Você está na página 1de 7

ORIGEM DOS SINAIS

Adição ( + ) e subtração ( - )

O emprego regular do sinal + ( mais ) aparece na Aritmética Comercial de


João Widman d'Eger publicada em Leipzig em 1489.
Entretanto, representavam não à adição ou à subtração ou aos números
positivos ou negativos, mas aos excessos e aos déficit em problemas de
negócio. Os símbolos positivos e negativos vieram somente ter uso geral na
Inglaterra depois que foram usados por Robert Recorde em 1557.Os
símbolos positivos e negativos foram usados antes de aparecerem na
escrita. Por exemplo: foram pintados em tambores para indicar se os
tambores estavam cheios ou não.

Os antigos matemáticos gregos, como se observa na obra de Diofanto,


limitavam-se a indicar a adição juntapondo as parcelas - sistema que ainda
hoje adotamos quando queremos indicar a soma de um número inteiro com
uma fração. Como sinal de operação mais usavam os algebristas italianos a
letra P, inicial da palavra latina plus.

Multiplicação ( . ) e divisão ( : )

O sinal de X, como que indicamos a multiplicação, é relativamente


moderno. O matemático inglês Guilherme Oughtred empregou-o pela
primeira vez, no livro Clavis Matematicae publicado em 1631. Ainda nesse
mesmo ano, Harriot, para indicar também o produto a efetuar, colocava um
ponto entre os fatores. Em 1637, Descartes já se limitava a escrever os
fatores justapostos, indicando, desse modo abreviado, um produto
qualquer. Na obra de Leibniz escontra-se o sinal para indicar
multiplicação: esse mesmo símbolo colocado de modo inverso indicava a
divisão.
O ponto foi introduzido como um símbolo para a multiplicação por G. W.
Leibniz. Julho em 29, 1698, escreveu em uma carta a John Bernoulli: "eu não
gosto de X como um símbolo para a multiplicação, porque é confundida
facilmente com x; freqüentemente eu relaciono o produto entre duas
quantidades por um ponto . Daí, ao designar a relação uso não um ponto
mas dois pontos, que eu uso também para a divisão."

As formas a/b e , indicando a divisão de a por b, são atribuídas aos


árabes: Oughtred, e, 1631, colocava um ponto entre o dividendo o divisor. A
razão entre duas quantidades é indicada pelo sinal :, que apareceu em 1657
numa obra de Oughtred. O sinal ÷, segundo Rouse Ball, resultou de uma
combinação de dois sinais existentes - e :

Sinais de relação ( =, < e > )

Robert Recorde, matemático inglês, terá sempre o seu nome apontado na


história da Matemática por ter sido o primeiro a empregar o sinal = ( igual )
para indicar igualdade. No seu primeiro livro, publicado em 1540, Record
colocava o símbolo entre duas expressões iguais; o sinal = ; constituído
por dois pequenos traços paralelos, só apareceu em 1557. Comentam
alguns autores que nos manuscritos da Idade Média o sinal = aparece como
uma abreviatura da palavra est.
Guilherme Xulander, matemático alemão, indicava a igualdade , em fins
do século XVI, por dois pequenos traços paralelos verticais; até então a
palavra aequalis aparecia, por extenso, ligando os dois membros da
igualdade.

Os sinais > ( maior que ) e < ( menor que ) são devidos a Thomaz
Harriot, que muito contribuiu com seus trabalhos para o
desenvolvimento da análise algébrica.

Operações fundamentais com números

* Adição

A primeira operação fundamental na Matemática é a adição. Esta operação


nada mais é que o ato de adicionar ou adir algo. É reunir todas as frações
ou totalidades de algo.

A adição é chamada de operação. A soma dos números chamamos de


resultado da operação.

Relembrar: 10 + 5 = 15

10 e 5 são as parcelas; 15 é a soma ou resultado da operação de adição. A


operação realizada acima denomina-se, então, ADIÇÃO.

A adição de dois ou mais números é indicada pelo sinal +.

Para calcular a adição, colocamos os números em ordem de unidade,


dezena, centena e milhar. Feito isto pode ser efetuada a soma da operação
adição.

Exemplo:

1.253 + 2.715

MILHA DEZEN UNIDAD


CENTENA
R A E
1 2 5 3
2 7 1 5

Resultado: Adiciona-se 1 milhar a 2 milhares = 3 milhares (3 mil), adiciona-


se 2 centenas a 7 centenas (9 centenas), adiciona-se 5 dezenas a 1 dezena
(6 dezenas), adiciona-se 3 unidades a 5 unidades(8 unidades), então 3.968
é o resultado (ou seja, a soma) da operação adição dos números
1.253+2.715.
Diante da operação de adição, são retiradas algumas propriedades,
que serão definidas:

1) Observe: 4 + 5 = 9 4 + 5 = 5 + 4 onde 5 + 4 = 9

Deduz-se :

a. 4 + 5 e 5 + 4 possuem a mesma soma.


b. As ordens das parcelas não alteram o resultado da soma.
c. A propriedade que permite trocar ou mudar (comutar, permutar) a
ordem das parcelas é a propriedade comutativa.

A propriedade comutativa da adição é representada pela sentença: a + b =


b + a e é denominada comutativa da adição.

2) Consideramos três parcelas 5, 4, 2, assim são indicadas: (5+4)+2.


Efetuando a operação de adição entre parênteses temos o resultado a soma
9, na seqüência adicionamos a número 2, e mediante isto temos o resultado
final a soma 11.

Isto é: (5+4) + 2 = 11 (resultado soma final)

Observe, agora, a soma final conforme outra indicação:

5 + (4+2) = 11 (resultado soma final).

Deduz-se :

Na adição de três parcelas, é indiferente associar as duas primeiras e


posteriormente a terceira, ou associar as duas últimas e posteriormente
associar a primeira. Esta propriedade tem como denominação propriedade
associativa.

Assim fixa-se esta propriedade: a + (b+c) = (a+c) + b

3) Tendo como base os últimos exemplos, conclui-se que existe um número


que não altera a o resultado final da soma, mesmo comutando a ordem das
parcelas. Este número é o zero (0).

Assim fixa-se esta propriedade: a+0 = 0+a = a (Neutro da adição)

* Subtração

A subtração é o ato ou efeito de subtrair algo. É diminuir alguma coisa. O


resultado desta operação de subtração denomina-se diferença ou resto.

Relembrar: 9 – 5 = 4

Essa igualdade tem como resultado a subtração.

Os números 9 e 5 são os termos da diferença 9-5. Ao número 9 dar-se o


nome de minuendo e 5 é o subtraendo.
O valor da diferença 9-5 é 4, este número é chamado de resto ou excedente
de 9 sobre 5.

Veja as análises abaixo:

1. 10 – 10 = 0 > O minuendo pode ser igual ao subtraendo.


2. 9 – 11 > é impraticável em N, é o mesmo que escrever 9 – 11 não
pertence N.

Assim, o subtraendo deve ser menor ou igual ao minuendo, para que uma
operação de subtração se realize em N.

A operação de subtração nem sempre é viável entre dois números naturais.


Então, é necessário que em uma subtração em N, o minuendo seja maior ou
igual ao subtraendo.

Diante da operação de subtração, são retiradas algumas


propriedades, que serão definidas:

a. O conjunto N não é fechado em relação à operação de subtração, pois


4 – 5 não pertence a N.
b. A subtração em N não possui elemento neutro em relação à operação
de subtração:

6 – 0 = 6 Entretanto: 0 – 6 ≠ 6

Logo: 0 – 6 ≠ 6 -0

c. A subtração no conjunto N não admite propriedade comutativa, pois:


4 – 5 ≠ 5 – 4.
d. A subtração no conjunto N não aceita a propriedade associativa, pois
(10 – 4) – 2 ≠ 10 – (4-2)

A operação de subtração pode ser considerada como a operação inversa da


adição.

Considerando:

7 + 2 = 9 “equivale a” 7= 9 – 2

7 + 2 = 9 “equivale a” 2= 9 - 7

Concluindo: a) A subtração é inversa a adição. b) Uma das parcelas é igual a


soma menos a outra.

Observe esta sentença:

Y + a = c ou a + y = c

Suponha que a e c são dois números naturais conhecidos e x também é um


número natural, mas desconhecido. De que modo é possível calcular o valor
de x?
Desta forma: a + c = a ou a + y = c > y = a - c

* Multiplicação

É a ação de multiplicar. Denomina-se a operação matemática, que consiste


em repetir um número, chamado multiplicando, tantas vezes quantas são as
unidades de outro, chamado multiplicador, para achar um terceiro número
que representa o produto dos dois.

Definindo ainda, multiplicação é a adição de parcelas iguais, onde o produto


é o resultado da operação multiplicação; e os fatores são os números que
participam da operação.

a. b = c a.b > fatores c > produto da operação.

De um modo mais amplo e um pouco avançado, podemos expressar:

A + a = a x 2 ou a.2 ou simplesmente 2a

Y + y +y = y x 3 ou y.3 ou simplesmente 3y

W+w+w+w+w+w = w x 6 ou w.6 ou simplesmente 6w

Diante da operação da multiplicação, são retiradas algumas


propriedades, que serão definidas:

a. a propriedade que permite comutar (ou trocar/mudar) a ordem dos


fatores é a propriedade comutativa, no caso da operação de
multiplicação e pode ser assim simbolizada:

a . b = b . a ou a x b = b x a Comutativa da multiplicação

b. para fazer o cálculo 4.5.6, pode ser usado este caminho :

(4.5) . 6 > Calcula-se primeiro o que se encontra dentro dos


parênteses (que é 20), em seguida multiplica-se por 6, dando o
resultado = 120

A essa regra de associar fatores da operação multiplicação chama-se


associativa da multiplicação.

c. A propriedade comutativa nos permite que seja usado:

1 . x = x ou x.1 = x

É fácil checar que qualquer que seja o número colocado no lugar do


X, terá como produto da operação o próprio X.

Então podemos notar que o elemento neutro da multiplicação é o


número 1.
d. Multiplicando-se dois números naturais o resultado será sempre um
número natural que pode ser traduzido a propriedade do fechamento
da multiplicação

A pertence N e B pertence N (a.b) pertence N

* Divisão

É o ato de dividir ou fragmentar algo. É a operação na matemática em que


se procura achar quantas vezes um número contém em outro ou mesmo
pode ser definido como parte de um todo que se dividiu.

À divisão dá o nome de operação e o resultado é chamado de Quociente.

1) A divisão exata

Veja: 8 : 4 é igual a 2, onde 8 é o dividendo, 2 é o quociente, 4 é o divisor, 0


é o resto

A prova do resultado é: 2 x 4 + 0 = 8

Propriedades da divisão exata

a. Na divisão em N não vale o fechamento, pois 5 : 3 não pertence a N


b. O conjunto N não têm elemento neutro em relação a divisão, pois 3:1
= 3, entretanto 1:3 não pertence a N. Logo 3:1 é diferente de 1:3
c. A divisão em N não tem a propriedade comutativa, pois 15 : 5 é
diferente de 5: 15
d. A divisão em N não tem a propriedade associativa, pois (12:6) : 2 = 1
é diferente de 12 : (6:2) = 4

Pode-se afirmar que a divisão exata tem somente uma propriedade.

Observe este exemplo: (10 + 6) : 2 = 16 :2 = 8

(10+6):2 = 10:2 + 6 :2 = 8

O quociente não sofreu alteração alguma permanecendo o mesmo 8.


Chamamos então esta propriedade de distributiva da divisão exata
válida somente para direita, com relação às operações de adição e
subtração.

Um dos mandamentos da matemática é JAMAIS DIVIDA POR ZERO. Isto


significa dizer que em uma operação o divisor tem que ser maior do que
zero.

2) A divisão não-exata

Observe este exemplo: 9 : 4 é igual a resultado 2, com resto 1, onde 9 é


dividendo, 4 é o divisor, 2 é o quociente e 1 é o resto.

A prova do resultado é: 2 x 4 + 1 = 9
De um modo geral na divisão :

Operação divisão exata: D:d = q > d.q = D, onde D = dividendo, d = divisor,


q = quociente e o resto é subentendido “igual a zero”.

Operação divisão não-exata : D = d.q + r, onde D = dividendo, d = divisor,


q = quociente, r é o resto.

Nas próximas lições veremos mais sobre os principais temas de matemática


para concursos.

Até a próxima.