Você está na página 1de 6

Esquema:

1. Titulo.

2. Resumo / Abstract.

3. Introdução: Aspectos gerais do turismo mundial, regional e local, dando


ênfase na importância do estudo.

4. Turismo: Explica o que é turismo e demanda turística.

4.1. Revisão de literatura: principais trabalhos feitos -> sazonalidade,


previsão e estimação da demanda turística.

4.2. Turismo no ceará: principais atrativos e vantagens do estado,


assim como analise da evolução do fluxo turístico.

5. Dados e Modelo Econométrico.->

Demanda Turistica = População dos Emissores + Custo dos Serviços + Taxa de


Cambio + Custos com Viajem + Renda Pessoal Discricionária + Preço dos
Substitutos + Custos dos Roteiros Substitutos + Demanda Defasada +
Tendência;

6. Resultados.

7. Conclusão.

8. Referências.

Introdução
O Turismo é a atividade do setor terciário que mais cresce no Brasil e no
mundo, sendo objeto de atenção, como instrumento de geração de emprego e
de renda/divisas nas economias dos países desenvolvidos e, mais recente, nos
países emergentes (SETUR-CE, 2009). A atividade movimenta, direta ou
indiretamente cerca de US$ 4 trilhões por ano, cria 170 milhões de postos de
trabalho (Wiki, 2010) e representa 13% dos gastos dos consumidores em todo
o mundo (ALVIM, 2003).
O Brasil possui imenso potencial nesse ramo, terras isentas de guerras,
terrorismo, catástrofes e de inverno rigoroso, mais de 5.000 Km de litoral com
belas praias e clima tropical fazem do Brasil um grande destino turístico. Não
obstante ao vasto potencial de seus recursos e atrativos turísticos o Brasil tem
encontrado dificuldades competitivas no mercado turístico mundial situando-se
apenas na 45ª posição do ranking internacional em 2009 segundo o relatório
do Fórum Econômico Mundial.
Nesse contexto o nordeste brasileiro se apresenta com os melhores potenciais
de desenvolvimento. São 7 novos aeroportos, novos complexos hoteleiros, 25
mil metros quadrados de patrimônio histórico restaurado (ALVIM, 2003) alem
de responder por cerca de 25% do parque hoteleiro do Brasil e concentrar os
destinos mais procurados pelos turistas (SEBRAE, 2005).

No caso específico do Ceará, observa-se a ocorrência de um crescimento


expressivo do fluxo turístico via Fortaleza, no período de 1995/2008, quando a
taxa média de crescimento do fluxo foi de 8,8% ao ano, saltando de 762 mil
para 2.178 mil turistas. Esse fluxo gerou o ingresso médio anual de recursos
para o Ceará da ordem de R$ 1.471,6 milhões e gerando um impacto médio no
PIB do Estado na ordem de 7,7%. (SETUR-CE, 2009).
Dessa forma fica evidente a relevância econômica do turismo no estado do
Ceará. O presente trabalho tem por objetivo estimar a demanda turística para o
estado tendo por base (CONTINUAR) Os resultados obtidos podem
fundamentar políticas estratégicas no setor, visando favorecer a atividade no
estado.
Turismo e Demanda Turística

O turismo corresponde, do ponto de vista econômico, a atividade exportadora


de bens e serviços – com a evidente vantagem de que suas “exportações” não
oneram a região receptora com os custos de transporte – ao contrario, pelo
menos em parte os internalizam como receitas (ÁRIDAS).

O turismo pode ser dividido em três categorias:

• Emissivo: quando residentes viajam a outro país, do ponto de vista do país


de origem;

• Doméstico: quando residentes de dado país viajam dentro dos limites do


mesmo;

• Receptivo: quando não-residentes são recebidos por um país de destino, do


ponto de vista desse destino.

No presente trabalho examinaremos o turismo receptivo e a parte do turismo


doméstico referente as pessoas de outros estados que visitam o ceará.
(CONTINUAR)
Segundo Mathieson e Wall (1982) defini-se demanda turística como o número
total de pessoas que viajam ou desejam viajar para desfrutar das comodidades
turísticas e dos serviços em lugares diferentes daqueles de trabalho e de
residência habitual.

A demanda turística portanto mostra o potencial atrativo de determinada região,


esse potencial excede os serviços que oferecem os setores tradicionalmente
vinculados de forma direta ao turismo, abrangendo a quase totalidade de bens
e serviços existentes na economia, já que todos eles são passíveis de
consumo direto ou indireto por parte dos turistas (Armellini Di Santi e Isabella
Revetria, 2003).

Isto implica uma dificuldade para observar a atividade turística desde a oferta
por setores ou indústrias relacionadas, já que o consumo turístico se define no
momento em que se concretiza a compra por parte do turista, e não no
momento em que se produz a oferta (dado que no momento da produção
normalmente se desconhece quem é e onde reside habitualmente o
consumidor).

Determinantes da Demanda Turística

População: quantidade de turistas / população do pais de origem (inviável, não


há dados mensais)

Custo dos Serviços (IPCA Fortaleza)

As taxas de Câmbio (US$/R$)

Custos de Viagem (Yeld Tarifa)

Renda Pessoal Disponível (Renda Média Mensal)

Preço dos Substitutos (IPCA – Salvador, Recife, Rio de Janeiro)

Custo de Viagem de Destinações Substitutas (Yeld Tarifa)

Marketing (inviável, somente gastos anuais)

Variável Dependente Defasada (t-1, t-6, t-12)

Tempo Variável de Tendência (?)


Variáveis Dummy

Turismo no Ceará

O Estado do Ceará está localizado na região Nordeste do Brasil, na costa


atlântica, logo abaixo da linha do Equador. Sua posição apresenta uma
vantagem competitiva em relação a outros Estados brasileiros e mesmo em
relação, também, a outros países da América do Sul, pois a distância para
cidades como Lisboa, Miami e Lagos (África) é curta, sendo o tempo de
viagem, por avião, para qualquer uma das localidades citadas, de
aproximadamente seis horas e trinta minutos (SAAB & DAEMON, 1999).

O Ceará ocupa uma área de 148.825,6 km 2, correspondente a 1,75% do


território brasileiro. O litoral cearense se estende por 573 km de paisagem
diversificada, o que lhe atribui um relevante potencial turístico. Nos 184
Municípios que compõem o Ceará, distribuem-se cerca de 8,5 milhões de
habitantes (IPECE, 2009).

Fortaleza, capital do Estado, estende-se por 313,1 km2 de área, estando


situada a 2 graus da linha do Equador, praticamente ao nível do mar, e sua
população é de aproximadamente 2,5 milhões de habitantes. A cidade possui
uma paisagem “verde” e um clima estável, usufruindo 2.800 horas de
exposição ao sol, sendo caracterizada, também, pela originalidade de sua
culinária, variedade de seu artesanato, hospitalidade de seu povo e beleza de
sua paisagem (SAAB & DAEMON, 1999).

Todos esses fatores corroboram para que o Ceará esteja inserido no


calendário turístico internacional, isso se confirma pela crescente demanda
turística via fortaleza, porta de entrada para o turismo no estado. A tabela 1
mostra essa evolução entre os anos de 1995 a 2008 onde ouve um aumento
de 186% nessa demanda, com um taxa de crescimento médio de 9% ao ano.

Tabela 1. Evolução da Demanda Turística via Fortaleza-CE

Ano Demanda Turística via


Fortaleza Ceará
1995 761.777
1996 773.247
1997 970.000
1998 1.297.528
1999 1.388.490
2000 1.507.914
2001 1.631.072
2002 1.629.422
2003 1.550.857
2004 1.784.354
2005 1.968.856
2006 2.062.493
2007 2.079590
2008 2.178.395
Média 1.541.713,93
Fonte: IPECE

O gráfico 1 mostra uma visível tendência crescente da demanda


turística do estado.

(CONTINUAR)

Referencias

ALVIM, Flavio de Faria. Turismo no Brasil. Revista Turismo, 2003. Disponível


em: <http://www.revistaturismo.com.br/artigos/turbrasil.html>. Acesso em:
agosto de 2010.

ARMELLINI DI SANTI, M. Mauricio; ISABELLA REVETRIA, Fernando


R. Turismo receptivo em Uruguay: uma evaluación del aporte al producto, el
empleo y las remuneraciones. Montevideo, 2003. Mimeografado.
IPECE. Ceará em Números. Fortaleza: IPECE, 2009.

MATHIESON, A.; Wall G. Tourism, economic, physical and social impacts.


Longman, 1982.

PROJETO ÁRIDAS. Nordeste: uma estratégia de desenvolvimento sustentável


– Brasília: Ministério do Planejamento e Orçamento, 1995.

SAAB, William G. L.; DAEMON, Ilka G. As potencialidades Turísticas do Estado


do Ceará. 1999.

SEBRAE. Estudo Setorial: Turismo, 2005. Disponível em:


<http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/d086c43daf01071b03256ebe
004897a0/9f1d224e351b9b688325750000638987/$FILE/NT0003A47E.pdf>.
Acesso em: agosto de 2010.

Travel & Tourism Competitiveness Index 2009 and 2008 comparisons. World
Economic Forum, 2009. Disponível em: <http://where-to-invest-in-
portugal.com/Document.aspx?DocumentID=120>. Acesso em: agosto de 2010.

Turismo. Wikipédia, enciclopédia livre, 2010. Acesso em:


<http://pt.wikipedia.org/wiki/Turismo#Categorias>. Acesso em: agosto de 2010.