #!'<% C!" #' $ ' <+!$ ' $ ' #$ # # # #''# # '%
#/ %<% +#$#' # # R' $ : :N
-#/0 $# '' ( -$#$% $% %"+ ' # " R$
:G +-# $% "H-"+- $ : : K #- 1- (#-$ : : #'' + # '% $%< ! >
$ '%1+!$ + # <G +-# < #LN
% ! O P7?J $% F $% )#!%
+ -"#/0 $# % "%! #1% $ #- 1- (#- ,+% #'' + # '% $ '>
(+=$ 1+#- %! % %- ' +! "= ' K$% 4 # # 9QL
# #- % #/0 $ ' " R ' $% % # /0 %- ' +! "= ' K#
% ! O &P@&J $% @ $% #/ " !%! % # $ ' (+ $% < # 1+#- %- ' +! "= ' <
#+ %! #$# # # 4QLN " R # # "H-"+- $ : :
:G +-# $% "H-"+- ! #- $#' #!'<% C!" #'N
% ! O 2&P@7J $% F $% #1 ' #/0 $% + <+!$ # # #' < %1+%' #' :::N
+(' + /0 $ : : C' <+!$ ' $ ' ! ' : J : % :::
% ! O @2P&99 J $% &9 $% #1 ' #/0 $% + * O <+!$ :+!$ $% #'% +! " #-K: L
%< +-#/0 $#' %1 #' ,+#! # ' - %' $ %!$ $# %!
% ! O &P&99?J $% 4 $% )#!%
+! " #-N %< / $# #+ ! # < !#!"% # $ ' +! "= '

7 +

Lei n.º 1/79, de 2 de janeiro

Foi, portanto, só em 1979 que ocorreu a publicação da lei que definiu as linhas essen-

ciais do relacionamento em termos financeiros entre o poder central e as autarquias

locais, com a Lei n.º 1/79, de 2 de janeiro - a primeira Lei das Finanças Locais (LFL),

sendo o primeiro passo para a concretização crescente dos princípios da autonomia do

poder local definidos na Constituição de 1976.

Neste sentido, foram definidas um conjunto de receitas que podiam ser gastas pelos

municípios - os primeiros impostos locais da história dos municípios20, tendo-se tam-

bém estabelecido um valor mínimo a transferir para os municípios. Foi, assim, criada

uma nova comparticipação a ser inscrita no OE: trata-se do Fundo de Equilíbrio Finan-

&9
# ' " !" % # %! % " ! (+ /0 %$ #-#+ H ,+ "#J ' ' ( % ' %="+- 'J ' # # '% /
$% !"C!$ ' % ' $% + '

&7
! " ! ! # $ %
%' #$ %

ceiro (FEF), cujo objetivo era, essencialmente, o de corrigir as assimetrias socioeconó-

micas entre as diferentes parcelas do território, bem como o de corrigir as distorções

financeiras resultantes do diferente potencial fiscal entre as diversas autarquias.

Outra novidade é que os municípios comparticipariam também no produto de um outro

tipo de impostos, nomeadamente o imposto profissional, o imposto complementar, a

contribuição industrial, o imposto sobre a aplicação de capitais, o imposto sobre suces-

sões e doações e a sisa21. Com esta lei, pode dizer-se que as transferências passaram a

ter critérios de repartição com algum grau de objetividade, sendo conhecidos e iguais

para todos os municípios. Importante também foi o facto de as transferências obrigató-

rias passarem a ter um valor global mínimo definido.

Decreto-Lei n.º 98/84, de 29 de março22

A primeira revisão da lei de 1979 efetivou-se através de uma autorização legislativa da

Assembleia da República ao Governo. A revisão dessa lei23 teve como principal filoso-

fia a preocupação de que as autarquias pudessem gerar um máximo de receitas próprias,

para o que se seguiu a via do aumento do número de impostos locais, bem como das

taxas, a par com uma ampliação e diversificação das formas de recurso ao crédito por

parte dos municípios24.

No que respeita aos impostos locais, aos quatro que eram de domínio municipal passam

a existir mais dois: a taxa municipal de transportes e o imposto de mais-valias. Relati-

vamente às taxas, passou a haver uma maior diferenciação entre as modalidades que

&
' #' %"% #' % # % # $#' %- ' +! "= ' $% #" $ " ' '%1+ ! %' " R ' 49Q % <+!/0
$ !; % $% 6#( #! %'N 9Q % <+!/0 $# H %# $ +! "= % 29Q % <+!/0 $# "# #/0 $ '
' ' $ %" ' " ( #$ ' ! %' %" " !"%-6
&&
% 1#$ %- # 1 &@ O $# % ! O P7?J $% F $% W#!%
&*
% ! O P?@J $% & $% )#!%
&2
% #" $ " % (+- $ G %" % > % ! O @7P72J $% &@ $% # /

&@
! " ! ! # $ %
%' #$ %

estas podiam revestir, tendo-se também ampliado o seu leque, de forma a permitir que

as taxas pudessem ser uma importante fonte de financiamento. Destaque também para a

criação de uma taxa de urbanização, que os municípios passam a poder lançar para

cobrir os custos das infra-estruturas que realizam.

Em relação à possibilidade de recurso ao crédito, esta foi claramente ampliada, quer por

meio do aumento dos seus limites, quer pela faculdade concedida aos municípios de

lançamento de obrigações. Por último, existiram também alterações quanto à fórmula de

cálculo do FEF: com a eliminação da participação dos municípios nos impostos diretos

do Estado, o FEF passa a ser o principal elemento de transferências dos fundos do Esta-

do para a AL.

Com esta alteração, os critérios para o seu cálculo e para a sua repartição pelos municí-

pios sofreram também alterações, sendo o FEF (o bolo global a repartir) calculado como

uma percentagem das despesas a inscrever em cada ano na Lei do Orçamento do Estado

(LOE). Quanto à questão da repartição, a inovação é a definição de uma percentagem de

5% do FEF a distribuir igualmente por todos os municípios, o que constitui a primeira

grande medida no sentido de lhes garantir um financiamento mínimo (Camões, 2005).

Lei n.º 1/87, de 6 de janeiro25

No que respeita às transferências, a primeira grande alteração ocorrida com a terceira

LFL prendeu-se com o facto de o valor global do FEF passar a ser definido segundo

uma fórmula fixa e pré-determinada. Ou seja, o seu valor em cada ano deveria corres-

ponder a um aumento/diminuição em relação ao seu valor no ano anterior, devendo

&4
% 1#$# %- ! O $ # 1 *F O $# % ! O 2&P@7J $% F $% #1 '

*9
! " ! ! # $ %
%' #$ %

também esta evolução acompanhar o aumento/diminuição do Imposto sobre o Valor

Acrescentado (IVA) no mesmo período.

Em relação à repartição pelos municípios, foram também introduzidas algumas altera-

ções. Saliente-se, talvez, a da duplicação da percentagem do valor global que passou a

ser distribuído igualmente pelos municípios (305, na altura), de cinco para dez por cen-

to. Daqui resulta que se assumiu com mais convicção a intenção de proporcionar aos

municípios um financiamento mínimo que lhes permitisse desenvolver as suas ativida-

des de forma o mais autónoma possível e cada vez menos dependente do poder central.

Importa ainda referir que foi a partir desta data que se salientou o papel da Associação

Nacional de Municípios como representante dos interesses do poder local.

Lei n.º 2/92, de 9 de março26

Com a lei que aprovou o OE de 1992 surgiram também algumas alterações, nomeada-

mente no que se refere aos critérios de repartição pelos municípios, tendo a componente

a distribuir de forma igual pelos municípios sido aumentada para 15%. A ideia da dis-

tribuição de uma percentagem (5%, neste caso) em função do número de jovens foi

também recuperada.

Outra importante alteração prendeu-se com a suspensão da fórmula para o cálculo do

FEF, tendo-se, em contrapartida, adotado um novo critério. Ou seja, nos anos de 1992 e

1993 o FEF seria calculado com base no IVA de 1992, facto que originou um montante

de transferências inferior ao que teria sido obtido segundo a anterior regra.

&F
#/0 $ # # @@&

*
! " ! ! # $ %
%' #$ %

Lei n.º 42/98, de 6 de agosto27

Com a entrada em vigor da lei de 1998 dá-se nova alteração na fórmula de cálculo do

valor das transferências, calculando-se estas agora não em função do IVA mas sim ten-

do em conta a média do IRS, do IRC e do IVA. Desta forma, o valor a transferir para os

municípios ficava determinado e era conhecido logo que fossem publicadas as estatísti-

cas oficiais relativas às receitas arrecadadas. Importante também é o facto de que os

valores considerados no cálculo corresponderem aos valores cobrados desses impostos e

não os valores previstos nos orçamentos anuais (como acontecia na lei de 1987), daqui

resultando que 33% da média da cobrança desses impostos são transferidos para as

autarquias locais.

No que respeita aos fundos, dá-se também uma importante alteração, com a substituição

do FEF por três fundos distintos e com objetivos diferentes: o Fundo Geral Municipal

(FGM), o Fundo de Coesão Municipal (FCM) e o Fundo de Financiamento das Fregue-

sias (FFF). Pode dizer-se que o FGM é, genericamente, o equivalente ao antigo FEF,

pois o seu objetivo é o de assegurar aos municípios as receitas necessárias ao cumpri-

mento das atribuições definidas na lei. Em contrapartida, o FCM tem por objetivo corri-

gir as assimetrias em benefício dos municípios menos desenvolvidos.&7 A grande dife-

rença em relação a estes dois fundos está relacionada com a dicotomia eficiên-

cia/equidade: enquanto que o FGM se destina a contribuir para uma eficiente afetação

de recursos, o FCM destina-se a promover a redistribuição desses recursos.

Com a entrada em vigor desta lei, para além das alterações já referidas anteriormente,

foi também criado um fundo a transferir diretamente para as freguesias, sendo esta a

&?
' #(%-%"% %1 % < !#!"% $ ' +! "= ' % $#' < %1+%' #' % 1#$# %- # 1 F2 O $# % ! O
&P&99?J $% 4 $% W#!%
&7
# # # '+# ( %!/0 '0 "#-"+-#$ ' ' !$ "%' $% # C!" # : '"#-K :L % !$ "% $% %' 1+#-$#$% $%
+! $#$%' K LJ $% #" $ " #' <G +-#' $% "H-"+- $%< ! $#' !# -%

*&
! " ! ! # $ %
%' #$ %

grande novidade. Este fundo - o Fundo de Financiamento das Freguesias (FFF) - apesar

de corresponder a uma proporção relativamente pequena dos dinheiros públicos,&@ per-

mite às freguesias ter uma fonte de financiamento segura e estável, podendo, assim,

assegurar com mais autonomia a realização de determinado tipo de despesas, essenciais

para o normal funcionamento das suas atividades. Neste sentido, o FFF faz com que

todas as freguesias sejam tratadas com um critério objetivo e conhecido por todos de

repartição de verbas (Camões, 2005).

Lei n.º 94/2001, de 20 de agosto30

Esta lei veio alterar o sistema de três fundos que vigorava desde 1998, criando agora um

terceiro fundo – o Fundo de Base Municipal (FBM) –, que passará a ser distribuído

igualmente por todos os municípios. Este fundo visa dotar os municípios de uma capa-

cidade mínima para o seu financiamento, ao qual correspondem 4,5% da média aritmé-

tica da cobrança de IRS, IRC e IVA.

No que se refere à percentagem que cabe aos municípios e às freguesias nos impostos

do Estado, a presente LFL prevê também que possa existir a redistribuição desses valo-

res, em consequência da transferência de atribuições dos municípios para as freguesias

que possam vir a existir.

Lei n.º 2/2007, de 15 de janeiro

A atual LFL revoga a Lei n.º 42/98, de 6 de agosto, definindo o atual regime financeiro

dos municípios e das freguesias, tendo entrado em vigor a 1 de janeiro do ano da sua

publicação (2007). A nova Lei traz consigo algumas alterações, sobretudo no regime

jurídico que até então regulava o endividamento dos municípios, sendo que os regimes

&@
%' !$% # &J4Q $# R$ # $# " ( #!/# $% J $% % $% 8
*9 '
X +# # #- % #/0 D % ! O 2&P@7J $% F $% #1 ' K % $#' : !#!/#' "# 'LJ #- % #$# %-#' % ' ! 7?>
P@7J $% * $% $%3% ( J *> P&999J $% 2 $% #( -J % 4P&99 J $% 4 $% )+!6

**
! " ! ! # $ %
%' #$ %

especiais de endividamento impostos a partir de 2002, no âmbito dos diversos OE para

cada ano, vieram a traduzir-se num agravamento significativo das restrições constantes

da LFL em vigor na altura.

No que diz respeito a um dos impostos municipais mais significativos para os municí-

pios, o artigo 14.º desta Lei vem alterar o cálculo da derrama que é paga juntamente

com o IRC. Neste sentido, surge a possibilidade de lançamento de taxas variáveis na

derrama, até ao limite de 5% sobre o lucro tributável, bem como os municípios passam

a poder lançar uma taxa reduzida de derrama para as empresas com um volume de

negócios no ano anterior que não ultrapasse o valor de 150 000 euros.

Ainda em relação ao reforço da autonomia (fiscal) dos municípios, são exemplos a par-

ticipação variável até 5% no IRS gerado no município, o reforço da autonomia na con-

cessão de isenções fiscais relativamente aos impostos municipais, bem como a possibi-

lidade de cada município decidir da repartição dos montantes das transferências do OE

relativas ao FEF entre receita corrente e receita de capital, com a condição de que a

receita corrente não exceda 65% do FEF.

Também na sequência do PAEF a Portugal a que já anteriormente se aludiu neste traba-

lho, prevê-se nova alteração à LFL, em conformidade com as recomendações da Missão

de Assistência Técnica do FMI e da CE. Entre essas alterações previstas está a criação

de uma reserva de contingência no montante global da despesa, para fazer face a que-

bras imprevistas das receitas ou a projeções de despesas que se revelem erradas. Pre-

vêem-se também, entre outras medidas, a revisão do regime de transferências entre o

Estado e as autarquias, bem como a aplicação de limites de endividamento mais restriti-

vos.

*2
! " ! ! # $ %
%' #$ %

3.3. O financiamento dos municípios

Para efeitos da prossecução das suas atividades, no âmbito das suas atribuições e com-

petências, os municípios necessitam de recursos. No quadro da repartição dos recursos

públicos, as autarquias locais dispõem de receitas próprias, beneficiando também de

receitas provenientes dos impostos do Estado. As receitas das autarquias locais são as

que estão estipuladas no artigo 10.º da presente lei (Lei 2/2007, de 15 de janeiro), sendo

as mais significativas aquelas que são sintetizadas na tabela seguinte:

22 !" # ' %"% #' ,+% $% '% # %"#$#$#' %- ' +! "= '

; < =
!" $% ' ( % #- # ! #- (+ H
( #!/# ' +! " #-' ( % G %'K L
$ ' R$ '
$% '>
' +! " #- ' ( % #' #!' '> !" $% ' ( % #' #!' ''5%' !% '#' $%
' +! >
'5%' !% '#' $% G % ' K L (%!' G % '
" #'
' Y ! " $% "+-#/0 K L !" $% ' ( % # %$#$% $ ' %="+- '
$+ $# " ( #!/# $% $% # #' !" $% ' ( % -+" (+ H %-$#' % %'#'
( #!/# $% $ % ' $% # #'N ' %/ '
$+ $# " ( #!/# $% # #' % %/ ' '0 %'+- #! %' $# " !"%''0 $% -"%!/#' % $#
%' #/0 $% '% / ' %- +! "=
:+!$ $% ,+ -=( : !#!"% K: :LJ :+!$
$+ $# # " #/0 ! ' %"+ ' ' ;(-" ' " #- +! " #- K: L % + # # " #/0
# H %-$% 4Q !
$+ $% % R' 'J !"-+ !$ ' %'+- #! %' $#
R$ " !"%$ $ %-# (#!"#
% ''0 $% ( 1#/5%' +! " # '
$+ $# #-%!#/0 $% (%!' G 'J G % ' + 8%!$# $% (%!'J ' ( % +$ % %! ' % %$ <=>
G %' " ' +! " # '

7 #+

No que se refere à cobrança de impostos municipais, são três, basicamente, os tipos de

impostos que podem ser arrecadados pelos municípios. Trata-se do imposto municipal

sobre imóveis (IMI), do imposto municipal sobre as transmissões onerosas de imóveis

(IMT) e do imposto municipal sobre veículos (IMV), sendo que este último tem, atual-

mente, a designação de Imposto Único de Circulação (IUC).

O IMI entrou em vigor a 1 de dezembro de 2003 e incide sobre o valor patrimonial tri-

butário dos prédios (rústicos, urbanos ou mistos) situados em Portugal. Este imposto

*4
! " ! ! # $ %
%' #$ %

substitui a antiga Contribuição Autárquica, e é pago anualmente pelos proprietários de

imóveis (não isentos). Refira-se também que 50% do produto da receita do IMI sobre

prédios rústicos constitui receita das freguesias, conforme a alínea a) do artigo 17.º da

presente lei.

Quanto ao IMT, este imposto incide sobre as transmissões, a título oneroso, do direito

de propriedade ou de figuras parcelares desse direito (usufruto, uso e habitação, direito

de superfície e servidões prediais) sobre bens imóveis (urbanos, rústicos ou mistos)

situados no território nacional. Entrou em vigor em 1 de janeiro de 2004 e veio substi-

tuir o Imposto Municipal de Sisa, sendo pago, regra geral, por quem adquire um imóvel.

No que se refere ao IUC, trata-se de um imposto anual que é devido pela propriedade de

qualquer veículo, independentemente da sua utilização, ou não, pelo respetivo proprietá-

rio. Veio substituir, desde 2008, o Imposto Municipal sobre Veículos (IMV), o Imposto

de Circulação (ICI) e o Imposto de Camionagem (ICA). Em relação ao produto da

cobrança de derramas (lançadas nos termos do artigo 14.º), este imposto pode ser lança-

do anualmente pelos municípios, correspondendo ao limite máximo de 1,5% do lucro

tributável das empresas sujeito e não isento de imposto sobre o rendimento das pessoas

coletivas (IRC).

Relativamente ao produto da cobrança de taxas e preços, os municípios podem criar

taxas, desde que estas estejam de acordo com o Regime Geral das Taxas das Autarquias

Locais31, devendo também ser aprovadas em Assembleia Municipal. São exemplo de

taxas municipais as taxas relativas a publicidade, ocupação da via pública, taxa munici-

*
#$ %-# % ! O 4*> P&99FJ $% &@ $% $%3% ( J % ,+% %! +% 1 # $% )#!% $% &99?

*F
! " ! ! # $ %
%' #$ %

pal de direitos de passagem, mercados, feiras e venda ambulante, cemitérios, operações

de loteamento e de urbanização, entre outras32.

Quanto aos preços a que se refere a alínea c), estes são resultantes da concessão de

licenças e da prestação de serviços pelo município (de acordo com o disposto nos arti-

gos 15.º e 16.º). Neste sentido, os preços e outros instrumentos de remuneração a cobrar

pelos municípios respeitam, regra geral, às atividades de exploração de sistemas muni-

cipais ou intermunicipais de: abastecimento público de água; saneamento de águas resi-

duais; gestão de resíduos sólidos; transportes coletivos de pessoas e mercadorias e dis-

tribuição de energia elétrica em baixa tensão.

No que concerne ao produto da participação nos recursos públicos (que é determinada

nos termos do disposto nos artigos 19.º e seguintes), este corresponde ao FEF, ao FSM e

a uma participação variável de 5% no IRS. A subvenção devida a partir do FEF é geral,

sendo o respetivo valor igual a 25,3% da média aritmética simples da receita provenien-

te dos impostos sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS), do IRC e sobre o

imposto sobre o valor acrescentado (IVA). Este fundo é repartido da seguinte forma: 50

% como Fundo Geral Municipal (FGM) e 50 % como Fundo de Coesão Municipal

(FCM)33.

O FGM visa dotar os municípios de condições financeiras adequadas ao desempenho

das suas atribuições, em função dos respetivos níveis de funcionamento e investimen-

to*2. Já o FCM visa reforçar a coesão municipal, fomentando a correção de assimetrias

em benefício dos municípios menos desenvolvidos, onde existam situações de desigual-

dade relativamente às correspondentes médias nacionais, e corresponde à soma da com-

*&
!< % # 1 F O $# -% %!" !#$#
**
!< %# 1 & O
*2
!< % # 1 && O

*?
! " ! ! # $ %
%' #$ %

pensação fiscal (CF) e da compensação da desigualdade de oportunidades (CDO)

baseada no índice de desigualdade de oportunidades (IDO)35.

Quanto ao FSM, o valor a entregar corresponde a uma transferência financeira do OE

consignada ao financiamento de determinadas despesas, relativas a atribuições e compe-

tências dos municípios associadas a funções sociais, nomeadamente na educação, na

saúde ou na ação social36. Neste sentido, os municípios passam a prestar serviços públi-

cos essenciais aos seus munícipes, promovendo a igualdade de acesso a esses serviços.

No que se refere à participação no IRS, esta é determinada nos termos do artigo 20.º, e é

relativa aos sujeitos passivos com domicílio fiscal na respetiva circunscrição territorial,

calculada sobre a respetiva coleta líquida das deduções previstas no n.º 1 do artigo 78.º

do Código do IRS. O primeiro ano em que os municípios passaram a dispor desta facul-

dade foi o de 2009 (DGAL, 2011b).

*4
!< % # 1 &* O
*F
% #" $ " # 1 &2 O $# % &P&99?J $% 4 $% W#!% J #' $%' %'#' %-%1= % ' # # < !#!" # %!
# # R' $ : '0 J $%' 1!#$# %! %
#L ' $%' %'#' $% <+!" !# %! " %! % $ R>%'" -# ;(-" J ! %#$# %! % #' % +!% #/5%' $%
%'' #- !0 $ "%! %J ' '% / ' $% #- %! #/0 J #' $%' %'#' " - !1# %! $% 6 H % #!'>
% %'" -# N
(L ' $%' %'#' $% <+!" !# %! " %! % " ' C' " "- ' $% %!' ! (H' " ;(-" J ! %#$# %! %
#' % +!% #/5%' $% %'' #-!0 $ "%! %J ' '% / ' $% #- %! #/0 J #' # $#$%' $% %! ,+%" %!
"+ "+-# % #!' % %'" -# J % "-+ !$ # %!#' #' $ %'' #-$ "%! % #<% # -#! "+ "+-# ( >
1# G N
"L ' $%' %'#' " <%'' %'J ! %' % + ' R"! " ' " <+!/5%' %$+"# #' $% %! ,+%" %!>
"+ "+-# J ! %#$# %! % !#' H %#' $% ! " #/0 # $%' % D' # %'J (% " $% %! #/0
%'" -# J $% # D '#;$% %'" -# % $% #" #!6# %! 'G" >%$+"# $ %!' ! (H' " ;(-" N
$L ' $%' %'#' $% <+!" !# %! " %! % " ' "%! ' $% '#;$%J ! %#$# %! % % +!% #/5%' $%
%'' #-J #!+ %!/0 $#' !' #-#/5%' % %,+ # %! % " # " #/5%' ! ' "+' ' $% #!' %$ '
$ %! %'N
%L ' $%' %'#' $% <+!" !# %! $ ' 1 # #' +! " # ' $% "+ $#$ ' $% '#;$% " ! !+#$ ' % #
# $ "=- J ! %#$# %! % #' % +!% #/5%' $ %'' #- #+ -# % #$ ! ' # #<%" # %' %' >
1 # #'J #!' %' % ! % <#"% " + ' '% / ' +! " # ' $% '#;$% % $% #/0 ' " #-N
<L ' $%' %'#' $% <+!" !# %! $% 1 # #' $% /0 $# '#;$% $%'%! - $ ' ! ' "%! ' $%
'#;$% % !#' %'" -#'N
1L ' $%' %'#' $% <+!" !# %! $% " %"6%'J )# $ !'>$%> !< !" # % -# %' + "%! ' $% $ # # # $ ' 'J
! %#$# %! % #' % +!% #/5%' $ %'' #-J ' '% / ' $% #- %! #/0 % # $#$%' "+- + # 'J " %! =< >
"#' % $%' #' -% #$#' # "#( ! ,+#$ $% #'' ' C!" # # ' + %! %' $#,+%-%' '% / 'N
6L ' $%' %'#' $% <+!" !# %! $% 1 # #' $% #/0 ' " #- $% ( +! " #- ! $ =! $
" (# % D " $% %!$C!" # % $# !"-+'0 ' " #-

*7
! " ! ! # $ %
%' #$ %

Existe ainda um conjunto de outro tipo de receitas que os municípios podem arrecadar,

de acordo com o artigo 10.º da atual LFL:

- O produto da cobrança de encargos de mais-valias destinados por lei ao município;

- O produto de multas e coimas fixadas por lei, regulamento ou postura que caibam ao

município (aqui se incluem, essencialmente, o resultante do incumprimento do regula-

mento das taxas municipais estabelecidas);

- O rendimento de bens próprios, móveis ou imóveis, por eles administrados, dados em

concessão ou cedidos para exploração;

- A participação nos lucros de sociedades e nos resultados de outras entidades em que o

município tome parte;

- O produto de heranças, legados, doações e outras liberalidades a favor do município;

- Outras receitas estabelecidas por lei ou regulamento a favor dos municípios.

3.4. Breve resumo do capítulo

Ao longo dos últimos anos, os municípios têm vindo cada vez mais a ser chamados a

desempenhar variadas funções, proporcionando um leque cada vez mais alargado de

serviços aos seus munícipes. Neste sentido, têm ocorrido um conjunto significativo de

alterações legislativas relativamente à evolução das competências dos municípios por-

tugueses, sendo expectável que, no futuro, se verifiquem novas transferências de com-

petências para os órgãos municipais.

A evolução que se veio a verificar no âmbito das finanças locais portuguesas levou,

consequentemente, a que se efetuassem também alterações na legislação aplicável ao

regime financeiro das autarquias locais. Os critérios de repartição pelos municípios dos

recursos do Estado foram objeto constante de alterações nas diversas LFL, bem como

vieram a ser introduzidos novos impostos que podiam ser arrecadados pelos municípios.

*@
! " ! ! # $ %
%' #$ %

Assim, no quadro da repartição dos recursos públicos, as autarquias locais dispõem de

receitas próprias, beneficiando também de receitas provenientes dos impostos do Esta-

do.

Para fazer face às despesas realizadas, no âmbito das suas atribuições e competências,

os municípios necessitam das correspondentes fontes de financiamento. As receitas que

podem ser arrecadadas pelas autarquias locais são de diverso tipo, correspondendo às

que estão estipuladas no artigo 10.º da atual LFL.

29
&
%' #$ %

CAPÍTULO IV: METODOLOGIA

Para a elaboração deste trabalho efetuou-se, inicialmente, uma revisão bibliográfica dos

conceitos e teorias considerados fundamentais para a temática em estudo, procedendo-

se posteriormente à obtenção, tratamento e interpretação dos dados que constituem o

objeto deste estudo. Considerando que o principal objetivo deste trabalho é o estudo da

evolução da receita e da despesa nos municípios algarvios, trabalhou-se com a totalida-

de da população (ou universo estatístico), sendo a sua dimensão de dezasseis elementos

(ou unidades estatísticas), correspondendo a cada um dos municípios algarvios.

Tendo em conta o tipo de dados que estavam a ser tratados, que correspondiam a valo-

res concretos e muito diferentes entre si, bem como a reduzida dimensão da população,

optou-se pelo uso da folha de cálculo Excel. Deste modo, procedeu-se ao cálculo do

ratio, quer da receita quer da despesa, em determinado conjunto de dados, bem como a

evolução, em termos percentuais, da receita e da despesa ao longo do período em análi-

se.

Uma vez que um dos objetivos deste trabalho é também a deteção de eventuais relacio-

namentos entre a receita e a despesa, procedeu-se ao cálculo do coeficiente de correla-

ção linear de Pearson37 para diversas variáveis, utilizando a folha de cálculo Excel.

Assim, julga-se que o tratamento estatístico dos dados foi o mais adequado para o tipo

de dados que estavam a ser analisados e para a dimensão da população.

*?
' % " %< " %! % %' +$#P,+#! < "# # ! %!' $#$% $# #'' " #/0 -!%# % ' %! % %! % #' # H % ' +
" !)+! $% $#$ 'J %<-% !$ # % %!'0 $% + # %-#/0 -!%# K!%' % "#' J %! % %"% #' % ! %' %!>
LJ % " +3#!$ + # # H %- !$% %!$%! % " + # $% %!$%! % %' % "#' J # # H %- !$% %!$%! %
" %' !$% D' %"% #'J %!,+#! ,+% ! %' %! '% #$+3 !# # H %- $% %!$%! % % #" $
" ' #- %' ( $ ' # # %''% " %< " %! %J #'' '% H $% " %-#/0 % ' %! %J '%!$ ,+% # '
#- %' ' ' " %' !$% + # " %-#/0 ' # % # ' !%1# ' + # " %-#/0 !%1# # K + '%)#J
! ;- "#' J ,+#!$ + # $#' # H % ' #+ %! # # + # $ !+ L '' J % >'% # # #- $%
%' % $% " %-#/0 1+#-# % <% #N> %! % 9J7 % < %N> %! % 9J4 % 9J7 $% #$#N> %! %
9J % 9J4 < #"#N> %! % 9 % 9J =!< # #' ( %!6# #- 9J ' 1! < "# ,+% !0 % ' % " %-#/0 %! %
#' # H % '

2
&
%' #$ %

Em relação ao período temporal, considerou-se um intervalo de dez anos por se julgar

ser o período temporal mínimo suscetível de se poder fazer uma análise evolutiva em

termos dos números das receitas e das despesas efetuadas pelos municípios algarvios.

No que se refere à tipologia, todos os dados que serviram de base de trabalho são

secundários, tendo a sua grande maioria sido obtidos junto da DGAL, estando parte

deles publicados no seu sítio oficial na internet (www.portalautarquico.pt). Trata-se dos

dados relativos às receitas e despesas de todos os municípios algarvios no período com-

preendido entre 2003 e 2009, tendo a respetiva consulta ocorrido no início do mês de

abril de 2011.

Na tentativa de se trabalhar com dados o mais recentes possível, foram efetuadas diver-

sas tentativas no sentido de conseguir, junto da DGAL, os dados relativos ao ano de

2010, pois os dados de 2011 não se encontram ainda tratados. Após pedido efetuado

junto desta entidade, tal não foi, contudo, possível, uma vez que 2009 era o último ano

para o qual esta entidade tinha os dados tratados na totalidade, com o mesmo grau de

desagregação dos anos anteriores. Neste sentido, o ano de 2009 foi o ano mais recente a

ser analisado.

Uma vez que ainda eram necessários dados relativos a três anos para que fosse possível

a análise do período temporal considerado, foi solicitada colaboração à DGAL, acerca

da possibilidade de serem disponibilizados os dados em falta. Esse pedido foi efetuado

no início do mês de abril de 2011, tendo esta entidade remetido todos os elementos soli-

citados, a que correspondem todos os anexos constantes no presente trabalho.

Refira-se também que todos os dados disponibilizados por esta Direção-Geral se refe-

rem à informação disponível das contas de gerência dos municípios, com base no trata-

mento da informação financeira dos municípios portugueses remetida à DGAL, tal

2&
&
%' #$ %

como advém da legislação em vigor acerca desta matéria. De notar também que a maio-

ria desses dados se encontra quer nos Anexos, como referido anteriormente, quer tam-

bém nos Apêndices deste trabalho.

4.1. Organização dos dados

No que se refere à forma como os dados estão organizados, optou-se por considerar

quer a receita quer a despesa em corrente e de capital, tendo em conta a adaptação às

autarquias locais do classificador económico das receitas e despesas públicas aprovado

pelo Decreto-Lei n.º 26/2002, de 14 de fevereiro. Uma vez que os dados das receitas e

das despesas dos municípios algarvios se encontravam bastante desagregados, e para

que este trabalho fosse de mais fácil leitura e compreensão e não se tornasse demasiado

exaustivo, agruparam-se as despesas correntes em cinco grupos: pessoal, aquisição de

bens e serviços; encargos financeiros; transferências correntes e outras despesas corren-

tes.

Assim, no agrupamento 01 (Pessoal) estão incluídos os subagrupamentos 01.01: Remu-

nerações certas e permanentes; 01.02: Abonos variáveis ou eventuais e 01.03: Seguran-

ça Social. Em relação ao agrupamento 02: Aquisição de bens e serviços, aqui se

incluem os subagrupamentos 02.01: Aquisição de bens e 02.02: Aquisição de serviços.

Refira-se como tipos de bens aqui incluídos, por exemplo, combustíveis e lubrificantes,

material de limpeza e higiene, material de escritório, ferramentas e utensílios, livros e

documentação técnica e material de educação, cultura e recreio.

No que se refere a aquisição de serviços, aqui se incluem, por exemplo, despesas com

encargos das instalações, conservação de bens, locação de edifícios, comunicações,

formação, publicidade, vigilância e segurança e assistência técnica. Quanto ao agrupa-

2*
&
%' #$ %

mento 03: Juros e outros encargos (encargos financeiros), este inclui os subagrupamen-

tos 03.01: Juros da dívida pública; 03.02: Outros encargos correntes da dívida pública;

03.03: Juros de locação financeira; 03.04: Juros tributários; 03.05: Outros juros e 03.06:

Outros encargos financeiros.

Em relação ao agrupamento 04: Transferências correntes, aqui se incluem os subagru-

pamentos 04.01: Sociedades e quase sociedades não financeiras; 04.03: Administração

central; 04.04: Administração regional; 04.05: Administração local; 04.06: Segurança

social; 04.07: Instituições sem fins lucrativos; 04.08: Famílias e 04.09: Resto do Mun-

do. No que se refere às outras despesas correntes (agrupamento 06), este inclui os agru-

pamentos 05: Subsídios e 06: Outras despesas correntes.

Relativamente às despesas de capital, optou-se por agregar o tipo de despesa em doze

grupos. Deste modo, estão aqui incluídas a totalidade das despesas com o agrupamento

07 (Aquisição de bens de capital), que se traduz no somatório dos subagrupamentos

07.01: Investimentos; 07.02: Locação financeira e 07.03: Bens do domínio público.

Uma vez que a informação disponível se encontrava demasiado desagregada, foi neces-

sário proceder à sua agregação em diversos grupos, considerados de interesse para o

estudo em causa. Neste sentido, em relação ao subagrupamento Investimentos, optou-se

por desagregar a despesa em oito grupos:

• Habitação Social (rubrica 07.01.02 e 07.02.02);

• Equipamento Escolar e Social. Aqui se incluem as alíneas 07.01.03.04 (outros

edifícios – creches); 07.01.03.05 (outros edifícios – escolas); 07.01.03.06 (outros edifí-

cios - lares de 3.ª idade); 07.03.02.04: Creches; 07.03.02.05: Escolas e 07.03.02.06:

Lares de terceira idade.

22
&
%' #$ %

• Água e Saneamento. Estão incluídas as alíneas 07.01.04.02 (Sistemas de drena-

gem de águas residuais); 07.01.04.03 (Estações de tratamento de águas residuais);

07.01.04.07 (Captação e distribuição de água); 07.01.04.11 (Infra-estruturas para trata-

mento de resíduos sólidos); 07.03.03.02: Sistemas de drenagem de águas residuais;

07.03.03.03: Estações de tratamento de águas residuais; 07.03.03.07: Captação e distri-

buição de água e 07.03.03.11: Infra estruturas para tratamento de resíduos sólidos.

• Comunicações e Transportes. Deste grupo fazem parte as alíneas 07.01.04.01

(Viadutos, arruamentos e obras complementares); 07.01.04.08 (Viação rural);

07.01.04.09 (Sinalização e trânsito); 07.03.03.01: Viadutos, arruamentos e obras com-

plementares; 07.03.03.08: Viação rural e 07.03.03.09: Sinalização e trânsito.

• Instalações desportivas e lazer. Contempla as alíneas 07.01.03.02: Outros edifí-

cios - instalações desportivas e recreativas; 07.01.04.05: Parques e jardins; 07.01.04.06:

Instalações desportivas e recreativas; 07.03.02.02: Instalações desportivas e recreativas;

07.03.03.05: Parques e jardins e 07.03.03.06: Instalações desportivas e recreativas.

• Outros edifícios. Fazem parte deste grupo as alíneas 07.01.03.01: Outros edifí-

cios - instalações de serviços; 07.01.03.03: Outros edifícios - Mercados e instalações de

fiscalização sanitária; 07.01.03.07: Outros edifícios (outros); 07.03.02.01: Instalações

de serviços; 07.03.02.03: Mercados e instalações de fiscalização sanitária e 07.03.02.07:

Outros.

• Equipamento e software informático. Aqui se inserem as rubricas 07.01.07:

Equipamento informático; 07.01.08: Software informático; 07.01.09: Equipamento

administrativo; 07.01.10: Equipamento básico e 07.02.06: Material de informática.

• Outros investimentos. Inclui as restantes rubricas relativas a bens de investimen-

to:

- 07.01.01 - Terrenos e recursos naturais;

24
&
%' #$ %

- 07.01.02 - Habitação;

- 07.01.04 - Construções diversas. Inclui as alíneas 07.01.04.04: Iluminação pública;

07.01.04.10: Infra-estruturas para distribuição de energia elétrica; 07.01.04.12: Cemité-

rios, e 07.01.04.13: Outros. No grupo Outros investimentos está ainda incluída a rubrica

07.01.05: Melhoramentos fundiários; 07.01.06: Material de transporte; 07.01.11: Fer-

ramentas e utensílios; 07.01.12: Artigos e objetos de valor e 07.01.13: Investimentos

incorpóreos. Em Outros investimentos estão também presentes os subagrupamentos

07.02: Locação financeira e 07.03: Bens do domínio público, assim descriminados:

07.02.01: Terrenos; 07.02.04: Construções diversas; 07.02.05: Material de transporte;

07.02.07: Maquinaria e equipamento; 07.02.09: Outros investimentos.

Quanto aos Bens do Domínio Público, está incluída a rubrica 07.03.01: Terrenos e

recursos naturais. Por sua vez, a rubrica 07.03.03: Outras construções e infra-estruturas

inclui as alíneas 07.03.03.04: Iluminação pública; 07.03.03.10: Infra estruturas para

distribuição energia elétrica; 07.03.03.12: Cemitérios e 07.03.03.13: Outros. Por fim,

está também incluída a rubrica 07.03.05 Bens de património histórico, artístico e cultu-

ral, e 07.03.06 Outros bens de domínio público.

Em relação às Transferências de capital (agrupamento 08), estas incluem os subagru-

pamentos 08.01 - Empresas, 08.03 - Administração Pública e 08.04 - Administração

Privada, assim subdivididos:

- 08.01.01: Públicas e 08.01.02: Privadas;

- 08.03.01: Estado; 08.03.06: Serviços e fundos autónomos; 08.04: Administração

regional; 08.05: Administração local e 08.06: Segurança social.

- 08.04: Administração Privada; Instituições sem fins lucrativos; 08.08: Famílias e

08.09: Resto do Mundo.

2F
&
%' #$ %

No que se refere ao agrupamento 09, este contém os Ativos Financeiros, que englobam

o subagrupamento 09 02: Títulos a curto prazo; 09 03: Títulos a médio e longo prazos;

09 05: Empréstimos a curto prazo; 09 06: Empréstimos a médio e longo prazos; 09 07:

Acções e outras participações; 09 08: Unidades de participação e 09 09: Outros activos

financeiros. Em relação aos Passivos Financeiros (agrupamento 10), estes incluem o

subagrupamento 10.03: Títulos a médio e longo prazos; 10.05: Empréstimos a curto

prazo, e 10.06: Empréstimos a médio e longo prazos. Por fim, a classe 11 (Outras des-

pesas de capital) contém as restantes despesas de capital não incluídas anteriormente.

No que se refere às receitas, optou-se por agrupar a receita corrente em seis grupos. Em

relação ao grupo a que correspondem os impostos diretos (agrupamento 01), estão aqui

incluídos o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), o Imposto municipal sobre veícu-

los (ISV - tendo este sido substituído pelo Imposto Único de Circulação - IUC), o

Imposto Municipal sobre Transmissão Onerosa de Imóveis (IMT), a Derrama e os

Impostos abolidos38.

Quanto aos impostos indiretos39, taxas e rendimentos (agrupamentos 02, 04 e 05), aqui

se incluem os relativos a Mercados e feiras, Loteamentos e obras, Ocupação da via

pública, Canídeos, Publicidade, Saneamento e Outros, bem como os rendimentos de

propriedade.

*7
%< #>'%J # %' % G' J ,+% %" % > % ! O &7?P&99*J $% & $% ! % ( J # + ' G$ 1 '
$ ' +! " #- ' ( % G % ' % $ ' +! " #- ' ( % #' #!' ''5%' !% '#' $% G>
% 'J % 1#!$ ' G$ 1 ' $# ! (+ /0 + H ,+ "# % $ ' +! " #-% $% '# %'# $%' #'
#- % #/5%'J "-#'' < "#$ $#' %"% #' % $%' %'#' ;(-"#' # #$ # #( 1 $ %" % > % ! O
&FP&99&J $% 2 $% <% % % J #$# #$ D' #+ # ,+ #' - "# 'J !0 " ! % -# #' $%' 1!#/5%' $ ' ! '
' ' %! #! J %' #' $%' 1!#/5%' % # # -"#/0 %$ # #J ' ( % !$ >'% D' !'" #' !
%<% $ "-#'' < "#$ J < /# $# # -"#/0 $ # 1 &7 O $# -%1 '-#/0 #" # %!" !#$# K&99*L
*@
!1- (# #' %"% #' ,+% %"#% % "-+' # %! % ' ( % '% $+ J !" $ !$ ' ( % # $+>
/0 J # %!$#J # " # + # + -3#/0 $% (%!' % '% / ' !' $% # >'% # (R !%' % 1 + #' %"% >
#' ,+% % %' % # < # $% # #'J -"%!/#'J % -+ %! ' + + #' '% %-6#! %' #1#' +! $#$%'
% %'# # '

2?
&
%' #$ %

Em relação às transferências do OE, optou-se por desagregar a totalidade dos fundos

municipais, de forma a que fosse possível averiguar da evolução deste tipo de receitas

municipais. Assim, às alíneas 06.03.01.01 corresponde o Fundo Geral Municipal

(FGM); à alínea 06.03.01.02, o Fundo de Coesão Municipal (FCM) e à 06.03.01.03

corresponde o Fundo de Base Municipal (FBM).

Relativamente às restantes transferências correntes, aqui se incluem as rubricas

06.01.01: Sociedades e quase-sociedades não financeiras públicas; 06.01.02: Sociedades

e quase-sociedades não financeiras privadas; 06.02: Sociedades Financeiras;

06.03.01.99: Outras; 06.03.06: Estado - Participação em projetos co-financiados;

06.03.07 e 06.03.09: Serviços e Fundos autónomos; 06.04: Administração Regional;

06.05: Administração Local; 06.06: Segurança Social; 06.07: Instituições sem fins

lucrativos; 06.08: Famílias e 06.09: Resto do Mundo. Em relação ao agrupamento 07

(Venda de bens e serviços correntes), estão aqui incluídos os subagrupamentos 07.01:

Venda de bens; 07.02: Serviços e 07.03: Rendas. Por último, do agrupamento 08 fazem

parte todas as outras receitas correntes não mencionadas anteriormente.

Em relação às receitas de capital, optou-se por agrupar os diversos agrupamentos em

nove grupos. Deste modo, o agrupamento 09 é relativo à venda de bens de investimento.

Quanto às transferências de capital, e tal como sucedeu com a receita corrente, optou-se

também por desagregar a totalidade dos fundos recebidos do OE em FGM, FCM e

FBM.

No que se refere às outras transferências de capital, estão aqui incluídas as rubricas

10.01.01: Sociedades e quase-sociedades não financeiras públicas; 10.01.02: Sociedades

e quase-sociedades não financeiras privadas; 10.02: Sociedades Financeiras;

10.03.01.04: Estado - cooperação técnica e financeira; 10.03.01.99: Estado – Outras;

27
&
%' #$ %

10.03.08: Fundos e serviços autónomos; 10.04: Administração regional; 10.05: Admi-

nistração Local; 10.06: Segurança Social; 10.07: Instituições sem fins lucrativos;

10.08: Famílias e 10.09: Resto do Mundo.

O grupo dos Ativos financeiros40 corresponde ao agrupamento 11, sendo que, dos Pas-

sivos financeiros (agrupamento 12) fazem parte, essencialmente, os empréstimos con-

traídos (12.05: Empréstimos a curto prazo e 12.06: Empréstimos a médio e longos pra-

zos), mas também os subagrupamentos 12.03: Títulos a médio e longo prazos e 12.07:

Outros passivos financeiros. Por último, estão também incluídas as restantes receitas de

capital não mencionadas anteriormente (Outras receitas de capital – subagrupamento

12).

No que se refere aos dados relativos à dimensão dos municípios, estes são também

secundários, tendo sido obtidos através do sítio de internet da ANMP, bem como após

análise dos resultados preliminares da última operação censitária em Portugal (Censos

2011) publicados na internet na página oficial do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Estes dados foram também complementados com a informação recolhida nas páginas de

internet oficiais dos municípios algarvios aqui em estudo.

29
%%!$%J 1%!% "# %! %J #' %"% #' %! %! %' $# %!$# % # 3#/0 $% = +- ' $% " R$ J
! %#$# %! % ( 1#/5%' % #"/5%'J (% " #' %'+- #! %' $ %% ( -' $ #- $# # 3#/0
$% % R' ' #<% ' # ' '% / ' +! " #-3#$ '

2@
&$' (
%' #$ %

CAPÍTULO V: ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

No presente capítulo apresenta-se a análise e a discussão dos resultados, tendo em conta

os objetivos que levaram à realização deste trabalho, já mencionados anteriormente.

Numa fase inicial proceder-se-á à análise e discussão, por anos, da receita e da despesa

dos municípios algarvios, comparando os dados obtidos por município. Numa fase pos-

terior ter-se-á em consideração a evolução ocorrida ao longo de todo o período temporal

em estudo. Tal como já mencionado no capítulo relativo à metodologia, tanto a receita

como a despesa está agrupada em corrente e de capital41, para que se tenha uma melhor

perceção do tipo e dos valores associados a cada uma delas.

5.1. Caracterização geral da receita e da despesa ao longo dos anos

Em relação à generalidade do tipo de receitas (correntes, de capital e receitas próprias),

para a totalidade dos dez anos em análise, são os municípios de Loulé, Albufeira, Por-

timão e Faro (por esta ordem) que mais receitas apresentaram. Relativamente às despe-

sas efetuadas o cenário geral é idêntico, sendo que quer nas receitas quer nas despesas

só estes quatro municípios representam mais de 45% do total nos municípios do Algar-

ve. No sentido inverso estão os municípios do interior, sendo Alcoutim, Aljezur, Mon-

chique, Vila do Bispo e Castro Marim quem, em termos gerais, menos receita consegue

arrecadar.

5.1.1. Ano de 2000

No ano de 2000, as receitas correntes foram de valor superior a 212 milhões de euros,

sendo as receitas próprias de quase 165 milhões de euros. Os impostos diretos cifraram-

2
%!% "# %! %J $% $ 3% >'% ,+% $%' %'#' " %! %' '0 #,+%-#' ,+% C $% '% %<%" +#$#' # #
1# #! ! #-<+!" !# %! $% $% % !#$# %! $#$%N$%' %'#' $% "# #-'0 #' ,+% '0 <% #' !#
#,+ ' /0 $% (%!' $+ #$ + ' ,+% %!" # #+ %! $# "# #" $#$% $+ # K ! %' %! '
%' #$#'J ! %'Z N %% ( -' ' $% % R' 'L ' %"% #' " %! %' $% 0 $ ' !1+ >'% 1%!% "#>
%! % $#' $% "# #- %- <#" $% #' % #' !0 #- % # % # ' +#/0 # # % #'' # $ # G!
$+ #$ + $% $% % !#$# %! $#$%

49
&$' (
%' #$ %

se em mais de 107 milhões de euros, sendo de realçar que, tal como já mencionado no

capítulo referente à metodologia, o IMI, o IMT e o IUC são três dos impostos que estão

incluídos neste grupo dos impostos diretos. Como se verá mais à frente, estes três

impostos, que incidem sobre o património, têm um peso muito importante no total quer

das receitas próprias quer do total das receitas dos municípios.

As transferências do OE renderam aos municípios algarvios mais de 46 milhões e meio

de euros, correspondendo à grande maioria das transferências correntes efetuadas. O

FGM é o que mais valor representa para os cofres dos municípios, sendo que Albufeira,

Faro, Lagos e Portimão não receberam qualquer transferência do FCM (Apêndice 1).

No que se refere ao peso individual dos fundos do OE, o FGM representa, no total dos

municípios, mais de 85,5% do total das transferências do OE. É nos municípios de

Alcoutim, Monchique e Aljezur que as transferências do OE representam a maior fatia

das receitas correntes, com mais de 60%, representando, no total dos municípios, quase

22% das receitas correntes (Apêndice 2).

Relativamente ao peso por município de cada tipo de receita própria no total das recei-

tas próprias, os impostos diretos ocuparam a maior parcela das receitas próprias em pra-

ticamente todos os municípios, com um total de 65%. A exceção foi Alcoutim, em que a

venda de bens e serviços representou mais de 44% das receitas próprias. No total dos

municípios, as receitas próprias representaram mais de 77% face ao total das receitas

correntes (Apêndice 3).

Em relação às receitas de capital, estas corresponderam a mais de 90 milhões de euros,

tendo sido Tavira o município que mais receitas arrecadou, com um valor superior a

14,5 milhões de euros, em resultado, sobretudo, dos passivos financeiros (Apêndice 4).

4
&$' (
%' #$ %

Relativamente aos fundos recebidos do OE, Faro foi o município que mais recebeu, com

um valor superior a quatro milhões de euros, ao passo que Vila do Bispo recebeu menos

de um milhão de euros. A totalidade dos municípios recebeu quase 39 milhões de euros,

sendo que mais de 26 milhões e meio corresponderam ao FGM. Em termos percentuais,

o FGM representou mais de 68% no total das transferências do OE dos municípios

algarvios, tendo sido Vila Real de St.º António (VRSA) o município para quem este

fundo teve menos peso (Apêndice 5).

Quanto às verbas comunitárias (Estado - Participação comunitária em projetos co-

financiados), relativas às transferências no âmbito do Fundo Europeu de Desenvolvi-

mento Regional (FEDER), foi Albufeira e VRSA quem mais recebeu dos fundos comu-

nitários, com mais de quatro milhões cada. No total os municípios receberam mais de

23 milhões e meio de euros relativamente a projetos co-financiados, o que representa

quase 26% das receitas de capital (Apêndice 6).

Em relação ao peso no total das receitas de capital, as transferências do OE representa-

ram cerca de 43%, sendo que para Portimão esse peso não chegou aos 26%. Foi para

VRSA que a venda de bens de investimento teve maior peso, com quase 17%, ao con-

trário de Alcoutim, que foi muito pouco significativo. Os fundos comunitários represen-

taram mais de 56% nas receitas de capital de Albufeira, enquanto que em Lagoa pouco

passou dos dois por cento. Os passivos financeiros corresponderam a quase um quarto

do total das receitas de capital dos municípios algarvios, tendo sido para Tavira que

mais importância teve, com mais de 60%.

O total das receitas próprias nos dezasseis municípios correspondeu a mais de 170

milhões de euros, representando mais de 56% do total das receitas (correntes e de capi-

tal). Mais de 115 milhões de euros foram relativos a receitas fiscais, representando a

4&
&$' (
%' #$ %

grande maioria das receitas próprias. No município de Loulé estas representam mais de

77% do total das receitas; pelo contrário, Alcoutim é o município menos independente

financeiramente42, com pouco mais de sete por cento de receitas próprias (Apêndice 7).

O total de receitas nos dezasseis municípios ascendeu a mais de 303 milhões de euros,

sendo que só os municípios de Loulé, Albufeira, Portimão e Faro representaram mais de

45% do total das receitas, como se poderá verificar na tabela seguinte:

2 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' %"% #' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' %"% #'J +! "= J #! $% &999

+ ; + ; ;
+ +
> $ - ?8-,. + ( ( (
* =

-(+<% # &F 742 @99 ? @@@ 2FF *2 742 *FF ??J94Q &&J@4Q J2?Q
-" + & F?? *7? & ?94 ?F 4 *7& 4F* 2@J?2Q 49J&FQ J??Q
-)%3+ * 22@ 2 & * *7? 4@F F 7*? 997 49J24Q 2@J44Q &J&4Q
#' # 2 7&* 794 & &9 2&9 ? 9&4 &&2 F7JFFQ * J*2Q &J* Q
:# & 9*7 @2 @ F99 @?& *9 F*@ @ * F7JF?Q * J**Q 9J9@Q
#1 # 4 *@2 F@2 2 &9 29 @ 4@4 7*2 ?7J4FQ & J22Q FJ24Q
#1 ' 7 74 92 * 2*7 ?@ && &7@ &7* 72J4?Q 4J2*Q ?J*2Q
+-R *@ 7& 2 9F* ?* 2* 772 &72 @9J?2Q @J&FQ 2J24Q
!"6 ,+% * 4@7 92 ? 99 ?2 9 4@@ 722 **J@2Q FFJ9FQ *J2@Q
-60 99 9* 4 2 22 ?& 2 24 27? F@J&?Q *9J?*Q 2J?FQ
0 &* 2&4 *&4 @ *@9 22@ *& 7 4 ??2 ? J*7Q &7JF&Q 9J79Q
H' $% - %- * @4@ 2?7 * *7? ?& ? *2F F49 4*J@9Q 2FJ 9Q &J2&Q
- %' & 7?7 972 4 9F 7* ? @*@ &FF ? J?@Q &7J& Q 4J@ Q
# # & &@& ?*@ 2 4F ?F &F 742 49 24J?7Q 42J&&Q 7J72Q
8 -# $ ' 2 2&4 &9 2@& &7@ 4 @ ? 29@ ?2J?7Q &4J&&Q J@4Q
8 -# %#-$% ! G! @ 27& 927 ? 7&@ 44 ?* 4@@ 42J??Q 24J&*Q 4J?9Q
, @ # # 04# 316 0' 61# /24 2'2 6/3 ''3 6'5 # #0544 ''5''

% "H-"+- ' G '

O total das receitas correntes nos municípios algarvios quase atingiu os 213 milhões de

euros, o que equivale a cerca de 70% do total das receitas. Na esmagadora maioria dos

municípios às receitas correntes correspondeu o maior peso no total das receitas, sendo

a exceção os municípios de Monchique, Alcoutim e Tavira. No que se refere à despesa,

as despesas com pessoal ocuparam mais de 80 milhões e meio de euros num total de

quase 168 milhões de euros, valor que correspondeu ao total da despesa corrente nos
2&
!$% %!$C!" # < !#!"% # %'+- # $ H" %! % #' %"% #' G #' % #-$#' %"% #'J #-"
'% $% H % < "# ! C!$ "% ?

4*
&$' (
%' #$ %

municípios algarvios. Em aquisição de bens e serviços foram gastos mais de 66 milhões

e meio de euros, cifrando-se os encargos financeiros em mais de um milhão e oitocentos

mil euros (Apêndice 8).

No total dos municípios, as despesas com pessoal quase atingiram 50% do valor total

das despesas correntes, sendo que a para a maioria dos municípios os maiores gastos

foram efetuados com pessoal. As exceções foram Castro Marim e Portimão, em que o

maior peso correspondeu a aquisição de bens e serviços. Monchique foi o município

que mais gastou, em termos percentuais, com pessoal, com mais de 65% de despesa;

pelo contrário, Castro Marim foi quem teve, percentualmente, menos despesas com pes-

soal, sendo o município que mais despendeu em aquisição de bens e serviços. Os encar-

gos financeiros, as transferências correntes e as outras despesas correntes tiveram um

peso muito residual no total das despesas (Apêndice 9).

Em relação às despesas de capital, estas corresponderam a quase 139 milhões de euros,

sendo as despesas de investimento mais de 117 milhões de euros. Destas, foi em água e

saneamento e em comunicações e transportes que a totalidade dos municípios mais

investiu, com mais de 23 milhões de euros em cada um destes grupos (Apêndice 10). O

investimento em habitação teve um peso de mais de 17% no total dos municípios, inves-

tindo Lagos em habitação mais de 85% do total do investimento que efetuou.

Em equipamento escolar e social foi Portimão para quem este grupo teve mais peso no

investimento, correspondendo a mais de 45%. Mais de metade das despesas de investi-

mento de Albufeira foram para água e saneamento, ao passo que em comunicações e

transportes foi S. Brás de Alportel quem mais investiu, com quase 80% das despesas de

investimento neste grupo. Os grupos instalações desportivas e de lazer, outros edifícios

e equipamento e software informático tiveram, no geral, pouco peso no total dos muni-

42
&$' (
%' #$ %

cípios (Apêndice 11). Ainda assim, mais de 20% das despesas de investimento do

município de Olhão corresponderam a equipamento e software informático.

O investimento ocupou, no total dos municípios, praticamente 85% das despesas de

capital, com percentagens superiores a 66% na sua totalidade. As transferências de capi-

tal, os ativos e os passivos financeiros tiveram um peso reduzido no total das despesas

de capital na maioria dos municípios. Ainda assim, quase 30% das despesas de capital

de Loulé foram relativas a transferências de capital. Quanto aos passivos financeiros,

estes tiveram um peso bastante significativo no município de Monchique, com uma per-

centagem superior a 23% (Apêndice 12).

Em relação ao serviço da dívida43, esta representou, no total dos municípios, e face às

despesas totais, quase três por cento, com um valor aproximado de nove milhões de

euros. Foi para o município de Monchique que o serviço da dívida teve maior peso,

representando mais de 17% no total das despesas efetuadas. Pelo contrário, foi para

Castro Marim que menos representou o serviço da dívida (Apêndice 13).

Quanto ao total das despesas, os 16 municípios gastaram mais de 306 milhões de euros,

mantendo-se, nas despesas efetuadas, o mesmo padrão que se verificou na receita em

relação aos municípios com valores mais elevados. Quer isto dizer que só os municípios

de Loulé, Albufeira, Portimão e Faro representaram mais de 47% do total das despesas.

Em termos percentuais, e na totalidade dos municípios, as despesas de capital, face às

correntes, representaram mais de 45% em relação ao total da despesa, tendo sido em

Monchique que este rácio foi maior, ultrapassando os 73%. Foi apenas nos municípios

de S. Brás de Alportel, Tavira, VRSA e Aljezur que as despesas de capital representa-


2*
'% / $# $= $# " %' !$% D #-$#$% $ ' #1# %! ' $% )+ ' % %% ( -' $% "# #- !+
$% % !#$ % = $ ' % !$ "#$ R #! % # # %$ J ! %#$# %! %J '" % # %! #( -$#$%
$% + # %! $#$% X +#! # < '% / $# $= $#J # R '" J ' #' # #' $% )+ " ( #$#'
%- ' (#!" ' #+ %! # " #+ %! $ '"

44
&$' (
%' #$ %

ram uma percentagem superior face às correntes, como se poderá verificar na tabela

seguinte:

3 # 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J #! $% &999

+
> $ - ?8-,. ( ( (
* =
-(+<% # &9 &*9 ?F*J7F @ 9FF *44 *@ &@? @ 4 J27Q 27J4&Q &J7*Q
-" + * 9?& F*2J@4 & &49 * ? 4 *&& @4& 4?J?&Q 2&J&7Q J?2Q
-)%3+ * 2 * ?7?J?? * 2&* 924 F 7*F 7** 2@J@*Q 49J9?Q &J&*Q
#' # * 7&7 F*&J@@ * *9* 7** ? *& 2FF 4*JF7Q 2FJ*&Q &J**Q
:# 4 72* &??J?9 2 @2@ 44? *9 ?@& 7*2 4 J24Q 27J44Q 9J94Q
#1 # 9 924 @22J&? ? 79& 42 ? 727 274 4FJ&7Q 2*J?&Q 4J7*Q
#1 ' * *42 99FJ72 7 @47 2*9 && * & 2*? 4@J74Q 29J 4Q ?J&7Q
+-R &@ *?2 9 *JF* 4 &2 F*9 22 2@7 F2* FFJ9 Q **J@@Q 2J4*Q
!"6 ,+% & ?@ 77J&2 ? 7*& 4@ 9 F&* *27 &FJ&?Q ?*J?*Q *J2?Q
-60 9 &F? 279J*? 2 7& &2 2 22@ ?& ? J9FQ &7J@2Q 2J?&Q
0 7 &2 7F?J 9 * F@9 729 * @*& ?9? 4?J *Q 2&J7?Q 9J2&Q
H' $% - %- * F4? &F J99 * @?4 2@@ ? F*& ?F9 2?J@&Q 4&J97Q &J2@Q
- %' 9 2F@ F@J*9 ? 242 9@F ? @&* &F4 47J2 Q 2 J4@Q 4J74Q
# # &9& 7&FJ @ 4 F@F 9?? &F 7@7 @92 2 JF4Q 47J*4Q 7J?7Q
8 -# $ ' * ?4 4 ?J99 & 7* *7* 4 *47 @99 4@J&FQ 29J?2Q J?4Q
8 -# %#-$% ! G! 7 F@9 2 J 7 794 9&4 ? 2@4 2*F 2@JF?Q 49J**Q 4J? Q
, @ 16 134 64#522 24 104 '#6563 2'1 231 4 '5'0 3/562 /35#6 ''5''

% "H-"+- ' G '

5.1.2. Ano de 2001

Neste ano, as receitas correntes ultrapassaram o valor de 233 milhões de euros, com um

acréscimo superior a 20 milhões de euros face ao ano anterior. As receitas próprias qua-

se atingiram 180 milhões de euros, um valor superior em cerca de 15 milhões de euros

em relação a 2000. Os impostos diretos cifraram-se em mais de 113 milhões de euros,

enquanto que as transferências do OE renderam aos municípios algarvios mais de 48

milhões e meio de euros, um valor superior de cerca de dois milhões de euros face ao

ano anterior, correspondendo à grande maioria das transferências correntes efetuadas.

O FGM é o que mais valor representa para os cofres dos municípios, com um valor

recebido de quase 38 milhões e meio de euros. À semelhança de 2000, também neste

ano Albufeira, Faro, Lagos e Portimão não receberam qualquer transferência do FCM

4F
&$' (
%' #$ %

(Apêndice 14). No que se refere ao peso individual dos fundos do OE, o FGM represen-

tou, no total dos municípios, quase 79% do total das transferências do OE. Continua a

ser nos municípios de Alcoutim, Monchique e Aljezur que as transferências do OE

representaram a maior fatia das receitas correntes, com mais de 55%, representando, no

total dos municípios, quase 21% das receitas correntes (Apêndice 15).

No que se refere ao peso por município de cada tipo de receita própria no total das

receitas próprias, os impostos diretos ocuparam a maior parcela das receitas próprias em

praticamente todos os municípios, com um total superior a 63%. A venda de bens e ser-

viços representou também uma parcela significativa no total das receitas próprias, com

um peso superior a 21% no total dos municípios, sendo que em VRSA representou mais

de 40%. No total dos municípios, as receitas próprias representaram quase 77% do total

das receitas correntes (Apêndice 16).

Em relação às receitas de capital, estas corresponderam a mais de 127 milhões de euros,

um acréscimo de cerca de 37 milhões face ao ano anterior, tendo sido Loulé o municí-

pio que mais receitas arrecadou, com um valor superior a 17 milhões de euros, muito

por força dos passivos financeiros e das verbas comunitárias, que se cifraram em mais

de seis milhões de euros em ambos os casos (Apêndice 17).

Relativamente aos fundos recebidos do OE, Loulé foi o município que mais recebeu,

com um valor superior a três milhões e setecentos mil de euros, ao passo que Vila do

Bispo recebeu pouco mais de um milhão de euros. A totalidade dos municípios recebeu

quase 32 milhões e meio de euros, cerca de seis milhões e meio de euros a menos do

que no ano anterior, sendo que mais de 25 milhões e meio corresponderam ao FGM. Em

termos percentuais, o FGM representou quase 79% no total das transferências do OE

4?
&$' (
%' #$ %

dos municípios algarvios, tendo sido Olhão o município para quem este fundo teve

menos peso (Apêndice 18).

Quanto às verbas comunitárias, foi Albufeira e Loulé quem mais recebeu dos fundos

comunitários, com mais de seis milhões cada. No total os municípios receberam mais de

46 milhões e meio de euros relativamente a projetos co-financiados, cerca do dobro do

valor recebido no ano anterior, o que representa quase 37% das receitas de capital

(Apêndice 19).

Em relação ao peso no total das receitas de capital, as transferências do OE representa-

ram pouco mais de 25%, se bem que para Loulé esse peso ultrapassasse os 91%. Foi

para VRSA que a venda de bens de investimento teve maior peso, apesar de, em termos

gerais, ter sido muito pouco significativo. Os fundos comunitários representaram mais

de 67% nas receitas de capital de VRSA, enquanto que em Silves não atingiu sequer os

14%. Os passivos financeiros corresponderam a mais de um quarto do total das receitas

de capital dos municípios algarvios, tendo sido para VRSA que mais importância teve,

com mais de 67%.

O total das receitas próprias nos dezasseis municípios correspondeu a mais de 183

milhões de euros, um acréscimo de cerca de 13 milhões em relação ao ano anterior,

representando quase 51% do total das receitas (correntes e de capital). Mais de 123

milhões de euros foram relativos a receitas fiscais, representando a grande maioria das

receitas próprias.

No município de Lagoa estas representam mais de 70% do total das receitas; pelo con-

trário, Alcoutim foi novamente o município menos independente financeiramente, com

pouco mais de seis por cento de receitas próprias (Apêndice 20). O total de receitas nos

47
&$' (
%' #$ %

dezasseis municípios ascendeu a mais de 361 milhões de euros, verificando-se um

acréscimo de cerca de 58 milhões face a 2000, sendo que só os municípios de Loulé,

Albufeira, Portimão e Faro representaram quase 50% do total das receitas, como se

poderá verificar na tabela seguinte:

3 2 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' %"% #' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' %"% #'J +! "= J #! $% &99

; + ; ;
+
> $ - ?8-,. ( ( (
* =
-(+<% # &? *79 @F& ?79 979 *@ F 92& F@J@&Q *9J97Q 9J74Q
-" + * *7 92? 2 ?@ ?@& ? * ? 7*@ 2&J77Q 4?J &Q &J9*Q
-)%3+ 2 &49 27F * 4 *?9 ? 29 74? 4?J2&Q 2&J47Q &J94Q
#' # 4 F@? * 2 * 97 4*7 7 794 74* F2J?9Q *4J*9Q &J22Q
:# && 4?4 @&& 2 &9 49 *F ??? 9?& F J*@Q *7JF Q 9J @Q
#1 # F ?? && * &&* 22& @ @@2 4F* 7*J77Q FJ &Q 4J42Q
#1 ' &9 F 9 79* 9 ?? &9* *9 ?77 99F FFJ@2Q **J9FQ 7J4*Q
+-R 22 ?24 4 * ? @9 * F @*4 7&4 ?&J&2Q &?J?FQ ?J FQ
!"6 ,+% 2 * ? &79 4 7&& F@& 9 *@ @?* 2&J47Q 4?J2&Q &J7 Q
-60 744 ?&7 @ &* @7 & 97F @&F 4FJ&&Q 2*J?7Q 4J72Q
0 &* &&9 7@7 * @F7 &7 *? 7@ ?@ F&J22Q *?J4FQ 9J*9Q
H' $% - %- 2 227 F22 * 7 F *@& 7 &F4 9*F 4*J7&Q 2FJ 7Q &J&@Q
- %' 4 *94 *4 4 &@* *9* &9 4@7 2*7 ?2J*9Q &4J?9Q 4J? Q
# # * 4*9 997 & *29 74 &4 7?9 @* 4&J*9Q 2?J?9Q ?J ?Q
8 -# $ ' * @49 ??@ &4 & F F 2F& 7@2 F J *Q *7J7?Q J?@Q
8 -# %#-$% ! G! 7*F 9 9 ? *@9 949 @ &&F 9F9 F J4FQ *7J22Q 4J**Q
, @ #22 12/ 13' #6 241 '/ 21 '#' 633 1/56# 235#4 ''5''

% "H-"+- ' G '

O total das receitas correntes nos municípios algarvios quase atingiu os 234 milhões de

euros, o que equivale a cerca de 65% do total das receitas. Na esmagadora maioria dos

municípios às receitas correntes correspondeu o maior peso no total das receitas, sendo

a exceção os municípios de Alcoutim e Monchique.

No que se refere à despesa, as despesas com pessoal ocuparam quase 91 milhões e meio

de euros num total de quase 197 milhões de euros, valor que correspondeu ao total da

despesa corrente nos municípios algarvios, o que significa mais 11 milhões em relação

ao ano anterior. Em aquisição de bens e serviços foram gastos mais de 80 milhões de

4@
&$' (
%' #$ %

euros, cifrando-se os encargos financeiros em mais de dois milhões e oitocentos mil

euros (Apêndice 21).

No total dos municípios, as despesas com pessoal ultrapassaram 46% do valor total das

despesas correntes, sendo que a para a maioria dos municípios os maiores gastos foram

efetuados com pessoal. As exceções foram Castro Marim, Loulé, Portimão e VRSA, em

que o maior peso correspondeu a aquisição de bens e serviços. Monchique foi o municí-

pio que mais gastou, em termos percentuais, com pessoal, com mais de 64% de despesa,

valor muito semelhante a 2000; pelo contrário, Castro Marim foi novamente quem teve,

percentualmente, menos despesas com pessoal, sendo também o município que mais

despendeu em aquisição de bens e serviços. Os encargos financeiros, as transferências

correntes e as outras despesas correntes tiveram um peso muito residual no total das

despesas (Apêndice 22).

Em relação às despesas de capital, estas corresponderam a mais de 173 milhões de

euros, um aumento de mais de 23 milhões face a 2000, sendo as despesas de investi-

mento mais de 147 milhões de euros. Destas, foi em água e saneamento e em comunica-

ções e transportes que a totalidade dos municípios mais investiu, com cerca de 20

milhões de euros em cada um destes grupos (Apêndice 23). O investimento em habita-

ção teve um peso de pouco mais de 7% no total dos municípios, investindo Tavira em

habitação mais de 26% do total do investimento que efetuou.

Em equipamento escolar e social foi Loulé para quem este grupo teve mais peso no

investimento, correspondendo a mais de 31%. Albufeira continuou a reforçar o sector

de água e saneamento, sendo que mais de 55% das despesas de investimento que efe-

tuou foram para este grupo, ao passo que em comunicações e transportes foi Vila do

Bispo quem mais investiu, com mais de 60% das despesas de investimento neste grupo.

F9
&$' (
%' #$ %

Os grupos instalações desportivas e de lazer, outros edifícios e equipamento e software

informático tiveram, no geral, pouco peso no total dos municípios (Apêndice 24). Mais

de 36% das despesas de investimento, no total dos municípios, corresponde a outros

investimentos, tendo um peso muito significativo.

O investimento ocupou, no total dos municípios, um pouco mais de 85% das despesas

de capital, com percentagens superiores a 67% na sua totalidade. As transferências de

capital, os ativos e os passivos financeiros tiveram um peso reduzido no total das despe-

sas de capital na maioria dos municípios. Ainda assim, quase 30% das despesas de capi-

tal de Faro foram relativas a transferências de capital (Apêndice 25).

Em relação ao serviço da dívida, esta representou, no total dos municípios, face às des-

pesas totais e à semelhança de 2000, quase três por cento, com um valor aproximado de

onze milhões de euros. Foi para o município de Portimão que o serviço da dívida teve

maior peso, representando quase sete por cento no total das despesas efetuadas, ultra-

passando dois milhões e meio de euros. Foi para Castro Marim que menos representou o

serviço da dívida, com pouco mais de quatro mil euros (Apêndice 26).

Quanto ao total das despesas, os 16 municípios gastaram mais de 370 milhões de euros,

mais 64 milhões em relação a 2000, mantendo-se, nas despesas efetuadas, o mesmo

padrão que se verificou no ano anterior. Isto significa que só os municípios de Loulé,

Albufeira, Portimão e Faro tiveram um peso superior a 48% do total das despesas.

Em termos percentuais, e na totalidade dos municípios, as despesas de capital, face às

correntes, representaram quase 47% em relação ao total da despesa, tendo sido em

Monchique que este rácio foi maior, quase atingindo os 70%. Para além deste caso, foi

F
&$' (
%' #$ %

apenas nos municípios de Castro Marim, Tavira, Alcoutim e S. Brás de Alportel que as

despesas de capital representaram uma percentagem superior face às correntes, como se

poderá verificar na tabela seguinte:

3 / 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' $%' %'#' " %! %' % $% "# #-
! #-$#' $%' %'#'J +! "= J #! $% &99

> $ - ?8-,. ( ( (
* =

-(+<% # && 92F 9?*J@F & &*4 *47 2* &7 2*& 49J@2Q 2@J9FQ JF7Q
-" + * F 9 2F*J?7 * ?F9 ??? ? *? &29 27J@7Q 4 J9&Q J@@Q
-)%3+ * 7&F FF?J?* * 4FF ?@@ ? *@* 2F? 4 J?FQ 27J&2Q &J99Q
#' # 2 4?7 &* J2F F @9? 477 274 7 @ *@J7FQ F9J 2Q *J 9Q
:# @ &4@ 4*2J4& 7 2 7 4F *? F?7 9@F 4 J &Q 27J77Q 9J ?Q
#1 # & @ 2 4FJ77 7 744 4&* & ?F@ F79 4@J*&Q 29JF7Q 4J77Q
#1 ' F ?7* 97&J?? 4 &?9 @?& *& 942 944 4&J*FQ 2?JF2Q 7JF4Q
+-R *4 47& 744J*& &4 249 2?2 F 9** **9 47J*9Q 2 J?9Q FJ27Q
!"6 ,+% * 9F9 *&2JF& ? 9?F *& 9 *F F2F *9J @Q F@J7 Q &J?2Q
-60 F F F4*J7F @ 2 2 ?& & 9*9 7&F 44J&2Q 22J?FQ 4JF7Q
0 &9 @*9 74 JF4 ? & F 2@* *7 2? *24 42J7?Q 24J *Q 9J*9Q
H' $% - %- * @&2 @F4J7* * @F4 *77 ? 7@9 *42 2@J?2Q 49J&FQ &J *Q
- %' & F?4 @*4J@@ F @& 4&2 @ 4@? 2F9 F2JF7Q *4J*&Q 4J&@Q
# # & ? *@?J9? * ?7@ 42& &4 @9F @*@ 2FJ??Q 4*J&*Q FJ@@Q
8 -# $ ' * ??@ @44J* * 2 2@* ? @ 22@ 4&J4FQ 2?J22Q J@2Q
8 -# %#-$% ! G! @ 772 &77J7F 7 4@4 F 4 7 2?@ @9* 4*J2@Q 2FJ4 Q 2J@@Q
, @ 01 30 /20512 62 431 1''530 26' //4 '/'5## 325'6 /1502 ''5''

% "H-"+- ' G '

5.1.3. Ano de 2002

As receitas correntes ultrapassaram, neste ano, o valor de 233 milhões de euros, com um

acréscimo superior a 28 milhões de euros face ao ano anterior. As receitas próprias

ultrapassaram os 202 milhões de euros, um valor superior em cerca de 22 milhões em

relação a 2001. Os impostos diretos cifraram-se em mais de 130 milhões de euros,

enquanto que as transferências do OE renderam aos municípios algarvios mais de 56

milhões e meio de euros, um valor superior de cerca de oito milhões de euros face ao

ano anterior, correspondendo à grande maioria das transferências correntes efetuadas. O

FGM é o que mais valor representa para os cofres dos municípios, com um valor rece-

F&
&$' (
%' #$ %

bido superior a 41 milhões de euros. À semelhança dos anos anteriores, Albufeira, Faro,

Lagos e Portimão não receberam qualquer transferência do FCM (Apêndice 27).

No que se refere ao peso individual dos fundos do OE, o FGM representou, no total dos

municípios, cerca de 73% do total das transferências do OE. Continua a ser nos municí-

pios de Alcoutim, Monchique e Aljezur que as transferências do OE representaram a

maior fatia das receitas correntes, com mais de 60%, representando, no total dos muni-

cípios, mais de 21% das receitas correntes (Apêndice 28).

Relativamente ao peso por município de cada tipo de receita própria no total das recei-

tas próprias, os impostos diretos ocuparam a maior parcela das receitas próprias em pra-

ticamente todos os municípios, com um total superior a 64,5%. A venda de bens e ser-

viços representou também uma parcela significativa no total das receitas próprias, com

um peso superior a 21% no total dos municípios, sendo que em Alcoutim representou

mais de 54%. No total dos municípios, as receitas próprias representaram mais de

77,5% do total das receitas correntes (Apêndice 29).

Em relação às receitas de capital, estas corresponderam a pouco mais de 110 milhões de

euros, uma diminuição de cerca de 20 milhões face ao ano anterior, tendo sido Albufei-

ra o município que mais receitas arrecadou, com um valor superior a 15 milhões de

euros, sobretudo pelo valor dos passivos financeiros, que se cifraram em mais de dez

milhões de euros (Apêndice 30). Relativamente aos fundos recebidos do OE, Loulé foi

o município que mais recebeu, com um valor superior a quatro milhões de euros, ao

passo que S. Brás de Alportel recebeu pouco mais de um milhão e duzentos mil euros.

A totalidade dos municípios recebeu quase 36 milhões de euros, cerca de quatro

milhões a mais do que no ano anterior, sendo que mais de 27 milhões corresponderam

F*
&$' (
%' #$ %

ao FGM. Em termos percentuais, o FGM representou mais de 76% do total das transfe-

rências do OE dos municípios algarvios, tendo sido Olhão o município para quem este

fundo teve menos peso, com pouco mais de 50% (Apêndice 31).

Quanto às verbas comunitárias, foi Monchique e VRSA quem mais recebeu dos fundos

comunitários, com mais de três milhões cada. No total os municípios receberam mais de

24 milhões e meio de euros relativamente a projetos co-financiados, menos 22 milhões

do valor recebido no ano anterior, o que representa, no total, mais de 22% das receitas

de capital (Apêndice 32).

Em relação ao peso no total das receitas de capital, as transferências do OE representa-

ram mais de 32,5%, se bem que para Lagoa esse peso quase atingiu os 60%. Foi para

VRSA que a venda de bens de investimento teve maior peso, apesar de, em termos

gerais, ter sido muito pouco significativo. Os fundos comunitários representaram mais

de 50% nas receitas de capital de VRSA, enquanto que em Portimão não atingiu sequer

os 7%. Os passivos financeiros corresponderam a mais de um terço do total das receitas

de capital dos municípios algarvios, tendo sido para Albufeira que mais importância

teve, com quase 69%.

O total das receitas próprias nos dezasseis municípios correspondeu a mais de 205

milhões de euros, um acréscimo de cerca de 22 milhões em relação ao ano anterior,

representando mais de 55% do total das receitas (correntes e de capital). Mais de 141

milhões de euros foram relativos a receitas fiscais, representando a grande maioria das

receitas próprias. No município de Portimão estas representam mais de 72% do total das

receitas; pelo contrário, Alcoutim continuou a ser o município menos independente

financeiramente, com menos de sete por cento de receitas próprias (Apêndice 33).

F2
&$' (
%' #$ %

O total de receitas nos dezasseis municípios ascendeu a mais de 371 milhões de euros,

verificando-se um acréscimo de cerca de 10 milhões face ao ano anterior. Só o conjunto

dos quatro municípios com mais receitas (Loulé, Albufeira, Portimão e Faro) represen-

tou mais de 47% do total das receitas, como se poderá verificar na tabela seguinte:

3 3 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' %"% #' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' %"% #'J +! "= J #! $% &99&

; + ; ;
+ + +
> $ - ?8-,. ( ( (
* =

-(+<% # &@ 474 F97 4 &*7 &*F 22 7&* 722 FFJ99Q *2J99Q &J9?Q
-" + * 42& F * F42 &7? ? @F 227 2@J&&Q 49J?7Q J@2Q
-)%3+ 2 ?*7 277 2 @*9 *FF @ FF7 742 2@J9 Q 49J@@Q &JF9Q
#' # 4 @F@ *& * @&? 9? @ 7@F 2&7 F9J*&Q *@JF7Q &JFFQ
:# &* &4? * F74 F *2 @2& &&@ FFJ4FQ **J22Q @J2 Q
#1 # 7 27@ ?7@ * @@ ?? & F7@ 4F9 74J&4Q 2J?4Q 4J72Q
#1 ' && @ & ?F2 4 99 F2* &? @ 2 29? 7&J97Q ?J@&Q ?J4&Q
+-R 4 747 ?27 2 9? ?42 F4 @FF 49* ?7JF Q & J*@Q ?J?FQ
!"6 ,+% 2 ?99 977 ? 274 & 7 & 74 *9F *7J4?Q F J2*Q *J&7Q
-60 * 7 *? 7 *7 929 & 2@@ ?? F J9&Q *7J@7Q 4J?@Q
0 &F 9*@ 7F2 2 247 249 *9 2@7 * 2 74J*7Q 2JF&Q 7J& Q
H' $% - %- 2 7F4 94 & F2@ F** ? 4 2 ?*7 F2J?2Q *4J&FQ &J9&Q
- %' ? 4F9 @9 7 4@2 94* &F 42 &2* F?J 2Q *&J7FQ ?J92Q
# # ? F4F 97* ? 7F9 ?9& &4 4 F ?74 F@J @Q *9J7 Q FJ7?Q
8 -# $ ' 4 &*F 7&* & 442 4FF ? ?@ *7@ F?J& Q *&J?@Q &J 9Q
8 -# %#-$% ! G! ?@@ 9 F *2 @*? 7 2 92? F4J92Q *2J@FQ 2J77Q
, @ #1 2#0 202 ' '10 44 26 200 #6/ 6'521 #051/ ''5''

% "H-"+- ' G '

O total das receitas correntes nos municípios algarvios ultrapassou os 261 milhões de

euros, o que equivale a mais de 70% do total das receitas. Na esmagadora maioria dos

municípios às receitas correntes correspondeu o maior peso no total das receitas, sendo

a exceção os municípios de Monchique, Alcoutim e Aljezur.

No que se refere à despesa, as despesas com pessoal ocuparam mais de 99 milhões e

meio de euros num total de mais de 220 milhões de euros, valor que correspondeu ao

total da despesa corrente nos municípios algarvios, o que significa mais 8 milhões em

relação ao ano anterior. Em aquisição de bens e serviços foram gastos mais de 94

F4
&$' (
%' #$ %

milhões e meio de euros, cifrando-se os encargos financeiros em mais de três milhões e

setecentos mil euros (Apêndice 34).

No total dos municípios, as despesas com pessoal ultrapassaram 45% do valor total das

despesas correntes, sendo que a para a maioria dos municípios os maiores gastos foram

efetuados com pessoal. As exceções foram Albufeira, Castro Marim, Lagoa, Loulé, Por-

timão e Tavira, em que o maior peso correspondeu a aquisição de bens e serviços. Mon-

chique continuou a ser o município que mais gastou, em termos percentuais, com pes-

soal, com mais de 61% da despesa; pelo contrário, Castro Marim foi novamente quem

teve, percentualmente, menos despesas com pessoal. Loulé foi o município que mais

despendeu em aquisição de bens e serviços, com mais de 50% do total da despesa neste

grupo. Os encargos financeiros, as transferências correntes e as outras despesas corren-

tes tiveram um peso pouco significativo no total das despesas (Apêndice 35).

Em relação às despesas de capital, estas corresponderam a mais de 150 milhões de

euros, menos 23 milhões do que em 2001, sendo as despesas de investimento de mais de

122 milhões de euros. Destas, foi em água e saneamento e em comunicações e transpor-

tes (sobretudo nesta última) que a totalidade dos municípios mais investiu, com mais de

40 milhões investidos em comunicações e transportes (Apêndice 36). O investimento

em habitação teve um peso de pouco mais de 2% no total dos municípios, investindo

Tavira em habitação mais de 20% do total do investimento que efetuou.

Em equipamento escolar e social foi S. Brás de Alportel e Olhão para quem este grupo

teve mais peso no investimento, correspondendo quase 20%. Alcoutim investiu em

2002 mais de 40% das suas despesas de investimento no sector de água e saneamento,

ao passo que em comunicações e transportes, tal como em 2001, foi Vila do Bispo quem

mais investiu, com mais de 73% das despesas de investimento neste grupo. Os grupos

FF
&$' (
%' #$ %

instalações desportivas e de lazer, outros edifícios e equipamento e software informático

tiveram, no geral, pouco peso no total dos municípios. Ainda assim, Silves investiu mais

de 30% em instalações desportivas e de lazer (Apêndice 37).

O investimento ocupou, no total dos municípios, um mais de 81% das despesas de capi-

tal, sendo que, para a maioria deles, ultrapassou os 80%. As transferências de capital, os

ativos e os passivos financeiros tiveram um peso reduzido no total das despesas de capi-

tal na maioria dos municípios. Ainda assim, mais de 30% das despesas de capital de

Faro e Loulé foram relativas a transferências de capital (Apêndice 38).

Em relação ao serviço da dívida, e face ao ano anterior, esta manteve-se, tendo repre-

sentado, no total dos municípios, face às despesas totais, três por cento, com um valor

aproximado de onze milhões de euros. Foi para o município de Tavira que o serviço da

dívida teve maior peso, representando mais de seis por cento no total das despesas efe-

tuadas, ultrapassando um milhão e meio de euros. Foi para Castro Marim que menos

representou o serviço da dívida, com pouco mais de 19 mil euros (Apêndice 39).

Quanto ao total das despesas, os 16 municípios gastaram quase de 371 milhões de

euros, um valor semelhante a 2001, mantendo-se o mesmo padrão que se verificou nos

anos anteriores. Os municípios com mais receitas são também os que mais gastam, pelo

que só os municípios de Loulé, Albufeira, Portimão e Faro tiveram um peso de cerca de

47% do total das despesas. Em termos percentuais, e na totalidade dos municípios, as

despesas de capital, face às correntes, representaram cerca de 40% em relação ao total

da despesa, tendo sido novamente em Monchique que este rácio foi maior, com mais de

73%. No município de Aljezur as despesas de capital representaram também uma per-

centagem superior em relação às correntes, como se poderá verificar na tabela seguinte:

F?
&$' (
%' #$ %

3 1 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' $%' %'#' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' $%' %'#'J +! "= J #! $% &99&

> $ - ?8-,. ( ( (
* =

-(+<% # &7 9F4 292J4* F @ * 94? 22 @?7 2F& F&J29Q *?JF9Q &J *Q
-" + * 244 4@4J*? * *&* *2 F ??7 @*? 49J@7Q 2@J9&Q J7*Q
-)%3+ 2 *&2 &42J F 4 *9* 74 @ F&7 94 22J@ Q 44J9@Q &JF9Q
#' # 4 F2& F&&J74 22 ** ? 9 944 @*@ 4FJ Q 2*J7@Q &J? Q
:# ? *7 4 7J9@ 4 ? & 9@ *& 749 F9@ 4&J ?Q 2?J7*Q 7J7FQ
#1 # 2 7 @ 2@9J9F F ?7& ? & F9 F9? F7JF9Q * J29Q 4J7&Q
#1 ' 7 F@& @94J99 9 24& 4*2 &@ 24 2*@ F2J 2Q *4J7FQ ?J7FQ
+-R 2& 92& &@J77 &4 44* 9 F? 4@4 &* F&J&9Q *?J79Q 7J&*Q
!"6 ,+% * * 7 &FFJ&7 @ *** *&F & F4 4@& &FJ&*Q ?*J??Q *J2 Q
-60 ?2F 2@J4& 7 ?F4 749 &9 4 @@@ 4?J&FQ 2&J?2Q 4J4*Q
0 && F 2&*J*9 7 &&? *74 *9 *77 797 ?&J@*Q &?J9?Q 7J @Q
H' $% - %- 2 24? @4?J*@ & 47 @4 ? 9*@ @97 F*J*&Q *FJF7Q J@9Q
- %' * @24 97?J*& 797 ??* &4 ?4* 7F9 42J 4Q 24J74Q FJ@2Q
# # 4 29 ?7FJ7? 9 4 9&7 &4 &@ 7 4 4@J7FQ 29J 2Q FJ7&Q
8 -# $ ' 2 F9* *4&J72 * 947 F77 ? FF& 92 F9J97Q *@J@&Q &J9?Q
8 -# %#-$% ! G! 9 7?2 @@7J2F 7 9?@ @&& 7 @42 @&9 4?J*?Q 2&JF*Q 4J Q
, @ ##' /#4 0/ 50# 3' /1' 22#5/ 26' 440 #6/522 305/2 /'536 ''5''

% "H-"+- ' G '

5.1.4. Ano de 2003

As receitas correntes ultrapassaram, neste ano, o valor de 293 milhões de euros, mais 60

milhões em relação ao ano anterior. As receitas próprias foram superiores a 230 milhões

de euros, um valor superior em cerca de 28 milhões em relação a 2002. Os impostos

diretos foram para além de 148 milhões de euros, ao passo que as transferências do OE

renderam aos municípios algarvios mais de 55 milhões e meio de euros, um valor ligei-

ramente abaixo do verificado no ano anterior, correspondendo à grande maioria das

transferências correntes efetuadas. O FGM é o que mais valor representa para os cofres

dos municípios, com um valor recebido superior a 41 milhões de euros, idêntico ao do

ano anterior. O FCM não teve, à semelhança dos anos anteriores, qualquer peso para

quatro municípios (Apêndice 40).

No que se refere ao peso individual dos fundos do OE, o FGM representou, no total dos

municípios, cerca de 75% do total das transferências do OE. Continua a ser nos municí-
F7
&$' (
%' #$ %

pios de Alcoutim, Monchique e Aljezur que as transferências do OE representaram a

maior fatia das receitas correntes, com mais de 55%, representando, no total dos muni-

cípios, quase 19% das receitas correntes (Apêndice 41).

Relativamente ao peso por município de cada tipo de receita própria no total das recei-

tas próprias, os impostos diretos ocuparam a maior parcela das receitas próprias em pra-

ticamente todos os municípios, com um total superior a 64%, idêntico ao do ano ante-

rior. A venda de bens e serviços representou também uma parcela significativa no total

das receitas próprias, com um peso superior a 22% no total dos municípios, sendo que

em Alcoutim representou mais de 54%. No total dos municípios, as receitas próprias

representaram quase 79% do total das receitas correntes (Apêndice 42).

Em relação às receitas de capital, estas corresponderam a quase 111 milhões de euros,

um valor muito idêntico ao do ano anterior, tendo sido Loulé o município que mais

receitas arrecadou, com um valor de quase 15 milhões de euros, tendo os passivos

financeiros contribuído para este resultado, que se cifraram em mais de seis milhões de

euros (Apêndice 43).

Relativamente aos fundos recebidos do OE, Loulé foi o município que mais recebeu,

com um valor superior a quatro milhões de euros, idêntico ao do ano anterior; pelo con-

trário, S. Brás de Alportel recebeu pouco mais de um milhão e trezentos mil euros. A

totalidade dos municípios recebeu mais de 37 milhões de euros, valor muito semelhante

ao do ano anterior; tal como em 2002, mais de 27 milhões corresponderam ao FGM. Em

termos percentuais, o FGM representou quase 75% do total das transferências do OE

dos municípios algarvios, tendo sido Olhão o município para quem este fundo teve

menos peso, com pouco mais de 50% (Apêndice 44).

F@
&$' (
%' #$ %

Quanto às verbas comunitárias, foi Portimão e VRSA quem mais recebeu dos fundos

comunitários, com mais de quatro milhões cada. No total os municípios receberam qua-

se 31 milhões e meio de euros relativamente a financiamento europeu, mais sete

milhões face ao valor recebido no ano anterior, o que representa, no total, mais de 28%

das receitas de capital (Apêndice 45).

Em relação ao peso no total das receitas de capital, as transferências do OE representa-

ram mais de 33%, se bem que para Castro Marim esse peso quase atingiu os 69%. Foi

para Albufeira que a venda de bens de investimento teve maior peso, apesar de, em ter-

mos gerais, ter sido muito pouco significativo. Os fundos comunitários representaram

quase 70% das receitas de capital de VRSA, ao passo que pra Alcoutim e Loulé estes

fundos não tiveram qualquer peso. Os passivos financeiros corresponderam a mais de

25% do total das receitas de capital dos municípios algarvios, tendo sido para Faro que

mais importância teve, com quase 50%.

O total das receitas próprias nos dezasseis municípios correspondeu a mais de 205

milhões de euros, um acréscimo de cerca de 22 milhões em relação ao ano anterior,

representando mais de 55% do total das receitas (correntes e de capital). Mais de 141

milhões de euros foram relativos a receitas fiscais, representando a grande maioria das

receitas próprias. No município de Portimão estas representam mais de 72% do total das

receitas; pelo contrário, Alcoutim continuou a ser o município menos independente

financeiramente, com menos de sete por cento de receitas próprias (Apêndice 46).

O total de receitas nos dezasseis municípios ultrapassou os 403 milhões de euros, verifi-

cando-se um acréscimo de cerca de 32 milhões face ao ano anterior. Os quatro municí-

pios com mais receitas detêm mais de 47% do total, como se poderá verificar na tabela

seguinte:

?9
&$' (
%' #$ %

3 6 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' %"% #' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' %"% #'J +! "= J #! $% &99*

; + ; ;
> $ - ?8-,. ( ( (
* =
-(+<% # *? 29 *97 9 F4& ??* 2? ?@* 97 ??J? Q &&J&@Q J7*Q
-" + * ?49 ?2 * 24* 9 ? &9* 74 4&J9?Q 2?J@*Q J?7Q
-)%3+ 4 ** 2&& 4 9?2 &F@ 9 &9? F@9 49J&@Q 2@J? Q &J4*Q
#' # F 4&7 949 & 4?7 9 9 @ 9F 9F9 ? JF@Q &7J* Q &J&4Q
:# &4 2@& 747 @ F*2 9&7 *4 &F 77F ?&J4?Q &?J2*Q 7J?9Q
#1 # && 27? @F4 4 * ? *F& &? 794 *&7 79J77Q @J &Q FJ77Q
#1 ' &7 *2 *24 F & 2 ?94 *2 *2@ 949 7 J@ Q 7J9@Q 7J49Q
+-R 4@ 4F 7&4 2 ?*2 94F ?* 7@9 77 79J9FQ @J@2Q 7J*9Q
!"6 ,+% 2 77? &*4 7 *97 94* * @4 &7@ *?J92Q F&J@FQ *J&?Q
-60 2 & F@& F4 4? F &9 F*? 29@ F7J2*Q * J4?Q 4J Q
0 &2 4? 9F @ ?F* 9** ** @&9 9@2 ? J&&Q &7J?7Q 7J29Q
H' $% - %- 4 92@ F?& & 4?2 ?F4 ? F&2 2*? FFJ&*Q **J??Q J7@Q
- %' &9 *7@ *F@ ? & F F?2 &? F9F 92* ?*J7FQ &FJ 2Q FJ72Q
# # ? 247 *99 7 F2@ 7&* &F 97 &* FFJ7?Q **J *Q FJ2FQ
8 -# $ ' 4 F7? *99 * F?4 42F @ *F& 72F F9J?2Q *@J&FQ &J*&Q
8 -# %#-$% ! G! * 2F@ 2 @ F 2?7 F&? @ @27 92F F?J4&Q *&J27Q 2J@2Q
, @ #02 '// 312 ' 4/' 33# /'2 443 3 6#531 #65// ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

O total das receitas correntes nos municípios algarvios ultrapassou os 293 milhões de

euros, o que equivale a mais de 72,5% do total das receitas. Na esmagadora maioria dos

municípios o maior peso no total das receitas correspondeu às receitas correntes, sendo

a exceção o município de Monchique, com quase 63% de receitas de capital.

No que se refere à despesa, as despesas com pessoal ocuparam mais de 108 milhões de

euros num total de mais de 239 milhões de euros, valor que correspondeu ao total da

despesa corrente nos municípios algarvios, o que significa mais 9 milhões em relação ao

ano anterior. Em aquisição de bens e serviços foram gastos quase 102 milhões de euros,

cifrando-se os encargos financeiros em quase cinco milhões de euros (Apêndice 47).

No total dos municípios, as despesas com pessoal ultrapassaram 45% do valor total das

despesas correntes, sendo que para a maioria dos municípios os maiores gastos foram

efetuados com pessoal. As exceções foram Albufeira, Castro Marim, Lagoa, Lagos e

?
&$' (
%' #$ %

Loulé, em que o maior peso correspondeu a aquisição de bens e serviços. Monchique

continuou a ser o município que mais gastou com pessoal, em termos percentuais, com

mais de 63%; pelo contrário, Castro Marim foi novamente quem teve, percentualmente,

menos despesas com pessoal. Castro Marim foi o município que mais despendeu em

aquisição de bens e serviços, com quase 50% do total da despesa neste grupo. Os encar-

gos financeiros, as transferências correntes e as outras despesas correntes tiveram um

peso pouco significativo no total das despesas (Apêndice 48).

Em relação às despesas de capital, estas corresponderam a mais de 163 milhões de

euros, mais 13 milhões do que em 2002, sendo as despesas de investimento de mais de

126 milhões de euros. Destas, foi em comunicações e transportes que a totalidade dos

municípios mais investiu, com mais de 36 milhões investidos neste grupo (Apêndice

49). O investimento em habitação teve um peso de pouco mais de 4% no total dos

municípios, sendo Vila do Bispo quem mais investiu em habitação, com mais de 22%

do total do investimento que efetuou, tendo também Aljezur um valor semelhante.

Em equipamento escolar e social foi novamente S. Brás de Alportel quem mais investiu,

correspondendo a quase 30%. VRSA investiu em 2003 mais de 47% das suas despesas

de investimento no sector de água e saneamento, ao passo que em comunicações e

transportes, foi Vila do Bispo e Portimão quem mais investiu, com quase 55% das des-

pesas de investimento neste grupo. Os grupos instalações desportivas e de lazer, outros

edifícios e equipamento e software informático tiveram, no geral, pouco peso no total

dos municípios. Ainda assim, VRSA investiu mais de 35% em instalações desportivas e

de lazer (Apêndice 50).

O investimento ocupou, no total dos municípios, mais de 77% das despesas de capital,

sendo que, em muitos deles, ultrapassou os 80%. Faro foi o município para quem as

?&
&$' (
%' #$ %

despesas de investimento menos peso tiveram, com menos de 40%. As transferências de

capital, os ativos e os passivos financeiros tiveram um peso reduzido no total das despe-

sas de capital na maioria dos municípios. Ainda assim, mais de 50% das despesas de

capital de Faro foram relativas a transferências de capital (Apêndice 51).

Em relação ao serviço da dívida, e face ao ano anterior, esta subiu ligeiramente, tendo

representado, no total dos municípios, face às despesas totais, pouco mais de três por

cento, com um valor aproximado de 13 milhões de euros. Foi para o município de Tavi-

ra que o serviço da dívida teve maior peso, representando quase seis por cento no total

das despesas efetuadas. Castro Marim foi para quem o serviço da dívida menos repre-

sentou, com menos de 90 mil euros (Apêndice 52). Quanto ao total das despesas, os 16

municípios despenderam acima de 402 milhões de euros, mais 31 milhões em relação a

2002, mantendo-se o mesmo padrão que se verificou nos anos anteriores no que se refe-

re aos municípios mais gastadores. O total das despesas é apresentado na tabela seguin-

te:

3 4 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' $%' %'#' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' $%' %'#'J +! "= J #! $% &99*

> $ - ?8-,. ( ( (
* =

-(+<% # *& 447 &*2J42 4 2?@ F 9 27 9*? 724 F?J?7Q *&J&&Q J@*Q
-" + * ?7 2 FJF2 * *72 @F& ? FF *?@ 4&J??Q 2?J&*Q J?7Q
-)%3+ 2 4** 4@7J77 4 *7* 4*@ @ @ ? *7 24J? Q 42J&@Q &J2FQ
#' # 4 ?F 7F9J? * *2* @9& @ 94 ?F* F*J&7Q *FJ?&Q &J&FQ
:# && *97 7F7J29 & F 4 *2? *2 @&2 & 4 F*J77Q *FJ &Q 7JF?Q
#1 # 4 24F *4@J&? & 2F* *** &? @ @ F@& 44J*FQ 22JF2Q FJ@*Q
#1 ' & F4& 749J2* 9 7 9 7@4 *& 2F* ?2F FFJ?9Q **J*9Q 7J9FQ
+-R 2* 7&7 29FJ7& *9 *?* &* ?2 &9 4*9 4@J9?Q 29J@*Q 7J2*Q
!"6 ,+% * ?42 @ J2@ @ 2? *9* * &&4 2@4 &7J*@Q ? JF Q *J&7Q
-60 * ?2? 222J 9 ? @9? &97 & F42 F4& F*J27Q *FJ4&Q 4J*7Q
0 & @F9 &@?J?& 74 2*9 ** 7 ?&7 F2J@4Q *4J94Q 7J29Q
H' $% - %- 2 44* ?@J7& & F9? 497 ? F9 F77 F*J4@Q *FJ2 Q J?7Q
- %' 4 222 47JF9 & 7*9 F? &7 &?2 7*9 42JF&Q 24J*7Q ?J9&Q
# # 2 9@? 94*JFF & 949 @& &F 2? @?4 4*J@ Q 2FJ9@Q FJ2@Q
8 -# $ ' 2 @?4 2? J@9 2 9 ? @7@ 7 @@* 2F 44J*&Q 22JF7Q &J&*Q
8 -# %#-$% ! G! F4 9F?JF9 7 24F *@@ @ F& 2F? 4FJ@9Q 2*J 9Q 2J7?Q
, @ #20 364 /1'534 12 '/4 /'56# /'# 1#1 1' 52' 3053' /'53' ''5''

?*
&$' (
%' #$ %

J &9 $ % "H-"+- ' G '

Em termos percentuais, e na totalidade dos municípios, as despesas de capital, face às

correntes, representaram cerca de 40% em relação ao total da despesa, tendo sido

novamente em Monchique que este rácio foi maior, com mais de 71%. No município de

Aljezur as despesas de capital representaram também uma percentagem superior em

relação às correntes.

5.1.5. Ano de 2004

Em relação ao ano anterior, as receitas correntes ultrapassaram, neste ano, o valor de

337 milhões de euros, correspondendo a um acréscimo de 44 milhões. As receitas pró-

prias foram superiores a 270 milhões de euros, um valor superior em cerca de 40

milhões em relação a 2003. Os impostos diretos foram para além de 177 milhões de

euros, ao passo que as transferências do OE se cifraram em mais de 58 milhões de

euros, um valor um pouco acima do verificado no ano anterior, correspondendo à gran-

de maioria das transferências correntes efetuadas.

O FGM é o que mais valor representa para os cofres dos municípios, com um valor

recebido superior a 45 milhões e meio de euros, superior em mais de quatro milhões

face ao do ano anterior. O FCM não teve qualquer peso para os mesmos quatro municí-

pios dos anos anteriores, o mesmo sucedendo, este ano, para VRSA (Apêndice 53).

No que se refere ao peso individual dos fundos do OE, o FGM representou, no total dos

municípios, mais de 78% do total das transferências do OE. Alcoutim, Monchique e

Aljezur continuam a ser os municípios em que as transferências do OE representaram a

maior fatia das receitas correntes, representando, no total dos municípios, cerca de 17%

das receitas correntes (Apêndice 54).

?2
&$' (
%' #$ %

Relativamente ao peso por município de cada tipo de receita própria no total das recei-

tas próprias, os impostos diretos ocuparam a maior parcela das receitas próprias em

todos os municípios, à exceção de Alcoutim, com um total superior a 65,5%, ligeira-

mente acima do ano anterior. A venda de bens e serviços representou também uma par-

cela significativa no total das receitas próprias, com um peso superior a 21% no total

dos municípios, sendo que em Alcoutim representou mais de 46%. No total dos municí-

pios, as receitas próprias tiveram um peso superior a 80% no total das receitas correntes

(Apêndice 55).

Em relação às receitas de capital, estas corresponderam a quase 124 milhões de euros,

um valor em 13 milhões superior ao do ano anterior, tendo Lagos e Faro superado Loulé

no total de receitas arrecadadas, com um valor superior a 15 milhões de euros cada. No

caso de Faro, os passivos financeiros contribuíram para este resultado, tendo-se cifrado

em mais de nove milhões de euros (Apêndice 56).

Relativamente aos fundos recebidos do OE, Loulé e Silves foram os municípios que

mais receberam, tendo a totalidade dos municípios recebido quase 39 milhões de euros,

valor superior ao do ano anterior em cerca de seis milhões; mais de 30 milhões corres-

ponderam ao FGM. Em termos percentuais, o FGM representou mais de 78% face ao

total das transferências do OE dos municípios algarvios, tendo sido S. Brás de Alportel

o município para quem este fundo teve menos peso, com cerca de 65% (Apêndice 57).

Quanto às verbas comunitárias, foi VRSA e Albufeira quem mais recebeu dos fundos

comunitários, com mais de cinco milhões cada. No total os municípios receberam cerca

de 33 milhões de euros relativamente a financiamento europeu, muito semelhante ao

valor recebido no ano anterior, o que representa, no total, mais de 26% das receitas de

capital (Apêndice 58).

?4
&$' (
%' #$ %

Em relação ao peso no total das receitas de capital, as transferências do OE representa-

ram mais de 31%, sendo que para Aljezur esse peso ultrapassou os 85%. Para Vila do

Bispo e Olhão a venda de bens de investimento teve um peso considerável (mais de

20%), apesar de, em termos gerais, ter sido muito pouco significativo.

Os fundos comunitários representaram mais de 67% das receitas de capital de VRSA,

ao passo que pra Alcoutim e Loulé estes fundos não tiveram, também este ano, qualquer

peso. Os passivos financeiros corresponderam a quase 20% do total das receitas de capi-

tal dos municípios algarvios, tendo sido de novo para Faro que mais importância teve,

com quase 60%.

O total das receitas próprias nos municípios em estudo correspondeu a cerca de 288

milhões de euros, um acréscimo de cerca de 83 milhões em relação ao ano anterior,

representando mais de 62% do total das receitas. Mais de 196 milhões de euros foram

relativos a receitas fiscais, o que equivale a mais de 55 milhões do que em 2003, repre-

sentando a grande maioria das receitas próprias. No município de Lagos estas represen-

taram mais de 85% do total das receitas; pelo contrário, Alcoutim e Monchique foram

os municípios menos independentes financeiramente, com apenas dez por cento de

receitas próprias (Apêndice 59).

O total de receitas nos dezasseis municípios ultrapassou os 461 milhões de euros, verifi-

cando-se um acréscimo em cerca de 58 milhões face ao ano anterior, sendo que os qua-

tro municípios com mais receitas detêm quase 50% do total. O total das receitas corren-

tes nos municípios algarvios ultrapassou os 337 milhões de euros, um acréscimo de 44

milhões face a 2003, o que equivale a mais de 73% do total das receitas. Na esmagadora

maioria dos municípios o maior peso no total das receitas correspondeu às receitas cor-

?F
&$' (
%' #$ %

rentes, sendo a exceção o município de Monchique, com quase 66% de receitas de capi-

tal, como se poderá verificar na tabela seguinte:

3 0 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' %"% #' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' %"% #'J +! "= J #! $% &992

; + ; ;
> $ - ?8-,. ( ( (
* =
-(+<% # 22 ?&2 @?@ F*@ 427 4F *F2 4&? ?@J*4Q &9JF4Q &J&&Q
-" + 2 9@9 *F7 * ?2@ &?@ ? 7*@ F2F 4&J 7Q 2?J7&Q J?9Q
-)%3+ F ?*9 22? & *4@ &F* @ 97@ ? 9 ?2J92Q &4J@FQ J@?Q
#' # ? 724 9?& 4 2?7 F4F * *&* ?&7 47J77Q 2 J &Q &J7@Q
:# &F F7 44* 4 &F2 F7? 2 @2F &2 F*JF Q *FJ*@Q @J 9Q
#1 # &* ?24 @2? 2 799 &7* &7 42F &*9 7*J 7Q FJ7&Q FJ @Q
#1 ' * 2@7 49F 4 F2@ @&9 2? 27 2&4 FFJ7 Q **J @Q 9J&&Q
+-R F7 7 9 * & & ?& 7& 9&* 7&& 7*J7@Q FJ Q ?J?@Q
!"6 ,+% 4 &2@ 2 4 9 ?4 @? 4 2&2 F & *2J9*Q F4J@?Q *J*2Q
-60 ? 7@9 7?F 4 @F@ 4 ? &* 7F9 *@* ?2J@7Q &4J9&Q 4J ?Q
0 *9 2** 2@ F 4 9 *&? *F @2* 7 7 7&J*7Q ?JF&Q 7J9 Q
H' $% - %- 4 79& &7? * 49 4*4 @ *9* 7&& F&J*FQ *?JF2Q &J9&Q
- %' &9 F27 F44 4 27@ @72 &F *7 F*@ ?@J99Q & J99Q 4JF?Q
# # &9 79 F74 7 * 2 2?4 &7 2@4 F9 ?9J7&Q &@J 7Q FJ 7Q
8 -# $ ' ? &&4 ?49 * 2?2 &&& 9 F@@ @?& F?J4*Q *&J2?Q &J*&Q
8 -# %#-$% ! G! 4 F?7 7 & 7 *FF 4F& &2 924 *?2 F4J& Q *2J?@Q 4J& Q
, @ 226 #26 0/3 #2 031 63 /1 0/ 0 625 # #1544 ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

No que se refere à despesa, as despesas com pessoal ocuparam mais de 114 milhões de

euros num total de mais de 264 milhões de euros, valor que correspondeu ao total da

despesa corrente nos municípios algarvios, o que significa mais 6 milhões em relação ao

ano anterior. Em aquisição de bens e serviços foram gastos quase 115 milhões de euros,

cifrando-se os encargos financeiros em quase cinco milhões de euros (Apêndice 60).

No total dos municípios, as despesas com pessoal ultrapassaram 43% do valor total das

despesas correntes, sendo que para a maioria dos municípios os maiores gastos foram

efetuados com pessoal. As exceções foram Albufeira, Castro Marim, Lagoa, Lagos,

Loulé e VRSA, em que o maior peso correspondeu a aquisição de bens e serviços.

Monchique continuou a ser o município que mais gastou com pessoal, em termos per-

centuais, com quase 62%; pelo contrário, Castro Marim e VRSA foi quem teve, percen-
??
&$' (
%' #$ %

tualmente, menos despesas com pessoal. Castro Marim e Loulé foram os municípios

que mais despenderam em aquisição de bens e serviços, com praticamente 50% do total

da despesa neste grupo. Os encargos financeiros, as transferências correntes e as outras

despesas correntes tiveram um peso pouco significativo no total das despesas (Apêndice

61).

Em relação às despesas de capital, estas corresponderam a mais de 171 milhões de

euros, mais 8 milhões do que em 2003, sendo as despesas de investimento de mais de

145 milhões de euros. Destas, foi em comunicações e transportes e outros investimentos

que a totalidade dos municípios mais investiu, com mais de 36 e 27 milhões, respetiva-

mente, investidos nestes dois grupos (Apêndice 62). O investimento em habitação teve

um peso muito residual no total dos municípios, sendo Tavira quem mais investiu em

habitação, com mais de 10% do total do investimento que efetuou.

Em equipamento escolar e social foi Castro Marim quem mais investiu, correspondendo

a mais de 26%. VRSA investiu em 2004 quase 40% das suas despesas de investimento

no sector de água e saneamento, no seguimento do que sucedeu no ano anterior, ao pas-

so que em comunicações e transportes foi Monchique e S. Brás de Alportel quem mais

investiu, com mais de 60% das despesas de investimento neste grupo. Os grupos insta-

lações desportivas e de lazer, outros edifícios e equipamento e software informático

tiveram, no geral, pouco peso no total dos municípios. Ainda assim, VRSA investiu

mais de 27% em instalações desportivas e de lazer, enquanto que Tavira gastou mais de

31% em outros edifícios. Lagoa investiu mais de um quinto do seu investimento total

em equipamento e software informático (Apêndice 63).

O investimento ocupou, no total dos municípios, mais de 84% das despesas de capital,

sendo que, na sua maioria, se situou entre 70 e 90%. Aljezur foi o município para quem

?7
&$' (
%' #$ %

as despesas de investimento menos peso tiveram, com cerca de 63%. As transferências

de capital, os ativos e os passivos financeiros tiveram um peso reduzido no total das

despesas de capital na maioria dos municípios. Ainda assim, cerca de 28% das despesas

de capital de Aljezur foram relativas a transferências de capital (Apêndice 64).

Em relação ao serviço da dívida, e face ao ano anterior, esta subiu mais do dobro, tendo

representado, no total dos municípios e face às despesas totais, quase nove por cento,

com um valor que ultrapassou os 15 milhões de euros.

Foi para o município de Olhão que o serviço da dívida teve maior peso, representando

mais de 23% no total das despesas efetuadas. Castro Marim foi para quem o serviço da

dívida menos representou, com pouco mais de 90 mil euros (Apêndice 65).

Quanto ao total das despesas, os 16 municípios despenderam quase de 436 milhões de

euros, mais 33 milhões em relação a 2003, mantendo-se o mesmo padrão que se verifi-

cou nos anos anteriores no que se refere aos quatro municípios mais gastadores.

Em termos percentuais, e na totalidade dos municípios, as despesas de capital, face às

correntes, representaram quase 40% em relação ao total da despesa, tendo sido nova-

mente em Monchique que este rácio foi maior, com quase 73%.

No município de Alcoutim as despesas de capital representaram também uma percenta-

gem superior em relação às correntes. O total das despesas é apresentado na tabela

seguinte:

?@
&$' (
%' #$ %

3 ' 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' $%' %'#' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' $%' %'#'J +! "= J #! $% &992

> $ - ?8-,. ( ( (
* =

-(+<% # *4 ?@ 2&4J79 & 9*7 F 4F & 7 9*? F&J47Q *?J2&Q &J@9Q


-" + * 4?4 @4?J& 2 *9F 47 ? 77& 4*7 24J*?Q 42JF*Q J7 Q
-)%3+ 4 FF* ?F?J47 & 7F4 9 2 7 4&7 ?7 FFJ2 Q **J4@Q J@FQ
#' # F 9?2 F 4J* 2 ?F9 ?77 9 7*4 29* 4FJ9FQ 2*J@2Q &J2@Q
:# &2 * *4 J72 F *F@ *F4 29 F79 ? ? 4@J?FQ 29J&2Q @J**Q
#1 # ? &42 @?4J4F 7 7?9 2@F &F &4 2? FFJ94Q **J@4Q 4J@@Q
#1 ' &* &@7 @F J 7 * *29 F4 *F F*@ &F F*J4@Q *FJ2 Q 7J2 Q
+-R 27 ?72 7@@J@@ *9 *4? 2&4 ?@ 2& *&4 F JF2Q *7J*FQ 7J FQ
!"6 ,+% 2 9*2 4@J@& 9 7F9 @49 2 7@4 9 &?J97Q ?&J@&Q *J2&Q
-60 4 F 7 ?9@J& 7 F @9* &* ?79 F & F4JF7Q *2J*&Q 4J2FQ
0 &* 24 & FJ*? * ?7F *9& *F @* 4 7 F&JF?Q *?J**Q 7J2?Q
H' $% - %- 4 9&F ??4J92 2 2@* *79 @ 4&9 44 4&J79Q 2?J&9Q &J 7Q
- %' F 444 222JF* 9 &*F & 2 &F ?@ F4@ F J?@Q *7J& Q FJ 4Q
# # F F?4 @4*J@7 @?* @9@ &7 F2@ 7F* 47J& Q 2 J?@Q FJ4?Q
8 -# $ ' 4 9@* &&J?F * F2 @& 7 &47 922 F JF?Q *7J**Q J7@Q
8 -# %#-$% ! G! 2 F9 4 7J*F F 7?7 @94 & 9*@ 2&2 F?J*9Q *&J?9Q 2J7*Q
, @ #1/ /32 43/56/ 6 /1/ 0#45## /23 0 4 64#501 1'516 20522 ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

5.1.6. Ano de 2005

Em relação a 2004, as receitas correntes ultrapassaram, neste ano, o valor de 337

milhões de euros, correspondendo a um acréscimo de 41 milhões. As receitas próprias

foram superiores a 305 milhões de euros, um valor superior em cerca de 35 milhões em

relação ao ano anterior. Os impostos diretos foram para além de 205 milhões de euros,

ao passo que as transferências do OE se cifraram em quase 60 milhões de euros, um

valor um pouco acima do verificado no ano anterior, correspondendo à grande maioria

das transferências correntes efetuadas. O FGM é o fundo que tem maior peso, com um

valor recebido de quase 46 milhões de euros, muito semelhante ao do ano anterior. O

FCM não teve qualquer peso para os mesmos cinco municípios do ano anterior (Apên-

dice 66).

No que se refere ao peso individual dos fundos do OE, o FGM representou, no total dos

municípios, mais de 77% do total das transferências do OE. Alcoutim, Monchique e


79
&$' (
%' #$ %

Aljezur continuam a ser os municípios em que as transferências do OE representaram a

maior fatia das receitas correntes, representando, no total dos municípios, mais de 15%

das receitas correntes (Apêndice 67).

No que se refere ao peso por município de cada tipo de receita própria no total das

receitas próprias, os impostos diretos ocuparam a maior parcela das receitas próprias em

todos os municípios, à exceção de Alcoutim, com um total superior a 67%, ligeiramente

acima do ano anterior. A venda de bens e serviços representou também uma parcela

significativa no total das receitas próprias, com um peso de quase 20% no total dos

municípios, sendo que em Alcoutim representou mais de 47%. No total dos municípios,

as receitas próprias tiveram um peso de cerca de 80% no total das receitas correntes

(Apêndice 68).

Em relação às receitas de capital, estas corresponderam a cerca de 119 milhões de euros,

valor de cinco milhões inferior ao do ano anterior, tendo Loulé arrecadado um valor

superior a 21 milhões de euros. (Apêndice 69). Relativamente aos fundos recebidos do

OE, Loulé foi novamente o município que mais recebeu, tendo a totalidade dos municí-

pios recebido cerca de 39 milhões de euros, valor idêntico ao do ano anterior; deste

valor, mais de 30 milhões correspondeu ao FGM. Em termos percentuais, o FGM repre-

sentou mais de 77% face ao total das transferências do OE dos municípios algarvios,

tendo sido S. Brás de Alportel o município para quem este fundo teve menos peso, com

cerca de 64% (Apêndice 70).

Quanto às verbas comunitárias, foi Faro quem mais recebeu, com quase quatro milhões

de euros. No total os municípios receberam cerca de 22 milhões de euros relativamente

a financiamento europeu, menos 11 milhões em relação ao valor recebido no ano ante-

rior, o que representa, no total, cerca de 19% das receitas de capital (Apêndice 71).

7
&$' (
%' #$ %

Relativamente ao peso no total das receitas de capital, as transferências do OE represen-

taram cerca de 33%, sendo que para Vila do Bispo esse peso ultrapassou os 83%. Foi

para Albufeira que a venda de bens de investimento teve o maior peso (cerca de 60%).

Quanto aos fundos comunitários, estes representaram mais de 50% das receitas de capi-

tal de S. Brás de Alportel, ao passo que para Loulé estes fundos não tiveram qualquer

peso. Os passivos financeiros corresponderam a cerca de 13% do total das receitas de

capital dos municípios algarvios, tendo sido para Monchique que mais importância teve,

com cerca de 43%.

O total das receitas próprias nos municípios em estudo correspondeu a cerca de 328

milhões de euros, um acréscimo de cerca de 40 milhões em relação ao ano anterior,

representando quase 66% do total das receitas. Mais de 229 milhões de euros foram

relativos a receitas fiscais, o que equivale a mais de 33 milhões do que em 2004, repre-

sentando a grande maioria das receitas próprias. No município de Albufeira estas repre-

sentaram cerca de 80% do total das receitas; pelo contrário, Alcoutim foi o município

menos independente financeiramente, com apenas onze por cento de receitas próprias

(Apêndice 72).

O total de receitas nos dezasseis municípios ultrapassou os 497 milhões de euros, verifi-

cando-se um acréscimo em cerca de 36 milhões face ao ano anterior, sendo que os qua-

tro municípios com mais receitas detêm cerca de 50% do total da receita. O total das

receitas correntes nos municípios algarvios ultrapassou ligeiramente os 337 milhões de

euros, o mesmo valor que em 2004, o que equivale a cerca de 67% do total das receitas.

Na esmagadora maioria dos municípios o maior peso no total das receitas correspondeu

às receitas correntes, sendo as exceções os municípios de Monchique e Alcoutim, com

valores ligeiramente acima dos 50%, como se poderá verificar na tabela seguinte:

7&
&$' (
%' #$ %

3 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' %"% #' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' %"% #'J +! "= J #! $% &994

;
; + ;
+
> $ - ?8-,. ( (
(
* =

-(+<% # 4* @9@ 99 4 F?9 2&7 F@ 4?@ 4&7 ??J27Q &&J4&Q *J@7Q


-" + 2 &4 *7& 2 29* @2& 7 F44 *&2 2@J &Q 49J77Q J?2Q
-)%3+ F 44 &@9 & 779 ??* @ 9*F 9F* F7J &Q * J77Q J7&Q
#' # @ 27 4F? 4 * 72 2 2F9 297 F*J&?Q *FJ?*Q &J@ Q
:# &? 947 F? & @F? 4@2 29 9&F &FF F?JF9Q *&J29Q 7J92Q
#1 # &7 @@9 ??F 2 4?& &F2 ** 4F* 929 7FJ*7Q *JF&Q FJ?2Q
#1 ' *F 22? &74 4 && &2 2 FF7 4&F 7?J2?Q &J4*Q 7J*?Q
+-R ?4 92* @9* & 4@ *@& @F F*4 &@F ??JFFQ &&J*2Q @J2&Q
!"6 ,+% 4 2&& 7*F F 7 7&@ & &*2 FF4 22J*&Q 44JF7Q &J2FQ
-60 7 92 &F& ? 4F* 2F* &4 FF? ?&4 ?9J4*Q &@J2?Q 4J FQ
0 *F 9 2 7 F F 7 * &9? 2& 7&7 9&& 72J9@Q 4J@ Q 7JF Q
H' $% - %- F 42* **2 * 94? F*2 @ F99 @F7 F7J 4Q * J74Q J@*Q
- %' && @F* ?** @ ?44 @&* *& ? @ F4F ?9J 7Q &@J7&Q FJ47Q
# # && F* ?F9 4 @2 24@ &7 4?* &&9 ?@J& Q &9J?@Q 4J?2Q
8 -# $ ' ? &99 F& ?FF **@ 7 @FF 49 79J*9Q @J?9Q J79Q
8 -# %#-$% ! G! 7 4& F7 2 7@9 2&? &* 2 4@4 ?@J Q &9J7@Q 2J?9Q
, @ 226 #26 0/3 0 # 0 631 /06 1#1 4'2 16566 #2501 ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

Relativamente à despesa, as despesas com pessoal corresponderam a mais de 123

milhões de euros num total de mais de 291 milhões de euros, valor que correspondeu ao

total da despesa corrente nos municípios algarvios, o que significa mais 9 milhões em

despesas com pessoal em relação ao ano anterior. Destaque para o facto de, pela primei-

ra vez desde 2000, em aquisição de bens e serviços o valor total gasto pelos municípios

foi superior a gastos com pessoal, neste caso em cerca de cinco milhões, cifrando-se os

encargos financeiros ligeiramente acima de cinco milhões de euros (Apêndice 73).

No total dos municípios, as despesas com pessoal foram inferiores a 43% do valor total

das despesas correntes. Apesar de, no total, os gastos com pessoal não corresponderem

à maioria das despesas, em metade dos municípios ainda se manteve a tendência dos

anos anteriores. As exceções foram os mesmos municípios em que tal ocorreu em 2004

7*
&$' (
%' #$ %

(Albufeira, Castro Marim, Lagoa, Lagos, Loulé e VRSA), acrescendo também Portimão

e Tavira, em que o maior peso correspondeu a aquisição de bens e serviços.

Monchique continuou a ser o município que mais gastou com pessoal, em termos per-

centuais, com mais de 63%; pelo contrário, Castro Marim e VRSA foram novamente

quem teve, percentualmente, menos despesas com pessoal (cerca de 38%). Castro

Marim foi o município que mais despendeu em aquisição de bens e serviços, com mais

de 52% do total da despesa neste grupo. Os encargos financeiros, as transferências cor-

rentes e as outras despesas correntes tiveram um peso pouco significativo no total das

despesas (Apêndice 74).

Em relação às despesas de capital, estas corresponderam a cerca de 206 milhões de

euros, mais 35 milhões do que em 2004, sendo as despesas de investimento de mais de

176 milhões de euros, um acréscimo de 31 milhões face ao ano anterior. Destas, foi em

comunicações e transportes que a totalidade dos municípios mais investiu, com mais de

46 milhões de euros investidos (Apêndice 75). O investimento em habitação teve um

peso pouco significativo no total dos municípios, apesar de para VRSA esta rubrica ter

um peso muito significativo, com mais de 30% do total do investimento que efetuou.

Em equipamento escolar e social foi São Brás de Alportel quem, percentualmente, mais

investiu, correspondendo a mais de 23%. Aljezur, Loulé e Castro Marim foram quem

mais investiu no sector de água e saneamento, cerca de um quinto das suas despesas de

investimento; em comunicações e transportes foi Vila do Bispo quem mais investiu,

com quase 60% das despesas de investimento neste grupo. Os grupos instalações des-

portivas e de lazer, outros edifícios e equipamento e software informático tiveram, no

geral, pouco peso no total dos municípios. Ainda assim, VRSA investiu mais de 40%

em instalações desportivas e de lazer, ao passo que para Faro mais de 37% das despesas

72
&$' (
%' #$ %

de investimento foram relativas a outros edifícios. Em equipamento e software informá-

tico, para quatro municípios cerca de 12% do seu investimento total foi relativo a este

item (Apêndice 76).

O investimento ocupou, no total dos municípios, mais de 85% das despesas de capital,

sendo que, na sua maioria, foi superior a 80%. Monchique foi o município para quem as

despesas de investimento menos peso tiveram, com cerca de 65%. As transferências de

capital, os ativos e os passivos financeiros tiveram um peso reduzido no total das despe-

sas de capital na maioria dos municípios. Ainda assim, cerca de 23% dos passivos

financeiros de Monchique foram relativos a transferências de capital (Apêndice 77).

Em relação ao serviço da dívida, e face ao ano anterior, esta subiu muito ligeiramente,

tendo representado, no total dos municípios e face às despesas totais, cerca de oito por

cento, com um valor que ultrapassou os 16 milhões de euros. Foi para o município de

Monchique que o serviço da dívida teve maior peso, representando cerca de 1/4 do total

das despesas efetuadas. Castro Marim foi para quem o serviço da dívida menos repre-

sentou, com menos de 150 mil euros (Apêndice 78).

Quanto ao total das despesas, a totalidade dos municípios despendeu mais de 497

milhões de euros, mais 61 milhões em relação a 2004, mantendo-se inalterado o padrão

que se tem verificado nos anos anteriores em relação aos quatro municípios mais gasta-

dores. Em termos percentuais, e na totalidade dos municípios, as despesas de capital,

face às correntes, representaram cerca de 41% em relação ao total da despesa, tendo

sido novamente em Monchique que este rácio foi maior, com quase 64%. No município

de Alcoutim e Castro Marim as despesas de capital representaram também uma percen-

tagem superior em relação às correntes. O total das despesas é apresentado na tabela

seguinte:

74
&$' (
%' #$ %

3 # 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' $%' %'#' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' $%' %'#'J +! "= J #! $% &994

> $ - ?8-,. ( ( (
* =

-(+<% # *7 444 * &J*7 & ?99 &F7 F9 &44 479 F*J@@Q *FJ9 Q &J &Q
-" + 2 &92 &J7? 2 742 ?9& @ 947 7 4 2FJ2 Q 4*J4@Q J7&Q
-)%3+ 4 F 2 @2FJ&* 2 **F F77 @ @4 F*2 4FJ2&Q 2*J47Q &J99Q
#' # F 4?& @F J2@ @ 247 ?@? F 9* ?47 2 J99Q 4@J99Q *J&&Q
:# &* * @ ?4&J@* F F4& 9*& *@ @? ?74 47J*2Q 2 JFFQ 7J92Q
#1 # @ FF 777J?F 2 *22 &7 ** 4 ?9 4?J&9Q 2&J79Q FJ?2Q
#1 ' &7 7 2 4JF7 &9 42@ 4@@ 27 FF7 9 4 4?J?7Q 2&J&&Q @J?@Q
+-R 4* @?& 929J 2 *? 9&? 97* @9 @@@ &2 4@J* Q 29JF@Q 7J*9Q
!"6 ,+% 2 29@ &&9J9 ? 74& 9@F & &F * ? *4J@FQ F2J92Q &J2?Q
-60 ? &4F F ?J42 7 *?* &?* &4 F&@ 7@ F?J**Q *&JF?Q 4J 4Q
0 &F @7F 22&J&4 4 7F &44 2& 72? F@7 F&J@7Q *?J9&Q 7JF&Q
H' $% - %- 4 *7? ?27JF2 2 *&7 477 @ ? F **? 44J24Q 22J44Q J@4Q
- %' 7 F29 7? J2@ 2 9@9 7F4 *& ?* ?*? 4FJ@4Q 2*J94Q FJ47Q
# # ? @@ 4?2J4F 9 *2* F@& &7 **4 &F? F*J49Q *FJ49Q 4J?9Q
8 -# $ ' F *4? *@?J&* 2 2F@ @&7 9 7&? *&4 47J?&Q 2 J&7Q &J 7Q
8 -# %#-$% ! G! 2 F & ?7?J2? ??4 99@ &F *7? ?@F 44J*7Q 22JF&Q 4J* Q
, @ #0 16 '40516 #'1 ' 4 345/6 /06 43 #/45 / 34531 / 5// ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

5.1.7. Ano de 2006

Relativamente ao ano anterior, as receitas correntes ultrapassaram, neste ano, o valor de

396 milhões de euros, correspondendo a um acréscimo de 59 milhões. As receitas pró-

prias foram superiores a 328 milhões de euros, um valor superior em cerca de 23

milhões face ao ano anterior. Os impostos diretos foram para além de 224 milhões de

euros, ao passo que as transferências do OE se cifraram em quase 59 milhões de euros,

um valor muito similar ao verificado no ano anterior, correspondendo à grande maioria

das transferências correntes efetuadas. O FGM é o fundo que tem maior peso, com um

valor recebido de pouco mais de 46 milhões de euros, muito semelhante ao do ano ante-

rior. O FCM não teve qualquer peso para os mesmos cinco municípios do ano anterior

(Albufeira, Faro, Lagos, Portimão e VRSA), bem como, em 2006, também Olhão e S.

Brás de Alportel não obtiveram quaisquer receitas deste fundo (Apêndice 79).

7F
&$' (
%' #$ %

No que se refere ao peso individual dos fundos do OE, o FGM representou, no total dos

municípios, quase 79% do total das transferências do OE. Alcoutim, Monchique e Alje-

zur continuam a ser os municípios em que as transferências do OE representaram a

maior fatia das receitas correntes, representando, no total dos municípios, quase 15%

das receitas correntes, muito semelhante ao ano anterior (Apêndice 80).

Relativamente ao peso por município de cada tipo de receita própria no total das recei-

tas próprias, os impostos diretos ocuparam a maior parcela das receitas próprias em

todos os municípios: Tal como nos anos anteriores, a exceção foi Alcoutim, com um

total inferior a 40%, bastante abaixo do ano anterior. A venda de bens e serviços repre-

sentou também uma parcela significativa no total das receitas próprias, com um peso de

mais de 18% no total dos municípios, sendo que em Alcoutim representou mais de 48%.

No total dos municípios, as receitas próprias tiveram um peso de cerca de 82% no total

das receitas correntes (Apêndice 81).

Em relação às receitas de capital, estas corresponderam a cerca de 104 milhões de euros,

valor de cerca de 15 milhões inferior ao do ano anterior, tendo Loulé arrecadado um

valor superior a 14 milhões de euros. (Apêndice 82). Relativamente aos fundos recebi-

dos do OE, Loulé foi novamente o município que mais recebeu, com cerca de 4,5

milhões de euros, tendo a totalidade dos municípios recebido cerca de 39 milhões de

euros, valor idêntico ao do ano anterior; deste valor, mais de 31 milhões correspondeu

ao FGM. Em termos percentuais, o FGM representou mais de 78% face ao total das

transferências do OE dos municípios algarvios, tendo sido Vila do Bispo o município

para quem este fundo teve menos peso, abaixo de 69% (Apêndice 83).

Quanto às verbas comunitárias, foi Portimão quem mais recebeu, com mais de três

milhões de euros. No total os municípios receberam cerca de 24 milhões de euros relati-

7?
&$' (
%' #$ %

vamente a financiamento europeu, mais dois milhões em relação ao valor recebido no

ano anterior, o que representa, no total, cerca de 23% das receitas de capital (Apêndice

84).

Em relação ao peso no total das receitas de capital, as transferências do OE representa-

ram cerca de 38%, sendo que para Albufeira esse peso ultrapassou os 84%. Foi para

VRSA que a venda de bens de investimento teve o maior peso (mais de 53%). Quanto

aos fundos comunitários, estes representaram mais de 48% das receitas de capital de

Vila do Bispo; para Loulé estes fundos não tiveram novamente qualquer peso. Os passi-

vos financeiros corresponderam a cerca de 10% do total das receitas de capital dos

municípios algarvios, tendo sido para Monchique que mais importância teve, com quase

25%.

O total das receitas próprias nos municípios em análise correspondeu a quase 340

milhões de euros, um aumento de cerca de 12 milhões em relação ao ano anterior,

representando quase 68% do total das receitas. Quase 252 milhões de euros foram rela-

tivos a receitas fiscais, o que equivale a mais de 23 milhões do que em 2005, represen-

tando a grande maioria das receitas próprias. No município de Albufeira estas represen-

taram cerca de 86% do total das receitas; pelo contrário, Alcoutim continuou a ser o

município menos independente financeiramente, com apenas 14,5% de receitas próprias

(Apêndice 85).

O total de receitas nos dezasseis municípios ultrapassou os 501 milhões de euros, pouco

mais de quatro milhões face ao ano anterior. Em 2006, do grupo dos quatro municípios

com mais receitas fez também parte Lagos, em detrimento de Faro, sendo que, no seu

conjunto, detêm cerca de 50% do total da receita, como se poderá verificar na tabela

seguinte:

77
&$' (
%' #$ %

3 2 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' %"% #' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' %"% #'J +! "= J #! $% &99F

; + ; ;
> $ - ?8-,. ( ( (
* =
-(+<% # F &@7 2 ? * F@2 972 F2 @@& 49 @2J*&Q 4JF7Q &J@?Q
-" + 2 &?? @&F 2 7@? F? @ ?4 9@* 2FJF*Q 4*J*?Q J7*Q
-)%3+ F 7FF ?*9 * @?@ 4@* 9 72F *&* F*J* Q *FJF@Q &J FQ
#' # 7 &*F &&2 4 942 &?? * &@9 49 F J@?Q *7J9*Q &JF4Q
:# &2 *F9 9 ? 9 ?4F ? *4 F ?&7 F@J*?Q *9JF*Q ?J9 Q
#1 # &? ?9 7?@ * 7? 944 * 4?& @*2 7?J?2Q &J&FQ FJ*9Q
#1 ' 2 927 444 F F@ 9F* 2? ?*@ F ? 74J@7Q 2J9&Q @J4&Q
+-R ?@ 24@ F*9 2 F?& 9?? @2 * ?97 72J2 Q 4J4@Q 7J?7Q
!"6 ,+% 4F *F 7 F FF* F9* & &?? && 24J?&Q 42J&7Q &J24Q
-60 &9 F9? 92* 4 *&7 *9? &4 @*4 *49 ?@J2FQ &9J42Q 4J ?Q
0 ** 4&? 494 @ @F & 9 2* 277 ? 4 ??J9@Q &&J@ Q 7JF7Q
H' $% - %- F @?& FF & &4F @?@ @ &&@ 24 ?4J44Q &2J24Q J72Q
- %' &2 *4F ? ? 9 F49 4F@ *4 99? &74 F@J47Q *9J2&Q FJ@7Q
# # &2 7 2 7 @ 4 424 9? *9 *4@ 7@ 7 J?2Q 7J&FQ FJ9FQ
8 -# $ ' ? ? 4 *F & @72 ??* 9 F@@ @9@ ?&J 9Q &?J@9Q &J *Q
8 -# %#-$% ! G! @ ?97 F @ ? FF4 F&@ &? *?2 &27 ?&J99Q &7J99Q 4J2FQ
, @ 201 313 ''' '/ 16# 6' 3' #26 6' 605 # #'544 ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

Após análise da tabela anterior, verifica-se que o total das receitas correntes nos muni-

cípios algarvios ultrapassou os 396 milhões de euros, mais 59 milhões que em 2005, o

que equivale a quase 80% do total das receitas. Na esmagadora maioria dos municípios

o maior peso no total das receitas correspondeu às receitas correntes, sendo as exceções

os municípios de Monchique e Alcoutim, tal como sucedeu em 2005, com valores aci-

ma dos 53%.

Relativamente à despesa, as despesas com pessoal corresponderam a mais de 128

milhões de euros num total de mais de 317 milhões de euros, valor que correspondeu ao

total da despesa corrente nos municípios algarvios, o que significa mais 5 milhões em

despesas com pessoal em relação ao ano anterior. Tal como já tinha sucedido em 2005,

em aquisição de bens e serviços o valor total gasto pelos municípios foi superior a gas-

tos com pessoal, neste caso em cerca de dez milhões, cifrando-se os encargos financei-

ros em pouco mais de seis milhões de euros (Apêndice 86).

7@
&$' (
%' #$ %

No total dos municípios, as despesas com pessoal pouco passaram de 40% do valor total

das despesas correntes. Apesar de, no total, os gastos com pessoal não corresponderem

à maioria das despesas, em quase metade dos municípios ainda se manteve a tendência

dos anos anteriores. As exceções foram alguns dos municípios em que tal ocorreu em

2005 (Albufeira, Castro Marim, Lagoa, Lagos, Loulé e VRSA), acrescendo também

Olhão, em que o maior peso correspondeu a aquisição de bens e serviços.

Monchique continuou a ser o município que mais gastou com pessoal, em termos per-

centuais, com mais de 61%; pelo contrário, VRSA foi quem teve, percentualmente,

menos despesas com pessoal (cerca de 35%). Castro Marim e Albufeira foram os muni-

cípios que mais despenderam em aquisição de bens e serviços, com cerca de 53% do

total da despesa neste grupo. Os encargos financeiros, as transferências correntes e as

outras despesas correntes tiveram um peso pouco significativo no total das despesas

(Apêndice 87).

Em relação às despesas de capital, estas corresponderam a cerca de 172 milhões de

euros, menos 34 milhões do que em 2005, sendo as despesas de investimento de mais de

144 milhões de euros, menos 32 milhões face ao ano anterior. Destas, foi em comunica-

ções e transportes que, no total, os municípios mais investiram, com quase 38 milhões

de euros investidos (Apêndice 88). O investimento em habitação teve um peso pouco

significativo no total dos municípios, com menos de seis milhões de euros gastos.

Em equipamento escolar e social foi Faro quem, percentualmente, mais investiu, cor-

respondendo a quase 15%. Aljezur, Castro Marim e Lagoa foram quem mais investiu no

sector de água e saneamento, o que equivale a cerca de 20% das suas despesas de inves-

timento; em comunicações e transportes foi Vila do Bispo e Monchique quem mais

investiu, com mais de 45% das despesas de investimento neste grupo.

@9
&$' (
%' #$ %

Os grupos instalações desportivas e de lazer, outros edifícios, equipamento e software

informático e outros investimentos tiveram, no seu conjunto, mais de metade do peso do

investimento no total dos municípios. Alcoutim, VRSA e Faro investiram mais de 30%

em instalações desportivas e de lazer, ao passo que para Olhão e Portimão cerca de 30%

das despesas de investimento foram relativas a outros edifícios. Em equipamento e

software informático, Albufeira e Lagoa tiveram cerca de 14% do seu investimento total

relativo a este item (Apêndice 89).

O investimento ocupou, no total dos municípios, quase 84% das despesas de capital,

sendo que, na maioria dos municípios, foi superior a 80%. Faro foi o município para

quem as despesas de investimento menos peso tiveram, com cerca de 67%. As transfe-

rências de capital, os ativos e os passivos financeiros e as outras despesas de capital

tiveram um peso pouco significativo no total das despesas de capital na maioria dos

municípios (Apêndice 90).

Em relação ao serviço da dívida, e face ao ano anterior, esta subiu cerca de dois milhões

de euros, tendo representado, no total dos municípios e face às despesas totais, um pou-

co mais de dez por cento, com um valor que ultrapassou os 18 milhões de euros. Foi

para a capital de distrito que o serviço da dívida teve maior peso, representando 27,5%

do total das despesas efetuadas. Vila do Bispo foi para quem o serviço da dívida menos

representou, com cerca de 182 mil euros (Apêndice 91).

Quanto ao total das despesas, a totalidade dos municípios gastou quase 490 milhões de

euros, menos oito milhões do que em 2005, mantendo-se inalterado o padrão que se tem

verificado nos anos anteriores em relação aos quatro municípios que mais despesa efe-

tuaram, com a diferença de que Lagos ocupou o lugar de Faro, tendo inclusivamente

@
&$' (
%' #$ %

efetuado mais despesa do que Portimão. O total das despesas é apresentado na tabela

seguinte:

3 / 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' $%' %'#' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' $%' %'#'J +! "= J #! $% &99F

> $ - ?8-,. ( ( (
* =

-(+<% # 2? 49 4*2J7@ * &7F @7 F9 ?7? ?** ?7J 2Q & J7FQ &J2&Q


-" + 2 & 7*&J & * 4?2 & ? ? ?7F 92@ 42J9@Q 24J@ Q J4@Q
-)%3+ 4 @7& F@ J2* 2 7? &?7 9 74* @F@ 44J &Q 22J77Q &J&&Q
#' # F @9@ @&J@ 4 *22 2F9 & &4* F4* 4FJ*7Q 2*JF&Q &J49Q
:# &* @@ 92 JF7 & 72* F49 *F 7*2 F@& F4J *Q *2J7?Q ?J4*Q
#1 # & ?F7 92?J47 9 9@? 4&@ * 7F4 4?? F7J* Q * JF@Q FJ4 Q
#1 ' * @4* F7FJ9 2 ?9F 444 2F FF9 &2 F7J27Q * J4&Q @J4*Q
+-R 4? ?9@ 224J79 *4 2F4 72* @* ?4 &7@ F J@2Q *7J9FQ @J92Q
!"6 ,+% 2 447 9?9J?F ? F*@ 9 & @? 97 *?J*?Q F&JF*Q &J2@Q
-60 7 &F? F*9J@ ? 27 9* &4 ?27 ?*2 ?9J@4Q &@J94Q 4J&FQ
0 &7 277 277J2F 4 9?2 &44 2* 4F& ?22 F4J29Q *2JF9Q 7J@9Q
H' $% - %- 4 7F2 &@7J7F & 792 422 7 FF7 72* F?JF4Q *&J*4Q J??Q
- %' @ F*? 9@?J97 4& 2* 2 *2 74 2 4FJ*4Q 2*JF4Q ?J &Q
# # 4 7*@ &72J?@ * 7@4 *7@ &@ ?*2 F?2 4*J&?Q 2FJ?*Q FJ97Q
8 -# $ ' F 7?& 944J&7 2 F9 &F* 2?* * 7 4@J@9Q 29J 9Q &J*2Q
8 -# %#-$% ! G! 7 997 ?97J2? 2 @?@ 4 9 && @77 & @ ?7J*2Q & JFFQ 2J?9Q
, @ 2 6 312 '65'2 6 460 45'' /40 //# ##35'2 1/544 235 # ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

Em termos percentuais, e na totalidade dos municípios, as despesas de capital, face às

correntes, representaram cerca de 35% em relação ao total da despesa. Foi novamente

em Monchique que este rácio foi maior, com quase 63%, sendo o único município em

que as despesas de capital representaram uma percentagem superior em relação às cor-

rentes.

5.1.8. Ano de 2007

Em 2007, as receitas correntes ultrapassaram o valor de 479 milhões de euros, o que

corresponde a um acréscimo de 83 milhões. As receitas próprias foram superiores a 402

milhões de euros, um valor superior em cerca de 74 milhões face ao ano anterior. Os

impostos diretos quase atingiram 289 milhões de euros, ao passo que as transferências

@&
&$' (
%' #$ %

do OE se cifraram em cerca de 61 milhões de euros, mais dois milhões em relação no

ano anterior, correspondendo à grande maioria das transferências correntes efetuadas.

Tal como já se tinha verificado no capítulo três, o FGM, o FBM e o FCM deram lugar a

novas designações às verbas transferidas do OE para os municípios: FEF, FSM e parti-

cipação no IRS (IRS). Tal como acontecia com o FGM, o FEF é o fundo que tem maior

peso nas transferências do OE, com um valor recebido em 2007 de quase 44 milhões de

euros, valor inferior em cerca de dois milhões face ao FGM do ano anterior. Dos restan-

tes fundos do OE os municípios receberam, no total, cerca de 17 milhões de euros

(Apêndice 92).

No que se refere ao peso individual dos fundos do OE, o FEF representou, no total dos

municípios, mais de 71% do total das transferências do OE. Alcoutim e Monchique con-

tinuam a ser os municípios em que as transferências do OE representaram a maior fatia

das receitas correntes (mais de 60%), representando, no total dos municípios, quase

13% das receitas correntes, cerca de dois pontos percentuais face ao ano anterior

(Apêndice 93).

Relativamente ao peso por município de cada tipo de receita própria no total das recei-

tas próprias, mantém-se o facto de os impostos diretos ocuparem a maior parcela das

receitas próprias em todos os municípios: tal como nos anos anteriores, a exceção foi

Alcoutim, com um total de quase 46%, um pouco acima do ano anterior. A venda de

bens e serviços representou também uma parcela significativa no total das receitas pró-

prias, com um peso de mais de 15% no total dos municípios, sendo que em Alcoutim

representou quase 46%. No total dos municípios, as receitas próprias tiveram um peso

de quase 84% no total das receitas correntes (Apêndice 94).

@*
&$' (
%' #$ %

Em relação às receitas de capital, estas corresponderam a pouco mais de 100 milhões de

euros, valor inferior em cerca de quatro milhões face às do ano anterior, tendo Olhão

arrecadado um valor superior a 20 milhões de euros. Relativamente aos fundos recebi-

dos do OE, destaque para o facto de que, a partir de 2007, estes apenas correspondem ao

FEF. Loulé foi o município que mais recebeu, com cerca de três milhões de euros, tendo

a totalidade dos municípios recebido cerca de 28,5 milhões de euros, valor inferior ao

do ano anterior em cerca de 11,5 milhões (Apêndice 95).

Quanto às verbas comunitárias, foi VRSA quem mais recebeu, com quase quatro

milhões e meio de euros. No total os municípios receberam cerca mais de 31 milhões de

euros relativamente a financiamento europeu, mais sete milhões em relação ao valor

recebido no ano anterior, o que representa, no total, cerca de 31% das receitas de capital

(Apêndice 96).

Relativamente ao peso no total das receitas de capital, as transferências do OE represen-

taram cerca de 28%, sendo que para Alcoutim esse peso ultrapassou os 55%. A venda

de bens de investimento teve para o conjunto dos municípios um peso diminuto, apesar

de, para Faro, a venda de bens de investimento ter representado quase 29%. Quanto aos

fundos comunitários, estes representaram quase 60% das receitas de capital de VRSA,

não tendo tido para Loulé, tal como no ano anterior, qualquer peso. Os passivos finan-

ceiros corresponderam a cerca de 18% do total das receitas de capital dos municípios

algarvios, tendo sido para Olhão que mais importância teve, com mais de 38%.

O total das receitas próprias nos municípios em análise correspondeu a mais de 410

milhões de euros, um aumento de cerca de 70 milhões em relação ao ano anterior,

representando mais de 70% do total das receitas. Mais de 321 milhões de euros foram

relativos a receitas fiscais, traduzindo-se em mais de 69 milhões do que em 2006, repre-

@2
&$' (
%' #$ %

sentando a grande maioria das receitas próprias. No município de Loulé e Albufeira

estas representaram mais de 85% do total das receitas; pelo contrário, Alcoutim mante-

ve-se como o município menos independente financeiramente, com pouco mais de 13%

de receitas próprias (Apêndice 97).

No que se refere ao total das receitas nos dezasseis municípios, o valor em 2007 ultra-

passou os 580 milhões de euros, o que resulta num aumento muito significativo face ao

ano anterior em mais de 79 milhões. Lagos continuou integrado no grupo dos quatro

municípios com mais receitas, ao passo que Faro teve, em 2007, menos receitas do que

Lagoa e Olhão, por exemplo. No seu conjunto, os quatro municípios detiveram mais de

50% do total da receita, como se poderá verificar na tabela seguinte:

3 3 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' %"% #' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' %"% #'J +! "= J #! $% &99?

; + ; ;
> $ - ?8-,. ( ( (
* =
-(+<% # ?4 9?4 F?4 4 &F* 7@* 79 **@ 4F7 @*J24Q FJ44Q *J74Q
-" + 2 *42 24F 2 977 4*? 7 22& @@* 4 J4?Q 27J2*Q J2FQ
-)%3+ 7 9?2 79? F 799 @4& 2 7?4 ?4@ 42J&7Q 24J?&Q &J4FQ
#' # F47 *4 F 9@7 ? 2 ? ?4? 9F4 F4JF4Q *2J*4Q *J9FQ
:# &7 F 9?7 F **F 4?F *2 24& F42 7 JF Q 7J*@Q 4J@2Q
#1 # ** *7@ 24@ * F*? 974 *? 9&F 424 @9J 7Q @J7&Q FJ*7Q
#1 ' 24 F*& ?@* F @@7 729 4& F* F** 7FJ?9Q *J*9Q @J9?Q
+-R 9* *24 &@? 4 477 9* 97 @** 299 @2J7?Q 4J *Q 7J?7Q
!"6 ,+% 4 F@ @ 2 2 &7* &4F @ @?4 ?9 4?J9FQ 2&J@2Q J?&Q
-60 &2 F9 9?4 &9 ?&2 &&2 22 772 &@@ 4*J7*Q 2FJ ?Q ?J?2Q
0 24 22& @4* F *2& 4@9 4 ?74 42* 7?J?4Q &J&4Q 7J@*Q
H' $% - %- ? 499 4* & 49* 72? 9 992 999 ?2J@?Q &4J9*Q J?&Q
- %' &? 4&7 7*9 F F ? *4* *2 2F 7* 79JF&Q @J*7Q 4J7@Q
# # &7 &&7 &42 4 ?9 F4 ** *@7 @9F 72J4&Q 4J27Q 4J?FQ
8 -# $ ' @ ?*& @& & 7?2 @@? & F9? @ 7 ??J&9Q &&J79Q &J ?Q
8 -# %#-$% ! G! & &7* F 4 ? 4 &@F &7 ?@2 @ ?*J@ Q &FJ9@Q 2J@FQ
, @ /60 # 3 12 '' 4/' 0 / 34' '31 3/3 4#51# 6524 ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

Após análise da tabela anterior, constata-se que o total das receitas correntes nos muni-

cípios algarvios ultrapassou os 479 milhões de euros, mais 83 milhões que em 2006, o

que equivale a mais de 82% do total das receitas. Na totalidade dos municípios o maior

@4
&$' (
%' #$ %

peso no total das receitas correspondeu às receitas correntes, nalguns casos com valores

acima dos 90%.

Relativamente à despesa, as despesas com pessoal corresponderam a mais de 134

milhões de euros num total de mais de 354 milhões de euros, valor que correspondeu ao

total da despesa corrente nos municípios algarvios, o que significa mais seis milhões em

despesas com pessoal em relação ao ano anterior. Mantendo-se a tendência que se tem

vindo a verificar desde 2005, o valor total gasto pelos municípios em aquisição de bens

e serviços foi superior a gastos com pessoal, neste caso em cerca de 26 milhões de

euros. Em relação aos encargos financeiros, o valor total esteve perto dos oito milhões

de euros, uma subida em cerca de dois milhões face a 2006 (Apêndice 98).

No total dos municípios, as despesas com pessoal não atingiram os 38% do valor total

das despesas correntes, sendo o ano em que essa relação foi mais baixa. Pelo primeiro

ano, menos de metade dos municípios teve menos gastos com pessoal do que com a

totalidade das outras despesas correntes. Monchique continuou a ser o município que

mais gastou com pessoal, em termos percentuais, com quase 64%; pelo contrário,

VRSA foi quem teve, percentualmente, menos despesas com pessoal (menos de 30%).

Lagoa, VRSA e Albufeira foram os municípios que mais gastaram em aquisição de

bens e serviços, com mais de 53% do total da despesa neste grupo. Os encargos finan-

ceiros, as transferências correntes e as outras despesas correntes tiveram um peso pouco

significativo no total das despesas, com menos de 17%. Ainda assim, quase ¼ das des-

pesas correntes de Portimão foram relativas ao grupo das outras despesas correntes

(Apêndice 99).

@F
&$' (
%' #$ %

Em relação às despesas de capital, estas ultrapassaram os 200 milhões de euros, mais 28

milhões do que em 2006, sendo as despesas de investimento de mais de 167 milhões de

euros, mais 23 milhões face ao ano anterior. Destas, foi em comunicações e transportes

que, no total, os municípios mais investiram, mais de 36 milhões de euros investidos

(Apêndice 100). O investimento em habitação teve um peso considerável no total dos

municípios, com mais de 17 milhões de euros gastos, pertencendo a Olhão a maioria do

investimento nesta área, que correspondeu a mais de 58% do total do seu investimento.

Em equipamento escolar e social foi Monchique quem, percentualmente, mais investiu,

correspondendo a cerca de 21%, tal como no ano anterior. Alcoutim continuou, em

2007, a reforçar o setor de água e saneamento, tendo sido quem mais investiu, o que

equivaleu a mais de 45% das suas despesas de investimento; em comunicações e trans-

portes foi novamente Vila do Bispo quem mais investiu, com mais de 53% das despesas

de investimento neste grupo (Apêndice 101). Em instalações desportivas e de lazer foi

para S. Brás de Alportel que este grupo teve mais relevância no total do investimento,

ultrapassando os 47%. No grupo outros edifícios Portimão investiu mais de 27% das

suas despesas de investimento, e em equipamento e software informático mais de 23%.

O grupo outros investimentos teve, no total, um peso superior a 17%, sendo que Castro

Marim tem aqui o seu maior investimento, com mais de 58%. Estão aqui incluídos, qua-

se na totalidade, Bens de património histórico, artístico e cultural (cerca de €

3.500.000,00). O investimento ocupou, no total dos municípios, quase 84% das despe-

sas de capital, valor semelhante ao ano anterior. Faro foi o município para quem as des-

pesas de investimento menos peso tiveram, com cerca de 61%. As transferências de

capital, os ativos e os passivos financeiros e as outras despesas de capital tiveram um

@?
&$' (
%' #$ %

peso pouco significativo no total das despesas de capital na maioria dos municípios

(Apêndice 102).

Em relação ao serviço da dívida, e face ao ano anterior, esta subiu cerca de quatro

milhões de euros, tendo representado, no total dos municípios e face às despesas totais,

um pouco mais de quatro por cento, com um valor que ultrapassou os 22 milhões de

euros. Foi novamente para Faro que o serviço da dívida teve maior peso, representando

mais de 13% do total das despesas efetuadas. Pelo contrário, foi para Vila do Bispo e

VRSA para quem o serviço da dívida menos representou, com pouco mais de 1,5%

(Apêndice 103).

Quanto ao total das despesas, o conjunto dos 16 municípios gastou quase 490 milhões

de euros, mais 64 milhões do que em 2006, mantendo-se inalterado o padrão que se tem

verificado no ano anteriores em relação aos quatro municípios que mais despesa efetua-

ram. O total das despesas é apresentado na tabela seguinte:

3 1 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' $%' %'#' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' $%' %'#'J +! "= J #! $% &99?

+
> $ - ?8-,. ( + ( (
* =
-(+<% # 4 @&& F27J&? ? 27? F29 F@ 2 9 &77 ?2J7 Q &4J @Q &J4 Q
-" + 2 *7& @&@J2? 2 &2 4*9 7 49? 24@ 4 J4&Q 27J27Q J4*Q
-)%3+ F ?@9 & FJ* 7 9@ &&F 2 7@@ 22& 24J4?Q 42J2*Q &JF@Q
#' # ? 292 **&J ? ? &&? @@@ 2 F*& ** 49JF9Q 2@J29Q &JF2Q
:# &2 7 @??J@2 F?2 ?*7 *4 ?@* ? F F?J*7Q *&JF&Q FJ24Q
#1 # &* 4F@ FF4J9F 9 474 7 F *2 44 27 F@J9 Q *9J@@Q FJ FQ
#1 ' *& 47@ ?72J7& 7 29* &9F 49 @@& @@ F*J@ Q *FJ9@Q @J @Q
+-R F9 2&2 ?&4J?* *? 42@ F44 @? @?2 *79 F JF?Q *7J**Q ?JFFQ
!"6 ,+% 2 24* 9@ J@? 4 4@F *&* 9 92@ 2 4 22J* Q 44JF@Q J7 Q
-60 && 9F 7 J92 && ?9@ 7F 22 7 F 92& 2@J**Q 49JF?Q 7J97Q
0 *7 ?4@ 2 2J7@ 4 **? 7&2 42 9@? &*@ ? JF4Q &7J*4Q @J?4Q
H' $% - %- F ?4? FF*J29 &@ ?4 2 @ F?4 ?? F@J74Q *9J 4Q J?2Q
- %' &* &*2 F27J27 9 @?F F 7 *2 & &FF F?J@&Q *&J97Q FJ ?Q
# # ? @9F 4F J@9 * ?7F &*F * F@& ?@7 4FJ49Q 2*J49Q 4J? Q
8 -# $ ' F @&? 4**J@* * @2* &? 9 7?9 FF F*J?*Q *FJ&?Q J@FQ
8 -# %#-$% ! G! && 7F4 479J9* 9 &&& 99@ ** 97? 4@9 F@J Q *9J7@Q 4J@FQ
, @ 23/ # 2 0335/ #'' 13# 2##53 33/ 411 #6650# 1254/ 215 1 ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

@7
&$' (
%' #$ %

Constata-se que, à semelhança dos anos anteriores, as despesas de capital, face às cor-

rentes, representaram a menor parcela: em 2007 as despesas de capital foram de cerca

de 36% em relação ao total da despesa. Monchique, Aljezur e Olhão foram os municí-

pios em que esta tendência não se verificou, com as despesas de capital a representaram

uma percentagem superior em relação às correntes. Monchique foi onde o peso das des-

pesas de capital foi maior.

5.1.9. Ano de 2008

As receitas correntes atingiram, em 2008, o valor de 462 milhões de euros, o que se

traduz numa diminuição em relação a 2007 de 17 milhões. As receitas próprias diminuí-

ram também face ao ano anterior, tendo-se ficado por pouco mais de 382 milhões de

euros, um valor inferior em cerca de 20 milhões. Os impostos diretos pouco ultrapassa-

ram os 255 milhões de euros, ao passo que as transferências do OE atingiram os 66

milhões de euros, mais cinco milhões em relação no ano anterior, correspondendo à

grande maioria das transferências correntes efetuadas. Do FEF os municípios receberam

quase 46 milhões de euros, cerca de dois milhões a mais do que no ano anterior. Dos

restantes fundos do OE, mais de 14 milhões foram relativos à participação no IRS e

cerca de 6,5 milhões do FSM (Apêndice 104).

No que se refere ao peso individual dos fundos do OE, o FEF representou, no total dos

municípios, cerca de 69% do total das transferências do OE. Alcoutim e Monchique

continuam a ser os municípios em que as transferências do OE representaram a maior

fatia das receitas correntes, com cerca de 80% e 64%, respetivamente. No total dos

municípios, as verbas do OE representam quase 14% das receitas correntes, valor seme-

lhante ao ano anterior (Apêndice 105).

@@
&$' (
%' #$ %

Relativamente ao peso por município de cada tipo de receita própria no total das recei-

tas próprias, mantém-se o facto de os impostos diretos ocuparem a maior parcela das

receitas próprias na maioria dos municípios, com quase 67% no total. Alcoutim e VRSA

foram exceção neste aspeto, em que a venda de bens e serviços e os impostos indiretos,

respetivamente, tiveram o maior peso nas receitas próprias.

A venda de bens e serviços representou também uma parcela significativa no total das

receitas próprias, com um peso de mais de 17% no total dos municípios, sendo que em

Alcoutim correspondeu a mais de 52%. No total dos municípios, as receitas próprias

tiveram um peso de quase 83% no total das receitas correntes, ligeiramente abaixo do

ano anterior (Apêndice 106).

Em relação às receitas de capital, estas corresponderam a pouco mais de 86 milhões de

euros, valor inferior em cerca de 14 milhões face às do ano anterior, tendo Portimão

sozinho arrecadado um valor superior a 16 milhões de euros. Relativamente aos fundos

recebidos do OE, Loulé foi novamente o município que mais recebeu, com cerca de três

milhões de euros, tendo a totalidade dos municípios recebido cerca de 30 milhões de

euros, valor ligeiramente superior ao do ano anterior em cerca de 1,5 milhões (Apêndice

107).

Quanto às verbas comunitárias, foi Portimão e Alcoutim quem mais recebeu, com mais

de três milhões de euros cada. No total os municípios receberam quase 28 milhões de

euros relativamente a financiamento europeu, cerca de três milhões a menos em relação

ao valor recebido no ano anterior, o que representa, no total, cerca de 32% das receitas

de capital (Apêndice 108).

99
&$' (
%' #$ %

Relativamente ao peso no total das receitas de capital, as transferências do OE represen-

taram cerca de 35%, sendo que para Vila do Bispo esse peso quase atingiu os 79%. A

venda de bens de investimento teve para o conjunto dos municípios um peso pouco sig-

nificativo, apesar de, para S. Brás de Alportel, esta rubrica ter representado mais de 1/5

no total das receitas de capital. Os fundos comunitários representaram quase 56% das

receitas de capital de Alcoutim, ao passo que os passivos financeiros corresponderam a

cerca de 23% do total das receitas de capital dos municípios algarvios, tendo sido para

Portimão que mais importância teve, com mais de 67%.

O total das receitas próprias no total dos municípios correspondeu a cerca de 386

milhões de euros, um decréscimo de cerca de 24 milhões em relação ao ano anterior,

representando mais de 70% do total das receitas. Mais de 281 milhões de euros foram

relativos a receitas fiscais, traduzindo-se em menos de 40 milhões do que em 2007,

representando a grande maioria das receitas próprias. No município de Albufeira estas

representaram mais de 86% do total das receitas; Alcoutim manteve-se como o municí-

pio menos independente financeiramente, perdendo quase metade da sua independência

financeira face ao ano anterior (Apêndice 109).

No que se refere ao total das receitas nos dezasseis municípios, o valor em 2008 quase

atingiu os 549 milhões de euros, o que resulta num decréscimo bastante acentuado face

ao ano anterior em cerca de 31 milhões. Nos quatro municípios com mais receitas man-

tém-se Lagos, ao passo que Faro teve, em 2008, menos receitas do que VRSA. No seu

conjunto, os quatro municípios detiveram mais de 51% do total da receita, como se

poderá observar na tabela seguinte:

9
&$' (
%' #$ %

3 6 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' %"% #' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' %"% #'J +! "= J #! $% &997

; + ; ;
> $ - ?8-,. ( ( (
* =
-(+<% # ? &2 &F& 2 *9 F&2 ?4 *? 77F @2J4&Q 4J27Q *J?*Q
-" + 2 4&7 ? 4 F&& 7*4 9 4 42F 22JF Q 44J*@Q J74Q
-)%3+ ? 4@9 47F 4 &?F @& & 7F? 49? 47J@@Q 2 J9 Q &J*2Q
#' # @ *@9 29 2 9* @*@ * 2@2 9?@ F@J4@Q *9J2 Q &J2FQ
:# &7 7&F F2? ? @@4 *9 *F 7& ??? ?7J&@Q & J? Q FJ? Q
#1 # *9 F2* F4 & &&2 @&9 *& 7F7 4?9 @*J&*Q FJ??Q 4J@@Q
#1 ' 2& 9@2 9 F & F*7 *?F 22 ?*& *@& @2J 9Q 4J@9Q 7J 4Q
+-R @* *99 &*? 7 &99 ?&4 9 499 @F @ J@&Q 7J97Q 7J2@Q
!"6 ,+% F 972 7?4 * &F7 F&4 @ *4* 499 F4J94Q *2J@4Q J?9Q
-60 &* &** @ 4 2 2@ *97 &? ?&4 &&* 7*J79Q FJ&9Q 4J94Q
0 2* &?7 & F 2F @ 4@ 2&2 **9 ?&J7*Q &?J ?Q 9J7*Q
H' $% - %- 7 24& 2 F * ?F9 & F & & & F*& F@J& Q *9J?@Q &J&*Q
- %' &7 474 *&7 2 FFF 79 ** &4& *9 74J@?Q 2J9*Q FJ9FQ
# # &2 7&F ??9 4 @*? &4& *9 ?F2 9&& 79J?9Q @J*9Q 4JF Q
8 -# $ ' 7 @&? *97 7&* F@ 9 ?49 2?? 7*J92Q FJ@FQ J@FQ
8 -# %#-$% ! G! * 74 F7& F *2* 994 *? 4&7 F7F 7*J 9Q FJ@9Q FJ72Q
, @ /1# 40 632 41 1#0 013 3/4 4 0 6 4 4/5## 3564 ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

Quanto à despesa, os gastos com pessoal corresponderam a mais de 141 milhões de

euros num total de mais de 380 milhões de euros a que correspondeu a totalidade da

despesa corrente nos municípios algarvios, traduzindo-se em mais sete milhões em des-

pesas com pessoal em relação ao ano anterior. O valor total gasto pelos municípios em

aquisição de bens e serviços continuou a ser superior a gastos com pessoal, neste caso

em cerca de 27 milhões de euros. Em relação aos encargos financeiros, o valor total

esteve perto dos dez milhões de euros, uma subida em cerca de dois milhões face ao ano

anterior (Apêndice 110).

No total dos municípios, as despesas com pessoal ultrapassaram ligeiramente os 37% do

valor total das despesas correntes, valor inferior ao do ano anterior. Neste ano, destaque

para o facto de dez municípios terem tido menos gastos com pessoal em relação à tota-

lidade das outras despesas correntes. Monchique manteve-se na mesma linha dos anos

anteriores, continuando a ser o município que mais gastou com pessoal, em termos per-

9&
&$' (
%' #$ %

centuais, com mais de 61%; pelo contrário, Portimão foi quem teve, percentualmente,

menos despesas com pessoal (cerca de 30%).

Albufeira e Lagoa foram os municípios que mais gastaram em aquisição de bens e ser-

viços, com mais de 55% do total da despesa neste grupo. Os encargos financeiros, as

transferências correntes e as outras despesas correntes tiveram um peso pouco significa-

tivo no total das despesas, com menos de 19%. Ainda assim, cerca de 21% das despesas

correntes de Portimão foram relativas ao grupo das outras despesas correntes (Apêndice

111).

Em relação às despesas de capital, estas ultrapassaram os 202 milhões de euros, mais

dois milhões do que em 2007, sendo as despesas de investimento de mais de 161

milhões de euros, menos seis milhões face ao ano anterior. Destas, continuou a ser em

comunicações e transportes que, no total, os municípios mais investiram, com mais de

36 milhões de euros investidos (Apêndice 112). O investimento em habitação teve um

peso pouco significativo no total dos municípios, com pouco mais de sete milhões de

euros gastos.

Em equipamento escolar e social foi Monchique quem, percentualmente, mais investiu,

correspondendo a quase 23%, tal como tinha sucedido no ano anterior. Alcoutim conti-

nuou o reforço do grupo de água e saneamento, tendo sido quem mais investiu, o que

equivaleu a quase 59% das suas despesas de investimento; em comunicações e transpor-

tes foi, uma vez mais, Vila do Bispo quem mais investiu, com mais de 62% das despe-

sas de investimento neste grupo (Apêndice 113).

Em instalações desportivas e de lazer foi, de novo, para S. Brás de Alportel que este

grupo teve mais importância no total do investimento, com mais de 46%. No grupo

9*
&$' (
%' #$ %

outros edifícios, Portimão investiu mais de 41% das suas despesas de investimento, ao

passo que em equipamento e software informático foi Silves para quem este agrupa-

mento teve mais relevância, com quase 16%.

O grupo outros investimentos teve, no total, um peso superior a 20%, sendo que Faro

tem aqui o seu maior investimento, com mais de 33%. O investimento ocupou, no total

dos municípios, quase 80% das despesas de capital, valor um pouco inferior ao do ano

anterior. Monchique foi o município para quem as despesas de investimento menos peso

tiveram, com cerca de 58%. As transferências de capital, os ativos e os passivos finan-

ceiros e as outras despesas de capital tiveram um peso pouco significativo no total das

despesas de capital na maioria dos municípios. Ainda assim, as transferências represen-

taram, para VRSA, mais de 30% das despesas de capital (Apêndice 114).

Em relação ao serviço da dívida, e face ao ano anterior, esta subiu cerca de dois milhões

de euros, tendo representado, no total dos municípios e face às despesas totais, um pou-

co mais de quatro por cento, com um valor que ultrapassou os 24 milhões de euros. Foi

para Monchique que o serviço da dívida teve maior peso, representando mais de 13% do

total das despesas efetuadas. Pelo contrário, foi para Vila do Bispo para quem o serviço

da dívida menos representou, com menos de um ponto percentual (Apêndice 115).

No que se refere ao total das despesas, os municípios gastaram, no seu conjunto, quase

583 milhões de euros, ou seja, mais 93 milhões do que em 2007, sendo que se manteve

o facto de que a despesa realizada pelo conjunto dos quatro municípios que mais despe-

sa efetuaram é superior a 50% do total da despesa em todos os municípios. O total das

despesas é apresentado na tabela seguinte:

92
&$' (
%' #$ %

3 4 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' $%' %'#' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' $%' %'#'J +! "= J #! $% &997

> $ - ?8-,. ( ( (
* =
-(+<% # F9 @ &@@J&9 & *9& 794 7 2&& 92 ?*J72Q &FJ FQ *J@?Q
-" + 2 ?9 944J2& 4 7 4 9* 9 4 F 47 22J?9Q 44J*9Q J79Q
-)%3+ ? 2? @F4J4 4 ?** 72 & 77 79F 44J2@Q 22J4 Q &J& Q
#' # 7 29 * J ? @ *?2 727 ? ??4 @?@ 2?J&FQ 4&J?2Q *J94Q
:# &4 7?F 7&&J4* 2@ 2F9 *? 9&F &7& F@J7@Q *9J Q FJ*4Q
#1 # &4 *7* &24J&? & 4*@ *?9 *? @&& F 4 FFJ@*Q **J9?Q FJ4 Q
#1 ' *? 92@ & ?J 7 4 @ F?@ 4& &29 7@F ?9J@&Q &@J97Q 7J@?Q
+-R F? 949 &&J7& *7 @ * 274 94 @F* F97 F*J&7Q *FJ?&Q 7J @Q
!"6 ,+% 2 ?FF &27J?@ 2 47* F?2 @ *2@ @&& 49J@7Q 2@J9&Q JF9Q
-60 @ 4@7 9&4J@@ 7 **4 *@ &? @** 2 ? ?9J FQ &@J72Q 2J?@Q
0 *@ *FF &&2J** &9 F 47* 4@ 4&? 79? FFJ *Q **J7?Q 9J&&Q
H' $% - %- ? 77 @@ J72 4 &?& @92 * 42 7@F 4@J@&Q 29J97Q &J&FQ
- %' &* 4?4 ?97J7F @ F2? *44 ** &&* 9F2 ?9J@FQ &@J92Q 4J?9Q
# # 7 29? @F9J27 4 ?? 9&4 ** 472 @7F 42J7 Q 24J @Q 4J?FQ
8 -# $ ' 7 4& 2?J&@ 2 &29 FF@ & *@& 7 F F4J?7Q *2J&&Q &J *Q
8 -# %#-$% ! G! && 7F& 249J4@ 2@ ** *? ??* 47* F9J4&Q *@J27Q FJ27Q
, @ 24' 220 1 65#6 #'# 23' 2#25'4 34# 140 0/'523 135#6 2/562 ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

Da análise da tabela anterior observa-se que, tal como tem sucedido nos anos anteriores,

as despesas de capital, em relação às correntes, representaram um peso menor: em 2008

as despesas de capital foram de quase de 35% em relação ao total da despesa. Alcoutim

e Castro Marim foram os municípios em que esta tendência não se verificou, com as

despesas de capital a representaram uma percentagem superior em relação às correntes

com valores acima dos 52%.

5.1.10. Ano de 2009

As receitas correntes atingiram, em 2009, o valor de 423 milhões de euros, o que se

traduz numa diminuição face a 2008 em cerca de 39 milhões. As receitas próprias dimi-

nuíram também face ao ano anterior, tendo-se ficado por pouco mais de 326 milhões de

euros, um valor inferior em cerca de 56 milhões. Os impostos diretos pouco ultrapassa-

ram os 213,5 milhões de euros, registando também uma quebra acentuada face ao ano

anterior em cerca de 41,5 milhões. As transferências do OE atingiram quase os 66

94
&$' (
%' #$ %

milhões de euros, um valor muito semelhante ao do ano anterior, correspondendo à

grande maioria das transferências correntes efetuadas (mais de 65%). Do FEF os muni-

cípios receberam quase 44 milhões de euros, cerca de dois milhões a menos do que no

ano anterior. Dos restantes fundos do OE, cerca de 14,5 milhões foram relativos à parti-

cipação no IRS e pouco mais de sete milhões do FSM, valores muito idênticos aos do

ano anterior (Apêndice 116).

No que se refere ao peso individual dos fundos do OE, o FEF representou, no total dos

municípios, cerca de 67% do total das transferências do OE. Alcoutim e Monchique

continuam a ser os municípios em que as transferências do OE representaram a maior

fatia das receitas correntes, com cerca de 81% e 64%, respetivamente. No total dos

municípios, as verbas do OE representam mais de 15,5% das receitas correntes, ligeira-

mente acima do ano anterior (Apêndice 117).

Relativamente ao peso por município de cada tipo de receita própria no total das recei-

tas próprias, os impostos diretos continuam a ocupar a maior parcela das receitas pró-

prias na maioria dos municípios, com mais de 65% no total. Alcoutim e VRSA foram

novamente exceção neste aspeto, em que a venda de bens e serviços tiveram o maior

peso nas receitas próprias.

A venda de bens e serviços representou também uma parcela significativa no total das

receitas próprias, com um peso de mais de 21% no total dos municípios, sendo que em

Alcoutim correspondeu a quase 60%. No total dos municípios, as receitas próprias tive-

ram um peso de cerca de 77% no total das receitas correntes, cerca de seis pontos per-

centuais abaixo do ano anterior (Apêndice 118).

9F
&$' (
%' #$ %

Em relação às receitas de capital, estas corresponderam a quase 150 milhões de euros,

mais 64 milhões face às do ano anterior, tendo Loulé arrecadado um valor de quase 25

milhões de euros. Relativamente aos fundos recebidos do OE, Silves foi o município

que mais recebeu, com quase três milhões de euros, tendo a totalidade dos municípios

arrecadado cerca de 29 milhões de euros, valor ligeiramente inferior ao do ano anterior

(Apêndice 119).

Quanto às verbas comunitárias, foi VRSA quem mais recebeu, com quase três milhões

de euros. No total os municípios receberam pouco mais de milhões de euros relativa-

mente a financiamento europeu, cerca de dez milhões a menos em relação ao valor

recebido no ano anterior, o que representa, no total, pouco mais de 12% das receitas de

capital (Apêndice 120).

Relativamente ao peso no total das receitas de capital, as transferências do OE represen-

taram pouco mais de 19%, menos 16% face ao ano anterior, sendo que para Monchique

esse peso quase atingiu os 76%. A venda de bens de investimento teve para o conjunto

dos municípios um peso pouco significativo, ainda que, para Tavira, esta rubrica tenha

representado quase 1/3 no total das receitas de capital. Os fundos comunitários repre-

sentaram mais de 40% das receitas de capital de Vila do Bispo, ao passo que os passivos

financeiros corresponderam à maioria do total das receitas de capital dos municípios

algarvios, com um peso superior a 55%, mais do dobro do ano anterior. Albufeira foi o

município para quem mais importância tiveram os passivos financeiros, com mais de

82% do valor relativo às receitas de capital.

O total das receitas próprias no total dos municípios pouco ultrapassou os 336 milhões

de euros, um decréscimo de cerca de 50 milhões em relação ao ano anterior, represen-

tando menos de 59% do total das receitas. Pouco mais de 233 milhões de euros foram

9?
&$' (
%' #$ %

relativos a receitas fiscais, traduzindo-se em menos de 48 milhões do que em 2008,

representando, ainda assim, a grande maioria das receitas próprias. No município de

Lagoa estas representaram quase 80% do total das receitas; Alcoutim manteve-se como

o município menos independente financeiramente, com menos de nove por cento de

receitas próprias (Apêndice 121).

No que se refere ao total das receitas nos dezasseis municípios, o valor em 2009 ultra-

passou os 573 milhões de euros, mais 24 milhões face ao ano anterior. A tabela seguinte

sintetiza alguns desses valores:

3 0 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' %"% #' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' %"% #'J +! "= J #! $% &99@

; + ; ;
+
> $ - ?8-,. ( ( (
* =
-(+<% # F* 7*4 79@ 2 7@@ 77 ?7 ?*4 F@9 7 J97Q 7J@&Q *J?2Q
-" + 2 ?9 &2F * 4*F 4 & 7 &*? ?47 4?J9?Q 2&J@*Q J22Q
-)%3+ ? F&2 F2@ & @49 2 9 4?2 ?F* ?&J 9Q &?J@9Q J72Q
#' # 7 44* 97? 4 *F7 @@ * @&& 9?7 F J22Q *7J4FQ &J2*Q
:# *& 972 &** 9?4 F4* 2* 4@ 77F ?2J*2Q &4JFFQ ?J4*Q
#1 # &4 797 4@F & &@& *99 &7 99 7@F @ J72Q 7J FQ 2J@9Q
#1 ' *F &7& ?@4 @ @2& 7&& 2F &&4 F ? ?7J2@Q & J4 Q 7J9FQ
+-R 7* 74& 79@ &2 74? @7& 97 ? 9 ?@ ??J *Q &&J7?Q 7J@?Q
!"6 ,+% F 49 7F * 2F4 7&4 @ @F? 9 & F4J&*Q *2J??Q J?2Q
-60 &2 2?9 @FF 7 4@@ @F? ** 9?9 @** ?2J99Q &FJ99Q 4J??Q
0 2 ?& 2* 4 & 2 &&4 4F *7F *F7 ?*J9&Q &FJ@7Q @J72Q
H' $% - %- 7 7&4 7F& & 7@4 @7@ ?& 74 ?4J&@Q &2J? Q &J94Q
- %' *9 ??2 F2@ @ &9? F?& 2@ @7& *&9 F J4?Q *7J2*Q 7J?&Q
# # &* *24 424 9 77* 7 2 *2 &&@ *4@ F7J&9Q * J79Q 4J@?Q
8 -# $ ' ? * 4 *&F * ?&* 9* 9*7 *4? FFJ&?Q **J?*Q J@*Q
8 -# %#-$% ! G! 7 42F 2@? 9 4F& *&? &@ 97 7&2 F*J? Q *FJ&@Q 4J97Q
, @ /#2 103 204 /0 /66 '3 362 6# 3'2 6250# #15'4 ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

Constata-se que, nos quatro municípios com mais receita Silves ocupou o lugar de

Lagos, ao passo que Faro teve, em 2009, menos receitas do que Lagos e Silves. No seu

conjunto, mais de 51% do total da receita foi efetuada por apenas quatro municípios. As

receitas correntes ocuparam quase 74% do total das receitas, sendo que para todos os

97
&$' (
%' #$ %

municípios as receitas correntes representaram o maior peso face às de capital. No caso

de Lagoa, essa percentagem é de quase 92%.

Quanto à despesa, os gastos com pessoal ascenderam a 162 milhões de euros num total

de quase 385 milhões de euros, valor a que correspondeu a totalidade da despesa corren-

te nos municípios algarvios, traduzindo-se em mais 21 milhões em despesas com pes-

soal em relação ao ano anterior. O valor total gasto pelos municípios em pessoal voltou

a ser superior ao valor gasto em aquisição de bens e serviços, o que já não acontecia

desde 2005. Em relação aos encargos financeiros, o valor total pouco ultrapassou os

nove milhões de euros, um valor idêntico ao ano anterior (Apêndice 122).

No total dos municípios, as despesas com pessoal ultrapassaram ligeiramente os 42% do

valor total das despesas correntes, mais cinco pontos percentuais face ao ano anterior.

Destaque para o facto de, em 2009, apenas cinco municípios terem tido menos gastos

com pessoal do que em aquisição de bens e serviços. Monchique manteve a mesma ten-

dência dos anos anteriores, continuando a ser o município que mais gastou com pessoal,

em termos percentuais, com quase 69%; pelo contrário, Portimão foi quem teve, percen-

tualmente, menos despesas com pessoal, tal como tinha acontecido em 2008 (pouco

mais de 34%).

Lagoa e Castro Marim foram os municípios que mais gastaram em aquisição de bens e

serviços, com cerca de 55% do total da despesa neste grupo. Os encargos financeiros, as

transferências correntes e as outras despesas correntes tiveram um peso relativamente

reduzido no total das despesas, com pouco mais de 17%. Ainda assim, mais de 15% das

despesas de Aljezur foram relativas a transferências, bem como cerca de 16% das des-

pesas de Portimão foram referentes ao grupo das outras despesas correntes (Apêndice

123).

9@
&$' (
%' #$ %

Em relação às despesas de capital, estas ultrapassaram ligeiramente os 212 milhões de

euros, mais dez milhões do que em 2008, sendo as despesas de investimento de quase

175 milhões de euros, mais 14 milhões face ao ano anterior. Destas, continuou a ser em

comunicações e transportes que, no total, os municípios mais investiram, com mais de

50 milhões de euros investidos, correspondendo ao maior investimento nos últimos anos

(Apêndice 124). O investimento em habitação teve um peso pouco significativo no total

dos municípios, com menos de oito milhões de euros gastos, sendo que a maioria deste

investimento pertenceu a Lagos, com mais de 3,5 milhões.

Em equipamento escolar e social a despesa, em 2009, esteve essencialmente relaciona-

da, na generalidade dos municípios algarvios, com as escolas. Foi Olhão quem, percen-

tualmente, mais investiu neste grupo, correspondendo a mais de 48% do seu investi-

mento. Loulé foi quem mais investiu em água e saneamento, o que equivaleu a mais de

43% das suas despesas de investimento; em comunicações e transportes foram os muni-

cípios de S. Brás de Alportel e Vila do Bispo quem mais investiu, com cerca de 57%

das despesas de investimento neste grupo (Apêndice 125).

Em instalações desportivas e de lazer foi para Lagoa que este grupo teve mais impor-

tância no total do investimento, com mais de 36%. Nos grupos outros edifícios e equi-

pamento e software informático, Portimão foi novamente quem mais investiu, com qua-

se 19% das suas despesas de investimento em edifícios, ao passo que em equipamento e

software informático esse valor ultrapassou os 31%. O grupo outros investimentos teve,

no total, um peso de quase 18%, sendo que Silves tem aqui o seu maior investimento,

com mais de 50%.

O investimento ocupou, no total dos municípios, mais de 82% das despesas de capital,

valor um pouco superior ao do ano anterior. Monchique foi novamente o município para

9
&$' (
%' #$ %

quem as despesas de investimento menos peso tiveram, com menos de 53%. As transfe-

rências de capital, os ativos e os passivos financeiros e as outras despesas de capital

tiveram um peso pouco significativo no total das despesas de capital na maioria dos

municípios (cerca de 17%). Ainda assim, as transferências representaram, para Porti-

mão, quase 28% das despesas de capital. Quanto aos passivos financeiros, estes signifi-

caram para Monchique quase 27% do seu investimento (Apêndice 126).

Em relação ao serviço da dívida, e face ao ano anterior, esta não sofreu grandes altera-

ções, tendo representado, no total dos municípios e face às despesas totais, um pouco

mais de quatro por cento, com um valor de quase 25 milhões de euros. Foi para Mon-

chique que o serviço da dívida teve novamente maior peso, representando quase 15% do

total das despesas efetuadas. Pelo contrário, Vila do Bispo mantém-se como sendo o

município para quem o serviço da dívida menos representou, com menos de um ponto

percentual (Apêndice 127).

No que se refere ao total das despesas, os municípios gastaram, no seu conjunto, mais

de 597 milhões de euros, o que significa mais 14 milhões do que em 2008. À semelhan-

ça do que tem acontecido nos anos anteriores, a despesa realizada pelo conjunto dos

quatro municípios que mais despesa efetuaram é superior ao total da despesa realizada

nos restantes municípios.

Constata-se que mais de 54% da despesa foi realizada pelos municípios de Loulé, Albu-

feira, Portimão e Silves. Verifica-se também que as despesas de capital em relação às

correntes representaram, no total, cerca de 35,5% em relação ao total da despesa, tendo

as despesas de capital tido, em todos os municípios, um peso menor em relação às cor-

rentes, na sequência do que tem sucedido nos anos anteriores. A tabela seguinte apre-

senta o panorama geral da despesa em 2009 de todos os municípios:


&$' (
%' #$ %

3 #' 8#- %' K% %+ 'L% %' K% % "%! #1% L$#' $%' %'#' " %! %' % $%
"# #-! #-$#' $%' %'#'J +! "= J #! $% &99@

+
> $ - ?8-,. ( ( (
* =

-(+<% # 4F & 2 297J*4 *7 *@* 74? @2 F97 &F4 4@J2&Q 29J47Q 4J74Q
-" + 4 9*9 * 9J*9 * F*F &2@ 7 FFF 4F9 47J92Q 2 J@FQ J24Q
-)%3+ ? *F? F2*J F * &*7 FFF 9 F9F *9@ F@J2FQ *9J42Q J?7Q
#' # 7 @7? 77FJ? * 22 &77 & 2&@ ?4 ?&J* Q &?JF@Q &J97Q
:# &F 2&7 99*J7 4 4F2 @&4 2 @@& @&@ F&J@*Q *?J9?Q ?J9*Q
#1 # F *47 F2JF@ ? ?& @@@ &2 979 F2 F?J@*Q *&J9?Q 2J9*Q
#1 ' *9 ?@ 94FJ&F F &2? F? 2? 9*7 &&2 F4J2FQ *2J42Q ?J77Q
+-R ?9 *72 & 7J*2 4* F@* &** &2 9?? 24 4FJ?*Q 2*J&?Q &9J?7Q
!"6 ,+% 4 92 ?? JF2 2 7?2 422 @ @?@ * F 4 J 4Q 27J74Q JF?Q
-60 && *F4 7&?J@@ 9 4F * 2 *& @&? 2& F?J@*Q *&J9?Q 4J4 Q
0 24 *44 9F J2@ 9@9 @?4 4F 22F 9*F 79J*4Q @JF4Q @J24Q
H' $% - %- 7 FF9 29 J@@ * 44* 792 & & 2 &9F ?9J@9Q &@J 9Q &J94Q
- %' *2 *2F 474J @ * 7@2 ?9 27 &2 &7F ? J&9Q &7J79Q 7J97Q
# # @ *7@ 7F?J 9 * F2@ *4 ** 9*@ 99& 47JF@Q 2 J* Q 4J4*Q
8 -# $ ' ? *@2 9F&J @ 2 @9 ?9 472 ?F* F*J7*Q *FJ ?Q J@2Q
8 -# %#-$% ! G! &9 FF7 @&7J 9 7 24F 2?* &@ &4 29& ?9J@?Q &@J9*Q 2J77Q
, @ 24/ 4/6 0652 # # #'0 '2 5#1 306 '31 ##4536 1/5/1 2353/ ''5''

J &9 $ % "H-"+- ' G '

5.2. Evolução geral da receita

Tendo em conta a totalidade dos municípios, foi no ano de 2007 que estes conseguiram

o maior volume de receitas, arrecadando mais de 580 milhões de euros; pelo contrário,

em 2000, o valor de receitas não atingiu sequer os 304 milhões (Apêndice 128). Do total

da receita arrecadada, só os municípios de Loulé, Albufeira, Portimão e Lagos conse-

guiram receber quase 49% do total da receita de todos os municípios, o que traduz as

enormes disparidades existentes entre o valor total das fontes de receita entre cada um

deles.

Em termos de evolução, os municípios conseguiram, no conjunto, arrecadar sempre

mais receitas face ao ano anterior, à exceção do ano de 2008, em que perderam mais de

31 milhões de euros, uma diminuição superior a 5,5%. Pelo contrário, foi precisamente

em 2007 que conseguiram o maior volume de receitas comparativamente com as do ano

&
&$' (
%' #$ %

anterior, o que se traduziu em quase 79 milhões de euros para os cofres dos municípios

algarvios, um aumento de mais de 13,5%. Apesar deste aumento, foi em 2001 que se

deu a maior evolução nas receitas, tendo os municípios recebido quase mais 16% em

relação a 2000 (Apêndices 129 e 130).

Relativamente à variação ocorrida por município ao longo do período em estudo, Loulé

teve um aumento das suas receitas em quase 65 milhões de euros. Apesar deste aumen-

to, foi Silves que, percentualmente, teve a maior evolução de receitas, com mais de

10,5%, um valor superior a 32 milhões de euros. Monchique, pelo contrário, perdeu

quase 633 mil euros, tendo sido o único município que perdeu receitas. O total dos

municípios teve um acréscimo de quase 270 milhões de euros, um aumento de quase

seis pontos percentuais.

5.2.1. Evolução das receitas próprias

À semelhança do que aconteceu com o total das receitas, foi também no ano de 2007

que o conjunto dos municípios conseguiu o maior volume de receitas próprias, arreca-

dando mais de 410 milhões de euros; pelo contrário, no primeiro ano a que se refere esta

análise, o valor de receitas pouco passou dos 170 milhões (Apêndice 131). Verifica-se

também que os quatro municípios com maior volume de receitas são também aqueles

que mais têm independência financeira. Quer isto dizer que Loulé, com quase 627

milhões de euros e cerca de 22% do total das receitas próprias é que detém o maior

número, seguindo-se-lhe Albufeira, Lagos e depois Portimão. Registe-se também o fac-

to de que a capital de distrito obteve ainda menos receitas próprias do que Lagoa, com

pouco mais de 7% no total das receitas dos municípios.

*
&$' (
%' #$ %

Os quatro municípios com mais receitas conseguiram receber mais de 57% do total das

receitas próprias obtidas em todos os municípios, o que revela uma grande fragilidade

em muitos municípios algarvios, sobretudo os do interior, com uma grande incapacida-

de de gerar receitas próprias. Alcoutim é o município em que esta situação se verifica de

forma mais evidente, apenas conseguindo, ao longo dos dez anos, pouco mais de oito

milhões de euros de receitas próprias.

Em termos de evolução, os municípios conseguiram, no conjunto, arrecadar quase sem-

pre mais receitas em relação ao ano anterior. As exceções ocorreram com as receitas dos

últimos anos deste estudo (2008 e 2009), em que os municípios perderam mais de 23 e

50 milhões de euros de receitas próprias, decréscimos na ordem dos seis e catorze por

cento, respetivamente. Pelo contrário, foi também em 2007 que conseguiram o maior

volume de receitas comparativamente com as do ano anterior, o que se traduziu em mais

de 70 milhões de euros, um aumento de mais de 17%. Apesar deste aumento, foi em

2004 que se deu a maior evolução nas receitas, tendo os municípios recebido mais de

18% em relação ao ano anterior (Apêndices 132 e 133).

Relativamente à variação ocorrida por município ao longo do período em estudo, Loulé

teve um aumento das suas receitas em mais de 40 milhões de euros. Apesar deste

aumento, foi Aljezur que, percentualmente, teve a maior evolução de receitas, com qua-

se 8,5%, cerca de 2,6 milhões de euros. Todos os municípios tiveram uma evolução

positiva das suas receitas próprias, excetuando Monchique, que perdeu mais de 150 mil

euros de receitas próprias ao longo de dez anos. O total dos municípios teve um acrés-

cimo de quase 166 milhões de euros, um aumento de quase seis pontos percentuais, tal

como aconteceu com as receitas totais.

2
&$' (
%' #$ %

No que se refere ao peso que as receitas próprias tiveram no total das receitas, verifica-

se que, em termos médios ao longo dos dez anos, foi para Lagoa, Loulé, Albufeira e

Lagos que este tipo de receitas teve mais relevância, com um peso de cerca de 75%.

Pelo contrário, para Alcoutim e Monchique as receitas próprias tiveram um peso muito

diminuto, não chegando sequer aos 20%, sendo que no caso de Alcoutim pouco passou

dos 10% (Apêndice 134). No total dos municípios e do período em análise, o peso total

foi, em média, de cerca de 62,5%, tendo sido em 2001 e 2003 que essa importância foi

menor e maior, com cerca de 50% e 80%, respetivamente.

5.2.2. Evolução e importância dos impostos sobre o património

Do conjunto das receitas próprias fazem parte aquelas que incidem sobre o património,

e que se traduzem, regra geral, no conjunto dos impostos diretos, à exceção da derrama.

Trata-se, portanto, do IMI, do IMT e também do IUC, acerca dos quais já se tinha fala-

do diversas vezes ao longo deste trabalho. Também já se tinha abordado a sua impor-

tância no total das receitas próprias dos municípios, sendo que agora vão ser analisadas

com mais algum pormenor.

À semelhança do que aconteceu com as receitas próprias, foi também em 2007 que o

conjunto dos municípios conseguiu o maior volume de receitas sobre o património,

arrecadando mais de 175 milhões de euros. Tendo em conta que tem existido uma certa

tendência para o aumento deste tipo de receitas ao longo dos anos, 2000 foi o ano em

que esse valor foi menor, com menos de 105 milhões recebidos pelos municípios.

Verifica-se também que, em termos gerais, os quatro municípios com maior volume de

receitas são também aqueles que mais têm este tipo de receitas. Quer isto dizer que Lou-

lé, com mais de 457 milhões de euros e cerca de 27% do total de receitas sobre o patri-

4
&$' (
%' #$ %

mónio é que detém o maior número, seguindo-se-lhe Albufeira, Portimão e Lagos. O

conjunto destes quatro municípios detém quase 63% do total deste tipo de receitas, o

que demonstra claramente a sua distribuição assimétrica pelos restantes municípios.

Alcoutim é novamente o município em que esta situação se verifica de forma mais evi-

dente, apenas conseguindo, ao longo dos dez anos, pouco mais de 2,3 milhões de euros

de receitas sobre o património (Apêndice 135).

Em termos de evolução, os municípios conseguiram, no conjunto, arrecadar quase sem-

pre mais receitas em relação ao ano anterior, à exceção de 2004, 2008 e 2009, em que

os municípios perderam mais de 24, 28 e 41 milhões de euros de receitas próprias, res-

petivamente. Pelo contrário, foi em 2007 que conseguiram o maior volume de receitas

comparativamente com as do ano anterior, o que se traduziu em quase de 73 milhões de

euros, um aumento de mais de 26%. Apesar deste aumento, foi em 2005 que se deu a

maior evolução nas receitas em termos percentuais, tendo os municípios recebido mais

de 30% em relação ao ano anterior (Apêndices 136 e 137).

Relativamente à variação ocorrida por município ao longo do período em estudo, Loulé

teve um aumento das suas receitas em mais de 32 milhões de euros. Apesar deste

aumento, foi Aljezur que, percentualmente, teve a maior evolução de receitas, com mais

de nove por cento, cerca de 1,5 milhões de euros, valor muito significativo no conjunto

das poucas receitas que arrecada. Todos os municípios tiveram, ao longo dos anos, uma

evolução positiva das suas receitas incidentes sobre o património. O total dos municí-

pios teve um acréscimo de mais de 101 milhões de euros, um aumento de quase seis

pontos percentuais, tal como aconteceu com as receitas totais e com as receitas próprias.

No que se refere à importância das receitas sobre o património no total das receitas pró-

prias, verifica-se que, na maioria dos anos, o seu peso nos municípios é superior a 60%,

F
&$' (
%' #$ %

sendo que em 2004 esse peso foi de apenas 42% e em 2005 quase 52%. Em termos

médios, é para Loulé e Portimão que a importância é maior, com mais de 70% das suas

receitas próprias a dependerem dos impostos patrimoniais, sendo para Alcoutim, como

seria de esperar, que esse peso é mais insignificante. No total do período em análise, e

para o conjunto dos municípios, a importância dos impostos sobre o património no total

das receitas próprias é de cerca de 60% (Apêndice 138).

Efetuado o mesmo raciocínio para o total das receitas, constata-se que o grau de impor-

tância deste tipo de receitas é semelhante ao verificado anteriormente, apenas com uma

descida considerável de pontos percentuais: para Loulé e Portimão o peso é de cerca de

53% e 46%, respetivamente. Para Alcoutim, em termos médios ao longo dos dez anos,

esse peso não chega aos três por cento. No total dos municípios e para o período anali-

sado, é de mais de 1/3 o peso que os impostos sobre o património ocupam no total das

receitas (Apêndice 139).

5.2.3. Evolução das transferências do OE

Constata-se que foi em 2006 que o conjunto dos municípios conseguiu receber o valor

mais elevado das transferências do OE, arrecadando quase 99 milhões de euros, valor

muito semelhante ao de 2005; pelo contrário, 2001 correspondeu ao ano em que os

municípios receberam menos verbas, com pouco mais de 81 milhões de euros (Apêndi-

ce 140). Verifica-se também que foi para Loulé que mais verbas saíram do OE, com

mais de 104 milhões de euros, o que equivale a cerca de 11% do total dos municípios.

S. Brás de Alportel foi, dos municípios algarvios, quem menos recebeu do OE, não

atingindo os 34 milhões de euros, valor pouco abaixo do que foi recebido por Vila do

Bispo.

?
&$' (
%' #$ %

Relativamente à evolução verificada, registaram-se três anos em que os municípios

receberam menos do que no ano anterior, concretamente em 2001, 2007 e 2009, tendo

sido em 2007 que essa diminuição foi mais acentuada, correspondendo a um decréscimo

de 10% de receitas face a 2006, quase nove milhões de euros a menos. Refira-se tam-

bém que em 2006 as verbas recebidas foram as mesmas do ano anterior em todos os

municípios, com a exceção de Vila do Bispo, que recebeu mais 33.300 euros do que em

2005. Face à quebra de fundos do OE que se tinha verificado em 2001, 2002 foi o ano

em que os municípios receberam o valor mais elevado face ao ano anterior, o que signi-

fica quase 11 milhões de euros, um aumento superior a 11,5% (Apêndices 141 e 142).

No que se refere à variação ocorrida por município ao longo do período em estudo,

Alcoutim foi que teve um maior aumento das transferências do OE, com um acréscimo

de mais de quatro pontos percentuais, correspondendo a mais de 2,5 milhões de euros

recebidos. Verifica-se também que, ao longo deste período, houve um conjunto de seis

municípios que perderam verbas do OE. Trata-se de Lagoa, Vila Real de St.º António,

Faro, Albufeira, Tavira e Lagos, tendo, no seu conjunto, perdido quase 3,5 milhões de

euros. Lagoa foi quem perdeu mais receita do OE, que corresponde a mais de um

milhão de euros.

No conjunto dos municípios, estes tiveram um aumento das transferências do OE em

mais de 8,5 milhões de euros, o que corresponde a um acréscimo de quase 1%. Refira-

se ainda que foi apenas nos anos de 2002, 2004 e 2005 que todos os municípios tiveram

um aumento das verbas recebidas do OE face ao ano anterior, sendo que nos restantes

anos houve sempre municípios que perderam receitas.

No que se refere ao peso que os fundos do OE tiveram no total das receitas, verifica-se

que, quer nas receitas correntes, quer nas de capital, as transferências do OE represen-

7
&$' (
%' #$ %

tam uma parcela importante no total da receita dos municípios, sendo que, em média,

foram mais importantes as de capital, tendo representado quase 32% no total dos muni-

cípios e do período em análise, contra pouco mais de 17% no que se refere às correntes

(Apêndices 143 e 144).

Em termos médios ao longo dos dez anos, foi para Alcoutim, Monchique, Aljezur e S.

Brás que as transferências correntes do OE tiveram mais relevância, tendo tido no caso

se Alcoutim um peso de quase de 83%. Pelo contrário, foi para Lagos, Loulé, Albufeira

e Lagoa que as verbas recebidas do OE tiveram menos importância, não chegando

sequer aos 10%, no caso de Lagos. Verifica-se também que foi em 2007 e 2000 que

essa importância foi menor e maior, com cerca de 13% e 22%, respetivamente.

Quer isto dizer que os municípios de maior dimensão (em termos de número de habitan-

tes) conseguem arrecadar um maior número de receitas próprias, sendo estas de grande

importância no total das suas receitas. Pelo contrário, os municípios de menor dimensão

têm mais dificuldade em gerar receitas próprias, ficando altamente dependentes das

verbas que o Estado lhes transfere, através dos respetivos fundos do OE.

No que se refere às verbas de capital transferidas do OE, não se mantém a tendência

verificada com as transferências correntes, verificando-se algumas diferenças. Em ter-

mos médios ao longo dos dez anos, foi para Alcoutim, Vila do Bispo, Lagoa e Aljezur

que as transferências de capital do OE tiveram mais relevância, com um peso superior a

50% em todos os municípios. Pelo contrário, foi para VRSA, Faro e Portimão que as

verbas recebidas do OE tiveram menos importância, na casa dos 20%, aproximando-se

de 30% no caso de Portimão. Verifica-se também que foi em 2009 e 2000 que essa

importância foi menor e maior, com cerca de 20% e 43%, respetivamente.

@
&$' (
%' #$ %

5.2.4. Evolução dos fundos comunitários

As comparticipações comunitárias relativas a projetos do FEDER correspondem, como

já se tinha verificado, a uma parcela significativa nas receitas dos municípios. Deste

modo, verifica-se que foi em 2001 que o conjunto dos municípios conseguiu receber o

valor mais elevado das verbas do FEDER, arrecadando quase 47 milhões de euros; 2009

foi, pelo contrário, o ano em que os municípios receberam menos verbas, com pouco

mais de 18 milhões de euros (Apêndice 145).

Verifica-se também que foi VRSA que mais verba recebeu dos fundos comunitários,

com quase 34,5 milhões de euros, o que equivale a mais de 12% do total dos municí-

pios. Vila do Bispo foi, dos municípios algarvios, quem menos recebeu do FEDER,

pouco mais de nove milhões de euros, valor pouco abaixo do que foi recebido por

Lagoa. Relativamente à evolução verificada, constata-se que em quatro anos a totalida-

de dos municípios recebeu menos comparticipações do FEDER em relação ao ano ante-

rior: trata-se de 2002, 2005, 2008 e 2009, tendo sido em 2002 que o decréscimo foi mais

acentuado, com quase 22 milhões de euros a menos em relação ao ano anterior, o que

equivale a uma quebra de mais de 88%.

No que se refere à variação ocorrida por município ao longo do período em estudo,

Loulé foi quem teve um maior acréscimo do valor recebido de verbas comunitárias,

com um aumento de mais de 1,2 milhões de euros recebidos. Percentualmente, o maior

aumento verificou-se em Vila do Bispo, com uma evolução positiva de quase 12% desta

fonte de receita (Apêndices 146 e 147).

Refira-se também, ao longo deste período, houve um conjunto de sete municípios que

perderam verbas comunitárias: trata-se de Albufeira, S. Brás de Alportel, Silves, Alje-

&9
&$' (
%' #$ %

zur, Faro, VRSA e Monchique, tendo, no seu conjunto, perdido mais de 11 milhões de

euros. Albufeira foi quem perdeu mais receitas, quase quatro milhões de euros, a que

corresponde uma diminuição de mais de 15%. No conjunto dos municípios, estes perde-

ram, ao longo deste período, mais de cinco milhões de euros, o que corresponde a um

decréscimo de verbas comunitárias de quase 2%.

5.2.5. Evolução dos passivos financeiros

Com a diminuição das receitas dos municípios, nomeadamente das receitas próprias, o

recurso ao crédito é uma das alternativas para fazer face à despesa que têm de realizar,

no âmbito das suas atribuições e competências. Deste modo, procedendo à análise da

evolução dos passivos financeiros nos municípios algarvios, verifica-se que foi em 2009

que mais recorreram ao financiamento como forma de obtenção de receita, financiando-

se em quase 82,5 milhões de euros; 2006 foi, pelo contrário, o ano em que os municí-

pios menos receberam, com pouco mais de dez milhões de euros.

Verifica-se também que foi Faro que mais se financiou junto da banca, com mais de 49

milhões de euros, o que equivale a cerca de 16% do total dos municípios. Seguiu-se-

lhes Loulé, Portimão e Albufeira, representando, no seu conjunto, mais de 55% do total

do recurso ao crédito nos municípios. No sentido inverso esteve Vila do Bispo, com

menos de 1,5 milhões de euros de financiamento (Apêndice 148).

Relativamente à evolução verificada, constata-se que em quatro anos consecutivos ocor-

reu uma variação negativa, ou seja, de 2003 a 2006 os municípios recorreram continua-

mente menos ao crédito, tendo sido em 2003 que o decréscimo foi mais acentuado, com

quase 14 milhões de euros a menos em relação a 2002. No que se refere à variação

ocorrida por município ao longo do período em estudo, foi em Loulé que ocorreu a

&
&$' (
%' #$ %

maior evolução, com um aumento de quase 18 milhões de euros recebidos. Percentual-

mente, o maior aumento verificou-se em Silves, com uma evolução superior a 66% des-

ta fonte de receita (Apêndice 149).

Refira-se também, ao longo deste período, houve um conjunto de cinco municípios que

diminuíram o seu recurso ao crédito: tratou-se de Monchique, Tavira, Lagoa, Alcoutim

e Aljezur, tendo, no seu conjunto, diminuído o recurso a esta fonte de receita em cerca

de dez milhões de euros. Apesar da diminuição nalguns municípios, ainda assim, ao

longo do período em análise o total dos municípios aumentou o seu recurso ao crédito

em quase 61 milhões de euros, a que corresponde um aumento de mais de 20%.

5.3. Evolução geral da despesa

Observa-se que foi no ano de 2009, último ano deste estudo, que a totalidade dos muni-

cípios efetuou o maior volume de despesa, despendendo mais de 597 milhões de euros;

pelo contrário, em 2000, o valor da despesa pouco foi além dos 306 milhões. Do total da

despesa efetuada, um grupo de apenas quatro municípios (Loulé, Albufeira, Portimão e

Lagos) efetuou cerca de 49% do total da despesa de todos os municípios (Apêndice

150).

Uma vez que foi quem teve receitas menores, Alcoutim seguiu a mesma tendência para

a despesa, tendo sido o município que menos despesa efetuou ao longo dos dez anos,

com pouco mais de 79 milhões de euros gastos. Isto significa que os quatro municípios

que mais receitas obtêm são também aqueles que mais gastam, o mesmo se passando

com os que menos receitas arrecadam.

Em termos de evolução, os municípios, no seu conjunto, gastaram sempre mais do que

no ano anterior. O único ano em que tal não aconteceu foi em 2006, em que despende-

&&
&$' (
%' #$ %

ram menos cerca de oito milhões de euros, uma redução em cerca de 1,5%. Pelo contrá-

rio, e tal como aconteceu com a receita, foi em 2007 que efetuaram mais despesa com-

parativamente com o ano anterior, o que se traduziu em quase 65,5 milhões, um aumen-

to de quase 12%. Apesar deste aumento, foi em 2001 que se deu a maior evolução na

despesa, tendo os municípios gasto mais de 17% em relação a 2000 (Apêndices 151 e

152).

Relativamente à variação ocorrida por município ao longo do período em estudo, Loulé

teve um aumento da sua despesa em quase 80 milhões de euros. Apesar deste aumento,

foi Silves que, percentualmente, teve a maior evolução na despesa efetuada, com mais

de 10%, um valor superior a 30 milhões de euros. Monchique, pelo contrário, foi o úni-

co município que teve uma evolução negativa na despesa, tendo gasto quase 650 mil

euros a menos ao longo dos dez anos. O total dos municípios teve um acréscimo de

mais de 290,5 milhões de euros, um aumento de mais de seis pontos percentuais, ou

seja, superior à variação da receita.

5.3.1. Evolução das despesas com pessoal

Como já se tinha verificado anteriormente, este grupo de despesa é um dos mais signifi-

cativos na totalidade das despesas correntes dos municípios algarvios. Pode verificar-se,

para já, que em todos os anos houve um aumento das despesas com pessoal em relação

ao ano anterior, tendo em conta a totalidade dos municípios algarvios. Isto significa que

o último ano deste estudo foi o que mais gastos com pessoal teve, num total de mais de

162 milhões de euros, sendo 2000 o ano com menos despesas deste tipo, com menos de

81 milhões (Apêndice 153).

&*
&$' (
%' #$ %

Verifica-se também que os quatro municípios com mais gastos em pessoal são, por esta

ordem, Loulé, Albufeira, Faro e Portimão, ocupando, no total, quase 49,5% de todas as

despesas com pessoal. Alcoutim foi quem menos gastou com pessoal, tendo gasto quase

21 milhões de euros ao longo do período em análise, cerca de 10% da despesa efetuada

pelo município mais gastador.

Em termos da evolução verificada, 2009 foi o ano em que os municípios, no seu conjun-

to, gastaram mais face ao ano anterior, o que se traduz em quase 21 milhões de euros,

um aumento face a 2008 de quase 13%. Relativamente à variação ocorrida por municí-

pio ao longo do período em estudo, Loulé e Albufeira foram os municípios que tiveram

um maior aumento dos gastos com pessoal, ambos com mais de 12,5 milhões de euros.

Verifica-se também que foi Albufeira que, em termos percentuais, registou o maior

aumento neste tipo de despesa (Apêndices 154 e 155). Lagoa foi o único município que

conseguiu não aumentar os seus gastos com pessoal ao longo deste período, conseguin-

do gastar menos quase 800 mil euros, uma redução de cerca de 1,2 pontos percentuais.

No total dos municípios verificou-se um acréscimo de despesas com pessoal de mais de

81 milhões de euros, a que corresponde um aumento de quase 7%.

Os gastos com pessoal ocupam, como se viu, uma parcela significativa na totalidade das

despesas dos municípios algarvios. Após breve análise do Apêndice 156, constata-se

que, em todos os anos, as despesas com pessoal ocuparam entre 24,5% e 27% do total

das despesas dos municípios, sendo que 2001 e 2009 foram os anos em que este tipo de

despesas teve menor e maior peso, respetivamente, na despesa total.

Em termos médios, e no total do período em análise, verifica-se que é em Olhão que as

despesas com pessoal têm mais peso, com um valor superior a 30%. Pelo contrário, no

&2
&$' (
%' #$ %

município de Castro Marim esse peso não chega sequer aos 20%. No total dos municí-

pios, e no período temporal em estudo, os gastos com pessoal tiveram uma importância

de quase 26% no total da despesa realizada.

5.3.2. Evolução do serviço da dívida

Após análise do serviço da dívida nos municípios ao longo do período em análise,

observa-se que este foi sempre crescente ao longo dos anos. Em 2000 era de perto de

nove milhões de euros, quase triplicando o valor inicial, atingindo quase 25 milhões de

euros. Verifica-se também que, no total dos dez anos, o serviço da dívida, face ao total

dos municípios, é mais elevado em Faro, aproximando-se dos 16%, o que equivale a

cerca de 26,5 milhões de euros, seguindo Portimão muito de perto estes valores, sendo

Loulé e Tavira, por esta ordem, os terceiro e o quarto municípios com o serviço da dívi-

da mais elevado. Castro Marim encontra-se na base da tabela, com menos de 1,5

milhões de euros de serviço da dívida, a que corresponde menos de um ponto percentual

(Apêndice 157).

Em termos da evolução verificada, 2007 foi o ano em que os municípios, no seu conjun-

to, mais elevaram a sua despesa face ao ano anterior, o que se traduz em mais de quatro

milhões de euros, um aumento face a 2006 de quase 20%. Relativamente à variação

ocorrida por município ao longo do período em estudo, Faro foi o município que teve a

maior evolução do serviço da dívida, com um aumento superior a quatro milhões de

euros (Apêndice 158 e 159).

Foi a VRSA que correspondeu, em termos percentuais, o maior aumento ao longo dos

dez anos, com quase 25%. Com variações negativas no serviço da dívida registaram-se

três municípios - Vila do Bispo, Monchique e Lagoa -, sendo que foi Vila do Bispo que

&4
&$' (
%' #$ %

mais conseguiu reduzir o seu valor, equivalendo a mais de 7%. No total dos municípios

e ao longo do período analisado verificou-se um acréscimo de quase 16 milhões de

euros, a que corresponde um aumento superior a 9,5%.

5.3.3. Evolução do investimento

Observa-se que, após análise do investimento efetuado pelos municípios ao longo do

período analisado, 2005 foi o ano em que mais investimento foi efetuado, num valor

superior a 176 milhões de euros. Pelo contrário, em 2000 foi efetuado o menor volume

de despesa, não atingindo 118 milhões de euros. Verifica-se também que, no total dos

dez anos, o investimento, face ao total dos municípios, foi mais elevado em Loulé,

aproximando-se dos 17%, o que equivale a cerca de 250 milhões de euros.

Albufeira, Lagos e Portimão foram, por esta ordem, os outros municípios que mais

investimento efetuaram, sendo que, no seu conjunto, realizaram cerca de 46% do total

do investimento. Alcoutim, S. Brás de Alportel e Vila do Bispo encontram-se no final

da tabela, com cerca de 3,5 milhões de euros de investimento efetuado cada um deles, a

que correspondem pouco mais de dois pontos percentuais no total do investimento

(Apêndice 160).

Relativamente à variação ocorrida por município ao longo do período em estudo, Loulé

foi o município que teve a maior evolução, com um aumento de quase 34 milhões de

euros, a que equivale a cerca de 13,5% de mais investimento (Apêndices 161 e 162).

Com variações negativas nas despesas de investimento contam-se metade dos municí-

pios, a que corresponde uma diminuição de mais de 17 milhões de euros no investimen-

to. Portimão, Tavira, Monchique, VRSA, S. Brás de Alportel, Aljezur, Faro e Castro

Marim são esses municípios com perda de investimento, sendo Portimão o município

&F
&$' (
%' #$ %

onde essa diminuição foi mais elevada, com cerca de sete milhões de euros, a que cor-

respondem mais de 6% de perda de investimento. No total dos municípios e ao longo do

período analisado, apesar de ter ocorrido muita diminuição no investimento, ainda assim

verificou-se um acréscimo superior a 57 milhões de euros, a que corresponde um

aumento de quase 4%.

Procedendo a uma análise evolutiva das despesas de investimento, constata-se que a

maior variação, em termos percentuais, ocorreu em 2001, em que os municípios realiza-

ram mais de 20% deste tipo de despesa face a 2000. Verifica-se também que 2005 foi o

ano em que os municípios, no seu conjunto, mais despesa efetuaram em investimento

face ao ano anterior, o que se traduz em mais de 31 milhões de euros, um aumento face

a 2004 de mais de 17,5%. Pelo contrário, foi em 2002 e 2006 que se verificou a maior

diminuição no investimento no total dos municípios, superior a 20%, tendo sido em

2002 de mais de 25 milhões de euros e superior a 32 milhões em 2006. No que se refere

à eventual relação existente entre a receita arrecadada e o investimento efetuado, e de

forma a verificar se existiria algum tipo de relação linear entre estas duas variáveis, pro-

cedeu-se ao cálculo do coeficiente de correlação linear de Pearson. respetivo cálculo

é apresentado na tabela seguinte:

3# H-"+- $ " %< " %! % $% %! % # %"% # % ! %' %!

A -
-(+<% # 9J*F < #"#
-" + 9J?@ $% #$#
-)%3+ 9J?? $% #$#
#' # 9J2F < #"#
:# 9J24 < #"#
#1 # 9J?9 $% #$#
#1 ' 9J4@ $% #$#
+-R 9J@& < %
!"6 ,+% 9J74 < %
-60 9J77 < %
0 9J9@ =!< #
H' $% - %- 9J*@ < #"#
- %' 9J?2 $% #$#
# # 9J9& =!< #

&?
&$' (
%' #$ %

A -
8 -# $ ' 9JF& $% #$#
8 -# %#-$% ! G! 9J9 =!< #

7 +

Tendo em conta as receitas arrecadadas pelos municípios e o correspondente investi-

mento efetuado ao longo do período em estudo, pode observar-se, em todos os municí-

pios a existência de uma correlação linear positiva entre estas duas variáveis. Assim,

existirá uma forte relação entre a receita arrecadada e o investimento efetuado nos

municípios de Loulé, Olhão e Monchique, sendo que essa relação será mais forte em

Loulé. Quer isto dizer que quanto mais receita obtêm, mais investimento realizam. Em

Alcoutim, Aljezur, Silves, Lagoa, Vila do Bispo e Lagos essa relação não é tão eviden-

te, considerando-se apenas moderada. Nos restantes municípios existe uma relação

linear bastante mais ténue entre estas duas variáveis.

5.4. Breve resumo do capítulo

Em relação à receita arrecadada, só os municípios de Loulé, Albufeira, Portimão e

Lagos conseguiram receber quase 49% do total das receitas; destas, uma parte significa-

tiva são receitas próprias, sobretudo para Loulé, Albufeira, Lagos e Portimão, sendo os

municípios que detêm mais receitas próprias, com cerca de 57% do total das receitas

próprias obtidas em todos os municípios. Os municípios de menor dimensão, que têm

mais dificuldade em gerar receitas próprias, ficam altamente dependentes das verbas

que o Estado lhes transfere, através dos respetivos fundos do OE, tendo estes um grande

peso nas suas receitas.

Quanto à despesa, os municípios, no seu conjunto, gastaram sempre mais do que no ano

anterior, à exceção de 2006. A maior evolução na despesa ocorreu em 2001, tendo os

municípios gasto mais de 17% em relação a 2000. As despesas com pessoal correspon-

&7
&$' (
%' #$ %

dem à grande maioria das despesas correntes dos municípios, tendo aumentado de ano

para ano. Em relação às despesas de investimento, 2005 foi o ano em que mais investi-

mento foi efetuado, num valor superior a 176 milhões de euros. Pelo contrário, em 2000

foi efetuado o menor volume de despesa, não atingindo sequer 118 milhões de euros.

&@
& %
%' #$ %

CAPÍTULO VI: CONCLUSÕES

Em termos gerais da receita, foi no ano de 2007, ano de nova alteração da LFL, que os

municípios conseguiram arrecadar o maior volume de receitas; 2000, pelo contrário, foi

o ano em que o valor das receitas foi mais baixo. Quase metade da receita do total de

todos os municípios foi para os cofres das autarquias de Loulé, Albufeira, Portimão e

Lagos, o que traduz as enormes disparidades existentes entre o valor de receita entre

cada um deles.

No seu conjunto, os municípios conseguiram arrecadar sempre mais receita face ao ano

anterior, à exceção do ano de 2008, em que perderam mais de 31 milhões de euros. Lou-

lé foi o município que mais viu as suas receitas crescer, em termos absolutos, cabendo a

Silves a maior evolução de receitas, em termos percentuais. No sentido inverso esteve

Monchique, que perdeu quase 633 mil euros ao longo dos anos, tendo sido o único

município que perdeu receitas. Registe-se também que, em 2009, Silves está entre os

quatro municípios com mais receitas, tendo Lagos saído dessa posição.

Os quatro municípios com maior volume de receitas são também aqueles que mais têm

independência financeira. Ou seja, Loulé e Albufeira são os municípios com mais inde-

pendência financeira, seguindo-se-lhes Lagos e Portimão, cabendo-lhes mais de 57% do

total das receitas próprias obtidas em todos os municípios. Esta realidade revela uma

grande fragilidade em muitos municípios algarvios, sobretudo os do interior, que se vêm

confrontados com uma grande incapacidade de gerar receitas próprias, sendo Alcoutim

o município mais dependente de outras fontes de receita que não as que consegue gerar

no decorrer da sua atividade.

*9
& %
%' #$ %

A autonomia financeira dos municípios advém fundamentalmente, como se viu, de

receitas fiscais próprias, possibilitando-lhes uma menor dependência das verbas da

administração central. Caso os municípios dispusessem de uma efetiva autonomia fis-

cal, com o reforço da fiscalidade própria em detrimento das transferências do Estado,

este facto daria aos municípios maior independência financeira, diminuindo considera-

velmente o peso das transferências do Estado nas suas receitas. Tal facto poderia tam-

bém trazer consigo um maior grau de responsabilização em relação à despesa efetuada,

uma vez que os autarcas teriam que justificar aos seus munícipes a despesa realizada

face aos impostos que cobrariam na sua área de atuação.

Do conjunto das receitas próprias encontram-se os impostos sobre o património, que são

a principal fonte das receitas que os municípios de maior dimensão (população) conse-

guem gerar. Neste sentido, os municípios com mais receitas próprias são rigorosamente

os mesmos com um maior valor de receitas sobre o património, sendo que o conjunto

desses quatro municípios detém quase 63% do total deste tipo de receitas.

Não surpreende, por isso, que Alcoutim surja novamente como o município na parte

final da lista em termos de receitas sobre o património. Neste sentido, para Loulé e Por-

timão cerca de 70% das suas receitas próprias dependem dos impostos patrimoniais,

sendo para Alcoutim que esse peso é menos significativo. No total dos dez anos, e para

o conjunto dos municípios, a importância dos impostos sobre o património no total das

receitas próprias é de cerca de 60%.

Como se viu, uma parte considerável das receitas próprias dos municípios, sobretudo os

dos grandes centros urbanos e os do litoral, são relativas à cobrança do IMI, IMT e IUC.

Isto significa que estes municípios são excessivamente dependentes de receitas prove-

nientes de impostos sobre o património, pelo que se torna premente que se encontre uma

*
& %
%' #$ %

alternativa a outras fontes de receita. Uma possível solução poderia passar pela receita a

favor dos municípios de parte de todos os impostos recolhidos na sua área de atuação,

sendo uma temática com algum interesse para ser desenvolvida em estudos posteriores.

Em relação às verbas do OE, foi em 2006 que o conjunto dos municípios conseguiu

receber o valor mais elevado desta importante fonte de receitas; pelo contrário, 2001

correspondeu ao ano em que os municípios receberam menos verbas. O ano de 2006 foi

um ano atípico, uma vez que as verbas recebidas foram as mesmas do ano anterior em

todos os municípios, com a exceção de Vila do Bispo. Verifica-se também que, ao lon-

go deste período, houve um conjunto de seis municípios que perderam verbas do OE,

concretamente Lagoa, Vila Real de St.º António, Faro, Albufeira, Tavira e Lagos.

Quer nas receitas correntes, quer nas de capital, as transferências do OE representam

uma parcela importante no total da receita dos municípios, tendo as de capital represen-

tado quase 32% no total dos municípios, contra pouco mais de 17% no que se refere às

correntes. É para os municípios de maior dimensão (em termos de número de habitan-

tes) que as receitas próprias são de grande importância no total das suas receitas, como

se tinha verificado. Pelo contrário, os municípios de menor dimensão têm mais dificul-

dade em gerar receitas próprias, ficando altamente dependentes das verbas que o Estado

lhes transfere, através dos respetivos fundos do OE, como são os casos de Alcoutim,

Monchique, Aljezur e S. Brás de Alportel.

Em 2007, com a entrada em vigor da nova LFL e as consequentes alterações que foram

abordadas no Capítulo III, o conjunto dos municípios recebeu quase nove milhões de

euros a menos face a 2006, o que se traduz numa quebra superior a 10%. Comparativa-

mente com o ano anterior, nenhum município teve aumento das receitas do OE, sendo

que a esmagadora maioria teve um decréscimo bastante acentuado. No caso de Castro

*&
& %
%' #$ %

Marim quase atingiu os 22%, uma quebra muito significativa para um município do

interior, em que as verbas do OE são a maior parte das suas receitas.

Relativamente às comparticipações referentes a projetos do FEDER, VRSA foi o muni-

cípio que mais verba recebeu dos fundos comunitários, correspondendo a mais de 12%

do total dos municípios. No sentido inverso esteve Vila do Bispo, que foi dos municí-

pios algarvios quem menos recebeu do FEDER. Verifica-se também que foi VRSA que

mais verba recebeu dos fundos comunitários, com quase 34,5 milhões de euros, o que

equivale a mais de 12% do total dos municípios. Vila do Bispo foi, dos municípios

algarvios, quem menos recebeu do FEDER.

Ao longo do período em análise o total dos municípios aumentou o seu recurso ao crédi-

to em quase 61 milhões de euros, a que corresponde um aumento de mais de 20%. Ain-

da assim, em quatro anos consecutivos (de 2003 a 2006) os municípios recorreram con-

tinuamente menos ao crédito, tendo havido, ao longo dos dez anos, um conjunto de cin-

co municípios que diminuíram o seu recurso ao crédito. Foi em 2009 que mais recorre-

ram ao financiamento como forma de obtenção de receita, financiando-se em quase 82,5

milhões de euros; 2006 foi, pelo contrário, o ano em que os municípios menos recebe-

ram.

Em relação ao total da despesa efetuada, o mesmo grupo de quatro municípios que mais

receita obteve foi também o que mais despesa realizou, tendo efetuado cerca de 49% do

total da despesa de todos os municípios. O ano de 2009 correspondeu ao ano em que os

municípios efetuaram mais despesa, tendo sido 2000 o ano em que o valor da despesa

foi menor. A despesa evoluiu positivamente todos os anos, tendo sido 2006 o único ano

em que tal não aconteceu, em que despenderam menos oito milhões de euros, uma

**
& %
%' #$ %

redução em cerca de 1,5%, pelo que, nos dez anos em análise, a variação da despesa foi

superior à da receita.

As despesas com pessoal tiveram um lugar importante na totalidade das despesas cor-

rentes dos municípios algarvios, sendo que, na totalidade dos anos, as despesas com

pessoal ocuparam entre 24,5% e 27% do total das despesas. Em todos os anos houve um

aumento das despesas com pessoal em relação ao ano anterior, tendo sido em 2009 o

ano que ocorreram mais gastos com pessoal.

Verificou-se também que Lagoa foi o único município que conseguiu não aumentar os

seus gastos com pessoal, sendo que no total dos municípios verificou-se um acréscimo

de despesas com pessoal de quase 7%. Destaque também para o facto de 2005 ter sido o

primeiro ano em que, no total das despesas correntes dos municípios, os gastos com

pessoal não corresponderam à maioria das despesas efetuadas.

Em relação ao serviço da dívida, observa-se que, na totalidade dos municípios, esta foi

sempre crescente ao longo dos anos. Em 2000 era de perto de nove milhões de euros,

quase triplicando o valor inicial. Verifica-se também que o serviço da dívida foi mais

elevado em Faro, aproximando-se dos 16%, deixando a capital do Algarve muito limi-

tada para realizar outro tipo de despesa, sendo que Portimão depara-se também com

uma situação muito semelhante. Neste estudo não existem dados acerca da dívida efeti-

va dos municípios, mas revestir-se-ia também de algum interesse verificar, num estudo

futuro, se o aumento da dívida estaria, ou não, relacionada com o aumento do investi-

mento, ou seja, se seria utilizada para o seu financiamento.

Em termos das despesas de investimento efetuadas, 2005 foi o ano em que mais inves-

timento foi realizado, sendo em 2000 o ano em que foi efetuado o menor volume de

*2
& %
%' #$ %

despesa. Loulé foi o município que teve a maior evolução nas despesas de investimento,

com um aumento de quase 13,5%. Em metade dos municípios registaram-se variações

negativas nas despesas de investimento, a que corresponde uma diminuição de mais de

17 milhões de euros.

A maior variação no investimento ocorreu em 2001, tendo sido em 2005 que os municí-

pios, no seu conjunto, mais despesa efetuaram em investimento face ao ano anterior.

Pelo contrário, foi em 2002 e 2006 que se verificou a maior diminuição no investimento

no total dos municípios, tendo sido em 2002 de mais de 25 milhões de euros e superior

a 32 milhões em 2006.

Tendo em conta que 2001 e 2005 corresponderam a anos de eleições autárquicas, verifi-

ca-se que foi nestes dois anos que existiu o maior aumento nas despesas de investimen-

to, na ordem dos 20% e 17,5%, respetivamente. Parece, por isso, existir uma relação

bastante notória entre o investimento efetuado e os períodos eleitorais, sobretudo tendo-

se verificado a maior diminuição no investimento nos anos seguintes às eleições autár-

quicas, com quebras na ordem dos 20%.

Verifica-se, deste modo, que as políticas parecem ser selecionadas com o objetivo de

maximizarem a probabilidade da reeleição, correndo o risco de deixar para segundo

plano o bem-estar social. A escolha do timing o mais oportuno possível para a realiza-

ção dos seus investimentos permitiria aos autarcas maximizar o retorno económico e

social dos mesmos.

Assim, o ciclo eleitoral deixava de gravitar em torno da decisão do investimento, sendo

que uma estratégia de longo prazo seria mais benéfica para todos os intervenientes neste

processo. Apesar de em 2009 ter decorrido outro ato eleitoral autárquico, não se conse-

*4
& %
%' #$ %

gue traçar o mesmo paralelismo em relação aos outros dois anos, pelo que se revestiria

de algum interesse um estudo futuro acerca desta questão, com um maior grau de apro-

fundamento.

Relativamente à eventualidade de uma relação existente entre a receita arrecadada e o

investimento efetuado nos municípios, verificou-se que essa relação é forte em Loulé,

Olhão e Monchique, o que significa que, quanto mais receitas obtêm, mais investimento

realizam. Nos restantes municípios, essa relação não é tão evidente.

Após a análise efetuada anteriormente, reforça-se a importância do poder local, uma vez

que é aquele que está em melhores condições de estabelecer uma relação de proximida-

de com os cidadãos, de forma a satisfazer as suas necessidades. Este é, pois, fundamen-

tal para que se promova um desenvolvimento sustentado, ao nível do território e dos

recursos, tendo em vista o aumento da qualidade de vida das populações que serve.

Para que a promoção desse desenvolvimento ocorra, é importante melhorar a informa-

ção para que aumente o interesse e a participação dos munícipes nos assuntos da esfera

de atuação da respetiva autarquia, nomeadamente no que se refere à disponibilização

dos principais documentos financeiros: cidadãos mais informados e conscientes serão

cidadãos mais exigentes e participativos.

Para que os recursos públicos, que, por natureza, são escassos, sejam aproveitados o

melhor possível, há que melhorar a eficiência na sua afetação. A existência de um pla-

neamento a médio/longo prazo, mais independente dos ciclos políticos, traria consigo

esse equilíbrio entre os recursos e a despesa realizada, bem como uma maior responsa-

bilização dos decisores políticos e eleitos locais pela gestão efetuada. Assim, o desafio

mais recente que se coloca aos municípios é o de encontrar os recursos financeiros

*F
& %
%' #$ %

necessários à prossecução das suas competências, sendo que a orçamentação plurianual

nos municípios deveria acompanhar essa tendência de um planeamento mais indepen-

dente dos ciclos políticos.

*?
ANEXOS

*7
$ BC, %"% #' < '"# 'J #! &999

- 8,. ,. -;B ,. - 8,. ,. -$ -;B ,.

> $ - ?8-,. , @
,$ ;-<> -DE, - 8 > $ .( -. - 8 >$ .B;A , @- 8
B;; ,> ;,. - - 8,. ,. -A > ;-. ,
> !;F > - AB? > @,. A @- . .-. G B; -. -$ -;B ,.
-;B ,.

@<> 7B-; ? ? ? F74 4*4 27@ 9 F ?&@ 94* 9 9 2 @7& &&7 9 ?** 7&F ?** 7&F
@ ,> - @& *7& F2& 9 *F 7&F 9 9 29 74 9 4&2 4&2
@HBI> ; *4 79& &F ?? 9 *2& 7 @ 9 9 ?&9 ?@7 9 *9@ *9@
. ;, ;- 7&4 7F ** 242 9 97 7@7 9 9 @29 4*7 9 &@F 9&? &@F 9&?
7 ;, F ** 427 472 * ? 9 2 4@? @?2 & 294 7 & 9 * ?& F4 9 @&@ *99 @&@ *99
@ G, * F&* &97 ?F 9@F 9 * 744 F97 9 9 ? F42 @ & 9 @F? 7 7 @F? 7 7
@ G ,. * @& 4&2 & 9 @F& 9 4 *92 2? *F ?@ 9 @ 2?* 2&2 9 27? &9 27? &9
@,> @J 9 2 @ F&9 ? @ 9 * *@2 7@7 9 9 &4 9&@ 797 9 94F ?F7 94F ?F7
,$ K -F > B *?@ *9 *& * 9 &77 &F9 9 9 F@@ F?2 9 * 22* * 22*
,@K E, ?&F F*@ &4* 99 9 49@ @FF 9 9 * 27@ ?94 9 ?& 9F ?& 9F
8,; - E , 7 &4? @2* 297 9F? 9 4@ &2@ 9 9 2 4?? &4@ 9 & ?& &74 & ?& &74
.E, <;!. B @8,; B@ 42* &F ?4 @&& 9 22 @*9 9 9 9F9 @?7 9 4 @9F 4 @9F
.-@AB. & &&7 974 & 9@ & 9 7&9 &47 9 9 2 &4@ &44 9 &&* 9*? &&* 9*?
A-; @4* 9F7 4? 2@9 9 @2 F9 42 4@* 9 2 9F ?4* 9 ?9 2&9 ?9 2&9
A-@ , <-.8, 9*2 ?9F *2 72 9 77@ 4* 9 9 @4@ 9?@ 9 F4 *7? F4 *7?
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, ?*F ?72 4 7@ 9 2F& ?29 9 9 ** 42 4 9 294 ?F? 294 ?F?
: !%

(valores em euros)

*@
$ BC, # %"% #' " %! %'J #! &999

; $ .7B;M$ - . ,;;B$ B.
C .5 , @
- 8 AB$ AB$
- 8,. ,. >@ .B ;B$ AB$ ,> ; . ;B B- .
> $ - ?8-,. -$ -;B + <B$ . <B$ . $ E ,
-;B ,. ,> ; . 8;,8; .B;A-D,. 7> $ , B ,> ; ; $ .7 7> $ ,. ;B ,;; ,;;B$ +
,. >; >; 7> $ , G B; @ ,> ; . , @
8B$ @- B. ,B.E, B$ ; @ ( , >+ B.
> $ - -8 @ ; $ .7 ; $ .7
> $ - -8 @ ;BG > $ - !;-,.

@<> 7B-; 2 @7& &&7 ?** 7&F *2 F7& &*? ?@? &4 9&4 9&* 4 &@* 4&7 * 42 92F 9 2*@ *? 9 9 * @79 7* &4@ F9@ &F 742 @99
@ ,> - 29 74 4&2 &F 4F @ **? 9 @97 F9 2** & 944 779 &&2 @@* &9 9? 9 9 @?2 &* @4* &F 7&9 & F?? *7?
@HBI> ; ?&9 ?@7 *9@ 7F ?& 2 F9 9 @ @9 2&2 ? @?2 F@F FF @72 ?2 24F 9 22 * 7 & F9 24* 2& @9? * 22@ 2 &
. ;, ;- @29 4*7 &@F 9&? &* &F* @7 F4? 9 9 *47 *?F 79@ *?2 @F 77? 27 F2 9 9 @42 2&4 4& 4 7 2 7&* 794
7 ;, * ?& F4 @&@ *99 ** 9 ? 7 *F@ F2 @ 22 22 4FF * 24 F&& 9 4F& ?9 9 2& &?9 2 2*4 9F& ?7 @& & 9*7 @2
@ G, ? F42 @ & @F? 7 7 777 @&7 2F? F9* 9 *F? & @2F &7@ & 9?2 F*4 &29 99& 4 F& 9 9 & 2&@ ?@@ *? @?7 4 *@2 F@2
@ G ,. @ 2?* 2&2 27? &9 &@ ?4& ?4 *&? 49 & *42 99& & 2 9 F& & *&7 2@7 9 &44 FF@ 9 ?@@ ?4* * *7* @&9 &?* 7 4 7 74 92
@,> @J &4 9&@ 797 94F ?F7 & 7& 9 @* 42@ 9 *@ 7 @ 4 294 4&7 2 479 2& F22 *9& 24@ 247 &2? *@ ?9@ 4 ?&2 747 77 ??9 *@ 7&
,$ K -F > B F@@ F?2 * 22* &7 4& *F 927 9 24 * &@9 & &7& **4 22 *?& *F 947 9 9 & 2F& ?F4 2F * 7 * 4@7 92
,@K E, * 27@ ?94 ?& 9F 72@ *** 2* 7 2 9 &? @ & F2 949 & 9*2 @@F 7@@ ? & & 9& 9 9 *F * 44 7F2 &&& ?F7 99 9* 4
8,; - E , 2 4?? &4@ & ?& &74 &F4 @ @ 74 29 9 ?@ *& @F9 * *4 4?* 9 ?7 ??2 9 9 * 4*9 *2? F4@ F&4 &* 2&4 *&4
.E, <;!. B @8,; B@ 9F9 @?7 4 @9F * ? F4@ &49 9F& 9 44 429 ?F& *&& &2* 42 @ ? 7@ @9& 9 ?@F FF7 747 4 9@7 * @4@ 2?7
.-@AB. 2 &4@ &44 &&* 9*? ?&@ F7 2* 7*2 9 &@ 9&9 & @2& 747 * *&2 ?@ 24* *2& *?? 9?F 9 9 2 42 4@? 2@F * 2 & 7?7 972
A-; 2 9F ?4* ?9 2&9 9F@ ?@& &F 4?9 9 & 4*2 & 42* @9@ & @ 9 7F4 *&@ 27F &2? ?4* 9 7 292 * 4F@ 49? *? &44 & &@& ?*@
A-@ , <-.8, @4@ 9?@ F4 *7? 4F F** & @F2 9 @F4 *72 &2 29F & 7& 4& & *92 9 9 49@ @2F **4 9&* 2 2&4 &9
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, ** 42 4 294 ?F? &*2 ?4@ *4 2 4 & *2@ &F@ * 29? 72 4*? 7&@ 79 4 9 9 9 &* &42 ?2 4@* **@ &@? @ 27& 927
: !%

(valores em euros)

29
$ BC, 2 %"% #' $% "# #-J #! &999

; $ .7B;M$ - . B 8- @

A <B$ . 7> $ , B ,> ; $ .7 -A,. 8 ..-A,. ,> ; . , @ ;B


> $ - ?8-,. 7> $ , G B; @ 7> $ ,. ,> ; . ; $ .+ , @ ; $ .7B+
-$ AB. - B$ , ,B.E, B$ ; @ ( ;BG 7-$ $ B-;,. 7-$ $ B-;,. ;B B- . 8- @
> $ - -8 @ , > $ - !;-,. 7B;M$ - . ;M$ - .
> $ - -8 @ >

@<> 7B-; 4& F&* & *F9 ?9 9 F22 4@? 2 4 7 97 9 ? 4&* *?@ 9 29F @2@ F4 4 ? @@@ 2FF
@ ,> - &9@ *?9 47? 2@ @@2 @& ?*? 7&7 9?2 9 & 22 *@ 9 &27 9 & 4 4F& & ?94 ?F
@HBI> ; *F4 944 * F 2F? 22 F4? 92 @ 222 ?** 9 & @ F &?? 9 9F &F2 9 * *7? 4@F
. ;, ;- 2* *@4 &9F &27 F2 4@2 ?* 2?7 4&4 F** &77 9? & 47 9&2 9 9 9 & &9 2&9
7 ;, 4 F &7 & *9 9?@ 9 @&@ @ 2 & 7@ F 7 9 F 2&9 F 9 & FF2 979 9 @ F99 @?&
@ G, @ ?4F *7* 97? 4@ @@@ 4F@ 2?* 7@ F@2 & @@ * &&* 24 9 74? @*& 9 2 &9 29
@ G ,. *9 @*4 44& *&@ 9 &44 4F@ 4F @@F ?2 4?@ & 422 2?* F4 ?@7 9?? F2 4&@ * 2*7 ?@
@,> @J *4 2*4 * 94* 2&F 2&@ 4*4 &&& *?@ *&& *@7 9 2 9&? ?*7 9 9 9 2 9F* ?*
,$ K -F > B ?@@ 9&2 4& 44* @F &27 ?&F *?2 9 9 229 9 * *42 F 4 9 & 727 9 9 ? 99 ?2
,@K E, &F ?F@ *4F FF4 4@@ 79@ 29@ F@7 974 @27 24 * 24& F4 9 ?&? &*? 9 2 22 ?&
8,; - E , 4&& 42 & &*2 *79 9 FF @@ & &2 *@7 * &? 2 @42 F7@ 9 * @9F & ? 9@7 @ *@9 22@
.E, <;!. B @8,; B@ 2F F*7 77 2@F 9* &?F F9 ?** 7*& 292 9 & @?? @97 9 *F& F&F 9 * *7? ?&
.-@AB. 2* 7@2 && F @ *9& &*& ?27 *@F ?49 42 9 4 9 ? &77 9 9 9 4 9F 7*
A-; &&* 4@F @29 4?* & @ FF F&F &F ?97 7@& 9 2 2@4 &4 9 7 72& @ 2 9 2 4F ?F
A-@ , <-.8, 24 77@ @*? 2 44 9 ? 9 *7F F@7 4 2@F 2*9 F&& 9 4 ??? 9 2@& &7@
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, *&* 4?4 9&4 & @ &9 *29 &4@ *49 2 9?* 2&7 9 F 2?7 **? 9 9 &? F*7 ? 7&@ 44
: !%

(valores em euros)

2
$ BC, / %' %'#' " %! %'J #! &999

; $ .7B;M$ - .
,> ; . , @
<B$ . > ; + <B$ . $ E , F > -.-DE , B$ ;G ,.
> $ - ?8-,. 8B.., @ .B;A ,> ; . , @ B.8 B.8
,> ;,. > ; ,> ;,. .B;A-D,. 7;BG > B.- . 7-$ $ B-;,.
> $ - -8 ; $ .7 ; $ .7 ,;;B$ B. ,;;B$ B.

@<> 7B-; @ 7&2 ?@? 2 44* & 9? ?&9 F F9 &22 *&7 ?47 9 9FF &74 *@4 92* @ &24 &29 F &9 &*9 ?F2
@ ,> - 42 @*2 & *F4 2*4 479 ?*& &79 9 9 & 74 * & 74 * ?F *2 44 F& * 9?& F*4
@HBI> ; F@* ?2* &* *72 292 224 7F* &24 79 F F 9 &@* 4?? *?2 @* 4* 4? &9? * 2 * ?77
. ;, ;- *7 * F 4&? &42 @9 4F? ? ? 9 9 F & 9&9 F & 9&9 @&* &&@ * 7&7 F**
7 ;, ? F4? 77@ F@ 7? 7? *&9 2 &9F &27 2@ 4& 4 7* F?9 79 & &*? F2& &4? 94 22* @29 4 72* &?7
@ G, 2 77* 97& 4& 7F7 @F 24& & F7@ ?4* 92 *2@ 9 ? & ?9? 7 ? 94F @2 4&F & & &9@ 9 924 @22
@ G ,. F 7F& 4@F ?9 4&9 294 @7? * 2*@ 9@? 7@ 7F& 9 ?*4 ?2& @&4 F92 & * *4 2*F 74& * *42 99?
@,> @J 2 9* &4 2* 279 & F7 7?* 9 2@7 ?47 ?4& @*4 9 4&7 79 & &7 ?*F ?* F*? 92 &?@ &@ *?2 9 2
,$ K -F > B 729 &?9 & *9@ **2 7@* 2?& ?4 9 9 9F &22 9F &22 2 F7@ *9 9** & ?@ 77
,@K E, 4 494 **& ? 27* ?*F 249 * &&& 4?@ FF 9F 9 F9& 4@* FF7 F@7 F7 ?2@ 27 7@ 9 &F? 279
8,; - E , ? &* 42& 7F ?4F & & *77 F 79F @&4 292 ** &2 9?? @F 42 & *7@ 4F &72 ?92 &&@ @@ 7 &2 7F?
.E, <;!. B @8,; B@ ??2 ?97 @7 F9? &F2 2* 9?* 2@* 9 9 *F4 9&9 *F4 9&9 4? &*& &2 94? * F4? &F
.-@AB. 4 FF* 92& 29 2@? 79? @&* & 2?F 2& 292 429 9 4F9 &&4 @F2 ?F4 ?4 79? 229 @@& 9 2F@ F@
A-; 4 *27 7F2 &? ?*7 99@ 99* * *@F 2?2 @2 4&& 9 @44 4@? 949 @ &&* 2 ? 2? & 9 &9& 7&F
A-@ , <-.8, ? @ 44 & *2@ *2@ @ ?2F F79 9 9 &@& 94 &@& 94 2F 2 7 @ *27 * ?4 4 ?
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, * ?2 F97 @7 27 *47 @99 * *@ 9&4 & 2F& 9 ?9 @@* &@& 244 49 ?2* @ 4*& 7 F@9 2
: !%

(valores em euros)

2&
$ BC, 3 %' %'#' $% "# #-J #! &999

; $ .7B;M$ - . B 8- @ ,> ; .
, @ -$ AB. - B$ + -A,. 7-$ $ + 8 ..-A,. , @ B.8
> $ - ?8-,. B.8B. .
, .B;A B-;,. 7-$ $ B-;,. 8- @
7;BG > B.- . ,> ; . , @ 8- @
>$-
@<> 7B-; ? F*2 7*9 9 794 9 4&7 ?&F F*9 4*9 F @ 9 F*@ 974 9 @ 9FF *44
@ ,> - 7@7 9@ *F 2 & 9 2F 2?& 7& 772 9 F? F* ? & &49 * ?
@HBI> ; & 7F9 94& 97 9*9 9 47 F** &FF FF& 92? &@4 &7* 9 * 2&* 924
. ;, ;- * &@7 @F 9 9 9 9 9 4 F*F 9 * *9* 7**
7 ;, 9 @F9 ?&4 @@ *?F 9?* 2F* 92 *49 & & 2 7@ &7@ 92* 274 F99 9 2 @2@ 44?
@ G, 4 F@? F @ 9 9 74F *? 74F *? &* &27 49 F4 4 4 F4& ? 79& 42
@ G ,. 7 @ &72 *9 *F? 9 &4 F*& 44 @@@ 97 ?@ 49& @F7 9 7 @47 2*9
@,> @J 9 9 ?*9 *94 F?* 9 * 4 F 9 2 24? &7* &2@ 494 4 & 4@ 74F 4 &2 F*9
,$ K -F > B 4 *2 @ 72 444 9 &?& 2F7 24? 9&2 9 7* F& &9& 9F* ? 7*& 4@
,@K E, * 49? 4F? @@ 74@ 9 &F @F@ *F 7&7 9 *9& 7?9 @ @?F 2 7& &2
8,; - E , * *2@ *@* 9 9 *? &?2 *? &?2 *7 F @9 *4? 9 * F@9 729
.E, <;!. B @8,; B@ * 7&& @F& 9 9 ? 247 ? 247 & &7@ * ?@ 9 * @?4 2@@
.-@AB. F F 7*7 &47 F7? 9 2? &2 *94 @&7 7@ F*7 72 F@& 9 ? 242 9@F
A-; 2 FF4 ?F *?9 &F* 9 2 74* 4 & F 42@ 4 ? F4& 9 4 F@F 9??
A-@ , <-.8, @&4 &@4 9 9 F* 9@7 F* 9@7 *9 &7? F2 ?9* 9 & 7* *7*
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, 7 279 7 9 9 & 9 &47 & 9 &47 9 2 F2@ 9 7 794 9&4
: !%

(valores em euros)

2*
$ BC, 1 %' %'#' $% ! %' %! J #! &999

,> ;,. B -7? -,. ,$ . ;> DN B. -AB;. .

F > -.-DE , -$ . @ DN B. 8 -$ 7;
> $ - ?8-,. K <- BF > -8 B$ , A- ;; A- DE, ,$ . ; B.8
B;;B$ ,. B.8 ; ,> ;,. , @ B.G , ,. ; ; ;B. ,> ; . , @
., - @ ,< , 8@ ;> ; @ ;B ;
B. ,@ . !G > .L @- ,.

4* 997 22 9
@<> 7B-;
? F&? ? 9 9 *?@ & 99 4F* 2?@ ??2 2F* 9@ @ F@ *4? ?7@ *F* &72 9 &29 &* * FF 9 9 ?79
*&7
@ ,> -
9 & * &FF 9 * &F? 2 9FF 22 *** 7 9&F 2& 977 F@ 2@? &* 7&* 9 *? ?*2 @2? 2&? 4@*
& 9&2
@HBI> ;
*7 29? 4 F*F 9 7 2&2 ?7 @&2 &F9 *27 & * &7F &2 ?9& 2 9 @F 92 49* 9 ? @&& *F 7 2&
. ;, ;- 4* ?27 72@ ?7& 9 @4 449 *7 97? &** F*? * *F4 *& F2F *? *?9 *? 4*2 9 &? F2? &7 4F @&7 &*
& 729 F &44
7 ;,
7& 4 294 &FF 22* *4 4** 9 F ? @?F 2 @ 9 *@ 9 9 74& *F 9 29* F&? 77 @9F 9F9
44* & 2F9
@ G,
@ @4& 799 @? 2&4 ?F 2?F @9 *4? &F2 &47 & F &&@ ??F *&2 297 @*@ **@ ?* 9 F*F &*? 7* ?97 F 9
? 9*&
@ G ,.
9 99* 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9
?@* F 9&*
@,> @J
&2? * 2 *&& 74* @2& 4 9 2&9 2&@ 9 F *?7 97? 442 F2@ 494 ?4F 7@F &*& F9 9 & 2 77? 97& @94 @9?
2 *2*
,$ K -F > B
? 27& F *F? 9 2@ * &?@ F F *@2 4&@ F 7 9*F F4? 2F 22? 9 * & ?7 F*@ 9 2 2*@ 2*? 799 9?*
& @
,@K E,
9 & 4F7 9 9 4?& &2 4?& &2 9 9 9 9 9 9 & @ F2? F2?
F 9@@ 4 2F&
8,; - E ,
9 2@F 9?2 9 F 97 242 7 *? 7&2 &F& *47 & F7@ ?2* 9 *@F 9@4 9 2** 4?4 F79 249 &&
& @@2
.E, <;!. B @8,; B@
@7 &?* 2 F?9 @F &4& 9 9 @F &4& & @@2 & @ 9 9 9 9 9 9 & @
&@* * @?4
.-@AB.
* *2? &2 @*4 *7F F 7 9 @9? 9 2 F*& 2 & 2&F F? &? ?2 &@9 ?27 @& 9 42? 2F ??? *4@
F 292 * 274 & F&
A-;
@@& 9?2 @F * 274 499 9 9 499 &? @*4 &4 @F? F4 7*4 42* ?44 9 7*@ F?F ??2 FF* 7*
A-@ , <-.8, &F2 *F* *7 F?? &24 427 9 9 &24 427 @42 4F9 9 9 9 9 9 9 @42 4F9
?& F
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -,
2F *@ 22 4 2 *?9 &*7 474 F @@9 7F2 @24 *& 4 2 4* * * 2F@ 2* *9 9 779 ?2 F7? ?&7 ?7*
: !%

K #- %' % %+ 'L

22
$ BC, 6 %' %'#' $% ! %' %! J #! &999 K" ! L

B;- @ ; $ .+ F > -$ ;- B ,> ;,. -$ AB. -+ , @ -$ AB.+


> $ - ?8-,.
8,; B BF > -8 B$ , B$ ,. - B$ ,

@<> 7B-; 4 29* 992 ??7 & ?47 ? F*2 7*9


@ ,> - *& @4 4& 9@* &F 742 7@7 9@
@HBI> ; @& 774 7& F*9 9@ ?&F & 7F9 94&
. ;, ;- @? *72 *@9 **2 F? 7? * &@7 @F
7 ;, 42 9&@ @24 24 &@ 47@ 9 @F9 ?&4
@ G, 2@7 7F* @99 *F 9 4 F@? F @
@ G ,. &2@ 4@7 7? ?&2 *? @4@ 7 @ &72
@,> @J 2&2 4&& @44 ? & F44 4?4 9 9 ?*9
,$ K -F > B ** &22 29& & F 9 4 *2 @
,@K E, F4 *2* ?&7 ?F@ 9 * 49? 4F?
8,; - E , *2& *&9 24F 9FF 2@& 77? * *2@ *@*
.E, <;!. B @8,; B@ 2 777 *49 FF9 9 * 7&& @F&
.-@AB. &9@ 449 *F* 777 &2F &? F F 7*7
A-; F?F *?4 274 ?72 9 2 FF4 ?F
A-@ , <-.8, &9 *F9 &2 &?@ F9 49@ @&4 &@4
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, @* 777 2* @27 9 7 279 7
: !%

K #- %' % %+ 'L

24
$ BC, 4 %"% #' < '"# 'J #! &99

- 8,. ,. -;B ,. - 8,. ,. -$ -;B ,.

,$ ;-<> -DE, - 8 > $ .( -. - 8 >$ ,> ;,. - , @ - 8,.+ -A > ;-.+ .B;A , @- 8
B;;
> !;F > - AB? > @,. A @- . .-. ,. -;B ,. , G B; -. -$ -;B ,.

@<> 7B-; F 7 9 7F F FF 9 F *74 ??9 9 9 * 797 &@& 9 @&& &?? @&& &??
@ ,> - 9? 99? & 449 9 4@ 9** 9 9 ?7 4@9 9 2& 4 2& 4
@HBI> ; 2&@ ?F2 &? 2*@ 9 F94 7@9 9 9 9F* 9@* 9 &2@ &2@
. ;, ;- @&4 @ 2 *@ *29 9 29 79 9 9 & 9F 942 9 4@ &?F 4@ &?F
7 ;, F 9?4 ?2 F?4 FF? 9 2 7?2 7 ? & ?F4 &? 9 2 *@9 @&7 9 ?@@ @2& ?@@ @2&
@ G, * 7& @72 & F24 9 2 22* &F& 9 9 7 2?F 7@ 9 F? F*F F? F*F
@ G ,. * *?4 &2F &*2 7?@ 9 F 22? 24? * @9 9 9 9F 27& 9 ?2* 2 7 ?2* 2 7
@,> @J & *4 F@& F7? 2@7 9 2 799 @?4 9 9 &? 729 F4 9 29@ @*? 29@ @*?
,$ K -F > B 2F9 * F *9 F? 9 &@7 @29 9 9 ?7@ @&F 9 * 2F* * 2F*
,@K E, ?4 7 7 &@7 @F 9 & @2 9@? 9 9 2 &22 & 9 2F 4&7 2F 4&7
8,; - E , 7 4F 4&7 24& @*7 9 F &* &F7 9 & @@* 2 ?*4 ?&? 9 29@ 227 29@ 227
.E, <;!. B @8,; B@ 4*7 *7 @& ?*& 9 F?4 49? 9 9 *9F *?? 9 4& 999 4& 999
.-@AB. & F2F &7? &&? 27& 9 & &?@ ?4F 9 9 4 4* 4&4 9 292 & 292 &
A-; & 99 @F4 ?7 @7@ 9 @@9 @ ? 99 7&? 9 2 &?& F@7 9 *9 @ ? *9 @ ?
A-@ , <-.8, 42* ??@ *F &?* 9 F44 * 9 9 &*4 7* 9 2* F 2 2* F 2
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, & 9@ 49 *& 7F 9 ?2* F77 9 9 * @74 *?4 9 ??4 @ 4 ??4 @ 4
: !%

K #- %' % %+ ')

2F
$ BC, 0 %"% #' " %! %'J #! &99

; $ .7B;M$ - . ,;;B$ B.
C .5
AB$
- 8 >@ .B AB$ ,> ; . , @
- 8,. ,. ;B$ <B$ . AB$ 7> $ , ,> ; ; $
> $ - ?8-,. -$ -;B + ,> ; . <B$ . 7> $ , B # %5 7> $ ,. ;B ;B B- .
-;B ,. 8;,8; $ E, .B;A-D,. G B; @ .7 ,> ; . , @
,. 8B$ @- + >; ,B.E, % 5 , >+ ,;; ,;;B$ B.
>; > $ - -+ B$ ; @ ( ; $ .7 ; $ .7
B. > $ - -8 @ ,B(#'' $ - !;-,.
8 @ ;BG >

@<> 7B-; * 797 &@& @&& &?? F4F 4?7 * @&* 7 24 49 F 99@ &@* * *@& 492 9 4*2 4 ? 9 9 29@ *47 2 **F *?@ * ?? @ &? *79 @F&
@ ,> - ?7 4@9 2& 4 2? *@ 4 F2? 9 ?2F F? 9*? @ &9@ &&& 7@* 4*2 4 ? 9 9 & ?@2 & F7 2 * 2& 99@ * *7 92?
@HBI> ; 9F* 9@* &2@ 94 4FF *? ? *9 F 9?4 4 F 4F9 7*? &&& ? 9&2 4*2 4 ? 92 & @ 9 7 99F & 499 @77 22 9@ 2 &49 27F
. ;, ;- & 9F 942 4@ &?F 4? *F @7 @& 9 9 47* 2&@ F? F& &2 F2F 4*2 4 ? 9 9 *4 4?* & *F4 7@7 &? *&7 4 F@? * 2
7 ;, 2 *@9 @&7 ?@@ @2& ?@ @9? ** 4** @24 & 497 @@ F*9 * &99 ** 9 4*2 4 ? &F? &2 9 *@9 7F* 2 *@& ?4* 4 ??4 && 4?4 @&&
@ G, 7 2?F 7@ F? F*F 7F 74 42F F27 9 F@7 & @&@ &2 & 9*& 44? F& *49 4*2 4 ? ?7 4& 9 2& @*& & ?49 7?4 *? @2@ F ?? &&
@ G ,. 9 9F 27& ?2* 2 7 *&7 F47 F7 2 @ & ?** & F&? @@? & ?7? &F7 & 92? ?79 9 4*2 4 ? 29 *?& *9 9? ?7 77F * 4*2 FF *4F F? &9 F 9 79*
@,> @J &? 729 F4 29@ @*? & F9F 227 &77 FF2 9 4& ? * 4 72& ?&@ 2 @4& &*4 FF 9@9 4*2 4 ? F*9 &*F &4 2@2 &2 & F **& F7* *?& ?* 22 ?24 4 *
,$ K -F > B ?7@ @&F * 2F* &2 ?49 &2 *?F 9 *9 22 @F4 & && @@9 7& ?*F 4*2 4 ? 9 9 2? F22 & @7F 77? *4 772 2 * ? &79
,@K E, 2 &22 & 2F 4&7 @@? 24F 7F F?F 9 @ F7& & 4 & &F4 @7@ @22 ?*9 *9 4*2 4 ? &* 2F? 9 & 9F * 2@7 &9 2F9 77@ 744 ?&7
8,; - E , 2 ?*4 ?&? 29@ 227 272 ?7& @4 9FF F F&@ *4@ 4 4 ?7? * 9@ 772 9 4*2 4 ? **F ?47 9 2 4@2 * @F? ?4* 994 *2? &* &&9 7@7
.E, <;!. B @8,; B@ *9F *?? 4& 999 *42 4?4 &*9 422 9 **2 F9F 29@ F7 2&2 &4 **2 4*2 4 ? 2* 797 & 4@* *?2 7@2 949 2 *24 2 227 F22
.-@AB. 4 4* 4&4 292 & 74@ @47 F& 2F2 9 ?& 9F * 247 ??@ * 2 F 724 &*? @ & 4*2 4 ? *@7 ?&2 9 & 7 F@7 2 79F F@F 27? *@4 4 *94 *4
A-; 2 &?& F@7 *9 @ ? ** @*& 2 * F@* &4 F FF2 & 2&7 @4 & @?2 ?4F 72 &?? 4*2 4 ? &4 @97 9 F 9&* * @9F 279 F4 F2? * 4*9 997
A-@ , <-.8, &*4 7* 2* F 2 &7 9 * ?@ 9 79F *7* 42F 74 7?& & * @ 4*2 4 ? & 292 9 ? &?7 ?F *@9 &@* 2*7 * @49 ??@
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, * @74 *?4 ??4 @ 4 4 2 *F4 24 7&9 * 7? 29 * @9 29* *? 449 24 @F2 4*2 4 ? 9 492 9 4& & @ & 2 ?4* 2@4 94& 7*F 9 9
: !%

K #- %' % %+ 'L

2?
$ BC, ' %"% #' $% "# #-J #! &99

; $ .7B;M$ - . B 8- @

A <B$ . ,> ; $ .7 -A,. 8 ..-A,. ,> ; . , @ ;B


> $ - ?8-,. # %5 % ,> ; . , @
-$ AB. - B$ , 7> $ , G B; @ 7> $ , B ,B+ B$ + 7> $ ,. 7-$ $ B-;,. 7-$ $ B-;,. ;B B- . 8- @
5 ; $ .7B+ ; $ .7B+
> $ - -8 @ .E, > $ - -8 @ ; @ ( ;BG , > $ - !;-,.
,B(#'' ;M$ - . ;M$ - .
>

@<> 7B-; &2@ & &F FF@ 9 *4F *2F *94 F&7 ? 9*? F2@ 9 @ @F &@* 9 ??? 9& 2 2*4 ?79 979
@ ,> - & F4 &?2 *@ 27 4@? *4F *2F @? F7@ @22 F4* 9 & @& 2&2 9 &2& 7 2 9& 2 ?@ ?@&
@HBI> ; 49 *2 &&2 7 7 *4* *4F *2F 7F F? @?9 9&? 9 & F27 ? & 9 24 2 & & * 4 *?9
. ;, ;- @27 2 9 F 2*9 *4F *2F 7F 97* 9@2 * 229 497 * 9? 4@ 9 9 9 * 97 4*7
7 ;, ? & * & ** 2&* 9 *4F *2F *42 44 4 9 2 294 2 &44 7 7F& @79 9 4 &2? 994 @ @4& 2 &9 49
@ G, 74 &29 *44 9*2 2 4?9 *4F *2F 2@9 99@ 7?2 922 & @@ * *7 &9& 9 9 9 * &&* 22&
@ G ,. *@ *94 *F4 @9 9 *4F *2F 42 2@ 792 **& 24F 2?9 2 *F 27F 79 4 @74 4?4 4 ?4? 9 ?? &9*
@,> @J *F * * *9 2@* 9 ?&7 *4F *2F ?& 92? F &? @99 &2? 9 ?F& ?F& 9 F *@ 2*? 9 ? @9 *

,$ K -F > B a)
4@ @4F 27 **9 44 4? *4F *2F 7F F& * *F@ ?@2 2 @9@ 4 *F* F@7 9 *@@ 9*7 9 4 7&& F@&
,@K E, *& F?F *&F F&7 27F ?4? *4F *2F *27 479 2 ?F * * F 2 F ?&F 944 9 & 2?& 2FF 9 @ &* @7
8,; - E , ?*7 2 & 9F &4& 9 *4F *2F F@ ?*? * F 9 4&@ ?@4 ?&& ? 7@* 47F 42 4&@ 4 &7& 9&4 9 * @F7 &7
.E, <;!. B @8,; B@ ?9 @&* ??7 @27 F 77@ *4F *2F @* *?4 ? * F 9 & @47 F?4 9 F7F ?@4 9 * 7 F *@&
.-@AB. F&* & &?? 7@4 47 F97 *4F *2F 2F4 2F7 ?*2 @F 9 2 @@& 4 * 9 &@@ &?@ 777 4 &@* *9*
A-; & 9& * @7* ? 4F 74 *4F *2F *7& &@ * 92? 7 9 &2 29F 4 749 92F 9 4 &?@ @&4 9 & *29 74
A-@ , <-.8, 9 ?@9 474 2& F *4F *2F ?4 4@ 99 *&7 9 & **F F*2 9 ?4 27& 9 &4 & F
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, 722 2 4 @ 2 *FF *9 F2F *4F *2F @? 2*2 4 99@ &?7 &4 7@ F 4** &F9 9 9 & *?4 ? *@9 949
: !%

K #- %' % %+ 'L

27
$ BC, %' %'#' " %! %'J #! &99

; $ .7B;M$ - .
<B$ . > ; + <B$ . $ E , F > -.-DE , B$ ;G ,. ,> ; . B.8 , @ B.8
> $ - ?8-,. 8B.., @ .B;A > $ -+ ,> ; .
,> ;,. > ; ,> ;,. .B;A-D,. 7;BG > B.- . , @ ; $ .7 7-$ $ B-;,. ,;;B$ B. ,;;B$ B.
-8 ; $ .7
@<> 7B-; &@F @2@ *92 *&? ?@F 2 F ?&7 924 &@? 972 9 924 4 9 *2& 4@2 @9 4&& 27? &&F && 92F 9?2
@ ,> - ?&* 97& & F&7 47F F? 799 9@? 9 9 * @ F74 * @ F74 9& @2 4? F * F 9 2F2
@HBI> ; 72& *9 &4 &92 2&& 27? @ 4 @@ 92 FF7 9 29 @7 494 7FF ?2 **F 2 224 * 7&F FF7
. ;, ;- ?& 47F 7 F4 &7F &*4 722 9 9 9 ?92 49? ?92 49? 7F7 & 74@ 2 4?7 &*
7 ;, 7 7 @ 7F ?7 F@@ &* &?* 4 272 4F& & F@? &*4 9 9 & F@? &*4 *?& 47? 2?4 @@* @ &4@ 4*4
@ G, 4 4F7 F@@ @@ 97F 4&& *2F 2 29 * 27 2@& 9 ?@2 4?9 @2* 9F& &&4 4 ? 42 *** & @ 2 4?
@ G ,. ? 7? 9?F F* &9& & @@2 922 * ?72 F 2 &*9 4@@ 9 7@? 9F* &? FF& &&? 997 F 4 2?? F ?7* 97*
@,> @J 4 2&9 FF ?* &F? & ?9@ 2?4 * 2 F*@ & 7F 492 9 4?F 2@F * 2*? @@@ &F7 *F7 247 224 *4 47& 744
,$ K -F > B @?& ?9F 4FF *47 2FF F*? ?@* 9 9 42 *22 42 *22 9 *4 249 * 9F9 *&4
,@K E, F 7& 9?F F9 7 * 7 ? 244 * 2F& 4@4 F@ F7? 9 F*F 724 ?9F 4*& &9? 92F 79 *F F F F42
8,; - E , 7 *&4 7&4 @* *29 &7 2*? ? F4F @@ 2&7 4@& 9 & &@4 9*2 & ?&* F&F 2@? 9&& *4* 29* &9 @*9 74&
.E, <;!. B @8,; B@ 74? F&7 F 2* &@F F &9 &?4 9 9 244 @7 244 @7 9@ 29F &4 42 * @&2 @FF
.-@AB. F * ? **4 & *92 &F & * 2 ? *7@ 2?7 @& 9 *?* &24 74& FF F? *47 ?*@ &F* & F?4 @*F
A-; 4 ?4@ @4 4 * F @7 74@ * F4@ 7 9 @ & F& 9 9 @ & F& 4* F @ &&9 @?? & ? *@?
A-@ , <-.8, & 924 429 ? 4* *4 72? @ 7 27F &2 @29 9 *F* 4&2 *77 2F2 49 74? ? F97 * ??@ @44
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, 2 &*2 &@4 44 @@4 24* 2?? * ?*7 @22 &4 *&* 9 && @24 *2? &F7 4* &9& 9? @ 772 &7@
: !%

K #- %' % %+ 'L

2@
$ BC, # %' %'#' $% "# #-J #! &99

; $ .7B;M$ - . B 8- @ ,> ; .
, @ -$ AB. -+ -A,. 7-$ $ + 8 ..-A,. 7-$ $ + , @ B.8
> $ - ?8-,. B.8B. .
B$ , .B;A B-;,. B-;,. 8- @
7;BG > B.- . ,> ; . , @ 8- @
>$-
@<> 7B-; @ 2&2 9* ** 2?7 9 29 9*2 4*2 4 & 749 99 2&F ?2& 9 & &*4 *47
@ ,> - * 7 @@ *2 @ F *4& *?F 9 *7? &@& *4 2*9 4F 9F2 9 * ?F9 ???
@HBI> ; * 922 F2? 72 &F? 9 ?@ @9F &F2 ?* 9 42 @*? 9* 92& * 4FF ?@@
. ;, ;- F 72& 97 F& *49 9 9 F& *49 9 * 4? 9 F @9? 477
7 ;, & 242 229 4 29F 9@F 9 9 4 29F 9@F 9 447 9&4 9 7 2 7 4F
@ G, F ??9 *92 &F@ 7 9 9 9 &F@ 7 9 &F7 4 * 4&7 7* 7 9FF 7 744 4&*
@ G ,. 2 4&7 @29 7F F2 9 27 F?? &*4 * 7 9 492 *44 & *4@ 4 &?9 @?&
@,> @J @ 22 47? & 942 979 9 * F2F &4* 4 ?99 **& F* ?4 2@7 9&4 2* ??@ &4 249 2?2
,$ K -F > B F 24 4&@ 4 &? 9 *9F &7? *4? 2 2 9 2 7 97& 44 &@F ? 9?F *&
,@K E, 7 *2 92* & 2&@ 9 * 72* 2&2 &?* 9 F27 74F 9 @ 2 2 ?&
8,; - E , 2 4*F &9* 9 9 227 777 227 777 4& * @ & 9@9 F7 77 @ F ? & F 2@*
.E, <;!. B @8,; B@ * ?2* 9?@ 9 9 &F 2 &F 2 && 4? ?* ?2 9 * @F4 *77
.-@AB. 4 4 ??? 2 2F* 9 *@ ?47 44 &&& &2 @29 7** 47F 9 F @& 4&2
A-; & ?92 @7 22& ?97 9 9 22& ?97 9 F2& F*F 9 * ?7@ 42&
A-@ , <-.8, * ?7 429 * ?*? 9 4& 2@* FF &*9 9 FF ?&* 9 * 2 2@*
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, 7 &?2 949 9 9 &9F * * &9F * * 9 4 &4& 9 7 4@4 F 4
: !%

K #- %' % %+ 'L

49
$ BC, 2 %' %'#' $% ! %' %! J #! &99

,> ;,. B -7? -,. ,$ . ;> DN B. -AB;. .

F > -.-DE , -$ 7;
> $ - ?8-,. K <- -$ . @ DN B. 8
B;;B$ ,. BF > -8 B$ , A- ;; A- DE, ; ,$ . ; B.8
B.8 ; ,> ;,. , @ B.G , ,. ; ,> ; . , @
., - @ ,< , 8@ ;> ; @ ;B. ;B ;
B. ,@ . !G >
.L @- ,.
@<> 7B-; 2@4 ?*9 2 ? *&2 F2 79@ 27 4 * F& @&& &?F &22 99 F* F F*& & F 2 9?F 2 9 9 9@F 7 & 2 *?7 &@ ? 72 @&@
@ ,> - ?9 2 *&@ ?74 9 9 *F F* *F F* 9 9 9 9 9 9 & &2? * @ & &2? * @
@HBI> ; &&7 727 9 9 9 27* * 27* * 9 9 9 9 9 9 @&4 &*9 @&4 &*9
42?
. ;, ;-
&&4 4? ?79 9 9 42? &* 42? &* 9 9 9 9 9 9 2 99? &?& 2 99? &?&
7 ;, & 2 77? @*9 *77 9 9 **2 F&2 **2 F&2 & &?4 7&4 9 9 & F72 7 9 9 & 72@ 2&* 9? 7&? 7 77 774
@ G, 9* 24 77* ? 4 F 492 &7 ? ? &F? 2 4 @2* F?F 4?@ ?7 *49 9F F*7 9 2 274 9 72* 4@& 4 4? & * **4 *4?
@ G ,. 7@ ?72 &9 ?@4 9 9 4?7 9?? 4?7 9?? 9 9 9 9 9 9 &2@ 7*7 &2@ 7*7
@,> @J 79@ F*@ 9 * 9&7 9*& * 9 2 ?*2 9 F 92& ?F? 27* @42 @*@ ?? & 9F 22* & ?@4 9 @ 9 FF& ?97 4@7 7* @ 474 272
,$ K -F > B 9 F? @& 9 F&? 7&? 9 F&? 7&? 9 9 9 9 9 9 4 &F 224 4 &F 224
,@K E, & *@2 2& 27* 9 9 @?? 929 @?? 929 9 9 9 9 9 9 2 @*7 @*? 2 @*7 @*?
& 247
8,; - E ,
*4? 994 &9F @ F7 9 & 2?4 *4@ & 4@2 4&? @?7 ** @* @2@ 9 ?99 2?& F9 F47 F4* ?@& 742 7 9F* FF&
.E, <;!. B @8,; B@ *29 79 4 @ 4 9 9 &&* 74 &&* 74 9 9 9 9 9 9 & ?7* 7 & ?7* 7
.-@AB. 9 9 7?@ 9 9 &&* &&& &&* &&& 9 9 9 9 9 9 * 9 4 4F? * 9 4 4F?
* ***
A-;
F*7 **& @ 9 9 9 2 ? * &*F 2 ? * &*F &F4 F44 ? *?7 @7 *47 &4 * @ 9 *2 2? @*2 **7 & ?9 4 @
A-@ , <-.8, F47 2 99 9 7* F7? 7F 9@7 &F@ ?74 @&7 &7* *4@ 924 @& *7 9 9 9 9 & 2?@ ?9@
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, 4 9&& &** 2@? 9 9 & *9 97& & *9 97& F*@ 9&4 * *?F 9@ 4? &*& *2 9@& 9 *4* @7? 74 @2 4 2 F*7
: !%

K #- %' % %+ 'L

4
$ BC, / %' %'#' $% ! %' %! J #! &99 K" ! L

B;- @ ; $ .+ F > -$ ;- B ,> ;,. -$ AB. - B$ +


> $ - ?8-,. , @ -$ AB. - B$ ,
8,; B BF > -8 B$ , ,.

@<> 7B-; 29 @F F2? @ 2 9 @ 2&2 9*


@ ,> - 92 F47 ?4 7& & 7 92 * 7 @@
@HBI> ; *7 94& 7@ 4?7 ?@ 797 * 922 F2?
. ;, ;- 47 *7@ 74 *@* &?9 74? F 72& 97
7 ;, &*F &9 724 2&* 9** & 242 229
@ G, 7@* 9** *7 794 9 F ??9 *92
@ G ,. &F4 9FF &74 *F& 29 9 @ 2 4&7 @29
@,> @J &F 9* 22* &2& *? 2&2 @ 22 47?
,$ K -F > B 27 2 7 ?4 F2? 9 F 24 4&@
,@K E, 2@9 7 ? 77@ *?& 9 7 *2 92*
8,; - E , 24 *?9 FFF *2@ &4 974 2 4*F &9*
.E, <;!. B @8,; B@ ? 7@ *&F 7&? 9 * ?2* 9?@
.-@AB. 2& 7&F 427 922 4? &*7 4 4 ???
A-; 2 4 &@2 @9 @9F 9 & ?92 @7
A-@ , <-.8, &7 2 F &4F 2?? &@ 2@2 * ?7 429
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, F7 7@* &?7 @ 7 9 7 &?2 949
: !%

K #- %' % %+ 'L

4&
$ BC, 3 %"% #' < '"# 'J #! &99&

- -
-A ,

' '# '# ' '


> $ - ?8-,. ' ' ' '2 '# '#
- ' '3 ' -A '# '# ' '# '# '# '# '# '2 '#
+ - ' '/ '# '# '/ '# '# '3 '# '# '1
+ - = + @ + ,
+ 8 ,
) = P
O
=

@<> 7B-; 7 947 ? 7 F2 &@* F @24 F@2 9 9 4 F24 ?94 9 9 2?F 7** @@ 97@ 9 @2 &&@ F& ?2? ?*& 7@? ?*& 7@?
@ ,> - &9 499 4 FF &4 ?7 9 9 F 22? 9 9 9 9 9 9 9 9 9
@HBI> ; 2F &7 * 7?* 22@ 4?4 9 9 @2& 4?4 9 * &2@ 4 2*7 ?4 9 9 4 9 &?* 9 &?*
. ;, ;- @?4 7&4 2? 7&& & 9 &22 9 9 & &** 7@& 9 9 @ F2 2 4 9 && ??& 4 @49 &9 ??7 &9 ??7
7 ;, ? &@F @7* ?F? *7* 2 272 @F9 & ?2 72 9 2 ?&2 F? 9 9 F?? 2 F7 *F 9 & 47& ?* F7 @* ?*@ @* ?*@
@ G, 2 99 2@@ &*? ?9@ 2 ?? &94 9 9 @ 9@ 2 * 9 9 72& @4& 9 9 9 ? 247 749 29@ 749 29@
@ G ,. 2 499 4FF &F@ 9@& ? 9@2 7&? 4 249 9 7F@ @*4 9 9 2 9 @?2 2 @*& 9 ?2 994 &7 2*@ F&7 *49 F&7 *49
@,> @J 2 744 9?F 7 4 F7F 7 9@ F99 9 9 ** ?79 *F* 9 9 797 F@ 4 F9 9 &** F @ 4& & 9F& F 9F& F
,$ K -F > B 27? 2@& *F &7* *&& &7F 9 9 72F 9F 9 *& * &2F 9 9 9 ?7 2 F*? 2 F*?
,@K E, & ? 2?7 *42 *97 & F 9&2 9 9 2 F7F 7 9 9 4& &&& @@9 @ F47 9 *? F?& * 7&* &?2 @4 &?2 @4
8,; - E , 7 @97 @2 4 4 ?2 ? 2@? ? ? 9 9 F @&& *@@ 9 *24 44* 749 ?F4 &44 @2* 9 *& ? 9 *?? 474 7 9 474 7 9
.E, <;!. B @8,; B@
F 2*2 99 ?@2 F&2 ?4& 9 9 **F @79 9 ?& 22 29? & 7&? 9 * 947 F @9* 4? *FF 4? *FF
.-@AB. * *F2 224 &F* ?&4 * *7? 922 9 9 ?9 4& * 9 9 @9 74* 2 7?? 9 &2 2&7 ? @49 @& 97 @& 97
A-; & 47? FF & 99 & 27? 94 &? &7@ 9 4* &9 & 9 && &F9 & F?* 2&4 9* 4@? 9 24 2 ? & FF & 72F 7F4 & 72F 7F4
A-@ , <-.8, ?2 F2 2 ?&* &7 *77 9 9 & 9F2 &?4 9 9 ?? 9* ?7F 9 & @@ & 297 @& 2@4 @& 2@4
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -,
& 4@ 797 4 F*4 @&7 ?94 9 9 2 &29 27 9 9 *F4 92F 4F 4@* 9 *9 42 ? @4* 2F@ ?2? 2F@ ?2?
: !%

K #- %' % %+ 'L

4*
$ BC, 1 %"% #' " %! %'J #! &99&

) :

9 P
Q 5 ; +
- -
> $ - ?8-,.
+ +
7 +
,B + ,B + ,B + ) : +
,B + 7G ,B + , = 9 P +
7 7< , + O +
R
,B

@<> 7B-; 4 F24 ?94 ?*& 7@? *@* & 7 &9 @7 * F@& 24? 9 4@4 74 29& ?? @@7 9&7 2 F@9 274 9 9 2 F@9 274
@ ,> - F 22? 9 24 77 9 7*4 & &&* F@F &*9 F7? 4@4 74 4 4@4 74F * 949 &*@ 9 9 * 949 &*@
@HBI> ; @2& 4?4 9 &?* 7@ @@@ &9 ? ? & 972 &@? 49 & 4 4@4 74 &@ 4F* ?&4 2 2 & 74@ @&F 2 *9 9 & 7?2 94F
. ;, ;- & &** 7@& &9 ??7 9* ?@? 2& ?** 777 2*F F2 @?F 4@4 74 &* 2*& F @ &7* & 4?& F@4 9 F? ? * & F29 297
7 ;, 2 ?&2 F? @* ?*@ 7@7 2*9 9& 4F* * 292 *?4 9 4@4 74 @F @4F F@& 79? 2 9@? 7& ?4 4 * 9 2 &?& F@4
@ G, @ 9@ 2 * 749 29@ 44@ *F& ?** 2F? & 9@? ?F* ?? ? ? 4@4 74 *9 4?@ ?&F 2*9 * 99 @ 9 7 9@9 9 * 9 9 999
@ G ,. 7F@ @*4 F&7 *49 *74 F9F 97 &F7 & &&2 9& 9 4@4 74 @2 FF? ?@9 4 7 * 9 2 4*@ 9 9 * 9 2 4*@
@,> @J ** ?79 *F* 9F& F & 2 @22 &99 F2@ 4 9*F 9? 4 ? @F 4@4 74 9 4@4 74 F 2@ 77* F*4 2*4 9 F ?74 * 7
,$ K -F > B 72F 9F 2 F*? *& *47 *@@ & 277 F29 F9 ?FF 4@4 74 9@ &@7 ?94 2@ * *42 444 9 9 * *42 444
&?
,@K E,
2 F7F 7 9 &?2 @4 4*2 992 4* &*? @ @ &*2 2 2 4@4 74 &*7 F*F 7*2 27? * 77 *4 9 9 * 77 *4
8,; - E , F @&& *@@ 474 7 9 * ? &4@ @& *?7 * &79 ??9 9 4@4 74 2** 4F2 9&@ 2 4 2 * 9 74 77 * 9 2 *&7 @@7
.E, <;!. B @8,; B@ **F @79 4? *FF F* 9* *4* 72F 2F *2 74 92 4@4 74 @ @99 ? 4 ?4 & 92F @&F &? &@4 9 & 9?2 &&9
.-@AB. ?9 4& * @& 97 @FF *77 ?& 2?2 * F?F *9@ *9& 4&? 4@4 74 &7& 9?@ 7?? @*9 2 74F ?FF &94 ?F* 9 4 9F& 4&@
A-; 4* &9 & & 72F 7F4 ?F 9?@ *@4 47 * 9@ 2F@ & 7 7*? 4@4 74 *?@ F9? &*9 * @*4 4*F *?* 4& 9 2 *9@ 94?
A-@ , <-.8, & 9F2 &?4 @& 2@4 22 *@9 F ??? *2? 7*4 2? 9@& 4@4 74 F7F 4@F 4*? @@ 2F2 2* &FF 4 @7 & 9*@ @&@
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, 2 &29 27 2F@ ?2? 2 9 24F 4& 2*? 2&4 427 ?& *4 4@4 74 4F 229 F4& &@ & &49 @9 9 ** 29? & &7* 4@F
: !%

K #- %' % %+ 'L

42
$ BC, 6 %"% #' " %! %'J #! &99& K" ! L

A 9 =
) :

+ A
9 = ,
; +
> $ - ?8-,. )+
* 9 =
7 BQ :
A A 8 +
- 9
, + 9
=

@<> 7B-; 9 9 9 9 9 2 F@9 274 24 2?4 2 @97 99 4@@ 4&7 ** & F 772 &&2 7 779 &@ 474 F97
@ ,> - 9 9 9 9 9 * 949 &*@ 9 2 F@& ?2 2F@ 2@ 444 &F4 ? F 7 922 * 42& F
@HBI> ; 9 9 @ *7F 9 9 & 77* 22& 4 *94 *@* 7? 974 & ? F9@ F 9 9* 7 *?@ 2 ?*7 277
. ;, ;- 9 9 9 9 9 & F29 297 9 *&& 2&& ?9 9*4 &?* 2 ? FF4 7?2 F 7*@ 4 @F@ *&
7 ;, 9 9 9 *2 @ F *2 @ F 2 *9? F 9 &9 ?9@ @* 922 @@ & ? & 49 @? 2 F** &* &4? *
@ G, 9 9 9 & 999 & 999 * 9 & 999 9 & F7@ @49 *4? *99 *F 9*? 2 7* &77 2 72@ 7 27@ ?7@
@ G ,. 9 F74 &9 72 7** *@4 7** *@4 * 7F@ 79* * 797 & F94 7*@ & 74@ F7 F@ 72& 4 F*7 F4? 2 & 24 && @ & ?F2
@,> @J 9 9 9 ? FF ? FF F ?@& 274 9 * *7* ?24 & *9 4** F?? 79? F @& 974 & F F 9F 4 747 ?27
,$ K -F > B 9 9 9 9 9 * *42 444 9 4 27 ?*F &9@ 47 *47 **& @& ?24 2 ?99 977
,@K E, 9 9 9 9 9 * 77 *4 9 ?@7 ?79 F 2 ?@4 *7 9 & 44 F?F *? 979 * 7 *?
8,; - E , 9 9 9 47* 47* 2 *&@ 47 9 &42 &29 &F* *&2 2 2 4F2 @* &&? 494 &F 9*@ 7F2
.E, <;!. B @8,; B@ 9 9 9 949 949 & 9?4 &?9 9 2@F &*F 22F F94 *& *94 @?4 2F * 2FF 2 7F4 94
.-@AB. 9 9 9 9 9 4 9F& 4&@ 9 7 @9? & &49 *97 *@4 4 7 * ?&? ?** 4&* ?24 ? 4F9 @9
A-; &9F 492 9 9 9 9 2 4 4 4F9 9 924 97F 47@ &*9 ?9? F9 * *2 @ ? F7 2@& ? F4F 97*
A-@ , <-.8, 9 9 9 9 9 & 9*@ @&@ &F2 &FF F9 &97 ?@7 &?& 4 @ ?27 ?2 &*9 & F 4 &*F 7&*
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, 9 2 79& 9 9 9 & *&4 *@7 2 7?9 @ 4 &F4 & 24 F?7 2@? 44@ * 7F@ *?* 2* 44& ?@@ 9
: !%

K #- %' % %+ 'L

44
$ BC, 4 %"% #' $% "# #-J #! $% &99&

#!'<% C!" #' $% "# #-

$ ! ' #/5%' ;(-"#'

A
=
>
+ :+!$ ' %
" % > ,B +
>: >: >: ) '% / '
R"! + #' ,
,B #+ G! ' P
: !#!"% #

@<> 7B-; ? @4? & 2F F*7 9 9 *@? &*2 &2 @29 2&& ?2 & 77* 7 & 9 & 77* 7 &
@ ,> - &4? 27& 2F2 4* ?@ 9 *@? &*2 ?? 7@2 2?4 &7 & *7* 9 & *7*
@HBI> ; &4@ &*? *7@ 4* ** 2?F 9 *@? &*2 &4@ 4F F4F ?@4 & 9?@ 79& 9 & 9?@ 79&
. ;, ;- &@ &47 @47 2* * 7 9 *@? &*2 *& &24 4&@ 2?@ 7* ?44 9 7* ?44
7 ;, @? **? & &F@ 47* 9 &2 7& *@? &*2 42 *@F 24 F*9 & @F* 9*2 9 & @F* 9*2
@ G, &@ ??9 *@7 49@ 7 2?7 @2 42? *@? &*2 ? 247 2 2 F@& & 9&F &&F 42 92@ & 979 &?4
@ G ,. && 27 27& F79 9 ? 247 *@? &*2 9 *@? &*2 7@? *?& 9 7@? *?&
@,> @J 9 * *4? *79 *24 *9? 2F? * * *@? &*2 9 *@? &*2 2 4F? &*2 &&* 2 4?7 24?
,$ K -F > B &@ 7?@ F4@ 9@2 9? ?7 9 *@? &*2 &F& *?4 F4@ F9@ & 2&4 77 9 & 2&4 77
,@K E, *?9 9** &?@ 2@9 ?4 F 9 9 *@? &*2 F79 * @ 9?? 44* * 97 F4* 9 * 97 F4*
8,; - E , *F ? @ & 7? 79 9 &74 F27 *@? &*2 @? F 4@2 724 * 9F? F?& 9 * 9F? F?&
.E, <;!. B @8,; B@ ?? @F& ?F2 9@9 &* *F 9 *@? &*2 *7 4& 2*4 *7F *&& 7*? 9 *&& 7*?
.-@AB. ?@4 & 249 7?* &9 F74 &2F F79 *@? &*2 9 *@? &*2 * &@F 2?& 9 * &@F 2?&
A-; 4&? 74F & 9?& @79 24 7@ 9 *@? &*2 9 *@? &*2 & F F 94 72 279 & 799 474
A-@ , <-.8, & ?@* 7@7 44F * *@2 9 *@? &*2 99 44? 2@? ?@ 2&? ?2 9 2&? ?2
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, @ 9 947 @49 *FF 7@ 72F 9 *@? &*2 &F? 4&* FF2 ?4? ?92 @F@ 9 ?92 @F@
: !%

K #- %' % %+ 'L

4F
$ BC, 0 %"% #' $% "# #-J #! $% &99& K" ! L

#!'<% C!" #' $% "# #- #'' ' < !#!"% '

$
9@ 92 % ,
#$#' =
)
R' '
!' + /5%' :+!$ $%
: ) # "+ #- =
# "+-# %' " %'0 Q
#3 )

@<> 7B-; 9 7F* 42? 9 7F* 42? 9 2 ?2? *47 9 9 9 2?& @& 9 2?& @& 9 4 &*7 &*F
@ ,> - 9 &9 722 9 &9 722 9 * * * &&? 9 9 *29 79* *29 79* 9 * F42 &7?
@HBI> ; 9 794 4F? @? 24 @9& ? & 9 * @7& 4 2 9 &99 999 277 F 4 F77 F 4 9 2 @*9 *FF
. ;, ;- 9 *?? 7?F 9 *?? 7?F 42 ?*9 & &F2 *F& 9 9 FF& 244 FF& 244 9 * @&? 9?
7 ;, 9 &47 447 9 &47 447 9 2 && 4@& 9 2@7 ?@7 F 7F? *7@ ? *FF 7? 9 F74 F
@ G, 9 @F7 7&& &9 @94 @7@ ?&? 9 * 9?9 99 9 9 9 9 9 * @@ ??
@ G ,. 9 ?@ 2*? 9 ?@ 2*? &9 @&F * ?9@ ?*4 & F 9 & F F@* & F F@* 4& 4 7 4 99 F2*
@,> @J 9 @ 4 72@ 9 @ 4 72@ &2 @29 F 4 @ &24 9 9 ? 4?2 @9* ? 4?2 @9* * F9F 2 9? ?42
,$ K -F > B 9 * 2*? &9? 9 * 2*? &9? 9 4 7F* 97@ 9 9 4@& &49 4@& &49 9 ? 274 & 7
,@K E, 9 27 &92 9 27 &92 9 2 47@ 74? 9 9 * 2& 49 * 2& 49 9 7 *7 929
8,; - E , 9 &7 FF? 9 &7 FF? 9 * *2@ **@ 7 &F9 F2F 92 9 F2F 92 &9 9&@ 2 247 249
.E, <;!. B @8,; B@ 9 &@ && 9 &@ && 9 & 24 @4@ 9 9 @? & @? & 9 & F2@ F**
.-@AB. 9 279 ?*4 9 279 ?*4 9 2 ??? &9? 9 9 * 7 4 94 * 7 4 94 9 7 4@2 94*
A-; 4 @29 22? 2?9 9 22? 2?9 9 2 *@@ @@4 &9@ 2@F 9 & ?&* *4F & ?&* *4F 9 ? 7F9 ?9&
A-@ , <-.8, 9 &2 9** 9 &2 9** 9 & 44 ??* 9 9 9 9 9 & 442 4FF
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, 9 * &* 4 2 9 * &* 4 2 9 2 @*F 27* 9 9 2@4 *@F 2@4 *@F 9 F *2 @*?
: !%

K #- %' % %+ 'L

4?
$ BC, #' %' %'#' " %! %'J #! &99&

B *
8
O = = ) :
H ,
> $ - ?8-,. 9 P =
< <
O O 7 +
+ +
= = * , = + - 9 ) : +
7 BQ
B R + O + 9 +
= P
@<> 7B-; & 4*@ @ & **? *?2 2 @2& ?2 ? F9 ?2 & 779 ?&& &9F 7&F 9 9 *FF 942 *FF 942 @@4 &*7 2 F*@ 9 *F4 @* 9?& 9 * &7 9F4 294
@ ,> - 724 2 & 7 949 272 ?@? F?F 999 &2 72F 97 F72 9 &7 7F@ & 4 29 @72 27 4*4 7 79F 9 &97 *&4 4 *&7 * 244 4@4
@HBI> ; & *4 @72 F &*9 4*& FF4 @F 972 49@ @?@ 4? @4& 9 **F && *99 44 F*@ 77 &?4 *7? 477 *4 @4F 9 F 7&9 74 @ 2 *&2 &42
. ;, ;- @*& *F4 2 &4@ F&* *F? ?@4 97* & 2&& ?97 F *2? F? F 7 72* @ F29 44 @@ 7?& 9?7 7 7&? 9 9*F 92 &9 &?& 4 F2& F&*
7 ;, @ 9& 79? 49 F& ?27 47@ 2 4&9 @*& 4 *&9 2& 4?* 2** 9 9 &F@ *97 &F@ *97 F29 @@ *@ 74& *9@ @2@ FF7 &?* 2F7 ? *7 4 7
@ G, F 227 F? @* 477 * 2&& 2F9 * 222 4 2 F @F9 4F& 4& * 9 9 47 2 & *&4 @ 7 272 **9 F ? FF4 &4 72@ 9 &? 722 *9 F9? 2 7 @ 2@9
@ G ,. 7 ?F7 942 9* &&? * 999 ?*4 2 2@& 944 ? 4@F 9 ? *47 9 & 4F F? &2 @F2 *&4 7@9 29? 9& ?*& &27 2 &9* 9 &4* 2?& ? ? *49 7 F@& @94
@,> @J F 2 * F&9 &?7 && 7 F22 &F* & ?4? *@* & F?@ ??7 27 494 9 42& 2 ? @ * @? 24F *77 @99 @ * 4 2F* 9 & *?& ?F* 9&2 FF* 2& 92& *9
,$ K -F > B & 92 &74 * 49@ *4@ 47 ??4 229 *7 4* F 9F 9 9 9 9 9F &9 9 9 9F &9 F 2& * * 7 &FF
,@K E, F 22* 2*2 7 79@ 7?* 7?4 & &4F 24 2 27 7&7 &F2 F4? 9 9 ?@ 2*& ?@ 2*& &9* ?&4 *@ 7 9 &@? 9?4 44 @*? ?2F 49
8,; - E , @ *@ 9F& ?? 2&2 *7 F@2 7 92 F22 @ *&9 ?F& F@& 7@& 4 4? 4 F9* 7& 2F 72& &&9 9F2 7@4 27 2 9 @& @&@ F92 9 7 && F 2&*
.E, <;!. B @8,; B@ & 9@ 7* @ @*F 7@* &*? 7?4 F?4 ??7 72@ 9 447 22 &@@ 9 * ?F7 47 9F? *?@ F*7 9 9 2*? ?92 *9 9 F 2 24? @4?
.-@AB. F 7?@ 9* @4 F7F * 2 &7 * @9@ *?2 4 * @ 77 &? **& *7 &74 9 24 74 2@9 *F 4*7 9&9 9 9 9&7 4F F@ *9@ * @24 97?
A-; F F9* @?4 79 ?7 & 77* 4@9 * ?9* 4?@ F FF? *2? 4F? &@7 &4 &24 * @FF 77 2 F &&? F&? 9*9 F9@ * ??9 9 &F& 99F 29 F 4 29 ?7?
A-@ , <-.8, & *9@ 9& &* *?* *74 47* 24? @F@ 7FF @&4 29 4@F 9 9 @4 *F@ @4 *F@ 7? *F? 7 *74 9 *F2 & && F9@ 2 F9* *4*
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, 2 ?&9 ?4F F& F2 4 2 ?@@ * 9?F 2?* 2 F4* 2*F 2F &@7 9 F7 4*F 9 F*4 ?@ ? 72 @* 7F 2* 9 22@ ?@4 2? * 9 7?2 @@7
: !%

K #- %' % %+ 'L

47
$ BC, # %' %'#' $% "# #-J #! &99&

) : 8 = )

9 9
S 9 =
P =
O
+
> $ - ?8-,. = +
+ )+ B T ,
- 9 = T B T 8 =
9 P + : T
) * S )
* S
S

@<> 7B-; 4 *&? 427 *& * & 2@F 9? F&7 *7* 44@ 779 9 9 *7& 744 *7& 744 2 *@* F @ * 94?
@ ,> - & @4@ FF& F9 4?2 ?9 &FF &** *@ 9 9 9 *9 4*@ *9 4*@ 9 * *&* *2
@HBI> ; 2 49& 2&* ? *24 72 229 &9 ?74 ?9 279 9 &99 999 *&@ 9F* 4&@ 9F* 99 4 *9* 74
. ;, ;- 2 29@ @44 9 9 9 9 9 9 * *F& * *F& 9 22 ** ?
7 ;, 7 F9* 49F 4 F*? & * ? 492 4 792 4@? FF 29? 9 2@7 ?@7 49F &F 994 94@ *& 4&* 4 ? & 9@
@ G, 4 9 42* F7 &@@ FF7 & 7*? F7F 9 9 9 29& 947 29& 947 229 7* F ?7& ?
@ G ,. @ 7 ? F@& * ?&& 94 F7F @ 297 9 9 9 277 24& 277 24& &F @7& 9 24& 4*2
@,> @J F FF9 49@ F *29 @92 ?4? 2 & 7 9@7 * 4 9 4*4 ?9& 9 9 4*4 ?9& &47 4?4 &4 44* 9
,$ K -F > B 7 99? F99 *? 47? 24@ F2@ 4@? &*F 9 9 9 F99 999 F99 999 &7 27@ @ *** *&F
,@K E, ? @77 *? &4@ &*9 F9 999 * @ &*9 2 @77 9 9 24* 2@4 24* 2@4 9 7 ?F4 749
8,; - E , F 77? 2* 9 *7@ 92& *7@ 92& &4 999 9 F2F 92 &?@ 797 @&4 @ & 9 7 &&? *74
.E, <;!. B @8,; B@ & *** 2*@ 9 * 2@9 * 2@9 *9 && 9 9 & 2 @99 & 2 @99 9 & 47 @4
.-@AB. 9 2 F *97 2&7 79? &24 ?9F F?2 4 2 &99 F?& 9 9 4 ? &?@ 4 ? &?@ 9 797 ??*
A-; 7 47 ?2F *?& *79 *& F2 494 9&& ?@ &4F 9 &9@ 2@F ??4 49@ @74 994 9 9 4 9&7
A-@ , <-.8, & 77& 2F4 *4 9 F 9 2* @@2 9 9 9 *& &&@ *& &&@ 9 * 947 F77
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -,
? @4* 47& 9 9 9 9 9 9 &F *29 &F *29 9 7 9?@ @&&
: !%

K #- %' % %+ 'L

4@
$ BC, ## %' %'#' $% ! %' %! J #! &99&

> $ - ?8-,. , )+
, )+ , )+ , )+ = + = +
, )+ , )+ , )+ = +
9 9 2U A -
& ) & ) B*
= P

@<> 7B-; 22& 2&@ &?9 *9 9@ F ? 9 F 2?7 9 4*9 F@7 9 ?42 44@ 29 *4 4 2&& &9? 4*F 7@? *F 744
@ ,> - F @*7 &&* 47@ * * 2 & @*F *9 9 9 9 9 799 44 97 9 @ 4 @27 9
@HBI> ; F9 F9F 2 9&& F ?4* F* &&* & 4 ?@@ 9 F* 24* 9 &94 ?9@ 442 @*? ?7* &72 29 && F4 *2F
. ;, ;- 4 F&& &2* 7& 9 4@ 9*F 7 97? 9 ? 9F? 9 9 2? 7@ 27 F7 &9@ ?42 9
7 ;, 2* *& F @@& F9 * 4 7@9 & F 7 *7 9 *9@ 4*@ 9 4@2 F9 7?& 79@ & 7? 9F@ 9 2?9 F*
@ G, 9 2& *4 97 9 7 &7 4 * 9 9 & 2 F24 9 * ?@2 *7& @? 22 *77 * 9F2 *2 7&&
@ G ,. F2 722 7 24 4?9 9@4 9 *&9 7&7 9 7* ? F 9 &&7 229 &9* 9?@ 2 &24 *4? 7?F 9@ 22 ??*
@,> @J 99 ??@ &F 94 7?? ?@2 & *2& F@& 9 9 7? &?* 9 F*? 4& 4 ?&@ &?@ ?*? 2 @ 4&2 *@* 7*2
,$ K -F > B &@ 7@ @ &9* 9 *4* *74 9 9 9 9 &?9 @@& F&2 *?7 @9? @@? FF 924 9
,@K E, &94 9?7 *7 @44 79 *&& @& 4@4 4& &F& 2 @72 @&2 *22 F2@ 274 7@ 92? 7@* 9*@ 2 & 2*& &*? F4F 9
8,; - E , & 2@* @7@ &*? 49@ &7& *94 9 * 9*4 9 &** F?* 9 9 4 @9 & 7 F @99 **F &2& *& @F*
.E, <;!. B @8,; B@ @? & 7* 47* 2 &?& 9 2 7?@ 9 2F* @& 9 ? &2 47@ 2F? ?F? 29@ &7 & 7 &? 2@9
.-@AB. F** 7?& 4 99* 9 F7 @ 9 9 4*9 2& 9 *F& 9F& 7@@ 9&* &*9 ?@4 2& * 7 9 4
A-; F7* 94* ??? 9?@ ?*@ ?* &@@ ?47 4F ? & * 9 @& F& 79? &9 97* &F& *9F & 74 ?F *& &4& *2 4?2 * @F?
A-@ , <-.8, 9 2* 9& 4 4*7 7 24& 9F 9 4 ?F@ 24 4 4 9 74 *7 & 92 &94 9 @ 94&
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, *2 &92 *& F&* 9 9 9 2@ F4* 99 &?2 F ?92 F4 9@7 @F& ?&@ 9 & ?&? *@* *4 4
: !%

K #- %' % %+ 'L

F9
$ BC, #2 %' %'#' $% ! %' %! J #! &99& K" ! L

O +
= BO O
> $ - ?8-,. = = B ) ,
= +- = + +. S+ = + T+ = + O
+8 O = + +B * =
A +, 9 =
V !* T 9
W
@<> 7B-; ? * 29F 299 ?@9 & 992 972 9 FF &@F *9 F@4 9 ?4F &9F 4 9? 2?? 4 9? 2?? &7? *F@ 747 FF& 9 F & ? 497
@ ,> - 9 9 &F7 47& &47 2F2 9 9 9 79 9?9 *&7 F *&7 F *7 22 7? ?99 &@* 72@ & 99F 4?
@HBI> ; 2 7* 2 222 42 FFF F4& 9*? 4? 4?@ 9 9 7 *2 9 & 4@F @F? & 4@F @F? 9 &?@ 972 7 942 * F2F 2*
. ;, ;- 9&? 92& 9 2 F&2 & 9? ?24 2 29 ? 2*? 9 *4 ? * &7 ?F4 * &7 ?F4 4 ?72 22 & F *?F F*4 4 ?&? 24
7 ;, ? 9 2* & &F9 9 29@ 2?7 @ * 9 2 4* @4 *&2 & *49 2@9 & *F2 F2* @@ &7? F&7 F9& &94 @F* 2 ?9? @?&
@ G, &94 *&7 4@* &9 && & F &&7 4 *42 9 ? F2 &F 9*2 & 944 7* * F@9 4F 2&F 9 F @4? 2F@ &? 2@F 4 9 42*
@ G ,. &4? ?2 24 **? *7F 4F& 9 F4 F4@ 9 & 4 2FF 9 *?F ?F4 4@& &* 24 @4 7&F @9? 4 2?2 & 279 4F*
@,> @J 7?9 &*? @@ 4?& F29 **& 7@& &74 * F * 4* 427 &? F4 &9& 2 @ 2 @ ? F4? 4 924 *97 F? 4&& 72 4?2 9 @ 249 F7@
,$ K -F > B 9 &4 7&7 4?9 & 7 * F9? F@* 9 9 9 2?? 727 2 F7 47F 2 F7 47F F& ? ? @9 274 9 @ 9 27
,@K E, 9F ? 9 *7 *?* 7* ?* 2 2F7 ?F 29* *& F@2 *92 7*@ F4 &4 F @** &9F &2* 2F F9F ?9? 9 ? @77 *?
8,; - E , 27 44& *92 *@F 9 99 9& &* @4 9 9 442 *&F *9 2@9 * ?* F 29& 44* FF 2@7 4F &?4 F 77? 2*
.E, <;!. B @8,; B@ ? 4*2 9 &9 7& *2 @&7 2* 7F& 9 9 F* 2& 2?? &7? 2?? &7? 9 &94 94@ *4 & 4 94@ 27@
.-@AB. *? F9F * 9@ 74* 24@ *4F & 497 4?? 99 9** 9 9 9& @FF F * 7 *@ F * 7 *@ *F7 &@7 F * @99 7*2 779 9 F22 92F
A-; 44@ &&@ 9 7* 79 42* 9&9 2 F?* 7F * 4 2? 4 2 ?F 4& F99 ?94 F27 & @ &?@ F4? 497 97F 2& F * 299 4@*
A-@ , <-.8, 47 &2? 9 2 *@? 9 ? @@@ 9 9 @7 7 ? *9F 2F9 *9F 2F9 @F 249 @7 2?& &@ *2& F*9 ?&4
A-@ ;B @ B . $ , $ L $ -, ?4* 49 &@& ?@2 9 *2? F4* * ?9& 9 F @7F & &7 FFF * 4F9 @4 * 4F? @*7 @& &47 *&? 9*2 & 7?2 2 **? ?47

: !%

K #- %' % %+ 'L

F
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Barbosa, A. P. (1997) Economia Pública, Alfragide, McGraw-Hill.

Bravo, A. e J. Sá (2000) Autarquias Locais – Descentralização e melhor Gestão, Lis-


boa, Verbo.

Carapeto, C. e F. Fonseca (2006) Administração Pública – Modernização, Qualidade e


Inovação (2.ª Edição), Lisboa, Edições Sílabo.

Pereira, P.T., A. Afonso, M. Arcanjo e J.C. Santos (2009) Economia e Finanças Públi-
cas (3.ª Edição), Lisboa, Escolar Editora.

Montalvo, A. (2003) O processo de mudança e o novo modelo da gestão pública muni-


cipal, Coimbra, Livraria Almedina.

Nabais, J. C. (2006) A Autonomia Financeira das Autarquias Locais, Boletim da Facul-


dade de Direito, volume LXXXII (separata), p. 15-63.

Neves, M.J. (2004) Governo e Administração Local, Coimbra, Coimbra Editora.

Tavares, J.F. (2004) Estudos de Administração e Finanças Públicas, Coimbra, Livraria


Almedina.

REFERÊNCIAS ELETRÓNICAS

Alves, P. Transferência de Competências para os Municípios – Domínio da Educação


[online]. Comunicação no XXX Colóquio Nacional da ATAM - Associação dos
Técnicos Administrativos Municipais, realizado em Tróia a 28 de outubro de 2010
[citado em 5 de setembro de 2011]. Disponível em URL:
<http://www.atam.pt/component/option,com_docman/task,cat_view/gid,77/Itemid,
99999999/[.
AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve. Algarve e Municípios [online]. Faro:
AMAL. 2011 [citado em 31 de setembro de 2011]. Disponível em URL:
< http://www.amal.pt/algarve/default.asp>.

Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP). Organização do Estado e do


Poder Local [online]. Coimbra: Associação Nacional de Municípios Portugueses.
2011a [citado em 25 de maio de 2011]. Disponível em URL:
< http://www.anmp.pt/anmp/age/cong/14/rel01.pdf>.

F&
Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP). Municípios – Distrito Faro
[online]. Coimbra: Associação Nacional de Municípios Portugueses. 2011b [citado
em 25 de agosto de 2011]. Disponível em URL:
\http://www.anmp.pt/anmp/pro/mun1/mun101w2.php?dis=08[

Bilhim, J. A Governação nas Autarquias Locais [online]. Porto: SPI – Sociedade Portu-
guesa de Inovação. 2004 [citado em 14 de julho de 2011]. Disponível em URL: <
www.rcc.gov.pt/SiteCollectionDocuments/AGovernNasAutarquias04.pdf>. ISBN
972-8589-37-9.

Camões, P. J. Análise da Evolução Finanças Locais Portuguesas [online]. Lisboa: Esco-


lar Editora. 2005 [citado em 13 de julho de 2011]. Disponível em URL: <
http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/4280/1/finan%c3%a7as%20loc
ais%20portuguesas.pdf>.

Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL). O que são as Autarquias Locais [onli-
ne]. Lisboa: Direcção-Geral das Autarquias Locais, 2011a [citado em 27 de maio de
2011]. Disponível em URL: <http://www.dgaa.pt/default.asp?s=12168[.

Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL). Fundos Municipais [online]. Lisboa:


Direcção-Geral das Autarquias Locais, 2011b [citado em 18 de julho de 2011].
Disponível em URL: <http://www.dgaa.pt/default.asp?s=12105[.

Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL). POCAL [online]. Lisboa: Direcção-


Geral das Autarquias Locais, 2011c [citado em 10 de março de 2011]. Disponível
em URL: <http://www.dgaa.pt/default.asp?s=12104>.

Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL). Contas de gerência dos municípios


[online]. Lisboa: Direcção-Geral das Autarquias Locais, 2011d [citado em 14 de
abril de 2011]. Disponível em URL:
< http://www.portalautarquico.pt/portalautarquico/Section.aspx>.

Fernandes, M.J. Contribuição da informação contabilística para a tomada de decisão na


administração pública autárquica: controlo do endividamento líquido [online]. In
Revista de Estudos Politécnicos - Polytechnical Studies Review, 2007, Vol. V, n.º 8,
067-096. [citado em 21 de novembro de 2011]. Disponível em URL:
<http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/tek/n8/v5n8a04.pdf>. ISSN: 1645-9911

Governo de Portugal. Programa do Governo - Administração Local e Reforma Admi-


nistrativa [online]. Lisboa: Governo de Portugal. 2011 [citado em 30 de julho de
2011]. Disponível em URL:
<http://www.portugal.gov.pt/pt/GC19/Governo/ProgramaGoverno/Pages/ProgramadoG
overno_32.aspx>.

F*
Instituto Nacional de Estatística, IP (INE). Censos 2011 – Resultados Preliminares
[online]. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, IP. 2011a [citado em 12 de outu-
bro de 2011]. Disponível em URL:
<http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=ine_censos_publicacao
det&menuBOUI=13707294&contexto=pu&PUBLICACOESpub_boui=122103956
&PUBLICACOESmodo=2&selTab=tab1>. ISBN 978-989-25-0135-2.
Instituto Nacional de Estatística, IP (INE). Dados estatísticos – estatísticas territoriais
[online]. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, IP. 2011b [citado em 17 de outu-
bro de 2011]. Disponível em URL:
<http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_unid_territorial&menuB
OUI=13707095&contexto=ut&selTab=tab3>.

PRINCIPAL LEGISLAÇÃO CONSULTADA

Diplomas ordenados por ordem cronológica:

Lei n.º 79/77, de 25 de outubro – estabelece as atribuições das autarquias locais e as


competências dos respetivos órgãos.

Lei n.º 1/79, de 2 de janeiro - aprova a lei das finanças locais (primeira LFL).

Decreto-Lei nº 77/84, de 8 de março – estabelece o regime de delimitação e de coor-


denação das actuações da Administração Central e Local em matéria de investimentos
públicos.

Decreto-Lei n.º 98/84, de 29 de março - altera a LFL.

DecretoLei n.º 100/84, de 29 de março - actualiza e reforça as atribuições das autar-


quias locais e a competência dos respetivos órgãos.

Lei n.º 46/86, de 14 de outubro - Lei da Bases do Sistema Educativo (estabelece o


quadro geral do sistema educativo).

Lei n.º 1/87, de 6 de janeiro – altera a LFL.

Lei n.º 2/92, de 9 de março – aprova o OE para 1992 (alteração à LFL).

Lei n.º 27/96, de 1 de agosto - Lei da Tutela Administrativa (estabelece o regime jurí-
dico da tutela administrativa a que ficam sujeitas as autarquias locais e entidades equi-
paradas, bem como o respetivo regime sancionatório).

Lei n.º 5/97, de 10 de fevereiro - Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar (consagra o


ordenamento jurídico da educação pré-escolar).

F2
Lei n.º 42/98, de 6 de agosto - altera a LFL. Revoga a Lei n.º 1/87, de 6 de janeiro.

Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de fevereiro – aprova o POCAL.

Lei n.º 159/99, de 14 de setembro - estabelece o quadro de transferência de atribuições


e competências para as autarquias locais.

Lei n.º 94/2001, de 20 de agosto – quarta alteração à Lei n.º 42/98, de 6 de agosto
(LFL), alterada pelas Leis n.ºs 87-B/98, de 31 de dezembro, 3-B/2000, de 4 de Abril, e
15/2001, de 5 de junho.

Decreto-Lei n.º 264/2002, de 25 de novembro – transfere para as câmaras municipais


competências dos governos civis em matérias consultivas, informativas e de licencia-
mento.

Constituição da República Portuguesa (CRP) - atualizada com a VII Revisão Consti-


tucional (2005).

Lei n.º 2/2007, de 15 de janeiro - estabelece o regime financeiro dos municípios e das
freguesias (atual LFL).

Lei nº 67-A/2007, de 31 dezembro – Lei do OE para 2008.

Decreto-Lei n.º 144/2008, de 28 de julho - desenvolve o quadro de transferência de


competências para os municípios em matéria de educação.

APÊNDICES

F4
FF
8M$ - B 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &999 K #- %' % %+ 'L

- 7 + ) : ,B
A , , + ) +
- 5 +
> $- ?8-,. = ,B + ) + ) : : +
Q R ,B + 7G ,B + 7
: ,B

-(+<% # 2 @7& &&7 & * * *94 4 * @ 4?4 &4@ F9@ && 7?2 ? ? * 42 92F 9 2*@ *? * @79 7* 9 * @79 7* &F 742 @99
-" + 29 74 *F 2&& F *2 &F 7&9 *F4 2*2 & 944 779 &&2 @@* &9 9? & *99 @79 9 @?2 & * @4* & F?? *7?
-)%3+ ?&9 ?@7 @9 F2& 2*2 F * 2& @9? &77 @4@ @?2 F@F FF @72 ?2 24F & F *4 22 * 7 & F9 24* * 22@ 2 &
#' # @29 4*7 4 ? @2? *47 *?F 4& 4 7 & 7F@ *79 79@ *?2 @F 77? 27 F2 @42 2&4 9 @42 2&4 2 7&* 794
:# * ?& F4 *2 F7? 2F& *4 ?7 @& F F9* 779 * 24 F&& 9 4F& ?9 2 9 * ?@& 2& &?9 2 2*4 9F& & 9*7 @2
#1 # ? F42 @ & & *&2 *27 & @2? F4F *? @?7 & @F2 7@4 & 9?2 F*4 &29 99& 4 F& & 2&@ ?@@ 9 & 2&@ ?@@ 4 *@2 F@2
#1 ' @ 2?* 2&2 @42 &79 2 ?F4 FF4 &?* 7 4 4 2F? 72 & *&7 2@7 9 &44 FF@ & 472 F? ?@@ ?4* * *7* @&9 7 74 92
+-R &4 9&@ 797 * 2*& *&7 4 224 *2? 77 ??9 *2 9@F &4* 2 479 2& F22 *9& 24@ 247 4 F7* @9& 29 @4F 4 ?&2 747 *@ 7&
!"6 ,+% F@@ F?2 ?7 9 & * **4 2F * 7 *4 **@ & &7& **4 22 *?& *F 947 & 2F& ?F4 9 & 2F& ?F4 * 4@7 92
-60 * 27@ ?94 @F4 &9@ & ?F ?F@ &&& ?F7 F 742 24 & 9*2 @@F 7@@ ? & & 9& * 24 ?&@ 9 *F * 44 7F2 99 9* 4
0 2 4?? &4@ * 4&* *22 *2 ?49 F4@ F&4 @ 7@2 @?7 * *4 4?* 9 ?7 ??2 * 4*9 *2? 9 * 4*9 *2? &* 2&4 *&4
H' $% - %- 9F9 @?7 F7* F&? 429 @ F 4 9@7 & &@9 F&9 *&& &2* 42 @ ? 7@ @9& FF? 9F& ?@F FF7 747 * @4@ 2?7
- %' 2 &4@ &44 @@F 929 & @? 7?7 2@F * 2 7 ?&* 27F * *&2 ?@ 24* *2& *?? 9?F 2 42 4@? 9 2 42 4@? & 7?7 972
# # 2 9F ?4* & 9*& ?7 & 42F 22* *? &44 7 ?&* &*& & @ 9 7F4 *&@ 27F &2? ?4* * 277 92 7 292 * 4F@ 49? & &@& ?*@
8 -# $ ' @4@ 9?@ &*2 @72 *7F 9@9 **4 9&* & @ 4 ?2 29F & 7& 4& & *92 49@ @2F 9 49@ @2F 2 2&4 &9
8 -# %#-$% ! G! ** 42 4 F?4 @2 * 29@ 79& **@ &@? ? ?29 24F 4*? 7&@ 79 4 9 9 ? 7 **@ &* &42 ?2 4@* @ 27& 927
, @ '6 2# 2#1 #' #'' 401 2/ 26# 0'1 2 '# 2'4 1/ 4'4 /26 20 041 '2/ 2 3 4 '#6 2 #21 # /1 6/' #6 /22 430 /4 6/ 2' # # 04# 316

Adaptado de: DGAL

rend. = rendimentos

F?
8M$ - B # %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!>
" #' $ J#! $% &999 K% % "%! #1% L

) :
,B + ,B + ,B +
> $- ?8-,. ,B( +
7G 7

-(+<% # 77J@?Q 9J99Q J9*Q 2J7&Q


-" + 7@J*4Q @J?7Q 9J7?Q 74J@2Q
-)%3+ @*J*&Q *J ?Q *J4&Q F J*4Q
#' # @&J47Q 2J@FQ &J2FQ 29J4&Q
:# 74J@@Q 9J99Q 2J9 Q @J97Q
#1 # 74J*7Q @J77Q 2J?2Q 4J?7Q
#1 ' @9J Q 9J99Q @J7@Q *J? Q
+-R 79J47Q J*2Q 7J97Q 2J&?Q
!"6 ,+% @&JF?Q 4J7FQ J2FQ F7J24Q
-60 F2JF@Q &7JF9Q FJ? Q * J2&Q
0 @2J@2Q 9J99Q 4J9FQ 4J9?Q
H' $% - %- ?@J*&Q @J&@Q J*@Q 2&J 9Q
- %' 79J9 Q 9J@ Q @J97Q *&J&FQ
# # 7*J24Q @J24Q ?J 9Q &7J*7Q
8 -# $ ' @*J &Q 4J2?Q J2 Q *2J &Q
8 -# %#-$% ! G! 7@J49Q 9J49Q 9J99Q 7J &Q
, @ 43533 6532 150# # 503

Fonte: Autor

Cálculo: OE - FGM/total das transferências do OE; (…)

8M$ - B 2 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G #! #-$#'


%"% #' G #'J#! $% &999 K% % "%! #1% L
- ;
A ,
- 5 R (
> $- ?8-,. =
Q

-(+<% # F4J49Q 9J Q &*J&FQ J *Q 74J 7Q


-" + *7J42Q @J@?Q 22J 4Q ?J*2Q *JF4Q
-)%3+ 44J@&Q ?J9*Q **J?&Q *J**Q *?J*?Q
#' # F?JF*Q 7J94Q &J2@Q J7*Q 4@J27Q
:# 7&JF2Q 7J97Q 7J7 Q 9J2?Q ?7J@&Q
#1 # 4@J92Q ?J@*Q &&J?2Q 9J&@Q 72J&&Q
#1 ' F J&4Q FJ ?Q *9J7 Q J??Q 7&J94Q
+-R ?*J2 Q 9J9?Q 4J@?Q 9J44Q 74JF&Q
!"6 ,+% F JF*Q FJ7?Q &?J2&Q 2J97Q * J44Q
-60 49J@ Q 2J97Q * J?FQ *J&4Q F7J2?Q
0 ?*J&?Q ?J? Q 4J?9Q *J*&Q 72J@*Q
H' $% - %- 2FJ*&Q &@J72Q &*JF Q 9J&&Q 4?J74Q
- %' 27J7*Q J2&Q *2J9?Q 4JF@Q F?J?2Q
# # 2?J97Q &*J*9Q &@J @Q 9J2*Q ?9J@FQ
8 -# $ ' F?J&9Q 7J9FQ *J&2Q J2@Q F4J77Q
8 -# %#-$% ! G! 2&J7*Q 7J?*Q 22J94Q 2J*7Q 7 JF*Q
, @ 135'' #5#1 #'541 544 66524

Fonte: Autor

rend. = Rendimentos. Cálculo: Impostos diretos/total receitas próprias; (…)


F7
8M$ - B / 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &999 K #- %' % %+ 'L

B +8
, + ,
A ,B + ) + 8 V = 8 =
> $- ?8-,. ,B + 7G ,B + 7 ) : )
= ) : ,B + ) )
)
-(+<% # 4& F&* & *F9 ?9 9 F22 4@? * 994 &@? 2 4 7 97 9 ? 4&* *?@ 9 29F @2@ F4 4 ? @@@ 2FF
-" + &9@ *?9 47? 2@ @@2 @& ?*? F ** ? 7&7 9?2 9 & 22 *@ 9 &27 9 & 4 4F& & ?94 ?F
-)%3+ *F4 944 * F 2F? 22 F4? 92 @ 2? 422 222 ?** 9 & @ F &?? 9 9F &F2 9 * *7? 4@F
#' # 2* *@4 &9F &27 F2 4@2 ?* 2?7 *22 *&9 4&4 F** &77 9? & 47 9&2 9 9 9 & &9 2&9
:# 4 F &7 & *9 9?@ 9 @&@ @ 2 2 &*9 @@* & 7@ F 7 9 F 2&9 F 9 & FF2 979 9 @ F99 @?&
#1 # @ ?4F *7* 97? 4@ @@@ 4F@ 2?* * & 44@ 7@ F@2 & @@ * &&* 24 9 74? @*& 9 2 &9 29
#1 ' *9 @*4 44& *&@ 9 &44 4F@ 79? 7@7 4F @@F ?2 4?@ & 422 2?* F4 ?@7 9?? F2 4&@ * 2*7 ?@
+-R *4 2*4 * 94* 2&F 2&@ 4*4 &&& *?@ * ?94 *29 *&& *@7 9 2 9&? ?*7 9 9 9 2 9F* ?*
!"6 ,+% ?@@ 9&2 4& 44* @F &27 ?&F *?2 & *22 ?F 9 9 229 9 * *42 F 4 9 & 727 9 9 ? 99 ?2
-60 &F ?F@ *4F FF4 4@@ 79@ 29@ F@7 & *FF ?* 974 @27 24 * 24& F4 9 ?&? &*? 9 2 22 ?&
0 4&& 42 & &*2 *79 9 FF @@ & 299 479 & &2 *@7 * &? 2 @42 F7@ 9 * @9F & ? 9@7 @ *@9 22@
H' $% - %- 2F F*7 77 2@F 9* &?F F9 ?** 24 492 7*& 292 9 & @?? @97 9 *F& F&F 9 * *7? ?&
- %' 2* 7@2 && F @ *9& &*& ?27 *@F * &FF ?2? ?49 42 9 4 9 ? &77 9 9 9 4 9F 7*
# # &&* 4@F @29 4?* & @ FF F&F &F * ?7F *F9 ?97 7@& 9 2 2@4 &4 9 7 72& @ 2 9 2 4F ?F
8 -# $ ' 24 77@ @*? 2 44 9 ? 9 @@& 2&7 *7F F@7 4 2@F 2*9 F&& 9 4 ??? 9 2@& &7@
8 -# %#-$% ! G! *&* 4?4 9&4 & @ &9 *29 &4@ *49 & 292 @9@ 2 9?* 2&7 9 F 2?7 **? 9 9 &? F*7 ? 7&@ 44
, @ 3 /2' 1 6 #1 136 2/ # 2/3 212 0 003 // 24 004 // #2 310 061 4/4 ' 12 / 1 ### 13 # 64/ '0' 2 2/2 0' 61# /24

Adaptado de: DGAL

Estado - Part. Com. Proj. co-financiados = Estado - Participação Comunitária em Projetos co-financiados

F@
8M$ - B 3 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!>
" #' $ J#! $% &999 K% % "%! #1% L
,B +
> $- ?8-,. ,B + 7G ,B + 7
) :
-(+<% # ?7J44Q 9J99Q & J24Q
-" + 72J@4Q @J*9Q 4J?4Q
-)%3+ 7@J2FQ *J9*Q ?J49Q
#' # 7@J?*Q 2J79Q 4J2?Q
:# 42J*@Q 9J99Q 24JF Q
#1 # 22J22Q 4J 2Q 49J2&Q
#1 ' 74J7FQ 9J99Q 2J 2Q
+-R 7&J2 Q J4@Q FJ99Q
!"6 ,+% F2J@ Q 2J Q *9J@@Q
-60 4?J*2Q &4J*4Q ?J* Q
0 @*J97Q 9J99Q FJ@&Q
H' $% - %- ?FJ@4Q @J9&Q 2J9*Q
- %' F?J72Q @J&4Q &&J@ Q
# # 4 J&4Q 4J79Q 2&J@4Q
8 -# $ ' @2J2FQ 4J42Q 9J99Q
8 -# %#-$% ! G! 2&JF*Q 4J99Q 4&J*?Q
, @ 14521 15' #3512

Fonte: Autor.

Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B 1 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #-! #-$#'


%"% #' $% "# #-J#! $% &999 K% % "%! #1% L
B +
) : A 8 8 =
> $- ?8-,.
,B = 8 V + )
)
-(+<% # *?J4?Q 9JFFQ 4FJ27Q 4J9@Q
-" + 4@JF2Q 9J9 Q *9JF Q @J ?Q
-)%3+ 2*J22Q 9J?7Q 2&JF4Q *J 2Q
#' # F J9?Q J@?Q &*J77Q 9J99Q
:# 22J9?Q 4J*7Q &&J7 Q &?J?4Q
#1 # ?2J9@Q &J74Q &J *Q &9J2&Q
#1 ' 4&J47Q 9J@9Q FJ*4Q &*J& Q
+-R @ J @Q 9J7?Q ?J@*Q 9J99Q
!"6 ,+% **J27Q J2 Q 2J2*Q 29JF7Q
-60 4*J&7Q 4J7@Q &2J24Q FJ*?Q
0 &4J4FQ 4J4FQ &*J7?Q 2 JF9Q
H' $% - %- **J7&Q J*7Q 42J 9Q 9J? Q
- %' F2J44Q 9J7?Q *2J4@Q 9J99Q
# # &FJ99Q 7J29Q 2J7?Q F9J?*Q
8 -# $ ' FFJ49Q *J97Q &4J@ Q J9FQ
8 -# %#-$% ! G! *9J?&Q FJ@9Q 4&J9*Q 9J99Q
, @ /#506 3504 #3506 #/5''

Fonte: Autor

Estado - Part. Com. Proj. co-financiados = Estado - Participação Comunitária em


Projetos co-financiados. Cálculo: Transferências OE/total receitas capital; (…)
?9
8M$ - B 6 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' !
#-$#' %"% #'J#! $% &999

+
; A , +
> $- ?8-,.
) = R
R

-(+<% # 4 ? F 942 F @4 F?F &?F &4 && @2* 744 F4J7*Q


-" + 2 *?2 @? 22@ 2& *7* *7 &9F ?J97Q
-)%3+ ?& 9? 7@9 999 2& @9? F42 9 2 &2J @Q
#' # & &*F 4F4 F&* F@& 4& 4 7 & @ & ??4 2 J2FQ
:# 2 F49 @4 & *@ 9 7 ?7 @& ? &9 F9 44J77Q
#1 # 7 F&& ?&@ 2 2&* @2* *? @?7 * 972 F4 FFJ??Q
#1 ' @ @F9 F&4 4 &F* F79 **7 49@ 4 4F& 7 2 F@J7&Q
+-R &F 97F 4?F ? 74F *2 77 ??9 *2 * F77 ??J?7Q
!"6 ,+% ? * F ?2 @&7 2F * 7 @*2 *F* 7J&4Q
-60 * 4F ?FF * ** F7F &&& ?F7 ? F &&9 2@J&2Q
0 F ?2@ 422 * 997 *49 FFF ?&* &9 2&2 F ? F&J&2Q
H' $% - %- ?F 772 44 &?F 4 9@7 & **? &4? * J7 Q
- %' 2 27& &@* * ?77 ??2 2@F * 2 7 ?F? *7 27J7?Q
# # 2 797 ?& 4 9 29 *? &44 @ @2F 7&7 *?J92Q
8 -# $ ' & 9&2 2FF F9 4?4 **4 9&* & @F 9F2 49J92Q
8 -# %#-$% ! G! * ?& 7& 4 99* 44 *FF @*F @ 9@ FF@ 4&J4&Q
, @ 3 262 /'3 3 612 2/' 2 #22 4 6 6' 26' 31# 315'0

Adaptado de: DGAL e cálculos próprios

Cálculo: Receitas próprias = receitas fiscais + venda de bens e serviços + outras receitas;
Receitas fiscais = impostos diretos + impostos indiretos; % receitas próprias = Total recei-
tas próprias/total receitas

8M$ - B 4 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &999 K #- %' % %+ 'L

O ,
B * ) : +
> $- ?8-,. 8 =+
)

-(+<% # @ 7&2 ?@? 7 F?@ 4 ? @ &24 *@4 92* &29 F &9 &*9 ?F2
-" + 42 @*2 79 &&F ?F *2 & 74 * 44 F& * 9?& F*4
-)%3+ F@* ?2* &@ 9?2 4* 4? *?2 @* &9? * 2 * ?77
#' # *7 * F 7*2 24 @&* F & 9&9 &&@ * 7&7 F**
:# ? F4? 77@ 4 &2F ?44 &4? 94 & &*? F2& 22* @29 4 72* &?7
#1 # 2 77* 97& * @*@ 9?& @2 4&F 7 ? 94F & & &9@ 9 924 @22
#1 ' F 7F& 4@F 2 @ 4 F9* & * *4 @&4 F92 2*F 74& * *42 99?
+-R 2 9* &4 &? ?* F*? & &7 ?*F 92 &?@ &@ *?2 9 2
!"6 ,+% 729 &?9 79@ @4* 2 F7@ 9F &22 *9 9** & ?@ 77
-60 4 494 **& * @?F 4 & F7 ?2@ FF7 F@7 27 7@ 9 &F? 279
0 ? &* 42& 7 9F 9F@ &72 ?92 & *7@ 4F &&@ @@ 7 &2 7F?
H' $% - %- ??2 ?97 2*F &22 4? &*& *F4 9&9 &2 94? * F4? &F
- %' 4 FF* 92& * *&2 4F* ?4 79? @F2 ?F4 229 @@& 9 2F@ F@
# # 4 *27 7F2 2 2** & F &&* 2 ? 949 @ 2? & 9 &9& 7&F
8 -# $ ' ? @ 44 9@7 27 2F 2 7 &@& 94 @ *27 * ?4 4 ?
8 -# %#-$% ! G! * ?2 F97 * 4@F 9?* 49 ?2* &@& 244 @ 4*& 7 F@9 2
, @ 4' 662 3#1 11 364 #4 46# /'2 3 00' 6## # //2 43' 16 134 64#

Adaptado de: DGAL


?
8M$ - B 0 %' #-$% "#$# $% $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' " %! %'J +! "=>
K% % "%! #1% L

O ,
B * ) :
> $- ?8-,. 8 =+
)

-(+<% # 27J4FQ 2&J@9Q 9J24Q FJ@9Q J @Q


-" + 49J 7Q *7J2 Q &J27Q ?J Q J7 Q
-)%3+ 2@JF Q *?J7&Q J4?Q 9J@FQ 9J92Q
#' # *FJ97Q 2?J@ Q 9J9&Q 4J@@Q 9J9 Q
:# 27J*2Q **J &Q JF&Q 2J &Q &J79Q
#1 # 27JF Q *@J& Q J@2Q 7J *Q &J Q
#1 ' 4 J*@Q *FJ7 Q JF9Q FJ@*Q *J&?Q
+-R 27J9 Q 2*J&?Q 9J4@Q ?J??Q 9J*FQ
!"6 ,+% F4J@*Q &@J9&Q 9J ?Q *J7 Q J97Q
-60 4*JF&Q *7J?*Q 9JF?Q FJ4 Q 9J2?Q
0 *@JF2Q 22J22Q J4FQ *J 9Q J&FQ
H' $% - %- 27J4*Q *@J&?Q J4FQ @J@7Q 9JFFQ
- %' 42J9@Q * J?FQ 9J?&Q @J&&Q 2J& Q
# # 2?J?4Q *@J4?Q J@@Q @J*?Q J* Q
8 -# $ ' 42J 4Q *2J47Q J2FQ @J&9Q 9JF Q
8 -# %#-$% ! G! 2*J94Q 2 J*7Q 9J47Q 2J7?Q 9J Q
, @ /45 4 2056 5 # 053/ 5/1
Fonte: Autor

Cálculo: Pessoal/total despesas correntes; (…)

?&
8M$ - B ' 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &999 K #- %' % %+ 'L
- BO ,
BO B !* , , = + ) = 8 = +
> $- ?8-,. K )X
. . ) = ) )
S )

-(+<% # 4* ? 9 *?@ & 9 ?7 2F 7&F *@* &29 &* 99 4F* 992 ??7 * ?4 ?@7 ? F*2 7*9 F*9 4*9 F @ 9 F*@ 974 9 @ 9FF *44
-" + & * &FF * &F? * 472 * 727 *? ?*2 2 9FF 4& 9@* 9? &*& 7@7 9@ 7& 772 9 F? F* ? & &49 * ?
-)%3+ 4 F*F 7 2&2 F4 7@@ * ? ?7@ ? @&& ?7 @&2 7& F*9 *?? 7&@ & 7F9 94& &FF FF& 92? &@4 &7* 9 * 2&* 924
#' # 72@ ?7& @4 449 ?9 9 F 227 7@7 &? F2? *7 97? *@9 **2 ?? 77 * &@7 @F 9 9 4 F*F 9 * *9* 7**
:# & 729 294 F ? @?F 9 4 ?F& 4&? 29* F&? 9 @24 24 *@9 ?*7 9 @F9 ?&4 & & 2 7@ &7@ 92* 274 F99 9 2 @2@ 44?
#1 # 44* 799 ?* @9 74 &F2 444 29 F*F &*? @9 *4? @99 *F F9& 4&* 4 F@? F @ 74F *? &* &27 49 F4 4 4 F4& ? 79& 42
#1 ' ? 9*& 99* 9 9 9 9 9 7? ?&2 &7? 44? 7 @ &72 44 @@@ 97 ?@ 49& @F7 9 7 @47 2*9
+-R *&& *F2 *F& & 29F 29 &* @? 2 & 2 77? 2&@ 9 F @44 ? & &2 9* F 9 9 ?*9 2 24? &7* &2@ 494 4 & 4@ 74F 4 &2 F*9
!"6 ,+% F *F? 2@ * 92 4@ & ?@F F?4 2 2*@ &?@ F F 29& & F 4?7 4&F 4 *2 @ 24? 9&2 9 7* F& &9& 9F* ? 7*& 4@
-60 & 4F7 9 9 9 9 4?& &2 ?&7 ?F@ & 72 @7@ * 49? 4F? *F 7&7 9 *9& 7?9 @ @?F 2 7& &2
0 2@F 9?2 F 97 242 & F7@ ?2* F47 24* 2** 4?4 7 *? 24F 9FF 4 4 F4? * *2@ *@* *? &?2 *7 F @9 *4? 9 * F@9 729
H' $% - %- 2 F?9 @F &4& 9 & @@2 & @ 9 9 *49 FF9 &29 F * 7&& @F& ? 247 & &7@ * ?@ 9 * @?4 2@@
- %' &2 @*4 *7F F 7 *2 2 ? & F9 F 7 42? @9? 9 2 *F* 777 @&9 79 F F 7*7 *94 @&7 7@ F*7 72 F@& 9 ? 242 9@F
# # F 292 @F * 274 499 @ 79* 7 4 F7@ 7*@ F?F 9 274 ?72 & 22* & 2 FF4 ?F 4 & F 42@ 4 ? F4& 9 4 F@F 9??
8 -# $ ' *7 F?? &24 427 9 @42 4F9 9 9 &2 &?@ 224 &*& @&4 &@4 F* 9@7 *9 &7? F2 ?9* 9 & 7* *7*
8 -# %#-$% ! G! 22 4 &4& @44 2 72 F99 2F2 &7 779 ?2 F @@9 2* @27 @&? ?42 7 279 7 & 9 &47 9 2 F2@ 9 7 794 9&4
, @ #' 604 4#3 2 /64 02 #2 2 3 '2 #2 '6 '16 2 4/6 106 2 216 #/3 4 363 /14 # 21# '6 6 43# 26 ' 4#4 0'# # /6 #33 6 '4' #/# 640 #34 24 104 '#4

Adaptado de: DGAL

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst. Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.=
investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despesas

?*
8M$ - B %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! !
#-$#' $%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &999 K% % "%! #1% L
BO 8 - =
K + BO B !* - , ,
> $- ?8-,. )X (
. . S ) =
) - =
-(+<% # FJ42Q &J 4Q 4?J?&Q 2JF@Q J*FQ 9J4?Q 4J?9Q & J&?Q 2J@FQ
-" + J&2Q 9J ?Q FJ2&Q JF7Q J@@Q &J FQ 7J9 Q 47J**Q JF Q
-)%3+ J7 Q &J74Q &&J?@Q 2FJ97Q 9JF*Q FJ&FQ FJ*@Q *J& Q &J2*Q
#' # &4J??Q &J@9Q &J &Q *JF Q *J7?Q 2J @Q J7*Q *4J? Q &J79Q
:# &4J@ Q 4JF2Q 9J99Q 4&J4?Q *JF7Q 9J99Q 7JF*Q *J4FQ @J*9Q
#1 # &?J&?Q *J94Q &9J79Q @J?4Q J ?Q J4@Q 4J79Q 9J4?Q 2J7*Q
#1 ' 74J74Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9JF2Q *J4 Q FJ@4Q
+-R 9J9 Q *J4 Q &*J7&Q &&J@FQ &J *Q 2J&4Q @J2FQ &*J7FQ 7J4?Q
!"6 ,+% J 4Q &J 4Q &9JF?Q 4&J*4Q 9J97Q 4J&*Q ?J4*Q 9J7*Q 2J4*Q
-60 9JF Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q FJ* Q &9J?7Q F&J&@Q &J@7Q
0 *J?&Q 24J4FQ &9J 4Q &J2&Q *J&4Q 9J 2Q *J2&Q J*4Q J**Q
H' $% - %- J9@Q 4J *Q 9J99Q ?7J*&Q 9J99Q 9J99Q @J ?Q FJ&7Q *J&2Q
- %' 9J2 Q FJ*&Q 4J47Q *4J*&Q 9J @Q 2J7*Q 4J@4Q * J29Q 4J @Q
# # 2*JF?Q &*J??Q J* Q 4J4FQ 4J?*Q 9J99Q *J* Q FJFFQ &J22Q
8 -# $ ' &J9 Q &J?4Q 9J99Q 2@J47Q 9J99Q 9J99Q &J4*Q &*J *Q JF*Q
8 -# %#-$% ! G! 9J ?Q &J@7Q 2@J*4Q 4J2?Q 9J*7Q ?J&&Q J?9Q &&J?*Q ?J&9Q
, @ 6513 5// 0564 051 25#1 #541 65#4 45 2 ''5''
Fonte: Autor

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst.


Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.= investimentos; Invest.= Investimen-
to. Cálculo: Habitação/total do investimento; (…)

8M$ - B # %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# ! #-$#' $%' %'#'


$% "# #-J#! $% &999 K% % "%! #1% L
,
) = 8 =
> $- ?8-,.
= ) )

-(+<% # @&J2@Q *J* Q 9J74Q *J*4Q 9J99Q


-" + 72J*4Q 7J *Q 9J99Q ?J24Q 9J97Q
-)%3+ 7*J44Q ?J?@Q 9J9*Q 7JF*Q 9J99Q
#' # @@J7*Q 9J99Q 9J99Q 9J ?Q 9J99Q
:# ?*J*&Q 2J7 Q 7JF&Q *J&4Q 9J99Q
#1 # ?*J9&Q 9J@7Q &J@FQ FJ2*Q FJF Q
#1 ' @ J22Q J?2Q J& Q 4JF Q 9J99Q
+-R FFJ?@Q &@J2?Q 9J99Q *J*2Q 9J29Q
!"6 ,+% F7J&9Q 4J72Q 9J99Q &*J*7Q &J47Q
-60 7*J7?Q 7JF4Q 9J99Q ?J&2Q 9J&2Q
0 @?J4 Q J99Q 9J7*Q 9JFFQ 9J99Q
H' $% - %- @FJ FQ 9J22Q 9J42Q &J7FQ 9J99Q
- %' 7&J9FQ 2J 9Q &J42Q J&@Q 9J99Q
# # @*J22Q *J&FQ 9J99Q *J*9Q 9J99Q
8 -# $ ' 77J 7Q &J7@Q J*@Q ?J42Q 9J99Q
8 -# %#-$% ! G! @FJ* Q &J*@Q 9J99Q J*9Q 9J99Q
, @ 4/506 654 533 35 ' '536
Fonte: Autor

investim.= investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.=


despesas Cálculo: total investimento/total despesas capital; (…)

?2
8M$ - B 2 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 #
#- #-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &999

B * 8 = . =
> $- ?8-,.
) ) =

-(+<% # @ &24J 9 F*@ 974 ?*9 **9 J7FQ


-" + ?F *2 J9& F? F* &2* @?& 2J47Q
-)%3+ 4* 4?9J7@ &@4 &7* *27 742 4J 9Q
#' # @&&J?7 4 F*F F 44@ 9J9@Q
:# &4? 949J4 274 F99 ?2& F49 &J2 Q
#1 # @2 4&FJ @ 49 F4 F@F ?? *J@9Q
#1 ' & * *49J7& 49& @F7 ? F* @ *J& Q
+-R ?* F*FJ42 494 4 & F?@ 27 J4*Q
!"6 ,+% 2 F77J?9 7* F& 7*4 74 ?J&7Q
-60 F7 ?2@J* *9& 7?9 *? F @ &J4?Q
0 &72 ?9*J7F @9 *4? *?4 9F J ?Q
H' $% - %- 4? &*&J9? * ?@ ? 9&* &J&2Q
- %' ?4 79?J*9 72 F@& @ ? 2@@ 4J &Q
# # &&* 2 FJ4? 4 ? F4& ?2 9F@ &J?FQ
8 -# $ ' 2F 2 7J * F2 ?9* & & *J@2Q
8 -# %#-$% ! G! 49 ?2&J? 2 F2@ F4 *@ 9J@4Q
, @ 46# /'2 6 '4' #/# 4 03# 1// #50#

Adaptado de: DGAL e cálculos próprios

Cálculos: Serviço da dívida= Encargos financeiros + Passivos financeiros; % total=


Serviço da dívida/total da despesa

?4
8M$ - B / 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &99 K #- %' % %+ 'L

A 7 + ) : ,B
- , , + ) +
- + + +
> $- ?8-,. 5 ,B + ) + ) : : +
= R ,B + 7G ,B + 7
Q : ,B

-(+<% # * 797 &@& & 7@9 ??7 F 9&? ?@* * ?? @ &* 922 47* * *@& 492 9 4*2 4 ? * @&? 9& 29@ *47 2 **F *?@ &? *79 @F&
-" + ?7 4@9 F? &4* F7 ?7* 2& 99@ 24F F*4 @ &9@ &&& 7@* 4*2 4 ? & FF7 F @ & ?@2 & F7 2 * * *7 92?
-)%3+ 9F* 9@* @ 4*& 4&& ?F4 22 9@ ?2@ 2@@ 7*? &&& ? 9&2 4*2 4 ? & *77 ?F* & &&4 & 499 @77 2 &49 27F
#' # & 9F 942 4 2 F94 47* 2&@ &? *&7 * ** 2 F F? F& &2 F2F 4*2 4 ? & &*9 *&4 *4 4?* & *F4 7@7 4 F@? * 2
:# 2 *@9 @&7 ?&4 *7& & 9 4 972 4 ??4 7 7* F@ * &99 ** 9 4*2 4 ? * ?*2 F2@ F47 92 2 *@& ?4* && 4?4 @&&
#1 # 7 2?F 7@ & 4?4 2F7 & @&@ @*@ *? @2@ 2 9&9 &2F & 9*& 44? F& *49 4*2 4 ? & F&@ 2&* & 24& & ?49 7?4 F ?? &&
#1 ' 9 9F 27& &29 2@4 4 2 ? @@7 *4F F? ? 9?F 2 & 92? ?79 9 4*2 4 ? & 47& &@? @4& *F4 * 4*2 FF &9 F 9 79*
+-R &? 729 F4 2 *94 949 4 7@4 22& *?& ?* *7 2 & 7*9 2 @4& &*4 FF 9@9 4*2 4 ? 4 F4& 72& F?@ 72& F **& F7* 22 ?24 4 *
!"6 ,+% ?7@ @&F F& 47@ 22 @@4 *4 772 **9 *@2 & && @@9 7& ?*F 4*2 4 ? & 7*@ &2& 2? F22 & @7F 77? 2 * ? &79
-60 2 &22 & *9 FF9 & 4& @2? 2F9 77@ 7 *4? F97 @7@ @22 ?*9 *9 4*2 4 ? * &42 4@ &2* 4&7 * 2@7 &9 744 ?&7
0 2 ?*4 ?&? @7@ &@F 4&& ??4 994 *2? @ &4* 24 * 9@ 772 9 4*2 4 ? * F&F 299 *2 *4& * @F? ?4* &* &&9 7@7
H' $% - %- *9F *?? F*? &9 F9F ?4* 2 *24 & 442 4@* F7 2&2 &4 **2 4*2 4 ? ?&7 &?4 F4 ??4 7@2 949 2 227 F22
- %' 4 4* 4&4 *&F F** * 4*9 77F 27? *@4 9 2@7 2*@ * 2 F 724 &*? @ & 4*2 4 ? 2 7@ &?2 F ? 2&& 2 79F F@F 4 *94 *4
# # 2 &?& F@7 & 72@ 42* & 2*4 F29 F4 F2? @ F&* 4&? & @?2 ?4F 72 &?? 4*2 4 ? * 4@* 449 * & @* * @9F 279 * 4*9 997
8 -# $ ' &*4 7* &?4 2 F *74 *4 &@* 2*7 & 7@ *7@ 74 7?& & * @ 4*2 4 ? ?2 ?9? @ F7* ?F *@9 * @49 ??@
8 -# %#-$% ! G! * @74 *?4 **F 99 * @92 ?*9 2@4 94& @ ?& &4? *? 449 24 @F2 4*2 4 ? @4& 9* F& ?&* & 2 ?4* 7*F 9 9
, @ 2 1/4 / 6 #2 '/3 0 0 24 0 2'0 / 06 ##3 60 4'# 46' 24 /11 '16 6#' 162 4 33# #10 /4 620 ''0 3 '0# 66 32 42 64' #22 12/ 13'

Adaptado de: DGAL

rend. = rendimentos

?F
8M$ - B 3 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!>
" #' $ J#! $% &99 K% % "%! #1% L

) :
,B + ,B + ,B + ,B(
> $- ?8-,.
7G 7

-(+<% # 7FJ*@Q 9J99Q *JF Q 2J*2Q


-" + ? JF&Q 7J*4Q &9J9*Q 74J92Q
-)%3+ ?FJ@ Q 9J? Q &&J*7Q 4FJ&9Q
#' # ?2J@*Q J Q &*J@?Q *@J 4Q
:# 74JF@Q 9J99Q 2J* Q FJ42Q
#1 # ??J*9Q &J*?Q &9J**Q 4JF7Q
#1 ' ?@J*9Q 9J99Q &9J?9Q &J4*Q
+-R 7?JF Q &J@2Q @J2FQ &JF*Q
!"6 ,+% ?7J&FQ &J@ Q 7J7*Q F4J?FQ
-60 F J 2Q &&J2*Q FJ2&Q &?J24Q
0 74J&FQ 9J99Q 2J?2Q 4JF&Q
H' $% - %- F?JF Q J2?Q *9J@*Q *7J74Q
- %' 7 J4FQ 4JF7Q &J?FQ &?J*?Q
# # 7&J?7Q &J*4Q 2J7?Q &FJ4FQ
8 -# $ ' F7J9@Q J&&Q *9JF@Q 22J9@Q
8 -# %#-$% ! G! ?9J&FQ &J*4Q &?J*7Q FJ2@Q
, @ 6450# 2532 6533 #'541

Fonte: Autor. Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B 1 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G #! #-$#'


%"% #' G #'J#! $% &99 K% % "%! #1% L
- A , ; R+
-
> $- ?8-,. 5 = (
Q
-(+<% # 4@J@&Q &J42Q &FJ FQ J*7Q 72J FQ
-" + *@J Q 2J?*Q *FJ@FQ @J&9Q 2J44Q
-)%3+ F9J??Q FJ7*Q &@J77Q &J4&Q 2 J FQ
#' # F*J&&Q 4J24Q ?J4 Q *J7&Q 47J2?Q
:# ?@J 2Q @J2@Q J97Q 9J&7Q 79J42Q
#1 # F9J2FQ 7J*?Q &9J@9Q 9J&?Q 7*JF9Q
#1 ' 47J@&Q ?J&FQ * J?*Q &J9@Q 7&J74Q
+-R ?&J27Q J& Q 4J*4Q 9J@?Q 74J74Q
!"6 ,+% 4@J*7Q 2J?9Q **J&&Q &J?9Q *9J7&Q
-60 49J?7Q *J4*Q *9J 7Q 4J4 Q ?9J2@Q
0 ?FJ42Q 9J**Q ?J@ Q 4J&&Q 7&J@ Q
H' $% - %- 4 J 2Q &2J@2Q &*J?4Q 9J ?Q 4?J2&Q
- %' 2@J9@Q &JF2Q **JF*Q 2JF2Q F7J4@Q
# # 22J29Q &@JF Q &4J* Q 9JF7Q ? J *Q
8 -# $ ' 4FJ2&Q &J47Q ?JF9Q *J29Q 44J2&Q
8 -# %#-$% ! G! 2 J99Q *J?2Q 29J ?Q 4J9@Q 7&J *Q
, @ 125# #54# # 51/ #522 61501

Fonte: Autor

rend. = Rendimentos. Cálculo: Impostos diretos/total receitas próprias; (…)


??
8M$ - B 6 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99 K #- %' % %+ 'L

B +8
, + ,
A ,B + 8 V = 8 = +
> $- ?8-,. ,B + 7G ,B + 7 ) : )
= ) : ) ,B + ) )
)
-(+<% # &2@ & &F FF@ 9 *4F *2F &F 79 F ? 9*? F2@ *94 F&7 @ @F &@* 9 ??? 9& 2 2*4 ?79 979
-" + & F4 &?2 *@ 27 4@? *4F *2F ??@ 97& @22 F4* @? F7@ & @& 2&2 9 &2& 7 2 9& 2 ?@ ?@&
-)%3+ 49 *2 &&2 7 7 *4* *4F *2F 4@& 4 ? @?9 9&? 7F F? & F27 ? & 9 24 2 & & * 4 *?9
#' # @27 2 9 F 2*9 *4F *2F 27F 77? 9@2 * 4&F 4@ * 9? 4@ 9 9 9 * 97 4*7
:# ? & * & ** 2&* 9 *4F *2F & 27@ ??9 4 9 2 294 *47 794 7 7F& @79 9 4 &2? 994 @ @4& 2 &9 49
#1 # 74 &29 *44 9*2 2 4?9 *4F *2F ?4& @49 7?2 922 4 &97 * *7 &9& 9 9 9 * &&* 22&
#1 ' *@ *94 *F4 @9 9 *4F *2F ?& 4*F 792 **& F 9F 7 2 *F 27F 79 4 @74 4?4 4 ?4? 9 ?? &9*
+-R *F * * *9 2@* 9 ?&7 *4F *2F * ?F7 4F7 F &? @99 ?&& &@2 9 ?F& ?F& 9 F *@ 2*? 9 ? @9 *
!"6 ,+% 4@ @4F 27 **9 44 4? *4F *2F 7@& 7** * *F@ ?@2 9 9? 4 *F* F@7 9 *@@ 9*7 9 4 7&& F@&
-60 *& F?F *&F F&7 27F ?4? *4F *2F & F@ ?* 2 ?F * *79 @2 F ?&F 944 9 & 2?& 2FF 9 @ &* @7
0 ?*7 2 & 9F &4& 9 *4F *2F & 2 ? 4@@ * F 9 4&@ 7F4 24@ ? 7@* 47F 42 4&@ 4 &7& 9&4 9 * @F7 &7
H' $% - %- ?9 @&* ??7 @27 F 77@ *4F *2F 4& 7* ? * F @* *?4 & @47 F?4 9 F7F ?@4 9 * 7 F *@&
- %' F&* & &?? 7@4 47 F97 *4F *2F & ?@& 72@ ?*2 @F 2F4 2F7 2 @@& 4 * 9 &@@ &?@ 777 4 &@* *9*
# # & 9& * @7* ? 4F 74 *4F *2F & *@4 ?9 * 92? 7 9 29F 4*4 4 749 92F 9 4 &?@ @&4 9 & *29 74
8 -# $ ' 9 ?@9 474 2& F *4F *2F F 2? 99 *&7 ?4 4@ & **F F*2 9 ?4 27& 9 &4 & F
8 -# %#-$% ! G! 722 2 4 @ 2 *FF *9 F2F *4F *2F *9 *4@ 4 99@ &?7 &&& F&* F 4** &F9 9 9 & *?4 ? *@9 949
, @ 2 2/# 2 3 #3 1// '32 /6 23 3 6' 320 2# /0# 6#4 /1 66# 2'/ 4 0#4 441 44 02 0 4 3/ 1'4 23 140 6#2 '3 3/ #6 241 '/

Adaptado de: DGAL

Part. Com. Proj.= Participação Comunitária em Projetos; transf.= transferências

?7
8M$ - B 4 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &99 K% % "%! #1% L

,B +
> $- ?8-,. ,B + 7G ,B + 7
) :

-(+<% # 7FJ*@Q 9J99Q *JF Q


-" + ? JF&Q 7J*4Q &9J9*Q
-)%3+ ?FJ@ Q 9J? Q &&J*7Q
#' # ?2J@*Q J Q &*J@?Q
:# 74JF@Q 9J99Q 2J* Q
#1 # ??J*9Q &J*?Q &9J**Q
#1 ' ?@J*9Q 9J99Q &9J?9Q
+-R 7?JF Q &J@2Q @J2FQ
!"6 ,+% ?7J&FQ &J@ Q 7J7*Q
-60 F J 2Q &&J2*Q FJ2&Q
0 74J&FQ 9J99Q 2J?2Q
H' $% - %- F?JF Q J2?Q *9J@*Q
- %' 7 J4FQ 4JF7Q &J?FQ
# # 7&J?7Q &J*4Q 2J7?Q
8 -# $ ' F7J9@Q J&&Q *9JF@Q
8 -# %#-$% ! G! ?9J&FQ &J*4Q &?J*7Q
, @ 6450# 2532 6533

Fonte: Autor.

Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B 0 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #-! #-$#'


%"% #' $% "# #-J#! $% &99 K% % "%! #1% L

B +8
) : A 8 V 8 =
> $- ?8-,.
,B = + )
)
-(+<% # *?J4?Q 9J99Q 4@J?2Q 4J9@Q
-" + 4@JF2Q 9J94Q &&JF9Q &@J?&Q
-)%3+ 2*J22Q J4@Q *9J?7Q 2J*&Q
#' # F J9?Q 9J9*Q *4J&9Q 9J99Q
:# 22J9?Q 9J49Q *4J* Q *FJ@4Q
#1 # ?2J9@Q &JF2Q &?J &Q 9J99Q
#1 ' 4&J47Q 9J*@Q ?J?*Q 47J7 Q
+-R @ J @Q 9J& Q *FJ2@Q *?J 7Q
!"6 ,+% **J27Q J9*Q 4?J7?Q FJ74Q
-60 4*J&7Q 9J*4Q 24J&2Q &FJ?7Q
0 &4J4FQ 4J&7Q &4J74Q *?J7 Q
H' $% - %- **J7&Q 2J27Q 22J7@Q 7J99Q
- %' F2J44Q 9J9 Q *J7?Q 4JF4Q
# # &FJ99Q @J7 Q &2J?9Q 2&J?@Q
8 -# $ ' FFJ49Q 9J99Q 2*J79Q FJ@@Q
8 -# %#-$% ! G! *9J?&Q J2*Q F?J?7Q 9J99Q
, @ #353 #51# 2156# #45'#

Fonte: Autor. Estado - Part. Com. Proj.= Participação Comunitária em Projetos.


Cálculo: Transferências OE/total receitas capital; (…)
?@
8M$ - B #' 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' !
#-$#' %"% #'J#! $% &99

; A , +
> $- ?8-,.
) = R R

-(+<% # 2 ?*9 4F@ ? @@F 42* *4@ 42 &* 97F &F? 47J@4Q
-" + 7& 792 &** @7F 4F 9*9 2?& 7& FJ2FQ
-)%3+ 9F* *2& F@& 7& 24 && 799 ?24 &2J**Q
#' # & &F4 ** @*@ ?94 &? *&7 * **& *F2 *?J72Q
:# 4 @9 7?9 * 9 ?*? ? ?&? 7 &?2 **2 2@JF@Q
#1 # @ F22 4&? 2 2&* 9 *? @2@ 2 94 27F ?9J44Q
#1 ' 9 792 @99 4 @42 *79 *?& 99* ? * &72 44JF2Q
+-R &@ &49 9& 7 7&F FF7 *?& ?* *7 227 @2* F&J97Q
!"6 ,+% 79* *7@ 44 9?? *4 772 *@9 *2@ *J? Q
-60 2 &@9 F29 * F*7 ?4F 2F9 77@ 7 *@9 &72 *@J?@Q
0 F 24 ?4 & 729 ?F2 94@ 7?F &9 924 7 4 4*J@9Q
H' $% - %- *47 *?F *F& ?@F 2 *24 & ?&4 4 ? *&J@7Q
- %' 4 44? ?*F 2 24* @* 277 &7* 9 2@@ @49 49J@?Q
# # 4 4?2 F 4 4 @* 2?@ F4 F2? 9 7** ?2 2 J77Q
8 -# $ ' *?7 ?@? 4 ? 42 &@* 2*7 & 7@ *7@ **J77Q
8 -# %#-$% ! G! 2 ?F &@9 4 *9@ **9 49? 2&? 9 4?7 92? 44J9&Q
, @ #2 ''# /1/ 33 0/3 /01 / 236 26/ 42 2'3 22/ 3'566

Adaptado de: DGAL e cálculos próprios

Cálculo: Receitas próprias = receitas fiscais + venda de bens e serviços + outras receitas;
Receitas fiscais = impostos diretos + impostos indiretos; % receitas próprias = Total receitas
próprias/total receitas

8M$ - B # 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &99 K #- %' % %+ 'L

,
O B * ) : +
> $- ?8-,. 8
= )

-(+<% # &@F @2@ 7 7&7 ?7* @9 4&& *2& 4@2 27? &&F && 92F 9?2
-" + ?&* 97& 29? 7@& 9& @2 * @ F74 4? F * F 9 2F2
-)%3+ 72& *9 *F& 7@9 ?2 **F 494 7FF 2 224 * 7&F FF7
#' # ?& 47F & *7 2 7F7 ?92 49? & 74@ 2 4?7 &*
:# 7 7 @ 7F F 7@2 4*2 *?& 47? & F@? &*4 2?4 @@* @ &4@ 4*4
#1 # 4 4F7 F@@ F 9&& 42F &&4 4 ? @2* 9F& 42 *** & @ 2 4?
#1 ' ? 7? 9?F F @2 7F9 &&? 997 &? FF& F 4 2?? F ?7* 97*
+-R 4 2&9 FF 4 @@? *7 &F7 *F7 * 2*? @@@ 247 224 *4 47& 744
!"6 ,+% @?& ?9F @@? 7&4 9 42 *22 *4 249 * 9F9 *&4
-60 F 7& 9?F 2 *29 7F2 &9? 92F ?9F 4*& 79 *F F F F42
0 7 *&4 7&4 @ 9*9 @?4 2@? 9&& & ?&* F&F *4* 29* &9 @*9 74&
H' $% - %- 74? F&7 2?? 4?@ 9@ 29F 244 @7 &4 42 * @&2 @FF
- %' F * ? **4 2 F@@ 7 * F? *47 74& FF ?*@ &F* & F?4 @*F
# # 4 ?4@ @4 2 F@& @74 4* F @ @ & F& &&9 @?? & ? *@?
8 -# $ ' & 924 429 &?? 27F 49 74? *77 2F2 ? F97 * ??@ @44
8 -# %#-$% ! G! 2 &*2 &@4 2 &27 2 F 4* &9& *2? &F7 9? @ 772 &7@

, @ 0' 036 06 4' 21' #/# # 466 0'0 4 3 4 42' 2 461 /44 01 30 //'

Adaptado de: DGAL

79
8M$ - B ## %' #-$% "#$# $% $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &99 K% % "%! #1% L

O ,
B * ) :
8 =+
)

-(+<% # 4 J&2Q 29J94Q 9J2 Q FJ9@Q &J& Q


-" + 2?J?&Q *7J@@Q &J7*Q 7J74Q JF9Q
-)%3+ 27J 2Q *4JF&Q J@2Q *J&&Q J97Q
#' # *?JF9Q 2FJ? Q 9J9&Q 4J*@Q 9J&7Q
:# 24J?@Q *4J79Q J@*Q 2J99Q &J2?Q
#1 # 2*J &Q 2FJF2Q J?4Q ?J*9Q J&9Q
#1 ' 2FJ@9Q 2 J*FQ J*4Q FJ?&Q *JF?Q
+-R 2*J*2Q 22J@FQ 9J?4Q @JFFQ J&@Q
!"6 ,+% F2J2FQ *&JF Q 9J99Q J?7Q J FQ
-60 4*J&&Q *?J*?Q J?7Q FJ97Q J44Q
0 *@J?7Q 2*J 4Q &J*?Q *J9 Q JF@Q
H' $% - %- 2?J**Q *?JF4Q &J?@Q JF9Q 9JF2Q
- %' 2@J72Q *?J97Q 9J4*Q FJ?&Q 4J7*Q
# # 2?J4*Q *7J?*Q 2J*@Q ?J4*Q J7&Q
8 -# $ ' 42J &Q **J79Q J*4Q 9J&7Q 9J2?Q
8 -# %#-$% ! G! 2&J72Q 2&J@7Q 9J42Q *JF*Q 9J9 Q

/15#6 /'544 5/1 05/# 506

Fonte: Autor

Cálculo: Pessoal/total despesas correntes; (…)

7
8M$ - B #2 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &99 K #- %' % %+ 'L

BO B + BO ,
!* - , , = + ) = 8 = +
> $- ?8-,. K )X
. S ) = ) )
. )
-(+<% # 2 ? *&2 * *&& 9 ?97 *47 99 F* 9@F 7 & F& @&& F2? @ 2 4 &?4 7&9 @ 2&2 9* 4*2 4 & 749 99 2&F ?2& 9 & &*4 *47
-" + *&@ ?74 9 9 9 9 *F F* ?4 7& & F29 &&& * 7 @@ *7? &@& *4 2*9 4F 9F2 9 * ?F9 ???
-)%3+ 9 9 9 9 9 27* * 7@ 4?7 & *? @*@ * 922 F2? &F2 ?* 9 42 @*? 9* 92& * 4FF ?@@
#' # 42? ?79 9 9 9 9 42? &* 74 *@* 2 4F F?F F 72& 97 F& *49 9 * 4? 9 F @9? 477
:# @*9 *77 9 9 2 @F9 F*4 & 72@ 2&* **2 F&2 724 2&* 4** @27 & 242 229 4 29F 9@F 9 447 9&4 9 7 2 7 4F
#1 # 77* ? 4 &22 F?4 &72 @77 F@ 9F4 72* 4@& ? &F? *7 794 4 & @F F ??9 *92 &F@ 7 9 &F7 4 * 4&7 7* 7 9FF 7 744 4&*
#1 ' &9 ?@4 9 9 9 9 4?7 9?? &74 *F& F22 ?9F 2 4&7 @29 &*4 * 7 9 492 *44 & *4@ 4 &?9 @?&
+-R 9 F 92& ?F? 2 924 F&9 2 &?7 @?* FF& ?97 9 22* &2& & F? &?? @ 22 47? 4 ?99 **& F* ?4 2@7 9&4 2* ??@ &4 249 2?2
!"6 ,+% F? @& F&? 7&? 9 9 9 9 ?4 F2? 4 ?2 7F2 F 24 4&@ *4? 2 2 9 2 7 97& 44 &@F ? 9?F *&
-60 2& 27* 9 9 9 9 @?? 929 77@ *?& 4 2*& 2@ 7 *2 92* 2&2 &?* 9 F27 74F 9 @ 2 2 ?&
0 & 247 &9F @ F7 @** 449 * F?7 F94 F47 F4* & 2?4 *4@ FFF *2@ 42F * * 2 4*F &9* 227 777 4& * @ & 9@9 F7 77 @ F ? & F 2@*
H' $% - %- 4 @ 4 9 9 9 9 &&* 74 *&F 7&? * 29 27F * ?2* 9?@ &F 2 && 4? ?* ?2 9 * @F4 *77
- %' 9 7?@ 9 9 9 9 &&* &&& 427 922 * ?&@ F*& 4 4 ??? 44 &&& &2 @29 7** 47F 9 F @& 4&2
# # * *** @ 9 9 4 ?*F 4 F @?2 *2 2? 2 ? * &*F @9 @9F @7? @F2 & ?92 @7 22& ?97 9 F2& F*F 9 * ?7@ 42&
8 -# $ ' 2 99 7* F7? 44 2&F @&7 &7* 9 7F 9@7 &4F 2?? 47 4F7 * ?7 429 FF &*9 9 FF ?&* 9 * 2 2@*
8 -# %#-$% ! G! &** 2@? 9 * 2** *2 ??* ? *4* @7? & *9 97& &?7 @ 7 9? 9@ 7 &?2 949 &9F * * 9 4 &4& 9 7 4@4 F 4
, @ ' // 46' 6 22 //1 # '62 ' 0 4 4#0 #4 4 300 1/3 1 /# 2'# ' 033 '64 3/ /3# 410 /6 4#3 3 1 242 2/ 2 6 6 0 0 4' / /34 62 431 1'

Adaptado de: DGAL

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst. Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.=
investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despesas

7&
8M$ - B #/ %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! !
#-$#' $%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &99 K% % "%! #1% L

- BO 8 - =
K + BO B !* , ,
> $- ?8-,. )X (
. . ) =
S ) - =
-(+<% # &J 4Q 9J47Q 44J *Q 4J FQ 4JF4Q 9J72Q *J*2Q &?J FQ *J 2Q
-" + 9J*FQ 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q J 2Q 4J4*Q 7&J@?Q &J 4Q
-)%3+ 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 4J7?Q FJ&*Q ??J@ Q &J9FQ
#' # &&JF&Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 7J99Q &J? Q FFJF?Q 2JF*Q
:# ?J2?Q 9J99Q 9J99Q *@J7*Q &&J77Q &JF@Q 2J7&Q &J*&Q 7J2*Q
#1 # *J94Q *JF Q 2J& Q &2J@7Q &J2FQ &J4*Q FJ7&Q &&J*2Q 2J47Q
#1 ' 9J 2Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J7FQ 7J74Q 79J 4Q @J7*Q
+-R 9J99Q * J4FQ & J *Q &&J*4Q *J2FQ 9J99Q ?J42Q *J@4Q &J@4Q
!"6 ,+% &J?&Q 9J&&Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q &J7FQ 72J& Q 2J FQ
-60 9J4 Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q &*J?9Q 9JFFQ F4J *Q 4JF2Q
0 FJ@ Q 9J7&Q *J*9Q &4J* Q J2 Q ?J9*Q 2J47Q 9JF2Q @J7*Q
H' $% - %- J*@Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 4J@7Q 7J?*Q 7*J@9Q &J4*Q
- %' 9J&9Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q 9J99Q &&J @Q @J@2Q F?JF?Q *J?*Q
# # &FJ&2Q 9J99Q 9J@ Q 2J9?Q 7J@*Q *?J 9Q ?J 9Q 4JF4Q 7J4@Q
8 -# $ ' 9J22Q 4J?7Q ?J*4Q F9JF?Q 9J99Q &J? Q 7J9?Q 2J@@Q &J 4Q
8 -# %#-$% ! G! &J7&Q 9J99Q 2 J49Q @J*2Q 2J&7Q &4J?2Q *J*?Q &J@4Q 4JF9Q
, @ 65'1 /501 /5#1 #56/ 354# '50# 65/ 2154/ ''5''

Fonte: Autor

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst.


Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.= investimentos; Invest.= Investimen-
to. Cálculo: Habitação/total do investimento; (…)

8M$ - B #3 %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' $%


"# #-J#! $% &99 K% % "%! #1% L
) = 8 = ,
> $- ?8-,.
= ) )

-(+<% # @ J2?Q &J4&Q 2J99Q &J9 Q 9J99Q


-" + 72JF Q 9J*9Q 9J@2Q 2J 4Q 9J99Q
-)%3+ 74J*FQ ?J2 Q 9J99Q 2J*2Q &J7@Q
#' # @@J94Q 9J@9Q 9J99Q 9J94Q 9J99Q
:# F?JF&Q &@J*4Q 9J99Q *J9*Q 9J99Q
#1 # ?FJ24Q 2J*2Q *J9*Q 4J@?Q 9J&9Q
#1 ' @4J 2Q J42Q 9J99Q *J*9Q 9J9&Q
+-R ?4J&&Q &&J29Q 9J&4Q J@FQ 9J ?Q
!"6 ,+% 7FJ74Q 4J94Q 9J99Q 4J@ Q &J @Q
-60 77JF9Q 2J4 Q 9J99Q FJ7@Q 9J99Q
0 72J2*Q &JF Q 9J*9Q &J 2Q 9J4&Q
H' $% - %- @2J*@Q 9JF?Q 9J4FQ 2J*7Q 9J99Q
- %' ?@JF*Q ?J@FQ 9J*FQ &J92Q 9J99Q
# # @&J *Q *J& Q 9J99Q 2JFFQ 9J99Q
8 -# $ ' @*J ?Q J@2Q 9J99Q 2J7@Q 9J99Q
8 -# %#-$% ! G! @FJ&FQ &J29Q 9J99Q J*2Q 9J99Q
, @ 435'2 05/# '561 /531 '5#/
Fonte: Autor

investim.= investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despe-


sas. Cálculo: total investimento/total despesas capital; (…)
7*
8M$ - B #1 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $ #- #-
$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &99

B * 8 = . =
> $- ?8-,.
) ) =

-(+<% # @9 4& J72 2&F ?2& 4 ? &F* J&9Q


-" + 9& @*J? 4F 9F2 &47 &47 *J49Q
-)%3+ ?2 **4J74 42 @*? &&@ &?& *J 9Q
#' # 7F?J@ * 4? 2 9&4 9J92Q
:# *?& 47?J9? 447 9&4 @*9 F & &J2?Q
#1 # &&4 4 FJ4 4&7 7* ?42 *2? *J2?Q
#1 ' &&? 99?J@ 492 *44 ?* *F& &J&7Q
+-R &F7 *F7J&* 2@7 9&4 ?FF *@* J&FQ
!"6 ,+% 9J99 2 7 97& 2 7 97& 2J &Q
-60 &9? 92FJ9& F27 74F 744 @9& 2J9?Q
0 2@? 9&&J 7 & 9@9 F7 & 47? @9 FJ?7Q
H' $% - %- 9@ 29FJ** ?* ?2 &7* 27 *J4@Q
- %' F? *4?JF? 7** 47F @99 @22 2JF9Q
# # 4* F 7J79 F2& F*F ?2 &44 2J4*Q
8 -# $ ' 49 74?J2* FF ?&* & ? 47 *J9*Q
8 -# %#-$% ! G! 4* &9 J?7 4 &4& F7 242 9J@ Q
, @ # 466 0'0 6 0 0 4' ' 606 '40 #50

Adaptado de: DGAL e cálculos próprios

Cálculos: Serviço da dívida= Encargos financeiros + Passivos financeiros; %


total= Serviço da dívida/total da despesa

72
8M$ - B #6 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &99& K #- %' % %+ 'L

7 + ) : ,B
- A , +
- + , + +
> $- ?8-,. 5 = ,B + ) + ) :
R ,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ) :
Q : ,B

-(+<% # 4 F24 ?94 & &2F * 2 F 772 &&2 7 779 &2 7@4 &* * F@& 24? 9 4@4 74 29& ?? 2 F@9 274 9 2 F@9 274 &@ 474 F97
-" + F 22? 4F ? F &F4 ? F 7 922 2@ @&& & &&* F@F &*9 F7? 4@4 74 4 * 949 &*@ 9 * 949 &*@ * 42& F
-)%3+ @2& 4?4 &9 @7@ F 9 9* 7 *?@ 744 92? & 972 &@? 49 & 4 4@4 74 &@ 4F* & 74@ @&F &* 4 F & 77* 22& 2 ?*7 277
#' # & &** 7@& &F? *97 FF4 7?2 F 7*@ * *&7 @ * 777 2*F F2 @?F 4@4 74 &* 2*& & 4?& F@4 F? ? * & F29 297 4 @F@ *&
:# 2 ?&2 F? @*& ?*& & 49 @? 2 F** 7 @2@ 49& * 292 *?4 9 4@4 74 @F @4F 2 9@? 7& & 9 2&@ 2 *9? F &* &4? *
#1 # @ 9@ 2 * & 2* &*@ 2 7* &77 2 72@ 4 2?? ?7@ & 9@? ?F* ?? ? ? 4@4 74 *9 4?@ * 99 @ 9 9 9@9 * 9 & 999 7 27@ ?7@
#1 ' 7F@ @*4 && &&4 4 F*7 F4? 2 & 24 @ 92& @F & &&2 9& 9 4@4 74 @2 FF? * 9 2 4*@ 744 &F2 * 7F@ 79* && @ & ?F2
+-R ** ?79 *F* & 2?? ?42 F @& 974 & F F 9F 24 9FF &F* 4 9*F 9? 4 ? @F 4@4 74 9 F 2@ 77* F2& F9& F ?@& 274 4 747 ?27
!"6 ,+% 72F 9F 27 *@2 *47 **& @& ?24 *24 4** & 277 F29 F9 ?FF 4@4 74 9@ &@7 * *42 444 9 * *42 444 2 ?99 977
-60 2 F7F 7 9 7F 2*F & 44 F?F *? 979 @ &*? 99 @ @ &*2 &? 2 2 4@4 74 &*7 F*F * 77 *4 9 * 77 *4 * 7 *?
0 F @&& *@@ @@4 227 4F2 @* &&? 494 & ? 9 &7* * &79 ??9 9 4@4 74 2** 4F2 2 * 9 74 @ *@F 2 *&@ 47 &F 9*@ 7F2
H' $% - %- **F @79 2?2 &2& @?4 2F * 2FF & ?7@ 7*4 2F *2 74 92 4@4 74 @ @99 & 92F @&F &7 *24 & 9?4 &?9 2 7F4 94
- %' ?9 4& * &*9 @F@ * ?&? ?** 4&* ?24 & 2@? FF * F?F *9@ *9& 4&? 4@4 74 &7& 9?@ 2 74F ?FF &94 ?F* 4 9F& 4&@ ? 4F9 @9
# # 4* &9 & 22 7 9 * *2 @ ? F7 2@& * 29 4&& * 9@ 2F@ & 7 7*? 4@4 74 *?@ * @*4 4*F 479 9&4 2 4 4 4F9 ? F4F 97*
8 -# $ ' & 9F2 &?4 4* FF& ?27 ?2 &*9 & F * @F 7@2 *2? 7*4 2? 9@& 4@4 74 F7F @@ 2F2 27 2F4 & 9*@ @&@ 4 &*F 7&*
8 -# %#-$% ! G! 2 &29 27 @*& F29 * 7F@ *?* 2* 44& @ 2?* ? & 2&4 427 ?& *4 4@4 74 4F 229 & &49 @9 ?4 &9@ & *&4 *@7 ?@@ 9
, @ 2' 40 203 # /4# 10 /2 6#4 616 1 201 12 #'# /04 012 / '/3 '33 2 #33 34/ 0 322 1 1 # ##0 21 31 '12 1 1 # 611 4 3 34 42' /2 #1 2#0 202

Adaptado de: DGAL

rend. = rendimentos

74
8M$ - B #4 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #- $#' #!'<% C!" #' $
J#! $% &99& K% % "%! #1% L

) :
,B + ,B + ,B + ,B + ,B(
> $- ?8-,.
7G 7 7<

-(+<% # ?7J?&Q 9J99Q &J?9Q 7J4?Q 4J74Q


-" + ?&J@9Q ?J4FQ @J4*Q 9J99Q 7FJ Q
-)%3+ ?&J77Q J?FQ &9J7*Q 2J4*Q F9J*FQ
#' # ?*J29Q &J4*Q &*J FQ 9J@ Q 2*J 9Q
:# 7*J9@Q 9J99Q 2J42Q &J*?Q ?JF&Q
#1 # F@J77Q 4J@&Q @J74Q 2J*4Q FJ&2Q
#1 ' ?*J?7Q 9J99Q @J??Q FJ2FQ *J FQ
+-R 7 J7@Q 7J2&Q @JF@Q 9J99Q J7FQ
!"6 ,+% ?2J @Q 2J?@Q ?J?FQ *J&FQ ? J*?Q
-60 2@J24Q &@J94Q 4J*4Q FJ 4Q &@J4@Q
0 ?FJ &Q 9J99Q *J7&Q 9J9FQ FJ44Q
H' $% - %- 44J@@Q @J92Q &@J Q 4J7FQ 2&J9?Q
- %' ?4JF@Q FJ&*Q &J&?Q 4J7 Q &?JFFQ
# # ?@J9 Q 4J4FQ 4J 2Q 9J&@Q &&J&@Q
8 -# $ ' F?JF7Q &J*FQ &@J@&Q 9J9*Q *7J9*Q
8 -# %#-$% ! G! F*J*4Q ?JFFQ &FJ27Q &J4 Q @J9?Q
, @ 625# 354 65'' 2504 # 5/3
Fonte: Autor.

Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B #0 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G #! #-$#'


%"% #' G #'J#! $% &99& K% % "%! #1% L

- A ;
,
- 5 R (
> $- ?8-,.
Q =

-(+<% # F&J74Q @J9&Q &?JF4Q 9J27Q 72J 4Q


-" + *&J7&Q J4*Q 42J9&Q JF2Q *J7@Q
-)%3+ 49J7 Q FJ4&Q *&J7@Q @J?7Q *@J 4Q
#' # F?J Q 7J9*Q &9J99Q 2J7FQ 44J??Q
:# ??J?9Q 9J&9Q J*4Q 9J?4Q 7 J27Q
#1 # 47J74Q *J74Q &?J9*Q 9J&?Q 7*J? Q
#1 ' F&J**Q 4J7@Q &@JF Q &J FQ 7*J Q
+-R ?2J@FQ 4J49Q *J?2Q 4J79Q 7FJ@9Q
!"6 ,+% F&J77Q *JF9Q &FJF*Q FJ7@Q &7JF*Q
-60 49J?2Q &9J 4Q &?JF&Q J27Q ?9J2 Q
0 ??J@4Q @J @Q ?J& Q 4JF4Q 7*J*?Q
H' $% - %- 2?J@&Q ?J99Q *2J@4Q 9J &Q 4?J*2Q
- %' 4FJ *Q @J74Q &@J7*Q 2J @Q ? J ?Q
# # 29J2&Q **JF&Q &4J2*Q 9J4&Q ?2J2&Q
8 -# $ ' F2J4?Q 2J7 Q &*J2&Q ?J&9Q F J94Q
8 -# %#-$% ! G! 22J?FQ @J72Q 29J72Q 2J4FQ 79J&@Q
, @ 1/51/ '51 # 530 25 1 665/0

Fonte: Autor

rend. = Rendimentos. Cálculo: Impostos diretos/total receitas próprias; (…)


7F
8M$ - B 2' 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99& K #- %' % %+ 'L

B +8
, +
A ) 8 V ) = 8 = , +
> $- ?8-,. ,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ) :
= ,B + ) )
)

-(+<% # ? @4? & 2F F*7 9 *@? &*2 & 747 7?& 7F* 42? &2 @29 2 ?2? *47 9 9 2?& @& 9 4 &*7 &*F
-" + &4? 27& 2F2 4* ?@ *@? &*2 & 9** 27@ &9 722 ?? 7@2 * * * &&? 9 *29 79* 9 * F42 &7?
-)%3+ &4@ &*? *7@ 4* ** 2?F *@? &*2 7&9 &2 794 4F? *4F ?9F * @7& 4 2 9 F77 F 4 9 2 @*9 *FF
#' # &@ &47 @47 2* * 7 *@? &*2 F@@ 4 9 *?? 7?F 7F @?4 & &F2 *F& 9 FF& 244 9 * @&? 9?
:# @? **? & &F@ 47* 9 *@? &*2 & FFF 7 ? &47 447 &@F & ? 2 && 4@& 9 ? *FF 7? 9 F74 F
#1 # &@ ??9 *@7 49@ 7 2?7 *@? &*2 @ 2 && @F7 7&& 7F @4@ * 9?9 99 9 9 9 * @@ ??
#1 ' && 27 27& F79 9 *@? &*2 7?@ @ 2 ?@ 2*? *7 *72 * ?9@ ?*4 & F & F F@* 4& 4 7 4 99 F2*
+-R 9 * *4? *79 *24 *9? *@? &*2 2 9@@ @& @ 4 72@ 49* 2?F F 4 @ &24 9 ? 4?2 @9* * F9F 2 9? ?42
!"6 ,+% &@ 7?@ F4@ 9@2 9? ?7 *@? &*2 & F* 49F * 2*? &9? &F& *?4 4 7F* 97@ 9 4@& &49 9 ? 274 & 7
-60 *?9 9** &?@ 2@9 ?4 F 9 *@? &*2 & 2&7 **2 27 &92 F79 * @ 2 47@ 74? 9 * 2& 49 9 7 *7 929
0 *F ? @ & 7? 79 9 *@? &*2 & 472 2 2 &7 FF? 27* &47 * *2@ **@ 7 &F9 F2F 92 &9 9&@ 2 247 249
H' $% - %- ?? @F& ?F2 9@9 &* *F *@? &*2 &72 F74 &@ && *7 4& & 24 @4@ 9 @? & 9 & F2@ F**
- %' ?@4 & 249 7?* &9 F74 *@? &*2 * 92@ ?@& 279 ?*4 &2F F79 2 ??? &9? 9 * 7 4 94 9 7 4@2 94*
# # 4&? 74F & 9?& @79 24 7@ *@? &*2 & F F 94 22? 2?9 **F 2&9 2 *@@ @@4 &9@ 2@F & ?&* *4F 9 ? 7F9 ?9&
8 -# $ ' & ?@* 7@7 44F * *@2 *@? &*2 *&? 72 &2 9** 99 44? & 44 ??* 9 9 9 & 442 4FF
8 -# %#-$% ! G! @ 9 947 @49 *FF 7@ 72F *@? &*2 2*? 22F * &* 4 2 &F? 4&* 2 @*F 27* 9 2@4 *@F 9 F *2 @*?
, @ # 4'0 /#3 #6 212 26# # /3 223 1 233 6// 23 41/ /3 #/ 601 /3# / '41 42/ 1/ 6/6 626 #0' 06# /# 23 303 41 3# ' '10 44

Adaptado de: DGAL

Part. Com. Proj.= Participação Comunitária em Projetos; transf.= transferências

7?
8M$ - B 2 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!>
" #' $ J#! $% &99& K% % "%! #1% L

,B + ,B + ,B +
> $- ?8-,.
7G 7 7<
-(+<% # 7FJ Q 9J99Q *J7@Q
-" + ?&J@9Q ?J4FQ @J4*Q
-)%3+ ?FJ*2Q J72Q & J7&Q
#' # ?2J97Q &J44Q &*J*?Q
:# 74J 9Q 9J99Q 2J@9Q
#1 # ?*J9FQ FJ @Q &9J?4Q
#1 ' ?7J7?Q 9J99Q & J *Q
+-R 7 J7@Q 7J2&Q @JF@Q
!"6 ,+% ?FJF@Q 2J@4Q 7J*FQ
-60 4&JF@Q *9J@4Q FJ*FQ
0 72JF*Q 9J99Q 4J*?Q
H' $% - %- 4@J27Q @JF9Q *9J@&Q
- %' 79J*FQ FJF Q *J9&Q
# # ?@J&2Q 4J47Q 4J 7Q
8 -# $ ' F?J?9Q &J*?Q &@J@*Q
8 -# %#-$% ! G! FFJ Q FJ&4Q &?JF*Q
, @ 6152' 3504 656#

Fonte: Autor.

Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B 2# %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# >


#-! #-$#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99& K% % "%! #1% L

B +
) : A 8 8 =
> $- ?8-,.
,B = 8 V + )
)

-(+<% # 7J?FQ 9J &Q &J&*Q F7J?*Q


-" + 44JF4Q 9J9 Q *&J7@Q @J**Q
-)%3+ *FJ@&Q 4J&FQ *FJF&Q *J@?Q
#' # 2*J&7Q 9J9 Q @JF&Q 2&J**Q
:# &&J7&Q 9J7*Q 9J??Q F*J92Q
#1 # 4@J7&Q 2J9FQ *9J&7Q 9J99Q
#1 ' *?J4@Q 9J24Q *4J7&Q &2J**Q
+-R &@J9FQ 9J99Q *J47Q 4*JF@Q
!"6 ,+% &7J@9Q 9J29Q 24J@&Q & J&?Q
-60 &7J@?Q 2J2&Q ?JF?Q 29J7&Q
0 4?J@?Q 7J Q FJ*&Q 2J2@Q
H' $% - %- 27J2@Q &J@2Q 2&JF Q 2J4&Q
- %' *4J2@Q 9J9&Q ?J&*Q 22J*@Q
# # **J&7Q FJ?&Q 7J2 Q *2JF4Q
8 -# $ ' 4 J@4Q 9J Q 22J99Q 9J99Q
8 -# %#-$% ! G! &&JF?Q 2J*4Q 49J@4Q ?J7 Q
, @ 2#534 #533 ##532 245#4

Fonte: Autor. Estado - Part. Com. Proj.= Participação Comunitária em Projetos.


Cálculo: Transferências OE/total receitas capital; (…)

77
8M$ - B 22 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' !
#-$#' %"% #'J#! $% &99&
; A ,
> $- ?8-,.
) = R R

-(+<% # F *?7 F9& 7 2 4 4@7 7 779 &2 @ * 979 44J47Q


-" + F 22? *&& F7@ 7 922 2@& 79 FJ72Q
-)%3+ @4& 72@ @79 94F 7 *?@ & 2 &7* & J7?Q
#' # & *42 F?9 7 & F@4 F 7*@ * *&@ &92 **JF2Q
:# 4 F44 @9F * &2@ *99 2 F** @ 92F 7*@ 42J4 Q
#1 # @ @4@ 7&& 4 F94 777 2 72@ 4 F9? 44@ ? J@FQ
#1 ' & 2@7 &74 F 44 9 * 2F2 FF* @ ? @F9 F7J2@Q
+-R *2 72& 4&* ? F9? F?@ & F&@ FF? 24 9?@ 7F@ F7J*2Q
!"6 ,+% 749 F@7 2* @F7 @& ?24 *?4 2 & J&@Q
-60 4 @F 994 * 497 @49 *? 979 @ F9? 9*4 22JF@Q
0 7 497 &9@ & **F &77 &2? 4*2 && 9@& 9* ?&J22Q
H' $% - %- *@2 *2F 2F@ @74 * 2FF & 7F? ?@? *7J FQ
- %' ? &9? *& 2 ?F7 *@9 4&* ?24 & 2@@ 24F 2?J?@Q
# # 7 47 7?? 4 22 99@ F7 2@& * FF7 *?7 4*J4?Q
8 -# $ ' & 4F ??9 7 & ?9 &*9 & F * @@ F7? 2 J9?Q
8 -# %#-$% ! G! 2 ?9@ 7@4 4 &2& *&* 2* 44& 9 *7* ??9 4?J&2Q
, @ / 63 ##1 36 1' 32' 1 /4# 64/ #'3 20/ 3/' 3352'

Adaptado de: DGAL e cálculos próprios

Cálculo: Receitas próprias = receitas fiscais + venda de bens e serviços + outras receitas;
Receitas fiscais = impostos diretos + impostos indiretos; % receitas próprias = Total receitas
próprias/total receitas

8M$ - B 2/ 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &99& K #- %' % %+ 'L

,
O B * ) : +
> $- ?8-,. 8
= )

-(+<% # & 4*@ @ & & 779 ?&& &9F 7&F *F4 @* 9?& 9 * &7 9F4 294
-" + 724 2 & &2 72F 97 F72 &97 *&4 4 *&7 * 244 4@4
-)%3+ & *4 @72 49@ @?@ 4? @4& F 7&9 74 @ 2 *&2 &42
#' # @*& *F4 & 2&& ?97 F *2? 9*F 92 &*4 9@@ 4 F2& F&*
:# @ 9& 79? 4 *&9 2& 4?* 2** @2@ FF7 &?* 2F7 ? *7 4 7
#1 # F 227 F? F @F9 4F& 4& * 9 &? 722 *9 F9? 2 7 @ 2@9
#1 ' 7 ?F7 942 ? 4@F 9 ? *47 9 & &4* 2?& ? ? *49 7 F@& @94
+-R F 2 * F&9 & F?@ ??7 27 494 & *?& ?F* 9@2 2F* 2& 92& *9
!"6 ,+% & 92 &74 *7 4* F 9F 9F &9 F 2& * * 7 &FF
-60 F 22* 2*2 2 27 7&7 &F2 F4? &@? 9?4 4@& 44 ?2F 49
0 @ *@ 9F& @ *&9 ?F& F@& 7@& @& @&@ 97F ??7 && F 2&*
H' $% - %- & 9@ 7* ??7 72@ 9 447 2*? ?92 *9 9 F 2 24? @4?
- %' F 7?@ 9* 4 * @ 77 &? **& 9&7 4F F@ *9@ * @24 97?
# # F F9* @?4 F FF? *2? 4F? &@7 &F& 99F 29 F 4 29 ?7?
8 -# $ ' & *9@ 9& 7FF @&4 29 4@F *F2 & && F9@ 2 F9* *4*
8 -# %#-$% ! G! 2 ?&9 ?4F 2 F4* 2*F 2F &@7 22@ ?@4 2? * 9 7?2 @@7

, @ 00 23 46 0/ 3'3 1## 26 4'3 1 60# 0 / 1 '11 62 ##' /#4 0/#

Adaptado de: DGAL

7@
8M$ - B 23 %' #-$% "#$# $% $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &99& K% % "%! #1% L

,
O B * ) :
> $- ?8-,. 8
= )

-(+<% # 22JF7Q 24J@9Q 9J?2Q 2J7?Q *J7&Q


-" + 4*J29Q *4J@2Q *J 4Q FJ9*Q J2@Q
-)%3+ 2@J29Q *2J@&Q J*2Q 2J 4Q 9J&9Q
#' # *2J&4Q 2&J@2Q 9J&@Q 7J*FQ 2J ?Q
:# 4&JF2Q * J92Q *J*4Q J*7Q JF9Q
#1 # 2*J4 Q 2FJ@?Q J9*Q ?JF Q 9J77Q
#1 ' 2FJ@ Q 29JF2Q J@&Q FJ? Q *J72Q
+-R *@J92Q 4 J4?Q J 4Q 4JF2Q &JF9Q
!"6 ,+% F J4&Q *2J* Q 9J2@Q *J&9Q 9J2@Q
-60 42J7FQ *4J*&Q &J&4Q &J4*Q 4J92Q
0 2 J&2Q 2&J9FQ *J *Q 7JF?Q 2J@9Q
H' $% - %- 2?J**Q *@J@9Q &J&7Q @J7&Q 9JF?Q
- %' 2@J**Q *7J 2Q 9J&9Q ?J*?Q 2J@FQ
# # 2*JF&Q 22J92Q *J?4Q 7J*2Q 9J&?Q
8 -# $ ' 49J FQ 29J4FQ 9J77Q ?J@ Q 9J2@Q
8 -# %#-$% ! G! 2*J2 Q 2&J?@Q 9J2*Q *J**Q 9J92Q

, @ /35'6 /#546 514 651# #563

Fonte: Autor

Cálculo: Pessoal/total despesas correntes; (…)

@9
8M$ - B 21 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &99& K #- %' % %+ 'L

BO ,
K + BO B !* - , , = + ) = 8 = +
> $- ?8-,. )X
. . S ) = ) )
)

-(+<% # &?9 *9 4*9 F@7 * 429 @7 4 277 49* 2 @F 7?9 F42 747 FF& & F4* 442 4 *&? 427 F&7 *7* 44@ 779 *7& 744 2 *@* F @ * 94?
-" + &&* 47@ 9 72 4*9 &47 2F2 & @*F 2& 24 7? ?99 49 &@7 & @4@ FF& &** *@ 9 *9 4*@ 9 * *&* *2
-)%3+ 2 9&& F* 24* @2 ?77 2@& @99 7& 2@7 2&7 &F &?@ 972 & 94? 2 ? 2 49& 2&* &9 ?74 ?9 279 4&@ 9F* 99 4 *9* 74
#' # &2* 7& ? 9F? &&2 *?? & &&2 * 2 97F 9?? 7 97? 22 & F *@7 @@F 2 29@ @44 9 9 * *F& 9 22 ** ?
:# F @@& *9@ 4*@ 9 2 &@@ F?7 F9& F @ F?* 942 F&7 F9& 9&7 9&& 7 F9* 49F 4 792 4@? FF 29? 994 94@ *& 4&* 4 ? & 9@
#1 # 2& *4 & 2 F24 4 &74 2 @?9 4F& & ? *@ 7 & @4? 2F@ F&& 9 9 4 9 42* 7*? F7F 9 29& 947 229 7* F ?7& ?
#1 ' 7 24 7* ? F & &F& F4* 2* 9 F ?9@ 9?7 @ *F* 7&F @9? 27F 497 @ 7 ? F@& @ 297 9 277 24& &F @7& 9 24& 4*2
+-R &F 94 7? &?* * F2 ?&4 * FF * ? * * & 49 &4 4* 4 72 4?2 &F? ?4* F FF9 49@ 7 9@7 * 4 9 4*4 ?9& &47 4?4 &4 44* 9
!"6 ,+% @ &9* 9 &* &F& 2 4 4 F@9 *?@ & * &?9 @@& @9 274 &&7 ?42 7 99? F99 4@? &*F 9 F99 999 &7 27@ @ *** *&F
-60 *7 @44 4?7 7 & *?F 9&@ 2 &99 F* 9* & & && F* F9F ?9? 7F& F9 ? @77 *? * @ &*9 2 @77 24* 2@4 9 7 ?F4 749
0 &*? 49@ &** F?* **F &2& 929 F *4& @27 &74 **@ FF 2@7 * ?29 9? F 77? 2* *7@ 92& &4 999 @&4 @ & 9 7 &&? *74
H' $% - %- 7* 47* 2F* @& 2@ 9*@ 4* @7 ? 4*2 &F &?4 &94 94@ &24 44@ & *** 2*@ * 2@9 *9 && & 2 @99 9 & 47 @4
- %' 4 99* 4*9 2& 779 27? & 7*@ 294 * 42 &?7 *F& 9F& F * @99 & 9& 9* 9 2 F *97 F?2 4 2 &99 F?& 4 ? &?@ 9 797 ??*
# # ??? 9?@ 2@* 7 * 7 *?4 7F7 @2F 747 @77 & 947 @ 497 97F F@7 &F@ 7 47 ?2F 494 9&& ?@ &4F @74 994 9 9 4 9&7
8 -# $ ' 2* 9& 4 &72 2 *@? & & &92 ?F F@@ 4 F24 @7 2?& *2* FF& & 77& 2F4 2* @@2 9 *& &&@ 9 * 947 F77
8 -# %#-$% ! G! *& F&* * F* & ?&? *@* *?@ *44 924 @2* F4 9@7 *&? 9*2 & 2?7 492 ? @4* 47& 9 9 &F *29 9 7 9?@ @&&
, @ 2 2'0 /#' 3 6/# 021 1 342 31/ /' #36 6'6 / /1' 026 ' 41' 0#2 4 023 /36 ## #4# 1' ## /22 3/3 4 /33 4/ 21 4'/ 6 /2# #/0 '' 402 3' /1' 22#

Adaptado de: DGAL

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst. Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.=
investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despesas

@
8M$ - B 26 %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! !
#-$#' $%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &99& K% % "%! #1% L
- =
BO BO
K + !* - , , +
> $- ?8-,. B )X
. S ) = (
. )
- =
-(+<% # J?FQ *J2FQ &*J 9Q *4J7 Q ?J&?Q 4JF7Q 4JF9Q ?J* Q &J4&Q
-" + ?J44Q 9J99Q 29J9&Q 7J?*Q 9J22Q J2&Q &J@FQ *7J7?Q &J2&Q
-)%3+ 9J9@Q J2 Q &J Q **J FQ J7*Q @J4 Q FJ&9Q 24J?9Q *JF7Q
#' # 4J4*Q 9J FQ 4J9@Q 49J22Q &2JF*Q J72Q *J&?Q @J94Q *JF9Q
:# 9J?&Q *JF9Q 9J99Q 2@J@7Q 7JF*Q ?J7&Q ?J* Q J@4Q ?J9*Q
#1 # 9J7*Q 2J& Q &J@?Q &?JF7Q J9&Q &&J*2Q 7J??Q &J @Q 2J ?Q
#1 ' 9J @Q 9J74Q &*J94Q 2*J@ Q ?J&&Q J29Q 7J2&Q 2J@FQ 7J9&Q
+-R 9J FQ 4J&*Q @J99Q & J@7Q @J77Q 4J 9Q J94Q ?JF Q *JF Q
!"6 ,+% &J*@Q 9J99Q 4J*7Q 4FJ*@Q 2J?2Q *J*7Q &J*7Q 4J*2Q FJ42Q
-60 9J2@Q @J?FQ 2J? Q 4&J4@Q J&@Q &J??Q ?JF9Q 9J?@Q FJ4&Q
0 *J24Q *J*@Q 2J77Q 4J 9Q 4J &Q 2J 2Q @JF9Q 42J*9Q 4JF*Q
H' $% - %- *J47Q @J74Q &J 9Q 2@J2&Q 9J*&Q 4J2 Q 7J?@Q 9J4&Q J@ Q
- %' 9J 2Q 4J9@Q 7J24Q &?J&FQ *9J&7Q *J27Q 4J7@Q @J29Q 7J4 Q
# # &9J? Q 4J?4Q *J? Q 9J *Q 9J9 Q &*J@7Q 4J@&Q @J?@Q ?J9 Q
8 -# $ ' J49Q J?7Q J22Q ?*J&7Q &JFFQ 9J42Q FJ7@Q J@&Q &J*4Q
8 -# %#-$% ! G! 9J2 Q *J@&Q *2J&@Q 2J??Q *J 4Q 7J @Q 2J Q * J FQ FJ49Q
, @ #56' /510 253/ 2#544 54 4546 652' 45#' ''5''

Fonte: Autor

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst.


Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.= investimentos; Invest.= Investimen-
to. Cálculo: Habitação/total do investimento; (…)

8M$ - B 24 %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' $%


"# #-J#! $% &99& K% % "%! #1% L
,
) = 8 =
> $- ?8-,.
= ) )

-(+<% # @9JF*Q *J?&Q *J* Q &J&FQ 9J9@Q


-" + 7@J9FQ ?J9&Q 9J99Q *J@*Q 9J99Q
-)%3+ 72J7@Q *J79Q J**Q @J@7Q 9J99Q
#' # @@J@&Q 9J99Q 9J99Q 9J97Q 9J99Q
:# 42J?FQ *FJ@2Q J9FQ FJ29Q 9J72Q
#1 # ?4J&&Q &J*4Q 9J99Q 4J@*Q FJ49Q
#1 ' @*J@*Q J 2Q 9J99Q 2JF?Q 9J&FQ
+-R F4J&9Q * JF@Q 9J99Q &J 9Q J9 Q
!"6 ,+% 74J79Q FJ29Q 9J99Q FJ2*Q J*7Q
-60 @ J *Q *JF2Q 9J9FQ 4J ?Q 9J99Q
0 7*J? Q 2J?*Q 9J*9Q J&4Q 9J99Q
H' $% - %- @9J*7Q 9J 2Q J ?Q 7J*&Q 9J99Q
- %' 77J& Q 4J? Q J?9Q 2J*7Q 9J99Q
# # 72J42Q 2J@7Q 9J?7Q @J?9Q 9J99Q
8 -# $ ' @2J&2Q J22Q 9J99Q 2J*&Q 9J99Q
8 -# %#-$% ! G! @7J22Q 9J99Q 9J99Q J4FQ 9J99Q
, @ 4 526 #5#6 '561 /50/ '516

Fonte: Autor
investim.= investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despe-
sas. Cálculo: total investimento/total despesas capital; (…)
@&
8M$ - B 20 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $
#- #-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &99&

B * 8 = . =
> $- ?8-,.
) ) =

-(+<% # &9F 7&FJ 7 *7& 744 47@ F7 J* Q


-" + 97 F7*JF9 *9 4*@ &*@ &&* *J4*Q
-)%3+ 4? @4&J @ 4&@ 9F* 47? 9 4 FJ 9Q
#' # F *2FJ72 * *F& @ ?97 9J&9Q
:# 4?* 2*&JF4 994 94@ 4?7 2@& 2J7 Q
#1 # 4& *9@J@7 29& 947 442 *F7 &J4?Q
#1 ' *47 9 &J99 277 24& 72F 2F2 &J@9Q
+-R 27 494J @ 4*4 ?9& 9 ? &9? J49Q
!"6 ,+% F 9FJ* F99 999 F F 9F 2J7?Q
-60 &F2 F4FJ?& 24* 2@4 ? 7 4 *J49Q
0 F@& 7@&J94 @&4 @ & F 7 792 4J**Q
H' $% - %- 9 44?J?9 & 2 @99 * F 247 2J49Q
- %' &? ** J4* 4 ? &?@ 422 F &J Q
# # 4F? &@?J72 @74 994 44& *9* FJ 2Q
8 -# $ ' 29 4@FJ9& *& &&@ ?& 7&4 &J&FQ
8 -# %#-$% ! G! 2F &@?J?& &F *29 ?& F*7 9J@ Q
, @ 26 4'3 6 /2# #/0 // '32 25''

Adaptado de: DGAL e cálculos próprios

Cálculos: Serviço da dívida= Encargos financeiros + Passivos financeiros; %


total= Serviço da dívida/total da despesa

@*
8M$ - B /' 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &99* K #- %' % %+ 'L

- 7 + ) : ,B
A , ) + +
- 5 +
> $- ?8-,. = , + : + +
Q R ) +
,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ) :
: ,B

-(+<% # & * 7 ?92 & F&9 ?7@ 7 **@ *9& F? *79 *& 22F ?4 * ?@2 4 9 9 F ? *9& 22 7 & &7& *& 2 F@2 ** *? 29 *97
-" + @4 F4? 2@ FFF *92 *9F *F F 4F* &2F & *49 292 & @ ?7@ F ? *9& * 7? 2@4 9 * 7? 2@4 * ?49 ?2
-)%3+ 9F* F27 2F9 9@@ 4@? 2 ? 7 7 & &@ *24 & F9 @* ?2 @@F F ? *9& & 74* &&@ 49 727 * 992 9?? 4 ** 2&&
#' # @&F FF2 29* 9 2 *49 F22 4@ F7* * ?29 992 @2@ &4 @? 2&@ F ? *9& & FF* @7& &2 9F* & ?77 924 F 4&7 949
:# 4 &72 72? * 9*? @& & *@@ 4 &*2 22 &9 @44 @@ * 49* *4 9 F ? *9& 2 &9 2*? 2 F 2*9 2 4*F 7F? &4 2@& 747
#1 # & @@ ?97 & *92 &24 27 F7 @ 29 9*@ @ *F9 7 & 9F ?F? &?2 @4? F ? *9& & @42 9&F ?* &@ * &? 44 && 27? @F4
#1 ' 4 4& *4& *9? 2F2 F 7F4 7&* 2@& ??* &* 7 7 2 & & &7* ?7& 9 F ? *9& & @9 972 2 2 72@ 2 * 4 @** &7 *2 *24
+-R *@ ??9 &F@ 4 2? F?9 ? 9 * 494 &F F&9 4 @47 9F4 2 @&2 &&9 79 4 F ? *9& F *2& F*? 74F &* ? @7 ?F9 4@ 4F 7&4
!"6 ,+% ?F@ 4&F ?* 4? 2F* *@* &? 9?7 *** 4F7 & 4@& 7@7 7 9@2 F ? *9& * *@ &@2 F& *?* * 44* FF? 2 77? &*4
-60 2 799 9F *7 9 9 * F? & * *? *4? @ @7@ F2& @ ?@ 9 && 242 F ? *9& * ?4F FFF *?4 *72 2 *& 949 2 & F@&
0 4 *&& 7F@ * 4@* 4? F7@ 4?2 &9F 9 9 @ 7 & 9&2 * *4F &*4 9 F ? *9& * @?* 4*? *? 499 2 *24 9*? &2 4? 9F
H' $% - %- &4F 7 2 F 2 *2& 9&9 7F? F 2?9 & 7@7 2@* &24 F ** @7& F ? *9& @@F 299 42 ?79 & 4 79 4 92@ F?&
- %' ? 497 ?9& & 9?* 2 2 9 7 42@ ?@@ 4F? 2 299 &*9 * F* @2* 24? @* F ? *9& 2 ?9F 2*7 &7& ?9& 4 @7@ 29 &9 *7@ *F@
# # 4 F99 ?*7 & ?74 @4* 2 4FF F&@ @ @&2 * 924 &22 * 979 @ **7 @F F ? *9& 2 9*? ?2 *?4 77* 2 2 * 94? ? 247 *99
8 -# $ ' & &72 *F* &* 772 947 74 7 9F * 42? 2@* *@& ?&@ ?9 ** F ? *9& & 979 *F& 4@ 224 & *@ 79? 4 F7? *99
8 -# %#-$% ! G! 2 979 ? 7 @47 @&? 2 F@7 @@4 *4 4 9 ?4& 44 *@@ 79 &*? ?F@ F ? *9& & &42 7?& 2F& *@& & ? ? &F2 * 2F@ 2 @
, @ /4 323 1/ #6 02/ 4'4 3 46/ 62# # /'3 6 1 #2' 63' 401 / 1/3 3/2 / '0 '6' 0 461 42# 33 12 //3 1 11# ### 1# #02 116 #02 '// 312

Adaptado de: DGAL, 2011d

rend. = rendimentos

@2
8M$ - B / %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!>
" #' $ J#! $% &99* K% % "%! #1% L

) :
> $- ?8-,. ,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ,B(

-(+<% # 7FJ9 Q 9J99Q *J@@Q J77Q


-" + ?*J?2Q FJ@9Q @J*?Q 72J@7Q
-)%3+ ?4J?2Q &JF*Q & JF2Q 44J47Q
#' # ?*J ?Q *JFFQ &*J ?Q 29J7 Q
:# 74J9&Q 9J99Q 2J@7Q FJ FQ
#1 # F@J79Q @J* Q &9J@9Q *J 2Q
#1 ' ?7J?&Q 9J99Q & J&7Q 9J* Q
+-R ??JF2Q &JF*Q @J?*Q 9J?&Q
!"6 ,+% ?FJ2FQ 4J*2Q 7J&9Q F@J*@Q
-60 4 J94Q *&J4 Q FJ2*Q &FJF9Q
0 72J2FQ 9J99Q 4J42Q FJ24Q
H' $% - %- F&J*?Q FJ? Q *9J@&Q *@J42Q
- %' ??J ?Q @J? Q *J &Q &*J97Q
# # ?FJ* Q 7J29Q 4J&@Q &*J &Q
8 -# $ ' FFJ@4Q *J*7Q &@JF?Q *FJ47Q
8 -# %#-$% ! G! F&J97Q 9J42Q &?J*7Q FJ?2Q
, @ 6/541 6520 6563 4504

Fonte: Autor.

Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B /# %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G #! #-$#'


%"% #' G #'J#! $% &99* K% % "%! #1% L

- A
, ; R+
- 5
> $- ?8-,. (
Q =

-(+<% # F4J?9Q 7J97Q &4J?9Q 9J4&Q 7?J*FQ


-" + *2J?2Q 7J7&Q 42J9*Q &J2&Q 4J9&Q
-)%3+ 2@J@4Q & JF Q &7J9FQ 9J*7Q 2 J27Q
#' # 4 J4&Q 9J?7Q *FJ Q JF9Q 4?J&@Q
:# ?&J@2Q 2J2@Q J24Q J &Q 7&J&9Q
#1 # F*J9 Q J@9Q &2J77Q 9J& Q 7FJ9@Q
#1 ' F*JF&Q 4J2@Q &7J7*Q &J9?Q 72JFFQ
+-R ?FJ42Q @J@ Q *J49Q 9J94Q 7?J7*Q
!"6 ,+% 4?J?9Q 4J4&Q *2J?4Q &J9*Q &?J&@Q
-60 27J94Q *J7&Q *FJ?4Q J*?Q ?9J?2Q
0 ??J*2Q 7J 2Q *J27Q J92Q 7&J9 Q
H' $% - %- 2*J*FQ & J&9Q *4J&&Q 9J&&Q 4?J29Q
- %' 4&J 2Q 2J29Q &?J@ Q 4J44Q ?9JF*Q
# # 2&J@*Q & J*FQ *4J9 Q 9J?9Q ?2J?&Q
8 -# $ ' F2J*@Q *J2@Q &@J7*Q &J&@Q F&J*7Q
8 -# %#-$% ! G! *?J@4Q 7J&&Q 2*J?9Q 9J *Q ?@J7*Q
, @ 1/526 #5 ##5/4 5'/ 6456/

Fonte: Autor

rend. = Rendimentos. Cálculo: Impostos diretos/total receitas próprias; (…)


@4
8M$ - B /2 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99* K #- %' % %+ 'L

B +8
, + ,
A 8 V = 8 = +
> $- ?8-,. ,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ) : )
= ) ,B + ) )
)
-(+<% # &? 2 & 4&@ F?* 9 2 4*2 & @2 &9? 772 F@ @9 &4* 4 9 4 F&@ 9 2 2 @*9 & 499 9 F4& ??*
-" + &?? 47F 4FF @*F 2F 4&F 2 4*2 & &2 @@F 9 9&4 4* * 49 4&? 9 &2 @@7 9 * 24* 9
-)%3+ FF 44 229 F& 2@ @@? 2 4*2 @9& 4& *&F 94@ 4 @47 * &22 F@ 9 FF* @24 9 4 9?2 &F@
#' # 7*9 &@@ 499 F2 @4& 2 4*2 ??4 @7F ?22 9F* 2F * & 4FF 79 9 9 9 & 4?7 9 9
:# 2F 4?F & **4 2&* 9 2 4*2 & ?2F @4? ?7? *2* &72 9? 2 7 7 *? 9 2 ?F@ 97 9 @ F*2 9&7
#1 # ** 2 & *?2 4 & 7* *92 2 4*2 @F@ *49 & 9&& 7@4 *2F *FF 2 **7 F 9 @24 *29 9 4 * ? *F&
#1 ' 7F 22F 4&& 4&& 9 2 4*2 @*2 94F & 92 @72 *?& 4 9&7 7*@ 9 972 9F9 4 *F9 F & 2 ?94
+-R && 7&9 * &7& 7 2 4*2 9?F 2 4*2 2 &&7 2&2 9 2 9F7 29? 7 &@F 7* 9 F *9* 299 994 2 ?*2 94F
!"6 ,+% 9 ?&7 4@@ &9 ?*9 2 4*2 & &F9 7F* * &*? 4?* @ 4& F F7@ 477 9 F 7 2FF 9 7 *97 94*
-60 F 9 @*4 &?7 F9F 7 2 *9* 2 4*2 & 492 22* @&@ 472 4@ 77 2 2@* @97 9 29@ ?@9 972 F4 4? F
0 4F* 2 F & &*? 2@9 9 2 4*2 & F2@ 9&2 2 @F? F4 &? FF4 ? F22 *29 @* @& 2F @F9 &4 @ ?F* 9**
H' $% - %- @ 292 7*9 9?? 7@ *&& 2 4*2 **9 @** 7@9 9 4 4 77F & &?& 7*2 9 &7& *&F &99 & 4?2 ?F4
- %' ?* 9 & 2& &@F *92 ?@F 2 4*2 * *? F&F & &@& 4* 2@@ 7? 4 @&@ *22 9 &?9 9 @ 9 ? & F F?2
# # F&2 724 & 94* @29 &&4 @?2 2 4*2 & F@ 227 & 7? 4*F &@F @?9 4 ?4 @42 9 & 72@ 9&2 9 7 F2@ 7&*
8 -# $ ' 9 @&7 27F 2F 777 2 4*2 *7F @97 4@9 4&7 *@2 @4* * *?& *7@ 9 *9* 4? 9 * F?4 42F
8 -# %#-$% ! G! ** *F& @** &9 47 4 & 2 4*2 49* &2? 2 2@7 ??* 24 &22 F 2? &F4 9 9 9 F 2?7 F&?
, @ / '#/ 4 #6 612 101 # 620 24' 1 34/ 3// 26 '46 1#' 2 /10 2' 0 1#4 '#0 64 4/ 660 02 0# #4 206 /01 /' #6/ ' 4/' 33#

Adaptado de: DGAL, 2011d

Part. Com. Proj.= Participação Comunitária em Projetos; transf.= transferências

@F
8M$ - B // %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!>
" #' $ J#! $% &99* K% % "%! #1% L
,B + ,B + ,B +
> $- ?8-,.
7G 7 7<
-(+<% # 7FJ9 Q 9J99Q *J@@Q
-" + ?*J?2Q FJ@9Q @J*?Q
-)%3+ ?4J?2Q &JF*Q & JF2Q
#' # ?*J ?Q *JFFQ &*J ?Q
:# 74J9&Q 9J99Q 2J@7Q
#1 # F@J79Q @J* Q &9J@9Q
#1 ' ?7J?&Q 9J99Q & J&7Q
+-R ??JF2Q &JF*Q @J?*Q
!"6 ,+% ?FJ2FQ 4J*2Q 7J&9Q
-60 4 J94Q *&J4 Q FJ2*Q
0 72J2FQ 9J99Q 4J42Q
H' $% - %- F&J*?Q FJ? Q *9J@&Q
- %' ??J ?Q @J? Q *J &Q
# # ?FJ* Q 7J29Q 4J&@Q
8 -# $ ' FFJ@4Q *J*7Q &@JF?Q
8 -# %#-$% ! G! F&J97Q 9J42Q &?J*7Q
, @ 6/541 6520 6563

Fonte: Autor.

Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B /3 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #-! #-$#'


%"% #' $% "# #-J#! $% &99* K% % "%! #1% L

B +
) : A 8 8 =
> $- ?8-,.
,B = 8 V + )
)
-(+<% # &?JF Q 9J24Q ?JF@Q 2 J2&Q
-" + F J42Q 7J92Q 9J99Q 9J?&Q
-)%3+ *?J2@Q *J&?Q &FJ *Q *&J?@Q
#' # F7J7@Q 9J2FQ &7J7FQ 9J99Q
:# &7J4 Q 9J27Q 7J44Q 2@J49Q
#1 # *?J92Q 9JF*Q *7J92Q ?J?7Q
#1 ' * J &Q J*@Q **J@FQ ?J22Q
+-R &7J?9Q 9J7*Q 9J99Q 2&J?7Q
!"6 ,+% &?J& Q 9J99Q *7J@?Q @J27Q
-60 *7J22Q @J*7Q &@JF Q & JF2Q
0 &?J *Q 4J??Q 49J77Q 2J@?Q
H' $% - %- 4 JF@Q 9J?4Q *2J4?Q 9J@?Q
- %' 2*J27Q 9J&2Q * J??Q ?JF9Q
# # * J &Q ?J&&Q &4J&@Q *&J@2Q
8 -# $ ' *?J?*Q 9J99Q 2*J&?Q 7J&4Q
8 -# %#-$% ! G! &*J&9Q 4J Q F@J22Q 9J99Q
, @ 225/1 2512 #4520 #351#

Fonte: Autor

Estado - Part. Com. Proj. co-financiados = Estado - Participação Comunitária em


Projetos co-financiados. Cálculo: Transferências OE/total receitas capital; (…)
@?
8M$ - B /1 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' !
#-$#' %"% #'J#! $% &99*
A ,
> $- ?8-,. ; )
= R R
-(+<% # &* *@* FF& @ 24& 9 F 7&4 ? ** F? *7@ @9JFFQ
-" + &*2 F94 47 7@& &2 **2 729 7* &&J2&Q
-)%3+ F* ?@& ?F* 4?& *F7 *F & &@4 2@@ 22J?&Q
#' # & &?& &4? *F& 2?2 ? 92 * ?4 7*4 4?J2?Q
:# F ?2? &?@ & 22F 97F 79@ &9 & 99& 4F? 7&J*@Q
#1 # * ?9F @ 2 749 &* 7*? 97 @ *@2 &&& 7FJ&2Q
#1 ' F &F4 & F @4& &F@ ?9& 7&7 &* @&9 & 7 74J9&Q
+-R 2 2 F *?@ ? *F *&4 * 4*@ 7F 4& 9@ 7@9 77J9FQ
!"6 ,+% 7 *@& 2F* *@* 47 ?7* *** 4F7 &?J&@Q
-60 F 99 4@@ 2 &7& 27 * ?@ 2 9 F9 FF ?4J9?Q
0 ? ?*& 74 &4& @@9 27* 47& &9 2F7 ?4? 72J?*Q
H' $% - %- 4F7 &@7 929 &? *9@ 4&7 & @ 7 9@? 4?J?@Q
- %' @ 2?9 9&? 2 9*4 74@ @ F42 2 2 ? 429 ?9J? Q
# # 7 92& 992 4 @ 2?2 2*F F * F?9 97@ ?7J*9Q
8 -# $ ' & *@? 72 947 74 @& &2 * 42? 2@* F&J*7Q
8 -# %#-$% ! G! 4 72* ? 2 4 9*9 *4? &9@ 224 97* 4 ? 7&J&@Q
, @ 16 '11 /'4 33 400 3/2 # '/2 ### #23 ''0 62 4'5#'

Adaptado de: DGAL, 2011d e cálculos próprios

Cálculo: Receitas próprias = receitas fiscais + venda de bens e serviços + outras receitas;
Receitas fiscais = impostos diretos + impostos indiretos; % receitas próprias = Total receitas
próprias/total receitas

8M$ - B /6 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &99* K #- %' % %+ 'L

O ,
B * ) : +
> $- ?8-,. 8 =+
)

-(+<% # * ?@& 272 4 92 2F? 4? @@@ F22 @7F 49? &@7 *& 447 &*4
-" + & 99F ?7F 24F &92 7? ?77 @? ?4 ** 2F4 * ?7 2 ?
-)%3+ & &4 &FF 242 22* 42 7 ?F4 9 * 7 F@? 2 4** 4@@
#' # & &2& @ F & 7?& 92 2 4@4 44? 47@ 2? ?&9 4 ?F 7F
:# @ @@9 *F2 7 2F9 4 F ?72 @2* & @72 ?22 77 *9 && *97 7F7
#1 # F F & ?2 ? &*? ?F9 F 9 &7* 9*F &9F ? & 4 24F *4@
#1 ' @ &4F 9?4 @ 7&2 *@4 *2@ ?2? 49? @&7 ? 2 ?9F & F4& 749
+-R 7 F@? *F & *F *?F F4@ ?7& & F ? 7@ 2@& ?99 2* 7&7 29?
!"6 ,+% & *?? F 4 9F7 @& &** &@F ?& @72 *?F * ?42 @
-60 F 7&* &2* 4 ?72 44 29* F9& 497 9F7 &&? @79 * ?2? 222
0 @ 4& F7? 7 &7? * F 44@ ?& & F9@ * & @7& 7 & @F9 &@7
H' $% - %- & * @ 44? ?&4 4?9 ?7 @9 *@2 99 *4 94& 2 44* 79
- %' ? F7* 4@@ F 99* F7* ?4 *79 *2 *@ &29 *47 4 222 4@
# # ? 94@ *@ 2 @F@ 92 F 4 * 749 *79 F9* *99 2 9@? 942
8 -# $ ' & 2** @ 9 & 97& F*& *9 &7F *FF 2F7 F& ?4 2 @?4 2?&
8 -# %#-$% ! G! 4 &24 F@? 2 * * 9?4 4& ? F 2?F 9 ?? 4F7 F4 9F7
, @ '4 2 / //' ' 0/2 '32 / 4 / 1#1 0 61 ## 3 22' # 0 #20 364 /1

Adaptado de: DGAL, 2011d

@7
8M$ - B /4 %' #-$% "#$# $% $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &99* K% % "%! #1% L

O ,
B * ) :
> $- ?8-,. 8 =+
)

-(+<% # 2&J*FQ 2FJ&9Q J?FQ 4J94Q 2JF*Q


-" + 4*J9?Q *7J4 Q &J*&Q 4J& Q 9J77Q
-)%3+ 2@JFFQ *&J97Q J&9Q FJ7?Q 9J @Q
#' # *7J@*Q 2@J74Q 9J?&Q @JF7Q 9J7*Q
:# 22J?7Q *?J@&Q *J4&Q *J*7Q 9J29Q
#1 # 2&J?7Q 2FJ7*Q 9J?4Q 7J*9Q J*2Q
#1 ' 2&J?4Q 24J*?Q JF&Q FJ@FQ *J*9Q
+-R 2&JFFQ 27J?2Q J4 Q 4J@?Q J &Q
!"6 ,+% F*J**Q &7J2?Q FJ& Q J@2Q 9J92Q
-60 2@JF*Q 2&J97Q &J@2Q *J?9Q JFFQ
0 2*J*FQ *?J?2Q &J44Q J77Q 2J27Q
H' $% - %- 49J@2Q *?J@9Q J?*Q 7JFFQ 9J??Q
- %' 2@J?4Q *7J7?Q J 2Q 7JF7Q J4FQ
# # 49J97Q *4J&4Q 2J*FQ FJ9*Q 2J&7Q
8 -# $ ' 27J@&Q 2 J7FQ 9JF Q ?J*?Q J&4Q
8 -# %#-$% ! G! 2FJ@7Q *7JF*Q 9J2?Q *J&&Q 9JF@Q
, @ /35# /#533 #5' 45'' #5##

Fonte: Autor

Cálculo: Pessoal/total despesas correntes; (…)

@@
8M$ - B /0 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &99* K #- %' % %+ 'L

BO BO ,
!* - , , = + ) = 8 = +
> $- ?8-,. K B )X
. S ) = ) )
. )
-(+<% # @@ @?4 @F9 4* 2 4&& @2? * &@@ @*2 **? *2F 7 * & 7 7 2@* 272 & ?97 49@ 4?4 F * ?72 F&4 2 9 7F* 9 4 2?@ F 9
-" + 44 @*2 9 ?9 @? &@ *? F@ **4 @ 7&7 92 2?* @@ *&@ & 7?2 2F? *22 F4F 4 ?&4 49 4 9 * *72 @F&
-)%3+ 7?9 *@7 &9 @?& 72 9@4 4@2 9** 2F @ &@F 4 F ?@ 2@ @?2 2? * @F4 49& @F4 ? 7 &@ @&4 2&& *@2 9 4 *7* 4*@
#' # &4 ? & **9 97@ 2? &?4 4@ *9 &2 79* 2 ?2& @? 27& 7?2 49 * &@4 ?*4 9 499 2? FF? 9 * *2* @9&
:# 2? &29 2F 2*& 9 & 99? *2? 7*4 4 ? 2&* ?? 4?2 *9? @72 F&F 4 9 @ &29 F4 F* 9 *F ?4 ? 7 F&& 9 & F 4 *2?
#1 # F ?49 7 F?@ & 994 F?7 & F2? 9 4 **@ 229 & 27? @?2 ?79 7&9 ?? *4? 9 *9 ? 2 F4@ @7* **& &99 &@ 4?& 927 7F2 & 2F* ***
#1 ' @? &2F 7@ F ? 9 77 &7& FF &@& 2& FF @ F?@ F *F 44& @ 77F *&@ &27 ?47 7 999 2F4 9@2 &@ ? 2 9 7 9 7@4
+-R @ &27 *@9 9 * @7* 4&F 7 92@ 79F & *9? 9 9 7@4 &24 @22 *** &*7 &44 ? 7 ? 2*4 @ &2 @9F 79? *7F 49F @* ? &9* *9 *?* &*
!"6 ,+% 4& @47 9 4& 4 ? 9?* * 2 2 ?*2 2F 4F@ 249 292 @ &@@ & *2* *2? 7 &&F 4*F 299 ?@& 9 4* 942 * & @& @ 2? *9*
-60 2? *4* *F& 9*4 9 @7 & @ ?@4 2? *2@ *9? F4& 4 @2 *7? F &?7 ??9 2? F@7 &42 F&4 ?&F *@9 ?4 ?&? ? @9? &97
0 * ?72 @ 9 ?@2 ?*F *4F 4 *FF 7*9 2@? *2* 2?@ 4@ *F@ F7& *@4 9@* @ ?4@ 92 F&2 &*& *9? 799 F9 *47 9 74 2*9
H' $% - %- * @?? F@ &49 94 7*? @99 @*& 2& 9?4 2? F2& 49 2@4 *?* *7? & *&4 4@2 4 F&4 2* 4?4 &&& ? 4 9 & F9? 497
- %' 29 F*F 7@& 4F4 F79 @*2 * 7 * &2F &?4 4 & F2? 2& 72F 4*@ & &2F @&9 22* 2@4 7&2 2F2 2&9 &74 2& 2&? 9 & 7*9 F?
# # @ 7 F4 *22 ?97 *42 @@* @9@ *& *&F 7*7 & ?@F 2*7 24* *74 24@ 9?? 9 4F& @&F 4? ?F& 9 @ F &** 9 & 949 @&
8 -# $ ' 7&9 @4 92 7*@ 9 *?7 & 92F 9F? &? F94 ?7 F?& @@ ?* *2? 9F * ?&2 @@ 7@ @7F 2? &49 44 ?F 9 2 9 ? @7@
8 -# %#-$% ! G! &*7 @&F 94 ?@4 * @4? @F4 2? 229 & @F2 &7* & F 9*@ @@ @&4 2F 72 7 &@& & 2 9 9 F2 74 9 7 24F *@@
, @ 3 134 /06 3 // /6# 6 214 #33 21 16 140 2#' 03/ 2 #06 10/ 4 66 36/ #4 #43 21/ #1 2 /04 # /2/ 3'# 3 341 '6 4 '2 1/# 14/ /#4 12 '/4 /

Adaptado de: DGAL, 2011d

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst. Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.=
investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despesas

&99
8M$ - B 3' %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! ! #-$#'
$%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &99* K% % "%! #1% L
BO
+ - - = +
K + BO B !* , )X ,
> $- ?8-,. (
. . ) ) + =
S - =

-(+<% # 9J?@Q ?J4FQ *4J4@Q &4J@?Q &JF4Q FJ29Q @J&@Q J?4Q 9J9FQ
-" + J@4Q 9J99Q 29J? Q 9J 2Q 4J7@Q *J @Q *JF*Q *2J2@Q &J&7Q
-)%3+ & J@4Q 9J4*Q &J &Q 29J&9Q J FQ ?J27Q &J99Q &2J4?Q *J 2Q
#' # 9J?7Q 9J9&Q 2J2?Q ?J@2Q *J?@Q 9J 2Q 4J@@Q 4FJ77Q &JF Q
:# &J@*Q 9J@*Q 9J99Q *@J@@Q FJF4Q 7J22Q J22Q @JF&Q *J@?Q
#1 # 9J ?Q 9J7 Q @J79Q &FJ *Q *J*4Q &2J4FQ ?J? Q ?J2@Q 7J9&Q
#1 ' &J99Q J@&Q 9J99Q 9J7@Q FJF@Q 2J*7Q &J94Q F&J9?Q ?J7*Q
+-R 9J94Q &J @Q J *Q 24J 7Q &J@4Q 9JF2Q 9J@ Q FJ@4Q 2J Q
!"6 ,+% 2J9&Q 9J &Q FJ&@Q 2 J4 Q J?7Q 4J27Q &J**Q &7J2@Q FJ4 Q
-60 9J?4Q 4J??Q 9J99Q 9J99Q *J49Q &J*4Q 2J@9Q 7&J?*Q 2J@?Q
0 9J92Q @J**Q ?J44Q 42J@@Q 4J 9Q 4J FQ *J?@Q 2J94Q ?J?*Q
H' $% - %- 9JF9Q &@J?&Q 2J44Q *7J?2Q J7 Q &J94Q FJ2?Q FJ9FQ J72Q
- %' 9J*FQ ?J79Q 2JF@Q **J*&Q J 4Q 4JFFQ ?J29Q @JF*Q @J9FQ
# # 7J FQ *J&FQ *J*FQ 7J97Q &J4FQ &FJ2?Q 2J&@Q *J7 Q 7J*FQ
8 -# $ ' &&J9&Q &J7 Q &J?&Q 42J@*Q 9J?2Q &J Q 4J*4Q @J*&Q &J@4Q
8 -# %#-$% ! G! &J77Q J&7Q 2?J?*Q J?7Q *4J?4Q &JF Q &J2 Q 4J4?Q FJ4FQ
, @ /5/4 /52 2563 #4512 4501 '532 150/ ##520 ''5''
Fonte: Autor

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst.


Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.= investimentos; Invest.= Investimen-
to. Cálculo: Habitação/total do investimento; (…)

8M$ - B 3 %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' $%


"# #-J#! $% &99* K% % "%! #1% L
,
) = 8 =
> $- ?8-,.
= ) )

-(+<% # 7&J 9Q *J?&Q J4*Q &JF4Q 9J99Q


-" + 72J@&Q 9J 7Q 9J2FQ 2J2*Q 9J99Q
-)%3+ ?*JFFQ ?J@2Q 9J4FQ ?J74Q 9J99Q
#' # @7J4FQ 9J99Q 9J9 Q J2*Q 9J99Q
:# *@J?@Q 4 JF4Q &J7FQ 4J?9Q 9J99Q
#1 # 7 J&7Q 4J*9Q &JF?Q &J*2Q 7J2&Q
#1 ' @ J24Q &J*9Q JF?Q 2J*9Q 9J&?Q
+-R 47JFFQ *9J92Q 4J@4Q 2J@FQ 9J*@Q
!"6 ,+% 7FJ7FQ 2J&*Q 9J99Q 4JF Q *J*9Q
-60 ?@J2 Q 4J@?Q *J&&Q @J @Q &J&&Q
0 7&J*2Q 4J&?Q &JF9Q @J?@Q 9J99Q
H' $% - %- 7@J @Q 9JF9Q JF?Q 7J42Q 9J99Q
- %' 7@J @Q FJ2*Q *J&7Q J Q 9J99Q
# # 7?JF4Q 2J?2Q 9J99Q ?JF9Q 9J99Q
8 -# $ ' @&J? Q &J&2Q J 7Q *J77Q 9J99Q
8 -# %#-$% ! G! @7J9FQ 9J99Q 9J99Q J@2Q 9J99Q
, @ 665/6 25 3 25/2 /502 5'2

Fonte: Autor

investim.= investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despe-


sas. Cálculo: total investimento/total despesas capital; (…)
&9
8M$ - B 3# 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $
#- #-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &99*

B * 8 = . =
> $- ?8-,.
) ) =

-(+<% # 4? @@7J?9 2 9 7F* @7& 7F &J94Q


-" + 7? ?7?JF7 49 4 &*? @9& *J*&Q
-)%3+ 42 79J4? 2&& *@2 2?F 4?2 2J7 Q
#' # 2 4@2J@? 2? FF? 7@ &F& 9J@7Q
:# ?72 @2&J79 ? 7 F&& 49* 4F4 2J* Q
#1 # F 9@J?4 &@ 4?& 29? F7& J2FQ
#1 ' *2@ ?2FJ?9 2F4 9@2 7 2 72 &J4 Q
+-R F4@ ?7 J?4 49F @* & F4 @?4 &J@&Q
!"6 ,+% &** &@4J@* 4* 942 ?F2 *49 4J?7Q
-60 29* F9 J44 ?&F *@9 &@ @@ 4J&&Q
0 44@ ? JF& F9 *47 ? @ 4&@ 4J9@Q
H' $% - %- ?7 @99J@* &&& ? 4 *9 F F 2J& Q
- %' ?4 *79J9@ 2& 2&? * ? 79? J &Q
# # F 4 *9J42 @ F &** 4* *F* 4J7FQ
8 -# $ ' *9 &7FJ29 44 ?F 7F 92? &J9?Q
8 -# %#-$% ! G! 4& ? FJ @ F2 74 & F @9 J Q
, @ / 4 / 1#1 4 '2 1/# # 4/1 #14 25 0

Adaptado de: DGAL, 2011d e cálculos próprios

Cálculos: Serviço da dívida= Encargos financeiros + Passivos financeiros; % total=


Serviço da dívida/total da despesa

&9&
8M$ - B 32 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &992 K #- %' % %+ 'L

7 + ) : ,B
- A
, ) + +
- 5 + , +
> $- ?8-,. ) + : + +
Q = R ,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ) :
: ,B

-(+<% # &2 F47 92* * 9&9 97 FF7 2?@ *F9 F@* *@ ?9? *&2 * @*2 &27 F2F @?? 2 47 &&4 2*F 2*9 4 9 ? F44 22 ?&2 @?@
-" + @F F4 ?2 2 7 * 77 9 @@ 2?2 F77 7F? & 2@@ ?47 &*& 99@ F2F @?? * *?7 ?22 && ?4F * 29 499 2 9@9 *F7
-)%3+ 4? 2*9 2 9 &@* F * && 42 &29 & F2@ 97* & *22 *@4 ** 949 F2F @?? * 9&2 2&& 94F @2& 2 97 *F2 F ?*9 22?
#' # & @29 F4? &* 2@4 FF2 ?F4 2F F?? 2 77* 4@2 & *F **2 29 49@ F2F @?? & 7&* 7&9 *? F47 & @F 2?7 ? 724 9?&
:# ? &@@ &9* & 77? @*7 2 7 &F& F? 4@F & ??* 999 * FF@ 7?7 F2F @?? 2 * F 744 4@ F@7 2 @97 44* &F F7 44*
#1 # & *@ @@? & 9&& F*2 F 2 F@7 29 FF7 &9 4F@ @@? & &@& F*9 &? 74* F2F @?? * 9F? 2F9 97 2@9 * ?4 @49 &* ?24 @2?
#1 ' ? 2&4 ?49 &F* @ 9 ? ?*7 292 FF4 4F &? 9@* F&2 & *F4 497 F2F @?? * 9 & 274 *@& *@F 2 292 77 * 2@7 49F
+-R 27 9*F @F2 4 F2@ *22 ? &?2 @4F * 4 7@2 F &?? 47 4 44F 2*9 *F& &?9 F2F @?? F 4F4 F?? @F7 &FF ? 4** @2* F7 7 9
!"6 ,+% 79 F*9 &9* 2@? 24 @9@ * 9?4 2F9 & 744 *@F @& *@7 F2F @?? * 4@2 ?? @2 4** * ?7@ *92 4 &2@ 2 4
-60 F F&F &4@ @?7 ?7 * 729 ? @F? 9F@ * 2 & &&? & 449 24* FF? 2&? F2F @?? * 7F2 74? F * ?@& 2 2?7 F2@ ? 7@9 7?F
0 &9 2&9 4&4 * @* 29 @F& 9&9 &72 4*? &4 4@7 272 * 229 @@7 F2F @?? 2 97? @?4 ?2? 9** 2 7*4 997 *9 2** 2@
H' $% - %- F7* 27* ?*7 922 9?9 ** @ ?F7 * 49 2&? *F9 2& 74 97 F2F @?? & 9@& &&? &97 F** & *99 7F9 4 79& &7?
- %' ? F** 299 & 22@ F? 2 992 &2* &&9 F74 4 *9? @@@ 2 9*& 49F &9? F7& F2F @?? 2 77? F4 24* 2@ 4 *29 F4F &9 F27 F44
# # F @74 2@ & F@F *&4 4 9@9 @*F ? &@4 2 7@9 92? * *@* 44? 4 FF? F2F @?? 2 @& &9 9@7 2*? 4 &@9 F*7 &9 79 F74
8 -# $ ' * 4? &?@ @F 2?2 *44 F* 7F @F4 2 ?@4 779 4&F @2 *& 9 * F2F @?? & &94 72 &&2 F7F & 2&@ 7?9 ? &&4 ?49
8 -# %#-$% ! G! 4 *?* 7@7 & ? 7 4 * & 4?@ 99 9*4 & @9* F@2 ? F &7 F2F @?? & *F* 94 2 &9 2 & ??4 @ 4 F?7 7 &
, @ 66 #'# 62 #0 46 3 3 34 404 304 / 3/' #2 #6' 3 # 3 6 /3 16/ 333 # '2 041 ' 23 12# 34 '34 62 4 116 #33 11 6#3 /#4 226 #26 0/3

Adaptado de: DGAL, 2011d

rend. = rendimentos

&9*
8M$ - B 3/ %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!>
" #' $ J#! $% &992 K% % "%! #1% L

) :
,B + ,B + ,B + ,B(
> $- ?8-,.
7G 7 7<

-(+<% # 74J77Q 9J99Q 2J &Q 9J&2Q


-" + ?*J@7Q FJ7?Q @J 4Q 7&JF9Q
-)%3+ ??J4&Q J9@Q & J*@Q 22J@2Q
#' # ?4JF4Q J2*Q &&J@ Q *4J@@Q
:# 74J9 Q 9J99Q 2J@@Q FJ 7Q
#1 # ?2J?2Q 2J ?Q & J9@Q &J@&Q
#1 ' ?7J4&Q 9J99Q & J27Q @J4FQ
+-R 72JF*Q 4J4&Q @J74Q @J42Q
!"6 ,+% ?@J2*Q &J4?Q 7J99Q F7J27Q
-60 F4J@@Q ?J&?Q FJ?2Q & JF9Q
0 72J ?Q 9J99Q 4J7*Q *J2*Q
H' $% - %- F4J9 Q 2J9?Q *9J@&Q *FJ9FQ
- %' 7&J4 Q 2J&4Q *J&2Q &*JF?Q
# # 79J@4Q *JF&Q 4J2*Q &9J??Q
8 -# $ ' F@J& Q J24Q &@J*2Q *9J4&Q
8 -# %#-$% ! G! ?&JF&Q 9J99Q &?J*7Q 4J9?Q
, @ 64516 253' 6542 65##

Fonte: Autor.

Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B 33 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G #! #-$#'


%"% #' G #'J#! $% &992 K% % "%! #1% L
- A ;
,
- 5 R (
> $- ?8-,.
Q =

-(+<% # F&J 9Q ?JF Q &@J*@Q 9J@ Q 77J?7Q


-" + &7J27Q 9J79Q 2FJ&7Q 2J22Q FJ72Q
-)%3+ 4@J*&Q 4J2@Q &*J 2Q &J94Q *@J*FQ
#' # F9J&&Q 2J?2Q *2J9@Q 9J@FQ F&J&4Q
:# ?@J24Q *J&FQ FJ4 Q 9J??Q 7 JF9Q
#1 # F9J&2Q @J7*Q &@J?*Q 9J&9Q 7FJF*Q
#1 ' F2J*&Q 2JFFQ &7J4FQ &J2FQ 7FJ9&Q
+-R ?7J*@Q @J&&Q J7?Q 9J4&Q 7@J94Q
!"6 ,+% 42J@9Q *J@2Q *9J@4Q 9J& Q &?J7 Q
-60 2@J29Q 2J?4Q &7JF*Q ?J& Q ?2J@?Q
0 ?@J??Q 4J*FQ *J?FQ J Q 72J Q
H' $% - %- 27J97Q & J97Q *9J4FQ 9J&7Q F9J*4Q
- %' 2@J7?Q FJ99Q &FJ FQ ?J@?Q ?2J 2Q
# # 2FJ@ Q 7J Q *2J @Q 9J?@Q ?*J?7Q
8 -# $ ' F4J7*Q 2J 9Q &7J&FQ J7 Q FFJ*?Q
8 -# %#-$% ! G! 2 JF4Q FJ2 Q 2 J ?Q 9J?7Q 7&J*9Q
, @ 1353 5'/ # 566 514 4'5#

Fonte: Autor

rend. = rendimentos. Cálculo: Impostos diretos/total receitas próprias; (…)


&92
8M$ - B 31 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &992 K #- %' % %+ 'L

B +
, + ,
A 8 = 8 = +
> $- ?8-,. ,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ) : )
= ) ,B 8 V + ) )
)
-(+<% # &7 ?@@ & F&& 7*& 2* * 7 * 942 49 4 *@& *F* &?7 ?@7 7 ?&4 * 9 & 774 2*@ 9 F*@ 427
-" + 47 @?4 FFF 494 42 F?* 2* * 7 & &4& 2@F &4* 79? * 49F *9* 9 72 99 9 * ?2@ &?@
-)%3+ 4? 2** 4F& @*9 && 9*2 2* * 7 & 9 F &7& &97 ?F? 9 & &&4 92@ 9 ?F ?7 9 & *4@ &F*
#' # 9 2&2 &&& &? 99F 2* * 7 77& 42F * 9 4 ?*F & &F4 2 @ 9 42? 9 4F7 9@ 9 4 2?7 F4F
:# 9 424 & 22F 47F 2* * 7 & 7?? @92 * 9& &@@ **? &* F &*F 2*2 9 @ 9 ? ?9@ 9 4 &F2 F7?
#1 # && F@& 4&7 2&9 74 &*F 2* * 7 & 922 @?2 727 F*4 &74 2&* 2 ?@ 9* 9 4@7 4F9 9 2 799 &7*
#1 ' *F4 ?F7 4?? 99F 2* * 7 & 997 *&2 2@* *29 & 977 2*9 2 4@9 9@2 9 F?& 2?? & 479 4 F2@ @&9
+-R FF *92 * ?92 &7F &2 4 * 2* * 7 2 *?? ? 2 *?& *** 7 ?2@ 249 9 2 &@F @F? 9 * & & ?&
!"6 ,+% 22 92& @9* 4@7 F 4@@ 2* * 7 & *@F 4 4 2 F*9 742 * 977 99 9 4 2F7 9 4 F7? 9 9 ?4 @?
-60 &7& ?*7 ?99 *9& 222 @4& 2* * 7 & 4?F 4?& FF* 74* ? 2? * &2? 7@4 9 &@@ *2@ *@ 4*2 4 @F@ 4 ?
0 &27 ?*& & &@* @@7 2* * 7 & ?&4 * F & ?2& ?27 &* 94@ 4 2@ && @2 @?* F?4 499 9 F 4 9 *&?
H' $% - %- 2 F24 @9F ?F 4F ?*@ 2* * 7 *@2 7 7 2F4 &79 *2? 9? * &9? F@ 9 &4 ?2 @79 * 49 4*4
- %' *24 & F77 **7 *7 244 2* * 7 * &47 92 97* 724 *F9 4 22 442 9 *24 974 9 4 27@ @72
# # F&F * & &F& *? 9 2* * 7 & ?@2 799 & *24 2@* *77 9@? 4 4&7 *@9 9 & 4@ ??2 9 7 * 2 2?4
8 -# $ ' ?*2 9@ 9 ? 2F& & *2& 2* * 7 2?9 && 2?F @22 ?7 @2* & ?&@ 99@ 9 9 92 * 2?2 &&&
8 -# %#-$% ! G! &9 9 ? 22 97F 2* * 7 4?4 292 4 FF* &?* 9 ? &*7 F?? 9 @&F 7F? 9 7 *FF 4F&
, @ 2 040 /33 2' //0 6'2 23/ 11' 1 0' '44 24 6'3 /3 22 ''0 116 #/ '0 241 03 4#/ 3'/ 0/ 062 #2 46/ '/3 62 04 #2 031 63

Adaptado de: DGAL, 2011d

Part. Com. Proj.= Participação Comunitária em Projetos; transf.= transferências

&94
8M$ - B 36 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!>
" #' $ J#! $% &992 K% % "%! #1% L

,B + ,B + ,B +
> $- ?8-,.
7G 7 7<
-(+<% # 74J77Q 9J99Q 2J &Q
-" + ?*J@7Q FJ7?Q @J 4Q
-)%3+ ??J4&Q J9@Q & J*@Q
#' # ?4JF4Q J2*Q &&J@ Q
:# 74J9 Q 9J99Q 2J@@Q
#1 # ?2J?2Q 2J ?Q & J9@Q
#1 ' ?7J4&Q 9J99Q & J27Q
+-R 72JF*Q 4J4&Q @J74Q
!"6 ,+% ?@J2*Q &J4?Q 7J99Q
-60 F4J@@Q ?J&?Q FJ?2Q
0 72J ?Q 9J99Q 4J7*Q
H' $% - %- F4J9 Q 2J9?Q *9J@&Q
- %' 7&J4 Q 2J&4Q *J&2Q
# # 79J@4Q *JF&Q 4J2*Q
8 -# $ ' F@J& Q J24Q &@J*2Q
8 -# %#-$% ! G! ?&JF&Q 9J99Q &?J*7Q
, @ 64516 253' 6542
Fonte: Autor.
Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B 34 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #-! #-$#'


%"% #' $% "# #-J#! $% &992 K% % "%! #1% L

B +8
) : A 8 V 8 =
> $- ?8-,.
,B = + )
)
-(+<% # &FJ&2Q 9J&4Q 2FJ**Q &2J?@Q
-" + F9J97Q 2J&2Q 9J99Q &J&2Q
-)%3+ 74J2FQ &J2*Q 7J74Q *J&4Q
#' # *2J*FQ 9J99Q 44J94Q 9J*?Q
:# 7J74Q 9J9?Q @J?@Q 4@J97Q
#1 # 2&JF9Q 9J2?Q *7J4 Q &J2?Q
#1 ' &J7*Q &J*2Q *J 4Q 2J*9Q
+-R **J *Q J&FQ 9J99Q *&J4&Q
!"6 ,+% &*J44Q 9J2*Q 24J4 Q 9J 4Q
-60 2*J FQ & J2@Q J &Q & J??Q
0 2 J7FQ *J7&Q 2&J *Q 9J*7Q
H' $% - %- *@J7*Q J @Q 2 J74Q ?J @Q
- %' 4@J*4Q 9J9 Q 7J@FQ FJ&@Q
# # **JF Q ?J4*Q &7J& Q &4J@7Q
8 -# $ ' 2&J*&Q & J *Q *J?*Q 9J99Q
8 -# %#-$% ! G! 7J7*Q &J29Q F?JF@Q J97Q
, @ 2 5#2 25## #1512 05#1

Fonte: Autor

Estado - Part. Com. Proj. = Estado - Participação Comunitária em Projetos. Cálculo:


Transferências OE/total receitas capital; (…)

&9F
8M$ - B 30 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' !
#-$#' %"% #'J#! $% &992

A ,
> $- ?8-,. ; )
= R R
-(+<% # &? 2&? 4*& F@? &?7 F * * *@ ?*F &* ?9J49Q
-" + &2* ?@ 2?? ?74 &F &FF 72? 72& 9J7 Q
-)%3+ ?9@ 4 9 F?9 444 *&F 24& & ?9F 4 F &@J?7Q
#' # * 9@7 @2& FF2 ?F4 @ 77? 2 77* 4@2 *FJF4Q
:# 7 ??7 F?4 2&7 797 4@F &F& & 79* ?22 4 J@7Q
#1 # * F@ F2& F *? *@9 ?FF F4? &9 4@4 F7@ ?&J 4Q
#1 ' 7 *42 &*F 7 92 ?& 2 9*@ ?*& 29 2@7 29 74J@9Q
+-R 2@ &&4 @@F ? 22 &F9 2 ?@7 &@? F 2F4 44* ?2J@2Q
!"6 ,+% 7*& @** 2@4 @4 ?4 &F@ 492 4* @J?4Q
-60 7 2** 7 2 4 && 744 &?? 7*9 2 7*2 2@@ F&J ?Q
0 &* 9 4 9& & 9 ?4& ? F **4 &4 @2& 77 ?9J&&Q
H' $% - %- & 9@7 4& ??7 22F F&& * F4F 44* *@J*9Q
- %' @ @4@ 7F 2 992 477 *2* 7@4 4 *97 *22 47J4?Q
# # @ &2 & @ 4 ? ? &27 F F?7 4 4?9 24 42JF2Q
8 -# $ ' * **F @* & 97@ &?& 2 7@9 4 42 9@* 4 J?@Q
8 -# %#-$% ! G! ? &2 2& 4 4 * 4@F *2@ @?* * 92 ? 42J49Q
, @ 01 140 /61 1# 444 '32 #4 /# 231 #46 004 443 1#5/3

Adaptado de: DGAL, 2011d e cálculos próprios

Cálculo: Receitas próprias = receitas fiscais + venda de bens e serviços + outras receitas;
Receitas fiscais = impostos diretos + impostos indiretos; % receitas próprias = Total receitas
próprias/total receitas

8M$ - B 1' 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &992 K #- %' % %+ 'L

,
O B * ) : +
> $- ?8-,. 8
= )

-(+<% # 2 7@7 7@* F 2?2 2*4 27* 22 & 2*@ &9& 77* 24* *4 ?@ 2&F
-" + & 9 F F2 &4 ?9* F7 2?4 F@ 94? ?9 44@ * 4?4 @4?
-)%3+ & 29@ 2?7 & &F 9?7 4@ 9& 74@ 2@F ?2 F@4 4 FF* ?F7
#' # & *9 7?? * 9&F ? 2 * ?7@ F7@ F?4 &2 4F F 9?2 F 4
:# 9 @&4 ?F& ? @*& 22& 997 4?9 2 &@7 @@7 24 479 &2 * *4&
#1 # ? 9& ?42 7 24? 2*F 2 *2 2@* F*@ 7? 9 * ? &42 @?F
#1 ' @ 7&4 @2 9 ?4F 299 &?* 94* @9 &?9 42& &@? &* &@7 @F
+-R &9 9& 7 &2 977 *F* 444 99& * *4* F ?F? @& 27 ?72 @99
!"6 ,+% & 2@@ 2 F &94 @ 7 & 4 472 @7 &?& 2 @F@ 2 9*2 F9
-60 ? F@ ?9@ F 77* 227 2FF 74 F * 42* 274 7&4 4 F 7 ?9@
0 @ F2& *& @ 4&4 44& 4?? @F2 & 224 97 @42 &?& &* 24 & F
H' $% - %- & 449 @2@ @2* 792 4F *9 29? 7*F F? 774 4 9&F ??4
- %' ? @ 4 @79 F *7* @7F 2 ? 72@ F7? *? 49 2@& F 444 224
# # ? 2F4 49* F F47 249 F9@ ?7& ?&& @*& & @ &7? F F?4 @42
8 -# $ ' & 4@F & * & 92 927 &? 9&& *7F F29 2& &99 4 9@* &*
8 -# %#-$% ! G! 4 *77 2@4 F F@7 47 *@ 4&2 ?& F@? & & && 2 F9 4 7
, @ / 62' 124 3 340 230 3 '2 103 #/ #46 11# / 6/# 3'' #1/ /32 433

Adaptado de: DGAL, 2011d

&9?
8M$ - B 1 %' #-$% "#$# $% $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &992 K% % "%! #1% L

O ,
B * ) :
> $- ?8-,. 8 =+
)

-(+<% # 2&J*4Q 2FJ7*Q J*?Q FJ@*Q &J4 Q


-" + 4FJ*7Q *4J99Q J@ Q 2J?*Q J@?Q
-)%3+ 2&J42Q *@J@&Q J92Q 4J 7Q J*&Q
#' # *?J7@Q 2@J7*Q 9J4&Q J*4Q 9J29Q
:# 22J@2Q *&JF*Q 2J 4Q ?JF7Q 9JF9Q
#1 # 2 J FQ 2@J9 Q 9JFFQ 7JFFQ 9J49Q
#1 ' 2&J ?Q 2FJ ?Q J ?Q 7J FQ &J**Q
+-R 2 J92Q 2@J*7Q J 2Q FJ7?Q J4?Q
!"6 ,+% F J@FQ &@J7@Q 4J*2Q &J22Q 9J*?Q
-60 24J@9Q 22J9?Q &J@7Q *J@*Q *J Q
0 2 JFFQ 2 J FQ &J49Q 9J4FQ 2J &Q
H' $% - %- 49J?4Q *7JF?Q J &Q 7J Q J*4Q
- %' 2?J7 Q *7J4FQ &J4&Q 9J @Q 9J@ Q
# # 22J??Q *@J@*Q *JFFQ 9J**Q J* Q
8 -# $ ' 49J@?Q 29J9?Q 9J4*Q ?J4@Q 9J7*Q
8 -# %#-$% ! G! *7J94Q 2?J*9Q 9J@@Q &J FQ J49Q
, @ /2524 /256 502 05 4 560

Fonte: Autor

Cálculo: Pessoal/total despesas correntes; (…)

&97
8M$ - B 1# 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &992 K #- %' % %+ 'L

BO ,
K + BO B !* - , , = + ) = 8 = +
> $- ?8-,. )X
. . S ) = ) )
)

-(+<% # 4 @9& @97 9* 2 F&* F22 & &F@ &9 2 &@@ *72 7 4 *?9 & 9@ &2* @72 29 @ 9 4 F? 29@ 97 79? 9F* ?@@ @9 ? *?& & 9*7 F
-" + *& ?@? 9 &?@ 9&4 &97 227 4? 944 &&@ &4@ @F @74 4&& 4F4 * 4&F ** 4@ 742 @ ?F* F7 7* 2 *9F 47
-)%3+ F& @ & F@ 7?@ 2& 2&F ? 2 ?F4 *9 &F 7? @4@ &2 *@F *?9 FF7 7&9 *& 79F *F *2 @ * @? ?@4 47 * & 7F4 9 2
#' # 47 **& &*? &72 *F F 44F * 7 2 & 427 ?*4 72 @&* 744 9&7 2 FFF *&@ ** 4&9 9 F9 @*7 2 ?F9 ?77
:# 4@ 42 2@ 7@F 9 & @4& @42 ?77 ?42 * 7?& *22 7*7 @*F * @?& &9 & F*2 F&F & 7* 7F7 9 @9& 7? F *F@ *F4
#1 # 2 ? & 9& 9F4 F?@ 4&& 7&& 97F 729 2 24 927 4?7 4F* & ?9 9** ? F74 ?9 F?2 &?4 ?9 @?4 2 9 *?* &@ ?9& 7 7?9 2@F
#1 ' ?4 927 & 7* 472 47? 2F& & 997 F 2 @ & 9?4 & @& &?9 4&2 422 *4@ 29 F? ?*7 *77 ?&4 &97 &49 7&7 4?& &2& 77 * *29 F4
+-R *42 *F@ & 999 9?2 2 @&@ F&* F F27 *F? 72& @24 & 772 4 @&* *?& & @ 9@4 &* 2@* @F9 2 @** *@9 *?* 799 244 ?F4 99 4 9 *9 *4? 2&4
!"6 ,+% F?? ?47 ?9 ? @ 29& 9 & 4 @ 4 2?* 2@ &4 *2@ &4@ & 9& *&@ 4?* @ 4 2? 4F9 2 & 9 7@2 7@9 &@9 49 9 7F9 @49
-60 ** 294 22 922 9 &29 974 & & *2? &&F @@ F @ @4 2 F4* 4@* F &&7 7F? 2@& 4&4 9 229 4 9 7 F @9*
0 42 27@ 4&4 749 22? 2? * *24 F@4 49 & *9 4@9 @FF 7F9 & F9* ?42 F?4 7&9 *27 449 *&2 @?4 2*F @4? * ?7F *9&
H' $% - %- *7& * @ 2?4 F&4 & 4 F ?*F @ 9&9 *? 2&& & @2 9 ? @ &*? 2 F9 2@ F 477 49 7*? &&9 794 2 2@* *79
- %' F ?** ? ?27 2 *?7 & 4*? 99F 2?4 F4 24* 9 7 *FF *94 ?7? 9F? @ ?27 2&9 &F4 74 ?2 7&9 2? &* 9 &*F & 2
# # 2? ??@ 4 79 @ ?9 ?7F & 7?F @74 7*4 42* * &7& 9 9 4& 47F F?? 2? 9 4F9 744 4? 44@ &4 999 7 F 2@2 @?* @9@
8 -# $ ' &42 4*4 &92 *22 2 4&2 *F& *4 ? *?* & 9*7 & &9 F 2&@ @7 & F*& *?@ *9* *74 44 &4 ?2 9*& * F2 @&
8 -# %#-$% ! G! &4F *@* &&* 9?? & F ? ??@ @& @@* 729 *4@ 44 ?9* *&2 7& ?2 ?F* F F74 777 9 9 @* 9 ? F 7?7 @94
, @ 2 /## '44 #/0 ''/ 4 4'' /26 21 16 00/ / /03 06 #' 4 6 2/ # 4/0 #36 #6 3 0 /12 /3 2#' 64# 2 #6# 06 # '/3 3# ' /4 463 161 660 6 /1/ 0#4

Adaptado de: DGAL, 2011d

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst. Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.=
investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despesas

&9@
8M$ - B 12 %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! !
#-$#' $%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &992 K% % "%! #1% L
- =
BO - BO
K + !* , , +
> $- ?8-,. B )X
. ) = (
. S )
- =
-(+<% # 9J9*Q 9J9*Q &2J*&Q J@*Q &&JF Q @J44Q J9@Q 9J22Q *J97Q
-" + 9J@*Q 9J99Q *FJ&?Q 4J@ Q 2J24Q FJ49Q &J?4Q 2*J 7Q &J2*Q
-)%3+ *J2FQ @J**Q ?J7*Q *@J&?Q JFFQ 2J7*Q *J&FQ &9J*FQ J&4Q
#' # J&4Q &FJ4&Q ?J?2Q **J*4Q 7J72Q 9J9&Q *J@FQ 7J*&Q *J& Q
:# 9J2?Q J @Q 9J99Q &*J*?Q FJ&2Q *9JF4Q FJF2Q * J22Q 7JF@Q
#1 # 9J42Q J**Q 7J72Q 9J?9Q 9J@*Q 7J77Q &9J42Q &7J&2Q 4J&@Q
#1 ' J49Q 7J? Q 4J9*Q ?J& Q FJ*7Q &4J9*Q *J9FQ *J97Q 7J9*Q
+-R J4 Q 7J4 Q &9J@7Q &7J*9Q ?J72Q &J&7Q 7J @Q &J*@Q FJ ?Q
!"6 ,+% ?J22Q J7?Q 2J2 Q F2J@9Q JF2Q *J7*Q J**Q 2J4@Q FJ&?Q
-60 &J 2Q &J* Q 9J99Q *J74Q *J2 Q *JF*Q @J@2Q ?2J? Q 2J&@Q
0 J*&Q *J9?Q *J7*Q &7JF4Q 2J&@Q 7J&4Q 7J&7Q &&J*9Q 7J9*Q
H' $% - %- 9J9 Q 9J9 Q J2*Q F9J49Q 2J4@Q 9J@9Q 4J&?Q ?J&@Q &J7FQ
- %' 9J9?Q ?J*9Q 2J27Q &FJ9&Q 2J7?Q 2J@ Q 2J9&Q 7J**Q FJ? Q
# # 9J7?Q 2J@ Q FJF4Q &?J&2Q ?J@ Q * J97Q 2J@2Q FJ2 Q ?J&?Q
8 -# $ ' @JF?Q ?J?FQ 4J*7Q 4 J?4Q 9J&7Q 9J79Q 7J94Q FJ*9Q J7 Q
8 -# %#-$% ! G! *J7*Q *J*2Q *@J 4Q &J7@Q &?J4*Q 9J7*Q 2J7FQ ?J4?Q 2JF9Q
, @ #523 656/ #50/ #/540 0506 /522 454/ 450/ ''5''
Fonte: Autor

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst.


Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.= investimentos; Invest.= Investimen-
to. Cálculo: Habitação/total do investimento; (…)

8M$ - B 1/ %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' $%


"# #-J#! $% &992 K% % "%! #1% L

,
) = 8 =
> $- ?8-,.
= ) )

-(+<% # @9J*7Q J@2Q *J72Q *J79Q 9J92Q


-" + 7 J77Q *J?2Q 9J2FQ *J@&Q 9J99Q
-)%3+ F*J4*Q &7J 4Q J&&Q FJ@9Q 9J&9Q
#' # @7J9&Q 9J?9Q 9J99Q J&7Q 9J99Q
:# ??J 7Q ?J*9Q 9J99Q 4J4&Q 9J99Q
#1 # 7FJF2Q ?JF9Q 9J79Q 2JF*Q 9J**Q
#1 ' 7?J2@Q &J@ Q J4FQ FJ& Q J7&Q
+-R ??J*@Q FJ&4Q J&*Q 2J79Q 9J**Q
!"6 ,+% 7*J@*Q 4J FQ 9J99Q 7J&2Q &JF?Q
-60 ?FJ*&Q FJ9*Q 9J99Q ?JF4Q 9J99Q
0 72JF@Q &J4*Q &J*FQ 9J2&Q 9J99Q
H' $% - %- @&J47Q J*?Q J *Q 2J@ Q 9J99Q
- %' @4J&*Q &JF9Q 9J?*Q J22Q 9J99Q
# # 77J&9Q 2J??Q 9J& Q FJ7&Q 9J99Q
8 -# $ ' 7*J ?Q @J4@Q J?2Q 4J49Q 9J99Q
8 -# %#-$% ! G! @?J @Q 9J99Q 9J99Q &J7 Q 9J99Q
, @ 4/563 656/ 5 0 350# '520
Fonte: Autor

investim.= investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despe-


sas. Cálculo: total investimento/total despesas capital; (…)
& 9
8M$ - B 13 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 $
#- #-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &992

B * 8 = . =
> $- ?8-,.
) ) =

-(+<% # 27* 22 J F ?@@ @9 &7* *2& FJ 9Q


-" + F7 2?4J9& F7 7* &*? *9F 4J4 Q
-)%3+ 4@ 9&9JF4 @? ?@4 &4F 7 F 7J@FQ
#' # * ?77JF? F9 @*7 @& ?&? J@4Q
:# 997 4F@J?7 @9& 7? @ 22 JF7Q
#1 # 2 **J7* 2 9 *?* 4&2 49? 4J@ Q
#1 ' &?* 94&J@9 7&7 4?& 9 F&4 7J&FQ
+-R 444 99&J&* 244 ?F4 & 9 9 ?F? FJF&Q
!"6 ,+% & 4 47*J@4 7@2 7@9 9 2?2 9J&&Q
-60 2FF 72J72 229 4 9 @9F F@4 &*J*FQ
0 4?? @F*J4? 2*F @4? & 9 2 @&9 2JF&Q
H' $% - %- 4F *99J77 &&9 794 &?? 9F FJ ?Q
- %' 2 ? 727J?* 2? &* 4F2 @?& 4J4&Q
# # F9@ ?7&J 4 7 F 2@2 2&F &?F J@ Q
8 -# $ ' &? 9&&J*? ?2 9*& &9 942 FJ*4Q
8 -# %#-$% ! G! *@ 4&*J@7 @* 9 ? **& 42 2J7*Q
, @ 3 '2 103 ' /4 463 3 #3# 36' 450'

Adaptado de: DGAL, 2011d e cálculos próprios

Cálculos: Serviço da dívida= Encargos financeiros + Passivos financeiros; % total=


Serviço da dívida/total da despesa

&
8M$ - B 11 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &994 K #- %' % %+ 'L

- 7 + ) : ,B
A , ) + +
- 5 + , +
> $- ?8-,. = ) + : + +
Q R ,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ) :
: ,B

-(+<% # &? F9& @?7 2 F** *7 * F44 @ 2** 7? 2F *&2 ?*7 2 9 7 ?&? 9 F42 &* 2 F?& 749 &@ 4 & ? 472 *F& 4* @9@ 99
-" + *9 2 & 4F F7F *F2 ??F 49 29 ??* 9 * & 4@? 2F? & F&* F42 &* * 2F* & * 4 4F * 2?7 *F@ 2 &4 *7&
-)%3+ ? 9 ?2 2*2 F 9 FF? @* & F9 & 7 4 77* & *F@ 4 F ?F *@2 F42 &* * 99 9** &*@ *?2 * **@ 29? F 44 &@9
#' # * &99 42F 9*2 *4 ?@@ *?? *9 444 F 9F2 7*9 & 2? 9** @* &4@ F42 &* & 7@2 2 4 7@ *&& * 97* ?*? @ 27 4F?
:# F ?79 2* & @72 2?* &F& &42 42 *4@ & 97 4 ? * ?2@ 9F@ 9 F42 &* 2 29* @& 4?* @F* 4 @?? 44 &? 947 F?
#1 # 2 9?& FFF & 4@& 424 F 2@7 9*F F@ ? &* &*& *F* & ?& *4 *9& **F F42 &* * &7 7 9 & F&@ F9* 4 ?47 2 * &7 @@9 ??F
#1 ' & ?9* *? ?F? ?94 7 2 @27 9 22* * @@* 2F7 &2 7F & 9 F42 &* * 9?& ?*4 *7 97* 2 24* 7 7 *F 22? &74
+-R 4* 492 74 F 2 74? ? &2& F72 &&* FF9 F? *7* 94& 4 @F 2@2 72F *?* F42 &* F F@F @@9 @F* 7F& ? FF9 74& ?4 92* @9*
!"6 ,+% 77@ 79F *&* ?*F *F@ &4& @22 472 ?*7 & 7@? 9?7 ** 229 F42 &* * F72 F2 4* 24? * 7*7 9@7 4 2&& 7*F
-60 ? F?4 447 2?7 F44 * ?&? ? * 4&? *?@ * 29@ *9F * 922 &7 2&F 4?& F42 &* 2 &2 7&* 4?9 ** 2 F@2 @4F 7 92 &F&
0 &2 &@4 @F? 2 @ 4 7&7 *7 4&9 *9* 7F@ *9 7@? 7* *4 4F F42 &* 2 F@ ?*2 @2? 7@7 4 ? F*& *F 9 2 7 F
H' $% - %- & 9F2 &?* @97 *FF 9@? F9 42 & 2 9?4 & 9 *F@ @72 9@ @F2 F42 &* & *2 9? **2 94& & 2F7 &* F 42* **2
- %' 9 &9* 494 &* ?@ 4 2 *7* 294 424 2&@ ? 249 &42 * 72? 4F 27* F*9 F42 &* 2 @72 @9@ 4&7 4?9 4 4 * 2?@ && @F* ?**
# # *@? &7F * *F 9@7 * 9&@ ? & *4? 9 9 ? @&9 9? * &? *F *49 ?74 F42 &* 2 &?F 922 2*4 F 9 2 ? F42 && F* ?F9
8 -# $ ' * @7 &4 7& 922 *27 ?7* * 97F 2 ?F9 9*7 4* 7?7 ?2 * & F42 &* & &F9 * * ?@ 7 & 229 &2 ? &99 F&
8 -# %#-$% ! G! F 7?F ?F9 * & & 99? 4 22& F& * *29 4 422 &F@ ?4F &22 9 F42 &* & 2 9 *F? 4FF 4*& & @?F 7@@ 7 4& F7
, @ #'3 /64 #61 21 20' #33 1' 14 0'2 # 630 322 2'3 2'0 016 /3 0'# /4/ 2 '4 144 ' /13 014 30 /66 /' 2 1 0 0/' 62 '06 '4' 264 /'6 '/6

Adaptado de: DGAL, 2011d

rend. = rendimentos

& &
8M$ - B 16 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!>
" #' $ J#! $% &994 K% % "%! #1% L

) :
,B + ,B + ,B + ,B(
> $- ?8-,.
7G 7 7<

-(+<% # 7FJ99Q 9J99Q 2J99Q 7JF?Q


-" + ?4J99Q FJ Q 7J7@Q 7 J2FQ
-)%3+ ?FJ22Q &J2FQ & J 9Q 49J*FQ
#' # ?2J 7Q *J&&Q &&JF9Q * JF2Q
:# 74J 2Q 9J99Q 2J7FQ FJ&?Q
#1 # F@J2*Q @JFFQ &9J@ Q 9J?@Q
#1 ' ?7J? Q 9J99Q & J&@Q 7J2*Q
+-R ??J4@Q &JF2Q @J??Q 7J@&Q
!"6 ,+% ?7JF*Q *JF&Q ?J?4Q F?J@4Q
-60 ?*J79Q 9J*2Q 4J7FQ &&J?7Q
0 72J* Q 9J99Q 4JF@Q J47Q
H' $% - %- F2J&9Q 4J 4Q *9JF4Q *&JF Q
- %' ??J 7Q @J?9Q *J &Q & J? Q
# # ?FJ49Q 7J&9Q 4J*9Q 7J7@Q
8 -# $ ' F?J??Q *J&@Q &7J@2Q * J*@Q
8 -# %#-$% ! G! ?&J7FQ 9J99Q &?J 2Q *J9 Q
, @ 665 4 35#2 651' 356#

Fonte: Autor.
Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B 14 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G #! #-$#'


%"% #' G #'J#! $% &994 K% % "%! #1% L
-
A , ; R+
- 5
> $- ?8-,. = ( +
Q

-(+<% # 4@J4@Q 9J99Q &@J27Q 9J@2Q 74J@*Q


-" + *7J@@Q ?J**Q 2?J @Q FJ2@Q 7J 7Q
-)%3+ F9J?4Q 4J2*Q &*J?&Q 9J9@Q 24J?4Q
#' # 4&J??Q ?J94Q &@JF?Q 9J49Q FFJ&@Q
:# ?@JF9Q 2J FQ 4J@@Q 9J&FQ ??J@ Q
#1 # F9J4?Q J FQ &?J@?Q 9J*9Q 79J 2Q
#1 ' F?J72Q 4J4*Q &FJ&@Q 9J*4Q 7?J?7Q
+-R ?@J29Q @J4&Q 9J?4Q 9J**Q 7@J?@Q
!"6 ,+% 4FJ 4Q &9J2*Q &*J*9Q 9J &Q &@J&&Q
-60 4?J&2Q J9*Q &?J79Q *J@*Q ?2J9?Q
0 ?7JF*Q 4J@ Q 2J2?Q 9J@7Q 74J?@Q
H' $% - %- 49JF4Q &&J&@Q &FJ@&Q 9J *Q F&J&7Q
- %' 47J2?Q *J&7Q &4J &Q *J *Q ?4J@@Q
# # F*JF9Q ?J49Q FJ@ Q J@@Q ?@J 7Q
8 -# $ ' F?J @Q *J7&Q &7J*2Q 9JF4Q FFJ Q
8 -# %#-$% ! G! 22J&2Q &9JFFQ *4J9 Q 9J9@Q 7*J@*Q
, @ 1652' 50# 0544 '50' 4'514

Fonte: Autor

rend. = rendimentos. Cálculo: Impostos diretos/total receitas próprias; (…)

& *
8M$ - B 10 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &994 K #- %' % %+ 'L

B +8
, + ,
A 8 V = 8 =
> $- ?8-,. ,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ) : )
= ) ,B + ) )
)
-(+<% # @ * 4 &92 & F?@ 4 9 2*F 97& * 4 &** & 9&F 7F ?2 22* 4 * F 4*? 9 ?44 F7? &7* 999 4 F?9 2&7
-" + &9@ &4? ?* F22 2 97& 2*F 97& & *97 797 ?*F 44@ &* @F7 2 F@ **F 9 &4 *49 9 2 29* @2&
-)%3+ 99 *@9 4?@ F?? 49 @*9 2*F 97& & 9FF F7@ 4?4 2*9 @? 499 & ?*@ F @ 9 9 29 ?F2 & 779 ??*
#' # 9 2* *4F F& ?& 2*F 97& @&@ F 9 72* F?2 2 72* * ??7 &? 9 4** ? 2 9 4 * 72
:# &F 99* & 2@@ *79 9 2*F 97& & @*4 2F& * @72 *7 ?7& 97? ? ?9 @*9 9 4 *@ FF 9 & @F? 4@2
#1 # F*@ *9F 227 &*2 &9 44? 2*F 97& & 974 7?* F9* ?@2 F9 4& & ?49 77 9 7& ??9 2 4?& &F2
#1 ' *@9 77 F & 297 9 2*F 97& & 927 2@9 & 9 @9& @ *F? 2 ?7 ?47 @7 F27 &*9 * @FF 4 && &2
+-R 4 ?22 * 2F2 *&@ 4F2 &2@ 2*F 97& 2 2F2 FF9 & 9 2 @77 F 2?@ F27 9 9 & 4@ *@&
!"6 ,+% F*? 79& @* *74 77 @F9 2*F 97& & 24F 2&? *7& 44F *74 9&& * &&2 994 9 & @2? 2?9 & 44& F 7 7&@
-60 ?29 &@? ?F& *@9 &2F @F* 2*F 97& & 224 2*4 *7 9&4 72 &*@ * ?F? F@7 9 & 99& &27 4* &&9 ? 4F* 2F*
0 4F7 7&7 & *2* ?2 2*F 97& & ??@ 7&* F2* 2*& 294 2*9 2 7&7 F72 9F 2?F *9@ 9? & F 7 * &9?
H' $% - %- &9 @49 @ * *&* ?* * 9 2*F 97& 2&& ? 4 42F F@ & 4?? & @? 2F 9 F4 &&* 9 * 94? F*2
- %' & &&7 9FF & 4F2 ?? *&& 2&9 2*F 97& * *&* &?* & &F 274 &7@ F& F 7?2 *?@ 9 F4* 2?? 9 @ ?44 @&*
# # &? ? & & 79 ?47 &** 74? 2*F 97& & 749 F@? & ** 7@& F*7 @ @ 4 F&* 497 9 2F &29 9 4 @2 24@
8 -# $ ' *2 @&9 @7? @4& 2@ 42& 2*F 97& 2?* 4?F 47 ?94 77 2** ?&9 ? 2 9 9 ?9F 9 ?FF **@
8 -# %#-$% ! G! @2 ?9? ?9 7*9 9 2*F 97& F9F @ & 44? 7* 94 FF2 2 &F@ ?4@ 9 4&4 @F 2 7@9 2&?
, @ ## /40 262 2' 2' 2#0 # '23 '/# 1 066 2 # 20 2 2 142 ## 6'2 '/6 4 266 1# 4' 20/ 23 '1 36/ 3 4/3 4// 242 1 / 0 # 0 631

Adaptado de: DGAL, 2011d

Part. Com. Proj.= Participação Comunitária em Projetos; transf.= transferências

& 2
8M$ - B 6' %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' ! #-$#' #!'<% C!>
" #' $ J#! $% &994 K% % "%! #1% L

,B + ,B + ,B +
> $- ?8-,.
7G 7 7<
-(+<% # 7FJ99Q 9J99Q 2J99Q
-" + ?4J99Q FJ Q 7J7@Q
-)%3+ ?FJ22Q &J2FQ & J 9Q
#' # ?2J 7Q *J&&Q &&JF9Q
:# 74J 2Q 9J99Q 2J7FQ
#1 # F@J2*Q @JFFQ &9J@ Q
#1 ' ?7J? Q 9J99Q & J&@Q
+-R ??J4@Q &JF2Q @J??Q
!"6 ,+% ?7JF*Q *JF&Q ?J?4Q
-60 ?&J9?Q 9J 9Q ?J7*Q
0 72J* Q 9J99Q 4JF@Q
H' $% - %- F2J&9Q 4J 4Q *9JF4Q
- %' ??J 7Q @J?9Q *J &Q
# # ?FJ49Q 7J&9Q 4J*9Q
8 -# $ ' F?J92Q *J*FQ &@J4@Q
8 -# %#-$% ! G! ?&J7FQ 9J99Q &?J 2Q
, @ 665'4 35 4 6563

Fonte: Autor.

Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B 6 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #-! #-$#'


%"% #' $% "# #-J#! $% &994 K% % "%! #1% L
B +8
) : A 8 V 8 =
> $- ?8-,.
,B = + )
)
-(+<% # @J77Q 4@J22Q &J@*Q 2J7&Q
-" + 4&J2*Q 2J?4Q FJ?&Q 9J47Q
-)%3+ ? J?2Q *J27Q @J@?Q 9J99Q
#' # *FJ**Q 9J99Q *2J? Q &7J7?Q
:# &&JF2Q 9J@?Q *9J?*Q *@JF*Q
#1 # 24JF&Q *4J74Q *J& Q 2J99Q
#1 ' *@J&*Q ?J2?Q 29J2*Q &J2&Q
+-R &9JF7Q &*JF?Q 9J99Q 9J99Q
!"6 ,+% *FJ9FQ @J*FQ 4JF&Q 2*J&?Q
-60 *&J**Q &*J9 Q 4J94Q &FJ2?Q
0 29J79Q 7J*4Q &2J &Q @J& Q
H' $% - %- 2FJ4*Q 9JF@Q 49J4?Q &J *Q
- %' *2J9FQ &&J72Q &*J 7Q FJ?9Q
# # 2?J@7Q 2J4?Q *4J@&Q 9J?7Q
8 -# $ ' 7*J2*Q J@7Q 7J@7Q 9JF Q
8 -# %#-$% ! G! *&J7FQ J@2Q * J72Q 9J?4Q
, @ 2#504 4541 05'/ 25#0

Fonte: Autor

Estado - Part. Com. Proj. = Estado - Participação Comunitária em Projetos. Cálculo:


Transferências OE/total receitas capital; (…)
& 4
8M$ - B 6# 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' !
#-$#' %"% #'J#! $% &994
A
,
> $- ?8-,. ; )
R R
=
-(+<% # * ?7& F@? && @?9 *@4 F@ 72@ 44 @&& @2& 79J*?Q
-" + *2@ @?7 4?2 9*& 47 &4@ @7& &F@ J*4Q
-)%3+ 742 &@? ?F7 *& **2 2 7 & @4? 9*F *&J?&Q
#' # 2 44 F7* ?@@ *?? 9@ ??9 F 9F2 7*9 2 J@2Q
:# ? @FF @@7 *77 &4? 74& &F4 & &9? 4&9 4&J@7Q
#1 # 4 2*4 F*4 7 *? *2& &@7 F@* &2 7? FF@ ?2J 9Q
#1 ' && @F4 F 4 7 79& *F F @ @?9 *& *7? ?&9 ??J?*Q
+-R 42 @*@ @9 & *42 2&7 4 &9 ?7 ?& 2@2 ?@F ?4J9&Q
!"6 ,+% @&? 22F 99? 942 &@9 4@ & &&4 9@& 7J @Q
-60 7 @24 2 & 4 2F7 9 9 ?7@ 29 4 &9& 7&* 4@J&*Q
0 &? ? & @F& @49 *27 @9@ &7@ * 4?& 4@@ ?*J?&Q
H' $% - %- & F*9 F72 7 9@ *2? *FF 2 9@F F9 2&JFFQ
- %' & *?& @7 F F 2?& F@2 F49 @ F?7 *&9 F9J 2Q
# # 2 9?? @2 * *9 2&2 7 & 24* 7 @ 7 7 F*JF?Q
8 -# $ ' * *&@ @?* *7* ?9* 7 &7& 2 ?@2 @47 4*J27Q
8 -# %#-$% ! G! @ 7*7 &4* 4 4*F 7F@ &F* 742 4 F*7 @?F FFJ79Q
, @ ##0 #4/ 012 42 6 #61 3 422 #40 2#4 #40 3#4 13506

Adaptado de: DGAL, 2011d e cálculos próprios

Cálculo: Receitas próprias = receitas fiscais + venda de bens e serviços + outras receitas;
Receitas fiscais = impostos diretos + impostos indiretos; % receitas próprias = Total receitas
próprias/total receitas

8M$ - B 62 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &994 K #- %' % %+ 'L

,
O B * ) : +
> $- ?8-,. 8
= )

-(+<% # F &4@ 7F* 7 9? 4FF 42@ 9?4 & 2 9 &2& &&7 4F? *7 444 * &
-" + & &&? &?? 4*& 2*2 F7 ? & ? @ 4@ 929 2 &92 *
-)%3+ & F2? F9* @?& @94 4@ * * @&? F27 ? 2?7 4 F 2 @2F
#' # & 2&F 2&2 * 2*4 F? F? &24 F @ @F2 &* F4? F 4?& @F
:# ?99 972 F 742 ?F9 @7& 27& * ?44 4*9 &F 7@7 &* * @ ?4*
#1 # ? 4@* &9 @ 7& *29 4 7 F74 F7& 4@2 27 @ FF 77@
#1 ' @4 4?7 * &* 444 * F @2@ & 4F @*? 7 & *@? &7 7 2 F
+-R & *27 9?4 &F 2 F &&? F@& @29 * ?F4 9?F ?2@ ?&& 4* @?& 929
!"6 ,+% & 799 @F *47 ** * FF2 ?9 4 7 2? ?2F 2 29@ &&9
-60 ? 42F 44 ? 4*9 4?9 2@7 @F9 7F& 4 9 7 7 9&F ? &4F F 7
0 9 4&9 *F@ 2@& 9*4 ? & &7* & 42@ & ? & F*2 &F @7F 22&
H' $% - %- & ?&4 944 & 9*4 *?@ 4F 9F4 2*2 9F *? 7@ 4 *7? ?2@
- %' 7 4&9 49? ? &?4 *47 @ 997 7F* 4F& ?@9 2*? 7 F29 7?
# # ? &22 F&* 7 &4 94? 479 F?* 424 @&F *F@ &@F ? @@ 4?4
8 -# $ ' & 774 4@@ & ?** 4& 24 *F? FF? 4@? &4 F7& F *4? *@?
8 -# %#-$% ! G! 4 2?9 & F 47F 977 &2 2&F & 9F? 72& &2? &&9 2 F & ?7?
, @ #2 04 #6 003 /#1 3 2'3 20 #1 ''/ /'1 4 63' 26 #0 16 '0'

Adaptado de: DGAL, 2011d

& F
8M$ - B 6/ %' #-$% "#$# $% $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &994 K% % "%! #1% L

,
O B * ) :
> $- ?8-,. 8
= )

-(+<% # 2&J ?Q 2FJ@?Q J2&Q FJ&4Q *J @Q


-" + 4&J@7Q *FJ24Q JF&Q 4J ?Q *J?7Q
-)%3+ 2?J 4Q *4J 2Q J9FQ FJ4&Q 9J *Q
#' # *FJ@&Q 4&J&?Q J9&Q @J2*Q 9J*FQ
:# 49J ?Q &@J*@Q 2J& Q FJ 9Q 9J &Q
#1 # *@JF&Q 2?J@ Q 9J47Q 7J?@Q *J 9Q
#1 ' *@J7&Q 2?J9FQ J *Q @J Q &J7@Q
+-R *@J44Q 27J@2Q J&7Q FJ@7Q *J&2Q
!"6 ,+% F*J4*Q *9J7 Q &J@@Q JF9Q J97Q
-60 2*J?*Q 2*JF2Q &J7@Q 4J99Q 2J?2Q
0 *7J@7Q 2&J47Q &JF2Q @J24Q FJ*4Q
H' $% - %- 49J47Q *?J?7Q J92Q 7J9FQ &J44Q
- %' 24J? Q *@J9*Q J9&Q 9J99Q 2J&2Q
# # 29J&?Q 24J7FQ *J&*Q 7J4@Q &J94Q
8 -# $ ' 24J*@Q 2&J@@Q 9J? Q 9J49Q 9J29Q
8 -# %#-$% ! G! *?J2*Q 24J9?Q JF4Q 2J 4Q JF@Q
, @ /#5#4 /2501 54# 4502 25'

Fonte: Autor

Cálculo: Pessoal/total despesas correntes; (…)

& ?
8M$ - B 63 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &994 K #- %' % %+ 'L
BO ,
K + BO B !* - , , = + ) = 8 = +
> $- ?8-,. )X
. . S ) = ) )
)
-(+<% # &* *27 @4 F9* &@? 92 F 7F4 @ * * 74 9*? ?** 29* ?4@ &?@ * 477 9@F &9 9F@ ?&9 *&F 2 2 &@? 9F& 99? 9?& 9 & ?99 &F7
-" + 7 &F 9 4F& 4 7 & 4 7*4 @ * 99& 7@ 4@ &F4 7F & @@ & 2 2 &4* 72@ *@* @7 ? ?F* 7@ 7@* 9 2 742 ?9&
-)%3+ @9 999 4? 7F2 ?F* 92 9@4 2F9 7@ 272 &&@ *&9 299 99@ F97 9@& * *** &?9 ?F4 2?2 *2 @ * &9* 9* 9 2 **F F77
#' # **& &@9 F? 99 @ 7 2@ * **& 7F2 2F &7 4&? ?@ ??* & F&7 @?7 @ 9&9 7F* &*F F 2 &9 ?4 79 4F@ 9 @ 247 ?@?
:# &&@ 247 & *@4 9 @ 9 ?@7 F& ?9@ &4* 4 9F 7?2 4*4 F29 F27 &27 * *?? F42 @F4 4@? 49 999 &47 ?79 9 F F4& 9*&
#1 # F7 @9@ 9@F 7*& ?92 7F& * ?F* *92 27* F7& F2F &49 429 @*? & F?9 9 & @?2 77F 74? F4F 9 2?& ?4 *@ 4F2 2 *22 &7
#1 ' **7 77F & @@* *F& F29 ?@9 2 * ? @@F 4 @F* F?? F99 24 42 72 F99 ?&? 7 @@F ?F7 22& F* &97 &49 ?@2 9F7 97 *49 &9 42@ 4@@
+-R 2 @* & 99? 4 & F *F7 2?@ @ 9*? @@F 2& 92 ?24 4&? & 4*4 *9F 4 9?? 444 &@ *9? F?* 4 @F@ 44? 7?& &99 ?72 &7 @* *?& *? 9&? 97*
!"6 ,+% *&2 ?2& F* &F4 F29 7*? & 9 ? 4F@ 49@ F* 44 F&? ?? 227 *** 4@7 4 && ? ? F*4 27 9 7 2 4& &?@ *?? ? 74& 9@F
-60 9 F* &FF ?94 &&? @4* & &F* 7* &?@ *FF @*F 9*? F*F 7?7 *9 F@2 F 74 F&? F92 9F2 49 99 7F? 47& 9 7 *?* &?*
0 FF 297 *?2 ?@* 9 & 92 F F @ @4& 2 *F& 4 F &4 @2 * &?? 24& & 4@* @* F4* &@9 @&& 4?F F@ 247 9 4 7F &44
H' $% - %- & @F2 *49 *@4 7?9 &?4 29 &@? 4 F *&4 49& &77 9 ? 2@F @29 2 92* 79F ?2 @49 49 7*7 47 @@2 9 2 *&7 477
- %' @& & &72 74@ 2 4 @@4 * @ 9 ?? **@ 497 & 7&* @7* 9F2 7&? * 9& F&@ * 9*2 97@ *9F F9? *?7 9* *?& 9FF 9 2 9@9 7F4
# # &2& ?2* F4 ?F4 &&F 779 F@@ &@@ *FF 7*F F?@ 4?4 @?* ** 797 *@@ 7 F& F*& ?F* 4 F *@ F&4 &?? @&9 9 9 *2* F@&
8 -# $ ' 2 2@2 42 77 22 F?@ & &@7 *F9 &? ?74 7@ 22@ 9? &@ 7 7 22? * 724 *7? 2F7 ?2 & 2 44 47F 9 2 2F@ @&7
8 -# %#-$% ! G! * 2@? @& &F* F& F* *?7 2 &?@ 2 F 9 22& 7@9 &4 &72 &*2 742 &9 22* &9 *7 4&@ 2 499 77 ??7 9 ??4 99@
, @ 6 1// / / #'6 /2 1 024 /62 /1 2/3 '12 #2 3/2 331 # 210 '#' / 3/ ''0 2 4/2 24' 61 /2# '6/ / 1' 43 2 /1 601 2 1 66/ 3#' 112 #'1 ' 4 34

Adaptado de: DGAL, 2011d

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst. Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.=
investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despesas

& 7
8M$ - B 61 %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! !
#-$#' $%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &994 K% % "%! #1% L
- =
BO BO
!* - , , +
> $- ?8-,. K B )X
. S ) = (
. )
- =
-(+<% # 9J &Q @J?&Q FJ2FQ *2J& Q @J @Q *JF4Q 7J??Q ?J77Q J*7Q
-" + 9J @Q 9J99Q *J&&Q 4J9?Q & J2FQ &J 9Q FJ&4Q 4 J?9Q &J2 Q
-)%3+ &J?9Q J?2Q &&J7@Q *&J7FQ &JF7Q FJ77Q &J99Q 7J&2Q J7@Q
#' # *JF7Q J74Q & J&FQ *FJ@4Q 4J Q 9J9 Q J@@Q &@J 2Q 4J Q
:# J?&Q ?J@9Q 9J99Q *J22Q 4J*9Q *?J72Q J27Q &J*&Q ?J47Q
#1 # 9J4*Q 7J24Q *J 2Q &@J99Q J22Q 2J@7Q J77Q &9J47Q ?J*4Q
#1 ' J?7Q 4J?FQ *J*?Q &&J?*Q * J*@Q 7J2&Q 7J Q 7J2*Q 9J??Q
+-R *J79Q FJ74Q & J?*Q *9J72Q 2J74Q 4J@FQ 7JF4Q ?J**Q FJF Q
!"6 ,+% FJ*2Q J&*Q &J4 Q *@J*7Q @J@4Q J9@Q *J2FQ &FJ9*Q &J@9Q
-60 JF Q *J7@Q *J**Q **J92Q 7JF?Q *JFFQ @J*9Q FJ49Q *J77Q
0 J*&Q 9J@&Q 9J99Q FJ& Q 9J@4Q *2JF2Q @J@*Q &FJ9&Q ?J 2Q
H' $% - %- 9J9 Q &*J74Q @J?@Q * J42Q ?J*FQ 7J94Q ?J &Q &J&@Q &J&@Q
- %' 9J? Q &J @Q 9J7FQ *9J99Q &JF9Q & JF?Q 7J ?Q &*J79Q ?J*@Q
# # 4J&&Q &J9*Q &J?7Q &9J7&Q FJ?4Q &9J47Q J@&Q @J@9Q 2JF*Q
8 -# $ ' 9J &Q 2J9*Q *J?FQ 4@J??Q *J*&Q 2J@*Q &J?@Q & J&7Q &J 7Q
8 -# %#-$% ! G! *9J4?Q &J*9Q 4J4&Q *J4@Q 29J&@Q ?J?7Q &J27Q ?J2FQ FJ2@Q
, @ /522 45'3 051' #15#6 252/ #5 45#/ 45'3 ''5''
Fonte: Autor

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst.


Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.= investimentos; Invest.= Investimen-
to. Cálculo: Habitação/total do investimento; (…)

8M$ - B 66 %' #- +! "= $% "#$# $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' $%


"# #-J#! $% &994 K% % "%! #1% L
,
) = 8 =
> $- ?8-,.
= ) )

-(+<% # @&J2@Q J49Q J*?Q 2JF2Q 9J99Q


-" + 7?JF&Q 7J 9Q 9J*?Q *J@ Q 9J99Q
-)%3+ ?FJ7FQ ?JF4Q 9J7 Q 2JF7Q 9J99Q
#' # @4J*?Q &J49Q J&7Q 9J74Q 9J99Q
:# 79J*2Q J79Q 9J*9Q ?J4FQ 9J99Q
#1 # @9J24Q 4J@7Q 9J99Q *J&@Q 9J&7Q
#1 ' @&J22Q &J 4Q J9 Q *J7FQ 9J4*Q
+-R ?@J 4Q FJ &Q &J*FQ &J &Q 9J&4Q
!"6 ,+% F4J&2Q 7J9@Q 9J99Q &*J Q *J4FQ
-60 7 J7*Q ?J& Q 9JF9Q 9J*FQ 9J99Q
0 ?@J29Q 2J &Q 4J7&Q 9JFFQ 9J99Q
H' $% - %- @*J2&Q J?*Q J ?Q *JF?Q 9J99Q
- %' @&J49Q &J 7Q &JF7Q &JF2Q 9J99Q
# # ?7J@ Q ?J*7Q J*4Q &J*4Q 9J99Q
8 -# $ ' 7FJ9*Q 9J2@Q 9J99Q *J27Q 9J99Q
8 -# %#-$% ! G! @?J 7Q J 7Q 9J92Q JF9Q 9J99Q
, @ 4351/ 65'0 532 35/0 '5#3
Fonte: Autor

investim.= investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.=


despesas. Cálculo: total investimento/total despesas capital; (…)

& @
8M$ - B 64 8#- %' $ '% / $# $= $# +! "= K% %+ 'L % %-#/0 #
#- #-$# $%' %'# K% % "%! #1% LJ#! $% &994

B * 8 = . =
> $- ?8-,.
) ) =

-(+<% # 42@ 9?4J9@ 99? 9?& 44F 2? ?J ?Q


-" + F7 ?9JF* 7@ 7@* &47 9F* 4J*&Q
-)%3+ 4@ * &JF7 &9* 9* &F& *22 FJ94Q
#' # F? &24J*F 79 4F@ 2? 7 2 J4FQ
:# @7& 27 J@7 &47 ?79 & &2 &F& *J2FQ
#1 # 4 7J F 2?& ?4 47* F@* 2J9?Q
#1 ' * F @27J?2 ?@2 9F7 9 F 4J2 Q
+-R F@& @29J&2 ?72 &7 2?? && *J@@Q
!"6 ,+% * FF2J2? 7 2 4& @2F 7F &2J?@Q
-60 2@7 @F9J9 7F? 47& *FF 42& FJ*&Q
0 ? & &7&J@9 F@ 247 & 29* ?2 4J 4Q
H' $% - %- 4F 9F2J?F 47 @@2 & 4 94@ 2J@?Q
- %' @ 99?J@@ *?& 9FF 4F* 9?2 2J99Q
# # 479 F?&J7& &?? @&9 747 4@& ?J@?Q
8 -# $ ' 24 *F?J & 44 47F &99 @4* 2J49Q
8 -# %#-$% ! G! &2 2&FJ&* 77 ??7 2*9 &94 *JF4Q
, @ 3 2'3 20 2 1 66/ 1 1# 0 2 45'6

Adaptado de: DGAL, 2011d e cálculos próprios

Cálculos: Serviço da dívida= Encargos financeiros + Passivos financeiros; % total=


Serviço da dívida/total da despesa

&&9
8M$ - B 60 8#- $#' %"% #' " %! %' +! "= J#! $% &99F K #- %' % %+ 'L

7 + ) : ,B
- A
, ) +
- 5 , +
> $- ?8-,. ) + : +
Q = R ,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ) :
: ,B

-(+<% # *2 749 *79 4 4 & &2& 4 22& 2FF @* ?*7 44 7@7 7&? 2 9&2 F7@ F27 F 2 F?& 749 ?&F ?29 4 *@@ 4@9 F &@7 2 ?
-" + &7@ &@& *& *@7 *47 & & F& @*4 ?2& 7*? & F92 9 & 929 F27 F * 2F* & & ? 7?? * 4*4 97@ 2 &?? @&F
-)%3+ & *22 4@? 242 *7 F@9 ?&7 22 2 * 2@2 &9 & *7@ *&? F& 424 F27 F * 99 9** &?& 4?F * *?& F9@ F 7FF ?*9
#' # * *4? 9 * @& 4F4 4F ??9 ?7 97? 4 7@ 2*4 & ?9 27? ?4 ?F? F27 F & 7@2 2 4 4& *?2 * 92F ?7@ 7 &*F &&2
:# 4 ?9? 72& & 2 4 2F* *99 @22 9* 924 @ 4&? &@4 * ?44 9*& 9 F27 F 2 29* @* 2&@ 4*9 2 7*& ?&* &2 *F9 9 ?
#1 # 4 2&@ * @ & 4*@ &*2 F &F@ 4FF 2 @F& &2 &4* 97& & &&? F@& &4& @4? F27 F * &7 7 9 * @ @7? * 227 ?@? &? ?9 7?@
#1 ' &4 **F ?@@ @@& ?4* 7 24* @ ? & 9? *4 7@4 4*@ & 2&2 4?2 9 F27 F * 9?& ?*4 & 979 &79 4 4* 9 4 2 927 444
+-R 4? * F ? 7 92? @? F &? 9?F @? ? ? 427 *?F 4 *2@ * 7 F@@ 4 F27 F F F@F @@9 & 2 &F2 ? @ &42 ?@ 24@ F*9
!"6 ,+% 7*9 &4? * 7 9F * 7 7@4 &@& 7 ?4@ ** & 7@* ?4* 2& ?&? F27 F * F72 F2 F@ F2F * 742 &7? 4F *F 7
-60 @ @@ 744 4&7 F&* 2 *F &?4 947 4 * 4 @&* &FF * &@* @@2 9 F27 F * @2& 44 ?2 F&& 2 F7* ??? &9 F9? 92*
0 &* F&4 @2@ 2 942 * & 7@ ?@9 &@9 4 &@ F9 &9 * 4& 4?* 9 F27 F 2 F@ ?*2 @? 4?9 2 *F? *92 ** 4&? 494
H' $% - %- & *4F F@9 @4@ @*9 4? @49 2 FF7 2 2?@ &*? 274 @ 9 F27 F & *2 9?& *47 74? & 2@& @&@ F @?& FF
- %' 9 2F* &@@ 2 9&* 747 * ?@? ?7? 4F@ *4@ 7 742 *9* * @*? @?? *@7 ?? F27 F 2 @72 @9@ 4 ? 492 4 49& 2 * &2 *4F ? ?
# # & *4& @@* 2 @@& *&? & &*4 9@@ * @ *2* @ 7@@ ?F * *2 * @ &7F 4F4 F27 F 2 &?F 924 F*@ 9 * 2 @ 4 947 &2 7 2 7 @
8 -# $ ' * ?*& 4@7 @ *2* *9@ *&4 47 @ * 4 &@& ?@ 44 &@2 F9 74@ F27 F & &F9 * 2 F& F2* & 2&& @4? ? ? 4 *F
8 -# %#-$% ! G! ? 929 ?4* 2 9F7 &F2 4 249 4?& 2 *7@ F 4?* @?? ?F& &9? F27 F & 2 9 *F7 ?&2 &?2 * *2 F2& @ ?97 F @
, @ ##/ '/0 #32 / 2#2 6#/ 30 0// 26# 2 6/ / 6 2#4 /0 611 /1 622 34 # 0' 6/# ' 26' 361 30 #0/ /61 4 664 634 14 '62 #2/ 201 313 '''

Adaptado de: DGAL, 2011d

rend. = rendimentos

&&
8M$ - B 4' %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' K" %! %'L ! #-$#'
#!'<% C!" #' $ J#! $% &99F K% % "%! #1% L

) :
,B + ,B + ,B + ,B(
> $- ?8-,.
7G 7 7<

-(+<% # 7FJ *Q 9J99Q *J7?Q ?JF&Q


-" + ?4J @Q FJ9@Q 7J?&Q 79J@FQ
-)%3+ ??J9?Q &J9&Q &9J@ Q 24J 4Q
#' # ?2J@@Q &JF&Q &&J*@Q *4J 2Q
:# 74J&7Q 9J99Q 2J?&Q 7J97Q
#1 # ? J&9Q 7J97Q &9J?&Q J&@Q
#1 ' ?7J@ Q 9J99Q & J9@Q ?J2@Q
+-R ?@J77Q 9J24Q @JF7Q 7J2*Q
!"6 ,+% ?7J42Q *J7?Q ?J4@Q F4JF2Q
-60 7*J4FQ 9J99Q FJ22Q @J *Q
0 72J2FQ 9J99Q 4J42Q &J22Q
H' $% - %- F@JF*Q 9J99Q *9J*?Q *9JF Q
- %' ?@J99Q 7J99Q *J99Q &9J2?Q
# # ?7J 2Q FJ?9Q 4J FQ ?J&*Q
8 -# $ ' F7JF*Q &JF@Q &7JF7Q &@J*9Q
8 -# %#-$% ! G! ?*J Q 9J99Q &FJ7@Q &J&*Q
, @ 6454# 2510 65/0 /503

Fonte: Autor.

Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B 4 %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # G # K" %! %L !


#-$#' %"% #' G #'J#! $% &99F K% % "%! #1% L
;
- A ,
- R (
> $- ?8-,. 5 =
Q

-(+<% # F&J*4Q @J7FQ &?JF*Q 9J ?Q @ J @Q


-" + *7J@2Q 2J*FQ 27J&&Q 7J2?Q ?J*FQ
-)%3+ F?J 9Q *J99Q @J??Q 9J *Q 49J77Q
#' # F2JF@Q *J? Q *9J 9Q J49Q F*J9 Q
:# 79J22Q &J*?Q FJFFQ 9J4*Q 79J FQ
#1 # F*JF&Q 9J2?Q &4J74Q 9J9FQ 7?J44Q
#1 ' ?9J47Q 4J44Q &*J44Q 9J* Q 7?J24Q
+-R ?@J74Q J&4Q 7J?FQ 9J 2Q @9J92Q
!"6 ,+% 2?J @Q 7J97Q 7J *Q FJF9Q * J*2Q
-60 4?J?7Q @JF9Q &4J@7Q FJF4Q ??J&?Q
0 7 J9&Q *J@9Q 2J97Q J99Q 7FJ@?Q
H' $% - %- 4&JF Q & J2*Q &4J74Q 9J 9Q F2J&2Q
- %' 44J49Q & J*2Q &9J 2Q *J9&Q ??J2 Q
# # F&J97Q &4J9@Q J&*Q JF9Q 79J @Q
8 -# $ ' ?9J4*Q *JF&Q &2J?2Q J Q F7J4@Q
8 -# %#-$% ! G! 2&J27Q &2J44Q *&J7@Q 9J9@Q 72J 9Q
, @ 145# #534 45#3 '506 4#542

Fonte: Autor

rend. = rendimentos. Cálculo: Impostos diretos/total receitas próprias; (…)


&&&
8M$ - B 4# 8#- +! "= $#' %"% #' $% "# #-J#! $% &99F K #- %' % %+ 'L

B +8
, + ,
A 8 V = 8 =
> $- ?8-,. ,B + 7G ,B + 7 ,B + 7< ) : )
= ) ,B + ) )
)
-(+<% # 29 ?&7 & F7* &F 9 2*& 9? * 4 &** 44 7@7 7& 797 * 24* @*@ 9 @@ 2 ? * F@2 972
-" + 4@ 9@@ ?*F 997 29 F@2 2*& 9? & *97 79@ @7* 7F& * *@? 2 *9F 9F7 9 9 9 2 7@? F?
-)%3+ *94 74 4@& 774 2 F@? 2*& 9? & 9FF F7@ 72? F? 7* ?4 * 9@7 & 9 4?4 999 F* * @?@ 4@*
#' # 24& ?@? 22F @@& 49 4 2*& 9? @&@ F 9 & *94 7*@ 44 ?& 2 *@9 F& 9 & 9 7F9 9 4 942 &??
:# * *4* FF & 49* *42 9 2*& 9? & @*4 2F & ?&9 &* 4** F** F 7@ & ? 9 & 2 *&7 9 9 ?4F ?
#1 # ? 474 274 &7 F7 F*7 2*& 9? & 974 7?* @4 @*? FF 74@ * 227 FF@ 9 292 79 9 * 7? 944
#1 ' 9 F@4 F F *7* 9 2*& 9? & 927 2@9 ? @ ?2 *9? *?* 4 9?4 9*? &@& F9* 92* @@4 F F@ 9F*
+-R ? 74 * 4FF & & 2FF *2 2*& 9? 2 2F2 FF9 9 @ &&4 ?44 * F@9 2 4 9 77@ F** 72 72F 2 F?& 9??
!"6 ,+% F* 9@4 @&@ F@ @4 4 2*& 9? & 24F 2&? ** 7F9 7*& 42? 2 2&& 7*2 9 F9* &*7 F 2*F F FF* F9*
-60 4 7 F9 & @4 @@F 9 2*& 9? & F&7 9* 2@7 F*2 22F &&F 2 4?& @F* 9 7 24 4F 929 4 *&7 *9?
0 49& @74 & *2? ? F 9 2*& 9? & ??@ 7&* * 9* &7& 7F? F*@ ? ?49 ?22 @ 2&F F F 944 9 @ @F & 9
H' $% - %- &? F74 @@9 F9? 9 2*& 9? 2&& ? 2 ? * ?27 9 & *F 2F& 9 @& 7*& 9 & &4F @?@
- %' 42 499 & F&4 * 7 &F4 727 2*& 9? * *&* &?* & @F2 &2& & @?9 &4& @ &4? ?F? 9 &*7 *9& 9 9 F49 4F@
# # & ? 99@ & &&? 42F @ 92* 2*& 9? & 749 F@F *4 2&& 4 @*4 4 * 7 942 9 99@ 9 9 4 424 9?
8 -# $ ' 9 9*2 @F 29 4?& 2*& 9? 49F 7?4 224 &94 *& F@* & @72 ??* 9 9 9 & @72 ??*
8 -# %#-$% ! G! 2 ? *?F ?2 792 9 2*& 9? F9F @ **? ??2 9 & @22 F74 9 F9* 4F@ ? FF4 F&@
, @ '/6 0 / 2 33 //' /1' /03 10 26 # 20 3#0 1/6 #/ /61 16# 0 '2/ '20 42 '/' 234 ' 6#6 ' 22# ##2 /0 0/6 '/ 16# 6'

Adaptado de: DGAL, 2011d

Part. Com. Proj.= Participação Comunitária em Projetos; transf.= transferências

&&*
8M$ - B 42 %' #- +! "= $ ' <+!$ ' +! " # ' K"# #-L ! #-$#'
#!'<% C!" #' $ J#! $% &99F K% % "%! #1% L

,B + ,B + ,B +
> $- ?8-,.
7G 7 7<
-(+<% # 7FJ *Q 9J99Q *J7?Q
-" + ?4J @Q FJ9@Q 7J?&Q
-)%3+ ??J9?Q &J9&Q &9J@ Q
#' # ?2J@@Q &JF&Q &&J*@Q
:# 74J&7Q 9J99Q 2J?&Q
#1 # ? J&9Q 7J97Q &9J?&Q
#1 ' ?7J@ Q 9J99Q & J9@Q
+-R ?@J77Q 9J24Q @JF7Q
!"6 ,+% ?7J42Q *J7?Q ?J4@Q
-60 7*J4FQ 9J99Q FJ22Q
0 72J2FQ 9J99Q 4J42Q
H' $% - %- F@JF*Q 9J99Q *9J*?Q
- %' ?@J99Q 7J99Q *J99Q
# # ?7J 2Q FJ?9Q 4J FQ
8 -# $ ' F7JF*Q &JF@Q &7JF7Q
8 -# %#-$% ! G! ?*J Q 9J99Q &FJ7@Q
, @ 6454# 2510 65/0

Fonte: Autor.

Cálculo: OE – FGM/total transferências OE; (…)

8M$ - B 4/ %' #- +! "= $% "#$# $% %"% # $% "# #-! #-$#'


%"% #' $% "# #-J#! $% &99F K% % "%! #1% L

B +8
) : A 8 =
> $- ?8-,. 8 V +
,B = )
)
-(+<% # 72J**Q *J7 Q 2J&&Q &JF@Q
-" + 2?J 4Q &J9?Q 29J4 Q 9J99Q
-)%3+ 4 J@*Q ?JF@Q & J*9Q 2J24Q
#' # *7J 7Q 7J@FQ 24JF&Q 2J ?Q
:# &?J&@Q * J ?Q &4J&@Q J&@Q
#1 # 4*J77Q 9J24Q *9J7@Q 9J2FQ
#1 ' *9JF&Q 9J FQ &4JF@Q &*J@FQ
+-R *9J2*Q 9J94Q 9J99Q FJ9FQ
!"6 ,+% *FJ7FQ @J2?Q ?J9&Q &2J9FQ
-60 2@J*&Q @J?&Q &7J *Q *J29Q
0 &?J@ Q 4J94Q * J 4Q FJ&&Q
H' $% - %- F*J92Q J&*Q * JF&Q 2J Q
- %' * J&9Q J24Q &?J7*Q JF*Q
# # 4 J2 Q *J@ Q &2J*?Q 9J99Q
8 -# $ ' 49J2@Q 9J99Q 27J2&Q 9J99Q
8 -# %#-$% ! G! &9J@FQ 4*J? Q ?J24Q ?J7?Q
, @ 26566 '533 #2524 0546

Fonte: Autor

Estado - Part. Com. Proj. = Estado - Participação Comunitária em Projetos. Cálculo:


Transferências OE/total receitas capital; (…)
&&2
8M$ - B 43 8#- %' K% %+ 'L % %' K% % "%! #1% L $#' %"% #' G #' !
#-$#' %"% #'J#! $% &99F

; A , +
> $- ?8-,.
) = R R
-(+<% # *@ 7?7 F&* 4 47* @2 4?? ?*7 4F 9*@ 444 7FJ&&Q
-" + * *2 & @2@ * ? & * *** @*F 2J42Q
-)%3+ & 2@4 @4 @@F 4?@ *97 9?& * 799 F9& *4J92Q
#' # * 2@& 499 & 9 2 4F? *4 F4 4 F2& &* 2&J24Q
:# F @9F 9*9 2 F42 9 *&9 *& && 779 2F9 F4J FQ
#1 # F 724 *@2 F &7? 4 *7 && &2 &?9 FF? ?FJ7?Q
#1 ' &F 7 2 * 7 2F2 F & F&@ ??7 *4 @97 4&& ?4J&&Q
+-R F9 77 7&4 F &?7 &F 4 ?* *& ? F29 29F ?FJ Q
!"6 ,+% 7F *4 @2@ @@9 474 4& & *@F 7F& @J4&Q
-60 9 4&9 @@2 2 F42 2*4 *&& 9*? F 2@? 2FF F*JF Q
0 &F &@ F 2 F@& ??2 @*& &&* &@ ?42 F & F7J2&Q
H' $% - %- & @ 7 2@9 74 F*4 29& ?@? 2 49F @&& 27J7*Q
- %' & @99 29 * @4& &7? & 4F *?F @ 997 79* 42J*9Q
# # F 77* &74 & 24& 97 ?@ *7F &9 &F ??@ FFJ&@Q
8 -# $ ' * 7@2 ?@4 *9@ *&4 77 94@ 4 &@& ?@ 2@J2FQ
8 -# %#-$% ! G! 9 @92 29 @ 4F? @27 & @ 992 &9 F@ *4& ?4J4@Q
, @ #3 0/6 021 6' 00# #46 1 43 2# 220 60 233 16560

Adaptado de: DGAL, 2011d e cálculos próprios

Cálculo: Receitas próprias = receitas fiscais + venda de bens e serviços + outras receitas;
Receitas fiscais = impostos diretos + impostos indiretos; % receitas próprias = Total receitas
próprias/total receitas

8M$ - B 41 8#- $#' $%' %'#' " %! %' +! "= J#! $% &99F K #- %' % %+ 'L

,
O B * ) : +
> $- ?8-,. 8
= )

-(+<% # ? &&4 F44 &2 779 7@2 F*? &@4 & 4** 44 & &&2 4*F 2? 49 4*4
-" + & *@ F&2 22 227 ?2 9*4 && FF@ 7* 94F 2& 7*&
-)%3+ & 7F4 *7& 79F &2 F& @&? 7* *24 F2 @ 2 4 @7& F@
#' # & 49@ ?2@ * F?* 779 77 * & F&? @@@ @ &4* F @9@ @*
:# F 4 * F 4?7 7F4 *4* 49@ 2 *?@ **9 F2 &9? &* @@ 92&
#1 # ? 74& ?@9 99 &F? *F @&? @?* ? 7 ?92 *24 & ?F7 927
#1 ' & 49 2&9 4 * * 292 *2* 9 & ?92 &?2 9@ 4?? * @4* F7F
+-R & 4@4 297 &? * ? 2*4 7 4 F44 2 **? F? * F2* ?7& 4? ?9@ 22F
!"6 ,+% & ?7F ?F7 497 F9F *2 9F& @@ &74 &@ *2@ 2 447 9?
-60 ? ? @ @9 7 2? 9&7 424 27@ ?2 &&F 2 F@? 7 &F? F*
0 *@7 @4? 9 *?@ 44F 2? ??F & ?*F 7?? * 49 *&& &7 277 277
H' $% - %- & ??7 &&@ & 2F2 ?7* 47 **& 2F2 7 * @7 2& 4 7F2 &@@
- %' 7 724 &?* ?* *@ *&? 99& ?7? 4&9 *FF F* @ F*? 9@?
# # ? ** *79 4 *@9 2 7F& @@? F7? &* ?F4 F?9 4 7*@ &74
8 -# $ ' * 9* *&* & @*2 74? &* ?F* F*4 *&2 ?2 ?77 F 7?& 944
8 -# %#-$% ! G! F *?4 **@ ? @@* 2?* @F FF & 779 @&? 4F& 79* 7 997 ?97

, @ #4 106 1 4 24 #/ 462 1 2 #30 #4 002 632 3 /04 1'/ 2 6 312 '6

Adaptado de: DGAL, 2011d

&&4
8M$ - B 46 %' #-$% "#$# $% $%' %'# ! #-$#' $%' %'#' " %! %'J
+! "= J#! $% &99F K% % "%! #1% L

,
O B * ) :
> $- ?8-,. 8
= )

-(+<% # *FJ&FQ 4&J*7Q J*2Q 4J**Q 2JF7Q


-" + 4FJ?7Q *2J&&Q J?FQ 4J&FQ J@?Q
-)%3+ 2?J7@Q *9J @Q J94Q @J?7Q J9@Q
#' # *FJ*&Q 4*J ?Q J&7Q @J9@Q 9J *Q
:# 27J2 Q &?J2&Q 4JF2Q 7J&4Q 9J&?Q
#1 # *FJ9?Q 49J@@Q 9JF*Q @J9?Q *J&2Q
#1 ' *@J &Q 2?J@&Q J9?Q 7J2FQ *J2&Q
+-R *?J2&Q 2?J*2Q J2 Q ?J4&Q FJ* Q
!"6 ,+% F J 2Q **J 9Q &J@2Q &J 7Q 9JF2Q
-60 2&J&FQ 22JF9Q &J@@Q 2J9FQ FJ 9Q
0 29J9 Q *FJ2*Q JFFQ @JF Q &J&@Q
H' $% - %- 2?J*7Q 2&J9*Q 9J@@Q ?J@*Q JF?Q
- %' 24J92Q *?J&*Q JF?Q @J 9Q FJ@FQ
# # 24J92Q *2J9*Q 4J24Q 9JF4Q 2J7*Q
8 -# $ ' 24J FQ 2&J? Q 9J*4Q @J&4Q &J42Q
8 -# %#-$% ! G! *4J29Q 22J*@Q J9@Q FJ99Q *J *Q

, @ /'532 /2532 502 05 2 /544

Fonte: Autor

Cálculo: Pessoal/total despesas correntes; (…)

&&F
8M$ - B 44 8#- $#' $%' %'#' $% "# #-J +! "= J#! $% &99F K #- %' % %+ 'L

BO BO ,
K + !* - , , = + ) = 8 = +
> $- ?8-,. B )X
. S ) = ) )
. )

-(+<% # ?7 * @2& @F7 7 F 72? * 44* 7*& F77 *7? F92 27? F F 994 * & 2@4 *4 7*2 F7@ 9?? 9 &24 &7? * &7F @7
-" + @ 2FF 9 & 7 &27 4 ?&2 9 ? 4@? &2 ?&@ @F @&* 7*4 *&2 * 9* 9 *22 F9* 499 @7 9* 9 * 4?2 & ?
-)%3+ &F9 924 ?7 @ @ F *?& 7*? 4@* @2? &7 ?? @F2 *44 7F 4?? 4* 2 49 *9? 2@& F& 9 &&7 79@ 9 2 7? &?7
#' # 47 244 *4 ?44 9&* 79F ??& @F9 222 97F @ 44@ F? 7&9 & 2?2 @&7 2 @7? *?9 & F 727 9 29 &2& 9 4 *22 2F9
:# 94 72@ &42 94* 9 927 *2@ & FF2 27? 7 2 97? F4* ?92 & 97@ 727 7 F*9 *?? 4F 7F 2?2 & ?? @?F 9 & 72* F49
#1 # 9 4F * ? 4?9 &74 9@@ *** 7*9 9@@ 222 424 97@ F74 & 99 9? ? F@4 **4 2@? ?&& *74 7?4 277 4F@ *9 9&7 9 9@? 4&@
#1 ' 24F 74 4@F & 7 &7? 2 * @*@ ?@2 * *44 44* ?@? *?? &4& 279 ?** ?F4 * 2 7 ?7& *47 2?@ 99 999 ?2 94 77 &2* 2 ?9F 444
+-R F74 7&F & ?2 9F* 2 792 22@ @ @4 &?F 9@2 472 & 7?9 22F & 9?@ @4? 2 727 9&@ &@ * @ F* 4 9?4 24 ?@ @49 @7? ?* * 9?@ *4 2F4 72*
!"6 ,+% 4@ ? 7 &@ 7F 42@ 99* & 27? @7& ?2& 9F ** F*9 ?4 79@ 77* F ? 4 2&* 99F 4 * 277 9 &?9 ?F 2*& *29 ? F*@ 9
-60 ?& &&? *&* F4 **4 **4 @?@ 77@ &*@ *92 72 F7 2@9 *@* 7*7 ?79 F &9 &F9 29F *FF 9 @97 72? 24 F*9 ? 27 9*
0 99& 4@ ?? 2*@ 9 & 4** 4&? F2& 97? * ?*2 *9& @* 4& * F?9 2F* & F@ 2@7 F2@ 2 2F &99 F7& F@? 2? @ 4 9?2 &44
H' $% - %- 7 *7 &79 7@? ?4 &4& 79 ?*2 *?* &77 ?& @@F &F4 9@? 49& 72@ & 2@9 2@2 @4 &7F 9 & 7 ?F2 9 & 792 422
- %' 47 4F &94 97 7&? 2@F * 7* @* 4&F *@? 2 &97 ?29 9? 9*? & @@@ *F2 2 ?&? 2F2 97 @&2 9 *?? @&F 9 4& 2* 2
# # *@@ 9&@ F7* F* &?9 @F7 & F*2 7@9 & ?47 &*F ?92 &4* @2& ?2? F* 9?2 44F *4@ 727 @&@ *&4 &F F2 @?4 9 * 7@4 *7@
8 -# $ ' 24 *4 &29 @ 47 &&2 & 9&7 &&7 F7F &F2 @F ?@F F7 7* ?4F &*F 2 79 F&F &9? 9@* 44 &4 47 *2? ?* 2 F9 &F*
8 -# %#-$% ! G! 4@& 9F &* 994 79 &24 ? ? F?& 29? 9&7 F 7 *9 &9F 49@ 7& ? @ 2 2FF 47F &F ??9 *9 &99 &44 @44 2 @?@ 4 9
, @ 3 02' 3/0 0 /2/ / 2 # 022 0/ 26 062 061 4 / 1 346 0 36' 260 31/ 24# #4 / 1 6 / // #/' 0/' 2 0 3#3 306 '46 # #/3 /33 1'/ # 6 460 4

Adaptado de: DGAL, 2011d

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst. Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.=
investimento; Transf.= Transferências; financ.= financeiros; desp.= despesas

&&?
8M$ - B 40 %' #- +! "= $% "#$# $% $%' %'# $% ! %' %! !
#-$#' $%' %'#' $% ! %' %! J#! $% &99F K% % "%! #1% L

BO B + - BO - = +
K + !* , ,
> $- ?8-,. )X (
. ) =
. S ) - =

-(+<% # 9J9?Q 7J* Q ?J&9Q * J* Q FJ9FQ 4J**Q 2J&2Q &?J49Q ?J7?Q


-" + 9J* Q 9J99Q ?J&9Q FJ77Q **J4?Q ?J@7Q FJ49Q &?J4FQ &J 9Q
-)%3+ FJ&?Q J77Q &&J97Q &9J 7Q &&J7&Q 2J&@Q 7J4?Q *J@ Q &J77Q
#' # J ?Q 9J?&Q &9J4*Q 4J49Q 7J@9Q 9J @Q *J*FQ 2@JF&Q *J2FQ
:# J&*Q 2J4*Q 9J99Q &J 4Q *9J7?Q @J2*Q ?J4?Q &2J&&Q 4J@7Q
#1 # 9J99Q ?J&@Q &9J2 Q 2J&@Q 9J?@Q 4J?7Q 2J FQ &?J&@Q 4J*2Q
#1 ' *J29Q J@9Q &J 2Q &@J*FQ &4J9 Q *J*@Q @J**Q 4J2?Q @J*9Q
+-R 4J?4Q @J*4Q FJ*@Q * J*FQ *J?*Q @J?@Q ?J9@Q FJ42Q &9J**Q
!"6 ,+% &J@4Q 4J*?Q 9J &Q 24J77Q *JF7Q &J2FQ *J&2Q FJ&@Q *J?FQ
-60 J 7Q 4J&7Q 4J27Q *&J*4Q *J@ Q *9J97Q 7J9 Q *J?9Q 2J&2Q
0 ?J@9Q J29Q 9J99Q @J@FQ 4J9FQ &@J2&Q ?J*2Q &7J@&Q 7J79Q
H' $% - %- 9J?2Q J&7Q *J9&Q *&J @Q 2J@@Q FJ@4Q 9JF2Q &9J @Q J?*Q
- %' 9J*@Q J*@Q &J2 Q &FJ9 Q *J4?Q &7J47Q ?J&?Q &9J*?Q 9J& Q
# # &J Q 4J@ Q &J*2Q &&J79Q &*J7?Q 2J?4Q 7J FQ 9J9FQ 7J9 Q
8 -# $ ' J97Q 4J?FQ *J?7Q 27J4 Q FJ2&Q 2J? Q JF4Q 7J9@Q &J@9Q
8 -# %#-$% ! G! *J&FQ 9J4&Q J79Q FJ9?Q * J49Q *J72Q 2JF&Q 7J29Q *J 9Q
, @ /5 153/ 4506 #1522 #566 2536 45'# 056' ''5''
Fonte: Autor

Eq.= Equipamento; Saneam.= Saneamento; Comunic. e Transp.= Comunicações e Transportes; Inst.


Desp.= Instalações Desportivas; Equip.= Equipamento; investim.= investimentos; Invest.= Investimen-