Você está na página 1de 11

UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP

CENTRO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA


PEDAGOGIA

SANIELI APARECIDA BRAMBILA DE SOUZA

PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR:
SEMANA CULTURAL VIRTUAL- POESIA MINHA

NOVA ANDRADINA - MS
2021
SANIELI APARECIDA BRAMBILA DE SOUZA

PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR:
SEMANA CULTURAL VIRTUAL- POESIA MINHA

Trabalho apresentado à Universidade ANHANGUERA,


como requisito parcial para a obtenção de média
semestral nas disciplinas de Aprendizagem da Língua
Portuguesa • Aprendizagem de Ciências Naturais •
Literatura Infanto-juvenil • Práticas Pedagógicas em
Pedagogia: Práticas de Alfabetização e Letramento •
Aprendizagem da Geografia e da História • Estágio
Curricular Obrigatório II: Anos Iniciais do Ensino
Fundamental

Tutor (a) Priscila Barbosa Silveira Alencar

NOVA ANDRADINA - MS
2021

1
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO.......................................................................................................3
2 DESENVOLVIMENTO...........................................................................................4
2.1 LEITURA DOS ARTIGOS...............................................................................4
2.2 PROJETO INTERDISCIPLINAR: SEMANA CULTURAL VIRTUAL...................7
3 CONSIDERAÇÕES FINAIS.......................................................................................9
REFERÊNCIAS...........................................................................................................10

2
1 INTRODUÇÃO

O Ensino Remoto Emergencial e a Educação a Distância não podem


ser compreendidos como sinônimos, por isso é muito importante, no contexto que se
vive, clarificar esses conceitos. O ensino é considerado remoto porque os
professores e alunos estão impedidos por decreto de frequentarem instituições
educacionais para evitar a disseminação do vírus.
Foi preciso pensar em atividades pedagógicas mediadas pelo uso da
internet, pontuais e aplicadas em função das restrições impostas pela covid-19 para
minimizar os impactos na aprendizagem advindos do ensino presencial. O currículo
da maior parte das instituições educacionais não foi criado para ser aplicado
remotamente.
Acostumados à sala de aula presencial, os docentes tiveram que
deixar seu universo familiar e se reinventar, pois a grande maioria não estava
preparada e nem capacitada para isso. Podemos, portanto, dizer que o Ensino
Remoto Emergencial (ERE) é uma modalidade de ensino que pressupõe o
distanciamento geográfico de professores e alunos e foi adotada de forma
temporária nos diferentes níveis de ensino por instituições educacionais do mundo
inteiro para que as atividades escolares não sejam interrompidas.
O uso da tecnologia como ferramenta de ensino pode auxiliar no
processo educacional e, por consequência, na rotina de todos os atores envolvidos
nesse processo – alunos, professores e gestores. As consequências (positivas e
negativas) provenientes da aplicação da tecnologia no âmbito educacional
dependem do uso que se faz dela e da sua influência nas rotinas de trabalho.
As mídias digitais podem ser utilizadas para apoiar as atividades do
professor, do gestor e do aluno por facilitarem, sobretudo, o intercâmbio de
informações, a visualização de forma mais clara dos recursos e o ensino
colaborativo. Como ferramentas de ensino, o uso das mídias é favorecido por meio
da utilização de recursos tecnológicos variados, tais como slides, exercícios virtuais,
vídeos, plataformas de Ensino a Distância (EAD), web conferências, lousas digitais,
e-mails, armazenamento em nuvens, entre outros.

3
2 DESENVOLVIMENTO
2.1 LEITURA DOS ARTIGOS

Tendo em vista que a tecnologia na educação pode se tornar uma


grande facilitadora dos métodos empregados dentro da sala de aula, devemos saber
dosar o seu uso para que ela não se torne apenas uma ferramenta isolada, mas sim
um componente do processo de aprendizagem, no qual professor e aluno se sintam
beneficiados com os recursos e aparatos utilizados.
Nesse sentido, é preciso que o professor se conscientize da
importância de se familiarizar com a cultura digital para que, a partir da experiência e
know-how que ele já possui em relação à prática de ensino, possa pensar em
práticas pedagógicas para aplicar com seus alunos no âmbito escolar, em um
panorama no qual as mudanças tecnológicas encontram-se em constante evolução.
 Interdisciplinaridade pode ser entendida como “o intercâmbio mútuo
e a integração recíproca de várias ciências; é a construção do saber a partir da
conjunção de várias áreas do conhecimento.
A interdisciplinaridade na educação, dessa forma, nada mais é que a
integração de disciplinas, a fim de propiciar a associação de várias áreas em torno
de um mesmo tema.
A necessidade de se atentar para que a tecnologia na sala de aula
não sirva apenas como suporte para facilitar a vida do professor, mas que envolva,
sobretudo na concepção de um projeto tecnológico-pedagógico na escola, os
agentes como um todo: professor, direção, coordenação e aluno.
Isso significa que as novas tecnologias na educação devem ser sim
adotadas, mas com cautela, de forma que atuem não somente como um suporte em
sala de aula, mas que sirvam como subsídio para que o professor desenvolva
habilidades e competências úteis para os alunos em qualquer situação da vida.
São grandes motivadores e incentivadores de aprendizagem todos
os recursos que venham para agregar valor na educação, de forma que o usuário se
torne mais interessado e, com isso, acabe criando suas próprias ferramentas e
administre com mais segurança o assunto abordado.
Diante desse panorama, gestores e principalmente professores
assumem um papel fundamental no sentido de favorecer o ensino colaborativo no

4
qual seja atribuído também ao aluno autonomia no processo de aprendizagem.
Para discutir tecnologia aplicada à educação de forma efetiva, tende-
se a analisar as mídias dentro do âmbito escolar para a formação do aluno e do
professor seguindo a linha de ensino colaborativo, na qual ambos possam atuar com
autonomia no processo de ensino-aprendizagem.
O grande desafio do Brasil hoje é formar professores capacitados
para trabalhar com as tecnologias na educação em conformidade com a contribuição
para a melhoria da qualidade da educação.
O ensino e a aprendizagem numa perspectiva interdisciplinar visam
aprofundar os conhecimentos a partir daquilo que agrega as áreas de conhecimento,
apesar de suas peculiaridades. Não visa à eliminação delas, mas a um
redimensionamento e à ampliação de sua função e compreensão, pois os fatos
econômicos, políticos, sociais, do senso comum, do campo da educação, da ciência,
das artes e tantos outros primariamente podem ocorrer sem formulação disciplinar e
somente depois serem levados à sistematização, ou seja, a vida subjaz a todo
saber.
Os acontecimentos ocorrem de acordo com a dinâmica da existência
e só depois são problematizados; a disciplina é importante, pois torna didáticas e
organizadas as informações que cientistas, pesquisadores, professores e outros
atores sociais colhem da realidade; o trabalho interdisciplinar ajuda a retomar essa
origem dinâmica do saber.
Nesse viés, os educadores devem procurar uma qualificação
profissional que facilite os enriquecimentos dos conteúdos escolares, diante de uma
nova geração de alunos fortemente influenciada pelo contexto tecnológico e, por
consequência, que anseia por um modelo de ensino que inclua, de forma ativa, as
mídias na educação.
Tem-se agora o desenvolvimento de um projeto interdisciplinar, o
qual reflete a interdisciplinaridade que pode ser entendida como o intercâmbio mútuo
e a integração recíproca de várias ciências, é a construção do saber a partir da
conjunção de várias áreas do conhecimento.
Assim, em vez de seguir um planejamento rígido e tradicional, a
ideia é romper os limites entre as matérias, a fim de tornar o ensino mais genuíno.
Com isso, o aluno enxerga o aprendizado como algo mais tangível à sua realidade.
A interdisciplinaridade na educação, dessa forma, nada mais é que a

5
integração de disciplinas, a fim de propiciar a associação de várias áreas em torno
de um mesmo tema.
Na interdisciplinaridade, há mais interação e coordenação, pois no
lugar de várias caixas pequenas, teríamos uma caixa imensa, em que cada
disciplina contribuísse com um pouco de conhecimento. Isso torna a aprendizagem
mais estruturada e rica, já que os conceitos são compartilhados e analisados a partir
de vários pontos de vista.
Conforme a Lei de Diretrizes e Bases, o ensino fundamental e o
ensino médio têm como finalidade preparar o aluno não apenas para o ensino
superior, mas também formá-lo como pessoa apta a viver em sociedade. Essa
formação diz respeito, entre outras coisas, ao posicionamento crítico e à aquisição
de repertório para lidar com o mundo no qual o indivíduo está imerso.

Imagem 01: Interdisciplinariedade: suas relações


Fonte: adaptado pelo autor

O grande objetivo da interdisciplinaridade na educação é sair do


tradicional e mostrar ao aluno um conhecimento globalizante, rompendo qualquer
limite. Por meio dessa metodologia, é possível capacitá-lo a ter uma nova postura
diante do conhecimento adquirido; ou seja, a interdisciplinaridade age em prol de
construir mais contextualização e de formar profissionais que enxergam muito além
do que o visto em sala de aula.
Salienta-se que o ensino fragmentado não dará mais conta de suprir
as exigências do mercado de trabalho, o diálogo entre as disciplinas faz com que os
alunos percebam o conteúdo com outro olhar, dando mais significado a cada
conhecimento. A curiosidade, o interesse pelo aprendizado e a facilidade para
associar cada assunto com a própria realidade ajudam a consolidar ainda mais cada

6
tópico abordado.

2.2 PROJETO INTERDISCIPLINAR: SEMANA CULTURAL VIRTUAL

Contemplando a Semana Cultural Virtual voltada aos anos iniciais do


ensino fundamental em seus aspectos culturais e sociais do contexto existencial do
aluno, segue a realização de uma proposta de Projeto interdisciplinar que reflete tal
proposta.

TEMA DO PROJETO:
O tema do Projeto “POESIA MINHA” contempla a relação entre o
gosto pela leitura poética, ou seja, através de poesias literárias, fazendo assim uma
relação significativa entre a área da Língua Portuguesa e da Literatura.
PÚBLICO-ALVO:
Alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental.
JUSTIFICATIVA:
Valendo-se do fato de que o educando, em geral, tem pouco
contato com a leitura e apreciação de poemas literários e obras artísticas em seu
ambiente familiar e apresenta na escola pouco interesse na disciplina de Artes,
decorrentes dessa carência, tem-se no projeto “POESIA MINHA” a pertinência e
possibilidade para amenizar esta lacuna. O projeto contemplará recursos
linguísticos de forma intrínseca às poesias literárias, oferendo ao educando a
capacidade de ampliar suas competências linguísticas, desenvolver sua expressão,
colocando-se “dentro” do poema como protagonista da história e da época.
Pontua-se, inclusive, que a relevância do Projeto se espelha no
reconhecimento da importância do trabalho com diferentes expressões artísticas,
onde as aulas devem referenciar possibilidades para diversos caminhos ao
trabalhar a leitura, interpretação de texto, oralidade, escrita e mecanismos textuais.
OBJETIVO GERAL:
Aguçar no aluno o interesse pelos aspectos culturais e sociais do
seu contexto existencial através de recursos digitais.

7
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Assumir, juntamente com os alunos, o desafio de tornarem-se declamadores
de poesias, refletindo esta modalidade textual dentro de seu contexto
literário.
 Oferecer aos alunos a aproximação com diferentes expressões artísticas,
viabilizando uma reflexão cultural, artística e social a partir das
apresentações realizadas.
 Oferecer ao aluno a oportunidade de desenvolver apreciações artísticas
através de poesias literárias;
 Desenvolver o prazer pela leitura, apreciando poemas, compreendendo o
enredo e o vocabulário neles envolvido;
METODOLOGIA:
Para abarcar os objetivos propostos no Projeto “POESIA VIVA” as
estratégias usadas para atingir os contemplam aulas online, via plataforma
classroom pelo meet, leituras, pesquisas, ensaios. Conta-se com a memorização e
declamação da poesia pelo aluno a qual será gravada e enviada, postada na
plataforma.
RECURSOS DIDÁTICOS: Referem-se às produções dos alunos no gênero poético.
AVALIAÇÃO:
A avaliação será acompanhada de forma on-line, ou seja, durante o
Projeto “POESIA VIVA” a previsão da avaliação refere-se ao acompanhamento dos
envolvimentos dos alunos, sua compreensão e capacidade de relacionar as poesias
com conteúdo estudados outras disciplinas. Menciona-se aqui o exemplo de uma
poesia sobre importância dos exercícios físico, esta poesia estará relacionando-a à
Educação Física, Ciências, Biologia.
REFERÊNCIAS
AZEVEDO, Ricardo. Qual a “função” da literatura? Carta na Escola, São Paulo:
Ática, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação


Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília,
MEC/SEF, 1998.

FILHO, Domício Proença. A Linguagem Literária. São Paulo: Ática, 2010.

PAES, José Paulo. Poemas para brincar. São Paulo: Editora Ática 2014.

8
3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os avanços científicos vivenciados a partir da segunda metade do século XX


propiciaram à sociedade apropriar-se das novas tecnologias e os jovens que
ocupam as carteiras escolares hoje em dia são os mesmos inseridos nesse contexto
social e tecnológico.
A fim de tornar o ensino mais atrativo e promover o sucesso e permanência
dos educandos na escola, é primordial que a educação acompanhe essa evolução e
promova aos professores e alunos a utilização das tecnologias digitais de
informação e comunicação como instrumentos favorecedores de aprendizagens.
Tecnologias digitais como os smartphones e tablets estão cada vez mais
presentes no cotidiano escolar, porém, apresentam algumas limitações relacionadas
à sua aplicabilidade e ampla inserção. Por mais que esses recursos estejam
presentes na vida de muitos alunos, ainda existem aqueles que não têm acesso a
essas ferramentas e, em muitos casos, os laboratórios de informática das escolas, a
Televisão e o Rádio, são os únicos recursos de acesso à informação de boa parte
desses estudantes.
Desta forma, espera-se comprovar a relevância da utilização de diversificas
tecnologias educacionais como ferramenta pedagógica no contexto escolar, como
possibilidade para construção de um ensino tecnológico e transformador,
principalmente pelo fato de ser desenvolvido em uma instituição que tem como viés
educacional a Ciência e a Tecnologia.
Promovendo a oportunidade de utilizar estes recursos como potencializador
desse processo de construção de aprendizagens e assim, proporcionando aos
discentes a construção de saberes voltados ao reconhecimento e compreensão da
realidade a qual estão inseridos, buscando sua formação integral e possibilitando
aos mesmos mais autonomia

9
REFERÊNCIAS

LIMA, João Francisco Lopes de. O Pedagogo docente e o ensino de Arte na


Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Educação em Foco,
Belo Horizonte, ano 23, n. 41, set./dez. 2020. Disponível em:
https://revista.uemg.br/index.php/educacaoemfoco/article/view/4838

BARROSO, Felipe; ANTUNES, Mariana. Tecnologia na educação: ferramentas


digitais facilitadoras da prática docente. Pesquisa e debate em educação, Juiz de
Fora, v. 5, n. 1, 2015. Disponível em:
http://revistappgp.caedufjf.net/index.php/revista1/issue/view/12

SANTOS, Melina Nymann dos.; ROSA, Cleci Teresinha Werner da; DARROZ, Luiz
Marcelo. Interdisciplinaridade no contexto escolar: relato de uma atividade
envolvendo um estudo sobre diferentes países. Vivências. Vol 15, n. 28: p. 135-144,
Mai. 2019. Disponível em: http://revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/21

10

Você também pode gostar