Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Departamento de Engenharia de Telecomunicações


Curso de Propagação

Capítulo 7 (Parte 1)– Sistemas Difratados


PROPAGAÇÃO SOBRE A TERRA ESFÉRICA E LISA
NA ZONA DE DIFRAÇÃO

Prof. Julio Cesar Dal Bello


PROPAGAÇÃO SOBRE A TERRA ESFÉRICA E LISA
NA ZONA DE DIFRAÇÃO
(Recomendação P.526 da UIT-R)

Distância ao Horizonte − Rádio


α ( mrad ) = 3 7λ( m )
d 1( HR ) = 2 .a e .h1 = 2 . K .a .h1
Aproximação a e = K .a = K . 6370 km
da Óptica
Geométrica Horizonte-Rádio (HR) d 1( HR ) = 3,57 K . h1 ( m ) km
H/R=0,6
B

A No trecho AB, resolver À medida que o receptor se afasta do


para o ponto A por Horizonte-Rádio, a Série dos Resíduos
Aproximação da Óptica converge rapidamente, e considera-se
Geométrica e para o ponto apenas o seu 1º termo (no ponto B o erro
B (Horizonte-Rádio) pela é menor que 2 dB).
Rec 526. Interpolar os A solução é dada pela Rec. 526 da UIT-R,
resultados para qualquer item 3.1 - Diffraction loss for over-the-
ponto entre A e B. horizon paths (solução numérica ou por
nomogramas).
Série de Resíduos Série de Resíduos
converge lentamente converge rapidamente

A solução por Série de Resíduos é válida tanto na Zona de Interferência (ZI) quanto na Zona de Difração (ZD)
PROPAGAÇÃO SOBRE A TERRA ESFÉRICA E LISA
NA ZONA DE DIFRAÇÃO – MÉTODO NUMÉRICO

As características elétricas da superfície da Terra, que influenciam na perda


por difração, podem ser determinadas através do fator normalizado para
admitância de superfície, K (KV – Pol Vertical e KH - Pol Horizontal).

Em unidades práticas:
ae: raio equivalente da Terra (km)
σ: condutividade (S/m)
f: frequência (MHz)
ε: permissividade relativa efetiva
3
Valores típicos de K

Método Numérico

Se K < 0,001 - as
K KV
características elétricas da
superfície não são
importantes.

Se K > 0,001 - o campo


elétrico é calculado através
de expressões matemáticas.
KH
Método Numérico - K > 0,001

O módulo do campo elétrico difratado E relacionado ao módulo do


campo elétrico no espaço livre é dado pela equação:

Ganho das Alturas das


Termo da Distância
Antenas

Onde:
X: é a distância normalizada do enlace
Y1 e Y2: são alturas normalizadas das antenas

Esta equação dá resultado negativo. Se o resultado for positivo, o


método é inválido ! 5
DETERMINAÇÃO DA(S):
X - DISTÂNCIA NORMALIZADA DO ENLACE
Y1 e Y2 - ALTURAS NORMALIZADAS DAS ANTENAS

Onde:
d: distância (km)
ae: raio equivalente da Terra (km)
h: altura da antena (m)
f: frequência (MHz)

Para:
• Polarização horizontal em todas as frequências;
• Polarização vertical sobre a terra acima de 20 MHz;
β=1
• Polarização vertical sobre o mar acima de 300 MHz.

Para:
• Polarização vertical sobre a terra abaixo de 20 MHz;
• Polarização vertical sobre o mar abaixo de 300 MHz.

Onde σ é expresso em S/m, f (MHz) e k é o fator que compensa a curvatura dos raios na curvatura
da Terra (ae = k.a; a=6370 km é o raio da Terra). 6
TERMO DA DISTÂNCIA E GANHO DAS ALTURAS

Termo da distância:

Ganho das Alturas (de transmissão e recepção):


Y>2

10K < Y < 2


K/10 < Y < 10K
Y < K/10
ae: raio equivalente da Terra (km) K:
σ: condutividade (S/m) KV – Pol Vertical
f: frequência (MHz) KH - Pol Horizontal
ε: permissividade relativa efetiva
PROPAGAÇÃO SOBRE A TERRA ESFÉRICA E LISA
NA ZONA DE DIFRAÇÃO – MÉTODO GRÁFICO

Quando o primeiro termo da Série dos Resíduos é dominante, a seguinte expressão pode
ser utilizada para determinar o campo recebido, em relação ao campo de espaço livre:

Atenuação de propagação:

Onde: Aprop = Ao + Ad + Ah1 + Ah2


E: módulo do campo recebido
E0: módulo do campo no espaço livre para a mesma distância
d: distância do radioenlace
h1 e h2: altura das antenas TX e RX sobre a Terra esférica
Esta equação dá resultado negativo. Se o resultado for positivo o método é
inválido !
As funções F(d) - efeito da distância ; e H(h1), H(h2) - ganho das alturas de
transmissão e de recepção, são obtidas por nomogramas.
EXEMPLO: São conhecidos os seguintes dados de um
radioenlace marítimo:
• Frequência: 250 MHz
• Distância: 110 km
• Polarização: Vertical
• Fator K da região: 2
• Altitude de Transmissão: 150 metros 8
• Altitude de Recepção: 20 metros
Ad= 28 dB

Efeito da Distância: F(d)


d= 110 km

fhip= 62,5 MHz

Se k ≠1 ou k ≠ 4/3; na 9
escala k=1 usar fhip = f / k2
RX)- H(h1), H(h2)
h2= 150 m

Ganho de Altura (TX e RX)


Ah1= - 11 dB

Ah2= + 10 dB
h1= 20 m
fhip= 176,8 MHz

*
Se k ≠1 ou k ≠ 4/3; na 10
escala k=1 usar fhip = f / k1/2
Determinação da Atenuação de Propagação

Atenuação de espaço livre:

A0 = 32,4 + 20 log d(km) + 20 log f(MHz) = 121,2 dB


(d = 110 km ; f = 250 MHz)

Atenuação de propagação:

Aprop = Ao + Ad + Ah1 + Ah2 dB

Aprop = 121,2 + 28 -11 + 10 dB

Aprop = 148,2 dB
* Ganho de altura para polarização vertical sobre o mar

Muito próximo à superfície terrestre, o módulo do campo elétrico


recebido praticamente independe da altura, fenômeno este
importante em caso de polarização vertical sobre o mar.
Neste caso, se a linha auxiliar interceptar o segmento de reta
vertical AB, deve-se ajustá-la de forma a tocar o topo do
segmento em A, mantendo-se o ponto referente à frequência de
operação (na escala de k).

12
Atenuação de Propagação - Aprop
(ou Perda Básica de Transmissão)

E
Aprop = A0 + Adif = A0 − 20 log
E0

A0 = 32,4 + 20 log d km + 20 log f MHz dB


Método Numérico - K > 0,001

Método Gráfico:

13