Você está na página 1de 6

c

Cap. 2 do Vygotsky (Martha Kohl) : A Mediação Simbólica

Do ponto de vista neurológico, a consciência é um fenômeno de face dupla Consciência humana na


história do psiquismo, pela primeira vez, o sujeito destaca-se de sua própria atividade (espelha-se),
atividade que passa a ser o processo de transformação recíproca entre o sujeito e o objeto, em que o
objeto se torna sua forma subjetiva (imagem mental) e a atividade do sujeito transforma-se em seus
resultados objetivos (produtos), ou, de acordo com Marx ( Marx e Engels, in, Obras escolhidas ), na
produção (trabalho social) o sujeito é objetivizado, e no sujeito o objeto é subjetivizado. (Os 2 parágrafos
acima, retirados do texto: Desenvolvimento neuropsíquico: suas Raízes Biológicas e Sociais, de
Damasceno, B. e Guerreiro, M. ± Unicamp)
: de um lado, o estado de vigília, desperto do indivíduo, dado pela formação reticular ativadora e pelas
estruturas subcorticais do cérebro; e, do outro lado, a cognição, compreendendo a capacidade deatenção,
percepção, memória, linguagem, praxia e intelecto, dependentes do córtex cerebral.

Essas funções cognitivas não são ³faculdades mentais´ indivisíveis e localizáveis em ³centros´
restritos do cérebro, mas ³sistemas funcionais´ (Anokhin, 1935), com uma estrutura psicológica
complexa, requerendo para o seu funcionamento a cooperação de diferentes regiões cerebrais.
Não pode haver cognição sem um estado de vigília ótimo. Segundo Bakhtin (1988), ³se privarmos a
consciência de seu conteúdo semiótico e ideológico, não sobra nada. A imagem, a palavra, o gesto
significante, etc, constituem seu único abrigo. Fora desse material, há apenas o simples ato fisiológico,
não-iluminado pela consciência, desprovido do sentido que os signos lhe conferem´.
c

Vygotsky dedica-se ao estudo das chamadas FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES ou


PROCESSOS MENTAIS SUPERIORES que tem a ver com a consciência humana.
Angel Pino/ FE Unicamp
O CONCEITO DE MEDIAÇÃO SIMBÓLICA OU SEMIÓTICA É CENTRAL NA OBRA DE
VYGOTSKY. Constitui o ³elo epistemológico´ dos trabalhos de Vygotsky e de outros autores da
corrente sócio-histórica da Psicologia. Por ³elo-epistemológico´ entendo (Angel Pino/ FE Unicamp)
um conceito-chave que funciona como operador na articulação dos diferentes componentes de um
sistema teórico, conferindo a este unidade e coerência lógicas.A mediação semiótica permite
explicar, por exemplo, os processos de internalização e objetivação, as relações entre
pensamento e linguagem oua interação entre sujeito e objeto do conhecimento,questão
fundamental da teoria do conhecimento.

Vygotsky dedica-se ao estudo das chamadas FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES ou


PROCESSOS MENTAIS SUPERIORES que tem a ver com a consciência humana.
Angel Pino/ FE Unicamp
O CONCEITO DE MEDIAÇÃO SIMBÓLICA OU SEMIÓTICA É CENTRAL NA OBRA DE
VYGOTSKY. Constitui o ³elo epistemológico´ dos trabalhos de Vygotsky e de outros autores da
corrente sócio-histórica da Psicologia. Por ³elo-epistemológico´ entendo (Angel Pino/ FE Unicamp) um
conceito-chave que funciona como operador na articulação dos diferentes componentes de um sistema
teórico, conferindo a este unidade e coerência lógicas.A mediação semiótica permite explicar, por
exemplo, os processos de internalização e objetivação, as relações entre pensamento e linguagem oua
interação entre sujeito e objeto do conhecimento,questão fundamental da teoria do conhecimento.
Num sentido amplo, mediação é toda a intervenção de um terceiro ³elemento´ que possibilita
a interação entre os ³termos´ de uma relação. É utilizado para designar a função dos sistemas
de signos na comunicação entre os homens e na construção do universo sócio-cultural..
Diferentemente dos animais (têm mecanismos mediadores das relações entre os indivíduos,
que são os sistemas sinaléticos), os seres humanos criaram instrumentos e sistemas de signos,
cujo uso lhes permite transformar e conhecer o mundo, comunicar suas experiências e
desenvolver novas funções psicológicas. A mediação dos sistemas de signos constitui o que
denominou ³mediação semiótica´

MEDIAÇÃO ± relação do homem com o mundo deixa de ser direta e passa a ser mediada.
A presença de elementos mediadores introduz um elo a mais nas relações indivíduo/meio que
se tornam mais complexas. As relações mediadas começam a predominar sobre as diretas.
Há 2 tipos de elementos mediadores: Os Instrumentos e os Signos
Com a mediação o comportamento é mais controla do, menos impulsivo ± a ação psicológica
torna-se mais sofisticada.
Os Instrumentos controlam a relação do homem com a natureza; (instrumentos como
extensão da mão humana, que ampliam a capacidade humana de conhecer e controlar a natureza).
OSigno é ³um instrumento psicológico´ uma marca externa que será internalizada mais
adiante que assim auxilia o homem em tarefas que exigem memória e atenção representam algo que não
está presente e expandem, ampliam a capacidade do homem em sua ação no mundo .Ex: varetas que
representam quantidades e facilitam o armazenamento da quantificação de dados.
Entrar aqui com definições do César Coll sobre símbolos e afins.

Símbolos são representações de representações.

Símbolos são signos não por uma relação de causalidade ou contigüidade, mas por uma
relação de representação representam seus referentes.Então, palavras, imagens mentais,
desenhos são signos que representam seus referentes.

CONCLUSÃO:
O PROCESSO DE MEDIAÇÃO POR MEIO DE INSTRUMENTOS E SIGNOS É FUNDAMENTAL
PARA O DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES PSICOLÓGICAS SUP ERIORES,
DISTINGUINDO O HOMEM DOS OUTROS ANIMAIS.
OS SISTEMAS SIMBÓLICOS E O PROCESSO DE INTERNALIZAÇÃO

Duas mudanças qualitativas ocorrem no uso dos signos tanto no desenvolvimento da espécie
quanto do indivíduo, que são:
1) A utilização de marcas externas vai se transformando em processos internos de mediação ±
PROCESSO DE INTERNALIZAÇÃO

2Os SISTEMAS SIMBÓLICOS ORGANIZAM OS SIGNOS EM ESTRUTURAS COMPLEXAS


E ARTICULADAS.
Os processos de internalização e os sistemas simbólicos são fundamentais para o
desenvolvimento das funções mentais superiores e reafirmam a importância das interações
sociais na construção do mundo cultural e subjetivo de cada um . ³É como se, ao longo de seu
desenvolvimento, o indivíduo se apropriasse das formas de comportamento fornecidas pela
cultura, num processo em que as atividades externas e as funções interpessoais transformam-se
em atividades internas, intrapsicológicas´(pg.38).É portanto um processo ativo de transformação,
de síntese.
LINGUAGEM ± SISTEMA SIMBÓLICO BÁSICO DE TODOS OS GRUPOS HUMANOS
(pensamento e linguagem serão discutidos no cap. 3)
Em seu desenvolvimento o indivíduo deixa de necessitar de marcasexterna s e passa a utilizar
signos internos , que são Representações mentais que substituem os objetos do mundo real.
REPRESENTAÇÃO MENTAL: lembrar, comparar, inferir, relatar, estabelecer relações entre....
As representações mentais permitem ao homem operar mentalmente sobre o mundo; segundo
Dewey ³agir sem agir´

--PROCESSOS MENTAIS SUPERIORES ± CARACTERIZAM O PENSAMENTO TIPICAMENTE


HUMANO
AÇÕES CONSCIENTEMENTE CONTROLADAS, AÇÃO VOLUNTÁRIA, MEMORIZAÇÃO
ATIVA, PENSAMENTO ABSTRATO, COMPORTAMENTO INTENCIONAL - isto é , o homem se
liberta do presente e pode estabelecer relações entre idéias, pensamentos, imaginar, projetar, prever.
PROCESSOS MENTAIS SUPERIORES SÃO MEDIADOS POR SISTEMAS SIMBÓLICOS
HÁ 2 TIPOS DE ELEMENTOS MEDIADORES: INSTRUMENTOS E SIGNOS
INSTRUMENTOS: SURGEM NO ÂMBITO DO TRABALHO (ONDE SÃO DESENVOLVIDAS
AS ATIVIDADES COLETIVAS E AS RELAÇÕES SOCIAIS)
SIGNOS: INSTRUMENTO DA ATIVIDADE PSICOLÓGICA ± INSTRUMENTOS
PSICOLÓGICOS ± ELEMENTOS QUE REPRESENTAM OBJETOS, EVENTOS E SITUAÇÕES.
SISTEMA SIMBÓLICO BÁSICO DE TODOS OS GRUPOS HUMANOS ± LINGUAGEM

Ao longo de seu desenvolvimento o indivíduo se apropria das formas de comportamento


dadas pela cultura.
³ A interação face a face entre indivíduos particulares desempenha um papel fundamental na construção
do ser humano: é através da relação interpessoal concreta com outros homens que o indivíduo vai chegar
a interiorizar as formas culturalmente estabelecidas de funcionamento psicológico´(pg.38)
O processo de desenvolvimento é ³de fora para dentro´, do social para o psicológico, dos signos sociais
para sua internalização num processo de síntese.
O INSTRUMENTO E O SÍMBOLO NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA
(in, Vygotsky- A formação social da mente. S.Paulo, Martins Fontes, cap.I)
Vygotsky busca aspectos tipicamente humanos do comportamento e levanta hipóteses sobre
a formação de tais características na historia da humanidade. Sua analise aborda:
a-qual a relação entre humanos e seus ambientes físico e social?
b- quais novas formas de atividade que tornaram o trabalho o meio principal de relação entre
Homem e Natureza? Quais as conseqüências psicológicas dessas formas de atividade?
c-qual a natureza das relações entre o uso de instrumentos e o desenvolvimento da linguagem?
Desenvolvimento dos comportamentos humanos caracteriza-se por transformações
complexas, qualitativas, de uma forma de comportamento em outra.
Vy. vai falar e descrever estudos de autores que entendem o desenvolvimento infantil a
partir de: abordagem botânica processos maturacionais, tomando por base a psicologia
animal;
abordagem moderna modelos zoológicos que fazem uma psicologia infantil comparada com a
animal; Para ele importante a convergência entre psicologia animal e psicologia da criança pois
fornece as bases biológicas do comportamento humano e o estudo dos processos psicológicos
elementares; daí a conseqüência e´ que tal tipo de teorizaçãoaparece na analise da
inteligência pratica das crianças a partir do uso de instrumentos.
Ele lembra Kohler que faz analogia entre inteligência pratica na criança e respostas
similares dadas por primatas.
Inteligência prática nos animais e nas crianças Cita K. Buhler fase na criança ³idade do chimpanzé´,
que e´ uma analogia entre comportamento de resolução de problemas nas 2 espécies ;
Vy. busca descrever e especificar a atividade pratica das crianças na idade de inicio da
fala e o desenvolvimento das formas de inteligência pratica humana.
Vy. refere que na época, pesquisas sobre o uso de instrumentos não eram conjugadas com os
estudos sobre o uso de signos. Para ele
Relação entre fala e uso de instrumentoshá um imbricamento entre estas 2 funções
Ele também critica Piaget quanto a seu conceito de fala egocêntrica, que não atribui papel
importante `a fala na organização da atividade infantil e não valoriza sua função de comunicação
.
. Cita Stern
para quem o reconhecimento do fato que tais signos verbais tem significado constitui ³a maior
descoberta da vida da criança´
Assim, para Vy. a atividade simbólica tem uma função organizadora especifica, que
invade o processo do uso dos instrumentos e produz formas fundamentalmente novas de
comportamento.
Nasce a inteligência humana (pratica e abstrata) quando a fala e a atividade pratica,
ate ai , processos independentes de desenvolvimento,co nv ergem .
A interação social e a transformação da atividade pratica
A criança começa controlando o ambiente com a ajuda da fala o que cria novas relações
com o ambiente,acrescidas de nova organização do próprio comportamento.Frente a uma situação
problemática a criança age e também fala para atingir seu objetivo.Então a fala coordena as
diferentes percepções para a resolução do problema.

A criança de 4/5 anos fala enquanto resolve um problema e, quanto mais complicada a
situação, mais aumenta a intensidade da fala que ela utiliza:
1o para descrição e analise da situação ;
2o adquirindo um caráter de planejamento da ação com vários caminhos ate a solução;
3o finalmente fala incluída como parte da solução .
Para Vy. ³as crianças resolvem suas atividades praticas com a ajuda da fala, assim como
dos olhos e das mãos . Tal unidade de percepção, fala e ação, que em ultima instancia provoca a
internalização do campo visual,
Vy coloca as questões :
constitui o objeto central de qualquer analise da origem das
formas caracteristicamente humanas de comportamento.
1o :o que distingue as ações de 1 criança que fala das de um primata na solução de problemas
práticos?
A-e aliberda de muitíssimo maior das operações das crianças e sua maior independência em
relação `a estrutura da situação visual concreta, ou seja, ela e capaz de ignorar a linha direta
entre o agente e o objetivo criando métodos instrumentais ou mediados (indiretos), ou seja, ela
pode incluir estímulos que não estão em seu campo visual.Usando palavras (uma classe de
estímulos) para criar um plano de ação, ela realiza 1 variedade maior de atividades usando-as
como instrumentos úteis
B- operações praticas de uma criança falante tornam-se menos impulsivas,ie, via fala ela planeja
como solucionar o problema e a seguir executa o elaborado com uma atividade visível. Donde a fala
controla também o comportamento da criança, que adquire a capacidade de ser tanto sujeito

quanto objeto de seu próprio comportamento.


2o: a quantidade de fala egocêntrica (da criança) aumenta em relação direta com a dificuldade do
problema.
Assim, hipótese de Vygotsky

fala egocêntrica e 1 forma de transição entre a fala


exterior e a fala interior. Ou seja,
1o ± há comunicação, que e a linguagem interpessoal
2o - há interiorização , que e a linguagem intrapessoal, que nasce como nova função da
linguagem.
A fala egocêntrica e ³como se a criança estivesse dialogando com um interlocutor.
A história do processo de internalização da fala social e também a história da socialização do intelecto
pratico das crianças: primeiramente a fala acompanha as ações da criança diante de um problema;po s
terio rm ente, com o desenvolvimento a fala aparece no inicio do processo de modo a preceder a ação .Ela
funciona então a partir de um planejamento já pronto mas ainda não realizado na prática.Como analogia,
crianças pequenas identificam seus desenhos depois de completados precisam vê-los para decidir o que
são.Mais adiante, vão decidir antes o que irão desenhar. Isto indica um deslocamento temporal do
processo de nomeação indica uma mudança na função da fala, que e seu aspecto planejador. Ou seja,
funções emocionais e comunicativas da fala são acrescidas da função planejadora. A criança adquire
independência em relação ao seu ambiente concreto imediato deixa de agir em função do ambiente
imediato e passa a tera função de antecipar.
As crianças pequenas não têm um desenvolvimento da fala e da ação que seja regular e unidimensional:
provavelmente fundirão ação e fala em resposta a pessoas e objetos; tal fusão e análoga ao sincretismo na
percepção, referido por psicólogos do desenvolvimento.
Cap. 3 Pensamento e Linguagem (Martha Kohl)
A linguagem ocupa lugar central na obra de Vygotsky. Ele trabalha com 2 funções básicas
da linguagem:
Ƈ Intercâmbio Social Linguagem desenvolve-se pelo humano para se comunicar com seus
semelhantes. Se observarmos o bebê através de sons, gestos e expressões, ele comunica
aos outros seus desejos e estados emocionais. A linguagem se desenvolve inicialmente em
função da necessidade humana de comunicação.
Ƈ Pensamento Generalizante para que haja a comunicação entre os indivíduos o mundo
da experiência de cada um tem que ser extremamente simplificado e generalizado para poder ser
traduzido aos outros, através de signos, que transmitam suas vontades, desejos, expectativas, idéias,
intenções, etc. O conceito de algo será traduzido, representado por uma palavra específica que indica uma
categoria sob a qual elementos englobados nesta palavra a identificam e ao mesmo tempo, diferenciam-na
de outras categorias.
A LINGUAGEM ORDENA O REAL, agrupando todas as ocorrências de uma mesma classe
de objetos, eventos, situações, sob uma mesma categoria conceitual.
Assim, a função do pensamento generalizante é tornar a linguagem um instrumento de pensamento.

LINGUAGEM FORNECE OS CONCEITOS E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO DO


REAL QUE FAZEM A MEDIAÇÃO ENTRE O SUJEITO E O OBJETO DE
CONHECIMENTO
PARA ENTENDER O FUNCIONAMENTO PSICOLÓGICO, TEMOS QUE ENTENDER A
RELA ÃO ENTRE PENSAMENTO E LINGUAGEM

O Pensamento e a Linguagem têm origens e trajetórias diferentes, apesar da estreita


ligação entre eles.
Vygotsky estuda chimpanzés como meio de entender as linguagens precursoras da
linguagem e pensamento humanos.

linguagem pensamento
Pré-intelectual Pré-verbal
Ex: Animais emitem sons, se comunicam Ex: animais sobem em caixotes ou usam
gestos função função de alívio emoci para pegar alimentos ± não dependem d
Funciona como meio de expressão emocion linguagem.
comunicação difusa com os outros. N Inteligência Prática
função de signo. Num determinado momento do desenvolvimento
filogenético, as duas trajetó unem.

Ƈ O PENSAMENTO SE TORNA VERBAL E A LINGUAGEM RACIONAL


Essa associação acontece como conseqüência do intercâmbio entre os indivíd
situação de trabalho.
A LINGUAGEM FORNECE OS CONCEITOS E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO DO REAL QUE FAZEM A
MEDIAÇÃO ENTRE O SUJEITO E O OBJETO DE CONHECIMENTO PARA ENTENDER O
FUNCIONAMENTO PSICOLÓGICO, TEMOS QUE ENTENDER A RELA ÃO ENTRE PENSAMENTO E
LINGUAGEM.
O SURGIMENTO DO PENSAMENTO VERBAL E DA LINGUAGEM COMO SISTEMA DE SIGNOS É UM
MOMENTO CRUCIAL NO DESENVOLVIMENTO DA ESPÉCIE HUMANA ± MOMENTO EM QUE
BIOLÓGICO SE TRANSFORMA EM SÓCIO- HISTÓRICO

ã  
  
Para estudar o pensamento verbal, Vygotsky usa como unidade de análise o significado da palavra. Para
ele, a palavra é o elemento fundamental da relação linguagem e pensamento, ³pois codifica a experiência
humana, designa objetos e ações, individualiza características, estabelece relações, reúne os objetos e as
ações em sistemas cada vez
mais amplos e hierárquicos, cristaliza e transmite experiências´(Coutinho e
Moreira,2001).
A linguagem possibilita a duplicação do seu mundo (Piaget diz o mesmo) e passa a
representar objetos através de palavras. A palavra propicia o salto do sensível ao racional.
Para Vygotsky, ³a palavra é o microcosmo da consciência humana´.
O significado da palavra é também um ato de pensamento, pois já é uma generalização.
No significado da palavra a fala e o pensamento se unem em pensamento verbal(em
torno de 2 anos de idade).
No significado encontram-se as duas funções básicas da linguagem: o intercâmbio
social e o pensamento generalizante.
Uma palavra sem significado é um som vazio. O significado possibilita a mediação simbólica e, portanto
o meio, o filtro para compreender o mundo e agir sobre ele.

Na psicologia, significado é uma generalização ou um conceito, portanto um fenômeno do pensamento.


Significados transformam-se historicamente. Ex: palavra boêmio : nascido na Boêmia.
Lá também é a terra dos ciganos, povo nômade; assim com o tempo adquiriu o significado de
sujeito da noite, não do dia que é a regra.Ou o termo baiano , aqui em São Paulo. Igualmente, no processo
de desenvolvimento da linguagem na criança os significados sofrem transformações. Inicialmente são
restritos ao universo de vivências da criança e, através da comunicação verbal se ampliam para dotá-los
do sentido maior no seu grupo cultural.
Há uma relação estreita entre o desenvolvimento da palavra e o desenvolvimento da consciência.Na
medida em que a criança se desenvolve, não só se altera o significado da palavra, como muda também o
reflexo das ligações e relações na consciência.
No animal ocorre uma fala sem pensamento e uma comunicação sem linguagem (ela ordena o real).
No homem, graças à imagem mental que aparece por volta dos dois anos de idade, torna-se possível a
substituição do objeto pelo seu representante, num sistema simbólico de linguagem. E quando a
inteligência se articula com a linguagem é que as possibilidades intelectuais crescem em progressão
geométrica.
Com a transformação dos significados teremos: o significado propriamente dito e o ³sentido´ das
palavras.
- o significado é socialmente compartilhado;
- o sentido é individual e tem a ver com relações entre o contexto do uso da palavra e as
vivências afetivas do sujeito.