Você está na página 1de 22

Tema 1

Comportamento Organizacional
Profª Ma. Ana Maria de Vasconcelos Silva
Introdução ao Comportamento
Organizacional – Novo Contexto
Palavras chave: Comportamento, Visão
sistêmica, Mudança.

Comportamento Organizacional -
Conceito
O estudo da estrutura, do funcionamento
e do desempenho das organizações,
bem como do comportamento
2
nizações, dos grupos e indivíduos. (PUGH, 1971).

Ciências que Integram o CO


Psicologia – percepções, motivação,
aprendizagem, estresse.
Teorias psicossociais – Comportamento
dos grupos, poder, liderança, conflito,
3
estresse no trabalho e avaliação de
desempenho;

Sociologia – ambiente organizacional,


tecnologia, estrutura, conflito e
mudança;
Antropologia – análise cultural
4
Ciência política - análise do poder,
política,processo decisório

O CO baseia-se no Método
Científico
• Previsibilidade e a habilidade de
generalizar de uma situação para
outra;
• Burns e Stalker (1961), estudaram
5
sistemas gerenciais orgânicos e
sistemas gerenciais mecânicos –
bases para o entendimento da
abordagem da Contingência.

Abordagem Contingencial
• Está orientada para o desenvolvimento
de ações gerenciais mais apropriadas
a uma situação especifica e às
pessoas envolvidas

Mapa de Campo (Modelo de estudo CO)


As organizações são influenciadas:
• 1- Contexto: Político, Econômico,
Social, Tecnológico, Legal, Ecológico
e Ético – PESTLEE;
7
• 2 – Indivíduo
• 3 – Grupo
• 4 – Organização
• 5 – Resultados (Organização e indiví -
duo)

Comportamento Organizacional
• Da organização espera-se maior
eficiência, eficácia e efetividade.
• Do trabalhador maior grau de
atualização e satisfação.
8
• Linhas ascendentes e descendentes
ao lado do cone representa a comunicação
(decorrente do fluxo intragrupos,
intergrupos e da organização
com seu ambiente.

Ponto de Partida - Visão


Sistêmica
• Teoria dos Sistemas Gerais (1950) –
permite análise e síntese da organização
em um ambiente complexo e dinâ
mico. As partes da organização são
9
como subsistemas inter-relacionados
dentro de um supra-sistema

Comportamento Organizacional
• Sistema – qualquer entidade, conceitual
ou física, composta de partes interrelacionadas,
interatuantes ou interdependentes,
dotada de um objetivo.
10
dependentes, • Ex – automóvel – composto de várias
partes (subsistema).
• Homem – vários subsistemas.

Sistema Orgânico x Sistema


Mecânico
• Sistema Aberto (orgânico) – está em
contínua interação com seu ambiente;
• O organismo social assemelha-se a um
organismo individual.
11
• Sistema fechado - mecânico - Obedece
as leis da física.

Características de um Sistema
1 – Insumos (entradas, inputs) – funcionamento
do sistema – recursos materiais,
humanos, financeiros e tecnológicos;
12
gicos;
2 – Processamento – entradas processadas
e transformadas em saídas ou resultados;

3 – Exsumos (produto, output) – insumos


transformados em produto – ambiente;
4 – Entropia – tendência a desagregação.
Os sistemas fechados, sujeitos
à entropia. E os orgânicos – transfor-
13
transformada
em entropia negativa, ou homeostase;

5 – Homeostase – oposto da entropia.


6 – Retroalimentação-feedback – influência
que as saídas provocam sobre as
entradas a fim de equilibrar o funcionamento
do sistema;
7 - Decomposição do sistema em subsis-
14
subsistema.

Objetivo do Sistema
Charles Perrow(1972), “o motivo
principal desta distinção de tipos de
objetivos é saber qual ponto de vista
está sendo adotado [...] os objetivos
da organização não só são múltiplos
15
como também podem ser conflitantes,
e que podem ser atingidos, todos de
uma só vez, ou um após outro numa
sequência”.

Sistema Sociotécnico
Estruturado
• O subsistema técnico – tarefas a serem
implementadas, incluindo equipamento,
ferramentas e técnicas operacionais;
• Subsistema social – pessoas que se
16
relacionam, interagem e que executarão
as tarefas.

Subsistemas Técnico e Social


• Influenciam-se mutuamente e são
interdependentes.
• O sistema social determina a efetividade
e eficiência da utilização da tecnologia.
• Superando - Escola Clássica (técnico) e
17
Escola de Relações Humanas (social);

Modelo PESTLEE
Diante da multiplicidade de fatores que
integram o modelo , serão abordados
três fatores:
1) Novas tecnologias;
2) Nova demografia;
18
3) Globalização

1) As novas tecnologias
1ª Onda: Química
• Impacto na área do petróleo e
derivados;
19
• Impacto na saúde da população
• Impacto na agricultura
• Impacto na produção de tecidos e
vestuário (final da 2ª guerra)

Comportamento Organizacional
• Jornal do Brasil - 1930 - 1999.

2ª Onda: Física
• O tubo de vácuo e, por extensão, o
rádio e a televisão, assim como os
primeiros tratamentos na área da
21
saúde com agentes radioativos;
• Efeitos negativos: bomba nuclear,
novos armamentos.

Comportamento Organizacional
• Evolução do rádioRevista: O Cruzeiro

3ª Onda: Tecnologia da Informação


• A eletrônica e a tecnologia da
informação, fundamentadas no
desenvolvimento do transistor, vieram
dominar o último terço do século;
23
• A televisão se propaga, invenção do
microprocessador, PC, celular, internet
• Biologia – considerada uma próxima
onda em andamento;
• Biociências, genética e outras subáreas
– tem o potencial de contribuir
com a saúde, a longevidade humana e
24
a manutenção do ambiente;
• Na produção de alimentos, novas formas
de combustíveis.
9
2) A Nova Demografia
• Envelhecimento progressivo;
• Maior expectativa de vida;
• Aposentadoria e imigração, assuntos
de maior preocupação;
25
• Maior crescimento para empresas
voltadas para educação continuada
dos adultos já educados.
3) Globalização
• Sistema econômico global, mudança
geopolítica, maior condição de produção,
de competição e de interdependência;
26
pendência;
• A “globalização” neologismo forjado
para designar a articulação crescente
dos territórios econômicos, sociais e
culturais.
Mudanças
• Ritmo e velocidade acelerados;
• Compactação temporal – redução
de tempo - exploração econômica;
• Turbulência ambiental – velocida-
27
velocidade
no âmbito da mudança que circunda
uma organização.

10
Estática Ambiental x Turbulência
Ambiental
• Estática ambiental – operavam as
organizações tradicionais;
• Turbulência ambiental – devem atuar
as organizações inovadoras;
28

Sistema Fechado
• Disfuncionais, não acompanha a inovação;
• A eficiência organizacional (processamento
interno, racionalidade admi-
29
samento administrativa)
em detrimento da eficácia
(resultados) e da efetividade (relevância
social).
Sociedade do Conhecimento
• Exige do indivíduo uma constante
atualização, adquirindo maior flexibilidade
e capacidade de adaptação
diante das novas situações;
• Educação formal – substitui a expe-
30
experiência;
• Necessidade de educação permanente.
11
Os Pilares da Educação
(Jacques Delors)
• Aprender a ser - competência pessoal
• Aprender a conviver – competência
social
• Aprender a fazer - competência
31
produtiva
• Aprender a aprender - competência
cognitiva
Educação e a Atualização do
Conhecimento
• Expansão do conceito de inteligência
por Howard Gardner;
• Os testes de QI enfatizando as
habilidades verbais e matemáticas;
32
• Propõe a existência de várias
inteligências humanas relativamente
autônomas.
Gardner (1983) - Sete
Inteligências
• Lógica-matemática – engenheiro, contador;
• Lingüística - jornalista, professor;
• Musical - compositor
33
• Espacial - navegador, arquiteto;
• Cinético-corporal - bombeiro, atleta,
ator;
• interpessoal e intrapessoal – pesqui-
• sador.
12
Pedagogia Revolucionária
(Paulo Freire)
• Propõe a educação de adultos como
prática de liberdade;
• A educação problematizadora funda-
34
fundamenta-
se na relação dialógica entre
educador e educando, que possibilita
a ambos aprenderem juntos, por meio
de um processo emancipatório.
Organizações de Aprendizagem
(Peter Senge)
• Organização de aprendizagem – é
composta por um grupo de pessoas
que procuram, em bases contínuas,
35
aprimorar sua capacidade de criar seu
próprio futuro.
Peter Senge Propõe Cinco
Componentes
• 1º domínio pessoal;
• 2º modelos mentais;
• 3º visão compartilhada;
36
• 4º aprendizagem em grupo (diálogo e
discussão);
• 5º pensamento sistêmico.
13
Inteligência Emocional (Daniel
Goleman)
• As emoções têm efeitos importantes
na adaptação e tem poderosos efeitos
na cognição;
• Habilidades de inteligência emocional:
37
autocontrole, zelo e persistência, e a
habilidade de se automotivar.
Conceito de Aprendizagem
• Processo de aquisição da capacidade
de usar o conhecimento, que ocorre
como resultado da prática e da
experiência crítica, e que produz uma
38
mudança relativamente permanente
no comportamento.
Abordagens da Aprendizagem
• Abordagem tradicional de educação –
educação bancária;
• Abordagem maiêutica (Sócrates) – cada
indivíduo tem dentro de si todo o
39
potencial para a aprendizagem e que a
função do professor é de intermediário.

Indivíduo e Comportamento:
Percepção e Personalidade
Palavras chave: Comportamento,
Personalidade, Percepção
CQMD EAD1

Personalidade -Conceito
Personalidade é um conjunto de traços
psicológicos com propriedades particulares,
relativamente permanentes e
organizados de forma própria. Hereditariedade
x Ambiente
2

Teorias da personalidade
Abordagens e teorias da personalidade:
1) A Teoria dos Traços da personalidade;
2) A Teoria psicodinâmica; 3) A teoria
humanista; 4) Abordagem integrativa.

1) Teoria dos Traços


A organização dinâmica dos sistemas
psíquicos no indivíduo determinam seu
comportamento e modo de pensar
caracter ístico (Gordon Allport, 1937).
4
Para Jung (1923). Extroversão - inclinação
do indivíduo para coisas externas
a ele;
introversão - inclinação do indivíduo de
explorar sentimentos e experiências.
5
BIG FIVE: 1 -Extroversão (assertiva e sociável);
2 -Agradabilidade (cooperativa e
agradável); 3 Consciência (organizada e
confiável); 4-Estabilidade emocional
(calma/autoconfiante) 5-Abertura à experiência
(criativa, culta).
6
3
2)Teoria Psicodinâmica(Freud)
Influência de conteúdos: conscientes,
pré-conscientes e inconscientes;
Estrutura dinâmica da personalidade -
por 3 sistemas: Id - ego - superego.
7
Mecanismos de defesa
Processos psíquicos com objetivo de
afastar um evento gerador de angústia
da percepção consciente. São funções
do ego e são inconscientes.
8
Teoria Humanista
Ênfase na pessoa humana, em sua
totalidade e unicidade.
A teoria de Carl Rogers é identificada
como representante da psicologia
humanista.
9
4
Carl Rogers - estrutura de personalidade
de único constructo, o qual
denominava self, hoje conhecido como
autoimagem.
Autoimagem é a imagem mental de si.
10
A autoimagem pode não ser coerente
com suas experiências.
Incongruente Incoerência entre a
auto-imagem de uma pessoa e sua
experiência real.
Congruente coerente.
11
Abordagem Integrativa
Visão integrativa e sistêmica da
personalidade. Como resultado da
associação de emoções, cognições,
atitudes, expectativas e fantasias; Foco
na pessoa nas variáveis situacionais.
12
5
Aplicação na organização
Jung - pessoas são fundamentalmente
diferentes,mas também semelhantes;
Em sua obra Tipos Psicológicos ,
avançou identificando também tipos
de percepção, julgamento.
13
Percepção (informação) e julgamento
(tomada de decisão) representam
funções mentais básicas. Tipos de
percepção: sentindo/intuindo;
julgamento: pensando e sentindo;
14
Extroversão(E)/Introversão(I): energia
(E) relação interpessoal (relação social
ampla); (I) pelo tempo (modesta);
Preferências X habilidades sociais.
15
6
Tipo Psicológico
Percepção: Sentir/Intuir -Sensor (S) Atento
à informação; intuidor (N) Sexto sentido.
Julgamento:Pensando/Sentindo
Pensando/objetivo; Sentindo/visão pessoal
16
Percepção
A percepção é um processo
psicológico que a estrutura biológica
dos seres humanos conforma (necessidade);
Percepção é socialmente condicionada
(historicidade/padrões linguistico).
17
guistico).
Percepção - elementos da memória, do
raciocínio, do juízo e do afeto, portanto,
acopla-se às qualidades objetivas dos
sentidos outros elementos subjetivos e
próprios de cada indivíduo.
18

Percepção
O homem é o criador de valores, mas
esquece sua própria criação, e vê
neles algo de transcendência, de
eterno e verdadeiro, quando os valores
não são mais do que algo humano
(Nietzsche,1973).
23

Motivação
A palavra motivo é de origem latina. Em
latim, o verbo movere significa por em
movimento, mover. É um fator interno
que determina o comportamento de uma
pessoa numa dada situação.
25
A motivação é um processo que liga a
emoção à ação; Motivo é tudo aquilo
que impulsiona (externo ou interno) a
pessoa a agir de determinada forma.
26
Motivação- abordagens teóricas
Abordagem Clássica;
A teoria das necessidades humanas;
Teoria dos dois fatores;
Douglas McGregor e motivação humana.
27
na.
10
Abordagem Clássica
Baseada nos princípios fundamentais da
Administração Científica de Frederick
Taylor;
O dinheiro é o melhor dos motivadores.
28
Teoria das necessidades humanas
Abraham Maslow (1962), propõe um
ponto de equilíbrio entre necessidades
biológicas e sociais e integra muitos
dos conceitos motivacionais.
29
A hierarquia das necessidades de
Maslow é uma organização de
necessidades segundo suas prioridades.
E é representada por uma
pirâmide.
30

As necessidades na base da pirâmide


são as mais básicas. São necessidades
fisiológicas essenciais à sobrevivência,
como a necessidade de comida, água,
de uma temperatura estável no corpo
etc.
31
32
Teoria dos dois fatores
Frederick Herzberg Desenvolveu a
teoria a partir de uma pesquisa
realizada com 203 engenheiros e
contabilistas sobre o que lhes
agradava e desagradava em seus
trabalhos.
33
12
Fez a distinção entre fatores higiênicos e
motivacionais. Fatores higiênicos são
extrínsecos ao individuo, benefícios
recebidos no trabalho - salário, segurança
no cargo,relações interpessoais;
34
Fatores motivacionais são intrínsecos
ao profissional: status, responsabilidade;
oportunidade de reconhecimento;
riqueza do trabalho, desafios.
35
McGregor e a motivação humana
Para McGregor existem duas concepções
sobre a natureza humana: a
tradicional (teoria X) e a moderna
(teoria Y).
36
13
Teoria X
Premissas distorcidas da natureza humana
e que predominaram no passado.
Pessoas são preguiçosas e indolentes;
evitam o trabalho e a responsabilidade;
ingênuas e sem iniciativas.
37
bilidade; Precisam ser dirigidas.
Teoria Y
As pessoas são esforçadas; responsáveis;
trabalho visto como atividade
natural; Portanto, automotivadas e
autodirigidas, criativas e competentes.
38
Incentivos
Extrínsecos ligados ao ambiente (salário,
benefícios, promoção);
Intrínsecos inerentes a natureza
humana da tarefa (autonomia, autorespeito,
etc).
39
respeito,
14
Stress Gerencial
Primeiro autor a publicar sobre o
conceito de stress foi Hans Selye.
Explicou as reações do estresse
através da síndrome de adaptação
geral(SAG).
40
Stress Ocupacional
Define-se em três aspectos (1)
estímulos estressores: estímulos do
ambiente de trabalho que exigem
respostas adaptativas e que excedem a
habilidade de enfrentamento (coping)
do trabalhador;
41
estressores: física (barulho, ventilação
e iluminação) ou psicossocial (papéis,
fatores intrínsecos ao trabalho,
aspectos interpessoal, autonomia/
controle e os fatores relacionados ao
desenvolvimento da carreira.
42
15
(2) respostas aos eventos estressores:
respostas (psicológicas, fisiológicas e
comportamentais) que os indivíduos
emitem quando expostos a fatores do
trabalho que excedem sua habilidade
de enfrentamento;
43
(3) estímulos estressores-respostas: O
estresse ocupacional como um
processo em que o indivíduo percebe
demandas do trabalho como estressores,
ao exceder sua habilidade de
enfrentamento, provocam respostas
negativas.
44
Reação psicológicas (raiva, ansiedade,
medo; Reação fisiológica (excitação
autônoma,flutuações hormonais;
Reações Comportamentais (agressivo,
passividade,compensação, defensivo).
45
16
Fatores individuais
Efeitos do estresse na saúde física
(personalidade de tipo A e B). Tipo A
competitiva, impaciente, urgência
temporal, raiva e hostilidade. Tipo B
tranquilo, paciente, sossegado e
amigável.

Do Grupo: sua Importância e


Atuação
Palavras chave: Grupo, Equipe, Tipos de
equipe
CQMD EAD1

Grupo de Trabalho
• É um conjunto de duas ou mais pessoas
que interagem umas com as outras e
dividem algumas tarefas, visando
objetivos inter-relacionados. Distinção -
grupo de união de pessoas.
2
Equipe de Trabalho
• Equipe de trabalho é um tipo de grupo
de trabalho com propriedades
específicas: ações interdependentes e
coordenadas; cada membro deve ter um
papel específico determinado; tarefas
com o mesmo objetivo.
3

Grupo e Equipe
• Todas as equipes são grupos, mas nem
todos os grupos são equipes.
• Grupo –pessoas realizam tarefas
sozinhas;
4
• Equipe – Não podem realizar tarefas
sem os outros membros de sua equipe.
Grupos
• Conceitos: papéis, normas e coesão de
grupo. Papéis – papel claramente
definido. (formais e informais).Normas –
são regras informais aceitas pelos
membros de um grupo de trabalho
(código de vestimenta...).
5
• Coesão de Grupo – é a soma de forças
que atrai os membros do grupo e o
mantém unido;
• Coesão – membros mais satisfeitos e
melhor desempenho.
6
3
Equipe ou Grupo Psicológico
Satisfeitas duas condições:
• Existência de vínculo emocional;
• Interdependência - objetivos.
7
Perfil do Grupo Psicológico
• 1)Mínimo duas pessoas. 2)Rede de
comu-nicações. 3)Sentido
compartilhado de iden-tidade coletiva.
4)Objetivos comuns, que se
complementam. 5) Estrutura do grupo.
8
• O conceito de equipe deve ser
entendido dinamicamente. A equipe
pode se trans-formar em grupo ou um
grupo em equipe. Dois fenômenos
conduzem a esses movimentos:
liderança e mudanças situa-cionais.
9
4
a) Liderança - mantém atado o laço
emocional. (Fortalece ou enfraquece).
b)Mudanças situacionais - Reengenharia
de processos; Alterações de
estruturas; Transformações
10
tecnológicas.
Vantagens da Equipe
• Melhor tratamento das informações;
Apoio nas situações de incerteza;
Sentido de pertencer: interligação
social; Maior gera-ção de idéias (força
coletiva) soluções melhores;
11
• Interpretação mais flexível dos fatos e
situações; Fidelidade às decisões
toma- das; Aceitação das diferenças
individuais; Aproveitamento das
potencialidades indi- viduais
(integração);
12
5
Tipos de Equipe
• 1) Equipes funcionais.
• 2) Equipes resolutoras de problemas.
• 3) Equipes cross-funcionais
(integração).
13
• 4) Equipes auto-gerenciadas.
• 5) Equipe virtual
(obj,pessoas,conexões) .
Equipes
• 1)Funcionais- formadas por indivíduos
que trabalham juntos em um conjunto
de tarefas interdependentes. Ex. RH.
• 2)Resolutoras de problemas –
implemen- tam soluções aos
14
problemas detectados.
• 3) Cross-funcionais –
integração,coordena as múltiplas
equipes.
• 4) Auto-gerenciadas – tarefas
gerenciais.
• 5) Virtual – nova modalidade de
15
atuação.

Da Organização e do Mundo
Organizacional
Palavras chave: Organização, Liderança,
Processo decisório
CQMD EAD4

Organização
É uma articulação ou arrumação
deliberada de pessoas que visa realizar
um ou mais propósitos específicos
usando determinada tecnologia.
Compõe elementos: propósitos,
pessoas, estrutura e tecnologia.
17
Organizações tradicionais
• Estáveis; inflexíveis, empregos
permanen- tes; gestores tomam a
decisão; força de trabalho
homogênea; horário determinado;
relações hierárquicas; estruturas
burocrá-ticas.
Novas Organizações
• Dinâmicas; flexíveis, empregos
temporá- rios; colaboradores
participam do processo decisório;
orientados pela demanda; heterogênea;
horário indefinido; relações em redes e
19
estrutura adhocrática.
Liderança
• Envolve influencia nas atitudes,
crenças, comportamentos e
sentimentos de outras pessoas.
• Lideranças formal e informal.
20
Modelos de Liderança
• Traços - preocupa-se com as
características pessoais dos bons
líderes.
• Modelo Comportamental da Liderança.
Quais comportamentos do líder são
eficazes.
21

Modelo dos Traços


• Crença de que é possível determinar as
características de um bom líder. Quem
é um bom líder em uma determinada
situação, seria em qualquer outra.
22
Modelo comportamental
• Atenção para o que o líder faz.
Relações centradas nas tarefas.
Aponta duas dimensões: consideração
e estabeleci- mento da estrutura.
23
• Consideração – relações de trabalho
baseadas em confiança mútua e
empatia.
• Estabelecimento da estrutura – define
seus próprios papéis, os de seus
subordinados e estabelecem
objetivos.
24

• Alta produtividade;
• Líderes - desprezam a dimensão consideração
– absenteísmo e alto turnover.
• Limitação do modelo comportamental
– falta de atenção aos efeitos da
25
situação.
Modelos Contingenciais
• Identificar características de liderança
e comportamento que sejam efetivas
em situações específicas: líder,
empregados, equipe,estrutura e as
tarefas da equipe, do departamento ou
da organização.
26
Modelo Contingencial de Fiedler
• A teoria de Fiedler é chamada de
modelo contingencial da liderança –
sustenta que a eficácia da orientação
de um líder depende tanto dos
seguidores do líder quanto da
situação.
27

• 1)Relações líder-membro – qualidade do


relacionamento dos subordinados.
2)Estru- tura da tarefa – clareza das
tarefas dos subordinados. 3)Poder de
posição –poder e influência do líder,
incluindo a habilidade de recompensar e
28
aplicar punições.
• Fiedler desenvolveu a estrutura
motivacio- nal do líder. A estrutura
motivacional é avaliada por um relatório
autodescritivo, chamado de escala do
pior colega. A escala consiste em 18
itens de adjetivos opostos.
29
Ética
• “Ética” é um conceito discutido pelo ser
humano desde a antigüidade.
• no idioma grego a palavra éthos está
ligada à filosofia moral e êthos à ciência
dos costumes.
30
11
• Éthos, segundo Aristóteles, expressa
um modo de ser, uma atitude psíquica,
aquilo que o homem traz dentro de si na
relação consigo próprio, com o outro e
com o mundo. Compromisso de cada
indivíduo com sua coletividade.
31
• êthos como Ciência dos Costumes, a
ética trata dos deveres sociais do
homem e de suas obrigações entre si na
comunidade. A conduta moral tem como
base a disciplina, a adaptação à vida
grupal e a autonomia da vontade.
32
Processo Decisório
• Decidir é escolher entre duas ou mais
alternativas. Só quando há conflito ou
pelo menos discordância em relação ao
curso de ação a ser seguido, mais de
uma alternativa, haverá necessidade de
decisão.
33

Modelos de Tomada de decisão


• Abordagem tradicional: teoria clássica
da decisão e modelo econômicoracional;
• Modelo prescritivo de tomada de
34
decisão;
• Modelo descritivo
Abordagem Tradicional
• O modelo da decisão racional ou modelo
econômico-racional - teorias clássicas
do comportamento econômico. Premissa
básica - pessoas tentam maximizar seus
resultados econômicos individuais.
35
Modelo Prescritivo
• Técnicas específicas, procedimentos e
processos - decisão mais eficiente.
• Victor Vroom enfatiza que os líderes
alcançam sucesso por meio de decisões
eficazes.
36

• O modelo de Vroom identifica quatro


estilos gerais de decisão da liderança:
autoritário, consultivo, delegador e
baseado no grupo.
• Esses quatro estilos foram divididos em
sete estilos específicos de decisão.
37
• Modelo da árvore de decisão - propõe
que o estilo de liderança mais eficaz
depende de características da situação e
dos seguidores. O modelo faz oito
perguntas específicas. Três sobre a
situação e cinco sobre os seguidores –
qual dos sete estilos é melhor.
38
Modelo Descritivo
• Decisão afeta fatores: Personalidade do
indivíduo; relações de grupo;
distribuição do poder na organização;
pressões ambi- entais; informações
disponíveis e conside- rações
39
estratégicas da organização.

Do Propósito e dos Resultados


Organizacionais, Humanos e
Sociais
Palavras chave: ReAdministração, Autoatualização,
Responsabilidade social
CQMD EAD1

ReAdministração

• É uma forma de gerir as organizações


contemporâneas, que as tornem
organiza- ções eficientes, eficazes e
efetivas (responsabilidade pública e
cultivem a ética) e indivíduos satisfeitos
e recompensados.
2
Eficiência Organizacional
• Preocupa-se em criar trabalhos que
poupem tempo, energia humana,
matérias-primas e outros recursos
produtivos – engenharia industrial

• Engenharia industrial - objetiva


maximizar a eficiência dos métodos,
instalações e materiais utilizados na
produção de bens comerciais: métodos
e processos.
4
• Engenharia de métodos – originada da
obra de Frederick Taylor sobre
Administração científica. Procura
melhorar os métodos de execução do
trabalho. Dois esforços associados:
engenharia de processo e a engenharia
dos fatores humanos.
5
• Engenharia de processo – estuda a
sequência de tarefas exigidas para
produzir um determinado bem ou serviço
e o modo como essas tarefas se ajustam
em um trabalho integrado. (seres
humanos x máquinas).
6
3
• Engenharia de fatores humanos ou
ergonomia – projetam máquinas e
ambientes de trabalho de forma que se
adaptem às capacidades e às
limitações humanas.
7
Área de estudo da Ergonomia:
• 1)Aspectos físicos da interface
usuário-máquina (tamanho, forma,
cor, textura e métodos de operação de
mostradores e controles (automóveis,
eletrodomésticos e equipa- mentos
industriais e comerciais.
8
• 2) Aspectos cognitivos da interface
usuário-máquina – Instruções; diálogo
entre computador e usuário. 3)
Desenho e layout do local de trabalho–
relações detalhadas entre mobília e
equipamentos.
9
4
• 4) Ambiente físico – Efeitos de
clima,ruído e vibração,iluminação e
substâncias químicas ou agentes
biológicos de contaminação sobre o
desempenho e a saúde das pessoas.
10
Críticas:
• Trabalhos super-simplificadostrabalhadores
entediados, insatisfeitos
(absenteísmo e rotatividade).
• Consequências para saúde – stress
repetitivo (LERs).
11
Eficácia Organizacional
• É a medida do sucesso na consecução
de metas e objetivos (rentabilidade,
cresci- mento, participação de
mercado, qualidade do produto,
eficiência e estabilidade).
12
5
• Satisfaz demandas de vários grupos
que proporcionam recursos
necessários à sua sobrevivência
(clientes, fornecedores,
funcionários,acionistas, legisladores).
13
A eficácia é influenciada:
• estrutura da organização- mecanicistas
ou orgânicas.
• Contingências estruturais – (maturação,
tamanho, normas de propriedade,
tecnologia e ambiente externo).
14
Efetividade
• Ética e responsabilidade pública.
Relevân- cia das ações da organização
para a população. Compromisso social.
15
6
Satisfação no trabalho
• É um sentimento agradável que resulta
da percepção de que o trabalho realiza
ou permite a realização de valores
importantes relativos ao próprio
trabalho.
16
Três componentes chaves: valores,
impor- importância dos valores e
percepção.
• Satisfação no trabalho é uma função
de valores. Locke define valores como
“o que uma pessoa deseja obter
consciente ou inconscientemente.
17
• Locke distingue valores e necessidades.
• Necessidades – exigências objetivas do
corpo e valores são exigências
subjetivas.
• A impor tância que atr ibui a esses
18
valores.
• E a Percepção da situação atual -
valores.
7
Satisfação no trabalho
• Perspectiva ambiental – características
do trabalho e das organizações;
• Perspectiva da personalidade e
Perspectiva de interação – ambiente +
personalidade.
19
Perspectiva ambiental:
• Características do trabalho – motivadas
pela tarefas, se agradável e
interessante. (variedade das
habilidades, identidade da tarefa,
importância da tarefa, autonomia e
feedback no trabalho).
20
Perspectiva da personalidade
• Traços de personalidade (big five). O
tipo consciência e afabilidade
apresentam maior correlação com o
desempenho e que certas dimensões
tinham maior correlação com certos
21
trabalhos.
8
Perspectiva da interação
• Interação dos fatores pessoais e do
trabalho.
• Comprometimento organizacional (a
aceitação dos objetivos organizacionais;
disposição para trabalhar com afinco e
22
desejo de permanecer na organização.
Responsabilidade Social
• A responsabilidade social ecoa, a "nova
ordem mundial" da globalização, a "nova
ordem social", a "nova restruturação de
trabalho" e até uma "nova ordem de
pensamento".
23
• Ser responsável, do latim responsabile, é a
qualidade daquele que é responsável. O ser
responsável está ligado ao outro, assume
os efeitos de suas ações e estas são
sempre da ordem do social, a responsabilidade
é sempre social.
24
9
• A responsabilidade social é percebida
como uma modificação da postura do
empresariado. A idéia é a de transformar
o objetivo de "negócio do negócio" para
"negócio do social", favorecendo a
dinâmica social sustentável. (Melo Neto,
2002).
25
• A responsabilidade social articula vários
segmentos sociais, (Estado,
organizações e comunidades) abrange
múltiplas dimensões (econômica, social
e ambiental), exige condutas ética e
cidadã e envolve campos (cultural,
simbólico e imaginário).
26
• A relevância, a gravidade e a
complexidade dos problemas sociais e
ambientais no mundo todo exige
soluções rápidas, precisas e viáveis,
com o envolvimento da comunidade e a
participação do governo e do setor
27
privado.

• O empresariado participa colocando à


disposição da sociedade seus recursos
financeiros, tecnológicos e econômicos
para promover melhoria na qualidade de
vida da população humana.
28
Papel social da organização
• Responsabilidade social – compromisso
com o social.
• Obrigação social – econômicas e leis.
• Responsividade social – adaptação a
nova ordem social.

COMUNIAÇÃO
Palavras chave: Comunicação
Organizacional; Tipos de comunicação e
comunicação eficaz
Profª Ma. Ana Maria de Vasconcelos Silva
2
Comunicação
• Comunicação provém do latim
“communie”, fazer alguma coisa juntos.
O objetivo principal de fazer alguma
coisa juntos é levar informações ou
conhecimentos de uma pessoa a outra
de maneira tão exata quanto possível
(Bohm,2005).
3
• A Comunicação envolve transações
entre pessoas. Processo de passar
informações e compreensão de uma
pessoa para outra.
• Utiliza fenômenos psicológicos e sociais
em contextos interpessoais, grupais,
organiza- cionais e de massa.
2
4
Modelo básico de comunicação
• Modelo universal - 5 elementos:
emissor (codificação), veículo,
receptor (decodi- ficador), ruído e
feedback.
• Codificação – idéia do comunicador é
traduzida em símbolos da língua.
5
• Veículo – portador da mensagem
(sentidos humanos – discurso oral que
utiliza a audição, escrita que utiliza a
visão ou o tato (Braille) e a
comunicação não-verbal (gestos e
expressões corporais), tecnologia (fax,
e-mail, internet e telefone).
6
• Decodificação – mensagem traduzida pelo
receptor.
• Ruído – fatores que podem distorcer uma
mensagem. Pode ocorrer em qualquer
etapa do processo.
• Feedback – retroalimentação.
3
7
Críticas:
• Abordagem mecanicista - comunicação
é um processo linear onde o receptor é
umente passivo.
• Limitada para a análise da comunicação
humana em geral.
8
• Formas de comunicação:
• Verbal (oral e escrita) e não verbal (gestos
e expressões corporais).
• Fluxo de informação - de cima para baixo
- de baixo para cima e lateral.
• Canais de comunicação: formal e informal
9
• O modelo proposto estuda os sinais
em seu estado físico, ignorando os
níveis semânticos, subjetivos,
seletivos e pragmáticos da
comunicação.
4
10
Semânticos
• Interpretação de palavras.
• Decodificação de gestos.
• Significado de sinais e símbolos.
• Sentido das lembranças.
11
Humanas (subjetivas)
• Variação perceptiva.
• Diferenças de sensitividade.
• Diferentes personalidade.
• Limiar de sensação.
12
• A comunicação está diretamente ligada
a percepção e a motivação.
• A percepção depende dos sistemas
sensoriais, das condições físicas:
espaço e objetos (tamanho, forma,
textura, cor, odores, sabores,
impressões e sons);
5
13
• Propriedades dinâmicas: movimento,
mudança, tempo.
• Percepção de acontecimentos físicos:
estrutura dos acontecimentos
• Identificação dos objetos: qualidades
simples e complexas
14
• Propriedades expressivas e afetivas.
• Cultura, personalidade.
• Percepção e estados do indivíduo
(experiência, motivação, influências
fisiológicas);
15
Organização perceptual
• Diferenciação do campo perceptual.
• Figura e fundo.
• Agrupamento perceptual
(semelhança, proximidade, boa
forma).
6
16
• O componente afetivo na percepção
contribui para que algumas impressões
possam ser captadas mais intensamente
que outras, dependendo: a) interesse
afetivo, b) atitude pensada; c) estado de
ânimo; d)situação emocional do
percebedor.
17
• Motivo é tudo aquilo que impulsiona a
pessoa a agir de determinada forma; O
impulso à ação pode ser provocado por:
• estímulo externo (ambiente).
• estímulo interno (processos mentais).
18
As necessidades variam: indivíduo para
indivíduo; produz diferentes padrões de
comportamento; valores sociais
diferentes; diferentes capacidades para
atingir os objetivos;necessidades,
valores sociais e as capacidades variam
nomesmo individuo.
7
19
• Clima organizacional - o conceito de
motivação – ao nível individual – conduz
ao de clima organizacional – ao nível da
organização
20
• O clima organizacional está
intimamente relacionado com o grau de
motivação de seus participantes,
influencia o estado motivacional das
pessoas e é por ele influenciado