Você está na página 1de 46

i

Cesário Jorge Chiman’gande

Abandono Escolar das Alunas na Escola Primária do 1º e 2o Grau de Mueda-Sede 2019-


2020

Licenciatura em Ensino Básico com Habilidades em Gestão e Administração Educacional

Universidade Rovuma

Montepuez

2021
ii

Cesário Jorge Chiman’gande

Abandono Escolar das Alunas na Escola Primária do 1º e 2o Grau de Mueda-Sede


2019-2020

Monografia Científica a ser apresentada


ao Departamento de Ciências de
Educação e Psicologia, para a
elaboração de monografia científica.

Supervisor: Msc. Domingos Azarias Mindú

Universidade Rovuma

Montepuez

2021
iii

Índice

Lista de tabelas..................................................................................................................v
Lista de Gráficos..............................................................................................................vi
Lista de abreviaturas........................................................................................................vii
Declaração......................................................................................................................viii
Dedicatória.......................................................................................................................ix
Agradecimento..................................................................................................................x
Resumo.............................................................................................................................xi
Abstract............................................................................................................................xi
Introdução........................................................................................................................12
1.Delimitação do tema.....................................................................................................13
2.Objecto de estudo.........................................................................................................13
3.Problematização do tema..............................................................................................13
4.Justificativa do tema.....................................................................................................14
5.Objectivos da pesquisa.................................................................................................15
Questões de investigação.................................................................................................15
CAPÍTULO I: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA..........................................................16
1.1.Conceito de Abandono Escolar.................................................................................16
1.2.Causas do Abandono Escolar....................................................................................17
1.3.Consequências do Abandono Escolar.......................................................................20
1.4.Modelos/Abordagens Teóricas do Abandono Escolar..............................................21
1.5.Tipos de abandono escolar........................................................................................22
1.6.Estratégias de prevenção do abandono escolar.........................................................22
CAPÍTULO II: METODOLOGIA DA PESQUISA.......................................................27
2.1.Quanto à abordagem tem-se pesquisa qualitativa.....................................................27
2.2.Quanto aos objectivos: Pesquisa Explicativa............................................................27
2.3.Quanto aos procedimentos a Pesquisa é estudo de caso............................................28
2.4.Técnica e instrumento de colecta de dados...............................................................28
2.5.Participantes da pesquisa...........................................................................................29
CAPÍTULO III: APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DE DADOS...............................30
3.1.Apresentação e discussão dos dados do questionário dirigido ao director da escola e
professores.......................................................................................................................30
iv

3.2.Apresentação e Discussão de Dados da Entrevista aos Membros da Comunidade e


Presidente do Conselho da Escola...................................................................................34
Conclusão........................................................................................................................39
Referências Bibliográficas...............................................................................................41
Apêndices......................................................................................................................xliii
Anexos...........................................................................................................................xlvi
v

Lista de tabelas

Tabela 1: Existem nesta escola casos de abandono escolar? …………………………..31


Tabela 2: Factores do abandono escolar ……………………………………………….33
Tabela 3: Casos de abandono escolar ………………………………………………….34
Tabela 4: Causas do abandono escolar ………………………………………………...35
vi

Lista de Gráficos

Gráfico 1: Quem mais abandona a escola (homem ou mulher)? ……………………...31

Gráfico 2: Quem abandona, com maior frequência, a escola (aluna casada ou não
casada? …………………………………………………………………………………32
vii

Lista de abreviaturas

% - Percentagem

DE – director da escola
MCL- membro da comunidade local
P- professor
PCE- presidente do conselho da escola
viii

Declaração

Declaro que esta monografia é resultado da minha investigação pessoal e das


orientações do meu supervisor, o seu conteúdo é original e todas as fontes consultadas
estão devidamente mencionadas no texto e na referência bibliográfica final.

Declaro, ainda, que este trabalho não foi apresentado em nenhuma outra instituição para
obtenção de qualquer grau académico.

Montepuez, 15 de Março de 2021

______________________
(Cesário Jorge Chiman’gande)
ix

Dedicatória

Com muita saudade, amor e carinho dedico este trabalho:

À minha mãe, Jorgina Sanali,

Que Deus a tenha!

À minha esposa, Ana Castelo Inácio, aos meus


filhos Edvânia Cesário Jorge Chiman’gande,
Adelina Cesário Jorge Chiman’gande, Nelva
Cesário Jorge Chiman’gande e Irene Cesário
Jorge Chiman’gande.
x

Agradecimento

Ao meu supervisor, Msc. Domingos Azarias Mindú, vai o meu especial agradecimento,
justo pelo sábio acompanhamento e orientação académica, pelo tempo que me
disponibilizou, pela paciência e atenção dispensada, pelos seus ensinamentos desde a
formação até a elaboração deste trabalho e sobretudo pela simplicidade que me tratou,
vai o meu muito obrigado.
Aos meus irmãos, Francisco Jorge Chiman’gande, Nelo Jorge Chiman’gande, Virgínia
Jorge Chiman’gande e Viviana Jorge Chiman’gande pela energia que me dão, que
serviu de suporte para efectivação dos meus sonhos académicos.

À Direcção da Escola Primaria do 1º e 2º Grau de Mueda-Sede pela recepção e


disponibilidade do tempo e a todos os colegas que, directa ou indirectamente, me
ajudaram para que esta pesquisa se tornasse realidade.
xi

Resumo

A presente monografia tem como tema abandono escolar das alunas da Escola Primária
do 1º e 2º Grau de Mueda-Sede. Este trabalho surge no âmbito da pesquisa realizada na
escola em referência, portanto, um relatório do estudo efectuado sobre abandono escolar
das alunas. No distrito de Mueda, em particular na escola em estudo tem se verificado
um crescente número de alunas que abandonam a escola, apesar das políticas do
emponderamento da mulher através da educação. Daí que se torna necessário conhecer
os motivos deste fenómeno. O objectivo central deste estudo é de analisar os motivos
que contribuem para a ocorrência do abandono escolar das alunas desta instituição de
ensino. A abordagem deste estudo é qualitativa, olhando para aquilo que são os
objectivos da pesquisa optou-se por uma pesquisa explicativa, baseado no estudo de
caso. Neste contexto, foram aplicados aos dois professores e um director da escola um
questionário e igualmente usou-se a entrevista aos dois membros da comunidade local e
um presidente do conselho da escola. Após a obtenção dos dados e feita a sua análise
chegou-se a conclusão de que factores do abandono escolar são diversos mais os
centrais e afirmados pelos entrevistados e questionados são os casamentos prematuros e
responsabilidade de as crianças, principalmente alunas cuidar das outras crianças em
tempos lectivos abdicando desta forma as suas aulas.
Palavras- chave: abandono escolar, estratégias, causas, alunas

Abstract
This monograph has as its theme school dropout of students from the Primary School of
the 1st and 2nd Grade of Mueda-Sede. This work appears in the scope of the research
carried out in the school in reference, therefore, a report of the study carried out on
school dropout of the students. In the district of Mueda, particularly in the school under
study, there has been an increasing number of students who drop out of school, despite
the policies of empowering women through education. Hence, it is necessary to know
the reasons for this phenomenon. The main objective of this study is to analyze the
reasons that contribute to the occurrence of school dropout among students at this
educational institution. The approach of this study is qualitative, looking at what the
research objectives are, we opted for an explanatory research, based on the case study.
In this context, a questionnaire was applied to the two teachers and a school principal
and an interview was also used with two members of the local community and a
chairman of the school council. After obtaining the data and analyzing it, it was
concluded that school dropout factors are more central and affirmed by the interviewees
and questioned are premature marriages and the responsibility of children, especially
students to take care of other children in times students abdicating their classes in this
way.

Keywords: school dropout, strategies, causes, students


12

Introdução

O tema desta monografia é abandono escolar das alunas da Escola Primária do 1º e 2º


Grau de Mueda-Sede. Este tema emergiu no âmbito do Estágio Profissional do Ensino
Básico realizado na Escola Primária 1º e 2º Grau de Mueda Sede, onde durante o
processo do estágio constatou-se a existência de casos de abandono escolar,
especificamente das alunas. Ao longo deste trabalho desenvolve-se aprofundadamente o
estudo do abandono escolar, já que é um problema que apoquenta a comunidade
educativa e a sociedade em geral.

Quando se aborda sobre abandono escolar, Duclos (2006), expõe que este fenómeno
refere-se a desistência de frequência da escola por parte dos jovens, quando estes ainda
se encontram em idade de frequentar, devido ao atraso escolar e a desmotivação, a falta
de apoio tanto na família como na escola, bem como a certos aspectos do sistema de
ensino.

O abandono escolar esteve e está presente na realidade educativa e é uma questão que
afecta toda a sociedade, sobretudo porque estamos inseridos numa sociedade de
conhecimento e ao existir um elevado grau de abandono escolar constitui um fenómeno
preocupante.

O abandono escolar é uma questão relevante no processo de escolarização, uma vez que
se entende que a presença da aluna na escola é fundamental para o processo de
engajamento e empandeiramento da mulher de modo que participe de forma activa e
inteligente na tomada de grandes decisões do país democrático como é o caso de
Moçambique.

Em relação a organização do presente trabalho, a monografia apresenta três capítulos


em que se desdobram em títulos: No primeiro capítulo, dedica-se a fundamentação
teórica onde se debruça estudos mais pertinentes sobre o tema desenvolvidos por vários
autores citados ao longo do trabalho, no segundo capítulo apresenta-se a metodologia da
pesquisa, neste espaço foram descritas os métodos usados para se desenvolver o
presente trabalho, o terceiro capítulo é de apresentação e discussão de dados.
Finalmente, apresenta-se a conclusão e sugestões do trabalho.
13

1. Delimitação do tema

Tendo em vista o período e local da descoberta do problema a pesquisa será


desenvolvida no espaço de tempo que vai 2019 a 2020, na Escola Primária do 1º e 2º
Grau de Mueda-Sede.

2. Objecto de estudo

Constitui o objecto de estudo desta monografia “o Abandono escolar das alunas caso da
Escola Primária do 1º e 2º Grau de Mueda-Sede”.

3. Problematização do tema

O fenómeno do abandono escolar é um problema social, tanto nas suas causas como nas
formas como se concretiza e ainda nas suas consequências sociais e profissionais. Não
sendo um fenómeno novo, ele requer actualmente uma reavaliação, devido às mudanças
profundas que as sociedades têm vindo a registar quer na globalização dos jovens quer
nas exigências que estas fazem à participação destes em diferentes esferas sociais.
Benavente (1994) sustenta que o abandono na escolaridade obrigatória é um dos mais
extremos fenómenos de exclusão que constitui a face visível duma situação mais vasta
que atinge crianças e jovens em ruptura declarada ou silenciosa com uma escola
obrigatória que não é direito, mas tão só dever.

Durante o processo de estágio profissional realizado em 2019, na Escola Primária do 1º


e 2º Grau de Mueda-Sede, verificou-se um fenómeno triste que se prende com o
abandono escolar dos alunos, especialmente, das alunas facto que contrapõe a política
actual de igualdades de direitos visto que sem a escolaridade será difícil que um
indivíduo esteve suficientemente engajado em varias esferas profissionais e politicas
para a sua intervenção activa. Como afirma Azevedo (1999), “[…] o abandono escolar
sem a conclusão da escolaridade obrigatória e a saída do sistema escolar sem qualquer
diploma escolar constituem áreas criticas da coesão social e são a demonstração de
desigualdades e assimetrias sociais”.

Este facto chamou a atenção do autor do projecto tendo ganhado a curiosidade de


investigar o fenómeno no sentido de encontrar as causas que estão por detrás deste
fenómeno.
14

Diante deste facto constatado nesta escola, surge a seguinte questão:

Qual é o motivo que leva as alunas abandonarem a escola?

4. Justificativa do tema
A escolha deste tema deve-se essencialmente as preocupações que este problema suscita
no ambiente escolar e na sociedade. Na época em referência, tomou-se consciência de
que existe uma necessidade de estudos desta temática.

A presença e permanência dos alunos nos sistemas educacionais configura-se como


premissa para a “formação do homem novo”. A educação é um dos direitos
fundamentais e, se é direito para a criança e adolescente, configura-se como dever da
família, do estado e da sociedade. As instituições de ensino, representam, em via local,
o estado. O braço do poder público na sociedade em que se insere. O abandono escolar
dos alunos prejudica o rendimento, negligencia o potencial de desenvolvimento e nega
um direito. Por isso, o desenvolvimento deste tema constitui algo imperioso, na medida
em que vai procurar as causas e medidas do combate ao abandono escolar.

Como profissional da educação, o aprofundamento deste tema, deve-se ao facto de


constituir um dos problemas que  mais afligem o sector da educação e que leva a outros
problemas extremos da integração social.

Do ponto de vista social, é comum em discussões atinentes a esta matéria. Portanto, a


educação não cabe somente a escola, visto que o processo de ensino-aprendizagem
compreende vários intervenientes que muito dão o seu contributo e influenciam o
processo de ensino-aprendizagem. Com este projecto pretende-se elucidar a sociedade
sobre as motivações que levam o aluno a abandonar de forma regular a escola. Visto
que o abandono escolar dos alunos constitui um dos grandes problemas que as escolas
enfrentam e que aumenta o índice de analfabetismo na sociedade.

No âmbito académico, acredita-se que, por um lado, o estudo a desenvolver sobre


abandono escolar dê um contributo positivo na redução de índice do abandono escolar
que se verifica na Escola Primária do 1º e 2º Grau de Mueda-Sede, por outro, trará
benefícios significativos para o desenvolvimento da ciência, porque constituirá mais
uma fonte de informações que ajudam a solucionar o vício dos alunos que, muito atenta
no abandono escolar, coloca em causa o seu futuro e da sociedade se se pensar que a
15

educação é a condição sine qua non do desenvolvimento da ciência e educar uma


criança significa garantir um bom futuro para si.

5. Objectivos da pesquisa

Objectivo geral

Com esta pesquisa pretende-se:

 Analisar os motivos que contribuem para a ocorrência do abandono escolar das


alunas da Escola Primária do 1º e 2º Grau de Mueda-Sede.

Específicos:

 Identificar os principais motivos do abandono escolar das alunas durante o


processo de ensino e aprendizagem;
 Explicar os motivos que concorrem para o abandono escolar das alunas desta
escola;
 Propor estratégias interventivas do combate ao abandono escolar da rapariga.

Questões de investigação

O desenvolvimento da pesquisa que se pretende realizar, vai se basear-se nas seguintes


questões de investigação:

Quais são os principais motivos do abandono escolar das alunas durante o


processo de ensino e aprendizagem?
Como deve ser combatido o abandono escolar das alunas desta instituição de
ensino?
Quais estratégias podem ser levados a cabo para minimizar a situação do
abandono da rapariga no processo escolar?
16

CAPÍTULO I: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Tendo em vista um melhor entendimento da problemática a investigar no presente


estudo, importa explorar o que já foi estudado e estabelecido por outros autores.
Clarificar conceitos permite, também, estabelecer um quadro teórico de referência para
a interpretação dos resultados da investigação.

Assim, o presente capítulo apresenta um breve esclarecimento do conceito de AE, a


consideração das suas causas e consequências e alguns modelos teóricos propostos, por
diversos autores, para a interpretação deste fenómeno.

1.1. Conceito de Abandono Escolar

A definição de Abandono Escolar assume diversos conteúdos reflectindo as diferentes


preocupações e interesses dos inúmeros autores que se têm dedicado ao estudo deste
fenómeno.

De acordo com BÁRBARA (2002:47), “Entende-se por abandono escolar, a saída


prematura do aluno do sistema de ensino obrigatório, sem que o tenha completado ou
atingido a idade legal para o fazer, por razões que não sejam a transferência de escola
ou morte.”

Ana Benavente et al (1994) apud (MELO, 2008:11) diz que falamos em Abandono
Escolar quando nos referimos ao abandono das actividades escolares sem que o aluno
tenha completado o percurso escolar obrigatório (até 9º ano) e/ou atingido a idade legal
(até 15 anos) para o fazer.

Numa visão semelhante, Rosa (2004:201) apud OLIVEIRA (2009:66), defende que o
abandono escolar é um conceito aplicável aos jovens que, por imperativo legal,
deveriam estar na escola mas não estão.

Uma das principais diferenças entre as inúmeras definições de Abandono Escolar


prende-se com a distinção entre abandono e desistência. FERRÃO (1995) OLIVEIRA
(2009:66) considera que o Abandono Escolar (acontece) no final do ano lectivo e a
desistência a qualquer altura do ano. A desistência é o fenómeno que está relacionado
com as situações de transferência de escola. O Abandono Escolar significa ruptura com
o sistema educativo.
17

Também Benavente et al (1994) apud OLIVEIRA (2009:66) considera esta distinção


afirmando que abandono ou desistência significa que um aluno deixa a escola sem
concluir o grau de ensino frequentado por outras razões que não sejam a transferência
de escola ou a… morte. Saber se se trata de abandono (no final do ano lectivo) ou
desistência (durante o ano) pode ser relevante para a compreensão dos motivos e das
situações, mas não altera o fundamental.

Assim, a desistência pode assim ser considerada, na medida em que os alunos desistem
de usufruir do seu direito à escola e à formação.

Apesar das diferenças entre as definições dos diversos autores importa referir que para a
grande maioria destes, o AE implica, uma ruptura com a escola. Esta pode ser vista
como uma consequência última de um processo de afastamento da escola alimentado
pelas dificuldades de entendimento e articulação entre uma cultura escolar específica e a
realidade dos contextos familiares e socioculturais dos alunos.

BENAVENTE et al., (1994) defendem que o Abandono Escolar ocorre repetidamente,


no quadro de assimetrias e desigualdades sociais e de uma instituição escolar cujos
conteúdos e práticas não se adequam à diversidade de quem hoje as frequenta. (MELO,
2008:16) Tal facto, reforça o argumento de uma escola reprodutora das desigualdades
sociais, incapaz de se oferecer de forma homogénea a todos os que a ela têm direito.
Uma escola incapaz de promover igualitariamente as oportunidades e a mobilidade
social proporcionando situações de exclusão escolar (e de exclusão social) e que
acabam, quando não devidamente intervencionadas, em situações de Abandono Escolar.

1.2. Causas do Abandono Escolar

Para um melhor entendimento do Abandono Escolar importa reflectir sobre as causas


que estão na sua origem.

RUMBERGER (200:9), ressalta que identificar as causas do abandono é extremamente difícil


de fazer porque, como outras formas de desempenho educacional (por exemplo, pontuações em
testes), é influenciado por uma série de factores relacionados com o aluno individual e com a
família, com a escola e com o ambientes comunitários em que o aluno mora.
18

OLIVEIRA (2009:67) apresenta aqueles que no início dos anos noventa foram
apontados por Clímaco (1991) como os três factores na base do Abandono Escolar. São
eles:

 as expectativas demasiado elevadas em relação à educação;


 as dificuldades de inserção no contexto escolar, que têm a ver com o facto da
escolaridade ter sido alargada a novos estratos sociais. A escola terá de dar
resposta a uma diversidade até então inexistente ou invisível;
 a probabilidade de inserção no mercado de trabalho, fácil e recompensadora
“animadas por uma cultura de lucro imediato e de consumismo, próprias de uma
sociedade que um certo desenvolvimento económico torna mais afluente”.

Este factor é, ainda hoje, adequado a uma explicação breve das causas para o AE.
Existem, no entanto, outras causas organizadas por outros autores sobre as quais
considerar. A maioria dos autores parece concordar que são sobretudo os alunos com
dificuldades de integração na escola e com contextos familiares e socioculturais
específicos a decidir abandonar a escola. Benavente (1994) apud (DIAS, 2010:29)
identifica este facto como uma das causas mais frequentes para o AE, os alunos que
abandonam têm problemas com a escola e foram já por ela abandonados, em muitos
casos. Só ocasionalmente se encontra um bom aluno, entusiasmado, com projectos
escolares, que renuncia à escola.

DIAS (2010:29-30), apresenta uma lista de causas para o Abandono Escolar tal como
definidas por BARBER e McCLELLAN (1987). São causas:

1. De Integração e relacionais: falta de interesse pela escola; aborrecimento


quanto à escola e às actividades escolares; idade; problemas com os professores;
problemas com os colegas; inadaptação à escola, levando a falta de integração à
falta de interesse; interesse por outras actividades; e maus resultados escolares
que aumentam o desinteresse pela escola.

2. Familiares: responsabilidades (nas tarefas domésticas, maternidade na


adolescência, etc.) e problemas familiares; nível de instrução considerado
suficiente para a actividade profissional, levando ao inicio da actividade laboral
e a um aumento da falta de interesse pela escola; problemas financeiros; e
19

necessidade de começar a trabalhar, que tal como na causa anterior pode estar
relacionado com a necessidade do aluno de ganhar dinheiro para ajudar a
economia familiar ou para o seu próprio sustento.
3. De Acessibilidade: problemas de transporte, dificuldade do aluno em chegar à
escola normalmente por morar longe da escola e por existirem poucos meios de
transporte disponíveis e com pouca flexibilidade de horários. Isto promove o
desinteresse do aluno pela escola e, em última instancia, o Abandono Escolar.

RUMBERGER (2001) considera serem os factores familiares os mais importantes no


processo de Abandono Escolar, uma vez que, o contexto familiar é amplamente
reconhecido como o contribuinte mais importante para o sucesso na escola. É por isso
importante considerar como causa não apenas as características das famílias, mas
também, a capacidade de aproximação e diálogo entre a instituição escolar e as famílias
dos alunos em risco de Abandono Escolar.
VICÊNCIO et al (2004:15) apresenta outro conjunto organizado de factores que podem
estar na origem do Abandono Escolar, assim como estabelecido por MATA (2000).
São factores:
a) Individuais, como: a inadaptação à escola; o fraco investimento na vida escolar;
o absentismo elevado; os problemas disciplinares; o baixo nível de capacidades;
o insucesso escolar; a baixa auto-estima; o mau relacionamento com colegas; o
isolamento; o relacionamento próximo com jovens que abandonaram a escola;
os problemas de saúde e as incapacidades; o casamento e/ou a gravidez; e a
toxicodependência.
b) Familiares, como: o baixo nível socioeconómico; as fracas expectativas
relativamente à vida escolar dos filhos; o interesse por uma rápida inserção dos
jovens na vida activa; a vida familiar disfuncional; as relações parentais
negligentes ou abusivas; as estratégias familiares desfavoráveis; a pertença a
uma minoria étnica; e a mobilidade elevada.
c) Escolares, como: um clima escolar negativo; o conflito entre as culturas da
escola e da comunidade; o currículo irrelevante; o horário fatigante; a
despersonalização da relação professor/aluno; as estratégias de ensino passivas;
o desprezo pelos diferentes estilos de aprendizagem dos alunos; as fracas
expectativas dos professores; um sistema disciplinar ineficaz; a utilização
20

frequente de retenções e suspensões; um corpo docente instável, inexperiente e


pouco qualificado; a utilização deficiente das novas tecnologias; a inexistência
de serviços de aconselhamento; e a má qualidade de vida (pouca limpeza, falta
de instalações desportivas).
d) Sociais, como: uma grande incidência de actividades criminais; a
disponibilidade de emprego juvenil; a fraca ligação entre a comunidade e a
escola; a falta de serviços sociais de apoio; e um sistema de transportes casa-
escola ineficaz.

1.3. Consequências do Abandono Escolar

Sobre o AE importa ter em mente que não se trata apenas de um problema da escola e
de indivíduos em particular, mas também, de um problema social com consequências
para o desenvolvimento do país. Estudos e reflexões bastante recentes sobre as
desigualdades sociais e o papel da educação na sua produção ou superação destacam as
consequências económicas, culturais, cívicas e pessoais dos fracos níveis de
escolaridade e de saber de muitos cidadãos (Benavente et al., 1994 citada por
VICÊNCIO et al, 2004:17).

A grande maioria dos autores considera que o Abandono Escolar tem sobretudo
consequências ao nível do futuro e do campo de possibilidades dos indivíduos que, por
falta de escolarização, se encontra francamente diminuído. Estas contrariedades no
futuro prendem-se com uma maior dificuldade de acesso ao mundo do trabalho, acesso
a empregos pouco qualificados e precários, geralmente mal remunerados, tornando-se
estes indivíduos alvo de uma maior vulnerabilidade associada às baixas expectativas
quanto às suas possibilidades e condições futuras e que acarreta um aumento da
desigualdade e dependências sociais.

Numa comunicação da Comissão Europeia ao Parlamento Europeu sobre o combate ao


Abandono Escolar (COMISSÃO EUROPEIA, 2011:3-4) é dado relevo às
consequências deste fenómeno. Estas consequências são concebidas a nível individual
indo ao encontro do já referido (menor participação social, maior risco de desemprego,
desvantagem educativa dos descendentes, etc.), mas também, como consequências a
nível económico e da sociedade em geral sendo referidos efeitos a longo prazo no
desenvolvimento da sociedade e no crescimento económico, devido a uma menor
21

participação dos cidadãos nos processos democráticos e a um comprometimento da


inovação e do crescimento que dependem de uma força de trabalho qualificada.

Hoje, numa sociedade de cariz assumidamente tecnológico, o abandono é interpretado


como sinal de inadaptação social e de incapacidade para investir no futuro. (LOPES et
al, 2008:135) O Abandono Escolar significa, assim, um sem número de consequências
que vão desde os aspectos individuais até ao mais global desenvolvimento do país e que
significam, necessariamente, um vasto conjunto de desafios para a escola e para a
intervenção social escolar de hoje e do futuro.

1.4. Modelos/Abordagens Teóricas do Abandono Escolar

Para um entendimento mais completo da problemática do AE é fundamental rever


algumas abordagens teóricas desenvolvidas por vários autores.

CASTRO (2010) apresenta alguns modelos que procuram explicar o AE. Dois modelos
de Finn: o modelo da auto-estima-frustração e o modelo da participação-identificação.

O modelo da auto-estima-frustração que se baseia no pressuposto de que o insucesso


escolar pode conduzir a uma redução da auto-imagem, que por sua vez leva a problemas
de comportamento e a uma oposição por parte dos jovens em relação à escola, que
também podem ser causados pela influência negativa dos pares, o que provoca um
insucesso escolar e uma reactivação do ciclo que culminará no abandono escolar.
(Ferreira, 2006 apud CASTRO, 2010:13).

O modelo da participação-identificação também de FINN define que a qualidade de


ensino e as capacidades dos indivíduos influenciam o sucesso escolar obtido. (Ferreira,
2006 apud CASTRO, 2010:13) Tal sucesso leva a uma maior identificação dos alunos
com a escola, conduzindo a um maior envolvimento nas actividades escolares. Quando
este envolvimento na escola não acontece e não existe apoio em casa, a probabilidade
de maus resultados escolares aumenta, tornando a identificação e participação na escola
ainda mais difíceis.

Outro modelo apresentado por Castro (2010) é o proposto por Peck e Kaplan em 1997.
Este modelo defende que os indivíduos se comportam de forma a minimizar as
experiências negativas e maximizar as experiências positivas. Desta forma o aluno que
22

experimente uma perda de auto-estima após a obtenção de más notas irá reagir de forma
a atenuar os seus laços com a escola, uma vez que esta lhe trouxe estes sentimentos
negativos. (Sousa, 2003 apud CASTRO, 2010:13).

RUMBERGER (2001) apresenta duas teorias também explicativas do AE: a perspectiva


individual (individual perspective) e a perspectiva institucional (institutional
perspective). A perspectiva individual focuses on the attributes of students such as their
values, attitudes, and behaviours – and how these attributes contribute to their
decisions to quit school, (RUMBERGER, 2001:6).

Para além desta capacidade de comprometimento/envolvimento com e na escola como


factor a considerar para o Abandono Escolar, a perspectiva individual sugere ainda o
sucesso académico e a estabilidade educacional. Estes são influenciados pelo passado
dos alunos e as suas aspirações, sendo ao mesmo tempo causas e consequências do
Abandono Escolar (entre outras).

A perspectiva institucional concebe não apenas aspectos individuais dos alunos mas
também o facto de os comportamentos e atitudes dos alunos serem, efectivamente
shaped by the institutional settings where people live, (RUMBERGER, 2001:10).

1.5. Tipos de abandono escolar

CASTRO e WERLE (2002), definem dois tipos de abandono escolar – o efectivo e o


latente. O abandono escolar efectivo “refere-se a alunos que estiveram na escola e
saíram sem história posterior de retorno”.

O abandono escolar latente “refere-se ao aluno que inúmeras vezes inicia, mas não
continua o curso durante o ano lectivo, ingressando novamente no ano seguinte, e assim
sucessivamente”.

As intervenções em ambas as situações são distintas, embora seja comum a existência


clara de uma rejeição individual ao sistema escolar. No abandono efectivo a intervenção
passa por mecanismos de qualificação profissional e o apoio de um processo
socioprofissional. No entanto, no abandono latente são exequíveis práticas sociais e
educativas de prevenção de acordo com FERREIRA (2002:38).

1.6. Estratégias de prevenção do abandono escolar


23

Existem vários estudos e obras que se debruçam sobre as estratégias de prevenção e de


intervenção educativa face ao abandono escolar. Ao reflectir sobre este assunto,
BÉLIVEAU (2006:119) sugere as seguintes estratégias para potenciar a aprendizagem
dos alunos com risco de abandono escolar:
 Encorajar o aluno a descobrir formas de aprender;
 Planificar as suas acções antes de começar;
 Prever a que deve estar atenta durante a tarefa;
 Procurar as suas próprias soluções;
 Conceber diferentes formas de aprender;
 Variar os seus métodos de aprendizagem e combiná-los (observar, escutar, agir);
 Verificar o seu trabalho quando terminado;
 Avaliar se as suas atitudes face à tarefa eram favoráveis;
 Estabelecer relações entre os seus conhecimentos;
 Tomar consciência das suas facilidades e dos seus pontos fracos para se
conhecer melhor e adquirir, desta forma, o sentimento de ter um certo poder
sobre as suas capacidades de aprendizagem;
 Não se esquecer de utilizar a maior parte do tempo passado com a criança que
faz os seus trabalhos escolares para discutir com ela os meios de que se serve em
vez de se ocupar apenas dos conteúdos que deve aprender;
 Não se apressar a responder quando coloca uma questão, mas incitá-la a
procurar pistas de resposta. Pedir-lhe que diga primeiro o que pensa, que lhe
explique o que compreende do problema mesmo quando tem a sensação de não
compreender nada, que tente rever ou re-escutar mentalmente as explicações que
o professor forneceu a esse respeito;
 Dizer-lhe o que faria para resolver o problema ou aprender a lição. Propor-lhe
essa forma sem se impor como modelo;
 Reflectir em voz alta diante dela em vez de responder de forma demasiado
directa à sua questão.
Neste caso, DUCLOS (2006) concorda com BÉLIVEAU em relação aos aspectos
referidos acima, ao considerar que os valores, atitudes e estratégias que permitem
garantir uma educação equilibrada tanto em casa como na escola, e evitar o abandono
escolar são:
 Interrogar-se acerca dos valores a transmitir e do exemplo a dar;
24

 Avaliar as suas próprias motivações relativamente a um domínio ou a uma


disciplina escolar pela qual o estudante manifesta pouco interesse;
 Estimular a curiosidade intelectual dos estudantes, dialogando sobre vários
temas;
 Apoiar continuamente os estudantes ao longo do seu percurso escolar;
 Reconhecer e sublinhar regularmente os seus talentos e qualidades;
 Evitar emitir juízos de valor a propósito da sua aprendizagem;
 Encorajar regularmente os estudantes para se esforçarem;
 Ajudar os estudantes a antecipar o prazer que retirarão das actividades propostas
e, consequentemente, assegurar-se de que o conteúdo dessas actividades é
estimulante;
 Apaziguar o período dos trabalhos de casa e das lições quando se antecipam
conflitos ou resistências;
 Levar os alunos a reconhecerem a utilidade concreta das actividades escolares
propostas para a sua vida actual e futura;
 Ajudar os estudantes a estabelecer ligações entre o que já aprenderam e o que se
preparam aprender;
 Encorajar os estudantes a atribuir mais importância ao processo de
aprendizagem do que aos resultados escolares;
 Evitar, tanto quanto possível, a ansiedade e o stress de desempenho;
 Fazer os estudantes compararem-se consigo mesmos e não com os outros;
 Conceder-lhes o direito ao erro;
 Respeitar o ritmo de aprendizagem de cada um e estimular de forma
personalizada;
 Fazer compreender aos alunos que a inteligência é distinta dos resultados
escolares;
 Ajudar cada aluno a “aprender a aprender”, ou seja, a adquirir um método de
trabalho pessoal, em conformidade com o seu estilo cognitivo;
 Levar os alunos a verem as exigências dos trabalhos escolares de forma realista,
ajudando-os a planificá-los mediante um método de trabalho pessoal;
 Ajudá-los a afirmarem-se fazendo escolhas e a assumirem com responsabilidade
as consequências resultantes;
25

 Fazê-los compreender que os resultados escolares decorrem das atitudes e


estratégias que utilizam, e que estas estão em seu poder;
 Ajudar os estudantes a autoavaliarem as atitudes e as suas estratégias e, se
necessário, a autocorrigi-las na sequência de uma actividade de aprendizagem;
 Favorecer a sua capacidade de síntese, fazendo-os descobrir relações entre as
diversas aprendizagens escolares;
 Favorecer a integração dos conteúdos, para que os alunos estabeleçam essas
relações mais facilmente;
 Estruturar os programas escolares de modo a reforçar as aprendizagens
nucleares;
 Tornar o ensino mais atractivo e fazer com que solicite a participação activa dos
alunos;
 Valorizar mais as profissões manuais e técnicas;
 Aumentar os recursos profissionais (em ortopedagogia, em ortofonia, em
psicoeducação, psicologia, etc.) para despistar precocemente as dificuldades
persistentes dos alunos e para aplicar as estratégias compensatórias necessárias;
 Evitar, tanto quanto possível, as repetições de ano pois, na maioria das vezes,
não se trata de uma medida susceptível de motivar novamente os alunos e de
reduzir as suas dificuldades de aprendizagem;
 ‘Humanizar a escola para que se torne um verdadeiro meio de vida que favoreça
o sentimento de pertença dos alunos;
 Favorecer, a criação de conselhos de cooperação (nas turmas), para que os
alunos aprendam a gerir o funcionamento das aulas, bem como o projecto
criado;
 Solicitar aos intervenientes escolares que estabeleçam relações mais regulares
com os pais;
 Tentar que os professores e os pais tenham ocasião de desenvolver relações
harmoniosas;
 Levar os pais e os alunos a participar mais na elaboração e na aplicação dos
planos de intervenção personalizados, quando têm dificuldades persistentes;
 Permitir que os professores utilizem os recursos que considerem necessários
para viverem relações harmoniosas com os alunos;
26

 Reduzir o stress dos professores para que possam dar uma melhor resposta às
necessidades dos alunos;
 Reduzir o número de avaliações sumativas, visto que geram stress e que, muitas
vezes, ocupam o lugar das actividades de aprendizagem;
 Conceder mais autonomia aos professores e à gestão do tempo de aula;
 Favorecer um maior reconhecimento pessoal dos professores, sublinhando as
suas competências e revalorizando a profissão.
27

CAPÍTULO II: METODOLOGIA DA PESQUISA

Para GIL (2002:26), “os procedimentos Metodológicos da pesquisa devem ser


entendidos como conjunto detalhado e sequencial de métodos e técnicas científicas a
serem executados ao longo da pesquisa, de tal modo que se consiga atingir os
objectivos inicialmente propostos”.

2.1. Quanto à abordagem tem-se pesquisa qualitativa

Neste trabalho, usou-se Pesquisa Qualitativa, que é a relação dinâmica entre o mundo
real e o sujeito isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objectivo e a
subjectividade do sujeito que não pode ser traduzida em números.

Percebe-se que as pesquisas qualitativas têm despertado o interesse dos pesquisadores


em educação, possibilitando aos educadores/pesquisadores conhecerem a realidade
numa dimensão maior.
A pesquisa qualitativa tem o ambiente natural como sua fonte
directa de dados e o pesquisador como seu principal
instrumento [...].A pesquisa qualitativa supõe o contacto do
pesquisador com o ambiente e a situação que está sendo
investigada, via de regra através do trabalho intensivo de
campo, (LUDKE & ANDRÉ, 1986:11).

Portanto, através da interacção com os actores intervenientes do processo de ensino e


aprendizagem, o proponente/pesquisador foi compreender a realidade do abandono
escolar das alunas desta escola, baseando-se nos dados qualificáveis.

2.2. Quanto aos objectivos: Pesquisa Explicativa

Tem por natureza o objectivo de determinar, por meio do confronto de variáveis, os


factores ou causas que determinam ou influenciam a manifestação de determinados
fenómenos. Visa explicar por que o fenómeno ocorre, quais os factores que o causam ou
contribuem para sua ocorrência, ou qual é a explicação para a relação existente entre
dois ou mais fenómenos (GIL, 1999).
Neste contexto, a escolha deste tipo de pesquisa deve ao facto de querer explicar os
motivos que contribuem para a ocorrência do fenómeno do abandono escolar que
constatou na Escola Primária do 1º e 2º Grau de Mueda-Sede.
28

2.3. Quanto aos procedimentos a Pesquisa é estudo de caso

Os procedimentos que foram desencadeados neste estudo carecem de um estudo de


caso, por isso, quanto aos procedimentos, a pesquisa foi um estudo de caso das alunas
que abandonam a Escola Primária do 1º e 2º Grau de Mueda-Sede.
Para (PRODANOV & FREITAS, 2013):

O estudo de caso consiste em colectar e analisar informações


sobre determinado indivíduo, uma família, um grupo ou uma
comunidade, a fim de estudar aspectos variados de sua vida, de
acordo com o assunto da pesquisa. É um tipo de pesquisa
qualitativa e/ou quantitativa, entendido como uma categoria de
investigação que tem como objecto o estudo de uma unidade de
forma aprofundada, podendo tratar-se de um sujeito, de um
grupo de pessoas, de uma comunidade etc. São necessários
alguns requisitos básicos para sua realização, entre os quais,
severidade, objectivação, originalidade e coerência
PRODANOV & FREITAS (2013;60).

2.4. Técnica e instrumento de colecta de dados

As técnicas a serem aplicadas na realização deste estudo são:

 Entrevista Semi-Estruturada – com esta técnica, foi produzido um leque de


questões abertas e fechadas onde o entrevistado teve a oportunidade de responder de
acordo com o seu nível de percepção do tema. As entrevistas tiveram uma duração
mínima de 20 minutos com tendências a aumentar o tempo dependendo do grupo
alvo, mas nunca excedermos uma hora e 20 minutos.

Por outro, as entrevistas semi-estruturadas permitem que o entrevistado fale


abertamente, em jeito de desabafo a um estranho, porém respondendo as questões que
lhe são colocadas como se de mais esclarecimentos se precisasse. Com esta técnica foi
aplicada ao presidente do conselho da escola e 2 membros da comunidade local.

 Questionário –- com o qual foram submetidos a um questionário director da escola,


2 professores da Escola Primária do 1º e 2º Grau de Mueda Sede. Neste caso, optou-
se pelas questões fechadas. Com o questionário teve-se informações do assunto em
estudo.
29

2.5. Participantes da pesquisa

A pesquisa desenvolvida sobre abandono escolar das alunas teve como espaço na Escola
Primária do 1º e 2º Grau de Mueda-Sede. Neste âmbito, a pesquisa contou com a
participação de 6 indivíduos, destes são distribuídos em 1 director da escola, 2
professores, 1 presidente do conselho da escola e 2 membros da comunidade
circunvizinha.
A escolha destes participantes deve-se as seguintes razões: o director da escola por ser a
pessoa responsável pelo zelo na instituição; os 2 professores como representantes da
escola são indivíduos que lidam directamente com os alunos, por via disso, presume-se
que sejam detentores do conhecimento sobre a vida estudantil dos alunos; a escolha do
presidente do conselho da escola deve a sua responsabilidade, é um elemento que
conhece a vida escolar e da comunidade dos alunos e finalmente, a pesquisa envolveu 2
membros da comunidade, principalmente os que vivem ao redor da escola, com vista a
aferir as razões do abandono escolar das alunas.
Em suma, estado de emergência que vigorou, o estado de calamidade a vigorar e
interrupção das aulas presenciais que se viveu e ainda continuam interrompidas para as
classes sem exame, prevê-se dificuldades de encontrar os alunos, principalmente os
últimos que vivem em Mueda devido aos ataques dos insurgentes nos distritos vizinhos.
30

CAPÍTULO III: APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DE DADOS

Neste capítulo faz-se a apresentação e discussão de dados obtidos na pesquisa baseada


nas técnicas de recolha de dados (entrevista e questionário). Estas técnicas permitiram
recolher informações relevantes para o presente estudo. Neste caso, estes dados obtidos
permitiram conhecer os motivos que levam ao abandono escolar das alunas,
concretamente da escola em estudo.

Assim sendo, os professores foram codificados da seguinte maneira: P1- professor-1,


P2- professor-2 e para o director da escola, o código foi DE. Igualmente foram
codificados os entrevistados: MCL1- membro da comunidade local 1, MCL2- membro
da comunidade local 2 e PCE- presidente do conselho da escola.

3.1. Apresentação e discussão dos dados do questionário dirigido ao


director da escola e professores

Para apreender a percepção dos professores e director da escola em relação à


problemática do abandono escolar das alunas nesta instituição de ensino usou-se o
questionário que foi aplicado a três (03) professores, igualmente usou-se as mesmas
questões ao director. O grupo alvo da pesquisa foi codificado para permitir a
confidencialidade de informações obtidas.

Após a recolha dos questionários, efectuou-se a sua verificação, análise e registo de


informações deles constantes procedendo depois ao tratamento de dados
estatisticamente. Este procedimento possibilitou elaborar tabelas e gráficos
demonstrativos dos dados obtidos que se consideraram relevantes para o estudo.

Assim, foco da apresentação e discussão dos resultados centrou-se nas seguintes


questões (vide Apêndice 1):

1. Existem nesta escola casos de abandono escolar?


2. Quem mais abandona a escola (homem ou mulher)?
3. Existem nesta escola alunas casadas?
4. Quem abandona, com maior frequência, a escola (aluna casada ou não
casada)?
5. Na sua opinião, o que leva as alunas abandonarem a escola?
31

6. O que a escola faz para evitar o abandono escolar?


7. Qual é o comentário que faz em relação ao abandono escolar das alunas, em
particular?

A partir destas questões obteve-se diferentes opiniões, que por sua vez permitiram
elencar os seguintes aspectos:

Questão 1: Existem nesta escola casos de abandono escolar?

Em relação a esta questão, os questionados afirmaram existir casos de abandono escolar.

Exemplos:

DE: “sim”.

P1: “sim”.

P2: “sim”.

Tabela 1: Existem nesta escola casos de abandono escolar?

Respostas Participantes Percentagem


Sim 3 100%
Não 0 0%
Total 3 100%
Fonte: Autor 2021

Estes dados correspondem a 100 % das respostas dadas pelos questionados que afirmam
haver o caso de abandono escolar na instituição em estudo.

A tabela acima descrita revela claramente a existência de casos de abandono escolar.

Gráfico 1: Quem mais abandona a escola (homem ou mulher)?

Quem mais abandona a escola?


33%
Mulheres
Depende
67%

Fonte: autor 2021


32

O gráfico apresentado acima revela que o grupo que mais abandona a escola é de
mulheres, pese embora um dos questionados não revele o grupo de mulheres nem
homens.

Gráfico 2: Quem abandona, com maior frequência, a escola (aluna casada ou não
casada)?

Quem abandona mais a escola?

33% alunas casadas


alunas não casadas

67%

Fonte: autor 2021

Segundo o gráfico, os dados revelam que quem abandona mais a escola é aluna casada.
Estes dados obtidos por meio do questionário dão a entender a influência de alguns
factores sociais que fazem com que a rapariga abandone a escola.

Nas áreas rurais, para a rapariga, o casamento e a maternidade perfilam como o único
futuro aceitável. As raparigas tem maior probabilidade do que os rapazes de
abandonarem devido ao casamento prematuro.

De acordo com IVALA & BONNET (1999:38), a ideia que existe é que:

A rapariga foi concebida para cuidar do lar, e como tal ela deve, logo
que atinja a idade adequada, depois de submetida aos ritos de
iniciação, casar-se para ajudar a sua família de proveniência, a suprir
carências de ordem económica através de proventos do marido. Não se
inculca na rapariga, desde cedo, as vantagens que podem resultar da
sua escolarização para a obtenção do emprego, a fim de ajudar melhor
a família.

A concepção da sociedade que vê a rapariga como individuo que deve ajudar a sua
família economicamente por meio de casamento, faz que com que o maior numero de
abandono escolar seja das alunas.
33

Questão 4: Na sua opinião, o que leva as alunas abandonarem a escola?

Esta questão foi feita com objectivo de averiguar as percepções dos intervenientes do
processo educativo (director e professores) em relação aos motivos que levam ao
abandono escolar das alunas. Assim, tem-se a seguinte tabela de dados recolhidos do
questionário.

Tabela 2: Factores do abandono escolar


Factor do abandono escolar Participantes Percentagem
Casamentos 2 67%
Cuidar de crianças 1 33%
Outras causas 0 0%
Fonte: autor 2021

Quando questionados sobre os motivos do abandono escolar das alunas, os dois (2)
professores correspondentes a 67% revelaram causas de casamentos e DE declarou
causas de cuidados de crianças. Assim sendo, há uma concordância de pensamento entre
os intervenientes da escola e o estudo feito por BASSIANO e LIMA (2018:7) salienta
que os casamentos prematuros em Moçambique podem ser a principal causa e
consequências do abandono escolar.

Questão 5: O que a escola faz para evitar o abandono escolar?

Esta questão tinha como objectivo conhecer estratégias ou medidas de intervenção para
o combate ao abandono escolar da escola.

Os participantes do questionário referem a sensibilização como uma das estratégias


usadas para combater o fenómeno.

Por exemplo:

PE1: “A escola sensibiliza as alunas”.

DE: “Palestras do género, campanhas de sensibilização, envolvimento da rapariga nas


actividades extras”.

PE2: “A escola faz sensibilização”.


34

Conforme se pode ver as informações dos participantes, estes foram unânimes em


afirmar que o uso de sensibilização é uma medida de combate ao abandono escolar.

As medidas que os participantes do questionário referem, corroboram a ideia de


DUCLOS (2006) quando salienta que para combater o abandono escolar deve “levar os
alunos a reconhecerem a utilidade concreta das actividades escolares propostas para a
sua vida actual e futura”.

3.2. Apresentação e Discussão de Dados da Entrevista aos Membros da


Comunidade e Presidente do Conselho da Escola

Neste ponto dedica-se a apresentação e discussão dados obtidos através da entrevista


efectuada aos dois (2) membros da comunidade local e o presidente do conselho da
escola.

Portanto, para se efectivar o trabalho investigação, a entrevista baseou-se nas questões


fechadas e abertas, assim, se apresentam as perguntas fechadas no quadro a seguir:

Tabela 3: Casos de abandono escolar

Respostas Percentagem
Questões
Sim Não Sim Não
É residente deste bairro? 2 1 67% 33%
Tem educando que estuda na Escola
2 1 67% 33%
Primária do 1º e 2º Grau de Mueda?
Existem nesta comunidade casos de
3 0 100% 0%
alunas que abandonam a escola?

Tem educanda que abandonou a escola? 1 2 33% 67%

Fonte: autor 2021

Como se pode ver no quadro acima descrito, 67% dos entrevistados são residentes do
bairro, onde se localiza a escola em estudo, prova de que os entrevistados conhecem a
realidade da escola e o comportamento dos alunos. Ademais, os entrevistados têm
educandos que frequentam naquela escola e 100% dos entrevistados afirmam haver
casos de abandono escolar naquela instituição de ensino.
35

Porém, quando questionados se tinham educandas que abandonaram escola, 67%


negaram ter educandas com este comportamento e um destes, correspondente a 33%
afirmou ter educanda que abandonara a escola.

Tabela 4: Causas do abandono escolar

Percentagem
Causas do abandono escolar Sim Não
Sim Não
Casamento prematuro 3 0 100% 0%
Responsabilidade de cuidar das
3 0 100% 0%
outras crianças
Fraco desempenho na escola 0 3 0% 100%
Fonte: autor 2021

Quanto ao abandono escolar, segundo as percepções dos entrevistados 100% dos


entrevistados alegam casamento prematuro das alunas, responsabilidade de cuidar das
outras crianças, negando a ideia de que o abandono escolar tenha como causa o fraco
desempenho na escola. A percepção destes entrevistados vai de acordo com DIAS
(2010:29-30), quando apresenta uma lista de causas para o abandono escolar tal como
definidas por BARBER e McCLELLAN (1987) e coloca causas familiares:
responsabilidades (nas tarefas domésticas, maternidade na adolescência, etc.) e
problemas familiares; nível de instrução considerado suficiente para a actividade
profissional, levando ao inicio da actividade laboral e a um aumento da falta de
interesse pela escola; problemas financeiros; e necessidade de começar a trabalhar, que
tal como na causa anterior pode estar relacionado com a necessidade do aluno de ganhar
dinheiro para ajudar a economia familiar ou para o seu próprio sustento.

Tendo em consideração estas causas, entende-se que os casamentos prematuros levam


os jovens a assumir outras responsabilidades para além da escola, responsabilidades
estas que podem prejudicar ao aluno a não continuar com os estudos.

Ainda na sequência das questões, pretendeu-se saber o seguinte:

Tem deixado e/ou viu educando a cuidar das outras crianças em tempo de aulas?

O objectivo desta questão foi de aferir dos entrevistados os casos de abandono escolar
provenientes de responsabilidades de os alunos ficarem em casa a cuidar das outras
crianças.
36

Em reacção a esta questão, os entrevistados correspondentes a 100% confessam, um


(MCL2) ter deixado o seu educando a cuidar das outras crianças, principalmente quando
a sua esposa viaja e por falta de alguém para cuidar dos mais novos em algum momento
obrigou a sua educanda a cuidar dos seus irmãos, outros dois (MCL1 e PCE) terem
visto educandos a cuidar das outras crianças em tempo de aulas.

As atitudes descritas no parágrafo antecedente são sustentadas pelo pensamento de


DUCLOS (2006), afirmando que o interesse pela escola e pelos conteúdos escolares
depende, em grande parte, dos valores vinculados pelo meio familiar. Se os pais
raramente lêem, não têm qualquer vivência intelectual e se interessam pouco pelas
actividades escolares dos seus educandos, estes tendem a proceder da mesma forma.
Neste sentido, a motivação pela aprendizagem depende, frequentemente, da qualidade
da relação que a criança mantém com os pais. Quando há uma convivência salutar entre
pais e filhos, e quando a relação é enriquecedora, o aluno adopta os valores a que a
família atribui importância.
Entretanto, o comportamento negativo da família em relação a escola pode influenciar
no abandono escolar dos alunos.
Ainda na senda das perguntas compostas no guião de entrevista, pretendeu-se saber dos
entrevistados o seguinte:

Como educador, o que faz para evitar o abandono escolar do seu educando?

Esta questão teve como objectivo conhecer as medidas ou estratégias usadas pelos
entrevistados para combater o abandono escolar.

No que diz respeito a esta questão, os entrevistados apresentaram as seguintes


medidas/estratégias de combate ao abandono escolar:

MCL1: “sensibilizar para evitar o abandono escolar”.

MCL2: “aconselhar as raparigas nas reuniões da turma pelos seus professores”.

PCE: “aconselhar para evitar casamentos precoces”.

Conforme se pode depreender, as medidas dos entrevistados são positivas para combater
o abandono escolar, pese embora não sejam suficientes olhando para aquilo que são os
37

factores apresentados pelos autores na revisão da literatura descrita no primeiro capítulo


do presente trabalho.

Ainda neste ponto, importante referir que o Manual que orienta O Conselho de Escola
de Moçambique sempre responsabiliza o órgão pela garantia da retenção de todas as
crianças matriculadas no ensino primário até o fim de cada ano lectivo.

Para encerrar a entrevista colocou-se a seguinte questão:

Na sua opinião, fale sobre abandono escolar das alunas.

Esta questão visou aferir dos entrevistados as percepções que têm em relação ao
abandono escolar, mas neste ponto, os entrevistados falaram de forma livre do
conhecimento do fenómeno.

Portanto, dessas entrevistas obteve-se as seguintes declarações:

MCL1: “Os conselhos a dar as alunas para não abandonar as aulas são:

a) evitar as raparigas a usar telemóveis (redes sociais);


b) o uso de preservativos nos momentos de relações sexuais;
c) diminuir o acesso das viagens nocturnas”.

MCL2: “Existem muitas crianças que abandonam a escola, sobretudo as raparigas,


através de casamentos prematuros, cuidar outras crianças e actividades domésticas.
Estes são grandes factores que contribuem o abandono escolar”

PCE: “Os conselhos a dar as alunas para não abandonar as aulas são:

a) evitar fazer sexo precoce;


b) evitar gravidez antes dos 18 anos;
c) deixar fazer sexo antes de casamento;
d) não fazer filhos no período estudantil.”

Segundo estas declarações, os entrevistados mostram interesse em combater o abandono


escolar que se verifica no seio das raparigas da sua comunidade escolar. Como pode se
constatar, os entrevistados têm conhecimentos sobre as medidas que possibilitam o
combate ao abandono escolar.
38

Portanto, a opinião dos entrevistados aponta para a necessidade de haver uma interacção
entre os intervenientes do processo educativo dos alunos.

Este prisma corrobora com o pensamento de BÉLIVEAU (2006) que defende o


seguinte: quando a escola não se apresenta, por excelência, como um espaço de
desenvolvimento das relações de solidariedade e cooperação para além de prejudicar a
aprendizagem dos alunos, também contribui para a decisão de desistência por parte dos
alunos.
39

Conclusão

O abandono escolar, como definido anteriormente, resume-se a desistência de


frequência da escola por parte dos alunos numa idade tida como obrigatória para
frequentar a escola.

Segundo os dados colhidos através dos dois instrumentos de recolha de dados


(questionário e entrevista), seguida de apresentação e discussão de dados baseados na
revisão da literatura sobre o fenómeno em estudo, ditaram chegar-se as seguintes
conclusões:

No que tange ao problema do abandono escolar das alunas, avaliou-se que este facto é
extremamente preocupante, pois necessita de uma rápida intervenção por parte das
autoridades competentes.

Da investigação feita pode-se concluir que existe uma lista de factores de abandono
escolar identificados, estes factores são sociais, fraccionados em dois: problemas de
casamentos prematuros e problemas de responsabilidades de cuidar das outras crianças.

No que tange ao primeiro factor social de casamento, as raparigas acabam abandonando


a escola por se envolverem em casamentos prematuros. As raparigas abandonam a
escola por obrigações que tem tido nos seus lares, estas devem cuidar dos afazeres de
casa, abdicando as actividades da escola.

Este estudo a par dos estudos realizados por outros pesquisadores sobre o tema
constatou que o abandono escolar dos alunos, especialmente das alunas é motivado
grandemente por casamentos prematuros.

No segundo factor social de responsabilidades de cuidar das outras crianças a que referir
que algumas famílias não dão importância os estudos dos seus filhos. Estes deixam os
seus filhos mais velhos a cuidar dos mais novos em tempos de aulas, inibindo desta
forma a continuidade de estudos.

Face a estes aspectos aqui descritos e para que se possa mitigar este processo, carece o
comprometimento da escola, da família, da comunidade e de forma individual. este
comprometimento visa superar ou combater o abandono escolar verificado na Escola
Primária do 1º e 2º Grau de Mueda-Sede.
40

E como forma de ajudar a superar este fenómeno, este estudo sugere o seguinte:

 Criar um espaço/gabinete sócio-psicopedagógico onde precocemente se faça


aconselhamento de alunas em risco de abandonar a escola;
 Solicitar aos intervenientes escolares para que se estabeleça relações mais
regulares entre si e com os pais ou encarregado de educação;
 Tentar que os professores e os pais tenham ocasião de desenvolver relações
harmoniosas;
 Responsabilizar a família a aprendizagem e permanência dos alunos na escola,
bem como incutir um acompanhamento mais próximo das actividades
desenvolvidas na escola;
 Adoptar estratégias/medidas apresentadas neste estudo para combater o
abandono escolar dos alunos;
 Desencorajar os casamentos prematuros efectuados pelos alunos, informando-
lhes os perigos que deles advêm.
 Por último, é importante responsabilizar o conselho de cada escola primária para
preparar os membros integrantes, a fim de que procurem formas de erradicar
esse fenómeno.
41

Referências Bibliográficas

AZEVEDO, J. Inserção no Mercado de Trabalho: Um estudo de casos. Colecção


Cadernos PEETI – Plano para Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil.
Ministério do Trabalho e da Solidariedade, 1999.
BASSIANO, Victor & LIMA, Cláudia Araújo de, Casamentos Prematuros em
Moçambique: Causas e Consequências do Abandono Escolar. 2018.
BÉLIVEAU, M.-C. No regresso das aulas: O lugar dos pais na aprendizagem escolar.
Lisboa, Grande Público, 2006.

BENAVENTE, A., et al. Renunciar à Escola: O Abandono Escolar no Ensino Básico.


Lisboa, Fim do Século, 1994.
CASTRO, C. F. V. Abandono Escolar – Factores e Estratégias de Combate, 2010. Tese
de Mestrado não publicada, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila
Real, Portugal. (consultado a 25/08/2020 em:
http://repositorio.utad.pt/bitstream/10348/617/1/MsC_cfvcastro.pdf)

CASTRO, Marta Luz Sisson de & WERLE lá via Obino Corrêa, Produção do
conhecimento na obra de Administração da Educação – Periódicos
Nacionais – 1982- 2000-“ CDROOM, Porto Alegre PUCRS, FAPERGS,
2002.

DIAS, A.M. Eu não desisto de aprender: Abandono Escolar nos jovens. Beja, Escola
Superior de Educação de Beja, 2010. (consultado a 20.08.2020 em:
http://www.cpihts.com/PDF05/Ana%20Margarida%20Dias.pdf)

DUCLOS, G. Orientar o meu filho na sua vida escolar. Lisboa, Grande Público. 2006.
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo, Atlas, 1999.
_________. Como Elaborar Projectos de Pesquisa. 4ª ed. São Paulo, Editora Atlas,

2002.

IVALA, Adelino Zacarias & BONNET, João Alberto de Sá. Educação da Rapariga na

Zona Norte: relatório de pesquisa. Nampula, Abril de 1999.

LOPES, M. C.,et al. Abandono Escolar Precoce: Dados de uma Investigação Empírica.
42

Revista Portuguesa de Psicologia, Ano 42 -1, 135-151, 2008. (consultado a


25.08.2020 em http://iduc.uc.pt/index.php/rppedagogia/article/view/1231/679)
LÜDKE, M.& ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas.
São Paulo, EPU, 1986.
MARCONI, Marina. A. & LAKATOS, E. Maria. Fundamentos de Metodologia
Cientifica. São Paulo, Editora Atlas, 2003.
MELO, C.F. Construção de um instrumento de diagnóstico de crianças e jovens em
risco de abandono escolar. Tese de Mestrado não publicada, Instituto Superior
de Ciências do Trabalho e da Empresa, Lisboa, Portugal, 2008. (consultado a
21.08.2020 em: http://repositorio.iscte.ptbitstream/10071/1652/1/Disserta
%C3%A7%C3%A3o%20Mesrado%20(fi nal).pdf)
OLIVEIRA, A.M. O Regresso à Escola dos Alunos em Abandono Escolar: Contributo
de um Programa Integrado de Educação e Formação. Tese de Mestrado não
publicada, Universidade Portucalense, Porto, 2009. (consultado a 20.08.2020
em:http://repositorio.uportu.pt/dspace/bitstream/123456789/160/1/TME%20371
RUMBERGER, R.W. Why students drop out of school and what can be done. Santa
Barbara University of California, 2001. (consultado a 24/08/2020 em:
http://education.ucsb.edu/rumberger/internet%20pages/Papers/RumbergerNRC
%20dropout%20paper%20version%2012%20with%20figures.doc)
VICÊNCIO, A.M. et al. Abandono Escolar. Lisboa: Faculdade de Ciências e
Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, 2004. (consultado a 20/08/2020
em: http://pessoa.fct.unl.pt/amv10999/interesses/SocioEdu/TrabFinal.pdf)
COMISSÃO EUROPEIA. Combater o Abandono Escolar Precoce: Um Contributo
Essencial para a Estratégia «Europa 2020». Bruxelas, Comissão Europeia,
2011 (consultado a 26.08.2020 em: http://ec.europa.eu/education/school-
education/doc/earlycom_pt.pdf).
xliii

Apêndices
xliv

Guião de Questionário dirigido aos professores e director


1ª Categoria

Identificação do entrevistado.

1. Função que desempenha. ___________________________________________


2. Há quanto tempo desempenha a função. _______________________________

2ª Categoria

Conhecimento sobre o abandono escolar

1. Existem nesta escola casos de abando escolar? ___________________________


2. Quem mais abandona a escola (homem ou mulher)? ______________________
3. Existem nesta escola alunas casadas? __________________________________
4. Quem abandona, com maior frequência, a escola (aluna casada ou não casada)?
________________________________________________________________
5. Na sua opinião, o que leva as alunas abandonarem a escola?
6. O que a escola faz para evitar o abandono escolar?
________________________________________________________________
________________________________________________________________
7. Qual é o comentário que faz em relação ao abandono escolar das alunas, em
particular?

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

Obrigado pela colaboração!


xlv

Guião de Entrevista dirigido aos membros da comunidade local e


Presidente do Conselho da Escola

Esta entrevista visa colher dados sobre abandono escolar das alunas. As
informações que aqui forem colhidas servirão para o desenvolvimento da pesquisa
na Universidade Rovuma, Departamento de Ciências de Educação e Psicologia,
curso de Ensino Básico com Habilitações em Gestão e Administração Educacional.
Para preservar a imagem do nosso colaborador, o tratamento será anónimo.

Categoria A: Dados de identificação do entrevistado

1. É residente deste bairro?


2. Há quanto tempo reside neste bairro?
3. Tem educando que estuda na Escola Primaria do 1º e 2º Grau de Mueda?

Categoria B: Conhecimento sobre abandono escolar

1. Existem nesta comunidade casos de alunas que abandonam a escola?


2. Tem educanda que abandonou a escola?
3. Se sim, qual foi a causa que a levou a abandonar a escola?
4. Acha que as causas do abandono escolar das alunas são:
4.1. Casamento prematuro da aluna?
4.2. Responsabilidade de cuidar das outras crianças?
4.3. Fraco desempenho na escola?
5. Tem deixado e/ou viu educando/a a cuidar das outras crianças em tempo de
aula?
6. Como educador, o que faz para evitar o abandono escolar do seu educando?
7. Na sua opinião, fale sobre abandono escolar das alunas.

Agradecemos a colaboração!
xlvi

Anexos

Você também pode gostar