Você está na página 1de 3

A função social da propriedade

INTRODUÇÃO PARA O CASO:

Quando se fala em função social da propriedade não se indicam


as restrições ao uso e gozo dos bens próprios. Tais restrições
seriam limites negativos aos direitos do proprietário. A noção de
função social da propriedade relaciona-se com a capacidade
produtiva da propriedade, ou seja, trata-se do poder de dar ao
objeto da propriedade destino determinado, de vinculá-lo a certo
objetivo.

Estabelece o art. 170, inciso III, da Constituição Brasileira de


1988 que:

“Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do


trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a
todos existência digna, conforme os ditames da justiça social,
observados os seguintes princípios:

II – Função Social da Propriedade

A função social da propriedade permite ainda que a coisa seja


utilizada pela autoridade competente, independentemente da
vontade do proprietário, em caso de iminente perigo público,
assegurada ao proprietário indenização ulterior, mas apenas se
houver dano à coisa da qual é dono (art. 5.º, XXV, da CF).
RELACIONANDO COM O ATO DE AMARAL DE NÃO
REALIZAR OS PAGAMENTOS OBRIGATÓRIOS:

A legislação prevê várias espécies de sanções pela


inobservância da função social da propriedade. O Poder Público
pode intervir de várias formas na propriedade privada, a fim de
garantir sua função social: as servidões administrativas, as
limitações administrativas, o tombamento, a requisição no caso
de iminente perigo público e para intervenção no domínio
econômica;

REQUISIÇÃO ADMINISTRATIVA DA PROPRIEDADE


PRIVADA:

A intervenção do Estado na propriedade privada, por requisição


administrativa, somente será legítima se baseada em dados
concretos e objetivos, aptos a comprovar que a utilização dos
bens requisitados, em cada caso específico, é determinante para
impedir maiores riscos à saúde pública decorrentes da pandemia
da Covid-19. Havendo danos aos bens requisitados ou a
utilização de bens consumíveis, cabe à Administração Pública, de
maneira espontânea e imediata, cuidar das medidas destinadas à
justa indenização dos proprietários.
EM CASOS DE CRISE E DIFICULDADE, CORRELACIONANDO
COM O CASO DE NÃO PAGAMENTO DO FINANCIAMENTO
POR CULPA DO LOCKDOWN:

O princípio da solidariedade social exige atuação conjunta do


Estado e da sociedade, especialmente em épocas de crise e de
dificuldades, no entanto, não autoriza a aniquilação das garantias
e direitos fundamentais dos indivíduos. O Direito Administrativo
contemporâneo deve ser compreendido muito mais como
instrumento de defesa e promoção dos direitos fundamentais do
que como expressão da potestade estatal. 

Você também pode gostar