Você está na página 1de 11

1

TRANSMISSÃO DE CORRENTE ALTERNADA EXTRA


ALTA TENSÃO

FACTS

Lívia M. P. Gazzi e Cleber R. Guirelli

Universidade Presbiteriana Mackenzie


Rua da Consolação, 930
CEP: 01302-907- São Paulo- Brasil
igazzi@zaz.com.br e cguirelli@yahoo.com.br

Resumo

O aumento da exigência dos consumidores associado é um dos aspectos

que com as necessidades, associado com as restrições ambientais e econômicas

impostas para a construção de novas linhas de transmissão e centro de geração

levou a necessidade de melhorar os sistemas já existentes. Uma nova tendência

para a otimização da capacidade de transmissão é a utilização de dispositivos

baseados em eletrônica de potência conhecida como FACTS. Estes dispositivos

permitem uma maior flexibilidade na operação e controle de sistemas de potência,

diminuindo o congestionamento da transmissão e aumentando sua capacidade de

transferir potência.
2

ABSTRACT

Increasing energy consumption associated with environmental restrictions

and economic issues imposed in the building of new transmission lines and

generation centers, resulted in the need of improvement of the existing systems.

The new trend in optimization of transmission capacity is the use of devices based

on power electronics known as FACTS. This device allows more flexibility in the

operation and control of the power systems, decreasing the stuck in transmission

and increasing the power transmission capacity.

1 INTRODUÇÃO

Devido ao constante crescimento do consumo de energia e a exigência dos

consumidores por qualidade, continuidade de fornecimento e baixo custo, o sistema de

transmissão deve ser flexível e eficaz.

A indústria de semicondutores vem produzindo chaves que podem operar com

elevados limites de tensão e capacidade de corrente. Isto permite aplicar a eletrônica de

potência em equipamentos industriais, nos sistemas elétricos de distribuição e

transmissão de energia na faixa de dezenas a centenas de MVA, permitindo o

atendimento as necessidades dos consumidores.

Em sistemas de potência, a utilização de eletrônica de potência teve seu início nos

projetos dos sistemas de transmissão CCAT, corrente contínua em alta tensão. Estes

sistemas utilizam conversores de corrente alternada para corrente contínua e vice-versa

controlados por tiristores.


3

A utilização do controle das chaves semicondutoras permite o desenvolvimento de

equipamentos capazes de realizar rápidas alterações nas características do sistema

elétrico. Estes equipamentos operam dentro dos conceitos FACTS, que é a abreviação

da expressão: Flexible Alternating Current Transmission System Systems ou Sistema

Flexível de Transmissão em Corrente Alternada, criado por Hingorani.

Este estudo fará uma revisão bibliográfica através de livros, artigos e sites

especializados, tendo como objetivo apresentar um estudo sobre o processo de

compensação e controle de linhas de transmissão de corrente alternada de extra alta

tensão denominado FACTS (Flexible Alternating Current Transmission Systems ou

Sistema Flexível de Transmissão em Corrente Alternada).

2 SISTEMAS ELÉTRICOS

No Brasil, o parque gerador é quase que exclusivamente hidroelétrico de grande

porte, e composto por uma série de subsistemas interligados que para terem uma

operação adequada exigem uma malha de transmissão e interligações bem

dimensionadas, controladas, operando de forma econômica, segura e confiável a fim de

permitir a transferência de grandes blocos de energia através do país [1].

As linhas de transmissão estão sujeitas a limites térmicos, de tensão e estabilidade

que restringem o nível de potência que pode ser transmitido com segurança. Tais limites

criam pontos de estreitamento da transmissão na rede, gerando problemas na

transmissão como: pontos de operação não econômicos, baixa capacidade de

carregamento ou ainda importação de energia elétrica [2].


4

Devido aos problemas encontrados, tornou-se necessário o desenvolvimento de

meios para melhor controlar o fluxo de potência do sistema. O controle do fluxo pode

direcioná-los para regiões que possuam capacidade ociosa de carregamento, aliviando

as regiões de estreitamento da transmissão, resultando na concepção de novos

dispositivos para o controle dos fluxos.

Uma opção tradicionalmente escolhida no passado para solucionar alguns dos

problemas na linha de transmissão no controle de potência reativa, regulação de tensão e

correção de fator de potência era a utilização de capacitores e reatores. Porém, a falta de

flexibilidade deste processo levou à pesquisa de novas formas de compensação que

permitissem um controle contínuo do processo utilizado.

Atualmente são utilizados os compensadores baseados em chaves semicondutoras,

que permitem maior flexibilidade ao sistema, pois houve um desenvolvimento da

tecnologia dos semicondutores [3].

3 DISPOSITIVOS FACTS

Equipamentos com o conceito FACTS começaram a ser implementados a partir

do final da década de 60 por grupos diversos, mas o nome FACTS só passou a existir a

partir de 1988, quando Hingorani publicou o artigo intitulado “Power Eletronics in

Electric Utilies: Role of Power Eletronics in Future Power Systems”, propondo o uso

extensivo de eletrônica de potência para o controle de sistemas de potência CA. A idéia

básica era obter, no futuro, sistemas CA com alto nível de flexibilidade como no caso de

sistemas de transmissão HVDC (“High Voltage Direct Current” - Alta Tensão em

Corrente Contínua). O FACTS foi baseado no uso de tiristores de potência, bem como
5

no desenvolvimento de novos dispositivos semicondutores autocomutados (disparo e

corte controlados) [2].

Os equipamentos FACTS são de grande valia nos estudos da estabilidade

dinâmica (frente a pequenas perturbações). No caso dos estudos dinâmicos, maior

ênfase é dada aos problemas de natureza eletromecânica cujo espectro de freqüência se

situa entre 0,2 e 2 Hz. Devemos levar vantagem do grau de flexibilidade que os sistemas

FACTS nos permite, e não deixar que o aumento da flexibilidade destes novos sistemas

não venha a degradar a operação hoje existente.

Dispositivos baseados em componentes eletrônicos permitem um controle mais

rápido das tensões no caso da ocorrência de transitórios, permitido através de uma

combinação de ajustes na potência reativa de geradores, compensadores em derivação

fixos ou controláveis mecanicamente, e transformadores de tensão, também controláveis

mecanicamente [4].

O controlador FACTS tem a vantagem de poder ser aplicado em série ou em

paralelo, individualmente ou em conjunto com outros controladores, devido sua

flexibilidade; possui uma rápida resposta e permite um inter-relacionamento de

parâmetros no sistema de operação, tais como: impedância série, shunt, corrente, tensão,

ângulo de fase e a oscilação de diversas freqüências [5].

4 FACTS NO SISTEMA BRASILEIRO

A Interligação Norte-Sul promove a conexão do sistema Norte-Nordeste ao

sistema Sul-Sudeste e deverá ser formada por 2 troncos de transmissão em 500 kV.
6

Além da sua importância estratégica na integração regional elétrica, traduzida inclusive


[6]
em termos dos benefícios para o sistema eletro-energético brasileiro .

Na fase de análise para a execução, verificou-se que a interligação em corrente

alternada dava origem a um modo de oscilação eletromecânica de baixa freqüência

(0,17 Hz) e com baixo amortecimento. Estas oscilações não amortecidas representavam

uma forte restrição técnica para a transmissão.

Tradicionalmente, o problema de oscilação superiores a 0,3 Hz em sistema de

potência, vem sendo solucionado através de ajustes adequados do PSS (Sinais

Estabilizadores de Potência) dos diversos geradores síncronos do sistema. Para os

modos de mais baixa freqüência (inferiores a 0,3 Hz), a solução via PSS é questionável.

Esta limitação se deve à necessidade de se introduzir, na entrada do PSS, um filtro para

cortar baixas freqüências, evitando que o sinal do PSS seja poluído por oscilações

indesejáveis de baixa freqüência.

Para solucionar o problema de oscilações interárea sustentadas e viabilizar a

alternativa de interligação de corrente alternada, foi proposta a utilização de TCSC na

linha de transmissão a ser construída. O TCSC, representado na Figura 1, tem forte

potencial para amortecimento de oscilações eletromecânicas e permite o aumento da

capacidade de transmissão dos sistemas de potência.


7

Figura 1: Diagrama esquemático do TCSC.

Dois bancos TCSC são colocados, representado na Figura 2, para eliminar a baixa

freqüência de oscilação interárea. O banco TCSC poderá ser locado em 500 kV nos

terminais das subestações Imperatriz e Serra da Mesa e trabalhar continuamente entre

5% e 15% da reatância indutiva da linha, com a permanente reatância capacitiva de 6%

(15.9Ω - 20% de impedância).

O planejamento teve seu início com dois anos de antecedência, tendo sido

realizadas viagens dos técnicos envolvidos a diversos fabricantes e instalações similares

no exterior [7].

FURNA ELETRONORTE

Imperatriz
Samambaia S.Mesa
Gurupi Miracema Colinas 500kV
500kV 500kV
TCSC 500kV 500kV 500kV
TCSC

Figura 2: Configuração da Interligação.


8

O planejamento teve seu início com dois anos de antecedência, tendo sido

realizadas viagens dos técnicos envolvidos a diversos fabricantes e instalações similares

no exterior [7].

A partir da definição dos vencedores da concorrência para realização do

empreendimento (fornecimento, montagem e comissionamento), em dezembro de 1997,

foram realizadas reuniões para acompanhamento do programa e cronograma de

fabricação, entrega, montagem e comissionamento dos equipamentos. Os bancos de

capacitores foram energizados comercialmente em janeiro de 1999.

5 CONCLUSÃO

Com a finalidade de atender os consumidores, a tendência de hoje é a

interconexão do sistema de potência, pois reduz com o custo da eletricidade e melhora


[8]
do desenvolvimento do sistema de potência . Outra forma de atender a uma nova

demanda é a utilização das novas tecnologias em eletrônica de potência [9].

Controladores baseados em eletrônica de potência aumentam os meios de controle

das rotas de transmissão, principalmente por permitirem um controle contínuo e

operações freqüentes [2]. Com os recentes desenvolvimentos da eletrônica de potência, a

aplicação de novos equipamentos como FACTS e de sistemas de controle e automação

em sistemas de distribuição vêm atender estas novas demandas dos consumidores [9].

Muito trabalho deve ser feito antes que esse sistema seja reconhecido como

seguro, por exemplo:

• Desenvolvimento de novas chaves semicondutoras de potência;

• Síntese conversores eletrônicos autocomutados de alta potência;


9

• Desenvolvimento de controle descentralizado para cada controlador

FACTS [2].

Resultados verificados pela utilização do dispositivo FACTS:

• Baseado nos custos adotados para os dispositivos, a compensação

série é a melhor alternativa para controlar os fluxos da potência ativa;

• Permite a transmissão à potência nas linhas normais em condição de

contingência por um custo razoável;

• A instalação dos dispositivos pode ser justificada considerando

somente o custo operacional no período de planejamento;

• É importante incluir a variação nos limites de estabilidade e tensão no

algoritmo de localização da CS;

• Perdas na transmissão é um fator chave que necessita de ser

considerado no problema de sua localização;

• A redução das restrições impostas pela rede de transmissão, devido à

inclusão do deste dispositivo, ocasiona um ótimo despacho das

unidades geradoras com baixos custos operacionais [5].

Não se sabe ainda quão maiores serão os carregamentos dos sistemas com

equipamento FACTS em relação ao sistema de hoje. Estes dispositivos só poderão ser

aceitos pelas indústrias de geração e transmissão de energia elétrica se sua utilidade for

comprovada por uma redução de custo e/ou um aumento na segurança de operação.


10

Através das diversas técnicas de engenharia, planejadores do sistema de potência,

operadores e engenheiros têm aprendido muito com o estudo sobre FACTS A

tecnologia FACTS encoraja a nova geração de engenheiros, que querem repensar no

sistema de potência futuro, a estudar [8].

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. PEREIRA, Mário V. F.; M., Marciano Filho. Integração do Planejamento da

Expansão do Parque Gerador e Sistema de Transmissão Interligado Brasileiro- Aspectos

Conceituais e Metodológicos. Revista X SNPTEE, Curitiba, Paraná, Brasil, 1989.

2. WATANABE, Edson H., et al. Tecnologia FACTS- Tutorial. Acervo de FURNAS

fornecimento COPPE, Universidade Federal de Santa Catarina, IME, 1998.

3. CAVALIERE, C.A.C., Comparação Entre os Dispositivos FACTS: STATCOM e o

STATCOM PWM. Projeto (Final de Curso)- Departamento de Eletrotécnica/UFRJ, Rio

de Janeiro,1988.

4. CAVALIERE, C.A.C.; WATANABE E.H; M.Aredes. Análise de Operação de

STATCOM em Sistemas Desbalanceados. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE

AUTOMÁTICA- SOC. BRASILEIRA DE AUTOMÁTICA CBA2000, Florianópolis,

Brasil, 2000.

5. OLIVEIRA, E. J., LIMA, J.W. Marangon. Localização ótima de Dispositivos FACTS

em sistemas Hidrotérmicos. XV SNPTEE, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil, outubro 1999.

6. FARIAS, Alexandre Lima, et al. Estudos de Sobretensões da Interligação Norte- Sul-

Enfoque Operativo do Impacto sobre o Sistema Sul- Sudeste. XV SNPTEE,Foz do

Iguaçu, Paraná, Brasil, outubro 1999.


11

7. WANDERLEY, Saulo Salgado; et al. Comissionamento de Bancos de Capacitores

Série Convencionais e Controlados. XV SNPTEE, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil,

outubro 1999.

8. HINGORANI, Narain G.; GYUGYI, Laszlo. Understanding FACTS - Concepts and

Technology of Flexible AC Transmission Systems. IEEE PRESS USA, 2000.

9. GARCIA, Paulo A N.; PEREIRA, José L. R.; CARNEIRO, Sandoval Jr. Fluxo de

Potência Trifásico por Injeção de Corrente: Parte 2- Controles e Dispositivos FACTS.

Revista Controle e Automação, Rio de Janeiro, v. 12, n 03, set./out./nov./dez. 2001.

Você também pode gostar